DRI Clipping Semanal nº 11 - 23 a 27/03/15

Acordos


Veja mais

UE admite dificultades en su relación con Mercosur
La comisaria europea de Comercio, Cecilia Malmström, pidió ayer que los países del Mercosur mantengan una “ambición equivalente” sobre un futuro acuerdo de asociación con la Unión Europea (UE), de cara a continuar una negociación que sigue bloqueada. “Hay dificultades”, dijo la alta funcionaria europea, aludiendo al postergado acuerdo comercial que negocia desde 1999.
La comisaria europea de Comercio, Cecilia Malmström, reconoció que “hay dificultades” con el Mercosur en una rueda de prensa sobre el impacto del comercio internacional en la economía comunitaria, reportó en la víspera la agencia española EFE. “Hay que asegurarse bien de que, evidentemente, incluso si hay voluntad por ambas partes, haya ambiciones más o menos equivalentes”, destacó la sueca.
Preguntada por si espera que la UE y los países del Mercosur con los que tiene abierta la negociación de un acuerdo de asociación desde 1999 (Brasil, Argentina, Uruguay y Paraguay), logren intercambiar sus primeras ofertas de acceso a mercados con motivo de la cumbre euro-latinoamericana que se celebrará en junio en Bruselas, Malmström expresó que “nos estamos escribiendo” sobre ello.
La negociación entre UE y el Mercosur para alcanzar un amplio acuerdo de asociación que contenga un tratado de libre comercio se inició en 1999, pero estuvo paralizada durante varios años por las posiciones inflexibles de ambos lados en defensa de los propios intereses.
La negociación se relanzó en 2010, pero con pocos avances. Según el Mercosur, ya tiene preparada su oferta de bienes, servicios, inversiones y compras gubernamentales, pero afirma que no ha podido intercambiarla porque los europeos alegan que aún no han finalizado. (ABC Color – 27/03/2015)

Unión Europea reconoce dificultades con Mercosur
Mundo - Edición Impresa
No avanza acuerdo de Libre Comercio y surgen interrogantes sobre el ”nivel de ambición de países sudamericanos”.
La UE y el Mercosur reanudaron en 2010 las negociaciones, suspendidas durante seis años, para cerrar un acuerdo comercial.
Bruselas, Bélgica . AFP.
La Unión Europea (UE) reconoció ayer jueves que “hay dificultades” para avanzar en la negociación de un acuerdo de libre comercio con el Mercosur y se interroga sobre el nivel de ambición de los países sudamericanos.
“Hay dificultades. Hay que asegurarse de que, aunque haya voluntad desde el principio (…) hay ambiciones equivalentes” entre el bloque europeo y el sudamericano, indicó la comisaria de Comercio, Cecilia Malmstrom, en una conferencia de prensa. “Nos estamos escribiendo, hay reuniones en las próximas semanas para ver cómo estamos a nivel de ambiciones”, indicó.
La UE y el Mercosur reanudaron en 2010 las negociaciones, suspendidas durante seis años, para cerrar un acuerdo comercial.
En 2014 se anunció, en varias fechas, que tendría lugar el intercambio de ofertas arancelarias, pero nunca se dio.
En agosto pasado Dilma Rousseff, presidenta de Brasil que junto a Argentina constituyen los dos pesos pesados del Mercosur, afirmó que el bloque sudamericano ya tenía lista su propuesta arancelaria, no así la Unión Europea.
En diciembre Brasil tomó el timón del cuarto bloque económico mundial con el desafío de sacarlo del pozo ahora que el intercambio intra Mercosur cae. Las exportaciones en el interior del bloque bajaron del 16% al 13% del total entre 2010 y 2014, según estadísticas oficiales.
Argentina y Brasil, los dos colosos de la asociación, atraviesan además épocas de transición en lo político y están golpeados por la crisis internacional.
Buenos Aires es más reticente a sellar un acuerdo con la UE, para proteger su industria. Uruguay aspira a que se concrete lo antes posible un acuerdo.
En el bloque europeo Francia fue desde el principio el país más reticente a alcanzar un acuerdo, principalmente para proteger su sector agrícola. (La Nacion – 27/03/2015)

Mercosur is being left out of the main global trade flows, argues Uruguay
Mercosur is being left out of the main global trade flows since it only belongs to 1% of free trade treaties or tariff preference agreements, which actually represent half of world trade, said Uruguay's foreign minister Rodolfo Nin Novoa during a conference on “Education and regional integration”.
“We are interested in integrating to the world's main trade flows and Uruguay and Mercosur are being left out of that dynamic traffic”, said Nin Novoa.
“We are interested in integrating to the main trade flows of the world and Uruguay and Mercosur are being left out of that dynamic traffic. Half of world trade operates under the umbrella of free trade treaties or tariff preference agreements and Mercosur only participates in 1% of them”, said Nin Novoa.
The Uruguayan minister made the comments following the opening of a conference on education and regional integration which took place at the Mercosur seat in Montevideo.
“If we are part of the world's bread basket...we have to be in access conditions to all those markets that demand our commodities and this is extensive to all other countries that compete with us”.
Thus Mercosur needs to make “a great effort” to comply with “at least” the first article of its (1991) founding charter which clearly establishes “the free circulation of goods, services and production factors”.
“With this we would be achieving a great leap forward” underlined the Uruguayan minister that since taking office last March first has been strongly advocating for a more open and agile Mercosur.
The seminar on education was on occasion of the 24th anniversary of the Mercosur Asunción founding treaty, and to underline the 23 years of work in the education field in the region, “an area which has managed great advances”.
“A lot is said about how bad things are in Mercosur but there are some that are working, and very well and education is one of them”, said Nin Novoa who also mentioned other advance areas such as health services, frontier integration, structural convergence planning, private international law cooperation, consular relations.
Finally when asked about the TISA (services trade) agreement, Nin Novoa said he would make a statement on the matter once he collects all the data. TISA, sponsored by the World Trade Organization stands for Trade in Services Agreement and targets a freer framework at global level. Uruguay expressed interest in the initiative and last September made official a request to join. (MercoPress – 27/03/2015)

Acordo do Pacífico deve ter cláusula que protege investimento
INTERNACIONAL
Carter Dougherty
Bloomberg
Segundo as cláusulas do pacto comercial que está sendo negociado entre os Estados Unidos e 11 outros países, as empresas poderão processar governos estrangeiros que desapropriarem ou prejudicarem significativamente seus negócios, de acordo com um documento confidencial.
O procedimento, previsto nos termos da Parceria Transpacífico (TPP), reacendeu uma discussão nos Estados Unidos sobre a possibilidade de as leis de proteção ambiental e outras normas internas ficarem ameaçadas.
A organização WikiLeaks, dedicada à quebra do sigilo de documentos oficiais, postou on-line os detalhes do que é conhecido como o procedimento de acordo de encerramento de conflitos entre investidores e Estado. O jornal americano "The New York Times" informou na quarta-feira que obteve a versão preliminar de 56 páginas dessa parte do acordo comercial em associação com o WikiLeaks.
Já se sabia que os governos negociavam detalhes do procedimento, pois isso foi revelado por uma minuta do texto confidencial vazada anteriormente, em 2012. Esses procedimentos, além disso, fazem parte de pactos já em vigor, como o Acordo de livre Comércio da América do Norte (Nafta).
Mesmo assim, o novo texto, datado de 20 de janeiro, despertou criticas. "É revoltante que tenhamos que continuar a depender de textos vazados para ter acesso aos detalhes desse pacto comercial, e que todo vazamento confirme as ameaças da Parceria Transpacífico ao ar e água limpos", disse por e-mail Dana Solomon, diretora do Programa de Comércio Responsável da organização ecológica americana Sierra Club.
O governo Barack Obama argumenta que o procedimento não representa uma ameaça à legislação dos EUA, ao dizer que a medida oferece proteção contra as deficiências dos sistemas legais de outros países.
O presidente está pedindo ao Congresso maiores poderes para negociar o acordo do Pacífico - o chamado "fast-track", segundo o qual os parlamentares teriam apenas a opção de votar a favor ou contra o projeto, sem poder apresentar emendas.
Os sindicatos de trabalhadores, que são contra o fast-track, prometeram empregar os detalhes vazados para ampliar seu Iobby contra a medida. "Precisamos ser, em primeiro lugar, defensores da democracia, e deixar de lado os interesses especiais das empresas multinacionais", disse por e-mail Larry Cohen, presidente da Communications Workers of America.
Daniel Ikenson, diretor do Centro de Estudos de Política Comercial Herbert A Stiefel, do Instituto Cato, eumcritico dessa cláusula do acordo, disse que o documento, embora confidencial, não revela muito mais do que o divulgado nos sites do governo dos EUAequereflete a posição denegociação americana implementada em processo público de 2012.
No máximo, o vazamento vai dar munição aos críticos do Congresso que argumentam que as negociações comerciais não deveriam ser tão protegidas do conhecimento público, disse Derek Scissors, pesquisador do American Enterprise Institute.
"Algum sigilo é necessário em discussões comerciais, mas fomos bem além do recomendável", disse Scissors. "Isso gera a impressão de conspiração."
O texto preliminar do pacto levanta a possibilidade de que um investidor possa abrir uma ação por "expropriação indireta", o que significa que um governo poderia ser processado mesmo que não desapropriasse bens - bastaria ter agido de uma maneira que reduzisse seu valor. Isso poderia desencadear uma ação judicial que acusasse o governo de prejudicar as "expectativas" dos investidores.
Mas o texto contém cláusulas que sugerem que será difícil processar com base em expectativas. O procedimento, pelo qual as empresas podem submeter reivindicações a arbitragem e pedir indenizações monetárias, atrai criticas de grupos de defesa ambiental, trabalhista e do consumidor desde a década de 1990.
A senadora democrata Elizabeth Warren reclamou dos termos do acordo em artigo no jornal "The Washington Post", desencadeando uma resposta de Jeffrey Zients, diretor do Conselho Econômico Nacional de Obama. Zients disse queo procedimento é apenas uma versão internacional da exigência prevista na Constituição dos EUA de que a expropriação de propriedade privada requer restituição.
Além do Nafta, o procedimento faz parte de dezenas de tratados bilaterais destinados à promoção de investimentos.
Umapesquisa do Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais detectou que, embora as empresas tenham efetivamente tentado empregá-lo para contestar a legislação doméstica, na maioria não tiveram sucesso.
Cerca de um terço dos processos foram encerrados com acordo antes da arbitragem, enquanto os governos ganharam a causa em 45% das vezes. As empresas saíram vitoriosas em 22% dos casos, mas obtiveram indenizações muito inferiores aos valores reivindicado. (Valor Econômico – 27/03/2015)

Mercosur is being left out of the main global trade flows, argues Uruguay
Mercosur is being left out of the main global trade flows since it only belongs to 1% of free trade treaties or tariff preference agreements, which actually represent half of world trade, said Uruguay's foreign minister Rodolfo Nin Novoa during a conference on “Education and regional integration”.
“We are interested in integrating to the world's main trade flows and Uruguay and Mercosur are being left out of that dynamic traffic”, said Nin Novoa.
“We are interested in integrating to the main trade flows of the world and Uruguay and Mercosur are being left out of that dynamic traffic. Half of world trade operates under the umbrella of free trade treaties or tariff preference agreements and Mercosur only participates in 1% of them”, said Nin Novoa.
The Uruguayan minister made the comments following the opening of a conference on education and regional integration which took place at the Mercosur seat in Montevideo.
“If we are part of the world's bread basket...we have to be in access conditions to all those markets that demand our commodities and this is extensive to all other countries that compete with us”.
Thus Mercosur needs to make “a great effort” to comply with “at least” the first article of its (1991) founding charter which clearly establishes “the free circulation of goods, services and production factors”.
“With this we would be achieving a great leap forward” underlined the Uruguayan minister that since taking office last March first has been strongly advocating for a more open and agile Mercosur.
The seminar on education was on occasion of the 24th anniversary of the Mercosur Asunción founding treaty, and to underline the 23 years of work in the education field in the region, “an area which has managed great advances”.
“A lot is said about how bad things are in Mercosur but there are some that are working, and very well and education is one of them”, said Nin Novoa who also mentioned other advance areas such as health services, frontier integration, structural convergence planning, private international law cooperation, consular relations.
Finally when asked about the TISA (services trade) agreement, Nin Novoa said he would make a statement on the matter once he collects all the data. TISA, sponsored by the World Trade Organization stands for Trade in Services Agreement and targets a freer framework at global level. Uruguay expressed interest in the initiative and last September made official a request to join. (MercoPress – 27/03/2015)

Ni el Gobierno se acordó del 24 aniversario del Mercosur
Para el Gobierno ni otra institución pública o privada del país fue significativa la fecha de ayer, en que se cumplieron 24 años de la firma del Tratado de Asunción (del año 1991), que dio nacimiento al Mercado Común del Sur (Mercosur).
No hubo acto, comunicado, ni mención al tema por parte de la Cancillería Nacional o la Presidencia de la República.
Según el ex senador Mario Paz Castaing, no debe sorprender este silencio: "Es porque no hay mucho que festejar", opina, y trae a colación que el proceso de debilitamiento de este bloque sudamericano, creado por Argentina, Brasil, Paraguay y Uruguay, al que hoy hay que sumar Venezuela, se agudizó con la suspensión de Paraguay en el 2012.
Una sanción adoptada por los miembros del bloque en contra de nuestro país, como consecuencia de la destitución por juicio político del entonces presidente de la República, Fernando Lugo.
"Esta medida marcó los puntos fundamentales del estancamiento y languidecimiento del Mercosur", considera, y le agrega las medidas unilaterales de Brasil y la Argentina dentro del bloque.
Dice Mario Paz que los países más grandes, particularmente Argentina y Brasil, por sus cuestiones financieras, económicas, políticas y crisis de todo orden, han decidido restarle importancia al bloque. "El Mercosur cayó en irrelevancia". No hay discusión para elevarlo o, por lo menos, para permitir a países como Paraguay y Uruguay poder negociar con otros países y bloques. Recordó, en este sentido, que hasta ahora no se consiguió flexibilizar la Decisión N° 2/2000 del Consejo del Mercado Común (CMC), por la que a partir del 30 de junio de 2001 se prohíbe a los estados partes celebrar convenios comerciales fuera de los límites del Mercosur.
El bloque se volvió absolutamente dependiente de las oscilaciones de Argentina y Brasil, que están inmersos en sus propios problemas.
El Mercosur tiene que revitalizarse. Pese a su estancamiento, dice Paz Castaing, todavía mantiene el reconocimiento internacional, algo que constituye un desafío para los gobernantes de los países miembros. Un punto que examinar es hallar la fórmula para que en lo político haya la menor dependencia posible de las cuestiones ideológicas.
Por estos aspectos, dice, el aniversario de creación del bloque no llama la atención. "Es mejor no decir nada, que levantar olas de las críticas", sostiene Mario Paz. (Ultima Hora – 27/03/2015)

Exministro de Economía uruguayo lamenta la actual inoperancia del Mercosur
Río de Janeiro, 26 mar (EFE).- El exministro de Economía de Uruguay Fernando Lorenzo criticó hoy en la ciudad brasileña de Río de Janeiro la desigualdad social existente en América Latina y censuró la actual inoperancia del Mercosur a la hora de conformar un frente común que defienda los intereses de toda la región.
"Este es el continente más desigual; no el más pobre", señaló Lorenzo en el marco de una reunión de especialistas de la región celebrada con motivo de la presentación del informe "¿Subiendo la escalera? Oportunidades, obstáculos y lecciones en torno a la escalada de las cadenas de los recursos naturales de Suramérica".
Lorenzo, que estuvo al frente del Ministerio de Economía durante la presidencia de José Mujica, entre los años 2010 y 2013, calificó de "penoso" el papel de la cooperación regional en Suramérica y destacó que nunca hubo "tal divergencia en las estrategias nacionales de desarrollo" como la que existe en estos momentos.
El antiguo director y ahora investigador del Centro de Investigaciones Económicas (Cinve) de Uruguay calificó de "entelequia" al bloque regional integrado por Argentina, Brasil, Paraguay, Uruguay y Venezuela, ya que "no hay ninguna normativa del Mercosur que se cumpla".
El economista uruguayo, que señaló a Brasil como uno de los principales culpables de la errática actuación del organismo regional por no haber asumido un papel de liderazgo, acusó al Mercosur de no haber sabido reaccionar a las restricciones comerciales de Argentina en el panorama internacional.
"La destrucción del Mercosur ocurrida en los últimos, y ya largos, cinco años es inédita y desencanta a cualquiera que quiera realizar un esfuerzo adicional en estas cuestiones", concluyó Lorenzo. (Diario de Las Americas – 26/03/2015)

Unión Europea reconoce “dificultades” en negociación con el Mercosur
Por AFP
BRUSELAS. La Unión Europea (UE) reconoció este jueves que “hay dificultades” para avanzar en la negociación de un acuerdo de libre comercio con el Mercosur y se interroga sobre el nivel de ambición de los países sudamericanos.
“Hay dificultades. Hay que asegurarse de que, aunque haya voluntad desde el principio (...) hay ambiciones equivalentes” entre el bloque europeo y el sudamericano, indicó la comisaria de Comercio, Cecilia Malmstrom, en una conferencia de prensa.
“Nos estamos escribiendo, hay reuniones en las próximas semanas para ver cómo estamos a nivel de ambiciones”, indicó Malmstrom.
La UE y el Mercosur reanudaron en 2010 las negociaciones, suspendidas durante seis años, para cerrar un acuerdo comercial. En 2014 se anunció, en varias fechas, que tendría lugar el intercambio de ofertas arancelarias, pero nunca se dio.
En agosto pasado Dilma Roussef, presidenta de Brasil que junto a Argentina constituyen los dos pesos pesados del Mercosur, afirmó que el bloque sudamericano ya tenía lista su propuesta arancelaria, no así la Unión Europea.
En diciembre Brasil tomó el timón del cuarto bloque económico mundial con el desafío de sacarlo del pozo ahora que el intercambio intra Mercosur cae. Las exportaciones en el interior del bloque bajaron del 16% al 13% del total entre 2010 y 2014, según estadísticas oficiales.
Argentina y Brasil, los dos colosos de la asociación, atraviesan además épocas de transición en lo político y están golpeados por la crisis internacional. Buenos Aires es más reticente a sellar un acuerdo con la UE, para proteger su industria. Uruguay aspira a que se concrete lo antes posible un acuerdo.
En el bloque europeo Francia fue desde el principio el país más reticente a alcanzar un acuerdo, principalmente para proteger su sector agrícola. (ABC Color – 26/03/2015)

Mogherini se reúne com Castro para acelerar aproximação
União Europeia tenta fechar acordo político com Cuba antes do fim do ano
Lucía Abellán (ENVIADA ESPECIAL) Havana
O degelo entre os Estados Unidos e Cuba criou um novo sentido de urgência na Europa sobre as relações do continente com a ilha. A chefa de Política Externa Europeia, Federica Mogherini, visitou Havana nesta terça-feira e transmitiu uma mensagem clara aos seus interlocutores: o acordo político e de cooperação que ambas as partes negociam há um ano deveria ser fechado ainda em 2015. Mogherini se reuniu durante duas horas com o presidente cubano, Raúl Castro. Sabrina Bellosi, assessora da chefa da diplomacia europeia, publicou uma foto do encontro em sua conta no Twitter.
A Europa quer reafirmar os anos de relação com a ilha — é o primeiro investidor estrangeiro e o segundo parceiro comercial depois da Venezuela — para elevar seu perfil institucional em um momento de mudanças no país.
“Temos um claro senso de proximidade. A Europa pode acompanhar as reformas que o país está adotando com investimentos em setores como a agricultura, energias renováveis e turismo”, afirmou Mogherini ao EL PAÍS e a outro jornal europeu durante sua visita a Havana. A ilha depende do petróleo em 94% para seu abastecimento de energia e busca expandir as atividades no setor de energias renováveis, um segmento para o qual pode atrair capital e projetos europeus.
O anúncio inesperado do fim da inimizade entre Washington e Havana em dezembro passado surpreendeu a União Europeia, em meio a um processo que estava paralisado. Depois dos esforços de ambas as partes para revitalizá-lo, a terceira rodada de negociação começou no início de março com alguns avanços concretos, embora também com a constatação de divergências.
A visita de Mogherini representa uma tentativa de acelerar o ritmo das conversas. “Sei que sua presença aqui vai dar um impulso”, disse o ministro de Relações Exteriores, Bruno Rodríguez, na sede do ministério. Para dar maior visibilidade a essa tentativa, o próprio Rodríguez irá a Bruxelas no fim de abril para dialogar com representantes europeus. O receio de alguns países — Polônia, República Checa e Alemanha — em relação ao diálogo com o regime no início do processo se transformou em apoio firme para acelerar o pacto, que inclui três pilares: cooperação, âmbito político e relação econômica.
No entanto, ninguém esconde que o diálogo sobre direito humanos, uma das peças-chave dessa negociação, apresenta dificuldades. Para evitar que esse tema emperre as discussões, foram tomadas duas decisões. A primeira, já em vigor, começar pela parte mais fácil, a da cooperação. Esse é o capítulo sobre o qual os contatos estão focados. A segunda, buscar uma espécie de negociação paralela por meio do enviado especial da UE para os direitos humanos, Stavros Lambrinidis, que possa retirar os assuntos mais espinhosos do diálogo principal, para que sejam abordados separadamente.
Ainda não se sabe se todas essas manobras sutis, tão próprias da UE, vão convencer os negociadores cubanos num momento em que têm um substancioso processo aberto com Washington. Por enquanto, Rodríguez enviou um sinal a Mogherini para agradecer o voto europeu na ONU contra o embargo norte-americano, e a chefa da diplomacia respondeu: “Você sabe qual tem sempre sido a posição europeia a respeito. Especialmente nesses momentos, não vemos motivo para manter o embargo”.
A conclusão do acordo entre a União Europeia e Cuba permitirá revogar a posição comum, um instrumento que impede estabelecer relações institucionais formais, a não ser que haja avanço em direitos humanos. Muitos países contornaram essa barreira —19 têm acordos bilaterais com a ilha — e a própria UE retomou o diálogo com o regime castrista em 2008. A posição comum foi promovida pelo então primeiro-ministro da Espanha, José María Aznar, embora agora um dos mais ferrenhos defensores do degelo com Cuba seja o ministro de Relações Exteriores espanhol, José Manuel García-Margallo.
Além de se reunir com o Governo, Mogherini se encontrou com representantes do mundo artístico cubano e com o arcebispo de Havana, Jaime Ortega, uma das poucas vozes com permissão de fazer críticas ao Executivo. Ortega destacou o papel da Igreja Católica nos sinais de abertura do regime. (El Pais – 26/03/2015)

España impulsa el relanzamiento de negociación entre Mercosur y la EU
España pretende dar un nuevo impulso a las negociaciones para un acuerdo de libre comercio entre el Mercosur y la Unión Europea (UE), dialogo estancado en los últimos meses, dijo ayer en Brasil el secretario de Estado de Cooperación Internacional y para Iberoamérica español, Jesús Gracia.
En una reunión con empresarios brasileños en San Pablo, Gracia expresó el interés de su país para trabajar por un acuerdo entre los dos bloques."España está muy interesada en que se agilice la negociación para un acuerdo de libre comercio", señaló Gracia a EFE tras reunirse con directivos de la Federación de Industrias del Estado de Sao Paulo (Fiesp), la principal entidad patronal de Brasil.
Gracia dijo que España pretende "dar impulso a la negociación" durante la cumbre prevista para junio en Bruselas entre la UE y la Comunidad de Estados Latinoamericanos y Caribeños (Celac).
El jerarca contó que en la reunión con los industriales se abordaron cuestiones para permitir eliminar trabas y burocracia al comercio bilateral. "El interés de España es seguir comprometido con Brasil y aprovechar todas las oportunidades que puedan surgir", dijo. (El Pais – 26/03/2015)

España impulsa en Brasil el relanzamiento de la negociación Mercosur-EU
Sao Paulo, 25 mar (EFE).- España pretende dar un nuevo impulso a las negociaciones para un acuerdo de libre comercio entre el Mercosur y la Unión Europea, dialogo estancado en los últimos meses, dijo hoy en Brasil el secretario de Estado de Cooperación Internacional y para Iberoamérica español, Jesús Gracia.
En una reunión con empresarios brasileños en Sao Paulo, Gracia expresó el interés de su país para trabajar por un acuerdo entre los dos bloques.
"España está muy interesada en que se agilice la negociación para un acuerdo de libre comercio", señaló Gracia en diálogo con Efe tras reunirse con directivos de la Federación de Industrias del Estado de Sao Paulo (FIESP), la principal entidad patronal de Brasil.
Gracia dijo que España pretende "dar impulso a la negociación" durante la cumbre prevista para junio en Bruselas entre la UE y la Comunidad de Estados Latinoamericanos y Caribeños (Celac).
El director del Departamento Relaciones Internacionales y Comercio Exterior de la Fiesp, Antonio Bessa, fue el principal interlocutor de Gracia en el encuentro, en el cual participaron el embajador español en Brasil, Manuel De la Cámara, y el cónsul en Sao Paulo, Ricardo Martínez.
El secretario español contó que en la reunión con los industriales paulistas se abordaron cuestiones para permitir eliminar las trabas y burocracia al comercio bilateral.
"El interés de España es seguir comprometido con Brasil y aprovechar todas las oportunidades que puedan surgir", sostuvo.
Según cifras oficiales brasileñas, el comercio bilateral en 2014 alcanzó los 7.165 millones de dólares, con superávit para España de 655 millones de dólares.
Por su parte, Bessa destacó que en el encuentro se abordaron temas importantes para los brasileños, como la "facilitación" del flujo de comercio entre ambos países.
Bessa resaltó que todavía ni el Mercosur ni la Unión Europea han presentado la lista de los productos y sectores sensibles a un acuerdo de libre comercio, con lo cual las negociaciones estarían sufriendo nuevas demoras.
"Ya van 19 años de negociación, en el mundo de los negocios es un plazo muy largo", expresó a Efe el dirigente de la FIESP.
El dirigente empresarial confío en que una gira que hará el vicepresidente brasileño, Michel Temer, en los próximos meses a España y Portugal pueda flexibilizar cuestiones burocráticas comerciales.
Antes de la reunión con los industriales paulistas, Gracia se reunió con la Cámara Oficial Española de Comercio en Brasil, con sede en Sao Paulo.
Gracia cumple una visita oficial de cuatro días a Brasil con actividades en Brasilia, Río de Janeiro y Sao Paulo.
El martes, el funcionario se reunió con el vicegobernador del estado de Sao Paulo, Marcio França, y participó de la inauguración de la exposición "Picasso y la modernidad española", que incluye 90 obras de 37 artistas españoles, en su mayoría del pintor malagueño y pertenecientes al Museo Reina Sofía de Madrid.
Luego de su actividad en Sao Paulo, mañana el secretario de Cooperación Internacional ofrecerá en Río de Janeiro una rueda de prensa y pronunciará una conferencia sobre las relaciones de España y América Latina en la sede del Centro Brasileño de Relaciones Internacionales (Cebri).
El principal encuentro de la visita será el viernes en Brasilia con el secretario general del Ministerio de Relaciones Exteriores de Brasil, Sergio Danese, en el que ambos suscribirán un memorando de entendimiento para la renovación de la relación en materia de cooperación para el desarrollo.
A seguir, Gracia viajará a Buenos Aires, donde se reunirá con diferentes autoridades, entre ellas el viceministro de Relaciones Exteriores de Argentina, Eduardo Zuaín, y el jefe de Gobierno de la Ciudad Autónoma de Buenos Aires, Mauricio Macri. (Diario de Las Americas – 25/03/2015)

