DRI Clipping Semanal nº 17 - 25 a 29/04/16

Acordos


Veja mais

Admitió Malcorra posibles efectos de la crisis de Brasil
Dijo que puede afectar la economía argentina y las negociaciones entre el Mercosur y la Unión Europea
Martín Dinatale
Por primera vez desde que estalló el proceso de juicio político a Dilma Rousseff, la Argentina salió a plantear abiertamente el doble efecto negativo que tendría la profundización de la crisis en Brasil: por un lado, el fuerte impacto en la economía del país y, por otra parte, en la negociación de un acuerdo entre el Mercosur y la Unión Europea (UE).
La canciller Susana Malcorra transmitió con crudeza cómo vive el Gobierno la debacle del país vecino. "Necesitamos un Brasil fuerte para la mejora de nuestra economía", expresó. Y alertó que "una situación débil de Brasil no sería ideal para pararse frente a la Unión Europea" en la búsqueda de un acuerdo de libre comercio.
Si bien mostró extrema cautela al evaluar la crisis de Brasil, negó tajantemente que Mauricio Macri piense en avalar un pedido de cláusula democrática en el Mercosur para eventualmente desplazar al país vecino del bloque si avanza el impeachment contra Rousseff. La canciller evaluó que el Gobierno sigue "muy de cerca" el caso de Brasil, pero aclaró que no interferirá en el proceso que lleva adelante el Parlamento.
No obstante, reveló que la crisis de Brasil afecta el 40% de la balanza comercial bilateral. Por ello se buscan compensaciones en la cadena de valor comercial que amortigüen la caída de las exportaciones argentinas al país vecino.
Malcorra alertó que es "necesario un Brasil fuerte para negociar el acuerdo de libre comercio entre la UE y el Mercosur". Confirmó que el 11 de mayo ambos bloques tienen previsto el intercambio de ofertas para avanzar con el acuerdo e instó a llegar a esa meta, ya que "Europa y el Mercosur no se pueden dar el lujo de perder esta oportunidad y negar la historia común". El mensaje estuvo dirigido a Francia y a una decena de países de la UE que objetan el acuerdo por los inconvenientes que traería al agro.
Malcorra confirmó que hacia el 15 de mayo viajará a China para tratar de cerrar los acuerdos que Macri objetó en su reunión en Washington con su par chino Xi Jinping. "Estamos en una etapa de estudio para ajustar los acuerdos en función de nuestras prioridades y del financiamiento chino", dijo. El acuerdo más complejo es el referido a la construcción de las represas Kirchner y Cepernic en Santa Cruz, ya que el Gobierno entiende que "hay una adjudicación sin un proyecto técnico adecuado que hay que ajustar".
Malcorra evaluó que el polémico acuerdo por la instalación de una estación espacial en Neuquén "debe asegurar sus fines pacíficos" y no militares. La contraparte encargada del proyecto depende del ejército popular chino.
Por último, detalló que en su reciente viaje a Moscú logró acercar posiciones con Rusia para avanzar en la construcción de la represa Chiuido en Neuquén, un acuerdo firmado por Cristina Kirchner con Vladimir Putin, que el gobierno de Macri analiza "no para matar el convenio, sino para avanzar en la alianza estratégica con Rusia", dijo la canciller. (La Nación Argentina – 29/04/2016)

Pierde importancia el Mercosur, dicen en Brasil
La Federación de Industrias de São Paulo afirmó ayer que el Mercosur perdió importancia en el comercio exterior de Brasil y propuso que un eventual gobierno del actual vicepresidente Michel Temer revise el rumbo del bloque.
BRASILIA (ANSA). “El Mercosur ya representó el 16% del comercio exterior de Brasil y hoy está en menos del 9%, por eso consideramos que el Mercosur está perdiendo relevancia”, afirmó ayer el responsable del departamento de comercio exterior de la influyente Federación de Industrias de São Paulo (Fiesp), Rubens Barbosa.
Diplomático de carrera y exembajador en Estados Unidos, Barbosa recordó que fue coordinador del Mercosur en su primera época cuando estaba concentrado en la expansión del comercio y de la integración. “Eso es lo que estamos necesitando en este momento”, refirió.
Consideró que la Fiesp puede influir en el eventual gobierno de Michel Temer, que asumiría la presidencia en mayo cuando probablemente se inicie el proceso de destitución o “impeachment” contra la presidenta del vecino país, Dilma Rousseff, quien afronta un juicio político en la Cámara de Senadores.
El titular de la Fiesp, Paulo Skaf, es uno de los empresarios más próximos a Temer, con quien conversó durante varias horas el domingo último en Brasilia.
Michel Temer mantiene reuniones con políticos y empresarios para la formación de su futuro gabinete y, según versiones, Skaf figura entre los candidatos a ocupar el Ministerio de Industria.
La Fiesp cuenta con 52 unidades representativas en el estado de São Paulo, representando a 113 sindicatos de empresarios y 130.000 industrias, según los datos. (ABC Color – 29/04/2016)

Mercosur unmoved by Rousseff''s invocation of the “democratic clause”
“We respect the Brazilian constitutional process” and thus Argentina does not have plans to follow on president Dilma Rousseff announcement that she will appeal to Mercosur to implement the “democratic clause” if the impeachment process to remove the head of state from office advances in the country's Senate.
The statement belongs to Argentine cabinet chief, Marcos Peña during a hearing in Congress and follows on previous statements from the Argentine foreign ministry saying that there is no position on the issue but “closely monitor the situation with concern”.
“We understand the political situation, but we must be responsible and be respectful of the institutional process of another country; we can't assess Brazilian legislation, however we are in permanent contact with the Brazilian foreign office”, said Peña.
He added the Argentine government was following the situation with “great concern as we did when the situation in Venezuela, and to our understanding the open violation of Mercosur democratic clauses. But each country has its own processes”.
Earlier in the week and also in New York the Brazilian president repeatedly claimed there was “a coup in process” speared by the Brazilian congress, and “I would like Mercosur and Unasur to closely follow the process”, particularly to take into consideration the implementation of the 'democratic clause'.
However on Wednesday in Montevideo during a ceremony to celebrate the 25th anniversary of the Treaty of Asunción, which was the founding stone of Mercosur, the Brazilian foreign minister Mauro Vieira made a very aseptic speech about the event and did not even insinuate such a possibility.
Furthermore the Paraguayan foreign minister Eladio Loizaga pointed out that Brazil is “a consolidated democracy and we are not going to interfere” regarding the impeachment process. “Let each country, according to its constitutional norms and democratic institutions to decide what it has to decide”.
Paraguay is still licking its wounds from the 2012 situation when Mercosur imposed the 'democratic clause' following the impeachment which removed then president Fernando Lugo from office, despite following the constitutional procedure.
As to the Uruguayan government which at one point, since it holds the Mercosur chair, tried to make a statement in support of Rousseff and had no echo, is also is divided on the issue: in the cabinet apparently there is a slight majority to let events follow the constitutional track.
Even when the ruling coalition Broad Front did express support for Rousseff in a brief statement, alleging to her 'electoral legitimacy and conservative forces coup attempt', the release only helped reflect the low key, but serious, political divide in the country, because the government seems overwhelmed and unable to address the current challenges despite a majority in parliament.
It was all limited to a statement by foreign minister Rodolfo Nin Novoa who stated that Mercosur must guarantee respect for the democratic institutions of the country members. “Justice, rule of the law, legitimacy, and governance must be above political divides. We trust this will be the path for the good of Brazil and Mercosur”'.
According to Brazilian congressional sources, next 6 May the special 21 member Senate committee will vote and recommend the impeachment process to advance. The full house on 11 May, will then confirm the proposal with an absolute majority of 41 votes (fifty Senators have anticipated their support), and this means president Rousseff will be removed from office for 180 days. During that period the Senate will discuss the merits for the definitive removal, but needs a two thirds majority to confirm the initiative.
However for Rousseff and her political mentor Lula da Silva and the Workers Party, the “coup” will become effective on 11 May if the president is suspended for 180 days and vice president Michel Temer takes office as head of state.
As to Unasur since decisions must be by consensus, the position of Argentina, Paraguay, Chile, Colombia among others limits such an option. (MercoPress – 29/04/2016)

Acordo entre Mercosul e União Aduaneira da África Austral impactará exportação do Brasil
São Paulo – O Acordo de Comércio Preferencial entre o Mercosul e a União Aduaneira da África Austral (SACU), promulgado no início do mês de abril, compreendendo África do Sul, Botsuana, Lesoto, Namíbia e Suazilândia, deve aumentar a competitividade dos produtos brasileiros em países sul-africanos, segundo análise da Thomson Reuters que acaba de ser concluída. O acordo prevê a concessão mútua de preferências tarifárias, que deve aumentar a demanda de importação e exportação entre os mercados.
Para o especialista em Tratados de Livre Comércio na Área de Negócios de Comércio Exterior da Thomson Reuters, Marcos Piacitelli, “o acordo vai garantir ao Brasil maior competitividade em diversos setores, tais como automotivo, têxtil, siderúrgico, químico e de bens de capital, na qual hoje a exportação brasileira já é composta, em sua grande maioria, por bens industrializados destes mencionados segmentos”, afirma.
“Segundo dados do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, a média anual das exportações brasileiras dos últimos cinco anos supera US$ 1,5 bilhão. Isso mostra a relevância desse acordo”, finaliza.
A expectativa do mercado é que, com esta iniciativa, a SACU aumente sua participação nos resultados de comércio exterior do Brasil que, no período de 2012 a 2014 (antes do acordo), representou 11% de toda exportação nacional, segundo informações do MDIC com base nos dados da SACU de importações provenientes do Brasil.
“Somente no primeiro bimestre mais as duas primeiras semanas de março deste ano, o Brasil exportou US$ 354.244.321 milhões e importou US$79.709.694 milhões para este bloco”, finaliza.
Em levantamento realizado pela Thomson Reuters, neste ano (janeiro a março de 2016) os itens mais exportados pelo Brasil à SACU são: milho em grão e veículos em geral, entre outros. Já entres os produtos importados estão a Hulha Antracita (carvão mineral), automóveis em geral e chapas de ligas de alumínio.
“Muito se fala em exportação como um elemento chave para ajudar o Brasil a retomar uma rota de crescimento de negócios. E realmente pode ser, mas há importantes fatores a serem considerados”, alerta Menotti Franceschini, diretor de negócios de Comércio Exterior da Thomson Reuters.
“Comercio exterior é um setor de alta complexidade que é impactado por mudanças constantes (são aproximadamente 4 mudanças jurídicas e/ou tributarias afetando a gestão do comércio exterior a cada dia útil), e por isso, muitas vezes, as empresas não conseguem acompanhar tudo que poderiam e deveriam para serem mais competitivas ou evitar riscos. Esse foi inclusive um dos achados principais de uma pesquisa recente, realizada pela Thomson Reuters e KPMG em 11 países, em que o Brasil representou 38% das respostas”, alerta o executivo.
O estudo revelou que 70% das empresas ainda não utilizam os Acordos bilaterais existentes – o que mostra que, provavelmente, estão perdendo a competitividade no mercado internacional. Do total de respondentes, 79% mencionaram que os maiores obstáculos para utilização dos FTAs são as complexas regras de origem e a dificuldade para coletar documentação.
“Esses fatores podem ser facilmente gerenciados com plataformas de gestão e workflow, contudo, apenas 1/3 utiliza tecnologia de ponta para gerenciar suas atividades de comércio exterior, perdendo competitividade e deixando de seguir as melhores práticas globais”, comenta Menotti.
(Thomson Reuters/Comex do Brasil – 29/04/2016)

Brasil y Perú suscriben acuerdo de expansión económica y comercial
El ministro de Desarrollo, Industria y Comercio Exterior (MDIC) de Brasil, Armando Monteiro, y la ministra de Comercio Exterior y Turismo (Mincetur) de Perú, Magali Silva, firmarán este viernes 29 de abril acuerdos para la expansión del comercio bilateral.
Los mismos incluirán el área de compras gubernamentales, al tiempo que establecerán reglas sobre inversiones, servicios y dinamizarán la circulación de bienes y personas entre los dos países, con miras a favorecer el establecimiento de empresas.
La iniciativa se inscribe en el marco de la estrategia del gobierno brasileño para profundizar las relaciones del gigante sudamericano con los países de la cuenca del Pacífico. Además, de impulsar el programa de renovación y ampliación comercial previsto en la agenda bilateral.
El intercambio comercial entre los dos países sumó 609,0 millones de dólares en el primer trimestre del año, lo que representó una baja de 10,4% en comparación al mismo período de 2015. No obstante, las exportaciones brasileñas hacia Perú registraron un incremento de 14% en el mencionado período. En tanto, las importaciones desde ese destino decrecieron 37,9%.
Entre los principales productos de exportación brasileña hacia el país andino se incluye: tractores (15,3 millones de dólares, con una participación de 3,73% en los envíos), azúcar de caña (14,3 millones de dólares), cargadores (12,5 millones), chasis de motor diesel (11,3 millones) y aceite crudo de petróleo (11,1 millones).
Mientras que los principales productos peruanos importados por Brasil, incluye: cátodos de cobre refinado (43,4 millones, con una participación de 21,7% del total de envíos), mineral de zinc (30,4 millones), mineral de cobre (27,4 millones), fosfatos de calcio (21,7 millones) y fosfatos de hidrógeno de calcio (6,2 millones). (MarcoTradeNews – 29/04/2016)

Acordo comercial entre Mercosul e UE vai avançar, diz ministra argentina
LUCIANA DYNIEWICZ
DE BUENOS AIRES
Apesar das dificuldades em implementar um tratado de livre-comércio entre Mercosul e União Europeia, a ministra de Relações Exteriores da Argentina, Susana Malcorra, disse estar convencida de que as negociações vão progredir.
"Não estou pintando um panorama rosa, mas estou convencida de que vamos avançar", afirmou em entrevista coletiva nesta quinta-feira (28) em Buenos Aires.
A chanceler se referia à resistência dos países europeus, principalmente da França, em abrir o mercado agrícola. Em março, nove países do bloco (Áustria, Grécia, Irlanda, Polônia, Romênia, Luxemburgo, Lituânia, França e Hungria) enviaram um documento ao Conselho Europeu (que reúne os líderes dos países-membros do bloco) em que afirmavam que "qualquer troca de ofertas não deve incluir tarifas de produtos sensíveis".
Os países consideram como produtos sensíveis carnes, vegetais e frutas.
"O assunto, especialmente na França, é muito delicado. Historicamente, [a Europa] teve um esquema muito forte de subsídios [ao produtor] e uma política que tem como lógica manter a população estabelecida no campo da melhor forma possível", disse Malcorra.
As mercadorias agrícolas são as mais importantes para o Brasil no acordo, já que são essas as que o país mais exporta.
Para a ministra argentina, não será possível que todos os setores econômicos de cada país lucrem com o tratado: "A soma dos mercados é que precisa beneficiar as duas partes".
As negociações entre a UE e o Mercosul tiveram início em 1999. Após uma troca de oferta malsucedida em 2004, as negociações foram interrompidas por seis anos.
Desde a retomada das conversas, em 2010, nove rodadas de negociação foram realizadas com vistas a uma nova troca de ofertas. Países com dificuldades econômicas, como Brasil, Argentina e Uruguai, veem na iniciativa a chance de aumentar a demanda por seus produtos no exterior, uma vez que seus mercados domésticos estão deprimidos.
A oferta de cada bloco significa, em tese, o que cada um tem a oferecer em termos de tarifa zerada numa relação comercial entre eles. É a principal etapa para que um acordo seja selado. (Folha de SP – 29/04/2016)

Eurolat pide a Bruselas que inicie de inmediato las negociaciones con Mercosur
POR EFE bruselas
El copresidente de la Asamblea Parlamentaria Euro-Latinoamericana (Eurolat), Ramón Jáuregui, informó hoy de que ha solicitado a la Comisión Europea el "inicio inmediato" de las conversaciones para intentar cerrar un acuerdo de asociación entre la UE y el Mercosur en 2017.
"El acuerdo con un área tan importante económica y geopolíticamente como Mercosur es fundamental para las relaciones con América Latina", indicó el eurodiputado socialista español en una carta con fecha del 27 de abril dirigida a la comisaria europea de Comercio, Cecilia Malmström.
Jáuregui también trasladó a la comisaria su "profunda preocupación" por el bloqueo de algunos Estados miembros, que podría obstaculizar la reanudación formal de las negociaciones del pilar comercial del acuerdo (que también se basa en el diálogo político y la cooperación), "paralizadas desde 2012".
"Sé que hay diferentes posiciones a nivel del Consejo" de la UE, en el que están representados los Gobiernos de los Veintiocho, señaló.
En su opinión, las reticencias que mantienen algunos países europeos, relacionadas fundamentalmente con el sector agrícola, pueden "echar por tierra la oportunidad de que la UE se convierta en el primer socio comercial internacional del bloque formado por Brasil, Argentina, Uruguay, Paraguay y Venezuela" (este último es observador y no participa aún en la negociación con la Unión).
El eurodiputado subrayó asimismo el apoyo del Parlamento Europeo a esta negociación.
Está previsto que la UE y Mercosur intercambien a nivel técnico sus primeras ofertas de acceso a mercados desde 2004 el próximo 11 de mayo en Bruselas, tal y como se han comprometido las partes.
"Esperamos que haya una oferta seria y equilibrada por parte europea, para que podamos tener un acuerdo con el Mercosur para 2017", indicó en la misiva.
Para Jáuregui, este pacto sería "el primer gran acuerdo firmado por el Mercosur con el resto del mundo", y consideró que "si Europa pierde esta oportunidad, ciertamente Estados Unidos la aprovechará a corto plazo". "Ahora tenemos la oportunidad y no podemos desperdiciarla", concluyó. (Expansión – 28/04/2016)

Brasil assinará acordos para aumentar comércio com o Peru
Os ministros das Relações Exteriores, Mauro Vieira, e do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Armando Monteiro, assinam amanhã (29), em Lima, capital do Peru, acordos para ampliação do comércio com o país vizinho. Um dos acordos estabelecerá regras sobre investimentos, serviços e compras governamentais entre Brasil e Peru.
Será a primeira vez que o Brasil firma acordo internacional na área de compras governamentais. Está prevista ainda a assinatura de acordo para antecipação da desgravação (redução de tarifas) para alguns bens exportados pelo Brasil ao Peru. A desgravação, antes, estava prevista para 2019.
Os ministros têm reuniões com a ministra do Comércio Exterior peruana, Magali Silva, e com a chanceler do país, Ana Maria Sánchez. Segundo o Itamaraty, serão tratados com a chanceler temas da agenda bilateral e regional, como integração de infraestrutura, cooperação fronteiriça e combate ao narcotráfico.
Está será a primeira visita oficial de Mauro Vieira ao Peru. Já Armando Monteiro esteve no país em julho do ano passado. Na ocasião, foram negociados os acordos que serão assinados agora. A ida ao país é parte da estratégia do governo de aproximação com os países da Bacia do Pacífico. (Agência Brasil – 28/04/2016)

Ministro Armando Monteiro estará em missão oficial ao Peru nesta sexta-feira
Brasília (28 de abril) – O ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Armando Monteiro, e o Ministro de Relações Exteriores, Mauro Vieira, estarão nesta sexta-feira (29/4), em Lima, para missão oficial. Os ministros têm reunião com a Ministra do Comércio Exterior do Peru, Magali Silva, seguida de assinatura de acordos importantes para a expansão do comércio bilateral.
Em julho de 2015, na primeira visita do Ministro Armando Monteiro ao Peru, foi lançada uma agenda renovada e ampliada na relação comercial entre os países, que incluiu a negociação de diferentes acordos – que agora serão firmados. A iniciativa se insere no marco da estratégia governamental de aprofundar as relações do Brasil com os países da Bacia do Pacífico.
Corrente de comércio
As exportações brasileiras no primeiro trimestre de 2016 para o Peru foram de US$ 410,4 milhões, 14% acima do registrado no mesmo período de 2015 (US$ 359,8 milhões). Já as importações brasileiras do Peru atingiram US$ 199,4 milhões, 37,9% menos que o alcançado no primeiro trimestre de 2015 (US$ 321,6 milhões).
O resultado foi um superávit para o Brasil de US$ 210,9 milhões no primeiro trimestre deste ano, contra um superávit de US$ 38,2 milhões no mesmo período de 2015. A corrente de comércio somou US$ 609,9 milhões este ano, valor 10,4% menor que o registrado no trimestre de 2015 (US$ 681,4 milhões).
Principais produtos da pauta de exportação brasileira:
Tratores – US$ 15,3 milhões (participação de 3,73%)
Outros açúcares de cana – US$ 14,3 milhões (3,51%)
Carregadoras – US$ 12,5 milhões (3,05%)
Chassis com motor diesel – US$ 11,3 milhões (2,76%)
Óleos brutos de petróleo – US$ 11,1 milhões (2,73%)
Principais produtos importados do Peru:
Catodos de cobre refinado – US$ 43,4 milhões (21,79%)
Sulfetos de minério de zinco – US$ 30,4 milhões (15,24%)
Sulfetos de minérios de cobre – US$ 27,4 milhões (13,77%)
Fosfatos de cálcio – US$ 21,7 milhões (10,89%)
Fosfato hidrogeno-ortofosfato de cálcio – US$ 6,2 milhões (3,14%)
AGENDA
Missão oficial do Ministro Armando Monteiro a Lima (Peru)
28 de abril, quinta-feira
15h – Partida para Lima
18h – Estimativa de chegada em Lima (horário local)
29 de abril, sexta-feira
08h30 – Reunião bilateral com a Ministra Magali Silva
09h – Cerimônia de assinatura dos acordos
09h15 – Coletiva de Imprensa (MDIC – 28/04/2016)

Paraguay Offers Route to Russia to Open Other Mercosur Markets
Paraguay may serve as a convenient "gateway" for Russia to the markets of other Mercosur countries, head of the Paraguayan Congress Mario Abdo Benitez said.
ASUNCION (Sputnik) — Earlier this month, a delegation of Paraguayan lawmakers, headed by Benitez visited Moscow and met Russia's high-ranking officials, including Foreign Minister Sergei Lavrov and upper house speaker Valentina Matvienko. The was the first such visit in the history of the countries' bilateral ties.
"Our country can become a strategically important destination for Russian capital — not only for investment in Paraguay, but also for investments in all the countries in the Mercosur bloc. Paraguay could be the center that would help Russian products enter the bloc's market," Benitez told RIA Novosti.
The lawmaker stressed that Paraguay was located in a strategically important location in South America — between the two major markets of Argentine and Brazil.
Benitez also underscored that his country had the most stable currency on the continent. (Sputniknews – 28/04/2016)

Debatirán adhesión de Bolivia
Por EFE
La Comisión de Relaciones Exteriores de la Cámara de Diputados de Paraguay emitió un dictamen favorable al protocolo de adhesión de Bolivia al Mercosur, el bloque arancelario formado por Argentina, Brasil, Paraguay, Uruguay y Venezuela.
El protocolo de adhesión de Bolivia deberá debatirse ahora en el pleno de la Cámara de Diputados, y en caso de ser aprobado será remitido al Poder Ejecutivo para que consolide la postura favorable de Paraguay.
Este protocolo ya fue aprobado por unanimidad en el Senado paraguayo.
El titular de la Comisión, José María Ibáñez, del gobernante Partido Colorado, resaltó en un comunicado que el ingreso de Bolivia al bloque “es un gran paso en el proceso de integración de las naciones en el Mercosur, que abre un montón de posibilidades, como nuevas alternativas de negocio e integración”.
Entre estas oportunidades, destacó el rol de Bolivia como productor de gas y energía, y recordó que Paraguay se encuentra interesado en la construcción de un gasoducto que atraviese el Chaco paraguayo desde el país andino hasta una ciudad cercana a Asunción, para la redistribución de gas.
El documento fue redactado en 2012, mientras Paraguay estaba suspendido del Mercosur, debido a la violación de la “cláusula democrática” del bloque que se produjo tras la destitución del entonces presidente Fernando Lugo en un juicio político tildado de “irregular” por este bloque y por la Unasur.
El protocolo de la adhesión boliviana al bloque ha sido ratificado por Venezuela, Uruguay y Argentina.
Bolivia ya está participando de las reuniones del Mercosur como país en proceso de adhesión sin derecho a voto, aunque sí puede dar opiniones, plantear políticas, disentir y presentar sus reservas. (ABC Color – 28/04/2016)

Dictaminan a favor de Bolivia en el Mercosur
La Comisión de Relaciones Exteriores de la Cámara de Diputados, encabezada por José María Ibáñez, dio ayer luz verde al protocolo de adhesión plena de Bolivia al Mercado Común del Sur, bajo el argumento que abrirá nuevas alternativas de negocios.
“Es un gran paso en el proceso de integración de las naciones en el Mercosur, que abre un montón de posibilidades y nuevas alternativas de negocios e integración”, dijo Ibáñez.
Señaló también que Bolivia se centra netamente en la producción de energía y gas, siendo este último una gran necesidad para nuestra economía. “Es una herramienta para la diplomacia paraguaya con el fin de explorar opciones de mejoramiento de la calidad de vida de nuestro pueblo mediante relaciones políticas, económicas y comerciales con Bolivia”, sostuvo.
Añadió que el Paraguay, hace tiempo, busca negociar con Bolivia la construcción de un gasoducto que pase por el Chaco.
“Eso ayudaría a que el gas llegue a todo el país a un costo mucho más barato, porque hoy compramos gas de Bolivia mediante intermediarios, a eso le sumamos el costo del transporte terrestre, lo que encarece un 40 a 50% del costo del producto. Si tuviéramos un gasoducto sería mucho más económico y un factor de desarrollo para nuestro país”, comentó.
La adhesión de Bolivia al bloque regional ya cuenta con aprobación del Senado y ahora deberá ser analizada por el pleno de la Cámara de Diputados. (La Nación – Paraguay – 28/04/2016)

Paraguai rechaça apoio a uso de cláusula democrática contra o Brasil
A chanceleria do Paraguai divulgou uma nota nesta quarta-feira em que reforça, na prática, a disposição de bloquear discussões sobre o acionamento da cláusula democrática dos blocos regionais — Mercosul e Unasul — contra a destituição da presidente Dilma Rousseff.
O ministro paraguaio das Relações Exteriores, Eladio Loizaga, afirma que seu governo “acompanha a observância dos princípios democráticos” e “respeita o princípio de não intervenção nos assuntos internos de outros países”. Ele deixou claro que tratava especificamente do processo de impeachment de Dilma no Brasil.
“Esse é um tema que compete exclusivamente ao povo brasileiro. Eles têm uma democracia muito consolidada e nós não vamos opinar sobre isso”, afirmou Loizaga. Para o acionamento da cláusula e a suspensão temporária dos blocos, é preciso obter aprovação unânime dos países-membros. (Valor Econômico – 27/04/2016)

O impeachment e o Mercosul
Geraldo Miniuci
Há quase quatro anos, em 21 de junho de 2012, a Câmara dos Deputados do Paraguai, nos termos da constituição daquele país, formalizou perante o Senado acusação contra o então presidente Fernando Lugo por mal desempenho das funções e por crimes cometidos no exercício do cargo. Em síntese, os parlamentares alegaram que o primeiro mandatário permitiu a utilização indevida do Comando de Engenharia das Forças Armadas para promoção de ato político da juventude socialista; instigou e facilitou a invasão de terras; omitiu-se, ao, no geral, não adotar uma política eficaz contra a violência no país e, especificamente, ao não ter reagido em conflito entre camponeses e a polícia, que resultou na morte de 17 pessoas. Lugo foi ainda acusado de aderir, sem ratificação, ao Protocolo de Ushuaia, instrumento pelo qual, em caso de ruptura da ordem democrática num Estado Parte, poderão os demais Estados promover consultas entre si e agir no plano político, adotando medidas punitivas contra o Estado cujo ordenamento foi subvertido. Visto pelos parlamentares responsáveis pela acusação como instrumento que permite a violação da soberania nacional, o protocolo, no entender daquelas autoridades, não passa de documento que, sob pretexto de defender a democracia, na verdade permite aos mandatários da região protegerem-se mutuamente.
Com inusitada rapidez, o Senado paraguaio, no dia seguinte, por 39 votos contra quatro e duas abstenções, aceitou as acusações feitas pela Câmara dos Deputados e destituiu o Presidente Fernando Lugo.
Eis que o Brasil vê-se, hoje, em situação semelhante, igualmente graças a uma constituição que oferece, pela via do julgamento político, a possibilidade de destituir prematuramente presidentes eleitos. Enquanto, no Paraguai, o texto constitucional refere-se expressamente ao “juicio político” a que se submetem, por mal desempenho, o Presidente da República e outras altas autoridades, a constituição brasileira utiliza o termo “crime de responsabilidade”, permitindo assim que, na prática, se crie uma confusão entre o político e o jurídico, com o político travestido de jurídico. Além dessa diferença, porém, e da celeridade do processo no Paraguai, as semelhanças existentes sugerem, como já vem sendo aventado nos meios de comunicação, que o Brasil talvez possa vir a igualmente sofrer sanções, caso a Presidente Dilma Rousseff seja destituída.
Como se sabe, o Paraguai foi suspenso até que se realizassem novas eleições presidenciais no país. Eis a pena então aplicada por “ruptura da ordem democrática”. Tratou-se, evidentemente, de um julgamento político, feito pelos demais membros da entidade. Não há, no Mercosul, uma autoridade judiciária independente e competente para pronunciar-se sobre essa matéria. O julgamento e a aplicação da pena são da alçada dos Estados, que adotarão por consenso as medidas que julgarem politicamente cabíveis ao caso. Isso significa que o juízo a fundamentar qualquer punição não levará em conta leis ou jurisprudências, mas a conveniência, a oportunidade e o interesse político em aplicar alguma das medidas possíveis, sejam elas suspensão de direitos ou sanções econômicas.
Vê-se, portanto, que, caso o impeachment da Presidente Dilma Rousseff se concretize, não quer isso dizer que o Brasil terá o mesmo destino do Paraguai. Decisões passadas não vinculam as presentes, e para que seja possível a aplicação de medidas contra o país, será necessário que, no juízo dos tomadores de decisão de cada Estado Parte do protocolo, se considere politicamente interessante, conveniente e oportuno punir o Brasil.
Quem, dentre as demais partes do Protocolo, tomará a iniciativa de liderar a formação de um consenso para aplicar sanções contra o Estado brasileiro? Qual seria a resposta da Argentina de Maurício Macri ao impeachment de Dilma Rousseff e à ascensão de Michel Temer?
Percebe-se que não são jurídicas as questões que se colocam quando se aplica o Protocolo de Ushuaia. Não se discute o conceito de ruptura da ordem democrática, nem sua natureza ou conteúdo. Pouco importa o seu sentido: o alcance dessa noção será determinado pelo consenso dos Estados que fazem parte do Protocolo de Ushuaia, em cada caso concreto. Por isso, conforme a constelação de forças, o Protocolo pode, de fato, ser utilizado para formar alianças e contrapor-se a um determinado país, aplicando-lhe punições e realizando, assim, no interior de uma entidade, com a roupagem do discurso jurídico, o mesmo tipo de ação política que tradicionalmente sempre se realizou fora das instituições. Caso, no entanto, semelhante consenso não seja obtido, o Protocolo torna-se inoperante e não se aplicará por falta de vontade política. Geraldo Miniuci
Professor Associado do Departamento de Direito Internacional e Comparado da Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo (O Estado de SP – 27/04/2016)

Un triste cumpleaños regional
Un cumpleaños suele ser fecha de festejo. La celebración en el viejo Parque Hotel de los 25 años del Mercosur fue un triste recordatorio
Un cumpleaños suele ser fecha de festejo. La celebración en el viejo Parque Hotel de los 25 años del Mercosur, sin embargo, fue un triste recordatorio de las disidencias y dispersiones que han convertido al bloque regional en una sombra de lo que se proyectó cuando su fundación. Parlamentarios brasileños de la oposición, embarcados en el proceso de juicio político para destituir a la presidenta Dilma Rousseff, se retiraron ofendidos por no haber sido ubicados en las primeras filas de la sala ceremonial. De nada sirvió el gesto apaciguador del presidente Tabaré Vázquez de ir a sentarse con ellos en las últimas filas. Y como si no bastara esta demostración de los avatares internos que siguen ayudando a fragmentar al Mercosur, cuando el vicecanciller chavista iniciaba su discurso, diputados venezolanos opositores levantaron carteles denunciando muertes, persecuciones y falta de alimentos y medicamentos bajo el régimen del presidente Nicolás Maduro.
La admisión de los cancilleres del atraso en que se encuentra la organización y sus llamados a ponerlo al día, incluyendo liberación comercial, no bastó para ocultar la azarosa historia fútil del bloque desde su creación en 1991 hasta nuestros días. Nació por accidente. Ante un acuerdo comercial que habían alcanzado Argentina y Brasil, el gobierno uruguayo, temeroso de perder terreno en el intercambio con nuestros vecinos, buscó y obtuvo su incorporación al acuerdo. Poco después se agregó a Paraguay para darle un carácter más regional, bajo el nombre de Mercado Común del Sur. Pero jamás logró ser, no ya un mercado común, sino la más sencilla unión aduanera y zona de libre comercio, fijadas como sus primeros objetivos.
Los intereses nacionales de los dos socios mayores, en defensa de poderosos sectores de presión de sus estructuras económicas, lo impidieron desde el primer momento. Todo se agravó con la era proteccionista del kirchnerismo. Su reemplazo ahora por un gobierno serio y dispuesto a la apertura comercial es alentador pero llegó en momentos de otras dificultades. Brasil ya había caído en la grave crisis institucional y económica que actualmente lo convulsiona y en 2012 se había consumado el absurdo de incorporar como miembro pleno al gobierno de Hugo Chávez, agregándole al bloque las debilidades venezolanas. Y ahora está abierta la puerta para que entre también Bolivia, otro factor de asimetrías adicionales. No es accidental que Chile, el país más exitoso y ordenado de la región en las últimas décadas, opte por mantenerse al margen del inefectivo conglomerado, mirándolo de afuera como simbólico miembro asociado.
Por lo menos, y al revés de lo sucedido desde su fundación, hay ahora mayor aceptación de que el bloque tiene que cambiar si quiere justificar su supervivencia. El camino a que apuntan Argentina, Uruguay y Paraguay es abrir el intercambio comercial con el resto del mundo, en bloque si es posible o cada país por su cuenta como alternativa. Brasil presumiblemente acordará igual tendencia una vez que salga de su actual descalabro. Pero la ilusión de que el Mercosur renazca como panacea regional, tal como lo plantean algunos de sus gobiernos, exige que todos los países depongan intereses sectoriales internos y ordenen su propio funcionamiento, tanto para abrirse a un mundo globalizado como para liberar el intercambio dentro del bloque, objetivo básico que sigue en la sala de espera después de un cuarto de siglo. (El Observador – 27/04/2016)

Se debe asumir “política de estado” con EU
Por EFE
El Gobierno cree que el Mercosur debe de asumir una “política de Estado” en sus relaciones con la Unión Europea (UE) y de cara a las negociaciones entre ambos bloques que se estudiarán en Bruselas en mayo, dijo el canciller Eladio Loizaga.
“Hemos señalado que el Mercosur tiene que tomar ya una política de Estado en su política hacia afuera, especialmente lo que está ya programado para el 11 de mayo con la UE”, expresó Loizaga a los periodistas en la sede de la Cancillería, en Asunción.
Según Loizaga, primero se hará una presentación técnica en Bruselas el 11 de mayo “y después los cancilleres, con la opinión de los técnicos, estaríamos reuniéndonos para hacer un análisis de la oferta que va a presentar la UE”.
El Mercosur, formado por Paraguay, Argentina, Brasil, Uruguay y Venezuela, llegó a un acuerdo con la UE a comienzos de abril para llevar a cabo en mayo el intercambio de ofertas para el tratado de asociación que llevan quince años negociando.
Las negociaciones de este acuerdo de asociación se iniciaron en 1999, pero tras un infructuoso primer intercambio de ofertas de acceso a mercados en 2004 quedaron paralizadas hasta 2010, cuando las partes decidieron retomarlas en los márgenes de la cumbre euro-latinoamericana de ese año en Madrid. (ABC Color – 27/04/2016)

Sin consultas para una misión de cancilleres
Paraguay no fue consultado para formar parte de una misión de cancilleres de la Unasur, y tampoco de firmar algún pronunciamiento del Mercosur sobre el proceso de juicio político del Congreso brasileño a la presidenta del Brasil, Dilma Rousseff, informó ayer el canciller paraguayo, Eladio Loizaga, en un diálogo con periodistas.
Según el ministro de Relaciones Exteriores, la región aprendió la lección con lo ocurrido con Paraguay en 2012, cuando fue suspendido como castigo por la destitución del entonces presidente, Fernando Lugo, vía juicio político del Congreso. Loizaga dijo que “la cuestión compete exclusivamente al pueblo y a las instituciones brasileñas” y que la posición paraguaya es el respeto a la no intervención en los asuntos internos de otros países. (ABC Color – 27/04/2016)

25 años del Mercosur y muy poco para festejar
Martín Dinatale
Nadie podrá negar que en el acto de conmemoración por los 25 años de la creación del Mercosur que se hizo anteayer en Montevideo sobreabundó el folclore latinoamericano, que fue una radiografía fiel de la situación actual del bloque: un grupo regional en crisis, con una economía que no logra despegar y donde la integración regional aún es un sueño eterno.
Ante este panorama desolador poco hay para festejar en estos 25 años de vida del Mercosur . Pero las diplomacias de Paraguay, Venezuela, Uruguay, Argentina y Brasil se empecinaron en armar un festejo que rozó lo patético. En el evento hubo presidentes ausentes, pese a que en lo formal se dirá que no estaba previsto que fueran; muchas expresiones de parlamentarios peleados por enfrentamientos ideológicos; discursos setentistas y el retiro de un grupo de legisladores de Brasil del recinto del Parlasur.
Desde aquella piedra incial que comenzó a gestarse el 30 de noviembre de 1985 con la Declaración de Iguazú de los entonces presidentes de Argentina y Brasil, Raúl Alfonsín y José Sarney, respectivamente, pasando por el Tratado de Asunción de 1991 donde se adoptó el nombre Mercosur y se le dio al bloque una estructura institucional básica y se estableció un área de libre comercio, ocurrieron muchas cosas. Pero hay un hecho inequívoco que hoy empaña los festejos: el Mercosur no logró aún su unidad económica y política plena.
"Hay un hecho inequívoco que hoy empaña los festejos: el Mercosur no logró aún su unidad económica y política plena"
Por el contrario, los países miembros siguen padeciendo las diferencias internas y los avatares externos. Una mínima muestra de ello con datos del Banco Interamericano de Desarrollo (BID) indica que en 2012 hubo en el Mercosur un período de contracción de las exportaciones totales, que ese año cayeron en 2,8%. Esto refleja el estancamiento de la demanda extrazona, que comienza en ese período, y el débil desempeño de la actividad de los integrantes del acuerdo. A la vez, el informe 19 del BID señala que el comercio al interior del Mercosur tiene una elevada correlación con el ciclo económico: aumenta durante la fase expansiva y se contrae cuando se deteriora la actividad económica.
En los últimos años el Mercosur dejó de ser atractivo para muchos inversores extranjeros. En 2013 y 2014 la inversión directa extranjera en los países del bloque se redujo significativamente. Algunos economistas y diplomáticos advierten que la crisis de Brasil podría empeorar este panorama de inversión extranjera. Claro que Macri confía en que los capitales de inversión se trasladen a la Argentina por la crisis que afecta a la presidenta brasileña, Dilma Rousseff .
Pero hay, al mismo tiempo, un impacto negativo de la crisis brasilera que ya se siente fuerte en la Argentina. Si no, hay que preguntar a los empresarios de la industria automotriz argentina que redujeron casi en un 50% su actividad, ya que las exportaciones a Brasil cayeron drásticamente desde que empezó el proceso de juicio político a Rousseff. Las exportaciones argentinas dependen en un 40% de Brasil.
Desde lo político e institucional, el Mercosur tampoco muestra grandes avances luego de 25 años. Está muy lejos de tener una moneda única al estilo de la Unión Europea (UE), ni siquiera hay un pasaporte único del bloque y el Parlasur carece de peso en la toma de decisiones políticas de los presidentes. El parlamento del Mercosur aún no cuenta con todos sus miembros votados en forma directa y recién ayer pudo conformar sus comisiones de trabajo con integración equitativa por cada país. Las sesiones del Parlasur resultan ser tan insignificantes que hasta una votación escandalosa como la que hubo en el recinto hace 10 días pasó desapercibida: extrañamente votó la ausente mercodiputada y detenida en Jujuy, Milagro Sala , sin estar allí.
"El Mercosur está muy lejos de tener una moneda única al estilo de la Unión Europea y ni siquiera hay un pasaporte único del bloque"
Las negociaciones por un acuerdo de libre comercio entre el Mercosur y la UE podrían salvar el pellejo de un bloque regional devastado. Pero en las últimas horas esas negociaciones están en serio peligro de naufragar. Francia pidió que se postergue la fecha de inicio de intercambio de ofertas entre los bloques prevista para el 11 de mayo próximo en Bruselas. El tema dependerá ahora de la Comisión Europea. Pero se sabe el peso que ejerce París en la UE. No sólo eso: la administración de François Hollande sumó el apoyo de 13 países del bloque en ese reclamo y advirtió de que la oferta al Mercosur afecta a "productos sensibles" y sería considerada una "provocación" por los agricultores europeos.
Ayer, la canciller Susana Malcorra, en un intento por reanimar de terapia intensiva esas negociaciones, hizo un fuerte llamado político. "Como Mercosur estamos en un punto sin retorno con la UE. Sabemos que las propuestas iniciales son propuestas de partida que no dejarán satisfecha a ninguna de las partes, pero que servirán para luego negociar. Si no avanzamos en las negociaciones será una oportunidad perdida", dijo la canciller de Macri en el cierre del Encuentro Empresarial Iberoamericano.
¿Que le deparará al Mercosur si una vez más fracasan las negociaciones por el libre comercio con la UE? ¿Cómo reaccionará desde junio Venezuela cuando se haga cargo de la presidencia pro témpore del bloque? ¿Qué ocurrirá si finalmente Rousseff es eyectada del poder en Brasil? Apenas escasas preguntas en medio del inmenso mar de dudas en que naufraga el Mercosur con sus 25 años y poco para festejar. (La Nación – Argentina – 27/04/2016)

Francia busca trabar acuerdo de UE y Mercosur
Pidió aplazar reunión por posibles perjuicios al sector agrícola.
Ante el anuncio del relanzamiento de la negociación entre el Mercosur y la Unión Europea (UE) para conseguir un acuerdo de libre comercio ya se escuchan voces contrarias al tratado dentro del bloque europeo.
Para avanzar en el diálogo se desarrollará un encuentro el sábado 11 de mayo en Bruselas (Bélgica, donde se encuentra ubicada la sede de la UE), pero Francia pidió que se posponga la reunión.
El motivo del aplazamiento es que Francia pretende que se conozca el resultado de un estudio sobre el impacto que este acuerdo podría tener sobre el sector agrícola de los países del bloque europeo, según informó El País de Madrid.
El diario español consignó que el gobierno francés consiguió el apoyo de Polonia, Austria, Grecia, Irlanda, Hungría, Rumania, Lituania, Estonia, Letonia, Chipre, Eslovenia y Luxemburgo, que contraponen posiciones con los socios restantes, liderados por España, Alemania, Italia, Portugal, Reino Unido y Suecia.
Francia no solamente quiere aplazar la negociación; también pretende que se retiren del intercambio partidas arancelarias en el sector agrícola, donde los países del Mercosur son más competitivos que sus pares europeos. La decisión final al petitorio francés deberá ser tomada por la Comisión Europea.
El lunes, durante un seminario conmemorativo de los 25 años del Tratado de Asunción, el ministro de Relaciones Exteriores, Rodolfo Nin Novoa, confirmó la fecha de la reanudación de la negociación.
Durante su discurso indicó que "es necesario tener mayor capacidad de adaptación y reacción ante un mundo que se mueve a velocidades mayores que hace cinco lustros y nos van dejando atrás y me estoy refiriendo al corazón de todo proceso, como lo es el comercio".
Por eso, señaló que era una buena señal la reanudación del diálogo entre el Mercosur y la UE. (El Pais – Uruguay – 27/04/2016)

¿Qué festejan?
Esta semana, con sendos festejos en la sede de su "parlamento" en Montevideo y en nuestro Palacio Legislativo, se celebraron los 25 años de creación del Mercosur. Suena al menos paradójico que en el estado actual en que se encuentra el bloque se celebre algo, cuando su propia existencia está en cuestión, Brasil y Venezuela atraviesan situaciones muy complejas y las posibilidades de "relanzarlo" por enésima vez parecen escasas.
Cuando a comienzos de los noventa se creó el Mercosur las expectativas eran formidables. Se creaba un área de libre comercio muy significativa, en particular para Uruguay y Paraguay, y se abría la posibilidad de negociaciones comerciales en conjunto, en un momento en que el mundo parecía abroquelarse en las negociaciones entre actores fuertes. El lento camino que se comenzó a abrir en la década del setenta con el PEC y el CAUCE, los primeros tratados comerciales con Brasil y Argentina, respectivamente, se expandieron durante la primera administración de Julio María Sanguinetti y finalmente se plasmó, no sin dificultades, durante el gobierno de Luis Alberto Lacalle.
En el Tratado de Asunción de 1991, con decisiva participación uruguaya, se sentaron las bases de un acuerdo comercial que no político, donde cada país miembro tenía derecho a veto, donde funcionarían instituciones internas de resolución de controversias, donde se establecía una verdadera liberación para la circulación de bienes, personas y capitales y donde las posibilidades de que funcionara como una verdadera plataforma de lanzamiento al mundo en el marco de lo que en la época se denominó "regionalismo abierto" se plasmaran. Y al principio pareció que el vástago caminaba.
La década del noventa marcó la única etapa en que el Mercosur se fijó objetivos y, con sus luces y sombras, avanzó. Creció el comercio entre los países miembros y se fueron cumpliendo, razonablemente bien, los plazos fijados. La situación comenzó a cambiar a partir de la devaluación brasileña de 1999, la crisis argentina de 2001 y la uruguaya de 2002. Allí el bloque atravesó una zona de turbulencias de la que nunca se recuperaría. Argentina y Brasil, y en especial el primero, aplicaron políticas de corto plazo lesivas de los acuerdos regionales además de todo tipo de medidas para-arancelarias.
Luego se ingresa en la etapa que estamos hoy en la que los gobiernos de la región desnaturalizaron la esencia del bloque y lo convirtieron en un club de amigos que renunció a sus objetivos económicos para priorizar absurdas afinidades ideológicas. Así asistimos al patético espectáculo de que mientras en los discursos de las estériles cumbres los presidentes de los países del Mercosur se inmolaban por el mantra de la unidad latinoamericana y todo su artificioso folklore, los bienes no pasaban las fronteras nacionales, los puentes estaban bloqueados (literal y metafóricamente) y no se logró un solo tratado comercial.
Desde la suspensión de Paraguay cuando el juicio político a Lugo, donde lo político estuvo por encima de lo jurídico, al decir del expresidente Mujica, ni siquiera se sabe a ciencia cierta qué países integran realmente el bloque o cuándo se aplica y cuándo no la cláusula democrática. No existe al día de hoy politólogo, analista internacional o psicólogo que pueda explicar por qué se le aplicó al Paraguay, que actuó dentro de su Constitución, y no a la dictadura que sufre Venezuela desde hace un buen tiempo, con presos políticos y sin libertad de prensa.
Desde la perspectiva uruguaya el entreguismo de los gobiernos frentistas ha sido inadmisible. Se aceptó la formación del "parlamento" del Mercosur, una aberración por donde se lo mire, y se claudicó al aceptar el quiebre de la regla de una unanimidad, conquista fundamental de nuestro país cuando la creación del acuerdo. Hoy los tiempos marcan que el más grave error de la política exterior del Uruguay en la última década es esperar que el Mercosur resucite cuando sus posibilidades de vida son casi nulas. El tiempo perdido, que otros países aprovecharon para abrirse al mundo, no se puede recuperar, pero cuanto más demoremos en entender por dónde pasa una estrategia de inserción internacional que defienda el mejor interés nacional, seguiremos empantanados.
Los 25 años del Mercosur nos encuentran sin nada para festejar. Este aniversario debió conmemorarse de luto porque todas las esperanzas que suscitó su alumbramiento se vieron defraudadas cuando el acuerdo comercial para potenciar a cada uno de los países se convirtió en un macabro ergástulo del populismo chavista-kirchnerista. (El Pais – Uruguay – 27/04/2016)

Parlamentares brasileiros fazem protesto em reunião do Parlasul na capital uruguaia
Da Redação, com agência
Montevidéu - O Parlamento do Mercosul (Parlasul) retirou, terça-feira (26), de seu site nota assinada pelo parlamentar argentino e presidente do colegiado, Jorge Taiana, sobre o processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff.
A retirada do texto acalmou os ânimos da representação brasileira no Parlasul que, segunda-feira (25), abandonou um evento em comemoração dos 25 anos do Mercosul, em Montevidéu, no Uruguai.
A publicação que revoltou parlamentares brasileiros diz que o processo que tramita contra Dilma no Senado "é um golpe parlamentar e uma utilização forçada da lei do impeachment".
O deputado Arthur Maia (PPS-BA) questionou a autoridade do presidente do Parlasul para publicar a nota em nome do colegiado. "O senhor não tem direito de fazer manifestações pessoais em nome da instituição. Sua declaração foi leviana", disse Maia a Taiana em discurso. Segundo Maia, a nota dava a entender que a posição contrária ao impeachment era do Parlasul e não opinião pessoal do argentino.
Maia disse que pediu a Taiana que retirasse a nota do site, porque o texto "humilhou" os parlamentares brasileiros que defendem o afastamento constitucional da presidente. "O senhor pode declarar, como parlamentar, suas opiniões, mas não pode fazer isso usando o Parlasul", criticou o deputado baiano.
A publicação da nota não foi o único motivo que levou parte dos parlamentares brasileiros a se retirar da reunião. Segundo Maia, os congressistas também se incomodaram com os lugares reservados para a delegação brasileira, no fundo do local onde ocorreu o evento. "A designação dos lugares [últimas cadeiras] foi uma consequência do que Taiana disse no documento publicado no domingo. Foi uma retaliação para humilhar a delegação brasileira", disse.
O evento, que faz parte das comemorações dos 25 anos do Mercosul, terminou terça-feira O deputado Jean Wyllys (PSOL-RJ) foi um dos parlamentares que permaneceram na reunião por discordar da atitude da delegação brasileira. (Portugal Digital – 27/04/2016)

Instan a avanzar en acuerdo del Mercosur y Unión Europea
La ministra argentina de Relaciones Exteriores, Susana Malcorra, afirmó ayer que es el momento de la verdad para el futuro del acuerdo de libre comercio entre la Unión Europea y el Mercosur e instó a tomar el tren de Latinoamérica ahora, porque las señales actuales son preocupantes.
Durante el Encuentro Empresarial Iberoamericano celebrado hoy en Buenos Aires, la canciller del Ejecutivo de Mauricio Macri pidió “poner la maquinaria en marcha” para que “la alianza más natural que existe en el mundo” no se convierta en “una oportunidad perdida”.
“Las propuestas iniciales van a dejar a ambas partes insatisfechas”, reconoció, pero advirtió que “no solo hay estos dos jugadores” y que ya hay otros actores que están “dispuestos a avanzar a invertir en términos de Latinoamérica y del Mercosur en particular”.
“Cuando llega el momento de la verdad afloran las dificultades”, explicó, ya que hay “muchas cosas en común”, en las que Europa y los países del Mercosur (Venezuela, Argentina, Brasil, Uruguay y Paraguay) compiten, como en el área de agroindustria.
“Es el momento de aprovechar la oportunidad y avanzar en el acuerdo” porque “si no lo hacemos, otros lo harán”, reiteró, durante su intervención en el último panel del foro organizado por la Cámara Española de Comercio de la República Argentina y la Fundación Iberoamericana Empresarial. EFE. (Ultima Hora – 27/04/2016)

Ministro dice que cancilleres del Mercosur no irán a Brasil
El ministro de Relaciones Exteriores, Eladio Loizaga, afirmó ayer que ni la presidenta Dilma Rousseff solicitó apoyo a los países del Mercosur, y ningún canciller del bloque planteó la intención de repetir una acción como la que realizaron en junio de 2012, al venir en una comitiva a Asunción, para apoyar al presidente Fernando Lugo que estaba siendo enjuiciado políticamente.
Loizaga insistió en que no hubo propuesta alguna en tal sentido. “Yo creo que ya tienen una lección aprendida”, dijo, y aclaró que tampoco se recibió un pedido de parte de la mandataria brasileña para que los países del bloque sudamericano se expresen a favor de su gestión, ahora que el Congreso de su país decidió someterla a juicio político.
En opinión del ministro, ese es un tema que compete exclusivamente al pueblo y a la democracia brasileñas.
“Dejemos que cada país, conforme a sus normas constitucionales y su institucionalidad democrática, tome las decisiones”, resaltó.
Con relación a la posición del Gobierno paraguayo, dijo que este respeta el principio de la no intervención en los asuntos internos de un Estado.
Recordó que el juicio político por el que se destituyó al presidente Fernando Lugo en el 2012, 14 meses antes de que venciera su mandato, fue conforme a una disposición constitucional del país.
Señaló que el Gobierno del presidente Horacio Cartes fue claro en defender esta posición.
Destacó además que hoy en la región los países conviven dentro de un pluralismo. (Ultima Hora – 27/04/2016)

