5G: tecnologia deve injetar US$ 1,2 trilhão na economia em 15 anos

24/02/2021

A Abinee e a FIEE promoveram, no dia 23 de fevereiro, o webinar “Infraestrutura para um 5G de qualidade”.

O evento, que teve cerca de 300 participantes, reuniu especialistas do setor industrial, de institutos de pesquisa e da Anatel para debater as oportunidades e desafios das redes 5G, que têm o potencial de trazer ganhos de US$ 1,2 trilhão para economia brasileira no espaço de 15 anos e prometem revolucionar não só o setor de telecomunicações, mas também outros setores da economia.

O webinar discutiu questões relacionadas aos aspectos regulatórios para o desenvolvimento das redes 5G no Brasil, incluindo requisitos, aferição de qualidade, certificação e homologação, entre outras questões.

Participaram do evento Agostinho Linhares de Souza Filho, gerente de Espectro Órbita e Radiodifusão da Superintendência de Outorga e Recursos à Prestação da Anatel; Daniel Blanco, gerente de Inovação da Furukawa Electric; Wilson Cardoso, Chief Solutions Officer da Nokia Networks; José Eduardo Bertuzzo, diretor executivo de Tecnologia do Instituto Eldorado; e José Marcos Brito, professor no Instituto Inatel e secretário geral do Projeto 5G Brasil. O debate foi mediado pelo gerente de Tecnologia e Política Industrial da Abinee, Israel Guratti.

Segundo José Marcos Brito, do Instituto Inatel, o 5G compreende vários cenários de uso que o diferencia de outras tecnologias e terá impacto disruptivo em diversos segmentos. Mas para que isso ocorra, deve haver ubiquidade, ou seja, cobertura massiva. “As aplicações previstas não param de pé se não houver cobertura em 100% dos lugares”, ressalta.

O diretor executivo de Tecnologia do Instituto Eldorado José Eduardo Bertuzzo, ressaltou que, para garantir a ampla aplicação das redes 5g, é preciso que se evite o excesso de tributação e insegurança jurídica. Ele salientou também que o tsunami tecnológico proporcionado pelo 5G necessita uma infraestrutura que suporte a demanda de conexões, com a instalação de data centers que garantam uma cobertura condizente.

Segundo Daniel Blanco, gerente de Inovação da Furukawa Electric, o aumento do tráfego exige uma rede de transporte robusta. Ele afirmou que, tendo em vista o custo para trazer os data centers mais perto das bordas, ou seja, dos locais de uso, essa adaptação é desafiante. “A aplicação do 5G ocorrerá em áreas urbanas de forma pontuais nos locais de atendimento e crescerá aos poucos, tornando-se exponencial”.

Wilson Cardoso, chief Solutions Officer da Nokia Networks, ressaltou que o custo da conectividade cairá violentamente, garantindo melhoria em todos os processos produtivos industriais e nas mais diversas verticais, desde o agronegócio ao aeroespacial. Como forma de reforçar as oportunidades do 5G, Cardoso citou o estudo realizado pela Nokia e a consultoria Omdia, estimando que a tecnologia deve trazer ganhos de US$ 1,2 trilhão para economia brasileira no espaço de 15 anos. Também, destacou o amplo impacto esperado das redes 5G no setor industrial e de infraestrutura, com a possibilidade das redes privadas em discussão na nova regulamentação.

O gerente de Espectro Órbita e Radiodifusão da Superintendência de Outorga e Recursos à Prestação da Anatel, Agostinho Linhares Filho, salientou que uma das vantagens do 5G é sua utilização em diversas faixas de frequências a depender da sua aplicação. Um exemplo citado é o uso máquina a máquina em faixas de frequência mais baixas.

Ele reforçou que o 5G terá impacto no B2B, o que proporcionará o surgimento de novos arranjos produtivos. “A entrada definitiva das empresas nesse mundo será sua garantia de sobrevivência no mercado”. Assim como os outros participantes, ele também afirmou que a infraestrutura é um desafio, mas a própria tecnologia traz soluções inerentes a ela mesma que podem ajudar a resolver esse gargalo.

Sobre os aspectos regulatórios, Linhares Filho destacou que a Anatel está trabalhando na simplificação, tornando mais célere o processo de homologação e certificação. Segundo ele, a Agência ampliou a interação com o setor e as consultas públicas estão sendo realizadas de forma mais rápida. “Não queremos que o processo regulatório seja entrave para a introdução de tecnologias e sim um facilitador”.

Em relação à aferição de qualidade dos serviços, o gerente da Anatel afirmou que o regulamento elaborado pela agência em 2019 excepcionou IoT, em função dos modelos de negócios não estarem totalmente claros. “Vamos acompanhar a evolução para elaborarmos os requisitos e atualizarmos, se necessário, pra proteger o consumidor”.

De olho na próxima geração

Ainda há muito o que se fazer para a efetiva implantação do 5G no Brasil, mas já é o momento de se pensar na próxima revolução, o 6G. O tema foi destacado pelos participantes do webinar promovido pela Abinee. O gerente de Espectro Órbita e Radiodifusão da Superintendência de Outorga e Recursos à Prestação da Anatel, Agostinho Linhares Filho, ressalta que o Brasil está participando das discussões da União Internacional de Telecom (UIT) ao lado de outros países. Por sua vez, Wilson Cardoso, Chief Solutions Officer da Nokia Networks, lembrou que o Acordo de Cooperação entre Brasil e Finlândia no sentido de troca de intercambio para a pesquisa e aplicação da tecnologia 6G.

Segundo José Marcos Brito, professor do Instituto Inatel, vários países já estão fazendo pesquisas em relação a essa tecnologia e o Brasil também está empenhado nesse processo. “Com o 6G, teremos uma rede que proporcionará ao ser humano o sexto sentido, com uso massivo de Inteligência Artificial”, resumiu.

Clique aqui para assistir ao webinar.

 
 
Abinee - Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica

Escritório Central: Avenida Paulista, 1313 - 7º andar - 01311-923 - São Paulo - SP
Fone: 11 2175-0000 - Fax: 11 2175-0090