DRI Clipping Semanal nº 05 - 01 a 05/02/16

Acordos


Veja mais

Turkey-Ecuador Bilateral Trade Agreement Expected in Near Future- Erdogan
Turkey plans to conclude a bilateral trade agreement with Ecuador in the near future, Turkish President Recep Tayyip Erdogan said.
MEXICO CITY (Sputnik) - Erdogan, who is on an official visit to Ecuador, met with Ecuador’s President Rafael Correa on Thursday.
Speaking at the Ecuador-Turkey Business Forum, Erdogan said that the trade volume between the two countries could soon reach $500 million, or even $1 billion. The Turkish president added that "the trade agreement negotiations…should be finalized as soon as possible."
Correa confirmed to reporters on Thursday that the trade agreement with Turkey will be signed, although he did not give a specific time frame.
Erdogan started his Latin American tour on January 31, with the Turkish leader’s trip to Ecuador being the first in the history of Turkey’s relations with the country. (sputinik News - 05/02/2016)

El Mercosur quiere intercambio de ofertas con la UE hasta marzo, dice Brasil
Brasilia, 4 ene (EFE).- El Mercosur busca concretar en el primer trimestre el intercambio de ofertas con la Unión Europea (UE), dentro del proceso de negociación de un acuerdo de libre comercio, según afirmó hoy el secretario (viceministro) de comercio Exterior de Brasil, Daniel Godinho.
"Señalamos a los europeos que nos hubiera gustado intercambiarlas (las ofertas) en 2015. Ahora queremos el intercambio, máximo, hasta el primer trimestre", señaló Godinho durante una conferencia en la capital brasileña.
El segundo de la cartera de Comercio Exterior declaró que después del intercambio el paso siguiente sería la conclusión del acuerdo y eso podría darse este mismo año también, después de varias idas y venidas en la negociación que comenzó a finales de la década de los noventa.
Para Godinho, el avance ahora depende de los europeos y citó como ejemplos otras negociaciones que Brasil concretó en 2015, como los acuerdos para el sector automotor con México y Colombia.
En el caso de México, el secretario confía en la conclusión de las negociaciones para ampliar el acuerdo a más sectores, como las inversiones, servicios, compras gubernamentales y propiedad intelectual.
"Ya realizamos el intercambio inicial de ofertas con México y el plazo previsto para la conclusión es en julio", subrayó Godinho, quien espera también avances en el mismo sentido con Canadá y con la Asociación Europea de Libre Comercio (EFTA, por sus siglas en inglés), que integran Suiza, Noruega, Islandia y Liechtenstein. (Diario de Las Americas - 04/02/2016)

El Mercosur espera señal de la EU
El viceministro de Relaciones Económicas e Integración de la Cancillería Nacional, Rigoberto Gauto, dice que los delegados del Grupo Mercado Común (GMC) del Mercosur contactaron a través de una videoconferencia la semana pasada y concluyeron de nuevo que está en manos de la Unión Europea (UE) avanzar en las negociaciones para un tratado de libre comercio.
Concretamente esperan que la UE dé el paso para fijar una fecha e intercambiar las listas de ofertas de bienes, servicios y otros, con el fin de acordar un tratado de libre comercio.
Indicó que por medio de la videoconferencia, los delegados del GMC de los países miembros del Mercosur intercambiaron información, repasaron detalles y concluyeron que el Mercosur está listo para el intercambio de ofertas.
Inclusive, que el nuevo Gobierno argentino, presidido por Mauricio Macri, ya expresó la voluntad de mejorar el nivel de su lista de oferta, una vez que se dé el intercambio de listas.
Gauto anunció que el próximo marzo tendrán una reunión presencial del GMC en Montevideo para tratar este tema, y el relacionamiento externo en general del bloque sudamericano con otros países y economías.
Mencionó específicamente los potenciales acuerdos comerciales con la India, Sudáfrica, Canadá, Corea y Japón, y mencionó un posible acuerdo de convergencia con la Alianza del Pacífico, que integran Chile, Perú, México y Perú. No obstante, explicó, la Unión Europea es prioridad. (Ultima Hora - 04/02/2016)

Chile, México y Perú reafirman política de apertura comercial con la firma del Acuerdo de Asociación Transpacífico (TPP)
Doce países que comparten la costa del Pacífico firman este jueves en Auckland, Nueva Zelanda, el Acuerdo de Asociación Transpacífico (TPP), que creará la mayor área de libre comercio en nivel global una vez ratificado por los parlamentos nacionales.
Entre las naciones que integran el acuerdo se encuentran tres latinoamericanas: Chile, México y Perú, quienes esperan afianzar a través del acuerdo sus vínculos, principalmente, con los países asiáticos.
Según el director general de Relaciones Económicas Internacionales (Direcon) de Chile, Andrés Rebolledo, el TPP permitirá consolidar las relaciones con la región Asia-Pacífico por medio de un esquema económico “más grande y moderno”.
“Se harán más expeditos los procedimiento aduaneros lo que permitirá bajar los costos de los envíos al exterior”, destacó Rebolledo al tiempo que señaló que “se tendrá regulaciones más claras y transparentes; se facilitan las inversiones; y se alienta el e-commerce y la participación de las pymes en el comercio exterior”.
El TPP establece el diseño de normas que regularán el comercio internacional de sus miembros, quienes representan el 36% del PIB mundial y el 25% del comercio internacional.
Para la titular del Ministerio de Comercio Exterior y Turismo (Mincetur) de Perú, Magali Silva, el acuerdo favorecerá el sector exportador, principalmente, el no tradicional, contribuyendo a generar nuevos motores de crecimiento para la economía peruana.
“Las pymes peruanas se insertarán a las cadenas globales de valor y accederán a un mayor nivel de especialización, así como a una importante transferencia de tecnología”, explicó Silva.
Según la funcionaria peruana, la inclusión de las pymes al sector exportador mejorará la competitividad del país y los estándares nacionales, consolidando al país en la región Asia-Pacífico.
Asimismo, el país andino prevé que con la apertura de los mercados de Nueva Zelanda, Malasia, Vietnam, Brunéi y Australia -todos integrantes del TPP-, las exportaciones podrán aumentar en 2 mil 250 millones de dólares para las frutas y hortalizas, granos andinos, productos pesqueros y productos textiles de algodón y alpaca.
La ministra peruana aseguró que “ningún acuerdo comercial suscrito con anterioridad dejará de aplicarse tras la vigencia del TPP” y destacó que “será el exportador quien decida con cuál de estos instrumentos le conviene seguir exportando”.
Por su parte, el secretario de Economía (SE) de México, Idelfonso Guajardo, expresó días pasados a la prensa local que “el acuerdo dará a las pymes el impacto que no logró el TLCAN”.
Las autoridades precisaron que el acuerdo incorpora un capítulo específico sobre Desarrollo, el cual se enfoca fundamentalmente en el crecimiento inclusivo, la igualdad de género y la promoción de la educación, ciencia y tecnología.
Según se prevé que después de su firma, antes de dos años, los países suscriptores notifiquen la aprobación. No obstante, existe una cláusula que establece que el acuerdo entraría en vigor con la ratificación por parte de seis países del TPP, que representen el 85% del nuevo bloque comercial. (MarcoTradeNews - 04/02/2016)

Firman acuerdo TPP en medio de protestas
Wellington, 4 feb (PL) El Acuerdo Transpacífico de Cooperación Económica fue firmado hoy por autoridades de sus 12 países en la ciudad neozelandesa de Auckland en medio de protestas contra ese pacto de libre comercio promovido por Estados Unidos.
El primer ministro anfitrión, John Key, y el representante comercial estadounidense, Mike Froman, encabezaron la ceremonia en el Centro de Convención de Auckland, cerca del cual se congregaron manifestantes opuestos al tratado por considerar que eliminará miles de empleos y favorecerá a las transnacionales en detrimento de las empresas nacionales, entre otras consecuencias.
Al referido acuerdo (TPP, por sus siglas en inglés) pertenecen también Australia, Brunéi, Canadá, Chile, Japón, Malasia, México, Perú, Singapur y Vietnam, todos los cuales conformarán una zona libre de aranceles que representa cerca del 40 por ciento del Producto Interno Bruto mundial, con un mercado de más de 800 millones de consumidores.
Sus detractores critican el secretismo que acompañó el proceso de negociaciones, en tanto advierten de su impacto en la soberanía nacional y las afectaciones para los derechos laborales y la protección del medio ambiente.
Además consideran que favorece a Estados Unidos, lo que puede inferirse de las declaraciones del presidente Barack Obama tras la rúbrica formal del acuerdo, quien al saludarlo, señaló que le dará a su país una ventaja sobre otras economías importantes, sobre todo China.
El TPP le permite a Estados Unidos -y no a países como China-, dictar las reglas del camino en el siglo XXI, lo que es especialmente importante en una región tan dinámica como la del Asia-Pacífico, añadió.
Luego de la ceremonia de hoy, los miembros del acuerdo disponen de dos años para ratificarlo, a lo que seguirá su entrada en vigor. (Prensa Latina - 04/02/2016)

Brasil adere a acordo internacional que elimina a necessidade de legalização de documentos públicos estrangeiros
Brasília (4 de fevereiro) - Na última sexta-feira, dia 29 de janeiro, o Brasil aderiu oficialmente à Convenção sobre a Eliminação da Exigência de Legalização de Documentos Públicos Estrangeiros (“Convenção da Apostila”), um acordo internacional que simplifica os processos para reconhecimento de documentos públicos de outros países, eliminando a necessidade da legalização diplomática ou consular.
O Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC) teve ativa participação no processo de decisão para que o Brasil se tornasse parte da Convenção. Com a promulgação do Decreto nº 8.660, os documentos públicos podem ser validados diretamente pelo órgão que os expediu, sem a necessidade de autenticação posterior no Estado emissor ou no Estado receptor desses documentos.
De acordo com o Secretário de Comércio Exterior do MDIC, Daniel Godinho, a adesão do Brasil à Convenção simplificará processos de legalização de documentos, trazendo efeitos positivos para o comércio exterior. “Ao aderir à Convenção da Apostila, estamos buscando facilitar o fluxo internacional de bens e serviços, uma vez que as empresas brasileiras terão redução de custos de processamento e ganho de competitividade”.
A adesão ao acordo consta do relatório anual do Banco Mundial “Investing Across Borders” como elemento econômico e comercial de competitividade. Segundo o Banco Mundial, os países que não são parte da Convenção impõem um processo complexo e moroso para o reconhecimento de documentos públicos estrangeiros em seus territórios, afetando sua capacidade de atrair investimentos. A International Chamber of Commerce reconhece, também, o papel que a Convenção possui como facilitador do comércio.
Atualmente, 108 países são signatários da Convenção. (MDIC - 04/02/2016)

Brasil e Uruguai assinam termo para facilitar comércio entre os dois países
BRASÍLIA - A Receita Federal assinou, na semana passada, um plano de trabalho para facilitar o comércio exterior entre Brasil e Uruguai. De acordo com o órgão, o plano de trabalho é o primeiro passo para a assinatura do Acordo de Reconhecimento Mútuo (ARM) dos Programas de Operador Econômico Autorizado (OEA) entre os dois países.
A Receita informou ainda que a intenção dos dois países ao assinarem o termo é facilitar e incrementar a relação comercial existente entre Brasil e Uruguai. Para o Brasil, o objetivo é atrair novos investimentos à economia, aumentar a segurança das operações de comércio exterior e aprimorar os controles aduaneiros por meio da gestão de risco.
O Fisco esclareceu ainda que os ARM são acordos bilaterais celebrados entre países que possuam Programas de OEA compatíveis, e que reconheçam como de baixo risco os operadores certificados no outro país. São necessários critérios de segurança física da carga e cumprimento da legislação tributária e aduaneira exigidos para a certificação e os procedimentos adotados para a validação e monitoramento destes operadores sejam similares.
Para o diretor nacional de Aduanas da República Oriental do Uruguai, Enrique Canon, os Acordos de Reconhecimento Mútuo são vantajosos para as aduanas dos dois países porque diminuem o retrabalho dos fiscos e simplificam as operações internacionais, proporcionando agilidade aos operadores de baixo risco.
Na avaliação do subsecretário substituto de Aduana e Relações Internacionais da Receita Federal, José Carlos de Araújo, os Programas da OEA são fundamentais para incrementar a gestão de risco nas operações aduaneiras e a adoção de padrões internacionais de segurança.
O Brasil já tem acordos de facilitação de comércio com a Argentina e, no ano passado, o secretário da Receita, Jorge Rachid, e o encarregado de negócios da embaixada norte-americana, Andrew N. Bowen, também assinaram um Plano de Trabalho Conjunto para iniciar o processo em busca de um ARM entre o Programa Brasileiro de OEA e o Programa C-TPAT dos EUA, país que é o segundo maior destino das exportações brasileiras. (DCI - 04/02/2016)

12 Pacific Nations Sign Major Free Trade Agreement
Twelve Pacific region trade ministers signed the Trans-Pacific Partnership in Auckland, New Zealand, on Thursday — a broad free-trade deal that will cut taxes and trade barriers for nearly half of the world's economy.
Trade Representative Michael Froman signed for the United States.
All the ministers said their goal is to "enhance shared prosperity, create jobs and promote sustainable economic development for all of our nations."
The agreement is considered one of President Barack Obama's proudest achievements in his seven years in office.
Obama issued a statement saying the deal will bolster American leadership abroad and support good jobs at home. He said he will push U.S. lawmakers to quickly ratify the deal.
"I'll continue working with Democrats and Republicans in Congress to enact it into law as soon as possible,” he said, “so our economy can immediately start benefiting from the tens of billions of dollars in new export opportunities. We should get TPP done this year and give more American workers the shot at success they deserve and help more American businesses compete and win around the world."
7 years in making
It took seven years of often contentious negotiations to complete the trade deal.
The deal basically reduces tariffs and trade barriers for numerous goods and services, including cars, medicines and dairy products. It also sets rules for labor and environmental protection, and protects intellectual property rights for multinational corporations.
Protesters march to the venue of the Trans-Pacific Partnership signing in Auckland, New Zealand, Feb 4, 2016.
Parliaments and legislatures of all 12 countries must ratify the deal. Many in the U.S. Congress oppose it for various reasons.
Opponents say the pact will cost American jobs, flood the U.S. market with foreign products, harm the environment and threaten human health with unsafe imported food.
But the White House has said the agreement will cut 18,000 different taxes on U.S. exports and open the globe to more American-made products, plus it has the strongest labor and environmental protection ever included in a global trade deal.
Along with the United States, the other partnership members are Australia, Brunei, Canada, Chile, Japan, Malaysia, Mexico, New Zealand, Peru, Singapore and Vietnam.
China, the world's second-largest economy, decided not to join the trade pact as it pursues its own economic agenda. But U.S. officials havVoanews - 04/02/2016)

What do trade agreements do?
By Andrew Walker
BBC World Service economics correspondent
The Trans-Pacific Partnership (TPP) is the biggest trade agreement signed to date, in terms of the combined economic activity of the countries involved. But there are more deals, many already in force and others in the negotiating pipeline, including one that's even bigger than TPP.
How many are there?
Countries are required to notify the World Trade Organization (WTO) when they conclude an agreement. As of February this year, a total of 625 have been notified (though you get smaller numbers if you count them differently.)
There are more in the pipeline, notably one involving the US and the EU, called the Trans-Atlantic Trade and Investment Partnership (TTIP). The negotiations have not been completed, but if they ever are it will be bigger than the TPP.
In addition there is a negotiation called the Trade in Services Agreement (TISA) between the EU and 22 countries. The US is involved and some emerging economies including Chile, Turkey and Pakistan.
What are these agreements intended to achieve?
To boost trade, and in the process boost economic activity, by reducing or even removing barriers to trade across international borders. Countries taking part are generally seeking improved opportunities for their businesses to sell their goods and services overseas. It is business groups who are the main supporters of these negotiations.
There are also often investment aspects to these deals which are intended to encourage more foreign investment between signatory countries.
What sort of trade barriers do they tackle?
They involve negotiating reduced tariffs, taxes that are applied only to imports. Sometimes the aim is to eliminate them on many items.
But they also try to reduce, to varying degrees, a wide range of other types of obstacle, called non-tariff barriers. For example, by:
seeking to reduce the cost to business of complying with multiple regulations
banning discrimination against foreign firms or limits on how much business they can do at least partly opening up government purchasing to bids by foreign business
requiring countries to have at least a specified level of protection for intellectual property - patents and copyright
Some agreements also cover labour rights, for example requiring signatory countries to allow workers to organise and join unions and outlawing child and forced labour.
What about investment?
Many agreements have rules on how countries treat investors from other nations involved in the agreement. For instance:
the host country may be required to treat the foreign investor as they would a local investor
there may be a ban on imposing requirements to buy inputs locally
the investor may be given the right to choose the nationality of top management
There are often restrictions on host governments "expropriating" an investment. Conventionally that means taking government ownership without compensation. But it can sometimes be interpreted quite widely, to include "indirect expropriation", which covers actions that reduce the value of a foreign investment. The tobacco company Philip Morris tried to argue that Australia's plain packaging laws were expropriating its investment, though it ultimately lost the case.
The investment aspect often also includes a provision for arbitration, known as investor-state dispute settlement (ISDS). In some cases these have led to governments having to pay compensation to a foreign investor over a change of government policy. The Philip Morris case against Australia was one of the most controversial to have made use of ISDS.
What are the benefits of international trade?
The great majority of economists see international trade as beneficial - to all the countries that take part, importer as well as exporter. Consumers, as well as firms that buy raw materials, components and services, get more choice and lower prices. Note, however, that the mainstream economic view is not that all individuals and all firms necessarily benefit from trade.
Image copyrightPAImage caption Cars bought in the UK may well have been manufactured somewhere else
Trade helps countries to specialise and do more of what they are best at. Economists call it comparative advantage. In practice a lot of trade is within an industry - "intra-industry trade". For example, some British motorists buy French-made cars while some in France buy vehicles made in Britain. But trade enables these companies to reduce costs by servicing a larger market and allows consumers more choice. The economist Paul Krugman won his Nobel Prize partly for his work on intra-industry trade.
If freer trade is so good why not remove barriers on a global scale instead of in small groups of countries?
There is a forum for doing this, the World Trade Organization. It has more than 160 member countries. The WTO began a new "round" of trade negotiations in 2001 in Doha, the capital of Qatar. But it has produced only modest results - an agreement on improving customs procedures.
The latest WTO ministerial conference in Nairobi, in December 2015, is now widely seen as the moment when the member countries effectively gave up on the Doha Round.
The appeal of bilateral agreements or deals among groups of countries has increased as the Doha Round failed to make much progress, although many of these agreements have been vigorously opposed on a wide range of grounds.
Do the economic benefits hold water?
There are criticisms of the basic economic case for these deals. Some say the potential economic benefits are small.
Some say they will result in job losses as firms and the workers they employ face new competitive challenges. Some critics say projections of benefits are based on unrealistic assumptions about how quickly those workers find alternative jobs.
Are the negotiations transparent?
Negotiators are frequently accused of conducting the negotiations in secret, failing to inform the public about what they are doing and what the implications are likely to be. Often the negotiators say they are being as open as they can be without revealing their hand to the other side.
What is the effect on regulatory standards and national sovereignty?
There is a concern that regulatory convergence could lead to what is often called the "lowest common denominator" in terms of protecting consumers, public health and the environment.
Many critics also complain that these agreements undermine national sovereignty and democracy. In Britain, there is a particular concern that TTIP and its ISDS arrangements might make it much harder to prevent or reverse the privatisation of services provided by the National Health Service. The provisions for ISDS, or investor tribunals, have been particularly attacked. Campaigners say that they can make governments reluctant to regulate in the public interest for fear of having to compensate an aggrieved foreign investor.
Many also say that big business is the driving force behind these negotiations. (BBC - 04/02/2016)