Mercosur: sin pena ni gloria
Danilo Arbilla
Montevideo. Sin pena ni gloria y quizás con más penas que gloria dados los números y sus más recientes performances, el Mercosur conmemoró esta semana su 25 aniversario, en acto celebrado en su sede en Montevideo (Uruguay).
Una reunión formal, pautada por dos hechos: la prudencia respecto a lo que pasa en Brasil y la protesta de los diputados opositores venezolanos en el Parlasur que enarbolaron carteles contra el gobierno de Nicolás Maduro: “En Venezuela se violan los DDHH”, “¡250,000 muertos en 16 años de gobierno!”, “Libertad de los presos políticos”, “En Venezuela hay escasez de alimentos”. Tal lo que decían algunas de las pancartas.
Respecto a lo de Brasil prudencia, mucha prudencia y silencios. Nada para sorprender, por otra parte; aun teniendo en cuenta el antecedente con Paraguay cuando el Mercosur actuó tan expeditivamente. Lo que pasa es que en aquella ocasión el que movía los hilos era Brasil y ahora es diferente. ¿O no?
Rodolfo Nin Novoa, canciller de Uruguay, que ejerce la presidencia pro tempore, al referirse al tema específico dijo: “Al respecto (‘la situación institucional que atraviesa la hermana República Federativa del Brasil’) no debemos olvidar que el Mercosur debe ser garante del respeto de las instituciones democráticas de los países que lo conformamos. Y que la justicia, la legalidad y la legitimidad deben estar por encima de posicionamientos políticos”. Como se ve amagó para un lado y para el otro pero no pateó al arco. Ni una cosa ni la otra, sino todo lo contrario.
El presidente uruguayo Tabaré Vázquez se ubicó junto con los diputados oficialistas brasileños, lo que molestó a los de la oposición. Pero no pasó de ese gesto. El canciller brasileño Mauro Viera repitió mucho “democracia”, pero nada directo con la cuestión. El canciller paraguayo, Eladio Loizaga y el vicecanciller de Argentina, Carlos Fradori, obviaron el tema. Sí hizo una pequeña referencia Alexander Yañez, vicecanciller de Venezuela quien expresó “que no se puede desconocer el poder dado por el pueblo” a Dilma, pero pasó algo desapercibida: llamaban más la atención los citados carteles de los parlamentarios opositores venezolanos.
Por supuesto nadie se refirió, ni de cerca, a esa protesta. Es notorio que el Mercosur no va a tomar ninguna medida contra Venezuela, cuyo ingreso al organismo fue por una puerta del costado —tras el atropello y suspensión de Paraguay— y violando los principios y el compromiso democrático que rigen a la Institución (Protocolo de Ushuaia), e incluso sin cumplir con otra serie de obligaciones.
Ciertamente los silencios y la complicidad respecto a lo que sucede en Venezuela, incluido el papa Francisco, tan locuaz ante otras situaciones, no termina de asombrar.
Puede que ahora la OEA, con el nuevo Secretario General, Luis Almagro, encare el tema y desempolve la Carta Democrática Interamericana. Hay disposición para ello, a diferencia de lo que pasaba durante la gestión del chileno José Miguel Insulza, pero se está a la espera de un planteo formal que ha anunciado que hará la Asamblea Nacional Legislativa venezolana, para que el tema pase al Consejo.
La Secretaría no puede actuar de oficio y tiene que haber un pedido de los miembros (gobiernos).
Sin duda se trata de una limitación de la que, junto con la actitud “prescindente” de muchos miembros, se han valido los gobiernos bolivarianos de Chávez y Maduro.
Y aquí cabe la pregunta de por qué no lo pueden plantear la Comisión de Derechos Humanos de la OEA, o la Corte Interamericana, que han emitido declaraciones, informes o dictámenes claramente condenatorio contra el gobierno venezolano, que no dejan dudas sobre la existencia de violaciones a los principios de la Carta.
El hecho es que, por ahora y mientras los venezolanos sufren, el gobierno de Maduro sigue beneficiándose de esas formalidades, de las “prescindencias” y de la complicidad de sus socios y correligionarios “progresistas”.
El autor es periodista uruguayo. Fue presidente de la Sociedad Interamericana de Prensa. (La Prensa – Venezuela – 27/04/2016)

García-Margallo: es “extraordinariamente urgente” abrir negociaciones de Mercosur con la EU
Así lo expresó el ministro de Relaciones Exteriores de España, José Manuel García-Margallo, en el marco de la inauguración del Foro de la Alianza de Civilizaciones que se celebra en Bakú, Azerbaiyán.
Para el funcionario español la posición española no coincide con la francesa, que plantea eventuales perjuicios para los sectores agrícolas. En ese sentido, García-Margallo aseguró que cualquier estudio de impacto se puede realizar en paralelo a las negociaciones.
“Ahí se estudiará cuáles son los perjuicios concretos para cada uno de los sectores agrícolas”, señaló el ministro al tiempo que se refirió a los avances que realizó el presidente estadounidense Barack Obama en Alemania respecto al acuerdo de comercio e inversión entre EU y la UE.
Hace una semana, según explica el Ministerio, trece países europeos, entre ellos Francia, Austria y Grecia, solicitaron a la UE excluir productos agrícolas considerados sensibles, como lácteos o carnes, de los futuros intercambios de ofertas con Mercosur.
Según García-Margallo “sería lamentable que las negociaciones con Mercosur quedasen empantanadas” ante la posibilidad de “cerrar el Atlántico” y crear un gran área de libro comercio que incluya a importantes países como Argentina, Brasil, Uruguay y Paraguay.
El alto funcionario destacó que para España es capital América Latina y, en ese sentido, aseguró que Mercosur es capital dentro de la región, complementando la visión estratégica española de “cerrar el espacio atlántico”.
Cabe recordar que la Mercosur y la UE se comprometieron a concretar el intercambio inicial de ofertas en la segunda semana de mayo, precisamente el día 11 de mayo, en un nuevo intento por desbloquear las negociaciones iniciadas en 1999 y avanzadas virtualmente en los últimos cuatro años. (MarcoTradeNews – 27/04/2016)

Argentina, a favor de un acuerdo de libre comercio entre Mercosur y la EU
LA MINISTRA CANCILLER SUSANA MALCORRA SE MANIFESTÓ A FAVOR Y DIJO: "ESTAMOS EN UN MOMENTO EN EL QUE SI NO LOGRAMOS AVANZAR EN SERIO Y ENTENDER QUE LAS PROPUESTAS INICIALES SON DE PARTIDA, QUE VAN A DEJAR A AMBAS PARTES INSATISFECHAS, ESTO VA A SER LA OPORTUNIDAD PERDIDA".
Fue durante el Encuentro Empresarial Iberoamericano, organizado por la Fundación Iberoamericana Empresarial (FIE) y la Cámara Española de Comercio de la República Argentina.
La canciller pidió a autoridades del Mercosur y la UE que "tomen el tren de la oportunidad ya, porque si no los costos serán mayores", y subrayó que "en este siglo XXI no es pensable en ningún país, que se pueda trabajar solo".
Por su parte, el embajador de la Unión Europea en Argentina, Ignacio Salafranca, dijo que “llegó el tiempo de proceder a un intercambio de ofertas entre la UE y el Mercosur”, hecho que se concretaría en un encuentro que se llevará a cabo durante la segunda semana de mayo próximo.
El diplomático europeo sostuvo que si bien “hay sensibilidades en ambas partes”, “sólo 10% de los productos son los que se consideran sensibles” para los bloques y se encuentran en instancia de mayor discusión.
“El tren está en la estación: no podemos ni debemos perderlo”, instó Salafranca al participar también del Encuentro Empresarial Iberoamericano.
En su exposición, Malcorra sostuvo que "la integración es definitivamente la forma en la cual se puede lograr la expansión y el desarrollo del mundo al que todos aspiramos".
Al respecto, remarcó que "la política que el presidente Mauricio Macri definió es fundamental: no hay otra posibilidad para Argentina que una integración con el mundo, madura, en la cual el país se pare desde sus fortalezas y perspectivas, pero reconociendo las de los otros".
"Una integración que nos posicione en el siglo XXI", dijo la ministra, quien no obstante reconoció que "es fácil de decir, pero no tan fácil de hacer".
En un aspecto más general, Malcorra sostuvo que "la dicotomía Atlántico-Pacífico es equivocada", y subrayó que el presidente "Macri cree en todas las formas de integración que nos lleven al mundo en su totalidad".
"No hay confrontación, ni dicotomía entre mirar hacia el Pacífico y también hacia el Atlántico", agregó la canciller.
Consideró que "es innegable que la proyección hacia el Pacífico tiene oportunidades estratégicas muy grandes y hay que aprovecharlas", pero remarcó que "uno tiene que vivir en su vecindario y las oportunidades máximas se dan con los vecinos, que acá es el Mercosur".
En ese sentido, afirmó que "el Mercosur es una promesa que no llegó a su punto máximo", y destacó que hay "tareas pendientes que no se concretaron".
De todos modos, estimó que "si la integración se hace de manera completa, habrá una potenciación del Mercosur".
"El primer círculo es el Mercosur, el segundo es Latinoamérica, el tercero es claramente la Iberoamérica, y el cuarto es la Europa completa", enumeró Malcorra, quien evaluó que "estamos en un punto sin retorno de una integración entre el Mercosur y la Unión Europea".
A su turno, Salafranca, tras afirmar que “la Unión Europea es el principal bloque exportador de bienes y servicios a nivel mundial, y el segundo bloque importador”, reconoció que la economía del Viejo Continente “está en problemas, afronta una crisis”, pero “no es un proyecto declinante ni languideciente”.
“He venido trabajando muchos años en el diálogo con Latinoamérica. Nuestros acuerdos, a diferencia de lo que pueden proponer otras potencias, son de asociación política, basados en los valores, incluyendo la cláusula democrática”, subrayó el embajador.
Remarcó que la Unión Europea tiene “acuerdos de ese tipo con México, Chile, Colombia, Ecuador y Centroamérica”, pero aseguró que “la asignatura pendiente es el acuerdo con Mercosur”.
Explicó que el diálogo entre ambos bloques “se retrasó 20 años”, y añadió que una vez iniciado “se suspendió en 2004”.
Señaló que “en 2013 se reflotó” la conversación, pero se lamentó porque “no prosperó en ninguna de las cumbres entre la Celac (Comunidad de Estados Latinoamericanos y Caribeños) ni de Santiago de Chile, ni de Bruselas (Bélgica)”.
Sin embargo, destacó que “en octubre del año pasado hubo un intercambio de información” entre ambos bloques, y subrayó que “en abril último se convino que el intercambio de ofertas tendrá lugar en la segunda semana de mayo”. (Télam – 26/04/2016)

Mercosul defenderá institucionalidade, assegura chanceler uruguaio
Por Juan Carlos Díaz Guerrero
Montevidéu, 26 abr (Prensa Latina) O ministro de Relações Exteriores do Uruguai, Rodolfo Nin Novoa, assegurou ontem que o Mercado Comum do Sul (Mercosul) agirá de maneira incansável para defender a institucionalidade e democracia dentro do bloco de integração.
Em clara referência à situação institucional que atravessa o Brasil, o funcionário sublinhou que não se deve esquecer que o Mercosul é "garantidor do respeito às instituições democráticas dos países que o compõem".
A justiça, a legalidade e a legitimidade devem estar acima de posicionamentos políticos, afirmou ao inaugurar em Montevidéu o seminário "Reflexões e desafios para o Mercado Comum do Sul aos 25 anos do Tratado de Assunção".
Novoa enfatizou que a partir da presidência pró tempore, que atualmente é ocupada pelo Uruguai, "agiremos incansavelmente nesse sentido, defendendo a democracia, a ordem institucional e a defesa dos valores fundadores do bloco".
Confiamos em que se seguirá o caminho adequado pelo bem do Brasil e do Mercosul, afirmou.
A Câmara de Deputados brasileira abriu na semana passada um processo de julgamento político contra a presidenta Dilma Rousseff, que a própria mandatária qualificou de golpe de Estado ao não ter fundamentos jurídicos nem provas acusatórias legítimas.
O Mercado Comum do Sul surgiu em 1991 com a assinatura do Tratado de Assunção e é integrado pela Argentina, Brasil, Paraguai, Uruguai e Venezuela como membros plenos, e Bolívia que está em processo de adesão.
Sobre este último país, Nin Novoa assinalou que se converterá na sexta nação membro do Mercosul, e avaliou que "a agenda de ampliação não deve parar".
Felicitou a Bolívia pelo profissionalismo e espírito construtivo com os quais encarou as negociações da adesão, e assegurou que se farão todos os esforços técnicos e políticos para concretizar essa adesão plena o mais rápido possível.
O Chanceler uruguaio apontou que desde o surgimento do bloco muitas coisas mudaram até hoje e "devemos aprender muito com o caminho percorrido", e se referiu ao contexto histórico de 25 anos atrás: "era outro mundo, a nível político nossos países respiravam o ar de retorno à democracia", comentou.
Nin Novoa reconheceu que o modelo de integração escolhido há um quarto de século "não pode ser imutável" e chamou a se adaptar à realidade, aprender com os erros, modificar o que for necessário para manter a credibilidade dos processos.
Uruguai exorta a trabalhar em prol da "integração mercosulina", mas com a coragem política de desenvolver novos instrumentos, afirmou.
Toca-nos refletir sobre o que temos feito bem ou mal, mas é necessário ter maior capacidade de adaptação, enfatizou, e apontou que "o coração de todo processo de integração é o comércio".
No seminário "Reflexões e desafios para o Mercado Comum do Sul aos 25 anos do Tratado de Assunção", participaram o presidente uruguaio, Tabaré Vázquez, e ministros, vice-ministros e representantes dos Estados-membros e partes do Mercosul. (Prensa Latina – 26/04/2016)

Margallo considera "urgente" abrir las negociaciones entre Mercosur y la EU
Bakú, 26 abr (EFE).- El ministro español de Exteriores en funciones, José Manuel García-Margallo, consideró hoy "extraordinariamente urgente" abrir las negociaciones de Mercosur con la Unión Europea y añadió que una vez empezado ese diálogo, "es posible resolver los problemas que Francia plantea".
El ministro español de Asuntos Exteriores en funciones, José Manuel García-Margallo, durante su intervención en el Foro de la Alianza de Civilizaciones que se celebra en Bakú (Azerbaiyán).
Bakú, 26 abr (EFE).- El ministro español de Exteriores en funciones, José Manuel García-Margallo, consideró hoy "extraordinariamente urgente" abrir las negociaciones de Mercosur con la Unión Europea y añadió que una vez empezado ese diálogo, "es posible resolver los problemas que Francia plantea".
García-Margallo hizo estas declaraciones a los periodistas tras su participación en el acto de inauguración del Foro de la Alianza de Civilizaciones que se celebra en Bakú, la capital de Azerbaiyán.
El ministro, que dijo que la posición española no coincide en este caso con la francesa, aseguró que cualquier estudio de impacto se puede hacer en paralelo a las conversaciones de manera que no se condicione el inicio de las negociaciones a este proceso.
"Ahí se estudiará cuáles son los perjuicios concretos para cada uno de los sectores agrícolas", añadió.
Recordó que el presidente estadounidense, Barack Obama, ha estado en Alemania y que quiere hacer llegar el acuerdo de comercio e inversiones de EEUU y la UE y "sería lamentable que las negociaciones con Mercosur quedasen empantanadas".
"Si lo hacemos en paralelo podremos cerrar el Atlántico, crear un área de libre comercio en todo el Atlántico, incluyendo países tan importantes como Argentina, Brasil, Uruguay y Paraguay", explicó.
Consideró importante abrir esas conversaciones porque a partir de verano asumirá la presidencia temporal Venezuela, que no forma parte de las negociaciones de Mercosur.
"Si esto ya está avanzado y maduro, es verosímil que Paraguay continúe llevando el liderazgo", subrayó.
García-Margallo dijo que para España es capital América Latina y que Mercosur (Brasil, Argentina, Uruguay y Paraguay) es capital dentro de la región y complementaria a la visión de España de "cerrar el espacio atlántico".
La UE y Mercosur se han comprometido a efectuar un intercambio inicial de ofertas en la segunda semana de mayo, de cara a desbloquear unas negociaciones estancadas en el capítulo económico del acuerdo de asociación, que iniciaron en 1999 y sufrieron un parón de seis años en 2004.
Hace una semana trece países europeos, entre los que figuran Francia, Austria y Grecia, pidieron a la Unión Europea que excluya los productos agrícolas "sensibles", como los lácteos o las carnes, de los futuros intercambios de ofertas con Mercosur, al opinar que su inclusión tendría efectos negativos.
El asunto se trató en el marco de un Consejo de Ministros europeos de Agricultura, a petición de Austria, Chipre, Estonia, Francia, Grecia, Hungría, Irlanda, Letonia, Lituania, Luxemburgo, Polonia, Rumanía y Eslovenia. (Diario Las Americas – 26/04/2016)

Consideran “urgente” abrir las negociaciones entre Mercosur y la EU
Por EFE
BAKÚ. El ministro español de Exteriores en funciones, José Manuel García-Margallo, consideró “extraordinariamente urgente” abrir las negociaciones de Mercosur con la Unión Europea.
Añadió que una vez empezado ese diálogo, “es posible resolver los problemas que Francia plantea”.
García-Margallo hizo estas declaraciones a los periodistas tras su participación en el acto de inauguración del Foro de la Alianza de Civilizaciones que se celebra en Bakú, la capital de Azerbaiyán. El ministro, que dijo que la posición española no coincide en este caso con la francesa, aseguró que cualquier estudio de impacto se puede hacer en paralelo a las conversaciones de manera que no se condicione el inicio de las negociaciones a este proceso.
“Ahí se estudiará cuáles son los perjuicios concretos para cada uno de los sectores agrícolas”, añadió.
Recordó que el presidente estadounidense, Barack Obama, ha estado en Alemania y que quiere hacer llegar el acuerdo de comercio e inversiones de EEUU y la UE y “sería lamentable que las negociaciones con Mercosur quedasen empantanadas”.
“Si lo hacemos en paralelo podremos cerrar el Atlántico, crear un área de libre comercio en todo el Atlántico, incluyendo países tan importantes como Argentina, Brasil, Uruguay y Paraguay”, explicó.
Consideró importante abrir esas conversaciones porque a partir de verano asumirá la presidencia temporal Venezuela, que no forma parte de las negociaciones de Mercosur.
“Si esto ya está avanzado y maduro, es verosímil que Paraguay continúe llevando el liderazgo”, subrayó.
García-Margallo dijo que para España es capital América Latina y que Mercosur (Brasil, Argentina, Uruguay y Paraguay) es capital dentro de la región y complementaria a la visión de España de “cerrar el espacio atlántico”.
La UE y Mercosur se han comprometido a efectuar un intercambio inicial de ofertas en la segunda semana de mayo, de cara a desbloquear unas negociaciones estancadas en el capítulo económico del acuerdo de asociación, que iniciaron en 1999 y sufrieron un parón de seis años en 2004.
Hace una semana trece países europeos, entre los que figuran Francia, Austria y Grecia, pidieron a la Unión Europea que excluya los productos agrícolas “sensibles”, como los lácteos o las carnes, de los futuros intercambios de ofertas con Mercosur, al opinar que su inclusión tendría efectos negativos.
El asunto se trató en el marco de un Consejo de Ministros europeos de Agricultura, a petición de Austria, Chipre, Estonia, Francia, Grecia, Hungría, Irlanda, Letonia, Lituania, Luxemburgo, Polonia, Rumanía y Eslovenia. (ABC Color – 26/04/2016)

Paraguay exige el fin de las trabas en el Mercosur
“Pasemos del discurso a la acción y retornemos al sueño de la sólida integración económica y comercial, que inspiró la creación del Mercosur hace ya 25 años, y que sigue esperando su definitiva consagración”, dijo ayer el canciller nacional Eladio Loizaga, en Montevideo. Fue en el seminario “Reflexiones y Desafíos a 25 años de la firma del Tratado de Asunción”, que organizó el Gobierno del Uruguay, país que ejerce la presidencia pro témpore del Mercosur, un mes después de cumplirse 25 años del bloque regional.
En el evento asistieron el presidente uruguayo, Tabaré Vázquez; los ministros de Relaciones Exteriores de los estados parte del Mercosur y el expresidente del Banco Interamericano de Desarrollo (BID) Enrique Iglesias.
Loizaga señaló, en otro momento de su discurso, que en Paraguay se llevó a cabo a finales del mes pasado el denominado simposio que se denominó “El futuro del Mercosur”. En el foro los especialistas invitados expusieron, por ejemplo, “lo impostergable de limpiar” el Mercosur de las restricciones no arancelarias que aún quedan. Según Loizaga, es la “única vía para lograr una adecuada circulación de mercancías y de recuperar la confianza de la comunidad internacional, así como el libre tránsito que facilite el comercio”.
El Mercosur nació el 26 de marzo de 1991 con la firma del Tratado de Asunción, que enunció el ambicioso propósito de conformar un mercado común (libre circulación de bienes, servicios y factores de producción) y de poner en coordinación las macroeconomías. (ABC Color – 26/04/2016)

França tenta barrar acordo comercial entre União Europeia e o Mercosul
Países do bloco europeu denunciam manobras de Paris para proteger a agricultura europeia
Claudi Pérez \ Miguel González
A França está tentando barrar as negociações para um acordo de livre comércio entre a União Europeia e o Mercosul, o bloco que reúne Brasil, Argentina, Uruguai, Bolívia e Paraguai (além da Venezuela, que não participa das negociações) e que representa mais de 80% do PIB da América do Sul, segundo apontam vários membros da UE e confirma a Comissão Europeia. A troca de ofertas, que representa o início da negociação formal, está marcada para a segunda semana de maio, mas a França já pediu que o encontro seja adiado até que se conclua um estudo sobre o impacto que as concessões neste ou em outros acordos comerciais teriam sobre o setor agrícola da União.
A França, que conseguiu o apoio de mais 12 países da União Europeia (Polônia, Áustria, Grécia, Irlanda, Hungria, Romênia, Lituânia, Estônia, Letônia, Chipre, Eslovênia e Luxemburgo), opõe-se aos demais membros, liderados por Espanha, Alemanha, Itália, Portugal, Reino Unido e Suécia. Em carta dirigida à Comissão no dia 7 de abril, o bloco liderado por Paris advertiu que a proposta ao Mercosul afeta “produtos sensíveis” e que seria considerada uma “provocação” pelos agricultores europeus. O presidente francês, François Hollande, expressou seu apoio a essa negociação em uma recente visita a Uruguai e Argentina, no fim de fevereiro. Mas o conflito com os agricultores – que inclui novos ataques contra caminhões carregados de vinho espanhol – poderia obrigar o Executivo francês a manter uma posição mais defensiva, apesar das promessas do presidente.
A Comissão espera que a situação não se complique mais. Vários países protestaram através dos ministros de Agricultura, mas ao mesmo tempo “o Conselho deu um mandato negociador com um amplíssimo apoio”, aponta um porta-voz. “Não serão eliminadas as tarifas em todos os produtos, mas se trata de um acordo de base ampla, não só agrícola, e o objetivo é encontrar um enfoque ambicioso e equilibrado, que permita seguir adiante e, ao mesmo tempo, leve em conta as diferentes sensibilidades que se tornaram evidentes ao longo deste processo”, diz a mesma fonte.
O objetivo de Paris não é só retardar a troca de ofertas, mas também excluir os contingentes tarifários no setor agrícola, em que os países sul-americanos são mais competitivos. Fontes diplomáticas espanholas temem que a negociação fracasse se a tese francesa prevalecer: o acordo perderia atrativo para os países sul-americanos, que baseiam suas exportações à UE em produtos básicos ou semifaturados. O que se sabe até agora é que algumas das exigências de Paris podem ser acatadas: o consumo de carne bovina chega a 7,8 milhões de toneladas, mas a proposta da Comissão poderia incluir um máximo de 78.000 toneladas: apenas 1%.
A decisão final cabe à Comissão, que deve ouvir a opinião dos Estados membros e não consegue fechar um acordo que já demora vários anos. Em 27 de novembro, os ministros do Comércio dos 28 países da UE deram luz verde para o início das negociações, apesar da oposição da França, que alegou que a oferta do Mercosul só cobria 87% das linhas tarifárias e não 89% como se exigia. “Ficou claro que uma ampla maioria de Estados quer essa troca de ofertas e confiemos que a Comissão tomará a decisão correta”, declarou o secretário de Estado de Comércio espanhol, Jaime García-Legaz.
As negociações entre UE e Mercosul emperraram em 2012 e só se falou em retomá-las em junho do ano passado, na Cúpula UE-CELAC (Comunidade de Estados da América Latina e do Caribe) em Bruxelas. A chegada ao poder do novo presidente argentino, Mauricio Macri, firme partidário do acordo, deu um impulso decisivo às negociações.
Depois de perder a batalha na reunião de responsáveis pelo Comércio, a França manobrou através dos ministros da Agricultura, segundo as fontes consultadas, com o objetivo não só de adiar a troca de ofertas, como também de excluir os contingentes tarifários no setor agrícola, o que significa um retrocesso em relação à proposta apresentada pela UE em 2004. Por enquanto, conseguiu que seja realizado o estudo sobre o impacto na agricultura europeia não só das negociações com o Mercosul, mas também do recente acordo com o Canadá ou do que se negocia com os Estados Unidos (TTIP), previsto para setembro.
A Espanha receia que, se a negociação for barrada agora, vai se perder uma oportunidade de ouro e a América do Sul pode ficar desvinculada das grandes áreas de livre comércio que se estão configurando em torno dos acordos que a UE e os Estados Unidos negociam entre si e com os países do Pacífico. (El País – Bruxelas - 26/04/2016)

Escándalo en el acto por los 25 años de la creación del Mercosur
Los delegados de Brasil se fueron y sólo un presidente asistió; queja venezolana
Martín Dinatale
Una ausencia de cuatro de los cinco presidentes invitados, el retiro del recinto de la mayoría de los parlamentarios de Brasil, la queja en masa de los representantes de Venezuela y la admisión generalizada de que aún falta mucho por hacer. Peor escenario no podía haberse dado ayer para conmemorar el 25° aniversario de la creación del Mercosur.
La ceremonia por las bodas de Plata del bloque regional se hizo en el recinto del Parlasur en Montevideo. Pero resultó ser toda una radiografía de la debacle que existe en estos días en el Mercosur. Es decir, el acto fue un espejo de la realidad del bloque: países enfrentados ideológicamente, diferencias a la hora de establecer acuerdos y la imagen de una economía general que no despega.
Ayer estaban invitados todos los presidentes del Mercosur a Montevideo para conmemorar el aniversario del bloque, pero sólo fue el anfitrión, el presidente de Uruguay, Tabaré Vázquez. Desde la cancillería argentina, fuentes allegadas a Susana Malcorra dijeron a LA NACION que "Macri nunca confirmó su presencia a la conmemoración de los 25 años del Mercosur". El vicecanciller Carlos Foradori fue el representante del Gobierno para participar de la ceremonia.
"Muchas veces fueron decisiones políticas las que frenaron los cursos de la integración y vientos proteccionistas que prevalecieron sobre la construcción de los mercados de nuestra región", dijo el canciller de Uruguay, Nin Novoa, al admitir en el acto los problemas que encara hoy el Mercosur para ponerse plenamente activo.
No fue la única divergencia que quedó expuesta en público. Poco después de comenzar la ceremonia, 17 de los 20 parlamentarios de Brasil se retiraron del acto en protesta por lo que consideraron una "declaración irresponsable" del presidente del Parlasur, Jorge Taiana. Es que el ex canciller argentino había suscripto hace unos días un documento sobre la crisis de Brasil en donde cuestionó el juicio político que el Congreso brasileño lleva adelante contra la presidenta Dilma Rousseff. En ese escrito, publicado en la web del Mercosur, Taiana consideró un "golpe parlamentario" y una "utilización forzada de la ley" el impeachment contra Rousseff.
Al grito de "humillación", la delegación parlamentaria de Brasil se retiró del recinto del Parlasur y mostró su enojo con la organización del evento por haberlos ubicado al final del salón.
Por otra parte, la delegación de Venezuela agregó otra cuota de color a la ceremonia del Mercosur cuando los parlamentarios antichavistas protestaron en Montevideo para exigir que se active el referéndum revocatorio presidencial al gobierno de Nicolás Maduro. Con carteles que denunciaban la crisis económica, política y social que atraviesa Venezuela, un grupo de parlamentarios antichavistas exigió a los países del Mercosur que muestren su apoyo ante el retraso intencional que realiza actualmente el Consejo Nacional Electoral para activar el revocatorio a Maduro.
El presidente de Venezuela -al igual que Macri, Rousseff y el presidente de Paraguay, Horacio Cartes- no estuvo en el acto que se hizo en Montevideo.
El canciller uruguayo, Nin Novoa, admitió en su discurso las dificultades del bloque, al señalar que en los 25 años transcurridos desde la inauguración del Mercosur los "vientos proteccionistas que prevalecieron sobre la construcción de los mercados de nuestra región fueron los que postergaron la construcción de una política comercial común".
En la conmemoración del nacimiento del bloque no hubo siquiera un breve espacio para discutir la negociación por un acuerdo de libre comercio que impulsa la mayoría de los presidentes del Mercosur con la Unión Europea.
Fuentes de las cancillerías de Brasil, la Argentina y Uruguay admitieron a LA NACION que existe un temor generalizado por el eventual fracaso de una nueva negociación por el acuerdo de libre comercio con la UE y el Mercosur. Se estima que el 11 de mayo próximo se producirá el intercambio de las listas de productos que eventualmente se incluirían en un tratado de libre comercio con la Unión Europea.
Pero no todo está dicho: mientras que hay 13 países de la UE que ponen reparos a ese acuerdo en lo que respecta a los productos del agro, Brasil y la Argentina apuran las negociaciones a fin de evitar que en julio asuma Venezuela la presidencia pro témpore del bloque. No son pocos los diplomáticos argentinos y brasileños que creen que el gobierno de Maduro podría boicotear las negociaciones por un acuerdo de libre comercio con la UE.
Ayer, el 25° aniversario de la firma del Tratado de Asunción que dio paso al Mercosur no mostró la mejor cara del bloque regional. Por el contrario, expuso una dura realidad que desafió a la retórica endulzada de la diplomacia. (La Nación - Argentina – 26/04/2016)

Relanzan en Brasil una comisión bilateral de comercio y producción
El ministro Cabrera viajó a ese país con el objetivo de dinamizar la relación
Alberto Armendáriz
RIO DE JANEIRO.- En un intento por superar la difícil coyuntura para el intercambio comercial entre la Argentina y Brasil, el ministro de Producción, Francisco Cabrera, y el titular de la cartera brasileña de Desarrollo, Industria y Comercio Exterior, Armando Monteiro, reactivaron ayer en Brasilia, después de cinco años de inactividad, la Comisión Bilateral de Producción y Comercio, con la que se pretenden dinamizar las relaciones entre ambos países y ampliar la agenda externa del Mercosur.
"En el escenario que estamos viviendo en Brasil y en la Argentina, de cambios, de ajustes macroeconómicos, es muy importante tener un mecanismo activo y funcional como esta comisión. En medio de estas dificultades del momento, es más necesario que nunca tener un canal permanente para resolver eventuales problemas y evitar dificultades que siempre ocurren en una relación como la nuestra", señaló por teléfono a LA NACION Monteiro, quien expresó su esperanza de que la crisis política que sufre Brasil por el proceso de impeachment a la presidenta Dilma Rousseff se resuelva con la preservación de su mandato.
"Este proceso va a ser sorteado de una forma u otra y entonces esperamos que la economía se reestablezca en relación al fortalecimiento de inversiones y a la ampliación del comercio", señaló.
Para Cabrera, en tanto, la convulsión política brasileña no genera nuevos obstáculos en la relación, pero la crisis económica brasileña -con una recesión para este año estimada en una contracción del PBI del 3,88%- sí es un grave problema ya que el 52% de las exportaciones industriales de la Argentina vienen a Brasil y han caído fuertemente. Desde un intercambio récord de US$ 39.600 millones en 2011 (US$ 22.700 millones en ventas brasileñas y US$ 16.900 en exportaciones argentinas) el comercio bilateral cayó el año pasado a US$ 23.100 millones (US$ 12.800 millones para Brasil y US$ 10.200 millones para la Argentina); y en el primer trimestre de este año las exportaciones argentinas a Brasil cayeron 27,9% mientras que las ventas brasileñas a la argentina prácticamente se estancaron con una pequeña reducción de 0,37%.
"La crisis económica brasileña es nuestro principal inconveniente, pero estamos trabajando muy bien y tenemos claro la importancia que tiene Brasil como nuestro socio. Respecto de la crisis política, creemos que Brasil tiene instituciones muy sólidas, democráticas y que va a poder resolver este tema interno por sí mismo", apuntó Cabrera.
El tema central del encuentro de la comisión fue el comercio automotor, que representa casi la mitad del intercambio bilateral, donde se han acentuado las diferencias con una caída del 42% de las exportaciones argentinas del sector hacia Brasil en los primeros tres meses de este año, mientras que las ventas brasileñas hacia la Argentina treparon 50%. A fin de junio termina el plazo del actual acuerdo automotriz entre ambos países, y se espera que sea renovado. Con cierta resistencia argentina, el gobierno brasileño ha planteado un objetivo de libre comercio, pero antes hay que resolver algunas asimetrías.
"El horizonte de tiempo que vemos es 2019, cuando los dos países tendremos un acuerdo de libre comercio con México. No somos renuentes a un libre comercio automotor pero antes nos tenemos que poner de acuerdo sobre una cantidad de instrumentos que sirvan para nivelar la cancha, para que tengamos las mismas condiciones de inversión y comercio. Queremos tener una plataforma común para atacar otros mercados internacionales y para ello tenemos que tener mejores condiciones para los autopartistas en la Argentina", señaló el ministro argentino, quien tras la jornada de trabajo mantuvo reuniones en la Embajada con una veintena de empresarios brasileños.
Entre las compañías representadas estaban el gigante alimenticio BRF; la minera Vale, que quiere reactivar su millonario proyecto de potasio en Mendoza; la constructora Camargo Correa; y la fabricante de buses Marco Polo. "Todos están viendo que en la Argentina hay nuevas oportunidades con el gobierno de (Mauricio) Macri y quieren ser parte de este nuevo período", afirmó Cabrera.
Por su parte, Monteiro subrayó que, más allá de los asuntos bilaterales, se discutió cómo mejorar la gobernanza del Mercosur ("Especialmente el funcionamiento de las comisiones técnicas"), así como lanzar un protocolo conjunto de compras gubernamentales y un acuerdo para facilitar las inversiones entre los socios del bloque. (La Nación Argentina – 26/04/3016)

Mercosur: tímido apoyo o silencio para Dilma
Vázquez se sentó atrás con oficialistas brasileños; diputados venezolanos contra Maduro.
CARLOS TAPIA
El presidente Tabaré Vázquez llegó a la sede del Mercosur rodeado de sus guardias de seguridad. La sala estaba llena. Caminaba hacia los asientos delanteros cuando empezó a sentirse el murmullo. Diputados oficialistas brasileños se quejaban porque los habían puesto en las filas del fondo. Vázquez, que tenía una silla preparada para colocarse al lado de los expresidentes Luis Alberto Lacalle y Julio María Sanguinetti, se acercó a los representantes del gobierno de Dilma Rousseff, les sonrió y bajito les dijo algo que los tranquilizó. El mandatario decidió sentarse igual que ellos en la antepenúltima hilera.
El gesto fue el más claro apoyo que expresaron las autoridades a su homóloga brasileña. Los cancilleres, salvó el de Venezuela, se pasearon entre una tímida crítica contra el "impeachment" y el más absoluto de los silencios.
"Lo de Tabaré Vázquez fue un pronunciamiento contra el golpe", declaró a El País el diputado Jean Wyllys, del Partido Socialismo y Libertad (PSOL), aliado del Partido de los Trabajadores (PT) de Rousseff y del expresidente Luiz Inácio Lula da Silva. Wyllys, que estaba a tres sillas de Vázquez, contó que una vez que el mandatario fue a acompañarlos al fondo de la sala "diputados de la derecha" brasileña "se fueron ofendidos".
El evento se realizó con motivo de los 25 años del Tratado de Asunción, el documento fundacional del bloque. Participaron cancilleres y vicecancilleres de los países miembros, más el embajador de Bolivia en Uruguay, Benjamín Blau, pues esta nación pasará en breve a ser integrante pleno.
El primero en hablar fue el canciller Rodolfo Nin Novoa, ya que Uruguay ejerce la presidencia pro tempore del Mercosur. "No podemos dejar de mencionar la situación institucional que atraviesa la hermana República Federativa del Brasil. Quizás una muestra de ello haya sido la reacción de los parlamentarios del Mercosur de ese hermano país. Al respecto no debemos olvidar que el Mercosur debe ser garante del respeto de las instituciones democráticas de los países que lo conformamos. Y que la Justicia, la legalidad y la legitimidad deben estar por encima de posicionamientos políticos", señaló el ministro de Relaciones Exteriores.
Tras su alocución la mayoría fueron aplausos, menos de las dos filas de parlamentarios opositores venezolanos que levantaron cartulinas blancas que en color negro llevaban escritas proclamas contra el gobierno de Nicolás Maduro: "En Venezuela se violan los DDHH", "¡250.000 muertos en 16 años de gobierno!", "Libertad de los presos políticos", "En Venezuela hay escasez de alimentos".
Volvieron a levantarlas cuando habló el vicecanciller venezolano, Alexander Yáñez, que advirtió, en referencia a la situación en Brasil, que "no se puede desconocer el poder dado por el pueblo" a Rousseff. Los opositores permanecieron con los brazos en alto durante los diez minutos que duró su alocución. Al final uno de ellos gritó: "¡Libertad para los presos políticos!". Y cuando tomó aire para pegar otro grito, desde alguna parte de la sala se escuchó: "shhhhh". El opositor venezolano obedeció.
El canciller brasileño, Mauro Viera, no hizo referencia directa al "impeachment". Sin embargo, repitió la palabra "democracia" una y otra vez durante su discurso. Del tema tampoco habló el paraguayo Eladio Loizaga y el vicecanciller argentino Carlos Fradori.
Otros Vientos.
Por otra parte, Nin Novoa advirtió que "muchas veces" en estos últimos años "decisiones políticas frenaron el curso de la integración", y en este sentido se refirió a "vientos proteccionistas", en referencia al gobierno de la expresidenta argentina, Cristina Fernández de Kirchner.
"A Uruguay no le preocupa, como se suele señalar, que la producción de su comercio destinado al Mercosur se haya reducido fuertemente. De hecho llegó a ser casi del 50% a fines de los 90 y ahora está en un poco más del 20% en relación a su comercio total. No le preocupa si esto es consecuencia de haber logrado diversificar mercados de manera natural y consistente con los vaivenes lógicos del comercio normal. Sin embargo, lo que sí nos inquieta es ver reducido el comercio absoluto hacia el Mercosur producto de disfunciones importantes en nuestra zona de libre comercio. En ese punto no puedo dejar de hacer un reconocimiento al gobierno argentino. Cuya actitud justamente para atender ese aspecto ha brindado aires renovados", dijo el ministro del exterior.
En respuesta a esto, el vicecanciller macrista señaló que tanto para bailar la samba brasileña como el tango argentino "se necesitan más de dos". (El Pais – Uruguay – 26/04/2016)

Mercosur y la UE retoman la negociación en mayo
Agenda con “buenas intenciones, pero cuesta concretar”.
El Mercosur relanzará las negociaciones con la Unión Europea (UE) el sábado 11 de mayo en Bruselas. Allí se intercambiarán las ofertas de ambos bloques en un nuevo intento de cerrar un acuerdo de libre comercio.
El anuncio fue realizado por el ministro de Relaciones Exteriores, Rodolfo Nin Novoa, durante un discurso que efectuó ayer en el seminario sobre los 25 años del Tratado de Asunción en la sede del Mercosur.
Durante la oratoria, el canciller exhortó a "continuar trabajando por la integración mercosuriana, pero con el coraje político de intentar diseñar nuevos instrumentos que atiendan necesidades de algunos países; en especial de aquellos que enfrentan asimetrías estructurales".
Nin Novoa afirmó que a Uruguay no le preocupa que la proporción de su comercio destinado al Mercosur haya mostrado una fuerte reducción, pasando del 50% que representaba sobre el total a fines de la década del 90 a poco más del 20% actual.
"No nos preocupa si es consecuencia de haber diversificado mercados de acuerdo a los vaivenes lógicos del comercio mundial. Lo que sí nos inquieta es ver reducido el comercio absoluto hacia el Mercosur, producto de disfunciones importantes en nuestra propia zona de libre comercio", sostuvo.
A continuación resaltó la postura de Argentina. "No puedo dejar de hacer un reconocimiento al gobierno argentino, cuya actitud para atender este aspecto ha brindado aires renovados al Mercosur", sostuvo.
Luego transmitió otra inquietud del gobierno uruguayo al mencionar que "la agenda externa está cargada de buenas intenciones pero nos cuesta concretar resultados. Eso es una realidad innegable".
Añadió que "crisis externas e internas han enlentecido la cristalización de etapas de integración previstas y, por eso, debemos hacer una fuerte autocrítica".
Y allí marcó como una buena señal el haber retomado "el buen sendero ahora con el relanzamiento de las negociaciones con la Unión Europea (UE), cuyo paso inicial tendrá lugar el 11 de mayo en Bruselas (capital de Bélgica, donde se ubica la sede del bloque europeo)".
Nin Novoa añadió que "es necesario tener mayor capacidad de adaptación y reacción ante un mundo que se mueve a velocidades mayores que hace cinco lustros y nos van dejando atrás y me estoy refiriendo al corazón de todo proceso, como lo es el comercio".
Al hacer un repaso de los 25 años del bloque regional indicó que "la historia nos ha visto enfrentados muchas veces, algunas de manera dramática. No tenemos que temer recordar esas cosas, porque únicamente así recordando la historia es que le podemos asignar el verdadero valor al Mercosur".
Después defendió la existencia del Mercosur. "Los más jóvenes y no tan jóvenes corren el riesgo de asumir que el Mercosur es un simple dato de la realidad y que sirve para poco, pero eso es un error desde nuestro punto de vista", expresó el canciller.
En ese sentido, consideró que "está bien criticar el mal funcionamiento del proceso si fuera necesario, pero nunca hay que olvidar lo costoso que fue crear esta iniciativa".
Nin Novoa afirmó que "la marca Mercosur no tiene vida propia; Mercosur es y será aquello que nuestros gobiernos y nuestros pueblos decidan que sea. Por ello debemos regarlo cada día con ideas renovadoras y no refugiarnos en el conformismo del no se puede".
Por último, recordó que próximamente Bolivia se convertirá en el sexto país miembro del Mercosur.
"La agenda de ampliación del bloque no debe detenerse", sostuvo el canciller. (El Pais - Uruguay – 26/04/2016)

Aniversario accidentado del Mercosur
Por Leonardo Luzzi
Cuando el presidente Tabaré Vázquez llegó a la sede del Mercosur, lo esperaba el canciller Rodolfo Nin Novoa. Se reunió unos minutos con los ministros de Relaciones Exteriores de los países socios y al entrar al salón principal, escuchó el reclamo de los parlamentarios brasileños.
La delegación de Brasil, encabezada por el senador Roberto Requeiao (Partido del Movimiento Democrático Brasileño - PMDB) protestó por el lugar que le tocó en la ceremonia por los 25 años del Tratado de Asunción que marcó el nacimiento del Mercosur.
En la primera fila del salón ya estaban ubicados los expresidentes Luis Lacalle Herrera (1990-1995) firmante de ese acuerdo y Julio María Sanguinetti (1985-1990 y 1995-2000).
Al escuchar la protesta, como impulsado por un resorte, Vázquez avanzó y advirtió que él se sentaría atrás, como uno más, junto a la delegación brasileña.
Vázquez caminó solo hacia la penúltima fila del salón y ahí se ubicó. Sin embargo, la delegación norteña ya había decidido retirarse.
Según supo El Observador, Vázquez mandó llamar al senador Requeiao –opositor a Dilma Rousseff y que no vota el juicio político contra la presidenta–pero éste no regresó.
Con ese episodio y con aplausos a Vázquez por su actitud, comenzó ayer la celebración por el cuarto de siglo del Mercosur.
Pero el de los brasileños no fue el único incidente de la ceremonia.
Cuando el vicecanciller de Venezuela para América Latina, Alexander Yañez, inició su discurso, un grupo de diputados venezolanos, opositores al presidente Nicolás Maduro, levantó carteles con leyendas que denunciaban la muerte de militantes, que hay presos políticos y que faltan alimentos y medicamentos en su país.
Vázquez permaneció inmutable en el asiento de atrás junto al diputado Luis Gallo.
Preocupaciones y esperanzas
El acuerdo regional de integración que tiene como socios fundadores a Uruguay, Brasil, Argentina y Paraguay y al que luego se sumó Venezuela y pronto lo hará Bolivia, había sido planeado originalmente por Argentina y Brasil y en un principio Uruguay y Paraguay quedaban afuera.
La diplomacia de entonces inició gestiones para que Uruguay fuera parte del tratado que finalmente se firmó en Asunción en marzo de 1991.
Contexto
El aniversario del Mercosur encuentra al bloque con "preocupaciones" y "esperanzas" según lo resumió el excanciller, Enrique Iglesias, invitado del gobierno.
Iglesias, que fue el último orador, dijo que el proceso de integración del Mercosur pasó "por frustraciones", "críticas profundas" y hasta "pedidos de marcha atrás".
Sin embargo, pidió valorar lo conseguido en un proceso "que no es lineal". Para el veterano diplomático se debe reconocer que es difícil avanzar en la integración económica y social.
"Si no pregúntenle a los europeos", dijo. Marcó también que el mundo enfrenta una crisis por un cambio de época con transferencias del poder económico de occidente a oriente que requerirá de un nuevo orden.
El comercio también cambió, dominado ahora por el tránsito de bienes intermedios y servicios, así como la coyuntura regional que está en un momento "complejo", explicó Iglesias.
Es que a este aniversario se llegó con un giro en la conducción política de Argentina –que en los últimos 10 años estuvo gobernada por los Kirchner y ese cambio fue saludado por el canciller Nin Novoa– y la situación de Brasil, donde la presidenta Dilma Rousseff puede caer si prospera el juicio político.
El presidente del Parlasur, el argentino Jorge Taiana, comentó a El Observador que lo que ocurre en Brasil tiene implicancia para todos los países del Mercosur.
"A los observadores nos sorprende que el impeachment se haya realizado sin que aparezca cuál es el delito de responsabilidad que habría cometido Dilma", afirmó el excanciller kirchnerista.
En su intervención el canciller de Brasil, Mauro Vieira, no mencionó lo que ocurre en su país.
Discursos
Los ministros y viceministros reiteraron la voluntad política de fortalecer el Mercosur e hicieron reclamos para aggiornarlo.
El canciller paraguayo Eladio Loizaga planteó "limpiar" al Mercosur de las restricciones al comercio.
Nin Novoa destacó el camino recorrido y reiteró su preocupación por la falta de resultados en la agenda exterior, "cargada de buenas intenciones" y pocos resultados.
El canciller no pasó por alto la situación que se vive en Brasil con el impeachment y eligió ese tema para cerrar su intervención. El punto dividió políticamente a la región.
"El Mercosur debe ser garante del respeto a las instituciones democráticas de los países que lo conformamos. La justicia, la legalidad y legitimidad deben estar por encima de posicionamientos políticos", afirmó Nin Novoa, y su frase cosechó aplausos.
Uruguay, como país presidente de la Unasur –cargo que ahora asumió Venezuela– intentó sin éxito que la región emitiera una declaración de apoyo a Rousseff.
El texto no avanzó por la negativa de Paraguay, Chile y Colombia, según pudo saber El Observador. Ayer, el canciller paraguayo dijo que se debe respetar el principio de no injerencia en asuntos de otros estados.
Vázquez, aplaudido, se retiró. (El Observador Uruguay – 26/04/2016)

Países del Mercosur ratifican plena voluntad integracionista
Déborah Fiorio
Representantes de los países miembros del Mercado Común del Sur (Mercosur) celebraron ayer los 25 años del Tratado de Asunción, que dio inicio al bloque regional. En el acto realizado en Montevideo, Uruguay, país que ejerce la presidencia pro témpore, ratificaron su apuesta al proceso y destacaron el nuevo impulso adquirido a partir de cambios en los gobiernos, como el de Argentina.
“La voluntad política de los Estados Partes del Mercosur es avanzar hacia una plena integración que nos encamine a un desarrollo económico y social inclusivo en favor de nuestros conciudadanos”, afirmó el canciller paraguayo, Eladio Loizaga, en el seminario “Reflexiones y Desafíos a 25 años de la firma del Tratado de Asunción”, desarrollado en el marco de la celebración oficial a la cual asistieron además cancilleres de los Estados parte y el presidente anfitrión, Tabaré Vázquez.
El ministro señaló que entre 1992 y 1998, el intercambio intrarregional se triplicó. En el caso del Paraguay, las exportaciones hacia los socios tuvieron un crecimiento aún más significativo, pues se pasó de un comercio incipiente a prácticamente US$ 1,8 mil millones.
“Creemos oportuno seguir promoviendo este enfoque, ampliar y consolidar los campos de la integración, abrirnos cada vez más al mundo y dar un nuevo impulso a las negociaciones con terceros países y grupos de países, tal como lo dejamos expresado en la Declaración sobre Relacionamiento Externo del Mercosur, que adoptamos en la última Cumbre de Jefes de Estado, en Asunción”, aseveró Loizaga.
Por su parte, el canciller uruguayo Rodolfo Nin Novoa destacó que la “actitud del gobierno argentino ha traído aires renovados al Mercosur”. También habló de Brasil y afirmó que “el Mercosur debe ser garante de la democracia, la legalidad no puede estar por encima de posicionamientos políticos”. (La Nación Paraguay – 26/04/2016)

Malcorra: "Es el momento avanzar con el acuerdo entre el Mercosur y la Unión Europea"
Economía y política
La canciller admitió que hay "muchas tareas pendientes" e instó a la integración comercial del bloque sudamericano con el europeo.
por CRONISTA.COM
La ministra de Relaciones Exteriores, Susana Malcorra, aseguró que "es el momento de aprovechar la oportunidad y avanzar con el acuerdo entre el Mercosur y la Unión Europea" y señaló que si el mismo no se concreta, "los costos serán mayores" para las economías que integran ambos bloques comerciales.
"Estamos en un momento en el que si no logramos avanzar en serio y entender que las propuestas iniciales son de partida, que van a dejar a ambas partes insatisfechas, esto va a ser la oportunidad perdida", advirtió Malcorra hoy durante el Encuentro Empresarial Iberoamericano, organizado por la Fundación Iberoamericana Empresarial (FIE) y la Cámara Española de Comercio de la República Argentina.
La canciller pidió a autoridades del Mercosur y de la UE que "tomen el tren de la oportunidad ya, porque si no los costos serán mayores", y subrayó que "en este siglo XXI no es pensable en ningún país, que se pueda trabajar solo".
En este sentido, remarcó que la política que el presidente Mauricio Macri definió es fundamental porque "no hay otra posibilidad para Argentina que una integración con el mundo".
"Es innegable que la proyección hacia el Pacífico tiene oportunidades estratégicas muy grandes y hay que aprovecharlas", pero a su vez, Malcorra remarcó que "que las oportunidades máximas se dan con los vecinos, que acá es el Mercosur".
"El Mercosur es una promesa que no llegó a su punto máximo", opinó la canciller al destacar que hay "tareas pendientes que no se concretaron". De todos modos, estimó que "si la integración se hace de manera completa, habrá una potenciación del Mercosur".
"Estamos en un punto sin retorno de una integración entre el Mercosur y la Unión Europea", concluyó. (Cronista – 26/04/2016)

O Mercosul se move: bloco discutirá ampliaçao de acordo com Colômbia, Equador e Venezuela
Brasília – Um grupo de trabalho, criado este mês, discutirá o aprofundamento e ampliação do Acordo de Complementação Econômica nº 59 (ACE-59), que tem como um dos principais objetivos formar uma área de livre comércio entre o Mercosul, a Colômbia, o Equador e a Venezuela.
O grupo de trabalho, formado durante a VII Reunião da Comissão Administradora do ACE-59, também debaterá a ampliação do acesso dos produtos agropecuários brasileiros ao bloco andino.
Um dos objetivos é avançar nas discussões para abertura definitiva do mercado colombiano aos produtos agrícolas, o que melhorará as condições de acesso do agronegócio brasileiro.
O ACE-59, firmado em 2003, prevê preferências tarifárias negociadas para diversos produtos, incluindo os do setor agrícola. Isso deverá resultar numa redução gradual do imposto de importação aplicado pelo bloco andino ao Mercosul. No entanto, nem todos os produtos terão suas tarifas reduzidas integralmente ao longo do tempo.
Colômbia e Equador representaram cerca de US$ 500 milhões em exportações brasileiras do agronegócio em 2015. O mercado colombiano é o mais importante para o Brasil, com US$ 331 milhões em exportações no ano passado, destacando-se preparações para bebidas e produtos do setor florestal (madeira, papel e celulose).
A Colômbia é também o mercado com maior número de produtos não negociados no acordo. Ou seja, itens que manterão as tarifas atuais. Entre eles, destacam-se açúcar, álcool e chocolates.
Pelo acordo, o mercado colombiano ainda terá outros 26 códigos que não atingirão 100% de redução tarifária – entre os quais estão carne desossada e miúdos bovinos, preparações alimentícias e produtos de padaria.
O mercado venezuelano não foi considerado, uma vez que está em processo de adesão ao Mercosul.
Em consequência da negociação de um acordo mais amplo entre EUA e Colômbia, os produtos agrícolas brasileiros têm perdido participação no mercado colombiano. O novo grupo de trabalho deverá preparar propostas a serem apresentadas na Comissão Administradora do Acordo, com possibilidades de melhora das condições de competição com os produtos mericanos e ampliação da presença de produtos do agronegócio brasileiro na Colômbia.
A reunião que definiu a criação do grupo de trabalho ocorreu quinta (21) e sexta-feira (22) da semana passada, em Montevidéu. (Mapa – 26/04/2016)

Mercosur presentará propuesta de intercambio a la UE el 11 de mayo en Bruselas
En el marco de los 25 años del Tratado de Asunción, documento fundacional del Mercosur, el ministro de Relaciones Exteriores de Uruguay, Rodolfo Nin Novoa, confirmó que “el relanzamiento de las negociaciones con la Unión Europea (UE)” tendrá lugar el 11 de mayo en Bruselas y marcará un nuevo camino para el futuro del bloque comercial sudamericano.
Asimismo, el funcionario uruguayo aseguró que las propuestas de intercambio con la UE esgrimen mayor capacidad de adaptación y reacción ante un mundo que se mueve a velocidades mayores que hace cinco años.
“La agenda de ampliación del bloque no debe detenerse”, destacó Nin Novoa, al tiempo que manifestó la necesidad de avanzar adecuándose de manera efectiva y creíble a los nuevos procesos.
Según Nin Nova, las crisis externas e internas llevaron a retrasar la cristalización de la integración proyectada en el Tratado de Asunción e instó a los países miembros a realizar una fuerte autocrítica al respecto.
En ese sentido, señaló que el proceso de integración interno se vio frenado por decisiones políticas que privilegiaron posturas proteccionistas, postergando la construcción de una sólida política comercial común.
El canciller uruguayo destacó, además, su inquietud por la caída de las exportaciones de Uruguay hacia los países miembros. “Lo que sí nos preocupa es ver reducido el comercio absoluto hacia el Mercosur, producto de disfunciones importantes en nuestra propia zona de libre comercio”, aseguró. (MarcoTradeNews – 26/04/2016)

