DRI Clipping Semanal nº 32 - 17 a 21/08/15

Acordos


Veja mais

Merkel presiona a Dilma para que Brasil abra sus mercados
Internacionales
La canciller alemana, Angela Merkel, que llegó en una visita de dos días a Brasil, hizo una fuerte presión sobre el Gobierno de Brasil para que abra más sus mercados a compañías extranjeras. Además resaltó que ve una oportunidad de alcanzar un acuerdo de libre comercio entre la Unión Europea y el bloque sudamericano Mercosur.
"Podríamos ampliar nuestro comercio. Necesitamos una condición de inversión confiable", dijo en Brasilia, al presionar por un mejor acceso al mercado local para los productos alemanes como por ejemplo farmacéuticos y tecnología médica.
Funcionarios alemanes quieren utilizar el viaje para buscar una participación de firmas germanas en el programa de inversión de u$s 57.000 millones en vías férreas, puertos y aeropuertos anunciado por la presidenta brasileña Dilma Rousseff.
Entre las compañías interesadas en el programa figuran Siemens, Fraport y Deutsche Bahn, que enfrentan la competencia de empresas chinas.
Merkel enfatizó la "relación muy especial" de Alemania con Brasil, donde operan más de 1.300 compañías germanas. (Cronista – 21/08/2015)

Merkel se comprometió a acelerar el TLC entre Europa y Mercosur
La canciller alemana está de visita en Brasil en busca de nuevos negócios
La canciller alemana, Angela Merkel, presionó ayer al gobierno de Brasil para que abra más sus mercados a compañías extranjeras, y se comprometió a hacer gestiones para acelerar el acuerdo de libre comercio entre la Unión Europea y el Mercosur.
Merkel se encuentra en Brasil para una visita de dos días con una importante delegación de funcionarios de gobierno y representantes de compañías alemanas, que han invertido más de € 19.000 millones –unos US$ 21.220 millones– en la estancada economía latinoamericana.
Merkel dijo que "el Mercosur es un grupo bastante heterogéneo, pero Brasil es el líder. Vamos a trabajar con la Comisión Europea para acelerar las negociaciones para el acuerdo entre Unión Europea y Mercosur". Las negociaciones entre ambos bloques sobre un acuerdo de libre comercio comenzaron en 1999 y en el pasado tambalearon debido a los subsidios agrícolas de la Unión Europea y la apertura de industrias del Mercosur a la competencia desde Europa.
"Me dio la impresión de que la presidenta está muy interesada", dijo Merkel sobre la negociación del acuerdo de libre comercio tras reunirse con Rousseff.
Uruguay sigue de cerca las negociaciones y el TLC con Europa ocupa un lugar estratégico en la agenda de inserción externa del gobierno de Tabaré Vázquez.
En junio, se reunieron mandatarios y cancilleres del Mercosur con representantes de la Unión Europea en Bruselas y acordaron intercambiar en el último trimestre de año una lista de bienes que entrarían en un eventual acuerdo y el proceso de desgravación arancelaria.
En esa instancia se descartó además la idea manejada previamente de negociar un acuerdo a dos velocidades, con una avanzada por parte de Brasil, Uruguay y Paraguay, y un mayor rezago por parte de Argentina en la negociación. Venezuela, en tanto, no forma parte de las negociaciones.
Nuevos negócios
En su primer contacto con la prensa, Merkel apuntó que si mejoran las condiciones de inversión en Brasil podría incrementarse el comercio bilateral, que en 2014 alcanzó los US$ 20.400 millones.
"Podríamos ampliar nuestro comercio. Necesitamos una condición de inversión confiable", dijo Merkel en Brasilia, al presionar por un mejor acceso al mercado local para los productos alemanes como por ejemplo farmacéuticos y tecnología médica.
Merkel enfatizó la "relación muy especial" de Alemania con Brasil, donde operan más de 1.300 compañías germanas. "Las empresas alemanas quieren y están dispuestas a invertir aún más en Brasil", añadió. En su territorio operan unas 1.300 empresas alemanas, como la automotriz Volkswagen, la química BASF, la farmacéutica Bayer y la siderúrgica Thyssen-Krupp, entre otras, que emplean a unas 250 mil personas.
Según la cancillería brasileña, uno de los objetivos de Rousseff para esta visita es invitar a los capitales alemanes a sumarse al programa de concesiones para obras de infraestructura que lanzó este año su gobierno por unos US$ 64.000 millones. Entre las compañías interesadas en el programa figuran Siemens, Fraport y Deutsche Bahn, que enfrentan la competencia de empresas chinas.
La visita de Merkel es considerada un gesto político significativo porque se da en momentos difíciles para Rousseff. Con su partido golpeado por un escándalo de corrupción en la estatal Petrobras y con la economía en su quinto año de baja actividad, la popularidad de la mandataria se derrumbó a niveles de un dígito.
El domingo pasado Brasil fue escenario de masivas protestas callejeras en más de 200 ciudades para pedir la salida de la debilitada mandataria mediante un juicio político. Durante el breve paso de la delegación alemana por la capital brasileña, los siete ministros y cinco viceministros que acompañaron a Merkel se reunieron con sus pares locales como parte del diálogo intergubernamental entre ambas naciones. El gigante latinoamericano vive un período de estancamiento económico y legislativo, falta de alternativas viables a los partidos políticos establecidos y un revés económico que llevó a su moneda, el real, a mínimos de 12 años. Un extenso escándalo de corrupción ha involucrado a líderes políticos y empresariales del país, y un organismo federal está considerando rechazar el resultado oficial de las cuentas fiscales del 2014.Fuente: Basado en agencias (El Observador – 21/08/2015)

Merkel le deja a Rousseff la esperanza de más inversión
BRASILIA (EFE). La canciller alemana, Ángela Merkel, confirmó ayer el interés de empresas de su país en participar en concursos que serán convocados por Brasil para ofrecer concesiones en las áreas de puertos, carreteras, aeropuertos y generación y distribución de energía.
“Tenemos interés en cooperar con energías renovables y también en dar todo el apoyo en el área de infraestructura y de líneas de transmisión de electricidad”, declaró Merkel junto a la presidenta brasileña, Dilma Rousseff, quien ayer la recibió en Brasilia.
Se refirió así a áreas en las que el Gobierno brasileño prepara vastos paquetes de concesiones al sector privado, diseñados en el marco de sus esfuerzos por atraer inversión extranjera que ayude a superar el delicado momento de la economía nacional, que ese año se contraerá en torno al 1,5 %, según cálculos oficiales.
Merkel también reafirmó su apoyo a las negociaciones para un acuerdo de libre comercio entre el Mercosur y la Unión Europea (UE), que después de casi cuatro lustros de discusiones parece dirigirse hacia un intercambio de ofertas antes de fin de año.
Acelerar acuerdo
El Mercosur, formado por Argentina, Brasil, Paraguay, Uruguay y Venezuela, fue definido por Merkel como “grupo heterogéneo” con el cual Alemania desea hacer negocios, por lo que expresó su apoyo a las discusiones, de las que dijo esperar que sean “aceleradas”.
En el marco de la visita de Merkel, Brasil y Alemania firmaron ayer varios acuerdos sobre iniciativas contra el cambio climático, un tema en que la canciller aseguró que con Rousseff han diseñado una “agenda muy intensa”.
Según Merkel, de cara a la próxima conferencia de la ONU sobre cambio climático, que se celebrará en diciembre en París, “lo más importante es que cada país haga lo que puede hacer y contribuya para evitar que la temperatura del planeta suba otros dos grados”.
En el caso de Alemania, la canciller indicó que, además de la cooperación ofrecida a otros países, ha determinado la creación de un fondo de 500 millones de euros exclusivamente dedicado a asuntos relacionados con la protección del planeta. (ABC Color – 21/08/2015)

Merkel presiona a Brasil para mayor apertura de mercados
REUTERS
BRASILIA-BRASIL
La canciller alemana, Angela Merkel, presionó ayer al Gobierno de Brasil para que abra más sus mercados a compañías extranjeras, y dijo que veía una oportunidad de alcanzar un acuerdo de libre comercio entre la Unión Europea y el bloque sudamericano Mercosur.
Merkel se encuentra en Brasil para una visita de dos días con una importante delegación de funcionarios de gobierno y representantes de compañías alemanas, que han invertido más de 21.220 millones de dólares en esa estancada economía.
“Podríamos ampliar nuestro comercio. Necesitamos una condición de inversión confiable”, dijo Merkel en Brasilia, al presionar por un mejor acceso al mercado local para los productos alemanes como, por ejemplo, farmacéuticos y tecnología médica.
Funcionarios alemanes quieren utilizar el viaje para buscar una participación de firmas germanas en el programa de inversión de 57.000 millones de dólares en vías férreas, puertos y aeropuertos anunciado por la presidenta Dilma Rousseff.
Entre las compañías interesadas en el programa figuran Siemens, Fraport y Deutsche Bahn, que enfrentan la competencia de empresas chinas. Brasil vive un periodo de estancamiento legislativo, falta de alternativas viables a los partidos políticos establecidos y un revés económico que llevó a su moneda, el real, a mínimos de 12 años.
Un extenso escándalo de corrupción ha involucrado a líderes políticos y empresariales del país, y un organismo federal está considerando rechazar el resultado oficial de las cuentas fiscales del 2014. Sin embargo, Merkel enfatizó la “relación muy especial” de Alemania con Brasil, donde operan más de 1.300 compañías germanas. La canciller también vio una oportunidad para lograr un acuerdo comercial con el Mercosur.
Las negociaciones entre ambos bloques sobre un acuerdo comenzaron en 1999 y en el pasado se tambalearon debido a los subsidios agrícolas de la Unión Europea y la apertura de industrias del Mercosur a la competencia desde Europa.
“Me dio la impresión de que la presidenta está muy interesada”, dijo Merkel sobre la negociación del acuerdo de libre comercio tras reunirse con Rousseff.
Paraguay y Uruguay ya están interesados en un rápido acuerdo con la UE, aunque Venezuela, que se sumó al bloque desde hace unos años, se ha mostrado reticente. (Ultima Hora – 21/08/2015)

The strength of Mercosur/Mercosul
SAO PAULO - With a broad consumer market, Mercosur (Spanish acronym)/Mercosul (Portuguese) is now the main destination for exports of Brazilian products with high added value. And despite some disagreement among its partners and the difficulties encountered in the formalization of free trade agreements with other blocs or countries, Mercosur, with 24 years of experience, is not only a consolidated initiative but also, critical to foreign trade .
Just see that today, 87% of Brazilian exports to the bloc are composed of industrialized products, and manufactured and semi-manufactured goods.
Joint effort in 1991 crucial
If there had not been a joint effort with the signing of the Assunción Treaty between Brazil, Argentina, Uruguay and Paraguay in 1991, the country today would be in major difficulties, given the current neo-colonialism that developed nations seek only buying commodities, selling in exchange manufactured products to emerging and developing countries.
The success of Mercosur can be measured also by the accession of Venezuela as a member country and of Chile, Peru, Colombia and Ecuador as associated states. Also being completed are the accession processes of Bolivia and the initial phase of the input of Suriname and Guyana as associates. The block now represents 70% of the population of South America, and sums a population of 270 million people.
Strong South American Market
It should be remembered that in 1991, trade between Brazil and the other Mercosur countries reached a total of US $ 4.5 billion, according to the Ministry of Development, Industry and Foreign Trade (MDIC). Of this total, $ 2.3 billion was in exports and US $ 2.2 in imports. In 2010, the trade movement jumped to $ 39.2 billion - of which $ 22.6 billion is in exports and $ 16.6 billion in imports.
Today, compared to the rest of the world, the South American market appears first in the ranking of Brazilian manufactured exports. According to MDIC data, in 2014, the bloc imported 24.1% of Brazilian products, ahead of the European Union (17.6%), United States (1,7,2%), Latin America (15.3%) - except for the Mercosur countries - Asia (9.2%), Africa (5.1%) and Middle East (3.2%). Other countries and blocs amounted to 8.3%.
In other words, between 1991 and 2013, transactions between member countries increased by more than 12 times, reaching $ 59.4 billion. In 2014, the Gross Domestic Product (GDP) of the block reached R $ 3.1 billion (888 million USD), second only to the United States, China, Japan and Germany. Thus, it is clear one can highlight the role of Mercosur as a promoter of integration and growth in the region by taking a strategic position on the board of world geopolitics, that Brazil alone could not or would need more time to achieve. (Pravda Russia – 21/08/2015)

Empresários cobram acordo de bitributação entre os 2 países
BRASIL
De Brasília
A Confederação Nacional da Indústria (CNI )e a Federação das Indústrias Alemãs (BDI) entregaram ontem à presidente Dilma Rousseff e à chanceler Angela Merkel uma carta conjunta em que pedem o relançamento de negociações para um acordo de bitributação entre os dois países.
O ofício foi assinado pelos presidentes da CNI, Robson Andrade, e da BDI, Ulrich Grillo. Brasil e Alemanha tinham um acordo bilateral para evitar a dupla tributação de empresas que vigorou por 30 anos, mas foi suspenso em 2005 (denunciado, no jargãodiplomático) pelo governo social-democrata do ex-chanceler (primeiro-ministro) Gerhard Shroeder.
Os socialistas de Berlim argumentavam na época que queriam aplicar umacordo mais moderno, propondo o modelo da Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE).
As duas entidades ressaltam que um novo acordo é prioritário para "suprir a lacuna regulatória" decorrente da suspensão do antigo tratado. Há cerca de 1.500 empresas alemães de pequeno, médio e grande portes instaladas no Brasil. Elas representam 10% de todo o PIB industrial do país.
Tradicionalmente, a Alemanha defende um modelo de acordo pelo qual a tributação se baseia no domicílio do investidor, enquanto a prática brasileira é que a taxação seja feita no local do investimento. As confederações industriais pedem o "rápido relançamento" das negociações.
Um levantamento da CNI com empresários brasileiros demonstra que a Alemanha está na lista de países com maior prioridade para o fechamento de novos acordos de bitributação. A relação inclui Estados Unidos, Reino Unido, Paraguai, Colômbia e Austrália.
Umacordo do gênero normalmente prevê como será feita a distribuição do Imposto de Renda recolhido pelos países signatários. O gerente de comércio exterior da CNI, Diego Bonomo, explica que o governo brasileiro fez uma espécie de "mix" dos três modelos tomados como referência: o da OCDE, o das Nações Unidas e o dos Estados Unidos.
Bonomo reconhece que pode ser difícil retomar as discussões sobre um acordo amplo, como gostariam de ver as duas entidades empresariais, mas faz uma ponderação: "Há passos possíveis que podem ser dados enquanto não se discute a dupla tributação propriamente dita".
Um desses passos é uma troca de informações tributárias - tendo como base o Tax Information Exchange Agreement (TIEA). Outro é um acordo para evitar a cobrança de Contribuição Social sobre Lucro Líquido (CSLL) especificamente no setor aéreo, em que as companhias pagam alíquota de 9%, impacto sobre a Lufthansa.
Na carta conjunta, a CNI e a BDI vão pedir ainda empenho dos dois governos na conclusão de um tratado de livre comércio entre o Mercosul e a União Européia.
Por fim, reivindicam o reconhecimento mútuo entre os programas de "operador econômico autorizado" brasileiro e europeu, que diminuem os entraves burocráticos no processamento de exportações e importações. A facilitação de comércio foi objeto de um acordo global no fim de2013, no âmbito da Organização Mundial do Comércio (OMC ),mas cada país ainda precisa ratificar internamente esse tratado. (DR e LM) (Valor Econômico – 21/08/2015)

Merkel calls for a free trade accord between the Europe Union and Mercosur
German Chancellor Angela Merkel pressed Brazil's government on Thursday to further open its markets to foreign companies, and said she saw an opportunity to reach a free-trade deal between the European Union and the Mercosur trade bloc. Merkel is on a two-day visit to Brazil with a large delegation of government officials and representatives from German companies.
“We could broaden our trade. We need reliable investment conditions”, said Merkel as she pressed for better access to Brazilian markets
“I gained the impression that the president is very interested,” Merkel said of the Mercosur trade negotiation after meeting Rousseff.
“We could broaden our trade. We need reliable investment conditions”, she said in Brasilia as she pressed for better access to Brazilian markets for German pharmaceutical products and medical technology, for example. German companies have invested more than 19 billion Euros in Brazil.
German government officials want to use the trip to lobby for German companies to be involved in a US$57 billion infrastructure investment program in railways, harbors and airports announced by Brazilian President Dilma Rousseff.
Those companies interested in the program include Siemens, Fraport and Deutsche Bahn . They face competition from Chinese businesses.
Brazil is hobbled by legislative gridlock, a lack of viable alternatives to the established political parties and an economic reversal that has pushed its currency to a 12-year low.
The economy is reeling from its sharpest slowdown in three decades. A vast corruption scandal has ensnared political and corporate bosses, and a federal audit is considering rejecting the government's 2014 book-keeping.
However, Merkel stressed Germany's “very special relationship” with Brazil, where more than 1,300 German companies are active. She also saw a new opportunity to clinch a trade agreement with the Mercosur trade bloc.
Off-and-on talks on an agreement have been held since 1999. Negotiations have floundered in the past over European Union agricultural subsidies and the opening of Mercosur industries to competition from Europe.
“I gained the impression that the president is very interested,” Merkel said of the trade negotiation after meeting Rousseff. Mercosur members Paraguay and Uruguay are interested in a swift deal with the EU, though Argentina and Venezuela are reluctant. (MercoPress – 21/08/2015)

Uruguay ratifica apoyo a Bolivia en la demanda marítima
Acuerdos. Ambos países buscarán profundizar relaciones comerciales
José Luis Columba / La Paz
En el marco de la VII Reunión del Mecanismo de Coordinación y Consulta Uruguay-Bolivia, que se celebró en Montevideo, autoridades diplomáticas de la nación oriental ratificaron su apoyo a una solución pacífica a la demanda marítima de Bolivia.
El respaldo uruguayo a las acciones reivindicativas que nuestro país promueve en la Corte Internacional de Justicia (CIJ) fue manifestado anteriormente por el expresidente José Mujica.
“En la reunión presidida por los vicecancilleres Juan Carlos Alurralde y José Luis Cancela, además del expreso respaldo en la búsqueda de una solución dialogada para que Bolivia acceda de manera soberana al océano Pacífico, Uruguay ofreció facilidades portuarias para la vinculación de nuestro país al océano Atlántico”, señala un comunicado de prensa de la Cancillería de Bolivia.
Hidrovía. En el encuentro de este mecanismo binacional, se reiteró el llamado a los países del Mercado Común del Sur (Mercosur) a desarrollar acciones urgentes para que la Hidrovía Paraguay-Paraná se convierta en una “efectiva alternativa complementaria” para que el comercio de ultramar de Bolivia llegue al océano Atlántico.
Adicionalmente, nuestro país presentó una propuesta de un acuerdo que pueda establecer acciones que permitan la venta a Uruguay de volúmenes de gas licuado de petróleo (GLP) y gas natural licuado (GNL). La delegación boliviana propuso también la suscripción de un Memorándum de Entendimiento entre ambos Estados para desarrollar un proyecto de intercambio y provisión de energía eléctrica.
Relaciones. Por otro lado, en la XII Reunión de Consulta y Diálogo Político entre Bolivia y Uruguay se acordaron acciones para la integración económica, física, de cooperación productiva y energética de ambos países.
El vicecanciller Alurralde destacó la ejecución de un programa de cooperación entre Bolivia y Uruguay para la transformación de la matriz productiva e industrialización. La autoridad dijo que es una iniciativa que muestra que “otra forma de cooperación es posible”.
Destacó además la suscripción de un contrato entre la empresa Envidrio de Uruguay y el Servicio de Desarrollo de las Empresas Públicas Productivas (Sedem) de Bolivia para la implementación de una empresa pública de envases de vidrio, a ser emplazada en la localidad de Villa Zudáñez de Chuquisaca. (La Razón – 20/08/2015)

Integración productiva es tema en la reunión de Coordinadores Nacionales del MERCOSUR
La reunión se llevó a cabo en la sede del Ministerio de Relaciones Exteriores.
En el marco de la Presidencia Pro Témpore paraguaya del MERCOSUR, se efectuó en el Salón de Actos del Palacio Benigno López, sede de la Cancillería Nacional, la Reunión de Coordinadores Nacionales del Mercado Común del Sur (MERCOSUR), para tratar sobre los temas de la agenda a desarrollar hasta el mes de diciembre del año en curso.
Esta actividad fue presidida por el Viceministro de Relaciones Económicas e Integración del Ministerio de Relaciones Exteriores, Embajador Rigoberto Gauto, quien es también el Coordinador Nacional del Grupo Mercado Común por Paraguay, y contó con la participación de los Coordinadores Nacionales de los Estados Partes del MERCOSUR: Carlos Bianco (Argentina); Otavio Brandelli (Brasil); Enrique Delgado Genta (Uruguay); Héctor Constant (Venezuela) y María Gabriela Orosco (Bolivia).
Los Coordinadores estuvieron acompañados por los Embajadores de sus respectivos países acreditados ante el Gobierno del Paraguay, a excepción de Brasil, teniendo en cuenta que el Embajador José Martíns Felicio estuvo en otras actividades junto al Ministro de Asuntos Estratégicos de su país, Roberto Mangabeira Unger.
Tras dar una cordial bienvenida a los Coordinadores Nacionales de los Estados Partes del MERCOSUR, al abrir la reunión de trabajo el Viceministro Gauto efectuó una exposición sobre los temas instalados para el debate, aclarando que los mismos son puntos que son de especial interés para el Paraguay, pero que las delegaciones pueden presentar sus propuestas para ir debatiendo en el desarrollo de la reunión.
En esta primera reunión de Coordinadores del GMC bajo la Presidencia Pro Témpore del Paraguay, el primer tema que se instalará en la agenda es el relativo a la aplicación del Artículo 1 del Tratado de Asunción, que se refiere a la “libre circulación de bienes, servicios y factores de producción”, que es no solamente un principio fundacional sino también un principio rector, sin cuyo cumplimiento ninguna integración es posible.
También está previsto el tratamiento del “fortalecimiento en el marco de la integración productiva”, que debe ser una prioridad en el MERCOSUR, “ya que solamente de esta manera podremos alcanzar las cotas de competitividad que el mundo requiere hoy día, y podremos no quedar desfasados de la globalización económica que se está desarrollando en todo el mundo”, enfatizó.
Se tiene el interés en tratar lo relativo al Fondo de Convergencia Estructural del MERCOSUR (FOCEM), “que en la Cumbre de Brasilia hemos dado un paso significativo al prorrogarlo por 10 años, y constituye sin duda uno de los instrumentos que tiene el bloque con un objetivo primordial que es luchar contras las asimetrías”.
Asimismo estará el capítulo de negociaciones externas, donde se dará énfasis especial al ámbito regional. “Tenemos ya un calendario de reuniones de las Comisiones Administradoras de los Acuerdos de Complementación Económica, y tenemos la intención de tomar contacto con los países miembros de la Alianza del Pacífico para corresponder a las dos reuniones que ellos organizaron con el MERCOSUR, con el objetivo de encontrar vías de complementación de trabajo conjunto en la integración con la Alianza del Pacífico”, acotó.
De igual manera, Gauto dejó constancia que se buscará fortalecer las instituciones vigentes en el MERCOSUR, como “por ejemplo, el Reglamento del Grupo Mercado Común vigente desde 1991, y el tema de “Solución de Controversias” se propondrá una revisión al sistema para hacerlo más eficiente y efectivo, de manera que las delegaciones y los particulares tengan en este mecanismo una forma de resolver las controversias sin entrar en zona de conflictos, dijo Gauto. (La Nación Paraguay – 20/08/2015)

Brasil busca insertarse en la red internacional de acuerdos comerciales
Monteiro asegura que el acuerdo UE-Mercosur depende de Brasil y Alemania
En el marco del Encuentro Nacional de Comercio Exterior (Enaex), realizado en Rio de Janeiro, el titular del MDIC, destacó los avances del Plan Nacional de Exportación (PNE) y el desarrollo del mapa estratégico, donde se priorizan 32 mercados para el comercio exterior de Brasil en el período 2015-2018.
Asimismo, Monteiro señaló “existe una gran posibilidad de actuar sin que el Mercosur represente una traba para las negociaciones brasileñas” con socios comerciales fuera del bloque.
En ese sentido, señaló la importancia de incrementar el rendimiento de Brasil en su comercio con América del Norte. “Con Estados Unidos, que es uno de los mercados más importantes del mundo, Brasil llevó adelante la negociación de acuerdos de convergencia de reglamentación y armonización de normas”.
Por otra parte, Monteiro se refirió a la ampliación del Acuerdo de Complementación Económica (ACE) Nro. 53 entre Brasil y México, y destacó el trabajo que se viene desarrollando con miras a la plena liberalización del comercio.
“Tras el inicio de la reanudación de las negociaciones las exportaciones de automóviles de Brasil a México han aumentado en un 70%”, aseguró el funcionario y agregó que Brasil negoció previsión de reducción de aranceles con los países que integran la Alianza del Pacífico, “lo que llevará al libre comercio de 2019 a 2017”.
UE-Mercosur
El ministro de Desarrollo, Industria y Comercio Exterior (MDICE), Armando Monteiro, aseguró que la finalización del acuerdo entre la Unión Europea y el Mercosur “depende fundamentalmente de Brasil y Alemania”.
A horas del inicio de la visita oficial de la presidenta Dilma Rousseff a Alemania, y su encuentro con Angela Merkel, el funcionario expresó que la reunión entre empresarios y la mandataria tuvo como tema central la posibilidad de iniciar las ofertas de intercambio entre el Mercosur y la Unión Europea.
En ese sentido, reiteró que “teniendo en cuenta la importancia de Alemania y, sobre todo, el acuerdo inminente, o por lo menos el intercambio de ofertas, el acuerdo UE-Mercosur depende fundamentalmente de dos socios, Brasil y Alemania”.(MarcoTrade News – 20/08/2015)

Tratado Mercosul - UE depende dos 2 países, diz Monteiro
BRASIL
Andréa Jubé
De Brasília
O acordo comercial entre Mercosul e União Européia depende, "fundamentalmente", do Brasil e da Alemanha, disse ontem o ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Armando Monteiro Neto, após participar de reunião com a presidente Dilma Rousseff e um grupo de 12 empresários brasileiros, um encontro preparatório para visita ao país da chanceler alemã Angela Merkel, que chegou ontem à noite em Brasília e foi recebida pela presidente Dilma com um jantar no Palácio da Alvorada.
"Pela importância da Alemanha, pelo iminente acordo Mercosul-União Européia, ou pelo menos com o inicio da troca de ofertas com a União Européia, esse acordo depende fundamentalmente de dois parceiros:o Brasil, pelo protagonismo que tem no Mercosul, e a Alemanha, pelo peso que tem na União Européia", afirmou o ministro.
Monteiro disse que a presidente Dilma não fez uma mensagem especial para renovar os pedidos de confiança e otimismo na retomada do crescimento, porque os acordos comerciais com a Alemanha são positivos por si só. "A nossa pauta foi tão densae toda conectada com a agenda de promoção econômica, que já era intrinsecamente uma pauta positiva e de confiança no país", afirmou.
Monteiro disse que os acordos com a Alemanha envolvem empresas brasileiras que já têm forte presença internacional, com enfoque nas áreas de serviços, infraestrutura, proteínas animais, setor siderúrgico e químico.
Participaram da reunião Benjamin Steinbruch, da CSN, Carlos Fadigas, da Braskem, Carlos Mariani, da PIN Petroquímica, Gunnar Nebelung e Waldemir Loto, daAmaggi, MarcoStefanini, da Stefanini, Paulo Tigre, daDHB, Pedro Faria, da BRF, Pedro Wongtschowski, da Ultrapar, Rubens Ometto, da Cosan, além de Ralph Lima Terra, da Abdib, e Ingo Plõger, do Conselho Empresarial da América Latina (Ceal) (Valor Econômico – 20/08/2015)

Mercosul passa por uma crise muito séria, diz ex-subsecretário dos EUA
DIEGO ZERBATO
DE SÃO PAULO
O ex-subsecretário de Estado dos EUA para a América Latina Arturo Valenzuela disse nesta quinta-feira (20) que o Mercosul passa por uma crise muito séria.
O professor da Univesidade Georgetown e funcionário dos governos Bill Clinton (1993-2001) e Barack Obama participou de palestra no Instituto Fernando Henrique Cardoso, em São Paulo.
Para ele, o bloco formado por Argentina, Brasil, Paraguai, Uruguai e Venezuela passa por relações internas e brigas entre os participantes que inviabilizam as relações comerciais e os acordos financeiros com outros parceiros.
"As relações internas entre os participantes são muito diferentes e as brigas internas prejudicam seu funcionamento. Dificilmente se avança [em uma integração] nestas condições."
O ex-subsecretário defendeu a retomada das relações dos Estados Unidos com Cuba, em dezembro último, como o fim de um dos últimos resquícios da Guerra Fria.
Ele afirmou que a discussão sobre a reabertura foi iniciada na década de 1990, durante o governo Bill Clinton, mas foi interrompida pela derrubada dos aviões da dissidência cubana pelo regime da ilha comunista, em 1996.
"Não era este o desejo do governo cubano. Na época, os radicais de Havana tinham uma simbiose com os mais radicais de Miami", disse, em referência à dissidência cubana que mora na cidade americana.
Sobre o Brasil, ele afirma que a relação com os EUA deveria ser mais próxima. "Nosso interesse é que o Brasil seja um país bem sucedido. Somos países muito afins, com valores muito compartilhados."
VENEZUELA
Assim como feito em entrevista para a Folha, Valenzuela voltou a defender a atuação de observadores internacionais nas eleições parlamentares na Venezuela, em 6 de dezembro. Como exemplo, citou a eleição mexicana de 1994.
"O México passou por oito recontagens, sendo três do IFE [Instituto Federal Eleitoral], mas o processo permitiu que o governo formado tivesse legitimidade e um reconhecimento mais sólido pela comunidade internacional."
Para Valenzuela, a mediação poderia ser feita por missões organizadas pela ONU (Organização das Nações Unidas) ou pela OEA (Organização dos Estados Americanos). Na sua opinião, esta deveria ser fortalecida pelos países-membros.
A participação do órgão panamericano em qualquer aspecto da crise venezuelana é rejeitada pelo presidente Nicolás Maduro. Em julho, o mandatário disse que a única função da OEA "é fazer golpes de Estado na região".
O venezuelano e seus aliados, como o equatoriano Rafael Correa e o boliviano Evo Morales, consideram a organização um grupo a serviço dos interesses de Washington. Para Valenzuela, porém, esta discussão está superada.
"Acabou a ideia de que a OEA seja o ministério de Colônias dos Estados Unidos. Ela concentra todos os tratados que existem na América e deveria ser fortalecida por seus países-membros."
Ainda sobre Venezuela, o ex-subsecretário considera que o governo Bush errou ao defender o golpe de Estado contra o presidente Hugo Chávez, em 2002. Isso, segundo ele, aumentou o sentimento antiamericano na região. (Folha de SP – 20/08/2015)

Ministros da Agricultura do Brasil e Alemanha alinham posições sobre acordo Mercosul-EU
Brasília – A ministra Kátia Abreu e o ministro federal de Alimentação e Agricultura da Alemanha, Christian Schmidt, alinharam nesta quinta-feira (20) suas posições em relação ao acordo de livre comércio entre Mercosul e União Europeia, que está em fase de negociação entre os blocos. A reunião dos dois ministros, que ocorreu na sede do Mapa, está no contexto da visita da chanceler alemã, Angela Merkel, ao Brasil.
Durante a reunião, a ministra afirmou que a Alemanha é um país “fundamental” na tomada de decisão sobre o acordo de livre comércio. Destacou que o governo brasileiro é “unânime” sobre a “importância e a força” que o país germânico dará à proposta. Schmidt, por sua vez, demonstrou ampla receptividade em estreitar as relações comerciais dos dois blocos.
Kátia Abreu prevê que, com a efetivação do tratado, as exportações do agronegócio brasileiro cresçam cerca de 20%. “Mas ainda se mantivéssemos apenas o que exportamos hoje, o que não vai ocorrer, teríamos o enorme benefício de acabar com os impostos. Hoje, temos tarifas muito altas nas exportações”, assinalou a ministra.
Schmidt disse que Mercosul e União Europeia devem estreitar suas relações comerciais e que a Alemanha pretende ser um parceiro “de igual para igual”. Ponderou que a competitividade entre determinados produtos é “natural”, mas destacou a importância de reduzir tarifas de exportações.
“Sabemos que comércio aberto significa competitividade. Concorrência é uma coisa que sempre vai existir, temos que achar uma maneira”, disse. “Queremos ser parceiros de igual importância, de igual para igual, e o segredo é a desoneração de taxas aduaneiras e outras taxações”, acrescentou o ministro alemão.
Acordo sanitário
A ministra pediu apoio do governo alemão ao acordo sanitário e fitossanitário apresentado pelo Mapa durante visita à sede da União Europeia, em maio. Pela proposta, Brasil e países membros do bloco europeu vão harmonizar normas de defesa agropecuária, conferindo maior agilidade aos trâmites comerciais.
Em setembro, os comissários europeus para Saúde e para Comércio virão ao Brasil para desenhar o acordo. “Isso não vai influir em taxas. Continuaremos com as mesmas, mas significa que harmonizaremos procedimentos documentais para exportação e importações”, explicou Kátia Abreu.
Schmidt apoiou o pleito brasileiro e disse que levará o assunto ao Ministério da Alimentação e Agricultura da Alemanha e a autoridades da União Europeia. “É importante buscarmos a simplificação nas regras e na legislação para que todos saibam do que se trata”, observou.
Ao reduzir a burocracia e harmonizar regras, o acordo sanitário poderá contribuir com o amplo tratado de livre comércio, disse Kátia Abreu. “Podemos quem sabe partir para um prelisting”, acrescentou a ministra, apontando que carne, frutas, suco de laranja e café poderiam entrar em um eventual prelisting.
Kátia Abreu disse ainda ao ministro alemão que espera que a União Europeia reconheça os estados de Rondônia, Tocantins e o Distrito Federal como zonas livres de febre aftosa – reconhecimento obtido da Organização Mundial de Saúde Animal (OIE) há 12 anos. “Esses estados fizeram um esforço imenso para erradicar a doença anos atrás e até hoje não foram reconhecidos, estando impedidos de exportar carne para o bloco.”
Kátia Abreu e Christian Schmidt demonstraram empenho recíproco em dar prosseguimos a outras questões, como cooperação em pesquisa por meio da Embrapa, parcerias em laboratórios de saúde animal e rotulagem. (Mapa – 20/08/2015)

Brasil e Alemanha assinam acordos de cooperação em inovação e integração produtiva
O ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Armando Monteiro, recebeu hoje comitiva alemã liderada pelo vice-ministro Matthias Machnig, responsável pelos departamentos de política industrial, política econômica externa, inovação, informática, política de comunicação e política para pequenas e médias empresas.
Monteiro e Machnig assinaram acordos de cooperação nas áreas de inovação e integração produtiva. O Brasil tem interesse em aprofundar o conhecimento quanto à visão alemã de quarta revolução industrial, ou seja, a integração produtiva aos sistemas de tecnologia da informação de ponta. Para isso, pretende trocar experiências em políticas públicas e apoiar parcerias entre empresas e institutos de pesquisa dos dois países.
Também foi assinada declaração de intenções em apoio à cooperação do INMETRO e os institutos de metrologia da Alemanha. Foi tratado ainda no encontro o lançamento de edital de primeira chamada no âmbito da Cooperação Bilateral em Pesquisa e Desenvolvimento Industrial Brasil - Alemanha para incentivar o desenvolvimento conjunto de projetos de P&D industrial.
Comércio
Para as exportações brasileiras, o mercado alemão é extremamente importante, posicionando-se como o maior importador de produtos brasileiros da indústria de transformação na região. A Alemanha é um dos 32 mercados prioritários do Plano Nacional de Exportações.
A Alemanha ocupou o 10º lugar no ranking do fluxo de entrada de investimentos em 2014. O estoque de investimento estrangeiro direto da Alemanha no Brasil é de US$ 18,2 bilhões, o maior na América Latina. (Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior – 20/08/2015)