Andes: Ecuador y Turquía buscan impulsar su comercio bilateral con visita de Erdogan
Agencia Andes
La visita este jueves a Ecuador del presidente turco, Recep Tayipp Erdogan, acompañado de una delegación de una treintena de empresarios, permitirá reforzar las relaciones con las autoridades de este país andino y dar el puntillazo para un Acuerdo Comercial para el Desarrollo (ACD), que las partes venían negociando y que había sido suspendido.
“Se firmarán acuerdos, se concretarán negocios de mutuo beneficio”, confirmó en las última horas el presidente ecuatoriano, Rafael Correa, en conferencia de prensa desde Guayaquil.
“Mucho de nuestro banano, flores, productos, entran a Asia menor, al propio Irán, a través de Turquía”, señaló al comentar que “ya está casi cerrado el trato” para la concesión de Puerto Bolívar (provincia de El Oro) a un importante consorcio turco.
Indicó, además, que Turquía es un mercado muy importante y señaló que importantes inversionistas de esa nación “quieren venir al país”.
Se refirió, además, a la visita reciente a Estocolmo realizada por el ministro de Comercio Exterior, Diego Aulestia, y expuso que su objetivo fue mejorar la coordinación comercial para “un mejor flujo de productos de ida y de vuelta”.
Según ha trascendido, además del encuentro entre los presidentes Erdogan y el anfitrión en el Palacio de Carondelet, sede del gobierno ecuatoriano, está previsto un Foro de Negocios Ecuador-Turquía en el Swisshotel, de la urbe quiteña.
El Instituto de Promoción de Exportaciones e Inversiones - PRO ECUADOR, entidad adscrita al Ministerio de Comercio Exterior del país anfitrión, informó en un comunicado que este encuentro empresarial será el escenario para que los inversionistas visitantes conozcan el clima de inversiones del Ecuador y las oportunidades de inversión en ambas vías.
Este encuentro de empresarios se inserta en los esfuerzos que vienen haciendo las partes por abrir sus mercados.
En octubre pasado, el ministro Aulestia, anunció que “Ecuador y Turquía reiniciarán las negociaciones para un Acuerdo Comercial para el Desarrollo”.
Desde el puerto de Mersin, en Turquía, señaló en una entrevista que esa decisión deriva de los encuentros de alto nivel mantenidos por la delegación ecuatoriana con los ministros turcos de Agricultura, Kutbettin Arzu, y de Comercio, Nihat Zeybekci.
El titular señaló que el objetivo es concretar durante el 2016 un acuerdo comercial que permita reducir aranceles para la mayor cantidad posible de productos ecuatorianos de modo que puedan ingresar a Turquía en condiciones preferenciales.
Añadió que en esta nueva ronda de negociaciones se espera avanzar en un acuerdo que considere las particularidades de la parte ecuatoriana, incluyendo el interés de ampliar el acceso al banano, ya que hasta entonces Turquía se había convertido en el cuarto comprador de la fruta ecuatoriana.
Turquía-Ecuador, intercambio creciente
Turquía resulta un nicho comercial de interés para Ecuador, con un mercado de 76 millones de consumidores, y es la décimo séptima economía del mundo. Además, es centro de transferencia y provisión de mercancías para otros mercados regionales.
Uno de los intereses ecuatorianos es poder abastecer con cacao a la industria turca del chocolate, ya que exhibe un alto consumo de ese producto per cápita, pero no cuenta con una producción local, por lo que busca la materia prima en otros destinos.
Ecuador ha sostenido intercambios con ejecutivos de varios sectores en la búsqueda de consolidar su oferta de banano en la nación turca, que es la cuarta compradora de la fruta estrella ecuatoriana, y también recibe un estimado de entre el 80 y el 90% de su demanda de este producto, pero también Ecuador busca ampliar su carpeta y posicionar otros renglones, como el camarón.
En 2010, las partes firmaron un Acuerdo de Cooperación Comercial donde se comprometieron a promover el comercio, la inversión y la cooperación económica, siempre sobre la base de la igualdad y en beneficio mutuo.
En particular, mencionaron la importancia de fortalecer y diversificar los lazos comerciales, a través de programas y planes de acción, considerando que los dos países están en vías de desarrollo y son miembros de la Organización Mundial del Comercio.
Para febrero de 2013 las principales exportaciones hacia Turquía desde Ecuador eran de banano, extractos de café, uvas secas y pasas, purés y pastas de frutas, botones de tagua, frutas, materias vegetales para tallar, madera aserrada, rosas e instrumentos médicos; al tiempo que las importaciones eran fundamentalmente de cables sintéticos, tractores, perfiles de hierro en “L”, autoclaves, medicamentos para uso humano, congeladores industriales, hilados de algodón, hidróxido de aluminio, máquinas para blanquear o teñir textiles y los recipientes para gas.
Entre sus principales productos de exportación de Turquía -según datos también de 2013- están oro en bruto (excepto en polvo) para uso no monetario, barras de hierro, aceites de petróleo y preparaciones, autos para el transporte de mercancías, joyerías de otros metales preciosos, monitores y proyectores, vehículos para transporte de personas, entre otros.
Promover las exportaciones y atraer inversiones al Ecuador fueron los objetivos de la reciente visita del titular ecuatoriano de Comercio Exterior a Turquía, país al cual hasta agosto-septiembre de 2015 se habían realizado exportaciones no petroleras por 118.233 dólares, según un boletín digital del Ministerio ecuatoriano de Comercio Exterior.
Este programa se insertó en la preparación del viaje que realizará a Ecuador el presidente turco este jueves.
Aulestia se reunió en Turquía con empresarios turcas interesados en participar en proyectos hidroeléctricos y de vivienda social y que acompañarán en Quito acompañando a su Jefe de Estado.
Los representantes de Summa, Dorce e Inarma dialogaron de manera individual con el Ministro, quien les explicó el potencial de crecimiento para ese tipo de inversión en el Ecuador.
El titular realizó una presentación ante la Asociación de Empresarios de Turquía (TIM), en la que expuso las oportunidades para inversiones en sectores estratégicos, así como los beneficios de los que se pueden beneficiar los inversionistas.
Este lunes, el ministro subrogante de comercio de Exterior, Alejandro Dávalos, dijo a medios locales que Turquía es un mercado importante, con un alto poder adquisitivo, y además, la puerta de entrada de los productos ecuatorianos a esa región.
“Hemos emprendido desde octubre pasado para retomar el acuerdo comercial que veníamos negociando con Turquía y se suspendió por las diferencias en las ofertas de acceso que hicieron ambos países; hemos retomado eso a finales del año pasado. Tenemos previsto que la ronda de negociación se llevará a cabo la próxima semana en Ankara”, indicó.
Expuso que Ecuador tiene una agenda comercial amplísima que incluye otros países para promover la oferta exportable local como son Nicaragua, Cuba, Corea, Turquía e inician las conversaciones con Canadá.
Turquía quiere más relación con América Latina
El presidente Erdogan planea abrir nuevas embajadas y firmar más Tratados de Libre Comercio en América Latina como parte de su actual gira por la región, que lo llevó a Chile y tiene en su agenda a Perú y Ecuador.
En una exposición en la sede de la Comisión Económica para América Latina y el Caribe (Cepal), en Chile, el mandatario turco destacó las fortalezas económicas de Turquía que pese a la desaceleración global planea crecer entorno al 4% y la estrategia de su país para estrechar su relación comercial con América Latina.
“Teníamos seis misiones diplomáticas en toda Latinoamérica, ahora tenemos 13, pero no es suficiente y vamos a seguir aumentando este número de embajadas”, indicó.
En su opinión, es posible aumentar el número de sedes diplomáticas
Según cifras recientes, en la última década Turquía amplió su intercambio comercial con la región hasta multiplicarlo por nueve, alcanzando los 10.000 millones de dólares en 2014. (MarcoTradeNews - 04/02/2016)

What the Pacific-Rim Trade Deal Means for Your Business
It’s being signed today.
As the 12-nation Trans-Pacific Partnership (TPP) is signed today, it’s worth taking a look at how the deal will affect both Americans and U.S. businesses alike, and the model it’ll provide for future trade agreements.
The TPP breaks the mold of past trade agreements in several respects, and not just by its size—weighing in at over 6,000 pages and covering the trade and investment of countries accounting for nearly half of the world’s economic output.
Never has an agreement provided for so much of world trade in goods to move free of duties. But the TPP does. For some products, this will take place over a period of years, but for most, it will occur immediately upon entry into force. For American businesses, where the foreign tariff was high (often in an emerging market like Vietnam), this provides fresh opportunity to gain market access. But even where the tariff is already low, if companies are operating in a low-margin business, they’ll have an edge competing with products from non-TPP countries.
For the first time, cross-border trade in services is required to be open to the companies of other signatories, unless a specific exception is taken in the agreement (and those exceptions are explicit and limited). This is a dramatic change. America is highly competitive in the services sector, with an annual trade surplus in excess of $200 billion.
The TPP forbids forced localization of data storage in almost all cases, which a number of countries outside of the deal have moved toward doing. This is vitally important. Modern commerce depends very heavily on the free flow of data across borders. It is impractical for even large businesses to store data in each country in which they bought or sold goods or services. For small and medium-sized businesses, this type of requirement could stop their participation in international trade altogether.
The TPP will smooth the way for goods that originate and are processed in the region to move duty-free through the stages of production throughout the TPP member economies. This is essential to current world trade, which is characterized by supply chains that stretch across borders. Many American businesses—from apparel to smart phone companies—depend on international supply chains to maintain their international competitiveness.
Private business is at a serious disadvantage when competing against governments. State-owned enterprises (SOEs) are a growing—not a shrinking—phenomenon. But for the first time, a broad international agreement will require SOEs to buy and sell on a commercial basis. Public disclosure is to make these entities far more transparent, and government bureaucrats will be forbidden from exercising their discretion to discriminate in favor of their government-owned national champions. And for the first time, a remedy is provided to act against a state enterprise that invests in a foreign market (such as the U.S.’s) using subsidies to gain market share at the expense of privately owned companies. Several TPP countries credit the TPP provisions with providing helpful external leverage to increase the role of the private sector in their economies, both to their benefit and to the benefit of their trading partners.
New restrictions on e-commerce are barred. Encryption regulation (necessary for confidentiality of business as well as private communication) is not to be used as a means of limiting trade or as an excuse for forcing technology transfer. This is one of the key provisions that makes the TPP a 21st-century agreement. Because the World Trade Organization’s rules were crafted over 20 years ago, they do not adequately address current challenges to international trade and investment.
Investors will receive enhanced protection through mandatory arbitration without any sacrifice of governments’ abilities to protect public health, safety, security, or the environment. One of the major benefits of this modern trade agreement: It expands the rule of law and provides due process to Americans engaged in international commerce.
The TPP places special emphasis on smoothing the way for small and medium enterprises (SMEs) to participate in international trade. In chapter after chapter, the TPP simplifies the process of providing goods and services across borders, making maximum use of the Internet for easy access to information on foreign government requirements. There are 28 million small businesses in the United States, and they’re providing the majority of American jobs. With e-commerce and the TPP, it will be far more feasible for these companies to expand into export markets—not just as second and third-tier suppliers to large multinationals—but especially through direct sales.
There is significant new increased access for numerous agricultural commodities, as food safety standards are to be science-based and implemented in a transparent, predictable, and nondiscriminatory manner and tariffs are to be lowered. U.S. agriculture is a majordriver of exports—$150 billion annually, despite facing enumerable barriers abroad. The TPP will provide new foreign market access for farms across the country.
But signing the TPP is not the final step in opening Asia-Pacific trade and investment. Governments must act to ratify the agreement. Malaysia has already done so and Japan is expected to do so in the spring. The Obama Administration and Congress are working actively to solve remaining issues with Congress to agree on the necessary legislation to approve and implement the deal. Without the participation of the United States and Japan, the current agreement cannot enter into effect. With legislative approval, a large part of American business will be given major new export opportunities.
For the country as a whole, the Peterson Institute for the International Economics estimates that TPP will raise “annual real incomes in the United States by $131 billion, or 0.5% of GDP, and annual exports by $357 billion, or 9.1% of exports, over baseline projections by 2030, when the agreement is nearly fully implemented” with a consequent rise in U.S. wages. Even though the U.S has a very large economy, the prospective gains will be very substantial.
Alan Wm. Wolff is Chairman of the National Foreign Trade Council and a Senior Counsel with the international law firm Dentons. He was U.S. Deputy Trade Representative in the Carter Administration. (Fortune EUA - 04/02/2016)

Dozen Nations Sign Pacific Trade Deal, Kicking Off Battle for Ratification
Agreement would lower tariffs, set commercial rules for two-fifths of world’s economy
Oficials from 12 countries signed a sweeping Pacific trade agreement early Thursday in New Zealand, kicking off a bitter battle for approval in the U.S. Congress and other parliaments in the bloc.
For the U.S., Japan, Canada, Mexico, Australia, New Zealand, Vietnam and five other countries, the formal signing completes a yearslong process that will lower tariffs and set commercial rules of the road for two-fifths of the world’s economy—if the deal is ratified. The nations finished negotiating the deal in Atlanta in October.
In the U.S., lawmakers last year approved legislation known as “fast track” designed to expedite the Trans-Pacific Partnership negotiations and congressional passage. Under those rules, Thursday’s signing doesn’t trigger deadlines for any action in Congress, where Senate Majority Leader Mitch McConnell (R., Ky.) has signaled that Republicans—which comprise the bulk of the TPP’s support—don’t want to vote for the deal until after the November elections.
Some GOP senators face attacks from challengers if they support the TPP during the election season, while voting against the agreement would disappoint business leaders.
Still, the Obama administration says it is ready to begin a concerted lobbying campaign to win lawmaker votes. “We’re entering the important phase of congressional engagement,” U.S. trade representative Mike Froman told reporters Tuesday. “We stand ready to engage with stakeholders and members of Congress on issues that they have questions about.”
A major economic study forecasts a small but tangible boost to the U.S. economy from the TPP, and the deal could be a much bigger boon to smaller, more closed economies, including in Vietnam and Malaysia.
The TPP also includes Brunei, Chile, Malaysia, Peru and Singapore. China isn’t part of the bloc, and President Barack Obama has said the trade agreement would let Washington rather than Beijing write the rules of commerce in the fast-growing Asia-Pacific, a key focus of foreign policy in his administration.
Malaysia’s parliament has already approved the Pacific deal, but some other countries may be waiting to see if the U.S. backs the deal before considering it. The pact could face especially heated debate in Japan, where the minister who negotiated the deal resigned last week in an unrelated corruption scandal. Its fate is also unclear in Canada, where the new Liberal government is less comfortable with the deal than the Conservatives who negotiated it.
The U.S. Chamber of Commerce and other major business groups have endorsed the TPP, but some industries are asking for more concessions in order to back the deal. Pharmaceutical companies want a longer period of protection against generic competitors and imitators in the TPP.
House Speaker Paul Ryan (R., Wis.), long a champion of the TPP negotiations, said on Tuesday after a meeting with Mr. Obama that Republicans want to see their substantive concerns in the TPP addressed. Lawmakers can’t amend the pact, but the legislation that implements the trade agreement can include additional measures, and countries can also reach side-agreements to allay domestic concerns.
Congressional Democrats, backed by labor groups, overwhelmingly oppose Mr. Obama’s trade policy, saying it could intensify the harmful effects of globalization. “If the TPP comes up for a vote, we are going to kill it once and for all,” Richard Trumka, president of the AFL-CIO labor federation, said in Washington on Wednesday.
The 2016 election season is further testing support in Congress. On the Democratic side, Hillary Clinton has said she doesn’t approve of the agreement, despite calling an earlier TPP framework the “gold standard” while she was secretary of state. Republican candidate Donald Trump has backed a diametrically opposed trade policy, with new tariffs imposed on imports from Mexico and China.
Even some Democrats in a small group that previously backed Mr. Obama’s trade policy appear to be keeping their powder dry, hinting at a long process to win majority support for the TPP under this administration or a future president.
“We’re going to have to have a real debate,” Sen. Ron Wyden (D., Ore.), the top Democrat on the committee that oversees trade, told The Wall Street Journal on Wednesday. “Trade policy has never been for the fainthearted.”
Write to William Mauldin at william.mauldin@wsj.com (WSJ - 03/02/2016)