Acto por los 25 años de Mercosur con aire de vergüenza: Vázquez se sentó al fondo del auditorio
Mercosur celebró discretamente hoy sus 25 años, en una ceremonia en su sede de Montevideo a la que solo asistió el presidente Trabaré Vázquez entre los mandatarios del grupo, en un contexto de crisis en Brasil y fuerte desgaste del bloque.
Los actos recordatorios de la firma del tratado de Asunción, que tuvo lugar el 26 de marzo de 1991 y fue la piedra fundamental del Mercosur, estuvieron encabezados por el canciller uruguayo, Rodolfo Nin Novoa, cuyo país ocupa la presidencia pro témpore del bloque. Vázquez incluso ocupó una silla al fondo del auditorio.
En los discursos de los cancilleres presentes -algunos países enviaron vicecancilleres- destacaron valoraciones positivas de logros alcanzados, y también una autocrítica por el estado del comercio intrarregional y la falta de concreción de acuerdos externos. La crisis en Brasil estuvo notoriamente presente en algunas alocuciones, y claramente ausente en otras.
“El modelo de integración elegido entonces (en 1991) no puede ser inmutable. (...) Hay que adaptarse a la realidad, aprender de los errores”, sostuvo Nin Novoa, destacando que el Mercosur, integrado por Brasil, Argentina, Uruguay, Paraguay y Venezuela, tiene “desafíos ganados y otros en deuda”.
En 25 años, “muchas veces fueron decisiones políticas las que frenaron los cursos de la integración” y “vientos proteccionistas que prevalecieron sobre la construcción de los mercados de nuestra región, (...) postergaron la construcción de una política comercial común”, sostuvo.
“A Uruguay no le preocupa que la proporción de su comercio destinado al Mercosur se haya reducido fuertemente (de 50% a 20% desde fines de los 90) si eso es consecuencia de haber logrado diversificar mercados”, dijo Nin Novoa.
“Nos inquieta ver reducido el comercio absoluto hacia el Mercosur producto de disfunciones en nuestra zona de libre comercio”, enfatizó el ministro.
Nin Novoa elogió la “actitud” del nuevo gobierno argentino de Mauricio Macri “para atender ese aspecto”, con la cual “ha brindado aires renovados al Mercosur”.
Los años de gobierno de Néstor y Cristina Kirchner (2003-2015) estuvieron marcados por trabas comerciales para evitar fuga de capitales y medidas proteccionistas paraarancelarias que provocaron rispidez entre los socios del bloque.
El canciller brasileño, Mauro Vieira, dijo que el Mercosur se encuentra en las “vísperas de un paso decisivo”, en referencia al “acuerdo birregional con la Unión Europea”.
Los dos bloques esperan intercambiar ofertas de desgravación el próximo 11 de mayo en Bruselas. Para el brasileño, se trata de una “demostración de la capacidad del Mercosur de negociar en bloque” y un “acierto de esta forma de negociación”.
Lo cierto es que el acuerdo con la UE lleva más de una década de espera, y la tesitura de una negociación en bloque hizo que la falta de una oferta del lado argentino fuera uno de los factores determinantes que frenó el acuerdo en los últimos años.
Uruguay y Paraguay abogan por una modificación de la normativa Mercosur que requiere el consenso de todos los miembros del bloque para negociar acuerdos con terceros países. En ese sentido, el canciller paraguayo, Eladio Loizaga, pidió dar “nuevo impulso” a las negociaciones con terceros países y eliminar las “restricciones no arancelarias que aún quedan”.
La crisis política por la que atraviesa Brasil, socio fundador del Mercosur, sobrevoló las exposiciones de los participantes del simposio “Reflexiones y desafíos para el Mercosur a 25 años del tratado de Asunción”.
El canciller anfitrión dijo que “el Mercosur debe ser garante del respeto a las instituciones democráticas” de los países que lo integran. “Confiamos que se seguirá el camino adecuado por el bien del Brasil y por el bien del Mercosur”, expresó en relación al proceso de juicio político a la presidenta Dilma Rousseff.
Uruguay había promovido una declaración conjunta de apoyo a Rousseff en la Unasur, una asociación política más extendida que el Mercosur, pero fracasó en su intento de conciliar apoyos. El canciller brasileño no hizo mención a la situación en su país, en tanto, el canciller paraguayo volvió a reiterar la postura de Asunción de “no intervención en otros Estados”.(MercoPress – 26/04/2016)

Escándalo en el Mercosur: ex canciller argentino repudiado por legisladores de Brasil
El ex canciller argentino y presidente del Parlasur Jorge Taiana provocó un escándalo diplomático en el Mercosur luego de que acusara al Parlamento de Brasil de estar ejecutando un "golpe" de Estado contra la presidente Dilma Rousseff, quien se encuentra bajo investigación y en pleno proceso para que se apruebe un impeachment en su contra.
La reunión parlamentaria, que tenía como objetivo conmemorar el aniversario número 25 de la creación del Mercosur, terminó en los peores términos. Realizada en el recinto del Parlasur de Montevideo, 12 de los 14 representantes brasileños se retiraron del lugar al grito de "humillación", no sólo por las palabras del delegado argentino, sino también por el lugar que la organización les ofreció en el acto.
El escándalo involucró también al presidente Tabaré Vázquez quien no pudo impedir el bochorno vivido en la institución regional. El mandantario uruguayo intentó retener a los congresistas indignaron quienes pese a su pedido abandonaran sus bancas en lo que debía ser una fiesta del bloque. La inmensa mayoría de los brasileños presentes decidieron dejar vacíos sus lugares por considerar que el ex canciller de Cristina Kirchner se había involucrado en cuestiones internas de su país.
"Es un golpe parlamentario y una utilización forzada del impeachment", había dicho Taiana como presidente del Parlasur en una declaración publicada en el sitio oficial de la institución. Incluso, el ex ministro del kirchnerismo citó al ex secretario de Estado de Richard Nixon, Henry Kissinger, para justificar su opinión sobre la crisis que atraviesa el país miembro del bloque.
"Kissinger decía que hacia donde se incline Brasil se inclina Sudamérica, y creo que sigue siendo así. Esto tiene un impacto enorme en la región, porque la experiencia de un gobierno progresista, surgido de un movimiento sindical rebelde, encabezado por un dirigente obrero con tantas luchas que triunfó en cuatro elecciones presidenciales y que en el último año se ha enfrentado a una crisis económica severa y a una oposición política destituyente, es una fuerte derrota para los movimientos de cambios populares en el mundo, pero sobre todo en América del Sur, donde tendrá un impacto enorme", agregó.
Benito Gama, uno de los congresistas indignados por los conceptos de Taiana, señaló: "No tiene cabida tal declaración en el ámbito del Mercosur, más aún estando publicado en el sitio oficial de la institución. Nos reunimos todos y decidimos salir del recinto, con el apoyo del jefe de nuestra delegación, que es el senador Roberto Requiao", indicó el legislador regional desde Montevideo al sitio Blog.
Para Requiao, enojado también por el lugar que les ofrecieron en el recinto a los delegados brasileños, las palabras de Taiana fueron inoportunas y que no debieron ser dichas por el presidente del Parlasur. "Ése era un tema que debía ser debatido por todos y vamos a debatirlo", avisó el senador del PMDB-PR. Está previsto que la reunión regional continúe hoy en Montevideo, aunque se desconocen los alcances que tendrá la protesta brasileña o si Taiana se retractará por haber llamado golpistas a sus pares brasileños. (Infobae – 26/04/2016)

Francia complica TLC entre Mercosur y Unión Europea
"El relanzamiento de las negociaciones con la Unión Europea, cuyo paso inicial tendrá lugar el 11 de mayo en Bruselas, es un buen sendero para el futuro del Mercosur", dijo el ministro de Relaciones Exteriores de Uruguay, Rodolfo Nin Novoa, en el seminario sobre los 25 años del Tratado de Asunción. En tanto su colega español, José Manuel García-Margallo, dijo que es "urgente" abrir las negociaciones y "resolver los problemas que Francia plantea".
"Uruguay exhorta a continuar trabajando en pos de la integración mercosuriana con el mismo espíritu y objetivo que circundó el nacimiento del tratado, y con el coraje político de intentar diseñar instrumentos para atender necesidades de países que enfrentan asimetrías estructurales", señaló el canciller.
El ministro español de Exteriores en funciones, José Manuel García-Margallo, consideró hoy "extraordinariamente urgente" abrir las negociaciones de Mercosur con la Unión Europea y añadió que una vez empezado ese diálogo, "es posible resolver los problemas que Francia plantea".
El ministro, que dijo que la posición española no coincide en este caso con la francesa, aseguró que cualquier estudio de impacto se puede hacer en paralelo a las conversaciones de manera que no se condicione el inicio de las negociaciones a este proceso.
"Ahí se estudiará cuáles son los perjuicios concretos para cada uno de los sectores agrícolas", añadió.
Recordó que el presidente estadounidense, Barack Obama, ha estado en Alemania y que quiere hacer llegar el acuerdo de comercio e inversiones de EEUU y la UE y "sería lamentable que las negociaciones con Mercosur quedasen empantanadas".
"Si lo hacemos en paralelo podremos cerrar el Atlántico, crear un área de libre comercio en todo el Atlántico, incluyendo países tan importantes como Argentina, Brasil, Uruguay y Paraguay", explicó. (Espectador – 26/04/2016)

Francia intenta frenar el acuerdo comercial de la Unión Europea con Mercosur
Varios socios de la Unión Europea (UE) y la propia Comisión Europea han confirmado que Francia quiere frenar el arranque de las negociaciones entre la UE y el Mercado Común del Sur (Mercosur) hasta que termine un estudio sobre el impacto del acuerdo en el sector agrícola del bloque.
El organismo latinoamericano, formado por Brasil, Argentina, Uruguay, Bolivia y Paraguay (además de Venezuela que no forma parte de la negociación), representa el 80% del Producto Interior Bruto (PIB) de Sudamérica y hace ya un tiempo que trabaja con la UE para conseguir resultados pertinentes de este estudio.
Todo apuntaba a que la presentación de nuevas ofertas tendría lugar en próximo 11 de mayo en Bruselas, sin embargo, el país ha decidido enfrentarse a algunos de sus socios al considerar que el acuerdo con el bloque latinoamericano podría supone una “provocación” para los agricultores latinoamericanos al incluir “productos sensibles”.
Según recoge el diario español El País, Francia ha conseguido atraer a Polonia, Austria, Grecia, Irlanda, Hungría, Rumanía, Lituania, Estonia, Letonia, Chipre, Eslovenia y Luxemburgo mientras que en el bloque contrario están España, Alemania, Portugal, Reino Unido, Suecia y Alemania.
Francia pretende no solo aplazar el intercambio de ofertas, sino excluir los contingentes arancelarios en el sector agrícola, donde son más competitivos los países de Mercosur. Fuentes diplomáticas españolas esperan temen que la negociación fracase de imponerse las tesis francesas que harían perder atractivo al acuerdo para los países latinoamericanos.
Mercosur, precisamente, celebra hoy su 24 aniversario, aunque no lo hace del modo más festivo. No solo la posición de Francia pone en cierta medida en duda el acuerdo entre ambos bloques, sino que el evento para celebrar el cumpleaños del organismo ha sido movido: manifestaciones, plantones y un presidente Tabaré Vázquez un tanto desubicado. (Americaeconomia – 26/04/2016)

França diz que acordo comercial entre EUA e União Europeia está 'mais longe'
Da Agência Lusa
A possibilidade de um acordo sobre o tratado de livre comércio transatlântico entre a Europa e os Estados Unidos (TTIP) “está mais longe”, disse hoje o secretário de Estado do Comércio Externo francês, Matthias Fekl, que participa nas negociações.
Fekl é membro do governo francês e representante do país nas negociações que ocorrem desde ontem (25) em Nova Iorque. Em entrevista à estação de TV RTL, ele disse que não acredita na assinatura de um acordo antes do final do ano. Segundo ele, não há pressa alguma, nem por parte da França nem da União Europeia, "em assinar um acordo a qualquer preço”.
A décima terceira rodada de negociações entre União Europeia e Estados Unidos sobre o Transatlantic Trade and Investments Partnership (TTIP, da sigla em inglês) começou na segunda-feira em Nova York e deve seguir até sexta-feira, quando deve ser divulgada uma declaração pública sobre as reuniões que discutem a possibilidade de se criar o maior tratado comercial do mundo.
Os encontros sobre o tratado ocorrem a portas fechadas, mas em um momento em que os protestos contra um eventual acordo comercial nunca foram tão fortes.
Durante o fim de semana, dezenas de milhares de pessoas manifestaram-se contra o TTIP durante a visita do presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, à Alemanha.
Nos Estados Unidos, aumenta também a pressão contra o tratado, com a maior parte dos candidatos à Casa Branca a demonstrarem receios sobre o acordo com a União Europeia. (Agência Brasil – 26/04/2016)

Francia intenta bloquear el acuerdo comercial con Mercosur
Varios socios denuncian las maniobras de París para proteger su agricultura
Claudi Pérez \ Miguel González
Francia está intentando frenar el arranque de las negociaciones para un acuerdo de libre comercio entre la UE y Mercosur, el bloque que agrupa a Brasil, Argentina, Uruguay, Bolivia y Paraguay (además de Venezuela, que no participa en la negociación) y que representa más del 80% del PIB de Sudamérica, según explican varios socios de la UE y confirma la Comisión Europea. El intercambio de ofertas, que supone el arranque de la negociación formal, se producirá en la segunda semana de mayo, pero Francia ya ha pedido que se posponga la cita hasta que concluya un estudio sobre el impacto que las concesiones en este u otros acuerdos comerciales tendrían sobre el sector agrícola de la Unión.
Francia, que ha conseguido el apoyo de otros 12 países de la UE (Polonia, Austria, Grecia, Irlanda, Hungría, Rumanía, Lituania, Estonia, Letonia, Chipre, Eslovenia y Luxemburgo), se enfrenta al resto de socios, encabezados por España, Alemania, Italia, Portugal, Reino Unido y Suecia. En una carta dirigida a la Comisión el pasado 7 de abril, el bloque que encabeza París advirtió de que la oferta a Mercosur afecta a “productos sensibles” y sería considerada una “provocación” por los agricultores europeos. El presidente francés, François Hollande, dio su apoyo a esa negociación en una reciente visita a Uruguay y Argentina, a finales de febrero. Pero el conflicto con los agricultores —que incluye nuevos ataques contra camiones cargados de vino español— podría obligar al Ejecutivo francés a mantener una posición más defensiva, a pesar de las promesas del presidente.
La Comisión espera que no llegue la sangre al río. Varios países han protestado a través de los ministros de Agricultura, pero a la vez "el Consejo dio un mandato negociador con un amplísimo apoyo", apunta un portavoz. "No se van a eliminar los aranceles en todos los productos, pero se trata de un acuerdo de amplia base, no solo agrícola, y el objetivo es encontrar un enfoque ambicioso y equilibrado, que permita seguir adelante y a la vez tenga en cuenta las distintas sensibilidades que se han puesto de manifiesto en todo este proceso", según la misma fuente.
El objetivo de París no es solo aplazar el intercambio de ofertas, sino excluir los contingentes arancelarios en el sector agrícola, en el que los países sudamericanos son más competitivos. Fuentes diplomáticas españolas temen que la negociación fracase si se imponen las tesis francesas: el acuerdo perdería atractivo para los países sudamericanos, que basan sus exportaciones a la UE en productos básicos o semifacturados. Lo que se ha filtrado hasta ahora va en la línea de recoger algunas de las presiones de París: el consumo de carne de vacuno asciende a unos 7,8 millones de toneladas; la oferta de la Comisión podría incluir un máximo de 78.000 toneladas: apenas un 1%.
La decisión última corresponde a la Comisión, que debe escuchar la opinión de los Estados miembros y no acaba de cerrar un acuerdo que ha costado años y años. El pasado 27 de noviembre, los responsables de Comercio de los 28 dieron luz verde al arranque de las negociaciones, pese a la oposición de Francia, que alegó que la oferta de Mercosur solo cubría el 87% de las líneas tarifarias y no el 89% como se exigía. “Ha quedado claro que hay una amplísima mayoría de Estados que quieren ese intercambio de ofertas y confiemos en que la Comisión tome la decisión correcta”, declaró entonces el secretario de Estado de Comercio español, Jaime García-Legaz.
Las negociaciones entre la UE y Mercosur quedaron bloqueadas en 2012 y fue en junio del año pasado, con motivo de la Cumbre UE-CELAC (Comunidad de Estados de Latinoamérica y el Caribe) en Bruselas, cuando se acordó relanzarlas. La llegada al poder del nuevo presidente argentino, Mauricio Macri, firme partidario del acuerdo, ha dado un impulso decisivo a las negociaciones.
Tras perder la batalla en la reunión de responsables de Comercio, Francia ha maniobrado a través de los titulares de Agricultura, según las fuentes consultadas, con el objetivo no solo de aplazar el intercambio de ofertas, sino de excluir los contingentes arancelarios en el sector agrícola, lo que supone un retroceso respecto a la oferta que presentó la UE en 2004. De momento, ha conseguido que se encargue el estudio sobre el impacto en la agricultura europea no solo de las negociaciones con Mercosur, sino también del reciente acuerdo con Canadá o del que se negocia con Estados Unidos (TTIP), que no estará listo al menos hasta septiembre.
España teme que, si se frena ahora la negociación, se pierda una oportunidad de oro y Sudamérica se quede descolgada de las grandes áreas de libre comercio que se están configurando en torno a los acuerdos que la UE y EE UU negocian entre sí y con los países del Pacífico. (El Pais – Belgica – 26/04/2015)

Processo de impeachment provoca protesto no Parlamento do Mercosul
Luciana Dyniewicz, de Buenos Aires
Um grupo de deputados do Parlasul (Parlamento do Mercosul) deverá censurar nesta terça-feira (26) o presidente da casa, o argentino Jorge Taiana, por ele ter colocado um comunicado no site da instituição em que afirma que o impeachment de Dilma Rousseff é um "escândalo".
"O processo é um golpe parlamentário e uma utilização forçada da lei de impeachment", afirmou, na nota, Taiana, que faz parte da coligação kirchnerista Frente para Vitória.
Para o deputado, "a presidente não tem nenhuma acusação de corrupção e boa parte dos que iniciaram o processo foram denunciados por corrupção, como é o caso do presidente da Câmara [Eduardo Cunha]".
No fim da tarde da segunda (25), representantes de diferentes países do Mercosul se reuniram e concordaram em repreender Taiana, de acordo com o deputado brasileiro Arthur Maia (PPS-BA).
"O Parlasul não é mais comandado pelos bolivarianos. Ele não pode usar a instituição para divulgar uma opinião pessoal. Qualquer moção de repúdio precisa ser aprovada em sessão", disse à Folha.
Maia foi um dos que comandaram, na segunda-feira, o esvaziamento de uma sessão solene que acontecia em Montevidéu, no Uruguai, para marcar os 25 anos de criação do Mercosul.
A delegação brasileira se ofendeu por ter sido colocada para sentar nas filas P e Q do salão, depois de funcionários de chancelaria.
"Interpretamos essa atitude como uma humilhação que deu continuidade ao comunicado [de Taiana]."
Assim que a sessão começou, Maia foi até o palco e afirmou que os representantes do Brasil iriam se retirar por considerarem desrespeitosa a forma como haviam sido recebidos.
"Não falei da nota [do presidente do Parlasul] porque havia gente a favor do teor."
Permaneceram no local os deputados Jean Wyllys (PSOL-RJ), Ságuas Moraes (PT-MT) e Benedita da Silva (PT-RJ). O senador Roberto Requião (PMDB-PR), que é contrário ao impeachment, também abandonou a reunião.
"Não teve nada a ver com a situação política do Brasil. Chegamos lá e os funcionários de terceiro e quarto escalão da chancelaria haviam ocupado todo o auditório. O negócio é que a chancelaria não suporta o parlamento", disse à Folha.
Segundo Requião, que é chefe da delegação brasileira, parlamentares de outros países também estavam no fundo, e foi pedido para que houvesse uma reorganização dos lugares. "Não deram ouvidos."
O presidente uruguaio, Tabaré Vázquez, solicitou para que os brasileiros continuassem no auditório. Sem ser atendido, sentou-se ao lado de Wyllys, Silva e Moraes em um gesto de solidariedade.
De tarde, durante as reuniões das comissões, os representantes do Brasil se recusaram a votar um pleito da Argentina para que o Mercosul reconhecesse a soberania do país sobre as ilhas Malvinas.
Procurada, a assessoria do argentino Jorge Taiana afirmou que ele só poderia falar nesta terça. (Folha de SP – 26/04/2016)

Escándalo en el acto por los 25 años de la creación del Mercosur
Los delegados de Brasil se fueron y sólo un presidente asistió; queja venezolana
Martín Dinatale
Una ausencia de cuatro de los cinco presidentes invitados, el retiro del recinto de la mayoría de los parlamentarios de Brasil, la queja en masa de los representantes de Venezuela y la admisión generalizada de que aún falta mucho por hacer. Peor escenario no podía haberse dado ayer para conmemorar el 25° aniversario de la creación del Mercosur.
La ceremonia por las bodas de Plata del bloque regional se hizo en el recinto del Parlasur en Montevideo. Pero resultó ser toda una radiografía de la debacle que existe en estos días en el Mercosur. Es decir, el acto fue un espejo de la realidad del bloque: países enfrentados ideológicamente, diferencias a la hora de establecer acuerdos y la imagen de una economía general que no despega.
Ayer estaban invitados todos los presidentes del Mercosur a Montevideo para conmemorar el aniversario del bloque, pero sólo fue el anfitrión, el presidente de Uruguay, Tabaré Vázquez. Desde la cancillería argentina, fuentes allegadas a Susana Malcorra dijeron a LA NACION que "Macri nunca confirmó su presencia a la conmemoración de los 25 años del Mercosur". El vicecanciller Carlos Foradori fue el representante del Gobierno para participar de la ceremonia.
"Muchas veces fueron decisiones políticas las que frenaron los cursos de la integración y vientos proteccionistas que prevalecieron sobre la construcción de los mercados de nuestra región", dijo el canciller de Uruguay, Nin Novoa, al admitir en el acto los problemas que encara hoy el Mercosur para ponerse plenamente activo.
No fue la única divergencia que quedó expuesta en público. Poco después de comenzar la ceremonia, 17 de los 20 parlamentarios de Brasil se retiraron del acto en protesta por lo que consideraron una "declaración irresponsable" del presidente del Parlasur, Jorge Taiana. Es que el ex canciller argentino había suscripto hace unos días un documento sobre la crisis de Brasil en donde cuestionó el juicio político que el Congreso brasileño lleva adelante contra la presidenta Dilma Rousseff. En ese escrito, publicado en la web del Mercosur, Taiana consideró un "golpe parlamentario" y una "utilización forzada de la ley" el impeachment contra Rousseff.
Al grito de "humillación", la delegación parlamentaria de Brasil se retiró del recinto del Parlasur y mostró su enojo con la organización del evento por haberlos ubicado al final del salón.
Por otra parte, la delegación de Venezuela agregó otra cuota de color a la ceremonia del Mercosur cuando los parlamentarios antichavistas protestaron en Montevideo para exigir que se active el referéndum revocatorio presidencial al gobierno de Nicolás Maduro. Con carteles que denunciaban la crisis económica, política y social que atraviesa Venezuela, un grupo de parlamentarios antichavistas exigió a los países del Mercosur que muestren su apoyo ante el retraso intencional que realiza actualmente el Consejo Nacional Electoral para activar el revocatorio a Maduro.
El presidente de Venezuela -al igual que Macri, Rousseff y el presidente de Paraguay, Horacio Cartes- no estuvo en el acto que se hizo en Montevideo.
El canciller uruguayo, Nin Novoa, admitió en su discurso las dificultades del bloque, al señalar que en los 25 años transcurridos desde la inauguración del Mercosur los "vientos proteccionistas que prevalecieron sobre la construcción de los mercados de nuestra región fueron los que postergaron la construcción de una política comercial común".
En la conmemoración del nacimiento del bloque no hubo siquiera un breve espacio para discutir la negociación por un acuerdo de libre comercio que impulsa la mayoría de los presidentes del Mercosur con la Unión Europea.
Fuentes de las cancillerías de Brasil, la Argentina y Uruguay admitieron a LA NACION que existe un temor generalizado por el eventual fracaso de una nueva negociación por el acuerdo de libre comercio con la UE y el Mercosur. Se estima que el 11 de mayo próximo se producirá el intercambio de las listas de productos que eventualmente se incluirían en un tratado de libre comercio con la Unión Europea.
Pero no todo está dicho: mientras que hay 13 países de la UE que ponen reparos a ese acuerdo en lo que respecta a los productos del agro, Brasil y la Argentina apuran las negociaciones a fin de evitar que en julio asuma Venezuela la presidencia pro témpore del bloque. No son pocos los diplomáticos argentinos y brasileños que creen que el gobierno de Maduro podría boicotear las negociaciones por un acuerdo de libre comercio con la UE.
Ayer, el 25° aniversario de la firma del Tratado de Asunción que dio paso al Mercosur no mostró la mejor cara del bloque regional. Por el contrario, expuso una dura realidad que desafió a la retórica endulzada de la diplomacia. (La Nacion – 26/04/2016)

No schedule yet to restart negotiations on India-EU free trade pact, says EU official
The last round of talks on the India-EU FTA were held in 2013 and the discussions have remained deadlocked on issues like tariffs on automobiles and wines and spirits
Elizabeth Roche
Brussels: The 28-member European Union (EU) is “encouraged” by the political momentum the long-discussed India-EU free trade agreement (FTA) gained at the summit held between the two in Brussels at the end of March, but both sides have not been able to fix a schedule to restart negotiations as yet, an EU official said.
Both sides have “outstanding issues” to sort out and “the European Commission offered India on several occasions and in different formats to create an adequate forum to discuss outstanding issues... to enable the process to move forward”, Daniel Rosario, spokesman for the EU trade department, told a group of visiting Indian journalists on Monday.
The last round of talks on the India-EU FTA were held in 2013 and the discussions have remained deadlocked on issues like tariffs on automobiles and wines and spirits, Rosario said.
In the automobile sector, the EU is unhappy given that its exporters have to face Indian import duties of up to 100% on cars and car parts. And in the case of wines and spirits, European exporters face tariffs as high as up to 150%, Rosario said.
He said the EU had put forward several proposals in 2013 to break the deadlock.
“We suggested long transitional periods for their elimination or going as far as accepting asymmetric elimination of these duties in favour of India” in the case of automobiles, he said. In the case of wines and spirits “the proposal made in 2013 was for a gradual if not complete elimination of these duties and taking into account the Indian sensitivities”, he said.
“We clearly identified the areas where we expect India to make some movement and we offered some fora to go into some specific discussions to allow for the general discussion to move ahead and for the time being, this has not happened,” he added.
When asked if the EU would agree to re-open negotiations from the start, Rosario said the EU could not “ignore all the work that has been done so far”.
Despite the many contentious issues, “we are encouraged to see that in the last (India-EU) summit at the end of March, both sides agreed to re-engage in this process to give it the necessary momentum”, Rosario said, referring to the 30 March India-EU summit in Brussels. India was represented by Prime Minister Narendra Modi and the EU side was represented by Donald Tusk, president of the European Council and Jean-Claude Juncker, president of the European Commission.
But Rosario did not seem to have an answer when asked when the talks would get going again.
According to analysts, the trade agreement could serve as an “anchor” for the bilateral relations, besides proving to European businesses that “India is open for businesses”.
The March India-EU summit was the first in four years and followed EU’s refusal last year to confirm the dates of a proposed visit by Modi amid a diplomatic row over the slow progress in India of the trial of two Italian marines accused of killing two Indian fishermen in 2012.
Talks on the Bilateral Trade and Investment Agreement—the official title of the free trade pact—started in 2007 but progress has been tardy and marked by flip-flops. India cancelled a meeting with the EU chief trade negotiator in August last year in protest against an import ban on 700 of its generic drugs clinically tested by GVK Biosciences for alleged manipulation of clinical trials.
“The GVK issue, it’s a decision for us that has nothing to do with the negotiations of a trade agreement, it never had a link,” Rosario said.
Later, during a meeting between Modi and Tusk in the Turkish city of Antalya in November on the margins of a G-20 meet, both sides agreed to hold a stock taking meeting between the chief negotiators before resuming formal talks. The stock taking talks, including a meeting between Indian commerce secretary Rita Teaotia and EU Trade Commissioner Cecilia Malmström in Brussels on 22 February, however, did not produce any results.
The impression in New Delhi seems to be that with the EU involved in talks with the US on the Transatlantic Trade and Investment Partnership, it is not focussed on trade talks with Asia’s third largest economy. Also occupying European mind space is the British referendum, to be held on 23 June, on whether the country should remain in the EU.
“There was a long discussion on the trade agreement during the India-EU summit and we have conveyed to them (EU) that we are committed to the agreement,” said a person on the Indian side who is familiar with the developments.
On India’s part, disputed issues in the trade talks include the so-called Mode 4, a provision of the 1995 General Agreement on Trade in Services, which seeks to facilitate the movement of professionals from one country to another.
According to Shada Islam, director at the Policy Friends of Europe think tank based in Brussels, the India-EU relationship seemed to be a work in progress with India focussed on consolidating ties with countries like the US.
“The India-EU relationship is not as vibrant as the EU-China partnership,” she said, adding the 30 March summit “seemed to be the beginning of a new understanding with misconceptions on their way out”.
“At the moment we (India and the EU) don’t have a strong anchor for our relations and the trade agreement could serve as that anchor,” she said. (Livemint – Índia - 26/04/2016)

Parlamentares brasileiros se retiram de solenidade do Mercosul
Presidente do parlamento do Mercosul criticou processo de impeachment
Aline Macedo
Depois do que consideraram uma “retaliação para humilhar” a delegação brasileira que se encontra em Montevidéu para a sessão plenária do Parlasul, o parlamento do Mercosul, 14 dos 17 deputados e senadores brasileiros presentes boicotaram a solenidade que comemorou os 25 anos do bloco econômico, na manhã desta segunda-feira. Outros três deputados que compõem a delegação ainda não haviam chegado. No evento, foi realizado o seminário “Reflexões e desafios para o Mercosul 25 anos depois do Tratado de Assunção”.
No domingo, o presidente do Parlasul, o deputado argentino Jorge Taiana, alinhado com a ex-presidente Cristina Kirchner, publicou no site oficial do parlamento uma nota em que condena o processo de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff. Para Taiana, o julgamento político é uma “situação escandalosa”: “Isto é um golpe parlamentar, é uma utilização forçada da lei de impeachment”, diz a nota, acrescentando que setores conservadores, de direita, do mundo financeiro e da mídia teriam como objetivo central impedir que Lula voltasse à presidência do Brasil em 2018.
Nesta segunda, ao chegar ao auditório onde aconteceria a solenidade, parlamentares brasileiros descobriram que os lugares reservados à delegação estavam localizados em uma das últimas fileiras, atrás de funcionários de segundo e terceiro escalão da chancelaria. Inconformado, o senador Roberto Requião (PMDB-PR) tentou resolver, sem sucesso, a questão. Os brasileiros então tentaram manifestar o repúdio tanto pela nota do presidente do Parlasul, quanto pela localização dos assentos, mas a cerimônia não previa a colocação de questões de ordem. O deputado Arthur Oliveira Maia (PPS-BA) então se dirigiu à frente do auditório e, fora do microfone, declarou que a delegação brasileira iria se retirar da sala. (O Globo – 26/04/2016)

Brasil e Argentina discutem relações comerciais
Da Redação, com Agência Brasil
O Brasil e a Argentina tiveram, na capital federal, a primeira reunião da Comissão Bilateral destinada a ampliar o comércio entre os dois países e que foi reativada em fevereiro, em Buenos Aires.
Brasília - O Brasil e a Argentina tiveram segunda-feira (25), na capital federal, a primeira reunião da Comissão Bilateral destinada a ampliar o comércio entre os dois países e que foi reativada em fevereiro, em Buenos Aires.
Entre os principais temas tratados, estiveram os termos da renovação do acordo automotivo em vigor, que vence em 30 de junho. Em entrevista para comentar as negociações ao longo do dia, o ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio, Armando Monteiro, voltou a defender um acordo automotivo de livre comércio com os vizinhos.
No entanto, Monteiro reconheceu que a renovação no curto prazo deve novamente basear-se em cotas de comércio. Ele expressou otimismo com a possibilidade de conseguir um "ajuste" e "condições equilibradas" em relação às que estão vigorando atualmente.
O acordo atual prevê o sistema flex, em que o Brasil pode vender com isenção de impostos no máximo US$ 1,5 para cada US$ 1 importado do país vizinho. O governo brasileiro gostaria de ver essa margem ampliada, mas os argentinos resistem.
"Nossa posição é que havemos de encontrar, em um prazo curto, um ponto de equilíbrio que justifique essa extensão do acordo. O Brasil tem a compreensão de que precisamos ter um marco mais amplo, que tem de contemplar, também, a perspectiva de um acordo de livre comércio. Para alcançar [esse objetivo], precisamos criar condições para que [o acordo] seja um processo equilibrado e sustentável", declarou.
Armando Monteiro ressaltou que Brasil e Argentina negociam acordos respectivos de livre comércio com o México e que seria razoável, portanto, negociarem o mesmo tipo de acordo entre si.
Integração
Apesar de destacar que as proporções do sistema flex são um tema "aberto para discussão", Francisco Cabrera disse que, por enquanto, a posição dos argentinos é que elas permaneçam no patamar atual. "Ainda não modificamos esse índice", admitiu. Ele reconheceu ainda que há preocupação dos argentinos com a capacidade ociosa da indústria brasileira e com a queda nas vendas do setor automotivo.
Ele afirmou também que, com o governo de Maurício Macri, a Argentina busca aumento da integração econômica. "Entramos em processo de normalização da economia. O grau de normalização é a capacidade que tenhamos de estar integrados ao mundo", comentou.
A próxima reunião da Comissão Bilateral Brasil-Argentina está prevista para junho. De acordo com Armando Monteiro, além das discussões sobre o acordo automotivo, foram lançadas oficialmente nesta segunda-feira as negociações para um protocolo de compras governamentais no âmbito do Mercosul.
"Também estamos muito animados com a perspectiva de um acordo de cooperação e facilitação de investimentos no Mercosul", concluiu Monteiro. (Portugal Digital – 26/04/2016)

Comissão Bilateral define agenda para reforçar parceria estratégica entre Brasil e Argentina
Brasília (25 de abril) - O ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Armando Monteiro, recebeu o ministro de Produção da Argentina, Francisco Cabrera para a primeira reunião da Comissão Bilateral de Produção e Comércio. As partes coincidiram em termos de conteúdo e prioridades no âmbito da agenda bilateral, e sobre a importância de considerar objetivos de longo prazo.
A Comissão, que deverá se reunir regularmente, manifestou compromisso em dar impulso efetivo para a solução de questões pendentes que afetam a fluidez do comércio bilateral. Foram tratados, durante a reunião da Comissão, temas relevantes para a relação comercial entre os dois países; questões afetas ao Mercosul; além de discutida a agenda comercial externa do bloco.
No âmbito bilateral, integração produtiva, facilitação de comércio, remoção de barreiras não tarifárias e convergência regulatória foram apontados como questões prioritárias para fortalecer a relação bilateral.
Quanto ao Mercosul, Brasil e Argentina discutiram alternativas para agilizar o processo de tomada de decisões dentro do Bloco, além de concordarem em impulsionar as negociações em compras governamentais e facilitação de investimentos. As partes concordaram, ademais, na importância de que o Mercosul tenha uma agenda extrarregional ativa, que permita acesso competitivo a terceiros mercados. Neste sentido, ressaltaram a relevância da troca de ofertas com a União Europeia marcada para a segunda semana de maio.
Em relação ao setor automotivo, os ministros enfatizaram a importância da parceria estratégica entre os dois países, visando à formação de uma plataforma automotiva regional, buscando o incremento da produtividade e da competitividade em nível global.
Nesse sentido, os ministros saudaram a retomada das reuniões do Comitê Automotivo Bilateral e a definição de uma agenda de trabalho comum com políticas convergentes para o fortalecimento do setor automotivo regional. Ambos definiram os objetivos comuns de integração produtiva, geração de empregos, agregação de valor tecnológico e acesso a novos mercados. Concordaram ainda com o objetivo de alcançar o livre comércio bilateral do setor automotivo, de maneira progressiva e em condições de equilíbrio, fortalecendo estruturas e capacidades produtivas de cada parte.
O conjunto de diretrizes que conformam o plano de trabalho do Comitê Automotivo para a negociação do regime automotivo bilateral será examinado e monitorado em bases permanentes por este Comitê.
As partes se comprometeram a fazer os melhores esforços para levar adiante as diretrizes que conformem um novo acordo automotivo, antes de 30 de junho de 2016, fortalecendo a estratégia de integração produtiva, tecnológica e comercial.
A próxima reunião da Comissão Bilateral de Produção e Comércio será realizada em junho, em Buenos Aires. (MDIC – 25/04/2016)

Parlamentares deixam evento do Mercosul após argentino falar em golpe
Rio - Depois do que consideraram uma “retaliação para humilhar” a delegação brasileira que se encontra em Montevidéu para a sessão plenária do Parlasul, o parlamento do Mercosul, 17 dos 20 deputados e senadores brasileiros se retiraram da solenidade que comemorou os 25 anos do bloco econômico, na manhã desta segundafeira.
No domingo, o presidente do Parlasul, o deputado argentino Jorge Taiana, alinhado com a expresidente Cristina Kirchner, publicou no site oficial do parlamento uma nota em que condena o processo de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff.
Para Taiana, o julgamento político é uma “situação escandalosa”: “Isto é um golpe parlamentar, é uma utilização forçada da lei de impeachment”, diz a nota, acrescentando que setores conservadores, de direita, do mundo financeiro e da mídia teriam como objetivo central impedir que o ex-presidente Lula voltasse à Presidência do Brasil em 2018.
Nesta segundafeira, ao chegar ao auditório onde aconteceria a solenidade, parlamentares brasileiros descobriram que os lugares reservados à delegação estavam localizados na última fileira, atrás de funcionários de segundo e terceiro escalão da chancelaria. Inconformado, o senador Roberto Requião (PMDBPR) tentou resolver, sem sucesso, a questão. Os brasileiros, então, tentaram manifestar o repúdio tanto pela nota do presidente do Parlasul, quanto pela localização dos assentos, mas a cerimônia não previa a colocação de questões de ordem.
O deputado Arthur Oliveira Maia (PPSBA) então se dirigiu à frente do auditório e, fora do microfone, declarou que a delegação brasileira iria se retirar da sala. “Nós ficamos surpresos quando hoje vimos no site oficial do Parlasul uma declaração irresponsável do presidente em relação ao processo de impeachment que acontece no Brasil”, disse o deputado. “A designação dos lugares foi uma consequência do que Taiana diz no site. Foi uma retaliação para humilhar a delegação brasileira”. Para o senador Roberto Requião, depois de colocar a delegação na última fileira do auditório de 400 lugares, o próximo passo seria fazer com que os parlamentares brasileiros almoçassem na cozinha: “Era deles a festa, então fomos embora. É o desprezo da chancelaria em relação à delegação brasileira”. A delegação brasileira pretende cobrar de Jorge Taiana que ele reconsidere as palavras “irresponsáveis” que fez em relação ao processo de impeachment durante a sessão plenária do Parlasul, que acontece na terçafeira pela manhã. A tarde desta segunda será reservada aos encontros das comissões especial do parlamento. Os três brasileiros que permaneceram na solenidade são os deputados Jean Wyllys (PSOLRJ), Benedita da Silva (PTRJ) e Ságuas Moraes (PTMT).
Pelo Twitter, Jean Wyllys chamou de “arrogante e indecorosa” a postura dos parlamentares que se retiraram. O deputado ainda lamentou que os ausentes “perderam a chance de ouvir as autoridades do Mercosul se dizerem preocupadas com o que está acontecendo no Brasil”.
Na sextafeira, em Nova York, a presidente Dilma Rousseff declarou que pretende invocar a cláusula democrática do Mercosul, tal como aconteceu quando o expresidente paraguaio Fernando Lugo foi afastado, em 2012. Se a cláusula for ativada, o Brasil pode até mesmo ser suspenso do bloco comercial, mas, para isso, seria necessário um consenso entre Uruguai, Paraguai, Argentina e Venezuela com relação ao rompimento da ordem democrática brasileira. Atualmente, a Venezuela seria o único país a defender a punição do Brasil caso a presidente seja afastada pelo Senado. (Agência O Globo – 25/04/2016)

Delegação brasileira fala em retaliação por impeachment e abandona reunião do Mercosul
Parlamentares brasileiros foram posicionados nas últimas cadeiras no evento, o que foi interpretado como uma ação deliberada do presidente do Parlasul para constrangê-los
Por: Marcela Mattos, de Brasília
A cerimônia de comemoração aos 25 anos do Mercosul começou nesta segunda-feira com um mal-estar entre a delegação brasileira e o presidente do Parlasul, o argentino Jorge Taiana. Compondo uma delegação de catorze representantes ao evento, realizado no Uruguai, os parlamentares brasileiros foram posicionados nas últimas cadeiras, atrás mesmo dos assessores técnicos das demais delegações. O isolamento provocou desconforto no grupo, acostumado a figurar entre as primeiras fileiras, e provocou imediata reação: a saída em debandada da cerimônia, ficando apenas os deputados petistas Ságuas Moraes (MT) e Benedita da Silva (RJ) e Jean Wyllys (PSOL-RJ).
O lugar reservado à delegação foi visto como uma retaliação por parte do presidente do Parlasul, que nos últimos dias classificou o processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff como um "golpe parlamentar", comparando-o à destituição de Fernando Lugo, ex-presidente do Paraguai, e ainda afirmou que a ação é um esforço da direita para desestabilizar o governo e evitar o retorno de Lula à Presidência em 2018. Taiana foi ministro de Relações Exteriores no governo Kirchner entre 2005 e 2010.
"Não cabe a ele fazer esse tipo de julgamento, a não ser que tivesse sido produto de algum debate", afirmou ao site de VEJA o deputado Heráclito Fortes (PSB-PI), um dos que deixaram a cerimônia. "O presidente do Parlasul se rebaixou a um militante do PT. Ele deveria honrar o cargo e não se intrometer nas decisões das nossas instituições", disse o deputado Marcelo Aro (PHS-MG). "A localização da nossa delegação tem uma simbologia muito grande. Ele quis dar um recado muito claro de retaliação ao processo de impeachment, e ele não tem o direito de nos retaliar", continuou o congressista.
Conforme os relatos, o senador Roberto Requião (PMDB-PR), presidente da delegação, concordou com a retirada do grupo. O presidente do Uruguai, Tabaré Vázquez, ainda tentou contornar o mal-estar diplomático e pediu o retorno do grupo à cerimônia, mas não foi atendido.
Os parlamentares estudam a elaboração de uma nota de repúdio ao presidente do Parlasul Jorge Taiana. O evento no Uruguai termina nesta terça-feira após a reunião de sessões plenárias. "Nós vamos reagir", promete o presidente do PTB, Benito Gama (BA). (Veja – 25/04/2016)

Parlamentares brasileiros se ofendem e deixam evento do Mercosul
Países do bloco comemoravam, no Uruguai, 25 anos de criação do Mercosul.
Deputados disseram que foram colocados ao fundo do local do evento.
Nathalia Passarinho
Uma comitiva de deputados e senadores brasileiros deixou evento desta segunda-feira (25) de comemoração dos 25 anos do Mercosul, em Montevidéu, no Uruguai, em protesto por se sentir desprestigiada. A informação foi passada pelo deputado Arthur Maia (PP-BA) e pelo senador Roberto Requião (PMDB-PR), chefes da delegação brasileira de parlamentares.
Segundo Maia e Requião, os deputados e senadores brasileiros foram colocados nas cadeiras do fundo do plenário, enquanto funcionários e integrantes dos ministérios de Relações Exteriores dos países do bloco ocupavam os melhores lugares.
De acordo com os parlamentares brasileiros, irritados, 17 dos 20 representantes do Brasil presentes à cerimônia desta segunda deixaram o evento. A cerimônia era presidida pelo presidente do Uruguai, Tabaré Vázquez, que na semana passada deu uma entrevista divulgada no site oficial do Parlasul, o Parlamento do Mercosul, na qual afirmou que o processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff era um “golpe parlamentar”.
“Havia essa reunião do Mercosul comemorando 25 anos do bloco e lá estava presente o presidente do Uruguai. Quando chegamos, haviam reservado para a delegação brasileira as últimas filas do plenário. Credito isso a uma retaliação pela votação do impeachment”, disse Artur Maia.
“Fui para a frente da mesa que dirigia a cerimônia. Quando o mestre de cerimônia pediu silêncio, eu falei alto. Disse que a delegação estava se retirando, porque considerava aquilo desrespeito”, completou o deputado.
Artur Maia afirmou que o presidente do Uruguai ainda tentou, sem sucesso, convencer a delegação a voltar. O deputado disse ainda que, em reunião do Parlasul, marcada para esta quarta (26), vai criticar a posição de Tabaré Vázquez sobre o impeachment e defender a regularidade do processo de afastamento.
O G1 entrou em contato com a Secretaria de Comunicação do Parlamento do Mercosul, mas não obteve resposta até a última atualização desta reportagem. O presidente do Parlasul, o argentino Jorge Taiana, já afirmou em comunicado de imprensa publicado na página oficial do órgão, que o processo de impeachment de Dilma é um "golpe parlamentar e uma utilização forçada da lei de impeachment".
O Parlasul, composto por integrantes dos cinco países-membro do Mercosul, é o órgão responsável por legislar sobre questões referentes à integração do bloco. As matérias aprovadas, no entanto, precisam passar pelo Legislativo de cada um dos países. Atualmente, Argentina e Paraguai são os únicos países com representantes escolhidos especificamente para o Parlasul por eleições diretas. No caso do Brasil, por exemplo, os representantes são membros eleitos para o Senado Federal brasileiro e para a Câmara dos Deputados.
O senador Roberto Requião confirmou a retirada da delegação brasileira do evento, mas disse não ver relação entre a distribuição dos lugares e as críticas de Vásquez ao processo de impeachment.
“O que aconteceu foi que colocaram todos os parlamentares atrás do auditório, inclusive os presidentes de delegações nacionais. Viemos assistir a uma cerimônia e não podíamos ser colocados em posições secundárias. Nós nos retiramos da reunião. É uma tendência das chancelarias não dar importância ao parlamento”, criticou o peemedebista.
Nesta terça (26), o Parlasul vai realizar sessão plenária, para discutir, entre outros pontos, medidas de integração das comissões permanentes do parlamento do Mercosul. A sessão vai ser presidida pelo presidente da Câmara dos Deputados do Uruguai, Gerardo Amarilla. (G1 – 25/04/2016)

Mercosur celebra sus 25 años de capa caída
El Mercosur celebró discretamente este lunes sus 25 años, en una ceremonia en su sede de Montevideo a la que solo asistió el presidente Tabaré Vázquez entre los mandatarios del grupo, en un contexto de crisis en Brasil y fuerte desgaste del bloque regional.
Los actos recordatorios de la firma del tratado de Asunción, que tuvo lugar el 26 de marzo de 1991 y fue la piedra fundamental del Mercosur, fueron encabezados por el canciller uruguayo, Rodolfo Nin Novoa, cuyo país ocupa la presidencia pro témpore del bloque. Vázquez incluso ocupó una silla al fondo del auditorio.
En los discursos de los cancilleres presentes -algunos países enviaron vicecancilleres- destacaron valoraciones positivas de logros alcanzados, y también una autocrítica por el estado del comercio intrarregional y la falta de concreción de acuerdos externos. La crisis en Brasil estuvo notoriamente presente en algunas alocuciones, y claramente ausente en otras.
“El modelo de integración elegido entonces (en 1991) no puede ser inmutable. (…) Hay que adaptarse a la realidad, aprender de los errores”, sostuvo Nin Novoa, destacando que el Mercosur, integrado por Brasil, Argentina, Uruguay, Paraguay y Venezuela, tiene “desafíos ganados y otros en deuda”.
En 25 años, “muchas veces fueron decisiones políticas las que frenaron los cursos de la integración” y “vientos proteccionistas que prevalecieron sobre la construcción de los mercados de nuestra región, (…) postergaron la construcción de una política comercial común”, sostuvo.
“A Uruguay no le preocupa que la proporción de su comercio destinado al Mercosur se haya reducido fuertemente (de 50% a 20% desde fines de los 90) si eso es consecuencia de haber logrado diversificar mercados”, dijo Nin Novoa.
“Nos inquieta ver reducido el comercio absoluto hacia el Mercosur producto de disfunciones en nuestra zona de libre comercio”, enfatizó el ministro.
Nin Novoa elogió la “actitud” del nuevo gobierno argentino de Mauricio Macri “para atender ese aspecto”, con la cual “ha brindado aires renovados al Mercosur”.
Los años de gobierno de Néstor y Cristina Kirchner (2003-2015) estuvieron marcados por trabas comerciales para evitar fuga de capitales y medidas proteccionistas paraarancelarias que provocaron rispidez entre los socios del bloque.
– El acuerdo con la UE –
El canciller brasileño, Mauro Vieira, dijo que el Mercosur se encuentra en las “vísperas de un paso decisivo”, en referencia al “acuerdo birregional con la Unión Europea”.
Los dos bloques esperan intercambiar ofertas de desgravación el próximo 11 de mayo en Bruselas.
Para el brasileño, se trata de una “demostración de la capacidad del Mercosur de negociar en bloque” y un “acierto de esta forma de negociación”.
Lo cierto es que el acuerdo con la UE lleva más de una década de espera, y la tesitura de una negociación en bloque hizo que la falta de una oferta del lado argentino fuera uno de los factores determinantes que frenó el acuerdo en los últimos años.
Uruguay y Paraguay abogan por una modificación de la normativa Mercosur que requiere la anuencia de todos los miembros del bloque para negociar acuerdos con terceros países.
En ese sentido, el canciller paraguayo, Eladio Loizaga, pidió dar “nuevo impulso” a las negociaciones con terceros países y eliminar las “restricciones no arancelarias que aún quedan”.
– Brasil, sí o no –
La crisis política por la que atraviesa Brasil, socio fundador del Mercosur, sobrevoló las exposiciones de los participantes del simposio “Reflexiones y desafíos para el Mercosur a 25 años del tratado de Asunción”.
El canciller anfitrión dijo que “el Mercosur debe ser garante del respeto a las instituciones democráticas” de los países que lo integran. “Confiamos que se seguirá el camino adecuado por el bien del Brasil y por el bien del Mercosur”, expresó en relación al proceso de juicio político a la presidenta Dilma Rousseff.
Uruguay había promovido una declaración conjunta de apoyo a Rousseff en la Unasur, una asociación política más extendido que el Mercosur, pero fracasó en su intento de conciliar apoyos.
El canciller brasileño no hizo mención a la situación en su país este lunes.
En tanto, el canciller paraguayo volvió a reiterar la postura de Asunción de “no intervención en otros Estados”.
El Mercosur, según datos de la Asociación Latinoamericana de Integración que lleva estadísticas de la región, tenía a fines de 2014 unos 290 millones de habitantes, 4% de la población mundial. Su PIB alcanzó a fines de ese año 3,2 billones de dólares. (la Nación Paraguay – 25/04/2016)

Congressistas brasileiros do Parlamento do Mercosul abandonam cerimônia de 25 anos do bloco
Parlamentares citaram críticas do presidente do Parlasul ao impeachment e posicionamento da delegação brasileira no fundo do local como motivos da saída.
A maioria dos congressistas brasileiros do Parlasul (Parlamento do Mercosul) que compareceram ao evento comemorativo de 25 anos do Mercosul nesta segunda-feira (25/04) em Montevidéu, capital do Uruguai, se retirou da cerimônia.
Dois motivos foram citados para a saída de 11 dos 14 parlamentares: a declaração, na semana passada, do presidente do Parlasul, Jorge Taiana, de que o processo de impedimento de Dilma Rousseff “é um golpe parlamentar e utilização forçada da lei de impeachment”; e o fato de a organização ter reservado à delegação brasileira a fileira O, na parte de fundo do salão, o que teria incomodado parte dos parlamentares.
“Não tem cabimento tal declaração no âmbito do Mercosul, ainda mais publicando no site oficial da instituição. Nós todos nos reunimos e decidimos sair do recinto, com o apoio do chefe da nossa delegação, que é o senador Roberto Requião [PMDB-PR]”, disse o deputado federal Benito Gama (PTB-BA) ao Blog do Fernando Rodrigues.
Segundo Requião afirmou ao mesmo blog, a fala de Taiana “era um assunto para ser debatido por todos”. O senador, no entanto, disse que ele se retirou da sala por conta do posicionamento dos congressistas brasileiros.
“O presidente do Uruguai [Tabaré Vázquez] em solidariedade se sentou na fila O, mas mesmo assim eles se retiraram”, disse o deputado Jean Wyllys (PSOL-RJ) em seu perfil oficial no Twitter. Wyllys, Benedita da Silva (PT-RJ) e Ságuas Moraes (PT-MT) foram os únicos parlamentares brasileiros que permaneceram na cerimônia.
“Nossa presença aqui é fundamental em um momento político delicado, em que o país pode sofrer sanções por ruptura da ordem democrática. Sim, essa possibilidade está no horizonte”, disse Wyllys também no Twitter. Segundo ele relatou, o ministro das Relações Exteriores do Brasil, Mauro Vieira, não mencionou em seu discurso a situação política do país, nem o processo de impeachment da presidente do Brasil.
Atualmente o Brasil ocupa 36 assentos do Parlasul e os parlamentares são escolhidos por via indireta, sob indicação das bancadas partidárias do Congresso. A Argentina é o único país do bloco — composto também por Paraguai, Uruguai e Venezuela — que realiza eleições diretas para o posto. (Jus Brasil – 25/04/2016)

12 dos 14 congressistas brasileiros deixam reunião do Mercosul em protesto
Fernando Rodrigues
Presidente do Parlasul disse haver um golpe parlamentar no Brasil
Congressistas brasileiros abandonaram evento após declaração
Apenas Jean Wyllys e Benedita da Silva continuarão participando
Para Requião, protesto foi por causa de cerimonial do evento
Um incidente diplomático hoje (2ª feira) cedo provocou a saída de 12 dos 14 congressistas brasileiros que participavam de um evento pela comemoração dos 25 anos do Mercosul, em Montevidéu, no Uruguai.
Segundo o deputado federal Benito Gama (PTB-BA), a maioria dos delegados brasileiros resolveu “protestar contra a opinião do presidente do Parlasul, o argentino Jorge Taiana”.
Ligado à ex-presidente argentina Cristina Kirchner, Taiana falou sobre o processo de impeachment no Brasil numa nota publicada no site oficial do Mercosul. “É um golpe parlamentar e uma utilização forçada da lei do impeachment”, disse ele.
“Não tem cabimento tal declaração no âmbito do Mercosul, ainda mais publicando no site oficial da instituição. Nós todos nos reunimos e decidimos sair do recinto, com o apoio do chefe da nossa delegação, que é o senador Roberto Requião (PMDB-PR)”, relatou Benito Gama, por telefone, de Montevidéu, onde está hoje e amanhã.
Requião telefonou ao Blog às 13h40 para dizer que o protesto, por parte dele, foi por conta do posicionamento dos congressistas brasileiros nos fundos do local onde se realizava o evento. “Foi um desrespeito não apenas com os brasileiros, mas também com os representantes de outros países. Colocaram funcionários nos melhores lugares e nos deixaram no fundo'', afirmou o senador paranaense.
Para Requião, o presidente do Parlasul não poderia ter expressado a opinião sobre o impeachment no Brasil como se fosse a da instituição. “Esse era um assunto para ser debatido por todos e vamos debatê-lo'', declarou o peemedebista.
Nestes 2 dias (25 e 26.abr) haverá várias reuniões do Mercosul. Os congressistas brasileiros pretendem fazer mais protestos. Na manhã desta 2ª feira, o presidente do Uruguai, Tabaré Vázquez, tentou evitar a saída dos brasileiros do recinto, mas não foi bem sucedido.
O chanceler brasileiro Mauro Vieira presenciou a cena, mas não chegou a tentar impedir a saída dos congressistas brasileiros.
Exceto pelos deputados Jean Wyllys (PSOL-RJ), Ságuas Moraes (PT-MT) e Benedita da Silva (PT-RJ), todos os outros representantes do Brasil saíram da sala onde se realizava a cerimônia de hoje.
Wyllys escreveu no Twitter sobre o ocorrido. Segundo ele, os demais congressistas resolveram se retirar depois de terem sido colocados em uma fila no fundo do auditório onde ocorria o evento.
“O cerimonial reservou a fila O para a delegação brasileira, que fica no fundo. Os deputados da oposição de direita mais Requião não gostaram (…) sentiram-se ofendidos e então se retiraram''.
Ao todo, 36 deputados e senadores brasileiros são integrantes do Parlasul. Dentre os 14 que participam dos 14 que participam dos eventos em Montevidéu estão os deputados Arthur Oliveira Maia (PPS-BA), Roberto Freire (PPS-SP), Jean Wyllys (PSOL-RJ), Ságuas Moraes (PT-MT), Benito Gama (PTB-BA), Heráclito Fortes (PSB-PI) e Benedita da Silva (PT-RJ) e os senadores Roberto Requião (PMDB-PR), Lídice da Mata (PSB-BA) e Antonio Carlos Valadares (PSB-SE). (Uol – 25/04/2016)