Mercosur, preocupado por la crisis económica de Brasil
Los principales socios del Mercado Común del Sur (Mercosur) se encuentran preocupados por la caída de la economía brasileña y por el impacto que puede tener en Sudamérica. La brusca caída del real y la incertidumbre sobre la demanda brasileña encienden la alarma.
En concreto, como señala LV 21 Online, el escándalo de corrupción en Petrobras y la crisis, que del terreno político ha pasado al económico, hacen que el resto de miembros del organismo (Argentina, Paraguay, Uruguay y Venezuela) esperen una recesión para este año en el país liderado por Dilma Rousseff.
Mauricio Claverí, economista de la consultora Abeceb.com en Argentina se ha mostrado preocupado por “una caída generalizada del comercio bilateral que impactará de un muy fuerte en las exportaciones”.
Sobre las repercusiones en el país que preside Cristina Fernández, “el escenario se complica doblemente, por haber más recesión en Brasil y menos demanda de volúmenes, y segundo por el tipo de cambio bilateral que se atrasa (real que se deprecia y peso argentino que se mantiene estable) y le quita competitividad a productos argentinos”.
Pronostica, de esta manera, una caída del 2% en las importaciones y un derrumbe del 10% de las exportaciones argentinas a Brasil este año. Aunque no solo habla de preocupación por parte de Argentina, pues la situación en economías más pequeñas como la de Uruguay y Paraguay la situación es aún más alarmante. (Americaeconomia – 25/03/2015)

Jogando com blocos
The Economist
Acordos regionais de comércio não são tão bons quanto os globais, mas têm lá seus benefícios
Depois de vários anos sem conseguir respeitar os prazos estabelecidos por eles próprios, os diplomatas e outras autoridades que se sentam à mesa para tentar firmar acordos comerciais, têm pela frente alguns meses decisivos. Antes de mais nada, é preciso que os congressistas americanos concedam ao governo Obama a chamada "autoridade de promoção comercial", abrindo mão de seu direito de rediscutir tratados que já tenham sido aprovados pelos negociadores americanos. Isso ajudaria a cimentar um acordo entre os países do Pacífico e um pacto americano-europeu. A concretização desses acertos seria, por sua vez, prova de que as negociações comerciais de âmbito regional podem ser bem-sucedidas quando os entendimentos globais não vão para a frente. E isso traria à baila uma velha questão: acordos regionais impulsionam a liberalização do comércio internacional ou acabam por obstruí-la, provocando a balcanização do planeta?
Pela teoria econômica clássica, o livre-comércio gera prosperidade, pois estimula os países a se concentrar em suas vantagens relativas, isto é, naquilo que fazem de melhor. A realidade dos tratados regionais é mais nebulosa. Há mais de 60 anos, o economista canadense Jacob Viner mostrou que as uniões alfandegárias, às vezes, resultam em desvios de comércio, levando os consumidores a adquirir mercadorias de produtores ineficientes. Exemplo hipotético: a Tailândia fabrica eletrônicos a um custo menor que o México, mas os EUA compram seus eletrônicos do México, pois adotam uma tarifa de importação mais baixa para os produtos mexicanos. Esse desvirtuamento prejudica a economia mundial, impedindo que os recursos cheguem aos locais onde poderiam ser usados de forma mais produtiva.
Jagdish Bhagwati, da Universidade de Colúmbia, foi mais além no argumento, afirmando que os acordos regionais podem funcionar não como estímulo, mas como empecilho a um comércio mais livre em termos globais. No início dos anos 90, muitos esperavam que os tratados regionais levassem à efetivação de pactos globais. Mas o professor Bhagwati argumentava que produtores mais ineficientes pressionariam pela formação de blocos regionais, buscando proteção em seu interior.
À primeira vista, os últimos 20 anos dão razão ao economista indiano. Entre 1994 e 2014, foram assinados, por ano, mais de dez acordos regionais, ao passo que em âmbito global o único tratado foi o decepcionante "pacote de Bali", firmado por ocasião da 9.ª Conferência Ministerial da Organização Mundial do Comércio, em 2013. Além disso, as projeções sobre o impacto dos acertos regionais atualmente em negociação destacam os perigos dos desvios de comércio. Segundo um estudo controverso do Ifo Institut alemão, a Parceria Transatlântica de Comércio e Investimento (TTIP, na sigla em inglês), que vem sendo discutida entre Estados Unidos e União Europeia, redundará num crescimento de 13,4% do PIB americano. Mas fará com que a economia do Canadá tenha um tamanho 9,5% menor do que terá se o tratado não for firmado. Outros estudos chegam a conclusões semelhantes, ainda que menos dramáticas, sobre a Parceria Transpacífica (TPP, na sigla em inglês), que reúne 12 países da Ásia e das Américas.
Meio-termo. Olhando mais de perto, porém, os tratados regionais não parecem tão ruins. A validade do argumento de que eles prejudicam a liberalização do comércio internacional seria confirmada se as tarifas preferenciais tivessem se proliferado depois da enxurrada de pactos regionais firmados nos últimos anos, com os parceiros reduzindo barreiras alfandegárias apenas uns para os outros.
Mas não foi isso que aconteceu. Até 2008, menos de 17% do fluxo de comércio global estava sujeito a tratamentos alfandegários preferenciais. Na realidade, o que se observa nas últimas duas décadas é uma queda drástica nas tarifas de importação em geral. Segundo o Banco Mundial, na América Latina, a tarifa média caiu de 13,1%, em 1996, para 4,8%, em 2012. Na África, Ásia e Europa, os países em desenvolvimento também reduziram suas tarifas.
O argumento sobre o desvio de comércio é igualmente falho. Apesar das projeções sombrias para os países que ficarão de fora do TPP e do TTIP, o fato é que, na prática, o histórico dos acordos regionais também é positivo para as nações excluídas desses pactos. Em quase todos os casos, o comércio exterior de países não membros cresceu, ainda que em ritmo menor que o dos países membros. A razão é que hoje em dia os acordos comerciais têm menos a ver com tarifas alfandegárias do que com questões regulatórias mais profundas, tais como as regras sobre os fluxos de capital e as políticas de defesa da concorrência.
Richard Baldwin, um economista especializado em comércio exterior, recorre a dois exemplos para explicar as consequências benignas dos tratados regionais. Em primeiro lugar, os Estados Unidos e o Peru, em seu acordo de livre-comércio, comprometeram-se a oferecer às suas respectivas empresas a mesma qualidade de acesso a serviços de telecomunicações. Dito assim, pode parecer que as companhias americanas gozam de uma preferência não tarifária no Peru, pois uma empresa japonesa que resolva operar no país não deve desfrutar das mesmas facilidades. Acontece que a nacionalidade das corporações é maleável: a Toyota USA receberá o mesmo tratamento que qualquer empresa americana, já que está legalmente constituída nos EUA. Em segundo lugar, uniformizações regulatórias são antes um bem público que uma preferência, pois os países que não participam dos acordos também se beneficiam delas. O padrão de telefonia móvel adotado pela União Europeia, por exemplo, facilita a vida de todas as empresas que atuam na Europa, seja qual for seu país de origem.
Ao prever dificuldades para as economias que ficarão de fora do TTIP, o estudo do Ifo Institut não leva em consideração que a uniformização regulatória tem consequências positivas que extrapolam os limites de um acordo comercial. O Centre for Economic Policy Research (CEPR), que observa esse detalhe em sua análise, prevê pequenos ganhos para as exportações de países excluídos do TTIP. É evidente que pactos verdadeiramente globais trariam ganhos ainda maiores. Mas o trabalho do CEPR indica que os acordos regionais, sobretudo os de maior abrangência, devem ser acolhidos como alternativas produtivas.
Dentro e fora. O exemplo europeu revela outra dimensão dos acordos regionais. Ainda que os países que não fazem parte da União Europeia possam se beneficiar de seu padrão de telefonia móvel comum, são os europeus que definem o padrão a ser adotado, e eles o fazem contemplando os interesses das empresas europeias. Quem está dentro do bloco comercial dita as regras. Para quem está do lado de fora, só resta obedecer.
Isso ajuda a entender a decisão tomada pelos Estados Unidos de inicialmente excluir a China do TPP, argumenta em artigo recente Shintaro Hamanaka, do Asian Development Bank. Os americanos querem, entre outras coisas, submeter a restrições severas as empresas estatais, que são fundamentais para a economia chinesa. Caso o TPP venha a se concretizar, os EUA poderão então convidar a China a entrar para o bloco, apresentando essas provisões restritivas como um fato consumado. Os chineses, por sua vez, trabalham por um pacto de livre-comércio asiático que deixe os Estados Unidos de fora. Tratar os acordos regionais de comércio como empecilho ou estímulo ao livre-comércio com frequência significa obscurecer sua verdadeira importância. Esses acordos também são fonte de poder. Os países os utilizam para projetar sobre a economia global o entendimento particular que cada um deles tem do que seja um mercado livre.
© 2015 THE ECONOMIST NEWSPAPER LIMITED. DIREITOS RESERVADOS. TRADUZIDO POR ALEXANDRE HUBNER, PUBLICADO SOB LICENÇA. O TEXTO ORIGINAL EM INGLÊS ESTÁ EM WWW.ECONOMIST.COM. (O Estado de SP – 25/03/2015)

El Mercosur “tiembla” por el impacto de crisis en Brasil
Mundo - Edición Impresa
Brusca caída del real e incertidumbre sobre la demanda brasileña encienden alarma entre socios comerciales.
En Argentina, Paraguay, Uruguay y Venezuela, el efecto de un Brasil, al que el mercado espera en recesión este año, se calcula noche y día en caída de exportaciones, de inversiones y potenciales recortes de empleos.
Montevideo, Uruguay. AFP.
La preocupación crece en el Mercosur por la crisis política y económica que atraviesa Brasil: la brusca caída del real y una gran incertidumbre sobre la demanda brasileña encienden la alarma entre sus socios comerciales.
El escándalo de corrupción en Petrobras y una crisis, que del campo político pasó al terreno económico, hacen que las miradas se concentren en la mayor economía regional.
En Argentina, Paraguay, Uruguay y Venezuela, el efecto de un Brasil, al que el mercado espera en recesión este año, se calcula noche y día en caída de exportaciones, de inversiones y potenciales recortes de empleos, señalaron analistas y empresarios a la AFP.
El economista Mauricio Claverí, de Abeceb.com en Argentina, espera “una caída generalizada del comercio bilateral”, con impacto “importante, muy fuerte” sobre las exportaciones. “Ahora el escenario se complica doblemente, por haber más recesión en Brasil y menos demanda de volúmenes, y segundo por el tipo de cambio bilateral que se atrasa (real que se deprecia y peso argentino que se mantiene estable) y le quita competitividad a productos argentinos”, resumió.
Argentina teme caída del intercambio bilateral
Abeceb.com pronostica una caída de 2% de importaciones y un derrumbe de 10% de las exportaciones argentinas a Brasil en el 2015. En el 2014 el intercambio bilateral –el más importante entre los socios del Mercosur– fue de 28.400 millones de dólares, prácticamente en equilibrio, algo que podría cambiar a un déficit de 1.200 millones de dólares para Argentina este año.
Si en el otro socio mayor del Mercosur la preocupación es grande, en economías más pequeñas como la de Uruguay y Paraguay, la situación es todavía más alarmante.
¿El peor momento del Mercosur comercial?
El ministro de Economía uruguayo, Danilo Astori, opinó la semana pasada que el Mercosur atraviesa “el peor momento desde que se ha creado”.
“Estamos siguiendo con mucha atención lo que ocurre en Brasil”, añadió Astori. “No hemos escapado a la desaceleración en materia de producción y exportaciones”.
El mercado prevé que la economía brasileña se contraiga 0,58% este año.
Al impacto de una menor demanda brasileña, podría sumarse el efecto de la depreciación del real sobre la competitividad de los productos de otros socios del Mercosur. La caída del real roza 18% en lo que va del año contra poco menos de 6% en el caso del peso uruguayo y un tipo de cambio oficial estancado en el eje de los 8,8 pesos por dólar en Argentina. (La Nacion – 25/03/2015)

Mercosur: preocupa en la región situación de Argentina y Brasil
El contexto internacional, crisis en Europa, menor ritmo de crecimiento de China, y las graves dificultades en las economías de Argentina y Brasil, auguran un menor crecimiento de la economía uruguaya para este año, aunque en el entorno del 3%, según las autoridades.
El ministro de Economía y Finanzas, Danilo Astori, y su antecesor, Mario Bergara, ya venían advirtiendo sobre el contexto regional y la situación de los países vecinos.
Este lunes Astori reiteró que el presupuesto quinquenal será abordado con cautela y prudencia fiscal, debido a la situación internacional y en especial a la situación complicada de Argentina y Brasil “que tienen grandes dificultades y que indefectiblemente impacta sobre la economía uruguaya”.
Días antes, y ante la devaluación de un 20% en lo que va del año de la moneda brasileña y una menor devaluación del peso frente al dólar, el ministro dijo que “Uruguay trabajó sobre las bases de políticas macroeconómicas que, a pesar de las dificultades actuales, han posicionado al país razonablemente bien”. Consideró que “hoy la economía uruguaya es una economía con opciones, y lo peor que le puede pasar a un país pequeño es no tener alternativas”, indicó.
A principios de mes, Astori cuestionó la parálisis del Mercosur. El Mercosur atraviesa “el peor momento desde que se ha creado”, dijo. “Estamos siguiendo con mucha atención lo que ocurre en Brasil” y agregó que “no hemos escapado a la desaceleración en materia de producción y exportaciones” de ese país.
La caída del real roza 18% en lo que va del año contra poco menos de 6% en el caso del peso uruguayo y un tipo de cambio oficial estancado en el eje de los 8,8 pesos por dólar en Argentina.
El economista Alfonso Capurro, de la consultora CPA Ferrere dijo a la agencia francesa AFP, que de la crisis brasileña se espera un “efecto competitividad” y un “efecto actividad económica”.
En el caso de Uruguay el “efecto competitividad” se traduce en un encarecimiento de los productos que el país exporta a Brasil, principalmente bienes de alto valor agregado.
Además, “estamos viendo pequeñas señales de que están cayendo las exportaciones a Brasil”, señaló Capurro que cifró en 10% la baja en volumen desde mediados de 2013 hasta diciembre de 2014, antes incluso de que el real se derrumbara. “Probablemente dado el equilibrio que tienen las monedas hoy y si no hay correcciones nuevamente, vamos a ver caídas adicionales, y esa es la preocupación que tenemos hoy”.
El informe de AFP sostiene que en Argentina, Paraguay, Uruguay y Venezuela, el efecto de un Brasil, al que el mercado espera en recesión este año, se calcula noche y día en caída de exportaciones, de inversiones y potenciales recortes de empleos, según la opinión de analistas y empresarios.
El economista Mauricio Claverí, de Abeceb.com en Argentina, espera “una caída generalizada del comercio bilateral” con Brasil, con impacto “importante, muy fuerte” sobre las exportaciones.
“Ahora el escenario se complica doblemente, por haber más recesión en Brasil y menos demanda de volúmenes, y segundo por el tipo de cambio bilateral que se atrasa (real que se deprecia y peso argentino que se mantiene estable) y le quita competitividad a productos argentinos”, resumió.
Abeceb.com pronostica una caída de 2% de importaciones y un derrumbe de 10% de las exportaciones argentinas a Brasil en 2015.
En el caso de Paraguay, a la complejidad de un Brasil en declive se suman medidas que afectan el comercio minorista transfronterizo. El golpe, según el ex ministro de Hacienda César Barreto, podría sentirse sobre un 30% del comercio paraguayo.
Brasil redujo el cupo de compras de ciudadanos brasileños sin impuestos en Paraguay a la mitad, lo cual afecta particularmente a los comerciantes de frontera.
Según cifras oficiales brasileñas, el intercambio con sus socios del bloque regional en enero y febrero de este año totalizó unos 5.000 millones de dólares, frente a más de 6.000 millones en igual lapso de 2014.
De todas maneras, las autoridades uruguayas sostienen que el país ha logrado diversificar mercados y pese a un menor crecimiento, igual estará por encima del promedio regional.
“Uruguay vende a 140 países en el mundo, así que tiene con qué encarar una situación difícil como esta. Además China es el principal comprador de nuestro país”, expresó el ministro de Economía.
Dijo que el país no ha escapado a la “desaceleración en producción y exportaciones” pero de todos modos remarcó que continuará por las políticas que ha venido practicando hasta ahora.
Previsiones
Según las previsiones del gobierno, Uruguay crecerá en el entorno del 3% este año, y este viernes 27 de marzo se conocerá la cifra del Producto Bruto Interno de 2014, estimada también en poco más del 3%.
Sin embargo, según las previsiones del FMI, Argentina sufrirá una recesión este año con una caída de 1,5%, aunque la Comisión Económica para América Latina y el Caribe (Cepal) considera que Argentina tendrá un crecimiento de 1%. Para Brasil el FMI pronostica una caída de su economía de 0,3% y Cepal estima un crecimiento de 1,3%. (Repúblia Uruguay – 25/03/2015)

Chefe da diplomacia europeia chega a Cuba para promover pacto bilateral
Lucía Abellán Havana
A União Europeia quer estar perto de Cuba no contexto atual de mudanças na ilha, especialmente desde o início do degelo com os Estados Unidos. A alta representante para a Política Externa da Europa, Federica Mogherini, se reúne nesta terça-feira com membros destacados do Governo cubano e também com alguns representantes da sociedade civil. É a primeira vez que um chefe da diplomacia da UE visita Cuba. “A União Europeia é parceira importante de Cuba e precisa exercer papel ativo”, disse Mogherini ao EL PAÍS e a outro jornal europeu, pouco antes de iniciar a visita.
Os dados confirmam essa necessidade de não ficar à margem das mudanças que o regime propõe. A UE é a maior investidora estrangeira na ilha e sua segunda maior parceira comercial, depois da Venezuela, sendo responsável por quase 22% dos fluxos de importação e exportação. Um terço dos turistas que visitam Cuba é formado por europeus.
Essa relação econômica convive com uma posição diplomática muito diferente. A UE se rege pela chamada posição comum, que condiciona qualquer diálogo político com a ilha a avanços nos direitos humanos. Convencidos de que esse resultado não vem dando resultados, os países da UE decidiram há mais de um ano iniciar uma negociação para firmar um acordo político e de cooperação que difira da posição comum. Mas o diálogo vem se dando de modo muito lento. “A prioridade política é agora avançar mais rápido e investir em nossa cooperação internacional”, diz Mogherini.
O processo foi deslanchado no início do mês com uma rodada de negociações em Havana, seguida agora pela visita da alta representante, por sugestão do próprio presidente cubano, Raúl Castro. Nos próximos meses haverá outros encontros, com a finalidade de agilizar as negociações ao máximo este ano.
Em Havana, Mogherini terá encontros com os ministros do Exterior, Bruno Rodríguez, da Economia, Marino Murillo, e do Comércio Exterior, Rodrigo Malmierca. Ela também vai se reunir com o presidente do Parlamento, Esteban Lazo, e com o arcebispo de Havana, cardeal Ortega. No final da visita Mogherini também terá encontros com vários artistas e representantes da sociedade civil, que ela não quis detalhar no momento.
O respeito pelos direitos humanos, um elemento fundamental na negociação com a UE, é a questão mais delicada na negociação europeia com Havana. Os membros da UE que mais resistem à aproximação — Polônia, República Checa e Alemanha— aprovaram o diálogo sob a condição de que seja dada atenção especial a esse quesito. Mesmo assim, com a abertura entre EUA e Cuba os representantes da UE — e em grande medida a Espanha— exortaram a diplomacia europeia a fomentar esses contatos. Trata-se de não ceder terreno em um país no qual a UE se encontra em posição de vantagem, embora possa perder atratividade para Washington.
Mogherini não é a única europeia que quer fortalecer os laços com Cuba. No último ano, cinco ministros do Exterior da UE (da Espanha, Itália, Holanda, França e Reino Unido) visitaram o país caribenho, e em maio o presidente francês, François Hollande, fará o mesmo.
Outro assunto crucial que Mogherini espera abordar com as autoridades cubanas nesta terça-feira é a situação da Venezuela. Em vista da deterioração da situação política e econômica do país latino-americano, a representante europeia vai tentar questionar a visão que tem dele o regime cubano, maior fonte de apoio ao Governo de Nicolás Maduro na região. A alta representante também se interessará pelo processo de paz da Colômbia, que está sendo negociado em Havana.
Na última rodada de negociações, que aconteceu em Havana em 4 e 5 de março, os negociadores europeus conseguiram concluir alguns capítulos, mas, segundo nota da UE, também constataram que há “elementos de divergência” em relação à função que a sociedade civil deve exercer e à vinculação que os países devem ter com as normas legais internacionais. As principais diferenças foram detectadas “nas áreas de governança e de direitos humanos”, segundo o mesmo documento, que anuncia uma próxima rodada para antes do verão no hemisfério norte.
Apesar de a manutenção da posição comum ser pouco habitual — a UE não a aplica a nenhum outro país do mundo—, até 19 de seus países membros já firmaram acordos bilaterais com Cuba, com graus diferentes de alcance. A UE também mantém um volume modesto de cooperação para o desenvolvimento. Também nesta terça-feira será anunciada em Havana a decisão da UE de destinar 50 milhões de euros (170 milhões de reais) até 2020 para projetos agrícolas, ambientais e de desenvolvimento econômico e social. (El Pais – 24/03/2015)

Ministro Armando Monteiro recebe Ministro da Indústria e Comércio do Paraguai
O ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Armando Monteiro, recebeu hoje o ministro da Indústria e Comércio do Paraguai, Gustavo Leite, e comitiva de representantes do governo. Durante almoço realizado no MDIC, Leite ratificou a importância de priorizar a relação estratégica com o Brasil. O ministro paraguaio também propôs uma agenda bilateral entre as duas pastas.
O ministro Armando Monteiro acredita ser de muita importância esse tipo de diálogo com o Paraguai. Segundo ele, a agenda de trabalhos vai ter o devido andamento para que outras parcerias sejam firmadas entre os países. A próxima reunião entre os dois ministérios está confirmada para meados de maio. Na ocasião, a Comissão de Monitoramento do Comércio vai debater, principalmente, sobre a integração das cadeias produtivas, com foco em autopeças, brinquedos, confecções e outros setores. (Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior – 23/03/2015)

Aliança do Pacífico e Mercosul: convergência
OPINIÃO
HERALDO MUÑOZ
Os países da América Latina já não podem fugir do fato de que no mundo atual as regiões negociam. A economia mundial está sendo construída sobre a base de macrorregiões. A estagnação das negociações da Rodada de Doha tem empurrado novas negociações comerciais, transregionais, como já foram o Tratado Norte-Americano de Livre Comércio (Nafta), a Associação de Nações do Sudeste Asiático (Asean) e a própria União Europeia (UE).
Assim, hoje se destacam as negociações para o Acordo Transatlântico sobre Comércio e Investimento entre os Estados Unidos e a União Europeia, o Acordo de Livre Comércio da União Europeia e o Japão, o Acordo de Parceria Transpacífica (TPP) e a iniciativa da China de converter a Cooperação Econômica Ásia-Pacífico (Apec) na mais poderosa aliança comercial da região.
E urgente, então, fortalecer a integração da América Latina para alcançar um melhor posicionamento no mundo. Portanto, o governo da presidente Michelle Bachelet tem planejado encontrar caminhos de convergência entre a Aliança do Pacífico (AP) e o Mercosul. Não se trata de uma fusão entre os dois blocos, pois isso não seria realista, tendo em conta as diferenças tarifárias e regulatórias.Nem se tratade reduzir nosso firme compromisso com a Aliança. Em nossa opinião, as diferenças da política econômica e a inserção internacional não constituem um obstáculo para acordos de benefício mútuo. Somente a ideologização pode conduzir a rechaçar esta convergência na diversidade. Este encontro entre os dois blocos tem fundamentos inocultáveis.
Primeiro, a força econômica e política dos países do Mercosul, especialmente da Argentina e do Brasil, é indiscutível. Sua presença no PIB da América Latina e do Caribe supera 56% e, em conjunto, a AP e o Mercosul representam 92% de tudo o que é produzido na região.
Em segundo lugar, para cada um dos países da AP, o Mercosul é o mercado mais importante no comércio total com a América Latina, exceto no caso da Colômbia.
Com efeito, o bloco representa 50% do intercâmbio total do Chile com a região, e 38% tanto para o México quanto para o Peru.No entanto,épreocupante que o comércio interno da região chegue apenas ao 18% do total.
Em terceiro lugar, a nossa condição bioceânica é uma vantagem estratégica que nos conecta com os principais centros de produção e consumo global. Como bem afirmou a presidente Dilma Rousseff, "nosso continente tem a sorte de ser banhado por dois oceanos e o futuro da América Latina depende desses dois mares" Portanto, construir pontes entre o Mercosul e a AP realçará nossa posição competitiva no mundo global, vai ajudar ainda mais o crescimento e também nos permitirá construir cadeias de valor regionais.
Essa é a condição fundamental para diversificar nossa matriz produtiva exportadora de recursos naturais em favor da indústria e dos serviços com maior valor agregado.
O esforço que o Chile vem realizando em favor do entendimento regional não só se fundamenta na mesma convicção que tiveram os pais fundadores de nossa Independência. Além disso, é apoiado pela crua realidade internacional que nos empurra para uma agenda pragmática para melhorar a nossa posição no mundo.
Depois de importantes reuniões de chanceleres e ministros de Comércio da AP e do Mercosul na Colômbia eno Chile, definimos uma agenda "curta" que está sendo estudada, incluindo objetivos específicos, como a facilitação do comércio, umbalcão único para as exportações, acumulação de origem, a certificação eletrônica e a circulação de pessoas. Todas estas questões encontram-se avançadas no Mercosul e já têm sido negociadas na AP. Portanto, não é nenhuma ilusão facilitar a harmonia entre os dois blocos.
Por outro lado, todos os nossos países estão interessados em melhorar a produtividade de suas economias.
Para esse efeito, é necessário gerar energia a custos mais baixos, ter melhor infraestrutura, comunicação fluída, portos modernos, e superar a condição de exportadores de recursos naturais. A complementariedade em cada umdesses âmbitos será de indiscutível benefício para cada um de nossos países, ainda que não exista afinidade de políticas econômicas.
Em suma, o encontro inteligente entre os países do Mercosul e da AP aponta para a derrubada do muro invisível que separa os países do Atlântico e do Pacífico.
Não é um esforço inútil, como propagam alguns.O diálogo e a convergência interregional não é só uma opção, mas uma necessidade.
Heraldo Muñoz é ministro de Relações Exteriores do Chile
As diferenças da política econômica e a inserção >internacional não constituem um obstáculo para acordos de benefício mútuo. (O Globo – 23/03/2015)

