DRI Clipping Semanal nº 03 - 19 a 23/01/15

Acordos


Veja mais

Trade Groups Hope Obama's India Trip Leads to Stronger Bilateral Trade Ties
President Barack Obama's historic trip to India next week is further evidence of renewed engagement between the two countries, which means the time to enhance the U.S.-India trade relationship is now, said Chris Moore, National Association of Manufacturers' senior director for international business policy.
“Talk must turn to action that delivers real results,” Moore told reporters Jan. 22 in a conference call.
That action, according to Moore, should include the following:
• working to lower Indian tariffs topping 100 percent on products that include distilled spirits, textiles and autos;
• restoring zero duties on telecommunications products covered by the World Trade Organization Information Technology Agreement;
• strengthening India's protection of ideas, brands and innovations; and
• eliminating requirements that would force local production of solar energy/telecommunicatons equipment.
Unprecedented Trip
Prime Minister Narendra Modi invited Obama as chief guest for India's Republic Day celebrations on Jan. 26, which marks the first time an American leader has attended as chief guest. The event commemorates Jan. 26, 1950, the day the Constitution of India, the country's final step toward independence, came into force.
“It certainly is an opportunity for the president and Prime Minister Modi to exchange with each other and talk with business leaders and continue to define the outline of what we hope can be a strong economic agenda between the two countries,” Moore said of the upcoming trip.
Modi's inauguration last spring ushered in the relationship's recent progress, said Patrick Kilbride, executive director for international intellectual property in the U.S. Chamber of Commerce's Global Intellectual Property Center. In July, Secretary of State John Kerry cochaired the fifth U.S.-India Strategic Dialogue in New Delhi with Sushma Swaraj, Indian minister of external affairs. Just before Thanksgiving, both countries held the first bilateral Trade Policy Forum to occur in many years (228 ITD, 11/26/14). Moore said further discussion is expected on the Bilateral Investment Promotion and Protection Agreement.
These developments and Obama's visit reflect India's desire to welcome foreign investment, Kilbride said.
“We see a relationship emerging here which really transcends where we've been in the past for India,” Kilbride told reporters during the same conference call. “We've seen a 180-degree change in the Indian government's willingness to engage the U.S. government in a dialogue.”
What's Next
India needs to foster homegrown innovation and open itself to outside help, and the Obama visit is an opportunity to move the U.S.-India relationship in the right direction,ilbride said. The president is expected to take part in two private sector events—a forum with chief executive officers and another with U.S. and Indian groups, with discussion of intellectual properties and pharmaceuticals high on the agenda, Kilbride said.
Meanwhile, the Global Intellectual Property Center will work to identify common ground with stakeholders to push a unified agenda. After releasing the third edition of its International IP Index Feb. 4 in Washington, D.C., representatives will visit New Delhi and Mumbai to release it there, Kilbride said.
“Our goal for India … is to see the type of growth that we've seen in China over the last decade that lifted people out of poverty,” Kilbride said. (Bloomberg BNA (EUA) – 23/01/2014)

Merkel offers Russia free-trade agreement
Germany would be prepared to negotiate a free-trade agreement between the European Union and Russia as a way out of the deadlocked Ukraine conflict, Chancellor Angela Merkel said on Thursday.
Merkel told the World Economic Forum in Davos that Germany was "ready" to open talks about "possibilities for co-operating in a collective trade area", the Süddeutsche Zeitung reported.
But she said that a pre-condition for the plan, suggested by Russian President Vladimir Putin several years ago but ignored by European leaders, would be a comprehensive peace agreement in Ukraine.
Economy Minister and Vice-Chancellor Sigmar Gabriel added that EU members should already be discussing what they could offer Russia in the event of peace.
"The next step is a free-trade zone", he told the Davos summit.
"We need to offer Russia a way out".
Both Merkel and Gabriel followed Putin by evoking the idea of a free-trade zone stretching "from Lisbon to Vladivostok", a phrase first used by Putin in 2010.
But both agreed that the free-trade zone could only be a long-term objective until Russia fulfilled its half of the September Minsk accords, in which Kiev, Moscow and Ukrainian pro-Russian separatists agreed to a ceasefire, which has so far failed to hold.
Merkel renewed her condemnation of Russia's annexing of the Crimea, saying that they had made economic sanctions against Russia unavoidable.
"Unfortunately we're not yet there" at the point when sanctions could be removed, she said. (The Local (Alemanha) – 23/01/2015)

Mujica vislumbra la apertura de EE.UU en la relación económica con Latinoamérica
Montevideo, 22 ene (EFE).- El presidente uruguayo, José Mujica, consideró hoy que la mejora del "perfil" de EE.UU. en sus relaciones con Cuba "no queda ahí" y forma parte de un "paquete más global" que el país norteamericano prevé adoptar para mejorar el "perfil de relación", sobre todo comercial y económica, con América Latina.
"Hay una fuerte corriente dentro del Partido Demócrata que se esta planteando mejorar la relación con todos los países latinoamericanos por un camino u otro", expresó el mandatario en una entrevista con Radio Carve.
A su juicio, "lo que se está negociando con Cuba" hay que verlo en el marco de un "paquete global" y no independiente del mismo.
"Ahora bien, no pongamos los ojos en blanco ni creernos que vamos a tocar el cielo con la mano. Lo que quiero decir es que puede mejorar en algo la relación comercial y económica con EE.UU. y lo precisamos", espetó el veterano gobernante.
En este sentido, argumentó que "en el otro polo" se encuentra China, que es "gran demandante", que "cada día tiene mas peso" y al cual "ya no podemos renunciar nadie". Pero "la dependencia de un mercado solo es muy peligrosa", agregó.
"Hicimos todo lo posible para que Europa se diera cuenta de estas cosas y pudiéramos impulsar el acuerdo Mercosur-Europa, que está planteado desde hace más de una década. Pero desgraciadamente Europa tiene sus propios problemas y dificultades para resolverlos", consideró el presidente uruguayo.
Cuba y Estados Unidos iniciaron hoy su primera reunión en la que definirán los pasos a seguir en el proceso de normalización de relaciones diplomáticas, que incluye la reapertura de embajadas en Washington y La Habana.
Este proceso, a juicio de Mujica, puede ser el comienzo de un nuevo proceso en la relación con América latina. "Sin que ello sea una cuestión mágica ni que signifique la unanimidad de la sociedad norteamericana", matizó.
"Sin que sea un cielo totalmente despejado", en su opinión hay una coyuntura "más favorable" de lograr "cierto grado de intercambio mas fácil que lo que venia siendo hasta hoy" con el país norteamericano.
Sin embargo, el gobernante reconoció que "Estados Unidos es la cosa más dura que hay para poder vender. La cosa más proteccionista". "Estuvimos 18 años para tratar de venderles naranjas. Es increíble", sentenció. (Ultima HORA – 22/01/2015)

Em ordem
Direto da Fonte
Sonia Racy
A Casa Civil da Presidência da República afirma que a reclamação da CNI, publicada ontem na coluna, não procede: "Não há acordos internacionais retidos na secretaria, e os atos têm tido tramitação regular", garante a secretaria. (O Estado de SP- 22/01/2015)

Dilma prestigia posse de Evo Morales e busca melhorar relações com Bolívia
Mariana Schreiber
Da BBC Brasil em La Paz
A presidente Dilma Rousseff participa nesta quinta-feira em La Paz, na Bolívia, da posse do terceiro mandato do presidente boliviano, Evo Morales. Analistas veem na visita um gesto para tentar reanimar a relação entre os dois países.
Os laços com a Bolívia – país com o qual o Brasil compartilha sua maior fronteira (3,4 mil quilômetros) - se estremeceram nos últimos anos, principalmente depois do asilo político concedido ao senador oposicionista Roger Pinto Molina, em 2012.
O ex-presidente Luíz Inácio Lula da Silva visitou nove vezes a Bolívia em seus dois mandatos entre 2003 e 2010, mas Dilma não foi ao país uma vez sequer durante seu primeiro mandato (2011-2014).
"O Brasil é visto aqui como uma nação subimperialista. Isso (o asilo político) provocou uma tensão e reforçou essa visão", afirma o boliviano-brasileiro Eduardo Lohnhoff, estudante de sociologia e militante do Partido Comunista Boliviano, que apóia Morales, mas pressiona por um governo mais à esquerda.
Lohnhoff conversou com a BBC ontem nas ruínas do sítio arqueológico de Tiwanaku, vizinho à La Paz, onde um ritual indígena celebrou o novo mandato de Morales – o local era sede de uma civilização anterior aos incas.
Entre os fatores que alimentam a visão negativa do Brasil em parte da sociedade boliviana, diz ele, está o interesse brasileiro em concluir uma estrada cortando a Bolívia e o norte do Chile para conectar o porto de Santos (SP) ao Oceano Pacífico, além da presença de grandes fazendeiros brasileiros produtores de soja na região de Santa Cruz de La Sierra.
De acordo com uma nota divulgada pelo Itamaraty, "as relações com a Bolívia são prioritárias para o Brasil" e "um marco relevante será a conclusão da pavimentação do corredor rodoviário interoceânico, que cruzará o território boliviano, conectando o porto de Santos aos portos chilenos".
Essa enorme rodovia terá um total de 2.700 quilômetros de extensão, sendo 1.561 quilômetros em território da Bolívia, 947 quilômetros em solo brasileiro e 192 quilômetros em área do Chile. A estrada atravessa as regiões bolivianas de Santa Cruz, Cochabamba e Oruro, cortando áreas de preservação ambiental, o que gerou resistência de grupos locais.
Mas, segundo Lohnhoff, a oposição à obra tem diminuído, a partir de um trabalho do presidente de convencer a população da importância do empreendimento para o desenvolvimento local.
"A verdade é que o impacto ambiental não é tão grande assim e a estrada pode melhorar a circulação dentro do país", considera.
Asilo político
Outro fator que estremeceu a relação Brasil-Bolívia foi o episódio da fuga do senador de oposição boliviano Roger Pinto Molina, observa a socióloga brasileira Fernanda Wanderley, que vive há duas décadas na Bolívia e é professora da Universidad Mayor de San Andrés, em La Paz.
"Causou uma tensão e uma certa paralisação nas relações", ela afirma.
Molina, senador oposicionista que é acusado de corrupção e responde a 14 processos no país, pediu asilo ao Brasil em maio de 2012 argumentando preseguição política. O pedido foi atendido pelo governo Dilma.
No entanto, a Bolívia não concedeu salvo conduto para que ele deixasse o país, de modo que o Molina viveu por quase 15 meses na Embaixada brasileira em La Paz. O impasse levou o diplomata Eduardo Saboia a fugir com o senador para o Brasil, mesmo sem autorização prévia do Itamaraty.
Wanderley lembra que o episódio Molina traz consequências práticas até hoje. Desde a fuga do senador em agosto de 2013, a Embaixada brasileira em La Paz não tem um embaixador oficial. O cargo vem sendo ocupado interinamente desde a retirada de Marcel Biato, que não agradava Morales. Atualmente está à frente da Embaixada o encarregado de negócios Antonio José Resende de Castro.
Nesse contexto, a professora acredita que a vinda de Dilma pela primeira vez ao país para prestigiar a posse de Morales seja um gesto que pode melhorar o relacionamento entre os dois países.
Para comparecer à La Paz, a presidente desmarcou sua ida ao Fórum Econômico de Davos, na Suiça. Com a presença na cerimônia de Morales, Dilma também retribui a ida do líder boliviano a Brasília para sua posse de segundo mandato.
O sociólogo boliviano Fernando Mayorga também considera importante a vinda de Dilma a La Paz para a relação bilateral. Ele minimiza o esfriamento recente entre os dois países.
Proximidade
Lula era muito próximo do presidente boliviano
Mayorga observa que Morales e Lula eram muito próximos porque tinham muito em comum e considera natural que a relação tenha se tornado mais fraca com a mudança de presidente no Brasil.
"Lula foi muito importante para dar legitimidade a Morales, foi uma influência forte frente ao radicalismo de Hugo Chávez (ex-presidente venezuelano). Ambos vieram do sindicalismo, são mais abertos à negociação que Chávez, que era um militar", afirma.
Mayorga acredita que Morales buscará melhores relações externas no seu terceiro mandato, porque a queda dos preços das commodities exportadas pelo país, como gás e minérios, aumentará a necessidade de atrair investimentos estrangeiros para industrializar a economia nacional.
O Brasil é o principal parceiro comercial da Bolívia: consome cerca de 40% do total das exportações bolivianas, por causa da venda do gás natural, e é a segunda maior origem de suas importações, atrás apenas do Chile.
O intercâmbio comercial entre as duas economias (soma das importações e exportações) passou de US$ 818 milhões em 2002 para US$ 5,4 bilhões em 2014 – sendo que o saldo é negativo para o Brasil em US$ 2,2 bilhões.
Além da importância da questão energética (gás) e da integração logística regional, outra agenda bilateral relevante é o controle da fronteira para combate ao tráfico de drogas. (BBC – 22/01/2015)

Análise: Acordo EUA-Cuba e eleições mudam relações no continente
CLAUDE HELLER
A reconfiguração das relações interamericanas está na agenda, tendo em mente o processo de normalização diplomática entre Cuba e os EUA, bem como as recentes mudanças resultantes de processos eleitorais em 2014.
Em 2015, Argentina e Guatemala elegerão novos presidentes, enquanto México e Venezuela renovarão os Legislativos.
O fim do isolamento de Cuba permite que seu governo se concentre nas reformas internas e elimina uma das principais críticas cubanas a Washington, criando a oportunidade de uma etapa mais construtiva em escala regional.
A expectativa é de mais espaço para o pragmatismo do que para a retórica do confronto. Muito dependerá da atuação da Venezuela no Conselho de Segurança da ONU, no qual acaba de ingressar, e da superação dos obstáculos bilaterais existentes por conta das sanções impostas por Washington.
Na Colômbia, a expectativa de acordo final com as Farc é realista, o que porá fim a um conflito que incide sobre a segurança dos vizinhos.
Os países-membros da debilitada Aliança Bolivariana (Alba) criticam a Aliança do Pacífico, que continua avançando em seus objetivos enquanto outros processos sub-regionais se paralisaram.
A queda de preço do petróleo e das matérias-primas, assim como as expectativas de crescimento econômico fraco, obrigam a região a prestar mais atenção a suas dificuldades internas, o que leva, em alguns casos, à busca de alternativas de financiamento.
Equador e Venezuela recorreram à China. A visita de Maduro a países da Opep teve por fim buscar a estabilização do mercado petroleiro e obter recursos necessários para atenuar sua crise.
Washington não tem uma política para a América Latina que privilegie enfoque nos países que mais interessam por seu peso político e econômico. As mudanças geopolíticas forçam os EUA a exercer presença mais ativa na sua zona tradicional de influência.
Em 2015, será eleito o novo secretário-geral da Organização dos Estados Americanos (OEA), órgão cada vez mais debilitado e irrelevante.
Nesse contexto, a 7ª Conferência de Cúpula das Américas, que acontece no Panamá em abril, se apresenta como o melhor cenário hemisférico ao reunir pela primeira vez os 35 chefes de Estado e governo da região, incluindo Cuba.
Os EUA sinalizaram que colocarão sua ênfase no tema da democracia e dos direitos humanos. Mas desta vez isso não ocorrerá mais sob a ameaça da exclusão e do isolamento. (Folha de SP – 21/01/2015)

Na gaveta
Sonia Racy
A CNI está preocupada com a paradeira, na Casa Civil e no Congresso, de acordos comerciais já assinados pelo Mercosul. Entre eles, o da União Aduaneira da África Austral – que tem potencial de dobrar as exportações brasileiras para a região, hoje em torno de US$ 2 bilhões.
Problema? Segundo Carlos Abijaoidi, diretor da entidade, Aloizio Mercadante não despacha o documento à sanção de Dilma. “Só falta a assinatura da presidente”, avisa.
Na gaveta 2
Outro acordo decisivo que patina em comissões do Congresso – entre Mercosul e Egito – derruba tarifas de importação de até 90%, beneficiando os setores automotivo, de autopeças, açúcar e café.
Para a CNI, estes dois tratados já transformariam o atual déficit da balança comercial em superávit. (O Estado de SP – 21/01/2015)

India, European Union may resume Free Trade Agreement talks
After a gap of almost 20 months, India and European Union are likely to resume talks for the proposed free trade agreement (FTA) to boost commerce and investment.
"We are keen and hopeful that at the next meeting (of India-EU FTA) there will be a positive result," Commerce and Industry Minister Nirmala Sitharaman said at the 10th UK India Joint Economic Trade committee (JETCO) meeting.
However, she did not elaborate on the date for the next meeting.
Last time in May 2013, both sides failed to bridge substantial gaps on crucial issues, including data security status for IT sector.
Launched in June 2007, the negotiations for the proposed Broad-based Trade and Investment Agreement (BTIA) between India and the 27-nation European bloc has witnessed many hurdles with both sides having major differences on crucial issues.
The two sides are yet to iron out issues related to tariffs and movement of professionals but the EU has shown an inclination to restart talks.
Further, Sitharaman said there will not be retrospective taxation.
"The government is committed. We want to provide simplified tax rule," she said, adding India is the place to do business as the country has been witnessing GDP growth of over 5 per cent.
Referring to the World Bank report on Ease of Doing Business, the Indian Minister said, "the assessment was based on period before May 2014. We have taken enough steps, made cutting edge decisions...The Modi government has removed the number of hurdles. More than 40 rules have been amended during the last eight months."
India has been ranked at 142nd in this regard by the report.
The Minister said the industry is looking forward to the Budget to be presented by Finance Minister Arun Jaitley next month.
India's investment in the UK has been quite upfront and they have been providing jobs there, she said adding "We can see a lot of interest and I am sure this interest will translate into actual business".
There is a lot of interest and enthusiasm and British companies are keen to participate in the Bengaluru-Mumbai industrial corridor and also to engage in development of smart cities, the Minister added. (Live Mint (Índia) – 20/01/2015)

Gobierno de Vázquez planteará al Mercosur que revise su actuación
Futuro embajador en Buenos Aires, Héctor Lescano, reconoció dificultades con el país vecino
El futuro embajador de Uruguay en Argentina, Héctor Lescano, considera que no se puede ocultar que existen diferencias con ese país, “ni se las debe minimizar”, aunque también cree que hay grandes coincidencias que vienen de la historia.
El designado canciller Rodolfo Nin Novoa y el presidente Tabaré Vázquez eligieron a Lescano, entre otras razones por su capacidad negociadora. En su nuevo cargo, deberá desplegar esa característica para manejarse ante la administración kirchnerista, que en los últimos años tomó una serie de decisiones que perjudicaron intereses de Uruguay, ya sea a nivel portuario, comercial o vinculado al turismo.
“Con Nin Novoa hablamos de la necesidad de mirar hacia adelante. Hoy tenemos una situación distinta a la de hace 10 años” dijo Lescano a El Observador. Precisamente en 2006, bajo el gobierno de Vázquez –y durante más de tres años–, Argentina permitió que pobladores de Gualeguaychú bloquearan el puente general San Martín para manifestar en contra de la planta de celulosa de UPM (ex Botnia) en Fray Bentos.
Lescano entiende que hoy las relaciones con Argentina “son cordiales”, aunque también reconoció que persisten “dificultades” vinculadas al dragado de los ríos y aspectos comerciales.
El actual canciller, Luis Almagro, no pudo conseguir que el canal Martín García sea profundizado, lo que beneficiaría al puerto de Nueva Palmira. Ese canal se está dragando por parte de Uruguay a pesar de haber acordado que se haría por parte de ambos países.
El designado embajador en Buenos Aires adelantó que el gobierno de Vázquez buscará que el Mercosur se “sincere”, lo que implicará revisar su actuación. Vázquez y Mujica defienden el Mercosur pero también han criticado su falta de flexibilidad, por ejemplo para permitir la firma de acuerdos comerciales bilaterales.
“Estamos en el mismo barrio y no solo no podemos, sino que no queremos mudarnos”, dijo Lescano a El Observador. “Uruguay sigue creyendo en el Mercosur, bloque que debe tener cambios importantes: reforzar su institucionalidad y llevar a la práctica los acuerdos del tratado fundacional de Asunción”.
Uruguay sigue viendo al bloque regional Mercosur como parte de su estrategia de inserción internacional, aunque el nuevo gobierno reclamará cambios.
“El Mercosur debe revisar por qué ha transcurrido sin la trascendencia de un gran acontecimiento que algunos votamos con convicción. Ver cómo se puede destrabar lo comercial, cómo avanzar en materia energética, cómo los grandes países, en especial Brasil, van a asumir un liderazgo que nos ayude a todos”, dijo Lescano. El exministro de Turismo criticó que los países socios se encierren y opinó que, por el contrario, deben tener la capacidad de negociar juntos el relacionamiento con otros países.
Lescano es de los pocos embajadores designados. Otro es Carlos Gianelli para Estados Unidos, Carlos Amorín seguirá en Brasil y Francisco Bustillo permanecerá en España. La nueva administración disminuirá el número de embajadores políticos y mantendrá en sus puestos a los diplomáticos de carrera que hoy estén en el exterior. (El Observador – 20/01/2015)