Nin Novoa dice que Mercosur debe apoyar la democracia en Brasil
El canciller Rodolfo Nin Novoa dijo este lunes que el Mercosur "debe ser garante del respeto a las instituciones democráticas" de los países del bloque, tras hacer mención a la crisis política que atraviesa Brasil, uno de los miembros fundadores del organismo internacional.
El ministro expresó que la situación institucional brasileña "merece particular y especial atención".
"No debemos olvidar que el Mercosur debe ser garante del respeto a las instituciones democráticas de los países que lo conformamos. La justicia, la legalidad y la legitimidad deben estar por encima de posicionamientos políticos", dijo Nin Novoa durante el acto de celebración del 25 aniversario del bloque regional.
"Desde la presidencia pro tempore actuaremos incansablemente en ese sentido, defendiendo la democracia, el orden institucional y la defensa de los valores y principios fundacionales del bloque. Confiamos en que ese será el camino adecuado por el bien del Brasil y por el bien del Mercosur", aseguró.
En el acto de conmemoración estaban también presentes el presidente, Tabaré Vázquez; los cancilleres de Brasil, Mauro Vieira, y de Paraguay, Eladio Loizaga; así como los vicecancilleres de Argentina, Carlos Foradori, y de Venezuela, Alexander Yánez.
Asimismo, algunos miembros del Parlamento del Mercosur (Parlasur) presenciaron el acto, en el que se puso de relieve la importancia y la vigencia del tratado de Asunción, del 26 de marzo de 1991, la piedra fundamental del proceso de integración regional.
Precisamente, poco antes del inicio del acto oficial, los integrantes del Parlasur por Brasil invitaron Vázquez a que se sentara junto a ellos tras denunciar la situación política que atraviesa ese país.
Vázquez aceptó la invitación y manifestó su apoyo a los parlamentarios, y permaneció sentado en el sector donde estos se encontraban. EFE (Espectador – 25/04/2016)

Grupo de trabalho discutirá ampliação de acordo entre Mercosul, Colômbia, Equador e Venezuela
Um grupo de trabalho, criado este mês, discutirá o aprofundamento e ampliação do Acordo de Complementação Econômica nº 59 (ACE-59), que tem como um dos principais objetivos formar uma área de livre comércio entre o Mercosul, a Colômbia, o Equador e a Venezuela.
O grupo de trabalho, formado durante a VII Reunião da Comissão Administradora do ACE-59, também debaterá a ampliação do acesso dos produtos agropecuários brasileiros ao bloco andino.
Um dos objetivos é avançar nas discussões para abertura definitiva do mercado colombiano aos produtos agrícolas, o que melhorará as condições de acesso do agronegócio brasileiro.
O ACE-59, firmado em 2003, prevê preferências tarifárias negociadas para diversos produtos, incluindo os do setor agrícola. Isso deverá resultar numa redução gradual do imposto de importação aplicado pelo bloco andino ao Mercosul. No entanto, nem todos os produtos terão suas tarifas reduzidas integralmente ao longo do tempo.
Colômbia e Equador representaram cerca de US$ 500 milhões em exportações brasileiras do agronegócio em 2015. O mercado colombiano é o mais importante para o Brasil, com US$ 331 milhões em exportações no ano passado, destacando-se preparações para bebidas e produtos do setor florestal (madeira, papel e celulose).
A Colômbia é também o mercado com maior número de produtos não negociados no acordo. Ou seja, itens que manterão as tarifas atuais. Entre eles, destacam-se açúcar, álcool e chocolates.
Pelo acordo, o mercado colombiano ainda terá outros 26 códigos que não atingirão 100% de redução tarifária - entre os quais estão carne desossada e miúdos bovinos, preparações alimentícias e produtos de padaria.
O mercado venezuelano não foi considerado, uma vez que está em processo de adesão ao Mercosul.
Em consequência da negociação de um acordo mais amplo entre EUA e Colômbia, os produtos agrícolas brasileiros têm perdido participação no mercado colombiano. O novo grupo de trabalho deverá preparar propostas a serem apresentadas na Comissão Administradora do Acordo, com possibilidades de melhora das condições de competição com os produtos norte-americanos e ampliação da presença de produtos do agronegócio brasileiro na Colômbia.
A reunião que definiu a criação do grupo de trabalho ocorreu quinta (21) e sexta-feira (22) da semana passada, em Montevidéu. (Mapa – 25/04/2016)

China Wants to Sign a Free Trade Agreement With Morocco
The state-run press agency of the People’s Republic of China (PRC) said the two countries “are on track to conclude a series of strategic agreements covering the economy, trade, and investments in Africa.”
News of the proposal comes less than a week after King Mohammed VI gave a speech at the joint Gulf Cooperation Council (GCC) summit in Riyadh, during which he said Morocco was looking to “diversify” its economic and political relationships by seeking stronger partnerships with major Asian countries, such as China and India.
China has been developing its relationship with many African countries in recent years, causing leaders from the United States and European states to be concerned about the communist country’s influence in the continent.
A 2015 report from the U.S.-based Council on Foreign Relations said the driving force behind the PRC’s increased interest in the distant continent involves China’s energy needs, which it hopes to fulfill through some of Africa’s oil and natural gas giants, such as Nigeria, Sudan and Angola, to name a few.
Morocco’s status as a net oil and gas importer has limited Chinese interest in the North African country in the past, though a 2013 study by U.S. researchers counted 36 Chinese projects in the kingdom between the years 2000 and 2012. Another factor mitigating bilateral relations could include Morocco’s strong ties to its European neighbors and the United States, most of whom view China with suspicion.
The tables have been turning in recent months, however, as Morocco looks to gain new allies in its territorial dispute with the separatist Polisario Front in the Western Sahara.
Among other developments, the Bank of China opened its first Moroccan branch in Casablanca last month and the Moroccan royal family participated in New Year’s celebrations in Hong Kong this year. (Morocco World News (Marrocos) – 25/04/2016)

Aseguran que acuerdo con la UE será de gran impacto
Por Entrevista de Hugo Ruiz Olazar
Jean Claude Lenoir, presidente de la Comisión de Asuntos Económicos y Simón Sutour, jefe de una delegación del Senado francés que visitó nuestro país la semana pasada, aseguraron que el tratado de libre comercio con la Unión Europea tendrá un gran impacto en el desarrollo del Mercosur. En esta entrevista admiten que el acuerdo no será fácil pero que la presentación de ofertas, en mayo, es un gran paso adelante. Sutour remarca que un futuro acuerdo, más allá del aspecto económico, tiene también un fuerte significado político.
–¿Usted cree que por fin se va a destrabar la negociación Mercosur-Unión Europea?
–(Lenoir) Mire. Yo soy presidente de la Comisión de Asuntos Económicos del Senado. Conozco muy de cerca estos debates a través del comité estratégico que lidera el ministro de Relaciones Exteriores. Estas negociaciones con el Mercosur son extremadamente sensibles para nosotros, sobre todo ahora que se acerca el tiempo de la presentación de ofertas.
–Francia y 13 países de la Unión Europea (de 28) ponen trabas para negociar el tema leche y el tema carne.
–(Pidieron a la Unión Europea que excluya los productos agrícolas “sensibles”, como los lácteos o las carnes, de los futuros intercambios de ofertas con el Mercosur, al opinar que su inclusión tendría efectos negativos. El asunto se trató en el marco de un consejo de ministros europeos de Agricultura, a petición de Austria, Chipre, Estonia, Francia, Grecia, Hungría, Irlanda, Letonia, Lituania, Luxemburgo, Polonia, Rumania y Eslovenia)
–Todos tenemos que admitir que las negociaciones no van a ser fáciles ni tan rápidas. Cada cual defiende sus intereses, los países de Europa y del Mercosur. Por eso se llama a negociar para que cada cual haga concesiones. Nosotros queremos un tratado de libre comercio con Mercosur y que lleguemos a un punto en el cual todas las partes se vean beneficiadas. En las conversaciones con las autoridades paraguayas hemos visto que Paraguay quiere un acuerdo lo antes posible, nosotros también. La Unión Europea está en este momento detrás de dos acuerdos de libre comercio, con Canadá que ya está semiterminado y con Estados Unidos. El presidente (Barack) Obama quiere apurar para este año pero en mi opinión eso tardará más.
–El de Mercosur tardará más, evidentemente.
–La UE y el Mercosur se han comprometido a efectuar un intercambio inicial de ofertas en la segunda semana de mayo, de cara a desbloquear unas negociaciones estancadas en el capítulo económico del acuerdo de asociación, que comenzó en 1999 y sufrieron una paralización.
La presentación de ofertas de mayo ya es un gran paso. Lo importante de un tratado con la Unión Europea es que tendrá una gran repercusión, un gran impacto para el desarrollo del Mercosur. Lo primero y lo más importante es que será un acuerdo con reglas de juego transparentes y claras. Las negociaciones se hacen para que ganen todas las partes. No es cuestión de negociar para que una de las partes salga mal parado. Si fuera así no estaríamos perdiendo el tiempo hablando o presentando ofertas como lo vamos a hacer ahora. Hay que encontrar el punto medio.
–¿Cómo piensa que se va a superar el problema de la agricultura?
–Estamos evaluando los impactos que tendrá el tratado en nuestra producción agrícola. Están además las dificultades ligadas a las cuestiones de arbitrajes. Si hay litigios tenemos que ver cómo serán resueltos. Ciertamente, entre nuestros agricultores existe una gran inquietud por la apertura de nuevos mercados, por la liberalización. La discusión con el Mercosur llega en un contexto particularmente sensible. Los agricultores están muy pendientes de que sus intereses sean defendidos y son conscientes de la competencia que significa América del Sur donde se producen carne de gran calidad.
–Es el problema especialmente de Francia.
–Nosotros esperamos el reconocimiento de lo que llamamos “indicaciones geográficas protegidas”, es decir, que hay productos del territorio que son reconocidos y que queremos proteger con respecto a productos que no tienen la misma identidad. Es difícil y entendimos y somos conscientes del interés y al mismo tiempo sabemos que en nuestro país los actores económicos son los agricultores y otras profesiones, especialmente los servicios en general. Todos están muy atentos a las repercusiones de la apertura de las fronteras.
(La aspiración del Mercosur es venderle a la Unión Europea hasta 300.000 toneladas anuales más de carne bovina).
–¿Por qué se empeñan en un acuerdo si hay una barrera muy grande como es el tema agrícola?
–(Simón Sutour) Más allá del aspecto económico en estas negociaciones hay un aspecto político. La Unión Europea comprende 500 millones de habitantes. El Mercosur, a grosso modo son más o menos 300 millones. Para un mundo que tiene siete mil millones de habitantes, lo que nos aproxima a América Latina es el fuerte lazo que nos une en materia de derechos humanos, de valores de libertad, historia común. Entonces, este acuerdo más allá del aspecto económico tiene también un fuerte nexo político.
Hay que ser honestos y admitir que estos acuerdos no se van a producir de la noche a la mañana. Va a ser un largo camino.
–¿Cuánto tiempo?
–No sé. Lo importante es que al final de cuentas se llegue a buen término. Yo pienso que puede llegar a ser un acuerdo ejemplar. Comparando con el tratado que estamos negociando con Estados Unidos, mi opinión personal es que no le veo mucho futuro. Las negociaciones tienen ya varios años. Sentimos que no es una negociación entre socios, donde se expone lo que se desea y lo que se toma o se deja. Las negociaciones que se dan entre el Mercosur y la Unión Europea son entre socios e iguales con una vocación de que se va a llegar a buen término.
–Después de la presentación de las ofertas en mayo, ¿ahí se podrá saber si esto tendrá resultado?
–Francamente hay que ser sincero. Esto va a ser largo. ¿Por qué? Porque la Unión Europea está comprendida por 28 países. Varios países tienen parlamentos bicamerales. Eso alarga un poco más las negociaciones. Pero reitero mi optimismo de que vamos a llegar a buen término.
–Los atentados que golpearon a Francia, ¿eso hace que su país observe con más interés, con más confianza a América Latina?
–(Lenoir) A mí me impresionó escuchar aquí que los paraguayos manifestaran de inmediato su solidaridad, así como lo hicieron otros países de América Latina. Nos dijeron que cuando Francia fue golpeada por el terrorismo, los paraguayos fueron tocados, lastimados de la misma forma. Yo soy de derecha. El jefe de la delegación (Sutour) es de izquierda. Todos estuvimos en la calle en esa gran manifestación que hicimos como repudio a los atentados. Esos actos nos golpean a todos, aun a los que pensamos diferente. Finalmente es un atentado contra la humanidad, contra nuestra cultura, contra el patrimonio del mundo.
–¿Cómo repercuten en Europa estos cambios que se vienen produciendo en la región? Se fue Cristina Kirchner en Argentina, en Brasil hay un juicio político contra Dilma.
–(Lenoir) Conozco bastante bien América Latina. Desde el punto de vista económico, Francia tuvo algunas dificultades principalmente en Argentina y Brasil por inversiones que terminaron mal. Eso ha ido cambiando. En Brasil la situación está un poco complicada. Me sorprende Paraguay. Se ha desarrollado en forma considerable. El mensaje que llevamos de aquí puede interesar a nuestros inversionistas. Es un país pequeño pero con una gran ventaja que es su estabilidad. Vimos que su interés en el tratado de libre comercio con la Unión Europea lo convierte en una pieza importante para que el acuerdo llegue a feliz término. Las empresas francesas pueden sentirse cómodas aquí.
(Sutour) Nosotros no nos involucramos en los asuntos internos de los países. Los pueblos eligen su destino. En esta gira pudimos constatar los cambios que hubo en Argentina. Para nosotros los lazos son con el país y en el marco de la diversidad. Luego podemos tener nuestras impresiones personales. Con Paraguay, por ejemplo, creamos una comisión de amistad. Hemos decidido intensificar el relacionamiento de trabajo, uno de ellos es la negociación de la que acabamos de hablar, otro es el tema de la salud, el tema de la justicia y todo lo que contribuya a la relación franco-paraguaya
–¿Cómo se explica el deseo, la voluntad de fortalecer los lazos y en contrapartida Francia cierra su Consulado en Paraguay?
–Yo conozco bien el asunto porque escuché mucho hablar de él. Como parlamentario estoy a favor de reforzar los lazos diplomáticos, además de reforzar la colaboración con la Alianza Francesa y el Liceo Francés. Los paraguayos no tienen problemas para conseguir una visa. Puede haber alguna dificultad con los becarios, pero el embajador lo va a resolver. Eso ya es importante. Sobre ese tema creo que hay un componente sicológico más que dificultades reales. En el Parlamento ponemos nuestro esfuerzo para que los problemas sean los menores posibles aunque no podemos negar que Francia está pasando por ciertas dificultades económicas. (ABC Color – 25/04/2016)

Aniversario del Mercosur, entre protestas de diputados venezolanos
El presidente Tabaré Vázquez participó hoy del seminario “Reflexiones y desafíos para el Mercosur a 25 años del Tratado de Asunción”. Diputados venezolanos protestaron, y la situación de Brasil fue uno de los temas que surgieron.
El presidente de la República Tabaré Vázquez participó hoy del seminario “Reflexiones y desafíos para el Mercosur a 25 años del Tratado de Asunción”.
El encuentro tuvo lugar en el Edificio Mercosur, en Montevideo, y en la actividad participaron también el ministro de Relaciones Exteriores (en calidad de presidente Pro Témpore del Mercosur), Rodolfo Nin Novoa, la ministra de Relaciones Exteriores y Culto de Argentina, Susana Malcorra; el ministro de Relaciones Exteriores de Brasil, Mauro Vieira; el ministro de Relaciones Exteriores de Paraguay, Eladio Loizaga; la ministra del Poder Popular para Relaciones Exteriores de la República Bolivariana de Venezuela, Delcy Rodríguez; el ministro de Relaciones Exteriores de Bolivia, David Choquehuanca, el Cr. Enrique Iglesias, y el director de la Secretaría del Mercosur, Oscar Pastore.
Mientras Vázquez eligió sentarse en una de las últimas filas junto con los diputados de Brasil oficialistas, Ni Novoa fue quien abrió la oratoria y en uno de los pasajes de su discurso destacó que la "actitud del gobierno argentino ha traído aires renovados al Mercosur".
El canciller también habló de Brasil: "El Mercosur debe ser garante de la democracia (... ) la legalidad no puede estar por encima de posicionamientos políticos", señaló.
En tanto, algunos venezolanos portando carteles piden "no al cierre" del parlamento en su país. Y alertan por miles de muertes durante los 16 años de chavismo.
El canciller brasileño, Mauro Vieira, resaltó la importancia de que el "Mercosur proporciona paz, estabilidad y democracia" y si bien no se refirió directamente a la presidenta de su país, Dilma Rousseff, repitió varias veces la palabra "democracia" en su discurso.
El vicecanciller venezolano, también habló de Brasil y dijo que "no se puede desconocer el poder dado por el pueblo" a Rousseff.
Al final del discurso del representante venezolano, una persona gritó: "Libertad para presos políticos". Casi todos callaron, mientras otros pidieron silencio.
El seminario culminó con la presentación del sello conmemorativo del 25° aniversario de la firma del Tratado de Asunción por parte de la Administración Nacional de Correos del Uruguay y la ceremonia de matasellado por parte de los ministros. (El Pais – Uruguay – 25/04/2016)

Brasil e Argentina promovem reunião para discutir temas comerciais bilaterais e do Mercosul
Da Redação
Brasília – Autoridades do Brasil e da Argentina se reúnem nesta segunda-feira (25), em Brasília, para uma ampla discussão de temas econômico-comerciais da agenda bilateral e do Mercosul, com ênfase especial na queda do fluxo de comércio entre os dois países. Os temas serão tratados na reunião da Comissão de Comércio Bilateral Brasil-Argentina, que será chefiada pelo ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Armando Monteiro, e pelo ministro da Produção da Argentina, Francisco Cabrera.
Entre os temas bilaterais, destacam-se: integração produtiva, promoção de investimentos, acompanhamento da corrente de comércio e acordo sobre o setor automotivo. Entre os temas do Mercosul devem figurar a agenda de relacionamento externo, o fortalecimento econômico-comercial do bloco e os protocolos sobre compras governamentais e sobre cooperação e facilitação de investimentos.
Também deverá ser abordada a troca de ofertas entre o Mercosul e a União Europeia, programada para a segunda semana de maio, com o objetivo de avançar com as negociações visando a assinatura de um acordo de livre comércio entre os dois blocos.
Outro tema relevante a ser debatido na Comissão de Comércio Bilateral Brasil-Argentina diz respeito à renovação do acordo automotivo com o país vizinho. O atual acordo, baseado em um sistema de cotas, expira em junho. Nas últimas reuniões em que o tema foi tratado, o Brasil defendeu a suspensão dos tributos para o setor, mas o governo do presidente Maurício Macri –assim como sua antecessora Cristina Kirtchner- apresentou restrições.
Segundo o secretário de Comércio Extrior do MDIC, Daniel Godinho, “o Brasil deseja chegar a um acordo que tenha uma visão de livre comércio, de futuro. Para que isso aconteça, precisamos tratar de temas fundamentais, ligados à integração produtiva, o que nós concordamos. Estamos olhando para a mesma direção”.
Raciocínio semelhante é defendido pelo presidente a Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), Luis Moan, para quem “o setor automotivo brasileiro concorda com um acordo de longo prazo com os argentinos, desde que preveja o livre comércio”.
A situação atual do comércio entre os dois países será um dos principais assuntos da reunião em Brasília. Depois de atingir o ápice em 2011, quando as trocas bilaterais alcançaram o recorde histórico de US$ 39,6 bilhões (com exportações brasileiras de US$ 22,7 bilhões e vendas argentinas no montante de US$ 16,906 bilhões), o fluxo de comércio bilateral iniciou trajetória de queda e em 2015 as exportações brasileiras totalizaram US$ 12,8 bilhões, enquanto as vendas argentinas somaram US$ 10,2 bilhões.
A curva descendente teve continuidade no primeiro trimestre deste ano, apesar de as exportações brasileiras terem reduzido o ritmo de queda (-0,37% comparativamente com idêntico período de 2015), enquanto as exportações argentinas, no montante de US$ 1,948 bilhão, desabaram 27,93%.
De acordo com o Itamaraty, “a manutenção e o estreitamento das relações com a Argentina são de fundamental importância para a estratégia brasileira de promover o fortalecimento econômico e político da América do Sul, visando ao estabelecimento da região como um dos polos de um sistema mundial multipolar”.
Para a chancelaria brasileira, “a crescente integração econômica bilateral tem fortalecido a economia e a indústria dos dois países. O capital brasileiro está presente em diversos setores da economia argentina, como o minerador, siderúrgico, petrolífero, bancário, automotivo, têxtil, calçadista, de máquinas agrícolas e de construção civil. A presença de capitais argentinos no Brasil também é digna de nota”.
O Itamaraty destaca ainda que “entre 2003 e 2015, a corrente de comércio bilateral elevou-se de US$ 9,24 bilhões para US$ 23,09 bilhões, um crescimento de 150%. No período, as exportações brasileiras para a Argentina cresceram de US$ 4,56 bilhões para US$ 12,8 bilhões, incremento de 181%. Em 2015, a Argentina ocupou o terceiro lugar no destino das exportações brasileiras”. (Comex do Brasil – 25/04/2016)

Países de Mercosur destacan vigencia de tratado fundacional y apertura global
Los representantes de los ministerios de Exteriores de los países del Mercosur -Argentina, Brasil, Paraguay, Uruguay y Venezuela como miembros plenos y Bolivia en proceso de adhesión- reflexionaron sobre los desafíos que enfrenta el bloque a 25 años de su creación, en un acto convocado por la cancillería de Uruguay, nación que mantiene la presidencia pro témpore del organismo.
Los cancilleres y vicecancilleres del Mercosur destacaron hoy en Montevideo la vigencia de los cometidos del Tratado de Asunción de 1991 que fundó el organismo regional, y manifestaron la necesidad de una apertura comercial con otros países y bloques y de estrechar los vínculos entre sus integrantes.
Los representantes de los ministerios de Exteriores de los países del Mercosur -Argentina, Brasil, Paraguay, Uruguay y Venezuela como miembros plenos y Bolivia en proceso de adhesión- reflexionaron sobre los desafíos que enfrenta el bloque a 25 años de su creación, en un acto convocado por la cancillería de Uruguay, nación que mantiene la presidencia pro témpore del organismo.
La apertura estuvo a cargo del canciller uruguayo, Rodolfo Nin Novoa, quien rescató el espíritu de integración del tratado fundacional del Mercosur, aunque matizó que el "modelo" de la misma "no puede ser inmutable".
"Hay que adaptarse a la realidad, aprender de los errores, modificar lo que sea necesario para mantener la credibilidad de los procesos. Es verdad que muchas crisis externas y problemas dentro del Mercosur y de los países han enlentecido la cristalización de etapas de integración previstas en el Tratado. Por eso hoy debemos hacer una fuerte autocrítica", dijo Nin Novoa.
El alto funcionario uruguayo aseguró que su país "exhorta a continuar trabajando en pos de la integración mercosuriana con el mismo espíritu y objetivo que circundó el nacimiento del tratado de Asunción, pero con el coraje político de intentar diseñar nuevos instrumentos que atiendan eventualmente necesidades de algunos países".
En ese sentido, recordó "el levantamiento de las negociaciones (del Mercosur) con la Unión Europea, cuyo paso inicial tendrá lugar el 11 mayo en Bruselas", y agradeció al Gobierno argentino por los "aires renovados" a la apertura al mundo del bloque regional.
Por su parte, el vicecanciller de Argentina, Carlos Foradori, consideró "necesario" que el bloque "se actualice" a partir de "la innovación y la transformación".
"Asumiendo esta necesidad ineludible debemos ser audaces y programáticos para traer a nuestra región institutos y disciplinas, reglas y estándares que caracterizan a los esquemas de integración más recientes que conforman países relevantes con economías dinámicas y en crecimiento", aseguró el vicecanciller.
Entre estos enumeró el Acuerdo Transpacífico de Cooperación Económica (TPP, por sus siglas en inglés), el acuerdo Asia-Pacífico, las negociaciones entre Estados Unidos y la Unión Europea.
"Seamos conscientes de que esos acuerdos redundarán en mejoras de la competitividad de los países que los componen y que si no hacemos nada se producirá el desvío del comercio y de inversiones en detrimento de nuestra región", aseguró el argentino.
El canciller de Brasil, Mauro Vieira, también expresó la postura favorable de su país a la negociación con otros países y bloques comerciales.
"Estamos abiertos al mundo en la esfera política y comercial. No por casualidad esta celebración sucede en las vísperas de las negociaciones del acuerdo birregional con la UE. Se trata de la demostración de la capacidad del Mercosur de negociar en bloque y del acierto de la elección de esa forma de negociación", aseveró Vieira.
El ministro brasileño también subrayó el esfuerzo del bloque para disminuir "las asimetrías entre los estados parte" que "será renovado y perfeccionado" a través de herramientas como los Fondos de Convergencia Estructural del Mercosur.
Vieira recordó que es el "principal instrumento" que en su aplicación en los últimos diez años "ha mostrado resultados" a través de la inversión de 1.000 millones de dólares en 43 proyectos, y que en la última cumbre del Mercosur en Brasilia se tomó la decisión de prolongar el programa durante 10 años más.
En tanto, el canciller paraguayo, Eladio Loizaga, también consideró oportuno "ampliar y consolidar los campos de la integración", con una apertura mayor al mundo y "dar un nuevo impulso a las negociaciones con terceros países y grupos de países".
Asimismo, en el acto, que contó con la presencia del presidente uruguayo, Tabaré Vázquez, participaron el vicecanciller de Venezuela, Alexander Yanez, y el extitular de la Secretaría General Iberoamericana, Enrique Iglesias, una importante figura de la diplomacia uruguaya y la integración regional.
Tras la oratoria, el alto representante general del Mercosur, Florisvaldo Fier, dijo a los medios que en el acto se hizo "una reflexión" sobre las problemáticas que enfrenta el bloque, pero que también se mostraron "los desafíos y la posibilidad de superarlos".
"Lo que tenemos que hacer es buscar una integración entre nosotros, haciendo una complementación productiva, una complementación comercial y ampliando nuestra capacidad de conquista de nuestro propio mercado en América del Sur", concluyó Fier. (La Razón/EFE Montevidéo - – 25/04/2016)

Presidencia de Unasur pasa a manos de Venezuela; promesa de ayuda a Ecuador
La canciller venezolana, Delcy Rodríguez, recibió en Quito la presidencia pro témpore de la Unasur, con un Ecuador intentando recuperarse del duro terremoto que le sacudió y Brasil en terapia intensiva por el juicio político a Dilma Rousseff.
El canciller uruguayo, Rodolfo Nin Novoa, entregó el testigo a Rodríguez en una reunión del Consejo de Cancilleres del bloque que se celebró en la sede de la Secretaría General de la Unión de Naciones Suramericanas (Unasur), en el norte de la capital ecuatoriana.
El encuentro comenzó con un minuto de silencio en honor de las víctimas del seísmo de 7,8 grados de magnitud en la escala abierta de Richter, que el pasado sábado asoló un sector del norte de la costa ecuatoriana y que hasta el momento ha dejado casi 700 muertos, 16.601 heridos, 58 desaparecidos y 25.640 alojados en albergues temporales.
Los cancilleres de Unasur expresaron sus condolencias a los ecuatorianos por la tragedia, aunque también destacaron la gran unidad de la población, así como el generoso apoyo internacional recibido por Ecuador.
Al recoger la presidencia temporal de Unasur, la canciller venezolana condensó el sentimiento de congoja de sus colegas suramericanos y señaló que Ecuador no está solo, pues tiene como aliada a la integración regional.
El canciller ecuatoriano, Guillaume Long, intervino en la reunión con un emotivo recuento de la tragedia vivida por su país y puso en relieve los beneficios de la integración en estos momentos de dolor.
Para el canciller ecuatoriano, la reconstrucción de la zona devastada costará mucho y tardará varios años, por lo que solicitó a la Unasur asumir el compromiso de apoyo a largo plazo. Long aseguró que ante tanta tragedia, también ha sido muy grato el trabajo desplegado por más de mil especialistas extranjeros en rescate de víctimas, que junto a colegas ecuatorianos han logrado salvar la vida de 113 personas atrapadas entre los escombros.
Por su parte, el secretario general de Unasur, el ex presidente colombiano Ernesto Samper, que ha vivido de cerca la tragedia en Ecuador, pues reside en Quito, que alberga la sede de la Secretaría General, anunció la aplicación en Ecuador de un Manual de Asistencia Mutua ante Desastres de la Unasur.
Ecuador inaugurará la aplicación de dicho manual, que es “una herramienta importante para ayudar de manera conjunta y coordinada” a países que “se han visto afectados por desastres naturales”.
Para Samper, en la asistencia eficaz y oportuna a Ecuador también se verifican los beneficios de la integración.
Sin embargo, dijo que la unidad regional afronta también desafíos políticos, el más preocupante el que se cierne en Brasil, con una oposición política decidida, al parecer, a forzar la salida del poder de Dilma Rousseff.
“Vemos que se está avanzando rápidamente en el juzgamiento de la Presidenta, sin que exista, a nuestro juicio, ninguna prueba” que determine su culpabilidad, señaló Samper y apostilló que esa posibilidad “sería una preocupante circunstancia para toda la región”.
Para el secretario, Brasil está en una especie de “sala de cuidados intensivos” de Unasur, que vigila su condición y que espera madurez de la clase política de ese país.
“Esperamos que los actores (políticos en Brasil) reiteren su compromiso con la democracia” y que la presidenta Rousseff “pueda salir bien librada de este impasse”, remarcó al insistir en que esa es otra de las preocupaciones que tiene el grupo, ahora presidido por Venezuela.
La Unasur está formada por Argentina, Brasil, Bolivia, Colombia, Chile, Ecuador, Guyana, Paraguay, Perú, Surinam, Uruguay y Venezuela. (MercoPress – 25/04/2016)

Brasil e Argentina debatem agenda bilateral e Mercosul
Brasília, 25 abr (Prensa Latina) A primeira reunião da Comissão de Comércio Brasil-Argentina terá uma sessão hoje nesta capital e durante a mesma se abordarão temas da agenda bilateral e outros relacionados com o Mercado Comum do Sul (Mercosul).
O encontro será presidido pelo ministro argentino de Produção, Francisco Cabrera, e o titular brasileiro de Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Armando Monteiro, foi confirmado hoje.
Integração produtiva, promoção de investimentos, monitoramento dos fluxos comerciais e avanço dos acordos assinados no setor automotriz serão alguns dos aspectos da relação entre ambos países que serão abordados no encontro.
Em relação ao Mercosul, a própria fonte antecipou que revisará o fortalecimento econômico-comercial do bloco, os protocolos sobre compra governamentais, bem como a cooperação e a facilitação de investimentos, entre outros assuntos.
Com um intercâmbio de mercadorias e serviços que aumentou de pouco mais de nove bilhões de dólares em 2003 a mais de 23 em 2015, a Argentina constitui um dos principais sócios políticos e econômicos do Brasil.
Nesse período, as vendas brasileiras à Argentina cresceram de 4,0 bilhões de dólares a 12,8 bilhões de USD, um aumento 181%. Em consequência, o país vizinho ficou em terceiro lugar como destino das exportações brasileiras.
Esta forte dinâmica comercial bilateral, marcada pela alta percentagem de produtos de alto valor agregado, tem importantes impactos nos setores estratégicos das duas economias, sobretudo na indústria, segundo o Ministério de Relações Exteriores do Brasil.
O setor automotriz é um dos que se destaca entre as áreas mais beneficiadas por esta sociedade, que tem efeitos diretos e indiretos sobre o conjunto da economia brasileira em campos como a mineração, siderúrgica, metalurgia, química, petróleo e gás, além do setor de serviços.
No plano político, agregou a Chancelaria, a proximidade com a Argentina constitui um pilar importante no esforço de construção de um espaço de paz e cooperação para o meio brasileiro.
A alta densidade da cooperação entre ambos países se reflete nos frequentes encontros e visitas bilaterais nos níveis presidencial e ministerial e na existência do Diálogo de Integração Estratégica Brasil-Argentina, mecanismo de alto nível para o tratamento dos principais assuntos de interesse bilateral.
Brasil e Argentina compartilham uma linha fronteiriça que se estende ao longo de 1.261 quilômetros, assim, a política de integração nestas áreas constitui uma dimensão essencial na agenda de cooperação bilateral. (Prensa Latina – 25/04/2016)

Tratado de livre comércio entre UE e EUA, um pacto que enfrenta obstáculos
Os Estados Unidos e a União Europeia trabalham desde 2013 neste vasto acordo, do qual começará uma 13ª rodada de negociações nesta semana, em Nova York
France Presse
Paris, França - O presidente Barack Obama defendeu no domingo o avanço do tratado de livre comércio atualmente em negociação com a União Europeia (UE), apesar das críticas generalizadas que o acordo desperta.
"Angela Merkel e eu estamos de acordo em dizer que os Estados Unidos e a União Europeia precisam continuar avançando com a Associação Transatlântica para o Comércio e Investimento (conhecido como TTIP, na sigla em inglês)", declarou Obama durante uma coletiva de imprensa conjunta com a chanceler alemã.
Os Estados Unidos e a União Europeia trabalham desde 2013 neste vasto acordo, do qual começará uma 13ª rodada de negociações nesta semana, em Nova York.
O projeto suscita um questionamento cada vez maior na sociedade civil, como foi evidenciado pela manifestação de dezenas de milhares de manifestantes nas ruas de Hanover no sábado.
As negociações sobre o TTIP encontram-se presas por fortes divergências entre as duas partes, alimentadas por um ceticismo crescente das opiniões tanto nos Estados Unidos como na Europa.
Conheça um pouco o que é este tratado.
O que é o TTIP?
A Associação Transatlântica para o Comércio e o Investimento (TTIP) é um vasto acordo comercial que está em negociações desde 2013. Tem por objetivo eliminar barreiras comerciais entre a UE e os Estados Unidos, e reduzir os obstáculos nos intercâmbios de bens e serviços entre os dois sócios.
As negociações foram realizadas em sigilo, uma opacidade denunciada por muitos setores da sociedade civil.
Segundo o Centro de Investigação Política e Econômica (CEPR), o acordo permitiria lucros de 120 bilhões para a Europa e de 95 bilhões para os Estados Unidos.
Por que Obama quer acelerar as negociações?
Para o presidente americano, Barack Obama, o tempo é curto se quiser selar o pacto antes de finalizar seu mandato na Casa Branca, em janeiro de 2017, num momento em que na campanha inclusive os candidatos democratas criticaram o projeto.
Desde sua chegada à Alemanha, Obama fez apelos para que o acordo seja alcançado rapidamente.
"Se não terminarmos as negociações neste ano, com as transições políticas que vêm nos Estados Unidos e na Europa, isso pode significar que o acordo não seja concluído em um bom momento", disse após se reunir com Angela Merkel.
Do lado de Bruxelas, a comissária europeia de Comércio, Cecilia Malmstrom, havia expressado que as eleições nos Estados Unidos não deveriam deter a negociação.
Quem seriam os beneficiários do TTIP?
A Alemanha, primeira economia mundial, seria uma das grandes beneficiadas do acordo por sua grande capacidade como exportadora.
O primeiro-ministro britânico, David Cameron, se mostrou muito partidário do acordo, enquanto a França é mais reticente e o secretário de Comércio Exterior da França, Matthias Fekl, lamentou no domingo que nenhuma das posturas defendidas por seu país tenha sido levada em conta até agora.
Quais são os obstáculos que enfrenta na Europa?
A sociedade civil se mobiliza há meses contra o TTIP, denunciando a opacidade das negociações e suas possíveis consequências para o setor agrícola e o meio ambiente.
No sábado dezenas de milhares de pessoas protestaram em Hannover. Os principais temores apontam para o setor dos serviços, a regulação financeira e a denominação de origem.
E nos Estados Unidos?
Nos Estados Unidos o projeto foi duramente criticado durante a campanha presidencial, na qual em geral os acordos comerciais foram apontados como responsáveis pela desindustrialização do país.
Donald Trump, que lidera as primárias republicanas, o converteu em um de seus cavalos de batalha, enquanto no campo democrata Hillary Clinton também se expressou contrária, sob pressão de seu oponente Bernie Sanders, com um discurso mais próximo à esquerda.
A candidata disse que muitas vezes os acordos de livre comércio "pareciam fantásticos no papel", mas que seus resultados nem sempre estavam "à altura".
Qual é a percepção sobre outros acordos?
Os candidatos às primárias não apenas se referiram a este acordo especificamente. Hillary se declarou recentemente contra o Acordo Transpacífico de Livre Comércio (TPP) assinado com 11 países da região Ásia-Pacífico, que busca criar a maior zona de livre comércio do mundo.
Sanders foi mais longe e disse que estes acordos são "um desastre para os trabalhadores americanos".
No campo republicano, Trump prometeu medidas protecionistas contra China e México, o que equivale a questionar o tratado de livre comércio da América do Norte assinado em 1994 por Bill Clinton. (Correio Braziliense – 25/04/2016)

India ratificó ampliación del Acuerdo de Alcance Parcial con Chile
El gobierno de India aprobó la ampliación del Acuerdo de Alcance Parcial con Chile, quedando pendiente la finalización de aspectos formales de carácter jurídico, informó la Dirección General de Relaciones Económicas Internacionales (Direcon).
El acuerdo ampliado permitirá pasar de 474 productos contemplados en el acuerdo original vigente desde 2007, a cerca de 2.800 productos con preferencias arancelarias.
La Direcon precisó que entre los bienes chilenos se suman productos agrícolas como cerezas frescas, cebollas, paltas, uvas, kiwis, mandarinas, duraznos en conserva, pasta de tomate, cóctel de frutas, jugos de uvas y manzanas, entre otros.
Asimismo, destacó que “a diferencia del acuerdo original, el proceso de profundización contempla márgenes de preferencia arancelaria en promedio entre un 80% y 100%”.
“En la práctica esto significará que al menos el 80% de nuestra oferta exportable a India obtendrá algún beneficio arancelario”, remarcó el director general de la Direcon, Andrés Rebolledo.
Por otra parte, el funcionario chileno señaló que se incorporaron capítulos de obstáculos técnicos al comercio y de medidas sanitarias y fitosanitarias, y advirtió que los mismo “ayudarán a eliminar barreras no arancelarias”.
Además de los bienes incluidos en la nueva negociación, otros productos que estaban contemplados mejoraron sustancialmente sus preferencias, como los concentrados de cobre, tableros de madera, harina de pescado, concentrados de molibdeno, celulosa, papel prensa, carne de cerdo y carne de aves.
“Esperamos poder terminar a la brevedad con los detalles legales, para que nuestras autoridades procedan a firmar pronto este acuerdo”, expresó Rebolledo.
Cabe señalar que durante 2015 el intercambio comercial entre ambos países sumó 2.723 millones de dólares, con exportaciones chilenas por 2.003 millones e importaciones por 720 millones de dólares. (MarcoTradeNews – 25/04/2016)

Brasil e Argentina debatem agenda bilateral e Mercosul
Brasília, 25 abr, A primeira reunião da Comissão de Comércio Brasil-Argentina terá uma sessão hoje nesta capital e durante a mesma se abordarão temas da agenda bilateral e outros relacionados com o Mercado Comum do Sul (Mercosul).
O encontro será presidido pelo ministro argentino de Produção, Francisco Cabrera, e o titular brasileiro de Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Armando Monteiro, foi confirmado hoje.
Integração produtiva, promoção de investimentos, monitoramento dos fluxos comerciais e avanço dos acordos assinados no setor automotriz serão alguns dos aspectos da relação entre ambos países que serão abordados no encontro.
Em relação ao Mercosul, a própria fonte antecipou que revisará o fortalecimento econômico-comercial do bloco, os protocolos sobre compra governamentais, bem como a cooperação e a facilitação de investimentos, entre outros assuntos.
Com um intercâmbio de mercadorias e serviços que aumentou de pouco mais de nove bilhões de dólares em 2003 a mais de 23 em 2015, a Argentina constitui um dos principais sócios políticos e econômicos do Brasil.
Nesse período, as vendas brasileiras à Argentina cresceram de 4,0 bilhões de dólares a 12,8 bilhões de USD, um aumento 181%. Em consequência, o país vizinho ficou em terceiro lugar como destino das exportações brasileiras.
Esta forte dinâmica comercial bilateral, marcada pela alta percentagem de produtos de alto valor agregado, tem importantes impactos nos setores estratégicos das duas economias, sobretudo na indústria, segundo o Ministério de Relações Exteriores do Brasil.
O setor automotriz é um dos que se destaca entre as áreas mais beneficiadas por esta sociedade, que tem efeitos diretos e indiretos sobre o conjunto da economia brasileira em campos como a mineração, siderúrgica, metalurgia, química, petróleo e gás, além do setor de serviços.
No plano político, agregou a Chancelaria, a proximidade com a Argentina constitui um pilar importante no esforço de construção de um espaço de paz e cooperação para o meio brasileiro.
A alta densidade da cooperação entre ambos países se reflete nos frequentes encontros e visitas bilaterais nos níveis presidencial e ministerial e na existência do Diálogo de Integração Estratégica Brasil-Argentina, mecanismo de alto nível para o tratamento dos principais assuntos de interesse bilateral.
Brasil e Argentina compartilham uma linha fronteiriça que se estende ao longo de 1.261 quilômetros, assim, a política de integração nestas áreas constitui uma dimensão essencial na agenda de cooperação bilateral. (Prensa Latina – 25/04/2016)

Punição para o Brasil, sugerida por Dilma, seria rejeitada pelo Mercosul
Presidente citou violação da cláusula democrática, em caso de impeachment
por Janaína Figueiredo (correspondente) / Eliane Oliveira
BUENOS AIRES E BRASÍLIA — Caso a presidente Dilma Rousseff cumpra o que declarou na última sexta-feira, em Nova York, após participar de uma reunião sobre clima, e invocar formalmente a cláusula democrática do Mercosul, por causa do processo de impeachment que enfrenta no Congresso, terá seu pedido rejeitado. Paraguai e Argentina não apoiam a ideia e não há consenso entre as autoridades uruguaias. O único país que defenderia uma punição seria a Venezuela.
A estratégia do Palácio do Planalto é não reivindicar diretamente a suspensão ou uma moção de apoio a Dilma. A saída seria os venezuelanos tomarem a frente nessa empreitada. A decisão a favor de uma eventual punição precisaria ser tomada por consenso. Um único membro contra detonaria qualquer possibilidade de uso da cláusula democrática — que, se adotada, teria como consequências desde a suspensão do Brasil da união aduaneira sul-americana até a exclusão do país de acordos de cooperação na região.
IMPEACHMENT FORA DA PAUTA
Anteontem, houve uma reunião de chanceleres da União de Nações Sul-Americanas (Unasul) em Quito, no Equador. O tema do impeachment não entrou na pauta, pelo menos oficialmente, segundo uma graduada fonte da área diplomática. Hoje, o ministro das Relações Exteriores, Mauro Vieira, estará em Montevidéu, no Uruguai, para um encontro de ministros do Mercosul para celebrar os 25 anos do bloco. O assunto poderá ser tratado nos bastidores.
Em meados de 2012, o governo Dilma foi o principal promotor, com o da ex-presidente argentina Cristina Kirchner, da aplicação da cláusula democrática do Mercosul para suspender o Paraguai do bloco, por considerar inconstitucional e ilegal o impeachment do então presidente Fernando Lugo. O Paraguai, confirmou ao GLOBO uma alta fonte do governo do presidente Horacio Cartes, culpa Dilma por uma retaliação que causou “graves problemas econômicos ao país” há quase quatro anos. Os paraguaios não estão dispostos a apoiar a implementação da mesma cláusula contra um eventual governo de Michel Temer.
A mesma posição, por diferentes motivos, é sustentada pelo governo do presidente argentino, Mauricio Macri. A coalizão esquerdista Frente Ampla, que governa o Uruguai desde 2005, está dividida, mas até agora vem se impondo a posição contra a ativação da cláusula. O único sócio do Brasil que defenderia uma punição ao país, em caso de derrota de Dilma no Senado, seria a Venezuela do presidente Nicolás Maduro.
— O Paraguai foi o país que impediu, recentemente, que a Unasul organizasse uma cúpula de chefes de Estado para defender o governo Dilma. Consideramos que seria uma ingerência em questões internas de um país que tem independência de poderes — disse a fonte do governo Cartes.
VENEZUELA: VOZ ISOLADA
Segundo essa fonte, “a eventual saída de Dilma do governo provoca até mesmo certo alívio em setores do governo paraguaio, porque muitos nunca a perdoaram por ter liderado a campanha contra nosso país quando Lugo foi destituído”. O Paraguai só retornou ao bloco meses após a posse de Cartes, em agosto de 2013.
Em Montevidéu, o governo do presidente Tabaré Vázquez está dividido em alas pró e contra um pronunciamento contundente de condenação ao processo de impeachment. Segundo reportagem do semanário “Busqueda”, a crise brasileira foi discutida em 18 de abril, na reunião de ministros do governo Vázquez.
O Executivo argentino nunca aderiu à tese do “golpe” contra Dilma e, como Paraguai e Uruguai, não está disposto a votar a favor da suspensão do Brasil. Já o presidente venezuelano acha que o governo do PT enfrenta um “golpe da Justiça, da mídia e do Congresso”, “um golpe contra todos os povos da América Latina”. (*Correspondente) (O Globo – 25/04/2016)

Obama quer concluir negociações de livre-comércio EUA-UE até ao fim do ano
Os Estados Unidos e a União Europeia devem "prosseguir" as negociações sobre o acordo de livre-comércio, com o objetivo de concluí-las "até ao fim do ano", afirmou hoje (24) o presidente norte-americano, Barack Obama, em visita à Alemanha.
"Angela [Merkel] e eu estamos de acordo para afirmar que os Estados Unidos e a União Europeia [UE] precisam prosseguir nas negociações de um acordo comercial transatlântico", apesar das divergências e das críticas, declarou Barack Obama numa entrevista junto com a anfitriã alemã, na chegada a Hanôver.
"Não espero que consigamos ratificar um acordo até ao fim do ano, mas prevejo que consigamos concluir as negociações do acordo e nessa altura as pessoas poderão perceber por que é que o acordo é positivo para os nossos dois países", disse o presidente. Angela Merkel considerou que, "na perspetiva europeia, o acordo será uma grande ajuda ao crescimento da nossa economia".
Os Estados Unidos e a União Europeia estão desde 2013 envolvidos no desenho de um vasto acordo de livre-comércio, no âmbito do qual decorrerá a 13ª roda de negociações esta semana em Nova York.
O projeto tem sido alvo da contestação cada vez mais forte da sociedade civil, como demonstrou o desfile de várias dezenas de milhares de manifestantes nas ruas de Hanôver ontem (23), véspera da chegada de Obama à cidade.
Há mais manifestações previstas para hoje e amanhã (25) em Hanôver, durante o tempo de estadia do presidente norte-americano na capital da Baixa Saxónia, nas margens do Rio Leine.
Iraque
Obama adiantou ainda que o grupo das sete maiores economias mundiais (G7) prepara um pacote de assistência econômica para o Iraque, com o objetivo de contribuir para a estabilização do país.
Segundo a agência de notícias EFE, Obama adiantou ter abordado com Angela Merkel os "desafios em matéria de segurança" que o Iraque enfrenta e anunciou que na próxima reunião do G7, que será no Japão, vai ser dado um "passo adicional" para aprovar a ajuda econômica aos iraquianos.
O G7 reúne as sete maiores potências do mundo Estados Unidos, Alemanha, Reino Unidos, França, Itália, Canadá e Japão. Obama e Merkel mostraram-se em sintonia ao destacar o compromisso no combate ao terrorismo na Síria, no Iraque e Afeganistão. (Agência Brasil – 24/04/2016)

Obama, Merkel Urge Action on Trade Agreement
Leaders face skepticism at home on comprehensive trans-Atlantic accord
By Colleen McCain Nelson and Anton Troianovski
HANNOVER, Germany—President Barack Obama made an emphatic pitch for international trade deals during a visit to this German city Sunday, as he and Chancellor Angela Merkel tried to lift momentum for a trans-Atlantic agreement that is facing resistance in both countries.
The two leaders called on negotiators to move forward with the Trans-Atlantic Trade and Investment Partnership, or TTIP, saying the window to strike a deal soon could close.
Amid skepticism in the U.S. and criticism from both Republican and Democratic presidential candidates, Mr. Obama touted what he called the “indisputable” benefits of international trade and called for completing the accord with Europe before the end of the year.
“We’ve now been negotiating TTIP for three years. We have made important progress. But time is not on our side,” Mr. Obama said in a speech at an industrial-technology trade fair here. “If we don’t complete negotiations this year, then upcoming political transitions—in the United States and Europe—could mean this agreement won’t be finished for quite some time.”
Negotiations for the sweeping agreement, which would include the U.S. and the 28 member states of the European Union, have progressed slowly. Critics fear the deal could weaken regulations protecting consumers, labor and the environment. Mr. Obama said Sunday the aim is to strengthen standards while eliminating “regulatory and bureaucratic irritants and blockages to trade.”
Even as the president aimed to build support for TTIP during his two-day visit, he also sought to boost a friend under fire, praising Ms. Merkel’s openness to accepting refugees and vowing to work together on a range of security and economic issues.
The chancellor has faced a backlash at home for welcoming hundreds of thousands of refugees fleeing Syria and other war-torn areas.
Mr. Obama lauded her willingness to take on tough issues, saying that she is “on the right side of history on this.” He also praised the EU migration deal with Turkey that she brokered last month. The pact has effectively closed the Aegean Sea route most Middle Eastern migrants and refugees used last year to get to Europe.
The two leaders outlined their plans to push forward together on counterterrorism and to end the civil war in Syria and curb Russian aggression.
After stops in Saudi Arabia and London, Mr. Obama arrived in Germany Sunday for wide-ranging talks with Ms. Merkel and to attend the industrial trade fair, called Hannover Messe. On Monday, they will be joined by British Prime Minister David Cameron, French President François Hollande and Italian Prime Minister Matteo Renzi to tackle issues including Syria, Libya, migration and Islamic State.
After meeting with Ms. Merkel, Mr. Obama continued to express confidence that the U.S. and its European partners could complete the trans-Atlantic trade deal, while acknowledging that there is a higher degree of difficulty during an election year. He said people around the world are feeling unsettled by globalization even though international trade strengthens the economy.
“People visibly see a plant moving and jobs lost, and the narrative develops that this is weakening rather than strengthening the position of ordinary people and ordinary workers,” Mr. Obama said at a news conference following his discussions with Ms. Merkel. “That, I think, is what drives a lot of suspicion, understandably, of these trade deals.”
He said later, during remarks at the trade fair, that the politics of trade are difficult, “but we have to keep making our case.” Ms. Merkel pointed to a limited timeframe in which the trade deal could be negotiated. The opportunity “won’t come again so soon,” Ms. Merkel said at the opening of the trade fair. “So let us work on this together.”
In the U.S., presidential candidates in both parties have expressed opposition to the trade deals the president has pursued, particularly the Trans-Pacific Partnership, raising questions about the agreements’ prospects once Mr. Obama leaves office. Skeptics include Democratic front-runner Hillary Clinton, Mr. Obama’s former secretary of state, who once supported the Pacific trade pact but now opposes it.
Mr. Obama predicted trade deals would find a warmer reception after election season and suggested some of the rhetoric was simply a political calculation.
“Elections can sometimes make things a little more challenging,” Mr. Obama said. “People take positions in part to protect themselves from attacks during the course of election season.”
For her part, Ms. Merkel declined to weigh in on U.S. politics, even though Republican front-runner Donald Trump has had much to say about her, calling her welcoming of migrants to Germany “insane.”
“First, I’m concentrating fully on the challenges of the year 2016, which I’m rather filled up with,” she said in response to a question about Mr. Trump’s criticism of NATO and her refugee policy. “Second, I’m observing with interest the American election campaign."
The two leaders said they also discussed tenuous ceasefires in both Ukraine and Syria, and the need to put pressure on Russian President Vladimir Putin to push to scale back violence in both.
Ms. Merkel voiced concern about the uptick in fighting in Syria on Sunday, saying that she and Mr. Obama agreed the Syria peace talks in Geneva needed to be pushed forward as fast as possible.
“I’m very concerned that the ceasefire in recent days has not held, that there is again fighting in Aleppo and other areas,” Ms. Merkel said. “We agreed that we would put all our power toward bringing the Geneva talks to success.” (WSJ – 24/04/2016)

Un Mercosur fatigado celebrará con un acto 25 años de creación
Un mes después de su aniversario, el Mercosur conmemorará mañana lunes en Montevideo 25 años del Tratado de Asunción, que dio origen al bloque. Tienen previsto hacer un seminario en la capital uruguaya que contará con la presencia del mandatario charrúa, Tabaré Vázquez, y cancilleres de los países miembros plenos: Argentina, Brasil, Paraguay, Uruguay y Venezuela.
En el seminario en Montevideo, titulado “Reflexiones y desafíos a 25 años de la firma del Tratado de Asunción”, participará también como invitado Enrique Iglesias, expresidente del Banco Interamericano de Desarrollo (BID).
El Mercosur nació el 26 de marzo de 1991 con la firma del Tratado de Asunción que enunció el ambicioso propósito de conformar un mercado común (libre circulación de bienes, servicios y factores de producción) y de poner en coordinación las macroeconomías.
El mandatario charrúa Vázquez habló incluso de “fatiga” en torno al proceso de integración y el ministro de Economía uruguayo, Danilo Astori, calificó de un “muy mal momento” al bloque subregional sudamericano. (ABC Color – 24/04/2016)

