Abinee TEC 2021: ESG deve estar no centro dos modelos de negócio das organizações

23/07/2021

São Paulo, 23 de julho de 2021 – O último painel do Abinee TEC 2021 Digital Week, realizado nesta sexta-feira (23), abordou a sustentabilidade como fator de competitividade para as organizações contemporâneas. Foi consenso entre os participantes que o mundo vive um momento de transformação do capitalismo tradicional para um novo capitalismo, uma nova forma de pensar que conecte as diversas dimensões ligadas à ética, aos direitos humanos e à inclusão. Acima de tudo, a sustentabilidade – mais especificamente a ESG (environmental, social and corporate governance) – torna-se cada vez mais critério de sobrevivência para as organizações. Por depender de uma nova concepção cultural, todas as ações a ela relacionadas precisam ser pensadas a longo prazo nas empresas. O painel foi mediado por Marcelo Abrantes Linguitte, diretor de projetos, operações e mobilização de recursos da Rede Brasil do Pacto Global.

Segundo Sonia Consiglio Favaretto, especialista em ESG e líder ODS da ONU, conhecimento e liderança são aspectos-chave nesse contexto. Na sua visão, é necessário entender a sustentabilidade na essência do negócio, ou seja, como ela se encaixa na realidade de cada empresa, e ao mesmo tempo trabalhar a liderança para fazer com que uma nova cultura se estabeleça. “A cultura não vem do dia pra noite e ela é baseada em verdades. Com isso, só levamos esses conceitos para fora com consistência se vivemos isso internamente na organização”, afirmou.

Sonia também destacou o papel do consumidor. Ela apresentou os resultados de pesquisa que descobriu que a grande maioria pensa em reduzir o consumo de produtos prejudiciais ao meio ambiente. Entretanto, o consumidor brasileiro ainda está no plano da intenção, sobretudo pela falta de condições econômicas para adquirir produtos que, normalmente, têm valor mais elevado. “Além disso, as empresas precisam divulgar mais essa agenda. Isso é fundamental para estimular uma mudança de comportamento”.

Também participou do painel, o vice-presidente, jurídico, relações governamentais e sustentabilidade da Siemens, Luis Mosquera. O executivo destacou que a sustentabilidade é uma questão de sobrevivência e hoje quem não investe nos conceitos de ESG não tem lugar no mundo. “A alta administração já percebeu que sem isso não há futuro e o papel da liderança é fazer se espelhar isso na organização”, pontuou.

Para Mosquera, a ESG tem impacto direto em quatro dimensões da empresa: faturamento, elementos intangíveis, redução de custos e mitigação dos riscos. “De fato, você afasta clientes e investidores se não abraçar essa agenda", observou. Conforme o executivo, em 2017, mais de 400 diretores de empresa foram afastados por seus conselhos de administração por não abraçarem políticas de diversidade.

Representando o setor industrial, o especialista em sustentabilidade na CNI, Sérgio Monforte, indicou que o assunto é transversal e perpassa os diversos conselhos do órgão. Destacou ainda que a CNI vem desempenhando esse papel de estimular e mostrar as tendências para os diversos segmentos industriais. "O ambiente de negócios precisa ser adequado e quanto menor o risco, mais estável for, mais fácil será para incorporar essas questões na operação do dia a dia", afirmou.

Monforte comentou ainda sobre uma pesquisa realizada pela CNI que buscou conhecer os motivos para incorporar os princípios da economia circular. Segundo o levantamento, a maioria das empresas apontou a eficiência operacional, isto é, a redução de custos como principal fator, mas que tem surgido também uma maior pressão por parte do consumidor, fazendo com que cresça um movimento de mercado que leva as empresas nessa direção. Monforte lembrou ainda o trabalho desenvolvido pela Green Eletron, gestora criada pela Abinee, para o fortalecimento das ações de logística reversa e incentivo à economia circular. Esse trabalho, por exemplo, tem ajudado na mobilização de diversos elos da cadeia de reciclagem, inclusive daqueles que estão na informalidade", disse.

Observatório 2030

Durante o Painel, o diretor de projetos, operações e mobilização de recursos da Rede Brasil do Pacto Global, Marcelo Abrantes Linguitte, falou sobre o Observatório 2030, iniciativa lançada nesta semana, para acompanhar se as organizações estão cumprindo ou não as ações que prometeram colocar em prática em relação à agenda 2030 da ONU e aos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável – ODS.

Inicialmente, a plataforma vai analisar metas relacionadas a seis temas: gênero, questões étnico-raciais, clima, salário digno, corrupção e saúde mental.

A Abinee é signatária do Pacto Global e tem o compromisso de contribuir para um maior engajamento dos associados e colaboradores na agenda 2030 da ONU e na adoção dos ODS.

 
 
Abinee - Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica

Escritório Central: Avenida Paulista, 1313 - 7º andar - 01311-923 - São Paulo - SP
Fone: 11 2175-0000 - Fax: 11 2175-0090