Chile y Japón Profundizan Acuerdo Bilateral Para Incluir Nuevos Productos
Además, las delegaciones de ambos países avanzaron en temas como la transposición de las listas de acceso a mercado del acuerdo y las respectivas reglas específicas de origen.
En la última reunión del Comité de Bienes del Acuerdo de Asociación Económica Estratégica (AAEE) entre Chile y Japón se abordó la profundización del acuerdo bilateral entre ambos países, de manera de ir incorporando productos adicionales bajo la denominada categoría “R”. Estos son cerca de 250 bienes, de sectores como el lácteo, de carnes, acuícola, agroalimentos, entre otros.
Además, se aprovechó la reunión de las delegaciones para avanzar en algunos temas bilaterales como la transposición de las listas de acceso a mercado del AAEE y las respectivas reglas específicas de origen.
“Chile mantiene con Japón una relación muy rica y multisectorial. Considerando esto, es importante que sin perjuicio de los avances que se logren en el ámbito del TPP y la Alianza del Pacífico, debamos seguir privilegiando y ahondando nuestra relación bilateral. En ese contexto, la profundización del AAEE cobra mucha relevancia”, dijo Pablo Urria, Director de Asuntos Económicos Bilaterales de la Direcon.
Asimismo, Urria explicó que “durante estos días pudimos revisar los productos que son de especial interés para Chile y los cuales esperamos puedan ser acomodados por Japón dentro de la cobertura del acuerdo. Asimismo, con el objeto de ir avanzando con la mayor periodicidad posible, hemos acordado realizar una nueva reunión posiblemente en abril de 2015”.
Relaciones Comerciales
En términos de cifras de comercio, de enero a octubre del 2014 el intercambio entre Chile y Japón alcanzó los US$8.200 millones, donde las exportaciones registraron US$6.235 millones, mientras las importaciones sumaron US$1.925 millones.
Entre los sectores exportadores que marcaron un repunte en el período, destacaron los envíos de frutas, que crecieron un 57% comparado a igual período del año 2013, y los envíos de salmón, que anotaron un incremento de 11% comparado con el año 2013.
Por otra parte, en dicho periodo, Japón se posicionó como el quinto social comercial de Chile, después de China, Estados Unidos, la Unión Europea y el Mercosur.
Respecto de las inversiones, el país nipón se sitúa como el cuarto mayor inversionista en Chile con un total de US$9.702 millones acumulados entre 1974 y 2013.Las preferencias arancelarias desde Japón a las exportaciones chilenas se refleja en un arancel efectivo de 0,39% en ese mercado, mientras en 2013, las importaciones provenientes de Japón enfrentaron un arancel efectivo de 0,9% en Chile.
De acuerdo al cronograma de desgravación, hoy más del 80% del universo arancelario está libre de aranceles, informó la Direcon. (Estrategia Online – 20/01/2015)

“Es necesario ingresar a un proceso de sinceramiento en el Mercosur”
El embajador uruguayo, Federico Perazza, señala además que el nuevo gobierno de su país tendrá mayor acercamiento con Paraguay.
Por Olga Giménez
El 1 de marzo próximo, Tabaré Vázquez iniciará su segundo mandato como presidente de la República Oriental del Uruguay, cargo que ya lo ejerció en el periodo 2005/2010, cuando se convirtió en el primer mandatario de izquierda de su país. Las perspectivas que ello ofrece a las relaciones con bilaterales con Paraguay son parte medular abordada por el embajador uruguayo en Asunción, Federico Perazza.
El representante diplomático analiza además el presente del Mercosur con una óptica que aunque es convencidamente optimista, no deja de reconocer los tropiezos de una integración todavía en proceso.
– ¿Cuáles serían los objetivos del próximo gobierno uruguayo con Paraguay?
– El gobierno del Dr. Vázquez, que comenzará a partir del 1 de marzo del 2015, continuará privilegiando la cooperación, fundamentalmente las nuevas modalidades de cooperación horizontal Sur-Sur, donde la región aparece como un escenario privilegiado. Es más, la cooperación internacional y en especial la Sur–Sur, conforma uno de los pilares de la política exterior uruguaya. Paraguay ha sido una prioridad en el 2014 y en el 2015 se continuará en esa dirección. Creo que uno de los méritos de la cooperación uruguaya es que ha alcanzado el rango de política de Estado.
– ¿Cuáles son esos sectores?
– El año pasado Uruguay y Paraguay trabajaron coordinadamente en el fortalecimiento del sistema tributario paraguayo, contando para ello con el asesoramiento de la Dirección General de Rentas del Uruguay, logrando identificar medidas para obtener mayores niveles de recaudación, disminuir las tasas de evasión y mejorar la situación fiscal del país. Un capítulo aparte ha sido la cooperación brindada por Uruguay en materia de políticas sociales, para lo cual se ha trabajado directamente con la Secretaría de Acción Social en la implementación en Paraguay del modelo de gestión territorial del Ministerio de Desarrollo Social uruguayo, así como los aspectos vinculados a la descentralización y los sistemas de monitoreo y evaluación. También Uruguay cooperó con Paraguay en dos proyectos específicos agropecuarios: en el mejoramiento de la competitividad de la producción ovina en Paraguay y en el fortalecimiento del sistema de trazabilidad de la carne bovina en el país, para lo cual se brindó asesoramiento y capacitación a técnicos paraguayos.
– ¿Actualmente cuál es la cooperación entre ambos países?
– Uruguay definió unos 20 proyectos de cooperación con Paraguay en el marco de la XI Reunión de la Comisión Mixta de Cooperación de abril del 2014. En esa oportunidad se fijó un plan de actividades para el 2014 – 2016. En consecuencia, se continuará trabajando durante el 2015 en el área de fortalecimiento institucional y gestión pública, en temas de Gobierno Electrónico (donde existe un gran desarrollo en el Uruguay), en la formación de funcionarios públicos, en el fortalecimiento de la Dirección General de Cooperación para el Desarrollo de la STP y en otros proyectos de desarrollo social y agropecuario.
– ¿Cómo ve las relaciones comerciales entre Paraguay y Uruguay?
– En el año 2014 tanto Uruguay como Paraguay alcanzaron récords en sus ventas de productos al mundo. Uruguay alcanzó los US$ 9.178 millones (pero si a esto se le agregan las ventas desde las Zonas Francas el monto exportado asciende a US$ 10.056 millones). Paraguay terminó 2014 con un total de exportaciones que representaron US$ 9.656 millones, la cifra más alta lograda en este tipo de ingresos en el país. Ese comportamiento económico de los dos países se observa incluso en el comercio bilateral.
– ¿Cuál es actualmente el intercambio comercial entre ambos países?
– Uruguay exportó a Paraguay en el 2014 por un total de US$ 120 millones, concentrando su matriz exportadora en productos tales como cigarrillos, derivados del tabaco, envases de papel, medicamentos, trigo, aceites de petróleo y abonos minerales. Paraguay en el 2014 exportó a Uruguay productos por un valor de US$ 150 millones, fundamentalmente a través de la venta de maíz, tortas de soja, tabaco sin elaborar, cueros, así como barcazas para el transporte de mercaderías. El gran desafío para nuestros dos países es diversificar su comercio bilateral debido a que ambos países son muy competitivos en alimentos y commodities. Desde la Embajada del Uruguay hemos venido impulsando misiones comerciales que intensifiquen la comercialización de productos vinculados a la tecnología de la información, maquinaría agrícola, servicios de consultoría, venta de software, y otros, que agreguen valor a la corriente exportadora uruguaya.
– ¿Cómo observa el bloque del Mercosur ahora?
– El Gobierno uruguayo actual y el próximo han reiterado que el Mercosur es la base de la inserción internacional de Uruguay. Uruguay, un país fuertemente comprometido con la integración regional no solo por mandato constitucional, sino por una decidida voluntad política, ha sido igualmente crítico con los problemas de implementación de la agenda interna y externa del bloque. Pero al mismo tiempo, el Mercosur, justo es decirlo, a pesar de todos estos inconvenientes y de sus temas no resueltos tanto en su agenda interna como en su relacionamiento externo, está intentando consensuar una postura común en sus negociaciones comerciales con la Unión Europea, ha resuelto (no exento de obstáculos) la incorporación plena de Venezuela al bloque, ha comenzado a redefinir el FOCEM que beneficia claramente a las economías más pequeñas del bloque, ha celebrado Acuerdos de Asociación con Guyana y Surinam a la vez que ha acelerado sus gestiones para la plena incorporación de Ecuador y de Bolivia al bloque.
– ¿Cree que hay normativas que cambiar o incluir?
– Uruguay, sin dejar de desconocer la importancia de su pertenencia al Mercosur, ha señalado que es necesario ingresar en un proceso de sinceramiento en el Mercosur. Es claro que reiteradamente se ha optado e intensificado por una suerte de bilateralismo por parte de los dos socios mayores en el tratamiento y negociación de los temas, ignorando los intereses de los socios menores y marginándolos del proceso de decisión. Asimismo, se advierte una brecha creciente entre los compromisos asumidos en las decisiones del bloque y su grado de cumplimiento real, lo cual genera enormes incertidumbres sobre la marcha del bloque. Todos estos temas, que Uruguay y Paraguay hemos planteado en numerosas oportunidades, deberán ser resueltos de una manera pragmática y viable.
– ¿Piensa que no se da cumplimiento a todas las normas establecidas en el Tratado del Mercosur?
– No es ninguna novedad que varias normas del Mercosur, tanto el derecho originario como el derivado, no son respetadas. Basta advertir un sistema de solución de controversias paralizado desde hace años, el no respeto de los laudos arbitrales, la falta de flexibilidad para los socios menores, la necesidad de adecuar la estructura institucional del Mercosur a los tiempos actuales y los escasos avances en el relacionamiento externo, para llegar a esta conclusión que no es ni más ni menos que un dato de la realidad. Pero el incumplimiento de estas normas debe ser necesariamente analizado a la luz de un comercio mundial que ha sido objeto de profundas transformaciones en los últimos quince años. (La Nación Paraguay – 19/01/2015)

A China marca o compasso do tango (com privilégios que o Brasil nunca teve)
arielpalacios
Déficit fiscal crescente, queda dos investimentos estrangeiros no país, redução das reservas do Banco Central, perda de respaldo político internacional, conflitos com seus sócios do Mercosul, urgência por fundos frescos para obras de infraestrutura, entre outros problemas. Perante este cenário – e sem poder contar com a ajuda que teve em décadas anteriores (dos Estados Unidos e da União Europeia) e sem acesso aos mercados internacionais de crédito desde o calote da dívida pública de 2001 – a presidente Cristina Kirchner, em meados do ano passado, iniciou uma rápida aproximação estratégica com a China.
O resultado desta aproximação foi o controvertido “Convênio Complementar de Cooperação de Infraestrutura”, aprovado em caráter de “urgência” pelo Parlamento em Buenos Aires em dezembro, dois dias antes do Réveillon. O convênio foi aprovado sem debate prévio no Senado na última sessão do ano.
Os partidos da oposição protestaram infrutiferamente, já que o kirchnerismo, apesar das baixas que teve nos últimos dois anos no Congresso Nacional, conta com uma ajustada maioria parlamentar. Segundo a oposição, o governo Kirchner, apesar de seu discurso “nacionalista”, está “entregando” setores da economia para a China, já que o país oriental terá prioridades em áreas como a energética, mineração, agricultura e o desenvolvimentos de parques industriais.
“É uma violação da soberania”, afirmam integrantes da oposição. Mas, segundo o chefe do gabinete de ministros, Jorge Capitanich, os acordos são de “vital importância” para “o desenvolvimento da infraestrutura pública”.
Em troca de financiamento as empresas chinesas terão vantagens inéditas no país como a importação de insumos sem tarifas alfandegárias.
Um dos pontos do convênio, o artigo 5, permite um processo de adjudicação direta das obras de infraestrutura, sem necessidade de participação de empresas chinesas nas licitações na Argentina. Outro ponto que gerou críticas da oposição foi o número 6, que determina a criação de “facilidades trabalhistas e profissionais” para operários chineses que seriam levados à Argentina.
Analistas sustentam que isto permitirá que empresas chinesas poderão transportar para o país seus próprios trabalhadores, que estarão sob a legislação chinesa.
As críticas também estiveram focalizadas no artigo 4, que estipula a promoção dos investimentos chineses na Argentina com o objetivo de aumentar a capacidade produtiva da indústria argentina. Mas, este estímulo somente seria aplicado nas indústrias que exportem produtos para o próprio mercado chinês.
O artigo número 2 do convênio permite que nos próximos cinco anos o governo da presidente Cristina e seu sucessor feche acordos comerciais e de investimentos com a China sem a necessidade de passar novamente pelo crivo do Parlamento.
Presidente Dilma Rousseff prepara-se para abraçar a presidente Cristina Kirchner durante breve visita à cidade de Buenos Aires em 2013. Mas abraços, abraços, negócios à parte. Cristina está concedendo vantagens à China enquanto as barreiras comerciais contra os produtos elaborados pelos operários brasileiros permanecem. Na teoria deveria existir livre comércio dentro do Mercosul.
BRASIL, DE ESCANTEIO - Os investimentos brasileiros na Argentina não contam com o leque de privilégios obtidos pela maior economia do planeta de parte da presidente Cristina.
As importações de produtos Made in Brazil, entre janeiro e novembro do ano passado caíram 25% em comparação com o mesmo período de 2013. Por trás da queda das importações de mercadorias brasileiras estiveram as diversas medidas protecionistas que a presidente Cristina aplica contra seu sócio do Mercosul. Além disso, a recessão argentina.
Mas, enquanto isso, as importações de produtos Made in China feitas pelos argentinos só registraram uma queda de 4%.
Miguel Ponce, porta-voz da Câmara de Importadores da Argentina, indicou que “em reuniões na secretaria de comércio em Buenos Aires, os integrantes do governo Kirchner ressaltaram que, se os empresários argentinos tiverem que importar tem que ser da China”.
Vice-presidente Amado Boudou presenteia o presidente chinês Xi Jinping com camiseta da seleção argentina com o emblemático “10? usado por Messi e Maradona.
APPROACH BEIJING-BUENOS AIRES - A aproximação Buenos Aires-Beijing implicou na assinatura de 20 convênios que envolvem investimentos chineses pelo valor de US$ 7,5 bilhões. Isso incluiu os acordos com a China para a compra de vagões de carga ferroviária Made in China, fato que irritou o líder sindicalista Antonio Caló, secretário-geral da Confederação Geral do Trabalho (CGT) alinhada com a presidente Cristina. Caló reclamou, alegando que esses vagões poderiam ser fabricados na Argentina por operários metalúrgicos argentinos.
Além de vagões Made in China para substituir as sucateadas unidades que circulam nas ferrovias entre os municípios da Grande Buenos Aires e a cidade de Buenos Aires – a presidente Cristina também obteve da China um acordo de “swap” de yuans para reforçar as esquálidas reservas do Banco Central argentino.
O BC, que tinha US$ 52 bilhões em 2011, atualmente possui US$ 30 bilhões. Desse total, US$ 2,713 bilhões são referentes aos fundos enviados pela China em troca do equivalente em pesos argentinos emitidos pela Casa da Moeda em Buenos Aires. O acordo implica em um total de “swap” de US$ 11 bilhões.
A China também fornecerá os fundos necessários para que a Argentina realize a construção – várias vezes anunciada e nunca iniciada – de duas hidrelétricas na província de Santa Cruz, feudo político dos Kirchners desde 1991. As hidrelétricas ostentarão os nomes do ex-governador Jorge Cepernic e do ex-presidente Néstor Kirchner. Além disso, o governo Kirchner está analisando com Beijing investimentos para a construção da quarta usina nuclear argentina.
O governo Kirchner também aprovou a construção de uma estação espacial chinesa na província de Neuquén, área famosa pela produção de gás e petróleo. A estação, que contará com uma área de 200 hectares, terá concessão de meio século de duração. No entanto, o governo mantém segredo sobre as atividades que essa estação terá no sul da Argentina e apenas informa que terá funções de “observação lunar”.
O senador kirchnerista Marcelo Fuentes retruca as críticas da oposição, afirmando que a construção da base – que já iniciou – indica uma “opção geopolítica” pela China e que mostra um “sinal de soberania” perante os Estados Unidos. Apesar de hospedar a base, a Argentina não contará com transferência d tecnologia por parte da China.
A presidente Cristina Kirchner viajará a Beijing nos dias 5 e 6 de fevereiro para reunir-se com o presidente Xi Jinping, que esteve em Buenos Aires em junho do ano passado. Neste novo encontro, os dois líderes assinariam novos acordos para ratificar a relação estratégica entre os dois países. (O Estado de SP – 18/01/2015)

Acordo isola o Brasil e abre a porta da América do Sul à China
DENISE CHRISPIM MARIN
Indústria culpa governo brasileiro por não ter financiado a Argentina, em troca de obras e de exportações brasileiras
O acordo Argentina-China disparou um alarme na indústria brasileira. Enquanto refaz para baixo suas projeções de exportação para o país vizinho, o setor culpa o governo brasileiro por não ter concedido financiamento especial para a Argentina, mesmo com o alto risco da operação. A omissão, para industriais brasileiros, permitiu à China isolar o Brasil e fazer da Argentina a sua porta de entrada para a América do Sul. O acordo pode ainda dar um golpe de misericórdia no Mercosul.
"Houve falha estratégica do Brasil, que fará da China o maior exportador de manufaturas para a Argentina", afirmou Klaus Curt Müller, diretor de Comércio Exterior da Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos (Abimaq). "A perda de mercado dos produtos brasileiros para os chineses na Argentina vai aumentar agora, com o acordo, em prejuízo da indústria nacional", disse Carlos Eduardo Abijaodi, diretor de Desenvolvimento Industrial da Confederação Nacional da Indústria.
O governo brasileiro preferiu não se manifestar. O Ministério do Desenvolvimento disse não conhecer os detalhes do acordo - disponível na página do Senado argentino na internet - e ser essa uma questão do Itamaraty. A diplomacia brasileira silenciou ao ser procurado pelo Estado.
Müller e Thomaz Zanotto, diretor do Departamento de Relações Internacionais e Comércio Exterior da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo, explicaram ser esse acordo o resultado da situação financeira crítica da Argentina e da ausência de resposta do Brasil. Em 2009, o Planalto avalizou o financiamento em moeda local de US$ 3,5 bilhões à Argentina, que preservou a importação de produtos brasileiros ao país vizinho, o terceiro maior mercado do Brasil. Nos últimos dois anos, o apelo argentino ficou sem resposta de Brasília.
A China, como parte do acordo, aprovou um swap de US$ 11 bilhões para o país vizinho em setembro de 2014. Os recursos engrossam as reservas internacionais do país e serão usados em projetos de infraestrutura, entre eles duas hidrelétricas.
Para Zanotto, a "gritaria" no Brasil sobre o financiamento do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social para a renovação do Porto de Mariel, em Cuba, impediu a concessão de crédito nacional para a construção das hidrelétricas por empreiteiras brasileiras. O governo argentino tentara atrair empresas do País em dois eventos no primeiro trimestre de 2013, em São Paulo. "A principal reclamação das nossas construtoras é a falta de mecanismos de garantia de crédito para que possam competir em pé de igualdade com as chinesas."
Africanização. O acordo, segundo Müller, atende aos critérios chineses de investimento em economias vulneráveis, em troca de matérias-primas e de mercado. Trata-se do mesmo modelo adotado pela China em acordos com Angola e Nigéria. Nesses casos, a China trouxe tudo o que era necessário para levantar as obras, incluindo a mão de obra. "Em dificuldade financeira, a Argentina tornou-se a grande porta de entrada da China na América do Sul. O Brasil poderia ter evitado e, agora, tem de agir imediatamente", disse o diretor da Abimaq.
O presidente da Associação de Comércio Exterior do Brasil (AEB), José Augusto de Castro, lamenta o fato de o governo brasileiro não ter incluído essa questão nas última reuniões do Mercosul. "Se houver isenção de impostos para a importação de produtos chineses para essas obras, o Mercosul será ferido de morte."
Um tema desconsiderado pelo bloco, segundo Abijaodi e Castro, é o deslocamento de produtos brasileiros na Argentina pelos concorrentes chineses. Dados da CNI mostram a redução de 11% nas importações totais da Argentina de janeiro a novembro de 2014 ante igual período de 2013. Do Brasil, a queda foi de 25%. Da China, 4%. O caso mais grave está no setor de máquinas e equipamentos: as compras de itens brasileiros caíram 34%, enquanto as de chineses aumentaram 14%. (O Estado de SP – 18/01/2015)

Las negociaciones entre Cuba y la Unión se retomarán en marzo
La Habana se ha puesto en contacto tras cancelar la reunión de enero
La Unión Europea y Cuba retomarán a principios de marzo la tercera ronda de negociaciones para establecer un acuerdo que permita normalizar las relaciones entre ambos, según ha confirmado hoy el Servicio Europeo de Acción Exterior (SEAE). La Habana que canceló el encuentro previsto para los días 8 y 9 del presente mes se ha puesto en contacto con Bruselas para fijar una nueva fecha. (Aquieuropa – 16/01/2015)

