DRI Clipping Semanal nº 21 - 23 a 25/05/16

Acordos


Veja mais

Paraguay ve posible aplicar a Venezuela el protocolo de los DD.HH. del Mercosur
El Gobierno paraguayo cree "posible" aplicar el protocolo de los derechos humanos (DD.HH.) del Mercosur al régimen de Nicolás Maduro, dijo el canciller Eladio Loizaga. Esto significa separarlo del bloque temporalmente.
"Todo es posible. Si bien Venezuela no es parte del protocolo, los DD.HH. son universales, y en eso el Gobierno paraguayo está plenamente comprometido. Nos preocupa enormemente la situación que pueda derivar en hechos violentos que sufra la población" (de Venezuela), expresó el canciller Loizaga. Fue al ser consultado si Paraguay considera que se debe aplicar a Venezuela el "Protocolo de Asunción sobre compromiso con la promoción y protección de los derechos humanos del Mercosur", aprobado en 2005.
Si a Venezuela le aplican el protocolo, será separado temporalmente del bloque como ocurrió con Paraguay en junio de 2012, cuando fue destituido el presidente Fernando Lugo vía juicio político por mal desempeño de funciones.
Argentina, Brasil, Paraguay y Uruguay ya ratificaron el documento y su entrada en vigencia se produjo el 3 de abril del 2010. Hasta el momento Venezuela, gobernado por Nicolás Maduro, no aprueba el documento.
Venezuela está sumida en una severa crisis política, social y económica. La oposición promueve la celebración de un referendo revocatorio contra Maduro, elegido hasta 2019.
Por otro lado, el nuevo canciller brasileño José Serra visitaría Asunción en fecha a confirmar. Se prevé también la ida de Loizaga a Brasilia. (ABC Color - 25/05/2016)

Venezuela next Mercosur chair, but Uruguay will continue leading negotiations with EU
Venezuela, in the midst of a most serious domestic political and economic situation, and with less foreign allies is scheduled to take the chair of Mercosur as of next June for the following six months. However it has been agreed that Uruguay will continue leading Mercosur negotiations with the European Union for a much delayed wide ranging cooperation and trade agreement.
This is because Venezuela is not part of the EU discussions, since it was the last country to become full member of Mercosur and trade negotiations were started in 1999 and re launched in 2010. Furthermore Uruguay has been steering negotiations and the recent exchange of proposals, in number of goods and services, and time, to cut tariffs.
However the current political situation in Venezuela has become a great challenge for the other Mercosur full members and associates, which are divided on to whether or not to apply the so called 'democratic clause' to the Chavista regime. President Nicolas Maduro is accused of impeding a recall referendum which has the support of two thirds of Venezuelans, according to the latest opinion polls.
Last week Argentina, Brazil and Uruguay called on all sides in Venezuela, government, opposition, institutions to keep to rules of the game and urgently find a peaceful mechanism to reach a solution that contemplates democratic values, respect for human rights and a return to an effective political dialogue.
Likewise on Monday, Argentina and Brazil, during the meeting of foreign ministers Susana Malcorra and Jose Serra, said they were willing to work together to help find a solution to Venezuela's political crisis.
Brazil's foreign minister Serra said in Buenos Aires that Venezuela is facing a critical situation, and "we want to find a path toward reconciliation."
But Venezuela's Maduro is not only facing domestic challenges and a melting economy, but has lost close friends in Mercosur, Brazil and Argentina are now ruled by business friendly governments, interim Michel Temer, and elected Mauricio Macri. President Dilma Rousseff is currently suspended from office for 180 days while the Senate decides on her impeachment. In Argentina Cristina Fernández is back in Santa Cruz province, preparing for a long list of court summons. (MercoPress - 25/05/2016)

Mercosur apuesta por Uruguay para seguir coordinando diálogo con la EU
El canciller de Paraguay, Eladio Loizaga, anunció ayer que el Mercosur se plantea la posibilidad de que Uruguay siga como coordinador de las negociaciones sobre las ofertas comerciales con la Unión Europea (UE), una vez que deje la presidencia temporal del bloque regional en julio.
"Estamos en conversación lógicamente de la posibilidad de que Uruguay pueda seguir como coordinador de estas negociaciones, teniendo en cuenta que Venezuela no es parte en este momento y lógicamente todo el historial que se tiene del Mercosur y la UE está entre los cuatro países", dijo Loizaga. El canciller también indicó que esta iniciativa podría concretarse en la próxima Cumbre de Jefes de Estado del Mercosur que está prevista se celebre en julio próximo en Montevideo.
La presentación de las propuestas comerciales entre el Mercosur y la UE se llevó a cabo en Bruselas el 11 de mayo.
Allí, el Mercosur y el bloque europeo intercambiaron las ofertas de productos para analizarlas y posteriormente considerarlas a mediados de junio, cuando está previsto que se vuelvan a reunir ambas delegaciones en Montevideo. (El Pais - Uruguay - 25/05/2016)

Quieren que Uruguay lidere proceso con EU
El ministro de Relaciones Exteriores, Eladio Loizaga, dijo que existe el consenso entre los 4 países fundadores del Mercosur para que el Uruguay siga liderando el proceso de negociación entre este bloque y la Unión Europea de un tratado de libre comercio, aun luego de transferir la presidencia temporal a Venezuela.
Explicó que esto obedece a que Venezuela no es parte en este momento del proceso de negociación con la UE, y a que todo el historial que se tiene del Mercosur y el bloque europeo "está entre los cuatro países". Dijo que Argentina, Brasil, Paraguay y Uruguay, el 26 de marzo de 1991, suscribieron el Tratado de Asunción por el que formalizaron la creación del bloque sudamericano.
Anunció que está en contacto con los cancilleres del Brasil, José Serra; de Argentina, Susana Malcorra, y del Uruguay, Rodolfo Nin Novoa, "en todo lo que hace a este proceso Unión Europea - Mercosur" y sobre lo que será la próxima cumbre del bloque, a celebrarse en la primera quincena de julio. Entonces, Uruguay transferirá la presidencia semestral del Mercosur a Venezuela.
En otro orden, el canciller anunció que Paraguay participará de la próxima cumbre de la Alianza del Pacífico, que será el 29 de junio, en Puerto Varas (Chile). "Estamos muy bien como país en el marco del acercamiento entre la Alianza del Pacífico y el Mercosur", resaltó. Sobre el tema, el viceministro Rigoberto Gauto aclaró que ya está aprobado un plan de acción con vistas a la convergencia entre el Mercosur y la Alianza del Pacífico. (Ultima Hora - 25/05/2016)

Chile y Uruguay alcanzan importantes avances en negociación de acuerdo de comercio bilateral
Con importantes avances en temas relacionados a la facilitación de comercio, políticas de competencia, obstáculos técnicos al comercio y medidas sanitarios y fitosanitarias, concluyó el lunes la III Ronda de Negociaciones entre Chile y Uruguay, informó la Direcon.
"Estamos satisfechos porque hemos ido logrando progresos importantes y tenemos la expectativa de cerrar las conversaciones en las próximas semanas", anunció el director de Asuntos Económicos Bilaterales de la Direcon, Pablo Urria.
Según Urria, la negociación bilateral permitirá a los países avanzar en materias que no están contempladas en el Acuerdo de Complementación Económica ACE 35 con Mercosur, como medio ambiente o comercio de servicios, entre otras.
Durante 2015, el intercambio comercial entre los dos países totalizó 348 millones de dólares. Las exportaciones chilenas a Uruguay sumaron 148 millones de dólares, mientras que las importaciones fueron de 199 millones de dólares.
Además, Uruguay se encuentra entre los seis principales destinos de la inversión de capitales chilenos en el mundo, acumulando a diciembre de 2104 cerca de 3.925 millones de dólares, precisó la Direcon. (MarcoTradeNews - 25/05/2016)

Nin Novoa: "El Mercosur falló en la inserción con el mundo"
El canciller, Rodolfo Nin Novoa, dijo este martes que el Mercosur falló en la inserción con el mundo, durante un encuentro sobre política internacional que reunió a varios especialistas en la materia en Montevideo.
En la actividad denominada "Desafíos de la política internacional uruguaya", el ministro destacó que Uruguay ha impulsado un "sinceramiento y flexibilización" de este organismo multinacional en materia de elaborar planes de acción para levantar "los obstáculos" de comercio intrazona.
"Lo que ha fallado, y todo el mundo lo reconoce, es la inserción externa. El Mercosur tiene muy pocos acuerdos comerciales con el resto del mundo. Tenemos que actuar con mucho realismo", aseguró.
Además, resaltó que este organismo debe "poner el esfuerzo" en hacer una zona de libre comercio.
"Hagamos que se levanten las barreras y restricciones, que se pueda negociar y que podamos volver a tener el nivel de intercambios que teníamos cuando empezó el funcionamiento del Mercosur", sentenció.
En ese sentido, Nin Novoa apuntó que "hay indicios" de que se puede mejorar el funcionamiento del Mercosur en lo que "se está trabajando", y añadió que Uruguay no se va de este organismo ya que el mismo representa su principal plataforma y que este debe ser "el trampolín que lance" a los países integrantes al exterior.
Sin embargo, hizo énfasis en que los principales competidores del país, fuera del Mercosur, en los mercados internacionales son Estados Unidos, Canadá, Australia y Nueva Zelanda, que pertenecen al Acuerdo Transpacífico de Cooperación Económica (TPP por sus siglas en ingles).
A su juicio, "si no se reconocen" este tipo de alianzas, Uruguay seguirá con la venta de carnes y lácteos "pero en condiciones mucho más desfavorables" que las que poseen los demás, y agregó que de ser así, su país estará sujeto a la demanda de los países y mercados "menos exigentes".
"Un país como Uruguay, que tiene que basar su producción y su canasta exportable en la calidad, tiene que acceder a los mejores mercados, a los más caros, a los que pagan más", puntualizó.
Finalmente, el canciller uruguayo enfatizó en que "no existe el comercio solidario", por lo que llamó a "entender que el mundo es así" y cuando eso se logre existirá una "gran oportunidad" para proyectar a Uruguay hacia adelante, teniendo como objetivo el mejorar las condiciones de vida de los ciudadanos.EFE (Espectador - 25/05/2016)

México y la UE por modernizar acuerdo bilateral
México, México y la Unión Europea negociarán la modernización de su acuerdo global bilateral, incluido el marco jurídico, trascendió hoy.
Así lo confirmaron aquí la alta representante de la Unión Europea para Asuntos Exteriores y Política de Seguridad, Federica Mogherini, la canciller Claudia Ruiz Massieu y el titular de economía mexicano, Ildefonso Guajardo.
La negociación es consecuencia de la aprobación por el Consejo de la Unión Europea del mandato para modernizar el Acuerdo Global México-UE, anunciada el 23 de mayo.
Tal decisión da seguimiento a la VII Cumbre UE-México, realizada a nivel presidencial en junio de 2015, durante la cual se reiteró el compromiso de actualizar el marco institucional bilateral en los pilares político, comercial y de cooperación, con el fin de adaptarlo a la nueva realidad entre las partes y del escenario internacional.
México y la Unión Europea acordaron celebrar la primera ronda de negociaciones el próximo mes de junio, en una fecha a convenir de mutuo acuerdo, y se comprometieron a avanzar con celeridad en el proceso de negociación, con el fin de contar cuanto antes con un nuevo marco jurídico.
Mogherini participa aquí en el trigésimo sexto período de sesiones de la Comisión Económica para América Latina y el Caribe (Cepal), adonde concurren ministros y otros altos funcionarios de Economía, Desarrollo Social, Comercio Exterior de la región y representantes de países asociados a la entidad dependiente de Naciones Unidas.
El foro fue inaugurado la víspera en la residencia oficial de Los Pinos, en presencia del presidente Enrique Peña Nieto y de Alicia Bárcena, secretaria ejecutiva de la Cepal. (Prensa Latina - 25/05/2016)

Spain: COAG will request cancellation of EU-Morocco free trade agreement
The head for fruits and vegetables at COAG, Andrés Góngora, is requesting in the European Parliament for the immediate implementation of the ruling cancelling the agreement for free agricultural trade between the EU and Morocco because of the illegal inclusion of Western Sahara, a territory over which, according to the UN, the Alawite countries does not have sovereignty.
Góngora is the only representative of Spanish growers taking part in the conference organised in the European Parliament to discuss the ruling of the EU Court of Justice, which is annulling the agricultural agreement between the two territories. During his speech, the Almeria-based producer has analysed the implications of this for the Spanish fruit and vegetable sector.
In the current 2015/16 campaign, tomato imports into the EU, according to the DG TAXUD, have increased by 71% in October, 6% in November, 7% in December, 18% in January, 12% in February and 14% in March, compared to the average of the previous three years.
Meanwhile, the 2015/16 season has been disastrous for tomato producers in Spain and, in general, in the EU. In Spain, according to the Ministry of Agriculture, the average price at origin has stood at 0.50 €/kilo, with record lows of 0.20 €/kilo, according to data from the sector reported by COAG.
"We are talking about an agreement that is deeply damaging to the economy of numerous European production areas and which directly conflicts with our production schedules. And not only that, it is an agreement that is being violated systematically, for the benefit of a few. The control of fraud in EU borders is practically non-existent and the situation is only made worse by weak regulations, tailored to those who want to avoid paying taxes," stated Góngora.
Furthermore, the representative of COAG underlined that the EU-Morocco agreement violates European legislation on the marketing of fresh fruit and vegetables with regard to the accuracy of the information contained in the labelling of Moroccan imports.
"There is a clear violation of the rights of EU citizens as consumers as regards the accuracy of the information contained in the product labelling. European legislation states that the fresh fruit and vegetables sold to the consumer can be marketed only if they mention the country of origin. However, the ability of European consumers to discern whether a product labelled as originating in Morocco comes from this kingdom or from the non-autonomous territory of Western Sahara puts limits on their rights," explained Góngora. (FreshPlaza - 25/05/2016)

Belarus ratifies EEU-Vietnam Free Trade Agreement
Belarusian MPs ratified the free trade agreement between the Eurasian Economic Union (EEU) and Vietnam on 25 May, BelTA has learned. The agreement was signed in Kazakhstan on 29 May 2015.
It is a universal and integrated document that regulates issues related to the movement of goods and services. After the document comes into force, customs duties will be zeroed on 60% of commodity items traded between the parties. By 2025 when all transition periods are over, customs duties on almost 90% of commodity items will be reduced to zero.
First Deputy Minister of Foreign Affairs Alexander Mikhnevich explained that the agreement would promote trade and economic cooperation between Belarus and Vietnam, help strengthen the positions of the Belarusian export on the Vietnamese market and also diversify exports to Vietnam. "Vietnam is a member of the Association of South East Asian Nations (ASEAN) where there is a free trade zone too. Belarusian exporters will get access to the markets of the region," Alexander Mikhnevich added. (Belarus News - 25/05/2016)

Visita de Serra: apoyo a la nueva gestión en Brasil
Cambios en la región. El futuro del Mercosur
Natasha Niebieskikwiat
En lo que fue el primer contacto personal con el gobierno interino de Brasil, el presidente Mauricio Macri recibió ayer al canciller José Serra, quien previamente hizo un repaso de la agenda bilateral y de los objetivos mutuos con la canciller Susana Malcorra.
El Presidente invitó a su colega provisional Michel Temer a la Argentina, dijo el ministro brasileño.
Pero en Buenos Aires aún no confirmaron el dato. En diez días viajará a Brasil la vicepresidente Gabriela Michetti.
Al caer la tarde, en la embajada de Brasil, Serra contó que en las conversaciones con las autoridades argentinas ya blanquearon las intenciones de ¨agilizar los mecanismos ¨ para buscar la flexibilización del Mercosur que le permita establecer acuerdos bilaterales.
Serra no fue del todo claro porque después diría ante una pregunta de este diario que lo que el criticaba en el pasado era la imperfección del bloque aduanero y se mostró partidario de convertirlo en una zona de libre comercio pero interna.
Macri también ha dicho que desea flexibilizar el Mercosur pero aún no definió cómo. Por lo pronto asistirá como país observador a la próxima cumbre de la Alianza del Pacifico, en Chile, el 1 de julio.
Malcorra y Temer se reunieron primero en coincidencia con una protesta que varios manifestantes llevaron a cabo en las puertas de la cancillería. Luego almorzaron junto al titular de Hacienda y Fi- nanzas, Alfonso Prat Gay y el presidente provisional del Senado, Federico Pinedo. También estuvieron los embajadores Everton Varga Vieira y Carlos Magariños.
Serra contó ayer que abordaron varios puntos. Además del Mercosur en sí mismo, la flexibilización de ese espacio de integración, hablaron de las relaciones políticas y firmó con Malcorra un memorándum de entendimiento.
Ese memorandum es para mejorar el intercambio comercial y activar mecanismos de información y seguimiento de proyectos entre los socios mayores del Mercosur.
También hablaron de combatir delitos en las fronteras como el narcotráfico y el contrabando de armas y mercadería. Y discutieron cómo relanzar las conversaciones sobre la hidrovia.
Y si bien conversaron sobre Venezuela, el propio Serra negó que se hubiera profundizado en buscar la cláusula democrática en la OEA.
Argentina de hecho no es partidaria de buscarla, al menos en este momento.
Poco antes en la Casa Rosada Malcorra defendió el reconocimiento argentino de las autoridades actuales brasileñas. Dijo que ya lo habían conversado con la suspendida Dilma Rousseff y señaló; ¨No es responsabilidad de la Argentina legitimizar o no la gestión del presidente (Michel) Temer".
Agregó que hubo "un procedimiento que se ha seguido a rajatabla" en Brasil y "no encontramos que haya alguna razón para que el proceso no haya sido legal".
Serra también estuvo reunido en la Casa Rosada con Michetti quien firmó junto al legislador brasileño Aloysio Ferreria la conformación de una comisión binacional de senadores precisamente para ¨despejar ¨ los problemas bilaterales.
Por cierto, el hecho de que el gobierno argentino haya recibido a José Serra en visita oficial debe leerse como un gesto de respaldo a la nueva administración brasileña al gobierno surgido tras la suspensión de Dilma Rousseff.
La visita del canciller brasileño, en medio de las turbulencias que también afectan al gobierno de temer en Brasil ( ver más información en esta página) sirvió para legitimar el interinato que se inauguró en Brasil.
Se trata del mayor socio comercial de la Argentina cuya crisis está impactando en numerosos sectores industriales.
Argentina tiene un déficit comercial con Brasil por US$ 1.338 millones en el primer cuatrimestre del año, tres veces más que en el mismo período de 2015. (Clarín - 24/05/2016)

Brasil propone flexibilizar el Mercosur para avanzar en acuerdos bilaterales
Economía y política
El funcionario dijo que el objetivo es que los países puedan hacer tratados de libre comercio. La Argentina defendió negociaciones con terceros mercados pero como bloque.
por NATALIA DONATO
En una clara devolución de favores al gobierno de Mauricio Macri, por el apoyo recibido ni bien asumió, el flamante presidente brasileño, Michel Temer, envió a su canciller José Serra de visita a la Argentina para relanzar las relaciones políticas y económicas con el principal socio comercial. Tras un día cargado de reuniones con el Presidente, su par local, Susana Malcorra, y el ministro de Economía, Alfonso Prat-Gay, ambos gobiernos del Mercosur firmaron un Memorándum de Entendimiento para crear un mecanismo de coordinación política bilateral y coincidieron en la necesidad de diseñar estrategias para agilizar el deprimido comercio bilateral, que en 2015 alcanzó los u$s 23.083 millones, un 42% menor que en 2011.
A su vez, Brasil impulsa la creación de mecanismos para flexibilizar el Mercosur y que los países miembros puedan avanzar en acuerdos de libre comercio, por ejemplo, con los países de la Alianza del Pacífico.
En una conferencia de prensa que ofreció por la tarde en la residencia del embajador -al término de su encuentro con Macri- Serra confirmó que dialogó con el gobierno argentino al respecto y esta idea "tuvo una buena recepción". "Yo creo que la negociación se va a encaminar en este sentido", aclaró el canciller, líder del Partido de la Social Democracia Brasileña (PSDB).
Al ser una unión aduanera, el Mercosur impide a sus socios realizar un acuerdo de libre comercio con terceros países. Las negociaciones deben hacerse en bloque, como está ocurriendo con la Unión Europea. Hoy los países tienen acuerdos bilaterales con otros mercados pero se enmarcan en acuerdos marco sellados entre ese país y el Mercosur. Es el caso de México o Colombia con Brasil, que se firmó bajo el paraguas del convenio entre el Mercosur y la Comunidad Andina de Naciones (CAN). De otro modo, los intentos que tuvieron algunos miembros por avanzar en acuerdos de libre comercio con terceros países no fueron exitosos. Es el caso de Uruguay, cuando buscó avanzar en un TLC con Estados Unidos.
Pese a las declaraciones de Serra, que se alinean con su histórica oposición al Mercosur y dan cuenta de su interés por convertir al Mercosur en una zona de libre comercio, Malcorra emitió un comunicado -el segundo del día vinculado con la visita de su par brasileño-en el que recordó "los principios y valores compartidos que dan sustento a la integración regional en el Mercosur" y reafirmó la voluntad de la Argentina de "continuar trabajando en este ámbito para dar cumplimiento a los compromisos asumidos, desarrollar una agenda común hacia el interior del bloque y llevar adelante negociaciones conjuntas con terceros países y grupos de países".
Además, la funcionaria consideró necesario "perfeccionar el Mercosur para darle mayor dinamismo a su relacionamiento externo, tanto a nivel regional como extra-regional, particu larmente en el contexto de la negociación con la UE y otros procesos negociadores en curso".
El memorándum para tener una coordinación política bilateral constituye el marco legal necesario para dar seguimiento a proyectos e iniciativas de ambos países en materia de ciencia y tecnología, infraestructura, energía y defensa, entre otros sectores considerados estratégicos por los países.
A dos semanas de haberse convertido en el canciller de Temer, Serra eligió la Argentina como primer destino para relanzar las relaciones a partir del cambio político-institucional registrado en su país. Macri fue el primer presidente que legitimó el nuevo gobierno, tras la suspensión por 180 días de Dilma Rousseff. En agradecimiento, el canciller eligió este país, y lo mismo hará Temer cuando comience con sus viajes por el exterior. Serra confirmó que la Argentina será el primer país que visitará su presidente.
El capítulo comercial será de gran importancia en esta nueva etapa, ya que el éxito de la gestión de Serra será la de buscar nuevos mercados de exportación para los productos brasileños. Que Brasil retome la senda de crecimiento dependerá de las medidas que tome el nuevo gobierno y de la legitimidad popular que tenga. "La crisis política no terminó. Estamos en una nueva etapa. Este gobierno tiene legitimidad porque lo hizo bajo el impeachment, pero hay que ver si puede lograr la aprobación del paquete de reformas fiscales en el Congreso", afirmó el economista de Abeceb, Dante Sica. Según su visión, esas medidas podrían mejorar la situación económica entre fin de este año y el 2017.
La preocupación de los empresarios argentinos radica justamente en la necesidad que tiene Brasil de colocar sus excedentes de producción. Incluso, en lo que va del año crecieron mucho más las importaciones brasileñas que las ventas argentinas a ese país. (Cronista - 24/05/2016)

Mercosul-União Europeia
Rubens Barbosa*
Depois de mais de 15 anos, no último dia 11, o dia em que o governo do PT foi afastado do poder pelo Senado, iniciou-se finalmente a negociação entre o Mercosul e a União Europeia (UE), com troca de oferta de bens, serviços e investimentos.
Do lado europeu, a decisão não foi sem percalços. Durante um bom tempo, alguns países conseguiram adiar a decisão. Em 29 novembro de 2015, em reunião da Comissão Europeia, três países, França, Irlanda e Hungria, com apoio discreto da Lituânia, da Polônia e da Estônia, manifestaram-se contra o início dos entendimentos com o Mercosul. O apoio da Alemanha e do Reino Unido foi o que propiciou a prevalência da maioria.
Representantes dos setores agrícola e industrial daqueles países objetaram fortemente, sob o argumento de que alimentos geneticamente modificados não poderiam entrar em alguns países e que as restrições na área industrial e de serviços continuariam elevadas. A relutância em tomar uma decisão positiva era justificada pela prioridade na negociação comercial da UE com os EUA, a Austrália, a Nova Zelândia e o México; pelo baixo nível da oferta do Mercosul, em torno de 87% do volume de comércio entre as duas regiões; e pela percepção de que haveria resistência para a aceitação de regras sobre compras governamentais, investimento, direitos trabalhistas, meio ambiente e serviços e outras.
Na reta final, o protecionismo agrícola, liderado pela França, pela Irlanda, pela Hungria e outros, prevaleceu, tanto que a carne e o etanol estão pendentes na lista de ofertas da UE. Embora representando apenas perto de 2% do comércio global da UE, o Mercosul tem um significado geoestratégico (crescente presença da China) e de oportunidade em vista da maior competitividade das empresas europeias.
Do lado do Mercosul, o que facilitou o renovado interesse em avançar os entendimentos com a União Europeia, além da postura pública dos empresários em favor do acordo, foi o empenho do governo brasileiro, em 2015, com gestões de alto nível em todos os países-membros a favor da decisão positiva, com a promessa de que a posição inicial de 87% seria apenas o primeiro passo a ser ampliado quando as negociações efetivamente começassem. A eleição de Mauricio Macri para a Presidência da Argentina e sua intenção de desmantelar as restrições protecionistas ilegais criadas pelo governo de Buenos Aires nos últimos anos foram também fatores positivos. Para o Mercosul, a União Europeia é seu principal mercado, com 20% do comércio global, e envolve também um significado geoestratégico pela necessidade de estar presente quando a UE concluir um acordo comercial com os EUA.
Os obstáculos técnicos derivados da influência da plataforma política do PT sobre as negociações comerciais deverão desaparecer com o governo de Michel Temer. Nos últimos 15 anos a negociação de acordos comerciais mudou radicalmente. A negociação praticada até o final do século 20, cujo foco era a liberalização do comércio pela eliminação das barreiras tarifárias, passou a ter como objetivo principal barreiras não de tarifas, mas de regras complexas de difícil negociação. As normas tradicionais que diziam respeito à redução de barreiras tarifárias e à eliminação de subsídios e incentivos, que traziam distorções ao livre-comércio, usualmente definidas de forma multilateral na Organização Mundial do Comércio (OMC), passaram para segundo plano. Os acordos de última geração - como a Parceria Trans-Pacífico - incluem regras que incidem sobre as legislações internas, existentes nos sistemas jurídicos nacionais.
A negociação com a União Europeia terá o mérito de trazer os países-membros do Mercosul para a realidade dos tempos atuais.
O novo governo vai ter de lidar com as novas características dessa negociação. Não mais vai ser possível ignorar essas transformações e insistir somente nas políticas seguidas nos últimos anos: eliminação das restrições ao acesso a mercados na área agrícola (fim dos subsídios e dos incentivos) e defesa de medidas restritivas para proteger a indústria, arrasada por políticas equivocadas dos governos petistas.
O início das negociações com a UE vai retirar o Mercosul do isolamento promovido pela estratégia de negociação do Brasil e da Argentina até recentemente. Do ponto de vista do Brasil, a negociação é importante porque poderemos acompanhar de perto os entendimentos já iniciados entre a Europa e os EUA com base nos acordos de última geração.
O grande desafio para o Mercosul vai ser como lidar com a pressão da Europa para a redução das tarifas em todos os setores - com listas de exceções reduzidas e com regras inovadoras em propriedade intelectual, na questão do conteúdo nacional, nas compras governamentais, no papel das empresas estatais, na legislação trabalhista e de meio ambiente, entre outras. Na área agrícola, de interesse prioritário para o Mercosul, as cotas reduzidas que certamente serão oferecidas para os produtos brasileiros, em especial a carne, certamente causarão reação interna.
As negociações estão apenas começando e as posições iniciais deverão sofrer adequação ao longo das conversações. Realisticamente, contudo, talvez o acordo, para ser concluído, tenha de ser menos ambicioso do que ambas as partes gostariam, em vista das dificuldades internas dos dois lados.
Apesar dessas incertezas, devem ser saudadas como muito positivas as notícias do início das negociações Mercosul-União Europeia.
O ministro José Serra indicou que o Mercosul fortalecido deve "utilizar a vantagem do acesso ao nosso mercado interno como instrumento de obtenção de concessões negociadas na base de reciprocidade equilibrada". Com Serra, o acordo não deverá ser concluído a qualquer custo. "Não tem sentido fazer concessões, sem reciprocidade", é a mensagem que transmitiu a Bruxelas. *Rubens Barbosa é presidente do Conselho de Comércio Exterior da Fiesp (O Estado de SP - 24/05/2016)

Serra busca apoio de Macri para flexibilizar Mercosul
BRASIL
A visita do ministro de Relações Exteriores, José Serra, a Argentina, ontem, deixou claro o interesse do governo interino de Michel Temer de buscar no principal parceiro da região apoio à ideia de regras mais flexíveis para o Mercosul. Os dois lados mostram pressa na reaproximação. (Valor Econômico - 24/05/2016)

Venezuela presidirá el Mercosur en medio del caos
Venezuela asumirá en junio de este año la presidencia pro témpore del Mercosur y lo hará en plena crisis política y económica. La titularidad del bloque regional es rotativa cada seis meses y actualmente la ejerce Uruguay.
El canciller uruguayo, Rodolfo Nin Novoa, explicó días atrás que su país seguirá liderando las negociaciones para un acuerdo de libre comercio entre el Mercosur y la Unión Europea, mientras dure la titularidad venezolana del bloque regional. Es debido a que la nación caribeña no participa de las conversaciones.
Posición paraguaya
La Cancillería paraguaya emitió el sábado último un comunicado sobre la crisis política que vive Venezuela. El documento "exhortó" al Gobierno de Nicolás Maduro, a la Asamblea Nacional y los actores políticos y sociales de esa nación caribeña "a mantener la plena vigencia de las instituciones democráticas, el Estado de derecho, el respeto a los derechos humanos y a la libertad de expresión". (ABC Color - 24/05/2016)

Macri's Argentina and Temer's Brazil seal close political and working relationship
Argentina and the new interim government of Brazil sealed this Monday their close relationship when foreign minister Jose Serra in a brief visit to Buenos Aires, his first overseas trip, met privately with President Mauricio Macri. . Earlier in the day the Brazilian official signed a memorandum of understanding for a bilateral mechanism of political coordination with his peer Susana Malcorra.
"The mechanism will have as main objectives the exchange of a bilateral, regional and global agenda with the purpose of coordinating positions, and the follow up of strategic bilateral integration projects, particularly in the fields of science, technology and innovation, defense, air industry, energy, trade, as well as all those areas which the governments might consider a priority", explained Malcorra in reference to the 12-point MoU.
Attending the signing ceremony was Argentine finance minister Alfonso Prat-Gay, the Argentine ambassador in Brazil, Carlos Alfredo Magariños and were later joined by the acting president of the Senate, Federico Pinedo.
Malcorra made it a point to underline the commitment of the two countries to integration and the role Mercosur plays, and anticipated a common agenda inside the block and to advance joint negotiations with third countries, and groups of countries.
"We need to improve Mercosur and incorporate new disciplines in line with the more modern integration processes, effectively advancing relevant issues of the agendas giving greater dynamism to foreign relations, both in the region and outer region, particularly in the context of current negotiations with the European Union and other processes on course", indicated the Argentine official.
While Serra was with Macri, Malcorra told the media that "there is no reason to argue that the current process in Brazil, which suspended Rousseff, has not been legal. There is an internal situation and it has followed strictly what the institutional rules of Brazil signal, and we have followed events closely".
The minister added that "this has been a clear signal of institutional continuity and of working with our main partner, as we have said in multiple occasions: Brazil is a strategic associate of Argentina and whatever happens in Brazil, impacts on Argentina, so we have no other alternative but to work with Brazil".
Malcorra said that the first meeting with Serra was very important because "we established an inventory of where we stand, and we have decided on the next steps to continue working and this is only natural, as good neighbors and with partners such as Brazil".
Finally if at any moment the process which is ongoing, "we believe it is not respecting the institutions as it should, then we would be in a position to review the whole situation. But so far, this is not happening and we feel very solid in that respect", underlined the Argentine minister.
In effect Argentina, and the Macri administration were the first to recognize the new situation in Brazil, ("The Argentine government respects the developing institutional process"), despite the fact that other countries close to the suspended Rousseff have been critical and referred to the Temer administration as illegitimate and the result of a congressional 'coup'. Other countries in the region have not criticized but have remained silent or adopted the attitude of "business as usual".
When asked specifically about the countries critical of the impeachment process against Rousseff, Malcorra admitted there are countries in the Americas with a different reading of events and have gone as far as considering implementing the OAS democratic clause against Brazil, but "we don't see it that way or have we seen it along the process, which has not happened overnight".
In other words the administration of president Macri has become the great ally of Temer's government, with whom they share an orthodox approach to economics and public affairs management, plus a foreign policy closer to Washington, than the so called 'progressive' nations movement headed by Venezuela, Ecuador, Cuba, Nicaragua.
Serra is a heavy weight of the Brazilian political system: senator, ex mayor of Sao Paulo city, ex governor of Sao Paulo state and twice presidential candidate. He has also repeated that Brazilian foreign policy will be geared by the country's interest, "not subject to any ideological or party leanings".
Apparently Serra on taking the job insisted that Itamaraty, Brazil's foreign office, be left out of internal politics, as has been the tradition of Latin America's largest country historically, which was severely conditioned since Lula da Silva and Rousseff took office, turning the office into a mirror of their administration's militancy, and replacing professionals by the so called 'beards', identified with domestic politics.
"The Argentine government has changed, and so has the Brazilian government, so we must begin a new chapter", Serra was quoted. (MercoPress - 24/05/2016)

Brazil and Argentina to work together to help find a solution to Venezuela
Brazil and Argentina will work together to help find a solution to Venezuela's political crisis, Brazil's acting foreign minister said on Monday. Venezuela is facing a severe economic crisis, with the world's highest inflation and shortages. Polls indicate most Venezuelans want President Nicolas Maduro out of office.
"We're on alert when it comes to Venezuela. Brazil and Argentina have an interest that includes mediation," Brazilian Foreign Minister Jose Serra said at a news conference after meeting with Argentine President Mauricio Macri in Buenos Aires.
It was Serra's first official trip since being appointed after Brazilian President Dilma Rousseff was suspended pending an impeachment trial.
"Venezuela is facing a critical situation," Serra said. "We want to find a path toward reconciliation."
Brazil also has been facing a political crisis as well as rising inflation and lower prices and waning demand for exports of its commodities.
Economic ties between Brazil and Argentina, the continent's two largest economies, have been hit by Brazil's worst recession in decades. The GDP of Argentina's top trading partner shrank 3.8% last year and Argentine exports to Brazil plunged.
Both countries agreed Monday to search for mechanisms that can help secure trade deals independently rather than through the Mercosur trade bloc as they had been doing.
"This doesn't mean that other countries can't do the same," Serra said. "Sometimes you can begin something, open the possibility so others can soon follow."
Mercosur's members include Argentina, Brazil, Paraguay, Uruguay and Venezuela. The latter became a full member of the South American bloc in 2012 in an effort to link the region's most powerful agricultural and energy markets. (MercoPress - 24/05/2016)

