DRI Clipping Semanal nº 27 - 13 a 17/07/15

Acordos


Veja mais

Presidentes del Mercosur buscan revitalizar el bloque
Por AFP
BRASILIA. Los presidentes del Mercosur abrieron el viernes en Brasilia su cita semestral enfocados en reimpulsar el comercio, ante el deterioro de sus principales economías, y en recibir a Bolivia como nuevo socio.
En la reunión preparatoria de cancilleres, Paraguay y Uruguay presentaron un plan para eliminar las barreras que aún obstaculizan el intercambio dentro de la unión aduanera. La propuesta -que sería ejecutada en el segundo semestre- fue bien recibida en la antesala de la cumbre presidencial, que comenzó precedida de reclamos públicos de Brasil y Uruguay para flexibilizar al Mercosur en las negociaciones extrazona.
A media mañana, la anfitriona Dilma Rousseff recibió en el Palacio de Itamaraty, sede de la cancillería brasileña, a los presidentes de Argentina Cristina Kirchner, de Paraguay Horacio Cartes, de Uruguay Tabaré Vázquez, de Venezuela Nicolás Maduro y de Bolivia Evo Morales. En la cita de este viernes se terminará de sellar el ingreso de Bolivia como sexto miembro pleno del Mercosur.
La adhesión de este país se acordó cuando Paraguay estaba suspendido del bloque (tras la destitución del expresidente Fernando Lugo en 2012 en un controvertido juicio político), por lo que deberá suscribirse una nueva versión, que luego deberá ser ratificada por los parlamentos de Paraguay y Brasil. “Venimos a fortalecer al Mercosur. Mercosur es nuestro norte, es nuestro camino y con Mercosur vamos a seguir apostándolo todo a su transformación, a su fortalecimiento y a su engrandecimiento” , dijo Maduro la noche del jueves a la prensa oficial de su país.
Venezuela, que entró al bloque en 2013, también planteará en la cumbre del Mercosur el diferendo limítrofe que mantiene con Guyana por el Esequibo. Guyana será admitido este viernes como miembro asociado al bloque. Su presidente David Granger fue este viernes el primero en llegar a Itamaraty y sostuvo una breve reunión con Rousseff previa a la cumbre. También Surinam entrará como miembro asociado.
Más comercio
La 48ª reunión del bloque estuvo precedida los últimos meses por varios llamados a la apertura y flexibilidad tanto para el comercio intrabloque como hacia el exterior, liderados por Brasil, Uruguay y Paraguay.
El programa propuesto por Paraguay y Uruguay -las economías más pequeñas del bloque- para eliminar barreras al comercio interno será ejecutado a lo largo del segundo semestre. Y a fines de 2015 podrá conocerse qué medidas arancelarias y no arancelarias -como disposiciones administrativas para la exportación de productos- serán mantenidas o no, explicó un diplomático brasileño presente en las negociaciones.
“Brasil también tiene mucho interés en esa propuesta”, afirmó el diplomático el jueves por la noche. En los últimos años, el Mercosur ha visto caer su dinámica comercial interna por medidas proteccionistas de algunos de sus socios, tendencia que se agudizó por el deterioro de la situación económica en Brasil, Argentina y Venezuela.
Según datos divulgados por la mayor asociación industrial de Brasil, Confederación Nacional de la Industria, el valor de las exportaciones brasileñas al Mercosur cayeron 15% en el 2014 respecto al año anterior. Para la entidad, el sector más golpeado es el de productos manufacturados.
Pero no sólo hay llamados para allanar el comercio interno, sino también para tener más libertad de cara al exterior. Según el canciller paraguayo, Eladio Loizaga, el Mercosur enfrenta “desafíos” en sus negociaciones con la Unión Europea para establecer una zona de libre comercio y también por la existencia de “procesos económicos difíciles”.
El bloque sudamericano planea intercambiar propuestas a fines de este año con la Unión Europea (UE) para la creación de un área de libre comercio, un dilatado proceso que arrancó en 1999. El ministro brasileño de Desarrollo, Industria y Comercio Exterior, Armando Monteiro, ha insistido en que Brasil debe “integrarse” a otras corrientes comerciales “que hoy son más dinámicas que el Mercosur”.
La propia presidenta Rousseff dijo, durante una reciente visita de Tabaré Vázquez a Brasil, que el bloque debía adaptarse a las nuevas circunstancias. La idea de mayor flexibilidad es vista, sin embargo, con reticencia por Argentina. Durante la cita de este viernes Brasil traspasará a Paraguay la presidencia rotativa del bloque sudamericano. Tras la cumbre, por la tarde, Rousseff y Kirchner sostendrán una reunión bilateral en la residencia de la presidencia brasileña. (ABC Color - 17/07/2015)

Rousseff defiende "flexibilidad" en las normas internas del Mercosur
Por EFE
BRASILIA. La presidenta brasileña, Dilma Rousseff, defendió durante la inauguración de la Cumbre semestral del Mercosur que este bloque mantenga "flexibilidad" en la aplicación de sus normas internas para permitir que los socios puedan afrontar crisis.
"Continuamos empeñados en consolidar la unión aduanera; no obstante, hemos de reconocer que la crisis plantea desafíos para los Estados. Por ello defendemos que las normas se mantengan flexibles para que los Estados puedan adoptar las medidas adecuadas", dijo Rousseff en su discurso.
Paraguay y Uruguay han demandado a Argentina y Brasil que se eliminen las barreras arancelarias que impiden una plena y libre circulación de bienes en el Mercosur. La demanda fue planteada por los dos socios menores del bloque, que también integra Venezuela, en el marco de la reunión semestral del Consejo Mercado Común (CMC) del Mercosur, realizada este jueves en Brasilia.
En su discurso, Rousseff dijo hoy que la crisis "no es una razón para crear barreras" entre los miembros del Mercosur, a la vez que abogó por " recuperar la fluidez " del comercio entre los países socios. La mandataria brasileña también defendió que el Mercosur prosiga sus esfuerzos en la ampliación de mercados y en la firma de acuerdos comerciales con otros bloques, entre los que se refirió expresamente a la Unión Europea.
Rousseff aprovechó su pronunciamiento para dedicar un aplauso, a modo de despedida, a la presidenta argentina, Cristina Fernández, que participa en su última cumbre del Mercosur, pues no podrá ser reelegida en las elecciones del próximo octubre. (ABC Color - 17/07/2015)

Descartan un acuerdo con la Unión Europea en 2015
"Escepticismo", "más de lo mismo", "un paso atrás", "esta película ya la vimos otras veces", fueron algunos de los conceptos que expertos en comercio internacional comentaron sobre la posibilidad de que antes de fin de año se realice un intercambio de ofertas para cerrar un TLC entre el Mercosur y la Unión Europea (UE).
La dosis de optimismo y empuje que el gobierno de Tabaré Vázquez dio desde su asunción para que el bloque regional saliera de su estancamiento y avanzara en su inserción internacional con la firma de un tratado con la UE que hace 20 años está sobre la mesa y la firme predisposición de Brasil de acompañar esa alternativa, no parecen ser suficientes para alcanzar ese objetivo en el corto plazo. Si bien las declaraciones que distintos jerarcas de ambos bloques expresaron en las últimas horas en Bélgica en el marco de la cumbre Cumbre de Estados Latinoamericanos y Caribeños (Celac) con líderes de la UE transmitieron confianza en avanzar en un intercambio de ofertas durante el tercer trimestre de este año, para los expertos será prácticamente imposible de cumplir.
A juicio del economista y profesor de comercio internacional de la Udelar, Marcel Vaillant, la única posibilidad de avanzar en el corto plazo era que Europa aceptara "bilateralizar" un acuerdo por país con los miembros del Mercosur que tienen mayor interés en cerrar un TLC (Brasil, Uruguay y eventualmente Paraguay). "Sin embargo, ahora vuelven a los cuatro países para que el Mercosur haga una oferta conjunta a la UE. Eso es más de lo mismo. Hoy Europa no tiene los recursos políticos necesarios para cerrar un TLC en 2015", aseguró el experto a El Observador.
En una línea similar, el director del departamento de Negocios Internacionales e Integración de la facultad de Ciencias Empresariales de la Ucudal, Ignacio Bartesaghi, dijo que "estaba convencido" de que Argentina no iba a aceptar "quedar por fuera" de un acuerdo con la UE porque pagaría un "costo muy alto". Asimismo, agregó que Brasil entendió que "relegar" al segundo país del Mercosur "tampoco era negocio" para posicionar su imagen de liderazgo en la región. (Cronista - 17/07/2015)

Rousseff se quiebra al despedir a Kirchner en cumbre de Mercosur
La presidenta de Brasil, Dilma Rousseff, se emocionó visiblemente este viernes al despedir con elogios a su par argentina Cristina Kirchner, que asiste formalmente a su última cumbre del bloque Mercosur.
La presidenta de Brasil, Dilma Rousseff, se emocionó visiblemente este viernes al despedir con elogios a su par argentina Cristina Kirchner, que asiste formalmente a su última cumbre del bloque Mercosur.
"Esta es una de las últimas reuniones a las que asistirá la querida presidenta Cristina Fernández de Kirchner en la condición de dirigente máxima de su país", declaró Rousseff durante la reunión con los otros mandatarios.
"En estos ocho años en que le tocó presidir la nación argentina todos fuimos testigos de cómo mi querida amiga y presidente imprimió conducción libre y democrática a su país", añadió durante su intervención.
Rousseff ofició de anfitriona del encuentro en Brasilia y Kirchner dejará el poder en su país en diciembre de este año, tras ocho de gobierno que comenzaron al suceder a su fallecido marido, Néstor Kirchner.
La presidenta no puede ser reelegida nuevamente por mandato constitucional.
"Desde el punto de vista personal, desde el punto de vista político, quiero decirle Cristina que tendrá aquí en Brasil a una amiga siempre dispuesta para recibirla y para juntas compartir nuevamente y sistemáticamente nuestros sueños y nuestras esperanzas", añadió Rousseff, con lágrimas en los ojos.
Sus palabras fueron aplaudidas en el recinto donde se desarrolla el plenario de la cumbre del bloque que busca reavivar el aletargamiento que vive el bloque integrado por Brasil, Argentina, Paraguay, Uruguay y Venezuela y que tiene a Bolivia finalizando su proceso de adhesión. (El Observador - 17/07/2015)

Vázquez destacó importancia de que Mercosur negocie "en bloque" con la Unión Europea
El presidente pidió a los demás jefes de estado "ser consecuentes" y no convertir ideologías "en dogmas"
AFP
El presidente Tabaré Vázquez fue el primero en hablar en el encuentro de mandatarios del Mercosur que se celebra este viernes en Brasilia y se refirió a la necesidad de que el bloque negocie en conjunto el acuerdo comercial con la Unión Europea.
"Es de vital importancia que a esa reunión concurramos como bloque, todos juntos, los países que integramos el Mercosur", dijo Vázquez.
Señaló que se trata de una negociación que ya lleva 20 años, lo que describió como "bastante tiempo" para generar un acuerdo de este tipo.
"Hay gente que tiene otras urgencias, no puede esperar más para mejorar su vida", dijo Vázquez, y afirmó que esa es la finalidad de generar vínculos comerciales con Europa.
"¿Alguien duda del beneficio del mismo? Actuemos en consecuencia sin perder de vista el mundo en el que vivimos", agregó.
Vázquez pidió a los jefes de estado "ser consecuentes" y no convertir ideologías "en dogmas". Por otra parte, dijo que esperan cumplir con el compromiso asumido con la Unión Europea y Bruselas para poder concluir las negociaciones y comenzar a intercambiar ofertas en el último trimestre de 2015.
De todos modos advirtió que "en materia de integración no hay milagros ni atajos".
En cuanto al rol del Mercosur, opinó que hay "estrecha unidad" de los países miembros de mejorarlo.
Vázquez anunció, por otro lado, la prórroga de otros 10 años a la permanencia del Fondo para la Convergencia Estructural (Focem) para financiar proyectos de infraestructura en los países integrantes del bloque. El canciller argentino, Mauro Vieira, consideró la herramienta como exitosa y dijo que ya lleva en su haber 44 proyectos implementados.
Luego tuvo la palabra la presidenta brasileña, Dilma Rousseff, que resaltó que la búsqueda de nuevos mercados será una prioridad del Mercosur y en ese sentido dijo que se ampliará el diálogo con la Alianza del Pacífico.

Uruguay logró que el Mercosur ponga un plazo de seis meses para eliminar las barreras comerciales
Sesiona hoy la cumbre del Mercosur en Brasilia y el gobierno de Tabaré Vázquez ya se anotó una victoria
El gobierno uruguayo logró ayer que el Mercosur acepte un planteo para empezar a generar un "sinceramiento" en el bloque, que estará dado fundamentalmente en atacar los roces comerciales de los socios. Luego de haber transmitido públicamente el reclamo, la administración de Tabaré Vázquez llevó a los papeles su queja directo a las actitudes proteccionistas de los países más grandes, sobre todo de Argentina. Como dice el dicho popular, Uruguay mantuvo en la comisaría lo que había dicho en la pulpería.
La formalización estuvo a cargo del canciller Rodolfo Nin Novoa en la reunión de ministros de Relaciones Exteriores de ayer jueves en Brasil. La resolución que planteó Uruguay, y que fue aprobada ayer, según confirmaron a El Observador fuentes de la delegación uruguaya, indica que se instruye al Mercado Común a elaborar un "plan de acción" para el "fortalecimiento del Mercosur comercial y económico". Esa tarea deberá ser abordada durante el segundo semestre de 2015, y tendrá dos prioridades. La primera apunta a eliminar las barreras arancelarias y no arancelarias, y a medidas de efecto equivalente. La segunda a las medidas que afectan la competitividad relativa de los países.
Hoy viernes sesionará el plenario de presidentes del bloque regional en Brasilia, y si bien el tema estará en el orden del día, los cancilleres ya dieron el visto bueno a la solicitud de Uruguay.
Anoche, al arribar a Brasilia, el presidente Vázquez aseguró a medios uruguayos que asistía a la cumbre del bloque con una expectativa "muy optimista".
Los resultados de esta cumbre tienen aun más resultados positivos para los intereses de Uruguay. Según pudo saber El Observador, el bloque prorrogó por 10 años la vigencia del Fondo para la Convergencia Estructural (Focem), el instrumento de financiación de proyectos de infraestructura que busca corregir las asimetrías entre los miembros del bloque.
Por otra parte, se fijó ayer para el 14 y 15 de agosto en Asunción (Paraguay) una reunión del Mercosur para comenzar el análisis de las ofertas a presentar a la Unión Europea, con miras a la firma de un tratado comercial.
Ayer en Brasilia, los cancilleres repasaron detalles de la oferta que debe ser presentada a la Unión Europea en el último trimestre, una negociación de la que participan todos los miembros a excepción de Venezuela, que se sumó al bloque en 2013. La UE pidió una nueva reunión técnica para tratar algunos aspectos puntuales, resumió el subsecretario de Desarrollo de Inversiones del Ministerio de Relaciones Exteriores, Carlos Bianco, que asistió en lugar del canciller Héctor Timerman.
Ese intercambio para establecer una zona de libre comercio podría ser un punto de inflexión en las extensas negociaciones iniciadas en 1999.
No se cumple
Será la primera cumbre del Mercosur en mucho tiempo con todos los presidentes cara a cara y además el primer encuentro en el que Vázquez participe nuevamente y se cruce con la mandataria argentina Cristina Fernández de Kirchner.
El gobierno uruguayo pretende un cambio "profundo" en la dinámica del bloque, dijeron a El Observador fuentes políticas.
El canciller Rodolfo Nin Novoa no lo ha disimulado en las declaraciones previas a su viaje a Brasilia. Esta semana dijo que la "aspiración máxima" es lograr un "sinceramiento" del bloque.
¿Qué quiere decir esa palabra tan repetida por los jerarcas uruguayos? En el gobierno asumen que el Mercosur es un fracaso. No funciona como lo que supuesta mente es, un bloque comercial de libre comercio.
El artículo 1° del tratado que creó el Mercosur no se cumple. No existe la "libre circulación de bienes, servicios y factores productivos". El texto, aprobado en 1991, establece que eso se logrará a través "de la eliminación de los derechos aduaneros y restricciones no arancelarias a la circulación de mercaderías y de cualquier otra medida equivalente". Eso no sucedió nunca.
"Esa es nuestra aspiración de máxima, con la implementación de un plan de acción que se va a llevar a cabo durante la presidencia pro témpore de Paraguay, que es quien la toma el miércoles, durante seis meses, para eliminar esas barreras para-arancelarias que nos están impidiendo el libre tránsito de nuestros bienes comerciales y servicios entre los países de la región", dijo Nin Novoa esta semana.
Por otra parte, en la cumbre se espera la presencia del presidente Evo Morales para que el Mercosur de ingreso como miembro pleno a Bolivia. (El Observador y agencias - 17/07/2015)

Rousseff inaugura la cumbre semestral del Mercosur
La mandataria brasileña, Dilma Rousseff, inauguró hoy la cumbre semestral del Mercosur, en la que su país le entregará la presidencia rotatoria del bloque al gobernante paraguayo, Horacio Cartes, quien la ejercerá hasta fines de este año.
La mandataria brasileña, Dilma Rousseff, inauguró hoy la cumbre semestral del Mercosur, en la que su país le entregará la presidencia rotatoria del bloque al gobernante paraguayo, Horacio Cartes, quien la ejercerá hasta fines de este año.
A la cumbre, que se celebra en Brasilia, asisten los presidentes de Argentina, Cristina Fernández; Paraguay, Horacio Cartes; Uruguay, Tabaré Vázquez, y Venezuela, Nicolás Maduro.
También están presentes los presidentes de Bolivia, Evo Morales, y de Guyana, David Granger, únicos mandatarios de los siete Estados asociados al Mercosur que han viajado a Brasilia para esta cita. (La Razon - 17/07/2015)

La Alianza del Pacífico falta a la cita del Mercosur
Brasilia, 17 jul (EFE).- Los mandatarios de Chile, Colombia y Perú, cuyos países son parte de la Alianza del Pacífico y al mismo tiempo están asociados al Mercosur, han faltado a la cumbre que hoy reúne a los líderes de Argentina, Brasil, Uruguay, Paraguay y Venezuela en Brasilia.
La Alianza del Pacífico, que completa México, ha coqueteado en los últimos tiempos con el Mercosur con vistas a una posible integración entre ambos bloques, un asunto sobre el que hubo quien conjeturase que podría estar sobre la mesa en esta cumbre.
A la XLVIII Cumbre del Mercosur también fueron invitados los presidentes de los otros cuatro Estados asociados al bloque, que son Ecuador, Surinam, Bolivia y Guyana, aunque sólo los mandatarios de los dos últimos asistieron.
El presidente colombiano, Juan Manuel Santos, rebajó a mínimos la representación de su país, que fue asumida por la embajadora en Brasilia, Patricia Cárdenas, mientras que el peruano, Ollanta Humala, envió a la diplomática Marcela López Bravo, que ocupa el cargo de coordinadora nacional de Perú para el Mercosur.
El Gobierno de Chile, por su parte, tomó una decisión inusual y delegó esa responsabilidad en su ministro del Interior, Jorge Burgos, cuyo cargo parece ajeno a los asuntos externos del país.
Burgos asiste en lugar de la presidenta Michelle Bachelet, que tampoco pudo enviar a su canciller, Heraldo Muñoz, pues éste debía viajar a Washington para asistir a una reunión del Acuerdo Transpacífico de Cooperación Económica (TPP).
La ausencia de Bachelet en la cumbre resulta paradójica dado que Chile es uno de los más firmes impulsores de la convergencia entre la Alianza del Pacífico y el Mercosur.
Incluso la propia mandataria ha intentado convencer a sus socios de que la región vive un "momento histórico" para sentar las bases de la unidad entre ambos bloques.
Dentro del Mercosur, Brasil, Uruguay y Paraguay también desean una aproximación con la Alianza del Pacífico para ampliar sus horizontes comerciales, aunque enfrentan ciertos "recelos ideológicos" de Argentina y Venezuela.
Hasta el momento ambos bloques tan sólo han conseguido definir una "agenda corta", que incluye algunos objetivos concretos como la facilitación del comercio, la certificación electrónica o el libre tránsito de ciudadanos por los países de los dos grupos.
Con una economía en recesión, la presidenta de Brasil, Dilma Rousseff, ha aprovechado el pequeño acercamiento entre ambos bloques y le ha hecho un guiño a los países del Pacífico con el lanzamiento de un plan para estimular las exportaciones de su país.
Chile, Colombia, Perú y México han sido incluidos en los países "prioritarios" de ese plan, que apunta a diversificar y ampliar las exportaciones de Brasil, que el año pasado cerraron en rojo por primera vez en catorce años.
Esa intención de Brasil de buscar ampliar los horizontes para sus productos y servicios en el exterior no significa, según ya aclaró la propia Rousseff, marginar a los socios del país en el Mercosur.
La cumbre de Brasilia representaba una oportunidad para que los mandatarios de ambos bloques se sentaran cara a cara, dialogaran sobre posibles frentes de cooperación y limaran diferencias entre los dos mecanismos latinoamericanos.
No obstante, la baja de Santos, Bachelet y Humala aplazará para otra ocasión un posible encuentro entre los miembros suramericanos de la Alianza y el Mercosur, dos bloques que en conjunto representan más del 80 % del comercio exterior de América Latina y algo más del 90 % del PIB regional, según datos de la CEPAL. (Ultima Hora - 17/07/2015)