Objections hit Canada-EU trade deal
Objections from Romania and the Wallonia region of Belgium are threatening to impede a showpiece EU trade deal with Canada, highlighting the potential pitfalls for the UK if it votes to leave the bloc in its June 23 In/Out referendum.
Boris Johnson, the mayor of London who helps lead the campaign for Brexit, last month hailed the Canadian trade agreement with the EU as a template for Britain to enjoy the tariff-free benefits of the single market without signing up to regulatory and political integration.
But despite seven years of complex negotiations, the deal has yet to be approved by EU countries and the European parliament. In a final diplomatic push Chrystia Freeland, Canada’s trade minister, travelled to Europe this month to win the backing the agreement needs.
One remaining uncertainty is whether parts of the deal will have to be approved by all the EU’s 28 national parliaments as well as by member state governments. EU ministers are set to discuss this issue in the coming months.
Romania, where some members of parliament have threatened to block parts of the deal, is angry that Canada, like the US, requires visas for Romanian citizens. Meanwhile, many politicians in Wallonia have raised concerns that the deal could allow foreign investors to undermine local standards for public services and the environment.
Ms Freeland’s need to defuse such complaints signal how the UK would also have to address individual member states’ concerns in any post-Brexit deal with the rest of the EU.
David Cameron, British prime minister, has slammed Mr Johnson’s Canada-model as condemning Britain to “seven years of uncertainty”.
Michael Gove, another leading Conservative campaigner for Brexit, has held out an alternative vision in which the UK would join “Bosnia, Serbia, Albania and Ukraine” in a European free-trade zone.
President Barack Obama also argued on Friday that striking a deal with the US would also be drawn out and far from certain, maintaining that Britain would go to the “back of the queue” for a free-trade agreement with Washington.
“It’s never done until it’s done and we are very aware of that,” Ms Freeland, a former Financial Times deputy editor, said of the long-running Canada EU talks in an interview with the FT. “But I am very confident we are going to get there and have the signing in the fall.”
On Wednesday, she met Romanian diplomats and members of the European parliament.
She added that Bucharest’s concerns would be addressed in a separate “strategic partnership agreement”, which would set an ultimate goal of visa-free travel and be signed simultaneously with the trade agreement.
Ms Freeland has also made ground in Germany when Sigmar Gabriel, vice-chancellor and leader of the Social Democrats, threw his weight behind the Canadian deal. The Canadian minister described his intervention as “really significant” given Mr Gabriel’s initial opposition to parts of the accord.
The Social Democrats have long been sceptical about big transatlantic trade deals — particularly the role of international tribunals that allow multinationals to sue governments.
Ms Freeland said revisions addressing investor protection now “made it a deal that many social democrats can wholeheartedly support … we are feeling our European partners are working hard to get this deal done”.
But Canadian trade officials also caution that the deal falls short of granting Ottawa the full rights of a member of the single market.
While all industrial tariffs will be eliminated, agricultural exports will be limited by quotas. Canada needed to battle hard to negotiate tariff-free annual quotas for prize exports such as prawns, beef and bison. The country will also have to abide by EU standards for exports but did not play a direct role in creating those rules.
Canada’s main trading partner is the US, within the North Atlantic Free Trade Agreement. Only about 8 per cent of exports go to the EU. By contrast, 46 per cent of UK exports are sold to European neighbours.
Ms Freeland declined to say whether Ottawa would prefer Britain to remain in the EU from a trade perspective.
“Canada values very much its relationship with a strong Britain and our relationship with a strong Europe,” she said. “I think what you see with [the Canada-EU trade deal], and our strong support of it, is that we believe in Europe.” (Financial Times – 24/04/2016)

Obama desembarca na Alemanha para defender tratado de livre comércio
DAS AGÊNCIAS DE NOTÍCIAS
O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, desembarcou neste domingo (23) em Hanover (norte da Alemanha) para uma reunião com a chanceler Angela Merkel sobre o TTIP, criticado tratado de livre comércio em negociação atualmente com a União Europeia (UE).
Em coletiva de imprensa, Obama disse que a União Europeia e os EUA precisam avançar com o TTIP, que, segundo seus defensores, poderia impulsionar cada economia em cerca de 100 bilhões de dólares.
"É indiscutível" que o livre comércio tem fortalecido a economia dos EUA e também trouxe enormes benefícios para os países que se dedicam a isso, reforçou Obama.
Mais tarde, Obama deve inaugurar o salão industrial de Hanover. O evento, que neste ano tem os Estados Unidos como país convidado, oferece aos dois governantes uma plataforma para para promover o Acordo de Parceria Transatlântica de Comércio de Investimento (TTIP).
Obama deseja concluir o acordo antes de deixar o poder, no início de 2017.
Neste domingo, o presidente americano reiterou as advertências ao Reino Unido na área comercial a respeito de uma eventual saída da União Europeia. Na hipótese de 'Brexit', Londres "não estará em posição de negociar algo com os Estados Unidos mais rápido que a UE", destacou.
As negociações sobre o TTIP estão paralisadas por fortes divergências entre as duas partes, alimentadas por um ceticismo crescente das opiniões tanto nos Estados Unidos como na Europa. Em Hanover, dezenas de milhares de pessoas protestaram no sábado contra o megaprojeto.
Também no governo alemão, considerado um dos principais defensores do projeto na Europa, cresce a impaciência.
O acordo "fracassará" se não existirem concessões de Washington, advertiu neste domingo o ministro alemão da Economia, Sigmar Gabriel. O número dois do Executivo germânico rejeitou mais uma vez um texto que, segundo ele, no momento pode ser resumido em poucas palavras: "Compre (produto) americano"
Também na França a resistência aumenta. O presidente François Hollande se nega a falar sobre o TTIP em um encontro que será organizado por Merkel em Hanover na segunda-feira, que terá a presença de Hollande e Obama, além dos chefes de Governo da Grã-Bretanha e da Itália.
A informação foi divulgada pela revista alemã Der Spiegel e tem uma razão: o tema é muito impopular na França. (Folha de SP – 24/04/2016)

Rousseff pide que Mercosur y Unasur "miren" proceso de juicio
EFE
La presidenta brasileña, Dilma Rousseff, antes de regresar a Brasil después de participar durante los últimos dos días en una reunión de la ONU en Nueva York, pidió este sábado al Mercosur y a la Unasur que "miren" con atención el proceso de apertura de un juicio legislativo en su contra.
En un encuentro con periodistas brasileños, luego de intervenir en el segundo día de la ceremonia de firma del Acuerdo de París sobre el cambio climático, Rousseff afirmó que "en Brasil está en curso un golpe, un golpe que ni sé de quién es, entonces me gustaría que el Mercosur y la Unasur mirasen ese proceso".
Para Rousseff, la crisis política por la que pasa Brasil propicia el "momento" para hacer uso de la Cláusula Democrática del Mercosur, en la que el bloque integrado además por Argentina, Paraguay, Uruguay y Venezuela garantiza la legitimidad de los procesos democráticos en esos países.
En ese sentido, la jefa de Estado aclaró que la idea no es retirar a Brasil del bloque, como también estipula ese mecanismo, pero si realizar "una evaluación del asunto, como nosotros siempre lo hicimos" en otros casos, como el del proceso que retiró del poder en 2012 al expresidente paraguayo Fernando Lugo.
Rousseff se apartó del cargo por dos días, período en el que asumió su vicepresidente Michel Temer, acusado de "conspiración" por la propia mandataria.
Temer forma parte del Partido del Movimiento Democrático Brasileño (PMDB), la más numerosa en el Congreso y que en marzo rompió filas con la base oficialista para apoyar la apertura de un juicio político con fines de destitución contra Rousseff.
El jefe de los Diputados, Eduardo Cunha, también del PMDB y contrario a Rousseff, incluso desde mucho antes de que ese partido se retirara del oficialismo, fue quien comandó en la Cámara Baja el proceso del eventual juicio.
La Cámara de Diputados, con 367 votos a favor, 137 en contra, siete abstenciones y dos ausencias, consiguió el domingo pasado más de los dos tercios del plenario para aprobar la apertura del juicio, una decisión que ahora deberá ser ratificada por la mayoría simple (41) del Senado.
En ese caso, Rousseff se apartaría por 180 días para su defensa, Temer asumiría y, en caso de ser declarada culpable por los dos tercios del Senado (54 votos), la Cámara Alta deberá entonces decidir si el presidente encargado termina el mandato hasta el 1 de enero de 2019 o si se convoca a unas nuevas elecciones.
El lunes, se instalará en el Senado la Comisión Especial de 21 legisladores, con sólo cinco del oficialismo, que analizarán los documentos del proceso remitidos por la Cámara Baja.
La gobernante es acusada de realizar maniobras fiscales para maquillar el informe de cuentas públicas en la gestión de 2014 y 2015.Antes de retomar al poder en Brasilia, Rousseff manifestó que confía en las instituciones del país.
"Las instituciones son obras humanas. Nosotros tenemos instituciones cada vez más fuertes. Podemos comprometer esas instituciones, pero jamás destruirlas. Comprometerlas sí podemos", evaluó la mandataria.
En su paso por Estados Unidos, la gobernante manifestó que es "víctima de un proceso ilegal, golpista y conspirador" y por eso comparecerá al Senado para su defensa en compañía de los ministros de Justicia y Hacienda.
"Mi mandato es garantizado por 54 millones de votos del pueblo", resaltó Rousseff, quien descartó nuevamente que vaya a presentar su renuncia o convocar a nuevas elecciones.
Así, Rousseff justificó: "no estoy en contra, de ninguna manera, de las elecciones, pero una cosa es la elección directa con votos secretos de las personas y el pueblo brasileño participando. Ahora tengo el derecho a defenderme. No soy apegada al cargo, pero tampoco acuso a nadie de golpista si se propone una elección directa". EFE (Espectador – 24/04/2016)

Rousseff denuncia que "hay en marcha un golpe en Brasil"
En declaraciones a la prensa desde Nueva York, donde participa en un acto de la ONU, Rousseff aseguró que podría acceder a la llamada "cláusula democrática" del Mercosur.
"Alegaré la cláusula inexorablemente (del Mercosur) si hubiera una ruptura de lo que considero un proceso democrático", explicó la mandataria brasileña ante la prensa.
Rio de Janeiro.La presidenta de Brasil, Dilma Rousseff, denunció que "hay en marcha un golpe en Brasil" y pidió "que el Mercosur y la Unasur miren este proceso", en el que podría ser destituida de su cargo, informó hoy la televisión Globonews.
En declaraciones a la prensa desde Nueva York, donde participa en un acto de la ONU, Rousseff aseguró que podría acceder a la llamada "cláusula democrática" del Mercosur, la misma adoptada contra el Paraguay tras la destitución del presidente Fernando Lugo en 2012 a manos del Parlamento.
"Alegaré la cláusula inexorablemente (del Mercosur) si hubiera una ruptura de lo que considero un proceso democrático", explicó la mandataria brasileña ante la prensa.
La cláusula democrática, aprobada en 2011 por los países que forman el Mercosur (Argentina, Brasil, Paraguay, Uruguay y Venezuela), prevé varios tipos de sanción en caso de ruptura o amenaza de ruptura del orden democrático, de una violación del orden constitucional o de cualquier situación que ponga en riesgo el legítimo ejercicio de poder y la vigencia de los valores y principios democráticos.
Dependiendo de la gravedad del caso, las sanciones pueden incluir la suspensión del país en el bloque económico, con el cierre total o parcial de las fronteras terrestres para limitar el comercio, el tránsito aéreo y marítimo, las comunicaciones y el suministro de energía, servicios y abastecimiento.
La apertura de un proceso contra Rousseff por irregularidades fiscales en los balances de su gobierno fue aprobada el domingo pasado por el plenario de la Cámara de Diputados por 367 votos a favor y 137 en contra y ahora sólo depende de que reciba el apoyo de al menos 41 de los 81 senadores.
De ser así, la mandataria sería apartada del cargo 180 días, período en el que juzgaría las denuncias contra ella, y que sería reemplazada por el vicepresidente Michel Temer. (Americaeconomia – 24/04/2016)

Parlamentares comentam sugestão de Dilma de recorrer ao Mercosul
Ronaldo Caiado (DEM) disse que não há quebra das regras democráticas.
Gleisi Hoffmann classificou o processo de impeachment como vergonhoso.
Dilma Rousseff acabou concluindo que seria demais desvirtuar o sentido do discurso na ONU e ainda correr o risco de atrair a reprovação dos ministros do Supremo, que têm afirmado, em decisões e declarações, a lisura do processo de impeachment até aqui. Então ela optou por ser presidencial na ONU e martelar a tecla do golpe na entrevista.
O que gerou mais repercussão entre os parlamentares foi o fato de ela ter sugerido recorrer a cláusula democrática do Mercosul. A clausula faz parte de um protocolo assinado pelos países membros do Mercosul de compromisso com a defesa e proteção da Ordem Democrática e do Estado de Direito.
O protocolo prevê medidas em caso de ruptura ou ameaça de ruptura da ordem democrática. Entre elas a suspensão do país do Mercosul e o fechamento de fronteiras.
O senador Ronaldo Caiado, líder do Democratas, disse que só se exige essa cláusula quando há quebra das regras democráticas. Que a presidente tenta confundir os fatos, porque o processo de impeachment tem seguido as leis. Considerou a declaração lamentável.
Já a vice-líder do governo, senadora Gleisi Hoffmann, disse que a presidente está certa. Classificou o processo de impeachment como vergonhoso e fez críticas à condução dos trabalhos na Câmara feita por Eduardo Cunha. A senadora disse esperar que o Senado reponha a verdade.
A assessoria do vice-presidente Michel Temer disse que ele não tem conhecimento do conteúdo da entrevista e que não vai comentar. À tarde, Temer acabou falando com os jornalistas em Brasília. Ele foi econômico para comentar o discurso da presidente na ONU.
O vice Michel Temer falou também sobre as entrevistas que deu para jornais americanos, em que rebateu a tese de que o processo de impeachment seria um golpe, como vem afirmando a presidente Dilma Rousseff. “Fui provocado para aquelas entrevistas, achei que devia dizer alguma coisa à imprensa internacional, já que houve manifestações em relação a imprensa internacional, especialmente pretendendo desqualificar minha posição, ai não é a coisa do vice-presidente é uma coisa do Brasil, acho que o Brasil não merece desqualificação por meio de eventuais agressões à vice-presidência”. (G1 – 23/04/2016)

Afirman que acuerdo Mercosur con UE no apeligra cooperación con el país
El Mercosur y la Unión Europea (UE) están en tratativas de negociar un acuerdo de asociación y si se concreta no afectará la cooperación para el desarrollo que destina el bloque europeo por el monto de 168 millones de euros asignados al Paraguay para el período (2014-2020).
Así señaló ayer el consejero de la Embajada de la UE en Asunción, José Luis Sánchez, en un desayuno con periodistas.
Refirió que en el 2020 se cumple el plazo de la cooperación y nuestro país será examinado como Estado receptor de la cooperación no reembolsable de la UE. Sánchez explicó que el acuerdo de asociación y libre comercio que negocian el Mercosur con la Comunidad Europea y la cooperación para el Paraguay, corren por carriles diferentes.
Aseguró que el compromiso de la UE es cooperar con nuestro país, independientemente si se concreta el acuerdo comercial con el Mercosur, que está en vísperas de intercambios de ofertas a llevarse a cabo el 10 de mayo en Bruselas (Bélgica).
En su momento, el embajador de la UE en nuestro país, el diplomático italiano Alessandro Palmero, informó el programa de cooperación (2014-2020) está destinado a las áreas prioritarias identificadas, que son la educación, la protección social, el desarrollo de las relaciones económicas y la implementación de las recomendaciones electorales de las generales del 2013.
También el Gobierno presentó otros cuatro proyectos que están a consideración de la UE: 1. La instalación de un centro de monitoreo ambiental en el Chaco paraguayo. 2. la conexión de Paraguay con Europa a través de cables de fibra óptica. 3. La responsabilidad social de las empresas. 4. El apoyo a la lucha contra delincuencia organizada y el tráfico ilícito.
Acuerdo difícil
A inicios de este mes, trece países europeos, de 28 miembros, entre los que figuran Francia, Austria y Grecia, pidieron a la UE que excluya los productos agrícolas “sensibles”, como los lácteos y las carnes, de los futuros intercambios de ofertas con el Mercosur, al opinar que su inclusión tendría efectos negativos.
Los trece países señalan que el Mercosur “es líder mundial en los mercados agrícolas y sus sectores agrarios y alimentarios son muy competitivos”. (ABC Color – 23/04/2016)

Dilma Rousseff pedirá que Unasur y Mercosur evalúen “el golpe”
Internacionales
La presidenta de Brasil advirtió que los organismos internacionales deben observar “el proceso golpista” que atraviesa su gobierno.
por CRONISTA.COM
La presidenta brasileña, Dilma Rousseff, anunció hoy que pedirá al Mercosur y a la Unasur evaluar acciones debido a que existe un “golpe en marcha en Brasil”.
“Esta en marcha un golpe en Brasil, me gustaría que la Unasur y el Mercosur miraran este proceso”, dijo Rousseff a periodistas brasileños en Nueva York, luego de denunciar ante la ONU que existe el riesgo de un “retroceso en la democracia” a raíz del juicio político que busca su destitución del cargo por parte del Congreso.
Sin embargo, al ser consultada sobre si su intención es que Brasil, en caso de que se concrete su destitución, sea sancionado dentro del Mercosur con una suspensión, respondió: “No, la cláusula democrática implica una evaluación del asunto. Nosotros siempre hacemos el análisis de las situaciones”. En este sentido, cabe mencionar que el Mercosur suspendió en 2012 por un año a Paraguay luego de que el entonces presidente Fernando Lugo fuera destituido por un juicio político de la oposición en el Congreso.
La mandataria defendió su campaña internacional para denunciar un golpe y al vicepresidente Michel Temer. “Estoy intrigada porque hay gente con miedo absurdo cuando hablamos de golpe. Eso es subestimar la conciencia de la gente dentro y fuera de Brasil. Creo que están con miedo de ser tachados de golpistas. Pero tienen miedo justamente de eso. Porque son golpistas”, dijo la mandataria.
El Senado instalará el próximo lunes el inicio de los trabajos de la comisión de juicio político, que deberá entregar al plenario un informe -entre el 11 y el 18 de mayo- para que los 81 senadores voten sobre el juicio político.
Si la mayoría simple lo hace, Rousseff será apartada del cargo por 180 días y Temer, quien rompió con el gobierno hace tres semanas, asumirá en forma interina, con plenos poderes en el Poder Ejecutivo. El Senado deberá, luego, juzgar el retorno de Rousseff, con una votación que necesita de dos tercios para destituirla definitivamente de la presidencia.
Por el otro lado, el vicepresidente negó estar preparándose para asumir en caso de una eventual destitución. “Naturalmente, estoy siendo buscado por mucha gente, estoy oyendo mucha gente, pero solo oyendo, nada más que escuchando”, declaró Temer a periodistas, y aseguró que espera “silenciosa y respetuosamente” la decisión que está en manos del Senado sobre un eventual juicio contra la mandataria. (Cronista – 23/04/2016)

Dilma Rousseff apelará a la cláusula democrática si se aprueba el impeachment
Tras participar en la Asamblea de la ONU en Nueva York, la presidente brasileña aseguró que el proceso del juicio político en su contra es un "golpe de estado". Subrayó que lo denunciará en el Mercosur
"Yo apelaría a la cláusula democrática si existe, desde ahora en adelante, una ruptura de lo que considero el proceso democrático", dijo Dilma Rousseff a periodistas en Nueva York.
La presidente brasileña denunció el viernes ante la audiencia internacional que el juicio político en su contra es un "golpe de estado" y agregó que apelará al Mercosur, el bloque regional de países sudamericanos, para que suspenda a Brasil si se rompe el proceso democrático.
El Mercosur tiene una cláusula democrática que puede ser activada cuando un gobierno electo es derrocado en cualquiera de sus estados miembro, como ocurrió con Paraguay en el 2012. Una violación de la cláusula resulta en la suspensión de las reuniones y también puede llevar a que el país pierda sus beneficios comerciales.
"Yo apelaría a la cláusula democrática si existe, desde ahora en adelante, una ruptura de lo que considero el proceso democrático", dijo Rousseff
"No puedo concluir mis palabras sin mencionar el grave momento que vive actualmente Brasil", dijo la presidente brasileña en su presentación. "No tengo ninguna duda de que nuestro pueblo será capaz de evitar cualquier retroceso", agregó.
Rousseff adoptó un tono más suave durante su presentación ante Naciones Unidas por la firma del Acuerdo de París sobre cambio climático.
Los comentarios de la mandataria fueron la señal más fuerte hasta el momento de que seguirá luchando contra su destitución si el Senado la remueve de su cargo. Dijo que el proceso de juicio político tiene "todas las características de un golpe de Estado" debido a que carece de fundamento legal.
Sus partidarios consideran el intento de removerla por violar las leyes de presupuesto como un "golpe de estado sin armas", mientras que sus opositores dicen que el proceso está en línea con las leyes y la Constitución. Este enorme debate social causó una polarización marcada entre los brasileños.
Si el Senado acuerda por una mayoría simple llevarla a juicio, Dilma Rousseff será suspendida de inmediato de sus funciones y el vicepresidente, Michel Temer, asumirá como presidente en funciones.
En una entrevista con The Wall Street Journal publicada el viernes, Temer criticó a Rousseff por buscar apoyo en el exterior y dijo que se estaba dañando la imagen de Brasil justo cuando el país requiere inversión extranjera para salir de una profunda recesión. (Infobae – 23/04/2016)

Dilma diz que pedirá suspensão do Brasil do Mercosul se ocorrer ‘golpe’
A jornalistas estrangeiros em Nova York, ela afirmou que vai recorrer à cláusula prevista no bloco comercial
por Henrique Gomes Batista, Correspondente, com Reuters
NOVA YORK - A presidente Dilma Rousseff disse nesta sexta-feira a jornalistas estrangeiros que pedirá ao Mercosul que suspenda o Brasil do bloco comercial se ocorrer a quebra do processo democrático no país, após chamar, em coletiva, o processo de impeachment em curso de "golpe". O Mercosul tem uma cláusula democrática que pode ser ativada se um governo eleito de um de seus membros seja deposto, como já ocorreu com o Paraguai.
- Está em curso no Brasil um golpe, então eu gostaria que o Mercosul e a Unasul olhassem esse processo. A cláusula democrática implica em uma avaliação da questão. Nós sempre fazemos essa avaliação - alegou.
A afirmação aconteceu na noite desta sexta-feira. Pela manhã, durante participação em cerimônia na sede da Organização das Nações Unidas (ONU), Dilma usou parte do seu discurso, no qual apresentou as medidas tomadas pelo governo brasileiro no acordo climático, para citar o "grave momento que vive o Brasil".
- A despeito disso quero dizer que o Brasil é um grande país, que soube superar o autoritarismo e construiu uma pujante democracia. O nosso povo é trabalhador e com grande apreço pela liberdade, e saberá impedir quaisquer retrocessos. Sou grata a todos os líderes que expressaram a mim sua solidariedade - declarou ela diante da plateia de chefes de estado.
Ela afirmou ainda que não falou sobre o processo de impeachment na ONU porque "não era o momento", preferindo falar sobre os avanços climáticos no mundo, nos quais o Brasil teve um papel fundamental. E criticou a imprensa brasileira por ter noticiado, inclusive em editorial, que ela falaria sobre a crise política sem que isso fosse verdade.
- Eu não tenho culpa se vocês, bom, sei que não é ninguém aqui pessoalmente, estou dizendo, em geral, a imprensa, se a imprensa vai e faz até editoriais dizendo que eu vou à ONU para falar mal do Brasil. Eu fui à ONU para falar a verdade, e a verdade na ONU é a seguinte: nós tivemos uma participação decisiva nesta COP 21 (o acordo climático de Paris). Sem nós, essa COP 21 não teria o resultado que teve. Então vocês tem de ter orgulho que nós fomos decisivos para que hoje esteja sendo assinado por todos os países do mundo um acordo - disse.
A presidente também criticou a postura de três ministros do Supremo Tribunal Federal por darem sua opinião refutando o argumento da presidente de que o processo de impeachment seria um golpe. Na opinião de Dilma, eles não deveriam ter se pronunciado. Ela lembrou que o impeachment é previsto na Constituição, mas que para isso é preciso ter crime de responsabilidade e que “esquecem crime de responsabilidade”.
- Não é a opinião do Supremo. É a opinião de três ministros. São apenas três ministros. E são ministros que não deveriam dar opinião porque vão me julgar - argumentou.
Dilma disse que vai “se esforçar muito” para convencer os senadores de sua defesa no processo de impeachment, afirmando que não teve o “respaldo necessário” na Câmara, mas dizendo que espera ter esse espaço no Senado. Questionada sobre a proposta defendida por parte dos políticos, inclusive do PT, de antecipar eleições, ela afirmou que respeita, pois nunca será contra eleições, mas que vai defender seu mandato:
- Eu acho que o meu mandato é algo garantido por 54 milhões de votos do povo brasileiro. Não sou contra eleição de maneira alguma, acho que uma coisa é eleição direta, com voto secreto das pessoas, com o povo brasileiro participando. Agora acho que tem de ser me dado o direito de defender meu mandato. Eu não sou uma pessoa apegada a cargos, mas agora estou defendendo o meu mandato. Não acuso ninguém que está propondo eleições diretas de golpista, isso não é golpe, isso é outra discussão. Você pode aceitar ou não, eu vou defender meu mandato, eu devo isso aos meus 54 milhões de eleitores.
E alfinetou:
- Quem assumirá os destinos do país? Pessoas ilegítimas, pessoas que não tiveram um voto para presidente? Pessoas que tem na sua trajetória acusação, não quero julgar ninguém antes, mas estou dizendo um fato de quem tem acusação de lavagem de dinheiro, de conta no exterior, de processo de corrupção? Não tem contra mim nenhuma acusação de corrupção.
Sobre o apoio manifestado por outros chefes de estado, ela lembrou sua relação com os líderes mundiais com os quais ela se encontrou nesta sexta-feira, na ONU.
- Eu tenho relações pessoais com os presidentes e todos os presidentes que eu conheci nessa trajetória, e que conhecem a minha história e conhecem o que está acontecendo no Brasil, alguns, inclusive, que não são presidentes, disseram “força”. Outros disseram “solidariedade, é difícil, mas segura, você é corajosa". É isso que as pessoas fazem porque somos pessoas, além de sermos ministros ou presidentes, somos pessoas - disse.
Dilma ainda voltou a alegar que se sente vítima e afirmou que as pessoas que a criticaram pela possibilidade de falar da situação política no exterior temem, na verdade, serem taxados como golpistas.
— Eles temem ser chamados de golpistas por que são golpistas. Dizer que não é um golpe é incorreto — disse a presidente enfatizando a palavra "temem".
Mesmo em Nova York, a presidente Dilma Rousseff não deixou de ver manifestações populares a favor e contra o seu governo. Em frente à embaixada brasileira antes de falar com os jornalistas estrangeiros, dois protestos, um a favor e outro contra o impeachment, cada um com cerca de 20 pessoas, fizeram barulho para chamar a atenção das autoridades brasileiras, repetindo-se os gritos ouvidos nas cercanias na ONU, mais cedo. Enquanto um grupo batia panelas, outro chamava atenção com cartazes e flores.
Questionada sobre como sua família está vivendo este processo de impeachment, Dilma se mostrou emotiva:
- Eu não falo sobre a minha família, eu acredito que eles estão sofrendo. Você imagina o estaria a sua família estaria sentindo, então eu não posso falar porque dói, dói muito - disse Dilma
APOIO INTERNACIONAL
Ela foi recebida em Nova York, na noite de quinta-feira, com flores por um grupo de 50 pessoas, à porta da residência oficial do embaixador Antonio Patriota, em uma manifestação contra o impeachment.
Dilma sentou-se ao lado do ministro das Relações Exteriores, Mauro Vieira, e da ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, e à frente do embaixador Antonio Patriota. Deputados da oposição também viajaram aos Estados Unidos.
Além de sustentar a versão do 'golpe' no ambiente internacional, a viagem e o discurso de Dilma ao encontro da ONU sobre o clima representam uma tentativa do governo brasileiro de emplacar uma agenda positiva em meio à crise política do país. A presidente decidiu participar da reunião pouco mais de 24h antes de embarcar. Receosa em deixar o Brasil, Dilma confirmou sua ida a Nova York a partir da avaliação de que os veículos de imprensa de fora têm dado mais espaço para a defesa da presidente. (O Globo – 23/04/2016)

Dilma Rousseff pondera pedir ao Mercosul a suspensão do Brasil
Presidente brasileira continua a tentar travar o processo de destitução, que chega segunda-feira ao Senado.
Dilma Rousseff, contra quem foi aberto um processo de destituição, disse que poderá pedir a suspensão do Brasil do Mercosul e da Unasul se for afastada da presidência. Nos estatutos das duas organizações regionais de comércio e cooperação existem as chamadas cláusulas democráticas, que já foram aplicadas — em 2012, o Paraguai foi suspenso após o afastamento do Presidente Fernando Lugo e até que fossem realizadas novas eleições democráticas no país.
Na base do pedido da Presidente está a tese de Dilma e do seu Partido dos Trabalhadores (PT), de que o processo de destituição (impeachment) é um golpe de Estado que visa pôr no poder um chefe de Estado não eleito, o seu vice-presidente, Michel Temer.
"Está em curso no Brasil um golpe. Então eu gostaria que o Mercosul e a Unasul olhassem para esse processo", disse a Presidente na sexta-feira, quando falava com jornalistas brasileiros em Nova Iorque, onde participou nas Nações Unidas na assinatura do acordo de Paris sobre o clima. Depois desta declaração, escreve o jornal brasileiro Estado de São Paulo, Dilma foi evasiva quando lhe perguntaram se vai pedir a suspensão do Brasil. "A cláusula democrática implica uma avaliação da questão".
Dilma Rousseff disse que o desrespeito das instituições pelos seus direitos constitui uma ameaça aos cidadãos brasileiros que a elegeram. "Se há injustiça contra o Presidente da República, se eu me sinto vítima de um processo ilegal, golpista e conspirador, o que dizer da população do Brasil quando seus direitos forem afectados?", questionou. "A garantia do meu direito não é garantia minha pessoal. É a garantia de que no Brasil a lei se vai sobrepor a qualquer interesse pessoal ou político".
O processo de impeachment contra a Presidnete brasileira avançou quando o Tribunal de Contas considerou ter havido manipulação nas contas do Estado em 2014 (as "pedaladas fiscais"), concordando com a argumentação de um pedido de impeachment que dera entrada no Congresso. A Câmara de Deputados já aprovou o processo, e segunda-feira o caso chega ao Senado, que deverá dar o seu parecer na primeira quinzena de Maio; as contas dos jornais brasileiros apontam para o dia 11. Se o Senado aprovar o processo, Dilma Rousseff é suspensa por 180 dias e começa a ser julgada no Supremo Tribunal.
Michel Temer, do Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB), assume então a presidência; e o actual presidente da Câmara de Deputados, Eduardo Cunha — o homem que aceitou a queixa contra Dilma, também do PMDB — torna-se vice-presidente.
A Presidente disse que se vai defender até ao fim, ou seja, não se demitirá antes de haver um veredicto: "Vou até onde for necessário" para derrotar "o golpe contra a democracia", disse. (Público – Portugal – 23/04/2016)

Dilma sugere que Mercosul e Unasul avaliem processo de impeachment
A presidenta Dilma Rousseff sugeriu que o Mercosul e a União dos Países Sul-Americanos (Unasul) avaliem o processo de impeachment contra ela no Congresso Nacional, que classifica como "golpe". Dilma deu entrevista coletiva nos Estados Unidos sexta-feira (22) após discursar na Assembleia Geral das Nações Unidas (ONU), em Nova York, na cerimônia de assinatura do Acordo de Paris.
A presidenta brasileira se disse vítima e injustiçada com o processo, que vai se esforçar "muito" para convencer os senadores de que não cometeu crime de responsabilidade e que "dizer que não é golpe é tapar o sol com a peneira".
Ao ser indagada pelos jornalistas sobre a repercussão internacional que o tema está provocando, Dilma contou que recebeu solidariedade de alguns presidentes que lhe desejaram "força".
"Outros disseram: ‘Solidariedade, é difícil. Segura, você é corajosa'. Eu vou dizer o seguinte. Está em curso no Brasil um golpe. Então, eu gostaria que o Mercosul e a Unasul olhassem esse processo", disse. De acordo com ela, a cláusula democrática, uma das regras do Mercosul, prevê que seja feita uma avaliação dos casos.
Dilma: "Nosso povo é um povo trabalhador e com grande apreço pela liberdade. Saberá, não tenho dúvidas, impedir qualquer retrocesso. Sou grata a todos os líderes que expressaram a mim sua solidariedade"
Dilma afirmou que não acusa ninguém que propõe eleição direta de golpista, mas que deve aos seus 54 milhões de eleitores a defesa do seu mandato: "Não sou contra eleições de maneira alguma. Acho que uma coisa é eleição direta, com voto secreto das pessoas e o povo brasileiro participando. Mas acho que tem de ser me dado o direito de defender meu mandato. Não sou uma pessoa apegada a cargo. Agora, eu estou defendendo meu mandato", disse.
Segundo a presidenta, não há acusação de contas no exterior, lavagem de dinheiro nem processos de corrupção contra ela. "Quem assumirá os destinos do país? Pessoas ilegítimas? Pessoas que não tiveram um voto para presidente da República. Acho que essa sensação de injustiça e essa situação de vítima eu não escolhi, me colocaram nela", declarou.
Após fazer uma longa explicação sobre os decretos assinados em seu governo, justificativa para o pedido de impeachment, ela voltou a dizer que sente injustiçada porque sofre um "processo ilegal, golpista e conspirador".
"Eu fico muito intrigada porque tem esse medo absurdo quando nós falamos que tem um golpe no Brasil. O medo de ter um golpe no Brasil decorre da absoluta ilegalidade", disse.
Na ONU, Dilma diz que "povo saberá impedir qualquer retrocesso"
A presidente Dilma Rousseff abordou, em seu discurso nas Nações Unidas (ONU) nesta sexta-feira (22), o momento político do país e reforçou a importância da luta pela liberdade. “Não posso terminar minhas palavras sem mencionar o grave momento que vive o Brasil. A despeito disso, quero dizer que o Brasil é um grande país com uma sociedade que soube vencer o autoritarismo e construir uma pujante democracia. Nosso povo é um povo trabalhador e com grande apreço pela liberdade. Saberá, não tenho dúvidas, impedir qualquer retrocesso. Sou grata a todos os líderes que expressaram a mim sua solidariedade."
Entre os líderes que já manifestaram apoio a Dilma estão José “Pepe” Mujica, ex-presidente do Uruguai, Cristina Kírchner, ex-presidenta da Argentina, e Felipe González, ex-presidente de governo da Espanha, além de Juan Manuel Insulza, secretário geral da OEA.
Dilma abordou a crise política ao final de seu discurso na cerimônia de assinatura do Acordo de Paris. Havia grande expectativa de que a presidente denunciasse a "tentativa de golpe" para tirá-la da presidência, ratificando o que já vem falando em seus últimos discursos. Dilma deverá dar entrevistas a jornais estrangeiros em Nova York, e deverá reforçar esta tese. Com Agência Brasil (Jornal do Brasil – 23/04/2016)

Dilma pedirá ao Mercosul e à Unasul que avaliem ‘golpe em curso’ no Brasil
Altamiro Silva Junior, correspondente, e Cláudia Trevisan, enviada especial
A jornalistas estrangeiros, presidente voltou a se dizer injustiçada e classificou processo de impeachment como infundado
Depois de fazer um discurso moderado no plenário da Organização das Nações Unidas (ONU), a presidente Dilma Rousseff voltou a atacar nesta sexta-feira a tentativa da oposição de afastá-la do cargo e disse que avalia pedir a aplicação da cláusula democrática do Mercosul e da Unasul ao Brasil. Os dispositivos podem levar à suspensão de integrantes dos blocos, como ocorreu com o Paraguai em 2012.
“Está em curso no Brasil um golpe. Então eu gostaria que o Mercosul e a Unasul olhassem esse processo”, afirmou a presidente a jornalistas brasileiros em Nova York na tarde desta sexta-feira. Questionada se pedirá a suspensão do País por descumprimento de princípios democráticos, Dilma foi evasiva. “A cláusula democrática implica uma avaliação da questão.”
Pela manhã, a presidente fez no plenário da ONU uma alusão breve e indireta à situação política brasileira, em um discurso no qual não usou as palavras “golpe” e “impeachment”. A crise doméstica ocupou menos de 1 minuto dos 8 minutos e 42 segundos do pronunciamento.
Supremo. Na entrevista, a presidente criticou declarações de ministros do Supremo Tribunal Federal que avaliaram que o processo de impeachment não é golpe. “Não é a opinião do Supremo Tribunal Federal. É a opinião de três ministros. São apenas três ministros. São ministros que não deveriam dar opinião porque vão me julgar”, ressaltou ela aos jornalistas.
Antes da viagem de Dilma a Nova York, o decano do Supremo, ministro Celso de Mello, disse que a presidente cometia um “gravíssimo equívoco” ao tratar o impeachment como um golpe. Os ministros da Corte Dias Toffoli e Gilmar Mendes também se manifestaram sobre o assunto na mesma linha de Celso de Mello.
Antes de falar a jornalistas brasileiros, a presidente deu entrevista a dez veículos de comunicação dos Estados Unidos, Inglaterra, Alemanha e Espanha. Nas duas ocasiões, o tom adotado pela petista foi bem mais enfático do que a fala na ONU.
O discurso da petista na ONU foi elogiado por líderes da oposição e pelo vice-presidente Michel Temer, que o considerou “adequado”. O vice não comentou as entrevistas de Dilma concedidas aos jornalistas durante a tarde desta sexta-feira.
Democracia. “Não posso terminar minhas palavras sem mencionar o grave momento que vive o Brasil”, declarou Dilma no fim de seu pronunciamento na ONU. “O Brasil é um grande país, com uma sociedade que soube vencer o autoritarismo e construir uma pujante democracia. O povo brasileiro é um povo trabalhador, que tem grande apreço pela liberdade. Saberá, não tenho dúvidas, impedir quaisquer retrocessos.”
A presidente foi aplaudida de forma protocolar antes e depois do discurso pelos dirigentes presentes no plenário da ONU. “Sou grata a todos os líderes que expressaram a mim sua solidariedade”, disse.
Direitos. Aos jornalistas, Dilma afirmou que o suposto desrespeito a seus direitos é uma ameaça aos próprios cidadãos brasileiros. Disse, ainda, ser vítima de uma injustiça. “Se há injustiça contra o presidente da República, se eu me sinto vítima de um processo ilegal, golpista e conspirador, o que dizer da população do Brasil quando seus direitos forem afetados?”, questionou.
“A garantia do meu direito não é garantia minha pessoal. É a garantia de que no Brasil a lei vai se sobrepor a qualquer interesse pessoal ou político”, declarou.
No fim da entrevista aos jornalistas brasileiros, a presidente se emocionou quando foi questionada sobre o impacto do processo de impeachment em curso no País sobre sua família. “Imagine o que estaria a sua família sentindo. Não posso falar porque dói. Dói muito”, afirmou Dilma. O retorno da presidente ao Brasil estava programado para este sábado. (O Estado de SP – 22/04/2016)

Dilma diz em NY que pode recorrer à cláusula democrática do Mercosul
Por Luciana Lopez
NOVA YORK (Reuters) - A presidente Dilma Rousseff denunciou como "golpe" o processo de impeachment de que é alvo no Congresso Nacional para uma audiência de jornalistas estrangeiros, e disse que recorrerá à cláusula democrática do Mercosul caso a ordem democrática no país seja rompida.
"Eu alegarei a cláusula inexoravelmente se caracterizar de fato, a partir de agora, uma ruptura do que eu considero um processo democrático", disse a presidente a jornalistas em Nova York.
"Agora, quando isso ocorrerá, depende de fatos que eu não controlo", acrescentou.
O Mercosul tem uma cláusula democrática que pode ser invocada quando um governo eleito é destituído em qualquer um dos países-membros, como aconteceu recentemente no Paraguai. Os comentários de Dilma são sinal mais forte de que ela continuará a lutar contra o impeachment mesmo que o Senado determine seu afastamento.
Em uma tentativa de obter apoio internacional para sua narrativa política, Dilma disse que o pedido de impeachment contra ela tem "todas as características de um golpe", porque não tem base legal. Dilma é acusada de ter desrespeitado a Lei de Responsabilidade Fiscal.
A presidente pode ser afastada do cargo pelo Senado em semanas em um processo de impeachment que paralisou seu governo e colocou o Brasil em sua mais profunda crise política desde o fim do regime militar em 1985.
Ela sofreu uma esmagadora derrota no último domingo quando a Câmara dos Deputados votou favoravelmente à abertura do processo de impeachment, praticamente garantindo que a petista será afastada pelo Senado.
O impeachment polarizou o país, com os simpatizantes de Dilma classificando a tentativa de depô-la como um "golpe sem armas", enquanto a oposição e ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) afirmam que o processo tem seguido as leis e a Constituição.
Mais cedo, em discurso durante evento da Organização das Nações Unidas (ONU) para assinatura do acordo sobre mudanças climáticas fechado em Paris, Dilma adotou tom mais ameno e evitou usar a palavra "golpe".
"Quero dizer que o Brasil é um grande país, com uma sociedade que soube vencer o autoritarismo e construir uma pujante democracia. Nosso povo é um povo trabalhador e com grande apreço pela liberdade. Saberá, não tenho dúvidas, impedir quaisquer retrocessos", disse ela na ONU. (Reuters – 22/04/2016)

Produtos e Mercados


Veja mais

Economia da zona do euro acelera, mas preços caem mais que previsto
DA REUTERS
Com a superação de anos de crise, a economia da zona do euro cresceu ao ritmo mais rápido em cinco anos no primeiro trimestre, impulsionada pela expansão improvável de países como França e Espanha.
Agora, a economia da região está maior do que no seu pico antes da crise financeira, embora tenha levado oito anos para se recuperar. O bloco também voltou à deflação em abril.
A zona do euro dobrou sua taxa de crescimento em relação ao trimestre anterior, superando até a mais otimista das expectativas com consumo das famílias forte e uma recuperação dos investimentos.
Mas a alta, um comemorado alívio menos de um ano depois de a Grécia quase ser expulsa do bloco, pode ser passageira — a Europa ainda é pressionada pelo alto endividamento, lucros bancários fracos, desemprego alto e vasto excesso de capacidade na economia.
Ainda assim, o crescimento nos 19 países que compartilham o euro saltou para 0,6% na comparação trimestral, acima das expectativas de 0,4%. A taxa de crescimento anual se manteve em 1,6%.
Porém, nem todas as notícias foram positivas, com novos dados da inflação mostrando que o bloco voltou à deflação em abril, dando ao BCE (Banco Central Europeu) sua única e maior dor de cabeça conforme luta para impulsionar os preços.
Os preços ao consumidor caíram 0,2% em comparação ao ano anterior, contra estabilidade em março, mesmo após o BCE lançar novos estímulos em dezembro e março esperando impulsionar os preços, que têm ficado abaixo da meta de 2% há mais de três anos. (Folha de SP – 29/04/2016)

Economia da zona do euro tem o maior crescimento trimestral em cinco anos
PIB da região avançou 0,6% no primeiro trimestre, impulsionado pela expansão improvável de países como França e Espanha
BRUXELAS - O Produto Interno Bruto (PIB) da zona do euro cresceu 0,6% no primeiro trimestre de 2016 na comparação com o trimestre anterior. Com a superação de anos de crise, a economia da zona do euro cresceu ao ritmo mais rápido em cinco anos no primeiro trimestre, impulsionada pela expansão improvável de países como França e Espanha.
Agora, a economia da região está maior do que no seu pico antes da crise financeira, embora tenha levado oito anos para se recuperar. O resultado superou a previsão dos analistas, que esperavam era de avanço de 0,4%.
Na comparação anual, o PIB da zona do euro cresceu 1,6% no primeiro trimestre deste ano. O número também veio acima do esperado, que era uma alta de 1,4%. O crescimento anualizado do PIB da zona do euro foi de 2,2% no primeiro trimestre.
O resultado de um avanço trimestral de 0,6% representa uma aceleração no crescimento, na comparação com o crescimento de 0,4% divulgado no quarto trimestre. A aceleração ocorreu mesmo em um período de turbulências nos mercados financeiros e de enfraquecimento na demanda por exportações da zona do euro da China e de outras grandes economias.
O PIB da França cresceu 0,5% no primeiro trimestre do ano ante os três meses anteriores, segundo dados preliminares divulgados pelo instituto de estatísticas do país, o Insee. O resultado veio acima da expansão de 0,3% vista no quarto trimestre de 2015 ante o terceiro e superou a expectativa de analistas consultados pelo Wall Street Journal, de aumento de 0,4%. Na comparação anual, o PIB francês subiu 1,3% entre janeiro e março, também superando a projeção do mercado, de acréscimo de 1%.
O ministro de Finanças francês, Michel Sapin, comentou que os números do primeiro trimestre indicam que a economia do país se encaminha para atingir a meta de crescimento de 1,5% estabelecida para este ano.
Já o PIB da Espanha cresceu 0,8% no primeiro trimestre do ano ante os três meses anteriores, segundo dados preliminares divulgados hoje pelo Instituto Nacional de Estatística (INE).
Em relação ao mesmo período de 2015, o PIB espanhol teve expansão de 3,4% entre janeiro e março, informou o INE. (Sergio Caldas, com informações da Dow Jones Newswires - sergio.caldas@estadao.com) (Agência Estado e Reuters – 29/04/2016)

Grupo de economistas defende que Reino Unido crescerá fora de União Europeia
Por Jason Douglas, de Londres
Um grupo de notáveis economistas britânicos rebateu as alegações de que o Reino Unido ficaria mais pobre se deixasse a União Europeia, num anúncio feito na esteira de uma série de previsões sombrias para a economia britânica se os eleitores optarem por deixar o bloco em um plebiscito em junho.
Em um relatório publicado ontem pelos oito “economistas a favor da Brexit”, em referência à expressão que está sendo usada para designar uma saída britânica da UE, o grupo afirmou que a economia do Reino Unido estaria melhor fora do bloco e poderia crescer até 2% até 2020 se ela deixasse o bloco e até 4% após 10 a 15 anos.
O grupo de acadêmicos e economistas do setor financeiro, alguns dos quais serviram anteriormente como assessores do governo, compararam a UE a um “jardim murado” que impõe tarifas punitivas e barreiras regulatórias sobre bens e serviços produzidos fora de seus 28 Estados membros. Abandonar o bloco permitiria ao Reino Unido fazer transações comerciais com o resto do mundo sob as regras estabelecidas pela Organização Mundial do Comércio, possibilitando que os britânicos reduzam barreiras comerciais unilateralmente, argumentaram.
Essa estratégia de livre-mercado não é defendida por todos os que são favoráveis à saída britânica da UE, muitos dos quais dizem que o Reino Unido deve, na verdade, tentar manter o acesso ao mercado único europeu após uma potencial saída.
A economia se tornou o principal campo de batalha em um debate sobre o futuro da Grã-Bretanha na UE, antes do plebiscito marcado para 23 de junho, em que os cidadãos britânicos decidirão se continuarão no bloco.
O primeiro-ministro David Cameron, que está liderando uma campanha para a Grã-Bretanha permanecer na UE, vem usando a segurança econômica como ponto central de sua argumentação, dizendo que seria melhor para os britânicos ficar por causa do acesso ao maior bloco comercial do mundo que a permanência oferece.
Cameron estava em plena campanha ontem, ao lado do ex-líder sindical Brendan Barber, reunindo-se com trabalhadores de uma linha de montagem de veículos para dizer que uma saída da UE poderia ameaçar empregos e salários.
Os economistas da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico e o Fundo Monetário Internacional têm apoiado a visão de que sair do bloco prejudicaria a economia do Reino Unido. A OCDE, sediada em Paris, informou na quarta-feira que uma saída britânica da UE seria semelhante a um imposto permanente sobre a renda do país.
Os defensores da saída dizem que deixar o bloco libertaria a Grã-Bretanha de uma regulação severa e custos pesados e a tornaria mais livre para lidar com regiões de crescimento mais rápido do mundo.
Patrick Minford, professor de economia aplicada na Universidade de Cardiff, no País de Gales, e um dos autores do relatório de ontem, disse que os preços de produtos como alimentos provavelmente cairiam se a Grã-Bretanha estivesse fora da UE porque o Reino Unido não estaria sujeito às tarifas da UE sobre mercadorias importadas.
“Os consumidores pagam preços mais elevados dentro da união”, disse Minford em uma entrevista coletiva.
Roger Bootle, fundador da consultoria de economia Capital Economics e outro autor do relatório, acrescentou que aqueles que argumentam a favor de permanecer na UE exageram os benefícios da adesão, especialmente dado o fraco desempenho econômico do bloco nos últimos anos em relação a outras economias avançadas.
“A UE toma algumas decisões econômicas muito ruins”, disse ele.
Ativistas que defendem a permanência na UE criticaram as descobertas dos economistas, dizendo que elas contradizem a opinião da maioria dos acadêmicos e instituições.
“Nós não estamos falando apenas de uma análise do Tesouro — estamos falando de pontos de vista e avaliações de algumas das principais organizações econômicas internacionais como a OCDE e o FMI”, disse a porta-voz de Cameron.
Os esforços do primeiro-ministro para concentrar o debate na segurança econômica foram reforçados por uma visita ao Reino Unido, na semana passada, do presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, que alertou que as perspectivas da Grã-Bretanha de forjar um acordo comercial com os EUA sofreriam se ela deixasse o bloco europeu.
Em meio a um foco maior na economia ao longo das duas últimas semanas, o público britânico parece ter se tornado um pouco mais convencido de que seria pior para o Reino Unido sair da UE, sugerem as pesquisas de opinião pública.
Das 1.650 pessoas ouvidas em uma pesquisa nesta semana, 35% disseram achar que a economia ficaria pior se a Grã-Bretanha saísse da UE, contra 31% no começo de abril, de acordo com a firma de pesquisa YouGov PLC. Cerca de 22% disseram que achavam que a economia ficaria melhor e 27% disseram acreditar que não faria muita diferença. Os demais disseram não saber. (Colaborou Nicholas Winning.) (WSJ – 28/04/2016)

Panasonic prevê lucro menor devido a mercados emergentes mais fracos
TÓQUIO (Reuters) - A Panasonic previu que seu lucro vai cair no atual ano fiscal, em meio ao crescimento mais lento nos mercados emergentes e investimentos previstos em tecnologias automotivas e produtos eletrônicos especializados.
A empresa disse que espera lucro operacional de 375 bilhões de ienes (equivalentes a 2,86 bilhões de dólares) no ano que termina em março, ante 416 bilhões de ienes no ano anterior.
A Panasonic havia sinalizado perspectivas mais fracas no mês passado, mostrando que mesmo uma das maiores empresas de eletrônicos de consumo do Japão está lutando para crescer em meio a gastos mais fracos de consumidores domésticos e exportações mais lentas para a China. (Reportagem de Ritsuko Ando) (Reuters – 28/04/2016)

Emissão de títulos na Argentina mostra acerto de Macri
Com nova política econômica, país atraiu investidores, obtendo uma demanda nominal de US$ 70 bilhões e ganhos acima da média dos países emergentes
por EDITORIAL
A volta da Argentina aos mercados globais foi saudada por analistas como a redenção de um “caloteiro” contumaz e a confirmação de uma mudança de rumo. Desde o default da dívida externa de US$ 100 bilhões em 2001, o maior do mundo àquela altura, o país passou os últimos 15 anos — quase a totalidade sob gestão do casal Kirchner — isolado dos mercados e atolado em batalhas legais com credores internacionais. A briga maior foi com os chamados holdouts, todos eles fundos de hedge que compraram esses títulos a preços desvalorizados dos credores originais nos mercados secundários. Em 2014, a Argentina deu um segundo calote, após a Justiça americana impedir que o país pagasse outros credores se não pagasse também os holdouts.
A situação, porém, começou a mudar em dezembro, após a eleição de Mauricio Macri, um presidente averso ao populismo kirchnerista e disposto a restituir ao país a credibilidade e a competitividade perdidas. Tão logo assumiu, adotou uma série de medidas, algumas delas duras, porém necessárias para retomar o crescimento e inverter o rumo de uma economia à beira do abismo. Preocupado em sinalizar ao mundo que a Argentina mudava, Macri retomou imediatamente o diálogo com os credores, o que permitiu a volta do país aos mercados, na primeira emissão em 15 anos.
A estratégia deu certo. A demanda dos credores privados pelos papéis argentinos lembrou, na imagem feita por um analista, uma briga por comida entre famintos. Cerca de dois mil pedidos foram colocados, resultando uma demanda nominal de cerca de US$ 70 bilhões, um recorde para títulos de países emergentes. O resultado foi uma emissão de US$ 16,5 bilhões em títulos, com os termos mais favoráveis à Argentina do que os preços praticados para títulos de outras nações emergentes.
Na sexta-feira passada, a agência de classificação de riscos Moody’s elevou a nota de crédito da Argentina, citando as iniciativas positivas na política econômica e as negociações com os credores internacionais. O país continua com crédito “junk” (B3), “lixo”, mas o upgrade repercutiu nos mercados, e o peso se valorizou mais de 2% em relação ao dólar no dia.
As reformas que Macri prometeu adotar na economia a médio prazo podem aumentar a atratividade dos títulos soberanos se forem efetivamente implementadas. O sucesso da emissão da semana passada tem muito a ver com os sinais de mudança de comportamento da Argentina em relação aos mercados e sobretudo com as reformas econômicas em andamento.
Os investidores mostraram apetite; é preciso, agora, manter no cardápio as receitas atrativas. Isso significa corrigir os erros do passado kirchnerista, colocar a economia nos trilhos, buscando um crescimento sustentável, e, assim, acalentar a confiança de investidores e agentes econômicos. Exemplo para o Brasil. (O Globo – 28/04/2016)

