DRI Clipping Semanal 13 - 31/04 a 04/04/14

Acordos


Veja mais

‘É inaceitável derrubar um governo eleito’, diz chanceler chileno sobre Venezuela
Heraldo Muñoz afirma que países da América do Sul têm de evitar que minoria derroque Maduro ‘à força’
Eliane Oliveira
BRASÍLIA — Um dos articuladores para a criação, em meados do mês passado, do grupo de chanceleres da América do Sul encarregado de facilitar um acordo entre o presidente Nicolás Maduro e a oposição venezuelana, o ministro das Relações Exteriores do Chile, Heraldo Muñoz, fugiu do tom diplomático, nesta quinta-feira, ao comentar a crise na Venezuela. Em entrevista ao GLOBO, Muñoz afirmou que, apesar das críticas que vem recebendo, a União de Nações Sul-Americanas (Unasul) tem a responsabilidade de evitar que um governo democraticamente eleito seja destituído, à força, por uma minoria.
Muñoz, que foi embaixador do Chile no Brasil no fim dos anos 90, foi recebido no Itamaraty, pelo colega brasileiro Luiz Alberto Figueiredo. Além de conversar sobre a visita que a presidente Michelle Bachelet fará ao Brasil dentro em breve, ele veio a Brasília para dizer que seu país quer reavivar o que chamou de “intensidade” das relações bilaterais. Reconheceu que, nos últimos anos, houve certo distanciamento, mas garantiu que seu país quer recuperar o tempo perdido.
O Chile e os demais países sul-americanos estão sendo duramente criticados por causa da postura da Unasul ante a crise da Venezuela. Uma das queixas partiu, na última quarta-feira, da deputada venezuelana María Corina Machado, que disse que a Unasul não é confiável. O que o senhor tem a dizer a respeito?
MUÑOZ — Sem dúvida, estamos muito preocupados com a violência, as mortes e a polarização na Venezuela. No entanto, os países amigos da Unasul têm que tentar cooperar, ajudar, assessorar. A ideia é convencer governo e oposição a se sentar à mesa e chegar a um acordo que recupere o caminho da paz. Nós não podemos dizer o que os venezuelanos têm de fazer, pois são eles que precisam resolver seus próprios problemas. Mas temos a responsabilidade de defender não só a democracia, o estado de direito, e os valores de direitos humanos. Temos de defender um governo democraticamente eleito que alguns, uma minoria, querem derrocar pela força. Isto é inaceitável.
A Unasul é formada por países cujos governos têm ideologias distintas. O comunicado das nações sul-americanas sobre a situação na Venezuela é um dos poucos consensos que vemos...
MUÑOZ — É preciso revitalizar a Unasul e, para isso, temos de ter vontade política. Há diferenças na Unasul, como a definição sobre o papel do Estado e do setor privado, que precisam ser respeitadas. E, acima de tudo isso, devemos ter capacidade para construir uma arquitetura de integração. Não podemos ficar detidos ou congelados pelas divergências. Não é fácil, pois há os interesses nacionais, as forças nacionalistas, as diferenças ideológicas, mas os países bem sucedidos deixam as essas questões de lado para avançar no principal.
Como estão as relações Brasil e Chile?
MUÑOZ — Minha visita tem o propósito de recuperar a intensidade da relação bilateral. O novo governo da presidente Michelle Bachelet tem como prioridade a América Latina, e particularmente, a América do Sul. Nesse contexto, a relação com o Brasil é prioritária para nós. Sempre fomos aliados tradicionais e, em algum momento, a relação sofreu uma perda, mas há muitas áreas em comum entre os dois países. Por exemplo, o Chile é o maior investidor da América Latina no Brasil. Isso corresponde a US$ 24 bilhões e a 100 mil empregos gerados em diversos estados brasileiros nos setores de celulose, eletricidade, informática, química e metais. Há uma crescente interdependência econômica e, agora, queremos adicionar mais densidade política, cultural, social.
Por exemplo?
MUÑOZ — Convidamos o Brasil para se integrar à missão do Chile na ONU. Ou seja, queremos colocar um diplomata brasileiro na delegação chilena que está no Conselho de Segurança. O convite foi aceito. Em troca disso, o Brasil vai nos passar informações relevantes onde o Chile não tem embaixadas. Como se sabe, na reforma da ONU, o Chile apoia a candidatura do Brasil a um assento permanente no Conselho de Segurança.
Junto com México, Peru e Colômbia, o Chile faz parte da recém criada Aliança do Pacífico. Alguns analistas afirmam que o bloco, tido como liberal, surgiu para se contrapor politicamente ao Mercosul. É verdade?
MUÑOZ — O Chile tem uma concepção da Aliança do Pacífico como simplesmente um arranjo de integração econômica, em uma plataforma de projeção dos países da América Latina voltados para o Pacífico. Não podemos aceitar a definição de que é um bloco ideológico, ou político, antagônico ao Brasil, ou aos países do Atlântico. O que nós desejamos é uma convergência entre a Aliança do Pacífico e o Mercosul. (O Globo – 04/04/2014)

Total incertidumbre sobre la Cumbre del Mercosur
La XLVI Cumbre del Mercosur, postergada tres veces y que debe realizarse en Caracas, Venezuela, no tiene fecha y nadie se anima a fijarla por la grave crisis venezolana que ya ha dejado 39 muertos. En la cumbre debe darse el “retorno” oficial de Paraguay. Según Dilma, el país recibirá la presidencia del bloque.
Si bien el Mercosur levantó la suspensión de Paraguay el 15 de agosto del 2013, tras su polémica suspensión en junio del 2012, hasta el momento no hay visos para oficializar el “retorno” del país con la participación del presidente Horacio Cartes en la Cumbre del bloque regional. No hay fecha de la reunión semestral del Consejo del Mercado Común y la Cumbre de Jefes de Estado, que ya se postergó en tres ocasiones, hecho sin precedentes desde la fundación de la unión en 1991.
Consultado sobre el punto, el ministro de Relaciones Exteriores, Eladio Loizaga, reiteró que no hay fecha para la Cumbre del bloque, pero anunció que la semana próxima se realizará una reunión de técnicos del Mercosur en Montevideo, donde se hablará del tema. El canciller Loizaga aseguró que el bloque funciona “normalmente” y Paraguay “participa en las comisiones”.
Tres postergaciones
A mediados de enero pasado, la Cumbre del Mercosur fue postergada por tercera vez por “cuestiones de agenda”. La reunión originalmente se iba a celebrar el 12 de diciembre del año pasado, pero luego fue aplazada para el 17 de enero. Esta fue pospuesta luego para el 31 del mes pasado y postergada nuevamente.
Desde entonces la presidencia pro témpore a cargo de Venezuela no comunicó la nueva fecha, lo que es un misterio, atendiendo que el país caribeño vive, desde hace dos meses, una ola de protestas antigubernamentales, que ya han dejado un saldo de 39 muertos y más de medio millar de heridos.
“Promesa” de Dilma
La presidenta del Brasil, Dilma Rousseff, informó el 24 de febrero pasado, a los medios en Bruselas, que Paraguay tendrá la próxima presidencia pro témpore del Mercosur. Sobre el punto, Loizaga se había excusado y dijo que solo se enteró de las expresiones en los diarios. (ABC Color – 04/04/2014)

Debate de Kicillof con embajadores europeos
Analizaron el eventual acuerdo de libre comercio entre el Mercosur y la EU
El canciller Héctor Timerman y el ministro de Economía, Axel Kicillof, se reunieron ayer con los embajadores y jefes de misión de los países de la Unión Europea acreditados en el país, con quienes analizaron las relaciones económicas y políticas de la Argentina.
El encuentro fue a agenda abierta, y durante su exposición Kicillof puso especial énfasis en la relación entre la Unión Europea y el Mercosur, teniendo en cuenta que en mayo próximo ambos bloques presentarán una oferta para avanzar en un acuerdo de libre comercio.
"Fue un encuentro cordial y donde se analizaron todos los temas sustancialmente económicos", dijo a la nacion un funcionario presente en la reunión. Además, en el desayuno de trabajo se mencionó el espinoso tema del proteccionismo entre ambos bloques regionales y la Argentina reiteró sus cuestionamientos a la Unión Europea por las trabas que impone para el ingreso de biodiésel argentino. A su vez, se abordó el tema de las negociaciones entre la Argentina y el Club de París por la deuda de US$ 9000 millones que el Gobierno tiene con ese organismo, conformado por países desarrollados. Sin embargo, sobre este tema no se entró en detalles más allá del relato que hizo Kicillof de los últimos avances.
A su vez, la Cancillería emitió luego del encuentro con la veintena de embajadores europeos un comunicado en el que sostuvo que abordaron la situación en Europa y, en particular, en Ucrania. La reunión de ayer en la sede de la UE en Buenos Aires forma parte de una serie de invitaciones que los diplomáticos europeos hicieron a dirigentes del Gobierno y de la oposición.. (La Nación – 04/04/2014)

Timerman y Kicillof con la UE, en un intento para destrabar el comercio
Por Natasha Niebieskikwiat
Estuvieron con embajadores europeos para normalizar la agenda.
“Fue una reunión cordial y positiva, y para nosotros una más de las que habitualmente tenemos”, señaló a Clarín uno de los 22 embajadores de la Unión Europea acreditados en Buenos Aires que ayer mantuvieron un encuentro con los ministros de Relaciones Exteriores y Economía, Héctor Timerman y Axel Kicillof.
A decir verdad, un hecho que en cualquier circunstancia no debería llamar la atención se transformó en uno más que llamativo. Ello en virtud del cambio de clima entre Europa y el Gobierno que, como anticipó Clarín, busca dejar de lado las tensiones mutuas y acercarse a los países nucleados en Bruselas, ahora que espera cerrar un acuerdo para saldar la deuda impaga con el Club de París, y también en medio de las negociaciones Mercosur-UE para un acuerdo de libre comercio. Kicillof viajará a Francia a fines de mayo.
La reunión de ayer rigió bajo el absoluto pacto de “confidencialidad total”. Por invitación de los embajadores y jefes de misión de las 22 embajadas que hay en Argentinas de 28 miembros de la UE, Timerman y Kicillof –siempre reacios a estos encuentros- aceptaron el convite. “Con agenda abierta” según señaló el comunicado de la Cancillería que informó del encuentro, los dos ministros desayunaron con los diplomáticos en la residencia del embajador de la Unión Europea ante la Argentina, el español Alfonso Diez Torres.
“Ambos ministros hicieron una presentación sobre los temas de incumbencia de sus respectivas carteras, con especial énfasis en la relación entre Argentina y la UE, y en la relación del bloque con el Mercosur”. Continuó el comunicado: los ministros y los embajadores “abordaron además la situación en Europa y en particular en Ucrania”. Desde la expropiación de YPF a Repsol la agenda con Europa empezó a paralizarse. Los europeos la criticaron y volvieron a la carga contra las trabas a las importaciones que aplica la Argentina. Por estas limitaciones la UE denunció al país ante la OMC, y Argentina también hizo lo mismo pero por las restricciones al biodiésel que ahora no entra al mercado europeo. Esta semana de ello hablaron en Buenos Aires, Timerman y el director general de la Organización Mundial del Comercio, el brasileño Roberto Azevedo.
Con el tiempo, con la normalización de la situación con Repsol, el nombramiento de Hernán Lorenzino al frente de la embajada en Europa, vacía por largo tiempo, y algunas otras señales, comenzaron tibios acercamientos. Uno muy significativo fue la reunión de Cristina Kirchner en Chile con el vicepresidente de la Comisión Europea, Antonio Tajani, donde se habló de una invitación pendiente de Cristina a Bruselas. (Clarín – 04/04/2014)

México e Panamá assinam um tratado de livre comércio
Presidente mexicano Peña Nieto assegura que as crises recorrentes ficaram para trás na América Latina
Os presidentes do Panamá, Ricardo Martinelli, e do México, Enrique Peña Nieto, aproveitaram a realização do Fórum Econômico Mundial para a América Latina na Cidade do Panamá para assinar um acordo de livre comércio entre os dois países, após a retomada das negociações há menos de sete meses, e em meio a discussões e propostas sobre o tema que já duram 15 anos.
“Este é um tratado de terceira geração, com mais de 21 capítulos no acordo e que propiciará o incremento do comércio e dos investimentos entre os dois países”, afirmou Martinelli. Segundo o dirigente panamenho, esse acordo facilitará a adesão do país à Aliança do Pacífico, o bloco comercial formado por México, Colômbia, Peru e Chile. Em 2013, o comércio entre México e Panamá superou 1 bilhão de dólares, segundo dados da delegação mexicana, mas o país norte-americano tem investimentos por mais de 2 bilhões de dólares no Panamá.
Junto com o acordo de livre comércio, ambos os países assinaram também um memorando de entendimento em matéria de turismo e outro pacto de cooperação para a certificação sanitária de seus medicamentos. “Graças à abertura comercial, a América Latina é hoje muito diferente daquelas épocas marcadas pelas crises recorrentes, e agora atravessa uma etapa de crescimento sustentável e bem-estar social”, comentou Peña Nieto. A seu julgamento, o México é o país mais aberto ao comércio da América Latina e isso permitiu que enfrentassem a recente crise financeira em melhores condições que no passado.
Durante seu discurso ante o plenário do fórum, o presidente do México defendeu sua política de reformas estruturais como via para elevar o crescimento potencial da economia, que nos últimos anos cresceu 2,4% em média. “Eram reformas que tinham sido adiadas havia muitos anos e que eram de abordagem imprescindível”, lembrou o responsável mexicano. Peña Nieto descartou que a abertura do setor das telecomunicações que acaba de ser aprovada vá propiciar a entrada no setor de investimentos estrangeiros diretos, “salvo que tenha reciprocidade com o país que pretende levar a cabo o investimento no mesmo setor e na mesma proporção”.
O México sediará no próximo ano a décima edição do Fórum Econômico Mundial para a América Latina. (El Pais – 03/04/2014)

Câmara Americana de Comércio defende acordo entre Brasil e EUA
Seis meses depois do adiamento da visita de Estado que a presidente Dilma Rousseff faria a Washington, por causa da publicação de denúncias de que suas mensagens eletrônicas haviam sido espionadas pela Agência de Segurança Norte-Americana (NSA), uma proposta ousada marcou debate sobre o relacionamento bilateral realizado pela Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional (CRE): a assinatura de um acordo de livre comércio entre o Brasil e os Estados Unidos.
A proposta foi lançada pelo presidente da Câmara Americana de Comércio no Brasil (Amcham), Gabriel Rico. Em sua opinião, o Brasil precisa ampliar a competitividade de sua economia e buscar maior inserção nas cadeias globais de produção. Uma das iniciativas nesse sentido, propôs, seria a celebração do acordo de livre comércio, que tem o apoio - segundo recente pesquisa da Amcham - de 93% das empresas que integram a entidade, tanto brasileiras como norte-americanas.
- O Brasil precisa dar um salto muito grande na sua competitividade, que tem que vir junto com a negociação do acordo. Quando se expõe a um acordo de livre comercio, uma economia é obrigada a se repensar. Se um país fica parado, só um lado leva vantagem - afirmou Rico, lembrando que os Estados Unidos já estão começando a negociar acordos de livre comércio com a União Europeia e com os países da região da Ásia-Pacífico.
Também convidado para a audiência pública, realizada a partir de requerimento do presidente da comissão, senador Ricardo Ferraço (PMDB-ES), o diretor do Instituto Brasil do Centro Internacional Woodrow Wilson, Paulo Sotero, ressaltou igualmente a oportunidade de se debater a negociação de um acordo com os Estados Unidos. Ele recordou que o presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Robson Andrade, defendeu a negociação desse acordo, no final do ano passado.
A iniciativa foi recebida com cautela, porém, pelo subsecretário-geral político I do Ministério das Relações Exteriores, embaixador Carlos Antonio da Rocha Paranhos, que também participou da audiência pública. Durante recentes debates entre diplomatas e acadêmicos, relatou, verificou-se que os acordos comerciais ainda dividem opiniões.
- Evidentemente, a concentração de esforços apenas em acordos comerciais não constitui consenso interno e não pode ser vista como panaceia - disse Paranhos.
Retomada
O embaixador procurou demonstrar que o esfriamento das relações bilaterais, provocado pelo vazamento das denúncias de espionagem pelo ex-agente americano Edward Snowden, já vem sendo superado pela diplomacia brasileira, embora ainda exista a expectativa por alguma iniciativa do governo norte-americano referente ao caso de espionagem.
Apesar do adiamento da viagem de Dilma, ressaltou, os canais de diálogo bilateral continuam abertos. O Brasil e os Estados Unidos, observou o diplomata, "estão condenados a manter um relacionamento denso, importante e respeitoso". Como prova da amplitude dessa relação, ele citou os números do comércio bilateral em 2013: US$ 60 bilhões entre importações e exportações, com US$ 11 bilhões de déficit para o Brasil. Questionado pela senadora Ana Amélia (PP-RS), porém, se a retomada completa das relações bilaterais passaria por algum gesto de aproximação do governo norte-americano, Paranhos respondeu que "sim".
Por sua vez, Sotero ressaltou a importância da visita de Estado que a presidente brasileira faria a Washington no final do ano passado, a primeira em quase duas décadas. Segundo o diretor do Instituto Brasil, havia dos dois lados a intenção de se promover um salto na qualidade do relacionamento bilateral.
- As relações sofreram forte retrocesso no momento em que pareciam prestes a ser alçadas a um patamar mais elevado de engajamento - observou Sotero.
Ao abrir a reunião, Ferraço pediu que se reduza o tom emocional que predomina no momento no relacionamento bilateral. Os dois países, recordou, têm uma "densa rede de interesses interconectados". Durante o debate, o senador Cristovam Buarque (PDT-DF) considerou o momento oportuno para identificar os pontos convergentes e divergentes entre os dois países.
Após relatar viagem que fez a Teerã, o senador Eduardo Suplicy (PT-SP) observou que a melhoria no relacionamento entre o Brasil e o Irã depende, de certa forma, da busca de relações menos tensas entre os Estados Unidos e o Irã. Por sua vez, ao comentar o embargo econômico dos Estados Unidos a Cuba, o senador Aníbal Diniz (PT-AC) concordou com Paulo Sotero que a atitude poderá beneficiar empresas brasileiras que têm interesses comerciais na ilha. Ele previu ainda que a construção, por empresas brasileiras, do porto de Mariel, poderá atrair o interesse econômico de empresas dos Estados Unidos. (Agência Senado – 03/04/2014)

Uruguay y Paraguay quieren avanzar más allá del MERCOSUR
MONTEVIDEO - Uruguay y Paraguay acordaron negociar acceso a mercados y facilitación del comercio, más allá de las tratativas a nivel del Mercosur. Los vicecancilleres Luis Porto y Federico González se reunieron este miércoles en Montevideo.
Porto y González trabajaron en la conformación de los grupos de trabajo de alto nivel para discutir temas de mayor complementación económica entre Uruguay y Paraguay más allá de las negociaciones llevadas adelante a nivel del MERCOSUR. Ello incluye, libre circulación de bienes y servicios, personas y complementación en el área logística.
La oportunidad fue propicia para la firma de acuerdos vinculados a las reuniones de la comisión educativa y cultural; de cooperación y coordinación; y de mecanismos de consultas políticas.
Estas reuniones tuvieron como origen las directrices de los Presidentes José Mujica, de Uruguay, y Horacio Cartes, de Paraguay, hace pocos meses y que luego ratificaron los cancilleres Luis Almagro y Eladio Loizaga, respectivamente, el 26 de febrero en Asunción. UyPress – 03/04/2014)

Afinal, há futuro para o bloco do Mercosul?
Por Jorge Felix | Para o Valor, de São Paulo
Cúpula do Mercosul: da esquerda para a direita, os presidentes Evo Morales, Cristina Kirchner, José Mujica, Dilma Rousseff e Nicolás Maduro.
Se até dezembro for assinado o acordo para início do processo de apresentação de propostas para a formação de área de livre comércio entre Mercosul e União Europeia, neste momento travado em Bruxelas, o bloco de integração da América do Sul pode justificar sua existência no âmbito do comércio global. Pode ser uma vitória 20 anos depois da assinatura de seu marco legal, o Protocolo de Ouro Preto, e 23 anos depois do primeiro passo para sua existência, o Tratado de Assunção.
Desde seu remoto projeto, ainda na década de 1960, com a Associação Latino-Americana de Livre Comércio (mais tarde Aladi), o Mercosul demorou para inspirar sonhos tão ambiciosos. As iniciativas datam de 1999. A construção de entendimento sempre foi um desafio para uma Europa dominada - e viciada - em subsídios agrícolas e uma América Latina ainda em condição de atraso no processo de industrialização e a vida toda ameaçada por instabilidade política, desta vez vinda da Venezuela, o mais novo integrante do Mercosul.
A interseção entre os dois blocos resume-se, por enquanto, ao que existe de comezinho no comércio entre todas as nações no capitalismo contemporâneo: a sujeição às vontades das empresas transnacionais. Elas, no entender de especialistas, são que realmente dominam blocos e acordos, a despeito da vontade da diplomacia ou de governos democraticamente constituídos. O difícil emaranhado do comércio global exige, portanto, vigilância contínua por parte de especialistas.
O livro "Mercosul a Unasul - Avanços do Processo de Integração", reúne 28 artigos (em português e espanhol) de 36 professores brasileiros e estrangeiros de economia, história, ciências sociais e direito internacional. É resultado de um esforço acadêmico para oferecer aos tomadores de decisão, empresas e pesquisadores material consistente e perene para a reflexão sobre o comércio internacional, em particular as implicações para a América do Sul. Entre os autores, estão Ladislau Dowbor, Luiz Eduardo Wanderley (ambos da PUC-SP), José Alexandre Altahyde Hage (USP) e Darc Costa (ex-vice-presidente do BNDES).
O trabalho de fôlego foi uma iniciativa do Núcleo de Análise de Conjuntura Internacional (Naci) da PUC-SP e partiu de uma questão básica e, até agora, intrigante. Afinal, há futuro para o pequeno bloco do Mercosul? Outras questões surgem dessa primeira: o Mercosul resistirá ao projeto mais amplo da Unasul, que corresponde a interesses de distintas ambições de países que compõem o grande e diverso continente sul-americano? Sobreviverá às investidas dos países centrais e em que medida esse futuro corresponde aos anseios das populações envolvidas? De acordo com a organizadora, Regina Maria Gadelha, os autores preocupam-se menos em respostas taxativas e mais com o debate do propósito desse bloco e da função social do comércio mundial.
É justamente o debate sobre a relação Nova Europa e Mercosul, bastante atual com as negociações em Bruxelas, que abre o livro em capítulo-homenagem a Paulo-Edgar de Almeida Resende, professor de ciências sociais da PUC-SP, idealizador original do projeto e morto antes de tê-lo concluído com o grupo do Naci. Embora um tanto datado, o texto ressalta o utilitarismo para o Mercosul, ainda um bloco na puberdade, da cristalização de uma União Europeia que o livrou de uma adesão a uma incerta e suspeita Área de Livre Comércio das Américas (Alca). Com alguma esperança, Resende, ainda no início das discussões que agora caminham para um novo estágio, apostava que "o padrão do alargamento europeu e as negociações UE-Mercosul, embora com previsão de piso baixo" não levariam o bloco ao que denominou de "porão de assimetrias tradicionais".
Um dos fantasmas adormecidos nesse porão é a desvantagem cambial. A adoção de um "euro" no Mercosul sempre foi apontada como um objetivo maior do bloco. A falta de musculatura institucional sempre foi um entrave para a realização desse sonho dos mais entusiastas com o Mercosul. Depois da crise de 2007/2008, o sonho ficou ainda mais distante, pois o próprio euro foi acusado de ser um amplificador da recessão pela ausência de uma base de unidade fiscal entre os países que lhe dê sustentação a uma área monetária ótima (leia texto abaixo).
A heterogeneidade dos países do Mercosul (Argentina, Brasil, Uruguai, Paraguai ou Venezuela) é o maior entrave para a adoção de uma moeda única do bloco no médio prazo, como constata o texto de Claudemir Galvani, concordando com outros autores que já estudaram o tema. "Das cinco etapas necessárias para a implantação de uma moeda única, ainda estamos consolidando a segunda, a união aduaneira, inclusive com muita dificuldade, uma vez que, atualmente, somente cerca de 40% dos produtos importáveis pelo Mercosul estão cobertos pelo mesmo grau tarifário", escreve.
Na ausência de uma moeda única, cada país adota a política cambial que mais lhe convém e esse ponto tem sido outro estorvo para o fortalecimento do bloco. Ao analisarem os desafios da política cambial no Mercosul, os pesquisadores James Hiroshi Habe e Paulo Vitor Sanches Lira concluem que, ao conduzirem o câmbio ao bel prazer, os parceiros mais fortes, Brasil e Argentina, podem levar os menores a realizar triangulações comerciais de forma a prejudicar ainda mais a economia do bloco.
"Tanto políticas futuras de integração de cadeias quanto a possibilidade de alteração da posição dos países do Mercosul no mundo, elevando o nível de valor adicionado de suas exportações, dependerão cada vez mais de uma convergência de políticas cambiais que, decerto, não terão o norte apontado para a perda relativa das indústrias nacionais pelo uso do câmbio no controle de preços", alertam. "Esse, certamente, é o maior desafio da política cambial do Mercosul."
A consequência, como escrevem Antônio Corrêa de Lacerda e Alexandre da Silva de Oliveira, ao avaliarem o financiamento do desenvolvimento econômico do bloco, é uma dependência cada vez maior de "funding" público, no caso do Brasil, via BNDES, uma vez que a política cambial contribui para desequilibrar o ambiente interno, amplia a competição entre os parceiros, prejudica o setor industrial e enfraquece o mercado de capitais.
Os autores registram que o BNDES já direciona mais recursos, por meio de desembolsos, à produção e à infraestrutura do que o Banco de Desenvolvimento da China ao mercado chinês. Essa política, destacam, foi importante para o período de medidas anticíclicas, mas são insustentáveis a longo prazo, demandando uma atuação conjunta dos países do bloco para fortalecer seus mercados de capitais.
Nos capítulos dos convidados internacionais, porém, fica evidente a dificuldade para qualquer atuação mais profícua. Apesar de ser bastante otimista, o senador uruguaio Sergio Abreu, ex-ministro de Relações Exteriores e ex-vice-presidente da Assembleia Geral da ONU, destaca em seu texto as incertezas. Por outro lado, sublinha que, para alguns setores dependendo do país, o acordo externo comum ("com múltiplas perfurações") acaba assegurando uma margem de preferência efetiva para alguns bens.
Do ponto de vista de um parceiro em desvantagem por (ao lado do Paraguai) "ter pouco a oferecer como mercado", ele reivindica regras de tarifas mais estáveis dos parceiros mais fortes (Argentina e Brasil) e um esforço para o conjunto alcançar "uma certa equidade". Para ele, o Mercosul hoje "é um sistema de integração anômico". O maior êxito, por enquanto, destaca Abreu, é ter criado um "sentimento associativo" na região que se sustenta apesar de conflitos manifestos na área econômica. (Valor Econômico – 01/04/2014)

Livre-comércio com a EU
O presidente Xi Jinping obteve ontem o compromisso da União Europeia (UE) de que o bloco irá examinar a possibilidade de fechar um acordo multibilionário de livre-comércio com a China. O primeiro passo para a abertura de negociações será o estabelecimento de um "acordo de investimento". Há, no entanto, resistência por parte de alguns membros da UE, como França, Itália e Espanha, que acusam a China de tentar dominar os mercados europeus com produtos subsidiados. O comércio entre a UE e a China dobrou desde 2003, passando atualmente de mais de € 1 bilhão por dia. A visita de Xi a Bruxelas foi a primeira de um líder chinês desde o estabelecimento de relações em 1975 (na foto, ele cumprimenta o presidente da UE, Herman Van Rompuy). (Valor Online – 01/04/2014)

Mercosur views Pacific Alliance with unease
By Benedict Mander in Buenos Aires
To the east of the Andes, the countries that stretch out towards South America’s Atlantic coast – which together form the regional coalition Mercosur– are observing the emergence of the Pacific Alliance, its rival, with unease.
Just as the Pacific Alliance is in the bloom of its youth, some fear that Mercosur – a customs union formed in 1991 that today comprises Brazil, Argentina, Venezuela, Uruguay and Paraguay – may be starting to wither.
Pacific Alliance v Mercosur
The far more ambitious integration project has faltered in recent years thanks to conflicting priorities between its diverse members. Attempts to establish a trade liberalisation agreement with Europe have dragged on for 15 years, most recently running aground because of attempts by Argentina to protect local industry.
Mercosur countries have struggled against serious bouts of instability and are separated by challenging geographical barriers. Brazil, Mercosur’s leader, has often gained at the expense of other members, with the inequalities and asymmetries causing smaller countries to complain they are losing out.
Last year Danilo Astori, vice-president of Uruguay, which is Mercosur’s least-populated member and enjoys observer status in the Pacific Alliance, said he hoped his country would become a full member of the new bloc “as soon as possible”. He criticised the “inaction” of Mercosur.
Many analysts say the Pacific Alliance, which is more focused on promoting freer trade than protecting local industry, is better suited to Uruguay’s needs.
But Dante Sica, an economist at abeceb.com, a consultancy in Buenos Aires, insists “the Pacific Alliance is not a threat to Mercosur” and highlights the huge differences between the two.
While the goals of the pro-business Pacific Alliance are largely economic, Mercosur’s founders were inspired by the example in Europe and aimed to go further. They intended it also to be a tool to strengthen democracy as its members recovered from dictatorships in the 1980s and hoped it would drive political and cultural integration.
The attitude to freer trade between the two groups is very different: protectionist Mercosur has preferential trade access to less than 7 per cent of global markets. The much more open economies of the Pacific Alliance on average have trade pacts with countries representing almost 75 per cent of the world economy, says abeceb.com.
Therefore, although the combined gross domestic product of Mercosur countries is much greater than that of the Pacific Alliance – $3.1tn compared with $2.2tn – the total trade (exports plus imports) of Pacific Alliance countries amounted to $1.1tn in 2012. This compared with just $653bn in Mercosur, according to abeceb.com.
Although many fear the Pacific Alliance could be yet another nail in the coffin of the idea of a united South America, Matías Spektor, an international affairs specialist at the Getulio Vargas Foundation in Rio de Janeiro, suggests that its success may put pressure on the struggling Mercosur economies to kick-start efforts to seal trade deals not just with the EU, but also the US.
Flagging growth in Brazil, which sees a deal with the EU as key to exploiting its negotiating power with the US, and a looming recession in Argentina may act as an incentive for Mercosur to move ahead in trade negotiations, says Mr Spektor. Venezuela’s economic crisis could have a similar effect.
“The Pacific Alliance might actually be the spark that brings countries in the region together,” he says, adding that “a lot will hinge” on Chile’s new president, Michelle Bachelet.
Many had feared the left-leaning Ms Bachelet might turn away from the Pacific Alliance, whose most enthusiastic proponents are on the right, and strengthen ties with closer ideological allies in Brazil and Argentina. Others say she can ill-afford to take risks as Chile’s economy decelerates.
In a column in the Spanish newspaper El País, Heraldo Muñoz, Chile’s foreign minister, said the new government valued the Pacific Alliance as “an economic integration scheme and a trade platform” although it supported discussions to achieve “a convergence of the Pacific Alliance with Mercosur”. If the two blocks fail to converge, and there is success for plans to create the Trans Pacific Partnership, which includes Pacific Alliance countries, the US and various Asian countries, that could pose a “geopolitical problem” for Mercosur, says Daniel Kerner, a Latin America analyst at Eurasia Group, a political risk consultancy.
He believes that “growing disenchantment” and the divergent priorities of Mercosur countries may be its undoing. “We’re going to start to see these countries trying to find ways to bypass Mercosur so that they can have different trade agreements,” he says.
He explains that Uruguay has long wanted a trade agreement with the US, while Brazil may negotiate a bilateral trade deal with the EU if Argentina continues to cause problems. “For each country, Mercosur will just become less relevant. These agreements never die, they always linger.”
Even so, unlike the private-sector-oriented Pacific Alliance, Mercosur is not primarily a trade bloc, says Mr Spektor. In terms of the political integration it has achieved between members, he says, it has been a “tremendous” success. “Is the Mercosur model working? Clearly not. But who said it was really about free trade in the first place?”
Commodities touch raw nerve
The concentration of mineral resources in alliance countries, especially in Chile and Peru, has led to concerns that the trade bloc could become dependent on commodity exports, given the strong demand in Asia.
Some 80 per cent of copper-rich Chile’s exports to Asia in the past decade were metals and ores. They were just a third of Chile’s sales to the rest of Latin America, with manufactured goods comprising almost half its regional exports.
Therefore, some say more trade within Latin America, which involves a more diversified and higher value-added basket of goods, would be more beneficial.
If the Pacific Alliance succeeds in strengthening trade within the region and opening opportunities for a wider range of companies, especially small and medium-sized ones, reliance on commodity exports could decrease. That could help to diversify trade with Asia.
Views vary over whether government may need to stimulate specific sectors. Huge distances between the members of the alliance and poor infrastructure linking them pose further problems.
“If the Pacific Alliance develops industries away from commodities that’s fine, but it will not be because of decisions from politicians, but because it makes sense,” says Jorge Errázuriz, a Chilean banker involved in promoting the alliance.
He argues that state-directed industrial policies have never worked. (Financial Times – 01/04/2014)

Mercosur expects to exchange tariff-reduction proposals with EU next June
Mercosur expects to present a joint proposal regarding tariff reductions to the European Union during a meeting next June, according to Brazil's Minister of Development, Trade and Industry, Mauro Borges who apparently convinced a reluctant Argentina to join the group.
The EU and Mercosur have been trying to reach an ambitious trade and cooperation agreement since 1999, an initiative that was re-launched in 2010 after several years of stand-still. For different political tempos and trade reasons, the two sides have been delaying the understanding, but basically reciprocal objections to EU farm subsidies and Mercosur industry policies.
Now however with a declining economy, the elimination of certain EU market access benefits and the need to further diversify foreign trade, Brazil supported by Paraguay and Uruguay have been pressing strongly to reach an agreement, while Argentina with a policy to promote the domestic market and manufacturing, has been more reluctant.
But last week Argentina and Brazil completed a round of low key trade talks which seemed to have opened the way for a major understanding with Europe. The two countries agreed to a mechanism to promote bilateral trade by providing the lubricant, scarce dollars and credit, and a memorandum of understanding was reached in the framework of the Inter-American Development bank which took place in the northeast of Brazil.
This first 'bilateral' step apparently according to Brazilian sources led to a more flexible position from Argentina regarding the Mercosur/EU trade agreement negotiations.
“It represents a very important effort for Argentina”, said minister Borges in reference to Argentina's willingness to elaborate a tariff reduction proposal that covers 90% of all goods traded with the EU.
“This means Argentina will be part of the Mercosur proposal in the event of an agreement with the EU”, added Borges. Given the recurrent delays and under strong pressure from its own industry and agriculture, President Dilma Rousseff was considering the exclusion of Argentina from the trade negotiation round with the EU, and hopefully integrating the 'strategic partner' later on.
Originally the Cristina Fernandez administration had presented a tariff reduction proposal well below the 90% universe of traded goods, which made it difficult to reach a Mercosur consensus since Brazil's proposal was 92% and Uruguay and Paraguay's, 90% plus.
But according to the Brazilian minister statement the Argentines finally presented the 90% tariff reduction proposal which opens the way to elaborate on an only list to exchange with the Europeans.
”Now we must find coincidences on the affected sectors (in the event of a tariff reduction), so that they are the same for the four country members; we're united in achieving that goal“, said Borges.
The minister said Brazil was committed with the EU to present next June a formal Mercosur proposal, so ”our interest now is to close that agreement (with other Mercosur members) as soon as possible”.
Venezuela, the fifth full member of Mercosur is not part of the negotiations since it is still in the process of adapting to the group's rules and regulations. (MercoPress – 31/03/2014)