Hay principio de acuerdo para extender plazo de normas de origen hasta el 2025
El Gobierno logró cerrar un principio de acuerdo para extender hasta el 2025 el régimen de normas de origen de importación de bienes. Es uno de los temas centrales de la agenda del Gobierno de Cartes en la Cumbre del Mercado Común del Sur (Mercosur), que se desarrolla en la capital de Brasil.
Ayer comenzó la reunión de cancilleres en el marco del encuentro del Consejo Mercado Común en el Palacio de Itamaraty. El ministro de Relaciones Exteriores, Eladio Loizaga, bajó la línea del Gobierno en torno a la necesidad de lograr extender el plazo para el régimen de normas de origen. La propuesta fue debatida y consensuada con el apoyo de los demás países.
El tema es considerado vital para el Gobierno porque la disposición regional habilita a que los productos fabricados en Paraguay tengan hasta el 60% de piezas de países que no integran en Mercosur, pero el componente final pueda ser reconocido como producto nacional.
Con esto, nuestro país busca seguir manteniendo el atractivo que tiene para la radicación de inversiones a largo plazo.
Paraguay es el único que tiene 40% de piezas de origen Mercosur frente al 50% que tiene Uruguay y 60% Argentina.
Es fundamental mantener este régimen para el Gobierno paraguayo.
Los cancilleres también aprobaron la propuesta de Paraguay y Uruguay de la revisión de las medidas arancelarias.
Paraguay asume oficialmente mañana la presidencia pro témpore, atribución que le fue negada desde el 2012. El presidente Horacio Cartes y sus ministros consideran que Mercosur debe retornar a su origen con un esquema atractivo, dinámico y eficiente, plataforma y catalizador de inversiones para el país.
Por su parte, el presidente del Banco Central del Paraguay (BCP), Carlos Fernández Valdovinos, discutirá con sus pares sobre desarrollo y el crecimiento macroeconómico basados en la coyuntura mundial. Analizaron el impacto de la caída de los precios de las materias primas (soja, carne, trigo, maíz).
Cartes y su equipo mantienen su postura sobre tres ejes principales con sus socios del bloque: libre comercio, menos trabas e integrar las cadenas productivas.
El gobierno de Cartes planteó a Brasil entrar en su cadena de abastecimiento, dado que este país importa de Asia 65.000 millones de dólares. Existe un acercamiento entre sectores de la Confederación Industrial de Brasil y el sector de la maquila en Paraguay.
UE. En cuanto a las negociaciones que algunos países del bloque pretenden encaminar con la Unión Europea, la delegación paraguaya quiere lograr una alianza comercial con este bloque. Será la prioridad del presidente Cartes y trabajará fuerte en ese punto.
Las negociaciones con la UE están estancadas desde el 2004. En noviembre se realizará una reunión en Asunción para poner las ofertas sobre la mesa y avanzar en las negociaciones. (Ultima Hora - 17/07/2015)

Mercosur analiza los avances de la integración de las cadenas productivas
Los avances en la integración de las cadenas productivas del Mercosur se discutieron en el primer día del V Foro Empresarial del bloque.
El encuentro está siendo celebrado en Belo Horizonte (Brasil) hasta hoy, y cuenta con representantes de Brasil, Argentina, Paraguay, Uruguay, Venezuela y otros países de América del Sur, informó el Ministerio de Desarrollo, Industria y Comercio Exterior (MDIC).
Según el titular del MDIC, Carlos Gadelha, las cadenas productivas es actualmente el tema más ambicioso del Mercosur y destacó que la "integración productiva supone nuevas formas de competir con el mundo".
En el foro participaron importantes representantes del Mercosur, como el gerente de asuntos de Comercio Exterior de la Asociación Brasileña de la Industria Química (Abiquim), Eder da Silva, y el presidente de la Asociación Brasileña de Fabricantes de Juguetes (Abrinq), Synésio Baptista.
"Cuando empezamos a trabajar regionalmente, China tenía el 70% del mercado del juguete, ahora el producto fabricado en el Mercosur representa el 51% del consumo", destacó Baptista.
El sector de los juguetes, señaló además, permitió crear en el Mercosur más de mil puestos de trabajo y aseguró que el bloque constituye el quinto mayor mercado del mundo, con 75 millones de niños. La segunda mayor fábrica de juguetes fuera de China están instaladas en Paraguay y Uruguay, indicó el funcionario de Abrinq.
Por su parte, Eder da Silva expresó que la integración productiva de la industria química permitió a Brasil ubicarse como el sexto mayor productor de químicos. La cadena es muy larga y requiere altas inversiones, aseguró da Silva.
"Para la industria química es fundamental la planificación a mediano y largo plazo, sobre todo si tenemos en cuenta la petroquímica y el gas, dos importantes mercados del Mercosur", advirtió el funcionario de Abiquim. (Marco Trade News - 17/07/2015)

Inicia XLVIII Cúpula do Mercosul em Brasília
Brasília, 17 jul (Prensa Latina) A XLVIII Cúpula do Mercado Comum do Sul (Mercosul) começou hoje nesta capital com a presença dos presidentes das nações membros deste bloco e dos estados associados.
Depois do recebimento oficial dos presidentes do Uruguai, Venezuela, Argentina e Paraguai no Palácio do Itamaraty pela chefa de Estado brasileira, Dilma Rousseff, os governantes reuniram-se a portas fechadas para discutir temas de integração produtiva, promoção comercial, atração de investimentos e das pequenas e médias empresas.
Pouco depois se incorporarão a este encontro os representantes das nações membros associados (Guayana, Bolívia, Equador, Chile, Peru, Suriname e Colômbia) do bloco sul-americano.
Segundo a agenda oficial, está previsto que os presidentes assinem um protocolo de adesão da Bolívia ao Mercosul, o qual já foi ratificado pelos parlamentos argentino, venezuelano e uruguaio, faltando ser referendado pelos legislativos de Brasil e Paraguai.
Prevê-se igualmente que os presidentes revisem a proposta a ser apresentada à União Europeia (UE) no último trimestre deste ano, tendo em vista iniciar a negociação de um acordo de livre comércio entre estes dois blocos.
Nesta cúpula, o Paraguai assumirá a presidência pró tempore desta associação sub-regional depois de três anos, pois em julho de 2012 foi suspenso com motivo da destituição parlamentar do governante Fernando Lugo.
Sua reincorporação a este grupo ocorreu em agosto de 2013, com a chegada ao poder de Cartes.
Antes desta XLVIII cúpula, realizou-se uma reunião do Conselho do Mercosul, integrado pelos chanceleres dos países integrantes do bloco mais as nações associadas, na qual revisaram aspectos técnicos e acordaram examinar nos próximos seis meses as barreiras alfandegárias que dificultam o livre trânsito de bens entre seus territórios.
Trata-se de impulsionar um plano de ação com o propósito de reativar o comércio com a eliminação das travas que atualmente dificultam o intercâmbio de mercadorias, destacou ontem o ministro paraguaio de Exterior, Eladio Loizaga.
Vamos realizar uma revisão das normas, identificar as barreiras que freiam o comércio dentro de bloco, enfatizou ao destacar que esta proposta do plano de ação foi apresentada por ele e seu homólogo uruguaio, Rodolfo Nin Novoa.
À tarde, depois do fim deste encontro, as presidentas do Brasil e da Argentina sustentarão uma reunião privada para analisar temas bilaterais.
Criado em 1991, este bloco constitui um espaço comum que busca a integração competitiva das economias nacionais tendo em vista gerar oportunidades comerciais e de investimentos. (Prensa Latina - 17/07/2015)

Suriname e Guiana vão entrar no Mercosul como membros associados
Kelly Oliveira, Yara Aquino e Marcelo Brandão - Repórteres da Agência Brasil
Os países membros do Mercosul - Argentina, Brasil, Paraguai, Uruguai e Venezuela - assinaram acordo para incluir o Suriname e a Guiana como associados ao bloco.
Hoje (17), também foi assinado novo protocolo para a inclusão da Bolívia no bloco. Em 2012, Argentina, Brasil, Uruguai e Venezuela assinaram acordo de entrada da Bolívia, quando o Paraguai estava suspenso do bloco - por causa do golpe parlamentar contra o ex-presidente Fernando Lugo.
Como os parlamentos da Argentina, do Uruguai e da Venezuela já haviam aprovado a inclusão do país no bloco, não será necessária nova ratificação. No caso do Brasil e do Paraguai, o Congresso de cada país ainda terá que aprovar a inclusão da Bolívia. Atualmente, a Bolívia é classificada como país associado, em processo de inclusão.
A 48ª edição da Cúpula dos Chefes de Estado do Mercosul e Estados Associados ocorre hoje, no Palácio Itamaraty, em Brasília.
A Cúpula de Chefes de Estado encerra a presidência Pro Tempore Brasileira do Mercosul, exercida durante o primeiro semestre de 2015. Ao final da Cúpula, a Presidência Pro Tempore do bloco será transferida para o Paraguai.
Integram o Mercosul todos os países sul-americanos, como Estados Partes ou como Estados Associados. Edição: Valéria Aguiar (Agência Brasil - 17/07/2015)

Mercosul assina protocolo de inclusão da Bolívia no bloco
Os países-membros ao Mercosul, Argentina, Brasil, Paraguai, Uruguai e Venezuela, assinaram hoje (17) novo protocolo para a inclusão da Bolívia no bloco. Em 2012, Argentina, Brasil, Uruguai e Venezuela assinaram protocolo de entrada da Bolívia, quando o Paraguai estava suspenso do bloco - por causa do golpe parlamentar contra o ex-presidente Fernando Lugo.
Como os parlamentos da Argentina, Uruguai e Venezuela já haviam aprovado a inclusão do país no bloco, não será necessária nova ratificação. No caso do Brasil e do Paraguai, o Congresso de cada país ainda terá que aprovar a inclusão da Bolívia. Atualmente, a Bolívia é classificada como país associado, em processo de inclusão. (Agência Brasil - 17/07/2015)

Brasil vai mediar conflito entre Guiana e Venezuela
Presidente guianês fez o pedido durante reunião com Dilma Rousseff
por Eliane Oliveira / Evandro Éboli
BRASÍLIA - A pedido do presidente da Guiana, David Granger, o Brasil está disposto a mediar uma negociação entre a ex-colônia britânica e a Venezuela, para que seja encontrada uma solução pacífica para a disputa territorial pela costa de Esequibo. O pedido foi feito nesta sexta-feira por Granger, durante uma reunião bilateral com a presidente Dilma Rousseff. Os dois participarão do encontro de cúpula do Mercosul, no Itamaraty.
- Ele pediu apoio, e o Brasil vai ajudar - revelou ao GLOBO uma fonte do governo brasileiro.
O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, pediu a mediação das Nações Unidas para o conflito territorial, que gira em torno de uma zona marítima onde a americana Exxon Mobil descobriu uma importante reserva de petróleo. A expectativa é que Maduro, que participará da reunião de cúpula de presidentes do Mercosul, também converse sobre o tema com Dilma.
Estima-se que o projeto de exploração da Exxon ocorrerá em uma área, terrestre e marítima, de 159.500 quilômetros quadrados. A soberania do lugar é reclamada por Guiana e Venezuela. A fronteira entre os dois países foi delimitada no fim do século XIX. (O Globo - 17/07/2015)

Nanicos do Mercosul querem ampliar comércio no bloco
MERCADO
Paraguai e Uruguai reivindicam fim de barreiras não tarifárias para ampliar exportações para países vizinhos Objetivo é reduzir a disseminação da crise econômica de Brasil e Argentina para os outros países do grupo Insatisfeitos com a letargia do Mercosul, os sócios minoritários do bloco, Paraguai e Uruguai, prometem pressionar países maiores para derrubar barreiras que travam o comércio dentro da região.
Não se trata de jogo de cena político. Acossados pela recessão no Brasil e pela estagnação na Argentina, os nanicos querem evitar que as portas se fechem em seus principais mercados.
Quase 30% das exportações do Uruguai são para o Mercosul e o percentual se aproxima de45% no caso do Paraguai.Em crise, Brasil e Argentina estão comprando menos, o que tem potencial de disseminar o mau momento econômico aos vizinhos.
No mêspassado, os presidentes dos dois países se encontraram em Montevidéu ecombinaram propor prazos concretos para a resolução de impasses que travam o comércio interno do Mercosul ainda em 2015.
Pretendem aproveitar a presidência temporária do Paraguai --formalizada na reunião desta sexta (17) em Brasília-- para contemplar suas demandas.
"Os países grandes não poderão ignorar a insatisfação dos minoritários, vocalizada por seus presidentes", avalia o analista em comércio exterior argentino Félix Peña.
A primeira queixa contra os "hermanos" maiores são as barreiras não tarifárias de proteção comercial. O Paraguai, por exemplo, não consegue exportar produtos farmacêuticos para o Brasil, embora já venda para os demais países sul-americanos.
"Será que as exigências sanitárias do Brasil são tão maiores do que as da Colômbia, por exemplo?", questiona o analista paraguaio Fernando Masi, da consultoria Cadep.
O Paraguai também quer manter a possibilidade de reexportar produtos que comprou de outros países aos vizinhos, o que é alvo de crítica de empresários brasileiros descontentes com a concorrência indireta chinesa.
Segundo Masi, essas operações representam metade das vendas externas do Paraguai, e a crescente exigência de conteúdo local, tanto no Brasil quanto na Argentina, coloca em risco essa receita.
Outra reclamação é a escassez de fundos para investimentos em infraestrutura no Paraguai e no Uruguai. Os dois países recebem entre 30% e 40% do volume fundo do Mercosul, que tinha cerca de US$ 900 milhões no ano passado. O Brasil, principal financiador destes recursos, está devendo US$120 milhões em transferências.
O problema não é novo, mas voltará ao debate com a chegadadeumnovo sócio,aBolívia,quedeverácombinar qual seráo seu aporte e, principalmente, quanto receberá nesta repartição de recursos.
Para o economista Dante Sica, da consultoria Abeceb, a eleição na Argentina está travando discussões dentro do bloco em um momento em que os países precisam exportar para espantar a crise econômica.
Isso reavivou o racha entre os pequenos e os grandes sócios do Mercosul.
"Há uma percepção no Uruguai e no Paraguai que o Mercosul não está lhes dando nenhum benefício", disse.
"Com [Pepe] Mujica na presidência do Uruguai, essa divisão dentro do bloco não aparecia. Mas Tabaré [Vázquez] é diferente e pretende impulsionar a resolução destes problemas." MARIANA CARNEIRO DE BUENOS AIRES (Folha de SP - 17/07/2015)

Bolívia deve ser oficializada como membro do grupo
MERCADO
O encontro da cúpula dos chefes de Estado do Mercosul, em Brasília, vai selar a entrada da Bolívia como membro pleno do grupo.
Desde 1996 o país é associado ao grupo e pode participar, como convidado, das reuniões que tratem de interesses em comum.
A adesão definitiva da Bolívia já havia sido discutida no último encontro do Mercosul, em dezembro do ano passado, mas não foi definida data para a admissão do país vizinho.
Para que qualquer país seja aceito no bloco, é necessária aprovação de todos os demais.
No fim do ano passado, quase todas as comitivas internacionais já haviam aceitado a inclusão da Bolívia no bloco, menos a paraguaia. O Paraguai estava suspenso do Mercosul quando os outros países decidiram aceitar a Bolívia. (Folha de SP - 17/07/2015)

Mercosul prorroga lista de exceções até 2021
BRASIL
Daniel Rittner
De Brasília
Com término previsto para 31 de dezembro, a lista de exceções à tarifa externa comum (TEC) foi prorrogada pelos países do Mercosul até o fim de2021.O novo prazo foi definido ontem em reunião dos chanceleres do bloco, e vale para Brasil e Argentina. Os demais sócios têm outras datas para acabar com as alíquotas diferenciadas de importação. No caso do Paraguai, as exceções poderão ser aplicadas até 2023.
A lista vem sendo prorrogada desde a criação do Mercosul e simboliza as falhas do projeto de união aduaneira, masé considerada importante pelos países para acomodar pressões temporárias. Cada governo podereduzir ou aumentar as tarifas aplicadas para determinado número de produtos de fora do bloco. O Brasil e a Argentina podem ter alíquotas diferentes da TEC para cem produtos.
Foi renovado, por dez anos, o Fundo de Convergência do Mercosul (Focem). Ele tinha previsão de acabar em 2015. O fundo financia projetos de energia, transportes, integração produtiva e educação, com foco nos países mais pobres do bloco. O Brasil entra com US$ 70 milhões por ano. Argentina e Venezuela colaboram com US$27 milhões cada. O gasto anual do Uruguai é de US$ 2 milhões e o do Paraguai, de US$ 1 milhão.
Mais uma vez, a Bolívia será anunciada como sócia plena do Mercosul. Isso já havia ocorrido em 2012, mas o Paraguai encontrava-se suspenso. Por isso, será assinado novo protocolo de adesão da Bolívia pelo Paraguai e também pelo Brasil, queainda não fez a ratificação no Congresso. Argentina, Uruguai e Venezuela já tiveram aprovação parlamentar e não precisam firmar novo documento. (Valor Econômico - 17/07/2015)

Parlasur hará su primera sesión del año en agosto
El Parlamento del Mercosur, uno de los organismos con menos luces del Mercosur, anunció que hará su primera sesión del año recién en agosto, ocho meses después de iniciarse el año. Paraguay está representado por 18 legisladores.
El Parlasur informó que hará su primera sesión el 17 de agosto, según informó la Cámara de Senadores de Brasil. La sede del ente está ubicada en Montevideo. Además, será presidida por el venezolano Saúl Ortega, según reza un comunicado de prensa del organismo.
El presupuesto aprobado para el año legislativo es de US$ 2.400.000, de los cuales casi US$ 800.000 estarán destinados al pago de funcionarios, indica el comunicado. Son 38 las personas que trabajan de manera permanente en este sitio, a pesar de que pocos saben para qué sirve.
El periodo legislativo será encabezado por Venezuela, pues se anuncia un sistema de separación con el Mercosur, cuya presidencia será tomada por Paraguay, nuevamente. Son 18 los parlamentarios del Mercosur que representan a nuestro país. Tienen los mismos beneficios que los senadores del Congreso. (ABC Color - 16/07/2015)

Cartes viaja a Brasil a la Cumbre del Mercosur
Por EFE
El presidente paraguayo, Horacio Cartes, viaja hoy a Brasilia para participar el viernes en la cumbre de jefes de Estado del Mercosur, donde recibirá la presidencia rotativa del bloque, informó el Gobierno de Paraguay.
Cartes partirá del aeropuerto internacional de Asunción, Silvio Pettirossi, a las 15.00 horas locales (19:00 GMT) y acudirá, junto al resto de mandatarios, a una breve reunión que concluirá con un almuerzo ofrecido por la presidenta brasileña, Dilma Rousseff, anfitriona de la cita.
El mandatario paraguayo estará acompañado en la cumbre de su jefe de gabinete, Juan Carlos López Moreira, sus asesores Darío Filártiga y Arnaldo Fran, el canciller, Eladio Loizaga, el ministro de Hacienda, Santiago Peña, el de Industria y Comercio, Gustavo Leite, y el presidente del Banco Central, Carlos Fernández Valdovinos, entre otros.
El Mercosur está integrado por Argentina, Brasil, Uruguay, Paraguay y Venezuela, los cincos miembros plenos del bloque, pero también participarán en la cumbre semestral delegados de Chile, Perú, Ecuador, Bolivia, Colombia, Surinam y Guyana, países que tienen el estatus de Estados asociados al bloque.
En el marco de la reunión, el grupo analiza impulsar las tratativas de un acuerdo comercial con la Unión Europea (UE) que lleva más de tres lustros pendiente, según destacaron los cancilleres de Brasil y Paraguay, Mauro Vieira, y Eladio Loizaga, en una reunión celebrada el miércoles en Brasilia.
En la Reunión Ordinaria del Consejo Mercado Común (CMC) del Mercosur, que supondrá la primera actividad oficial de la cumbre, también se analizarán asuntos relacionados con el proceso de adhesión de Bolivia como sexto miembro pleno del bloque.
El protocolo de adhesión del país andino fue firmado en diciembre de 2012, cuando Paraguay estaba suspendido como consecuencia de la destitución del presidente Fernando Lugo en junio de ese mismo año.
Por esa razón, se hará una modificación de orden burocrático al protocolo, de modo que Paraguay lo pueda firmar y remitir también a su Parlamento para el debido trámite, que ya ha sido aprobado en Argentina, Uruguay y Venezuela y todavía está pendiente en Brasil.
Según fuentes oficiales, han confirmado presencia los presidentes de Argentina, Cristina Fernández; Paraguay, Horacio Cartes; Uruguay, Tabaré Vázquez, y Venezuela, Nicolás Maduro.
Asimismo, asistirán los presidentes de Bolivia, Evo Morales, y de Guyana, David Granger, únicos mandatarios de los Estados asociados al Mercosur que ya han anunciado que viajarán a Brasilia. (ABC Color - 16/07/2015)

