DRI Clipping Semanal nº 33 - 18 a 22/08/14

Acordos


Veja mais

Blocos comerciais da América Latina estreitam laços
CLÓVIS ROSSI
O Mercosul vai se reunir, nos próximos dias, com a Aliança do Pacífico para discutir a aceleração da liberalização comercial entre os dois grandes blocos da América Latina.
Mas o encontro tem também uma dupla mensagem política embutida: pretende demonstrar que o Mercosul não está tão paralisado como julga a grande maioria dos analistas e, além disso, que a Aliança do Pacífico não é vista como rival do bloco do Sul.
Grande parte da mídia internacional vê os dois grupos como antagônicos.
O Mercosul (Argentina, Brasil, Paraguai, Uruguai e Venezuela) é considerado protecionista, ao passo que o clube do Pacífico (Chile, Colômbia, México e Peru) é liberal em matéria comercial.
No encontro dos próximos dias, a proposta do governo brasileiro será a de antecipar a completa desgravação do comércio.
Com o Chile, já há acordo, até porque se trata de país associado ao Mercosul, embora não seja membro pleno.
Com a Colômbia, de 55% a 60% do comércio já está livre de tarifas, e o livre-comércio total está previsto para 2018.
Com o Peru, o cenário é parecido: quase 70% das trocas comerciais já não pagam tarifas e se pretende chegar a 100% em 2019.
Já com o México, há um acordo automotivo e um acordo de complementação econômica, que, no entanto, abrange poucos produtos, até porque o país norte-americano tem notórias dificuldades no setor agrícola, no qual o Mercosul é muito forte.
Para o Mercosul, a Aliança do Pacífico é um mercado extremamente atraente, com sua economia na altura de US$ 2 trilhões ou 35% da América Latina.
O Mercosul, pela presença do Brasil, é bem maior: US$ 3,3 trilhões ou 58% do PIB (Produto Interno Bruto) da América Latina.
490 MILHÕES
Se for alcançado o objetivo do encontro (cunhar a marca Mercosul/Aliança do Pacífico como complementar e não como uma competição), o rótulo cobrirá, portanto, 93% da economia latino-americana, com quase 490 milhões de potenciais consumidores.
Para o Brasil, especificamente, o mercado dos quatro da Aliança é atraente não só quantitativamente mas também qualitativamente: no primeiro semestre deste ano, os manufaturados representaram 75% das exportações brasileiras para o bloco, quando se sabe que uma das críticas permanentes que são feitas ao comércio exterior brasileiro é a concentração em produtos primários, de baixo valor agregado.
INTERCÂMBIO
esmo antes de implementada a plena desgravação, o comércio entre eles e o Brasil só faz crescer: pulou de US$ 10,789 bilhões em 2004 para US$ 26,922 bilhões no ano passado. Só no primeiro semestre deste ano, o intercâmbio já bateu em US$ 15 bilhões, o que faz supor que superará a marca de 2013.
A desgravação facilitará, naturalmente, a competição com a China, que avança avassaladoramente em mercados em que, pela proximidade, o Brasil deveria ter vantagens.
Estudo feito pela Confederação Nacional da Indústria e divulgado pelo jornal "Valor" mostra que, só em 2011, o Brasil deixou de vender US$ 5,5 bilhões com a perda de espaço no seu principal mercado, a América Latina.
O montante equivale a 11% de tudo que o Brasil vendeu à região em 2011 e é a diferença entre o que o país efetivamente exportou e o que exportaria se tivesse mantido a mesma fatia de mercado que detinha em 2008. (Folha de SP – 22/08/2014)

Expresidente uruguayo destaca economía de Paraguay frente a las de Mercosu
El expresidente uruguayo Luis Alberto Lacalle, que mañana participa en la reunión anual del Consejo Empresarial de América Latina (CEAL), destacó hoy que Paraguay es el país que tiene un mayor crecimiento económico dentro de las economías del Mercosur, que dijo, marchan a distintas velocidades.
"Hay distintas situaciones, la del Paraguay es excelente y positiva en lo económico y político. La Argentina está muy mal, como ustedes saben, el Uruguay está bien pero no está bien porque la inflación sigue aumentando y el déficit sigue aumentando", dijo a los periodistas.
"Brasil está en medio de esta transformación política tan grande, o sea que creo que tienen distintas velocidades", añadió Lacalle tras mantener una reunión de cortesía con el canciller paraguayo, Eladio Loizaga.
El exmandatario tuvo palabras de elogio para el presidente paraguayo, Horacio Cartes, de quien alabó su política de transparencia de la función pública y la reciente emisión de bonos soberanos por valor de 1.000 millones de dólares.
"Creo que la emisión de bonos es histórica y tiene que reflejarse rápidamente en cuatro o cinco obras importantes de infraestructura, que es lo queParaguay necesita", declaró Lacalle, actual senador por el Partido Nacional.
Asimismo recalcó la importancia de la reunión del viernes del CEAL, fundado en 1990 en México y constituida por más de 500 empresarios a los que se refirió como "pesos pesados empresariales que tienen un papel muy importante en el desarrollo".
"Realmente la lista de invitados representa el corazón empresarial de nuestro continente", explicó.

Lacalle será uno de los conferenciantes de la reunión anual del CEAL que se desarrollará mañana en el Hotel Bourbón, en el Gran Asunción.( EFE/Nanduti – 21/08/2014)

Economista: China estudia libre comercio con Mercosur
El economista Álvaro Ruiz indicó que China es importante en el marco de la economía internacional porque ningún país exporta todo lo que exporta China, por lo que acuerdos entre Mercosur y China son posibles dado que el país asiático requiere de alimentos y materias primas que se localizan principalmente en América Latina.
“La segunda posición y el segundo lugar de Producto Interno Bruto lo ubican (a China) como la fábrica del mundo. 94 % de las exportaciones son manufacturas lo que quieres decir que casi todo lo que exporta son bienes manufacturados”, explicó.
Ruiz acotó que el interés de China en América Latina es “lógico” porque China sola no puede desarrollarse ya que necesita materia prima y alimentos están en mayor proporción en Lationamérica. También agregó que China tiene una “especie de manual” sobre cómo manejar sus relaciones con Latinoamérica, por lo que hay una “posibilidad de establecer libre comercio en China y Mercosur”.
Relaciones Venezuela-China
El experto señaló que las relaciones entre China y Venezuela “están en plena efervescencia”, ya que ambos países firmaron y firmaron acuerdos adicionales energéticos, culturales y financieros. “Venezuela tiene comercio de miles de millones de dólares con China”, dijo.
Agregó que hay productos en los que China está interesada que la gente no imagina, por ejemplo, las piedras de cálculos renales de las reses. “Esos son productos sensibles a la exportación”, comentó Ruiz. (Globovision – 19/08/2014)

La decisión boliviana y la evolución del Mercosur
El cambio del sentido en el que giran las agujas en los relojes oficiales del país vecino es una alegoría de los pasos que da el bloque sudamericano respecto de las decisiones comerciales que toma, no sólo la región, sino el resto del mundo
Por Carlos R. Restaino
Por lo menos como alegoría, la decisión del gobierno boliviano de hacer que en los relojes oficiales las agujas giren hacia la izquierda podría servir para definir lo que pasa con el Mercosur, que está marchando en sentido opuesto al del resto del mundo, y alejado de las rutas iniciales plasmadas en el Tratado de Asunción de 1991 y demás documentos en los que fue tomando forma y dimensión.
Surgen diferencias y distancia entre las expectativas de aquellos legisladores y la situación actual. Se superó una presidencia pro témpore de Venezuela, casi ausente e inactiva que, entre otras cuestiones, convocó a una sola cumbre y pocas reuniones del Grupo Mercado Común (GMC) desde junio de 2013; no conformó su sección nacional del Foro Consultivo Económico y Social, y propuso una zona de libre comercio complementaria entre el Mercosur, la Alianza Bolivariana para las Américas (ALBA) y el Petrocaribe, casi desconociendo otros emprendimientos que se están movilizando en la región.
En tanto, el mundo, el continente americano y América del Sur desarrollan sus estrategias orientándolas hacia un concepto común: la globalización regional (ver recuadro).
En estos proyectos, el Mercosur y sus países miembros no están incluidos formalmente, a la inversa de otros países latinoamericanos que participan y fundamentan en los mismos su evolución económica y el bienestar futuro de sus comunidades.
Hasta especialistas norteamericanos señalan que, si bien por presiones de Venezuela y Argentina, el Área de Libre Comercio de las Américas (ALCA) no prosperó, el objetivo de la iniciativa estaría casi alcanzado con los acuerdos bilaterales logrados con una importante cantidad de países latinoamericanos.
Incompleto
Por otra parte, desde 1998, el Mercosur está negociando el pilar comercial del acuerdo de asociación con la Unión Europea sin completarlo.
Infinidad de reuniones y discursos de apoyo a todo nivel y una multitud de intenciones "no practicadas" no han conseguido perforar la rutinaria falta de cumplimiento de planes, programas y desarrollos, uno de los últimos asumido en la reunión de la Comunidad de Estados Latinoamericanos y Caribeños (Celac) en Chile, en enero de 2013 (intercambiar la lista de ofertas en diciembre de ese año).
Se sigue en el análisis casi recurrente de disidencias y culpas intercambiadas en cada región por las reiteradas prórrogas de reuniones, en tanto que hasta Ecuador ha logrado cerrar sus negociaciones de un acuerdo comercial con la Unión Europea, tal como se anunció hace semanas.
Lo sintéticamente descripto justifica la confusión y el desaliento de los sectores empresarios del Mercosur, que observan cómo países asociados (como Chile, Colombia y Perú) avanzan decididamente en sus proyectos, en tanto que el bloque parece detenido en sus ambiciones, o sus acciones se orientan hacia posibilidades tan diferentes que exige una profunda tarea de estudio para interpretar sus razones y objetivos, no siempre informados, ni compartidos, ni aclarados a los dueños de las inversiones y propulsores de las demandas laborales, entre otras cuestiones.
A lo anterior se agrega que instituciones como la Comisión Económica para América Latina y el Caribe (Cepal) señalan el impacto de las cadenas globales de valor, y enfatizan su imprescindible aplicación, en tanto que desde lo académico se indica la importancia de visualizar los polos de desarrollo mundial focalizándose en los megaacuerdos globales.
Sólo enunciados
Pero estas acciones se expresan en un escenario ajeno a esas concepciones, por lo que no se encuentra el plano en el que puedan ser aplicadas, y tampoco la sustancia ideológica, por lo que el Mercosur no estaría preparado para el uso de éstos. De allí que las sugerencias no superen el límite de la enunciación, sin ser decodificados para el desarrollo de planes estratégicos.
La propuesta del canciller chileno Heraldo Muñoz de explorar una "convergencia en la diversidad", entre el Mercosur y la Alianza del Pacífico denota cierto sesgo más voluntarista que realista, dadas las sensibles diferencias entre ambos bloques.
Sólo dudas surgen como corolario de lo descripto: ¿qué pasa con el Mercosur? ¿Sus países miembros están desalentados? ¿Por qué se mantienen las dificultades internas para el desarrollo comercial? ¿Por qué sólo los miembros "pequeños" miran hacia otros lados sin poder avanzar por supuestas normas internas que lo impiden? ¿Por qué no se trasparenta la situación real de las negociaciones con la Unión Europea?
Y las preguntas continúan: ¿cuáles son los objetivos de los socios mayores, que mantienen políticas y normativas de orden más proteccionistas que aperturistas, pretendiendo generar atracción a los países o grupos de países trascendentes en la economía mundial? ¿Por qué el bloque se halla "desconectado" de las tendencias internacionales, que están generando las rutas del desarrollo para los próximos cincuenta años?
En definitiva, el Mercosur, en esta nueva presidencia pro témpore a cargo de la Argentina debería generar cambios profundos para consolidar un horizonte de confianza general y efectivo, en el que las empresas puedan fundamentar sus expectativas de inversión y desarrollo, no tan lejos de las orientaciones de los países o regiones centrales.
O sea, lograr que las agujas del reloj regional giren según los usos y costumbres tradicionales.
A dónde va el mundo
En América del Sur, la Alianza del Pacífico continúa sumando adherentes a los 32 ya aceptados (incluidos Uruguay y Paraguay). El Acuerdo Estratégico Transpacífico de Asociación Económica (TPP), con la participación de 12 países, incluidos Chile, Perú y México, fundadores de la Alianza del Pacífico y dos con acuerdos con el Mercosur.
En el Oriente se consolida la unión de naciones asiáticas con un acuerdo regional entre diez miembros del Asean y seis países asociados (total 16 países).
La Asociación Transatlántica para el Comercio y la Inversión (TTIP), entre la Unión Europea y los Estados Unidos en negociaciones (sobre todo de estándares), supuestamente beneficiosas para su crecimiento económico, para generar inversiones de carácter productivo con demanda de empleo asociada. (La Nacion – 19/08/2014)

A UE volta ao ataque na América Latina
O bloco, que fez pactos comerciais com nove países da região em 2013, quer ampliar os do Chile e firmar um acordo com o Mercosul
Alejandro Rebossio Buenos Aires
Em julho passado três líderes mundiais visitaram vários países latino-americanos: os presidentes da China, Xi Jinping, da Rússia, Vladimir Putin, e o primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe. Ficaram evidentes as fortes relações que a China teceu nas terras latino-americanas desde o começo deste século, a decisão russa de seguir seus passos e o desejo japonês de não ficar para trás. Ao mesmo tempo, a União Europeia (UE) começa a mover suas fichas no mesmo tabuleiro. Fez um acordo de associação (livre-comércio de bens, abertura de serviços, investimentos e compras governamentais) com o Equador de Rafael Correa, que cinco anos antes havia fechado a negociação. O presidente da Comissão Europeia, José Manuel Durão Barroso, viajou também para o Brasil e pediu que fossem finalizados os 15 anos de negociação do tratado entre a UE e o Mercosul (Argentina, Brasil, Paraguai, Uruguai e Venezuela).
Desde 2013, além do pacto com o Equador, entraram em vigor acordos de associação entre Bruxelas e oito países latino-americanos: os seis centro-americanos, incluindo a Nicarágua e El Salvador – membros da Aliança Bolivariana da Venezuela, Bolívia, Cuba, Equador e quatro países caribenhos – e dois membros da Aliança do Pacífico, Colômbia e Peru. Os países da UE já tinham tratados de livre comércio (TLC) com os outros integrantes da aliança em vigor: México (2000) e Chile (2003), e uma associação com o Cariforo (2009), integrado por 15 países caribenhos, incluindo a República Dominicana. Bruxelas iniciou contatos para ampliar os pactos com o México e o Chile, mas está mais avançado com o país da América do Norte.
A UE possui acordos de livre-comércio com 11 dos 19 países da região e dentro de um ano e meio ou dois chegará a 12, quando entrar em vigor o convênio com o Equador. Mas ainda falta o Mercosul, que representa 58,6% da economia latino-americana. Os EUA também liberalizaram quase ao mesmo tempo o comércio com 11 países da região, mas não negociou com o Equador. A China só tem TLC com o Chile, Peru e Costa Rica, mas se converteu no primeiro sócio comercial não apenas desses dois países sul-americanos, mas também do Brasil e da Venezuela, e no segundo da Argentina e da Colômbia.
"A UE e o Mercosul são noivos há 15 anos. Não será o momento de oficializar essa relação?", disse Barroso depois de se reunir com a presidenta brasileira, Dilma Rousseff. Não existe outro país ou bloco que mantenha uma negociação tão avançada com o Mercosul como a UE. "Estudos independentes demonstram que um acordo com a UE representaria para os países do Mercosul um aumento de suas exportações para a Europa próximo aos 40%", argumentou Barroso.
Entre 2009 e 2013, as exportações latino-americanas para a UE que mais cresceram em termos porcentuais foram as do Paraguai (200%), Bolívia (150%), Cuba (100%), Colômbia (92,5%), México (71,5%) e Peru (65,6%), enquanto que diminuíram as da Venezuela (-12,8%) e Argentina (-1,2%), e ficaram estancadas as de El Salvador e Panamá, também cresceram as de Honduras e do Chile (ambos ao redor de 20%), que deslocou a Argentina como terceiro sócio da UE na América Latina. As exportações do Brasil, o maior sócio, mais do que o México, cresceram 26,4%. As vendas europeias cresceram mais rápido para o Paraguai, Uruguai, Peru, Bolívia, Equador e Argentina, que desde 2012 impôs travas às importações de todas as origens.
Barroso disse que na UE "sabem" que "o Brasil quer avançar em direção a um acordo comercial", mas "não decide sozinho e os ritmos dos outros membros do Mercosul são diferentes". Apontou para a Argentina de Cristina Kirchner e não para a Venezuela. Este país incorporado ao Mercosul em 2012 adotará o acordo alfandegário externo comum em 2016 e não participa das conversas com a UE. Se for concretizado o acordo, poderia se somar.
Barroso finalizou sua visita ao Brasil com declarações polêmicas: "Parece absurdo que a UE tenha acordos de livre comércio com o mundo inteiro, menos com o Brasil. Trouxe a Dilma e ao Brasil uma mensagem: vamos fazer um acordo UE-Brasil." Nunca antes havia apoiado um pacto direto com algum de seus membros.
Funcionários do governo argentino responderam no jornal argentino Buenos Aires Económico (BAE): "Esta é uma clara tentativa de romper o Mercosul, porque não têm um plano para o bloco que sirva a seus interesses escravizantes. É incrível como Barroso diz isto, quando estamos em negociações entre os dois blocos. Está querendo recuar em tudo que foi avançado até o momento, que havia sido muito se compararmos com os últimos anos." Mas a UE quer uma troca de ofertas com o Mercosul em setembro e outubro, embora a renovação da Comissão Europeia em novembro, as eleições presidenciais de Brasil em 5 de outubro e a crise da dívida da Argentina poderão dilatar a negociação.
Empresários do gigante sul-americano pressionam Rousseff para negociar porque acham que a exportação de alimentos e manufaturas para a UE irá substituir os degastados motores de crescimento do passado recente: as matérias primas e o consumo interno. Também pesa a rede de acordos bilaterais que países e blocos assinaram nos últimos anos e que podem marginalizar produtos do Brasil ou da Argentina em certos mercados. Um acordo com a Europa não significaria a ambos países uma avalanche de manufaturas baratas, mas coloca em risco setores como o de autopeças.
Na região da Comunidade Andina, Bruxelas só conseguiu avanços com a Colômbia e o Peru
A UE tinha tentado negociar um pacto com a quase desaparecida Comunidade Andina, mas avançou primeiro só com a Colômbia e o Peru. Não há contatos com a Bolívia. Por que o Equador mudou? O modelo econômico de Correa, assim como o de Evo Morales, é diferente do da Venezuela: contas fiscais um pouco mais organizadas e menor intervenção na economia.
O Equador, cujo 30% das exportações à UE são de bananas, via como seus concorrentes no mercado desta fruta – Colômbia, Costa Rica e Panamá – podiam ganhar terreno. No final de 2014, Bruxelas previa tirar de Quito as preferências tarifárias pela subida da renda per capita equatoriana, e isso faria com que as vendas de atum, camarão, flores e outros produtos pagassem taxas no valor de 240 milhões de euros (728 milhões de reais) anuais.
Correa quer investimento estrangeiro para mudar a base produtiva do país andino, dependente do petróleo e outras matérias-primas. A UE alega que os TLC costumam fomentar mais o investimento que o comércio porque oferecem às empresas proteção jurídica e abertura ao intercâmbio. Entre 2001 e 2013, o investimento estrangeiro acumulado como porcentagem do PIB subiu no Chile, Colômbia, México e Peru, mas também no Brasil, principal receptor de capital estrangeiro na região. Por outro lado, retrocedeu na Argentina, Equador e Venezuela.
Barroso irritou a Argentina ao propor um acordo direto entre a União e o Brasil
As empresas europeias defendem os TLC porque brigam pelo mercado latino-americano com rivais locais, dos Estados Unidos, China e Rússia. Desde 2000, a UE se manteve como fornecedor e comprador de mais de 10% do comércio latino-americano, enquanto que a China escalou de uma porção residual a pouco menos do que importa a Europa da região e inclusive mais do que exportam os 28 países membros da UE.
Os EUA passaram de ser o destino de mais de 60% das exportações latino-americanas a menos de 40% e deixaram de fornecer a metade das importações do subcontinente, somam apenas 30%. O investimento chinês cresce, mas ainda representa uma porção menor do capital estrangeiro que chega à América Latina: 5% em 2012, ao redor da metade do que chega dos EUA e 1/8 do que vem da UE. A Rússia ainda significa pouco na região, mas vai importar mais alimentos desta zona para compensar o que decidiu não comprar dos EUA e da UE, e tenta, assim como a China, ganhar contratos públicos oferecendo financiamento, algo que nem os EUA, nem a UE têm na carteira. (El Pais – 16/08/2014)