The Trans-Pacific Partnership agreement at a glance
The TPP is a free trade agreement involving 12 nations connected by the Pacific Ocean.
The agreement is designed to free up trade and investment between the countries.
After years of controversy, mainly around the secrecy of the deal and the lack of public consultation, the document will be signed tomorrow at 11.30am.
The countries involved are New Zealand, Australia, Canada, United States, Mexico, Japan, Malaysia, Brunei, Vietnam, Singapore, Peru and Chile. At the signing tomorrow those countries will be represented by trade ministers or, in some cases, foreign ministers.
While it is a complex agreement, you should care about the deal because New Zealand is a small trading nation with a focus on exports. The deal will have an impact on our economy and relationships with international corporations and the other 11 countries.
In general, the trade deal is expected to increase the wealth of New Zealand by boosting exports into powerful economies.
A positive take from the agreement is an increase in opportunities for Kiwi businesses to sell their products to markets in the Pacific Rim countries without paying tariffs.
Some of the downsides include the idea the deal opens up the possibility of corporations suing the New Zealand Government if they feel the deal isn't being upheld.
People have raised the point that it diminishes New Zealand's sovereignty and challenges democracy.
It's worth remembering that every time a country signs an international agreement, whether it is based on trade or maintaining peace, its sovereignty diminishes.
At 11.30am tomorrow the document will be signed. The deal won't be ratified, or come into effect, until all the countries have gone through the process of voting on it, or passing it into law. That could take two years. (NZ Herald - 03/02/2016)

Dilma e Evo se reúnem e 'relançam' relações
INTERNACIONAL
A19 dias de referendo sobre 3 º mandato, boliviano busca ampliar comércio bilateral
Carla Araújo
As vésperas deumreferendo sobre a possibilidade de concorrer a um terceiro mandato, o presidente boliviano, Evo Morales, foi recebido ontem em Brasília pela presidente Dilma Rousseff em um esforço para estreitar os laços entre os dois países. Foi a primeira visita oficial detrabalhodo líder andino ao Brasil desde que Dilma assumiu o poder, em 2011.
"Nunca me senti abandonado nem pelo (ex-presidente) Lula nem pela irmã Dilma", afirmou. Ao lado de Evo, a presidente disse que o Brasil apoia de forma "firme" e "determinada" a recente adesão da Bolívia ao Mercosul e disse que ela aprofunda a integração sul-americana. "(A adesão) confirma a atratividade do bloco, aumenta a atratividade do bloco, fortalece o propósito de eliminar barreiras comerciais", disse.
A relação entre os países passou recentemente por momentos conturbados, como a fuga do ex-senador boliviano Roger Pinto para o território brasileiro - alvo de condenações em seu país, Pinto afirma ser vítima de perseguição política e foi auxiliado por funcionários do Itamaraty. A fúga foi o estopim do pedido de demissão do então chanceler brasileiro, Antonio Patriota.
Economia. Dilma afirmou, ainda, que o Brasil apoia o objetivodo país vizinho dese transformarem centro energético internacional. "Evo e eu repassamos os principais temas da agenda bilateral", disse a presidente, destacando a importância da integração de energia.
Ao destacar a importância energética da Bolívia para o Brasil, Dilma disse que o vizinho é "fundamental" e "estratégico" e ponderou que é preciso ampliar o comércio entre os dois países. "Somos o primeiro destino das exportações bolivianas e o segundo maior fornecedor de produtos para o país", afirmou. "É necessário, porém, aumentar e diversificar nossas trocas para voltar a superar o patamar de US$ 5 bilhões de intercâmbio comercial."
A presidente afirmou que, mediante novos investimentos, o vizinho deve ampliar seu potencial de produção e exportação de gás natural e os dois países ainda podem ampliar parcerias.
Estabelecemos em 2015 o Comitê Binacional sobre energia para trabalharmos na identificação e desenvolvimento de novas oportunidades, como, por exemplo, o aproveitamento hidrelétrico conjunto do Rio Madeira", afirmou.
Segundo a presidente, há interesse do Brasil em avançar em projetos de infraestrutura que facilitem os fluxos entre os países, na América do Sul e nos mercados extrarregionais. "Abordamos e definimos o estudo e avaliação econômico-financeira do projeto do corredor ferroviário bioceânico central, projeto complementar à ferrovia transcontinental", citou a presidente.
Em seu discurso, Evo mencionou o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva ao agradecer o apoio do Brasil para a economia da Bolívia. Em seguida, Dilma ofereceu ao boliviano um almoço no Palácio Itamaraty, com o tradicional brinde entre chefes de Estado. No discurso do brinde, Dilma aproveitou para convidar o colega para visitar o Brasil durante os Jogos Olímpicos no Rio de Janeiro, em agosto.
Balança. Em 2015, as exportações brasileiras para a Bolívia caíram 8% (de US$ 1,6 bilhão para US$ 1,5 bilhão). Já as importações tiveram queda de 34,3% (de US$3,8 bilhões para US$2,5 bilhões) em relação a 2014. O Brasil éo principal destino das exportações bolivianas, em razão da venda do gás natural.
Em 2015, os cinco principais mercados de destino das exportações bolivianas foram Brasil (28%), Argentina (17%), EUA (12%), Colômbia (7%) e China (5%), correspondendo a aproximadamente 70% das exportações globais da Bolívia.
Já as exportações brasileiras para a Bolívia são compostas basicamente de manufaturados (964% em 2015), com destaque para barras de ferro, betume de petróleo, condutores para uso elétrico, tratores, locomotivas, móveis de madeira, arroz, calçados e fungicidas.
---
DISPUTA POR GÁS FOI PIVÔ DE MOMENTOS TURBULENTOS
Dezembro de 2005
Evo é eleito pela primeira vez e anuncia um governo formado por intelectuais, camponeses e sindicalistas Maio de 2006 Após assumir a presidência, Evo nacionaliza as reservas de gás e expulsa a Petrobrás do país
Fevereiro de 2007
Brasil e Bolívia anunciam acordo para aumentar o valor do gás importado do país vizinho Julho de 2015 Mercosul dá início à adesão da Bolívia ao bloco; falta ratificação dos Parlamentos (O Estado de SP - 03/01/2016)

Ao lado de Evo, Dilma diz que adesão da Bolívia ao Mercosul fortalece o bloco
Carla Araújo - Brasília
Essa é a primeira visita oficial do líder andino ao Brasil desde que a governante chegou ao poder, há pouco mais de cinco anos
Ao lado do presidente da Bolívia, Evo Morales, a presidente Dilma Rousseff afirmou que o Brasil apoia de forma “firme” e “determinada” a adesão da Bolívia ao Mercosul e disse que ela aprofunda a integração sul-americana. “(A adesão) Ela confirma a atratividade do bloco, aumenta a atratividade do bloco, fortalece o propósito energético de eliminar barreiras comerciais”, disse.
No esforço de tentar ampliar as relações comerciais do Brasil, ontem a presidente recebeu o presidente da Bulgária, Rosen Plevneliev, e anunciou que os dois discutiram uma forma de agilizar o acordo bilateral entre o Mercosul e a União Europeia.
Segundo a presidente, o Brasil dá seu respaldo ao objetivo do país vizinho em se transformar em centro energético internacional. “Evo e eu repassamos os principais temas da agenda bilateral”, disse a presidente, destacando a importância da integração energética. “O Brasil estimula e apoia o objetivo anunciado pelo presidente Evo de transformar a Bolívia em centro enérgico internacional”, disse.
Ao destacar a importância enérgica da Bolívia para o Brasil, Dilma disse que o vizinho é “fundamental” e “estratégico”, mas ponderou que é preciso em ampliar o comércio entre os dois países. “Somos o primeiro destino das exportações bolivianas e o segundo maior fornecedor de produtos para o país”, afirmou. “É necessário, porém, aumentar e diversificar as nossas trocas para voltar a superar o patamar de US$ 5 bilhões de intercâmbio comercial.”
Dilma citou que hoje a Bolívia contribui com cerca de 30% da oferta de gás natural e afirmou que, mediante a novos investimentos, o vizinho deve ampliar seu potencial de produção e exportação e os dois países ainda podem ampliar parcerias. “Estabelecemos em 2015 o Comitê Binacional sobre energia para trabalharmos na identificação e desenvolvimento de novas oportunidades, como, por exemplo, o aproveitamento hidrelétrico conjunto do Rio Madeira”, afirmou.
Segundo a presidente, há interesse do Brasil em avançar em projetos de infraestrutura que facilitem os fluxos entre os países, na América do Sul e nos mercados extrarregionais. “Abordamos e definimos o estudo e avaliação econômico-financeira do projeto do corredor ferroviário biocênico central, projeto complementar à ferrovia transcontinental”, citou a presidente.
Dilma disse ainda que na conversa, os dois presidentes fizeram uma análise da conjuntura econômica internacional e seu impacto em países como Brasil e Bolívia e disse que abordou a necessidade de combate ao mosquito Aedes aegypti, vetor do vírus da dengue, do vírus chikungunya e do zika vírus.
Em seu discurso, Evo citou o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva ao agradecer o apoio do Brasil para a economia da Bolívia. Em seguida, Dilma oferece a ele um almoço no Palácio Itamaraty, onde fizeram o tradicional brinde entre chefes de poder. No discurso do brinde, Dilma aproveitou para convidar o colega para visitar o Brasil durante os Jogos Olímpicos.
Balança. Em 2015, as exportações brasileiras para a Bolívia caíram 8% (de US$ 1,6 bilhão para US$ 1,5 bilhão). Já as importações tiveram queda de 34,3% (de US$ 3,8 bilhões para US$ 2,5 bilhões) em relação a 2014. O Brasil é o principal destino das exportações bolivianas, devido à venda do gás natural. Em 2015, os cinco principais mercados de destino das exportações bolivianas foram Brasil (28%), Argentina (17%), EUA (12%), Colômbia (7%) e China (5%), correspondendo a aproximadamente 70% das exportações globais da Bolívia.
Já as exportações brasileiras para a Bolívia são compostas basicamente de manufaturados (96,4% em 2015), com destaque para barras de ferro, betume de petróleo, condutores para uso elétrico, tratores, locomotivas, móveis de madeira, arroz, calçados e fungicidas.
Visita oficial inédita. Essa é a primeira visita oficial do líder andino ao Brasil desde que a governante chegou ao poder, há pouco mais de cinco anos. Dilma assumiu a presidência em janeiro de 2011 e desde então teve vários encontros com Evo Morales à margem de cúpulas ou em outros foros. Os dois também estiveram nas respectivas cerimônias de posse, mas até agora ainda não haviam tido uma reunião oficial de trabalho bilateral como a de hoje.
Mais tarde, as 15 horas, Dilma participa da sessão solene destinada a inaugurar a 2ª Sessão Legislativa Ordinária da 55ª Legislatura do Congresso Nacional, no Plenário da Câmara dos Deputados. Esta é a primeira vez que Dilma irá pessoalmente ao Congresso para entregar a mensagem presidencial, desde que assumiu o Palácio do Planalto, em 2011. O ritual geralmente é cumprido pelo ministro da Casa Civil e Dilma já exerceu essa tarefa em 2010, quando ocupou esse cargo, no governo Lula. (O Estado de SP - 02/02/2016)

Rousseff pide al presidente búlgaro un impulso a la negociación entre Mercosur y la EU
Brasilia, 1 feb (EFE).- La presidenta brasileña, Dilma Rousseff, pidió hoy a su homólogo búlgaro, Rosen Plevneliev, que su país se implique para dar un impulso a las negociaciones comerciales entre el Mercosur y la Unión Europea.
"Estoy segura de que podemos contar con el apoyo de Bulgaria en esta dirección", dijo Rousseff en una declaración a periodistas al lado de Plevneliev, después de la reunión que ambos mantuvieron en el palacio presidencial de Planalto.
Plevneliev respondió que Bulgaria trabajará por que las negociaciones entre el bloque europeo y el suramericano avancen "de la forma más rápida".
Las negociaciones entre el Mercosur y la UE se remontan a los años 90, quedaron enseguida estancadas y solo se retomaron en 2010, pero avanzan lentamente.
Ambos bloques esperaban realizar su primer intercambio de ofertas a finales del año pasado, pero la UE pospuso esta operación alegando que espera una propuesta más ambiciosa por parte del Mercosur, bloque integrado por Argentina, Brasil, Paraguay, Uruguay y Venezuela.
Al margen de las negociaciones comerciales entre el Mercosur y la UE, Plevneliev ofreció a su país como la "puerta de entrada" de Brasil a Europa y consideró que el gigante latinoamericano puede abrir las puertas de Suramérica a las empresas de su país.
El presidente búlgaro está acompañado de una nutrida delegación empresarial, con la que tiene previsto visitar este martes las dos principales patronales de Brasil, la Confederación Nacional de la Industria (CNI) y la Federación de Industrias del Estado de Sao Paulo (Fiesp).
Rousseff y Plevneliev firmaron un acuerdo en el campo científico y de educación, para facilitar el intercambio de investigadores y la colaboración de instituciones del ramo.
Al cerrar su intervención, Rousseff dijo "gracias" en búlgaro para agradecer la visita de su colega y recordó que su padre nació en ese país europeo.
En 2011 Rousseff realizó un viaje oficial a Sofía y aprovechó para visitar Gábrovo, la ciudad natal de su padre, Petar Rúsev, cuyo nombre acabó convertido en Pedro Rousseff cuando emigró a Brasil. (Ultima Hora Paraguay - 01/02/2016)

Dilma: Brasil quer avançar na troca de ofertas entre Mercosul e União Europeia
A presidenta Dilma Rousseff disse hoje (1º) que o Brasil tem “todo o interesse” em avançar na troca de ofertas do acordo comercial entre Mercosul e União Europeia. “Temos interesse em avançar na negociação de um acordo que seja benéfico para o nosso bloco e para a União Europeia. Estamos seguros de poder contar com o apoio e engajamento da Bulgária nessa direção”, disse Dilma, após reunião com o presidente búlgaro Rosen Plevneliev, no Palácio do Planalto.
As negociações para um acordo entre Mercosul e União Europeia começaram no fim da década de 1990 e, desde então, avançam de maneira inconsistente. No ano passado, o diálogo foi retomado e os dois blocos chegaram a marcar a troca de ofertas para o último trimestre do ano passado, o que acabou não ocorrendo.
O presidente Plevneliev afirmou que a Bulgária vai trabalhar e se esforçar para que o acordo de livre comércio entre os blocos seja firmado o mais breve possível. Segundo ele, há interesse mútuo em ampliar as relações políticas e econômicas e o Brasil já ocupa o primeiro lugar do comércio búlgaro na América Latina. “A Bulgária se moderniza e pode ser porta de entrada para o Brasil na União Europeia”, disse Plevneliev.
Segundo a presidenta Dilma, a crise dos refugiados que envolve Europa, Norte da África e Oriente Médio foi um dos temas da agenda global tratados no encontro. “A crise exige soluções coletivas por parte da comunidade internacional. Por sua posição geográfica, a Bulgária é ator fundamental na resolução desse tema que afeta todos os países direta e indiretamente. E é reconhecida sua posição equilibrada nesta matéria. É preciso que se encontre solução política e abrangente para o conflito na Síria”, afirmou.
Na primeira visita oficial de caráter bilateral do mandatário búlgaro ao Brasil, foram assinados o Acordo de Previdência Social e o Memorando de Entendimento entre o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e o Ministério da Educação e da Ciência da Bulgária.
O Acordo de Previdência Social estabelece regras sobre tratamento equitativo, exportação de benefícios e legislação aplicável.
Segundo o Palácio do Planalto, a assinatura do Memorando de Entendimento entre o CNPq e o Ministério da Educação búlgaro vai permitir incrementar o intercâmbio de estudantes e de pesquisadores. O acordo facilita a realização de eventos científicos, seminários, intercâmbio de pesquisadores e o financiamento de projetos conjuntos de pesquisa.
Dilma também lembrou suas origens búlgaras pelo fato de seu pai ser um imigrante. Pedro Rousseff nasceu na cidade de Gabrovo, na Bulgária. Em 2011, Dilma visitou o país e se encontrou com parentes. Foi a primeira vez que ela visitou a Bulgária. Edição: Denise Griesinger (Agência Brasil - 01/02/2016)

Mercosur y Unasur serán presididas por Venezuela
La canciller de la República Delcy Rodríguez informó que Venezuela asumirá la presidencia del Mercosur y Unasur este 2016.
Delcy Rodríguez, confesó sentirse “feliz” ya que Venezuela asumirá en 2016 la presidencia pro tempore de la Unión de Naciones Suramericanas (Unasur) y del Mercado Común del Sur (Mercosur), al respecto aclaró que la Patria de Bolívar continuará el camino de independencia económica, comercial, cultural y de soberanía.
Para la Canciller, asumir la presidencia pro tempore de Unasur y de Mercosur representa “una visión de futuro para nuestros pueblos, en una visión de futuro para nuestras Naciones, para todos los sectores públicos, privados y los empresariados. Ese un mensaje que tiene que dar y brindar felicidad a los pueblos suramericanos”. (Ultimas Noticias (Venezuela) - 30/01/2016)

Produtos e Mercados


Veja mais

Brasil deve aguardar decisão dos EUA e da Europa
INTERNACIONAL
O Brasil eoutros países que têm a China como grande parceiro sabem que vão precisar se adaptar a um novo status de Pequim para calcular preços supostamente desleais nas importações. No entanto, eles devem esperar para ver primeiro o que as maiores economias farão. (Valor Econômico - 05/02/2016)

Países resistem a ver a China como economia de mercado
INTERNACIONAL
Os Estados Unidos, a União Européia (UE) e o Japão podem entrar em rota de colisão com a China sobre se reconhecem Pequim como economia de mercado a partir de dezembro, o que implicaria melhorar a competitividade de produtos chineses. (Valor Econômico - 05/02/2016)

UE rebaixa previsão de crescimento no euro
INTERNACIONAL
A desaceleração das economias emergentes representa um grande risco à recuperação da zona do euro, disse a Comissão Europeia ao reduzir a projeção de crescimento da região para 2016. A Comissão alertou ainda que a inflação será muito mais baixa que o esperado. (Valor Econômico - 05/02/2016)

