Carta de Conjuntura


Carta de Conjuntura econômica produzida pelo diretor de economia da Abinee, com base em informações da Sondagem Conjuntural realizada mensalmente pelo Departamento de Economia junto às empresas associadas e, também, nos aspectos econômicos do país.

Atividade industrial: sinais positivos no primeiro trimestre  

Os dados do primeiro trimestre deste ano revelam uma recuperação incipiente da produção da indústria de transformação, após a longa estagnação observada desde a saída da pandemia em 2022/23, conforme mostram o Quadro 1 e o Gráfico 1. Os dois segmentos industriais mais correlacionados com o setor elétrico e eletrônico (bens de capital e bens duráveis de consumo) tiveram crescimento expressivo no primeiro trimestre, tanto na comparação com o trimestre anterior quanto com o primeiro trimestre de 2023. A única exceção foi o setor de bens de capital, cuja produção ainda está ligeiramente abaixo da do ano passado.

É claro que ainda é prematuro projetar esses resultados para o restante do ano, mas é razoável esperar que o desempenho deste ano seja melhor do que o dos anos anteriores. Esta afirmação vale particularmente para o setor elétrico e eletrônico, cuja produção física aumentou a um múltiplo da produção industrial no primeiro trimestre. É provável que o período de quedas sucessivas dos anos anteriores, motivadas principalmente pelo ciclo de renovação de estoques típico dos bens duráveis de consumo e amplificado pela pandemia, tenha terminado (vide Carta de Conjuntura de novembro de 2023).      

Entretanto, devemos sempre considerar, ao formar expectativas sobre o futuro, que o Brasil é uma economia de lento crescimento, causado pela quase estagnação da produtividade agregada, pela baixa taxa de investimento e pelo gigantismo e ineficiência do setor público. Nessas condições, que não se modificam no curto prazo, o potencial de expansão econômica fica no intervalo de 1% a 2% ao ano. Tendo em mente essas limitações, os dados do primeiro trimestre para a economia em geral são positivos, como mostra o Quadro 2. O PIB vem crescendo a 1,4% ao ano, segundo o indicador do Banco Central (IBC-Br), a taxa de desemprego caiu perto de 1 ponto percentual e a renda real média, segundo o IBGE, cresceu 1,5% e 4% relativamente a IV-23 e I-23, respectivamente. Essas estatísticas, determinantes do consumo das famílias, são mais ou menos compatíveis com o crescimento de 2,5% e 3,3%, apurado pelo próprio IBGE, do volume de vendas do comércio “ampliado” (que inclui bens duráveis e veículos) (1).  

(*) Inclui bens de informática e comunicações

Para a economia como um todo, as projeções atuais indicam um crescimento mais equilibrado entre os vários setores, ao contrário dos anos anteriores. Prevê-se expansão do PIB pouco inferior a 2% e número próximo a este para a indústria e os serviços. A agropecuária, que foi o carro-chefe de 2023, deve apresentar pequena queda de produção, em virtude do ambiente climático menos favorável e da queda de preços internacionais. A esperada estabilidade da taxa de inflação (ao redor de 4%) e da taxa de câmbio também contribuem para maior estabilidade macroeconômica ao longo do ano.

Essa relativa estabilidade no curto prazo, contudo, não pode ser projetada para períodos mais longos, tendo em vista o profundo desequilíbrio das finanças públicas, que tem se agravado a partir de 2023 com a nova administração federal. A evidência macroeconômica do problema fiscal é o aumento contínuo da relação dívida pública-PIB e a permanência de taxas reais de juro acima das taxas internacionais. Ou seja, o Brasil tem vivido a armadilha da famosa combinação de políticas “easy fiscal-tight money”. A expansão fiscal continuada cria risco sistêmico, ao passo que o controle da inflação exige taxas reais de juro elevadas. Esta é a melhor receita para o baixo crescimento.   

(1) O comércio “restrito” cresceu 2,4% no trimestre

 

Celso Luiz Martone – diretor da área de Economia da Abinee

Fevereiro de 2024 – O cenário do FED para a economia dos EUA e suas implicações para o Brasil 

A última atualização do cenário para a economia dos EUA, divulgado pelo Federal Reserve Board, é mostrada no Quadro 1 abaixo. Este cenário serve de guia para a política monetária e pode ser alterado, de acordo com a interpretação daquele banco central dos dados que vão chegando ao longo dos meses.