Produtos e Mercados


Veja mais

Evo toma posse e Dilma tenta normalizar relações com Bolívia
Rafael Moraes Moura, enviado especial a La Paz e Andeza Matais, de Brasília
Com visita a La Paz, presidente busca reduzir a tensão causada pela fuga de senador boliviano para o Brasil
Em sua primeira viagem internacional do segundo mandato, a presidente Dilma Rousseff compareceu ontem à posse do presidente da Bolívia, Evo Morales, para seu terceiro mandato marcando uma tentativa de normalizar as relações bilaterais entre Brasília e La Paz, estremecidas após o episódio da fuga do senador boliviano Roger Pinto Molina para o Brasil.
Dilma chegou à Bolívia sem ainda conseguir aprovar no Senado a indicação do novo embaixador brasileiro no país e sem chegar a uma conclusão sobre o processo aberto contra o diplomata brasileiro Eduardo Saboia, envolvido na fuga.
Dentro do Palácio do Planalto a avaliação é de que a passagem por La Paz promoveu um relançamento da relação bilateral. "É uma viagem para abrir portas", comentou ao Estado uma fonte diplomática.
Segundo um outro integrante do governo, mais que "uma cortesia diplomática", a passagem da presidente pela Bolívia representou uma busca por "normalizar as relações bilaterais", deixando de lado qualquer ruído.
Essa foi a primeira visita de Dilma à Bolívia em quatro anos e um mês de governo. O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva fez quatro viagens ao país no primeiro mandato e outras quatro no segundo.
Entre os principais assuntos na relação bilateral está a cooperação energética - o gás natural boliviano representou 98% das importações brasileiras de produtos bolivianos em 2014.
A presidente foi recebida no aeroporto pelo prefeito de El Alto, Edgar Hermogenes, e ao contrário do presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, não fez nenhuma declaração durante sua visita.
Dilma ficou ao lado de Evo na foto oficial tirada no Palácio de Governo boliviano. Os dois trocaram rápidas palavras ao se cumprimentarem.
Narcotráfico. Durante o discurso de posse na Assembleia Legislativa, Evo criticou a atuação dos Estados Unidos no combate ao tráfico de drogas na região. "A nacionalização da luta contra o narcotráfico, em coordenação direta com os países vizinhos, é importante. Estamos melhor na luta contra o narcotráfico sem o DEA (departamento antidrogas do governo americano)", comentou.
A fronteira entre Brasil e Bolívia é um outro ponto delicado na relação bilateral, devido à forte atuação do contrabando e do narcotráfico na região.
Em 2008, Evo expulsou agentes do DEA que atuavam na Bolívia sob o argumento de que eles estariam, na verdade, ali para auxiliar os opositores do governo. O presidente já havia dito que o DEA é um instrumento que a Casa Branca utiliza para chantagear países que não "cooperam com o imperialismo e o capitalismo".
"Me perdoem a expressão, mas (na Bolívia) não mandam os gringos, mandam os índios", afirmou Evo. O presidente também brincou durante o discurso, ao dizer que as mulheres são honestas e trabalhadores e mandariam na Bolívia "se não fossem tão teimosas". (O Estado de SP – 23/01/2015)

Reunião entre EUA e Cuba tem pouco avanço
Cláudia Trevisan, correspondente em Washington
Sem resultados concretos, encontro de mais alto nível entre os países nos últimos 38 anos ocorre em Havana no contexto da retomada das relações
A primeira reunião de alto nível entre Estados Unidos e Cuba sobre o restabelecimento de relações diplomáticas foi realizada ontem e terminou sem resultados concretos e com uma queda de braço sobre limites da atuação dos futuros representantes americanos em Havana. Para o governo da ilha, as missões devem respeitar os diferentes sistemas "político, econômico e social" e não interferir em assuntos internos.
A crítica à situação dos direitos humanos é uma constante nos pronunciamentos de autoridades dos EUA em relação a Cuba e foi discutida no encontro, segundo a subsecretária do Departamento de Estado para a América Latina, Roberta Jacobson, a mais importante autoridade americana a pisar em Havana em 38 anos.
Segundo ela, a abertura de embaixadas é o aspecto mais simples do processo de retomada da relação entre os dois países, que romperam laços diplomáticos há 53 anos. Outros temas que Jacobson qualificou de "complexos" continuarão a ser discutidos, em um processo para tentar superar "50 anos de um relacionamento que não tinha a confiança como base".
Entre os temas espinhosos, está a demanda americana de indenização pelas expropriações de propriedades e empresas depois da Revolução Cubana, em 1959. O Departamento de Justiça reconhece 5.913 pedidos, em um valor atualizado de US$ 7 bilhões. Do lado cubano, o fim do embargo econômico é "essencial" para a normalização das relações, segundo a representante de Cuba nas negociações, Josefina Vidal, do Ministério das Relações Exteriores.
Haverá pelo menos mais uma reunião antes da decisão de prazos e condições para abertura de embaixadas. Josefina disse que uma das condições para o avanço das conversas é o restabelecimento dos serviços bancários para a seção de interesses de Cuba em Washington, suspensos há um ano em razão de sanções decorrentes da inclusão de Cuba na lista de países que apoiam o terrorismo.
A retirada da ilha dessa relação é um dos pontos do acordo que levou os presidentes Barack Obama e Raúl Castro a anunciar a retomada de relações, em 17 de dezembro.
Os EUA querem que os cubanos tenham livre acesso à sua futura missão em Havana e seus diplomatas não tenham restrições para viajar dentro de Cuba. Também exigem o livre envio de materiais e equipamentos para a embaixada e a inexistência de limites para o número de funcionários.
Os dois lados disseram que o funcionamento das missões estará sujeito à Convenção de Genebra e a tratados internacionais, mas nem sempre concordaram com a interpretação dos textos. Além disso, Jacobson observou que as regras "não respondem" a todas as perguntas de uma relação "tão peculiar".
Em declarações transmitidas ao vivo pelo Ministério das Relações Exteriores de Cuba, Jacobson e Josefina ressaltaram as diferenças e divergências entre seus governos, mas ponderaram que elas não devem ser obstáculo ao restabelecimento de relações diplomáticas.
A cubana defendeu uma relação "civilizada e pacífica". Jacobson afirmou que Washington manterá a pressão por mudanças na área de direitos humanos e deseja levar essas questões diretamente ao governo cubano. (O Estado de SP – 23/01/2015)

El superávit comercial de 2014 fue el más bajo desde 2001
El Indec informó el saldo comercial del país fue de 6.686 millones de dólares, lo que representa una caída del 16,4 por ciento en relación al año passado
El peor resultado desde 2001.
La balanza comercial registró en 2014 un superávit de 6686 millones de dólares, que representó una caída de 16,4 por ciento frente a 2013, según informó el Instituto Nacional de Estadística y Censos ( INDEC ).
El saldo del comercio exterior es el más bajo de los últimos trece años y hay que remontarse al 2001, cuando aún estaba vigente el régimen de Convertibilidad, para encontrar un nivel inferior. Este resultado se produjo luego de que en diciembre se registró un saldo favorable de 74 millones de dólares, un 31 por ciento menos que en el mismo mes del año anterior.
Durante 2014 las exportaciones cayeron 12 por ciento a 71.935 millones de dólares, mientras que las importaciones se redujeron 11 por ciento a 65.249 millones de dólares.
Al igual que en años anteriores, el Gobierno influyó en el resultado del saldo comercial dado que administró el ingreso de importaciones a través de las denominadas DJAI, herramienta que le sirvió para frenar ingreso de mercadería y evitar la salida de dólares.
Entidades de importadores calculan que existen al menos importaciones por 5 mil millones de dólares que no han sido autorizadas, monto que sin dudas modificaría el resultado del comercio exterior del año pasado.
El volumen comercializado se redujo a 137.184 millones de dólares contra 155.316 millones de 2013.
Las ventas de productos primarios bajaron 20 por ciento (14.977 millones de dólares), las de combustibles y energía 18 por ciento (4.660 millones), mientras que las manufacturas de origen industrial se redujeron 15 por ciento (24.145 millones) y las de origen agropecuario 3 por ciento (28.153 millones).
Respecto de las importaciones, las compras de vehículos automotores cayó 49 por ciento (3.580 millones de dólares) y las piezas y accesorios para bienes de capital 22 por ciento (12.461 millones).
Por su parte, las adquisiciones de bienes de consumo retrocedieron 10 por ciento (6.680 millones), al tiempo que las de energía (10.903 millones) y bienes intermedios (18.754 millones) bajaron 4 por ciento.
En cambio, las importaciones de bienes de capital mostraron un avance de 4 por ciento (12.622 millones).
En lo que respecta a las regiones de comercialización, el Mercosur concentró el 33 por ciento de las exportaciones, mientras que desde ese bloque llegó el 24 por ciento de las importaciones. (La Nacion – 22/01/2015)

LG Electronics diz que não há problema de superaquecimento em processador da Qualcomm
SEUL - A fabricante sul-coreana de smartphones LG Electronics disse nesta quinta-feira que não encontrou problemas de superaquecimento no novo processador Snapdragon da Qualcomm que equipa um dispositivo de tela curva da companhia que começará a ser vendido no final deste mês.
"Eu estou muito ciente das várias preocupações do mercado sobre o (Snapdragon) 810, mas o desempenho do chip é bastante satisfatório", disse a jornalistas o vice-presidente da LG para o planejamento de produtos móveis, Woo Ram-chan, em um evento de imprensa sobre o smartphone G Flex2 da empresa.
O comentário veio depois da Bloomberg relatar um dia antes que a Samsung Electronics, maior fabricante de smartphones do mundo, decidiu não usar o novo processador da Qualcomm para seu próximo smartphone Galaxy S após o chip ter superaquecido durante teste. Samsung e Qualcomm se recusaram a comentar a notícia, que cita fontes não identificadas.
Woo, da LG, disse nesta quinta-feira que os testes internos para o G Flex2, equipado com o novo processador da Qualcomm, mostraram que o produto emite menos calor do que outros dispositivos existentes. O novo telefone deverá começar a ser vendido na Coreia do Sul em 30 de janeiro. (Reuters – 22/01/2015)

Samsung desiste de processadores Qualcomm para o próximo Galaxy S, diz Bloomberg
SEUL - A Samsung Electronics não irá utilizar os chips da Qualcomm na próxima versão de seu smartphone Galaxy S, disse a Bloomberg nesta quarta-feira, citando fontes não identificadas.
Tal decisão seria um golpe para as perspectivas da Qualcomm em 2015, enquanto a empresa já projetou crescimento da receita anual mais fraco que o normal, em uma perspectiva de cinco anos emitida em novembro. A Samsung, maior fabricante de smartphone do mundo, tem sido um dos principais clientes da empresa norte-americana.
O novo chip da Qualcomm, o Snapdragon 810, superaqueceu durante os testes da Samsung, informou a Bloomberg. A empresa sul-coreana vai usar seus próprios processadores em vez disso, disse a Bloomberg.
Um porta-voz da Qualcomm recusou-se a comentar a informação. Um porta-voz da Samsung disse que a companhia não comentaria rumores.
Analistas disseram que o chip Snapdragon 810 tem registrado uma série de problemas de desempenho que podem não ser corrigidos a tempo para o lançamento do próximo smartphone Galaxy S da Samsung.
A empresa sul-coreana é amplamente esperada para revelar o dispositivo durante a feira Mobile World Congress, no início de março. A Samsung vai precisar se assegurar que o telefone não decepcionará, a fim de evitar que sua fatia de mercado global caia ainda mais, disseram analistas. (Por Se Young Lee) (Reuters – 21/01/2015)

Cuba promove no Japão oportunidades de negócios
Beijing - O embaixador cubano no Japão, Marcos Rodríguez, sustentou hoje um encontro com o Conselho de Intercâmbio Internacional japonês, ao qual brindou informações atualizadas sobre seu país em 2014 e as previsões de sua gestão econômica este ano.
Esse Conselho é uma Organização Não Governamental que se dedica a promover temas econômicos e comerciais dos países que contam com Embaixadas no Japão.
Represente de 15 companhias japonesas de primeiro nível e personalidades do mundo empresarial participaram desta reunião, onde Rodríguez explicou detalhes da nova Lei de Investimento Estrangeiro e da gama de oportunidades de investimentos em Cuba com suas prioridades.
Fontes da embaixada cubana indicaram que o diplomata ofereceu também um panorama do estado das relações bilaterais no plano comercial, econômico e técnico-científico, e destacou a importância de diversificar estes vínculos, tendo em conta as potencialidades de cada país.
O Embaixador afirmou que em março a Japan External Trade Organization realizará um seminário de promoção da carteira de oportunidades de negócios oferecida por seu país. (Prensa Latina – 21/01/2015)

IPhone 6 dá a Apple fatia recorde no mercado doméstico da Samsung
SEUL - A Apple está corroendo a posição dominante da Samsung Electronics em seu reduto doméstico, a Coreia do Sul, graças à série iPhone 6.
A Apple teve participação de mercado recorde de 33 por cento na Coreia do Sul em novembro, o pico para uma marca estrangeira, mostrou relatório mensal da empresa de pesquisa Counterpoint nesta quarta-feira. A fatia da Samsung caiu para 46 por cento, após se manter acima de 60 por cento por cinco meses.
Os ganhos da Apple na Coreia do Sul são notáveis, pois novembro foi o primeiro mês inteiro em que o iPhone 6, com tela maior, e o 6 Plus foram vendidos no país. As vendas provavelmente vêm às custas do Galaxy Note 4, mistura de tablet e smartphone, lançado pela Samsung no fim de setembro.
"O iPhone 6 e o 6 Plus fizeram diferença aqui, corroendo as vendas do phablet da competição", disse o analista Tom Kang, da Counterpoint. "Se houvesse um fornecimento maior do iPhone 6 e do 6 Plus nos modelos de 64 GB e 128 GB, a fatia da Apple poderia ter subido ao nível de 40 por cento".
Analistas na Coreia do Sul em geral esperam que a Samsung tenha perdido mais participação no mercado global entre outubro a dezembro pelo quarto trimestre seguido, com a Apple ampliando a liderança no segmento premium, e iniciantes como a chinesa Xiaomi fazem incursões em aparelhos mais simples. (Por Se Young Lee) (Reuters – 21/01/2015)

Nanotecnologia é aplicada em baterias de smartphone
A exigência por celulares cada vez mais potentes e leves tem impulsionado o desenvolvimento de baterias. A israelense StoreDot desenvolveu uma que carrega em menos de um minuto
Rodrigo Carro
Rio - Smartphones mais finos e leves, equipados com processadores poderosos, podem até fazer a alegria dos consumidores de tecnologia, mas são uma dor de cabeça para os fabricantes de baterias — afinal, como conciliar longa duração com um design atraente? A resposta a essa questão lidera uma verdadeira corrida nos laboratórios da start-up israelense StoreDot e nos centros de pesquisa da sul-coreana Samsung.
Criada por Doron Myersdorf no laboratório de nanotecnologia da Universidade de Tel Aviv, a StoreDot apresentou ao mercado em 6 de janeiro uma nova bateria — ainda não lançada comercialmente — que recarrega cem vezes mais rápido quando comparada às tradicionais, de íons de lítio. Na prática, isso significa recarregar totalmente um celular em menos de um minuto. No caso da bateria de um carro elétrico, a carga leva menos de cinco minutos. O segredo por detrás dessa velocidade está nos materiais usados na confecção da bateria, baseada nos chamados nanodots (nanopontos, em tradução literal), moléculas orgânicas sintetizadas quimicamente em laboratório. “O uso de compostos bio-orgânicos e eletrodos feitos de biopolímeros reduz o custo global da bateria, devido à eficácia destes materiais em termos de custos”, explica Myersdorf, CEO da StoreDot. “Além disso, em comparação com metais pesados tóxicos e poluentes e com compostos inorgânicos, os biomateriais têm menos influência sobre o meio ambiente e menor risco biológico.”
Apresentada ao público na última edição da Consumer Electronics Show (CES), gigantesca feira de eletrônicos realizada em Las Vegas, nos Estados Unidos, a bateria da StoreDot está prevista para chegar ao mercado no segundo semestre de 2016, como parte de dispositivos móveis (vestíveis, smartphones etc). Já a versão automotiva equiparia carros elétricos a partir da segunda metade de 2017, segundo estimativa da empresa israelense. A recarga em menos de cinco minutos eliminaria uma das barreiras existentes para a popularização dos carros elétricos. Hoje, para atingir o nível de 100%, são necessárias horas de carga.
Além de serem ambientalmente menos agressivos, os compostos orgânicos utilizados pela start-up israelense permitem adaptar a bateria a novas funções simplesmente a partir de alterações químicas. “Usar materiais bio-orgânicos permite a incorporação de diferentes grupos funcionais apropriados (aminas, carbonilos ou ésteres, por exemplo), o que conduz a uma grande variedade de compostos adequados para propósitos específicos”, diz Myersdorf. “Desta forma, a criação de compostos a partir de biomoléculas multifuncionais pode aumentar a absorção de íons de lítio e seus contra-íons.”
Referência no mercado mundial de celulares, a Samsung trabalha no desenvolvimento de uma bateria flexível com eletrólitos sólidos. Além de mais finas, têm maior capacidade quando comparadas às baterias que usam eletrólitos líquidos ou polímero de íons de lítio. Dentro da estratégia da gigante sul-coreana, as baterias flexíveis ocupam um papel central no desenvolvimento de dispositivos vestíveis. Para a companhia, pulseiras para monitoramento de indicadores de bem-estar físico, smartwatches e óculos inteligentes são a prova do potencial de mercado para as baterias flexíveis. No momento, está desenvolvendo materiais, estruturas e instrumentos de avaliação para estabelecer a confiabilidade das baterias flexíveis, segundo informou a Samsung, por e-mail.
O interesse da companhia no mercado de baterias ultrapassa em muito o segmento de celulares. Com a procura crescente por bicicletas, scooters e carros elétricos, dentro de uma lógica de consumo que privilegia a sustentabilidade, a Samsung projeta um cenário em que trens, navios e até aviões serão movidos a bateria. Para fazer frente à demanda, a companhia pesquisa tecnologias alternativas. “Estamos desenvolvendo alguns tipos de materiais pós-lítio. No entanto, não podemos revelar detalhes sobre os materiais neste momento”, informou a multinacional sul-coreana.
A Samsung iniciou este ano a construção de uma fábrica de baterias automotivas na China. A unidade vai entrar em operação ainda em 2015. O objetivo é transformar a unidade industrial na maior base de produção de baterias automotivas da China.
"No final das contas, nenhuma bateria dura para sempre. Elas são consumíveis e devem ser fáceis de trocar", diz o especialista do IEEE Kyle Wiens
'Bateria com carga infinita violaria as leis da física', diz o especialista do Instituto de Engenheiros Eletricistas e Eletrônicos (IEEE) Kyle Wiens
O desenvolvimento de semicondutores mais eficientes do ponto de vista energético têm ajudado a aliviar a pressão sobre a indústria de baterias, que não vem progredindo num ritmo tão acelerado, explica o Kyle Wiens, membro do Instituto de Engenheiros Eletricistas e Eletrônicos. Sonho de consumo dos viciados em smartphones, a bateria com duração infinita é uma impossibilidade física, diz ele.
Os smartphones têm cada vez mais funcionalidades o que, pelo menos em tese, exige mais da bateria do aparelho. Ao mesmo tempo, por questões de design, os celulares precisam ser cada vez mais finos e leves. Como conciliar essas tendências opostas?
A cada ano, o software fica mais sofisticado e coloca mais exigências sobre o produto. Há limites para o quão pequenos você pode fazer telefones. E telas maiores estão exigindo baterias maiores. Também é importante certificar-se de que o telefone é fácil de desmontar para a manutenção e substituição da bateria. Baterias de telefone geralmente só duram um ano ou dois.
Do ponto de vista da engenharia elétrica, quais os principais desafios tecnológicos para produzir baterias de celular mais leves e de maior duração?
Estamos tendo melhores resultados em aperfeiçoar semicondutores, tornando-os mais eficientes do ponto de vista energético, do que em produzir baterias melhores. À medida em que novas técnicas de manufatura para o silício são desenvolvidas, a pressão sobre os fabricantes de bateria diminui.
Novas tecnologias, como a das células de combustível, ainda não estão disponíveis comercialmente. Há alguma tecnologia alternativa promissora, com capacidade para substituir as baterias tradicionais de íons de lítio?
Não há realmente alternativas ao polímero de lítio que sejam viáveis para celulares agora. Baterias solares não têm a densidade de potência e a tecnologia de células de combustível exige cartuchos descartáveis. A densidade de potência apenas não está lá ainda.
Com base nas tecnologias conhecidas atualmente, podemos esperar a criação de uma bateria com carga de duração infinita?
Não, isso violaria as leis da física. Mas algumas tecnologias como os supercapacitores e as químicas alternativas para bateria se mostram promissoras em alguma medida. No final das contas, nenhuma bateria dura para sempre. As baterias são consumíveis e devem ser fáceis de trocar. O design do produto em torno da bateria tem que permitir sua fácil substituição. (Brasil Econômico – 21/01/2015)

EUA e Cuba iniciam conversa histórica sobre restaurar laços
Por Daniel Trotta
HAVANA (Reuters) - A delegação de mais alto nível dos Estados Unidos a viajar para Cuba em 35 anos começa nesta quarta-feira conversações com autoridades cubanas em busca de restaurar os laços diplomáticos e, eventualmente, normalizar as relações entre os dois adversários que ainda têm hostilidades do tempo da Guerra Fria.
As reuniões de dois dias serão as primeiras desde que o presidente dos EUA, Barack Obama, e o presidente cubano, Raúl Castro, anunciaram em 17 de dezembro que tinham chegado a um acordo histórico após 18 meses de negociações secretas.
Obama colocou os EUA a caminho de remover sanções econômicas e o embargo comercial de 53 anos de Washington contra a ilha de regime comunista. Na terça-feira, no discurso anual do Estado da União, o presidente disse ao Congresso que os EUA estão "acabando com uma política que já passou há bastante tempo do prazo de validade".
As conversas vão se concentrar na imigração nesta quarta-feira e na quinta passarão ao tema da restauração dos laços diplomáticos.
Os dois lados também devem apresentar suas metas de longo prazo. Enquanto Cuba vai buscar o fim do embargo e pedir para ser retirada da lista dos EUA de Estados patrocinadores do terrorismo, os norte-americanos vão pressionar o país de partido único a ampliar os direitos humanos.
A delegação dos EUA será liderada por Roberta Jacobson, a principal diplomata dos EUA para a América Latina e a primeira secretária-assistente de Estado a visitar Cuba em 38 anos. Uma autoridades dos EUA de cargo similar visitou Cuba 35 anos atrás.
A equipe cubana será liderada por Josefina Vidal, principal diplomata para assuntos sobre os EUA do Ministério de Relações Exteriores. (Reuters – 21/01/2015)