Produtos e Mercados


Veja mais

México acelera, puxado pela demanda nos EUA
Por Bloomberg, da Cidade do México
Susana Gonzalez/Bloomberg
A economia do México cresceu mais do que o previsto no segundo trimestre, pois uma recuperação nos EUA impulsionou a demanda por exportações, após o crescimento na segunda maior economia da América Latina ter decepcionado nos seis meses anteriores.
O Produto Interno Bruto (PIB) cresceu 1% em relação ao trimestre anterior, quando expandiu-se no ritmo revisto de 0,4%, informou ontem o instituto nacional de estatísticas do país. Economistas consultados pela Bloomberg previam crescimento de 0,8%. Em relação a 12 meses antes, o PIB cresceu 1,6%, em comparação com 1,9% no primeiro trimestre, pois a Páscoa caiu em abril neste ano, e em março em 2013. O crescimento no primeiro trimestre foi revisto para cima.
As exportações estão reforçando a economia, pois os indicadores de demanda interna, como a confiança do consumidor, permanecem fraca, disse o presidente do Banco Central, Agustín Carstens, na semana passada. O crescimento deverá acelerar no segundo semestre deste ano, depois que o governo elevou os gastos públicos e o Banco de México cortou os juros para a 3%, um recorde de baixa.
"Essa aceleração vai encerrar a série de revisão das previsões do crescimento do PIB mexicano", disse Carlos Capistrano, economista-chefe especializado em México no Bank of America, em resposta a perguntas por e-mail. "Essa é uma boa notícia e é coerente com nossa visão de que a economia está em modo de recuperação".
Os EUA, que compram cerca de 80% das exportações do México, cresceram a uma taxa anualizada de 4% de abril a junho, após encolherem 2,1% no primeiro trimestre, quando o clima de inverno rigoroso prejudicou a demanda.
O governo mexicano prevê que o crescimento continuará a acelerar, depois que o presidente Enrique Peña Nieto acabou com o monopólio estatal do petróleo e reformulou o setor de telecomunicações, decisões que, espera o governo, ajudarão a elevar a expansão do PIB para perto de 5% até 2018.
A economia mexicana cresceu 1,1% no ano passado, a menor taxa desde a recessão de 2009, em meio a inadimplência por parte das maiores incorporadoras e construtoras do país e a um atraso nos gastos públicos devido à transição presidencial. O governo elevou em 9,7% as suas despesas, em termos reais, no primeiro semestre deste ano. Já o banco central reduziu inesperadamente, em junho, os custos dos empréstimos, e o setor da construção civil expandiu-se pela primeira vez em 19 meses.
Ainda assim, economistas reduziram suas estimativas de crescimento e inflação para 2014, após o gasto dos consumidores revelar-se mais fraco do que o esperado, na esteira de aumentos de impostos. As autoridades econômicas reviram a previsão de crescimento para 2014 pela terceira vez, na semana passada, para 2%-2,8%, ante estimativa anterior de 2,3%-3,3%. (Valor Online – 22/08/2014)

Aumenta a incerteza na Argentina
ECONOMIA
Janaína Figueiredo
Como esperado, a decisão da Casa Rosada de enviar ao Congresso o projeto de lei de pagamento soberano local da dívida externado país acentuou o nervosismo no mercado. A iniciativa, que segundo analistas argentinos enfrentará resistências no Parlamento, aprofundou o clima de incerteza sobre o futuro da economia, provocando altado dólar paralelo, que ontem subiu 0,35 centavos, chegando a 13,55 pesos em algumas cueuas (casas de câmbio ilegais) do Centro portenho. Já a cotação oficial fechou estável, aos 8,33 pesos. Ações de empresas argentinas despencaram até 7% em Wall Street, enquanto a Bolsa de Valores de Buenos Aires fechou em alta de 1%, já que, de acordo com operadores do mercado, houve intensas operações de compra de papéis em pesos que são vendidos em Nova York em dólares, o que permite a transferência de recursos ao exterior.
Seguindo ordens da presidente Cristina Kirchner, o ministro da Economia, Axel Kicillof, explicou que o governo pretende aprovar o projeto de lei antes de 30 de setembro, quando o país deve saldar um vencimento em tomo de US$ 200 milhões. A iniciativa kirchnerista, já rechaçada por setores da oposição, prevê duas mudanças: o governo oferece aos credores modificar a jurisdição dos papéis, que passariam ao âmbito local (ou seja, qualquer conflito deverá ser resolvido na Justiça argentina), e o agente de pagamento deixaria de ser o Bank of New York Mellon, passando a ser o Banco de la Nación Argentina.
OPOSIÇÃO VAI RECHAÇAR PROPOSTA
Para o economista Martin Tetaz, pesquisador da Universidade Nacional de La Plata, o objetivo do Executivo argentino "é reduzir os danos colaterais do calote": - Temos US$539 milhões retidos pela Justiça de Nova York, devido ao conflito com os "fundos abutres" O governo quer reduzir esse montante, mas tudo dependerá da resposta dos credores.
Com a chegada de um novo vencimento, a Casa Rosada lançou uma proposta, que depende do sinal verde do Congresso, para tentar driblar a sentença do juiz federal de Nova York Thomas Griesa – responsável pelo caso na Justiça americana e que impede o país de saldar seus vencimentos, levando-o ao calote técnico - e, ao mesmo tempo, reafirmar sua vontade depagamento da dívida. Parao ex-secretário de Finanças Guillermo Nielsen, o problema é que 80% dos detentores de bônus de Nova York são fundos que não podem aceitar esse tipo de modificação:
- A Argentina está se afastando da normalização financeira, essencial para a chegada de investimentos e o crescimento.
A proposta consiste em realizar nova troca de bônus com todos os credores, incluídos os que não participaram das reestruturações de2005 e2010 (os chamados holdouts), meta que, segundo analistas locais, é bastante difícil de ser alcançada.
Ontem, Kicillof defendeu o projeto e assegurou que "não se trata de uma alteração de jurisdição compulsória, e sim de uma modalidade para assegurar que a Argentina possa continuar honrando seus compromissos externos"
-A Argentina está semeando certezas e um canal eficiente (o Banco de La Nación) para que os credores possam receber insistiu o ministro.
O prefeito de Buenos Aires e líder do opositor Pro, Maurício Macri, disse que seu partido vai rechaçar a iniciativa.
---
"A Argentina está se afastando da normalização financeira, essencial para o crescimento" Guillermo Nielsen Ex-secretário de Finanças (O Globo – 21/08/2014)

Economia dos EUA ganha impulso, avalia instituto Conference Board
SÃO PAULO - A economia americana está ganhando força e o crescimento deve manter-se em um ritmo forte no restante do ano, avaliou o economista-chefe do instituto Conference Board, Ataman Ozyildirim.
O índice de indicadores antecedentes dos Estados Unidos subiu 0,9% em julho, para 103,3, após elevação de 0,6% um mês antes. O indicador foi elaborado para sinalizar altos e baicos no ciclo de negócios.
Para o economista Ken Goldstein, o ritmo da atividade econômica permaneceu razoalvemente forte em julho e a tendência é de um crescimento mais sólido nos próximos meses.
Entre os componentes do indicador geral, o índice coincidente, que avalia a situação econômica recente, aumentou 0,2% em julho, seguindo alta de 0,3% um mês antes. O índice defasado, sobre o passado econômico recente, teve elevação de 0,2%, na sequência de um incremento de 0,5%. (Valor Online – 21/08/2014)

Atividade da indústria e serviços na zona do euro perde força
Ralph Orlowski/Bloomberg
SÃO PAULO - A atividade da indústria e do setor de serviços na zona do euro perdeu dinamismo em agosto. O índice composto - que mede o desempenho conjunto desses segmentos - se situou em 52,8 em agosto, após registrar 53,8 em julho. Ainda assim, resiste acima da marca de 50, que expressa crescimento da atividade.
Embora a economia da zona do euro continue fazendo progressos, a desaceleração do índice composto sugere que a região continua no caminho de registrar um crescimento de 0,3% a 0,4% no terceiro trimestre, "um nível que não deve estimular nenhuma melhoria real no mercado de trabalho", comentou o economista sênior da Markit, Rob Dobson.
A pesquisa mostrou ainda que o índice de atividade de serviços passou de 54,2 em julho para 53,5 um mês depis e o índice da indústria foi de 51,8 para 50,8.
No caso da Alemanha, também houve uma desaceleração na indústria e nos serviços em agosto. O índice composto saiu de 55,7 em julho para 54,9 um mês depois. O índice de atividade de serviços passou de 56,7 para 56,4 e o da indústria, de 52,4 para 52. Todas as marcas são as menores em dois meses. Vale ressalvar, no entanto, que, embora tenha havido uma perda de ímpeto, todas as marcas expressam expansão da atividade (acima de 50).
No caso da França, o índice composto para a indústria e serviços mostrou estabilidade em agosto. Após ter ficado no território negativo em julho (49,4), a leitura ficou em 50 neste mês, exatamente na marca que divide o crescimento da contração da atividade. O índice de atividade dos serviços teve a melhor leitura em cinco meses, de 51,1, mas o índice da indústria caiu de 47,8 em julho para 46,5 em agosto, o menor nível em 15 meses. (Valor Online – 21/08/2014)

Dell amplia presença no varejo brasileiro
Por Sérgio Ruck Bueno | De Eldorado do Sul (RS)
Num cenário que combina desaceleração da economia brasileira com o período de transição no mercado global de TI, com queda das vendas de computadores pessoais e expansão da demanda por tablets, a Dell decidiu reforçar a aposta no Brasil. Depois de inaugurar, em março, um centro de soluções para clientes empresariais em São Paulo, a companhia vai ampliar a capacidade de produção da fábrica em Hortolândia (SP) e lançar mais uma linha de tablets ainda no segundo semestre, além de quadruplicar o número de pontos de venda em que está presente no varejo local ao longo de 2014.
A ofensiva faz parte da estratégia mundial adotada pela Dell após a conclusão do processo de recompra de ações e fechamento de capital, em outubro do ano passado, que lhe permitiu operar sem pressões por resultados trimestrais. "Estamos tomando melhores decisões de longo prazo; não estamos tão amarrados aos ciclos trimestrais dos negócios", disse o diretor financeiro global da companhia, Thomas Sweet, em entrevista na unidade administrativa e comercial de Eldorado do Sul (RS).
Há seis meses no cargo e 17 anos na empresa, Sweet contou que desde o fechamento de capital a Dell vem ampliando receitas e ganhos operacionais. "Nosso fluxo de caixa se fortaleceu, estamos crescendo com lucratividade e já fizemos muitos pagamentos de dívidas, o que nos permite ajustar nossa estrutura de capital", afirmou. Sem revelar números absolutos, ele disse que a companhia prevê um crescimento de 4% a 5% nas receitas globais no ano de 2014, em linha com as estimativas de mercado.
As últimas informações contábeis anuais publicadas pela empresa referem-se ao ano fiscal de 2013 (de fevereiro de 2012 a janeiro de 2013, conforme o calendário adotado pela matriz americana). Na época, as receitas somaram US$ 56,9 bilhões, com queda de 8% sobre o ano anterior, enquanto o lucro líquido recuou 32%, para US$ 2,4 bilhões. No segundo trimestre do ano fiscal de 2014 (maio a julho de 2013), a receita ficou estável em US$ 14,5 bilhões e o lucro caiu 72% ante igual período do ano anterior, para US$ 204 milhões.
O Brasil, de acordo com Swett, contribui com pouco mais de 5% das receitas globais da companhia e, apesar do "ciclo de baixa" enfrentado pela economia local, "expandir é um ditame do negócio". "Todas as economias enfrentam ciclos. Temos muito trabalho a fazer no Brasil, muitos clientes ainda não sabem tudo sobre nossas capacidades e creio que temos grandes oportunidades para continuar expandindo nossas operações", afirmou. Além das unidades de Eldorado do Sul, Hortolândia e São Paulo, a empresa tem um centro de pesquisa e desenvolvimento de softwares em Porto Alegre.
Na mesma linha, a diretora executiva de vendas para consumidores pessoa física e pequenas empresas no país, Rosandra Silveira, disse que se a Dell não fosse "otimista" não estaria fazendo os investimentos em curso no Brasil, incluindo a expansão "importante" da fábrica de Hortolândia a ser concluída no segundo semestre fiscal, que vai até janeiro de 2015. De acordo com ela, nos seis primeiros meses de 2014, as vendas no varejo mais que dobraram em relação a igual período de 2013, elevando a participação de mercado da companhia para 10% (era 4,3% um ano antes), e superaram pela primeira vez o canal de comercialização direta, pela internet.
"A tendência é que o varejo ganhe mais participação, até porque estamos aumentando a presença nos pontos de venda", disse a executiva. Segundo ela, embora 2014 não seja um "ano fácil" para a informática, a retração da demanda por notebooks concentra-se nos produtos de até R$ 1,2 mil, enquanto na faixa em que a Dell atua, acima de R$ 1,5 mil, há expansão. Por isso, a empresa vai quadruplicar, este ano, o número de pontos de venda em que seus produtos são distribuídos, disse Rosandra.
As vendas de tablets também crescem com força e já representam "dois dígitos" dos negócios da empresa no varejo, acrescentou a diretora. A Dell lançou as duas primeiras linhas no mercado brasileiro este ano, uma com tela de 11 polegadas e sistema operacional Windows, fabricada em Hortolândia, e outra, importada, com oito polegadas e sistema Android. O próximo modelo terá sete polegadas, com Android, e será lançado no segundo semestre fiscal.
"Na verdade o que estamos vendo é que tablets e notebooks de alguma forma estão convergindo, pois você vê tablets com teclado e notebooks que podem ser separados", comentou Sweet. De acordo com o executivo, a Dell ainda não é tão grande quanto deseja neste segmento e por isso continuará investindo na ampliação do portfólio. "Nossa estratégia é ser provedor líder de soluções de TI e se o PC está declinando, temos outras avenidas para continuar crescendo", acrescentou. Segundo ele, o segmento de softwares, serviços e soluções já representa 40% das receitas globais da Dell. A participação dos clientes empresariais e institucionais chega a 80% dos negócios. (Valor Online – 21/08/2014)

Atividade industrial da China registra menor nível em três meses
SÃO PAULO - A indústria da China reduziu o ritmo de crescimento em agosto, apontou pesquisa divulgada nesta quinta-feira. O índice que mede o desempenho do setor marcou 50,3 na leitura preliminar deste mês, após ficar em 51,7 em julho, conforme levantamento do HSBC/Markit. Apesar da desaceleração, a leitura ainda é positiva - marcas acima de 50 expressam crescimento da atividade.
"O dado sugere que a recuperação econômica continua, mas houve uma diminuição do ímpeto de novo", observou o economista-chefe do HSBC, Qu Hongbin. Para ele, há necessidade de mais apoio de medidas para ajudar a consolidar a tendência de crescimento econômico. "Tanto a política fiscal como a monetária devem permanecer acomodatícias até existir uma recuperação sustentada na atividade econômica", acrescentou.
A leitura preliminar do índice é baseada em 85% a 90% do total de respostas para a pesquisa mensal do HSBC e é divulgada uma semana antes da pesquisa final. (Valor Online – 20/08/2014)

França culpa a União Europeia por problemas econômicos
Paris - O presidente da França, François Hollande, responsabilizou hoje às políticas de austeridade ditadas na União Europeia (UE) pelas dificuldades que atravessa a economia de seu país e pediu medidas comuns para estimular o consumo.
Interrogado pelo jornal Le Monde sobre o não cumprimento de suas promessas de reduzir o déficit e o desemprego, o chefe de Estado galo culpou à conjuntura internacional e europeia.
A instabilidade geopolítica e a continuação da austeridade na UE causaram uma degradação econômica há mais de um ano, argumentou Hollande.
Segundo o governante, nas condições que recebeu seu mandato em 2012 apartar das medidas de ajuste e procurar o crescimento por meio da despesa pública agravaria a dívida e o déficit.
Em lugar disso, o governo francês aplicou em 2013 o orçamento mais restritivo desde o final da II Guerra Mundial e repetiu essa prática no ano atual.
Os resultados, no entanto, foram o estancamento do Produto Interno Bruto (PIB) no primeiro semestre de 2014 e uma alta do índice de greves até níveis nunca vistos no país.
Ademais, a França estará impossibilitada de cumprir o compromisso de rebaixar o déficit público a menos de três por cento do PIB em 2015, o que poderia lhe acarretar sanções financeiras e administrativas.
Hollande anunciou que se reunirá com os representantes dos partidos socialistas do bloco continental na próxima semana para propor uma flexibilização das regras da UE, mas sem constituir uma frente à parte no seio da Comissão Europeia.
Acrescentou que o euro tem um valor muito alto em relação a outras divisas porque "se apreciou exageradamente em comparação à situação econômica da Europa".
Em suas declarações ao jornal vespertino, o presidente também lançou uma advertência aos legisladores de sua formação política que manifestou em público seu descontentamento com o gerenciamento do executivo.
"Não há escapatória. O julgamento em 2017 será ao mesmo tempo sobre o presidente, o governo e a maioria (parlamentar)", disse Hollande a seus críticos.
Nas últimas semanas aumentaram as demandas de um grupo de deputados e senadores do governamental Partido Socialista de mudar o rumo econômico do país e estimular o crescimento do consumo popular e estatal, em lugar de apoiar os responsáveis a abaixar seus gastos. (Prensa Latina – 20/08/2014)