Muito além do clima
Seria esperar demais que uma visita de menos de 24 horas da chanceler da Alemanha, Angela Merkel, produzisse avanços nas relações diplomáticas e comerciais de seu país com o Brasil.
Esse gênero de encontro serve mais para oficializar acordos já negociados – e eles indicam que a pauta entre a quarta e a sétima economia do mundo vai muito além da questão da mudança climática.
A Alemanha é o quinto principal destino dos produtos exportados pelo Brasil, com 2,9% de participação no período de janeiro a julho deste ano. Mas ela nos vende mais que compra há pelo menos uma década. Pior, nosso deficit era de US$ 1,12 bilhão em 2005 e fechou 2014 em US$ 7,2 bilhões.
A queda dos preços internacionais de commodities contribui para esse quadro. O Brasil embarca para a terra de Merkel principalmente bens de baixo valor agregado, como minério de ferro e café cru em grãos, e importa produtos elaborados, como medicamentos e componentes automotivos.
Dado esse cenário, é auspicioso que estejam na agenda acordos de inovação industrial e uma parceria sobre registro e certificação de produtos médicos. São áreas em que o Brasil tem muito a assimilar da excelência alemã – embora a cooperação técnica, sozinha, não possa conter a tendência de desindustrialização.
O governo Merkel acena, ademais, com recursos para projetos de mobilidade urbana e popularização de painéis solares fotovoltaicos (para gerar eletricidade). Eis aí outro campo em que a Alemanha se destaca no cenário mundial.
É uma das nações campeãs em energia renovável e limpa. Sua disseminação contribui para substituir combustíveis fósseis (petróleo, gás natural e carvão) e, assim, combater o aquecimento global.
Nos últimos anos, os alemães lograram chegar a 25,8% de fontes renováveis em sua matriz elétrica, com pouquíssima hidreletricidade (3,4% do total gerado). Seu forte está na energia eólica (8,6%), de biomassa (8%) e solar (5,8%).
O Brasil, em contraste, tem 69,2% de renováveis (59,8% de origem hídrica). Ainda engatinha em energias como a dos ventos (meros 2%) e solar (0,003%). Só se destaca na de bagaço de cana (5,2%).
Há grandes oportunidades para o Brasil nesse front. Na Alemanha, as fontes alternativas impulsionam novos setores industriais. Também sustentam a posição de vanguarda que o governo Merkel tem adotado nas negociações internacionais sobre mudança do clima.
A administração Dilma Rousseff (PT), entretanto, procede com timidez nessa seara. Acomodou-se sobre os louros conquistados com hidrelétricas e a redução do desmatamento. Em boa hora vem a insistência alemã em obter do Brasil posição mais avançada para a Conferência de Paris, em dezembro. (Folha de SP – 20/08/2015)

Mercosur puede entregar en octubre oferta a EU
Por EFE
RÍO DE JANEIRO. El Mercosur ha avanzado en sus negociaciones internas sobre la oferta que presentará a la Unión Europea (UE) para un acuerdo de libre comercio y está en condiciones de entregar su propuesta en octubre próximo.
Lo afirmó el ministro brasileño de Desarrollo, Industria y Comercio, Armando Monteiro. “Contamos firmemente con la posibilidad de iniciar el intercambio de ofertas este mismo año. El Mercosur puede presentar la suya en octubre”, aseguró el ministro en un pronunciamiento en el Encuentro Nacional de Comercio Exterior, inaugurado hoy en Río de Janeiro.
Según el ministro, las negociaciones internas del bloque sudamericano están próximas a un acuerdo sobre la oferta que será entregada al bloque europeo.
Las negociaciones entre los dos bloques comenzaron en 1999, pero se han estancado en varias oportunidades por diferencias en las áreas industriales y agrícolas y también, en los últimos tiempos, por la reticencia de Argentina a una mayor apertura comercial.
Pero las partes reanudaron los contactos en los últimos meses y acordaron entregar este año sus respectivas propuestas de productos y servicios que pueden incluir en el acuerdo.
Monteiro, que en los últimos meses ha defendido una reforma al Mercosur para que Brasil pueda negociar acuerdos de libre comercio con otros países sin depender de la voluntad de sus socios, dijo en la reunión de hoy con los exportadores brasileños que el bloque no es un obstáculo para avanzar en otros frentes.
Mencionó específicamente las negociaciones para aumentar el comercio con Estados Unidos. “Brasil no puede hacer su política de exportaciones sin una mirada fundamental al mercado estadounidense”, dijo.
Agregó que los principales obstáculos para acceder al mercado estadounidense no son arancelarios, que tan sólo pueden superarse con un acuerdo en conjunto con el Mercosur, sino las barreras no arancelarias, que Brasilia y Washington tratan de superar con acuerdos para armonizar las normas técnicas en algunos sectores.
Destacó también los acuerdos de facilitación del comercio con México, hacia donde se dirige buena parte de las exportaciones brasileñas, especialmente del sector de automóviles.
Según Monteiro, para aumentar el comercio con los países suramericanos con salida al Pacífico, específicamente Colombia, Chile y Perú, Brasil está negociando adelantar la entrada en vigor de los acuerdos de reducción arancelaria prevista para 2019 a 2017.
El ministro aseguró que las empresas brasileñas ya comenzaron a beneficiarse de la devaluación del real frente al dólar, que en lo que va de año supera el 30%.
En los últimos días sobrepasó la barrera simbólica de los 3,50 reales, la mayor cotización desde marzo de 2003.
Según el ministro, esa depreciación elevó la competitividad de las exportaciones brasileñas, pero los exportadores, sin embargo, alegaron hoy que con eso no basta para resolver sus problemas y es necesario adoptar medidas que reduzcan el costo de producción en Brasil y mejoren la competitividad del país en el exterior.
Según el presidente de la Asociación de Exportadores Brasileños (AEB), José Augusto de Castro, Brasil necesita de reformas estructurales para reducir los elevados costos de logística y tributarios que encarecen la producción y que están reduciendo la competitividad en el exterior.
El presidente de la AEB aseguró que la participación de Brasil en el comercio exterior mundial va a ser este año de un 1,0%, cuando en 2012 era de un 1,43%. (ABC Color – 19/08/2015)

Jefe de UE señala interés en concretar negociaciones con el Mercosur
El Jefe de la Delegación de la Unión Europea en Paraguay, Alessandro Palmero, expresó su interés en concluir negociaciones con el Mercosur. y reconoció “un interés directo”. “Nuestra prioridad continúa siendo concluir este acuerdo comercial, político y de cooperación”, aseguró.
El jefe de la Delegación de la Unión Europea en Paraguay fue recibido en audiencia por el ministro de Relaciones Exteriores, Eladio Loizaga, en la sede de la Cancillería paraguaya, para conversar sobre las relaciones bilaterales, para tratar programas futuros y evaluar los proyectos que se estan realizando actualmente.
Consultado sobre su expectativa con respecto a la Presidencia Pro Témpore paraguaya del Mercosur, el jefe de la Delegación de la UE manifestó que “Paraguay siempre ha sido muy favorable en la conclusión de este acuerdo de la Unión Europea-Mercosur, nosotros tenemos un interés directo, nuestra prioridad continua siendo concluir este acuerdo comercial, político y de cooperación”.
Agregó que comparte el interés de Paraguay en concluir las negociaciones que se vienen realizando. “La postura paraguaya siempre ha sido muy positiva en la necesidad de concluir estas negociaciones, y contamos mucho con su liderazgo en estos próximos meses”, señaló.
Recordó que en ocasión de la Cumbre Unión Europea-Celac, que se realizó en junio pasado en Bélgica, los Cancilleres del Mercosur mantuvieron una reunión con la Comisaria Europea de Comercio, Anna Cecilia Malmström, donde han decidido avanzar con un intercambio de ofertas rápidamente. “Posiblemente a finales de año, puesto que ese fue un hecho importante que reanudó todo el entusiasmo que tenemos, todos estamos trabajando, del lado Mercosur y del lado de la Unión Europea para que se concrete ese acuerdo”.
Postura sobre demanda
Por su parte, el ministro Loizaga informó que le hizo entrega al Embajador Palmero del comunicado del Gobierno Nacional, con relación a la demanda que instaló la empresa italiana SACE contra Paraguay ante la Justicia de los Estados Unidos de América, para el pago de 80 millones de dólares, reclamado en el caso Gramont Berres.
“Le hice entrega del comunicado porque el Paraguay está en ejercicio de la Presidencia Pro Témpore del MERCOSUR, y tenemos que iniciar negociaciones este año con la Unión Europea, en el marco de un Acuerdo de Libre Comercio, y lógicamente yo quisiera que ellos escuchen la voz del Estado paraguayo, sobre una estafa que se hizo con la SACE. Le señalé que nosotros no les estamos pidiendo nada, pero que sí sepan la versión paraguaya de lo que pasó, porque los tres Poderes del Estado, en el 2005, manifestaron que el Estado paraguayo no debe pagar ese reclamo, en aquel entonces, de los bancos. Y ahora la SACE se subrogó los derechos de los bancos, porque pagó esa garantía y hoy nos demanda, a pesar que existen directivos de la SACE que fueron demandados por la propia SACE por este acto delictuoso”, dijo Loizaga. (La Nación Paraguay – 19/08/2015)

Angela Merkel chega ao Brasil para fechar acordos com Governo Dilma
Na pauta da alemã e da brasileira estão temas como cibersegurança e meio ambiente
Afonso Benites
A chanceler alemã Angela Merkel desembarcou no Brasil na noite desta quarta-feira com um grupo de 12 ministros e vice-ministros para uma visita relâmpago à presidenta Dilma Rousseff. Na pauta do encontro, uma série de acordos entre os dois países, em áreas como ciência, meio ambiente, além de mobilidade. As duas mandatárias, que já foram vítimas de espionagem da agência de segurança dos Estados Unidos (NSA, na sigla em inglês), discutirão também segurança cibernética, um assunto que já chegou à Organização das Nações Unidas (ONU) por pressão de ambas.
O encontro entre Rousseff e Merkel ocorre em um momento delicado para os dois países, ainda que em diferentes proporções. O Brasil enfrenta uma crise política e econômica e a Alemanha é a principal liderança da União Europeia que negocia uma saída para a crise da Grécia. Mesmo assim, nenhuma das partes cogitou cancelar ou adiar o evento. “Se [os alemães] não acreditassem neste Governo não estariam vindo ao Brasil”, afirmou o embaixador Biato Junior.
O tema central da visita, que vai durar menos de 24 horas, é afinar os compromissos sobre a mudança climática, levando em conta a 21ª Conferência das Partes da Convenção-Quadro sobre mudança do Clima (COP-21), que ocorrerá no final do ano na França. Na manhã de quinta, as duas deverão fazer um pronunciamento conjunto sobre o assunto.
Mas, os exportadores brasileiros alimentam a esperança de que seja dado um passo adiante nas conversações sobre o acordo comercial entre o Mercosul e a União Europeia, que vem sendo costurado há anos. Em junho do ano passado, o Mercosul consolidou sua oferta, mas a Europa não se manifestou. Este ano, durante a cúpula da Comunidade de Estados Latinoamericanos e Caribenhos (Celac) e da União Europeia, em Bruxelas, as discussões foram retomadas com o compromisso de que ofertas sejam colocadas na mesa ainda este ano. “Os dois blocos se preparam para apresentar as suas propostas oficialmente no último trimestre do ano”, afirma Renata Amaral, especialista em comércio internacional da Barral MJorge.
O Governo brasileiro deve aproveitar o momento para vender as oportunidades de negócios no Brasil. Rousseff quer atrair investidores alemães a entrar nos projetos de concessões do plano bilionário de infraestrutura, anunciada no dia 9 de junho. O plano representa uma janela para sair da crise econômica em que se encontra o Brasil e mantém a popularidade da presidenta no chão.
Nesse quesito, quando se compara o apoio popular das duas líderes, que estão na lista das mulheres mais poderosas do mundo, segundo a revista Forbes – Merkel em primeiro lugar, e Rousseff em sétimo, depois de estar em quarto em 2013 – se encontram em momentos muito diferentes. Enquanto a brasileira sobrevive com 8% de apoio da população, a chanceler alemã mantém em alta a aprovação a seu governo, segundo o Politbalometer, tradicional termômetro da vida política alemã.
A visita da chanceler é a primeira de uma série que deve ocorrer a cada dois anos dentro de um mecanismo denominado Consultas de Alto Nível Brasil-Alemanha. Trata-se de um status diferenciado garantido pelos alemães a apenas sete países, incluindo Espanha, França, China e Índia. Em 2017, é a vez da presidenta brasileira ir a Berlim.
Merkel janta com Rousseff ainda hoje. Nesta quinta, assinam uma sério de memorando de entendimentos, uma espécie de protocolo de interesses em negócios. Se forem concretizados, representariam uma troca financeira de até 500 milhões de dólares, um número simbólico, levando em conta que se tratam da quarta e da sétima economia do mundo. O comércio bilateral Brasil-Alemanha atualmente movimenta 20,4 bilhões de reais anuais. E os alemães são o principal parceiro comercial brasileiro no continente europeu. (Colaborou Carla Jimenez) (El Pais – 19/08/2015)

Mejor sin Mercosur
Mientras los delegados del Mercosur analizan desde ayer en Asunción las posibles ofertas de productos para avanzar en las negociaciones de un acuerdo de libre comercio con la Unión Europea (UE), empresarios industriales brasileños no parecen tener muchas ganas que el bloque aduanero siga con vida. "Si fuera por ellos, el Mercosur deja de existir", dijo un ex diplomático brasileño a El Cronista. (El Cronista – 19/08/2015)

Mercosul pode levar proposta de acordo à UE em outubro, diz Armando Monteiro
O Mercosul pode levar uma proposta de acordo bilateral com a União Europeia ao Comissariado Europeu em outubro, disse o ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Armando Monteiro.
Para ele, as discussões internas do bloco estão muito perto de chegar à oferta que será apresentada: "Contamos firmemente com a possibilidade de iniciar a troca de ofertas do Mercosul-União Europeia ainda neste ano". Em outubro, será possível apresentar a parte do Mercosul, acrescentou.
Monteiro disse ainda que o Mercosul não é um obstáculo que inviabiliza outros acordos e citou os Estados Unidos, afirmando que "o Brasil não pode fazer sua política de exportações sem ter um olhar fundamental para o mercado americano".
Ele observou que atualmente os principais problemas de acesso ao mercado americano são não tarifários e que ações como a harmonização de normas técnicas em alguns setores estão enfrentando esse problema.
A relação com o México também foi destacada pelo ministro, que considera bom o desempenho das exportações brasileiras para o país no setor automotivo.
Países da América do Sul com saída para o Pacífico, como a Colômbia, o Chile e o Peru, devem ter uma antecipação do acordo de degravação tarifária de 2019 para 2017, facilitando o comércio. "Temos amplas condições de, até 2017, ver totalmente desgravado o nosso comércio com esses países".
Monteiro reafirmou que o governo tem o compromisso de manter e recompor o Reintegra em um horizonte de três anos. O programa devolve um percentual do valor de produtos industrializados exportados em forma de crédito tributário e teve uma redução desse percentual de 3% para 1% por causa do ajuste econômico.
"Essa indicação é muito importante para dar ao exportador a previsibilidade necessária. É importante na formação dos preços".
Sobre o Programa de Financiamento à Exportação (Proex), o ministro disse que o orçamento será capaz de cobrir todas as necessidades que forem mapeadas nos setores demandantes deste ano". "O Brasil precisa oferecer condições de financiamento equiparadas com os nossos concorrentes".
Com a crise econômica, que não considera a pior do período de estabilidade econômica, Monteiro afirma que o momento é de "fazer o dever de casa", com o enfrentamento de problemas estruturais: "O Brasil tem que se voltar para o seu verdadeiro desafio", disse ele, que reconheceu que parte dos problemas foi negligenciada com a conjuntura favorável dos últimos anos. (Agência Brasil – 19/08/2015)

Monteiro: Queremos inserir o Brasil na rede internacional de acordos comerciais e de investimentos
Rio de Janeiro (19 de agosto) - O ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Armando Monteiro, participou hoje do Encontro Nacional do Comércio Exterior (Enaex), no Rio de Janeiro. Em seu discurso de abertura, Monteiro destacou as premissas do Plano Nacional de Exportações (PNE), lançado em junho pelo governo federal.
"Dois importantes pilares do plano são o de acesso a mercados e também o de promoção comercial", disse ressaltando a elaboração, em conjunto com a Apex-Brasil, de um mapa estratégico que identifica os 32 mercados prioritários para o comércio exterior brasileiro no período 2015-2018.
No encontro, o ministro também falou sobre as relações comerciais com o Mercosul. “Trabalhamos muito bem com os parceiros do Mercosul”, disse o ministro destacando que o MDIC trabalha com o marco regulatório existente e “que quaisquer alterações no Bloco devem ser ponto de discussão no Congresso Nacional”. Monteiro reiterou que desde que assumiu a pasta, percebeu que há uma ampla possibilidade de atuação sem que o Mercosul represente uma trava para as negociações brasileiras.
Monteiro acredita que também é importante aumentar a atuação do Brasil na América do Norte. “Com os Estados Unidos, que é um dos mais importantes mercados do mundo, o Brasil vem negociando acordos de convergência regulatória e harmonização de normas.”
Em relação ao México, o ministro citou a ampliação do Acordo de Complementação Econômica (ACE) nº 53. "Estamos trabalhando para a liberação integral do comércio, com a segunda maior economia da América Latina". Ele explicou que o acordo, inicialmente, deverá cobrir uma gama de quatro mil itens. Após o início da retomada das negociações, segundo o ministro, as exportações brasileiras de automóveis para o México já aumentaram 70%.
Armando ainda citou as negociações com países da Baía do Pacífico - Peru, Colômbia e Chile -, com os quais o Brasil tem negociado a antecipação da desgravação tarifária, que culminará no livre comércio, de 2019 para 2017. "São mercados muito relevantes. O Brasil já teve 20% do mercado de automóveis da Colômbia e perdeu participação. Precisamos nos voltar para esses mercados". Essas negociações são feitas no âmbito do Mercosul, ressaltou o ministro.
Desde o início do ano, o Brasil já assinou quatro Acordos de Cooperação e Facilitação de Investimentos com Moçambique, Angola, Maláui e México. "Os acordos vão garantir um marco regulatório mais seguro para as empresas brasileiras que atuam nesses países", disse.
Apoio e fomento às exportações
ministro também destacou a importância dos instrumentos de apoio e fomento às exportações como o Reintegra, que precisa ter os pagamentos regularizados, e o Proex Equalização, cujas operações já foram retomadas pelo Banco do Brasil e pelo Comitê de Financiamento e Garantia das Exportações (Cofig). "O Proex é um instrumento importantíssimo para os exportadores. Para este ano nós acreditamos que o orçamento estará adequado à demanda", disse. Monteiro ressaltou o aumento dos limites do Fundo de Garantia à Exportação (FGE), ampliando a cobertura do fundo.
Sobre os regimes tributários drawback e de Entreposto Industrial sob Controle Aduaneiro Informatizado (Recof), Monteiro reiterou que são muito importantes precisam ser aperfeiçoados.
O governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezao, ressaltou que com o PNE as exportações ganham papel importante nas unidades da federação. "No Rio de Janeiro, às exportações vem crescendo desde 2004. O estado era o quinto exportador em 2004 e hoje é o terceiro. Nossa intenção é manter este ambiente e incentivar ainda mais as exportações", disse.
O ministro da Fazenda, Joaquim Levy, fez um pronunciamento após a cerimonia de abertura do evento. Para ele, o momento pelo qual o país passa é ideal para olhar os itens estruturais e fundamentais. "Temos uma política monetária e cambial realistas, condizente com uma economia de livre iniciativa", disse. "Percebemos que a conta corrente começa a se equilibrar e já registramos superávit na balança comercial".
Levy também destacou a importância da parceria com o MDIC. "Trabalhamos no aperfeiçoamento do Proex, que nunca teve bases tão sólidas como agora, é também na ampliação da alavancagem o do FGE, melhorando as ferramentas de apoio ao exportador", completou.
Também estiveram presentes no primeiro dia do Enaex o vice-governador do Rio de Janeiro, Francisco Dornelles; o ministro-chefe da Secretaria Especial de Portos, Edinho Araújo; o presidente da Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil), David Barioni; o presidente da Associação Brasileira de Comércio Exterior (AEB), José Augusto de Castro; o presidente da Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan), Eduardo Eugênio Gouveia Vieira; além de Benedicto Fonseca Moreira e Ernane Galvêas, a quem o ministro Armando Monteiro chamou de "a boa guarda do comércio exterior", pelos longos anos de atuação no setor. (MDIC – 19/08/2015)

Monteiro: Acordo Mercosul - União Europeia depende fundamentalmente de Brasil e Alemanha
Brasília (19 de agosto) - O ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Armando Monteiro, afirmou hoje que a conclusão do acordo Mercosul-União Europeia depende fundamentalmente de Brasil e Alemanha. Monteiro participou de reunião no Palácio do Planalto com a presidenta Dilma Rousseff e empresários. Segundo o ministro, “o tema central foi a perspectiva de iniciar a troca de ofertas entre o Mercosul e a União Europeia”.
“Pela importância da Alemanha e, sobretudo, pelo iminente acordo, ou pelo menos o início da troca de ofertas com a União Europeia, eu diria que esse acordo Mercosul-União Europeia depende fundamentalmente de dois parceiros, o Brasil, pelo protagonismo no Mercosul, e a Alemanha, pelo extraordinário peso que a economia alemã tem na União Europeia”, disse.
O ministro explicou ser importante realizar “reuniões preparatórias para que os encontros na agenda oficial possam resultar em ganhos para o país”. Um jantar de trabalho com a chanceler da República Federal da Alemanha, Angela Merkel, no Palácio da Alvorada, dará início à visita oficial ao Brasil.
Nesta quinta-feira (20), Dilma Rousseff se reúne com Angela Merkel no Palácio do Planalto. Armando Monteiro participa de reunião bilateral com o vice-ministro da Economia e Energia da Alemanha, Matthias Machnig.
Também participaram da reunião os ministros Aloizio Mercadante (Casa Civil), Joaquim Levy (Fazenda), Katia Abreu (MAPA), Mauro Vieira (Relações Exteriores) e Nelson Barbosa (Planejamento). Do setor produtivo estiveram presentes Benjamin Steinbruch (CSN), Carlos Fadigas (Braskem), Carlos Mariani (PIN Petroquímica), Gunnar Nebelung e Waldemir Loto (AMAGGI), Ingo Plöger (Conselho Empresarial da América Latina), Marco Stefanini (Stefanini), Paulo Tigre (DHB Indústria e Comércio LTDA), Pedro Faria (BRF), Pedro Wongtschowski (Ultrapar), Ralph Lima Terra (ABDIB), Rubens Ometto (COSAN). (MDIC – 19/08/2015)

Paraguay ratifica su compromiso con Mercosur, pero más abierto al comercio
Paraguay reiteró por boca de su ministro de Industria y Comercio, Gustavo Leite, el compromiso del país con el Mercosur al abrir la ronda de negociaciones de delegados en Asunción para completar la lista de propuestas a intercambiar con la Unión Europea hacia fines de año.
“Creo que el camino del Paraguay es con un Mercosur más fuerte, más unido, más ligado al libre comercio entre los socios”, señaló Leite
“Hoy el Mercosur está vivo y el Paraguay tiene la presidencia pro tempore, el presidente (Horacio) Cartes ha sido claro al respecto en la última cumbre”
“Creo que el camino del Paraguay es con un Mercosur más fuerte, más unido, más ligado al libre comercio entre los socios, más abierto en negociar en bloque”, señaló Leite, quien reveló que en la última Cumbre del grupo, donde Paraguay asume la presidencia pro témpore, se obtuvo el compromiso político de los presidentes de Argentina, Brasil, Uruguay y Venezuela de avanzar hacia un acuerdo de complementación económica que luego llegue a un acuerdo de libre comercio con la Unión Europea.
“Entonces todo lo que uno hable por fuera de eso son opiniones o intenciones”, dijo.
“Hoy el Mercosur está vivo y el Paraguay tiene la presidencia pro tempore, el presidente (Horacio) Cartes ha sido claro en la última cumbre, Paraguay quiere un Mercosur sin trabas, integrado y abierto al mundo en donde primen de vuelta resoluciones para el bienestar de los residentes en el Mercosur”, manifestó el titular del Ministerio de Industria y Comercio (MIC).
Asimismo, destacó la economía “muy abierta” de Paraguay e insistió en que “nuestro principal mercado es Brasil y nuestro segundo principal mercado es Argentina y nuestro tercer principal mercado será Europa en este nuestro despegue industrial“.
“Creo que el camino del Paraguay es con un Mercosur más fuerte, más unido, más ligado al libre comercio y más abierto en negociar en bloque, porque el mundo hoy negocia en bloque”.
El ministro Leite resaltó que Paraguay por si sólo no podría tener la fuerza de negociación que tiene dentro del Mercosur, pero ”si admitimos y lo saben todos que el Mercosur estuvo dormido un tiempo importante y eso no benefició a nadie, tal vez ese sea el gran aporte que hace la presidencia paraguaya”.
El presidente Cartes en la última cumbre dijo: 'vamos a sacarnos estas telarañas y vamos a pensar en un Mercosur que le beneficie a nuestra gente', finalizó diciendo el ministro. (MercoPress – 19/08/2015)

Larrañaga pide más libertad de acción en el Mercosur
El senador nacionalista Jorge Larrañaga planteó ayer al ministro de Relaciones Exteriores, Rodolfo Nin Novoa, que se convoque al Consejo Nacional de Economía (previsto en la Constitución) para que recomiende al gobierno líneas para diseñar una "Agenda de Inserción Comercial Internacional a mediano y largo plazo".
Larrañaga sostuvo tras el encuentro que "el comercio exterior y la inversión son claves para avanzar en materia socioeconómica" y que "más comercio es más trabajo y más trabajo es más bienestar para la población".
Larrañaga había pedido ser recibido por el canciller luego de que el presidente del senado de Brasil, Renán Calheiros, propusiera quitarle al Mercosur su carácter de unión aduanera para que ese país pudiera negociar con libertad acuerdos comerciales. El senador blanco se mostró partidario de "un regionalismo abierto" y señaló que se necesita "un Mercosur comercial que sirva como plataforma para acceder a nuevos mercados". Un incremento de las exportaciones permitiría mitigar una situación caracterizada por un mayor pesimismo y menos confianza de los inversores "al empeorar claramente el clima de negocios en la región y en nuestro país", dijo Larrañaga, que estuvo acompañado en la reunión por el director nacionalista del Banco Central, Washington Ribeiro.
"Tenemos que actuar en bloque. Tenemos que tener un sinceramiento del Mercosur. Tenemos que buscar un tratado de libre comercio con la Unión Europea. Hay que procurar tomar todos los barcos porque en ellos va el destino y suerte del país. Estamos apoyando todo proceso de integración, el mundo se mueve en bloques, nosotros no podemos movernos en un barquito de papel mientras todos los países andan en un transatlántico. Esa es la realidad", sentenció Larrañaga.
El senador opinó también que "la integración plena a la Alianza del Pacífico nos puede permitir no solo ampliar nuestras opciones comerciales sino también a través del TPP (Acuerdo de Integración a nivel del Pacífico) alcanzar un Tratado de Libre Comercio con Estados Unidos en una segunda ronda de negociaciones". Y fue crítico con el Mercosur que "hoy nos impide tal alternativa". Aunque el gobierno de Brasil descartó la propuesta de Calheiros, Larrañaga considera que, de todas formas, se suscitó un debate interesante que "nos permite poner sobre la mesa de negociación la posibilidad de que los países miembros en forma individual celebren acuerdos o bien se integren a acuerdos comerciales multilaterales ya existentes". El Mercosur no ha logrado en los últimos años acuerdos comerciales relevantes. Con el apoyo uruguayo, Brasil impulsa un acuerdo de libre comercio con la Unión Europea. Esta previsto que el Mercosur y ese bloque intercambien ofertas este año.
Larrañaga enfatizó a Nin Novoa la necesidad de delinear medidas para relanzar las relaciones con Argentina y Brasil ya que hacia estos países va entre un cuarto y un tercio de las exportaciones uruguayas. Advirtió que Argentina está en una fase proteccionista y que Uruguay debe tener planes para la posibilidad de que Brasil opte por abandonar el Mercosur, aunque esa alternativa fue descartada por el gobierno de ese país la semana pasada. (El Pais Uruguay – 19/08/2015)

Mercosur trata en Asunción agenda hacia acuerdo con EU
Asunción, 19 ago (PL) Los coordinadores nacionales de los países del Mercado Común del Sur (Mercosur) efectuarán hoy en esta capital un encuentro para tratar sobre la agenda a desarrollar hasta diciembre próximo.
Esta se centra en fijar líneas de trabajo para las tratativas hacia un acuerdo de libre comercio con la Unión Europea (UE).
En la más reciente Cumbre del bloque hubo consenso en el compromiso político de los mandatarios de Argentina, Brasil, Uruguay, Venezuela y Paraguay de avanzar hacia un acuerdo de complementación económica que luego lleve al mencionado convenio con la UE.
Previamente, el martes, se realizó la denominada Reunión Técnica Intra-Mercosur sobre relacionamiento externo, en el ámbito del ejercicio de la presidencia pro témpore paraguaya asumida en Brasilia el mes pasado en la Cumbre.
En esa ocasión, el viceministro de Relaciones Económicas e Integración de la Cancillería, Rigoberto Gauto, expresó el deseo de Paraguay de que se pueda dar un paso determinante para llegar a un entendimiento con la UE y avanzar en las negociaciones con vistas al establecimiento del Acuerdo Birregional de Libre Comercio.
Recordó Gauto el comunicado conjunto adoptado en Bruselas recientemente por los cancilleres de las naciones del Mercosur y la UE, mediante el cual establecieron el compromiso de que las ofertas pudieran ser intercambiadas en el último trimestre de 2015 siempre y cuando se cumplan las condiciones fijadas.
La oferta ya está preparada como para invitar a los representantes de la Unión Europea a visitar Asunción en septiembre, con vistas a continuar la evaluación de los ofrecimientos y hacer recomendaciones a los ministros, como fue acordado en Bruselas, explicó el vicecanciller.
Dicha oferta del Mercosur sobre bienes, servicios, inversiones y compras no se ha podido intercambiar pues los europeos esperan para finalizar un proceso de consultas internas en el seno de la UE y entregar sus propuestas.
Al anunciar este lunes la reunión de coordinadores, el canciller paraguayo, Eladio Loizaga, reconoció las dificultades existentes en lo interno del Mercosur, las mismas de cualquier proceso de integración.
Reafirmó que objetivos del bloque son que fluya libre la circulación de bienes, en igualdad de condiciones, y el levantamiento de todas las barreras no arancelarias, en lo cual también trabajarán los asistentes a este encuentro.
También el lunes, el ministro de Industria y Comercio, Gustavo Leite, afirmó en declaraciones a una radio local que el camino de Paraguay es con un Mercosur más fuerte, más unido, más ligado al libre comercio entre los socios, más abierto en negociar en bloque. (Prensa Latina – 19/08/2015)

Novos acordos poderiam reverter baixa no comércio
ESPECIAL BRASIL – ALEMANHA
Balança comercial Previsão do MDIC é fechar 2015 com fluxo 10% menor
Guilherme Meirelles
Para o Valor, de São Paulo
Diversificar a pauta de produtos da balança comercial por meio de novos acordos que incluam investimentos em ciência, tecnologia e infraestrutura e, dessa forma, buscar reverter o processo de queda que vem ocorrendo nos últimos meses. É com esse horizonte que a chanceler Angela Merkel desembarca no Brasil, acompanhada de uma comitiva de empresários.
Após um período de aquecimento iniciado na década passada, que culminou em um fluxo de comércio recorde de US$ 24,2 bilhões em 2011, as relações comerciais entre Brasil e Alemanha passam hoje por um momento de baixa. Os dados acumulados até julho apontam umvolume de exportações de US$ 3,259 bilhões, com queda de 12,96% em comparação ao mesmo período de 2014. Já as importações ficaram em US$ 6,439 bilhões, 22,62% menos.
Com base nestas parciais, a expectativa do próprio Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC) é fechar 2015 com uma corrente de comércio entre 10% e 13% aquém do obtido em 2014, que ficou em US$ 20,470 bilhões.
Segundo Herlon Brandão, diretor do departamento de estatística do MDIC, apesar de a Alemanha ser o quarto maior parceiro comercial do Brasil (atrás da China, EUA e Argentina), com participação de 4,39%, a atual pauta de bens é extremamente vulnerável às conjunturas de mercado e variações cambiais.
Do lado brasileiro, os enviostêm sido basicamente de commodities, que foram afetadas pela baixa de preços no mercado internacional. Em 2014, por exemplo, os principais itens foram café em grão (19,5%), resíduos de soja (12,1%), minério de ferro (10,1 %) e cobre (7,6%).
No mesmo período, as importações alemãs foram basicamente de bens de alto valor agregado, como máquinas (26%), veículos (12,9%), produtos farmacêuticos (11%) e químicos (9,8%), cujo decréscimo tem se dado em função da baixa atividade econômica, principalmente do setor industrial. "O momento atual é propício para que ambas as partes busquem novos nichos de mercado e ampliem suas listas de mercadorias", diz.
Uma das soluções propostas pelo MDIC é estimular a participação brasileira em eventos no exterior e investir em produtos consolidados em outros mercados, como carne bovina e suína, moda, itens para construção e até mesmo máquinas agrícolas. Por outro lado, diz Brandão, há espaço no Brasil para equipamentos de ponta em setores como espacial e automotivo, quepodem gerar mais competitividade à indústria nacional.
Durante o encontro previsto entre a chanceler Angela Merkel e a presidente Dilma Rousseff, em Brasília, representantes da Câmara Brasil-Alemanha deverão apresentar quatro propostas aprovadas por um grupo de executivos ligados à entidade. "Passamos um primeiro semestre difícil, mas a expectativa é que a situação comece a melhorar a partir de 2016, principalmente se houver a adoção das medidas necessárias e a inserção de sugestões políticas e econômicas que favoreçam a economia", afirma Wolfram Anders, presidente da Câmara Brasil-Alemanha (AHK-SP).
Uma das propostas, lançada por Besaliel Botelho, presidente da Robert Bosch América Latina, defende a implementação de um modelo de proteção ao emprego, já experimentando em tempos de crise na Alemanha, que estipula a redução da jornada de trabalho e do salário por tempo determinado.
Também existe a expectativa quanto ao próximo encontro do Mercosul, que irá formular uma nova lista de produtos a serem negociados em bloco com a União Europeia. Para que as negociações prosperem, é preciso que haja consenso entre os líderes dos cinco países, situação que preocupa o economista Otto Nogami, professor do MBA do Insper. Ele atribui o momento atual aos equívocos da política externa brasileira. "Faltou diálogo e perdemos espaço para países como a Austrália, índia e Vietnã", diz. (Valor Econômico – 19/08/2015)