La zona de libre comercio con China ‘no está en la agenda inmediata’ de la EU
Visita oficial del presidente chino Xi Jinping
Xi Jinping, presidente de China, se ha reunido hoy en Bruselas con los presidentes José Manuel Barroso, de la Comisión, Herman van Rompuy, del Consejo Europeo, y Martin Schulz, de la Eurocámara. Según fuentes de la UE, los mandatarios han resaltado la importancia de continuar con los acuerdos de inversión aunque la creación de una zona de libre comercio “no está en la agenda inmediata”. (Aquieuropa – 31/03/2014)

Capitanich praises bilateral trade deal with Brazil
Cabinet Chief Jorge Capitanich today praised an agreement reached over the weekend with Brazil to reinforce bilateral trade and the progress made in a “common agenda” that would likely lead to a free trade agreement between Mercosur bloc and the European Union.
In his daily press briefing at the Government House, Capitanich highlighted the results of a visit Economy Minister Axel Kicillof and himself made to Costa do Sauipe, in Brazil, which allowed them to work on a deal with the Brazilian automotive industry for spare parts production.
In Brazil, both officials held meetings with representatives of the World Bank which approved a strategic plan of financing, according to Capitanich. (Buenos Aires Herald – 31/03/2014)

Argentina recorta tarifas
El ministro interino de Desarrollo, Industria y Comercio Exterior de Brasil, Mauro Borges Lemos, elogió el avance de Argentina para entregarle al Mercosur una lista de productos que pueda ser contemplada para el acuerdo de libre comercio del bloque con la Unión Europea (UE). Según el ministro, la expectativa brasileña es que los dos bloques intercambien propuestas para el acuerdo entre fin de mayo y comienzos de junio. Según Borges, la lista actual de Argentina contempla un corte de tarifas para el 90% de los productos. La reducción de tarifas comerciales en el 90% de los productos que componen el intercambio entre el Mercosur y la UE es la meta para que se cierre el acuerdo entre los dos bloques. Entre bambalinas, Argentina es vista como el país más lento en las negociaciones para una reducción tarifaria en el Mercosur. “Hizo un esfuerzo significativo para la oferta con la UE. Su esfuerzo individual está en orden del 90%, que es alto”, dijo Borges luego de una reunión con la Asociación de Comercio Exterior de Brasil. Borges afirmó que los cuatro países del Mercosur ya tienen ofertas individuales altas y trabajan en el punto más difícil del acuerdo, el de hacer converger sus ofertas en una lista de productos y llevar una oferta conjunta que sea competitiva. “Lo que falta aumentar es el nivel de convergencia de las ofertas individuales. Necesitamos crear una coincidencia para que los sectores que están siendo afectados (con la reducción de la tarifa) sean los mismos en los cuatro países”, indicó el ministro interino. Borges minimizó los atrasos en la entrega de ofertas para el Mercosur, inicialmente anunciada para diciembre de 2013 y afirmó que el cronograma del acuerdo se está cumpliendo rigurosamente. (O Globo – 31/03/2014)

Brasil, Colômbia e Equador mediarão paz na Venezuela
AE – Agências
CARACAS - Chanceleres de Brasil, Colômbia e Equador - respectivamente, Luiz Alberto Figueiredo, María Ángel Holguín e Ricardo Patiño - levarão adiante a mediação da União de Nações Sul-Americanas para o diálogo entre governo e oposição na Venezuela, informou na quinta-feira, 27, o jornal de Caracas El Universal, citando fontes da entidade regional.
Figueiredo deixou Caracas na noite de quarta-feira confiante na possibilidade de diálogo entre o governo de Nicolás Maduro e os líderes da oposição, que há mais de um mês promovem pelas ruas do país protestos violentos. O número de mortos envolvidos nas manifestações subiu de 36 para 40 no final de semana. Em La Isabelica, um distrito de Valência, um atirador mascarado emergiu de um grupo de dezenas partidários do governo em motocicletas, que tentavam desmantelar uma barricada. Duas pessoas morreram no ataque. As outras duas vítimas morreram em acidentes nas barricadas.
Para o ministro brasileiro, todos os setores políticos e da sociedade civil ouvidos ao longo de dois dias expressaram desejo de pacificação do país e de envolvimento em um diálogo franco e respeitoso. Uma saída fora da Constituição - como golpe ou antecipação de eleições - foi rejeitada por todos os setores ouvidos no encontro.
No documento liberado ao fim do encontro da Unasul em Caracas, os membros da entidade regional condenaram qualquer tentativa de rompimento da ordem constitucional e conclamaram os dois lados a conter a violência e a violação dos direitos humanos. A mensagem não especificou quais representantes da entidade prosseguiriam na mediação. Mas na última conversa com Maduro, na quarta-feira, houve consenso sobre a criação do comitê com três integrantes - chanceleres ou peritos - para acompanhar os passos iniciais do diálogo.
Quando ainda não tinha sido apontado como integrante do grupo, Figueiredo disse ao Estado que o comitê poderia atuar de forma mais ágil do que o conjunto de 12 chanceleres do bloco e será uma espécie de "garantidor" das conversas, sem interferir nelas. Em dois dias, os chanceleres conversaram com autoridades do governo venezuelano - incluindo Maduro, em duas ocasiões -, integrantes da frente oposicionista Mesa da Unidade Democrática (MUD), líderes estudantis dos dois lados, representantes da Igreja e de outras religiões e com cerca de 20 empresários.
"Estou absolutamente convencido de que o diálogo não só é factível como se encontra muito próximo de se tornar realidade", afirmou Figueiredo. "Com todas as críticas que o governo e a oposição fazem um ao outro, o que se vê é uma vontade enorme de pacificação dos dois lados e o repúdio à violência" (DCI – 31/03/2014)

No molestar al sócio
Por Edwin Brítez
Los factores que hacen que las naciones sean grandes y poderosas son, principalmente, su economía, su territorio, su mercado, sus fuerzas armadas y su elite política. ¿Qué factores hacen que sean pequeñas y débiles? Los mismos elementos.
Pero los pueblos, en circunstancias normales, y las elites políticas dominantes, en situaciones especiales, son los que determinan si los gobiernos serán democráticos o no y si estos se regirán por principios vigentes de manera casi universal o si lo harán por reglas propias de los líderes de turno o de los grupos de mando. Si las naciones son grandes y poderosas, solo necesitan cumplir algunos que otros requisitos. Si son pequeñas y débiles, deben cumplir con todos ellos.
Naturalmente, nuestro país está ubicado entre las segundas naciones, pequeñas y débiles. Cuando tuvo una de esas crisis que conlleva la naturaleza democrática imperfecta de nuestros países, fue objeto de intervención extranjera, en la primera oportunidad (1996) de manera más o menos disimulada y en (2012) en una versión abiertamente patoteril.
Cuando los grandes experimentan sus crisis democráticas, las cosas cambian. Los organismos internacionales creados para custodiar el respeto a los derechos humanos o hacer cumplir pactos o cartas democráticas dudan y dilatan al extremo los tiempos tan solo para reunirse a analizar los casos.
Los cancilleres están muy ocupados para reunirse y los presidentes adelantan en sus cuentas de Twitter la postura oficial, producto de las alianzas económicas o ideológicas vigentes.
En conclusión, es fácil intervenir a terceros a favor de la democracia cuando se trata de pequeños y débiles; es complicado cuando se trata de grandes y poderosos, o cuando cuentan con aliados poderosos.
Es el caso de Venezuela. En aquel país solo queda en vigencia uno de los factores ineludibles de la democracia: el ejercicio de los cargos públicos por elección, que de por sí fue discutible en su momento para el mandato del gobierno actual. Todos los demás factores fueron arrasados por la elite política dominante de esa nación. No existe ciudadanía inclusiva, no existe respeto a la vida y a los derechos humanos, no existe libertad de expresión ni de prensa, no existe respeto a la institucionalidad democrática.
Existe la mitad de la población, quizás un poco más, un poco menos, que quiere una Venezuela sin Maduro o sin los chavistas, y otra, que pretende lo contrario. Maduro pudo tal vez conseguir que su pueblo olvide el entredicho del resultado electoral mediante la legitimidad de gestión, pero en sus manos Venezuela está formando fila para retirar productos de primera necesidad, mientras su gobierno y el anterior que lo instaló ahí tienen distribuido fuera del país miles de millones de dólares en la compra de apoyo y respaldo ideológico.
Hizo muy bien Paraguay en no prestarse a la payasada de los cancilleres de UNASUR de visitar aquel país luego de 35 muertos no chavistas, más de 400 heridos y más de 2.000 opositores detenidos.
Luego de la expulsión arbitraria de dos alcaldes por no impedir las barricadas opositoras y de la expulsión de una diputada opositora, simplemente porque colmó la paciencia del presidente de la asamblea nacional.
De la intervención de UNASUR en el conflicto no saldrá absolutamente ningún resultado positivo para Venezuela, pero sí para Maduro y el chavismo. Venezuela es una nación grande por sus petrodólares y cuenta con la alianza y el apoyo de otras naciones igualmente grandes y poderosas. ¿Para qué molestar a un socio antes de que cumpla el plazo por el cual fue elegido? A eso se reduce el principio de muchos de los demócratas latinoamericanos en el poder. Por eso mi reconocimiento a las posturas de Paraguay, Chile y Perú, que en este caso creo coinciden con el de Colombia. (ABC Color – 30/03/2014)

Brasil e Argentina firmam acordo para alavancar comércio bilateral
Representantes dos governos de Brasil e Argentina assinaram hoje à noite, na Costa de Sauípe (BA), um Memorando de Entendimento sobre financiamento do comércio bilateral. O objetivo do memorando é promover o comércio entre os dois países por meio da redução da incerteza e do aumento da confiança entre os operadores comerciais e financeiros, além de facilitar o comércio e garantir os fluxos de pagamentos relativos a estas operações. "Vamos garantir liquidez nas operações comerciais entre os dois países", afirmou o ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Mauro Borges, sobre o documento.
Pelo acordo, os dois países se comprometem a assegurar o fluxo comercial, livre de restrições que não possam ser justificadas pelo Artigo 50 do Tratado de Montevidéu de 1980. Este dispositivo trata de normas que justificam restrições específicas ao comércio de determinados produtos como, por exemplo, armas, munições, materiais nucleares, entre outros.
No memorando, assinado pelo ministro Mauro Borges e pelo ministro argentino da Economia, Axel Kicillof, as partes se comprometem a analisar a possibilidade de emitir títulos em moeda nacional, com correção cambial, em períodos compatíveis em operações de comércio com prazo igual ou superior a noventa dias - no caso do mercado do país importador não dispor de instrumentos financeiros para mitigar o risco cambial destas operações.
Os operadores de comércio exterior dos dois países poderão levar ao conhecimento das respectivas autoridades as dificuldades encontradas em relação aos financiamentos e à execução dos fluxos comerciais previstos. A autoridade de cooperação procurará resolver as dificuldades indicadas pelos operadores e, conforme o caso, poderá levar a questão ao conhecimento da autoridade do outro país, que deverá resolver o problema de acordo com o espírito de ampliação da confiança mútua previsto no memorando. (Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior – 28/03/2014)

Representação brasileira discute a retomada das reuniões do parlamento do Mercosul
A Representação Brasileira no Parlamento do Mercosul marcou para quarta-feira (2), às 14h30, uma reunião para discutir a agenda que irá levar para a reunião do Parlamento do Mercosul no dia 7 de abril. Também estará em pauta a escolha dos parlamentares brasileiros que vão ocupar a presidência e a vice-presidência das comissões permanentes do Parlasul que são destinadas ao Brasil.
O próximo encontro do Parlamento do Mercosul, em Montevideo, será realizado quatro meses depois da eleição de uma nova Mesa, presidida pelo uruguaio Rubén Martinez Huelmo e que tem o senador Roberto Requião (PMDB-PR) em uma das vice-presidências.
A expectativa é que na primeira parte da reunião sejam votadas as mudanças no Regimento Interno do parlamento. Na segunda os representantes dos cinco países que formam o bloco - Argentina, Brasil, Paraguai, Uruguai e Venezuela - poderão retomar os seus trabalhos legislativos.
A Representação Brasileira no Parlamento do Mercosul é formada por dez senadores e 27 deputados. É presidida atualmente pelo deputado Newton Lima (PT-SP), com o senador Paulo Bauer (PSDB-SC) na vice-presidência. (Agência Senado – 28/03/2014)

Produtos e Mercados


Veja mais

Brasil estreita relação comercial com o Chile
BRASIL
Chanceler do país andino quer impulsionar investimentos comuns em infraestrutura
Mariana Mainenti
Em um momento em que a presidenta Dilma Rousseff está empenhada em trazer investimentos em infraestrutura no Brasil e melhorar o comércio exterior do país, o Chile está se apresentando como um parceiro estratégico no curto prazo. Com a posse da presidente chilena, Michelle Bachelet, em 11 de março último, prometeu-se a abertura de uma nova fase de relações internacionais e oportunidades de negócios para os dois países. Em sua primeira visita ao exterior após assumir o cargo, o chanceler chileno, Heraldo Muñoz, anunciou ontem as intenções de seu país de impulsionar os investimentos comuns em infraestrutura bem como as trocas comerciais.
"O Brasil é um país muito importante para o Chile. Por isso, fiz questão de que a minha primeira viagem como ministro fosse ao Brasil. O Chile é responsável por investimentos da ordem de US$ 24,6 bilhões que geram cerca de 100 mil empregos no Brasil", destacou Muñoz, em entrevista concedida ao lado do Ministro das Relações exteriores brasileiro, Luiz Alberto Figueiredo Machado.
Para o chanceler do Brasil, o fato de Muñoz ter escolhido o país como seu primeiro destino à frente do cargo também mostra a relevância das relações bilaterais para o governo de Bachelet. "E com enorme satisfação que recebo o colega Heraldo Muñoz, que faz sua primeira visita bilateral ao exterior, e fico feliz que seja ao Brasil. Isso marca claramente uma nova fase de relações muito boas, que se iniciou com a visita da presidente Dilma Rousseff ao Chile e que será novamente marcada pela viagem da presidente Michelle Bachelet ao Brasil, nos próximos dias", afirmou.
Durante conversa no Itamaraty, os dois chanceleres trataram sobre os projetos de integração de infraestrutura e energia e exploraram potenciais a serem aproveitados na área empresarial, para intensificar o comércio e o fluxo de investimentos.
"Ambos os países vão se beneficiar da integração rodoviária e ferroviária. A perspectiva é que haja um fluxo cada vez maior (de trocas e investimentos)", afirmou Machado, destacando que o Chile é o terceiro parceiro comercialdo Brasil naregião e o Brasil é para o Chile o quarto parceiro no mundo.
A intensificação das relações diplomáticas entre os dois países também deve impulsionar o diálogo no setor privado. No final de abril é prevista a vinda de uma missão de empresários chilenos ao Brasil, ao passo que no mês seguinte haverá um encontro empresarial bilateral no Chile. "É importante para a indústria brasileira aprofundar o relacionamento econômico com o Chile. O país tem uma rede de acordos ampla e diversificada e pode ser uma ponte para a Ásia e para o Pacífico", disse o diretor de Desenvolvimento Industrial da Confederação Nacional da Indústria (CNI),Carlos Abijaodi.
Depois do governo de Sebastián Piñela no Chile, em que a relação entre os dois países ficou estagnada, a volta de Bachelet ao poder no Chile é para a presidenta Dilma a chance de reaproximação com um país de peso importante na América Latina. Dilma, sobretudo, gosta da presidente chilena. As duas têm grandes afinidades, a começar pelo fato de terem sido militantes da resistência às ditaduras em seus países.
Ontem, os dois chanceleres anunciaram que haverá troca de informações entre Brasil e Chile sobre o que sofreram tanto brasileirosem território chileno como chilenos no Brasil durante os governos militares.
Desta afinidade, é esperado que resultem também avanços na área econômica e que saiam do papel antigos projetos de integração, como os corredores rodoviários e ferroviários bioceânicos.
-
Os dois chanceleres anunciaram que haverá troca de informações entre Brasil e Chile sobre o que sofreram durante os governos militares dos países
-
Durante conversa no Itamaraty, os dois chanceleres trataram sobre os projetos de integração de infraestrutura e energia e exploraram potenciais a serem aproveitados (Brasil Econômico – 04/04/2014)

Nigéria pode passar África do Sul e ser a maior economia africana
A Nigéria deve passar a ser a maior economia africana. Serão conhecidos, no domingo (6), os novos dados sobre a produção econômica, que resultam da atualização dos números conforme o método seguido pela Organização das Nações Unidas (ONU).
O Instituto Nacional de Estatísticas (NBS, na sigla em inglês) vai divulgar os novos dados econômicos, que deverão mostrar o país mais populoso da África passando para o primeiro lugar entre as economias do continente, desbancando a África do Sul.
O Departamento de Estatísticas das Nações Unidas recomenda aos países que revejam os cálculos sobre o Produto Interno Bruto de cinco em cinco anos para refletir as mudanças na produção e no consumo. A Nigéria não atualizava os dados desde 1990.
Os novos dados devem já levar em conta os novos setores em rápido desenvolvimento, como as telecomunicações e a indústria cinematográfica local, conhecida como Nollywood.
A Nigéria é o maior produtor de petróleo africano e cresceu 6,8% ao ano, em média, entre 2005 e 2013. Está prevista um aumento para 7,4%, de acordo com o Fundo Monetário Internacional, que é comparado com os valores ligeiramente acima de 5% para a África do Sul entre 2005 e 2009, que tem tentado ir além de 3,5% nos últimos cinco anos.
Analistas consideram, no entanto, que ter o título de maior economia da África não reflete as condições de vida dos seus 170 milhões de habitantes, que contiunuam, em sua maioria, a viver com menos de US$ 2 por dia, a enfrentar altas taxas de desemprego e dificuldades no acesso a bens essenciais como a eletricidade e a água. (Agência Brasil – 04/04/2014)

Zona Franca de Dubai promove seminários no Brasil
Executivos da Jebel Ali Free Zone (Jafza), de Dubai, virão ao Brasil para apresentar aos empresários os benefícios de se instalar na zona franca do emirado. O seminário "Jafza Road Show" é organizado pela Jafza em parceria com a Câmara de Comércio Árabe Brasileira e com a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil). O encontro será realizado em 28 de abril em São Paulo e em 05 de maio no Rio de Janeiro. Podem participar tradings, indústrias e exportadores de todos os segmentos.
O diretor-geral da Câmara Árabe, Michel Alaby, afirmou que a Jafza oferece condições para que empresas brasileiras finalizem seus produtos e os exportem a partir do porto de Jebel Ali. Entre as vantagens da zona franca estão a isenção de impostos e a localização privilegiada que permite acesso a grandes mercados consumidores.
"Eles têm vantagens em termos de entrepostos de produtos, são uma zona industrial e atendem a um mercado amplo através dos Emirados Árabes Unidos, de aproximadamente 1,2 bilhão de pessoas", afirmou Alaby. Entre os países que recebem produtos distribuídos a partir da Jafza estão as nações do Golfo, do Norte da África, Índia, Vietnã, ex-repúblicas soviéticas, Paquistão, entre outras.
Entre os atrativos oferecidos pela Jafza estão isenção de 50 anos no pagamento de taxas que incidem sobre o faturamento da companhia, isenção da cobrança de impostos sobre a renda e sobre importações. As empresas que atuam na Jafza não têm restrições para contratar funcionários estrangeiros e não precisam compartilhar seu investimento com um sócio local, como ocorre fora da zona da franca.
As mais de 6,9 mil companhias instaladas na Jafza empregam 135,5 mil pessoas e movimentaram US$ 69 bilhões em negócios em 2011. Algumas das principais fabricantes de bens de consumo estão instaladas na zona franca, onde a Apex tem um escritório de promoção comercial.
"Uma companhia brasileira pode, por exemplo, enviar frango para os Emirados Árabes e lá fazer o acabamento do produto. Assim como pode fazer o acabamento de bens de consumo", afirmou Alaby. Em fevereiro, durante a feira de alimentação Gulfood, realizada em Dubai, o vice-presidente sênior de vendas globais da Jafza, Adil Al Zarooni, afirmou à ANBA que irá apresentar aos brasileiros a base de clientes da zona franca. "Vamos mostrar que a Jafza é boa para quem deseja fazer negócios em Dubai", disse. (Agência Anba – 04/04/2014)

Atrasos nos pagamentos afetam exportações brasileiras para a Venezuela, aponta estudo da Fiesp
Está mais difícil vender para a Venezuela. Mesmo que o país vizinho seja um parceiro comercial importante para o Brasil, mais exatamente o oitavo maior destino das nossas vendas externas ou 2% do total comercializado com o mundo, para 54,7% dos exportadores os atrasos ou a falta de pagamento piorou nos últimos 12 meses. Esse cenário foi identificado em pesquisa realizada pelo Departamento de Relações Internacionais e Comércio Exterior (Derex) da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp).
O estudo ouviu 64 empresas de 18 setores variados da indústria. Entre o grupo pesquisado, 48,4% dos empreendedores disseram demorar até seis meses para receber pelas mercadorias enviadas para a Venezuela.
Assim, mesmo que o valor exportado para o país venha crescendo ano a ano, com US$ 4,8 bilhões vendidos em 2013, o que responde por 9,4% das transações do Brasil para a América Latina, têm crescido também as queixas de empresas brasileiras quanto ao atraso nos pagamentos ou o que é pior: a ausência deles.
De acordo com o levantamento feito pelo Derex, os problemas de pagamento aos exportadores brasileiros começaram com a criação da Comissão de Administração de Divisas (Cadivi), em 2003. Trata-se de um órgão do governo designado ao controle de entrada e saída de divisas da Venezuela. Assim, a existência desse tipo de estrutura de controle cambial tem restringido as remessas de divisas para o exterior, afetando o pagamento aos exportadores.
Segundo o diretor titular do Derex, Thomaz Zanotto, os atrasos de pagamento se concentram entre exportadores menores, que vendem volumes baixos à Venezuela.
Conforme a pesquisa, para 79,7% das empresas ouvidas, os montantes a receber pelas exportações é de até US$ 500 mil.
O peso da Venezuela
Qual o peso da Venezuela para o montante total exportado pelas empresas avaliadas? De 75,5% do que é vendido para o exterior para 10% dos empreendedores, de 18,8% para entre 10% e 30% do grupo e de 6,3% para mais de 30% dos pesquisados.
De modo geral, as exportações do Brasil para aquele país cresceram muito entre 2003 e 2013, rendendo ao Brasil um saldo estimado em US$ 32,6 bilhões.
Para Zanotto, apesar de todos os problemas, é preciso ter em conta que a situação econômica ainda é menos preocupante do que a crise maior, política, que hoje interfere na vida da população da Venezuela.
Comércio com o Brasil
Além do saldo positivo de US$ 4,8 bilhões nas exportações para a Venezuela em 2013, o Brasil vendeu US$ 612 milhões para a aquele país em janeiro e fevereiro de 2014, segundo informações do Ministério de Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior.
Ainda conforme o ministério, vendemos para os venezuelanos, em primeiro lugar, carnes desossadas de bovino congeladas, depois outros animais vivos da espécie bovina e, em terceiro lugar, carnes de galos/galinhas.
No item exportações, compramos dos venezuelanos principalmente naftas para petroquímica, ureia com teor de nitrogênio e coque de petróleo não calcinado. (Agência Indusnet Fiesp – 03/04/2014)

O Brasil aposta nos EUA para abrir sua economia
A agência de promoção comercial acredita que o país tem que aumentar suas exportações e apostar mais na produtividade e inovação
Joan Faus Washington
Uma das grandes críticas que se faz à economia brasileira é que continua sendo muito fechada e que coloca muita ênfase em fomentar o consumo interno em vez de focar mais na produtividade e em propiciar o aumento do investimento privado. Por isso não deixa de ser relevante que as autoridades brasileiras tenham exaltado na terça-feira em Washington a importância de abrir mais a economia, investir na produtividade e inovação e, sobretudo, em aumentar as exportações.
Tudo isso poucos dias depois do rebaixamento da nota de avaliação de risco do Brasil pela a agência Standard & Poors, um duro revés às tentativas do gigante sul-americano de recuperar a credibilidade dos mercados depois da freada em seu crescimento. Em um colóquio no Centro para Estudos Estratégicos e Internacionais (SIIS), Marcia Nejaim, gerente executiva de competitividade e inovação da Agência Brasileira de Promoção de Exportações (Apex-Brasil) fez um apelo em prol da internacionalização da economia brasileira e de uma aposta decidida pela inovação que não beneficie apenas as empresas locais, mas que também atraia companhias estrangeiras.
Nejaim defendeu “abrir mais o mercado brasileiro” e aumentar as vendas ao exterior porque fazê-lo reduz os “riscos” na economia local. As exportações, lamentou, representam apenas 12% do PIB brasileiro em comparação, por exemplo, com 58% na Coreia do Sul. Na mesma direção, lembrou que as seis grandes potências econômicas mundiais são países exportadores líquidos, o que significa que se o Brasil quer consolidar sua presença entre as maiores economias tem que se internacionalizar muito mais. Entretanto, perguntada a respeito, a diretora evitou mencionar um objetivo concreto de aumento das exportações, embora tenha se mostrado confiante de que as cifras melhorarão nos próximos anos, uma vez que a crise econômica internacional já foi superada.
O Brasil fechou 2013 com um superávit de 2,56 bilhões de dólares (5,79 bilhões de reais) em sua balança comercial, o que representou o pior resultado desde 2001 e uma redução de 86,8% com relação a 2012. A média diária das exportações caiu 1% entre um ano e outro, enquanto que a das importações cresceu 6,5% no mesmo período. Os países latino-americanos foram o principal destino das exportações brasileiras, seguidos pela União Europeia, China e Estados Unidos, onde as vendas caíram 8,2%, ficando em 24,86 bilhões de dólares (56,21 bilhões de reais), embora o comércio bilateral entre os dois gigantes não tenha parado de crescer.
Em sua intervenção, Nejaim também considerou “crucial” que o Brasil invista mais em produtividade, assim como em Inovação e Desenvolvimento (I+D). Apesar de destacar os esforços do governo nesse sentido, ela explicou que o Brasil conta com 696 pesquisas para cada 1.000 habitantes em comparação com 4.673 dos EUA. Mesmo assim, supera os padrões de outros países da região como o México (347). Na mesma linha, ela defendeu a melhoria da qualidade da educação (cujas deficiências foram mais uma vez evidenciadas pelo recente relatório do Pisa) e a interação entre governo, universidades e empresas.
No terreno da inovação, a diretora da agência de promoção de exportações – que tem dois escritórios nos EUA – destacou que o Brasil atraiu em 2013 cerca de 570 milhões de dólares (1,29 bilhões de reais) em projetos de capital de risco estrangeiro e que empresas norte-americanas, como a General Eletric e a IBM, instalaram centros de I+D no país. Mas os objetivos são muito mais ambiciosos. Nejaim aposta em melhorar a burocracia que as pequenas e médias empresas enfrentam e em atrair para o Brasil empresas estrangeiras de quatro setores: petróleo e gás natural, energias renováveis, biotecnologia e tecnologias da informação e de comunicação.
Tomou parte no colóquio também precisamente um representante da General Eletric, que se mostrou extremamente conciliador. David Nelson, gerente sênior de assuntos governamentais globais, frisou que o país representa 40% dos negócios do grupo na América Latina e destacou o crescimento contínuo da economia brasileira na última década, o aumento da demanda interna e a estabilidade política do país. E, assim, as “numerosas oportunidades” que isso gera.
Tanto Nelson como Nejaim evitaram avaliar a deterioração das relações bilaterais entre EUA e Brasil por conta das revelações da espionagem da Agência Nacional de Segurança (NSA) a Dilma Rousseff, o que fez com que a presidenta brasileira cancelasse uma visita de Estado a Washington em outubro. E ambos minimizaram de forma genérica o impacto da espionagem na área empresarial.
Por fim, o embaixador brasileiro nos EUA, Mauro Vieira, que abriu o debate, destacou que a inovação é um tema chave na amálgama de prioridades abordadas na relação diplomática entre o Brasil e os EUA. Nesse sentido, enfatizou que os EUA é o maior receptor de pesquisadores de um programa científico do Brasil e que várias empresas tecnológicas do país sul-americano, como o fabricante de aviões Embraer, têm presença na primeira potência mundial. (El Pais – 02/04/2014)

Crises na Argentina e na Europa pioram déficit comercial do Brasil
MERCADO
RENATA AGOSTINI DE BRASÍLIA
No 1º tri, importações superaram exportações em US$ 6,1 bi, maior deficit registrado desde 94
Em março, graças a exportações de soja para a China, país registrou superavit de US$ 112 milhões
O tímido superavit comercial registrado no mês passado, de apenas US$112 milhões, fez com que o Brasil fechasse o primeiro trimestre do ano com saldo negativo recorde na balança comercial.
De janeiro a março, as importações superaram as exportações em US$ 6,1 bilhões, maior deficit já registrado desde o início dos registros, em 1994, informou o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior.
Embora os dados sejam nominais --não considerem o efeito da inflação--, eles reforçam as evidências de fraqueza no comércio exterior do país. O rombo acumulado neste ano supera em 17% o verificado nos três primeiros meses do ano passado, quando o saldo negativo de US$ 5,2 bilhões já fora recorde.
No trimestre, as exportações sofreram queda de 4,1% peal média diária ante o mesmo período do ano passado, enquanto as importações caíram 2,1%.
O número de 2013 embute ainda uma distorção, já que contabiliza US$ 2,6 bilhões de importações da Petrobras que haviam sido feitas, na verdade, em 2012.
Ainda assim, o governo aposta em superavit comercial ao final de 2014. Segundo o Mdic, a virada no resultado poderá ser percebida no segundo semestre diante da melhora na produção nacional de petróleo e do arrefecimento da compra de eletroeletrônicos importados, cuja demanda cresceu em razão da Copa do Mundo.
SUPERAVIT EM MARÇO
Apesar de interromper dois meses consecutivos de deficit, o resultado positivo de março não animou: trata-se do saldo mais baixo para o mês desde 2001.
O resultado se deveu à forte alta das vendas de soja, de 73% na comparação com março de 2013. Foram US$ 3,1 bilhões, o que representou 17% de toda a pauta exportadora do país em março.
"A China está impulsionando esse crescimento. Estão altamente demandantes de soja", afirmou Roberto Dantas, diretor do Deax (Departamento de Estatísticas e Apoio ao Comércio Exterior).
O país aumentou em 22,8% as compras de produtos brasileiros de janeiro a março.
Tal expansão compensou a queda expressiva nas vendaspara o mercadoeuropeu, de13,5%, maior perda percentual.Aretração superou até mesmo a queda de 10,9% das exportações para a Argentina, que vive aguda crise financeira.
O deficit comercial com o bloco chegou a US$2,7 bilhões no primeiro trimestre, alta de 50% sobre o mesmo período de 2013. (Folha de SP – 02/04/2014)

Sobretaxas travam energia renovável
Por Assis Moreira | De Genebra
Barreiras contra produtos de energia renovável se propagam no comércio internacional, a ponto de a Agência das Nações Unidas para o Comércio e o Desenvolvimento (Unctad, na sigla em inglês) deflagrar o sinal de alerta para suas consequências.
Levantamento da agência mostra que disputas envolvendo tecnologia verde aceleraram em 2012-2013 entre os principais produtores, como China, Estados Unidos, União Europeia (UE), Índia e Austrália, todos querendo exportar e ao mesmo tempo proteger seus mercados.
Nada menos de 41 casos de antidumping e antisubsídios, que normalmente podem resultar em sobretaxas, foram lançados desde 2008 sobre exportações de biodiesel, produtos de energia solar e de energia eólica. Metade é contra painéis solares, por exemplo, exportados principalmente pela China.
O volume de importações dos produtos afetadas é estimado em US$ 32 bilhões. Como a sobretaxa imposta é de 25% na média, a Unctad calcula perda de comércio de US$ 68 bilhões nos próximos anos.
O segmento de produtos ambientais é estimado em quase US$ 1 trilhão anualmente, e a expectativa é de que parte substancial desse comércio pode sofrer mais com as sobretaxas que vêm sendo aplicadas.
A maioria da tecnologia verde é subsidiada, e alguns países mencionam "importações desleais" para frear a entrada do produto estrangeiro em seu mercado. No entanto, insiste a agência da ONU, o crescente uso de sobretaxas contra importações de produtos de energia renovável não apenas causa problemas no comércio, como restringe o acesso a produtos e serviços com preços mais competitivos que poderiam acelerar o uso da energia verde.
Além disso, essas barreiras são consideradas estranhas quando justamente gigantes como EUA, UE e China tentam impulsionar negociações na Organização Mundial do Comércio (OMC) para reduzir tarifas de importações sobre produtos ambientais.
A UE abriu boa parte dos contenciosos no segmento, incluindo contra importação de painel solar dos Estados Unidos e contra biodiesel de Argentina, Indonésia e Estados Unidos.
A Unctad reunirá representantes de vários países nesta semana para aprofundar o exame de implicações desses contenciosos sobre concorrência, investimento, emprego e cadeia de valor no setor de produtos ambientais. (Valor Online – 02/04/2014)