Omã aposta em projetos no Brasil
O ministro da Indústria e Comércio da nação árabe, Ali Al-Sunaidy, falou sobre o tema em seminário na Fiesp. 'Há oportunidades aqui', destacou.
Marcos Carrieri*
São Paulo - Aumentar os investimentos no Brasil é um dos objetivos da visita ao País da delegação de Omã liderada pelo ministro da Indústria e Comércio da nação árabe, Ali Al-Sunaidy. Em seminário para empresários na Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) nesta quarta-feira (03), ele afirmou que deseja ampliar o volume de recursos de Omã no Brasil nos próximos anos.
"Vou visitar empresas nos próximos dias, há oportunidades aqui", afirmou o ministro. Sunaidy declarou também que empresas brasileiras podem aproveitar a localização estratégica e a infraestrutura dos portos omanitas para ampliar o alcance dos seus produtos no Golfo. Ele acrescentou que Omã pretende ampliar sua presença nos setores de polietileno (plástico), minerais, como o mármore, e turismo.
O embaixador de Omã no Brasil, Khalid Al-Jaradi, destacou que os dois países têm boas relações diplomáticas, mas sua parceria comercial está aquém do esperado. "O fundo soberano de Omã tem investimentos indiretos no Brasil, mas ainda estamos longe de alcançar o potencial dos dois países. Há um fraco e quase inexistente intercâmbio turístico, poucas notícias sobre os países na imprensa local de cada um deles, pouco intercâmbio de estudantes, poucas exportações de Omã para o Brasil e poucos investimentos diretos de Omã aqui", afirmou. "Esta visita (da delegação) é a chance real de conhecer oportunidades de investimento e é o primeiro passo de vários na construção de uma ponte entre os dois países."
O presidente da Câmara de Comércio Árabe Brasileira, Marcelo Sallum, afirmou que há medidas que podem facilitar a aproximação econômica entre os dois países. "É possível adotar medidas de facilitação de investimentos e a redução da bitributação (quando uma mesma negociação é tributada no país de origem e no país de destino)".
Após as apresentações de Sallum, Jaradi e Sunaidy, o gerente comercial da BRF, Matheus Patury Carneiro Leão, apresentou as características do mercado omanita para o setor de alimentos. A secretária de Relações Internacionais do Ministério da Agricultura, Tatiana Palermo, afirmou que o crescimento da demanda por alimentos na Ásia deverá impulsionar as exportações do Brasil para a região e ressaltou que Omã e seus vizinhos do Golfo deverão ter participação estratégica neste negócio. Ela destacou também que o Brasil precisa de investimentos em logística.
"Omã pode ser um parceiro, estamos em contato com países na região do Golfo sobre investimentos. Eles buscam uma forma de ser 'hub' (polo de distribuição) e nós buscamos forma de desenvolver nossa infraestrutura. Precisamos de infraestrutura moderna que corresponda à produção crescente do arco norte (região que compreende Bahia, Maranhão, Amazonas e Pará)", disse Palermo à ANBA.
O vice-presidente do Porto de Sohar, onde a Vale tem uma unidade de pelotização de minério de ferro em Omã, Jamal Mohamed Aziz, afirmou que o porto oferece condições e infraestrutura para distribuir produtos em todo o Oriente Médio. Da delegação participa também o diretor de investimentos do Fundo Geral de Reserva do Estado (SGRF, na sigla em inglês), fundo soberano de Omã, Mulham Al Jarf.
Ao fim do seminário, o diretor-geral da Câmara Árabe, Michel Alaby, afirmou que Omã tem adotado uma postura econômica "agressiva" de se aproximar do Brasil, o que pode ser bom para os dois países. "É importante que eles venham para cá, conhecer nosso País e seu potencial. E os brasileiros, por sua vez, podem conhecer as estruturas que lhes permitirão se internacionalizar. Essa iniciativa deles pode fortalecer o relacionamento econômico", disse.
Agenda
O ministro chegou ao País na noite de terça-feira (02) para uma série de eventos e encontros. Na manhã de quarta, ele esteve na Câmara Árabe, onde ocorreu uma rodada de negócios entre empresas brasileiras e omanitas. Ainda na capital paulista, Sunaidy teve reuniões com o vice-governador do estado, Márcio França, e com o vice-presidente Michel Temer.
Uma das empresas omanitas que participou da rodada na Câmara é a International Business Development Group (IBD), que quer estabelecer parcerias com empresas brasileiras para a realização de projetos de energias renováveis em seu país. "Nosso objetivo aqui é capitalizar com a experiência, capacidade de produção e os avanços que o Brasil tem no setor de energia renovável, como energia solar e eólica", afirmou o diretor-gerente do grupo, Mohamed Al-Marjabi.
O grupo tem interesse em atuar também na redução de riscos nos serviços de petróleo e gás no Brasil. A holding tem seus negócios centrados principalmente em serviços e equipamentos para os setores de petróleo e gás, além de consultoria de negócios, produtos e serviços de telecomunicação.
A empresa atua ainda na área de construção de refinarias e tem interesse em parcerias com companhias do Brasil. "Temos uma empresa de engenharia, que é a única que implementa refinarias em Omã", destacou Marjabi.
Nesta quinta-feira (04), em Brasília, Sunaidy participará da primeira reunião da Comissão Mista Bilateral Brasil - Omã, no Itamaraty, e tem encontros previstos com os ministros do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Armando Monteiro Neto, e da Agricultura, Kátia Abreu. (Anba - 04/02/2016)

UE reduz projeções de crescimento e destaca desaceleração em emergentes
Dow Jones Newswires
A Comissão Europeia prevê que a zona do euro cresça 1,7% neste ano; falta de acordo sobre a crise dos refugiados também deverá prejudicar a economia da região
Para 2017, a projeção é de que a zona do euro cresça 1,9%
BRUXELAS - O crescimento da zona do euro e da União Europeia será levemente menor neste ano do que o previsto anteriormente pela Comissão Europeia. Em seu relatório quadrimestral, a Comissão afirmou que o crescimento global fraco, com desaceleração da China e de outros mercados emergentes, bem como questões geopolíticas, em especial a falta de um acordo sobre a crise dos refugiados, podem prejudicar mais a economia da região.
A zona do euro deverá crescer 1,7% neste ano, abaixo da previsão de expansão de 1,8% feita no relatório de novembro, embora um pouco mais que o avanço de 1,6% registrado no ano passado. Para 2017, a projeção é de que a zona do euro cresça 1,9%, em linha com cálculos anteriores.
A estimativa para a União Europeia é de crescimento de 1,9% neste ano, em linha com 2015, mas abaixo da previsão anterior de 2,0%. A Comissão prevê avanço de 2,0% em 2017, também abaixo da taxa de +2,1% estimada em novembro.
Um fator que continua pesando sobre o sentimento, especialmente na zona do euro, é a inflação persistentemente baixa, mesmo diante dos esforços do Banco Central Europeu (BCE) para estimular o consumo por meio do programa de compras mensais de ativos.
A expectativa de inflação na zona do euro neste ano é de uma taxa de 0,5%, metade da taxa de 1,0% esperada anteriormente. Para 2017, a Comissão reduziu a estimativa de 1,6% para 1,5%. A meta de inflação do BCE é de pouco menos de 2,0%. Na União Europeia os preços ao consumidor devem subir 1,5% neste ano e 1,6% no próximo.
Com relação à taxa de desemprego, a Comissão reduziu a estimativa para a zona do euro neste ano de 10,6% para 10,5% e em 2017 de 10,3% para 10,2%. O desemprego na União Europeia também deverá ser menor que o esperado em novembro. A projeção para este ano passou de 9,2% para 9,0% e no próximo ano foi de 8,9% para 8,7%.
As novas projeções destacam como a União Europeia continua com dificuldades para se recuperar da crise financeira global de 2008 e da crise de dívida que se seguiu - apesar da queda nos preços do petróleo, dos baixos custos de financiamento dos governos e do relativamente baixo valor do euro, fatores que normalmente favorecem o crescimento econômico.
"A recuperação é lenta, tanto em perspectiva histórica quanto comparada com outras economias avançadas", comentou a Comissão no relatório.
Países. As economias do Reino Unido, Alemanha, França e Itália vão crescer a um ritmo mais lento do que o estimado anteriormente durante os próximos dois anos, de acordo com as previsões da UE.
O PIB do Reino Unido deverá crescer 2,1% tanto em 2016 quanto em 2017, enquanto a Alemanha deve ter crescimento de 1,8% este ano e no ano que vem. Já a Itália teve a projeção do PIB reduzida para 1,4% em 2016. A França, por sua vez, teve a projeção do PIB em 2016 revisado para crescimento de 1,3%.
As projeções para Espanha e Grécia melhoraram: no primeiro país, o PIB deve crescer 2,8% este ano e 2,5% em 2017. Em relação à Grécia, a comissão projeta que o PIB do país terá contração de 0,7% este ano, menor do que o declínio de 1,3% estimado anteriormente. Por fim, a UE cortou sua projeção de crescimento de Portugal para 2016, de 1,7% para 1,6%. (O Estado de SP - 04/02/2016)

Gigante chinesa de eletrodomésticos Midea tenta se consolidar no Brasil
A crise que afeta boa parte da América Latina não fez a gigante chinesa Midea, dona de um faturamento de US$ 24 bilhões em 2014, mudar os planos para região. Maior fabricante de eletrodomésticos em seu país, a empresa quer deixar de ser conhecida só como uma marca de aparelhos de ar condicionado.
O plano começa pelo Brasil, onde a companhia está lançando lava-louças, refrigerador, cooktop, coifa, forno elétrico e outros eletroportáteis. No primeiro momento, os produtos serão importados da China. A empresa, que, além do Brasil, está na Argentina e no Chile, pretende estar presente em todos os países da região.
Para comandar o projeto, foi escolhido o executivo João Cláudio Guetter, ex-presidente da Electrolux para América Latina, exceto o Brasil. Dos 28 anos que trabalhou na rival, nos últimos seis ele se dedicou a um projeto muito parecido de expandir a marca sueca na região. "Na época, muita gente relacionava a Electrolux só com aspirador de pó, não com eletrodoméstico." Em seis anos, ele levou a operação para quase todos os países da região. A receita de US$ 300 milhões subiu para US$ 1 bilhão.
Há um mês no cargo, Guetter diz que entrar na América Latina é muito difícil por causa das barreiras tributárias. Já em relação à crise, ele não a vê como um obstáculo. "A América Latina sempre teve altos e baixos, mas é um mercado muito importante." Antes da recessão, o Brasil respondia por 50% das vendas de eletrodomésticos da região.
Dentro da receita global da Midea, a América Latina representa menos de 5%. "A meta para cinco anos é que a empresa seja uma participante importante do mercado de eletrodomésticos na região", diz.
Plataforma
Nesse plano, o Brasil terá papel importante. Guetter não descarta a possibilidade de que o País se torne uma plataforma de exportação para os vizinhos, especialmente agora com o real desvalorizado. Segundo o executivo, os valores investidos no plano de cinco anos ainda não estão fechados e serão conhecidos após uma reunião marcada para março.
Presente no Brasil desde os anos 2000, com produtos importados distribuídos por um parceiro local, o grande salto da companhia chinesa no País ocorreu em 2011, quando fechou uma joint-venture com a Carrier.
Com 51% da sociedade, a Midea passou a fabricar os aparelhos de ar condicionado localmente em duas fábricas. A unidade de Canoas (RS) concentra a produção de equipamentos de ar-condicionado comercial e, na de Manaus, são fabricados os aparelhos splits e fornos de micro-ondas desde 2014. Essa unidade recebeu investimentos de US$ 20 milhões, entre 2012 e 2014, para ter sua capacidade quadruplicada.
"A joint-venture foi feita com a intenção de usar a plataforma da Carrier para que a marca Midea atingisse um novo patamar", diz o presidente da Midea Carrier no Brasil, Felipe Costa. Dados da consultoria Euromonitor indicam que, em 2015, a Midea foi a segunda em unidades vendidas de aparelhos de ar condicionado split no País, atrás da coreana Samsung. Em micro-ondas ficou na sexta posição no ranking liderado por Electrolux.
Em 2015, o faturamento da empresa na América Latina, hoje presente em apenas três países - Brasil, Argentina e Chile -, girou em torno de R$ 3 bilhões, com crescimento de 10% em relação ao ano anterior. Costa explica que as vendas no Brasil caíram e acompanharam a retração do mercado, que foi de cerca de 20%. O crescimento da receita da região foi puxado por Argentina, onde tem uma fábrica, e Chile, com um distribuidor.
Para 2016, o presidente da operação brasileira prevê mais um ano de retração no mercado de eletrodomésticos. Por isso, a companhia pretende focar em ganhos de produtividade e redução de custos na produção dos eletrodomésticos fabricados localmente. Só em mão de obra o ajuste foi forte. Em janeiro de 2015, a companhia empregava no País 2,5 mil trabalhadores e hoje tem 1,8 mil.
Outra meta é ampliar a oferta de itens, mas ainda com importados. "Queremos que a Midea do Brasil seja como a da China: uma fabricante completa de eletrodomésticos", diz Costa. A empresa está testando o mercado de portáteis, com fritadeira, panela de arroz e de pressão elétrica. (O Estado de SP - 04/02/2016)

Brasil e Tunisia criam grupo de trabalho para remover entraves ao comércio bilateral
Os membros brasileiros do Conselho Empresarial Brasil-Tunísia se reuniram nesta terça-feira (02) na Câmara de Comércio Árabe Brasileira, em São Paulo, para discutir ações para este ano. Uma das propostas apresentadas e aprovadas pelos participantes é a criação de um grupo de trabalho que vai atuar para remover eventuais entraves ao comércio bilateral.
"É preciso abordar os obstáculos", disse o embaixador tunisiano em Brasília, Sabri Bachtobji, que acompanhou a reunião. "As instituições públicas têm que saber quais são os obstáculos que os operadores econômicos estão encontrando para o desenvolvimento dos negócios", acrescentou.
Alguns destes gargalos foram citados durante o encontro. O diretor da área de aves da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), Ricardo Santin, por exemplo, destacou que a Tunísia exige certificados que não são requisitados por nenhum outro país, o que acaba inviabilizando as exportações de frango brasileiro à nação árabe.
O presidente do Intertrade Group, do ramo de fertilizantes, Heinz Huyer, ressaltou que o Brasil tem tido dificuldades em importar fosfato da Tunísia nos últimos anos, em função de problemas de oferta e de logística, sendo que no passado foi um grande comprador.
Foram citados também acordos que estão sendo negociados no campo diplomático e que, quando aprovados, poderão dar impulso ao comércio bilateral e aos investimentos recíprocos. Um deles é um acordo quadro que permite o início de negociações de um tratado de livre comércio entre a Tunísia e o Mercosul.
Segundo o embaixador, o texto já foi ratificado pelo Parlamento Tunisiano, mas os países do bloco sul-americano ainda não fizeram o mesmo. Para ele, a aprovação pelo Brasil pode acelerar o processo, dado o peso econômico e político do País no grupo.
Outro acordo em negociação - porém bilateral - é na área de facilitação e promoção de investimentos.
O vice-presidente de Comércio Exterior da Câmara Árabe e anfitrião da reunião, Rubens Hannun, disse que o conselho tem objetivos de médio e longo prazos, e o grupo de trabalho é um dos mecanismos que pode auxiliar na missão de ampliar os fluxos de comércio e investimentos.
Ao identificar as demandas do setor privado e propor soluções, o conselho pode atuar junto aos governos para a remoção de barreiras. "Assim as coisas andam de maneira mais simples e rápida", declarou Hannun.
Visita
Alguns acordos bilaterais serão assinados durante visita do chanceler brasileiro, Mauro Vieira, à Tunísia, programada para 11 de março. Segundo Bachtobji, são tratados de cooperação nas áreas de turismo, programas sociais e plantio de eucaliptos.
O embaixador ressaltou que o turismo, por exemplo, é uma das atividades mais importantes para a economia tunisiana, mas o número de brasileiros que visitam a nação árabe e vice-versa não tem aumentado como poderia. Ele acrescentou que o acordo na área incentiva os operadores do ramo a desenvolver o fluxo de turistas.
Além da criação do grupo de trabalho e da viagem do ministro, os conselheiros discutiram também a realização do encontro anual com suas contrapartes tunisianas. Foi bem recebida a proposta de organizar o evento paralelamente ao próximo Fórum de Investimentos na Tunísia, que será realizado em Túnis em junho ou em setembro.
Walker Lahmann, diretor-executivo da Eurofarma, participou da edição de 2015 do fórum e fez elogios ao evento. A companhia farmacêutica quer abrir uma unidade na África e a Tunísia é vista como boa opção. De acordo com ele, o mercado tunisiano, embora menor, é semelhante ao do Brasil e tem os mesmo níveis de exigência regulatória, e o grupo de trabalho criado pelo conselho poderá ajudar a aparar eventuais arestas.
Já a gerente de Relações Internacionais da Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica (Abinee), Fernanda Garavello Gonçalves, anunciou que a entidade negocia a realização de um programa de promoção comercial com a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil) e que muitas empresas do ramo têm interesse na região.
"Os países do Norte da África estão em alta no interesse das empresas", declarou Gonçalves. Os empresários, segundo ela, apostam principalmente na demanda do setor de energia.
O Conselho Brasil-Tunísia foi criado em 2002, mas ficou vários anos sem se reunir, e foi reativado no ano passado, com a indicação de novos membros. Hannun, que é o presidente do órgão pelo lado brasileiro, gostou da dinâmica da reunião e destacou que o grupo mostrou coesão em relação às ações a serem realizadas.
Participaram do encontro também o vice-presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), Elias Haddad, e o embaixador Ramez Goussous, conselheiro sênior de Relações Institucionais e Internacionais da Câmara Árabe. (Comex do Brasil - 03/02/2016)