Afinan oferta comercial Mercosur-Unión Europea
Los coordinadores nacionales de los países miembros del Mercosur se reunirán hoy en Asunción para negociar la presentación ante la Unión Europea (UE) en las tratativas para un acuerdo comercial. La reunión estará presidida por el diplomático Rigoberto Gauto, coordinador paraguayo en el Mercosur.
El Paraguay ejerce este semestre (julio a diciembre) la presidencia pro témpore del bloque y en su mandato se espera una definición para culminar “exitosamente” las negociaciones tendientes a la firma de un Acuerdo de Asociación entre Mercosur y la UE. El diálogo birregional se inició en 1999 y ahora al parecer ambos bloques presentarán sus ofertas antes de fin de año.
Consultado sobre la reunión que se realizará en la Cancillería nacional, el ministro de Relaciones Exteriores, Eladio Loizaga, señaló ayer que los países participantes de las negociaciones (Brasil, Argentina, Uruguay y Paraguay) “tienen que ir todos juntos”, porque lo que se negocia “es el mercado ampliado”.
Consultado qué será tema de discusión en la reunión, dijo que existen productos sensibles que tienen que ser negociados, como la compra gubernamental, productos agrícolas, que es muy importante para Paraguay, así como la carne. Indicó, además, que para los europeos los bienes industriales son fundamentales. “Es una cuestión que tiene que ser medida en su real dimensión”, declaró el ministro de RR.EE. (ABC Color – 18/08/2015)

Hubo sesión del Parlasur que defendió su rol y al gobierno de Dilma Rousseff
Economía y política
Los actuales diputados del Mercosur se reunieron en Montevideo. Sólo Paraguay los eligió por voto directo mientras Argentina lo hará en octubre
por EL CRONISTA
Mientras Argentina se encamina a convertirse en el segundo país en elegir a los diputados del Mercosur por voto directo, ayer se reunió el Parlasur en Montevideo y, entre las resoluciones más importantes, se aprobó un apoyo a los gobiernos democráticos en el bloque tras protestas en Brasil. En paralelo y mientras se oyen voces en contra de este cuerpo y su integración, en Argentina y en Brasil por ejemplo, el diputado brasileño por el Partido de los Trabajadores (PT) señaló que "el Mercosur no es un fracaso porque aumentó el comercio interbloque" y en una firme defensa del cuerpo indicó también que "la solución no es menos Mercosur sino más Mercosur" al tiempo que reivindicó que los países miembros "somos más fuertes que cuando llegamos". En la misma línea se expresaron el formoseño José Mayans, del FpV, quien apuntó al fortalecimiento e integración. Daniel Caggiani, de Uruguay, pidió incluso que se el Parlasur se reúna con más frecuencia (debería ocurrir una vez al mes pero suelen espaciarse más las sesiones) y pidió trabajar "en resolver los problemas de la gente y menos para las cadenas hoteleras". También enumeró algunos de los temas a abordar en la región como la deuda social, la defensa de los recursos naturales y la desigualdad.
En la 23a sesión del Parlasur, en su sede uruguaya, los representantes de Argentina, Brasil, Venezuela, Uruguay, Bolivia y Paraguay aprobaron por amplia mayoría una declaración en apoyo a los gobiernos democráticos de la región y exhortó a "respetar la voluntad popular en las urnas", un día después de la manifestación contra el gobierno brasilero de Dilma Rousseff.
Con contundentes discursos que apuntaron a sectores económicos, los diputados parlamentarios reclamaron "la defensa de los gobiernos democráticos".
Por Argentina participaron entre otros Mayans, Guillermo Carmona, Jorge Landau, Andrés Larroque por el FpV; el rabino y senador Sergio Bergman por el PRO; Alberto Assef por el Frente Renovador y los radicales Agustín Pórtela, Oscar Castillo y Ángel Rozas.
Hasta el 9 de diciembre, diputados y senadores de todos los bloques, designados por sus pares, ocuparán las bancas en el Parlasur que luego se distribuirán según el resultado electoral a nivel nacional y por distritos en las generales de octubre. Además de la sesión, hubo reuniones paralelas (Cronista – 18/08/2015)

Parlasur reflexiona sobre integración y su funcionamento
Sesión. El Parlasur revisó la integración del Mercosur.
El Parlamento del Mercosur (Parlasur) arrancó ayer su primera sesión de 2015 debatiendo sobre los procesos de integración regional y reflexionando sobre el funcionamiento del bloque y de la propia Cámara, en la que se discutió la idea de que la solución para el Mercosur es más Mercosur.
Así lo expresó el brasileño Arlindo Chinaglia tras asumir la vicepresidencia del Parlamento en representación de su país y en alusión a una idea recientemente propuesta por el presidente del Senado Renan Calheiros, de acabar con la unión aduanera de Mercosur. “La solución para el Mercosur es más Mercosur”, aseguró Chinaglia. Al término del acto que precedió el inicio de la sesión ordinaria, el ministro de Relaciones Exteriores de Uruguay, Rodolfo Nin Novoa, defendió el Parlamento como “un mecanismo que el Mercosur tiene que fortalecer. Más Mercosur significa no ser autocomplaciente con el Mercosur y tratar de mejorar las cosas que no funcionan bien, que todos sabemos que tenemos, que es un proceso largo, naturalmente, que responde a diversas idiosincracias, a diversos orígenes y a diversas culturas”, indicó.
“Pero en definitiva tenemos que hacer más Mercosur mejorando el Mercosur”, matizó. El canciller uruguayo fue la única autoridad gubernamental de los países miembros de Mercosur (Argentina, Paraguay, Brasil, Uruguay, Venezuela y Bolivia en proceso de adhesión) en asistir a la sesión. EFE (Ultima Hora – 18/08/2015)

Está en jaque el desacople regional
Reiteradamente hemos escuchado, con singular insistencia, que la economía uruguaya se "desacopló" de sus socios mayores del Mercosur y que su diversificación comercial contribuye a que los problemas por los que atraviesen estas dos grandes naciones no generen más efectos tan negativos como los de 1982, 1999 y 2002. Las crisis de esos años en Argentina y Brasil contagiaron a Uruguay y atizaron indudables cambios sociales y políticos.
Los vecinos están en problemas y la teoría del "desacople" vivirá en los próximos tiempos una dura prueba, la que le impondrá la realidad. Si efectivamente lo que pasa en la región no nos afecta medianamente como en ocasiones anteriores, entonces se habrá probado, por el método científico —hipótesis y prueba empírica de la hipótesis—, que la teoría es acertada. Solo debemos esperar el veredicto de la realidad.
Socio en recesión.
Brasil vive serios problemas que quitan autoridad y liman el poder de su conducción política. Al conocido deterioro de la imagen de la presidenta Rousseff, en el umbral de un juicio político y asediada por denuncias de corrupción a su entorno y al de la anterior administración, se suma una situación macroeconómica con marcados desequilibrios. De tal profundidad, que el grado de inversión que adorna a su deuda pública está en peligro. Recesión, inflación y problemas en su sector externo caracterizan a una economía que se deteriora vertiginosamente. Durante dos años la poderosa industria brasileña ha estado en receso y ello provocó una pronunciada caída de la confianza de los empresarios industriales. Lo mismo ocurre con la confianza de los consumidores. Y a la recesión la acompaña una inflación que duplica la meta oficial y sigue en aumento. Pero también aparece como dato en contra, aunque tal vez como solución natural a sus problemas de actividad pero no del inflacionario, la ininterrumpida y significativa devaluación del real de casi 60% en doce meses. Brasil ha reducido sus compras a exportadores uruguayos en casi 30% y no sería extraño que al cabo de este año la baja de las ventas sea aún mayor.
No existe razón para pensar hoy que la situación macroeconómica de Brasil mejore a corto plazo. Las medidas monetarias contra la inflación juegan en contra de la reactivación económica, como también obstaculiza lograr un mejor nivel de actividad, el ajuste fiscal que intenta mitigar el alto déficit público. Solo entonces la devaluación apunta a mejorarlo, pero es también lo que impide pensar que las ventas de exportables uruguayos con ese destino vayan a crecer. En los próximos doce meses Brasil seguirá derramando efectos negativos sobre la actividad exportadora uruguaya. Así, importaremos recesión y deflación del socio mayor del Mercosur. Pero también, nos impondrá la necesidad, como ya lo viene haciendo, de seguirle en materia cambiaria por lo que se depreciará nuestra moneda para evitar perder competitividad, ya no solo la de los bienes exportables sino también de las mercaderías y servicios transables.
El otro socio.
Argentina presenta una situación macroeconómica que tampoco es buena para Uruguay. El reflejo es una caída del monto exportado en mercaderías del 17% en los doce meses hasta junio. Y también de los que refieren a las ventas de servicios y a los de inversión, en el agro y en la construcción. El país vive un lapso extenso de estancamiento con altísima inflación provocada por el financiamiento, con significativa expansión monetaria, de un déficit fiscal que trepa aceleradamente y que no se transmite al tipo de cambio ni al oficial ni al paralelo, en este caso solo por la impresionante represión cambiaria. En el resto de este año al menos, la economía seguirá conducida en "piloto automático", sin otras variantes de política que no sean una acentuación de la represión y un cuidado cancerbero del stock de reservas internacionales. Las recientes elecciones primarias apuntan a una lucha por el poder en octubre y quizás noviembre, polarizada entre el candidato del kirchnerismo y el del partido que ha gobernado la Capital Federal. El eventual triunfador de las elecciones de octubre intentará desde el inicio de 2016 una solución "amigable" en el litigio con sus acreedores y, sobretodo, abandonar el "cepo cambiario". En este último objetivo —necesario para un manejo monetario y cambiario como el que exige no solo la preservación sino la recuperación de las reservas internacionales del BCRA— la apreciación del dólar se presenta insoslayable lo que haría aún más competitiva a la producción transable argentina sobre la uruguaya. Y ello pondría aún más presión alcista sobre el valor del dólar en nuestro país.
La prueba.
El "desacople" será testeado a fondo. Ya lo que ocurre en nuestros socios regionales —por sus propios problemas y por lo que les transmite la economía mundial— afecta, como en el pasado, al tipo de cambio local. El dólar se apreció 18% en los últimos doce meses y si la situación macroeconómica persiste en Brasil y se produce el ajuste del sistema cambiario en Argentina, la depreciación del peso continuará más allá de lo que ya requiere el comienzo esperado de la suba de la tasa de interés de la Fed.
El "desacople" ocurriría si en Uruguay la devaluación no siguiese una senda similar a la que tendrán sus vecinos y si no sintiese desde ellos ni un fuerte reflejo recesivo ni uno deflacionario. (El Pais Uruguay – 17/08/2015)

Paraguay requiere un Mercosur sin trabas, asegura ministro Leite
El ministro de Industria y Comercio, Gustavo Leite, reiteró que el camino del Paraguay es con el Mercosur y no fuera del bloque. “Creo que el camino del Paraguay es con un Mercosur más fuerte, más unido, más ligado al libre comercio entre los socios, más abierto en negociar en bloque”, señaló.
Leite aclaró que en la última Cumbre, donde Paraguay asume la presidencia pro témpore, se obtuvo el compromiso político de los presidentes de Argentina, Brasil, Uruguay y Venezuela de avanzar hacia un acuerdo de complementación económica que luego llegue a un acuerdo de libre comercio con la Unión Europea. “Entonces todo lo que uno hable por fuera de eso son opiniones o intenciones”, dijo.
“Hoy el Mercosur está vivo y el Paraguay tiene la presidencia pro tempore, el presidente Cartes ha sido claro en la última cumbre, Paraguay quiere un Mercosur sin trabas, integrado y abierto al mundo en donde primen de vuelta resoluciones para el bienestar de los residentes en el Mercosur”, manifestó el titular del Ministerio de Industria y Comercio (MIC) a Monumental AM.
Asimismo, destacó la economía “muy abierta” de Paraguay e insistió en que “nuestro principal mercado es Brasil y nuestro segundo principal mercado es Argentina y nuestro tercer principal mercado será Europa en este nuestro despegue industrial.
“Creo que el camino del Paraguay es con un Mercosur más fuerte, más unido, más ligado al libre comercio y más abierto en negociar en bloque, porque el mundo hoy negocia en bloque”.
Paraguay hoy solo no podría tener la fuerza de negociación que tendría dentro del Mercosur pero si admitimos y lo saben todos que el Mercosur estuvo dormido un tiempo importante y eso no le benefició a nadie, tal vez ese sea el gran aporte que hace la presidencia paraguaya. El presidente Cartes en la última cumbre dice: vamos a sacarnos estas telarañas y vamos a pensar en un Mercosur que le beneficie a nuestra gente, finalizó diciendo el ministro. (La Nación – Paraguay - 17/08/2015)

Mercosur respalda a Venezuela en la defensa del Esequibo
La plenaria del Parlamento del Mercosur aprobó un acuerdo en respaldo y solidaridad con la República Bolivariana de Venezuela para acompañar las gestiones presidente Nicolás Maduro
ÚN.- La plenaria del Parlamento del Mercosur aprobó un acuerdo en respaldo y solidaridad con la República Bolivariana de Venezuela para acompañar las gestiones presidente, Nicolás Maduro, con el fin de resolver pacíficamente la controversia territorial con la República Cooperativa de Guyana.
La diputada venezolana Blanca Eekhout, explicó que el imperio británico pretendió hace mas de 100 años quitarle a Venezuela más de la tercera parte del territorio al país, iniciando así el saqueo y expropiación de un espacio geográfico, “hoy pretende el imperialismo norteamericano con la complicidad de Guyana pretende revivir y completar violando todos los acuerdos y el estado de derecho internacional”, agregó.
La parlamentaria presentó el informe ante la plenaria y aseguró que la controversia territorial debe ser solucionada de forma pacifica, “solicitó al Parlamento de Mercosur no permitir esta violación de soberanía porque acarrearía que los imperios se abalancen contra nuestras naciones y sus recursos naturales”.
En este orden, ratificó que los únicos caminos adecuados para resolver la disputa es a través del respeto al derecho Internacional, el Acuerdo de Ginebra y proseguir con el mecanismo del buen oficiante bajo la figura del Secretario General de las Naciones Unidas.
Asimismo, la bancada de la oposición venezolana en la voz del diputado Carlos Rondero, apoyo y acompaño la solicitud realizada por la representación revolucionaria ante el Parlamento del Mercosur por considerar que es un tema de interés nacional y que afecta a todos los venezolanos por igual sin distinción política.(Ultimas Noticias Venezuela – 17/08/2015)

Paraguay reúne a portavoces del Mercosur involucrados en negociación con EU
Asunción, 17 ago (EFECOM).- Paraguay, que ostenta la presidencia temporal del Mercosur, recibirá a partir de mañana en Asunción a representantes de Argentina, Brasil y Uruguay con la intención de buscar una postura común ante las negociaciones de un tratado comercial con la Unión Europa, informo hoy la Cancillería paraguaya.
El martes y miércoles tendrá lugar en Asunción la Reunión de Coordinadores del Mercosur que también servirá para abordar otros temas como la libre circulación de productos en el territorio del grupo, declaró el ministro de Relaciones Exteriores paraguayo, Eladio Loizaga, según un comunicado.
"Los cuatro países somos los que estamos involucrados en las negociaciones con la Unión Europea. Tenemos que ir todos juntos, porque el mercado ampliado es lo más importante que vamos a estar negociando con la UE", expresó el canciller.
"Así como ellos tienen un mercado amplio con 28 estados, existen productos sensibles que tienen que ser negociados", añadió.
El ministro destacó los productos agrícolas como la principal importancia de los países sudamericanos y la de los bienes industriales para los europeos. "Es una cuestión que tiene que ser medida en su real dimensión", declaró Loizaga.
El canciller paraguayo destacó que su país lidera una iniciativa con Uruguay para que "en este semestre" se realice "el levantamiento de todas las barreras no arancelarias".
"Porque el objetivo del Mercosur es eso, que fluya libre la circulación de bienes, así como en nuestro país circulan los bienes de los otros países miembros del Mercosur, nosotros también queremos que circulen en igualdad de condiciones nuestros productos", dijo.
En la cumbre UE-Celac celebrada en Bélgica en junio, los cancilleres del Mercosur se comprometieron a realizar un intercambio de ofertas con la UE "rápidamente".
Según el Mercosur, su oferta de bienes, servicios, inversiones y compras gubernamentales ya está preparada, pero afirma que no ha podido intercambiarla porque los europeos alegan que aún no han finalizado el proceso de consultas internas para entregar su propuesta.
Mercosur está formado por Argentina, Brasil, Paraguay, Uruguay y Venezuela, mientras que Bolivia está en proceso de adhesión. (La Vanguardia – 17/08/2015)

El Parlamento del Mercosur se reunirá este lunes por primera vez en 2015
EFE | Montevideo
El Parlamento del Mercosur (Parlasur) celebrará este lunes en Montevideo su primera sesión de 2015, en la que asumirán las nuevas autoridades de la Cámara y se debatirá, entre varios asuntos, su presupuesto de 2016, con la presencia prevista de algunos de los cancilleres de los países del bloque.
Aunque se esperaba la asistencia del secretario general de la Unión de Naciones Suramericanas (Unasur), Ernesto Samper, y del canciller paraguayo, Eladio Loizaga Caballero, cuyo país ejerce la presidencia pro tempore del Mercosur, fuentes del Parlasur dijeron hoy a Efe que finalmente no podrán asistir a esta sesión. (Agência EFE – 17/08/2015)

Frustrado planteo brasileño pone en debate el rumbo del Mercosur
Uruguay lidera una política de "sinceramiento" para sacudir la modorra en materia comercial
AFP
Los cuestionamientos que en los últimos meses han cobrado mayor fuerza sobre el funcionamiento y perspectiva del Mercosur de alguna manera son "funcionales" a la estrategia que planteó la administración de Tabaré Vázquez desde que asumió al gobierno. El canciller Rodolfo Nin Novoa y su equipo han marcado una impronta clara que promueve un "sinceramiento" sobre la marcha interna y externa del bloque que languidece con magros avances tras 24 años de actividad. El ministro de Economía, Danilo Astori, tampoco ha escatimado críticas sobre el funcionamiento del bloque y la necesidad que tiene una economía pequeña como la uruguaya de mejorar el acceso a los mercados.
Precisamente, el ejemplo chileno puede mostrar cómo su estrategia de inserción externa ha sido exitosa colocando como miembro "asociado" sus productos con arancel 0% dentro del Mercosur y, a su vez, firmar convenios con 24 países que le otorgan una clara ventaja arancelaria respecto a las condiciones de acceso de los productos uruguayos en esos mercados. Esto porque el Mercosur no tiene hoy TLC con países o regiones económicamente relevantes desde el punto de vista comercial.
Solo Uruguay logró una excepción que la permitió avanzar en un acuerdo bilateral con México. Las negociaciones con la Unión Europea llevan casi dos décadas y aún las partes no partes no intercambiaron ofertas, aunque se espera que ese paso pueda darse en el último trimestre de 2015.
El planteo que el presidente del Senado brasileño, Renán Calheiros, elevó ante el ministro de Economía brasileño, Joaquim Levy, el pasado jueves para "acabar con la Unión Aduanera" del Mercosur quedó descartado rápidamente, según confirmara pocas horas después Nin Novoa.

Calheiros, había lanzado esa propuesta para que el gigante de la región contara con liberad para pactar acuerdos bilaterales por fuera del bloque, en momentos en que la economía brasileña enfrenta una grave crisis que se ve acentuada por los escándalos de corrupción del partido de gobierno de la presidenta, Dilma Rousseff.
El próximo martes y viernes habrá una reunión de delegados del Mercosur en Asunción, Paraguay, y, ante el planteo del legislador brasileño, la consigna es de cautela. De todas formas, Nin anunció que la aspiración del gobierno uruguayo continúa siendo la de definir una zona de libre comercio. "Vamos a tratar de sincerar más entre nosotros, no ponernos más barreras y hacer que el comercio sea fluido", subrayó. En una presentación que realizó la pasada semana, el canciller informó que los productos uruguayos pagan en el exterior unos US$ 670 millones para acceder a mercados , monto que varios de los competidores uruguayos evitan por contar con convenios comerciales bilaterales.
La semana pasada en entrevista con Quien es Quien de Diamante FM y Canal 5, Nin dijo que si bien la preocupaba la devaluación china, más le inquietaba los TLC que países competidores de Uruguay, como Nueva Zelanda y Australia, tienen en marcha con la potencia asiática.
Estancado y fuera de ritmo
"El Mercosur está estancado y particularmente en uno de los puntos clave para un país pequeño para Uruguay como es la agenda externa", alertó Ignacio Bartesaghi, director del departamento de Negocios Internacionales e Integración de la Facultad de Ciencias Empresariales (Ucudal) en entrevista con Leandro Gómez en El Observador TV. El experto aseguró que los hechos demuestran que el Mercosur no logró conformar una Unión Aduanera, ya que los productos que cada país ha optado por excluir del Arancel Externo Común (AEC) han "sido la regla" y no la "excepción". "Nunca hemos alcanzado una Unión Aduanera. Entonces, por qué se exige al bloque negociar (otros acuerdos comerciales) en conjunto. Esa es la incongruencia que presenta el Mercosur en términos de política comercial", advirtió el experto.
Para Bartesaghi, la propuesta brasileña no es "algo nuevo" ya que en otras campañas políticas esto ha estado sobre la mesa. Sin embargo, dijo que es posible "sincerar" la Unión Aduanera porque a lo largo de los últimos 24 años "no hubo voluntad política" de conformar ese paso en la integración de un bloque comercial.
Para el experto, lo ideal sería "reformular" el funcionamiento del bloque y habilitar la negociación de acuerdos bilaterales a la "velocidad del contexto internacional. De lo contrario, seguimos perdiendo competitividad a nivel internacional de nuestros exportadores porque Chile, México y Perú se mueven a otro ritmo", recordó.
En ese marco, recordó las acciones de la Alianza del Pacífico que ya tiene acuerdos con la Unión Europea, Estados Unidos, y ahora está procurando avance con la zona del Asia-Pacífico que es la zona más dinámica en materia comercial. "Qué pasa con el Mercosur. ¿Podemos seguir esperando para activar nuestra agenda externa?", se preguntó.
Chile y su estrategia "distinta"
En entrevista con Mariano López en El Observador TV, Andrés Reboledo, director general de Relaciones Económicas Internacionales de Chile, descartó esta semana que su país pueda sumarse como miembro pleno del Mercosur porque eso atentaría contra la política comercial que a su país le permitió ya la firma de 24 acuerdos comerciales bilaterales. Reboledo valoró el acuerdo de asociación que Chile tiene ya hace casi 20 años con el Mercosur. Según informó el integrante del gobierno chileno, el 17% del comercio exterior chileno se canaliza a los distintos países que integran el bloque regional. En ese sentido, recordó que desde el pasado 1° de enero las ventas de Chile al bloque no pagan arancel. "Es un acuerdo que se ha ido perfeccionando en lo largo de estos casi 20 años. Le incorporamos servicios, obra pública, mejoramos los capítulos de inversiones. Hoy en día es un acuerdo de alto estándar en ese sentido", destacó. Consultado sobre la posibilidad de que Chile pueda sumarse como miembro pleno del bloque, Reboledo la descartó. Dijo que su país logró desarrollar una "agenda muy intensa" como país asociado. Recordó que Chile tiene invertido en el mundo unos US$ 100 mil millones. "De esa cifra entre el 40% y 50% está en los países del Mercosur. Por tanto, tenemos un vínculo muy estrecho más allá del tema comercial", destacó. Señaló que su país tiene una estrategia de inserción internacional "distinta" al Mercosur, por eso determinó que la "mejor manera" de vincularse con el bloque era ser miembro asociado y no pleno. "Si Chile fuera parte del mercado común, debería cumplir las reglas de juego, entre otras cosas negociar con terceros de manera conjunta", explicó.video. * (El Observador – 16/08/2015)

Según Uruguay, Brasil no deja el Mercosur, pero todos coinciden en que 'no funciona' y hay que hacer câmbios
El canciller uruguayo, Rodolfo Nin Novoa, afirmó este viernes que “nadie apoya” la propuesta del presidente del Senado brasileño, Renán Calheiros, de acabar con la unión aduanera en Mercosur. Sin embargo, destacó como positivo que haya puesto al desnudo que el bloque “está mal” y necesita una removida de “cimientos”.
Nin Novoa afirmó haber hablado con su par de Brasil, Vieira quien le comunicó que la propuesta “ya cayó: ya la rechazaron, la bajaron”
Calheiros propuso “acabar con la unión aduanera” en el Mercosur para facilitar la negociación de acuerdos comerciales en forma individual
Nin Novoa reveló que el jueves, al conocer la propuesta, se puso en contacto con el canciller de Brasil, Mauro Vieria, y después con los de Argentina, Héctor Timerman y Paraguay, Eladio Loizaga.
“Vieira fue el primero con el que hablé. Me dijo que esta es la propuesta de un senador, el presidente del Senado en el marco de un documento que se llama Agenda Brasil, que tiene una serie de ideas para tratar de superar la crisis económica”, añadió. Esa propuesta “ya cayó”. “Ya la rechazaron, la bajaron y nadie la lleva, nadie la apoya. Se terminó en el propio Brasil, obviamente”, expresó Nin Novoa en declaraciones a los medios en Montevideo.
Calheiros hizo público el jueves una propuesta, “Agenda Brasil” que incluye “acabar con la unión aduanera” en el Mercosur para facilitar a los países miembros -Argentina, Paraguay, Uruguay y Venezuela- la negociación de acuerdos comerciales en forma individual, una idea que junto a otras sugerencias, presentó al ministro de Hacienda, Joaquim Levy.
Al respecto, Nin Novoa reconoció que la unión aduanera en Mercosur “está perforada por todo los lados. En algunas cosas beneficiándonos a nosotros (Uruguay)”, aseveró, al recordar que dicha unión significa “ponerle el mismo impuesto” todos los países a los productos que llegan de afuera del bloque.
“Mercosur está mal y por eso nuestra insistencia desde el 2 de marzo en que tengamos un sinceramiento sobre nuestro proceso de integración política y comercial en un mundo que se mueve a través de grandes acuerdos comerciales y de tratados de libre comercio en los que Mercosur no está”, expresó el ministro. A su juicio, el bloque no está en los “grandes movimientos comerciales del mundo” del Este Asiático, el Transpacífico o el Atlántico.
“Y deberíamos estar. Porque somos grandes proveedores de alimentos que el mundo está precisando. Pagamos 670 millones de dólares para ingresar a mercados”, agregó. “En consecuencia, me parece que lo que ha sido positivo de todo esto, que se ha armado una gran batahola, es que otra vez el tema del funcionamiento del Mercosur está encima de la mesa y es parte de una propuesta uruguaya y paraguaya, que nos ha acompañado mucho en ese sentido de remover un poco los cimientos del funcionamiento, no de los objetivos, del Mercosur”, confesó Nin Novoa.
No obstante, recordó que a partir de la semana próxima, en Asunción, en una reunión de delegados permanentes, se tratarán estos temas “de barreras arancelarias, no arancelarias, medidas de efecto equivalente y la oferta de canasta de bienes” que se le hará a la Unión Europea sobre fin de año “para comenzar a negociar un tratado de libre comercio”.
Mercosur se planteó la meta de llegar a convertirse en una unión aduanera plena desde su fundación, pero casi cinco lustros después aún no lo ha conseguido debido a las barreras arancelarias que persisten entre sus propios miembros. (MercoPress Uruguay – 15/08/2015)

Produtos e Mercados


Veja mais

Ministro alemão afirma que é preciso segurança para atrair mais investimentos para o Brasil
Brasília – O vice-ministro das Finanças da Alemanha, Jens Spahn, disse hoje que a Alemanha apoia os esforços do Brasil para voltar a crescer. Alertou, no entanto, que – para atrair investimentos – o Brasil precisa criar regras que permitam dar segurança aos investidores.
“Para investir, é preciso segurança. Se quiserem atrair mais companhias alemãs para investir [no Brasil] é preciso dar mais estrutura. Regulação requer taxas de retorno. Essas informações são importantes”, disse.
Spanh, que integra a comitiva da primeira-ministra Angela Merkel, que visitou o Brasil, teve uma reunião com o ministro da Fazenda, Joaquim Levy, em Brasília.
“Apoiamos o governo brasileiro para que [o Brasil] possa voltar ao crescimento, diminuir o desemprego e [ter] uma vida melhor”, disse ao deixar o encontro com Levy.
Spahn destacou o significado do convite feito pelo governo brasileiro para que Merkel visitasse o Brasil. “A presidente Dilma e primeira-ministra Merkel estão se conhecendo melhor e estão indo muito bem. Apreciamos o convite para a visita”, enfatizou.
O vice-ministro fez uma rápida avaliação da economia brasileira e concordou que é preciso mais investimentos. Spahn se mostrou impressionado com as propostas na área em infraestrutura do governo, que prevê investimentos de R$ 198,4 bilhões para o setor.
“Obviamente, a situação da economia brasileira precisa melhorar, precisa de mais investimentos. Estou muito impressionado com o plano de investimentos em todo o país. Cinco mil km de rodovias é realmente impressionante, ainda mais quando viemos de um país pequeno para um país deste tamanho”, avaliou. (Agência Brasil – 21/08/2015)

Governo pede que empresas alemãs disputem as concessões
ECONOMIA
Transmissão de energia e portos seriam áreas atrativas, mas ministro alemão quer regras mais claras e mais segurança
A presidente Dilma Rousseff aproveitou a visita da chanceler alemã, Angela Merkel, para pedir que empresas germânicas participem do Programa de Investimento em Logística (PIL), anunciado este ano.
Para Merkel, o principal interesse seria na área de transmissão de energia e na de portos.
Apesar de haver esse interesse, o vice-ministro de Finanças da Alemanha, Jens Spahn, deu um recado claro: as empresas alemãs só investirão no Brasil se tiverem informações mais claras e seguras sobre cobrança de impostos, retomo de investimentos e, especialmente, questões regulatórias. O alemão conversou com jornalistas após reunião com o ministro da Fazenda, Joaquim Levy. "Queremosquemais empresas alemãs invistam no Brasil, mas, para isso, precisamos de mais estrutura. Para investir, você precisa de segurança. Daí haverá mais interesse do que hoje", disse.
Nas linhas de transmissão, que teriam o interesse dos alemães, Dilma disse a Merkel que"um grande leilão seria feito em breve", mas não deu detalhes. Nessa área, já há dois leilões previstos, para setembro e dezembro.
Outra área de interesse dos alemães são os portos, especialmente a administração logística, com foco no porto de Santos, o maior do País. Essa éuma das principais áreas do PIL, anunciadoem junho, e que inclui aeroportos, ferrovias e rodovias, num total de 150 concessões e investimento previsto de R$ 1984 bilhões.
O governo brasileiro gostaria de ver a Alemanha entrar também nos leilões de ferrovias, que compõem a maior parte do programa de concessões, com R$ 86 bilhões. A Deutsche Bahn é uma das melhores empresas de ferrovias do mundo - mas, por enquanto, não há interesse.
Fontes do governo afirmam que o estado ruim da economia brasileira e a crise política não foram tratados.
Antes de Merkel deixar o Brasil, o porta-voz do governo alemão foi questionado se esse era o momento apropriado para a visita. A resposta foi que as "questões internas" do governo brasileiro não definem a agenda devisitas dachanceler equeas relaçõescom o Brasil são "de primeiro nível" e importantes para o país. Do lado brasileiro, a visita foi tratada como demonstração de confiança na economia e nos negócios no País.
No entanto, durante o jantar no Palácio do Alvorada na quarta-feira, ministros alemães questionaram os colegas brasileiros sobre o andamento da economia e as perspectivas de crescimento. A mensagem que se procurou transmitir foi a de que o País passa por processo de ajuste, que abrirá as portas de um novo ciclo de desenvolvimento.
O acordo comercial Mercosul - União Européia voltou a ser tratado. Nas conversas privadas, Dilma prometeu que o Mercosul conseguirá apresentar sua oferta até o fim do ano - nas negociações, ainda há dificuldades com a Argentina.
Em seu discurso, Merkel disse saber "que o grupo Mercosul é bastante heterogêneo, mas o Brasil assumiu um papel de liderança e a presidente nos disse queaté o último semestre vãoser apresentadas as proposta para que possamos iniciar a negociação. Vamos trabalhar para ter também a nossa proposta (da UE)". /L.P., R.M.M. e G.P.
---
Concessões
R$ 198,4 bi
é o total de investimentos previstos no PIL, programa anunciado no início de junho e que prevê um total de 150 concessões (O Estado de SP – 21/08/2015)

Brasil e Alemanha buscam impulso comercial
BRASIL
Relações externas
Dilma pede investimentos a Merkel, mas vice-ministro cobra mais segurança regulatória
Andréa Jubé, Daniel Rittner e Lucas Marchesini
De Brasília
Em busca de uma agenda positiva, a presidente Dilma Rousseff pediu à chanceler Angela Merkel investimentos no programa de concessões de infraestrutura e empenho da Alemanha nas negociações de um acordo de livre comércio entre o Mercosul e a União Européia, além de ter garantido queas novas metas brasileiras para redução das emissões de gases do efeito-estufa até 2030 serão anunciadas em setembro.
Merkel disse que há interesse nos leilões de infraestrutura e se comprometeu a pressionar Bruxelas, sede da Comissão Européia, por mais velocidade nas negociações comerciais. A troca de ofertas entre os dois blocos está prevista para o último trimestre deste ano. "Em tempos econômicos difíceis no mundo, abordamos a cooperação em nível econômico", afirmou a chanceler, em uma declaração conjunta, no Palácio do Planalto. "O Mercosul é bastante heterogêneo, mas o Brasil é a liderança. Vamos trabalhar com a Comissão Européia para acelerar as negociações pelo acordo Mercosul-UE", resumiu.
A goleada de 7 a 1 na semifinal da Copa do Mundo foi o cardápio em todas as mesas nas quais 12 ministros e vice-ministros alemães se distribuíram na quartafeira à noite, no Palácio da Alvorada, em jantar informal com seus colegas brasileiras para dar pontapé inicial nos trabalhos. "Foi o assunto inevitável para quebrar o gelo", confessou umdos participantes. Ele relatou que a própria Merkel tornou a iniciativa de provocar Dilma graciosamente. "Eu sei que as consequências do 7 a 1 podem ser dramáticas para a Alemanha", afirmou a chanceler, segundo os relatos, temendo uma vingança da seleção brasileira.
Com abraços fraternos, frequentemente sem a ajuda de intérpretes, Dilma e Merkel demonstraram bastante sintonia em todos os momentos. Elas fizeram uma declaração específica sobre mudanças climáticas em que reconhecem o "papel decisivo" dos dois países na tentativa de limitar em dois graus centígrados o aumento da temperatura média global até o fim do século. Dilma prometeu anunciar no mês que vem as metas brasileiras de redução dos gases-estufa para a COP 21, a conferência internacional do clima em Paris, marcada para dezembro. Ela preferiu não antecipar nada e apenas repetiu a promessa, feita durante sua visita à Casa Branca, de reduzir para zero o desmatamento ilegal na Amazônia até 2030.
O estilo alemão impediu a comitiva chefiada por Merkel, no entanto, de evitar um discurso franco sobre o país. O vice-ministro das Finanças, Jens Spahn, recomendou mais segurança regulatória para viabilizar investimentos nas concessões de infraestrutura.
"Estou bem impressionado com o plano de investimentos do governo (brasileiro 1 por todo o país. Cinco mil quilômetros de rodovias é bem impressionante.
Questionado se as companhias alemães vão entrar nos leilões, no entanto, Spahn fez uma ponderação.
"Na verdade, para fazer isso [investir], precisamos talvez de outro tipo de regulação, para tornar [as oportunidades] mais atraentes para os investimentos.
Você precisa de mais segurança. Queremos que mais empresas alemãs invistam, mas é preciso que o quadro seja mais interessante do que hoje. Você precisa de segurança sobre impostos, por exemplo", comentou.
O ministro dos Portos, Edinho Araújo, se animou com as perspectivas abertas. "Eles ficaram de levar as oportunidades para os empresários alemães", disse Edinho, que apresentou os planos de arrendamentos de terminais portuários.
No mesmo estilo direto dos germânicos, a ministrada Agricultura, Kátia Abreu, abordou as dificuldades para um acordo Mercosul - UE e garantiu ao colega alemão que o bloco sul-americano está pronto para fazer sua proposta. Em resposta, o ministro da Alemanha teria dito que "tudo que é bom demora um pouco; mas esse acordo está demorando' demais".
(Colaboraram Cristiano Zaia e Fábio Pupo, de Brasília) (Valor Econômico – 21/08/2015)

