Coronavírus: Indústrias do setor eletroeletrônico evitam promover demissões

06/05/2020

Sexta sondagem realizada pela Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica (Abinee), no dia 4 de maio, sobre o impacto da pandemia de coronavírus na produção da indústria elétrica e eletrônica apontou que a redução no número de empregados continua sendo o último recurso adotado pelas empresas do setor.

Conforme o levantamento, embora tenha aumentado o percentual de entrevistadas que promoveram demissões, que estava em 20% em fevereiro, passou para 29% em março, e para 30% em abril, a maior parte das empresas está determinada a preservar os empregos neste período adverso decorrente da pandemia.

Observa-se que 80% das empresas indicaram que não reduziram seus quadros de empregados no mês de fevereiro de 2020, 71% deram essa indicação ao se referir ao mês de março e, 70% no mês de abril. "Mesmo nesse último mês em que verificamos o agravamento dos impactos negativos da pandemia, o percentual continua alto", afirma o presidente executivo da Abinee, Humberto Barbato.

Ele salienta que as características do setor em função do nível de sofisticação dos bens fabricados e grau de desenvolvimento tecnológico explicam essa opção. "Temos uma mão de obra muito qualificada, de tal forma que as empresas buscam reter esses profissionais já treinados vislumbrando a retomada das atividades", ressalta.

Conforme essa última pesquisa, 95% das entrevistadas estão realizando ações com o objetivo de evitar ou reduzir demissões, tais como: teletrabalho (home-office); antecipação de férias individuais; acordos de redução de jornada de trabalho e salários; uso do banco de horas; férias coletivas; suspensão de contratos de trabalho; antecipação de feriados; utilização de linha de crédito para folha de pagamentos. Também foram citadas outras ações como: licença remunerada; atuação em novos segmentos de comercialização; renegociação de contratos de serviços e dívidas bancárias; contingenciamentos de caixa, como por exemplo, a proibição de horas extras nesse período.

Barbato pondera que, apesar da determinação da maior parte das entrevistadas em manter os empregos no setor, as incertezas quanto à evolução da pandemia continuam causando muita preocupação. "Não se sabe a duração e a intensidade das medidas de isolamento social até que seja possível realizar o retorno de uma forma segura".

Contribuição no combate à pandemia

As indústrias eletroeletrônicas relataram que estão realizando diversas iniciativas para contribuir com o combate à pandemia. Além das medidas utilizadas internamente em suas empresas para manter a segurança de todos colaboradores, várias entrevistadas estão fazendo doações em dinheiro, máscaras, cestas básicas, entre outros.

Destacaram-se algumas empresas do setor que adequaram suas linhas de produção para a fabricação de aparelhos que ajudam no tratamento dos pacientes infectados pelo Covid-19, como ventiladores pulmonares (respiradores).

 

Informações Imprensa

Jean Carlo Martins

Assessor de Comunicação

11 2175-0099

 
 
Abinee - Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica

Escritório Central: Avenida Paulista, 1313 - 7º andar - 01311-923 - São Paulo - SP
Fone: 11 2175-0000 - Fax: 11 2175-0090