DRI Clipping Semanal nº 37 - 15 a 19/09/14

Acordos


Veja mais

Mercosur: cámaras critican resultados
La cámara de Comercio Uruguayo-Paraguaya cuestionó el funcionamiento del Mercosur por la falta de resultados para el intercambio de productos. En un comunicado difundido ayer, aseguran que "el mercado común, a pesar de la conciencia que hay respecto a su importancia para el desarrollo de los países miembros, no ha dado lo esperado".
Además, criticaron las medidas proteccionistas y obstáculos al comercio, que determinan que los empresarios de los países pequeños "cada día sufran más" para colocar sus productos en el mercado del bloque regional.
Según afirman, estas dificultades perjudican a las empresas y atentan contra las fuentes laborales en Uruguay, Paraguay y Bolivia. Por otra parte, la cámara cita una declaración de Urupabol Empresarial donde se promueve la efectiva integración comercial de bienes y servicios, energía e infraestructura.
Además, la cámara se plantea como objetivo el trabajo con los gobiernos de Uruguay, Paraguay y Bolivia a fin de promover una verdadera integración efectiva en las áreas económica, social y cultural.
Para analizar esta propuesta y hablar sobre "Las trabas a la libre circulación de las embarcaciones paraguayas por la Hidrovía", la cámara Uruguayo-Paraguaya realizará un evento el próximo martes 23, a la hora 9, en el salón de Actos del Edificio de la Bolsa de Comercio. (El Pais Uruguay – 19/09/2016)

Uruguay facilita la radicación a Mercosur
Economía y política
por D. O. Buenos Aires
El gobierno uruguayo promulgó una ley que establece facilidades para la radicación definitiva en el Uruguay de personas procedentes de los estados miembros del Mercosur como también para los cónyuges, concubinos, hermanos, padres y nietos de uruguayos nacidos en el exterior.
En la reglamentación de la norma podría incluirse a los ciudadanos de países asociados al Mercosur, explicó Evelyn Harbek, del Estudio Bergstein, de Montevideo.
Con esta ley se busca brindar una respuesta administrativa ante la gran demanda migratoria en el país, dijo un boletín del Estudio Bergstein.
A los efectos de su reglamentación, los requisitos no podrán resultar más exigentes que los previstos para tramitar la residencia temporaria; esto es, presentación de documentación personal ante las Oficinas Migratorias y Dirección Nacional de Identificación Civil.
Las autoridades prevén que en los primeros días de octubre las personas beneficiadas podrán comenzar con los trámites para la obtención de la residencia permanente, tanto en las oficinas del Ministerio de Relaciones Exteriores, como en los consulados uruguayos en el exterior.
Según la norma dispone, las autoridades deberán expedirse sobre el otorgamiento de la residencia en un plazo no mayor a 30 días hábiles. (Cronista – 19/09/2014)

Empresarios cuestionan funcionamiento del Mercosur
Empresarios de Uruguay, Paraguay y Bolivia ponen en tela de juicio la marcha del bloque sudamericano
La Cámara Uruguayo-Paraguaya cuestionó ayer en un comunicado el funcionamiento del Mercosur que, a su entender, no ha rendido lo esperado pese a la conciencia que existe respecto a la “importancia para el desarrollo” que tiene el bloque entre los países miembros.
Las “medidas proteccionistas y obstáculos al comercio, que determinan que los empresarios de los países pequeños cada día sufran más para colocar sus productos”, ponen “en riesgo sus empresas y por consiguiente el trabajo de los uruguayos”, continuó el comunicado de la Cámara Uruguayo-Paraguaya. El texto agrega que lo mismo acontece con países como Paraguay y Bolivia.
El próximo martes 23 de setiembre se realizará en la Bolsa de Comercio un encuentro organizado por la Unión de Exportadores (UEU), la Cámara de Industria (CIU), la Cámara de Comercio y la Cámara de Comercio Uruguayo-Paraguaya (Urupabol), para tratar sobre las trabas a la libre circulación de las embarcaciones paraguayas por la hidrovía y sobre el Mercosur.
El Urupabol Empresarial, que incluye representante de las cámaras empresariales de Uruguay, Paraguay y Bolivia, señaló en una declaración que apoyan las iniciativas de sus gobiernos para promover “la efectiva integración comercial de bienes y servicios, energía e infraestructura”, y solicitan que “el sector privado se una para tener voz de manera de hacer frente a los obstáculos que se imponen al comercio” de estos países.
Desde el punto de vista de la hidrovía, el Urupabol Empresarial se pregunta por qué no pueden acordar “libremente” el comercio entre estos tres países, “utilizar los ríos, traer energía eléctrica y utilizar al máximo nuestros puertos”. “El sector privado tiene también que hacer los deberes de manera de facilitar la venta de nuestros productos o servicios”, añaden. (El Obsercador – 19/09/2014)

Empresarios del bloque cuestionaron al Mercosur
Cámara Uruguayo-Paraguaya cuestionó ayer en un comunicado su funcionamento
AFP
La Cámara Uruguayo-Paraguaya cuestionó ayer en un comunicado el funcionamiento del Mercosur que, a su entender, no ha rendido lo esperado pese a la conciencia que existe respecto a la “importancia para el desarrollo” que tiene el bloque para los países miembros.
Las “medidas proteccionistas y obstáculos al comercio, que determinan que los empresarios de los países pequeños cada día sufran más para colocar sus productos”, ponen “en riesgo sus empresas y por consiguiente el trabajo de los uruguayos”, continuó el comunicado de la Cámara Uruguayo-Paraguaya.
El texto agrega que lo mismo acontece con países como Paraguay y Bolivia. (El Observador – 19/09/2014)

Integración incierta de Sudamérica
La principal característica de la integración sudamericana hoy en día es la ralentización
Walker San Miguel Rodríguez
Los procesos de integración en esta parte del continente se encuentran atravesando coyunturas muy particulares. En un escenario de avances y retrocesos en los mecanismos de integración, es notoria la falta de un núcleo integrador que aúne los diferentes procesos y evite la dispersión de esfuerzos institucionales.
La Comunidad Andina de Naciones (CAN), el Mercado Común del Sur (Mercosur), la Unión de Naciones Suramericanas (Unasur) y la Alianza del Pacífico son los principales procesos institucionales en Suramérica. Aunque es bueno anotar que en el caso de la Alianza se encuentra México como socio de Chile, Perú y Colombia. La principal característica de la integración suramericana hoy en día es la ralentización. Es decir que luego de momentos llenos de entusiasmo, que exponían las ventajas de la integración comercial con logros irrebatibles de un proceso que se inició con vigor en los 60 y atravesó por altibajos, hoy nos encontramos con síntomas preocupantes como la falta de voluntad política y el cuestionamiento de las instituciones y mecanismos que se fueron creando.
La CAN es uno de los procesos de integración más ambicioso. Desde 1969 (Pacto de Cartagena) los países andinos decidieron crear un arancel externo común y generar la unión aduanera, concederse facilidades para el comercio intrarregional, avanzar hacia mecanismos de resolución de disputas (se erigió el Tribunal Andino de Justicia) y de legislación común en varias materias (registro de marcas y patentes, sanción de prácticas anticompetitivas, creación de empresas multinacionales, etc.). No obstante, luego del entusiasmo inicial (incluso Chile participó en un principio del acuerdo y luego se alejó), los Estados fueron poco consecuentes a la hora de fortalecer a la comunidad. Hoy, la CAN ha perdido vitalidad luego de que Venezuela la abandonara, y los cuatro países miembros que quedan (Bolivia, Perú, Colombia y Ecuador) dirigieran sus miradas a otros mecanismos, como el Mercosur.
El Mercosur (creado en 1991 y que agrupa a Brasil, Argentina, Paraguay y Uruguay) pecó también de excesivo entusiasmo, sin reparar que dos grandes economías como la brasileña y la argentina generaban enormes asimetrías con las emergentes y de menor tamaño comparativo. Asunción y Montevideo prefirieron ralentizar sus mecanismos de integración antes de hipotecar sus economías a la de sus dominantes vecinos, quienes atravesaron períodos de crisis económicas a fines de los 90 y optaron por privilegiar sus mercados internos antes que potenciar el Mercosur. Empero, en el último lustro presenciamos un intento de revitalizar al organismo, bajo el impulso de Brasilia y de Caracas. El expresidente Hugo Chávez solicitó el ingreso de Venezuela como miembro pleno del Mercosur al tiempo que abandonaba la CAN luego de un fuerte roce diplomático con el exmandatario peruano Alan García.
El debate político-ideológico no ha estado ausente al interior de los organismos de integración; y en coyunturas electorales se patentizan con mayor énfasis. Al calor de las elecciones en Brasil y Uruguay, el tema de dar mayor o menor impulso al Mercosur genera posturas diferentes entre Rousseff y Silva o entre Lacalle y Vásquez. En las pasadas elecciones chilenas también se debatió si Santiago debería continuar siendo parte de la Alianza del Pacífico, organismo orientado a las políticas de apertura de mercados y de libre comercio.
En medio de este confuso panorama, la Unasur, creada en 2007 en Cochabamba y con actuaciones rutilantes en su primera etapa de vida institucional, no fue la excepción y se sumergió también en el languidecimiento, luego del fallecimiento del expresidente argentino Néstor Kirchner, su primer secretario General. Hace pocas semanas se designó finalmente al expresidente colombiano Ernesto Samper como nuevo secretario. ¿Significará ello el fin del ostracismo del organismo que pretendió liderar la integración en esta parte del continente? (La Razon – 19/09/2014)

Mercosul perdeu relevância para o Uruguai
Por Marli Olmos | De Montevidéu
Na última década, o Uruguai manteve o crescimento do seu Produto Interno Bruto a uma média anual de 5,2% e as taxas de inflação em um dígito. Daqui a um mês, os eleitores desse pequeno país, com 3,2 milhões de habitantes, vão às urnas escolher seu novo presidente. Apesar do cenário positivo, o aumento da inflação e as perspectivas de crescimento menor este ano têm sido alvos de críticas dos opositores do candidato apoiado pelo presidente José Mujica.
A estabilidade econômica atraiu investidores externos. Segundo a Price Waterhouse, o volume de investimento estrangeiro no país alcançou US$ 2,8 bilhões no ano passado, o que equivale a cerca de 5% do seu PIB.
Com pequeno mercado interno a oferecer, o Uruguai se vende ao mundo como porta de entrada para o mercado latino-americano, sem ter os problemas dos seus dois grandes vizinhos - gargalos portuários no Brasil e restrições às importações impostas pela Argentina. O sistema de zonas francas do país atrai exportadores interessados em outros continentes, como é o caso da finlandesa UPM, que instalou duas fábricas de celulose à beira do rio Gualeguaychú e que abastece a China.
As exportações também cresceram nos últimos anos, para um total de US$ 10 bilhões em 2013, e o quadro macroeconômico positivo permitiu a diversificação de destinos e de produtos. A famosa carne uruguaia não é o principal item da pauta de vendas externas, liderado, com folga pelo setor de serviços, com fatia de 45%.
A principal diferença em relação ao comércio exterior do passado é que o Uruguai descolou-se dos dois vizinhos. O Brasil, que chegou a representar 33% das exportações do país em meados da década de 90, participa hoje com 19%. No caso da Argentina, a fatia caiu de 15% no ano da crise econômica de 2001 para 5% hoje.
"Faz três anos que a região não traz muito combustível ao crescimento do Uruguai", diz o ministro da Economia, Mario Bergara, ao destacar que a China assumiu a liderança e que outras regiões, como Rússia e Israel, também ganharam importância.
O país também não tem muito a comemorar em relação ao Mercosul. "O Mercosul não se desenvolveu de acordo com o que os países menores desejavam, como oferecer maior abertura interna e operar mais como uma zona de livre comércio, além de servir como plataforma para gerar bons acordos em nível global", diz. Mas, destaca, "não está sobre a mesa" a possibilidade de o Uruguai deixar o bloco.
Bergara deixou a presidência do Banco Central para assumir o Ministério da Economia no último ano do mandato de Mujica. Foi nomeado em dezembro, no lugar do economista Fernando Lorenzzo, que renunciou em meio a suspeitas de envolvimento em fraude no processo de falência da companhia aérea Pluna.
Aos 45 anos, Bergara é economista e professor. Foi vice-ministro da Economia entre 2005 e 2008, quando a Frente Ampla, a coalizão de Mujica, assumiu o poder. Na época, o presidente da República era Tabaré Vázquez, que agora concorre na eleição de outubro e é o favorito.
Vázquez lidera as intenções de voto, com 40% segundo a última pesquisa. Seu principal adversário, Luis Alberto Lacalle Pou, do Partido Nacional, tem 18%. Pou avançou nas pesquisas, o que eliminou a possibilidade de o candidato governista vencer no primeiro turno. A popularidade de Mujica recuou três pontos este mês. Um total de 49% da população aprova a sua gestão, e 26% a desaprovam.
Segundo o relatório LatinFocus Consensus Forecast, da consultoria internacional FocusEconomics, o Uruguai enfrentará problemas trabalhistas, com necessidade de abrir negociações de reposição salarial caso a inflação ultrapasse os dois dígitos. A consultoria prevê que o PIB do país este ano crescerá 2,9%, abaixo das médias da última década.
O bem-humorado ministro recebeu o Valor no fim de expediente em seu gabinete, que fica a cinco quadras da Praça Independência, um dos principais pontos do centro histórico de Montevidéu. A praça divide a chamada cidade velha da cidade nova e abriga o edifício Libertad, sede da Presidência da República. Ao final do mandato de cinco anos, Mujica não pôde candidatar-se porque o país não permite reeleição.
Abaixo, os principais trechos da entrevista com o ministro Bergara.
Valor: Valor: Quais foram os principais destaques do avanço da economia uruguaia?
Mario Bergara: Até 2006, o país tinha baixíssima taxa de investimento. A partir de então, houve uma readequação por meio de uma lei de promoção ao investimento. Foram dados benefícios tributários de acordo com as características do projeto, desde contribuição com emprego até tecnologia. O volume de investimentos públicos e privados passou de 13% para 23% a 24% do PIB. Além disso, a economia cresceu, durante uma década, a uma média anual superior a 5%, e a população quase não cresceu. Assim, o PIB per capita saiu de US$ 3 mil a US$ 4 mil, depois da crise de 2002, para mais de US$ 16 mil hoje.
Valor: O país pode atrair investimentos que deixariam de ir para a Argentina em razão da crise agravada pelo "default"?
Bergara: Esse salto começou há oito anos, muito antes de a Argentina começar a apresentar problemas explícitos. O Uruguai historicamente foi um lugar que, pela localização, sempre ofereceu serviços de exportação. Nascemos como país pelo porto e logística. Mais da metade dos contêineres que passam pelo porto de Montevidéu são em trânsito. Vêm de Paraguai, Bolívia e Brasil.
Valor: A recessão no Brasil e n Argentina não afeta o Uruguai?
Bergara: Há investimentos, como no setor automotivo, que aproveitam os acordos do Mercosul. Mas o Uruguai diversificou os mercados. Em 2004, metade dos bens que exportávamos ia para Argentina e Brasil.
Valor: E as exportações para a China não podem ser afetadas?
Bergara: Carne, arroz, soja, pasta de celulose. Os chineses podem até comprar menos de outras coisas. Mas a demanda de alimentos vai continuar. Há seis anos o Uruguai não produzia soja e nem celulose. Hoje só esses dois produtos representam quase 5% do PIB.
Valor: E sob a ótica financeira?
Bergara: Em 2001, antes da corrida bancária, os argentinos representavam mais de 40% dos depósitos no Uruguai. Hoje são 9%. Além disso, os bancos no Uruguai têm liquidez superior a 50%. Ou seja, se amanhã, e que Deus não o permita, houvesse uma medida como o "corralito", os argentinos viriam buscar seu dinheiro. A diferença é que os bancos podem devolvê-lo de um dia para outro.
Valor: O sr. citou a diversificação dos mercados de exportação. Os empresários do Uruguai fazem críticas em relação ao Mercosul. O que o sr. pensa sobre isso?
Bergara: O Mercosul não se desenvolveu de acordo com o que os países menores desejavam, como mais flexibilidade, maior abertura interna em primeiro lugar ou operar mais como uma zona de livre-comércio. E nem como plataforma para gerar bons acordos em nível global.
Valor: Não seria mais interessante para Uruguai seguir sozinho na tentativa de firmar acordos?
Bergara: Temos acordo de livre-comércio com México e um marco de negociação de comércio e investimentos com os Estados Unidos. Mas o que não está sobre a mesa para o Uruguai é a possibilidade de sair do Mercosul.
Valor: A Argentina atravessa um momento difícil. Como o bloco pode ajudar a contornar a situação?
Bergara: O bloco facilita as negociações e abre mercados. Mas o Mercosul não tem uma institucionalidade supranacional e nem elementos de coordenação de políticas. Cada país tem a sua soberania.
Valor: Quais serão os desafios do futuro presidente, que será eleito em outubro?
Bergara: Tivemos uma década de crescimento econômico, com expansão na área de energia e melhoria no bem-estar social. Há novas demandas para continuar esse crescimento. Temos que pensar na infraestrutura e no estímulo ao aumento de capacidade produtiva.
Valor: Por que os candidatos falam tanto sobre educação?
Bergara: Há coisas implantadas no Brasil que deveríamos fazer aqui, como a reforma da lógica da educação primária. Aqui a criança faz o primário com uma professora e salta para a fase secundária com 13 docentes. Por isso, 99% dos alunos terminam o ensino primário, mas um terço sai nos primeiros três anos do secundário.
Valor: O aumento da inflação não preocupa?
Bergara: A inflação está um pouco acima do que queremos. Nosso objetivo é 7% no ano e estamos com cerca de 9%. Não é nada dramático. O país vem de um ciclo de dez anos de crescimento, com demanda interna forte e emprego quase pleno. Exportamos produtos cujos preços internacionais subiram. Se o preço da carne sobe lá fora, no dia seguinte isso se reflete no açougue local. Além disso, houve o fortalecimento do dólar, que está 25% acima de um ano atrás.
Valor: E qual será o impacto econômico da lei que libera a venda e consumo de maconha no país?
Bergara: Não cremos num impacto relevante sob o ponto de vista econômico ou produtivo. A lei tem outra dimensão, que tem a ver com a segurança. (Valor Online – 19/09/2014)

Cancillería habla de “cierto desencanto” en el Mercosur
“Falta mayor compromiso para avanzar hacia metas que propicien mejores condiciones a la integración”, aseveró ayer el viceministro de Relaciones Económicas de la Cancillería, Rigoberto Gauto, en el foro “Integración social y desarrollo en democracia”, organizado por el Instituto Social del Mercosur.
Gauto dio su discurso en representación de la Cancillería nacional, luego de las palabras de bienvenida del encargado de negocios de la Argentina, Luis Pablo Niscóvolos, quien dio inicio al coloquio internacional “Integración social y desarrollo en democracia”. El evento concluye hoy en el teatro Leopoldo Marechall de la Embajada de Argentina.
El viceministro de Relaciones Económicas aseveró que “nuestros pueblos esperan atentos, con cierto desencanto, pero sin perder la fe, en que la ansiada integración regional del Mercosur brinde las respuestas deseadas a las expectativas generadas desde su conformación”. “No podemos negar que muchos hemos avanzado, pero tampoco podemos estar ajenos en reconocer, que nos falta mayor compromiso para avanzar hacia metas que propicien mejores condiciones a la integración”, puntualizó.
Disertan expertos
El coloquio prosigue hoy con la disertación de invitados internacionales y en ese sentido, a las 14:00, se llevará a cabo el panel “Desarrollo, integración y construcción de nuevas subjetividades”, a cargo de los panelistas Aldo Ferrer (Argentina), Samuel Pinheiro Guimaraes (Brasil), Marcos Roitman (España) y Miguel Contreras (Venezuela). (ABC Color – 18/09/2014)

Unión Europea optimista en cerrar acuerdo con el Mercosur en 2015
El embajador de la UE en Uruguay, Juan Fernández Trigo, sostuvo ayer que una vez se intercambien las ofertas para la firma del Tratado de Libre Comercio (TLC), con el Mercosur, la negociación "será rápida" y el acuerdo se cerrará en 2015.
A fines de julio, cuatro de los cinco países del Mercosur (Argentina, Brasil, Paraguay y Uruguay) acordaron una oferta única para negociar el TLC con los países europeos. Ahora la próxima etapa consistirá en el intercambio de las propuestas comerciales para que se pueda avanzar.
"Estamos en estos tránsitos de recibir de una y otra parte las ofertas comerciales que se puedan concretar y que puedan desde ese momento dar lugar a una negociación que creo será rápida", afirmó Fernández Trigo a El País.
El embajador añadió que se espera que la oferta que presente el Mercosur "esté a la altura" de los parámetros que se establecieron en 2010 y que implica que el 90% de los productos que se intercambien estén libres de aranceles.
Las nuevas autoridades de la Comisión Europea asumirán en noviembre y se aguarda que luego de esa instancia se pueda conocer el cronograma de fechas para el intercambio de las ofertas. Según Fernández Trigo, la firma del acuerdo podría concretarse "en el margen de un año".
Una fuente de la Unión Europea (UE) dijo ayer a El País que el cambio de autoridades no "enlentecerá" el proceso que tiene como objetivo "favorecer el comercio sin trabas" entre las dos partes, y se espera entonces "poder empezar a negociar en los próximos meses de forma definitiva".
Sin embargo, a principios de septiembre, el director de Integración y Mercosur del Ministerio de Relaciones Exteriores , Álvaro Ons, advirtió que si no se concreta un compromiso para el intercambio de ofertas "no es posible ser optimista", respecto a que el acuerdo entre los bloques pueda cerrarse a corto plazo.
Ayer durante el evento "Los autos europeos se visten de cuero uruguayo", que tuvo lugar en la sede de la Delegación de la Unión Europea en Uruguay , el presidente en ejercicio, Danilo Astori, destacó la importancia comercial que tiene esta zona del mundo para Uruguay y trasmitió su deseo de que se cierre el TLC.
"Para quienes vivimos en esta parte de América e integramos el Mercosur es absolutamente esencial que podamos llegar a concretar ese tan buscado acuerdo con Europa", afirmó el jerarca.
El Mercosur ya anunció que está en condiciones de intercambiar ofertas y ahora espera una respuesta de Europa. "La UE debería confirmar que está lista, para proceder al intercambio de ofertas", había dicho a El País una fuente de Cancillería.
Tras una suspensión de seis años, la UE y el Mercosur retomaron en 2010 las negociaciones para cerrar un acuerdo de libre comercio entre ambos bloques, e incluso se había encaminado el intercambio de ofertas para diciembre de 2013.
Pero las medidas proteccionistas adoptadas por el gobierno argentino para defender su industria local y frenar las importaciones -denunciadas por Estados Unidos y la UE ante la Organización Mundial del Comercio (OMC) se convirtieron en un obstáculo.
Uno de los temores que tiene el gobierno argentino es ser desplazado comercialmente del mercado brasileño, ante la llegada de productos más competitivos desde Europa.
En marzo de este año, los europeos salieron disconformes con el alcance de la oferta del Mercosur. Esa propuesta contaba con un período de gracia de siete años para comenzar a reducir las tarifas de importación que fue propuesto por Argentina, algo que fue valorado negativamente por los negociadores de la UE.
Asimismo, en enero, los europeos pidieron al Mercosur que clarificara qué países del bloque estaban participando de la negociación.
La falta de avances en la negociación provocó incluso que Brasil manifestara su malestar a mediados de este año.
En agosto la presidenta Dilma Rousseff pidió a la UE que "dejara de culpar" al Mercosur, porque la propuesta para avanzar está lista.
Además denunció que en Francia, Hungría e Irlanda "hay "problemas de apoyo" y agregó que sectores de la política europea sostienen que parte de la crisis que sufre el bloque comunitario se debe a su apertura comercial.
Consultado sobre los motivos que han demorado el acuerdo, el embajador Fernández Trigo hizo hincapié en la "necesidad" que tienen los países de establecer "un equilibrio que a veces difícil de conseguir".
"Hay que decir que si llevamos 15 años negociando es porque existe un verdadero interés. Cuando este empezó, Europa tenía 15 estados miembros y el Mercosur tenía 4. Ahora el Mercosur son seis y Europa son 28 en vez de 15. No se puede desconocer que todo eso lleva a complicar una negociación", expresó.
Las inversiones de Europa en el Mercosur totalizan actualmente 286.000 millones de euros, mientras que el comercio de bienes y servicios es de 125.000 millones de euros.
"Negociar entre dos bloques"
Desde distintos sectores de la industria se ha manifestado en más de oportunidad que ante la demora para la firma de un Tratado de Libre Comercio (TLC), entre la Unión Europea y el Mercosur, se debería apostar a la concreción de acuerdos "uno por uno". Esto implica que un país de forma individual negocie con el bloque o viceversa.
Consultado sobre este punto, Fernández Trigo consideró que ese tipo de iniciativas "podría complicar todo el proceso". "Hay que ser realista y pensar en negociar entre dos bloques. Todo lo demás me parece que son especulaciones que pueden nada más que retrasar", expresó. (El Pais – Uruguay – 18/09/2014)

Paraguay anuncia reunión Mercosur-Alianza Pacífico
Los cancilleres del Mercado Común del Sur (Mercosur) y de la Alianza del Pacífico se reunirán en noviembre próximo para avanzar en la integración entre ambos bloques, anunció hoy el ministro paraguayo de Relaciones Exteriores, Eladio Loizaga.
Los cancilleres del Mercado Común del Sur (Mercosur) y de la Alianza del Pacífico se reunirán en noviembre próximo para avanzar en la integración entre ambos bloques, anunció hoy el ministro paraguayo de Relaciones Exteriores, Eladio Loizaga.
El funcionario paraguayo dijo que la cita se llevará a cabo el próximo 24 de noviembre en Santiago de Chile, con el fin de explorar junto a sus homólogos “cuál será el camino para converger en los propósitos de la integración entre ambos bloques”.
Recordó que el primer paso se dio este año, cuando Paraguay fue invitado a participar como país observador en la Cumbre de la Alianza del Pacífico que se celebró en Punta Mita, México, junto a otras naciones interesadas en formar parte del mecanismo.
Respecto del pedido de Paraguay de formar parte de la Alianza del Pacífico, que integran Colombia, Chile, México y Perú, Loizaga señaló que “se tienes que definir los tres pilares en los cuáles nuestro país trabajará” con el bloque comercial. Aseguró que su país “está interesado en construir con Chile y con los otros miembros de la Alianza del Pacífico la posibilidad de salir con ellos al exterior en lo que hace a producción agrícola y ganadera”.
Sin embargo, advirtió que el proceso para una eventual incorporación “es lento, pero muy pragmático”, al tiempo que indicó que el Mercosur “tiene que mirar hacia fuera”.
“Hasta hoy en Mercosur estamos mirándonos el ombligo, y si bien el volumen de comercio intramercosur creció mucho, a algunos países le favorecen y a otros no. En este caso, Paraguay tiene un déficit comercial alto con Argenti na”, enfatizó.
A juicio de Loizaga, “se tiene que establecer un comercio entre Paraguay y Argentina; así como entre Paraguay y Brasil. El Mercosur necesita crecer hacia fuera”.
“El mundo corre a una velocidad de firmar acuerdos de libre comercio, porque es lo que genera dinero y trabajo, y nosotros no podemos quedar atrás como Mercosur”, acotó el jefe de la diplomacia paraguaya.
Loizaga subrayó, en ese sentido, que “tenemos que buscar el punto exacto de lo que tiene que ser Mercosur y no darle una trascendencia mayor en lo político que en lo económico, tiene que ser un Mercosur más económico y más solidario entre todos sus miembros”, demandó. (Criterio Hidalgo México – 17/09/2014)

South Africa: The Economic Partnership Agreement With Europe - Hold Your Nose and Ratify!
By Roman Grynberg
Before they went away on the one truly 'religious' festival in the EU calendar - the month-long summer vacation each August - EU trade negotiators hurriedly initialled the Southern African Development Community (SADC) Economic Partnership Agreement, a free trade agreement between Angola, Botswana, Lesotho, Mozambique, Namibia, Swaziland, South Africa and the European Union.
With this agreement which has been twelve years in the making, the most important thing to celebrate is that it is finally over, and there will be no more tedious lectures from EU officials and diplomats to the relevant SADC states about how generous the EU is to Africa in providing trade agreements that are so concerned with development.
I had the distinction of being in the room when then EU Trade Commissioner Pascal Lamy announced that the EU would negotiate an agreement with all the African Caribbean and Pacific(ACP) states that was truly based on development. No-one could have imagined a dozen years later the agreement would ultimately be so concerned with the EU's development rather than that of Africa.
What is so noxious?
The EPA will give Botswana quota-free and duty-free market access to the EU market for beef along with virtually all other products. How could anyone think this is a bad outcome? Under the old Lomé Convention and subsequent Cotonou Agreement Botswana had fixed quotas established by the EU on the amount of beef we could export. This was set at around 19,000 tons. Of course we never achieved this volume of exports, not even close, so eliminating the quota is of no commercial significance because it never effectively held back our beef exporters. We also used to export almost all our rough diamonds to the EU and some copper/nickel matte but these are duty-free no matter what the source, so the EPA is commercially meaningless there. In the past we also used to export large amounts of garments to the EU. In 2007 exports of garments to the EU reached a whopping P1.1 billion before disappearing to virtually nothing within five years. This was a result of the full effects of garment sector liberalisation at the WTO which were only felt throughout Africa and the world after 2005.
Of Sugar and Hangovers from Cheap Wine Negotiations
But the real big winner of the SADC EPA has not been Botswana or Namibia but South Africa. When South Africa was finally liberated from the grip of apartheid the EU, in a rare and uncharacteristic moment of generosity, got teary-eyed and offered South Africa an extraordinarily generous trade agreement. At the time trade negotiators called it 'the Mandela effect'.
The EU gave South Africa first-class access for agricultural products as well as South African plonk which has always been one of the most important issues for SA negotiators. While EU Trade Commissioners and their officials could get sentimental about Mr Mandela, the Portuguese, Spanish and Italian wine makers were having none of it, and they forced the Commission to effectively renege on the access that they had negotiated for SA wine producers. The SA trade negotiators, ever practical, reluctantly agreed knowing well they would get a second bite at the grape, so to speak, by being part of the negotiations of the SADC EPA (South Africa formally joined the negotiations in 2007). The EU knew this as well; the SADC EPA might in theory be about all the small African states like Botswana and Namibia but unless they could buy off the South Africans there would be no deal because the South Africans could use their power in SACU to stop the smaller states from signing. And so the really big winners from the EPA were the South Africans who got a significant increase in their market access for wine (from 47 million to 110 million litres), and access for their sugar producers who got a duty free quota of 150,000 tons as well as 80,000 tons of ethanol. (All Africa –África do Sul – 17/09/2014)

El Pleno ratifica el Acuerdo de Asociación con Ucrania
Es un momento “histórico”, según Schulz
La Eurocámara ha ratificado el Acuerdo de Asociación entre la UE y Ucrania, que supondrá un refuerzo de las relaciones comerciales y políticas. Se trata de un “hito para la democracia y un momento histórico”, ha dicho Martin Schulz, presidente del Parlamento europeo. (Aquieuropa – 16/09/2014)

Nos miramos el ombligo en Mercosur, dice Loizaga
“El Mercosur tiene que mirar hacia fuera y hasta hoy estamos mirándonos totalmente el ombligo”, lamentó ayer el canciller Eladio Loizaga, al reflexionar sobre la situación que atraviesa el bloque regional, integrado por Brasil, Argentina, Uruguay, Paraguay y Venezuela.
Loizaga dijo que el volumen de comercio intra-Mercosur creció mucho y a algunos países les favorece, pero a otros no. En este caso, el Paraguay tiene un déficit comercial alto con Argentina, indicó el ministro.
“Se tiene que establecer un comercio entre Paraguay y Argentina; así como entre Paraguay y Brasil. El Mercosur necesita crecer hacia fuera, el mundo corre a una velocidad de firmar acuerdos de libre comercio, porque es lo que genera dinero y trabajo, y nosotros no podemos quedar atrás como Mercosur”, cuestionó.
Loizaga dijo que el bloque debe buscar el punto exacto de lo que tiene que ser Mercosur y no darle una trascendencia mayor en lo político que en lo económico. Agregó que el bloque tiene que ser un Mercosur más económico y más solidario.
Alianza del Pacífico
El canciller anunció que el próximo 24 de noviembre en Santiago de Chile se reunirán los cancilleres del Mercosur y la Alianza del Pacífico con el objetivo de explorar cuál será el camino para converger los bloques. (ABC Color – 16/09/2014)

Mercosur, Pacific Alliance to Strengthen Ties
Foreign Ministers from both blocs will meet November in Chile to discuss a Free Trade Agreement by 2016.
Foreign Ministers from the Southern Common Market (Mercosur) and the Pacific Alliance county’s will meet in Santiago, Chile in November in order to strengthen ties between the two blocs, according to a statement this Tuesday by Paraguay's Foreign Minister Eladio Loizaga.
“Mercosur must look outwards, even when trade among Mercosur members has grown significantly, it favors some countries more than others. This is the case of Paraguay which has considerable trade deficit with Argentina.” said Loizaga on announcing the meeting.
Paraguay's economic performance is highly linked to Mercosur's largest partners, Brazil, and Argentina.
In 2013, Argentina was the third largest exporter to Paraguay, of which manufactured industrial products comprised 61 percent of total goods.
Paraguay is eager to expand its list of trading partners particularly in the wake of declining profit margins from agricultural exports to traditional markets due to heavy market competition.
The country’s Agricultural Production Union estimates that sales from soy exports for 2014-2015 will fall by nearly US$1 billion compared to the previous year.
Loizaga's announcement marks a series of efforts to strengthen relations between the two regional trade organizations.
Last February, Chilean Minister of Foreign Relations Heraldo Muñoz proposed the creation of a trade alliance between Southern Common Market countries and the Pacific Alliance.
Since then, ministerial discussions have taken place between Pacific Alliance and Mercosur representatives to address strategies to deepen trade ties.
In August, Brazilian Minister of Foreign Trade, Industry and Development Mauro Borges announced that his country seeks to accelerate talks between the Mercosur countries and the members of the Pacific Alliance group, in order to reach a free trade agreement by 2016. (Telesur – 16/09/2014)