Argentina y Brasil piden "conciliación" en Venezuela y un Mercosur dinâmico
Argentina y Brasil apostaron este martes por que Venezuela halle un "camino de conciliación" en su situación y coincidieron en la necesidad de dotar de mayor dinamismo al relacionamiento externo del Mercosur, en particular en la concreción del acuerdo comercial que se negocia con la Unión Europea.
EFE
"Venezuela está en una situación crítica", consideró hoy ante la prensa en Buenos Aires el nuevo canciller brasileño, José Serra, que eligió Argentina para realizar su primer viaje al exterior desde que Michel Temer asumió la Presidencia interina de su país, mientras Dilma Rousseff es sometida a un juicio político en el Senado.
En una "provechosa visita", según sus palabras, en la capital argentina mantuvo encuentros, entre otros, con el presidente Mauricio Macri -del que no trascendió lo conversado-, y su homóloga, Susana Malcorra, con quien firmó un memorándum de entendimiento para la creación de um Mecanismo de Coordinación Política Bilateral.
Uno de los asuntos tratados por ambos cancilleres, y que asumieron como un "hecho relevante para América Latina", según Serra, fue la crisis en la que se encuentra Venezuela.
"Estamos atentos. Tenemos intereses Brasil y Argentina en que pueda haber una mediación", puntualizó, para señalar que ambos países apoyan tentativas para encontrar un "camino de conciliación" realizadas por figuras como el papa y el expresidente del Gobierno español José Luis Rodríguez Zapatero.
Sin embargo, la relación bilateral y el estado en el que se encuentra el Mercosur, al que Argentina, Brasil y Venezuela pertenecen junto a Paraguay y Uruguay, resultaron los pilares fundamentales del encuentro.
Serra remarcó que desde el punto de vista práctico, junto a Malcorra resolvió crear, tanto en el Senado argentino como en el brasileño, una comisión para acompañar la implementación de medidas que los Gobiernos están negociando para dinamizar el Mercosur y "eliminar problemas de naturaleza legislativa que puedan estar trabando las relaciones".
En el mismo sentido se posicionó la canciller argentina, quien en un comunicado evocó los principios compartidos que sustentan a la integración regional y reafirmó la voluntad de su país de continuar trabajando en este ámbito para desarrollar una agenda común hacia el interior del bloque.
"Y llevar adelante negociaciones conjuntas con terceros países y grupos de países, todo ello en pos de un mayor bienestar de sus pueblos", remarcó la ministra, quien sostuvo la necesidad de perfeccionar el Mercosur e incorporarle nuevas disciplinas en línea con procesos de integración más modernos e impulsando avances en los temas relevantes de su agenda.
También dando "mayor dinamismo a su relacionamiento externo, tanto a nivel regional como extrarregional, particularmente en el contexto de la negociación con la Unión Europea (UE) y otros procesos negociadores en curso", remarcó.
Serra señaló que su país pretende "agilizar" los mecanismos de articulación para facilitar las negociaciones bilaterales de comercio.
En la instancia con la prensa no se obvió el proceso de "impeachment" (juicio político con fines de destitución) que supuso la suspensión de Rousseff por un período de hasta 180 días, tiempo en el que el Senado deberá decidir si aparta definitivamente a la mandataria del cargo y durante el cual Temer y su Gobierno funcionan de forma interina.
El político brasileño definió como "traumático" el proceso contra Rousseff pero defendió que se hace dentro de la "legalidad".
Es así que consultado por lo que puede afectar este procedimiento a las reformas en el Mercosur y la concreción del acuerdo con la UE, Serra fue tajante.
"No tenemos que esperar nada, estamos gobernando. Hay que ver bien las ofertas (de intercambio de productos) que hicimos, trabajar rápido pero no apresuradamente. Esa es la idea", subrayó.
Malcorra destacó ante los medios en otra conferencia de prensa anterior a la de su colega, que "no es responsabilidad" de su país "legitimizar o no" la gestión de Temer y remarcó que "hay un proceso interno" en ese país "que se ha seguido a rajatabla".
"Nosotros hemos estado mirando esto muy de cerca. Estuvimos en contacto con la Administración de la presidenta Rousseff hasta el momento en que se produjo la decisión del'impeachment' por parte del Senado y no encontramos que (...) haya ninguna razón para decir que el proceso no há sido legal", consideró Malcorra.
La ministra hizo énfasis en que Brasil es "el socio" de Argentina y señaló que, una vez Temer há establecido un nuevo canciller, Argentina tiene que contactar y relacionarse con él.
El memorándum firmado entre los dos países pretende dar seguimiento periódico a proyectos bilaterales estratégicos en materia de ciencia y tecnología, infraestructura o energía y defensa y tiene flexibilidad para funcionar como espacio de coordinación de posiciones en temas de la agenda regional e internacional.
Asimismo, Argentina explicó que se vela por que haya continuidad y seguimiento a la implementación de los temas de fondo de la agenda de política exterior bilateral, "independientemente de la coyuntura política interna de las partes signatarias".
"El primer país que (Temer) pretende visitar es Argentina", afirmó Serra, aunque reconoció que la "coyuntura económica y política de su país lo hacen por el momento inviable. (Ultima Hora - 24/05/2016)

Serra defende maior liberdade em acordos do Mercosul
Rodrigo Cavalheiro
Em Buenos Aires, na primeira viagem à frente do Itamaraty, chanceler se reúne com Macri e ministros argentinos
BUENOS AIRES - O chanceler brasileiro, José Serra (PSDB-SP), defendeu nesta segunda-feira, 23, em Buenos Aires, em sua primeira viagem no comando do Itamaraty, que os integrantes do Mercosul tenham maior liberdade para negociar acordos bilaterais. O senador reuniu-se ao longo do dia com a ministra das Relações Exteriores argentina, Susana Malcorra, o ministro da economia, Alfonso Prat-Gay, e o presidente Mauricio Macri.
"O Mercosul é uma união aduaneira. Não é uma zona de livre comércio, que é o que eu sempre defendi. O problema da união aduaneira é fazer acordos com outros países do mundo sem ser em conjunto. A nossa estratégia é flexibilizar isso. As vezes um pode abrir a oportunidade e os outros vêm depois", disse o tucano em entrevista coletiva na embaixada brasileira, à noite. A proposta não seria permitir que um integrante do Mercosul estabeleça acordos com países de fora do grupo e os outros membros se somem posteriormente, de acordo com a experiência de cada um.
Questionado se o governo Michel Temer teria legitimidade para propor mudanças profundas no bloco, o tucano disse que "decisões tem de ser tomadas" e há aval do Congresso. Ele ponderou que não via necessidade de grandes alterações no Mercosul antes dos seis meses que pode durar o afastamento de Dilma Rousseff.
A busca de alternativas para reativar duas economias em recessão esteve no centro de reuniões de Serra com Prat­Gay e, por último, com Macri. O intercâmbio comercial entre as nações caiu 42% entre 2011 e 2015, de US$ 39 bilhões para US$ 23 bilhões.
O governo de Macri, que reconheceu a legalidade da administração Temer minutos depois de o Senado abrir o processo de impeachment, reiteradamente disse ter interesse na retomada da atividade econômica no Brasil, responsável por 40% do comércio internacional argentino. Nos primeiros quatro meses, o déficit bilateral argentino triplicou e chegou a US$ 1,4 bilhão, em razão da queda no consumo brasileiro, segundo a consultoria Abeceb.
Do salão em que Serra falava, ouviam-se apitos de manifestantes contrários ao governo Temer. Os protestos, que ele classificou como irrelevantes, o acompanharam desde sua chegada a Buenos Aires, na noite de domingo, quando 35 ativistas jogaram bolinhas de papel contra seu carro. Ontem, 150 pessoas exigiam a renúncia de Temer e chamavam o ministro de golpista. Parte do grupo era formado por militantes kirchneristas.
Entre as diretrizes da nova política externa brasileira, anunciadas na semana passada, Serra colocou a relação com a Argentina. Em seu discurso de posse, ele citou "referências semelhantes, para reorganização da política e da economia" ao referir­se ao governo de Macri, eleito no ano passado por uma coalizão de centro­direita. Serra salientou sua intenção de "despartidarizar" o Itamaraty, algo que Malcorra também assumiu como compromisso ao tomar posse em dezembro como chanceler, após 12 anos de administração kirchnerista.
Caracas. A situação da Venezuela, que criticou o processo de impeachment brasileiro e tem sido alvo frequente de críticas de Macri, também esteve na pauta do chanceler brasileiro. O presidente argentino pressiona Caracas pela libertação de presos políticos e já ameaçou pedir a suspensão do país do Mercosul. Questionado se exigiria a punição ao país governado por Nicolás Maduro, Serra disse defender um processo de mediação. Ele ressaltou que a turbulência brasileira impediria o País de exercer esse papel de intermediário.
Serra chegou à Argentina já com a definição do novo embaixador brasileiro em Buenos Aires, Sérgio França Danese. Ele ocupa a função de secretário­geral do Itamaraty, segundo posto na hierarquia da instituição, cargo que será exercido por Marcos Galvão. (O Estado de SP - 23/05/2016)

Mercosur pundits split over deal with EU
Argentine President Mauricio Macri (right) greets his Paraguayan counterpart Horacio Cartes at Government House in Buenos Aires, back on May 9. Both discussed Mercosur and Unasur issues.
By Guillermo Háskel
Herald Staff
Experts are deeply divided on whether a free trade accord can be sealed between the blocs
In yet another illustration of the differences among pundits about the benefits of a free trade accord between the European Union and Mercosur, four experts addressing a forum this week were evenly split, albeit on different grounds.
The two blocs this month finally exchanged offers, fuelling expectations of a deal after some 20 years of disagreements.
The expectations grew after last December when Mauricio Macri - a centre-right leader seeking to reinsert Argentina into the Western world - took over as president, replacing Cristina Fernández de Kirchner, a Peronist who aligned the nation with China, Russia and Venezuela and who opposed an EU-Mercosur deal. On top of that, this month centre-right Michel Temer displaced centre-left Brazilian President Dilma Rousseff, who was suspended for 180 days by Congress over alleged budget irregularities. She is not expected to recover the presidency.
Meanwhile, a number of EU countries, led by France, are staunchly opposed to a free trade agreement with Mercosur, fearing that farm exports from Brazil and Argentina - two of the largest food providers - may displace European farmers’ products. For their part, Mercosur countries fear a flood of European technology goods.
The content of the initial offers are secret, a fact that was criticized by experts who on Thursday attended a forum on Mercosur sponsored by the Argentine Council for International Relations (CARI) thinktank, marking the bloc’s 25th anniversary.
Consulted by the Herald, the pundits were split two versus two over the possiblities of a EU-Mercosur deal.
Sandra Negro, the deputy director of the CEIDIE Centre of Interdisciplinary Studies of Industrial and Economic Rights of Buenos Aires University’s School of Law, said:
"Prospects for an accord are more encouraging because it seems - I repeat, it seems - that the political will within Mercosur is now more convergent. Of course, a deal will finally depend on the developments in Mercosur members, particularly in Brazil."
Brazil accounts for about 70 percent of the bloc’s GDP. The other members are Argentina, Paraguay, Uruguay and Venezuela, a country plunged in such a political and economic crisis that it is not even participating in the trade talks with the EU. Bolivia is expected to become the sixth full member of the Mercosur this year, or next at the latest.
"Further fuelling expectations of an accord between the two blocs - and beyond difficulties in Europe and Mercosur countries - is a paralysis of multilateral world trade talks," Negro said.
Alejandro Perotti, a former legal adviser to the Montevideo-based Mercosur Secretariat, was asked by the Herald to comment on calls from officials in the then-Rousseff administration for Brazil - partly in the face of Argentina’s past reluctance - to seek bilateral agreements from outside the Mercosur.
He replied: "With Europe you either negotiate in bloc, or you simply don’t negotiate. Europe is interested in selling its products to Mercosur, not separately to Brazil, Argentina or its other members. It thinks that the current talks between the two blocs will be successful.
"Mercosur has lost markets in the Pacific to the Pacific Alliance (formed by Chile, Colombia, Mexico and Peru), China and Taiwan markets to the Trans-Pacific Partnership and will lose more markets when the US and the EU clinch trade accords. Hence, for Mercosur, a deal with the EU is not a matter of desire but of subsistence. It has to reach an accord at any cost."
- Does that mean accepting Europe’s objections in the agricultural field?
- Not at all. It is up to knowing how to negotiate, which is a different issue.
Asked whether Mercosur was in a condition to adopt such a stance, he replied: "I would like to think it is. Because it has no Plan B."
Santiago Deluca, a former secretary of Mercosur’s Permanent Review Tribunal, said: "I don’t think there will be an accord. There is a lot at stake. Mercosur has a lot to lose on the services field, but Europe has a lot more to lose on the agricultural field. Let’s just recall that a ton of soybeans from (Argentina’s) Santa Fe province costs the same as an ipod.
"The war of the future is over food and water. Argentina, Brazil, Paraguay and Uruguay are sitting on the world’s largest reservoir of drinkable water (the Guaraní Acquifer). We have an endless capacity to produce food. I think the two blocs will go back once again to the bargaining-table."
Félix Peña, the director of the International Trade Institute of the ICBC Foundation, said: "I would say that the moment of truth has finally arrived. The EU has always alleged that Mercosur was the one refusing to reach an accord. Now, it is all but clear that Mercosur does want to negotiate. To put it in provocative terms, I would say that the EU is not actually interested in that negotiation."
Then, talking to the Herald on the sidelines of the forum, he added: "It is not that EU doesn’t want to reach an accord with Mercosur. It is simply that it can’t, due to its relationship with the US.
"There is a very simple issue. The EU’s idea of negotiating with Mercosur emerges more or less at the same time that the US sends signals that it was entering into Latin American markets with preferences which, by the way, were the path that would lead to the FTAA," he said.
The Free Trade Area of the Americas (FTAA) was a US-sponsored initiative aiming to create a free trade zone from Alaska to Tierra del Fuego.
"At stake are the preferences. An evidence of that is that shortly after the US announcement, the EU inked trade deals with exactly the same countries with which Washington had signed agreements."
Addressing the forum, Peña said that he was longing for the times when there was a "clear top political level involvement" regarding integration, such as when in 1985 Argentine President Raúl Alfonsín and Brazilian President José Sarney signed an accord that laid the foundations for Mercosur.
His colleagues agreed.
Perotti said: "A clear political decision as to whether Mercosur will be strengthened or not is required. Once such a decision is made, the ways to attain it would be a secondary issue."
Deluca said: "The story of Alfonsín and Sarney is not a fairy tale. It put an end to the idea that the neighbour was the enemy."
For her part, Negro signalled that "for different reasons, between 2003 and 2014, political voices of different Mercosur nations prevailed. Also, there is a coexistence with several regional blocs. Mercosur no longer has the presence it had in the past." (Buenos Aires Herald - 23/05/2016)

La voz de los pueblos en el Mercosur
Por Julia Argentina Perié *
Desde el inicio del proceso integracionista del Mercosur, la Unión Europea mostró su interés en acercarse, cooperar en ella y comerciar con esta parte de Latinoamérica que desde el acuerdo de 1991 de Asunción incluye a Argentina, Brasil, Paraguay y Uruguay (la incorporación de Venezuela es posterior, al igual que el inicio del proceso de inclusión de la República Plurinacional de Bolivia). La Unión Europea inició negociaciones para lograr un tratado de libre comercio con el Mercosur ya en 1995 con la firma del Acuerdo Marco Interregional de Cooperación UE=Mercosur y de allí el proceso y las negociaciones han sufrido los vaivenes de la política… y de la economía seguramente.
El caudaloso río de la integración viene siendo atravesado por Europa hace mas de cincuenta años y siguen antiguas deudas sin saldar (como los surgidos de las asimetrías económicas entre los integrantes) y otras incipientes (como el de la seguridad interna o la problemática migratoria cada vez más profunda) que demuestran que ese río está en constante y perpetuo cambio (por ello la metáfora del río), pero esta experiencia europea, se ha dicho siempre en cada alocución o debate sobre el Mercosur, debe servir a los países latinoamericanos para desarrollar, con nuestras propias particularidades, un bloque regional que a los pueblos de los países que la integran traigan desarrollo y progreso (es decir, producción, trabajo, bienestar, educación, salud, etc.). También se ha dicho siempre, en cada alocución o debate sobre el Mercosur, que la integración es el destino de nuestros pueblos porque ningún destino de país es posible en solitario y a la deriva.
Próximamente, en el marco de la reunión plenaria de Eurolat en Lisboa, el tema del avance del acuerdo de libre comercio entre la Unión Europea y el Mercosur será tema de discusión, seguramente, por lo menos entre los parlamentarios europeos y los americanos integrantes del Parlasur, pero la mayor preocupación que tenemos quienes abonamos la idea de la integración, es que los adelantos y retrocesos que se dan entre los bloques en el avance de este acuerdo son productos de las coyunturas políticas, y las letras de esos avances, fundamentalmente la letra secreta, la llevan adelante los órganos ejecutivos de uno y otro bloque (el Consejo de la Unión Europa y el Consejo del Mercado Común = Mercosur) integrados por los presidentes de los países miembro. Esto significa que ese posible acuerdo depende estrictamente de quienes presiden sus países y excluye explícitamente la voz de los pueblos de los países que integran la Unión Europea y el Mercosur.
De allí el título de este artículo, y tesis fundamental de la construcción de Parlasur que es y debe ser "La voz de los pueblos", porque los parlamentarios del Mercosur somos los representantes genuinos de los pueblos de los países que integran el Mercosur en los temas que al Mercosur se refieren. Los parlamentarios debemos participar, en representación de nuestros pueblos (y en beneficio de ellos) en todos los ámbitos y debates que lo requieran. Por esto también es importante que, al igual que Argentina recientemente, y Paraguay antes, los países miembro del Mercosur decidan rápidamente que sus parlamentarios dejen de ser elegidos en sus congresos y sean los pueblos en elecciones directas los que decidan qué hombres y mujeres tomarán su representación. * Parlamentaria Mercosur. (pagina12 - 23/05/2016)

Alianza de Pacífico y Mercosur estudian iniciativas en comercio e integración
Por EFE
LIMA. Representantes de los países de la Alianza del Pacífico y el Mercosur se reunieron en Lima para "buscar espacios para desarrollar iniciativas en materia comercial y de integración", informó hoy el Ministerio de Comercio Exterior y Turismo (Mincetur)
la cita, realizada a nivel de viceministros, ambos bloques acordaron intercambiar información y celebrar una próxima reunión a nivel técnico para explorar coincidencias en temas de Facilitación del Comercio y Cooperación Aduanera, Acumulación de Origen, Ventanillas Únicas de Comercio Exterior y Promoción comercial.
El Mincetur destacó, en un comunicado, que estas reuniones "demuestran que la Alianza del Pacífico sigue avanzando" en el cumplimiento del objetivo de su Acuerdo Marco sobre la "conformación de una plataforma de articulación e integración económica y comercial, y de proyección al mundo, en esta oportunidad con un interés y proyección en la región latinoamericana".
De acuerdo con la información, se considerarán los avances alcanzados en otros foros, como la Asociación Latinoamericana de Integración (ALADI) en disciplinas de carácter comercial, de manera que se evite duplicar esfuerzos y se busquen entendimientos entre los dos bloques.
El comunicado recordó que el 1 de noviembre de 2014 se celebró en la ciudad colombiana de Cartagena de Indias una reunión ministerial de carácter informativo sobre la Alianza del Pacífico con el Mercosur y el 24 de noviembre de ese año se realizó en Santiago de Chile el seminario "Diálogo sobre Integración Regional". (ABC Color - 23/05/2016)

En su primer viaje al exterior, llegó el nuevo canciller brasileño
Visita oficial del flamante gobierno de Brasil
José Serra vino a discutir "la eficiencia" del Mercosur. Establecerá lazos con el Gobierno tras la salida de Dilma.
Eleonora Gosman
El canciller José Serra es uno de los políticos más proverbiales del nuevo gobierno provisorio de Michel Temer. Es senador y fue intendente de San Pablo y luego gobernador. Llegó este domingo por la noche Buenos Aires en su primera visita oficial y se volverá hoy a última hora de la tarde. Esta no será, sin embargo, más que una "visita simbólica" como afirmó el diario O Globo. Serra verá al presidente Macri, a su homóloga Malcorra y al ministro Prat-Gay.
La prensa brasileña concuerda con que el objetivo del ministro es poner "en un lugar destacado" al Palacio de Itamaraty. Pretende dejar su marca en su paso por la función (él ya fue ministro de Planificación y luego de Salud en las dos gestiones de Fernando Henrique Cardoso). Define su misión como la de "desideologizar" las relaciones exteriores que, a su juicio, predominaron durante los gobierno de Lula y de Dilma, la presidenta alejada del Planalto para defenderse en el juicio que se le sigue. Economista por formación, Serra definió como su meta central desarmar la estructura actual del Mercosur para darle al bloque "más eficiencia". Busca convertirlo en una zona de libre comercio y dejar de lado el "sueño" de una unión aduanera al estilo de Europa. Esas transformaciones impulsadas por el nuevo canciller, con las que concordaría el presidente interino Temer, podrá encontrar varias trabas, dentro del propio Brasil, en el interior del bloque regional e, inclusive, entre otros eventuales socios que busque en el exterior.
Uno de los mayores problemas podría residir en la naturaleza del gobierno Temer. David Rothkopf, editor de la muy influyente revista norteamericana Foreing Policy, reseñó en una entrevista con el diario Folha de Sao Paulo, cuál es el corazón de las dificultades: "Nadie puede tener alguna fe en la fuerza de las instituciones brasileñas cuando tanta gente al comando de ella continúa bajo sospecha de delitos o de abuso de la confianza pública". Se refería al gabinete del jefe del Ejecutivo brasileño, donde varios ministros son investigados por presuntos hechos de corrupción. Entre ellos, uno de los tres vértices importantes poder: Romero Jucá, titular de Planificación.
De acuerdo con Rothkopf, hoy "la mayor prioridad externa brasileña es demostrar la legitimidad (del nuevo gobierno). Los líderes extranjeros precisan primero creer que el nuevo gobierno permanecerá por algún tiempo en el comando. Que conseguirán resolver los problemas y que tienen el apoyo y la confianza del pueblo brasileño". Esto significa que, por el momento, nadie extiende cheques en blanco a favor del interino y su equipo. El diario O Globo, que no se puede calificar de contrario a la administración temporaria del Ejecutivo brasileño, citó una convergencia entre los especialistas consultados: "En la práctica, la visión que existe en las cancillerías extranjeras es que hay dos jefes de Estado, dado que Dilma es presidenta alejada por 6 meses". (Clarim - 23/05/2016)

Serra enfrenta Mercosul dividido e limitações na agenda comercial
Chanceler, recebido com protesto em Buenos Aires, discute proposta para "atualização" do bloco
Camila Moraes/Flávia Marreiro
José Serra terá nesta segunda-feira seu primeiro compromisso no exterior como chanceler do Governo interino de Michel Temer. O ministro está em Buenos Aires onde se prevê encontro com sua homóloga argentina, Susana Malcorra, e com o presidente Mauricio Macri, a quem promete levar proposta de "atualização" do Mercosul. A ambiciosa agenda do tucano, exposta em diretrizes da "nova política externa" em discurso na quarta-feira, contribui para tentar retomar o peso político da política internacional e do Itamaraty após os anos Dilma Rousseff, mas tem mais continuidade com a gestão anterior do que ele tem frisado e esbarra em múltiplas limitações.
A primeira delas, ainda que o chanceler trace planos públicos para o ano que vem, é a própria condição provisória do Governo, até a conclusão do processo de impeachment no Senado. A interinidade e a controvérsia em torno da destituição devem ser vistas pelos vizinhos e demais parceiros como freio ante propostas de mudanças mais profundas. Serra, que foi recebido na noite de domingo com protesto em frente à Embaixada do Brasil em Buenos Aires, conta com o reconhecimento institucional da Argentina do liberal Macri e a anuência do Paraguai de Horacio Cartes, mas qualquer discussão do Mercosul não tem como driblar a grave crise na Venezuela, membro do bloco. Na sexta, Argentina, Chile e Uruguai lançaram nota cobrando que Nicolas Maduro e nomes da oposição "honrem sua longa tradição democrática". Foi um recado especialmente a Maduro, que declarou estado de sítio na Venezuela e manobra com as autoridades eleitorais para impedir a realização de um referendo que pode revogar seu mandato.
A ausência do Brasil na articulação da nota - sendo a maior economia da região e um parceiro com alto saldo comercial com a Venezuela e dezenas empresas no país - , já é, em si, um sintoma da situação diplomática sui generis. Serra não tem dado declarações contundentes sobre a Venezuela, com exceção da nota que rebateu Caracas sobre o impeachment, e diplomatas próximos a ele tem falado genericamente em "não intervenção". O Mercosul tem cláusula de respeito a democracia que pode vir a ser invocada e o tema também deve ser debatido em breve na Organização dos Estados Americanos (OEA). "Lidar com consequências da crise da Venezuela - pela qual o Brasil é, em parte, responsável - será um dos mais difíceis desafios de Serra no curto prazo. Ele não tem escolha a não ser agir em campo o mais rápido possível", escreveu em análise Oliver Stuenkel, professor adjunto de Relações Internacionais na FGV em São Paulo. A diplomacia de Dilma Rousseff fez advertências públicas e privadas a Maduro, mas a maioria dos analistas concorda que, apesar das complexidades do caso venezuelano, a conduta brasileira foi insuficiente ou chegou tarde.
Aliança do Pacífico e comércio
Serra (PSDB-SP), o primeiro chanceler não diplomata em mais de duas décadas, assumiu prometendo que a diplomacia voltará a refletir os "legítimos valores" do país, "e não mais das conveniências e preferências ideológicas de um partido político e de seus aliados no exterior". A mensagem do tucano, que também sugeriu dar ênfase aos parceiros grandes e tradicionais como EUA e União Europeia, teve recepção mista dentro e fora do Itamaraty, não imune à polarização política. Marcos Troyjo, doutor em Sociologia das Relações Internacionais pela USP e professor da Columbia University, elogiou: "Uma coisa é simpatizar com Governos de esquerda na América Latina, outra é utilizar essa simpatia como bússola para fazer negócios. O novo ministério deverá simplificar as coisas, focando sua atuação em termos econômicos", disse ao EL PAÍS, de Nova York, por telefone. Stuenkel, da FGV, matizou: "A mudança tem menos a ver com diferenças ideológicas entre PT e PSDB do que com o contexto macroeconômico e geopolítico radicalmente diferente no qual Serra vai operar", escreveu, em referência ao fim do boom das commodites, à retomada de crescimento dos EUA e à derrocada venezuelana após anos de ascensão chavista capitalizada pelos altos preços do petróleo.
Serra aposta suas primeiras fichas em uma relação especial com o centro-direitista Mauricio Macri, mas mesmo com Buenos Aires a situação concreta é mais complexa do que declarações gerais pró-livre comércio. Há décadas os países mantêm mecanismos de controle do fluxo de mercadorias, a maioria impostas pela Argentina. O Governo Macri já sinalizou, por exemplo, que não gostaria que o livre comércio de veículos entre os países, em renegociação até o mês que vem, comece a vigorar no curto prazo. (El Pais - 23/05/2016)

Argentina, one of Brazil´s main foreign policy priorities, anticipated Serra who is expected in Buenos Aires
Argentina will be one of the main priorities for Brazil’s interim government under President Michel Temer, declared foreign minister José Serra who is expected this Monday in Buenos Aires for his first overseas trip. He is also anticipated a review and redraw of Mercosur plus agreements with the US, European Union and Japan.
"One of our main focal points will be the alliance with Argentina. We have similar references in politics and economics," Serra told reporters in São Paulo. "The partnership with Argentina is fundamental."
Sources at Argentina´s foreign ministry said the possibility of the meeting started being discussed last week. It’s not clear yet for how long Serra will be in Argentina, but the meeting with Malcorra may not be the only one during his stay in the country.
Malcorra and Serra spoke on the phone soon after Temer took office in Brazil. The Mauricio Macri administration was the first to acknowledge the new government in Brazil, issuing a statement just minutes after the new head of state took office.
An official statement from Argentina’s Foreign Ministry at the time said that the government respects "the institutional process that is unfolding" in the neighboring country and is confident that "the outcome of the situation will consolidate the strength of Brazilian democracy."
In the weeks leading up to the impeachment vote, Argentine officials had repeatedly expressed their concern about the political and economic crises affecting their biggest trading partner, as they too struggle to combat a stalling economy and rising inflation.
Brazil’s "new foreign policy" approach will focus on those countries that "have always been Brazil’s traditional partners," the foreign minister said, specifically mentioning Argentina, the United States, the European Union and Japan.
Brazil will also seek to "update" the Mercosur bloc in order to create a "real trade bloc," Serra said. He will seek to "build bridges" too with the Pacific Alliance trade bloc (Chile, Colombia, and Perú)," he added, saying the whole continent should be integrated.
"We can’t have a new Treaty of Torsedillas," he said.
Hinting at the new approach, Serra said the member countries of the Mercosur should be allowed to sign separate bilateral trade agreements - agreements currently banned by the Asunción Treaty, which gave birth to the bloc in 1991 and demands full consensus on issues.
Brazil has to "recover the lost opportunities after staying out of bilateral trade deals at the expense of a multilateralism that never existed," Serra concluded pointedly.
Mexico too will also be a priority for Brazil, he said, as both countries share the "same ideas" and can "complement their enormous potential." At the same time, new markets will be sought in Asia, India and China. Africa was also mentioned by Serra, who said Brazil will look to adopt a "pragmatic approach." (Mercopress - 23/05/2016)

Brasil busca acercamiento comercial con Estados Unidos
Gobierno también está dispuesto a actualizar el Mercosur.
El ministro de Asuntos Exteriores de Brasil, José Serra, afirmó que el nuevo gobierno del presidente interino, Michel Temer, debe apostar por un acercamiento a Estados Unidos en materia comercial a través de un cambio en la política de las barreras no arancelarias.
"Nuestra relación comercial con los Estados Unidos ciertamente debe volverse más próxima y la gran inversión ahí es la remodelación de las barreras no arancelarias", señaló Serra en una entrevista publicada ayer por el diario Estadão.
De acuerdo con el nuevo canciller brasileño, Estados Unidos es una "pieza esencial" en el mundo contemporáneo, si bien resaltó que su peso ya no es "tan dominante" debido al poder económico de países como China.
"(Estados Unidos) tiene una red de protección no arancelaria en el área fitosanitaria, por ejemplo, que exigiría una negociación", apuntó el ministro.
Serra negó que esta nueva política implique el fin de la apuesta por las relaciones con otros países del hemisferio sur llevada a cabo por el gobierno de la presidenta suspendida Dilma Rousseff.
"Vamos a seguir avanzando en nuestra relación con África, pero no estará basada en culpas del pasado o en la compasión, sino sabiendo cómo esta cooperación puede beneficiar también a Brasil", dijo en referencia a medidas como la condonación de la deuda a algunos países africanos llevada a cabo en el pasado por el expresidente Luiz Inácio Lula da Silva.
Por otra parte, el canciller justificó que su primer viaje oficial al exterior tenga como destino Argentina. En ese sentido, dijo que ya que es considerado un socio "prioritario", y añadió que uno de los principales objetivos de este viaje será debatir una posible actualización del Mercosur.
"El Mercosur es un acuerdo aduanero que terminó convirtiéndose en un obstáculo para los acuerdos comerciales bilaterales", criticó Serra quien, en cualquier caso, se mostró a favor de "profundizar en las condiciones de la zona de libre comercio" para "permitir" acuerdos con otras regiones. .(El País - Uruguay - 23/05/2016)

Brasil y el fracaso de una ilusión
Los acontecimientos recientes en Brasil son el fruto del fracaso de un modelo de gestión de gobierno. Aquí figuran, entrelazados, una serie de aspectos que resaltan al desconocimiento de la consistencia macroeconómica como valor fundamental básico, junto a un modelo obsoleto de país unido a una agenda de política comercial similar.
Con ese frágil basamento estructural, los gobiernos de la última década buscaron derramar bienestar sobre los segmentos sociales más endebles, más a fuerza de voluntarismo que sobre bases sólidas que le dieran permanencia. Y complementando el panorama, por acción u omisión, cómplices de episodios de corrupción inéditos para quien se proyectaba como una de las estrellas nacientes del concierto internacional de naciones.
Bastó que decayeran los precios de las materias primas a valores todavía superiores a los de principios de siglo, para que se derrumbaran expectativas de que el futuro cargado de bienestar para los más débiles había llegado para quedarse.
La pérdida de la consistencia macroeconómica es un tema serio. Basta recordar que lograrla insumió buena parte de la década de los 90, donde el gobierno de Fernando Enrique Cardoso debió poner en regla las finanzas de las economías estaduales para controlar el déficit fiscal global, reducir la carga del endeudamiento, combatir la inflación, gestionar reformas estructurales en empresas públicas deficitarias, introducir mejoras en el sistema de previsión social y consolidar al sistema financiero.
El cierre imprevisto del financiamiento externo por la crisis rusa del 98 puso a prueba esa gestión, mostrando la fortaleza del modelo vigente, y dejándole la mesa servida al gobierno que lo sucedería, en este caso el de Lula.
Con ello se inició un proceso en donde coincidieron dos aspectos: el triunfalismo de que "aquí llegamos nosotros y lo sabemos hacer mejor que nadie" junto a un fenomenal boom del precio de las materias primas.
Los resultados iniciales daban la razón a los recién llegados a través de tasas de crecimiento económico elevadas, comunes a toda la región, y políticas redistributivas. El modelo económico aplicado mezclaba la expansión del sector agroalimentario exportador y minero, junto a la protección de un sector industrial destinado primordialmente al mercado doméstico.
El panorama se completaba con la disponibilidad de financiamiento externo a tasas muy bajas. A su vez, el atraso cambiario servía como estimulo para potenciar el consumo y derramar complacencia tanto a gobernantes como a un gran segmento de gobernados. Y ese entorno psicosocial y de mejora material alimentó la idea de que por fin se había llegado al modelo de bienestar perpetuo.
Pero visto en perspectiva, fue seguir con lo mismo que había mantenido estancado a Brasil en el pasado: una economía cerrada que enmascaraba su baja productividad gracias a la suba extraordinaria de sus precios de exportación y a un consumo doméstico financiado con crédito y gasto público.
Una vez atemperado el súper ciclo de las materias primas, quedaron expuestas todas las falencias estructurales que llevaron a caída estrepitosa del crecimiento (-3,8% en 2016), déficit fiscal sumamente alto (10% del PIB), inflación desmedida (8%) y endeudamiento creciente tanto a nivel público, corporativo como de los consumidores.
Una de las razones de esa dinámica nociva fue desconocer sus causas tratando de correr la arruga mediante la expansión del gasto fiscal y del consumo a través del crédito de entidades bancarias públicas.
Esta visión fracasada estuvo acompañada de una postura en materia comercial también errónea. Se siguió apostando al cierre de la economía a beneficio de los sectores industrialistas que medran con la protección, que aportan poco en materia de innovación tecnológica y que a la postre frenan el crecimiento. Su falta de competitividad queda manifestada por su escasa presencia en los mercados externos, salvo en los del Mercosur. Y con ello le aplicó también a su región aledaña los costos de un cierre forzado de sus economías y el impedimento de negociar acuerdos comerciales con otros mercados.
Pero quizás la faceta más notable fue el conformismo y la auto-justificación que se irradió durante la última década, que dio lugar a hechos penosos de corrupción.
El conformismo alimentó la creencia de que se puede redistribuir perpetuamente sin generar aumentos de productividad. Esto implica modernizar la economía, consolidar las cuentas fiscales e introducir reformas en áreas donde existen distorsiones flagrantes como la seguridad social. Es un proceso constante, que no tiene horizonte fijo y genera costos políticos. Pero es insoslayable, so pena de echar por tierra logros e incluso generar retrocesos.
No hay ningún objetivo que justifique la corrupción como vehículo para lograrlo. Y menos de gobiernos que se erigieron como representantes de segmentos postergados de la sociedad. Porque la corrupción, además de ser un impuesto que se derrama sobre toda la sociedad bajo la forma de menor crecimiento y mayores asimetrías sociales, genera enorme desconcierto fundamentalmente sobre quienes depositaron su confianza, sus sueños y por ende su futuro.
El nuevo gobierno legítimamente instaurado según las normas constitucionales vigentes, tiene por delante una difícil tarea que no es imposible. A su favor juega conocer las limitaciones de un experimento que intentó soslayar principios básicos de la gestión de cualquier país. A eso se agrega el saber que existe una institucionalidad que funciona y se respeta, siendo el Poder Judicial su garante extremo.(El País - Uruguay - 23/05/2016)

Ministro das Relações Exteriores do Brasil visita a Argentina
Monica Yanakiew, Agência Brasil
No discurso de posse, José Serra prometeu fortalecer a parceria com a Argentina, principal sócio brasileiro no Mercosul - o Mercado Comum do Sul, integrado também pelo Paraguai, o Uruguai e a Venezuela.
Buenos Aires - Quatro dias depois de ter assumido o cargo de ministro das Relações Exteriores, José Serra embarcou nesse domingo (22) para Buenos Aires. No discurso de posse, ele prometeu fortalecer a parceria com a Argentina, principal sócio brasileiro no Mercosul - o Mercado Comum do Sul, integrado também pelo Paraguai, o Uruguai e a Venezuela. Segundo a consultora argentina Abeceb, nos últimos quatro anos a recessão provocou retração de 42% no comércio bilateral, que caiu de US$ 39,6 bilhões, em 2011, para US$ 23 bilhões em 2015.
Nesta segunda-feira (23), Serra vai se encontrar com o presidente argentino, Mauricio Macri, que tomou posse há cinco meses, depois de 12 anos de governos kirchneristas: Nestor Kirchner foi presidente de 2003 a 2007, e a mulher e sucessora dele, Cristina Kirchner, concluiu o segundo mandato em dezembro de 2015. Ele terá também encontros com a ministra das Relações Exteriores, Susana Malcorra - que na semana passada lançou candidatura à Secretaria-Geral da ONU - e com o ministro das Finanças, Alfonso Prat-Gay.
No discurso de posse, Serra disse que uma das prioridades em curto prazo será a intensificação das relações com a Argentina, com a qual o Brasil passou a "compartilhar referências semelhantes para a reorganização da política e da economia", renovar o Mercosul "para corrigir o que precisa ser corrigido" e "construir pontes com a Aliança do Pacífico", integrada pelo Chile, a Colômbia, Costa Rica, o México e o Peru.
A primeira visita oficial de Serra a um país estrangeiro tem também um motivo político: assegurar ao principal parceiro do Brasil que o governo do presidente interino Michel Temer é legítimo e que o processo de impeachment da presidenta afastada Dilma Rousseff é constitucional. Ontem (22) à noite, manifestantes brasileiros em Buenos Aires esperavam o ministro na porta da Embaixada do Brasil, para protestar contra o que consideram "golpe". Eles prometeram continuar protestando durante toda a estadia de Serra na Argentina.
Um dos temas mais polêmicos mencionados por Serra é a flexibilização do Mercosul, para permitir aos membros negociar acordos bilaterais com terceiros países. A ideia inicial dos criadores do bloco regional era seguir o modelo da União Europeia (UE), que tem um mercado sem fronteiras entre 28 países, uma mesma moeda (o euro) adotada por 19 de seus membros e uma política externa e econômica comum.
Desde a sua criação, há 25 anos, o Mercosul teve altos e baixos: em momentos de crise, seus integrantes voltavam a erguer barreiras comerciais para proteger seus mercados domésticos. Recentemente, o bloco regional também vive um momento político difícil.
Durante a campanha e depois da posse, o presidente Mauricio Macri criticou abertamente o presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, pela crise econômica e pela prisão de líderes oposicionistas que, na sua opinião, constitui violação dos direitos humanos.
A antecessora de Macri, Cristina Kirchner, tinha uma relação estreita com o governo venezuelano, que ajudou a Argentina após a crise de 2001, concedendo empréstimos ao país que - por ter decretado moratória da dívida externa - não tinha acesso ao mercado financeiro internacional. Mas, com a queda dos preços das commodities, que moveram a economia regional na última década, a situação mudou.
A queda do preço do petróleo (principal produto de exportação da Venezuela) contribuiu para a grave crise vivida hoje pelo país, que enfrenta inflação anual de 700%, desabastecimento e falta de energia. Em dezembro, a oposição conquistou ampla maioria no Congresso - a primeira vitória em 17 anos de governos [bolivarianos, populistas] inaugurados pelo ex-presidente Hugo Chávez.
A Venezuela foi o único país do Mercosul a chamar de "golpe" o impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff. O Uruguai também fez ressalvas ao processo de julgamento político, mas de forma mais discreta. Mal assumiu o Ministério das Relações Exteriores, José Serra rebateu as críticas de Maduro - e também as dos governos da Bolívia, do Equador, de Cuba, da Nicarágua e de El Salvador. Em outra nota, o Itamaraty repudiou as declarações do secretário-geral da União de Nações Sul-Americanas (Unasul) , Ernesto Samper, que no dia do afastamento de Dilma Rousseff advertiu para o risco de "ruptura democrática" no Brasil.
Segundo o analista político argentino Jorge Castro, a visita de Serra é uma demonstração de que o Brasil "está adotando uma posição ofensiva para multiplicar os investimentos" numa economia em recessão. "Para poder voltar a crescer e se recuperar, o Brasil precisa exportar mais. Mas, para fazer isso, terá que abrir seu mercado às importações", disse.
Na opinião de Castro, Temer e Macri têm visão parecida de como conduzir as economias da região nesta nova fase. "Não se trata de acabar com o Mercosul, mas de aprofundá-lo e, ao mesmo tempo, buscar novas formas para negociar acordos bilaterais", concluiu.