Governo tenta recuperar comércio com Argentina
Linha de crédito para a Argentina deve estrear este mês: na Venezuela, 'gestão política' é arma para destravar negócios
Mauro Zanatta
BRASÍLIA - A estreia da linha de crédito para restabelecer o comércio Brasil-Argentina e a "gestão política" de bastidores para garantir os pagamentos da Venezuela às exportações nacionais são as apostas do governo para recuperar o fluxo comercial com os dois principais parceiros na América Latina.
A primeira operação da nova linha deve ser realizada, ainda em abril, por uma montadora de automóveis, o setor mais interessado na retomada do fluxo comercial bilateral.
No primeiro trimestre do ano, houve sensível piora no comércio com a Argentina. As vendas ao vizinho recuaram 14,4% e as compras, 22,3% na comparação com março de 2013. Ainda assim, o Brasil teve superávit de US$ 300 milhões em três meses. Nas duas mãos, os produtos mais afetados foram automóveis, autopeças, motores e veículos de carga. A ênfase, por isso, está no automotivo.
A linha garantirá aos importadores argentinos a variação do dólar por um período mínimo de 90 dias, ao prever uma proteção cambial (hedge) do governo local. Aos exportadores nacionais, o acordo garantirá esse período como um prazo de pagamento. "O mais difícil era a questão cambial. Começamos a equilibrar o jogo", disse uma fonte ao Estado. "Agora, a tendência é de reversão."
Além disso, o bancos centrais dos parceiros negociam um acordo para reforçar o sistema de pagamento em moedas locais, mecanismo que amplia a "folga cambial" à Argentina. "Temos as melhores expectativas. E continuamos negociando em outras frentes", diz a fonte.
Pagamentos. Na convulsionada Venezuela, onde o governo Dilma Rousseff é criticado por inação política, as gestões brasileiras "criaram condições" para uma retomada dos pagamentos, diz a fonte. "Os dados já começaram a melhorar. Ainda estamos calibrando isso." Nos bastidores, ministros negociaram com os venezuelanos para evitar prejuízos às empresas nacionais pelo corte no fluxo comercial.
Mas o trimestre foi desfavorável ao comércio bilateral. Houve recuo de 5,8% nas exportações daqui para lá. E as importações encolheram 8,5%. O Brasil registrou um superávit de US$ 599 milhões com a Venezuela - em 2013, o saldo havia sido de US$ 618 milhões. (O Estado de SP – 02/04/2014)

Weg faz acordo com Alupar para fornecimento de sistemas de energia eólica
A fabricante de motores elétricos e tintas industriais Weg assinou com empresas da Alupar Investimentos acordo para o fornecimento de sistema de geração de energia eólica, segundo comunicado nesta quarta-feira.
O contrato, assinado com as sociedades de propósito específico Energia dos Ventos I, e pré-acordo para II, III, IV e X, contemplam o fornecimento de 46 aerogeradores de 2,1 MW de potência cada.
Os contratos preveem serviços usuais de instalação e comissionamento, e também que a Weg preste serviços de operação e manutenção por 10 anos, a partir da entrada em funcionamento dos equipamentos. Os equipamentos serão entregues a partir de 2015, disse a Weg.
Os aerogeradores serão instalados em cinco parque localizados no município de Aracatí (CE), projetos que foram vencedores no leilão A-5 realizado em 2011 pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). (Por Roberta Vilas Boas; Edição de Marcela Ayres) (Reuters – 02/04/2014)

Indústria dá sinais de força nos EUA e na EU
De São Paulo
A atividade da indústria segue dando sinais positivos tanto na Europa quanto nos Estados Unidos, de acordo com diferentes levantamentos divulgados ontem.
A atividade industrial dos EUA avançou pelo décimo mês consecutivo, segundo levantamento do Instituto para Gestão de Oferta (ISM). O Índice de Gerentes de Compras (PMI, em inglês), que mede o desempenho do setor subiu para 53,7 em março, ante os 53,2 registrados em fevereiro. O resultado, no entanto, ficou ligeiramente abaixo das projeções de alguns economistas. Entre os componentes do indicador geral, o índice de novas encomendas subiu de 54,5 em fevereiro para 55,1 um mês depois, enquanto o componente de produção passou de 48,2 para 55,9. O subíndice de emprego caiu de 52,3 para 51,1. Qualquer leitura acima de 50 implica expansão.
Já o PMI medido pela consultoria Markit para os Estados Unidos recuou de 57,1 pontos, em fevereiro, para 55,5, em março. Apesar da leve desaceleração, a leitura segue confortavelmente acima de 50 pontos. O economista-chefe da consultoria, Chris Williamson, destacou que a redução no PMI mascara o fato de que há, ainda, mostras de força da produção, das novas encomendas e do crescimento do emprego, que continuam em patamares fortes na série histórica.
O PMI medido pela Markit para a indústria da zona do euro, por sua vez, recuou de 53,2 pontos, em fevereiro, para 53 pontos em março. É a nona leitura seguida indicando expansão. Diferentemente dos levantamentos anteriores, em que a alta era puxada pela Alemanha, agora a expansão vem à esteira de economias mais periféricas da região. A expectativa é que o quadro positivo se mantenha, já que o indicador de novas encomendas subiu na sondagem.
Na Alemanha, o PMI desacelerou de 54,8 pontos, em fevereiro, para 53,7, informou a Markit. Já na França, o indicador avançou de 49,7 pontos, em fevereiro, para 52,1, chegando ao melhor resultado desde junho de 2011 e superando a marca de 50 pontos pela primeira vez em dois anos. (Valor Online – 02/04/2014)

Múltis brasileiras ameaçam transferir sede para o exterior
MERCADO
RENATA AGOSTINI DE BRASÍLIA
Empresas pressionam congressistas para mudar lei de tributos
Insatisfeitos com o texto da nova lei de tributos sobre o lucro no exterior, empresários decidiram apertar o cerco sobre os parlamentares na tentativa de emplacar emendas até agora rejeitadas.
Às vésperas da votação do texto na Câmara, as multinacionais fizeram circular sua lista de pleitos e um recado: do jeito que a legislação está, as empresas podem terminar saindo do país.
A mensagem chegou às mãos do presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves, por meio de carta da CNI (Confederação Nacional da Indústria), assinada por seu presidente, Robson de Andrade.
Segundo o documento, que também foi distribuído para líderes dos partidos, a conversão em lei da medida provisória 627, editada pelo governo em 2013, poderá tornar o Brasil "um país de filiais de suas próprias empresas".
Ele diz que a nova legislação "terá impacto profundo" para as multinacionais brasileiras, que poderão ser "incentivadas" a transferir suas sedes para o exterior.
O tom da mensagem foi acertado por cerca de 20 empresas multinacionais, que compõem o "Fórum de Empresas Transnacionais", entre elas Marcopolo, Totvs, Itaú, Queiroz Galvão, Odebrecht, Embraer e BRF. Representantes das companhia se reuniram na sexta-feira para debater a MP e propor uma ação conjunta.
Ontem, o plenário da Câmara aprovou o texto-base do projeto. Após um acordo entre os líderes partidários, ficou acertado que o debate sobre as emendas será feito hoje. A expectativa é que cerca de 30 destaques ao texto serão analisados e votados.
Se aprovados, podem mudar algumas partes importantes da MP e aplacar, ao menos em parte, o mal-estar dos empresários com o governo.
Um dos principais pleitos dos empresários é que as empresas possam retirar da base de cálculo do imposto a fatia do lucro obtido lá fora que for reinvestida pelas filiais.
A carta pede a "especial atenção" e "os esforços" de Alves para a aprovação das emendas que possibilitem o mecanismo.
As múltis tentam há meses mudar a posição do governo em relação ao texto. Elas argumentam que a nova lei "pune o investimento" e, assim, perderão terreno no mercado internacional, já que pagarão mais impostos e se tornarão menos competitivas diante de rivais internacionais.
Após a conclusão da votação, ela seguirá para o Senado. A MP tem até o dia 21 para não perder a validade. (Folha de SP – 02/04/2014)

O fator Argentina
Celso Ming
No primeiro trimestre do ano, as exportações do Brasil para a Argentina caíram 14,4% em relação ao primeiro trimestre de 2013 (veja o gráfico). Como pesam cerca de 8% sobre as vendas externas totais, essa retração tem impacto significativo na balança comercial brasileira, especialmente para o setor de veículos.
A Argentina passa por uma forte crise cambial. Não tem moeda conversível em volume suficiente para pagar todas as contas. Daí as travas sobre as importações do mundo inteiro, e não só as do Brasil, apesar dos tratados de livre-comércio e de união aduaneira que amarram os dois países.
Após meses em estudo, o governo Dilma acabou desistindo da proposta de liquidar em moeda nacional as contas com a Argentina porque esse acerto deixaria um mico enorme no Banco Central, pois o Brasil é superavitário nas relações comerciais com o vizinho: depois das compensações, sempre sobra um tanto a ser pago pela Argentina. Em 2013, o superávit foi de US$ 3,15 bilhões.
Nas últimas semanas, o Ministério do Desenvolvimento anunciou uma linha de crédito a ser aberta pelo setor privado e candidamente dizia acreditar na eficácia da gambiarra. É que o problema de fundo continua. Nem o Tesouro nem o Banco Central da Argentina estão dispostos a dar garantias para o pagamento futuro dessa dívida, nem tampouco esses avais podem ser dados pelo Brasil.
O ex-secretário da Indústria da Argentina no governo Duhalde Dante Sica, hoje consultor, não vê futuro em soluções desse tipo. Isso implica emperramento das exportações do Brasil para a Argentina até que as condições se normalizem, sabe-se lá quando.
Dante Sica não acredita que as atuais negociações de abertura comercial entre Mercosul e União Europeia tenham sucesso. Para ele, o máximo que conseguirão será certa encenação para manter as aparências e adiar indefinidamente um acordo. “Não há condições na economia da Argentina para avanços significativos de um acordo comercial”, diz.
Não dá para dizer que as coisas por lá estejam inteiramente paradas. O governo de Cristina Kirchner começou a reduzir subsídios, especialmente sobre as tarifas da água e do gás. Também encaminhou um acordo com a espanhola Repsol, que perdeu por decreto o controle da petroleira argentina YPF. E começa a negociar um acordo com o Clube de Paris, que cuida das dívidas entre governos.
O ajuste está sendo descarregado quase inteiramente sobre o setor privado. O rombo das contas externas exige cobertura das reservas e o das contas públicas, das emissões de moeda. Em dezembro, as reservas estavam a US$ 30,6 bilhões; hoje, estão a US$ 27,2 bilhões; e a base monetária cresce a 18% ao ano. É o que explica que a inflação esteja em 33% ao ano pelos cálculos da Consultoria Abeceb, que Dante Sica dirige. Essa inflação põe em risco a relativa estabilidade cambial obtida a partir da última semana de janeiro, em torno de 8 pesos por dólar.
Normalmente, esse tipo de distribuição de contas a pagar pela população cobra alto custo eleitoral. Aparentemente, a presidente Cristina já desistiu de mais um mandato e trata de empurrar a administração econômica até o final de 2015.
CONFIRA:
Aí está o comportamento da balança comercial brasileira (exportações menos importações) nos últimos dois anos.
Déficit
Embora já esperado, o resultado do comércio exterior do primeiro trimestre de 2014 foi um saldo negativo (déficit) de US$ 6,1 bilhões, o maior do comércio exterior brasileiro no período.
Queda das exportações
A queda das compras da Argentina (14,4%) e da União Europeia (13,3%) explica a maior parte do aumento desse rombo. (O Estado de SP – 01/04/2014)

Perú mejoró en Índice Global de Facilitación del Comercio 2014 y llega al escalón 51°
Dos posiciones más respecto al 2013 y 10 comprado con el 2010
Lima -Perú subió dos posiciones en el ranking general del Informe Global de Facilitación del Comercio 2014, presentado hoy por el World Economic Forum (WEF) en Ginebra (Suiza), en relación al 2013 y escaló 12 ubicaciones desde el informe del año 2010, indicó la Sociedad Nacional de Industrias (SNI).
Con ello, el país ocupa el puesto 51 de las 138 economías del mundo que han sido consideradas este año en el informe, el cual mide el grado en que las economías han desarrollado, así cómo la instituciones políticas y servicios que facilitan el flujo de bienes a través de las fronteras y hacia los mercados de destino.
Los primeros diez lugares los ocupan Singapur, Hong Kong, Holanda, Nueva Zelanda, Finlandia, Reino Unido, Suiza, Chile, Suecia y Alemania.
En el caso de Latinoamérica, Perú (51° del ranking mundial) se ubica en el tercer lugar del ranking general de las economías que ofrecen más facilidades al comercio, solo precedido por Chile (8°) y Costa Rica (42°).
Le siguen, a Perú, Panamá (52°), Uruguay (60°), México (61°) y Guatemala (62°).
Cabe anotar que el Centro de Desarrollo Industrial (CDI) de la SNI colabora con el WEF como institución contraparte desde el año 1995, año en que el Perú se incorporó al Informe Global de Competitividad.
El Informe Global de Facilitación del Comercio del WEF divide los facilitadores en cuatro sub índices: Acceso al Mercado, Administración de Fronteras, Infraestructura de Transporte y Comunicaciones, y Entorno de Negocios.
También analiza la situación a través de siete pilares: Acceso al Mercado nacional y extranjero, Eficiencia y Transparencia de la Administración de Fronteras, Disponibilidad y Calidad de la Infraestructura del Transporte, Disponibilidad y Calidad de los Servicios de Transporte, Disponibilidad y Uso de las Tecnologías de Información y Comunicaciones y Entorno de negocios.
Según el documento, Perú destaca en el sub índice Acceso al Mercado (4°); mientras que entre sus mayores debilidades figuran los Sub- Índices Infraestructura de Transportes y Comunicaciones (91°) y Entorno de Negocios (80°).
El Informe Global de Facilitación del Comercio 2014 también da cuenta de los aspectos más problemáticos para la exportación de Perú.
Estos son alto costo o retrasos causados por el transporte interno, dificultades en el cumplimiento de los requisitos de calidad/cantidad de compradores, requisitos técnicos y normas extranjeras.
También se cuenta el impacto de la tecnología y habilidades de producción inadecuados, altos costos o retrasos causados por el transporte internacional, procedimientos engorrosos en las fronteras exteriores, normas de origen extranjero, entre otras. (Andina – 01/04/2014)

As novas lições de Cristina Kirchner
Governo não parece disposto a reduzir desequilíbrios nas tarifas de serviços públicos e no preço dos combustíveis
Há alguns anos, quando os países europeus sofriam as consequências da crise financeira, Cristina Kirchner costumava dar lições em fóruns internacionais e apresentar a condução da economia argentina como um modelo a imitar. Era parte do peculiar estilo diplomático kirchnerista que um editorial de “La Nación”, de Buenos Aires, descreve assim: “Agressivo, arrogante, sempre disposto a criar conflitos, com a indignação e a petulância como componentes centrais permanentes...”
As circunstâncias criaram a necessidade de modificar esse discurso. Em parte porque, apesar das dificuldades, os países europeus começam a sair da crise. Mas, além disso, porque o suposto modelo econômico do regime mostrou-se uma ficção que está desmoronando. Não obstante termos de intercâmbio favoráveis à Argentina, e taxas de juros internacionais baixas, o governo enfrenta condições de estancamento econômico, com um ritmo de inflação superior a 30% ao ano. O nível de reservas internacionais vem caindo. A forma discricionária como se administra o controle de importações cria atritos com os sócios comerciais, incluindo os integrantes do Mercosul.
As autoridades econômicas se esforçam para recompor as relações com a comunidade financeira internacional, tendo em vista a frágil situação econômica. É preciso obter uma elevada soma de recursos externos para evitar um colapso. Isso implicou moderar o estilo prepotente com o qual se tratavam os credores e os investidores estrangeiros. Depois da expropriação, em 2012, do investimento da Repsol na empresa petrolífera YPF, anunciando que não se iria pagar, o governo decidiu negociar uma indenização. A expropriação havia deteriorado, sem necessidade, as relações diplomáticas com a Espanha.
O país aceitou iniciar negociações com os membros do Clube de Paris, para começar a pagar as dívidas pendentes com os governos dos países industrializados. Um obstáculo previsível para a renegociação da dívida em moratória com os países-membros do Clube de Paris é o requisito de que um eventual acordo deverá estar sujeito ao monitoramento do Fundo Monetário Internacional, algo a que a Argentina resiste. Aceitar este requisito, por sua vez, iria requerer normalizar as relações com o FMI, ao qual não se permitiu fazer a revisão periódica da economia argentina nos últimos sete anos.
O governo não parece disposto a implementar um programa coerente para reduzir os desequilíbrios que se acumularam nas tarifas dos serviços públicos, no preço dos combustíveis e nas contas fiscais. Continua utilizando o recurso de emissão monetária para financiar o gasto público. É difícil combater a inflação ao mesmo tempo que se nega sua existência. O uso sistemático da mentira destruiu a credibilidade governamental.
Na etapa final de seu mandato, e sem a possibilidade de se perpetuar no poder, Cristina Kirchner está tendo que reconhecer que os fatos são teimosos e aprender que, como afirmava Keynes, com a economia se pode fazer qualquer coisa, menos evitar as consequências. (O Globo – 31/03/2014)

Cuba está pronta para se abrir a novos investimentos estrangeiros?
Sarah Rainsford
Da BBC News em Havana
"Socialismo ou morte", diz o cartaz na entrada de uma metalúrgica em Havana, com a foto de Fidel Castro. As palavras são um lembrete de que Cuba continua sendo um lugar muito peculiar para os negócios.
Mas tudo indica que um ambiente mais pragmático está se firmando.
Neste fim de semana, o presidente Raúl Castro - responsável por um programa de reformas tão amplo quanto lento - convocou uma sessão extraordinária do Parlamento para discutir meios de atrair mais investimentos externos à ilha.
Os parlamentares aprovaram uma nova lei com a qual o país espera atrair mais de US$ 2 bilhões por ano em investimentos e elevar o crescimento econômico a 5 a 7%.
O ministro de Comércio, Rodrigo Malmierca, disse aos parlamentares que a lei de investimento estrangeiro tinha como objetivo ajudar Cuba acessar novidades tecnológicas, métodos de gerenciamento e mercados de exportação - além de gerar empregos.
"Ela não apenas ajudará a atrair capital estrangeiro, com regras claras e incentivos, como também nos ajudará a usar esse potencial para desenvolver o país, enquanto preservamos nossa independência e soberania", discursou.
Efeito Venezuela
A instabilidade política e os problemas econômicos da Venezuela deram mais urgência a essa medida, já que Havana é forçada a contemplar a possibilidade de perder um aliado vital e uma fonte de financiamento.
Foi a perda de seu benfeitor prévio - a União Soviética - que já havia forçado Fidel a abrir a economia cubana ao exterior. A partir dos anos 1990, o país começou a receber dinheiro de turismo e por suas minas de níquel.
Mas conseguir levar um empreendimento adiante sempre foi muito lento; alguns projetos eram adiados sem motivos aparentes que não ideológicos e burocráticos.
"A nova lei parece muito promissora como um incentivo ao investimento estrangeiro", diz o empresário britânico Andrew McDonald, sugerindo que incertezas começam a ser superadas.
A empresa de McDonald, Havana Energy, é uma joint-venture que está construindo uma usina de biomassa em um engenho de açúcar.
"Acho que isso dará um sinal significativo à comunidade internacional de que Cuba está pronta para os negócios", ele agrega, argumentando que há um forte interesse pelo mercado cubano.
Velhos hábitos
Mas, em um indicativo de como é difícil se livrar de velhos hábitos, a imprensa estrangeira não teve acesso ao texto da nova lei ou ao debate ocorrido no Parlamento, no sábado.
Os detalhes divulgados aos jornalistas mostram que haverá uma isenção de oito anos em impostos sobre lucros, que serão de 15% - metade da taxa atual. Outras vantagens tributárias e garantias legais também devem impedir que empreendimentos sejam expropriados pelo Estado - uma preocupação de empresários ante as nacionalizações em massa ocorridas após a revolução de 1959.
Ao mesmo tempo, outros obstáculos permanecem. A Cuba ainda é tratada como "Estado patrocinador de terrorismo" pelos Estados Unidos, o que dificulta transações com a ilha e iniciativas para levantar capital.
Além disso, restrições impostas pelo embargo comercial americano impedem que empresas com interesses nos Estados Unidos façam negócios em Cuba - e eliminam um grande mercado de exportação aos cubanos.
E há, também, o passado.
"Cubanos têm de superar um histórico de quase 20 anos de tratamento oscilante a investidores", opina o ex-embaixador britânico em Havana, Paul Hare.
Desde 2002, ele diz que o número de joint ventures na ilha caiu a quase a metade; e destaca a prisão, sob circunstâncias pouco esclarecidas, de vários empresários estrangeiros no país como algo que assusta investidores.
"O regime pode querer mudanças, mas as cicatrizes são difíceis de se apagar", diz Hare.
Porto com o Brasil
A primeira tentativa de despertar a atenção estrangeira foi a inauguração da zona de desenvolvimento especial de Mariel, cujo porto foi revitalizado com investimento brasileiro.
"Talvez o preconceito político contra investimentos externos tenha sido muito forte no passado, mas acho que (as políticas) atuais são mais racionais", disse recentemente à BBC o economista do governo Juan Triana.
Ele acha que a confiança dos empresários estrangeiros pode ser restaurada.
"A forma como o governo lidava com a estrutura legal era realmente discriminatória. Acho que estamos construindo um novo ambiente. Mas leva tempo."
Cuba recebeu a visita da presidente Dilma Rousseff na inauguração do porto e convidou uma delegação de empresários brasileiros como parte de sua nova ofensiva.
"Claro que há obstáculos, mas também novas oportunidades", disse Julian Pedro Carpenedo, após uma missão de três dias com 31 empresas.
A empresa de Carpenedo, Globoaves, já exporta carne de frango a Cuba; o governo quer que ela invista também na produção local.
"Temos de ver o que está acontecendo para decidir se (Cuba) é o lugar certo para investir, mas estamos animados em conhecer as possibilidades", diz o empresário.
Cubanos
No que diz respeito aos cubanos, as reformas de Raúl Castro permitindo um limitado empreendedorismo privado tornou a vida mais fácil para alguns, mas sem dar o impulso econômico necessário ao país.
Então a maioria acha bem-vinda a entrada de estrangeiros.
"Todos estamos lutando", diz um aposentado. "Damos um jeito. Mas talvez com um pouco de ajuda de fora, a vida para nós cubanos ficaria um pouco mais fácil." (BBC – 31/03/2014)

Chinesa Huawei quer dobrar receita recorde de 2013 até 2018
SHENZHEN/PEQUIM - A chinesa Huawei Technologies estabeleceu como meta que em 2018 a receita quase dobre ante o recorde registrado no ano passado, quando a empresa teve um avanço de 34 por cento no lucro e se tornou a terceira maior fabricante de smartphones do mundo.
A Huawei tem inundado os mercados emergentes com smartphones de baixo preço e chegado a economias avançadas com ofertas de ponta para compensar a desaceleração do crescimento em seu negócio principal, de construção de redes de telefonia móvel.
Para atingir essa meta, a empresa terá que melhorar o desempenho ante o de 2013, quando a receita atingiu um recorde, mas cresceu a um ritmo mais lento que os 10 por cento almejados pela Huawei, principalmente porque as empresas estrangeiras gastaram menos em redes.
A Huawei também perdeu sua meta de vendas de smartphones, com competidoras locais como Lenovo Group e ZTE Corp perseguindo estratégias semelhantes para diminuir a distância com relação às líderes Apple e Samsung Electronics.
"Em 2014, estamos buscando que nossos esforços de vendas melhorem nossa imagem de marca", afirmou Eric Xu, atual presidente-executivo da Huawei, nesta segunda-feira.
Em 2013, a receita atingiu um recorde de 239 bilhões de iuanes (38,47 bilhões de dólares), ajudando o lucro operacional a ficar dentro da faixa estimada pela Huawei, e impulsionando o lucro líquido em 34,4 por cento, a 21 bilhões de iuanes - o avanço mais rápido no lucro em quatro anos.
No geral, a Huawei tem como meta uma receita de 70 bilhões de dólares até 2018, ou um crescimento anual de cerca de 10 por cento, afirmaram executivos da empresa em coletiva de imprensa.
O crescimento foi de 8,6 por cento no ano passado, e os embarques de smartphones somaram 52 milhões de aparelhos, ante meta de 60 milhões de aparelhos.
(Por Yimou Lee e Paul Carsten) (Reuters – 31/03/2014)

Brasil e Argentina estudam meios para destravar o comércio bilateral
Por Edna Simão
COSTA DO SAUÍPE, BAHIA - Brasil e Argentina assinaram na noite desta sexta-feira memorando de entendimentos onde assumiram o compromisso de estudar a criação de instrumentos de garantia para destravar o comércio bilateral entre os países. A informação foi dada há pouco pelo ministro do Desenvolvimento, Mauro Borges, após participar de reunião com delegação argentina na Costa do Sauípe (BA). Borges destacou que esses “instrumentos de hedge” poderão ser públicos ou privados. “Vamos garantir liquidez nas operações comerciais entre os dois países”, afirmou o ministro.
Segundo memorando, os governos se comprometeram a analisar a possibilidade de emitir títulos em moeda nacional, com correção cambial, para garantir as operações de financiamento do comércio com prazos iguais ou superiores a 90 dias -- no caso o mercado do país importador não disponha de instrumentos financeiros para mitigar o risco cambial destas operações. “Esse memorando dá as diretrizes de como as operações podem ser estruturadas”, frisou o ministro do Desenvolvimento. “É o primeiro passo para destravar o comércio”, acrescentou.
Os países, conforme o memorando, permitirão a realização dos pagamentos e as respectivas conversões de dividas necessárias para que sejam cobertos os fluxos de financiamento, incluindo reembolso de principal e pagamento de taxa de juros e comissões.
Pelo acordo, os dois países se devem assegurar o fluxo comercial, livre de restrições que não possam ser justificadas pelo Artigo 50 do Tratado de Montevidéu de 1980. Este dispositivo trata de normas que justificam restrições específicas ao comércio de determinados produtos como, por exemplo, armas, munições, materiais nucleares, entre outros.
Os operadores de comércio exterior dos dois países poderão levar ao conhecimento das respectivas autoridades as dificuldades encontradas em relação aos financiamentos e à execução dos fluxos comerciais previstos.
Segundo o memorando, o documento tem como objetivo a promoção do comércio bilateral por meio da redução de incerteza e a ampliação da confiança dos operadores comerciais e financeiros. Além disso, pretende facilitar o financiamento, garantir os fluxos cambiais e de pagamentos os dois países. (Valor Online – 28/03/2014)

Vendas de PCs caem 10% em 2013, diz IDC
RIO DE JANEIRO - O mercado brasileiro de PCs encerrou de 2013 com um total de 13,9 milhões de computadores vendidos, queda de 10 por cento na comparação com 2012, refletindo a preferência dos consumidores por tablets e smartphones, de acordo com a consultoria IDC.
Segundo o estudo, o último trimestre do ano, que tradicionalmente concentra a maior parcela do volume de vendas, ficou aquém do esperado, e mesmo com as promoções de Natal apresentou volume 6 por cento menor na comparação com o ano anterior. Nos três últimos meses de 2013, foram vendidas 3,5 milhões de unidades.
Pedro Hagge, analista de mercado da IDC Brasil, explicou em comunicado que nos últimos oito anos houve uma popularização e consolidação dos PCs no mercado. "Agora, o que era uma tendência - queda nas vendas de PCs - passou a ser realidade e o setor começa a viver um momento de maturidade, com oscilações mais conservadoras", disse.
Segundo Hagge, as vendas de fim de ano foram muito concentradas em outros dispositivos como tablets e smartphones, o que traz um impacto negativo nas vendas de PCs.
"Os consumidores estão buscando opções mais econômicas e que, em muitos casos, figuram ao usuário uma alternativa para consumo e interação. Porém, apesar dos movimentos de queda nas vendas, o PC continua sendo a plataforma mais indicada para o desenvolvimento de conteúdos", disse o analista. Por Luciana Bruno (Reuters – 28/03/2014)

OMC


Veja mais

A Free Pass for China
By MARK WU
Cambridge, Mass. — A World Trade Organization panel ruled last week that China’s export restraints on rare earth elements and other metals violate W.T.O. rules because they are discriminatory. Rare earth minerals are critical in a wide range of industries, from electronics and hybrid automobiles to petroleum and chemicals. Should the ruling stand, China will have to dismantle the discriminatory policies or face trade sanctions.
This ruling may appear, at first glance, to be a vindication of the strategy of turning to the W.T.O. to fight Chinese protectionism. But litigation victories do not always translate into economic victories, especially when the W.T.O. is concerned.
In 2010, China imposed quotas and other restraints to sharply limit exports of rare earths. Because more than nine-tenths of the world’s production of rare earths occurs in China, price shocks hit foreign producers who rely on the Chinese minerals. Complaining that the export restraints were discriminatory and illegal, the United States, the European Union and Japan all filed complaints before the W.T.O.
China defended its actions by arguing that the export limits were necessary because of the environmental hazards associated with rare earths production. That environmental harm can occur is undoubtedly true, but the W.T.O. panel found this was just an excuse. The export restraints, it ruled, were designed to achieve industrial policy goals rather than promote conservation. In other words, China sought to limit its export of rare earths to give a leg up to Chinese manufacturers. It also sought to use cheaper domestic prices to entice foreign companies dependent on rare earths to relocate production to China.
The strategy worked. Chinese manufacturers in several industries relying on rare earths, such as wind turbines and chemicals, made formidable inroads against their foreign competitors. Foreign companies making products relying on rare earths, such as camera lenses and touchscreen glass, shifted some production to China.
Although the W.T.O. panel ruled against China, it did not require China to pay compensation. By design, the W.T.O.’s remedies are not retrospective. Workers who lost their jobs because firms outsourced production to China would receive no damages. In fact, so long as China eliminates the discriminatory elements of its policies going forward, there are no remedies available for the United States or the other countries. The main goal of W.T.O. dispute settlement is to force compliance with the law rather than provide economic justice for past harm.
The W.T.O., in effect, provides countries with a free pass to breach its rules temporarily. So long as a violating country ends its illegal policy in a reasonable period of time following a final judgment, it need not worry about being punished.
W.T.O. rulings do little to dissuade China from continuing to take advantage of the free pass to advance other unfair and illegal policies when the gains are large enough. China has done this in industry after industry, from semiconductors to electronic payment services. The approach typically involves contravening trade rules just long enough to allow domestic players to build up their market position without incurring W.T.O. sanctions. China then undoes the policy and claims that it is respectful of W.T.O. judgments. But undoing China’s gains afterward often proves difficult.
It may seem as though the solution to China’s flouting of trade rules would be to push for more robust remedies at the W.T.O. But retrospective remedies are not necessarily in the interest of other big countries like the United States. That is because they also lose cases at the W.T.O.
Beyond the simple calculation of whether China’s competitors would gain or lose more with stricter punishments, there is also the political difficulty of implementing such a solution. Imagine that having lost a cotton subsidies case to Brazil, the United States was ordered to pay compensation. Would the government claw back these subsidies from cotton farmers? Or would it try to convince the American public to shoulder the burden on behalf of cotton farmers through higher taxes or greater deficit spending?
Relying on the W.T.O. alone to fight back against Chinese protectionism is a losing strategy. The United States should employ an array of tools to ensure that, even when our companies face discriminatory policies overseas, they are not tempted to relocate.
The United States should undertake a comprehensive evaluation of the minerals critical for strategic interests. The government then should play a major role in re-establishing a robust domestic supply chain for such minerals. Such a strategy will take time to execute. In the meantime, stockpiles should be built to guard against future attempts to use rare earths as economic leverage. The American Congress would do well to hasten its review of the bills introduced to reduce foreign mineral dependency.
Careful consideration should be given to whether government procurement policies can be altered to dissuade companies from succumbing to resource-based extortion by other countries. This may provide an opening to make it clear that companies that shift technology or jobs overseas in response to discriminatory export restrictions may hamper their chances of winning government contracts.
While court victories are satisfying, they are often not enough. This is doubly true when the legal system’s remedies are inadequate. When faced with unfair competition, companies develop comprehensive plans beyond litigation to push back against such threats. So too should governments. Otherwise, W.T.O. victories will prove hollow.
Mark Wu is an assistant professor of law at Harvard Law School, where he specializes in international trade.
(The New York Times – 02/04/2014)

Director de OMC vino a Uruguay a relanzar Doha
En una breve visita a Uruguay, el director general de la Organización Mundial de Comercio (OMC), el brasileño Roberto Azevedo, se reunió con el presidente José Mujica, el canciller Luis Almagro y el secretario general de la Asociación Latinoamericana de Integración (Aladi), Carlos Alvarez.
Azevedo afirmó que la "paciencia mundial" con la Ronda de Doha (de negociación multilateral) se "está acabando" y reclamó que se eviten las "posturas maximalistas" para buscar un acuerdo comercial mundial.
En opinión del director general de la OMC "todos" los negociadores deben tener en "primer plano" las "cuestiones de desarrollo" de los países miembros.
Refiriéndose a Uruguay, señaló que observa al país bien posicionado para recibir un nuevo impulso económico.
"Tengo la perspectiva que el país está bien, no es necesario hacer mucha cosa", dijo Azevedo a la prensa luego de la reunión con el presidente.
Añadió que se encontró con un Mujica "optimista", que le habló sobre los desafíos de realizar un salto de calidad en el sistema productivo local y de tener una educación dotada de mejor tecnología.
Azevedo indicó que Uruguay "fue y seguirá siendo un miembro activo de la OMC, con una voz que se escucha" en ese organismo.
El jerarca internacional reconoció que esta visita conjuntaba aspectos profesionales con personales, ya que tenía un buen recuerdo de Uruguay, donde residió cuatro años al comienzo de su carrera diplomática. "Es como volver a mi casa", dijo.
El canciller Almagro explicó que durante la reunión se conversó sobre el futuro de las negociaciones comerciales y cómo pueden compatibilizarse en el ámbito multilateral. "Fue para ver cómo Uruguay puede apoyar a mejorar este proceso y continuar con negociaciones sobre agricultura en la OMC, cómo tener un mejor acceso a los mercados", dijo el canciller en rueda de prensa. Almagro añadió que esas negociaciones deben ser "realistas, pero que no reduzcan a priori el nivel de ambición, sino que se procure continuar avanzando en temas que son fundamentales para Uruguay".
El ministro explicó que Uruguay consiguió sus mejores condiciones de acceso a mercados a partir de la aplicación del sistema multilateral, al cual apuesta la OMC.
Igualmente, el canciller señaló que Uruguay debe apostar al fortalecimiento del comercio regional, a una agenda externa del Mercosur y a seguir construyendo una diversificación de mercados.
Por otra parte, en su visita a la Aladi, Azevedo planteó la necesidad de generar convergencias entre los distintos acuerdos comerciales entre regiones y países a nivel global, para evitar la confrontación. En ese encuentro, Alvarez planteó la importancia de encontrar fórmulas de unidad en la diversidad entre el Mercosur y la Alianza del Pacífico. (El Pais – 01/04/2014)