Mercosur/Pacific Alliance foreign ministers plan to meet in Chile in November
Foreign affairs ministers from Mercosur and the Pacific Alliance will be meeting next 24 November in Santiago de Chile to explore a possible integration between the two blocks according to Paraguay's foreign minister Eladio Loizaga.
“Mercosur must look outwards and stop looking at its belly button”, said Loizaga on announcing the meeting.
“Mercosur must look outwards and stop looking at its belly button”, said Loizaga on announcing the meeting.
“Even when trade among Mercosur members has grown significantly, it favors some countries and others not so much. This is the case of Paraguay which has a considerable trade deficit with Argentina”, said the ministry's release.
Argentina, Brazil, Paraguay, Uruguay and Venezuela must look “into the exact point of what Mercosur should be, and forget pretending to award it a greater emphasis in politics than trade and economics; it must become a Mercosur concerned about economics and trade, and with greater solidarity among its members”, insisted Loizaga.
Regarding Paraguay's request to become a member of the Pacific Alliance (Chile, Colombia, Peru and Mexico), Loizaga said that the three pillars of such a move must still be defined, and recalled that the incorporation process is slow, takes its time.
He added that Paraguay was interested in building together with Chile and the other Pacific Alliance members the necessary foundations to channel its agriculture and livestock production.
Last June Loizaga attended the IX Pacific Alliance summit in Mexico where it reiterated its interest in becoming a member. Currently as with 31 other countries, Paraguay has an observer status in the Alliance. (MercoPress – 16/09/2014)

Canciller critica al Mercosur por no buscar crecimiento
El ministro de Relaciones Exteriores, Eladio Loizaga, criticó al Mercosur por no mirar hacia fuera para crecer. “El Mercosur se mira el ombligo y necesita crecer hacia afuera”, afirmó, en un diálogo con periodistas.
Anunció que se realizará la Reunión de Cancilleres del Mercosur y de la Alianza del Pacífico el 24 de noviembre en la ciudad de Santiago, Chile, con el objetivo de explorar el camino para converger en los propósitos de la integración entre ambos bloques.
Recordó que este año Paraguay fue invitado como país observador a participar en Punta Mita, México, de la Cumbre de la Alianza del Pacífico, junto a otros países observadores interesados en formar parte del citado bloque económico latinoamericano.
“Hasta hoy en Mercosur estamos mirándonos totalmente el ombligo, y si bien el volumen de comercio intramercosur creció mucho, a algunos países le favorecen y a otros no. En este caso, Paraguay tiene un déficit comercial alto con Argentina”, expresó.
“Se tiene que establecer un comercio entre Paraguay y Argentina; así como entre Paraguay y Brasil. El Mercosur necesita crecer hacia fuera, el mundo corre a una velocidad de firmar acuerdos de libre comercio, porque es lo que genera dinero y trabajo, y nosotros no podemos quedar atrás como Mercosur”, indicó.
“Tenemos que buscar el punto exacto de lo que tiene que ser Mercosur y no darle una trascendencia mayor en lo político que en lo económico, tiene que ser un Mercosur más económico y más solidario entre todos sus miembros”, dijo.
Agregó que Paraguay está interesado en construir con Chile y con los otros miembros de la Alianza del Pacífico, la posibilidad de salir con ellos al exterior. (Ultima Hora – 16/09/2014)

Ucrânia e União Europeia ratificam acordo político e econômico
A Ucrânia e a União Europeia (UE) ratificaram nesta terça-feira (16) um acordo de associação, uma medida que distancia ainda mais a ex-república soviética da influência russa.
A ratificação foi anunciada pouco depois da aprovação em Kiev de leis que garantem maior autonomia às regiões pró-Rússia do leste do país e preveem eleições para 7 de dezembro, assim como uma anistia para os soldados e os separatistas que se enfrentam há cinco meses.
Mundialíssimo: O que está acontecendo na Ucrânia?
O presidente ucraniano, Petro Poroshenko, considerou que a adoção do acordo, aprovada pelos 355 deputados presentes, significa um primeiro passo para a adesão à União Europeia (UE).
"A votação de hoje é a eleição da civilização da Ucrânia. Ucrânia é Europa", disse o primeiro-ministro ucraniano, Arseni Yatseniuk.
O Parlamento Europeu reunido em Estrasburgo, no leste da França, também ratificou o acordo com 535 votos a favor, 127 contra e 35 abstenções.
"Este é um momento histórico", disse o presidente da Eurocâmara, Martin Schulz.
O acordo, que inclui capítulos políticos e econômicos e que foi assinado em junho, continua sendo apenas simbólico, já que os aspectos comerciais foram adiados e não entrarão em vigor até dezembro de 2015 –uma medida para facilitar o diálogo com a Rússia, que se opõe ao acordo.
O adiamento foi estabelecido na sexta-feira (12) com um acordo entre Kiev, Bruxelas e Moscou.
CRISE
No fim de 2013, o então presidente ucraniano, Viktor Yanucovich, desistiu do acordo de associação com a Europa em troca de uma aproximação com Moscou, provocando protestos que levaram à sua queda.
Yanucovich foi substituído por Poroshenko, mais alinhado com a UE.
Por isso, desde abril, regiões do leste da Ucrânia de maioria étnica russa declararam independência, gerando combates com o Exército ucraniano.
Desde o último dia 5, as partes cumprem um cessar-fogo como parte de um plano de paz acertado entre a Ucrânia e a Rússia.
Os países ocidentais acusam a Rússia de apoiar militarmente os separatistas, o que Moscou nega. (Folha de SP – 16/09/2014)

Fórmula del FA ante exportadores reiteró la intención de fortalecer al Mercosur
Sendic dijo, al salir de la reunión, que en los próximos días se reunirán con el político argentino Daniel Scioli
© M. CERCHIARI
El candidato a la presidencia del FA, Tabaré Vázquez, y el vicepresidente Raúl Sendic, se reunieron esta mañana con la Unión de Exportadores del Uruguay (UEU), y reiteraron que se buscará una mejor inserción internacional, fortaleciendo el Mercosur, y acuerdos bilaterales que permitan una mejor colocación de productos en el exterior.
“Dejamos bien claro que el Ministerio de Industria va a ser muy importante en un eventual tercer gobierno. Se habló del impulso que se le va a dar a la infraestructura, tanto en el sector público como propiciando la inversión privada”, afirmó Sendic tras finalizar el encuentro.
El candidato a la vicepresidencia del Frente Amplio señaló que el objetivo era plantearle al sector cuáles eran sus perspectivas en el caso de llegar al gobierno y también escuchar las inquietudes.
“Plantearon algunas de sus preocupaciones y también hubo reconocimientos importantes como el buen funcionamiento de la Aduana, las facilitaciones de trámites para las exportaciones y la obtención de nuevos mercados en los últimos años”, apuntó Sendic.
“Es clave lograr mayor nivel de productividad, de competitividad, más innovación, mejor infraestructura, educación y formación de capital humano, para lograr la inserción internacional y llegar al mundo con más productos y mejores precios”, dijo.
Sendic expresó además que las nuevas oportunidades en mercados como el de Rusia e India van a permitir también mantener el crecimiento económico que, acompañado de políticas sociales, permitirá una mayor equidad en el país.
El presidente de la UEU, Álvaro Queijo, dijo por su parte que “siempre es positivo reunirse con los candidatos” y que se les manifestó la “voluntad de trabajar en equipo y buscar lo mejor para el país”.
“Llegar a acuerdos con la Unión Europea o EEUU y la competitividad son temas que a todo el país le inquieta porque son puestos de trabajo para los uruguayos y mejor posibilidad de empleo”, explicó Queijo.
Reunión con Scioli
Sendic destacó que en los próximos días la fórmula frenteamplista se reunirá con el gobernador argentino Daniel Scioli, para tratar los temas que tengan que ver con la relación entre ambos países, sobre todo, “trabajar sobre los temas donde ha habido dificultades”, según expresó.
“Hay temas que tienen que ver con los puertos, el dragado, el intercambio general y la visión sobre el Mercosur”, recalcó. (El Observador – 16/09/2014)

Uruguay podría formar parte de la “Alianza trans-pacífico” de libre comercio
Integrarían un bloque comercial con Chile, Nueva Zelanda, Singapur, Burnei, Estados Unidos, Japón, Australia, México, Canadá, Perú, Vietnam y Malasia
Uruguay está un “sí” de entrar a una de las mayores zonas de libre comercio del mundo. Será una de las decisiones más importantes que tendrá para tomar el próximo gobierno. La propuesta formal no vendrá desde Estados Unidos para evitar conflictos ideológicos, sino que está previsto que lo propongan Chile y Perú, dos países de la región con quien incluso la izquierda tiene buena sintonía política.
Así como hace ocho años la sigla TLC (por un Tratado de Libre Comercio) se metió en el imaginario político, económico y social uruguayo, la sigla que se instalará en la discusión pública es TPP, por el Trans-Pacific Partnership. Se trata de una asociación económica de libre comercio con los países del Pacífico y que tienen un peso económico muy fuerte.
De acuerdo a datos de la Unidad de Análisis Económico de El Observador, las importaciones del conjunto de los 12 países que integran el TPP representaban el 8,1% del PBI mundial en 2013. Estados Unidos es el mayor importador con compras anuales por u$s 2,855 billones, seguido por Japón con u$s 833.000 millones, y Canadá con u$s 402.700 millones.
El TPP fue firmado en 2005 por Chile, Nueva Zelanda, Singapur y Burnei, pero ahora están a punto de sumarse Estados Unidos, Japón, Australia, México, Canadá, Perú, Vietnam y Malasia. Firmar el acuerdo implicaría un TLC con esos países.
Si bien la respuesta la deberá dar el gobierno entrante el año que viene, luego la negociación llevará mucho tiempo.
El que más fuerza hace para meter a Uruguay es Estados Unidos. Según creen en ese país, esta será la última posibilidades de tener un acuerdo comercial de peso. Hace ocho años se estuvo cerca de empezar a negociar un TLC, pero todo se empantanó por el freno que impuso el Mercosur y por la negativa del Frente Amplio. (Cronista – 15/09/2014)

Michelle Bachelet promueve convergencia entre Alianza del Pacífico y el Mercosur
Propuesta. Bachelet apunta a mayor integración regional.
El gobierno de la presidenta chilena, Michelle Bachelet, promueve la realización de un seminario sobre la Convergencia Alianza del Pacífico- Mercosur, el próximo 24 de noviembre, con la participación de los cancilleres de los países de ambos procesos de integración, intelectuales y empresarios.
Así informó el embajador Rigoberto Gauto, viceministro de Economía e Integración del Ministerio de Relaciones Exteriores, que esta semana visitó el país andino.
La Alianza del Pacífico fue fundada por México, Colombia, Chile y Perú.
Desde el 2013, Paraguay es País Observador de este organismo de integración económica y política.
Con el mismo estatus se halla participando Uruguay. Hasta ahora son los únicos miembros del Mercosur que iniciaron el proceso de ingreso a la Alianza del Pacífico.
Brasil y Argentina comparten el criterio de que los miembros del Mercosur deben negociar como bloque y no individualmente con la Alianza del Pacífico.
Compra de energía. Por otro lado, el diplomático habló de un renovado interés chileno por comprar energía de Paraguay, de seguir aumentando la importación de carne vacuna paraguaya y de promover cadenas de producción con empresarios de ambos países.
Gauto se reunió primeramente con la subsecretaria de Energía de Chile, Jimena Jara, quien le expresó que el gobierno chileno mantiene el interés de comprar energía de Paraguay.
“Acordamos seguir conversando sobre el acuerdo operativo que tiene que dar Argentina para el paso por su territorio”. La energía a comercializarse provendría de la hidroeléctrica Acaray.
Sobre el tema, explicó que no establecieron plazos de concreción, pero coincidieron en que se tiene que ir definiendo “lo antes posible”.
Con relación al tema cárnico indicó que “Chile es segundo destino de la exportación de carne Paraguay, después de Rusia”, apuntó. (Ultima Hora – 15/09/2014)

É preciso rever o conceito clássico de acordos comerciais
Por Regis Arslanian
Competitividade é hoje palavra chave para a retomada do crescimento no Brasil. Bem sabemos que as deficiências na infraestrutura e os fatores inibidores dos investimentos não serão alterados da noite para o dia. As necessárias reformas estruturais, ainda que iniciadas no primeiro dia do governo a ser eleito em outubro, levarão muito tempo para significar um salto qualitativo para a crise de competitividade de nossos produtos. A produtividade industrial está caindo assustadoramente com um mercado interno que perde seu vigor em um quadro de retração da economia.
Do lado externo, a balança comercial está conseguindo se manter em um patamar razoável graças às exportações de produtos primários, já tidos como a locomotiva da economia. Mas, no caso dos manufaturados, as perspectivas são sombrias: a grande defasagem de competitividade nos confina a poucos compradores, sobretudo na América do Sul. A Argentina, nosso maior cliente, às voltas com sua pertinaz crise cambial, imporá ainda maiores barreiras comerciais, sempre na desesperada tentativa de poupar divisas. O país vizinho não se vexará - ante o Brasil, seu parceiro estratégico no Mercosul - em continuar substituindo as importações brasileiras por produtos chineses, agora turbinados com financiamentos bilionários prometidos pelo presidente Xi Jinping da China, em sua recente visita a Buenos Aires.
Neste cenário nada alentador, é preciso o quanto antes estabelecer acordos de livre comércio. Já desperdiçamos demasiado tempo e energia em criticar o que fizemos e o que deixamos de fazer em matéria de negociação comercial. De nada serve continuar essa polêmica estéril. Os mercados mundiais não nos estão esperando. É preciso discutir o que realmente importa para podermos vislumbrar um horizonte mais auspicioso para a inserção de nossa produção e economia na produtividade global.
No mundo de hoje nosso arcabouço jurídico nem sempre atende aos interesses comerciais vitais do país
Essa necessidade premente não passou despercebida na campanha eleitoral. Há consenso de que o Brasil não pode apostar apenas no multilateralismo da OMC e continuar de fora da rede de acordos comerciais que estão se disseminando pelo mundo e conformando as cadeias de valor e a integração da produção global. Mas, até agora, pouco tem-se debatido sobre como os acordos de livre comércio poderão servir para efetivamente ampliar as exportações de manufaturados, alavancando nossa competitividade. Persiste infelizmente uma percepção simplória de que para lograr as benesses da competitividade bastará abrir mercados.
Hoje os principais "players" do comércio internacional, que são nossos concorrentes e também potenciais clientes, estão pautando as negociações comerciais sobre a base de modelos negociadores mais pragmáticos e ambiciosos, que vão muito além do conceito clássico de acesso a mercados, aferrado aos calendários de desgravação tarifária e à mera consolidação das práticas regulatórias vigentes.
A relação custo-benefício que orienta hoje as negociações comerciais contempla necessariamente demandas e ofertas em regras. Isso significa que as concessões - como na área de agricultura - que esperamos obter de nossos parceiros mais importantes somente serão oferecidas na medida em que estejamos dispostos a mostrar flexibilidade em regras. Não se trata de incorporar os padrões normativos dos modelos negociadores das grandes economias. Trata-se de definir aquelas normas que seriam de nosso interesse ofensivo fazer constar nos acordos de comércio que viermos a estabelecer.
Precisamos reconhecer que, no mundo de hoje, nosso arcabouço jurídico nem sempre atende aos interesses comerciais vitais do Brasil voltados a lograr a inserção competitiva nos mercados mundiais. Na era do "Skype", por exemplo, a Lei Geral de Telecomunicações ainda proíbe acesso ao nosso mercado às empresas estrangeiras que não tenham presença comercial no país, o que restringe naturalmente a plena participação do Brasil nos mercados internacionais de serviços de telecomunicações.
Muitos atribuem o imobilismo do processo negociador Mercosul-União Europeia às supostas "amarras" do Mercosul ou ao protecionismo da Argentina. Mas não terá a União Europeia percebido, a essa altura, que uma oferta do Mercosul calcada em liberalização tarifária já não compensaria as concessões que teria de fazer em agricultura? Na realidade, a União Europeia é que tem demonstrado ultimamente menor empenho em trocar ofertas conosco. E pior: justificou sua postura reticente ao fato de que se encontrava muito envolvida com as demais negociações comerciais, dentre as quais a negociação com os EUA.
Da mesma forma, a incapacidade da OMC de lograr o consenso necessário para negociar regras também poderia explicar a razão pela qual a Organização não consegue, desde 2001 com o lançamento da Rodada Doha, chegar a um acordo significativo. Enquanto não formos capazes de negociar, em Genebra, um disciplinamento multilateral mais abrangente e compatível com o nível de ambição dos acordos bilaterais e regionais modernos, será irrealista pretender destravar o processo negociador da Rodada.
Os tempos mudaram. O novo governo que assume em janeiro precisa reformular o modelo negociador brasileiro, buscando obter para nossos futuros acordos de comércio uma dimensão estratégica e moderna, com padrões globais e de vanguarda. Precisa passar a aceitar a discussão de dispositivos regulatórios convergentes com os de nossos parceiros comerciais nas áreas de maior interesse negociador, como serviços, investimentos, propriedade intelectual, políticas governamentais e políticas de concorrência. A convergência de padrões regulatórios é condição para que qualquer parceria possa contar com um ambiente de negócio seguro, previsível e produtivo.
Só assim estaremos capacitados a abrir espaços para os investimentos produtivos que possam fomentar a tecnologia e a inovação, criando escala, produtividade e assegurando nossa competitividade nos mercados mundiais.
Regis Arslanian, embaixador, foi chefe negociador do Brasil e é sócio da GO Associados. (Valor Online – 15/09/2014)

Ven difícil que la UE avance en TLC con el Mercosur a corto plazo
En estos momentos, las partes transitan un período de "transición"
EFE
Si bien los contactos técnicos entre los jefes de la negociación del Mercosur y la Unión Europea avanzan con la intensión de fijar un cronograma para proceder al intercambio de ofertas, fuentes de la (UE) explicaron a El Observador que dado que las nuevas autoridades de la Comisión Europea (CE) están asumiendo en sus cargos en noviembre, no habrá “grandes decisiones” en lo que resta de setiembre y octubre porque ahora se atraviesa un período de “transición”.
La pasada semana uno de los hombres claves en la negociación por Uruguay, el director general de Integración y Mercosur de la Cancillería Álvaro Ons, alertó en una mesa de debate organizada por la Eurocámara de Uruguay que las gestiones ingresaron a un “punto crítico” y que si en el corto plazo no se fijaba una fecha para el intercambio de ofertas, no habrá un TLC en 2015. “Si en las próximas semanas no hay un compromiso (para intercambiar ofertas), no podemos ser optimistas que este acuerdo pueda cerrarse en el corto plazo”, admitió.
La fuente de la UE indicó que la idea general es “continuar” con las políticas en materia de relacionamiento comercial que se han desarrollo hasta el momento. La nueva jefa de comercio de la Comisión Europea (CE) -que asumirá en noviembre- será la sueca Cecilia Malmstrom.
Hasta el momento, se desconoce qué impronta impondrá esta funcionaria al TLC Mercosur-UE, y también a un TLC con Estados Unidos donde el bloque europeo parece estar más interesado hoy en día. “No vislumbro que las negociaciones se vayan a detener”, estimó el informante del UE.
En la última cumbre del Mercosur que se desarrolló en Caracas en julio, el bloque sudamericano llegó a un acuerdo para cerrar su oferta conjunta (Argentina, Brasil, Uruguay y Paraguay) para alcanzar un TLC con la UE. Así se lo comunicó formalmente y quedó aguardando por una respuesta a este planteo. El intercambio de ofertas estaba previsto para pactarse en diciembre del año pasado, pero se acordó una postergación en el seno del Mercosur para que todos los países involucrados tengan la oportunidad de presentar propuestas de liberalización en bienes y servicios lo más amplias posibles. (El Observador – 13/09/2015)

La Argentina o la salud de los países vecinos
Por Martín Dinatale
La presidenta Cristina Kirchner se reúne hoy con su par de Paraguay Horacio Cartes en una visita oficial que estará coptada por una agenda llena de reclamos hacia la Argentina. Pero paradójicamente las quejas de Asunción, al igual que las del resto de los países vecinos con Buenos Aires, resultan ser diametralmente proporcionales al crecimiento económico que muestran los gobiernos de esos países respecto de la administración kirchnerista.
En términos más simples: la economía de la región parecería gozar de mejor salud que la Argentina a pesar de las denuncias del maltrato que emiten los países vecinos hacia Buenos Aires.
En la agenda del encuentro de Cartes con Cristina Kirchner estarán latentes los reclamos de Paraguay por las trabas a las importaciones que impone la Argentina y los problemas que tienen los buques paraguayos para transportar mercaderías en la hidrovía, entre otros temas.
La Argentina fustigó duramente a la administración paraguaya en los últimos años con medidas proteccionistas del mismo modo que lo hizo con muchos otros países. Sin embargo, la economía de ese país ha crecido sustancialmente. Hoy Paraguay tiene niveles de exportación de carnes a la Unión Europea que antes no tenía y quedó habilitada para recibir créditos de la banca internacional a tasas que la Argentina jamás podría soñar. Paraguay ha logrado colocar un bono a 10 años por hasta 500 millones de dólares en su primera incursión en el mercado internacional de crédito. No es el único caso de vecinos que han progresado mientras la Argentina empieza a sufrir duramente la recesión, la baja del empleo, la merma de inversiones extranjeras y la falta de acceso al crédito internacional.
La economía de la región parecería gozar de mejor salud que la Argentina a pesar de las denuncias del maltrato que emiten los países vecinos hacia Buenos Aires.
Según un informe de la consultora Desarrollo de Negocios Internacionales (DNI) que dirige Marcelo Elizondo, la inversión directa extranjera descendió notablemente en la Argentina si se la compara con el resto de sus vecinos.
La inversión extranjera hacia Argentina descendió 13% en el último año, aún pese a que se computó como recepción de inversión la forzada reinversión de utilidades de empresas que, no recibiendo autorización para enviar utilidades al exterior, debieron reinvertir. Las cifras preliminares exhiben unos 10.400 millones de dólares, aunque el 70% de esa cifra se referiría a la citada reinversión forzada de utilidades de empresas extranjeras operando en le país.
Así, la Argentina exhibe una caída de la inversión extranjera que es cuatro veces mas alta que la total del Mercosur. A la vez, se pudo saber que la Argentina recibe un monto de inversión extranjera que es la mitad de lo que ha recibido Chile y un 1/6 de lo que recibe Brasil.
Según el Global Investments Trends Monitor, el principal receptor de inversión extranjera en 2013 Brasil fue el séptimo país del mundo principal receptor de inversión extranjera (63 billones según las cifras de organismos internacionales, que representan 63.000 millones para la metodología argentina) y Chile ocupó el puesto 18° con 10 billones (US$10.000 millones).
Elizondo remarcó a LA NACION que la participación de las exportaciones en el PBI argentino muestran que desde 2009 éstas perdieron incidencia relativa: en 2012 las exportaciones tuvieron una participación de alrededor del 16% en el PBI y en 2013 estuvieron en el 16% del PBI. Así, la participación de las exportaciones en el PBI en 2013 en la Argentina es menor que las exportaciones en toda América latina. En la lista de los países de alta participación de las exportaciones en el PBI en 2013 se encuentran: Bolivia, Chile, Ecuador y Paraguay.
Según un informe de la consultora Desarrollo de Negocios Internacionales (DNI) que dirige Marcelo Elizondo, la inversión directa extranjera descendió notablemente en la Argentina si se la compara con el resto de sus vecinos.
Uruguay , Chile y Brasil son algunos de los países que más se quejan con la Argentina por las trabas a la importación de sus productos. Pero paradójicamente han crecido en sus economías en los últimos años.
"Aprendimos a convivir y a sacar rédito de los males de la Argentina", expresa con sutileza ante LA NACION un funcionario del gobierno de José Mujica . Es entendible: los desplantes que le dio la Argentina al mercado de carnes o trigo en Rusia o Europea fueron capitalizados por Uruguay que hoy exporta esos insumos como jamás lo había hecho en su historia.
La falta de un acuerdo de la Casa Rosada con los fondos buitre y el ingreso de la Argentina en default no sólo alimentó el sentimiento nacionalista bajo el lema kirchnerista de "Patria o Buitres". Lo que es peor: opacó el optimismo de la sociedad con vistas al futuro. Una encuesta de Poliarquía que ayer se difundió muestra que el 68 % de los argentinos opina que la falta de acuerdo con los holdouts tendrá un impacto fuerte en la economía nacional durante los próximos meses.
Claro que sería demasiado naive atribuirle a los fondos buitre la causa de todos los males que sufre hoy la Argentina y el avance comparativo que lograron en los últimos años los países vecinos. El retroceso argentino no sólo se debe a medidas económicas fallidas. También está directamente vinculado con la falta de una estrategia de acuerdos en la región. Es lo que el libro recientemente editado por Patricio Carmody plantea en términos de la ausencia de "una estrategia de desarrollo consensuado" de parte del Gobierno. En este brillante trabajo titulado Política exterior al fin del mundo, Carmody realiza una extensa comparación entre la diplomacia argentina, la de Chile y Brasil. Los resultados son sorprendentes y reflejan la enorme ventaja que la política y la diplomacia de los países vecinos tuvo en los últimos 20 años sobre la Argentina en cuanto a la mirada estratégica hacia el largo plazo.
En definitiva, el acierto de los países vecinos fue mirar hacia adelante y no quedarse amarrados en el pasado como ocurrió con la Argentina. La receta parece ser taxativa: evitar el ombliguismo, rechazar el aislamiento internacional y planificar hacia el futuro. Está claro que Cristina Kirchner carece por lo menos de algunas de estas tres variables. (La Nación – 13/09/2014)

Produtos e Mercados


Veja mais

Escócia decide ficar no Reino Unido
LEANDRO COLON
A campanha contra a independência da Escócia venceu o histórico plebiscito realizado nesta quinta-feira (18) sobre sua separação do Reino Unido. Do total de votantes, 55% optaram pelo "não", contra o fim da união de 307 anos com os ingleses, e 45% pelo sim, a favor.
Cerca de 3,5 milhões de pessoas (85% dos aptos a votar) que vivem em território escocês responderam sim ou não à pergunta: "A Escócia deve ser um país independente?". A campanha pelo "sim" admitiu a derrota e simpatizantes do "não" celebraram o resultado.
Mundialíssimo: O que está acontecendo na Escócia?
A confirmação nas urnas de que a Escócia permanecerá no Reino Unido é um alívio para o primeiro-ministro britânico, David Cameron, conservador, e o líder da oposição, Ed Miliband, do Partido Trabalhista.
Uma vitória do "sim" provocaria uma pressão pela renúncia do premiê, que, ainda assim, sai desgastado por causa do crescimento dos separatistas nas últimas duas semanas.
Impopular na Escócia, Cameron vinha ignorando a campanha, mas teve de visitar a região por duas vezes recentemente para fazer um apelo pelo voto contra a separação.
Já a continuidade da Escócia como parte do território britânico é essencial no equilíbrio de forças em Londres para os trabalhistas tentarem recuperar o poder nas eleições gerais de 2015.
Os escoceses sempre votaram em peso no Partido Trabalhista -em 2010, a legenda conquistou 41 das 59 cadeiras da Escócia no Parlamento britânico.
Mesmo com a derrota, a campanha pró-independência sai fortalecida por ter chegado a uma situação de chance real de vitória na véspera da votação. Em Glasgow, maior cidade escocesa, o "sim" ganhou, com 53% dos votos.
Uma ameaça que fez governo e oposição em Londres anunciarem um pacote de mais autonomia financeira e política para a Escócia, algo que pode ser ampliado para os outros membros do Reino Unido: Inglaterra, País de Gales e Irlanda do Norte.
A Folha acompanhou a votação em algumas seções da capital Edimburgo. Como já ocorrera na campanha, a mobilização dos separatistas nos locais de votação -uma prática permitida- foi muito maior do que a dos "unionistas".
O clima, ao menos na capital, foi pacífico entre cada lado. Alguns incidentes mais localizados, como muros pichados e brigas, foram relatados em outras cidades.
Durante a quinta (18), o escocês Alister Stein, 66, distribuía panfletos e adesivos contra a independência e já celebrava uma vitória.
"A campanha pelo 'sim' foi pela emoção. Me sinto escocês, mas também britânico. Somos todos uma nação. A Escócia seria mais fraca sozinha", disse, em frente a uma seção instalada num luxuoso hotel de Edimburgo. (Folha de SP – 19/09/2014)

UE saúda resultado de referendo escocês e comprometimento com bloco
REUTERS
O presidente da Comissão Europeia, José Manuel Barroso, saudou a rejeição da Escócia à independência, dizendo que o resultado foi positivo para a Europa, e salientou o fortalecimento do comprometimento mostrado pelo escoceses durante a campanha de filiação à UE.
“Eu dou boas vindas à decisão do povo escocês de manter a unidade do Reino Unido”, disse Barroso em um comunicado nesta sexta-feira. “O resultado é bom para uma Europa unida, aberta e mais forte, defendida pela Comissão Europeia."
“A Comissão Europeia continuará a se engajar em um diálogo construtivo com o governo escocês, em áreas sob sua responsabilidade, que são importantes para o futuro da Escócia, incluindo empregos e crescimento, energia, mudanças climáticas e meio-ambiente, e também regulamentação mais inteligente."
Em um comunicado separado, o presidente do Conselho Europeu, Herman Van Rompuy, também saudou o resultado escocês.
Em uma aparente referência à possibilidade de um referendo britânico para deixar a UE, ele disse: “O Reino Unido é e continuará sendo um membro importante da União Europeia para o benefício de todos os cidadãos e membros da UE." (Por Alastair Macdonald) (O Estado de SP – 19/09/2014)

Escócia rejeita independência; Cameron reforça promessa de mais autonomia
Em referendo histórico, 55% dos escoceses votaram contra a independência do país em relação ao Reino Unido. Mais de 3,6 milhões, dos 4,3 milhões de eleitores registrados, compareceram às urnas, um recorde em relação a todas as eleições já realizadas no Reino Unido desde o sufrágio universal, em 1918.
A campanha Sim, Escócia - a favor da independência - ganhou em cidades importantes como Glasglow (53%), Dunbartonshire (54%), Dundee (57%) e North Lanarkshire (51%). A campanha Melhor Juntos - que defendeu a continuidade da união - venceu em 26 regiões, incluindo a capital, Edimburgo (61%).
A votação foi concluída às 22h (18h no Brasil) dessa quinta-feira (18), e a apuração avançou pela madrugada. Por volta das 5h (1h no Brasil), com a maioria dos votos contabilizados, já era possível prever o resultado. Militantes pró-independência, que fizeram nos últimos quatro meses uma das mais apaixonadas campanhas já vistas no Reino Unido, demonstraram sua frustração em diversas partes da Escócia. Muitos pareciam não acreditar nos números. Alguns choraram.
O primeiro-ministro escocês, Alex Salmond, principal líder da campanha separatista, foi o primeiro a se manifestar. Em discurso emocionado, agradeceu a 1,6 milhão de pessoas que votaram a favor da independência e pediu que eles aceitem o veredito democrático. Salmond disse esperar que o governo britânico cumpra rapidamente suas promessas de garantir mais poderes ao povo escocês.
Logo que os resultados foram oficialmente declarados, o primeiro-ministro britânico, David Cameron, fez um discurso aos cidadãos. Ele destacou que, com o referendo, a questão da independência foi decidida por uma geração. Cameron reforçou as promessas de mais autonomia ao Parlamento escocês sobre impostos, gastos e serviços públicos. "Os três principais partidos a favor da união assumiram o compromisso de garantir mais poderes ao Parlamento. Vamos garantir que esses compromissos sejam honrados em sua totalidade", declarou. O primeiro-ministro planeja encaminhar um projeto de lei sobre o tema até janeiro do ano que vem.
(Agência Brasil – 19/09/2014)