Setor de tecnologia dos EUA sofre com valorização do dólar
Por Don Clark, Daisuke Wakabayashi e Alistair Barr
Muitas multinacionais sofreram com o impacto da valorização do dólar, mas poucas sofreram tanto quanto as empresas de tecnologia dos Estados Unidos. Há poucos sinais de que os problemas acabarão em breve.
Questões cambiais prejudicam grandes nomes do setor — como Apple Inc., Microsoft Corp. e International Business Machines Corp. — há mais de um ano e mais uma vez tiveram grande importância na atual temporada de balanços. O problema desafia cada vez mais as soluções tradicionais.
O Vale do Silício está sendo afetado de forma desproporcional devido ao sucesso incomum de hardware, software e serviços no exterior. Os índices S&P Dow Jones estimam que as empresas americanas de tecnologia de informação geraram 59% das vendas no exterior em 2014, de acordo com os dados disponíveis mais recentes, ante 48% das empresas no índice S&P 500, mais amplo.
"Eu acho que o setor de tecnologia continuará a ser o mais afetado de todos", diz Howard Silverblatt, analista da S&P Dow Jones. "Essas empresas têm uma presença enorme do exterior."
Os atuais problemas estão se agravando devido ao enfraquecimento econômico das empresas de tecnologia e outras questões que estão reduzindo a demanda por seus produtos.
A Apple exemplificou isso claramente na semana passada. A empresa de eletrônicos de consumo, que obtém 66% de sua receita fora dos EUA, informou na semana passada que a valorização do dólar levou a uma perda de receita em torno de US$ 5 bilhões no trimestre encerrado em dezembro. Desconsiderando os efeitos cambiais, a Apple informou que teria obtido uma receita de US$ 80,8 bilhões no trimestre no período, em vez dos US$ 75,9 bilhões divulgados, o que derrubou um crescimento que teria sido de 8% para 2%.
Além de adotar ações de hedge tradicionais para conter o aumento do dólar, a empresa informou que foi forçada a proteger suas margens de lucro elevando os preços dos produtos como o iPhone no Brasil, Rússia, Turquia e outros países.
O diretor-presidente da Apple, Tim Cook, disse que medidas extremas foram necessárias devido à dimensão sem precedentes de uma questão que normalmente afeta poucos países simultaneamente. Desta vez, disse ele em entrevista ao The Wall Street Journal, o dólar está "incrivelmente forte em quase todos os lugares".
Desde setembro de 2014, estimou a Apple, o valor do rublo russo já caiu mais de 50% e o do real mais de 40%, enquanto os dólares canadense e australiano, o peso mexicano e a lira turca desvalorizam 20% ou mais.
O que era em setembro de 2014 uma receita de US$ 100 da Apple obtida fora dos EUA se transformou em US$ 85 em dezembro do ano passado, estimou a empresa.
"Quando as moedas mudam para esse ponto nesse período de tempo, é significativo para nós", disse Cook, que afirmou aos analistas que uma combinação de variações cambiais e economias em desaceleração provocou uma "disputa em praticamente todos os países do mundo".
Outras empresas de tecnologia também culparam os problemas cambiais pelos resultados decepcionantes. A Microsoft divulgou na semana passada que o dólar mais forte reduziu sua receita em cerca de US$ 1,9 bilhão no trimestre encerrado em dezembro. A IBM estimou em US$ 1,5 bilhão o impacto no câmbio na receita do quarto trimestre.
A maior parte dessas empresas gera lucro suficiente para enfrentar as variações cambiais, que geralmente impactam quando a receita das vendas em moeda estrangeira é convertida em dólar. Mas efeitos igualmente sérios também podem ocorrer quando o dólar mais forte encarece os produtos americanos. Em tais casos, os consumidores potenciais podem deixar de comprar ou tentar encontrar alternativas, dizem analistas.
A firma de pesquisa de mercado Gartner Inc. estimou que a valorização do dólar reduziu em US$ 217 bilhões os gastos mundiais com tecnologia de informação, um efeito maior que o da crise financeira de 2009.
As últimas variações cambiais produziram ganhadores e perdedores. O serviço de computação em nuvem da Amazon.com Inc., por exemplo, usa dólares para construir centros de dados no exterior, e ela citou benefícios financeiros no quarto trimestre. Enquanto isso, fornecedores de tecnologia de outros países — como o grande fornecedor de software alemão SAP SE — registraram problemas financeiros à medida que receberam o dólar forte em troca de seus produtos.
Mas a maioria das empresas americanas está falando sobre a desvantagem do dólar.
Para o atual trimestre que se encerra em março, a Apple informou que espera que as questões cambiais reduzam sua receita em 4%. A empresa afirmou que planeja continuar fazendo hedge cambial para se proteger da alta do dólar. Ela também espera conseguir alguma economia junto com os fornecedores.
A Apple paga muitos dos fornecedores estrangeiros em dólares, o que significa que eles se beneficiam com a valorização da moeda americana. A empresa informou que quer levar isso em conta quando tentar negociar novos acordos em termos mais favoráveis. (WSJ - 02/02/2016)

Missão de Omã vem ao Brasil para diplomacia e negócios
Uma delegação de Omã liderada pelo ministro da Indústria e Comércio do país árabe, Ali Bin Masoud Bin Ali Al-Sunaidy, estará no Brasil esta semana para uma série de encontros com empresários e representantes do governo brasileiro. Integram a missão diversas autoridades e executivos de companhias omanitas.
Na quarta-feira (03) pela manhã, a delegação visitará a Câmara de Comércio Árabe Brasileira, em São Paulo, onde serão realizadas rodadas de negócios entre empresários brasileiros e omanitas. "Os empresários omanitas estão interessados em importar e exportar", disse o diretor-geral da Câmara Árabe, Michel Alaby, conforme noticiado pela ANBA.
(Anba - 02/02/2016)

Turquia quer mais que dobrar comércio com América Latina, diz ministro
Por Anthony Esposito
SANTIAGO (Reuters) - A Turquia quer mais que dobrar seu comércio com a América Latina até 2023, em uma tentativa de diversificar seus tradicionais mercados de exportações, nas tumultuadas economias europeias e do Oriente Médio, disse o ministro da Economia, Mustafa Elitas.
O ministro falou à Reuters na capital chilena enquanto acompanhava o presidente, Tayyip Erdogan, e uma grande delegação empresarial em um tour pela região, que também vai incluir visitas ao Peru e ao Equador.
"O comércio bilateral com a América Latina está atualmente em pouco mais de 8 bilhões de dólares", disse Elitas em uma entrevista na segunda-feira. "Para 2023, que será o aniversário de 100 anos de nossa república, queremos alcançar os 20 bilhões de dólares."
Citando as vantagens de ter um acordo de livre comércio com o Chile, que pretende render 1 bilhão de dólares em comércio bilateral este ano, Elitas disse que a Turquia vai pedir ao Peru e Equador para "agilizarem" a finalização de seus acordos bilaterais de livre comércio. (Reuters - 02/02/2016)

Conselho Empresarial Brasil-Tunísia se reúne para discutir programação de eventos e comércio
São Paulo - Os membros brasileiros do Conselho Empresarial Brasil-Tunísia vão se reunir na próxima terça-feira (02) na Câmara de Comércio Árabe Brasileira, em São Paulo, para discutir a agenda de eventos deste ano e metas de ampliação dos negócios entre os dois países. O encontro contará com a presença do embaixador tunisiano em Brasília, Sabri Bachtobji.
De acordo com o vice-presidente de Comércio Exterior da Câmara Árabe, Rubens Hannun, entre os temas que podem ser discutidos está a eventual participação brasileira em fórum de investimentos na Tunísia e em feiras de negócios no país árabe. Hannun é presidente do conselho pelo lado brasileiro.
No Brasil, já está confirmada a participação de empresários tunisianos na feira da Associação Paulista de Supermercados (Apas), que será realizada de 02 a 05 de maio em São Paulo. "Eles com certeza vêm à Apas", disse Hannun. Esta será a terceira vez consecutiva que empresas da Tunísia vão expor na mostra com apoio da Câmara Árabe.
Os membros irão sugerir também uma data para a realização de reunião do conselho completo em Túnis. O órgão foi originalmente criado em 2002, mas ficou vários anos sem atividades, até que foi reativado em 2015 com a nomeação de novos membros brasileiros e tunisianos.
Entre os objetivos do conselho estão fomentar o aumento e a diversificação do comércio, o fortalecimento da cooperação bilateral, o incentivo às parcerias e à promoção de investimentos recíprocos.
Balança
As exportações do Brasil para a Tunísia estão crescendo. De acordo com dados da Secretaria de Comércio Exterior (Secex), os embarques renderam US$ 303 milhões no ano passado, um aumento de 27,5% em relação a 2014. Os principais produtos comercializados foram açúcar, soja, café, milho, óleo de soja, fumo, alumínio, ferro e aço.
Na outra mão, porém, as importações brasileiras de produtos tunisianos recuaram 20% de 2014 para 2015 e ficaram em US$ 58 milhões. Os principais itens da pauta foram naftas, fertilizantes, produtos químicos, têxteis e confecções, material elétrico, tâmaras a azeite de oliva.
No caso do azeite, vale destacar que as importações somaram mais de US$ 1 milhão em 2015, contra apenas US$ 100 mil no ano anterior. O produto é um dos principais itens de exportação da Tunísia e foco de promoção do país em suas participações na feira da Apas. (ANBA - 01/02/2016)

Presidente de Cuba visita a França em nova etapa de relações com a Europa
O presidente de Cuba, Raúl Castro, inicia hoje (1º) visita de dois dias à França, em uma nova etapa na normalização das relações da ilha com os países ocidentais. Desde 1995 - quando Fidel Castro visitou o país, no fim do governo de François Mitterrand -, o chefe de Estado cubano não visitava a França.
A visita ocorre depois de o atual presidente francês, François Hollande, ter estado em Cuba em maio de 2015, sendo o primeiro chefe de Estado ocidental a visitar o país desde 1959.
O líder cubano chegou a Paris no sábado (30), mas sua agenda oficial começa hoje, dia em que a ministra francesa do Ambiente, Ségolène Royal, o receberá no Arco do Triunfo.
Castro e Hollande vão se reunir no Palácio do Eliseu, estando prevista, cerca de uma hora depois, a assinatura de acordos e de uma declaração conjunta. À noite, será oferecido um jantar.
Amanhã (2), estão previstos encontros com os presidentes da Assembleia Nacional e do Senado, com o primeiro-ministro, Manuel Valls, e com a presidenta da Câmara de Paris, Anne Hidalgo.
A França, segundo o governo, pretende se afirmar como o "principal parceiro" político e econômico de Cuba na Europa. Inúmeras empresas francesas têm investido em Cuba, mas com um volume de aproximadamente 180 milhões de euros anuais, considerado baixo. "Ainda não estão à altura das nossas ambições", disse na sexta-feira (29) o ministro do Comércio Externo francês, Matthias Fekl. (Agência Brasil - 01/02/2016)

Chuveiro elétrico gera negócios no Sudão
A fabricante Fame participa da Feira Internacional de Cartum e recebeu pedido de seu representante no país árabe. Produto ainda é pouco difundido no mercado local.
Marcos Carrieri
A representante da Fame ofereceu treinamento a clientes
São Paulo - A fabricante de equipamentos e chuveiros elétricos Fame vai vender mais no Sudão. O representante local da empresa fez um pedido durante a Feira Internacional de Cartum, que ocorre na capital sudanesa até esta segunda-feira (01/02), segundo a trader da empresa, Maria Prado, que participa da mostra. Ela também visitou empresas locais e ofereceu treinamento, pois o chuveiro elétrico é um produto ainda pouco conhecido no país.
Para a feira, a Fame levou sua linha de chuveiros elétricos, produto pouco conhecido em grande parte dos países africanos e árabes, que têm no gás ou em grandes aquecedores externos a forma mais comum de aquecer água.
"Foi grande sucesso, as pessoas se interessaram muito e o desenvolvimento no mercado está muito acima do que eu esperava, e por isso decidi participar novamente da feira. Tem sido experiência muito produtiva", afirmou Prado, que esteve no evento em 2014, quando a Fame apresentou o chuveiro elétrico no país pela primeira vez.
Ela afirmou que o principal objetivo da empresa no evento é ampliar sua presença no Sudão. No entanto, durante a mostra a Fame recebeu consultas de empresários da Líbia, Argélia, Egito e da Etiópia. "Nosso interesse principal e onde achamos que o produto terá uma entrada mais forte são os países da África. Estamos estudando testar [a aceitação] em outros países árabes para desenvolver esses mercados também", disse.
Além de representar a Fame na feira, Prado visitou clientes e lojas em Cartum e cidades próximas à capital. Ela afirmou que o chuveiro elétrico ainda tem pequena concorrência no Sudão, pois poucas empresas fabricam o produto em outros países além do Brasil. A trader afirmou que há muitas oportunidades de negócios no Sudão.
"É satisfação vender no Sudão, país que temos descoberto interessante, com mentalidade muito aberta. Acreditamos que é um ambiente interessante aos empresários brasileiros por ter muitas oportunidades. Até por causa do embargo [econômico imposto pelos Estados Unidos], é um país que precisa de muitas coisas e tem ambiente empresarial ativo", disse.
A Fame participa da feira no estande organizado em parceria pela Câmara de Comércio Árabe Brasileira e Ministério das Relações Exteriores. (CCAB -01/02/2016)

Brasil e Venezuela ampliam parcerias
- O ministro das Relações Exteriores, Mauro Vieira, recebeu na última sexta-feira a chanceler da Venezuela, Delcy Rodríguez, em primeira visita ao Brasil. Após encontro no Palácio Itamaraty, eles anunciaram medidas para fortalecer a cooperação econômica e comercial entre os países.
"A Venezuela é um importante parceiro econômico e comercial do Brasil. A reunião foi para avaliar os diferentes mecanismos que já existem e outros que vão ser criados para podermos aumentar os níveis de comércio", disse Vieira.
O chanceler brasileiro anunciou a criação de um grupo de trabalho para promover a expansão e a diversificação dos fluxos de comércio e investimento, além de estimular empresas a investir nos dois países. Segundo Vieira, Brasil e Venezuela estão negociando um acordo de cooperação e facilitação de investimentos, nos moldes dos que já foram assinados com o México e com países africanos.
"E queremos concluir as negociações do memorando de entendimento para a promoção de comércio entre os dois países. Isso vai permitir a incorporação da Venezuela ao Programa brasileiro de Substituição Competitiva das Exportações e fará com que o Brasil tenha com todos os países da América do Sul esse mesmo tipo de acordo", afirmou o chanceler brasileiro.
Delcy Rodríguez disse que o presidente Nicolás Maduro tem atuado junto ao setor produtivo para retirar travas econômicas e permitir o avanço da economia da Venezuela. "E que permita fortalecer a plataforma produtiva e, nesse sentido, sabemos que Brasil tem papel estratégico", disse.
Em 2015, a corrente de comércio entre Brasil e Venezuela foi de US$ 3,7 bilhões. O Brasil exporta mais do que importa, tendo registrado no ano passado saldo positivo de US$ 2,3 bilhões.
Mauro Vieira disse ainda que o Brasil tem acompanhado com grande interesse o processo de adesão da Venezuela ao Mercosul, que, segundo ele, agregará contribuições energéticas e geográficas, "estendendo o Mercosul do Caribe à Terra do Fogo". E comentou que o governo brasileiro está à disposição para continuar contribuindo com o fortalecimento da democracia na Venezuela.
Mudanças
A ministra das Relações Exteriores da Venezuela também prometeu mudança dos marcos regulatórios nas áreas petroquímica e de mineração para tentar atrair investimentos. Ao mesmo tempo, ela pediu a intervenção do governo brasileiro para que empresas de alimentos e farmacêuticas do País incrementem exportações para a Venezuela, apesar de o país produtor de petróleo ter dívidas há pelo menos três anos com exportadores brasileiros, disseram fontes.
O levantamento mais recente do Itamaraty aponta dívidas de cerca de US$ 2 bilhões, mas isso inclui apenas parte das empresas que têm problemas para repatriar recursos, porque não conseguem trocar bolívares por dólares. /Agências (DCI - 01/02/2016)

Expansão da indústria da zona do euro desacelera no início de 2016, mostra PMI
Por Jonathan Cable
LONDRES (Reuters) - O crescimento da indústria na zona do euro desacelerou no início de 2016 uma vez que a entrada de novos pedidos não mostrou aumento significativo, mesmo com as empresas cortando preços na taxa mais forte em um ano, mostrou nesta segunda-feira a pesquisa Índice de Gerentes de Compras (PMI, na sigla em inglês).
O PMI de indústria do Markit para a zona do euro caiu para 52,3 ante 53,2 em dezembro. O resultado ficou em linha com a preliminar e ainda acima da marca de 50 que separa crescimento de contração.
O subíndice de produção também caiu, para 53,4 ante 54,5 em dezembro e preliminar de 53,2.
O enfraquecimento de janeiro aconteceu com as empresas oferecendo fortes descontos em seus produtos. O subíndice que mede os preços de produção caiu para 48,3 ante 49,8, atingindo a menor leitura desde janeiro de 2015. (Reuters - 01/02/2016)