Brasil e Estados Unidos assinam acordos inéditos de comércio bilateral
Brasília – O Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC) e o Departamento de Comércio dos Estados Unidos (DoC) finalizaram ontem mais uma rodada de reuniões do Diálogo Comercial com resultados concretos para o avanço da relação bilateral comercial. Um memorando de facilitação de comércio foi assinado pelos dois países. Além disso, acordos dos setores público e privado com vistas à convergência regulatória também avançaram de forma inédita.
As conquistas são resultado da visita oficial do ministro Armando Monteiro aos Estados Unidos, nos dias 11 e 12 de fevereiro. “Os Estados Unidos são um mercado prioritário para o Brasil. Em fevereiro, os dois países haviam definido que facilitação de negócios e convergência regulatória seriam os temas principais e já avançamos nas duas áreas, de forma inédita. Queremos facilitar e ampliar o comércio bilateral”, comemorou Monteiro.
Os secretários de Comercio Exterior do Brasil, Daniel Godinho, e dos Estados Unidos, Kenneth Hyatt, assinaram, nessa quinta-feira, dia 19 de março, Memorando Bilateral sobre Facilitação de Comércio. O documento estabelece linhas de ação conjuntas e concretas de cooperação entre os dois países. A assinatura ocorreu na sede da Câmara de Comércio dos Estados Unidos (US Chamber of Commerce), em Washington, D.C.
Pelo acordo, Brasil e Estados Unidos identificarão os setores econômicos promissores – que tenham condições de avançar comercialmente por meio de políticas de facilitação – e adotarão ações concretas em parceria com o setor privado para simplificar ou reduzir exigências e burocracias. Os governos dos dois países pretendem, assim, reduzir custos e prazos do comércio bilateral, expandindo-o.
Outro grande avanço das rodadas do Diálogo Comercial teve foco na questão da convergência regulatória. Pela primeira vez, reuniram-se os principais atores para a tomada de decisões sobre o tema em uma mesma mesa: governos federais de Brasil e Estados Unidos, órgãos regulatórios dos dois países (Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia – Inmetro e National Institute of Standards and Technology – NIST), órgãos normatizadores dos dois países (Associação Brasileira de Normas Técnicas – ABNT e American National Standards Institute - ANSI) e setores privados dos dois países. Assim, ficaram definidas agendas de trabalho setoriais/bilaterais para unificar exigências, padrões e se chegar a acordos setoriais de convergência e reconhecimento mútuo.
O primeiro acordo já foi assinado nessa primeira rodada de reuniões: a Associação Nacional dos Fabricantes de Cerâmica para Revestimentos, Louças Sanitárias e Congêneres (Anfacer) e a Tile Council of North America (TCNA), entidades representativas do setor no Brasil e nos Estados Unidos, firmaram protocolo, estabelecendo processo e etapas para se alcançar a convergência regulatória do setor, com foco na harmonização de normas técnicas. “Os acordos que foram assinados com os Estados Unidos são muito importantes para o setor de cerâmica, e ainda mais para o Brasil. Todas as formas de fortalecimento da relação comercial Brasil-Estados Unidos são válidas”, afirmou o presidente da Anfacer, Antônio Kieling. As discussões priorizam ainda outros setores, entre os quais máquinas, equipamentos e têxtil. As partes acordaram em trabalhar em agendas setoriais, com acompanhamento dos governos, para gerar resultados concretos.
Por fim, ainda no tema da convergência regulatória, houve avanços no compartilhamento de informações e padronização. Inmetro e ABNT assinaram acordo de adesão ao portal da ANSI, que já contava com a participação de países como Índia, China e Coreia do Sul. Trata-se de iniciativa conjunta para intercâmbio e compartilhamento de informações técnicas para padronização do comércio bilateral. Assim, o setor privado terá rápido acesso a informações muito relevantes para o comércio bilateral.
Além disso, Inmetro e NIST decidiram que serão produzidos guias setoriais para melhor entendimento dos sistemas regulatórios dos dois países. O material facilitará o entendimento acerca das peculiaridades de ambos os sistemas e seus diversos canais de acesso, favorecendo o rápido e efetivo cumprimento de requisitos de exportação. “O guia será preciso e muito claro, com diferentes setores da economia. A ideia é facilitar o dia a dia da vida das empresas dos dois países”, destacou o presidente do Inmetro, João Jornada, presente às reuniões em Washington.
“O memorando e os acordos assinados reduzirão prazos e os custos do comércio bilateral. Queremos que mais e mais setores privados sejam encorajados e alinhar informações e normas técnicas, tirando benefícios desta grande aproximação comercial com os Estados Unidos”, disse o secretário de Comércio Exterior do MDIC, Daniel Godinho.
A missão do MDIC aos Estados Unidos contou com o apoio da da Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil), que comemorou os avanços. “Este tipo de aproximação facilita o comércio bilateral de forma concreta, com redução de burocracias que ampliam as trocas comerciais”, destacou a gerente Estratégia de Mercado da Agencia, Ana Repezza.
Ao final da rodada de reuniões do Diálogo Comercial Brasil-Estados Unidos, o MDIC e o DoC divulgaram joint statement sobre os avanços alcançados.
(MDIC – 20/03/2015)

Produtos e Mercados


Veja mais

Grécia está otimista em fechar um acordo
Atenas disse que apresentará um pacote de reformas completo às autoridades da zona do euro até segunda-feira, na esperança de destravar ajuda financeira essencial para evitar a falência
- A Grécia está otimista em fechar um acordo sobre suas reformas econômicas com os parceiros da zona do euro no início da próxima semana, obtendo acesso a recursos urgentemente necessários, disse o ministro da Economia grego nesta quinta-feira.
Após conversas com líderes da UE, incluindo a chanceler alemã, Angela Merkel, na semana passada, Atenas disse que apresentará um pacote de reformas à zona do euro até segunda-feira, na esperança de destravar ajuda e evitar a falência.
"Acho que no começo da próxima semana nós teremos um acordo sobre o pacote de reformas que o governo grego está propondo, e sobre o financiamento do país", disse em entrevista o ministro da Economia, George Stathakis.
Autoridades da zona do euro têm dito que a Grécia, que se mantém solvente graças a pacotes de resgate da UE e do FMI totalizando 240 bilhões de euros desde 2010, não vai receber mais ajuda até que as reformas sejam aprovadas pelos ministros das Finanças do bloco de moeda única.
FMI
O primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras, informou a diretora-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Christine Lagarde, sobre as negociações de Atenas com seus credores internacionais num telefonema na quarta-feira, disse uma autoridade do governo grego nesta quinta-feira.
"A discussão aconteceu num clima muito bom", explicou. A Grécia está travada em negociações com credores e corre o risco de ficar sem dinheiro no mês que vem, a não ser que assegure ajuda financeira nova.
Atenas prometeu enviar uma lista de importantes reformas com pouco tempo para convencer parceiros europeus céticos de que tem um compromisso de equilibrar suas contas públicas.
Alemanha
A confiança entre os consumidores alemães alcançou seu maior nível em 13 anos e meio entrando em abril, auxiliada por expectativas de que a renda irá crescer, mostrou pesquisa do grupo de pesquisa de mercado GfK nesta quinta-feira, num sinal de que consumidores vão continuar a impulsionar a maior economia da Europa neste ano.
O GfK informou que seu indicador de confiança de consumidor, com base numa pesquisa com 2 mil alemães, subiu para 10,0 entrando em abril ante 9,7 em março.
Essa é a leitura mais alta desde outubro de 2001 e superou a estimativa média de 9,8 em pesquisa da Reuters. "Os consumidores alemães estão se tornando mais otimistas", disse analista Rolf Buerkl.
O consumo privado ajudou a impulsionar um crescimento econômico de 1,6% no ano passado e espera-se que ofereça apoio neste ano uma vez que os alemães se beneficiam de desemprego e inflação em baixa e salários em alta.
União Europeia
Reguladores da União Europeia planejam investigar o comércio eletrônico para remover barreiras contra o comércio transfronteiriço no bloco de 28 países, disse a Comissária de Competição Europeia, Margrethe Vestager, decisão que pode levar a ações contra companhias que deliberadamente bloqueiam vendas online. A chefe antitruste disse que decidiu lançar o inquérito que demorará um ano pois tais obstáculos estão impedindo avanço de venda virtual.
Segundo a Comissão Europeia, ao mesmo tempo em que um de cada dois consumidores da UE fizeram compras online no ano passado, apenas 15% compraram um produto virtual em outro país da UE devido a restrições, como o idioma, por exemplo./Reuters (DCI – 27/03/2015)

Las exportaciones cayeron otro 25%
Pronostican menos superávit de dólares.Fue en febrero. Las importaciones también bajaron un 25%. El saldo comercial fue de sólo US% 53 millones.
Tanto las exportaciones como las importaciones están en retroceso. En febrero, el país vendió bienes por US$ 4.064 millones, mientras que importó por US$ 4.011 millones. El saldo son US$ 53 millones. En el mismo mes del año pasado, el superávit fue de US$ 44 millones.
Las exportaciones retrocedieron un 25%, un 14% en cantidades y otro 12% en precios promedio. En febrero de 2014, el país había exportado por US$ 5.393 millones. Este año, la principal disminución fue en manufacturas industriales, cuyas ventas caen U$S 556 millones (-27%). También bajan manufacturas de origen agropecuario (-17%), combustibles y energía (-50%) y productos primarios (-22%), según detalla un análisis de la consultora abeceb.
Las importaciones tuvieron también una caída del 25%. En 2014, habían sido US$ 5.348 millones. La mayor contracción se da en el segmento de Combustibles y lubricantes (gasoil y gas natural), que se reducen un 63% en febrero. Hay retrocesos de 39% en autos.
Las exportaciones de enero y febrero alcanzaron los US$ 8.358 millones, un 21% menos que en el mismo período de 2014. Hubo menos ventas al Mercosur (-32%), Chile (-29%) y la Unión Europea (-27%). Las importaciones del primer bimestre del año totalizaron US$ 8.232 millones, 22% menos que en 2014. El saldo acumulado positivo es de US$ 126 millones.
El déficit comercial acumulado con Brasil durante el primer bimestre de 2015 es de US$ 151 millones. “Hay que resaltar su ritmo de crecimiento (66%), en el contexto de una fuerte depreciación nominal del real brasilero respecto del dólar, que al no poder ser amortiguada por la política monetaria-cambiaria local, hizo que el tipo de cambio real bilateral cayera a nuevos mínimos para el período post diciembre de 2001”, alerta un análisis de la consultora Ledesma.
Argentina se encamina hacia sus menores exportaciones desde 2009, con despachos por US$ 61.000 millones, según Ledesma, lo que representa una disminución del 15% anual. “Esperando que la caída de las importaciones compense (...) la proyección es de US$ 55.700 millones”, según ese trabajo. De esa forma, el saldo comercial sería de US$ 5.400 millones, un 22% menos que en 2014, cuando alcanzó los US$ 6.686 millones y ya era el superávit más bajo desde 2001 (fue de $ 6.289 millones). (Clarin – 26/03/2015)

Comércio com a África volta ao radar brasileiro
LISANDRA PARAGUASSU
Ministros farão visita a Angola e Moçambique; intenção é retomar relações comerciais com os países do continente
BRASÍLIA - O governo brasileiro começa, esta semana, uma ofensiva para retomar as relações com o continente africano. Amanhã, os ministros das Relações Exteriores, Mauro Vieira, e do Desenvolvimento, Indústria e Comércio, Armando Monteiro Neto, partem para uma primeira viagem a Angola e Moçambique, os dois países de língua portuguesa onde a presença brasileira é mais forte. Vieira ainda visita Gana e São Tomé e Príncipe.
A decisão de recolocar a África no radar brasileiro é o primeiro sinal de mudança na política externa nesse segundo mandato da presidente Dilma Rousseff. "É muito importante para o Brasil manter essa relação", disse Mauro Vieira ao Estado na sexta-feira, depois de oferecer um almoço a duas dezenas de embaixadores e diplomatas africanos no Palácio do Itamaraty. Ao fazer o discurso de recepção, o ministro fez questão de deixar claro o interesse brasileiro na região - mesmo que os recursos para cooperação técnica, uma das principais portas de entrada nos países africanos, tenham sido muito reduzidos.
"Ajustes conjunturais podem incidir momentaneamente sobre os meios de que dispomos, mas não alteram nossa noção de prioridades. A África foi, é e continuará a ser uma prioridade absoluta da política externa brasileira", afirmou.
Nesse primeiro périplo africano, o governo brasileiro quer chegar com força, para marcar novamente sua presença. Além de dois ministros, vão a Angola e Moçambique uma missão comercial, além de um grupo de técnicos do Ministério do Desenvolvimento e de diplomatas representando as áreas de cooperação e também promoção comercial.
Até agora, dois atos já estão acertados. Será com esses dois países que o Brasil irá assinar os primeiros Acordos de Proteção de Investimentos (APIs) importantes. O mecanismo, adotado por dezenas de países, foi deixado de lado pelo Brasil desde a década de 90, quando os acordos acertados pelo governo Fernando Henrique Cardoso foram considerados problemáticos por permitir que questões sobre o tema pudesse ser resolvidas na Justiça internacional. Os novos APIs preveem uma mesa de negociações para solução de controvérsia e podem dar mais garantia a investidores nos dois países.
O Brasil também vai tratar de cooperação, mas, dessa vez, o foco das visitas é mais comercial. A intenção é reabrir as portas às empresas brasileiras, e há espaço para isso. O embaixador da Nigéria no Brasil, Adamu Emozozo, concorda. "Somos um país de território não muito grande, mas quase com a população do Brasil, 170 milhões de pessoas. Na nossa região, somos um mercado de 400 milhões de habitantes. É uma enorme oportunidade para o Brasil", afirmou ao Estado durante almoço no Itamaraty. (O Estado de SP – 26/03/2015)

Redrado propõe ajuste amplo para Argentina
CAPA
Alex Ribeiro
Ex-presidente do Banco Central da Argentina, demitido pela presidente Cristina Kirchner, e hoje assessor de Sérgio Massa, umdos principais candidatos à eleição presidencial deste ano, o economista Martin Redrado defende um pacote de medidas nos cem primeiros dias de governo para recuperar a economia do país. As propostas passam por remover restrições cambiais, controlar a inflação, que beira 30% ao ano, renegociar a dívida externa com os fundos abutres e impedirqueo Tesouroseja financiado com aemissão de moeda.
Ele vê o Brasil como prioridade e defende a retirada de todas as restrições ao comércio bilateral e a ampliação dos acordos de livre comércio do Mercosul Redrado esteve em Brasília na segunda-feira com Alexandre Tombini, com quem discutiu um possível acordo de swap de moedas para dar fôlego para a Argentina normalizar o comércio com o Brasil. (Valor Econômico – 26/03/2015)

Redrado quer cem dias para mudar a economia argentina
ESPECIAL
Entrevista Entre as medidas:liberação do câmbio,veto ao BC financiar o governo e abertura comercial
Por Alex Ribeiro | De Brasília
Assessor de um dos principais candidatos nas eleições presidenciais de outubro na Argentina, o ex-presidente do Banco Central argentino Martín Redrado defende a execução de um pacote de medidas nos cem primeiros dias do novo governo para recuperar a economia do paísvizinho. Entre elas, derrubar as barreiras comerciais impostas a produtos brasileiros nos últimos anos.
Os desafios são imensos. Um dos principais é concluir a renegociação da dívida externa, chegando a um entendimento com os chamados "fundos abutres", que obtiveram decisões favoráveis em cortes de Nova York.
Alista de problemas mais urgentes inclui também extinguir os controles cambiais e o sistema de taxas múltiplas de câmbio, controlar uma inflação que caminha na casa dos 30% ao ano e conter a sangria de gastos públicos que obriga o Banco Central a emitir moedapara financiar o Tesouro. "Hoje, o governo pede dinheiro, e o banco central passa os cheques", diz Redrado.
O mercado tem esperanças de que o fim de mais de uma década de governo do casal Kirchner, em 10 de dezembro, quando assume o novo presidente, coloque a Argentina nos trilhos. Neste ano, a bolsa de valores local subiu cerca de 30%, o peso teve uma ligeira valorização no mercado paralelo e os títulos da dívida argentina chegaram a ser negociados acima do valor de face.
Redrado é assessor econômico do deputado Sergio Massa, que já foi da equipe de Cristina Kirchner e é umdos três pré-candidatos queaparecem mais à frente nas pesquisas eleitorais. O gradualismo, que contempla executar um plano em cem dias, é uma das principais diferençasem relação às propostas do chefe do governo da cidade de Buenos Aires, Mauricio Macri, pré-candidato que acena com a derrubada dos controles cambiais no primeiro dia de trabalho. "Esse é um trem que vai a 200 quilômetros por hora, e não se pode parar em 100 metros", diz Redrado. O pré-candidato mais alinhado com a presidente é Daniel Scioli, governador da Província de Buenos Aires.
Redrado é um dos pais da política de superávits gêmeos - fiscal e comercial -, que contribuiu para acelerar o crescimento da Argentina, mas foi removido durante seu mandato na presidência do BC pela presidente Cristina Kirchner porque resistiu ao avanço do governo sobre as reservas internacionais.
Ele esteve em Brasília na segunda-feira para conversar com o presidente do Banco Central, Alexandre Tombini, e o ministro das Relações Exteriores, Mauro Vieira. Entre os assuntos discutidos, está a criação de uma linha de swap das moedas dos dois países que daria fôlego financeiro para a Argentina remover mais depressa as restrições comerciais impostas ao Brasil.
Ao fim dessa agenda, ele recebeu o Valor para uma entrevista, cujos principais trechos estão publicados abaixo.
-Valor: Por que o peso e as ações das empresas argentinas estão subindo?
Redrado: A valorização é produto da expectativa de mudança de governo. Recentemente, um jornalista do "Financial Times", Joseph Cotterill, escreveu uma mensagem no Twitter dizendo que os títulos da dívida argentina estavam sendo negociados acima do valor de face. A presidente Cristina Kirchner chegou a comemorar essa mensagem num discurso. O jornalista respondeu na hora, também no Twitter, que os títulos tinham se valorizado não por causa das políticas adotadas pelo governo, mas porque o governo atual vai embora em breve.
-Valor: Há muito espaço para os ativos subirem?
Redrado: Ospreços das empresas argentinas, quando comparadas com países da região - não com o Brasil, que tem uma dimensão diferente - estão subvalorizados.
Empresas de diferentes setores, como bancário, energia, têxtil, com as mesmas dimensões, valem o dobro ou o triplo em Lima ou Bogotá do que são cotadas em Buenos Aires. Pelomenos duas vezes por semana recebemos visitas de administradores de carteiras de investimentos que querem saber o que vai acontecer no próximo governo, que vai tomar posse em 10 de dezembro.
-Valor: Então é mais expectativa de mudança do que uma mudança efetiva?
Redrado: O que o governo até agora se propõe a fazer é empurrar os problemas para diante, não resolver os desequilíbrios da economia argentina e deixar que o próximo governo arrume. Enquanto isso, a Argentina cresce pouco. No ano passado, houve uma queda que nossa equipe da Fundación Capital calcula em algo como 2%ou 3%. Neste ano, é muito que provável que a economia fique estável. A queda do PIB do no passado foi influenciada pela queda de cerca de 6% do salário real, porque o reajuste salarial da ordem de 32% foi inferior à inflação, de 38%.
-Valor: A expectativa é que qualquer um dos principais candidatos na disputa será melhor que o governo atual?
Redrado: Sim, háuma percepção de mudança. Isso às vezes é bom, mas também pode ser ruim, porque quando as expectativas são altas, há que cumpri-las.
Tudo isso põe um grande peso ao próximo governo.
Não entramos ainda no período eleitoral, e os candidatos ainda não fizeram muitas propostas sobre o que pretende fazer se eleito.
-Valor: O sr. tem alguma proposta formulada?
Redrado: Tenho, sim, muito claro o que é preciso fazer para satisfazer essas expectativas. Temos que fazer um pacote de medidas no dia 10 de dezembro, quando começa o próximo governo. Em particular, a Argentina tem que unificar suas taxas de câmbio, tem que ter um câmbio do tipo flutuante. No curto prazo, será preciso atrair dólares que hoje estão disponíveis para a economia argentina.
-Valor: De que origem?
Redrado: Primeiro, os dólares do setor agroindustrial.
Temos retenções de impostos nas exportações que são claramente distorsivas, em particular sobre muitos produtos de economias regionais.
Estou me referindo não ao tradicional produto que é a soja, que mais produz efeitos na arrecadação fiscal, mas a outros produtos, como o trigo, o milho, frutas cítricas, uva, arroz, carne. Esses produtos têm retenções de impostos que, na minha opinião, teria que baixar a zero. Isso não tem custo fiscal porque hoje esses produtos não estão sendo exportados.
São produto das distorções cambiais, de aumento de custos, e fazem com que muitas economias regionais ou provinciais tenham dificuldades. A Argentina tem que fazer também uma forte aposta para gerar incentivos a investimentos.
-Valor: Como?
Redrado: Em todos esses anos se fomentou o consumo, mas não se gerou condições para os investimentos.
Portanto, propomos baixar os impostos dos lucros para que essas empresas reinvistam os recursos.
Em segundo lugar, há uma oportunidade importante no setor energético. Esse é um ponto que conversamos muito com o chanceler Vieira, incluindo certas obras de infraestrutura para interconectar a rede elétrica de distribuição entre o Brasil e a Argentina. Para isso, é preciso fazer um marco legal para os investimentos no setor na Argentina que dê estabilidade e previsibilidade.
-Valor: Por que o sr. se opõe à ideia do pré-candidato adversário Mauricio Macri de dar um tratamento de choque aos controles cambiais, eliminando-os no primeiro dia de governo?
Redrado: Seria um ajuste muito drástico na economia, e representaria uma maxidesvalorização. Isso traz efeitos muito nocivos, em particular sobre salários, de perda de poder aquisitivo. Eesse é um ajuste que a Argentina hoje não precisa, se você for capaz de, nos primeiros meses de governo, trazer dólares para a economia. Parte deles são os dólares que estão no campo, que estão guardados em silos. Se calcula que há US$4 bilhões ou US$5 bilhões que estão guardados.
Se chama "silo bolsa", uma invenção argentino que permite guardar muitos grãos, esperando melhores condições.
-Valor:A ideia então é atacar as mazelas econômicas a partir do primeiro dia, mas sem choques?
Redrado: Sim. Será preciso uma nova agência de estatísticas, com credibilidade internacional. E um programa macroeconômico que baixe a inflação de 30% para 20% no primeiro ano, de 20% para 10% no segundo ano e a um dígito no terceiro ano. E é um trem que vai a 200 quilômetros por hora e não se pode parar em 100 metros. A chave é, sim, atrair esses dólares que hoje a Argentina deixou lá fora. Mas nós também estamos propondo uma transição de cem dias. O que Mauricio Macri propôs é, em 11 de dezembro, levantar os controles cambiais. Parece mais algo típico de políticos em campanha que fazem muitas promessas.
-Valor: Sua passagem no BC foi marcada pelo superávits gêmeos, fiscal e comercial. O objetivo seria a volta desse período?
Redrado: Muitos dizem que a Argentina teve uma década ganha com Kirchner, e outros dizem que foi uma década perdida. Eudigo que foiuma década partida.
A primeira parte dessa década teve superávits gêmeos, comercial e fiscal. Uma taxa de câmbio flutuante, competitiva, um banco central que acumulava reservas e era muito solvente para poder navegar em momentos difíceis. E teve outra parte da década em que gastaram tudo, as reservas do banco central, os superávits. Semdúvida são objetivos a retomar.
-Valor: Como retomar o crescimento da economia?
Redrado: O governo tem privilegiado muito o consumo, e isso vamos manter. Mas, como se sabe, para que uma economia cresça tem que crescer o consumo, o investimento e crescer também o setor externo.
O que precisamos é reequilibrar a economia.
Não cair de taxas chinesas, de mais de 8%, para me
nos 2%. Mas, sim, estabilizar em uns 4%, 4,5% de crescimento de 2017 adiante.
-Valor: A sua demissão antes do fim do mandato arranhou a credibilidade do BC. Como recuperá-la?
Redrado: Quando se perde a credibilidade, tem que trabalhar o dia a dia para retomá-la. Uma das maneiras de regenerar a credibilidade no banco central é uma nova lei, uma nova carta orgânica, que teria que ser parte do pacote de medidas que faça qualquer presidente que assumir em 10 de dezembro. Deveria limitar o financiamento ao setor público, que tem sido grosseiro. Acabar com o que chamo de "talão de cheques".
Hoje, o governo pede dinheiro, e o banco central passa os cheques para financiar o déficit público.
Hoje, por exemplo, o gasto público está crescendo cerca de 45%, e a arrecadação está crescendo a 31%. Essa diferença de 14 pontos está sendo financiada com emissão monetária, e isso sem dúvida é o que está gerando é maior pressão inflacionária.
-Valor: Como fazer um ajuste fiscal tão grande?
Redrado: Tem havida uma farra em termos de emprego público, em muitos empregos políticos. Muito da estrutura política do atual governo está se financiando através de muita gente que, sem ter capacidade,
ingressou no setor público. Às vezes, que nem querem trabalhar. Tem uma expressão na Argentina que diz que "esse empregado é um nhoque".
Por que se chama nhoque? Porque no dia 29 de cada mês, no dia do nhoque da sorte, o empregado vai à repartição pública para cobrar, e depois não aparece no resto do mês.
-Valor: O que mais deve ser feito na área fiscal?
Redrado: Tem que redirecionar os subsídios para a demanda. Hoje, em muitos casos a Argentina subsidia a oferta. Por exemplo, transporte. Dão subsídios às empresas de transporte por cada ônibus que elas têm, não pela quantidade de passageiros. Nossa resposta é que não se deve financiar as empresas, mas sim a quem realmente necessita. Com uma inflação medida corretamente, a Argentina tem, infelizmente, 10 milhões de pessoas abaixo da linha de pobreza.
-Valor: O ajuste fiscal seria feito ao longo dos anos?
Redrado: Sim, um programa com metas para chegar a um equilíbrio orçamentário em quatro anos de governo.
-Valor: Ecomo superar o impasse da renegociação da dívida externa?
Redrado: Creio que há condições para chegar a um acordo que seja satisfatório, que evidentemente não cumpra com 100% das expectativas dos credores.
Também que não se dirija só a quem ganhou na Justiça de Nova York. Mas, sim, tem que resolver o total de 7% da dívida que não está reestruturada. A próxima equipe econômica terá que, no seu pacote de medidas, sentar-se com o juiz e, nos primeiros dias do próximo governo, negociar de boa fé, com firmeza.
Creio que o juiz em Nova York também está fatigado com o tema Argentina. Me parece também que com uma proposta razoável, assim como a Argentina, os fundos abutres também querem terminar com o problema. A chave da negociação é a boa fé, que lamentavelmente não tem ocorrido. O governo tem tido mais uma visão política do tema do queuma visão técnica e profissional.
-Valor: A desvalorização recente do real atrapalha a Argentina?
Redrado: Sem dúvida põe em evidência as inconsistências da política cambial argentina. A Argentina desvalorizou a taxa de câmbio sem plano em 2014 em quase25%. É o contráriodo quefez o Brasil, que se moveu com um plano, que não vou avaliar, mas que é um plano integral. A Argentina foi desvalorizar sem plano, e o que levou é que a inflação terminou comendo em oito meses as vantagens que poderia dar a desvalorização.
-Valor: O Mercosul será prioridade num novo governo ou a Argentina se voltará aos Estados Unidos, como nos anos 1990?
Redrado: A relação com o Brasil é principal, estratégica.
Obviamente, isso não quer dizer que é só o Brasil, mas claramente há prioridade. Vejo com agrado como o Brasil fez uma política de maior intercâmbio e integração com a África. Por que a Argentina não poderia utilizar as embaixadas que o Brasil tem na África, com funcionários de sua Chancelaria, e trabalhar juntos os produtos quepossam comercializar com os países africanos? Temos que voltar para a tradição de política exterior de multilateralismo.
A Argentina tem falado mais nesses últimos anos decom a Venezuela e o Irã do que com o Brasil. Se alguém fizer uma pesquisa de opinião hoje na Argentina, 80% das pessoas vão dizer que querem mais relação com o Brasil.
-Valor: O novo governo poderá ajudar a destravar acordos comerciais do Mercosul?
Redrado: A Argentina não está negociando acordos comerciais com ninguém. Quando eu era vice-chanceler, num momento tinhamos, com o Mercosul, como o Brasil, sete negociações abertas.
Uma das mudanças que teremos que dar no Mercosul é que se possa negociar acordos comerciais de maneira muito mais ativa do que fizemos nos últimos anos
-Valor: E o que é preciso fazer para recuperar os níveis de comércio entre o Brasil e a Argentina?
Redrado: Assim como eu dizia que nos primeiros cem dias de governo será preciso eliminar as restrições cambiais, nos primeiros cem dias de governo também será preciso eliminar as restrições comerciais com o Brasil. Há um número que me chama a atenção. No ano passado, as importações da Argentina caíram US$ 6,6 bilhões. As importações feitas pela Argentina do Brasil caíram US$ 5,6 bilhões.
Só a queda que teve as exportações do Brasil explica 84% da queda total das importações argentinas.
Creio que houve um tratamento injusto. Se esse é realmente um sócio estratégico, teremos que tratá-lo como se fosse um sócio estratégico.
-Valor: E como fazer isso?
Redrado: É preciso limpar a mesa das relações comerciais.
Gostaria de avançar no swap de moedas que permita ter reais e pesos para pagar o comércio bilateral. E liberar as declarações juradas de importações [um sistema que exige autorização prévia para empresas importarem], para que a Argentina não coloque ao Brasil esse tipo de restrições.
-Valor: O que seria o swap?
Redrado: Um depósito no Banco Central do Brasil em reais do Banco Central da Argentina, que possa ser usado para fazer o pagamento de importações da Argentina. E a mesma coisa do lado argentino, um depósito no banco central argentino que poderia ser sacado para pagar as importações do Brasil. Os dois países se dariam crédito de um montante específico por ano. Trabalharia de forma complementar o sistema de moedas locais. Nesse sistema, você não tem financiamento no comércio bilateral.
Continuação: Redrado quer cem dias para mudar a economia argentina "Será preciso um programa macroeconômico que baixe a inflação de 30% para 20% no primeiro ano [do novo governo]" "Se fizerem uma pesquisa na Argentina, 80% das pessoas vão dizer que querem mais relação com o Brasil" (Valor Econômico – 26/03/2015)