Argentina vai controlar produção de empresas
ARIEL PALACIOS, CORRESPONDENTE/ BUENOS AIRES
Norma prevê que o governo poderá definir margens de lucro e aplicar sanções a empresários que façam remarcações de preços "injustificadas"
A Câmara de Deputados aprovou na madrugada de quinta-feira, por 130 votos a favor e 105 contra, o projeto de reforma da Lei de Abastecimento, legislação criada pelo presidente Juan Domingo Perón em sua última semana de vida em 1974. Graças à reforma, o governo da presidente Cristina Kirchner terá à disposição uma bateria de novas medidas intervencionistas para bens e serviços.
Entre as medidas está a determinação - "para qualquer etapa do processo econômico" - de cotas de produção, margens de lucros, níveis mínimos e máximos de comercialização e preços de referência. Com esta lei, o governo poderá aplicar sanções a empresários que façam remarcações que as autoridades interpretem como "artificiais" ou "injustificadas".
A reforma elimina as penas de prisão para empresários previstas na lei de 1974 para "agiotas e especuladores" que não fornecerem produtos em volume suficiente para abastecer o mercado. Mas eleva as multas às empresas, que poderiam chegar a US$ 1,5 milhão.
Além disso, a reforma da lei autoriza o governo a fechar um comércio ou uma empresa pelo prazo de 90 dias.
"O governo quer instaurar uma escala de controles que desvirtua o controle democrático e a divisão de poderes e os transforma em uma ameaça permanente", afirmou a deputada Patricia Bullrich, de oposição.
Outros parlamentares destacaram que a nova legislação pretende "disciplinar e intimidar" os empresários. Um dos principais presidenciáveis para as eleições do ano que vem, o deputado Sergio Massa, da Frente Renovadora, uma dissidência do peronismo, afirmou que, ser for eleito presidente, revogará a reforma da Lei de Abastecimento.
Reação. Nunca uma legislação proposta pela administração Kirchner havia desatado críticas de todo o leque empresarial. As associações que integram o Grupo dos Seis (Sociedade Rural, União Industrial Argentina, Bolsa de Comércio, Câmara de Comércio, Câmara da Construção e a Associação de Bancos Privados de Capital Argentino) manifestaram sua preocupação pelo "impacto adverso que causará a Lei de Abastecimento na atividade econômica, nos investimentos, nos postos de trabalho no conjunto de setores das diversas províncias".
Segundo a União Industrial Argentina (UIA), a reforma "atinge a propriedade privada", pois "potencializa a intervenção do Estado na economia e nas empresas".
No setor agropecuário também existe preocupação com a norma. "A reforma é inconstitucional porque deixa vulneráveis pelo menos três princípios importantíssimos: o direito à propriedade, o direito a associar-se para exercer indústrias lícitas e a delegação de faculdades judiciárias no Poder Executivo, algo proibido na carta magna", afirmou o presidente da Sociedade Rural, Luis Etchevere. Segundo ele, a norma "possibilitará que o governo entre nas propriedades agrícolas e confisque cereais e oleaginosas".
O governo negou ter pesado a mão na intervenção. "Não buscamos um excesso de estatismo, sequer de sovietismo", disse o ministro da Economia Axel Kicillof. O ministro alega que a reforma da lei foi feita para "defender os consumidores". (O Estado de SP – 19/09/2014)

Escócia: pesquisa aponta vitória do 'não'
ANDREI NETTO, ENVIADO ESPECIAL A EDIMBURGO
Segundo primeiras sondagens, entre 52% e 54% dos eleitores rejeitaram a independência escocesa em plebiscito
A pesquisa foi divulgada há pouco pela emissora Sky News e mostra ligeira vantagem do movimento unionista na comparação com as últimas pesquisas eleitorais
Pesquisas de opinião realizadas com eleitores que foram às urnas nesta quinta-feira, 18, na Escócia, indicam que o "não" à independência e à secessão da Grã-Bretanha deve sair vitorioso do histórico plebiscito.
Depois de 15 horas de votação, dois prognósticos divulgados no início da tarde e à noite indicaram vantagem para a campanha Better Together, unionista, que teria 54% dos votos segundo o instituto YouGov e 53% de acordo com Ipsos-Mori. O movimento independentista Yes Scotland perderia a disputa com entre 46% e 47% dos votos, segundo as sondagens.
A perspectiva de avanço dos unionistas com a proximidade do plebiscito já havia sido apontada por cientistas políticos da Universidade de Edimburgo e da Escola de Economia e de Ciência Política de Londres (LSE) ouvidos pelo Estado na última semana. Especialistas apontavam que a tendência a conservar o status atual avançaria com o medo da mudança, argumento explorado pelo primeiro-ministro britânico, David Cameron.
Segundo pesquisa pós-voto divulgada pelo instituto Ipsos-Mori na quinta-feira, cinco horas após o início da votação, a perspectiva de vitória do "não" crescera nas últimas 24 horas de propaganda política. A sondagem com eleitores que já haviam ido às urnas indicou 53% para o "não" a 47% pelo "sim". Outro elemento indicando a tendência era a expectativa de vitória. Dos entrevistados, 46% estimavam que o "não" à independência sairia vencedor, enquanto 30% apontavam que o vencedor seria o "sim".
No final da noite, após o fechamento das urnas, YouGov anunciou o resultado de sua pesquisa, realizada com base em 1,8 mil eleitores que também haviam comparecido às urnas, além de outros 800 que votaram por correio. O resultado deixava para trás a perspectiva de um empate técnico: 54% para o "não", 46% para o "sim". "Com o risco de parecer tremendamente ridículo em poucas horas, eu diria que a chance de vitória do não é de 99%", anunciou Pete Kellner, presidente do instituto.
A perspectiva de vitória de manutenção da Grã-Bretanha também era majoritária no final da noite nos comitês Better Together, segundo informou ao Estado Iain McGill, um dos estrategistas regionais da campanha. "Os indicativos parecem muito bons", afirmou, evitando entrar em detalhes. Os prognósticos internos indicavam uma larga vitória, por 57% dos votos válidos, contra 43% da campanha Yes Scotland.
Apuração. A estrutura montada pela comissão eleitoral foi a maior da história do país, para fazer frente a uma afluência recorde às urnas: 89% dos 4,2 milhões de eleitores inscritos, a maior frequência desde 1945, ao final da 2.ª Guerra.
Nas seções eleitorais do centro de Edimburgo o fluxo de eleitores foi permanente, mas mais intenso pela manhã e no início da noite. Americana filha de escocês, Lucy Stuart votou por antecipação, via correio, mas ao sair às ruas de Edimburgo se disse surpresa com o clima de excitação no país. "Estou impressionada com a atmosfera da cidade. As pessoas estão na expectativa do resultado", contou a estudante de mestrado da Universidade de Edimburgo. "Eu votei ‘não’, mas parte de mim gosta da ideia do ‘sim’. O mais importante é a mensagem de democracia que estamos enviando. Espero que os políticos compreendam que queremos mudanças." (O Estado de SP – 19/09/2014)

Toshiba deixa segmento de PCs e demite 900 funcionários
Hannibal Hanschke
DE SÃO PAULO
A japonesa Toshiba anunciou nesta quinta-feira (18) que deixará de fabricar computadores pessoais e que passará a focar-se em negócios no "lucrativo setor B2B [corporativo]". A decisão significa que 900 pessoas perderão seus empregos, segundo reportagem do site "Re/code".
"A companhia também se voltará promovendo ativamente a internet das coisas", disse em comunicado. "A companhia expandirá sua ampla gama de produtos, de 'workstations' a tablets, para usuários 'business'."
No anúncio, a Toshiba classificou o setor de computação pessoal como "volátil" e "demasiado dependente na escala e no volume de vendas". "Vamos deixar os mercados pouco rentáveis e otimizaremos as bases de vendas em países e regiões onde há pouco lucro."
A fabricante segue a Sony, que vendeu a divisão e a marca Vaio de computadores de mesa, notebooks e híbridos em fevereiro deste ano.
A Toshiba diz acreditar que, com isso, suas atividades no segmento corporativo podem crescer 50% até 2016. (Folha de SP – 18/09/2014)

Japão tem 26º mês seguido de déficit comercial
TÓQUIO - O déficit comercial do Japão encolheu 2,4% em agosto, perante um ano antes, para 948,5 bilhões de ienes (US$ 8,75 bilhões). Alguns economistas previam um resultado negativo de 1,028 trilhão de ienes no período. Apesar de o déficit ter diminuído, foi o 26º mês consecutivo de saldo comercial negativo.
Apesar de o déficit ter diminuído, o desempenho das exportações é um fator de preocupação. As vendas externas caíram 1,3% em agosto, em relação a um ano antes, para 5,705 trilhões de ienes. As exportações do Japão para toda a Ásia recuaram 0,6% no comparativo anual e para os Estados Unidos cederam 4,4% no mesmo tipo de confronto. (Dow Jones Newswires) (Valor Online – 18/09/2014)

IPhone 6 precisa de mais uma licença para lançamento na China
PEQUIM - A Apple ainda está aguardando uma licença de reguladores chineses para que possa iniciar as vendas do novo iPhone 6 em um dos mercados mais importantes para a companhia.
A agência oficial de notícias Xinhua disse nesta quinta-feira que o novo iPhone recebeu aprovação regulatória para uso em frequências domésticas, mas o telefone não pode ser vendido na China até que receba uma licença crucial para redes. A notícia da Xinhua não deu indícios sobre quando isso deve ocorrer.
Especulação e incerteza tem cercado o status do iPhone na China. Aumentando a confusão, uma análise da Reuters de documentos publicados no site do regulador mostraram que a aprovação divulgada pela Xinhua pode, na verdade, ter sido outorgada ainda em julho.
O atraso do lançamento do novo iPhone impactou as ações tanto da Apple quanto das operadoras domésticas de telecomunicações na China.
Uma fonte do setor familiarizada com o processo de certificação disse que o Ministério de Indústria e Tecnologia da Informação da China, que testa telefones antes que eles possam ingressar nas redes chinesas de telecomunicações, normalmente demora entre um a dois meses para aprovar um novo telefone.
A Apple não fez nenhum comentário sobre o lançamento do iPhone na China, além de dizer que está trabalhando para trazer o dispositivo ao mercado chinês o quanto antes. (Reuters – 18/09/2014)

Ericsson encerrará unidade de modems e mil postos de trabalho serão fechados
ESTOCOLMO - A Ericsson, maior fabricante de equipamentos para redes móveis do mundo, está encerrando seu negócio de modem, fechando a unidade deficitária com a saída de cerca de mil funcionários.
A decisão surge em meio à queda nos preços de modems, demandas crescentes em pesquisa e desenvolvimento e um mercado em diminuição à medida que mais fabricantes de smartphones compram modems e processadores, que a Ericsson não fabrica, em conjunto.
A companhia sueca havia dito que iria avaliar o futuro do negócio num prazo de 18 a 24 meses ao assumí-lo em 2013 quando a parceira de joint venture, a STMicroelectronics, saiu do negócio.
O presidente-executivo da Ericsson disse nesta quinta-feira que o mercado em rápida transformação acarretou na companhia concluindo que o sucesso do negócio seria caro demais.
"Além disso, acreditamos que podemos usar esse dinheiro de um jeito melhor", disse Hans Vestberg à Reuters.
A companhia sueca disse que a decisão para encerrar o desenvolvimento de modems significa que a empresa pode alocar recursos para o desenvolvimento de redes de rádio.
A decisão de parar de desenvolver novos modems significa que cerca de mil funcionários deixarão a Ericsson, disse Vestberg.
Parte dos outros funcionários encontrarão trabalho em uma nova unidade de pesquisa e desenvolvimento, dentro do negócio principal de redes de rádio da Ericsson, que será montada na Suécia e empregará 500 pessoas no total.
A Ericsson disse esperar que a medida leve a economias significativas de custo, sem especificar valores. Nos três trimestres desde que o negócio de modems foi integrado à Ericsson, ele acumulava 1,7 bilhão de coroas suecas (238 milhões de dólares) em prejuízos operacionais. (Por Sven Nordenstam) (Reuters – 18/09/2014)

Exportação aos árabes fica estável
Vendas do Brasil à região somaram US$ 1,2 bilhão em agosto, um aumento de apenas 0,76% sobre o mesmo mês de 2013. Importações, porém, avançaram 141% na mesma comparação.
Alexandre Rocha
São Paulo – As exportações brasileiras aos países árabes somaram mais de US$ 1,2 bilhão em agosto. Houve uma variação positiva de 0,76% em relação ao total registrado no mesmo mês do ano passado, segundo dados do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC) compilados pela Câmara de Comércio Árabe Brasileira.
Entre os principais itens comercializados, aumentaram os embarques de açúcar, em 12%, carne bovina fresca (27%), lácteos (182%), soja (909%), café (1,24%) e veículos (390%). Caíram, porém, as vendas de frango, em 15%, carne bovina congelada (54%), gado vivo (31%), milho (20,5%) e minério de ferro (19,5%).
“No caso dos lácteos é automático, pois o Brasil voltou a ter competitividade”, disse o diretor-geral da Câmara Árabe, Michel Alaby. Sobre a soja, cujos embarques para a Arábia Saudita aumentaram de forma significativa, ele comentou que o país importa o produto para alimentação do rebanho e produção local de óleo.
No que diz respeito aos maiores destinos na região, as exportações para os Emirados Árabes Unidos cresceram 43% sobre agosto de 2013 e somaram US$ 294,21 milhões, as para a Arábia Saudita ficaram em US$ 293,96 milhões, um avanço de 42% na mesma comparação, e as para Omã totalizaram US$ 83,35 milhões, um acréscimo de 6,7%.
Recuaram, no entanto, os embarques ao Egito, que renderam US$ 159,28 milhões no mês passado, 46% a menos do que em agosto de 2013, e para a Argélia, que somaram US$ 85 milhões, uma queda de 12,63% na mesma comparação.
As vendas cresceram também para o Iêmen, Marrocos, Catar, Bahrein, Síria, Somália, Djibuti, Sudão e Ilhas Comores; e caíram para a Tunísia, Líbano, Jordânia, Kuwait, Líbia, Iraque, Mauritânia e Palestina.
Em agosto, as exportações cresceram pelo terceiro mês consecutivo, após cinco meses de queda.
No acumulado do ano, os embarques brasileiros ao mundo árabe renderam 8,51 bilhões, um recuo de 3,47% em comparação com o mesmo período do ano passado. Avançaram as vendas de carne bovina congelada, em 2,2%, carne bovina fresca (20,5%), soja (73,7%), lácteos (181%) e gado vivo (11,5%); mas caíram as exportações de frango, em 20%, açúcar (10%), minério de ferro (9%), milho (11%) e café (10,6%).
“Ainda há um resquício dos índices negativos que nós tivemos nos meses anteriores”, destacou Alaby. Ele acredita que em setembro é possível que os negócios aumentem, pois no início de outubro haverá o Hajj, a grande peregrinação anual dos muçulmanos a Meca, e a Arábia Saudita tem que acumular estoques para abastecer o enorme número de visitantes.
O executivo acha difícil prever, porém, como o comércio vai se comportar nos últimos meses do ano, pois do lado brasileiro haverá eleição presidencial no próximo mês, o que torna o cenário político e econômico incerto, e do lado árabe há instabilidade em países importantes da região.
Entre os destinos, os envios aos Emirados totalizaram US$ 1,767 bilhão de janeiro a agosto, um avanço de 13% sobre o mesmo período de 2013; para a Arábia Saudita somaram US$ 1,684 bilhão, uma redução de 10% na mesma comparação; ao Egito renderam US$ 1,345 bilhão, um acréscimo de 1%; à Argélia ficaram em US$ 807 milhões, um aumento de 14%; e para Omã foram de US$ 568,5 milhões, uma queda de 22,6%.
Importações
Na outra mão, as importações brasileiras de produtos dos países árabes somaram pouco menos de US$ 1,1 bilhão, um crescimento de 141,5% em relação a agosto de 2013. As compras de nafta aumentaram 394% e as de petróleo bruto, 460%, ao passo que as de fertilizantes caíram 30%.
A Argélia foi a maior fornecedora do Brasil no mês entre as nações árabes, com negócios no valor de US$ 332,5 milhões, um avanço de 152% sobre agosto do ano passado; seguida da Arábia Saudita, com US$ 296 milhões, um aumento de 549%; do Marrocos, com US$ 158 milhões, um acréscimo de 10%; do Iraque, com pouco mais de US$ 100 milhões, contra zero no mesmo mês de 2013; e Omã, com US$ 88 milhões, ante apenas US$ 650 mil em agosto do ano passado.
No acumulado do ano, as importações ficaram acima de US$ 7,5 bilhões, uma queda de 2,56% em comparação com os primeiros oito meses de 2013. Os maiores fornecedores no período foram Arábia Saudita, Argélia, Marrocos, Iraque e Kuwait, e os principais itens comercializados foram petróleo e derivados, e fertilizantes. (Anba – 18/09/2014)

Encontro de Xi e Modi
A China, "fábrica do mundo", e a Índia, o "escritório administrativo do mundo", podem comandar o crescimento econômico global, disse ontem o presidente da China, Xi Jinping, momentos antes de encontrar-se com Narendra Modi em Ahmedabad, terra natal do premiê indiano. A rara visita tem como foco estreitar os laços econômicos entre os dois gigantes e ainda resolver uma disputa de décadas acerca dos limites fronteiriços entre os dois países. Na foto, Xi e Modi (dir.) em Ahmedabad. (Valor Online – 18/09/2014)

Votação sobre a independência da Escócia leva 4 milhões às urnas
Giselle Garcia - Correspondente da EBC
Edição: Graça Adjuto
Mais de 4 milhões de escoceses vão às urnas hoje (18) para decidir se a Escócia deve permanecer no Reino Unido ou se tornar independente. Ao todo, 2.608 locais de votação estão abertos desde as 7h (horário de Londres, 3h em Brasília) e fecharão às 22h. O ex-primeiro-ministro britânico Gordon Brown, um dos líderes da campanha contra a separação, e o primeiro-ministro escocês, Alex Salmond, grande defensor da independência, votaram no início da manhã.
A contagem de votos começa assim que as urnas forem fechadas e deve seguir pela madrugada. O resultado final será divulgado oficialmente às 7h de sexta-feira (19).
Ontem (17), as duas campanhas, a favor e contra a independência, fizeram grandes atos políticos na tentativa de mobilizar os eleitores e angariar o voto dos indecisos. Em Glasgow, a campanha Melhor Juntos foi liderada por Gordon Brown, que reforçou os ganhos obtidos ao longo de 300 anos de Grã-Bretanha e fez um apelo: “O que teremos construído juntos se nos sacrificarmos e nos dividirmos? Não vamos deixar esse nacionalismo estreito nos separar, nunca”.
Na cidade escocesa de Perth, a campanha Sim Escócia, que defende a independência da região, promoveu um comício que reuniu milhares de pessoas. Alex Salmond, em seu último discurso antes do referendo, convocou os eleitores a “escolher esperança, em vez de medo, e oportunidade, em vez de desespero”. Em sua fala, ele foi interrompido pela multidão, que cantava: “Sim, nós podemos”.
Personalidades britânicas manifestaram suas posições em relação ao referendo. Hoje, pelo Twitter, o tenista britânico Jamie Murray disse que “é hora de a Escócia ficar de pé e controlar seu próprio destino”. A estilista Vivienne Westwood e o ator Sean Connery também são a favor da independência, enquanto estrelas como Paul McCartney, Mick Jagger e o ex-jogador David Beckham são contra. A escritora J. K. Rowling, autora do livro Harry Potter, doou 1 milhão de libras esterlinas (quase R$ 4 milhões) para a campanha contra a separação.
O referendo histórico dominou hoje as primeiras páginas dos jornais britânicos, que expressaram incerteza sobre o futuro do Reino Unido. O diário The Guardian trouxe na capa o mapa do Reino Unido com a manchete: O dia do destino. O jornal escocês The Herald trouxe a manchete O dia de a Escócia acertar as contas. Será esse o triste final da identidade britânica, resultado de uma união que já dura três gerações? Quando o sino do Castelo de Edimburgo bater às 7h de sexta-feira, e os resultados forem oficialmente divulgados, o mundo então saberá a resposta. (Agência Brasil – 18/09/2014)

Começa o plebiscito para decidir futuro da Escócia
LEANDRO COLON
ENVIADO ESPECIAL A EDIMBURGO
A Escócia vota desde às 7h (3h, horário de Brasília) desta quinta-feira (18) se vai ou não se separar do Reino Unido, uma decisão que pode pôr fim à união de 307 anos com os ingleses.
Debaixo de chuva e temperatura baixa, milhares de moradores da capital Edimburgo foram cedo aos locais de votação - são cerca de 2.600 postos em toda a Escócia.
Um comparecimento recorde e um resultado equilibrado devem marcar o plebiscito, cujo resultado oficial está previsto para ser divulgado nesta sexta-feira (19) pela manhã.
Cerca de 4,2 milhões de pessoas que vivem em território escocês podem responder sim ou não à pergunta: "A Escócia deve ser um país independente?".
A campanha pelo "sim" ganhou um apoio de última hora nesta manhã: do tenista escocês e campeão olímpico, Andy Murray. Ele declarou que, em caso de independência, vai disputar os Jogos Olímpicos pela Escócia.
Pesquisas divulgadas na noite de quarta (17) apontam vitória apertada do "não". No levantamento do instituto "YouGov", o voto pelo "não" tem 52%, o "sim", 48% -sem considerar os indecisos, que são 6%.
A expectativa é que 80% dos eleitores votem, o que seria um recorde na história do país.
Mesmo que permaneçam parte do Reino Unido, os escoceses já podem celebrar uma conquista: em troca do voto "não", o governo britânico e a oposição prometeram mais autonomia financeira e política à Escócia.
Já o primeiro-ministro britânico, o conservador David Cameron, não tem muito o que comemorar, mesmo que o "não" vença.
Impopular entre os escoceses, deve sair desgastado da campanha, que ignorava até o crescimento do "sim".
Diante dos rumores de que teria de renunciar caso o "sim" vencesse, Cameron se aliou ao adversário e líder trabalhista Ed Miliband, cuja sigla é mais forte na Escócia.
O premiê visitou então a região duas vezes para apelar pelo voto que desmantelaria o Reino Unido, formado por Escócia, Inglaterra, Irlanda do Norte e País de Gales.
Nesta quarta (17), Cameron reafirmou que não renuncia em hipótese alguma.
A separação seria um desastre também para os trabalhistas, que dependem do país para equilibrar o jogo em Londres, ainda mais em 2015, ano de eleição geral. Em 2010, o partido levou 41 das 59 cadeiras da Escócia no Parlamento britânico.
Até a rainha Elizabeth 2ª, que anunciara neutralidade, pediu que os escoceses votassem com "cuidado".
Por meio do Twitter, a Casa Branca reafirmou ontem a posição do presidente Barack Obama contra a independência e a favor de um Reino Unido "forte e robusto".
As autoridades prometem anunciar o resultado até a manhã desta sexta (19).
Se o "sim" vencer, a independência valeria de fato a partir de 2016, após um período de transição.
Em sua mensagem final, o primeiro-ministro do Parlamento local, Alex Salmond, líder da campanha pela independência, disse que a Escócia seria o "amigo mais próximo e aliado comprometido" do Reino Unido.
Salmond é líder do Partido Nacionalista Escocês (SNP), que conquistou o poder regional em 2011, o que levou o governo britânico a aceitar um acordo para realizar o histórico plebiscito. (Folha de SP – 18/09/2014)

A Europa fica atenta ao desfecho do referendo de independência escocês
Walter Oppenheimer Edimburgo
A Escócia já está em plena votação. Desde as 7h (3h em Brasília), os escoceses e demais residentes da Escócia com mais de 16 anos começaram a depositar nas urnas as cédulas que vão decidir se ela se torna independente ou permanece como parte do Reino Unido. O que parece ser uma decisão simples acabou atraindo a atenção não só dos britânicos mas também de toda a Europa e dos Estados Unidos, por causa das consequências geoestratégicas que a separação traria.
Os resultados só serão conhecidos na sexta-feira, entre as 6h e 7h (2h e 3h em Brasília). Espera-se um grande comparecimento de eleitores, e os números dos votos por correio respaldam essa impressão: cerca de 80% dos 790.000 cidadãos que pediram para votar à distância exerceram seu direito.
Os escoceses representam menos de 10% da população do Reino Unido e ocupam um terço do território da Grã-Bretanha, mas o referendo pela independência da Escócia está destinado a transformar o país inteiro, de uma forma ou de outra.
A reta final da campanha desatou paixões, acusações de jogo sujo por ambos os lados e uma mobilização do establishment de Londres para evitar que os escoceses partam. As pesquisas de intenção de voto apontam que eles devem acabar ficando, mas as margens estreitas de quase todas elas e a ascensão do “sim” nas últimas semanas fazem com que o resultado seja imprevisível. A sondagem mais recente, divulgada na noite de quarta-feira pelo instituto YouGov, dá ao “não” uma vantagem de quatro pontos sobre o “sim”.
Os escoceses estão levando o assunto muito a sério. Um total de 4.285.323 pessoas se registraram para votar – 97% dos que tinham esse direito. Espera-se que o comparecimento seja altíssimo, provavelmente superior a 90%, o que dará mais legitimidade a uma decisão que, caso acabe sendo tomada por uma margem muito estreita de vantagem, provocará polêmica dentro e fora do Reino Unido.
O resultado, no entanto, se fará esperar. O peculiar sistema de contagem que os britânicos aplicam em suas eleições faz com que os últimos e talvez decisivos votos sejam conhecidos só depois das 6h ou das 7h da sexta-feira (2h ou 3h em Brasília), oito ou nove horas depois do encerramento da votação, às 22h desta quinta-feira (18h em Brasília).
O país está dividido em 32 conselhos municipais, e a contagem dos votos é feita em cada um deles. A primeira coisa que se faz é contar o número de cédulas recebidas para verificar que a cifra corresponde ao número de pessoas que exerceram o direito ao voto. Depois disso começa a contagem propriamente dita.
A previsão é que às 2h da sexta-feira (22h da quinta-feira em Brasília) sejam conhecidos os resultados dos sete primeiros conselhos municipais, mas esse resultado pode ser enganoso, porque se trata de zonas rurais pouco povoadas que somam pouco mais de 15% dos eleitores registrados. Os resultados em Edimburgo e Glasgow, que sozinhas representam 20% do eleitorado, só chegarão às 6h de sexta (2h em Brasília). E ainda faltará Aberdeen, a capital petrolífera, que representa 4,1% do conjunto dos eleitores.
O professor Michael Keating, diretor do Centro Escocês sobre a Mudança Constitucional, acredita que a subida do “sim” na fase final antes do referendo se deveu “à campanha desastrosa do ‘não’ e ao fato de o ‘sim’ estar no ar”. Os partidários da independência estiveram presentes nos milhares de debates locais realizados na Escócia sobre a independência. “Em muitos desses debates, os representantes do ‘não’ sequer estavam presentes. Eles travaram uma guerra aérea: pelo bombardeio. E a história recente dos conflitos militares nos ensinou que não se pode ganhar uma guerra a partir do ar – é preciso estar em campo.”
“A campanha do ‘não’ foi incrivelmente incompetente, negativa demais. Uma ameaça é eficaz; duas, já não tanto, e três ameaças eliminam as duas primeiras, porque as pessoas deixam de acreditar em você. Vocês vão perder a libra, vão expulsá-los da UE, sua economia e os bancos vão desabar, vocês vão ficar sem defesa, os terroristas vão vir para cá... Tudo isso não tem credibilidade nenhuma”, prossegue o professor.
“A campanha do ‘sim’ foi extremamente positiva: a Escócia será economicamente mais próspera, socialmente mais justa, será um país que trabalhará com seus amigos por meio da UE. Estou otimista”, resume Angus Robertson, líder do grupo parlamentar do SNP (Partido Nacional Escocês) na Câmara dos Comuns. (El País – 18/09/2014)

Escoceses decidem sobre independência do Reino Unido
O destino do Reino Unido está em jogo nesta quinta-feira, quando os eleitores escoceses vãos às urnas num referendo para decidir se vão ou não se tornar uma Estado independente e, desta forma, desfazer um casamento que ajudou a construir um império, mas é cada vez mais percebido por muitos escoceses como algo sufocante e unilateral.
A pergunta na cédula de votação é bastante simples: "A Escócia deve ser um país independente?" A questão tem dividido os escoceses durante os meses de campanha e pesquisas de opinião mostraram que é impossível prever o resultado, embora o "sim" tenha ganhado força nas últimas semanas.
Mais de 2.600 locais de votação abriram às 7h (horário local, 4h em Brasília) e fecharão às 22h (18h em Brasília). A expectativa é que o comparecimento às urnas seja alto, já que mais de 4,2 milhões de pessoas se registraram para votar, ou 97% dos eleitores do país.
O primeiro-ministro Alex Salmond votou perto de sua casa, no nordeste do país. Se o "sim" vencer ele vai liderar seu país para a independência, após uma aliança com a Inglaterra, formada em 1707.
A forças pró-independência receberam um reforço de última hora do tenista Andy Murray, que abandonou a neutralidade e firmou seu apoio ao "sim" num tuíte para seus 2,7 milhões de seguidores na manhã desta quinta-feira.
Líderes contrários à separação, dentre eles o ex-primeiro-ministro Gordon Brown, imploraram aos escoceses que não destruam seus laços com o restante do Reino Unido.
Havia muita neblina nas ruas de Edimburgo nesta manhã, quando um grande número de eleitores começou a chegar num local de votação, no centro da cidade, assim que ele foi aberto. O clima era de emoção e nervosismo. Os eleitores manifestaram uma mistura de emoção e apreensão a respeito da escolha dos escoceses.
Uma das primeiras da fila era Anne Seaton, que disse ter votado "sim". "Por que não?" Segundo ela, a "Escócia ficou sob o Parlamento inglês por azar" em 1707. "Esta é a hora de a Escócia tomar uma decisão deliberada pela independência."
Thomas Roberts disse ter votado "sim" porque se sente otimista a respeito do futuro como um país independente. "Por que não jogar os dados mais uma vez", questionou.
Assim que as sessões eleitorais forem encerradas, as urnas serão transportadas para 32 centros regionais para a contagem dos votos. O resultado é esperado para a manhã de sexta-feira.
Roberts disse que espera assistir os resultados num pub, já que muitos deles ficarão abertos durante a noite. "Vou me sentar, com uma cerveja nas mãos, e assistir à divulgação dos resultados", afirmou ele.
Mas o consultor financeiro Michael MacPhee, que votou "não", disse que vai observar os resultados "com ansiedade". Para ele, a independência da Escócia é "a ideia mais tola que já ouvi". Fonte: Associated Press. (O Estado de SP – 18/09/2014)

A Escócia e a força centrífuga da globalização
PHIL, LEVY, FOREING POLICY
Uma proteção continental como a União Europeia podeestimular Edimburgo dispensar o guarda-chuva britânico
A possibilidade de grande parte dos escoceses votar hoje pela separação da Grã-Bretanha ameaça subverter algumas das estruturas econômicas e políticas mais básicas da atual ordem mundial. É notável que esse tumulto possa surgir numa região com uma população que é pouco mais da metade da região metropolitana de Chicago. É também notável que isso possa acontecer numa época de globalização supostamente inexorável.
No momento em que os escoceses pensam em sair da jurisdição britânica, convém meditar sobre o uso desse termo e o que uma união tinha a oferecer. Um indivíduo vivendo fora da civilização organizada precisava se preocupar com desafios como comida e autodefesa. Se o assentamento em que vivia fazia parte de uma união mais poderosa, essas necessidades podiam ser preenchidas por outros, permitindo que seus descendentes se dedicassem a engenharia, direito ou medicina. Sob o guarda-chuva reconfortante da civilização, a vida não era tão assustadora como havia sido fora dele.
Isso pode parecer um argumento estranho para descrever a dinâmica da secessão escocesa. Afinal, a ideia não é que eles se aventurarão a sair e correr o risco de perder os confortos de sua participação na Grã-Bretanha?
Talvez, mas o mundo mudou. Se os escoceses olharem em volta, provavelmente não verão Estados pequenos, solitários e esfarrapados em busca de proteção. Verão regiões como Eslováquia e Croácia encontrando prontamente um lugar na União Europeia (UE). Note-se que cada uma fez parte de uma união desfeita - Checoslováquia e Iugoslávia, respectivamente. Como os escoceses já são membros da UE por sua cidadania britânica, isso poderia parecer um passe livre.
A UE está cautelosa sobre servir como força divisora. Em 2012, o presidente da Comissão Europeia, José Manuel Durão Barroso, disse que qualquer região que se separasse de um Estado-membro da UE não teria participação automática no bloco com sua independência. Membros da UE, como Espanha e Bélgica, estão particularmente ansiosos para suprimir qualquer precedente que possa inspirar regiões separatistas como a Catalunha ou Flandres. Mas, se não houver qualquer tipo de disputa com o restante da Grã-Bretanha (do tipo que mantém a Macedônia fora da UE), é provável que a UE receba seus antigos cidadãos assim que possível.
Na esteira das pesquisas que mostraram a secessão escocesa como uma real possibilidade, tem havido uma torrente de análises econômicas considerando as perspectivas de uma Escócia independente e os desafios que ela enfrentaria. Paul Krugman é um dos muitos que se concentraram na questão da moeda. A Escócia utiliza a libra esterlina e os líderes nacionalistas manifestaram a intenção de mantê-la. Krugman e outros estão certos em apontar os inúmeros problemas desse plano.
Embora uma Escócia independente possa simplesmente declarar que a libra é sua moeda (como El Salvador, de tamanho similar, fez com o dólar), ela não teria nenhuma voz ativa na política monetária e não poderia recorrer ao Banco da Inglaterra para os outros serviços que um banco central propicia, como o de "emprestador em último recurso". "Em suma, tudo que ocorreu na Europa desde 2009 demonstrou que partilhar uma moeda sem partilhar um governo é muito perigoso. No jargão econômico, a integração bancária e a fiscal são elementos essenciais de uma zona de moeda ideal", disse Krugman.
Concordo com ele neste ponto, mas vale notar que isso contradiz alguns princípios fundamentais da União Europeia moderna. A zona do euro tem uma união monetária, mas só deu passos limitados e inadequados para uma união bancária ou fiscal. É fato que países pequenos que entram na zona do euro têm nominalmente voz ativa na política monetária, mas Malta não pode realmente acreditar que tem muita influência. Se os escoceses aderirem à atual doutrina europeia, provavelmente não serão convencidos a se separar em razão da moeda.
Dito isso, há muitas outras razões com que se preocupar. Algumas questões importantes têm a ver com diferenças sutis entre a participação na UE e na Grã-Bretanha. Uma surpreendente tem a ver com as pensões: empresas que operam ao mesmo tempo na Escócia e na Inglaterra seguem um conjunto único de regras de pensão (o da Grã-Bretanha).
Se Escócia e Inglaterra forem países separados dentro da UE, os regulamentos da UE se aplicariam e poderia haver um buraco de bilhões de libras no financiamento das pensões. Mistérios financeiros como este podem ajudar a explicar por que grandes empresas ameaçaram sair da Escócia se o voto pela independência vencer.
Dadas as circunstâncias, seria perigoso e tolo a Escócia sair. Mas isso demonstra uma implicação perversa do esforço por uma maior integração europeia: a criação de um guarda-chuva de alcance continental pode fazer um guarda-chuva nacional parecer redundante e encorajar uma região como a Escócia a sair de baixo do seu abrigo. / TRADUÇÃO DE CELSO PACIORNIK (O Estado de SP – 18/09/2014)