Toda a Ásia sofre com exportações fracas, e câmbio ajudará pouco
INTERNACIONAL
Josh Noble
Financial Times, de Hong Kong
Se a Ásia realmente está em meio a uma nova guerra cambial, então a parte mais difícil será identificar seus vencedores.
Alguns analistas qualificaram a decisão chinesa de desvalorizar o yuan, na semana passada, como uma tentativa de impulsionar as exportações, tomando produtos chineses mais competitivos. Estatísticas divulgadas alguns dias antes tinham mostrado que as exportações chinesas caíram mais de 8% em julho, enquanto a taxa de câmbio real efetiva do yuan tinha acabado de bater um recorde de alta.
No entanto, o problema exportador chinês não se deve somente a uma intensificação da concorrência internacional.
É reflexo também de uma fraca demanda mundial. Apesar da melhoria na atividade econômica na Europa e nos EUA, as exportações de toda a Ásia ainda não exibiram uma reação, deixando as autoridades monetárias com escassas ferramentas para reagir.
A China e seus vizinhos compartilham muitos dos mesmos problemas. O fraco Produto Interno Bruto (PIB) japonês no segundo trimestre deveu-se, em parte, ao comércio fraco, ao passo que as exportações sul-coreanas estão encolhendonos últimos cinco meses.
As exportações de Tailândia, Taiwan, Filipinas e Malásia foram todas decepcionantes neste ano.
"O argumento de que a China está tentando estimular o crescimento mediante uma desvalorização de sua moeda para estimular as exportações não nos parece muito convincente", afirmou Paul Gruenwald, economista-chefe da Standard & Poor para a Ásia-Pacífico, em relatório. "As exportações são, mais, uma função da demanda externa".
A culpa é,em parte, da China. As importações para o país caíram durante boa parte deste ano,numsinal de queda na demanda interna em meio a uma desaceleração da economia. O crescimento das vendas de carros na China caíram substancialmente neste ano, pressionando os lucros das montadoras mundiais.
Odesaquecimentodaeconomia chinesatambém ajudou a empurrar para baixo os preços das commodities mundiais, especialmente daquelas utilizadas na indústria pesada, como o minério de ferro, cobre e petróleo. Isso, por sua vez, tem prejudicado o crescimento dos mercados emergentes ricos em recursos naturais que exportam para a China, entre eles o Brasil e a Rússia, ambos agora em recessão.
O efeito dominó do declínio do comércio de commodities foi sentido nas economias industriais avançadas da Ásia, especialmente Coréia do Sul e japão, onde os cortes nos investimento realizados por mineradoras e produtoras de energia impactaram as grandes empresas de engenharia fornecedoras de plataformas de perfuração e unidades de armazenamento de gás usados na extração de recursos naturais.
A melhoria do desempenho econômico no Ocidente, particularmente nos EUA, não repercutiu na forma deuma demandamais aquecida para as fábricas asiáticas.
Alguns economistas atribuíram isso à mutação da natureza do crescimento dos mercados desenvolvidos, mas o aumento da importância do comércio com os mercados emergentes tem sido um grande freio aos números agregados.
"Não somos mais tão dependentes da demanda americana, mas isso agora se tornou um castigo", disse Fred Neumann, economista-chefe do HSBC para Ásia. "Para os próximos cinco anos, é difícil veras exportações como motor de crescimento asiático".
Aparelhos eletrônicos de consumo, um dos principais setores exportadores asiáticos, também tiveram desempenho deficiente. O prolongado e incessante declínio da indústria de computadores pessoais foi uma má notícia para o Sudeste Asiático, base de produção para periféricos como discos rígidos, ao passo que a colocação de tablets e smartphones no mercado tem sido fraca, na ausência de novos produtos e do aumento da concorrência de fabricantes domésticos no mercado chinês.
Após anos de rápido crescimento do crédito, os bancos centrais asiáticos agora não dispõem de ferramentas de curto para combater os efeitos da morna demanda externa. Os juros em muitos países já estão em níveis rSTJ mínimos ou perto disso. (Valor Econômico – 21/08/2015)

Por que Brasil e México não ficam ricos?
OPINIÃO
Os dois países se tornaram infelizes, cada um a sua maneira.
Por Edmar Bacha e Regis Bonelli
Já se tornou um clichê entre os economistas parafrasear a abertura de Anna Karenina, que todas as famílias felizes são parecidas; as infelizes são infelizes cada uma a sua maneira. Mas a citação é pertinente para descrever as economias do Brasil e do México desde 1980.
Depois de um longo período de prosperidade, ambos os países viram suas taxas de crescimento afundar quase sincronicamente. Tiveram uma década perdida nos anos 1980 e introduziram reformas econômicas liberalizantes nos anos 1990. A ascensão da China fez suas fortunas diferirem na primeira década deste século, beneficiando o Brasil e prejudicando o México. Mas depois da Grande Recessão ambos estão tendo dificuldade para alcançar taxas decentes de crescimento.
Os dois países experimentaram contrações na acumulação de capital que foram profundas e duradouras, associadas aos colapsos do crescimento do PIB a partir do início dos anos 1980. As quedas na acumulação de capital não se deveram, entretanto, a declínios nas taxas de poupança, porque essas permaneceram constantes ou mesmo aumentaram depois de 1980. Os principais culpados pelos desastres foram quedas pronunciadas na produtividade do capital no México e fortes aumentos nos preços relativos do investimento no Brasil. Esses movimentos coincidiram com a crise da dívida do início da década de 1980 e com as subsequentes respostas de política: substituição ineficiente de importações de bens de capital no Brasil e políticas sociais que resultaram em aumento da informalidade no México.
Apesar dessas semelhanças macroeconômicas, quando olhamos a evolução das respectivas estruturas econômicas mais a fundo, descobrimos que Brasil e México se tomaram infelizes cada um a sua maneira.
Na dimensão regional, observamos uma tendência para a desigualdade da renda entre os Estados aumentar no México e diminuir no Brasil desde a década de 1990. A razão aparente é que a atividade manufatureira floresceu no Nortedo México, bem integrada com os EUA, mas com poucas ligações com o resto do país. No Brasil, ao contrário, a atividade manufatureira, altamente concentrada em São Paulo, perdeu dinamismo. Enquanto isso, a agricultura e a mineração, que são melhor distribuídas regionalmente, ganharam tração com o superciclo das commodities. Além disso, transferências de renda e políticas de salário mínimo foram mais eficazes para redistribuir renda do que programas similaresno México.
Mesmo assim, o Brasil continuou sendo um país mais desigual do que o México.
Para se tornar rico um país tem que conseguir integrar-se tanto doméstica quanto internacionalmente
Dados sobre o comportamento da produtividade dos setores que participam ou não do comércio exterior mostram uma tendência para convergência das produtividades relativas no Brasil. Enquanto isso, no México a tendência é de divergência, com os setores que não entram no comércio exterior (serviços, em geral) se atrasando substancialmente em relação aos que participam do comércio exterior (manufaturas e petróleo, predominantemente). Esse resultado é consistente com a visão de que no México os setores que participam do comércio exterior são muito dinâmicos, mas esse dinamismo não extravasa para os setores voltados para o mercado doméstico. Enquanto isso, no Brasil os setores que entram no comércio exterior lutam para alcançar a produtividade dos setores voltados para o mercado interno (basicamente por causa da importância da agricultura nas exportações).
Quando se compara a evolução da produtividade por tamanho das firmas, o quadro para o México é bastante claro: o crescimento da produtividade das firmas grandes é muito maior do que o das firmas médias e pequenas, cuja produtividade, reduzida como já era, caiu ainda mais. A implicação é que, no México, o problema da baixa produtividade deveu-se de forma clara às pequenas e médias empresas, uma proporção alta do emprego nas quais é informal. No Brasil, o quadro é muito diferente: o crescimento da produtividade das empresas pequenas e médias na indústria de transformação foi similar ao observado nas empregas grandes.
Lamentavelmente, em empresas de todos tamanhos o crescimento da produtividade foi extremamente baixo.
Constatamos, finalmente, que o México tem uma taxa de informalidade do trabalho mais alta do que o Brasil apesar de ter uma renda per capita mais alta do que a de nosso país. Além disso, lá a informalidade tem permanecido relativamente constante. Isso contrasta com o Brasil, onde a taxa de informalidade declinou substancialmente de 60% para 47% do emprego total no início deste século.
Concluímos que hã diferenças relevantes na experiência recente de baixo crescimento dos dois países.
O México abriu sua economia para comerciar com o resto do mundo e assim teve sucesso em desenvolver um setor industrial de primeira classe na região Norte mais rica do país. Uma integração doméstica similar não acompanhou essa integração externa. O dinamismo das grandes firmas exportadoras do Norte não se difundiu para as empresas médias e pequenas, informais, voltadas para o mercado interno, das regiões mais pobres do Sul. Como estas geram a maior parte do emprego euma parte importante da produção total, a consequência foi uma taxa muito baixa de crescimento da produtividade do trabalho como um todo.
A disparidade entre os setores "moderno" e "tradicional" parece haver se ampliado no México. No Brasil, em diversas dimensões esse dualismo diminuiu.
O Norte mais pobre cresceu mais rápido do que o Sul mais rico. A agricultura se deu melhor do que a manufatura. As grandes firmas não se sobressaíram em relação às firmas médias e pequenas.
A informalidade diminuiu na última década. O problema do Brasil parece ter sido que, em contraste com o México, suas grandes firmas manufatureiras não se integraram à economia mundial e assim viram sua produtividade crescer quase nada. Isso resultou numa alavanca muito fraca para conseguir fazer mover o resto da economia para cima. Deste modo, o pais permaneceu numa trajetória de baixo crescimento, exceto quando premiado pela loteria das commodities.
A conclusão é que para se tornar rico umpaís tem que conseguir integrar-se tanto doméstica quanto internacionalmente.
Os colapsos de crescimento do Brasil e do México mostram como é difícil fazer as duas coisas ao mesmo tempo.
--
Edmar Bacha é diretor do IEPE/Casa das Garças. Regis Bonellí é pesquisador do Ibre-FGV. (Valor Econômico – 21/08/2015)

Por que os smartphones da China dão inveja
Por Joanna Stern
Nós não estamos usando todo o potencial de nossos celulares.
Foi o que aprendemos este mês na Converge, a conferência asiática de tecnologia promovida pelo The Wall Street Journal em Hong Kong, onde encontramos empreendedores chineses, jornalistas e amigos — e, obviamente, imediatamente pedimos para brincar com os smartphones.
Certamente, os ocidentais conseguem os melhores novos dispositivos da Apple em primeira mão. Mas, na China, sempre há formas de viver a vida através dos smartphones que nos deixam com ciúmes. A China até elaborou um modelo de negócios legítimo para que a temporada mais recente de “Game of Thrones” possa ser vista pelo telefone, de graça.
Qual a estratégia dos chineses? Muitas vezes, a tecnologia é simplesmente mais barata, permitindo trocas mais frequentes de telefones. Depois, há a maior população conectada na internet do mundo — cerca de 649 milhões de pessoas, das quais 86% usam a internet via telefone — o que pode ser uma incrível base de testes para novas ideias. Muitos jovens já optaram diretamente pelo smartphone como seu principal dispositivo de computação — ignorando os laptops —, então os telefones foram aprimorados para fazer mais coisas.
Concorrentes gigantes do mercado local, como a Tencent e o Alibaba, competem por lealdade em todo tipo de serviços de telefonia móvel, incluindo mensagens de texto, compras, vídeo e até entrega de comida.
Claro que não podemos ignorar os problemas da China com as liberdades civis na internet. Há muito pouco acesso a serviços internacionais, como Facebook e Google. O governo coloca unidades de polícia cibernética em empresas de internet ostensivamente para evitar crimes, mas também para manter o controle sobre os cidadãos.
Mas, assim como várias outras contradições na China, há muita coisa boa no meio das ruins. Aqui estão cinco lições sobre smartphones que os chineses podem ensinar aos ocidentais:
App para administrar a vida
Na China, um aplicativo de mensagens é muito mais do que uma forma de avisar alguém que você está atrasado. É uma rede social para se conectar com amigos e celebridades.
Mas não é apenas social. Ele acessa o GPS, o microfone e a câmera de seu telefone para permitir que você brinque com jogos, realize o check-in de voos, identifique uma canção, agende um compromisso, chame um táxi, pague contas e muito mais.
Serviços de mensagens como o WeChat vão muito além. Eles são um tipo de sistema operacional da sua vida, como observou recentemente Connie Chan, da empresa de capital de risco Andreessen-Horowitz. O WeChat hospeda milhões (sim, milhões) de outros aplicativos dentro de sua plataforma, para que você possa realmente viver a vida toda dentro do WeChat.
É conveniente ter tanta coisa em um único aplicativo, e a verificação de identidade que o WeChat fornece facilita o uso de serviços de pagamento.
A melhor parte? Todo mundo que importa em sua vida está na mesma plataforma de mensagens, algo que o Facebook poderia conseguir em outras regiões do mundo.
Os telefones são carteiras
Na China, é muito mais provável que a elite tecnológica pague por produtos e serviços com seus telefones porque o sistema é amplamente aceito e não requer que os comerciantes atualizem seus terminais antigos com uma tecnologia especial como o Apple Pay, da Apple Inc.
Aplicativos como o WeChat permitem que você use uma carteira móvel (vinculada a uma conta bancária ou a um cartão de crédito) para fazer pagamentos, sem a necessidade de passar seu telefone sobre um dispositivo. Apenas abra a conta do comerciante ou prestador de serviços que você quer pagar, milhões dos quais também estão dentro do WeChat. O equivalente a isso nos EUA seria pagar o jantar com o Messenger do Facebook (um serviço que é bem provável que esteja nos planos do Facebook, já que ele contratou no ano passado um executivo do PayPal para tocar a divisão).
Um telefone novo todo ano
Na China, você não precisa esperar seu contrato terminar ou seu celular quebrar para trocá-lo. Amantes da tecnologia compram um telefone novo todo ano. Os dispositivos Android mais baratos da Xiaomi, Huawei e LeTV (frequentemente vendidos on-line e sem os orçamentos caros de marketing dos EUA), somados a serviços de telefonia móvel sem contrato, permitem que as pessoas sempre tenham a tecnologia mais recente — melhores telas, processadores e câmeras.
Sistema operacional melhor
Na China, você também não precisa esperar pelo software mais recente.
No Ocidente, atualizações de telefones Android, como o Samsung Galaxy, costumam ser complicadas porque o fabricante tem que oferecê-las primeiro para as operadoras. Na China, a Xiaomi, uma potente rival da Samsung, salta a operadora e oferece atualizações gratuitas aos usuários de seu modelo MIUI Android até uma vez por semana. Fãs ávidos se inscrevem para ter acesso a essas atualizações frequentes de software beta que eles alegremente testam para a Xiaomi.
O sistema da Xiaomi permite que superfãs colaborem dando ideias para melhorias. Dá para imaginar a Apple consultando seus consumidores sobre formas de melhorar o iPhone?
Os telefones são TVs
Na China, os telefones não são cidadãos de segunda classe quando se trata de assistir a programas de TV e filmes.
Na maior parte das vezes, os melhores programas estão disponíveis para streaming on-line. Os desafios históricos da China em relação à proteção da propriedade intelectual ajudaram o mercado a inventar novos modelos de negócios para a mídia. Serviços como Youku Tudou, iQiyi e Tencent Video convenceram muitos donos de conteúdo que são vítimas de pirataria a se unir, em vez de lutar contra, à demanda por vídeos on-line, tornando esses vídeos legítimos e recebendo dinheiro por isso através de anúncios ligados ao vídeo. Há a opção de pagar para assistir sem os anúncios publicitários.
Os chineses podem legalmente assistir aos mais recentes episódios de “Game of Thrones”de graça num site de vídeos da Tencent, embora os censores tornem o conteúdo muito menos emocionante que o visto na HBO pelo resto do mundo.
Lá, os serviços de vídeo on-line já estão até produzindo programas de realidade virtual de 360 graus especialmente para dispositivos móveis. Deste lado do mundo, não há nenhuma expectativa de que o Netflix produza uma versão de realidade virtual de “House of Cards” em breve. (WSJ – 20/08/2015)

Alemanha dá aval ao 3ª pacote de ajuda aos gregos
ECONOMIA
Principal crítico a um novo resgate, ministro disse, antes da votação, que seria 'irresponsável' rejeitar novo resgate
BERLIM
O Parlamento da Alemanha votou ontem a favor do terceiro pacote de ajuda financeira à Grécia.
Antes da votação, o ministro de Finanças alemão, Wolfgang Schaeuble, disse aos congressistas que Atenas merecia mais ajuda, após aceitar duras reformas econômicas e cortes orçamentários ligados ao pacote de ajuda de EUR 86 bilhões (US$ 95 bilhões).
A moção do governo da Alemanha foi aprovada no Parlamento em Berlim por 454 votos a 113, com 18 abstenções. A votação é um importante passo para a adoção final do pacote pelos ministros de Finanças da zona do euro.
Um primeiro desembolso, de EUR 13 bilhões, deve ocorrer ainda hoje, quando Atenas já precisa pagar uma dívida de EUR 3,4 bilhões com o Banco Central Europeu (BCE).
"É claro, meus queridos colegas, que não há garantia de que isso tudo vá funcionar e é normal que haja dúvidas, em face das experiências dos últimos meses e anos", disse Schaeuble, durante debate antes da votação do pacote para a Grécia no Parlamento alemão, para o qual os parlamentares tiveram de interromper seu recesso. "Mas pelo fato de o Parlamento grego já ter aprovado uma grande partes das medidas (que preveem ajuda financeira em troca de reformas), seria irresponsável não usar a chance de um novo começo na Grécia agora," completou.
O ministro alemão foi um dos principais críticos das negociações com o governo esquerdista da Grécia nos últimos meses e seu aval ao programa era crucial para conquistar o apoio de parlamentares céticos da coalizão conservadora da chanceler alemã, Angela Merkel. / DOW JONES NEWSWIRE (O Estado de SP – 20/08/2015)

Siemens vê Brasil além da crise e aposta em oportunidades no país
EMPRESAS
Engelharia Empresa se reestruturou depois de ter problemas de 'compliance' em 2006

Francisco Góes
De Munique
Na matriz da Siemens, em Munique, no sul da Alemanha, há uma amostra dos produtos criados pela empresa desde a sua fundação por Werner von Siemens, em 1847. São máquinas que evidenciam as transformações pelas quais passou a companhia ao longo de sua história. Os produtos em exposição vão do dínamo elétrico, base para a moderna geração de energia elétrica, até uma réplica em miniatura do Velaro, o trem de passageiros de alta-velocidade. Mas ainda hoje as mudanças na gigante alemã da engenharia continuam.
A Siemens vive em 2015 uma fase de transição marcada pelo corte de custos – a meta é economizar EUR 1bilhão até 2016-e pela consolidação de uma estratégia de negócios que busca tornar a empresa 'mais eficiente até 2020, onde chega seu planejamento estratégico 2016 é o ano em que vamos voltar a crescer", disse o presidente mundial, o alemão Joe Kaeser. No ano fiscal de 2014 (de 1º de outubro de 2013 até 30 de setembro do ano passado), a Siemens faturou EUR 71,9 bilhões, abaixo dos anos fiscais de 2013 e de 2012.
Em entrevista ao Valor, Kaeser falou sobre as mudanças pelas quais a Siemens vem passando sob sua gestão, que completa dois anos este mês. "Buscamos simplificar a organização e tomá-la mais ágil e descentralizada, com foco não na Alemanha, mas nos países ,onde atuamos", disse o executivo de 58 anos, nascido em Ambruck, estado da Baviera.A Siemens tem quatro áreas de negócios: energia, infraestrutura, automação e saúde. Até poucos anos atrás, porém, a Siemens era uma empresa focada em telecomunicações, mas vendeu ativos no setor e fez uma mudança bem-sucedida de perfil corporativo.
Hoje é uma companhia forte na área de energia, segmento em que tem uma ampla atuação (turbinas a gás e vapor, eólica e renováveis e gerenciamento de energia).
Kaeser citou o Brasil e a China, entre outros mercados, como exemplos da política regional da Siemens, de entender as necessidades locais dos clientes. Nesses dois grandes países emergentes, a Siemens está presente há mais de um século (a Cia. Brazileira de Eletricidade Siemens-Schuckertwerke foi fundada no Rio, em 1905). A lógica da Siemens é permanecer onde atua com visão de longo prazo mesmo que os países atravessem crises econômicas e políticas, caso do Brasil. "Estamos no Brasil há muitos anos e vamos permanecer com visão de longo prazo.
Não vamos sair porque há crise e voltar quando as pessoas acham que é um bom momento para estar lá.
Acrise representa também oportunidade", disse Kaeser ao responder pergunta sobre o fato de a visita da chanceler Angela Merkel, prevista para chegar ao país na noite de ontem, coincidir com momento de turbulência política e econômica.
No ano passado, a Siemens faturou cerca de EUR 2 bilhões no Brasil, o que representou quase 3% do faturamento global do grupo. Mas a meta da empresa, anunciada em junho quando Kaeser esteve no país e reuniu-se, em Brasília, com a presidente Dilma Roussef, é dobrar a receita até 2020. Se alcançar o objetivo, a Siemens vai sair de faturamento de R$ 5 bilhões no ano fiscal de 2014 para R$ 10 bilhões, em 2020. Kaeser disse ver "enormes" oportunidades no Brasil.
O presidente da Siemens no Brasil, Paulo Stark, afirmou que nos próximos anos haverá maior pressão por eficiência no setor elétrico no país, incluindo geração, transmissão e distribuição. E nesse contexto haverá oportunidades de crescimento para novas tecnologias, como as redes "inteligentes" de distribuição ("smart grid") e a chamada geração distribuída (microgeração). A Siemens é um dos líderes mundiais na área de gerenciamento de energia.
Stark citou ainda oportunidades na infraestrutura de transportes no país. Disse que a Siemens vem trabalhando em projetos com investidores para mostrar os benefícios de se construir uma estrutura ferroviária eletrificada e automatizada. Citou o exemplo da linha 4-Amarela do Metrô de São Paulo, implantada com base em sistema automatizado que aumentou a eficiência na operação.
Segundo Kaeser, a Siemens se sente confortável em relação ao longo prazo no país, embora reconheça que há desafios de curto prazo que precisam ser superados.
Por ser uma grande economia e um país populoso, o Brasil precisa de uma política de energia sustentável e confiável, afirmou. Mesmo reconhecendo a liderança do Brasil na área de energia renovável, uma vez que mais de 60% da eletricidade vem de fonte hídrica, é importante que haja um equilíbrio entre a energia renovável e outras fontes, disse Kaeser. Desde que assumiu a presidência da Siemens, ele vem implantando uma série de mudanças na companhia.
Em 2014, a Siemens definiu uma estratégia global, chamada de Visão 2020, apoiadaem três pilares: eletrificação, automação e digitalização. Essas três tendências são aplicadas às quatro áreas de negócios da companhia (energia, automação, infraestrutura e saúde).
Na reestruturação interna, a Siemens cortou o número de divisões de 16 para 9 e vendeu uma série de ativos ao mesmo tempo em que fez aquisições reforçando sua posição em alguns segmentos, especialmente no setor de energia com a compra do negócio de turbinas a gás da Rolls-Royce. Também comprou a americana Dresser-Rand, que opera com turbinas a gás e a vapor. As aquisições reforçaram a posição da Siemens no segmento de óleo e gás, inclusive no Brasil. Mas a empresa também fez aqui sições na área de automação industrial e digitalização.
Internamente, a Siemens também passou por uma espécie de depuração depois de registar problemas de controles internos ("compliance") que se tomaram evidentes a partir de 2006. Investigador independente foi contratado, executivos deixaram a companhia e houve renovação de parte do conselho de administração da empresa. Nos Estados Unidos, a Siemens foi acusada de não manter controles internos adequados e, em 2008, chegou a um acordo, no âmbito da lei americana contra corrupção no exterior.
Houve acordo semelhante na Alemanha.
No Brasil, onde tem 12 fábricas e sete mil funcionários, a Siemens demitiu o antigo presidente por problemas de "compliance" em 2011. E em 2013 delatou um cartel envolvendo empresas nacionais e estrangeiras, incluindo a própria Siemens, em licitações envolvendo o Metrô de São Paulo e do Distrito Federal. Kaeser disse que houve uma "massiva" reestruturação e uma "limpeza" na empresa. "Hoje somos uma empresa limpa a toda prova", afirmou. O processo sobre prática de cartel está em fase de produção de provas no Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade). "Cooperamos e esperamos tratamento justo, não pedimos piedade", disse Kaeser.
A meta da Siemens no Brasil é dobrar a receita de vendas, saindo de R$ 5 bilhões para R$ 10 bilhões em 2020
O repórter viajou a convite da Siemens (Valor Econômico – 20/08/2015)

Queda do yuan pode gerar desvalorização nos emergentes
INTERNACIONAL
Roger Blitz e Elaine Moore
Financial Times
O Cazaquistão e o Vietnã permitiram ontem que suas moedas se desvalorizassem. A medida gera expectativas de novas depreciações entre os emergentes, iniciativa que podería desencadear problemas de solvência financeira.
O impacto da desvalorização do yuan, as preocupações com a desaceleração da economia chinesa e a previsão de que os EUA elevarão os juros estão se refletindo sobre as moedas dos mercados emergentes, já desgastados pela queda dos preços das commodities.
O tenge, moeda do Cazaquistão, caiu 4,7%, aproximando-se do nível máximo de uma banda de flutuação fixada em julho pelo banco central. O país da Ásia Central, dependente do petróleo, que negocia intensamente com a Rússia e a China, enfrenta problemas com as quedas do rublo e do petróleo.
O banco central do Vietnã reagiu à depreciação do yuan ampliando sua banda de negociação e reduzindo o valor oficial fixado como o centro da faixa de flutuação. O dong caiu mais de 1%.
Demetrios Efstathiou, do ICBC Standard Bank, disse prever uma nova desvalorização do tenge, de 5% a 6%, até o fim do ano, mas acrescentou que isso será suficiente. "A magnitude da segunda desvalorização deveria ser de pelo menos 10%, se não 15%", disse ele.
Luis Costa, do Citigroup, disse que outros países da região "deverão seguir o exemplo", desvalorizando as suas moedas, mas seus BCs terão de administrar o processo cuidadosamente. "Terão de evitar o exagero."
Num momento em que os países em desenvolvimento da Ásia se esforçam para voltar à estabilidade, em meio a sinais de intensificação das evasões de capital, há preocupações de que a fragilidade cambial poderá pôr à mostra vulnerabilidades financeiras após anos de extravagâncias na tomada de empréstimos em moeda forte nas esferas pública e privada.
Os mercados emergentes mais do que dobraram sua dívida denominada em dólar nos últimos cinco anos, para US$ 4,5 trilhões, segundo o Banco de Compensações Internacionais.
Embora os riscos para os países tomadores de empréstimos sejam claros, os riscos associados à concessão de crédito a empresas podem representar problemas maiores, disse Alberto Gallo, analista de crédito do RBS. Cerca de um quarto do mercado de títulos de empresas denominadosem dólar é composto de emissores estrangeiros, ressaltou ele.
"Sem dúvida, veremos mais contágio em decorrência da decisão cambial da China", disse ele. "É uma questão de tempo para que a desvalorização da moeda se traduza em problemas de solvência."
Em outubro passado, o Cazaquistão voltou aos mercados internacionais de dívida pela primeira vez em mais de uma década. Nove meses depois, recorre ao mercado mais uma vez. O país emitiu um recorde de US$4 bilhões em bônus com vencimento em 10 e 30 anos em ju-, lho, durante um período de relativa calma no mercado.
Os preços de seus títulos caíram, elevando os rendimentos dos papéis com vencimento em 2024 de 3,97% em outubro passado para 5,34%.
Os custos dos empréstimos ao Vietnã, também um emitente pouco frequente de títulos nos mercados mundiais, subiram neste ano. O rendimento dos bônus do país com vencimento em 2024 saltou de 4,39% para 4,94%.
A Malásia e a Indonésia estão enfrentando pressão monetária sustentada. (Valor Econômico – 20/08/2015)

Dilma usa visita de Merkel para buscar apoio
Lisandra Paraguassu e Rafael Moraes Moura
Planalto reúne empresários com investimentos na Alemanha e tenta aproximação com setor
BRASÍLIA - A presidente Dilma Rousseff recebeu nesta terça-feira, 19, 12 empresários que têm investimentos no exterior para uma preparação para a visita bilateral da chanceler alemã, Angela Merkel. Apesar de tratar de um tema específico - a relação comercial com o país europeu -, o encontro foi mais um em uma série de contatos com empresários que a presidente tem aproveitado para buscar aproximação com o setor produtivo, em um momento em que o governo procura um pacto pela governabilidade.
Foram convidados ao Palácio do Planalto 20 empresários, dos quais 8 faltaram e 12 compareceram. De acordo com o ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio, Armando Monteiro Neto, o tema central da conversa foram as maneiras de avançar a relação comercial com a Alemanha, com quem o País tem déficit comercial. Perguntado se a presidente pediu apoio a uma agenda positiva e ao ajuste fiscal, Monteiro afirmou que a agenda em si já era positiva. "A agenda já era intrinsecamente positiva e de confiança", afirmou.
Ao chegar para o encontro, o presidente do Centro Empresarial da América Latina (Ceal), Ingo Plöger, elogiou as iniciativas de diálogo do Planalto e as ações tomadas pela presidente e pela equipe econômica para enfrentar a crise, além de ter pregado a proximidade dos empresários com o governo.
"Eu prefiro uma reforma com rumo claro, aonde estamos indo, do que uma situação insustentável como antes. O rumo que o governo está dando é de sustentabilidade, de combate à inflação, de trazer o controle das contas públicas", disse. "Estamos no rumo certo, só que vamos passar por uma fase difícil e todos nós vamos ter que ajudar para que passe rápido."
Essa é a primeira vez que Dilma chama empresários para discutir as pautas importantes para a indústria antes de uma visita de um chefe de Estado ao Brasil. Costumeiramente, isso ocorria apenas nas viagens da presidente ao exterior, quando conversava com empresários que acompanhavam a comitiva.
Nas últimas semanas, o governo tem apostado no setor empresarial para tentar obter apoio e reduzir a crise política, invocando o sentimento dos empresários de que é necessário estabilidade política para que o ajuste econômico tenha resultado. Amanhã, Dilma volta a se reunir com empresários regionais no Recife, repetindo o roteiro cumprido na semana passada em Salvador. Na próxima semana, a presidente deve abrir uma nova rodada de encontro com empreendedores em Fortaleza.
Pedidos. Na conversa de ontem, os empresários cobraram empenho do governo para acelerar a troca de ofertas do acordo Mercosul-União Europeia, visto como uma possibilidade de aumentar a corrente de comércio com o bloco e melhorar a pauta das exportações, hoje concentrada em produtos de baixo valor agregado, como farelo de soja e minério de ferro.
Também há esperança, no setor agropecuário, de que o governo consiga a liberação de exportação de proteína animal, especialmente suína, que ainda enfrenta barreiras fitossanitárias. (Estado de SP – 20/08/2015)

Horas antes da visita de Merkel, Dilma recebe empresários e pede 'confiança'
MARINA DIAS
DE BRASÍLIA
A presidente Dilma Rousseff reuniu nesta quarta-feira (19) empresários de diversos setores do país para tratar, oficialmente, das questões relativas à visita da chanceler alemã, Angela Merkel, que viajou ao Brasil acompanhada de uma delegação robusta, com sete ministros e cinco secretários de Estado.
Dilma pediu que fossem convidados ao Palácio do Planalto empresários brasileiros com presença no mercado internacional e interesses, principalmente, no país europeu. Nos bastidores, aliados afirmam que a presidente aproveitou o encontro de cerca de uma hora e meia para pedir "confiança" do empresariado em sua política econômica diante da crise que acomete o governo.
O ministro Armando Monteiro (Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior) disse que o encontro foi "intrinsecamente uma pauta positiva e de confiança", mas negou que Dilma tenha feito uma fala direta nesse sentido.
"É evidente que toda agenda que se pauta na visão da promoção econômica, do comércio, da ampliação de mercados é sempre uma agenda positiva na essência", disse o ministro. "Dilma não fez nenhuma mensagem [direta sobre confiança] porque eu acho que a nossa pauta foi tão densa e conectada com a agenda de promoção econômica que ela era intrinsecamente uma pauta positiva e de confiança", completou.
Na lista de convidados para a reunião estavam Jorge Gerdau, da Gerdau; Ricardo Villela Marino, do Itaú; Wesley Mendonça Batista, da JBS, entre outros. Os três, porém, não foram a Brasília e a presidente recebeu, ao lado de seis ministros, doze empresários, como Benjamin Steinbruch, da CSN (Companhia Siderúrgica Nacional), Carlos Fadigas, da Braskem, e Rubens Ometto, da Cosan.
Acompanham o encontro, além de Monteiro, os ministros Joaquim Levy (Fazenda), Nelson Barbosa (Planejamento), Aloizio Mercadante (Casa Civil), Katia Abreu (Agricultura) e Mauro Vieira (Relações Exteriores).
Monteiro destacou ainda o acordo de livre comércio entre Mercosul e União Europeia, visto como "prioridade" para o Brasil. Dilma quer propor a data de apresentação simultânea das ofertas comerciais ainda este ano.
O ministro afirmou que a Alemanha é um "parceiro estratégico" em áreas como energia, agropecuária e infraestrutura –em que o Brasil apresentará o plano de concessões como opção de investimento para o país europeu.
Apesar disso, não se espera nenhum grande acordo financeiro neste encontro entre Dilma e Merkel, que se inicia com um jantar de recepção no Palácio do Alvorada nesta quarta e termina com reuniões de trabalho e um almoço no Itamaraty nesta quinta-feira (20).
Os memorandos de entendimento que serão assinados, entre eles um de mobilidade urbana e outro na área de ajuda ambiental por parte da Alemanha, somam US$ 500 milhões em projetos, considerados modestos diante do porte dos dois países. (Folha de SP – 19/08/2015)

Positivo relança marca de PCs Vaio no Brasil
SÃO PAULO (Reuters) - A Positivo Informática anunciou nesta quarta-feira que vai produzir computadores pessoais Vaio no Brasil, em um relançamento no país da marca japonesa detida até 2014 pela Sony.
Os computadores a serem produzidos pela Positivo foram desenvolvidos pela Vaio e começam a ser vendidos no Brasil a partir de outubro. A Positivo será responsável também pelo atendimento aos consumidores da marca.
Segundo a Vaio, que foi vendida pela Sony para o grupo Japan Industrial Partners, em 2014, trata-se da primeira parceria internacional deste tipo firmada pela empresa desde a separação do conglomerado japonês de eletrônicos.
A parceria acontece em um momento de queda nas vendas de PCs no Brasil depois de um recuo de 26 por cento do mercado em 2014. (Por Natália Scalzaretto) (Reuters – 19/08/2015)