Mercosul vai identificar e eliminar barreiras ao comércio
Chanceleres do bloco farão 'varredura' para atender a pedidos de Paraguai e Uruguai
por Eliane Oliveira
BRASÍLIA - A pedido do Paraguai e do Uruguai, os chanceleres do Mercosul decidiram, nesta quinta-feira, fazer uma espécie de varredura em todas as barreiras tarifárias e não tarifárias que dificultam as relações econômico-comerciais do bloco, ao longo do segundo semestre deste ano. Os exemplos são variados e vão desde a exigência de licenças não automáticas de importação pela Argentina até os incentivos fiscais concedidos por estados brasileiros que tiram competitividade e investimentos das nações vizinhas.
Outra decisão diz respeito aos regimes especiais que, nos casos de Brasil e Argentina, serão prorrogados até 2021 e, para Paraguai e Uruguai, até 2023. São exemplos as exceções à Tarifa Externa Comum (TEC), usada no comércio com terceiros países. Interessa aos brasileiros estender por mais tempo as alíquotas elevadas para bens de capital, entre outros, que são revistas a cada seis meses. Os paraguaios, por sua, têm maior flexibilidade no uso de componentes importados de mercados que não fazem parte do bloco em manufaturados.
- Vamos adotar uma série de decisões mais realistas, para o fortalecimento do Mercosul comercial e econômico. As prioridades são barreiras tarifárias e não tarifárias e medidas que afetam a competitividade - afirmou um negociador brasileiro.
ENCONTRO NO ITAMARATY
Essas duas medidas farão parte da pauta da reunião de chefes de Estado do Mercosul que acontecerá na manhã desta sexta-feira, no Itamaraty. O Brasil passará ao Paraguai a presidência pro tempore do bloco.
- Apresentamos [Paraguai e Uruguai] uma proposta de resolução conjunta para que se estude um plano de ação que incluirá o levantamento de todas as medidas tarifárias e não tarifárias que, de alguma maneira, dificultam o comércio dentro do Mercosul, como as licenças de importação - explicou o chanceler do Paraguai, Eladio Loizada, ao final da reunião de chanceleres.
Ele não citou nominalmente a Argentina, o Brasil ou outro sócio do Mercosul. Ressaltou que os países do bloco passam por processos econômicos difíceis e defendeu a integração das cadeias produtivas e a adoção de medidas que proporcionem mais competitividade às empresas da região.
- Aqui não se está contra ninguém. Estamos a favor de um único objetivo, que é o bem comum do Mercosul - afirmou.
Nesta reunião de cúpula desta sexta-feira, a Bolívia se unirá a Brasil, Argentina, Uruguai, Paraguai e Venezuela como membro pleno do bloco. O presidente boliviano Evo Morales assinará, pela segunda vez, o protocolo de adesão, que ainda precisa ser aprovado pelos congressos do Brasil e do Paraguai. Os legislativos dos demais países já deram o aval ao sexto elemento do Mercosul.
Em meio a esse cenário, o governo brasileiro está sendo pressionado por empresários a negociar a flexibilização da Tarifa Externa Comum (TEC). O objetivo é que o Brasil possa firmar acordos de livre comércio com outros mercados e, com isso, minimizarem os efeitos da desaceleração da demanda doméstica.
GUIANA X VENEZUELA
Convidada a participar do evento como país associado ao Mercosul, a Guiana pedirá o apoio do Brasil na disputa fronteiriça que mantém com o presidente venezuelano Nicolás Maduro. O presidente da antiga colônia britânica, David Granger, exporá seus argumentos sobre a briga com a Venezuela pelas águas da costa de Esequibo.
Esta será, ainda, a última cúpula do Mercosul da qual participará a presidente da Argentina, Cristina Kírchner, que terá um encontro bilateral com a presidente Dilma Rousseff após a reunião de cúpula, no Palácio da Alvorada. A Argentina, aliás, negocia com o Brasil o desenho final da oferta que o Mercosul fará à União Europeia (UE) em setembro. A ideia é que os dois blocos fechem um acordo de livre comércio.
- A Argentina está a favor de um acordo com a UE, desde que se respeite o tratamento diferencial que necessitam os países de menor desenvolvimento. Há premissas e condições que devem ser cumpridas para negociar, mas o primeiro passo é apresentar as ofertas para iniciar as negociações - disse o negociador chefe do governo argentino, Carlos Bianco. (O Globo - 16/07/2015)

Nova agenda para integrar o Mercosul
Apesar das dificuldades, não se pode desconsiderar os benefícios que o processo de integração regional representa, sobretudo nos planos social e estratégico.
por OLAVO NOLETO
Na medida em que se aproxima a reunião de cúpula do Mercosul, prevista para amanhã, cresce a importância deste tema na pauta política do país. As opiniões se dividem. Há quem diga que nos últimos anos o bloco comercial do Cone Sul não tem avançado no ritmo esperado, e que por isso deveria ser "flexibilizado". Em geral, a crítica mais contundente é em relação à união aduaneira, que impediria maior participação dos Estados membros nas cadeias produtivas globais.
Certamente, o Mercosul precisa de ajustes na área comercial para se manter competitivo frente ao crescimento de potências comerciais como o Brics e os Estados Unidos. É comum que os processos de integração regional passem por ajustes de cursos, já que são parcerias de longuíssimo prazo, a exemplo do que acontece com a União Europeia e a zona do euro.
No entanto, não se pode subestimar a importância das transações intrabloco, que representam cerca de 10% dos fluxos comerciais brasileiros, em média. O comércio interno mais que quintuplicou em números absolutos entre 2002 e 2010. Se em 2002 as trocas entre os países do bloco representavam menos de cinco bilhões de dólares ao ano, em 2010 chegamos à marca histórica de 28 bilhões/ano.
Em 2012, com a entrada da Venezuela, as relações comerciais dentro do bloco tiveram o segundo melhor resultado da sua história. Portanto, mesmo em meio à crise internacional, a integração econômica sul-americana vem criando oportunidades de desenvolvimento, em especial para o Brasil, que tem os países vizinhos como segundo maior destino de suas exportações.
Mas há outro lado desse processo que precisa ser observado. É preciso medir na balança (inclusive, mas não só, na balança comercial) os prós e contras desta iniciativa, que começou em 1991, com o tratado de Assunção. Apesar das dificuldades, não se pode desconsiderar os benefícios que o processo de integração regional representa e ainda pode vir a representar, sobretudo, no plano social e estratégico.
Nesse sentido, destaca-se que o Mercosul não envolve apenas relações entre os governos nacionais. Ele também é um espaço de integração regional para os governos subnacionais do bloco e para suas populações. Municípios, estados, províncias e departamentos compartilham as mesmas oportunidades e desafios para assegurar mais direitos e serviços públicos de qualidade. Por que não cooperar entre si para alcançar seus objetivos?
Responder afirmativamente a essa pergunta é fortalecer o Mercosul. É incentivar a formação de cadeias produtivas para o desenvolvimento local, é fortalecer a identidade e a cidadania regional, é promover a integração nas regiões de fronteira a partir de uma legislação especial que facilite o progresso sustentável dessas regiões.
É nessa perspectiva que estados e municípios brasileiros estão reunidos no Foro Consultivo de Municípios, Estados Federados, Províncias e Departamentos do Mercosul, para discutir temas como a criação de consórcios públicos para o compartilhamento de ações nas áreas de fronteira e a participação dos entes subnacionais na nova Agenda Global de Desenvolvimento Pós-2105 e na Habitat III - Terceira Conferência das Nações Unidas sobre Moradia e Desenvolvimento Urbano Sustentável.
Espera-se, com esses eventos, dar concretude à agenda de integração sul-americana, fortalecendo o Mercosul e os laços comuns que unem nossos governos e nossas gentes.
Olavo Noleto é sub-chefe de Assuntos Federativos da Secretaria de Relações Institucionais da Presidência da República (O Globo - 16/07/2015)

Mercosul, afetado pela crise econômica, discute acordos com outros mercados
Líderes do bloco começam a chegar a Brasília para reunião de cúpula nesta quinta e sexta-feira
por Eliane Oliveira
BRASÍLIA - Os presidentes dos países do Mercosul começam a desembarcar nesta quinta-feira, em Brasília, para mais uma reunião de cúpula, marcada para a manhã de sexta-feira. O bloco passa por um estado de letargia devido, principalmente, à crise econômica que afeta os três maiores sócios do bloco - Brasil, Argentina e Venezuela.
Há uma agenda mínima a ser discutida, pautada pela necessidade de a união aduaneira intensificar a realização de acordos de livre comércio. Os principais alvos do Mercosul são a União Europeia e a Aliança do Pacífico (formada por Peru, Colômbia, Chile e México).
O bloco está na berlinda há alguns anos, pelo fato de as regras não permitirem acordos de livre comércio em separado. Isso, na visão de pessoas contrárias a esse tipo de flexibilização, pode ferir mortalmente a Tarifa Externa Comum (TEC), usada no comércio com terceiros mercados. Dentro do próprio governo, há quem defenda a suspensão temporária da TEC.
Durante a reunião, o presidente da Bolívia, Evo Morales, assinará o protocolo de adesão de seu país como membro pleno da união aduaneira. Pelos humores demonstrados pelo Senado, que pela primeira vez na história rejeitou o nome de um embaixador - Guilherme Patriota, que havia sido indicado para assumir a Organização dos Estados Americanos (OEA) - por considerá-lo bolivariano, não será fácil aprovar os bolivianos na Casa para o governo.
O nível de má vontade dos senadores que não fazem parte da base governista no Congresso será infinitamente maior do que com a Venezuela que, a duras penas, teve seu ingresso no Mercosul aprovado pelo Legislativo brasileiro.
A reunião de presidentes será precedida, nesta quinta-feira, por encontros entre chanceleres, ministros da Economia e presidentes dos bancos centrais do bloco. As conversas terão início, logo cedo, no Itamaraty, e só deverão terminar no fim do dia, com uma proposta de declaração a ser referendada pelos chefes de Estado.
- O Mercosul precisa de uma profunda revisão. Já deu o que tinha que dar e só não deu mais, porque foi contaminado pela febre bolivarianista - disse o vice-presidente do Centro Brasileiro de Relações Internacionais (Cebri), José Botafogo Gonçalves.
NOVAS REGRAS
Apesar de sua postura crítica, Botafogo não concorda com a suspensão da TEC. Se isso acontecer, alertou, a indústria brasileira perderá sua margem de preferência nos mercados argentino, por exemplo, para outros países, como China e Estados Unidos.
- É preciso rever o Mercosul, não para destruir o que tem de bom, mas para discutir novas regras que permitam ganhos de competitividade - disse o embaixador, que já chefiou as negociações do Mercosul no governo Fernando Henrique Cardoso.
Perguntado sobre como vê, hoje, o Mercosul, o ministro das Relações Exteriores, Mauro Vieira, respondeu que o bloco, criado há 24 anos, é uma realidade. Conforme Vieira, nesta reunião de cúpula será dado mais um passo adiante na convergência final de uma união aduaneira.
- Este é um trabalho que tem de ser feito com paciência, passo a passo. O Mercosul ocupa espaço importante na região. Haverá doze países representados, além dos membros do Mercosul - disse o chanceler. (O Globo - 16/07/2015)

Mercosur: comienza cumbre del Consejo Mercado Común
Por ANSA
BRASILIA. La 48ª cumbre del Mercosur se inicia hoy oficialmente en Brasilia con la reunión del Consejo del Mercado Común (MCM) previa al encuentro de los cinco mandatarios del bloque que se realizará mañana.
El ministro de relaciones exteriores brasileño Mauro Vieira encabezará la sesión de apertura del MCM prevista para las 9 horas (12 GMT) en el Palacio de Itamaraty. Cancilleres, ministros de Economía y de Industria integran el MCM, órgano ejecutivo del Mercosur formado por Brasil, Argentina, Uruguay, Venezuela y Paraguay, como miembros integrales, mientras se aguarda la adhesión de Bolivia que debe ser aprobada en la cumbre de mañana. La presidenta Dilma Rousseff recibe hoy al canciller Mauro Vieira que ayer mantuvo un encuentro con su homólogo de Paraguay, Eladio Loizaga.
Los cancilleres dejaron la reunión sin formular declaracion espero trascendió que conversaron sobre asuntos de bilaterales y regionales además de abordar las negociaciones del Mercosur con la Unión Europea para un área de libre comercio. No se descarta que la oferta a ser presentada a la UE este año sea uno de los temas que analicen este los cancilleres y ministros de economía que forman el Consejo del Mercado Común. Brasil, actual presidente pro tempore del bloque, mañana transferirá esa responsabilidad a Paraguay que la ejercerá hasta diciembre próximo. (ABC Color - 16/07/2015)

Acuerdo con UE es prioridade
Por EFE
BRASILIA. Los cancilleres de Brasil, Mauro Vieira, y de Paraguay, Eladio Loizaga, coincidieron en que la búsqueda de un acuerdo comercial con la Unión Europea (UE) es una prioridad para el Mercosur.
Vieira, cuyo país entregará el viernes la presidencia rotativa del bloque a Paraguay, recibió a Loizaga en vísperas de la Reunión Ordinaria del Consejo Mercado Común (CMC) del Mercosur, que supondrá la primera actividad oficial de la cumbre.
El CMC lo integran los cancilleres de Argentina, Brasil, Uruguay, Paraguay y Venezuela, los cincos miembros plenos del bloque, y tras una primera reunión privada, el grupo recibirá a delegados de Chile, Perú, Ecuador, Bolivia, Colombia, Surinam y Guyana, países que tienen el estatus de Estados asociados al bloque.
Tras la cita de Vieira y Loizaga, fuentes oficiales brasileñas dijeron a Efe que ambos coincidieron en que una de las principales prioridades para el bloque es llevar a buen puerto la negociación con la UE.
Esas tratativas se arrastran sin éxito desde hace más de tres lustros, pero ahora ambas partes se han comprometido a presentar antes de fin de año sus respectivas ofertas, lo que constituye un paso indispensable para iniciar formalmente el proceso negociador.
Según Brasil y Paraguay, "se debe avanzar en ese proceso" a fin de ampliar los horizontes para las exportaciones de los países del Mercosur, que necesitan "una mayor apertura" para conquistar nuevos mercados, dijeron las fuentes consultadas por Efe.
En la reunión del CMC también se analizarán asuntos relacionados con el proceso de adhesión de Bolivia como sexto miembro pleno del bloque.
El protocolo de adhesión del país andino fue firmado en diciembre de 2012, cuando Paraguay estaba suspendido como consecuencia de la destitución del presidente Fernando Lugo en junio de ese mismo año.
Por esa razón, se hará una modificación de orden burocrático al protocolo, de modo que Paraguay lo pueda firmar y remitir también a su Parlamento para el debido trámite, que ya ha sido aprobado en Argentina, Uruguay y Venezuela y todavía está pendiente en Brasil.
Como antesala de la cumbre, se inauguraron en Brasilia los debates del llamado Mercosur Social, que reúne a organizaciones de la sociedad civil de los cinco países.
En la primera sesión intervino el ministro de la Secretaría de la Presidencia de Brasil, Miguel Rossetto, quien valoró las mejoras de los indicadores sociales experimentados por los países del bloque en la última década.
El ministro también animó a los movimientos sociales a procurar una mayor participación en el proceso de decisiones del Mercosur, un bloque del cual aseguró que "debe estar al servicio de la sociedad".
Los presidentes que asistirán a la Cumbre son esperados mañana por la noche en la capital brasileña, donde el viernes se celebrará la reunión, que será breve y concluirá con un almuerzo ofrecido por la presidenta brasileña, Dilma Rousseff, anfitriona de la cita.
Según fuentes oficiales, han confirmado presencia los presidentes de Argentina, Cristina Fernández; Paraguay, Horacio Cartes; Uruguay, Tabaré Vázquez, y Venezuela, Nicolás Maduro.
Asimismo, asistirán los presidentes de Bolivia, Evo Morales, y de Guyana, David Granger, únicos mandatarios de los Estados asociados al Mercosur que ya han anunciado que viajarán a Brasilia.
La presidenta chilena, Michelle Bachelet, será representada por su ministro del Interior, Jorge Burgos, mientras que el ecuatoriano Rafael Correa le ha encomendado esa tarea a su vicepresidente, Jorge Glas.
Los mandatarios de Colombia, Juan Manuel Santos, y de Perú, Ollanta Humala, tampoco asistirán y las autoridades brasileñas aún esperaban hoy la confirmación del presidente de Surinam, Desi Bourtese. (ABC Color - 16/07/2015)

Paraguay solicita mantener hasta el 2023 régimen especial en Mercosur
Por Osmar Gómez
Paraguay está en intensas negociaciones con los demás países del Mercosur para extender hasta el 2023 el régimen de normas de origen, de importación y admisión temporaria. Las conversaciones estarían encaminadas y para los próximos días habría acuerdo. El Gobierno considera esencial extender el régimen especial para poder lograr un despegue industrial. Nuestro país trajo a esta ciudad a los más altos representantes del Gobierno en materia económica para tratar de cerrar el acuerdo.
Mercosur
Representantes de la Cancillería nacional y del Ministerio de Hacienda mantuvieron ayer reuniones con los representantes de los países del Mercosur (Brasil, Argentina, Uruguay, Venezuela) para cerrar el acuerdo y extender hasta el 2023 para nuestro país el régimen de normas de origen, de importación y de admisión temporaria.
Hace más de un año que Paraguay viene negociando la extensión del régimen especial, pero hasta ahora no ha podido obtener el respaldo de los demás socios del bloque. Incluso a mediados del año pasado, en la Cumbre del Mercosur en Venezuela, el documento final sobre temas económicos quedó suspendido por la falta de acuerdo sobre este punto.
Rigoberto Gauto, viceministro de Relaciones Económicas e Integración y uno de los principales negociadores, dijo ayer que ahora las conversaciones en la mesa técnica del Grupo Mercado Común (GMC) se están desarrollando en un muy buen ambiente y que esta vez podría haber un acuerdo. Sin embargo aclaró que hasta ahora no hay nada cerrado y que las conversaciones seguirán hoy.
Para esta mañana está prevista la reunión del Consejo Mercado Común (CMC) donde están los ministros de Relaciones Exteriores y de Hacienda de los países miembros del bloque que finalmente podrían decidir aconsejar a los presidentes aprobar la extensión del régimen especial.
Nuestro país envió a los más altos representantes del Gobierno en materia económica para tratar de cerrar el acuerdo. En la mañana de ayer llegaron para participar de las reuniones los ministros de Hacienda, Santiago Peña; de Industria, Gustavo Leite, acompañado de su viceministro, y desde el lunes está en Brasilia el canciller Eladio Loizaga. Anoche arribó también el presidente del Banco Central, Carlos Fernández. El presidente Horacio Cartes llegará hoy a las 15:00 a Brasilia.
Loizaga mantuvo en la mañana de ayer un encuentro con su colega del Brasil, Mauro Vieira, en el que también tocaron el tema y coincidieron en la necesidad de llegar a un acuerdo.
La extensión del régimen de normas de origen es considerada vital para nuestro país. Esta disposición habilita que los productos fabricados en el Paraguay tengan hasta el 60% de componentes de países que no conforman el bloque, pero la pieza final es reconocida como producto local. El Gobierno lo considera esencial para seguir en el proceso de industrialización.
Tres puentes en agenda
(Enviado especial). El canciller paraguayo Eladio Loizaga, luego de visitar a su homólogo del Brasil, Mauro Vieira, para discutir la agenda bilateral, anunció que está plenamente acordado que se inicien las tareas técnicas para la construcción de tres nuevos puentes entre ambos países. Los mismos estarían ubicados en Carmelo Peralta-Puerto Murtinho, sobre el río Paraguay; San Lázaro-Puerto Murtinho y San Carlos-Caracol sobre el río Apa. Loizaga también indicó que se confirmó el inicio de la construcción del segundo puente sobre el río Paraná en el segundo semestre de este año y que incluso los presidentes de ambos países estarían presentes en el inicio de las obras. (ABC Color - 16/07/2015)

Bolivia formaliza su ingreso, pero sus empresarios dudan
LA PAZ (EFE). El dilatado proceso de adhesión plena de Bolivia al Mercosur superará en la Cumbre de Brasilia un trámite más y podría concluir a fin de año, aunque empresarios bolivianos mantienen sus dudas sobre si eso les beneficiará.
El presidente boliviano, Evo Morales, confirmó que asistirá hoy y mañana a la Cumbre del Mercosur. El viceministro boliviano de Comercio Exterior e Integración, Clarems Endara, explicó que Bolivia suscribirá otra vez en Brasilia un protocolo de adhesión al grupo como ya lo hizo en 2012, pero el documento esta vez sí llevará la firma de Paraguay.
Los parlamentos de Brasil, Paraguay y Bolivia deberán aprobar después ese protocolo como en su momento hicieron los de Argentina, Uruguay y Venezuela con el primero, que se firmó hace tres años cuando los paraguayos fueron suspendidos del bloque como castigo por la destitución de Fernando Lugo de la presidencia.
Desde 1996 Bolivia es un socio comercial del Mercosur, pero tramita desde hace tres años su integración plena al grupo.
Si los parlamentos paraguayo, brasileño y boliviano ratifican el protocolo este año, su vigencia correrá desde 2016 y Bolivia tendrá otros cuatro años para adherirse a las 3.000 normas del bloque.
Las expectativa positiva del Gobierno ha sido cuestionada por el privado Instituto Boliviano de Comercio Exterior (IBCE).
El gerente del IBCE, Gary Rodríguez, dijo que una preocupación del sector es que cuando avance la Unión Aduanera del bloque Bolivia subirá sus aranceles para terceros, lo que hará que el país dependa sobre todo de la producción de Argentina y Brasil.
Asimismo, según Rodríguez, Bolivia puede tener problemas por la "camisa de fuerza" que supondrá el hecho de que no puede negociar con terceros por su lado, sin tomar en cuenta al Mercosur.
Finalmente, agregó, el proceso de armonización de las normas de Bolivia con las del Mercosur implicará, a su juicio, una renuncia a su soberanía para tomar decisiones económicas. "Este ingreso de Bolivia al Mercosur tiene más ribetes de carácter político antes que razones comerciales o económicas", indicó el especialista. (ABC Color - 16/07/2015)

Acuerdo con la Unión Europea es prioridad, dicen cancilleres
BRASILIA, (EFE). Por Eduardo Davis. Los cancilleres de Brasil, Mauro Vieira, y de Paraguay, Eladio Loizaga, coincidieron ayer en que la búsqueda de un acuerdo comercial con la Unión Europea (UE) es una prioridad para el Mercosur, que a partir de hoy celebrará la XLVIII cumbre semestral en la capital brasileña.
Unión Europea
Vieira, cuyo país entregará mañana la presidencia rotativa del bloque a Paraguay, recibió ayer a Loizaga en vísperas de la Reunión Ordinaria del Consejo Mercado Común (CMC) del Mercosur, que se lleva a cabo hoy que supondrá la primera actividad oficial de la cumbre.
El CMC lo integran los cancilleres de Argentina, Brasil, Uruguay, Paraguay y Venezuela, los cincos miembros plenos del bloque, y tras una primera reunión privada, el grupo recibirá a delegados de Chile, Perú, Ecuador, Bolivia, Colombia, Surinam y Guyana (Estados asociados al bloque).
Tras la cita de Vieira y Loizaga, fuentes oficiales brasileñas dijeron que ambos coincidieron en que una de las principales prioridades para el bloque es llevar a buen puerto la negociación con la UE.
Esas tratativas se arrastran sin éxito desde hace más de tres lustros, pero ahora ambas partes se han comprometido a presentar antes de fin de año sus respectivas ofertas, lo que constituye un paso indispensable para iniciar formalmente el proceso negociador.
Según Brasil y Paraguay, "se debe avanzar en ese proceso" a fin de ampliar los horizontes para las exportaciones de los países del Mercosur, que necesitan "una mayor apertura" para conquistar nuevos mercados, dijeron las fuentes.
Las negociaciones con la UE comenzaron en 1999, pero permanecen estancadas por diferencias en las áreas industrial y agrícola, aunque también por la reticencia de Argentina a establecer un acuerdo que impondría una mayor apertura comercial. Todo indica que podrían darse nuevos contactos en noviembre de este año. (ABC Color - 16/07/2015)

