Coronavírus deve afetar da Zona Franca de Manaus à 25 de Março - Folha de S.Paulo

01/03/2020

Neste momento, 28 navios deveriam estar vindo da China abarrotados de mercadorias para serem entregues nos portos brasileiros, segundo monitoramento da consultoria em logística e comércio exterior Solve Shipping. Nove deles nem sequer zarparam. Os 19 que cruzam os oceanos trazem um volume muito menor de cargas.

O responsável pela lacuna é o coronavírus. Após frear viagens de negócios entre Brasil e China, o vírus começa a comprometer a logística de abastecimento de cadeias de suprimentos entre os dois países.

A projeção é que a retração na entrega de insumos industriais e produtos acabados, hoje percebida apenas por indústrias e empresas de logística, vai chegar ao consumidor final nas próximas semanas.

“Deve afetar da Zona Franca de Manaus ao comércio popular da 25 de Março e do Saara, mas só saberemos melhor a partir desta semana”, afirma Leandro Barreto, sócio da Solve Shipping. Segundo ele, 96% do comércio entre os dois países é feito por navio.

A rua 25 de Março é uma importante via de comércio popular no centro de São Paulo. O Saara é o seu equivalente no Rio de Janeiro. Ambas demandam produtos asiáticos e tendem a ser os primeiros pontos comerciais a sinalizarem falhas no abastecimento por causa do vírus que levou a paralisação de fábricas na China.

A Folha fez um levantamento do impacto da crise do coronavírus, verificado e esperado, em alguns setores da economia, com base em análises e informações setoriais.

A China é hoje o principal mercado para produtos como soja, minério de ferro, petróleo, carnes e celulose, mas nem todas as empresas desses setores dependem exclusivamente do mercado asiático.

O país é também importante fornecedor de equipamentos, insumos industriais e bens de consumo para o Brasil, mas há empresas com diferentes níveis de estoque, além de dúvidas sobre a chegada ao país de novos produtos.

Efeitos indiretos [como problemas entre China e Europa afetarem o Brasil] podem aumentar a exposição das empresas brasileiras ao risco econômico do vírus, mas esse ainda não é o cenário principal da maioria dos economistas.

“O impacto de primeira ordem [China afetando Brasil] ainda é limitado. O problema são os impactos indiretos. E o que a gente vê, olhando historicamente, quando teve esses tipos de doenças, são efeitos mais de curto prazo do que de longo prazo”, diz Betina Roxo, analista da XP.

Veja como diferentes setores da economia podem ser afetados no Brasil.

Comércio

Pode sofrer com falta de produtos nas próximas semanas, se cargas vindas da China não chegarem ao Brasil. No caso de vestuários, os importados são cerca de 25% do mercado nacional, grande parte vinda da China. Como empresas compram com meses de antecedência, o impacto vai depender dos estoques.

Restaurantes e shoppings podem ter queda no movimento. Supermercados, por outro lado, podem ter aumento, como visto na China, segundo levantamento da empresa de pesquisa Kantar que mostra mais procura por comidas, bebidas não alcoólicas e produtos de higiene —mas houve queda nas compras de roupas e cosméticos.

Eletroeletrônicos

A Abinee (Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica) diz que 57% das empresas associadas já apresentam problemas no recebimento de materiais, componentes e insumos como telas de TVs e celulares provenientes da China. A produção, segundo 17% das empresas, deve ficar 22% abaixo do projeto para o primeiro trimestre.

A LG considera que há risco potencial de parada na produção em março na unidade de celulares em Taubaté (SP).

A Flextronics, que produz para a Motorola em Jaguariúna (SP), deu férias coletivas em fevereiro e já informou que renovará a pausa de 9 a 28 de março. A Evadin Industrial, de Manaus, que fabrica impressoras térmicas e terminais de atendimento, diz que os insumos podem começar a faltar a partir de março. Também prevê uma alta de preços por causa da alta do dólar.

Plásticos

A Abiplast (associação do setor) diz que dobrou a procura por utensílios descartáveis no último mês —como pratos, talheres e copos—, além de itens médicos fabricados em plástico como seringas, bolsas de soro e vestimentas.

Viagens e turismo

Setor que amargou as maiores perdas na Bolsa na semana passada, é um dos mais expostos ao impacto da crise gerada pelo coronavírus. O banco UBS, porém, espera recuperação rápida do tráfego.

O turismo de lazer ainda não foi afetado e só deve ter o quadro alterado se houver orientação oficial para que brasileiros não viajem, dizem entidades. O Carnaval era a última data da alta temporada.

“Um comportamento que pode surgir no consumidor é o de realizar viagens curtas de carro a lugares sem aglomeração. Aluguel de carros, pequenos hotéis e casas para temporada podem ser beneficiados”, diz Mariana Aldrigui, presidente do conselho de turismo da FecomercioSP.

O turismo de negócios tem gerado impacto em hotéis e companhias aéreas, já que empresas estão cancelando viagens. Empresas aéreas, táxis, aplicativos de transporte e seguro-viagem devem sentir impacto na primeira semana de março, estima a Fecomercio.

O cancelamento da ITB, conferência de turismo na Alemanha que esperava reunir 100 mil estrangeiros, é visto como o principal fator de impacto ao setor, já que garantia o fechamento de negócios para o resto do ano no Brasil.

Óleo e gás

A demanda por combustíveis pode cair com a redução de voos e transporte de cargas.

Cerca de 50% das exportações brasileiras de petróleo vão para a China. Internamente, o consumo de diesel pode ser afetado por um eventual crescimento menor da economia.

Bancos

Setor pouco exposto a problemas relacionados ao vírus.

Agropecuária

Um dos mais expostos a um cenário de queda das exportações. A China compra cerca de 80% das exportações de soja brasileira e 40% do algodão.

Para o Rabobank, a importação de carne bovina pela China vai recuar devido aos estoques de carne congelada que não foi consumida após o fechamento de restaurantes no país. A demanda chinesa representou quase 30% do volume exportado pelo Brasil, de acordo com a Abrafrigo (associação de frigoríficos).

Segundo a XP, menos de 10% da receita de JBS, BRF e Marfrig, listadas em Bolsa, vêm da China, mas outras empresas têm um nível maior de exportações para o país.

Mineração

A China responde por cerca de 60% da exportação brasileira de minério de ferro e é o maior exportador para a indústria da construção. A oferta do minério está muito limitada, o que contribui para manter o preço da commodity em alta. Os contratos futuros de minério de ferro registraram a primeira queda mensal desde outubro, mas estímulos do governo chinês podem favorecer as compras do produto.

Papel e celulose

A oferta limitada e estoque baixos na China podem favorecer o setor, segundo a XP. Também se espera um fornecimento maior de papel para produtos de higiene.

Brinquedos

Como o surto de coronavírus paralisou a produção na China, a Abrinq (Associação Brasileira dos Fabricantes de Brinquedos) diz ver uma oportunidade para fábricas brasileiras. As unidades da China precisam estar plenamente recuperadas até abril para atenderem ao Dia da Criança. No Brasil, as companhias têm capacidade instalada para suprir a demanda. Hoje, segundo a associação, os brinquedos chineses correspondem a 48% do que é vendido no país.

 
 
Abinee - Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica

Escritório Central: Avenida Paulista, 1313 - 7º andar - 01311-923 - São Paulo - SP
Fone: 11 2175-0000 - Fax: 11 2175-0090