Problemas de infraestrutura dificultam implantação de Cidades Inteligentes

28/07/2017

Quais os principais desafios das cidades para integrar os serviços e melhorar a qualidade de vida dos cidadãos? Com o objetivo de encontrar respostas para essa pergunta, o ABINEE TEC 2017 realizou nesta quinta-feira, dia 27, o debate “Política Pública para Cidades Inteligentes”, na Arena do Conhecimento “Tecnologia e Sustentabilidade”.

Para os participantes do painel - Luís de Oliveira Ramos, assessor do MCTIC, e Fernando Nogueira, da Secretaria Municipal de Inovação e Tecnologia de São Paulo ­– soluções tecnológicas devem ser adotadas para solucionar problemas reais. “Muitas vezes temos uma tecnologia que fica procurando o problema, quando deveria ser o contrário”, afirmou Ramos. “A tecnologia não deve existir por si apenas, mas sempre aplicada como resposta a problemas reais”, sustentou Nogueira.

Neste sentido, ambos defenderam a intensificação do diálogo entre empresas e poder público como forma de que a indústria identifique oportunidades a partir da compreensão das reais necessidades e dos serviços públicos implantados no País.

O assessor do MCTIC falou sobre as dificuldades que resultam da falta da ampla territorialidade brasileira e da falta de integração entre os municípios. Segundo ele, o “Programa Cidades Digitais”, implementado em 2011 pelo governo federal, hoje atinge 340 municípios brasileiros de porte pequeno (de 100 a 20 mil habitantes). O objetivo do programa é, por meio de uma rede própria de internet, conectar pontos principais de serviços municipais e levar internet pública para a população. O programa também prevê a instalação de processos digitais do chamado “governo eletrônico”, para serviços como agendamento de consultas médicas em postos de saúde.

Segundo Ramos, além de problemas de infraestrutura que dificultam a conectividade, há também uma grave carência de mão de obra especializada nos municípios brasileiros. A opção do governo federal, segundo ele, foi a contratação de profissionais que, a partir de um centro, façam a capacitação de pessoas nos municípios. “Quando a gente analisa o País como um todo percebemos um grande problema de infraestrutura, em diversas áreas”, disse.

Fernando Nogueira destacou os programas da Prefeitura de São Paulo que se utilizam de tecnologias para integrar serviços e melhorar a vida dos cidadãos. Entre eles, o Geosampa, portal de mapas e geoprocessamento para planejamento com informações que vão desde localização de árvores plantadas à localização de equipamentos públicos. Outro programa é o Mobilab, laboratório de inovação aberta focado em mobilidade para melhorar a qualidade dos serviços prestados ao cidadão e da gestão da política, por meio de sistemas de gestão contratados, como por exemplo, startups ligadas a ciclomobilidade, transporte público, logística, transporte individual e segurança viária. Por fim, ele mencionou o programa Pátio Digital, uma iniciativa da Secretaria Municipal da Educação que contempla inovação tecnológica e criação de um aplicativo para que os pais acompanhem e avaliem a qualidade da merenda escolar.

“São parceiras de alta tecnologia dentro desse novo espírito inovador”, afirmou Nogueira. “Esperamos que a tecnologia seja a alavanca que nos ajude a resolver alguns problemas históricos de São Paulo, como os de infraestrutura’, sustentou.

Mediador do Painel, o diretor de Relações Governamentais da QUALCOMM e diretor da Comissão de IoT da Abinee, Francisco Soares, afirmou que o tema cidades inteligentes tem pela frente desafios muito grandes, pois além de implementar programas de tecnologia, há que se resolver questões básicas de conectividade.

 
 
Abinee - Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica

Escritório Central: Avenida Paulista, 1313 - 7º andar - 01311-923 - São Paulo - SP
Fone: 11 2175-0000 - Fax: 11 2175-0090