Mercados asiáticos ficam aliviados com crescimento da China e avançam
Por Wayne Cole
SYDNEY (Reuters) - Os mercados asiáticos respiraram aliviados nesta terça-feira depois que a China divulgou que sua economia não desacelerou tanto como muitos temiam, um raro ponto de brilho em meio a um cenário global de fraqueza.
O Fundo Monetário Internacional (FMI) reduziu sua projeção de crescimento global em 2015 para 3,5 por cento, citando fraqueza no Japão e na Europa.
Mas no final os investidores parecem ter ficado satisfeitos com o crescimento da China de 7,3 por cento no quarto trimestre ante o ano anterior, superando a expectativa de 7,2 por cento, com as vendas no varejo e a produção industrial em dezembro também ficando acima do esperado.
Embora o crescimento no ano tenha sido o mais fraco desde 1990, o PIB está agora 10 vezes maior do que na época.
"Parece que a economia está em melhor forma do que o esperado", disse o economista sênior do Crédit Agricole Darius Kowalczyk.
O índice de Xangai fechou com alta de 1,85 por cento, enquanto às 8h14 (horário de Brasília) o índice MSCI que reúne ações da região Ásia-Pacífico com exceção do Japão avançava 0,37 por cento.
Em TÓQUIO, o índice Nikkei avançou 2,07 por cento, a 17.366 pontos.
Em HONG KONG, o índice HANG SENG subiu 0,90 por cento, a 23.951 pontos.
Em XANGAI, o índice SSE ganhou 1,85 por cento, a 3.173 pontos.
Em SEUL, o índice KOSPI teve valorização de 0,82 por cento, a 1.918 pontos.
Em TAIWAN, o índice TAIEX registrou alta de 0,85 por cento, a 9.251 pontos.
Em CINGAPURA, o índice STRAITS TIMES valorizou-se 0,80 por cento, a 3.334 pontos.
Em SYDNEY o índice S&P/ASX 200 recuou 0,03 por cento, a 5.307 pontos. (Reuters – 20/01/2015)

PIB da China tem o menor avanço desde 1990
Economia chinesa cresceu acima das projeções de analistas do mercado, mas registrou o menor resultado em 24 anos
O Produto Interno Bruto (PIB) da China registrou o menor crescimento em 24 anos. Dados divulgados nesta terça-feira, 20, pelo Escritório Nacional de Estatísticas do país (NBS, sigla em inglês) apontam avanço de 7,3% no quarto trimestre de 2014 na comparação com o mesmo período de 2013. O crescimento acumulado em 2014 foi de 7,4% ante um avanço de 7,7% em 2013. O resultado foi levemente maior do que a expectativa de analistas, que projetavam que o PIB subiria 7,2% no quarto trimestre de 2014 e 7,3% no acumulado do ano.
Na comparação do quarto trimestre de 2014 com o terceiro trimestre do ano, a expansão da economia chinesa foi de 1,5%, em uma base sazonalmente ajustada. No terceiro trimestre o avanço havia sido de 1,9%.
O índice anual de 7,4% é um décimo menor do que a previsão do governo, de 7,5%, mas mantém a tendência de desaceleração da economia chinesa dos últimos anos, após um crescimento de 7,7% em 2013 e 2012, e de 9,3% em 2011.
A NBS atribuiu o menor índice de 2014 ao "complicado e volátil entorno internacional e à intensa tarefa de manter o desenvolvimento doméstico, as reformas e a estabilidade", segundo explicou o diretor do órgão, Ma Jiantang, em entrevista coletiva.
Como resultado, "a economia nacional operou firmemente sob a nova normalidade", o termo oficial para designar o crescimento em um ritmo menos intenso do que nas últimas décadas, mas "mostrando um bom empurrão e um crescimento estável", acrescentou Ma.
O dado trimestral divulgado abre as portas para que as autoridades financeiras iniciem novas medidas de incentivo. O Banco Popular da China (banco central do país) anunciou de surpresa uma ligeira redução das taxas de juros de 40 pontos básicos (até 5,6%) no final de novembro, pela primeira vez em mais de dois anos, e também efetuou várias injeções de liquidez nos últimos meses nas principais entidades financeiras do país.
Produção industrial. O valor acrescentado da produção industrial da China teve crescimento de 7,9% em dezembro, na comparação com igual mês de 2013. O número representa uma aceleração em relação à alta de 7,2% registrada em novembro e ficou acima da expectativa de analistas, que esperavam avanço de 7,5%.
Na comparação mensal, a produção industrial subiu 0,75% em dezembro. Em novembro, a alta foi de 0,52%. Na comparação anual de 2014 com 2013, o aumento foi de 8,3%, uma desaceleração diante do avanço de 9,7% em 2013, em relação a 2012.
Investimentos. O Escritório Nacional de Estatísticos chinês também informou que os investimentos em ativos fixos não rurais no país subiram 15,7% em 2014. O resultado representa uma desaceleração em relação ao avanço de 19,6% registrado em 2013. O indicador ficou em linha com a previsão dos analistas e com o aumento de 15,8% no período de janeiro a novembro de 2014.
Vendas no varejo. As vendas no varejo da China apresentaram uma alta de 11,9% em dezembro de 2014 em relação a igual mês de 2013. O resultado representa uma aceleração sobre o avanço anual registrado em novembro, de 11,7%. O dado veio também acima da expectativa do mercado, que era de um crescimento de 11,7%. (Com informações da EFE e da Dow Jones Newswires) (O Estado de SP – 20/01/2015)

Li Jinzhang: Cooperação nos trará mais frutos
Celebramos em 2014 os 40 anos do estabelecimento de relações diplomáticas entre China e Brasil. Foram quatro décadas de ricos frutos.
Colhemos, em primeiro lugar, o fruto de uma profunda confiança política mútua. Em 1993, foi estabelecida a parceria estratégica China-Brasil, algo inédito entre a China e outro país em desenvolvimento. Em 2012, o Brasil se tornou o primeiro parceiro global em diálogo com a China em toda a América Latina.
Os dois países têm mantido estreita coordenação na ONU e em mecanismos como OMC (Organização Mundial do Comércio), G20, Brics e Basic (Brasil, África do Sul, Índia e China), salvaguardando em conjunto direitos e interesses dos países em desenvolvimento.
Partimos de uma corrente de comércio bilateral de US$ 17,42 milhões no início de relações diplomáticas para a cifra atual de quase US$ 90 bilhões. A China é o maior parceiro comercial do Brasil há cinco anos consecutivos, e o Brasil é o principal destino dos investimentos chineses na América Latina.
Os investimentos mútuos tendem a ser mais diversificados, sofisticados e abrangentes. Em julho último, durante sua visita ao Brasil, o presidente da China, Xi Jinping, manteve conversas muito frutíferas com a presidenta Dilma Rousseff.
Foram assinados 56 acordos de cooperação, cujo valor atingiram US$ 35 bilhões e abrangem áreas como investimento, finanças, ciência e inovação, tecnologia da informação e infraestrutura.
O projeto CBERS (Satélite Sino-Brasileiro de Recursos Terrestres, na sigla em inglês) é pioneiro entre os países em desenvolvimento no campo da alta tecnologia. Saudamos o recente lançamento do CBERS-4 e vamos continuar a oferecer gratuitamente as imagens do satélite aos países amigos africanos e latino-americanos.
O Banco do Brasil já inicia em Xangai as operações da primeira agência de um banco da América Latina na China. A maior empresa de serviço de buscas da China, Baidu, lançou o serviço de buscas em português no Brasil. Isso é prova da confiança e da alta importância atribuídas à cooperação, além de revelar a perspectiva promissora dessa parceria e cabe a nós explorar ainda mais o grande potencial que vemos pela frente.
Na área de infraestrutura, com o Programa de Investimentos em Logística, que prevê um investimento de R$ 240 bilhões nos próximos anos, o Brasil entrará em uma fase crucial de crescimento econômico e novos postos de emprego. A ferrovia bioceânica Brasil-Peru, fundamental para o desenvolvimento da região, terá participação da China.
A primeira reunião ministerial do Fórum China-Celac (Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos), realizada em Pequim neste mês, é uma nova plataforma para aprofundar a cooperação entre China, Brasil e América Latina. Queremos continuar a coordenação com o Brasil nos assuntos internacionais relevantes. Compartilhamos pontos idênticos ou semelhantes sobre uma série de temas.
Neste momento, a China está aprofundando reformas para garantir um funcionamento estável e firme da economia. O desenvolvimento da China significa maiores oportunidades de mercado, de investimento e de crescimento.
Defendemos um novo tipo de relações internacionais cuja essência é a cooperação e o ganho compartilhado. Queremos construir uma rede de parcerias e definimos a meta de ampliar a união com os grandes países em desenvolvimento.
China e Brasil devem e podem construir um caso exemplar de cooperação entre grandes emergentes caraterizado por união, colaboração e desenvolvimento comum. Os desafios e as dificuldades não serão poucos. Apesar disso, China e Brasil irão materializar o sonho de cooperação e progresso.
LI JINZHANG, 60, é embaixador da República Popular da China no Brasil (Folha de SP – 19/01/2015)

A China 'desembarca' na Argentina
ARIEL PALACIOS, CORRESPONDENTE / BUENOS AIRES
Com a economia em frangalhos e sem crédito no mercado, Cristina Kirchner se aproxima estrategicamente dos chineses
Déficit fiscal crescente, queda dos investimentos estrangeiros no país, redução das reservas do Banco Central, perda de respaldo político internacional, conflitos com seus sócios do Mercosul, urgência por novos recursos para obras de infraestrutura, entre outros problemas. Diante desse cenário - sem poder contar com a ajuda que teve em décadas anteriores dos Estados Unidos e da União Europeia e sem acesso aos mercados internacionais de crédito desde o calote da dívida pública de 2001 -, a presidente Cristina Kirchner, em meados do ano passado, iniciou uma aproximação estratégica com a China.
O resultado foi o controvertido Convênio Complementar de Cooperação de Infraestrutura, aprovado em caráter de "urgência" pelo Parlamento em Buenos Aires em dezembro, dois dias antes do réveillon. O convênio foi aprovado sem debate prévio no Senado na última sessão do ano.
Os partidos da oposição protestaram infrutiferamente, já que o kirchnerismo, apesar das baixas que teve nos últimos dois anos no Congresso Nacional, conta com uma ajustada maioria parlamentar. Segundo a oposição, o governo de Cristina Kirchner, apesar do discurso nacionalista, está "entregando" setores da economia para a China, já que o país oriental terá prioridades em áreas essenciais: energética, mineração, agricultura e desenvolvimento de parques industriais.
"É uma violação da soberania", afirmam integrantes da oposição. Mas, segundo o chefe do Gabinete argentino de ministros, Jorge Capitanich, os acordos são de "vital importância" para "o desenvolvimento da infraestrutura pública".
Em troca de financiamento, as empresas chinesas terão vantagens inéditas no país como a importação de insumos sem tarifas alfandegárias.
Críticas. Um dos pontos do convênio, o artigo 5, permite um processo de adjudicação direta das obras de infraestrutura, sem necessidade de participação de empresas chinesas nas licitações na Argentina. Outro ponto que provocou críticas da oposição foi o número 6, que determina a criação de "facilidades trabalhistas e profissionais" para operários chineses que seriam levados para a Argentina.
Analistas sustentam que isso permitirá que empresas chinesas levem para a Argentina os próprios trabalhadores, que estarão sob a legislação chinesa.
As críticas também estiveram focadas no artigo 4, que estipula a promoção dos investimentos chineses na Argentina com o objetivo de aumentar a capacidade produtiva da indústria do país. Mas esse estímulo somente seria aplicado nas indústrias que exportarem produtos para o mercado chinês.
O artigo número 2 do convênio permite que, nos próximos cinco anos, o governo da presidente Cristina e seu sucessor feche acordos comerciais e de investimentos com a China sem a necessidade de passar novamente pelo crivo do Parlamento.
Investimentos. A aproximação de Buenos Aires com Pequim implicou na assinatura de 20 convênios envolvendo investimentos chineses no valor de US$ 7,5 bilhões. Isso incluiu acordos para a compra de vagões de carga ferroviária "made in China", fato que irritou o líder sindicalista Antonio Caló, secretário-geral da Confederação Geral do Trabalho (CGT), alinhada com a presidente Cristina. Caló reclamou, alegando que esses vagões poderiam ser fabricados na Argentina por operários metalúrgicos argentinos.
Além de vagões "made in China" para substituir as sucateadas unidades que circulam nas ferrovias entre os municípios da Grande Buenos Aires e a cidade de Buenos Aires, a presidente Cristina ainda obteve das autoridades chinesas um acordo de swap de yuans para reforçar as esquálidas reservas do Banco Central argentino.
O BC, que tinha US$ 52 bilhões em 2011, atualmente possui US$ 30 bilhões. Desse total, US$ 2,713 bilhões são referentes aos fundos enviados pela China em troca do equivalente em pesos argentinos emitidos pela Casa da Moeda em Buenos Aires. No total, o acordo implica o montante de US$ 11 bilhões. (O Estado de SP – 18/01/2015)

OMC


Veja mais

Derrota argentina na OMC
O governo da presidente Dilma Rousseff, que sempre prestigiou a presidente argentina Cristina Kirchner e foi excessivamente tolerante às seguidas restrições feitas por aquele governo às exportações brasileiras, decerto não vê motivos para comemorar a decisão da Organização Mundial do Comércio (OMC) de exigir que a Argentina desmonte as medidas protecionistas que vem utilizando. Embora o protecionismo argentino tenha prejudicado mais as exportações brasileiras do que as de outros países, o governo Dilma, alinhado ideologicamente à política terceiro-mundista de Kirchner, não subscreveu o pedido de 40 países - entre eles Estados Unidos, Japão e os integrantes da União Europeia - de investigação das barreiras pela OMC.
A Argentina, como os demais países-membros da organização, deve cumprir as regras do comércio mundial, disse a OMC ao determinar que o governo de Buenos Aires desfaça o conjunto de mecanismos que limitam a entrada de produtos importados no país. Entre esses mecanismos, que começaram a ser utilizados em 2008, estão a demora na concessão de licenças não automáticas de importação e a exigência de que as empresas importadoras exportem pelo menos o valor equivalente ao de suas importações, esquema que ficou conhecido como uno por uno. Desde fevereiro de 2012, todos os importadores são também obrigados a preencher uma declaração antecipada e juramentada das importações. Esse documento é analisado pelo governo Kirchner, que autoriza ou não o pedido. Não há prazo para que o governo se manifeste, o que resulta em grandes atrasos nas importações.
O processo contra a Argentina foi iniciado em 2012 e a decisão desfavorável ao governo Kirchner já era prevista pelo menos desde agosto do ano passado, quando uma comissão da OMC formada por três árbitros independentes decidiu que as restrições à entrada de produtos estrangeiros no país violam as regras internacionais. A Argentina apelou à instância superior da OMC, mas voltou a ser derrotada. Caso não cumpra a decisão que determina o abandono dessas restrições, a OMC pode autorizar os países que iniciaram o processo a adotar medidas de retaliação, como restrições à entrada de produtos argentinos em seus mercados.
Aplicadas aos produtos brasileiros, essas regras - agora consideradas em desacordo com as normas do comércio internacional - vêm causando grandes perdas para o País. A crise que vive a Argentina reduziu sua demanda, mas as medidas protecionistas do governo Kirchner também contribuíram para que as exportações brasileiras para aquele país registrassem queda de 27% em 2014 (de US$ 19,6 bilhões em 2013 para US$ 14,3 bilhões).
Em tese, a decisão da OMC se aplica às importações argentinas originárias dos países que pediram a investigação, mas a eliminação das medidas restritivas beneficiará as exportações de outras origens, inclusive do Brasil. Assim, se o governo brasileiro não tem motivos para elogiar a decisão da OMC, os exportadores brasileiros certamente têm.
O governo de Cristina Kirchner tentou minimizar o impacto da punição que sofreu. O chefe do gabinete de ministros, Jorge Capitanich, afirmou que "de imediato (a decisão da OMC) não promove nenhuma mudança na política de administração do comércio". Capitanich disse também que o governo fará uma análise exaustiva e minuciosa da decisão, para só depois estabelecer critérios para negociações com cada um dos países que recorreram à OMC.
Qualquer que seja a decisão que o governo argentino venha a tomar, a condenação de sua política comercial pela OMC ocorre num momento econômica e politicamente ruim para a presidente Cristina Kirchner. A inflação de 2014 ainda não foi anunciada oficialmente, mas deve ter sido a maior desde que os Kirchners chegaram ao poder em 2003. Pelos dados oficiais, até novembro tinha alcançado 21,9%, mas instituições privadas calculam que, no ano, ficou entre 35% e 39%. Só não foi maior porque a Argentina está em recessão. (O Estado de SP – 22/01/2015)

WTO Chief Urges Members to Focus on Realistic, Precise Goals to Conclude Doha Round
The top delegates of the World Trade Organization renewed their efforts this week to resolve the remaining elements of the 2013 Bali Ministerial agreement and conclude the Doha Round of trade negotiations.
Members met for two hours on Jan. 21 to discuss their goal of producing a highly developed and precise work program by July 31.
The meeting marked a departure from past Doha negotiations in that members appeared to be serious and engaged at a level that had not been seen in years, a participant at the meeting told Bloomberg BNA.
The meeting represents the first of what will be many among WTO members between now and the July 31 deadline set by members last year. The next meeting will be held Jan. 29 in Room W of the WTO building.
Sense of Urgency
WTO Director-General Roberto Azevedo urged members to maintain a sense of urgency in order to avoid getting bogged down in issues that could further delay the development of a detailed work program.
“We must maximize the time we have available to us before July—and maintain the momentum that we regained at the end of 2014,” Azevedo told members.
Last year, India's opposition to the Trade Facilitation Agreement (TFA) bogged down the organization's work and forced members to extend, by seven months, the deadline to deliver a work program to address the Doha Development Agenda (DDA).
It was only after India and the U.S. negotiated a separate agreement related to domestic food security programs that members agreed to seek TFA ratification from their capitals and resume discussions for a post-Bali work program.
Prioritization, ‘Doability.’
Members should prioritize those issues that are of the most substantive importance, target outcomes that are doable for all parties, maintain a high level of engagement and tackle all issues concurrently, Azevedo said.
“We need to have a detailed, substantive discussion that includes agriculture, non-agricultural market access, services and all of the other DDA issues, including development and issues of interest to LDCs [least-developed countries],” he said.
Azevedo said that he expects members will primarily focus on issues related to agricultural and non-agricultural market access (NAMA) negotiations, according to Geneva trade officials.
Though agriculture cannot be discussed in isolation, it will be the one issue that sets the pace and tone in terms of members' level of ambition, trade officials at the Jan. 21 meeting said.
2008 Time Capsule
Deputy U.S. Trade Representative Michael Punke said that the discussions felt like opening up a time capsule from 2008, when the Doha negotiations last faltered.
Negotiations broke down in 2008 because emerging and developing countries did not offer sufficient concessions to facilitate an agreement, Punke said.
In order to move forward, members of large and emerging countries like India and Brazil need to ask themselves what they can do differently from 2008, he said.
Punke added that trade is at the heart of the U.S. national agenda in 2015 and cited President Barack Obama's State of the Union commitment to seek trade promotion authority from Congress in order to better negotiate regional trade agreements.
India's Ambassador Anjali Prasad said that she had not seen any indication that the U.S. is interested in getting out of a time capsule mode, according to one attendee.
India said that the logical starting point for negotiations is consideration of the 2008 revised draft modalities for agriculture, also known as Rev.4, and the 2008 revised draft modalities for NAMA, also known as India further urged members to focus on addressing inequities in the multilateral trade system and to support growth and development, particularly for the poorest nations. (Bloomberg BNA (EUA) – 22/01/2015)

OMC reitera decisão e manda Argentina destravar importações
FELIPE GUTIERREZ
DE BUENOS AIRES
A OMC (Organização Mundial do Comércio) decidiu que a Argentina precisa eliminar controles às importações, pois o país está violando normas de comércio internacional.
Para importar um produto na Argentina é preciso pedir autorização prévia. O país não se compromete com prazos para dar essa autorização e não é claro a respeito dos critérios para concedê-la.
Informalmente, a Argentina só deixa uma empresa importar se ela também exportar do país e dificulta a remessa de lucros e dividendos para o exterior.
Na prática, o país limita as importações atrapalhando a fluidez do comércio.
PROCESSO
Os EUA, o Japão e a União Europeia iniciaram um processo na OMC contra a Argentina por isso e a organização deu ganho a eles em setembro. O país sul-americano, então, apelou da decisão e na quinta (15) a OMC, mais uma vez, reiterou que as autorizações prévias são contra as regras.
Agora a Argentina precisa se ajustar às ordens de um órgão de conciliação e tentar negociar com os demandantes. Se não chegar a acordo nenhum, então, os países poderão retaliar, colocando taxas em produtos argentinos ou mesmo os proibindo. (Folha de SP – 16/01/2015)

Azevêdo: el apoyo de la India será “fundamental” en las negociaciones de la OMC este año
En el discurso que pronunció en la Cumbre de Asociación organizada por la Confederación Industrial de la India en Jaipur este 16 de enero, el Director General, Roberto Azevêdo, afirmó que “es importante para los países en desarrollo que el mundo vea la OMC como una organización que obtiene resultados. Por eso debemos alcanzar estos objetivos y, como siempre, el liderazgo de la India será fundamental.” Texto na integra no website www.wto.org. (OMC – 16/01/2015)

Outros


Veja mais

Contas externas do Brasil têm o maior rombo desde 1947
Economia & Negócios; Agência Estado
Déficit registrado em 2014, de US$ 90,95 bi, foi puxado pela balança comercial e não foi coberto pelo Investimento Estrangeiro Direto
O resultado das transações correntes fechou o ano passado com déficit de US$ 90,948 bilhões, conforme divulgou nesta sexta-feira o Banco Central. O rombo superou a projeção da instituição, de um resultado negativo de US$ 86,2 bilhões. Além disso, foi pior do que as estimativas dos analistas ouvidos pelo AE Projeções, da Agência Estado, que iam de um saldo negativo de US$ 88,100 bilhões a US$ 90,900 bilhões, com mediana de US$ 89,5 bilhões.
Esse resultado de 2014 é recorde para a série histórica do BC, iniciada em 1947. Até então, o maior volume havia sido registrado em 2013, de US$ 81,347 bilhões. Vale destacar que esse resultado deficitário foi 50% maior do que o verificado em 2012, de US$ 54,246 bilhões, que até então era o pior desde 1947.
O déficit em conta corrente do ano passado ficou em 4,17% do Produto Interno Bruto (PIB), ainda de acordo com os dados do BC, o pior para um ano fechado desde 2001 (4,19%). O maior porcentual da série histórica do BC foi observado em 1974, de 6,8%.
Já os Investimentos Estrangeiros Diretos (IED) somaram US$ 62,495 bilhões em todo o ano de 2014 e ficaram abaixo da estimativa do BC, de receber US$ 63 bilhões. O saldo anual só supera o de 2010 (US$ 48,506 bilhões), já que ficou inferior aos dos três anos anteriores: US$ 66,7 bilhões em 2011, US$ 65,3 bilhões em 2012 e US$ 64,045 bilhões em 2013.
Com o resultado, nota-se que o ingresso desse tipo de investimento foi suficiente para financiar apenas 68,72% do rombo das transações correntes de 2014. Em relação ao Produto Interno Bruto (PIB), o IED passou de 2,85% em 2013 para 2,95% agora.
Apontada como principal vilã das contas correntes em 2014, a balança comercial registrou um déficit de US$ 3,930 bilhões, enquanto a conta de serviços ficou negativa em US$ 48,667 bilhões. A conta de renda também ficou no vermelho, em US$ 40,2 bilhões.
Viagens. Mesmo com a aceleração da cotação do dólar no segundo semestre do ano passado, a conta de viagens internacionais registrou um déficit de US$ 1,6 bilhão em dezembro de 2014 e um saldo negativo de US$ 18,695 bilhões no acumulado do ano. O resultado apurado em 2014 é um novo recorde, já que a maior marca havia sido registrada em 2013, de US$ 18,632 bilhões.