Presidente Mujica recebe o diretor geral da OMC
Montevidéu - O presidente José Mujica receberá hoje o diretor geral da Organização Mundial do Comércio (OMC), Roberto Azevedo, que realiza uma viagem pelo Brasil, Argentina e Uruguai.
Segundo informou a Secretaria de Comunicação da Presidência, Azevedo será recebido por Mujica na Torre Executiva, sede do governo, às 15:30 horas (local).
Na primeira hora, no entanto, se reunirá com o secretário geral da Associação Latino Americana de Integração (Aladi), Carlos Chacho Álvarez, na sede da capital desse organismo regional.
Depois, na chancelaria uruguaia, Azevedo dissertará sobre "O comércio internacional e a negociação multilateral depois da Conferência Ministerial de Bali" e se reunirá com o ministro de Relações Exteriores, Luís Almagro.
Depois do encontro com o presidente uruguaio, Azevedo tem previsto partir do Uruguai às 18:15 horas.
Antes de sair de Genebra, Azevedo anunciou que procura realizar um reajuste em algumas áreas que ficaram paralisadas porque a metodologia de negociações na Rodada de Doha não permitia avançar, ou por um impasse em outros segmentos.
Revelou também que os temas centrais de suas conversações incluirão agricultura, indústrias e serviços. (Prensa Latina – 31/03/2014)

Brasil dará apoio para que Rodada Doha avance
Daniel Lima - Repórter da Agência Brasil
Edição: José Romildo
A presidenta Dilma Rousseff garantiu ao diretor-geral da Organização Mundial do Comércio (OMC), Roberto Azevêdo, o apoio do Brasil para que a Rodada Doha possa avançar e ser concluída. A informação foi dada por Azevêdo, hoje, em entrevista.
A Rodada Doha é uma iniciativa de países interessados em tornar mais ágil o comércio mundial. As negociações, que estavam paralisadas desde 2008, foram destravadas em dezembro de 2013, em Bali, na Indonésia, graças ao esforço do diplomata brasileiro Roberto Azevêdo, à frente da OMC.
Azevêdo esteve com a presidenta para falar sobre esse e outros temas ligados ao comércio mundial. Ele disse que Dilma deu apoio “irrestrito” aos esforços da OMC para criar condições de implantar a Rodada Doha.
Ele disse também que Dilma acredita que o êxito da conferência de Bali deveria inspirar negociações multilaterais para alcançar acordos comerciais mais abrangentes e significativos entre os principais blocos comerciais do mundo.
Para Azevêdo, que assumiu a OMC em 2013, o que a presidenta Dilma indicou foi a necessidade de que os países possam encontrar maneiras de avançar com a Rodada Doha de maneira mais abrangente do que o que vinha sendo feito. “No meu entendimento, nós deveremos procurar agora uma agenda negociadora e mais abrangente para que os países coloquem sobre a mesa todos esses temas que são do interesse de todos e do Brasil também”, disse.
Sem dar muitos detalhes da conversa que teve com a presidenta, o embaixador disse também que o encontro serviu para falar mais sobre o cenário mundial e outros acordos em andamento. “Mas falamos da disposição política de fazer avançar a Rodada Doha. Notei não só aqui, no Brasil, mas em todos os países onde passei, esse é um grande ponto de interrogação”.
Outro assunto tratado foram as negociações em andamento entre o Mercosul e a União Europeia. “Ela disse, no contexto, que estava muito satisfeita com o fato do bloco estar agora na fase de fazer uma oferta para a União Europeia e esperar que a União Europeia faça o mesmo. Em um futuro não muito distante isso deve acontecer”, concluiu.
Sem conseguirem consenso há 14 anos, na busca de acordo entre os dois blocos, Mercosul e União Europeia agora podem, finalmente, trocar propostas para um acordo de livre comércio. Há uma expecativa do governo de que o processo possa ser concluído até junho deste ano. (Agência Brasil – 28/03/2014)

Borges e Azevêdo defendem negociações comerciais multilaterais
Brasília – O diretor-geral da Organização Mundial do Comércio (OMC), Roberto Azevêdo, se reuniu hoje com o ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Mauro Borges, e falou sobre os esforços que estão sendo feitos pela entidade para promover as negociações comerciais internacionais mesmo diante da atual crise econômica global. “O êxito da Conferência Ministerial em Bali deve inspirar as negociações multilaterais para alcançar acordos comerciais ainda mais abrangentes e significativos”, disse o embaixador brasileiro, em referência ao encontro promovido pela OMC, realizado em novembro de 2013.
Azevêdo entende que é importante avançar nas tratativas da Rodada de Doha e explicou que há temas que não conseguirão avançar apenas por meio de negociações bilaterais. “Há vários temas em que as negociações bilaterais não irão jamais dar resultados definitivos, como, por exemplo, na área de subsídios agrícolas ou de apoio doméstico ou de subsídios à exportação”, disse.
No encontro, o ministro Mauro Borges reforçou a posição brasileira de apoio aos fóruns de negociações multilaterais no âmbito da OMC. A visita de Azevêdo ao Brasil faz parte de uma agenda de viagens a diversos países. Segundo ele, a entidade vem recebendo apoio para prosseguir na elaboração de um programa de trabalho detalhado, até o final deste ano, que servirá de base para novas reuniões de negociações na OMC em 2015. (MDIC – 28/03/2014)

Outros


Veja mais

Emergentes têm de se ajustar à 'nova' China, diz FMI
Segundo o Fundo Monetário, a perda de fôlego da economia do país asiático já pesa no crescimento de alguns emergentes
Altamiro Silva Júnior, correspondente
NOVA YORK - Os mercados emergentes terão de se ajustar a um cenário de menor crescimento da China, afirmou ontem a economista do Fundo Monetário Internacional (FMI), Rupa Duttagupta. Segundo ela, "os fatores externos que antes convergiam para estimular o crescimento de países emergentes agora estão atuando em direções divergentes e o cenário é mais desafiador".
Para piorar o quadro, Rupa ressalta que alguns emergentes estão tendo a expansão comprometida também por fatores internos, que deveriam, ao contrário, estimular a atividade. Ela destacou que a desaceleração da China tem sido provocada, principalmente, por fatores internos. O país asiático tenta uma transição em seu modelo de expansão, para uma estrutura mais baseada no consumo interno do que nas exportações e investimento. Para a economista, embora as taxas de crescimento do país devam ser menores, a expansão será mais sustentável.
A perda de fôlego do país asiático já pesa no crescimento de alguns emergentes, disse a economista, sem citar nomes. Em um estudo divulgado ontem pelo FMI, o Brasil é mostrado como um dos que tem correlação mais alta com a economia chinesa entre os emergentes. Um cálculo da entidade mostra que a taxa média de crescimento dos emergentes caiu dois pontos porcentuais em 2012 comparado aos dois anos anteriores. Desse total, só a China foi responsável por 0,5 ponto.
Além da desaceleração da China, outros fatores externos podem pesar negativamente nos emergentes, como as condições mais duras do mercado financeiro internacional por conta da normalização da política monetária dos EUA. O custo de captação desses países pode ficar mais alto, destaca a economista. Por outro lado, a recuperação do crescimento americano e de outros países desenvolvidos é um fator positivo.
Em alguns casos, fatores internos que deveriam ajudar os emergentes a contrabalançar o cenário externo menos favorável e estimular a economia, estão agindo na direção oposta e dificultando o aquecimento da atividade. A influência de fatores domésticos na atividade cresceu nos últimos dois anos, mas parece que eles estão reduzindo a expansão, em vez de estimular o crescimento em países importantes, como a China, destacou a economista do FMI.
Lentidão. A recuperação da economia mundial ainda é muito lenta para trazer conforto, tem obstáculos à frente e o PIB global vai continuar crescendo abaixo da tendência este ano e em 2015, disse ontem a diretora-gerente do FMI, Christine Lagarde, em uma apresentação para comentar tendências da economia global que servirão de pano de fundo para a agenda de conversas da reunião do FMI que começa na semana que vem em Washington.
Lagarde começou o discurso falando da maior necessidade de cooperação internacional. Caso contrário, os países vão continuar crescendo pouco por vários anos, com números abaixo do potencial. "Fortalecer a cooperação é uma prioridade", afirmou ela. "Navegar pelas águas agitadas da normalização financeira vai requerer maior colaboração entre os países."
No ano passado, a expansão do PIB global foi de 3%. Lagarde não divulgou novas previsões, que serão anunciadas na semana que vem pelo FMI, mas disse que este ano e no próximo haverá "modesta melhora", em ritmo abaixo da tendência de anos recentes. "Ainda há muitos obstáculos para o crescimento."
A dirigente do FMI frisou ainda que as tensões geopolíticas estão crescendo no mundo e isso pode ser uma nuvem para as perspectivas econômicas globais. No caso da Ucrânia, ela disse que, se o conflito não for bem administrado, pode ter "amplos contágios".
Na primeira parte de sua apresentação, Lagarde falou ainda da necessidade de reforma do FMI e disse estar desapontada pelo Congresso dos Estados Unidos mais uma vez ter barrado a reforma. O país tem o maior poder de voto dentro do Fundo e é um de seus fundadores.
Ainda sobre os EUA, Lagarde destacou que o país é um dos que mais deve crescer entre os mercados desenvolvidos, puxado pela demanda interna. A dirigente falou que é "crítico" continuar administrando a retirada gradual dos estímulos monetários do Federal Reserve (Fed, o banco central americano) e voltou a falar da necessidade de o país ajustar suas contas fiscais no médio prazo.
Lagarde defendeu a adoção de mais estímulos monetários na zona do euro, onde uma "modesta recuperação" vem se desenhando. Ela alertou para os efeitos negativos da persistente baixa inflação na região que, caso se prolongue, pode prejudicar a atividade econômica e a geração de empregos. "Mais relaxamento monetário, incluindo por meio de medidas não convencionais, é necessário na zona do euro", afirmou, ressaltando que o Banco do Japão também deve persistir com sua política de estímulos. (O Estado de SP – 04/04/2014)

O longo caminho de volta ao crescimento da economia global
Enquanto que a normalização da política monetária parece ter adquirido seu ritmo lento e gradual nos Estados Unidos, a União Europeia e o Japão ainda estão longe de vislumbrar um fim para políticas econômicas excepcionais em vigor. Apenas ontem, após reunião do Banco Central Europeu, Mario Draghi, presidente, revelou que afinal havia consenso entre todos os membros da instituição - leia-se, a Alemanha concordou - em colocar o "afrouxamento quantitativo" (QE) no arsenal do banco. Era esperada uma resposta do BCE ao risco mais próximo de deflação, com a inflação na zona do euro caindo para 0,5% em março, mas ela não veio. Draghi disse que ainda trabalha com um "período prolongado de baixa inflação", em que o índice chegará perto dos 2% no fim de 2016. No Japão, a terceira maior economia do mundo, o experimento de radical emissão monetária colhe alguns trunfos, mas enfrenta desafios para produzir inflação de 2% até o fim do ano.
Draghi fez eco ao alerta sobre a ameaça de um período longo de inflação muito baixa, dado pela diretora-gerente do Fundo Monetário Internacional, Christine Lagarde. Esse risco, mais acentuado na Europa e que se tornou a realidade da qual o Japão tenta desesperadamente escapar, obrigará a execução de políticas monetárias acomodatícias por vários anos - o que significa também o risco "de um período prolongado de crescimento muito baixo", como aponta a parte do "Perspectiva Econômica Mundial" do Fundo divulgada ontem. Com a deflação rondando, a política monetária dos países desenvolvidos, exceto a dos EUA, poderá ser posta à prova ao enfrentar os limites dos juros zero.
A enrascada em que a Europa poderá se meter se a inflação continuar caindo é especialmente complicada. O BCE não poderá, como o Federal Reserve americano, comprar títulos do Tesouro, porque, em primeiro lugar, não há um Tesouro da zona do euro e, depois, porque vários países, com Alemanha à frente, se opõem mortalmente a financiar déficits nacionais. Uma emissão de títulos dos governos da zona do euro, já proposta e rejeitada, poderia ser uma saída para o BCE, mas ela está fora do mapa político da união monetária. Draghi contornou em parte o problema com um "QE" pela porta dos fundos: inundou os bancos com dinheiro e os bancos compraram títulos dos endividados países da periferia do euro. Isso estancou a crise, que ameaçava destruir o euro.
O BCE preferiu esperar mais um pouco para usar mais medidas não convencionais. A posição majoritária parece se inclinar para a presunção de que o período prolongado de baixa inflação não deve se materializar em deflação. Há analistas que argumentam que essa ameaça é temporária e está, até certo ponto, inscrita na lógica do ajuste econômico feito na zona do euro. Com graves problemas de competitividade, boa parte dos países da região, sem poder contar com a desvalorização cambial, seguiram o caminho mais doloroso de redução de salários e outros custos, e da busca pela produtividade. A inflação caiu muito. Por isso, a valorização recente do euro é um problema adicional para o euro e para Draghi.
Para alguns analistas, mais frutífero que a compra maciça de títulos seria que o BCE sinalizasse garantia de fornecimento ilimitado de recursos aos bancos, que permitisse a muitos deles fazer o que não fizeram até agora - livrar-se de títulos podres em suas carteiras e retomar o crédito.
No Japão, o "abenomics" produziu o que já é quase uma façanha - inflação de 1,3% em fevereiro, em relação ao mesmo mês de 2013 -, com forte avanço da indústria e crescimento robusto de 3,6% nas vendas do comércio (fevereiro). Seu sucesso não está garantido, porém. O imposto sobre consumo subiu em abril de 5% para 8%, como anunciado, e boa parte do vigor do varejo se deve à antecipação de compras. E quase metade da taxa de inflação corrente se deve ao aumento da energia importada. Sem ela, o índice seria de 0,7%.
Enquanto a produção reage bem, estimulada pela desvalorização do iene, e os lucros estão subindo, os salários, peça vital no xadrez do "abenomics", não estão avançando. E há quem aposte que o esforço para elevar os preços acabará jogando os juros para cima e quebrando o governo japonês, o mais endividado do mundo.
As dificuldades de UE e Japão para retomar o crescimento, a desaceleração da China e o menor ritmo de expansão dos países emergentes mostram que a economia global ainda está longe de restaurar seu equilíbrio. (Valor Online – 04/04/2014)

Fragilidade externa do Brasil?
Investimento direto, uma forma mais estável de capital, cobre a maior parte do déficit corrente do país
No passado recente, um tema comum na discussão internacional da economia brasileira e de outras economias emergentes tem sido a fragilidade externa. Alega-se que o Brasil e outros países teriam se tornado mais vulneráveis diante de uma conjuntura mundial que se afigura problemática (tensões entre a Rússia e o Ocidente, retirada de estímulos monetários por parte do Fed, volatilidade de fluxos de capitais, risco de desaceleração pronunciada da China, queda de preços de commodities etc.)
No caso do Brasil, um dos indicadores mais mencionados é o resultado do balanço de pagamentos em conta-corrente (que reflete a balança comercial, serviços, rendas e transferências unilaterais correntes). De fato, houve nítida deterioração da conta-corrente nos anos recentes, com o déficit aumentando tanto em termos absolutos como em proporção do PIB. Nos 12 meses até fevereiro, o déficit subiu para US$ 82 bilhões, representando 3,7% do PIB.
É uma tendência preocupante. O déficit em conta-corrente está associado ao aumento do passivo externo líquido do país, uma vez que só pode ser coberto por ingressos líquidos de capital ou perda de reservas internacionais. Além disso, um déficit corrente elevado implica a necessidade de atrair um volume expressivo de capitais externos para evitar uso de reservas ou pressão sobre a taxa de câmbio. Como os fluxos são voláteis e a disponibilidade de capitais é incerta, um déficit elevado gera uma dependência perigosa.
Não se deve, entretanto, avaliar a fragilidade externa de uma economia com base em um único indicador, por mais importante que este seja. Há que se observar, por exemplo, a composição da conta de capitais do balanço de pagamentos do país. No caso do Brasil, o investimento direto, uma forma mais estável de capital, cobre a maior parte do déficit corrente.
Segundo, a vulnerabilidade externa é tanto menor quanto maiores forem as reservas internacionais do país. No caso do Brasil, as reservas internacionais cresceram muito desde 2006, caíram um pouco no ano passado, mas voltaram a subir no início de 2014. No conceito de liquidez internacional, elas alcançam atualmente US$ 377 bilhões. Os indicadores relativos são fortes. Por exemplo, as reservas (conceito de caixa) correspondiam a 484% da dívida externa de curto prazo (por vencimento residual) em fevereiro último.
Em resumo, o Brasil tem alguns pontos fracos na área externa, notadamente a deterioração da conta-corrente. Mas uma avaliação mais abrangente, que leve em conta outros dados relevantes, está longe de indicar um quadro alarmante ou de crise iminente. (O Globo – 04/04/2014)

Os desafios da recuperação da EU
Por Ana Paula Zacarias*
A recuperação da economia da União Europeia está à vista e vem ganhando vigor e abrangência entre os países membros do bloco, desafiando assim os vaticínios mais pessimistas expressos por alguns setores há alguns anos.
O euro continua estável e forte e se constitui, cada vez mais, uma importante parte das reservas dos grandes atores econômicos mundiais.
Ao mesmo tempo, as economias dos países membros estão voltando a modernizar-se e a crescer, valorizando produtividade, tecnologia e inovação. Observamos ainda um equilíbrio cada vez maior entre os diferentes vetores de crescimento, com a recuperação baseada nas exportações, mas também com aumento expressivo na demanda interna.
O continuado reforço da governança econômica europeia permitirá que a União Europeia consiga emergir deste longo período de retração econômica mais unida, aberta e fortalecida em matéria de crescimento sustentável e coesão social.
Os sinais encorajadores desta recuperação econômica são ainda moderados frente à intensidade da crise financeira, mas são claramente perceptíveis e dão aos europeus razões para se sentirem confiantes em relação ao acerto da estratégia implementada pela União Europeia para atenuar e superar os dramáticos impactos infligidos pela crise econômica global.
Refletindo esta melhoria das perspectivas conjunturais, as mais recentes previsões macroeconômicas da Comissão Europeia (CE) apontam para um crescimento do PIB da União Europeia na ordem de 1,5% em 2014 e de 2% em 2015, em substancial aceleração frente ao crescimento de 0,1% em 2013. Quanto ao PIB da Zona do Euro, deverá crescer na ordem de 1,2% em 2014 e 1,8% em 2015, após registrar contração de -0,4% em 2013.
Segundo a CE, a aceleração estimada para a atividade econômica será impulsionada pela recuperação gradual da demanda doméstica, beneficiada pelo aumento da confiança em contexto de redução de incertezas, incremento de consumo e investimentos e melhoria gradual de condições de oferta de crédito. Ao mesmo tempo, as condicionantes negativas sobre as perspectivas de médio prazo representadas pela reestruturação dos balanços do setor privado e do elevado nível de desemprego deverão diminuir gradualmente ao longo do horizonte de projeção.
Apesar de ainda persistentes, os diferenciais de crescimento entre economias nacionais no espaço europeu tendem a reduzir-se significativamente visto que a recuperação econômica começa a se estender às economias mais vulneráveis da zona do euro. A expectativa é de que a totalidade daquelas economias nacionais se alinhe à trajetória de crescimento do conjunto da União a partir de 2015. O processo de ajuste interno e externo das economias mais vulneráveis da zona do euro prossegue seu curso baseado em políticas de sustentabilidade fiscal e reformas estruturais orientadas para incremento de produtividade e de inovação, com resultados esperados em termos de bem-estar econômico e social. De modo geral, os desequilíbrios macroeconômicos acumulados ao longo dos anos têm sido progressivamente atenuados, dando lugar, porém, a novos desafios que requerem continuada adaptação de políticas para evitar impedimentos ao crescimento e ao emprego.
Consequência típica de períodos de transição, repletos de incerteza quanto à intensidade e o direcionamento dos ajustes em curso, os riscos que pairam sobre a continuação favorável da trajetória de recuperação da economia europeia advêm da lenta recuperação do mercado de trabalho, prolongamento de níveis de inflação abaixo das expectativas (ainda que os riscos de emergência de um cenário de deflação sejam marginais) e manutenção dos custos da fragmentação dos mercados financeiros. A superação destes riscos para a recuperação econômica exige o prosseguimento da dinâmica de reformas estruturais a nível nacional e dos esforços consistentes para eliminação dos entraves à resiliência econômica e financeira do espaço europeu e à implementação da União Econômica e Monetária.
Neste sentido, o acordo político alcançado entre o Conselho Europeu e o Parlamento Europeu (21/3) sobre o segundo pilar da união bancária europeia, referente à adoção do mecanismo único de resolução de crises bancárias, destinado a resgatar ou liquidar bancos em dificuldades, se junta à criação do mecanismo único de supervisão bancária, como um dos fundamentos da união bancária. Visa-se assim o reforço da segurança e solidez do sistema bancário europeu, bem como da integração e estabilidade financeiras na Europa.
Em síntese, a Europa conseguiu reagir unida, com solidariedade e pragmatismo, aos desafios colocados pela crise econômica global, reformando os setores financeiro e bancário, melhorando a solidez das finanças públicas e modernizando a economia.
Os imensos esforços envidados pelos governos e cidadãos europeus para mitigar e ultrapassar os impactos da crise começam a apresentar resultados encorajadores.
Entretanto, não temos margem para complacências, visto que a salvaguarda e consolidação dos progressos alcançados requerem a nossa persistência diante dos riscos e vulnerabilidades remanescentes. O continuado reforço da governança econômica europeia permitirá à União Europeia tornar-se mais bem equipada para o enfrentamento dos ainda significativos desafios de médio e longo prazo, e emergir deste longo período de retração econômica mais unida, aberta e fortalecida em matéria de crescimento sustentável e coesão social.
Ana Paula Zacarias é embaixadora da União Europeia no Brasil.
* Este artigo foi escrito em cooperação com os embaixadores dos Estados Membros da União Europeia acreditados no Brasil. (Valor Online – 04/04/2014)

Financiamentos da China na AL superam US$ 100 bi
Por Assis Moreira | De Genebra
Os financiamentos da China para a América Latina já superam os US$ 100 bilhões desde 2005, ilustrando o crescente papel de Pequim como fonte de capital para governos e companhias da região com forte produção de commodities. Em 2013, o valor saltou de US$ 3,5 bilhões para US$ 15,3 bilhões.
China Development Bank (CDB) e China Export-Import Bank (Chexim), os dois grandes bancos estatais, emprestaram para países da América Latina mais do que o Banco Mundial, Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) ou o Banco Ex-Im dos EUA.
As estimativas são do Inter-American Dialogue (IAD) e do Global Economic Governance Initiative (Gegi) da Universidade de Boston, por meio de seu projeto comum de banco de dados de financiamentos chineses para a América Latina. O IAD é liderado pelo ex-presidente do México Ernesto Zedillo e pela ex-negociadora comercial chefe dos EUA Carla Hills.
Conforme levantamento assinado por Amos Irwin e Kevin Gallagher, em 2013 os financiamentos chineses para a América Latina alcançaram US$ 15,3 bilhões, numa alta enorme comparado aos US$ 3,5 bilhões do ano anterior. O maior volume ocorreu em 2010, no auge da crise global, com empréstimos de US$ 37 bilhões.
Os empréstimos se concentram em países de maior risco e com acesso mais difícil ao mercado global de capitais. Em 2013, a Venezuela recebeu aprovação de crédito de US$ 10,1 bilhões. No total, o país é receptor de US$ 50,6 bilhões, ou metade de todos os financiamentos chineses para a região.
A Argentina veio em segundo lugar com US$ 2,1 bilhões em 2013, totalizando créditos de US$ 14,1 bilhoes desde 2005. A China superou os EUA como maior parceiro comercial do Brasil, mas "não houve empréstimo para o Brasil no ano passado", diz Gallagher, professor de Relações Internacionais na Universidade de Boston.
Em outro estudo, de maio de 2013, Gallagher e Irwin concluíram que a China não impõe condições de políticas internas aos que tomam os empréstimos, as diretrizes ambientais são mais flexíveis, mas exigem compras de equipamentos e muitas vezes acordos sobre venda de petróleo.
Em novembro do ano passado, o vice-presidente Michel Temer, ao visitar Pequim, recebeu do vice-presidente Li Yuanchao a sinalização de que a China estava disposta a financiar projetos bilionários no país e receber em troca produtos como pagamento. É o mesmo tipo de iniciativa que Pequim tem com a Venezuela. Faz parte da estratégia do país de assegurar acesso às commodities de que necessita.
Um dos financiamentos chineses para a Petrobras, acertado no governo Luiz Inácio Lula da Silva, foi com base no pagamento de petróleo. Já outro empréstimo fornecido ao BNDES acabou sendo engavetado pelo banco brasileiro, por considerar na época que a taxa de juro era mais elevada do que a do mercado internacional, ao qual tem acesso sem problemas.
Gallagher e Irwin apontam novas informações do boletim de dívida externa do Equador para concluir que, de fato, as taxas de juros chinesas podem ser até mais pesadas. Calculam que o Equador está pagando juros variando entre 2% e 7,9%, e os financiamentos chineses estão entre os mais caros. Em comparação, a taxa cobrada por bancos internacionais de desenvolvimento varia de 2% a 2,7%. Essa situação ocorreria com outros países também, segundo os acadêmicos. (Valor Online – 04/04/2014)

Fiesp realiza workshop sobre cadeias globais de valor e comércio por valor agregado
Para debater a realidade brasileira e os avanços internacionais na questão das cadeias globais de valor e o comércio por valor agregado, a Federação das Indústria do Estado de São Paulo (Fiesp) realizou nesta quinta-feira (03/04) um workshop sobre o tema.
Participaram do encontro representantes do Departamento de Relações Internacionais e Comércio Exterior (Derex) da Fiesp, economistas e membros da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), órgão internacional que congrega 34 países - o Brasil não está entre os países-membro, mas faz parte do grupo que recebe cooperação da OCDE, por meio de grupos de trabalho e programas.
O diretor titular do Derex, Thomaz Zanotto, fez a abertura do workshop, falando do atual momento da política externa no Brasil, dando como exemplo os encontros "Diálogos de política externa" promovido pelo ministério das Relações Exteriores.
"Um dos consensos que surgiram nesses diálogos é que a sociedade brasileira, hoje, está muito interessada nas questões de política externa e comércio exterior", afirmou. "Outro consenso é que o comércio exterior brasileiro precisa de uma política estratégica integrada."
Segundo Zanotto, o tema das cadeias globais de valor aparece com cada vez mais frequência e intensidade. "É preciso entender como as cadeias se aplicam na realidade do Brasil, país que é forte em insumos e matérias-primas, mas que tem uma grande e diversificada base industrial instalada e um dos mercados internos mais dinâmicos e atrativos do mundo."
Ainda na abertura, Ken Ash, diretor para comércio exterior e agricultura da OCDE, explicou o trabalho desenvolvido pela organização.
"Diariamente, conversamos com governos e pessoas preocupadas em melhorar o desempenho das políticas internacionais e, ao mesmo tempo, buscamos conversar com as empresas para verificar como as políticas são aplicadas na prática", disse Ash.
"As economias mundiais estão mais conectadas do que imaginamos. Com a produção cada vez mais fragmentada pelo mundo, precisamos uns dos outros cada vez mais. E as maneiras de fazer essas conexões estão aumentando em número, mas também em complexidade e isso exige uma política moderna, dinâmica e flexível, para que todas as empresas possam obter vantagens nesse mercado global." (Agência Indusnet Fiesp – 03/04/2014)

IIF reduz projeção do crescimento global, devido a EUA e emergentes
WASHINGTON - O Instituto Internacional de Finanças (IIF, na sigla em inglês) fez pequenas mudanças nas suas projeções de crescimento, diminuindo a estimativa de expansão da economia global para 2014 de 3% para 2,9%, principalmente por ter cortado a previsão para os EUA de 2,5% para 2,4% e para os emergentes de 4,6% para 4,4%. Segundo relatório divulgado nesta quinta-feira, os maiores talhos foram nas projeções para Ucrânia e Rússia. Apesar desse movimento, o IIF não alterou a sua avaliação básica de que a atividade deve ganhar força ao longo do ano. EUA e China desaceleraram no primeiro trimestre, mas a expectativa é de que recuperem o fôlego durante 2014. A estimativa para o crescimento global para 2015 continuou em 3%.
As projeções para o Brasil, por sua vez, tiveram pequenos aumentos. A de 2014 subiu de 1,4% para 1,6% e a de 2015, de 2,1% para 2,2%. O IIF é associação que reúne os principais bancos do mundo, reunindo cerca de 500 instituições financeiras de mais de 70 países.
Ao analisar o desempenho dos EUA, o Monitor Econômico Global do IIF diz que um inverno rigoroso e uma acumulação mais lenta de estoques afetou o crescimento no começo do ano, mas números recentes sugerem que a economia está ganhando velocidade à medida que esses fatores ficam para trás, liderado por um setor privado saudável. “A China também teve um primeiro trimestre decepcionante, mas apoio político adicional já está sendo providenciado para impu lsionar o crescimento para que a meta anual seja atingida”, diz o relatório do IIF. “Em contraste, um inverno ameno contribuiu para o crescimento na zona do euro e os gastos de consumo aumentaram no Japão, antes do aumento de impostos marcado para abril; mas esses fatores devem se reverter no segundo trimestre.”
O IIF classifica a situação na Ucrânia como um importante risco político para o cenário futuro, ape sar da reação favorável dos ativos mais arriscados até o momento. A projeção para a variação do PIB na Ucrânia em 2014 caiu de 0,5% para -8%, enquanto que a da Rússia foi revisada de uma expansão de 1,3% para uma retração de 0,9%. “Uma escalada adicional da crise pode ter impactos significativos além desses países, especialmente se a oferta de energia ao longo d a Europa for atingida”, avalia o IIF.
O risco de que as tensões avancem além da questão da Crimeia é um dos seis principais riscos apontados pela instituição, com uma probabilidade de 10% de ocorrer nos próximos 12 a 18 meses. O risco mais elevado é de uma retirada acidentada dos estímulos monetários pelo Federal Reserve (Fed, o banco central americano), avaliada em 40%. Um eventual aperto no mercado de trabalho poderia deflagrar uma forte correção nos mercados, com a antecipação de que o Fed poderia passar a adotar uma política monetária menos expansionista do que se imagina. Outro risco importante, que aparece com 35% de chances, é de um contágio crescente entre mercados emergentes, que poderia ser causado pela intensificação de problemas de países específicos num período de maior aversão ao risco, contaminando outras economias. (Valor Online – 03/04/2014)

Discurso da indústria brasileira está menos protecionista, diz OCDE
SÃO PAULO - Parte do empresariado brasileiro mudou de posição no último ano e está disposto a abrir mais o mercado interno a insumos e produtos estrangeiros, de acordo com Ken Ash, diretor para Comércio Exterior e Agricultura da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE).
Presente hoje em seminário sobre o tema organizado pela Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), Ash disse que há um ano seria “inimaginável” visitar ao Brasil a pedido da indústria para falar sobre as vantagens de o país ter maior inserção no comércio internacional.
A impressão do diretor é que os industriais mudaram de posição em relação àquela adotada nos últimos anos, de proteção de setores mais frágeis à competição com importados, mesmo com o encarecimento de custos e preços mais altos nos produtos finais.
“A discussão sobre comércio exterior no Brasil passou muito tempo focada em fatores macroeconômicos e nos termos de troca. Os primeiros são muito difíceis de ser mudados apenas por uma orientação de política para comércio exterior e o segundo é algo que leva muito tempo para melhorar”, afirmou ao Valor.
Um componente ideológico contrário à abertura comercial também ajudou os empresários do país a pressionar o governo para adotar uma política mais protecionista ao longo do tempo. Mas informações recentes têm ajudado a minar essa postura. “Quando os dados são apresentados, da pouca participação do país no comércio internacional, isso não se sustenta. Os empresários viram, mais do que a situação atual, uma tendência muito ruim para a indústria no futuro se não houver uma mudança de postura, mais aberta à integração em cadeias globais.”
Na visão de Ash, a retomada das negociações em órgãos multilaterais, como a Organização Mundial do Comércio (OMC) e, principalmente, a assinatura de acordos de livre comércio entre grandes regiões, como o da Aliança do Pacífico com a Ásia e o início de negociações de um grande acordo entre Estados Unidos e União Europeia, colocaram maior importância no debate sobre como deve caminhar o comércio exterior brasileiro entre os empresários.
“Ao mesmo tempo que o Brasil ainda é muito fechado, há muitas oportunidades de inserção em cadeias de valor e aumento dos níveis de comércio exterior do país. Isso anima os empresários”, afirmou o diretor da OCDE. (Valor Online – 03/04/2014)

Temer vai aos EUA apresentar 'imagem verdadeira' do Brasil a empresários
Danilo Macedo - Repórter da Agência Brasil
Edição: Denise Griesinger
O vice-presidente Michel Temer viaja hoje (3) para Nova York para apresentar, a uma plateia com lideranças políticas, grandes empresários e acadêmicos, a posição do governo brasileiro sobre a economia e as oportunidades no país. Temer acredita que no último mês, quando a agência de classificação de risco Standard & Poor's (S&P) rebaixou a nota da economia brasileira, houve a propagação de uma “falsa imagem de que o país pode ir para a bancarrota”.
“Eu vou tentar vender a imagem verdadeira do Brasil, não a imagem construída, e gerar uma despreocupação em relação ao futuro do país”, disse o vice-presidente em relação às palestras que dará em dois eventos no centro financeiro dos Estados Unidos. Assim como se manifestaram nos últimos dias a presidenta Dilma Rousseff e o ministro da Fazenda, Guido Mantega, Temer ressalta que a inflação está dentro da meta, a dívida líquida do setor público vem caindo e o cenário para investimentos é positivo.
“Não podemos nos pautar apenas pelo que acontece em um mês do ano. Devemos nos pautar pelo que vem acontecendo e pelo que vai acontecer”, disse Temer em entrevista exclusiva à Agência Brasil, acrescentando que apresentará nos Estados Unidos informações sobre grandes empresas que estão abrindo unidades e investindo centenas de milhões de dólares no Brasil. “O empresário que investe quer ganhar, não vai investir para perder, e empresários desse porte, que investem quantias dessa natureza, é porque têm confiança no futuro do país, ou não investiriam”.
Temer destacou que as oportunidades de investimento no país são enormes e lembrou que bilhões de reais estão sendo investidos em infraestrutura. “Toda a infraestrutura que o governo está montando para o Brasil – portos, aeroportos, rodovias, ferrovias – será o grande passo do nosso país nos próximos cinco anos. Quem vier agora poderá até colaborar nessa infraestrutura”.
Em relação à segurança jurídica para os investimentos estrangeiros, Temer disse que algumas práticas de nacionalização de empresas verificadas em países vizinhos podem causar certa preocupação em relação à entrada de companhias internacionais no país, mas ressalta que o Brasil tem uma legislação consolidada na proteção da propriedade privada. Segundo ele, essa não é apenas uma decisão de governo, mas da Constituição.
“Então, esses preceitos todos da chamada democracia liberal estão incrustados na nossa Constituição e eu vou tentar demonstrar exatamente isso: pode ter confiança, o Brasil cumpre contrato, o Brasil auxilia: muitas vezes financiamos empresas estrangeiras a virem para cá. Essa é a imagem que quero vender nesses dois eventos e foi para isso até que fui convidado”, disse Temer.
Um dos eventos, promovido pelo Fórum das Américas no dia 7 de abril, tem como tema Brics no Mundo: uma visão estratégica e política. Na opinião do vice-presidente, que tem viajado por vários países chefiando delegações com ministros e empresários brasileiros, o bloco representa uma aliança natural entre grandes países que se reúnem para discutir problemas comuns. O grupo, formado pelo Brasil, pela Rússia, Índia, China e África do Sul (da sigla Brics) representa mais de 20% do PIB e de 40% da população mundiais.
“Essa troca de ideias, esse fórum de auxílio recíproco, tem sido útil para os países contratantes. Eu fui à Rússia, à China, e em todos os locais as portas estão mais abertas também em função desse fórum, porque há uma fraternidade, uma irmanação”, disse o vice-presidente. Antes do evento sobre o Brics, Temer dará uma palestra, amanhã (4), no Council on Foreing Relations, entidade que tem o objetivo de aumentar a compreensão norte-americana sobre o mundo e publica o periódico Foreign Affairs. (Agência Brasil – 03/04/2014)