HP tem ganho não esperado de receita com alta de vendas de computadores
Por Edwin Chan
SAN FRANCISCO (Reuters) - A Hewlett-Packard divulgou um aumento surpresa na receita trimestral depois que a receita de sua divisão de computadores pessoais subiu 12 por cento, mas uma receita de estável a declinante em outras unidades ressaltou a difícil batalha da companhia para retomar o crescimento.
As vendas da HP subiram mero 1 por cento para 27,6 bilhões de dólares no terceiro trimestre fiscal ante 27,2 bilhões um ano antes. Analistas de Wall Street, em média, previam um modesto recuo na receita para 27,01 bilhões de dóares.
A gigante do Vale do Silício está passando por uma grande reformulação com o objetivo de reduzir custos e se reorientar em direção a negócios de margens maiores como infraestrutura computacional. A empresa está tentando reduzir a dependência de PCs e se direcionar para servidores, armazenamento e rede para empresas - parte dos esforços da presidente-executiva Meg Whitman de retomar o crescimento da empresa.
Nesta quarta-feira, a HP reduziu estimativas de lucros para o fechado do ano entre 3,70 e 3,74 dólares por ação, ante estimativa anterior de 3,63 a 3,75 dólares. As ações da empresa caíram 0,8 por cento, para 34,84 dólares no after-market.
Acompanhia teve lucro líquido diluído depois de itens de 1,7 bilhão de dólares, ou 0,89 dólar por ação, crescimento de 3 por cento e em linha com estimativas de analistas, de acordo com a Thomson Reuters I/B/E/S (Reuters – 20/08/2014)

Negócio Multilateral
MERCADO ABERTO
Maria Cristina Frias
A rodada de negócios realizada em paralelo à 6ª cúpula dos Brics --bloco econômico que reúne Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul-- gerou US$ 100,5 milhões (aproximadamente R$ 226,1 milhões) em acordos comerciais, segundo a CNI.
O encontro do grupo das principais economias emergentes do mundo ocorreu no mês de julho, em Fortaleza.
Para fechar as parcerias comerciais, as 312 empresas dos cinco países que integram os Brics fizeram 3.390 negociações, afirma a confederação.
A previsão inicial era de que a rodada não passaria de R$ 69 milhões em negócios, aponta balanço da CNI.
Entre os destaques, estão oito acordos fechados no valor de US$ 5 milhões cada um.
As empresas nacionais que participaram da rodada são dos segmentos de alimentos e bebidas, infraestrutura, logística, mineração, energia e serviços, entre outras áreas.
Os acordos comerciais fechados durante o encontro terão duração de 12 meses.
com LUCIANA DYNIEWICZ, LEANDRO MARTINS, ISADORA SPADONI, DHIEGO MAIA e CLÓVIS ROSSI (Folha de SP – 20/08/2014)

Argentina y las trabas al comercio
Para controlar el intercambio comercial, Argentina utiliza principalmente cuatro medidas proteccionistas: dos en materia arancelaria y dos obstáculos técnicos. La Unión Europea, EE.UU. y Japón presentaron denuncias contra ese país ante la Organización Mundial de Comercio (OMC) en 2013 y Uruguay, uno de sus socios en el Mercosur, lo hizo este año. El presidente de la Cámara de Exportadores (Cadex) de Santa Cruz de la Sierra, Wilfredo Rojo, explicó que, en materia arancelaria, Argentina aumentó el arancel NMF (nación más favorecida) del 10,4 por ciento en 2006 al 11,4 por ciento en 2013. También redujo las líneas arancelarias libres de derechos, que pasaron de un 14,6 por ciento el 2006 a 7,5 por ciento del universo arancelario en 2013. Los sectores más protegidos siguen siendo textiles y vestido, calzado y vehículos, entre otras manufacturas.
En materia de obstáculos técnicos al comercio, Argentina introdujo requisitos de registro y de nuevas licencias de importación. Es por eso que el uso de licencias no automáticas se incrementó para un grupo amplio de productos como textiles, autopartes, automóviles y diversas manufacturas.
El presidente de la Cámara Nacional de Exportadores de Bolivia denunció en La Paz que Argentina aplica trabas a los productos nacionales a pesar de existir un acuerdo comercial y explicó que en Argentina quien desee importar bienes tiene que estar vinculado a alguna entidad que exporte, lo que se constituye en un obstáculo. Estas restricciones afectan el comercio bilateral entre los dos países, a pesar de existir acuerdos. A esas dificultades, se suma que las exportaciones pierden competitividad por la inflación y el control de divisas en Argentina. (Clarin – 20/08/2014)

Comércio com Israel cai 18% no ano, mas conflito em Gaza não afeta desempenho
Por Rodrigo Pedroso | De São Paulo
O ruído entre as diplomacias de Brasil e Israel no mês passado e o conflito na faixa de Gaza não afetaram o comércio brasileiro com os israelenses. Apesar da boa notícia, os dados de julho estão em linha com a corrente de comércio do ano, que registra queda de 18% depois de crescer 9% ano passado. Troca de fornecedores por parte de Israel, desaceleração do consumo interno brasileiro e recuo da produção industrial estão entre as principais causas do esfriamento do comércio bilateral.
De janeiro a julho, as exportações a Israel recuaram um quarto em relação a 2013, enquanto as importações retrocederam 21%. De acordo com analistas, os números do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (Mdic) mostram que o conflito entre israelenses e palestinos, condenado pelo Brasil, teve pouca influência no fluxo de comércio entre os países. O resultado das exportações brasileiras, que ficaram em US$ 217 milhões, se deve à retração da demanda israelense por açúcar e carne bovina, os dois produtos mais requisitados dos brasileiros. As exportações à Palestina são bem menores e estão em US$ 15 milhões neste ano, igual valor de 2013, o que sugere influência quase nula do conflito nas trocas.
O aumento de produção de açúcar na Índia e a queda do preço do produto no mercado internacional explicam o recuo de 27% nos embarques de açúcar à Israel, que não passaram de US$ 52 milhões. Analistas acreditam que pode ter ocorrido troca de fornecedor, já que há custos menores com o frete do produto indiano. A venda de carne bovina, que se retraiu em 45% e não passou de US$ 32 milhões, pode ser atribuída a uma flutuação normal de um mercado que não é considerado como prioritário pela indústria brasileira, por causa do tamanho, como é o russo, o chinês ou o venezuelano.
Para Rodrigo Branco, economista e pesquisador da Uerj, o aumento do preço da carne no mercado internacional também pode ter influenciado os israelenses a buscarem outros fornecedores, mais próximos. "Como o volume dessas vendas não é tão substancial, o comércio fica mais suscetível a choques de preços e oscila mais", diz.
Um possível impacto do conflito entre Israel e Palestina no comércio bilateral se traduziria em maior dificuldade de realização de comércio nos portos israelenses, com o consequente aumento do preço do seguro dos fretes e do tempo de embarque e desembarque das mercadorias. Mas esse é um movimento que, se acontecer, não será sentido agora.
José Augusto de Castro, presidente da Associação de Comércio Exterior do Brasil (AEB), não vê impactos significativos. "Guerra sempre provoca algum incômodo. O armador, que é a pessoa que faz o frete, evita correr riscos. O maior problema pode ser o atracamento de navios, mas aparentemente não foi registrado qualquer incidente nas regiões portuárias", afirma.
A câmara de comércio Brasil-Israel diz que o comércio entre os países vinha crescendo nos últimos anos, impulsionado pelo acordo com o Mercosul, e que as relações empresariais não foram afetadas pela instabilidade na região. Jayme Blay, presidente da câmara, afirma que o mercado israelense é atraente pela sua renda per capta, maior do que a da União Europeia (UE). "Não é um mercado tão grande, mas é qualificado, e o empresário é antes de tudo um homem pragmático", diz.
Blay diz que houve incremento nas trocas desde que o acordo com os sul-americanos passou a vigorar, em 2010. Naquele ano, o comércio atingiu US$ 1,3 bilhão. Ano passado ela foi de US$ 1,6 bilhão. A câmara acredita que pode-se chegar a US$ 3 bilhões.
O presidente da câmara ainda cita como empecilho à corrente de comércio a extinção no fim de 2011 do voo direto entre São Paulo e Tel Aviv oferecido por uma companhia aérea israelense. "Era muito mais prático para o contato entre os empresários. Acho que falta um pouco de agressividade ao exportador brasileiro, assim como um pouco de comodismo dos importadores israelenses em buscar outros produtos", diz. (Valor Online – 20/08/2014)

Ann Lee:‘Os Estados Unidos tentarão atrapalhar a China e o Brics’
Professora da Universidade de Nova York diz que Brasil deve aproveitar transição verde na economia chinesa
por Rennan Setti
RIO - Professora da Universidade de Nova York diz que Brasil deve aproveitar transição verde na economia chinesa. Americana nascida na China, a economista Ann Lee dará palestra nesta quarta-feira, no Ibmec do Rio, sobre os desafios que a ascensão chinesa impõe ao mundo.
O que o Brasil pode aprender com a China?
A China tem uma abordagem bastante aberta e experimental à implementação de políticas públicas. Em vez de basear suas escolhas em ideologia, seu método é científico. Eles dizem: “OK, não sabemos se isso vai funcionar, mas vamos tentar em algumas cidades ou províncias”. Depois, um grupo independente de especialistas avalia se aquilo dá certo, como no caso das Zonas Econômicas Especiais. Nos EUA e em outras democracias, as ideias são discutidas mas não são testadas. Além disso, o país tem sido muito sistemático no envio de membros do governo e estudantes ao exterior para experimentar outras culturas e ver como outros países fazem as coisas.
O Brics (que reúne Brasil, Rússia, China, Índia e África do Sul) fundou um banco de desenvolvimento, mas muita gente ainda duvida do seu potencial.
É claro que ainda há muitas diferenças entre o Brics, e histórico de tensões, como entre a China e a Índia. E o Brasil, com exceção do comércio, não se internacionalizou em outras áreas. Essas grandes diferenças podem criar problemas no financiamento de projetos.
Como os EUA viram a criação do banco?
Eles nunca acharam que iria sair do papel, porque os EUA subestimaram a China desde o começo. Eu não descarto a possibilidade de os EUA tentarem atrapalhar a iniciativa. Os americanos têm um histórico nisso, como quando, nos anos 1960, estimulou a Índia a causar problemas à China no Tibete. Os EUA tentarão de tudo para impedir qualquer grupo ou país que tente desafiar sua superioridade militar.
Há uma campanha americana contra a China?
Sim, porque os EUA estão bastante preocupados com a ascensão chinesa. Desde a Segunda Guerra, os americanos são a potência incontestável. E agora, pela primeira vez, há a possibilidade de a China ultrapassá-los na economia daqui a menos de uma geração. Isso perturba especialmente porque os EUA passam por um momento de disfunção política, desindustrialização, imobilidade social e deterioração do padrão de vida.
Uma nova Guerra Fria poderia eclodir?
De certa forma, já estamos nela. O conflito dessa vez é entre Ocidente e Oriente, que inclui muçulmanos, chineses e russos. Mesmo que a China seja muito diferente da União Soviética em termos militares, o modelo de abordagem americana é o mesmo, porque já funcionou.
A China também não teria interesse nessa tensão?
Não, tem zero interesse, porque a China sabe que é completamente vulnerável aos EUA, pois está pelo menos 25 anos atrás em poderio militar. Hoje, seriam completamente destruídos. Os chineses sabem que só poderão continuar crescendo se houver paz no mundo.
É perigoso para o Brasil depender tanto do PIB chinês?
É preciso ter em mente que a China passa por uma transição. O país cresceu rápido com um modelo de exportação, baseado em mão de obra barata, mas isso não funciona mais porque EUA e Europa não estão crescendo e a população está envelhecendo rapidamente. Então, a China precisa depender mais de sua demanda interna. Por isso os veremos importando cada vez mais nas próximas décadas, e isso será uma grande oportunidade para países como o Brasil.
Como o Brasil pode se beneficiar?
As commodities brasileiras continuarão importantes, só que a China reciclará mais. Eles entenderam que o crescimento até aqui não foi sustentável, e o governo passou a direcionar investimentos para energia limpa. Eles já investem mais em energia eólica do que todos os outros países juntos. Uma grande oportunidade para empreendedores são os parques eco-industriais, que terão projetos-piloto em lugares como Beijing e Hubei. E o Brasil tem expertise nessa área.
O Brasil deveria então investir na exportação de produtos tecnológicos ligados à economia verde?
O caminho para o Brasil é realizar pesquisa científica em conjunto com a China nessas áreas. Essa é uma das pontes possíveis para sair do modelo de exportação de commodities para um maior patamar tecnológico. Foi isso o que a China fez com a Alemanha, e é isso o que o Brasil pode fazer com a China.
A economia chinesa está desacelerando. O tempo de crescimento de dois dígitos ficou no passado?
Como eu disse, eles estão passando por uma transição. Quando ela estiver completa, a China pode muito bem decolar de novo, se conseguir reunir todos os talentos necessários para impulsionar o setor de serviços que ainda está muito atrás dos outros. A, China está injetando tanto dinheiro em pesquisa e desenvolvimento que pode surgir de lá, por exemplo, a próxima internet ou algo parecido. (O Globo – 19/08/2014)

Editorial: Velho e lento continente
Se os Estados Unidos dão motivos para otimismo quanto à recuperação de sua economia, com forte geração de empregos, o mesmo não se pode dizer da Europa.
Os resultados recentes do velho continente não foram nada animadores. O PIB da zona do euro estagnou no segundo trimestre, e mesmo a poderosa Alemanha registrou queda de 0,2%, depois de ter avançado apenas 0,7% nos três meses anteriores. Entre os maiores países, só a Espanha conseguiu crescer alguma coisa, 0,6%.
A perspectiva de melhorias na segunda metade do ano fica por ora em suspenso. Ainda é cedo para avaliar o impacto das sanções econômicas impostas pela União Europeia à Rússia, e vice-versa.
Seja como for, verifica-se, entre os adeptos do euro, diferenças de desempenho como consequência da fragmentação financeira –jargão do Banco Central Europeu para designar a aversão das instituições a emprestar para pequenas e médias empresas nos países mais atingidos pela crise de 2008.
Em uma união monetária, não deveria ser assim. Os bancos americanos, por exemplo, não fazem distinções entre uma firma na Califórnia e outra na Flórida; o que importa é a saúde da companhia.
Na Europa, os bancos dos países centrais atraíram depósitos nos últimos anos, mas os recursos não voltam na forma de crédito. O BCE, por isso, tem atuado para ajudar o dinheiro a fluir.
Enquanto isso, a inflação cai. Nos últimos 12 meses, os preços ao consumidor subiram apenas 0,4%, muito aquém da meta do BCE: "abaixo, mas perto de 2%".
Cresce entre os analistas a percepção de que a Europa corre riscos de deflação, o que aumentaria a dificuldade das nações endividadas. Já não se descarta, por isso, que o BCE siga o banco central americano e passe a injetar dinheiro diretamente nos mercados.
No atual contexto, os juros têm sido cada vez menores na Europa. As taxas de longo prazo na Alemanha, por exemplo, encerraram a semana passada abaixo de 1%, o menor nível em séculos –literalmente. O padrão se repete na França, na Holanda e na Itália. Como os mercados financeiros são muito integrados aos dos EUA, lá também o custo do dinheiro cai.
Desde 2013, analistas consideravam um súbito aumento das taxas globais como o principal risco para os emergentes. Até agora, entretanto, a dinâmica tem sido a oposta. A julgar pelo desempenho europeu, a nova tendência terá seu lugar ao sol por algum tempo. (Folha de SP – 19/08/2014)

Samsung mira tablets com preços mais altos
Por Gustavo Brigatto | De São Paulo
Enquanto dezenas de marcas se acotovelam para conquistar um espaço no mercado de tablets baratos, a Samsung quer aproveitar o oceano azul do segmento de produtos mais caros, onde ela só tem praticamente a Apple como competidora. No fim do mês, a companhia coloca no mercado dois novos aparelhos, com preços de R$ 1,8 mil (8,4 polegadas) e R$ 2.049 (10,5 polegadas). "Os produtos mais caros estão acompanhando o crescimento do mercado, não perdem participação", disse Roberto Soboll, diretor de produtos de telecom da fabricante.
De acordo com João Pedro Flecha de Lima, vice-presidente da Samsung, os novos produtos funcionam como um complemento aos itens da que já estão nas lojas. Recentemente, a fabricante lançou o smartphone Galaxy K Zoom, com zoom óptico de até dez vezes. "Com ele você faz imagens de alta qualidade e no Tab S você as exibe com alta resolução", disse. (Valor Online – 19/08/2014)

Chineses ameaçam reinado da Samsung no mercado móvel
BRUNO ROMANI
Apesar de ainda ser a líder mundial na venda de telefones inteligentes, a Samsung vive momentos de preocupação. E o motivo para isso não é a Apple.
Enquanto mirava a rival nos segmentos mais caros de smartphones, a gigante sul-coreana passou a perder território para fabricantes chinesas nos setores mais baratos. Entre os responsáveis pela sangria estão Lenovo, Huawei, ZTE e novata Xiaomi.
No último dia 31, a Samsung revelou os resultados do trimestre fiscal mais recente: em um ano, houve queda de 9% nas vendas e declínio de 20% no lucro. Foi o pior resultado em dois anos.
A empresa alertou que a segunda metade do ano seguirá complicada e lançou dúvidas sobre crescimento no período. O principal motivos seria a concorrência acirrada no mercado de smartphones.
Ao contrário da Samsung, as empresas chinesas estão em um momento de expansão. O caso mais notável é o da Xiaomi, que tem o brasileiro Hugo Barra, ex-Google, como vice-presidente.
Com quatro anos de vida, a empresa atingiu o primeiro lugar do mercado chinês, segundo a consultoria Canalys.
No último trimestre, a Xiaomi vendeu 15 milhões de celulares enquanto a Samsung vendeu 13,2 milhões. No ano passado, esses números eram, respectivamente, 4,4 milhões e 15,5 milhões.
A fabricante chinesa afirma também ter vendido 26,1 milhões de celulares no mundo na primeira metade deste ano, alta anual de 271%. No período, a receita atingiu US$ 5,3 bilhões, o que representa um crescimento de 149%.
O crescimento da Xiaomi tem elementos familiares à Samsung. A empresa é conhecida por oferecer aparelhos com boas especificações a preços baixos, mantendo magras as margens de lucro.
Com a nivelação na qualidade e no acesso de componentes, os fabricantes oferecem aparelhos que são praticamente iguais por dentro. "Proteger as margens nos segmentos mais baratos é infrutífero", escreveu Mark Newman, analista da consultoria Bernstein Research. Para ele, a Samsung foi gananciosa ao tentar uma margem maior enquanto a Xiaomi lança aparelhos bons e baratos.
Além disso, o design dos aparelhos da Xiaomi também parecem inspirados na Apple, o que rendeu aos telefones o apelido de "iPhone chinês". Lei Jun, fundador da companhia, é conhecido como "Steve Jobs da China".
Mas a Xiaomi não é o único problema da Samsung. A consultoria IDC registrou índices positivos no segundo semestre deste ano para outras duas gigantes chinesas.
A Huawei quase dobrou o número de unidades enviadas ao varejo: foram 20,3 milhões de unidades contra 10,4 milhões no mesmo período do ano passado. O resultado garantiu a empresa como a terceira lugar maior fabricante do mundo.
A Lenovo, quarta maior no ranking, enviou 15,8 milhões ante a 11,4 milhões. A Samsung, primeira da lista, foi a única que registrou queda, encolhendo 3,9%.
Como contra-ataque, a sul-coreana anunciou nesta segunda-feira que pretende estabelecer uma fábrica na indonésia para produzir telefones celulares. O país é um dos mercados de maior crescimento do mundo para dispositivos móveis. A Samsung já possui fábricas na China e no Vietnã. (Folha de SP – 19/08/2014)