Começa hoje 48ª Cúpula do Mercosul em Brasília
An Cristina Campos
A negociação do acordo de livre comércio entre o Mercosul e a União Europeia, a incorporação da Bolívia como sexto país-membro e a renovação do Fundo de Convergência Estrutural do Mercosul (Focem) serão alguns dos pontos centrais da 48ª Cúpula do bloco regional integrado por Brasil, Argentina, Paraguai, Uruguai e Venezuela, que começa hoje (16), em Brasília.
A cúpula tem início com a reunião do Conselho do Mercado Comum, que contará com a presença dos chanceleres dos Estados-Partes e Associados e continua amanhã (17), com a participação dos Chefes de Estado. A presidenta Dilma Rousseff vai receber os presidentes do Uruguai, Tabaré Vázquez, do Paraguai, Horacio Cartes, da Venezuela, Nicolás Maduro, além da presidenta argentina Cristina Kirchner. O presidente da Bolívia, Evo Morales, e da Guiana, David Granger, também são esperados, segundo o Ministério das Relações Exteriores.
A negociação do bloco referente a um acordo comercial com a União Europeia será um dos assuntos de destaque da reunião, conforme adiantou o subsecretário-geral da América do Sul, Central e do Caribe do Ministério das Relações Exteriores, Antonio Simões, em entrevista na segunda-feira (13). No momento, os dois lados montam uma lista de quais produtos poderão ter tarifa zerada. A apresentação das ofertas comerciais deverá ocorrer no último trimestre deste ano. A apresentação tem que ser simultânea e chegou a ser negociada em 2013 e 2104, mas não prosperou.
Segundo o embaixador, a cúpula também deverá trazer avanços em relação ao processo de adesão da Bolívia ao bloco, tema que vem sendo debatido desde 2011.
A renovação do Focem, voltado para o financiamento de obras de infraestrutura entre os países da região, cujo prazo expira em dezembro, ocupará também a agenda regional.
O alto representante-geral do Mercosul, Doutor Rosinha, disse que a renovação do Focem é importante para o bloco. "Acredito e gostaria muito que fosse dito agora [durante a cúpula] pela presidenta Dilma que ele [fundo] será renovado". Edição: Valéria Aguiar (Agência Brasil - 16/07/2015)

Paraguay, as chair of the group, determined to return Mercosur to 'its roots'
Paraguay is committed to return Mercosur to 'its roots', reach an agreement on some of the original fundamentals, eliminate restrictions to inter-trade and strongly promote the trade accord with the European Union. This is scheduled to take place in the coming six months once Paraguay is handed Mercosur' chair at the group's midyear presidential summit that begins on Thursday in Brasilia.
"The idea of the meeting was to elaborate on how to return Mercosur to its roots, that is its trade and commercial profile and less politics" said Loizaga.
Regarding discussions for an encompassing trade agreement, Paraguay will have the strong support from the EU Americas Desk, Christian Leffler.
President Cartes will receive the six-month pro tempore presidency of Mercosur from Dilma Rousseff at a ceremony in Brasilia
It will be the first time Paraguay holds the Mercosur pro-tempore presidency since it was suspended from the group and its founding member rights by Brazil, Argentina and Uruguay, during the 2012 political crisis that led to the constitutional removal of then president Fernando Lugo, but which was interpreted by its partners as a 'rupture' of the democratic clause.
Before leaving for Brazil president Horacio Cartes met with clue ministers for the coming summit: foreign minister Eladio Loizaga; Finance minister Santaigo Peña, Industry minister Gustavo Leite and Carlos Fernandez central bank governor.
"The idea of the meeting was to elaborate on how to return Mercosur to its roots, that is its trade and commercial profile and less politics, and give a big boost to inter-group trade, putting an end to regional restrictions" said minister Loizaga.
This he added should be accomplished in the next six months when Paraguay holds the Mercosur chair, "so that we can strengthen true integration".
One of the strategies is to establish an understanding with Uruguay that will succeed Paraguay in the first half of 2016 as Mercosur chair, so as to ensure that eliminating restrictions on trade inside the group is continued.
Another issue according to Loizaga, is to increase 'trade development' with the purpose of creating jobs to benefit Mercosur members and any other country that wishes to become a member, geared at infrastructure investments.
Bolivia's Mercosur full membership will also be addressed with an approved incorporation protocol, which this time will include Paraguay's consent, something that did not happen back in 2012 when the country was suspended from the group.
Regarding discussions with the European Union for an encompassing trade agreement, Paraguay will have the strong support from Brussels, as anticipated by the head of the EU Americas Desk, Christian Leffler.
"We trust Paraguay can lead Mercosur in a dynamic way, which will enable us to advance in the trade agreement. We have close relations with president Cartes and his administration and we congratulate Paraguay on its full return to Mercosur and the fact it will hold the group's chair for the rest of the year", said Leffler.
Last June in Brussels, Mercosur and the EU agreed to exchange tariff reduction proposals by the end of the year. "Paraguay will play a leading role and we trust that president Cartes and his team will support the negotiations".
During the suspension of Paraguay from Mercosur and Unasur (which joined later), the European Union strongly supported the care-taker government, both politically and financially.
Brazil, Uruguay and Paraguay are determined to reach an agreement with the EU despite Argentina's reluctance, and have considered several options to overcome such attitude, for example, a greater 'flexibilization' of Mercosur, eliminating the consensus clause which forces all members to agree on negotiations with third parties or a two-speed approach, leaving Argentina to join later. (MercoPress - 16/07/2015)

Uruguay va a la cumbre del Mercosur a pedir un cambio "profundo"
Este jueves comienza en Brasilia un nuevo encuentro de los países que tendrá el viernes una reunión privada de los presidentes y los cancilleres
M. CERCHIARI
Será la primera cumbre del Mercosur en mucho tiempo con todos los presidentes cara a cara. Además será el primer encuentro en el que Tabaré Vázquez participe en este nuevo mandato en una reunión con la presidenta argentina Cristina Fernández de Kirchner.
Y la posición de Uruguay será muy dura. El gobierno de Vázquez pretende un "cambio profundo" y dará seis meses de tiempo para empezar a verlos, dijeron a El Observador fuentes políticas.
El canciller Rodolfo Nin Novoa no lo ha disimulado en las declaraciones previas a su viaje a Brasilia. Esta semana dijo que la "aspiración máxima" en la cumbre -que comienza este jueves 16 y tendrá su punto más importante el viernes con la reunión plenaria de los mandatarios- es lograr un "sinceramiento" del bloque.
¿Qué quiere decir esa palabra tan repetida por los jerarcas uruguayos? En el gobierno asumen que el Mercosur es un fracaso. No funciona como lo que supuestamente es, un bloque comercial de libre comercio.
El artículo 1° del tratado que creó el Mercosur no se cumple. No existe la "libre circulación de bienes, servicios y factores productivos". El texto, aprobado en 1991, establece que eso se logrará a través "de la eliminación de los derechos aduaneros y restricciones no arancelarias a la circulación de mercaderías y de cualquier otra medida equivalente". Eso no sucedió nunca
"Esa es nuestra aspiración máxima, con la implementación de un plan de acción que se va a llevar a cabo durante la presidencia pro témpore de Paraguay, que es quien la toma el miércoles, durante seis meses, para eliminar esas barreras para-arancelarias que nos están impidiendo el libre tránsito de nuestros bienes comerciales y servicios entre los países de la región", dijo Nin Novoa esta semana. (El Observador - 16/07/2015)

Cancilleres del Mercosur inician reunión previa a cumbre en Brasilia
Durante la cumbre, Brasil traspasará a Paraguay la presidencia temporal del Mercosur.
Brasilia, Brasil | AFP
Los cancilleres del Mercosur iniciaron el jueves en Brasilia una reunión preparatoria de la cumbre que debe marcar el ingreso de Bolivia al bloque y que estuvo precedida de reclamos de mayor libertad para negociar acuerdos extrazona.
El Mercosur también está a las puertas de un esperado intercambio de ofertas con la Unión Europea para establecer una zona de libre comercio, que podría ser un punto de inflexión en las negociaciones entre ambos bloques iniciadas en 1999.
Los pedidos de una mayor flexibilidad y apertura en este bloque, que tiene pocos acuerdos comerciales con el resto del mundo, fueron expresadas públicamente por Brasil y Uruguay, pero los analistas son escépticos acerca de la posibilidad de que sean realizados formalmente.
El ministro de Relaciones Exteriores de Brasil, Mauro Vieira, recibió a sus pares de Paraguay, Eladio Loizaga; de Uruguay, Rodolfo Nin Novoa, y de Venezuela, Delcy Rodríguez, para iniciar después de las 13H00 GMT la cita del Consejo del Mercado Común. Por la tarde se unirán representantes de los países asociados al bloque.
En esta reunión también participará el ministro de Hacienda brasileño, Joaquim Levy.
El canciller argentino, Héctor Timerman, está en Buenos Aires recuperándose de una cirugía y no viajó a Brasil.
Además de la mandataria anfitriona, Dilma Rousseff, son esperados Cristina Kirchner de Argentina, Horacio Cartes de Paraguay, Tabaré Vázquez de Uruguay y Nicolás Maduro de Venezuela para la cumbre del viernes.
También está prevista la participación del presidente de Bolivia, Evo Morales, que actualmente está de visita en Buenos Aires, para sellar formalmente el ingreso de su país como miembro pleno a este bloque que representa más del 70% de la población y del PIB de la región, según datos de la cancillería brasileña.
La adhesión de Bolivia fue acordada cuando Paraguay estaba suspendido del bloque (tras la destitución del expresidente Fernando Lugo en 2012 en un controvertido juicio político), por lo que deberá suscribirse una nueva versión, que luego deberá ser ratificada por los parlamentos de Paraguay y de Brasil.
Los cancilleres también repasarán detalles de la oferta que presentarán al bloque europeo en el último trimestre, un paso muy demorado de las negociaciones que tuvieron un paréntesis de seis años hasta su reactivación en 2010.
Por el Mercosur negocian Argentina, Brasil, Paraguay y Uruguay, mientras que Venezuela, que entró en el bloque en 2013, no participa. (La Nación Paraguay - 16/07/2015)

Azurduy y 10 acuerdos refuerzan los lazos de Argentina y Bolivia
Bilateral. Evo Morales visitó ayer en Buenos Aires a su colega Cristina Fernández
Mauricio Quiroz / La Paz
El legado histórico que dejó en favor de Sudamérica la heroína de la independencia Juana Azurduy (1780-1862) y la firma de al menos diez acuerdos de cooperación reforzaron ayer la amistad y la buena salud del diálogo político de Bolivia y Argentina.
Ese fue el mensaje del encuentro que sostuvieron ayer, en la Casa Rosada de Buenos Aires, los presidentes Evo Morales y su colega Cristina Fernández. Junto a sus respectivos equipos ministeriales lograron entendimientos puntuales en materia de energía, salud y migraciones, y fijaron para el 28 y 29 un encuentro ministerial por áreas.
Los documentos se firmaron antes de la inauguración del monumento a Juana Azurduy, que reemplaza al del navegante italiano Cristóbal Colón (1436-1506) y que estuvo allí durante 93 años. La estructura que está detrás de la casa del Ejecutivo argentino fue donada por el Gobierno boliviano, que erogó Bs 7 millones, de acuerdo con el Decreto 1507 de febrero de 2013. La obra, del artista argentino Andrés Zerneri, mide 16 metros de alto (incluido el pedestal) y pesa 25 toneladas.
Pactos. Previo a la suscripción de los pactos, Morales y Fernández sostuvieron un encuentro en el despacho de la gobernante. Luego, ambos se dirigieron al Salón de las Mujeres Argentinas, donde los ministros firmaron los acuerdos cuya base para su aplicación será la cooperación interinstitucional y el otorgamiento recíproco de líneas de crédito para canalizar operaciones financieras, entre el Banco de la Nación Argentina y el Banco Unión.
La plataforma de cooperación tendrá la finalidad de potenciar el comercio bilateral y el fortalecimiento del comercio exterior, sin descuidar la mayor vinculación entre empresas, según la Presidenta anfitriona. "Tenemos que lograr que nuestros recursos sean comercializados entre nosotros, para que los recursos queden en la región y nos vayan retroalimentando, y tenemos que agregar valor nosotros mismos, transferirnos tecnologías, y no vernos como clientes sino como socios".
El ministro de Planificación argentino, Julio de Vido, entregó a Morales el diseño para la construcción de un reactor nuclear de investigación. Entre los convenios igual destacan el apoyo en salud como la atención de pacientes con patologías de alta complejidad; el convenio para el tránsito vecinal fronterizo y de seguridad; la cooperación en la lucha contra la violencia de género, la promoción de la autonomía económica y el empoderamiento político de las mujeres, y su acceso a salud; la prevención a la trata y tráfico y la protección de víctimas.
Fernández valoró las políticas de redistribución de la riqueza que apuntan al crecimiento del consumo interno y a la expansión de la clase media, como factores de desarrollo. Agradeció a Morales la donación del monumento a Azurduy y la réplica de su sable que será destinado al Museo del Bicentenario de Argentina. Morales reconoció que estos acuerdos son una gran fortaleza para el pueblo boliviano. "No puedo negar la gran solidaridad y apoyo del hermano presidente Néstor Kirchner", quien fue esposo de Fernández y falleció en octubre de 2010. "Hace nueve años que estamos en el Gobierno, este tiempo nos ha permitido trabajar bien, lograr estabilidad económica y enfrentar problemas políticos". Agregó que las relaciones con Argentina "fortalecen mucho más", por la "planificación y la estabilidad para seguir compartiendo lo poco que tenemos con países como Brasil, Argentina, Venezuela y Cuba".
Agradeció a los gobiernos de esas naciones porque cuando comenzó a gobernar, según dijo, le "ayudaron bastante". Indicó que "le duele mucho" que sea la última gestión de Fernández (Argentina celebrará elecciones el 25 de octubre de este año).
Tras el descubrimiento de la estatua, se instaló "una cápsula del tiempo", destinada a entregar un documento testimonio de la realidad de esta era en la región. La visita de Morales a Argentina coincidió con el Día de la Hermandad boliviano-argentina. Y fue en ese marco que se interpretaron danzas folklóricas de Bolivia, justo a los pies del monumento a Juana Azurduy.
Pero la fiesta de la integración continuará hoy en ese mismo lugar, donde habrá un concierto popular con artistas latinoamericanos. El cierre estará a cargo del grupo boliviano Los Kjarkas. Y Morales participará, en Buenos Aires, en un encuentro con movimientos populares y posteriormente viajará a Brasil para la Cumbre del Mercosur. (La Razon - 16/07/2015)

Los ministros del Mercosur se reúnen en Brasilia antes de la Cumbre
Brasilia, 16 jul (EFE).- Ministros y delegados del Mercosur inauguraron hoy la reunión semestral del Consejo Mercado Común (CMC) del bloque, preparatoria de la cumbre que mañana congregará en Brasilia a los presidentes de Argentina, Brasil, Paraguay, Uruguay y Venezuela.
En el encuentro participan los ministros de Relaciones Exteriores de Brasil, Mauro Vieira; Paraguay, Eladio Loizaga, y Uruguay, Rodolfo Nin Novoa.
Argentina está representada por el subsecretario de Desarrollo de de Inversiones del Ministerio de Relaciones Exteriores, Carlos Bianco, pues el titular de ese despacho, Héctor Timerman, fue operado esta semana por causa de un tumor hepático y no podrá asistir a la cita.
Aunque la canciller de Venezuela, Delcy Rodríguez, llegó hoy temprano a Brasilia, no participó de la inauguración de la reunión del CMC y se integró a la mesa cuando el encuentro había comenzado.
A la reunión se unirán más tarde representantes de Bolivia, que está en proceso de adhesión al bloque, y de Chile, Perú, Ecuador, Colombia, Surinam y Guyana, países que tienen el estatus de Estados asociados al Mercosur.
En la agenda de los cancilleres figuran las negociaciones para un acuerdo comercial con la Unión Europea (UE) y el proceso de adhesión de Bolivia, entre otros asuntos.
Uruguay, por su parte, ha adelantado que planteará la necesidad de que sean adoptadas medidas para garantizar una libre y efectiva circulación de los bienes dentro del bloque, para lo cual deberían levantarse las barreras arancelarias que mantienen algunos socios y, en particular, Brasil y Argentina, las dos mayores economías.
También hoy, en el marco de los preparativos para la Cumbre, se reunirán los ministros de Economía y representantes de los bancos centrales de los países del bloque, y concluirá un encuentro del llamado Mercosur Social, que agrupa a organizaciones de la sociedad civil.
Los presidentes que asistirán a la Cumbre son esperados esta noche par la reunión que se celebrará mañana, que será breve y concluirá con un almuerzo ofrecido por la presidenta brasileña, Dilma Rousseff, anfitriona de la cita.
Según fuentes oficiales, han confirmado presencia los presidentes de Argentina, Cristina Fernández; Paraguay, Horacio Cartes; Uruguay, Tabaré Vázquez, y Venezuela, Nicolás Maduro.
Asimismo, asistirán los presidentes de Bolivia, Evo Morales, y de Guyana, David Granger, únicos mandatarios de los Estados asociados al Mercosur que ya anunciaron que viajarán a Brasilia.
La presidenta chilena, Michelle Bachelet, será representada por su ministro del Interior, Jorge Burgos, mientras que el ecuatoriano Rafael Correa le ha encomendado esa tarea a su vicepresidente, Jorge Glas.
Tampoco asistirán los mandatarios de Colombia, Juan Manuel Santos, Perú, Ollanta Humala, y Surinam, Desi Bourtese. (Ultima Hora - 16/07/2015)

Guyana buscará apoyo en la disputa con Venezuela durante la cumbre del Mercosur
Mercosur está integrado por Argentina, Brasil, Paraguay, Uruguay y Venezuela, pero a la cumbre están invitados el resto de países suramericanos, los cuales tienen estatus de Estados asociados. EFE/Archivo
San Juan, 16 jul (EFE).- El presidente de Guyana, David Granger, planea exponer sus argumentos y ganar apoyo en la disputa fronteriza que mantiene con Venezuela por las aguas de la costa de Esequibo durante en la cumbre de Mercosur que empieza hoy en Brasilia.
"Cada visita, cada expresión, cada aparición tiene que reforzar nuestra posición en cuanto a nuestra integridad territorial y, por supuesto buscar apoyos y proveer explicaciones porque la gente cree que esta es una noción romántica antigua", explicó al respecto Raphael Trotman, ministro de Gobernación de Guyana, en declaraciones a la prensa local, previas al viaje de Granger.
El presidente de la antigua colonia británica, estado asociado del Mercosur desde 2013, tiene previsto viajar hoy a Brasil acompañado por el ministro de Asuntos Exteriores, Carl Greenidge, y otros altos cargos.
Segun el ministro Trotman, la cumbre de Mercosur proveerá una "oportunidad de oro para que el presidente pueda presentar el caso de Guyana a nuestros hermanos y hermanas sudamericanos".
Mercosur está integrado por Argentina, Brasil, Paraguay, Uruguay y Venezuela, pero a la cumbre están invitados el resto de países suramericanos, los cuales tienen estatus de Estados asociados.
Las relaciones entre el presidente de Venezuela, Nicolás Maduro, y Granger están congeladas desde mayo pasado, cuando el primero dictó un decreto que establece que son venezolanas todas las aguas marítimas frente a la costa del Esequibo.
Esta zona es un territorio reclamado por ambas naciones, donde la petrolera trasnacional Exxon Mobil confirmó el hallazgo de importantes reservas de petróleo.
Granger, un militar retirado de 69 años, ganó las elecciones del pasado 11 de mayo como candidato de una coalición compuesta por la Alianza por el Cambio (AFC, por su sigla en inglés) y la Alianza para la Unidad Nacional (APNU).
El Partido Progresista del Pueblo (PPP), del expresidente Bharrat Jagdeo, perdió una hegemonía de más de dos décadas en el poder. (Ultima Hora - 16/07/2015)

Chanceler do Paraguai afirma que acordo entre Mercosul e União Europeia é "grande desafio"
Brasília - O ministro de Relações Exteriores do Paraguai, Eladio Loizaga, afirmou que a negociação do acordo de livre comércio entre o Mercosul e a União Europeia (UE) será um grande desafio no período em que o país exercerá a presidência pro tempore do bloco sul-americano. Na sexta-feira (17), a presidente Dilma Rousseff transmitirá a função ao presidente paraguaio, Horacio Cartes, durante a 48ª Cúpula do Mercosul.
"Temos um grande desafio que são as negociações com a União Europeia. Vamos ter uma reunião [dos negociadores] do Mercosul no mês de agosto e posteriormente com a União Europeia para ver se no último trimestre podemos avançar", afirmou Loizaga, após reunião com o chanceler brasileiro, Mauro Vieira.
No momento, os dois lados montam uma lista de quais produtos poderão ter tarifa zerada. A apresentação das ofertas comerciais deverá ocorrer no último trimestre deste ano. A apresentação tem que ser simultânea e chegou a ser negociada em 2013 e 2104, mas não prosperou.
A cúpula do Mercosul começa hoje (16) com a reunião do Conselho do Mercado Comum, que terá a presença dos chanceleres dos Estados-Partes e Associados e continua na amanhã (17), com a participação dos chefes de Estado.
"O Mercosul é muito importante em termos econômicos e nós, nessa cúpula, vamos dar novos passos no sentido da integração total e da consolidação da união aduaneira", destacou Vieira. Segundo ele, a renovação do Fundo de Convergência Estrutural do Mercosul (Focem) também será um dos itens da agenda regional. (Agência Brasil - 16/07/2015)