Exportação e setores de energia e água são alternativas
EMPRESAS
Na contramão do cenário geral da indústria de base, a Grundfos, fornecedora de sistemas de bombeamento, teve aumento de 7% na receita em 2014, para R$ 118 milhões. A companhia tem sido beneficiada por um aumento de demanda nos últimos meses decorrente da busca de fontes alternativas de água e necessidade de indústrias de conter as perdas na rede. A companhia espera um crescimento da ordem de 8% neste ano.
Deacordo com Marcelo Pustinilc, gerente da filial do Rio de Janeiro, de novembro a fevereiro houve um aumento de demanda entre1 5% e 20%. Empresas de saneamento, órgãos estaduais e outras indústrias, segundo ele, já vinham se movimentando para lidar com os possíveis efeitos da falta de água. "A expectativa é que esse movimento continue".
Em um cenário adverso para a indústria nacional e consequentemente para seus fornecedores, algumas companhias de médio e pequeno porte conseguiram encontrar oportunidades na crise hídrica e energética que se instalou no país. O dólar também tem ajudado a compensar parte das pressões do mercado interno.
As multinacionais, além de aproveitar as janelas de oportunidade das crises, mantiveram a trajetória de crescimento expandindo a atuação no mercado externo.
O diretor de marketing da fabricante de geradores de energia da SDMO-Maquigeral, Francisco Gil, estima crescimento do segmento este ano, mesmo com cenário recessivo da indústria. "Se o cenário for melhor, o nosso setor deve crescer muito mais do que 10% ou 15% por conta da insegurança com o setor energético, por custo e qualidade", afirmou.
A fabricante começou a perceber aumento na demanda por geradores no segundo semestre do ano passado, embora não divulgue em números. Gil estima começar 2015 com aumento na tarifa de energia na casa dos 20% a 30%. Para ele, isso pode ajudar a alavancar as vendas, já queaindústria buscafontesalternativas para atender a produção nos horários de pico.
Para a BMC-Hyundai, uma cotação do dólar superior a R$ 3 deve ajudar no movimento de aumento de exportações, como forma de compensar um mercado brasileiro desaquecido. Isso não significa que o produto já esteja mais competitivo lá fora, já que, segundo Felipe Cavalieri, presidente da empresa, é a diferença de preço de logística, que ainda é muito cara para o exportador brasileiro, que deixa os produtos nacionais em desvantagem, mas o câmbio facilita o movimento. A BMC espera exportar 30% da produção deste ano. A ideia inicial era atingir esse patamar apenas em 2017, mas, com a desaceleração do mercado interno, a curva foi antecipada.
No mesmo caminho, a Ciber já aumentou a participação no mercado externo. Dos produtos comercializados pela empresa, 20% são fabricados aqui e 80% são importados, mas, neste último caso, a importação é de máquinas europeias. Os custos, portanto, são em euros. Do que é fabricado no Brasil, até o ano passado, 70%era vendido no mercadointerno e 30%, no exterior. Nos três meses deste ano, segundo o presidentedacompanhia, Luiz Marcelo Tegon, a situação já deve se inverter. A empresa também começa a ver vantagem sobre os competidores estrangeiros que têm custos na moeda americana. As maiores companhias do setor,WEG e Romi, conseguiram crescer em 2014 com foco em energia e expansão no exterior, e essa continua sendo a aposta das multinacionais para 2015.
O lucro líquido da WEG subiu 13,2% no ano passado, para R$ 954,7 milhões, crescimento atribuído, entre outros fatores, ao segmento de energia. A participação dos investimentos no exterior também teve aumento significativo no ano passado. O presidente da companhia, Harry Schmelzer Junior, disse ao Valor, em fevereiro, que a companhia espera estar entre os fornecedores dos projetos de energia leiloados no ano passado, como os de geração por fonte eólica, e pretende expandir o peso do mercado externo nos seus negócios para até 60% em cinco anos.
No caso da Romi, o lucro líquido praticamente quadruplicou e ficou em R$ 7,7 milhões. A participação do mercadoexterno nas receitas subiu para 31%, contra 26% no ano anterior. A expectativa é que 2015 seja um ano desafiador, mas com oportunidades a serem aproveitadas. Segundo o presidente da companhia, Livaldo Aguiar dos Santos, "a estruturação que estamos fazendo lá fora é o que pode compensar esse cenário". A Romi espera que o dólar mais valorizado ajude não apenas a exportação, mas permita a nacionalização de algumas peças antes importadas. (Valor Econômico – 25/03/2015)

EUA são aposta brasileira para aumentar exportações em 2015
DE SÃO PAULO
O aumento da venda de aviões e de máquinas de terraplanagem, entre outros bens manufaturados, garantiu a maior participação brasileira no mercado americano em 2014.
O avanço ocorreu no momento em que os EUA, após a crise internacional, voltam a despontar como motor da economia global, diante de uma China em desaceleração. Por isso, estreitar relações com o país virou prioridade para o governo neste ano.
O quadro contrasta, por exemplo, com o avanço da fatia brasileira na Rússia no ano passado, que ocorreu por um fator pontual.
Em resposta a sanções internacionais que lhe foram aplicadas por causa da crise política com a Ucrânia, a Rússia bloqueou a compra de produtos agrícolas da Europa, dos EUA, do Canadá, da Noruega e da Austrália, abrindo espaço ao Brasil.
Diante disso, o Mdic (Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior) anunciou a assinatura de um memorando de facilitação de comércio com os EUA, com vistas a um acordo de harmonização de normas.
Segundo interlocutores da pasta, a determinação é focar em acertos "possíveis" num momento em que o Brasil não tem perspectiva de fechar acordos comerciais ambiciosos.
As conversas para a criação de uma área de livre comércio com a União Europeia patinam. A troca de ofertas prevista para dezembro de 2013 foi adiada e nunca remarcada.
Empresários cobram novas frentes de negociação e uma atitude comercial mais agressiva do governo.
Desde 2010, quando assinou um tratado com Israel por meio do Mercosul, o Brasil não firma novos acordos. O acerto com a Índia proposto em 2009 até hoje não deslanchou.
O Brasil só aumentou a participação no mercado indiano em 2014 porque as vendas de petróleo e açúcar, que não fazem parte do acordo comercial, dispararam. (Folha de SP – 25/03/2015)

Brasil perde participação em 4 dos 5 maiores destinos de exportação
ÁLVARO FAGUNDES
EDITOR-ADJUNTO DE "MERCADO"
RENATA AGOSTINI
O governo Dilma Rousseff aponta a crise global como culpada pelo mau momento da economia e do comércio externo brasileiros, porém os números mostram que a culpa não está só no exterior.
No ano passado, as exportações brasileiras (que acumulam três anos de queda) perderam espaço em 4 de seus 5 principais mercados em relação 2013.
Ou seja, o Brasil vem ficando para trás onde mais interessa. O levantamento considera os dados dos países parceiros, permitindo verificar o desempenho do país ante os rivais internacionais.
No grupo dos cinco maiores mercados, responsável por quase 60% do que o Brasil exportou em 2014, houve perda de participação na União Europeia, na China, na Argentina e no Japão. Somente nos EUA ocorreu aumento da fatia.
Em discurso em rede nacional, no início do mês, Dilma citou a crise global entre os principais motivos para as dificuldades econômicas vividas pelo país, que pode entrar em recessão em 2015.
Os números mostram, no entanto, que outros países têm aproveitado o momento para roubar espaço do Brasil em mercados estratégicos.
FALTA DE ESTRATÉGIA
O caso mais drástico é o da Argentina, onde a fatia brasileira encolheu quatro pontos percentuais no ano passado.
A crise econômica no país vizinho vem forçando-o a reduzir importações. Mas, enquanto as compras de produtos brasileiros tiveram queda de 25% em 2014, as de bens chineses caíram somente 5% e as do bloco Nafta, que reúne Estados Unidos, Canadá e México, subiram 4%.
A China é quem mais avança sobre a histórica vantagem brasileira no mercado argentino – em 2005, os brasileiros chegaram a deter 36% das importações. Além de preço baixo, os chineses vêm oferecendo generosas linhas de crédito ao governo Kirchner.
"Em troca de financiamento, a Argentina concedeu às empresas chinesas acesso ao mercado doméstico e a negócios em áreas estratégicas ligadas à infraestrutura, energia e agropecuária", afirmou Octavio de Barros, economista-chefe do Bradesco em relatório para investidores.
Na União Europeia, cujos 28 países representam o principal mercado brasileiro, as importações ficaram estáveis em 2014 a despeito da crise. As compras de bens brasileiros, porém, caíram 8% até novembro. No mesmo período, China, Turquia, Coreia do Sul e EUA aumentaram as vendas.
O resultado foi uma queda de 0,1 ponto percentual na fatia brasileira. A redução pode parecer pequena, mas no mercado europeu cada ponto percentual significa € 15 bilhões em vendas.
"A Europa é fechada para alguns produtos, onde impõe barreiras técnicas. Ensaia-se há anos um acordo, mas a Argentina não deixa passar e o Brasil não faz pressão. O país se comprometeu demais com o Mercosul. Abraçou um mercado que afundou", diz Bruno Lavieri, economista da consultoria Tendências.
A queda no preço de produtos básicos prejudicou o desempenho brasileiro na China, maior comprador de soja e minério de ferro do país.
Mas enquanto as vendas brasileiras caíram, as compras chinesas seguiram com leve alta. Com portfólio de produtos mais amplo, Estados Unidos, Rússia e União Europeia aumentaram a participação, por exemplo.
A indústria brasileira vem sofrendo com a queda de competitividade, diante de altos custos de fabricação. Em 2014, as vendas de manufaturados representaram 36% das exportações, a menor participação em pelo menos duas décadas. (Folha de São Paulo – 25/03/2015)

Efeito Orloff ao contrário no Brasil
Antes da implementação de planos semelhantes aos da Argentina, os brasileiros deveriam ter se olhado no espelho do nosso país
Dante de Sica
Um pouco de história. No começo da crise da dívida latino-americana, no início dos anos 80, o Brasil passou, praticamente sem solução de continuidade, da posição de país de maior crescimento da América Latina, para uma situação de crise que o situa, assim como ao nosso país, à beira de uma hiperinflação com recessão. No princípio, o Brasil reagiu negando a crise. Era difícil conceber que o Brasil tivesse problemas para crescer, e isso contribuiu para atrasar as reformas. Por outro lado, o nosso país estava mais acostumado aos trancos constantes e havia passado por uma crise importante em 1975. Seguiram-se o Plano Austral e o Cruzado, ambos sem sucesso. Com a introdução da conversibilidade e do Plano Real, nenhum dos dois países deixou de experimentar instabilidade macroeconômica após o êxito inicial, embora os problemas da Argentina fossem muito mais profundos do que os do Brasil, que nunca sofreu algo semelhante à nossa crise de 2001-02.
Como a Argentina se adiantou ao Brasil, tanto na introdução de planos quanto nos graves desajustes sofridos em etapas posteriores, tornou-se popular, pelo menos entre os economistas de ambos os países, falar do "efeito Orloff'. Esse efeito fazia referência à propaganda de uma marca de vodka. Em essência, a mensagem do anúncio era que, para evitar a ressaca do dia seguinte, era preciso tomar vodka de qualidade no dia anterior. Para que esse ponto ficasse claro, o suposto consumidor da vodka melhor do anúncio, olhava-se no espelho e via como ficaria no dia seguinte. A metáfora referia-se ao fato de que, antes da implementação de planos semelhantes aos da Argentina, os brasileiros deveriam ter se olhado no espelho do nosso país. Evidentemente, a imagem diz bastante do grau de instabilidade da macro nas geografias daquela época.
O presente, desequilíbrios paralelos
Passadas as experiências estabilizadoras dos anos 80 e 90, embora hoje os desequilíbrios macroeconômico sejam de menor porte, a Argentina e o Brasil enfrentam novamente sérios desequilíbrios tanto fiscais quanto na frente externa, que exigem medidas que nenhum governo desejaria ter de implementar.
1. Inflação - Em ambos os países a inflação é um problema sério. Evidentemente, na Argentina é muito mais grave porque a taxa inflacionária, como mínimo, é quatro vezes mais elevada do que a brasileira. Mas além disso, nos dois casos, o grau de liberdade para atacar a inflação é reduzido porque esta vem acompanhada por recessão e por uma forte erosão da competitividade. Em ambos os países, os custos internos há anos vêm subindo sistematicamente, e os efeitos desse desequilíbrio aumentaram de maneira extraordinária por causa da valorização do dólar e da queda dos preços das commodities.
2. Conta corrente - No Brasil, o déficit de conta corrente supera os 4% do Produto Interno Bruto (PIB) e na Argentina se aproxima de 2%. O que é perigoso, no caso dos nossos vizinhos, porque os capitais estão se retirando dos países emergentes e estes correm o perigo de perder o grau de investimento. Na Argentina, o déficit é menor, mas é perigoso porque ela não tem acesso ao financiamento de mercado.
O dilema entre competitividade e inflação
A atual direção da economia brasileira optou por promover a competitividade. E o fez mesmo sabendo que a inflação sofreria uma aceleração. O dólar está acima de R$ 3, o que não ocorria mais ou menos desde o início do governo Lula. Embora os juros tenham sido corrigidos para cima, o Banco Central não pode recorrer a aumentos maiores dos juros para deter a inflação sem correr o risco de agravar a recessão.
A Argentina enfrenta o mesmo dilema: controlar a inflação ou defender a competitividade. Por enquanto, ela nega o problema da competitividade. Isso não significa que tenha lançado um plano anti-inflacionário coerente. Essa estratégia não pode durar para sempre em um mundo em que a moeda brasileira se desvaloriza e o dólar se valoriza.
3. Déficit Fiscal - O déficit fiscal é um problema em ambos os países. No caso do Brasil, é fundamental aumentar o superávit primário de forma a poder fazer frente a uma parte do enorme montante dos juros gerados por uma dívida que supera 50% do PIB. Na Argentina, o montante é menos elevado e a dívida também é menor. Mas essa vantagem é contrabalançada por um gasto com os subsídios da energia e dos transportes absolutamente irracional. Como no Brasil o déficit é financiado pelo endividamento de mercado. Deixar de elevar o superávit primário implica em endividar-se cada vez mais para pagar os juros dos juros. Na Argentina, não reduzir o déficit pressupõe alimentar a inflação com o financiamento monetário do déficit, cobrar um imposto inflacionário crescente e agravar a defasagem cambial. Nessas condições, dificilmente a recessão se reverterá.
O Brasil já deu os primeiros passos para aumentar o superávit primário. O ministro Levy propõe levá-lo a 1,2% do PIB. Com esse objetivo, aumentou as tarifas de energia e os impostos. Mas suas intenções esbarram em graves obstáculos para se materializarem no Congresso. A Argentina, por sua vez, até agora não deu mostras de ter pressa de recompor o desajuste orçamentário.
Ambos os países padecem da pressão tributária mais elevada da América Latina, mas estão enfrentando o racionamento energético e problemas de infraestrutura. Os tributos subiram, mas os investimentos públicos estão longe de atender ao mínimo necessário para sustentar o crescimento. Em ambos, a contrapartida do forte aumento dos gastos na época de vacas gordas foi o aumento dos gastos sociais que permitiu a melhoria da distribuição da renda, mas pouco afetaram os elementos determinantes mais profundos da exclusão social. Particularmente, a exclusão resistiu a uma redução porque os setores mais dinâmicos mostraram pouca capacidade de gerar empregos de qualidade.
Isso não surpreende: ambos os países registram taxas de investimentos que tendem a se localizar abaixo dos 20% do PIB. Além do que, a corrupção e a falta de transparência não ajudaram absolutamente. Num país como o Brasil, com uma taxa de investimento baixíssima, a Petrobrás responde por 10% do total dos investimentos do País e, neste momento, está sendo submetida a investigações para explicar como o dinheiro foi gasto.
Nesse contexto, nem Argentina nem Brasil mostrou ainda qual é sua estratégia para aumentar os investimentos, condição sine qua non para a criação de emprego e uma inclusão sustentável.
Em suma, no curto prazo, o Brasil estaria adiantado em relação à Argentina no combate aos problemas mais agudos: a debilidade competitiva e o desequilíbrio fiscal. Nesse sentido, o efeito Orloff parece estar funcionando ao contrário. Talvez a explicação da dianteira do Brasil esteja na política e não na economia: no Brasil, a mudança de governo se deu mais ou menos um ano antes que no nosso país.
Até agora, os panelaços, os graves escândalos de corrupção na Petrobrás e a baixa popularidade de Dilma poucos meses depois da posse, sugerem que a vodka que o nosso sócio do Mercosul está tomando, não é da marca Orloff. Os candidatos argentinos com possibilidades de ganhar deveriam olhar nesse espelho e planejar cuidadosamente quais serão suas estratégias para atacar os desequilíbrios.
Dica: sem investimentos e sem criação de empregos haverá ressaca.
Dica adicional: sem transparência republicana, também. / Tradução de Anna Capovilla
* É diretor da consultoria Abeceb.com e foi secretário de indústria e mineração da Argentina (O Estado de SP – 25/03/2015)

Los cinco mercados que complican a las exportaciones uruguayas
La Unión Europea, Brasil, Argentina, Venezuela y Rusia, algunos de los principales socios de Uruguay transitan por diferentes zonas de riesgo que afectan el relacionamiento comercial.
Mercados relevantes para los productos locales atraviesan dificultades. Foto: Ariel Colmegna
Maximiliano Montauttimar
En ese escenario, caen las exportaciones hacia esos destinos y las perspectivas de las empresas uruguayas no son positivas.
Brasil es el principal comprador de bienes uruguayos. Pero el país se encuentra abocado a un plan de ajuste para sanear sus cuentas públicas y su previsión de crecimiento económico es exigua.
Las ventas hacia Brasil bajan 12,5% en dos meses y ya en 2014 cayeron 7,8% frente a 2013. Algunos productos que mostraron caídas significativas de sus ventas en la comparación interanual fueron leche y nata (crema) sin concentrar con una baja de 84,5%, calzado con suela de caucho, plástico, cuero natural con 76,4%, trajes (ambos, ternos), conjuntos chaquetas (sacos) con 72,1% o pescado fresco o refrigerado, excepto los filetes con una caída de 49,1%, según datos aportados a El País por el Instituto Uruguay XXI.
La situación de Brasil es preocupante para los exportadores. El presidente de la Unión de Exportadores (UEU), Álvaro Queijo dijo a El País que "es un mercado que no está creciendo y por lo tanto no va a demandar mucho. Además, hemos perdido mucha competitividad en los últimos meses con Brasil".
Venezuela era el quinto socio comercial de Uruguay. La crisis venezolana ya dejó de ser económica; es política y hasta social y el desplome del precio de su petróleo complicó aún más un escenario complejo. Además, los exportadores uruguayos tuvieron dificultades para cobrar sus ventas hacia el país caribeño.
Las exportaciones a Venezuela caen 77% en dos meses, y habían bajado 9,1% entre 2014 y 2013. Con esto pasó de ser el 5° destino al 14° en lo que va del año. Algunos artículos más afectados fueron los instrumentos y aparatos de medicina, cirugía, odontología y veterinaria con un descenso de 83,1%, partes y accesorios para vehículos con 73,4%, el arroz con 72,5% y los productos textiles acolchados en pieza con una caída de 62%.
En el caso de Venezuela, Queijo señaló las dificultades existentes al momento de cobrar las exportaciones, algo que parece difícil que pueda cambiar en el mediano plazo.
Argentina es el sexto comprador de mercadería local. Desde hace varios años aplica una política proteccionista que afecta a los importadores que además tienen restringido el acceso a dólares.
Con Argentina el escenario complejo se arrastra desde hace varios años. En dos meses del año, las exportaciones retroceden 3,9%, en 2014 las ventas cayeron 15,6%.
Parte de los productos afectados fueron los abrigos, chaquetones, capas, anoraks con una baja de 82,1%, las cajas, sacos (bolsas) y demás envases de papel con 78,3%, los automóviles para turismo y demás vehículos automóviles con 65,7% y las placas, láminas, hojas de plástico, incluso en rollos con una caída de 53,7%.
Sobre Argentina, Queijo expresó que la situación permanece incambiada, con problemas en las autorizaciones de las importaciones, inconvenientes con los pagos y demás trabas burocráticas que afectan el relacionamiento comercial.
Europa.
Hace meses, la zona euro era observada como uno de los principales riesgos para la economía mundial. Ahora, la caída del precio del crudo y la depreciación del euro son dos elementos que se suman a la recesión en la que transita el bloque europeo.
Las ventas hacia la Unión Europea (UE) mostraron un descenso de 5,4% entre 2014 y 2013. Hubo retracción en las ventas de cueros preparados, después del curtido y cueros, pieles apergaminados, de ovino, depilados, incluso divididos con caída de 85,3%, habas (porotos, frijoles, fréjoles) de soja, incluso quebrantadas con 58,6%, y maíz con 44,3%.
Queijo sostuvo que la situación en la UE es muy difícil por cómo se ha comportado el tipo de cambio en los últimos meses y también por su recesión interna.
"No hay allí ninguna perspectiva de cambio, porque la recesión en la comunidad se va a mantener seguramente. Después, la situación del tipo de cambio es de esperar que se atenúe un poco, pero no parece ser ahora una prioridad para las autoridades del bloque", expresó el presidente de los exportadores.
Por último, Rusia, el noveno socio comercial de Uruguay ha visto como en 2014 su moneda (el rublo) se desplomó frente al dólar. En los dos primeros meses de 2015, las ventas hacia ese destino cayeron 31,7%, aunque hubo un aumento de 5,5% en la comparación entre 2014 y 2013.
Igualmente, en la comparación de cierre de año hubo una caída de 94,5% en las ventas de arroz, leche y nata (crema) concentrada o con adición de azúcar de 60,5% y de carne de animales de la especie bovina, congelada de 23,1%.
Sobre Rusia, Queijo opinó que se observa una situación similar a la de la UE, aunque agravada, ya que la caída del rublo fue muy marcada y mayor a la que registró el euro frente al dólar.
"En Rusia para este año se espera una fuerte baja del Producto Interno Bruto (PIB). Esperemos que se pueda recuperar antes, pero las perspectivas para el mediano plazo no son buenas", dijo.
Mayor inserción internacional.
El ministro de Economía, Danilo Astori, señaló la semana pasada que Uruguay debe continuar consolidando su inserción internacional. Sostuvo que el Mercosur pasa por un mal momento ("el peor desde que se creó", dijo), pero descartó la posibilidad de que Uruguay se aleje del bloque. "Lo que el Mercosur está necesitando es (firmar) un gran acuerdo fuera del Mercosur", dijo Astori y añadió que ese hecho le permitiría al bloque encauzar sus problemas de integración. "Por eso hablamos de regionalismo abierto; nuestro horizonte no debe ser la región solamente sino el mundo en su conjunto", indicó el jerarca. Por último, señaló que ese gran acuerdo comercial que se visualiza más cercano en el tiempo es entre el Mercosur y la Unión Europea (UE).
CINCO MERCADOS RELEVANTES PARA URUGUAY Y SUS PROBLEMAS.
Argentina.
Medidas proteccionistas para fortalecer la industria complicaron a los importadores argentinos que enfrentan trabas burocráticas para poder ingresar la mercadería. Además el cepo cambiario les dificulta más la tarea.
Brasil.
La economía atraviesa por una "estanflación" (estancamiento económico con alta inflación) y planea un ajuste fiscal que debe ser aprobado por el Parlamento. Además, el dólar saltó 18,2% en lo que va de 2015.
Rusia
En un año, su moneda (el rublo) llegó a perder un 60% de su valor frente al dólar. La devaluación fue acompañada por el desplome del precio del petróleo que complicó aún más a la economía rusa.
Unión Europea.
El bloque no logra salir de la crisis en que está inmerso desde 2009. Recientemente, el Banco Central Europeo (BCE) adoptó una política monetaria súper expansiva, que debilita al euro frente al dólar.
Venezuela.
Una complicada situación política, con una economía en recesión, elevada inflación, dificultad para acceder a divisas y escasez de bienes básicos es el cóctel que enfrenta el país. Además, los importadores pagan tarde. (El Pais Uruguay – 24/03/2015)