< p>(Portugal Digital - 23/05/2016)

AP y Mercosur buscan desarrollar iniciativas en comercio e integración
Sostuvieron reunión a nivel viceministerial en Lima
ANDINA/Norman Córdova
Lima, may. 23. Los representantes de los países que conforman la Alianza del Pacífico (AP) y el Mercado Común del Sur (Mercosur), sostuvieron una reunión a nivel viceministerial en Lima, en la que coincidieron en buscar espacios para desarrollar iniciativas comunes en materia comercial y de integración.
Ambos bloques económicos acordaron intercambiar información y llevar a cabo una próxima reunión a nivel técnico, a fin de explorar coincidencias en los temas de facilitación del comercio y cooperación aduanera, acumulación de origen, Ventanillas Únicas de Comercio Exterior (Vuce), promoción comercial, entre otros.
Estas reuniones demuestran que la Alianza del Pacífico sigue avanzando en el cumplimiento de uno de sus objetivos establecidos en el Acuerdo Marco sobre la conformación de una plataforma de articulación e integración económica y comercial, y de proyección al mundo, en esta oportunidad con un interés y proyección en la región latinoamericana.
De acuerdo al Ministerio de Comercio Exterior y Turismo (Mincetur) se considerarán los avances alcanzados en otros foros como es el caso de la Asociación Latinoamericana de Integración (Aladi) en determinadas disciplinas de carácter comercial, de manera que se evite duplicar esfuerzos y se busquen entendimientos entre los dos bloques.
Antecedentes
Cabe recordar que el 1 de noviembre de 2014 en Cartagena de Indias - Colombia, se realizó la reunión ministerial de carácter informativo sobre la Alianza del Pacífico con los Estados miembros del Mercosur.
El 24 de noviembre del mismo año en Santiago de Chile tuvo lugar el seminario "Diálogo sobre integración regional", con la participación de académicos, empresarios, emprendedores y altos funcionarios de los dos bloques y de otros países de la región, incluyendo Centroamérica y el Caribe.
En esta oportunidad el Mercosur expuso su propuesta de Plan de Acción primando el diálogo y la buena disposición por parte de ambos bloques para compartir información y explorar espacios en los que podrían desarrollarse iniciativas comunes. (Andina - 23/5/2016)

Canciller Serra da un giro y ve modernización del Paraguay
El ministro interino de Relaciones Exteriores José Serra fue a Buenos Aires en su primer viaje internacional como canciller, en el que anunció que discutirá una "actualización del Mercosur" con Argentina, un país que considera prioritario.
Halago. Tras calificarlo de delirio megalómano, Serra ahora busca actualizar el Mercosur.
Agregó que, respecto a los ilícitos en zonas de frontera, de que está convencido que "tendremos la cooperación de Argentina, de Paraguay, de Bolivia, de Colombia. Paraguay es un país que se está modernizando y el canciller debe venir a Brasil en breve", indicó.
Serra busca actualizar el Mercado Común del Sur, luego de haber rechazado este organismo. "El Mercosur fue un delirio megalómano, y las miradas se cruzaban entre los gobiernos, que buscaban promover una unión aduanera entre Argentina, Brasil, Uruguay y Paraguay. ¿Usted sabe qué es una unión aduanera? Es una renuncia a la política comercial de la soberanía", había manifestado el 4 de marzo de 2015.
Ahora sostiene que "no soy" un enemigo del Mercosur, pero indicó que "el Mercosur es una unión aduanera que terminó siendo un obstáculo a acuerdos bilaterales de comercio. Hubo unos 500 acuerdos bilaterales en los últimos años, pero Brasil solo hizo tres: con Israel, Palestina y Egipto. Es necesario profundizar las condiciones de la zona de libre comercio, porque aún hay barreras, y encontrar formas de flexibilizar las reglas para permitir acuerdos bilaterales con el mundo".
"Argentina es considerada por nosotros muy prioritaria. Entre los propósitos del viaje está el debate sobre la actualización del Mercosur, la creación del mecanismo de acción conjunta Brasil-Argentina y combinar una conferencia regional sobre ilícitos en las fronteras, un tema vital para Brasil y para Argentina", dijo Serra.
Críticas a Cartes e Itaipú. El ex gobernador y ex intendente de São Paulo tildó al presidente de Paraguay, Horacio Cartes, de ser el principal contrabandista de cigarrillos que mayoritariamente proviene del comercio ilegal hacia el Brasil. Incluso el presidente del Paraguay (Horacio Cartes) es dueño de una fábrica de cigarrillos que envía productos contrabandeados a Brasil. Además, calificó al acuerdo binacional de Itaipú entre Brasil y Paraguay como "filantropía brasileña". Serra se refiere sin rodeos al Gobierno de Venezuela como una dictadura.
Serra arribó a Buenos Aires anoche y hoy temprano se reunirá con su par Susana Malcorra en el Palacio San Martín. No habrá conferencia de prensa conjunta. Aunque del lado brasileño había voluntad para ello, en el Gobierno argentino quieren manejar la visita con máxima prudencia y se consideró inconveniente exponerse a preguntas incómodas. (Ultima Hora - 23/05/2016)

Flexibilização do Mercosul e comércio são temas centrais da visita de José Serra à Argentina
Buenos Aires - Quatro dias depois de ter assumido o cargo de ministro das Relações Exteriores, José Serra embarcou nesse domingo (22) para Buenos Aires. No discurso de posse, ele prometeu fortalecer a parceria com a Argentina, principal sócio brasileiro no Mercosul - o Mercado Comum do Sul, integrado também pelo Paraguai, o Uruguai e a Venezuela. Segundo a consultora argentina Abeceb, nos últimos quatro anos a recessão provocou retração de 42% no comércio bilateral, que caiu de US$ 39,6 bilhões, em 2011, para US$ 23 bilhões em 2015.
Nesta segunda-feira (23), Serra vai se encontrar com o presidente argentino, Mauricio Macri, que tomou posse há cinco meses, depois de 12 anos de governos kirchneristas: Nestor Kirchner foi presidente de 2003 a 2007, e a mulher e sucessora dele, Cristina Kirchner, concluiu o segundo mandato em dezembro de 2015. Ele terá também encontros com a ministra das Relações Exteriores, Susana Malcorra - que na semana passada lançou candidatura à Secretaria-Geral da ONU - e com o ministro das Finanças, Alfonso Prat-Gay.
No discurso de posse, Serra disse que uma das prioridades em curto prazo será a intensificação das relações com a Argentina, com a qual o Brasil passou a "compartilhar referências semelhantes para a reorganização da política e da economia", renovar o Mercosul "para corrigir o que precisa ser corrigido" e "construir pontes com a Aliança do Pacífico", integrada pelo Chile, a Colômbia, Costa Rica, o México e o Peru.
A primeira visita oficial de Serra a um país estrangeiro tem também um motivo político: assegurar ao principal parceiro do Brasil que o governo do presidente interino Michel Temer é legítimo e que o processo de impeachment da presidenta afastada Dilma Rousseff é constitucional. Ontem (22) à noite, manifestantes brasileiros em Buenos Aires esperavam o ministro na porta da Embaixada do Brasil, para protestar contra o que consideram "golpe". Eles prometeram continuar protestando durante toda a estadia de Serra na Argentina.
Um dos temas mais polêmicos mencionados por Serra é a flexibilização do Mercosul, para permitir aos membros negociar acordos bilaterais com terceiros países. A ideia inicial dos criadores do bloco regional era seguir o modelo da União Europeia (UE), que tem um mercado sem fronteiras entre 28 países, uma mesma moeda (o euro) adotada por 19 de seus membros e uma política externa e econômica comum.
Desde a sua criação, há 25 anos, o Mercosul teve altos e baixos: em momentos de crise, seus integrantes voltavam a erguer barreiras comerciais para proteger seus mercados domésticos. Recentemente, o bloco regional também vive um momento político difícil.
Durante a campanha e depois da posse, o presidente Mauricio Macri criticou abertamente o presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, pela crise econômica e pela prisão de líderes oposicionistas que, na sua opinião, constitui violação dos direitos humanos.
A antecessora de Macri, Cristina Kirchner, tinha uma relação estreita com o governo venezuelano, que ajudou a Argentina após a crise de 2001, concedendo empréstimos ao país que - por ter decretado moratória da dívida externa - não tinha acesso ao mercado financeiro internacional. Mas, com a queda dos preços das commodities, que moveram a economia regional na última década, a situação mudou.
A queda do preço do petróleo (principal produto de exportação da Venezuela) contribuiu para a grave crise vivida hoje pelo país, que enfrenta inflação anual de 700%, desabastecimento e falta de energia. Em dezembro, a oposição conquistou ampla maioria no Congresso - a primeira vitória em 17 anos de governos socialistas, inaugurados pelo ex-presidente Hugo Chávez.
A Venezuela foi o único país do Mercosul a chamar de "golpe" o impeachment da presidenta afastada Dilma Rousseff. O Uruguai também fez ressalvas ao processo de julgamento político, mas de forma mais discreta. Mal assumiu o Ministério das Relações Exteriores, Jose Serra rebateu as críticas de Maduro - e também as dos governos da Bolívia, do Equador, de Cuba, da Nicarágua e de El Salvador. Em outra nota, o Itamaraty repudiou as declarações do secretário-geral da União de Nações Sul-Americanas (Unasul) , Ernesto Samper, que no dia do afastamento de Dilma Rousseff advertiu para o risco de "ruptura democrática" no Brasil.
Segundo o analista político argentino Jorge Castro, a visita de Serra é uma demonstração de que o Brasil "está adotando uma posição ofensiva para multiplicar os investimentos" numa economia em recessão. "Para poder voltar a crescer e se recuperar, o Brasil precisa exportar mais. Mas, para fazer isso, terá que abrir seu mercado às importações", disse.
Na opinião de Castro, Temer e Macri têm visão parecida de como conduzir as economias da região nesta nova fase. "Não se trata de acabar com o Mercosul, mas de aprofundá-lo e, ao mesmo tempo, buscar novas formas para negociar acordos bilaterais", concluiu.(Agência Brasil - 23/05/2016)

Alianza del Pacífico y Mercosur acuerdan agenda de trabajo en integración comercial
Las autoridades de la Alianza del Pacífico (AP) y Mercosur se reunieron el pasado viernes 20 de mayo en Lima, Perú, donde acordaron una agenda de trabajo conjunto en varias áreas de integración económico-comercial, informó la Direcon.
Según el ministro de Relaciones Exteriores de Chile, Heraldo Muñoz, el diálogo bilateral "cobra más vigencia que nunca" junto a "la necesidad de unir el Océano Pacífico con el Atlántico con miras a avanzar hacia el desarrollo económico convergente".
Por su parte, el director general de la Direcon, Andrés Rebolledo, detalló los principales puntos consensuados: recabar información en las áreas de acumulación de origen, facilitación del comercio y cooperación aduanera, ventanilla única de comercio, promoción comercial recíproca y pymes.
Las partes acordaron iniciar el trabajo a nivel técnico, partiendo por el intercambio de información y estado de situación. "La idea es poder identificar potenciales iniciativas conjuntas", señaló Rebolledo.
Asimismo, el funcionario chileno adelantó que a partir de julio, cuando Chile asume la presidencia pro témpore de la AP, se harán los mayores esfuerzos para "seguir allanando el camino para dar seguimiento a un plan de trabajo que permita aunar esfuerzos" y estimular el crecimiento económico-comercial. (MarcoTradeNews - 23/05/2016)

Chile y Uruguay avanzan en negociación para alcanzar un acuerdo comercial
Ambos países iniciaron en febrero pasado el diálogo para alcanzar un acuerdo de libre comercio, instrumento a través del cual esperan fortalecer sus vínculos económicos.
Con importantes avances en temas como facilitación de comercio, política de competencia, obstáculos técnicos al comercio y medidas sanitarias y fitosanitarias, entre otros, concluyó hoy la III Ronda de Negociaciones entre Chile y Uruguay.
Ambos países iniciaron en febrero pasado el diálogo para alcanzar un acuerdo de libre comercio, instrumento a través del cual esperan fortalecer sus vínculos económicos.
"Estamos satisfechos porque hemos ido logrando progresos importantes y tenemos la expectativa de cerrar las conversaciones en las próximas semanas. Será una negociación que nos permitirá avanzar en aquellas materias que no están contempladas en el Acuerdo de Complementación Económica ACE 35 con Mercosur, tales como medio ambiente, comercio de servicios, género, entre otros", explicó Pablo Urria, director de Asuntos Económicos Bilaterales de la DIRECON, quien encabezó la delegación chilena en la capital uruguaya.
La delegación de Uruguay estuvo encabezada por el Director General para Asuntos Económicos Internacionales de la Cancillería, Ricardo Nario e integrada además, por el Director de Organismos Internacionales Económicos, Martín Álvez, y por la Directora de Política Comercial del Ministerio de Economía y Finanzas, María Inés Terra. (Estrategia Online - 23/05/2016)

'Clarín': Com Mercosul dividido sobre Temer, Serra se reúne com Macri nesta segunda
Matéria publicada neste domingo (22) no Clarín, conta que o encontro entre Serra e Macri chegou a ser negado na sexta-feira (20) por assessores da Casa Rosada, a sede da Presidência. Mas neste fim de semana a informação de um encontro que pode ser mais do que simbólico era dado como certo por fontes do governo argentino.
Segundo a reportagem, Macri e Malcorra foram cautelosos em suas declarações durante o processo de admissibilidade do processo de impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff.
Macri, seu chefe de Gabinete Marcos Peña e Malcorra disseram, mais de uma vez, que para a Argentina interessa "um Brasil forte" por ser o principal parceiro "político, econômico e comercial do país".
O primeiro discurso de Serra, assim que tomou posse na quinta-feira (19), destacando a importância da Argentina para o Brasil foi comemorado nos bastidores do governo Macri, diz o jornal Clarín em seu texto.
José Serra
O entendimento é o de que os dois - Macri e Serra - têm pensamentos semelhantes na área de política externa, entendendo que o Mercosul está "paralisado", que a Venezuela, presidida por Madur?o e mergulhada em uma crise cada vez mais profunda, é motivo de preocupação regional e de que é preciso "ampliar" relações comerciais em um mundo globalizado.?
Café
Serra passará poucas horas em Buenos Aires, cidade onde tem amigos e que costuma visitar estando ou não em um cargo público - já foi visto mais de uma vez em um café da rua Posadas, perto do hotel Alvear, no bairro da Recoleta.
A expectativa, entre setores da diplomacia brasileira, é que a conversa entre ele e as autoridades argentinas flua. Macri participará em julho, como convidado e observador, da reunião da Aliança do Pacífico - bloco comercial formado por Chile, Peru, Colômbia e México.
ONU
Na sexta-feira (20), Macri oficializou a candidatura de Malcorra ao posto de secretária-geral da ONU.
Como Macri, ela é´engenheira de formação. E trabalhou anos com o atual secretário-geral do organismo internacional, o diplomata sul-coreano Ban Ki-Moon.
"Sólida e transparente" em suas respostas, como observou um interlocutor brasileiro, ela espera contar com apoio de maior número possível de países para chegar ao posto desejado. O apoio do Brasil é decisivo.
Em entrevista publicada neste domingo no jornal La Nación, de Buenos Aires, Serra disse: "Vejo com muita simpatia a possibilidade de uma argentina, uma mulher argentina, ser secretária-geral da ONU".
Macri e Malcorra reconhecem o peso do Brasil, com ou sem crise, no cenário internacional. "Um Brasil forte só pode beneficiar a Argentina", disse ela mais de uma vez. E foi pensando na Argentina que ela, a chanceler, foi contra a possibilidade de chegar a se aplicar a cláusula democrática do Mercosul contra o Brasil.
"Um país com uma sanção como esta fica marcado para sempre e para o Brasil não é bom e para a Argentina, tão ligada ao Brasil, muito menos", disse Malcorra em uma entrevista na sede do Ministério das Relaçoes Exteriores, o Palácio San Martin, assim que retornou de uma de suas várias viagens internacionais - decidida a recolocar a Argentina no cenário internacional, como interpretam diferentes analistas.
Com o governo interino de Temer, Malcorra e Serra terão a oportunidade de dialogar abertamente e na mesma sintonia. Assim que foi eleito Macri esteve com Dilma no Palácio do Planalto.
Aécio
O Brasil foi o primeiro país que ele visitou como presidente eleito. Pouco depois Macri evitou receber o senador Aécio Neves, do PSDB, mesmo partido de Serra, que tinha disputado a Presidência com Dilma.
A visita tinha sido informada por assessores de Aécio mas logo depois assessores de Macri contaram que ele não "iria jamais se meter na política interna brasileira ou bater de frente com Dilma ou qualquer outro líder brasileiro".
Com outros governos regionais, como Venezuela, Bolívia e Cuba contra o governo Temer, o governo argentino será o primeiro a receber um integrante da gestão brasileira atual.
Uma visita que interessa aos dois governos - seja pela busca da Argentina de maior protagonismo internacional, seja pela candidatura de Malcorra ou seja porque os dois países estão umbilicalmente ligados.
Bloco dividido
Mas ainda falta saber como será a relação com os que criticaram o processo que levou à saída de Dilma e posse de Temer.
Em breve haverá reunião do Mercosul em Montevidéu, no Uruguai, e o encontro já gera expectativas. No Mercosul, Bolívia e Venezuela foram contra a saída de Dilma, a Argentina buscou manter-se numa atitude "sem ser invasiva do processo brasileiro", segundo um assessor do governo, e o Paraguai ficou "torcendo para tudo ser logo resolvido para diminuir o impacto da crise econômica brasileira no país", como contou um interlocutor paraguaio. (Jornal do Brasil - 23/05/2016)

En busca de un crucial apoyo regional, el nuevo canciller de Brasil se reúne hoy con Macri
José Serra será recibido en la Casa Rosada; intentará relanzar las relaciones bilaterales
En medio de la crisis institucional que mantiene a Dilma Rousseff suspendida en el cargo y en pleno proceso de juicio político, Mauricio Macri recibirá hoy en la Casa Rosada al nuevo canciller de Brasil, José Serra, en una reunión trascendental para las relaciones entre ambos países, socios en el Mercosur.
Antes de llegar al país, el diplomático brasileño fue taxativo al afirmar que "la Argentina tiene prioridad" en la agenda de política exterior de su país y en ratificar la idea de que "el Mercosur debe ser fortalecido".
Del encuentro en la Casa de Gobierno también participará la ministra de Relaciones Exteriores, Susana Malcorra, en lo que será la primera reunión formal de los jefes de la diplomacia de ambos países.
Malcorra afirmó que el encuentro es para "trabajar y enriquecer la relación" entre la Argentina y Brasil, que en los últimos años sufrió un deterioro en el aspecto comercial. "La reunión será para sentarnos a una mesa de trabajo, comparar notas y ver cómo nos posicionamos desde la región, desde el Mercosur. Hay mucha tarea para hacer", afirmó la canciller argentina.
Serra devolvió gentilezas en la previa y calificó como "muy importante" el acercamiento entre ambos países, tras lo cual destacó los vientos de cambios que imperan tanto en Brasil como en la Argentina. "Ahora, el gobierno argentino cambió, el gobierno brasileño también, por lo que debemos comenzar una nueva etapa", afirmó el funcionario del presidente interino, Michel Temer.
Según el canciller brasileño, en la cita con Malcorra también está previsto abordar "la creación de un mecanismo de coordinación política Brasil-Argentina". Serra afirmó que el tema ya se discutió en el pasado, pero se entusiasmó con la posibilidad de "formalizarlo con la firma de un memorándum de entendimiento". "También voy a llevar una sugerencia para una conferencia regional sobre el combate al crimen organizado en las fronteras que compartimos", le dijo a LA NACION.
Cuando Dilma Rousseff fue suspendida, el gobierno argentino fue uno de los primeros en reconocer al nuevo gobierno, pese a las acusaciones de "golpe" de la presidenta brasileña. Lo hizo en una declaración de respeto al "proceso institucional que se está desarrollando" en Brasil, pero en el que también planteó que "continuará dialogando con las autoridades constituidas a fin de seguir avanzando con el proceso de integración bilateral y regional".
Además de la crisis política, la visita de Serra se enmarca en un complejo escenario económico. Según la consultora Abeceb.com, la relación comercial bilateral se vio fuertemente impactada durante los últimos tiempos por la recesión en ambos países. En 2011, el intercambio comercial bilateral alcanzó los US$39.600 millones. En 2015, se redujo a 23.083 millones. En los últimos meses, la Argentina vio reducidas sus ventas a su socio y, además, vio crecer sus importaciones hasta alcanzar un déficit bilateral de US$1400 millones. (La Nación Argentina - 23/05/2016)

Tabaré mira al Pacífico para salir de la sombra del Mercosur
SEGUIR
Nelson Fernández
Corresponsal en Uruguay
MONTEVIDEO.- Uruguay siente que tiene una gran oportunidad. Una parte siente eso. El presidente, el canciller y el ministro de Economía se entusiasman con la nueva Argentina de Mauricio Macri y con la apertura comercial que asoma en Itamaraty con José Serra.
Aunque no haya simpatía ideológica con el nuevo ministro de Relaciones Exteriores de Brasil, sus primeras expresiones sobre el Mercosur fueron una sinfonía para el gobierno uruguayo. La habilitación a los países socios a hacer acuerdos por fuera del bloque era un reclamo del gobierno uruguayo que no tenía eco con Cristina ni con Dilma.
Otra parte del oficialismo, que es la amplia mayoría del Frente Amplio, sufre el cambio de un Mercosur que ven girar a la derecha con escaso margen para frenarlo. Pero Tabaré no está dispuesto a dejarse frenar por el grupo de José Mujica ni por el Partido Comunista, ni los socialistas ortodoxos y los otros grupos que están en ese arco político partidario.
El canciller Rodolfo Nin Novoa acaba de anunciar que el gobierno va a ampliar la inserción comercial del país, ante un escenario que ha cambiado al Mercosur, y pese a las resistencias políticas internas.
En primera instancia, Uruguay se dispone a firmar un acuerdo de libre comercio con Chile y a concretar lo antes posible otros con Perú y Colombia. Y como ya tiene un TLC con México, de esa forma concretaría un flujo de libre comercio con toda la Alianza para el Pacífico.
"La permanencia de Uruguay en el bloque del Mercosur es incuestionable, pero no es un dogma al que resignarnos", dijo el canciller ante una platea empresarial, que lo aplaudió con entusiasmo. Nin Novoa no expresó un pensamiento personal, sino que su presentación tuvo el aval directo del presidente, que está convencido de la necesidad de Uruguay de ampliar sus fronteras comerciales.
Pero esto choca con la amplia mayoría de la bancada oficialista, ya que los sectores que tienen como meta política el socialismo presentaron un documento en el que se oponen con dureza a esta estrategia.
Esos sectores son el Movimiento de Participación Popular (MPP), de José Mujica; el Partido Comunista; la Lista 711, del vicepresidente Raúl Sendic; el Partido por la Victoria del Pueblo, y Casa Grande, de la senadora Constanza Moreira.
En conocimiento de que la cancillería se dispone a dar estos pasos, todos esos grupos plantearon al gobierno que el programa del Frente Amplio impida esa movida, y obligar a buscar reforzar lazos con el Mercosur. Pretenden alianzas con Venezuela, Bolivia y Ecuador. La novedad de la exposición del canciller es que se hizo explícita la voluntad del presidente de avanzar en esos acuerdos comerciales, firmar tratados y luego enviarlos al Parlamento para que los partidos se expidan en el Congreso.
Entre los sectores frenteamplistas liderados por el ministro de Economía, Danilo Astori, y los partidos de oposición hay votos para avalar un tratado de ese tipo, aunque ello supone que la coalición de izquierda oficialista vote dividida, lo que no tiene antecedentes.
Nin Novoa advirtió que Uruguay no puede quedarse quieto. "Es especialmente dramático el cambio que ocurrirá una vez que dos de los mayores acuerdos preferenciales de comercio en el mundo entren en vigor; hablamos del acuerdo de Asociación Trasatlántica de Comercio e Inversiones (TTIP) y el Acuerdo de Asociación Transpacífico (TPP)", dijo.
Nin Novoa dijo que Uruguay sigue apostando al bloque regional: "El Mercosur es nuestro primer espacio de inserción externa y nuestra pertenencia al bloque es incuestionable".
Pero aclaró que eso no implica "entender al acuerdo regional como un dogma", al cual resignarse "o aceptar sin espíritu crítico".
Subrayó que "la agenda económica y comercial, incluida la de relacionamiento externo, presenta serias carencias que demandaron atención prioritaria desde el primer día".
Nin Novoa explicó también que Uruguay no tiene margen para quedar encerrado y sin moverse de acuerdo a nuevo tablero mundial: "El escenario internacional se encuentra en un proceso de cambio, la coyuntura favorable que representó la pasada década evidencia nuevas condicionantes y por eso creemos que nuestra estrategia debe acompasar estas necesidades". Y fue contundente al afirmar que "el gobierno va a buscar todos los acuerdos que beneficien a los productos uruguayos". (La Nación - Argentina - 23/05/2016)

Serra pedirá apoio da Argentina para revisão do Mercosul
Avaliação no Planalto e no Itamaraty é de que o atual governo do país vizinho está disposto a fechar mais acordos para aumentar as suas exportações, o que coincide com os objetivos do Brasil
O ministro das Relações Exteriores, José Serra, começa nesta segunda-feira a debater a formação de uma dobradinha com a Argentina para tentar destravar transações comerciais dentro e fora do Mercosul. A avaliação no Planalto e no Itamaraty é de que o atual governo do país vizinho está disposto a fechar mais acordos para aumentar as suas exportações, o que coincide com os objetivos do Brasil.
- Espero que se possa flexibilizar uma decisão, nascida de um acordo de ministros, de que qualquer acordo bilateral tem de ser necessariamente referendado pelos demais (países do Mercosul) - afirmou o senador Aloysio Nunes (PSDB-SP), que estará na delegação.
- Isso é uma limitação séria à autonomia do Brasil - acrescentou.
O senador também disse imaginar que esse ponto será tratado por Serra na conversa com a ministra das Relações Exteriores da Argentina, Susana Malcorra.
- Será feita uma atualização da relação Brasil-Argentina, aproveitando a grande oportunidade que, pela primeira vez, os dois países acertaram o passo - comentou o embaixador Sérgio Amaral, que tem atuado como um dos principais conselheiros de Serra desde que ele foi convidado para assumir o Itamaraty.
- Não vai mais ter uma simpatia tão grande com o mundo bolivariano - declarou.
Isso passa, segundo o embaixador, pela eliminação progressiva das restrições às negociações comerciais do Mercosul com outros mercados. A estratégia foi acertada em conversas de Serra com o presidente interino Michel Temer, numa nova dinâmica da política externa brasileira. O discurso de posse do ministro, as notas em que foram rebatidas as críticas dos países "bolivarianos" ao afastamento da presidente Dilma Rousseff e, agora, a nova estratégia comercial foram discutidos pela dupla.
É uma forma diferente da vista nos governos do PT sob a influência do então assessor internacional do Planalto, Marco Aurélio Garcia. Na época, isso gerou avaliações de que havia uma política externa bicéfala.
O interesse de Serra pela política externa é antigo. Seus interlocutores vão desde o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, que já chefiou o Itamaraty, até diplomatas, políticos e pessoas com perfil mais técnico, como o ex-secretário da Câmara de Comércio Exterior Roberto Giannetti da Fonseca.
Protesto
Em sua primeira viagem oficial no comando do Itamaraty, o chanceler brasileiro chegou no domingo à noite a Buenos Aires. Sua comitiva foi recebida com um protesto ao chegar à Embaixada do Brasil, por volta das 20h.
Um grupo de 35 manifestantes contrários ao processo de impeachment de Dilma atirou bolinhas de papel de jornal nos três veículos oficiais que chegaram à embaixada brasileira.
O ato fazia referência a um episódio da campanha presidencial de 2010, quando em outubro o então candidato tucano relatou uma agressão após ser atingido por uma bola de papel na cabeça durante uma caminhada no Rio de Janeiro.
Os manifestantes também chamaram o ministro de golpista e colaram na região cartazes com o rosto dele sobre a inscrição "procurado".
Macri
Além de ser recebido por Susana Malcorra, o chanceler brasileiro vai se encontrar também com o ministro da Fazenda da Argentina, Alfonso Prat-Gay, e fará uma visita de cortesia ao presidente Mauricio Macri. (Estadão Conteúdo - 23/05/2016)

Serra faz primeira visita oficial à Argentina
Monica Yanakiew - Correspondente da Agência Brasil
Marcelo Camargo/Agência Brasil
Brasília - Em seu discurso de posse, o novo chanceler disse que uma das prioridades em curto prazo será a intensificação das relações com a Argentina
Quatro dias depois de ter assumido o cargo de ministro das Relações Exteriores, José Serra embarcou nesse domingo (22) para Buenos Aires. No discurso de posse, ele prometeu fortalecer a parceria com a Argentina, principal sócio brasileiro no Mercosul - o Mercado Comum do Sul, integrado também pelo Paraguai, o Uruguai e a Venezuela. Segundo a consultora argentina Abeceb, nos últimos quatro anos a recessão provocou retração de 42% no comércio bilateral, que caiu de US$ 39,6 bilhões, em 2011, para US$ 23 bilhões em 2015.
Nesta segunda-feira (23), Serra vai se encontrar com o presidente argentino, Mauricio Macri, que tomou posse há cinco meses, depois de 12 anos de governos kirchneristas: Nestor Kirchner foi presidente de 2003 a 2007, e a mulher e sucessora dele, Cristina Kirchner, concluiu o segundo mandato em dezembro de 2015. Ele terá também encontros com a ministra das Relações Exteriores, Susana Malcorra - que na semana passada lançou candidatura à Secretaria-Geral da ONU - e com o ministro das Finanças, Alfonso Prat-Gay.
No discurso de posse, Serra disse que uma das prioridades em curto prazo será a intensificação das relações com a Argentina, com a qual o Brasil passou a "compartilhar referências semelhantes para a reorganização da política e da economia", renovar o Mercosul "para corrigir o que precisa ser corrigido" e "construir pontes com a Aliança do Pacífico", integrada pelo Chile, a Colômbia, Costa Rica, o México e o Peru.
A primeira visita oficial de Serra a um país estrangeiro tem também um motivo político: assegurar ao principal parceiro do Brasil que o governo do presidente interino Michel Temer é legítimo e que o processo de impeachment da presidenta afastada Dilma Rousseff é constitucional. Ontem (22) à noite, manifestantes brasileiros em Buenos Aires esperavam o ministro na porta da Embaixada do Brasil, para protestar contra o que consideram "golpe". Eles prometeram continuar protestando durante toda a estadia de Serra na Argentina.
José Serra diz que vai fortalecer parcerias com a Argentina
Um dos temas mais polêmicos mencionados por Serra é a flexibilização do Mercosul, para permitir aos membros negociar acordos bilaterais com terceiros países. A ideia inicial dos criadores do bloco regional era seguir o modelo da União Europeia (UE), que tem um mercado sem fronteiras entre 28 países, uma mesma moeda (o euro) adotada por 19 de seus membros e uma política externa e econômica comum.
Desde a sua criação, há 25 anos, o Mercosul teve altos e baixos: em momentos de crise, seus integrantes voltavam a erguer barreiras comerciais para proteger seus mercados domésticos. Recentemente, o bloco regional também vive um momento político difícil.
Durante a campanha e depois da posse, o presidente Mauricio Macri criticou abertamente o presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, pela crise econômica e pela prisão de líderes oposicionistas que, na sua opinião, constitui violação dos direitos humanos.
A antecessora de Macri, Cristina Kirchner, tinha uma relação estreita com o governo venezuelano, que ajudou a Argentina após a crise de 2001, concedendo empréstimos ao país que - por ter decretado moratória da dívida externa - não tinha acesso ao mercado financeiro internacional. Mas, com a queda dos preços das commodities, que moveram a economia regional na última década, a situação mudou.
A queda do preço do petróleo (principal produto de exportação da Venezuela) contribuiu para a grave crise vivida hoje pelo país, que enfrenta inflação anual de 700%, desabastecimento e falta de energia. Em dezembro, a oposição conquistou ampla maioria no Congresso - a primeira vitória em 17 anos de governos socialistas, inaugurados pelo ex-presidente Hugo Chávez.
A Venezuela foi o único país do Mercosul a chamar de "golpe" o impeachment da presidenta afastada Dilma Rousseff. O Uruguai também fez ressalvas ao processo de julgamento político, mas de forma mais discreta. Mal assumiu o Ministério das Relações Exteriores, Jose Serra rebateu as críticas de Maduro - e também as dos governos da Bolívia, do Equador, de Cuba, da Nicarágua e de El Salvador. Em outra nota, o Itamaraty repudiou as declarações do secretário-geral da União de Nações Sul-Americanas (Unasul) , Ernesto Samper, que no dia do afastamento de Dilma Rousseff advertiu para o risco de "ruptura democrática" no Brasil.
Segundo o analista político argentino Jorge Castro, a visita de Serra é uma demonstração de que o Brasil "está adotando uma posição ofensiva para multiplicar os investimentos" numa economia em recessão. "Para poder voltar a crescer e se recuperar, o Brasil precisa exportar mais. Mas, para fazer isso, terá que abrir seu mercado às importações", disse.
Na opinião de Castro, Temer e Macri têm visão parecida de como conduzir as economias da região nesta nova fase. "Não se trata de acabar com o Mercosul, mas de aprofundá-lo e, ao mesmo tempo, buscar novas formas para negociar acordos bilaterais", concluiu. (Agência Brasil - 23/05/2016)