Alguns pontos merecem destaque. Primeiro, a taxa de crescimento do PIB entre 2024 e 2026 permanece praticamente estável em 2% ao ano, o mesmo ocorrendo com a taxa de desemprego, projetada em 4% da força de trabalho. Segundo, a taxa de inflação que serve de base para as decisões de política monetária (PCE), assim como o núcleo do CPI, convergem para a meta de 2% ao ano em 2026. Terceiro, chama a atenção a morosidade da queda projetada da taxa básica de juro (fed funds) ao longo do período. Lembrando que neste momento a taxa efetiva está em 5,33% ao ano, ela cairia cerca de 0,75 ponto percentual a cada ano, até atingir 2,60% no longo prazo (após 2026). Implicitamente, o Fed parece considerar uma taxa real ao redor de 0,6% para a fed funds como o nível de equilíbrio.    

Quadro 1

 Cenário do Fed para a economia dos EUA: 2024-26

 

O ponto mais importante do cenário é o curso esperado da fed funds. Como sabemos, ela serve de base para toda a estrutura de juro nos EUA e estabelece um piso também para as taxas de juro ao redor do mundo, dada a elevada mobilidade de capital existente na maioria dos países. No caso do Brasil, a este piso deve ser somada a taxa de risco soberano (medida pelo CDS), hoje ao redor de 150 pontos-base. Isso nos daria um limite inferior para o juro interno (taxa overnight) da ordem de 6,5% para 2024. Considerando uma taxa de inflação de 3,8% ao ano, teríamos um piso de juro real de 2,5-3,0%.

Entretanto, essa conta simples tem que ser triplamente qualificada. Primeiro, a taxa internacional de juro não é o único nem o principal critério que define a política do Banco Central do Brasil. Seu objetivo fundamental é trazer a taxa de inflação para a meta de 3% ao ano. Enquanto a taxa de inflação estiver acima disso, a taxa Selic será fixada acima do piso internacional. Esta é a lógica do regime de metas adotado pelo Brasil. Por exemplo, hoje a taxa esperada para o final deste ano é de 9%, o que nos dá uma taxa real da ordem de 5%, considerando a inflação projetada de 3,8%.

Segundo, devemos considerar que o CDS tem sido bastante volátil, por refletir o grau de aversão ao risco no mercado internacional, como mostra o Gráfico 1. A recente guerra de Israel na Palestina e o possível envolvimento do Irã no conflito geram temores de que o preço do petróleo possa disparar, o que seria danoso para a economia mundial tanto do ponto de vista do crescimento quanto da pressão sobre a inflação. É provável que o CDS suba com o aumento do grau de aversão ao risco e o fenômeno do flight to quality característico dessas situações. Isso significa que, mesmo que a taxa de inflação caminhe para a meta em 2025, o BC manteria uma “gordura” significativa da taxa interna em relação ao piso internacional enquanto a situação política internacional se mantiver tensa e incerta.

Terceiro, o mandato do atual presidente do Banco Central do Brasil termina neste ano e o novo presidente será indicado por um governo que não tem poupado críticas à atual política monetária. Economistas ligados ao governo estendem essas críticas também ao estatuto de independência do BC e aos rigores do regime de metas de inflação. Esses fatos aumentam a incerteza sobre a política monetária a partir de 2025. Devemos lembrar as consequências da subserviência do BC aos propósitos do governo durante o governo Dilma (de 2011 a 2014): inflação superior a 10% ao ano e queda de PIB de 7% entre 2014 e 2016.

Esses vários aspectos devem levar o BC a ser bastante conservador em sua política monetária até o final deste ano, daí a atual previsão do mercado financeiro de que a taxa Selic não desça abaixo dos 9%.   

Gráfico 1

 Credit Default Swap (CDS-Brasil)

Celso Luiz Martone – diretor da área de Economia da Abinee

Janeiro de 2024 – O balanço de pagamentos em 2023

O Brasil tem a típica estrutura de balanço de pagamentos dos países emergentes: déficit em conta-corrente e superávit na conta de capital. No caso brasileiro, o balanço de pagamentos como um todo tem-se mantido razoavelmente equilibrado, permitindo uma quase estabilidade do estoque de ativos de reserva mantidos pelo Banco Central. O déficit em conta-corrente é composto por superávit na balança de comércio (mercadorias) e déficit mais elevado na balança de serviços (serviços propriamente ditos e rendas enviadas ao exterior). Essa estrutura tem permanecido inalterada nas últimas décadas e assim deve permanecer por longo período no futuro, como mostra o Gráfico 1, cobrindo o período 1990-2023.