O que significa a entrada do Brasil no seleto grupo de parceiros da Alemanha?
Mariana Schreiber
Chegada de comitiva alemã sinaliza 'interesse de longo prazo' no Brasil, analisa diplomata
Pouco mais de um ano após visitar o Brasil para ver sua seleção campeã do mundo, a chanceler (premiê) alemã, Angela Merkel, está de volta ao país com objetivo de estreitar as relações entre as duas nações.
A visita conta com uma comitiva de sete ministros e cinco secretários de Estado e inaugura um processo de "consultas intergovernamentais" entre os dois países.
Dessa forma, o Brasil entra para um seleto grupo de parceiros mais próximos da Alemanha – a maior economia europeia só mantém esse tipo de relacionamento com oito países: França, Itália, Espanha, Polônia, Israel, Rússia, China e Índia.
A partir de agora, a previsão é que a cada dois anos uma comitiva de peso de um dos países visite o outro. Ou seja, o plano é que em 2017 a presidente brasileira vá a Berlim acompanhada de alguns ministros. Nesses encontros, deve ser discutido o plano de cooperação entre os dois países em diversas áreas.
A comitiva alemã chega na noite desta quarta-feira e participa de um jantar no Palácio do Alvorada com a presidente Dilma Rousseff e ministros brasileiros. Ao longo da quarta-feira haverá mais de 20 encontros entre as autoridades dos dois países.
Segundo o diretor do departamento da Europa no Itamaraty, Oswaldo Biato Júnior, o fato de o governo alemão estar vindo em peso ao Brasil em meio a um momento delicado para os dois países reforça a importância do encontro.
"Não só a visita acontece num momento difícil para eles, com negociações extremamente complexas sobre a Grécia, como a comitiva vem só para isso", afirmou, destacando que Merkel e seus ministros não aproveitarão a viagem à América Latina para visitar outros países na região.
Biato observou que os alemães não são "marinheiros de primeira viagem" – os investimentos no país já têm um século e atravessaram outros momentos difíceis, como as crises dos anos 1980 e do governo de Fernando Collor de Mello (1990-1992).
"Se não acreditassem no êxito do governo, não estariam vindo. Teriam cancelado meses atrás. Isso demonstra que há realmente um interesse estratégico, de longo prazo (no Brasil)", reforçou.
Os países têm interesses comuns em diversas áreas, como meio ambiente, reforma do Conselho de Segurança da ONU, privacidade da internet, ciência e tecnologia, direitos humanos e investimentos produtivos. Porém, a expectativa é de que a visita não resulte em anúncios bilionários, como ocorreu na passagem do primeiro-ministro chinês, Li Keqiang, em maio.
"Esse não é o estilo alemão. Eles atuam de forma mais discreta e com visão de longo prazo", nota Roberto Abdenur, embaixador em Berlim por seis anos durante o governo Fernando Henrique Cardoso (1995-2002).
Saiba quais as principais áreas que devem ser destaque na relação mais póxima entre Brasil e Alemanha nos próximos anos.
Meio ambiente
Área de colaboração histórica entre os dois países, a questão ambiental terá especial importância durante a visita de Merkel a Brasília, quando é esperado um comunicado conjunto das duas presidentes sobre a Conferência do Clima, a COP21, que acontece no final do ano em Paris.
Segundo o Greenpeace, a cooperação na área ambiental se consolidou no início dos anos 90 com a criação do Programa Piloto para a Proteção das Florestas Tropicais (PPG7), visando o desenvolvimento e a criação de áreas protegidas no Brasil. A Alemanha foi o principal parceiro e investidor do programa, tendo contribuído também para outras iniciativas como o Fundo Amazônia.
Nesta quarta-feira, a ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, e sua equivalente alemã, Barbara Hendricks assinam acordos de cooperação de 54 milhões de euros (cerca de R$ 210 milhões). Os recursos serão utilizados na redução das emissões de gases de efeito estufa e em atividades de proteção da Amazônia e de áreas de transição para o cerrado.
Outros 23 milhões de euros (R$ 89 milhões) serão doados à Caixa Econômica Federal, destinados à implementação do Cadastro Ambiental Rural (CAR) – registro de terras que se tornou obrigatório com o Novo Código Florestal.
Assim como Merkel, Dilma foi monitorada por agência dos EUA; assunto está na pauta dos encontros
Reforma da ONU
Ambos os países não fazem parte do Conselho de Segurança da ONU – criado após a Segunda Guerra Mundial - e atuam juntos na tentativa de reformar o órgão.
Segundo o embaixador Abdenur, Rússia e China são os principais focos de resistência à ampliação do órgão, que conta ainda com outros três membros permanentes – França, Estados Unidos e Reino Unido.
Oliver Stuenkel, professor de Relações Internacionais na Fundação Getulio Vargas (FGV), nota que Brasil e Alemanha têm pontos de convergência na área de segurança internacional. As duas nações compartilham "uma relação ambígua com os Estados Unidos" e uma postura de "ceticismo" com relação às intervenções do país.
"Ambos se abstiveram da resolução que possibilitou a intervenção militar na Líbia em 2011 e tiveram as mesmas críticas sobre a forma como ela foi conduzida. Também foram céticos sobre a invasão no Iraque", exemplifica.
Segurança da internet
A revelação de que Dilma e Merkel foram monitoradas pela NSA – Agência de Segurança Nacional dos EUA – aproximou os dois países na área de segurança da internet.
Desde 2013, duas propostas conjuntas de resolução sobre o tema foram apresentadas à ONU solicitando que a organização promovesse o direito à privacidade na internet em todos os países. Adotadas por consenso, resultaram na criação de uma relatoria especial para supervisionar a evolução do tema.
A expectativa é de que a Alemanha, que conta com tecnologia mais avançada, colabore com o governo brasileiro para a melhora da proteção de dados no país.
Educação, ciência e tecnologia
A visita prevê assinatura de alguns acordos para promoção de pesquisa, outra área já tradicional de cooperação entre os dois países, de acordo com o embaixador Biato Júnior.
Ele detalhou que serão firmadas declarações conjunta de intenções para desenvolvimento de pesquisas sobre biotecnologia, energias renováveis, a parte sul do Oceano Atlântico e para exploração das chamadas “terras raras”, entre outros estudos.
"Terras raras são matérias-primas estratégicas necessárias para produtos de alta tecnologia como smartphones. Nos últimos anos, por questões econômicas, a exploração acabou sendo quase que exclusivamente feita na China, o que levantou uma preocupação de um monopólio", explicou.
"Os alemães, assim como japoneses e coreanos, estão interessados em ampliar o leque de fornecedores, e o Brasil, junto com Rússia e Mongólia, tem jazidas importantes ainda não exploradas", acrescentou.
Além disso, o governo alemão tem intenção de ampliar as aulas de alemão para brasileiros que vão estudar no país, o "Alemão sem fronteiras". Hoje, há cerca de 6 mil brasileiros estudando na Alemanha, um dos principais países receptores de alunos do programa Ciências Sem Fronteiras.
Economia
A Alemanha é o quarto maior parceiro comercial brasileiro – atrás de China, Estados Unidos e Argentina. A soma das exportações e importações entre os dois países chega a US$ 20 bilhões – valor que ficou mais ou menos estagnado nos últimos anos.
Segundo o Itamaraty, o país é historicamente um dos que mais investe no Brasil, havendo cerca de 1,6 mil empresas alemãs instaladas no território brasileiro.
Não são esperados anúncios de investimentos durante a visita de Angela Merkel, mas a presidente Dilma Rousseff deve fazer uma apresentação do Programa de Investimento em Logística (PIL), pacote de concessões que prevê gastos de R$ 198 bilhões na área de infraestrutura. (BBC Brasil – 19/08/2015)

Exportação e receitas no exterior sustentam lucro
EMPRESAS
Balanços
Companhias evitam prejuízos, apesar de custos crescentes
Daniela Meibak
De São Paulo
As receitas com exportação e com atividades internacionais sustentaram os resultados das companhias abertas no segundo trimestre, em momento de forte desaceleração econômica no Brasil.
Levantamento feito pelo Valor Data com 248 empresas não financeiras mostra que a receita líquida nos meses de abril, maio e junho subiu 9% e passou para R$ 317,24 bilhões. A expansão acompanha a inflação de 12 meses, de 8,89% em junho, medida pelo IPCA.
Os custos dos produtos e serviços vendidos, no entanto, aumentaram12%, o que indicauma redução da eficiência em meio ao que os executivos chamam de "cenário desafiador": uma crise de grandes proporções que testa a resiliência, para usar outra expressão muito em uso, das companhias brasileiras.
Não fosse o escape pela exportação, a situação seria certamente muito mais grave. Além disso, houve uma ajuda extra: a queda de 3,43% no dólar do fim de março para o fim de junho, cotado a R$ 3,10 no encerramento do trimestre, amenizou o efeito do câmbio sobre as dívidas em moeda estrangeira. A despesa financeira líquida recuou 15%, para R$ 9,31 bilhões no período. Com isso, o lucro líquido melhorou 18%, para R$ 21,91 bilhões.
"As companhias expostas ao mercado externo conseguiram manter um operacional bom. Quanto mais rápido fizeram novos contratos fora do Brasil e exportaram os produtos, melhor a situação", afirma Daniel Utsch, analista-chefe da Fator Corretora. O Valor Data analisou com mais profundidade o balanço de cerca de 100 empresas exportadoras e com atividades fora do país. Compilou dados de 41 delas que detalham os dados de receita. Dessa amostra, 80% mostraram avanço na participação de ganhos no exterior em relação à receita total. Os esforços de aumentar vendas para fora do Brasil e a alta da moeda americana explicam o movimento.
Na busca pelo mercado externo, a WEG é um caso clássico de crescimento nos resultados no trimestre.
A receita total subiu 29% nos meses de abril, maio e junho de 2015, sendo que o avanço desse indicador no exterior foi de 41% no mesmo período. A participação do mercado externo na receita total saiu de 51% para 55%.
"A desvalorização da moeda brasileira potencializou a diversificação geográfica e a ampliação da linha de produtos, resultando em forte crescimento da receita líquida", diz a WEG em seu relatório da administração que acompanha o balanço.
A fabricante de porcelanatos e revestimentos cerâmicos Portobello teve melhora de 50% nas vendas ao mercado externo, o que puxou o crescimento dos resultados no trimestre.
A Alpargatas, fabricante de calçados, também foi beneficiada por essa estratégia e mostrou avanço de 14% na receita total do período, explicada pelas vendas ao mercado internacional.
O presidente da Alpargatas, Márcio Utsch, espera resultados positivos no segundo semestre, favorecidos pelas exportações. "Posso garantir que as condições de exportação permanecem. No ano passado a companhia cortou despesas na operação da Argentina e a expectativa é de resultados muito bons", afirma o executivo ao citarumdos mercados externos. No caso dessa companhia, a participação do mercado internacional na receita total saiu de 37% para 45,4%.
Outro caso de destaque no período de abril a maio foi a Arezzo, que teve melhora nas vendas para fora do Brasil com a reativação de negócios com parceiros externos da marca Schutz, segundo o presidente da varejista, Alexandre Birman. A empresa mudoua estratégia nos Estados Unidos no início do ano, enviou executivos para Nova York, alterou o mix de produtos, o preço e estratégia de comunicação e marketing.
Paranapanema, Ferbasa, Tupy, Ambev, Iochpe-Maxion e Marcopolo também aumentaram a empresas selecionadas aumentaram participação das vendas externas na receita total do 2 8 trimestre, na comparação anual.
Fontes Valor PR0 e CVM. Elaboração: Valor Data. 248 companhias com dados disponíveis em todo o período até 17/08/15. Exdui dos totais os números de Petmbras e Eletrobras. - Atribuível aos acionistas da controladora. Antes do resultado financeiro e dos tributos participação de receitas do exterior no total faturado.
A exportação é um dos focos futuros da Marcopolo, segundo o diretor financeiro, José Antonio Valiati. O executivo espera fechar negócios em mercados em que antes a empresa não era competitiva, como o do Oriente Médio. Outro plano é tentar voltar a exportar para a Argentina.
O setor de siderurgia e mineração também tem buscado diversificar operações, mas a singularidade do setor mantém os números fracos no período.
Andrew Campbell, estrategista de renda variável do Credit Suisse para América Latina, lembra que o setor siderúrgico é um dos que apresenta pior desempenho dentro do Ibovespa no ano e tem muitas revisões negativas por parte dos analistas. Gerdau, Usiminas e CSN aumentaram ganhos vindos de fora do país, mas a desaceleração da demanda por aço as mantém no vermelho.
A Vale, que exporta a maior parte da produção, manteve estável a participação de receitas externas no total faturado em cerca de 84%. A companhia, no entanto, sofre com a acentuada queda dos preços do minério de ferro. O resultado líquido no período foi beneficiado, entre outros fatores, pela receita financeira líquida de R$ 1,62 bilhão nos três meses, enquanto teve despesa financeira de R$ 128,5 milhões um ano antes. (Valor Econômico – 19/08/2015)

China provoca mais ondas de instabilidade nos emergentes
OPINIÃO
Os principais estragos nas economias emergentes, em especial as da América Latina, estão sendo hoje provocados mais pela instabilidade da China do que pela proximidade da normalização da política monetária americana. As cotações das commodities voltaram a recuarem julho, tendo como detonador inicial a desvalorização do yuan e como pano de fundo as dificuldades que o governo chinês encontra para sustentar a meta de crescimento de 7%. O espantalho imediato de uma forte depreciação da moeda chinesa se esvaiu, mas não os temores de uma queda maior do que a esperada do desempenho econômico do país.
Depois deajustar seu regimecambial, novos sinaisde preocupação emergiram ontem com a abrupta queda da bolsa de Xangai, de 6,2%. O recuo, na verdade, ocorreria em algum momento, já que o mercado está sendo artificialmente sustentado por intervenções diretas e indiretas do governo. Com tendência de baixa, após subir 150% em um ano, qualquer sinal de que o suporte às ações será retirado causaria uma corrida à porta desaída. Foi o queocorreu ontem, depois que se divulgou que o órgão estatal encarregado de financiar margens no mercado deixará de fazê-lo.
As decisões oficiais têm provocado nervosismo, com sinais ambíguos. O volume de dinheiro para o financiamento de margens de ações multiplicou-se por cinco e o esforço recente para sustentar uma cotação artificial consumiu pelo menos US$ 144 bilhões. A preocupação de fato era com o efeito da queda para a economia. Um recuo de25% nas ações provocaria redução de ativos equivalentes a 10% do PIB. O impacto direto sobre o bolso dos chineses não seria tão relevante, pois apenas 9% deles tem aplicação em bolsa e o impacto de uma queda dessa magnitude consumiria 9% de seus ativos, segundo cálculos do Fundo Monetário Internacional.
Há uma tentativa de reduzir ordenadamente os enormes estímulos à economia injetados desde a crise de 2008, que continuaram a ocorrer desta vez para impedir que a economia retroceda a um nível indesejável pelas autoridades. As estatísticas, de qualquer forma, mostram que a direção da economia, por desejo das autoridades e pelo efeito das ações já tomadas, é para baixo. De janeiro a maio, o crédito contraiu15% em relação ao mesmo período de 2014.
Os investimentos fixos, que devem subir 6,1% do PIB este ano, caíram pela metade ante os 12,6% de 2010.
Além disso, a fatia do comércio externo no PIB, como previsto, está diminuindo. As exportações recuaram de 26,3% para 21% do PIB de2010 a 2015. A queda das importações foi ainda mais significativa, de 22,1 % para 15,1%. Há mudanças estruturais em ação: a China subiu na escala de valor agregado da produção, produz agora mais bens internamente do que antes e de maior intensidade tecnológica, demandando menos insumos do exterior. A participação dos importados no comércio total da China (inclui insumos de fora em bens exportados) caiu de 56% em 2005 para 35% em 2014.
Ainda que não se esperem baixas vertiginosas nos preços das commodities no médio prazo, o ciclo de ouro puxado pela ascensão da China ficou claramente para trás. A situação, porém, pode piorar um pouco mais no curto prazo se ocorrer um pouso forçado da economia chinesa. O mercado imobiliário, foco de intensa especulação, é um grande problema, embora dê sinais recentes de reativação.
Metade do investimento imobiliário ocorreu em cidades pequenas, que estão às voltas com estoque de habitações correspondentes a três anos de vendas. A exposição dos bancos a esse mercado, sem contar a do sistema sombra e dos veículos de financiamento por eles emitidos, chega a 30% de seus ativos.
O nível de atividade ainda está sendo sustentado por maciça dose de estímulos. O FMI calcula que a dívida do governo chinês, incluindo a que não está no balanço, é de 57% do PIB. A do governo central saltou de 31,5% em 2008 para 40,7% agora. Em conversas com o governo chinês, o FMI recomendou que os estímulos não sejam retirados drasticamente, e que uma expansão de 6% com reformas seria mais desejável do queuma meta mais ambiciosa semamparo macroeconômico. A China tenta uma difícil travessia, assim resumida pelo FMI: um crescimento muito baixo levará ao aumento das vulnerabilidades, e um mais rápido, ao ajuste desordenado. Da resolução desse dilema depende boa parte do vigor futuro dos emergentes e da economia global. (Valor Econômico – 19/08/2015)

Merkel busca melhores condições para investimentos de empresas alemãs no Brasil
BERLIM (Reuters) - A chanceler alemã, Angela Merkel, vai pressionar o Brasil nesta semana para garantir melhores condições de investimentos para empresas alemãs que colocaram 19 bilhões de euros na economia brasileira, mas enfrentam alta nos custos de energia, disseram autoridades do governo alemão.
Merkel viaja a Brasília na quarta-feira para uma visita de dois dias acompanhada de uma delegação que inclui representantes de 11 departamentos do governo alemão e de grandes companhias do país.
Nenhum grande acordo empresarial deve ser anunciado durante a visita, mas o cenário para os investimentos deverá ser um dos principais itens da agenda para os alemães, que têm 1.300 empresas ativas no Brasil, país cuja economia está em recessão.
"Acho no geral que o clima para investimentos pode ser melhorado para torná-lo mais atrativo para investimentos alemães lá", disse uma importante autoridade do governo da Alemanha envolvida na preparação da viagem, a quarta de Merkel ao Brasil.
Essa autoridade classificou a economia brasileira como "um motivo para preocupação", mas acrescentou: "O Brasil é um parceiro importante, e o potencial está lá".
Autoridades alemãs esperam trabalhar com representantes brasileiros para encontrar consenso sobre políticas de clima antes de uma conferência da Organização das Nações Unidas (ONU) em dezembro, na qual cerca de 200 países buscarão um acordo para limitar o aumento da temperatura global.
Os alemães esperam assinar acordos conjuntos com o governo brasileiro sobre política para o clima e cooperação para a inovação durante a viagem. (Reportagem de Paul Carrel) (Reuters – 18/08/2015)

Epson desenvolve impressora sem os cartuchos de tinta
Por Wilson Rothman
Todo mundo se lembra de uma história quando a impressora ficou sem tinta em um momento decisivo ou, pior, sinalizou que a tinta estava acabando quando ainda tinha muita tinta no cartucho.
Quanto você pagaria por uma impressora que nunca fica sem tinta?
A Epson finalmente colocou um fim no terror dos cartuchos de tinta, pelo menos para as pessoas que queiram pagar adiantado para resolver o problema. As cinco novas impressoras da série EcoTank parecem modelos normais, mas elas possuem compartimentos que armazenam um enorme volume de tinta para anos de uso.
A tecnologia das impressoras ficou estática durante anos. A Epson e suas concorrentes Hewlett-Packard, Canon e Brother fazem fotos dignas de serem emolduradas e cospem páginas e páginas de texto em uma velocidade decente. É normal que elas se conectem a redes Wi-Fi e funcionem com dispositivos móveis.
A maioria das pessoas compram impressoras pelo preço: US$ 100 é o número mágico no mercado americano para todo mundo, exceto para o fã de fotografias, e os fabricantes de impressoras gostam desse cenário. Eles perdem dinheiro no hardware, mas ganham com a tinta.
Não gostamos de pagar muito pela tinta e, na prática, ao primeiro sinal de problema, muitos de nós abandonamos a impressora e compramos uma nova. E temos continuado assim por anos.
Agora, contudo, novas alternativas desestabilizaram a “economia da tinta”. Grandes varejistas como a Amazon e o Wal-Mart vendem marcas genéricas de tinta a preços muito baixos. As fabricantes de impressoras afirmam que esta tinta pode provocar problemas de impressão e reduzir a qualidade dos impressos, mas a diferença de preço é surpreendente.
Um modelo básico da Epson, a Expression XP-420, que reúne impressora e scanner, tem preço de referência de US$ 100 nos Estados unidos e chega a ser vendida por até US$ 60. Um conjunto de cartuchos de reposição de tinta padrão, contudo, custa cerca de US$ 40. Os cartuchos da XL da Epson têm quase três vezes mais tinta e saem por US$ 80.
Mas o novo passo da Epson é astuto. Em vez de competir em preço, a fabricante está eliminando de vez a questão do cartucho. Quando você compra a impressora EcoTank — a ET-2550, por exemplo, que se parece muito com a XP-420 —, você preenche seu reservatório com quatro câmaras com a tinta dos contêineres plásticos incluída na impressora.
Com a impressão de 35 páginas em preto e branco e 60 coloridas toda semana, estima-se que o reservatório dure dois anos. Finalmente, quando você precisar de mais tinta, a Epson enviará um novo conjunto de reposição por US$ 52. O mesmo volume de tinta da Epson, em cartuchos da XL, custaria 10 vezes mais.
O velho modelo está descartado. A Epson não está tentando ganhar dinheiro com tinta desta vez porque ela está cobrando adiantado pela impressora. A ET-2550 custa US$ 400 nos EUA; seu irmão mais velho, a ET-4550, com fax, alimentador de papel e sistema ethernet custa US$ 500 nos EUA.
Eu perguntei ao diretor-superintendente da Epson America, John Lang, porque sua empresa era a única a fazer isso. Afinal, isso parece ser a estratégia óbvia. A resposta, disse ele, tem a ver com o hardware: a vantagem da Epson está em seus cabeçotes mecânicos permanentes de impressão, ao contrário dos modelos térmicos descartáveis usados por seus principais concorrentes. Como os cabeçotes da Epson estão sempre conectados à impressora, a tinta pode ser bombeada até eles de qualquer lugar — de um cartucho ou de um taque ao lado da impressora. Mais importante, por serem mecânicos, não térmicos, eles podem operar durante vários anos sem a necessidade de substituição e têm menor probabilidade de apresentar defeitos.
O principal concorrente da Epson, a Hewlett-Packard, tem uma resposta diferente para o problema de tinta: assinaturas. Com um custo de US$ 3 a US$ 10 por mês nos EUA, você pode ter remessas automáticas de cartuchos de tinta enviadas com base nas páginas que você imprime. Você paga mais se ultrapassar seu limite e pode “rolar” a tinta não utilizada em um mês para o próximo. Mas o sistema favorece impressores com um uso muito previsível. A assinatura de tinta da H-P pode fazer sentido para donos de de pequenas empresas, mas mesmo assim vale a pena analisar a alternativa da Epson. Para mim, é terrível pensar em uma assinatura de tinta. Vale a pena pagar uma soma expressiva para evitar a continuidade da relação com a fabricante de minha impressora.
Há também um aspecto sustentável: será o fim dos cartuchos plásticos usados no lixo. Você deveria devolver os cartuchos vazios quando compra cartuchos novos, mas a maioria de nós (inclusive eu) acaba jogando tudo no lixo. A ET-2550 EcoTank com reservatório para 20 vezes o tamanho de um cartucho economiza automaticamente 80 cartuchos de plástico.
Mas, para a maioria das pessoas, o que importa é o bolso. Se você seguir as regras da Epson, uma impressora Epson de US$ 100 usando tinta da Epson custaria até US$ 800 em dois anos, enquanto a EcoTank sai pela metade do preço. Mas pagar o preço cheio por cartuchos de tinta é um conceito descartado. Se você compra apenas cartuchos genéricos para sua impressora de US$ 100, seu custo total, mesmo depois de dois anos, é menor que US$ 200. (WSJ – 18/08/2015)

Setor de TI ganha peso na gestão de companhias
ECONOMIA
Governança Corporativa
Levantamento indica que executivos apostam em ambientes digitais, como computação em nuvem, para ampliar receitas
Ian Chicharo Gastim
O cheque já foi um dos principais meios de pagamento. Hoje, no entanto, as transações são feitas principalmente por sistemas eletrônicos. Essa transformação da economia para ambientes digitais, que abrange tecnologias como computação em nuvem, plataformas móveis e mídias sociais, mudou a forma como empresas fazem negócios, evidenciando a função estratégica das áreas de Tecnologia da Informação (TI) para a estrutura de governança de organizações.
Uma pesquisa da Dell reforça esse cenário. Segundo o levantamento, feito com executivos de diversas áreas, 78% dos entrevistados acreditam que a "digitalização" de negócios, por meio de sistemas de análise de dados, e-commerce, gestão de conteúdo, entre outros, pode impulsionaras receitas.
Diretor de Produtos e Soluções Empresariais da Dell para a América Latina, João Bortone diz queas novas tecnologias são cruciais para a governança de empresas.
"Hoje a tecnologia não serve apenas como um apoio à realização de negócios, ela é o princípio que rege estratégias que empresas possam definir para o seu funcionamento e sucesso", afirma.
Apesar de a pesquisa indicar que a digitalização está ainda mais restrita à TI - 54% dos entrevistados a citaram como a área mais avançada nesse processo -, Bortone afirma que a tendência é de que, cada vez mais, empresas implementem soluções digitais nos negócios. "Há "bolsas' de resistência, mas a maioria das empresas acredita que pode ter mais resultados com a digitalização", afirma.
"Hoje, já temos mais celulares do que brasileiros.
Existe um potencial de alcançar clientes com custos menores", diz o especialista.
Segundo o professor do Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) da USP, João Porto de Albuquerque, as empresas mudaram a visão sobre a área de TI. "Antes, a TI era apenas uma prestadora de serviços para outras áreas, considerada como um centro de custos", afirma. "Hoje, a TI tem um papel mais estratégico na estrutura de governança, precisando estar alinhada com estratégias da empresa."
Essa mudança, segundo ele, também provocou uma alteração de perfil do profissional da área. "Antes eleera só preocupado com questões técnicas, mas atualmente precisa ter uma visão de negócios, para contribuir com as estratégias da empresa", afirma.
Sócio da área de Tecnologia da consultoria Deloitte, Cláudio Soutto também enxerga na TI uma área de grande importância para empresas no contexto da economia digital. "A área de TI deve ser a grande 'orquestradora'da empresa, dando suporte para outras áreas", afirma. "A maioria das novas iniciativas vão sair da área de negócios, mas quem vai pensar na estrutura, dar segurança e padronização de linguagem e softwares, é a TI", completa.
Segurança. Não existe um sistema 100% seguro no meio digital, o que traz à tona a necessidade de uma boa gestão de riscos tecnológicos em empresas, avalia João Porto deAlbuquerque, da USP:"Existem tecnologias de vários graus de sofisticação que permitem oferecer um bom nível de segurança. É uma questão de gestão de riscos".
O especialista diz que a TI tem um papel crucial para mostrar para a empresa as ameaças que envolvem uma estratégia de negócios na economia digital e, assim, justificar o investimento em diferentes opções de segurança: "A análise de risco deve ser feita com a visão dupla, sobre riscos digitais e o valor estratégicos dos ativos a serem protegidos". (O Estado de SP – 18/08/2015)

No maior aperto
ECONOMIA
Queda. Indústria pesada da China vive excesso de capacidade instalada
The Economist
Recuperação da economia americana e desaceleração da China pressionam os países emergentes Nosúltimos anos, o verão do hemisfério norte tem sido palco de turbulências financeiras e o de 2015 não está sendo diferente. A inesperada desvalorização do yuan, na semana passada, fez aumentar os temores sobre o estado da economia chinesa, provocando quedas nos preços das commodities e nas taxas de câmbio dos países emergentes. Na Europa e nos EUA, as bolsas de valores balançaram. O cobre atingiu seu menor nível nos últimos seis anos; o barril do petróleo está cotado a menos de US$ 50; a moeda da Malásia caiu a seu patamar mais baixo desde a crise asiática de 1998. Até o Canadá flertacom a recessão.
Não há fator isolado capaz de explicar tudo que está acontecendo. Mas dois países, e a relação entre eles, oferecem as coordenadas para que se possa entender as razões do torvelinho. Os EUA ainda são a maior economia do mundo e dão o tom para as taxas de juros e de câmbio em termos globais. Entre os maiores PIBs do planeta, a China tem registrado, de longe, o crescimento mais acelerado. Esses dois titãs começaram a puxar a corda da economia mundial cada um para um lado. A recuperação americana está aos poucos ganhando embalo, ao passo que a economia chinesa sofre forte desaceleração. A divergência é problemática, em especial para os mercados emergentes que nadaram na onda do boom de investimentos da China e da fartura de crédito barato nos EUA. E o pior está porvir.
Começando pelos Estados Unidos, onde o PIB voltou a andar para a frente depois de um primeiro trimestre periclitante e cujos dados sinalizam, de maneira clara e uniforme, umcrescimento mais sólido.Em julho, o setor privado (excluindo-se fazendas, empregadores domésticos e entidades sem fins lucrativos) acrescentou 215 mil funcionários a suas folhas de pagamentos, um aumento substancial, em conformidade com a tendência mensal observada nos últimos tempos. A taxa de desemprego está em queda, perto de 5%.
O crescimento saudável da maior economia do planeta éuma boa notícia. Mas fez com que se aproxime o momento em que o Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA) elevará a taxa de juros pela primeira vez em quaseuma década - talvez em setembro mesmo. Essa perspectiva provocou a valorização do dólar, que nos últimos dois anos teve alta de 15% em relação às demais moedas utilizadas nas transações externas do país. Com isso, os mercados emergentes estão sendo esmagados de duas maneiras. Primeiro, o capital é atraído pela maior rentabilidade dos ativos americanos, em vez de ser investido em seu país de origem; e, segundo, os tomadores corporativos do mundo em desenvolvimento estão expostos ao risco cambial de US$ 1,3 trilhão, por conta de títulos denominados em dólar emitidos entre 2010 e 2015. Segundo o Banco de Compensações Internacionais, o grosso dessas emissões foi feito pela própria China, e também por Brasil, Rússia, México e Coreia do Sul.
Enquanto a economia americana pisa no acelerador, a chinesa põe o pé no freio. Dados alarmantes, divulgados na semana passada, mostram que o país exportou 8% menos em julho equeos preços no atacado sofreram queda de 5,4%. Esses preçosvêm caindo há 41 meses consecutivos, indicando o excesso de capacidade instalada cm grande parte da indústria pesada do país. Parte da desaceleração econômica chinesa é inevitável e, ao mesmo tempo, bem-vinda, pois reflete a transição de um crescimento baseado em investimentos para um crescimento centrado no consumo. Para muitos mercados emergentes, porém, isso não reduz em nada o impacto negativo.
Quem mais sofre com a desaceleração chinesa são os produtores de commodities, do Brasil à África do Sul. Mas as consequências não se restringem a eles.
O crescimento do PIB de Cingapura, que é ótimo indicador do desempenho da economia mundial, recuou para menos de 2%, sua menor taxa em três anos.
Levantamentos realizados junto a gerentes de compras sugerem que o PIB está se contraindo em Taiwan e na Coreia. Até a índia, que tem muito menos vínculos comerciais com a China do que seus vizinhos, está sentindo o arrocho. Suas siderúrgicas se queixam de que o país está sendo inundado por importações de aço chinês barato. A pressão implacável sofrida pelos preços no atacado na China obriga a indústria dos países vizinhos a também vender mais barato, ou se arriscar a perder participação de mercado.
O sentido divergente das trajetórias econômicas de Estados Unidos e China também complica a inter-relação entre as duas potências. Até asemana passada, a flutuação administrada damoeda chinesa ante o dólar significava que o yuan vinha acompanhando o fortalecimento da moeda americana, mesmo com a economia chinesa avançando em ritmo mais lento: a taxa de câmbio efetiva real (resultante da comparação com as moedas mais amplamente utilizadas nas transações comerciais externas do país) subiu mais de 10% desde o início de 2014. Daí os temores de que a desvalorização da semana passada seja prenúncio de esforços concentrados para enfraquecer o yuan e beneficiar os exportadores chineses – pressionando ainda mais os outros mercados emergentes.
Esses receios são exagerados. Pequim não está prestes a embarcar numa guerra cambial. A desvalorização inicial de 2% do yuan só desfez a apreciação registrada pelo câmbio efetivo real nos dez diasanteriores.Asmudanças realizadas pelo banco central chinês no regime cambial destinam-se,em parte, a fortalecer o papel das forças de mercado na determinação do valor do yuan. O risco de tuna fuga de capitais faz com que as autoridades monetárias evitem políticas continuadas de desvalorização.
Suando frio. Da mesma maneira, o Fed provavelmente tomará cuidado para não mexer na taxa de juros de forma muito abrupta. O fortalecimento do dólar émotivo depreocupação. Nasemana passada, a desvalorização do yuan fez com que outras moedas asiáticas também caíssem ante a moeda americana.
Tendo preparado os mercados para uma elevação dos juros ainda este ano, agora o banco central americano dificilmente voltará atrás. Mas, depois do rebuliço da semana passada, é bem provável que o Fed tente agir da maneira mais suave possível. Isso é motivo de consolo para os países emergentes, mas não muito. As estrelas-guia da economia mundial movem-se em sentidos opostos, anunciando mais complicações à frente.
* 2015 THE ECONOMIST NEWSPAPER LIMITED. DIREITOS RESERVADOS. TRADUZIDO POR ALEXANDRE HUBNER, PUBLICADO SOB LICENÇA. O TEXTO ORIGINAL EM INGLÊS ESTÁ EM WWW.ECONOMIST.COM. (O Estado de SP – 18/08/2015)

Dólar forte e economia global fraca já afetam a indústria dos EUA
INTERNACIONAL
Sérgio Lamucci
A atividade do setor manufatureiro no Estado de Nova York despencou em agosto, num momento em que a valorização do dólar tem afetado a indústria americana.
Divulgado pelo Federal Reserve de Nova York, o chamado índice Empire State de condições gerais dos negócios caiu de 3,9, no mêspassado, para -14,9 neste mês, o mais baixo desdeabril de2009, durante a Grande Recessão. Números inferiores a zero indicam contração.
O tombo ocorreu devido à forte piora do índice que mostra a situação atual da atividade manufatureira.
Houve recuos significativos de novas encomendas e embarques. "Uma queda grande como essa sugere que a apreciação do dólar e/ou a desaceleração do crescimento da economia global têm um impacto mais expressivo no setor manufatureiro do que se pensava", disse, em nota, o economista-chefe para os EUA da Capital Economics, Paul Ashworth.
Nos últimos 12 meses, o dólar se valorizou quase 20% em relação a uma cesta de moedas dos principais parceiros comerciais do país. Como os EUA crescem com mais força entre as maiores economias do mundo e há a expectativa de que o Fed eleve os juros em breve, a moeda americana se fortalece.
Essa valorização tem impacto sobre a competitividade da indústria americana, encarecendo exportações e barateando importações. A balança comercial em junho, por exemplo, teve déficit de US$ 43,8 bilhões, acima dos US$ 40,9 bilhões do mês anterior.
A economia global, por sua vez, continua a ratear. A zona do euro eo Japão seguem numa trajetória de baixo crescimento, enquanto muitos emergentes estão em desaceleração significativa, como China, ou recessão, como Brasil e Rússia.
O economista-chefe da Pantheon Macroeconomics, Ian Shepherdson, disse queo número foi terrível, mas que provavelmente exagera as condições da indústria no âmbito nacional. "Sabemos que as coisas estão difíceis no setor manufatureiro, devido ao dólar forte e à redução dos gastos com investimento no setor de petróleo, mas a situação nacional não está como em meados de 2009, mesmo que o levantamento capte com precisão a atividade em Nova York", escreveu ele.
Ashworth, por sua vez, destacou que as pesquisas regionais sobre o setor manufatureiro são "notoriamente voláteis". Nesse cenário, ele se diz cauteloso em relação ao colapso apontado pelo índice do Fed de Nova York, afirmando que vai esperar os resultados do indicador do Fed da Filadélfia, que sairá na quinta-feira, e do índice de Gerenciamento de Oferta, a ser divulgado na sexta, para ter uma ideia melhor do que se passa com a indústria.
O economista da Capital observou ainda que o subíndice que trata das condições da indústria nos próximos seis meses registrou uma melhora expressiva.
Ele lembrou que, quando o indicador que reflete a situação corrente despencou no começo da Grande Recessão (que durou do fim de 2007 a meados de 2009), o índice sobre as perspectivas futuras também recuou com força. A situação, desse modo, seria bem diferente da registrada há alguns anos, quando a crise financeira provocou o tombo da atividade econômica nos EUA e no resto do mundo.
O resultado, porém, mostra que fatores como a valorização do dólar tem tido impacto negativo para a indústria. Embora esteja longe de indicar uma fraqueza generalizada da economia americana, é um ponto de preocupação num momento em que os EUA ensaiam uma retomada mais forte. (Valor Econômico – 18/08/2015)