O saldo negativo de dezembro do ano passado é resultado do volume de despesas pagas por brasileiros no exterior (US$ 2,124 bilhões) acima das receitas obtidas com turistas estrangeiros em passeio pelo Brasil (US$ 524 milhões). No acumulado do ano, as receitas passaram de US$ 6,710 bilhões em 2013 para US$ 6,914 bilhões no ano passado. As despesas, na mesma comparação, subiram de US$ 25,342 bilhões para US$ 25,608 bilhões.
O chefe do Departamento Econômico do Banco Central, Tulio Maciel, afirmou que se não fosse a Copa do Mundo do ano passado, haveria recuo no gasto de estrangeiros no Brasil frente a 2013. Ele lembrou que a estimativa de impacto da Copa nas contas externas era de algo ao redor de US$ 1 bilhão.
Maciel também disse que o gasto dos brasileiros fora do País, apesar de recorde, cresceu em ritmo menor em 2014 em função do menor aumentos dos salários. Segundo ele, a tendência é de que as viagens cresçam de forma "moderada em 2015".
Lucros e dividendos. Já o saldo de remessas de lucros e dividendos no ano passado ficou negativo em US$ 26,523 bilhões - maior do que os US$ 26,045 bilhões de 2013. Como já havia indicado o resultado do fluxo cambial, no último mês de 2014, esse saldo ficou no vermelho em US$ 4,094 bilhões, um saldo negativo menor do que os US$ 4,829 bilhões, também negativos, registrados em dezembro de 2013.
É comum nos finais de ano haver uma ampliação de envios de lucros e dividendos de empresas instaladas no Brasil para suas matrizes no exterior. Por isso, o BC forneceu leilões de linha (operações de venda com compromisso de recompra) ao longo do mês passado. Dentro do programa de leilões de swap cambial em 2015, confirmado até pelo menos o dia 31 de março, não há previsão de operações de linha dentro de uma rotina preestabelecida. O BC se comprometeu, no entanto, a atuar sempre que considerar necessário.
Previsões. O chefe do Departamento Econômico do Banco Central afirmou que o saldo das transações correntes deve encerrar janeiro com um déficit de US$ 10,8 bilhões, puxada pelo setor de serviços. "Janeiro é um ano sazonalmente negativo", justificou Maciel.
O mês, apontado por ele como "fraco", deve, contudo, terminar com um desempenho melhor que o do mesmo mês de 2014. "É um mês mais fraco, no ano passado tivemos um déficit de US$ 11,6 bilhões", disse.
O Banco Central projeta um volume de US$ 3,2 bilhões em investimentos estrangeiros diretos para o mês de janeiro. De acordo com Maciel, a tendência é o IED "continuar vindo de forma bastante elevada" em 2015, em função das taxas de rolagem favoráveis. (O Estado de SP – 23/01/2015)

Itamaraty diz não ter como cobrir despesas
PATRÍCIA CAMPOS MELLO
Uma circular enviada pelo Ministério das Relações Exteriores aos diplomatas nesta quarta-feira (21) adverte que o governo enviará, para este mês de janeiro, recursos que só irão cobrir os salários e obrigações trabalhistas dos contratados locais das embaixadas e apenas parte dos pagamentos pendentes de outros meses.
Por causa do corte de gastos imposto pela presidente Dilma Rousseff no dia 8, não haverá recursos suficientes para manutenção dos postos (incluindo internet, energia, aquecimento, telefone) e também para aluguéis dos funcionários do Itamaraty no exterior, a menos que haja sobra de caixa nas representações, situação bastante rara ultimamente.
Como a Folha revelou nesta quarta-feira (21), diplomatas brasileiros em Tóquio (Japão), Lisboa (Portugal), na Guiana, nos EUA, no Canadá e no Benin (África) enviaram telegramas ao Itamaraty nos últimos dias alertando que estavam prestes a sofrer corte de energia nas embaixadas por atrasos no pagamento.
Os funcionários também disseram estar sem dinheiro para comprar papel para impressoras e materiais, pagar a conta da calefação, internet e outros.
Muitos não recebem recursos há quase dois meses e, em alguns casos, têm tirado dinheiro do próprio bolso para poder ter os serviços básicos em suas residências.
Tudo isso ocorreu antes de entrar em vigor o corte anunciado pela circular desta quarta-feira. Os salários dos diplomatas não devem ser afetados porque saem de outra dotação orçamentária.
RECURSOS EM QUEDA
A participação do orçamento do Itamaraty no total do Executivo, que já era pequena, caiu quase à metade em 2014 em relação a 2003 – de 0,5% para 0,27%.
A circular, enviada pela divisão de acompanhamento de postos no exterior e obtida pela Folha, refere-se ao decreto nº 8.389, publicado em 7 de janeiro.
O documento determinou que, até a aprovação do Orçamento pelo Congresso, todos os órgãos da administração federal deverão operar com parcela mensal equivalente a 1/18 do Orçamento.
"Essa parcela equivale a cerca de 50% dos recursos que devem ser autorizados aos postos em base mensal", diz a circular.
Isso porque já se acumulavam recursos não pagos de meses anteriores.
"O corrente exercício iniciou-se com a necessidade de envio de quantia vultosa relativa a compromissos assumidos em 2014 que não puderam ser honrados até 31 de dezembro de 2014", afirma a circular.
"À luz do exposto, esclareço que os recursos autorizados para o corrente mês somente permitirão o pagamento dos salários e obrigações trabalhistas dos auxiliares locais e parte das obrigações de exercícios anteriores."
O decreto de janeiro bloqueou gastos até a aprovação do Orçamento federal, esperada para fevereiro ou março.
No entanto, depois de aprovado o Orçamento, deve haver outro decreto prevendo corte de gastos ainda maior, para tentar cumprir a meta de superávit primário de 1,2% do PIB em 2015.
OUTRO LADO
Em nota, o Itamaraty disse que a circular é um aviso preventivo para os postos não assumirem novos compromissos e se refere só ao mês de janeiro, pois os recursos disponíveis representam 50% do valor mensalmente enviado.
Neste mês, diz a nota, a prioridade é pagar salários e obrigações trabalhistas e cobrir as faturas atrasadas. (Folha de SP – 23/01/2015)

Turquia assume presidência do G-20 e propõe ampliar a agenda
Rolf Kuntz, enviado especial/ Davos
País tentar preservar aimagem de democracia, país pede que bloco dê mais atenção às economias emergentes
A Turquia assume a presidência do Grupo dos 20 (G-20), formado pelas maiores economias do mundo, prometendo incluir na agenda maior atenção aos problemas dos países menos desenvolvidos, maior preocupação com a desigualdade e maior esforço para execução dos programas já definidos. Um desses programas é o investimento global de US$ 70 trilhões de dólares em infraestrutura em 15 anos, lembrou o primeiro-ministro turco, Ahmet Davutoglu, em discurso em Davos, no Fórum Econômico Mundial. Aplaudido pelo discurso, o primeiro-ministro enfrentou mais tarde uma situação muito menos confortável, ao ter de falar, numa reunião com jornalistas, sobre o grau de liberdade de imprensa em seu país.
O G-20 representa 85% do Produto Bruto Mundial e 75% do comércio. Presidir esse grupo dará maior visibilidade a um país já destacado por seu dinamismo recente, mas também atrairá maior atenção a seus problemas internos e à sua condição geopolítica. Além de ser uma ponte geográfica e cultural entre a Europa e a Ásia, e Turquia consolidou há décadas um regime político leigo, uma raridade na região.
Além da laicidade, seus governantes procuram exibir a imagem de uma democracia semelhante às do Ocidente, fundada no império da lei e no respeito às liberdades consagradas na tradição liberal.
O governo turco tem aparecido nos meios de comunicação como repressor da imprensa, especialmente dos jornais e jornalistas favoráveis à oposição. A maior parte do encontro, organizado pelo Fórum, foi consumida em questões ligadas à censura, a pressões sobre a imprensa e a prisões de jornalistas.
O primeiro-ministro começou rejeitando essas acusações, difundidas pela imprensa e sustentadas por duas organizações internacionais, o Comitê de Proteção a Jornalistas (CPJ, na sigla original) e Plataforma de Solidariedade a Jornalistas Aprisionados.
Pessoas citadas por essas entidades foram de fato presas, mas por atividades sem vínculo com o jornalismo, disse o ministro. Ele foi preparado para receber essas perguntas e para defender o governo. Alguns minutos depois de iniciada a discussão, os participantes do encontro receberam cópias de um documento de três páginas com a relação dos presos e dos crimes imputados a cada um - assassinatos, bombardeios de instalações policiais, assaltos a bancos, sequestros, produção de bombas, falsificação de documentos e aliciamento de jovens para organizações terroristas.
Nenhum participante do encontro poderia confirmar ou contestar, naquele momento, as alegações apresentadas pelo ministro. Além disso, qualquer verificação será trabalhosa. Mas a preparação do ministro para o encontro evidenciou a preocupação do governo com a projeção da imagem do país, especialmente durante a presidência do G-20, até o fim deste ano.
Pressões governamentais contra a Turquia são menos prováveis. Importante aliado das potências ocidentais, o país funciona como barreira de contenção política e militar numa região afundada em conflitos e sujeita à ação de grupos extremistas, como o Estado Islâmico. Além disso, a Turquia mantém fronteiras abertas para absorver milhões de refugiados. (O Estado de SP – 23/01/2015)

The king is dead - The Middle East after Abdullah
IT COULD hardly have come at a more challenging time for Saudi Arabia. On January 23rd Saudi state television announced that the 90-year-old ruler King Abdullah had died, nearly a month after being hospitalised for pneumonia. De facto ruler for two decades, Abdullah had nominated his successor, his half-brother Salman, who was quickly elevated to king. King Salman's rule may not be long: he is 79 and, some say, suffering from dementia.
Ruling the kingdom is no small job. King Salman has inherited a realm that is the world’s top oil exporter at a time when prices have plunged; is home to Islam’s holiest sites of Mecca and Medina at a time when jihadist violence is at a peak; and has been dragged into turmoil in the region. At home, things are scarcely better: the country of 30m is the only one in which women cannot drive thanks to the struggle between reformists and conservatives. And the public accounts no longer balance without dipping into the country's, admittedly huge, reserves.
Few reckon the new monarch will rock the boat. A former governor of Riyadh, he is thought to be similarly minded to Abdullah, albeit a little more conservative, and will be advised by the same people.
But challenges abound. Abroad, Saudi has taken a more activist stance of late, and not always with much success. The attempt to build a rebel army to oust President Bashar al-Assad of Syria failed; and Saudi Arabia is now involved in a war against the jihadists of Islamic State. Officials are particularly alarmed by America’s attempts to strike a deal with Iran, with which it vies for power, over its nuclear programme. Iran, champion of the Shia minority, has been expanding its influence in Syria, Iraq and Lebanon. The new king will have instant decisions to make after Yemen’s government fell to Houthi rebels, backed by Iran, overnight. Saudi Arabia had led attempts for a peaceful transition in the country after the toppling of Ali Abdullah Saleh in 2011.
Saudi citizens are worried about blowback at home from Yemen, Islamic State and Iran. The Shia regime in Tehran has been critical of Saudi Arabia for guarding its market share of the oil trade by refusing to cut production to stop the price fall. This is starting to cause a pinch at home. In December Saudi Arabia said its budget deficit would rise to $39 billion in 2015, almost 5% of GDP. Thousands of graduates need work, and most seek jobs in the bloated public sector rather than in the fledgling private one. Decades-old talk of diversifying the economy has risen again.
Indeed domestically the obstacles are greater. By Saudi standards, Abdullah was a moderniser, appointing the first female government minister and in 2013 appointing 30 women to the Shura Council. These moves drew protests from the puritanical Wahhabi clerics and parts of the devout population, as well as reformers who point out that women are still unable to drive or fraternise with men who are not relatives. Free speech is curbed. A number of Saudis are pushing for religion to have less of a grip on the public sphere, the results of which are strict laws on blasphemy and a ban on cinemas.
After the Arab protests, Abdullah sent armoured vehicles to help crush Bahrain’s uprising by the island's mainly-Shia population against the Sunni ruling family. He kept his own population, especially the Shia in the east, quiescent by spending millions on government wages and housing, and setting up a Facebook page for citizens to air their grievances. How long Saudi Arabia's ageing rulers can continue such tactics is in question, and not just because of the cost. One of Abdullah’s great legacies has been funding scholarships that have sent thousands of young Saudis to study in Western universities where, some at least, have picked up democratic ideals.
By appointing Salman as his crown prince, Abdullah also avoided the looming difficulty of passing the crown down a generation in a system where power has been handed down between the sons of Abdel Aziz bin Saud, the founder of the modern state of Saudi Arabia in 1932. On taking the throne King Salman affirmed that his crown prince will be the youngest brother of the generation, Muqrin, a 69-year-old former pilot, intelligence chief and governor of Medina, who was last year appointed deputy crown prince by Abdullah.
Perhaps to avoid the next generation jostling for power, Salman quickly moved to appoint a nephew (descended of the his own Sudairi line) as deputy crown prince: Muhammad bin Naif, the interior minister, who has shown an iron fist when dealing with terrorism. To deal with the inevitable struggle for the crown, Abdullah in 2006 set up an allegiance committee composed of representatives of each of the sons of the founder. Unlike the current generation, who recall their Bedouin roots, many see many of the next generation as profligate, flashy and irresponsible, having grown up in times of great wealth. During his rule Abdullah cut the allowances to the thousands of princes and princesses, much to their chagrin.
For both Saudis and foreign allies such as America, perhaps the toughest issue facing Saudi Arabia is the puritanical Wahhabi form of Islam that it has fostered; the Al Sauds rule in a pact with the Wahhabi clerics. Abdullah removed the most extreme teachings in school textbooks after the September 11th 2001 attacks on Americam in which 15 of the 19 hijackers turned out to be Saudis. But recently voices near and far have been pointing out the contradiction between Saudi joining the coalition against Islamic State while implementing harsh punishments at home for transgressions of its devout religious strictures. The most striking example is the 1,000 lashes handed down— to Raif Badawi, a liberal blogger who called for more freedom of thought (the flogging has been suspended after the first 50 lashes, on the grounds of health). The question for the outside world is whether the Saudi ruling family is part of the problem, or the best defence against the extremists. (The Economist (Reino Unido) – 22/01/2015)

Rei da Arábia Saudita, Abdullah morre aos 90 anos; sucessão começa
Meio-irmão de Abdullah, príncipe Salman, será nomeado rei, de acordo com o comunicado; príncipe Muqrin será príncipe-herdeiro
RIAD - Morreu na noite desta quinta-feira (sexta-feira, no horário local), aos 90 anos, o rei Abdullah da Arábia Saudita, em Riad, como informou a TV estatal. Ele estava internado há semanas com uma infecção nos pulmões. Abdullah será sucedido pelo meio-irmão príncipe Salman, que recentemente já havia assumido as responsabilidades do rei.
O monarca era considerado um poderoso aliado dos EUA que alinhou-se a Washington na luta contra a Al-Qaeda e procurou modernizar a ultraconservadora monarquia muçulmana. O rei estava internado desde o dia 31 para realizar alguns exames, segundo a agência de notícias oficial.
O anúncio da morte veio em um comunicado lido por um apresentador na TV saudita, que transmitia também imagens de adoradores na Kaaba, em Meca. “Sua Alteza Salman bin Abdulaziz Al-Saud e todos os membros da família e da nação lamentam informar que o guardião das duas Mesquitas Santas, o rei Abdullah bin Abdulaziz, morreu exatamente à 1h desta manhã”, diz o comunicado.
Em março, ele foi visto no acampamento real em Rawdat Khuraim, a cerca de 100 quilômetros de Riad, respirando com a ajuda de tubos de oxigênio para receber o presidente dos EUA, Barack Obama. Fotografias oficiais do rei o mostravam em uma cadeira de rodas.
Rei da Arábia Saudita desde 2006, sua saúde tem sido acompanhada de perto, já que qualquer mudança na gestão do país poderia impactar na estabilidade de um dos maiores produtores mundiais de petróleo. A Arábia Saudita é uma monarquia absolutista sem Parlamento eleito. O rei tem poderes únicos para criar leis e nomear ministros.
Devido a problemas na coluna, o rei Abdullah teria passado por uma cirurgia em outubro de 2011 e em novembro de 2012. Em 2010, ele também passou por duas cirurgias em Nova York. / AP e AFP (O Estado de SP – 22/01/2015)

Brasil sinaliza ajuste em Davos, mas não garante crescimento
OPINIÃO
O Brasil está em queda na preferência dos principais executivos das maiores empresas do planeta. Pesquisa feita pela consultoria Pricewaterhouse Coopers (PwC), apresentada na véspera da abertura do Fórum Econômico Mundial, que está sendo realizado na cidade suíça de Davos, mostra que o país perdeu mais uma posição na lista dos mercados considerados mais relevantes por 1,3 mil CEOs executivos globais entrevistados.
A pesquisa reflete as expectativas das principais empresas do mundocom o futuro emostra o Brasil em 5º lugar na relação dos dez mercados que os executivos consideram mais relevantes para a expansão dos seus negócios nos próximos 12 meses, um horizonte marcado pelas incertezas. Não é uma posição irrelevante, mas marca a segunda queda desde 2013, quando estava em 3º lugar. Um consolo é que estão à frente do Brasil economias importantes, os Estados Unidos, China, Alemanha e Reino Unido. Outro é que o Brasil está antes da Índia, Rússia, Japão e Austrália.
Entre os próprios brasileiros há divergências. Os dois maiores banqueiros privados presentes ao fórum de Davos têm expectativas diferentes. O presidente do Bradesco, Luiz Carlos Trabuco Cappi, disse ao Valor (21/1) que o choque de credibilidade da nova equipe econômica já repercutia positivamente, com a redução dos juros dos títulos públicos. Apesar disso, acredita que este ano será de preparação para uma melhoria do quadro em 2016 e de esforço para o país não ter a classificação de risco de crédito reduzida. O banqueiro recusou convite deDilma para comandaro Ministério da Fazenda, posto assumido por Levy, que era diretor superintendente da Bram, administradora de ativos do Bradesco.
Já o presidentedo Itaú Unibanco, Roberto Setubal, se mostrou mais pessimista e revelou a expectativa de fortes ajustes na economia em função do cenário global de queda dos preços das commodities, o que deve ter impacto no balanço em conta corrente dos paísesemergentes ejá provoca adepreciaçãodo câmbio nesses mercados. No cenário global, o único ponto positivo é a recuperação dos Estados Unidos, que virá acompanhada da elevação dos juros daquele país.
Em palestra feita ontem a 80 investidores internacionais durante o almoço, em um hotel de Davos, o ministro da Fazenda, Joaquim Levy, não deu motivos para maiores entusiamos. De acordo com participantes do evento fechado à imprensa, Levy não alimentou falsas expectativas e disse que o Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil ficará estável neste ano. Aos jornalistas, Levy não descartou mesmo a possibilidade de a economia brasileira se retrair por um trimestre durante a correção de rota e pediu paciência.
Ele garantiu que "a economia tem tudo para reagir quando as coisas estiverem em seus lugares".
Já era deconhecimentogeral os cortes feitos nesta semana pelo Fundo Monetário Internacional (FMI)em suas projeções para o desempenho do Brasil. Para este ano, o FMI reduziu a previsão de crescimento do PIB de 1,4% para 0,3%; e para 2016, de 2,2% para 1,5%, números mais pessimistas do que os esperados pelo Banco Mundial, que prevê 1%para 2015 e2,5% para o próximo ano.
Entre os principais mercados emergentes, o Brasil só deverá crescer mais do que a Rússia, que pode enfrentar retração até 2017, segundo o Fundo, cujo cenário global é semelhante ao de Setubal, com a desaceleração da China afetando especialmente a AméricaLatina, aoprejudicar o comércio global e diminuir os preços dos produtos primários.
Não bastasse o cenário internacional adverso, o Brasil tem seus problemas particulares. No encontro fechado, Levy prometeu transparência fiscal e reforçou o compromisso com um forte ajuste e a intenção de recuperar a confiança dos investidores, perante uma plateia preocupada inclusive com as investigações de corrupção na Petrobras e com o impacto da queda do preço do petróleo nas contas do país.
O ministro causou boa impressão, e convenceu os participantesdo encontro que está determinado a realizar os ajustes necessários e empenhado em garantir estabilidade aos investidores. Teria tido maior impacto, porém, se o mesmo recado tivesse sido transmitido pela presidente Dilma Rousseff, mas ela desistiu de ir ao evento alguns dias atrás. A intenção do Planalto era sinalizar que o crescimento estaria de volta rapidamente. Mas ninguém pode fazer essa promessa com segurança, especialmente neste momento em que o sistema de energia dá sinais de grave fragilidade. (Valor Econômico – 22/01/2015)