Zona Franca de Manaus, prorrogação e integração
Em 2013, faturamos R$ 85 bilhões, gerando um percentual de tributos duas vezes e meia em relação à alegada renúncia fiscal de R$ 23 bilhões
A renúncia fiscal concedida à Zona Franca de Manaus (ZFM) é transformada em benefícios diretos para a Amazônia e para o Brasil, diferentemente de outros modelos. De acordo com os estudos da USP, a União recolhe 54,42 % das riquezas produzidas na ZFM. Longe de ser umparaíso fiscal, o modelo responde por mais de 50% dos impostos federais da Região Norte. Dados da Receita Federal demonstram que das 27 entidades federativas, apenas 8 devolvem à União, em arrecadação de tributos, mais do que recebem no repasse compulsório.
O Amazonas éumdeles. A PEC 103, do próprio Governo Federal, que assegura mais 50 anos para a ZFM, é um sinal eloquente deste acerto fiscal do modelo.
Ironicamente, as iniciativas contra o modelo partem de uma área que concentra mais da metade da riqueza do Brasil. Talvez, por isso, tenha esbarrado em forte resistência na área econômica da União. Nosso dever de casa é também, ter faturado R$ 85 bilhões em2013, gerando um percentual de tributos duas vezes e meia em relação à alegada renúncia fiscal de R$ 23 bilhões.
Este valor se refere aos 7 estados da Amazônia, e representaria apenas 17% darenúncia total, da qual o Sudeste abocanha mais de 48%, além de consumir mais de 60% dos recursos do BNDES enquanto que a região Norte consome apenas 1,6% desses recursos.
Na ZFM não há investimento público nos projetos aprovados e as empresas só passam a auferir vantagens fiscais depois de realizados todos os investimentos, contratados os colaboradores, iniciada aatividade produtiva e a emissão da nota fiscal, e venda dos primeiros itens saídos da linha de produção.
Prorrogar a Zona Franca não significa que, a partir daí, serão sanadas todas as dificuldades que significam investir naAmazôniaondea logística é cara e precária. A mesma precariedade se identifica na comunicação lenta e travada pela improvisação de equipamentos sucateados. Este cenário compromete a competitividade da indústria do Amazonas que não se manterá apenas com vantagens fiscais. Para imprimir competitividade e reduzir paulatinamente a dependência dacompensação tributária impõe-se enfrentar os gargalos de infraestrutura e assegurar a formulação de novas matrizes econômicas, um dever de casa que exige a contrapartida de nossa contribuição fiscal.
A economia da ZFM vem declinando em produção e investimentos, no volume de novos projetos de implantação no Polo Industrial de Manaus, frutos da indefinição e no enfrentamento desses gargalos junto à reforma tributária, das pendências funcionais da cangalha burocrática. Não interessa a prorrogação de incentivos nesse clima de confronto regional e insano entre ZFM e demais estados, como se este modelo fosse um apêndice na lógica produtiva nacional, desmembrado de todas as políticas federais, tanto industriais, quanto tributárias e de ciência, tecnologia e inovação.
Postulamos assentar à mesa do debate da política industrial do país, definindo a Zona Franca de Manaus como umcapítulo destacado e integrado da economia e do desenvolvimento do país, capaz de atrair novos investimentos e assegurar que os incentivos que anteparem este modelo não fiquem à mercê de mudanças conjunturais e eleitorais. Prorrogar sem integrar levará o Brasil, a ZFM e a Amazônia a nenhum lugar. (Brasil Econômico – 03/04/2014)

O setor exportador perde preços e mercados
O déficit de quase US$ 6,1 bilhões na balança comercial - diferença entre exportações e importações - foi recorde, no primeiro trimestre, em duas décadas, explicando-se pela piora de preços de commodities exportadas pelo Brasil e pela perda de mercados e de competitividade de produtos locais em relação aos fabricados no exterior. Em contraste com as afirmações de funcionários do governo de que o comportamento da balança comercial tende a melhorar acentuadamente, as consultorias privadas evitam fazer projeções para o ano. Já a última pesquisa Focus, feita pelo Banco Central com agentes econômicos, indicou, para este ano, um modesto superávit de US$ 4,3 bilhões.
No segmento mais forte das exportações brasileiras - o de commodities - cresceram, em volume, as vendas de minério de ferro, petróleo, soja em grão, milho em grão, carne bovina in natura e carne de frango in natura, mas os preços caíram entre o mínimo de 2,9% (minério) e o máximo de 30,1% (milho). Nos produtos semimanufaturados, houve forte queda do preço do açúcar em bruto (-17,9%) e um pequeno recuo da celulose (-0,4%).
As exportações para a Argentina continuaram em queda livre(22%), da média mensal de US$ 1,7 bilhão, no primeiro trimestre de 2013, para US$ 1,3 bilhão, no mesmo período deste ano - ou seja, US$ 1,2 bilhão no período, correspondendo a cerca de 20% do déficit comercial. Também houve queda de vendas para a Europa Oriental (-16,8%), o Oriente Médio (-15,1%), a África (-13,5%) e a União Europeia (-13,3%). Ao contrário, para a China o País exportou mais 22,1% e para os EUA, mais 8,8%, pelo critério de média diária.
A desvalorização do real, de 10,4% no ano passado, não parece surtir grande efeito sobre as exportações, prejudicadas pelo custo Brasil (juros, inflação, deficiências de infraestrutura, elevação do custo do trabalho com perda de produtividade, entre outros). Prova disso é que a média diária de exportações no trimestre caiu 4%, quase o dobro da queda das importações (2,2%).
Ainda mais grave do que o déficit da balança comercial é a redução do comércio exterior, medida pela corrente de comércio (soma das exportações e das importações): no primeiro trimestre, a corrente de comércio diminuiu 1,5% em relação ao mesmo período de 2013, de US$ 106,8 bilhões para US$ 105,3 bilhões. O País, em síntese, perde espaço no comércio global. (O Estado de SP – 03/04/2014)

Demanda por carga aumenta 6% na AL
EMPRESAS
Por Assis Moreira | De Genebra
A demanda por carga aérea na América Latina cresceu 6,1% em fevereiro,em relação a igual período do ano passado, mais que o dobro da expansão de 2,9% no transporte de carga aérea globalmente.
A Associação Internacionaldo Transporte Aéreo(Iata), ao divulgar os dados ontem, em Genebra, mostrou um ligeiro otimismo sobre a melhora no comércio internacional este ano.
A demanda por cargas registrada por companhias aéreas na América Latina deve continuar positiva.
"Mesmo com a fragilidade na maior economia da região, o Brasil, espera-se um aumento com a Copa do Mundo de Futebol", afirma a Iata. A capacidade de transporte de carga na região aumentou 1,7%.
O maior crescimento no transporte de carga foi registrado no Oriente Médio, com 11,9%. Na Europa, a expansão foi de 5,5%.
Já as companhias da Ásia e do Pacífico só tiveram aumento de demanda de 0,1%, o que se explica pelo impacto do feriado do Ano Novo Lunar, no fim de fevereiro. O comércio está melhorando e a perspectiva é de maior crescimento no transporte de carga.
Mas a Iata nota que o desempenho da economia da China ainda sinaliza desaceleração, podendo restringir o avanço do setor de cargas. A capacidade de carga aérea na região aumentou 3,9%, acima da demanda.
Na América do Norte, a demanda cresceu 0,3%, enquanto na África ela avançou 6,1%. (Valor Online – 03/04/2014)

Itamaraty ignora visita de Corina
Diplomacia brasileira diz que não comentará declarações de 'autoridade venezuelana' sobre seu país
LISANDRA PARAGUASSU / BRASÍLIA
O governo brasileiro ignorou a presença da oposicionista venezuelana María Corina Machado no Brasil. Apesar das críticas feitas à falta de uma posição mais dura dos países da região e à mediação da União de Nações Sul-Americanas (Unasul), o Itamaraty informou que não trataria das declarações de uma autoridade venezuelana sobre seu próprio país.
As dificuldades de abrir um canal de negociação com parte da oposição não impedirá a Unasul de seguir na tentativa de uma mediação. O ministro das Relações Exteriores, Luiz Alberto Figueiredo, deve embarcar ainda esta semana para a Venezuela, juntamente com os chanceleres de Colômbia e Equador, María Ángel Holguín e Ricardo Patiño, para mais uma tentativa de diálogo.
A avaliação do governo brasileiro é a de que Caracas tem o controle da situação e não há mais grandes riscos institucionais. No início da crise, chegou a haver o temor, nos meios diplomáticos, de que Maduro apelasse para um autogolpe - um recado de desaprovação foi passado ao governo venezuelano, alertando que a reação seria a mesma do caso paraguaio, quando o país foi suspenso do Mercosul.
Esse risco, no entanto, não existiria mais, em nenhum dos lados. Diplomatas brasileiros acreditam que a oposição também mudou o discurso.
Ao sair de Caracas, na semana passada, Figueiredo afirmou que os canais estavam abertos e todos os lados mostraram disposição de conversar. Ainda assim, o Itamaraty avalia que a linguagem, de ambos os lados, ainda é muito dura e a troca de acusações dificulta o entendimento. Boa parte da oposição mais radical ainda rejeita a mediação da Unasul.
O governo brasileiro gostaria que Maduro parasse com a prisão de opositores e com táticas pouco diplomáticas, como a cassação do mandato da deputada María Corina, mas evita declarações públicas. Os diplomatas brasileiros comemoraram o fato de o governo venezuelano aceitar a instalação de uma comissão de direitos humanos, que ainda não existia no país, para investigar as mortes ocorridas nos protestos. (Valor Online – 03/04/2014)

Baixo crescimento global pode se tornar permanente, diz FMI
Por Sergio Lamucci | De Washington
A economia global está em recuperação, mas o ritmo de expansão segue muito lento e muito fraco e, sem a adoção de políticas ambiciosas, há o risco de o mundo cair numa armadilha de baixo crescimento, alertou ontem a diretora-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Christine Lagarde. "Em 2013, o crescimento global foi de cerca de 3%. Nós projetamos melhoras modestas em 2014 e 2015, mas ainda abaixo de tendências anteriores", afirmou Lagarde. Para países como o Brasil, uma das recomendações é aumentar o investimento, para enfrentar problemas de infraestrutura.
"Certamente a economia global se estabilizou desde a crise financeira, mas a recuperação é muito fraca para haver conforto", disse ela, ressaltando a importância de os países se unirem para tomar as medidas corretas, cooperando internacionalmente. Sem isso, "nós poderemos enfrentar anos de crescimento lento e baixo".
Lagarde apontou três obstáculos de curto prazo ao crescimento mais forte da economia global. Nos mercados emergentes, disse ela, o endividamento das empresas tem crescido, e há um risco proveniente da associação de uma maior volatilidade nos mercados com a redução dos estímulos monetários nos EUA. Segundo Lagarde, o que se viu em recentes episódios de instabilidade foi que países com fundamentos mais fracos - "grandes desequilíbrios domésticos e externos" - têm maior probabilidade de serem afetados. Ela não citou nenhum país.
Outro obstáculo está nas economias avançadas, caracterizado pelo risco crescente de baixa inflação, especialmente na zona do euro. Para enfrentar esse problema, ela recomendou que o Banco Central Europeu (BCE) e o Banco do Japão continuem com políticas monetárias expansionistas. O terceiro problema é o aumento de tensões geopolíticas, que podem nublar o panorama econômico global. "A situação na Ucrânia, se não se for bem administrada, pode ter implicações mais amplas."
Para evitar o risco da armadilha de baixo crescimento, Lagarde destacou também que é necessário atacar questões como o desemprego, o alto nível de endividamento e a incerteza financeira. Além de usar medidas de política monetária e política fiscal, é crucial promover reformas estruturais, disse ela. Lagarde citou um investimento melhor e mais focado, mudanças no mercado de trabalho e reformas nos mercados de bens e serviços. "No Brasil, Índia, África do Sul e nos países da Asean [que reúne nações como Indonésia, Malásia, Filipinas, Tailândia, Camboja e Vietnã], mais investimentos públicos e privados são essenciais para combater problemas de infraestrutura."
Ao comentar a situação de crescimento da economia global, Lagarde disse que a atividade econômica está melhorando nos países desenvolvidos, mas a velocidades diferentes. Entre os países avançados, a expansão é mais forte nos EUA, devido à demanda privada robusta e menos rigor no aperto fiscal. Nos emergentes, Lagarde disse que a atividade, que vinha em desaceleração, teve leve recuperação no fim de 2013, puxada pela demanda mais forte nas economias avançadas. A China continuará a ser um motor importante, ainda que mais lento, para um ritmo de expansão mais sustentável.
Lagarde também deixou clara a sua decepção com o fato de que o Congresso americano, na semana passada, não fez avançar medidas que permitiriam a implementação das mudanças no FMI que têm como objetivo dar mais voz aos países emergentes. "É desapontador", disse ela, lamentando que os EUA não aprovem as reformas acertadas em 2010. Para caminharem, as mudanças precisam de 85% dos votos dos membros do FMI. Como os EUA têm quase 17%, a reforma não anda sem a ratificação pelo Congresso americano.
Lagarde falou a estudantes na Universidade Johns Hopkins, num discurso em que antecipou as linhas gerais do que será discutido em Washington na reunião de primavera do FMI e do Banco Mundial, na semana que vem. Na ocasião, o Fundo vai revisar as projeções para a economia global. Em janeiro, as estimativas eram de uma expansão para o mundo de 3,7% em 2014 e de 3,9% em 2015. (Valor Online – 03/04/2014)

FMI: Emergentes devem enfrentar cenário menos favorável ao crescimento
Por Sergio Lamucci
WASHINGTON - Fatores externos têm grande peso para explicar a expansão dos países emergentes, respondendo por cerca de metade da variação do crescimento dessas economias, mas a influência de aspectos domésticos ganhou peso nos últimos anos, diz relatório do Fundo Monetário Internacional (FMI) divulgado nesta quinta-feira, 3.
Segundo o estudo, essas economias têm um ambiente mais complexo do que no período anterior à crise de 2008, navegando num cenário em que o panorama externo tende a ser menos favorável ao crescimento – de um lado, o avanço mais forte das economias avançadas vai ajudar, mas a esperada desaceleração da China e as condições financeiras um pouco mais apertadas devem pesar sobre as nações em desenvolvimento.
Brasil
Ao lado de países como Argentina, Índia, Indonésia e Colômbia, o Brasil é um país em que a correlação do crescimento é mais forte com a China do que com os Estados Unidos ou a zona do euro. Ao mesmo tempo, a economia brasileira está num grupo de países em que o avanço do PIB desde 2012 ficou abaixo do nível que seria de se esperar dadas as condições econômicas globais, sugerindo um papel importante de questões internas.
O relatório do FMI mostra que, nos últimos 15 anos, os fatores externos foram responsáveis por metade ou mais das flutuações cíclicas do crescimento nos emergentes, mas com diferenças importantes ao longo do tempo e entre os países. Os aspectos externos são a demanda externa, as condições financeiras e os termos de troca (a relação entre os preços de exportação e de importação).
“Esses fatores foram dominantes para determinar o declínio do crescimento dos mercados emergentes no começo dos anos 2000 e em 2008 e 2009, refletindo o peso da demanda externa mais fraca durante as duas recessões nos países avançados”, diz o FMI, que analisa no estudo o comportamento dos 16 maiores emergentes.
O quadro é bastante diferente, contudo, em cada um dos países. No Brasil e na Indonésia, o forte tombo do crescimento durante a crise financeira de 2008 se deveu quase inteiramente a fatores externos, afirma o relatório.
Na Índia, porém, questões internas começaram a afetar a expansão no começo de 2008, provavelmente como resultado de tensões resultantes de gargalos crescentes de infraestrutura depois de um período de rápido avanço da economia.
China
Na China, a influência negativa dos fatores internos aumentou com a crise, atingindo o pico no primeiro trimestre de 2009, depois do qual um grande pacote de estímulo fiscal foi adotado.
Em 2006 e 2007, aspectos domésticos predominaram no impulso ao crescimento dos emergentes, embora fatores externos também tenham ajudado, diz o FMI. Os preços de commodities subiram e os juros dos títulos da dívida desses países caíram. Nos últimos anos, o peso dos fatores internos parece ter crescido, já que a expansão do PIB em boa parte dessas nações tem ficado abaixo do que se esperaria com as atuais condições externas. Mais uma vez, porém, o cenário muda bastante conforme o país.
Na China, esses fatores começaram a prejudicar o crescimento depois do fim de 2010, mas há uma pequena contribuição positiva desde o fim de 2012. É um quadro semelhante ao que se passa na Índia, onde questões domésticas reduziram o crescimento de 2011 até o terceiro trimestre de 2012. Desde então, há uma colaboração favorável desde o fim daquele ano.
“Um quadro com mais nuances aparece no Brasil e na África do Sul, mas nas duas economias, depois de um peso proveniente de questões internas na segunda metade de 2012, esses fatores contribuíram mais para o crescimento na primeira metade de 2013”, afirma o relatório. No primeiro semestre do ano passado, o investimento recuperou-se no Brasil, registrando, contudo, um desempenho mais fraco na segunda metade do ano.
Os outros & os emergentes
O estudo traz estimativas interessantes. Um aumento de 1 ponto percentual no crescimento dos EUA tem um impacto favorável de 0,3 ponto na expansão dos emergentes. O efeito cumulativo continua positivo por mais de dois anos, apesar da elevação associada dos juros americanos, diz o FMI.
Uma piora das condições financeiras internacionais tende a afetar bastante os emergentes. Uma alta de 1 ponto percentual nos juros dos títulos soberanos desses países tira 0,25 ponto do crescimento dessas economias.
Entre os emergentes, o crescimento chinês é uma fonte de estímulo importante. Uma elevação de 1 ponto percentual da expansão da China tem um efeito de 0,1 ponto no avanço do PIB dos emergentes. “O efeito aumenta ao longo do tempo, à medida que há um impulso nos termos de troca desses países”, ressalta o FMI.
O relatório enfatiza que o crescimento da China influenciou bastante os outros emergentes. “A forte recuperação da economia chinesa puxada pelo pacote de estímulos durante a Grande Recessão foi um amortecedor para o crescimento em outros emergentes. A situação se reverteu mais recentemente com a desaceleração da China”, diz o FMI.
Segundo a instituição, essas economias poderão ter de lidar, daqui para frente, com um ambiente menos favorável ao crescimento. Em contraste com o período anterior à crise, nem todos os fatores externos vão apoiar o crescimento dos emergentes.
Embora a expansão nos países desenvolvidos deva ganhar força, as condições externas de financiamento dos países em desenvolvimento e os termos de troca serão menos positivos. “Além disso, a China vai fazer a transição para um ritmo de crescimento mais sustentável, porém mais fraco, e isso vai pesar temporariamente sobre outros emergentes”, adverte o FMI. Para completar, para muitos emergentes além da China, os fatores internos têm segurado o crescimento abaixo do nível sugerido pelas atuais condições externas.
“A persistência desses fatores indica que o crescimento potencial também tende a ser afetado. Nesse cenário, cabe às autoridades analisar essas questões domésticas e ver o que pode ser feito para impulsionar o crescimento, sem gerar desequilíbrios macroeconômicos, diz o FMI.
O documento é o capítulo 4 do relatório Perspectivas para a Economia Mundial (WEO, na sigla em inglês), a ser divulgado na íntegra pelo Fundo Monetário Internacional (FMI) na semana que vem, na reunião de primavera do Fundo e do Banco Mundial, a ser realizada em Washington. (Valor Online – 03/04/2014)

China lança pacote para aquecer a economia
Por Bloomberg
A China definiu um pacote de medidas que inclui investimentos ferroviários e corte de impostos com o objetivo fomentar o crescimento e criar empregos, depois que uma desaceleração da atividade econômica colocou em risco a meta do premiê Li Keqiang de alta de 7,5% para o PIB neste ano.
O governo venderá o equivalente a 150 bilhões de yuans (US$ 24 bilhões) em títulos, neste ano, para financiar a construção de ferrovias, principalmente nas regiões central e ocidental do país, menos desenvolvidas, anunciou o Conselho de Estado em declaração ontem, após reunião presidida por Li. As autoridades também criarão um fundo de desenvolvimento entre 200 e 300 bilhões de yuans por ano para ampliar as fontes de financiamento ao setor ferroviário.
Essas medidas ampliam os planos do gabinete visando acelerar projetos de construção, depois que um esfriamento nos setores de manufatura, vendas varejistas e investimentos indicaram um crescimento inesperadamente fraco. A segunda maior economia do mundo cresceu cerca de 7,4% no último trimestre, em relação ao ano anterior, disseram analistas em março, numa queda em relação a uma estimativa média anterior de 7,6%.
"É um mini pacote de estímulo buscando estabilizar o crescimento", disse Xu Gao, economista-chefe da Everbright Securities, em Pequim. "À medida que a taxa de crescimento desacelera, tendendo ao extremo inferior de uma banda razoável, o premiê Li está tentando fazer alguma coisa para retomar um crescimento adequado."
As políticas e o "decidido engajamento" do governo no sentido de atingir um crescimento de 7,5% significam que a expansão provavelmente acelerará no segundo trimestre, disse Xu, ex-funcionário do Banco Mundial.
O Conselho de Estado disse que o país estenderá uma política tributária preferencial para beneficiar mais empresas de pequeno porte e ampliar o financiamento à construção de habitação para segmentos de baixa renda.
A China planeja construir mais de 6.600 km de novas linhas ferroviárias neste ano, mil quilômetros a mais do que em 2013, segundo o comunicado. Quase 80% dos investimentos do governo central serão destinados às regiões central e ocidental.
"Precisamos implementar políticas que estimulem a vitalidade das empresas, aumentando efetivamente a demanda e estimulando a criação de empregos", disse o governo. A aceleração dos projetos ferroviários "aumentará os investimentos eficazes e estimulará o desenvolvimento de setores de atividade relevantes", disse a nota.
O premiê Li está tentando equilibrar o crescimento sustentável e o emprego refreando uma onda de concessão de crédito e reduzindo a poluição que asfixia cidades em todo o país. Dois indicadores de atividade no setor de manufatura chinês divulgados em 1º de abril revelaram um esfriamento da economia no mês passado, tendo o Índice de Gerentes de Compras compilado pelo HSBC e pela Markit Economics caído para os mais baixos níveis desde julho. O birô de estatísticas divulgará em 16 de abril dados sobre o Produto Interno Bruto do primeiro trimestre.
O Banco de Desenvolvimento da China criará um órgão com orçamento independente para vender títulos vinculados ao mercado habitacional destinados a financiar iniciativas de renovação urbana em áreas pobres e projetos de infraestrutura urbana. Esse órgão buscará financiamento junto a instituições financeiras, bancos comerciais, fundos de seguridade social e seguradoras. "A aceleração da transformação de favelas e a mudança de milhões de residentes para prédios modernos" poderão "vigorosamente, fomentar investimentos e estimular o consumo", disse o Conselho de Estado. (Valor Online – 03/04/2014)

Rússia começa a superar as sanções
As autoridades da Rússia sinalizaram ontem que o país conseguiu sobreviver ao pior da tempestade econômica causada pela anexação da Crimeia, mas reconheceu que a crise afetou o crescimento e impulsionou a inflação.
O tumulto em torno da ocupação da região ucraniana colocou a economia da Rússia numa espiral descendente, provocando enormes saídas de capital e a queda do rublo para mínimos recorde.
As limitadas sanções ocidentais que se seguiram criaram um desconforto inicial, mas não causaram danos maiores à economia como um todo. Isso abre caminho para uma recuperação, talvez mais isolada em relação aos sistemas financeiros globais.
Num sinal de confiança de que o rublo já se recuperou um pouco, o ministro da Fazenda russo, Anton Siluanov, disse que o ministério vai retomar nos próximos dias a compra de moedas estrangeiras para recompor o fundo de reservas do país. As compras diárias de 3,5 bilhões de rublos (US$ 99,8 milhões) em moedas estrangeiras foram interrompidas no dia 4 de março para reduzir a pressão sobre a combalida moeda russa.
O anúncio causou uma desvalorização de 0,7% no rublo ontem. O dólar fechou valendo 35,35 rublos. Embora com ajuda do banco central, houve uma significativa recuperação recentemente do rublo em relação ao seu mínio histórico, de 37 rublos por dólar, em 3 de março. O Banco da Rússia divulgou que gastou US$ 22,3 bilhões e outros u20ac 2,3 bilhões (US$ 3,2 bilhões) para apoiar o rublo em março - a maior intervenção desde janeiro de 2009.
Também ontem, o Ministério da Fazenda realizou seu primeiro leilão de títulos do Tesouro desde o fim de fevereiro, o que indica que está pronto para captar recursos a custos mais elevados. Os rendimentos para seus títulos de dívida de dez anos passaram de cerca de 8%, há dois meses, para quase 9%.
"Esse leilão é um tipo de sinal de que o mercado está começando a funcionar de maneira normal. Mas acho que seria prematuro dizer que a Rússia está retornando completamente à antiga realidade", diz Vladimir Kolychev, economista-chefe do VTB Capital.
A presidente do Banco da Rússia, Elvira Nabiullina, disse que não há planos para cortar as taxas de juros antes de junho, o que significa que a decisão de aumentá-las em 1,5 ponto percentual no início de março, para reforçar o rublo, permanecerá em vigor, pelo menos até então, apesar de uma desaceleração no crescimento econômico.
Nabiullina disse que a inflação ao consumidor, o principal objetivo do banco central, caminha para ficar acima da meta estabelecida para este ano, de 5%. Ainda segundo ela, o crescimento econômico pode não atingir sequer 1%.
Mas, à medida que o governo russo se encontra cada vez mais isolado por causa do impasse com o Ocidente sobre a Crimeia, o presidente Vladimir Putin tem pressionado por uma maior autossuficiência econômica, ordenando, por exemplo, a criação de um sistema nacional de pagamento eletrônico, o que deixaria a Rússia livre da dependência da Visa ou da MasterCard. Ambas as empresas limitaram seus sistemas de pagamentos internacionais aos bancos russos que foram afetados por sanções.
Andrei Kostin, chefe do VTB, o segundo maior banco da Rússia, disse que o sistema nacional de pagamento deve ser criado o mais breve possível. Durante um fórum do setor bancário, Kostin disse que a Rússia também deve mudar seu comércio internacional para o rublo e que as primeiras ações devem ser tomadas por empresas voltadas para a exportação, como a Gazprom e a Rosneft.
Kostin disse que a Rússia enfrenta agora uma espécie de "guerra fria financeira" e que as instituições do país deveriam fazer todo o possível para evitar que isso se torne uma guerra financeira com ânimos aquecidos.
A Rússia também está se preparando para criar sua própria agência de classificação de risco. Valentina Matvienko, presidente do Senado russo e ela mesma alvo de sanções ocidentais, disse que o Parlamento se reunirá na próxima semana para discutir a criação de uma agência nacional de classificação de risco que, de acordo com ela, será objetiva e independente do ambiente político.
As três empresas internacionais de classificação de risco de crédito -Standard & Poors, Fitch Ratings e Moodys Investors Service - rebaixaram a perspectiva da classificação de risco da dívida soberana da Rússia após a iniciativa do país de anexar a Crimeia. (Valor Online – 03/04/2014)

Brasil e Rússia são os menos integrados às cadeias globais de valor
SÃO PAULO - De 57 países estudados em um período de 15 anos (1995 a 2009) pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), Brasil e Rússia aparecem como aqueles com a menor participação de produção estrangeira na composição das exportações totais. De acordo com Ken Ash, diretor para Comércio Exterior e Agricultura da organização, a concentração das vendas ao exterior desses países em produtos básicos ajuda a tornar o comércio exterior brasileiro e russo “mais fechado”.
O diretor apresentou, nesta quinta-feira, 3, estudo no qual o Brasil aparece com 90% de sua exportação composta por produção nacional. O percentual russo – o maior do mundo – é um pouco mais elevado.
“Não é uma crítica a esses países. Até pela natureza dessas economias, de grandes produtores de recursos naturais, vai haver menor valor agregado na produção”, afirmou Ash durante seminário sobre cadeias globais de produção e valor agregado realizado na manhã de hoje, na sede da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp).
Os países que mais possuem participação de importados para a produção exportada – China e Alemanha – de acordo com Ash, são também aqueles mais integrados às cadeias globais de valor e que possuem grau elevado de valor agregado nas vendas ao exterior.
“Empresas do mundo todo estão importando intermediários para melhorar a produtividade e competitividade para vender no mercado interno ou exportar. Você não vai ser competitivo hoje se não tiver acesso aos bens intermediários com melhores tecnologias e valores mais baixos”, disse Ash. (Valor Online – 03/04/2014)

Empresários reclamam da burocracia
BRASIL
Quase a totalidade dos empresários brasileiros relata encontrar obstáculos na hora de exportar. Segundo pesquisa realizada em 2013 pela Confederação Nacional da Indústria (CNI )com 640 empresários, apenas 5,3% dos entrevistados afirmaram que não enfrentam dificuldades. A CNI considera que o principal entrave é a burocracia alfandegária e, por isso, vem atuando fortemente com o governo brasileiro em acordos de liberalização do comércio, como o realizado pela Organização Mundial do Comércio (OMC) na Indonésia.
Entre os principais problemas citados pelos empresários estão também as greves na movimentação e liberação de cargas, o frete internacional, tributos e o ressarcimento de créditos tributários. Pesam ainda a adequação de produtos e processos, barreiras tarifárias no mercado de destino, operações portuárias e aeroportuárias, acesso ao financiamento às exportações e financiamento da produção. A CNI informou também que houve queixas quanto a barreiras técnicas no mercado de destino, transporte interno, serviços de apoio à promoção das exportações, exigências e adequações no canal de comercialização e seguro de crédito.
A infraestrutura é questão-chave para os empresários. Das sete modalidades de infraestrutura investigadas pela CNI - portos, rodovias, energia elétrica, aeroportos, ferrovias, hidrovias e telecomunicações - em seis o percentual dos que afirmam que as condições atuais da infraestrutura atrapalham supera a parcela que afirma que as condições ajudam. Somente os serviços de telecomunicações receberam a aprovação do empresariado. Na opinião dos entrevistados, o segmento que poderia trazer mais benefícios é o de portos. (Brasil Econômico – 02/04/2014)

Itamaraty encerra debates que vão compor o Livro Branco da Política Externa
Danilo Macedo ­- Repórter da Agência Brasil
Edição: Davi Oliveira
Após quase quatro horas de apresentações orais dos relatores de 14 painéis sobre variados temas da agenda diplomática brasileira, o ministro Luiz Alberto Figueiredo Machado encerrou hoje (2) a série Diálogos sobre Política Externa. Promovida durante o mês de março com a participação de diversos setores do Poder Público e da sociedade civil, as discussões e relatórios produzidos pelos debatedores serão uma das principais fontes para a elaboração, pelo Itamaraty, do Livro Branco da Política Externa Brasileira.
“O Livro Branco será um documento de caráter público, que registrará e divulgará os princípios, as prioridades e as principais linhas de ação externa do Brasil”, explicou o ministro Figueiredo Machado, para quem os diálogos representam um processo de fortalecimento da transparência do Itamaraty e de seus canais de interação com o governo e com a sociedade. “Tenho insistido que a política externa brasileira tem de ser cada vez mais ativa e inclusiva, precisamos ouvir mais a sociedade para ampliarmos nossa capacidade de formular, planejar e executar”.
Presente à cerimônia no Itamaraty, o presidente da Comissão de Relações Exteriores do Senado, senador Ricardo Ferraço, disse que a construção da política externa brasileira não é mais monopólio de diplomatas e políticos, pois frequenta a agenda diária dos brasileiros, que pressionam seus representantes no Congresso também nesta área. “A população está muito atenta às questões relacionadas às escolhas e às definições da nossa política externa, por tudo que ela tem de capacidade de impactar o dia a dia, as perspectivas, as relações de oportunidade no nosso país e a forma como nosso país trabalha para se inserir cada vez mais em razão da sua importância”.
Nesse cenário de maior interesse da sociedade sobre os temas internacionais e a posição do país em relação a eles, o assessor especial para Assuntos Internacionais da Presidência da República, Marco Aurélio Garcia, considera que a série de diálogos inaugura “uma nova prática na discussão da nossa política externa”, com uma saudável pluralidade de enfoques. “Hoje, a diplomacia se torna um exercício mais complexo porque, diferentemente do passado, onde as transformações se davam em um ritmo mais lento, hoje nós temos mudanças absolutamente vertiginosas que fazem com que nosso pensamento e nossa capacidade de avaliação também tenham que evoluir”.
O secretário-geral das Relações Exteriores, embaixador Eduardo dos Santos, explicou que, nos 14 painéis apresentados, foram ouvidos 111 integrantes de órgãos públicos (incluindo 13 parlamentares), 72 acadêmicos, 16 jornalistas, 63 participantes do setor empresarial, 53 membros da sociedade civil, incluindo sindicatos e organizações não governamentais (ONGs), e três representantes de organizações internacionais.
“A diversidade dos setores que participaram nos painéis e o nível das intervenções apresentadas demonstraram o vivo interesse da sociedade no debate sobre a política externa brasileira”, avaliou o secretário-geral, acrescentando que foram cerca de 55 horas de debates abrangendo virtualmente a totalidade da agenda internacional do país.
Até o momento, 75 textos foram apresentados como resultado dos debates. Eles servirão de insumo para a elaboração do Livro Branco da Política Externa Brasileira, que deve ter sua primeira versão finalizada até o fim deste semestre, embora ainda dependa, entre outras coisas, de avaliação das divergências de opiniões apresentadas durante os debates em relação ao posicionamento do Estado brasileiro ante os desafios globais e regionais colocados. (Agência Brasil – 02/04/2014)