Câmbio na China
OPINIÃO
Ao caldo de incertezas na economia global foi adicionado um novo e poderoso ingrediente. Nos últimos dias, o Banco do Povo da China (PBOC, o banco central) mudousua política cambial e permitiu que a moeda do país, o yuan, se desvalorizasse 3% em relação ao dólar.
O movimento --o maior desde 1994-- gerou inquietações mundo afora, pelo receio de que Pequim busque ganhar competitividadecom o yuan mais fraco.
Não por acaso, as Bolsas e as moedas de países ligados ao polo de comércio chinês, como Taiwan e Coreia do Sul, registraram forte queda.
Não é claro, contudo, que os chineses estejam declarando uma nova guerra cambial --ou seja, artificialmente depreciando sua moeda. O foco parece ser outro: antes totalmente controlada pelo PBOC, agora a cotação do yuan poderá flutuar com mais liberdade segundo as condições de mercado.
O atrelamento ao dólar, de fato, é hoje um problema para a China. Quando a moeda americana se valoriza, o yuan segue a alta, o que é prejudicial num momento de dificuldades como crescimento menor e excesso de dívidas.
Os riscos da mudança de regime cambial são grandes, porém. Se houveruma expectativa de desvalorização continuada do yuan, poder haver fuga de capitais para o exterior. Verdade que a China tem reservas de US$ 3,6 trilhões, em tese uma garantia de estabilidade, mas os depósitos internos nos bancos são muito maiores.
O processo em curso na China é acompanhado com atenção pelos demais países. Se o resultado da nova política for uma desvalorização mais forte do yuan (de 10% a 15%, por exemplo), os riscos de deflação global serão acentuados.
No caso de produtos industriais, setorem que a China é grande fornecedora, a maior competitividade obtida com a moeda mais fraca permitiria aos chineses reduzir preços em dólares para ganhar mercado.
AChina, por outrolado, égrande importadora de matérias-primas, sobretudo industriais. O yuan mais fraco pode levar a um aumento dos preços domésticos, o que reduziria a demanda. Nesse caso, os fornecedores externos saem perdendo.
O Brasil está na segunda categoria. Minério de ferro e soja representam cerca de 80% das vendas para a China, nosso maior parceiro comercial. Mesmo que a queda de preços dos alimentos tenda a ser menos acentuada do que a dos metais, a dinâmica é negativa.
Ao fim e ao cabo, a mudança na China reforça a tendência de enfraquecimento do real e dificulta ainda mais uma saída da recessão com a ajuda do mercado externo. (Folha de SP – 17/08/2015)

Economia do Japão tem contração no 2º tri, em revés para governo de Abe
Por Leika Kihara e Tetsushi Kajimoto
TÓQUIO (Reuters) - A economia do Japão registrou uma contração de 1,6 por cento, em termos anualizados, entre abril e junho, com queda das exportações e menores gastos dos consumidores, aumentando a pressão sobre o primeiro-ministro Shinzo Abe para intensificar seus esforços para impulsionar a economia após décadas de deflação.
A desaceleração da economia da China e seu impacto sobre seus vizinhos asiáticos também elevou a chance de que qualquer recuperação do crescimento no trimestre entre julho e setembro seja modesta, disseram analistas.
Os dados fracos somam-se a sinais de que a economia do Japão está paralisada e dão força à pressão para que o governo ofereça novos estímulos monetários ou fiscais ainda neste ano.
A contração do Produto Interno Bruto (PIB) é menor do que a mediana das estimativas do mercado, que previa queda de 1,9 por cento, e vem após expansão revisada de 4,5 por cento no primeiro trimestre, mostraram dados do Gabinete nesta segunda-feira. No trimestre, a queda ficou em 0,4 por cento, contra previsão de 0,5 por cento.
"Se a fraqueza no consumo do setor privado persistir, será mais um golpe contra o governo Abe, que enfrenta queda em suas taxas de aprovação antes da eleição na câmara alta (do Parlamento) no ano que vem", disse o economista-chefe para o Japão do Credit Suisse, Hiromichi Shirakawa. "Isso pode aumentar as chances de estímulos fiscais adicionais".
O consumo privado, que responde por cerca de 60 por cento da atividade econômica, recuou 0,8 por cento no trimestre em relação ao período imediatamente anterior, o dobro do previsto por analistas. (Reuters – 17/08/2015)

OMC


Veja mais

Chegamos ao pico da globalização?
OPINIÃO
As perspectivas de progressos no curto prazo não parecem brilhantes.
Por Carlos Braga
Como uma má notícia está se montando a respeito da saúde do sistema de comércio mundial, é de se perguntar: já chegamos a um pico no processo de globalização?
Existe ainda um apetite para continuar a promover a integração internacional através da expansão do comércio no contexto dos acordos comerciais preferenciais ou multilaterais?Ou vamos testemunhar um recuo da globalização em paralelo com o observado abrandamento do comércio internacional?
Os otimistas argumentam que o debate sobre o futuro da globalização é um desperdício de tempo e a crescente integração econômica e a interdependência são inevitáveis. Porém, não se pode esquecer que a mesma percepção dominou o debate intelectual no início do século XX. Em 1909, Norman Angell alegou que a interdependência econômica tornou-se tão difundida na Europa quea guerra era improvável. Duas guerras mundiais e erros de política em torno da Grande Depressão mostraram que as previsões sobre uma crescente integração econômica internacional nem sempre estão corretas.
Hoje há uma lentidão na rodada de negociações multilaterais na Agenda Doha de Desenvolvimento. Julho terminou com uma nota ácida do diretor geral da OMC, Roberto Azevêdo, afirmando que membros da organização não cumprem o prazo para estabelecer um programa de trabalho para os problemas que dificultam a conclusão daADD. Há ainda algum tempo, mas está acabando a esperança de que alguns dos principais resultados da ADD sejam alcançados.
Por exemplo, a expectativa de que o Acordo de Facilitação do Comércio (TFA, sigla em inglês) – acordado na Ministerial de Bali em 2013-entrasse em vigor na Ministerial de Nairóbi está se tornando uma "missão impossível". As regras exigem que dois terços dos 161 membros da OMC aceitem formalmente o protocolo. Até 6 de agosto, apenas 12 membros tinham aceitado.
Curiosamente há também alguns motivos para comemoração na frente multilateral. A expansão do Acordo de Tecnologia da Informação (ITA 11), que Se não houver vontade política para continuar a prosseguira liberalização do comércio, de forma unilateral ou no contexto das negociações comerciais, o espectro de uma economia mundial menos integrada pode se tornar uma profecia autorrealizável abrange produtos que respondem por mais de US$ 1,3 trilhão por ano em fluxos comerciais, foi aceita. Esta é uma conquista importante, pois tem impacto de quase7% do comércio global. Este acordo ilustra como a liberalização do comércio ainda pode ser feita a nível setorial, quando há parceiros dispostos na OMC. Outra pequena boa notícia é que depois de quase duas décadas de negociações, o Cazaquistão está agora no caminho para se tornar o membro 162 da OMC até o final de 2015.
Ainda assim, julho não foi gentil. A última rodada do mais ambicioso acordo preferencial Norte-Sul, a Parceria Trans-Pacífico (TPP, sigla em inglês), não conseguiu chegar a um desfecho. As conversas sobre o TPP começaram em 2011 e agora abrangem 12 países, representando cerca de 40% do PIB global e compreendendo mais de US$ 2 trilhões do comércio de mercadorias por ano. Negociações como o TPP significam coisas distintas. Alguns enfatizam que cada passo no sentido da liberalização comercial preferencial implica a discriminação contra os não membros e diminui o foco na primeira e melhor (mas lenta) rota multilateral. Outros vêm acordos preferenciais de comércio como "laboratórios" para uma maior integração econômica, que podem pavimentar o caminho para melhorar a governança multilateral ao longo do tempo. Há um elemento de verdade em ambas as percepções.
A realidade política é que os EUA, principal "campeão" do sistema de comércio multilateral na era pós-Segunda Guerra Mundial, passou agora a sua atenção para duas preferências: o TPP e o Comércio Transatlântico e Parceria de Investimento (TTIP). A administração Obama lutou para garantir a Autoridade de Promoção Comercial em junho. Esta medida agiliza a passagem dos acordos comerciais, através do Congresso dos Estados Unidos, eliminando a possibilidade de alterações e definindo prazos para a ação.
A boa notícia é que, embora o TPP não tenha sido aprovado na última semana de julho, a maioria concorda queaestrutura final ébem definidaequeos países participantes estão perto de um acordo. Além de sua relevância econômica, o acordo tem objetivo geopolítico e mostra que os EUA estão prontos para se envolver na bacia do Pacífico. A má notícia é que o calendário político dos EUA sugere que, a menos que umprogresso rápido seja alcançado nas próximas semanas, o debate no Congresso vai sobrepor-se pela eleição presidencial.
As perspectivas de progressos significativos no curto prazo, para iniciativas multilaterais e preferenciais, não parecem brilhantes. O comércio de mercadorias vinha crescendo em média 7% ao ano nas duas décadas antes da crise financeira global. Desde 2008, no entanto, o crescimento do comércio tem sido anêmico e, em alguns anos abaixo da expansão da produção mundial (por exemplo, 3,3% para o PIB global versus 3,1% para o volume do comércio mundial em 2014).
Existem alguns fatores que ajudam a explicar este abrandamento. Para aqueles que acreditam na "estagnação secular", que o crescimento potencial em longo prazo para a economia mundial diminuiu, a desaceleração do comércio é parte de um novo padrão de normalidade para a economia mundial.
Há, no entanto, um desenvolvimento preocupante acontecendo. A elasticidade de longo prazo do comércio em relação ao PIB mundial, que costumava ser superior a 2 na década de 1990, parece ser agora muito menor. As questões ambientais e geopolíticas, o protecionismo comercial, impacto do mercado chinês nas exportações e a evolução deslocada em direção a serviços na economia mundial são alguns dos suspeitos responsáveis por essa tendência.
É muito cedo para anunciar que atingimos o pico da globalização em decorrência da redefinição das estruturas globais de produção. Umamensagem,no entanto, permanece: se não houver vontade política para continuar a prosseguir a liberalização do comércio, de forma unilateral ou no contexto das negociações comerciais, o espectro de uma economia mundial menos integrada pode se tomar uma profecia autorrealizável.
---
Carlos A. Primo Braga é professor do IMD (International Institute for Management Development). (Valor Econômico – 20/08/2015)

En el Foro Público de 2015 se celebrarán 90 sesiones
En el Foro Público de la OMC 2015, que tendrá lugar del 30 de septiembre al 2 de octubre en la sede de la Organización en Ginebra, se celebrará un total de 90 sesiones. Con el título “El comercio funciona”, el Foro se centrará en cómo, por qué y para quién funciona el comercio. Las sesiones contarán con una amplia gama de participantes, entre ellos Miembros de la OMC, empresas, organizaciones no gubernamentales, académicos, bufetes y organizaciones internacionales. Texto na íntegra em www.wto.org (OMC – 20/08/2015)

Outros


Veja mais

Mercados internacionais enfrentam 'cabo de guerra'
FINANÇAS
Análise
Richard Barley
The Wall Street Journal
Os mercados globais estão passando por um cabo de guerra gigantesco. De um lado, está o crescimento razoável, ainda que não espetacular, de economias desenvolvidas como os Estados Unidos e o Reino Unido, que está levando o Federal Reserve (Fed) e o Banco da Inglaterra a caminhar para um aumento das taxas de juros pela primeira vez desde a crise financeira global. Até mesmo a zona do euro conseguiu afastar a recessão e voltou a crescer.
Do outro lado, porém, está o temor deuma nova maré deflacionária proveniente das economias emergentes, que estão em desaceleração, acompanhada porumcolapso em suas moedas e pela acelerada queda dos preços das commodities. Os prêmios de risco estão aumentando nos mercados de crédito, gerando mais nervosismo.
O resultado é que os investidores estão "navegando" em mercados voláteiseconfusos. Osmercados de bônus soberanos estão no centro disso tudo. Em agosto, os rendimentos dos títulos do Tesouro dos Estados Unidos vêm oscilando diariamente entre o patamar mais baixo de 2,05% e o mais alto de 2,29%, segundo a FactSet. Os dados econômicos dos Estados Unidos, que em sua maior parte estão bons, não têm sido suficientes para evitar que pressão de baixa sobre os rendimentos se espalhe do petróleo para os preços das commodities (no momento eles estão em 2,10%). Os rendimentos dos "gilts", bônus do Reino Unido, registraram um pico nesta semana em razão de uma leitura melhor que a esperada do "núcleo" da inflação - que exclui os preços de energia, alimentos, álcool e tabaco -, para depois recuar diante das pressões globais. Os rendimentos dos bônus alemães de dez anos estão no meio da faixa de variação deste ano, em torno de 0,59%, divididos entre a recuperação da zona do euro eumrenovado desafio para a meta de inflação do Banco Central Europeu (BCE).
Sinais preocupantes, mas contraditórios, estão sendo enviados por bônus de maior risco. Os bônus americanos de alto rendimento caíram bastante desde o começo de junho, o que pode indicar o temor de uma nova desaceleração econômica. Mas grande parte disso se deve aos setores de energia, mineração e metalurgia.
Outros setores sensíveis às oscilações econômicas estão se saindo melhor: a diferença entre os rendimentos dos bônus de alto rendimento do setor de energia e de consumo aumentou de dois pontos para 4,3%, com este último mostrando-se relativamente resistente, segundo mostram índices do Barclays.
Os bônus corporativos com grau de investimento estão sofrendo, em mais um potencial sinal de alerta.
Mas aqui também há explicações alternativas: um aumento da oferta e uma tendência de realavancagem corporativa. Enquanto isso, as ações dos mercados desenvolvidos estão sentindo calafrio: até mesmo as ações europeias, um dos negócios preferidos de 2015, estão distante dos pontos mais altos registrados no ano.
A nova queda dos preços do petróleo e os acontecimentos nos mercados emergentes, como a desvalorização do yuan na China, significam que o lado da deflação e do crescimento mais lento parece estar em vantagem no cabo de guerra. Mesmo assim, embora os preços mais baixos do petróleo sejam claramente um problema para a inflação geral no curto prazo, eles também são uma boa notícia para muitos consumidores e empresas; a inflação baixa também está levando a ganhos reais de salário. Os mercados emergentes estão mostrando hoje uma maior flexibilidade do que no passado, graças aos regimes de câmbio flutuante e balanços soberanos relativamente fortes.
A outra maneira de interpretar as turbulências nos mercados é que os investidores estão exigindo um prêmio maior pelas incertezas. Com o Fed aparentementecaminhando para sua primeira alta nos juros após um período em que a política monetária fez de tudo para dar suporte aos mercados, talvez isso não deva ser surpreendente. Mas sugere que os mercados não terão uma pausa na volatilidade no curto prazo. (Valor Econômico – 21/08/2015)

Emergentes sofrem com o temor de desaceleração global
FINANÇAS
Mercados Preocupações com China e expectativa por alta de juro nos EUA mexe com investidores
Roberta Costa, Lucinda Pinto, Téo Takar e José de Castro
De São Paulo
O cenário conturbado pelo receio de que a China esteja em uma desaceleração mais forte do que se esperava ganhou um ingrediente a mais com a possível postergação do aumento de juro nos Estados Unidos para dezembro ou além. O que aparentemente seria uma boa notícia - afinal, manteria acomodatícias as condições financeiras globais - transformou-se em prenúncio de decepção com o ritmo de crescimento global.
A leitura é: se o Federal Reserve (Fed, banco central americano) não está confortável com a queda das commodities, petróleo em especial, e se não há perspectiva de enfraquecimento do dólar, a inflação está num córner, sem forças que a façam reagir.
O impacto da desvalorização do yuan continua a ser sentido em todos os mercados emergentes e provocou temores renovados sobre a saúde da segunda maior economia do mundo, proporcionando quedas expressivasdasmoedas degrandesprodutoresdematérias-primas, notadamente o rublo russo e o ringgit malaio. Mas todas as moedas emergentes têm sofrido, umas mais, outras menos.
O impacto das medidas cambiais da China é sentido de formas diferentes nos mercados financeiros emergentes e na performance de suas economias.O índice MSCI para mercados emergentes acumula baixa de 7,9% desde o fim dejulho. No mesmo período, o MSCI América Latina perde 9,3%, a Ásia emergente cede 7,7%, e a Europa emergente cai 7,9%. O MSCI Brasil recua 10,4%.
"Os mercados financeiros que foram os mais atingidos são aqueles com os mais profundos laços comerciais com a China, tais como Taiwan e Malásia, ou aqueles com economias exportadoras de commodities, como Rússia, Brasil e Colômbia", diz em relatório a equipe de economias emergentes da Capital Economics, chefiada por Neil Shearing. Em contrapartida, os mercados financeiros do Sul da Europa Central e Oriental - que são regiões importadoras de commodities e têm laços comerciais relativamente pequenos com a China -têm se saído melhor.
"Essa queda livre dos preços e das moedas continuará a exercer um papel nefasto para a economia global, já que joga o comércio para baixo. Em um mundo globalizado, comércio em queda significa que as taxas de crescimento locais ficarão prejudicadas até que essa situação seja revertida", alerta o economista da TOV Corretora, Pedro Paulo Silveira.
A fraqueza das moedas tende a afugentar os investidores em direção a ativos de baixo risco,como o dólar e os Treasuries (títulos do Tesouro dos EUA).
Na Bovespa, após seis meses consecutivos de aportes, acumulando mais de R$ 21 bilhões em investimentos em ações, os estrangeiros inverteram a mão em julho e continuam retirando recursos neste mês. Até o dia 18, a saída já alcança R$ 1,1 bilhão em agosto, reduzindo o fluxo positivo no ano para R$ 19,8 bilhões. O Ibovespa já perde quase 7% neste ano. Somente no mês de agosto, a queda acumulada é de 8,3%.
Para o diretor de pesquisa econômica para a América Latina do Goldman Sachs, Alberto Ramos, há uma clara reprecificação de risco que afeta diversos ativos e mercados que ainda pode se agravar. Isso porque mudou a percepção de que países emergentes eram sinônimo de crescimento robusto.
"Há um coquetel de fatores pesando contra os países emergentes, que sofrem com o baixo crescimento mundial e também com suas questões idiossincráticas", diz Ramos. O grande problema é que, como câmbioéo fator de ajuste dos países diante desse novo cenário, aqueles que convivem com inflação alta e contas desajustadas vão sofrer mais. "Isso explicará a diferença do desempenho dos países exportadores de commodities. Austrália, Canadá, Chile e Colômbia, por exemplo, vão performar melhor."
Para o real, diz Ramos, a visão é que a moeda já alcançou o chamado preço justo.Eé por isso que a piora dos mercados emergentes nos últimos dias afetou menos a moeda brasileira. Mas, como a economia opera em uma situação ainda de forte desajuste, a moeda deve seguir sob pressão. "Costumo dizer que, hoje, não há nada de justo nos preços brasileiros e,por isso, é difícil pensarem estabilidade da moeda", afirma.
Para o estrategista-chefe de moedas do G-10 do Nomura.
Jens Nordvig, a fraqueza dos mercados emergentes é algo que vai "muito além" da política monetária americana."Ê muito difícil lutar contra essa situação,uma vez quenãohá sequerumevento que possa reverter esse cenário, ainda que em alguns casos essa fraqueza possa não parecer regida por fundamentos", afirma.
O clima negativo para mercados emergentes continua afetando o prêmio do Credit Swap Default (CDS) - papel que funciona como um seguro contra calote - desses países, em meio à queda do preço de commodities e das perspectivas negativas para o crescimento global.
O CDS de cinco anos do Brasil chegou a subir nove pontos ontem, para 331 pontos-base, igualando-se ao nível atingido em 7 de agosto, dia em que os mercados exportadores de matériasprimas estavam sob pressão por causa da ação do Banco Central chinês sobre o câmbio. Esse patamar não foi superado nenhuma vez neste ano, segundo dados da Markit. No fim do dia, o contrato era negociado a 327 pontos-base.
Apesar do nervosismo externo, a bolsa e o câmbio brasileiros passaram por correção técnica ontem. O Ibovespa fechou em leve alta de 0,13%, aos 46.649 pontos, ajudado por Itaú PN (0,22%) e Vale PNA (2,44%). O dólar terminou em baixa de 0,77%, a R$ 3,4591, a menor cotação em dez dias. (Valor Econômico – 21/08/2015)

Volatilidade está de volta com a retração dos emergentes
OPINIÃO
O impulso da economia chinesa, que empurrou os países emergentes e propiciou a recuperação global após a crise de 2008 perdeu força. Já havia sinais de que a China teria dificuldades para manter seu ritmo decrescimento nacasa dos7%estabelecidos pelo governo, masagora eles se tornaram eloquentes após os tombos do mercado acionário e a sintomática mudança no regime cambial chinês. Esses alarmes foram suficientes para iniciar uma correção de rumos dos mercados financeiros, jogar para baixo com força as principais moedas do mundo emergente, provocar nova onda de aversão ao risco nos países desenvolvidos, iniciar uma correção baixista das bolsas americanas e inspirar o temor de que a economia mundial possa perder o passo da recuperação. A volatilidade está de volta aos mercados.
O reverso simétrico das desvalorizações intensas das moedas emergentes em relação ao dólar foram a entrada em território negativo no ano do S&P 500 em Nova York e a redução dos rendimentos dos títulos do Tesouro americano de 10 anos, para perto dos 2%, como não se via desde abril. Com isso, alargaram-se os spreads dos papéis de dívida com grau de investimento e os de alto rendimento, indicando a proximidade de uma correção generalizada.
O fundamento das mudanças, refletido em mais baixas do preço do petróleo e das commodities industriais, é o crescimento menor dos países emergentes. No primeiro trimestre sua taxa de expansão foi de 3,5%, a menor desde a crise de 2008, segundo Bana Baweja, estrategista do UBS (FT. com, 20 de agosto). Se China for excluída do cálculo, o crescimento é zero. E agora a China ameaça fraquejar ainda mais. Exemplo: de janeiro a julho, as importações chinesas recuaram 34%.
Os efeitos dessa perda de dinamismo e da baixa demanda se espalharam pelos quatro cantos do planeta e podem ser vistos tanto nas exportações decepcionantes de Japão, Coréia do Sul, Taiwan e ex-tigres asiáticos, como nas desvalorizações acentuadas das moedas dos países latino-americanos, da Rússia e África do Sul, apanhadas em cheio pela reavaliação das cotações das commodities.
A sucessivamente postergada elevação de juros nos Estados Unidos serve de norte há tempos para o movimento de saída de recursos dos países emergentes, com os significativos fluxos financeiros contrários acentuando as perdas de valor das moedas, reduzindo investimentos e contribuindo para redução geral do vigor dessas economias.
Assiste-se agora ao caminho de volta da enxurrada de capitais que buscou os países em desenvolvimento atrás de maiores retornos, durante a plena vigência do afrouxamento monetário nos EUA e das taxas perto do zero na Europa e no Japão. Nos últimos 13 meses, US$ 940 bilhões deram adeus aos 19 maiores mercados emergentes (FT, 19-8).
Com o polo dinâmico da economia global se enfraquecendo visivelmente-os emergentes somam perto de 43% do PIB mundial e 52% pela paridade de poder de compra - o impulso à recuperação global recai sobre os EUA. O dólar forte retrata não só a boa forma da economia americana em relação às demais, mas também aproximidade do momento em que suas taxas de juros serão mais atraentes que as da Europa e Japão. No atual contexto de recuo emergente, porém, os EUA encontram obstáculos para exibir um desempenho vigoroso-que ainda não mostrou. Os saltos do dólar já refrearam exportações, acentuando dificuldades trazidas pela retração da demanda nos emergentes e pela raquítica reanimação da economia europeia.
Uma das principais consequências da dissonância de ritmos de crescimento, que pode não durar, é o adiamento por um bom tempo da normalização monetária nos EUA. Os preços de energia estão mantendo a inflação abaixo do alvo do Fed, enquanto que a valorização do dólar age no mesmo sentido, o de baratear os preços das importações.
A ata da mais recente reunião do Fed reflete - isso. A recuperação não têm sido forte o bastante para elevar substancialmente os salários, mesmo com o emprego em alta. Sem pressão dos salários, ecom forças deflacionárias moderadas em ação, a inflação reluta em mover-se para cima e pode bem mover-se para baixo. As duas condições não satisfazem o Fed e colocam sobre sua decisão a respeito dos juros peso maior do que já tem. Uma alta no momento errado, ainda que modesta, pode frear a expansão americana e causar uma retração global. (Valor Econômico – 21/08/2015)

Dilma Rousseff recebe Angela Merkel no Palácio do Planalto
Da Redação, com agência
O Brasil e a Alemanha deverão firmar 17 acordos em áreas como inovação, pesquisa, mineração, marinha, educação, saúde e segurança alimentar.
Brasília - A presidente Dilma Rousseff recebe nesta quinta-feira (20), no Palácio do Planalto, a chanceler da Alemanha, Angela Merkel. Ela subiu a rampa do palácio, onde foi recebida por Dilma e as duas acompanharam a execução dos hinos nacionais da Alemanha e do Brasil.
As duas chefes de Estado posaram para a foto oficial e seguiram para uma reunião de trabalho reservada. Mais cedo, ministros brasileiros e alemães tiveram encontros separados para tratar de acordos de suas áreas, como economia, educação, agricultura, trabalho, energia, cultura, saúde, previdência, meio ambiente, ciência e tecnologia, comércio exterior, entre outras.
O Brasil e a Alemanha deverão firmar 17 acordos em áreas como inovação, pesquisa, mineração, marinha, educação, saúde e segurança alimentar.
Ontem (19), Merkel e a comitiva alemã foram recebidos em um jantar no Palácio da Alvorada por cerca de duas horas e meia. Após as reuniões desta manhã, as duas chefes de Estado farão uma declaração à imprensa e seguirão para um almoço no Palácio Itamaraty, sede do Ministério das Relações Exteriores.
Com a visita da chanceler alemã, o governo brasileiro espera atrair mais investimentos do país europeu ao Brasil. Entre os focos, estão os projetos da segunda etapa do Programa de Infraestrutura e Logística, como rodovias, ferrovias, portos e aeroportos.
A pauta da visita também envolve discussões sobre temas internacionais, como a 21ª Conferência das Partes da Convenção-Quadro sobre Mudança do Clima (COP21), que vai ocorrer em dezembro, e a reforma do Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU). Agência Brasil (Portugal Digital – 20/08/2015)

Enaex discute barreiras não tarifárias e facilitação de comércio
A secretária-executiva da Câmara de Comércio Exterior (Camex), Anamélia Soccal Seyffarth, participou hoje do segundo dia do Encontro Nacional do Comércio Exterior (Enaex), no Rio de Janeiro. Ela foi palestrante do painel "O Presente e o Futuro das Barreiras Não Tarifárias", que são leis ou práticas de negócios que afetam o comércio internacional.
Na palestra, Anamélia destacou o tratamento dado às barreiras não tarifárias pelo Plano Nacional de Exportações (PNE), lançado em junho deste ano pelo governo federal. Uma das ações do plano é a implementação de política pública para tratamento dessas barreiras por meio da construção de um sistema de recebimento, análise, processamento e tratamento (Sistema Barreiras) de barreiras não tarifárias às exportações, além de elaboração de inventário, entre outras medidas.
Outro ponto abordado relacionado ao PNE foi a importância da convergência regulatória entre os países. "É uma forma de fazer com que requisitos regulatórios ou padrões privados de diferentes países convirjam e sejam considerados harmonizados, equivalentes ou reconhecidos mutuamente", afirmou a secretária-executiva da Camex. "A regulamentação, padrões privados, requisitos sanitários, licenças e autorizações são as principais barreiras não-tarifárias, por isso os acordos de convergência regulatória são importantes para ampliar o acesso a mercado", finalizou.
Facilitação
No primeiro dia do Enaex, a diretora de competitividade da Secretaria de Comércio Exterior (Secex) do MDIC, Ana Junqueira, participou do painel: "A Facilitação do Comércio Exterior: Caminho para Ampliar a Competitividade". Ana iniciou sua palestra destacando a importância da facilitação: "O governo brasileiro está ciente da necessidade de implementação do Acordo de Facilitação de Comércio da OMC, que permitirá uma economia de 12,5% a 17,5% em recursos utilizados no comércio exterior". Ela também deu destaque aos benefícios do Portal Único de Comércio Exterior, lançado em abril do ano passado para centralizar as informações, reduzir custos de exportadores e importadores, e aumentar a eficiência e transparência. "Nosso foco é o redesenho de processos que visa à racionalização da intervenção estatal", disse Junqueira.
A diretora da Secex explicou que implementação do Portal único está sendo feita em etapas e estará finalizada em 2017. Já foram entregues os módulos "Anexação Eletrônica de Documentos", que permite a entrega, pela internet, uma única vez, de documentos digitalizados em substituição a cópias de papel, e o "Visão Integrada", que permite que o operador de comércio exterior acesse os 22 órgãos intervenientes de em um único site.
Durante a palestra, Junqueira explicou que a implementação do Portal vai criar um fluxo único de informações, com foco no usuário, transformando uma visão fragmentada sobre as operações de comércio exterior em uma visão agregada como mesmo acesso para todos os intervenientes públicos e privados. Segundo ela, as expectativas, após a implementação completa do Portal Único em 2017 serão A meta final reduzir o prazo de exportação de 13 para oito dias e o prazo de importação de 17 para dez dias; economia de tempo de 40%; economia de US 23 bilhões; e aumento do PIB em 1,19%. (Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior – 20/08/2015)

Governo vê sinal de prestígio em visita de Merkel
Dilma se reúne hoje com chanceler alemã para assinar 15 atos, que vão de clima e educação a ciência e tecnologia
por Eliane Oliveira
Angela Merkel, chanceler alemã se reunirá com a presidente Dilma Rousseff nesta quinta-feira - WOLFGANG KUMM / AFP/17-8-2015
BRASÍLIA - Em meio a uma profunda crise de popularidade e o risco de ver o Brasil perder o grau de investimento, a presidente Dilma Rousseff não poderia estar mais contente com a visita da chanceler federal alemã, Angela Merkel. A presença de Merkel é considerada pelo governo como mais do que um gesto de confiança na política e na economia brasileira. A avaliação é que a vinda da chanceler, acompanhada de mais da metade de seu gabinete, é sinal de prestígio.
— A chanceler Angela Merkel dedicará dois dias em uma visita apenas ao Brasil, sem outros países sul-americanos como destinos, e em meio a uma rebelião do seu partido no Parlamento alemão, por causa do pacote de ajuda à Grécia. Isso é mais do que prestígio — comentou uma fonte ligada à Presidência da República.
Na manhã desta quinta-feira, Dilma e Merkel lançam um mecanismo de consulta de alto nível, usado pela Alemanha com alguns países: França, Espanha, Itália, Polônia, Holanda, Estados Unidos, China, Israel, Índia e — até antes das sanções aplicadas a Moscou, devido à questão da Ucrânia — Rússia. As reuniões bilaterais passarão a ocorrer a cada dois anos.
A expectativa é que Merkel em Brasília signifique mais investimentos no Programa de Infraestrutura em Logística (PIL), traga mais cooperação na produção de energia de fontes renováveis e ainda ajude a dar um empurrão na demorada negociação entre Mercosul e União Europeia para a criação de uma zona de livre comércio entre os dois blocos. Para a área diplomática do governo brasileiro, os negociadores europeus estão mais preocupados em fechar a negociação de um tratado semelhante com os EUA.
Além de um jantar de trabalho no Palácio do Alvorada, na noite desta quarta-feira, Merkel e Dilma vão se reunir hoje no Palácio do Planalto, a partir das 10h, já com cerca de 15 atos assinados em reuniões simultâneas, logo cedo, entre ministros alemães e brasileiros. Entre os documentos a serem firmados, estão declarações conjuntas sobre aquecimento global, energia, educação, ciência e tecnologia, defesa e saúde.
PARCEIRO COMERCIAL NA EUROPA
A Alemanha é o principal parceiro comercial do Brasil na Europa e o quarto no mundo, com fluxo em torno de US$ 20 bilhões por ano. Há cerca de 1.600 empresas alemãs no território brasileiro — o maior parque industrial fora daquele país — entre elas, BMW, Mercedes-Benz e Volkswagen.
Roberto Abdenur, ex-embaixador do Brasil na Alemanha, acredita que, além de temas econômicos, Merkel debaterá com Dilma sobre temas globais, como mudança climática e adoção de energias limpas, especialmente eólica e solar; e sobre a reforma do Conselho de Segurança da ONU. Brasil e Alemanha são candidatos a vagas permanentes no organismo. (O Globo – 20/08/2015)