Evo Morales from Argentina to Brazil
Buenos Aires, Jul 16 (Prensa Latina) Bolivian President Evo Morales, is concluding today his visit to Argentina where he signed bilateral cooperation agreements, inaugurated a historic monument and received the support of unions for his request of access to the sea.
At the end of his two day stay in Buenos Aires, the president will travel to Brasilia to attend the Mercosur Summit in which the full incorporation of Bolivia to the regional bloc could be adopted.
Before leaving for Brazilian soil, Evo Morales will attend the inauguration in the capital of Argentina of a subsidiary of the Bolivian Electricity National Company.
This is part of the agreements on energy cooperation that both countries have been promoting.
In the afternoon, the president will be the central figure in a rally at the sports stadium of Racing organized by the Confederation of Workers of Argentina, to support the cause of a sovereign Bolivian access to the sea.
Bolivia demands Chile restitution of an access to the sea lost in the war between the two states in the late nineteenth century. La Paz has brought Santiago de Chile to the International Court of Justice in the Hague due to this matter.
After his arrival on Wednesday, Evo Morales was honored at the Government House by President Cristina Fernandez with whom he held a private audience and then led a ministerial meeting at which several bilateral cooperation agreements were signed.
Ministers of both countries signed agreements on energy, health, migration, institutional collaboration and mutual granting of credit lines.
The latter will serve to facilitate financial transactions between Banco de la Nacion, from Argentina, and Banco Union S.A, of Bolivia in order to enhance bilateral and foreign trade.
After the signatures, both leaders made statements to the press in which Cristina Fernandez said that "we must ensure that our resources are traded between us, so that they remain in the region."
For his part, Evo Morales acknowledged that "these agreements are always a great strength for my people, and I can not deny the great solidarity and support of brother President Nestor Kirchner."
"We have been ruling for nine years, this time has allowed us to work well, achieve economic stability, and face many political problems," he said.
Cristina Fernandez thanked the donation of the monument to Juana Azurduy, and a replica of her saber, which will go to the Museum of the Bicentennial.
Both presidents unveiled the monumental in tribute to the hero of the South American independence, replacing one dedicated to Christopher Columbus in the park located behind the Casa Rosada (Pink House) now renamed Juana Azurduy Square. (Prensa Latina - 16/07/2015)

Cristina, en su última reunión del Mercosur como Presidenta
LA INTEGRACION REGIONAL
Viaja esta tarde a Brasilia para participar de un encuentro con sus pares de la región. Se verá a solas con Rousseff.
En lo que probablemente será su última cumbre del Mercosur, Cristina Kirchner se topará, entre hoy y mañana, con un clima económico y político decepcionante: los últimos datos del FMI indican una reducción del crecimiento regional, sin superar el 0,5% de suba del PBI, donde Argentina y Brasil aportan la peor parte (ver nota aparte).
La Presidenta aterrizará esta tarde junto con su colega boliviano Evo Morales, que debe firmar por segunda vez, ahora en presencia de Paraguay, el tratado que lo habilita como miembro pleno. La acompañarán el vicecanciller y el ministro de Hacienda Axel Kicillof.
Todo sugiere que la entrada de Evo al bloque, que todavía debe ser ratificada por los parlamentos de Brasil y Paraguay, será uno de los pocos anuncios "vistosos" a mostrar en esta mega conferencia de jefes de Estado, la número 48.
Otra habría sido la historia si se hubiera cumplido la ambición de los anfitriones brasileños de anunciar un acuerdo de libre comercio con la Unión Europea. Pero esa iniciativa quedó para el "último trimestre" del año, según indicaron ayer fuentes diplomáticas. En principio, hay un nuevo encuentro del mercado común sureño previsto para agosto, donde los socios (menos Venezuela) deben afinar los últimos detalles; y en octubre próximo se harían las presentaciones de ofertas ante los europeos.
Sobre las relaciones externas del bloque, subsiste todavía una discusión no saldada y es cómo negociar con terceros países o con otras regiones. Una de las posiciones es la de liberalizar esa cláusula que obliga a los miembros a negociar en conjunto. Ayer en Brasilia, el canciller Mauro Vieira aclaró que el plan apunta a profundizar y no a flexibilizar la región: "Vamos a avanzar en medidas que permitan ir a la unión aduanera", sostuvo en un intercambio con la prensa. Es precisamente la última fase de un mercado común, que permite entre otras cosas la libertad de circulación de personas y mercaderías. Esto indicaría que la posición brasileña se aleja de la sostenida por Uruguay y Paraguay, que apuestan a un Mercosur más "soft".
Cristina debe mantener una cita bilateral con Dilma Rousseff, aunque no se especificó el momento. Esta vez no hay grandes roces entre los dos países que puedan enturbiar el encuentro. Temas que representaron roces en el pasado están en vías de solución, entre ellos la exigencia de las declaraciones juradas de importación (DJAI) que servían como freno al comercio mutuo. Claro que en este caso fue una resolución de la Organización Mundial del Comercio, ante las denuncias realizadas por la Unión Europea y Estados Unidos, la que allanó el camino, al comprometer al país a darles de baja en diciembre próximo.
En cuanto al otro gran asunto bilateral, el del intercambio comercial de vehículos, ambos países resolvieron hace un mes postergar por un año más el régimen de regulación de importaciones y exportaciones que venía de antes.
No deja de ser un hecho significativo, y muestra el alcance de la crisis, que vengan a Brasilia varios jefes de Estado sudamericano. Estarán Perú, Chile, Colombia y Guyana, o sea, la Unasur completa. Ocurre que las señales de crisis comienzan a afectar economías hasta ahora en crecimiento, como es el caso chileno y colombiano.
Ambas muestran una tendencia a desacelerarse, según el informe del FMI, ya sea por el retroceso de los precios de las commodities, como también de factores internos (claramente, el caso brasileño). (Clarin - 16/07/2015)

Bolivian private sector not convinces of full incorporation to Mercosur
Bolivia's incorporation as a full member of Mercosur will be addressed as of Thursday in Brasilia at the group's two-day presidential summit, an issue which could be completed by the first half of next year, despite some warnings from Bolivia's private sector.
Bolivia's foreign trade and integration minister Clarems Endara anticipated that his country would be again signing the incorporation protocol, just as it did back in 2012, but this time will include the signatures of all full members, particularly Brazil and Paraguay that missed out three years ago.
Following this formality, the parliaments of Brazil, Paraguay and Bolivia will have to approve the protocol as it was done by Argentina, Uruguay and Venezuela since 2012.
"If all works out as planned we should have become a full member of Mercosur by next January", said Endara who revealed strong lobbying for the missing signatures in the protocol similar to 2012 in so far as rights and obligations when joining the block.
Basically the new document saves a "technical and legal problem" which had impeded Paraguay from adhering since in mid 2012, it was suspended from Mercosur because of the removal of then president Fernando Lugo. Allegedly the Paraguayan congress in impeaching Lugo and voting in a caretaker president infringed the group's "democratic clause".
Paraguay argued it has acted according to the book (Constitution) but only returned to Mercosur at the end of 2013. In the meantime Venezuela was formally incorporated to the block.
Bolivia has been an associate member of Mercosur since 1996 but only three years ago formally requested full membership, and thus if lawmakers from Paraguay, Brazil and Bolivia approve the protocol, it will become full member in 2016 and will have another four years to comply with 3.000 rules governing Mercosur.
Another issue to take into consideration is that president Evo Morales does not agree with an encompassing trade treaty with the European Union, since Bolivia supports 'complementation' agreements to support its development programs and rejects 'capitalist' free trade.
"Our policy will be to have the right to monitor Mercosur negotiations with third parties and if necessary exclude ourselves from those discussions", argued Endara. This however has not impeded Bolivia and Mercosur members to make effective a tariffs reduction which enables the free circulation of goods.
"We have benefitted our banana, palm hearts and pineapple exports, and we have to nail out sales in border areas with Mercosur members", added Endara.
However Bolivia's Foreign trade private institute, IBCE, the main exports lobby, has questioned some of the incorporation terms and conditions, particularly since under Mercosur rules it would have to raise tariffs on third countries and become "even more dependent on Argentina and Brazil".
IBCE CEO Gary Rodriguez also complained about the 'straightjacket' which means not being able to negotiate with third parties and being forced to adhere to Mercosur consensus on the matter. "This somehow means dropping sovereignty when it comes to economic and financial decisions".
Finally Rodriguez said that Bolivia's incorporation "smells more of politics than plain economics" and supported the statement with trade numbers.
Bolivia's main links with Mercosur are through natural gas bilateral agreements with Argentina and Brazil. If gas is included Bolivia had a surplus of 3.5bn dollars with Mercosur last year. However, if gas is not included surplus turns into a deficit of 2.4bn dollars, which "is equivalent to greater dependency". (MercoPress - 16/07/2015)

Nova agenda para integrar o Mercosul
Apesar das dificuldades, não se pode desconsiderar os benefícios que o processo de integração regional representa, sobretudo nos planos social e estratégico.
por OLAVO NOLETO
Na medida em que se aproxima a reunião de cúpula do Mercosul, prevista para amanhã, cresce a importância deste tema na pauta política do país. As opiniões se dividem. Há quem diga que nos últimos anos o bloco comercial do Cone Sul não tem avançado no ritmo esperado, e que por isso deveria ser "flexibilizado". Em geral, a crítica mais contundente é em relação à união aduaneira, que impediria maior participação dos Estados membros nas cadeias produtivas globais.
Certamente, o Mercosul precisa de ajustes na área comercial para se manter competitivo frente ao crescimento de potências comerciais como o Brics e os Estados Unidos. É comum que os processos de integração regional passem por ajustes de cursos, já que são parcerias de longuíssimo prazo, a exemplo do que acontece com a União Europeia e a zona do euro.
No entanto, não se pode subestimar a importância das transações intrabloco, que representam cerca de 10% dos fluxos comerciais brasileiros, em média. O comércio interno mais que quintuplicou em números absolutos entre 2002 e 2010. Se em 2002 as trocas entre os países do bloco representavam menos de cinco bilhões de dólares ao ano, em 2010 chegamos à marca histórica de 28 bilhões/ano.
Em 2012, com a entrada da Venezuela, as relações comerciais dentro do bloco tiveram o segundo melhor resultado da sua história. Portanto, mesmo em meio à crise internacional, a integração econômica sul-americana vem criando oportunidades de desenvolvimento, em especial para o Brasil, que tem os países vizinhos como segundo maior destino de suas exportações.
Mas há outro lado desse processo que precisa ser observado. É preciso medir na balança (inclusive, mas não só, na balança comercial) os prós e contras desta iniciativa, que começou em 1991, com o tratado de Assunção. Apesar das dificuldades, não se pode desconsiderar os benefícios que o processo de integração regional representa e ainda pode vir a representar, sobretudo, no plano social e estratégico.
Nesse sentido, destaca-se que o Mercosul não envolve apenas relações entre os governos nacionais. Ele também é um espaço de integração regional para os governos subnacionais do bloco e para suas populações. Municípios, estados, províncias e departamentos compartilham as mesmas oportunidades e desafios para assegurar mais direitos e serviços públicos de qualidade. Por que não cooperar entre si para alcançar seus objetivos?
Responder afirmativamente a essa pergunta é fortalecer o Mercosul. É incentivar a formação de cadeias produtivas para o desenvolvimento local, é fortalecer a identidade e a cidadania regional, é promover a integração nas regiões de fronteira a partir de uma legislação especial que facilite o progresso sustentável dessas regiões.
É nessa perspectiva que estados e municípios brasileiros estão reunidos no Foro Consultivo de Municípios, Estados Federados, Províncias e Departamentos do Mercosul, para discutir temas como a criação de consórcios públicos para o compartilhamento de ações nas áreas de fronteira e a participação dos entes subnacionais na nova Agenda Global de Desenvolvimento Pós-2105 e na Habitat III - Terceira Conferência das Nações Unidas sobre Moradia e Desenvolvimento Urbano Sustentável.
Espera-se, com esses eventos, dar concretude à agenda de integração sul-americana, fortalecendo o Mercosul e os laços comuns que unem nossos governos e nossas gentes.
Olavo Noleto é sub-chefe de Assuntos Federativos da Secretaria de Relações Institucionais da Presidência da República (O Globo - 16/07/2015)

Acordo reinsere Irã na economia global
MUNDO
Petróleo, turismo e setor automotivo devem se beneficiar de retomada do comércio e liberação de fundos congelados
Exportadores no Brasil preveem aumentar vendas, mas sem mudar perfil do comércio; US$ 100 bi serão reinjetados
Como acordo nuclearcom as potências anunciado na última terça (14), o Irã dá um salto rumo à sua reinserção no sistema econômico mundial, do qual havia sido marginalizado devido a sanções em três frentes (ONU, EUA, União Europeia) e à exclusão do sistema bancário, em 2012.
O aperto asfixiou as finanças de um Estado com gastos colossais em subsídios, programas sociais e remessas a grupos e governos aliados.
Como fim das sanções, que deve ter efeito a partir de 2016, EUA e UE voltarão a permitir transações financeiras com entidades e indivíduos do Irã, crédito para exportações ao país, investimento no setor petroleiro e venda de bens e serviços à indústria automotiva.
Com isso, o Irã poderá revigorar exportações de petróleo e usar investimentos para estimular uma infraestrutura de gás e petróleo que é tradicional consumidora de tecnologia europeia de ponta, mas obrigada a recorrer a equipamentos chineses de baixa qualidade por causa das sanções.
Empresários ocidentais batem ponto em Teerã desde a ascensão do presidente Hasan Rowhani, em 2013.
Uns fazem prospecção de investimento, inclusive em turismo, cobiçado pelas redes hoteleiras. Outros querem voltar ao país, como a montadora Peugeot.
Já neste domingo (19), chegará ao país uma delegação de empresários chefiada pelo ministro da Economia alemão, Sigmar Gabriel.
O Irã é um mercado de 77 milhões de consumidores com forte propensão ao consumo e altos índices de instrução.
Mas, para analistas, será difícil gerir o boom de investimento e comércio esperado com o fim das sanções e atrair capital externo sem reações políticas inflamadas no país.
Só com a liberação de ativos de cidadãos e empresas bloqueados pelas sanções, o país receberia US$ 100 bilhões -- o equivalente aumquarto dasua economia.
"Se o dinheiro não for bem gerenciado, o estrago pode ser maior que o das sanções", disse o presidente da Câmara de Comércio, Indústria, Minas e Agricultura de Teerã, Yahya Ale-Eshagh, à rede Nasim.
BRASIL
Para o Brasil, a perspectiva é boa, afirma José Augusto de Castro, presidente da Associação de Comércio Exterior, para quem o Irã pode se tornar um dos grandes superavit comerciais do Brasil. "Com as sanções, era preciso fazer uma ginástica muito grande, procurar um banco que aceitasse o 'risco Irã'", afirma.
O perfil das exportações, porém, não deve mudar: commodities, como carne, milho, soja e açúcar. As exportações brasileiras para o Irã caíram 38% entre 2010 e 2014, derrubadas pela redução de 68% (termos de quantidade) na venda de carne bovina. SAMY ADGHIRNI DE CARACAS (Folha de SP - 16/07/2015)

Brasil e México avançam em novo acordo
BRASIL
Relações externas: Negociações já têm roteiro detalhado e governo abrirá consulta para ouvir empresários
Daniel Rittner
De Brasília
Menos de dois meses após a visita da presidente Dilma Rousseff ao México, onde foi anunciada a tentativa de ampliar o acordo comercial entre as duas maiores economias da América Latina, as negociações já deram passos significativos. Em reuniões na semana passada, em Brasília, autoridades brasileiras e mexicanas traçaram um roteiro detalhado para a discussão do acordo e fecharam os pontos que serão alvo das próximas rodadas de conversas.
O Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior abrirá uma consulta pública para ouvir associações empresariais sobre as demandas e sensibilidades da iniciativa privada em torno do futuro acordo. A consulta, que terá início nas próximas semanas, segue os mesmosmoldes daquela realizada em 2012 para balizar as negociações entre Mercosul e União Européia.
O objetivo é mapear com clareza os interesses "ofensivos" e "defensivos" do Brasil com o México, ou seja, quais setores pedem abertura comercial e quais veem a concorrência dos mexicanos como ameaça.
Além disso, as associações deverão apontarem quanto tempo querem a derrubada de alíquotas de importação ou por quantos anos precisam de proteção tarifária. Não há nenhuma obrigação do governo de seguir essas indicações, mas elas servem para dar subsídios à estratégia de negociação.
De acordo com o secretário de Comércio Exterior do ministério, Daniel Godinho, a consulta deverá ter 45 dias de duração e a ideia do governo é colher os resultados até outubro. Ficou marcada para este mês, na Cidade do México, apróxima reunião das equipes negociadoras.
Godinho diz ter percebido "amplo apoio" do setor privado e afirma estar "empolgado" com as perspectivas.
Dilma eo presidentedo México, Enrique Pena Nieto, orientaram seus governos a buscar um novo acordo até maio de 2016. "É perfeitamente possível alcançarmos um resultado final em que todos estejam plenamente satisfeitos", avalia o secretário. "O prazo de um ano [fixado por Dilma e Pena Nieto] é bastante complexo, mas topamos o desafio. Com o apoio dos dois presidentes e o engajamento dos empresários, acredito que cumpriremos essa meta e teremos um acordo equilibrado e ambicioso."
Na primeira rodada de negociações, os dois países definiram a abrangência do futuro tratado comercial, que contemplará não apenas a redução mútua de tarifas.
Compromissos em matéria de serviços, propriedade intelectual, compras governamentais, convergência regulatória e solução de controvérsias também vão fazer parte do acordo.
"Todos esses temas tiveram umtratamento robusto", enfatiza Godinho. Ele nota que em nenhuma das discussões de que participou anteriormente, com outros países, houve um progresso tão rápido na definição das regras básicas - conhecidas como métodos e modalidades do acordo. "Percebemos claramente que ambas as partes querem avançar", afirma.
O atual acordo entre Brasil e México, firmado em 2002, abrange apenas 792 produtos - de um total de 6.454 linhas tarifárias reconhecidas pela Associação Latino-Americana de Integração (Aladi). Um levantamento recente da Confederação Nacional da Indústria (CNI )mostra que apenas 10,5% das exportações brasileiras e 17,8% das vendas mexicanas se beneficiam da garantia de tarifas menores pelo acordo.
Dominado por automóveis, que têm umacordo à parte em vigência, o comércio bilateral atingiu US$9 bilhões no ano passado. Houve déficit de US$ 1,7 bilhão.
Além de barreiras tarifárias, com alíquotas de até 20% para bens industriais e superiores a 200% para produtos agrícolas, outras restrições impostas pelo México são alvo de queixas das empresas brasileiras.
Segundo a CNI, há reclamações sobre barreiras sanitárias (demora na habilitação de unidades produtivas de exportadores) e barreiras técnicas (exigências específicas de rotulagem ou não aceitação de padrões internacionais).
Em maio, durante a visita de Dilma, Brasil e México já assinaram um acordo de cooperação e facilitação de investimentos (ACFI). Trata-se do primeiro tratado do gênero firmado entre dois países da América Latina. (Valor Econômico - 16/07/2015)

CNI espera que países do Mercosul permitam flexibilidade para negociar acordos comerciais
Brasília - O Mercosul deve dar prioridade à agenda econômica, permitindo flexibilidade para que seus integrantes possam negociar e ampliar o número de acordos comerciais com outros países e blocos econômicos. Para a Confederação Nacional da Indústria (CNI), o Brasil precisa avançar numa agenda pautada pela integração de sua economia e suas empresas ao comércio global e o Mercosul não tem sido eficaz em definir uma política comercial de resultados, seja no acesso a novos mercados ou no aprofundamento do comércio intrabloco.
"Na prática, o Mercosul não se consolidou como área de livre comércio e, nas últimas cúpulas, as decisões do bloco tem passado ao largo de temas importantes da agenda comercial e que são urgentes para a indústria", diz o diretor de Desenvolvimento Industrial da CNI, Carlos Eduardo Abijaodi.
A CNI espera que essa postura seja adotada durante a nova presidência pro tempore do Mercosul, que será assumida pelo Paraguai, na 48a Cúpula de Chefes de Estado do Mercosul, na sexta-feira (17), em Brasília. A indústria considera essencial avançar na negociação de acordos comerciais com Estados Unidos, Aliança do Pacífico (Peru, Chile, Colômbia e México), África do Sul, América Central e Caribe, além do acordo entre Mercosul e União Europeia.
Nesse último caso, a CNI propõe que cada sócio implemente o acordo (desgravação) em prazos variáveis, segundo as possibilidades de cada país. "É preciso que a Cúpula confirme o compromisso de troca de ofertas entre Mercosul e União Europeia até o fim do ano", afirma Abijaodi.
Paralelamente, é preciso solucionar pendências internas do bloco, como na negociação de acordos de serviços, investimentos, compras governamentais e barreiras não tarifárias, o que estimularia o comércio e investimento entre os países do bloco. A construção de uma agenda comum de infraestrutura, com projetos que promovam a integração logística dos países e o fortalecimento dos mecanismos de financiamento do bloco são fatores determinantes para fomentar projetos de investimentos e otimizar o fluxo de mercadorias com redução de custos de transporte, e consequente melhora da competitividade das empresas do Mercosul.
COMÉRCIO DESAQUECIDO - A falta de uma política comercial pragmática para o Mercosul tem afetado o fluxo de mercadorias entre os países do bloco, prejudicando diretamente a indústria brasileira, quadro agravado pelo situação da economia da Argentina, nos últimos anos. Dados da balança comercial mostram que o valor das exportações brasileiras para o bloco caíram 15% em 2014 frente ao ano anterior - o dobro do percentual de queda das exportações totais -, retomando o patamar de 2011. A CNI destaca, sobretudo, o efeito da redução do comércio sobre a pauta de bens manufaturados. Em 2014, as vendas para o Mercosul foram de apenas US$ 19 bilhões, número inferior ao de 2008, e uma redução de 23% em relação a 2013.
A participação do Mercosul no comércio exterior brasileiro também tem apresentado rota de queda, nos últimos anos, evidenciando a perda de relevância do bloco como fornecedor de mercadorias como destino de bens produzidos no Brasil. Os dados mostram diminuição tanto na exportação quanto na importação de mercadorias dentro do bloco. Se em 2010, os países-membros respondiam por 13,1% das vendas externas brasileiras, essa parcela foi para 11,1% em 2014. As importações oriundas do Mercosul, que respondiam por 10,7% das compras do Brasil, em 2009, caíram para 8,1% do total. (CNI - 16/07/2015)