Equador quer manter diálogo com vizinhos
Fernanda Simas
As mudanças políticas vividas em países latino-americanos, como Argentina e Venezuela, devem ser acompanhadas com cautela pelos vizinhos, mas provam que o "sistema de democracia" funcionou nas eleições, afirmou ao Estado a presidente da Assembleia Nacional do Equador, Gabriela Rivadeneira, que faz parte do mesmo partido do presidente Rafael Correa, o Alianza Pais. "Queremos sempre potencializar o diálogo e a integração, mas precisamos ver qual será a resposta". A seguir, a entrevista.
Quais as prioridades da Assembleia desde que assumiu?
Uma de nossas prioridades nesses dois anos e meio foi levar à população informação sobre as leis que estávamos elaborando. Apenas uma população bem informada é capaz de exigir o cumprimento e a garantia desses direitos. Além disso, aprofundamos tudo o que tinha relação com políticas econômicas e sociais do país.
Qual é a importância da aprovação de Lei de Terras?
Uma coisa importante é garantir o avanço da Reforma Agrária no país. Iniciamos a lei pensando na redistribuição das terras para garantir o direito à alimentação, um sistema de produção apropriado e dar aos camponeses e agricultores o título e a legalização da terra.
E a Lei do Turismo?
Para a agenda legislativa até maio de 2017, prevemos discutir leis que tratem da reativação de vários setores econômicos e produtivos da sociedade. Existe a necessidade de buscar alternativas para deixar de depender do dinheiro do petróleo. Já vivemos a queda do preço do barril. Esse é um tema que não afeta apenas o Equador, mas vários países, principalmente da América Latina. Precisamos ver de onde podem vir os investimentos. O turismo é uma parte fundamental para a economia, mas há outras leis nesse sentido. Estamos buscando alternativas.
Em dezembro, a aprovação de um pacote de emendas causou polêmica em razão da reeleição indefinida.
Aprovamos uma série de emendas que incluem a questão da transição do poder, mas não valem para a próxima eleição, em 2017. E fizemos essa ressalva para mostrar que não estamos atuando por interesse particular, mas por uma democracia real. Quando falamos de reeleição, estamos falando do poder da população equatoriana de decidir a cada quatro anos quem vai representá-la.
Como a senhora vê o momento do Equador em meio a mudanças na América Latina?
A América Latina viveu a última década de integração regional e tivemos atores fundamentais à mudança geopolítica da região. O legado dos (Fidel e Raúl) Castro em Cuba, de (Hugo) Chávez na Venezuela, de Néstor e Cristina (Kirchner) na Argentina, de Lula e Dilma (Rousseff) no Brasil, de Michelle (Bachelet) no Chile, de Evo Morales na Bolívia e em nosso país com Correa. Agora, vemos com dor como alguns países estão colocando em risco a integração. Mesmo assim, vemos como funcionou o sistema de democracia real. Na Argentina, o candidato à presidência opositor ao governo de Cristina venceu e assumiu. Na Venezuela, o governo de Nicolás Maduro garantiu a transparência nas eleições legislativas e agora a Assembleia tem maioria opositora.
A relação do Equador com a Argentina e a Venezuela continua a mesma?
Acreditamos na democracia. Queremos sempre potencializar o diálogo e a integração, mas precisamos ver qual será a resposta. Podemos continuar no caminho da integração ou voltar a uma situação de liberalismo de mercado, o que para nós significa um risco econômico à região. Sempre estaremos pensando na unidade dos povos, mas vemos eventos que mostram a virada à direita. Na Argentina, por exemplo, com as decisões do governo de cancelar milhares de contratos com funcionários públicos apenas porque atuavam em outro governo. Além disso, houve a detenção de uma parlamentar. Isso é o que nos preocupa, se continuaremos sendo uma região de paz ou se vamos voltar às tentativas da direita de controlar a sociedade. (O Estado de SP - 01/02/2016)

El desempleo y la suba de tarifas marcaron la agenda del kirchnerismo en Twitter
Hubo fuertes críticas a las últimas medidas del Gobierno para reforzar el rol de oposición
En su todavía nuevo rol de oposición, el kirchnerismo no ahorra fuertes cuestionamientos a las medidas implementadas por el gobierno del presidente Mauricio Macri en las últimas semanas. El desempleo, el achicamiento del Estado y la suba de tarifas encabezan la lista de críticas.
Uno de los más resonantes fue Aníbal Fernández, quien aprovechó su cuenta en la red social Twitter para criticar con dureza la ola de despidos en la administración pública, que ya superan los 7800. "Despidos, inflación, persecuciones y desmantelamiento a fuerza de decretos de la Argentina que tanto nos ha costado a todos...", escribió ayer el ex jefe de Gabinete.
"Despidos masivos. Un daño atroz. Un dolor interminable", agregó en otro mensaje acompañado por tres fotos de nuevos desocupados.
La gobernadora de Santa Cruz, Alicia Kirchner, tampoco dejó pasar la oportunidad, aunque no fue tan directa como Aníbal. También en Twitter, la funcionaria escribió: "Cómo se agiganta la desigualdad". Y siguió con un texto que resume los dichos del economista Joseph Stiglitz en el Foro Económico de Davos, en el que explica las consecuencias de las medidas de austeridad.
Partidaria de viralizar hashtags, en tanto, la diputada electa para el Parlasur Gabriela Cerruti acompañó sus últimos tuits en contra de los despidos con la etiqueta #BastaMacri.
Daniel Filmus, también parlamentario del Mercosur, cuestionó la "profundización del ajuste macrista" por los despidos y calificó de "aumentazo" la suba de tarifas anunciada por el gobierno nacional. (La Nación Argentina - 01/02/2016)

O segredo que faz da Alemanha a economia mais sólida do mundo
Marcelo Justo
BBC Mundo
Milagre do pós-guerra, a "economia social de mercado" alemã parece ser inabalável: superou as explosões nos preços do petróleo nos anos 1970 e 1980, o impacto da reunificação nos 1990, a recessão mundial de 2008-2009 e está passando firme pela atual crise que atinge a zona do euro.
Hoje, o país é um dos três maiores exportadores globais, tem o crescimento per capita mais alto do mundo desenvolvido e um índice de desemprego de 6,9%, bem inferior à média da eurozona, de 11,7%.
Segundo o professor Reint Gropp, presidente do Instituto Hall para a Investigação Econômica (IWH), da Alemanha, o modelo germânico se diferencia de forma muito clara do anglo-saxão dos Estados Unidos e do Reino Unido.
Mas o que faz dele algo tão particular? Quais são os segredos de seu êxito?
"É um sistema baseado na cooperação e no consenso mais do que na competência, e que cobre toda a teia socioeconômica, desde o setor financeiro ao industrial e ao Estado", explicou Gropp à BBC Mundo, serviço em espanhol da BBC.
Cooperação e capitalismo
A chamada "economia social de mercado" teve sua origem na Alemanha Ocidental do pós-guerra, que estava sob o governo democrata-cristão do chanceler Konrad Adenauer, e se manteve, desde então, como uma espécie de política de Estado.
Sebastian Dullien, economista do Conselho Europeu de Relações Exteriores, concorda que o consenso e cooperação estão presentes em todas as camadas da economia.
"No centro estão os sindicatos e os patrões, que coordenam salário e produtividade com o objetivo obter um aumento real dos rendimentos dos funcionários, além de manter os postos de trabalho. A integração é tal que, por lei, os sindicatos estão representados no conselho de administração, participam das decisões estratégicas nas empresas", afirmou.
No sistema financeiro, as cooperativas e os poderosos bancos públicos se encarregam de fazer com que o crédito alcance a todos, não importa o tamanho da empresa ou o quão distante ela fica de um centro econômico.
Essa filosofia permite superar uma das limitações do sistema anglo-saxão, no qual as pequenas e médias empresas, diferentemente das multinacionais, não têm acesso ao mercado de capitais e muitas vezes enfrentam dificuldades para se financiar.
"Os bancos públicos têm regras claras. Por exemplo: para favorecer o desenvolvimento local, podem emprestar para empresas de sua área, mas não para as de outras regiões. O governo tem representantes nestes bancos, e eles são fundamentais na tomada de decisões. Um princípio que rege sua política de crédito é a manutenção do emprego", afirma Gropp.
'Mittelstand'
Esse modelo está enraizado na história germânica.
A unificação nacional de 1871, sob Bismark, reuniu 27 territórios governados em sua maioria pela realeza e que haviam crescido rapidamente e de forma autônoma durante a Revolução Industrial.
Dessa semente histórica surgem as Mittelstand (pequenas e médias empresas), que, segundo os especialistas, formam 95% da economia alemã.
Diferentemente do modelo anglo-saxão, centrado na maximização da rentabilidade para os acionistas (objetivo de curto prazo), as Mittelstand são estruturas familiares com planos a longo prazo, forte investimento na capacitação do pessoal, alto sentimento de responsabilidade social e forte regionalismo.
"A Alemanha é especialmente forte em empresas que têm umas 100 ou 200 pessoas. Com uma característica adicional: apesar de seu tamanho, muitas dessas firmas competem no mercado internacional e são exportadoras", explica Dullien.
Exportações
Como consequência, a Alemanha tem figurado entre os três principais exportadores mundiais nas últimas décadas, uma prova da eficácia desse sistema para competir mundialmente com produtos tecnologicamente complexos, feitos por uma força de trabalho altamente qualificada e bem paga.
Enquanto o comércio mundial dominado por multinacionais que representam cerca de 60% de toda a movimentação global, na Alemanha as Mittelstand são responsáveis por 68% das exportações.
O setor automotivo, de maquinário, de eletrônicos e medicamentos estão entre seus pontos fortes.
Mas isso não se deve somente às Mittelstand.
Das 2.000 empresas com maior rendimento em todo o mundo, 53 são alemãs, entre elas marcas de grande tradição, como Bayer, Volkswagen e Siemens.
Sob o peso da reunificação, a Alemanha ganhou nos anos 1990 o apelido nada simpático de "doente da Europa".
Era consenso que um sistema com altos salários e forte participação sindical não poderia sobreviver em um mundo governado por um conceito novo, a "deslocalização".
Aproveitando-se de um mundo mais liberal e do fato de que as novas tecnologias das grandes empresas poderiam mudar de um país para outro em busca de maior rentabilidade, obtida com custos salariais menores, as empresas alemãs começaram a migrar pra outros pontos do mundo.
No entanto, no início deste século um governo social-democrata implementou uma série de reformas, classificadas por seus concorrentes de "neoliberais", para reativar a economia nacional.
O remédio funcionou - a economia voltou a crescer. Mas teve um preço: aumento da pobreza, do subemprego e do "miniemprego".
"O lado positivo é que o sistema mostrou um alto grau de adaptabilidade. Porém, as reformas da seguridade social e do mercado de trabalho aumentaram a pobreza e a desigualdade", avalia Sebastian Dullien.
Os desafios se acumulam. No curto prazo, os problemas na China afetam as exportações. No médio, a taxa de natalidade alemã não é suficiente para manter seu mercado de trabalho.
Mas não se trata unicamente de uma ameaça externa ou de uma bomba-relógio demográfica.
Um estudo do Instituto Hall mostra que, mesmo em uma economia social de mercado, a interdependência de bancos, empresas e governo pode possibilitar situações de interferência política.
De acordo com a pesquisa, os bancos do Estado emprestam consideravelmente mais durante os anos eleitorais.
"Isso requer um modelo de governo melhor, que impeça a interferência política. Acredito que o sistema precisa de mais liberalização, não é possível que um banco estatal de Frankfurt não possa emprestar para outra região", afirma Gropp, presidente do instituto.
"Estamos no meio de uma grande revolução tecnológica e a economia alemã não está respondendo como deveria porque tem uma estrutura rígida demais. O modelo foi excelente, mas é possível que seja anacrônico."
No entanto, pode ser que mais uma vez o sistema alemão lance mão de sua extraordinária flexibilidade para sustentar um modelo que procura aliar capitalismo, altos salários e plena participação da força de trabalho. (BBC - 31/01/2016)

OMC


Veja mais

Status da China na 0MC cria dilema
CAPA
Estados Unidos, União Européia e Japão podem entrarem rota decolisãocom aChina.
Eles terão que decidir se reconhecem o gigante asiático como economia de mercado a partir de dezembro, o que implicaria melhorar a competitividade de produtos chineses. (Valor Econômico - 05/02/2016)

Índia pode travar negociações na OMC
INTERNACIONAL
Comércio Brasil e China mostram engajamento, mas governo de Modi não sinaliza disposição para diálogo(Valor Econômico - 01/02/2016)

La OMC publica nuevos perfiles estadísticos sobre las cadenas de valor mundiales
La OMC ha publicado nuevos perfiles estadísticos sobre las cadenas de valor mundiales correspondientes a 61 economías. Estos perfiles, que se pueden consultar en el sitio Web de la OMC, reúnen una serie de indicadores sobre el comercio que se realiza en las cadenas de valor mundiales. www.wto.org (OMC - 28/01/2016)

Outros


Veja mais

Créditos 'podres' chineses preocupam o mundo
Nível de inadimplência de pessoas físicas e corporações da segunda maior economia do planeta atemoriza agentes financeiros, governos e analistas
por EDITORIAL
O nível de inadimplência ou atraso de pagamento de empréstimos por corporações e pessoas físicas em todo mundo, os créditos "podres", vem tirando o sono de investidores, governos e analistas — inclusive o FMI. Com forte impacto na atividade econômica, a dimensão sistêmica do problema se tornou evidente após a crise global de 2008, e nos últimos meses ganhou tons alarmantes, sobretudo na China, onde especialistas estimam que o volume de empréstimos duvidosos pode ultrapassar os US$ 5 trilhões, o equivalente à metade do PIB. Não à toa, o mercado de ações chinês vem caindo com força nos últimos meses.
A origem do problema está nas políticas expansionistas, mediante a concessão de crédito fácil, usadas por vários governos para estimular o crescimento econômico. A facilidade de acesso ao crédito, porém, acaba formando bolhas. Quando estouram, os bancos param de emprestar e elevam os juros para conter sua exposição a maus pagadores, piorando a situação econômica geral.
O Brasil é exemplar. Após anos de farra no crédito para financiar a política expansionista do governo — denominada de "nova matriz econômica" — o país agora vive uma forte recessão. E quer sair dela com mais crédito.
Nos EUA, o nível de inadimplência no setor imobiliário, um dos estopins da crise global de 2008, só começou a recuar recentemente. No setor energético, após obterem acesso a dinheiro barato, as empresas que investiram na produção de gás não convencional hoje penam para quitar dívidas com a queda dos preços do petróleo. Na Europa, o volume total de empréstimos duvidosos supera US$ 1 trilhão, e a exposição dos bancos europeus à inadimplência é um dos entraves à recuperação da economia.
Mas é a China que assombra o mundo devido ao tamanho de sua economia. O país vem deslocando sua matriz econômica dos pesados investimentos em infraestrutura para o consumo interno. Isso, porém, não evitou uma forte desaceleração, com impacto na economia global, sobretudo na de emergentes dependentes do apetite chinês por matérias-primas e commodities, o Brasil entre eles. Os investidores temem que a desaceleração chinesa tenha impacto desastroso no setor bancário, que opera em parte na sombra e encontra-se inundado por empréstimos duvidosos.
Apesar das incertezas em torno de suas estatísticas econômicas, uma analista do Autonomous Research disse ao "New York Times" que o volume total de empréstimos do mercado chinês será de US$ 30 trilhões no fim do ano. Há sete anos, esse número era de apenas US$ 9 trilhões. Segundo ela, uma expansão de tal magnitude do crédito em tão pouco tempo é inédita, com impacto no preço de ativos financeiros de todo o mundo.
Mas, apesar do fantasma chinês, o dilema continua sendo relativamente simples: a calibragem entre crescimento econômico e saúde fiscal. (O Globo - 06/02/2015)

A bela trajetória de um diplomata
TENDÊNCIAS/DEBATES
CELSO LAFER
Os artigos publicadas com assinatura nâo traduzem a opinião do jornal Sua publicação obedece ao propósito de estimular o debate dos problemas brasileiros e mundiais e de refletir as diversas tendências do pensamento contemporâneo Luiz Felipe Lampreia, quenos deixou naterça (2), foi umdiplomata degrande qualidade. Comseu talento e suas virtudes, teve destacada atuação na condução da política externa do pais.
Foi o primeiro chanceler do presidente Fernando Henrique Cardoso e, nesta condição,soube operar diplomaticamente, com competência e determinação, a visão do presidente sobre desafios e oportunidades da inserção internacional brasileira no globalizado mundo pós-Guerra Fria.
Antes, destacara-se como embaixador em Genebra, tendo tido papel de relevo no fecho das negociações multilaterais que levaram à criação da OMC (Organização Mundial do Comércio). Integrava notável geração de diplomatas, altamente representativa dos grandes quadros do pais.
Lampreia tinha muita clareza sobre a relevância da política externa para o desenvolvimento. Daí o significado que sempre atribuiu à diplomacia econômica.
Cada um de nós tem a estratégia própria de sua personalidade.
Lampreia era uma forte e afirmativa personalidade, com gosto pela vida.
Características de seu modode ser e do seu agir de diplomata foram marcantes: a nitidez na definição dos propósitos, a segurança no encaminhamento das questões, a inteligência na delegação de tarefas e responsabilidades, a capacidade de hierarquizar os assuntos e de focar no relevante, sem perder-se em minúcias.
Quem não teve a oportunidade de com ele conviver pode apreciar suas qualidades pela leitura do livro "Diplomacia Brasileira - Palavras, Contextos e Razões" (1999), no qual Lampreia comenta as posições brasileiras nas límpidas e personalíssimas notas que contextualizam seus discursos e artigos.
Ostextos comentam as formas de projetar o Brasil no plano internacional, discutem o quadro das nossas principais relações bilaterais na região e no mundo, examinam os assuntos econômicos e comerciais de grande transcendência para o Brasil, analisam os temas da pauta política multilateral e da segurança internacional.
O livro sintetiza, enfim, como Lampreia cumpriu de maneira superior não só o ofício de orientar e definir mas também o de explicar parte integrante da tarefa de um chanceler num país democrático. Em 2010, publicou "O Brasil eos Ventos do Mundo", livro de memórias em que faz uma estruturada narrativa reflexiva sobre a política externa brasileira, na perspectiva organizadora de quem dela participou em todos os estágios da carreira diplomática.
Nas cinco décadas retratadas, os ventos sopraram em vários caminhos, mas o livro indica que Lampreia não perdeu o sentido de direção, pois, em consonância com seu modode ser, não confundiu o que é acidental com o que é de fato importante para o país.
Dizia o padre Antônio Vieira: "perdem-se as repúblicas porque os seus olhos veem o que não é, e não veem o que é". Lampreia sabia ver o que é e não se atrapalhava, como tantos, com as ilusões e fumaças do que não é. Por isso, foi na condução do Itamaraty, com o repertório de seu conhecimento e de sua experiência, um eminente membro da equipe de governo da esclarecida e lúcida Presidência FHC.
Como seu amigo de longa data, parceiro de muitas jornadas, seu sucessor em Genebra e no Itamaraty, evoco com saudade, afeto e admiração a sua pessoa e a sua bela trajetória de serviços prestados ao país e à diplomacia brasileira.
CELSO LAFER. 74. é professor emérito do Instituto de Relações Internacionais da USP. Foi ministro das Relações Exteriores em 1992 (governo Coltor) e entre 2001 e 2002 (FHC). além de embaixador-chefe da missão do Brasil em Genebra (1995-1998)
-
Luiz Felipe Lampreia não perdeu o sentido de direção, nunca confundiu o que é acidental com o que é de fato importante para o Brasil (Folha de SP - 04/02/2016)