Alemanha cobra crescimento
Merkel diz esperar que o país avance nas reformas estruturais, reduza desemprego e arrume as finanças
- A chanceler alemã, Angela Merkel, disse ao lado do primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras, ontem que seu país quer que a economia da Grécia cresça e que supere o alto desemprego, mas isso requer reformas estruturais e sólidas finanças públicas.
"Nós queremos que a Grécia seja forte economicamente, nós queremos que a Grécia cresça e, acima de tudo, nós queremos que a Grécia supere seu alto desemprego", disse Merkel em uma entrevista ao lado de Tsipras, após conversas iniciais na primeira visita dele a Berlim como primeiro-ministro grego.
Angela Merkel disse que as conversas entre os dois mostraram "um maior apetite por cooperação" apesar da permanência das divergências. Ela acrescentou ainda que as propostas de reformas do novo premiê grego seriam avaliadas por todos os ministros de finanças dos países pertencentes à zona do euro, e não apenas por Berlim.
Boa vontade
O primeiro-ministro grego e Merkel mostraram boa vontade mútua nesta segunda-feira, apelando para que gregos e alemães deixem de lado recriminações e estereótipos nacionais e trabalhem para uma Europa melhor no futuro.
Apesar das palavras calorosas do premiê grego em sua primeira visita a Berlim, não ficou claro se os líderes diminuíram as diferenças sobre as reformas econômicas que a Grécia precisa implementar para garantir recursos necessários urgentemente de seus credores. Os dois líderes discutiriam mais detalhes das reformas durante um jantar.
Tsipras insistiu que não estava na Alemanha para resolver os problemas de restrição de liquidez da Grécia, mas para encontrar terreno comum para avançar na zona do euro. Ele condenou como uma "provocação injusta" a capa de uma revista alemã que colocou Merkel em meio a oficiais nazistas em Acrópole, em Atenas. E em uma repreensão ao seu próprio ministro da Justiça, ele disse que ninguém na Grécia estava considerando apreensão ou leiloar propriedade alemã para reparações de guerra.
"Por favor, vamos deixar essas sombras do passado para trás", disse Tsipras, destacando que a União Europeia era uma força para a estabilidade em uma região conturbada.
Merkel disse que a Alemanha, que tem a maior população e economia da União Europeia, considerava todos os países como iguais e queria manter boas relações. /Reuters (DCI – 24/03/2015)

Manufacturar aquí en vez de importar de Asia planteó Paraguay al Brasil
El ministro de Industria y Comercio, Gustavo Leite, encabezó una delegación oficial que visitó a su par en Brasilia, capital de Brasil, en busca de conseguir que se posponga la reducción de la cota de turismo, que debe bajar de USD 300 a USD 150 desde el 1 de julio, entre otras propuestas.
Una de ellas tiene que ver con la sustitución de importaciones brasileñas desde Asia por productos manufacturados en Paraguay, especialmente en los sectores de autopartes, plásticos, juguetes, confecciones entre otros. Se mencionó en la reunión que es un mercado aproximado de USD 7.000 millones con alto potencial en la generación de mano de obra local.
Sobre la reconversión de la frontera, Leite señaló que Paraguay solicitó al ministro de Desarrollo, Industria y Comercio Exterior, Armando Monteiro, y al canciller de la República Federativa del Brasil, Mauro Vieira, para que ellos intercedan ante la Receita Federal y de esta manera pueda extenderse el plazo para la disminución de la cuota en la frontera, planteamiento que tuvo respuesta favorable, ya que ambos ministros de Brasil se comprometieron a interceder ante las autoridades de la Receita Federal para el efecto.
“No es lo mismo solicitar que algo se extienda para que siga la joda, sino para darnos tiempo a reconvertir realmente nuestras fronteras, y todo esto va a ser constantemente monitoreado y una comisión hará el seguimiento y en mayo estaremos evaluando conjuntamente con nuestro par del Brasil”, declaró Leite.
La representación local dejó en claro que se necesita tiempo para la reconversión efectiva de las fronteras y que la baja de las cuotas de compra afectará no solo a Paraguay, sino a las ciudades vecinas de Brasil.
Se dijo que el Gobierno de Cartes está implementando la visión de Las Vegas, Singapur y Miami en nuestras fronteras. Se detalló que esta visión está aconteciendo y que tendrá en breve mayor virtuosismo.
La propuesta tuvo receptividad positiva de parte de autoridades del vecino país, como también la propuesta paraguaya como plataforma de terminación de productos manufacturados en Brasil y Paraguay para el mercado europeo, utilizando SGP+ otorgado a nuestro país.
Sobre la Comisión de Monitoreo (MDCI-MRE-MIC), se avanzó en incluir los temas arriba mencionados en la próxima reunión en Asunción, prevista para el mes de mayo.
Brasil planteó incluir el inicio de las conversaciones para un acuerdo sobre un régimen automotriz y autopartes entre ambos. Paraguay expresó su predisposición para iniciar el diálogo.
Para el canciller nacional Eladio Loizaga, el día que Paraguay tenga el arancel externo común ya no será posible operar el régimen de turista. Este arancel regirá en los 5 países miembros actuales del Mercosur y ya no habrá ningún tipo de trato preferencial en ningún sentido, según dijo. (Ultima Hora – 24/03/2015)

OMC


Veja mais

Sem Doha, Brasil tem de se adaptar à rede dos acordos
OPINIÃO
Enquanto a Rodada Doha de liberalização comercial continua em coma, 14 anos após seu inicio, os países teceram uma extensa rede de acordos comerciais preferenciais e plurilaterais, preenchendo o vácuo deixado pelo fracasso das negociações multilaterais.
Entre 1990 e 2014, o número deles passou de 70 a 300 – a maior parte costurada nos anos 2000-eseu grau de integração e ambição são crescentes, como revelam tentativa da Parceira Trans-Pacífico entre EUA e países asiáticos e as tratativas com o mesmo fim entre EUA e Europa. Este caminho parece não ter volta, sugere o Fundo Monetário Internacional. O multilateralismo da Organização Mundial do Comércio deve continuar no centro da política comercial global, mas se adaptar a uma "nova arquitetura" com "diferentes profundidades e velocidades".
O Brasil ficou à margem dos acordos e terá de rever sua estratégia, se quiser ter algum papel relevante.
Adinâmica recente dos esforços de liberalização, para o FMI, migrou dos acordos multilaterais para os preferenciais, e seu focomudoude medidas tarifárias para nãotarifárias. A etapa anterioràcrise de2008 foi de forte globalização, com o crescimento do comércio internacional superando o PIB global, a um ritmo de 6,8% anual nas últimas três décadas, atingindo US$ 18 trilhões em 2013. Emergentes como o Brasil e países menos desenvolvidos deram um salto nesse período, passando de 27% do total das exportações mundiais para 43% em 2013. 0 país que mais avançou foi de longe a China, que saiu de uma fatia de 1% em 1980 para 12%.
Um dos segredos do sucesso da China foi a abertura comercial. Importações mais exportações correspondem hoje a 46% do PIB chinês, ante 13% na década de 90.0 FMI cita como contraponto o Brasil, cujo índice foi de 20% para 27% do PIB no mesmo período.
Após a crise financeira de 2008 esse dinamismo arrefeceu e o comércio passou a crescer menos que as economias, a uma velocidade de 3,4% entre 2011 e 2013. A desaceleração, porém, permite aos países que ficaram de fora da malha de acordos tentar recuperar o tempo perdido.
A integração de cadeias produtivas esteve "concentrada" na parte desenvolvida da Europa, na América do Norte e Sudeste da Ásia, deixando à margem o Oriente Médio, África Subsaariana e América Latina.
Para o FMI, as cadeias globais de valor se expandiram pelo desmembramento da produção impulsionadas "primariamente" pelos EUA e China. A diminuição das vantagens dos baixos custos do trabalho na China e o custo menor da energia nos EUA, além de outros motivos, como o menor crescimento global, explicam a menor taxa de expansão do comércio.
As tarifas caíram previamente à integração de países, condição necessária para a redução de custos, uma das razões de ser das cadeias globais. A tarifa média aplicada pelos emergentes está acima de 10% e as consolidadas, acima de 29%, cinco vezes maiores que as dos países desenvolvidos, segundo a OMC.
Na Europa Ocidental e América do Norte, a média tarifária declinou de 15% em 1952 para 4% em 2005.
Para avançar mais no programa de integração de cadeias, os acordos preferenciais se disseminaram e as tarifas deixaram de ser o mais importante. A ameaça aos países que estão fora desses acordos são as barreiras não tarifárias, técnicas e sanitárias. Os acordos também se estenderam a novas áreas empurrados pela realidade: o comércio de serviços cresceu um pouco mais rapidamente que o de mercadorias ao longo do tempo. As exportações de serviços avançaram 8% ao ano nas últimas três décadas e aumentaram de US$ 370 bilhões em 1980 para US$ 4,6 trilhões em 2013, ou de 16% para 21 % das exportações globais. Segundo o FMI, "serviços financeiros e de transporte, estreitamente relacionados ao comércio de mercadorias, têm maior valor agregado que manufaturas nas cadeias globais de valor".
As trocas entre países que têm acordo entre si compunham 18% do total do comércio mundial em 1990 e em2008já eram 35%. Obviamente, qualidade da infraestrutura, sistemas regulatórios e políticas institucionais eficientes e estáveis pesam na escolha dos países mais integrados ao comércio global Para os que estão fora e não chegaram lá - o caso do Brasil – o FMI recomenda os benefícios da "velha" liberalização, isto é, se afastar das "políticas de substituição de importações que fracassaram no passado e evitar o protecionismo via barreiras não tarifárias". (Valor Econômico – 27/03/2015)

Azevêdo dice que la falta de financiación del comercio puede ser un importante obstáculo al comercio para los países en desarrollo
En su discurso inaugural del seminario sobre “Financiación del comercio en los países en desarrollo” celebrado en la OMC el 26 de marzo de 2015, el Director General Roberto Azevêdo se refirió a un documento reciente de la Secretaría de la OMC que mostraba que “los mayores déficits de financiación se registran en los países más pobres, sobre todo de África y de Asia”. Dijo que “la falta desarrollo en el sector financiero puede ser un importante obstáculo al comercio”, y animó a los participantes a “redoblar esfuerzos para trabajar juntos y resolver este problema”. Texto na íntegra no website www.wto.org (OMC – 26/03/2015)

Comércio mundial terá crescimento abaixo do previsto em 2015
Jamil Chade
Para diretor-geral da OMC, falta de crescimento na Europa e redução de taxa de expansão na China devem afetar exportações mundiais
GENEBRA - O comércio mundial será afetado pelo fraco crescimento da economia internacional e deve ter uma expansão em 2015 abaixo das previsões que haviam sido feitas pelos organismos internacionais. O alerta é do diretor-geral da Organização Mundial do Comércio (OMC), o brasileiro Roberto Azevedo. " Se a tendência é de um fraco crescimento da economia mundial, então o comércio seguiria a mesma direção ", alertou.
No final do ano passado, a OMC apontou que a previsão de crescimento das exportações para 2015 seria de apenas 4%. O número já era uma revisão para baixo de uma estimativa inicial de 5,3% para o ano. Agora, uma nova revisão deve ser realizada e anunciada em abril.
" A expansão comercial está fortemente ligada ao crescimento econômico ", declarou Azevedo. " Não são números independentes. Tivemos revisões para baixo da previsão para o crescimento mundial por parte de instituições. Minha intuição, portanto, é que comércio va seguir o mesmo caminho ". disse.
Segundo ele, pelo menos duas economias podem afetar os fluxos de comércio no ano. O primeiro deles é a Europa, que representa um terço do comércio mundial e que ainda sofre para crescer. " O que ocorre na UE afeta muito o comércio ", declarou Azevedo.
Outro ponto que pode representar uma fragilidade é o crescimento do PIB chinês abaixo da média dos últimos anos. " Existem estimativas que apontam que esse pode ser o novo padrão ", declarou o brasileiro.
Se confirmada a queda, a expansão comercial ficará bem abaixo da média dos últimos 20 anos. Nesse período, a média foi de 5,2%. Em 2014, a expansão havia sido de apenas 3,1%.
Espionagem. Azevedo ainda fez seus primeiros comentários hoje diante das revelações de que ele teve sua campanha para comandar a OMC espionada pelos serviços de inteligência da Nova Zelândia.
" Minha campanha não usou de qualquer tipo de medida ou ações como a que foi relatado e não faria ", declarou Azevedo.
Ele ainda se recusou a explicar o que tem sido feito diante da revelação ou se tomaria alguma iniciativa. " Não farei mais comentários sobre isso ", disse.
Questionado se a OMC estava protegida de ações de espionagem, o brasileiro garantiu que a entidade " tomas as medidas necessárias ". Mas admitiu : " não existe um sistema que não seja invulnerável ".
Usando tecnologia fornecida pelos EUA e num acordo com governos anglo-saxões, a Nova Zelândia espionou os e-mails e o tráfego de internet do brasileiro em 2013, às vésperas das eleições em Genebra.
As informações foram publicadas neste domingo, 22, pelo jornal New Zeland Herald e pelo site americano The Intercept, com base em documentos vazados. Há poucas semanas, essas mesmas publicações passaram a usar documentos fornecidos por Edward Snowden, o ex-funcionário da CIA, para revelar o papel da Nova Zelândia em operações de espionagem e na colaboração com a Casa Branca.
Em 2013, a OMC passava por um de seus momentos mais críticos e com uma disputa que envolvia nove candidatos, algo inédito. O controle da entidade era considerado como algo estratégico pelos países emergentes, principalmente depois de ficar sem o FMI ou o Banco Mundial. Tim Groser, ministro do Comércio da Nova Zelândia, era um dos principais oponentes aos nomes lançados pelos emergentes e era apoiado pela Casa Branca. (O Estado de SP – 26/03/2015)

País adere a ação da União Europeia na OMC contra
Rússia
BRASIL
Assis Moreira
De Genebra
O Brasil decidiu entrar como terceira parte numa disputa entre a União Europeia e Rússia, na Organização Mundial do Comércio (OMC ).O contencioso aberto por Bruxelas questiona o aumento de tarifas de importação imposto pelo governo de Vladimir Putin sobre vários produtos agrícolas e industriais.
A queixa é de que o governo russo elevou alíquotas além do que foi acertado pelas autoridades junto à OMC quando o país passou a fazer parte da entidade, em 2012. Como grande exportador agrícola, interessa ao Brasil acompanhar de perto a disputa, pelo impacto que o resultado pode ter para empresas. Ontem, o Órgão de Solução de Controvérsias da OMC estabeleceu a abertura de outros dois painéis a serem examinados pelos juízes: do Paquistão contra a UE por causa de taxas sobre produtos de plástico. E outro da Coreia contra os Estados Unidos pela sobretaxa imposta por Washington à entrada de tubos para a indústria de petróleo. (Valor Econômico – 26/03/2015)

Nova agenda no comércio internacional
John Danilovich e Daniel Feffer
A Organização Mundial do Comércio (OMC) celebra 20 anos em 2015. Os 160 países-membros já se beneficiaram muito da existência da instituição encarregada de definir e de supervisionar as regras do comércio mundial. Desde sua criação, a OMC admitiu 33 novos membros, incluindo China (2001), Arábia Saudita (2005) e Rússia (2012). A troca internacional de mercadorias triplicou nos últimos 20 anos. Graças à função estabilizadora das regras e disciplinas da organização, a crise mundial de 2008-2009 não deu lugar a um tsunami de medidas protecionistas, como durante a Grande Depressão dos anos 1930.
A última vitória da OMC foi o acordo histórico alcançado em Bali, em dezembro de 2013. Sem dúvida, a liderança e a capacidade de conciliação do diretor-geral da organização, o brasileiro Roberto Azevêdo, foi um dos fatores decisivos para chegar ao consenso sobre o chamado Pacote de Bali. Este primeiro acordo comercial multilateral em 20 anos prevê notavelmente a implementação universal de medidas a favor da facilitação do comércio, um termo que designa a desburocratização dos procedimentos aduaneiros a fim de reduzir significativamente o custo e o tempo para exportar e importar.
Para a comunidade empresarial mundial, representada pela Câmara de Comércio Internacional (ICC, na sigla em inglês), não se trata de um assunto menor. Pesquisa da ICC sugere que o conjunto de medidas poderia provocar um aumento de US$ 570 bilhões das exportações dos países em desenvolvimento. Mundialmente, o Pacote de Bali tem o potencial de gerar até 21 milhões de novos empregos.
A próxima etapa é conseguir a ratificação doméstica do Acordo de Facilitação de Comércio pelos países-membros da OMC. O Brasil já iniciou reformas promissoras e inovadoras, no contexto do futuro Plano Nacional de Exportação, para acelerar o despacho de mercadorias na aduana e fortalecer a competitividade dos exportadores brasileiros. Resta, agora, ratificar formalmente o acordo multilateral, como já fizeram Hong Kong, Cingapura, os EUA e, em breve, o Chile, para assegurar a viabilidade dessas reformas.
Evidentemente, o trabalho da OMC não termina aqui. Também é preciso avançar rapidamente nas negociações da Rodada Doha, lançadas em 2001 para atualizar as regras do sistema multilateral de comércio. A proliferação de acordos preferenciais de comércio, negociados entre países ou blocos de países, é a prova do interesse crescente para seguir abrindo mercados e dinamizar a economia mundial. Contudo, não podemos ignorar que estes novos esforços deixam de lado a maioria dos países do mundo. Só a OMC é capaz de gerar uma liberalização global, gradual e equilibrada do comércio mundial, para que a abertura de mercados acompanhe o desenvolvimento industrial de cada país e resulte em níveis de emprego mais elevados.
De fato, neste momento os membros da OMC elaboram um programa de trabalho realista visando a fechar a Rodada Doha rapidamente. Essa nova agenda negociadora, que inclui as tradicionais áreas de agricultura, de produtos industriais e de serviços, contempla ainda a conclusão de acordos separados sobre bens e serviços ambientais e serviços e tecnologia da informação. Todos os obstáculos ao comércio - incluindo tarifas, barreiras não tarifárias, subsídios que distorcem a concorrência e abusos das regras antidumping - poderão ser revistos.
A ICC, cuja rede global abrange mais de 6 milhões de empresas em mais de 130 países, está convencida de que o futuro da economia mundial dependerá muito dos resultados desse esforço. Por isso, seguiremos mobilizando essa rede, em nível mundial e local, por meio da ICC Brasil, para apoiar a OMC nesta missão e providenciar as orientações estratégicas do mundo empresarial. As empresas brasileiras, que englobam interesses setoriais e geográficos diversificados, precisam ser um participante ativo deste processo para chegar a um acordo ambicioso e equilibrado, que permita potencializar sua inserção nos mercados globais.
*John Danilovich e Daniel Feffer são, respectivamente, secretário-geral da ICC e presidente do conselho da ICC Brasil (O Estado de SP – 25/03/2015)

Brasil cobra explicações da Nova Zelândia
ECONOMIA
Itamaraty convoca embaixadora a esclarecer invasão de e-mail de Azevedo na eleição da OMC
Eliane Oliveira
-Brasília- O secretário-geral do Ministério das Relações Exteriores, Sérgio Danese, convocou ontem a embaixadora da Nova Zelândia, Caroline Peta Bilkey, para ouvir explicações sobre a notícia de que o governo daquele país teria espionado o embaixador brasileiro Roberto Azevêdo, durante a eleição para o cargo de diretor-geral da Organização Mundial do Comércio (OMC). Azevêdo ganhou a disputa em 2013.
Em nota, o Itamaraty afirma que o governo brasileiro foi surpreendido com as informações, publicadas no jornal "New Zeland Herald" da Nova Zelândia, e no site americano The Intercept, que indicam que a correspondência eletrônica de Azevêdo teria sido violada pelo governo neozelandês.
"O governo brasileiro expressa sua determinação de ver a questão devidamente esclarecida, no marco da amizade quesempre existiu nas relações entre os dois países" destaca o Ministério das Relações Exteriores no comunicado.
Segundo a reportagem, a espionagem teria sido liderada pela agência de inteligência do governo neozelandês (GCSB, na sigla em inglês), em uma tentativa de ajudar na conquista da vaga na OMC. As informações obtidas pela agência, no que foi chamado de "Projeto OMC" eram repassadas à equipe responsável pela candidatura do diplomata neozelandês Tim Gro- ser. A Nova Zelândia também teria invadido a comunicação de Taeho Bark, ministro de Comércio da Coréia do Sul, meses após os dois países terem fechado importante acordo de livre comércio. (O Globo -25/03/2015)

Las iniciativas regionales no pueden sustituir al sistema multilateral de comercio — Azevêdo
En una conferencia que pronunció en la Stockholm School of Economics de Riga (Letonia) el 24 de marzo, el Director General Roberto Azevêdo señaló que los acuerdos comerciales bilaterales y regionales han ido “creciendo rápidamente”, pero subrayó que “hay muchas cuestiones importantes que solo pueden abordarse de manera eficiente en el contexto multilateral por conducto de la OMC”, citando como “un buen ejemplo” el Acuerdo sobre Facilitación del Comercio alcanzado en Bali. Dijo que la mayoría de los grandes retos a que se enfrenta el comercio mundial son “problemas mundiales que requieren soluciones mundiales”. Texto na íntegra no website www.wto.org (OMC – 24/03/2015)

Brasil pede explicação sobre violação de correspondência
Fabrice Coffrini/AFP
Roberto Azevêdo teve sua caixa de e-mail monitorada nas semanas que antecederam a sua eleição para a OMC
Da AGÊNCIA BRASIL
Brasília - O Ministério das Relações Exteriores (MRE) informou hoje (24) que a embaixadora da Nova Zelândia no Brasil foi chamada para dar explicações sobre notícias publicadas jornal New Zeland Herald que tratam de violação de correspondência eletrônica do embaixador brasileiro Roberto Azevêdo quando este era candidato ao cargo de diretor-geral da Organização Mundial do Comércio (OMC), ao qual acabou sendo eleito.
“A embaixadora da Nova Zelândia foi chamada ontem [23] ao Itamaraty pelo secretário-geral do Ministério das Relações Exteriores, embaixador Sérgio Danese, com a expectativa de que o governo neozelandês possa fornecer as explicações necessárias sobre o assunto”, diz o Itamaraty em nota publicada em seu site.
De acordo com as reportagens do New Zeland Herald, o candidato brasileiro teve sua caixa de e-mail monitorada nas semanas que antecederam a eleição de Azevêdo para a OMC, em maio de 2013.
Na ocasião, o ministro do Comércio da Nova Zelândia, Tim Groser, era um dos candidatos ao posto máximo da entidade e o atual primeiro-ministro, John Key, era o responsável pelo serviço de inteligência neozelandês, acusado da espionagem.
O MRE informa ainda que o governo brasileiro foi surpreendido com as notícias sobre a violação e expressa sua “determinação de ver a questão devidamente esclarecida, no marco da amizade que sempre existiu nas relações entre os dois países”. (Exame – 24/03/2015)