Brasil dá calote em fundo do Mercosul
Lisandra Paraguassu
Brasil deve cerca de US$ 120 milhões e vai abrir a cúpula do bloco, que se inicia amanhã, sem poder definir quando vai zerar a conta
Renovação do Focem foi prometida pela presidente DIlma Rousseff e é um dos pontos centrais da cúpula
BRASÍLIA - Prestes a estender o prazo de funcionamento do Fundo para Convergência Estrutural do Mercosul (Focem), usado para financiar obras de infraestrutura entre os países da região, o governo brasileiro acumula uma dívida de nada menos que US$ 120 milhões com o fundo.
Os dados constam de um levantamento feito pelo Itamaraty a pedido do senador Heráclito Fortes (PSB-PI), sobre todas as dívidas do País com organismos internacionais.
O documento, obtido pelo Estado, aponta que entre os débitos está o Focem, que financia obras estruturais, especialmente no Paraguai e no Uruguai. Foi com recursos do fundo, por exemplo, que se construiu a linha de transmissão de energia entre a Usina de Itaipu e a capital paraguaia, Assunção, com um custo de US$ 550 milhões.
O fundo é formado por recursos dos cinco países-membros plenos do bloco. O Brasil deveria entrar todos os anos com US$ 70 milhões; a Argentina, com US$ 27 milhões, assim como a Venezuela. O Uruguai aporta US$ 2 milhões e o Paraguai, US$ 1 milhão. O Brasil, no entanto, acumula dívidas com o Focem ano após ano. Até 2014, já eram US$ 97,07 milhões. Neste ano, o País deixou de pagar outros US$ 24,5 milhões.
Amanhã, tem início em Brasília a Cúpula do Mercosul. A intenção é mostrar que os últimos seis meses tiraram o bloco da inércia dos últimos dois anos. A renovação do Focem é um dos pontos centrais da cúpula e o Brasil anunciará sua intenção de levar adiante a renovação do fundo. Essa renovação foi prometida pela presidente Dilma Rousseff ao assumir a presidência do bloco, em dezembro de 2014.
A boa notícia, especialmente para o Paraguai e para o Uruguai, maiores beneficiários do fundo, vem manchada pela dívida do Brasil, responsável por 70% dos recursos do Focem. Em reais, o saldo negativo chega a R$ 375 milhões.
Renovação. Procurado, o Ministério do Planejamento, que é o responsável pela liberação de recursos para pagamentos de fundos internacionais, informou que a renovação do Focem está sendo negociada com os parceiros do bloco e que "os recursos a serem aportados pelo Brasil são operacionalizados conforme a programação financeira do governo e a necessidade efetiva do Fundo".
O Estado apurou que a negociação está sendo difícil dentro do governo brasileiro, apesar da decisão da presidente, que costuma citar o fundo como um dos pontos positivos do Mercosul. O Planejamento resistia a uma renovação imediata do compromisso em um ano de parcos recursos.
Consultado, o ministério disse que o Focem é "importante para redução das desigualdades regionais" e defendeu "a importância de se caminhar no sentido de tornar esse Fundo mais eficiente e efetivo".
Acordos. Depois de dois anos em que o bloco se concentrou mais em crises do que resultados práticos - entre elas a suspensão do Paraguai e a conturbada entrada da Venezuela -, nos últimos seis meses, o Brasil, na presidência, tentou acelerar a implantação de acordos comerciais discutidos, mas nunca implementados.
Pressionado pela necessidade de apresentar resultados nessa área, o Brasil levou adiante as propostas de acelerar a redução de tarifas com os países da Aliança do Pacífico, A intenção é tentar acelerar a criação de uma zona de livre-comércio entre os países da Associação Latino-americana de Integração (Aladi) até o fim de 2016 - a previsão inicial era apenas 2019 -, incluindo o México.
Uma das vitórias cantadas pelos diplomatas brasileiros é o horizonte definido para uma troca de ofertas para o acordo com a União Europeia, o que deve acontecer até o fim deste ano. Além disso, o Itamaraty também vai apresentar aos demais países do bloco a proposta da Índia de ampliar um pequeno acordo comercial já existente, de apenas 470 produtos.
Na cúpula de amanhã, quem assumirá a presidência do bloco é o Paraguai, um dos maiores interessados em acelerar todos esses acordos. Na visão de negociadores brasileiros, isso traz uma boa perspectiva para que o trabalho iniciado pelo Brasil seja mantido e o bloco pare de "discutir a relação" e se volte para a implementação das questões práticas essenciais aos países-membros. (O Estado de SP - 16/07/2015)

Paraguay repasa con Brasil prioridades en vísperas de la Cumbre de Mercosur
El canciller del Brasil, Mauro Vieira, recibe hoy a su homólogo paraguayo Eladio Loizaga, en Brasilia, para conversar sobre una amplia agenda, que incluye comercio y proyectos de infraestructura (puentes). Será en vísperas de la Cumbre del Mercosur, que se inicia mañana.
La reunión bilateral de los cancilleres de Brasil y Paraguay se había suspendido semanas atrás por el fallecimiento de la madre del ministro brasileño y fue reagendada para hoy a las 10:00 (hora paraguaya) en el Palacio de Itamaraty, sede de la Cancillería brasileña.
En la ocasión se abordará una extensa agenda de temas que incluyen aspectos de comercio, inversiones e integración productiva con énfasis en el aprovechamiento de bajos costos, incentivos a la inversión y otras ventajas competitivas que presenta el Paraguay.
Vieira y Loizaga conversarán también acerca de aspectos de la integración física como la construcción del puente Carmelo Peralta-Puerto Murtinho y otro sobre el río Apa.
El canciller también dijo que hay otros temas referentes a la hidrovía Paraguay-Paraná, donde el Brasil quiere reimpulsar la reunión de dicha instancia.
El mayor socio, dicen
Itamaraty informó ayer a la tarde sobre la reunión de trabajo de los cancilleres y recordó que el Brasil es el principal destino de exportaciones paraguayas y principal proveedor de productos para el Paraguay. Indica que el flujo del comercio bilateral se duplicó en los últimos cinco años, con un crecimiento de 94%. Según la Cancillería brasileña, en el 2014 el intercambio bilateral alcanzó US$ 4,4 billones, el mayor nivel histórico.
Medidas pendientes
El canciller Loizaga señaló que conversará también con Vieira sobre la presidencia del Mercosur que recibirá este viernes en la XLVIII Cumbre de Presidentes del bloque regional. Será la primera desde la ilegal suspensión paraguaya en el bloque (2012-2013).
Loizaga recordó que en el cónclave hay decisiones comerciales pendientes de resolución como el régimen de origen. Se trata de beneficios que tiene Paraguay, donde el componente de materia prima para la exportación del país, con mano de obra, puede utilizar un 40% y extra-Mercosur un 60%. El canciller refirió que mientras que los otros países están con 50%. "Esa es una decisión que recién vence en el 2016 y nosotros tenemos que buscar su prórroga", acotó el ministro paraguayo. (ABC Color - 15/07/2015)

Paraguay abonará terreno para negociación Mercosur-UE durante su presidência
Agencia EFE
Paraguay asumirá esta semana la presidencia temporal de MERCOSUR, del que fue excluido en 2012 tras la destitución de Fernando Lugo, con la meta de impulsar el aspecto comercial y abonar el terreno para entrar en la fase definitiva de las largas negociaciones para un acuerdo con la UE en 2016.
La presidencia de Paraguay, que se oficializará el 16 y 17 de julio en la Cumbre de MERCOSUR que se celebrará en Brasilia, llega al país sudamericano mes y medio después de que representantes del bloque y de la UE se reunieran en Bruselas de cara a agilizar unas negociaciones sometidas a continuos atascos y tropiezos desde que se iniciaron hace casi dos décadas.
En esa cita los integrantes de MERCOSUR acordaron reunirse en Asunción, con Paraguay ejerciendo la presidencia temporal, para hacer una evaluación técnica de las ofertas que hay sobre la mesa, declaró a Efe Rigoberto Gauto, viceministro de Relaciones Económicas e Integración de Paraguay.
De ese análisis saldrían una serie de recomendaciones y una reunión a finales de año, cuando Paraguay acabe su mandato, en la que se podría materializar el intercambio formal de ofertas entre MERCOSUR y la UE.
"La cuestión crítica ahora es alcanzar el acuerdo para el intercambio de ofertas, después se verá (...) Ese es el inicio de las negociaciones, es lo más difícil de alcanzar, después, una vez que hay un intercambio de ofertas ya viene una suerte de negociación para ir ajustando los detalles, pero eso es lo más complicado", dijo Gauto.
Añadió que durante ese escenario se mantendrá la llamada Decisión 32/2000, adoptada hace quince años y según la cual todo acuerdo comercial del bloque debe ser negociado en forma conjunta.
Según Gauto, en la cumbre brasileña no se va a plantear una revisión de esa política, pero hay otras informaciones que indican lo contrario.
"Eso ya se habló en su momento y no hay ninguna delegación que lo haya planteado de momento (la derogación). No está presente, no está en el temario", indicó.
Gauto observó que una posible modificación de esa decisión debería ir acompañada de la del artículo uno del Tratado fundacional de Asunción para ser efectiva.
"El mismo Tratado de Asunción en su artículo primero ya nos constriñe a adoptar un arancel externo común, a negociar conjuntamente. No se concibe, pues, que atendiendo al arancel externo común cada uno de los miembros de MERCOSUR vaya a negociar por su cuenta. De hecho, la Decisión 32/2000 puede derogarse, pero la base, la obligación de negociar juntos, está allí", indicó.
Gauto explicó que Paraguay pretende durante su presidencia "devolver a MERCOSUR a sus orígenes en el sentido de propender a los fines principalmente económicos y comerciales, lo que no significa abandonar las cuestiones de carácter político o social, sino dar prioridad en este plazo a las cuestiones comerciales".
En ese marco, adelantó que su país presentará propuestas concretas que culminen en un plan de acción que permita ir eliminando los obstáculos no arancelarios.
"En la parte de los obstáculos no arancelarios tenemos una cantidad ingente de barreras que nos dificultan el comercio entre nosotros mismos", indicó.
Agregó que otro de los apartados en los que Paraguay tiene previsto trabajar es en el reforzamiento institucional del MERCOSUR y en una mejora de su sistema de solución de controversias.
"El MERCOSUR no tiene la suficiente fuerza institucional para hacer cumplir las normas y en ese ámbito estamos pensando que un mejor esquema o un perfeccionamiento del sistema de solución de controversias puede ser de utilidad y deberíamos comenzar a debatirlo", dijo Gauto.
El viceministro reconoció que MERCOSUR no está cerca de su plena integración, aunque dijo que llegará a su tiempo.
"Toda integración es paulatina y nunca es perfecta, siempre se puede avanzar y perfeccionar en cualquier sistema de integración", dijo.
Indicó que esa integración es un reto para Paraguay, y que el país sudamericano ahondará en esa meta desde su compromiso con los ideales de MERCOSUR.
"Es un proceso en el cual estamos embarcados y personalmente creo que es una suerte de destino manifiesto de nuestro país lograr una integración económica con los países de nuestro alrededor teniendo en cuenta que este es nuestro espacio económico y nuestro mercado", dijo.
Paraguay, en cuya capital se firmó en 1991 el tratado del que nació el MERCOSUR, fue apartado del bloque regional después de que su Parlamento destituyera en 2012 en un juicio político a Fernando Lugo, primer presidente de izquierda del país.
Tras la victoria del actual presidente, Horacio Cartes, con el conservador Partido Colorado en las elecciones generales de 2013, el MERCOSUR levantó la suspensión de Paraguay. (Marco Trade Newa - 15/07/2015)

Bolivia avanzará en adhesión a Mercosur, pero empresarios dudan de benefícios
Por EFE
LA PAZ. El dilatado proceso de adhesión plena de Bolivia al Mercosur superará en la Cumbre de Brasilia un trámite más y podría concluir a fin de año, aunque empresarios bolivianos mantienen sus dudas sobre si eso les beneficiará.
El presidente boliviano, Evo Morales, confirmó hoy que asistirá a la cumbre del Mercosur el próximo viernes, después de realizar una visita oficial de dos días a Argentina.
El viceministro boliviano de Comercio Exterior e Integración, Clarems Endara, explicó a Efe que Bolivia suscribirá otra vez en Brasilia un protocolo de adhesión al grupo como ya lo hizo en 2012, pero el documento esta vez sí llevará la firma de Paraguay.
Los parlamentos de Brasil, Paraguay y Bolivia deberán aprobar después ese protocolo como en su momento hicieron los de Argentina, Uruguay y Venezuela con el primero, que se firmó hace tres años cuando los paraguayos habían quedado fuera del bloque como castigo por la destitución de Fernando Lugo de la presidencia de su país.
"Si todo va a buen ritmo, yo creo que a partir de enero del próximo año ya podríamos empezar como miembros plenos y vigentes del Mercosur", agregó Endara, cuya oficina depende de la Cancillería.
Explicó que con los otros países se trabajó "intensamente" para lograr el consenso que permitió tener el nuevo protocolo de adhesión para Bolivia y que básicamente es similar al de 2012 en cuanto a los derechos y las obligaciones que tiene para sumarse al bloque.
En concreto, el nuevo documento soluciona "un problema técnico y jurídico por el cual Paraguay se veía imposibilitado de ratificar" el documento original porque no estuvo en su suscripción.
El Mercosur suspendió a Paraguay a mediados de 2012 por considerar que se había violado la "cláusula democrática" del bloque con la destitución de Lugo mediante un juicio político en el Senado.
El país se reintegró al grupo a fines de 2013 cuando ya estaban en sus cargos las autoridades surgidas de las elecciones de ese año.
Desde 1996 Bolivia es un socio comercial del Mercosur pero tramita desde hace tres años su integración plena al grupo.
Si los parlamentos paraguayo, brasileño y boliviano ratifican el protocolo este año, su vigencia correrá desde 2016 y Bolivia tendrá otros cuatro años para adherirse a las 3.000 normas del bloque.
Consultado acerca de una declaración del presidente Evo Morales hecha en Bruselas en junio pasado en el sentido de que rechaza que el Mercosur negocie un "acuerdo de libre comercio" con la Unión Europea (UE) , Endara explicó que su país tomará previsiones al respecto.
Según el viceministro, Bolivia mantendrá "el derecho de poder observar el relacionamiento que tiene con terceros el Mercosur" y excluirse de las negociaciones del bloque si lo ve necesario.
Estratégicamente, el Gobierno de Morales tiene como línea rechazar los acuerdos de libre comercio y plantear acuerdos "de complementariedad" para fortalecer su plan de desarrollo.
En tanto, Bolivia y el Mercosur ya han logrado una desgravación arancelaria plena, que permite la libre circulación de productos.
Según Endara, los beneficios están en la exportación de banana, palmito y piña y en las condiciones que Bolivia tendrá para vender a las regiones fronterizas de los miembros del Mercosur.
Las expectativa positiva del Gobierno ha sido cuestionada por el privado Instituto Boliviano de Comercio Exterior (IBCE) , la principal entidad de asesoramiento a los exportadores del país.
El gerente del IBCE, Gary Rodríguez, dijo a Efe que una preocupación del sector es que cuando avance la Unión Aduanera del bloque Bolivia subirá sus aranceles para terceros, lo que hará que el país dependa sobre todo de la producción de Argentina y Brasil.
Asimismo, según Rodríguez, Bolivia puede tener problemas por la "camisa de fuerza" que supondrá el hecho de que no puede negociar con terceros por su lado, sin tomar en cuenta al Mercosur.
Finalmente, agregó, el proceso de armonización de las normas de Bolivia con las del Mercosur implicará, a su juicio, una renuncia a su soberanía para tomar decisiones económicas.
"Este ingreso de Bolivia al Mercosur tiene más ribetes de carácter político antes que razones comerciales o económicas", dijo.
La principal relación comercial de Bolivia con el Mercosur es por la exportación de gas natural a Brasil y Argentina, pero eso es fruto de acuerdos bilaterales y no de convenios con el bloque.
Si se cuenta el valor del gas, Bolivia logró en 2014 un superávit comercial con el Mercosur de 3.592 millones de dólares, pero si se deja al margen, el déficit fue de 2.393 millones de dólares, según el IBCE. (ABC Color - 15/07/2015)

Mercosur summit in Brasilia with a conflicting agenda; Paraguay takes chair
Mercosur will be holding its half year presidential summit in Brasilia next Thursday and Friday, an event which will expose an abundance of trade and political conflicts, discrepancies and recurrent challenges despite all its members commitment to integration. Besides full members, Argentina, Uruguay, Paraguay, Venezuela and Brazil, leaders from Chile, Peru, Ecuador, Bolivia, Colombia, Guyana and Surinam have also been announced.
President Dilma Rousseff faced with a serious recession is trying to increase the scope of markets for Brazilian exports
The formal but significant event will be that the Mercosur chair for the next six months will be passed on to Paraguayan president Horacio Cartes
Besides full members, leaders from Chile, Peru, Ecuador, Bolivia, Colombia, Guyana and Surinam have also been announced.
The formal but significant event will be that the Mercosur chair for the next six months will be passed on to Paraguay by Brazil. Significant because in 2012 Paraguay was suspended from the group because of the removal of then president Fernando Lugo, which Mercosur interpreted as a 'rupture' of democratic rule, even when the political impeachment was done according to Paraguay's constitution.
Two issues on the table will be the incorporation as full member of Bolivia, already approved by the legislatives from Venezuela, Uruguay and Argentina, and the ongoing negotiations between Mercosur and the European Union for an encompassing trade agreement.
Talks with the EU took off in 1991, but remain stalled pending on the presentation of proposals for tariff reductions, an issue with non enthusiasts on both sides. Argentina for one is not totally convinced and is in the midst of a national election. On the other side, Mercosur agriculture scares farmers in several EU countries.
However Brazil together with Uruguay and Paraguay have been pushing for a 'flexibilization' of terms which means all trade decisions do not have to be on consensus as established since 2000. President Dilma Rousseff faced with a serious recession is trying to increase the scope of markets for Brazilian exports. The positive side of this is that Brazil has finally joined the junior countries request (Uruguay and Paraguay) for even a possible two-speed Mercosur so as to advance in EU negotiations.
Venezuela and its current political and financial situation is another conflicting issue. Even when Brazil has friendly relations with president Nicolas Maduro it is concerned about the country's deteriorating economy, ballooning inflation, the political prisoners and the overall social confrontation. Nevertheless there was support and praise when president Maduro finally announced that legislative elections are scheduled for next 6 December.
Another creeping issue related to Venezuela is the dispute with neighboring Guyana over the Esequibo region (a third of the former British colony territory). In May and after oil was discovered offshore, Maduro signed a decree establishing that the Esequibo coastline and maritime space was Venezuela territory. This has been criticized at the recent Caricom summit in Barbados and the Commonwealth has expressed support of Guyana.
Along the Pacific coast is the ongoing dispute over a sea outlet for Bolivia, which President Evo Morales has taken to the International Court of Justice in The Hague, demanding that Chile sits to talk about the issue. Chile argues the bilateral issue was lauded in several agreements decades ago and is not willing to discuss sovereignty over the claimed territories. The issue again emerged strongly during the Pope's recent tour of the region and particularly during his visit to Bolivia.
And last but not least, the host is not going through one of its best moments: recession, major corruption scandals, and a weakened president Rousseff that seems unable to keep the Brazilian ruling coalition in order, and is questioning her authority and austerity programs to balance the country's accounts.
Finally since Argentina is holding presidential and legislative elections next October, the Brasilia meeting will represent the farewell for president Cristina Fernandez. Her successor is schedule to take office next December 10, and unless Paraguay advances its Mercosur summit, Asunción will be welcoming the next Argentine president. (MercoPress - 15/07/2015)

Bolivia avanzará en la adhesión al Mercosur, pero empresarios dudan de los benefícios
La Paz, 15 jul (EFE).- El dilatado proceso de adhesión plena de Bolivia al Mercosur superará en la Cumbre de Brasilia un trámite más y podría concluir a fin de año, aunque empresarios bolivianos mantienen sus dudas sobre si eso les beneficiará.
El presidente boliviano, Evo Morales, confirmó hoy que asistirá a la cumbre del Mercosur el próximo viernes, después de realizar una visita oficial de dos días a Argentina.
El viceministro boliviano de Comercio Exterior e Integración, Clarems Endara, explicó a Efe que Bolivia suscribirá otra vez en Brasilia un protocolo de adhesión al grupo como ya lo hizo en 2012, pero el documento esta vez sí llevará la firma de Paraguay.
Los parlamentos de Brasil, Paraguay y Bolivia deberán aprobar después ese protocolo como en su momento hicieron los de Argentina, Uruguay y Venezuela con el primero, que se firmó hace tres años cuando los paraguayos habían quedado fuera del bloque como castigo por la destitución de Fernando Lugo de la presidencia de su país.
"Si todo va a buen ritmo, yo creo que a partir de enero del próximo año ya podríamos empezar como miembros plenos y vigentes del Mercosur", agregó Endara, cuya oficina depende de la Cancillería.
Explicó que con los otros países se trabajó "intensamente" para lograr el consenso que permitió tener el nuevo protocolo de adhesión para Bolivia y que básicamente es similar al de 2012 en cuanto a los derechos y las obligaciones que tiene para sumarse al bloque.
En concreto, el nuevo documento soluciona "un problema técnico y jurídico por el cual Paraguay se veía imposibilitado de ratificar" el documento original porque no estuvo en su suscripción.
El Mercosur suspendió a Paraguay a mediados de 2012 por considerar que se había violado la "cláusula democrática" del bloque con la destitución de Lugo mediante un juicio político en el Senado. El país se reintegró al grupo a fines de 2013 cuando ya estaban en sus cargos las autoridades surgidas de las elecciones de ese año.
Desde 1996 Bolivia es un socio comercial del Mercosur pero tramita desde hace tres años su integración plena al grupo.
Si los parlamentos paraguayo, brasileño y boliviano ratifican el protocolo este año, su vigencia correrá desde 2016 y Bolivia tendrá otros cuatro años para adherirse a las 3.000 normas del bloque.
Consultado acerca de una declaración del presidente Evo Morales hecha en Bruselas en junio pasado en el sentido de que rechaza que el Mercosur negocie un "acuerdo de libre comercio" con la Unión Europea (UE), Endara explicó que su país tomará previsiones al respecto.
Según el viceministro, Bolivia mantendrá "el derecho de poder observar el relacionamiento que tiene con terceros el Mercosur" y excluirse de las negociaciones del bloque si lo ve necesario.
Estratégicamente, el Gobierno de Morales tiene como línea rechazar los acuerdos de libre comercio y plantear acuerdos "de complementariedad" para fortalecer su plan de desarrollo.
En tanto, Bolivia y el Mercosur ya han logrado una desgravación arancelaria plena, que permite la libre circulación de productos.
Según Endara, los beneficios están en la exportación de banana, palmito y piña y en las condiciones que Bolivia tendrá para vender a las regiones fronterizas de los miembros del Mercosur.
Las expectativa positiva del Gobierno ha sido cuestionada por el privado Instituto Boliviano de Comercio Exterior (IBCE), la principal entidad de asesoramiento a los exportadores del país.
El gerente del IBCE, Gary Rodríguez, dijo a Efe que una preocupación del sector es que cuando avance la Unión Aduanera del bloque Bolivia subirá sus aranceles para terceros, lo que hará que el país dependa sobre todo de la producción de Argentina y Brasil.
Asimismo, según Rodríguez, Bolivia puede tener problemas por la "camisa de fuerza" que supondrá el hecho de que no puede negociar con terceros por su lado, sin tomar en cuenta al Mercosur.
Finalmente, agregó, el proceso de armonización de las normas de Bolivia con las del Mercosur implicará, a su juicio, una renuncia a su soberanía para tomar decisiones económicas.
"Este ingreso de Bolivia al Mercosur tiene más ribetes de carácter político antes que razones comerciales o económicas", dijo.
La principal relación comercial de Bolivia con el Mercosur es por la exportación de gas natural a Brasil y Argentina, pero eso es fruto de acuerdos bilaterales y no de convenios con el bloque.
Si se cuenta el valor del gas, Bolivia logró en 2014 un superávit comercial con el Mercosur de 3.592 millones de dólares, pero si se deja al margen, el déficit fue de 2.393 millones de dólares, según el IBCE. (Ultima Hora - 15/07/2015)