O que exatamente torna anormal a economia mundial?
NOURIEL ROUBINI
ESPECIAL PARA O PROJECT SYNDICATE, EM NOVA YORK
Desde o começo do ano, a economia mundial vem enfrentando um surto de severa instabilidade nos mercados financeiros, caracterizado por queda acentuada nos preços das ações e de outros ativos de risco.
Uma variedade de fatores está em jogo: inquietações sobre uma aterrissagem dura para a economia da China; preocupações de que o crescimento dos Estados Unidos esteja claudicando em um momento no qual o Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA) já começou a elevar as taxas de juros; temores de uma escalada no conflito entre Arábia Saudita e Irã; e sinais -especialmente com a queda abrupta dos preços do petróleo e das commodities- de severa fraqueza na demanda mundial.
E há mais. A queda nos preços do petróleo -somada à falta de liquidez no mercado, à alta no endividamento das companhias de energia dos EUA e das companhias de energia e fundos nacionais de investimento frágeis nas economias exportadoras de petróleo- está causando medo de eventos sérios no campo do crédito (calotes) e de crise sistêmica nos mercados de crédito. E há também a preocupação aparentemente incansável quanto à Europa, com uma saída britânica da União Europeia (Brexit) parecendo cada vez mais provável, enquanto partidos populistas de direita e de esquerda ganham terreno em todo o continente.
Esses riscos estão sendo magnificados por algumas tendências sombrias em médio prazo, que implicam crescimento medíocre para todos. De fato, a economia mundial em 2016 continuará a ser caracterizada por uma nova anormalidade em termos de produção, políticas econômicas, inflação e comportamento dos preços de ativos cruciais e dos mercados financeiro.
Assim, o que exatamente torna a economia mundial anormal, hoje?
Primeiro, o crescimento potencial nos países desenvolvidos e emergentes caiu devido ao peso da elevada dívida pública e privada, do rápido envelhecimento das populações (que implica maior poupança e menor investimento) e de uma variedade de incertezas que seguram os investimentos de capital. Além disso, muitas inovações tecnológicas não se traduziram em crescimento maior da produtividade, o ritmo das reformas estruturais continua lento, e a prolongada estagnação cíclica erodiu a base de capacitação da mão de obra e a de capital físico.
Segundo, o crescimento efetivo vem sendo anêmico e abaixo de sua tendência potencial, graças ao doloroso processo de redução de dívidas que está em curso, primeiro nos EUA, depois na Europa e agora nos mercados emergentes pesadamente endividados.
Terceiro, as políticas econômicas -especialmente as políticas monetárias- se tornaram mais e mais heterodoxas. De fato, a distinção entre política fiscal e política monetária está cada vez menos clara. Há dez anos, quem já havia ouvido falar de siglas como Zirp (política de taxa de juros zero), QE (relaxamento quantitativo), CE (relaxamento de crédito), FG (orientação futura), NDR (taxas negativas de depósito) ou UFXInt (intervenção cambial não esterilizada)? Ninguém, porque elas não existiam.
Mas agora essas ferramentas heterodoxas de política monetária são a norma nas economias mais avançadas -e mesmo em algumas economias de mercado emergente. E as recentes ações e indicações do Banco Central Europeu e do Banco do Japão reforçam a visão de que o futuro nos trará novas políticas heterodoxas.
Alguns alegaram que essas políticas monetárias heterodoxas -e a disparada concomitante nos balanços dos bancos centrais- representam uma forma de degradação da moeda oficial. O resultado, argumentavam esses observadores, seria inflação descontrolada (se não hiperinflação), uma alta acentuada nas taxas de juros de longo prazo, um colapso no valor do dólar dos EUA, uma disparada no preço do ouro e outras commodities, e a substituição das moedas oficiais degradadas por criptomoedas como o bitcoin.
Em lugar disso -e eis a quarta aberração-, a inflação continua baixa demais e está em queda nas economias avançadas, a despeito das políticas heterodoxas e da disparada nos balanços dos bancos centrais. O desafio para estes é tentar estimular a inflação, se não evitar diretamente a deflação. Ao mesmo tempo, as taxas de juros de longo prazo continuaram a cair nos últimos anos; o valor do dólar disparou; os preço do ouro e das commodities caíram acentuadamente; e o bitcoin foi a moeda de pior desempenho em 2014-2015.
O motivo para que a inflação ultrabaixa continue a ser problema é que o elo causal tradicional entre a oferta de dinheiro e os preços foi rompido. Um motivo para isso é que os bancos estão acumulando a base monetária adicional em forma de reservas excedentes, em lugar de emprestá-la (em termos econômicos, a velocidade do dinheiro despencou). Além disso, os níveis de desemprego continuam altos, o que confere pouco poder de barganha aos trabalhadores.
E continua a haver muita capacidade excedente nos mercados de produtos de grande número de países, com grandes hiatos de produto e baixo poder de formação de preços para as empresas (um problema de excesso de capacidade exacerbado pelo investimento excessivo da China).
E agora, depois de um imenso declínio nos preços das casas em países que passaram por um ciclo de expansão e contração, os preços do petróleo, energia e outras commodities desabaram. Podemos definir o fato como quinta anomalia -resultado da desaceleração na China, da disparada na oferta de energia e metais industriais (em consequência de sucessos na exploração e de investimento excessivo em capacidade adicional), o que debilita os preços das commodities.
O recente tumulto nos mercados deu início à deflação na bolha de ativos mundial causada pelo relaxamento quantitativo, ainda que a expansão das políticas monetárias heterodoxas possa alimentá-la por ainda mais algum tempo.
E a economia real da maioria das economias avançadas e emergentes está seriamente doente ainda que os mercados financeiros até recentemente estivessem galgando alturas inéditas, com apoio de medidas adicionais de relaxamento pelos bancos centrais. A questão é quanto tempo pode durar essa divergência entre o mundo das finanças e o mundo real.
De fato, essa divergência é um aspecto da anomalia final. O outro é que os mercados financeiros não reagiram muito, pelo menos até agora, aos crescentes riscos políticos, entre os quais os problemas do Oriente Médio, a crise de identidade europeia, as crescentes tensões na Ásia e o risco persistente de uma Rússia mais agressiva.
Uma vez mais, cabe questionar por quanto tempo pode ser sustentado esse estado de coisas -no qual os mercados não só ignoram a economia real mas desconsideram os riscos políticos.
Bem-vindo à nova anormalidade no crescimento, inflação, políticas monetárias e preços de ativos, e sinta-se em casa. Parece que viveremos aqui por um bom tempo.
Nouriel Roubini é presidente da Roubini Global Economics e professor de Economia na Escola Stern de Administração de Empresas, Universidade de Nova York. ((Folha de SP - 04/02/2016)

O modernizador
Míriam Leitão
Foi uma geração brilhante a que desembarcou no Itamaraty nos anos 1960, para sorte do Brasil. Ela começou sua carreira passando pelo trauma da ruptura com a democracia, mas fortaleceu seus valores e levou a política externa para fora daquele túnel, preparando o país para a globalização. Luiz Felipe Lampreia era um líder desse grupo de diplomatas.
Não por acaso ele chegou ao ápice da carreira, exercendo por sete anos o cargo de ministro das Relações Exteriores. Lampreia se preparou para isso. Toda aquela geração demonstrava estar treinando para exercer postos de comando na vida pública brasileira.
Eles tinham origem diversa. Alguns eram de famílias de diplomatas, alguns eram de famílias de funcionários públicos ou de profissionais liberais. Nas gestões Azeredo da Silveira, no governo Geisel, e Saraiva Guerreiro, no governo Figueiredo, eles assumiram postos- chave no Itamaraty e prepararam a Casa para uma travessia delicada e fundamental para o país: modernizar a política externa e, ao mesmo tempo, voltar aos fundamentos.
O embaixador João Augusto de Araújo Castro, que fora chanceler de João Goulart, foi sempre uma fonte de inspiração. Com ele, trabalharam alguns dessa geração. Havia outros ícones, como o próprio Rio Branco. Muito do que ajudaram a confirmar na diplomacia brasileira foi atacado durante os governos petistas, principalmente pela ação direta do Palácio do Planalto. Alguns sofreram o ostracismo. Ouvi de um deles, que havia sido deslocado para postos burocráticos no governo Lula, que ele queria fazer diplomacia e estava assinando documentos.
Muitos deles, contudo, tiveram tempo para realizar todo o seu potencial, como aconteceu com o próprio Lampreia, o embaixador Ronaldo Sardenberg, Marcos Azambuja, Roberto Abdenur e os falecidos Bernardo Pericás, Sebastião do Rego Barros e Clodoaldo Hugueney. A lista é extensa. Contudo, são muitos os talentos ligados ou formados por esta geração, desperdiçados em favor de uma política equivocada, que defendeu projetos duvidosos, como os ideais chavistas para a América Latina. Eram patrimônio do Brasil e foram postos para escanteio por burrice e por ressentimento de quem dava as cartas.
Lampreia assumiu, em 1977, o cargo de porta- voz do Itamaraty e iniciou um processo de abertura da Casa cujo significado foi muito além de ter boas relações com os jornalistas. A política iniciada por Lampreia, de abrir portas, gabinetes e assuntos aos jornalistas — à qual Bernardo Pericás, seu sucessor, deu continuidade — promoveu a aproximação do país com sua política externa através da imprensa. Num momento de divórcio da sociedade com o governo, em plena vigência do AI- 5, aquele passo foi fundamental para tudo o que se veria no país nos anos seguintes, que levou à abertura, anistia, democratização.
Foi um privilégio desembarcar no Itamaraty em 1977, e ver o início dessa abertura de portas. Até porque a Lampreia e, depois, a Pericás, devo o fato de ter conseguido permanecer cobrindo o tema, que exigia acompanhar o ministro e o presidente em viagens internacionais. A credencial que o Palácio do Planalto me negaria, por eu ter sido processada pela Lei de Segurança Nacional, era concedida pelo Itamaraty, numa forma deliberada de contornar o SNI.
Lampreia chegava cedo na sala de imprensa, para ler os jornais e se preparar para os muitos pedidos que chegariam durante a tarde e que ele responderia aos jornalistas no briefing. Por isso, passei a chegar mais cedo também. Foi quando tive longas conversas com o porta- voz, nas quais soube mais do que as últimas notícias. Nelas, fui aprendendo a lógica, os princípios e a trajetória da política externa brasileira. Havia outros grandes diplomatas com os quais uma entrevista acabava se transformando em aulas de história do país, como Rubens Ricupero, ou de comércio internacional, como Paulo Tarso Flecha de Lima e José Botafogo Gonçalves.
Como chanceler, Lampreia deixou a marca de um país que sabe do seu tamanho e importância e por isso queria se incluir no mundo globalizado. Fará uma falta enorme no debate brasileiro, mais ainda com o retrocesso recente. Para os amigos, ficou a sensação dolorida de que a conversa poderia ter continuado. (O Globo - 04/02/2016)

Ex-embaixador nos EUA lança centro de discussões sobre política externa em SP
BRASIL
O diplomata aposentado Rubens Barbosa, ex-embaixador do Brasil em Washington, lançará em São Paulo um novo centro de estudos e discussões sobre política externa e comércio exterior com o objetivo de tomá-lo uma referência nas duas áreas. (Valor Econômico - 04/02/2016)

Bndes baixa custos de financiamento a capital de giro, bens de capital e exportações
O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) está adotando um conjunto de medidas para melhorar as condições de financiamento ao setor produtivo brasileiro, com o objetivo de preservar a produção, o emprego e a renda.
Um dos focos é dar fôlego ao caixa das empresas, com possibilidade de refinanciamento de operações do Programa BNDES de Sustentação do Investimento (BNDES PSI) e ampliação do prazo de amortização para novas operações do Cartão BNDES. Outros objetivos são a ampliação da oferta de capital de giro e o aumento das exportações de bens de capital. Os custos dos financiamentos para aquisição de máquinas e equipamentos no mercado doméstico também foram reduzidos, estimulando o aumento da eficiência do sistema produtivo nacional.
O objetivo do BNDES é oferecer financiamento em condições compatíveis com os desafios das empresas, mas sem nenhum tipo de subsídio ou impacto fiscal. As novas medidas representam um potencial de volume de recursos da ordem de R$ 26 bilhões, o que não afeta o orçamento de disponibilidade do BNDES para 2016.
Refin PSI - Para dar fôlego ao caixa das empresas, poderão ser refinanciadas operações automáticas do BNDES PSI para máquinas e equipamentos. O custo será de 15,73% para todos os portes de empresas. A demanda potencial do Refin PSI é da ordem de R$ 15 bilhões.
Poderão ser renegociadas operações com até doze parcelas vincendas. As prestações renegociadas comporão novo subcrédito, que poderá ser amortizado em até 24 parcelas mensais.
Capital de giro - Para fortalecer o caixa das empresas o BNDES baixou as taxas para financiamento de capital de giro, por meio do Programa BNDES de Apoio ao Fortalecimento da Capacidade de Geração de Emprego e Renda (BNDES Progeren).
As menores taxas são para micro e pequenas empresas (com receita operacional bruta de até R$ 16 milhões/ano). Para este grupo, a redução foi de até 25%, com juros de 11,67% ao ano. Para as médias (ROB entre R$ 16 milhões e R$ 90 milhões/ano) a queda foi de cerca de 9%, com taxa de 14,71% ao ano.
Sobre esses custos incidirá ainda a remuneração do agente financeiro, livremente negociada entre as partes. O orçamento disponível do Progeren será de até R$ 5 bilhões. Essas operações podem contar com apoio do BNDES FGI - Fundo Garantidor para Investimentos, o que amplia a possibilidade dos agentes repassadores concederem financiamento.
Cartão BNDES - As micro, pequenas e médias empresas (MPMEs) foram beneficiadas também pela ampliação do prazo de amortização do Cartão BNDES, de 48 meses para 60 meses. No ano passado, os desembolsos do Cartão BNDES atingiram R$ 11,2 bilhões, com cerca de 750 mil operações contratadas.
Exportação - O Banco reduziu os custos da Linha BNDES Exim Pré-Embarque, destinada ao financiamento da produção interna de bens e serviços que serão comercializados no mercado internacional.
O objetivo é dar condições para que a indústria nacional aproveite a conjuntura cambial favorável e amplie os mercados de exportação para seus produtos de maior valor agregado. Para isso, o BNDES está disponibilizando até R$ 4 bilhões.
As taxas disponíveis do Exim Pré-Embarque tiveram redução de até 10% em relação às praticadas anteriormente, ao mesmo tempo em que foram ampliados os níveis de participação do BNDES no financiamento.
Os custos mais baixos são para os chamados bens de capital com alta externalidade, isto é, com importante cadeia de valor no País e forte esforço em inovação. Para esses equipamentos (entre os quais máquinas e implementos agrícolas e rodoviários, equipamentos para energia, máquinas-ferramenta, etc.), a taxa cobrada pelo BNDES será de 11,62% ao ano, acrescida de um spread a ser negociado entre o cliente final e o agente financeiro, com cobertura de até 70% do valor a ser exportado.
As taxas para os outros bens manufaturados, incluindo demais bens de capital, aeronaves, embarcações, caminhões, ônibus, autopeças e motores, ficaram em 13,64% ao ano, com cobertura de 50%.
Garantias com o BNDES FGI - Importante instrumento de acesso a crédito por meio da complementação de garantias em operações de financiamento, as MPMEs, os Micro Empreendedores Individuais (MEIs) e os caminhoneiros autônomos poderão contar com o FGI em suas operações de financiamento. O FGI poderá dar cobertura de até 80% do financiamento. O custo será entre 0,8% e 4,9% do valor do financiamento, variando em função do prazo e do percentual garantido contratado.
Bens de capital - O BNDES melhorou as condições dos financiamentos à aquisição de bens de capital indutores de eficiência energética. A modalidade "BK Eficiência" da linha Finame teve juros reduzidos de 10% ao ano para 9%. Além de reduzir custos, foi ampliada a lista de máquinas e equipamentos passíveis de financiamento. Para essa modalidade, o BNDES destinou R$ 2 bilhões.
Essa iniciativa se soma às medidas adotadas pelo BNDES no final do ano passado, de melhoria das condições do financiamento para a aquisição de bens de capital por meio da linha BNDES Finame.
Para esses bens de capital, inclusive agrícolas, o custo será de 9,9% ao ano, com 80% de participação do BNDES. Para a aquisição de ônibus e caminhões e para a produção de máquinas e equipamentos, o custo do financiamento do BNDES será de 11,8%. Sobre essas operações, incidirá também a remuneração do agente financeiro, negociada livremente entre o banco repassador e o cliente final, e a taxa de intermediação financeira, de 0,1% (MPMEs) e 0,5% (grande empresa). (MDIC - 03/02/2016)

Resultado da balança comercial evidencia economia em recessão
ECONOMIA
ANALISE: José Augusto de Castro
Superávit na balança comercial normalmente é percebido como um dado positivo. De fato, o saldo comercial é importante para melhorar a situação das contas externas do País. Porém, ao analisarmos os números da balança comercial de janeiro de 2016, o que se verifica é uma contínua queda da corrente de comércio (soma das exportações com as importações), que teve variação negativa de 25,9%, um tombo enorme na comparação com janeiro de 2015.
A expressiva queda das importações (35,8%) evidencia de forma dramática a forte recessão da economia brasileira, reforçada pelos elevados porcentuais de redução das compras externas de bens intermediários (-354%), que são utilizados pela indústria de transformação. O mesmo ocorre com os bens de capital (-21,8%), que são máquinas eequipamentos para modernização e expansão da capacidade produtiva da indústria nacional. A diminuição de 28,8% nas importações de bens de consumo revela a retração da demanda das famílias no mercado interno, enquanto a queda de 60,6% dos combustíveis e lubrificantes está relacionada à redução da demanda e à queda de preços do petróleo e derivados no mercado internacional.
Aumentar as exportações é a alternativa para a retomada do crescimento, da produção, do emprego e da renda diante do quadro de recessão da economia interna. Mas não é isso o que está acontecendo.
Para as exportações voltarem a crescer, não basta apenas câmbio, mas principalmente competitividade. É preciso fazer as inadiáveis reformas tributária, trabalhista e previdenciária.
A retomada do crescimento passa pela eliminação dos entraves ao investimento e, sobretudo, por previsibilidade. Sem esta, o empresário não terá a segurança necessária para buscar o mercado externo eampliar exportações. É hora de sair do discurso e tomar ações efetivas para reduzir o custo Brasil, única forma de retomar o crescimento.
Resumindo, em outras palavras, a forte redução da atividade econômica e a consequente perda de empregos domésticos têm como contrapartida expressivo superávit comercial, cujo impacto no PIB constitui uma miragem. PRESIDENTE DA ASSOCIAÇÃO DE COMÉRCIO EXTERIOR D0 BRASIL (AEB) (O Estado de SP - 02/02/2016)