Merkel chega com pauta comercial modesta
MUNDO
Chanceler alemã não deve anunciar acordos nem trouxe empresários
Do lado brasileiro, Dilma reúne industriais para melhorar relação com a Alemanha, 4º maior parceiro do país
Jean-Philip Struck e Marina Dias
A chanceler da Alemanha, Angela Merkel, chegou na noite desta quarta-feira (19) ao Brasil com uma agenda pragmática,sem anúncios bombásticos de investimentos ao estilo chinês.
Mas, apesar de não se esperar nenhum acordo na área comercial durante a visita, os dois lados convocaram seus empresários para consultas sobre melhorias no comércio bilateral.
No lado brasileiro, a decisão veio às vésperas da chegada de Merkel. A sugestão foi dada pelo ministro Armando Monteiro (Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior), durante reunião de gabinete na manhã de terça (18), para que Dilma ouvisse "ponderações" dos empresários horas antes do jantar com Merkel no Planalto, na noite de quarta (19).
O chanceler Mauro Vieira foi convocado para o encontro na própria quarta.
A intenção do Planalto, segundo o discurso oficial, era conhecer as demandas dos empresários para melhorar a comércio bilateral e ter "elementos para negociar" com a delegação visitante.
No entanto, aliados de Dilma afirmaram que o objetivo também era pedir à elite empresarial confiança nas políticas econômicas do governo.
A presidente recebeu, ao lado de seis ministros, doze empresários, como Benjamin Steinbruch, da CSN, Carlos Fadigas, da Braskem, e Rubens Ometto, da Cosan.
Armando Monteiro destacou as negociações do acordo de livre comércio entre Mercosul e União Europeia, visto como "prioridade" para o Brasil. Dilma quer propor a data de apresentação simultânea das ofertas comerciais ainda neste ano.
O ministro disse que a Alemanha é um "parceiro estratégico" em áreas como energia, agropecuária e infraestrutura --em que o Brasil apresentará o plano de concessões como opção de investimento para o país europeu.
Apesar de a agenda comercial não ser um dos temas prioritários da visita, a Alemanha é o quarto maior parceiro do Brasil e foi um dos destinos de exportação que menos viram o volume do comércio cair neste ano.
De janeiro a julho, as exportações para a Alemanha foram de US$ 3,3 bilhões, caindo 10,8% em relação ao mesmo período no ano anterior. A queda, contudo, é menor do que a vista nas exportações para a União Europeiacomo umtodo (19,4%), e para China (19,3%), Holanda (30%) e Argentina (11,5%) – países que importam mais do Brasil do que a Alemanha.
Merkel vem acompanhada de sete ministros e cinco secretários. Seráo primeiro encontro desdequea Alemanha incluiu o Brasil no grupo de países com quem mantém relação de "alto nível".
Na comitiva não vieram empresários alemães, mas a chanceler se encontra na manhã desta quinta (20) com representantes de indústrias alemãs com negócios no Brasil. Há cerca de 1.400 delas atuando no país, como Volkswagen, Mercedes-Benz, Siemens e Basf.
Merkel e Dilma se reúnem na manhã desta quinta-feira (20), no Planalto, enquanto os ministros alemães --de Relações Exteriores, do Meio Ambiente, de Agricultura, dos Transportes, da Saúde e de Cooperação Econômica-- mantêm encontros bilaterais.
No jantar de recepção a Merkel, na noite desta quarta quarta (19), a ideia já era fazer avançar o diálogo em cada área, com "mesas setoriais", divisão em que os representantes de cada setor dos dois governos sentassem próximos uns dos outros.
Entre os temas globais discutidos estão a posição dos países em relação às mudanças climáticas e dois temas que vêm aproximando os governos: a cooperação em cibersegurança e a reforma do Conselho de Segurança das Nações Unidas.
"A Alemanha, assim como o Brasil, ainda procura seu espaço global", disse Felix Dane, diretor do ramo brasileiro da Fundação Konrad Adenauer, alinhada ao CDU, o partido de Merkel.
Colaborou ISABEL FLECK, de São Paulo JEAN-PHILIPSTRUCK COLABORAÇÃO PARA A FOLHA, DE BONN (Folha de SP – 20/08/2015)

Fundo da Noruega tira US$ 1,4 bi do Brasil
Fernando Nakagawa
Segundo gestores do maior fundo soberano do mundo, a economia brasileira tem desempenho 'particularmente' ruim entre os emergentes
LONDRES - O maior fundo soberano do mundo, o Fundo da Noruega, reduziu a exposição ao Brasil em US$ 1,4 bilhão no 1º semestre deste ano. Balanço divulgado pelos gestores do fundo ontem revelou que a parcela da carteira investida em ativos brasileiros diminuiu em 16,7% em seis meses em termos nominais. Os gestores dizem que a economia brasileira tem desempenho "particularmente ruim" entre os emergentes.
Balanço apresentado nesta manhã em Oslo mostra que o patrimônio do Fundo Soberano da Noruega alocado no Brasil diminuiu em 11,822 bilhões de coroas norueguesas ou US$ 1,42 bilhão. Em 30 de junho de 2015, o fundo mantinha patrimônio total de 58,887 bilhões de coroas norueguesas no Brasil (cerca de US$ 7 bilhões). Na mesma data, o patrimônio total do fundo soberano norueguês somava 6,89 trilhões de coroas norueguesas ou cerca de US$ 830 bilhões pela taxa de câmbio de ontem.
"Muitos mercados emergentes viram condições financeiras mais difíceis e alguns foram atingidos pela queda dos preços das commodities. A economia brasileira teve desempenho particularmente ruim com crescimento negativo e inflação alta", cita o relatório divulgado pelos gestores.
Fatores. O relatório não traz detalhes sobre quanto da diminuição da exposição ao Brasil foi gerada pelo desinvestimento no País ou pela desvalorização dos ativos brasileiros.
A maior queda da exposição ao Brasil aconteceu na renda fixa. Em seis meses, a parcela do fundo alocada em ativos brasileiros caiu de 1,5% para 1,2% do patrimônio total destinado à renda fixa. Isso representa queda de 18,9% em valores nominais ou cerca de 6,6 bilhões de coroas norueguesas (aproximadamente US$ 794 milhões). Boa parte dessa diminuição aconteceu com títulos soberanos do Brasil, posição que diminuiu em 6 bilhões de coroas norueguesas (cerca de US$ 723 milhões) em um semestre.
Na renda variável, a posição em ações brasileiras caiu de 0,9% da carteira para 0,7%. Em termos nominais, isso representa diminuição de 14,5% ou 5,15 bilhões de coroas norueguesas (US$ 620 milhões).
Além de destacar o mau momento do Brasil, os gestores também citam que outros emergentes vivem momento desfavorável. "Dados econômicos em vários emergentes continuaram a surpreender negativamente durante o trimestre a despeito de as estimativas para crescimento já terem sido cortadas. A desaceleração é de certa forma cíclica, mas as deficiências estruturais também influenciam", aponta o relatório.
Resultados. O Fundo da Noruega teve retorno negativo equivalente a 0,9% no segundo trimestre de 2015. A perda equivalente a 73 bilhões de coroas norueguesas (cerca de US$ 8,8 bilhões) foi gerada especialmente pela oscilação do mercado global de títulos de renda fixa e a volatilidade da renda variável no período. (O Estado de SP – 20/08/2015)

Mau pagador
Não é apenas internamente que o governo brasileiro vem fazendo um papelão. Na esfera internacional, o Palácio do Planalto tem deixado, com sua reiterada inadimplência, uma imagem para lá de negativa. Desde compromissos com agências e órgãos internacionais a contas de água e de luz de representações diplomáticas, o governo brasileiro vem deixando suas contas no fiado. A mais recente notícia é o não pagamento das limusines utilizadas pela comitiva da presidente Dilma Rousseff na visita aos Estados Unidos, no final de junho deste ano.
Em entrevista à Rádio Bandeirantes, Eduardo Marciano, proprietário de uma empresa de aluguel de veículos na Califórnia, afirmou que o governo brasileiro lhe deve quase US$ 100 mil referentes ao aluguel de 22 limusines, 2 ônibus e 1 caminhão, utilizados pela comitiva da presidente. Eduardo Marciano alega que o preço foi combinado com antecedência com o Consulado do Brasil em São Francisco, mas até o momento não há previsão para o pagamento da conta. “Até agora não recebi um centavo”, afirma o brasileiro. A justificativa do Consulado, segundo Marciano, é que no momento não há dinheiro disponível e estão aguardando a liberação de verbas pelo Itamaraty.
A conta em atraso do aluguel das limusines é um nítido retrato do atual governo. Planeja mal, gasta o que não pode e acaba por não honrar seus compromissos. Há despesas que necessariamente devem ser feitas e há despesas que não precisam ser feitas. Alugar limusine enquadra-se, sem sombra de dúvida, no segundo tipo de despesas, especialmente quando o governo já não vem honrando outros compromissos.
Conforme reportagem do Estado, atualmente as dívidas do Brasil com a Organização das Nações Unidas (ONU) chegam a quase R$ 1 bilhão – são US$ 285 milhões que o governo brasileiro deveria ter destinado à ONU e não o fez.
É a contribuição de cada país que sustenta a ONU, cujos recursos são utilizados tanto para o pagamento de gastos operacionais, salários e sedes, bem como para a ajuda humanitária que presta em diversas regiões do planeta, como, por exemplo, auxílio no resgate de pessoas, distribuição de alimentos, construção de escolas e hospitais, etc. O valor da contribuição de cada país é calculado de acordo com o Produto Interno Bruto (PIB), sua renda per capita e outros indicadores sociais. Na última revisão, feita em 2011, a contribuição brasileira passou de 1,4% do total do orçamento da ONU para 2,9%.
Só nos últimos oito meses, a dívida brasileira com a ONU aumentou em quase US$ 100 milhões. O País nunca deveu tanto à ONU. Responsável pelo pagamento dessas verbas, o Ministério do Planejamento reconhece o débito, mas contesta os valores. Informa que, em suas contas, a dívida está em US$ 247,5 milhões e que “pretende regularizar o mais rapidamente possível o pagamento do valor devido”.
Em razão das dívidas, desde 1.º de janeiro de 2015, o Brasil perdeu em caráter temporário o direito de votar na Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) e na Assembleia dos Estados Partes do Tribunal Penal Internacional. Por exemplo, o País não pode participar na escolha de novos juízes da Corte penal.
Em setembro do ano passado, para diminuir o constrangimento criado pela inadimplência do Brasil na ONU, o governo brasileiro fez às pressas um cheque de US$ 36 milhões à entidade, uma semana antes do discurso da presidente Dilma Rousseff na abertura da 69.ª Assembleia-Geral das Nações Unidas. A ONU agradeceu o gesto, mas lembrou que ainda havia uma vultosa dívida a ser paga. Na época, o valor girava em torno de meio bilhão de reais.
Também é notório o descaso do Palácio do Planalto com as despesas das representações diplomáticas no exterior. Houve casos de atraso no pagamento da conta de luz. Outras vezes, funcionários precisaram usar parte de seu salário para fazer frente a despesas de aluguel. Enquanto isso, a presidente e sua comitiva andavam de limusine. Sem pagar. (O Estado de SP – 20/08/2015)

Receita Federal abre consulta para Recof-Sped
A Receita Federal do Brasil liberou uma Consulta Pública para tratar da proposta de Instrução Normativa sobre o Regime Aduaneiro Especial de Entreposto Industrial sob Controle Informatizado que utilize o sistema público de escrituração fiscal para controle de suas operações, o chamado Recof-Sped, entre outras melhorias que visam a simplificar procedimentos de adesão ao regime e seu controle.
O Recof-Sped permitirá à empresa beneficiária importar ou adquirir no mercado interno, com suspensão do pagamento de tributos, mercadorias a serem submetidas a operações de industrialização de produtos, partes ou peças destinados à exportação ou ao mercado interno.
O período para as contribuições dos interessados será de 20 de agosto a 8 de setembro de 2015.
(Aduaneiras – 20/08/2015)

Daniel Godinho: empresas que exportam são mais competitivas
Rio de Janeiro (20 de agosto) – Os secretários de Comércio Exterior, Daniel Godinho, e de Comércio e Serviço, Marcelo Maia, ambos do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), participaram hoje do painel “Uma Agenda para a Competitividade no Comércio Exterior”, no primeiro dia do Encontro Nacional de Comércio Exterior (Enaex) que acontece até amanhã (20) no Rio de Janeiro. O evento está em sua 34ª edição e é promovido pela Associação de Comércio Exterior do Brasil (AEB), entidade que completa, em 2015, seus 45 anos.
Godinho abriu sua fala afirmando que competitividade é sinônimo de comércio exterior, “mas que o tema não se esgota aí. O que podemos afirmar com certeza é que empresa que exporta é muito mais competitiva”, avaliou. O secretário participou do painel mediado por Benedicto Fonseca, ex-presidente da AEB. Godinho avalia que as exportações serão, “sem dúvidas”, um importante vetor para o crescimento econômico do Brasil nos próximos anos. Para ele, é fundamental a elevação do status do comércio exterior como instrumento de política econômica.
O secretário apresentou um balanço dos primeiros 56 dias de lançamento do Plano Nacional de Exportação. Nesse período, foram assinados Acordos de Cooperação e Facilitação de Investimentos (ACFI) com Angola, Moçambique, México e Maláui e assinados memorandos de Facilitação de Comércio e Convergência Regulatória com os Estados Unidos.
Godinho também destacou o lançamento da nova versão do Sistema de Consulta aos Acordos de Preferência Tarifária (Capta). “No início do mês, nós lançamos o Plano Nacional da Cultura Exportadora (PNCE), em Minas Gerais, que vai trabalhar diretamente com as empresas, com o apoio de agentes regionais, com o objetivo de ampliar as exportações dos estados”. A meta do MDIC é lançar o PNCE em todas as unidades da federação até o final de 2016.
O secretário citou ainda ações que estão em andamento, algumas com status já bem avançado, como é o caso das negociações do Acordo Comercial Expandido com o México, que vai garantir o aprofundamento de preferências tarifárias. O Brasil também negocia um pacote amplo de medidas com o Peru, nova moldura comercial com a Colômbia e uma aproximação com o Chile.
Exportações de serviço
Para Benedicto Fonseca, mediador do painel, as exportações de serviços são o grande alavancador do comércio internacional. Marcelo Maia, secretário de Comércio e Serviço do MDIC, ressaltou que o setor emprega hoje cerca de 500 mil pessoas no Brasil.
“A fronteira entre indústria e serviço está cada vez mais próxima de inexistir”, disse o secretário. Para ele, o Brasil não tem muita cultura de exportação de serviços, que não é algo tangível como é uma venda externa de intangível. “Precisamos desenvolver o setor” disse. Segundo ele, alguns pontos que precisam de aprimoramento são a qualificação de mão de obra, a qualidade dos serviços exportados, e a diversificação regional. Sobre este ponto, Maia destacou que “precisamos” sair do eixo Rio-São Paulo.
Maia ressaltou que hoje o setor de serviço representa 70% do PIB brasileiro e as exportações 6%. “A média mundial é de 12% da participação das exportações de serviço no PIB. Então, temos muito a crescer”, ressaltou. Com relação à densidade industrial, que mede a agregação de valor nos serviços brasileiros, Maia explica que a matriz brasileira ainda apresenta baixa agregação de valor. “Outro ponto que pode ser aprimorado”, apontou.
Siscoserv
O sistema de estatísticas que mede o comércio exterior de serviços do Brasil, segundo o secretário, é uma referencia na elaboração de metodologia de mensuração nas exportações e importações de bens intangíveis. “Nosso sistema é bastante ousado e rico de informações”, disse. O Siscoserv foi desenvolvido em parceria com a Receita Federal. (MDIC – 20/08/2015)

Exportações não dependem apenas de câmbio favorável, diz AEB
O presidente da Associação dos Exportadores Brasileiros (AEB), José Augusto de Castro, afirmou hoje (19) que é preciso reduzir custos e que o câmbio desvalorizado não basta para dinamizar as exportações. Castro discursou na abertura do Encontro Nacional de Comércio Exterior, no Rio de Janeiro.
"O câmbio não é a solução para todos os nossos problemas", afirmou o representante dos exportadores, ao acrescentar que outras moedas também se desvalorizaram. Castro apontou a queda do euro em relação ao dólar e as iniciativas da desvalorização do yuan na China como exemplos. "Este ano, mais do que nunca, temos de acreditar no mercado exterior", disse.
O presidente da AEB disse que a redução de custos precisa ocorrer no processo da logística e no sistema tributário. Segundo Castro, para que seja possível a redução de custos, é preciso que haja reformas estruturais.
Castro afirmou que o Brasil perdeu espaço no comércio exterior nos últimos anos: o nível de exportações previsto para 2015 é inferior ao de 2006. Ele lembrou que a corrente de comércio internacional deve ficar no nível de 2008. De 2012 para 2015, a participação do Brasil no comércio exterior deve cair de 1,43% para 1%, previu. "Nossa participação está minguando."
Na avaliação do presidente da AEB, o superávit comercial previsto para este ano é negativo, pois baseia-se na queda das importações. (Agência Brasil – 19/08/2015)

BNDES defende parceria entre governo e setor privado para ampliar exportação
O vice-presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Wagner Bittencourt, disse hoje (19) que ações conjuntas entre o governo e o setor privado poderão aumentar a exportação de produtos manufaturados do Brasil, para garantir ao país maior competitividade no mercado internacional.
Em palestra sobre Exportações como Alavanca para o Desenvolvimento Sustentável da Economia Brasileira, no 34º Encontro Nacional do Comércio Exterior (Enaex), no Rio de Janeiro, Bittencourt lembrou que, desde 2007, a exportação de bens e serviços de engenharia é importante elemento gerador de superávits na balança comercial.
O vice-presidente do BNDES reconheceu, entretanto, que o banco ainda tem uma participação reduzida no financiamento à exportação de serviços de engenharia, em comparação a outras agências de desenvolvimento internacionais. Em 2013, por exemplo, o apoio dado a esse segmento exportador pela agência chinesa alcançou US$ 45,6 bilhões, da Alemanha US$ 17,9 bilhões, enquanto o financiamento do BNDES foi de apenas US$ 2,3 bilhões, somente no pós-embarque. Bittencourt advertiu, porém, que o BNDES está no caminho certo. "A questão é a velocidade", afirmou.
O presidente da Associação de Comércio Exterior do Brasil (AEB), José Augusto de Castro, concordou que a ampliação do apoio à exportação de manufaturados é fundamental para que o Brasil não fique refém das commodities (produtos agrícolas e minerais comercializados no mercado externo).
Castro destacou que o financiamento a produtos manufaturados gera empregos de maior qualidade, "gera atividade econômica para o país como um todo". Para o presidente da AEB, exportar serviços de engenharia "é 'status'". Dos 15 países do mundo que exportam serviços de engenharia, o Brasil é o único situado na América do Sul. "O Brasil pode (exportar) porque tem o BNDES e tem as empresas exportadoras capacitadas", acrescentou Castro. (Agência Brasil – 19/08/2015)

Um enigma chinês
Quem afirma ter entendido completamente a mudança da política cambial chinesa está enganado (ou enganando), em particular se acredita que seu objetivo central é impulsionar as exportações.
Com efeito, desde seu anúncio na semana passada o yuan perdeu cerca de 3% do seu valor, uma gota d'água para uma moeda que, segundo os índices de taxa real de câmbio calculados pelo BIS, havia se apreciado 28% (descontada a inflação) desde meados de 2011.
Posto de outra forma, o ganho de competitividade advindo desta mudança é pequeno, a menos que novas desvalorizações venham a ocorrer, possibilidade que tem sido negada pela própria China (se devemos acreditar nisto já é outra história). Não parece, portanto, fazer sentido a interpretação da mudança acima mencionada, que visaria recuperar a competitividade perdida e estimular o crescimento por meio do aumento das exportações. Ajuda um tanto, mas é pouco perto do desafio de mover a imensa economia chinesa, que sente o peso da queda do investimento, particularmente no que se refere à construção civil.
Uma hipótese, talvez mais promissora, nota a tensão entre dois objetivos conflitantes.
Há, por um lado, o aparente anseio do governo chinês de ver o yuan como uma das constituintes dos Direitos Especiais de Saque (SDR, na sigla em inglês), a "moeda" do FMI, ao lado do dólar americano, do euro, da libra esterlina e do iene, visto como um passo para se tornar uma moeda de aceitação internacional.
Para tanto, porém, seria necessário que a moeda chinesa tivesse algumas características em comum com as que fazem parte do SDR, o que, dentre outras mudanças, requereria remover os controles de capitais hoje existentes.
Há, por outro lado, o desejo de manter uma política monetária frouxa, considerado o (relativamente) baixo crescimento recente da economia, assim como sinais de desaceleração à frente. No entanto, isto só é possível, sob um regime de câmbio administrado (como o chinês), quando há controles de capitais. Sem estes, uma redução da taxa de juros deveria levar à saída de capitais, que, em larga medida, anularia o efeito da queda dos juros.
A solução para este dilema (na verdade um trilema) seria a adoção de uma taxa de câmbio flutuante, mas o governo chinês parece relutante quanto a dar este passo.
Levando em consideração o fraco desempenho econômico (comparado, bem entendido, ao de uns poucos anos atrás), assim como a baixa inflação, na casa de 1,5% ao ano, há bons motivos para crer que a moeda chinesa esteja sobrevalorizada. Caso isto seja verdade, a mudança para o regime flutuante deveria causar uma desvalorização mais considerável da moeda, o que parece também causar certo desconforto às autoridades chinesas.
A mudança da semana passada aparenta ser, portanto, uma tentativa de conciliar objetivos que são, na verdade, inconciliáveis. Já numa perspectiva de um prazo algo mais longo, é possível que a mudança seja apenas mais um movimento no sentido preparar o terreno para a eventual adoção de um regime de câmbio flutuante.
Há, assim, mais dúvidas do que certezas no que se refere aos acontecimentos da semana passada. Só podemos saber que não se trata do fim da história: cedo ou tarde veremos nova reforma do regime cambial chinês. (Folha de SP – 19/08/2015)

Política externa inerte e modesta
Marcelo de Paiva Abreu
A política externa do lulopetismo é mais uma vítima da deterioração da situação econômica e política do País. Os leitores ainda se lembrarão das fanfarronices que caracterizaram a política externa brasileira a partir de 2003, quando a hierarquia totêmica no eixo Planalto-Palácio dos Arcos - Marco Aurélio Garcia, Celso Amorim e Samuel Pinheiro Guimarães - se gabava de nossa diplomacia ativa e altiva.
Diplomacia ativa porque romperia com o pretenso imobilismo do passado. A vitória do Partido dos Trabalhadores (PT) nas eleições presidenciais de 2002 justificaria o papel protagonista do Brasil no cenário internacional. Esse aumento de atividade estaria associado a um papel inusitadamente central da diplomacia presidencial. Lula, o líder sindical que enfrentou a ditadura e foi vitorioso nas eleições presidenciais, após quatro tentativas, tinha projeção internacional e poderia servir de plataforma para o aumento de exposição do Brasil.
Para sustentar o protagonismo da nova diplomacia, foram ampliados os recursos à disposição do Itamaraty, com significativo aumento do número de embaixadas, expansão do número de diplomatas e reiteradas tentativas, nem sempre coroadas de sucesso, de viabilizar candidaturas de brasileiros à chefia de organismos multilaterais. O pano de fundo era a ênfase na importância de o Brasil ocupar uma das posições que decorreriam da ampliação do Conselho de Segurança das Nações Unidas.
Diplomacia altiva porque era marcada por reticências em relação a Washington, privilegiava as relações Sul-Sul e buscava convergência com os regimes latino-americanos à esquerda no espectro político. Reticências claramente explicitadas, por exemplo, na argumentação ideológica utilizada para afundar a Alca, embora houvesse bons argumentos para justificar a falta de entusiasmo do Brasil.
Nos anos iniciais do governo Lula, a atitude da diplomacia brasileira serviu de contraponto à política econômica ortodoxa, ao arrepio das estapafúrdias ideias que caracterizavam o programa econômico do PT. Mas, à medida que o governo Lula abandonou a política econômica prudente, houve convergência da política externa ativa e altiva com a volta ao nacional-desenvolvimentismo na economia.
No primeiro mandato de Dilma Rousseff, a política externa altiva e ativa começou a enfrentar problemas, não apenas porque a nova presidente não tinha as características requeridas pela diplomacia presidencial, mas também porque não considerava a política externa prioridade de governo. Atipicamente o Itamaraty envolveu-se em trapalhadas ridículas em Honduras e na Bolívia. A proximidade com Chávez, que já era onerosa, se tornou proibitiva com Maduro. Ficou delirante pretender que a política externa era ativa e altiva.
Com a manutenção despropositada de políticas compensatórias pós-crise internacional de 2008, eventualmente racionalizadas como "nova matriz econômica", e a reversão do boom de commodities, o desempenho da economia brasileira se tornou medíocre. Tardiamente, Dilma no segundo mandato foi obrigada a adotar um ajuste fiscal meio capenga.
O corte de gastos, combinado com a expansão do número de diplomatas, impactou o Itamaraty de forma significativa. A carreira está absolutamente congestionada. Nem mesmo a inflação de embaixadas pode resolver o problema. Há dificuldades em bancar os gastos correntes das embaixadas e os gastos de funcionários. E a situação de excesso de embaixadas é de difícil reversão: há assimetria entre os ganhos políticos com a abertura de novas embaixadas e a custosa perda de prestígio com o seu fechamento. Atrasos no pagamento de contribuições a organismos multilaterais têm inabilitado o Brasil em votações relevantes.
Ativismo e altivez, combinados com imprudência, jactância e pobreza analítica, resultaram na maior crise da diplomacia brasileira de que se tem notícia.
* Marcelo de Paiva Abreu é doutor em economia pela Universidade de Cambridge. É professor titular no Departamento de Economia da PUC-Rio (O Estado de SP – 19/08/2015)

Moedas da América Latina desabam, mas investidor não desiste da região
Por Carolyn Cui
As moedas dos principais países da América Latina estão se desvalorizando diante da queda dos preços das commodities, da desaceleração do crescimento na China e dos receios ligados à alta que o banco central americano está prestes a realizar na sua taxa básica de juros.
Este ano, o peso colombiano perdeu 21% de seu valor ante o dólar, que atingiu uma cotação recorde na Colômbia, enquanto o peso chileno e o peso mexicano se desvalorizaram 12,3% e 10,1%, respectivamente. O real teve uma queda ainda maior até agora em 2015, de 23,4%.
A América Latina tem estado na linha de frente de uma liquidação global nos mercados emergentes em antecipação ao esperado aumento dos juros nos Estados Unidos, por sua vez uma consequência da melhora da economia americana. Juros baixos nos EUA levaram os investidores a migrar para os mercados emergentes, atraídos por rendimentos mais altos e a promessa de lucro com ativos em moedas estrangeiras.
Muitas economias da região também dependem muito da exportação de commodities e, assim, da força econômica da China, que nos últimos anos tem sido uma grande consumidora de matérias-primas.
Essa última onda de desvalorização cambial foi deflagrada, em parte, pela retração da moeda chinesa na semana passada. Um yuan mais fraco afeta a capacidade da China de comprar commodities produzidas na América Latina, como cobre e petróleo.
A China é a maior consumidora do cobre do Chile, enquanto Colômbia e México também vendem uma quantidade significativa de petróleo para o país asiático. Na segunda-feira, os preços dos futuros de cobre e petróleo caíram para seus menores níveis em seis anos, em meio aos temores de queda no crescimento da China.
No Brasil, o cenário internacional só agrava uma situação que já era ruim. Uma desaceleração significativa da economia, somada aos efeitos do vasto escândalo de corrupção na Petrobras, levaram o país à sua pior recessão em mais de 20 anos.
“Essas turbulências têm realmente se concentrado nas moedas latino-americanas”, diz Nick Verdi, estrategista de moedas estrangeiras da Standard Chartered Bank em Nova York.
As moedas dos mercados emergentes, em geral, têm perdido valor com o fortalecimento do dólar neste ano. O fraco desempenho econômico dos países em desenvolvimento, unido à perspectiva de juros americanos mais elevados, exerceu uma pressão baixista sobre as moedas. Devido à ausência de crescimento e às políticas de afrouxamento monetário dos bancos centrais, essas moedas permanecerão sob pressão à medida que o Fed se aproxima de sua primeira alta nos juros, dizem analistas. “O que nós precisamos para estabilizar as moedas é de crescimento [na região] e, depois do crescimento, de um ciclo de aperto [monetário]. Mas provavelmente só conseguiremos isso em algum momento do ano que vem”, diz Siobhan Morden, chefe de estratégia para a América Latina do banco de investimento Jefferies & Co., em Nova York.
Alguns analistas dizem que moedas mais fracas também são o resultado do aumento do interesse dos investidores na América Latina. Alguns investidores de longo prazo compraram ações e títulos de dívida da região durante a recente recessão e, ao mesmo tempo, fizeram apostas contra as moedas como forma de se proteger de um potencial risco de queda. Esses hedges exercem uma pressão baixista sobre o câmbio.
“Você tem muitos investidores estrangeiros, até investidores locais, fazendo hedge contra exposição cambial, o que gera uma segunda rodada de desvalorização nas moedas”, diz Mario Castro, estrategista da corretora Nomura Securities para a América Latina.
Durante os primeiros sete meses do ano, a América Latina foi o maior recipiente de fluxos de investimento entre todas as regiões dos mercados emergentes, superando os asiáticos, segundo o Instituto de Finanças Internacionais. No total, os investidores estrangeiros compraram US$ 62,9 bilhões líquidos em ações e títulos de países da América Latina, ante US$ 57,8 bilhões na Ásia.
Chile e México se destacam como favoritos dos investidores na América Latina.
No Chile, os investidores têm sido confortados pela estabilidade econômica e o baixo endividamento do país, alcançado após anos de disciplina fiscal. Para ajudar a economia, o governo também é capaz de acessar um fundo de estabilização acumulado durante um longo período em que os preços das commodities permaneceram elevados.
A agência de classificação de risco da Standard & Poor’s informa que o Chile economizou cerca de 12% do seu produto interno bruto até junho de 2015. Em julho, o Chile recebeu um fluxo de entrada de investimentos de cerca de US$ 4,5 bilhões, segundo o Scotiabank. Um relatório recente da S&P afirma que a dívida líquida do governo chileno provavelmente permanecerá baixa, mesmo com planos de novas emissões de dívida nos mercados internacionais. A expectativa é que o nível da dívida líquida permaneça abaixo de 7% do PIB pelos próximos três anos.
Os investidores estão prestando atenção às recentes reformas propostas pela presidente do Chile, Michelle Bachelet, que afetaram a confiança das empresas. As reformas incluem aumento de impostos para financiar uma reforma educacional, além de planos para fortalecer sindicatos e alterar a Constituição.
No México, os investidores estão apostando que o setor exportador vai se beneficiar da recuperação na economia americana graças aos laços comerciais existentes entre os países. Enquanto isso, os spreads entre os títulos do governo mexicano e as notas do Tesouro dos EUA permanecem atraentes. No momento, o rendimento anual dos bônus de dez anos do México está 3,83 pontos percentuais acima do oferecido pelos papéis americanos equivalentes. No início de julho, a diferença era de 3,6 pontos percentuais, segundo o Banco Santander.
O capital continuou fluindo para os títulos em pesos mexicanos em julho, embora “seja importante observar o comportamento dos investidores estrangeiros nas próximas semanas, considerando a possibilidade de uma alta dos juros pelo Fed em setembro”, informou o Banco Santander em um relatório.
Os fluxos de investimentos em títulos e ações mexicanos estão positivos desde maio. Em 28 de julho, havia cerca de US$ 91 bilhões em recursos estrangeiros aplicados em títulos soberanos emitidos em pesos, cerca de 60% do total em circulação, segundo o banco central do México.
“Os investidores não parecem estar fugindo da América Latina em grandes números”, escreveu Eduardo Suarez, um dos diretores de estratégia para América Latina do Scotiabank, acrescentando esperar que as moedas se recuperem quando o Fed elevar os juros pela primeira vez e os hedges cambiais forem desfeitos. Ontem, o dólar era negociado a 691,8 pesos chilenos, 3003,6 pesos colombianos, um recorde, e 16,4 pesos mexicanos. No Brasil, o dólar fechou em R$ 3,47. (Colaborou Anthony Harrup e Ryan Dube.) (WSJ – 19/08/2015)

Dilma recebe Angela Merkel para reforçar relação Brasil-Alemanha
LEANDRO COLON
DE LONDRES
Em meio a uma rebelião inédita dentro do seu partido, a chanceler alemã Angela Merkel chega ao Brasil na noite desta quarta (19) para uma visita-relâmpago à presidente Dilma Rousseff, mergulhada numa crise política sem precedentes no governo.
A viagem foi anunciada em meados de fevereiro, quando Dilma ainda "respirava" politicamente e Merkel liderava com tranquilidade os rumos da política europeia.
Ambas se aproximaram em 2013 para reagir à revelação de que foram alvo de espionagem do serviço de inteligência americana.
No ano passado, Merkel esteve no Brasil para assistir ao lado de Dilma à Copa do Mundo, vencida pela Alemanha.
Agora, a petista vive um caos político, e Merkel encara um desgaste no bloco europeu, mas sobretudo entre os alemães, por causa da negociação que levou a um novo resgate financeiro da zona do euro à Grécia, no valor de € 86 bilhões (R$ 330 bilhões).
Dilma apresentará seu plano de investimentos em infraestrutura e tentará usar a visita da chanceler para mostrar prestígio externo num momento de fragilidade.
Merkel postergou o embarque ao Brasil em algumas horas para evitar que o Parlamento em Berlim votasse contra o socorro aos gregos.
Lideranças do seu partido, o CDU (União Democrata-Cristã), ameaçaram derrubar o acordo. Pela primeira vez desde que assumiu o governo, em 2005, Merkel tem sua liderança contestada.
Comércio Brasil-Alemanha
DELEGAÇÃO
A chanceler ficará menos de 24 horas em Brasília. Sua delegação, porém, será peso-pesado: serão sete ministros e cinco secretários de Estado.
Será o primeiro encontro bilateral desde que a Alemanha incluiu o Brasil no rol de países com quem mantém relação de "alto nível" –de emergentes, somente Índia e China possuem tal status.
Apesar da crise econômica no Brasil, o governo de Merkel busca investimentos para cerca de 1.300 empresas alemãs que atuam no país.
Nos últimos dias, os jornais europeus noticiaram com destaque os protestos contra o governo Dilma.
Questionado sobre se a viagem ao Brasil ocorreria em um bom momento, o porta-voz da chanceler, Steffen Seibert, minimizou, dizendo que reuniões bilaterais deste tipo não levam em conta o atual contexto interno do país.
Um jantar de recepção deve ocorrer nesta quarta no Palácio do Alvorada.
Merkel e Dilma reúnem-se na quinta (20) no Planalto, onde farão um comunicado à imprensa sobre a importância da relação bilateral.
Está prevista uma declaração sobre o combate a mudanças climáticas, em que Dilma deve reforçar o compromisso com "metas ambiciosas", mas sem definir números e enfatizando que as potências precisam ajudar os menos desenvolvidos a cumprir sua parte –ponto central da posição brasileira.
Merkel quer intensificar a campanha entre os emergentes para evitar um fracasso na conferência do clima (COP 21) em dezembro, em Paris.
Ela e Dilma alinharam o discurso em junho, em um encontro em Bruxelas, dias após a reunião do G7 em que a alemã conduziu o consenso das potências em reduzir o uso de combustíveis fósseis até o fim deste século.
Não se espera nenhum grande acordo financeiro neste encontro entre as duas líderes.
Os memorandos de entendimento que serão assinados, entre eles um de mobilidade urbana e outro na área de ajuda ambiental por parte da Alemanha, somam US$ 500 milhões em projetos, considerados modestos diante do porte dos dois países.
"O objetivo deste encontro é intensificar essa relação com a Alemanha, com um diálogo mais constante em pontos de extrema importância internacionalmente", diz o embaixador Osvaldo Biato Júnior, diretor do Departamento de Europa do Ministério das Relações Exteriores. (Folha de SP – 19/08/2015)