Argentina vê mercado russo com bons olhos
Buenos Aires - A Câmara de Comércio Argentino-Russa (CCAR) convocou aqui os produtores argentinos a aproveitar a demanda crescente da Rússia, tema hoje de negociações em Moscou de uma delegação empresarial e do Governo Nacional com seus anfitriões.
O amplo mercado russo se abre hoje a novo fornecedores devido ao fechamento disposto pelo presidente Vladimir Putin à entrada durante um ano de importações dos países da União Europeia, Estados Unidos, Austrália e Canadá, como resposta às sanções aplicadas pela crise na Ucrânia.
Este auspicioso cenário de oportunidades no mercado russo foi aproveitado pelo governo e pelas grandes empresas argentinas, que nesta segunda-feira apresentam uma pasta de produtos em uma missão comercial conjunta em Moscou, promovida pela Chancelaria e pela Secretaria de Comércio.
Viajaram a Moscou os ministros de Indústria, Débora Giorgi; de Agricultura, Carlos Casamiquela; e o secretário de Relações Econômicas Internacionais da Chancelaria, Carlos Bianco, entre outros servidores públicos.
A CCAR indicou que desde a sanção comercial à União Europeia e outros países anunciada por Putin foi recebida grande quantidade de pedidos de empresas russas de primeira linha, boa parte delas provedoras de cadeias de supermercados que tinham exclusividade sobre importantes marcas europeias.
Os pedidos feitos pelas empresas russas, à margem do que acontecer na mesa de negociação moscovita, oscilam desde queijos e outros produtos lácteos, massas, vegetais em conserva, confeitaria; a pescados e embutidos.
A decisão do governo russo de proibir as importações dos Estados Unidos, da UE e de seus aliados abriu um mercado de 18 bilhões de dólares, do qual a Argentina, como outros países latino-americanos, querem se beneficiar.
As compras de Moscou à UE no passado ano chegaram a 16,44 bilhões de dólares e aos Estados Unidos, a 1,80 bilhões.
Os cinco principais rubros foram carne - incluindo de gado, aves e porcina -, bebidas, lacticínios e ovos, frutas frescas, e produtos de moenda, com os quais a Rússia gastou mais da metade do total: 9,59 bilhões de dólares. (Prensa Latina – 18/08/2014)

Una política exterior confusa y sin consenso
Roberto García Moritán Ex Vicecanciller
La Argentina y Venezuela caminan cada día por sendas más similares. Esa convergencia se muestra, con mayor frecuencia, también en política exterior.
Quedó atrás la política internacional diversificada y amplia promovida por Néstor Kirchner para, en cambio, dar lugar a polémicas pretensiones contra-hegemónicas. En esta oscilación, que va modificando los paradigmas diplomáticos desde la instauración democrática, el péndulo se ha acercado más a las características del modelo internacional venezolano que al de Brasil.
De ser la Argentina un país cuya diplomacia jugaba un papel constructivo en defensa de valores y principios reconocidos, en favor del equilibro internacional, la consolidación de la integración hemisférica y en iniciativas para promover la paz y el desarme, se ha pasado a una estrategia internacional con un creciente perfil de confusión ideológica como de objetivos.
Uno de los rasgos más visibles, es la utilización de una dialéctica de roces diplomáticos con aquellos a los que considera adversarios o con los que discrepa en cuestiones específicas. Todo ello se encuentra generando un clima de incidentes sin precedentes en la historia diplomática contemporánea post Malvinas.
Uruguay podría ser el ejemplo más lamentable como lo es también el haberse afectado negativamente, en la práctica, la dinámica de profundización del Mercosur como el acercamiento entre el Mercosur y la Alianza del Pacífico, tal como promueven Chile y Brasil. El Mercosur parecería haber dejado de ser para la Argentina el instrumento central de negociación comercial internacional como el núcleo principal de la inserción global.
El grado del diálogo diplomático entre la Argentina y Brasil es hoy, en otro ejemplo, el más pobre en tres décadas. Lo mismo se podría decir respecto a Chile.
La Argentina, como Venezuela, ha iniciado una política de alianzas internacionales que excede lo comercial y que se basa, sin mayor elaboración conceptual, en el acercamiento a los países con menor sintonía con Washington. Las posiciones adoptadas en el tratamiento de la agenda del Consejo de Seguridad de Naciones Unidas, lo dejaría de manifiesto.
Resulta paradójico que se esté imponiendo un proyecto de política exterior que la sociedad política argentina no ha hecho suyo.
Es lamentable que a poco más de 400 días para las elecciones presidenciales, se intente avanzar con una política con capacidad potencial de crear lazos de dependencia estructural. Es hora de evitar aventuras diplomáticas y, en cambio, intentar el rescate de los mecanismos parlamentarios de consenso en la formulación de la política exterior para promover, sin estridencias e improvisaciones, propósitos coherentes que fortalezca y proyecte el interés nacional. Ello también es imprescindible para recuperar confianza. (Clarin – 18/08/2014)

Samsung planeja fábrica de telefones móveis na Indonésia
JACARTA/SEUL - A sul-coreana Samsung Electronics disse nesta segunda-feira que pretende estabelecer uma fábrica para produzir telefones móveis principalmente para a Indonésia, um dos mercados de maior crescimento do mundo para esses dispositivos.
A companhia, que já possui fábricas na China e no Vietnã, não quis revelar o potencial tamanho do investimento. Mais cedo neste ano, a taiuanesa Foxconn Technology Group, uma das principais fornecedoras da Apple, disse estar considerando uma fábrica de 1 bilhão de dólares na Indonésia.
"Temos discutido o nosso plano de produzir telefones móveis para o mercado doméstico com o governo da Indonésia para que possamos atender as necessidades de clientes locais com maior eficiência", disse a Samsung em comunicado enviado por e-mail.
A Samsung pretende elevar gradualmente a capacidade de produção da fábrica em Java Ocidental para 900 mil unidades por mês, disse o diretor geral de indústria de alta tecnologia do ministério da Indonésia, Budi Darmadi, à Reuters.
Espera-se que a companhia sul-coreana comece a produção com capacidade mensal de 100 mil unidades neste ano, acrescentou Darmadi.
Não está claro se a Samsung produzirá celulares ou smartphones, ou ambos, na fábrica.
(Por Eveline Danubrata e Hyunjoo Jin) (Reuters – 18/08/2014)

Samsung compra startup de automação doméstica SmartThings
SAN FRANCISCO - A Samsung Electronics vai adquirir a SmartThings, uma startup apoiada pelo cofundador do PayPal, Max Levchin, que ajuda a conectar dispositivos domésticos, uma de suas maiores aquisições de startups nos Estados Unidos até hoje.
A fabricante sul-coreana de eletrônicos se junta às rivais pesos-pesado de tecnologia Apple e Google na exploração de maneiras de integrar dispositivos domésticos conectados, como termostatos e luzes com aplicativos móveis, uma tendência comumente chamada de "Internet das Coisas".
A Samsung não revelou os detalhes financeiros. No entanto, o blog TechCrunch relatou em julho que a Samsung estava em discussões para pagar mais de 200 milhões de dólares pela startup com 2 anos de idade e 55 funcionários, que já levantou 15,5 milhões de dólares de capital de risco da Greylock e com o investidor russo Yuri Milner, entre outros.
A SmartThings, que permite que pessoas usem um aplicativo móvel para controlar dispositivos conectados, diz que tem cerca de 5 mil desenvolvedores construindo dispositivos que se conectam à sua plataforma aberta. A empresa continuará operando independentemente mas mudará sua sede de Washington, D.C. para Palo Alto, na Califórnia.
Alguns executivos de tecnologia e telecomunicações veem o mercado de dispositivos domésticos "inteligentes", ou conectados, como posicionado para um boom.
Fabricantes estão lançando alarmes contra ladrões, televisões e interruptores de luz conectados à Internet. Mas, como no início da época de gravadores de fitas cassete, os produtos domésticos inteligentes atuais normalmente são incompatíveis uns com os outros.
A SmartThings, subsidiária da Physical Graph Corp, teve seu início como um projeto financiado coletivamente através do Kickstarter em 2012. (Por Edwin Chan) (Reuters – 18/08/2014)

Britânica Vesuvius comprará negócio da Ecil no Brasil
A Vesuvius disse que concordou em comprar empresas no Brasil e nos Estados Unidos por um total de cerca de 30 milhões de libras (50 milhões de dólares) para reforçar a sua posição como um provedor de serviços técnicos para as indústrias de aço e de fundição.
A empresa, que vendeu seus negócios não essenciais para focar nos mercados de aço e de fundição no ano passado, disse nesta segunda-feira que a compra da empresa baseada no Brasil Ecil Met Tec e da californiana Process Metrix deve colaborar para seu resultado em 2015.
A Ecil Met Tec, parte do Grupo Ecil do Brasil, faz termopares usados para medir a temperatura do metal fundido no processo de produção de aço.
A empresa tem operações no Brasil e nos Estados Unidos.
A Process Metrix fornece unidades de laser usadas para medir o desgaste refratário em recipientes utilizados na produção de aço. (Reportagem de Esha Vaish em Bangalore) (Reuters – 18/08/2014)

Eletrônicos para controlar a quantidade de mordidas e a rapidez com que comemos
Sumathi Reddy
O Bite Monitor, desenvolvido por professores da Clemson University, ajuda a calcular quantas mordidas o usuário dá por dia. Para perder peso, segundo os pesquisadores, o idel é não passar de 100 mordidas diárias. Clemson University
Na busca incessante por fórmulas eficientes para a perda de peso, vários pesquisadores estão desenvolvendo ferramentas que contam o quanto e com que rapidez nós comemos.
O "Bite Monitor", (algo como Monitor de Mordida, em tradução livre), usado no pulso como um relógio, conta o número de mordidas que a pessoa dá. O pressuposto atual é que 100 mordidas por dia é ideal para que os homens e mulheres percam peso, segundo pesquisadores da Universidade Clemson, do Estado americano da Carolina do Sul, que criaram o dispositivo. O conceito será testado em breve num estudo financiado pelo Instituto Nacional de Saúde dos Estados Unidos, ou NIH, na sigla em inglês.Um produto comercial pode estar pronto em um ano e deverá custar cerca de US$ 195.
A Mando Group AB, empresa de saúde de Estocolmo, na Suécia, desenvolveu um prato "falante" que mede a rapidez com que a pessoa come e avalia se ela está saciada. Deve estar no mercado este ano por aproximadamente US$ 250.
Já está à venda o garfo HAPIfork, que vibra e pisca uma luz vermelha se as mordidas forem espaçadas por menos de dez segundos. O garfo, lançado no ano passado pela Hapilabs Ltd., de Hong Kong, é vendido on-line e em algumas lojas de varejo por US$ 99.
"Se você está comendo muito rápido, provavelmente não está mastigando bem nem desfrutando da comida e provavelmente" vai acabar comendo demais, diz Michael Jensen, endocrinologista e especialista em obesidade da Clínica Mayo, em Rochester, no Estado americano de Minnesota.
Comer mais devagar, em pequenos bocados e mastigar mais são componentes importantes no controle e manutenção do peso que devem ser incentivados, dizem especialistas. Eles também acreditam que comer mais devagar beneficia a digestão, reduz problemas como o refluxo ácido e permite maior absorção dos nutrientes.
"Há comprovações muito fortes que apontam para a importância da mastigação", diz Kathleen Melanson, diretora do Laboratório de Equilíbrio Energético da Universidade de Rhode Island, que pesquisa a saciedade e outras questões alimentares. "Os nervos presentes nos músculos da mandíbula se conectam com as áreas de saciedade no cérebro", diz ela.
Num estudo feito por pesquisadores chineses, publicado no "American Journal of Clinical Nutrition", em 2011, as pessoas que mastigavam a comida 40 vezes — um número excepcionalmente elevado — em vez de 15 vezes consumiam menos calorias e tinham níveis mais baixos do hormônio grelina, que estimula o apetite, e níveis mais altos de um hormônio que reduz o apetite.
Os especialistas dizem que não há um número mágico para quantas vezes se deve mastigar o alimento. As recomendações comuns variam de 10 a 20 mastigações por bocado para ajudar a perder peso e melhorar a digestão.
A pesquisa de Melanson também indica um dos motivos pelos quais os alimentos sólidos parecem nos deixar mais saciados. "A mastigação mais demorada, necessária para os alimentos sólidos, pode contribuir para o efeito de saciedade", diz.
O "prato falante" do Mando Group consiste em um prato, uma pequena balança e uma telinha computadorizada. Coloca-se o prato na balança e o computador controla quanto tempo se leva para comer. Se a pessoa está comendo muito rápido, uma voz dá um lembrete para comer mais devagar. O dispositivo também pergunta, a intervalos regulares, até que ponto você se sente satisfeito ou "cheio", para avaliar o grau de saciedade. As pesquisas da empresa constataram que o tempo médio para se ingerir o alimento do prato, entre 300 a 350 gramas, é de 12 a 15 minutos. Quem exceder isso em cerca de 20 gramas por minuto é solicitado a comer mais devagar.
"Descobrimos que a rapidez com que se come é muito, muito mais importante do que aquilo que você realmente põe no prato", diz Cecilia Bergh, diretora-presidente e uma das fundadoras do Mando Group.
Uma subsidiária da empresa tem clínicas de perda de peso, incluindo uma em Nova York, que usam o sistema de monitoramento da alimentação em seus programas de tratamento. Uma nova versão do prato falante, que deve estar no mercado ainda este ano por cerca de US$ 250, terá uma conexão sem fio entre a balança e um aplicativo de smartphone.
Um estudo aleatório controlado por Bergh e outros descobriu que, entre 106 crianças obesas, as que usaram o sistema do prato falante perderam cerca de três vezes mais peso do que as outras que receberam apenas conselhos sobre alimentação e exercícios. O estudo, publicado no "British Medical Journal", em 2010, foi financiado pela BUPA Foundation, empresa internacional de assistência médica e seguro-saúde.
O "Bite Monitor" adota uma abordagem mais simples, contando apenas as mordidas. Para chegar a um suposto ideal de 100 por dia, os pesquisadores da Universidade de Clemson monitoraram o número de mordidas dadas por 77 pessoas durante duas semanas, segundo um estudo publicado em março no "Journal of the Academy of Nutrition and Dietetics".
Os pesquisadores calcularam que o número médio de calorias por bocado foi de 17 para os homens e 11 para as mulheres. Se uma pessoa der 100 mordidas por dia, o resultado será uma ingestão calórica diária de cerca de 1.700 calorias para homens e 1.100 calorias para mulheres, metas que representam uma dieta pouco calórica, segundo os padrões da NIH. O consumo de calorias por mordida foi o mesmo, quer os participantes estivessem acima do peso ou não.
"É mais ou menos um pouco como um pedômetro para a boca", diz Eric Muth, professor de psicologia na Clemson que criou o dispositivo juntamente com Adam Hoover, professor de engenharia da computação. O monitor de mordidas, parecido com um relógio feio, mede movimentos sutis do pulso para detectar quantas vezes se leva o alimento à boca com uma precisão de 90%, segundo os pesquisadores.
Um estudo-piloto feito na Universidade de Clemson e apresentado na reunião anual da Sociedade de Obesidade do ano passado parece confirmar que contar quantas vezes a pessoa mastiga ajuda a perder peso, exercendo mais efeito do que o verificado em outras pessoas que não estão conscientes da sua mastigação. Embora a diferença na perda de peso entre os dois grupos não fosse tão grande, Muth diz que os resultados justificam novas pesquisas.
Segundo Muth, a equipe está agora elaborando um estudo com financiamento da NIH para testar a eficácia da dieta das 100 mastigações. Uma descoberta já foi feita: fazer as pessoas se limitarem a 100 mordidas por dia parece não funcionar se a contagem começa a partir do zero. Os pesquisadores pretendem pedir aos participantes do estudo que façam uma contagem regressiva a partir de 100.
"Cem mordidas é realmente um ponto de partida médio", diz Muth. "Não vai dar certo para todos."
Jensen, da Clínica Mayo, questionou a utilidade de contar as mordidas. Morder uma pizza é muito diferente de morder uma salada, ressalta ele. Os bocados também podem ter tamanhos diferentes, e restringir as pessoas a 100 mordidas por dia poderia até incentivá-las a dar mordidas maiores, diz.
Muth diz que contar mordidas é uma técnica fácil de usar. "Nossa premissa com a dieta da contagem de mordidas é que estamos tentando levar você a empurrar o prato um pouquinho para longe", diz. "Pode-se fazer muita coisa com as mordidas. É muito simples e as pessoas compreendem."
Mesmo assim, está em elaboração uma versão mais sofisticada do monitor que também calcula a velocidade da alimentação, medindo os intervalos entre as mordidas. Muth diz que a equipe de pesquisa, trabalhando com Melanson, da Universidade de Rhode Island, espera lançar o novo dispositivo em cerca de um ano. Será comercializado pela Bite Technologies, empresa fundada por Muth e Hoover.(The Wall Street Journal – 18/08/2014)

Superávit comercial da zona do euro alcança 16,8 bi de euros em junho
SÃO PAULO - A balança comercial da zona do euro foi superavitária em 16,8 bilhões de euros em junho, ante saldo positivo de 15,7 bilhões de euros um ano antes. Em maio de 2014, o superávit correspondeu a 15,4 bilhões de euros. Os dados fazem parte de pesquisa preliminar da agência de estatísticas Eurostat.
Em junho, as exportações da zona do euro somaram 162,2 bilhões de euros e as importações, 145,4 bilhões de euros. Um ano antes, se situavam em 157,6 bilhões de euros e 141,9 bilhões de euros.
No primeiro semestre de 2014, o saldo comercial foi positivo em 79 bilhões de euros, superior aos 71,2 bilhões de euros registrados nos primeiros seis meses do calendário anterior. As exportações avançaram quase 1%, para 948,4 bilhões de euros.
No caso da União Europeia, o superávit comercial de 2,9 bilhões de euros registrados em junho deste ano foi inferior àquele apurado no mesmo intervalo de 2013, de 8,6 bilhões de euros. Em maio de 2014, o superávit tinha sido de 500 milhões de euros. (Valor Online – 18/08/2014

Una política exterior confusa y sin consenso
Roberto García Moritán Ex Vicecanciller
La Argentina y Venezuela caminan cada día por sendas más similares. Esa convergencia se muestra, con mayor frecuencia, también en política exterior.
Quedó atrás la política internacional diversificada y amplia promovida por Néstor Kirchner para, en cambio, dar lugar a polémicas pretensiones contra-hegemónicas. En esta oscilación, que va modificando los paradigmas diplomáticos desde la instauración democrática, el péndulo se ha acercado más a las características del modelo internacional venezolano que al de Brasil.
De ser la Argentina un país cuya diplomacia jugaba un papel constructivo en defensa de valores y principios reconocidos, en favor del equilibro internacional, la consolidación de la integración hemisférica y en iniciativas para promover la paz y el desarme, se ha pasado a una estrategia internacional con un creciente perfil de confusión ideológica como de objetivos.
Uno de los rasgos más visibles, es la utilización de una dialéctica de roces diplomáticos con aquellos a los que considera adversarios o con los que discrepa en cuestiones específicas. Todo ello se encuentra generando un clima de incidentes sin precedentes en la historia diplomática contemporánea post Malvinas.
Uruguay podría ser el ejemplo más lamentable como lo es también el haberse afectado negativamente, en la práctica, la dinámica de profundización del Mercosur como el acercamiento entre el Mercosur y la Alianza del Pacífico, tal como promueven Chile y Brasil. El Mercosur parecería haber dejado de ser para la Argentina el instrumento central de negociación comercial internacional como el núcleo principal de la inserción global.
El grado del diálogo diplomático entre la Argentina y Brasil es hoy, en otro ejemplo, el más pobre en tres décadas. Lo mismo se podría decir respecto a Chile.
La Argentina, como Venezuela, ha iniciado una política de alianzas internacionales que excede lo comercial y que se basa, sin mayor elaboración conceptual, en el acercamiento a los países con menor sintonía con Washington. Las posiciones adoptadas en el tratamiento de la agenda del Consejo de Seguridad de Naciones Unidas, lo dejaría de manifiesto.
Resulta paradójico que se esté imponiendo un proyecto de política exterior que la sociedad política argentina no ha hecho suyo.
Es lamentable que a poco más de 400 días para las elecciones presidenciales, se intente avanzar con una política con capacidad potencial de crear lazos de dependencia estructural. Es hora de evitar aventuras diplomáticas y, en cambio, intentar el rescate de los mecanismos parlamentarios de consenso en la formulación de la política exterior para promover, sin estridencias e improvisaciones, propósitos coherentes que fortalezca y proyecte el interés nacional. Ello también es imprescindible para recuperar confianza. (Clarin – 18//08/2014)