Obama confident trade deal will pass Congress
By Jordan Fabian
President Obama said Monday he’s confident that Congress will overcome election-year gridlock and approve the Trans-Pacific Partnership (TPP) trade agreement.
Obama acknowledged during a news conference in Vietnam that passing trade deals is tough, especially during a political campaign when the issue is hotly debated.
"Having said that, I remain confident we're going to get it done," he told reporters. "It's good for the country. It's good for America. It's good for the region. It's good for the world."
Obama is looking to reassure Asian nations that the deal is still on track for passage, despite growing political opposition to it in the U.S.
The trade deal, which was finalized last fall, is the biggest piece of the administration's emerging relationship with Vietnam, a Cold War-era foe. Persuading Congress to ratify the 12-nation trade deal is near the top of Obama’s final-year agenda.
But the deal has drawn opposition from members in both parties in Congress along with the leading Democratic and Republican presidential candidates, Hillary Clinton and Donald Trump.
Critics of the deal say it could lead to American firms shipping jobs overseas to countries with lower wages, including Vietnam. They also have said the labor and environmental protections in the deal are not strong enough.
Despite the dwindling time left on this year’s congressional calendar and reluctance from House and Senate leaders to hold a vote on the package, Obama insisted the Pacific Rim trade pact has a strong chance of passage.
"The politics of it will be noisy," he said, adding that was true for past trade deals with Panama, Colombia and South Korea.
"But we got them done. And I'm confident that we'll get them done this time, as well, although there will be ups and downs and bumps along the way."
Obama said the deal would allow the U.S. to deal with trade issues in a fair way and open growing markets in Asia and South America to U.S. goods. He also defended the worker and environmental protections in the deal.
"I have not yet seen a credible argument that once we get TPP in place we're going to be worse off. We are demonstrably better off," he said. "American workers and American businesses are better off if we get this deal passed."
Obama spent the first of three days in Vietnam meeting with the nation’s leaders and finalizing a series of business deals worth around $16 billion, an announcement meant to bolster trade ties.
Vietnamese airline VietJet has agreed to purchase 100 Boeing aircraft and Pratt & Whitney engines. General Electric also brokered a wind energy agreement with the Vietnamese government.
"Deals like these are a win for both of our countries -- helping to fuel Vietnam’s economic growth and supporting tens of thousands of American jobs," Obama said. (The Hill - 23/05/2016)

Empresários apontam que o Brasil deveria negociar de forma independente do Mercosul
Na visão do empresariado, o governo brasileiro deveria negociar internacionalmente de forma independente do Mercosul, em detrimento a decisão 32/00 que obriga os países membros do bloco a negociar conjuntamente. A conclusão é de sondagem realizada pela Amcham, em 09/05, com 90 empresários, em São Paulo. Para 80% dos presidentes e diretores consultados, o Brasil deve buscar mais tratados internacionais de forma unilateral, mesmo à revelia do Mercosul.
Outra conclusão da pesquisa é que a assinatura de um acordo comercial Brasil-EUA seria relevante para os negócios das empresas brasileiras. Para 60% dos presidentes e diretores consultados, a parceria com os norte-americanos é vista como mais vantajosa e relevante, enquanto 34% avaliou o bloco europeu como prioritário.
Apesar do baixo número de tratados preferenciais já estabelecidos, 57% dos empresários ouvidos informaram já se beneficiar dos acordos comerciais que o Brasil faz parte, mostrando a sua importância na inserção do País na corrente de comércio do mundo.
A Amcham ouviu 90 empresários, em tempo real, durante evento da Amcham sobre Acordos Comerciais na sede da entidade, sendo 85% deles de empresas brasileiras. (Assessoria de Imprensa da Amcham Brasil - 23/05/2016)

Visita (1): Serra con Macri por Mercosur y ONU
El ministro interino de Relaciones Exteriores brasilero, José Serra, de visita en Ciudad de Buenos Aires en su 1er. viaje internacional como canciller. El lunes 23/05 mantendrá una reunión de trabajo con su par argentina, Susana Malcorra, y con el presidente Mauricio Macri. Es una señal de la relevancia que tendrá la Argentina para el gobierno de Michel Temer. Serra no dudó en respaldar la candidatura de Malcorra como secretaria general de Naciones Unidas.
El ministro interino de Relaciones Exteriores de Brasil, José Serra, llegó a Ciudad de Buenos Aires en su 1er. viaje internacional como canciller: "Argentina es considerada por nosotros muy prioritaria. Entre los propósitos del viaje está el debate sobre la actualización del Mercosur, la creación del mecanismo de acción conjunta Brasil-Argentina y combinar una conferencia regional sobre ilícitos en las fronteras, un tema vital para Brasil y para Argentina", le dijo al diario O Estado de S.Paulo.
Serra agregó que, respecto a los ilícitos en zonas de frontera, se encuentra convencido que "tendramos la cooperación de Argentina, de Paraguay, de Bolivia, de Colombia… Paraguay es un país que se está modernizando y el canciller debe venir a Brasil en breve".
Serra también dijo que "no soy" un enemigo del Mercosur, pero indicó que "el Mercosur es una unión aduanera que terminó siendo un obstáculo a acuerdos bilaterales de comercio. Hubo unos 500 acuerdos bilaterales en los últimos años, pero Brasil sólo hizo 3: con Israel, Palestina y Egipto. Es necesario profundizar las condiciones de la zona de libre comercio, porque aún hay barreras, y encontrar formas de flexibilizar las reglas para permitir acuerdos bilaterales mcon el mundo".
El nuevo canciller, consultado sobre la posibilidad de usar su cargo como trampolín para una candidatura presidencial en 2018 dijo que "todo lo que yo quiero es hacer una buena administración aquí".
También prometió abrir Brasil al mundo y tener una "relación comercial más cercana" con USA, y reiteró que tras una situación "traumática", "la democracia está funcionando normalmente en Brasil".
De acuerdo a la web 247Brasil, Serra cambiaría al embajador en Buenos Aires, Everton Vargas, quien sería desplazado a Bruselas y propondría como jefe de la misión en Argentina al actual secretario general (vicecanciller) de Itamaraty, Sergio Danese.
"Brasil tenía unas 160 representaciones diplomáticas en el exterior, y en los últimos años pasó a unas 230. Ya pedí un estudio sobre la relación costo-beneficio, que además tenga en cuenta cuestiones políticas. Pero, para que se de una idea, en el Caribe de habla inglesa hay más embajadas brasileñas que de Gran Bretaña. Es una exageración", ya advirtió Serra.
Brasileños en Buenos Aires, en tanto, anunciaron en redes sociales que quieren realizar protestas contra Serra debido a que consideran "un golpe institucional" la suspensión de la presidenta Dilma Rousseff al frente del Poder Ejecutivo.
Protesta
En tanto, el presidente provisional de Brasil, Michel Temer, restaurará el Ministerio de Cultura el lunes, dijo un funcionario, tras las quejas de algunos de los principales artistas del país por la decisión de incorporarlo en el Ministerio de Educación para ahorrar dinero.
La desaparición del Ministerio de Cultura era parte de medidas de Temer para reducir un déficit presupuestario récord eliminando 10 carteras del Gobierno para dejar sólo 23, en una de las primeras medidas que anunció tras asumir el 12/05.
Los cantautores Caetano Veloso y Erasmo Carlos, pioneros del tropicalismo y del rock brasileño, ofrecieron un concierto en el edificio de Educación en Rio de Janeiro el viernes pasado, una de las varias protestas de artistas contra la decisión de Temer.
Temer había invitado a la actriz Bruna Lombardi y a la cantante Daniela Mercury a encabezar las reducidas actividades culturales del Gobierno, pero ambas lo rechazaron.
El jefe de Gobierno restaurará el ministerio usando un decreto presidencial, y el diplomático Marcelo Calero, un diplomático lo encabezará a partir del lunes, dijo el sábado el ministro de Educación, Jose Mendonca Filho, en su cuenta de Twitter.
El cambio de política es el último de una serie de reveses para el gobierno interino que ha tenido que organizar con prisas una transición.
Temer recibió el mando de la mayor economía de América Latina luego que el Senado suspendió a la presidenta elegida Dilma Rousseff y le abrió un juicio por violación de normas presupuestarias. El experimentado político ha prometido una serie de reformas promercado para sacar a Brasil de su peor recesión en décadas. (Urgente 24 - 22/05/2016)

El nuevo canciller brasileño apuesta por un acercamiento comercial a EEUU
De acuerdo con el nuevo canciller brasileño, Estados Unidos son una "pieza esencial" en el mundo contemporáneo, si bien resaltó que su peso ya no es "tan dominante" debido al poder económico de países como China.
El ministro de Asuntos Exteriores de Brasil, José Serra, afirmó que el nuevo Gobierno del presidente interino Michel Temer debe apostar por un acercamiento a Estados Unidos en política comercial a través de un cambio en la política de las barreras no arancelarias, según medios locales.
"Nuestra relación comercial con los Estados Unidos ciertamente debe volverse más próxima y la gran inversión ahí es la remodelación de las barreras no arancelarias, señaló Serra en una entrevista publicada hoy por el diario Estadão.
De acuerdo con el nuevo canciller brasileño, Estados Unidos es una "pieza esencial" en el mundo contemporáneo, si bien resaltó que su peso ya no es "tan dominante" debido al poder económico de países como China.
"(Estados Unidos) tiene una red de protección no arancelaria, en el área fitosanitaria, por ejemplo, que exigiría una negociación", apuntó el ministro.
Serra negó que esta nueva política implique el fin de la apuesta por las relaciones con otros países del hemisferio sur llevada a cabo por el Gobierno de la presidenta suspendida Dilma Rousseff.
"Vamos a seguir avanzando en nuestra relación con África, pero no estará basada en culpas del pasado o en la compasión, sino sabiendo cómo esta cooperación puede beneficiar también a Brasil", dijo en referencia a medidas como la condonación de la deuda a algunos países africanos llevada a cabo en el pasado por el expresidente Luiz Inácio Lula da Silva.
El ministro también quiso contestar a las críticas realizadas por algunos de los Gobiernos del llamado eje bolivariano en relación con el proceso de "impeachment" (proceso de destitución) que supuso la suspensión de Rousseff por un período de hasta 180 días, tiempo en el que el Senado deberá decidir si aparta definitivamente a la mandataria del cargo.
"¿Qué no existen garantías democráticas? Basta pasar unos días aquí (en Brasil) para ver que la democracia está funcionando con normalidad", apuntó en referencia al juicio político con miras a la destitución de Rousseff y que, según admitió, ha sido "traumático".
Por otra parte, el canciller justificó que su primer viaje oficial al exterior tenga como destino Argentina, ya que es considerado un socio "prioritario" y dijo que uno de los principales objetivos de este viaje será debatir una posible actualización del Mercosur.
"El Mercosur es un acuerdo aduanero que terminó convirtiéndose en un obstáculo para los acuerdos comerciales bilaterales", criticó Serra quien, en cualquier caso, se mostró a favor de "profundizar en las condiciones de la zona de libre comercio" para "permitir" acuerdos con otras regiones. (La Razón/EFE - 22/05/2016)

Argentina y Estados Unidos, las prioridades externas del gobierno interino de Temer
Internacionales
El canciller interino, José Serra, visitará esta semana nuestro país, para mantener reuniones con la administración de Mauricio Macri.
A 10 días de haber quedado a cargo de la presidencia interina de Brasil, la administración de Michel Temer comenzó a fijar prioridades y Argentina quedó en la mira como una de las principales alianzas regionales, al igual que Estados Unidos.
Esto se confirma con el primer viaje que hará el canciller interino, José Serra, quien llegará mañana a Buenos Aires para mantener reuniones con el Gobierno de Mauricio Macri.
"Voy a Buenos Aires precisamente para tratar la agenda futura; la Argentina tiene prioridad porque es un gran país, vecino, con el que compartimos el Mercosur y otras cosas que si las hacemos juntos las haremos mejor", dijo Serra en una entrevista publicada hoy por el diario La Nación.
"Debemos comenzar una nueva etapa" en la relación entre los dos mayores socios del Mercosur, remarcó el ministro, quien aseguró que se propone llevar adelante una política exterior "ambiciosa en resultados, no en retórica".
Serra reiteró su postura acerca de "profundizar el libre comercio" dentro del Mercosur, expresada días atrás en una conferencia de prensa, aunque aclaró que "eso no excluye la unión aduanera, la tarifa externa común".
En ese sentido, llamó a "crear mecanismos que den más flexibilidad a las posibilidades de negociación con terceros países".
Asimismo, en otra entrevista, publicada hoy por el diario brasileño Estadão, sostuvo que la relación comercial con Estados Unidos "ciertamente debe volverse más próxima". Agregó que para que ello ocurra será necesaria "una negociación" tendiente a lograr "la remoción de las barreras no arancelarias" que Washington aplica "en el área fitosanitaria, por ejemplo". FUENTE: Agencias (Cronista - 22/05/2016)

Brasil cambia modelo económico y orientación de política exterior
Temer propone menos intervención en la economía y dar un enfoque comercial a la cancillería
AFP
La suspensión de la presidenta de Brasil, Dilma Rousseff, y el interinato de Michel Temer generó en menos de una semana un viraje político de la primera potencia regional en dos áreas clave para cualquier gobierno: la economía y las relaciones exteriores. Al tiempo que el martes las autoridades económicas anunciaron mayores libertades y menos intervención, el miércoles fue el fue el turno para la asunción de la nueva cancillería, que llega bajo la promesa de "hacer negocios", dejar de lado la ideología y pretende fortalecer el vínculo con Estados Unidos y otros países desarrollados.
Para la economía el gobierno interino de Brasil proyecta, durante al menos los próximos seis meses, un modelo menos intervencionista que el desarrollado por el Partido de los Trabajadores (PT).
El Ministerio de Hacienda pondrá el acento sobre el mercado y pretende dar más libertad al Banco Central de Brasil, que estará liderado por quien hasta ahora era el principal economista del mayor banco privado del país, Ilan Goldfajn, execonomista jefe de Itaú Unibanco Holding SA.
En cuanto a la política exterior, la nueva cancillería impulsará mayor apertura comercial, sobre todo con miras hacia Estados Unidos y los países desarrollados, y menos énfasis en la ideología, un tema ligado sobre todo a socios regionales como Venezuela o Bolivia durante la administración a cargo del PT.
De hecho, el nuevo canciller, José Serra, ya chocó con ese "bloque bolivariano" cuando un conjunto de gobiernos de izquierda de Latinoamérica acusaron de golpista a Temer.
"Cuanto mayor sea la falsedad, más fuerte será el tono", dijo la semana pasada en una entrevista televisiva con la rede Globo, y se distanció así de los aliados políticos de Rousseff.
Serra, un político de trayectoria, volvió a marcar la cancha al asumir. "La diplomacia volverá a reflejar de manera transparente e intransigente los legítimos valores de la sociedad brasileña y los intereses de su economía al servicio de Brasil como un todo, y no más de las conveniencias y las preferencias ideológicas de un partido político y de sus aliados externos", dijo el miércoles.
Cambio de rumbo
El viraje de la economía es señalado por Temer como una de las claves para recuperar la confianza de los inversores hacia Brasil y así recuperar la economía.Durante su mandato, Rousseff intervino en la economía brasileña manteniendo los precios del combustible y la electricidad por debajo del mercado para obligar a bajar la inflación de forma artificial, algo que generó desconfianza en el mercado.
Temer asumió bajo la promesa de devolver la confianza en Brasil y su ministro de Hacienda, Henrique Meirelles, promete reducir el desempleo, el déficit fiscal, y dar mayor libertad al mercado bajo una política menos intervencionista que la desarrollada por el PT. "Vamos a hacer un diagnóstico preciso y correcto para tomar medidas que sean eficaces y que sean definitivas, que no sean revertidas. No vamos a hacer nada precipitado", insistió.
El gobierno también presentará una reforma constitucional para dar al banco central "autonomía técnica", pero no la independencia formal de la que gozan sus pares de México y Chile. En medio de los cambios y los anuncios del gobierno interino, el PT, que gobernó durante 13 años hasta la suspensión de Rousseff para enfrentar un juicio político, el grupo mayoritario dentro de la izquierda brasileña, realizó una fuerte autocrítica sobre los motivos que los llevaron a perder el poder.En tanto, para la nueva cancillería, la primera prueba vino ante la reacción de los gobiernos de Venezuela, Cuba, Bolivia, Ecuador y Nicaragua, que calificaron de un "golpe de Estado" el impeachment contra Roussef.
El canciller Serra descalificó las "falsedades" y advirtió a los otros gobiernos de la región. "Estaremos atentos a la defensa de la democracia, de las libertades y de los derechos humanos, en cualquier país y en cualquier régimen político", sentenció.
Crecimiento. El Producto Interno Bruto de Brasil cayó 3,8% en 2015 y proyecta una contracción similar en 2016 y crecimiento cero en 2017.
Desempleo. El ministro de Economía, Henrique Meirelles, dijo que si no se tomaban medidas el desempleo podría llegar al 14% este año (actualmente es del 10,9%).
Ideología. El gobierno de Rousseff privilegió la integración con países de Sudamérica de los que se sentía cercano ideológicamente como Venezuela, Ecuador y Bolivia, pero la nueva cancillería priorizará la apertura comercial hacia países desarrollados.
Rousseff lucha y los mira con lupa
Antes de ser suspendida, las especulaciones imaginaban a la presidenta de Brasil, Dilma Rousseff, solitaria, confinada y preparando su defensa en el deslumbrante Palacio de Alvorada, residencia presidencial que conservará al menos durante un máximo de 180 días, mientras dura su juicio político por presuntamente adulterar las cuentas públicas.
La crisis política que condujo al castigo de Rousseff un año y medio después de ser reelecta con más de 54 millones de votos abrió una era inédita donde conviven una presidenta suspendida, cuyos retratos aún reciben a los visitantes del palacio de Planalto, la sede del Ejecutivo, y un presidente interino.
Rousseff prácticamente no ha dejado pasar una sola medida del presidente interino, Michel Temer, su exvice y aliado devenido en enemigo, sin soltarle una crítica por Twitter. En un esbozo de democracia directísima vía redes sociales, que también sirve para descargar su menú de críticas al gobierno interino, Rousseff respondió el jueves preguntas de la población sobre la "extinción del Ministerio de Cultura", una de las primeras medidas de la nueva gestión. En tanto, el miércoles usó la misma vía para discutir con usuarios los recortes a los programas sociales que prepara el nuevo gobierno.
Pero además de disputarle la opinión pública al presidente interino a través de las redes sociales, Rousseff anticipó que viajará dentro y fuera de Brasil para batallar políticamente contra un gobierno que considera "ilegítimo" y fruto de un "golpe de Estado". Rousseff participó el viernes del quinto Encuentro Nacional de Blogueros y Activistas Digitales en Belo Horizonte, en el sudeste de Brasil.
Además la presidenta felicitó el miércoles al elenco del filme brasileño Aquarius, que mostró carteles contra el impeachment en la alfombra roja del festival de Cannes. "Un beso enorme en nombre de la democracia", publicó en Twitter, además de reproducir el video de la protesta. (El Observador - Uruguay - 22/05/2016)

El canciller que inquieta a Uruguay
Serra se acerca a Argentina, es crítico con el Mercosur y apuesta a tratados bilaterales.
Cuando parecía que se había logrado coordinar la política de comercio exterior en la región, el cambio de gobierno en Brasil y la designación de José Serra como canciller del nuevo gobierno de Michel Temer pateó el tablero. Dentro del gobierno uruguayo y el Frente Amplio tienen claro que el flamante jerarca brasileño es un claro opositor al Mercosur y, por ende, sus políticas podrían pegarle en el corazón del programa de la coalición de izquierda, que prioriza al bloque regional en la estrategia de inserción internacional.
Serra, de 74 años, es un economista que vivió gran parte de su vida en el exterior por motivos políticos y académicos. Fue gobernador de San Pablo y senador socialdemócrata, y los analistas políticos consideran que mantiene ambiciones presidenciales - tras ser derrotado en 2002 por Luiz Inácio Lula da Silva y en 2010 por Dilma Rous-seff- y, por tanto, podría utilizar la Cancillería como plataforma para posicionarse co-mo candidato para las elecciones de 2018.
Entre las 2.353 palabras que dijo Serra en su discurso al asumir el pasado 12 de mayo, no figura Uruguay. Por el contrario, hizo énfasis en el rol estratégico que pasarán a tener Argentina, Estados Unidos, la Unión Europea, China y Japón en su política exterior. Con Argentina, es más, habló de la necesidad de complementarse y de la sintonía que existe. Mañana lunes, de hecho, Serra viajará a Buenos Aires para mantener una reunión con la canciller Susana Malcorra. Con Nin Novoa Hubo un breve contacto, pero protocolar y de presentación.
La elección de los países en los que Serra pondrá foco no fue arbitraria. El flamante canciller brasileño dejó en claro que el peso de la sintonía política para el manejo de las relaciones exteriores será descartado. "La diplomacia volverá a reflejar de manera transparente e intransigente los legítimos valores de la sociedad brasileña y los intereses de su economía al servicio de Brasil como un todo, y no más de las conveniencias y las preferencias ideológicas de un partido político y de sus aliados externos", afirmó Serra al asumir.
El problema para Uruguay pasa por el peso que representa Brasil dentro del bloque Mercosur y en el comercio. Ese destino es clave para las exportaciones uruguayas de lácteos, vehículos y autopartes, o plásticos. Más de 60% de las exportaciones uruguayas al Mercosur se dirigen al mercado brasileño. Además es el segundo destino en importancia. Pero más allá de eso, Brasil es un país clave en la región con miras a las negociaciones con otros países o bloques por fuera que pretende encaminar el Ministerio de Relaciones Exteriores uruguayo.
Serra es crítico con el Mercosur al punto que ha dicho que es "un delirio megalómano" que afecta la "soberanía en política comercial de Brasil". Por eso, al asumir el cargo planteó en su discurso la necesidad de flexibilización ya que consideró que el bloque "deja mucho que desear". Hoy el Mercosur tiene prohibido por la resolución 32 hacer acuerdos con terceros países si no es en bloque, aunque hay intención de modificarla, incluso del lado uruguayo. Esta resolución, y la oposición de sectores del Frente Amplio, hicieron caer las negociaciones de un Tratado de Libre Comercio con Estados Unidos en el primer gobierno de Tabaré Vázquez (2005-2010).
En esta línea, si bien dijo que Brasil apoyará las negociaciones que se vienen realizando para un Tratado de Libre Comercio con la Unión Europea, si el multilateralismo no funciona "no podemos permanecer impasibles" por lo que las negociaciones bilaterales deberán ser el camino. Hay chances de que esto pueda ocurrir. No solo el canciller Rodolfo Nin Novoa planteó que en una primera instancia ninguna de las partes quedó conforme con las ofertas realizadas, sino que Brasil, además, cuenta con un acuerdo marco.
Nin Novoa planteó esta semana en el programa Código País de canal 12 que a Serra "no le gusta mucho el Mercosur, está mirando más para Europa que para adentro de la región pero vamos a tener que hablar y que negociar con él". El ministro no anduvo con vueltas y advirtió: "A Brasil una cosa que le gustaría mucho sería que lo suspendieran del Mercosur", lo que anticipó "sería un problema para todos". "Nosotros proponemos un marco de acuerdo entre los países del Mercosur que quieran iniciar conversaciones para lograr acuerdos con bloque de países. Una vez logrado el consenso, que cada país marche a la velocidad que pueda", dijo.
La encrucijada de Nin Novoa pasa por atenerse al programa de gobierno, aunque considera que el camino es mayor apertura y la posibilidad de que el país se integre a acuerdos multilaterales, como el Acuerdo Transpacífico de Cooperación Económica, que integran 12 países y representa el 40% de la economía mundial.
En la interna del Frente Amplio, el Movimiento de Participación Popular, la lista 711, el Partido Comunista, Casa Grande y el Partido por la Victoria del Pueblo ya expresaron su rechazo a una flexibilización del Mercosur y a la firma de tratados de libre comercio en forma bilateral. El problema es que si Brasil avanza de forma bilateral, hay quienes consideran que a Uruguay solo le quedará "subirse como pueda a los demás".
LECTURAS OPUESTAS.
"Serra es símbolo de todo riesgo"
El excanciller frenteamplista Roberto Conde dijo a El País que el canciller de Brasil José "Serra es el símbolo de todos los riesgos porque ni cree ni quiere la integración del Mercosur". "Creo que puede haber cambios porque Serra es un hombre que desde hace mucho tiempo, ya en campaña 2010, hizo anuncios muy hostiles hacia el Mercosur. Va a volver a una concepción nacionalista incluso algo chovinista", dijo Conde. Según su perspectiva, la asunción de Serra genera "muchas interrogantes", pero "es una política absolutamente riesgosa dejar a Brasil libre".
"Necesaria reactivación"
El excanciller colorado Didier Opertti sostuvo que el canciller brasileño José Serra "viene a introducir en el Mercosur una necesaria reactivación". Opertti dijo que Serra intentará "devolverle a Brasil la visión de potencia mundial" y que en esa estrategia "el Mercosur no será una prioridad". "Lo mejor que puede esperarse es el reconocimiento de las deficiencias" y una mayor "flexibilidad". "Uruguay tiene que actuar con criterio pragmático y no apegado a una serie de religión dogmática que nos puede llevar al estancamiento", sostuvo Opertti. (El Pais - Uruguay - 22/05/2016)

Nuevo acercamiento entre la Alianza del Pacífico y el Mercosur
El viernes se concretó en Perú un encuentro de viceministros de ambos bloques para acordar una agenda de trabajo conjunto en varias áreas.
El ministro de Relaciones Exteriores de Chile, Heraldo Muñoz, valoró la reunión de trabajo que sostuvo en Lima la Alianza del Pacífico y Mercosur con miras a concordar un plan de trabajo conjunto entre ambas instancias de integración de América Latina.
Chile es parte de la Alianza del Pacífico -junto con Perú, Colombia y México- y miembro asociado al Mercosur, que integran Brasil, Argentina, Uruguay, Paraguay y Venezuela, más Bolivia, que está en proceso de adhesión.
"Hoy, en tiempos de dificultades económicas, cobra más vigencia que nunca la necesidad de unir el océano Pacífico con el Atlántico con miras a avanzar hacia el desarrollo económico convergente", destacó el canciller Muñoz.
En representación de Chile asistió el director general de la Direcon, Andrés Rebolledo, quien detalló que, en una primera etapa, se acordó recabar información en las áreas de acumulación de origen, facilitación del comercio y cooperación aduanera, ventanilla única de comercio, promoción comercial recíproca, y pymes. Otras áreas identificadas fueron movimientos de personas y programa de becas a estudiantes. (El Pais - Uruguay - 22/05/2016)

Nuevo acercamiento entre la Alianza del Pacífico y el Mercosur
El viernes se concretó en Perú un encuentro de viceministros de ambos bloques para acordar una agenda de trabajo conjunto en varias áreas.
EL MERCURIO/GDA
El ministro de Relaciones Exteriores de Chile, Heraldo Muñoz, valoró la reunión de trabajo que sostuvo en Lima la Alianza del Pacífico y Mercosur con miras a concordar un plan de trabajo conjunto entre ambas instancias de integración de América Latina.
Chile es parte de la Alianza del Pacífico -junto con Perú, Colombia y México- y miembro asociado al Mercosur, que integran Brasil, Argentina, Uruguay, Paraguay y Venezuela, más Bolivia, que está em proceso de adhesión.
"Hoy, en tiempos de dificultades económicas, cobra más vigencia que nunca la necesidad de unir el océano Pacífico con el Atlántico con miras a avanzar hacia el desarrollo económico convergente", destacó el canciller Muñoz.
En representación de Chile asistió el director general de la Direcon, Andrés Rebolledo, quien detalló que, en una primera etapa, se acordó recabar información en las áreas de acumulación de origen, facilitación del comercio y cooperación aduanera, ventanilla única de comercio, promoción comercial recíproca, y pymes. Otras áreas identificadas fueron movimientos de personas y programa de becas a estudiantes. (El Pais - 22/05/2016)

Difícil que acuerdo entre Mercosur con UE se alcance en seis meses
El alto representante del Mercosur, Florisvaldo Fier, dijo esta semana en una entrevista con Efe en Asunción que duda que el acuerdo comercial con la Unión Europea, cuyo intercambio de ofertas se inició el pasado 11 de mayo, se concrete en un plazo de tres a seis meses.
Fier participó en la capital paraguaya de un seminario sobre "Democracia y políticas públicas" organizado por el Instituto Social del Mercosur y el Ministerio de Desarrollo Social de Uruguay, que ostenta la presidencia temporal del bloque.
Según el representante de Mercosur, el tratado comercial con la UE "compromete muchos intereses económicos de las empresas, y sociales de los pueblos" en ambas regiones, por lo que cree que el proceso de negociación será "bastante largo".
Entre los puntos más complejos destacó el de la agricultura, que ha motivado reacciones de los productores de la Unión Europea, que manifiestan su grave preocupación por la posible inclusión de cuotas tarifarias sobre "productos sensibles", como la carne de vacuno. (Espectador - 21/05/2016)

Produtos e Mercados


Veja mais

Balanza comercial argentina registró superávit de 332 millones de dólares en abril
El intercambio comercial de Argentina cerró abril con un superávit de 332 millones de dólares, tras registrar exportaciones por 4.756 millones de dólares e importaciones por 4.424 millones de dólares, informó el Instituto Nacional de Estadística y Censos (INDEC).
No obstante, el INDEC señaló que las exportaciones registraron una baja de 8% en relación al mismo mes de 2015, como consecuencia del descenso de 10% en los precios, en tanto las cantidades aumentaron 3%.
Por su parte, el valor de las importaciones fue 11% inferior al registrado en igual mes del año anterior, debido al descenso de 15% en los precios, compensado en parte por la suba de 5% en las cantidades, advirtió el INDEC.
Durante el mes de abril, los principales socios comerciales del país sudamericano fueron Brasil, China y Estados Unidos. Las exportaciones a Brasil sumaron 830 millones de dólares, mientras que las importaciones argentinas desde ese mercado alcanzaron los 1.164 millones de dólares.
Por su parte, los envíos al país asiático totalizaron 400 millones de dólares, principalmente Productos primarios, MOA y Combustibles y energía, mientras que las importaciones fueron 799 millones de dólares.
En tanto, los envíos hacia Estados Unidos sumaron 294 millones de dólares, destacándose las MOI, mientras que las importaciones alcanzaron 450 millones de dólares, principalmente de Bienes intermedios y Bienes de capital. (MarcoTradeNews - 25/05/2016)

Multinacionais obrigadas a divulgar informação fiscal em cada país da EU
Pedro Crisóstomo
Países europeus formalizam acordo. Empresas comunicam informação sobre lucros, impostos, capital ou ganhos.
Os países da União Europeia adoptaram, nesta quarta-feira, novas regras para as administrações fiscais dos países europeus trocarem entre si informações fiscais relativas a empresas multinacionais com um volume de negócios superior a 750 milhões de euros.
A nova directiva europeia, formalizada na reunião dos ministros das Finanças dos 28 países europeus em Bruxelas, dá seguimento a uma recomendação da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE), que vem exigir às multinacionais que declarem, país por país, um conjunto de informações fiscais, cabendo às autoridades tributárias nacionais trocar automaticamente esses dados entre si.
As empresas são obrigadas a declarar informação sobre o volume de negócios, os lucros, os impostos pagos, o capital, os ganhos, os activos tangíveis e o número de trabalhadores. A directiva prevê que as empresas sejam obrigadas a comunicar, já em relação ao ano fiscal de 2016, a sua declaração à administração tributária onde têm a residência fiscal. Terminado o exercício fiscal, as empresas têm um ano para enviar a declaração à autoridade tributária do país, que têm depois três meses para garantir a troca automática com os outros países, através da rede comum de comunicações a nível europeu.
A intenção da nova directiva é aumentar a transparência sobre a actividade das multinacionais, para que paguem os impostos no país onde efectivamente obtêm os lucros e se sintam impelidas a adoptar práticas agressivas de planeamento fiscal.
Os Governos da União Europeia já tinham chegado a acordo em Março sobre a nova directiva, que vem dar seguimento a uma outra, já em vigor, onde se prevê a troca automática de informações entre as autoridades fiscais europeias.
A iniciativa que está na base das novas regras é o Plano de Acção BEPS, da OCDE, um conjunto de recomendações para "combater a erosão da base tributável e a transferência de lucros". A ideia é que, a partir de normas comuns, se possa fazer uma avaliação uniformizada sobre os indicadores das empresas.
Em paralelo com as novas regras europeias, 30 países, incluindo Portugal, chegaram a acordo na OCDE para partilharem informação sobre as multinacionais. As discussões na OCDE e no G20 duram há mais de dois anos e ganharam maior expressão depois do escândalo LuxLeaks, quando em 2014 o Consórcio Internacional de Jornalistas de Investigação (ICIJ) revelou que mais de 340 multinacionais beneficiaram de acordos secretos com o Luxemburgo, para pagarem menos impostos do que nos países de origem. (Publico - Portugal - 25/05/2016)

Argentina y Brasil firman memorándum para mejorar intercambio comercial
Luego de una reunión en privado, los cancilleres de Argentina, Susana Malcorra, y de Brasil, José Serra, suscribieron un Memorándum de Entendimiento para el establecimiento del Mecanismo bilateral de Cooperación Política, informó Télam.
El nuevo mecanismo prevé el intercambio de la agenda bilateral y regional para el seguimiento de proyectos estratégicos de integración bilateral, principalmente, en las áreas de comercio, energía, ciencia, tecnología e innovación, defensa e industria aeronáutica.
En la ceremonia también estuvieron presentes el ministro de Hacienda y Finanzas Públicas, Alfonso Prat-Gay, y el embajador argentino en Brasil, Carlos Alfredo Magariños, entre otros funcionarios.
Según la agencia de noticias, el búsqueda de una mejora en la relación comercial bilateral se produce luego del déficit comercial de Argentina con Brasil registrado en el primer cuatrimestre del año, "un rojo que triplica el monto alcanzado en el mismo período de 2015", advierte Télam.
En base a datos oficiales del gobierno brasileño, incluidas en un reporte de la consultora Abeceb, el crecimiento de las compras desde Brasil y la caída en las ventas hacia ese mercado marcó un déficit que alcanzó los 1.388 millones de dólares en los primeros cuatro meses de 2016, representando una baja de 6,1%.
Según el último balance comercial, las exportaciones argentinas a Brasil cayeron un 25,1% entre enero y abril, un resultado esperable en relación a la contracción generalizada de las importaciones del país vecino. (MarcoTradeNews - 24/05/2016)