Africa is open for business
Africa is open for business. This was the unanimous message from business and government leaders attending the World Export Development Forum (WEDF), in Kigali, Rwanda. The flagship event of the International Trade Centre (ITC), which was held in Africa for the first time, demonstrated that the continent is committed to trade-led development and places the rights of people - especially women - at the heart of its future.
Speaking at the closing session of WEDF, ITC Executive Director Arancha González said that the three-day conference reflected the reality of global trade. "We have seen the dynamism and synergies of South-South partners at this WEDF, including from China, India, Brazil and Turkey who have been here to talk business and do business with Africa. This reflects the reality of trade today. South-South trade represents a rapidly growing share of global trade," she said.
Ms. González noted that this year's event had been the largest ever WEDF, with more than 1,200 registered participants from 73 countries. She also lauded the Government of Rwanda and the co-host of the event, the Rwanda Development Board, for having ensured a successful event. "This is the first WEDF in a landlocked, small economy. We are particularly happy to have organized WEDF in Rwanda - a country that has placed trade and support for the private sector at the heart of its development trajectory," she said.
At WEDF, it became clear that the private sector has become more vocal on policy issues such as trade facilitation and addressing non-tariff barriers. Several leading business figures called on governments to create an environment more conducive to business and to ensure that business priorities are represented in government policy.
Francis Gatare, Chief Executive Officer of the Rwanda Development Board, said: "We are glad that the International Trade Centre chose Rwanda as the host of its inaugural event in Africa and its 50th anniversary."
"The forum has come at a significant time in our country's economic development, when we are doubling our efforts to build an export oriented economy. It is good to know that concrete deals have come out of it and we will follow up to ensure that these come to fruition. More so, we will continue to create a more favourable environment and double our efforts in export promotion," he said.
Ms. González said that ITC intends to strengthen the partnership with SMEs to address these issues and help them internationalize. "We are committed to focusing on deliverables. We are committed to results. We are committed to trade impact for good," she said At the Women Vendors Exhibition and Forum, which was held in conjunction with WEDF, around 500 business-to-business meetings led to 44 letters of intent being signed, worth around US$5.5 million. The agreements included a Brazilian buyer that will sell tour packages that bring tourists to Africa for coffee sampling, eco-tourism, Nollywood, fashion and more.
Several other notable announcements were made during WEDF: The Mara Group offered its free online application to be used by Africans who seek mentors and peer-to-peer networking across Africa; KOSGEB of Turkey offered to train African governments free of charge in the development of incubators; and the Indian government encouraged African business people to take advantage of its sponsored training facilities.
During a coffee-cupping session around 1,100 cups of coffee from eight countries were served.
Closing the Kigali edition of WEDF, Ms. González announced that next year's event would be held in Qatar, in association with Tasdeer, the development agency of the Qatar Development Bank.
Notes to the editor:
ITC is the joint agency of the World Trade Organization and the United Nations. ITC assists small and medium-sized enterprises in developing and transition economies to become more competitive in global markets, thereby contributing to sustainable economic development within the frameworks of the Aid-for-Trade agenda and the Millennium Development Goals.
The RDB was set up by bringing together all the government agencies responsible for the entire investor experience under one roof. This includes key agencies responsible for business registration, investment promotion, environmental clearances, privatization and specialist agencies, which support the priority sectors of information and communications technology and tourism, as well as SMEs and human-capacity development in the private sector (Global Travel Industry News (EUA) – 18/09/2014)

Vitória do 'sim' traz desafio legal inédito para União Europeia
EDIMBURGO
Diante de um pedido de adesão da Escócia independente, faltaria a Bruxelas mecanismos para decidir a questão
O plebiscito da Escócia representa um problema para a União Europeia. Além de estimular movimentos independentistas na Espanha, Bélgica e Itália, a eventual decisão pela independência escocesa da Grã-Bretanha exigirá de Bruxelas um novo arsenal legal para enfrentar o inevitável pedido de Edimburgo para fazer parte do bloco europeu.
Apesar de o debate sobre a secessão ter começado há mais de um ano, a UE chega ao dia da votação que pode dividir um de seus países-membros sem instrumentos legais para lidar com a questão.
Até agora, o presidente do Conselho Europeu, Herman Van Rompuy, limitou-se a enviar mensagens de advertência aos escoceses, lembrando que a adesão ao bloco, de 28 países, não será automática. Nesta semana, o belga foi obrigado a admitir que um eventual pedido de integração da Escócia será levado ao conselho.
"Um novo Estado se tornaria, por sua independência, um Estado exterior à União Europeia", argumenta desde 2013 Van Rompuy. "Seria necessário solicitar a adesão à UE de acordo com os procedimentos de acesso conhecidos."
Para especialistas consultados pelo Estado, a Escócia de alguma forma se beneficiará do fato de já ter integrado a UE e de participar do mercado comum e do espaço de livre circulação de pessoas. "Se a Escócia se tornar independente, a situação será juridicamente inédita e nada na legislação internacional, nem na legislação europeia, permite afirmar, na prática e com 100% de certeza, o que sua entrada na UE fará possível ou não", explica Yves Gounin, cientista político francês.
Segundo Daniel Kenealy, cientista político e diretor adjunto do Departamento de Governança da Universidade de Edimburgo, Bruxelas mantém dois discursos, um oficial e outro extraoficial. O primeiro afirma que será necessário ultrapassar todas as etapas até a adesão de uma Escócia independente - o que leva em média cinco anos. Mas, nos bastidores, já se fala na criação de um status especial transitório para o país.
"A versão oficial é que qualquer processo de adesão poderia levar anos. Mas todos com quem converso em Bruxelas afirmam reservadamente a mesma coisa: na hipótese da independência da Escócia, tudo será feito para que a integridade do mercado europeu seja preservada", explica Kenealy.
Essa facilitação, no entanto, pode estimular movimentos independentistas no bloco, fomentando instabilidade política. É o caso claro da Catalunha, região da Espanha que reivindica autonomia, mas enfrenta a resistência de Madri. / A.N. (O Estado de SP – 18/09/2014)

Com interesses próprios, potências globais torcem pela vitória do "não"
Por Paul Taylor | Reuters
O mundo está prendendo a respiração, mas a maioria espera que os escoceses votem "não" à independência da Escócia em relação ao Reino Unido no plebiscito.
Por razões de interesse próprio e geopolítica, as grandes potências, de Pequim a Washington e Moscou a Nova Déli, estão silenciosamente rezando para que o Reino Unido se mantenha coeso e não crie um precedente contagioso de fragmentação de um Estado em tempos instáveis.
Entre os parceiros de Londres na União Europeia, a Alemanha declarou abertamente preferir que o Reino Unido permaneça com está, enquanto outros países, especialmente Espanha, Bélgica e Itália, torcem para que o voto escocês não agrave os problemas de suas próprias coesões nacionais.
Rússia e China, muitas vezes em desacordo com o Reino Unido no Conselho de Segurança das Nações Unidas, têm fortes razões domésticas para não desejar confusão, uma vez que estão, ambos, ansiosos para sufocar o separatismo em suas fronteiras.
Os quase únicos grupos em todo o mundo que estão torcendo pela soberania escocesa são os povos desprovidos de um Estado separado próprio: dos catalães na Espanha aos caxemires na Índia aos curdos espalhados por toda a Turquia, Iraque e Irã, muitos dos quais anseiam por autodeterminação.
O governo regional catalão em Barcelona quer realizar seu próprio referendo sobre uma independência em 9 de novembro, mas o primeiro-ministro espanhol, Mariano Rajoy, qualificou isso e a votação escocesa como "um torpedo abaixo da linha d'água do espírito europeu".
Os EUA deixaram claro desejar que o Reino Unido continue sendo um "parceiro forte, robusto, unido e eficaz", nas palavras do presidente Barack Obama, ao dizer tratar-se de uma escolha que cabe à própria Escócia.
Londres é de longa data o aliado mais leal e empenhado de Washington no pacto de defesa da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) e em intervenções militares no Oriente Médio e em outras regiões, apesar de esse ativismo ter sido posto em questão no ano passado, quando o Parlamento britânico votou contra participar de ataques aéreos na Síria.
"Os EUA realmente torciam para que não fosse necessário assumir uma posição sobre isso e para que a questão da independência simplesmente desaparecesse", disse Fiona Hill, ex-especialista em Europa no Conselho de Inteligência Nacional dos EUA e atualmente na Brookings Institution, uma organização de estudos e análises.
"Ninguém realmente acreditava ser uma possibilidade [concreta] até poucas semanas atrás. Agora, eles vão realmente ter de começar a pensar nisso", disse ela.
Uma larga folga dos opositores à independência da Escócia nas pesquisas de opinião diminuiu substancialmente ao longo do verão e o "Não" tem pequena vantagem na maioria das pesquisas.
Autoridades da defesa dos EUA têm manifestado preocupações sobre as complicações práticas em dialogar com uma Escócia independente, que constrói porta-aviões britânicos e hospeda sua única base de submarinos nucleares. Os diplomatas americanos também temem que uma ruptura do Reino Unido enfraqueceria ambas as partes economicamente e tornaria mais provável uma saída britânica da UE, minando a influência de Washington no bloco.
Se a Escócia votar por seguir seu próprio caminho, Washington vai querer que os escoceses façam parte da UE e da Otan, disse Hill.
Fora do Ocidente, há, talvez surpreendentemente, poucos países interessados em ver uma ruptura do Reino Unido.
Seria, talvez, de esperar que a Índia, uma ex-colônia britânica que conquistou a independência em 1947 após uma campanha de desobediência civil, exibisse alguma simpatia para com os escoceses.
Maior democracia do mundo, com 1,2 bilhão de cidadãos, a Índia vem, há muito tempo, pressionando por obter um assento permanente no Conselho de Segurança da ONU, ao lado dos EUA, Rússia, China, Reino Unido e França. Alguns críticos do sistema ONU afirmam que uma ruptura na Grã-Bretanha, deixando o Reino Unido com menos de 60 milhões de pessoas, fortaleceria a argumentação de aspirantes como Índia, Brasil, Japão, Indonésia e Nigéria.
Mas numa entrevista a nova ministra de Relações Exteriores, Sushma Swaraj, expressou seu horror diante da eventualidade de a ex-potência colonial controladora de Nova Déli se dividir. "Uma dissolução do Reino Unido? Deus nos livre", respondeu ela. "Não creio que essa possibilidade exista neste momento." Depois que um alto funcionário sussurrou em seu ouvido, Swaraj corrigiu-se: "Cabe ao povo da Escócia decidir".
Iniciativas de secessão e independência são problemas muito delicados para que a Rússia as incentivem, de modo que a linha padrão do presidente Vladimir Putin e do ministro das Relações Exteriores Serguei Lavrov é de que o futuro da Escócia é um assunto interno britânico. Putin ascendeu ao poder em 2000 esmagando uma revolta separatista na região meridional da Tchechênia, e Moscou continua tendo problemas com separatistas armados no norte do Cáucaso, de maioria muçulmana.
Em janeiro, o presidente explicitou a linha do Kremlin em relação à Escócia, antes da ocupação e anexação da Crimeia, pertencente à Ucrânia, pela Rússia, quando um jornalista britânico dirigiu-lhe uma pergunta sobre a votação.
"Não é de nossa conta. Esse é um problema interno do Reino Unido", disse ele. "Eu acho que qualquer nação tem direito à autodeterminação, e na Europa atual tal erosão de soberania do Estado, no âmbito de uma Europa unida, é simples. Mas, ainda assim, permanecer dentro de um único Estado forte traz certas vantagens e isso não deveria ser esquecido."
Perguntado sobre se ele poderia convidar uma Escócia independente para participar de uma união aduaneira de ex-repúblicas soviéticas tendo à frente a Rússia, Putin brincou: "Sim, não excluo essa possibilidade".
A China, que rejeita qualquer interferência externa quanto a seu governo no Tibete ou sua relação com Taiwan, tem visto o debate escocês com nervosismo e alguma perplexidade.
Embora Pequim não tenha assumido nenhuma posição, a edição internacional do oficial "Diário do Povo" disse, nesta semana: "Sem dúvida, essa é uma situação de prejuízo para ambas as partes".
Taiwan - a ilha com um governo autônomo reivindicada pela China, e com uma população de 23 milhões de pessoas, das quais muitas gostariam de fazer sua própria declaração formal de independência - vem acompanhando bem de perto os eventos na Escócia.
"O referendo é uma demonstração de comportamento e procedimento democráticos, e é um valor universal que o futuro de um lugar seja determinado por seus habitantes", disse Ketty Chen, representante do Partido Democrático Progressista, de oposição, em Taiwan.
Ativistas pela independência escocesa têm citado a Noruega - próspero produtor nórdico de petróleo e gás, dono de um Estado social generoso - como um modelo para seus países.
Mas os noruegueses - cujo país separou-se de uma união com a Suécia no início do século XX - veem limites para os paralelos, e alguns estão advertindo os escoceses contra um erro de cálculo.
"É muito diferente sair de uma união da qual você participa há muito tempo, como a da Escócia com o Reino Unido, com integração econômica, de sistemas e acordos", disse a primeira-ministra norueguesa, Erna Solberg. "Eu não tenho nenhuma recomendação a fazer aos escoceses sobre isso, mas vejo isso como um grande projeto em que eles estão embarcando com elevado grau de incertezas." (Valor Online – 18/09/2014)

Destino do Reino Unido está em curso com plebiscito na Escócia
EDIMBURGO - O destino do Reino Unido está em curso nesta quinta-feira. Os escoceses começaram a votar no plebiscito sobre se tornam seu Estado independente e, assim, se desfazerem de uma união de mais de 300 anos com os britânicos.
A pergunta na cédula é simples: "Deveria a Escócia ser um país independente?". O dilema dividiu os escoceses durante meses de campanha e agora chega a hora entre o "sim" e o "não".
Os mais de 2,6 mil centros de votação abriram cedo e a expectativa é de uma alta taxa de participação. Há mais de 4,2 milhões de pessoas registradas para votar, 97% dos que podem fazê-lo.
As pesquisas sugerem resultados apertados, o que dificulta prever o desfecho. Quando fecharem os centros de votação, as urnas serão levadas a 32 centros regionais para a contagem das cédulas. A previsão é de que o resultado seja conhecido na manhã de sexta-feira. (Associated Press) (Valor Online – 18/09/2014)

Escócia se prepara para plebiscito sobre independência
EDIMBURGO - A emoção e a ansiedade aumentam na Escócia no último dia de campanha antes do plebiscito sobre a independência do país. A campanha tem sido pacífica, mas acalorada. A consulta se dará amanhã.
Aqueles que desejam permanecer no Reino Unido temem que o país onde vivem deixe de existir. Os partidários da separação se sentem perto da vitória, mas se perguntam se seu avanço nas pesquisas será suficiente.
O grupo contra a independência avalia que uma separação poderia provocar uma derrocada da economia, enquanto os defensores do "sim" acusam os adversários de alimentar o medo.
Um dia antes da consulta, ainda não está definida, por exemplo, a moeda que a Escócia poderá usar. O governo escocês, que promove a independência, disse que o país seguirá usando a libra esterlina, mas Londres insiste que não vai aceitar uma união monetária. (Associated Press) (Valor Online – 17/09/2014)

Sony aprofunda estimativa de prejuízo por dificuldades em negócio de smartphones
TÓQUIO - A Sony aprofundou acentuadamente sua estimativa de prejuízo líquido nesta quarta-feira e disse que não iria pagar dividendo neste ano fiscal pela primeira vez desde que foi listada, em 1958, depois de ter sido afetada por um grande encargo na divisão de smartphone.
Esta é a sexta revisão para baixo sob o comando do presidente-executivo Kazuo Hirai, que assumiu o cargo em 2012 prometendo colocar a divisão de eletrônicos da empresa no azul, concentrando-se em dispositivos móveis, jogos e unidades de imagem.
"Esta é a primeira vez que não pagamos dividendo e sentimos essa responsabilidade, enquanto administração, muito fortemente", disse Hirai em uma entrevista coletiva, acrescentando que a Sony tem como objetivo começar a pagar dividendos novamente o mais breve possível.
A empresa japonesa está agora prevendo um prejuízo líquido de 230 bilhões de ienes (2,15 bilhões de dólares) para o ano encerrado em 31 de março, contra previsão anterior de uma perda de 50 bilhões de ienes. A companhia estima um prejuízo operacional de 40 bilhões de ienes em vez de um lucro de 140 bilhões de ienes sinalizado em julho.
A mudança ocorreu depois da Sony ser afetada por um encargo de 180 bilhões de ienes (1,7 bilhão de dólares) na sua divisão de smartphones, que enfrenta dificuldades.
Hirai afirmou que a Sony tinha buscado expandir a divisão de celulares, mas que estava agora revendo sua estratégia. Ele disse que a Sony irá cortar 15 por cento dos funcionários em sua unidade de aparelhos móveis no final do ano fiscal a ser encerrado em março de 2015, conforme dá foco à obtenção de lucros estáveis na unidade.
Ainda assim, ele acrescentou que a Sony irá manter a unidade como uma de suas três divisões principais de eletrônicos. (Por Sophie Knight) (Reuters – 17/09/2014)

França está doente e deve se reformar, diz ministro da Economia
No último mês, país registrou número recorde de 3,4 milhões de pessoas inscritas em programa de cadastro para empregos
AFP
Paris - A França está doente, como demonstra o grande desemprego que a atinge há anos, e não tem mais opção a não ser se reformar, afirmou nesta quarta-feira o ministro da Economia, Emmanuel Macron. "A França está doente e não está bem; é preciso dar um nome à situação que vivemos", declarou o ministro à rádio privada Europe 1.
"Há anos há uma febre neste país que se chama desemprego em massa (...) não há mais opção a não ser avançar, agir para reformar a economia", acrescentou o ministro um dia após o governo de Manuel Valls superar por pouco uma moção de confiança na Assembleia Nacional, a câmara baixa do Parlamento.
O ministro reconheceu que a impopularidade do Executivo deve-se à falta de resultados.
"E por quê? Porque talvez não tenhamos ido muito longe nos dois primeiros anos (do mandato do presidente François Hollande), porque não fizemos reformas e estamos pagando caro uma década perdida", acrescentou.
No fim de agosto, Hollande e Valls promoveram como novo ministro da Economia o ex-banqueiro de negócios Emmanuel Macron, para consolidar uma estratégia liberal centrada em uma diminuição maciça dos impostos às empresas, com as esperanças de que elas sejam aliviadas para criar empregos.
Apesar da estratégia, projetada há quase dois anos, o desemprego continua sendo alto, e no fim do segundo trimestre afetava 9,7% da população economicamente ativa na França metropolitana, excluindo os territórios de ultramar, segundo o instituto de estatística Insee.
De acordo com o indicador da agência de emprego Pôle Emploi, que costuma ser utilizado como referência dentro da França, o número de demandantes de trabalho seguiu aumentando em julho, e bateu um novo recorde com mais de 3,4 milhões de pessoas inscritas.
No fim de agosto, o ministro do Trabalho, François Rebsamen, reconheceu o fracasso em matéria de emprego, já que desde a eleição do socialista Hollande, em maio de 2012, mais de 500.000 pessoas desempregadas se inscreveram nas listas do Pôle Emploi. (Brasil Econômico – 17/09/2014)

Com queda de 27% na produção, país se torna importador
Por Olivia Alonso e Ivo Ribeiro | De São Paulo
O que antes era uma projeção extremamente negativa agora se torna realidade na indústria do alumínio no Brasil. Há pelo menos seis anos, quando fabricantes do metal começaram a fechar suas portas no país, o setor começou a temer uma forte contração de suas operações, o que poderia transformar o Brasil de um dos principais exportadores globais de alumínio em um mercado dependente do produto externo.
Com preço baixo do metal e o alto custo da energia, essas previsões se confirmam. Assim, o ano de 2014 marcará o momento em que o Brasil se torna importador líquido do metal. A projeção é de 130 mil toneladas de saldo negativo na balança comercial de metal primário, segundo a Associação Brasileira do Alumínio (Abal). O número é o resultado de importações de 442 mil toneladas - 2,6 vezes o volume de 2013 - e exportações de 311 mil toneladas, basicamente para o Japão.
Sem a adoção de medidas que deem ganho de competitividade à indústria, como tarifa de energia no patamar mundial, o país poderá ter déficit de 1,558 milhão de toneladas de alumínio primário em 2025, diz a Abal. Considerando o preço atual do metal, são US$ 3,1 bilhões de divisas que o país teria de desembolsar a cada ano.
A Abal estima que o setor deixará de criar 47 mil empregos e de fazer investimentos de R$ 19,8 bilhões no acumulado dos próximos dez anos. Anualmente, deixará de arrecadar R$ 450 milhões em impostos (veja no quadro acima).
Desde 2008, tomaram a decisão de fechar fornos de alumínio no país Valesul (em Santa Cruz-RJ), Novelis (a linha de Aratu-BA e parte de Ouro Preto-MG), Alcoa (toda a fábrica de Poços de Caldas-MG), Alcoa e BHP Billiton (63% da Alumar, em São Luís-MA) e Votorantim Metais - CBA, em Alumínio-SP (ao menos 20% da capacidade).
Neste ano, o retrato da indústria mostrará produção inferior a 1 milhão de toneladas de alumínio primário pela primeira vez em 24 anos - em 1990, foram 931 mil toneladas. Ou seja, um retorno ao patamar de 1991. O Brasil vai terminar o ano com produção de 952 mil toneladas, prevê a Abal, queda de 27% em relação a 2013 (1,3 milhão de toneladas).
A situação tende a piorar nos próximos anos, diz Milton Rego, presidente da Abal. Conforme as fabricantes tiverem concessões e contratos antigos de energia expirados, os custos ficarão mais altos e a tendência é de que parem mais linhas. O país pode chegar a 2025 com volume de apenas 660 mil toneladas ao ano (55 mil ao mês), diz a Abal, ante uma capacidade atual de 1,5 milhão de toneladas (125 mil mensais). Hoje, a utilização do setor é de 70 mil toneladas/mês.
"Temos produção competitiva de alumina e bauxita. Está na hora de o Brasil decidir se quer ou não manter sua indústria do alumínio primário", afirmou Rego ao Valor PRO, serviço de informações em tempo real do Valor. "Os outros países dos Brics optaram em ter. Mas, não estamos neste caminho".
Na projeção da Abal, sem medidas, o Brasil vai regredir mais e chegar a 2025 com uma produção de 660 mil toneladas
Ele aponta que um ponto é crucial para o setor no país - o custo da energia. O insumo usado na transformação de alumina em metal primário responde por 55% dos custos totais das empresas, muito acima dos 34% de dez anos atrás. Segundo o presidente da Abal, a autogeração de energia é capaz de suprir 40% da produção, o equivalente a 381 mil toneladas. Sem viabilidade para produção do alumínio, as companhias com energia própria e contratada têm vendido o excedente no mercado livre.
Rego afirma, porém, que as companhias só podem retirar para uso próprio, ao preço de custo, cerca de 10% da energia que elas geram. A maior parte do suprimento precisam adquirir no mercado. O custo, diz, era de US$ 61,2 por MWh no ano passado, mais do que o dobro do valor de 2001.
A situação se complica para as produtoras com um preço deprimido do alumínio no mundo, na faixa de US$ 2 mil a tonelada. É o mesmo patamar de 30 anos atrás, ainda que em alguns momentos tenha dado uma escalada, como os US$ 2,7 mil em 2011.
Enquanto isso, cotações de outras commodities metálicas chegaram a triplicar. A principal razão para o preço estagnado do alumínio é a alta acelerada da produção chinesa. De 4 milhões de toneladas anuais há uma década, a China saltou para 22 milhões de toneladas em 2013, segundo a The Aluminum Association, entidade mundial. E passou a inundar o mercado. "Apesar de ter um alto custo de energia, tem estímulos à produção e à exportação", diz Rego. Para especialistas do setor, com os custos em níveis razoáveis, o preço do alumínio que justificaria investimentos em aumento de produção seria de US$ 2.400 por tonelada.
Do lado da demanda brasileira, apesar de 2014 não mostrar crescimento, a Abal estima um crescimento médio anual de 5% no consumo na próxima década. Neste ano, o nível será o mesmo do ano passado, de 1,5 milhão de toneladas em produtos transformados - usos em embalagens, veículos, construção civil, bens de consumo, máquinas e outras aplicações. Para 2025, a projeção é de 3,2 milhões de toneladas.
Além do enxugamento da indústria de alumínio primário, esse cenário, observa Rego, põe em risco as companhias locais de transformação de alumínio. "Com o aumento da importação do metal primário, a tendência natural é de crescimento também das compras do produto acabados, de maior valor agregado, no exterior". Neste ano, as importações de transformados vão ser 12,1% do total do consumo doméstico, acima dos 10,8% do ano passado, diz a Abal.
Em defesa do setor, a associação apresentará, nos próximos dias, esses números aos presidenciáveis e a candidatos aos governos de São Paulo, Minas Gerais e Pará. As sugestões de política industrial incluem aumento da permissão do uso de energia autogerada pelas alumineiras; políticas de defesa comercial; exigência de conteúdo local em compras do governo; e a revisão de alíquotas no segmento de sucata, que é responsável por um terço do suprimento do metal no país. A diferença vem do metal primário - local e importado. (Valor Online – 17/09/2014)

Argentina: atividade industrial recua 2,5% em julho
SÃO PAULO - A atividade industrial da Argentina recuou 2,5% em julho, em comparação com o mesmo mês de 2013, segundo dados do Centro de Estudos da União Industrial Argentina (CEU). Em comparação com junho, a atividade caiu 0,7%.
No acumulado dos sete primeiros meses do ano, a queda também foi de 2,5% em relação ao ano anterior, segundo o CEU. (DCI – 17/09/2014)

China e EUA devem ganhar espaço na exportação, diz HSBC
Por Marta Watanabe | De São Paulo
O intercâmbio comercial com a Ásia é o mais promissor pra os próximos seis meses, sendo que a China é considerada para mais exportadores como o principal mercado como destino de exportação. No médio prazo, a expectativa dos exportadores é a consolidação dos Estados Unidos como segundo destino mais importante e num horizonte mais largo, em 2030, a Índia deve se deslocar do 11º para o 4º lugar como destino dos embarques brasileiros.
Esses são os resultados de pesquisa de índice global de confiança do comércio divulgada ontem pelo HSBC. A pesquisa foi feita com 5.200 exportadores de 23 países, sendo 250 empresas brasileiras entrevistadas entre maio e julho. Entre os exportadores pesquisados, 36% disseram que os parceiros asiáticos deverão ficar mais representativos na corrente de comércio do país. Na pesquisa anterior, divulgada há seis meses, o índice era de 25%. O percentual de exportadores que identificam a China como principal destino das exportações aumentou de 16% para 23% no mesmo período. Os parceiros asiáticos, segundo a pesquisa, tendem a ganhar papel mais relevante em razão da demorada recuperação dos países europeus.
As expectativas para o mercado americano, porém, diz Adaílton Martins, diretor do HSBC Brasil, são positivas. Segundo ele, a recuperação da economia americana deve consolidar o país como segundo destino das exportações brasileiras no médio prazo. O executivo diz que essa consolidação deve fazer com que a exportação brasileira não apenas cresça na proporção da economia americana, mas também que recupere ao menos uma parte da fatia de mercado perdida nos últimos anos. Essa recuperação, segundo Martins, poderá beneficiar embarques brasileiros de suco de laranja, sapatos e segmentos como carne e automobilístico, entre outros.
De janeiro a agosto deste ano, segundo dados do Ministério do Desenvolvimento, os Estados Unidos responderam por 11% das exportações brasileiras. Em 2005 a participação era de 17%. Martins não especifica, porém, em que prazo ou qual percentual de exportação os americanos podem alcançar. Segundo ele, isso deve acontecer conforme o ritmo de elevação dos juros americanos. E a expectativa de ganho de competitividade da exportação brasileira para os Estados Unidos leva em consideração a desvalorização do real frente ao dólar como efeito da elevação dos juros americanos, que tem ritmo indefinido.
A pesquisa indica ainda que a Índia deverá saltar, até 2030, da 11ª para a 4ª posição entre os principais destinos das exportações brasileiras. Isso deve acontecer, segundo o estudo, porque a Índia deve crescer muito mais rapidamente nos próximos quinze anos do que as economias mais maduras, como Europa e o Japão. Nesse quadro, a Índia ficaria à frente da Coreia como destino das exportações brasileiras, que ocuparia a quinta posição em 2030, segundo a pesquisa do banco. O HSBC estima que o PIB indiano deve crescer em média 5,6% ao ano até a década de 2030. Martins afirma, porém, que a oportunidade para o Brasil depende também de iniciativas para a intensificação comercial com os indianos.
O estudo mostra que 45% dos entrevistados brasileiros acreditam que o volume de corrente de comércio deve crescer significativamente nos próximos seis meses. Para Martins, a pesquisa mostra otimismo em relação à retomada das exportações. (Valor Online – 16/09/2014)

Comércio bilateral entre Brasil e Turquia quadruplicou em dez anos
De acordo com dados do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (Mdic), troca entre os dois países passou de US$ 530 milhões em 2004 para US$ 2,102 bilhões em 2013
Paula Salati
SÃO PAULO - Apesar de não serem grandes parceiros de negócios, a corrente de comércio entre o Brasil e a Turquia deu um salto nas últimas décadas, passando de US$ 530 milhões em 2004 para uma soma de US$ 2,102 bilhões no ano passado.
Até agosto deste ano, as trocas comerciais entre os dois acumulam US$ 1,4 bilhões. E o saldo da nossa balança com o país euroasiático está em US$ 53 milhões.
Tanto pela sua localização geográfica, como pela sua importância política regional, a Turquia possibilita acesso aos mercados europeu, asiático e do Oriente Médio.
"A Turquia tem um acordo de preferência comercial com a União Europeia (UE) desde 2004. Portanto, uma solidificação do comércio bilateral entre o Brasil e esse país nos abriria portas para o mercado europeu", afirma o professor de relações internacionais da Fundação Armando Alvares Penteado (FAAP), Marcus Vinicius de Freitas.
Desde 2004, quando foi firmado o Acordo de Associação com a União Europeia, as trocas comerciais entre a Turquia e o bloco econômico têm se elevado durante os anos, afirma o professor.
Internacionalização
Freitas afirma que a melhor forma de o Brasil tornar mais sólida a sua relação com a Turquia é por meio da internacionalização de empresas entre os dois países. "A maior parte do comércio internacional ocorre intraindústria, de matriz vendendo a subsidiária", afirma Freitas.
"Portanto, a relação bilateral entre os dois se fortaleceria se mais empresas brasileiras abrissem filiais na Turquia, entendo aquela região como um hub de expansão ao Oriente Médio, à Ásia e ao leste da Europa", diz. "O Brasil também é uma região estratégica para a Turquia, podendo ser um hub também de acesso ao grande mercado da América Latina", completa.
Uma das empresas brasileiras que estão hoje na Turquia é a Metalfrio. A empresa se estabeleceu no país em 2005, quando passou a fabricar refrigeradores destinados ao mercado europeu. Em 2008, a partir de uma estratégia de expansão global e foco nos mercados emergentes, entrou na Europa Oriental e o Oriente Médio.
Os produtos básicos lideram a pauta de exportação brasileira à Turquia, com soja, café e minério de ferro.
No entanto, produtos semimanufaturados e manufaturados também são vendidos ao país euroasiático, como parte de motores, fumo, tubos de aço, entre outros.
Possibilidades
Freitas diz que, tendo em vista a alta competitividade dos produtos chineses, uma forma de o Brasil adicionar maior valor agregado às suas exportações à Turquia é investir na manufatura de alimentos, como a fabricação de enlatados de grãos e frutas. "O Brasil também poderia exportar sua tecnologia em desenvolvimento agrícola", diz o professor da FAAP. Outra oportunidade de negócio é o setor militar, já que a Turquia é um grande consumidor desses produtos.
Já a maior parte dos produtos importados pelo Brasil da Turquia são manufaturados, como barras de ferros, partes de veículos, alumínio, maquinário, ferro fundido, pérolas, etc.
O comércio internacional entre os dois países, em números, ainda é muito pequeno. O Brasil representa apenas 0,9% das exportações totais da Turquia. E se posicionou, em 2013, em 33º lugar entre os fornecedores do mercado turco com 0,6% do total.
A Turquia foi, em 2013, o 41º parceiro comercial brasileiro, com participação de 0,44% no comércio em nosso comércio exterior. Entre 2009 e 2013, o intercâmbio comercial brasileiro com o país cresceu 108%, de US$ 1,01 bilhão para US$ 2,1 bilhões. Nesse período as exportações aumentaram 57% e as importações, em 187%. Todos esses dados são do BrasilGlobalNet.
Salto
Freitas explica que a maior aproximação comercial e diplomática do Brasil com a Turquia passou a ocorrer em meados da década 2000, quando o país passou por diversas reformas em sua economia.
Essas mudanças foram implementadas a partir de 2003, pelo então primeiro-ministro Recep Tayyip Erdogan - hoje presidente da Turquia - e tiveram um caráter liberalizante.
"Com a redução das taxas de juros, houve um aumento da renda per capita da população", cita Freitas. "A Turquia conseguiu se consolidar como um líder naquela região, o que faz ter mais ambições econômicas em termos globais". complementa o professor.
"O essencial para a aproximação dos dois países foi a diversificação das parcerias brasileiras em seu comércio exterior, a partir da crise financeira de 2008. Isso passou a atrair maior interesse dos turcos no Brasil", diz.
Potencial
O professor de relações internacionais da Universidade de Brasília (UNB), Roberto Goulart, afirma que o acordo nuclear assinado pelo Irã, proposto pelo Brasil e pela Turquia em 2010, também é outro exemplo de aproximação diplomática.
Apesar de ter uma troca comercial "residual", diz o professor, o Brasil e a Turquia têm potencial para se aproximarem, já que são duas potências com influências políticas regionais. Para ele, a relação diplomática entre os dois países pode ajudar a aumentar o volume de negócios. (DCI – 15/09/2014)