Balança tem melhor janeiro desde 2007
ECONOMIA
Avaliação de especialistas é que superávit de US$ 923 milhões é reflexo da retração econômica do País, com recuo forte nas importações
Bernardo Caram
Reflexo da retração da economia, com redução das exportações e queda ainda mais forte das importações, a balança comercial brasileira registrou umsuperávit de US$923 milhões em janeiro. O saldo é o melhor para o mês desde 2007, quando ficou positivo em US$ 2,523 bilhões. Os números foram divulgados ontem pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC).
O superávit do mês passado é resultado de exportações de US$ 11,246 bilhões e importações de US$ 10,323 bilhões. O saldo foi o primeiro positivo para meses de janeiro dos últimos cinco anos. No primeiro mês de 2015, a balança comercial havia apresentado um déficit de US$ 3,173 bilhões.
O diretor de Estatística e Apoio à Exportação do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), Herlon Brandão, afirmou que o resultado da balança de janeiro está dentro do que é esperado para o ano. Segundo ele, o ministério estima que o País vai fechar 2016 com um superávit comercial de US$ 35 bilhões. Na análise de Brandão, o patamar do dólar, que teve taxa média de R$ 3,34 em 2015, certamente será superior em 2016. "Vai favorecer a exportação e encarecer as importações."
Saldo. O economista Rafael Bistafa, da Rosenberg Associados, avalia que resultado da balança brasileira em janeiro confirma que 2016 será, novamente, de saldo comercial positivo e expressivo.
Ele estima um superávit de US$ 40 bilhões este ano. "Geralmente janeiro é um mês de superávit bastante fraco, então o dado de quase US$ 1 bilhão no mês é bom e vem em linha com a notável melhora dos saldos comerciais que estamos registrando desde meados do ano passado", disse.
Bistafa ponderou que isso não significa que a economia brasileira esteja exportando mais. "É uma inversão de tendência dolorosa, resultado de uma forte retração das importações, por causa da recessão doméstica e da valorização cambial, aliada a uma retração das exportações, mas em magnitude menor", explicou.
A perspectiva, segundo ele, é de fortes superávits comerciais ao longo deste ano, principalmente a partir de abril.
No mês passado, as exportações brasileiras registraram média diária de US$ 562,3 milhões, uma queda de 13,8% em relação ao mesmo mês de 2015.
De acordo com Brandão, o mêsde janeiro apresentou um aumento de 84% na quantidade exportada, ao mesmo tempo em que houve queda de 20,4% nos preços.
No entanto, o desempenho das exportações continua decepcionante, na avaliação do Instituto de Estudos para Desenvolvimento Industrial (Iedi), teimando em não reagir mais intensamente à desvalorização da taxa de câmbio. "Ainda estão por aparecer os sinais inequívocos de que nossas exportações, em especial as de manufaturados, já estejam reagindo ao câmbio", disse, em nota.
Nas importações, houve queda tanto na quantidade (26,7%) quanto nos preços (12,4%). / COLABOROU GABRIELA LARA (O Estado de SP - 02/02/2016)

Ex-chanceler Luiz Felipe Lampreia morre aos 74 anos no Rio
O ex-chanceler brasileiro Luiz Felipe Lampreia morreu nesta terça-feira (2), no Rio de Janeiro, aos 74 anos.
Sociólogo e diplomata de carreira, Lampreia foi o primeiro chanceler do governo Fernando Henrique Cardoso, ocupando o posto de janeiro de 1995 a janeiro de 2001, quando deixou o ministério alegando razões pessoais.
Lampreia, que se tratava de um tumor no pulmão, teve uma série de complicações após uma cirurgia realizada no último dia 18. Ele morreu no Hospital Pró-Cardíaco, na capital fluminense.
Lampreia era formado em sociologia pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. Em 1962, ingressou no Instituto Rio Branco e serviu como embaixador no Suriname, em Portugal e em Genebra, onde esteve à frente da missão do Brasil junto à OMC (Organização Mundial do Comércio) e a outros organismos internacionais.
Foi secretário-geral do Itamaraty nos governos de Fernando Collor e Itamar Franco, e assumiu interinamente o ministério entre maio e julho de 1993, quando saiu o então chanceler Fernando Henrique Cardoso, e antes de Celso Amorim assumir em seu primeiro mandato.
Em nota, a presidente Dilma Rousseff disse ter recebido com profunda tristeza a notícia da morte de Lampreia. "Neste momento de grande pesar, transmito minhas condolências aos familiares e amigos do ex-ministro, recordando sua contribuição para o Brasil, ao longo de quase quatro décadas de trabalho dedicado ao serviço público", afirmou.
O Itamaraty lamentou, em comunicado, a morte do ex-chanceler, que teve "destacada atuação no tratamento de temas financeiros, econômicos e comerciais e registrou em diversas obras a sua importante experiência como diplomata brasileiro".
"Os funcionários do ministério que, no Brasil e no exterior, sempre admiraram as qualidades pessoais e profissionais do embaixador Luiz Felipe Lampreia, unem-se no sentimento de perda e dor pela partida prematura do ex-chefe, colega e amigo, e transmitem aos seus familiares os seus mais sentidos pêsames e a certeza de que a sua memória e o seu o exemplo continuarão presentes no Itamaraty, guiando-os no serviço ao país, a que o embaixador Lampreia tanto se dedicou."
"Deixa entre os funcionários do Itamaraty um exemplo de hábil negociador, sempre em defesa do interesse público e do Brasil, e a lembrança de um colega respeitado e querido", diz o texto.
O ex-chanceler e ex-ministro da Defesa Amorim também comentou, com tristeza, a morte do ex-colega, a quem "sempre teve em alta consideração". "Sucedi Luiz Felipe Lampreia como embaixador em Genebra, secretário-geral e ministro das Relações Exteriores (e vice-versa). Posso dar testemunho da elevada reputação de que gozava entre seus pares de outros países", disse, em nota.
"Lampreia e eu mantínhamos relação de respeito e lealdade recíprocos, nas várias posições que ocupamos, independentemente de nossas eventuais diferenças políticas", afirmou Amorim. Lampreia sempre foi bastante crítico à política externa do governo Lula.
Para o embaixador Marcos de Azambuja, que antecedeu Lampreia no posto de secretário-geral do Itamaraty e seguia sendo um de seus grandes amigos, o Brasil "perdeu um grande homem, um grande embaixador".
Após seis anos à frente da chancelaria brasileira, Lampreia foi, em 2001, para o Cebri (Centro Brasileiro de Relações Internacionais), think tank dedicado à política e ao comércio exterior e sediado no Rio. Agora, era vice-presidente emérito do centro.
"O Itamaraty, ao qual dediquei a maior parte de minha vida, continuará a ser, para mim, a referência fundamental. Referência de qualidade, de dedicação à causa pública, de serviço ao país", disse Lampreia, em carta, ao se despedir dos funcionários do ministério em 2001.
Lampreia deixa a mulher, Karla, três filhas e cinco netos. (Folha de SP - 02/02/2016)

Janeiro tem primeiro superávit para o mês desde 2011
Brasília (1° de fevereiro) - O primeiro mês de 2016 teve saldo positivo de US$ 923 milhões na balança comercial brasileira - resultado de exportações de US$ 11,246 bilhões (média diária de US$ 562,3 milhões) e importações de US$ 10,323 bilhões (média de US$ 516,1 milhões). Este é o primeiro saldo comercial positivo para meses de janeiro desde 2011. No mesmo período do ano passado, foi registrado déficit de US$ 3,170 bilhões. Os dados foram divulgados hoje pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC).
Em entrevista coletiva para comentar os dados, o diretor do Departamento de Estatísticas e Apoio à Exportação da Secretaria de Comércio exterior do MDIC, Herlon Brandão, disse que o resultado foi influenciado principalmente pelas exportações de aviões, produtos do setor automotivo e agrícolas, como milho - cuja exportação foi recorde de 4,5 milhões de toneladas - e soja em grão. "Em janeiro a pauta é mais concentrada em produtos manufaturados. Porém, vimos alguns destaques no grupo de básicos", disse. No mês, foram exportadas 29 mil unidades de carros, ônibus e caminhões principalmente para Argentina, México e Colômbia, países com os quais o Brasil tem acordos automotivos.
Apesar do superávit alcançado no mês, as vendas externas do país tiveram queda de 13,8%, pela média diária, em relação a janeiro de 2015, e retração de 26,3% na comparação com dezembro do ano passado. Neste mesmo comparativo, as importações decresceram 35,8%, em relação a janeiro do ano passado, e aumentaram 7,7%, na comparação com dezembro de 2015. A corrente de comércio alcançou o valor de US$ 21,568 bilhões - queda de 25,9%, pela média diária.
Brandão explicou que, no caso das exportações, o índice quantum, que mede os volumes exportados, apontou crescimento de 8,4%, na comparação com janeiro de 2015. Já os preços dos produtos vendidos caíram 20,4% na mesma comparação. "O desempenho das exportações foi claramente impactado pela queda internacional de preços, uma vez que houve crescimento nos volumes embarcados", disse.
Exportações
No mês, em relação ao mesmo período do ano passado, houve queda nas exportações das três categorias de produtos: semimanufaturados (-21,3%), básicos (-14,7%) e manufaturados (-8,3%).
No grupo dos semimanufaturados, caíram, principalmente, as vendas de ferro fundido (-67,0%), semimanufaturados de ferro e aço (-53,9%), açúcar em bruto (-45,6%), óleo de soja em bruto (-32,8%), ferro-ligas (-13,6%), e couros e peles (-12,2%). Por outro lado, cresceram as vendas de catodos de cobre (+45%), celulose (+21,9%) e alumínio em bruto (+7,3%).
No grupo dos básicos, decresceram as exportações de fumo em folhas (-45%), minério de ferro (-42,4%), café em grão (-30,2%), petróleo em bruto (-28,3%) e minério de cobre (-17,7%). Registraram crescimento os embarques de soja em grão (+341,6%), algodão em bruto (+74,8%), milho em grão (+30%, para US$ 735 milhões), carne suína (+15,2%) e farelo de soja (+8,4%).
Nos manufaturados, houve queda nas vendas, principalmente, de açúcar refinado (-45,9%), máquinas para terraplanagem (-42,9%), suco de laranja congelado (-26,3%), motores para veículos e partes (-25,3%), autopeças (-24,3%), e laminados planos (-12%). Os principais aumentos foram registrados nas exportações de aquecedor/secador e partes (1600%), automóveis (+115,9%), aviões (+49,9%), tubos flexíveis de ferro/aço (+33%), polímeros plásticos (+26,7%), e veículos de carga (+24,9%).
Por mercados compradores, decresceram as vendas para os principais destinos: Estados Unidos (-25,2%), Oriente Médio (-24,2%), América Central e Caribe (-21,8%), União Europeia (-15,9%), África (-13,6%), Mercosul (-11,3%) e Ásia (-9,3%).
Os principais compradores dos produtos brasileiros, em janeiro de 2016, foram: China, Hong Kong e Macau (US$ 1,579 bilhão); Estados Unidos (US$ 1,407 bilhão); Argentina (US$ 826 milhões); Países Baixos (US$ 668 milhões) e Japão (US$ 454 milhões).
Importações
No mesmo comparativo com janeiro de 2015, decresceram as importações de combustíveis e lubrificantes (-60,6%), bens intermediários (-35,4%), bens de consumo (-28,8%) e bens de capital (-21,8%). Brandão explicou que o grupo de "combustíveis e lubrificantes" foi influenciado pela redução nas aquisições de óleo diesel e gás liquefeito de petróleo (GLP). Também foi observada retração dos preços de carvão, gás natural, óleos combustíveis e gasolina.
No segmento dos bens de consumo, as principais quedas foram verificadas nas importações de automóveis de passageiros, equipamento de transporte não industrial, bens de consumo duráveis, bens de consumo semiduráveis e alimentos e bebidas para consumo doméstico. Entre os bens intermediários, caíram, em janeiro, as aquisições de insumos industriais básicos e elaborados, peças e acessórios para bens de capital, alimentos e bebidas para indústria e peças para equipamentos de transporte. Com relação a bens de capital, decresceram as compras de equipamentos de transporte industrial e bens de capital.
Por mercados fornecedores, em janeiro, na comparação com o mesmo período de 2015, caíram as compras originárias dos principais mercados: América Central e Caribe (-89,2%), África (-53,9%) Ásia (-39,1%) Mercosul (-38,4%), Estados Unidos (-32,3%) e União Europeia (-25,5%). Por outro lado, aumentaram as importações da Oceania (+101,2%) e Oriente Médio (+17,7%).
Em janeiro de 2016, as empresas brasileiras realizaram importações, principalmente de: China, Hong Kong e Macau (US$ 2,338 bilhões); Estados Unidos (US$ 1,641 bilhão); Alemanha (US$ 658 milhões); Argentina (US$ 487 milhões) e Itália (US$ 316 milhões). (MDIC - 01/02/2016)

Importações caem 36% em janeiro e balança tem superavit no mês
PIB brasileiro cai e mantém recessão
ISABEL VERSIANI
DE BRASÍLIA
A balança comercial brasileira fechou janeiro com um superavit de US$ 923 milhões, o primeiro saldo positivo para o mês desde 2011 e o mais elevado em nove anos.
No mês, as exportações somaram US$ 11,2 bilhões, com queda de 14% frente ao mesmo período do ano passado.
As importações, por outro lado, despencaram 36% na mesma comparação, somando US$ 10,3 bilhões. É o menor valor desde 2009, quando o país sofria os efeitos do agravamento da crise financeira internacional pós quebra do banco americano Lehman Brothers.
As importações têm sofrido o efeito da retração econômica e da alta do dólar, que fizeram encolher a demanda dos brasileiros por bens importados.
Esse ajuste das contas externas, que ocorre em ritmo mais acelerado do que o previsto inicialmente por economistas, tem sido importante para reduzir a dependência do país de capital externo.
No ano passado, o país registrou um superavit comercial de US$ 19,7 bilhões, o mais elevado desde 2011. (Folha de SP - 01/02/2016)

MDIC passa a utilizar nova metodologia para análise de dados da balança comercial brasileira
Brasília - O Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC) apresenta hoje (1) os dados da balança comercial brasileira, referentes ao mês de janeiro de 2016, utilizando uma nova metodologia para a análise de dados. As mudanças não alteram valores de exportação, de importação e, consequentemente, do saldo comercial.
A partir de agora, a Secretaria de Comércio Exterior (Secex) do MDIC vai utilizar a Classificação por Grandes Categorias Econômicas (CGCE) para fazer a análise dos dados, ao invés da Classificação Segundo o Uso e Destino Econômico (CUODE), que não tinha comparabilidade internacional. A CGCE é amplamente utilizada por organismos internacionais como Organização das Nações Unidas (ONU) e também pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).
As estatísticas comerciais divulgadas no site do MDIC já estão no novo modelo. A Secex também disponibilizou uma série história desde 1997, na metodologia CGCE, para que os usuários consigam fazer comparações utilizando a mesma base de informações.
Mudanças
A principal mudança é a forma como as categorias de produtos "bens de consumo", "bens intermediários" e "bens de capital" são divididos. Na prática, as alterações serão as seguintes: produtos classificados como "peças e partes de bens de consumo" e "peças e partes de bens de capital" serão agora incluídos dentro de "bens intermediários" e não mais em "bens de consumo" e "bens de capital", respectivamente. Essa nova forma de classificação só trará mudanças quando as categorias forem analisadas individualmente.
Além disso, houve a mudança na distribuição de países dos "Blocos e Países". A mudança mais significativa é extinção do bloco "Europa Oriental". Os países que faziam parte dele foram redistribuídos para a Ásia e Europa. A nova estrutura de blocos somente será atualizada no Sistema Aliceweb a partir de março.
Balança comercial de janeiro
O MDIC realiza, nesta segunda-feira (1º/2), às 15h30, entrevista coletiva para divulgação dos dados da balança comercial no mês de janeiro de 2016. O anúncio será realizado no auditório do edifício da Secretaria de Comércio Exterior (Secex), localizado na EQN 102/103, lote 1, Asa Norte.
Os números da balança comercial de janeiro estarão disponíveis para os jornalistas, Com Embargo, a partir das 14h50. Após às 15h, as informações estarão liberadas para divulgação. Às 15h10 a Secex disponibilizará os dados no portal do MDIC. (MDIC - 01/02/2016)

Dólar pesa menos na dívida e ajuda exportações
EMPRESAS
O dólar em alta deve prejudicar menos as companhias endividadas na moeda e ajudar mais os exportadores nos resultados do quarto trimestre de 2015. Com valor de fechamento praticamente estávelem relação aoterceiro trimestre, masuma cotação média bastante superior, o câmbio promete ser uma variável positiva na temporada de balanços que toma fôlego nesta semana. (Valor Econômico - 01/02/2016)

NOTA: O jornal Valor Econômico proibiu a clipagem das notícias por ele veiculadas. Dessa forma, as notícias aqui selecionadas devem ser acessadas pelo site do Valor, através de assinatura digital.

 
Abinee - Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica

Escritório Central: Avenida Paulista, 1313 - 7º andar - 01311-923 - São Paulo - SP
Fone: 11 2175-0000 - Fax: 11 2175-0090