Para Abinee, infraestrutura e segurança jurídica devem ser prioridades

13/05/2016

A Abinee espera que o fim do impasse político - com o afastamento da presidente Dilma Rousseff - e a posse do novo governo tragam ânimo renovado para a conjuntura econômica que paralisou o País, prejudicando sensivelmente o setor industrial. As primeiras medidas a serem adotadas devem priorizar o resgate da confiança na economia, mostrando que o Brasil é viável para se produzir. Entre as prioridades estão a infraestrutura, a partir da ampliação das concessões para o setor privado, e a segurança jurídica que garanta a previsibilidade das regras.

A entidade acredita que o governo de Michel Temer conseguirá congregar o apoio necessário para a implantação de reformas, principalmente, aquelas que busquem a criação de um ambiente mais favorável na economia e que promovam a eficiência do Estado (corte de gastos correntes e melhor gestão dos recursos), além da racionalização e da simplificação do sistema tributário.

Agenda para a crise

A indústria tem uma agenda definida para o Brasil sair da crise. Entre as iniciativas imediatas, de baixo impacto fiscal e que dependem principalmente da decisão do Poder Executivo, estão: ampliação gradual do prazo de pagamento de impostos; valorização da negociação coletiva com força de lei; redução do depósito compulsório para ampliar o crédito aos consumidores e empresas; restabelecimento do Reintegra com alíquota de 3% e implementação de mecanismos de controle de gastos públicos (fixação de teto).

 

 
Abinee - Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica

Escritório Central: Avenida Paulista, 1313 - 7º andar - 01311-923 - São Paulo - SP
Fone: 11 2175-0000 - Fax: 11 2175-0090