Zona do euro tem superavit comercial maior e vê sinal de melhora econômica
DA REUTERS
O superavit comercial da zona do euro aumentou em julho na comparação com o mesmo mês do ano anterior, uma vez que as exportações cresceram mais rapidamente do que as importações, indicando contribuição positiva para o crescimento econômico no início do terceiro trimestre, de acordo com dados da agência de estatísticas da União Europeia.
A Eurostat informou que o superavit comercial externo não ajustado sazonalmente dos 18 países que usam o euro atingiu 21,2 bilhões de euros (US$ 27,39 bilhões) em julho, contra 18,0 bilhões de euros em julho de 2013. As exportações cresceram 3 por cento na comparação anual enquanto as importações aumentaram apenas 1 por cento.
Entretanto, ajustadas às variações sazonais e na comparação mensal, as exportações caíram 0,2 por cento em julho contra junho e as importações subiram 0,9 por cento.
O superavit da balança comercial ajustada sazonalmente atingiu 12,2 bilhões de euros, contra 13,8 bilhões em junho e 15,2 bilhões em maio.
Não foram divulgados detalhes da balança de julho ainda, mas a Eurostat informou que nos seis primeiros meses do ano o déficit comercial da zona do euro em energia diminuiu para 144,9 bilhões de euros, contra 157,8 bilhões nos seis primeiros meses de 2013. (Folha de SP – 15/09/2014)

Superávit comercial da zona do euro aumenta em julho
SÃO PAULO - A balança comercial da zona do euro foi superavitária em 21,2 bilhões de euros em julho. Um mês antes, o saldo positivo tinha sido de 16,7 bilhões de euros; um ano antes, de 18 bilhões de euros.
No sétimo mês de 2014, as exportações da região da moeda comum somaram 172,4 bilhões de euros e as importações, 151,2 bilhões de euros. Em junho, essas cifras tinham ficado em 162,2 bilhões de euros e 145,5 bilhões de euros, respectivamente.
Com ajuste sazonal, as exportações recuaram 0,2% entre junho e julho e as importações aumentaram 0,9%.
Na União Europeia, o superávit comercial correspondeu a 1,7 bilhão de euros em julho, inferior aos 2,8 bilhões de euros de junho e aos 10,8 bilhões de euros de julho de 2013.
O resultado mais enxuto no sétimo mês deste calendário decorreu de exportações de 151,3 bilhões de euros e importações de 149,6 bilhões de euros.
Os dados são da agência de estatísticas Eurostat. (Valor Online – 15/09/2014)

Vendas de smartphones no Brasil crescem 22% no 2º trimestre, diz IDC
SÃO PAULO - As vendas de smartphones aumentaram 22% no Brasil no segundo trimestre do ano, em relação a igual período do ano passado, segundo dados da consultoria IDC Brasil.
De acordo com o levantamento, foram vendidos 13,3 milhões de smartphones no país.
“O resultado do segundo trimestre para smartphones ficou acima da nossa previsão e representa um recorde de vendas não só no Brasil, mas no mundo inteiro. É a primeira vez que o País entra nesse patamar de 13 milhões e o mundo ultrapassa a marca de 300 milhões de smartphones vendidos. A expectativa é o bom momento persistir e um novo recorde ser batido nos próximos dois trimestres de 2014”, afirmou em comunicado Leonardo Munin, analista de mercado da IDC Brasil.
Segundo Munin o desempenho positivo do segmento se deve, entre outros fatores, ao aumento da oferta de produtos e à queda dos preços, além do desejo crescente do consumidor de manter-se conectado à internet onde estiver.
Do total de smartphones vendidos no segundo trimestre no país, mais de 90% são equipados com o sistema operacional Android, do Google. O tíquete médio ficou em R$ 700. (Valor Online – 15/09/2014)

Irritada com Londres, Escócia ameaça encerrar 307 anos de união britânica
ANDREI NETTO, ENVIADO ESPECIAL / EDIMBURGO
Ressentimento. Social-democrata convicta, população escocesa critica capitalismo financeiro dos ingleses e vê em 30 anos de redução dos direitos sociais razão para romper com a Inglaterra; referendo sobre independência na quinta-feira é imprevisível.
Quatro anos depois de assumir Downing Street, o primeiro-ministro da Grã-Bretanha, David Cameron, corre o risco de entrar para a história como o homem que fez o que William Wallace, o herói nacional escocês, não conseguiu: fazer da Escócia um país independente.
Na quinta-feira, 4,3 milhões de eleitores, a maioria de social-democratas, vão às urnas decidir se devem ou não romper com o "capitalismo financeiro" e o "isolacionismo crescente" de Londres, encerrando uma união de 307 anos.
Há uma semana, o jornal The Sun e o instituto de pesquisas YouGov publicaram uma sondagem indicando ligeira vantagem da campanha Yes Scotland, a favor da separação, com 51% das intenções de voto, 2% à frente da Better Together (Melhor Juntos), pelo "não".
Em dois anos de campanha, foi a primeira vez que os independentistas apareceram à frente dos unionistas. Sete dias depois, a perspectiva se inverteu, segundo a última sondagem encomendada pelo jornal The Guardian e realizada pelo instituto ICM. Ninguém arrisca prever o resultado do plebiscito, já que todas as sondagens indicam empate técnico.
A Grã-Bretanha tem razões para temer a perda de 8% de sua população, 5,2 milhões de pessoas, 30% de seu território e quase 10% de seu PIB, ou US$ 235 bilhões de um total de US$ 2,43 trilhões.
Identidade. Formada por uma população progressista, pró-Europa e identificada com os valores do Estado de bem-estar social, a Escócia parece cada vez menos se reconhecer ao lado dos parceiros ingleses.
Paira uma rejeição profunda aos partidos políticos britânicos, seus líderes e suas políticas, com base na redução dos serviços do Estado e no estímulo ao capitalismo financeiro. Essa rejeição, explicam, é simbolizada por Westminster, o Parlamento britânico, e pela City, o mercado financeiro londrino.
"Querem fazer o mundo acreditar que somos um bando de nacionalistas de mente estreita na Escócia, mas não é nada disso", assegura Marvin Anderson, de 45 anos, professor em Edimburgo e partidário da independência. "Esses homens de Westminster e da City nos levaram à maior recessão desde 1929. A maior parte do eleitorado só espera dos políticos que façam políticas que interessem à população, não só no interesse do mundo dos negócios, como acontece em Londres."
Esse sentimento de insatisfação foi capturado pelo líder do movimento pela independência, Alex Salmond, primeiro-ministro da Escócia e líder do Partido Nacional Escocês (SNP), crítico contumaz da política liberal e da austeridade fiscal de Cameron.
"Salmond e outros têm sido cada vez mais eficazes na argumentação de que a independência é a melhor maneira de proteger o modelo social da Escócia e sua posição como uma sociedade amigável e aberta no seio da União Europeia", diz o cientista político Alan Renwick, professor da Universidade de Reading. "A independência, diz Salmond, protegerá o sistema público de saúde dos cortes e dos que defendem sua privatização em Westminster."
Risco calculado. Outra razão para o crescimento do "sim" é a perspectiva de que a Grã-Bretanha abandone a União Europeia em 2017, quando haverá um referendo sobre o tema. Para analistas, a secessão do país só não é certa porque o "não" vem explorando com eficiência o medo da população de que a Escócia viva uma derrocada econômica.
Cinco grandes bancos advertiram que deixarão Edimburgo em caso de independência e empresários supermercadistas alertaram para o risco de explosão inflacionária. Cameron insiste que a Escócia independente não poderá usar a libra esterlina.
Esse discurso convence em especial os eleitores mais velhos. Aposentada de 77 anos, Kathleen Forbes tem levado no peito um adesivo com a palavra "no" durante suas caminhadas diárias pelos caminhos gramados do centro histórico de Edimburgo. "Temos medo das consequências econômicas", admite. "Como saberemos se o Estado terá condições de arcar com nossas aposentadorias no final do mês?" (O Estado de SP – 15/09/2014)

IFA assiste a enxurrada de relógios inteligentes
Com preferência por Android Wear, fabricantes apostam em nova categoria de dispositivos; previsão é de que 135 milhões de aparelhos sejam vendidos até 2020
Stefanie Gaspar
BERLIM – Canetas 3D, TVs de tela curva e resolução de 8K, câmeras de altíssima definição, drones de vigilância, novo Samsung Galaxy Note 4 e várias tecnologias para a casa conectada. Apesar da fartura de atrações, nenhuma das categorias de produtos mais recentes apresentadas na IFA, feira de tecnologia em Berlim que aconteceu entre 5 e 10 de setembro, foi páreo para os vestíveis, em especial aqueles feitos para usar no pulso.
Os relógios inteligentes e pulseiras apareceram nos estandes de quase todas as grandes fabricantes, a maior parte usando o sistema operacional Android Wear, criado pelo Google, e dominaram a atenção do público. Se por um lado, ainda não se sabe se esse tipo de acessório vai ser bem-sucedido nas vendas, por outro está claro que há pelo menos interesse em entender melhor o que se oferece.
Nos estandes das marcas, o público olhava com atenção para novos celulares, câmeras fotográficas e TVs de alta definição, mas nada se comparou ao efeito dos “wearables”, os vestíveis. As filas para testar os novos relógios e pulseiras inteligentes eram enormes, e espaços dedicados a outras tecnologias promissoras, como Smart Homes, ficaram solitários ao lado do apelo tátil de um produto que pode ser colocado no pulso e facilmente testado.
No gigantesco estande da Samsung, o público se amontoava apontando os pulsos para o ar e tirando fotos ao lado do relógio inteligente Gear S, testando o dispositivo e registrando a cena para a posteridade.
“Os vestíveis, principalmente quando conectados a um sistema que integre sua casa e seu conteúdo do smartphone, por exemplo, podem ser grandes facilitadores na hora de deixar a rotina mais rápida e segura”, disse na feira BK Yoon, CEO da Samsung, ressaltando o potencial uso desse tipo de dispositivo na casa conectada.
Embora o mercado para tais aparelhos ainda seja incipiente, a empolgação vista na feira faz supor que existe espaço para esse tipo de aparelho. Além disso, sem a cara de relógio antigo ou bugiganga pesada, modelos como o Motorola Moto 360 ou o LG G Watch são atraentes para um consumidor que não quer ser visto usando um produto esteticamente comprometedor.
Corrida
Do lado das empresas, parece haver uma corrida frenética para deslanchar e logo ocupar um lugar de destaque em uma nova categoria de eletrônicos, da mesma maneira como aconteceu com os tablets há alguns anos, segmento que já mostra sinais de desgaste.
O fato de que havia fortes rumores de que a Apple apresentaria seu próprio relógio inteligente (como de fato aconteceu) em um evento que coincidiria com o penúltimo dia da feira, colocou uma pressão extra nas empresas. Além do seu foco inicial em atividades físicas e saúde, relógios e pulseiras inteligentes ganharam uma porção de recursos extras, boa parte delas ligadas a um smartphone “matriz”.
Entre os produtos apresentados, o relógio inteligente da Samsung, o Gear S, traz um chip 3G que substitui completamente o celular, fazendo e recebendo ligações, com funções de Bluetooth e Wi-Fi e reprodução de músicas. A Sony marcou presença com dois lançamentos: o SmartBand Talk, pulseira inteligente que funciona como um relógio normal, mas faz chamadas para números pré-programados e serve como diário eletrônico a partir do aplicativo Lifelog, e o SmartWatch 3, com 4 gigabytes de memória, tela LCD e suporte à prova d’água. (O Estado de SP – 14/09/2014)

OMC


Veja mais

Presidente russo diz que sanções violam princípios da OMC
REUTERS
O presidente da Rússia, Vladimir Putin, disse nesta quinta-feira que as sanções do Ocidente contra a Rússia violaram os princípios da Organização Mundial do Comércio (OMC) e a principal forma de combatê-las foi desenvolver o mercado interno.
Em uma reunião com altos funcionários, Putin disse que para conseguir isso foi necessário criar um ambiente competitivo para o financiamento das empresas, incluindo a criação de empréstimos mais acessíveis. (O Estado de SP – 18/09/2014)

Azevêdo inicia un proceso de intensas consultas sobre la manera de avanzar con respecto al paquete de Bali
El 15 de septiembre, el Director General Roberto Azevêdo declaró lo siguiente en una reunión de Embajadores ante la OMC: “Debemos embarcarnos, a partir de ahora, en un proceso de intensas y amplias consultas” para hacer avanzar los trabajos en relación con el paquete de Bali. El Director General hizo hincapié en la importancia de estos trabajos porque, según dijo, “estamos en una situación muy precaria ... y no estoy seguro de todos comprendan plenamente la amplitud del riesgo que estamos corriendo. ”Texto na íntegra no website www.wto.org (OMC – 15/09/2014)

Rússia vai recorrer à OMC devido a sanções ocidentais, diz ministro da Economia
REUTERS
"A mais recente rodada de sanções dá razão para recorrermos à OMC. E nós vamos recorrer", disse o ministro à agência RIA em Bruxelas
O ministro da Economia russo, Alexei Ulyukayev, disse nesta sexta-feira que a Rússia vai recorrer à Organização Mundial do Comércio (OMC) devido às sanções ocidentais, disseram agências de notícias locais.
"A mais recente rodada de sanções dá razão para recorrermos à OMC. E nós vamos recorrer", disse o ministro à agência RIA em Bruxelas. (Reportagem de Alessandra Prentice) (O Estado de SP – 12/09/2014)

Outros


Veja mais

G-20 lança iniciativa global de infraestrutura
Por Assis Moreira
CAIRNS - Ministros de Finanças e presidentes de bancos centrais do G-20 vão lançar no domingo a “Iniciativa global de Infraestrutura”, na tentativa de reduzir uma lacuna estimada em US$ 1 trilhão por ano nessa área.
A ideia é criar um polo de infraestrutura para os países repartirem as melhores práticas e maneiras inovadoras para financiar grandes projetos. Com um banco de projetos, modelos de desenvolvimento desses projetos e outras medidas, a expectativa é de que o setor privado possa comparar oportunidades e participar mais ativamente na infraestrutura.
Os países pelo mundo estão ficando sem dinheiro e a participação do setor privado é essencial”, afirmou o ministro de Finanças australiano, Joe Hockey.
Para a autoridade australiana, há amplo reconhecimento dentro do G-20 de que os governos não têm mais a capacidade para investir sozinhos em infraestrutura.
A menos que tenhamos formas de parceria com o setor privado, que tem enormes capitais disponíveis, então simplesmente não seremos capazes de atender as crescentes demandas das economias no médio prazo”, afirmou.
A Austrália quer criar uma nova instituição internacional para se ocupar essencialmente de infraestrutura. Mas a ideia é preparar projetos, e não fazer financiamentos.
Os australianos querem sediar a nova entidade. Só que os EUA e a União Europeia, por exemplo, não concordam com a novidade. Além disso, existe o fato de o G-20 ser um grupo informal, que sequer tem secretariado, e que não poderia, assim, criar repentinamente uma organização para infraestrutura. (Valor Online – 19/09/2014)

Maior desafio é reconhecer setor externo como política pública
Danilo Macedo - Repórter da Agência Brasil
Edição: Lílian Beraldo
Especialistas ouvidos pela Agência Brasil avaliam que o grande desafio da política externa brasileira, nos próximos anos, é se transformar em uma política públicaArquivo/Agência Brasil
A ascensão do Brasil como potência emergente, com expansão constante de mercado e atuação mais ativa em grandes fóruns e regiões, fez com que o país ganhasse mais visibilidade e reconhecimento internacional. Prova disso é que, hoje, brasileiros como Roberto Azevêdo e José Graziano ocupam os mais altos cargos em entidades como a Organização Mundial do Comércio (OMC) e a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), respectivamente.
Apesar do patamar alcançado, especialistas ouvidos pela Agência Brasil avaliam que o país tem enfrentado dificuldades para continuar se expandindo. Segundo eles, o desafio da política externa brasileira nos próximos anos é se transformar em uma política pública, condizente com um mundo globalizado onde problemas locais repercutem em várias partes do planeta, inclusive na vida dos brasileiros.
Crises como a da Ucrânia, que afetaram as exportações brasileiras para aquela região, e a epidemia de ebola na África, que elevaram o alerta e a mobilização de recursos humanos nas fronteiras do país, são dois dos vários exemplos que comprovam como problemas aparentemente locais são cada vez mais globais, e exigem articulação política e econômica entre as nações.
Segundo o professor emérito da Universidade de Brasília (UnB) Amado Luiz Cervo, referência na área de história das relações internacionais, o próximo governo terá o desafio de manter diálogo com a sociedade, as lideranças sociais, os movimentos e setores dinâmicos da sociedade, como indústria e agropecuária, para transformar a política externa em uma política pública.
A professora da Pontifícia Universidade Católica do Rio (PUC-Rio) Letícia Pinheiro, membro do Grupo de Reflexão sobre Relações Internacionais, concorda que para enfrentar esse desafio é necessário ampliar a participação democrática na definição das diretrizes gerais da política externa brasileira, como fonte de credibilidade e autoridade para a posição que o país assume nos temas internacionais.
“Para tanto, é de máxima importância a criação e institucionalização de um mecanismo de ampla participação social - movimentos sociais, organizações não governamentais, organizações empresariais e sindicais, instituições de estudos e centros de pesquisa, entre outros – que contribua com o Itamaraty na definição dessas diretrizes. Refiro-me à criação do Conselho Nacional de Política Externa (Conpeb), de caráter consultivo, em moldes semelhantes aos já existentes conselhos nacionais de participação em outras políticas públicas”, defende Letícia.
Segundo o professor Amado Cervo, o Brasil tem uma política de segurança internacional coerente, sólida e condizente com sua identidade nacional, de país etnicamente heterogêneo e culturalmente plural, se opondo a sanções de qualquer natureza. Para ele, os desafios do próximo governo estão em aspectos ligados aos interesses econômicos do país. “O interesse econômico é o essencial porque dele dependem a renda, o emprego, o bem-estar da população”, justifica.
Para Cervo, é preciso, em primeiro lugar, “restabelecer a confiança dos investidores brasileiros e estrangeiros no país”. Em segundo lugar, o professor elenca a definição de “uma política de comércio exterior moderna”. Segundo ele, o fracasso do tratado global de livre comércio, mais conhecido como Rodada Doha, traz ao país a necessidade de seguir um novo caminho, adequado aos interesses brasileiros de exportação e importação que sirvam de combustível para o desenvolvimento do país. “As regras do comércio internacional se fazem à base de tratados regionais ou bilaterais de comércio. O Brasil relutou, nunca quis assinar. Então, não temos uma política de comércio exterior.”
Outro entrave, na avaliação dele, é a competitividade internacional do país – que já foi a economia mais internacionalizada do Brics (grupo formado pelo Brasil, a Rússia, Índia, China e África do Sul). De acordo com o professor, os benefícios da produtividade e competitividade que as empresas brasileiras alcançam em razão da sua penetração em cadeias produtivas globais não foram trazidos para o país. “É contra a natureza da internacionalização econômica. É estranho. O benefício da produtividade fora não reverteu para o aumento da produtividade interna. É preciso reverter isso.”
Cervo defende ainda que o Brasil defenda interesses próprios sem medo de desagradar parceiros importantes na América do Sul como a Argentina. Ele pondera que isso não significa romper o entendimento político, comercial, econômico e na área de segurança com o país vizinho. “O desafio é desvincular decisões estratégicas, ou a estratégia brasileira de inserção internacional, sem chocar, sem melindrar a Argentina. Porém, desvincular e ter uma autonomia decisória própria”.
A especialista Letícia Pinheiro cita outros desafios como o fortalecimento das representações do país e o aumento do aporte de recursos nos principais organismos multilaterais, inclusive aqueles voltados a áreas mais específicas como a Organização Mundial da Saúde (OMS) e o Conselho Econômico e Social da Organização das Nações Unidas (ONU).
Ela destaca ainda a necessidade de avanço nas discussões e na promoção de iniciativas rumo à criação de um marco global para a internet, com ampla participação dos países em desenvolvimento, a defesa do princípio das responsabilidades comuns, porém diferenciadas, no seio das negociações climáticas multilaterais, a consolidação da institucionalização do Banco do Brics e do Arranjo Contingente de Reservas, anunciados na cúpula de Fortaleza, em julho deste ano, tornando-os efetivos como complementos ao sistema financeiro global para os países em necessidade.
A professora da PUC-Rio ressalta também maior empenho na promoção de mecanismos de articulação entre os diversos arranjos regionais na América do Sul e América Latina, como a Comunidade dos Estados Latino-Americanos e Caribenhos (Celac), a União de Nações Sul-Americanas (Unasul) e o Mercosul, para que a atual pluralidade não resulte em fragmentação e dispersão de iniciativas.
Letícia Pinheiro defende a criação de um marco regulatório para a política de cooperação internacional para o desenvolvimento. “[É] Uma das políticas de ponta na agenda da política externa brasileira dos últimos anos, buscando, dessa forma, uma coordenação mais eficiente e profícua das iniciativas tomadas pelas diversas agências do governo”, explica. Além disso, ela lembra a importância de mais investimentos nos organismos sobre saúde internacional e atenção à sua relação com os temas de direitos humanos e de segurança humana, em vista do indiscutível peso que essa área vem adquirindo na agenda global. (Agência Brasil – 19/09/2014)

Veja as propostas dos candidatos à presidência para a política externa
O fortalecimento do Mercosul e da União de Nações Sul-Americanas (Unasul) estão entre as principais promessas dos candidatos à Presidência da República em relação à política externa. A preocupação em ampliar acordos com outros blocos também aparece na maior parte dos programas de governo apresentados à Justiça Eleitoral. E mesmo com a divergência de alguns sobre pontos como a busca por um assento permanente no Conselho de Segurança das Nações Unidas no rol de prioridades e diretrizes da estratégia internacional, a maior parte dos presidenciáveis defende que o Brasil assuma, no cenário internacional, um papel de destaque na defesa da paz mundial, do desenvolvimento sustentável e de respeito aos direitos humanos em qualquer nação.
Veja as propostas dos candidatos à Presidência para a política externa:
Aécio Neves (PSDB) afirma que vai conduzir a política externa com base nos princípios da moderação e da independência e prevalência dos interesses brasileiros e dos objetivos de longo prazo de desenvolvimento nacional. Segundo seu programa, será preciso reavaliar as prioridades estratégicas e dar atenção especial à Ásia, em função de seu peso crescente, e aos Estados Unidos e a outros países desenvolvidos pelo acesso à inovação e tecnologia. Aécio defende a ampliação da relação com os países em desenvolvimento e uma nova estratégia nas negociações bilaterais que priorizem a integração do Brasil às cadeias produtivas globais. Em seu projeto de governo, Aécio ainda defende a retomada da integração regional, com liberalização comercial e a recuperação de objetivos originais do Mercosul como flexibilizar as regras do bloco para avançar nas negociações com outros países. Nas organizações internacionais, a promessa é de maior participação brasileira em temas como mudança climática, energia, direitos humanos, comércio exterior, terrorismo, guerra cibernética, e nas questões de paz e segurança, inclusive nas discussões sobre a ampliação do Conselho de Segurança.
Dilma Rousseff (PT) diz que vai priorizar a integração regional envolvendo a América do Sul, América Latina e o Caribe com fomento do comércio e da integração produtiva e ênfase na integração financeira e de suas infraestruturas física e energéticas. A candidata à reeleição promete ainda reforçar ações para o fortalecimento dos blocos regionais Mercosul, Unasul e a Comunidade dos Países da América Latina e Caribe (Celac), sem discriminação de ordem ideológica. A estratégia, de acordo com o programa apresentado à Justiça Eleitoral, também inclui maior aproximação com a África e com os países asiáticos, além de afinar as relações com os países desenvolvidos como os Estados Unidos, o Japão e nações da União Europeia. Dilma destaca a defesa pelas reformas dos principais organismos internacionais, como a Organização das Nações Unidas (ONU), o Fundo Monetário Internacional, o Banco Mundial, "cuja governança hoje não reflete a atual correlação de forças global". "A política externa tem sido e continuará sendo mais do que um instrumento de projeção do Brasil no mundo. Trata-se de um elemento fundamental de nosso projeto de nação", afirma.
Eduardo Jorge (PV) afirma apoio à ONU como organização global capaz de gerenciar conflitos e manter a paz e defende o uso da força, por decisão do organismo, em casos como o de violações estruturais e maciças dos direitos humanos e genocídio. O ambientalista afirma que, assim como todas as nações, o Brasil tem que promover ações integradas, no cenário internacional, para o desenvolvimento sustentável e a superação da miséria. Entre as propostas de política externa estão a criação de metas de redução não voluntárias de emissão de gases de efeito estufa proporcionais às responsabilidades históricas e atuais, a definição de metas para reduzir gastos com orçamentos militares, o banimento de armas atômicas e a convergência nas obrigações trabalhistas e previdenciárias. O ambientalista defende a democratização das instâncias decisórias da ONU, como o Conselho de Segurança, a aproximação e o acordo de livre comércio do Brasil com a comunidade europeia e o compromisso com o desenvolvimento sustentável do Continente Africano.
Eymael (PSDC) se compromete com uma política externa fundamentada no princípio da solidariedade entre as nações e com o objetivo de buscar uma ordem social mundial com os princípios da justiça e da liberdade. Segundo o candidato, a política internacional deve ser instrumento de desenvolvimento nacional, "incluindo o Brasil nas rotas mundiais do sucesso socioeconômico".
Levy Fidelix (PRTB) e Luciana Genro (PSOL) não incluem propostas específicas para política externa em seus programas de governo.
Marina Silva (PSB) defende uma política externa a serviço do desenvolvimento, que projete no cenário internacional os produtos e serviços brasileiros e favoreça a inclusão de empresas nacionais nas cadeias globais de produção. Para a ex-senadora, a participação do país nas instâncias de decisão internacionais deve se basear na defesa da paz, da democracia, dos direitos humanos e do desenvolvimento sustentável. Marina defende que o Brasil assuma posição proativa nas negociações sobre mudança climática e busque a inclusão da questão na agenda do G20. Entre as promessas, a candidata afirma que vai acelerar as negociações para o acordo Mercosul-União Europeia, propor uma política de aproximação do Mercosul com a Aliança do Pacífico e promover o fortalecimento da Unasul como organização de cooperação de políticas regionais. Para ela, o Brasil também precisa adotar uma agenda positiva para as relações com os Estados Unidos e atualizar os mecanismos de cooperação com a África. A candidata ainda promete fortalecer a diplomacia pública brasileira e ampliar os meios para oferecer maior assistência aos brasileiros no exterior.
Mauro Iasi (PCB) defende o fim do que define como "a estratégia do estado burguês brasileiro de expansão do seu capitalismo no exterior". Segundo ele, o país também deve abandonar a "obsessão" de se tornar uma grande potência no campo imperialista, "representada no fetiche de, a qualquer preço, conquistar uma cadeira permanente no Conselho de Segurança da ONU". A proposta do candidato é que o Brasil lidere uma luta contra o imperialismo e por sociedades justas e solidárias, "num movimento que se contraponha à ONU, dentro e fora dela". Nas prioridades de sua política externa estão a desativação das bases militares na Colômbia, a defesa do governo bolivariano na Venezuela, o respaldo a uma solução política para o conflito colombiano, o fim do bloqueio a Cuba e a libertação de presos políticos, a retomada das Ilhas Malvinas pela Argentina e um movimento continental pelo não pagamento das dívidas externas. Iasi espera estimular uma "luta continental contra a mafiosa Sociedade Interamericana de Imprensa, em defesa da imprensa popular e independente, pela democratização e o controle social da mídia."
Pastor Everaldo (PSC) promete eliminar a intervenção do governo brasileiro em outros Estados, reduzir gastos com o corpo diplomático e o auxílio financeiros a organizações internacionais. Ele defende a eliminação do uso de tropas nacionais em guerras e o fim das ocupações de territórios que não dizem respeito ao Brasil. O candidato também se opõe ao perdão da dívida de outros países com o Brasil e promete revitalizar o tratado do Mercosul, retirando entraves da livre negociação com países que não integram o bloco. Everaldo defende os acordos de livre comércio para promover os produtos nacionais, condena a violação de direitos humanos contra qualquer povo e é contrário à restrição da saída de brasileiros para o exterior, exceto nos casos em que há investigação criminal em curso.
Rui Pimenta (PCO) e Zé Maria (PSTU) não apresentaram propostas específicas para a política externa. (Agência Brasil – 19/09/2014)

Maior desafio da política externa é ser reconhecida como política pública
A ascensão do Brasil como potência emergente, com expansão constante de mercado e atuação mais ativa em grandes fóruns e regiões, fez com que o país ganhasse mais visibilidade e reconhecimento internacional. Prova disso é que, hoje, brasileiros como Roberto Azevêdo e José Graziano ocupam os mais altos cargos em entidades como a Organização Mundial do Comércio (OMC) e a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), respectivamente.
Apesar do patamar alcançado, especialistas ouvidos pela Agência Brasil avaliam que o país tem enfrentado dificuldades para continuar se expandindo. Segundo eles, o desafio da política externa brasileira nos próximos anos é se transformar em uma política pública, condizente com um mundo globalizado onde problemas locais repercutem em várias partes do planeta, inclusive na vida dos brasileiros.
Crises como a da Ucrânia, que afetaram as exportações brasileiras para aquela região, e a epidemia de ebola na África, que elevaram o alerta e a mobilização de recursos humanos nas fronteiras do país, são dois dos vários exemplos que comprovam como problemas aparentemente locais são cada vez mais globais, e exigem articulação política e econômica entre as nações.
Segundo o professor emérito da Universidade de Brasília (UnB) Amado Luiz Cervo, referência na área de história das relações internacionais, o próximo governo terá o desafio de manter diálogo com a sociedade, as lideranças sociais, os movimentos e setores dinâmicos da sociedade, como indústria e agropecuária, para transformar a política externa em uma política pública.
A professora da Pontifícia Universidade Católica do Rio (PUC-Rio) Letícia Pinheiro, membro do Grupo de Reflexão sobre Relações Internacionais, concorda que para enfrentar esse desafio é necessário ampliar a participação democrática na definição das diretrizes gerais da política externa brasileira, como fonte de credibilidade e autoridade para a posição que o país assume nos temas internacionais.
"Para tanto, é de máxima importância a criação e institucionalização de um mecanismo de ampla participação social - movimentos sociais, organizações não governamentais, organizações empresariais e sindicais, instituições de estudos e centros de pesquisa, entre outros - que contribua com o Itamaraty na definição dessas diretrizes. Refiro-me à criação do Conselho Nacional de Política Externa (Conpeb), de caráter consultivo, em moldes semelhantes aos já existentes conselhos nacionais de participação em outras políticas públicas", defende Letícia.
Segundo o professor Amado Cervo, o Brasil tem uma política de segurança internacional coerente, sólida e condizente com sua identidade nacional, de país etnicamente heterogêneo e culturalmente plural, se opondo a sanções de qualquer natureza. Para ele, os desafios do próximo governo estão em aspectos ligados aos interesses econômicos do país. "O interesse econômico é o essencial porque dele dependem a renda, o emprego, o bem-estar da população", justifica.
Para Cervo, é preciso, em primeiro lugar, "restabelecer a confiança dos investidores brasileiros e estrangeiros no país". Em segundo lugar, o professor elenca a definição de "uma política de comércio exterior moderna". Segundo ele, o fracasso do tratado global de livre comércio, mais conhecido como Rodada Doha, traz ao país a necessidade de seguir um novo caminho, adequado aos interesses brasileiros de exportação e importação que sirvam de combustível para o desenvolvimento do país. "As regras do comércio internacional se fazem à base de tratados regionais ou bilaterais de comércio. O Brasil relutou, nunca quis assinar. Então, não temos uma política de comércio exterior."
Outro entrave, na avaliação dele, é a competitividade internacional do país - que já foi a economia mais internacionalizada do Brics (grupo formado pelo Brasil, a Rússia, Índia, China e África do Sul). De acordo com o professor, os benefícios da produtividade e competitividade que as empresas brasileiras alcançam em razão da sua penetração em cadeias produtivas globais não foram trazidos para o país. "É contra a natureza da internacionalização econômica. É estranho. O benefício da produtividade fora não reverteu para o aumento da produtividade interna. É preciso reverter isso."
Cervo defende ainda que o Brasil defenda interesses próprios sem medo de desagradar parceiros importantes na América do Sul como a Argentina. Ele pondera que isso não significa romper o entendimento político, comercial, econômico e na área de segurança com o país vizinho. "O desafio é desvincular decisões estratégicas, ou a estratégia brasileira de inserção internacional, sem chocar, sem melindrar a Argentina. Porém, desvincular e ter uma autonomia decisória própria".
A especialista Letícia Pinheiro cita outros desafios como o fortalecimento das representações do país e o aumento do aporte de recursos nos principais organismos multilaterais, inclusive aqueles voltados a áreas mais específicas como a Organização Mundial da Saúde (OMS) e o Conselho Econômico e Social da Organização das Nações Unidas (ONU).
Ela destaca ainda a necessidade de avanço nas discussões e na promoção de iniciativas rumo à criação de um marco global para a internet, com ampla participação dos países em desenvolvimento, a defesa do princípio das responsabilidades comuns, porém diferenciadas, no seio das negociações climáticas multilaterais, a consolidação da institucionalização do Banco do Brics e do Arranjo Contingente de Reservas, anunciados na cúpula de Fortaleza, em julho deste ano, tornando-os efetivos como complementos ao sistema financeiro global para os países em necessidade.
A professora da PUC-Rio ressalta também maior empenho na promoção de mecanismos de articulação entre os diversos arranjos regionais na América do Sul e América Latina, como a Comunidade dos Estados Latino-Americanos e Caribenhos (Celac), a União de Nações Sul-Americanas (Unasul) e o Mercosul, para que a atual pluralidade não resulte em fragmentação e dispersão de iniciativas.
Letícia Pinheiro defende a criação de um marco regulatório para a política de cooperação internacional para o desenvolvimento. "[É] Uma das políticas de ponta na agenda da política externa brasileira dos últimos anos, buscando, dessa forma, uma coordenação mais eficiente e profícua das iniciativas tomadas pelas diversas agências do governo", explica. Além disso, ela lembra a importância de mais investimentos nos organismos sobre saúde internacional e atenção à sua relação com os temas de direitos humanos e de segurança humana, em vista do indiscutível peso que essa área vem adquirindo na agenda global. (Agência Brasil – 19/09/2014)