Itamaraty: Suposta espionagem à candidatura à OMC deve ser esclarecida
BRASÍLIA - O Ministério das Relações Exteriores (MRE) emitiu nota nesta terça-feira, 24, informando que o governo brasileiro tomou conhecimento, com surpresa, de matérias da imprensa que indicam que correspondência eletrônica relativa à candidatura do Embaixador Roberto Carvalho de Azevêdo ao cargo de diretor-geral da Organização Mundial do Comércio (OMC) teria sido objeto de violação por parte do Governo da Nova Zelândia. As informações sobre a espionagem foram publicadas no último sábado pelo jornal New Zeland Herald e pelo site americano The Intercept, com base em documentos vazados. Azevêdo declarou que não estava ciente das revelações.
Hoje, a nota do Itamaraty sobre a suposta violação de correspondência eletrônica relativa à candidatura brasileira à OMC cita, ainda, que "o governo brasileiro expressa sua determinação de ver a questão devidamente esclarecida, no marco da amizade que sempre existiu nas relações entre os dois países". O texto destaca também que a embaixadora da Nova Zelândia foi chamada ontem ao Itamaraty pelo Secretário-Geral das Relações Exteriores, com a expectativa de que o Governo neozelandês possa fornecer as explicações necessárias sobre o assunto.
A denúncia divulgada aponta que Azevêdo foi alvo de espionagem enquanto era candidato ao cargo de diretor-geral da OMC, posto que hoje ele ocupa. Usando tecnologia fornecida pelos EUA e num acordo com governos anglo-saxões, a Nova Zelândia espionou os e-mails e tráfego de internet do brasileiro em 2013, às vésperas das eleições em Genebra. Há poucas semanas, essas mesmas publicações passaram a usar documentos fornecidos por Edward Snowden, o ex-funcionário da CIA, para revelar o papel da Nova Zelândia em operações de espionagem e na colaboração com a Casa Branca.
Em 2013, a OMC passava por um de seus momentos mais críticos e embarcou em uma disputa que envolvia nove candidatos a assumir sua direção, algo inédito. O controle da entidade era considerado estratégico pelos países emergentes. Tim Groser, ministro do Comércio da Nova Zelândia, era um dos principais oponentes aos nomes lançados pelos emergentes e era apoiado pela Casa Branca.
O que as revelações indicariam é que Groser recebeu também o apoio do serviço secreto, mas acabou sendo derrotado pelo brasileiro na votação. Roberto Azevêdo assumiu a direção geral da OMC no dia 1º de setembro de 2013 para um mandato de quatro anos. (DCI – 24/03/2015)

Nova Zelândia espionou eleição na OMC
INTERNACIONAL
A Nova Zelândia montou uma operação de espionagem do processo de eleição para a direção da Organização Mundial de Comércio (OMC), que acabou sendo ganha pelo brasileiro Roberto Azevedo em 2013, segundo reportagem do jornal "New Zealand Herald".
Com um candidato próprio a diretor-geral da OMC, o ministro de Comércio Tím Groser, a Nova Zelândia acionou a sua agência de espionagem eletrônica, a Government Communications Security Bureau, para uma operação que combinou nomes e outras palavras-chaves para extrair informações de uma vasta quantidade de e-mails e outras comunicações, acessadas a partir de 150 localidades no mundo, beneficiando-se da aliança entre as "Kve Eyes", como é conhecida a cooperação de espionagem entre EUA, Reino Unido, Canadá, Austrália e Nova Zelândia.
Analistas acham que a Nova Zelândia deflagrou a operação para descobrir quem os países apoiavam para dirigir a OMC. Além da própria Nova Zelândia e do Brasil, havia candidatos do México, Indonésia, Quênia, Costa Rica, Coréia do Sul, Gana e Jordânia.
Indagado sobre a espionagem, Tim Groser respondeu à imprensa neo-zelandesa que não tinha comentários a fazer. (Valor Econômico – 24/03/2015)

No signs Russia might leave WTO, director general says
By Katya Golubkova and Aija Krutaine
RIGA, March 24
RIGA, March 24 (Reuters) - Russia shows no signs of wanting to leave the World Trade Organization, WTO chief Roberto Azevedo said on Tuesday, despite tensions with the West over the Ukraine crisis and disputes with other member states.
Some Russian parliamentarians have called for their country to pull out of the WTO less than three years after it acceded because, they say, membership is damaging Russia's economy.
But Azevedo said during a visit to Latvia that he had never heard of any moves by Russia to leave.
"Never, neither officially nor unofficially or any other way," he told a news briefing. "Russia has been a party to disputes in the WTO and I think every single member of the WTO including Russia knew that would be the case."
"Russia is a big economy, it is going to be a very well monitored economy because of its size, because of its importance, because of its relevance," he added. "And it is inevitable that big players will be at one point in time challenged in the WTO dispute settlement mechanism."
The European Union and the United States have imposed economic sanctions on Russia over its role in the Ukraine crisis although Moscow denies sending weapons and troops to support separatists fighting government forces in eastern Ukraine.
In response, Moscow has banned food imports from Europe.
The EU said last month it was escalating a dispute with Russia at the WTO over what it said were excessive import duties on paper products, refrigerators and palm oil.
The challenge was the latest in a series of WTO disputes with Moscow, the EU's third-biggest trading partner, since Russia joined the body in 2012. (Editing by Timothy Heritage) (Reuters – 24/03/2015)

Azevedo foi espionado na eleição da OMC
CAPA
O brasileiro Roberto Azevêdo foi alvo de espionagem quando disputava a direção da Organização Mundial do Comércio (OMC ).Segundo o jornal New Zeland Herald, os e-mails de Azevêdo foram monitorados pelo governo da Nova Zelândia, que tinha um candidato ao cargo, economia / PÁG.B8 ((O Estado de SP -23/03/2015)

Nova Zelândia espionou Azevêdo, da OMC
ECONOMIA
Denúncia de site e jornal relata monitoramento de brasileiro
O brasileiro Roberto Azevêdo, eleito diretor-geral da Organização Mundial de Comércio (OMC )em 2013, foi espionado pelo governo da Nova Zelândia, segundo o site "The Intercept" e o jornal "The New Zealand Herald" Os dois órgãos afirmam que o país da Oceania monitorou os e-mails dos candidatos de oito países: Brasil, Costa Rica, Gana, Indonésia, Jordânia, Quênia, México e Coreia do Sul. O nono país na disputa pelo comando da OMC era justamente a Nova Zelândia, com o hoje ministro de comércio, Tim Groser.
Segundo reportagem de ontem, a operação de espionagem teria sido liderada pela agência de inteligência do governo neozelandês (GCSB, na sigla em inglês), em uma tentativa de ajudar na conquista da vaga na OMC.
De acordo com a denúncia, o sistema utilizado para interceptar as comunicações é conhecido como "XKEYSCORE"
O país só teve acesso a esse sistema por fazer parte do chamado "Five Eyes" grupo formado por Estados Unidos, Canadá, Reino Unido, Austrália e Nova Zelândia, que cooperam em assuntos sobre segurança estratégica.
Os dados obtidos pela agência de inteligência, no que foi chamado de "Projeto OMC" eram repassadas à equipe responsável pela candidatura de Groser. Segundo a reportagem, a maior preocupação dos neozelandeses era com a candidatura do Mari Elka Pangestu, da Indonésia, por ser de um país da mesma região. A Nova Zelândia também teria invadido a comunicação da Coreia do Sul, meses depois de um importante acordo de livre comércio entre os dois países.
O site "The Intercept" do jornalista e advogado Glenn Greenwald, faz denúncias a partir de documentos obtidos pelo ex-prestador de serviços da agência americana NSA, Edward Snowden. Segundo o site, o porta-voz da OMC Keith Rockwell disse não faria comentários até que o caso fosse analisado.
John Key, premier da Nova Zelândia, era o ministro responsável pela agência de inteligência do país na época do monitoramento, o que levanta dúvidas sobre o quanto ele sabia diretamente desta operação. Procurado na noite de ontem, o Itamaraty não se pronunciou. (O Globo – 23/03/2015)

Doha desperta do coma
O diretor-geral da Organização Mundial do Comércio, Roberto Azevêdo, conseguiu despertar a atenção do setor privado brasileiro para a discreta, porém intensa, movimentação de diplomatas em Genebra dedicados a concluir, finalmente, as negociações de liberalização de comércio conhecidas como Rodada Doha, alvo principal dos esforços de diplomacia comercial do governo Lula.
Está claro para os empresários que, após muitos anos em estado comatoso, a rodada poderá ter um desfecho, ainda que bem menos ambicioso do que imaginavam os governos que a iniciaram.
"É um esforço importante porque, se conseguimos fechar esse acordo, abrimos a pauta para outros temas de nosso interesse", argumenta o diretor de desenvolvimento industrial da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Carlos Eduardo Abijaodi.
Rodada poderá ter um desfecho menos ambicioso A indústria brasileira preocupa-se com a proliferação de acordos bilaterais e plurilaterais que vêm estabelecendo padrões e normas para mercadorias e serviços e criarão barreiras adicionais à entrada de produtos.
O encerramento, ainda quecom ganhos modestos, da Rodada Doha permitiria promover negociações na OMC para criar disciplinas gerais sobre esse e outros temas que podem resultar em discriminação sobre países como o Brasil, argumenta o diretor da CNI.
No início do mês, a CNI reuniu em Brasília cerca de 30 dirigentes de associações empresariais, do setor automotivo à indústria de carnes, para a conversa com Azevêdo. "O clima em Genebra melhorou, todos parecem mais pragmáticos", crê Abijaodi.
"A vontade de trazer à discussão na OMC temas que estão fora da Rodada Doha é evidente da parte de alguns membros, que ainda não explicitaram o que querem", confirmou, à coluna, Azevêdo, o brasileiro que dirige a OMC e conseguiu tirar a organização da letargia com a aprovação, em 2013, de um acordo de facilitação de comércio (redução de burocracia, aumento de transparência, simplificação de procedimentos nas alfândegas) conhecido como Acordo de Bali. "Há um sentimento geral de que essas outras discussões só terão espaço uma vez concluída a Rodada Doha."
Os países-membros da OMC concordaram em criar um "programa de trabalho" até julho que, no limite, poderá fixar o método pelo qual pretendem cortar barreiras ao comércio de bens e serviços – primeiro passo para a negociação final, em torno do tamanho dos cortes.
Em dezembro, uma reunião de ministros decidirá com base nesse programa. Um eventual acordo não entraria plenamente em vigor antes de 2018, mas sinalizaria a investidores e governos um novo ambiente de negócios e comércio.
"Não vamos apenas consolidar o que já se alcançou em matéria de abertura comercial, mas [se bem-sucedida a negociação] ganhos em todas as áreas, tanto na indústria quanto na agricultura", prevê Azevêdo.
Muitos negociadores esperam que essa rodada final
de negociações consolide o compromisso acertado ainda em 2005, de fim dos subsídios às exportações agrícolas. Já a meta antes considerada indispensável pelo governo brasileiro, de impor limites severos aos subsídios que desequilibram a competição nos mercados agrícolas, poderá mais uma vez ser adiada.
Os negociadores exploram, porém, fórmulas que, em lugar do teto geral para concessão de subsídios, criem limites para cada produto subsidiado e restrinjam também a flexibilidade hoje existente nas regras multilaterais.
Para Abijaodi, da CNI, o novo esforço negociador pode incentivar o país a buscar conversas individuais com novos parceiros. Ele insiste que, apesar das dificuldades nos países do Mercosul, há empenho da indústria brasileira em oferecer abertura de mercado, e, especialmente, em levar para a OMC temas que já estão sendo discutidos em mega-acordos por grandes economias.
Os empresários gostariam de aprofundar na OMC uma discussão, por exemplo, sobre novas regras de propriedade intelectual, rejeitada pelo governo com base na avaliação de que os termos propostos por países como os Estados Unidos dão poder excessivo e prolongado aos detentores de patentes, dificultando a produção de remédios e outros produtos essenciais.
Oseuropeus já mostraram,em Genebra, interesseem levar para a discussão multilateral temas mais difíceis de discutir individualmente com os EUA, como a regulação sobre comércio de alimentos, por exemplo.
Países desenvolvidos já negociam às margens da OMC um mega-acordo em torno de tecnologia da informação, envolvendo produtos que somam US$ 1 trilhão no comércio mundial; e a liberalização de produtos "ambientais", com tecnologia avançada e menos agressiva ao ambiente.
A atenção dos empresários à nova agenda da OMC não significa entusiasmo irrestritocom a negociação, esclarece o diretor-executivo para mercado externo da Abimaq, Klaus Curt Mueller. "Um acordo com menos ambição é apenas menor, não necessariamente melhor", comenta ele.
A indústria terá de manter vigilância para evitar acertos de última hora desvantajosos para os interesses comerciais do país, diz, numa indicação da desconfiança com que certos movimentos de abertura são vistos no setor privado.
O ressurgimento do debate sobre a OMC coincide com o lançamento de "Teerã, Ramalá e Doha, Memórias de uma Política Externa Ativa e Altiva", do ex-ministro Celso Amorim, que dedica quase 200 de suas 490 páginas a um relato cheio de detalhes e comentários reveladores sobre as negociações frustradas daRodada Doha, até sua paralisação em 2008.
Nelas, o Brasil teveumpapel de destaque, e a atuação de seus diplomatas teve reconhecimento internacional, e vale conhecer os detalhes nesse livro indispensável para entender o tipo de interesses – e personalidades - que movimentam um dos temas de maior importância para a política externa brasileira. (Valor Econômico -23/03/2015)

OMC deve rebaixar projeção para comércio mundial
INTERNACIONAL
Assis Moreira
De Genebra
A Organização Mundial do Comércio (OMC) se prepara para rebaixar a sua projeção de crescimento do comércio mundial para este ano, em nova indicação de que a recuperação da demanda continua fraca nas grandes economias.
O diretor-geral da OMC, Roberto Azevêdo, antecipa que em 2014 as exportações e importações podem ter crescido um pouco mais do que a expectativa de alta de 3%. Mas ele diz que a projeção inicial de expansão de 4% em valor para 2015 poderá ser revista para baixo.
"O crescimento global não tem sido como se esperava, e não há indicações de que venhamos a ter um surto de expansão mais acentuado no futuro próximo", disse Azevêdo ao Valor, destacando a importância do papel de alavanca das grandes economias, que são grandes consumidores."
São poucas as economias que estão apresentando ritmo de crescimento saudável, como os EUA e a India", afirmou. Estimativas apontam crescimento de 7,7% na economia indiana neste ano, superando a China pela primeira vez em muito tempo.
O Japão se recupera lentamente, enquanto a expansão da economia da Europa "não é nada brilhante" e os grandes importadores de commodities estão em ritmo desacelerado. "A China está com a menor taxa de crescimento nos últimos 25 anos, a América Latina de maneira geral está desacelerada, e outros emergentes também."
Nesse cenário, a expansão do comércio mundial deverá continuar bem abaixo da média de 5,2% dos últimos vinte anos, ainda por um bom tempo.
Os recentes movimentos de taxas de câmbio são atentamente acompanhados na OMC. Indagado sobre a desvalorização recente de moedas de emergentes e seu impacto nas exportações, o diretor da OMC retrucou: "Uma mudança dessa magnitude tende a afetar o equilíbrio de preços. O Brasil vai perceber isso com muita clareza. Porém, essas coisas raramente tem um impacto imediato. Não vai se ver amanhã uma mudança no saldo comercial do país".
Para Azevêdo, "primeiro, [o novo cambio] vai ser internacionalizado gradualmente, com os contratos futuros.
Depois, o impacto é diferenciado na produção.
O setor exportador brasileiro, que não tem na sua cadeia produtiva uma parcela importante de componentes importados de países com moedas valorizadas, vai se sair bem melhor que os outros'.
Estudo da Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE) diz que,para vários países desenvolvidos, a participação crescente de empresas nas cadeias globais de produção contribuiu para reduzir o grau de transmissão da taxa de cambio nos termos de troca, no reequilíbrio da demanda global e no resultado da balança comercial. E dá o exemplo da recente desvalorização do euro, insuficiente para atenuar persistentes problemas de demanda.
A OCDE destaca, por outro lado, o aumento significativo de empréstimos em moeda estrangeira por boaparte dos paísesemergentes no rastrodacrise global de 2009. E sugere que movimentos importantes no cambio podem provocar tensões financeiras para os setores expostos, propagar-se pelo sistema financeiro, apesar de exposição total limitada, e afetar também o comércio global.
O Royal Bankof Scotland (RBS), no relatório "A nova crise de crédito: mercados emergentes", diz que na Rússia quase dois terços da divida externa das empresas é em dólar. E cita ainda um bom número de grandes empresas de emergentes fortemente dependentes de crédito externo, que está ficando mais caro. Petrobras, Tata, Vale, Lukoil têm todas mais da meta de suas dividas em moeda forte. (Valor Econômico – 23/03/2015)

Roberto Azevêdo foi alvo de espionagem
Jamil Chade
Nova Zelândia monitorou os e-mails do diplomata brasileiro na época em que Azevêdo era candidato a diretor-geral da OMC
GENEBRA - O diplomata brasileiro Roberto Azevêdo foi alvo de espionagem enquanto era candidato para o cargo de diretor-geral da Organização Mundial do Comércio (OMC), posto que hoje ele ocupa.
Usando tecnologia fornecida pelos EUA e num acordo com governos anglo-saxões, a Nova Zelândia espionou os e-mails e o tráfego de internet do brasileiro em 2013, às vésperas das eleições em Genebra. Ao Estado, Azevêdo declarou que não estava ciente das revelações.
As informações foram publicadas neste domingo, 22, pelo jornal New Zeland Herald e pelo site americano The Intercept, com base em documentos vazados. Há poucas semanas, essas mesmas publicações passaram a usar documentos fornecidos por Edward Snowden, o ex-funcionário da CIA, para revelar o papel da Nova Zelândia em operações de espionagem e na colaboração com a Casa Branca.
Em 2013, a OMC passava por um de seus momentos mais críticos e com uma disputa que envolvia nove candidatos, algo inédito. O controle da entidade era considerado como algo estratégico pelos países emergentes, principalmente depois de ficar sem o FMI ou o Banco Mundial. Tim Groser, ministro do Comércio da Nova Zelândia, era um dos principais oponentes aos nomes lançados pelos emergentes e era apoiado pela Casa Branca.
O que as revelações indicariam é que Groser recebeu também o apoio do serviço secreto. Mas acabou sendo derrotado pelo brasileiro na votação, no dia 16 de maio daquele ano.
Chamada de "Projeto OMC", a operação de espionagem foi conduzida pelo Escritório de Segurança de Comunicações da Nova Zelândia (GCSB). O objetivo não era apenas espionar Azevêdo, mas também os demais candidatos do México, Gana, Costa Rica ou Indonésia. O documento obtido pela reportagem é datado de dez dias antes da votação, quando já se sabia que Groser não venceria.
O brasileiro era o único entre nove candidatos que não tinha sido pelo menos ministro de seu país. Mas venceu a eleição graças a sua promessa de que agiria em nome de todos os governos e diante de seu profundo conhecimento das entranhas da OMC.
No documento que revela a ordem de iniciar a espionagem, as autoridades dão autorização para que e-mails com o nome de "Azevedo" sejam consultados. As autoridades do país estariam agindo em colaboração com a NSA, a agência americana denunciada por Edward Snowden.
Neste domingo, o primeiro-ministro, John Key, se recusou a comentar a publicação. Mas seus assessores alertaram que não existiria uma espionagem em massa e que a agência estaria atuando de forma legal. "O governo não responderá a alegações feitas de documentos roubados por Edward Snowden", alertou.
Groser também adotou uma linha de negar qualquer tipo de envolvimento, alertando que não comentaria já que "esses vazamentos frequentemente estão errados".
Ao Estado, Azevêdo apenas indicou que não sabia das revelações. O porta-voz da OMC, Keith Rockwell, afirmou que "desconhecia" o conteúdo dessas reportagens e dos documentos. "Não temos nada a comentar por enquanto", declarou.
Operação. Segundo o documento vazado, a operação de monitoramento ocorreu com a ajuda do programa XKeyscore, desenhado pela NSA, nos Estados Unidos, e usada pela Nova Zelândia como parte da rede de inteligência chamada Five Eyes. Além de neozelandeses e americanos, a rede inclui Canadá, Austrália e Reino Unido.
A operação foi desenhada para que as comunicações eletrônicas com a menção dos nomes dos candidatos fossem recolhidas. Segundo o jornal, a Xkeyscore é administrada diretamente pela NSA e usada para analisar bilhões de e-mails e chats online de mais de 150 locais diferentes do mundo.
Em resposta ao jornal que revelou o escândalo, a GCSB insistiu que seu mandato é o de "proteger a Nova Zelândia" e que isso inclui "um trabalho externo de inteligência". Mas negou dar detalhes do programa. "Não comentamos com base em especulação. Tudo o que fazemos é explicitamente autorizado", disse.
Mas, no país, a revelação ganhou uma conotação de crise. O líder do Partido Trabalhista, Andrew Little, declarou ter ficado "horrorizado" diante das revelações. "Isso não está incluído no mandato da agência e não tem qualquer relação com segurança", atacou. Já o chefe do Partido Verde, Russel Normal, declarou que teme que a informação seja "extremamente negativa para a reputação da Nova Zelândia".
Um dos que comentou a revelação foi o ex-candidato sul-coreano, Taeko Bank. "Eu não tive qualquer tipo de informação via uma organização de inteligência. É um mundo diferente o dos países avançados", completou. (O Estado de SP – 22/03/2015)

Nova Zelândia espionou brasileiro Roberto Azevêdo, diz jornal
O diretor-geral da OMC (Organização Mundial do Comércio), o brasileiro Roberto Azevêdo, foi um dos alvos de espionagem do serviço de inteligência da Nova Zelândia (GCSB) nas semanas que antecederam a escolha para o cargo, em maio de 2013, segundo o jornal "New Zeland Herald" e o site americano "The Intercept”.
Os neozelandeses usaram um programa que monitora e captura e-mails com determinadas palavras, segundo as reportagens publicadas neste domingo (22).
O país tinha interesse nessa eleição porque um dos candidatos era Tim Groser, ministro do Comércio da Nova Zelândia.
A disputa vencida pelo brasileiro envolvia nove candidatos e foi marcada por uma polarização entre países emergentes e desenvolvidos.
Além de Azevêdo, foram espionados os candidatos do México, do Quênia, de Gana, da Costa Rica, da Jordânia, da Coreia do Sul e da Indonésia, segundo as publicações.
Numa segunda etapa, os neozelandeses focaram as buscas em informações sobre o candidato indonésio, o que poderia indicar uma preocupação com a possibilidade de que outro representante da mesma região geográfica tivesse vantagem na disputa.
Ao site "The Intercept", um porta-voz da OMC disse que desconhecia as informações e apenas nesta segunda (23) poderia fazer comentários.
A Folha não conseguiu contato com a OMC ou com Roberto Azevedo neste domingo.
REDE RASTREADA
Na época da espionagem, o atual primeiro-ministro da Nova Zelândia, John Key, era o ministro responsável pelo serviço de inteligência da Nova Zelândia.
Um porta-voz do primeiro-ministro se recusou a comentar as informações, dizendo que "as agências de inteligência neozelandesas sempre deram, e continuam dando, uma contribuição importante à segurança nacional e a dos cidadãos dos país".
Ao "New Zeland Herald", Groser afirmou que o governo não discutiria os "vazamentos" de informação porque eles "estão geralmente errados e têm a intenção de criar danos políticos".
Questionado sobre se sabia da espionagem, recusou-se a responder. O GCSB também se recusou a comentar o caso e disse que todas as suas ações são "explicitamente autorizadas".
Segundo as publicações, o GCSB usou um programa chamado XKeyscore, que foi criado nos Estados Unidos e franqueado para uma rede de inteligência, que inclui Nova Zelândia, Canadá, Austrália e Reino Unido, conhecida como Five Eyes.
O "New Zeland Herald" diz que o Xkeyscore rastreia e analisa bilhões de e-mails e chats online de mais de 150 locais pelo mundo. (Folha de SP – 22/03/2015)

Outros


Veja mais

Banco dos Brics perdeu o brilho?
Enquanto a China anuncia com fanfarra seu Banco Asiático de Investimento em Infraestrutura (AIIB), o nosso Novo Banco de Desenvolvimento, também conhecido como banco dos Brics, continua firme e forte sem sair do papel.
O AIIB terá capital inicial de US$ 50 bilhões e participação de países europeus como Reino Unido, França, Alemanha e Itália - para horror dos Estados Unidos, que tentaram dissuadi-los.
Na opinião de Oliver Stuenkel, professor de relações internacionais da FGV-SP, o AIBB é um divisor de águas. "O AIIB representa um momento chave de transição para a multipolaridade", diz. Ou seja, com o banco de desenvolvimento concebido pela China, reduz-se de forma significativa a dominância de órgãos representantes da velha ordem mundial, como Banco Mundial e Fundo Monetário Internacional, liderados por EUA-UE.
O fato de países europeus terem aderido ao AIBB sinaliza que a China agora tem "poder de convocação", e não apenas musculatura financeira.
Muito disso se deve a barbeiragens americanas - não custa lembrar que o Congresso dos EUA não ratificou, até hoje, a reforma do FMI negociada em 2010. A reforma aumentava o poder de países como China e Brasil no organismo.
BRICS
A Índia e a Rússia já ratificaram o acordo que cria o banco dos Brics. A África do Sul enviou o texto para seu parlamento. No Brasil, o acordo está parado no Congresso.
A próxima reunião de presidentes dos Brics será nos dias 9 e 10 de julho na cidade de Ufa, na Rússia. O mínimo que o Brasil poderia fazer seria apresentar o acordo do Banco ratificado. A tramitação não deve ser afetada pela crise econômica, afinal o aporte neste primeiro ano é de apenas US$ 150 milhões e, no segundo ano, de US$ 250 milhões. Serão sete anos até que o banco esteja com a capitalização de US$ 10 bilhões, distribuída entre Brasil, África do Sul, Índia, China e Rússia.
O banco dos Brics deve começar a funcionar em 2016 e a sede será em Xangai. O primeiro presidente será indiano e o presidente do conselho, brasileiro.
O AIIB mostra que as ambições da China vão muito além do banco dos Brics. Já entrou em operação o Silk Road Fund, um fundo de US$ 40 bilhões que visa a desenvolver a região da Rota da Seda e está sendo chamado de Plano Marshall chinês. Vem aí uma ordem financeira sinocêntrica? (Folha de SP – 27/03/2015)