Nova impressora 3D promete acelerar manufatura
Por Loretta Chao
A Ford Motor Co. está fazendo experimentos com uma nova forma de impressão 3D que, segundo a montadora americana, poderia solucionar uma falha estrutural que vem impedindo o uso generalizado da tecnologia na manufatura.
A capacidade de “imprimir” peças dentro de uma linha de montagem reduziria drasticamente os custos de transporte e logística no setor, já que hoje as montadoras precisam encomendar peças de dezenas de fornecedores no mundo todo. A versão mais usada da tecnologia é, porém, inadequada para a produção em massa porque os objetos são impressos camada a camada, um processo lento que produz minúsculas linhas de menor resistência que podem rachar se submetidas a estresse.
Uma empresa novata financiada pela Google Ventures — o braço de capital de risco da holding Alphabet Inc., dona do Google — está desenvolvendo um método diferente de impressão 3D que alguns fabricantes, como a Ford, acham mais promissor.
As impressoras da Carbon3D Inc. projetam continuamente um feixe de luz que passa por uma massa de resina, solidificando-a lentamente sobre uma plataforma que suspende vagarosamente o objeto até que ele esteja totalmente formado. O processo dura uma fração do tempo de outros métodos de impressão e produz itens sólidos mais semelhantes àqueles criados usando moldes convencionais de autopeças, diz Ellen Lee, chefe da divisão de impressão 3D da Ford.
É verdade que a tecnologia da Carbon não deve chegar às fábricas tão cedo. A empresa espera vender centenas de impressoras 3D neste ano, mas seu método ainda é muito caro para ser usado em grande escala. É mais provável que os fabricantes usem essas impressoras na produção de itens de maior margem ou customizados, como peças de aviões e próteses de membros humanos, dizem especialistas.
A Ford está testando peças feitas com as impressoras da Carbon em seus centros de pesquisas para verificar se elas podem passar nos testes de desempenho e justificar o custo, diz Lee. “O grande desafio é que, se estamos fazendo 100 mil veículos e precisamos de tantas peças, pode ser muito caro produzir todas elas”, diz. “Não compete de igual para igual com a modelagem com injeção” de plástico.
Ron Harbour, sócio da consultoria Oliver Wyman, diz que toda a indústria automobilística está pesquisando maneiras de usar a impressão 3D para reduzir os custos altos para a produção de ferramentas. Mas o tempo que demora para imprimir as peças torna o processo ainda mais caro que os métodos tradicionais.
“Se eu preciso de 300 mil [carros], eu gasto X milhões em ferramentas para produzí-los e produzo um por minuto”, diz ele. As impressoras 3D poderiam ajudar a evitar aos altos custos das ferramentas, mas se não conseguirem atingir aquela velocidade, “vai me custar muito mais”.
Ao mesmo tempo, uma variedade maior de materiais precisa ser desenvolvida para emular as propriedades dos plásticos, metais e borracha que compõem as autopeças, acrescenta Lee.
Nos Estados Unidos, um número crescente de empresas já planeja usar a impressão 3D em suas cadeias de suprimento. Uma pesquisa com 900 profissionais de cadeias de suprimento do país divulgada neste mês pelo grupo de logística MHI e a firma de consultoria e auditoria Deloitte mostrou que 14% usam a tecnologia hoje, mas 48% esperam adotá-la dentro dos próximos dez anos. Já a firma de pesquisa Gartner estima que as vendas mundiais de impressoras 3D vão atingir quase US$ 4 bilhões em 2017, comparados a US$ 406 milhões em 2012.
A unidade de pesquisa que Lee dirige na Ford foi criada há dois anos para testar novas tecnologias, na esperança de usar a impressão 3D em projetos mais complexos, que não podem ser feitos por métodos convencionais. Pode levar meses para criar os moldes e ferramentas necessários para fabricar uma peça nova, um processo que pode demorar ainda mais se os engenheiros precisarem fazer mudanças no meio do caminho.
Há outras empresas industriais fazendo experiências com a impressão 3D, também chamada de “fabricação aditiva”. A alemã Siemens AG, por exemplo, afirma que a tecnologia pode ser usada para criar novas geometrias para lâminas de turbinas, aprimorando a refrigeração e aumentando a eficiência.
A General Electric Co., por sua vez, afirma que espera produzir até 200 mil bocais de combustível para sua unidade de aviação por meio da impressão 3D. A empresa americana anunciou que um novo centro de pesquisa em Pittsburgh vai se concentrar no desenvolvimento de aplicações para a tecnologia em todas as áreas do conglomerado.
Os objetos produzidos com as impressoras da Carbon apresentam um desempenho melhor nos testes que outros métodos de impressão porque um item integralmente sólido é mais resistente que outro formado por muitas camadas superpostas, dizem alguns fabricantes.
“O que nos intrigou na máquina da Carbon3D [...] é que se você quebrar a peça [impressa] no meio, ela parece uma peça moldada” por injeção de plástico, diz Chip Gear, dono da The Technology House Ltd., que usa várias tecnologias na impressão de peças para clientes industriais.
A impressora da Carbon leva 40 minutos para imprimir um objeto que levaria horas para ser produzido por uma máquina que usa o método camada a camada, diz ele.
A Carbon aluga suas impressoras por US$ 40 mil por ano, o que se compara com um preço de venda superior a US$ 100 mil das impressoras 3D de outros tipos, diz Gear. A Carbon afirma que o custo vai diminuir à medida que o volume aumentar.
A cada redução de custo ou aumento na velocidade, ficamos mais perto de usar as impressoras 3D de uma forma economicamente viável, diz Steven DuBuc, consultor de cadeias de suprimento da consultoria AlixPartners LLP. Os custos dos equipamentos e materiais já estão caindo, mas “o aumento da velocidade é provavelmente a coisa mais importante”, diz. (WSJ – 28/04/2016)

Brasil e Liga Árabe fazem consultas políticas
Primeira reunião do gênero entre o País e a entidade será realizada nesta quinta-feira em Brasília. Na pauta, o cenário atual do Oriente Médio e da América Latina.
Da Redação
São Paulo – A primeira reunião do Mecanismo de Consultas Políticas entre o Brasil e a Liga dos Estados Árabes vai ocorrer nesta quinta-feira (28) em Brasília. O memorando que criou este mecanismo foi assinado pelas duas partes no ano passado, durante a 70ª Assembleia Geral das Nações Unidas. Segundo o Itamaraty, tal instrumento envolve o debate de questões internacionais, regionais e bilaterais.
No encontro, o grupo brasileiro será chefiado pelo subsecretário-geral do Itamaraty responsável por África e Oriente Médio, Fernando José Marroni de Abreu, e a delegação árabe pelo secretário-geral adjunto da Liga para Assuntos Políticos, Fadel Jawad Kadhum.
De acordo com informações do Itamaraty, na pauta estão a troca de informações sobre a situação política no mundo árabe e na América Latina, o escritório de representação que a Liga tem em Brasília e uma possível visita do futuro secretário-geral da entidade multilateral árabe, Ahmed Aboul-Gheit, ao Brasil. Ele assume o cargo no dia 1º de julho.
Kadhum tem encontros marcados com outros representantes do governo brasileiro e com o secretário-geral da Câmara de Comércio Árabe Brasileira, Michel Alaby. (Anba – 27/04/2016)

Paraguay fue excluido de la lista negra de países con piratería
Paraguay fue eliminado de la lista negra de países que violan los derechos de la propiedad intelectual que publica la Oficina de Comercio Exterior del Gobierno de Estados Unidos.
El informe señala que Estados Unidos y Paraguay firmaron un Memorando de Entendimiento (MOU) sobre los derechos de la propiedad intelectual en junio de 2015.
En este memorando, Paraguay se ha comprometido a tomar medidas específicas para mejorar la protección de los DPI y el entorno de ejecución. Además, el memorando de entendimiento bilateral solidifica la cooperación a través del cual Estados Unidos apoya los esfuerzos de Paraguay para fortalecer protección de los DPI y la ejecución, señala el informe.
EEUU supervisará el progreso del Paraguay bajo el memorando de entendimiento y espera que continúe la cooperación con Paraguay en el 2016, concluye.
Otro de los países que fue excluido de la lista negra es Ecuador, en tanto que con relación a Argentina, Chile y Venezuela, el documento mantiene sus preocupaciones.
“Argentina sigue presentando un número de deficiencias conocidas y de larga data en la protección de los derechos de propiedad intelectual y se ha convertido en un mercado extremadamente complicado para las industrias del sector”, indica el reporte.
En cuanto a Chile, mantiene al país en la lista negra, aunque reconoce “pasos dados en el 2015 para reducir los tiempos de registro de las patentes, el incremento en las acciones de protección intelectual” y el descenso de “la tasa de uso de software sin licencia”.
Por último, no modifica el estatus de Venezuela ante la ausencia de “esfuerzos aparentes” y la “falta de un sistema efectivo” para hacer frente a la extendida piratería y falsificación existente em el país.
El informe anual de EEUU publicado hoy mantiene a China e India a la cabeza de las violaciones de los derechos de propiedad intelectual y patentes a nivel global. El Gobierno estadounidense citó entre sus preocupaciones en China “el robo de secretos comerciales, la rampante piratería em internet, los continuados altos niveles de piratería física y bienes falsificados”.
“La propiedad intelectual es fuente fundamental de crecimiento económico y empleos de alta calidad para EEUU, y es más importante que nunca evitar que gobiernos extranjeros y competidores roben a los innovadores de EEUU”, señala. Efe (Ultima Hora – 27/04/2016)

Bolívia procura forjar alianças com potências emergentes do Brics
La Paz, 27 abr (Prensa Latina) A aposta por um mundo multipolar faz com que hoje Bolívia reforce suas alianças com centros econômicos alternativos como o grupo Brics, que concentra grandes potências emergentes, analisou o ministro de Planejamento do Desenvolvimento, René Orellana.
Durante um diálogo com Prensa Latina, o titular explicou como esta nação andina prioriza novos acordos comerciais e de investimento com a entidade que conformam Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul.
Com o gigante sul-americano temos uma aliança de cooperação de longa data no âmbito financeiro e comercial. Existe uma irmandade por ser um país próximo. Estamos trabalhando de maneira conjunta em um grande projeto como é o trem bioceânico, que enlaçará portos do Atlântico e o Pacífico, indicou.
Assim, referiu-se à assinatura a inícios de março de um convênio entre a empresa russa Rosatom e o Governo para a construção do Centro de Investigação e Desenvolvimento em Tecnologia Nuclear, localizado na cidade do Alto, próxima a La Paz.
O projeto, com um investimento a mais de 300 milhões de dólares, transferirá tecnologia nuclear com fins pacíficos a fim de desenvolver aplicativos biomédicas, estimular planos agrícolas e garantir a segurança alimentar e impulsionar a indústria tecnológica e o intercâmbio de conhecimentos, acrescentou.
Também Orellana se referiu aos vínculos com China, "uma nação aliada com a qual temos uma longa história de cooperação, compartilhamos uma agenda comum em Nações Unidas e sustentamos acordos de cooperação tecnológica, financeira, assistência técnica, desenvolvimento de capacidades e formação profissional.
O servidor público assegurou que com África do Sul "sem dúvidas abriremos uma agenda de trabalho", enquanto ofereceu detalhes sobre os projetos de colaboração que cobram impulso com Índia.
O ministro de Planejamento do Desenvolvimento assistiu ontem ao seminário Fazendo Negócios com a Índia, que teve lugar na Câmara Nacional de Comércio desta capital, e que nesta quarta-feira terá continuação na suroriental cidade de Santa Cruz.
Ao foro coincidiram empresários privados, representantes de empresas públicas, ao igual que os titulares bolivianos de Mineração, de Turismo, e de Desenvolvimento Produtivo, junto ao embaixador da Índia no Peru e Bolívia, Sandeep Chakravorty, entre outras personalidades.
Orellana recordou que, a fins de março, encabeçou uma delegação governamental à nação asiática para consolidar investimentos e conversar sobre cooperação e apoio técnico.
Informou que ao menos 22 empresas privadas indianas mostraram interesse em investir aqui, em áreas como o software, indústrias, alimentos, automobilismo, mineração, petróleo e energia.
O governo indiano respondeu de uma maneira muito rápida a nossa proposta de construir este marco de acordo. Propuseram-nos começar as rodas de atração de investimento e negócios. Em próximos meses planificaremos outros encontros com empresários e o Estado, disse.
Adiantou que fica pendente uma reunião diplomática em nível de chancelarias, ainda sem uma data definida, para especificar um acordo conjunto integral, do qual já existe um rascunho trabalhado por ambas as partes.
Interessam-nos as alianças público-privadas (...) pelo que prevemos a participação de empresários privados, bem como de entidades estatais para a conformação de empresas mistas, esclareceu.
A nação asiática que mantém um comércio de algo mais de 70 milhões de dólares com La Paz, -95 por cento do que se concentra na compra de ouro-, aspira a diversificar dito intercâmbio para o oléo de soja e de girassol, produtos manufaturados e o petróleo, entre outros produtos. (Prensa Latina – 27/04/2016)

Brasil afeta comércio da Argentina
Por Marli Olmos | De Buenos Aires
A crise brasileira impediu o presidente da Argentina, Mauricio Macri, de festejar um saldo positivo na balança comercial no terceiro mês de seu governo.
Isentas das amarras que prevaleceram durante o governo anterior, as exportações de produtos agrícolas ajudaram a Argentina a registrar um aumento de 46% no valor das remessas de produtos primários em março, num total de US$ 1,3 bilhão. Mas como em produtos de origem industrial, altamente dependentes do mercado brasileiro, a venda a outros países recuou 28%, o resultado fechou com déficit de US$ 266 milhões.
No primeiro trimestre, as exportações de grãos tiveram alta de 54%, totalizando US$ 2 bilhões. O fim das restrições e a desvalorização cambial de mais de 30% no início do governo compensaram a queda de preços internacionais e o resultado ajudou o país a somar US$ 12,413 bilhões em exportações totais, um crescimento de 3% na comparação com os primeiros três meses, segundo dados oficiais.
Já em relação aos produtos de origem industrial, em março a retração atingiu todos os setores, com destaque para o automotivo (36%) e metais e manufaturados derivados (50%). No trimestre, a queda foi de 22%.
Segundo a consultoria Abeceb, a queda na demanda brasileira explica o mau resultado da exportação de bens industriais. O Brasil é o destino de metade das exportações do setor. No primeiro trimestre as vendas de manufaturados de origem industrial da Argentina para o Brasil caíram 32%. As importações recuaram 3% no trimestre, mas o valor foi maior, num total de US$ 12,794 bilhões. O país fechou com déficit de US$ 381 milhões o primeiro trimestre. (Valor Econômico – 27/04/2016)

China apuesta a reforzar el comercio bilateral con Argentina
Economía y política
por EL CRONISTA
La creciente interacción bilateral entre la Argentina y China fue el eje del Segundo Foro Empresarial Argentina-China que se llevó adelante ayer, en la sede la embajada de ese país en el barrio porteño de Saavedra.
El encargado de abrir el debate fue el embajador chino en Buenos Aires, Yang Wanming, quien presentó un panel integrado por el presidente de la Agencia Nacional de Inversiones, Juan Procaccini; el prestigioso analista internacional Jorge Castro, director del Instituto de Planeamiento Estratégico; el vicedirector de la Cámara de Comercio para Asia y el Pacífico, José Beckinschtein; y la representante de la Corporación de Carreteras y Puentes de China en la Argentina (CRBC), Estella Sun Yu. El intercambio, presenciado por doscientos empresarios y dirigentes, fue moderado por Fernando Gonzalez, director de El Cronista.
El embajador Wanming explicó en el arranque que "China sigue muy de cerca la transformación de las políticas económicas y la planificación del desarrollo nacional del nuevo gobierno argentino, con optimismo sobre las perspectivas de desarrollo de las relaciones a largo plazo".
Para el diplomático, "China posee ventajas en material del capital, la tecnología y los equipos, mientras que Argentina tiene demandas reales en la transformación del modelo de desarrollo y la modernización industrial. En la próxima etapa, las dos partes deberán expandir la cooperación en áreas clave como la infraestructura, agricultura, minería, finanzas, telecomunicaciones, manufactura, industria aeroespacial, energía y especialmente energía renovable, con lo cual se promoverán la transferencia tecnológicas y la capacitación de los recursos humanos".
Mientras Procaccini detalló la perspectiva favorable que desde la visión del Gobierno de Mauricio Macri tiene la Argentina tras el acuerdo con los holdouts, consumado el último fin de semana, Jorge Castro explicó que "la Argentina, al igual que el resto de los países de América del Sur, tiene en China su principal fuente de comercio e inversiones en la segunda década del siglo. El próximo paso es multiplicar el comercio bilateral entre los dos países, atrayendo previamente una masa creciente de inversiones chinas en los distintos sectores y regiones del país, sobre todo en materia de infraestructura, desarrollo agroalimentario, y desarrollo industrial manufacturero".
En tanto, Bekinschtein le apuntó a las principales áreas de cooperación entre los dos países, sobre todo el sector de agroalimentos, de la energía y del turismo, mientras que Este lla Sun Yu se explayó sobre las ventajas que el crecimiento del comercio bilateral podría tener en el área de la infraestructura. "No sólo en la construcción de carreteras y puentes, sino también en la instalación de sistemas de riego con alta tecnología". (Cronista – 27/04/2016)

Razões para sair da UE não fazem sentido
Martin Wolf
Se o Reino Unido aprovar uma retirada da União Europeia, ficará, quase certamente, para sempre fora do sistema que organiza a vida dos nossos vizinhos e principais parceiros econômicos. Diante disso, a pergunta é se a opção de deixar o bloco deveria ser exercida agora. Minha resposta é: absolutamente, não. Para ver por que, examinemos os argumentos mais usados a favor da retirada.
Em primeiro lugar, a filiação trouxe poucas vantagens. Isso é falso. O Centro para a Reforma Europeia estima que a participação do Reino Unido na UE elevou o comércio do país com os membros do grupo em 55%, aumentando assim sua produtividade e produção. A geração de trocas comerciais no âmbito da UE ultrapassou, de longe, o desvio de comércio imposto a outros países. A Europa, além disso, introduziu uma política concorrencial e de controle da ajuda do Estado sólida. Esses são ganhos importantes.
Em segundo lugar, a filiação impôs custos colossais. Na verdade, o custo fiscal líquido foi de mero 0,5% do Produto Interno Bruto. Além disso, esse valor só poderia ser integralmente recuperado se o Reino Unido abandonar completamente seu acesso preferencial ao mercado da UE. O Reino Unido também é uma das economias de alta renda menos regulamentadas. O desempenho recente de seu mercado de trabalho comprova sua duradoura (e notável) flexibilidade.
Em terceiro lugar, uma zona do euro cada vez mais integrada ditará as regras ao Reino Unido. Mas uma plena união política da zona do euro parece bem pouco provável. Seus membros, além disso, divergem em muitos pontos, o que abre oportunidades para a influência britânica.
Em quarto lugar, o Reino Unido deveria deixar o bloco porque uma dissolução da zona do euro prejudicaria a economia britânica. Se a zona do euro se desintegrar de maneira desordenada, os danos para seus parceiros mais próximos poderão ser significativos. Mas a UE continuará sendo indefinidamente o principal parceiro comercial do Reino Unido. Assim, o Reino Unido será prejudicado por uma dissolução da zona do euro quer faça parte da UE, quer não.
Em quinto lugar, o Reino Unido deveria deixar o bloco porque o crescimento da UE é lento. É plausível que o comércio britânico com o restante do mundo cresça em relação ao intercâmbio comercial do país com seus vizinhos de expansão vagarosa. Mas reduzir deliberadamente o acesso aos mercados da UE só faria sentido se a filiação impedisse o Reino Unido de fazer trocas comerciais com o restante do mundo. O desempenho das exportações da Alemanha demonstra que esse não é o caso.
Em sexto lugar, a filiação à UE atravanca a abertura de mercados mundiais pelo Reino Unido. Mas a UE foi a força propulsora de três grandes negociações comerciais mundiais bem-sucedidas: as rodadas Kennedy, Tóquio e Uruguai. O grupo se voltou de forma crescente para acordos comerciais preferenciais. O poder da UE dá ao Reino Unido uma capacidade muito maior de abrir os mercados, digamos, da China, da Índia ou dos EUA do que o que o país conseguiria fazer por conta própria.
Em sétimo lugar, será fácil chegar a um acordo em torno das alternativas à filiação à UE. Mas não há posição consensual para as que recomendam a retirada. Existem três alternativas plausíveis: saída plena, com a regulamentação comercial a cargo da Organização Mundial de Comércio, o que custaria ao Reino Unido seu acesso preferencial ao mercado da UE; uma filiação, de estilo suíço, a um acordo comercial de produtos, com pactos bilaterais em outras áreas, o que é complexo e exigiria que o Reino Unido mantivesse a livre movimentação de pessoas; e filiação de estilo norueguês ao Espaço Econômico Europeu, que daria acesso pleno (exceção feita à obrigação de respeitar normas de origem no comércio de produtos), mas privaria o Reino Unido de ter voz na regulamentação. Em suma, quanto mais soberania o Reino Unido desejar recuperar, menor será o acesso preferencial que conseguirá manter.
Em oitavo lugar, será fácil para o Reino Unido conseguir o que quiser da UE. Às vezes esse argumento é fundamentado pela afirmação de que o restante da UE registra um superávit em sua balança comercial com o Reino Unido, que o país ficará desesperado por conservar. Isso é ingenuidade. Os divórcios raramente são harmoniosos. Além disso, países com grandes superávits no comércio com o Reino Unido (notadamente a Alemanha) continuarão a vender seus produtos para o Reino Unido, mesmo que a retirada britânica leve à adoção de um pequeno aumento da tarifa sobre importações. Além disso, o comércio britânico com o restante da UE é muito maior que o comércio da UE com o Reino Unido. Portanto, a ideia de que um Reino Unido em retirada poderia ditar as regras é uma fantasia.
Acima de tudo, todos os que promovem a saída ignoram o que os parceiros europeus do Reino Unido pensam sobre a UE. As elites políticas, especialmente da Alemanha e da França, encaram a preservação de uma Europa integrada como seu maior interesse nacional. Elas vão querer deixar claro para todos que a saída envolve um alto preço. Esse preço tende a incluir tentativas de tirar de Londres os mercados financeiros ligados ao euro.
Em nono lugar, será fácil chegar a um acordo sobre controle da imigração. Mas, se o Reino Unido quiser manter acesso preferencial aos mercados da UE, será solicitado a manter a mobilidade da mão de obra. Se, em vez disso, o país abandonar tentativas de manter o acesso preferencial, poderá impor licenças de trabalho aos cidadãos da UE. Isso fará com que o mercado de trabalho britânico fique mais inflexível, principalmente para pessoas mais qualificadas. E, no mesmo grau de importância, a UE responderia na mesma moeda. Isso afetaria desfavoravelmente os britânicos que trabalham e moram na UE.
Em décimo lugar, a incerteza associada à retirada da UE seria baixa. Na verdade, as incertezas serão generalizadas: não sabemos o que o governo britânico que negocia a saída vai querer; não sabemos o que o restante da UE vai oferecer; não sabemos quanto durarão as negociações; e não sabemos qual será o resultado.
Os que estão a favor da retirada fornecem fantasias sobre os danos causados pela permanência e as oportunidades abertas pela partida. Nenhum desses argumentos tem muito mérito. O racional a fazer é o Reino Unido continuar a gozar de seu sistema singular, que lhe granjeou as vantagens da filiação com um número tão pequeno de desvantagens. Como nos dizem nossos amigos estrangeiros, fazer qualquer outra coisa seria loucura. (Valor Econômico – 27/04/2016)

Crise no Brasil reflete na indústria argentina
Setor automotivo é um dos mais afetados pela dificuldade econômica brasileira, porque cerca de 80% da sua produção é destinada para o mercado nacional
- A crise econômica brasileira produziu um "importante impacto" no setor industrial argentino, avaliou o ministro da Produção da Argentina, Francisco Cabrera nesta semana. Apesar disso, Cabrera disse acreditar em avanço do comércio entre os dois países.
O ministro da Produção da Argentina esteve nesta segunda-feira (25) em Brasília, em reunião com o ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior do Brasil, Armando Monteiro. Este foi o primeiro encontro entre os ministros no âmbito da Comissão Bilateral Brasil-Argentina.
No curto prazo, os ministros tentam definir uma meta para trabalhar a renovação do acordo bilateral de produção de autos que expira em junho próximo. O acordo automotivo entre os dois países impõe cotas de compra e venda. Segundo as regras em vigor, para cada US$ 1,5 exportado para a Argentina sem imposto, fábricas brasileiras devem importar US$ 1, na mesma condição.
Ao final do encontro, Cabrera e Monteiro adiantaram que a negociação do acordo bilateral no setor automotivo será revisado e supervisionado de maneira permanente.
O setor automotivo argentino é um dos mais afetados pela crise do Brasil, mercado para o qual se destinam mais de 80% da produção e que no primeiro trimestre deste ano registrou retração em torno de 40% nas exportações.
A situação do mercado brasileiro também afeta fortemente os setores de plástico, borracha e químicos, metalurgia, eletrodomésticos e têxteis na Argentina. Estes setores foram afetados tanto pela menor demanda do principal parceiro comercial argentino, quanto pela escassez de produtos brasileiros.
"A crise brasileira produziu impacto significativo sobre o setor industrial argentino , uma vez que 50% da produção industrial da Argentina vai para o Brasil e que os fluxos comerciais estão sofrendo. Na Argentina existem suspensões na indústria automotiva, mas, aguardamos a melhora desta situação, pois sabemos que a trajetória de crescimento pode ser retomada, levando à normalidade nas relações comerciais", avaliou Cabrero.
Mesmo indicando que a situação brasileira tem afetado a indústria argentina, o Ministro de Produção preferiu não se manifestar sobre a crise política do Brasil, afirmando apenas que o País tem instituições fortes e democráticas e, por isso, capaz de solucionar os problemas.
Em comunicado conjunto, os ministros disseram que no nível bilateral foram ainda identificadas como questões prioritárias "fortalecer as relações bilaterais de integração produtiva, facilitando o comércio e eliminando barreiras não tarifárias em busca de convergência regulatória". Sobre o Mercosul, Brasil e Argentina trataram alternativas para agilizar a tomada de decisões dentro do bloco e acordaram impulsionar as negociações em compras governamentais e facilitar investimentos", destaca o comunicado.
De acordo com os ministros, o próximo encontro será em junho, em Buenos Aires, e representantes do setor privado também serão chamados a participar.
Oleaginosas
Apesar do impacto da economia brasileira, a atividade industrial da Argentina em fevereiro registrou crescimento de 0,7% a partir do forte impacto do setor de moenda de oleaginosas, o qual mostrou um crescimento de 50,5% na medição ano a ano, de acordo com o relatório do centro de estudos da união industrial argentina. O relatório salienta que "fevereiro foi novamente atípico para a produção industrial" afirmando que "o sector de moenda de oleaginosas mostrou um crescimento de 50,5% na medição ano a ano, alavancado pela maior liquidação de estoques e de moenda para exportação".
O ramo de "alimentos e bebidas evidenciou um aumento da ordem de 11,7% na produção, segundo a medição ano a ano, explicado exclusivamente pela maior moenda de oleaginosas". Se for desconsiderado este segmento, o bloco registrou queda de 1,3%.
Importação
O Banco Central da Argentina (BCRA) liberou nesta semana, por resolução da diretoria, o cronograma de importações que eram de 2015, permitindo assim normalizar uma situação que havia alterado completamente o comércio exterior devido à restrição que o ente monetário havia determinado no ano passado.
Por uma decisão tomada pela anterior Diretoria do BCRA, o acesso ao mercado de câmbio para importações de bens e serviços prévios ao 17 de dezembro de 2015 conservava um acesso restringido ao referido mercado.
Diante deste cenário, o fluxo comercial em bens e serviços fica liberado, independentemente do momento no qual foi realizado o comércio. "Assim, é dado um passo adicional na solução dos desequilíbrios herdados da administração previa", explica um comunicado do Central. /Télam (DCI – 27/04/2016)

Empresas trocam importados por produtos feitos no Brasil
De volta para o passado. Empresários brasileiros buscam produtos, insumos e máquinas dentro do País, para escapar do câmbio elevado e por não ter condição de fazer planos no longo prazo
São Paulo - Com a manutenção do câmbio em patamar mais elevado, cresce o número de empresas que substituem importações por mercadorias feitas no Brasil. Ainda que a qualidade de alguns produtos nacionais seja inferior, a troca pode estimular a atividade econômica.
Nos setores têxtil e de confecção, por exemplo, é estimada a transferência de 250 milhões de peças que seriam compradas no exterior, disse Fernando Valente Pimentel, diretor-superintendente da Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção (Abit).
"O Brasil tem capacidade para suprir essa procura, estamos com grande capacidade ociosa na indústria", apontou Pimentel. Ele comentou, ainda, que produtos como camisetas e bermudas, que passaram a ser mais importados no começo desta década, estão entre as peças que são substituídas.
De acordo com dados do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), houve queda de 16% na quantidade de empresas brasileiras importadoras neste ano. No primeiro trimestre de 2015, 28.362 companhias fizeram compras de outros países, ante 23.904 nos três primeiros meses deste ano, 2016.
José Augusto de Castro, presidente da Associação de Comércio Exterior do Brasil (Aeb), ponderou que "não necessariamente" haja substituição em todos os casos. Segundo o especialista, parte das empresas que deixaram de importar pode estar reduzindo suas operações ou até ter decidido fechar as portas nos últimos meses.
A troca por produtos made in Brazil também é realizada por importadores de bens de capital, afirmou Paulo Castelo Branco, presidente da Associação Brasileira dos Importadores de Máquinas e Equipamentos Industriais (Abimei).
O empresário ressaltou que a substituição acontece principalmente com aparelhos convencionais, que possuem alternativas no País. As máquinas automáticas, com maior uso de tecnologia, por outro lado, nem sempre têm versões semelhantes produzidas no Brasil.
"O padrão de qualidade, de tecnologia, de velocidade do trabalho, é diferente. Enquanto uma maquina nacional tem velocidade de trabalho de 20 metros ou 30 metros por minuto, há máquinas no exterior que fazem até 150 metros por minuto", exemplificou o executivo.
Castelo Branco destacou que os setores mais afetados pela retração das importações de equipamentos automáticos são o automobilístico e o de linha branca. "Em um ano, registramos aumento de até 80% no valor de algumas máquinas", disse.
No curto prazo
Além do câmbio, a instabilidade econômica no Brasil também incentiva a troca de importados por nacionais, apontaram os empresários entrevistados.
"Para comprar de outros países, é preciso de planejamento no longo prazo. Como, hoje, há muita incerteza, alguns varejistas preferem comprar aqui dentro, inclusive em menor quantidade", contou Pimentel.
Outro fator que causa a redução das importações é a retração da demanda no Brasil. "Às vezes, acaba acontecendo um contraponto entre essa substituição e a queda de consumo e ficamos no zero a zero", complementou o presidente da Abit.
Entretanto, Castro disse que a troca de importações pode se tornar menos necessária nos próximos meses, caso a valorização do real continue. "As empresas têm que analisar com cuidado o que vai acontecer, mas a tendência é que, se não houver muita intervenção do Banco Central, a taxa de câmbio continue recuando", diz.
Sem tributação
Para frear a retração das importações, o governo federal promoveu uma série de cortes em impostos atrelados a operações no exterior neste ano.
Apenas neste mês, a Câmara de Comércio Exterior (Camex) zerou a tributação sobre importações de milho em grão, reduziu impostos para compra de autopeças não produzidas no País e cortou as tarifas para aquisição de 275 máquinas e equipamentos industriais sem produção no Brasil.
De acordo com o MDIC, a alteração nos impostos sobre aparelhos para a indústria deve beneficiar executivos que buscam ampliar a produção ou construir novas unidades.
Para Castelo Branco, a compra de bens de capital no exterior é fundamental para incrementar a produção no Brasil. "O País precisa de tecnologia e maquinário para fazer produtos de maior qualidade e não precisar comprá-los de fora."
Principais produtos
Nos três primeiros meses deste ano, a compra de produtos manufaturados dominou a pauta de importações brasileira.
Entre janeiro e março, medicamentos aparecem no topo da lista de produtos mais comprados pelo Brasil, com gasto de US$ 1,6 bilhão. Em seguida, figuram peças para veículos (US$ 1 bilhão), petróleo (US$ 885 milhões), circuitos eletrônicos (US$ 607 milhões) e automóveis (US$ 586 milhões).
Com a exceção dos medicamentos, que foram mais importados em 2016 (+13%), os gastos com as outras quatro mercadorias recuaram neste ano: peças para veículos (-30%), petróleo (-46%), circuitos eletrônicos (-45%) e automóveis (-55%). Os dados são do MDIC.
Na separação por fator agregado, foram gastos US$ 3,5 bilhões com commodities, queda 34% frente ao primeiro trimestre de 2015. Também recuaram as importações de produtos semimanufaturados (-23%) e manufaturados (-34%).
Já o ranking dos principais remetentes de produtos para o Brasil teve poucas alterações no período. A China segue na primeira posição (US$ 5,9 bilhões), seguida por Estados Unidos (US$ 5,3 bilhões), Alemanha (US$ 2,1 bilhões), Argentina (US$ 1,9 bilhão) e Coreia do Sul (US$ 948 milhões). As compras dos cinco países recuaram na comparação entre o primeiro trimestre deste ano e os três primeiros meses de 2015.
Na separação por regiões importadoras, também houve poucas mudanças. O Sudeste segue como maior comprador do País, com gastos de US$ 18 bilhões (queda de 29% ante 2015). Depois, figuram as regiões Sul (US$ 6,5 bilhões, recuo de 33%), Nordeste (US$ 3,6 bilhões, baixa de 49%), Centro-Oeste (US$ 2,1 bilhões, diminuição de 19%) e Norte (US$ 1,9 bilhão, queda de 45%). Renato Ghelfi (Folha de SP – 27/04/2016)

Expansão da economia da Grã-Bretanha desacelera no 1º tri
LONDRES (Reuters) - A economia da Grã-Bretanha desacelerou nos três primeiros meses do ano e novamente dependeu do setor de serviços para crescer, mostraram dados oficiais divulgados nesta quarta-feira.
O Produto Interno Bruto do primeiro trimestre cresceu 0,4 por cento, contra 0,6 por cento nos três meses até dezembro de 2015 e em linha com as projeções de economistas, informou a Agência Nacional de Estatísticas.
(Reportagem de Andy Bruce e Ana Nicolaci da Costa) (Reuters – 27/04/2016)

Argentina pidió a Brasil moderar exportaciones y priorizar el equilíbrio
Economía y política
por NATALIA DONATO
En un contexto de fuerte caída de las economías, pero especialmente la brasileña, los gobiernos de la Argentina y Brasil relanzaron ayer las negociaciones comerciales bilaterales de modo de incrementar el flujo de intercambio de una forma equilibrada, especialmente en el sector automotriz. El ministro de Producción, Francisco Cabrera, se reunió ayer en Brasilia con su par Armando Monteiro, a quien le transmitió la fuerte preocupación local por la posible entrada masiva de productos brasileños a la Argentina debido a los sobrestocks existentes debido a la caída del consumo.
Incluso, las importaciones están creciendo más que las exportaciones y en gran parte se debe al ingreso de vehículos terminados. Tanto es así que los números del primer trimestre muestran un rojo para la Argentina de u$s 1112 millones y una proyección anual de u$s 4183 millones –según datos de Abeceb–, cuando en 2015 el déficit comercial fue de u$s 2515 millones.
Los funcionarios brasileños se mostraron comprensivos, aunque dejaron entrever en su discurso que el principal socio del Mercosur busca paliar su crisis externa con la apertura de otros mercados. Lo natural, analizan en el Gobierno, es el principal interés sea potenciar las ventas a la Argentina. En este contexto, las partes resolvieron reactivar la Comisión Bilateral de Producción y Comercio y el Comité Automotriz pero con un criterio, por parte de la Argentina, de equilibrio, no sólo en materia de comercio sino de desarrollo de las inversiones.
"Nuestra preocupación es cuidar el empleo y promover las inversiones. En este sentido, planteamos que no íbamos a condicionar el largo plazo con decisiones de corto plazo, que es complejo para ambos mercados en términos de actividad y condiciones macroeconómicas", afirmó a El Cronista el secretario de Industria, Martín Etchegoyen.
Si bien no hubo una discusión específica acerca del sector automotriz –de hecho, no viajaron los privados–, el 30 de junio vence el acuerdo bilateral, por lo que los gobiernos deberán agilizar los encuentros para avanzar en la negociaciones. Además, no se pretende discutir solamente el nivel del flex –valor que mide los términos del intercambio–, sino todo el convenio, que contempla cuestiones de reglas de origen, normas técnicas, programas de apoyo al sector, entre otros puntos.
En cuanto al flex, si bien los privados buscan pasar de 1,50 a 1,90 (por cada dólar que se exporta, poder importar u$s 1,90 y viceversa), el Gobierno buscará mantenerlo como hasta ahora para evitar un mayor flujo de importaciones de vehículos brasileños. La administración de Dilma Rousseff avalará la postura de los empresarios.
Durante la misión, de la que participaron Etchegoyen, el secretario de Comercio, Miguel Braun, y la subsecretaria de Comercio Exterior, Leila Nazer, Cabrera también se reunió con directivos de la alimenticia BRF, Camargo Correa, la minera Vale y Marco Polo, quienes les prometieron invertir, según dijeron fuentes oficiales.
La próxima reunión del Comité de Comercio y Producción se llevará a cabo en junio en Buenos Aires. La de autos se reunirá varias veces durante el mes próximo por el vencimiento del acuerdo bilateral. (Cronista – 26/04/2016)

Argentina sofre com a recessão no Brasil
ECONOMIA
Brasília-O ministro da Produção da Argentina, Francisco Cabrera, disse ontem que a recessão no ' Brasil está prejudicando a economia do país vizinho, principalmente o setor industrial. Cabrera afirmou que mais de 50% das exportações argentinas são destinadas ao mercado brasileiro.
Cabrera, que se reuniu com o ministro do Desenvolvimento, Armando Monteiro, evitou comentar o processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff, alegando que se trata de problema interno. Mas disse acreditar em uma saída democrática porque as instituições brasileiras são sólidas:- Não escapam à Argentina os problemas do Brasil.
Durante o encontro foi criado comitê formado por representantes dos dois países para discutir o acordo automotivo entre Brasil e Argentina, que termina no fim dejunho. Cabrera indicou que a Argentina não está disposta a flexibilizar o sistema de cotas. Já Monteiro lembrou que tanto o Brasil quanto a Argentina têm perspectiva de iniciar acordo de livre comércio com o México no setor automotivo, a partir de 2019. (Geralda Doca) (O Globo – 26/04/2016)

Argentina más que duplicó su déficit comercial con Brasil
El intercambio con el socio del Mercosur dejó un rojo de USD 1.057 millones en el primer trimestre de 2015, con un incrmento de 157 por ciento respecto del mismo período del año passado
El fin del cepo apunta a impulsar el crecimiento del comercio exterior y las ganancias de las empresas para reactivar la inversión y el empleoEl fin del cepo apunta a impulsar el crecimiento del comercio exterior y las ganancias de las empresas para reactivar la inversión y el empleo La Argentina registró un déficit comercial con Brasil de 1.057 millones de dólares en el primer trimestre del año, que significa un aumento del 157% respecto del mismo período del 2015, cuando el rojo fue de 410 millones.
Según informó este martes el Instituto Nacional de Estadística y Censos (INDEC), en marzo la balanza comercial con Brasil fue deficitaria en 417 millones de dólares, que se suman a las cifras en rojo de 346 millones de enero y 294 millones de dólares de febrero último.
En el primer trimestre del año anterior el saldo comercial con Brasil había sido de 409 millones de dólares un 99% por ciento por debajo del registrado en el mismo período de este año.
Las exportaciones hacia Brasil en el primer trimestre del año llegaron a 1.995 millones de dólares y retrocedieron 24,9% respecto de igual período del año anterior, cuando llegaron a 2.655 millones de dólares.
Por su parte, las importaciones desde Brasil, en el primer trimestre del año totalizaron 3.051 millones de dólares, casi sin variación respecto de las compras del año anterior, cuando acumularon 3.065 millones de dólares. (Infobae – 26/04/2016)

Visita à Alemanha destaca afinidade entre Obama e Merkel
O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, e a chanceler alemã, Angela Merkel, durante uma entrevista coletiva realizada ontem em Hannover. Ele pediu que as negociações da Parceria Transatlântica de Comércio e Investimento, que é apoiada por ambos os líderes, fossem aceleradas.
Por Carol E. Lee, Anton Troianovski e Colleen McCain Nelson , de Washington e Hannover
A chanceler da Alemanha, Angela Merkel, havia feito um pedido pessoal ao presidente dos Estados Unidos, Barack Obama: que ele, antes de deixar o governo, visitasse a feira tecnológica e industrial alemã, realizada anualmente na cidade de Hannover. Ele não prometeu que iria e, então, meses depois ela voltou a fazer o pedido. Na terceira vez que Merkel pediu, Obama, percebendo que era importante para ela, disse a seus assessores para planejar uma viagem em torno do evento.
A chegada de Obama ontem a Hannover ilustra mais do que o ponto que a relação dos dois líderes alcançou desde que Merkel, privadamente, saudou a chegada dele à Casa Branca com um morno ceticismo, segundo uma pessoa próxima a ela.
A visita também mostra como a geralmente conturbada relação entre Washington e Berlim se tornou uma das parcerias estratégicas mais importantes do mundo.
“Desde a época em que assumi o governo, no auge da crise financeira, até o momento atual, quando estamos lidando com os desafios do terrorismo, da imigração e da situação da Ucrânia, Angela tem sido uma parceira essencial”, disse Obama ao The Wall Street Journal, por meio de um comunicado.
Em muitos aspectos, os estreitos laços com Merkel refletem uma das mudanças mais drásticas na relação dos EUA com a Europa após a Segunda Guerra Mundial. Desde a crise financeira global e a crise da zona do euro até a intervenção da Rússia na Ucrânia e a atual onda migratória de sírios para a Europa, Obama tem se voltado com mais frequência para a Alemanha do que para outros países europeus, como o Reino Unido.
O presidente americano pretende enfatizar essa mudança na sua visita de dois dias a Hannover, dizem autoridades dos EUA. De fato, Obama fez ontem um apelo contundente em defesa dos acordos internacionais de comércio, num momento em que ele e Merkel tentam dar impulso à Parceria Transatlântica de Comércio e Investimento — TTIP, na sigla em inglês —, que enfrenta resistência nos dois países.
Os dois líderes exortaram os negociadores a avançar, dizendo que a janela para fechar um acordo está se esgotando.
“Estamos negociando a TTIP há três anos. Fizemos um progresso importante, mas o tempo não está do nosso lado”, disse Obama ontem, durante a feira de Hannover. “Se não concluirmos as negociações neste ano, as próximas transições políticas — nos EUA e na Europa — podem significar que esse acordo não será fechado por um bom tempo”, disse.
As negociações para o amplo acordo, que incluiria os EUA e os 28 países-membros da União Europeia, têm avançado devagar. Críticos temem que ele enfraqueça regras que protegem consumidores, trabalhadores e o meio ambiente. Obama disse ontem que o objetivo é reforçar os padrões e eliminar percalços “regulatórios e burocráticos e obstáculos ao comércio”.
A aliança entre Obama e Merkel também está sendo posta à prova de outras formas, à medida que autoridades de ambos os lados do Atlântico manifestam preocupação com os efeitos da ascensão do populismo e do isolacionismo.
Esse sentimento está refletido na campanha dos pré-candidatos à presidência dos dois grandes partidos dos EUA: o Republicano, de oposição, e o Democrata, de Obama. O candidato que lidera a corrida do Partido Republicano, Donald Trump, em particular, tem repetidamente desafiado antigas normas da política externa americana. Ele também colocou em dúvida iniciativas específicas, como a própria TTIP.
Já Merkel está sendo golpeada em suas posições políticas após sua decisão, em 2015, de abrir o país para refugiados. Obama, que deixará a presidência dos EUA em janeiro e que, segundo pesquisas, continua popular na Alemanha, vem tentando ajudar Merkel a se recuperar.
Ontem, ele exaltou a disposição de Merkel de encarar problemas difíceis, dizendo que ela “está do lado certo da história” na questão dos refugiados. Ele também elogiou o acordo de migração com a Turquia que ela mediou em março. O pacto praticamente fechou a rota pelo mar Egeu que a maioria dos migrantes e refugiados do Oriente Médio usou no ano passado para chegar à Europa.
Em fevereiro, segundo autoridades dos EUA e da Alemanha, ela apresentou a ele a ideia de enviar navios de guerra da Organização do Tratado do Atlântico Norte para as águas entre a Turquia e a Grécia, numa tentativa de conter o fluxo de imigrantes.
Era uma missão sem precedentes para a aliança e que enfrentava um obstáculo considerável: a rivalidade entre a Turquia e a Grécia. Obama conseguiu apoio do Pentágono para o plano, que ganhou aprovação da Otan.
Autoridades dizem que a iniciativa de Obama, anteriormente não divulgada, foi motivada pela confiança dele nas prescrições políticas de Merkel, sua afinidade com ela — eles dizem que ela é um dos seus líderes mundiais favoritos — e sua crença de que turbulências políticas na Alemanha não seriam positivas para os EUA.
“Eu a admiro como líder e acabei contanto com ela como amiga — alguém que irá sempre lhe dizer o que pensa e sempre faz o que diz”, disse Obama ao WSJ.
Mas nem sempre a relação dos dois foi boa assim.
Merkel impediu, por exemplo, que Obama discursasse no Portão de Brandemburgo, um símbolo nacional da Alemanha, quando ele era candidato à presidência dos EUA, em 2008, dizem autoridades da Casa Branca. Depois que ele foi eleito, ela observou que o ainda inexperiente político tinha muito que provar, recorda uma pessoa próxima à chanceler.
E, durante o primeiro mandato de Obama, eles divergiram quanto à receita alemã de austeridade para resolver a crise de dívida do euro, enquanto os EUA pressionavam a Alemanha para ser mais generosa no resgate da Grécia e outras economias em dificuldade. (WSJ – 25/04/2016)

Macri abrirá un encuentro para impulsar el sector empresarial en Iberoamérica
POR EFE
El Encuentro Empresarial Iberoamericano, que inaugurará mañana en Buenos Aires el presidente argentino, se dedicará a estudiar ideas y proyectos para potenciar la actividad empresarial en la zona.
Empresarios y representantes gubernamentales y de organismos regionales se reunirán durante dos jornadas para analizar la movilidad geográfica, la formación de talentos, la economía digital o los procesos de integración.
Organizado por la Fundación Iberoamericana Empresarial y la Cámara Española de Comercio de la República Argentina, el encuentro contará además en la apertura con las intervenciones del secretario de Estado de Cooperación Internacional y para Iberoamérica del Gobierno español, Jesús Gracia, y de la secretaria general Iberoamericana, Rebeca Grynspan.
También participarán en esa sesión el embajador argentino en Madrid, Ramón Puerta, y el presidente de la Cámara Española de Comercio de la República Argentina, Guillermo Ambrogi.
"Se trata de un encuentro empresarial, preparatorio a la próxima Cumbre Iberoamericana de Catagena de Indias", dijo a Efe el director general de la Fundación Iberoamericana Empresarial, Miguel Ángel Cortés, exsecretario de Estado español de Cooperación Internacional y para Iberoamérica (2000-2004) y de Cultura (1996-2000).
El objetivo, explicó, es debatir asuntos de interés común para el mundo empresarial, "como la movilidad de talentos y la formación en prácticas, además de una agenda digital iberoamericana, y elaborar recomendaciones para hacerlas llegar a los gobiernos" en la XXV Cumbre Iberoamericana, que se celebrará en octubre en Colombia.
Cortés destacó la participación del presidente Macri y de representantes de la Secretaría General Iberoamericana, el Banco Interamericano de Desarrollo y la CAF-Banco de Desarrollo de América Latina.
La primera mesa de debate, que moderará el secretario de la Fundación Iberoamericana Empresarial, Eduardo Rodríguez Rovira, abordará distintos aspectos de la "movilidad de talento", como los traslados empresariales, cuestiones administrativas como visados y permisos de trabajo, y prácticas relativas a la formación profesional.
Intervendrán, entre otros, los ministros argentinos de Trabajo, Jorge Triaca, y Educación, Esteban Bullrich; la subdirectora general del Banco Santander, Alejandra Kindelán, y el director del Instituto para la Integración de América Latina y el Caribe (Intal) del Banco Interamericano de Desarrollo, Gustavo Beliz.
La segunda mesa del lunes, moderada por el corresponsal en Argentina del diario El País, Carlos Cué, se centrará en la comunidad iberoamericana y la economía digital, los factores de competitividad y productividad que inciden en esta relación y aspectos relativos a la educación y la formación para la economía digital.
En esta sesión, participarán, además, el secretario de Emprendedores y Pymes de Argentina, Mariano Mayer; la directora de Estrategia Global de asuntos Públicos de Telefónica, Trinidad Jiménez; el presidente ejecutivo del BBVA Banco Francés, Martín Zarich; el director general para América y España de Indra, José Cabello; y el director de CAF en Argentina, Rubén Ramírez.
El martes, la canciller argentina, Susana Malcorra, debatirá sobre los acuerdos comerciales y de inversión, que moderará el director general de la agencia Efe para el Cono Sur, Pedro Damián Diego Pérez.
En ese panel, donde se analizarán los procesos de integración del Mercosur y de la Alianza del Pacífico y su vinculación con la Unión Europea (UE), intervendrán también el director ejecutivo de la Agencia de Promoción de Inversiones y Comercio de Argentina, Juan Procaccini, y el excanciller argentino Adalberto Rodríguez Giavarini.
También participarán el embajador de la UE en Argentina, Ignacio Salafranca y el presidente del Banco de Inversión y Comercio Exterior de Argentina, Pablo García.
El encuentro empresarial concluirá con un coloquio sobre el futuro de la comunidad iberoamericana a cargo de Rebeca Grynspan y Susana Malcorra, moderado por Miguel Ángel Cortés. (Expansión – 24/04/2016)

China tem mais fôlego em abril
ECONOMIA
Dados antecedentes mostram cenário melhor no gigante asiático
Em meio ao temor global em relação à desaceleração da economia chinesa, indicadores antecedentes de abril mostram que a segunda maior potência do mundo ganhou fôlego neste mês. Segundo levantamento da agência Bloomberg, dados de três instituições privadas apontam um cenário melhor do que nos me ses anteriores em segmentos como a produção industrial e demanda por crédito. A confiança para investir, no entanto, ainda é uma nuvem sobre o ambiente de negócios no gigante asiático.
Ao menos duas consultorias mostram mais vigor na indústria. O índice de produção industrial Minxin, calculado pela China Academy of New Supplyside Economics, com baseem mais de 4 mil empresas, subiu para 46,9 pontos - maior patamar em um ano. Com isso, se aproximou mais do terreno positivo: leituras acima de50 mostram aumento de produção. Calculado pelo SpaceKnow, o indicador China Satellite também mostrou alguma aceleração da produção nas fábricas chinesas. O índice subiu levemente, de 48 para 48,2 pontos.
Dados da World Economic acrescentam que o cenário devendasmelhorou levemente,com o índicede confiança avançando de 51,2 para 51,3 pontos. (O Globo – 25/04/2016)

Arábia Saudita aprova plano de reforma econômica
RIAD - A Arábia Saudita, que enfrenta a tendência de queda nos preços do petróleo, aprovou hoje um plano de longo prazo para transformar a economia do país e torná-la menos dependente da commodity.
O plano plurianual, batizado de "Visão Saudita 2030", recebeu o aval do gabinete, segundo o monarca saudita, o rei Salman. A implementação do plano ficará a cargo do conselho econômico do governo.
As fortes perdas que as cotações do petróleo vêm acumulando desde meados de 2014 ampliaram a urgência de a Arábia Saudita, maior exportador mundial da commodity, buscar novas fontes de receita.
O rei deu a seu filho de 30 anos, o príncipe Mohammed bin Salman, segundo na sucessão ao trono e chefe do conselho econômico, a incumbência de conduzir a estratégia.
"Até 2020, seremos capazes de viver sem petróleo", afirmou o príncipe à emissora de TV Al-Arabiya, em entrevista divulgada hoje.
De acordo com Bin Salman, os gastos do governo serão "mais reestruturados do que reduzidos" e mudanças nos generosos subsídios do governo não afetarão a porção 30% mais baixa da escada econômica saudita.
O príncipe afirmou também que a implementação total do plano exigirá algum tempo. "2015 foi o ano do rápido conserto, 2016 é o ano do rápido conserto mais organizado e 2017 será o ano em que a visão começará."
Bin Salman também sinalizou o desejo do reino de superar sua imagem ultraconservadora, ao anunciar que a Arábia Saudita "abrirá suas portas para o turismo de todas as nacionalidades em linha com sua tradição e valores". Atualmente, o país não emite vistos de turista, exceto para peregrinos religiosos.
Outros países do Oriente Médio, como Emirados Árabes Unidos, Catar e Kuwait, apresentaram planos de reforma econômica similares no passado recente.
Na Arábia Saudita, que tem no petróleo 70% da origem de sua receita, a diversificação da economia poderá dar início a uma revisão fundamental do contrato social do reino. Há décadas, a monarquia saudita favorece a população com gastos generosos, sem pedir impostos em retorno.
As mudanças econômicas vêm num momento politicamente difícil para Riad. Os sauditas estão engajados numa custosa guerra com o vizinho Iêmen, onde o Irã estaria financiando e fornecendo armas a rebeldes houthis. Teerã nega a acusação.
O prolongado período de petróleo barato tem pressionado as finanças da Arábia Saudita, e Riad já tomou algumas medidas numa tentativa de solucionar o problema. Além de cortar gastos, os sauditas emitiram bônus domésticos e utilizaram parte de suas reservas internacionais, que encolheram cerca de US$ 116 bilhões, ou 16%, a US$ 616,4 bilhões, ao longo de 2015. Neste mês, a Arábia Saudita também recorreu a bancos internacionais pela primeira vez em 25 anos, ao captar um empréstimo de US$ 10 bilhões. Fonte: Dow Jones Newswires. (Estadão Conteúdo – 25/04/2016)

Uruguay y Paraguay son los que más barato se endeudan en el Mercosur
Argentina volvió a los mercados internacionales, esta vez con una deuda de US$ 16.500 millones con un costo promedio del 7,2%.
Parte de la deuda, exactamente US$ 6.500 millones, fue colocada a un plazo de 10 años, y un interés del 7,5%.
De esta forma, los países que conforman el Mercado Común del Sur (Mercosur) han realizado alguna colocación en los últimos seis meses, siendo Uruguay el país más beneficiado por los mercados, ya que el interés a pagar es de 4,5%. Mientras que Paraguay abonará 5%, luego le sigue Brasil con 6,13% y Argentina en el último lugar. Venezuela no aparece en las estadísticas y Bolivia colocó a 5,9%.
El motivo de los diferentes intereses es por el trabajo realizado en materia macroeconómica, tanto por parte de Uruguay como de Paraguay en los últimos 5 años, que les ha permitido ganar el titulo de “buenos pagadores”.
El consultor Stan Canova había mencionado que Paraguay incluso está entre los siete países de toda la región con mejor calificación, incluso a un paso del grado de inversión, que permitirá al país jugar en las grandes ligas para las calificadoras de riesgo más grandes del globo.
Por su parte, el máster Juan Carlos Zárate explicó que “hay que reconocer que la situaciòn económica a nivel regional y de extra-regiòn no es la mejor actualmente y dentro de dicho contexto nuestro país “viene remando” casi contra la corriente y se va logrando y afianzando lenta, gradual pero consistentemente que es lo que a la postre da valor agregado”. (La Nación – 21/04/2016)