Venda mundial de smartphones subiu 25% no segundo trimestre, diz IDC
SÃO PAULO - As vendas de smartphones ultrapassaram a marca de 300 milhões de unidades no segundo trimestre em todo o mundo, o que significa um crescimento de 25% em relação ao ano passado, segundo a empresa de consultoria IDC.
De acordo com os dados, os sistemas operacionais Android, do Google, e iOS, da Apple, têm 96% do mercado mundial. O Android é o líder com folga, com uma fatia de 84,7% do mercado de smartphones no segundo trimestre, contra 11,7% do iOS e 2,5% do Windows Phone, da Microsoft.
A BlackBerry tem 0,5% do mercado, e outros sistemas operacionais têm uma fatia de 0,6%.
O levantamento mostra que os aparelhos equipados com Android foram os grandes responsáveis pelo crescimento, com venda de cerca 255 milhões de aparelhos em o sistema operacional do Google no segundo trimestre, um aumento de 33,3% sobre o ano passado.
A alta pode ser atribuída à expansão de mercados emergentes. A Apple, por exemplo, conseguiu manter uma alta demanda pelo iPhone nos países dos Brics (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul). Recentemente a empresa afirmou ter crescido 55% nesses mercados.
A IDC disse que o iOS viu sua participação no mercado cair apesar de registrar um crescimento de 12,7% nas vendas em relação ao último ano.
A Samsung respondeu por 29,3% das vendas de smartphones com Android no último trimestre, uma queda em relação à participação de 40% há dois anos. A queda da empresa coreana entre os fabricantes de Android também é reflexo do crescimento dos concorrentes chineses, que ajuda a explicar a alta no mercado.
A Lenovo, por exemplo, anunciou na semana passada um aumento de 18% na receita de seu trimestre fiscal mais recente. De acordo com a companhia, o lucro no sudeste asiático, no leste europeu e na América Latina cresceu 23%.
Em julho a também chinesa Huawei afirmou que as vendas no Oriente Médio e na África cresceram seis vezes no primeiro semestre no ano. Geralmente as fabricantes chinesas oferecem aparelhos com Android. (Valor Online – 17/08/2014)

A Argentina enfrenta uma crise da dívida que vai durar pelo menos até 2015
O fracasso dos bancos internacionais para solucionar o conflito com os 'fundos abutres' eleva a pressão sobre a divisa argentina e abre as portas para outra forte desvalorização como a de janeiro
A.R. Buenos Aires
A Argentina entrou no último dia 30 de julho em uma crise da dívida que os mercados apostavam que seria curta, durando só uns dias ou semanas. Confiavam nas gestões que quatro bancos internacionais — Citigroup, JP Morgan, HSBC e Deutsche Bank — tinham iniciado aquele dia para comprar a dívida argentina em default desde 2001 em poder dos fundos abutre norte-americanos e desativar assim o bloqueio judicial dos EUA que rege sobre o pagamento do passivo refinanciado em 2005 e 2010 até que os investidores especulativos sejam pagos. Mas a gestão dos bancos internacionais fracassou, segundo certificou nesta sexta-feira o fundo NML. E agora analistas preveem que esta situação, que o governo da peronista Cristina Kirchner se nega a considerar default parcial da dívida reestruturada, irá se estender pelo menos até janeiro de 2015.
A presidenta se negou a pagar os fundos abutres com dois argumentos. O primeiro é que 7,6% dos detentores da dívida em default de 2001 que rechaçou a reestruturação de 2005 e 2010 não deve se beneficiar com o pagamento de 100% do reclamado quando o restante 92,4% que aceitou esse refinanciamento se resignou a um desconto que em 2005 era de 65% e que, na atualidade, pela apreciação dos títulos da Argentina nos últimos anos, equivale a 25%.
O segundo argumento para não pagar os fundos abutres é que até o dia 31 de dezembro próximo rege uma cláusula pela qual se a Argentina oferece uma melhor compensação aos que se opuseram ao desconto, deve propor o mesmo aos que a aprovaram. Isso se traduziria em um desembolso multimilionário, que significaria o fim da reestruturação que permitiu a recuperação econômica do país depois da profunda crise política e socioeconômica de 13 anos atrás.
A data limite para essa cláusula de igual pagamento a todos os credores, fixada em 31 de dezembro, é o que faz pensar em um limite à crise da dívida até janeiro de 2015. Mas a dúvida dos investidores - inclusive os bancos internacionais que queriam comprar a dívida dos abutres - é se, mesmo neste momento, o governo de Cristina Fernández de Kirchner poderia continuar se aferrando ao primeiro de seus argumentos e não pagar a dívida, segundo explica um informe da consultora ACM. A presidenta argentina finaliza seu mandato em dezembro de 2015, o que leva a colocar janeiro de 2016 como possível data final para a crise, quando já esteja governando o vencedor dos comícios presidenciais de outubro do ano que vem.
Os mercados esperavam uma crise de dívida que duraria poucas semanas, mas agora preveem que ela continuará pelo menos até janeiro.
Depreciação de 11% em uma semana
Com a perspectiva de que o default se estenderá no tempo, o peso começou a se desvalorizar nos mercados cambiários paralelos ao controlado mercado oficial. Os investidores esperavam que uma resolução da crise da dívida provocasse uma entrada de capitais na Argentina, que agora ficou descartada. Além da subida da cotização do dólar no pequeno mercado ilegal, também se incrementou na última semana ao redor de 11%, chegando a 11,70 pesos por dólar, no mercado em que empresas e investidores sofisticados compram divisas no estrangeiro mediante a triangulação com ações e títulos.
Estes movimentos criam expectativas de depreciação da moeda argentina no mercado oficial, no qual o dólar cotiza a 8,28 pesos. Já aconteceu em janeiro passado, mês que tinha começado com a moeda norte-americana a 6,51 pesos no mercado regulado e terminou acima dos oito pesos. Quando há perspectivas de desvalorização, os exportadores agrícolas atrasam suas vendas e os importadores tentam adiantar as compras.
Agora soma-se o fato de que a soja, principal exportação da Argentina, está sofrendo a mesma queda de preço que as outras matérias-primas, o que afeta também o resto da América Latina. A economia do Brasil, maior comprador de manufaturas exportadas pela Argentina, está estancada. Neste contexto, o Banco Central atrasou a venda de divisas a empresas que importaram bens no valor de quatro bilhões de dólares. As indústrias, incluídas a de automóveis, reclamaram que a restrição de importações excluía a de insumos para sua produção.
Risco de maior inflação
Uma nova desvalorização como a de janeiro voltaria a elevar a inflação, que na atualidade supera 31%, aprofundaria a recessão - em maio passado, a atividade caiu 0,2% em relação ao mesmo mês do ano anterior - e afetaria a classe média e os mais pobres.
Com essa perspectiva, o governo da Argentina está adotando medidas para evitar uma maior contração econômica. Anunciou a ampliação do subsídio a empresas com risco de demissões e a construção de 105.000 moradias sociais até 2015, elevou o gasto público em 56% em junho passado e diminuiu as taxas de juros, o que foi interpretado como uma vitória do ministro de Economia, o heterodoxo de esquerda Axel Kicillo, sobre o presidente do Banco Central, Juan Carlos Fábrega, mais conservador. O Executivo, além disso, impulsionou reformas das leis de defesa do consumidor e do abastecimento que elevam os controles sobre o fornecimento das empresas.
Diversas pesquisas mostram que a presidenta argentina recuperou popularidade por sua postura firme contra os fundos abutres, mas também apontam que a população teme que o default da dívida tenha consequências negativas para a economia. Dentro de apenas um ano serão realizadas as primárias presidenciais, que serão centrais para as eleições gerais, e na disputa, o kirchnerismo puro ainda precisa encontrar um candidato para vencer em sua Frente para a Victoria o governador da província de Buenos Aires, Daniel Scioli, um peronista fiel aos Kirchner, mas que analistas situam mais próximo em termos ideológicos a outros dois dos aspirantes com mais apoio, o deputado peronista opositor Sergio Massa e o prefeito de Buenos Aires, o conservador Mauricio Macri. (El Pais – 17/08/2014)

Marrocos tem déficit comercial de us$ 14 bilhões
A balança comercial do Marrocos registrou déficit de 116,7 bilhões de dirhans marroquinos (quase US$ 14 bilhões pelo câmbio atual) de janeiro a julho, resultado relativamente estável em comparação com o do mesmo período do ano passado, que foi de 117,4 bilhões de dirhans (pouco mais de US$ 14 bilhões), segundo informações do governo do país. Segundo informações do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior do Brasil (MDIC), as exportações brasileiras ao Marrocos renderam US$ 239 milhões de janeiro a julho, uma queda de 36% em relação ao mesmo período do ano passado. Os principais itens embarcados foram açúcar e grãos. Já as importações brasileiras de produtos marroquinos somaram US$ 676 milhões, um recuo de 9,5% na mesma comparação, de acordo com o MDIC. Os principais itens da pauta foram adubos e fertilizantes, naftas e sardinhas, segundo informações divulgadas pela ANBA. (Agência Anba – 17/08/2014)

OMC


Veja mais

Argentina perde disputa na OMC por criar barreiras a importações
Reclamação havia sido aberta por União Europeia, Estados Unidos e Japão. País ainda pode recorrer
GENEBRA - Em meio à guerra dos bônus soberanos com os “fundos abutres” e já declarada em calote técnico, a Argentina foi derrotada em mais uma disputa: desta vez, na Organização Mundial do Comércio (OMC), informou a entidade nesta sexta-feira. A queixa foi aberta pela União Europeia, pelos Estados Unidos e pelo Japão por restrições comerciais impostas pelo país sul-americano em fevereiro de 2012.
A OMC decidiu que a Argentina violou regras do comércio internacional ao implementar licenças não-automáticas de importação para proteger a sua economia frágil.
As regras exigem um registro prévio, revisão e aprovação de cada transação importante, afirmaram os representantes dos países, em um comunicado conjunto entregue ao Conselho de Bens da OMC pelo embaixador dos EUA para a agência, Michael Punke. Além disso, foi criada a obrigação de que empresas do país exportem o mesmo valor em mercadorias que importem.
A economia do país sul-americano entrou em recessão no primeiro trimestre e seu superávit comercial está definhando devido às exportações fracas.
A decisão da OMC já era esperada pelo governo argentino, Há dez dias, o secretário de Comércio, Auguso Costa, afirmou ao jornal "Clarín" que a derrota na OMC "não geraria consequências de curto prazo para o sistema de comércio".
Representantes do setor, no entanto, já preveem um prejuízo em decorrência da derrota.
— Poderia afetar entre um terço e um quarto de nossas exportações. A Argentina poderia perder até US$ 5 bilhões, e começaremos a sentir esta perda até o fim do ano — disse Miguel Ponce, representante da Câmara de Importadores da Argentina ao diário local.
O governo argentino pode recorrer da decisão do painel. Se a Argentina perder este recurso e mantiver suas restrições ao comércio, os países que reclamaram podem pedir a autorização da OMC para impor sanções comerciais ao país. Este processo pode demorar pelo menos um ano.
A decisão tem 170 páginas e pede, veementemente, que o governo de Cristina Kirchner ajuste seu comércio às regras internacionais.
Segundo jornal argentino "Clarín", o Departamento de Comércio dos Estados Unidos afirmou que a decisão é "uma vitória para os trabalhadores americanos, os industriais e os agricultores". E acrescentou: "As medidas protecionistas argentinas prejudicam um amplo segmento das exportações americanas, afetando potencialmente bilhões de dólares em exportações dos Estados Unidos". E alertou que o governo de Barack Obama fará cumprir os direitos de seu país nos acordos comerciais. (O Globo – 22/08/2014)

China hopes WTO can "resolve differences" and sign deal
BEIJING (Reuters) - China said on Monday it regretted World Trade Organisation members had failed to reach an agreement on simplifying global customs rules, a breakdown it said could damage multilateral trade.
India last month torpedoed a global deal to standardise and streamline customs regulations, known as "trade facilitation", after it demanded more freedom to subsidise and stockpile food grains than is allowed by WTO rules.
Many WTO member states, including the United States, voiced frustration after India's demands led to the collapse of what was the first major global trade reform pact in two decades.
WTO ministers had already agreed to the global reform of customs procedures in Bali last December, but were unable to overcome India's last-minute objections by the July 31 deadline.
"China hopes all parties can quickly resolve differences and find a way out of the impasse," Chinese Commerce Ministry spokesman Shen Danyang told reporters at a monthly press briefing, adding it was "worried" about the possible negative impact on multilateral trade and Doha round negotiations, referring to the latest round of talks.
"China ... has called for all related parties to push forward the implementation of the Bali ministerial conference and work out a balanced, practical work plan within this year to lay a foundation for wrapping up the Doha round," Shen said.
India has said it believed it could convince other members that its need for more leeway on food subsidies was legitimate, and has said a deal could be signed as early as September if its concerns were addressed.
Most diplomats had expected the pact to be rubber-stamped, marking a unique success in the WTO's 19-year history which, according to some estimates, would add $1 trillion and 21 million jobs to the world economy. India calls these estimates highly exaggerated.
India blocked the text because it wanted more attention paid to its concerns over WTO limits on stockpiling of food which will ultimately hit its subsidised food distribution programme, the world's largest, targeted at nearly 850 million people.
(Reporting by Michael Martina and Aileen Wang; Editing by Nick Macfie) (Reuters – 18/08/2014)

Outros


Veja mais

Bancos centrais avaliam as opções para dar estímulo à economia global
Por Jon Hilsenrath | The Wall Street Journal, de Jackson Hole, Wyoming
As principais autoridades dos bancos centrais do mundo todo, reunidos esta semana em Wyoming, nos Estados Unidos, têm de confrontar uma economia global que mais uma vez desaponta, tornando-as relutantes em alguns pontos e incapazes em outros de fechar as torneiras de dinheiro fácil empregado desde 2008 para impulsionar o crescimento.
As autoridades do Federal Reserve Bank, o banco central americano, - confusas com uma combinação de baixo crescimento econômico e uma taxa elevada de contratação pelas empresas - estão esperando por mais evidências de que a melhora do mercado de trabalho continuará antes de decidirem elevar os juros de curto prazo.
Em outros países, as autoridades estão discutindo se devem fazer mais, não menos. A China - a segunda maior economia mundial, depois dos EUA - tem tido dificuldades para atingir a meta de crescimento do governo e alguns analistas estão prevendo cortes nos juros. O Japão, a terceira maior economia, segue titubeante depois do governo elevar os impostos sobre bens de consumo e o Banco do Japão segue adiante com seu programa de compra de títulos de dívida destinado a impulsionar o crescimento. A Alemanha, no quarto lugar, registrou contração no segundo trimestre e o Banco Central Europeu faz experimentos no terreno de juros negativos. A economia britânica é talvez a de melhor desempenho do mundo desenvolvido atualmente, mas o líder de seu banco central reluta em elevar os juros de curto prazo.
"A recuperação global decepciona", disse Stanley Fischer, vice-presidente do Fed, em discurso em Estocolmo no início do mês. "Com poucas exceções, o crescimento nas economias desenvolvidas ficou abaixo das expectativas à medida que saem da recessão."
Isso coloca os bancos centrais em uma posição incômoda. Muitos temem que os juros baixos que eles estão empregando para encorajar os empréstimos e impulsionar o crescimento podem criar uma nova bolha financeira. Em lugares como Londres e Vancouver, os preços de imóveis explodiram e as autoridades do Fed estão assistindo, desconfortáveis, um boom na emissão de títulos de dívida reestruturados e de outros instrumentos financeiros de alto risco nos EUA. No momento, elas dependem de políticas regulatórias não testadas para prevenir outra crise e manter os juros baixos.
O Fed caminha para encerrar seu programa de estímulo de recompra de títulos em outubro. As autoridades apontam meados de 2015 - e possivelmente mais tarde - para o início da elevação dos juros de curto prazo. O rápido declínio da taxa de desemprego americano, para 6,2% em julho ante mais de 7% há um ano, combinado com a melhora de outros indicadores do mercado de trabalho e aumento discreto da inflação, criou um acirrado debate dentro do Fed sobre um aumento antecipado dos juros, possivelmente em março de 2015.
No momento, entretanto, as autoridades do Fed querem mais provas de que os avanços do mercado de trabalho podem ser sustentados. "A maioria dos participantes indicou que qualquer mudança em suas expectativas sobre o momento apropriado para o primeiro aumento na taxa dos fundos federais depende de mais informações", segundo a ata da reunião de julho do Fed.
A presidente do Fed, Janet Yellen, deve estabelecer o tom da reunião desta semana nas declarações que fará hoje sobre o desempenho do mercado de trabalho. Em grande parte do ano, ela apontou fraquezas no mercado de trabalho americano - como uma abundância de trabalhadores de meio período que querem trabalhar em tempo integral - que estariam mantendo em baixa o crescimento da inflação e dos salários.
No Reino Unido, o Banco da Inglaterra também está cauteloso. O Fundo Monetário Internacional estimou que o Reino Unido é a economia desenvolvida com mais rápido crescimento em 2014, depois de vários anos próximo à estagnação. O BC espera um crescimento da economia britânica de 3,5% este ano, segundo sua mais recente previsão.
Duas das nove autoridades do Banco da Inglaterra - Martin Weale e Ian McCafferty - pediram este mês por um aumento de 0,25 ponto percentual no juro de referência para manter a inflação na meta, segundo registros das discussões. Mas o presidente do banco, Mark Carney, acredita que um aumento do juro agora seria prematuro e a maioria de seus colegas concorda.
O desafio crescente da China foi ressaltado por dados industriais mais fracos que o esperado. "A recuperação econômica segue, mas seu ritmo diminuiu de novo", disse o economista do HSBC, Qu Hongbin, sobre o índice dos gerentes de compras do setor manufatureiro da China, que caiu em agosto para uma mínima de três meses.
O morno indicador foi divulgado uma semana depois de o Banco Popular da China acionar o alarme ao informar que sua medida mais ampla de novos empréstimos caiu cerca de 65% em julho ante o mês anterior, sugerindo que o programa de "miniestímulos" com investimentos em infraestrutura, transporte e tecnologia da informação e um afrouxamento da liquidez pelo banco central fez pouco para impulsionar a economia.
"Nós mantemos nossa previsão de dois cortes nos juros" no segundo semestre "para aliviar a carga de dívida, sustentar a demanda e reduzir os riscos financeiros", informou o Barclays em relatório elaborado após a divulgação dos dados.
O Banco do Japão se uniu tardiamente aos estímulos dos bancos centrais do mundo depois da crise financeira de 2008. Em contraste com o Fed, ele está nos estágios iniciais de um programa de compra de ativos, cuja meta é impulsionar o crescimento. O grande debate no Japão agora não é sobre se o banco central vai reduzir o programa, mas se ele não deveria expandi-lo, já que dados recentes mostram que as medidas em andamento não têm sido eficazes. (Colaboraram Jason Douglas e Jacob M. Schlesinger.) (Valor Online – 22/08/2014)