Efeitos da desaceleração dos países emergentes
MUNDO
Diferença de crescimento em relação aos países desenvolvidos é a menor em 14 anos
O esfriamento dos mercados emergentes está causando o risco de arrefecimento da economia global.
Motor do crescimento mundial após a crise financeira de 2008, os mercados emergentes estão perdendo impulso em meio à contração industrial na China e à chegada de uma recessão no Brasil e na Rússia.
No Credit Suisse Group, os economistas preveem que a expansão dos países em desenvolvimento irá desacelerar para 3,8 % neste ano, nível mais fraco desde 2009. Em contraste, eles veem um ritmo de 2,2% nos países industrializados, expansão mais forte em cinco anos. Isso deixaria a diferença de crescimento entre os dois grupos em 1,6 ponto porcentual, a menor desde 2001. No ano passado, esta diferença era de 2,5 pontos percentuais. Em 2007, foi de cerca de 6 pontos.
Além disso, a produção industrial deverá se expandir no mesmo ritmo nos dois grupos neste ano pela primeira vez desde 1998. Embora umcrescimento mais equilibrado possa ser desejável, a equipe do Credit Suisse teme que os mercados emergentes possam continuar em queda sob pressão do declínio dos preços das commodities, da ascensão do dólar e de possíveis aumentos da taxa de juros nos EUA. Isso poderia prejudicá-los a ponto de desencadear um novo choque de deflação em todos os demais emergentes.
"As transições raramente são ordenadas", disseram os economistas, liderados por Neville Hill e James Sweeney, em um relatório do dia 20 de março. "Um riscochave neste ano é que algumas economias emergentes tenhamumacidente financeiro ou econômico suficiente para queaconvergência das taxas dos mercados emergentes e dos mercados desenvolvidos passe do limite e mantenha vivo o temor de deflação".
A crise latino-americana dos anos 1980, a crise mexicana de 1994 e a turbulência asiática de 1997-1998 decorreram, em parte, da valorização do dólar e de uma política monetária mais restrita dos EUA. A transmissão foi mais direta do que quando as taxas de câmbio eram atreladas à moeda americana e as dívidas externas eram excessivas.
Embora essas falhas não sejam tão predominantes agora, o Fed ainda enviou ondas de choque aos mercados emergentes, dois anos atrás, quando seus estrategistas sinalizaram que reduzir iam a flexibilização quantitativa. Na semana passada, a surpreendente atitude mansa da presidente do Fed, Janet Yellen, provavelmente deu apenas um alívio temporário às economias menores.
Entre as possíveis perturbações do momento, a desvalorização do yuan chinês em resposta à política mais restrita dos EUA provocaria o maior choque deflacionário em outras partes, segundo o Credit Suisse. A América Latina também parece vulnerável, considerando que o crescimento é frágil e a inflação, alta. "Se o crescimento dos mercados emergentes diminuir muito mais, essa região poderá sofrer per turbações", disse o Credit Suisse. Simon Kennedy, Bloomberg. (Brasil Econômico – 26/03/2015)

Entrevista. David Beker, economista-chefe do Bank of America Merrill Lynch
Para economista, ainda há preocupação com o País, mas notícias recentes começam aanimar investidores
RICARDO LEOPOLDO
A mudança da política macroeconômica, com ênfase no ajuste fiscal de longo prazo, está levando investidores estrangeiros em mercados emergentes a voltar a ver o Brasil como um destino importante para a alocação de seus portfólios, disse David Beker, economista-chefe do Bank of America Merrill Lynch, em entrevista ao Broadcast, serviço em tempo real da Agência Estado.
Beker esteve na semana passada em Londres, Frankfurt e Paris e observou que os gestores de fundos, apesar de verem a economia do País com dúvidas, começam a avaliar que é relevante terem mais ativos do País em suas carteiras, sobretudo com ações e títulos públicos de longo prazo.
Segundo Beker, a decisão da agência de classificação de risco Standar & Poor's (S&P) de manter a nota de crédito e a perspectiva soberana afasta o risco de o País perder o grau de investimento. A seguir, os principais trechos da entrevista.
Como o sr. analisa a decisão da S&P de manter o rating e a perspectiva do Brasil?
Para o mercado, é um alívio. Havia o risco de o País perder o grau de investimento pela Standard & Poor's. Como a agência não fez nenhuma modificação, o Brasil ganhou tempo, o que pode ser um ano. Acredito que a Moody's e a Fitch manterão a nota soberana e a perspectiva do Brasil neste ano, porque também darão um voto de confiança à nova política macroeconômica.
O ministro da Fazenda, Joaquim Levy, e o governo terão de superar grandes obstáculos para viabilizar o ajuste fiscal?
Sim. Com a decisão da S&P, o ministro ganhou o primeiro desafio e terá mais condições para continuar negociando com o Congresso uma parte do ajuste fiscal, próximo a 20% dele, a fim de conquistar a meta de 1,2% do PIB de superávit primário para este ano. Mas os desafios são imensos. O esforço fiscal em 2015 é grande e será ainda maior em 2016, pois a meta é de 2% do PIB. Há agora uma questão importante, que é como fica a estratégia de política econômica de médio e longo prazos. O PIB potencial do Brasil é baixo, perto de 2%. E, para aumentá-lo, é fundamental adotar algumas medidas estruturais, entre elas reformas tributária e trabalhista. É relevante também desburocratizar a abertura e o fechamento de empresas. No limite, o objetivo é reduzir o chamado Custo Brasil.
Quando o sr. avalia que o programa de concessões de infraestrutura voltará a acelerar?
Acredito que entre o terceiro e quarto trimestres devemos ter notícias melhores, em áreas como rodovias, terminais de aeroportos, portos e ferrovias. O governo está mais flexível para negociar maiores taxas de rentabilidade e atrair capital, inclusive estrangeiros. O câmbio mais depreciado ajuda.
O governo conseguirá entregar a meta de superávit primário?
Sim, será até um pouco mais, pois estimo um primário de 1,3% do PIB. E, além da colaboração do Congresso com a aprovação das medidas que mudam benefícios sociais e desonerações tributárias, o governo também fará um corte vigoroso do Orçamento, que deverá chegar a R$ 44 bilhões.
O sr. esteve na semana passada em Londres, Frankfurt e Paris. Qual a avaliação de investidores em mercados emergentes sobre o Brasil?
Os investidores ainda estão preocupados. A economia neste ano apresenta inflação alta e queda do PIB. A foto é muito ruim. Mas, ao projetar o filme, vemos mudanças, como o realinhamento das políticas fiscal e monetária. A avaliação do Brasil está melhorando. A decisão da S&P afasta o risco de o País perder o grau de investimento. O ministro Levy conseguiu negociar a nova tabela de correção do Imposto de Renda. O Orçamento foi aprovado pelo Congresso. As notícias nas últimas semanas corroboraram a ideia de que o ajuste fiscal está em curso e investidores estrangeiros pensam em comprar novamente ativos do Brasil. Muitos deles passam a observar os valores e ponderam que estão ficando mais atrativos, principalmente em bolsa de valores.
Os investidores fazem alguma queixa em relação ao Brasil?
Eles falam da volatilidade do câmbio, que gera incertezas. Perguntam o que pode ser feito para que o câmbio apresente sinais de estabilização. Um desses fatores é um cenário menos conturbado na área política. Outro elemento é a perspectiva de redução do déficit de transações correntes. Os próximos dois a três meses serão fundamentais no processo de alocação de capitais pelos investidores estrangeiros para o Brasil. Há o balanço da Petrobrás, que precisa ser publicado até o final de abril, a tramitação das MPs relativas à parte do ajuste fiscal no Congresso, e os resultados das contas públicas, com o anúncio do cortes do Orçamento em breve.
Na próxima semana, o sr. estará reunido com investidores nos EUA, muitos deles dedicados à América Latina. Qual deverá ser a expectativa deles em relação ao Brasil, após decisão da S&P?
Os investidores nos Estados Unidos devem mostrar mais receptividade do que na Europa. Um foco da discussão será o câmbio, que está volátil e causa incertezas. Contudo, conforme as notícias vão aparecendo, os investidores vão avançando a compra de ativos do Brasil. A decisão da Standard & Poor's vai ajudar. (O Estado de SP – 26/03/2015)

País atrai interesse no exterior, diz consultoria
BRASIL
Conjuntura Para Bain & Company, mercado está de olho em países com demanda maior que oferta, caso do Brasil
Flavia Lima
Nada como um olhar à distância. Enquanto o investidor local reforça os níveis de desconfiança com relação à economia, o estrangeiro mostra interesse firme pelo país, especialmente com relação às oportunidades em infraestrutura, diz a nova-iorquina Karen Harris, diretora de macrotendências da consultoria de negócios global Bain &Company. "E alguns deles estão cortando China e especialmente a Rússia de seus portfólios", diz.
Pela segunda vez no Brasil para uma apresentação que reuniu cerca de 200 clientes e grandes executivos em São Paulo, Karen se diz surpresa com o nível de pessimismo local, em nada parecido com o humor externo em relação ao país. "Sinto que, talvez, o sentimento de curto prazo esteja correto, mas a visão de longo prazo está pessimista demais, dadas as oportunidades do país."
Em um mundo marcado pela escassez de demanda, diz aexecutiva, investidores institucionaiscomo fundações e fundos de private equity estão em busca de desafios como os apresentados por países como Brasil e índia, únicos entre as maiores economiasa contar com uma demanda superior à oferta. "Qualquer um que já tentou chegar a um compromisso sob chuva em São Paulo pode te falar a respeito dos desafios sem infraestrutura", diz ela.
Essa necessidade de investimento em infraestrutura, afirma, combina perfeitamente com um mundo no qual a escassez de recursos deve se manter como o menor dos desafios por um tempo considerável. Karen ressalta que, em 1990, a relação entre ativos financeiros e PIB global era de 6,5 vezes. Em 2010 chegava a dez vezes. "E vai se manter nesse nível ao menos até o fim da década", acredita.
Entre os ativos, Karen diz que seus clientes estão enxergando oportunidades na construção de portos, por exemplo, como forma de melhorar o transporte de mercadorias que saem do país.A regulação local, no entanto, ainda é uma preocupação. "Há oportunidades para melhorar as regras. A questão é como o governo quer que isso ocorra: da forma mais barata no curto prazo, o maior retomo para o governo ou a melhor qualidade? Há várias respostas e a forma como elas são dadas interfere em quem vai ser envolvido na concessão e como".
Karen não nega que há desafios no ambiente político, mas avalia que eles precisam ser vistos de uma perspectivarelativa.
"Investidores queolham para o Brasil não acham que estão investindo na Califórnia. É ummercado emergente e dele se espera maior risco e também mais altos retornos e não há muitos países no mundo hoje em que investidores podem encontrar bons retornos em meio a esse ambiente de alta liquidez e baixas taxas de juros", afirma ela.
Karen diz que não tem elementos suficientes para avaliar a possibilidade de um impeachment da presidente Dilma Rousseff, mas diz que a democracia e as instituições políticas locais dão mostras de força.
"Fiquei impressionada, pois o país teve milhares de pessoas protestando em São Paulo e não tinha nem sujeira nas ruas", diz. "Em Londres, não se pode ter cem fãs de futebol juntos sem vandalismo."
Entre o risco político e os desafios econômicos, ela diz que a preocupação maior do investidor externo recai semdúvida sobre as incertezas macroeconômicas - o fim do ciclo de commodities, desafios em infraestrutura e as leis trabalhistas locais preocupam mais do que corrupção no governo. "Na avaliação dos meus clientes, escândalos vêm e vãoem todo governo.
Atransparência e a estabilidadecom quea coisa toda é tratada são mais importantes do que erros individuais".
Segundo Karen, é preciso pensar o Brasil em um contexto mais amplo. Entre os Brics, por exemplo, sigla que para ela soa um tanto reducionista, a campanha anticorrupção chinesa podeser oportuna, mas não parece construir um senso forte de transparência, enquanto a Rússia parece longe dezelar pelos interesses de investidores estrangeiros. "Já em relação à Petrobras, há um sentimento de quem está acompanhando de que as autoridades estão atrás dos culpados", diz.
Para Karen, o interesse externo por infraestrutura casa com o movimento demográfico de envelhecimento global, em que aumenta a procura por investimentos de longo prazo quecubram obrigações de aposentadoria. Ela identifica ainda um movimento de transferência de capital das mãos do sistema financeiro tradicional para investidores privados,como grandes fundos depensãoefundos de private equity, o que muda também a dinâmica com relação à classificação de risco de um país.
Segundo ela, um eventual rebaixamento da nota de crédito brasileira não seria desejável, mas, diante de tanto capital disponível, teria impacto reduzido em comparação a outros períodos. "Fundos privados têm estruturas de risco diferentes", diz. "Talentos de gestão são escassos, boas idéias são escassas, oportunidades também. Não capital".
Karenrejeita a ideiadeuma retomada do crescimento brasileiro nos níveis vistos nos anos de forte expansão e não descarta um período de recessão. "Tenho uma visão moderada sobre o Brasil com oportunidades e desafios. O mercado hoje está particularmente pessimista, mas é uma visão bastante diferente de uma companhia em busca de oportunidades de longo prazo". (Valor Econômico – 26/03/2015)

Portal Único de Comércio Exterior amplia uso de documentos digitalizados e simplifica operações
Brasília (25 de março) – Representantes dos órgãos intervenientes no comércio exterior estiveram reunidos, nesta terça-feira (24/3) no Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), em Brasília, para conhecer os resultados da fase inicial do módulo "Anexação de Documentos Digitalizados" disponibilizado no Portal Único do Comércio Exterior. Desde o início do trabalho, em dezembro de 2014, já foram entregues eletronicamente mais de 23 mil documentos para a instrução de operações de importação e exportação. A segurança das informações compartilhadas é garantida pela utilização de certificados digitais. "É uma ferramenta de grande impacto no comércio exterior, que mostra que estamos cumprindo o compromisso de entregas graduais para facilitar a vida dos usuários do Siscomex e também dos órgãos públicos que trabalham no controle das operações", disse o secretário de Comércio Exterior, Daniel Godinho, na abertura do encontro. Durante a reunião, todos renovaram o apoio ao Portal Único e o compromisso de adesão à anexação eletrônica de documentos até o final deste ano.
Além da Secex, a Receita Federal do Brasil também avançou na eliminação do papel nas operações de comércio exterior. Depois de iniciar, em dezembro de 2014, um projeto piloto em quatro unidades do país, a previsão é de que, até julho deste ano, todos os processos referentes às declarações de importação sejam instruídos por meio de documentos digitalizados. Para o secretário da Receita Federal, Jorge Rachid, “esta iniciativa é parte do contexto das ações de governo que visam a melhoria do ambiente de negócios e o fortalecimento da competitividade da indústria nacional, com foco no comércio exterior”. Outros órgãos já iniciaram os trabalhos para o uso da ferramenta em seus processos, ainda em 2015.
Portal Único de Comércio Exterior
Coordenado pela Secretaria de Comércio Exterior (Secex) e pela Secretaria da Receita Federal do Brasil (RFB), o Portal Único vai permitir que as empresas apresentem as informações uma única vez aos órgãos federais, o que irá reduzir a burocracia e os custos de exportadores e importadores. Para as operações de exportações, a meta é reduzir o prazo de 13 para 8 dias, e de 17 para 10 dias, para as operações de importações.
O programa envolve a reengenharia dos processos de importação e exportação e o desenvolvimento de novos sistemas que permitam o compartilhamento de documentos e informações entre os envolvidos. O sistema de anexação de documentos é a ferramenta do portal que viabiliza o compartilhamento dos documentos para todos os órgãos a partir de entrega única no sistema. (MDIC – 25/03/2015)

Editorial: Asfixiar o contrabando
Resolver o problema do contrabando não é fácil nem barato. Iniciativas para monitorar as extensas fronteiras do Brasil e bloquear a entrada ilegal de mercadorias demandam elevados gastos em pessoal e tecnologia – mas os recursos se tornam ainda mais escassos na conjuntura de crise econômica.
Há, porém, outros meios de enfrentar a importação clandestina. Segundo especialistas e executivos presentes no fórum "O Contrabando no Brasil", promovido por esta Folha na semana passada, os elevados impostos são decisivos para a multiplicação da prática.
Utilizando dados de 2013, relatório produzido pela OCDE (Organização para a Cooperação Econômica) classifica a carga tributária brasileira como a maior da América Latina e uma das mais altas do mundo. Não surpreende que os bens contrabandeados sejam tão atrativos para o consumidor.
Reportagem publicada na segunda-feira (23) em caderno especial sobre o tema retrata a situação. Clientes de lojas na região da rua 25 de Março, no centro da capital paulista, não ignoram a ilegalidade das mercadorias ali negociadas, mas nem por isso deixam de fazer compras –o custo compensa.
O raciocínio vale não apenas para a concorrência com produtos nacionais. Pesadas alíquotas de importação também beneficiam o comércio ilícito. Estima-se, por exemplo, que o uísque contrabandeado responda por 25% do mercado.
A existência de tarifas distintas no Mercosul agrava o quadro. O Paraguai tem autorização para listar 649 mercadorias com taxas divergentes do restante do bloco (Uruguai tem direito a 225 exceções; Brasil e Argentina, a cem). Favorecidos pela tributação, comerciantes no país vizinho importam produtos chineses, e estes ingressam de forma clandestina no Brasil.
O panorama econômico ajuda a explicar por que falham muitas ações de combate ao contrabando. Enquanto os impostos proporcionarem vantagens competitivas tão grandes para o negócio ilícito, terão pouca serventia propostas como o aumento de penas para tal crime.
Basta mencionar que, de acordo com recente estudo do Idesf (Instituto de Desenvolvimento Econômico e Social de Fronteiras), transgressores permitem-se pagar até R$ 50 mil de propina para liberar cargas ilegais.
Nenhum governo gosta de diminuir a carga tributária, mas a possibilidade de reduzir os ganhos do contrabando deveria ser estímulo suficiente. Afinal, calcula-se que, entre perdas com concorrência desleal e sonegação, a atividade gere prejuízo de R$ 94,3 bilhões por ano. (Folha de SP – 25/03/2015)

Crise no comércio exterior
Rubens Barbosa
Estudo recente do Departamento de Competitividade e Inovação da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) mostra impressionante fotografia da atual situação de um importante setor produtivo. O trabalho faz uma avaliação do desempenho no exterior da indústria de transformação, com base na intensidade tecnológica e na de uso dos fatores de produção. Como se comportou a pauta exportadora e importadora da indústria de transformação?
A balança comercial brasileira apresentou déficit de US$ 3,96 bilhões em 2014, o pior resultado desde o ano de 1998. A indústria de transformação foi a grande responsável por tal resultado, com déficit comercial de US$ 58,86 bilhões, o maior já registrado pelo setor. Os demais setores - agricultura, indústria extrativa e outros - apresentaram superávit de US$ 54,90 bilhões.
Desde 2007 o saldo comercial vem apresentando tendência de queda, puxada pelo mau comportamento do setor industrial em consequência da perda de competitividade da economia. Os problemas enfrentados pela indústria de transformação, como o elevado custo Brasil e a taxa de câmbio sobrevalorizada, agravados a partir de 2008, refletiram-se no resultado comercial do setor, que se tornou deficitário, situação agravada com o passar do tempo.
O trabalho da Fiesp mostra uma rápida reprimarização da pauta das exportações brasileiras no período de 2006 a 2014: houve perda de participação da indústria de transformação e aumento da participação da agricultura e da indústria extrativa na pauta exportadora.
Em 2014, a participação das exportações da indústria de transformação representou 61,6% das exportações totais, em contraposição aos 78,2% registrados em 2006. Por outro lado, verificou-se um avanço dos setores intensivos em recursos naturais e de baixa tecnologia, que passaram a representar 38,4% da pauta exportadora em 2014, um avanço de 9 pontos porcentuais em relação a 2006. Os setores intensivos em recursos naturais e de baixa tecnologia foram responsáveis por 69,7% do aumento das exportações da indústria no período 2014-2007. Os demais setores viram suas exportações se manter praticamente estagnadas nesse período. As atividades que concentraram as exportações, em 2014, dos setores intensivos em recursos naturais e de baixa tecnologia foram: abate e produtos de carne, 31,6%; refino de açúcar, 17,7%; óleos e gorduras vegetais e animais, 15,7%. A reprimarização da pauta exportadora torna o País dependente dos preços das commodities fixados em bolsas no exterior e mais vulnerável a choques negativos externos.
Por outro lado, as importações da indústria de transformação aumentaram cerca de quatro vezes mais do que as exportações no período de 2014-2007. Concentradas principalmente nos setores intensivos em escala e de média e alta tecnologia, apresentaram um déficit de US$ 44,1 bilhões em 2014, em contraste com o resultado positivo em 2006, de US$ 0,9 bilhão. As atividades que concentraram as importações dessa categoria em 2014 foram: automóveis, caminhonetas e utilitários, 16,0%; produtos químicos inorgânicos, 15,4%; peças e acessórios para veículos automotores, 14,4%; produtos químicos orgânicos, 13,3%. Esse resultado indica uma substituição no consumo interno de produtos nacionais por importados, devida aos altos custos que impedem a indústria nacional de competir com concorrentes externos.
A indústria nacional, que em meados da década de 1980 representou cerca de 25% do produto interno bruto (PIB) brasileiro, representa hoje apenas 13%. Com a recente revisão do PIB nacional, a indústria caiu ainda mais, estando ao redor de 11% e com viés de queda.
De um superávit na balança comercial nesse setor em 2006, passamos a um déficit em 2014. No setor industrial como um todo, o déficit subiu a cerca de US$110 bilhões.
A falta de um projeto nacional e a ausência de uma estratégia viável de comércio exterior tornam difícil uma reversão em curto prazo da tendência de queda da participação da indústria na formação da riqueza nacional e apontam para a primarização de nossa pauta de exportação.
As medidas recentes e necessárias visando a um forte ajuste para corrigir as distorções econômicas e as políticas equivocadas seguidas nos últimos 12 anos dificultam a reação por parte do setor privado.
A indústria de transformação em São Paulo desempregou, em 2014, mais de 125 mil trabalhadores. A continuação da tendência de perda de mercado interno e externo pelo setor fará aumentar significativamente o desemprego, que, por sua vez, determinará a redução do mercado consumidor nacional.
O anunciado Plano Nacional de Exportação pouco efeito terá se a questão da perda sistêmica da competitividade não for atacada de frente por meio das mudanças que se fazem necessárias para reduzir o custo Brasil.
As perspectivas do comércio exterior brasileiro para 2015 apontam para uma drástica redução das importações e exportações, tanto no preço como no volume exportado. A Funcex projeta US$ 208,8 bilhões de exportações, com queda de 7,2% em relação a 2014, e US$ 206,6 bilhões de importações, queda de 9,8%. Isso significará uma queda de 8,5% na corrente de comércio do Brasil, que recuaria pelo segundo ano consecutivo. Com a queda dos termos de troca, o intercâmbio comercial se reduziria para US$ 415,4 bilhões, ante US$ 481,8 bilhões em 2013. A participação do Brasil no comércio internacional recuaria para perto de 1%.
Mesmo com o câmbio mais competitivo, sem uma política clara para melhorar a competitividade e de atração de tecnologia e inovação não será possível reverter essa lamentável situação e reindustrializar a pauta de exportações do Brasil.
*Rubens Barbosa é presidente do conselho de Comércio Exterior da Fiesp (O Estado de SP – 24/03/2015)

EUA, Canadá e Nova Zelândia ameaçam proposta do Brasil na ONU
JAMIL CHADE, CORRESPONDENTE / GENEBRA
Governo brasileiro quer a criação de um cargo especial para investigar violação de privacidade na internet
Os governos dos Estados Unidos, Canadá e Nova Zelândia tentam minar a proposta do Brasil na ONU de criar um cargo especial para monitorar a atuação de serviços de inteligência para que haja um controle sobre a espionagem em massa pela internet.
Fontes diplomáticas revelaram ao Estado que uma "forte pressão" está sendo feita para impedir que o texto proposto pelo Brasil seja aprovado, em uma votação prevista para esta semana na ONU.
A negociação ocorre no momento em que o debate sobre a espionagem volta à tona. No fim de semana, jornais da Nova Zelândia revelaram como o diplomata brasileiro Roberto Azevêdo foi alvo de espionagem durante a campanha para sua eleição para a direção da Organização Mundial do Comércio (OMC).
O caso é mais um numa série de incidentes revelados por Edward Snowden, o ex-funcionário da CIA, e indica como os serviços americanos colaboraram até mesmo com tecnologia para ajudar aliados a espionar e-mails de autoridades pelo mundo.
Desde 2013, o Brasil vem adotando um discurso de que a privacidade na internet precisa ser preservada. Agora, a primeira medida concreta é proposta na ONU por governos afetados pela espionagem da Agência de Segurança Nacional (NSA, na sigla em inglês). O texto brasileiro tem o apoio da Alemanha.
Num rascunho da resolução obtido pelo Estado, o Brasil pede que se crie um novo relator na ONU com o poder para "coletar informação, práticas e experiências nacionais, que estude tendências, desenvolvimento e desafios para o direito à privacidade e que faça recomendações para garantir sua promoção e proteção, incluindo em relação aos desafios que surgem das novas tecnologias".
O objetivo de Brasil e Alemanha era que o texto fosse aprovado por unanimidade na sexta-feira no Conselho de Direitos Humanos da ONU. Mas uma pressão contrária à votação vem ganhando força nos últimos dias. "Existe o risco de não conseguirmos aprovar o texto", declarou ao Estado a embaixadora do Equador na ONU, Maria Espinoza. Segundo ela, países acusados de conduzir as espionagens se lançaram em uma campanha para minar o projeto e fragilizar o mandato do futuro relator da ONU.
A Casa Branca e aliados em Londres, Ottawa e Camberra tentam ainda tirar o peso do mandato, sugerindo que o novo relator deva examinar toda a violação de privacidade, dentro e fora da internet e sem citar o mundo digital no texto. Governos sul-americanos indicaram que, na prática, isso significa que os exageros na internet por espionagem internacional receberiam menos atenção.
"Uma das propostas é de que se retire do texto de resolução a menção à privacidade na era digital", explicou a embaixadora. "A ideia é de que apenas haja uma referência à proteção à privacidade em geral e isso, claro, não aceitamos."
O governo americano tenta ainda reduzir os poderes do cargo para investigar situações de espionagem e que não fique limitado a temas de segurança. "Se um relator nascer de uma forma controvertida, seu trabalho estará contaminado para sempre", alertou um diplomata sul-americano.
Apoio. Apesar da pressão contrária, a proposta brasileira ganhou ontem apoio de personalidades, em um ato público na ONU. O criador do WikiLeaks, Julian Assange, declarou seu apoio ao projeto de uma ação da ONU, assim como o juiz espanhol Baltasar Garzon.
Falando por videoconferência, Assange apelou a uma ação internacional e alertou que "as democracias do Ocidente perderam os limites do que podem realizar para controlar suas populações". "Há uma tendência ao autoritarismo no Ocidente. A ONU tem um papel a jogar", declarou. "O Ocidente não pode mais cuidar de si mesmo sozinho", insistiu, falando da Embaixada do Equador em Londres e de onde não pode sair sob risco de ser extraditado. "Estou há 1.566 dias preso."
Garzon também pediu uma ação da ONU. Eva Joly, deputada europeia, fez um apelo pela criação do mandato. "A ONU precisa agir", declarou.
"Precisamos defender a criação desse mandato para que a democracia seja fortalecida", insistiu Alfred-Maurice de Zayas, historiador e ativista de direitos humanos.
Em 2014, o Brasil já havia conseguido aprovar uma resolução determinando que a espionagem indiscriminada era uma violação de direitos humanos. (O Estado de SP – 24/03/2015)