Maior déficit em duas décadas
BRASIL
A balança comercial do primeiro trimestre deste ano, de US$ 6,07 bilhões, surpreendeu o mercado, que contava com um volume superior de exportação da soja. Em março, no entanto, houve superávit de US$ 112 milhões
De acordo com dados do governo, as vendas ao exterior de produtos semimanufaturados recuaram 11,4% no trimestre, enquanto as exportações de manufaturados caíram 9,5%
A balança comercial brasileira registrou déficit de US$6,07 bilhões no primeiro trimestre de 2014.
Esse éo pior desempenho em 21 anos. Em igual período do ano passado, também houve déficit, mas um pouco menor, de US$5,15 bilhões, de acordo com números oficiais.
Levando-seem conta somente o mês de março, houve superávit de US$112 milhões, segundo informou o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio (Mdic). Mas esse montante é considerado pequeno. Segundo analistas, os embarques de soja em março foram menores do que o esperado.
'Não esperava umresultado tão baixo no mês de março, porque os embarques de soja já começaram. Houve uma antecipação e em março já foram embarcadas 6,229 milhões de toneladas. É quase o dobro do que exportamos no mesmo mês do ano passado: 3,536 milhões de toneladas. Levando em conta os três primeiros meses do ano, saímos de 4,495 milhões de toneladas em 2013 para 9,049 milhões de toneladas em 2014. Foi decepcionante?, disse o presidente da Associação deComércioExteriordo Brasil (AEB), José Augusto deCastro. ?Isso sem levar em conta o fato de que pagávamos um preço de US$ 540 por tonelada e hoje pagamos US$ 503?, acrescentou.
Nos três primeiros meses de 2014, as exportações somaram US$ 44,58 bilhões, com média diária de US$ 812 milhões, que representa uma queda de 4,1% na comparação com o mesmo período do ano passado.
Já as importações totalizaram US$ 55,66 bilhões, equivalentes a US$ 912 milhões em média por dia útil, com redução de 2,2% sobre o primeiro trimestre de 2013.
O preço das commodities (produtos básicos cotados em bolsa de mercadoria) também preocupa. ?Apenas quatro itens estão conseguindo recuperar as cotações: suínos, bovinos, frango e café?, destacou o presidente da AEB.
O petróleo é outro fator que ajudou a desequilibrar a balança. ?A Petrobras anunciou umaumento de 10% na produção em2014 e metade desse crescimento seria destinada às vendas externas, mas ainda não vimos o impacto disso nas exportações?, disse Castro.
A menor previsão de exportações de plataformas também prejudica a balança. ?No primeiro trimestre de 2013 tivemos umdéficit de R$ 5,1 bilhão, mas exportamos ao longo do ano sete plataformas, no valor total de R$ 7,7 bilhões, o que compensou o desequilíbrio.
Agora, estamos com um déficit de R$ 6 bilhões e vamos exportar somente duas plataformas, no valor de R$ 2,5 bilhões?, comparou Castro.'Por isso, acho que agora estamos numa situação de equilíbrio na balança comercial, mas com viés de déficit no fim do ano", previu o executivo da AEB.
Para a sócia da BarralMJorge Consultores Renata Amaral, se houver um superávit em 2014, será pequeno.
"De até USS 2 bilhões", estimou. Segundo ela, o resultado de abril poderá vir melhor, porque é esperado que seja contabilizado um volume maior de exportações de soja e o novo patamar cambial associado à redução do consumo doméstico deve reduzir as importações de alguns produtos. Mas a perspectiva para o ano não é muito animadora. "Deve haver uma melhora na balança, mas não expressiva.
Estamos com problemas nos preços das commodities. Nos baseamos muito nas exportações de produtos básicos nos últimos anos, vivemos uma desindustrialização", lembrou.
De acordo com dados do governo, as vendas ao exterior de produtos semimanufaturados recuaram 11,4% no trimestre, enquanto que as exportações de manufaturados caíram 9,5 %. Já as vendas de produtos básicos subiram 2% nos três primeiros meses deste ano.
-
RESULTADO
US$44,5bi
Exportação no primeiro trimestre de 2014, com média diária de US$812 milhões.
4,1%
Retração das exportações na comparação com o primeiro trimestre de 2013. Já as importações,de US$ 55,56 bilhões,representaram retração de 2,2% considerando a mesma base de comparação. (Brasil Econômico – 02/04/2014)

Sem saldo expressivo
ANÁLISE: Renata Amaral e Welber Barral
O saldo da balança comercial brasileira registrou o maior déficit nos três primeiros meses deste ano desde o início da sua série histórica, em 1994. O déficit comercial (importações maiores que exportações) resultou em US$ 6,07 bilhões para os três primeiros meses de 2014. Nos números apresentados no acumulado do primeiro trimestre deste ano, as importações somaram US$ 55,66 bilhões - com média diária de US$ 912 milhões -, enquanto as exportações somaram US$ 44,58 bilhões - uma queda de 4,1% na comparação com o mesmo período de 2013, com média diária de US$ 812 milhões.
Considerando-se apenas o mês de março, ainda que superavitária em US$ 112 milhões, trata-se do pior resultado da balança comercial brasileira para meses de março desde 2001, quando se registrou um déficit comercial de US$ 276 milhões. O resultado deficitário era esperado e reflete a conjuntura econômica do Brasil dos últimos anos. Com efeito, algumas das causas para este desempenho são as reduções dos preços das commodities em geral e a crescente importação de petróleo e derivados.
O resultado reflete também falta de competitividade da nossa economia, de alto custo, e que viveu um período de tranquilidade entre 2004 até 2011 com a alta dos preços das commodities e a grande entrada de capital durante este intervalo, que financiaram um enorme aumento da demanda interna. Como enfatizou Edmar Bacha em seu artigo no último número da 'Revista Brasileira de Comércio Exterior' (janeiro/março de 2014), a bonança, de quase 10% do PIB, "foi gerada por uma explosão dos preços das commodities que exportamos e por um extraordinário influxo de capitais estrangeiros".
Em defesa dos números da balança no primeiro trimestre, vale destacar que o Brasil ainda não começou a exportar e contabilizar a safra agrícola 2013/2014, o que só deve acontecer a partir do mês de abril e deve, assim, melhorar o desempenho das exportações. Também um viés positivo para a balança é que, paralelamente às preocupações com a baixa competitividade das exportações que tem sido ressaltada na produção do déficit comercial da balança, prevê-se a possibilidade de uma retração crescente das importações, já que o ritmo do consumo doméstico está diminuindo desde 2013 e o novo patamar cambial deve reduzir o ingresso de alguns produtos. Notadamente, o ritmo do consumo doméstico já recuou a 3,5% no ano passado.
Contudo, se a balança comercial brasileira apresentar superávit em 2014, este será pequeno, provavelmente inferior a US$ 2 bilhões. Os preços das commodities em geral não só pararam de crescer, como há tendência de queda progressiva. Pelo cenário que se desenha para 2014, será difícil o País conseguir um saldo mais robusto. (O Estado de SP – 02/04/2014)

Custos da política externa
Marcelo de Paiva Abreu*
O Itamaraty propôs a elaboração de um Livro Branco contendo, nas palavras do ministro Luiz Alberto Figueiredo Machado, "princípios, prioridades e linhas de ação da política externa". Com vistas a oferecer subsídios a esse processo, organizou "uma série de eventos de diálogo entre governo, Congresso e sociedade civil".
No Brasil, não há tradição quanto à elaboração de documentos oficiais que reflitam as diferentes opiniões de segmentos da sociedade civil sobre temas específicos ou objetivos da política do governo com relação a tais temas. No Reino Unido, país onde tal tradição foi estabelecida originalmente, White Paper é um documento que detalha a política futura quanto a determinado tema e propõe legislação. Em tese, o White Paper faz uso de material produzido por Comissões Reais (Royal Commissions) e Green Papers, destinados a estimular o debate na sociedade civil. A iniciativa do Itamaraty está mais próxima à que caberia a uma Comissão Real, embora o esforço de captação do leque de opiniões da sociedade civil tenha sido menos ambicioso no Brasil. Talvez o esforço de consulta à sociedade civil devesse ter sido mais intenso e em prazo mais dilatado. Seja como for, a etapa crucial do processo é a agregação das opiniões da sociedade civil e sua transformação em recomendações de política, processo sob total controle do governo.
Embora as intenções do ministro sejam louváveis, o "timing" da iniciativa é um tanto peculiar. O que a justificaria, em pleno ano eleitoral, quase 12 anos depois da inflexão da política externa herdada do governo Cardoso? Talvez uma tardia tentativa de recuperação do espaço perdido para assessores presidenciais pelo Itamaraty na formulação da política externa? O Livro Branco conterá recomendações suprapartidárias de política externa? O assessor especial da Presidência da República para assuntos internacionais fez, no lançamento dos diálogos propostos pelo ministro Figueiredo, enfática defesa da tese de que o matiz ideológico do governo do dia deve se refletir na política externa adotada pelo País. O Livro Branco será compatível com essa posição?
Mais do que um Livro Branco ou Verde, a política externa brasileira necessita de um laudo de autópsia. A lista de revezes é considerável. E em quase todos os casos há indeléveis digitais da assessoria do Palácio do Planalto. O problema não é apenas quanto à ênfase ideológica. É também de clara insuficiência quanto à avaliação e análise.
Há episódios políticos custosos cujos danos são de avaliação difícil, embora afetem a imagem do País: frustrada mediação no Oriente Médio, rocambolescos episódios envolvendo políticos hondurenhos e bolivianos, promiscuidade nas relações com governantes desmoralizados nos países vizinhos.
Já em outros casos os prejuízos são tangíveis. A Refinaria Abreu e Lima foi projetada para refinar, em Pernambuco, óleo pesado da Venezuela e do Brasil. Teria participação de 40% da PDVSA como sócia da Petrobrás. Os custos do projeto aumentaram oito vezes desde 2005 e a PDVSA não foi capaz de oferecer nem os recursos nem as garantias necessárias para obter financiamento do BNDES de forma a cumprir suas obrigações. Ao mesmo tempo, setores empresariais brasileiros - empreiteiras e exportadores de produtos agrícolas -, inicialmente entusiasmados com as oportunidades de negócios abertas pelo chavismo, hoje amargam contas atrasadas.
O documento sobre estratégia de política externa útil para qualquer presidente que tome posse em 2015 deve dar maior peso aos objetivos nacionais permanentes e tratar de refletir de forma crítica as idiossincrasias do governo do dia. Deverá buscar o meio-termo entre a omissão - cômoda, porém fatal para a pretensão brasileira de maior visibilidade global - e o ativismo desprovido de meios cujo resultado sempre é a perda de face. *Marcelo de Paiva Abreu é doutor em economia pela Universidade de Cambridge, é professor titular no departamento de Economia da PUC-RIO. (O Estado de SP – 02/04/2014)

'Melhora da região independe de modelo'
Por Fabio Murakawa e Pedro Cafardo | De São Paulo
Prado, sobre o rebaixamento da nota do Brasil: 'Eu não consigo entender muito esse movimento das agências de risco'.
A América Latina reduziu a pobreza à metade na última década, mas continua sendo a região mais desigual do mundo. A afirmação é do brasileiro Antonio Prado, secretário-geral adjunto da Cepal (Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe). Para ele, não há como atribuir essa melhora a modelos mais liberais ou intervencionistas: diferentes países na região, com governos de estilos diversos, conseguiram esse feito. Mas, segundo Prado, a região, de maneira geral, não aproveitou o período de boom das commodities para fazer mudanças estruturais.
Em entrevista ao Valor, ele criticou o rebaixamento da nota de crédito do Brasil pela agência S&P e disse ver vulnerabilidades em países que estão na moda, como México e Chile. Elogiou ainda a política venezuelana de subsídios petroleiros ao Caribe. "Sem isso, o Caribe estaria numa posição terrível", diz. Abaixo, trechos da entrevista.
Valor: Houve queda da pobreza em toda a América Latina na última década. O que influenciou mais essa queda? O boom das commodities ou os gastos sociais?
Prado: O boom das commodities tem um papel fundamental. Principalmente porque os países tiveram a capacidade de acumular reservas e houve um aumento de arrecadação fiscal importante. A região passou por um período de saneamento de dívida, interna e externa, nesse período. O caso do México é um pouco diferente. A pobreza aumentou desde 2002.
Valor: Curiosamente, o México é o país que está tendo o seu rating elevado pelas agências de risco...
Prado: O México é um país que está numa situação absolutamente complicada. Não é só social. O México tem uma carga tributária em torno de 10% a 12% do PIB. Muito baixa. Tem dificuldades imensas de fazer políticas públicas, inclusive de segurança. O problema de segurança no México é gravíssimo. O que acabamos identificando é que essa simplificação de dizer que políticas mais liberais em comparação às políticas mais heterodoxas são mais eficientes, ou o contrário, não é necessariamente verdade. Porque você encontra países que podem ser identificados com uma conduta mais heterodoxa, como a Bolívia, que estão crescendo bem.
Valor: O que está impulsionando a Bolívia?
Prado: Os investimentos estão crescendo na Bolívia por causa do gás. O que eles fizeram na governança dos recursos naturais, de rever as normas regulatórias, permitiu que a Bolívia tivesse uma arrecadação mais elevada, e eles começaram a ter capacidade de investimento maior.
"A situação do México é muito complicada. Com carga tributária baixa, fica difícil fazer políticas públicas"
Valor: Mas há um manejo ortodoxo desses recursos, não?
Prado: Exatamente. Essa é a contradição. O país é heterodoxo do ponto de vista do manuseio da questão da propriedade de exploração dos recursos naturais, mas faz política monetária ortodoxa e política fiscal austera. É interessante isso. E nada mais liberal do que a política mexicana, desde o [Vicente] Fox [presidente mexicano entre 2000 e 2006]. Mas o México não é um grande exemplo de crescimento econômico. É muito difícil dizer qual está sendo mais eficiente do ponto de vista de modelo.
Valor: Qual a opinião da Cepal?
Prado: O que a Cepal vai dizer é que nos países em que se buscou fazer uma mudança estrutural, mesmo em situações em que houve episódios de vulnerabilidade externa, você faz uma mudança que permanece. Vamos comparar o Brasil e o Chile, por exemplo. O endividamento do Chile, como proporção do PIB, é muito maior do que o brasileiro. Ambos têm como característica um endividamento fundamentalmente privado. Agora, o que acontece do ponto de vista de vulnerabilidade? A vulnerabilidade externa do Chile, olhando esses fundamentos de médio e longo prazo, é maior que a brasileira. E a classificação de risco do Chile é melhor que a do Brasil.
Valor: Por que a vulnerabilidade do Chile é maior? É por causa da dependência de uma só commodity?
Prado: Fundamentalmente isso. O cobre tem uma importância para a arrecadação fiscal do Chile que é imensa, quase 40% do total, uma coisa muito significativa. Isso não acontece no Brasil, que é muito mais diversificado em sua estrutura de arrecadação. E o Chile é totalmente aberto e praticamente não tem indústria. Imagine que o ciclo das commodities já passou do pico e que isso continue por mais tempo. Isso vai afetar muito mais a economia chilena do que a economia brasileira no médio e longo prazo.
Valor: Qual é a grande vulnerabilidade estrutural do Chile hoje?
Prado: É a energia. O país importa toda a energia, tanto elétrica como a de combustíveis, e tem imensa dificuldade de expandir a energia hidráulica, pois não conseguem levar adiante os projetos. Eles vinham pensando em energia nuclear, mas depois do terremoto no Japão isso acabou, pois o Chile é um país sísmico e com tsunamis também. Tem poucos rios e existe uma resistência muito grande para a exploração desses recursos.
Valor: No norte, desértico, há também uma resistência muito grande às termelétricas...
Prado: Eles têm energia termelétrica, que é um problema sério. A poluição em Santiago é devastadora, pois a cidade fica em um vale cercado por montanhas. Então, a questão da energia é um problema estrutural, de base. Onde você vai conseguir essa energia? Por isso, faz muito sentido a reaproximação do Chile com a América Latina, sinalizada pela Michelle Bachelet [presidente do Chile].
Valor: O Chile tinha voltado as costas para a América Latina...
Prado: Essa decisão da Bachelet tem sentido, inclusive porque a integração pode ajudá-los na questão energética. O Chile precisaria resolver suas relações, nesse sentido, com a Argentina para poder despachar energia via Argentina para o Chile. No tema de petróleo, a Venezuela está no Mercosul. É também estratégico do ponto de vista de abastecimento de petróleo. Existe um certo crescimento de consciência da importância do processo de integração, que no caso do Chile é crucial. No caso do Paraguai é essencial, porque depende de todos os países em volta para transitar as suas mercadorias. Esse tema da integração vem ganhando cada vez mais importância na agenda, apesar das dificuldades na Argentina, na Venezuela...
Valor: Aqui no Brasil, o discurso dominante é no sentido contrário, de que o Brasil apostou demais no Mercosul e perdeu a aposta, enquanto outros países abriram seus mercados, fizeram acordos de livre-comércio com os EUA e a Europa. E defende-se a tese de que o Brasil precisa agora fazer o contrário: uma abertura para outros mercados.
Prado: Essa é uma crítica curiosa. Porque o que está acontecendo neste momento, em nível planetário, é um reordenamento geopolítico do comércio. Então, você tem as negociações dos EUA com a Europa, as negociações da Europa com o Japão, as negociações dos próprios asiáticos entre si, criando um grande bloco na Ásia. Tem o TPP [Acordo de Associação Transpacífico], entre Estados Unidos, os Países da Aliança do Pacífico [México, Chile, Peru e Colômbia] e com a Ásia, menos a China... Tem uma frase do Raúl Prebisch [argentino, secretário-executivo da Cepal entre 1949 e 1963] que diz que "o insumo fundamental dos acordos de comércio é o poder". Os acordos bilaterais podem dar a impressão de que você gera grandes possibilidades. Mas, na verdade, se você não tem capacidade de criar um grupo de países para negociar com esses outros grandes blocos, você sempre vai estar em desvantagem.
Valor: Não seria importante para o Brasil um acordo comercial com a União Europeia?
Prado: É importante desde que seja junto com o Mercosul. Tem que conseguir dobrar os argentinos para fazer esse acordo. A região continua seguindo o ciclo dos países desenvolvidos, e com um nível de aderência muito alto, chega a quase 80%. Está menos exposta, mas ainda muito é dependente das flutuações cíclicas dos países desenvolvidos.
Valor: A recuperação americana e uma eventual recuperação da economia na Europa podem compensar a desaceleração da China?
Prado: É claro que a Europa se recuperar e os EUA se recuperarem é fundamental para a região como um todo. A Europa é o maior investidor na América Latina. A China passou por aqui em 2010 e foi embora. Mas a recuperação teria que ter um vigor maior do que a que está tendo, para compensar. A China vinha crescendo 12% ao ano, caiu para 7,5%. É muito provável que reduza ainda mais. Nos próximos anos, isso pode cair para 5%. A China vai ter que fazer um rearranjo da estrutura de gastos. Hoje, 50% são investimento. Eles vão ter que aumentar o consumo. No caso do Brasil, da Argentina e do Paraguai, que produzem alimentos, eles vão continuar importando alimentos. Mas minérios, não.
Valor: Como a região pode reduzir essa dependência das economias mais avançadas?
Prado: A nossa intenção, a agenda da integração é histórica na Cepal. Nós continuamos achando que a região tem que buscar complementariedades entre os países e aumentar o comércio intrarregional, que está em 18%, enquanto o Nafta está em 44%, a Europa em 66%, a Ásia, em 44% também. E a integração de cadeias de valor é muito baixa. A não ser a integração da indústria automobilística brasileira com a argentina, não tem mais esse tipo de cadeias produtivas integradas. Nós vemos o tema da integração como estratégico para o desenvolvimento regional.
Valor: Como o sr. viu o rebaixamento da nota de crédito do Brasil pela agência S&P?
Prado: Eu não sei se eles estão olhando dados muito conjunturais. A dívida bruta brasileira está mais ou menos estabilizada. E a líquida vem caindo. Desse ponto de vista, eu não consigo entender muito esse movimento das agências de risco. E, se você me pergunta, não como Cepal, mas como economista, eu diria que depois da crise do subprime as agências de risco estão devendo explicações planetárias, por ter classificado AAA aqueles títulos do sistema imobiliário americano. É uma questão complexa, é muito grave o que aconteceu depois da crise. Por isso, eu olho e digo "reduziu a classificação de risco do Brasil", num país em que a dívida bruta está estabilizada, as reservas internacionais são de US$ 380 bilhões. Eu não diria que é um país vulnerável. Na classificação de risco, você considera capacidade de pagamento e a vontade de pagamento. Uma coisa é objetiva, a outra, subjetiva. Eu não vejo em nenhum desses dois problemas no caso brasileiro.
Valor: Quais são as vulnerabilidades do Brasil?
Prado: Eu não olho o Brasil e vejo um país com vulnerabilidade extrema. O Brasil tem vulnerabilidades, uma delas é que a produtividade não cresce. Assim como na América Latina inteira. É uma coisa impressionante. E isso é um problema, nós estamos muito preocupados com isso. Como você pode continuar um processo de redução de pobreza nessa velocidade e diminuir desigualdades, se não há crescimento sustentado da produtividade?
Valor: A região diminuiu a pobreza, mas ainda há muita gente em situação vulnerável, não?
Prado: Outro problema é esse. Saíram quase 60 milhões de pessoas da pobreza na América Latina, metade no Brasil. Mas esses milhões estão um pouco acima da linha da pobreza. Ainda tem vários milhões que estão numa franja de vulnerabilidade. Não são classe média, são quase pobres, e que não querem voltar à situação anterior. A continuidade desse processo de redução de pobreza e distributivo é crucial do ponto de vista da estabilidade econômica, social e política da região.
Valor: Por que a região ainda tem a infraestrutura tão precária?
Prado: A região não aproveitou esse período de bonança das commodities para fazer investimentos fundamentais. O déficit de infraestrutura é muito grande. Para chegar a um patamar parecido com o da Coreia do Sul, seria necessário investir algo em torno de 6% do PIB ao ano por pelo menos dez anos.
"Sem ajuda da Venezuela, o Caribe estaria numa situação terrível, com falta de energia em meio a uma crise de dívida"
Valor: O Brasil vem mantendo desemprego muito baixo, apesar do crescimento fraco, assim como outros países da região. Até quando essa situação pode se sustentar?
Prado: Eu acho que nós já estamos chegando a um limite. A taxa de ocupação continua crescendo, mas a um ritmo cada vez menor. E a taxa de desemprego continua caindo, mas a uma velocidade cada vez menor. A taxa de desemprego vai começar a subir nos próximos dois ou três anos e a taxa de ocupação vai começar a cair.
Valor: Como o sr. vê a atual situação da Argentina?
Prado: O caso da Argentina é curioso. Nove em dez economistas teriam dito, já há cinco anos, que a Argentina não tem condições de continuar no processo em que estava. Na verdade, a Argentina vem conseguindo manejar a situação, apesar de todas as dificuldades. É muito difícil dizer. Você olha um país que tem que fazer intervenções muito pontuais na área cambial, de comércio, de abastecimento, e diz que é complexa esse tipo de situação. Mas eles vêm conseguindo administrar.
Valor: E o caso da Venezuela?
Prado: O caso da Venezuela é muito mais grave. Porque a inflação está em mais de 50% ao ano. E a Venezuela aproveitou o período do crescimento dos preços do petróleo para fazer uma política redistributiva, que foi bem sucedida para reduzir a pobreza e a desigualdade, mas que não gerou nenhuma capacidade. Esses excedentes foram consumidos nas políticas redistributivas, como eram consumidos antes numa estrutura distributiva mais concentrada. Os recursos da PDVSA, muitos e muitos bilhões de dólares, foram usados em programas sociais. Mas, do ponto de vista estrutural, não há mudança significativa. Tem muita importância o que você faz com esse excedente de renda. Se você o consome, o problema pode ser até maior. O recurso é não renovável, vai embora, e você consumiu e acabou, não tem mais nada.
Valor: Como o sr. vê a política venezuelana de exportação subsidiada de petróleo para países do Caribe, por meio da Petrocaribe?
Prado: Eu diria que, se a Venezuela não tivesse feito isso, o Caribe estaria em situação ainda pior. O Caribe hoje está numa crise de dívida externa. A Jamaica tem um endividamento de 120% a 140% do PIB. E isso é mais ou menos o padrão no Caribe. Na verdade, a Petrocaribe ajudou muito o Caribe a não estar numa crise ainda mais profunda. Tem um custo para a Venezuela, evidentemente. Mas, sem isso, o Caribe estaria numa situação terrível. Quase todos os países do Caribe têm desemprego elevado, não crescem há muito tempo, ou crescem muito pouco. Essas coisas da solidariedade internacional têm, muitas vezes, uma percepção negativa, mas imagine toda uma região em crise ainda mais profunda por falta de energia. Isso impede que uma subregião entre em uma crise social profunda. (Valor Online – 02/04/2014)

Secretários debatem simplificação comercial no Fórum Econômico
Os secretários de Comércio Exterior, Daniel Godinho, e de Comércio e Serviços, Humberto Ribeiro, do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC) estão na Cidade do Panamá onde participam da edição latino-americana do Fórum Econômico Mundial. Ontem à noite, os secretários falaram durante um painel temático sobre o Brasil relacionado a medidas e políticas públicas para simplificação e facilitação comercial.
Na oportunidade, Godinho apresentou o trabalho que vem sendo desenvolvido pelo governo brasileiro para o lançamento, em breve, de um portal único de comércio exterior, um sistema de 'single window' para reformulação das operações de exportação, importação e trânsito aduaneiro. O objetivo é estabelecer processos mais eficientes, harmonizados e integrados entre os intervenientes públicos e privados no comércio exterior.
"Por meio dessa iniciativa, o Brasil pretende implementar ou aprimorar a implementação de mais de uma dezena de medidas previstas no acordo de Bali", afirmou o secretário de Comércio Exterior, em referência ao Acordo sobre Facilitação de Comércio, concluído na Conferência Ministerial de Bali, promovida em novembro do ano passado pela Organização Mundial do Comércio (OMC).
Godinho explicou que o Brasil já cumpre com a disponibilização de informações sobre estas operações pela internet, conforme previsto no acordo, mas que elas estão dispersas em diversas páginas eletrônicas. Com o portal, será possível acessar todas elas em um ambiente único, além de consultar a legislação relativa ao comércio exterior.
Pelo portal, os operadores também poderão acessar ao serviço unificado de solução de dúvidas, o Comex Responde, que se enquadra no conceito de 'enquiry point', que trata o entendimento firmado em Bali. O portal deverá ainda contemplar o pagamento eletrônico de taxas e permitirá a introdução de novas ferramentas de gerenciamento de riscos. Além disso, o portal deverá integrar os sistemas utilizados para o drawback suspensão integrado, de forma a simplificar a utilização do regime pelos exportadores e importadores, com maior segurança, segundo expôs Godinho em sua palestra.
Já o secretário de Comércio e Serviços do MDIC, Humberto Ribeiro, afirmou no evento que o governo brasileiro está focado em enfrentar a burocracia que afeta aos pequenos empresários. "O Brasil tem hoje o maior programa de formalização do mundo, com empreendedores que podem se formalizar em apenas dez minutos pelo Portal do Empreendedor", relatou o secretário.
Ribeiro comentou ainda as atividades do Sistema Integrado de Comércio Exterior de Serviços, Intangíveis e Outras Operações que Produzam Variações no Patrimônio (Siscoserv), que, em seu primeiro ano de funcionamento, já registrou mais de quatro mil transações. "Esse banco de informações irá servir de base para formulação de políticas e ações públicas para estimular o desenvolvimento do setor de serviços brasileiro", disse. (MDIC – 02/04/2014)

Governo mantém projeção de superávit para a balança em 2014
Por Lucas Marchesini
BRASÍLIA - O Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (Mdic) manteve a previsão de fechar 2014 com um superávit comercial, apesar do primeiro trimestre do ano apresentar o maior déficit na balança comercial desde o início da série histórica iniciada em 1994 — de US$ 6,072 bilhões.
De acordo com o diretor do departamento de estatísticas e apoio ao comércio exterior, Roberto Dantas, isso será possível, entre outros fatores, graças a um aumento na produção de petróleo no segundo semestre deste ano.
Esse movimento possibilitará um crescimento nas exportações de óleo e derivados, que no primeiro trimestre cresceram 3,2%, e uma diminuição nas importações desses produtos, que até o momento caíram 11,1%.
A redução na conta petróleo, que passou de déficit de US$ 5,810 bilhões no primeiro trimestre de 2013 para US$ 4,548 bilhões no primeiro trimestre de 2014 “foi [possível] pela diminuição nas importações, mas expectativa é que tenha uma ampliação, crescimento mais significativo, na exportação da conta petróleo”, avaliou Dantas. (Valor Online – 01/04/2014)

Balança comercial de março tem superávit de US$ 112 milhões
Brasília - No mês de março, os embarques brasileiros ao exterior superaram as compras externas, resultando em um superávit de US$ 112 milhões. O saldo positivo mensal foi resultado de exportações de US$ 17,628 bilhões (média diária de US$ 927,8 milhões) e importações de US$ 17,516 bilhões (média de US$ 921,9 milhões). Pela média, houve aumento de 16,5% sobre os embarques de fevereiro de 2014 (US$ 796,7 milhões) e sobre março de 2013 (média de US$ 966 milhões) as exportações registraram retração de 4%. Já as importações tiveram crescimento de 2,1% em março, em relação a fevereiro (média de US$ 903 milhões), e queda de 3,8% sobre o mesmo período de 2013 (média de US$ 957,9 milhões). A corrente de comércio chegou a US$ 35,144 bilhões.
No acumulado do ano, as vendas ao exterior totalizaram US$ 49,588 bilhões. Pela média diária (US$ 812,9 milhões), houve redução de 4,1% em relação aos três primeiros meses de 2013 (US$ 847,3 milhões) e as compras externas chegaram a US$ 55,660 bilhões (média de US$ 912,5 milhões), o que representou uma queda de 2,2% sobre o mesmo período de 2013 (US$ 933,2 milhões). A corrente de comércio foi de US$ 105,248 bilhões e o saldo comercial ficou negativo em US$ 6,07 bilhões.
Em entrevista coletiva realizada no auditório do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC) para comentar os resultados da balança comercial, o diretor do Departamento de Estatística e Apoio à Exportação (Deaex), Roberto Dantas, informou que a balança de petróleo e derivados (com déficit US$ 4,548 bilhões) teve grande peso para o resultado geral da balança comercial brasileira. “A conta petróleo responde por 75% do saldo negativo do comércio exterior brasileiro no primeiro trimestre de 2014”, disse. Mas, segundo o diretor do Deaex, há uma tendência de superávit para 2014. “A nossa expectativa é que a partir do aumento da produção de petróleo tenhamos, já no segundo semestre, uma melhora significativa deste resultado, gerando mais exportação e uma redução do déficit comercial”. Dantas destacou, ainda, o bom desempenho de outros produtos. “Trabalhamos com a expectativa de fechar o ano com saldo positivo por conta da melhora da conta petróleo e das exportações de produtos como soja e carne in natura”.
O trimestre teve recorde nos embarques de soja em grão (US$ 4,551 bilhões, e aumento de 84,4% em relação ao mesmo período de 2013); de carne bovina in natura (US$ 1,345 bilhão; crescimento de 14,7%) e de couros e peles (US$ 700 milhões; crescimento de 27,3%), entre outros.
Os principais países de destino das exportações, no acumulado do ano, foram China (US$ 9,6 bilhões); Estados Unidos (US$ 5,8 bilhões); Argentina (US$ 3,6 bilhões); Países Baixos (US$ 2,9 bilhões); e Japão (US$ 1,5 bilhão). E os principais países de origem das importações brasileiras foram: China (US$ 9,7 bilhões); Estados Unidos (US$ 8,8 bilhões); Alemanha (US$ 3,5 bilhões); Argentina (US$ 3,3 bilhões) e Coreia do Sul (US$ 2,4 bilhões). (MDIC – 01/04/2014)

Governo dobra número de ações para conter importação
As ações antidumping e os aumentos de alíquotas de importação cresceram significativamente no País e estão sendo cada vez mais adotadas pelo governo brasileiro nos últimos anos. O intuito é combater a deterioração das contas externas e o déficit na balança comercial brasileira.
No entanto, um estudo recém-concluído pelo Grupo de Economia de Infraestrutura e Soluções Ambientais da Fundação Getulio Vargas (FGV), "Política de comércio exterior, avaliação, perspectivas e estudo de casos", mostrou que o efeito dessas medidas sobre a balança comercial ainda é limitado e ineficaz em alguns setores da economia.
O estudo mostra que, entre 2012 e 2013, foram iniciadas mais de 60 investigações antidumping pelo Departamento de Defesa Comercial (Decom), praticamente o dobro da média nos dois anos anteriores, entre 2010 e 2011. Esse tipo de investigação tem como objetivo combater importações de itens com preços abaixo do valor de produção, com o objetivo de serem mais competitivos que os produtos locais.
No entanto, a abertura de uma investigação não significa, necessariamente, que o direito antidumping será aplicado. Nos últimos anos o número de investigações que foram encerradas sem que o direito antidumping fosse aplicado também foi significativo. Por exemplo, das 36 investigações encerradas em 2012, apenas 15 foram concluídas com a aplicação de direito antidumping. Já em 2013, das 56 investigações encerradas, 44 foram concluídas com a aplicação do direito.
As aplicações antidumping, como já era de se esperar, têm sua origem principal de produtos da China. Em segundo lugar, estão os Estados Unidos e, logo após, a Índia e a Coreia do Sul.
O aumento das investigações é resultado das novas regras do setor que entraram em vigor pelo Decreto 8085/2013. O decreto reduziu o prazo médio para investigações preliminares de 180 para 120 dias, o prazo médio das investigações antidumping de 15 para 10 meses. Além disso, o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio também ampliou seus quadros com a contratação de mais investigadores.
Apesar do aumento das medidas pontuais, é necessário que se faça uma reavaliação da política comercial brasileira, tendo em vista o novo cenário internacional. Além disso, é preciso avaliar também o custo e benefício da adoção de medidas de proteção à indústria nacional.
Um estudo de caso da FGV em relação à importação de luvas não cirúrgicas demonstrou um erro da atual política comercial. Em fevereiro de 2011, a alíquota de importação sobre esse produto foi de 16% para 35%. A medida foi implementada com a intenção de tornar o país autossuficiente na produção de luvas, por meio do apoio da única fabricante nacional, a Lemgruber. No entanto, o que aconteceu na prática foi que, dois anos após o aumento da alíquota, a Lemgruber entrou em recuperação judicial e o Brasil voltou a ser dependente do mercado externo. Com a alta da alíquota, os hospitais verificaram uma alta dos preços em 20%.
Para o economista Gesner de Oliveira, ex-presidente do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) e um dos autores do levantamento da FGV, é preciso haja uma análise mais contundente em relação ao custo e benefício das medidas pontuais adotadas pelo governo. "É preciso uma análise mais apurada e objetiva. Como no exemplo das luvas não cirúrgicas. Importa-se um produto para o sistema de saúde. E a saúde está com a inflação em quase 9%. Não há produção nacional. E a empresa que supostamente seria protegida por essa elevação da alíquota de 35%, quebrou, encarecendo as contas dos hospitais públicos e particulares. Analisando as licitações até dos hospitais das clínicas, que são públicos, vimos que se paga mais caro por um produto que tem uma alíquota de importação que não tem razão de ser", diz.
Outra frente importante é que o Brasil precisa se engajar mais intensamente em realizar acordos preferenciais de comércio. "O Peru e o Chile, por exemplo, tem mais de 50 acordos preferenciais, cada um. Enquanto isso, o Brasil tem acordos apenas com Palestina, Israel e Egito. É muito pouco para o nosso comércio. O Brasil está fora de um jogo importantíssimo", ressalta Gesner.
Gesner também comenta que um acordo comercial entre o Mercosul e a União Europeia também beneficiaria muito a economia brasileira, incluindo as micro, pequenas e médias empresas. "Quando uma grande empresa, como a Vale, exporta, a cadeia de suprimentos demanda para milhares de outras empresas pequenas e médias. O fortalecimento da cadeia de suprimentos será positivo", diz Gesner. (Diário do Comércio e Indústria – 01/04/2014)