‘Emergentes não podem liderar a recuperação da economia global’
A opinião é do economista indiano Deepak Nayyar, ressaltando que esses países não têm como repetir os Estados Unidos do século XX
*Shobhan Saxena, especial para o Brasil Econômico
Deepak Nayyar é um dos mais influentes economistas indianos, especializado em comércio internacional, desenvolvimento, e questões relacionadas à globalização. Professor emérito da Universidade Jawaharlal Nehru, em Nova Delhi, ele participou do segundo Congresso Internacional Centro Celso Furtado, no Rio, com a palestra “Um novo desenvolvimento para uma nova democracia”. Nayyar afirma que o crescimento econômico das economias emergentes já começa a mudar o equilíbrio do poder econômico mundial. Mas isso não significa que esses países possam liderar a recuperação da economia global, já que eles não podem oferecer recursos para investimentos, financiamento para desenvolvimento ou tecnologia, como os Estados Unidos fizeram no século 20.
Há uma percepção de que o Brics ( Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul) é importante porque a China e outros emergentes podem impulsionar o crescimento global e liderar uma recuperação econômica. Isso é correto?
É verdade que o rápido crescimento da China já é um apoio ao crescimento no mundo até agora como mercado para exportação, enquanto Índia e Brasil tem potencial para oferecer apoio similar. No futuro, esses países poderão também oferecer recursos para investimento e tecnologias . Isso pode levar meio século ou mais. O crescimento econômico nessas grandes economias emergentes já começa a mudar o equilíbrio do poder econômico mundial. Mas isso fez com que surgissem análises com conclusões erradas, como a de que esses países poderiam liderar a recuperação da economia global. Esses países não podem liderar esse processo ou se transformar no motor de crescimento já que nenhum deles podem oferecer recursos para investimentos, financiamento para desenvolvimento ou tecnologia para produtividade, como a Grã-Bretanha fez no século 19 e os Estados Unidos fizeram no século 20. Assim, a perspectiva de recuperação da economia global, no médio prazo, depende do ritmo e da natureza da recuperação do mundo industrializado, em particular os EUA. No que se refere à China, o país não é um motor de crescimento em todas as dimensões.Isso também por causa de seu superávit comercial. A China não pode criar demanda e impulsionar o crescimento em outros países. Até a China e também a Rússia equilibrarem esse superávit comercial, elas não poderão ser motores do crescimento para a economia global e liderar a recuperação.
O século 21 já vem sendo chamado de século asiático, com a China e a Índia como líderes. Isso poderá durar muito?
Vamos analisar isso do ponto de vista histórico. O significado da Ásia não é novo. Por 1.500 anos a Ásia foi dominante na economia mundial. A China e a Índia produziam os bens manufaturados, como tecidos indianos ou porcelana chinesa, para a Europa, que tinha um grande déficit comercial. Nesse sentido, essa imensa importância da Ásia não é nova. É uma volta ao passado. Se há uma progressão linear nesse caminho, este será o século da Ásia. Mas essa é uma hipérbole porque a economia é muito mais complicada e a política é mais complicada ainda.
A notícia da criação do Banco de Desenvolvimento do Brics foi recebida com grande entusiasmo, visto como um desafio ao monopólio do Banco Mundial e do FMI. O banco será uma alternativa ou um substituto a essas instituições?
Seria uma alternativa, mas não um substituto. Não sei como será sua forma. Isso vai depender das negociações. Mas é possível imaginar alguns cenários. O banco do Brics, por exemplo, pode tornar-se o primeiro passo para que esses cinco países unidos criem uma instituição multilateral que forneça financiamento para projetos de desenvolvimento. Se isso funcionar de uma forma democrática pelo princípio “um país, um voto”, seria bom. A estrutura de governança do Banco será muito importante. A metodologia de oferecimento de empréstimos fará uma imensa diferença. O Banco Mundial e o FMI se caracterizam por um imenso déficit democrático. Os Estados Unidos, a União Europeia e o Japão têm maioria de quotas e têm o poder nas mãos. A questão é : esses países vão implementar o princípio de cinco países com igual poder ou a China terá a maior quota? Um detalhe importante é se outros países em desenvolvimento serão incluídos no banco. Afinal, o banco vai emprestar dinheiro para países em desenvolvimento que não têm acesso ao sistema financeiro internacional. Será importante também conhecer a filosofia moral do banco e as condições para concessão de empréstimos. As condições impostas pelo FMI e pelo Banco Mundial tornaram-se muito intrusivas. Se todos os passos certos forem tomados, o banco do Brics pode tornar-se uma alternativa real ao Banco Mundial. Então, o Banco Mundial será obrigado a competir com o banco do Brics para emprestar. Mas se o Banco do Brics seguir o caminho que o Banco Mundial já fez, então será um substituto do Banco Mundial.
Será criado também um fundo de US$ 100 bilhões. Como isso ajudará os países emergentes e em desenvolvimento?
Há quem tenha ficado animado com a ideia desse fundo de reservas. É uma boa ideia, já que trata-se de um passo positivo porque tem o potencial de gerenciar eventuais crises financeiras futuras. Quando um país sofre uma crise financeira,o FMI não tem recursos para oferecer,e impõe uma série de condições. O fundo, com os cinco países colocando suas reservas, deteria especuladores e a volatilidade do mercado financeiro mundial. Essa é a conclusão lógica do que os países em desenvolvimento fizeram nos anos 90, ou seja, o preço de pedir empréstimos ao FMI era alto demais em termos das condições impostas.
O banco do Brics atraiu muita atenção na Índia. Isso se deve ao fato de que o primeiro presidente da instituição será um indiano?
Eu acho que o fato mais importante é onde a sede do banco será localizada e não quem será seu primeiro presidente. Mas é claro que o primeiro presidente pode fazer diferença se for um nome bem escolhido. Mas na Índia, nós tendemos escolher com base na indicação política. Isso seria um desastre. Mas de qualquer forma um presidente do banco que tenha uma estatura e imaginação pode fazer uma grande diferença. Instituições são mais importantes do que indivíduos. Mas indivíduos competentes podem mudar instituições para melhor.
O banco pode funcionar com os países dos Brics tendo diferenças entre eles?
É muito cedo para fazer um julgamento sobre o banco e para saber se esses países podem apagar as suas preocupações e esquecer seus conflitos.No entanto, o anúncio do banco é um grande passo adiante porque é a primeira manifestação de cooperação, senão de solidariedade, entre países que até então estiveram distantes.
Alguns temem que o banco torne-se uma versão chinesa do FMI e do Banco Mundial. Essa ameaça existe?
Não acredito. Muito vai depender da primeira fase de negociações sobre a formação do banco. Eu soube, durante o encontro dos Brics em Fortaleza, que os chineses deixaram absolutamente claro que o banco deveria ser localizado em Xangai. Se não fosse, tudo estaria suspenso. O melhor que os chineses puderam fazer para os indianos era oferecer a primeira presidência do banco. Eu não sei se isso é inteiramente verdade. Mas existe algum risco de que o novo banco seja controlado pela China.
Desde a sua formação, os Brics focaram muito em questões financeiras. Agora, com a criação do banco, o grupo não deveria olhar para outras áreas?
A criação do banco de desenvolvimento foi um processo de reação porque esses países em desenvolvimento sofreram nas mãos do FMI e do Banco Mundial de alguma forma. Se você olhar para a China e para a Índia, as suas lideranças são muito mais inclinadas em costurar parcerias com os EUA e com os países ocidentais do que em fortalecer os laços entre si, com atitudes de solidariedade entre países em desenvolvimento. No entanto, há muito potencial no Brics se a interação entre os cinco países acontecer também nas áreas política e social, além dos seus governos. Eu acho que o Brasil e a Índia deveriam começar a estabelecer mais parcerias em várias setores, como na academia,nas ciências, na tecnologia, nos projetos da sociedade civil.Temos muito o que aprender uns com os outros. temos que olhar para além do Banco de desenvolvimento. Os Brics vão se tornar uma ideia muito mais formidável se for além da interação governo-governo.
No encontro de Fortaleza, o primeiro-ministro Narendra Modi falou sobre o contato entre pessoas dentro dos Brics.Esse pode ser então um bom começo?
Eu espero que ele estabeleça uma mesa redonda Índia-Brasil para levar isso adiante. Nós podemos aprender muito uns com os outros. Os Brics devem ser um grupo que vai articular opiniões e exercitar influência em assuntos internacionais. Deve trabalhar para reformar as Nações Unidas, que perdeu credibilidade e influência. Se os cinco países se unirem, podem fazer muita diferença e serem mais efetivos na Organização Mundial do Comércio (OMC) e nas negociações sobre mudanças climáticas.
Mas nos recentes encontros da OMC em Genebra, a Índia vetou um grande acordo e ficou isolada. Essas diferenças dentro da OMC podem prejudicar o projeto Brics?
Eu não acho que essas diferenças possam atrasar o projeto Brics. Por um longo tempo, Brasil e Índia tem sido as vozes do mundo desenvolvido na OMC. Eles usaram a sua influência para defender os interesses dos países em desenvolvimento. Ocasionalmente há diferenças e conflitos entre os países que exportam e importam produtos agrícolas. Seus interesses são diferentes. Mas essa foi a primeira vez que a índia ficou completamente isolada na OMC. O que a Índia tem pedido é perfeitamente razoável (conceder subsídios para seus agricultores). (Brasil Econômico – 21/08/2014)

Aladi realiza seu Conselho de Ministros de Relações Exteriores
Montevidéu - A XVII Reunião do Conselho de Ministros de Relações Exteriores da Associação Latino-americana de Integração (Aladi) começará hoje aqui suas sessões com o debate de uma agenda na qual predominam temas sobre desenvolvimento e cooperação.
O chanceler uruguaio, Luís Almagro, terá a seu cargo a inauguração como presidente do Conselho, que entre outros aspectos analisará o papel da Aladi e seu funcionamento para o desenvolvimento e consolidação do processo de integração regional.
Nesta reunião da Aladi, integrada por 13 países, está prevista a reeleição de seu atual secretário- geral, o argentino Carlos Álvarez, por outro período de três anos.
Está previsto que Álvarez faça uma recuperação de sua administração à frente do organismo e que a presidenta do Comitê de Representantes, a embaixadora do Peru, Aída García Laranjeira, apresente um relatório sobre o cumprido de 2011 a 2014. Depois das intervenções dos representantes dos países membros, o Conselho aprovará diversos projetos de Resoluções e Declarações.
Informou-se que, entre outros temas, será considerada a ampliação da Aladi, a promoção do comércio intrarregional e a participação de organizações sociais, empresariais e trabalhistas no processo de integração.
Inicialmente, esta reunião de chanceleres iria ser efetuada no marco da VIII Cúpula da União de Nações Sul-americanas (Unasul), em Montevidéu, que nos últimos dias foi postergada sem data fixa.
A Aladi, integrada por Argentina, Bolívia, Brasil, Chile, Colômbia, Cuba, Equador, México, Panamá, Paraguai, Peru, Uruguai e Venezuela, realizará seu conselho ministerial, apesar de que vários chanceleres não confirmaram sua assistência. (Prensa Latina – 21/08/2014)

Órgãos multilaterais estão no passado, diz diretor do FMI
Por Elisa Soares e Vanessa Jurgenfeld | Do Rio
O mundo hoje vive um multilateralismo falho, segundo o diretor do Fundo Monetário Internacional (FMI), Paulo Nogueira Batista, que esteve ontem no 2º Congresso Internacional do Centro Celso Furtado, no Rio. Segundo o economista, que representa o Brasil e outros países latinos no Fundo, as instituições multilaterais, como o FMI, o Banco Mundial (Bird) e a Organização das Nações Unidas (ONU), foram criadas durante uma realidade que correspondia ao equilíbrio de poder da segunda metade do século XX e estão presas ao passado, com dificuldade de mudar.
"A mudança começa a ocorrer até por pressão dos países em desenvolvimento", disse ele, que ressaltou a importância da criação recente do banco de desenvolvimento e do arranjo contingente de reservas dos países que compõem os Brics (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul). Segundo Batista, a credibilidade do multilateralismo sofre quando ele é percebido como "fachada" para o exercício do poder de um número pequeno de países desenvolvidos. "Os europeus e norte-americanos não estão demonstrando vontade de ceder espaço aos que estão subindo [crescendo relativamente mais em termos econômicos]."
Para Batista, o crescimento econômico dos países emergentes não tem se refletido em aumento do poder dentro das instituições políticas internacionais. "Os Brics querem ter influência maior", disse. "Nenhum desses países dos Brics quer romper com Bird ou FMI, mas eles não encontram compreensão suficiente de países como EUA nas mudanças que ocorreram no mundo."
Segundo ele, a decisão de criar um banco de desenvolvimento pelos Brics tem objetivos geopolíticos, mas, para ele, "há evidentemente relação de competição" com outras instituições multilaterais. Segundo Batista, FMI e Banco Mundial estão "preocupados e interessados em cooperar, em estar presentes" no banco dos Brics. Ele sentiu que o FMI foi pego de surpresa com a concretização do acordo. "Havia percepção de que não ia acontecer", disse. (Valor Online – 20/08/2014)

Ministro das Relações Exteriores sucederá Erdogan como premiê da Turquia
Ancara - O partido governante na Turquia, o islamita Justiça e Desenvolvimento (AKP), anunciou nesta quinta-feira que seu novo líder e próximo primeiro-ministro do país será o atual ministro das Relações Exteriores, Ahmet Davutoglu.
"O candidato para presidir o partido é o ministro das Relações Exteriores Ahmet Davutoglu", declarou à imprensa o atual premiê, Recep Tayyip Erdogan, após uma reunião do comitê executivo do AKP.
No último dia 10, Erdogan foi eleito presidente do país, e na próxima quinta-feira assumirá o cargo de chefe de Estado. Com isso, Davutoglu se tornará seu sucessor à frente do governo. A decisão do comitê executivo do AKP ainda deve ser ratificada em um congresso extraordinário da legenda no próximo dia 27.
"Se ele se tornar presidente do partido, com os votos dos delegados, será também primeiro-ministro", declarou Erdogan.
Davutoglu, que concedeu entrevista coletiva com Erdogan em Ancara, disse que haverá continuidade no governo com ele como primeiro-ministro.
"Ninguém deve duvidar que vamos seguir nosso caminho", afirmou, ressaltando os grandes progressos econômicos e sociais nos últimos 12 anos de governo do AKP.
Davutoglu é considerado um dos colaboradores mais leais a Erdogan, e já foi seu principal assessor sobre política externa antes de assumir o posto de ministro das Relações Exteriores em 2009.
Como ministro, ele foi o principal promotor da nova política internacional da Turquia, que visa aumentar sua influência como potência regional no Oriente Médio, na Ásia Central e no norte da África.
Esta visão, qualificada frequentemente por seus críticos como "neo-otomana", é criticada por afastar o país de sua tradicional aliança com o Ocidente e de suas aspirações de entrada na União Europeia, embora Davutoglu sempre tenha negado esse distanciamento.
Veículos de imprensa críticos em relação ao governo alegam que, com ele como primeiro-ministro, nada vai mudar na política turca, já que Erdogan continuará controlando o governo a partir da presidência.
Já Kemal Kiliçdaroglu, presidente do principal partido da oposição, o social-democrata CHP, afirmou ontem ao jornal "Yurt' que Davutoglu será "uma marionete de primeiro-ministro".
Erdogan prometeu uma presidência ativa e romper com o tradicional papel cerimonial de chefe de Estado, utilizando todas as funções do cargo, como a possibilidade de convocar as reuniões do gabinete de ministros. (EFE – 21/08/2014)

É hora de destravar a política externa
TENDÊNCIAS/DEBATES
Sergio Amaral
A economia brasileira é, hoje, uma das mais fechadas do mundo, com o comércio representando cerca de 20% do Produto Interno Bruto
Afora os Brics (grupo formado por Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul) e as relaçõescom Pequim, a política externa brasileira travou, inclusive em setores prioritários --como Mercosul, América do Sul e comércio exterior.
O Mercosul está paralisado, se não em retrocesso.Em pouco mais de uma década, as vendas brasileiras para o grupo declinaram de 17% a 8% das nossas exportações.
Os investimentos também caíram, enquanto as instituições do Mercosul não fizeram qualquer progresso significativo.
Chegou a hora da verdade para o Mercosul. Os países-membros do grupo terão de tomar decisões fundamentais: querem consolidar o livre-comércio?
Pretendem manter a união aduaneira? Querem continuar a proteger bens intermediários, em detrimento da integração das cadeias produtivas?
Quaisquer que sejam as opções, o importante será cumprir as regras acordadas, de modo a restaurar a credibilidade que o Mercosul perdeu. Com a adesão da Venezuela ao grupo, inclusive a cláusula democrática virou letra morta.
Na América do Sul, em vez de caminharmos para a integração, marchamos a passos firmes para a desintegração, com o traçado deuma nova linha de Tordesilhas que separa o Mercosul, a leste, da Aliança do Pacífico, a oeste. O último grupo representa 34% do PIB e 51% do comércio da América Latina.
Em três anos, a Aliança do Pacífico avançou, em vários setores, mais do que o Mercosul. A busca de uma convergência entre os dois grupos encontra, no entanto, a resistência do Brasil.
Por fim, em comércio colocamos todas as fichas na OMC (Organização Mundial do Comércio). Com o fracasso, provavelmente definitivo, da Rodada Doha, ficamos a ver navios, pois não negociamos os acordos de comércio, bilaterais e regionais, que a maioria de nossos parceiros já concluiu.
O acordo entre o Mercosule a União Europeia, o mais importante deles, ainda não foi finalizado --pela resistência da Argentina em aceitar concessões que os seus parceiros no Mercosul já fizeram, e pela recusa do Brasil em prosseguir nas negociações sem a Argentina, como, de fato, pode e deveria.
O custo para o Brasil será alto. Comorelembrou José Manuel Durão Barroso, presidente da Comissão Europeia, o Brasil poderá perder, entre outras vantagens, o acesso privilegiado ao mercado europeu de carne, caso as negociações com Washington avancem rapidamente, pois serão concedidas aos Estados Unidos as quotas que poderiam beneficiar o Brasil.
A abertura da economia é precondição para a retomada do crescimento. Assim como as reformas econômicas são um requisito para que a indústria possa competir.
A economia brasileira é, hoje, uma das mais fechadas do mundo. O comércio representa cerca de 20% do PIB --no caso da China, este percentual é de 53%. O presidente chinês, Xi Jinping, em sua visita recente ao Brasil, declarou que seu país não seria o que é hoje não fossem a abertura do comércio e as reformas da economia -- e Xi Jinping é insuspeito de inclinações neoliberais.
O travamento da política externa não ocorre apenas em setores prioritários. O comércio com a África continua a representar5% de nossas exportações, como há várias décadas. As relações com Washington estão num ponto morto, exatamente no momento em que os Estados Unidos promovem uma revolução energética como prelúdio para um processo de reindustrialização, que abrirá oportunidades novas para cooperação e comércio.
É preciso não confundir visitas diplomáticas e comunicados conjuntos generosos com programas e parcerias efetivas. Infelizmente, temos sido pródigos na retórica e modestos nos resultados.
SERGIO AMARAL, 70, embaixador, foi ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (governo Fernando Henrique Cardoso) Os artigos publicados com assinatura não traduzem a opinião do jornal. Sua publicação obedece ao propósito de estimular o debate dos problemas brasileiros e mundiais e de refletir as diversas tendências do pensamento contemporâneo. (Folha de SP – 20/08/2014)