OMC


Veja mais

Comércio aliado do meio ambiente
Regras da OMC permitem que os membros restrinjam o comércio quando isso for necessário para preservar recursos naturais exauríveis ou proteger a saúde
por Roberto Azevêdo
Há 20 anos, a Organização Mundial do Comércio (OMC) emitia sua primeira decisão numa disputa comercial. Tratava-se de um caso de grande visibilidade, envolvendo a legislação de um determinado país destinada a preservar a qualidade do ar. Alguns críticos descreveram a decisão como prova de que a OMC sempre colocaria o livre comércio acima da proteção ambiental. Por algum tempo, repetiu-se esse chavão. Mas a jurisprudência da OMC mostra que esses receios não se confirmaram. É importante conhecer esta história ou perderemos a oportunidade de usar o comércio como um aliado do meio ambiente.
Vejamos aquele primeiro precedente, por exemplo. Discutia-se um dispositivo que regulava o nível máximo de poluentes permitido na gasolina. Não estava em questão o fato de que, de acordo com as normas da OMC, cada país tinha — e tem — o direito de regular esse tema. No entanto, no caso em análise, o limite de poluentes era imposto apenas ao produto importado; produtores domésticos estavam autorizados a ultrapassar aqueles parâmetros. A OMC decidiu que esse tratamento diferenciado era uma prática discriminatória e arbitrária, que não era compatível com o próprio objetivo ambiental da medida. Caso a lei tivesse imposto as mesmas restrições a todos os produtores, é razoável supor que a medida tivesse sido considerada perfeitamente legal.
Mais de 500 disputas já foram apresentadas à OMC, algumas envolvendo medidas comerciais com objetivos de proteção ambiental. Qualquer um que deseje ler essas decisões verá que a OMC nunca questionou a proteção ambiental — e, aliás, nem mesmo o poderia fazer à luz das nossas regras. O acordo que criou a OMC em 1994 vincula a organização aos objetivos do “desenvolvimento sustentável” e à “necessidade de proteger e preservar o meio ambiente”. E isso não está escondido numa nota de rodapé — está na página 1, no primeiro parágrafo do nosso acordo constitutivo.
Além disso, as regras da OMC expressamente permitem que os membros restrinjam o comércio quando isso for necessário para preservar recursos naturais exauríveis ou para proteger a saúde humana, animal ou vegetal. A jurisprudência também confirmou que cada país tem o direito de adotar o nível de tolerância ao risco que julgar adequado. Ou seja, é possível adotar padrões de “tolerância zero”, proibindo as importações de um produto, ainda que seu risco para o meio ambiente ou a saúde pudesse ser administrado. Evidentemente, essas medidas não podem ser aplicadas de maneira arbitrária, ou seja, o argumento legítimo de proteção ambiental não pode servir como um mero disfarce para encobrir medidas protecionistas.
Os 20 anos de jurisprudência da OMC mostram que as regras da organização não diminuem em nada o direito de os países adotarem políticas efetivas de proteção ambiental. A relação entre comércio e meio ambiente, no entanto, não termina aí. O comércio pode fazer mais pela causa ambiental.
Neste momento, por exemplo, um grupo de países negocia na OMC um acordo para eliminar barreiras ao comércio de produtos que favorecem a proteção ambiental — como turbinas eólicas, painéis solares e filtros para purificação de água. O comércio pode ajudar a disseminar tecnologias, promover eficiência energética e contribuir para a economia de baixo carbono. Naturalmente, sozinho não resolve, mas com certeza pode ajudar muito se fizer parte de um conjunto adequado de políticas ambientais.
Ocorre esta semana no Rio de Janeiro o Congresso Mundial de Direito Ambiental Internacional, uma interessante oportunidade para tratar da relação entre comércio e meio ambiente. A OMC tem uma boa história para contar nessa área — e ainda há mais a ser feito. Devemos evitar que visões distorcidas ou antiquadas prejudiquem a oportunidade que temos de fazer do comércio um aliado na proteção ao meio ambiente. (O Globo – 28/04/2016)

Brasil e EUA trocam farpas em reunião da OMC por causa de comércio de aço
Jamil Chade, correspondente
Washington acusa o Brasil de dar subsídios ao setor, enquanto Brasília denuncia protecionismo americano
GENEBRA - Numa troca de críticas em plena reunião oficial da Organização Mundial do Comércio (OMC), as delegações de Brasil e EUA deixaram claro o desentendimento que o comércio de aço está provocando entre os principais atores do mercado. O Itamaraty chegou a acusar Washington de usar "sites de fofocas" para sustentar sua tese contra a siderurgia nacional.
O governo brasileiro pediu para incluir na agenda da entidade um debate sobre o fato de o governo dos EUA ter implementado barreiras contra as exportações de aço do País. Com taxas variando de 20% a 35%, as medidas americanas praticamente fecharam o mercado dos EUA para alguns dos exportadores nacionais.
As taxas foram impostas depois que os americanos passaram a investigar 32 programas de apoio no Brasil ao setor siderúrgico, número que acabou sendo reduzido para seis programas.
Ao tomar a palavra, nesta quinta-feira em Genebra, a delegação brasileira afirmou estar "preocupada" diante da iniciativa americana, alertou que não entende até agora qual das regras da OMC violou para justificar as barreiras e garantir que o setor siderúrgico nacional "não é subsidiado".
Para provar isso, o Brasil apontou que informações colhidas em websites comprovariam que as empresas nacionais não estariam sendo apoiadas por recursos públicos.
Mas Brasília foi surpreendida por uma atitude do governo americano de recusar a ofensiva brasileira. A delegação de Washington alegou que as informações apresentadas pelos brasileiros "não eram corretas".
Fofocas. Os diplomatas brasileiros chegaram a alertar que os americanos usaram "sites de fofocas" para basear suas queixas. Mas receberam como resposta a garantia de que as investigações sobre as práticas comerciais brasileiras foram iniciadas por conta de "provas" que teriam sido coletadas pelos americanos. "Temos regras e provas para justificar a investigação", respondeu a delegação americana.
Tomando uma vez mais a palavra, o governo brasileiro insistiu que o IPI não é um subsídio. Mas a tese foi rejeitada por Washington. "Temos evidências de que sim esse é programa de subsídios", respondeu a delegação dos EUA.
A troca de acusações, porém, não foi a única a dominar a reunião da OMC. O excedente na produção de aço pelo mundo fez o Brasil e diversos outros países a soar o alerta em relação às diferentes respostas de governos, subindo tarifas de importação e aplicando barreiras.
China e Rússia, por exemplo, acusaram a UE de estar proliferando medidas de anti-dumping no setor do aço. O Brasil ainda criticou novas investigações lançadas pelos sul-africanos.
Os americanos também se lançaram em uma dura crítica contra a falta de informação prestada pela China sobre a quantidade de programas de apoio de Pequim ao setor do aço. Segundo os americanos, desde a entrada da China na OMC em 2001, apenas em três ocasiões Pequim notificou seus planos de subsídios, uma exigência das regras internacionais.
Para os EUA, porém, a China conta com "centenas de programas de subsídios" que jamais são informados. Segundo Washington, só a empresa Hebei Iron estaria sendo beneficiada por 85 programas diferentes de ajuda, incluindo desde tratamento de água à formas de reduzir gastos de energia e tecnologia.
O maior exportador de aço do mundo, porém, afirmou que não teria como dar valores sobre quanto destina a suas empresas chinesas e culpou a o excedente global de produção como motivo da crise diplomática na OMC. Para Pequim, a entidade não é o local onde esse assunto deva ser tratado.
Na semana passada, porém, uma reunião na OCDE para lidar com a crise terminou em fracasso. Hoje, o excedente na produção mundial é de 657 milhões de toneladas.
Ao mesmo tempo que isso é registrado, Mitsuhiro Fukuyama, presidente do Comitê de Salvaguardas da OMC, indicou que apenas 29% dos programas de subsídios no mundo foram declarados pelos governos em 2015 e que o número de casos de anti-dumping passou de 23 em 2014 para 41 no ano passado. Para a China, o "risco do protecionismo é real".
Avião. Além do setor do aço, o Brasil ainda protestou ontem por conta da falta de transparência do Japão em seus programas de apoio para a construção de novos jatos que possam competir com a Embraer. Segundo Brasília, Tóquio se recusa a dar respostas sobre como ocorre o financiamento das empresas do setor.
O Brasil ainda pediu explicações sobre os programas e quais empresas se beneficiam para criar uma nova geração de aviões. O Itamaraty também pediu esclarecimentos sobre o papel do Banco de Desenvolvimento do Japão.
O caso envolve o dinheiro concedido pelo governo à Mitsubishi, que está desenvolvendo a linha de jatos Mitsubishi Regional Jet. Segundo o Itamaraty, cerca de 3 bilhões de ienes foram destinados a um programa para pesquisa e desenvolvimento de eficiência na aviação. A suspeita é de que esses recursos seriam subsídios ilegais e violariam as regras da OMC. Isso porque, ao receber essa ajuda, os jatos japoneses estariam concorrendo no mercado internacional em melhores condições que a Embraer.
Sobre os programas não notificados, a diplomacia japonesa apenas indicou que eles se referem a financiamento para a pesquisa e que não são destinados a uma empresa específica, o que ficaria isento de obrigações de transparência na OMC.
Se Brasil e Canadá dominavam o mercado de jatos regionais, os japoneses entraram com força para romper esse controle. O modelo de Tóquio já conta com 223 encomendas. A americana SkyWest, por exemplo, fez uma encomenda de 100 jatos, com opção para mais 100. A meta do Japão é controlar 20% do mercado mundial desse segmento e, assim, recuperar investimentos de US$ 1,5 bilhão gastos no desenvolvimento do modelo.
De acordo com a Mitsubishi, seu novo modelo é 20 % mais eficiente em termos de consumo de combustível que a média do segmento. O jato também seria mais silencioso que os concorrentes, segundo a empresa. Aguardado como o "jato regional mais confortável do mundo", o Mitsubishi Regional Jet ainda promete uma redução significativa de poluentes. (O Estado de SP – 27/04/2016)

Brasil reage na OMC contra aplicação de novas sobretaxas a produtos de aço
Por Assis Moreira | De Genebra
A lista de países que buscam impor sobretaxa na entrada de produtos de aço do Brasil está aumentando, levando o país a deflagrar uma dura reação esta semana na Organização Mundial do Comércio (OMC) contra ações que podem causar prejuízo de milhões de dólares. As investigações, ou aplicação recente de sobretaxas preliminares contra a siderurgia brasileira, vão dos Estados Unidos à Índia, África do Sul, Taiwan, Tailândia e Chile, em um cenário de excesso global de produção e declínio da demanda.
"A tendência no mercado de aço é preocupante, o Brasil está atento e vai usar todos os recursos necessários para coibir o que não está de acordo com as regras multilaterais", afirmou Marco César Saraiva da Fonseca, diretor do Departamento de Defesa Comercial (Decom), do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (Mdic), depois de rodadas e reuniões na OMC.
Hoje, o principal alvo da delegação brasileira na reunião do Comitê de Subsídios da OMC serão os EUA, por causa da aplicação de sobretaxas preliminares contra alguns produtos brasileiros, o que, na prática, estaria fechando o mercado americano a esses produtos. Produtores siderúrgicos americanos denunciaram em Washington 32 programas de apoio governamental ao setor de aço brasileiro, incluindo iniciativas regionais, como do Ceará, onde as companhias atingidas não têm produção.
Após as denúncias, as autoridades americanas reconheceram que apenas seis dos programas poderiam afetar os produtores locais. Mas isso foi suficiente para aplicar taxas adicionais de 20,84% e de 35,43% na entrada de laminados a frio da CSN e da Usiminas, e de 29,78% e de 30,46% no caso de laminados a quente, por causa de suposto dumping. Além disso, os EUA impuseram sobretaxa de 7,49% sobre laminados a quente e frio das duas companhias para compensar suposto subsídio, medida que o Brasil considera também injustificada.
Taiwan iniciou duas investigações contra o aço brasileiro. A África do Sul acaba de abrir um caso contra laminados. A Tailândia passou a examinar se o produto brasileiro tem preço deslealmente baixo. O Chile está com quatro novas investigações fiomáquina, fio de aço, prego e telas de aço.
A tensão está aumentando entre os parceiros também pela maneira como os instrumentos de defesa comercial passaram a ser usados globalmente na crise atual do setor.
A Índia abriu contra as bobinas de aço do Brasil duas investigações de salvaguarda, que normalmente buscam proteger um setor que esteja sofrendo prejuízo, ou ameaça de prejuízo grave, decorrente do aumento das importações.
Na primeira investigação, o produto brasileiro foi poupado por insuficiência de volume exportado. No segundo caso, o resultado deve ser o mesmo. Mas o Brasil constatou que a Índia está abrindo contra os mesmos produtos novas investigações de dumping.
Além das investigações abertas recentemente contra o Brasil, há várias outras em vigor nos EUA e no Canadá. A delegação brasileira tem feito várias reuniões bilaterais, como primeiro passo para tentar solucionar os problemas sem apelar aos juízes da OMC.
Globalmente, o declínio da demanda e o excesso de capacidade têm alimentado tensões entre os parceiros comerciais, sob alegação de dumping ou exportações subsidiadas. O excesso de capacidade produtiva no setor siderúrgico ampliou a utilização de medidas de defesa comercial, com mais países abrindo investigações para frear a entrada dos produtos em seus mercados.
O número de investigações antidumping bateu recorde em 2015, com 41 novos casos registrados na OMC. Em janeiro e fevereiro deste ano, mais 12 disputas comerciais foram iniciadas.
Ministros de 34 países, representando 93% da produção global de aço, fracassaram na tentativa de chegar a um acordo sobre o problema de excesso de capacidade no setor, em reunião na semana passada em Bruxelas.
A demanda global de aço contraiuse fortemente no rastro da crise economica e financeira global de 2008, recuperouse ligeiramente nos anos seguintes e voltou a cair em 2015. No entanto, a capacidade de produção aço bruto continuou aumentando. Em 2014, a demanda foi de 1,6 bilhão de toneladas, ou 657 milhões de toneladas abaixo da capacidade de produção (2,3 bilhões de toneladas). Em 2015, a capacidade aumentou ainda mais e o excedente chegou a 700 milhões de toneladas.
Segundo a Organização para Cooperação e Desenvolvimento Economico (OCDE), o cenário no mercado siderúrgico deteriorouse nos últimos meses.
Os compradores procuram aumentar estoques, em meio à queda de preços. O índice global de preços de aço caiu 23% em fevereiro em relação ao mesmo mês do ano passado. Siderurgias estão fechando as portas. A lucratividade no setor é uma das menores na área industrial.
As importações de aço aumentaram desde 2013 principalmente nos EUA e na União Europeia (UE), ambos representando 30% das compras globais. A China, de seu lado, elevou em 20,1% as exportações em 2015.
Produtores americanos e europeus acusam sobretudo a China de inundar o mercado com aço altamente subsidiado, o que torna a concorrência impossível. Já os chineses argumentam que a crise no setor se deve basicamente à queda na demanda. Em todo caso, Pequim promete cortar a produção entre 50 milhões e 100 milhões de toneladas em cinco anos. (Valor Econômico – 27/04/2016)

Los Miembros de la OMC se preparan para aplicar el acuerdo de Nairobi sobre las normas de origen preferenciales
Los Miembros de la OMC empezaron a debatir la aplicación de la Decisión Ministerial relativa a las normas de origen preferenciales para los países menos adelantados (PMA) el 22 de abril. La Decisión Ministerial fue uno de los principales resultados de la Décima Conferencia Ministerial, celebrada en Nairobi en diciembre pasado. (OMC – 22/04/2016)

La India ratifica el Acuerdo sobre Facilitación del Comercio
La India ha ratificado el nuevo Acuerdo sobre Facilitación del Comercio (AFC). El 22 de abril la Embajadora de la India ante la OMC, Anjali Prasad, entregó el instrumento de aceptación de su país al Director General Roberto Azevêdo. (OMC – 22/04/2016)

La Federación de Rusia ratifica el Acuerdo sobre Facilitación del Comercio
La Federación de Rusia se convierte en el 77º Miembro de la OMC en ratificar el nuevo Acuerdo sobre Facilitación del Comercio (AFC). El Ministro de Desarrollo Económico de la Federación de Rusia, Alexey Ulyukaev, se reunió con el Director General Roberto Azevêdo el 22 de abril y le entregó el instrumento de aceptación del AFC de su país. (OMC – 22/04/2016)

Outros


Veja mais

Volume das exportações brasileiras sobe, mas receita continua em queda
As exportações brasileiras avançam em quantidade, mas rendem cada vez menos. E o fenômeno não vale só para commodities: o aumento no volume das vendas de produtos industrializados, de maior valor agregado, não é acompanhado por receitas maiores.
Com a desvalorização do real, os empresários brasileiros tiveram espaço para realizar um "repasse cambial", justificou André Leone Mitidieri, economista da Fundação Centro de Estudos do Comércio Exterior (Funcex). "Eles puderam reduzir os preços em dólar para tornar os produtos mais atraentes e ganhar mercado lá fora", afirmou o especialista.
No primeiro trimestre deste ano, os 155,698 bilhões de quilos de vendas brasileiras renderam US$ 40,573 bilhões. Em igual período de 2015, o volume foi 14,4% menor (133,296 bilhões de quilos) e a receita, 5,4% maior (US$ 42,775 bilhões).
Outro fator que afeta o rendimento das exportações é a redução do consumo mundial. "A economia do planeta está crescendo em um ritmo menor. Com menor demanda, os preços tendem a cair", disse Mitidieri.
A diminuição do retorno com as vendas de manufaturados, por exemplo, é causada também pelo arrefecimento da economia latino americana, onde estão alguns dos maiores compradores de produtos brasileiros, e pelo crescimento da concorrência de outros países, conforme noticiado pelo jornal DCI. (DCI – 29/04/2016)

Senador do PSDB cuidará também da política externa
LU AIKO OTTA
Ideia de Temer é que Ministério das Relações Exteriores comandado por José Serra tenha um forte viés nos negócios
BRASÍLIA - O vice-presidente Michel Temer quer dar uma guinada na política externa brasileira, caso assuma a Presidência da República. Para isso, planeja escalar o senador José Serra (PSDB-SP) para comandar um Ministério das Relações Exteriores “empoderado” e com forte viés nos negócios. O tucano será uma ponte entre o Planalto e o empresariado.
O desenho sobre a mesa de Temer prevê o desmonte do que hoje é o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. A parte comercial irá para o Itamaraty e outra fatia importante, o comando do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), para o Ministério do Planejamento, que deverá ser comandado pelo senador Romero Jucá (PMDB-RR).
A avaliação na equipe de Temer é de que a política comercial brasileira esteve equivocada durante a gestão petista, ao priorizar as relações Sul-Sul (com países emergentes) e dar muito peso ao Mercosul. Isso teria impedido o País de avançar em acordos com os centros mais dinâmicos da economia mundial.
Serra deverá priorizar a busca de acordos com os principais mercados consumidores do mundo, como Estados Unidos, Europa e países asiáticos como Japão e Coreia do Sul. Com isso, o governo Temer pretende incrementar a exportação de produtos de maior valor agregado para trazer impactos positivos sobre a atividade industrial.
Livre comércio. O senador é um antigo crítico da forma como o Mercosul está implantado. Hoje, existe um compromisso pelo qual o bloco não pode negociar acordos comerciais que envolvam concessões em tarifas de comércio sem a concordância de todos os sócios (Brasil, Argentina, Paraguai e Uruguai). O que Serra defendeu quando foi candidato à Presidência, em 2010, era fazer do Mercosul uma zona de livre comércio – um estágio anterior à união aduaneira existente hoje. Nela, os países membros têm um comércio privilegiado entre si, com a eliminação de tarifas aduaneiras. Não há, porém, uma tarifa externa comum. Isso abriria o caminho para o Brasil negociar individualmente e não em bloco. / L.A.O.
Essa redução de status do Mercosul foi defendida durante a última campanha presidencial pelos candidatos Aécio Neves (PSDB) e Eduardo Campos (PSB), por exemplo. (O Estado de SP – 29/04/2016)

Serra é cotado para Itamaraty 'empoderado', com forte viés comercial
Lu Aiko Otta
Avaliação na equipe de Temer é que a política comercial brasileira esteve equivocada durante a gestão petista, ao priorizar as relações Sul-Sul (com países emergentes) e dar muito peso ao Mercosul
BRASÍLIA - O vice-presidente Michel Temer quer dar uma guinada na política externa brasileira, caso assuma a presidência da República. Para isso, planeja escalar o senador José Serra (PSDB-SP) para comandar um Ministério das Relações Exteriores “empoderado” e com forte viés nos negócios. O tucano será uma ponte entre o Planalto e o empresariado.
O desenho sobre a mesa de Temer prevê o desmonte do que hoje é o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC). A parte comercial iria para o Itamaraty e outra fatia importante, o comando do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) iria para o Ministério do Planejamento, que deverá ser comandado pelo senador Romero Jucá (PMDB-RR).
A avaliação na equipe de Temer é que a política comercial brasileira esteve equivocada durante a gestão petista, ao priorizar as relações Sul-Sul (com países emergentes) e dar muito peso ao Mercosul. Isso impediu o País de avançar em acordos com os centros mais dinâmicos da economia mundial.
Serra deverá priorizar a busca de acordos com os principais mercados consumidores do mundo, como Estados Unidos, Europa e países asiáticos como Japão e Coreia do Sul. Com isso, o governo Temer pretende incrementar a exportação de produtos de maior valor agregado. Isso trará impactos positivos sobre a atividade industrial.
Barreiras. O senador é um antigo crítico da forma como o Mercosul está implantado. Hoje, existe um compromisso pelo qual o bloco não pode negociar acordos comerciais que envolvam concessões em tarifas de comércio sem a concordância de todos os sócios (Brasil, Argentina, Paraguai e Uruguai).
Formado por economias muito heterogêneas, o bloco tem dificuldade em encontrar posições comuns que permitam negociações comerciais mais ambiciosas. Essa é uma das razões pelas quais o acordo do bloco com a União Europeia está em pauta há duas décadas. Essa regra também difculta um entendimento com os Estados Unidos.
O que o senador tucano defendeu quando foi candidato à Presidência, em 2010, era fazer do Mercosul uma zona de livre comércio - um estágio anterior à união aduaneira existente hoje. Nela, os países membros têm um comércio privilegiado entre si, com a eliminação de tarifas aduaneiras. Não há, porém, uma tarifa externa comum. Isso abre o caminho para o Brasil negociar individualmente e não em bloco.
Essa redução de status do Mercosul foi defendida durante a última campanha presidencial pelos candidatos Aécio Neves (PSDB) e Eduardo Campos (PSB), por exemplo.
A mudança não significa, porém, que a Argentina será deixada num segundo plano na área comercial. Pelo contrário, a avaliação no entorno de Temer é que o novo governo, comandado por Maurício Macri, terá posições muito mais pragmáticas do que sua antecessora, Cristina Kirchner. De forma que o comércio deverá ter maior fluidez e será possível, inclusive, “levar a Argentina junto” nas negociações com outros mercados.
Neste segundo mandato da presidente Dilma Rousseff, o Mercosul já deixou de ser uma prioridade na agenda comercial. O atual ministro do Desenvolvimento, Armando Monteiro, tem procurado “relançar” as relações do Brasil com os Estados Unidos e o México. Hoje, ele assina um acordo com o Peru. (O Estado de SP – 28/04/2016)

O Itamaraty em questão
Celso Ming
A política externa esteve voltada mais para o modelo bolivariano de relações internacionais, especialmente com vizinhos, do que para expansão e defesa dos interesses econômicos do Brasil
O senador José Serra pode até não ser sacramentado como ministro das Relações Exteriores, mas está claro que nessa área há muita coisa a mudar.
A presidente Dilma não gosta do Itamaraty, mas é um equívoco dizer que seu governo não tem política externa. Tem sim e esteve voltada mais para o modelo bolivariano de relações internacionais, especialmente com vizinhos, do que para expansão e defesa dos interesses econômicos do Brasil.
A maneira como conduziu o Mercosul foi desastrosa. Ateve-se a aceitar bovinamente a retranca dos hermanos argentinos e nisso fez o jogo da presidente Cristina Kirchner, também desastroso. Hoje os tratados do Mercosul são um lençol esburacado. Foi desenhado para ser uma união aduaneira (o que pressupõe política comercial unificada), mas não consegue ser nem uma área de livre comércio, o primeiro estágio de uma integração entre países.
Quando a maioria dos países mais importantes se lançou à negociação de acordos comerciais destinados a garantir acesso preferencial a seus produtos de exportação, o Brasil preferiu insistir nos trâmites multilaterais, hoje sem futuro. As autoridades do PT não gostam de liberação do comércio. Optaram decididamente pelo protecionismo. Entenderam que a liberação do comércio global é abrir as portas do País para mercadorias importadas, sem levar em conta que a economia fechada tira, como tirou, competitividade do setor produtivo e enfraqueceu o País, em vez de proteger. Essa foi uma das causas da desidratação da indústria.
A pressão mais recente do governo Dilma sobre o Itamaraty foi pretender que coordenasse grande movimento global contra o impeachment, como se as Relações Exteriores fossem um organismo de governo e não de Estado. Boa parte da confusão original passa por aí. (O Estado de SP – 28/04/2016)

Exportações reagem nos setores de máquinas e de alta tecnologia
TONI SCIARRETTA/ EDSON VALENTE
A vantagem competitiva da indústria brasileira no exterior não se restringe aos segmentos ligados a minerais, alimentos e produtos primários. O Brasil se tornou competitivo nos últimos anos em ramos de alta tecnologia, como a indústria aeronáutica, além da produção de motores, equipamentos médicos, carrocerias de ônibus e máquinas alimentícias.
É o caso da catarinense WEG, uma das maiores exportadoras de motores e equipamentos eletroeletrônicos do mundo. A empresa emprega 31 mil pessoas e faturou R$ 9,7 bilhões no ano passado, 24% mais do que em 2014. Hoje, quase 55% da receita vem do exterior, o que tornou a empresa mais resiliente à crise no país.
Com porte menor, a Bralyx Máquinas exporta equipamentos de confeitaria e de produção de massas e salgados para 50 países.
A companhia, que emprega 150 pessoas em São Paulo e fatura R$ 50 milhões, tem quase metade do faturamento no exterior.
A Bralyx começou atendendo a demanda por máquinas de massas para imigrantes italianos no Brasil; hoje, exporta esses equipamentos para a Itália. Replicou a experiência exportando máquinas para quibes e esfihas para o Oriente Médio. Também vende a Portugal máquinas para bolinho de bacalhau.
O caminho da Bralyx para exportação começou ainda nos anos 1990, segundo Gilberto Poleto, presidente da empresa, época em que o real e o dólar tinham praticamente o mesmo valor. "As pessoas perguntavam como podíamos exportar com o dólar a R$ 1. Mas são nesses momentos desfavoráveis, como o atual, que nos preparamos para crescer", disse Poleto.
Especializada em máquinas cortadoras a laser, a Welle Tecnologia é uma antiga start-up que hoje lidera a exportação de equipamentos de corte de precisão no mundo. A empresa, que fatura mais de R$ 10 milhões, surgiu numa incubadora de Santa Catarina, recebeu recursos do Finep (Financiadora de Estudos e Projetos), órgão ligado ao Ministério de Ciência e Tecnologia, e depois do BNDES. No ano passado, abriu um escritório na Suíça para servir de plataforma para negócios internacionais.
IMPORTAÇÃO
A situação dos exportadores, no entanto, esbarra no alto grau de insumos importados utilizados.
No setor farmacêutico, mais de 90% da matéria-prima vem do exterior. Embora as vendas tenham crescido, as empresas sentiram diminuição nos ganhos devido ao aumento de custos, disse Nelson Mussolini, presidente- do Sindusfarma (sindicato da indústria farmacêutica de SP). (Folha de SP – 28/04/2016)

Pela modernização do comércio exterior
O Brasil poderia aumentar em 20% suas exportações se adotasse uma política fundada em três pontos: redução da carga tributária sobre as vendas externas, redução de 10% a 20% das tarifas sobre importações e alteração das regras de conteúdo local. Esta é a conclusão de uma simulação feita pela Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), em estudo publicado há pouco. O trabalho contém sugestões para modernização do comércio externo brasileiro que merecem consideração pelos responsáveis pela condução da política econômica no futuro.
O superávit de US$ 8,398 bilhões da balança comercial no primeiro trimestre foi proporcionado sobretudo pela queda de 33,40% nas importações. As exportações também apresentaram um recuo de 5,15% no período, sempre em relação ao ano anterior. O que se nota é que, mesmo com uma taxa de câmbio ajustada, as vendas externas de produtos com maior valor agregado não reagem por causa, principalmente, do peso dos impostos indiretos que afetam sua competitividade.
Pode-se argumentar que, dada a situação fiscal crítica da União e dos Estados, seria inviável reduzir substancialmente esses gravames. Isso exigiria uma reforma tributária, para a qual não existem condições políticas adequadas no momento, mas será inescapável seu exame no futuro. É oportuno ressaltar que, como menciona a OCDE, um aumento mais sensível das vendas externas poderia criar 1,47 milhão de empregos, boa parte de trabalhadores menos qualificados.
A redução do Imposto de Importação (II) é uma medida que poderia ser colocada em prática mais facilmente. Se o Brasil deseja firmar acordos com outros blocos de comércio, como a União Europeia (UE), não poderá fazê-lo sem baixar as barreiras alfandegárias. Não parece que, nesse caso, haveria perda sensível da receita tributária, uma vez que o aumento do total das importações poderia compensar a redução de tarifas.
Isso beneficiaria também a indústria, que utiliza insumos importados, e contribuiria para a integração do País às cadeias globais de intercâmbio. Como assinala o estudo, o Brasil representa mais de 3% da produção mundial, mas sua fatia do comércio global estagnou em 1,2%.
Quanto à taxa de conteúdo local, que varia até 70% em alguns casos, trata-se de uma regra irrealista, que por isso não tem sido obedecida com rigor nem pela Petrobrás. (Estadão – 28/04/2016)

10 Reasons Why Vice President Michel Temer Won’t Be Brazil’s Next President
Diego Iraheta
Editor in Chief at HuffPost Brasil
On Sunday, April 17, right after the lower house of Congress voted to impeach President Dilma Rousseff, I wrote that the Workers’ Party was over.
That doesn’t mean, however, that Vice President Michel Temer will become the next president.
The automatic rise of Michel Temer to power, thanks to the collapse of Dilma’s government, doesn’t solve the political and ethical crisis that Brazil currently faces. On the contrary, this supposed solution may fan the flames. There is already tension between the Workers’ Party (PT) and the Brazilian Democratic Movement Party (PMDB), since the PMDB left Dilma’s government coalition.
If the senate approves the impeachment on May 11, the president will be removed from office and Temer will temporarily assume the role.
During a 180-day suspension period, Dilma, Lula and their supporters will plan their offensive on Temer, to stop him from spending too long in office.
Below are 10 reasons why Temer won’t actually become the next president of Brazil:
1. The PMDB is deeply involved in the Petrobras scandal.
Brazilians took to the streets to protest agains the government, Dilma, Lula and the PT, but their primary concern has been corruption. Michel Temer’s party is deeply involved in the corruption scandal at the state-owned oil company Petrobras.
2. The current political crisis involves the PMDB as well as the PT.
Dilma wasn’t really politically savvy, and couldn’t build a minimum base of support in her second term. The elected government was formed by the PT and PMDB. Although the PMDB controlled several ministries, Temer’s party demanded more and more space in the executive branch of government. Lower house speaker Eduardo Cunha (PMDB-RJ) did his best to interfere with Dilma’s management. Six months after the inauguration ceremony, Cunha had already split from Dilma’s coalition, hindering the progress of government projects.
3. Eduardo Cunha and Michel Temer are friends.
Rejected by three out of four Brazilians, Cunha is an old ally of the vice president. When people on the streets are condemning corruption, it looks really bad for a new president to be associated with a politician who is a defendant in the Supreme Court. The Federal Public Prosecutor’s Office has accused Cunha of receiving $5 million from Julio Camargo as a bribe, in exchange for facilitating a contract with Petrobras without a bidding process. The Supreme Court unanimously accepted the accusation.
4. There is an impeachment request against Temer filed with the lower house of Congress and backed by a Supreme Court minister.
According to the lawyer Mariel Marley Marra, who filed an impeachment request against the vice president, Michel Temer committed a crime similar to Dilma’s when he signed decrees allowing extra credit without the authorization of Congress. At the beginning of April, the Supreme Court minister Marco Aurélio Mello accepted the request and asked Cunha to form a committee to look into the case. The party leaders must now assign members to this committee. The senators have even demanded a joint process to judge the impeachment of both Dilma and Temer.
5. Almost 60 percent of Brazilians want Temer impeached.
Most Brazilians have unfavorable views of Dilma and Temer. According to a recent Datafolha poll, 61 percent of Brazilians support the impeachment of the president, and 58 percent want the vice president out. The percentage of people supporting the resignation of Dilma and Temer is the same: 60 percent. It is clear that the vice president doesn’t have significant popular support.
6. The Dilma/Temer ticket is under threat at the Supreme Electoral Court.
Last week, the process to invalidate the Dilma/Temer ticket advanced in the Electoral Court. The request, filed by the PSDB (the largest opposition party) at the Supreme Electoral Court (TSE), accuses the candidates of misusing their economic and political power during the 2014 elections, and of allegedly repurposing money from the corruption scheme at Petrobras. Aware of the risk of having his ticket invalidated, Temer has already asked the TSE to separate his accounts from Dilma’s.
7. The coalition model no longer works.
The breakup of the PMDB, PP, PSD and PT coalition makes it clear that this government model is in crisis. This multi-party coalition allowed Dilma a total of 11 minutes of TV time during the 2014 campaign. The disparity between the campaign ads broadcast two years ago and what the executive branch actually achieved undermines the legitimacy of the electoral process, and consequently, of the once triumphant Dilma/Temer ticket.
8. There is a growing movement calling for new elections.
The results of an Ibope poll, published Monday, April 25, show that only 8 percent of Brazilians consider Dilma’s impeachment and her replacement by Temer to be “the best way to overcome the political crisis.” Meanwhile, 62 percent of respondents said that they believe that new elections would be the best way out of the current political crisis. This initiative has already been supported by a group of senators, by former presidential candidates Marina Silva, Luciana Genro, and by members of the government.
9. The PT and social movements won’t stay silent.
A Temer government would be the target of plenty of criticism by the PT and social movements that have so far been supportive of Dilma. Members and supporters of the Workers’ Party have promised to strongly oppose a government that they consider illegitimate — one that rose to power through a “coup.” The Landless Workers Movement has proposed a general strike if the impeachment is approved. Lula has said that Brazil will go through moments of “democratic struggle.”
10. Temer may be accused of being a “conspirator” and “coup organizer.”
In trying to defend herself against impeachment, Dilma has attacked both Cunha and Temer. She has already accused the vice president of being a conspirator and of organizing a coup. The leaked WhatsApp “victory audio“ only reinforces the PT’s position that Temer is working behind the scenes to remove Dilma from office. To associate the image of a “traitor” with the vice president is not a difficult task for PT’s propaganda machinery. Thus, disapproval of Temer is likely to grow. (The Huffington Post – 28/04/2016)

Desaceleração no comércio global abate os maiores portos do mundo
Por Costas Paris
Em um parque logístico na vizinhança do porto de Xangai, no mês passado, os únicos produtos armazenados em um depósito de três andares eram calças jeans de marca e camisetas e jaquetas importadas do Reino Unido e de Hong Kong, a maioria das quais estavam lá por quase dois anos.
A atividade no armazém de mais de dez mil metros quadrados começou a desacelerar no fim de 2015, depois que vários importadores chineses de vinho pararam de fazer negócios e deixaram muito espaço vazio, diz Yang Ying, responsável pelo armazém. O golpe final veio depois que um comerciante devolveu uma carga na doca.
“O cliente disse à tripulação: leve o vinho de volta para a França”, diz Yang. “Ninguém quer isso.”
Os problemas estão aumentando nos maiores portos do mundo — de Xangai a Hamburgo — em meio a uma desaceleração do comércio mundial e o fim calamitoso de um boom global das commodities. O comércio global cresceu apenas 2,8% em 2015, segundo a Organização Mundial do Comércio, o quarto ano consecutivo de crescimento abaixo de 3% e um nível historicamente fraco em relação à expansão econômica global.
O transporte marítimo de cargas tem sido marcado por altos e baixos, primeiro com um boom que exigiu mais e maiores navios e, mais recentemente, com uma desaceleração abrupta. Isso abalou a indústria, que transporta mais de 95% dos bens do mundo, de roupas e sapatos a autopeças, eletrônicos e bolsas. A queda acentuada desencadeou um frenesi de consolidação e redução de custos nas frotas do mundo todo.
Em terra, a desaceleração abate os portos e seus operadores, que estão na base do comércio global. Em nenhum lugar a carnificina é mais clara que nos 45 mil quilômetros de ida e volta da rota comercial entre Europa e Ásia. O enfraquecimento da economia chinesa e uma campanha contra a corrupção lançada por Pequim reduziram a demanda por todo tipo de produto, de commodities como minério de ferro a echarpes de grife e sapatos. Ao mesmo tempo, a recuperação ainda incipiente da Europa desde a última crise econômica mundial está afetando o fluxo de bens na outra direção.
Na sexta-feira, o Departamento da Marinha de Hong Kong divulgou que o tráfego em seu porto caiu 11% no primeiro trimestre em relação aos primeiros três meses de 2015. Em 2015 todo, a queda também foi de 11%.
“É a primeira vez que você vê pessoas no setor de transporte de carga realmente com medo”, diz Basil Karatzas, da Karatzas Marine Advisors, com sede em Nova York.
As importações chinesas provenientes da União Europeia caíram quase 14% em 2015. As exportações chinesas para a Europa caíram 3%. E este ano não começou melhor. No primeiro trimestre, as importações chinesas oriundas da UE caíram 7% ante igual período de 2015, e as exportações para a Europa caíram no mesmo ritmo.
Jonathan Roach, analista de transporte de contêineres da Braemar-ACM Shipbroking, uma firma de corretagem e fretamento de navios, diz que cerca de 100 viagens entre a Ásia e a Europa foram canceladas em 2015, ou 10% das viagens agendadas para essa rota.
Em novembro passado, a Maersk Line, maior operadora de contêineres do mundo, afirmou que demitiria 4 mil funcionários e adiou encomendas de navios. Na Ásia, os operadores sul-coreanos Hyundai Merchant Marine e Hanjin Shipping Co. negociam a reestruturação de dívidas.
Há muitas razões para a desaceleração global, incluindo uma prolongada queda nos preços das commodities, um crescimento mais lento na Ásia e a recuperação anêmica em grande parte da Europa. Crises econômicas e políticas também abalam mercados como Rússia, Ucrânia e Brasil. E autoridades políticas culpam a ausência de grandes acordos comerciais, como o Nafta, que estimularam saltos comerciais globais no passado.
Nem todo mundo está sofrendo. Os grandes portos dos Estados Unidos, de Los Angeles a Nova York, estão planejando expansões na expectativa de um aumento nos volumes de carga, graças a uma economia local relativamente robusta. Mas, mesmo nesses portos, os varejistas acumulam grandes quantidades de bens não vendidos, e poderiam reduzir suas encomendas no exterior se os estoques não se reduzirem.
No Brasil, onde o transporte marítimo de carga é quase todo de carregamentos de matéria-prima a granel, houve, na verdade, um aumento de 4% na atividade dos portos em 2015 em relação a 2014, para 1 bilhão de toneladas, segundo a Secretaria de Portos. Mas, quando analisado de forma isolada, o transporte de contêineres com bens acabados mostra uma ligeira contração, de 1,5%, para 100,4 milhões de toneladas.
Mauricio Lima, sócio-gerente do Instituto Ilos, consultoria especializada em logística, explica que, apesar da contração econômica — que levou a uma queda de 15% nas importações brasileiras em 2015 em relação a 2014—, o país continua exportando mais, ajudado, em parte, pelo câmbio favorável, com um aumento de 11% no ano passado, o que mantém os portos ocupados. Mas Lima nota que o cenário econômico interno deve acentuar a tendência de queda no tráfego de contêineres no Brasil este ano, já que o consumo está caindo e a atividade da indústria, grande fonte de importações, continua desacelerando.
Já nos maiores portos na Ásia e Europa, há poucos sinais de recuperação. Em 2015, o Shanghai International Porto (Group) Co., o maior porto chinês, movimentou mais contêineres, mas o total de cargas caiu 5% em comparação a 2014, para 513 milhões de toneladas. De janeiro a março deste ano, os volumes caíram 4% ante o mesmo período de 2014.
Na Europa, o problema é similar. Um estudo recente do Conselho Europeu de Transportadores Marítimos detectou um declínio de 12% nas escalas em portos do Norte Europeu feitas por linhas de transporte marítimo no segundo semestre de 2015 ante o mesmo período de 2014. No porto belga de Zeebrugge, importante centro de navios de contêineres e carga a granel sólida, o volume de carga caiu mais de 50% nos últimos 15 meses. Em Hamburgo, terceiro porto mais movimentado da Europa, depois de Roterdã e Antuérpia, o tráfego de contêineres com a China no ano passado recuou para o menor patamar desde 2009. (Colaboraram Rose Yu e Di Pinheiro.) (WSJ – 28/04/2016)

Exportação e artigo de 1ª necessidade sustentam indústria
Exportadores dos mais diversos segmentos e fabricantes de produtos de primeira necessidade, como remédios e alimentos. Essa é a face da indústria que sobrevive à crise, mantém-se competitiva e se prepara para um salto assim que a economia reagir.
Mesmo a cadeia de óleo e gás, afetada duplamente pela Lava Jato e pela derrocada no preço do petróleo, está entre os 5 dos 27 setores industriais em expansão, segundo o IBGE (veja ao lado). Principal aposta da política industrial nos últimos anos, o setor é um dos que mais investiram em tecnologia.
Muitos dos projetos encampados no início da década só agora entraram em linha, o que explica a reação do setor, segundo Rodrigo Zeidan, economista da Fundação Dom Cabral.
"Os setores da indústria em crescimento de uma forma ou de outra têm potencial exportador", diz Flávio Castelo Branco, gerente de política da CNI (Confederação Nacional da Indústria). Com o encolhimento da demanda interna, os produtores nacionais se voltam aos compradores de outros países.
"O Brasil em geral não é um grande exportador, mas possui a tradição de ver no mercado externo uma alternativa em momentos de crise", afirma Daniel Sousa, 34, economista do Ibmec-RJ.
O setor de produtos de fumo, o de maior crescimento, é predominantemente exportador. No ano passado, 87% da produção foi exportada; neste ano, deve chegar a 90%, segundo Benício Albano Werner, presidente da Afubra (Associação dos Fumicultores do Brasil). A safra deste ano deverá ser 20% menor do que a anterior, mas os preços subiram quase 25%. Nos últimos meses, as chuvas melhoraram a qualidade do fumo brasileiro, que ganhou mercado do produto africano prejudicado pela estiagem.
No caso da indústria de papel e celulose, além do câmbio e da geografia favorável, a competitividade brasileira se deve à busca por produtividade das empresas, segundo Zeidan. O segmento alimentício também se vale dessa vantagem, de acordo com Edmundo Klotz, presidente da Abia (Associação Brasileira das Indústrias da Alimentação). "Nosso setor é abastecido localmente e nossas importações são mínimas."
No segmento fármaco, o consumo apresenta resultados positivos primeiramente pelo caráter essencial de seus produtos. "As pessoas não podem deixar de comprar", disse Castelo Branco, da CNI. "O setor farmacêutico é o último a entrar em crise e o primeiro a sair", afirma Nelson Mussolini, presidente do Sindusfarma (Sindicato da Indústria Farmacêutica).
Entre março de 2015 e março de 2016, o volume de produção de medicamentos no país cresceu 7,41%, e as vendas ao consumidor tiveram alta de 12,6%. A expectativa da associação é que a produção cresça 8% em 2016. (Folha de SP – 28/04/2016)

Exportações e concessão devem ser prioridade para voltar a crescer
Murilo Rodrigues Alves e Adriana Fernandes
Segundo ex-ministro Moreira Franco, as duas áreas terão mudanças para dar ‘choque de confiança’ na economia
BRASÍLIA - Braço direito do vice-presidente Michel Temer, o ex-ministro Moreira Franco elegeu as concessões e as exportações como duas frentes prioritárias para a retomada do crescimento econômico. Um eventual governo Temer fará uma mudança de rumo nessas duas áreas para dar um “choque de confiança” na economia brasileira. As medidas estão sendo pensadas em conjunto com a ofensiva fiscal que deve ser proposta pela equipe econômica para reequilibrar as contas públicas.
Em entrevista ao Estado, Moreira Franco afirmou que caso Temer assuma a Presidência será modificado o modelo pelo qual há fixação de taxas de retorno dos investimentos feitos pelas empresas. Essa foi a prática comum dos leilões conduzidos pelo governo Dilma Rousseff.
A regra, sempre criticada e associada a um excesso de intervencionismo do governo no setor privado, fixa qual deve ser o lucro máximo para investimentos adicionais feitos nos empreendimentos. “Ainda não tive condição de definir a remodelagem, mas certamente não terá esse tipo de equívoco”, afirmou o ex-ministro da Aviação Civil do governo Dilma. Para ele, as regras devem ser mais claras e transparentes, condição necessária para o sucesso dos leilões.
Aliados de Temer defendem duas opções para Moreira: assumir um superministério de infraestrutura, que reuniria as pastas de Cidades, Transportes, Aviação Civil e Portos (embora haja pressão para que Transportes não faça parte desse superministério) ou uma agência estatal controladora de obras, um espécie de núcleo de infraestrutura. O órgão seguiria a concepção do Conselhão, que reúne os pesos pesados do PIB nacional, com a diferença de ter poder decisório. O Conselhão tem o intuito de apenas dar conselhos à presidente.
Moreira também defendeu o que chamou de “política correta de exportações”. “Nossa inserção internacional é totalmente equivocada. Estamos distante dos grandes centros consumidores”, criticou. Sob o governo Dilma, o Brasil deixou de lado oportunidades de fechar acordo com as grandes economias. “Estamos distante dos grandes centros consumidores. Nossas relações internacionais não nos colocam em um mundo da inovação, da produção de tecnologia, do crescimento.”
Segundo Moreira, a questão fundamental para o um eventual governo Temer será encontrar um caminho de rearranjo das contas públicos sem aumento de impostos. “O desequilíbrio fiscal é o alimento que nutre todo esse estado de inviabilidade que impede a economia de voltar a crescer”, disse.
Ele afirmou que a capacidade tributária brasileira está “esgotada” e que um aumento de tributos agravaria a recessão econômica. Moreira disse que é pelo lado da redução das despesas que será possível restabelecer as condições de confiança na política fiscal brasileira e, consequentemente, na economia. (O Estado de SP – 28/04/2016)

Trump promete colocar os 'EUA em 1º lugar' na política externa
Cláudia Trevisan, Correspondente / Washington
Em discurso para convidados em Washington, magnata também afirmou que pretende melhorar relações com Rússia e China e combater o islamismo radical se for eleito presidente
WASHINGTON - Líder na corrida republica pela candidatura à Casa Branca, Donald Trump apresentou nesta quarta-feira, 27, sua visão para a política externa dos EUA, na qual atacou a globalização, enfatizou o nacionalismo, afirmou que aliados terão de pagar pela segurança militar americana e ameaçou usar punições de caráter econômico para forçar a China a se alinhar aos interesses de Washington.
"É o momento de tirar a ferrugem da política externa americana", declarou em discurso na capital dos EUA, no qual também propôs uma reaproximação com a Rússia e Vladimir Putin. Fugindo à sua prática habitual, Trump leu o texto em um teleprompter e recebeu aplausos contidos da plateia. Muitas de suas propostas representam uma mudança radical em relação aos princípios que regeram a atuação dos EUA no mundo depois da 2ª Guerra.
Trump fez discurso focado em seus planos para política externa caso se torne o próximo presidente americanoTrump fez discurso focado em seus planos para política externa caso se torne o próximo presidente americano.
Trump resumiu sua doutrina com o slogan "América em primeiro lugar", pela qual os interesses do país seriam sempre colocados acima dos demais. Sem mencionar o nome do republicano George W. Bush, o bilionário atacou muitas das políticas adotadas pelo último represente de seu partido a ocupar a Casa Branca. Trump disse que a Guerra do Iraque foi um desastre e que a tentativa de construir democracias no Oriente Médio fracassou.
Segundo ele, os países da região não têm nenhum interesse em se tornar democracias no estilo ocidental. "Nós tornamos o Oriente Médio mais instável e caótico do que ele já era", criticou o pré-candidato.
Na visão de Trump, os EUA são um país enfraquecido, humilhado e desrespeitado, que precisa retomar uma posição de força global por meio da expansão de seu poderio militar e da exigência de que seus aliados contribuam financeiramente pela segurança americana. Ao mesmo tempo em que defendeu o investimento em defesa, o bilionário propôs o controle rigoroso de gastos e a redução do déficit e da dívida dos EUA, no que analistas viram como uma das inconsistências de sua proposta.
Em sua opinião, o presidente Barack Obama tem uma política externa desastrosa, que levou aliados americanos a duvidarem do comprometimento do país com sua defesa e inimigos a adotarem uma postura desafiadora em relação a Washington. Suas críticas se estenderam à sua provável adversária nas eleições presidenciais de novembro, Hillary Clinton, a quem ele enfrentará se ambos conseguirem a candidatura de seus partidos à presidência.
Apesar de defender uma política não-intervencionista, Trump afirmou que não hesitará em usar forças militares quando isso for necessário. Um dos cenário em que ele vislumbra essa possibilidade é o combate do Estado Islâmico e a erradicação do radicalismo islâmico, que ele apresentou como uma "batalha filosófica".
Seu objetivo é fazer com que o país asiático deixe de ter "vantagens econômicas" em relação aos Estados Unidos, entre as quais mencionou "o enorme déficit" comercial. Mas o candidato não mencionou sua proposta de impor tarifas de 45% na importação de produtos chineses.
Caso seja eleito, o bilionário pretende realizar cúpulas com os países europeus integrantes da Organização Atlântico Norte (Otan) e os aliados americanos na Ásia. Segundo ele, os encontros terão como alvo a redefinição dos arranjos financeiros que sustentam essas alianças e a revisão de seus objetivos.
"Para nossos amigos e aliados, eu digo que os EUA serão forte novamente, que os EUA serão confiáveis novamente", disse Trump. "(O país) será um aliado grande e confiável novamente."
A globalização e os acordos comerciais também foram criticados pelo candidato, que os vê como responsáveis pela perda de empregos industriais nos EUA. "Eu sou cético em relação a uniões internacionais que nos engessam", afirmou. "Nós nunca entraremos em nenhum acordo que reduza nossa habilidade de controlar nossas próprias questões." (O Estado de SP – 27/04/2016)

FMI diz que América Latina corre risco com desaceleração maior da China
DA REUTERS
A recessão da região da América Latina pode piorar se a economia chinesa desacelerar mais do que esperado e atingir os exportadores de commodities, disse o FMI (Fundo Monetário Internacional) nesta quarta-feira (27).
A América Latina tem sido atingida pela desaceleração do crescimento global, preços menores das commodities e condições financeiras globais mais apertadas. A projeção é que a atividade econômica da região caia 0,5% em 2016, disse o FMI em seu relatório anual.
Uma desaceleração mais profunda da China pode levar a uma contração de cerca de 1% na América Latina este ano, diz o relatório.
A retração tem sido alimentada pela pior recessão do Brasil em mais de um século. O FMI projeta que o país contraia 3,8% neste ano, mesma queda de 2015.
O FMI apontou que a incerteza política no Brasil, onde a presidente Dilma Rousseff pode ser afastada do cargo em meados de maio pelo Senado Federal, pode adiar uma recuperação dos investimentos.
O aumento do endividamento na América Latina tem limitado a capacidade dos governos de impulsionar o crescimento com gastos públicos, embora os investimentos em infraestrutura tenham seguido o desenvolvimento dos países asiáticos com quem a região compete nos mercados de exportação, disse o relatório. (Folha de SP – 27/04/2016)

Balança comercial paulista é deficitária em US$ 75,3 milhões no primeiro trimestre do ano
O saldo da Balança Comercial do Estado de São Paulo foi deficitário em US$ 75,3 milhões no acumulado do 1º trimestre de 2016, mostra pesquisa da Fiesp e do Ciesp. As exportações somaram US$ 12,1 bilhões, registrando crescimento de 1,5% em relação ao mesmo período de 2015. Por sua vez, as importações acumularam US$ 12,2 bilhões, uma queda de 30,8% em relação ao acumulado de janeiro a março de 2015, conforme noticiado pela Agência Indusnet Fiesp. (Agência Indusnet Fiesp – 27/04/2016)

Análise - Política externa moribunda
Fabrício H. Chagas Bastos*
Mauro Vieira caiu nas graças de Michel Temer quando levou até o vice-presidente o alerta de que ir a Portugal para o evento organizado pelo Ministro do Supremo Tribunal Federal, Gilmar Mendes, em Lisboa, poderia ser um tiro que sairia pela culatra. Temer não viajou, preservou-se, e economizou importante capital político.
Os bastidores dão conta de que o Itamaraty se manteve até então, e continuará, distante da narrativa do golpe sustentada pelo governo. A liderança do corpo diplomático sabe que gastar energia em denunciar ao mundo um golpe que pode não sê-lo seria mais politicamente custoso do que benéfico. O silêncio do Planalto parece concordar.
É de causar estranheza que Dilma Rousseff ameace invocar a cláusula democrática do Mercosul - que só pode ser aplicada de modo consensual por todos os membros do bloco - em um momento em que Argentina e Paraguai já emitiram sinais de que não se inclinam a tal medida. Ainda, uma autossuspensão (no caso de a estratégia de fomentar o recurso via Venezuela ou Bolívia falhar) seria de um malabarismo de política externa que os diplomatas brasileiros dificilmente tomariam como missão, para além de ser terrivelmente duro de explicar ao mundo.
O trabalho do Itamaraty nos últimos anos é o que chamo de diplomacia inercial, isto é, há pouquíssima inovação desde o final dos anos Lula, e perde gradualmente sua intensidade e relevância. Nas bolsas de apostas de um provável ministério de Temer, pouco se fala sobre o nome de um novo ministro de Relações Exteriores. No extremo, seria possível dizer que a pasta, do ponto de vista do jogo político, é tão irrelevante quanto desinteressante.
O cenário da política externa brasileira, independente de quem esteja na cabeça do governo nos próximos meses, não é nada promissor. O grande problema é a falta de dinheiro. O orçamento médio do Ministério de Relações Exteriores nos últimos cinco anos foi de 2,4 bilhões de reais, mas mesmo assim vem numa descendente aguda, perdendo ano após ano na disputa burocrática na Esplanada. A conta é simples: se considerarmos o crescimento da máquina do Ministério desde 2003, com a criação de 77 novas embaixadas, consulados e representações, correspondendo a mais da metade dos 150 postos existentes, a redução de capacidade de engajamento internacional do País é dramática. É pior quando se leva em consideração as dívidas com organismos internacionais que se acumulam.
Passado o tumulto, é certo que o Brasil terá que reconstruir boa parte de sua reputação no mundo. Não é o caso de uma destruição completa da imagem do País, como república bananeira ou com uma perda de credibilidade aguda - prova disso é que mesmo com todo o furacão político-econômico do último ano, não houve nem sombra de um ataque especulativo ao País. Entretanto, sem dinheiro, com pouca vontade política e imensos problemas internos por resolver, a vontade de ir ao mundo diminuirá mais ainda.
É certo que a política externa brasileira por um bom tempo se manterá neste estado zumbi, moribunda.
* Fabrício H. Chagas Bastos é professor de Relações Internacionais e Estudos Latino Americanos da School of Politics and International Relations da Australian National University e Research Fellow do Australian National Centre for Latin American Studies da mesma instituição. Doutor pela Universidade de São Paulo. E-mail: fabricio.chagasbastos@anu.edu.au (O Estado de SP – 27/04/2016)