Una nueva relación entre Brasil y Argentina
El nuevo canciller brasileño, José Serra, fue recibido ayer por el presidente Mauricio Macri y su colega argentina, Susana Malcorra, entre algunas protestas, en lo que constituyó el primer encuentro oficial que simboliza la sintonía que buscan dos gobiernos afines en América Latina.
EFE
Malcorra recalcó que con Serra hicieron "un inventario, una primera reunión para saber donde estamos parados".
Aunque Serra no apareció ante la prensa, su colega argentina defendió la postura del gobierno de Macri de respetar el proceso que provocó la suspensión de la presidenta Dilma Rousseff por um juicio político que puso al vicepresidente Michel Temer en su cargo, en un proceso criticado por otros países de la región.
"Brasil es el socio de Argentina y lo que pasa en Brasil afecta a lo que pasa en Argentina. No tenemos alternativa más que trabajar con ellos", dijo Malcorra en una conferencia de prensa en la que el presidente Macri oficializó la postulación de la canciller para ocupar la secretaría general de la ONU.
Ante las críticas de partidos de izquierda argentinos y otros gobiernos que consideran que Buenos
Aires está "legitimando un gobierno golpista" en Brasil, Malcorra no consideró que estén aislados.
"No somos los únicos que hemos reconocido este proceso", dijo la canciller. "Sí, es cierto que hay países latinoamericanos que han hecho una lectura distinta, inclusive de la posible aplicación de la carta democrática. Nosotros no lo vemos así", agregó la diplomática.
Recordó que estuvieron en constante comunicación con el gobierno de Rousseff previo a su suspensión.
Tras la reunión, Serra y Malcorra firmaron un Memorándum de Entendimiento para el establecimiento de un mecanismo bilateral de Coordinación Política, en el que participó el ministro de Hacienda y Finanzas argentino, Alfonso Prat-Gay. Un centenar de manifestantes criticó a Serra y a Temer en las afueras de la sede de la Cancillería. AFP (El Pais - 24/05/2016)

Brasil e Argentina vão criar mecanismo bilateral de coordenação política
Brasília
Ivan Richard - Repórter da Agência Brasil
Brasil e Argentina assinaram hoje (23) um memorando de entendimento para criar o Mecanismo de Coordenação Política Brasil-Argentina. O fórum bilateral, que será presidido pelo secretário geral das Relações Exteriores, no caso do Brasil, e pelo secretário de Relações Exteriores, na Argentina, servirá para coordenação política entre os países vizinhos.
Os principais objetivos do mecanismo serão o intercâmbio de opiniões sobre temas das agendas bilaterais, regional e global, além do acompanhamento dos projetos estratégicos de integração bilateral, em especial nas áreas de ciência, tecnologia e inovação, defesa, indústria aeronáutica, energia e comércio, sem prejuízo de outras áreas que possam ser consideradas prioritárias pelos dois governos.
De acordo com o Itamaraty, o fórum irá se reunir, no mínimo, duas vezes por ano.
Preferencialmente, as reuniões ocorrerão no início de cada ano, para definição da agenda comum de trabalho, e no início do segundo semestre, que terá como foco a coordenação de posições para a Assembleia-Geral das Nações Unidas.
As reuniões serão alternadas em cada um dos países, e o país anfitrião será responsável pela apresentação de proposta de data, local e agenda do encontro, submetida previamente ao país vizinho, com antecedência mínima de um mês da reunião.
Segundo o Itamaraty, a criação do fórum bilateral marca as comemorações dos 30 anos de assinatura da Declaração do Iguaçu, que marcou o início do processo de aproximação entre Brasil e Argentina. (Agência Brasil - 24/05/2016)

Reino Unido terá recessão se deixar a EU
ECONOMIA
Alerta é do Tesouro britânico. Já o FMI pede um alívio na dívida grega
Londres e Washington- A exatamente um mês do referendo para determinar se o Reino Unido sairá da União Europeia, um relatório do Tesouro britânico se somou ontem às advertências sobre consequências catastróficas que a saída do bloco poderia causar. No documento, o Ministério das Finanças diz que"a economia britânica afundaria em uma recessão de um ano"
Ao discursar sobre os resultados, o ministro George Osbome advertiu que os salários médios cairiam 800 libras com asaída, o Produto Interno Bruto(PIB) perderia de 3,6% a 6% e a dívida aumentaria em 39 bilhões de libras. Além disso, seriam perdidos de 520 mil a 820 mil empregos, a libra se desvalorizaria entre 12% e 15% e o valor das casas cairia de 10% a 18%.
Decidir deixar a UE seria escolher "a opção da autodestruição" disse o ministro.
- Os britânicos devem se fazer esta pergunta: podemos nos permitir votar conscientemente a favor de uma recessão? - questionou Osbome.
O Fundo Monetário Internacional (FMI), a Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômicos (OCDE) e o Banco da Inglaterra publicaram informes sobre a possível saída da UE e suas conclusões foram similares às do Tesouro. Mas os partidários da saída afirmam que estas conclusões são parte de uma estratégia para gerar medo.
Para Iain Duncan Smith, quefoi ministro do Trabalho e Aposentadorias no governo do primeiro-ministro David Cameron - e, portanto companheiro de Osborne - , o informe reflete "uma visão profundamente tendenciosa" e ninguém "deveria acreditar nisso" Duncan Smith lembrou que o Tesouro errou outras vezes em suas previsões e que deveria ter dedicado uma análise aos potenciais benefícios da saída.
TAXAS MENORES ATÉ 2040
Enquanto isso a Grécia - país que, no ano passado, também ficou àbeira deuma saída da EU - foi tema de relatório do FMI, que apontou que o país precisa de uma redução incondicional de sua dívida com os credores europeus para poder se recompor financeiramente.
A análise do Fundo sobre a sustentabilidade da dívida também afirma que o alívio deve se estender a 2040, devido às limitadas possibilidades do país de crescimento econômico significativo e de superávit fiscal.
O FMI afirma que as metas atuais de superávit e crescimento para o programa de resgate são irrealisticamente altas e precisam ser revisadas para baixo. Segundo o relatório, Atenas enfrenta graves problemas para alcançar a meta mínima nas condições da atual proposta de reestruturação da dívida, que inclui um superávit fiscal primário de 3,5%. A sugestão é que ele não seja de mais de 1,5%.
"Um componente inicial de alívio da dívida sem condições é fundamental para dar um sinal forte e crível aos mercados sobre o compromisso dos credores oficiais em assegurar a sustentabilidade da dívida", alerta o documento.
Segundo o FMI, a única maneira para a Grécia obter uma posição fiscal sustentável é com umalívio da dívida que inclua uma expansão do prazo de pagamento, adiamentos substanciais de quitação de juros e taxas de 1,5% até 2040.
O relatório questiona a posição, liderada pela Alemanha, de que o governo grego se comprometa a reformas fiscais e estruturais mais profundas para que seus credores europeus aliviem a dívida.
O informe foi divulgado um dia antes da reunião do Eurogrupo (que reúne ministro das Finanças da zona do euro) em Bruxelas para discutir a redução da dívida grega e a continuidade do plano de resgate financeiro do país.O FMI disse que só injetará fundos próprios para novos empréstimos à Grécia se o Eurogrupo reduzir significativamente a carga do serviço da dívida do país.
Diante dos antecedentes ruins da Grécia quanto ao cumprimento das metas nos outros planos de resgate, o FMI disse que "entende e apoia" a posição europeia de que a ajuda deve incluir reformas econômicas.
"No entanto, o alívio da dívida condicionado à implementação de políticas não deverá ir além do períododo programa" afirmou o órgãoem referência ao prazo de conclusão do programa de resgate, em 2018. (O Globo - 24/05/2016)

Serra cria novo fórum com Argentina
MUNDO
Luciana Dyniewicz
Mecanismo servirá para coordenar posições políticas dos dois países; Buenos Aires é primeiro destino de chanceler
Ministro é seguido por manifestantes; aproximação com vizinho é 1 das 10 novas diretrizes externas Com o governo do presidente interino Michel Temer mais alinhado politicamente ao de Mauricio Macri, Brasil e Argentina criaram nesta segunda (23) um mecanismo decoordenação política entre os dois países.
O conselho será comandado pelos secretários-gerais dos Ministérios de Relações Exteriores e deverá coordenar posições em temas estratégicos, como defesa, comércio, energia, ciência e indústria aeronáutica.
A medida, anunciada durante visita de José Serra a Buenos Aires, é a primeira a reforçar a parceria com a Argentina como a mais importante na região, uma das dez diretrizes anunciadas pelo chanceler ao assumir o país foi o primeiro destino escolhido por Serra como ministro.
O fórum deve se reunir pelo menos duas vezes ao ano, uma delas antes da abertura da sessão anual da Assembleia Geral da ONU, para que os vizinhos cheguem com posições alinhadas ao encontro.
Isso vai implicar em reuniões dos ministros para tratar de políticas principalmente no âmbito das Américas, do Mercosul e mesmo na relação [da região] com o resto do mundo, afirmou Serraem visita a Buenos Aires.
Em entrevista coletiva, Serra voltou a defender uma política externa sem partidarismo, em alusão ao alinhamento regional mantido sob Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff, e afirmou que poderia visitar países com governos de esquerda, como Equador e Venezuela.
Não está programado, mas não excluo a possibilidade.
Nós lidamos com países, não com partidos.
Oministro acrescentou queo tom das respostas emitidas pelo Itamaraty para rejeitar as manifestações dos países que criticaram o impeachment foi mais ameno que o dos questionamentos recebidos.
Creio que há desinformação sobre o que aconteceu no Brasil. Outros simplesmente [criticam o impeachment] por exploração política, disse.
Segundo o chanceler, a situação política da Venezuela foi tratada na reunião com sua colega argentina, Susana Malcorra, por ser um fator relevante para a América Latina hoje. Medidas futuras, como uma suspensão do país do Mercosul, não foram discutidas, disse ele.
Mercosul e comércio Sobre a flexibilização do Mercosul, Serra disse que a estratégia que defende é criar mecanismos que permitam acordos bilaterais entre um membro do bloco eumterceiro. O modo como isso será feito ainda não foi definido, mas a ideia, afirmou, foi bem recebida pelo governo Macri.
Atualmente, o bloco precisa fechar acordos de forma monolítica, o que emperra algumas negociações.
Macri recebeu Serra na Casa Rosada. A reunião foi tratada como visita de cortesia.Em janeiro, quando o então chanceler,MauroVieira, esteveem BuenosAires, o presidente o recebeu.
O governo Macri reconheceu rapidamente Michel Temer como presidente, mas tomou alguns cuidados na visita de Serra.
Quebrando um costume instaurado em dezembro do ano passado, quando Macri assumiu, não houve entrevista coletiva da chanceler argentina com o visitante.
Malcorra falou com jornalistas na Casa Rosada, após a reunião, para tratar de sua candidatura à chefia da ONU.
Questionada sobre a visita do brasileiro, disse que há um novo chanceler e sem dúvida é preciso trabalhar com ele. Desde que chegou na Argentina, na noite de domingo (22), até deixar o país, na noite de segunda (23), Serra foi acompanhado por dezenas de brasileiros contrários ao governo de Michel Temer e alguns argentinos que integram movimentos kirchneristas como o La Campora.
Para entrar e sair da sede da chancelaria argentina, usou portas laterais e despistou manifestantes com carros saindo por diferentes portões. (Folha de SP - 24/05/2016)

Queda de 42% no comércio entre Brasil e Argentina desafia Serra
Rodrigo Cavalheiro, correspondente
Chanceler brasileiro buscará uma forma de reativar a relação comercial entre os dois países e permitir acordos bilaterais de integrantes do Mercosul com outras nações
BUENOS AIRES O chanceler brasileiro, José Serra (PSDBSP), discutirá hoje com a ministra das Relações Exteriores argentina, Susana Malcorra, uma forma de reativar a relação comercial entre os dois países e permitir acordos bilaterais de integrantes do Mercosul com outras nações sem enfraquecer o bloco regional. O encontro no Palácio San Martín, alvo de manifestantes contrários ao impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff, será o compromisso mais extenso da agenda do brasileiro em sua primeira viagem no comando do Itamaraty.
Alternativas para reativar duas economias em recessão também serão o centro de reuniões de Serra com o ministro da Fazenda, Alfonso PratGay, no início da tarde, e o presidente Mauricio Macri, às 16 horas. O intercâmbio comercial entre as nações caiu 42% entre 2011 e 2015, de US$ 39 bilhões para US$ 23 bilhões.
O governo de Macri, que reconheceu a legalidade da administração do presidente interino Michel Temer minutos depois de o Senado brasileiro abrir o processo de impeachment contra Dilma Rousseff e afastála por 180 dias, tem interesse direto na retomada da atividade no Brasil, parte de 40% do comércio internacional argentino. Nos primeiros quatro meses, o déficit bilateral argentino triplicou e chegou a US$ 1,4 bilhão, em razão da queda no consumo brasileiro, segundo a consultoria Abeceb.
Nos últimos meses, a crise política e econômica brasileira foi acompanhada de declarações moderadas do governo argentino, cujo gabinete mantinha boa relação com os ministros de Dilma.
Em março, Malcorra informou que chanceleres do Mercosul esboçavam uma mobilização em defesa de Dilma, com a organização de uma reunião de emergência que o Itamaraty então desestimulou Entre as diretrizes da nova política externa, anunciadas em sua posse na semana passada, Serra colocou a relação com a Argentina. Crítico do entrave que Mercosul representaria a acordos bilaterais, citou "referências semelhantes, para reorganização da política e da economia" ao referirse ao governo de Macri, eleito no ano passado por uma coalizão de centrodireita. No discurso inaugural, Serra salientou sua intenção de defender a despartidarização do Itamaraty. Em entrevista ao Estado publicada no domingo, afirmou que não pretende usar o posto como trampolim eleitoral para uma candidatura presidencial em 2018.
Serra também destacou como objetivo da diplomacia brasileira a defesa de direitos humanos, item interpretado como uma mensagem para a Venezuela. A situação do país governado por Nicolás Maduro, que criticou o processo de impeachment brasileiro e tem sido alvo frequente de críticas de Macri, também está na pauta de reuniões do chanceler brasileiro na Argentina. O presidente argentino pressiona pela libertação por Caracas de presos políticos e já ameaçou pedir a suspensão do país do Mercosul.
Serra chegou à Argentina já com a definição do novo embaixador brasileiro em Buenos Aires, Sérgio França Danese, cuja indicação foi aceita informalmente pelo governo argentino no sábado. Ele ocupava a função de secretáriogeral do Itamaraty, o segundo posto na hierarquia da instituição, cargo que será exercido por Marcos Galvão. (O Estado de SP - 23/05/2016)

No temer al MACRI mercado
El Uruguay tiene que rescatar su capacidad de propuesta. La parálisis de la integración es un hecho, tanto político como económico. La realidad cambia y se nos impone.
Se acabó el tiempo de los sublemas ideológicos. Maduro "está loco como una cabra" dijo su amigo y antiguo socio Mujica; claro que bajo su consigna de "como te digo una cosa, te digo la otra".
El multilateralismo está en crisis. Los acuerdos regionales y entre grandes bloques han superado los doscientos ochenta. Y eso responde a que 2/3 del comercio mundial se realiza intrafirma, mientras que el 60% de los bienes que se intercambian son semiterminados.
En el 2030 (¡mañana!) la población mundial será de 8 mil millones y medio, la demanda de energía aumentaría en un 50% y la producción de alimentos y los escasos recursos naturales serán la base del desarrollo sustentable de las economías del Cono Sur.
Los planteos "sesentistas" nos paralizaron; y nadie ignora que nuestra transitoria bonanza se debió a la demanda de alimentos que el mercado chino mantuvo hasta ahora por un crecimiento anual de su Producto Bruto del 10%, más el importante flujo de inversión extranjera impulsada por las bajas tasas de interés internacionales.
Pero veamos qué suce-de en el Mercosur (no incluyo al socio de "utilería" de Venezuela).
Argentina intenta salir del "default" dejando el antiguo modelo proteccio-nista replanteando su estrategia tanto externa como regional.
Brasil registra dos años seguidos de caída de su Producto Bruto (ocurrido la última vez en 1930) y el nuevo gobierno adelantó que en el corto plazo buscará un entendimiento con Argentina para "renovar el Mercosur y corregir lo que deba ser corregido para fortalecerlo".
Mientras tanto, Paraguay es la única economía que crece en forma consistente en América del Sur. A tal punto que inversiones de la región buscan en su mercado un mejor ambiente de negocios que defienda su competitividad en la producción de bienes y servicios.
Todo esto quiere decir que el actual modelo de integración no responde a las transformaciones económicas, tecnológicas, sociales y políticas que se produjeron durante los 25 años de un Mercosur anémico e ideologizado.
Al extremo de que bajo la inspiración bolivariana-brasileña se aceleró una "fuga hacia adelante" creando la Unasur y el Celac y abandonando el proyecto fundacional mercosuriano.
¿Y Uruguay qué puede hacer? ¿Esperar a que la vieja trenza bilateral de nuestros vecinos tome fuerza sin nuestra participación? ¿Dejar en manos del Pit-Cnt la estrategia del país? ¿Mantenerse sin realizar propuestas para preservar el "equilibrio inestable" hacia el interior de su gobierno?
Apertura, seguridad jurídica y flexibilidad deben ser las columnas de un modernizado Mercosur, si quiere recuperar su credibilidad y atender las asimetrías existentes hacia adentro.
No tienen ningún sentido los "corralitos" mercosurianos.
No hay otra opción que concretar la apertura de nuestro comercio desde una flexibilidad para negociar juntos o separados de nuestros socios acuerdos preferenciales en bienes y en servicios.
No podemos temer a la ampliación de los mercados ante la realidad.
Desde la región tenemos que saltar al mundo, vender donde nos compran y apostar a un sistema de producción basado en la calidad y ganando poco a poco nichos de mercado en los más lejanos puntos del globo.
Uruguay, con pocas excepciones, nunca renunció a ejercer su "inteligencia molesta", siempre levantó banderas más allá de sus intereses concretos y debe seguir impulsando la integración, sin quedar reducido a un actor de reparto entre tantos poderosos cercanos y lejanos.
La "Banda Oriental" hoy es, más que nunca, un Estado "frontera, pradera y puerto" (al decir de Reyes Abadie); una bisagra que no puede aceptar la fragmentación regional porque de la promoción de cadenas productivas surge su potencialidad para alcanzar alianzas estratégicas dictadas por el pragmatismo.
Por otra parte, más geografía y menos ideología es el núcleo duro de nuestra conectividad tanto en infraestructura como en energía.
El nuevo "humor" del vecindario nos favorece pero hay que aprovecharlo ahora. La Hidrovía Paraguay - Paraná debe consolidarse. La demanda existe, y Uruguay a través de Nueva Palmira y Montevideo, dispone de puertos de salida que dan sentido a su plataforma logística.
La fórmula de un sólido desarrollo es tan fácil de plantear como difícil de ejecutar: un Estado con menos grasa, un gobierno medido por sus resultados, una mayor seguridad jurídica, una baja presión tributaria y una apertura internacional hacia el comercio, las inversiones y la tecnología.
Un planteo de este tenor nos ayudará a todos.
Pero como se sabe, dependerá de la voluntad política de cada gobierno, más en nuestro caso, donde los Partidos, empezando por el Frente Amplio, deben hacer el esfuerzo por cambiar el puño cerrado por una mano tendida.
Lo del título. (El Pais - Uruguay - 23/05/2016)

Reino Unido entrará em recessão se deixar a UE, preveem Tesouro e Cameron
A economia do Reino Unido poderá enfrentar uma recessão de um ano se os britânicos votarem por sua exclusão da União Europeia em plebiscito sobre o assunto, marcado para 23 de junho, alertou hoje o Tesouro do país.
Em análise que dá novos argumentos aos defensores da permanência do Reino Unido no bloco, o Tesouro previu que a economia britânica provavelmente sofrerá um "choque profundo" se a votação for a favor da saída do país.
Para o Tesouro, incertezas sobre as relações comerciais do Reino Unido, após sua eventual exclusão da UE, podem atrasar os gastos e investimentos, enquanto dúvidas sobre a perspectiva econômica poderão elevar os custos de empréstimos para famílias e empresas.
Em discurso conjunto com o primeiro-ministro britânico, David Cameron, o ministro de Finanças George Osborne afirmou que a libra poderá se desvalorizar entre 12% e 15 se o Reino Unido de fato deixar a UE e que, cerca de um ano após o plebiscito, a inflação do país ultrapassará 2%.
"Em dois anos, o tamanho de nossa economia - ou PIB - será pelo menos 3% menor, como resultado da saída da UE, e poderá chegar a ficar 6% menor", disse Osborne. "Teríamos um ano de crescimento negativo - isso é recessão."
O documento do Tesouro também prevê o corte de 500 mil a 820 mil empregos em dois anos, além de queda média de 2,8% nos salários e aumento de até 24 bilhões de libras (US$ 34,74 bilhões) no endividamento público.
Cameron, por sua vez, afirmou que uma votação pela saída do Reino Unido levará à primeira recessão "gerada por nós mesmos". Fonte: Dow Jones Newswires. (Estadão Conteúdo - 23/05/2016)

Indicadores do mercado brasileiro se reaproximam dos de emergentes
EULINA OLIVEIRA, DE SÃO PAULO
Com o agravamento da recessão e da crise política, o mercado financeiro do Brasil passou boa parte do último ano e meio com desempenho pior em relação aos pares emergentes. A partir do aumento das apostas de impeachment de Dilma Rousseff, no início de março, o movimento começou a se reverter.
Descolado dos demais mercados em vários pregões, o Ibovespa e o real tiveram as maiores altas globais, e a percepção de risco do país caiu.
A euforia contribuiu para que, aos poucos, a "curva" do Brasil começasse a se reaproximar dos emergentes.
CONVERGÊNCIA
Após turbulência, indicadores mostram que Brasil volta a ficar mais perto dos emergentes Agora, passada a fase que culminou no afastamento de Dilma, analistas acreditam que o mercado doméstico só vai "colar" de vez nos demais se o governo do presidente interino, Michel Temer, tomar rapidamente medidas para a retomada efetiva da economia.
Os sinais mais fortes de perda de fôlego da economia começaram a aparecer após o segundo turno da eleição presidencial de 2014.
As preocupações em relação às contas públicas aumentavam, e a Operação Lava Jato atingia políticos e empreiteiras. O Ibovespa, principal índice de ações da Bolsa de Valores de São Paulo, começou a piorar em dezembro de 2014, quando se discutia o ajuste fiscal.
A partir de março deste ano, o índice voltou a se aproximar dos emergentes, registrando no último dia 12 a menor diferença (5,94 pontos) desde 22 de janeiro de 2015 (4,55 pontos). Isso coincidiu exatamente com o início do governo interino de Temer.
O CDS (credit default swap), espécie de seguro contra calote, começou a piorar em março de 2015, mês de protestos contra Dilma.
O maior patamar do CDS - e o maior distanciamento dos emergentes- ocorreu em 28 de setembro de 2015. A comparação é feita entre o CDS do país e o de um bloco de 14 emergentes, que inclui o próprio Brasil.
No início daquele mês, a agência de classificação de risco Standard & Poor's retirara o selo de bom pagador do país. Também em setembro, no dia 22, em meio a dúvidas sobre as medidas fiscais e temores de crise global, o dólar fechou acima de R$ 4 pela primeira vez na história. A diferença do real em relação às outras moedas foi ampliada em 21 de janeiro, quando o dólar atingiu R$ 4,16.
Desde então, esses ativos se recuperaram, embora o movimento tenha se revertido parcialmente nos últimos dias, com o temor de aumento de juros nos EUA.
Na última semana, a diferença entre a percepção de risco medida pelo CDS do Brasil e da média dos emergentes estacionou no nível do início de setembro de 2015. O dólar comercial chegou a cair para R$ 3,44, no dia 11. Desde então, subiu, mas se manteve bem abaixo de R$ 4. Na sextafeira (20), fechou cotado a R$ 3,51.
CENÁRIO EXTERNO
Apesar da euforia dos mercados, os primeiros dias do governo interino de Michel Temer, foram marcados pela queda da Bolsa e pela alta do dólar e da percepção de risco.
O principal índice da Bolsa paulista recuou 5,8% do dia 12, início do governo Temer, até sexta (20). O dólar à vista subiu 2,18% no período, e o CDS (credit default swap) do Brasil, indicador da percepção de risco, avançou 5,71%
O motivo foi o crescimento das expectativas de alta dos juros americanos no próximo mês, que provocou uma corrida para o dólar e reduziu o fluxo de investimentos para os emergentes.
No Brasil, a nova equipe econômica, liderada pelo ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, foi bem recebida, mas isso não foi suficiente para manter o mercado em alta. Os investidores esperavam o anúncio de alguma medida no início da semana, o que não aconteceu", diz o analista Alexandre Soares, da BGC Liquidez.
MEDIDAS
Para acalmar o mercado, Temer deverá anunciar nesta terça (24) medidas para melhorar as contas públicas nesta semana.
Alvaro Bandeira, economista chefe da Modalmais, explica que a perspectiva de alta dos juros nos EUA mascarou as preocupações de investidores em relação às medidas que serão tomadas pelo governo.
Para o economista, a falta de um diagnóstico para os problemas econômicos do país adiciona volatilidade ao mercado.
Bandeira ressalta que os investidores estão pessimistas no curto prazo e levemente otimistas no médio e longo prazos. "Tanto que, neste mês de maio, os investidores estrangeiros já retiraram R$ 1,3 bilhão da Bovespa."
"Essas medidas do governo são um grande ponto de interrogação, pois ainda não se sabe o que será feito, nem como e quando", avalia Roberto Indech, analista da corretora Rico.
"Também não se sabe se as reformas em discussão, como a da Previdência, terão sustentação política para passar no Congresso."
Indech diz que alguns fatores determinarão o desempenho dos mercados emergentes nos próximos meses. Um deles é o rumo dos juros nos EUA. Outro fator é o rumo da economia chinesa. (Folha de SP - 23/05/2016)

Brasil teme que la Argentina reemplace sus productos por compras en China
Economía y política
Hoy la canciller Susana Malcorra, recibirá a su par brasileño, José Serra. Luego, Serra se reunirá con el ministro de Hacienda, Alfonso Prat-Gay y con el presidente Macri
por HORACIO RIGGI
El arribo a Buenos Aires del flamante canciller de Brasil, José Serra, tiene una suerte de devolución de gesto político a la Argentina, pero también un interés comercial.
Luego de la suspensión de la presidenta Dilma Rousseff, la Argentina fue el primer país en validar al gobierno de Michel Temer. Por eso no fue extraño que Serra dijese públicamente que la Argentina era su principal foco de interés, y tampoco ahora sorprende su llegada. Es que el desplazamiento de Rousseff también marca un giro político en Brasil y en sus relaciones exteriores.
De hecho, Serra, un crítico declarado de Venezuela, no es solo el canciller de Brasil. En su país, este veterano dirigente, que no ve con buenos ojos el Mercosur, es el líder del Partido de la Social Democracia Brasileña (PSDB), la mayor fuerza de centroderecha del país vecino.
Pero si bien hoy Serra será recibido por la canciller Susana Malcorra y por la tarde tendrá una reunión con el presidente, Mauricio Macri, después del mediodía lo recibirá el ministro de Hacienda y Finanzas, Alfonso Prat-Gay. Con el ministro argentino, con quien tiene pautada agenda abierta, según fuentes del Ministerio local, Serra aprovechará para pasar un par de mensajes.
Según fuentes brasileñas, Serra, economista de profesión, quiere que la Argentina privilegie como socio a Brasil. El principal problema que ve es que el comercio bilateral cayó de forma abrupta y teme que China comience a reemplazar una parte de la demanda que llegaba desde San Pablo.
La consultora argentina Abeceb, especialista en el comercio bilateral, dice que "la relación comercial de los dos países se vio fuertemente impactada en los últimos tiempos por la recesión de Brasil y también por la de Argentina. En 2011, el intercambio comercial bilateral alcanzaba los u$s 39.600 millones, y en 2015, se redujo a u$s 23.083 millones, un 42%".
Este año, la relación se fue deteriorando para la Argentina que redujo las ventas a Brasil y además, vio crecer sus importaciones. "En los primeros cuatro meses del año, el déficit bilateral se triplicó hasta los u$s 1400 millones, justamente por el menor ritmo de compras de productos argentinos por parte de importadores brasileños", sostiene Abeceb.
En tanto, en 2015, siempre según datos de Abeceb, las exportaciones a Brasil fueron el 18% del total exportado por Argentina. Pero si se toman sólo las ventas externas industriales, la participación de los productos con destino al país vecino era del 40%. Hay que contemplar que el año pasado la crisis económica de Brasil, con una caída del 3,8% de su PIB, ya se había notado en el intercambio comercial. En 2013, las exportaciones a Brasil fueron el 21,20% del total y las industriales, el 47%.
Como contrapartida, entre 1994 y 2014 el comercio Argentina China medido en dólares corrientes se multiplicó por 16. (Cronista - 23/05/2016)

Exportações do Japão sofrem queda anual de 10,1% em abril
Queda foi a sétima consecutiva, mas balança comercial registrou superávit maior que o esperado
TÓQUIO - As exportações do Japão caíram pelo sétimo mês consecutivo em abril, mas a balança comercial do país registrou superávit maior do que o esperado.
Dados do Ministério de Finanças mostraram que as exportações japonesas recuaram 10,1% em abril ante igual mês do ano passado, a 5,889 trilhões de ienes (US$ 53,5 bilhões). O resultado refletiu a desaceleração da economia global e a valorização do iene ante o dólar.
As exportações do Japão para a China caíram 7,6% na comparação anual de abril, enquanto as vendas para os EUA - o maior comprador de produtos japoneses - diminuíram 11,8%, no maior tombo em cinco anos.
Já as importações japonesas se enfraqueceram pelo 16º mês consecutivo em abril, com queda anual de 23,3%, a 5,066 trilhões de ienes.
Em abril, o Japão garantiu superávit comercial de 823,5 bilhões de ienes, contrastando com o déficit de 58,34 bilhões de ienes visto em abril de 2015 e superando a previsão de analistas consultados pelo The Wall Street Journal, de saldo positivo de 535 bilhões de ienes. Fonte: Dow Jones Newswires. (Estadão Conteúdo - 23/05/2016)

Empresas americanas estão otimistas com mudança no país, diz entidade
A Associação das Câmaras de Comércio Americana para a América Latina está otimista com a mudança de governo brasileiro e enxerga uma transição que favorece a abertura comercial na economia global e com os Estados Unidos em particular. Um evento no Rio, hoje, discute oportunidades de negócios em áreas como energia, inovação e tratados comerciais. Pelo menos 23 executivos de diferentes países participarão do encontro "Future of the Americas 2016" tentarão encontrar alternativas para o crescimento depois da Olimpíada.
A crise econômica e política brasileira é uma preocupação dos empresários internacionais, admite Neil Hennington, vice-presidente da associação. "O país enfrenta um momento difícil", diz o americano, que morou em São Paulo de 2002 a 2004. No entanto, os executivos apostam no longo prazo. "O Brasil conta com uma capacidade humana muito forte", acrescentou.
Grande mercado consumidor, alta taxa de retorno do investimento e ativos baratos são qualidades que o país mantém e que continuam atraindo o empresariado estrangeiro. "O país vai sair com as instituições mais fortes e melhor no ambiente político e econômico", acredita.
O câmbio desvalorizado, afirma, também pode ajudar a atrair mais empresas. Seria uma oportunidade para "produzir no Brasil em um custo mais baixo e pode exportar por um preço mais baixo", disse. Empresas americanas no Brasil geram 650 mil empregos diretos e pagam cerca de US$ 25 bilhões em salários por ano no país, segundo ele.
Hennington aponta a Argentina como exemplo para o Brasil. O vizinho sul-americano, após a chegada de Maurício Macri à presidência, "de repente deu um giro de 180 graus", se voltando mais para fora. O Brasil é considerado por Hennington um país fechado ao comércio exterior e o novo governo aponta para um caminho de maior abertura comercial.
Produtor do encontro, Rafael Motta, presidente da Câmara Americana do Rio (Amcham Rio), demonstra otimismo com o esboço do que a nova gestão do Itamaraty promete para a política externa. "Relações estratégicas precisam englobar países com maior relevo no ambiente internacional. Isso não quer dizer que precisamos interromper com relações já construídas, mas sim expandir esse universo de parceiros", ressaltou. (Valor Econômico - 23/05/2016)

Brasileira Ecom vai investir em usina no Chile
EMPRESAS
O grupo Ecom Energia, conhecido pela atuação em comercialização de energia, vai ingressar no setor de geração e, ao mesmo tempo, reforçar sua expansão para o mercado internacional. A empresa tem plano de investir US$ 5 milhões (o equivalente a RS 17,7 milhões) na construção de uma usina solar fotovoltaica de 3 megawatts (MW) de potência no Chile, em parceria com a mineradora local San Pedro. (Valor Econômico 23/05/2016)

Governo Macri ainda restringe a importação, diz indústria
O novo ministro das Relações Exteriores, José Serra, chega à Argentina nesta segunda (23) com problemas na relação comercial entre os dois países a resolver. Empresários brasileiros relatam que ainda há restrições, apesar da eleição, no país vizinho, de um governo que se declara contra o protecionismo e mais pró-mercado.
Levantamento da CNI (Confederação Nacional da Indústria) mostra que 21% das importações do Brasil param nas licenças não automáticas argentinas. O percentual aplicado aos demais países que fornecem produtos e serviços ao vizinho é, em média, de 18% a 20%, diz a CNI.
O mecanismo entrou em vigor neste ano, após caducarem as DJAIs (declaração juramentada de autorização à importação), que tinham por objetivo conter a importação por falta de divisas.
Há setores, porém, cujo percentual das vendas que caem nas licenças não automáticas chegam a 92% (equipamentos de transporte) e 89% (máquinas agrícolas). Brinquedos, calçados, autopeças, têxteis e artigos de madeira têm mais da metade das vendas na mesma situação.
As licenças não automáticas atrasam a entrega de mercadorias de setores considerados sensíveis à indústria local em até 60 dias. Segundo a Folha apurou, no automotivo, por exemplo, elas estão sendo liberadas no limite do prazo.
"Eles não estão contendo as importações, mas fazendo com que sejam mais demoradas", disse Carlos Abijaodi, diretor da CNI.
Segundo a consultoria argentina Abeceb, o país triplicou neste ano o número de itens considerados sensíveis, dada a menor competitividade argentina.
Com a desvalorização do real em relação ao dólar, ficou mais barato produzir no Brasil, segundo Mauricio Claverí, economista da Abeceb.
"As licenças não automáticas afetam mais Brasil e China devido à natureza dos produtos que vendem, que fazem concorrência direta com os fabricantes locais", afirma.
MENOS IMPORTAÇÃO
A recessão brasileira também está reduzindo as vendas da Argentina ao vizinho.
Nos primeiros quatro meses do ano, as exportações brasileiras ao país aumentaram só 0,8%. Mas as importações recuaram 25%.
Com isso, o saldo está negativo para a Argentina em US$ 1,3 bilhão, o triplo do mesmo período de 2015.
"Alguns setores estão descontentes, acham que as licenças não automáticas na prática não os estão protegendo", disse o economista.
Claverí identifica outro fator de estresse: o aumento expressivo das vendas do setor automotivo, que é regulado por um acordo comercial específico, que vence em junho, e é o principal item da pauta comercial entre os sócios.
Pela negociação em vigor, a cada US$ 1,5 vendido pelo Brasil à Argentina, tem que comprar de volta US$ 1.
Segundo o economista, nos quatro primeiros meses deste ano, as vendas do Brasil à Argentina aumentaram quase 10%. Já as compras caíram 40%. A cada US$ 1 vendido pela Argentina, ela está comprando quase US$ 2.
Empresários do setor automotivo estão preocupados com a diferença, que pode atrapalhar a renovação do acordo nos termos atuais. Temem perder a vantagem, que evita a tributação de automóveis e de autopeças no comércio entre os países. (Folha de SP - 22/05/2016)