A Unasul se muda para a Metade do Mundo
A nova sede da Unasul em Quito pretende servir para fortalecer um organismo enfraquecido ao mesmo tempo em que alimenta o orgulho do Equador
Soraya Constante
A Secretaria Geral da União de Nações Sul-Americanas (Unasul) vai se mudar de uma casa colonial do centro-norte de Quito para um edifício moderno ao lado do monumento da Metade do Mundo (noroeste da cidade). Com o novo edifício, que custou 44 milhões de dólares, a expectativa é fortalecer o organismo regional que nasceu em 2008 e é integrado por 12 países. Mas por enquanto a propaganda está concentrada em alimentar o orgulho local: o presidente do Equador, Rafael Correa, sustentou em seus espaços televisivos semanais que “o edifício é um orgulho para Quito” e que a cidade se converterá na “capital da América”.
O novo edifício, que estará terminado em setembro, foi um desafio arquitetônico porque tem dois braços que surgem da estrutura principal sem nenhum apoio. Um deles tem mais de 50 metros de comprimento e ali funcionará o escritório de Ernesto Sámper, que assumirá a secretaria-geral do organismo na próxima sexta-feira. O ex-mandatário colombiano, depois de constatar o avanço das obras no último dia 11 de agosto, declarou aos meios locais que espera que “Quito seja para a Unasul o que Washington é para a OEA”.
Mas tudo ainda está sob suspeita. “Se a Unasul conseguir decolar, não há dúvidas de que Quito, como sede, se fortalecerá e com ela a diplomacia do presidente Correa, que apostou muito neste projeto”, opina o ex-chanceler equatoriano Francisco Carrión.
Correa reconhece a debilidade do organismo e tentou algumas explicações: a desaceleração do processo integracionista “pode acontecer por descuido dos presidentes”, mas também por “um pouco de azar” com a morte de alguns de seus impulsionadores, como Néstor Kirchner e Hugo Chávez, explicou durante uma entrevista em Lyon (França) no ano passado.
“Quito será para a Unasul o que Washington é para a OEA” Ernesto Sámper, futuro secretário-geral do organismo
O mandatário equatoriano é o líder mais entusiasmado dentro desse organismo dividido. Durante a reunião entre a Unasul e os BRICS (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul) no último mês de julho no Brasil, destacou a importância dos blocos econômicos e regionais: “Para ter uma ordem mundial mais justa e um mundo multipolar, devemos criar os blocos. Os BRICS criaram o seu, a Unasul deve continuar sua consolidação.”
Mas os desafios da Unasul vão além de ter um edifício comparável ao das Nações Unidas em Nova York ou ao da OTAN em Bruxelas, como diz Correa. O bloco “deve consolidar sua identidade e institucionalidade, demonstrando que, junto com a América Latina, é uma região historicamente madura, mais democrática e com uma situação econômica mais consolidada que há vinte e cinco anos”, aponta Carrión. Seus países membros devem manifestar “sua vontade política de fortalecer a região”, conclui o ex-funcionário equatoriano.
Uma mostra do escasso compromisso que existe entre os membros da Unasul é a recente suspensão da VIII Cúpula de Presidentes em Montevidéu, que estava prevista para 22 de agosto. Segundo fontes da chancelaria uruguaia, o encontro foi adiado até outubro por problemas de agenda de alguns mandatários.
A nova sede do organismo, que receberá o nome do desaparecido ex-presidente da Argentina, Néstor Kirchner, chega com atraso: a primeira pedra foi colocada em março de 2011. Correa, no entanto, acelerou a obra a partir de dezembro de 2013 e fez muitas visitas à obra para assegurar que ela possa ser inaugurada este ano.
O escasso compromisso entre os membros da Unasul ficou evidente na suspensão da VIII Cúpula de Presidentes em Montevidéu
O arquiteto Diego Guayasamín, responsável pelo projeto, explica que o edifício tem uma conotação de escultura, que se projeta como uma metáfora da liberdade. “A ideia é transmitir uma mensagem positiva sobre o Equador e a região para o mundo”, diz.
O edifício ocupa 25.000 metros quadrados de construção e será parte de um complexo de 80.000 metros quadrados que incluirá um hotel cinco estrelas e uma plataforma para helicópteros. Mais adiante, o complexo absorverá a Cidade Metade do Mundo, que é visitada por milhares de turistas que querem tirar uma foto no ponto onde se cruzam todos os hemisférios.
Mas, por enquanto, a futura sede e seus braços flutuantes destoam completamente do ambiente. A zona está rodeada de colinas que perderam sua vegetação e que estão assentados sobre uma falha geológica. Os terremotos que se registraram na semana passada tiveram sua origem nessa falha e os deslizamentos de terra das colinas que ocorreram, sepultaram dois operários que trabalhavam em uma solução viária para conectar a Metade do Mundo com Quito. Os construtores do complexo da Unasul asseguram que o edifício principal está feito para resistir a terremotos de até 8 graus da escala Richter e que todas as normas de segurança foram seguidas. (El Pais – 20/08/2014)

Cresce a operação das empresas no exterior
Por Natalia Viri e Daniela Meibak | De São Paulo
Com o ritmo fraco de crescimento da economia doméstica, empresas brasileiras seguram os investimentos no país e apostam em seus negócios no exterior. No segundo trimestre, quando a atividade econômica foi agravada pelo menor número de dias úteis, as receitas geradas com exportações e operações internacionais impediram uma piora mais acentuada nos resultados, em especial na indústria, conforme informação antecipada pelo Valor PRO, serviço de informações em tempo real do Valor.
O faturamento de 12 indústrias - incluindo siderúrgicas, fabricantes de bens de capital e autopeças - caiu em média 13,3% no mercado interno em relação ao ano anterior, enquanto em mercados externos houve aumento de 12,1%, mostra levantamento realizado pelo Valor. Com isso, a participação média do mercado estrangeiro nas receitas passou de 35% para 42% no período.
"No geral, as indústrias tiveram resultados discretos, mas aquelas com pelo menos 50% das suas operações fora do país foram bem menos afetadas. Daqui para a frente, as empresas vão buscar mais o mercado externo, procurando resiliência", diz o analista Mario Bernardes Junior, do BB Investimentos.
A melhora da economia nos EUA e na Europa foi o principal propulsor do desempenho expressivo no mercado internacional. Um bom exemplo é a Gerdau, que tem usinas nos Estados Unidos. A siderúrgica viu suas receitas na América do Norte crescerem 15,8% no segundo trimestre, para R$ 3,58 bilhões, superando os R$ 3,44 bilhões faturados no Brasil, onde as vendas recuaram 6%.
A WEG, de motores elétricos, anunciou que pode adiar para 2015 parte dos R$ 592 milhões em investimentos previstos para este ano. Segundo o diretor financeiro, Paulo Polezi, projetos no Brasil estão sendo reavaliados e o ritmo de execução poderá ser um pouco mais lento. Já os primeiros desembolsos do projeto de US$ 345 milhões na implementação de novas unidades de produção na China e no México não devem sofrer atrasos.
Na mesma linha, a Fras-le, de autopeças, vai concentrar seus investimentos em aumento de capacidade produtiva nas fábricas americanas. "No Brasil, estamos com foco nos aportes em programas de redução de custos e eficiência, para aumentar a produtividade", diz o diretor financeiro, Daniel Randon. (Valor Econômico – 20/08/2014)

Acolherá Venezuela fórum regional sobre nanotecnologia
Caracas - O Instituto Venezuelano de Pesquisas Científicas (IVIC) anunciou hoje a realização em outubro próximo do fórum especializado NanoSUR-2014, dedicado a propiciar o intercâmbio sobre nanociências e nanotecnologia.
Segundo o IVIC, o evento reunirá a profissionais, estudantes e instituições entre os dias 27 e 31 de outubro em Caracas.
A cita orienta-se aos interessados em manejar informação atualizada e interatuar com quem estão envolvidos no estudo das partículas só visíveis através de equipas de alta tecnologia.
Na atividade participarão mais de 90 convidados nacionais e internacionais que debaterão a respeito das aplicações destas investigações em América Latina e o Caribe.
A programação do foro inclui a oficina da Comunidade NanoSur, o III Seminário Internacional de Nanotecnologia e Sociedade de América Latina e a Oficina sobre Bases para um Desenvolvimento Sustentável da Nanotecnologia.
Mesmo assim, vão se realizar conversas plenárias, mesas de trabalho, exibição de cartazes e stands, bem como uma jornada para promover a socialização e divulgação destas áreas da ciência em comunidades educativas e espaços públicos.
Como evento satélite desta edição levar-se-á a cabo do 20 ao 24 de outubro, no estado de Mérida, a IV Escola Nanoandes Venezuela: Nanotecnologia para a saúde e o ambiente.
A reunião conta ademais com o auspicio do ministério de Ciência, Tecnologia e Inovação, o Fundo Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação e a Rede Venezuelana de Nanotecnologia. (Prensa Latina – 18/08/2014)

Balança comercial tem superávit de US$ 684 milhões na 3ª semana de agosto
No mês, o saldo acumulado está positivo em US$ 348 milhões. No ano, há déficit de US$ 571 milhões
A balança comercial brasileira teve superávit (exportações maiores que importações) de US$ 684 milhões na terceira semana de agosto. O resultado positivo decorre de US$ 5,347 bilhões em exportações e de US$ 4,663 bilhões em importações. No mês, o saldo acumulado está positivo em US$ 348 milhões. No ano, há déficit de US$ 571 milhões. Os dados foram divulgados hoje pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior.
Do lado das exportações, a média diária, que corresponde ao volume negociado por dia útil, ficou em US$ 1,069 bilhão, 17,6% superior à registrada na primeira e segunda semanas do mês. Já nas importações, a média ficou em US$ 932,6 milhões, 3,4% inferior à registrada até a segunda semana de agosto. Houve alta nas receitas com exportações das três categorias de produtos que compõem a pauta: semimanufaturados (33,7%), manufaturados (25,1%) e básicos (11,5%).
No primeiro grupo, dos semi-industrializados, cresceram os ganhos com açúcar bruto, celulose, ferro e aço e ouro. Já nos industrializados, aumentou o ingresso financeiro associado a óleos combustíveis, automóveis de passageiros, laminados planos, açúcar refinado, suco de laranja e máquinas para terraplanagem puxaram a alta. A categoria dos itens básicos sustentou a alta graças a minério de ferro, fumo em folhas e soja, milho e café em grão.
Nas importações, cresceram principalmente os gastos com combustíveis e lubrificantes, automóveis e partes, químicos orgânicos e inorgânicos e produtos farmacêuticos. (Brasil Econômico – 18/08/2014)

Uma reconstrução inacabada
A diplomacia de Dilma deixa a impressão de reconstrução que retificou alguns erros da anterior, sem conseguir construir obra própria.
Era claro o que exigia correção: excesso de protagonismo, iniciativas temerárias em áreas distantes das prioridades do país, silêncio em relação a regimes violadores de direitos humanos, inspiração ideológica e sectária da política externa.
Certas mudanças vieram de fatos. A saída de um presidente carismático pôs fim ao protagonismo, enquanto a ruína da imagem internacional da economia brasileira impôs estilo diplomático mais sóbrio.
É mérito da presidente o retorno à defesa dos direitos humanos em situações como a do Irã. Também se deve a ela o esforço de redefinir a relação com os EUA em termos inovadores como o do programa Ciência sem Fronteiras.
Essa aproximação, que deveria culminar com a visita de Estado da presidente a Washington, foi vítima da espionagem da NSA. Não se pode censurar a decisão de suspender a iniciativa até que se restabeleçam condições políticas propícias.
A frustração de elemento importante como esse da reconstrução diplomática cria a sensação de um projeto em que se pôs abaixo parte do velho edifício sem edificar no lugar uma casa nova.
Da obra de demolição, resta intacta a ideologização da política sul-americana. A ela se acrescentaram monstrengos inéditos: a suspensão arbitrária do Paraguai do Mercosul como pretexto para precipitar o ingresso da Venezuela; o lamentável episódio do falso "asilo" ao senador boliviano Roger Pinto.
O que faltou edificar, porém, supera em muito o que ficou sem demolir. Esperava-se que uma tecnocrata objetiva como a presidente imprimisse à diplomacia a busca pragmática de resultados tangíveis.
A colheita é magra: nada se fez para renovar o Mercosul, abalado por crise de credibilidade terminal. O relacionamento comercial com o principal parceiro no bloco, a Argentina, tampouco teve melhora.
A diplomacia perdeu a capacidade até de formular proposta para superar a crise do Mercosul. Não tem outro horizonte além de se agarrar a uma união aduaneira que naufraga sem que o Brasil proponha ao menos um plano para salvá-la.
A mesma falta de imaginação criativa se nota na ausência de um gesto decisivo em direção a países como o México e seus companheiros da Aliança do Pacífico –Colômbia, Chile e Peru.
Somente no apagar das luzes do governo se decidiu retomar negociações iniciadas há mais de dez anos para um acordo de livre-comércio com a União Europeia.
Apesar de anunciada várias vezes, não se conseguiu definir até agora posição negociadora comum nem dar início efetivo às tratativas.
O que salvou a política externa de balanço constrangedor foi a reunião dos Brics em Fortaleza. A criação do banco de infraestrutura e do fundo de reservas veio da capacidade de construir consenso da diplomacia brasileira, ao custo inclusive da renúncia a ambições legítimas.
O resultado exemplifica o que teria sido possível obter se a mesma competência, despida de distorção ideológica, tivesse sido aplicada aos demais problemas. (Folha de SP – 18/08/2014)

Balança registra superávit na semana, mas tem déficit no ano
Por Lucas Marchesini
BRASÍLIA - A balança comercial brasileira teve um superávit de US$ 684 milhões na terceira semana de agosto, informou hoje o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (Mdic).
Foram US$ 5,347 bilhões em exportações e US$ 4,663 bilhões em importações. Dessa forma, o resultado acumulado no mês é superavitário em US$ 348 milhões. No ano, o resultado é deficitário em US$ 571 milhões.
A média diária das exportações subiu 0,8% nas três primeiras semanas de agosto quando comparada com todo o mês de 2013, passando de US$ 973,8 milhões para US$ 982 milhões. Esse resultado se deve a uma alta nas vendas de produtos básicos e semimanufaturados.
Os produtos básicos tiveram um crescimento de 8,3% na média diária de embarques nas três primeiras semanas de agosto quando comparadas com todo o oitavo mês de 2013, ao passar de US$ 482,6 milhões para US$ 522,6 milhões. Os principais crescimentos foram em petróleo em bruto, farelo de soja, minério de cobre, café em grão e carnes bovina, suína e de frango.
Já os semimanufaturados tiveram alta de 5,2% ao passar de US$ 124,2 milhões em agosto de 2013 para US$ 130,6 milhões nas três primeiras semanas deste mês. Essa alta foi encabeçada por catodos de cobre, ferro fundido, semimanufaturados de ferro/aço, ferro-ligas e couros e peles.
Os bens manufaturados, por sua vez, tiveram baixa de 12% na mesma comparação. A média diária das vendas desses produtos ao exterior passou de US$ 343,2 milhões em agosto de 2013 para US$ 301,9 milhões nas três primeiras semanas deste mês. Esse resultado foi influenciado pelas vendas de etanol, automóveis de passageiros, veículos de carga , motores/geradores, açúcar refinado, autopeças, motores para veículos e partes e tratores.
As importações cresceram 3,5% nas três primeiras semanas de agosto (US$ 950,4 milhões) quando comparada com a média do mesmo mês em 2013 (US$ 918,3 milhões). Nesse comparativo, cresceram os gastos, principalmente, com combustíveis e lubrificantes (+45,0%), cereais e produtos de moagem (+20,8%), siderúrgicos (+9,8%) e químicos orgânicos/inorgânicos (+4,7%). (Valor Online – 18/08/2014)

Presidentes dos BCs globais se reúnem esta semana
ECONOMIA
Encontro anual de Jackson Hole deve dar pistas sobre política do Fed -LONDRES- Começa na quinta-feira o encontro anual de Jackson Hole, no estado americano de Wyoming, que reúne economistas de destaque e os diretores dos maiores bancos centrais do mundo.
O tema do encontro é a avaliaçãodo mercado de trabalho - fator central na decisão do Federal Reserve (Fed, o banco central dos Estados Unidos) sobre os rumos da política monetária do país, com impactos para toda a economia global. As expectativas se concentram no discurso que Janet Yellen, presidente do Fed, fará na sexta-feira.
Será a primeira aparição de Janet Yellen em Jackson Hole após ter assumido o cargo. Analistas preveem que o pronunciamento dela pode ser similar ao de seu antecessor no Fed, Ben Bernanke, em 2012, quando ele mostrou o que pensava a respeito dos indicadores do mercado de trabalho e abriu caminho para o plano de estímulo apoiado na injeção de bilhões de dólares na economia por meio de compras mensais de títulos pela autoridade monetária. Sem precedentes na História americana, o programa chegou a US$85 bilhões por mês.
- Eu não acho que ela vai chegar nem perto da política monetária - especulou Step- hen Lewis, economista-chefe na ADM Investor Services. - O tema de Janet Yellen será a dinâmica do mercado de trabalho, assunto que é uma questão-chave para o Fed, que tenta decidir que política adotar nos próximos meses.
O índice de desemprego nos EUA está atualmente em 6,2.
Na quinta-feira, também será divulgada a ata da reunião de julho do Comitê de Política Monetária do Fed (Fome, na sigla em inglês), que poderá dar uma pista a respeito dos planos para um possível endurecimento da política monetária e sobre a tão discutida data do aumento na taxa de juros.
Também falarão em Jackson Hole os presidentes dos BCs do Brasil, Alexandre Tombini; do Japão, Haruhiko Kuroda; e do Europeu, Mario Draghi.
EUROPA NA BERLINDA
Os números da inflação registrada em junho nos Estados Unidos - a serem divulgados hoje - também podem figurar no debate sobre os rumos da política econômica do Fed. A projeção é que o índice fique em 1,9%, devido ao recuo nos preços de combustíveis e alimentos. A meta do Fed é de 2%.
A Europa, que recentemente adotou uma taxa de juros básicos negativa, também deve ser alvo das discussões de economistas e xerifes dos BCs, com dados sobre consumo sendo usados para analisar a economia do bloco.
A economia da zona do euro ficou estagnada no segundo trimestre, com a Alemanha, a locomotiva do bloco, registrando retração de 0,2% no período. E a situação não deve mudar no trimestre corrente, devido às tensões entre Rússia e Ucrânia, apontam analistas.
As sanções à Rússia, que decidiu retaliar suspendendo as importações de EUA e União Europeia, já preocupam países que começavam a sair da recessão, como Grécia e Espanha.(O Globo – 18/08/2014)