Ação antidumping no país dobrou em 2013
Patricia Büll
Para Gesner Oliveira, a defesa comercial precisa ser complementada com ações de competitividade. Foto: Patricia Stavis
Entre 2012 e 2013, foram iniciadas mais de 130 investigações, o dobro da média dos dois anos anteriores, aponta estudo da FGV
São Paulo - Deterioração das contas externas e déficit da balança comercial são alguns fatores apontados pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) que levaram o governo a dobrar o número de investigações antidumping nos últimos anos como forma de proteger a indústria nacional. Entre 2012 e 2013, foram iniciadas mais de 130 investigações pelo Departamento de Defesa Comercial do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), o dobro da média dos dois anos anteriores.
Os dados fazem parte do estudo elaborado pelo Grupo de Economia e Infraestrutura e Soluções Ambientais da Escola de Administração de Empresas de São Paulo. "A defesa comercial é legítima quando se tem concorrência desleal, mas o que se viu nos últimos anos é que investigações foram adotadas de forma arbitrária, sem levar em conta o custo-benefício das medidas", diz Gesner de Oliveira, professor da FGV e um dos responsáveis pelo estudo.
Como exemplo ele cita o aumento do Imposto de Importação de luvas não cirúrgicas em 2011, de 16% para 35%. Sob o argumento de que era preciso tornar o país austossuficiente, aumentou-se o imposto como forma de estimular a produção nacional. Isso se deu através de uma única empresa, que em 2013 entrou em recuperação judicial e o país voltou a ser dependente do mercado externo.
"A elevação da alíquota de importação coincidiu com o período de alta do preço das luvas não cirúrgicas no mercado internacional, após a pandemia da gripe H1N1, tornando ainda mais elevado o preço final para o consumidor brasileiro em hospitais e laboratórios", diz Oliveira. Ele destaca que apesar da importância do produto na cadeia dos serviços de saúde e da recuperação judicial da principal produtora, o governo ainda não reduziu a alíquota.
Para o pesquisador, esse caso prova a necessidade de uma reavaliação da política dedefesa comercial do Brasil. "Não se resolve problemas de competitividade e déficit das contas externas com medidas pontuais. O caminho para isso é reforçar acordos bilaterais e a inserção do país nas cadeias de geração de valor, além de adotar medidas que propiciem a melhora da competitividade", afirma. Ou seja, para Gesner Oliveira é bom ter uma política de defesa comercial, desde que seja complementada por ações de competitividade.
Diretor titular adjunto do Departamento de Relações Internacionais e de Comércio Exterior da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), Eduardo Ribeiro diz que esse aumento de investigações não é surpreendente, mas justo. "As investigações de dumping são solicitadas quando o preço praticado aqui dentro é menor do que no país de origem. E esse crescimento é uma consequência de o Brasil ter se tornado destino de mais importados nos últimos anos, por contada crise internacional. Com mais concorrência e menos mercados, as indústrias estrangeiras voltam os olhos para países onde os efeitos da crise foram menos danosos. Verdade ou não, é assim que o Brasil se vende no exterior e não é de estranhar que o país se torne destino de tantos produtos", explica Ribeiro.
De qualquer forma, Ribeiro explica que de cada 100 solicitações de investigação, 50% sequer prosseguem. Das outras 50, apenas 25 têm algum tipo de progresso na tarifa de importação. "A adoção de uma tarifa maior de importação não elimina a concorrência que era considerada desleal, mas produz uma competição equitativa para os dois produtos", afirma.
Segundo Ribeiro, os setores que mais sofrem com concorrência desleal - a exemplo do que ocorre emoutros países industrializados - são o metalúrgico (30% dos pedidos de investigação); químico (21% do total); plástico (24% ) e têxtil (8,5%). (Brasil Econômico – 01/04/2014)

Brasil e AL mais vulneráveis
Em vez de protestar contra o rebaixamento da nota de crédito do País pela Standard & Poor's, a presidente Dilma Rousseff deveria dar atenção à advertência do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID): os países latino-americanos estão menos preparados para um choque externo do que estavam em 2007, quando bancos americanos começaram a quebrar, prenunciando a Grande Recessão. O aviso vale para toda a região e é especialmente útil para países como o Brasil, onde se combinam vários desajustes importantes - inflação elevada e resistente, contas públicas em deterioração, baixo ritmo de crescimento econômico e transações correntes no vermelho.
Sem discutir em detalhe os grandes problemas de cada país, o estudo chama a atenção principalmente para a piora das condições fiscais e para a dependência crescente, na região, de financiamentos externos. O quadro geral, sem dúvida, é bem menos animador do que o de alguns anos. Durante a maior parte da última década, a América Latina (AL), com exceção de algumas economias muito mal administradas, chamou a atenção pela melhora de seus fundamentos. Durante muito tempo a região havia sido conhecida pela instabilidade política e pela frequência das crises financeiras e econômicas.
Países latino-americanos eram clientes habituais dos programas de ajuda financeira do FMI e podiam servir, em manuais de economia, como exemplos perfeitos da relação entre desajustes fiscais e desequilíbrio das contas externas. Na metade dos anos 90 o Chile ainda era a exceção mais notável. Mas nessa época o cenário já começava a mudar, embora a região ainda tenha sido amplamente afetada por uma crise interna - a do México, em 1995 - e as da Ásia e da Rússia, em 1997 e 1998. A crise brasileira de 1999 foi em parte um reflexo de erros domésticos e em parte um reflexo do problema da Rússia.
Nos primeiros anos do século 21 a imagem da América Latina mudou. O fato foi reconhecido até com entusiasmo nas assembleias conjuntas do FMI e do Banco Mundial, inicialmente com alguma cautela: a mudança seria duradoura? Mas a nova imagem acabou fazendo parte do cenário internacional, quando se confirmaram, por alguns anos, a melhora das finanças públicas e o fortalecimento das contas externas. Com fundamentos muito melhores que em várias décadas anteriores, os latino-americanos suportaram bem os impactos da crise agravada a partir de 2008 e os efeitos da recessão nas economias desenvolvidas.
Quando a crise começou, a maior parte dos governos latino-americanos tinha condições de recorrer a políticas contracíclicas, aumentando os gastos para estimular a atividade e até afrouxando o controle monetário. Em alguns países, no entanto, os estímulos fiscais foram prolongados e incluíram despesas permanentes. As contas externas também se enfraqueceram e esse novo quadro justifica a preocupação indicada no estudo do BID.
Os autores do estudo levaram em conta a possível combinação de três choques: um aperto monetário mais rápido que o esperado, se o crescimento econômico americano superar as previsões; uma queda de rentabilidade do capital nos Estados Unidos; e um crescimento chinês mais lento que o estimado até agora. Os efeitos desses choques foram comparados com um cenário básico - as projeções de janeiro do FMI.
Para o conjunto das economias, o crescimento passaria de 3,3% ao ano entre 2014 e 2016 (projeção do FMI) para 3,2%. O efeito geral seria muito pequeno. No caso do México, o resultado seria positivo, porque o efeito preponderante seria o da recuperação econômica dos Estados Unidos. Para Chile, Colômbia, Equador e Peru o resultado negativo seria sensível, mas a menor expansão ainda seria 4% (caso da Colômbia). O crescimento brasileiro, já baixo no cenário básico (2,8%) passaria a 2,4%, principalmente por causa da dependência em relação à China. A expansão americana seria pouco aproveitada. A estagnação industrial e a baixa competitividade do Brasil, bem conhecidas dos brasileiros, já são componentes da paisagem. (O Estado de SP – 01/04/2014)

FMI aponta de onde vêm os riscos para os emergentes
A integração financeira dos países emergentes com os mercados globais ajuda a diminuir a volatilidade dos preços dos ativos, mas tem aspectos negativos, alerta o Fundo Monetário Internacional em capítulo do Relatório de Estabilidade Financeira Global, preparado para a próxima reunião semestral da instituição, em abril. Para o FMI, a presença crescente de investidores estrangeiros nos mercados locais, se por um lado o amplia e consolida, por outro, em momentos de estresse, fazem com que ele se torne mais vulnerável que antes ao comportamento de "manada" ou aos altos e baixos da demanda global. O Brasil está bem posicionado quanto a isso, pois possui, como recomenda o Fundo, uma demanda expressiva de títulos do governo por investidores domésticos e um setor financeiro robusto. O tom geral é que "a fatia dos títulos da dívida, mais voláteis, tem aumentado" nos fundos de investimento, elevando as chances de instabilidade nos mercados emergentes.
A importância dos investimentos em portfólio nos emergentes aumentou com a elevação dos fluxos brutos de capital, que quintuplicaram nesses países desde 2000. De lá para cá, os mercados financeiros emergentes se diversificaram e as opções dos investidores externos deixaram de ser apenas de ações e títulos soberanos em dólar para incluir o mercado de renda fixa em moeda local e a ativa presença de empresas nacionais nos mercados de títulos americano e europeu.
Os primeiros sinais de que a política monetária americana começaria a se normalizar, emitidos em maio de 2013, sacudiram os mercados emergentes e acenderam um alerta no FMI. Analisando a fragilidade desses países, os técnicos do Fundo tentaram aferir, de um lado, as características específicas dos mercados emergentes e seus pontos frágeis. Depois, e igualmente importante, definiram as características dos tipos de investidores que aplicam nesses mercados, alguns mais propensos, por suas características, a elevar a volatilidade e outros que favorecem a estabilidade.
O FMI procurou ver também se os investidores souberam diferenciar os países emergentes em momento de grandes comoções e avaliou sua conduta desde a crise asiática até a alta instabilidade criada com a possibilidade de fim do afrouxamento monetário nos EUA, em 2013. A resposta é não e as conclusões, que não mencionam países, poderiam trazer alívio e preocupação ao Brasil. "A situação das contas correntes, que tem sido agitada como importante fator de pressão nos preços dos ativos dos mercados emergentes, não parece ter influência robusta", aponta o relatório.
Para o Fundo, na comparação com os fatores globais, os indicadores macroeconômicos domésticos têm papel "ambíguo" na influência sobre preços dos ativos e fluxos. Em alguns casos, previsões de crescimento, inflação e conta corrente não são "estatisticamente" significantes. O Fundo ressalta, entretanto, que as condições macroeconômicas importam mais nos mercados de dívidas, especialmente domésticos, do que no comportamento das ações ou moedas. Importante agora para o Brasil é a asserção que "entre os fatores macroeconômicos, a inflação parece ser o único fator que influi consistentemente em todos os tipos de fluxos e retornos de ativos".
Além disso, grandes reservas internacionais, segundo o relatório, reduzem o impacto de choques financeiros globais nas ações e sobre o retorno dos títulos da dívida, mas não têm efeito significativo sobre retornos obtidos com a instabilidade cambial.
O FMI faz também uma morfologia dos tipos de investidores e sua relação com a volatilidade dos mercados. Fundos de investimento (mútuos) reagem com mais força a choques globais do que os de investidores institucionais e tendem a ser mais desestabilizadores. Entretanto, diante de choques profundos, os investidores institucionais podem abandonar de vez o mercado de bônus por um bom tempo. E, o que é relevante para o Brasil, esses investidores "reduzem sua exposição a títulos da dívida mais persistentemente que os fundos mútuos quando a classificação de um país cai abaixo do grau de investimento". Em relação a ações, os institucionais seguem estratégia que não costuma ser abalada por ciclos de altas e baixas de curto prazo. Uma vez decidida uma mudança de rumo, porém, ela é "persistente". (Valor Online – 01/04/2014)

AL está mais vulnerável do que antes da crise de 2008, diz BID
Por Edna Simão | Da Costa do Sauípe (BA)
As economias na América Latina e Caribe estão mais vulneráveis a choques externos do que estavam no período anterior a 2008, quando estourou a crise financeira internacional. Segundo o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), a elevação dos gastos públicos e do endividamento, principalmente, do setor privado deterioraram as contas e reduziram a capacidade desses países de responder às turbulências.
"Estamos numa situação melhor que nos anos 90, mas a resposta fiscal é pior que em 2007. A primeira mensagem que queremos passar no relatório é que os países devem recuperar a capacidade de regenerar a resposta fiscal para minimizar choques financeiros", disse o economista-chefe do BID, José Juan Ruíz.
Ele destacou que de 2007 a 2013 o déficit fiscal estrutural saltou de 0,5% para 3,1% do PIB. O aumento de 52% do gasto público foi concentrado em despesas inflexíveis (como folha de pagamento, salários e transferências), ou seja, de difícil retirada. "Mais de 2/3 desse aumento foram gastos inflexíveis. São aqueles que não desaparecem", explicou Ruíz.
Para agravar esse cenário, os níveis da dívida pública e da dolarização das economias subiram muito. Segundo o BID, pode haver riscos derivados do forte crescimento do crédito interno, que dobrou nos últimos quatro anos, e da emissão de dívida externa em dólar por firmas não financeiras.
Segundo o relatório macroeconômico para a América Latina o Caribe de 2014 intitulado "Recuperação Global e Normalização Monetária: Escapando de uma Crônica Anunciada", divulgado ontem na reunião anual do BID, realizada na Costa do Sauípe, a região pode estar com maior risco de um cenário chamado de "Parada Súbita" nos fluxos de capital.
"Este é um evento mais dramático, cujo impacto depende do déficit fiscal do país, do déficit de conta corrente e do nível de dolarização e reservas, entre outras variáveis. A maioria dos países da região sofreu uma deterioração nesses indicadores em anos recentes", ressalta o documento.
O BID estima que a região da América Latina e do Caribe deve registrar um crescimento de 3% neste ano e de 3,3% em 2015 devido à esperada recuperação dos Estados Unidos e da Europa.
Se confirmada a previsão de 3% para este ano, o crescimento será ligeiramente superior aos 2,8% apurados no ano passado. Na reunião do BID de 2013 a expectativa era de uma expansão de 3,9% ao ano ao longo de cinco anos. Agora a média para 2015 e 2018 é de um aumento de 3,5%. Esse patamar de crescimento é insuficiente para atender à demanda da população que reivindica por serviços de melhores qualidades. Com reformas estruturais que aumentem a produtividade, o PIB dos países pode ter uma expansão adicional de pelo menos 2,3 pontos percentuais.
Em 2013, México, Brasil, Argentina e Venezuela, cresceram abaixo das expectativas do BID, o que prejudicou a expansão da região como um todo. Apesar de o cenário para 2014 não ter mudado muito, a perspectiva de Ruíz é de que uma expansão mais vigorosa nos EUA represente um impacto relevante sobre as taxas de crescimento na América Latina e no Caribe.
O relatório do BID chama atenção para dois riscos potenciais na região. O primeiro deles se trata dos choques financeiros se as elevações de juros nos Estados Unidos forem mais rápidas do que o esperado. "Olhando para o futuro, taxas de juros mais altas nos Estados Unidos poderiam significar uma redução nos fluxos de capital, o que prejudicará o crescimento e, em alguns casos, levará a depreciações cambiais e inflação mais alta."
Além disso, o documento informa que a desaceleração do ritmo de crescimento da China, que passará também a ser mais concentrado no mercado doméstico do que no externo, deixará mais vulneráveis os países da América do Sul.
"O risco positivo de um maior crescimento nos Estados Unidos e os riscos negativos de baixa nos preços de ativos e menor crescimento na China podem ser mutuamente excludentes, mas os países na região estão expostos a esses riscos de formas diferentes", informa o relatório do BID. (Valor Online – 31/03/2014)

"O Brasil pode crescer 4% ou mais"
Octávio Costa e Rodrigo Carro
"O investimento é o principal seguro contra a inflação futura, uma vez que cria oferta", disse Coutinho. Foto: André Luiz Mello
O presidente do BNDES, Luciano Coutinho, diz que as concessões tornam o setor privado sócio da eficiência
Acostumado a receber no BNDES representantes de agências de classificação de risco, o presidente da instituição, Luciano Coutinho, conversou há duas semanas com analistas da Standard & Poor's, na sede do banco, no Rio. No encontro, a S&P reforçou que vê nos repasses do Tesouro Nacional ao banco estatal um dos focos de desequilíbrio fiscal. Em entrevista ao Brasil Econômico, Coutinho conta que defendeu o peso da instituição de fomento na economia e argumentou que, se o BNDES reduzir de forma radical seus financiamentos, haverá reflexo negativo na taxa de investimento e no crescimento no país.
Seus argumentos, porém, não foram suficientes para evitar, semana passada, o rebaixamento do rating do Brasil pela S&P, vinculando os aportes do Tesouro no BNDES e na Caixa ao desajuste das contas públicas. Mesmo assim, o economista e professor da Unicamp não recua em sua posição. Admite apenas modificar o mix de recursos, reduzindo o nível do repasse oficial e ampliando os mecanismos de mercado. E não abre mão de manter o volume de desembolso do banco, que atingiu R$ 190 bilhões em 2013 e já somou R$ 28,5 bilhões nos dois primeiros meses deste ano.
Ele destaca as vantagens existentes no país: "O Brasil tem oportunidades e fronteiras de investimento rentáveis não plenamente exploradas, e que são a chave para o futuro". E afirma: "O Brasil pode, perfeitamente, crescer a 4% ou mais".
Como o sr. viu o rebaixamento do Brasil pela S&P? No governo, muitos dizem que foi injusto, dadas as condições da economia brasileira...
Vi com a mesma tranquilidade com que o mercado recebeu esse processo. Registrei que, primeiro, havia uma expectativa já formada, e que já havia incidido sobre a precificação dos ativos brasileiros, o que se confirmou depois da divulgação. Não quero fazer um juízo de valor e prefiro olhar para o futuro. Por isso, tenho a convicção na determinação que o governo, sob o comando da nossa presidenta, tem com o compromisso da execução fiscal muito firme, na direção de realizar o superávit primário neste ano. Dessa forma, os resultados virão e corroborarão, para os mercados, a solidez e rigidez das condições brasileiras, em todos os planos. Agrego que, além disso, o Brasil tem um grande estoque de reservas, beirando os R$ 378 bilhões. Não há nenhum risco remoto de insolvência cambial, ou qualquer coisa desse tipo. Além do que, a estrutura da dívida externa brasileira é muito bem distribuída, com uma exposição de curto prazo muito pequena. Acrescento a situação muito sólida do sistema bancário brasileiro. Finalmente, quero chamar a atenção para as fronteiras de investimento muito atrativas que a economia brasileira ostenta. E que tem, no meu entendimento, fundamentado um grande interesse do investimento direto estrangeiro no país.
São necessários ajustes na política econômica atual?
Olhando o conjunto e o potencial da economia brasileira, eu diria o seguinte: nós temos desafios pela frente de fazer certos ajustes. Mas esses desafios são localizados. Não quero dizer que são coisas fáceis. Temos que vencer uma inflação; temos o ciclo da Selic, que está em processo; temos de assegurar que o processo de tapering não produza mais volatilidade cambial; uma série de desafios. Mas esses problemas são endereçáveis e realisticamente enfrentáveis. Inclusive, com potencial de crescimento mais alto do que o verificado, porque o verdadeiro potencial de crescimento brasileiro é, certamente, muito maior do que as projeções de mercado, as quais oscilam em torno de 2%.
O sr. acredita realmente que o Brasil tem plenas condições de crescer a um ritmo superior ao atual?
Sem dúvida nenhuma. O Brasil pode, perfeitamente, crescer a 4% ou mais, desde que aumentemos a nossa taxa de poupança e investimento, e busquemos, consistentemente, ganhos de produtividade e inovação.
O sr. acha que o desequilíbrio fiscal, ao qual a S&P faz referência, realmente pesa no momento?
Acredito, firmemente, que a questão fiscal não é só de curto prazo. Quando a economia não está crescendo muito, é difícil produzir um resultado fiscal muito alto. O governo arbitrou um resultado fiscal possível. É um resultado que assegura que as trajetórias das dívidas bruta e líquida permaneçam sob controle ou declinantes. E, ainda mais, há uma sinalização da disposição futura de manter uma execução fiscal firme. Não há razão nenhuma pela qual o Brasil não possa manter uma trajetória fiscal altamente saudável. Não há impedimentos estruturais nessa direção. Acredito que o futuro mostrará que a preocupação da classificadora de risco perderá substância, em função dos resultados que serão apresentados.
A S&P fez uma menção específica aos repasses do Tesouro ao BNDES, como se essa fosse uma das distorções. O sr. acha que há algum exagero nos repasses?
Eu até recebi aqui, rapidamente, a agência, e nós explicamos o seguinte: primeiro, estamos sintonizados com o esforço fiscal. Isso significa que o banco precisa trabalhar para minimizar as necessidades de recursos em TJLP (Taxa de Juros de Longo Prazo). Uma nova política operacional já está efetiva, de forma a combinar mais fontes de mercado e criar um balanceamento, no qual poupa-se TJLP e busca-se ter mais fontes de mercado. Essa política já está em vigor, desde o início do ano, em sintonia com o esforço fiscal.
Um corte drástico teria que consequências?
Se o BNDES fizer um ajuste radical, em um contexto no qual a taxa Selic e os custos de capital ainda estão subindo, é claro que os grandes prejudicados seriam o investimento e o crescimento. Por outro lado, investimento e crescimento são considerados variáveis importantes na própria avaliação de risco. É interessante que as agências têm uma visão equilibrada. Elas não só estão cobrando firmeza na execução fiscal. Também estão cobrando mais investimento e mais crescimento. Então, é preciso ter um bom senso de conciliar esses processos, de forma consistente. Acredito também que há um consenso nacional a respeito da necessidade de que o país invista mais, porque o investimento é o principal seguro contra a inflação futura, uma vez que cria oferta. Ao criar oferta para o futuro, pode até pressionar a demanda agregada a curto prazo, mas, no médio prazo, é deflacionário, ajuda a manter a estabilidade.
O senhor chegou a se reunir com a área técnica da S&P e explicar isso?
Isso foi conversado. Nós mantemos, de longa data, um intenso diálogo com as classificadoras de risco, inclusive com a Standard & Poor's. Nossa disposição de manter o processo sintonizado com os objetivos gerais foi explicada, e creio que foi bem entendida.
O rebaixamento afeta a captação de recursos pelo BNDES? Muitos dos recursos disponíveis para o banco vêm do Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT)...
Sim, essa é a nossa captação interna. Mas sobre afetar a nossa captação do exterior, não sabemos. Nós realizamos, no ano passado, uma captação muito bem sucedida, em outubro, quando tivemos uma sobre demanda. Queríamos captar US$ 1 bilhão, a demanda subiu a US$ 11 bilhões, e nós terminamos emitindo cerca de US$ 2 bilhões, porque as condições, na curva, eram muito favoráveis. Isso mostra que o BNDES continua gozando de uma boa reputação, mesmo quando o credit default swap (CDS) do Brasil já tinha subido. Estamos captando dentro da curva. Logo, acredito que esse efeito já estava precificado. Obviamente, temos um conjunto de oportunidades em moeda estrangeira e nós vamos maximizá-las.
Há quase uma confirmação de que os repasses do Tesouro serão menores neste ano. Isso significa que o desembolso total do BNDES para 2014 vai ser bem menor que os R$ 190 bilhões do ano passado?
Nossa tarefa é sustentar a expansão do investimento. Devo buscar um mix de funding para o banco que atenda, de um lado, à política fiscal brasileira e, de outro, permita-me continuar sustentando o investimento. O equacionamento disso significa que eu devo operar com mais fontes de mercado, utilizar mais intensamente as debêntures de infraestrutura e outras formas. Estamos, inclusive - isso é algo de novo - estudando propostas para facilitar, ainda mais, a participação do mercado de capitais. De forma que o relevante é fazermos um esforço para poupar os recursos em TJLP, que são aqueles com incidência sobre as necessidades de suporte vindos do Tesouro Nacional, e busquemos maximizar as fontes de mercado. Nesse sentido, em parceria com o mercado, vamos ser mais agressivos no mercado de capitais. O relevante não é quanto vai ser o volume total do BNDES, mas quanto de operações junto com o mercado e de que forma o banco faz uma mixagem de recursos, de forma a continuar suportando um grande objetivo brasileiro, que é fazer crescer os investimentos e aumentar a taxa agregada de investimentos, para continuar suportando o crescimento do país, permitindo o avanço dos projetos de desenvolvimento produtivo da infraestrutura e das indústrias prioritárias da inovação, e assim por diante.
Qual a importância das concessões privadas para alavancar o investimento?
O papel das concessões para o setor privado é absolutamente central na estratégia de subir a taxa agregada de investimento. Elas vão representar pelo menos um ponto a mais na relação investimento/PIB nos próximos anos. Primeiro, pela razão óbvia. O setor privado é um agente muito mais eficiente para realizar esses investimentos com maior celeridade. A concessão é um modelo que torna o setor privado sócio da eficiência. Como ele é o empreendedor, vai querer que o investimento seja realizado da maneira mais rápida, mais eficiente e com o menor custo. Segundo, porque permite - diferentemente de projetos inteiramente ancorados no orçamento público, que representam carga sobre o Estado - deslocar a tarefa para a iniciativa privada e permitir que o BNDES possa financiar a longo prazo o ciclo de investimentos ao setor privado, que não está impedido de tomar crédito. Então, acredito que todos os projetos que têm um retorno privado, sob PPP ou concessão, ao serem transferidos para a iniciativa privada, trazem uma grande vantagem para o país, de celeridade, redução de custos e viabilização de seu financiamento, sem sobrecarregar as finanças públicas. Parece-me que esse é um vetor-chave para qualquer programa de futuro para o país.
No Brasil, a taxa de investimento não chega a um padrão que o sr. mesmo afirma que seria a ideal, algo em torno de 22%, 23% do PIB. Continuamos em torno dos 18%. O que impede a taxa de chegar a essa proporção do PIB?
Primeiro, eu queria fazer duas observações de natureza mais estatística. Uma é que o preço dos bens de capital caiu de maneira muito significativa, nos últimos anos, o que é uma boa notícia. Até por conta do barateamento relativo do sistema de tecnologia de informação, pela acirrada concorrência tanto da indústria de máquinas quanto na exportação de bens de capital por parte de todos os países. De maneira que, se nós não computássemos o efeito da queda do deflator implícito da formação de capital, estaríamos hoje com uma taxa superior. Por exemplo, se trabalhássemos em cima de preços de 2007, estaríamos hoje com a Formação Bruta de Capital Fixo sobre o PIB de 20,5%. Nós investimos mais, mas como o preço caiu, tem uma parte que é um efeito de deflação dos bens de capital. Na verdade, nós temos, sim, uma taxa mais elevada. A formação de capital fixo até 2004, 2005, oscilou em torno de 16% a 17%. Hoje, nós estamos oscilando, em termos correntes, entre 18% e 19%. Mas, a termos de preços históricos, acima de 20%. Então, houve uma mudança de trajetória.
O sr. está satisfeito com o novo patamar?
Não, gostaria de ter mais. Tem outro ponto que não está claramente elucidado. As pessoas dizem: "O BNDES aumentou os recursos, mas a formação de capital não respondeu". Não é verdade. Eu queria, também, voltar aos fundamentos econômicos. Se nós tomarmos o desembolso do BNDES em preços atuais, chegamos a um pico em 2010. As estatísticas mostram que há, claramente, uma relação entre o desembolso do BNDES e a participação do BNDES sobre o PIB. Em 2013, nós desembolsamos R$ 190 bilhões, mas, a preços de 2013, o que nós desembolsamos em 2010 seriam R$ 201 bilhões. Isso relativiza um pouco.
Há possibilidade de avançar mais em termos de investimento?
Acredito que o Brasil tem oportunidades e fronteiras de investimento rentáveis não plenamente exploradas, e que são a chave para o futuro do país. Ou seja, eu tenho a firme convicção que a agenda futura do Brasil passa pela continuidade de um ciclo de investimentos duradouro, que alavanque a Formação Bruta de Capital Fixo sobre o PIB para a vizinhança de 22%. Eu continuo com essa meta, porque isso significa o seguinte: crescer sustentavelmente depende de mais investimento e mais ganhos de produtividade. São duas agendas, embora elas pareçam dissociadas. O investimento é um canal fundamental para gerar ganhos de produtividade para a economia. Primeiro, o investimento em infraestrutura é essencial para gerar ganhos sistêmicos de produtividade. O Brasil tem gargalos e ineficiências de logística, é evidente. O país tem custos logísticos na escala de 9% do PIB, segundo algumas estimativas, enquanto os EUA têm algo em torno de 4,5%. A ineficiência da logística se traduz em várias dimensões, como a perda da safra. Este é um lado. O outro lado é que o investimento é portador, em geral, de novas gerações de máquinas e equipamentos, especialmente o investimento industrial, e isso significa mais produtividade. Ademais, temos uma outra grande dimensão da produtividade, que é associada, mas requer um grande esforço de qualificação dos trabalhadores, porque os paradigmas de produção estão evoluindo.
Evoluindo de que forma?
Teremos que preparar a classe trabalhadora, especialmente a industrial, para novos sistemas produtivos, nos quais a automação avançada terá um lugar crescente. É um fato histórico curioso. A entrada maciça da China em sistemas globais de produção de suprimento industrial, como fornecedora pronta de equipamentos para os países desenvolvidos colocarem a plaquinha de suas marcas e comercializarem, produziu no sistema global um grande manancial de força de trabalho a salários muito baixos. E reorganizou as cadeias globais. Porém, a transição demográfica chinesa é muito rápida. A política do filho único se entranhou profundamente. A desaceleração do crescimento da população economicamente ativa já está levando a aumentos de custos empresariais. Isso retoma uma velha agenda, que ficou interrompida, da aceleração da automação industrial, com a aceleração de sistemas mais integrados de produção industrial, sob comandos computadorizados, mais introdução de robótica etc.
O sr. comentou sobre oportunidades e novas fronteiras de investimento no Brasil. Quais são elas?
Primeiro, poucas economias têm um volume prospectivo já visível de investimentos em energia como a do Brasil. Nós precisamos, continuada e persistentemente, investir em energia no Brasil. É preciso criar mais capacidade energética, em todas as modalidades. E o Brasil, felizmente, as tem, em hidroeletricidade de grande porte, PCHs, energia eólica. E precisa, também, de energia térmica, porque está mais do que comprovado que elas deveriam, inclusive, estar na base do sistema, já que em anos secos, hidricamente desfavoráveis, é preciso ter um sistema térmico maior e mais eficiente para dar plena segurança ao sistema brasileiro. A energia carrega consigo a possibilidade de desenvolver cadeias produtivas, especialmente nas novas modalidades. A segunda grande cadeia importante é a de óleo e gás. Poucos países têm uma cadeia tão poderosa e com um prospecto de investimentos tão relevante quanto temos, por conta do pré-sal. Eu agrego que o programa de investimentos atual da Petrobras, que é um dos maiores do mundo, virá acompanhado de outro ciclo de investimentos para dar conta do Campo de Libra. E, agora, a Petrobras vai estar menos sobrecarregada, porque vai ter mais parceiros. Não estou falando de uma coisa de curtíssimo prazo, mas de um processo que eu posso enxergar 20 anos à frente, de grandes investimentos.
E há muitas outras oportunidades relacionadas a esse segmento...
Se olharmos para outras formas de desenvolvimento associadas a essa cadeia na petroquímica, nos fertilizantes nitrogenados, vemos que há muitas oportunidades nesse processo. Se olharmos para o agronegócio, poucos países têm uma plataforma tão eficiente. Temos um agronegócio extremamente produtivo em grãos; na base de madeira para celulose; um agronegócio baseado na cana, no açúcar e no etanol; e outro segmento poderoso baseado nas proteínas animais. Finalmente, temos a nossa indústria de transformação. Essa não vem dando a resposta que se espera.
Por que?
Ela tem apresentado um comportamento oscilante. Porém, nós temos de levar em conta que há uma explicação para isso. Primeiro, o fortíssimo acirramento da concorrência mundial depois da crise. Os mercados dos países desenvolvidos, com forte capacidade ociosa, geraram um tremendo acirramento da concorrência internacional. Depois, até um certo momento, a apreciação da taxa de câmbio contribuiu para um relativo enfraquecimento da nossa capacidade competitiva. Esse processo foi revertido. E eu acredito que o processo de reversão da política monetária dos EUA teve um primeiro efeito de recalibrar a taxa de câmbio brasileira para uma posição menos desfavorável para a competitividade da indústria.
O câmbio é fator essencial para ganharmos competitividade?
Quero deixar claro que não advogo que a questão da competitividade da indústria deva ser enfrentada com a agenda cambial. Acho que o câmbio é um elemento importante e pode, daqui para frente, ser menos oneroso e um pouco mais estimulante para a recuperação. Do lado da competição internacional, também é realista imaginar que ela vai continuar acirrada. Portanto, isso nos impõe uma forte e incisiva agenda de produtividade e competitividade da nossa indústria, a qual deveria levantar uma reflexão sobre qual é o melhor tratamento tributário à indústria. Porque nossa indústria, por ter cadeias mais longas, possui sobre si uma incidência tributária relativamente maior do que outros setores. Temos que perseguir, também, com intensidade, uma agenda de reequipamento e reestruturação dos processos industriais e treinamento dos trabalhadores, sobre o qual eu já falei. Por fim, temos uma agenda absolutamente central de inovação tecnológica. Nós precisaremos inovar e desenvolver produtos e estar atualizados na geração de artigos manufaturados. (Brasil Econômico – 31/03/2014)