Para Financial Times, a crise no Brasil vai piorar
O Brasil está em meio a uma crise causada pelo próprio País e, antes de melhorar, a situação vai piorar. Esse é o resumo do principal editorial publicado ontem pelo jornal britânico Financial Times.
Apesar da situação negativa, o editorial reconhece que o Brasil está longe do quadro de hiperinflação. "Melhor ainda, as instituições estão se segurando, especialmente o Judiciário."
"O Brasil está em crise. No início deste mês, mais de um milhão de manifestantes foram às ruas para expressar seu descontentamento. Grande parte do País sofre racionamento de água após um longo período de seca", diz o editorial com o título "A queda do encanto do Brasil é de sua própria autoria".
"A Petrobras está envolvida em um escândalo de corrupção épico que viu até US$ 10 bilhões desviados. A economia deverá encolher este ano e talvez também no próximo ano, o que seria o pior desempenho desde 1931", informa o texto.
"Os índices de aprovação de Dilma Rousseff já caíram para 13%. Parece que foi ontem que o País festejava boas novas. Portanto, a queda foi espetacular. Infelizmente, a situação está suscetível a piorar ainda mais."
Esteroides. Para o FT, parte do boom dos últimos anos foi resultado de "esteroides", como o superciclo das commodities e o boom do crédito. Esses benefícios foram aproveitados sem disciplina, diz o FT. "Agora, o processo está acontecendo em marcha à ré."
O editorial afirma que o colapso do real é uma "reprecificação dramática" da economia. "Mas a taxa de câmbio real ponderada pelo comércio ajustada pela inflação ainda é maior do que a média de 20 anos. Os custos unitários do trabalho também são maiores em dólar do que em 2010. Assim, é possível que a moeda se enfraqueça ainda mais."
"O governo, que está há 12 anos no poder, culpou fatores externos. Mas a confusão é em grande parte de autoria do próprio Brasil. Para um contraponto é só olhar para os vizinhos orientados aos mercados voltados para o Pacífico, como o Chile, Colômbia e Peru. Eles aproveitaram boom de crédito e commodities semelhante, mas sem essa ressaca. Essas economias ainda estão crescendo rápido", diz o FT.
Apesar da série de problemas na economia e política, o FT diz que "tudo não é totalmente ruim para o Brasil". "O País está longe de cair de volta no caminho da hiperinflação. Melhor ainda são as instituições que estão se segurando, especialmente o Judiciário", diz o texto ao lembrar que vários políticos de alto escalão envolvidos no mensalão foram condenados. Agora, outros nomes tão importantes estão sendo investigados pelo escândalo na Petrobras. Além disso, o editorial cita que Eike Batista pode ir para a cadeia. "Isso teria sido impensável há alguns anos, quando a impunidade reinava."
"Então, a crise no Brasil é ruim e provavelmente vai piorar antes de melhorar. No entanto, poderia ter sido ainda pior. É uma espécie de progresso para o ‘País do futuro’, como diz o clichê. Acima de tudo, isso significa que o Brasil ainda tem um." (O Estado de SP – 24/03/2015)

Balança comercial tem déficit de US$ 199 milhões na terceira semana de março
A balança comercial registrou déficit (exportações menores que importações) de US$ 199milhões na terceira semana de março. O saldo negativo refere-se a US$ 3,677 bilhões em exportações e US$ 3,876 bilhões em importações. No ano, a balança está deficitária em US$ 6,288 bilhões. De janeiro a março do ano passado, o déficit somava US$ 6,256 bilhões. Os dados foram divulgados hoje (23) pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior.
A média diária (volume financeiro por dia útil) das exportações até a terceira semana de março ficou em US$ 748,7 milhões, com queda de 19,3% ante a março de 2014. A retração foi puxada pelos produtos básicos que, sozinhos, tiveram queda de 32% na média diária, por causa, principalmente, de minério de ferro, soja em grão, petróleo bruto e carnes bovina, suína e de frango.
Para os produtos manufaturados, a retração foi 8,2%, causada principalmente por aviões, açúcar refinado, máquinas para terraplanagem, autopeças, motores para veículos, motores e geradores e polímeros plásticos. Já o faturamento com os itens semimanufaturados cresceu 4,2%, em função de ferro fundido, ouro, açúcar bruto, ligas de ferro, madeira, celulose e catodos de cobre.
Nas importações, a média negociada na primeira semana de março foi US$ 766,9 milhões, com queda de 16,8% em relação à registrada para março de 2014. Houve queda nos gastos com adubos e fertilizantes (37,3%), automóveis e partes (28%), borracha (25,3%), equipamentos mecânicos (23,8%) e farmacêuticos (22,3%). (Agência Brasil – 23/03/2015)

FT prevê que situação do Brasil fique 'ainda pior'
PAÍS
Para jornal britânico, questão é se instituições vão se manter
Em editorial publicado ontem, o jornal "Financial Times" destaca a crise vivida pelo Brasil, com demonstrações de descontentamento - em relação à fraqueza da economia, à escassez de água e à corrupção na Petrobras - e queda da popularidade da presidente Dilma Rousseff a seu menor nível, 13%, enquanto o Planalto culpa fatores externos pelas mazelas.
"Parece que ainda ontem o país estava com a bola toda. Mas sua queda tem sido especular. Infelizmente, a situação deve ficar ainda pior. A questão central é se as instituições do Brasil vão se manter."
Na análise, o jornal lembra que o país foi favorecido pelo ciclo de valorização das commodities, que permitiu aumento das receitas do governo, da massa de renda da população e do crédito doméstico. Mas, sem disciplina, o processo está se revertendo. "O colapso damoeda, com queda deumterçoem seis meses, está reprecificando dramaticamente a economia" enquanto as taxas de juros sobem para combater a inflação e compensar o risco dos investidores internacionais - afinal, o país precisa de capital estrangeiro para financiar seus déficits fiscal e corrente. Além disso, a Petrobras é alvo de ação judicial nos EUA por conta das perdas decorrentes da corrupção.
Para enfatizar a responsabilidade do Brasil pelo mau momento, o "FT" lembra que os vizinhos Chile, Colômbia e Peru, com economias orientadas para o mercado, passaram incólumes pelo fim do ciclo das commodities e estão crescendo com força. Pelo menos, enfatiza o jornal britânico, o país está longe da hiperinflação. Sobretudo, analisa a publicação, as instituições - especialmente o Judiciário - estão atravessando a turbulência com estabilidade. "É um progresso para o 'país do futuro! como diz o clichê" (O Globo – 23/03/2015)

Empresas pedem que país contenha taxas e vizinhos
ESPECIAL
Executivos apontam alta carga tributária como incentivo para comércio ilegal, e especialistas citam falta de integração regional eficiente para coibir problema O peso dos impostos que incidem sobre a produção brasileira é decisivo para a proliferação de produtos contrabandeados no país, avaliam executivos de empresas afetadas pelo contrabando e especialistas presentes no fórum "O Contrabando no Brasil", promovido pela Folha nos últimos dias 18 e 19.
Com mais tributos, os produtos nacionais tornam-se mais caros e a vantagem competitiva dos que entram ilegalmente aumenta.
O Brasil tem a maior carga tributária da América Latina e uma das mais altas do mundo, segundo relatório produzido pela OCDE (Organização para a Cooperação Econômica) com dados de 2013.
"Este é um país que fabrica impostos. Enquanto não conseguirmos mudar o modelo, estaremos sempre correndo o risco de dar competitividade a outros através da ilegalidade", diz Carlos Tilkian, presidente da fabricante de brinquedos Estrela.
O setor estima que, no ano passado, de R$ 500 milhões a R$ 800 milhões foram para a venda ilegal de brinquedos.
O presidente da fabricante de cigarros Souza Cruz, Andrea Martini, afirma que a elevação de impostos promovida pelo governo a partir de 2012 para coibir o fumo incentivou o contrabando de cigarros paraguaios.
Hoje a empresa estima que quase um terço dos cigarros consumidos no Brasil venha do país vizinho.
Sem controle de qualidade, eles têm venda proibida no Brasil. "Aumentou a carga tributária, pode se preparar, porque vai enfrentar evasão fiscal e contrabando", disse o ex-superintendente da Receita Federal Everardo Maciel.
Para o empresariado, as alíquotas de importação impulsionam o comércio ilícito.
Adilson Carvalhal Junior, presidente da Associação Brasileira dos Exportadores e Importadores de Alimentos e Bebidas (Abba), diz que o uísque contrabandeado ainda ocupa um quarto do mercado. "O consumidor não vê o retorno ao pagar um tributo tão alto e prefere correr o risco com o ilegal", afirmou.
MERCOSUL
As diferenças de tarifa dentro do próprio Mercosul (que reúne Brasil, Argentina, Paraguai, Uruguai e Venezuela) intensificam o problema. Uma parte significativa dos produtos que entram ilegalmente vem do Paraguai.
O vizinho deveria ter as mesmas tarifas de importação que o Brasil, mas o Mercosul permite que os paraguaios mantenham 649 produtos com tarifas distintas.
A vantagem vale, a princípio, até 2019. O prazo, porém, já foi renegociado diversas vezes. Brasil e Argentina podem manter uma lista de exceção com cem produtos até o fim deste ano. O Uruguai tem direito a 225 até 2017.
A diferença de tributação favorece a importação pelo Paraguai de produtos chineses que são enviados ilegalmente ao Brasil.
"Se o Mercosul funcionasse como foi pensado, o problema deixaria de existir porque os mercados seriam comuns, não teríamos que controlar as fronteiras como fazemos hoje", afirmou o ex-ministro da Fazenda e ex-embaixador Rubens Ricupero.
AGENDA POSITIVA
Para Ricupero, é preciso, além da repressão, colaboração entre os países vizinhos. "É de nosso interesse desenvolver o Paraguai. A balança comercial é extremamente vantajosa para o Brasil."
Estima-se que em Foz do Iguaçu (PR) e nas cidades vizinhas haja 40 mil pessoas vivendo do contrabando.
Segundo a Receita Federal, 30 mil veículos e 60 mil pessoas por dia passam pela ponte da Amizade, que liga Paraguai e Brasil. "É o dobro do fluxo de passageiros no aeroporto de Guarulhos", diz Rafael Dolzan, delegado da Receita Federal.
O órgão criou em 2012 umprograma para incentivar a legalização dos sacoleiros.
Chamado de Regime de Tributação Unificada, ele permite que "microimportadores" possam trazer mercadoria do Paraguai com taxas reduzidas. Até agora, contudo, apenas R$ 3,2 milhões de mercadorias foram trazidas para o país por meio dele.
RENATA AGOSTINI CLAUDIA ROLLI DE SÃO PAULO (Folha de SP – 23/03/2015)

Aeroporto de Viracopos terá 'caixa-forte' para cargas valiosas
Agência Estado
O Aeroporto Internacional de Viracopos e a empresa de segurança Brinks fecharam uma parceria para erguer dentro do terminal de cargas do aeroporto de Campinas a primeira área ultrassegura para armazenagem de cargas de alto valor - em trânsito de importação ou exportação - da América Latina. Com uma dimensão de 2 mil metros quadrados, a estrutura terá características de construção similares às de um caixa-forte, com paredes mais espessas, e controle rígido de acesso ao local. A Brinks já montou estrutura parecida no Aeroporto de Heatrow, em Londres, e no Charles de Gaulle, em Paris.
A previsão é de que a nova área do terminal passe a operar no segundo semestre. Segundo o diretor-presidente do aeroporto, Luiz Alberto Küster, desde a concessão, em 2012, é cada vez maior a necessidade de transporte de cargas de alto valor agregado como medicamentos, fórmulas químicas e componentes eletrônicos (tanto os relacionados a celulares quanto à indústria automotiva).
"Queremos privilegiar o transporte desse tipo de carga e abrir caminho para um transporte pouco explorado por via aérea, que é o de ativos financeiros e joias", diz Küster. A expectativa do aeroporto, que está investindo R$ 10 milhões nessa empreitada, é ganhar uma receita adicional de R$ 20 milhões ao ano. Hoje, a operação de carga responde por 60% da receita de Viracopos.
Negócio
O transporte de cargas de maior valor agregado é especialmente interessante do ponto de vista financeiro. A tarifa cobrada pela armazenagem, em geral, leva em consideração o preço do produto. Portanto, quanto mais valioso ele for, maior é a taxa. A dona de Viracopos já vem priorizando o transporte de cargas com maior valor agregado há certo tempo e por isso não registrou queda nesse segmento, apesar da retração sentida no setor - o recuo, em toneladas, foi de 10% só em janeiro, nos aeroportos brasileiros, segundo a Agência Nacional de Aviação Civil.
O terminal ultrasseguro habilitará o aeroporto a fazer procedimentos que hoje não são possíveis. Por exemplo: a aplicação de selos em relógios importados. Os relógios que vêm de fora têm de receber um selo da Casa da Moeda do Brasil antes de serem distribuídos. Trata-se de uma medida para evitar o contrabando, algo que geralmente é feito fora do aeroporto. Outra situação em que uma área de alta segurança como essa pode ser útil é o processo de validação do quilate de uma joia, algo hoje feito no Aeroporto de Heathrow.
Estratégia
Em geral, por questões estratégicas, os aeroportos não dão informações sobre a estrutura para cargas de alto valor. O aeroporto de Guarulhos, por exemplo, que lidera em movimentação de cargas no País, diz que tem cofres nos armazéns, mas não dá detalhes sobre o serviço. "Nossa estrutura de segurança será completamente distinta de tudo que nós conhecemos por aqui", diz Fernando Sizenando, presidente da Brinks Brasil. Em Viracopos, a empresa também terá serviços de monitoramento na importação, entrega e transporte.
Para o presidente da Associação Brasileira de Fornecedores de Equipamentos de Tecnologia para Aeroportos, Jorge Leal, a construção de um terminal para cargas de alto valor pode ser vista como um dos vários esforços dos aeroportos em oferecer mais que o serviço tradicional. "Assim, você faz do aeroporto não só um terminal de carga e descarga, mas um local de serviços de valor agregado." Leal lembra que esses serviços permitem receita importante, que vai além da taxa de embarque. Colaborou Marina Gazzoni. (O Estado de SP – 23/03/2015)

Escalada do dólar acelera planos de exportadoras
BRASIL
Conjuntura Embarques podem compensar perda de receita interna
Marta Watanabe
O ritmo surpreendente da desvalorização do real frente ao dólar colocou a exportação com mais força no radar da indústria, segundo entidades que representam o setor manufatureiro e empresas dos segmentos de bens de capital, material de transporte, calçados, móveis e papel e celulose.
Para empresas como Romi, Randon, Metalplan, Democrata e Butzke, o maior foco na exportação muitas vezes é uma forma decompensar, ao menos em parte, a possível perda de receita com o mercado interno.
Quem se arrisca a dar números fala em crescimento de 10% a 15% em relação a 2014.
"Com esse câmbio o problema não é mais o preço e sim a demanda", diz José Augusto de Castro, presidente da Associação de Comércio Exterior do Brasil (AEB). Para ele, como a demanda internacional está ainda baixa, o dólar pode beneficiar quem manteve exportação mesmo com dólar fraco.
Éo caso da fabricante de bens de capital Romi Ameta da empresa é de crescimento de 10% a 15% nas exportações em 2015, na comparação com o ano passado, diz Cassiano Rosolen, presidente da empresa desde o dia 18. Em 2014, a receita operacional líquida da Romi com mercado externo cresceu 13,8% em dólares. Em moeda nacional a alta foi de 24,2%, o que melhorou o resultado consolidado. Em sentido inverso, a receita no mercado doméstico caiu 11,3% em dólares e 18,7% em reais. Com o desempenho, a fatia do mercado externo avançou de 31,3% para 43,9% da receita líquida consolidada.
Com estimativa de dólar médio a R$ 3 para este ano, Rosolen diz que os EUA são um dos mercados mais promissores, no qual a empresa investe há cerca de três anos, com produtos específicos e rede de assistência técnica. Entre os destinos importantes estão também o Reino Unido e, no mercado regional, Peru e Colômbia.
De forma semelhante ao fim de 2014, a empresa está em compasso de espera em relação à demanda doméstica para 2015. "O ano passado terminou quieto e começouquieto", diz Rosolen, que ocupou o cargo de diretor financeiro da Romi de 2008 até o início deste mês. A empresa continua ocupando apenas 50% da sua capacidade para produção de máquinas, excluindo a atividade de fundição e fabricação de equipamentos de energia eólica.
O diretor financeiro e de relações com investidores da Randon, Geraldo Santa Catharina, diz que a maior desvalorização cambial torna a exportação estrategicamente mais importante, embora o projeto de ampliar mercado e produção em bases internacionais já exista. A empresa deve rever a taxa projetada inicialmente de dólar para o ano, "abaixo de R$ 3".
O câmbio, diz o executivo da fabricante de implementos rodoviários, gera inflação em algunscomponentes, mas dá mais competitividade para exportar. "É o mercado quem diz até quanto se paga e o câmbio ajuda a negociar." Para o diretor, há perspectiva de elevação de demanda de mercados como o Nafta-bloco que reúne EUA, México e Canadá - e a Europa. "No Nafta, o câmbio deve favorecer a exportação de autopeças e componentes. Nosso foco também está no mercado de reposição." A empresa também exporta para países africanos e da América do Sul.
A perspectiva para o mercado externo, diz o diretor, é mais positiva que a da demanda doméstica. "Por enquanto a expectativa para o mercado interno é desfavorável, com possibilidade de contração de PIB e dados negativos de produção de caminhões e veículos."
O mercado interno, diz, representa 82% da receita do grupo Randon.
Para José Ricardo Roriz Coelho, diretor de competitividade da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp ),a exportação é o caminho mais viável para quem se manteve no mercado externo. Nesse caso, diz, exportar é uma forma de neutralizar o efeito do câmbio sobre insumos dolarizados e se defender da fraca demanda doméstica.
"A exportação da indústria deve ter um início de recuperação, embora nada muito expressivo ainda."
Para Roriz, a perda de mercado que o Brasil sofreu nos últimos anos em produtos de maior valor agregado é um dos desafios.
Na calçados Democrata, o maior ritmo de desvalorização do real permitirá uma política de preços "mais agressiva" para a venda da coleção de verão, a ser iniciada em junho. Marcelo Paludetto, diretor comercial, conta que a venda da coleção de inverno, realizada em março com base em dólar mais barato, permitiu corte de preços entre 3% e 5% em relação aos praticados para a estação em 2014. Coma alta do dólar, é possível avançar na redução de preços, diz, sem anunciar um percentual de corte.
"É preciso ser cauteloso porque o câmbio reflete um momento político específico, mas dá para ser mais agressivo, mesmo com a inflação nos insumos", diz.
Para Paludetto, o câmbio pode devolver nos próximos meses parte da depreciação, mas ele estima que a taxa deve ficar acima de R$ 3. "Como as vendas da nova coleção começam em junho, temos algum tempo para a precificação."
A taxa atual, diz Paludetto, permitiu que importadores americanos voltem a procurar a calçadista na expectativa de obter produtos com preços mais competitivos. Com o quadro atual, diz, o volume de exportação pode superar o aumento de 10% este ano.
Hoje, um quarto da produção da empresa vai para o exterior. As Américas representam 60% da exportação.
Michel Otte, diretor comercial da fabricante de móveis Butzke, conta que o interesse maior dos americanos ressurgiu desde o ano passado, ao mesmo tempo em que a exportação voltou a com mais força no radar. Esse interesse é um dos motivos pelo qual ele estima que a exportação avance de 30% em 2014 para 35% este ano no total da produção. Há dois anos, conta ele, os EUA representavam 25% das vendas ao exterior da companhia e agora já atingem mais da metade.
Na Metalplan também há a percepção de que o câmbio já possibilita negociações para exportação que antes seriam descartadas logo no início. "A ideia é aproveitar o momento como oportunidade para conseguir mais mercado", diz Edgard Dutra, diretor da fabricante de bens de capital.
Dutra conta que a empresa tem acompanhado o movimento do câmbio, que pode fazer diferença nas novas listas de preço da empresa. Ele pondera, porém, que a empresa tem investido em produtos novos para ganhar mercadotambém internamente. Segundo ele, a expectativa é que a evolução do dólar permita manter o processo de substituição de importações já iniciado e que a receita com exportação cresça 15%. No ano passado, o faturamento da Metalplan caiu 20% em relação a 2013 e o plano de Dutra para este ano é crescer de 10%a 15%sobre2014.
Na divulgação dos balanços anuais, o mercado externo foi ponto de destaque para a fabricante de máquinas WEG. Hariy Schmelzer Junior, presidente da empresa, disse que os planos envolvem expansão da fatia do mercado externo nos negócios da companhia para 60% em cinco anos. O executivo diz que o dólar mais alto eleva a competitividade para exportar, mas diz também que há pressão sobre custos, como aço e cobre.
A principal vantagem de um patamar mais elevado da moeda americana, diz Schmelzer, é o efeito nos clientes. "Eu fico mais competitivo [com o dólar mais valorizado], mas torço muito mais para que os clientes da WEG fiquem mais competitivos" (Colaborou Victória Mantoan, de São Paulo) (Valor Econômico – 23/03/2015)

Brasil recua e reduz projetos de cooperação e doações para a África
PATRÍCIA CAMPOS MELLO
DE SÃO PAULO
Falta de recursos e de interesse começam a desmontar a ofensiva comercial e diplomática do Brasil na África.
Após ganhar espaço e influência no continente durante o governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que abriu 17 embaixadas e fez inúmeras viagens a países africanos, o país está recuando.
O orçamento dos programas de cooperação do governo brasileiro na África caiu 25% desde 2012, e vários projetos estão parados. A FGV tinha 60 projetos na África há três anos e agora tem dois.
A Vale encerrou atividades de exploração mineral em três países africanos e vendeu parte das operações em Moçambique à Mitsui, no fim do ano passado. A Petrobras devolveu cinco blocos de exploração nos últimos dois anos.
E as exportações brasileiras para a África (pico de US$ 12,22 bilhões em 2011), fecharam 2014 em US$ 9,70 bilhões, recuo de 20%. No mesmo período, as exportações totais do Brasil caíram 12%.
O Pró-Savana, um dos projetos mais emblemáticos, está em marcha lenta. A parceria de Japão, Brasil e Moçambique visa desenvolver a agricultura da região do corredor de Nacala (norte moçambicano), de características similares às do cerrado brasileiro.
Para isso, a Embrapa montaria um laboratório de solos e o Japão, outro. O laboratório dos japoneses está pronto. Já o de Lichinga, que teria seu custo de US$ 1,5 milhão financiado pelo Brasil, por meio da ABC (Agência Brasileira de Cooperação), está parado por falta de recursos, segundo apurou a Folha.
"Há uma retração na política externa para a região, ao mesmo tempo em que as empresas brasileiras vivem situação econômica difícil, com preços de commodities em baixa", avalia Adriana Abdenur, professora da PUC-RJ.
"China, Índia e Turquia ganham espaço com o recuo do Brasil no continente", diz.
A execução orçamentária da ABC (montante efetivamente usado) caiu 25% –de R$ 36,9 milhões em 2012 para R$ 27,8 milhões em 2014. A agência tinha 253 projetos ou atividades na África em 2010. No ano passado, eram 161.
"Todos os projetos estão atrasados e com dificuldades. Só não faltam recursos para a área de algodão, que tinha dinheiro proveniente do contencioso comercial com os EUA", afirma à Folha uma pessoa envolvida nos projetos.
"O atual governo não tem nenhuma sensibilidade para política externa, muito menos para a África. Antes, não havia dinheiro para a África porque não era prioridade. Agora, não há dinheiro para a África porque não há dinheiro", diz ela, sob anonimato.
A ABC renegociou com alguns países, pedindo para compartilhar custos –quem não topou teve projetos cancelados. Agora, a agência está concentrada em concluir os projetos já iniciados.
Mesmo assim, por falta de recursos, alguns foram abandonados pela metade. É o caso do centro do Senai em Maputo ( Moçambique) para capacitar mão de obra. Os equipamentos foram comprados, mas faltam os US$ 3,5 milhões necessários à reforma da área designada para o centro.
"Houve considerável otimização no uso de recursos, com redução do custo médio dos projetos, embora tenha havido ajustes no número de atividades na África nos últimos dois anos", diz Fernando Abreu, diretor-geral da ABC.
Na sexta (20), durante almoço com embaixadores africanos em Brasília, o chanceler brasileiro Mauro Vieira disse que o engajamento do Brasil no continente africano é "uma política de Estado". Mas admitiu dificuldades.
"Ajustes conjunturais podem incidir momentaneamente (...), mas não alteram nossa noção de prioridades. A África foi, é e continuará a ser uma prioridade absoluta da política externa brasileira." Na semana que vem, Vieira viajará para Gana, São Tomé e Príncipe, África do Sul, Angola e Moçambique.
QUEDA NAS DOAÇÕES
Até a cooperação humanitária foi afetada. Em 2012, as doações à África foram de US$ 65,2 milhões. Em 2013, caíram 89%, para US$ 6,9 milhões. Em 2014, foram de US$ 11,9 milhões, mas só porque incluíram US$ 9,6 milhões de doação extraordinária para combate ao ebola (com atraso na liberação dos recursos).
O recuo vai na contramão da estratégia de "foco na África" de Lula e seu chanceler, Celso Amorim, que servia também à ambição do Brasil por maior protagonismo global.
O Brasil reivindicava assento permanente num Conselho de Segurança da ONU expandido. A África representa 50 votos. O governo credita duas conquistas " "as eleições de Roberto Azevêdo para a chefia da OMC e de José Graziano para a da FAO– a essa expansão africana.
Para Cleber Guarany, que trabalha há oito anos com projetos na África, o recuo da política externa brasileira afeta as empresas, hoje menos dispostas a se arriscar.
Segundo ele, a FGV chegou a ter 60 projetos em sete países, num total de US$ 3 bilhões, com apoio do governo brasileiro. Hoje são só dois, em Moçambique e Angola, "com freio de mão puxado". (Folha de SP – 22/03/2015)

 
Abinee - Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica

Escritório Central: Avenida Paulista, 1313 - 7º andar - 01311-923 - São Paulo - SP
Fone: 11 2175-0000 - Fax: 11 2175-0090