Ivan Ramalho é novo secretário-executivo do MDIC
Brasília - Depois de dois anos e quatro meses como alto representante geral do Mercosul, no Uruguai, o economista Ivan Ramalho volta comandar a Secretaria Executiva do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), cargo que ocupou de 2005 a 2010. Ivan Ramalho também foi secretário de Comércio Exterior do MDIC entre 2003 e 2006. Além disso, foi presidente da Associação Brasileira de Empresas de Comércio Exterior (Abece) e membro do Conselho Superior da Fundação Centro de Estudos de Comércio Exterior (Funcex) e do Conselho de Administração da BNDES participações S.A (BNDESPAR). Foi funcionário do Banco do Brasil, do qual aposentou-se em 2003. (MDIC – 21/01/2015)

Davos diante de complexos problemas globais
Davos, Suíça, Com o início hoje nesta cidade suíça do Fórum Econômico Mundial, os participantes abrem uma agenda sumamente carregada de complexidades marcada por anêmicos crescimentos, conflitos e epidemias como o ebola.
Organizada de 21 a 24 de janeiro, a reunião constitui um grande desafio tal e como o apreciam os analistas e diversos meios de imprensa, versões ratificadas pelo comitê organizador.
A natureza geopolítica da crise internacional, os problemas na Ucrânia e a situação no Oriente Médio são só algumas dificuldades sobre a mesa.
Esta edição 45 do Fórum de Davos tem um programa capaz de atrair líderes mundiais, políticos de primeiro nível, prêmios Nobel, líderes empresariais e representantes religiosos.
A amplitude do programa e a complexidade dos debates propostos refletem bem o título escolhido para esta edição: O novo contexto global.
Dita ideia aborda desde as incertezas do passado recente até os novos desafios, como o da expansão do jihadismo, por uma lado, e o auge cada vez mais visível dos movimentos nacionalistas, por outra.
O próprio presidente e fundador do Fórum, Klaus Schwab, falou sobre um novo contexto global, com um mundo multipolar no qual está ocorrendo uma nova revolução tecnológica capaz de transformar a sociedade e a economia.
Esta reunião quebra seu próprio recorde, com a inscrição pela primeira vez de mais de 2.500 participantes de 140 países, o que os organizadores atribuem à oportunidade única para dialogar entre aqueles que têm poder de decisão.
Desde a década de 1970, o Fórum converteu-se em palco para que os poderosos possam se encontrar em uma atmosfera de reflexão.
No entanto, outras vozes sempre mantiveram sua espada crítica sobre este encontro, que em boa parte de sua trajetória concluiu sem solução plausíveis aos problemas mais urgentes.
Para a ocasião, é muito esperada a intervenção do presidente francês, Francois Hollande, duas semanas após os atentados terroristas em Paris.
Por sua vez, os gerentes das principais empresas europeias não acreditam que neste ano vá ocorrer uma reanimação econômica, segundo uma pesquisa realizada pela empresa de auditoria e assessoramento PwC, apresentada previamente ao início do Fórum de Davos.
Apenas 16 por cento dos diretores de empresas europeias acreditam que 2015 trará uma melhora econômica. (Prensa Latina – 21/01/2015)

Desaceleração econômica e conflito na Ucrânia são temas em Davos
Questões como falta de recursos para combate ao ebola, a estagnação da zona do euro e a urgência das mudanças climáticas fizeram parte da agenda no Fórum Econômico Mundial
No primeiro dia do Fórum Econômico Mundial, o clima frio dos Alpes suíços contrasta com o calor dos debates sobre os principais desafios globais. Questões como o conflito no Leste da Ucrânia, a falta de recursos para combate ao ebola, a estagnação econômica da zona do euro e a urgência das mudanças climáticas fizeram parte da agenda na abertura do encontro em Davos.
Mais de 2,5 mil líderes políticos, homens de negócios, cientistas e formadores de opinião participam da 45ª edição do fórum, entre eles, alguns dos mais ricos do mundo. Nos quatro dias do evento, que termina sábado (24), além do crescimento econômico, outra questão considerada prioritária é a redução da desigualdade, que afeta inclusive nações mais prósperas. Relatório da organização não governamental (ONG) britânica Oxfam, divulgado na véspera do evento, mostrou que, até o ano que vem, os 1% mais ricos do mundo terão mais posses que os outros 99% juntos.
Nos debates de hoje (21), líderes políticos de vários países abordaram o desafio do crescimento econômico. O premiê chinês, Li Keqiang, acredita que a China continuará sofrendo pressões este ano, mas assegurou que o governo está trabalhando em reformas estruturais para evitar a desaceleração da economia. Já o primeiro-ministro da Itália, Matteo Renzi, acha que a Europa precisa focar suas políticas na indução do crescimento, e não na austeridade e no controle da economia. “O futuro é hoje, não amanhã. Quero que a Itália seja um laboratório de inovação, não um museu”, disse ele.
O cenário, para muitos executivos, não é de otimismo. Levantamento feito com cerca de 1.300 homens de negócios de 77 países, pela consultoria PwC (sigla em inglês da PricewaterhouseCoopers), mostra que apenas 37% deles acham que a economia vai melhorar - 7% a menos que no ano passado. A pesquisa, divulgada na abertura do Fórum Econômico Mundial, mostra também que o interesse dos investidores pelo Brasil continua em queda - baixou de 15%, em 2013, para 12%, em 2014, e está em 10%.
Este ano, há expectativa de que temas como o terrorismo e os conflitos geopolíticos e religiosos, que marcam o atual contexto mundial, tomem parte significativa nos debates. Hoje, o presidente da Ucrânia, Petro Poroshenko, teve que deixar o evento antes do esperado, por causa do agravamento dos conflitos entre o Exército ucraniano e forças separatistas no Leste do país. Antes de deixar Davos, porém, ele fez um discurso pedindo que a Rússia retire suas tropas do território ucraniano e pare de apoiar grupos rebeldes, cumprindo o Acordo de Minsk, assinado em setembro do ano passado.
Nas mudanças climáticas, o destaque desta quarta-feira foi para o ex-vice-presidente dos Estados Unidos Al Gore, que acompanhado pelo rapper norte-americano Pharrell Williams, anunciou mais uma edição do concerto musical Live Earth (a última foi em 2007) no dia 18 de junho, em seis cidades: Paris, Nova York, Rio de Janeiro, Pequim, Sydney e Cidade do Cabo, com uma edição especial na Antártida.
O objetivo é elevar a urgente questão das mudanças climáticas para o topo da agenda mundial, às vésperas da 21ª Conferência do Clima, em Paris, no mês de dezembro. “Queremos ter 1 bilhão de vozes e uma só mensagem. Queremos ação climática agora”, disse Al Gore. (Brasil Econômico – 21/01/2015)

Otimismo cai entre executivos brasileiros
CLÓVIS ROSSI
DE ENVIADO ESPECIAL A DAVOS
O número de executivos brasileiros otimistas com a perspectiva de ver suas receitas crescerem no futuro imediato caiu ano a ano, no primeiro mandato de Dilma Rousseff, e chega agora a seu patamar mais baixo: só 30% se dizem otimistas contra 42% no ano passado.
É a história que conta a 18ª Pesquisa Global da PricewaterhouseCoopers, que entrevistou 1.322 executivos de 77 países, divulgada sempre na véspera da inauguração do encontro anual do Fórum Econômico Mundial, o que acontecerá nesta quarta, 20.
Funciona como uma espécie de termômetro do ânimo dos empresários, que são a clientela principal do Fórum.
Para o Brasil, as más notícias não se limitam ao baixo número de brasileiros otimistas. Seus colegas do mundo inteiro tampouco andam muito animados com o estado da economia global –e a economia mundial é sempre apontada, por Dilma, como um fator importante para o baixo crescimento do Brasil.
De fato, só 39% confiam em aumentar a receita no futuro imediato e menos ainda (37%) esperam mais crescimento da economia global.
A pesquisa foi feita no último trimestre de 2014, mas Klaus Schwab, presidente executivo e criador do Fórum Econômico Mundial, confirma que o ânimo dos executivos neste início de ano não é dos melhores: "No ano passado, parecia que a crise estava ficando para trás, mas, neste ano, as pessoas estão muito mais preocupadas".
Se os executivos acham que as perspectivas não são boas, naturalmente puxarão o freio de mão, com o que o mundo pouco ajudará no crescimento brasileiro.
Além disso, os executivos mais pessimistas estão entre os parceiros do Brasil no Mercosul: só 22% dos venezuelanos e 17% dos argentinos esperam receitas maiores no futuro imediato. Pior que eles, só os russos (16% de otimistas), também parceiros do Brasil, mas nos Brics (com Índia, China e África do Sul).
A propósito dos Brics, que deveriam ser as potências mundiais em 2020, os executivos ouvidos pela PwC jogam esse futuro mais adiante: "Fazer negócios nos Brics continua um desafio, na medida em que tais nações enfrentam uma mescla de complexos temas políticos e estruturais".
Só a longo prazo, os executivos enxergam oportunidades, o que faz com que mantenham a vista no grupo.
O pessimismo dos executivos é certamente o motivo principal para que Dilma tenha decidido, na última hora, enviar seu novo ministro da Fazenda, Joaquim Levy, para o encontro de Davos.
Ao presidente do Fórum, Klaus Schwab, Dilma disse que preferia voltar a Davos no ano que vem, depois de sua participação em 2014.
Levy terá três chances de convencer a clientela de Davos de que as coisas vão mudar no Brasil: participa de um almoço, sexta, sobre as perspectivas para a América Latina; fala ao "Business Council" do Fórum, em sessão fechada; e participa, no sábado, de uma sessão sobre "Panorama Econômico Global". (Folha de SP – 21/01/2015)

Evo Morales assume terceiro mandato na Bolívia
As cerimônias de posse do presidente da Bolívia, Evo Morales, em seu terceiro mandato, começam hoje (21) com um ritual ancestral indígena e se estendem até amanhã (22). Neste primeiro dia, o evento ocorre em Tiwanaku, sítio arqueológico classificado de precursor do Império Inca, o que é uma tradição nas posses presidenciais. Durante a cerimônia, Morales vai receber dois bastões - que simbolizam a passagem do poder do povo andino - de uma criança e de uma anciã.
Representantes de movimentos sociais e de comunidades tradicionais estão no local para as celebrações. Amanhã (22), as comemorações ocorrerão na Assembleia Legislativa, em La Paz (capital administrativa), a 72 quilômetros de Tiwanaku.
Morales foi reeleito para um mandato de cinco anos, com 61% dos votos válidos. Além dele, também concorreram à Presidência Samuel Doria Medina, empresário do ramo de cimento; Jorge Quiroga, que foi vice-presidente do país por quatro anos e, em seguida, assumiu como presidente pelo período de um ano; o prefeito de La Paz, Juan del Granado, e o líder indígena Fernando Vargas.
Eleito pela primeira vez em 2005, Evo Morales é o primeiro presidente indígena boliviano, povo que representa cerca de 60% da população do país. A presidenta Dilma Rousseff vai participar do segundo dia da cerimônia de posse, em La Paz. (Agência Brasil – 21/01/2015)

Dilma viaja menos da metade que Lula ao exterior
Mariana Schreiber Da BBC Brasil em Brasília
Presidente passou 144 dias fora do país em visitas de Estado ou encontros multilaterais, ante 269 dias de Lula em segundo mandato
Levantamento da BBC Brasil feito com base em informações divulgadas no site da Presidência da República mostra que, durante seu primeiro mandato, a presidente Dilma Rousseff reduziu quase pela metade o tempo destinado a visitas a outros países na comparação com seu antecessor, Luiz Inácio Lula da Silva.
Nesta semana, ela faz sua primeira viagem internacional do segundo mandato para prestigiar a posse do colega boliviano Evo Morales, reeleito pela segunda vez. A presidente cancelou sua ida ao Fórum Econômico Mundial, em Davos, na Suíça, para ir à capital boliviana, La Paz - o que sinaliza uma reaproximação entre os dois países após um relação fria nos últimos quatro anos.
Para analistas ouvidos pela BBC Brasil, a significativa redução do número de viagens internacionais da presidente em relação a Lula são um indicativo da menor prioridade dada à agenda do Itamaraty nos últimos quatro anos.
Em seu primeiro mandato, a presidente passou 144 dias fora do país em visitas de Estado ou encontros multilaterais, uma redução de 46,5% ante o observado no segundo mandato do presidente Lula. Ele esteve fora do Brasil por 269 dias entre 2007 e 2010.
Na comparação com o primeiro mandato de Lula (2003-2006), Dilma destinou um terço menos tempo para viagens ao exterior. O antecessor passou 216 dias fora do país.
A presidente viajou menos dias também que Fernando Henrique Cardoso (165 dias entre 1995 e 1998 e 159 dias entre 1999 e 2002), embora tenha visitado em média mais países.
'Valor da política externa'
"As viagens presidenciais são uma medida interessante da intensidade com que o presidente se põe à disposição da diplomacia, do valor da política externa no seu governo. No caso da presidente, nota-se um certo desinteresse pela área", observa Antônio Carlos Lessa, professor de Relações Internacionais da Universidade de Brasília (UnB).
Segundo Lessa, há dois fatores que explicam a forte queda nos dias viajados. Se por um lado a presidente não considera a política externa uma área prioritária, por outro o presidente Lula tinha o entendimento oposto e deu uma atenção fora do comum às negociações internacionais.
O professor nota que havia uma curiosidade internacional muito grande em relação à figura de Lula. Além disso, diz, ele assumiu o cargo em um momento de vácuo de liderança internacional em que órgãos multilaterais estavam enfraquecidos.
"O Lula realmente levou às últimas consequências essa ideia de diplomacia presidencial. Ele produziu um novo parâmetro, um novo marco zero", afirmou.
Para Lessa, o desinteresse da presidente Dilma decorre da sua falta de compreensão sobre o tempo mais lento do funcionamento da política externa. "É diferente de ações de política econômica, por exemplo. Os resultados demoram mais a aparecer", diz.
O diretor acadêmico das Faculdades Integradas Rio Branco, Alexandre Ratsuo Uehara, considera que houve um retrocesso na política externa no mandato de Dilma. Ele nota que a agenda da reforma dos organismos multilaterais como a ONU e o FMI já não é tão forte como no governo anterior e que as ambições do país de conquistar uma vaga no Conselho de Segurança hoje estão mais difíceis de se concretizar.
"O fato de a presidente não viajar (tanto) talvez não tenha uma repercussão clara e evidente, mas isso vai aparecer quando começar a impactar em questões políticas ou econômicas do país. É uma consequência que só surge no médio prazo", afirma.
"Muitas vezes nesses fóruns multilaterais são tomadas decisões ou mudadas regras que podem impactar de alguma maneira tanto o comércio como questões políticas do Brasil. Se o Brasil não está presente nesses fóruns, essas mudanças são feitas sem levar em conta os interesses brasileiros", acrescenta.
Ficando em casa
Questionado sobre a redução das viagens presidenciais ao exterior, o Itamaraty não se pronunciou. Já a Presidência da República informou, em nota enviada à BBC Brasil, que Dilma "cumpriu normalmente sua agenda externa no primeiro mandato, atendendo plenamente seus compromissos internacionais".
A assessoria da presidente também destacou a vinda de autoridades estrangeiras ao Brasil devido à realização de grandes eventos no país.
"Também se registrou, no período, agenda externa cumprida no Brasil, tendo a Presidenta recebido vários mandatários em visita bilateral ou por ocasião de eventos, como a Copa do Mundo, e em reuniões internacionais em nível de chefes de Estado, como, por exemplo, a Conferência da Rio +20 e a Cúpula do Brics", assinala o comunicado.
Para o Sinditamaraty, sindicato que representa os servidores do Ministério das Relações Exteriores, o sucesso da política externa não depende apenas das viagens presidenciais.
O órgão destaca, porém, que "um número muito reduzido de viagens pode - mas não necessariamente irá - dificultar o trabalho dos servidores e mesmo as instâncias decisórias no cumprimento dos acordos internacionais que o Brasil subscreve".
Em nota enviada à BBC, a presidente do sindicato, Sandra Nepomuceno, disse ainda que a diplomacia presidencial tem enorme peso político.
"Parece óbvio que uma agenda intensa no exterior, como ocorreu durante o governo Lula, continuaria a projetar positivamente a imagem do Brasil e aumentaria as oportunidades de negócios no exterior; mas a diplomacia não é uma ciência exata, por isso a importância do Brasil nos foros internacionais não irá necessariamente diminuir em função da redução (das viagens)", observou.
Destinos
Dilma fez 62 viagens a 35 países em seu primeiro mandato. Embora tenha feito menos excursões ao exterior que seu antecessor, ela continuou dando certa prioridade a países africanos.
O continente, que tinha papel quase irrelevante na política externa do país antes de Lula, ganhou grande importância no governo petista.
Distribuição das viagens*
Dilma - América do Sul (24 viagens), Europa (17 viagens) e África (8 viagens)
Lula 2 - América do Sul (45 viagens), Europa (38 viagens) e América Central (17 viagens)
Lula 1 - América do Sul (38 viagens), Europa (22 viagens) e África (20 viagens)
FHC 2 - América do Sul (25 viagens), Europa (20 viagens) e América do Norte (7 viagens)
FHC 1 - América do Sul (27 viagens), Europa (16 viagens) e América do Norte (7 viagens)
*Número de vezes em que visitou países da região (algumas nações foram visitadas mais de uma vez).
Em oito anos, Lula fez 29 viagens a países africanos, tendo visitado 20 nações - na África do Sul e em Moçambique ele esteve três vezes.
Já Fernando Henrique Cardoso visitou apenas três países, uma vez cada - Angola, África do Sul e Moçambique.
A presidente Dilma Rousseff, por sua vez, visitou seis países, sendo três vezes também a África do Sul.
Somando os três mandatos petistas, a África foi o terceiro continente mais visitado, ficando atrás de América do Sul e Europa - os dois destinos tradicionais da diplomacia brasileira também foram os continentes mais visitados por Fernando Henrique Cardoso.
O professor da UnB observa que as viagens à América Sul estão ligadas a circunstâncias políticas e à estratégia de integração regional, com o Mercosul e a criação da Unasul (União de Nações Sul-Americanas), em 2008.
Já a Europa se destaca pela importância econômica, tanto no comércio exterior como no fluxo de investimentos para o Brasil, e pelos acordos de cooperação educacional e tecnológica.
"O fato novo foi a abertura de novos espaços, como a África. A gente não tem que estranhar a manutenção dos destinos tradicionais. Eles estão relacionados a agendas de cooperação consolidadas, tanto na dimensão econômica como política", observa Lessa.
Quando se faz um recorte por países, igualmente nota-se uma repetição nos principais destinos. A vizinha Argentina foi a nação mais visitada pelos três presidentes, seguida de Estados Unidos - nesse caso, porém, o resultado é inflado pelas assembleias anuais da ONU, que são sempre realizadas em Nova York.
Vale destacar o aumento da relevância da Venezuela na política externa dos governos petistas. Enquanto FHC esteve cinco vezes no país em oito anos, Lula esteve 12. Já Dilma viajou quatro vezes à Venezuela em seu primeiro mandato. (BBC – 21/01/2015)