Nos últimos anos, o déficit em conta-corrente tem-se mantido dentro de limites bastante seguros (ao redor de 2% do PIB), coberto com folga pelo ingresso líquido de capitais de longo prazo (investimento direto). Isso tem sido possível graças aos crescentes superávits comerciais do país.

O Gráfico 2 mostra a composição das exportações pelas três classes de bens: primários, semi-industrializados e manufaturados. Na última década, o aumento do superávit comercial tem sido devido quase que exclusivamente à expansão de exportações dos produtos básicos, advindos da agricultura e da extração mineral, com pequeno aumento dos produtos semi-industrializados (sobretudo processamento de bens primários como carnes, soja e combustíveis fósseis) e praticamente estabilidade dos produtos manufaturados propriamente ditos. Essas tendências revelam a elevada competitividade internacional do país no setor primário e a baixa competitividade no setor industrial. A “prova do pudim” do grau de eficiência do setor industrial é sua capacidade de exportar. A baixa representatividade das exportações industriais (algo ao redor de US$ 100 bilhões/ano) é mais uma evidência da estagnação do setor industrial brasileiro, fenômeno conhecido como “desindustrialização”.

Como se sabe, esse desequilíbrio setorial da economia brasileira se deve a causas bem estudadas e batizadas de “custo Brasil”: sistema educacional precário, baixo investimento em ciência e tecnologia, tributação excessiva e caótica, deficiências de infraestrutura econômica, ineficiência do estado no provimento de bens públicos, proteção elevada ao mercado interno e outros. Porém, apesar de o diagnóstico ser bastante claro, pouco tem sido feito para remover os obstáculos à expansão da indústria.

Dois avanços recentes, que podem contribuir para remover alguns desses obstáculos são a reforma tributária, ainda em discussão no Congresso Nacional, e o programa “Nova Indústria”, lançado pelo Governo Federal em fevereiro de 2024. A reforma tributária pode ser um importante fator redutor do custo Brasil se conseguir redistribuir a carga tributária de forma equitativa entre os grandes setores da economia. Como se sabe, hoje o peso dos impostos está concentrado nas atividades industriais, com tributação bem mais leve sobre agropecuária e serviços. Mesmo mantida a carga atual, o novo sistema tributário reduzirá a carga incidente sobre a indústria e aumentará sua competitividade internacional no longo prazo. Entretanto, é necessário enfatizar que os efeitos serão modestos no curto prazo, intensificando-se ao longo dos próximos dez anos, dado o gradualismo de implantação do novo sistema tributário.

O programa “Nova Indústria” pretende disponibilizar 300 bilhões de reais de recursos públicos entre 2024 e 2026 para empréstimos a taxas preferenciais ao setor produtivo em geral. Pela primeira vez, teremos uma política industrial horizontal, na qual todos os segmentos podem se candidatar em igualdade de condições, ainda que existam prioridades na avaliação dos projetos de investimento. Considerando que o Brasil deve investir algo ao redor de 2 trilhões de reais em todas as atividades (18% do PIB) no corrente ano, o aporte de financiamento público de 100 bilhões/ano por tres anos representa cerca de 5% do total do investimento anual. Não é muito, o que significa que deverá haver acirrada competição na captura de recursos. No caso da indústria, particularmente importante será o financiamento de projetos de ciência e inovação tecnológica, assim como o financiamento de exportações industriais.

Entretanto, essas duas iniciativas (reforma tributária e financiamento de pesquisa, desenvolvimento e inovação) atacam apenas dois dos componentes do custo Brasil. Os demais, também importantes, como a má qualidade da educação e da formação de mão-de-obra, o peso excessivo do setor público e sua ineficiência (má qualidade dos serviços públicos, burocracia, imprevisibilidade da justiça) e as carências de infraestrutura continuam intocados. Portanto, embora o país esteja próximo de dar dois passos significativos na direção de uma alocação de recursos mais eficiente e do aumento da produtividade, a agenda de reformas estruturantes permanece aberta.

¹ O documento “Reindustrialização do Brasil: contribuições do setor eletroeletrônico” produzido pela ABINEE em julho de 2023, ao lado de outros similares produzidos pela CNI e por outros segmentos industriais, sugere uma agenda abrangente de reformas capazes de restabelecer o dinamismo do setor industrial no longo prazo.

Celso Luiz Martone – diretor da área de Economia da Abinee