Mitos e fantasias nos argumentos em favor da saída britânica da EU
Se o Reino Unido votar por abandonar a União Europeia, o país quase certamente ficaria excluído para sempre do arranjo que organiza a vida de nossos vizinhos e principais parceiros econômicos. Tendo isso em mente, a questão é determinar se a opção de sair deveria ser exercida agora. Minha resposta é: absolutamente não. Para entender o motivo, vamos examinar alguns dos mais populares argumentos em favor da saída.
Primeiro, a participação na União Europeia trouxe poucos benefícios. Isso é falso. O Centro pela Reforma da Europa estima que ela tenha aumentado em 55% o comércio entre o Reino Unido e os países membros da União Europeia, elevando a produtividade e a produção.
A criação de comércio dentro da União excedeu por larga margem os desvios de comércio com outros mercados. A Europa também trouxe uma forte política de defesa da competição e controle do auxílio estatal. As duas coisas são ganhos importantes.
Segundo, a participação impôs custos pesados. Na verdade, o custo fiscal líquido é de apenas 0,5% do Produto Interno Bruto (PIB). Além disso, essa perda só poderia ser recuperada plenamente se o Reino Unido abandonasse de vez seu acesso preferencial ao mercado da União Europeia.
O Reino Unido também é uma das economias de alta renda menos regulamentadas. O desempenho recente de seu mercado de trabalho demonstra sua flexibilidade continuada (e notável). Um estudo do Centro Europeu para Estudos Políticos acrescenta que apenas 6,8% da legislação primária e 14,1% da legislação secundária britânica foram aprovados para implementar leis da União Europeia.
Terceiro, uma zona do euro cada vez mais integrada ditará políticas ao Reino Unido. Mas uma plena união política da zona do euro continua a parecer improvável. Os países membros discordam quanto a muitas coisas, o que abre espaço para que o Reino Unido exercite sua influência.
Quarto, o Reino Unido deveria sair porque uma dissolução da zona do euro danificaria a economia do país. Se a zona do euro for dissolvida de maneira desordenada, o estrago para seus parceiros mais próximos seria substancial. Mas a União Europeia continuará a ser o maior parceiro comercial do Reino Unido, por prazo indefinido.
Argumentar que a saída protegeria o Reino Unido é como argumentar que o Canadá deveria deixar o Acordo de Livre Comércio da América do Norte (NAFTA) para evitar uma crise financeira nos Estados Unidos: não faz sentido.
Quinto, o Reino Unido deveria sair porque o crescimento da União Europeia é lento. É plausível que o comércio britânico com o resto do mundo se expanda em relação ao seu comércio com os vizinhos de crescimento mais lento. Mas reduzir deliberadamente o acesso aos mercados da União Europeia só faria sentido se a participação impedisse o Reino Unido de negociar com o resto do mundo. O desempenho das exportações alemãs demonstra que não é esse o caso.
Sexto, a participação na União Europeia impede o Reino Unido de abrir mais mercados no exterior. Mas a União Europeia foi a principal força propulsora em três rodadas bem sucedidas de acordos mundiais de comércio: Kennedy, Tóquio e Uruguai. Ela vem se voltando cada vez mais a acordos de comércio preferencial. A influência da União Europeia oferece muito mais capacidade de abrir, por exemplo, os mercados da China, Índia e Estados Unidos do que o Reino Unido seria capaz de fazer agindo sozinho.
Sétimo, será fácil concordar quanto a alternativas à participação na União Europeia. Mas os que recomendam a saída não estão em acordo quanto a isso. Existem três alternativas plausíveis: saída plena, e recurso ao comércio regulamentado pela Organização Mundial do Comércio (OMC), o que custaria ao Reino Unido seu acesso preferencial ao mercado da União Europeia; participação, ao estilo suíço, em um arranjo para o comércio de bens, com acordos bilaterais em outras áreas, o que é complexo e exigiria que o Reino Unido retivesse o livre movimento de pessoas; e adesão à Área Econômica Europeia, como a Noruega, o que propiciaria pleno acesso comercial (excetuada a necessidade de respeitar regras de origem no comércio de bens) mas privaria o Reino Unido de influência quanto à regulamentação. Em termos gerais, quanto mais soberania o Reino Unido quiser retomar, menor o acesso preferencial que reterá. Essa é uma troca que não poderá ser evitada.
Oitavo, será fácil para o Reino Unido obter o que quer que deseje da União Europeia. Algumas vezes, esse argumento é sustentado pela declaração de que os demais países da União Europeia têm superávit no comércio com o Reino Unido, e que estarão desesperados por mantê-lo.
É uma visão ingênua. Divórcios raramente são harmoniosos. Além disso, países com grande superávits no comércio com o Reino Unido, a exemplo da Alemanha, continuariam a vender seus produtos ao país mesmo que a saída da União Europeia levasse a uma pequena alta nas tarifas de importação.
A participação dos demais países da União Europeia no comércio do Reino Unido também é maior que a participação do Reino Unido no comércio dos demais países da União Europeia. Assim, a ideia de que o Reino Unido seria capaz de partir ditando termos é uma fantasia.
Acima de tudo, aqueles que promovem a saída ignoram aquilo que os parceiros europeus do país pensam sobre a União Europeia. As elites políticas, especialmente na Alemanha e nas França, encaram a preservação de uma Europa integrada como uma questão do mais alto interesse nacional, e desejarão deixar claro que a saída tem um preço elevado, o que deve incluir esforços para tirar de Londres os mercados financeiros relacionados ao euro.
Nono, será mais fácil chegar a um acordo de controle da imigração. Mas se o Reino Unido deseja manter acesso preferencial aos mercados da União Europeia, terá obrigatoriamente de reter a mobilidade da mão de obra. Se, em lugar disso, abandonar suas tentativas de reter acesso preferencial, poderia impor a necessidade de vistos de trabalho para os cidadãos da União Europeia.
Isso tornaria o mercado de trabalho britânico mais inflexível, especialmente para os trabalhadores de alta capacitação. Igualmente importante, a União Europeia reagiria na mesma moeda. Isso afetaria adversamente os britânicos que vivem e trabalham na União Europeia.
Décimo, a incerteza associada a deixar a União Europeia seria modesta. Na verdade, a incerteza seria generalizada: não sabemos o que um governo britânico negociando a saída desejaria; não sabemos o que o resto da União Europeia ofereceria; não sabemos quanto durariam as negociações; e não sabemos que resultados teriam.
As pessoas que favorecem a saída oferecem fantasias sobre o estrago causado pela permanência e as oportunidades que a saída criaria. Nenhum desses argumentos tem muito mérito. A coisa racional a fazer é que o Reino Unido continue a desfrutar de seu arranjo único, que trouxe ao país as vantagens da adesão com muito poucas das desvantagens. Como nos dizem nossos amigos no exterior, fazer qualquer outra coisa seria loucura. (Folha de SP – 27/04/2016)

Quando voltar ao mundo, Brasil encontrará globalização 'fraturada'
Marcos Troyjo
Inerte em decorrência de suas paralisantes mazelas internas, o Brasil encontra-se algo desconectado das grandes tendências que hoje operam no cenário global.
Nosso melodrama político e a tragédia socioeconômica que dele se retroalimenta não apenas diminuíram o papel relativo do Brasil na definição da agenda internacional.
Criaram uma espécie de "cortina cronológica" — o Brasil opera em seu próprio (e lento) tempo; o mundo segue velocidade distinta.
Não aumentamos nossa importância no xadrez geopolítico. Nossa economia, de imenso potencial, permanece asfixiada por um modelo de baixa interação com o resto do mundo.
No campo dos valores, ou do "soft power", a deterioração de nosso quadro econômico social limita a atratividade moral e pragmática junto a países de menor desenvolvimento relativo.
Isso não será para sempre assim. Com a assunção de um governo minimamente funcional, o Brasil poderá ter sua conexão com o mundo restabelecida.
E, quando isso ocorrer, o país provavelmente encontrará uma globalização que não esperou por ele.
Ou, ainda mais desafiador, o Brasil se deparará com uma vertente da globalização (ocidental) seriamente fragmentada, e outra (liderada por China e outras potências asiáticas) em ritmo mais acelerado.
Há em curso no mundo contemporâneo uma crescente configuração em termos de poder, prosperidade e influência delineada — alternadamente em termos de concorrência e interdependência — pelo "G2": EUA e China.
Muitas críticas se fizeram corretamente ao Brasil por sua indisposição em buscar mais acordos comerciais e de investimento com os grandes mercados do Ocidente. Esse foi um traço marcante de nossa política externa econômica dos últimos 13 anos.
Em tais críticas reside (indireta e esperançosamente) a ideia de que, caso o Brasil se decida, as portas ainda estarão abertas para nós.
Esses últimos meses têm demonstrado, no entanto, que o próprio Ocidente está flertando cada vez mais com o isolacionismo. Não se trata bem de "nacionalismos", mas de "individualismos nacionais".
E não falo aqui apenas da retórica protecionista que impulsiona a candidatura Trump às alturas nos EUA. Ou mesmo das pesadas críticas que Hillary Clinton desfere aos supostos benefícios para os trabalhadores norte-americanos do que resultará do Tratado Transpacífico.
Aumentou demais em tempos recentes a resistência de países europeus a um mega-acordo com os EUA, a chamada Parceria Transatlântica de Comércio e Investimento (TTIP, na sigla em inglês).
Na globalização "pré-Queda do Muro", uma maior integração global sinalizava para muitos os benefícios da otimização de competências e custos locais.
Isso muda drasticamente quando você agrega a esse quadro a China, que naturalmente absorveu e soube multiplicar exponencialmente oportunidades industrias quando se abriu ao mundo e o mundo a ela em fins dos anos 70.
Wolfgand Münchau escreve no Financial Times que a combinação de globalização profunda com avanço tecnológico desintegrou o que há um tempo, no Ocidente, poderia se chamar de "classe trabalhadora".
Hoje, mesmo aqueles países que ganharam enormemente com a escala global de suas exportações, como França e Alemanha, encontram ampla resistência em sua opinião pública para reformas modernizantes, como a do mercado de trabalho.
Münchau chama esse processo de "vingança dos perdedores da globalização", pois as democracias ocidentais não estariam lidando habilmente com os dilacerantes impactos dos choques econômicos advindos de fluxos financeiros agilíssimos e destruição criadora no campo do trabalho e da tecnologia.
Nesse último fim de semana, eclodiram muitas manifestações na Alemanha em contrário a um comércio global mais livre.
Justamente a Alemanha, que até 2009 era a maior exportadora do planeta e que deve tanto ao comércio como alavanca fundamental de seu reerguimento pós-Segunda Guerra.
E tudo isso enquanto Obama e Merkel traçavam, ao menos no papel, as grandes linhas de uma nova aliança econômica ocidental.
Se a globalização ocidental encontra-se em cheque, a outra, sinocêntrica, ao menos se move.
A China toca adiante o "clã" de instituições plurilaterais por ela liderado (Banco dos Brics, Banco Asiático de Investimento e Infraestrutura, Fundo da Rota da Seda, etc.). Expande seu perfil como fonte de investimentos estrangeiros diretos e empréstimo governo a governo.
Em contraposição, está sempre à espreita o temor de que a própria saúde econômica chinesa e o desconhecido que habita seu setor financeiro podem levar a China a ter de concentrar-se em seus próprios problemas — e, portanto, projetar menor poder e influência para o resto do mundo.
O Brasil teve no passado recente boas oportunidades de conectar-se a um mundo, sobretudo em sua porção ocidental, mais simpático à interdependência.
Hoje, o Ocidente está mais traumatizado com a globalização, e negociações econômicas se dão num nível de abrangência e detalhe (muito além de comércio e investimento) em que o Brasil, honestamente, não está equipado a enfrentar.
Quando sair da caverna em que agora se encontra, perceberá que ficou bem mais difícil integrar-se a uma fraturada economia global.
O esforço agora terá de abranger muito mais do que diplomacia econômica e ganhar o mesmo grau de urgência que tantas outras adaptações competitivas a que o país tem de lançar-se. (Folha de SP – 27/04/2016)

Itamaraty boicota retórica do 'golpe'
Por Daniel Rittner | De Brasília
Apesar do desejo expressado pela presidente Dilma Rousseff de recorrer à cláusula democrática do Mercosul e da Unasul, a cúpula do Itamaraty já deixou claro ao Palácio do Planalto que manterá uma postura rigorosamente institucional e não vai se mexer para denunciar um "golpe" no exterior. O ministro das Relações Exteriores, Mauro Vieira, decidiu que não fará pessoalmente nenhuma cruzada internacional para sair em defesa de sua chefe.
Vieira tem o apoio praticamente unânime dos embaixadores mais experientes, que não querem ver o prestígio da Casa de Rio Branco colocado à prova em uma disputa que julgam ser política e partidária. Dilma respeita essa posição e não pretende cobrar uma mudança de postura, segundo seus auxiliares próximos, mas a distância tomada da crise pelo Itamaraty desagrada a setores do PT. Para muitos petistas, é uma contradição a presidente alegar lá fora que existem ilegalidades no processo de impeachment e não ter respaldo de sua própria chancelaria na escalada retórica.
Um sinal do distanciamento está na própria agenda de Vieira. Nas últimas semanas, às vésperas da votação do impeachment na Câmara dos Deputados, o chanceler fez um extenso giro pela África e mantevese afastado de qualquer discussão sobre as perspectivas de queda da presidente.
Por ordem de Dilma, Vieira e o assessor internacional Marco Aurélio Garcia foram ao Equador, no fim de semana, para uma reunião de ministros da Unasul. A reunião tinha um caráter protocolar formalizar a passagem de bastão, do Uruguai para a Venezuela, da presidência rotativa do bloco.
Inicialmente o governo brasileiro seria representado apenas pelo embaixador em Quito, Carlos Lazary Teixeira, um nome de confiança de Dilma os dois já haviam trabalhado juntos quando ela estava na Casa Civil. (Valor Econômico – 26/04/2016)

Thomson Reuters e KPMG anunciam lançamento da nova pesquisa global de Comércio
São Paulo – Thomson Reuters, provedor líder mundial de soluções tecnológicas e informações inteligentes para empresas e profissionais, anunciou o lançamento do 2º Estudo Global de Comércio Exterior que, em 2016, ouvirá gestores e decisores que atuam em corporações multinacionais de 24 países, em sete idiomas (português, inglês, espanhol, chinês, coreano, japonês e turco). A participação por continente será:
•América do Norte: Estados Unidos e Canadá;
•América Latina: Argentina, Brasil, Chile, Colômbia, México e Peru;
•Ásia-Pacífico: Austrália, China, Índia, Indonésia, Japão, Coreia do Sul, Cingapura, Tailândia e Vietnã;
•Europa: França, Alemanha, Espanha e Reino Unido;
•Oriente Médio/África: Emirados Árabes Unidos, Turquia e África do Sul.
O objetivo da pesquisa – que é anual e será novamente realizada em parceria com a KPMG – é revelar as principais tendências e avanços do setor de comércio global. Os resultados completos e segmentados por país serão divulgados no 3º trimestre de 2016.
A edição deste ano examinará em detalhes os desafios enfrentados pelas empresas que operam com importação e exportação nos diferentes mercados e suas práticas operacionais nos sistemas de gestão de comércio internacional, contratos de livre comércio, classificação tarifária, integração de sistemas, centralização de processo e preço de transferência.
“As tendências globais da pesquisa de comércio global nos dão um bom indicativo dos principais desafios enfrentados por especialistas em comércio e em multinacionais, permitindo que executemos ações baseadas em suas necessidades”, disse Taneli Ruda, Senior Vice President e Global Managing Director da área de negócios de Comercio Exterior da Thomson Reuters. “Além disso, essa segunda edição, nos possibilitará analisar como o cenário do comércio global mudou ao longo do último ano”, complementa.
Segundo Menotti Franceschini, diretor de negócios de Gestão de Comex da Thomson Reuters para o Brasil, “os resultados do primeiro estudo global, realizado no ano passado, trouxeram alguns alertas importantes no que diz respeito ao desenvolvimento do comercio internacional e à retomada do crescimento econômico do Brasil. Muito tem se falado no País sobre aproveitar o cenário de alta cambiária e investir em exportação para dar novo fôlego às empresas, que, tradicionalmente, na última década, direcionaram mais esforços ao mercado interno. Apesar da tendência de mudança e dos incentivos, de acordo com a pesquisa, ainda é alto o número de empresas que subutilizam algumas ferramentas que, notoriamente, apoiam esse movimento – caso dos regimes especiais e dos acordos de livre comércio disponíveis no Brasil“.
E acrescenta: “o estudo do ano passado demonstrou claramente que as empresas têm oportunidades interessantes para reduzir impactos tributários e ampliar a competividade no ambiente internacional e isso é algo que deve ser considerado pelos tomadores de decisão”.
Em 2013, quando decidiu iniciar sua operação global no segmento de Gestão do Comércio Exterior, a Thomson Reuters incorporou as marcas Softway, Softleasing e Trade-Easy, e, mais do que isso, a equipe responsável pelo desenvolvimento das soluções, que acumula mais de 15 anos de atuação, experiência e reconhecimento no mercado nacional. Como parte do processo de evolução dos negócios, a marca Softway ganhou um novo branding, ONESOURCETM Global Trade (Powered by Softway), que é também o nome da nova plataforma global já lançada em vários países.
Ela permite às empresas obter uma visibilidade a de seu processo de comércio internacional, de uma ponta a outra, o que reduz riscos, mantém conformidade com as regulamentações vigentes, permite movimentações rápidas e precisas, e, como consequências diretas, amplia o potencial competitivo e maximiza os lucros.
Clique Aqui para fazer o download do Relatório 2015. O link para participação na pesquisa 2016 é http://thomsonreuters.qualtrics.com/SE/?SID=SV_7QEf8SDVe8oQwsZ&Q_JFE=0 (Fonte: Thomson Reuters – 26/04/2016)

Para 50% dos fabricantes de elétricos e eletrônicos, exportar é alternativa à crise
Apesar de ainda ser um setor pouco acostumado a exportações, fabricantes de elétricos e eletrônicos começam a enxergar mais o mercado internacional como principal saída para contornar a crise.
Metade dessas empresas mira o exterior, segundo pesquisa da Abinee (que representa o setor), feita em março.
O movimento é para compensar a queda do consumo interno no Brasil no último ano, de acordo com Humberto Barbato, presidente-executivo da entidade.
Em 2015, as exportações de produtos elétricos e eletrônicos chegaram a um total de US$ 5,9 bilhões (R$ 20,9 bilhões), abaixo do registrado em 2014, US$ 6,6 bilhões (R$ 23,4 bilhões).
"Demissões já foram feitas. De tanto apertar o cinto, pode chegar uma hora em que as empresas não conseguirão mais respirar. Agora é o momento de aproveitar a vantagem cambial", diz Barbato.
O fabricante brasileiro tem buscado conquistar mercado em países como o México, onde há perspectiva de aumento de vendas de produtos nacionais nos próximos anos.
Em 2015, a produção da indústria eletroeletrônica caiu 21%. Trata-se do pior desempenho do setor desde 2002.
Entre as principais soluções apontadas pelo empresariado para minorar os efeitos da crise, estão a redução de custos (81%) e a busca por novos nichos de mercado (64%).
Ainda pelo levantamento, 11% das indústrias consultadas relataram outras alternativas, como automação, melhoria do processo de vendas e busca de novos clientes. (Folha de SP – 26/04/2016)

Governo e PT atacam o Brasil no exterior
RUBENS BARBOSA*
A radicalização da política interna, agravada com o pedido de impeachment da presidente da República, adquire contornos dramáticos com a decisão do PT de mobilizar forças internas e externas para denunciar um pretenso golpe contra a democracia no Brasil. Ministros do Supremo Tribunal Federal explicam que na discussão e votação do impeachment o devido processo legal vem sendo rigorosamente seguido e que é um grave equivoco insistir na tese do golpe e do retrocesso. Além da incitação interna – “não passarão”, “vamos à luta” – dos movimentos sociais (CUT, MST, UNE e outros), o Palácio do Planalto estimula ações que vão além das nossas fronteiras.
O governo e o PT não hesitam em fazer uso da máquina pública para tentar desinformar governos estrangeiros, organizações internacionais e a mídia sobre o que está acontecendo no Brasil com o objetivo de deslegitimar o futuro governo e atingir a imagem presidencial. As conexões externas do PT e de seus principais líderes – dentro e fora do governo – estão sendo mobilizadas para uma forte campanha contra o Brasil e suas instituições, junto a pessoas em organizações internacionais e governos afins ideologicamente.
Felipe González e Ricardo Lagos assinaram documentos críticos ao processo de impeachment. O secretário-geral da Organização dos Estados Americanos (OEA) e o alto comissário de Direitos Humanos emitiram notas oficiais contra o processo de impeachment, acusando as oposições de golpe. Na longa e inaceitável nota da OEA, Luis Almagro investe contra o Judiciário e o Legislativo brasileiros, chegando a afirmar que não há prova contra a presidente, em clara interferência em assunto interno do Brasil. O secretário-geral da Unasul, a pedido do presidente do Uruguai, emitiu nota criticando a aprovação do início do processo de impeachment na Câmara de Deputados. Os presidentes bolivarianos da Venezuela e da Bolívia se pronunciaram em clara interferência nos assuntos internos brasileiros. O presidente do Equador fez graves afirmações ao qualificar a Operação Lava Jato de Plano Condor e atacar o Poder Judiciário, o Ministério Público e a Polícia Federal. Raúl Castro também saiu em defesa de Dilma em comunicado oficial do governo cubano. A ministra do exterior de um dos países-membros do Mercosul chegou a afirmar que o Brasil deveria ser suspenso caso a presidente Dilma seja afastada, colocando o Brasil no mesmo pé do Paraguai.
O normalmente esquecido corpo diplomático em Brasília foi convidado a participar da reunião no Palácio do Planalto em que a chefe de Estado fez pronunciamento inflamado dizendo que não renunciaria e que iria lutar contra o golpe. A sede de governo transformou-se em palanque político onde puderam ser ouvidas seguidas manifestações de militantes e de alguns embaixadores que repetiam palavras de ordem e gestos de punhos cerrados e braços esticados. Em encontro com correspondentes estrangeiros, a presidente e Lula repetiram a narrativa do golpe e de crítica ao Ministério Público.
A campanha no exterior adquiriu contornos de realismo mágico quando, depois de mencionar a grave situação e, contraditoriamente, afirmar ser o País uma democracia vigorosa, em evento da ONU sobre clima, a presidente da República pediu a aplicação da cláusula democrática pelo Mercosul e pela Unasul contra o Brasil, se for afastada. Sábado passado, o ministro de Relações Exteriores e o assessor internacional da Presidência visitaram o secretário-geral da Unasul e, em grave atentado contra a soberania do País, formalizaram pedido nesse sentido, em carta assinada por Marco Aurélio Garcia.
Essas demandas inusitadas – não me lembro de nenhum exemplo de chefe de Estado e de governo pedindo graves sanções contra seu próprio país – não levarão a nada, nem interna nem externamente. Com a possível exceção dos países bolivarianos (Venezuela, Equador e Bolívia), nenhum outro aceitará sequer examinar a aplicação da cláusula democrática contra o Brasil.
O que choca é a narrativa de golpe ser usada no exterior pelo governo e pelo PT contra o próprio país e suas instituições. O resultado é um desserviço ao Brasil, pois vai contra o interesse nacional e a imagem do País no exterior. Procura-se criar um clima venezuelano de confrontação e de instabilidade política que inexistem no Brasil. O futuro governo terá de executar uma estratégia de longo prazo para neutralizar essa campanha de lesa-pátria, construída para oferecer a narrativa do PT para as eleições de 2018.
Todos esses episódios contribuem para macular a percepção a respeito do trabalho sério e competente desenvolvido pelo Itamaraty, por representarem interferências indevidas no trabalho diplomático e em seus processos decisórios. Como ocorreu com a iniciativa de funcionário com notórias ligações com o PT de enviar a todas as embaixadas brasileiras instrução para que diplomatas fossem designados para transmitir aos governos locais a ameaça de golpe contra a presidente e, agora, com a presença do ministro do Exterior na Unasul.
A recuperação do prestígio do Itamaraty e de sua centralidade no processo de decisão e execução internas são condições necessárias para o Brasil voltar a exercer efetiva liderança e passar a influir de forma positiva no cenário regional e multilateral, deixando de lado a atitude de “anão diplomático” que hoje prevalece.
Neste momento crítico para a instituição, que deveria defender os interesses brasileiros no exterior, e deverá responder, com o novo governo, aos ataques contra o País, é importante relembrar a lição do patrono da diplomacia brasileira. Pouco antes de assumir o Itamaraty, no início do século 20, Rio Branco afirmou, sem meias-palavras, que não se devem confundir interesses partidários com os interesses maiores do País.
*RUBENS BARBOSA É PRESIDENTE DO INSTITUTO DERELAÇÕES INTERNACIONAIS E DO CONSELHO DE COMÉRCIO EXTERIOR DA FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SÃO PAULO (FIESP) (O Estado de SP – 26/04/2016)

Na Alemanha, Obama pede que Europa a permaneça unida pelo bem do mundo
"Vim aqui hoje ao coração da Europa para dizer que os Estados Unidos e o mundo inteiro precisam de uma Europa forte, próspera, democrática e unida", afirmou Obama
HANOVER, Alemanha - O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, disse nesta segunda-feira que seu país precisa de uma Europa forte e unida para preservar a ordem internacional, e pediu a seus aliados europeus que aumentem os investimentos na defesa para lidar com o Estado Islâmico e outras ameaças de segurança.
Encerrando uma visita à Alemanha centrada no fortalecimento das relações comerciais, Obama conclamou os europeus a olharem além das múltiplas crises que suas nações enfrentam e manter a unidade que levou paz ao continente.
O líder norte-americano fez os comentários após uma visita a Londres, onde incentivou os britânicos a se manterem como um dos 28 países-membros da União Europeia, dando alento aos esforços do primeiro-ministro do país, David Cameron, para evitar a desfiliação britânica - que, alertam seus adversários, pode ter consequências políticas e sociais danosas.
"Vim aqui hoje ao coração da Europa para dizer que os Estados Unidos e o mundo inteiro precisam de uma Europa forte, próspera, democrática e unida", afirmou Obama durante uma parada em uma feira de negócios em Hanover, cidade do norte alemão, atraindo aplausos da plateia.
Obama disse que os temores decorrentes da anexação russa da península ucraniana da Crimeia e do crescimento econômico lento, particularmente no sul da Europa, levaram a questionamentos sobre a integração continental e deram ensejo a políticas destrutivas que instigaram temores dos imigrantes e das pessoas de religiões diferentes.
Um influxo de imigrantes oriundos da guerra civil da Síria e de conflitos em outras regiões aumentou as tensões no bloco e colocou pressão na chanceler alemã, Angela Merkel, líder europeia mais destacada cuja política inicial de acolhimento de imigrantes e refugiados afetou seus índices de aprovação. (Reuters – 25/04/2016)

Novos projetos de promoção das exportações da Apex-Brasil têm foco em países árabes
Serão feitos acordos com a Associação Nacional dos Fabricantes de Implementos Rodoviários (Anfir), Associação Brasileira de Laticínios (Viva Lácteos), Associação Brasileira de Consultores de Engenharia (ABCE) e Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica (ABINEE). Serão renovados projetos já em vigor com a Associação Brasileira das Indústrias de Materiais de Defesa e Segurança (Abimde), Associação Brasileira de Empresas de Componentes para Couro, Calçados e Artefatos (Assintecal) e o Centro das Indústrias de Curtumes do Brasil (CICB).
De acordo com informações da Apex-Brasil, o investimento nos sete projetos será de R$ 65,9 milhões. Desse total, R$ 44,8 milhões serão aplicados pela Apex-Brasil e o restante, pelas associações. O coordenador de projetos setoriais da agência, Igor Brandão, afirmou à ANBA que a Apex-Brasil realizou uma revisão de seus acordos nos últimos dois anos e ao fim deste processo, convênios que antes recebiam até 85% dos seus recursos da Apex-Brasil passaram a receber 70%. “Com isso foi possível abrir mais espaço no orçamento para atender novos setores e é justamente isso que estamos celebrando agora”, afirmou Brandão.
Por meio desses projetos de promoção, a Apex-Brasil e as entidades de classe fazem pesquisas e consultam seus associados para identificar mercados-alvo, ou seja, aqueles que receberão as ações de promoção comercial dos projetos. O projeto que será assinado com a Viva Lácteos identificou como mercados prioritários Argélia, Egito, Arábia Saudita, Emirados Árabes Unidos, Estados Unidos, Angola e Rússia.
Segundo dados da Viva Lácteos, no ano passado foram exportados US$ 319 milhões em produtos lácteos. Desse total, 10% foram para países árabes. A Arábia Saudita foi o segundo principal importador, com compras de US$ 12,7 milhões em leite condensado. O primeiro, a Venezuela, importou mais de US$ 238 milhões do setor.
“Com o apoio da Apex-Brasil, por meio de participação em feiras e rodadas de negócios, pretende-se uma maior exposição dos produtos brasileiros aos árabes”, afirmou o diretor executivo da Viva Lácteos, Marcelo Martins à ANBA. Entre as ações previstas, há participação em feiras, rodadas de negócios e missões de prospecção “sempre visando a aumento das exportações”, disse.
A Anfir, que reúne, entre outros, fabricantes de caçamba, máquinas e carrocerias, terá em seu projeto com a Apex-Brasil dois países árabes como foco. Chile, Peru, Bolívia, Colômbia e Angola são os mercados prioritários. O projeto tem como alvo secundário Emirados Árabes, Argélia, México e Argentina. Segundo as estimativas da Apex-Brasil, já neste ano as 15 empresas que participam da iniciativa deverão exportar US$ 50 milhões.
O fato de Emirados Árabes e Argélia serem focos de dois dos projetos está relacionado, na avaliação de Brandão, ao potencial desses países e à sua relação com o Brasil. Além disso, ele lembra que estas nações são consideradas “estratégicas” no Plano Nacional de Exportações, do governo federal.
“No caso da Argélia, representa uma importante porta de entrada ao continente africano, além de ser um mercado com algumas características semelhantes ao brasileiro, o que torna a missão de internacionalização menos árdua para as empresas nacionais. Já os Emirados Árabes representam um importante hub (polo de distribuição) na região do Golfo Pérsico e uma entrada para mercados mais sofisticados dentro dessa mesma região. São mercados atraentes e prioritários para vários dos projetos que temos na agência”, afirmou Brandão.
Dos novos projetos, os que serão assinados com a ABCE e com a ABINEE não têm países árabes entre suas prioridades. Entre as parcerias que serão renovadas, aquela em vigor com a Abimde tem como alvo países da América do Sul, Indonésia e Malásia, Emirados Árabes e Arábia Saudita. O Catar é um mercado secundário no projeto, assim como os Estados Unidos, Paquistão, Alemanha, Angola e Venezuela. O programa Brazilian Leather, com o CICB, e o Footwear Components, com a Assintecal, não têm árabes como prioridades. (Blog de Comércio Exterior – 25/04/2016)

Quarta semana de abril tem superávit de US$ 1,035 bilhão
A balança comercial brasileira registrou superávit de US$ 1,035 bilhão na quarta semana de abril, com quatro dias úteis. Este valor é resultado de exportações de US$ 3,241 bilhões e importações de US$ 2,206 bilhões. Em abril, até a quarta semana, as exportações somam US$ 11,573 bilhões e as importações, US$ 7,990 bilhões, com saldo positivo de US$ 3,583 bilhões. No acumulado do ano, as exportações totalizam US$ 52,146 bilhões e as compras no exterior foram de US$ 40,175 bilhões, o que resultou em um superávit de US$ 11,971 bilhões.
Na quarta semana de abril, a média das exportações foi de US$ 810,1 milhões, valor 6,9% maior do que a média até a terceira semana do período (US$ 757,5 milhões), devido ao aumento nas exportações de produtos manufaturados (20%) - em razão de automóveis de passageiros, tubos flexíveis de ferro e aço, torneiras, válvulas e partes, autopeças, motores para automóveis, etanol. Entretanto, houve queda nas vendas de produtos semimanufaturados (-0,7%) - por conta de açúcar em bruto, semimanufaturados de ferro e aço, ouro em forma semimanufaturada, ferro fundido, alumínio em bruto - e de básicos (-0,3%) - devido a soja em grãos, carne de frango, minérios de cobre, carnes salgadas, miudezas de animais, tripas e buchos de animais.
Do lado das importações, houve crescimento de 4,9%, sobre igual período comparativo - média da quarta semana (US$ 551,5 milhões) sobre a média até a terceira semana (US$ 525,8 milhões) -, explicado, principalmente, pelo aumento nos gastos com combustíveis e lubrificantes, aparelhos eletroeletrônicos, veículos automóveis e partes, plásticos e obras, instrumentos de ótica e precisão.
Mês
Nas exportações, comparadas as médias até a quarta semana de abril deste ano (US$ 771,5 milhões) com a de abril do ano passado (US$ 757,8 milhões), houve crescimento de 1,8%, em razão do aumento nas vendas de produtos semimanufaturados (10,9%) - por conta de catodos de cobre, ferro fundido, açúcar em bruto, ouro em forma semimanufaturada, madeira serrada ou fendida - e de básicos (1,7%) - devido a milho em grãos, soja em grãos, carnes suína, bovina e de frango, fumo em folhas.
Por outro lado, decresceram as vendas de produtos manufaturados (-0,5%) - em razão de óxidos e hidróxidos de alumínio, motores e geradores elétricos, autopeças, aviões, máquinas e aparelhos para terraplanagem. Em relação a março de 2016, houve crescimento de 6,1%, em virtude do aumento na venda de produtos básicos (14,3%). Por outro lado, caíram as vendas de manufaturados (-2,4%) e de semimanufaturados (-0,8%).
Nas importações, a média diária até a quarta semana de abril de 2016 (US$ 532,7 milhões), ficou 27,4% abaixo da média de abril de 2015 (US$ 733,3 milhões). Nesse comparativo, decresceram os gastos, principalmente, com siderúrgicos (-55,1%), aparelhos eletroeletrônicos (-35,6%), veículos automóveis e partes (-35,5%), plásticos e obras (-31,9%), combustíveis e lubrificantes (-30,4%), e equipamentos mecânicos (-30,3%).
Quando comparadas com março de 2016, houve avanço de 1,4%, pelos aumentos em combustíveis e lubrificantes (13,3%), adubos e fertilizantes (11,8%), veículos automóveis e partes (8,9%), químicos orgânicos e inorgânicos (8,4%) e aparelhos eletroeletrônicos (5,3%).
Ano
No acumulado do ano, as exportações totalizam US$ 52,146 bilhões e as compras no exterior, US$ 40,175 bilhões, o que resultou em um saldo positivo de US$ 11,971 bilhões. As exportações acumularam média diária de US$ 686,1 milhões, valor 3,3% menor do que o mesmo período de 2015, pela média diária (US$ 709,9 milhões).
Já as importações tiveram desempenho médio diário de US$ 528,6 milhões, 32,5% abaixo do registrado no mesmo período do ano passado (US$ 782,6 milhões). No ano, a corrente de comércio chega a US$ 92,321 bilhões, com desempenho médio diário de US$ 1,214 bilhão, valor 18,6% menor do que o verificado no mesmo período de 2015 (US$ 1,492 bilhão). (MDIC – 25/04/2016)

Embaixadores comerciais
SAMIR KEEDI é professor de MBA, autor de vários livros em comércio exterior, transporte e logística, tradutor do Incoterms 2000, membro da CCI-Paris na revisão do Incoterms® 2010
Por Redação
Como todos sabem, o Brasil não está em guerra há muito, muito tempo. Não temos qualquer problema diplomático com quem quer que seja. Nem temos no horizonte alguma nuvem que nos leve a pensar em algo assim. Somos um povo pacífico, pelo menos por enquanto. E até demais internamente, o que atrasa o País. E nas nossas redondezas não temos quaisquer perspectivas de sermos incomodados pelos nossos vizinhos. Todos bem menores, e que até dependem de nós.
Assim, nos perguntamos qual a função das nossas embaixadas no exterior. E dos embaixadores. Essas figuras ótimas, que podem ajudar o País de várias maneiras, mas que não tem sido a questão. Às vezes, até pela colocação de políticos nessas posições. O que é um contrassenso com tantos diplomatas preparados. O que nos dá a impressão de que uma embaixada é apenas um prêmio “por bons serviços prestados”.
O País não tem dinheiro para gastos desnecessários como pensam nossos políticos. Nem tem tempo para “perder tempo” (sic). Há muito a fazer para termos um País minimamente justo, desenvolvido e respeitado. Embora muitos pensem que hoje o Brasil é respeitado no exterior. Não sabem que há mais coisas entre o céu e a terra do que nuvens, chuvas e aviões.
É necessário começarmos a trabalhar, e de forma consistente. De maneira que o Brasil comece a tomar alguma forma de país a caminho do desenvolvimento. É necessário que todos os esforços comecem a ser concentrados em direção a um futuro mais promissor.
Assim, entendemos que não se pode perder mais tempo. E que nossas embaixadas e embaixadores têm uma nobre missão a cumprir, o que já deveria ter se iniciado. Mas sempre é tempo para isso, e agora é um bom momento. Governo novo, quem sabe ideias, pensamentos, desejos novos em direção a um futuro melhor, do qual possamos nos orgulhar.
Todos têm consciência de que uma das melhores formas de desenvolvimento é o comércio exterior. Que possibilita passarmos de um mercado consumidor de cerca de, em tese, 205 milhões de almas (sic) para 7,5 bilhões, também em tese. E que proporciona uma economia de escala considerável. Que consegue criar empregos em quantidade que o mercado interno não consegue.
Portanto, temos de, mais que urgente, dar nova destinação às nossas embaixadas e embaixadores. Transformá-los em embaixadores comerciais. E, se for o caso, ter, além do diplomata costumeiro, também a figura do comercial. Usando a estrutura da embaixada. Claro que alguns já podem rebater dizendo que queremos aumentar os empregos, férias e despesas. Pode até ser que isso ocorra, com o espírito que tem imperado no País. Mas estamos pensando em algo mais descente. Um Brasil melhor, que nos dê perspectiva de futuro, o que não temos muito hoje.
Esses embaixadores comerciais teriam a função de agir como traders, sempre pensando em comércio. Dia e noite. Devem prospectar o mercado local sobre as possibilidades de colocação dos produtos brasileiros. Que tipos de produtos deveríamos vender a eles. Que características eles deveriam ter. O que precisa ser adaptado para atrair o comprador e o consumidor estrangeiro.
Que quantidades são consumidas no país. Qual a produção local de tal produto. De quem são importados, se for o caso, ou seja, quem são nossos concorrentes. Que política devemos adotar para conquistar aquele mercado. O que devemos implementar para ganhar, manter e aumentar nosso mercado.
De que modo nosso país pode ajudar o país em questão. Lembrando que a ideia de comércio exterior é a de parceria. De ajuda e transferência de benefícios. E não apenas de ganância e desejo de venda.
Portanto, sempre tendo em mente que o comércio exterior é uma via de duas mãos. Quem vende também tem de comprar. Esses embaixadores teriam também de averiguar que mercadorias o país tem para poder vender ao nosso. Para cumprirmos o papel que cabe a um comércio exterior responsável e útil, já que é sabido que importamos também. Aliás, é característica de todos os países. Ninguém, por mais poderoso que seja, é autossuficiente. Ninguém produz tudo o que necessita. Às vezes, nem é possível em face de certas características.
E, também, antes que nos passe despercebido, não devemos esquecer as lições de Adam Smith, considerado o pai da Economia. Nem de David Ricardo sobre as vantagens comparativas. Que gerou a divisão do trabalho. Em que propõe que cada país deve produzir o que faz de melhor. E comprar aquilo para o qual não é competitivo. Em que o comércio internacional deve ser feito por meio da venda de seus excedentes e da compra das suas necessidades.
Assim, é hora de mudanças. Hora de abraçar as boas causas, antes tarde do que nunca. Dar ao nosso futuro um futuro de fato. Acreditar que possamos, algum dia, ser uma grande País, uma nação. Não apenas um País grande como é o caso hoje, e um grande acampamento.
(SAMIR KEEDI é professor de MBA, autor de vários livros em comércio exterior, transporte

e logística, tradutor do Incoterms 2000, membro da CCI-Paris na revisão do Incoterms® 2010) (Sem Fronteiras – 25/04/2016)

Economia global segue capenga, mas sem recessão no horizonte
INTERNACIONAL
O crescimento global segue capenga, num cenário em que zona do euro e Japão patinam, a economia dos EUA não deve ter desempenho exuberante e Brasil e Rússia verão o PIB encolher pelo segundo ano seguido.
Não há, porém, uma recessão global, embora tenham aumentado os riscos de um quadro recessivo nos países desenvolvidos. (Valor Econômico – 25/04/2016)

Perto de deixar o cargo, Obama tenta consolidar legado com viagem à Europa
Presidente defende isolamento da Coreia do Norte, fala que só levanta sanções à Rússia se Moscou cumprir acordos de Minsk e diz estar preocupado com aumento da violência na Síria
HANNOVER, ALEMANHA - Nos EUA, Barack Obama ainda tem oito meses de mandato, algumas batalhas políticas e a eleição de um sucessor. Mas, no exterior, ele começou uma lenta despedida. Ontem, ao chegar à Alemanha, o presidente americano parecia um líder perto da aposentadoria que busca consolidar seu legado. Após reunião com a chanceler alemã, Angela Merkel, ele abordou questões globais, criticou a atuação russa na Ucrânia e rejeitou um acordo com a Coreia do Norte.
Em sua passagem por Londres, no sábado, Obama defendeu suas conquistas: a reforma no sistema de saúde dos EUA, o acordo nuclear com o Irã, a maneira como lidou com a histeria envolvendo a epidemia de ebola e o trabalho que teve para “salvar a economia mundial de um novo colapso”. “Tudo isso valeu a pena”, disse. “Mas não acho que saberemos qual foi o meu legado em pelo menos de dez anos.”
Ontem, ao lado de Merkel, ele dissertou sobre vários temas globais. Obama criticou a proposta da chanceler alemã de criar “zonas seguras” para abrigar refugiados dentro do território sírio. “Não é questão de não querer ajudar e proteger um monte de pessoas. É uma questão muito prática: como você faz isso?”, questionou o presidente, que afirmou estar “muito preocupado com o aumento da violência na Síria”.
Sobre a Coreia do Norte, ele defendeu o isolamento maior de Pyongyang e pediu que a China exerça mais pressão sobre o regime de Kim Jong-un, que frequentemente vem realizando testes de mísseis balísticos. “Embora os testes falhem frequentemente, cada vez que o país que realiza um teste aumenta mais seus conhecimentos. E levamos isto muito a sério”, disse.
Crise na Ucrânia. Para conseguir uma solução “pacífica e duradoura” para a crise na Ucrânia, Obama reiterou ontem que as sanções contra a Rússia “só serão suspensas” se Moscou cumprir todos os compromissos assumidos em Minsk” - que tenta por fim à guerra no leste ucraniano.
Ainda falando sobre a pressão russa, Obama ratificou sua decisão de enviar tropas ao Leste Europeu e ressaltou a importância de os membros da Otan aumentarem seus orçamentos de Defesa em razão do que chamou de “agressiva posição da Rússia” e seus “enormes gastos militares”. “Temos a obrigação de defender todos os nossos aliados e faremos isso”, disse.
O presidente americano garantiu também que o G-7 (grupo das sete nações mais industrializadas do mundo) está preparando um pacote de assistência econômica para o Iraque, com o objetivo de contribuir para sua estabilização país. A medida será discutida na próxima reunião do grupo, marcada para 26 de maio no Japão.
Reunião informal. Hoje, em Hannover, o presidente americano fará uma reunião informal com Merkel, com o presidente da França, François Hollande, e com os primeiros-ministros britânico, David Cameron, e italiano, Matteo Renzi.
Na agenda do encontro estarão temas globais, como o combate ao extremismo jihadista, a guerra civil na Síria, o impasse político na Ucrânia e a crise refugiados que afeta a Europa. À noite, o presidente americano volta a Washington.
O giro de Obama, considerado por muitos analistas como sua última viagem à Grã-Bretanha e à Alemanha, também incluiu uma passagem pela Arábia Saudita. Em Riad, o presidente buscou reafirmar a aliança dos EUA com os países árabes do Golfo. (O Estado de SP – 24/04/2016)

‘Exportação’ da crise expõe Brasil dividido
Imprensa internacional, alvo de governo e oposição, alerta que conquista da opinião pública global pouco impacta na política interna
por Henrique Gomes Batista, enviado especial
NOVA YORK — A crise política brasileira mudou sua sede, nos últimos dias, para Nova York. A visita da presidente à ONU, a ofensiva da oposição com entrevistas com meios de comunicação estrangeiros, além do feriado no Brasil, fez a cidade americana ter seus momentos de Brasília. Alvo principal da investida dos dois lados, a imprensa internacional destaca que, neste momento, conquistar a simpatia da opinião pública global pode pouco auxiliar qualquer uma das duas frente de batalha.
Dilma Rousseff passou 29 horas em Nova York entre a noite de quinta-feira e a madrugada de sábado, quando partiu para o Brasil. Exceto seu discurso na ONU e a assinatura do acordo climático -- motivo de sua viagem -- a presidente praticamente usou todo seu tempo em solo americano para falar com jornalistas, de veículos estrangeiros ou brasileiros. A mandatária brasileira não teve nenhuma reunião bilateral com representantes de outros países na sede das Nações Unidas - pelo contrário, trocou o almoço oferecido aos mandatários internacionais na entidade a uma visita ao MoMa.
A batalha do impeachment pelas páginas dos jornais estrangeiros vive a terceira leva, em duas semanas: passou de uma onda positiva para Dilma, quando os veículos destacaram que a maior parte dos defensores de sua saída do governo possuem graves acusações de corrupção e auxiliaram no discurso de vitimização da presidente. Depois, viveu o contra-ataque do vice presidente Michel Temer, que defendeu em entrevistas seu governo de "salvação nacional" e a legalidade da queda de Dilma e culminou agora com a mostra da polarização do país. Se Dilma priorizou os jornalistas, a oposição enviou uma “força-tarefa” com deputados para servir de contraponto ao discurso oficial.
O “New York Times”, em sua edição de sábado, publicou a luta dos políticos brasileiros para conquistar corações e mentes no exterior. Mostrou a iniciativa de Dilma, sua entrevista alertando novamente para o “golpe” no Brasil, mas destacou que o tom na ONU foi muito mais ameno. O principal jornal americano detalhou a ofensiva da oposição e expôs a opinião dos ministros do STF que, há alguns dias, discursaram defendendo a legitimidade do processo de impeachment. No fim, contudo, diminui a importância desta nova frente de batalha dos políticos brasileiros:
“Esta é uma crise feita no Brasil, por brasileiros. Neste ponto, eu não acredito que a solidariedade internacional vai ajudá-la”, afirmou o “NYT” Melyvn Levitsky, ex-embaixador dos Estados Unidos para o Brasil.
O influente “Wall Street Journal”, que publicou nessa semana uma entrevista com Michel Temer, afirmou ontem que a controvérsia sobre a legitimidade do impeachment está “desencorajando” alguns políticos a integrar o eventual governo de coalizão do PMDB. Já a agência de notícia “Reuters” destacou ainda que Dilma anunciou que estuda apelar às regras do Mercosul contra o “golpe”, mas a agência também publicou o contraponto dos deputados opositores disseram em Nova York que todo o processo é legal.
Os veículos do outro lado do Atlântico que participaram da entrevista coletiva de Dilma Rousseff também estamparam a polarização do país. O inglês “The Guardian”, assim como o “New York Times”, noticiou justamente a ofensiva pública para conquistar a opinião internacional.
“Recorrer ao ‘Guardian’ e a um grupo de outras organizações noticiosas estrangeiras parece ser uma última tentativa para vencer fora depois de perder de forma vergonhosa em casa”, escreveu o jornal inglês, que também deu muito espaço aos dois lados.
O espanhol “El País”, neste sábado, deu ênfase à proposta de Dilma de levar a crise brasileira para o Mercosul, mas ao mesmo tempo publicou uma entrevista com o senador tucano Alysio Nunes Ferreira. Outros veículos presentes na entrevista de Dilma, com o americano “Washington Post”, o alemão “Süddeutsche Zeitung” e o “Financial Times”, sediado em Londres, não publicaram muitos textos sobre a entrevista no sábado, ou usaram textos de agências de notícias. Alguns deles, entretanto, devem publicar algum material mais analíticos em suas edições dominicais. (O Globo – 23/04/2016)

Unasul propõe criação da cidadania latino-americana
O secretário-geral da União de Nações Sul-Americanas (Unasul), Ernesto Samper, propôs neste sábado (23) que o grande tema da instituição neste ano deve ser a discussão do conceito de cidadania latino-americana.
De acordo com Samper, a expressão de fraternidade e solidariedade observada tanto no Equador quanto nos demais países da região após o terremoto de 7.8 graus na Escala Richter, que atingiu o país na semana passada, mostra que isso é possível.
“Que os 420 milhões de sul-americanos que vivem nestes 17 milhões de quilômetros quadrados tenham a possibilidade de movimentar-se, de circular para trabalhar, para estudar, para aposentar-se, para eleger suas autoridades. Isso nasce como una expressão da solidariedade do povo equatoriano”, afirmou Samper.
Oficinas de desastres naturais
O secretário-geral anunciou também a criação de um grupo coordenador das oficinas de desastres naturais dos 12 países da Unasul para canalizar a ajuda para que o Equador reconstrua as áreas destruídas pelo terremoto.
“Esta ajuda tem que começar a chegar, já, para que se possa, não salvar vidas, construir o futuro”, disse Samper, ao citar uma das conclusões a que chegaram os ministros dos países da Unasur que se reuniram neste sábado em Quito para transferir do Uruguai para a Venezuela a presidência pro tempore (por determinado tempo) do bloco e analisar as ações de ajudar ao Equador.
De acordo com Samper, alguns chanceleres visitarão as zonas afetadas pelos tremores de terra na costa equatoriana para começar a planejar ações. “Creio que daqui saem um ou dois [chanceleres] para visitar a zona afetada", disse ele. Edição: Nádia Franco (Agência Brasil – 23/04/2016)

Itamaraty não vê ‘ruptura democrática’
Rodrigo Cavalheiro – CORRESPONDENTE
Chanceler argentina disse que Mercosul cogitava reunião para analisar eventual punição em caso de impeachment
BUENOS AIRES - O embaixador Frederico Meyer, porta-voz do Itamaraty, afirmou que não houve “ruptura democrática” no Brasil que justificasse uma sanção ao País no Mercosul. Em março, a chanceler argentina, Susana Macorra, afirmou que o Mercosul discutia a convocação de uma reunião de emergência do bloco para apoiar o governo brasileiro e analisar eventual punição em caso de impeachment da presidente Dilma Rousseff.
De acordo com Meyer, a chamada cláusula democrática, usada para suspender o Paraguai em 2012, só pode ser aplicada se houver violação à democracia, e isso não ocorreu no Brasil. “No Brasil, que eu saiba, não houve nada que justificasse ou se pudesse atribuir a uma ruptura democrática”, afirmou embaixador ao Estado. O integrante da cúpula do Itamaraty acrescentou que, no caso paraguaio, a suspensão foi aplicada após o impeachment relâmpago sofrido por Fernando Lugo.
A diferença ressaltada pelo funcionário é aprofundada pelo diplomata Juan Pablo Lohlé, que comandou a embaixada da Argentina em Brasília entre 2003 e 2010, período em que o kirchnerismo conviveu com o PT no poder. “O que aconteceu no Paraguai e o que ocorre no Brasil é bem diferente, assim como a característica dos países. No Brasil, um processo está em curso. É muito difícil para um organismo multilateral como o Mercosul opinar agora. No caso do Lugo, a decisão de suspensão ocorreu no fim do processo”, avaliou.
O plano de mobilizar o Mercosul para defender o governo Dilma não foi adiante e não há perspectiva de que se concretize. Segundo um integrante da chancelaria argentina, a reunião que o chanceler uruguaio, Rodolfo Nin Novoa, organizava às pressas não se concretizou porque o Itamaraty não gostou de “ser ajudado sem ter pedido auxílio externo”. (O Estado de SP – 22/04/2016)

Camex reduz Imposto de Importação de 275 máquinas e equipamentos industriais sem produção no Brasil
Brasília – Foram publicadas hoje, no Diário Oficial da União, duas novas Resoluções Camex que reduzem o custo para aquisição no exterior de 275 máquinas e equipamentos industriais sem fabricação no Brasil. A Resolução Camex n° 34/2016 reduz de 14% para 2%, até 31/12/2017, o imposto para compra no exterior de 251 bens de capital (229 novos e 22 renovações) e a Resolução Camex n° 33/2016 diminui as alíquotas de 16% para 2%, para compra externa de 24 bens de informática e telecomunicações (14 novos e 10 renovações).
Serão beneficiadas indústrias que vão ampliar a produção ou construir novas unidades, com investimentos totais que passam de US$ 791 milhões. De acordo com as informações fornecidas pelas empresas que solicitaram os ex-tarifários, as importações de equipamentos serão feitas, principalmente, de: Alemanha (19,29%); Finlândia (18,85%); Itália (14,07%); Estados Unidos (10,83%); Coreia do Sul (8,24%); Holanda (6,91%); China (4,20%); Áustria (2,54%) e Japão (2,36%). (MDIC – 22/04/2016)

Camex reduz Imposto de Importação de autopeças não produzidas no Brasil
Brasília – Foi publicada hoje, no Diário Oficial da União, a Resolução Camex n° 35/2016, que altera a lista de autopeças não produzidas no Brasil e no Mercosul. As autopeças que integram a lista publicada hoje possuem alíquotas de Imposto de Importação originais de 20%, 18%, 16%, 14%, 10% e 8% e foram reduzidas para 2%. A medida tem o objetivo de dar mais competitividade ao setor automotivo.
A revisão da lista foi promovida a partir de propostas de entidades representativas do setor privado. Houve inclusão de 60 novos produtos, além de alteração na descrição de um ex-tarifário. As reduções concedidas contemplam especialmente autopeças relacionadas à eletrônica embarcada dos veículos, além de itens para a melhoria da eficiência energética e segurança veicular.
O regime de autopeças não produzidas é regulamentado pela Resolução Camex nº 61/2015 e está previsto no acordo automotivo Brasil-Argentina, estabelecido no 38º Protocolo Adicional ao Acordo de Complementação Econômica (ACE) nº 14. (MDIC – 22/04/2016)

 
Abinee - Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica

Escritório Central: Avenida Paulista, 1313 - 7º andar - 01311-923 - São Paulo - SP
Fone: 11 2175-0000 - Fax: 11 2175-0090