Líderes mundiais se reúnem nesta semana
Petróleo, conflitos e desafios tecnológicos são algumas das pautas que estarão presentes em Davos, que deve contar com mais de 1.500 líderes empresariais e 40 chefes de Estado e de governo
- Enquanto a elite política e do mundo dos negócios sobe esta semana os Alpes suíços para um encontro anual de observação da bola de cristal, a análise histórica sugere que os especialistas de Davos são susceptíveis a uma porção de conclusões erradas.
Mais de 1.500 líderes empresariais e 40 chefes de Estado e de governo estarão presentes na reunião anual do Fórum Econômico Mundial entre 21 e 24 de janeiro para fazer contatos e discutir grandes temas, desde o preço do petróleo até o futuro da internet. Este ano, eles estão se encontrando em um período de turbulências, com as forças de segurança em alerta após ataques em Paris, o Banco Central Europeu considerando adotar um programa radical de compra de títulos e o franco suíço, moeda tida como um porto seguro, em valorização vertiginosa.
O ar da montanha incentiva pronunciamentos confiantes, mas a precisão das previsões de Davos oscilou nos últimos anos. Entre os fiascos dos prognósticos do ano passado se incluem o do chefe do Banco Central do Japão, Haruhiko Kuroda, que declarou que a situação no seu país estava "completamente mudada". Doze meses depois, a economia japonesa está de volta à recessão. E ninguém no ano passado previu anexação da Crimeia pela Rússia, a ascensão do Estado Islâmico ou o petróleo a US$ 50 o barril.
As crises gêmeas na zona do euro e no setor bancário também foram falhas evidentes nas avaliações dos formuladores de políticas e especialistas.
Em 2011, a então ministra das Finanças da França, Christine Lagarde, declarou que a zona do euro tinha "virado a página" e pediu aos mercados financeiros que não apostassem contra a Europa. O bloco passou a ter um ano terrível em que a venda a descoberto teria sido uma tática decididamente inteligente.
Em 2012, a situação se inverteu quando o economista Nouriel Roubini, que previu a crise das hipotecas subprime no mercado norte-americano, previu que a Grécia deixaria o euro dentro de um ano. Isso não aconteceu, apesar de o assunto estar de volta à agenda a tempo para a festa de Davos este ano. O ponto baixo das previsões, no entanto, foi em janeiro de 2008. Apesar do início da crise do subprime, a multidão esmagadora em Davos não conseguiu detectar o colapso desencadeado pela quebra do Lehman Brothers, apenas oito meses mais tarde.
Mas Davos tem sido bom para detectar algumas megatendências, como a ascensão dos mercados emergentes e, mais recentemente, o gás de xisto reequilibrando o crescimento econômico nos Estados Unidos. O fórum também sinalizou futuras tensões globais, tais como o acesso à água e os problemas de segurança na internet. / Reuters (DCI – 20/01/2015)

Políticas cambial e monetária serão principais temas em Davos
FERNANDO NAKAGAWA, CORRESPONDENTE / LONDRES
Decisão recente do BC suíço e possível injeção de dinheiro na economia europeia pelo BCE devem centralizar debate
Basta olhar para o calendário para perceber que as políticas cambial e monetária serão tema central no Fórum Econômico Mundial, em Davos. O encontro será realizado uma semana após o Banco Central da Suíça chocar o mercado com uma inesperada e profunda mudança na política cambial. No segundo dia do evento, na quinta-feira, 22, o Banco Central Europeu (BCE) se reúne e parte do mundo econômico aposta que pode ser anunciado o início de um programa sem precedentes de injeção de dinheiro.
O Fórum Econômico Mundial poderá viver dias agitados de debate sobre o rumo dos juros. Além do debate de longo prazo sobre o impacto da falta de sincronia das políticas econômicas nos Estados Unidos e Europa, as conversas têm temas quentes de última hora.
A partir de quarta-feira, oito banqueiros centrais dos mais importantes do mundo estarão em Davos. Além do brasileiro Alexandre Tombini, estarão os presidentes dos BCs do Canadá, França, Inglaterra, Itália, Japão, México e da anfitriã Suíça. Thomas Jordan, o presidente do BC suíço, aliás, deverá ter uma recepção calorosa após acabar com a vinculação da moeda nacional, o franco, com o euro. A decisão fez a divisa disparar quase 40%. Algumas instituições amargaram prejuízo e duas corretoras fecharam as portas.
Na quinta, o BCE anuncia em Frankfurt nova decisão de política monetária. Alguns participantes embarcam a Davos com a aposta de que a instituição liderada por Mario Draghi poderá iniciar o programa de relaxamento quantitativo (QE, na sigla em inglês) na Europa - injeção de dinheiro na economia por meio da compra de títulos da dívida soberana que atualmente estão na carteira dos bancos. Apesar de estar a apenas 400 quilômetros dos Alpes Suíços, Draghi não irá ao evento.
Preocupação. Líderes globais que estarão em Davos temem que a falta de sincronia entre o provável aperto nos juros nos EUA e o esperado relaxamento monetário na Europa gere uma nova onda de turbulência no mercado financeiro e no fluxo de capitais. Países emergentes que dependem do financeiro externo são os mais vulneráveis.
Desde novembro, o ex-ministro de Finanças da Suécia Anders Borg ocupa a presidência da Iniciativa do Sistema Financeiro Global, grupo focado nos temas financeiros no Fórum. Uma das principais funções de Borg é conversar com líderes para definir as diretrizes do debate econômico em Davos.
Após inúmeras conversas e consultas, o ex-ministro sueco diz que "há ansiedade" de que as políticas monetárias provoquem uma turbulência comparável à vista em 1994, quando o Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA) iniciou uma esperada alta dos juros.
Petróleo. Fora dos bancos centrais, outro tema quente é a queda do petróleo. O preço da commodity caiu drasticamente nos últimos meses e, segundo analistas, o movimento estaria sendo gerado pelos países exportadores, que tentam tornar o petróleo mais competitivo para forçar a inviabilidade econômica de novas fontes energéticas, como o gás de xisto nos Estados Unidos. O secretário-geral da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep), Abdalla Salem El Badri, estará em Davos e deverá ser questionado à exaustão sobre o tema. (O Estado de SP – 20/01/2015)

FMI vê Brasil crescendo menos em 2015 e 2016, bem abaixo da América Latina
SÃO PAULO - O Brasil crescerá menos de um quarto do que a América Latina e Caribe neste ano, e sua recuperação não será das melhores em 2016, informou o Fundo Monetário Internacional (FMI) nesta terça-feira.
Em atualização do seu relatório "Perspectiva Econômica Global", o FMI reduziu com força a projeção para a expansão do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro em 2015 em 1,1 por ponto percentual, a apenas 0,3 por cento.
O Fundo vê alguma recuperação no ano que vem, mas ainda assim também diminuiu suas contas para crescimento econômico a 1,5 por cento, contra 2,2 por cento anteriormente.
Para a América Latina e Caribe, as estimativas também foram reduzidas, mas ainda assim a perspectiva é de que a região cresça 1,3 por cento em 2015 e 2,3 por cento em 2016, 0,9 e 0,5 ponto percentual a menos que a projeção anterior.
Em relação a 2014, o FMI estima que o Brasil cresceu apenas 0,1 por cento, ante 0,3 por cento projetados em outubro.
Segundo o FMI, os preços menores do petróleo --que já perdeu metade de seu valor desde junho-- e de outros produtos vão impactar exportadores emergentes de commodities, como é o caso do Brasil, principalmente sobre o comércio e a receita real.
Ainda assim, em "muitas economias emergentes, o espaço de política macroeconômica para sustentar o crescimento permanece limitada. Mas em algumas, os preços menores do petróleo vão aliviar a pressão inflacionária e vulnerabilidades externas, permitindo assim aos bancos centrais não elevarem a taxa de juros ou elevá-las mais gradualmente", completou o FMI.
O Brasil vem enfrentando o difícil quadro de inflação elevada, que levou o Banco Central a iniciar novo ciclo de aperto monetário em outubro passado, mas com baixo crescimento e falta de confiança dos agentes econômicos diante do frágil quadro fiscal do país.
Por isso, a nova equipe econômica da presidente Dilma Rousseff já anunciou algumas medidas para tentar colocar as contas públicas em ordem.
As projeções do FMI para o Brasil estão em linha com as de economistas consultados na pesquisa Focus do Banco Central, que veem expansão de 0,12 por cento em 2014, 0,38 por cento neste ano e 1,80 por cento em 2016.
EMERGENTES
As perspectivas para o Brasil também ficam bem aquém daquelas para os mercados emergentes e economias em desenvolvimento, mesmo com contração prevista para a Rússia neste ano e no próximo.
Para essas economias como um todo, o FMI vê expansão de 4,3 e 4,7 por cento em 2015 e 2016, 0,6 e 0,5 ponto percentual respectivamente a menos do que em outubro.
Entre os fatores que o Fundo cita como determinantes para essa redução, estão o menor crescimento na China, projetado em 6,8 por cento neste ano contra 7,1 por cento anteriormente. Para 2016 a perspectiva caiu a 6,3 por cento, contra 6,8 por cento.
"O crescimento do investimento na China desacelerou no terceiro trimestre de 2014, e os principais indicadores apontam que vão continuar diminuindo", informou o FMI.
"A desaceleração do crescimento chinês também produzirá efeitos regionais significativos, o que explica, em parte, as revisões em baixa do crescimento para grande parte das economias emergentes da Ásia", acrescentou o FMI.
O FMI também cita o cenário mais fraco na Rússia, cujas reduções nas estimativas foram ainda mais drásticas, refletindo o impacto dos preços mais baixos do petróleo e das tensões geopolíticas. Para 2015, a expectativa de crescimento econômico caiu 3,5 pontos percentuais, chegando à contração de 3 por cento, e para 2016 a redução foi de 2,5 pontos, para contração de 1 por cento.
O FMI também piorou seu cenário para a economia global, prevendo expansão de 3,5 e 3,7 por cento em 2015 e 2016, respectivamente. Em ambos os cados, as contas foram reduzidas em 0,3 ponto percentual. (Por Camila Moreira) (Reuters – 20/01/2015)

FMI reduz projeção de crescimento global e pede políticas expansionistas
PEQUIM (Reuters) - O Fundo Monetário Internacional (FMI) reduziu sua projeção para o crescimento econômico global em 2015, e fez um apelo nesta terça-feira aos governos e bancos centrais a buscarem políticas monetárias expansionistas e reformas estruturais para sustentar o crescimento.
O crescimento global foi projetado em 3,5 por cento para 2015 e 3,7 por cento para 2016, disse o FMI em sua atualização do relatório "Perspectiva Econômica Global", reduzindo sua projeção em 0,3 ponto percentual para ambos os anos.
"Novos fatores sustentando o crescimento --preços menores do petróleo mas também depreciação do euro e do iene-- são mais do que compensados por forças negativas persistentes, incluindo os legados prolongados da crise e do crescimento potencial mais baixo em muitos países", disse o economista-chefe do FMI, Olivier Blanchard, em comunicado divulgado pela instituição.
O FMI alertou economias avançadas para manter políticas monetárias expansionistas para evitarem aumentos em taxas de juros reais uma vez que o petróleo mais barato aumenta o risco de deflação.
Se as taxas de juros não puderem ser reduzidas mais, o FMI recomendou buscar uma política expansionista "através de outros meios".
Os Estados Unidos foram o único ponto positivo em um relatório pessimista para as principais economias, com a projeção de crescimento em 2015 elevada para 3,6 por cento ante 3,1 por cento.
As perspectivas para economias emergentes foram em geral reduzidas, com as projeções para os exportadores de petróleo Rússia, Nigéria e Arábia Saudita sofrendo os maiores cortes.
A queda dos preços do petróleo, que caíram pela metade desde junho, é amplamente resultado da decisão da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) de não cortar a produção, o que não deve mudar, disse Blanchard.
"Esperamos que o declínio do preço seja bastante persistente", afirmou ele em entrevista coletiva na divulgação do relatório. "Esperamos alguma volta, algum aumento, mas certamente não um aumento de volta aos níveis que víamos há, digamos, seis meses".
O FMI prevê que uma desaceleração na China provocará uma resposta de política mais limitada uma vez que as autoridades em Pequim estarão mais preocupadas com os riscos do rápido crescimento do crédito e investimento.
O crescimento mais lento da China em 2015 "reflete a decisão correta das autoridades de lidar com alguns dos desequilíbrios presentes e o desejo de reorientar a economia em direção ao consumo, afastando-se do setor imobiliário e do sistema bancário sem regulação", disse Blanchard.
O FMI também vê que o Brasil crescerá menos de um quarto do que a América Latina e Caribe neste ano, e que sua recuperação não será das melhores em 2016.
As projeções são mais otimistas do que as estimativas divulgadas pelo Banco Mundial na semana passada, que previam crescimento global de 3 por cento neste ano e 3,3 por cento em 2016.
Preços mais baixos do petróleo darão a bancos centrais em economias emergentes espaço para adiar a alta das taxas de juros, embora "espaço de política macroeconômica para sustentar o crescimento permaneça limitado", segundo o relatório.
A queda dos preços também dará aos países uma chance de reformar subsídios e impostos ligados a energia, diz o FMI.
As perspectivas para os países importadores e exportadores de commodities vão divergir ainda mais.
O relatório está amplamente em linha com comentários da diretora-gerente do FMI, Christine Lagarde, feitos na semana passada, quando ela afirmou que a queda dos preços do petróleo e o forte crescimento dos EUA não deixariam o FMI mais otimista. (Reportagem de Jake Spring) (Reuters – 20/01/2015)

Globalização: um barco avariado que continua navegando
Por Stephen Fidler
Os perigos da previsão: 12 meses atrás, quando os delegados do Fórum Econômico Mundial se reuniram em Davos, ninguém previu que a Rússia iria, em questão de meses, anexar parte de seu país vizinho, e qualquer um que dissesse que o preço do petróleo cairia pela metade seria chamado de louco.
Mas outros acontecimentos eram mais previsíveis: pouco crescimento e inflação baixa na zona do euro reduziu a capacidade da Europa de sair da crise da dívida e de reduzir o alto desemprego. O enfraquecimento dos partidos políticos dominantes de muitos países europeus e o fortalecimento de partidos nacionalistas são, em parte, resultantes desse cenário. Em todos os lugares, os governos estão lutando para lidar com correntes poderosas que estão sacudindo seus países.
De um jeito ou de outro, a maioria desses acontecimentos — previsíveis ou não — agora pode causar ainda mais erosão no tecido que une nossa economia mundial interconectada e internacionalizada.
“A globalização ajudou a tirar centenas de milhões da miséria”, diz Robin Niblett, diretor do grupo de estudos Chatam House, de Londres. Mas, acrescenta, ela está indo rápido demais para que as pessoas e os governos possam se adaptar, politicamente, socialmente e institucionalmente. Como resultado, “os níveis de confiança entre governos e cidadãos estão se desgastando muito”.
A confiança entre governos também está abalada, argumenta ele. A anexação da Crimeia pela Rússia e seu apoio aos rebeldes separatistas na Ucrânia enfraqueceu a hipótese de que todos estão indo em direção a democracias baseadas no mercado. A China está preocupada com a possibilidade de que os Estados Unidos tentem contê-la; enquanto que o Ocidente teme que as potências em ascensão – como China e Índia – podem não apoiar as regras do jogo da globalização.
O colapso dos preços do petróleo terá amplas ramificações para a economia mundial, redistribuindo a renda global dos produtores de petróleo — Rússia, Venezuela e países do Oriente Médio — aos consumidores de combustível, onde se inclui a maioria das economias desenvolvidas.
Isso deve ajudar o crescimento global. De fato, o aumento das vendas de carros e alguns outros indicadores mostram que os americanos já estão gastando os ganhos obtidos, transformando os EUA em, talvez, a única grande engrenagem que faz a economia mundial se mover.
John Llewellyn, que dirige uma consultoria em Londres, ressalta que o impacto atual na economia mundial dependerá do grau em que os perdedores usarão suas economias e que os ganhadores investirão seus ganhos.
Também é importante descobrir se a queda dos preços do petróleo é uma manifestação do declínio na demanda ou uma explosão de oferta. A mudança repentina sugere que se trata de uma questão de oferta.
A produção de petróleo mundial está crescendo graças em parte à exploração de formas não convencionais, como o petróleo de xisto, que colocou os EUA no caminho da autossuficiência. A Arábia Saudita, entretanto, tem mantido suas torneiras abertas com a estratégia aparente de forçar uma redução no volume de novos investimentos em fontes alternativas.
Mas a queda da demanda também parece ser um fator que contribuiu para o atual cenário e isso — diante do fato de que o preço do petróleo trai uma economia mundial enfraquecida e de evidências de desaceleração da China — não é uma boa notícia. A queda na demanda já atingiu outros preços de commodities, afetando as economias de produtores de matérias primas na África e América Latina. Mas o ritmo mais lento da economia chinesa pode também significar uma desaceleração ainda mais rápida de investimentos na China, com sérias consequências para os produtores de bens de capital nos EUA e Europa.
Outra preocupação é que os preços em queda do petróleo podem transformar o baixo crescimento e a falta de inflação da Europa em uma mentalidade deflacionária que levaria as pessoas a adiar decisões de investimentos, inibindo ainda mais o crescimento.
“Se eu estivesse nas discussões em Davos, acredito que a expectativa de deflação na Europa e a parada repentina do crescimento na China são as duas coisas que mais me preocupariam”, diz Lant Pritchett, economista desenvolvimentista da Escola de Governo Kennedy, da Universidade de Harvard.
Um artigo publicado no ano passado, de autoria de Pritchett e de Lawrence Summers, o economista de Harvard e ex-secretário do Tesouro dos EUA, usa dados históricos para traçar duas importantes conclusões sobre economias com rápido crescimento que agora são relevantes para a China.
A primeira conclusão é que o rápido crescimento não dura e invariavelmente recua em direção à média, o que os estatísticos chamam de regressão à média. A segunda conclusão pode ser mais preocupante: a queda do crescimento é geralmente repentina, não gradual. Eles citaram outro economista da Escola de Governo Kennedy, Ricardo Hausmann: “O descenso do crescimento de 8% para o crescimento de 4% frequentemente passa por 2 negativos”.
Citando Pritchett e Summers novamente: “Um dos fatores que fazem o crescimento rápido sustentável tão difícil é que o crescimento depende de criação e destruição, mas apenas uma parte é popular com os governos e com as elites econômicas.”
A Europa, na verdade, está tendo dificuldades tanto na criação quanto na destruição. A maior parte das tecnologias criativas e que rompem com os padrões vigentes e afetam a economia europeia é produzida do outro lado do Atlântico.
Gigantes americanos de tecnologia como o Google já afetaram setores como o editorial e de telecomunicações. Mas seus modelos de negócio de livre acesso e orientado para serviços agora estão ameaçando um amplo leque de setores, incluindo o automobilístico, que representa uma grande parte da base industrial europeia e muito da pesquisa e desenvolvimento do continente.
Além disso, muitas pessoas na Europa culpam a União Europeia por seu desconforto com a economia globalizada e por incentivar a imigração não desejada.
A imigração também é considerada responsável por um dos piores problemas da globalização: o terrorismo islâmico. Uns poucos fanáticos conseguem convulsionar países, como mostraram este mês os ataques na França, que deixaram 17 mortos e uma Europa em convulsão.
“Tenho medo que isso seja o futuro”, diz Niblett, da Chatham House. Mas, acrescenta, o impacto dos ganhos econômicos que o mundo teve não deve ser esquecido, apesar dos desafios. “Eu não vejo a economia globalizada se retraindo pela simples razão de que todo mundo pode ver os benefícios. Acredito que o mundo continuará interdependente.” (The Wall Street Journal – 20/01/2015)

FMI reduz projeção de crescimento global e prevê ano difícil para o Brasil
Reuters
Segundo a instituição, o Brasil crescerá menos de um quarto do que a América Latina e Caribe neste ano. Fundo alertou economias avançadas para manter políticas monetárias expansionistas
Pequim - O Fundo Monetário Internacional (FMI) reduziu sua projeção para o crescimento econômico global em 2015, e fez um apelo nesta terça-feira aos governos e bancos centrais a buscarem políticas monetárias expansionistas e reformas estruturais para sustentar o crescimento.
Para o FMI, o Brasil crescerá menos de um quarto do que a América Latina e Caribe neste ano, e que sua recuperação não será das melhores em 2016.
Já o crescimento global foi projetado em 3,5% para 2015 e 3,7% para 2016, disse o FMI em sua atualização do relatório "Perspectiva Econômica Global", reduzindo sua projeção em 0,3 ponto percentual para ambos os anos.
"Novos fatores sustentando o crescimento, preços menores do petróleo mas também depreciação do euro e do iene, são mais do que compensados por forças negativas persistentes, incluindo os legados prolongados da crise e do crescimento potencial mais baixo em muitos países", disse o economista-chefe do FMI, Olivier Blanchard, em comunicado divulgado pela instituição.
O FMI alertou economias avançadas para manter políticas monetárias expansionistas para evitarem aumentos em taxas de juros reais uma vez que o petróleo mais barato aumenta o risco de deflação.
Se as taxas de juros não puderem ser reduzidas mais, o FMI recomendou buscar uma política expansionista "através de outros meios".
Os Estados Unidos foram o único ponto positivo em um relatório pessimista para as principais economias, com a projeção de crescimento em 2015 elevada para 3,6% ante 3,1%.
As perspectivas para economias emergentes foram em geral reduzidas, com as projeções para os exportadores de petróleo Rússia Nigéria e Arábia Saudita sofrendo os maiores cortes.
O FMI prevê que uma desaceleração na China provocará uma resposta de política mais limitada uma vez que as autoridades em Pequim estarão mais preocupadas com os riscos do rápido crescimento do crédito e investimento.
Preços mais baixos do petróleo darão a bancos centrais em economias emergentes espaço para adiar a alta das taxas de juros, embora "espaço de política macroeconômica para sustentar o crescimento permaneça limitado", segundo o relatório.
A queda dos preços também dará aos países uma chance de reformar subsídios e impostos ligados a energia, diz o FMI. (Brasil Econômico – 20/01/2015)