Produção eólica ajuda Portugal a passar quatro dias apenas com energia renovável
Marieta Cazarré - Correspondente da Agência Brasil
Pela primeira vez, durante quatro dias seguidos, toda a eletricidade consumida em Portugal foi assegurada por fontes renováveis. Com um setor elétrico ainda dependente do carvão e do gás natural, Portugal tem um longo desafio pela frente: atingir a meta, no âmbito das diretrizes da União Europeia, de aumentar o peso das energias renováveis de 20,5%, em 2005, para 31% em 2020. Trata-se de um objetivo amplo, que abriga os setores dos transportes, sistemas de aquecimento e arrefecimento e produção de eletricidade.
De acordo com o secretário-geral da Associação Portuguesa de Energias Renováveis (Apren), José Madeiros Pinto, durante esse período, 58% do consumo de eletricidade no país foram assegurados pela energia eólica. A Associação Sistema Terrestre Sustentável (Zero) e a Apren analisaram os dados das Redes Energéticas Nacionais (REN) e concluíram que, durante 107 horas, entre as 6h45 do dia 7 de maio e as 17h45 do dia 11 de maio, todo o consumo de eletricidade em Portugal foi assegurado integralmente por fontes renováveis.
Portugal, no final dos anos 80, havia construído uma enorme plataforma de produção de energia, em que o principal combustível era o carvão. No entanto, a escolha pelo carvão, altamente poluente, levou o país a ocupar o 27º lugar entre os 30 mais poluentes da Europa, segundo o site Energia em Portugal, portal de pesquisa e informações sobre o setor energético no país. Já a política energética da primeira década dos anos 2000 foi marcada por investimentos significativos em fontes de energia renovável. A multiplicação de parques eólicos pelo país é resultado desse posicionamento adotado por Portugal.
"Tínhamos grande dependência das energias fósseis e os níveis de emissões de gás carbônico eram bastante altas. Mas reduzimos em mais da metade essas emissões no sistema elétrico. Em 2000, aqui em Portugal, lançou-se um programa estruturado para a integração de energias renováveis", explicou. "À época, a energia renovável que tinha maior potencial e se via com melhor futuro era a eólica, que vem crescendo de maneira sustentável e gradual. Foi ela [energia eólica] que deu o aporte para que conseguíssemos ter, de fato, muitos dias em que a produção renovável excedesse as necessidades de consumo", afirmou Madeiros Pinto.
Cumprimento da meta
Segundo o secretário, a meta proposta pelo país, de atingir 31% da produção com energias renováveis, será difícil de cumprir. Para ele, as áreas de aquecimento e arrefecimento e transportes, que também deveriam contribuir para esse objetivo, não têm avançado muito.
"Estamos muito atrasados em aplicar energia renovável na área do aquecimento. Os transportes estão na casa dos 5% em percentual de renovável, com os biocombustíveis. Na parte elétrica, que é o nosso setor, estamos com 52% de renovável e temos que chegar aos 60%. Julgamos que não vai ser possível alcançar, mas não ficaremos longe", disse.
Atualmente, a produção de energia hídrica cobre entre 25% e 28% do consumo final de energia elétrica, e a média anual da eólica fica em cerca de 25%. De acordo com Madeiros Pinto, a energia solar ainda está dando os primeiros passos no país. "Embora tenhamos na zona sul um bom potencial solar, isso está muito pouco desenvolvido e não representa mais que 1% ou 1,5% das nossas necessidades." (Agência Brasil - 21/05/2016)

Investigações sobre Macri e Cristina alteram xadrez político argentino
RODRIGO CAVALHEIRO, CORRESPONDENTE / BUENOS AIRES
Com ações judiciais contra expresidente e participação do atual líder em offshores do Panamá, jogo da eleição para o Legislativo da Argentina no próximo ano fica mais complexo Cinco meses após a eleição que levou Mauricio Macri à Casa Rosada, o cidadão argentino interessado no rumo político do país passou a acompanhar as notícias do Judiciário. A transição acelerou processos contra Cristina Kirchner por lavagem de dinheiro, falsificação, fraude financeira e até um que contesta sua formação. Macri tem uma incômoda pendência: explicar seu nome na sociedade de empresas em paraísos fiscais.
Embora seja impossível equiparar a situação de ambos em volume de ações judiciais e dinheiro investigado - em oito anos no poder, Cristina e líderes kirchneristas acumularam centenas de casos -, há um paralelismo político. Seus argumentos de defesa são repetidos pela militância em uma espécie de terceiro turno da eleição de novembro. Macri venceu então o candidato de Cristina, Daniel Scioli, por 51,3% a 48,6%.
O rumo das investigações determinará a imagem com que os dois principais líderes políticos do país chegarão à renovação do Parlamento em 2017. Se nenhuma das apurações ameaçar sua liberdade, é provável que Cristina dispute o mandato de senadora. "A questão judicial prejudica sua popularidade, mas não tanto quanto muitos supõem. Ela se mantém com 40% de aprovação", diz o sociólogo e consultor Ricardo Rouvier.
Convocada a depor em Buenos Aires no dia 13 de abril pelo caso que investiga a venda de dólares a preço mais baixo que o do mercado, no fim do seu mandato, a ex-presidente transformou o tribunal em palco de comício. Ela reeditou os discursos de mais de uma hora e mobilizou militantes da região metropolitana de Buenos Aires.
Ela ainda é a chefe em seu espaço político. Ao forçar uma exposição política após ser chamada pela Justiça, por um lado mostra que tem seguidores. Por outro, desafia as causas judiciais que tendem a desprestigiála e, talvez, colocála na prisão. "Seus seguidores veem a ação da Justiça como uma agressão a ela e a sua gestão", avalia Rouvier.
O desempenho kirchnerista na eleição parlamentar, que desenhará o cenário para a presidencial de 2019, será definido pelo sucesso do governo Macri na metade de seu mandato.
O presidente tem testado sua alta aprovação - entre 50% e 60% - com uma série de medidas impopulares. Ao desvalorizar o peso em 30%, pressionou a inflação, que foi a 39% no acumulado dos últimos 12 meses. Também cortou subsídios em serviços públicos, o que aumentou contas de água, luz e gás em até 10 vezes. Tais riscos eram calculados, mas a repercussão da aparição de seu nome como sócio de offshores, duas delas citadas na divulgação de dados dos Panamá Papers, pegou o governo desprevenido.
O jornalista Jorge Lanata comandou as principais investigações contra o governo de Cristina, em um período em que o Judiciário sofria intimidações do kirchnerismo. A base do inquérito que levou à prisão do empreiteiro kirchnerista Lázaro Báez por sonegação e lavagem de dinheiro veio de seu programa, que mostrou que Báez venceu mais de 80% das licitações no período.
Lanata considera que a reação de Macri à denúncia contra ele deu argumentos a kirchneristas para colocar ele e Cristina "no mesmo saco".
"No governo, sabiam dos Panamá Papers dez dias antes da divulgação oficial. E só avisaram Macri no dia. É uma loucura. Quando perguntamos por que, nos respondem 'achamos que não teria tanto impacto'", disse Lanata, que acusa o macrismo de ter pressionado jornais para não publicar a denúncia na capa. "Para o kirchnerismo residual, a empresa offshore de Macri torna Cristina inocente", ponderou o jornalista.
Para Lembrar
A investigação da morte do promotor Alberto Nisman, encontrado morto com um tiro na cabeça em 18 de janeiro de 2015, teve episódios insólitos. A promotora Viviana Fein, que comandou a apuração até dezembro, chegou a lamentar que não houvesse pólvora na mão de Nisman, indício de que ela "torcia" pela tese do suicídio.
Quatro dias antes de sua morte, Nisman havia acusado Cristina Kirchner de proteger, em troca de vantagens comerciais, iranianos suspeitos de um atentado contra uma associação judaica de Buenos Aires em 1994.
A chegada de Macri ao poder coincidiu com uma mudança no ritmo do inquérito. O comando da investigação primeiro saiu das mãos de Viviana e logo passou à esfera federal.
Na quintafeira, após meses de afastamento do caso, a promotora disse acreditar em suicídio induzido, pelo número de ligações entre espiões e integrantes do Exército horas antes de o cadáver ser encontrado.
CASOS:
Dólar futuro
Cristina Kirchner voltou à política com um comício diante do tribunal a que foi chamada a depor pelo juiz Claudio Bonadio, em abril, pela venda de dólares no mercado futuro no fim de seu mandato. Para o magistrado, ela ordenou uma operação na qual o país perdeu R$ 18 bilhões ao negociar a divisa pelo preço oficial quando o valor de mercado para entrega este ano era 42% maior. O kirchnerismo respondeu com uma ação contra o Bonadio, alegando que o rombo ocorreu porque Macri consumou a desvalorização do peso e governistas lucraram com isso.
Rota do dinheiro K
Cristina foi denunciada pelo promotor Guillermo Marijuan, no dia 9 de abril, após uma delação de Leonardo Fariña, assessor financeiro do empreiteiro Lázaro Báez que descreveu uma operação para lavar dinheiro na financeira apelidada de "Rosadita". Báez, que chegou a ganhar 80% das licitações na Província de Santa Cruz, berço dos Kirchners, tornouse um dos maiores empresários do país. Preso em 6 de abril, ele negou as acusações que comprometeriam Cristina.
Hotesur
é investigada por indícios de lavagem e dinheiro. Quartos de hotéis de sua família em El Calafate, na Patagônia, foram alugados durante dois anos por 10 milhões de pesos (R$ 2,4 milhões) pelo empreiteiro Lázaro Báez, sem ocupação real. Segundo a deputada Margarita Stolbizer, autora da denúncia, a causa está ligada ao dinheiro da "Rosadita".
Los Sauces
Los Sauces é uma das sociedades dos Kirchners com operações imobiliárias da Austral, empresa de Báez. A declaração da Los Sauces ao Fisco não condiz com sua estrutura.
Stolbizer apresentou denúncia por falsificação de documentos públicos.
Panamá Papers
Em 3 de abril, foi divulgada a participação de Mauricio Macri na diretoria de uma offshore nas Bahamas, a Fleg Trading, que existiu entre 1998 e 2009 e tinha seu pai, Francisco Macri, na presidência. O presidente argentino disse que não declarou sua participação na companhia porque nunca foi remunerado e o fim para o qual a empresa foi criada, formar uma rede de postos de cobrança no Brasil, não foi concretizado. (Estadão - 21/05/2016)

Nokia corta mais de mil postos de trabalho na Finlândia
HELSINQUE (Reuters) - A Nokia está cortando 1.032 empregos na Finlândia, como parte de um programa de corte de custos após a compra da Alcatel-Lucent, disse a fabricante de equipamentos de telecomunicações nesta sexta-feira.
A maior empresa da Finlândia fez milhares de demissões no país sede na última década, com seu uma vez dominante negócio de telefones ofuscado pelo surgimento de smartphones rivais.
A Nokia deu início ao mais recente programa de redução de custos em abril e tem como meta a sinergia de 900 milhões de euros em custos operacionais no acordo da Alcatel até 2018.
A empresa não quis revelar o número total de demissões, mas disse que está em negociação com representantes dos funcionários em cerca de 30 países.
A Nokia emprega cerca de 104 mil pessoas, com cerca de 6.850 na Finlândia, 4,8 mil na Alemanha e 4,2 mil na França. (Por Tuomas Forsell) (Reuters - 20/05/2016)

CNI: cai previsão de alta nas exportações
Os industriais como um todo não esperam mais aumentar as vendas ao exterior nos próximos meses, de acordo com a Sondagem Industrial divulgada ontem pela Confederação Nacional da Indústria (CNI).
O levantamento mostra que, depois de quatro meses de otimismo, os empresários passaram a esperar manutenção das exportações nos próximos seis meses. O índice de expectativa de embarques recuou 1,4 ponto em maio para 50,7 pontos.
No recorte por porte de empresas é possível verificar que as grandes perderam parte do otimismo, mas ainda esperam aumento nas exportações: o índice recuou de 55 pontos em abril para 52,9 pontos este mês. Entre as médias empresas o indicador caiu de 52,8 pontos para 49,7 pontos. Já as pequenas empresas estão menos pessimistas, o índice saltou de 45,5 pontos para 47,2 pontos, conforme noticiado pelo jornal DCI. (DCI - 20/05/2016)

OMC


Veja mais

Liechtenstein dona 40.000 francos suizos para la participación de los países en desarrollo en las negociaciones comerciales
El Gobierno de Liechtenstein ha realizado una contribución de 40.000 francos suizos en 2016 para ayudar a los países en desarrollo y los países menos adelantados (PMA) a participar efectivamente en las negociaciones comerciales mundiales. Esta donación al Fondo Fiduciario Global del Programa de Doha para el Desarrollo (FFGPDD) de la OMC servirá para financiar talleres de formación dirigidos a funcionarios en Ginebra y en otros lugares a fin de ayudarles a comprender y aplicar de mejor manera los acuerdos de la OMC. Desde la creación del Fondo en 2001 se han organizado más de 2.400 talleres. (OMC - 25/05/2016)

Will the US Undermine the World Trade Organization?
Gregory Shaffer
Chancellor's Professor, Author, Lecturer, and Commentator
Following the Berlin Wall's fall, the United States drove the creation of the World Trade Organization and its tribunal, the Appellate Body. The tribunal rose quickly to prominence for its clarification of WTO rules and its resolution of trade disputes. It became heralded for legitimizing the WTO rules-based system to a broader global community by showing deference to national public policy, including through integrating public international law regarding the environment, public health, and human and animal rights. But now the US is threatening to undermine its independence and effectiveness, raising consternation in Geneva and the international trade community.
The initiative began when the Office of the United States Trade Representative publicly lambasted and refused to support the reappointment of US member of the Appellate Body Jennifer Hillman, supposedly for failing to defend US perspectives. Hillman was a former Commissioner of the US International Trade Commission, former General Counsel of the USTR, and now teaches at Georgetown. The USTR continued when it blocked consensus for the selection of James Gathii to the Appellate Body. Gathii, a chaired professor at Loyola University Law School in Chicago, would have been the first and only black, sub-Saharan African member of the Appellate Body during its twenty-year history.
Now, the USTR has taken its most extreme step to date by proclaiming that it will block the reappointment of the South Korean judge Seung Wha Chang. (Appellate Body members are elected for a four-year term, renewable once). The reason given is not because Mr. Chang demonstrated a lack of judicial competence or independence. On the contrary, Mr. Chang is a former national judge who has a doctorate from Harvard Law School and is the endowed Nomura Visiting Professor of International Financial Systems there. Rather, the USTR opposes judge Wha Chang because he participated in decisions against the United States. Now South Korea plans to retaliate by threatening to block the replacement candidate for another Appellate Body member. The Appellate Body would then be reduced to five from seven, catalyzing a legitimacy crisis.
What incensed the USTR will sound, to most, unbelievably technical and mundane - the Appellate Body's findings regarding the practice of "zeroing" in antidumping calculations, in which only low home-state prices (but not high ones) are set at zero. This averaging methodology biases the calculation so that dumping is found where there is none, or antidumping duties become higher than they otherwise would be. The Appellate Body found that it is not a "fair comparison;" the USTR charges the Appellate Body with overreaching.
I agree with the Appellate Body interpretation, but even if I didn't, one sometimes wins and sometimes loses before a tribunal. The US, in fact, has brought far more cases than any other WTO member, and it has won far more than it has lost. The US actively uses the WTO dispute settlement system to enforce rules on others, but that will become implausible if the US destroys the system's credibility.
The USTR opposition to Mr. Chang's reappointment aims to compromise the tribunal's judicial independence. But that is central to the rule of law. The words "independent" and "independence" appear seven times in the Code of Conduct for WTO dispute settlement officials, and the Code's "Governing Principle" begins: "Each person covered by these Rules shall be independent and impartial." Other countries, including China, are taking note.
USTR's hubris could be explained if this were Putin's Russia. Or perhaps Trump's America. But the Obama administration? Has this fallen outside the President's radar?
It is a high-risk strategy for an administration that professes to be internationalist. The core reason for building a global trade regime is to create a third party institution that helps manage conflicts that could ultimately endanger international welfare, peace, and security. The WTO was successful in helping countries manage the Great Recession of 2008 by curtailing beggar-thy-neighbor, trade protectionist responses that could spiral out of control, as they did during the 1930s. It was the experience of the 1930s that led US leaders like Cordell Hull to call for the creation of a rules-based multilateral trade institution which came into being after WWII.
The United States has a history of building and undermining international institutions. Following the horrors of WWI, an isolationist US Senate refused to ratify the Versailles Treaty, which drastically impaired the new Permanent Court of International Justice. Then, after the horrors of WWII, the Roosevelt administration spurred the creation of the United Nations and the International Court of Justice. Later, in the 1980s, the Reagan administration withdrew from recognizing the ICJ's administration when the ICJ decided against it in the Nicaragua case, undermining that body.
It takes decades to create international institutions, often built out of tragedy. They can be undone overnight. With the Transpacific Partnership uncertain, will President Obama's legacy on trade be destroying the WTO? (The World Post - 23/05/2016)

País tem apenas cinco tratados comerciais na lista da OMC
Jamil Chade, correspondente
No grupo dos Brics, Brasil é o mais atrasado: a China tem 17 acordos em andamento, a Índia tem 16 e a Rússia, 13
GENEBRA - Os números da Organização Mundial do Comércio (OMC) dão a certeza de que o Brasil realmente ficou para trás no que se refere a acordos comerciais internacionais.
Nas notificações da entidade, o País aparece com apenas cinco tratados comerciais, entre eles um mecanismo praticamente superado - o da Associação Latino-Americana de Integração (Aladi), que foi fechado ainda sob o governo militar no País.
Outro tratado é datado de 1971, estabelecendo benefícios comerciais entre países em desenvolvimento, e o Sistema Preferencial de Tarifas entre países em desenvolvimento, conhecido como GSTP, de 1989.
Na lista oficial mantida pela OMC consta apenas o Mercosul e o acordo entre o Mercosul e a Índia como tratados assinados mais recentemente pelo governo brasileiro.
Nos últimos anos, o Brasil ainda assinou acordos com Israel, Palestina, Egito e com a Associação de Comércio do Sul da África (Sacu). Mas os tratados com Palestina e Egito ainda não estão em vigor.
Com esses registros, o Brasil é o país do Brics (bloco de países em desenvolvimento) com o menor número de acordos comerciais, ao lado da África do Sul. Todos os demais parceiros do bloco emergente contam com números bem superiores de tratados comerciais.
A comunista China, que por anos evitou entendimentos de livre-comércio com outros países, já soma 17 tratados notificados oficialmente à OMC, além de outros dois prestes a entrar em vigor. O governo da Índia soma 16 tratados, além de outros quatro na fila de uma aprovação.
Mesmo a Rússia, país tradicionalmente fechado ao mercado externo, soma 13 acordos, além de estar negociando outros três.
Asiáticos. Mas é na Ásia que a busca por acordos comerciais mais prosperou nos últimos anos. Segundo um estudo oficial do bloco comercial asiático Cooperação Econômica da Ásia e do Pacífico (Apec, na sigla em inglês), os países da região contam atualmente com 144 acordos em vigor com diversos países do mundo.
Alan Bollard, diretor executivo do bloco, estima que os impactos dos tratados são "reais". De acordo com ele, cinco anos depois da entrada em vigor de um acordo, o salto de vendas na região é de cerca de US$ 6 bilhões.
"Nossos resultados mostram o impacto profundo dos acordos no comércio, apesar do longo tempo que se leva sempre a negociá-los", reforçou Gloria Pasadilla, analista da Apec.
O Vietnã, por exemplo, rompeu com seu tradicional isolamento há 15 anos e, mesmo mantendo um governo comunista, fechou dez tratados comerciais nesse período e negocia outros três. (O Estado de SP - 22/05/2016)

Da teoria à prática
As cadeiras produtivas representam hoje 56% do comércio global de bens
Lourival Sant'Anna
O chanceler José Serra anunciou na quarta-feira uma mudança de estratégia do Brasil no comércio exterior, da insistência em um acordo global de livre comércio no âmbito da Organização Mundial do Comércio (OMC), para acordos bilaterais e regionais. Foi a melhor notícia, nessa área, em duas décadas e meia, desde que o ex-presidente Fernando Collor de Mello retirou o protecionismo do setor agrícola.
Aquela medida, embora traumática, porque levou à ruína muitos produtores que não encontraram condições para se tornar competitivos, desencadeou um processo de modernização que tornou esse o setor mais dinâmico da economia, sem o qual a situação atual seria muito mais grave. Entretanto, há um longo caminho a percorrer entre as palavras e a liderança requerida para vencer as resistências que se apresentarão.
A proteção da indústria brasileira não é uma invenção do PT. Ela é tão antiga quanto a própria indústria. Durante os oito anos de Fernando Henrique Cardoso (1995-2002), nas negociações entre o Mercosul e a União Europeia, cujo ponto alto foi a Cúpula do Rio, em 1999, as indústrias nacionais, tanto brasileira quanto argentina, foram poupadas de um maior debate sobre o interesse de reduzir sua proteção pela resistência dos europeus em abrir seu mercado e reduzir os subsídios para os produtos agrícolas. Nesse sentido, a discussão sobre a proteção da indústria nem sequer amadureceu.
De lá para cá, o tema continua fora da agenda. Passou praticamente despercebida a decisão do governo brasileiro de se excluir em julho do Acordo de Tecnologia da Informação (ITA, na sigla em inglês), que zerou as tarifas de importação desses produtos.
Firmado em 1996, ele se atualizou no ano passado, com a inclusão de 201 produtos de tecnologias mais recentes, como telas sensíveis ao toque, GPS, scanners, semicondutores, lentes ópticas, instrumentos médicos e equipamentos usados na fabricação de todos esses produtos. Aderiram 81 países, que juntos somam 97% do comércio mundial de produtos de tecnologia da informação. O acordo passou a abranger cerca de US$ 3 trilhões anuais.
A justificativa do Itamaraty para essa autoexclusão é reveladora da mentalidade reinante no País: a indústria local se beneficiaria duplamente, com a manutenção de sua proteção, e com o direito de a partir de agora vender os seus produtos com tarifa zero para os outros países. Bingo! Como foi que esses 81 otários não pensaram nisso?
Ninguém parece ter-se perguntado: que produtos de tecnologia da informação são originários da indústria nacional? Que patentes saem daqui para conquistar o mundo? Por que pagamos o dobro ou o triplo do preço pago nos outros países por um celular, um computador ou qualquer outra coisa que envolva tecnologia? Quais as consequências disso para inovação, produtividade e eficiência em todos os setores?
Estrutura. O comércio global não se restringe hoje à compra e à venda de produtos acabados. Os bens e serviços são agora produzidos de forma fatiada, em diversos lugares, aproveitando a expertise, a vocação, as condições melhores de competitividade de cada um, de modo a reduzir custos e aumentar a qualidade.
As cadeias produtivas representam hoje 56% do comércio global de bens e 72% dos serviços, observa o embaixador Rubens Barbosa, presidente do Instituto de Relações Internacionais e Comércio Exterior. É dessas cadeias produtivas, além das chances de expansão do comércio em geral, que o Brasil tem se excluído, ao não firmar acordos bilaterais e regionais, como têm feito países em desenvolvimento do mundo inteiro, a começar por vizinhos como a Colômbia e o Peru - sem falar do Chile e do México, que há bem mais tempo têm se inserido no comércio internacional.
De acordo com uma compilação feita pela OMC, até janeiro de 2013 haviam sido firmados 543 acordos bilaterais e regionais - dos quais, metade a partir de 2003. O Brasil, no âmbito do Mercosul, assinou apenas quatro: com Israel, Egito, Autoridade Palestina e com os países da União Aduaneira Sul-Africana (África do Sul, Namíbia, Botsuana, Lesoto e Suazilândia). Isso e nada é praticamente a mesma coisa.
O discurso de Serra foi na direção certa. Mas o que foi feito de sua proximidade com a indústria paulista, grande beneficiária do protecionismo? No dia 24 de abril, quando travava as negociações para formar seu gabinete, o agora presidente interino Michel Temer recebeu Serra em Brasília horas depois de conversar com o presidente da Fiesp, Paulo Skaf. Até onde esse governo está disposto a ir para lançar o Brasil no século 21?
Os grandes acordos comerciais só foram possíveis graças a uma capacidade de liderança que se colocou acima das enormes resistências de setores política e economicamente poderosos. Os ex-presidentes americanos George H. Bush e Bill Clinton apostaram seus capitais políticos, no início dos anos 90, ao bancar a criação do Acordo de Livre Comércio da América do Norte (Nafta), cuja contestação até hoje rende dividendos políticos, como prova a ascensão de Donald Trump.
O mesmo se pode dizer, na mesma época, do chanceler alemão Helmut Kohl e do presidente francês François Mitterrand, ao impulsionar o Tratado de Maastricht, que deu origem à União Europeia. Percebe-se que o comércio não é uma questão ideológica: Bush era republicano; Clinton, democrata; Kohl, conservador; Mitterrand, socialista. O ponto em comum é a capacidade de visão e de liderança. (O Estado de SP - 21/05/2016)

Director General Azevêdo: "La OMC puede ayudar a Colombia a aprovechar las nuevas oportunidades económicas"
El Director General Roberto Azevêdo visitó Bogotá (Colombia) el 19 de mayo para hablar de los acuerdos alcanzados en las Conferencias Ministeriales de la OMC celebradas en Bali y Nairobi, la importancia de implementar esos acuerdos y la labor futura de la Organización. Durante su visita se reunió con el Presidente Juan Manuel Santos, la Ministra de Comercio, Industria y Turismo, María Claudia Lacouture, y otros altos representantes gubernamentales. (OMC - 19/05/2016)

Outros


Veja mais

O mundo de Celso Amorim
ECONOMIA
Opinião
MARCELO DE PAIVA ABREU
E m 2008, em Genebra, Celso Amorim, então ministro das Relações Exteriores, criou intenso mal-estar entre os parceiros comerciais do Brasil ao citar a frase de Joseph Goebbels de que uma mentira repetida muitas vezes se toma verdade. Fazia referência à postura dos países desenvolvidos quanto à liberalização agrícola. Seu artigo publicado na Folha de S.Paulo (22/5) revela que o ex-chanceler desenvolveu certo fascínio pelo aforisma. Repete com insistência manifestações distorcidas feitas no passado.
O ex-ministro já se havia notabilizado pelo embelezamento autobiográfico ao arrepio dos registros escolares, deixando prosperar a ideia de que seria doutor pela London School of Economics, com formação similar aos "especialistas" que tenta ironizar em seu artigo. Depois de ter perpetrado, em parceria com seu alter ego no Palácio do Planalto, uma política externa desastrosa, permitiu-se uma crítica marcada pela fantasia e pela disciplina partidária aos primeiros movimentos de José Serra como ministro das Relações Exteriores.
A resposta do Itamaraty às reações destemperadas e equivocadas de Bolívia, Costa Rica, Cuba, Equador, Venezuela e da Unasul com relação ao início do processo de impeachment foi objeto de censura, quando parecia ser aúnica reaçãopossívelaintromissões inoportunas em processo legal que transcorre estritamente de acordo com a Constituição e os ritos definidos pelo Supremo Tribunal Federal.
Amorim sugere que, por "prudência, ou temor do sócio maior dessa entidade", a nota à Organização dos Estados Americanos (OEA) não usou palavras tão duras. Luis Almagro, secretário-geral da OEA, ex-ministro de relações exteriores do Frente Amplio uruguaio, mostrou destemperoem manifestações sobre o impeachment no Brasil. De fato, seria perfeitamente razoável se o Brasil chamasse devolta seu embaixador naOEA a exemplo do que fez o governo petista, baseado em razões menos graves.
No terreno econômico, a "mala le persiste: questionar a união aduaneira, como fará o Itamaraty, seria retirar o coração do Mercosul. Nenhuma referência às dificuldades de celebrar acordos de livre-comércio em vista da resistência de parceiros durante o período kirchnerista. A ojeriza de Serra à TEC, por extrema que possa parecer, tem sólidas razões no retrospecto.
Amorim curiosamente passa ao largo da Organização Mundial do Comércio, a menos de uma menção ao G-20, criado em Cancún em reação às propostas indecorosas sobre agricultura dos EUA e da União Européia. Não há referência ao fracasso em Genebra em 2008, talvez para evitar menção às resistências indianas com que não contava. Poucos esquecerão o contraste, no relato do fracasso, entre Amorim, citando o G-20, e o indiano Nath, mencionando o G-33, coalizão de economias subdesenvolvidas contrárias à liberalização agrícola. E, contudo, foi o ponto alto de sua gestão no Itamaraty.
O ex-ministro aproveita a oportunidade para vangloriar-se da fracassada gestão brasileira no Irã, com direito a referência a exaltações, inclusive nos EUA (aqui desaparece o ranço anti EUA). Nas palavras do saudoso Luiz Felipe Lampreia, tratou-se de operação de alto risco ecom poucas chances de êxito. Deixou o Brasil chupando o dedo e meditando sobre os riscos inerentes ao protagonismo excessivo.
Finalmente, deve ser registrada a tentativa do ex-ministro de etiquetar o seu sucessor como direitista e, presume-se, a si mesmo como esquerdista. Para registro: enquanto Serra estava exilado no Chile e, depois, nos EUA, Celso Amorim progredia na carreira diplomática durante os anos de chumbo. É fácil hoje se arvorar monopolista das idéias progressistas com referências a guinada à direita e defender teses esdrúxulas como a de que "artistas e intelectuais interpretam, de maneira intuitiva, a alma do povo".
O governo do PT arruinou o País não só no plano econômico, mas também quanto à política externa. Chegou o momentode identificar os responsáveis e evitar empulhações. DOUTOR EM ECONOMIA PELA UNIVERSIDADE DE CAMBRIDGE. É PROFESSOR TITULAR NO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA DA PUC-RIO (O Estado de SP - 25/05/2016)

Zona do euro fecha acordo de € 10,3 bilhões de ajuda para a Grécia
Dinheiro será utilizado para pagar faturas pendentes.
Outros € 7,5 bilhões serão entregues em junho.
Da EFE
Os ministros de Economia e Finanças da zona do euro chegaram na madrugada desta quarta-feira (25) a um acordo político para desembolsar € 10,3 bilhões em ajuda econômica à Grécia, dos quais € 7,5 bilhões serão entregues em junho, informou o diretor-gerente do fundo de resgate da área da moeda única, Klaus Regling.
O segundo desembolso, de € 2,8 bilhões, serão entregues "depois do verão", disse o economista alemão, na entrevista coletiva posterior à reunião do Eurogrupo.
Crise na Grécia
Sem dinheiro para pagar suas dívidas, a Grécia enfrentou em 2015 uma queda de braço com seus credores internacionais. Após ameaças de deixar a zona do euro, o país acertou com o FMI e a União Europeia um pacote de medidas financeiras, como alta de impostos e cortes no sistema de aposentadorias, em troca de ajuda econômica.
O dinheiro será utilizado para pagar faturas pendentes e fazer frente ao serviço da dívida, dado que a Grécia precisa realizar grandes devoluções ao Banco Central Europeu (BCE) e ao Fundo Monetário Internacional (FMI).
Isso significa que a zona do euro dá seu sinal verde político à finalização da primeira revisão do terceiro resgate, embora o Eurogrupo tenha pedido ao Grupo de Trabalho do Euro, formado pelos "número dois" dos ministros, que verifiquem nos próximos dias a plena implementação de algumas ações prévias.
A zona do euro se refere em particular às correções à legislação sobre a abertura do mercado para a venda de empréstimos e à reforma de pensões, assim como à finalização de todas as ações prévias relacionadas com medidas pendentes na área da privatização, segundo uma declaração do Eurogrupo. (G1 - 25/05/2016)

Serra determina a diplomatas que combatam "ativamente" questionamentos ao impeachment no exterior
Por Lisandra Paraguassu
BRASÍLIA (Reuters) - O ministro das Relações Exteriores, José Serra, enviou o todos os servidores no Brasil e no exterior uma circular com orientações para que combatessem "ativamente" quaisquer críticas feitas por governos, organismos internacionais e órgãos de imprensa ao processo de impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff, em um movimento que causou inquietação entre diplomatas.
A circular de número 101296, a qual a Reuters teve acesso, tem nove páginas e foi distribuída diretamente pelo gabinete ministerial --um movimento raro dentro do Itamaraty, onde as orientações aos postos costumam vir das áreas fins ou da Secretaria-Geral. O texto cita mais de uma dezena de "exemplos" de declarações feitas por entidades e governos que devem ser respondidas pelos diplomatas, com orientações políticas e favoráveis ao processo de impeachment.
"Como é de conhecimento de vossa excelência, órgãos de imprensa, acadêmicos e membros da sociedade civil, mas também dirigentes de organismos internacionais e representantes de governo têm-se manifestado, frequentemente de forma imprópria e mal informada, a respeito das questões de conjuntura política interna brasileira, em especial do processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff, ora em curso", diz o texto.
"Os equívocos porventura cometidos no tratamento de temas da realidade brasileira por autoridades locais na jurisdição do posto, geradores de percepções erradas sobre o corrente processo político no Brasil devem ser ativamente combatidos por vossa excelência", continua a circular, dirigida a embaixadores e diplomatas, afirmando ainda que as declarações devem ser "enfrentadas com rigor e proficiência".
O texto continua citando exemplos de problemas em declarações do secretário-geral da União de Nações Sul-Americanas (Unasul), Ernesto Samper, do secretario-geral da Organização dos Estados Americanos (OEA), Luis Almagro, da Aliança Bolivariana (Alba) e dos governos da Bolívia, Equador, Venezuela, Cuba e El Salvador.
São dados também subsídios para que os diplomatas possam defender o processo de impeachment. O texto fala, por exemplo, que o processo é político e segue rigorosamente o rito estabelecido pelo Supremo Tribunal Federal. E que deputados e senadores também receberam "milhões de votos para cumprir suas funções constitucionais".
Mesmo entre diplomatas que mostraram entusiasmo com a chegada de um chanceler político, que poderia dar mais força ao Itamaraty, a circular não foi bem recebida. A crítica é que Serra estaria fazendo o mesmo que acusou os governos petistas de fazer, uma instrumentalização do ministério.
Um dos diplomatas ouvidos pela Reuters lembrou o caso do diplomata Milton Rondó Filho que, por iniciativa própria, mandou uma circular aos postos alertando para o risco de um golpe do Brasil. Rondó foi repreendido e o então secretário-geral Sérgio Danese revogou imediatamente a circular.
"Tem sido recorrente a tentativa de retirar legitimidade da instauração do processo de impeachment pelo Senado Federal", diz a circular ditada pelo ministro, acrescentando que muitos entes estrangeiros têm "dificuldade de compreender a má gestão das contas públicas". Essa dificuldade estaria evidenciada, exemplifica, nas declarações de Almagro e do governo boliviano.
A Reuters fez contato com o Itamaraty para questionar sobre a regularidade desse tipo de instruções e se teriam sido aprovadas pelo presidente interino Michel Temer. O ministério optou por não comentar. (Reuters - 25/05/2016)