Emergentes pedem para ricos reforçarem demanda global
Por Assis Moreira
CAIRNS - Diante da constatação de uma economia mundial deprimida, países emergentes avisaram no G-20 que já não conseguem carregar o peso do crescimento da demanda global e cobraram de muitos desenvolvidos que tomem medidas com impacto mais imediato para reativar a expansão.
Esse confronto repete o que ocorreu com frequência no auge da crise mundial. Voltou agora no grupo que faz 8% da produção mundial, em meio ao consenso de que a economia global não se recuperou ainda, a demanda continua fraca e que isso tem impacto generalizado.
No começo do ano, a perspectiva era de retomada do crescimento nas maiores economias após os anos de crise. Agora a realidade é de algo que não tinha sido previsto. Os EUA estão avançando, mas não gerando ainda uma demanda suficiente. Na Europa, não se concretizou a melhora esperada, o Japão tem problemas, os emergentes não estão crescendo tanto, a China alimenta incerteza, mas Pequim avalia que vai conseguir a expansão de 7,5% este ano.
Afora os EUA, quase todos os outros países grandes tiveram o desempenho econômico revisto para baixo. E o cenário global não apoia o crescimento dos países, avalia o G-20 segundo fontes. O rebaixamento generalizado das perspectivas de expansão econômica em 2014 se refletirá no comunicado do G-20.
Os EUA estão com o Brasil, Argentina e outros emergentes na defesa de mais demanda interna, mas outros não se mexem, segundo o secretário de Assuntos Internacionais do Ministério da Fazenda, Carlos Márcio Cozendey, que substitui o ministro Guido Mantega na reunião de ministros de finanças e presidentes de bancos centrais do G-20.
"O Brasil tem dado sua contribuição. Vem mantendo um déficit de transações correntes controlável e que contribui para a demanda global. No meio tempo, alguns países se ajustaram, outros não. Está faltando contribuição", afirmou.
Para emergentes e os EUA, no imediato, alguns países têm que reforçar a demanda. Só que a Alemanha, principal motor da economia europeia e o mais visado pelas queixas dos parceiros, insiste na importância do que chama de credibilidade fiscal.
Se no lado da demanda o confronto está de volta, no lado da oferta existe consenso no G-20 sobre uma estratégia de crescimento que será lançada em novembro pelos líderes das maiores economias do mundo. Mas possivelmente ainda não será neste fim de semana que o grupo conseguirá listar promessas de projetos que assegurem crescimento de 2% acima da trajetória atual, nos próximos cinco anos, o que jogaria mais US$ 2 trilhões na economia mundial.
Também hoje, o Fundo Monetário Internacional (FMI) apresentou no G-20 relatório sobre a importância de composição de ajuste fiscal. É na linha do que o Brasil propôs há três anos e foi recusado. Agora o FMI examina a composição tanto de arrecadação quanto de gastos dentro de um cenário de manter as contas fiscais em ordem.
Exemplifica que um país reduzir o que cobra de seguridade social pode favorecer emprego. A União Europeia foi na mesma linha dessa discussão.
Neste fim semana, outro debate, provavelmente ainda sem decisão, será sobre uma iniciativa de infraestrutura. A Austrália calcula que a necessidade de infraestrutura alcance US$ 1 trilhão por ano. Os australianos propuseram criar uma nova instituição para harmonizar projetos e atrair investidores, entre outros pontos, deixando o financiamento nas instituições atuais,como Banco Mundial e bancos regionais. (Valor Online – 19/09/2014)

O mundo cor-de-rosa dos mercados
Por Mohamed A. El-Erian
Este tem sido um ano incomum para a economia mundial, caracterizado por uma série de mudanças econômicas, geopolíticas e de mercado imprevistas, e nada indica que o último trimestre será diferente. A maneira como essas mudanças vão terminar terá grande impacto sobre a eficiência das políticas de governo - e sobre muito mais. Então por que os mercados financeiros vêm se comportando como se estivessem em um mundo à parte?
Aparentemente inabaláveis ao crescimento decepcionante tanto das economias avançadas quanto das emergentes, ou à disparada das tensões geopolíticas do Leste Europeu e do Oriente Médio, as bolsas atingiram recorde atrás de recorde este ano. Essa alta impressionante ignorou uma multiplicidade de relações históricas, entre as quais a tradicional correlação entre o desempenho das ações e os bônus governamentais. Na verdade, as correlações entre uma série de categorias de ativos financeiros se comportaram de maneira atípica e, às vezes, instável.
Por outro lado, no front da política pública, a coesão dos países avançados em matéria de política monetária está dando lugar a um sistema de várias faixas de tráfego, em que o Banco Central Europeu (BCE) pisa mais fundo no acelerador do incentivo, enquanto o Federal Reserve (Fed, o BC dos EUA) reduz a velocidade. Esses fatores estão fazendo com que a economia mundial ingresse no último trimestre do ano carregada de profundas incertezas em várias áreas.
Os investidores financeiros têm confiado no apoio constante dos bancos centrais, certos de que as autoridades monetárias terão êxito em transformar o crescimento induzido por políticas públicas em um crescimento natural.
O que mais ganhou corpo foi a escalada dos conflitos geopolíticos, que se aproximam da gota d'água que transborda o copo. Isso é especialmente verdade na Ucrânia, onde, apesar do atual cessar-fogo, a Rússia e o Ocidente ainda não encontraram uma maneira de aliviar as tensões em definitivo. Na ausência de um grande avanço, a inevitável nova rodada de sanções e contrassanções provavelmente empurrará a Rússia e a Europa para a recessão, reduzindo o nível de atividade da economia mundial.
Mesmo na ausência dessas complicações, o revigoramento da cada vez mais frágil recuperação econômica da Europa não será tarefa fácil. A fim de pôr o avanço em marcha, o presidente do BCE, Mario Draghi, propôs uma grande barganha de política pública aos governos europeus: se eles implementarem reformas estruturais e melhorarem a flexibilidade fiscal, o banco central expandirá seu balanço a fim de impulsionar o crescimento e cercear a deflação.
Do outro lado do Atlântico, o Fed deverá concluir sua retirada do afrouxamento quantitativo nas próximas semanas, o que o deixará totalmente dependente das taxas de juros e da orientação futura da política econômica para impulsionar a economia. A retirada do afrouxamento quantitativo, além de ser impopular junto a alguns formuladores de políticas públicas e políticos, chamou a atenção para o risco do aumento da instabilidade financeira e do crescimento da desigualdade de renda.
Para complicar as coisas ainda mais, há as eleições parlamentares nos EUA em novembro. Em vista da probabilidade de os republicanos continuarem a controlar pelo menos uma das casas do Congresso, a flexibilidade da política pública do presidente democrata Barack Obama deverá permanecer severamente restrita - a não ser, é claro, que a Casa Branca e o Congresso encontrem finalmente uma forma de trabalhar juntos.
Por outro lado, no Japão, a paciência do setor privado com a estratégia tridirecional do premiê Shinzo Abe destinada a revigorar a economia, há muito estagnada, será posta à prova, especialmente com relação à tão esperada implementação de reformas estruturais que complementem o estímulo fiscal e o afrouxamento monetário. Se a terceira "seta" da política econômica de Abe não se concretizar, a aversão ao risco dos investidores tornará a aumentar, obstruindo os esforços destinados a estimular o crescimento e a evitar a deflação.
Economias emergentes sistemicamente importantes também são alvo de um grau considerável de incerteza. As eleições presidenciais no Brasil, em outubro, determinarão se o país avançará para um modelo de crescimento novo, mais sustentável, ou se se atolará mais profundamente numa estratégia econômica em grande medida esgotada, que reforça suas tendências à estagflação.
Na Índia, a questão é se o recém-eleito premiê Narendra Modi tomará medidas decisivas para atender às altas expectativas dos eleitores por uma reforma econômica antes de se encerrar sua lua de mel pós-vitória eleitoral. E a China terá de atenuar os riscos financeiros, se quiser evitar um pouso turbulento.
A última fonte de incerteza é o setor corporativo. Empresas saudáveis começam lentamente a abrir o cofre - num notável afastamento do comportamento de aversão ao risco predominante desde a crise financeira mundial.
Um número crescente de empresas começou a mobilizar os enormes estoques de recursos mantidos em seus balanços, primeiro para aumentar dividendos e recomprar ações, e depois para realizar fusões e aquisições a um ritmo observado pela última vez ainda em 2007. A questão é se as empresas vão finalmente investir em unidades de produção, equipamentos e pessoas - uma fonte fundamental de respaldo à economia mundial.
Esta é uma lista um tanto relevante de questões. Mas os participantes do mercado financeiro em grande medida as têm contornado, desconsiderando os maiores riscos da atualidade e ignorando a volatilidade potencial que elas envolvem. Em vez disso, os investidores financeiros têm confiado no apoio constante dos bancos centrais, certos de que as autoridades monetárias acabarão tendo êxito em transformar o crescimento induzido por políticas públicas num crescimento natural. E, é claro, têm se beneficiado consideravelmente da mobilização de dinheiro corporativo.
Nos próximos meses, o empolgado otimismo que toma conta dos mercados financeiros poderá se mostrar justificável. Infelizmente, o mais provável é que o panorama vislumbrado pelos investidores se revele rosa demais. (Tradução de Rachel Warszawski)
Mohamed A. El-Erian é assessor econômico principal na Allianz e membro de sua Comissão Executiva Internacional. Ele é presidente do Conselho de Desenvolvimento Mundial do presidente Barack Obama e autor de "When Markets Collide". Copyright: Project Syndicate, 2014. (Valor Online – 18/09/2014)

"Não enxergo o Brics como bloco econômico ou político viável"
Professor da Sloan School of Administration, do MIT, Yasheng Huang, fala sobre a economia dos países em desenvolvimento
Patricia Büll
A China é acusada por empresários brasileiros de fazer concorrência predatória, oferecendo artigos baratos e de baixa qualidade. Paralelamente, o Brasil continua sendo um forte exportador de commodities para a China. Aparentemente há um enorme potencial comercial entre os dois países, mas permanecem os conflitos. O que deverá predominar: os interesses comerciais ou os conflitos?
Acho que pode haver alguns conflitos nas reuniões de negócios, sobre qualidade. Mas a presença da China é relativamente nova no Brasil e a relação econômica entre os dois países também, por isso eu não ficaria surpreso ao ver as dificuldades que você menciona. Não há dúvida de que as companhias chinesas recorrem às vezes a métodos predatórios, não apenas no Brasil, mas em outros lugares. Porém, isso só exige que ambos os lados fiquem atentos. Parece que as lideranças de ambos os países já conversaram sobre essa questão. Espero que haja uma relação saudável entre os dois países.
O que a indústria brasileira poderá esperar da concorrência chinesa: vai aumentar ou se chegará a um equilíbrio?
Eu acho que a competição vai ficar mais intensa, provavelmente porque a economia chinesa está desacelerando e, portanto, haverá mais ênfase no mercado exportador. As companhias chinesas têm muita capacidade instalada e precisam encontrar novos mercados para seus produtos. Por isso eu acho que se a regulação da competição for justa e transparente, a competição é boa. A questão é como você organiza a competição, e não se ela será intensa ou não.
O Brics tem chance de sucesso, especialmente agora, que foi anunciada a criação de seu próprio banco de desenvolvimento? Há conflitos históricos, como China e Índia, e diferenças grandes entre os países. Qual o peso disso para o sucesso da iniciativa?
A relação sino-indiana é bem complicada e está ficando ainda mais complexa. Pessoalmente, não enxergo os Brics como bloco econômico ou político viável. Acho que é mais retórico do que concreto. O fato é que esses quatro países têm interesses muito diferentes uns dos outros e a Rússia está em uma situação muito diferente do Brasil, da China, da Índia. É difícil imaginar esses quatro países com uma política externa ou econômica conjunta. Eu não consigo visualizar isso.
O acirramento da crise da Ucrânia, que vem provocando o isolamento da Rússia pelos EUA e pela Europa, pode acelerar a integração dos Brics??
Duvido muito que o Brasil sacrifique sua relação com os Estados Unidos para ficar ao lado da Rússia nisso. E a China não está criticando a Rússia abertamente, mas, por outro lado, não acho que a China gostaria de ver instabilidade na região. Por isso, não acredito que a existência dos Brics seja motivo para que Índia, Brasil e China tenham uma política externa comum. Não acredito nisso. Seus interesses econômicos não favorecem a Rússia substancialmente.
Economistas apontam que o crescimento acelerado da urbanização e da classe média na China deverá aumentar o mercado doméstico, inclusive para produtos manufaturados, mas principalmente para alimentos de outros países, além de criar um nível mais elevado de qualidade dos chineses em relação a seus próprios produtos. Esse processo está acontecendo?
Está acontecendo e acho que este é o motivo pelo qual os países latino-americanos, especialmente o Brasil, podem realmente ter uma vantagem na China. A infeliz consequência do crescimento chinês é o dano ambiental à água, ao ar, ao solo; e a classe média está exigindo alimentos de baixo impacto ambiental, orgânicos. Acredito que a indústria alimentícia será uma parte mais e mais importante do comércio entre Brasil e China.
Até quando a China conseguirá manter esse ritmo de crescimento, na faixa de 7% a 8% ao ano? Uma desaceleração desse crescimento afetaria fortemente os países que exportam commodities para a China, como o Brasil?
Sim, eles serão afetados. A desaceleração é quase inevitável. Por isso haverá efeitos sobre o Brasil de forma negativa em termos de comércio de commodities. Por outro lado, como falamos anteriormente, um mercado consumidor chinês está se desenvolvendo para alimentos de qualidade e produtos alimentícios melhores, e é onde as empresas brasileiras têm um potencial competitivo.
O que a China vem fazendo para melhorar a imagem de seus produtos mundo afora, combatendo a visão criada nas últimas duas décadas de que “Made in China” é sinônimo de produtos de baixa qualidade?
Este é um problema no mercado externo e interno da China. Há um grande debate agora sobre como resolver esse problema no país. Acho que a única solução é aumentar a efetividade das leis, reduzir a corrupção no sistema regulatório e que o governo realmente vá atrás das companhias, para puni-las quando necessário. O problema é que algumas dessas companhias são protegidas pelo governo local. É preciso realmente separar o governo dessas companhias para que, quando necessário, o governo possa ir atrás delas.
Aqui no Brasil, duas empresas chinesas (China National Offshore Oil Corporation - CNOOC e o fundo China National Petroleum Corp - CNPC) fazem parte do consórcio vencedor para explorar o campo de petróleo de Libra, um dos mais promissores do pré-sal. Essa participação foi considerada “tímida”pela imprensa econômica. Qual é a estratégia da China para entrar em investimentos pesados, especialmente de infraestrutura, em países como o Brasil?
Há um forte apetite chinês por recursos naturais, e as companhias chinesas — e essas duas companhias especificamente — não estão fazendo exploração de recursos naturais apenas no Brasil, mas também na África. Mas dentro da China há muitas críticas às companhias que fazem isso. Um problema com essa estratégia é que a China precisa reduzir a parcela que a energia tem no crescimento do PIB. Entretanto, as companhias chinesas ainda investem pesado em subsidiar a produção de energia barata. Olhando para o futuro, não acho que essa seja uma estratégia muito boa. Espero que diminua esse tipo de investimento por parte da China.
A China poderá ajudar a Argentina, financeiramente, na sua briga com os fundos abutres em torno do pagamento da dívida externa do país? E o que ela pediria em troca?
Eu pessoalmente não acredito que o governo chinês irá se voluntariar a ajudar a Argentina. Esse é um problema para o FMI resolver e, também, a Argentina já teve muitos desses problemas de calote. Só fornecer dinheiro para eles não irá resolver esse problema. Não acredito que o governo chinês irá ajudá-los. (Brasil Econômico – 17/09/2014)

A Rússia é o vizinho mais perigoso
Por Martin Wolf
A Rússia é ao mesmo tempo uma tragédia e uma ameaça. No "Financial Times" desta semana, Sergey Karaganov ofereceu uma visão cativante da mistura de autocomiseração e jactância atualmente em vigor em Moscou. O fenômeno é tão deprimente quanto perturbador.
Os formuladores de políticas públicas ocidentais parecem acreditar que o Estado Islâmico do Iraque e da Síria (conhecido como Isis) é o perigo maior. Mas a Rússia é o remanescente, dotado de armas nucleares, de uma ex-superpotência e, governada por um autocrata amoral, ela me atemoriza ainda mais. Para a Europa e, creio eu, para os Estados Unidos, não existe questão de política externa maior do que como lidar com a Rússia de hoje.
O Ocidente "se proclamou o vitorioso da Guerra Fria", segundo Karaganov. Talvez a origem da tragédia possa ser encontrada nessa observação. O Ocidente não apenas se proclamou o vitorioso; ele foi o vitorioso. Uma aliança defensiva derrotou a União Soviética porque oferecia um estilo de vida melhor. É por isso que tantos quiseram fugir da prisão soviética, entre os quais muitos russos outrora otimistas.
O Ocidente tem de começar com uma avaliação correta da Rússia com a qual tem de conviver. A Rússia atual sente que é vítima de uma injustiça histórica e rejeita os valores ocidentais básicos. E sente-se suficientemente forte para agir.
Mas o presidente Vladimir Putin, o mais recente de uma longa linha de autocratas russos, afirmou, em vez disso: "O colapso da União Soviética foi um dos grandes desastres geopolíticos do século". Ele foi, na verdade, uma oportunidade, agarrada com as duas mãos por muitos cidadãos da Europa Central e do Leste. A transição para um novo estilo de vida se mostrou inevitavelmente difícil. O mundo que eles habitam atualmente é altamente imperfeito. Mas eles ingressaram, predominantemente, no mundo da modernidade civilizada. O que isso significa? Significa liberdade intelectual e econômica. Significa o direito de se envolver livremente na vida pública. Significa governos sujeitos ao Estado de Direito e responsáveis por prestar contas à população.
O Ocidente, com excessiva frequência, não se mostrou à altura desses ideais. Mas eles continuam servindo de guia. No início da década de 1990 eles eram o guia de muitos russos. Como grande admirador da cultura russa e da coragem russa, eu tinha esperanças, afetuosas talvez, que o país encontrasse um caminho em meio aos destroços de sua ideologia, Estado e império arruinados. Queria que a Rússia optasse por valores ocidentais, no entanto, não apenas para o nosso bem, e sim para o seu próprio. A alternativa de dar continuidade ao ciclo do despotismo era deprimente demais.
Com a escolha de Putin, um ex-coronel da KGB, como seu sucessor, Boris Yeltsin produziu esse resultado. O presidente pode ser, por enquanto, um déspota popular. Mas é um déspota. Ele também é o herdeiro do projeto de Yuri Andropov, ex-diretor da KGB e líder soviético, de uma autocracia modernizada. Como fiel servidor do Estado, ele acredita que apenas os resultados importam. A mentira é só mais uma ferramenta da política. Só os obstinadamente cegos puderam deixar de ver essa verdade óbvia nos últimos meses.
O Ocidente é, em parte, responsável por esse resultado trágico. Ele não ofereceu o apoio de que a Rússia precisava com a rapidez suficiente no início da década de 1990. Concentrou-se ridiculamente, em vez disso, em quem pagaria a dívida soviética. Foi conivente com a pilhagem da riqueza russa em benefício de uns poucos.
Mas mais importante foi a recusa da elite russa de abordar os motivos do colapso, que na época estava por recomeçar. Apenas ao confrontar a realidade da monstruosa máquina da opressão e da mentira de Stalin é que ela poderia construir algo novo.
O país que surgiu foi o tempo todo o resultado provável. Ele se vê como cercado de inimigos. As relações externas são mutuamente excludentes: o sucesso dos outros é o fracasso para a Rússia. Segundo esse ponto de vista, uma Ucrânia próspera e democrática, se alcançada (possibilidade remota, concordo), é um pesadelo. Para as elites de Moscou, evitar isso é, nas palavras de Karaganov, "uma luta para impedir que outros expandam sua esfera de controle para territórios que, segundo creem, são essenciais para a sobrevivência da Rússia". E quem é que, supostamente, estaria ameaçando a sobrevivência da Rússia? É um Ocidente que é "mais fraco do que muitos imaginam". Esse frágil Ocidente faz o papel do bicho-papão.
Do ponto de vista de Moscou, a política pública Ocidental é a política de Versalhes. Na verdade, a posição ocidental se baseia em dois princípios simples: primeiro, um país tem o direito de fazer suas próprias escolhas; segundo, as fronteiras não podem ser alteradas pela força. A Rússia rejeita os dois. Foi pelo fato de seus ex-satélites e anexos terem certeza, com razão, de que a Rússia não aceitaria esses princípios que eles se mostraram tão interessados em ingressar na Otan. A aliança militar não teve de obrigá-los a se filiar. Eles imploraram para fazê-lo. Talvez eles entendam a extensão da percepção que a Rússia tem de seu "interesse vital" e o quanto ela é implacável em protegê-lo.
Às vezes o panorama entre as elites da Rússia chega às raias da paródia. Um dos motivos pelos quais muitos em Moscou acham que uma união política com a Europa é impossível é o fato de a Europa estar abandonando o cristianismo e as normas "tradicionais" - leia-se, a aceitação do homossexualismo. Mas eu, pelo menos, lembro que a União Soviética, cujo desaparecimento Putin lamenta, perseguiu o cristianismo sem dó nem piedade. É possível recordar, também, que a elite russa adora esse recanto ocidental de maldade.
"Assedio, logo existo". Esse parece ser o lema que explica alguns dos surtos do presidente. Mas, nem por serem absurdos são menos sérios. O Ocidente não é uma ameaça para a Rússia. Ao contrário, o Ocidente sabe muito bem que tem um interesse vital em manter boas relações com o país. Mas não é tão fácil ignorar uma invasão e, sim, é isso o que é, por menos que se goste da palavra. Ao mesmo tempo, é terrível manter relações de antagonismo com uma potência tão importante e potencialmente útil como a Rússia.
Há solução para esse dilema? Todas as possibilidades - mais sanções, maciça assistência econômica e possivelmente militar à Ucrânia, ou não fazer absolutamente nada - envolvem riscos. Mas o Ocidente tem de começar de uma avaliação correta da Rússia com a qual tem agora de conviver. A Rússia atual sente que é vítima de uma injustiça histórica e rejeita os valores ocidentais básicos. Além disso, sente-se suficientemente forte para agir. O atual dirigente russo também vê essas poderosas emoções como maneira de garantir o poder. Ele não é o primeiro governante com essas características. Sua Rússia é um vizinho perigoso. O Ocidente precisa se livrar de suas últimas ilusões pós-Guerra Fria. (Tradução de Rachel Warszawski) (Valor Online – 17/09/2014)

Investimento direto na China cai para menor nível em quatro anos
MARCELO NINIO
DE PEQUIM
Em meio a uma série de ações antitruste contra multinacionais, que provocou um protesto formal do governo norte-americano, a China registrou em agosto o menor nível de investimento estrangeiro direto em quatro anos.
Segundo o Ministério do Comércio chinês, o país atraiu no mês passado US$ 7,2 bilhões do exterior, uma queda de 14% em relação ao mesmo período de 2013. Já os investimentos chineses no exterior chegaram a US$ 12,62 bilhões, 112,1% mais do que em agosto de 2013.
O índice, um termômetro da confiança externa na economia, soma-se a outro dado negativo de agosto, a desaceleração da produção industrial. A alta de 6,9% foi a menor desde a crise de 2008.
O recuo do investimento ocorre em momento delicado para empresas estrangeiras na China devido à ofensiva antitruste do governo. Nas últimas semanas, o país começou a investigar empresas estrangeiras como Microsoft, Qualcomm, Chrysler, Daimler, Audi AG e Toyota.
Poucas ousaram protestar e várias baixaram preços desde julho. Mas as investigações geraram desconforto nas multinacionais, que consideram a ação discriminatória e a aplicação da lei antimonopólio pouco transparente.
Em mensagem ao vice-premiê chinês Wang Yang, o secretário do Tesouro dos EUA, Jacob Lew, protestou contra o uso da lei para forçar as empresas a cortar preços e alertou que a ação poderia pesar sobre as relações bilaterais.
Na abertura do Fórum Econômico Mundial, na semana passada, o premiê chinês, Li Keqiang, negou que as investigações tenham viés discriminatório, afirmando que somente 10% das empresas na mira são estrangeiras e que o ambiente de negócios na China é justo e aberto ao mundo.
ACENO
Em mais um esforço para tranquilizar o investidor estrangeiro, o Ministério do Comércio realizou nesta terça (16) uma rara entrevista coletiva para correspondentes.
As queixas de que a China mira as multinacionais para ajudar as firmas nacionais são "infundadas", disse Shen Danyang, porta-voz do ministério: "As investigações antimonopólio têm o propósito de criar um ambiente de negócios melhor, e, em nenhuma hipótese, de atingir certos tipos de empresas".
Nos últimos dias associações empresariais dos EUA e da Europa na China protestaram contra a ação, que teria reforçado o clima de hostilidade às estrangeiras no país.
Em pesquisa da Câmara de Comércio Americana na China com seus membros, 60% disseram achar que as empresas estrangeiras são menos bem-vindas do que antes.
O diretor de uma consultoria afirmou à Folha ter ficado impressionado com a passividade com que as empresas aceitaram baixar preços. "Na prática, a China aplicou uma sobretaxa sobre essas empresas", disse, pedindo para não ser identificado.
Há, porém, os que entendem a ação de Pequim. "Quando a China não tinha lei antitruste, havia reclamações. Agora reclamam porque o país está aplicando a lei", diz o advogado brasileiro Durval de Noronha, que tem escritórios no país. (Folha de SP – 17/09/2014)

Países ricos fecham acordo contra evasão fiscal
ECONOMIA
Jamil Chade
As maiores economias do mundo fecharam um acordo para tentar frear multinacionais como Google, Vodafone ou a Vale de transferir lucros ao exterior e reduzir o pagamento de impostos. Ontem, o G-20 e a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) chegaram, pela primeira vez, a um entendimento sobre como combater a evasão fiscal de grandes corporações.
A medida foi anunciada às vésperas da reunião de ministros de Economia e dos bancos centrais do G-20, na Austrália, no fim de semana. Segundo os negociadores, o acordo é um passo importante para fechar brechas no sistema financeiro global e evitarque empresas paguem menos impostos enviando recursos para outros países.
O entendimento prevê sete medidas e vai valer para 44 países, que concentram 90% do PIB mundial. As multinacionais serão forçadas a revelar às autoridades do Fisco onde exatamente geram seus lucros epagam seus impostos. O esforço é o de expor as empresas quetentam redirecionar seus endereços para locais com baixas taxas tributárias.
As regras também estabelecem limites para que empresas se aproveitem de acordos de bitributação para reduzir impostos. A iniciativa tem como objetivo forçar multinacionais a abandonar práticas como a deter endereços fictícios em paraísos fiscais ou mesmo em centros financeiros como Holanda ou Luxemburgo.
Há dois anos, uma polêmica envolveu a Vale na Suíça.
A mineradora brasileira foi multada pelo Fisco suíço por não cumprir umacordo. Quando a empresa se instalou no país, indicou que seu escritório serviria como sua base europeia. Mas as acusações eram de que a Vale havia transformado o local em sua base mundial, justamente para reduzir o pagamento deimpostos.
A Vale nega.
Parte do esforço ainda está concentrado em empresas da internet, que, por atuarem em todo o mundo, escolhem onde pagar impostos. Mas as medidas sobre esse setor ainda estão sendo desenhadas e devem ser impostas apenas em 2015.
Para a OCDE, porém, as medidas já vão fazer muitas companhias refletirem como vão atuar apartir de agora.
Mas, para que entrem em vigor, as leis terão de passar pelos Parlamentos dos 44 países envolvidos.
Os governos, porém, não chegaram a um acordo sobre uma medida que limitaria a guerra fiscal entre os governos. Para especialistas, a corrida de Estado sem oferecer taxas mais baixas a multinacionais é parte do problema da evasão.
-
Acordo global
44 países estarão envolvidos no acordo contra evasão fiscal e grandes corporações multinacionais; os Parlamentos de cada país terão de aprovar as medidas e transformá-las em leis
-
90 % do Produto Interno Bruto mundial está concentrado nos países envolvidos nesse acordo (O Estado de SP – 17/09/2014)

Produtividade dispara no porto de Santos
Por Fábio Pupo e Fernanda Pires | De São Paulo e Santos
A produtividade dos terminais de contêineres no maior porto do país, o de Santos (SP), disparou no fim do ano passado e atualmente já figura entre as mais altas do mundo. Em 2014, os números de movimentação por hora - principal indicador de eficiência - são superiores aos de grande complexos portuários do mundo. Estão acima de Roterdã (na Holanda) e Hamburgo (na Alemanha) - e se aproximam de Xangai (na China).
O levantamento, obtido pelo Valor, foi feito pela companhia alemã de transporte marítimo Hamburg Süd - para quem a melhora é consequência sobretudo, mas não só, da abertura de dois megaterminais no litoral paulista.
O estudo leva em conta o desempenho na operação dos navios da classe "Cap San", com até 9,6 mil TEUs (unidade padrão de contêiner de 20 pés) e 335 metros de comprimento. São os maiores porta-contêineres a frequentar o porto de Santos, onde atracam no Tecon Santos, da Santos Brasil, e na Empresa Brasileira de Terminais Portuários (Embraport).
A melhora da performance ocorre após a inauguração de dois megaempreendimentos no ano passado: Embraport e Brasil Terminal Portuário (BTP). Juntos, eles ampliaram a oferta de espaço para contêineres no maior porto da América Latina, então saturada. E juntaram-se ao Tecon Santos, da Santos Brasil - ainda o maior terminal de uso público de contêineres do país - no clã de megaterminais brasileiros.
A Embraport tem como acionistas a Odebrecht (66,7%) e a DP World (33,3%). Inaugurado em julho do ano passado, o empreendimento terá investimentos totais de R$ 2,3 bilhões. A BTP, parceria das europeias Terminal Investment Limited (TIL) e APM Terminals, terá investimento total de R$ 2 bilhões. As operações comerciais começaram em agosto de 2013.
Os investimentos foram responsáveis por dar fôlego às operações, adicionando capacidade quando o litoral paulista estava em seu limite. Diante do excesso de demanda e da limitação de infraestrutura, a produtividade em Santos havia caído em 2013 para cerca de 60 contêineres por hora - abaixo da média mundial de 80 por hora.
Enquanto os concorrentes não estreavam, o Tecon Santos chegou a operar com 110% de sua capacidade. "No ano passado, Santos entrou em colapso pelo atraso da abertura de BTP e Embraport, porque o volume que estava no pátio do terminal [da Santos Brasil] era tão grande que afetou a produtividade. Quando o pátio está muito cheio, não se consegue movimentar os contêineres do navio para a retroárea e vice-versa", diz Julian Thomas, diretor-superintendente da Aliança, subsidiária da Hamburg Süd no Brasil.
Em 2014, com os novos "players", o cenário mudou: a média de movimentos por hora cresceu para 104. O número não só fica acima da média global como também é superior ao dos portos mais modernos de países desenvolvidos. Roterdã e Hamburgo, por exemplo, movimentam neste ano uma média de 87 e 90 contêineres por hora, respectivamente.
"Estamos vendo a produtividade em Santos em níveis internacionais, e os novos terminais têm um impacto fundamental. Sem eles, não teríamos esses ganhos e continuaríamos em um cenário estressado de navios tendo que esperar para atracar e movimentar em um terminal cheio", diz Thomas.
Os novos terminais causam diferentes efeitos para a melhora da produtividade. O primeiro é que eles conseguem operar navios maiores, que trabalham com mais portêineres simultaneamente. O cais da BTP, por exemplo, tem 1.108 metros, o que permite operar três navios de grande porte ao mesmo tempo. Outro fator é o "desafogamento" de cargas de outros terminais, cuja operação não fica tumultuada nas retroáreas diante de superdemanda.
Fábio Siccherino, diretor de novos negócios da Embraport, diz que a produtividade era uma meta desde o começo. "Estabelecemos que a produtividade seria algo que chamaria atenção. O caminhão que entra no nosso terminal para entregar um contêiner, por exemplo, faz toda a operação em menos de 30 minutos". Na hora de abastecer o navio, a Embraport diz movimentar mais de 30 contêineres por hora (por guindaste).
No BTP, a média operacional de janeiro a setembro é de 30 movimentos por hora por guindaste. Além de um terminal grande, a empresa destaca também o posicionamento estratégico da instalação: é o terminal de contêineres de Santos mais próximo da rodovia no sentido São Paulo-Santos pelo Sistema Anchieta-Imigrantes. No quesito de qualificação profissional, sustenta a BTP, os operadores de guindaste treinam em um dos simuladores mais modernos do mundo adquirido pela empresa.
Enquanto isso, o Tecon Santos - que já existia - vem aumentando há anos os níveis médios de produtividade por navio. O indicador está previsto, inclusive, nos contratos com os armadores. Para o presidente da Santos Brasil, Antônio Carlos Sepúlveda, a melhora da performance no litoral deve-se principalmente ao aumento de espaço no porto - mais do que à ampliação da concorrência - e ao novo porte das embarcações. Quanto maior o navio, mais guindastes podem ser empregados. "A nossa missão é oferecer aos clientes a maior produtividade para que eles tenham uma vantagem competitiva. Temos a maior produtividade por guindaste, uma média de 35 movimentos por hora", afirma.
No início do mês, o Tecon Santos bateu o recorde histórico da América do Sul ao movimentar 1.694 contêineres em 8,74 horas, atingindo 193,92 movimentos por hora na operação de descarga do "Cap San Nicolas", da Hamburg Süd. Cinco guindastes estavam fazendo o desembarque das cargas.
Mas, para ele, recordes isolados na operação de um navio não comprovam grau de eficiência. Mais importante, diz, é a escalada da média da movimentação por hora, que vem crescendo acentuadamente desde 2011, com os investimentos em equipamentos de última geração, aprofundamento de cais e em softwares. Em julho, a média mensal de movimentos por hora chegou a 95 no terminal.
Thomas, da Hamburg Süd, ressalta que a demanda neste ano não está tão grande - o que também colabora com a produtividade. Em outro indicador, de atrasos para atracação e desatracação, houve melhora de 34% neste ano em Santos na comparação com um ano antes. Mesmo assim, pode cair mais com medidas a serem tomadas pelo setor público. As principais demandas são o aumento da profundidade no acesso ao porto (hoje grandes navios dependem da maré) e a melhora do acesso rodoviário a Santos. (Valor Online – 17/09/2014)