Relação comercial entre empresas do Brasil e da China
GABRIELDEANDRADE IVO - Economista da Fecomércio MG
As relações de consumo no Brasil atravessam uma fase de mudanças importantes de hábitos, produtos e preços. Após a abertura econômica, que trouxe na década de 1990 a competição de produtos nacionais com importados, um novo impulso veio com o aumento do crédito e da elevação da renda das classes "mais baixas" nos últimos anos. Esses fatores fizeram com que uma maior diversidade de produtos fosse oferecida ao consumidor e, em consequência, causaram diminuição no preço pelo aumento da concorrência.
A estabilização monetária associada ao Plano Real, com valorização da moeda nacional, foi o início da construção do cenário da indústria e do comércio atual,queteve sua estrutura reformulada naépoca pela necessidade de adequação imposta, uma vez que, com a abertura comercial ecom a entrada de produtos chineses, muitas empresas nacionais não resistiram pela baixa competitividade e produtividade.
Se a abertura comercial trouxe prejuízos naquele momento para algumas empresas nacionais, com a entrada dessa nova concorrência, a qualidade dos produtos brasileiros teve que evoluir e com reajuste de preços, beneficiando o consumidor.
As relações comerciais entre Brasil e China não são recentes. Desde o descobrimento do Brasil, os chineses aqui desembarcam trazendo seus produtos, tradições e costumes. Hoje, a valorização do real e o crescimento chinês proporcionam tuna das maiores parcerias comerciais do mundo. Os produtos chineses concorrem inclusive com similares produzidos aqui e atraem o consumidor brasileiro. Os chineses procuram cada vez mais as matérias primas do Brasil e a influência econômica entre os países aumenta.
A economia da China tem se tornado altamente competitiva tanto com a sustentação de uma taxa de câmbio valorizado quanto com as políticas industriais, melhoria na infraestrutura e avanço no sistema educacional.
Até recentemente, as importações brasileiras de produtos chineses estavam restritas a bens intensivos em mão de obra. Agora, tornam-se cada vez maiores em produtos intensivos em conhecimento, aumentando a relação de segmentos em que a China detém participação relevante. Porém, a principal influência no comércio brasileiro ainda está nos produtos eletrônicos e têxteis.
O governo chinês planeja os objetivos econômicos do país, enfatizando o crescimento, a produtividade e a competitividade. Para obter os resultados, contam com o controle do Estado sobre a economia (câmbio, investimentos, poupança, preços, etc) e a produção, especialmente através de subsídios cruzados e das empresas estatais. Com isso, o país vem mudando a estrutura industrial do mundo. Em alguns setores, o deslocamento da atividade fabril foi excepcional, principalmente aquelas baseadas em mão de obra barata, como calçados, eletroeletrônicos e utilidades domésticas.
Se por um lado os produtos importados ofereceram maiores atrativos ao consumidor, como preços mais baixosediversificaçãodeprodutos, o efeitopara aatividade econômica foi inevitável, pois a concorrência, se não trabalha de forma eficiente, prejudica os produtos nacionais. Faz se necessário então o aumento dacompetitividadedo mercadointerno brasileiro,para concorrer com os preços mais baixos dos importados.
-
Se a abertura comercial trouxe prejuízos naquele momento para algumas empresas nacionais, com a entrada de concorrência, a qualidade dos produtos brasileiros teve que evoluir (Brasil Econômico – 19/01/2015)

Balança acumula déficit de US$ 1,4 bilhão em 2015
A queda nas exportações nas três primeiras semanas de janeiro está sendo puxada pelos produtos manufaturados, cujas vendas caíram 23,3%
Agência Brasil
A balança comercial – diferença entre exportações e importações – registrou déficit de US$ 479 milhões na terceira semana de janeiro, divulgou há pouco o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. O resultado elevou para US$ 1,462 bilhão o déficit acumulado nas três primeiras semanas do ano.
Apesar do desempenho negativo, o déficit da balança comercial está menor do que no mesmo período do ano passado. Nas três primeiras semanas de 2014, o país tinha importado US$ 2,049 bilhões a mais do que tinha exportado. A queda no déficit é explicada pelo fato de as importações estarem caindo em ritmo maior que as exportações.
No acumulado do ano, o país exportou US$ 7,515 bilhões, queda de 6,2% pela média diária em relação a janeiro de 2014. As importações somaram US$ 8,977 bilhões, com recuo de 10,6%, também pela média diária.
A queda nas exportações nas três primeiras semanas de janeiro está sendo puxada pelos produtos manufaturados, cujas vendas caíram 23,3% principalmente por causa de aviões, automóveis e laminados de ferro e de aço.
As vendas de produtos semimanufaturados subiram 8,5%, impulsionadas pelo óleo de dendê, ferro fundido e borracha sintética. As exportações de produtos básicos aumentaram 4%, por causa de petróleo bruto, trigo em grão, caulim e argila e soja em grão.
Em relação às importações, segundo o ministério, o recuo foi maior nas compras de combustíveis e lubrificantes (-36,5%), cereais (-30,4%), veículos e partes (-20,9%) e equipamentos mecânicos (-17,8%). (Brasil Econômico – 19/01/2015)

Brasil exportou US$ 3,661 bilhões na terceira semana de janeiro
Na terceira semana de janeiro (12 a 18), com cinco dias úteis, as exportações brasileiras foram de US$ 3,661 bilhões, com média diária de US$ 732,2 milhões. Na comparação com o resultado médio das duas primeiras semanas do ano (US$ 642,3 milhões), houve crescimento de 14%. Aumentaram as exportações de produtos manufaturados (32,8%), com acréscimos em açúcar refinado, polímeros plásticos, etanol, máquinas para terraplanagem, autopeças, suco de laranja, motores para veículos e partes, aviões, medicamentos, motores e geradores elétricos e pneumáticos. Entre os produtos básicos (14,9%), destacaram-se, principalmente, petróleo em bruto, café em grão, fumo em folhas, algodão em bruto, arroz em grãos e carne suína. Por outro lado, decresceram as vendas de produtos semimanufaturados (-7,6%), com declínio nas vendas de celulose, semimanufaturados de ferro/aço, ferro fundido e ouro em formas semimanufaturadas.
As importações, no período, somaram US$ 4,140 bilhões com resultado médio diário de US$ 828 milhões. Este número é 2,7% superior à média registrada até a 2ª semana (US$ 806,2 milhões). Houve incremento nos gastos com combustíveis e lubrificantes, equipamentos mecânicos, equipamentos elétricos e eletrônicos, veículos automóveis e partes, químicos orgânicos e inorgânicos e farmacêuticos.
Deste modo, a balança comercial semanal registrou déficit de US$ 479 milhões, com média diária negativa de US$ 95,8 milhões. A corrente de comércio da terceira semana de janeiro somou US$ 7,801 bilhões, com resultado médio diário de US$ 1,560 bilhão.
Mês
Nos onze dias úteis de janeiro, as exportações foram de US$ 7,515 bilhões, com média diária de US$ 683,2 milhões. Por esse comparativo, a média das vendas externas foi 6,2% inferior a de janeiro de 2014 (US$ 728,5 milhões).
Nesta comparação, caíram as vendas de produtos manufaturados (-23,3%), por conta de aviões, automóveis de passageiros, laminados planos de ferro ou aço, óleos combustíveis, motores e geradores elétricos, hidrocarbonetos e derivados, papel e cartão para escrita e impressão, tubos de ferro fundido, autopeças e motores para veículos e partes. Por outro lado, aumentaram exportações de semimanufaturados (8,5%), com destaques para óleo de dendê em bruto, ferro fundido, borracha sintética e artificial, ferro-ligas, açúcar em bruto e madeira serrada. As vendas de produtos básicos (4%) também cresceram, por conta, principalmente, de petróleo em bruto, trigo em grãos, caulim e outras argilas, soja em grão, café em grão, algodão em bruto, fumo em folhas, arroz em grãos e pimenta em grão.
Em relação a dezembro de 2014 (US$ 795 milhões), houve queda de 14,1% nas exportações, com declínio nas vendas de produtos manufaturados (-32,1%) e de básicos (-6,1%). As vendas de semimanufaturados apontaram crescimento de 8,4%.
As importações em janeiro alcançam o valor de US$ 8,977 bilhões e registram média diária de US$ 816,1 milhões. Houve redução de 10,6% na comparação com o resultado diário de janeiro do ano passado (US$ 913,4 milhões). Caíram os gastos, principalmente, com combustíveis e lubrificantes (-36,5%), cereais (-30,4%), veículos automóveis e partes (-20,9%), equipamentos mecânicos (-17,8%), borracha e obras (-14,8%), e equipamentos elétricos e eletrônicos (-12,7%).
Na comparação com a média de dezembro de 2014 (US$ 781,7 milhões), houve alta de 4,4% nas importações, devido, principalmente, a aeronaves e peças (66,3%), bebidas e álcool (61,3%), siderúrgicos (59,1%), alumínio e suas obras (44,1%), plásticos e obras (29,8%), borracha e obras (25,8%), e equipamentos elétricos e eletrônicos (23,6%).
O saldo comercial, no primeiro mês de 2014, está deficitário em US$ 1,462 bilhão. Em janeiro do ano passado, a balança comercial teve déficit de US$ 4,068 bilhões e, em dezembro, saldo positivo de US$ 293 milhões.
A corrente de comércio do mês alcançou US$ 16,492 bilhões (média diária de US$ 1,499 bilhão). Pela média, houve retração de 8,7% no comparativo com janeiro passado (US$ 1,641 bilhão) e queda de 4,9% na relação com dezembro último (US$ 1,576 bilhão). (Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior – 19/01/2015)

Europa e seu desvario momentâneo
Essa loucura econômica não pode durar para sempre; a democracia não permitirá
Joseph E. Stiglitz
Por fim, os Estados Unidos estão dando sinais de recuperação da crise que estourou no fim do Governo do presidente George W. Bush, quando a implosão quase total do sistema financeiro teve repercussões em todo o mundo. Mas não é uma recuperação forte; no máximo, a lacuna entre onde a economia estava e onde está hoje não está se alargando. Se está fechando, está fazendo isso muito lentamente; os danos causados pela crise parecem ser de longo prazo.
No entanto, poderia ser pior. Do outro lado do Atlântico, há inclusive poucos sinais de uma recuperação modesta ao estilo norte-americano: a brecha entre onde a Europa está e onde estaria na ausência da crise continua crescendo. Na maioria dos países da União Europeia, o PIB per capita é menor do que o de antes da crise. Meia década perdida está se transformando rapidamente em uma década inteira perdida. Por trás das frias estatísticas, as vidas se arruínam, os sonhos se desafazem e as famílias se desintegram (ou não se formam) pari passu ao fato de que o estancamento —que chega a ser depressão em alguns lugares— se arrasta anos após ano.
A UE tem uma população com grande talento e alto nível de educação. Seus países membros têm legislações sólidas e sociedades que funcionam bem. Antes da crise, a maioria desses países até tinha economias que funcionavam bem. Em alguns lugares, a produtividade por hora —ou a taxa de seu crescimento— era uma das mais altas do mundo.
No entanto, a Europa não é uma vítima. Sim, é verdade que os Estados Unidos administrou mal sua economia; mas não, não é verdade que os EUA de alguma forma mexeram os pauzinhos para impor a pior parte do fardo da crise sobre os ombros da Europa. O mal-estar da UE é auto-infligido, devido a uma sucessão sem precedentes de más decisões econômicas, começando pela criação do euro. Por mais que o euro tenha sido criado com a intenção de unir a Europa, no fim o que fez foi dividi-la; e, devido à ausência de vontade política para criar instituições que permitam que uma moeda única funcione, o dano não está se revertendo.
O caos atual provém em parte da adesão a uma crença que foi desacreditada há muito tempo: a de que os mercados funcionam bem e que não têm falhas de informação e concorrência. A arrogância desmedida também desempenhou um papel. Como se poderia explicar de outro modo o fato de, ano após ano, os prognósticos dos funcionários europeus sobre as consequências de suas próprias políticas serem consistentemente errôneos?
Esses prognósticos não foram errados porque os países da UE não conseguiram colocar em prática as políticas prescritas, mas porque os modelos sobre os quais as políticas se basearam têm graves deficiências. Na Grécia, por exemplo, as medidas destinadas a reduzir a carga da dívida na verdade deixaram o país mais sobrecarregado do que estava em 2010: a proporção entre dívida e PIB aumentou, pois o impacto da austeridade fiscal afetou a produção. Pelo menos o Fundo Monetário Internacional admitiu esses fracassos intelectuais e de políticas.
Os líderes europeus continuam convencidos de que sua prioridade máxima deve ser as reformas estruturais. Mas os problemas para os quais eles apontam se tornaram evidentes nos anos prévios à crise, e na época eles não seguravam o crescimento. O que a Europa necessita, mais do que de reformas estruturais em seus países membros, é de uma reforma da estrutura da própria zona do euro, e da reversão das políticas de austeridade, que fracassaram repetidas vezes em sua tentativa de reacender o crescimento econômico.
Comprovou-se várias vezes que os que pensavam que o euro não poderia sobreviver estavam equivocados. No entanto, os críticos tiveram razão em uma coisa: a menos que a estrutura da zona do euro seja reformada e a austeridade se reverta, a Europa não se recuperará.
O caos atual vem da já desacreditada crença de que os mercados funcionam bem sem ajuda
O drama na Europa está longe de terminar. Um dos pontos fortes da UE é a vitalidade de suas democracias. Mas o euro despojou os cidadãos —sobretudo nos países em crise— de qualquer decisão que pudessem tomar sobre seu destino econômico. Em várias ocasiões, os eleitores tiraram quem tentava a reeleição, pois estavam insatisfeitos com os rumos da economia —mas o que aconteceu foi que os novos Governos seguiram pelo mesmo caminho, ditado em Bruxelas, Frankfurt e Berlim.
Mas por quanto tempo isso pode continuar? E como vão reagir os eleitores? De norte a sul da Europa, temos sido testemunhas do alarmante crescimento dos partidos nacionalistas extremistas, contrários aos valores do Iluminismo que são os que fizeram com que a Europa obtivesse tantos êxitos. Em alguns lugares, crescem grandes movimentos separatistas.
Agora a Grécia põe a Europa à prova mais uma vez. A queda do PIB grego desde 2010 é muito maior do que a queda enfrentada pelos Estados Unidos durante a Grande Depressão da década de 1930. O desemprego juvenil é superior a 50%. O Governo do primeiro-ministro Antonís Samarás falhou, e agora, depois do fracasso do Parlamento em escolher um novo presidente para a Grécia, serão realizadas eleições gerais antecipadas em 25 de janeiro.
Syriza, o partido de esquerda de oposição, que se comprometeu a renegociar os termos de resgate da Grécia pela UE, está na frente das pesquisas de opinião. Se o Syriza vencer mas não chegar ao poder, um dos motivos principais será o medo de como a UE reagirá a essa eleição. O medo não é a mais nobre das emoções e não vai dar lugar ao consenso nacional de que a Grécia necessita para seguir adiante.
O problema não é a Grécia. O problema é a Europa. Se a Europa não mudar sua forma de agir —se não reformar a zona do euro e rechaçar a austeridade— uma reação popular será inevitável. A Grécia talvez possa manter o rumo agora. Mas essa loucura econômica não pode durar para sempre. A democracia não permitirá. No entanto, quanto mais dor terá de suportar a Europa antes de o bom senso se restabelecer?
Joseph E. Stiglitz, prêmio Nobel de Economia, é professor universitário na Universidade de Colúmbia. Seu livro mais recente, em coautoria com Bruce Greenwald, é Creating a Learning Society: A New Approach to Growth, Development, and Social Progress. (El Pais – 17/01/2015)

Portos brasileiros recebem pouco mais do que Mariel, em Cuba
Em oito anos, mais de R$ 5,8 bilhões deixaram de ser investidos nos portos brasileiros. O valor é referente ao total disponibilizado no orçamento da Secretaria de Portos (SEP), desde sua criação, em 2007, até outubro do ano passado, e que não foi utilizado. Dos R$ 8 bilhões programados, apenas R$ 2,13 bilhões foram aplicados nos complexos portuários, 26,6% da soma reservada pelo Governo Federal e pouco mais do que os R$ 2,1 bilhões emprestados pelo BNDES para a construção do Porto de Muriel, em Cuba, segundo informações do jornal A Tribuna. (A Tribuna – 17/01/2015)

“Facada” cambial nos participantes do Fórum Mundial
Fernando Dantas
O Fórum Econômico Mundial começa na próxima semana em Davos, na Suíça, e os participantes estrangeiros já devem se preparar para gastos maiores – o franco suíço disparou com medidas tomadas pelo BC do país na quinta-feira.
O Fórum Econômico Mundial começa na próxima semana em Davos com uma surpresa inicial não muito agradável para os participantes, com a exceção do pequeno contingente de suíços. A estadia ficou bem mais cara, já que o Banco Nacional Suíço (banco central, SNB na sigla em inglês pela qual é conhecido internacionalmente) na quinta-feira surpreendentemente abandonou o limite de valorização da moeda nacional, correspondente à taxa de um euro para 1,2 franco suíço. Nesta sexta-feira, o euro fechou a 0,984 franco suíço. A valorização da moeda suíça diante do euro em dois dias foi de 22%! A política de colocar um limite à valorização do franco suíço foi iniciada em setembro de 2011.
O tremor cambial causado pelo país hóspede é sintomático de um dos grandes temas a ser discutido no Fórum, cuja programação vai de terça-feira (um dia apenas cerimonial) até sábado: a recuperação desigual do mundo desenvolvido, em que os Estados Unidos firmam sua retomada e podem até iniciar a elevação de juros este ano, enquanto a zona do euro continua patinando, com renovada ameaça de recessão deflacionária.
É a perspectiva de que o Banco Central Europeu (BCE) inicie este ano um programa de afrouxamento quantitativo (injeções de liquidez, normalmente com a compra de títulos de longo prazo no mercado), a ser anunciado em 22 de janeiro, que pode ter sido a gota d’água para que o SNB abandonasse o limite de valorização do franco suíço. Para sustentá-lo, o banco central suíço comprou volumes gigantescos (dado o tamanho da economia do País) de euros, dólares e outras divisas. Com o afrouxamento quantitativo na zona do euro, manter o limite significaria continuar comprando maciçamente uma moeda em rota de desvalorização. Aliás, a drástica valorização da moeda nacional suíça em dois dias significa perdas pesadas em relação aos ativos em moeda estrangeira do SNB, equivalentes a 476 bilhões de francos suíços.
O Fórum deste ano terá de novo dois protagonistas da política econômica europeia, a chanceler alemã Angela Merkel e seu ministro das Finanças, Wolfgang Schäuble.
Também está prevista a presença do presidente francês, François Hollande, num momento de extrema tensão política no país, na esteira dos atentados que vitimaram a redação do Charlie Hebdo e outros franceses, num total de 17 vítimas. O Fórum atrai uma grande quantidade de autoridades de países islâmicos – como Abdel Fatah al-Sisi, presidente do Egito, e Abdullah Hussein, rei da Jordânia –, e com certeza o tema da liberdade de expressão no embate com o respeito às tradições religiosas estará presente.
Entre as dezenas de chefes de Estado e de governo programados para participar do Fórum de Davos de 2015, destacam-se ainda Li Keqiang, presidente da China; Ollanta Humala, presidente do Peru; e Jacob Zuma, presidente da África do Sul.
Na área empresarial, são esperadas estrelas como Bill Gates, da Microsoft; Michael Dell, da Dell; Lloyd Blankfein, do Goldman Sachs; Ana Botín, do Santander; Carlos Ghosn, da Renaul-Nissan; Lakshmi Mittal, da ArcelorMittal; Carlos Brito, da Anheuser-Busch InBev; entre centenas de outros altos executivos que habitualmente vão a Davos. Brito é brasileiro e Ghosn tem nacionalidade francesa e brasileira.
Entre empresários e executivos atuando no Brasil, constam do programa nomes com os de Luiz Carlos Trabuco, presidente do Bradesco; Roberto Setúbal, presidente do Itáu; André Esteves, presidente do BTG Pactual; e Frederico Curado, presidente da Embraer, entre outros. Está prevista a presença também de diversos executivos da Petrobrás, embora o nome da presidente Graça Foster, que foi no ano passado, não conste da lista de participantes.
Representando o governo brasileiro, o ministro da Fazenda, Joaquim Levy, e o presidente do Banco Central (BC), Alexandre Tombini, devem levar à mensagem aos investidores sobre a grande mudança da política econômica do País no segundo mandato da presidente Dilma Rousseff (que desistiu de ir). O titular da Secretaria de Assuntos Estratégicos, Marcelo Neri, também consta da programação.
Outra presença brasileira importante é a de Roberto Azevêdo, diretor-geral da Organização Mundial do Comércio (OMC). Pelo lado cultural, estão previstos o escritor Paulo Coelho, frequentador assíduo dos Fóruns, e o artista plástico Romero Britto, que mora nos Estados Unidos.
Também irão ao Fórum alguns economistas de grande renome internacional, como os prêmios Nobel Robert Shiller e Michael Spence, além de Lawrence Summers, Nouriel Roubini, Kenneth Rogoff, Jeffrey Sachs e outros. A diretora-gerente do FMI, Christine Lagarde, também estará presente. (O Estado de SP – 16/01/2015)

Controle eletrônico entrará em operação apenas em julho
O sistema eletrônico de controle do acesso de caminhões ao Porto de Santos, que tem o objetivo de evitar novos congestionamentos durante o escoamento da safra agrícola, só será implantado em sua totalidade no segundo semestre do ano, após o período de maior movimento, no primeiro trimestre. Até lá, as informações sobre a chegada de veículos com destino ao cais santista serão inseridas manualmente ou através de leitores do tipo OCR, que fazem o reconhecimento ótico das placas dos veículos e estão instalados nos terminais. A previsão da Companhia Docas do Estado de São Paulo (Codesp, administradora do Porto de Santos) é implantar todo o sistema de Cadeia Logística Portuária Inteligente (Portolog) apenas a partir de julho, segundo informações do jornal A Tribuna. (A Tribuna – 16/01/2015)

 
Abinee - Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica

Escritório Central: Avenida Paulista, 1313 - 7º andar - 01311-923 - São Paulo - SP
Fone: 11 2175-0000 - Fax: 11 2175-0090