El Mercosur se cita con la quimera de la integración
La Cumbre semestral que los 5 países del Mercosur que se celebrará en Brasilia este jueves y el viernes reunirá a una buena porción de la sopa de letras de la integración latinoamericana, que muchos aún consideran una quimera pese a sus numerosos organismos.
En la cumbre se espera a los presidentes de Argentina, Brasil, Paraguay, Uruguay y Venezuela, los 5 miembros plenos del bloque, pero también a los de Chile, Perú, Ecuador, Bolivia, Colombia, Surinam y Guyana, países que tienen estatus de Estados asociados al Mercosur.
Esos mismos 12 países forman la Unión de Naciones Suramericanas (Unasur), suponen poco más de la tercera parte de los miembros de la Comunidad de Estados Latinoamericanos y Caribeños (Celac) y en su gran mayoría también pertenecen a la Asociación Latinoamericana de Integración (Aladi). Suramérica cuenta además con organismos financieros, como el Banco de Desarrollo de América Latina (CAF) y el Fondo Financiero para el Desarrollo de la Cuenca del Plata (Fonplata), y promete que este año finalmente comenzará a operar el Banco del Sur, que aún no funciona pese a que su convenio constitutivo data de abril de 2012.
PROCESO. Pese a esa multiplicidad de organismos, a los que se suman otras decenas, la integración de América Latina aún está en pañales y, de acuerdo a la CEPAL, el intercambio comercial entre los países de la región representa sólo el 19% de sus exportaciones totales.
Esa tasa revela cuánto camino tienen por delante los procesos de integración regional, sobre todo si se contrasta con los datos de la Unión Europea (UE), cuyos socios exportan un 59% de sus productos a los países del mismo bloque.
En el caso del Mercosur, que nació hace 24 años con la meta de llegar a ser un mercado común, el llamado comercio intrazona solo representa el 15% del intercambio global de sus cinco socios, que individualmente tienen como mayores aliados comerciales a EEUU y China.
El bloque suramericano también tiene probadas dificultades para llegar a acuerdos con otros mecanismos de integración o países y desde su fundación solo ha establecido tratados con Israel, India, Suráfrica, Egipto, Marruecos y el Consejo de Cooperación del Golfo, entre otras naciones y grupos que incluyen también a Palestina. Para muchos analistas, el mejor ejemplo de esas limitaciones está en las dilatadas negociaciones con la UE, que se arrastran sin éxito desde hace casi dos décadas, un periodo en el que el bloque europeo logró acuerdos con casi todo el resto de América Latina. EFE (Ultima Hora - 15/07/2015)

Fórum Empresarial do Mercosul debate em Belo Horizonte integração das cadeias produtivas
Belo Horizonte - A integração das cadeias produtivas na América do Sul foi o fio condutor das discussões levantadas no encontro promovido pela Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil) durante a programação do V Fórum Empresarial do Mercosul, realizado entre os dias 14 e 15 de julho em Belo Horizonte (MG).
A reunião, sediada na Federação das Indústrias de Minas Gerais (FIEMG), levantou temas fundamentais para desenvolvimento do bloco, como a fragmentação da produção entre os países e o desenvolvimento de uma marca "Mercosul", como forma de fortalecimento de diferentes setores.
"Nosso objetivo com este encontro foi discutir como as agências de exportações do Mercosul podem desenvolver agendas conjuntas a fim de fomentar o comércio intrabloco e a integração produtiva", afirma Ana Paula Repezza, Gerente de Estratégia de Mercados da Apex-Brasil.
À mesa, representantes da Argentina, Paraguai e Uruguai foram apresentados à pesquisa inédita do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA), sobre o processo de fragmentação da produção e o potencial de complementaridade produtiva na América do Sul. "Vemos que essa fragmentação possibilita maior competitividade, ao levar em consideração as vantagens produtivas de cada país em cada etapa do processo produtivo", reforçou o pesquisador do IPEA, Flávio Lyrio Carneiro.
Os participantes do encontro reforçaram a importância de aumentar o comércio intrabloco, como parte dessa agenda de integração das cadeias. Segundo apresentado pela Apex-Brasil, o comércio entre os países do bloco se encontra em cerca de 17% do total negociado pelos países participantes, frente a 57,4% das vendas internas da União Europeia (UE) e 34,3% realizada pelo Nafta (Tratado Norte Americano de Livre Comércio).
Mais do que fragmentar o processo, o professor da UFMG Mauro Sayar chama atenção para a necessidade de se incrementar a produtividade industrial no Mercosul. "Setores mais abertos à concorrência internacional tendem a ser mais eficientes e produtivos, aumentando assim a sua competividade doméstica e internacional", acredita.
Destaque pelo crescimento dos últimos anos e pela estratégia de promover uma integração produtiva no Mercosul como forma de enfrentar a concorrência chinesa, o setor de brinquedos foi representado pelo presidente da Associação Brasileira dos Fabricantes de Brinquedos (Abrinq), Synésio Batista Costa. Com cerca de 700 fábricas no país, o setor movimenta 40 mil empregos diretos, que geram uma renda de cerca de US$ 6 bilhões.
O presidente da Associação acredita que além da integração das cadeias, o Brasil precisa "investir em uma política industrial que fomente não só o setor, mas outras cadeias produtivas". Synésio reforça ainda que a criação de uma marca conjunta para o Mercosul promoverá um avanço nas discussões sobre melhoria em diferentes áreas.
Representando a agência do Paraguai - Rediex (Red de Exportaciones y Inversiones) -, Victor Bernal destacou o avanço das discussões realizadas no evento, classificado por ele como "uma integração real e possível. A ideia é que trabalhemos todos juntos".
O governo de Minas Gerais foi representado pelo Chefe da Assessoria de Assuntos Internacionais, Rodrigo Perpétuo, que na ocasião reafirmou "o compromisso do estado para integração regional das cadeias produtivas. Essa proposta endossada pelo Governo de Minas Gerais se estende ao ponto de vista logístico e da melhoria da competitividade", disse.
Para a Gerente da Apex-Brasil, Ana Paula Repezza, o encontro serviu de pontapé, sendo que a partir de agora todas as agências irão se esforçar para construção de uma agenda conjunta de trabalho. (Apex-Brasil - 15/07/2015)

Chile profundiza relaciones con los países del Mercosur
En el marco de la XXIV Reunión Extraordinaria de la Comisión Administradora del Acuerdo de Complementación Económica (ACE 35) entre Chile y Mercosur, que se realizó este martes en Brasilia (Brasil), los países acordaron avanzar en el intercambio de información aduanera, indicó la Dirección General de Relaciones Económicas Internacionales (Direcon).
"Mercosur es hoy el cuarto socio comercial de Chile y el destino del 49% de las inversiones chilenas en el exterior", señaló el jefe de gabinete de la Direcon, Alex Wetzig, al tiempo que precisó que el 7,6% de las exportaciones chilenas van dirigidas al bloque sudamericano.
El Convenio de Cooperación, Intercambio de Información, Consultas de Datos y Asistencia Mutua firmado entre las autoridades aduaneras de los países integrantes del Mercosur y Chile, fue consensuado en el marco del Grupo Ad-Hoc de Asuntos Aduaneros del Acuerdo Chile-Mercosur realizado el pasado mes de abril en Puerto Natales.
Durante el 2014, el Mercosur se ubicó como el quinto destino de las exportaciones chilenas y cuarto proveedor mundial, destacó la Direcon.
Un 34% de las exportaciones chilenas al Mercosur corresponden a productos mineros, compuestos fundamentalmente por cobre. El bloque sudamericano concentra el 5% de los envíos del sector, ubicándose como séptimo receptor de cobre chileno, del cual un 96% fue comprado por Brasil.
Por su parte, el sector silvoagropecuario y pesca, observó una caída de sus envíos al Mercosur de 3,7% en el período mencionado, siendo las frutas las más afectadas, con una disminución de 2,4% respecto al año anterior.
El sector donde se destaca el Mercosur es el industrial que representó un 61% del total, concentrando el 12% de las exportaciones chilenas del rubro. En ese sentido, el bloque sudamericano se ubica como tercer destino, detrás de Estados Unidos y la Unión Europea.
Dentro de los productos industriales, la Direcon destaca los envíos de alimentos procesados que acumulan un 15,5% del total. Cabe señalar que durante el último año, las exportaciones de alimentos procesados se expandieron 11,2%, empujado en gran medida por el alza en la venta de salmón.
Otros bienes destacados fueron los químicos, de los cuales el Mercosur fue el tercer mercado de destino, con un 16% del total exportado por Chile, pese a observar una baja de 5,1% en los envíos del último año.( Marco Trade News Espanha - 15/07/2015)

Mercosur busca consolidar propuestas comerciales con la UE en próximas reuniones
(Brasilia, 15 de julio. EFE).- La cumbre semestral que los cinco países del Mercosur celebrarán esta semana en Brasilia reunirá a una buena porción de la sopa de letras de la integración latinoamericana, que muchos aún consideran una quimera pese a sus numerosos organismos.
En la cumbre que se realizará los próximos jueves y viernes se espera a los presidentes de Argentina, Brasil, Paraguay, Uruguay y Venezuela, los cinco miembros plenos del bloque, pero también a los de Chile, Perú, Ecuador, Bolivia, Colombia, Surinam y Guyana, países que tienen estatus de Estados asociados al Mercosur.
Esos mismos doce países forman la Unión de Naciones Suramericanas (Unasur), suponen poco más de la tercera parte de los miembros de la Comunidad de Estados Latinoamericanos y Caribeños (Celac) y en su gran mayoría también pertenecen a la Asociación Latinoamericana de Integración (Aladi).
Estos tres organismos han sido invitados a participar también en la Cumbre de Brasilia, así como representantes de otros mecanismos regionales, como la Comisión Económica para América Latina y el Caribe (Cepal) o el Sistema Económico Latinoamericano y del Caribe (Sela).
Suramérica cuenta además con organismos financieros, como el Banco de Desarrollo de América Latina (CAF) y el Fondo Financiero para el Desarrollo de la Cuenca del Plata (Fonplata), y promete que este año finalmente comenzará a operar el Banco del Sur, que aún no funciona pese a que su convenio constitutivo data de abril de 2012.
Pese a esa multiplicidad de organismos, a los que se suman otras decenas, la integración de América Latina aún está en pañales y, de acuerdo a la Cepal, el intercambio comercial entre los países de la región representa sólo el 19% de sus exportaciones totales.
Esa tasa revela cuánto camino tienen por delante los procesos de integración regional, sobre todo si se contrasta con los datos de la Unión Europea (UE), cuyos socios exportan un 59% de sus productos a los países del mismo bloque.
En el caso del Mercosur, que nació hace 24 años con la meta de llegar a ser un mercado común, el llamado comercio "intrazona" sólo representa el 15% del intercambio global de sus cinco socios, que individualmente tienen como mayores aliados comerciales a Estados Unidos y China.
El bloque suramericano también tiene probadas dificultades para llegar a acuerdos con otros mecanismos de integración o países y desde su fundación sólo ha establecido tratados con Israel, India, Suráfrica, Egipto, Marruecos y el Consejo de Cooperación del Golfo, entre otras naciones y grupos que incluyen también a Palestina.
Para muchos analistas, el mejor ejemplo de esas limitaciones está en las dilatadas negociaciones con la UE, que se arrastran sin éxito desde hace casi dos décadas, un período en el que el bloque europeo logró acuerdos con casi todo el resto de América Latina.
Brasil, la mayor economía regional, se enfrenta ahora al fantasma de la recesión, apuesta por darle un nuevo empuje a esas tratativas y con ese fin pidió flexibilizar la norma que le impide a los socios del Mercosur negociar acuerdos comerciales en forma individual.
De hecho, ha habido una nueva aproximación y, en el marco de la última cumbre de la UE y la Celac, celebrada en junio pasado en Bruselas, delegados del Mercosur y el bloque comunitario acordaron intercambiar sus ofertas antes de fin de año.
Sin embargo, eso supondría el primer paso de un proceso todavía incierto, al punto de que ambos bloques ya llegaron a anunciar que presentarían sus respectivas ofertas en 2013, pero eso finalmente no llegó a ocurrir y las discusiones continúan pendientes hasta hoy.
La negociación con la UE será uno de los asuntos que el Mercosur tendrá en su agenda en la cumbre de esta semana, en la que también estará representada la Alianza del Pacífico, otro mecanismo regional que forman Chile, Perú, Colombia y México.
Brasil, Uruguay y Paraguay también desean una aproximación con ese bloque nacido en 2011 para ampliar sus horizontes comerciales, aunque para ello deberán vencer ciertos escollos "ideológicos" que aún persisten en Argentina y en Venezuela. (Alerta Digital Rep. Dominicana- 15/07/2015)

Guyanese president Granger will attend Mercosur summit in Brasilia
Guyanese President David Granger and Foreign Minister Carl Greenidge plan to attend the biannual Mercosur summit in Brasilia later this next, a Foreign Ministry spokesman confirmed to the Spanish news agency EFE.
The Foreign Ministry official did not provide further details on the agenda of the mission that will travel to Brazil this week and will include three other government representatives.
Mercosur full members are Argentina, Brazil, Paraguay, Uruguay and Venezuela. The presidents of Chile, Peru, Ecuador, Bolivia, Colombia and Suriname, all associate Mercosur members, are also slated to attend the July 16-17 summit.
The hoped-for trade agreement between the European Union and Mercosur will be one of the main topics of discussion at the summit, where Brazil will hand over the rotating presidency to Paraguay.
Another topic that may be discussed at the meeting is the dispute between Venezuela and Guyana over the waters off Essequibo region, where a subsidiary of U.S.-based ExxonMobil announced the discovery of a significant oil field.
Last May president Nicolas Maduro signed a decree extending Venezuela's maritime space all along the coast of the disputed Essequibo region where the oil discovery was reported. A Caricom summit in Barbados supported Guyana against Venezuela's territorial claims and likewise a statement from the Commonwealth of Nations. (MercoPress - 15/07/2015)

Mercosul pretende adiar, mais uma vez, fim de exceções à tarifa comum
BRASIL
De Brasília
Os sócios do Mercosul devem aprovar nos próximos dias, durante a cúpula presidencial do bloco, nova prorrogação da lista de exceções à tarifa externa comum ÇITC). Em um retrato das imperfeições acumuladas nos 24 anos de história da união aduaneira, que até hoje não conseguiu alinhar completamente as alíquotas de importação, Brasil e Argentina mantêm tarifas diferenciadas para cem produtos. Essa flexibilização da TEC, no entanto, tinha data para terminar: 31 de dezembro de 2015.
Embora ainda haja quase seis meses de prazo, os países do Mercosul preferem evitar uma definição sobre o assunto em cima da hora e planejam estender a vigência da lista de exceções na reunião de presidentes do bloco, marcada para sexta-feira. O martelo ainda não foi batido e depende da orientação direta dos presidentes, mas a tendência era caminhar para esse desfecho.
O Uruguai já tinha direito a manter tarifas diferenciadas para 225 produtos até o fim de 2017. O Paraguai pode ficar com 649 exceções até o fim de 2019. Há possibilidade de estender esses prazos. Todas as exceções valem para aumentar ou reduzir as alíquotas.
Nos bastidores, o governo brasileiro defende a lista como um mecanismo importante para acomodar pressões temporárias, como o desabastecimento de produtos no mercado interno e a consequente redução das tarifas para baratear compras de fora do Mercosul. Isso tem ocorrido, nos últimos anos, com o trigo. Quando a safra argentina é pequena, o Brasil costuma diminuir a alíquota de importação para permitir a entrada de grãos de outros países, como EUA e Rússia. As autoridades brasileiras também relativizam a importância das exceções diante do universo total de produtos classificados pela nomenclatura do Mercosul: a lista abrange 1% desse volume.
Para os críticos do Mercosul, contudo, o mecanismo simboliza a desarmonia entre os sócios do bloco e dificulta negociações de acordos de livre comércio com outros países. Uma queixa comum, entre os governos estrangeiros, é que fica muito mais complicado ter previsibilidade sobre as tarifas efetivamente cobradas. A lista de exceções à TEC deveria ter sido extinta em dezembro de 2008, mas foi prorrogada por dois anos. Em 2010, o Mercosul adiou o fim da lista por cinco anos.
Na avaliação do economista Roberto Giannetti, presidente da Kaduna Consultoria e ex-secretário-executivo da Câmara de Comércio Exterior (Camex), a lista de exceções à TEC é necessária enquanto os sócios do Mercosul não fazem o dever de casa de ajustar a tarifa comum."A burocracia do Mercosul tem que arregaçar as mangas para fazer esse trabalho de ajuste da TEC", afirma Giannetti, ressalvando que não tinha conhecimento da tendência de prorrogação da lista.
Por ora, segundo ele, seria "temerário" acabarcom as exceções à tarifa comum, porque elas permitem aos países do Mercosul se adaptar a imprevistos. Dessa forma, as alíquotas de insumos essenciais à produção industrial podem ser reduzidas e as alíquotas de bens manufaturados podem ser elevadas para enfrentar surtos de importação. "Mas há produtos que ficam na lista por três, cinco anos", diz Giannetti. (DR) (Valor Econômico - 15/07/2015)

Brasil e Mercosul devem reduzir comércio
O ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), Armando Monteiro, disse ontem que o superávit comercial do Brasil com o Mercosul vai ser menor neste ano devido à desaceleração econômica dos países que integram o bloco. "Já geramos superávit maiores, de quase US$ 12 bilhões, e agora caiu para US$ 3,4 bilhões. É o efeito da desaceleração da economia mundial que afetou os principais países do bloco", afirmou. Para ele, o Mercosul é estratégico para o Brasil, porque há muitas vendas de itens manufaturados, ou seja, de maior valor agregado ao bloco. (DCI - 15/07/2015)

Monteiro: Estratégia de inserção brasileira na rede internacional de acordos comerciais envolve a participação do Mercosul
Belo Horizonte (14 de julho) - O Ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Armando Monteiro, participou hoje da cerimônia de abertura do V Fórum Empresarial do Mercosul. Evento que é realizado em Belo Horizonte, nesta terça e quarta-feira, com o objetivo de promover, discutir e formular propostas sobre integração produtiva, comércio e investimentos na região.
Participaram da cerimônia o ministro de Indústria e Comércio do Paraguai, Gustavo Leite; o presidente da Fiemg, Olvavo Machado Júnior; o presidente da Apex-Brasil, David Barioni; o embaixador Hadil da Rocha Vianna, representando o MRE; o Alto Representante-Geral do Mercosul, Florisvaldo Fier; e o presidente da Codemig, Marco Antônio Soares da Cunha Castello Branco.
Na avaliação do ministro, o encontro estimula o desenvolvimento das comunidades empresariais do Mercosul. "A ideia de mais Brasil no mundo nos remete necessariamente à de mais Mercosul no mundo. Não podemos permitir uma posição de isolamento do bloco", disse.
Monteiro reiterou a importância da atuação conjunta dos governos e setor privado dos países do bloco. "Os bons resultados da integração produtiva, econômica e comercial dependem do engajamento e diálogo permanente com os setores privados dos nossos países", ressaltou.
Para o ministro paraguaio, Gustavo Leite, o desenvolvimento econômico e industrial do bloco não acompanhou o ritmo mundial, mas "o Mercosul pode aprender com acertos e erros cometidos por outros países e blocos e seguir crescendo", disse. Leite ainda destacou a importância do bloco, principalmente, na produção agropecuária.
"Nós vamos produzir alimentos para o mundo. Precisamos fomentar os mecanismos de fomento às exportações para avançarmos e garantirmos maior integração do bloco nas cadeias produtivas globais", destacou.
O PIB do Mercosul em 2013 alcançou US$ 3,3 trilhões, o que equivale a 77% da economia da América do Sul. O bloco, em 2014, atraiu investimentos da ordem de US$ 72 bilhões. Armando Monteiro destacou a importância da pauta comercial intra bloco. "As exportações brasileiras para o bloco são formadas 77% por produtos manufaturados. No caso das importações, esse indicador alcançou 81%".
Monteiro disse que o Brasil passa por período de transição, em que vários ajustes estão em curso. "Ajustes que darão maior previsibilidade à economia, aumentarão os níveis de confiança de consumidores e investidores e serão a base da retomada do crescimento econômico".
O ministro destacou as ações de governo lançadas no ultimo mês. "No eixo dos investimentos, foi lançado o PIL, para dar continuidade ao processo de modernização e estimular a retomada do crescimento econômico. Também lançamos Plano Nacional de Exportações, com o proposito de conferir novo status ao comércio exterior para o Brasil".
Com relação à política comercial brasileira, Monteiro disse que na dimensão intrabloco, o objetivo é fomentar a integração produtiva e aprimorar os instrumentos da política comercial, tais como a aplicação da TEC e estabelecer acordos em temas como investimentos, serviços, compras governamentais e barreiras não tarifárias.
Já no âmbito extrabloco, o ministro destacou que é importante concluir acordos comerciais com parceiros estratégicos, como a União Europeia. "Ainda no âmbito extrabloco também precisamos trabalhar a atração de investimentos em infraestrutura", disse. (MDIC - 14/7/2015)