Fóruns internacionais perdem atenção do Brasil
INTERNACIONAL
Sob gestão de Dilma, participação em entidades inter-regionais perdeu foco na formação de novas alianças políticas e direcionou atuação à economia
Lisandra Paraguassu
O envolvimento do Brasil em fóruns internacionais, um dos temas preferidos do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, perdeu fôlego no governo de Dilma Rousseff. Desde 2003, o País se envolveu em quase uma dúzia de entidades. Aos poucos, foram sendo incorporadas ao repertório nacional novas instâncias inter-regionais, muitas delas criadas por iniciativa brasileira, como as cúpulas América do Sul-Países Árabes (Aspa) e América do Sul-África (ASA).
Com uma visão mais pragmática das relações internacionais, a presidente mostra clara preferência pelos encontros onde resultados concretos, especialmente os econômicos, podem ser atingidos.
Diplomatas ouvidos pelo Estado confirmam que o gosto do ex-presidente pelos palanques internacionais, somadoauma necessidade de encontrar novos parceiros, permitiu que o Brasil aumentasse o grupo de interlocutores.
Dilma não tem o mesmo apreço pelos meandros da diplomacia.
Em 2012, quase cancelou, na véspera, a ida a Cúpula da ASPA, em Lima, para tratar de questões internas. Foi convencida pelo então chanceler, Antonio Patriota, a participar.
Os resultados, no entanto, mostram que essa aproximação, mesmo que aparentemente política, traz resultados econômicos. Desde a criação da ASPA, as exportações para o Oriente Médio passaram de US$ 6,8 bilhões, em 2005, para US$ 18,3 bilhões em 2013. Para a África, mesmo o Brasil ainda tendo um déficit, as vendas passaram de US$ 6 bilhões para US$ 11 bilhões no mesmo período.
A avaliação do Itamaraty é de que os fóruns não perderam importância, mas apenas visibilidade, já que estariam em fase de consolidação. Entre os frutos, o resultados nas eleições de José Graziano para o Fundo das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) e do embaixador Roberto Azevêdo para a Organização Mundial do Comércio (OMC ).
Dilma deixou claro desde o início do seu governo que não viajaria tanto quanto seu antecessor. Diplomatas garantem que a presidente ainda vai mais ao exterior do que se esperava, mas confirmam que sua atração é pelos resultados concretos.
São dos anos iniciais de Lula, além da Aspa e da ASA, a consolidação da União das Nações Sulamericanas (Unasul) e os fóruns índia, Brasil, África do Sul (Ibas) e Brasil, Rússia, índia, China e África do Sul (Brics).
Apesar de ter ido a quase todos os fóruns internacionais, Dilma demonstra atenção especial aos que tratam de temas econômicos e podem trazer proveitos ao País. Foi inegável a satisfação da presidente ao receber, há um mês, o BRICS no encontro de Fortaleza.
Dilma queria de qualquer forma que a Cúpula no Brasil selasse a criação do banco de desenvolvimento e o Arranjo Contingente de Reservas, os primeiros resultados práticos do grupo, a ponto de ceder a presidência da nova instituição, já negociada, para a índia, evitando um impasse maior.
Dilma tem, ainda, especial apreço pelos encontros do G20, o grupo de nações com as maiores economias mundiais, onde se discute basicamente assuntos econômicos.
A Unasul, com seu lado mais político, não atrai tanto a atenção da presidente. Em 2012, desistiu de ir a Lima, no Peru, na última hora, alegando compromissos.
Em 2013, no Suriname, passou apenas oito horas no país e concentrou a maior parte do seu tempoem reuniões bilaterais. Este ano, no Uruguai, é possível que falte. Dessa vez, por conta da eleição. O fórum, mais político, raramente tem resultados mais concretos. A presidente, no entanto, fez questão de ir aumencontro deemergência no Peru,em 2012, quando o grupo se reuniu para dar apoio ao presidente venezuelano, Nicolás Maduro, que tinha questionada sua posse como sucessor de Hugo Chávez.
Formado pelas três democracias dos Brics, o Ibas era um dos fóruns preferidos de Lula, mas não recebe a mesma atenção da presidente.
--
Comércio
US$ 11,5 bi
de incremento tiveram as vendas brasileiras para o Oriente Médio entre 2005 e 2013. Para a África, exportações cresceram em US$5 bilhões no mesmo período (O Estado de SP – 18/08/2014)

Perdendo mercados
Tendo sido mais afetado do que outros países emergentes pela crise iniciada há seis anos no mundo rico, o Brasil é um dos que menos podem ganhar agora que as economias desenvolvidas começam a se recuperar. O governo petista, quando chefiado por Lula, desdenhou a crise mundial - era só uma "marolinha", dizia ele - e impôs ao País um custo pesado em termos de crescimento, que a sociedade já paga e continuará pagando por algum tempo; na gestão Dilma, agravou problemas antigos e criou novos.
A falta de dinamismo das exportações - notável pela perda contínua dos espaços do produto nacional em mercados tradicionais, como os dos Estados Unidos e da Europa unificada, mostrada pelo Estado (13/8) - é uma das consequências nocivas para a economia brasileira de 12 anos de governo petista.
A presença brasileira nos mercados dos países industrializados, consolidada por anos de relações comerciais profícuas, seria um poderoso instrumento para estimular a atividade produtiva, no momento em que os seguidos incentivos ao consumo doméstico dão claros sinais de esgotamento - os já fracos resultados dessa política se tornam cada vez mais tênues. Mas, por uma série de erros da administração petista - uns decorrentes da má escolha de parceiros comerciais, determinada por interesses ideológicos; outros, de sua incapacidade de avaliar as dificuldades que tolhem a produção -, o Brasil tem poucas possibilidades de utilizar esse instrumento.
No comércio com os 26 países da União Europeia, o Brasil passou de um superávit de US$ 3,2 bilhões no primeiro semestre de 2009 para um déficit de US$ 2,6 bilhões nos primeiros seis meses deste ano.
Há alguns anos, por desinteresse do governo petista nesse mercado, o Brasil é um dos raros países que registram déficit no comércio com os Estados Unidos, que, apesar de sua enorme capacidade de produção, sempre foram um grande importador. O problema é que o déficit mostra tendência de crescimento desde 2009. Há cinco anos, o saldo negativo no primeiro semestre foi de US$ 2,5 bilhões; neste ano, está em US$ 4,7 bilhões.
Os EUA e a Europa recuperaram a capacidade de importação que tinham antes da crise, diz o consultor de empresas e ex-secretário de Comércio Exterior do governo Lula Welber Barral. Mas o espaço antes ocupado por produtos brasileiros está sendo tomado por outros países, sobretudo asiáticos.
O forte crescimento da economia chinesa compensou, parcialmente, a perda das exportações para os países industrializados. Nos últimos anos, a China tornou-se o principal parceiro comercial do Brasil. Mas, embora ainda vultoso, da ordem de US$ 5,5 bilhões no primeiro semestre, o superávit comercial brasileiro no comércio com a China está estagnado.
Movido por razões ideológicas, o governo do PT concentrou a atenção de sua política comercial no Mercosul, que, após a chegada dos petistas ao poder, incorporou a Venezuela então governada pelo bolivariano Hugo Chávez e hoje sob o domínio de seu seguidor Nicolás Maduro. Por um momento, a escolha parecia pouco nociva para a economia brasileira, pois o superávit comercial do País com o bloco cresceu nos primeiros anos que se seguiram ao início da crise mundial. Mas há três anos o saldo positivo vem encolhendo. Depois de ter chegado perto de US$ 4 bilhões nos primeiros seis meses de 2011, o superávit se reduziu para US$ 1,7 bilhão no primeiro semestre de 2014. Em crise, a Argentina, principal parceiro comercial do Brasil no Mercosul, vem reduzindo suas importações, tanto pela desaceleração da atividade econômica como, sobretudo, pelas restrições que o governo chefiado por Cristina Kirchner - que, ainda assim, é tratada com deferência por Dilma - impõe aos produtos brasileiros.
Tolhida por impostos excessivos, infraestrutura precária e falta de mão de obra treinada e prejudicada por políticas públicas que desestimulam a busca de mais produtividade, a indústria está perdendo o mercado que ainda pode abastecer - o Mercosul - e não tem condições de conquistar novos. É o retrato do governo petista. (O Estado de SP – 18/08/2014)

Doença holandesa é um problema de toda a América do Sul, diz economista
BRASIL
Por Vanessa Jurgenfeld | De São Paulo Frenkel:
"Se caírem os termos de troca, vai complicar,mas crise não deve haver"
O economista argentino Roberto Frenkel, um dos pesquisadores do Centro de Estudios de Estado y Sociedad (Cedes) e professor honorário da Universidade de Buenos Aires, disse que há sinais de que todos os países da América do Sul estão sofrendo da doença holandesa, em graus diferentes.
"Na América do Sul, há indicações de que há doença holandesa em todos os países da região. Alguns mais, outros menos", diz Frenkel. O país que tem menos é o Peru, que mantém uma política cambial e monetária com muito cuidado. As economias que têm mais apreciação cambial são Argentina, Brasil, Venezuela", afirmou ao Valor PRO - serviço de informação em tempo real do Valor.
Ele, que esteve em São Paulo no encontro da Associação Keynesiana Brasileira (AKB), não ordenou a pesquisa, por enquanto, de modo a avaliar exatamente qual país está pior, mas seu estudo mostra uma realidade do conjunto de países.
A doença holandesa ocorre em países que têm fartos recursos naturais e os exportam em grande quantidade, de forma que vivem uma valorização cambial que prejudica a competitividade do seu setor industrial, podendo ocasionar uma desindustrialização.
Frenkel avaliou que todos os países sul-americanos vivem uma apreciação cambial, aumentaram o custo dos salários em dólar nos últimos anos, reduziram sua dívida externa e melhoraram seu balanço de pagamentos.
Em todos também a indústria vem registrando queda de sua participação no Produto Interno Bruto (PIB) e há, ao mesmo tempo, redução da taxa de desemprego geral no país.
Segundo ele, foi a melhora dos termos de troca – os preços das commodities durante boa parte da década de 2000 esteve alto e esses países possuem vantagens neste tipo de produção e exportação - que sustentou os empregos e outros avanços em indicadores econômicos, ainda que a valorização das commodities tenha sido prejudicial ao setor industrial.
"A melhora dos termos de troca diminui a taxa de desemprego porque ela tem um efeito [positivo] na renda", destacou. Sobre a mudança nos últimos anos, de redução dos valores das commodities, principalmente por uma queda de demanda da China, ele diz que, embora haja recuo, ele é ainda pequeno dada a valorização de longo prazo que esses preços tiveram.
O problema, diz ele, é que não são conhecidos casos de melhora no grau de desenvolvimento econômico com doença holandesa. "Mas mantendo os termos de troca, vai haver países crescendo menos, porém sem crises de balanço de pagamentos. Se caírem os termos de troca, vai complicar, mas crise não deve haver, pelo alto volume de reservas internacionais que acumularam", disse ele, destacando exceções na região como a Argentina, que vive questões complicadas pelo default da dívida. (Valor Econômico – 18/08/2014)

Balança comercial registra superávit de US$ 348 milhões em agosto
Brasília – Com cinco dias úteis (11 a 17), a terceira semana de agosto teve saldo comercial positivo de US$ 684 milhões. No período, as exportações foram de US$ 5,347 bilhões, com média diária de US$ 1,069 bilhão. Este resultado é 17,6% superior à média de US$ 909,2 milhões, verificada até a segunda semana do mês. Houve aumento nas exportações de produtos semimanufaturados (33,7%), com destaques para açúcar em bruto, celulose, semimanufaturados de ferro e aço e ouro em forma semimanufaturada. Também cresceram as vendas de produtos manufaturados (25,1%), principalmente, de óleos combustíveis, automóveis de passageiros, laminados planos, açúcar refinado, suco de laranja não congelado e máquinas para terraplanagem. Entre os produtos básicos (11,5%), o crescimento ficou por conta, especialmente, de soja em grão, minério de ferro, milho em grão, café em grão e fumo em folhas.
As importações, na terceira semana de agosto, foram de US$ 4,663 bilhões, com média diária de US$ 932,6 milhões. Pelo resultado médio diário, houve retração de 3,4% no comparativo com a média registrada até a segunda semana (US$ 965,2 milhões). Diminuíram, principalmente, os gastos com combustíveis e lubrificantes, veículos automóveis e partes, químicos orgânicos e inorgânicos, e farmacêuticos.
Mês
Nas três primeiras semanas de agosto, a balança comercial brasileira registrou exportações de US$ 10,802 bilhões (média diária de 982 milhões) e importações de US$ 10,454 bilhões (média diária de US$ 950,4 milhões), com saldo positivo de US$ 348 milhões. A corrente de comércio somou US$ 21,256 bilhões, com desempenho médio por dia útil de US$ 1,932 bilhão.
Em comparação com a média das exportações de agosto de 2013 (US$ 973,8 milhões), houve crescimento de 0,8%. Aumentaram as vendas de produtos básicos (8,3%), em decorrência, principalmente, de petróleo em bruto, farelo de soja, minério de cobre, café em grão e carnes bovina, suína e de frango. Também cresceram os embarques de semimanufaturados (5,2%), com destaques para catodos de cobre, ferro fundido, semimanufaturados de ferro/aço, ferro-ligas e couros e peles. Por outro lado, decresceram as vendas de manufaturados (-12%), por conta de etanol, automóveis de passageiros, veículos de carga, motores e geradores, açúcar refinado, autopeças, motores para veículos e partes e tratores.
Em comparação com julho deste ano, as exportações tiveram redução de 1,9% em virtude da queda nas vendas de produtos manufaturados (-13%), enquanto cresceram os básicos (3,4%) e semimanufaturados (6,1%).
As importações, no comparativo com a média de agosto de 2013 (US$ 918,3 milhões), apresentaram aumento de 3,5%. Nesse comparativo, elevaram-se os gastos, principalmente, com combustíveis e lubrificantes (45%), cereais e produtos de moagem (20,8%), siderúrgicos (9,8%) e químicos orgânicos e inorgânicos (4,7%).
Em relação a julho último (US$ 932,6 milhões), as aquisições brasileiras no mercado internacional aumentaram 1,9%, com alta nas despesas com siderúrgicos (25,8%), farmacêuticos (13,9%), químicos orgânicos e inorgânicos (12,9%), cereais e produtos de moagem (7,9%), e equipamentos mecânicos (4,8%).
Ano
De janeiro até a terceira semana de agosto, a corrente de comércio totalizou US$ 289,285 bilhões (média diária de US$ 1,854 bilhão), com redução de 1,7% sobre a média do período equivalente do ano passado (US$ 1,886 bilhão). Nos 156 dias úteis de 2014, a balança comercial registra déficit de US$ 571 milhões (média diária negativa de US$ 3,7 milhões). Em período correspondente do ano passado, o déficit era de US$ 4,715 bilhões, com resultado médio diário negativo de US$ 29,8 milhões.
No acumulado do ano, as exportações alcançaram US$ 144,357 bilhões (média diária de US$ 925,4 milhões), resultado 0,3% abaixo do verificado no período equivalente de 2013, que teve média diária de US$ 928,4 milhões. O resultado diário do acumulado anual das importações está 3,1% menor em relação ao ano passado (média diária de US$ 958,3 milhões). No ano, as compras brasileiras no mercado externo chegam a US$ 144,928 bilhões (média diária de US$ 929 milhões). (MDIC – 18/08/2014)

Banco dos Brics mostra novo equilíbrio de poder, diz indiano
ELEONORA DE LUCENA
A criação do banco de desenvolvimento dos Brics (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul) é um sinal da mudança no equilíbrio de poder na economia mundial. A avaliação é do economista indiano Deepak Nayyar.
Professor emérito da Universidade Jawaharlal Nehru, de Nova Déli, Nayyar diz que é preciso moderar o entusiasmo e amortecer o ceticismo em relação à novidade.
Ele advoga que o Brasil adote uma política ativa para evitar o aprofundamento da desindustrialização. Na sua visão, é preciso buscar um modelo próprio de crescimento. Nayyar, 67, estará no Brasil na próxima semana e lança, no 2º Congresso Internacional do Centro Celso Furtado (no Rio), o livro "A Corrida pelo Crescimento".
O economista indiano Deepak Nayyar em Nova York, nos Estados Unidos
Folha - Qual é a sua visão sobre a criação do banco dos Brics?
Deepak Nayyar - É muito importante e na direção certa. Poderá ser motivo de comemoração se evoluir como uma instituição internacional que ofereça condições melhores e diferentes do que as do FMI e do Banco Mundial. Existe o perigo de que possa evoluir da mesma maneira como o Banco Mundial, com um déficit democrático e com formas de ajuda baseadas no clientelismo. Devemos moderar o entusiasmo dos defensores e amortecer o ceticismo dos críticos.
A cooperação entre esses países envolve a questão das moedas. Como o sr. a avalia?
O arranjo de reservas de contingência é uma excelente ideia, pois iria permitir que esses países unissem reservas cambiais, se um deles tivesse um déficit em conta corrente incontrolável. Isso não é apenas sobre a gestão de crises. É também sobre a prevenção de crises.
O sr. pensa que essa iniciativa afeta o poder americano?
A iniciativa não afeta o poder dos EUA. Eu diria que o efeito é marginal e insignificante. Mas é um sinal de mudança no equilíbrio de poder na economia mundial.
Por que o Brasil, apesar de avanço há alguns anos, tem hoje crescimento baixo?
Programas de estabilização do FMI e planos de ajuste estrutural do Banco Mundial impuseram crises as economias latino-americanas, o que levou às décadas perdidas de 1980 e 1990. A recuperação só começou nos anos 2000. A atual conjuntura não é indicador do potencial do Brasil. A retomada do crescimento econômico é perfeitamente possível. Ele precisa de políticas adequadas.
Como reverter o processo de desindustrialização no Brasil?
É preciso ter uma política industrial pró-ativa. É necessária uma industrialização diversificada com base na manufatura. Há possibilidades promissoras. Afinal, o Brasil desenvolveu aeronaves com a Embraer e tecnologias de exploração de petróleo em profundidade no oceano.
Alguns economistas argumentam que a desindustrialização é inevitável e que o país não pode competir com a China.
Não há nada inevitável sobre a desindustrialização. Com o BNDES, o Brasil é um modelo para o financiamento ao desenvolvimento. O país deve criar o seu próprio modelo de desenvolvimento.
O que o Brasil deveria fazer sobre câmbio e juros?
Altas taxas de juros podem sufocar o investimento doméstico. Taxas de câmbio sobrevalorizadas podem diminuir o desempenho das exportações. A política cambial deve ser utilizada de acordo com o interesse nacional. Da mesma forma, as taxas de juros não devem ser mantidas em patamares tão elevados.
O sr. afirma que governos se tornaram obsessivos com o controle da inflação. Qual deveria ser a política?
É essencial retomar uma abordagem desenvolvimentista para políticas macroeconômicas, baseadas em uma integração de políticas fiscais e monetárias anticíclicas de curto prazo com os objetivos de desenvolvimento de longo prazo. O crescimento com pleno emprego deve ser o objetivo fundamental das políticas macroeconômicas.
(Folha de SP – 16/08/2014)

 
Abinee - Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica

Escritório Central: Avenida Paulista, 1313 - 7º andar - 01311-923 - São Paulo - SP
Fone: 11 2175-0000 - Fax: 11 2175-0090