Isolado e limitado
OPINIÃO
Por qualquer critério que se olhe, o Brasil apresenta ao menos uma grande anomalia quando comparado a outros países de peso: o fechamento ao comércio exterior e a falta de integração às maiores cadeiasdeprodução globais.
Agravado nas últimas duas décadas, esse processo de isolamento representa cada vez mais um fator limitante para a produtividade e o crescimento econômico.
Não por acaso, todos os países que se aproximaram da fronteira tecnológica e elevaram depressa seu nível de renda per capita, notadamente na Ásia, valeram-se da alavanca da integração comercial --dinâmica que tem se acelerado.
O Brasil, entretanto, segue o caminho oposto. Pressionado pelo câmbio valorizado e pelo aumento das importações, o governo aumentou tarifas, definiu regras de conteúdo nacional e isolou ainda mais as empresas da concorrência internacional, na esperança de que defenderia o mercado interno.
Pura ilusão. O deficit comercial no segmento de média e alta tecnologia, por exemplo, beira os US$ 100 bilhões e a produtividade patina.
Felizmente, muitas lideranças empresariais brasileiras percebem que o rumo está errado. Nesse contexto, é auspiciosa a divulgação, pelo Iedi (Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial), de cálculos mostrando os ganhos que o país teria se fechasse acordos comerciais abrangentes, especialmente com Europa e EUA.
O estudo indica que a redução de 100% das tarifas da indústria, 70% das agrícolas e 25% das outras barreiras não tarifárias resultaria em US$ 86 bilhões a mais em exportações e importações, montante 18% superior ao atual.
Embora os valores sejam estimados e exista um impacto negativo mínimo no saldo comercial (deficit de US$ 600 milhões), a lógica principal permanece: é preciso se integrar para competir.
Há questões geopolíticas envolvidas. A definição de padrões tecnológicos confere vantagens aos que estiverem inseridos às cadeias de produção. Quem estiver fora, possivelmente assim permanecerá.
O Brasil precisa sair do imobilismo. Deve romper com as amarras do Mercosul, mas sem abandonar a construção deumcentro competitivo na América Latina.
A negociação com a Europa é a mais avançada e, segundo o trabalho do Iedi, a que oferece mais ganhos.
Que prossiga com rapidez, com as salvaguardas devidas para que as empresas possam se ajustar a uma nova e necessária realidade. (Folha de SP – 31/03/2014)

Um Caribe mais limpo após protestos na Venezuela?
Com a economia venezuelana em crise, caribenhos que dependem do petróleo do país vizinho aceleram movimento por fontes de energia renovável
EZRA , FIESER, CHRISTIAN SCIENCE MONITOR
Quando firmado em 2005, o pacto energético da Venezuela com seus vizinhos caribenhos, o Petrocaribe, tinha em parte como objetivo ajudar as ilhas a se afastar dos combustíveis fósseis. Quase uma década depois, o Caribe está em vias de atingir esta meta - apesar da aliança construída.
Dezessete países recebem petróleo venezuelano por meio do Petrocaribe, com opção de pagamento em 20 anos ou mais a taxas de juros com desconto. Como parte do acordo, os governos deveriam traçar um novo caminho em direção à independência energética, incluindo redes elétricas eficientes e desenvolvimento de fontes renováveis. As importações de energia mais barata também seriam um meio de subsidiar os preços internos. Mas alguns países nada fizeram, vendo naquele pacto um meio de financiamento a curto prazo. A República Dominicana, por exemplo, recebe petróleo barato e depois o vende a preços de mercado, embolsando a diferença.
Como resultado, os países do Caribe devem à Venezuela bilhões de dólares e até recentemente pouco haviam feito no sentido de uma independência energética. Agora, as preocupações aumentaram porque a empresa estatal de petróleo venezuelana logo fechará as torneiras e venderá o produto no mercado aberto para escorar uma economia atribulada que tem provocado protestos em massa no país. E também, reconhecendo que as altas tarifas elétricas tornaram as economias caribenhas que dependem muito do turismo menos competitivas, os líderes regionais se colocaram na linha de frente do movimento por energia renovável.
Os países caribenhos aceleraram a criação de fazendas eólicas, parques de painéis solares e usinas geotérmicas. E tomaram a decisão, cara e de longo prazo, de abandonar fontes que produzem gases com efeito estufa, que contribuem para a elevação dos níveis dos oceanos e ameaçam a própria existência do Caribe.
Hoje Aruba retira 20% da sua energia de fontes como o vento; a República Dominicana construiu dois campos eólicos que geram eletricidade suficiente para substituir importações de petróleo equivalentes a três dias; os moradores de Barbados podem instalar painéis solares e vender o excesso de eletricidade para redes elétricas; e Montserrat vem extraindo energia do próprio vulcão que devastou a ilha.
Aruba, a líder do movimento caribenho, prometeu em 2012 extrair toda a sua eletricidade de fontes renováveis em 2020. Aplicou US$ 300 milhões na modernização de turbinas eólicas e usinas de dessalinização de água, inaugurou uma fazenda eólica e tem projeto para uma segunda. Com isso, reduziu em 50% seu consumo de diesel desde 2012. "Temos observado uma mudança para as energias limpas, mas este é um processo para alcançar uma capacidade suficiente", disse Maria Dukharan, economista da RBC Caribbean em Trinidad & Tobago que estuda mercados de energia caribenhos.
Países voltados para as fontes de energia renováveis conseguem reduzir seus déficits uma vez que gastam menos em importações de combustível. Diversos países caribenhos estão tão endividados que credores multilaterais como o Fundo Monetário Internacional (FMI) consideram a dívida insustentável, com os altos custos de eletricidade freando sua competitividade. "Os gastos com energia destroem nossos lucros", disse Carlos Sánchez, que administra uma empresa de turismo e um hotel, em Santo Domingo, República Dominicana.
No momento os consumidores caribenhos arcam com tarifas de energia elétrica cinco vezes maiores do que nos Estados Unidos. E a oferta de energia é irregular, obrigando muitas empresas - e moradores - a comprar geradores. Não confiando na rede elétrica pública, Sánchez instalou geradores a diesel em seu hotel e escritório. "Não podemos competir com as cadeias maiores porque nossos custos são muito altos", disse ele.
Com base no pretenso socialismo de Hugo Chávez, a Venezuela decidiu dividir seu petróleo com os países caribenhos em troca de apoio político. Os países correram rapidamente para se beneficiar das condições favoráveis. Hoje, os 17 beneficiários do pacto Petrocaribe atendem 43% de suas necessidades energéticas pelo acordo, segundo a estatal venezuelana PDVSA.
Mas desde a criação da Petrocaribe, a Venezuela deixou de explorar suas vastas reservas e a produção caiu. No fim do ano passado a produção de petróleo era de 2,45 barris diários, uma queda em relação aos 2,9 barris por dia produzidos no ano anterior, de acordo com estudo da Bloomberg.
Ao mesmo tempo, enquanto mais petróleo venezuelano tem sido prometido para parceiros estrangeiros como a China, em troca de empréstimos, os países caribenhos lutam para resgatar suas dívidas. A República Dominicana devia US$ 3,4 bilhões para a Venezuela desde o ano passado. Segundo o acordo firmado com a Venezuela, a República Dominicana pode pagar parte da sua dívida num prazo de 23 anos a uma taxa de juro de 2%.
Mas, em vez de pagar parte dessa dívida em dólares americanos, dos quais Caracas necessita, os dominicanos enviam alimentos para o país, o que é permitido pelo acordo do Petrocaribe. Para a Venezuela, esse acerto não é o ideal. A inflação alta, a escassez de dólares para pagar as importações e as divisões políticas alimentaram os protestos que causaram a morte de mais de 30 pessoas, incluindo policiais, civis e manifestantes.
Mas mesmo com esses protestos, a Venezuela diz a seus parceiros caribenhos que a aliança se manterá segura. Mas os governos da região não compartilham dessa confiança, embora não o afirmem publicamente. "Você não vai ouvir nenhum país beneficiário dizer em público 'parece que a Venezuela está com problemas'. E não ouvirá a Venezuela dizer que o futuro da Petrocaribe está em risco, porque no momento o país precisa de todo o apoio político possível", disse um consultor com sede em Caracas que trabalha com assuntos energéticos, incluindo o acordo Petrocaribe. "Não acho que os governos da região não percebam o que vem sucedendo. É insano esperar que a Venezuela terá recursos para continuar fornecendo combustível para toda a região, como tem ocorrido". (O Estado de SP – 31/03/2014)

Brasil impõe perda de competitividade
Por Sergio Leo
Cuba anunciou que abrirá seu mercado aos investidores internacionais, com incentivos fiscais para instalação de indústrias no país, mas o Brasil, que financia a construção bilionária de um porto na ilha, está em desvantagem. Suas empresas terão dificuldades para aproveitar as oportunidades da bem localizada ilha caribenha.
A posição desvantajosa foi criada pelo próprio governo brasileiro, com a Medida Provisória 627, a ser votada amanhã no plenário da Câmara. A medida, criada para reduzir as brechas para evasão de tributos, montou, na prática, um mecanismo que impede empresas brasileiras de competir usando vantagens como as criadas pelo governo cubano, entre outros.
A Receita Federal, madrinha da MP 627, buscou cumprir seu papel de arrecadadora. Empresas brasileiras, especialmente exportadoras de commodities, aproveitaram lacunas legais existentes para vender seus produtos a preços artificialmente baixos a subsidiárias montadas em países com os quais o Brasil tinha acordos contra bitributação. A partir desses países, as empresas vendiam seus produtos ao consumidor final, concentrando o lucro na subsidiária e driblando o Fisco.
Empresas brasileiras sofrem com carga das jabuticabas tributárias
A Receita já havia tomado providências legítimas para fechar essa brecha, com regras que permitem tributar exportação de commodities com base nas cotações internacionais. O problema, para as multinacionais brasileiras, é que o Fisco decidiu ir além, e, com a MP 627, pesou a mão sobre empresas que nada tinham a ver com as peraltices tributárias de algumas exportadoras.
Na prática, a MP 627 determina que, após pagar lá fora o imposto sobre o lucro das coligadas no exterior, as multinacionais brasileiras pagarão, adicionalmente, no Brasil, a diferença entre esse tributo e a alíquota de 34% cobrada em território brasileiro. Se o imposto das operações europeias for de 20%, por exemplo, a multi brasileira pagará 14% ao Fisco nacional.
No caso cubano, como em qualquer outro país de destino do investimento brasileiro, a empresa com sede no Brasil pagará, sempre, mais que sua concorrente de outra nacionalidade. Estranha maneira de cumprir a promessa oficial de estimular a internacionalização das empresas brasileiras.
Os acordos contra bitributação assinados pelo Brasil, em geral, garantem que só se pode cobrar imposto no país onde o lucro gerado. Para contornar esse compromisso e também não explicitar uma tributação sobre o patrimônio das empresas, não prevista em lei, a Receita, na MP, recorreu à criatividade linguística: prevê tributar "a parcela do ajuste do valor do investimento equivalente aos lucros".
A MP engrossou o cipoal de regulamentos que amarra as companhias brasileiras e reduz sua capacidade de competir no mercado externo. Após a edição da MP, a interpretação de seus contorcionismos verbais exigiu horas extras nos departamentos jurídicos das empresas - já obrigadas pela complexidade tributária nacional a manter um número desproporcionalmente alto de funcionários para cuidar das relações com os cobradores de impostos no Brasil.
Algumas mudanças no texto foram feitas, nos últimos meses, para eliminar efeitos indesejáveis não previstos pelos próprios técnicos da Receita. Após conversa dos executivos com o ministro da Fazenda, Guido Mantega, e negociações com o relator da MP, deputado federal Eduardo Cunha (PMDB-RJ), foram amenizados alguns dos artigos da medida. A principal mudança foi um "desconto" de nove pontos percentuais, que reduziu a mordida da Receita: a não ser que estejam em paraísos fiscais, ou em países de tributação muito baixa (subtributação, no jargão do Fisco), as empresas poderão somar ao imposto local mais nove pontos percentuais e pagar apenas a diferença entre essa soma e os 34% do tributo no Brasil.
As alterações na MP reduziram a perda de competitividade para algumas das multinacionais brasileiras, especialmente nas subsidiárias localizadas na Europa e nos Estados Unidos. Já aquelas que se expandiram, ou pretendem expandir-se para o Oriente Médio, a América Latina e a África, aproveitando incentivos locais, continuam sujeitas integralmente à nova taxação. Em boa parte dessas regiões ocorre o que o Fisco considera "subtributação".
É grande a quantidade de jabuticabas tributárias, medidas inéditas no mundo, que impõem uma carga sobre as empresas brasileiras superior à sofrida pelos concorrentes internacionais. Países europeus não tributam o lucro de controladas no exterior; os EUA, somente o retorno desse lucro sob a forma de dividendos. Enquanto outros países permitem, sem tributar, que suas empresas reinvistam no exterior os lucros obtidos fora de sua origem, o Fisco brasileiro reduz os recursos disponíveis pelas empresas brasileiras, ao capturar parte dos lucros.
A lista de companhias atingidas é variada, de grandes empreiteiras à Ambev, da Braskem aos fabricantes de carne apoiados pelo BNDES em seu esforço exportador. "Estão dificultando até a consolidação de nossa operações no exterior, com esse modelo de tributação", queixa-se o diretor-executivo da BRF Marcos Jank.
"Estamos impossibilitados de expandir nossas operações em locais como o Oriente Médio", avisa ele. A BRF pagará 34% de impostos em países onde concorrentes europeus pagarão 10%, com isenção de 95% dos dividendos pagos à matriz. "Não temos como competir, teremos de repensar nossos planos de expansão", comenta, vocalizando queixas similares de outros executivos de empresas brasileiras.
A MP 627 é um sintoma da falta de articulação entre as políticas macroeconômica, industrial e comercial brasileiras. Não à toa, nos diálogos promovidos pelo Itamaraty, a pedido da presidente Dilma Rousseff, para formular seu "livro branco" da política externa, uma das sugestões mais lembradas foi a criação de mecanismos, no governo, para coordenar a esquizofrênica atuação do Brasil na projeção de seus interesses no campo internacional. (Valor Econômico – 31/03/2014)

Pequenos perdem participação na pauta de exportações
Por Eduardo Belo | Para o Valor, de São Paulo
Marcelo Aidar: "Empresas brasileiras, na comparação com outros países, têm participação muito tímida".
A presença das micro e pequenas empresas brasileiras no mercado internacional está ficando cada vez mais difícil. Sem incentivos e sofrendo problemas como burocracia e dificuldade para aproveitar as isenções tributárias nas vendas ao exterior, as empresas de menor porte vêm perdendo terreno ano após ano nas exportações. Números divulgados neste primeiro trimestre pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC) apontam para o aumento da concentração dos negócios. A participação das pequenas e micro no total exportado, que já foi de 2,2%, recuou para menos de 0,9%, de acordo com as projeções realizadas sobre dados preliminares.
Em 2013, 1,3% das empresas exportadoras responderam por 79% da receita com vendas ao exterior, de acordo com o MDIC. No ano anterior, o mesmo grupo representava 72% da exportação total. O ministério revela que cerca de 2 mil empresas deixaram de exportar nos últimos seis anos - a grande maioria de pequeno porte.
Embora os números consolidados de 2013 sobre a participação das empresas na balança comercial conforme o porte ainda não estejam disponíveis, é possível concluir que o crescimento das vendas ao exterior se deu pelo aumento das vendas de commodities, de acordo com avaliação do próprio ministério. Como praticamente 100% das vendas de commodities são feitas por grandes empresas, seria natural que a concentração aumentasse.
Números do Serviço Brasileiro de Apoio à Micro e Pequena Empresa (Sebrae) mostram que a participação das pequenas empresas na exportação, em valor, caiu abaixo de 1%, menos da metade do que era há poucos anos, comenta o Marcelo Aidar, professor da Escola de Administração e Economia da Fundação Getulio Vargas em São Paulo. "Se formos verificar, as micro e pequenas empresas brasileiras, na comparação com as de outros países, têm uma participação nas exportações muito tímida."
Para Aidar, parte da responsabilidade cabe às próprias empresas. "Elas não enxergam oportunidades no exterior", comenta. Isso em função da velha ideia de que o mercado interno, por ser grande, é suficiente. "Elas não só não olham para o exterior, como também mal olham para o Brasil."
Parte do problema pode estar na dificuldade em superar a barreira tributária, diz a advogada Cynthia Kramer, do escritório L.O. Baptista-SVMFA. Como as exportações são isentas de alguns tributos, como o ICMS, os impostos pagos pelas empregas ao longo da cadeia produtiva podem ser descontados na etapa final, de venda ao exterior. Mas nem sempre a operação é viabilizada. "Muitas vezes o exportador enfrenta obstáculos para transferir seus créditos tributários obtidos na exportação, principalmente se ele vende pouco ou não vende no mercado interno", afirma. "Nem sempre há interessados na compra desses créditos." Cynthia acha que o governo deveria criar mecanismos para que a negociação de créditos tributários se tornasse interessante para quem os detém e para quem os adquire.
Segundo ela, os entraves burocráticos são "os mesmos de uma empresa grande". A dificuldade maior é que as pequenas não sabem lidar com eles nem têm estrutura e recursos para isso. Pesquisa da Confederação Nacional da Indústria (CNI) divulgada em janeiro informa que 83% dos empresários consultados apontaram problemas para exportar e 79% disseram não conseguir melhorar seu desempenho externo por conta de questões burocráticas, tributárias e alfandegárias.
O governo deveria ajudar as empresas a conhecer os mercados, defende Aidar. Segundo ele, muitas câmaras de comércio que funcionam aqui auxiliam os exportadores de seus países de origem a entender o Brasil, ao passo que as companhias nacionais não desfrutam desse benefício. "Embora essas câmaras de comércio sejam entidades privadas, o governo deveria oferecer esse tipo de auxílio."
A fuga das pequenas do mercado internacional não é exatamente uma novidade para a economia brasileira. Ana Vecchi, diretora da Vecchi Ancona Inteligência Estratégica, afirma que uma pesquisa antiga mostra que 50% das pequenas empresas que iniciam exportação deixam de exportar no ano seguinte. Depois de cinco anos, só 20% das empresas de pequeno porte que se iniciam no mercado externo permanecem nele.
Algumas iniciativas isoladas têm servido para impedir que esses números tornem-se ainda piores. Uma delas é a parceria firmada entre a Agência de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex) e o Instituto Brasileiro da Cachaça (Ibrac). Projeto assinado em 2012 com validade até metade deste ano - e que deverá ser renovado por mais dois exercícios - promove o destilado em várias partes do mundo.
O marketing explora o fato de que só o Brasil produz cachaça e procura vender a ideia de um destilado com tanta qualidade quanto qualquer outro.
De acordo com Carlos Lima, diretor executivo do Ibrac, as vendas ao exterior cresceram no ano passado em relação a 2012. O aumento foi de 10% em receita e 11% em volume. O setor de cachaça é um dos poucos do país em que a maior parte das empresas exportadoras é de pequeno porte, revela Lima. Entre as 39 empresas que participam do projeto junto à Apex, 28 são micro ou pequenas. Há 1.484 estabelecimentos formalmente registrados para produção de cachaça no país. O Ibrac representa cerca de 80% do volume produzido. (Valor Econômico – 31/03/2014)

AL está mais vulnerável do que antes da crise de 2008, diz BID
Por Edna Simão | Da Costa do Sauípe (BA)
As economias na América Latina e Caribe estão mais vulneráveis a choques externos do que estavam no período anterior a 2008, quando estourou a crise financeira internacional. Segundo o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), a elevação dos gastos públicos e do endividamento, principalmente, do setor privado deterioraram as contas e reduziram a capacidade desses países de responder às turbulências.
"Estamos numa situação melhor que nos anos 90, mas a resposta fiscal é pior que em 2007. A primeira mensagem que queremos passar no relatório é que os países devem recuperar a capacidade de regenerar a resposta fiscal para minimizar choques financeiros", disse o economista-chefe do BID, José Juan Ruíz.
Ele destacou que de 2007 a 2013 o déficit fiscal estrutural saltou de 0,5% para 3,1% do PIB. O aumento de 52% do gasto público foi concentrado em despesas inflexíveis (como folha de pagamento, salários e transferências), ou seja, de difícil retirada. "Mais de 2/3 desse aumento foram gastos inflexíveis. São aqueles que não desaparecem", explicou Ruíz.
Para agravar esse cenário, os níveis da dívida pública e da dolarização das economias subiram muito. Segundo o BID, pode haver riscos derivados do forte crescimento do crédito interno, que dobrou nos últimos quatro anos, e da emissão de dívida externa em dólar por firmas não financeiras.
Segundo o relatório macroeconômico para a América Latina o Caribe de 2014 intitulado "Recuperação Global e Normalização Monetária: Escapando de uma Crônica Anunciada", divulgado ontem na reunião anual do BID, realizada na Costa do Sauípe, a região pode estar com maior risco de um cenário chamado de "Parada Súbita" nos fluxos de capital.
"Este é um evento mais dramático, cujo impacto depende do déficit fiscal do país, do déficit de conta corrente e do nível de dolarização e reservas, entre outras variáveis. A maioria dos países da região sofreu uma deterioração nesses indicadores em anos recentes", ressalta o documento.
O BID estima que a região da América Latina e do Caribe deve registrar um crescimento de 3% neste ano e de 3,3% em 2015 devido à esperada recuperação dos Estados Unidos e da Europa.
Se confirmada a previsão de 3% para este ano, o crescimento será ligeiramente superior aos 2,8% apurados no ano passado. Na reunião do BID de 2013 a expectativa era de uma expansão de 3,9% ao ano ao longo de cinco anos. Agora a média para 2015 e 2018 é de um aumento de 3,5%. Esse patamar de crescimento é insuficiente para atender à demanda da população que reivindica por serviços de melhores qualidades. Com reformas estruturais que aumentem a produtividade, o PIB dos países pode ter uma expansão adicional de pelo menos 2,3 pontos percentuais.
Em 2013, México, Brasil, Argentina e Venezuela, cresceram abaixo das expectativas do BID, o que prejudicou a expansão da região como um todo. Apesar de o cenário para 2014 não ter mudado muito, a perspectiva de Ruíz é de que uma expansão mais vigorosa nos EUA represente um impacto relevante sobre as taxas de crescimento na América Latina e no Caribe.
O relatório do BID chama atenção para dois riscos potenciais na região. O primeiro deles se trata dos choques financeiros se as elevações de juros nos Estados Unidos forem mais rápidas do que o esperado. "Olhando para o futuro, taxas de juros mais altas nos Estados Unidos poderiam significar uma redução nos fluxos de capital, o que prejudicará o crescimento e, em alguns casos, levará a depreciações cambiais e inflação mais alta."
Além disso, o documento informa que a desaceleração do ritmo de crescimento da China, que passará também a ser mais concentrado no mercado doméstico do que no externo, deixará mais vulneráveis os países da América do Sul.
"O risco positivo de um maior crescimento nos Estados Unidos e os riscos negativos de baixa nos preços de ativos e menor crescimento na China podem ser mutuamente excludentes, mas os países na região estão expostos a esses riscos de formas diferentes", informa o relatório do BID. (Valor Online – 31/03/2014)

Intermediário importado toma espaço do nacional
Por Marta Watanabe
Welber Barral: corte de preços de intermediários importados neutralizou parte da desvalorização do real.
Um cruzamento de dados mostra forte descompasso entre a produção industrial e a importação de matérias-primas e intermediários. O volume de importação de bens intermediários se acelerou no primeiro bimestre, com alta de 13,3% em relação a mesmo período do ano passado. O ritmo de crescimento é maior que os 8,9% de alta no ano passado, na comparação com 2012. No acumulado dos doze meses encerrados em fevereiro contra os doze meses anteriores, a elevação é de 10,1%.
Um ritmo mais acelerado no volume de importação de intermediários costuma refletir forte produção industrial, mas a comparação dos números mostra descompasso entre os indicadores. A crescente importação de intermediários não condiz com a produção física da indústria doméstica, que cresceu apenas 1,16% em 2013, na comparação com o ano anterior. Em janeiro, último dado disponível, a produção recuou 2,4% contra mesmo mês de 2013. Nos doze meses encerrados em janeiro a elevação foi pequena, de 0,5%. Os dados de importação são da Fundação Centro de Estudos do Comércio Exterior (Funcex) e os de produção física, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).
Para analistas de entidades como a própria Funcex e da Associação de Comércio Exterior do Brasil (AEB), os ritmos divergentes entre a produção industrial e o volume de importação de intermediários mostra que nesse tipo de bem ainda ocorre a substituição de produção doméstica por importados. "O descompasso entre as duas variáveis surpreende porque aponta a substituição de insumos domésticos por importados mesmo num período de desvalorização da taxa de câmbio real", diz Daiane Santos, economista da Funcex.
Para Daiane, parte dos intermediários continua sendo comprada do exterior pela falta de fornecimento doméstico. Outra parte relevante, diz, ainda mantém preço competitivo em relação ao fabricado internamente, mesmo com a alta do dólar. Segundo ela, entre os grupos de intermediários com maior elevação de importação estão componentes eletrônicos, partes e peças para veículos, metalúrgicos não ferrosos e resinas elastômeras e fibras sintéticas.
Além da substituição dos intermediários nacionais por importados, diz Daiane, outra explicação seria a reposição de estoques, o que ela considera mais plausível para o setor de veículos, reboques e caminhões. A terceira explicação seria a expectativa de evolução mais favorável da produção industrial do que a esperada. "Mas essa hipótese é pouco provável."
José Augusto de Castro, presidente da AEB, avalia que o descompasso é um reflexo de continuidade no processo de substituição de produção doméstica. "A desvalorização do real não é mais um processo novo e deveria já ter mostrado mais efeitos na importação", analisa ele. "É preciso lembrar, porém, que a desvalorização cambial não acontece apenas no Brasil. Países que são importantes fornecedores também estão com a moeda desvalorizada", explica. "O yuan chinês, por exemplo, voltou a se desvalorizar. Isso permite ao exportador da China cortar o preço em dólar, o que contribui para a competitividade de seu produto."
"Não só a China, como importantes fornecedores do Brasil são países emergentes, que também tiveram suas moedas desvalorizados. Isso faz com que o importador brasileiro pressione seu fornecedor externo por um corte do preço em dólar", explica Welber Barral, ex-secretário exterior e sócio da Barral M Jorge Consultores Associados.
Segundo os dados da Funcex, os intermediários puxaram a queda de preços dos importados no primeiro bimestre do ano. O preço médio do intermediário recuou 5,1% no acumulado até fevereiro, na comparação com igual período do ano passado. Na mesma comparação, a redução de preço médio do total dos importados foi de 2,6%. "A queda de preço nos intermediários foi suficiente para neutralizar parte do impacto da desvalorização cambial sobre os importados", diz Barral. "Isso pode ter permitido ganho de mercado do importado no mercado nacional."
A combinação de alta de volume de 13,3% e queda de preços médios de 5,1% resultou em elevação de 7,4% no valor importado em intermediários no primeiro bimestre, nos critérios de classificação da Funcex. Também em valor, os intermediários puxaram os desembarques. O valor de importação total cresceu 3,6% nos primeiros dois meses do ano, contra igual período de 2013.
Castro lembra que a crescente importação de intermediários é um desafio maior para alcançar superávit comercial. Dentre as cinco categorias de uso de bens importados, os intermediários são os mais representativos dentro da pauta de importação. Eles respondem por 45% do valor total da importação brasileira. Ao contrário dos bens de consumo, cuja importação responde mais rapidamente a uma queda de demanda doméstica, diz Barral, os bens intermediários tendem a demorar mais para apresentar reação, já que a indústria tende a manter um nível mínimo de produção.
Desde o início de 2013 até fevereiro, os intermediários foram a única categoria de uso que manteve alta ininterrupta do volume de importação, levando em conta a comparação mensal contra igual período do ano anterior. Nos últimos meses, porém, o descompasso entre produção industrial e importação de intermediários se intensificou. Dados da Confederação Nacional da Indústria (CNI) também mostram que no ano passado a participação de insumos importados na produção industrial brasileira bateu recorde e chegou a 24,3%. O avanço ante o ano retrasado foi de 2,2 pontos percentuais. Na indústria de transformação, o coeficiente avançou de 22,7% em 2012 para 24,9%. (Valor Online – 31/03/2014)

Economia cresce 3% na América Latina e Caribe este ano e 3,3% em 2015
Por Edna Simão
COSTA DO SAUÍPE (BA) - Mesmo com a esperada recuperação dos Estados Unidos e Europa, as economias da América Latina e do Caribe devem registrar um crescimento econômico de apenas 3% neste ano e de 3,3% em 2015, segundo o Relatório Macroeconômico para a América Latina e o Caribe de 2014 intitulado “Recuperação Global e Normalização Monetária: Escapando de uma Crônica Anunciada”. O documento foi divulgado pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) durante a sua 55ª Assembleia Anual de Governadores, que termina neste domingo na Costa do Sauípe (BA).
Se confirmada a previsão de 3% para este ano, o crescimento será ligeiramente superior aos 2,8% apurados no ano passado. Na reunião do BID de 2013, realizada no Panamá, a expectativa era de uma expansão de 3,9% do PIB ao ano ao longo de cinco anos. Agora a média para 2015 e 2018 é de um aumento de 3,5%.
“Voltamos a crescer na média dos últimos 30 anos”, disse o economista-chefe do BID, José Juan Ruíz, acrescentando que o valor é baixo para atender as demandas cada vez maiores da população que passou a integrar a nova classe média.
Em 2013, conforme o economista, México, Brasil, Argentina e Venezuela, cresceram abaixo das expectativas do BID, o que prejudicou a expansão da região como um todo. Apesar do cenário para 2014 não ter mudado muito, a perspectiva de Ruíz é de que uma expansão mais vigorosa nos Estados Unidos represente um impacto positivo relevante sobre as taxas de crescimento na América Latina e no Caribe.
O relatório do BID chama atenção para dois riscos potenciais na região. O primeiro deles se trata dos choques financeiros se as elevações de juros nos Estados Unidos forem mais rápidas do que o esperado. “Olhando para o futuro, taxas de juros mais altas nos Estados Unidos poderiam significar uma redução nos fluxos de capital, o que prejudicará o crescimento e, em alguns casos, levará a depreciações cambiais e inflação mais alta”, destaca o documento.
Além disso, o documento ressalta que a desaceleração do ritmo de crescimento da China, que passará também a ser mais concentrado no mercado doméstico do que no externo, deixará mais vulneráveis os países da América do Sul, como por exemplo o Brasil.
“Para a região como um todo o risco positivo de um maior crescimento nos Estados Unidos e os riscos negativos de baixa nos preços de ativos e menor crescimento na China podem ser mutuamente excludentes, mas os países na região estão expostos a esses riscos de formas diferentes. México, América Central e Caribe poderão se beneficiar em uma situação de crescimento maior nos Estados Unidos e crescimento menor na China, mas o resultado na América do Sul poderá ser um crescimento mais lento”, informa o relatório do BID.
O economista-chefe do BID disse que fator que continua sendo preocupante é deterioração fiscal dos países que adotaram medidas anticíclicas para enfrentar os efeitos da crise internacional e agora dificilmente conseguirão revertê-las. Segundo ele, os países da América Latina e do Caribe elevaram em 58% suas despesas, sendo que a maior parte dessa elevação (40%) se trata de gastos inflexíveis (folha de salários, subsídios e transferências).
Sem espaço fiscal a saída para que as economias da América Latina e do Caribe voltarem a registrar melhores taxas de crescimento é fazer reformas que visem o aumento da produtividade de sua economia.
Mesmo sendo considerado baixo, o relatório frisa o risco de um cenário chamado de Parada Súbita nos fluxos de capital na região da América Latina e do Caribe. Segundo o BID, este é um evento mais dramático, cujo impacto depende do déficit fiscal do país, do déficit de conta corrente e do nível de dolarização e reservas, entre outras variáveis.
Outro ponto citado no relatório é o aumento das emissões de empresas no exterior. Segundo Ruíz, o BID menciona ainda no documento, sem muito detalhamento, a ampliação das operações. A intenção é chamar atenção dos países para que fiquem atentos ao comportamento e repercussão que essa ampliação pode ter nas economias. (Valor Online – 30/03/2014)

Taxas de câmbio e alta burocracia são maiores entraves para a exportação brasileira
Com saldo negativo de US$ 6,1 bilhões no primeiro bimestre de 2014, as perspectivas para as exportações brasileiras não são nada animadoras para este ano. Somente em janeiro, a Balança Comercial registrou déficit de R$ 4 bilhões, atingindo diretamente a produção do país, uma vez que, com a entrada dos importados, a produção brasileira perde em escala e utiliza cada vez menos sua capacidade produtiva.
Segundo especialistas que discutiram o tema durante a reunião de gerentes da Rede de Centros Internacionais de Negócios - CIN, realizada na Federação das Indústrias do Estado do Pará (FIEPA), em Belém, nos dias 26 e 27 de março, um dos motivos que contribuem para este cenário negativo é o fim do Sistema Geral de Preferência (SGP), benefício tarifário dado pelos europeus para economias em desenvolvimento. O SGP expirou em dezembro de 2013 para as exportações brasileiras e, fora do Sistema, importantes setores exportadores do país acabaram tendo significativa subida nas tarifas de seus bens.
Com a constante alta das importações, as indústrias brasileiras acabam perdendo mercado no comércio internacional e provocando o fenômeno da desindustrialização. "O comércio exterior está reprimido. Passa por um momento complicado, onde o saldo é decrescente. Observamos uma fusão muito grande de indústrias e serviços e um déficit considerável no setor de manufaturados", aponta Diego Bunomo, gerente executivo de Comércio Exterior da Confederação Nacional da Indústria (CNI).
Marcelo Azevedo, especialista da gerência de Política Econômica da CNI, conta que um estudo realizado pela Confederação apontou que, para 94,5% dos estados brasileiros, os principais entraves para a exportação vêm sendo as taxas de câmbio e as burocracias alfandegária, aduaneira e tributária. "É preciso também que haja um rearranjo na macro economia dos estados para que possamos melhorar as taxas de câmbio", diz.
COMPETITIVIDADE - Embora os principais problemas enfrentados pelas empresas estejam mais ou menos nivelados entre os estados brasileiros, há outros fatores que impedem a competitividade das empresas, como a falta de infraestrutura adequada de portos, rodovias e energia. "Essas dificuldades nas etapas operacionais também se somam aos problemas enfrentados pelo setor", destaca Marcelo.
O Pará é um dos Estados que sente na pele o problema da falta de infraestrutura adequada. Segundo o gerente do CIN-Pará, Raul Tavares, os sucessivos resultados negativos do saldo da Balança Comercial Brasileira é consequência direta dos entraves que os empresários enfrentam, tanto durante o processo de internacionalização de produtos com a questão da tributação e os problemas no trâmite aduaneiro, como com o baixo nível de investimentos na infraestrutura e logística da exportação. "Esses fatores forçam os empresários a botar o pé no freio, reduzindo a quantidade de contratos", analisa.
Karina Gueiros, gerente do CIN da Paraíba, destacou que, além das taxas de câmbio e da burocracia alfandegária e aduaneira, a falta de conhecimento dos procedimentos por parte das empresas envolvidas representam entraves. "Isso contribui, e muito, para o atraso ou a falta de sucesso nas exportações".
Em Alagoas, a pauta das exportações é 98% açúcares e derivados. "O que precisamos é fazer com que as empresas desenvolvam sua cultura exportadora. Se conseguirmos qualificar as empresas para atuar no mercado interno, elas se sentirão seguras para conquistar a competitividade que precisam no mercado internacional, um dos grandes problemas enfrentados no estado", diz Dielze Mello, gerente do CIN Alagoas. (Confederação Nacional da Indústria – 28/03/2014)

 
Abinee - Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica

Escritório Central: Avenida Paulista, 1313 - 7º andar - 01311-923 - São Paulo - SP
Fone: 11 2175-0000 - Fax: 11 2175-0090