Além do duplipensar e da aposta no gogó
Marcelo de Paiva Abreu
Impressiona a fragilidade das ideias sobre política externa nos programas dos candidatos presidenciais. Mesmo que se leve em conta que plataformas de política externa costumam ter impacto eleitoral bem modesto.
O caso extremo é o programa de Dilma Rousseff, que, depois de quatro anos de diplomacia inoperante, apenas repete velhos chavões. Promete dar continuidade ao processo de "profunda mudança na presença do Brasil no mundo com ênfase na América do Sul e na África (...) o que não significa desconsiderar os países desenvolvidos". Afinal, a política externa é um "elemento fundamental do novo projeto de nação". É o enraizamento da diplomacia de gogó.
As candidaturas de oposição explicitam preocupações quanto ao "isolamento do Brasil" (Aécio) e propõem "superar o imobilismo" (Marina), buscando novos parceiros com nova estratégia de negociações comerciais. Aécio enfatiza a necessidade de recuperar os objetivos inicias do Mercosul e de revalorizar o Itamaraty. Marina propõe "reacender o dinamismo das trocas" (?) com os EUA e a União Europeia, a associação do Mercosul com a Aliança do Pacífico e dá uma barretada em relação a Ibas, Brics e África.
Qualquer proposta sólida quanto à política externa deve partir da constatação de que o poder de barganha e a atratividade do Brasil dependerão de suas políticas internas. Quanto pior for a percepção externa sobre essas políticas, menos viável será a ruptura do isolamento em que o País mergulhou. Não basta querer novos parceiros, é importante ter algo a oferecer. Nos mandatos de Lula, a diplomacia presidencial minorou tais dificuldades. Com a posse de Dilma e a contínua deterioração do desempenho da política econômica, só restou ao governo comemorar "feitos" de natureza estritamente política. O Brasil ficou cada vez mais próximo da Argentina e mais longe do mundo.
A campanha de reeleição da presidente Rousseff está sendo conduzida com extrema agressividade, na tentativa de desmoralizar adversários e sem preocupação quanto à verdade ou com coerência com posições externadas no passado. A fonte de inspiração poderia ser a crença nazista de que, se mentiras forem exageradas e reiteradas, tenderão a ser aceitas como verdade. Ou talvez o "duplipensar", proposto por George Orwell em 1984: o poder de manter duas crenças contraditórias na mente ao mesmo tempo, de contar mentiras deliberadas e, ao mesmo tempo, acreditar genuinamente nelas, e esquecer qualquer fato que se tenha tornado inconveniente.
Tal cortina de fumaça não oculta a deterioração pós-mensalão, agravada desde 2010, do compromisso com políticas macroeconômicas prudentes. As atuais políticas relacionadas ao papel do Estado e à abertura da economia também indicam retrocesso em relação à herança recebida pelo PT.
A reorientação da política externa depende de choque de credibilidade gerado pela reversão de políticas econômicas nefastas. É essencial que se reflita sobre novos arranjos institucionais envolvendo a Presidência da República, o Itamaraty com - quem sabe? - realocação de atribuições levando em conta requisitos específicos da política econômica externa. Mas é essencial que isso se dê na esteira da implementação de políticas econômicas que voltem a enfatizar o compromisso com estabilidade macroeconômica, o ajuste no papel do Estado e a integração à economia mundial.
Banco Central. Lamentável a iniciativa do Banco Central do Brasil de processar Alexandre Schwartzman por ter externado críticas veementes - e pertinentes - à atuação do banco. Menos mal que o banco, derrotado em primeira instância, tenha arrepiado caminho e desistido de recorrer, em clara admissão da insensatez da iniciativa. Mas não é que o processo estava em perfeita sintonia com as posições estapafúrdias da candidata Dilma Rousseff sobre as funções de um banco central e sua autonomia?
*Marcelo de Paiva Abreu é doutor em economia pela Universidade de Cambridge e professor titular no departamento de Economia da Puc-Rio (O Estado de SP – 17/09/2014)

Atual ciclo de expansão global pode ser um dos mais longos
Por Sergio Lamucci | De Washington
O atual ciclo de expansão global já dura cinco anos e pode facilmente continuar por outros cinco, tornando-se o mais longo desde os anos 1970, aposta o Morgan Stanley. Embora o ritmo de crescimento seja fraco, o banco de investimentos considera que a economia mundial tem fôlego para avançar por um bom tempo sem cair abaixo de 2,5% ao ano, normalmente apontado como o nível que configura uma recessão global. Para este ano, a expectativa do Morgan Stanley é de uma avanço de 3,1% do PIB mundial.
Para justificar a sua avaliação, o banco ressalta a ociosidade ainda elevada na economia global e a expectativa de que a política monetária continue expansionista por um bom tempo nos países ricos. Além disso, os ciclos econômicos nos vários países não estão sincronizados, o que reduz o risco de aquecimento conjunto excessivo, diz o economista-chefe global do banco, Joachim Fels, no relatório "Mais Baixo, Mas Mais Longo" (Lower, but Longer).
Segundo ele, um padrão cíclico global só apareceu nos anos 1970, "refletindo ligações crescentes por meio do comércio e dos fluxos de capitais, e também pelo advento de choques comuns, como o dos preços do petróleo nos anos 1970 e começo dos anos 1980". Nos últimos 40 anos, os ciclos de expansão globais duraram entre quatro e oito anos, tendo em média 6,2 anos.
Ao esmiuçar por que o atual ciclo pode ser tão longo, Fels destaca que a recessão de 2008 e 09 criou uma ampla folga de recursos na economia global, ainda não eliminada pela recuperação modesta. O crescimento dos salários e a inflação estão em geral muito baixos no mundo, avalia. Em muitos países, os índices de preços estão abaixo da meta dos bancos centrais.
A falta de sincronia do atual ciclo é um fator importante na aposta do Morgan Stanley numa fase de crescimento duradouro, ainda que a taxas pouco robustas. Enquanto alguns países já estão numa recuperação mais forte, como os EUA, outros vivem desaceleração ou recessão, como a zona do euro ou vários emergentes. "O que geralmente coloca um fim a expansões globais é a combinação de aquecimento conjunto excessivo e aperto monetário pelos bancos centrais. Nós não estamos perto disso."
Por fim, a política monetária deve continuar expansionista por muito tempo, num cenário de crescimento ainda modesto e inflação sob controle. Fels espera que o Federal Reserve (Fed, o banco central americano) só comece a elevar os juros em 2016, enquanto a maior parte do mercado aposta num aumento em meados do ano que vem. Mas mesmo os analistas que preveem uma alta mais cedo dos juros consideram que as taxas devem subir lentamente.
O Morgan Stanley diz ainda que o Banco do Japão (o BC japonês) adotará medidas adicionais de estímulo monetário em outubro e vê uma possibilidade de 40% de o Banco Central Europeu (BCE) também passar a comprar títulos dos governos, para tentar tirar a economia da estagnação. No início do mês, o BCE reduziu mais os juros e anunciou um programa de compra de títulos lastreados em ativos privados. Esses motivos levam Fels a ver o "copo meio cheio", acreditando numa expansão bastante prolongada. O fato de o crescimento global estar longe de ser exuberante ajuda nessa avaliação.
No relatório, aliás, o Morgan Stanley promove pequenas reduções das estimativas de crescimento global de 2014, de 3,2% para 3,1%, e de 2015, de 3,7% para 3,5%. Segundo Fels, os países ricos avançam a duas velocidades, com zona do euro e Japão caminhando mais devagar, enquanto EUA e Reino Unido crescem com mais força. Para a zona do euro, o banco espera expansão de 0,8% neste ano, inferior ao 1% previsto em junho. Enquanto isso, os EUA devem crescer 2,1% neste ano e 2,8% em 2015.
A expectativa é de um segundo semestre mais forte nos países desenvolvidos. Depois de crescer a uma taxa anualizada de 1% na primeira metade do ano, a estimativa é de um avanço de 2% a 2,5% no segundo semestre, acomodando-se na casa de 2% no ano que vem.
Nos países emergentes, a atividade parece ter atingido o nível mais baixo e começado a se recuperar, diz Fels, alertando, porém, que o crescimento deve continuar fraco em termos históricos, avançando um pouco em 2015. Ele ressalta que os principais países desse grupo estão em momentos muito diferentes do ciclo. "Vemos uma recuperação decente puxada pelas reformas na Índia, esperamos que a expansão do PIB da China fique um pouco acima de 7% na segunda metade de 2014 e em 2015, e prevemos uma ampla estagnação em curso no Brasil e uma recessão aberta na Rússia", afirma Fels.
Em junho, o Morgan Stanley esperava um avanço de 1% do PIB brasileiro em 2014; agora, aposta em apenas 0,2%. Para 2015, a estimativa é de 0,3% - antes era 0,9%. (Valor Online – 17/09/2014)

Para analistas, crédito de IR terá efeito restrito sobre exportações
Por Rodrigo Pedroso e Francisco Góes | De São Paulo e do Rio
Welber Barral, ex-secretário de Comércio Exterior: redução de imposto atinge um grupo pequeno de empresas.
A decisão do governo de estender para toda a indústria a redução do Imposto de Renda (IR) sobre os lucros no exterior ajuda no esforço de internacionalização das empresas brasileiras, mas é insuficiente para alavancar exportações e eliminar a incerteza jurídica sobre o tema. De acordo com especialistas em direito tributário, comércio exterior e indústria ouvidos pelo Valor, no curto prazo, a medida beneficia mais as multinacionais instaladas no país e as empresas que possuem produção lá fora.
Segundo sinalizou o governo, em outubro deve ser publicado o decreto que ampliará para toda a indústria o benefício de uma lei de maio deste ano, que concedeu crédito de 9% para o IR sobre lucros auferidos no exterior aos setores de construção civil, serviços e alimentos e bebidas. Segundo o governo, haverá ganho com a diminuição substancial das disputas judiciais em torno dessa tributação. Muito em função de acordos assinados pelo Brasil com outros países para evitar a dupla tributação, na prática, as empresas já entravam na Justiça contra a cobrança da diferença entre a alíquota de IR paga no exterior, de média de 25%, e aquela cobrada no Brasil, de 34%, pela Receita Federal.
Rodrigo Brunelli, sócio da área tributária do escritório Ulhôa Canto Advogados, diz que o anúncio feito pelo ministro da Fazenda Guido Mantega ajusta uma distorção tributária, que vem sendo contestada desde Medida Provisória de 2001 sobre o assunto, classificada pelo advogado como ambígua e sujeita a diferentes leituras.
A decisão de estender para toda a indústria a redução do IR não pode ser entendida como um benefício por parte do governo ao setor produtivo. "As empresas já recorriam da diferença. Há uma grande judicialização sobre o tema, com ganho de causa quase sempre às empresas. Na verdade o anúncio pode ser avaliado como um ajuste de uma distorção", diz Brunelli.
Diferentemente da avaliação do governo, o anúncio não elimina a incerteza jurídica sobre o tema, na análise de Paulo Ayres, professor de direito tributário da Universidade de São Paulo (USP). Para ele, a medida não resolve a disputa entre empresas e Receita quando há operações de subsidiárias em países que possuem acordos para evitar bitributação, que continuarão a ser feridos toda vez em que um país tiver alíquota de IR menor de 25%. Nesses casos, as subsidiárias terão que pagar ao Fisco brasileiro o restante para completar uma alíquota equivalente a 25% quando os lucros retornaram ao Brasil.
"O contribuinte continua a entender que o lucro não é suscetível de tributação e o Fisco se mantém na posição de querer a tributação", disse o professor, para quem o Brasil segue com uma legislação tributária "atípica" em relação a outros países.
Para Welber Barral, ex-secretário de Comércio Exterior e sócio da Barral M Jorge Consultores, o fato de a redução da alíquota atingir um grupo pequeno de empresas em relação ao universo observado no comércio exterior do país torna-a insuficiente para fomentar as exportações. "O principal efeito pode ser o de facilitar o acesso de uma ou outra empresa ao exterior", afirma.
Por outro lado, a horizontalidade da medida deve ser vista com bons olhos, na visão de Julio Gomes de Almeida, ex-secretário de Política Econômica da Fazenda, já que a maioria das medidas de estímulo adotadas pelo atual governo foram ou para determinados setores da indústria ou para alguns grupos de empresas selecionadas. "É um avanço importante ao generalizar a medida e que desfaz a falta de sintonia do Brasil com o resto do mundo. Agora, pelo menos nessa parte não há tanta diferença tributária", diz Gomes de Almeida. (Valor Online – 17/09/2014)

"Brasil na rabeira do mundo"
O Brasil está pronto para um novo ciclo de crescimento, insistem a presidente Dilma Rousseff e seu ministro provisório da Fazenda, Guido Mantega, demitido, mas ainda sem baixa na carteira. Falta avisar o pessoal da indústria, do mercado financeiro e das entidades internacionais. Fora do mundo mágico do governo brasileiro, as expectativas são muito menos otimistas. O crescimento ficará em 0,33% neste ano e 1,04% no próximo, segundo a última pesquisa do Banco Central (BC) entre economistas de instituições financeiras e de consultorias.
A projeção para 2014 foi reduzida pela 16.ª semana consecutiva. Foram cortadas também as estimativas elaboradas pelos técnicos da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE). O número calculado para 2014 passou de 1,8% para 0,3%. O previsto para 2015 foi de 2,2% para 1,4%. As expectativas agora revistas haviam sido publicadas em maio.
Na semana passada a Moody's, uma das principais agências de classificação de risco, anunciou uma possível piora da nota de crédito do Brasil, nos próximos meses. A nota foi por enquanto mantida, mas a perspectiva foi rebaixada de estável para negativa. O baixo crescimento da atividade, com perspectiva de estagnação prolongada, foi incluído entre as explicações da reavaliação. A Confederação Nacional da Indústria já havia alterado de 1,8% para 1% o aumento do Produto Interno Bruto (PIB) esperado para 2014. Para o produto industrial foi apontada uma contração de 0,5%. Pelo cenário anterior, de março, haveria uma expansão de 1,7%.
Na última pesquisa conduzida no mercado pelo BC, publicada nessa segunda-feira, a mediana das projeções para o produto da indústria foi igual à da semana anterior, uma redução de 1,98%. Quatro semanas antes a previsão, já negativa, indicava uma diminuição de 1,76%.
As novas estimativas da OCDE para o Brasil foram publicadas juntamente com uma revisão geral das projeções para a economia mundial. O cenário é menos positivo que o do relatório anterior, divulgado em maio, mas a análise aponta a continuidade da recuperação global. O ritmo geral é moderado e as perspectivas são desiguais entre regiões, mas o Brasil se destaca entre os países com piores perspectivas.
Segundo as novas estimativas, a economia americana crescerá 2,1% neste ano e 3,1% no próximo. O número calculado para este ano corresponde a sete vezes o estimado para o Brasil. O previsto para 2015 é mais que o dobro do esperado para a economia brasileira.
A projeção geral para a zona do euro indica expansão de 0,8% em 2014 e 1,1% para 2015. A maior e mais sólida economia da área, a alemã, continuará com desempenho acima da média, com crescimento de 1,5% em cada um dos dois anos. Na União Europeia, mas fora da zona do euro, o destaque principal é o Reino Unido, com crescimento estimado de 3,1% em 2014 e 2,8% em 2015.
O desempenho brasileiro fica ainda mais miserável quando comparado com o de outros emergentes. Os novos cálculos apontam expansão, neste ano e no próximo, de 7,4% e 7,3% para a China e de 5,7% e 5,9% para a Índia. Outros latino-americanos, dentro e fora da OCDE, também devem exibir números melhores que os do Brasil, nestes dois anos, apesar de alguma desaceleração. Ao explicar a piora das estimativas para o Brasil, o pessoal da OCDE mencionou o baixo investimento. Crescimento a longo prazo, sabem esses economistas, só com investimento e ganhos de produtividade. As autoridades brasileiras continuam dando prioridade ao consumo.
O governo brasileiro continua atribuindo as dificuldades nacionais aos problemas da economia global, mas o ministro provisório da Fazenda tem acrescentado um novo fator, a alta de juros e a piora das condições internas de crédito. O BC, portanto, também tem parte da culpa. Na falta de algo melhor para dizer, o ministro em exercício prometeu: o crescimento anual médio do Brasil, entre 2008 e 2014, ficará entre 2,7% e 2,8%. E algum governo de grande país em desenvolvimento, como o Brasil, pode orgulhar-se desse resultado? (O Estado de SP -16/09/2014)

Indústria brasileira propõe montar 'pelotão de ataque' no exterior
PATRÍCIA CAMPOS MELLO
São Paulo
A Confederação Nacional da Indústria (CNI) enviou aos candidatos presidenciais uma proposta para a criação de "adidos de indústria e comércio" nas principais embaixadas do Brasil.
Nesta segunda-feira (15), o ministro Guido Mantega (Fazenda) anunciou que o governo vai estender para toda a indústria a redução, de 34% para 25%, da alíquota de Imposto de Renda sobre lucros no exterior de empresas brasileiras.
Esses adidos, funcionários de carreira do Ministério do Desenvolvimento que seriam deslocados para os postos no exterior, teriam como função abrir mercados e identificar as principais barreiras às exportações de produtos industrializados brasileiros.
"A indústria brasileira enfrenta problemas de competitividade devido à alta tributação, baixa produtividade e pouca inovação, e as barreiras às nossas exportações são cada vez mais sofisticadas", diz Diego Bonomo, gerente executivo de Comércio Exterior da CNI.
Segundo ele, os adidos seriam o primeiro passo de uma estratégia de "ataque" para a indústria brasileira no exterior. "Houve reforma nas medidas de defesa, como antidumping; agora precisamos de reforma nas medidas de ataque, e o adido é a primeira peça disso."
O passo seguinte seria institucionalizar relatórios de barreiras contra produtos brasileiros em cada país e, a partir daí, seria possível o setor privado acionar o governo. Segundo Bonomo, as campanhas ainda não se posicionaram.
A CNI propõe a criação da função de adido inicialmente em oito postos: Bruxelas, Buenos Aires, Caracas, Cidade do México, Genebra, Pequim, Pretória e Washington.
"Hoje em dia, não existe essa função exata, o adido de indústria estaria lá, in loco, reforçando o poder de atuação do Itamaraty."
EXEMPLO AGRÍCOLA
Segundo Bonomo, os adidos agrícolas, cujo cargo foi criado em 2010, são um exemplo dos resultados que podem ser obtidos. Esses funcionários do Ministério da Agricultura lotados em algumas embaixadas ajudaram a conseguir a habilitação de unidades para exportar carne de frango para a China e o acesso ao mercado japonês para carne suína.
"Trata-se de uma solução de baixíssimo custo, porque não cria cargo, só desloca um funcionário de carreira do Mdic para embaixadas."
Os adidos poderiam atuar para identificar e negociar a eliminação de barreiras técnicas, como exigência de certificados que encarecem os produtos brasileiros ou são muito difíceis de cumprir, e apontar para subsídios que distorcem o comércio de manufaturados.
Ele cita como exemplo um projeto de lei tramitando no congresso dos EUA que exige de todos os exportadores de produtos industriais que tenham um agente registrado no país, disponível 24 horas por dia para atender ao cliente -o que encareceria muito o produto brasileiro.
EUA, China, Coreia do Sul e África do Sul possuem adidos de indústria. (Folha de SP – 16/09/2014)

MDIC abre consulta sobre mudança na TEC de 36 produtos
LUCI RIBEIRO
O Ministério de Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC) abriu consulta pública sobre modificações na nomenclatura e na Tarifa Externa Comum (TEC) de 36 produtos, entre eles aparelhos para proteção de circuitos elétricos e medicamentos, como nimesulida e cefaclor. Os detalhes da consulta estão publicados no Diário Oficial da União desta terça-feira.
O documento divulga as propostas de modificação que estão em análise pelo Departamento de Negociações Internacionais (Deint) da Secretaria de Comércio Exterior (Secex). A intenção, segundo o texto, é "colher subsídios para definição de posicionamento no âmbito do Comitê Técnico nº 1, de tarifas, nomenclatura e classificação de mercadorias, do Mercosul".
As manifestações sobre o assunto deverão ser dirigidas ao Deint por meio do protocolo da Secex, no endereço EQN 102/103, lote 1, Asa Norte, Brasília/DF, CEP 70722-400. As correspondências deverão ser encaminhadas no prazo de 30 dias. (O Estado de SP – 16/09/2014)

OCDE reduz perspectiva de crescimento do G7
Informações foram divulgadas durante a apresentação do relatório de Perspectivas da organização. Recuperação deve ser menor do que a esperada diante da fraqueza da zona do euro
- A Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) anunciou ontem a redução das previsões de crescimento de todas as sete maiores economias desenvolvidas do mundo em 2014, o chamado G-7.
A entidade está mais pessimista com o ritmo da economia global, com o argumento de que há sinais contínuos de fraqueza da atividade, e cobra ação das autoridades. Entre as medidas, defende a adoção de um amplo programa de relaxamento quantitativo (QE) pelo Banco Central Europeu (BCE).
Incertezas geopolíticas
A entidade explica que o crescimento econômico mundial pode ser ainda mais fraco em 2014 e 2015 diante de uma série de riscos, como o conflito geopolítico na Ucrânia e no Oriente Médio, o referendo na Escócia e a possibilidade de grandes alterações nos fluxos financeiros e nas taxas de câmbio, enquanto investidores reorganizam carteiras diante da expectativa de mudança na política monetária dos EUA.
Apesar de listar diversos riscos, a OCDE nota que a zona do euro ainda é a ameaça mais preocupante para as perspectivas de crescimento global. As taxas de inflação historicamente baixas seguram a demanda e aumentam o risco de queda dos preços.
Zona do Euro
A entidade reconhece o esforço do BCE que anunciou novas medidas no início de setembro e o início do programa de compra de dívida privada. Apesar disso, a OCDE avalia que a ação pode não ser suficiente para acelerar a atividade e afastar o risco de deflação. Por isso, apela ao BCE para que lance um programa de compras de ativos em larga escala, inclusive com títulos de governo. "A recente ação do BCE é bem-vinda, mas medidas adicionais, inclusive o relaxamento quantitativo, são necessárias", avaliou o economista- chefe da OCDE, Rintaro Tamaki.
Novas perspectivas
Na atualização das previsões econômicas, a OCDE cortou a expectativa de crescimento em 2014 para todos os membros do G7. Agora, a entidade prevê expansão econômica de 2,1% para os Estados Unidos, abaixo dos 2,6% estimados em maio.
Para a zona do euro, a economia deve crescer só 0,8%, menos que a estimativa de 1,2% feita há quatro meses.
Entre as sete maiores economias do mundo, o maior ajuste foi destinado à Itália. Agora, a OCDE prevê contração da economia de 0,4% neste ano. Em maio, a organização previa crescimento de 0,5%.
Para 2015, a entidade reduziu a previsão de expansão nos EUA para 3,1%, de 3,5% na expectativa anterior. A zona do euro deverá ter crescimento de 1,1%, ante 1,7%, de acordo com a OCDE.
A Organização manteve ainda sem mudanças os números de alta do PIB na China, em 7,4% para este ano e em 7,3% para o próximo ano. / Agências (DCI – 16/09/2014)

OCDE reduz projeções de crescimento diante de tríplice risco global
Por Chris Giles | Financial Times, de Londres
O temor de turbulência após a plebiscito sobre independência na Escócia e o agravamento da situação no Oriente Médio e na Ucrânia prejudicaram o cenário para a economia mundial, disse a Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE).
Numa atualização das previsões econômicas publicadas em maio, a entidade disse que as perspectivas para todas as grandes economias do mundo em 2014 e 2015 pioraram, em parte devido a eventos imprevistos no início do ano e em parte devido a riscos geopolíticos.
A OCDE reviu para baixo suas previsões de crescimento em 2014 de todas as grandes economias, com exceção da Índia. A entidade prevê expansão de 2,1% nos EUA, de 0,8% na zona do euro e de 0,9% no Japão. A revisão envolve correções para baixo de 0,3 a 0,5 pontos percentuais em cada economia.
As projeções para a China ficaram inalteradas, de crescimento de 7,4%, enquanto o Reino Unido seria a economia avançada de expãnsão mais forte, 3,1%. O Brasil fica no último lugar do grupo, com um crescimento de apenas 0,3% previsto para este ano, muito inferior ao de 1,8% esperado em maio.
Para 2015, a OCDE ainda espera que as taxas de crescimento aumentem, embora tenha reduzido a maioria de suas projeções. Os EUA deverão crescer 3,1%, menos que os 3,5% previstos em maio, enquanto a zona do euro terá expansão de apenas 1,1%, bem menos que o 1,7% previsto quatro meses atrás. O Japão também deverá registrar crescimento de só 1,1%.
Embora a perspectiva para diferentes economias seja divergente, a OCDE disse que o crescimento mundial recente de pouco mais de 3% ao ano é "bem inferior ao ritmo pré-crise" e que a expansão do comércio mundial "é medíocre".
A OCDE, sediada em Paris e que supervisiona economias avançadas, reiterou suas fortes críticas às autoridades da zona do euro. Qualificando o desempenho da economia de "decepcionante", advertiu que "a confiança volta a enfraquecer e que a situação anêmica da demanda se reflete na queda da inflação, que está próxima de zero na zona do euro como um todo e negativa em vários países".
A entidade observou que o panorama da inflação, persistentemente fraco, enfatiza os riscos de que a expectativa do Banco Central Europeu (BCE), de que a inflação começaria a subir de volta à sua meta de 2% seja frustrada. "A inflação próxima de zero também eleva, sem dúvida, o risco de se resvalar para deflação, o que poderia perpetuar a estagnação e agravar as níveis de endividamento."
A OCDE exortou o BCE a criar "um incentivo monetário mais forte" do que o atualmente planejado, mas apoiou o apelo de Mario Draghi, presidente do BCE, de que países com finanças públicas sólidas colaborem no esforço de elevar a demanda na Europa. "Tendo em vista o esfriamento da demanda, é preciso utilizar a flexibilidade autorizada pelas regras orçamentárias da UE para fomentar o crescimento", diz a avaliação.
Como parte de sua conclusão (de que não há um diagnóstico único para a situação econômica mundial), a OCDE diz que os EUA e o Reino Unido, onde recuperações robustas estão em curso, poderiam apertar lentamente a política monetária com juros mais altos.
Na Ásia, a OCDE elogiou a condução da economia chinesa e sua capacidade de retardar o crescimento gradualmente", criando amplo espaço para estímulos, caso necessário". A OCDE exortou o Japão a seguir em seu processo de reforma e de melhoria das finanças públicas mediante novo aumento do imposto sobre o consumo.
O Brasil foi alvo de críticas decorrentes da "incerteza sobre a direção de sua política governamental após as próximas eleições e a necessidade de medidas de política monetária para conter uma inflação acima da meta".
Apesar de a OCDE ter dito que as experiências e políticas recomendadas variam em circunstâncias econômicas divergentes, há a tendência global de fracos aumentos salariais, mesmo em países com baixo desemprego ou rápida expansão da produtividade. "Embora [os salários baixos] tenham ajudado a conter o crescimento do desemprego durante a crise - e isso foi necessário para que alguns países da zona do euro recuperassem a competitividade - agora estão retardando uma recuperação mais forte nos gastos do consumidor".
Essas perspectivas nada animadoras contrastam com mercados financeiros exuberantes, que estão "em contradição" com a economia real. "Isso ressalta a possibilidade de que os riscos estejam sendo mal precificados" e o risco de "uma correção súbita". (Valor Online – 16/09/2015)

Governo diminui carga sobre lucro da indústria no exterior
Por Rodrigo Pedroso e Aline Oyamada | De São Paulo
Ministro Guido Mantega: estudos concluíram que a ampliação da concessão de crédito não terá impacto fiscal.
O ministro da Fazenda, Guido Mantega, anunciou ontem a extensão a toda indústria de transformação da lei que concede crédito tributário de 9% de Imposto de Renda (IR) sobre o lucro obtido no exterior. A intenção da equipe econômica é equiparar a carga de IR sobre lucros no exterior entre empresas brasileiras e as companhias de outros países. A ideia também é diminuir a incerteza jurídica das empresas brasileiras que apuram ganhos no exterior e que questionavam a tributação do IR sobre esses lucros.
Estudos da Fazenda, segundo Mantega, concluíram que a ampliação da concessão de crédito não terá impacto fiscal, "pois esse era um segmento que entrava com ações e ao mesmo tempo a Receita entrava com autuações. Agora vamos dar menos trabalho ao Supremo", disse. Atualmente, as empresas brasileiras pagam, em média, 34% de IR sobre seu lucro, seja o gerado no país ou no exterior. A média desse tipo de imposto pago no exterior, porém, é menor: varia entre 20% e 25%.
"Se uma empresa pagou 25% de imposto no exterior, com o crédito de 9%, as empresas não pagarão nada adicional ao Fisco brasileiro pela exportação efetuada quando for feito o Imposto de Renda. Antes elas tinham que pagar depois a diferença entre as alíquotas", afirmou o ministro. A extensão do crédito tributário será veiculada por decreto em outubro no "Diário Oficial da União". O incentivo existe desde maio deste ano, quando uma lei sobre o assunto foi aprovada, mas contemplando apenas os setores de construção civil, serviços e alimentos e bebidas.
A medida foi anunciada após reunião com empresários na sede da Confederação Nacional das Indústrias (CNI), em São Paulo. Mantega ouviu reclamações sobre a alta do juro básico. Outra demanda é que sejam mantidas as condições de crédito equiparadas às do cenário internacional, com juros anuais de cerca de 2% ou 3% na compra de máquinas e equipamentos.
Mantega sinalizou que o atual governo, se reeleito, vai manter os subsídios a máquinas e equipamentos por meio do Programa de Sustentação do Investimento (PSI). Na visão do ministro, conforme a economia melhore ano que vem e a inflação ceda, o BC terá mais espaço para diminuir a taxa de juro.
Segundo Mantega, a expansão do crédito tributário mais o aumento da alíquota do Reintegra para 3% no ano que vem, "dará equilíbrio entre as empresas brasileiras e estrangeiras no exterior." O ministro afirmou ainda que a alíquota do Reintegra será definida ano a ano.
José Augusto de Castro, presidente da Associação de Comércio Exterior do Brasil (AEB), diz que o crédito de 9% de IR sobre lucros no exterior estendido a todos os setores manufatureiros é, sem dúvida, medida muito bem-vinda, que reduz a carga tributária. Ele ressalva, porém, que trata-se de medida pontual, que atende a um grupo específico de empresas.
Castro explica que a medida faz diferença para empresas que possuem braços no exterior, com lucro apurado fora do país. "Na prática, beneficia somente as multinacionais e as empresas brasileiras internacionalizadas", diz. Ele diz ainda que o crédito de 9% de IR não deve ser colocado num mesmo pacote de comparação que o Reintegra, que dá crédito tributário de determinado percentual sobre o valor exportado.
O Reintegra, diz Castro, atende a um universo bem mais amplo de empresas, porque beneficia todos que exportam, de forma diversa do crédito de 9% de IR. "Esse crédito é benéfico, mas trata-se de uma medida pontual, que revela de novo falta de política econômica mais consistente." (Colaborou Marta Watanabe, de São Paulo) (Valor Online -16/09/2014)