Brasil, rei do camarote
Marcos Troyjo
Ao comentar, em artigo nesta Folha, a pronunciada inflexão que se anuncia para a política externa brasileira, o ex-chanceler Celso Amorim vaticinou: "as elites não terão mais nada a temer (...) O Brasil voltará ao cantinho pequeno de onde nunca deveria ter saído".
A imagem revela uma falha no sentido de proporção e também de movimento. Ela supõe, em sua trajetória de 2003 a 2016, que graças ao "projeto popular" e sua vertente de política externa, um gigante pegou carona no Cristo da "The Economist" que decolava do Corcovado rumo ao núcleo central das relações internacionais. E de lá, agora, corre risco de ser extraído.
Não é nada assim. O período Lula-Dilma, seja em termos econômicos ou estritamente de política externa, não lega ao Brasil um acervo de excedentes de poder, prosperidade e prestígio.
Representamos hoje os mesmo 2,7% do PIB global que nos cabia em 2002. Não quebramos a inércia do 1% que infelizmente é a pequena fatia que há décadas ocupamos no comércio global.
Será que, depois de "murchar" economicamente e seu "modelo" de crescimento com inclusão social mostrar-se uma decepção, o "soft power" brasileiro junto a América Latina e África continua o mesmo? Em ambos os tabuleiros, o soft power do dinheiro chinês é hoje o grande imã para a atração de filiações estratégicas, não a retórica brasileira.
Mas a frase tampouco é correta do ponto de vista da origem ou do destino do sobe-e-desce brasileiro na hierarquia das relações internacionais. O Brasil sempre é grande. E não estava num "cantinho pequeno" em 2002/3. Ao assumir a Presidência, Lula herdara alicerces de estabilidade macroeconômica e relações equilibradas com diferentes quadrantes.
Embora com os mesmo baixos níveis de comércio exterior como percentual do PIB, que historicamente gravitam em apenas 20%, dizia-se que a boa distribuição regional do fluxo de trocas fazia do Brasil um "global trader".
A diplomacia de Lula-Dilma não projetou, a bem da verdade, o país ao centro do palco. Nossos tradicionais ativos e potencialidades, de território, população, peso relativo do mercado interno e patrimônio ambiental, somaram-se a um conjunto de fatores positivos. A estabilidade macroeconômica herdada (e dilapidada) pelo lulopetismo, o bônus demográfico, o superciclo das commodities e a promessa de uma superpotência energética permitiram-nos acesso ao "camarote VIP" frequentado por potências emergentes.
De lá, equipado por uma boa estratégia de inserção global, poderia ter continuado a ascender, mas desperdiçou boas oportunidades que lhe passaram à frente.
No camarote VIP, o Brasil pouco fez por reformar-se internamente ou adaptar-se à globalização. Com a possível exceção da agenda global do meio ambiente e dos marcos para o desenvolvimento sustentável, o país pouco liderou. Os Brics, seja como sinônimo de classe de ativos ou plataforma de inserção global, não representam uma formulação "Made in Brazil". Tampouco o G20.
Dizer que de agora em diante o Brasil vai abandonar a "liderança" da integração latino-americana é uma bobagem. Empatias ideológicas e a multiplicação de fóruns regionais para a crítica aos males do mundo não são sinônimos de integração. Enquanto comprar uma garrafa de um bom vinho argentino for mais barato em Nova York do que em São Paulo, a integração não é para valer.
Curiosamente, Lula tinha uma série de intuições corretas para a política externa (e seus pilares internos) antes de chegar ao Planalto. Numa reunião na Câmara dos Deputados de junho de 2002, Lula informa aos parlamentares que, eleito, criaria uma Secretaria de Comércio Exterior diretamente ligada à Presidência da República. Não deveria ter em mente algo muito diferente do que agora se propõe como nova estrutura organizacional para o comércio. Promete também um reforma tributária para desonerar exportações.
E, num outro documento seminal publicado semanas depois (a "Carta ao Povo Brasileiro"), prega enfaticamente as reformas estruturais -trabalhista, fiscal e previdenciária- e conclama a investimentos em infraestrutura e respeito a contratos. Nada disso se concretizou em termos de reformas internas e política externa. O que se observou foi tão somente uma "guinada à esquerda".
A (má) gestão pública destes últimos 13 anos manifestou-se no âmbito da política externa sobretudo em termos de "diversão" e, no quadro macroeconômico mais geral, numa atitude esbanjadora.
Em vez de acordos que nos permitissem maior participação nas redes globais de valor, uma curiosa combinação de protecionismo funcional e multilateralismo de princípios. Em lugar de robustas estruturas de promoção comercial, a multiplicação de representações na África e no Caribe.
Numa entrevista à Folha em agosto de 2013, o economista Paulo Leme evidencia o caráter esbanjador: "a política fiscal está muito expansionista, o que aumenta a inflação e contribui para o deficit em conta-corrente. Em vez de gastar com hospitais, escolas, transporte público, o governo está gastando em salários, aposentadorias. Esse modelo está levando a uma despoupança doméstica, financiada por investidores estrangeiros. Se você toma empréstimos no exterior ou atrai investimento direto estrangeiro e, com isso, investe em indústrias ou atividades que geram receitas em dólares no futuro, o pagamento dos juros dessa dívida está garantido. No nosso caso, não, os empréstimos foram queimados com turismo da Disneylândia, malas cheias de bens vindas de Nova York ou Miami."
O que afasta o Brasil de uma maior centralidade no mundo contemporâneo seguramente não é a promessa de uma política externa mais pragmática e amparada no interesse nacional. Nossas potencialidades estão intactas. O que empurra o país para fora dos principais palcos são os equívocos de diagnóstico e atuação internacional e a corrosão de sua economia.
Enquanto esteve no camarote VIP, o Brasil teve, a um só tempo, os olhos do mundo sobre si e um excelente ponto de observação para antecipar tendências. Ao optar pelo acessório e o perdulário, comportou-se como o "rei do camarote" das relações internacionais. (Folha de SP - 25/05/2016)

Itamaraty instrui diplomatas a combater versão de golpe
PATRÍCIA CAMPOS MELLO
DE SÃO PAULO
Embaixadores brasileiros ao redor do mundo receberam nesta terça-feira (24) uma circular instruindo como devem "combater ativamente" as acusações de que o processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff tenha sido "golpe".
O documento a que a Folha teve acesso, de autoria do gabinete do ministro José Serra, afirma que "órgãos de imprensa, acadêmicos e membros da sociedade civil, mas também dirigentes de organismos internacionais e representantes de governos, têm-se manifestado, frequentemente de forma imprópria e mal informada, a respeito do [...] processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff".
E, logo depois, completa: "Os equívocos porventura cometidos no tratamento de temas da realidade brasileira por autoridades locais na jurisdição do posto, geradores de percepções erradas sobre o corrente processo político no Brasil, devem ser ativamente combatidos por vossa excelência".
As circulares são usadas para passar informações ou instruções (ordens) a postos no exterior. O texto em questão orienta os diplomatas a esclarecer, "com elementos factuais e jurídicos sólidos, que o processo de impeachment (de Dilma) observa rigorosamente os ditames e ritos previstos na legislação."
Na circular, que foi recebida com surpresa em alguns postos, são compilados trechos de notas das chancelarias de Venezuela, Cuba, Bolívia e El Salvador, além das secretarias-gerais da Unasul e da OEA, que questionaram a legitimidade do processo de impeachment. Essas já haviam sido rechaçadas por notas duras do Itamaraty no último dia 13 de maio, que caracterizavam os questionamentos como "falsidades".
"Declarações vagas e sem fundamento sobre a inobservância da legislação brasileira [...] sobretudo emanadas de autoridades governamentais ou de dirigentes de organismos internacionais, precisam ser enfrentadas com rigor e proficiência, a fim de evitar que continuem a fomentar dúvidas infundadas sobre a lisura do processo político no Brasil", diz a circular. "Não é admissível que o processo de impeachment seja assemelhado a 'manobras' ou 'farsas políticas'."
RESPOSTAS
O texto segue listando quais devem ser as respostas dos diplomatas aos questionamentos, explicando em detalhes os trâmites do processo de impeachment.
"A presidente foi acusada de haver violado regras orçamentárias mediante a abertura de créditos suplementares sem prévia autorização legislativa [...] Trata-se de hipótese inconteste de aplicação do rito do impeachment, nos termos da Constituição."
E conclui dizendo que o processo existe "exatamente para permitir o afastamento de suas funções dos agentes públicos que cometam crimes de responsabilidade".
Procurado, o Itamaraty disse que não ia comentar.
Em março, após enviar um telegrama a embaixadas alertando para "o risco de golpe", o diplomata Milton Rondó Filho recebeu uma advertência do Itamaraty. Tratava-se de iniciativa individual de Rondó, sem autorização prévia. (Folha de SP - 25/05/2016)

Situação venezuelana abre crise entre países integrantes da OEA
Grupo de representantes se rebela contra postura do secretáriogeral, Luis Almagro, e busca saída 'independente'

CLÁUDIA TREVISAN - CORRESPONDENTE / WASHINGTON
A situação na Venezuela causou um confronto sem precedentes entre o secretário geral da Organização dos Estados Americanos (OEA), Luis Almagro, e um grupo importante de membros da instituição, que buscam um caminho independente para atuar na crise do país. O objetivo é encontrar uma proposta que exclua Almagro e não contemple a aplicação da Carta Democrática Interamericana.
A tensão entre o secretário geral e a maioria dos Estados da OEA chegou ao ápice na semana passada, quando Almagro divulgou nota na qual respondeu em tom considerado impróprio à acusação do presidente Nicolás Maduro de que ele seria um "traidor a serviço dos EUA".
Almagro disse que Maduro se tornaria mais um "ditadorzinho" do continente caso se negue a respeitar a Constituição e não permita que a população tome decisões pelo voto. O embate foi o mais recente de uma série de confrontos verbais entre Almagro e Maduro.
Na avaliação de muitos dos países membros da OEA, o secretário geral extrapolou suas atribuições ao manifestar posições pessoais em nome da organização. A questão da Venezuela ainda não foi discutida formalmente pelo Conselho Permanente. Almagro também se manifestou contra o impeachment da presidente Dilma Rousseff, outro assunto que não foi analisado pelo conselho.
Na avaliação de muitos dos países membros da OEA, o secretário geral extrapolou suas atribuições ao manifestar posições pessoais em nome da organização. A questão da Venezuela ainda não foi discutida formalmente pelo Conselho Permanente. Almagro também se manifestou contra o impeachment da presidente Dilma Rousseff, outro assunto que não foi analisado pelo conselho.
A aplicação da Carta Democrática ao país caribenho foi solicitada a Almagro no mês passado por integrantes da Assembleia Nacional, que se opõe ao governo. No início do mês, a assessoria jurídica da OEA divulgou estudo no qual sustentou que o secretário geral tem poderes para propor a medida aos membros da organização.
Até agora, Almagro não deu esse passo. Havia a expectativa de que isso ocorreria amanhã, quando o Conselho Permanente realiza sua reunião semanal ordinária. O porta-voz de Almagro, Sergio Jellinek, disse ao Estado que o secretário geral não pretende levantar a questão venezuelana durante o encontro.
Segundo ele, Almagro está envolvido na realização de um relatório sobre temas que vão dos direitos humanos à gestão pública. "Só depois de concluí-lo ele analisará a possibilidade de propor a discussão sobre a crise na Venezuela", afirmou. Alguns integrantes da organização acreditam que o secretário geral poderá convocar uma reunião extraordinária para analisar a questão na quinta-feira.
A probabilidade de que a OEA aprove a aplicação da Carta Democrática à Venezuela é considerada baixa por integrantes da entidade. Graças ao programa de venda subsidiada de petróleo a países do Caribe, a Venezuela tem apoio de 11 países da região. Se forem computados os três integrantes da Aliança Bolivariana para os Povos da Nossa América (Alba) Bolívia, Equador e Nicarágua , Caracas tem garantidos 14 votos.
Para que a discussão sobre a Carta Democrática prospere no Conselho Permanente, é necessário o voto de 18 membros da OEA. Para que a nação seja suspensa punição máxima prevista na Carta deve haver a concordância de dois terços dos países. Com seus 14 votos, a Venezuela poderia impedir a medida.
A avaliação de alguns dos países que buscam uma solução alternativa é a de que a insistência na aplicação da Carta Democrática evidenciará as fraturas da organização. Além disso, o efeito prático é considerado baixo. A Venezuela já tem uma posição hostil à OEA e sua suspensão pode reforçar a retórica de Maduro contra a organização.
A aplicação da Carta Democrática é defendida pela Human Rights Watch, que aponta para a deterioração dos princípios democráticos na Venezuela, entre os quais a separação de poderes e a independência do Judiciário. Desde o início da crise, Maduro se opôs a todas as tentativas de tratar do assunto na OEA. Por isso, a situação não chegou nem mesmo a ser discutida No início do mês, a Venezuela solicitou uma reunião do Conselho Permanente para refutar o pedido da oposição de aplicar a Carta Democrática, antes mesmo de a proposta ser apresentada ao organismo. Caracas sustentou que a medida seria uma interferência indevida em assuntos internos no país.
Reações. As declarações de Luis Almagro sobre Nicolás Maduro foram consideradas "desrespeitosas, inaceitáveis e inconvenientes" pelo primeiro ministro da Dominica, Roosevelt Skerrit, que enviou carta ao secretario geral da Organização dos Estados Americanos (OEA) exigindo que ele se retrate e apresente um pedido de desculpas ao presidente da Venezuela.
No documento, Skerrit também criticou a posição de Almagro em relação ao Brasil. Antes da votação do afastamento de Dilma Rousseff, o secretário geral da OEA se manifestou publicamente contra o impeachment e foi a Brasília expressar solidariedade à então presidente. Segundo o primeiro ministro, Almagro "excedeu sua autoridade" tanto no caso da Venezuela quanto no do Brasil.
Skerrit ressaltou que as declarações públicas do secretário geral deveriam refletir as posições dos países que integram a OEA e não opiniões pessoais do ocupante do cargo. O primeiro ministro afirmou ainda que a organização deve tratar com respeito os "líderes eleitos" dos países que a integram.
O porta-voz de Almagro, Sergio Jellinek, refutou as acusações e disse que as atribuições do secretário geral são a defesa dos valores da Carta Democrática Interamericana e da Carta da OEA em relação à democracia e aos direitos humanos.
A posição de Almagro também foi criticada pelo Equador, um dos principais aliados da Venezuela dentro da OEA. Em nota, a chancelaria do país sustentou que as posições do secretário geral extrapolam os limites estabelecidos nas regras de funcionamento da instituição. (Estadão - 24/05/2016)

Sala de apoio à exportação é lançada pela Fiesp em Congresso da Micro, Pequena e Média Indústria
São Paulo - Além de recorde de público, com mais de 3.000 inscritos, o 11º Congresso da Micro, Pequena e Média Indústria da Fiesp e do Ciesp, realizado nesta segunda-feira (23), na capital paulista, foi feito o anúncio da criação de uma sala de orientação para quem pretende exportar pela primeira vez ou ampliar o volume exportado.
A novidade foi revelada por Milton Bogus, diretor do Departamento da Micro, Pequena e Média Indústria da Fiesp (Dempi). "Mesmo sabendo que a exportação é um longo caminho a ser percorrido, o resultado final será empresas mais bem preparadas para um crescimento sustentável", afirmou.
Bogus explicou que a iniciativa tem a participação do Departamento de Relações Internacionais e Comércio Exterior da Fiesp (Derex) e de outras entidades e será uma ferramenta permanente de apoio à internacionalização das empresas.
Além disso, o 11º Congresso MPI contou com salas de crédito, para facilitar o relacionamento entre empresários e agentes financeiros, e de comunicação e experiências digitais, na qual os parceiros apresentam soluções tecnológicas para aperfeiçoar e ampliar os negócios.
Quanto ao interesse do público, Bogus lembrou que isso resulta do apoio da Fiesp ao empreendedorismo e às indústrias desse porte, enfatizando a firmeza das ações do presidente da entidade, Paulo Skaf, que discursou na abertura do congresso.
Fim das amarras
Também na abertura do evento, o presidente do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), Guilherme Afif Domingos, defendeu a desburocratização e a luta do setor para se livrar das "amarras" do controle do Estado. "Não adianta só buscarmos o caminho de apoio à criatividade se não atuarmos no ambiente de negócios - e a burocracia do Brasil é hostil ao ambiente de negócios."
Ao citar o projeto Crescer Sem Medo (PL 125/15), que institui novos limites de faturamento para micro e pequenas empresas do Simples Nacional, Afif pediu mobilização para aprovação da proposta, que será votada no Senado em 1º de junho. "O sistema atual vai condenar as empresas ao nanismo, porque para crescer vai precisar se multiplicar de lado, feito caranguejo, porque se mudar de faixa corre o risco de morrer na próxima."
De acordo com Afif, foi criado um sistema de rampa "suave", como no imposto de renda, em que ao mudar de faixa o tributo é cobrado apenas da diferença entre elas. A proposta criava um Simples de transição, em que ao a receita atingir R$ 3,6 milhões entraria numa "rampa suave" antes de chegar ao lucro presumido, de R$ 7,2 milhões que para a indústria. Segundo o presidente do Sebrae, o ideal para a indústria seria de R$ 14,4 milhões. "Apanhamos muito, ficamos contidos, mas vamos ganhar a rampa e o Simples de transição até R$ 4,8 milhões. É o que está proposto, melhor do que nada".
O deputado estadual Itamar Borges, presidente da Frente Parlamentar do Empreendedorismo na Assembleia Legislativa de São Paulo, além de destacar temas trabalhados pelos parlamentares, como implementação do programa de inovação e acesso à tecnologia, guerra fiscal e reforma tributária, pediu apoio de Paulo Skaf à proposta de criação do Plano Estadual de Internacionalização da micro e pequena indústria.
Novos rumos
Após a abertura do Congresso MPI, a futurista Rosa Alegria e o consultor em empreendedorismo Alessandro Saade ministraram palestras sobre o tema "Descobrindo Rumos para Seu Negócio".
Rosa Alegria disse que estamos vivendo uma congruência de crises social, econômica, política, ambiental, ética, de governança. "Eu me sinto privilegiada de estar assistindo tudo o que está acontecendo de novo", confessou. Para ela, a crise é boa, e é nela que reside a energia para inovar, para criar empatia. "A gente não se acomoda, a gente tenta se colocar no caminho do outro. As novas economias são todas movidas à empatia", afirmou.
Com uma apresentação divertida, Alessandro Saade deu várias dicas sobre como driblar problemas e ir em frente com projetos criativos. Usou o curativo como símbolo do empreendedorismo. "Não conheço nenhum empreendedor que não tenha cicatriz, que não tenha errado pelo menos uma vez. Tenho certeza também que nenhum de vocês desistiu de andar de bicicleta depois do primeiro tombo".
Segundo Saade, existe algo dentro de cada um que faz com que se dê o passo inicial, erre e queira acertar. (Fiesp - 24/05/2016)

Serra e Moreira Franco vão divulgar concessões no exterior
Brasília, 24 - A divulgação das concessões de infraestrutura será tema de encontro entre o secretário do Programa de Parcerias de Investimentos (PPI), Moreira Franco, e o ministro das Relações Exteriores, José Serra. O objetivo é definir um cronograma e os destinos para a divulgação dos projetos brasileiros, com apoio direto das embaixadas de cada país.
A agenda será fechada ainda com a Câmara de Comércio Exterior (Camex), órgão que integra o conselho de governo da Presidência da República.
As cidades de Nova York, Londres e Pequim estão entre os destinos mais prováveis, embora ainda não estejam confirmadas.
São locais já visitados por equipes da presidente afastada Dilma Rousseff, quando da divulgação de seu programa de concessões. A abordagem com os investidores, no entanto, promete ser mais técnica e criteriosa, segundo a Secretaria do Programa de Parcerias de Investimentos (PPI).
A estrutura comandada por Moreira Franco, que terá apenas 12 integrantes, foi dividida em três áreas: articulação de políticas públicas; transparência e articulação institucional, e coordenação de projetos. Basicamente, uma cuidará do planejamento, outra do relacionamento e a terceira delas da execução.
Equipe
Três nomes vão integrar o "núcleo duro" da secretaria, em contato direto com Moreira Franco: Eduardo Parente, executivo que preside a Prumo Logística Global, empresa do setor portuário; Joaquim Lima, funcionário de carreira da Caixa Econômica Federal; e Helcio Tokeshi, que era diretor-geral da Estruturadora Brasileira de Projetos (EBP), empresa criada pelo governo Dilma para liderar a elaboração dos estudos para concessões na área de infraestrutura.
O governo do presidente em exercício Michel Temer tem em mãos um levantamento preliminar de uma centena de novas concessões e 40 renovações de contratos da área de transportes que estão maturados para serem concedidos nos próximos dois anos.
O panorama feito pelas agências reguladoras aponta investimentos da ordem de R$ 110,4 bilhões em aeroportos, rodovias, portos e ferrovias. (Agência Estado - 24/05/2016)

Balança comercial já tem superávit de US$ 17 bi no ano
A balança comercial brasileira já acumula superávit de US$ 17,234 bilhões este ano, como resultado de US$ 67,918 bilhões em exportações e US$ 50,684 bilhões em importações de janeiro até a última sexta-feira, informou ontem o Ministério de Indústria, Comércio Exterior e Serviços. No mesmo período de 2015, havia déficit de US$ 3,111 bilhões. Só nas três primeiras semanas de maio, o saldo ficou positivo em US$ 3,990 bilhões.
Os superávits decorrem do fato de a queda nas importações ser maior que a das exportações. No ano, houve decréscimo de 31,1% das compras externas em relação a 2015. Já os embarques caíram 4% na mesma base de comparação.
O governo do presidente interino, Michel Temer, quer mais estímulo às negociações comerciais. Em sua primeira viagem internacional, o ministro das Relações Exteriores, José Serra, defendeu ontem a necessidade de "flexibilizar e agilizar" o Mercosul, para permitir a negociação de acordos comerciais bilaterais com terceiros países. De acordo com Serra, a questão foi discutida com sua colega de pasta argentina, Susana Malcorra, e com o ministro da Fazenda, Alfonso Prat-Gay.
Atualmente, qualquer entendimento de livre comércio deve ser negociado pelo Mercosul, como bloco. O Uruguai, por exemplo, há anos pede autorização para iniciar conversas com os Estados Unidos, entre outros potenciais parceiros, mas isso jamais foi permitido.
- O Mercosul não é apenas uma zona de livre comércio, é uma união alfandegária, e isso significa ter uma política comercial idêntica em relação ao resto do mundo. O problema é como fazer acordos de livre comércio com o resto do mundo, sozinho. Nossa estratégia, que foi debatida aqui, é a de criar mecanismos que flexibilizem a possibilidade de negociações com terceiros. Às vezes você pode abrir a oportunidade, e outros chegarem em seguida. Vamos trabalhar nisso - explicou Serra.
Ele insistiu na importância de avançar na construção de mecanismos que permitam acordos bilaterais, além da resolução dos atritos existentes entre os sócios do bloco:
- Talvez não tenham de começar todos juntos, o Brasil já fez um acordo parcial com México, acabou de fazer com o Peru… os diplomatas têm imaginação, sou otimista.
FOCUS: JURO E DÓLAR MENORES
No cenário interno, o governo Temer está se beneficiando de uma retomada da confiança. De acordo com o boletim Focus, apurado pelo Banco Central junto ao mercado, a projeção para a taxa básica de juros (Selic) para o fim de 2016 recuou de 13% para 12,75% ao ano. Para o dólar, a estimativa caiu de R$ 3,70 para R$ 3,67 este ano e de R$ 3,90 para R$ 3,88 em 2017.
Apenas a inflação piorou: de 7% para 7,04%. Segundo economistas, isso se deveu às recentes surpresas nas altas de alguns produtos. (O Globo - 24/05/2016)

Guinada do Itamaraty a favor do Brasil
Rubens Barbosa
O governo Michel Temer, em menos de uma semana, definiu as principais diretrizes de sua política externa e procurou indicar os rumos que pretende imprimir na complexa agenda externa.
As primeiras reações negativas dos petistas à politica externa do governo Temer concentram sua artilharia na ideia de uma ideologia conservadora e neoliberal das medidas anunciadas. Criticam um suposto afã de se diferenciar dos governos anteriores com o abandono das principais linhas de política externa defendidas pelo lulopetismo, como o Mercosul, a política Sul-Sul (abandono da Africa, do Oriente Médio e da América do Sul); no abandono ao multilateralismo; na atitude subserviente com a aceitação do unilateralismo hegemônico e ampliação das relações com os países desenvolvidos e na aceitação do acordo dos EUA com a Ásia.
E também na pouca disposição para ousar uma atitude independente se resignando ocupar cantinho pequeno do mundo, de onde nunca o Brasil deveria ter saído.
A crítica que muitos de nós fizemos ao lulopetismo questionava a defesa de uma plataforma partidária, em muitos casos, contrária ao interesse nacional, como, em especial, no caso da expropriação das refinarias da Petrobras na Bolívia, sem reação firme do governo brasileiro.
No Mercosul na suspensão do Paraguai para a inclusão da Venezuela, na aceitação, sem contestação, de medidas protecionistas ilegais da Argentina que prejudicaram sensivelmente as empresas brasileiras. E ainda no descaso em relação à democracia e aos direitos humanos pelo apoio explícito a regimes autoritários e pela devolução a Cuba de pugilistas desse pais que pediram asilo no Brasil.
A crítica que se faz agora a uma pretensa ideologia conservadora e neoliberal talvez tenha a ver com o fato de que o novo Itamaraty reconhece que, nos 13 anos de PT, a política externa deixou de ser uma política de Estado e passou a ser uma política do Partido dos Trabalhadores.
A partidarização da política externa esvaziou e desprestigiou o Ministério das Relações Exteriores, que perdeu a centralidade do processo decisório e, em alguns casos, da própria execução da política externa pela interferência direta de representante do Planalto.
O resultado da política externa dos últimos 13 anos foi o isolamento do Brasil das negociações comerciais com sérios prejuízos ao país. Com o fracasso da Rodada de Doha e pela politização dos entendimentos comerciais, o Brasil deixou de seguir a tendência global de negociar acordos de livre comércio bilaterais com mercados maiores e mais dinâmicos e perdeu oportunidades para a abertura de mercado para produtos industriais.
A submissão do Itamaraty à plataforma politica de um partido politico tornou o Brasil subserviente na América do Sul ao bolivarianismo populista com os conhecidos resultados negativos para os interesses brasileiros, agravados por práticas pouco transparentes que cercaram as decisões sobre serviços prestados por empresas brasileiras.
O Brasil ficou a reboque dos acontecimentos na região, o que acabou resultando nas criticas recentes da Unasul (União das Nações Sul-Americanas), da OEA (Organização dos Estados Americanos) e dos países da Aliança Bolivariana (a Alba), com o apoio e o estímulo do PT, numa atitude inaceitável para qualquer governo. A reação do Itamaraty na defesa de nossa soberania foi confundida com arrogância e prepotência.
O período da diplomacia ativa e altiva do governo Lula combinava o respaldo da economia estável e em crescimento com o desejo de protagonismo internacional de Lula.
O Itamaraty atuou eficientemente para apoiar essa agenda. Ninguém nega avanços significativos nesses anos como em especial a criação dos Brics (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul) como um ator importante nas relações internacionais, o Ibas, grupo comercial integrado pela Índia, Brasil e Africa do Sul, e as novas ênfases nas relações com os países africanos e com os países árabes.
Na retórica oficial do PT, as relações com a América do Sul e a integração regional se ampliaram com a criação da Unasul, do Conselho de Defesa e com o Mercosul econômico-comercial se transformando em fórum politico e social.
Não há dúvida de que o novo governo assumiu atitude muito diferente daquela do PT.
A percepção quanto à importância do interesse nacional surge na tentativa agora de se tirar o Brasil do isolamento e reinseri-lo em um mundo em grande transformação com desafios que o governo Dilma Rousseff se recusou a enfrentar.
Na realidade, limitando os comentários apenas ao nosso continente, o Brasil havia perdido seu papel da liderança na América do Sul, o Mercosul se derreteu e o Brasil, por afinidades ideológicas, só atuou de maneira reflexa e seguidora das iniciativas bolivarianas, relegando os EUA e a Europa a um distante segundo plano.
As definições de políticas em torno do Mercosul, dos países em desenvolvimento e dos países desenvolvidos e do multilateralismo agora vão ser tomadas de acordo com os interesses maiores do Brasil e não em decorrência de uma visão de mundo preconceituosa e, por que não ser claro, de complexo de inferioridade de seus atuantes.
Quanto aos resultados das políticas que apenas começam a se esboçar, talvez, para os opositores, o melhor seja esperar para ver.
E, para os que a apoiam, dar um crédito de confiança, a fim de ver se o Brasil vai ajustar sua politica externa às grandes transformações no mundo e bem definir o que deseja no seu relacionamento político, econômico e comercial com os centros dinâmicos globais.
Talvez seja prematuro e apressado, com pouco mais de semana de governo, os opositores considerarem que o Brasil não manterá uma atitude independente e desassombrada como afirmou em artigo recente publicado pela Folha o ex-chanceler de Lula, que bem gostava quando era elogiado por ter permanecido no Itamaraty mais tempo do que o Barão do Rio Branco, figura que parecia admirar em outros momentos de sua carreira, mas que agora, como no jargão petista, reduz a um "elitista". (Folha de SP - 24/05/2016)

Cameron pede aos britânicos para não votarem na "autodestruição"
Ana Fonseca Pereira
Relatório do Ministério das Finanças avisa que saída da UE poderia custar meio milhão de postos de trabalho em apenas dois anos. Falta um mês para o referendo.
A um mês da decisão mais estratégica que tiveram em mãos nas últimas décadas, os eleitores britânicos foram confrontados nesta segunda-feira com um novo relatório que avisa para as desastrosas consequências económicas da saída do Reino Unido da União Europeia. Nas previsões do Ministério das Finanças - já contestadas pelos partidários do Brexit - a economia do país pode contrair-se até 6% e pelo menos meio milhão de empregos podem desaparecer no prazo de dois anos.
"Seria uma recessão ao estilo faça-você-mesmo", avisou o primeiro-ministro britânico, David Cameron, na apresentação do relatório sobre as consequências de curto prazo do corte de relações com Bruxelas, escolhendo uma metáfora apropriada ao local escolhido para o evento, a sede de uma das maiores cadeias de lojas de bricolage do país.
As previsões do Governo são mais pessimistas do que as apresentadas por outras entidades - o governador do Banco de Inglaterra admitiu no início do mês que a saída da UE desencadearia uma recessão técnica no país -, à semelhança do que já aconteceu em Abril, quando as Finanças divulgaram o seu estudo sobre as consequências de longo prazo da saída. Mas enquanto aquele analisava cenários possíveis em 2030, o novo relatório confronta os eleitores com o que pode acontecer mal a contagem termine, provando que o executivo continua apostado em jogar a campanha no terreno económico - a despeito das tentativas da campanha pelo "não" de centrar o debate na imigração e controlo das fronteiras, tema que lhes é mais favorável.
Não poupando nas palavras, o líder conservador disse que optar pela saída, como defendem alguns ministros do seu executivo, deitará por terra "a dor e o sacrifício" que o país suportou para recuperar a economia depois da crise financeira internacional de 2008. "Onde está a moralidade de pôr tudo isso em risco em nome de um futuro incerto? Seria como sobreviver a uma queda, apenas para ir a correr de novo para a beira do precipício", afirmou. "Seria a opção pela autodestruição."
A mensagem foi reforçada por George Osborne, ministro das Finanças e principal aliado de Cameron, lembrando que passaram apenas "oito anos desde que o Reino Unido entrou na sua pior recessão desde a II Guerra Mundial". "Quando falta exactamente um mês para o referendo, os britânicos devem fazer-se esta pergunta: podemos votar conscientemente pela recessão?"
Tal como o anterior, o novo relatório apresenta vários cenários, o menos pessimista dos quais antevê a possibilidade de Londres concluir um novo acordo comercial com a UE dentro de dois anos, e um de "grande choque" em que o país perderia o acesso ao mercado único europeu. No primeiro caso, o Governo prevê que, em 2018, o PIB do país estaria 3,6% abaixo do que é actualmente expectável, teriam sido perdidos 520 mil postos de trabalho, os preços das casas caído 10% e a libra desvalorizado 12%. No segundo cenário, o PIB poderia contrair-se até 6% e 820 mil empregos desapareceriam.
O relatório foi atacado pelos responsáveis da campanha pela saída da UE, com o ex-mayor de Londres Boris Johnson a denunciar o estudo como "mais propaganda" de um Ministério que, sob a batuta de Osborne, tem "errado sistematicamente" as suas previsões. O ex-ministro da Segurança Social Ian Duncan Smith falou também num documento "injusto e parcial", que não tem em conta as poupanças que Londres obteria por deixar de contribuir para o orçamento comunitário quer possíveis crises na zona euro. Vários economistas sublinham também que o relatório não tem em conta medidas de ajustamento que poderiam ser adoptadas pelo Banco de Inglaterra para compensar o impacto da saída, mas mais do que o rigor das previsões é a força da mensagem que o executivo pretende sublinhar.
As últimas sondagens dão alguma margem de conforto a Cameron, que joga a 23 de Junho não só o seu futuro como o futuro do país, mas os analistas insistem que a diferença entre os dois campos é ainda demasiado pequena para antecipar um resultado - as casas de aposta, outro dos arautos seguidos atentamente no país, colocam as hipóteses de vitória do "sim" à permanência entre os 80 e os 85%. (Publico - Portugal - 23/05/2016)

Exportações e importações em queda reduzem a participação do Brasil no comércio mundial
Da Redação
Brasília - Em 2016 o Brasil deverá ter ainda mais reduzida sua participação no comércio global e a fatia do País nas exportações e importações globais ficará bem abaixo do percentual de 1,2% registrado no ano passado. Em 2015, a corrente comercial brasileira (exportações+importações) totalizou US$ 362,6 bilhões, inferior em 20% ao somatório apurado no ano de 2014.
A estimativa do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC) para 2016 é de que as exportações atinjam a cifra de US$ 187,443 bilhões, contra US$ 189,367 bilhões exportados em 2014. No tocante às importações, a expectativa é de que atinjam a cifra de US$ 158,215 bilhões, com uma queda de 9,5% em relação ao montante de US$ 173,662 bilhões importados no ano passado.
Se a previsão do MDIC se confirmar, este ano o Brasil deverá registrar a menor participação no comércio mundial e pela primeira vez em mais de dez anos essa participação ficará abaixo de 1%, podendo chegar a pouco mais e 0,7%, uma queda histórica.
Com exportações e importações em queda, o Brasil também vê despencar a participação do comércio exterior no Produto Interno Bruto (PIB). Ano passado, essa participação foi de apenas 19,2%, contra uma média global de 49%.
Segundo a Organização Mundial do Comércio (OMC), o Brasil detém uma fatia de 3% do PIB mundial, mas ainda assim o País ocupa uma posição bastante modesta no comércio mundial, figurando no 25º. lugar de um ranking integrado por 30 países. (Comex do Brasil - 23/05/2016)

Brazil's new top diplomat shifts focus from ideology to trade
BRASILIA
By Anthony Boadle
The arrival of a tough-talking foreign minister in Brazil marks a move away from the ideologically-driven diplomacy that raised tensions with the United States in the past decade and towards a big push on trade.
Jose Serra's first foreign visit to Argentina on Monday is expected to center on restoring South America's Mercosur bloc to its purpose as a free trade area, after Venezuela's entry in 2012 turned it into a left-leaning political forum.
The suspension of Brazilian President Dilma Rousseff to face an impeachment trial and her replacement by centrist Michel Temer as interim leader has pushed the political pendulum more toward the center in South America, following the election of a center-right government in Argentina last year.
"Diplomacy will once again reflect the values of Brazilian society and the interest of its economy, and no longer be at the service of the ideological preferences of one political party and its allies abroad," Serra said in his first speech as minister last week.
His first move as Temer's foreign minister was to strongly rebuke Venezuela, Cuba, Bolivia, Ecuador and Nicaragua for interfering in Brazilian affairs by describing Rousseff's removal as an illegal "coup."
Venezuelan President Nicolas Maduro, who is resisting opposition calls for a referendum to oust him in the midst of a painful recession, recalled his ambassador from Brasilia for consultations.
Serra is under pressure to act against Maduro. The chairman of Brazil's Senate Foreign Relations Committee urged the government to trigger Mercosur's democratic clause and have Venezuela suspended. Maduro's government "is fast becoming an open dictatorship," Senator Aloysio Nunes told Reuters.
REVIVING MERCOSUR
The 74-year-old Serra is a prominent senator who would like to use his ministerial post as a springboard for a third bid for the presidency. His success may hinge on keeping his pledge to open new export markets for Brazil's tanking economy.
His ministry has been given increased authority to negotiate trade deals. He plans to increase trade with traditional markets like the United States and the European Union, as well as more recent ones such as China, which has quickly risen to become Brazil's biggest export market.
Relations between Washington and Brasilia cooled during the 2003-2010 government of Luiz Inacio Lula da Silva, who prioritized South-South relations but also raised Brazil's international profile while the economy was booming.
Rousseff, his successor, was less rigid but ties with the United States were badly shaken in 2013 by reports of U.S. spying on Brazil, which prompted her to cancel a state visit to Washington.
Serra said improved U.S. relations were inevitable and will rely on easing trade barriers between the two largest economies in the Americas.
"There will be greater alignment between the United States and Brazil on some global issues," said Michael Shifter, president of the InterAmerican Dialogue, a Washington-based policy group.
Argentina will be fundamental in Brazil's renewed quest for trade as the top destination for Brazilian manufactured goods. In seeking to revive Mercosur, Serra will also ask the customs union to be more flexible on members reaching bilateral accords.
His plans were applauded by business leaders.
"Mercosur must be more proactive, less closed," the head of Brazil's most powerful industry lobby CNI, Robson Andrade, said. "Instead of political debates it should be negotiating international accords, such as with the European Union."
IMPOVERISHED ITAMARATY
An intellectual who works late into the night and often sleeps through midday, the blunt and abrasive Serra would appear to be the least diplomatic figure to run Brazil's foreign policy.
But the appointment of this high-profile politician to lead Itamaraty - as the foreign ministry is called - was welcomed by Brazil's respected diplomatic corps, largely sidelined by Rousseff. The ministry was underfunded to the point that diplomats posted abroad have been unable to pay their rents.
Serra promised to put the ministry back at the center of government and rescue it from "penury" by covering a funding shortfall of 800 million reais ($227 million).
Brazil is in arrears on contributions to the United Nations and other multilateral organizations by $852 million, a debt that threatens its right to vote, Serra told O Estado de S.Paulo newspaper on Sunday.
Workers Party governments created 67 new embassies during 13 years in power, many in Africa and the Caribbean to win votes at the United Nations, where Brazil unsuccessfully sought a permanent seat on an expanded Security Council.
Serra, pointing to the absurdity of Brazil having more embassies than Britain in the English-speaking Caribbean, plans to study the benefits of its 227 embassies and close those that are unproductive.
(Reporting by Anthony Boadle; Additonal reporting by Alexandra Ulmer in Caracas; Editing by Daniel Flynn and Mary Milliken) (Reuters - 23/05/2016)