Para ministro alemão, Brasil tem de assumir responsabilidades globais
JULIANO MACHADO
EDITOR-ADJUNTO DE "MUNDO"
A comitiva alemã liderada pela chanceler Angela Merkel que chega a Brasília nesta quarta-feira (19) tem uma extensa pauta para as reuniões com o governo brasileiro, mas as negociações para a conferência da ONU sobre o clima, em dezembro, são um assunto prioritário para a Alemanha.
Em entrevista por e-mail à Folha às vésperas de embarcar para Brasília, o ministro alemão de Relações Exteriores, Frank-Walter Steinmeier, disse esperar do Brasil a mesma ambição que seu país tem apresentado em políticas para lidar com a mudança climática –ainda que o governo brasileiro não tenha estipulado uma meta de redução dos gases causadores do efeito estufa.
Steinmeier, 59, sabe que chega ao Brasil em um momento de turbulência política, mas vê o país como o parceiro mais importante da América Latina, independentemente do atual momento vivido pelo governo Dilma.
Leia abaixo os principais trechos da entrevista.
Folha - A menos de quatro meses da COP 21, a conferência da ONU sobre clima, em Paris, o Brasil ainda não estipulou uma meta de redução de gases causadores do efeito estufa. Uma vez que a chanceler Merkel está à frente dos esforços para cortar as emissões globais, ela cobrará da presidente Dilma uma posição mais clara? O que a Alemanha espera do Brasil nessa área?
Frank-Walter Steinmeier - Um tratado abrangente e ambicioso sobre o clima é um fator chave para um futuro sustentável de nosso planeta. Tanto o Brasil como a Alemanha precisam assumir suas responsabilidades globais. Queremos desempenhar um papel de liderança no caminho para uma conferência do clima exitosa em Paris em dezembro.
Atualmente estamos trabalhando numa declaração conjunta de intenções com relação à COP 21. A Alemanha está fortemente empenhada em contribuir para todos os elementos do acordo da COP 21 – descarbonização [transição para uma economia baseada em energia limpa], adaptação, finanças do clima. A "Energiewende" (transição energética) alemã se tornou sinônimo de reformas ambiciosas para alterar de forma fundamental nossa abordagem à produção e ao consumo de energia de um modo sustentável. Estou certo de que o Brasil não vai ser menos ambicioso.
Qual será a estratégia alemã em Paris para evitar um fracasso como o de 2009, na COP de Copenhague?
Nossos anfitriões franceses tomaram a decisão de entrar muito cedo na fase decisiva de pré-negociações. Estou convencido de que essa é a forma certa de abordar estas questões. Paris conta com nosso apoio inequívoco. Sente-se um ambiente construtivo e positivo na fase de preparação da conferência e um compromisso geral com a liderança política –tal como foi o caso na cúpula do G7 na Alemanha em junho passado. Precisamos garantir que a dinâmica positiva vá ajudar a fazer progressos substanciais durante as negociações propriamente ditas.
O sr. e a chanceler Angela Merkel chegam ao Brasil em um momento de instabilidade política no país. Como o governo alemão tem visto a situação brasileira?
Nossas relações bilaterais profundas e amigáveis são antigas. Os primeiros imigrantes alemães chegaram ao Brasil há quase 200 anos. Empresas alemãs começaram a se instalar no Brasil há 150 anos. O Brasil, e São Paulo em particular, se tornou desde então uma das mais importantes bases da indústria alemã fora da Alemanha, um importante polo de know-how, engenharia e design alemães.
Esse exemplo é a melhor forma de ilustrar que nossas relações bilaterais são marcadas por uma perspectiva de longo prazo. Nossa relação se assenta em um fundamento de confiança mútua e valores compartilhados. O Brasil é e continuará sendo nosso parceiro mais importante na América Latina – independentemente dos desafios atuais que a política interna brasileira esteja enfrentando. Uma parceria Brasil-Alemanha fortalecida não é só de nosso interesse comum, mas também local e global.
Quais são os principais temas que a comitiva alemã colocará na mesa neste diálogo bilateral em Brasília?
O fato de o governo alemão atravessar o Atlântico para visitar o Brasil e realizar as primeiras consultas intergovernamentais com nossos parceiros brasileiros em Brasília é uma expressão forte e globalmente visível de nossa parceria estratégica com o Brasil. São poucos os países da Europa, e ainda menos os países fora das fronteiras europeias, com os quais a Alemanha tem um relacionamento tão intenso.
Como atores importantes em suas respectivas regiões, a Alemanha e o Brasil desejam intensificar a cooperação e o intercâmbio em temas internacionais, tal como foi quando, recentemente, conseguimos um consenso para nossas resoluções teuto-brasileiras sobre privacidade na internet, na ONU.
Vamos também refletir sobre o futuro das missões de manutenção da paz, a promoção de questões de direitos humanos e o fortalecimento da segurança marítima.
Essas consultas vão também dar à nossa cooperação bilateral uma dinâmica importante. A Alemanha e o Brasil vão intensificar sua cooperação, atualmente já bastante forte, nas áreas de ciência, tecnologia e educação. Permita-me mencionar alguns exemplos: vamos assinar um acordo-quadro sobre cooperação intensificada em pesquisa e ciência.
Desenvolvemos acordos de projeto para o Observatório da Torre Alta da Amazônia [uma estrutura de 325 metros no meio da floresta, em São Sebastião do Uatumã (AM), que servirá para estudar a interação entre a mata e o clima]. Queremos criar novas oportunidades para jovens brasileiros que desejam aprender alemão em escolas no Brasil. Vamos nos debruçar sobre planos para um Centro de Estudos Alemães e Europeus no Brasil. Queremos estabelecer um quadro novo para cooperações futuras em desenvolvimento urbano, incluindo gerenciamento de água, energias renováveis, eficiência energética e transporte público.
O que falta para as negociações do acordo de livre comércio Mercosul-União Europeia avançarem? Como Brasil e Alemanha podem ajudar a destravar isso?
Discutimos formas de progresso possíveis à margem da reunião ministerial da cúpula da UE-Celac e da reunião ministerial Mercosul - União Europeia no início de junho. Estou confiante de que isso irá dar novo ímpeto às negociações e contribuir para completar um acordo ambicioso, abrangente e equilibrado. Temos, de ambos os lados do oceano Atlântico, muito a ganhar com um reforço de nossas relações comerciais e de investimentos. Tanto dentro da UE como junto a nossos parceiros do Mercosul, vamos continuar envidando esforços no sentido de alcançar um acordo que ajude a intensificar e a fortalecer as relações UE-Mercosul. Sei que o mesmo se aplica ao Brasil, que está igualmente empenhado nesse processo.
Além da crise econômica, a Grécia tem sofrido com o fluxo maciço de imigrantes tentando chegar à Europa. A Alemanha tem planos de ajudar financeiramente os gregos nesse caso?
A situação de milhões de refugiados fugindo de guerras civis e instabilidade política no Oriente Médio e na África é verdadeiramente dramática. O aumento drástico do fluxo de refugiados chegando à costa europeia é um enorme desafio à nossa humanidade e solidariedade. É verdade que a Grécia está sendo muito afetada pela chegada de refugiados. A solidariedade é uma importante pedra angular da ideia europeia, e isso se aplica particularmente ao caso da Grécia, que acabou de começar com a implementação de mais reformas exigentes, profundas e abrangentes.
Precisamos e iremos apoiar a Grécia nesta questão. É nossa obrigação moral oferecer abrigo àqueles que fogem da guerra e da opressão. A própria Alemanha se tornou um porto seguro para centenas de milhares de refugiados.
Não há nenhum país fora da região que tenha aceitado mais refugiados da Síria do que a Alemanha. Prestamos apoio aos refugiados na Grécia por meio das missões do Acnur [agência de refugiados da ONU] e da Cruz Vermelha, mas é nítido que é preciso fazer mais. Estamos em diálogo com o governo grego sobre canais de apoio adicionais.
Com o mundo em turbulência e em busca de uma nova ordem, temos de nos conscientizar de que grandes fluxos de refugiados são um desafio com que teremos de lidar durante décadas. É certamente uma das questões mais urgentes do nosso tempo. Temos de cooperar não só em nível europeu mas também em âmbito global.
Um elemento fundamental é certamente abordar as causas subjacentes da migração, melhorando a situação nos países de origem e de trânsito. (Folha de SP – 19/08/2015)

Câmara estreita relações e amplia comércio
ESPECIAL BRASIL – ALEMANHA
Rosangela Capozoli
Os apertos de mão que serão trocados entre membros da comitiva alemã e os anfitriões brasileiros ilustram uma relação selada pela imigração e fortalecida pelos números da economia.
A Câmara Brasil-Alemanha tem mais de 1,7 mil associados, está no Brasil há um século e atua como promotora de aproximações e trocas comerciais entre os dois países. "Essa forte parceria se deve, entre outros fatores, ao crescimento estável bilateral do intercâmbio comercial", diz Eckart Michael Pohl, diretor de Comunicação da Câmara Brasil-Alemanha para o Mercosul.
Na balança comercialentre os dois países, o Brasil está perdendo (veja matéria nesta página). Michael Pohl observa, no entanto, que pelos setores estratégicos em quese destacam, as subsidiárias deempresas alemãs têm uma presença no Brasil tão importante quanto o comércio bilateral. No Brasil, as subsidiárias alemãs são mais fortes nos setores automobilístico, autopeças, metal-mecânica, geração e transmissão de energia, materiais e equipamentos eletrônicos, máquinas, equipamentos e produtos químicos e farmacêuticos. "Nos anos recentes, observou-se uma crescente participação alemã nos dois setores mais dinâmicos da economia brasileira, as tecnologias verdes e ambientais e, em parte, a construção civil, que devem representar os muitos focos de oportunidades dos próximos anos", diz Pohl.
Além dos grandes números, há uma semelhança significativa entre os dois países: é a importância das pequenas e médias empresas. No Brasil, as PMEs representam mais de 95% do total de empresas. Na Alemanha, elas são quase 100% e têm forte participação no comércio exterior. "As exportações alemãs são impulsionadas pelas PMEs", diz Pohl. "Mais de 99% dos 3,7 milhões de empresas estabelecidas no país se enquadram na definição europeia de PMEs.
Elas empregam 59,4% da mão de obra alemã e são reconhecidas pelo seu alto poder de inovação. Muitas delas são líderes de mercado em seus nichos de atuação.
Ao lado de grandes companhias, as pequenas são responsáveis por fazer da Alemanha a potência industrial e tecnológica da atualidade", afirma.
O atendimento às necessidades das PMEs é um dos focos de atuação da Câmara aqui no Brasil. Nesse sentido, ela organiza rodadas de negócio, viagens para delegações de empresários brasileiros e alemães, identificação de potenciais parceiros ou fornecedores e informações e estudos de mercado, entre outras ações. (Valor Econômico – 19/08/2015)

Estudo mede impacto de projeto para facilitar comércio exterior na retomada das exportações
São Paulo – Estudo da Confederação Nacional da Indústria (CNI) divulgado na quinta-feira (13/8) na Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) projeta crescimento da participação dos produtos industriais nas exportações brasileiras com a adoção de medidas de facilitação do comércio exterior.
Segundo o professor da Fundação Getúlio Vargas (FGV) Lucas Ferraz, consultor do estudo, as exportações brasileiras de produtos industrializados teriam crescimento de 10,3% em 2017 e continuariam em forte evolução, subindo 26,5% em 2030 com a adoção das medidas previstas no programa do governo federal “Portal Único de Comércio Exterior”.
O programa prevê redução de 13 para 8 dias no prazo médio de exportação. Para as importações, o prazo médio nas aduanas brasileiras cairia de 17 dias para 10. As medidas propostas permitiriam redução anual de custos de US$ 23 bilhões na importação e exportação, com base nos dados de comércio de 2013.
O estimulo à formação bruta de capital graças ao Portal Único deve ter efeito positivo sobre o PIB brasileiro. Em 2017, quando o programa estiver concluído, o PIB deve ser 1,19% maior do que seria sem essas medidas de facilitação do comércio. Em 2030, o PIB cresce 2,53% sobre o cenário base. O impacto das medidas beneficia por tabela a Argentina, com crescimento de 0,79% de seu PIB em 2030.
Ferraz explica que a facilitação do comércio deve reverter a tendência de “primarização” da pauta brasileira de exportações (o aumento da competitividade relativa de produtos primários sobre os de maior valor agregado). Graças à redução de custos aduaneiros e à diminuição dos atrasos nas aduanas, espera-se crescimento acentuado das exportações, com estímulo à maior participação de bens industrializados nas exportações, em especial da indústria de transformação. Já em 2017 elas devem crescer 10,3%. Em 2030, o crescimento estimado é de 26,5%, sempre em relação ao cenário base sem o Portal Único.
Em valores absolutos, o adicional no saldo da balança comercial da indústria de transformação começa em US$ 2,18 bilhões, em 2018, e chega a US$ 13,43 bilhões em 2030.
A apresentação, feita pelo professor Lucas Ferraz, foi parte do road show Promovendo Iniciativas de Facilitação do Comércio, realizado em São Paulo pela Fiesp, CNI e pela Rede Brasileira de Centros Internacionais de Negócios.
Estratégia
Ferraz destacou que o estudo mostra o caráter estratégico das políticas de facilitação de comércio para a competitividade da indústria de transformação no Brasil. O pesquisador apresentou dados do custo representado pelos atrasos – que chega a ser mais significativo que o representado por impostos. Segundo a FGV, os atrasos representam custo adicional médio de 13,04% nas exportações, em razão de fatores como necessidade de aumentar estoques e depreciação econômica.
“Tempo é sinônimo de qualidade”, destacou Ferraz. Quanto maior o atraso nas entregas, menor a predisposição a pagar por determinado volume comprado, explicou. Citando estudo acadêmico, o professor da FGV disse que cada dia em trânsito custa entre 0,64% e 2,1% do valor da carga comercializada.
E o Brasil é pródigo em atrasos. Além da burocracia, há filas em rodovias, portos e aeroportos. Ferraz citou números de levantamento feito em conjunto com a Fiesp que mostram as desvantagens logísticas brasileiras. A proporção de estradas asfaltadas é baixa, o custo do frete é alto, e o tempo nas aduanas é elevado. (Fiesp – 18/08/2015)

Importação de combustível despenca e alivia a balança comercial brasileira
ECONOMIA
Fôlego. Analistas elevaram a previsão de saldo comercial de 2015 de US$ 5 bi, de acordo com projeções do início do ano, para US$ 8 bi, segundo estimativas de ontem; o resultado é influenciado pela queda das importações, em especial, de combustíveis
Luiz Guilherme Gerbelli
A forte queda na importação de combustíveis e lubrificantes está favorecendo o resultado da balança comercial do País. Nas duas primeiras semanas de agosto, a média diária da compra desses produtos foi de US$30,1 milhões, um resultado 82,3% menor que o registrado no mesmo mês de 2014 e 65,1% inferior ao apurado em julho.
A queda na importação de combustível e petróleo tem contribuído para diminuir o tamanho das importações num ritmo superior à queda das exportações.
Nas duas primeiras semanas de agosto, a média diária de importações recuou 36% (US$588,6 milhões) na comparação com o mesmo mês de 2014, e a de exportações caiu 25,3% (US$ 728,2 milhões).
No mês, o superávit na balança é de US$ 1,396 bilhão.
"Nessas duas semanas de agosto, a queda na importação de lubrificantes e combustíveistem mantido o superávit tão positivo", afirma Bruno Lavieri, economista da Tendências Consultoria Integrada.
A aquisição de petróleo e derivados tem peso relevante nas importações feitas pelo País. Em agosto, por exemplo, a importação desses produtos só ficou abaixo da de equipamentos mecânicos (US$ 954 milhões por dia), equipamentos elétricos e eletrônicos (US$ 744 milhões), veículos (US$ 54,2 milhões) e produtos químicos orgânicos e inorgânicos (US$ 50,1 milhões).
"Os números (da importação de petróleo) são muito baixos. É uma queda registrada muito forte", afirma José Augusto de Castro, presidente da Associação de Comércio Exterior do Brasil (AEB). "Por mais pessimista que houvesse, nunca se podería imaginar uma redução para esses níveis", diz Castro.
Embora possa existir um efeito da desaceleração da economia brasileira, da alta do dólar e do recuo do preço dos produtos, ainda é difícil identificar as razões para a queda da importação de petróleo e combustível.
"Em tese,pode ser alguma volatilidade. De repente nas próximas semanas pode entrar um volume um pouco maior. Por ora, não há nada que explique a manutenção desse patamar até o fim do ano", afirma Lavieri, da Tendências. "Ainda que o câmbio esteja ruim, não tem como parar de importar diesel e gasolina", diz.
Melhora da previsão. De toda forma, a queda mais intensa da importação do que da exportação tem feito com queos analistas revisem para cima a projeção para o saldo da balança comercial deste ano - até a segunda semana de agosto, o comércio exterior brasileiro acumulava um superávit de US$6 bilhões.
No relatório Focus, do Banco Central, a expectativa no início do ano era de um superávit de US$5 bilhões para 2015. No boletim divulgado ontem, a projeção subiu para US$8 bilhões.
"O saldo na balança pode ser maior do que o previsto por causa da queda nas importações", diz Castro, da AEB. Em julho, a associação estimou um superávit de US$ 8,064 bilhões.
A importação tem recuado por causa da forte recessão da economia brasileira e pela desvalorização do real em relação ao dólar. E a exportação do País tem sofrido pela queda nos preços dos manufaturados e, sobretudo, das commodities.
A queda no preço dos produtos básicos é influenciada pela China, grande compradora de commodities, mas os sinais de desaceleração do gigante asiático acabam derrubando os preços dos produtos - na semana passada, o governo chinês promoveu a desvalorizações do yuan para estimular suas exportações e sua economia.
"O movimento da importação e da exportação tem sido mais intenso do que o esperado", afirma Lavieri, da Tendências. A consultoria já estima um superávit de US$ 3 bilhões para 2016 - antes, previa umdéficit de US$ 500 milhões.
Saldo Maior
US$ 5 bi era a projeção para o saldo da balança comercial do Brasil feita no início deste ano, de acordo com o relatório
Focus (O Estado de SP – 18/08/2015)

Desvalorização cambial na China afeta mais moedas de dez emergentes
FINANÇAS
Anchalee Worrachate e Ye Xie
Bloomberg
Esqueça os "cinco frágeis". Agora os estrategistas do Morgan Stanley estão preocupados com os que poderiam ser chamados de os "dez problemáticos". É como passaram a ser tratados países que estão particularmente sob risco desde que a China desvalorizou o yuan.
Apesar de os analistas não terem usado o termo, trata-se de uma boa descrição para qualquer uma das moedas - do real ao sol peruano, passando pelo won sulcoreano - com laços comerciais que as tomam mais suscetíveis à desaceleração da segunda maior economia do mundo.
"Tudo diz respeito à vulnerabilidade", diz Hans Redeker, chefe de estratégia cambial global do Morgan Stanley em Londres. "As principais vítimas da mudança na política desta vez são as moedas dos países com elevada exposição à exportação e à competitividade das exportações da China."
OMorgan Stanley estava certoem relação aos "cinco frágeis"Brasil, índia, Indonésia, África do Sul e Turquia.
Desde que foi cunhado, em 2013, o termo engloba quatro das oito moedas com pior desempenho no mundoem desenvolvimento.O real, a lira turca, o rand sul-africano, a rupia indiana e a rupia da Indonésia têm sofrido com umcenário que tomou mais difícil para seus países o financiamento de seus déficits em conta corrente.
Para Redeker, o maior desafio agora é o baixo crescimento global. Apesar de os bancos centrais de Japão, Europa e EUA terem lançado estímulos recordes, neste ano a economia mundial se expandirá ao ritmo mais lento desde 2009, segundo projeções do Fundo Monetário Internacional.
Essa recuperação morna indica que a China não poderá depender das exportações para impulsionara expansão, disse o estrategista, cuja empresa foi a segunda mais bem posicionada ao analisar o dólar em relação ao yuan, segundo dados compilados pela Bloomberg para o período de quatro trimestres terminado em 30 de junho. Em contrapartida, o crescimento mais lento também colocará os parceiros comerciais da China em uma encruzilhada.
Há algumas coincidências entre os "cinco frágeis" e a nova lista das moedas sob risco, entre elas o rand e o real. Também estão vulneráveis à desaceleração da China o baht tailandês, os dólares de Cingapura e de Taiwan, os pesos chileno e colombiano, o rublo russo, o won e o sol, segundo Redeker.
A China é o principal destino de exportação da maioria dos países da lista dos "dez problemáticos", segundo dados compilados pela Bloomberg. O país respondeu por 37% das exportações da África do Sul e por 30% dos embarques da Coreia do Sul ao exterior em 2014.
Mesmo com o yuan corroendo os mercados, os investidores ainda preveem que o Federal Reserve (Fed) manterá o plano de elevar as taxas de juros pela primeira vez em nove anos, o que ameaça afastar capital que ia aos mercados emergentes. Os contratos futuros mostram que os operadores veem uma chance de 75% de o banco central dos EUA tomar uma decisão até o fim do ano.
"Nós teremos pelo menos mais um episódio problemático" antes de as moedas dos mercados emergentes se tomarem atraentes para compra, disse Steven Englander, chefe global de estratégia cambial no Citigroup Inc., à "Bloomberg Television". (Valor Econômico – 18/08/2015)

Brasil exporta 3,376 bilhões na segunda semana de agosto
Brasília – O desempenho das exportações brasileiras na segunda semana de agosto, com cinco dias úteis, foi de US$ 3,376 bilhões, com média diária de US$ 675,2 milhões. As importações no período somaram US$ 2,706 bilhões (média diária de US$ 541,2 milhões), o que resultou em um superávit comercial semanal de US$ 670 milhões. No ano, as exportações acumulam US$ 120,144 bilhões e as importações US$ 114,140 bilhões, o que gerou um superávit anual de US$ 6 bilhões, até o momento.
Segunda semana
Na segunda semana de agosto, as exportações, pela média diária, registraram desempenho 13,5% menor que o verificado até a primeira semana do mês (US$ 781,2 milhões). Nessa comparação, observaram-se retração nas vendas externas de produtos semimanufaturados (-28%) – principalmente celulose, açúcar em bruto e semimanufaturados de ferro e aço – de manufaturados (-10%) – por conta de autopeças, laminados planos e motores para veículos e partes – e de básicos (-11%) – especialmente por soja em grão, minério de ferro, carne de frango e suína.
Já as importações apresentaram queda de 14,9%, na comparação da média diária registrada até a primeira semana do mês (US$ 636,0 milhões). Esse desempenho foi explicado, principalmente, pela redução nas compras de combustíveis e lubrificantes, equipamentos mecânicos, aparelhos eletroeletrônicos, automóveis e partes, produtos plásticos, farmacêuticos, adubos e fertilizantes.
Mês
Nas duas primeiras semanas de agosto, com dez dias úteis, as exportações brasileias somam US$ 7,282 bilhões e as importações US$ 5,886 bilhões, resultando em um superávit de US$ 1,396 bilhão. Pela média diária das exportações no mês (US$ 728,2 milhões) observa-se uma queda de 25,3% no desempenho, quando se compara com a média diária das exportações verificada em agosto do ano passado (US$ 974,4 milhões). Nesse comparativo, foram observadas retrações nos embarques de produtos das três categorias: manufaturados (-28,2%) – principalmente por conta de óleos combustíveis, açúcar refinado, óxidos e hidróxidos de alumínio, automóveis, pneus e medicamentos – produtos básicos (-27%) – especialmente por conta de farelo de soja, minério de ferro, milho em grão, minério de cobre, petróleo em bruto, fumo em folhas, carne bovina, suína e de frango e café em grão – e de semimanufaturados (-6,4%) – devido a açúcar em bruto, couros e peles, ouro em forma semimanufaturada. Em relação a julho de 2015, há uma retração de 9,6%, causado pela diminuição nas vendas de produtos básicos (-13,2%) e manufaturados (-12,1%). Porém, as exportações de produtos semimanufaturados cresceram 10,1%.
No acumulado do mês, até a segunda semana, as importações somam US$ 5,886 bilhões, com média diária de US$ 588,6 milhões. O desempenho médio diário das vendas externas ficou 36% abaixo do verificado no mês de agosto do ano passado (US$ 919,3 milhões). Nessa comparação, constatou-se retração nos desembarques de combustíveis e lubrificantes (-82,3%), adubos e fertilizantes (-47,6%), siderúrgicos (-33,6%), automóveis (-31,7%) e aparelhos eletroeletrônicos (-27,4%). Já em relação a julho de 2015, quando a média diária das importações foi de US$ 702 milhões, houve retração de 16,2%, devido a diminuição nas compras de combustíveis e lubrificantes (-65,1%), adubos e fertilizantes (-35,9%) e farmacêuticos (-16,2%). (MDIC – 17/08/2015)

Armando Monteiro cobra sensatez nos debates sobre BNDES e o Porto de Mariel
O ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Armando Monteiro, cobrou mais "sensatez" nos debates políticos que têm sido feitos em relação ao Banco Nacional do Desenvolvimento Social e Econômico (BNDES). Na avaliação do ministro, essas discussões deixam de levar em conta os benefícios que o banco tem trazido para as exportações brasileiras.
Segundo o ministro, financiamentos como o do Porto de Mariel, em Cuba, têm sofrido críticas injustas, uma vez que beneficia também as chamadas exportações indiretas. "Infelizmente politizaram algumas questões de forma muito equivocada. Todas as discussões que dizem respeito ao BNDES estão politizadas. Por exemplo, quando se fala de exportação de serviços nos últimos oito anos, o volume total dos financiamentos do banco alcança US$ 11 bilhões. Nesse período, o orçamento [do BNDES] corresponde a quase US$ 400 bilhões. Ou seja, falamos de algo que corresponde a apenas 3% do orçamento do banco. Esse debate precisa ser recolocado de maneira sensata, porque o BNDES é um grande instrumento e tem papel insubstituível", disse o ministro durante as gravações do programa Brasilianas.org, transmitido na noite de hoje (17) pela TV Brasil.
Ex-presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Armando Monteiro destacou a relevância da exportação de serviços para a economia brasileira. "Exportar serviços é algo muito importante porque você agrega nos contratos toda uma cadeia de fornecedores no Brasil", disse ele. "Há um conceito que se chama exportação indireta, que beneficia setores que jamais exportam diretamente. As obras do Porto de Mariel envolvem 400 empresas fornecedoras que estão associadas a isso. Desde grupos geradores, a parafusos, equipamentos de proteção e segurança do trabalho, veículos e outros itens. É preciso ter essa compreensão", argumentou.
Ao longo do programa Brasilianas.org, Monteiro detalhou os "cinco pilares" do Plano Nacional de Exportação, que está a cargo de sua pasta. O primeiro busca ampliar o acesso do país a novos mercados. "O Brasil esteve relativamente isolado, e precisa se integrar a redes de acordos internacionais. O Mercosul ofereceu ganhos extraordinários ao comércio regional e ao Brasil. Mas agora é preciso que o país se integre mais a regiões com maior dinamismo", disse o ministro.
O segundo pilar do plano comentado pelo ministro é a promoção comercial. "O Brasil precisa saber quais são os mercados alvos e por que são mercados importantes. Fizemos com a Apex [Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos] um mapa estratégico com relação a 32 países considerados importantes pelo estudo."
O terceiro pilar é financeiro e envolve questões como seguro e garantias. "Dependendo das características dos bens exportados, o financiamento às vezes é mais importante que o preço. Por isso, precisamos ter condições, no mínimo, comparadas aos países que concorrem com o Brasil. Temos também o desafio de robustecer o sistema de seguros, tornando mais simples e mais ágeis os mecanismos de acesso ao seguro, em linha com a experiência internacional", afirmou ele.
O quarto pilar do Plano Nacional de Exportação refere-se ao aprimoramento dos regimes tributários aplicados à exportação, com processos mais simples e ágeis. Segundo Monteiro, o governo está desenvolvendo com a ajuda do Ministério da Fazenda "uma espécie de cadastro positivo" com as empresas que exportam com habitualidade e nunca tiveram problemas com o fisco ou aduanas.
Ainda dentro do plano, o ministério quer facilitar o chamado comércio em linha, de forma a simplificar procedimentos aduaneiros, criando janelas únicas para que os usuários só coloquem os dados uma vez no sistema, o que, segundo o ministro, vai reduzir prazos. "Hoje, leva-se 13 dias para se processar as exportações, considerando todos os processos aduaneiros. Queremos trazer isso para oito dias, que é o padrão internacional", disse ele. A ideia é digitalizar todos os processos de exportação. (Agência Brasil – 17/08/2015)

Avançar em política externa
Na semana passada, estive em Genebra para o encontro que reuniu os chamados "jovens líderes globais" selecionados pelo Fórum Econômico Mundial. Dentre eles, o primeiro-ministro da Bélgica, o diretor de tecnologia da Casa Branca e a cientista-chefe de "big data" da News Corp (empresa que é dona da Fox e de publicações como o jornal "The Wall Street Journal"). Na pauta do encontro, temas cruciais para qualquer país que queira pensar o desenvolvimento no mundo conectado de hoje: inovação, inclusão digital e comércio internacional.
Enquanto isso, aqui o foco se voltava para a "Agenda Brasil", conjunto de propostas costuradas pelo Senado na expectativa de avançar em face ao momento catatônico atual. Um elemento que chamou a atenção na primeira versão das medidas foi a ausência de temas relacionados a política externa (a segunda versão incluiu tópicos nesse sentido; ainda assim, de forma lacunar).
Já escrevi aqui na coluna que o Brasil é criticado no plano internacional por não se importar devidamente com política internacional. Diferentemente de outros países onde o tema é debatido na sociedade, seja nos cafés ou nas festas, despertando paixões, no Brasil a atitude mais comum é a indiferença. Claro que há várias exceções notáveis quanto a isso, dentre elas a própria Folha, que cobre o tema assiduamente. Mas as exceções não mudam a regra: política externa não faz parte usualmente do debate cotidiano.
Isso passa a impressão, equivocada, de que o país pode superar esta crise (ou qualquer outra) sem ter uma visão clara sobre como se integrar no plano internacional. O Brasil não deve se contentar com sua atual posição de vítima dos cenários externos (seja a queda do yuan ou o aumento vindouro de juros nos EUA). Deve almejar, sim, ter um papel de protagonismo e inserção no plano global.
Nesse contexto, existem várias agendas de política externa que estão paradas no Congresso. Com pouco esforço poderiam avançar. Um exemplo é o chamado Acordo de Facilitação do Comércio (o TFA em inglês, ou "Trade Facilitation Agreement"). O documento já foi assinado pelo país junto à Organização Mundial do Comércio, mas ainda não foi ratificado pelo Congresso.
O Acordo prevê a redução de trâmites necessários para o comércio internacional, promovendo cooperação alfandegária e agilizando o trânsito de mercadorias. Em outras palavras, ataca uma das mazelas do país: a burocracia, que se materializa em procedimentos verdadeiramente "cartoriais" para importação e exportação.
A ratificação do acordo daria um sinal global claro sobre a posição do país. E serviria de incentivo para que outros países seguissem o mesmo caminho, contribuindo para sua entrada em vigor. O Brasil tem sido um grande beneficiário do sistema criado pela OMC. Ratificar o tratado é coerente com isso e fortaleceria a posição do país junto ao órgão.
Se quiser, o Congresso pode atuar mais em política externa e avançar em temas que estão paralisados. Além da "Agenda Brasil" é preciso também uma "Agenda Mundo". (Folha de SP – 17/08/2015)

O Brasil rebaixado
Luis Eduardo Assis*
Pelo menos desde que os estúdios Disney desenharam o Zé Carioca vestido com uma blusa de gola olímpica e mangas cumpridas não devemos nos surpreender com a dificuldade de os estrangeiros entenderem o que acontece no Brasil. Ora encontramos louvações que fariam o Conde Afonso Celso pedir moderação, ora nos deparamos com visões estereotipadas que nos rabiscam frágeis caricaturas.
As agências internacionais de rating não deixam por menos. É bom lembrar, para começo de conversa, que essas agências não são impolutas. No afã de criticar os equívocos do governo, cedemos à tentação de concordar com as reprimendas das agências, mas é bom lembrar que elas mesmas foram acusadas de provocar a crise de 2008 ao atribuírem notas elevadas a títulos podres. Mais: também contribuíram para o aprofundamento da crise, uma vez estourada a bolha imobiliária, quando cortaram de chofre as avaliações generosas que haviam concedido.
Cerca de 90% dos ratings AAA que foram dados para títulos lastreados em hipotecas nos EUA em 2006 e 2007 foram subitamente cortados para a categoria de "junk-bonds" (ou "categoria lixo", como dizem nossos patrícios portugueses).
Apenas no primeiro semestre de 2008, as três principais agências, que detêm 95% do mercado, rebaixaram US$ 1,55 trilhão em títulos, induzindo os investidores a uma venda forçada que agravou dramaticamente as vicissitudes do mercado financeiro. Alguns papéis passaram de AAA para CCC do dia para a noite.
Se as agências não sucumbiram à crise, também não saíram incólumes. A S&P, por exemplo, concordou no começo de 2015 em pagar US$ 1,5 bilhão em multas para encerrar processos judiciais, o maior deles movido pelo próprio Departamento de Justiça americano, que sustentava que a agência teria fraudado suas avaliações e atribuído notas excessivamente elevadas movida por interesses financeiros.
A maculada reputação das agências também se evidencia na dinâmica dos mercados. O banco J.P. Morgan calcula desde 1993 um índice que mede o apetite de risco por papéis soberanos denominados em dólar. Seu valor corresponde à média dos prêmios pagos em excesso aos títulos do Tesouro americano do mesmo prazo. O mercado usa este indicador como uma medida da capacidade de os países honrarem seus compromissos externos - quanto maior o índice, maior o risco.
No começo de agosto, o indicador para os papéis brasileiros girava em torno de 340 pontos, ou seja, os títulos do País pagavam no mercado secundário 3,4 pontos porcentuais acima dos seus equivalentes americanos. Quando a S&P revisou para "negativa" a perspectiva da nota brasileira no final do mês passado, o mercado reagiu com uma pequena queda no índice brasileiro.
Da mesma forma, quando a Moody's rebaixou o nosso rating na semana passada, os mercados tiveram uma reação morna. Na verdade, os "traders" que negociam títulos brasileiros não esperam os luminares das agências se pronunciarem para fazer suas próprias avaliações.
O risco Brasil sobe de forma quase monotônica desde o começo de junho, refletindo a enorme confusão em que nos metemos. Hoje, o "spread" pago pelos papéis brasileiros já é maior do que os dos papéis da Turquia e os da Rússia, países que perderam o grau de investimento. Em grande medida, os mercados já antecipam a perda do "investment grade" pelo Brasil.
É correto e razoável atribuir nossas dificuldades atuais aos disparates da Nova Matriz Econômica. A conta chegou e ela é maior do que pensávamos. Mas a equipe atual também colaborou com, pelo menos, três descuidos. Em primeiro lugar, combinou sofregamente, de um só golpe, contingenciamento de despesas, corte de investimentos, correção de preços relativos e aperto no crédito - apenas para descobrir que tudo isso junto é recessivo e a recessão depaupera as receitas dos impostos, inviabilizando o ajuste fiscal que se quer atingir. Foi muito desgastante anunciar em 22 de maio a meta de superávit primário e apenas dois meses depois reconhecer publicamente que ela era inatingível. Em segundo, acreditou que este tipo de ajuste provocaria a volta da "confiança", palavra mágica, como se os empresários pedissem licença a macroeconomistas antes de tomar a decisão de investir em novos projetos. Por fim, subestimou o efeito que a freada brusca provocaria na base de apoio político do governo, o que hoje só torna a vida ainda mais sofrida.
Há pouco a fazer para escapar do rebaixamento. A margem de manobra é mínima e parece se estreitar a cada dia. A agenda proposta pelo Senado é tão vaga quanto contraditória, ainda que o governo se agarre a ela com esperança (para quem está se afogando, qualquer jacaré é tronco). Evitar o "downgrade" exigiria uma recuperação a curto prazo do nível de atividade e a definição de uma política fiscal e monetária que sinalizasse a estabilidade da relação dívida/PIB em um futuro previsível. Está além das forças do governo, empenhado hoje mais em tirar a água do barco do que em seguir algum rumo definido.
As agências, sequiosas de recuperar a credibilidade perdida, não terão clemência. É bastante provável que o Brasil perca seu grau de investimento. Isso não será uma tragédia, uma vez que os mercados já se adiantam, mas será mais uma má notícia.
As agências podem acreditar que gola olímpica e mangas cumpridas são adequadas para o calor carioca, mas quando formos rebaixados será pelo nosso próprio demérito.
Em abril de 2008, quando a S&P elevou o Brasil para grau de investimento, o presidente Lula declarou que isto provava que o Brasil era "um país sério, com políticas sérias, que cuida de suas finanças com seriedade". É bom não esquecermos que do contrário ocorre o inverso.
*Economista, foi diretor de Política Monetária do Banco Central do Brasil e professor da PUC-SP e FGV-SP. luiseduardoassis@gmail.com (O Estado de SP – 17/08/2015)

 
Abinee - Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica

Escritório Central: Avenida Paulista, 1313 - 7º andar - 01311-923 - São Paulo - SP
Fone: 11 2175-0000 - Fax: 11 2175-0090