Câmbio e aumento de renda elevam déficit em viagens internacionais
Por Flavia Lima | De São Paulo
Luis Afonso Lima, da Sobeet: déficit em transações correntes está sendo apenas parcialmente financiado pelo IED.
Favorecido pelo aumento da renda e pelo real apreciado, o déficit na conta de viagens internacionais explodiu nos últimos anos. O rombo descolou da média histórica - ao redor de US$ 5 bilhões em 12 meses desde a estabilização econômica - e se multiplicou por quase quatro vezes desde 2009. Uma olhada mais atenta em toda a série histórica do Banco Central indica que, desde 1947, essa conta só foi positiva três vezes: 1989, 2003 e 2004.
Além das dimensões atuais, o que torna o déficit tão preocupante, dizem especialistas, é a situação ruim em que se expande: um quadro em que a balança de bens perdeu o ímpeto, especialmente em razão da queda das exportações, e deixou de compensar o rombo em serviços. O resultado é mais pressão sobre o déficit em transações correntes e um saldo no balanço de pagamentos negativo em 2013, o que não ocorria desde 2000.
Os analistas avaliam, no entanto, que o aumento do Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) em operações com cartões no exterior pode estar surtindo os primeiros efeitos sobre o rombo. Vistos como proporção do déficit em transações correntes, os gastos em viagens internacionais, na verdade, vêm caindo.
No acumulado de 12 meses até julho, as viagens internacionais respondem por 23,5% do déficit em transações correntes, mas esse percentual já passou de 30% no fim de 2012. "Um pouco tem a ver com IOF. O governo aumentou tributos sobre cartão de crédito, o real se depreciou e isso desacelerou a despesa de viagens", diz Luis Afonso Lima, presidente da Sociedade Brasileira de Estudos de Empresas Transnacionais e da Globalização Econômica (Sobeet).
Para Rafael Ihara, economista do banco Brasil Plural, é difícil dizer que o IOF não surtiu efeito, pois o déficit está estável. As viagens internacionais fazem parte dos serviços trocados com outros países. Em 2013, essa conta ficou negativa em US$ 18,4 bilhões. Segundo Ihara, não há nada de errado em ter uma conta de viagens internacionais no vermelho, mas o crescimento do déficit nos últimos seis ou sete anos assusta.
"Na minha visão, esse déficit é nada mais do que um sinal de que nossa moeda está bastante apreciada", diz Ihara. Segundo estudos do Brasil Plural, um nível mais razoável para o dólar hoje estaria em torno de R$ 2,50 e, no cenário do banco, a depreciação cambial esperada para o biênio 2015/2016 deve fazer com que o déficit caia um pouco.
Para Lima, da Sobeet, a conta de viagens virou motivo de preocupação provavelmente porque o déficit em transações correntes está sendo só parcialmente financiado pelo Investimento Estrangeiro Direto (IED). "Agora ficou mais visível o que antes já era um problema. Agora não tem mais a solução que financia integralmente o problema, então ele aparece mais", diz.
Antonio Corrêa de Lacerda, professor da PUC-SP, observa que a receita com o turismo mais que dobrou entre 2003 e 2011 - US$ 2,5 bilhões para US$ 6,5 bilhões -, mas o déficit se multiplicou a uma velocidade muito maior, puxado pela melhora da renda e do emprego, mais acesso à informação e à internet - além da valorização do real nos últimos 20 anos, com alguns poucos períodos de exceção, como 2002 e 2003.
Do lado da receita, Lacerda avalia que falta estratégia. "França, Espanha e México são países que olham o turismo como fator gerador de renda com importância igual, ou mesmo superior, à balança comercial. Não é o caso do Brasil", diz, um país, segundo ele, caro para os estrangeiros e sem uma estrutura profissional.
Lacerda lembra que a conta de serviços do lado de viagens internacionais já era deficitária, mas isso era compensado pela balança comercial, que registrou superávits expressivos durante boa parte dos anos 2000. "Nesse momento, o déficit de turismo é mais preocupante, porque nossa balança comercial perdeu capacidade de gerar saldo, que já foi de US$ 45 bilhões, pelo aumento das importações de manufaturados e pela perda de receitas em commodities."
Para Lima, da Sobeet, um fator adicional de preocupação é que a composição da conta de viagens está em deterioração. Na parte das despesas, diz ele, há menos brasileiros indo fazer negócios lá fora e, surpreendentemente, turismo também. "Apesar de muita gente falando sobre o assunto, a contribuição de negócios sobre as transações correntes é decrescente e a de turismo também. A gente perde nas duas pontas, mas perde mais em negócios, o que é ainda pior."
Na parte de receitas, o quadro se repete. Em 2009, cerca de 9% do déficit em transações correntes era financiado por pessoas que vinham fazer negócios no Brasil e, no acumulado do ano até julho, isso não chega a 3%. Em turismo, idem. Os recursos de quem vem fazer turismo no Brasil já cobriram 20% do déficit em transações correntes e agora cobrem só 6%. "E isso apesar da Copa", diz Lima.
Para Lacerda, no geral, o déficit em transações correntes - US$ 80 bilhões -, não é assustador, mas a trajetória preocupa, porque saiu de quase zero para perto de 4% do PIB em uma economia que está em desaceleração. "Isso só não se reflete em crise cambial porque o balanço de fluxo de capitais ainda é positivo e formamos um nível confortável de reservas, que ameniza e adia esse efeito", diz. "Mas nossa vulnerabilidade externa aumentou e, dessa vez, não há como discordar do FMI, que quase sempre erra."
Para Lacerda, o Brasil é moderadamente frágil externamente e, se não fossem as intervenções do BC, o real estaria mais depreciado, refletindo essa fragilidade do balanço de pagamentos. Segundo ele, a desvalorização cambial virá de qualquer maneira. Quando isso acontecer, diz ele, o déficit poderá ser amenizado, com as pessoas pensando duas vezes antes de viajar para o exterior. (Colaborou Rodrigo Pedroso, de São Paulo) (Valor Online – 16/09/2014)

Brazil election may change diplomatic direction
Adriana Gomez Licon Associated Press
SAO PAULO (AP) — More than a decade of Workers Party rule has seen Brazil prioritize ties with its leftist regional neighbors, from helping muscle socialist Venezuela into the Mercosur trade bloc to financing a billion-dollar transformation of an industrial port in Cuba.
But if President Dilma Rousseff fails to fight off the surging candidacy of reform-minded Marina Silva before presidential voting in October, South America's largest economy could reset its focus.
Silva was thrust into the Socialist Party's presidential nomination when its candidate of choice, Eduardo Campos, died in a plane crash last month. Since then, her anti-establishment profile has propelled her to a neck-and-neck race with Rousseff.
Silva says she would re-emphasize ties to the United States and Europe, mostly by working to land trade deals with each. Such moves could cause tension with Mercosur, which prohibits members from making bilateral deals without the group's approval.
Under Silva, "there will be a change of direction in foreign policy," her top adviser Mauricio Rands told supporters at an event unveiling her proposals. "Brazil should be the promoter of bilateral and regional (trade) agreements."
It would be a sharp change in direction for the proverbial slumbering giant.
Under Rousseff and her two-term predecessor Luiz Inacio Lula da Silva, Brazil has given strong backing to leftist regional allies, such as Cuba, Venezuela, Ecuador and Bolivia.
Advertisement
Rousseff beamed in January as she stood beside Cuban President Raul Castro at a ribbon-cutting ceremony to open the first phase of an overhaul of the Port of Mariel, which the Communist nation expects will become the largest industrial port in the Caribbean.
It was the clout of her government that persuaded Mercosur to set aside fears about possible violation of its democracy rules and welcome Venezuela into membership.
At the same time, Rousseff was not afraid to ruffle Washington's feathers by rejecting an invitation to make a formal state visit to the U.S. capital, the first extended to a Brazilian leader in two decades. Her rebuff of the White House, made in protest of revelations the National Security Agency had spied on her communications, was the first in memory.
Rousseff had been sailing toward an expected victory before Silva's candidacy. Now the two women are expected to claim the first two spots in the Oct. 5 vote, without either one winning an outright majority. That would trigger a run-off vote three weeks later.
Silva has said her foreign policy would aim "to promote national interests and values." A 242-page plan she released declares, "foreign policy cannot be held hostage by factions or political groupings."
Most of her proposed changes would aim to lower tariffs, expand trade and revive Brazil's sputtering economy, which fell into recession this year after years of only feeble expansion.
Critics blame the stagnation on Rousseff's heavy state hand on the economy, replete with trade barriers and an unfriendly business environment. The Mercosur bloc, which also includes Argentina, Paraguay and Uruguay as full members, has yet to sign any significant trade deals and infighting routinely hampers trade even within the group.
Rousseff said earlier this month that Brazil turning its back on Mercosur would be "shooting ourselves in the foot," emphasizing that "we have to realize the size of that market."
While Silva agrees a strong South America is still essential, her plan makes clear she would seek to pivot Brazil toward stronger ties with the broader global market and not be hobbled by its neighbors.
If Silva is elected, "Brazil, as a hemispheric power, will continue to maintain good relations with all the countries in the hemisphere," said Riordan Roett, director of Latin American Studies at Johns Hopkins University. "But it's not going to be the same ideological fervor ... for regimes like Venezuela and Cuba."
Many expect Silva, a renowned environmentalist and human rights champion in the Amazon, to change Brazil's policies of largely ignoring alleged abuses in allies like Venezuela and Cuba. But others argue her hands may be tied by heavy, ongoing investments with those countries.
"The Brazilians have been very reluctant to criticize Venezuela publicly," said Patrick Duddy, a former U.S. ambassador to Venezuela and former consul-general in Sao Paulo. "There are still broad commercial interests there that are not going to disappear if Silva wins."
In a column headlined "Marina scares the neighbors," Clovis Rossi, a foreign affairs columnist for the Folha de S. Paulo newspaper, wrote that Brazil under the Workers Party has been the most powerful defender of Venezuela's former leader Hugo Chavez and current President Nicolas Maduro, backing both amid crises as they pushed ahead with their Bolivarian movement.
"With Marina," Rossi wrote, "everything suggests that Bolivarianism won't be able to count on this powerful crutch."
———
Associated Press writers Joshua Goodman in Bogota, Colombia, and Brad Brooks in Rio de Janeiro contributed to this report. (Monterey Herald World – 16/09/2014)

Brasil abre consulado honorário no Bahrein
Desde a última sexta-feira (12), o Brasil conta com um consulado honorário em Manama, capital do Bahrein. De acordo com informações do Itamaraty, a abertura da representação diplomática no país árabe reflete a vontade brasileira de ter uma presença maior na região. Segundo o Ministério das Relações Exteriores (MRE), o Brasil tem um planejamento de abertura de novas missões diplomáticas ao redor do mundo. De acordo com o MRE, o Bahrein já foi sede de importantes investimentos brasileiros, como os feitos pela mineradora Vale, que já não opera mais no país. A nação do Golfo também abriga uma importante comunidade de pilotos brasileiros de avião, além de ser um importante polo financeiro regional. Segundo dados do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC) compilados pela Câmara de Comércio Árabe Brasileira, desde janeiro até agosto deste ano o Brasil exportou o equivalente a US$ 246,21 milhões em mercadorias ao Bahrein. Os principais itens vendidos ao país árabe são minérios, carnes e açúcares, de acordo com informações da Agência Anba. (Anba – 16/09/2014)

Segunda semana de setembro registra superávit comercial de US$ 57 milhões
Brasília – A segunda semana de setembro, com cinco dias úteis (8 a 14), teve saldo positivo na balança comercial de US$ 57 milhões, com média diária de US$ 11,4 milhões. A corrente de comércio semanal (soma das exportações e importações) foi de US$ 8,715 bilhões, com média de US$ 1,743 bilhão por dia útil.
As exportações, no período, foram de US$ 4,386 bilhões, com média diária de US$ 877,2 milhões, que é 1,2% superior à média de US$ 867,2 milhões da primeira semana do mês. Houve aumento nas exportações de produtos básicos (9,6%) por conta de petróleo em bruto, minério de ferro, soja em grão e milho em grão. Por outro lado, retrocederam as vendas de semimanufaturados (-28,9%), especialmente de semimanufaturados de ferro e aço, couros e peles, celulose e ferro-ligas. Entre os manufaturados (-1,8%), a queda se explica por autopeças, motores para veículos e automóveis de passageiros.
As importações semanais foram de US$ 4,329 bilhões, com um resultado médio diário de US$ 865,8 milhões. Na comparação com a média diária da primeira semana de setembro (US$ 1,021 bilhão) houve retração de 15,2%, com diminuição nos gastos com combustíveis e lubrificantes, equipamentos mecânicos, veículos automóveis e partes, e siderúrgicos.
Mês
Nos 10 dias úteis de setembro, as exportações somaram US$ 8,722 bilhões, com média diária de US$ 872,2 milhões. Por esse comparativo, a média diária das vendas externas foi 12,2% inferior a de setembro de 2013 (US$ 992,9 milhões). Nesta comparação, houve redução das exportações de semimanufaturados (-18,7%), com quedas de catodos de cobre, açúcar em bruto e óleo de soja em bruto. Também caíram as vendas de manufaturados (-12,4%) por conta de óleos combustíveis, automóveis de passageiros, veículos de carga, autopeças e motores para veículos. Entre os básicos (-11,5%), houve redução, principalmente, em milho em grão, farelo de soja, minério de ferro, carne bovina e soja em grão.
Em relação à média diária de agosto deste ano (US$ 974,4 milhões), as exportações tiveram diminuição de 10,5%, com decréscimo nas vendas de produtos manufaturados (-15,6%), semimanufaturados (-15,2%), e básicos (-5,2%).
As importações do período chegaram a US$ 9,436 bilhões e registraram média diária de US$ 943,6 milhões. Houve aumento de 5,1% na comparação com a média de setembro do ano passado (US$ 898 milhões). Neste comparativo, verificou-se crescimento nos gastos com combustíveis e lubrificantes (39,4%), farmacêuticos (22,1%), siderúrgicos (7,4%), e plásticos e obras (5,1%).
Na comparação com a média de agosto deste ano (US$ 918,9 milhões), houve alta de 2,7%, com incremento nas aquisições de combustíveis e lubrificantes (16,2%), siderúrgicos (8,1%), aparelhos eletroeletrônicos (2,7%), e plásticos e obras (2%).
No mês, há déficit comercial de US$ 714 milhões (média diária de US$ 71,4 milhões). A corrente de comércio do mês alcançou US$ 18,158 bilhões (resultado diário de US$ 1,815 bilhão). Pela média, houve diminuição de 4% no comparativo com setembro do ano passado (US$ 1,890 bilhão) e de 4,1% na relação com agosto último (US$ 1,893 bilhão).
Ano
De janeiro à segunda semana de setembro deste ano (176 dias úteis), as vendas ao exterior totalizaram US$ 162,740 bilhões (média diária de US$ 924,7 milhões). Na comparação com a média diária do período correspondente de 2013 (US$ 936,2 milhões), as exportações diminuíram 1,2%. As importações foram de US$ 163,207 bilhões, com média diária de US$ 927,3 milhões. O valor está 2,6% abaixo da média registrada no período equivalente de 2013 (US$ 952,1 milhões).
No acumulado do ano, o saldo da balança comercial está negativo em US$ 467 milhões, com o resultado médio diário negativo de US$ 2,7 milhões. No período similar de 2013, o déficit foi de US$ 2,836 bilhões, com média negativa de US$ 15,9 milhões. A corrente de comércio soma, em 2014, US$ 325,947 bilhões, com desempenho por dia útil de US$ 1,852 bilhão. O valor é 1,9% menor que a média aferida no período correspondente no ano passado (US$ 1,888 bilhão). (MDIC – 15/09/2014)

Mdic: Balança tem superávit de US$ 57 milhões na 2ª semana de setembro
Lucas Marchesini
BRASÍLIA - A balança comercial brasileira teve um superávit de US$ 57 milhões na segunda semana de setembro, informou hoje o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (Mdic). Foram US$ 4,386 bilhões em exportações e US$ 4,329 bilhões em importações.
Com o resultado da semana, a balança continua negativa em US$ 714 milhões. No ano, o déficit acumulado é de R$ 467 milhões.
A média diária das exportações caiu 12,2% nas duas primeiras semanas de setembro quando comparada com todo o mês de 2013, passando de US$ 992,9 milhões para US$ 872,2 milhões. Esse resultado se deve a uma queda na venda de produtos básicos, semimanufaturados e manufaturados.
Os produtos básicos tiveram queda de 11,5% na média diária de exportações nas duas primeiras semanas de setembro, quando comparada com todo o nono mês de 2013, ao passar de US$ 499,7 milhões para US$ 442,5 milhões. Os principais retrocessos foram em milho em grão, farelo de soja, minério de ferro, carne bovina e soja em grão.
Já os semimanufaturados tiveram retração de 18,7% ao passar de US$ 127,3 milhões em setembro de 2013 para US$ 103,5 milhões no acumulado deste mês. Essa baixa foi encabeçada por cátodos de cobre, açúcar em bruto e óleo de soja em bruto.
Os bens manufaturados, por sua vez, tiveram baixa de 12,4% na mesma comparação. A média diária das vendas desses produtos ao exterior passaram de US$ 343,3 milhões em setembro de 2013 para US$ 300,7 milhões nas duas primeiras semanas deste mês. Esse resultado foi influenciado pelas menores vendas de óleos combustíveis, automóveis de passageiros, veículos de carga, autopeças e motores para veículos.
As importações cresceram 5,1% nas duas primeiras semanas de setembro (US$ 943,6 milhões) quando comparada com a média do mesmo mês em 2013 (US$ 898 milhões). Nesse comparativo, cresceram os gastos com combustíveis e lubrificantes (+39,4%), farmacêuticos (+22,1%), siderúrgicos (+7,4%) e plásticos e obras (+5,1%). (Valor Online – 15/09/2014)

Comicios regionales tendrán impacto en nuestra realidade
Tres países de nuestro entorno geográfico directo, Brasil, Bolivia y Uruguay, tendrán elecciones presidenciales el próximo mes. La interdependencia que vivimos en tiempos de integración económica nos obliga a estar pendientes de lo que pueda acontecer en las naciones vecinas, a fin de efectuar un cálculo preciso acerca del impacto que eventuales cambios políticos en ellas puedan generar en nuestra realidad. Al Gobierno nacional, a través de su Cancillería, le corresponde prefigurar los nuevos escenarios que fueran a producirse, y sugerir líneas de acción destinadas a promover un relacionamiento regional más útil y provechoso para el Paraguay.
No suele ser frecuente que en un mismo mes se realicen tres elecciones presidenciales en países de nuestra subregión. En esta oportunidad, los comicios de los que surgirán los nuevos mandatarios se realizarán el domingo 5 de octubre en la República Federativa del Brasil, el domingo 12 en el Estado Plurinacional de Bolivia y el 26 en la República Oriental del Uruguay. De los resultados que en ellos se registren podría incluso concretarse un giro geopolítico en la región. Por lo tanto, corresponde, en particular al Gobierno, estar bien informados de lo que acontece y visualizar escenarios posibles.
Si nos atenemos a las informaciones provenientes del Brasil, el panorama electoral no es lo suficientemente claro en el principal socio comercial de nuestro país. Al parecer, ninguno de los candidatos lograría plena mayoría en los comicios del domingo 5 y las más votadas, las candidatas del Partido de los Trabajadores (PT), Dilma Rousseff, y del Partido Socialista Brasileño (PSB), Marina Silva, concurrirían a una segunda vuelta a fines de octubre.
Aun cuando representa una incógnita cierta en el abordaje de distintos temas, Silva ha planteado una propuesta interesante en el transcurso de la presente campaña política: la derogación de la Decisión Nº 32 del Mercosur, por la cual ningún país miembro puede negociar acuerdos bilaterales de libre comercio. La normativa vigente representa un obstáculo para las economías menores del bloque, puesto que limita severamente la capacidad de las mismas de ampliar sus horizontes comerciales.
Si bien las encuestas son ambiguas, es difícil imaginar un escenario en el que el Brasil no vaya a continuar siendo gobernado por el PT en el próximo cuatrienio, que comenzará a partir de enero de 2015. Sin embargo, la propuesta de Silva, en torno a la integración, constituye la demostración de que en el vecino país también hay fuertes voces que impugnan algunos puntos del actual esquema integrador. En este sentido, el Paraguay debería aprovechar esa coyuntura y hacer entender a las próximas autoridades brasileñas que los problemas del Mercosur no deben ser disimulados ni mucho menos ocultados.
De acuerdo con las encuestas que han sido publicadas hasta el presente en la hermana Bolivia, es casi un hecho de que el actual presidente, Evo Morales, obtendrá una segunda reelección con relativa comodidad. En el poder desde enero de 2006, el mandatario ha sostenido una vinculación armoniosa con el Paraguay. Sin embargo, es mucho más lo que ambos países pueden hacer para lograr una relación más próspera, sobre todo en términos de mayor intercambio comercial.
En el Uruguay la situación es algo similar a la brasileña, en el sentido de que existe alguna posibilidad de que se produzca una alternancia en el poder, y que el Partido Blanco –tradicional aliado político del Paraguay– retorne a la presidencia de la mano de Luis Lacalle Pou, hijo del ex presidente Luis Alberto Lacalle. Si esto aconteciere, el presidente Horacio Cartes tendría su primer y único aliado conservador en la región, algo que debiera serle de utilidad para promover cambios en el Mercosur.
En todos los casos, sea lo que fuere que acontezca en Brasil, Bolivia y Uruguay, las decisiones soberanas que tomen sus respectivos pueblos tendrán una innegable incidencia política y económica en el Paraguay. Dada esa circunstancia, es preciso estar alertas a los resultados y contar con una estrategia a implementar cualquiera sea el cambio que eventualmente se produjese.n(Ultima Hora – 15/09/2014)

Decreto regulamenta a aplicação do Reintegra
LUCI RIBEIRO
O governo federal publicou nesta segunda-feira no Diário Oficial da União o Decreto 8.304 regulamentando o Reintegra, programa que devolve parte do faturamento das exportações de manufaturados às empresas e que havia sido encerrado no ano passado, mas foi retomado em julho passado pela Medida Provisória 651.
Segundo a regulamentação, a empresa produtora e exportadora de bens manufaturados poderá apurar crédito, mediante a aplicação de porcentual estabelecido em ato do ministro da Fazenda, sobre a receita auferida com a exportação desses bens para o exterior. Esse porcentual poderá variar entre 0,1% e 3%, admitindo-se diferenciação por bem.
O texto também considera exportação a venda para Empresa Comercial Exportadora (ECE) com o fim específico de exportação para o exterior. Nesse caso, o direito ao crédito estará condicionado à informação da pessoa jurídica produtora no Registro de Exportação. O decreto, entre outros pontos, ainda detalha os tipos de bens contemplados pelo programa e dispõe sobre a utilização do crédito pelas empresas. (O Estado de SP – 15/09/2014)

Crescimento brasileiro será de apenas 0,3% em 2014, diz OCDE
Jamil Chade
Entidade rebaixou estimativas sobre Brasil e apontou que incerteza de eleições afetam economia
GENEBRA - O Brasil terá uma taxa de crescimento de apenas 0,3% em 2014, a segunda mais baixas entre as principais economias do mundo. A estimativa é da OCDE que, hoje, publicou seu informe sobre as projeções para 2014 e 2015 e reduziu suas projeções para a economia brasileira.
A revisão do crescimento do PIB nacional foi o maior feito pela OCDE em comparação às suas projeções de maio deste ano. No primeiro semestre, a estimativa era de que o Brasil cresceria em 1,8% em 2014.
Segundo a entidade, o rebaixamento do Brasil também ocorrerá em 2015. O País terá uma expansão de apenas 1,4% e, mesmo se sair da recessão, a taxa de expansão ainda será uma das mais baixas.
Em 2014, apenas a economia da Itália terá um desempenho mais negativo que a brasileira, com uma contração de 0,4%.
"O Brasil entrou em recessão no primeiro semestre de 2014", indicou a OCDE. "Investimentos tem sido fracos, afetados pela incerteza sobre a direção das políticas depois das eleições e pela necessidade de políticas monetárias que possam frear a inflação acima da meta", apontou a entidade.
"Uma recuperação moderada por ser esperada. Mas o crescimento será abaixo do potencial em 2015", completou.
Os dados apontam que a economia dos EUA crescerá 2,1% em 2014 e 3,1% em 2015. No Reino Unido, a taxa de expansão neste ano chegará a 3,1%, contra 2,8% em 2015.
Mesmo o Japão, que há anos vive uma situação dramática em sua economia, verá uma expansão de 0,9% em 2014.
A zona do euro crescerá em 0,8% no ano, ainda que as diferenças internas no bloco sejam importantes. Na Alemanha, o crescimento será de 1,5%. Mas a França terá uma expansão de apenas 0,4%.
A mesma diferença de desempenho será sentida nos emergentes. Na China, a expansão será de 7,4% em 2014 e 7,3% em 2015. Na Índia, a taxa será de 5,7%. (O Estado de SP – 15/09/2014)

OCDE prevê crescimento mundial menor; Brasil deve avançar apenas 0,3%
SÃO PAULO - Um crescimento econômico moderado está em curso na maioria das economias avançadas e emergentes, mas a expansão permanece fraca na zona do euro, que corre o risco de uma estagnação prolongada se não houver medidas para elevar a demanda. A avaliação é da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) em relatório.
"Enquanto a recuperação global continua em um ritmo moderado, a perspectiva é desigual nas várias regiões. O crescimento deve ser forte o suficiente para reduzir mais o desemprego nos Estados Unidos, Reino Unido e Canadá", observou a entidade. "A China deve continuar um ajuste ordenado. O crescimento da Índia deve ganhar impulso e o Brasil vai experimentar uma virada modesta da recessão", complementou o texto.
No caso do Brasil, a OCDE espera um avanço de apenas 0,3% para a economia do país, após ter tido recessão na primeira parte do ano. Para 2015, a perspectiva é de expansão de 1,4%. Em maio, a OCDE esperava taxas de crescimento brasileiro de 1,8% em 2014 e de 2,2% em 2015.
A economia da China, por sua vez, deve avançar 7,4% e 7,3%, sem alteração, e a Índia, 5,7% e 5,9%, nesta ordem, contra 4,9% e 5,9% esperados anteriormente para os mesmos períodos.
Quanto aos EUA, a previsão é de expansão de 2,1% neste ano e de 3,1% em 2015, contra 2,6% e 3,5% previstos anteriormente. O Reino Unido deve avançar 3,1% agora e 2,8% no próximo calendário. O Japão deve ter crescimento de 0,9% e 1,1%, respectivamente, ante 1,2% projetado antes para os dois anos. (Valor Online – 15/09/2014)

Missão brasileira terá agenda cheia em Washington
Por Sergio Lamucci | De Washington
Para discutir assuntos como um acordo de livre comércio e o fim da dupla tributação, lideranças empresariais do Brasil terão nesta semana uma série de encontros em Washington com representantes do governo, do setor privado e do Congresso dos Estados Unidos.
Eles vão participar da missão de defesa dos interesses brasileiros realizada anualmente pelo Conselho Empresarial Brasil-Estados Unidos (CEBEU), num momento em que as relações entre os dois países mostram algum sinal de melhora. Essas relações esfriaram no ano passado, quando as denúncias de que a presidente Dilma Rousseff (PT) foi espionada pelo governo americano a levaram a adiar uma visita de Estado marcada para outubro de 2013.
Por muito tempo resistentes a tratar da abertura de mercado com os EUA, representantes da indústria brasileira passaram a defender no ano passado um acordo de livre comércio com o país. Líder da missão que vai aos EUA, o diretor de desenvolvimento industrial da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Carlos Abijaodi, afirma que o empresariado vê o Brasil se afastar das grandes decisões no mundo.
"O Brasil está numa forte busca por tecnologia e inovação, e isso passa por termos acesso facilitado aos países desenvolvidos", afirma ele. Um acordo de livre comércio ajudaria o país a participar das cadeias produtivas globais, num quadro em que a indústria perde competitividade.
A sugestão do CEBEU é que haja uma negociação de um acordo entre o Brasil (ou o Mercosul) e os EUA que inclua acesso a mercados e cooperação, entre outros temas. O primeiro passo seria definir um grupo de trabalho por 180 dias, aos cuidados da Comissão de Relações Econômicas e Comerciais Brasil-Estados Unidos. Isso possibilitaria aos governos, em consultas ao setor privado, identificar áreas de convergência, podendo abrir terreno para lançar negociações formais. Hoje, o Brasil está amarrado ao Mercosul nas negociações de livre comércio com outros países.
Um acordo para evitar a dupla tributação entre Brasil e EUA também seria importante, dado que muitas empresas brasileiras se internacionalizam, diz Abijaodi. A ideia do CEBEU é um acerto que desonere e promova o investimento das companhias brasileiras nos EUA e das americanas no Brasil, e também redução impostos sobre remessas de lucros, juros e dividendos entre os dois países.
Outro tema a ser tratado na missão do CEBEU é o Global Entry, com o objetivo de tornar mais fácil a entrada de brasileiros no território americano. O programa permite que quem viaja frequentemente aos EUA entre no país sem passar pelas filas de imigração. Basta colocar o passaporte em quiosques existentes em vários aeroportos americanos, para serem lidos eletronicamente.
As negociações para o Global Entry estavam avançadas antes do esfriamento das relações. Conforme Abijaodi, deverá haver uma ação recíproca para os EUA, com a criação de um programa nos mesmos moldes para os visitantes americanos. Os empresários brasileiros também tratarão de assuntos como um acordo previdenciário para que os trabalhadores possam aproveitar o tempo de trabalho nos dois países para a aposentadoria.
Para Abijaodi, a relação entre os dois países teve uma "pequena melhora" nos últimos meses. "O afastamento não traz vantagem ao empresariado brasileiro", afirma ele, observando que aprofundamento da relação entre os dois países passa pelo governo e pelo setor privado. Neste ano, a relação bilateral voltou a avançar. O ápice deste ano foi em junho, quando o vice-presidente dos EUA, Joe Biden, se encontrou com Dilma no Brasil, durante a Copa do Mundo.
A missão brasileira do CEBEU vai se encontrar com representantes de órgãos como o Departamento de Estado, o Departamento de Comércio, o Escritório do Representante Comercial dos Estados Unidos e o Departamento de Agricultura, além da Câmara Americana de Comércio e congressistas americanos. Há integrantes da CNI, da Confederação da Agricultura e da Pecuária do Brasil (CNA), União da Indústria da Cana-de-Açucar (Unica), Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) e de mais cinco outras associações, além de empresários da Embraer, da Braskem e da Itaueira, empresa do mercado de melão. (Valor Online – 15/09/2014)

Brasil levará ao G-20 propostas para acelerar o crescimento em 5 anos
Por Edna Simão | Valor
BRASÍLIA - O governo brasileiro vai apresentar na reunião do G-20, que acontece na próxima semana na Austrália, as propostas que está adotando ou ainda irá implementar para conseguir alavancar o crescimento econômico do país em dois pontos percentuais em cinco anos.
Para tentar ajudar no crescimento econômico mundial, os países do G-20 assumiram, em fevereiro, o compromisso de adotar medidas para registrar uma expansão de dois pontos percentuais acima das projeções captadas por organismos internacionais, como o FMI, até 2019.
Segundo estimativa oficial do Fundo Monetário Internacional (FMI), neste ano, a economia global deve registrar uma expansão de 3,4%. Porém, representantes do organismo internacional já dizem que o número poderá ser menor. “Cada país estará apresentando [na reunião do G-20] diferentes medidas para melhorar o potencial de crescimento”, disse uma fonte do governo brasileiro.
Para essa fonte, as sugestões do governo brasileiro são sustentadas na ampliação dos investimentos em infraestrutura e programa de qualificação de mão de obra para melhorar a produtividade do país. Há dois meses essas sugestões ajudariam a alavancar o PIB em apenas um ponto percentual. Para melhorar os números, a área econômica incluiu ainda medidas como a reformulação do Simples.
Durante a reunião também deverão ser discutidas medidas para incentivar investimentos em infraestrutura, cooperação tributária, tributação de empresas transacionais. No caso da cooperação tributária, segundo uma fonte do governo, os países do G-20 apresentarão prazos em que poderá ser feita a troca automática de informação. Muitos países acreditam que poderão fazer essa troca automática em 2017. Em outros, como é o caso do Brasil, o prazo será de 2018, pois depende de aprovação do Congresso Nacional.
A fonte do governo disse ainda que a situação da dívida Argentina também deverá ser debatida, pelo menos nas reuniões para discutir a economia global. “Não é o tema da agenda, mas deve ser discutido. O Brasil vai dar enfoque ao impacto sistemático”, disse. Na avaliação dessa fonte, a “situação da Argentina gerou movimento de discussão entre governo, setor privado e advogados para buscar reformulação de cláusulas” .
O ministro da Fazenda, Guido Mantega, não participará da reunião do G-20 e será representado pelo secretário de Assuntos Internacionais, Carlos Cozendey. Paralelamente a essa reunião também haverá um encontro de representantes do Brics para continuar a discussão em torno da criação do banco do desenvolvimento do bloco e do acordo de reserva. (Valor Online – 12/08/2014)

 
Abinee - Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica

Escritório Central: Avenida Paulista, 1313 - 7º andar - 01311-923 - São Paulo - SP
Fone: 11 2175-0000 - Fax: 11 2175-0090