Ex-assessor de Mantega será o número 2 do Itamaraty
O ministro das Relações Exteriores, José Serra, escolheu o experiente diplomata Marcos Galvão como secretário-geral do Itamaraty, numa demonstração de que os temas comerciais e econômicos serão sua prioridade. Galvão havia sido o secretário de Assuntos Internacionais do Ministério da Fazenda sob a gestão de Guido Mantega e foi o principal negociador do Brasil no G-20, no auge da crise mundial. Foi seu trabalho nos bastidores que permitiu ao País ter uma voz de peso na redefinição das regras do sistema financeiro internacional.
Além de passar por cargos importantes em Brasília, ele ainda serviu na Organização dos Estados Americanos (OEA), em Assunção, em Londres, foi ministro-conselheiro e Encarregado de Negócios na embaixada do Brasil em Washington e embaixador no Japão até 2013. Galvão estava havia dois anos em Genebra como embaixador do Brasil na Organização Mundial do Comércio (OMC).
Inicialmente, a ideia de Serra era dividir a Secretaria-Geral em dois cargos, com Galvão se ocupando mais da área econômica e comercial, enquanto Sérgio Danese ficaria com a parte administrativa e política. Mas, depois de um fim de semana de negociações, Danese será nomeado como embaixador em Buenos Aires.
A escolha do ex-embaixador do Brasil na OMC tem ainda a função de proteger Serra de críticas internas, numa instituição pouco acostumada a ver alguém de fora da carreira assumir o cargo máximo de chanceler. O último foi Celso Lafer, ainda no governo de Fernando Henrique Cardoso.
Há a expectativa de que o novo vice-ministro toque de fato o Itamaraty por causa da agenda atribulada de Serra com a crise política e as eleições em 2018. Pessoas próximas ao gabinete de Serra, porém, negam e apontam que o tucano terá "pleno comando" da pasta. (O Estado de SP - 23/05/2016)

editorial: Serra no Itamaraty
Além da economia, submetida a autêntica devastação por efeito dos erros e abusos do governo Dilma Rousseff (PT), outro núcleo estratégico em que a mudança da gestão federal se mostra bem-vinda é o das relações exteriores.
Nos 13 anos de administração petista, o governo declarou-se empenhado numa diplomacia ativa e independente. Houve momentos em que de fato se aproximou desse objetivo, o que foi reconhecido nestas colunas.
Quase sempre, porém, aquela orientação tinha muito de seletivo, de forma que a uma hostilidade automática em face de parceiros relevantes e aliados tradicionais, como os EUA, correspondia uma tolerância que raiava a subserviência perante autocracias como as do Irã, de Cuba e da Venezuela.
Sempre se soube que os governos do PT, para compensar as muitas concessões que Lula e Dilma fizeram à direita no âmbito doméstico, manobravam a política externa (não raro em prejuízo do que seria melhor para o interesse nacional) com a finalidade paroquial de aplacar as alas esquerdistas.
Tudo indica, porém, que as aparências ideológicas camuflavam algo pior. Como vem sendo ressaltado nas investigações judiciais em curso, as preferências diplomáticas com frequência correspondiam a projetos no exterior de grandes empresas brasileiras, as quais financiavam os custos do partido, nem sempre de modo legítimo.
Depois de um início auspicioso, a diplomacia do governo Dilma Rousseff também decepcionou, mostrando-se uma versão pálida e desprovida de carisma das mesmas deformações que haviam marcado o trêfego ativismo externo de seu antecessor.
O chanceler José Serra anuncia agora o propósito de manter o prumo de uma diplomacia independente, mas escoimada da distorção antiocidental. Pretende adotar, noutra inflexão tardia e necessária, diretriz pragmática voltada a atrair investimentos e explorar oportunidades comerciais e tecnológicas.
Flexibilizar as amarras do Mercosul; deslocar a ênfase dos emperrados mecanismos multilaterais para uma proliferação de acordos bilaterais de comércio; utilizar o ativo brasileiro que é a biodiversidade de modo a colocar o país na vanguarda da reforma ambiental -as diretrizes enunciadas vão na direção certa.
Trata-se de restaurar os melhores valores do Itamaraty - em que o apoio à autodeterminação dos povos e à solução pacífica dos conflitos se combina a uma discreta, mas atenta simpatia pelos direitos civis e humanos-, conferindo a sua consecução mais equidistância, eficiência e pragmatismo. (Folha de SP - 23/05/2016)

José Serra chega à Argentina para afinar aliança com Mauricio Macri
LUCIANA DYNIEWICZ
DE BUENOS AIRES
Sob protesto de um grupo de cerca de 50 pessoas, o ministro das Relações Exteriores, José Serra, chegou na noite de domingo (22) à Argentina para afinar a relação com o país vizinho.
A viagem, que inclui uma audiência com o presidente Mauricio Macri, é a primeira oficial do chanceler e simboliza a importância que o governo interino de Michel Temer dará ao país.
Em seu discurso de posse, Serra afirmou que a Argentina será o parceiro preferencial do Brasil na região e que os dois países passam a "compartilhar referências semelhantes para a reorganização da política e da economia".
Desde dezembro, quando o centro-direitista Mauricio Macri assumiu a Presidência argentina, as políticas adotadas no país mudaram drasticamente em relação ao governo de esquerda de sua antecessora, Cristina Kirchner - houve, por exemplo, redução de medidas protecionistas e o fim do controle do acesso ao dólar.
Nesta segunda (23), Serra se reunirá com sua homóloga, Susana Malcorra, com o ministro da Fazenda, Alfonso Prat-Gay, e por fim com Macri. Na pauta dos encontros, estarão as relações comerciais entre os países e o Mercosul.
O brasileiro já indicou que, sob sua gestão, o Itamaraty dará destaque ao comércio e debaterá uma "atualização" do bloco econômico. Há a intenção de flexibilizar as regras do Mercosul para que os países possam fechar sozinhos acordos bilaterais com terceiros.
Hoje, um tratado de livre comércio só pode ser feito se todos os países do grupo estiverem de acordo. Essa política travou, por anos, a negociação com a União Europeia, a qual Cristina Kirchner se opunha.
A Venezuela também estará entre os pontos debatidos. Na última sexta (20), Uruguai, Chile e Argentina publicaram comunicado cobrando uma solução para a crise por meio do diálogo. No meio diplomático, estranhou-se a ausência do Brasil no documento.
PROTESTOS
Com cartazes nos quais se lia "Procura-se José Serra, chanceler impostor do Brasil", um grupo de brasileiros e argentinos aguardou a chegada de Serra na embaixada em Buenos Aires.
Os manifestantes levaram bolinhas de papel para lembrar o episódio de 2010 em que o ministro, então candidato à Presidência, passou por uma tomografia após ser atingido por uma.
A professora de ciência política Juliana Peixoto, que está há 14 anos no país, afirmava que Serra viajou a Buenos Aires para "devolver favores".
"Veio agradecer o fato de Macri ter reconhecido o governo ilegítimo de Temer."
O argentino Juan Marino, do movimento Tendência Piqueteira Revolucionária, juntou-se aos brasileiros para "denunciar que Macri também é golpista, já que apoia o golpe no Brasil".
Outro protesto está programado para a manhã desta segunda (23) diante do Ministério das Relações Exteriores. (Folha de SP - 22/05/2016)

Serra é alvo de protesto com bolinhas de papel na Argentina
Rodrigo Cavalheiro Correspondente / Buenos Aires
Chanceler é recebido por manifestantes brasileiros ao chegar na sede da embaixada em Buenos Aires
O chanceler brasileiro, José Serra (PSDB-SP), foi recebido por 35 manifestantes com bolinhas de papel jornal ao chegar na embaixada brasileira, na noite deste domingo, 22, em sua primeira viagem oficial no comando do Itamaraty. Os participantes do protesto em Buenos Aires contra o processo de impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff lembravam um episódio da campanha presidencial de 2010, quando em outubro o candidato tucano relatou uma agressão após ser atingido por um papel na cabeça durante uma caminhada no Rio.
Os manifestantes contrários ao impeachment não conseguiram ver nitidamente Serra em sua chegada à embaixada, por volta das 20 horas. Três carros oficiais com vidro escuro entraram no edifício por portões diferentes. Os ativistas se dividiram e arremessaram os papéis contra todos os veículos. Eles chamaram o ministro de golpista e colaram na região cartazes com o rosto dele sobre a inscrição "procurado". "Também não aceitamos o rápido reconhecimento dado pelo governo argentino a Michel Temer", disse uma das organizadoras do ato, a tradutora Isabela Gaia.
Às 21 horas, sob 13ºC, o grupo formado por jovens apagou o megafone com que pedia a destituição de Temer, guardou pandeiros e chocalhos e recolheu as bolinhas do chão, feitas com folhas do jornal Le Monde Diplomatique, em sua versão em espanhol. Elas foram jogadas também contra o muro da embaixada, na qual Serra se hospedará. Os manifestantes se dispersaram sob vigilância de 20 policiais federais e prometeram seguir o ministro com uma mobilização maior nesta segunda-feira, 23. Eles pretendiam ter o reforço do grupo kirchnerista La Cámpora e outros movimentos peronistas opositores a Macri.
Serra será recebido de manhã pela chanceler Susana Malcorra, na sede da diplomacia argentina, o Palácio San Martín. Entre as diretrizes da nova política externa, anunciadas em sua posse na semana passada, Serra colocou a relação com a Argentina. Crítico do que considera um entrave do Mercosul a acordos bilaterais com outros países, citou "referência semelhantes, para reorganização da política e da economia" ao referir-se ao governo de Macri, eleito no ano passado por uma coalizão de centro-direita. Serra salientou sua intençao de defender uma política externa despartidarizada. O chanceler brasileiro se encontrará ainda com o ministro da Fazenda, Alfonso Prat-Gay, e fará uma visita de cortesia ao presidente Macri. (O Estado de SP - 22/05/2016)

'Governo não tem a opção de fracassar', diz José Serra
Eliane Cantanhêde
Com promessa de 'turbinar' o Itamaraty, Serra prepara viagem à Argentina para começar 'atualização' do Mercosul
BRASÍLIA - O novo chanceler, José Serra, enumera os erros da política externa dos 13 anos de governo do PT, anuncia que vai discutir uma "atualização" do Mercosul em sua primeira viagem internacional, hoje, à Argentina, e assume um compromisso com a opinião pública e os diplomatas: "Vamos turbinar o Itamaraty".
Serra disse estar acertando com o ministro do Planejamento, Romero Jucá, como cobrir a carência de R$ 800 milhões do Itamaraty, que tem até atrasado salários e aluguéis e imóveis no exterior. Fora isso, há dívidas de R$ 6,7 bilhões do Brasil a organismos e bancos internacionais, tema também em discussão.
Ele também prometeu abrir o País ao mundo e uma relação melhor com os Estados Unidos. "Nossa relação comercial com os EUA deve com certeza se tornar mais próxima e o grande investimento aí é a remoção de barreiras não tarifárias", disse na noite de sexta-feira, em entrevista ao Estado na qual resumiu os desafios do governo Michel Temer: "Não temos a opção de fracassar. Tem que dar certo".
O que é uma política externa "regida pelos valores do Estado e da Nação"?
A política externa lida com os interesses nacionais num contexto mundial e vamos ter uma política de Estado, numa nova modalidade de política externa independente. Além de não se alinhar às potências, será independente de partidos e de aliados desses partidos no exterior, diferentemente do que havia nos governos do PT.
O sr. não vê diferenças entre a política externa de Lula e a de Dilma? O sr. chegou a ficar bem próximo do chanceler de Lula, Celso Amorim, quando o sr. era ministro da Saúde e ele embaixador em Genebra e atuaram juntos para a quebra de patentes de medicamentos contra a Aids.
Trabalhamos muito bem e de forma produtiva. Aliás, o Celso deixou de fumar cachimbo por minha causa. Eu disse que ele não podia fumar cachimbo e ir a reuniões antitabagismo e ele jurou que tinha deixado de fumar. Minha relação com o Celso foi muito boa. Depois, no Itamaraty, prefiro não analisar.
Uma crítica a Amorim era que ele era antiamericanista, mas o sr., pelo passado de UNE e de esquerda, também é visto assim.
Não é bem assim, mas, de todo modo, não tenho condições agora de revisar a minha biografia e o que eu pensava a respeito. Só que tive uma experiência pessoal que foi muito importante, quando passei parte do meu exílio nos Estados Unidos, nas Universidades de Princeton e Cornell, e comecei a conhecer a sociedade e a democracia americanas muito de perto. Daria uma outra entrevista eu contar o impacto que eu tive ao viver o cotidiano e junto à base da sociedade a democracia americana.
O sr. assume num momento em que o Brasil precisa revigorar as relações com Washington, depois que elas ficaram esgarçadas pela contaminação ideológica no Brasil e pela espionagem da NSA até da presidente...
NSA, o que é isso? Os EUA são uma peça essencial do mundo contemporâneo, embora já não tão dominante como no passado, pois você tem novos centros de poder e de economia, caso típico da China. Nossa relação com os EUA é secular e fundamental e deve com certeza se tornar mais próxima no comércio. O grande investimento aí é a remoção de barreiras não tarifárias. Eles têm uma rede de proteção não tarifária, na área fitossanitária, por exemplo, que exige negociação. Vamos trabalhar incessantemente nessa direção.
Uma eventual eleição do republicano Donald Trump pode atrapalhar esse processo?
Prefiro não acreditar nisso...
No seu discurso de posse o sr. defendeu a reaproximação com parceiros tradicionais, como EUA, Europa e Japão. É o fim da política Sul-Sul?
Veja, se o Brasil é um país continental, tem de ter relações com o mundo inteiro. Nós vamos levar adiante nossa relação com a África, mas não com base em culpas do passado ou em compaixão, mas sabendo como podemos cooperar também beneficiando o Brasil. Aliás, minha ideia é fazer um grande congresso no ano que vem entre Brasil e África, para discutir comércio, cooperação e trocas, inclusive na área cultural, onde temos grande afinidade.
Quando fala em compaixão, o sr. quer dizer que o Brasil não vai mais perdoar dívidas de países africanos, como fez Lula?
Pedi um levantamento para definir o que será feito daqui em diante. O Brasil não é um país que tem dinheiro sobrando, não somos um país desenvolvido. Não implica estabelecer relações predatórias com nenhuma parte do mundo, mas temos que gerar empregos e combate à pobreza aqui dentro também.
Dilma disse em entrevista ser ignorância uma política externa sem os vizinhos e sem os Brics.
A impressão que eu tenho é de que ela não sabe o que está dizendo. Entendo as dificuldades e até esse certo desnorteamento e me sinto constrangido e pouco à vontade para debater com ela nessas condições.
Muitos elogiaram, mas muitos consideraram acima do tom diplomático suas notas contra o diretor da Unasul e os países "bolivarianos" que criticaram o processo político brasileiro. Foram acima do tom?
Foi um tom abaixo das agressões feitas. Na minha primeira reunião no ministério eu disse que não iríamos nem calar nem escalar. Essa é a linha. O que fizemos foi apontar o que não era verdadeiro. Dizer que a democracia está atropelada no Brasil? Que não há garantias democráticas? Basta qualquer um de fora passar uns dias aqui para ver que a democracia está funcionando normalmente. Foi um processo traumático? Foi. Mas todo dentro da democracia e do previsto pela Constituição.
Como fica a relação com Venezuela, Cuba, Equador, Bolívia, Nicarágua e El Salvador, que se manifestaram sobre o Brasil? E com o diretor da Unasul?
A tendência é ir tendo relativizações. Aliás, eu sou amigo do Ernesto Samper (da Unasul). Depois da nota, nós já nos falamos.
Por que a primeira viagem é para a Argentina?
A Argentina é considerada por nós para lá de prioritária. Entre os propósitos da viagem está o debate sobre a atualização do Mercosul, criação do mecanismo de ação conjunta Brasil-Argentina e acertar uma conferência regional sobre ilícitos nas fronteiras, uma questão vital para o Brasil e para a Argentina.
Quando se fala nisso, pensa-se no Paraguai, que, aliás, atuou para evitar notas oficiais contra o Brasil.
Uma ação dessa natureza é inviável sem a colaboração dos países, porque não se resolve na linha das fronteiras, mas no interior dos países. Estou convencido de que teremos a cooperação da Argentina, do Paraguai, da Bolívia, da Colômbia... O Paraguai é um país que está se modernizando e o chanceler deve vir aqui em breve.
O sr. falou em atualização do Mercosul. O que significa isso, já que o sr. é considerado inimigo do Mercosul?
Não, não sou, mas o Mercosul é uma união alfandegária que terminou sendo um obstáculo a acordos bilaterais de comércio. Houve uns 500 acordos bilaterais nos últimos anos, mas o Brasil só fez três: com Israel, Palestina e Egito. É preciso aprofundar as condições da zona de livre comércio, porque ainda há barreiras, e encontrar formas de flexibilizar as regras para permitir acordos bilaterais mundo afora.
Uma das críticas à política externa do PT é que foi toda centrada no multilateralismo na OMC, que não deu certo, vetando o bilateralismo, que todos os demais fizeram. Isso vai mudar?
O multilateralismo poderia ter sido bom para o Brasil, mas, na medida em que Doha, da OMC, não avançou, ficou preso nisso, sem multilateralismo e sem acordos bilaterais. Mas, veja, não estou dizendo que vamos abandonar a OMC, apenas que vamos ter os pés no chão.
O Brasil vai reforçar relações com a Aliança para o Pacífico?
É uma grande prioridade. Relação Brasil-Chile sempre foi próxima e temos boa relação com Colômbia e Peru. Queremos estreitar relações com o México, que é da Aliança para o Pacífico e, assim como a Argentina, é prioridade número 1.
Aproximar dos pragmáticos e neutralizar os bolivarianos?
Posso ser sincero? Não tem nada a ver com conjunturas políticas. Tem a ver com estratégias mais permanentes.
Na era Lula-Amorim, o Brasil participava de negociações para a crise do Irã, para a crise do Oriente Médio... O sr. vai priorizar o comércio em detrimento da diplomacia, ou isso vai voltar?
Sem megalomania. Vamos participar pela paz, pelo entendimento, usando as vantagens comparativas que o Brasil possa ter, mas, repito, sem megalomania.
Com suas críticas à política externa do PT, vem aí uma dança de cadeiras em cargos-chave da chancelaria e das embaixadas?
Vamos manter uma política gradualista de preenchimento de cargo e o mais importante é que nós vamos turbinar o Itamaraty. Nesses anos todos, seja pelo jeito de fazer política externa, seja pelas dificuldades orçamentárias mais recentes, houve certo desânimo e ceticismo que comprometeram a autoestima do Itamaraty. Mas isso, eu prometo, será revertido.
Como, se o governo prevê um rombo de R$ 170,5 bilhões?
A carência imprescindível do Itamaraty é da ordem de R$ 800 milhões e não precisa ser tudo de uma vez. Então, o peso do Itamaraty nas finanças públicas é insignificante e eu não posso atribuir senão ao descaso tudo isso que vinha acontecendo.
E as dívidas com organismos e bancos internacionais?
Quem paga é o Planejamento e hoje (sexta-feira) passei um bom tempo com o ministro Romero Jucá discutindo isso. Ao todo, são R$ 3 bilhões de dívida com os organismos, mais R$ 3,7 bilhões para os bancos (BID, Bird, FMI...)
Vai ter corte de embaixadas e consulados?
Eles criaram uns 60 postos e agora são 227. Será que tudo isso é necessário? Estamos vendo custo-benefício.
A concessão de passaporte diplomático para o tal bispo evangélico foi uma derrapada?
Eu não assino passaportes, seria exótico se assinasse. O problema é que a Igreja Católica sempre teve dois passaportes diplomáticos, as evangélicas reivindicaram a mesma coisa, e algum governo, acho que do Lula, concedeu. Não cabe ao governo definir que uma igreja é mais ou menos importante que a outra.
O Itamaraty é um trampolim para sua candidatura em 2018?
Claro que não, não tem trampolim nenhum. Tudo o que eu quero é fazer uma boa administração aqui. Pode parecer uma declaração de político tradicional, mas é verdadeira.
Seus filhos acreditam nisso?
Meus dois filhos, sim, principalmente o homem. As mulheres são mais desconfiadas.
E se o governo Michel Temer naufragar?
Os desafios são imensos, mas não temos a opção de dar certo ou fracassar. Tem de dar certo, pelo País. O impeachment é doloroso e traumático, mas é uma questão de salvação do Brasil. (O Estado de SP - 22/05/2016)

Da teoria à prática
As cadeiras produtivas representam hoje 56% do comércio global de bens
Lourival Sant'Anna
O chanceler José Serra anunciou na quarta-feira uma mudança de estratégia do Brasil no comércio exterior, da insistência em um acordo global de livre comércio no âmbito da Organização Mundial do Comércio (OMC), para acordos bilaterais e regionais. Foi a melhor notícia, nessa área, em duas décadas e meia, desde que o ex-presidente Fernando Collor de Mello retirou o protecionismo do setor agrícola.
Aquela medida, embora traumática, porque levou à ruína muitos produtores que não encontraram condições para se tornar competitivos, desencadeou um processo de modernização que tornou esse o setor mais dinâmico da economia, sem o qual a situação atual seria muito mais grave. Entretanto, há um longo caminho a percorrer entre as palavras e a liderança requerida para vencer as resistências que se apresentarão.
A proteção da indústria brasileira não é uma invenção do PT. Ela é tão antiga quanto a própria indústria. Durante os oito anos de Fernando Henrique Cardoso (1995-2002), nas negociações entre o Mercosul e a União Europeia, cujo ponto alto foi a Cúpula do Rio, em 1999, as indústrias nacionais, tanto brasileira quanto argentina, foram poupadas de um maior debate sobre o interesse de reduzir sua proteção pela resistência dos europeus em abrir seu mercado e reduzir os subsídios para os produtos agrícolas. Nesse sentido, a discussão sobre a proteção da indústria nem sequer amadureceu.
De lá para cá, o tema continua fora da agenda. Passou praticamente despercebida a decisão do governo brasileiro de se excluir em julho do Acordo de Tecnologia da Informação (ITA, na sigla em inglês), que zerou as tarifas de importação desses produtos.
Firmado em 1996, ele se atualizou no ano passado, com a inclusão de 201 produtos de tecnologias mais recentes, como telas sensíveis ao toque, GPS, scanners, semicondutores, lentes ópticas, instrumentos médicos e equipamentos usados na fabricação de todos esses produtos. Aderiram 81 países, que juntos somam 97% do comércio mundial de produtos de tecnologia da informação. O acordo passou a abranger cerca de US$ 3 trilhões anuais.
A justificativa do Itamaraty para essa autoexclusão é reveladora da mentalidade reinante no País: a indústria local se beneficiaria duplamente, com a manutenção de sua proteção, e com o direito de a partir de agora vender os seus produtos com tarifa zero para os outros países. Bingo! Como foi que esses 81 otários não pensaram nisso?
Ninguém parece ter-se perguntado: que produtos de tecnologia da informação são originários da indústria nacional? Que patentes saem daqui para conquistar o mundo? Por que pagamos o dobro ou o triplo do preço pago nos outros países por um celular, um computador ou qualquer outra coisa que envolva tecnologia? Quais as consequências disso para inovação, produtividade e eficiência em todos os setores?
Estrutura. O comércio global não se restringe hoje à compra e à venda de produtos acabados. Os bens e serviços são agora produzidos de forma fatiada, em diversos lugares, aproveitando a expertise, a vocação, as condições melhores de competitividade de cada um, de modo a reduzir custos e aumentar a qualidade.
As cadeias produtivas representam hoje 56% do comércio global de bens e 72% dos serviços, observa o embaixador Rubens Barbosa, presidente do Instituto de Relações Internacionais e Comércio Exterior. É dessas cadeias produtivas, além das chances de expansão do comércio em geral, que o Brasil tem se excluído, ao não firmar acordos bilaterais e regionais, como têm feito países em desenvolvimento do mundo inteiro, a começar por vizinhos como a Colômbia e o Peru - sem falar do Chile e do México, que há bem mais tempo têm se inserido no comércio internacional.
De acordo com uma compilação feita pela OMC, até janeiro de 2013 haviam sido firmados 543 acordos bilaterais e regionais - dos quais, metade a partir de 2003. O Brasil, no âmbito do Mercosul, assinou apenas quatro: com Israel, Egito, Autoridade Palestina e com os países da União Aduaneira Sul-Africana (África do Sul, Namíbia, Botsuana, Lesoto e Suazilândia). Isso e nada é praticamente a mesma coisa.
O discurso de Serra foi na direção certa. Mas o que foi feito de sua proximidade com a indústria paulista, grande beneficiária do protecionismo? No dia 24 de abril, quando travava as negociações para formar seu gabinete, o agora presidente interino Michel Temer recebeu Serra em Brasília horas depois de conversar com o presidente da Fiesp, Paulo Skaf. Até onde esse governo está disposto a ir para lançar o Brasil no século 21?
Os grandes acordos comerciais só foram possíveis graças a uma capacidade de liderança que se colocou acima das enormes resistências de setores política e economicamente poderosos. Os ex-presidentes americanos George H. Bush e Bill Clinton apostaram seus capitais políticos, no início dos anos 90, ao bancar a criação do Acordo de Livre Comércio da América do Norte (Nafta), cuja contestação até hoje rende dividendos políticos, como prova a ascensão de Donald Trump.
O mesmo se pode dizer, na mesma época, do chanceler alemão Helmut Kohl e do presidente francês François Mitterrand, ao impulsionar o Tratado de Maastricht, que deu origem à União Europeia. Percebe-se que o comércio não é uma questão ideológica: Bush era republicano; Clinton, democrata; Kohl, conservador; Mitterrand, socialista. O ponto em comum é a capacidade de visão e de liderança. (O Estado de SP - 22/05/2016)

Brasil no fim da fila do livre-comércio
Jamil Chade, CORRESPONDENTE
País ficou completamente à margem dos acordos comerciais firmados pelos maiores países do mundo, e agora quer mudar esse quadro
GENEBRA - Com uma política de Estado focada apenas na combalida Organização Mundial do Comércio (OMC) e com um setor industrial refratário a concessões, o Brasil ficou à margem da expansão sem precedentes de acordos bilaterais e regionais do comércio na última década. Ao final de fevereiro de 2016, o País era o que tinha o menor número de tratados comerciais entre os países do Brics. Além disso, estava envolvido em apenas cerca de 1% dos acordos fechados pelo planeta. Na prática, o sistema comercial do século 21 começou a ser construído sem a presença do Brasil.
Agora, o discurso do novo ministro das Relações Exteriores, José Serra, apontando que o governo de Michel Temer vai relançar a ideia por acordos bilaterais foi acompanhado com grande atenção por governos de todo o mundo e nos corredores da OMC.
No fim de fevereiro, o Brasil estava envolvido em apenas cerca de 1% dos acordos fechados no mundo
Mas, segundo diplomatas e analistas consultados pelo Estado, uma mudança na postura do Brasil não vai depender apenas do governo. Para experientes observadores na União Europeia (UE), por exemplo, um dos maiores entraves foi sempre a indústria brasileira, que evitava aceitar qualquer abertura de seu mercado. "A Fiesp terá de ser convencida a ceder", disse um alto funcionário da UE em Bruxelas.
Outro obstáculo que o Brasil enfrentava para fechar acordos comerciais era o governo de Cristina Kirchner na Argentina, que deixou claro por anos que não queria um acordo de livre-comércio com a Europa ou com qualquer outra economia que pudesse ameaçar seus aliados nacionais. "Com a chegada de Maurício Macri à presidência da Argentina, as coisas mudaram", disse Francisco Assis, deputado do Parlamento Europeu, entusiasmado com a possibilidade da retomada da negociação entre UE e Mercosul.
"Com Temer e Macri, acreditamos que haverá um impulso nas negociações entre o Mercosul e a UE. Não será um processo fácil. Mas ele faz todo o sentido, econômico e também em termos geoestratégicos", disse o deputado, responsável pelos assuntos de Mercosul no Parlamento Europeu.
Mas, mesmo dentro do Itamaraty, muitos alertam que a busca por acordos comerciais de forma bilateral não conseguirá resolver um dos principais obstáculos para as vendas brasileiras: os subsídios agrícolas de Estados Unidos, Europa e Japão.
Para trás. Dados da Organização Mundial do Comércio mostram que, entre 2005 e 2016, o cenário internacional foi bruscamente modificado por uma proliferação inédita de acordos bilaterais. No início de 2005, estavam em vigor cerca de 260 tratados entre países, concedendo diferentes benefícios a exportadores. Ao final de fevereiro de 2016, o cenário era radicalmente diferente: no total, governos haviam notificado à OMC mais de 625 acordos comerciais, envolvendo tanto a liberalização de serviços como de bens. Desses, 419 estavam em vigor.
Nesse mesmo período, o Brasil enterrou a Aliança de Livre-Comércio das Américas (Alca), não conseguiu avançar o acordo com a União Europeia e patinou ao tentar estabelecer tratados comerciais com outros países emergentes. Mas o argumento é de que a estratégia recompensaria o País, uma vez que o acordo global que vinha sendo conduzido pela OMC ditaria as novas regras mundiais para a próxima geração e que seria a única capaz de reduzir os subsídios agrícolas dados pelos países ricos, que afetam a competitividade das exportações brasileiras pelo mundo.
A aposta na OMC, porém, não deu resultados e, 16 anos depois, não apenas o País não conseguiu acesso aos mercados das economias ricas para seus bens agrícolas como as regras para limitar as distorções ao comércio jamais foram implementadas de uma forma profunda.
Em um impasse desde 2000, a OMC foi marginalizada e hoje nem mesmo manifestações ocorrem nas portas do organismo. Já os governos se lançaram em acordos bilaterais e regionais para compensar o que, em Genebra, não iriam obter.
Aos membros da OMC, a diplomacia do presidente americano, Barack Obama, deixou claro há anos que não iria mais esperar. Hoje, o governo americano conta com 14 diferentes tratados comerciais e negocia com a Europa a criação da maior área de livre-comércio do mundo.
Nesse período, não foram apenas os europeus e americanos que fecharam acordos comerciais. Nas Américas, o México soma 13 tratados com parceiros de todo o mundo. Já o Chile, sem as amarras do Mercosul, conta com 26 acordos de livre-comércio. Mesmo o Canadá usou os tratados para tentar reduzir sua dependência em relação à economia dos EUA. No total, soma 17 tratados e ainda negocia outros seis. (O Estado de SP - 22/05/2016)

Representante do Brasil na OMC, Marcos Galvão vira nº 2 do Itamaraty
IGOR GIELOW
DIRETOR DA SUCURSAL DE BRASÍLIA
O diplomata Marcos Galvão será o novo secretário-geral do Itamaraty, segundo cargo na hierarquia do ministério. O atual ocupante do posto, Sérgio Danese, será o próximo embaixador do Brasil na Argentina.
O chanceler José Serra definiu as mudanças neste domingo (22). Espera-se que Galvão, representante do Brasil na Organização Mundial de Comércio, dê ao cargo um viés mais ligado a questões comerciais.
O atual embaixador em Buenos Aires, Everton Vieira Vargas, irá para a representação brasileira junto à União Europeia.
Havia a possibilidade de Galvão ficar com um cargo equivalente ao de Danese, mas a solução seria heterodoxa demais para o padrão da pasta. Serra viaja neste domingo à Argentina, país cujo governo é visto como simpático à gestão Michel Temer. (Folha de SP - 22/05/2016)

Política externa, de FHC a Serra
Adriana Carranca
A política externa voltou aos holofotes com a nomeação de José Serra como ministro das Relações Exteriores no governo interino formado por Michel Temer. Em seu discurso de posse no Itamaraty, Serra declarou que comandará a pasta sem atender a "conveniências e preferências ideológicas de um partido político e seus aliados". Trata-se de uma ruptura, em sua visão, com o que considera politização e partidarismo da área pelos antecessores petistas. De fato, foi na política internacional que posições históricas do PT reverberaram com mais intensidade, especialmente sob Luiz Inácio Lula da Silva. Muito mais do que na economia, era na diplomacia que Lula se parecia mais com Lula.
Com a desconfiança dos mercados internacionais após sua eleição, o primeiro presidente petista entregou cargos na economia a nomes mais ortodoxos, como Henrique Meirelles, presidente do Banco Central - agora, ministro interino da Fazenda. Já na política externa, Lula quis imprimir à pasta desde o início postura diversa do antecessor, Fernando Henrique Cardoso. Ele nomeou Celso Amorim ministro das Relações Exteriores e, como assessor diplomático, Marco Aurélio Garcia, historicamente ligados à esquerda, e assumiu como postura a aproximação com potências emergentes, fortalecimento do Sul global e menor dependência de parceiros tradicionais como os EUA.
Como o próprio nome diz, política externa é política - não uma área técnica. Projeta imagem do governo no exterior e reflete sua visão de mundo. Envolve, portanto, algum viés ideológico. Acordos político-partidários à parte, a própria escolha de Serra e não de um diplomata de carreira para o cargo e a mudança na ênfase do Itamaraty para o comércio exterior refletem a mensagem que Temer quer transmitir ao mercado externo: a de que o governo terá foco na recuperação da economia, alinhando até mesmo as estratégias da política externa e de sua equipe econômica. O próprio Serra disse, em seu discurso de posse, que o ministério voltará ao "núcleo central do governo". (Antes de Serra, apenas dois chanceleres não eram diplomatas de carreira: Celso Lafer, com uma breve passagem pelo governo FHC, e o próprio FHC, no governo de Itamar Franco.)
PT e PSDB diferem em sua visão de mundo. E é verdade que, como em toda questão política, na diplomacia o discurso tem efeito. Mas, além da retórica, a política internacional dos governos petistas se concretizou mais pela continuidade do que pela ruptura real com o governo antecessor tucano.
FHC esforçou-se em ampliar a projeção externa do país e teve como política boas relações com todos os países, incluindo os desenvolvidos - especialmente EUA e os da Europa Ocidental. Fechou três acordos com o FMI: em 1998, 2001 e 2002, quando obteve empréstimo histórico de US$ 30 bilhões.
Lula esforçou-se em ampliar a projeção externa do país e teve como política boas relações com todos os países, incluindo os vizinhos menos desenvolvidos e os da África e Oriente Médio, além de emergentes. Embora o discurso histórico do PT fosse pela defesa da "soberania nacional", ao assumir a presidência Lula quitou a dívida com o fundo e manteve política de austeridade.
Embora a mudança no discurso ideológico fosse evidente, na prática muitas das ações na política externa petista foram continuidade do que já estava em curso na administração anterior. FHC já defendia o multilateralismo e mudanças no peso relativo de cada país nos organismos internacionais, incluindo o G7; criou o Mercosul e promoveu relações bilaterais com parceiros não tradicionais, como a China. Também defendia o protagonismo do Brasil em questões relevantes no cenário externo que não visavam apenas a ganhos comerciais: não proliferação nuclear, meio ambiente, reforma do Conselho de Segurança da ONU. A aproximação com os vizinhos na América do Sul teve destaque em sua gestão - até mesmo com Hugo Chávez, da Venezuela, que considerava "bem razoável". Da mesma forma, Lula mantinha a retórica contra a hegemonia americana, mas era muito próximo do presidente George W. Bush.
Como disse o próprio Serra em seu discurso de posse: "A diplomacia do século 21 não pode repousar apenas na exuberância da retórica". (O Estado de SP - 21/05/2016)

Sergio Amaral será embaixador em Washington
por Míriam Leitão
O diplomata Sergio Amaral voltará ao Itamaraty para assumir a embaixada do Brasil em Washington. O nome dele foi indicado pelo ministro José Serra e aceito pelo presidente Michel Temer.
Amaral, que já foi embaixador em Paris, tem uma bem-sucedida carreira dentro e fora do Itamaraty. No governo FH, o diplomata foi ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, além de porta-voz e secretário de Comunicação Social. Hoje é consultor, participa de conselhos de empresas e de entidades. (O Globo - 20/05/2016)

 
Abinee - Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica

Escritório Central: Avenida Paulista, 1313 - 7º andar - 01311-923 - São Paulo - SP
Fone: 11 2175-0000 - Fax: 11 2175-0090