Presidentes ratifican asistencia a Mercosur
El boliviano Evo Morales también fue invitado al conclave
Los presidentes de Argentina, Paraguay, Uruguay y Venezuela han confirmado su asistencia a la XLVIII Cumbre del Mercosur, que el jueves y viernes tendrá como anfitriona a la mandataria de Brasil, Dilma Rousseff.
A la Cumbre, que se celebrará en la ciudad de Brasilia, también han sido invitados los presidentes de Chile, Perú, Ecuador, Bolivia, Colombia, Surinam y Guyana, cuyos países tienen el estatus de Estados asociados al bloque.
Sin embargo, hasta ahora no hay una confirmación plena sobre la presencia de esos siete mandatarios, explicó durante una rueda de prensa el embajador Antonio Simoes, subsecretario general para Suramérica del Ministerio de Relaciones Exteriores brasileño. (la Razon - 14/07/2015)

Mercosul discute avanços da integração das cadeias produtivas
Belo Horizonte (14 de julho) - Os avanços na integração de cadeias produtivas do Mercosul foram discutidos no primeiro dia de realização do V Fórum Empresarial do bloco. O evento está sendo realizado em Belo Horizonte até amanhã e conta com representantes do Brasil, Paraguai, Uruguai, Argentina, Venezuela e outros países da América do Sul. O secretário de Desenvolvimento da Produção do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), Carlos Gadelha, participou hoje da plenária e disse que a integração das cadeias produtivas é atualmente o tema mais ambicioso do Mercosul. "Integração produtiva pressupõe novas formas de competir com o mundo", disse.
Também participaram das discussões o alto representante-geral do Mercosul, Florisvaldo Fier; o gerente de Assuntos de Comércio Exterior da Associação Brasileira da Indústria Química (Abiquim), Eder da Silva; e o presidente da Associação Brasileira dos Fabricantes de Brinquedos (Abrinq), Synesio Baptista.
O grande case apresentado na plenária foi o do setor de brinquedos, que conseguiu, nos últimos anos, aumentar a participação no mercado doméstico em relação à China. "Quando começamos a trabalhar regionalmente a China tinha 70% do mercado. Agora o produto fabricado no Mercosul já responde por 51% do consumo", disse Synesio Baptista.
O setor de brinquedos, segundo Synesio, não demite há mais de quatro anos. "No ano passado, nós criamos 1,2 mil novas vagas no Mercosul", comemorou. Ele disse que, em média, crianças do bloco ganham sete brinquedos por ano. O Mercosul tem 75 milhões de crianças, consome R$ 5,5 bilhões por ano em brinquedos e é o quinto maior mercado infantil do mundo. Synesio explicou que a segunda maior fábrica de brinquedos fora da China está instalada no Paraguai e que o Uruguai investe na formação de designers.
Para Eder da Silva a integração produtiva da indústria química permitiu que o Brasil se estabelecesse como sexto maior produtor mundial de químicos. A cadeia é muito longa e exige altos investimentos. "Para a indústria química é fundamental planejamentos de médio e longo prazos, principalmente quando se pensa nos setores petroquímico e de gás, dois importantes mercados do Mercosul", explicou.
Para encerrar a plenária, Florisvaldo Fier, que mediou as conversas, reforçou que crise no Mercosul se supera com mais Mercosul. (MDIC - 14/07/2015)

Los países chicos del Mercosur coinciden en sus objetivos
Columnistas
Emilio J. Cárdenas, Ex Embajador de la Argentina ante las Naciones Unidas
Cada vez que nuestras autoridades políticas mencionan a los países chicos del Merosur -esto es, a los de menor dimensión económica, o sea a Paraguay y Uruguay) lo hacen en medio de una retórica hipócrita y falsa, fingiendo que los tenemos siempre en cuenta, cuando la verdad ha sido que ellos poco y nada nos preocupan. Más aún, que a lo largo de la última década no sólo los hemos ignorado, sino que los hemos maltratado. Mal. Muy particularmente cuando de la libre navegación de los ríos internacionales se trata o respecto de la circulación de mercaderías en el espacio integrado común. En esta línea se inscriben, a la manera de irrefutables ejemplos, tanto nuestra renuencia a dragar el Canal Martín García, como la prohibición argentina respecto de los trasbordos de mercaderías en los puertos orientales. Es obvio que esto, naturalmente, no ha pasado, para nada, desapercibido en los dañados y que ha lastimado nuestras relaciones con esos pequeños países.
La semana pasada los presidentes de Paraguay y Uruguay se reunieron en Montevideo para coincidir en la necesidad de apurar la celebración del acuerdo comercial con la Unión Europea, que la Argentina ha boicoteado con descaro, incluyendo en la última reunión multilateral mantenida el 11 de junio pasado, en Bruselas. Identificándose así con el Brasil y haciendo además una última advertencia - tácita- a nuestras autoridades nacionales.
Por ello acordaron en que, en oportunidad de la próxima reunión del Consejo del Mercosur, que se llevará a cabo en este mes de julio, en el Brasil se apruebe un Plan de Acción concreto para avanzar en el acuerdo de libre comercio con el Viejo Mundo. Y presentar, todos, el próximo mes de noviembre, las propuestas específicas que fueran comprometidas respecto de la apertura de los respectivos mercados. El país que en esto genera más dudas es el nuestro, claro está. El siempre sensato Canciller uruguayo, Rodolfo Nin Novoa descartó que se pueda lograr un acuerdo con Europa antes de fin de año. Lo que es casi obvio.
Lo cierto es que en noviembre se verá si es necesario avanzar en el acuerdo con Europa a ‘dos velocidades’. Para que la Argentina, si quiere, pueda quedarse atrás con la visión proteccionista asumida siempre en los últimos doce años. Durante la gestión de los dos gobiernos kirchneristas.
Si, como se sospecha, la Argentina presenta una lista en la que lo sustancial de las posiciones aduaneras se cierran por los próximos 15 años, parecería claro que su decisión, aún sin admitirlo expresamente, es la de avanzar más despacio, en dirección al libre comercio o simplemente la de no avanzar, para nada. Por el motivo que sea, incluyendo las razones ideológicas.
Uruguay anuncia que tan sólo tiene un 2,57% de sus productos a los que quiere defender excluyéndolos de la libertad comercial por un plazo. Si alguien dice, en cambio, que tiene más de la mitad de sus volúmenes de intercambio en ese capítulo, el mensaje implícito parece ser que no quiere el libre comercio y que prefiere vivir encerrado en sí mismo, que es todo lo contrario que hemos venido hablando por décadas con Europa. Así de claro.
Ese es ciertamente nuestro derecho, equivocados o no. Pero nada justifica que por ello no dejemos a los demás adoptar una posición distinta. La que más les convenga. Salvo el capricho, la altiva cerrazón o el autoritarismo que lamentablemente nos han caracterizado en los últimos tiempos. (Cronista - 14/07/2015)

Presidentes ratifican asistencia a Mercosur
El boliviano Evo Morales también fue invitado al conclave
Los presidentes de Argentina, Paraguay, Uruguay y Venezuela han confirmado su asistencia a la XLVIII Cumbre del Mercosur, que el jueves y viernes tendrá como anfitriona a la mandataria de Brasil, Dilma Rousseff.
A la Cumbre, que se celebrará en la ciudad de Brasilia, también han sido invitados los presidentes de Chile, Perú, Ecuador, Bolivia, Colombia, Surinam y Guyana, cuyos países tienen el estatus de Estados asociados al bloque.
Sin embargo, hasta ahora no hay una confirmación plena sobre la presencia de esos siete mandatarios, explicó durante una rueda de prensa el embajador Antonio Simoes, subsecretario general para Suramérica del Ministerio de Relaciones Exteriores brasileño. (La Razon - 14/07/2015)

Paraguay tomará la presidencia rotativa del Mercosur en Brasil
En Argentina. La última cumbre del bloque sudamericano se realizó en la ciudad de Paraná.
Alba Santandreu, de EFE
BRASILIA- BRASIL
Estancado en lo comercial y con diversas tensiones regionales como telón de fondo, el Mercosur, formado por Argentina, Brasil, Paraguay, Uruguay y Venezuela, celebrará el jueves y el viernes en Brasilia una nueva cumbre semestral.
En la cumbre se espera la presencia de los mandatarios de Chile, Perú, Ecuador, Bolivia, Colombia, Surinam y Guyana, que tienen estatus de Estados asociados al bloque, lo que significa que en realidad el ámbito de la reunión será la Unión Suramericana de Naciones (Unasur) al completo.
En el marco del encuentro, del que no se espera ningún tipo de anuncio concreto, Brasil le traspasará la presidencia rotativa a Paraguay, que la asumirá por primera vez desde que fue suspendido en 2012 a raíz de la destitución del entonces presidente Fernando Lugo, vista por el bloque como una "ruptura" del orden democrático.
También está previsto que se siga tratando la adhesión de Bolivia, ya aprobada por los parlamentos de Venezuela, Uruguay y Argentina, así como el acuerdo comercial que negocia el Mercosur con la Unión Europea (UE), al que se opone Evo Morales. "Si Mercosur quiere forjar un acuerdo de libre comercio con la Unión Europea, Bolivia va a tener que retirarse", declaró Morales el mes pasado, anticipando un nuevo obstáculo al dilatado proceso de adhesión de su país al bloque.
Las negociaciones con la UE comenzaron en 1999, pero permanecen estancadas por diferencias en las áreas industrial y agrícola, aunque también por la reticencia de Argentina a establecer un acuerdo que impondría una mayor apertura comercial.
Sin embargo, ahora Brasil está decidido a avanzar con la UE y Dilma Rousseff ha instado a flexibilizar la norma según la cual todo acuerdo comercial debe negociarse en forma conjunta, para facilitar el proceso con el bloque europeo y una ampliación de los limitados horizontes comerciales del Mercosur.
Esta es una vieja reclamación de Uruguay y Paraguay que tradicionalmente encontró el rechazo de Argentina y Brasil, los otros dos socios del bloque al que Venezuela se sumó en 2011, aunque aún no participa en negociaciones comerciales. Venezuela será otro de los focos de atención de la cumbre debido a la crisis política que atraviesa el país, que ha llevado a algunos miembros del Mercosur, como Brasil, a elevar el tono frente al Gobierno de Nicolás Maduro. (Ultima Hora - 14/07/2015)

Conflictos bilaterales estarán en la cumbre
Otro asunto que pudiera deslizarse en la cumbre del Mercosur es el conflicto de Venezuela con Guyana por la región conocida como Esequibo, que el presidente Nicolás Maduro pretende denunciar ante la Unión de Naciones Suramericanas (Unasur).
Las relaciones entre Maduro y el presidente de Guyana, David Granger, están congeladas desde mayo, cuando el líder bolivariano emitió un decreto estableciendo como venezolanas todas las aguas marítimas frente a la costa del Esequibo, donde la petrolera Exxon Mobil confirmó el hallazgo de importantes reservas de petróleo.
En la costa del Pacífico, una demanda marítima también mantiene enfrentados a Chile y Bolivia, cuyos presidentes, Michelle Bachelet y Evo Morales, son esperados en Brasil.
Bolivia mantiene su reclamo de una salida soberana al mar y desde 2013 pleitea ante la Corte Internacional de Justicia en busca de un fallo que "obligue" a Chile a negociar una solución. Exento de conflictos regionales, Brasil oficiará de anfitrión en horas bajas, con una economía debilitada, una aguda crisis política y un gigantesco escándalo de corrupción de Petrobras, por el que se investiga a medio centenar de políticos.
La economía brasileña, que durante años fue el motor de América Latina, solo creció un 0,1% en 2014 y, según las proyecciones, se contraerá un 1,2% en 2015, el peor resultado desde 1990.
La realidad brasileña contrasta con la de Uruguay y Paraguay, cuyas economías lideraron el crecimiento del bloque en 2014. Efe (Ultima Hora - 14/07/2015)

Una agenda mínima para reimpulsar al Mercosur
Por: Guido Nejamkis
Los presidentes de los países del Mercosur -Argentina, Brasil, Uruguay, Paraguay y Venezuela- realizarán esta semana en Brasilia la cumbre número 48 del bloque comercial en 24 años de historia (iniciada formalmente en 1991 con la firma del Tratado de Asunción).
Aparentemente, conversarán sobre un eventual acuerdo comercial con la Unión Europea, que se viene negociando infructuosamente ¡desde 1999!, y avanzarán en las tratativas para el ingreso de Bolivia como miembro pleno del bloque.
Poco, muy poco para una unión aduanera que, más que nunca, necesita ideas para renovarse y convertirse en una herramienta útil para ayudar a crear prosperidad o, al menos, facilitar la vida de sus habitantes.
Es que para funcionar, y hacerlo bien, y cumplir los objetivos para los que fue creado, el Mercosur necesita más que conseguir socios nuevos, expresar buenas intenciones y firmar declaraciones rimbombantes.
En la cumbre del Mercosur que seguirá a la de Brasilia, que se realizará dentro de seis meses en Paraguay, Argentina tendrá un nuevo presidente. Por eso, y hasta ese momento, en el que se espera que comience una discusión en serio para rediseñar el proceso de integración más ambicioso concebido en América del Sur (cuya semilla fue lanzada por los presidentes Raúl Alfonsín y José Sarney treinta años atrás), nada estructural podrá definirse.
Hace por los menos tres años -desde que Argentina endureció su control de cambios e hizo más estrictos (y sinuosos) los procedimientos para importar-, la agenda del Mercosur permanece estancada en torno a las trabas al comercio. Ese estancamiento es comprensible: resulta inconcebible que la idea de exigir (y a veces otorgar) una oscura Declaración Jurada Anticipada de Importación (DJAI) para el ingreso de bienes al mercado argentino haya alcanzado también al Mercosur, que por definición fue creado para permitir la libre circulación de mercaderías y servicios entre sus miembros.
Pero como en nuestros países la normalidad no siempre es la regla, aquí se enumeran algunas decisiones simples que, instrumentadas a través de decretos, resoluciones, normas o leyes, podrían mejorar bastante la situación de las personas físicas y jurídicas que todos los días hacen y construyen el Mercosur, sea concretando negocios, emigrando, o circulando entre sus fronteras, y sobreponiéndose a absurdas trabas burocráticas enemigas del progreso.
(Si el Parlamento del Mercosur aún carece de una agenda legislativa consistente, los señores legisladores podrían comprometerse con algunos de estos puntos que facilitarían la vida de sus connacionales).
1) Puente aéreo Buenos Aires-Congonhas. El aeropuerto de Congonhas, que sirve a la ciudad de Sao Paulo, debe ser habilitado para recibir vuelos regionales, al menos desde Buenos Aires. El aeropuerto de la capital del estado de Sao Paulo es uno de los de mayor movimiento de Brasil (el tercero, detrás de Guarulhos y de Brasilia). Desde que Argentina liberó el uso del Aeroparque Jorge Newbery (cercano al centro de Buenos Aires) para vuelos regionales, es inadmisible que Brasil no haga lo mismo con el de Congonhas. Quien tiene que ir a trabajar de lunes a viernes a Sao Paulo desde la capital argentina pierde largas horas en el tránsito entre la mayor ciudad de Brasil y su aeropuerto internacional situado en el vecino municipio de Guarulhos. Habilitar Congonhas para vuelos regionales significaría estimular todo tipo de intercambios entre Argentina y Brasil, permitir un ahorro de tiempo, contribuir a la productividad de las empresas que operan en el bloque y también a una disminución enorme de costos, ya que un taxi entre Guarulhos y el centro de Sao Paulo puede costar entre 70 y 100 dólares (Guarucoop). Desde Congonhas, por ejemplo para viajar al barrio de Brooklin, en Sao Paulo, el precio se reduce al equivalente a unos 10/12 dólares.
2) Control de migraciones integrado, al menos entre Argentina y Brasil. El procedimiento es similar al que existe desde hace años entre Argentina y Uruguay. Quien viaja entre ambos países realiza un control migratorio en vez de dos, en origen. La medida aliviaría enormemente las filas en los aeropuertos y contribuiría a integrar a las instituciones encargadas de la actividad: en Argentina la Dirección Nacional de Migraciones y en Brasil la Policía Federal.
3) Transferencias libres de dinero. Hay miles (realmente, miles) de ejecutivos argentinos trabajando en el mercado brasileño. Más allá de las razones que llevaron a estos profesionales a trabajar fuera de su país, entre las que se pueden listar -sin dejar de mencionar la enriquecedora experiencia personal de trabajar en el exterior- la elevada carga tributaria sobre los salarios de Argentina, la depreciación del peso, el control de cambios y otros males, sería muy oportuno facilitar transferencias de dinero entre ambos países. Si los gobiernos afirman que buscan que el comercio regional se haga en monedas locales, ¿Por qué bloquear la posibilidad de que personas físicas que trabajan en el Mercosur puedan transferir indistintamente reales o pesos (o guaraníes) sin tener que sufrir el cobro de tarifas abusivas o la obligación de realizar operaciones de cambio a tasas irreales?
4) El reconocimiento automático de licencias de conducir y títulos universitarios. Por más ridículo que parezca, si un argentino muda su domicilio a Brasil, aunque siga manteniendo un automóvil en Argentina, no puede obtener o renovar su licencia de conducir en su país. La Dirección General de Licencias argumenta que no puede otorgar el permiso para conducir debido a que en el documento del solicitante figura una dirección "en el extranjero". Así, argentinos residentes, por ejemplo, en Sao Paulo, que viajan todos los fines de semana o fin de semana por medio a Buenos Aires -muchos de ellos a estar con sus familias que no los acompañaron- deben conducir con licencias no emitidas en el país. Para eludir esa restricción insensata muchos sacan otro DNI para poder así tramitarla. Respecto a los títulos: profesionales liberales que, por iniciativa propia se fueron de su país a otro del Mercosur, por ejemplo porque se casaron con un ciudadano de un país vecino, conocen muy bien la pesadilla burocrática a la que se enfrentan si desean legalizar un título universitario. Conocí una psicóloga cordobesa residente en Brasilia (casada con un periodista brasileño) que padeció por años y gastó fortunas en legalizaciones, traducciones y trámites hasta conseguir el reconocimiento de su título en Brasil. ¿Tan difícil sería crear una vía rápida para el reconocimiento de títulos, aunque sea los expedidos por universidades federales o provinciales?
5) Ecualización impositiva. Si un argentino muda su domicilio fiscal a Brasil, debe comenzar a pagar automáticamente la más elevada alícuota aplicada sobre el impuesto a los bienes personales. Sí, sólo por vivir afuera. Las empresas que trasladan personal además, enfrentan un costo insólito. En muchos casos, si no imponen a sus empleados la necesidad de renunciar en su país de origen para ser recontratados en el mercado en el que comenzarán a ejercer sus funciones, deben continuar realizando aportes jubilatorios, laborales y de salud (¡en dos lugares!). Como en Brasil, además, la llamada cartera de trabajo demora en ser entregada, una familia que se traslada de país puede quedar sin cobertura médica por meses.
El Mercosur, después de la catástrofe argentina del 2001/2002, no volvió a incluir en su agenda una indispensable coordinación de políticas macroeconómicas, pese a que oportunidades para hacerlo no faltaron: según dijo esta semana en Brasilia el subsecretario general para América del Sur, América Central y el Caribe de la cancillería brasileña, el embajador Antonio Simoes, sólo en el semestre último en el que Brasil presidió el Mercosur, funcionarios técnicos del bloque celebraron casi ¡300 reuniones! Pero, de eso no se habla. Sería muy necesario volver a hacerlo.
Y si no es posible -tal como se pensaba 15 años atrás- que converjan las tasas inflacionarias y de crecimiento de los países miembros (¿cómo conciliar la inflación venezolana de tres dígitos con la de Brasil, preocupado porque este año puede superar el 9 por ciento?), al menos podría ponerse en práctica algún entendimiento impositivo más o menos ambicioso.
Y por último, entre tantas faltas, falta el Mercosur de las comunidades. En Facebook existe hasta el grupo de Brasileños en Morón y de Argentinos en Fortaleza.
A través de las redes sociales, algunos venden clandestinamente, como si fuera un delito, productos típicos de sus países. Unos necesitan paio (un tradicional embutido ingrediente de la feijoada), agua de coco, café (¡sin azúcar mezclada!), requesón (la uruguaya Conaprole produce uno memorable) y farinha de mandioca. Los otros piden por yerba mate que no sea de color fluorescente, tapas de empanadas, casancrem, ají molido y leche maternizada.
¿Será posible reclamar libre comercio con Europa si no lo podemos practicar ni entre nosotros mismos? (Infobae Argentina - 14/07/2015)

Mercosur espera respuesta de Ecuador sobre nueva cumbre
EFE
El Ministerio de Relaciones Exteriores de Brasil espera la respuesta de siete mandatarios, entre ellos el de Ecuador, Rafael Correa, a su invitación para la XLVIII Cumbre del Mercosur.
La cita será los próximos jueves y viernes, en esta ciudad.
Brasil ha invitado a los presidentes de Ecuador, Chile, Perú, Bolivia, Colombia, Surinam y Guyana, cuyos países son estados asociados al bloque.
El subsecretario brasileño para Sudamérica del Ministerio de Relaciones Exteriores, Antonio Simoes, informó ayer que no había una confirmación sobre la presencia de ellos.
Mercosur está conformado por Brasil, Argentina, Paraguay, Uruguay y Venezuela. Uno de los objetivos de la próxima cita semestral será traspasar la Presidencia a Paraguay. (I) (El Universo Ecuador - 14/07/2015)

Mercosur se reúne en Brasil con el comercio estancado
Por EFE
BRASILIA. Estancado en lo comercial y con diversas tensiones regionales como telón de fondo, el Mercosur, formado por Argentina, Brasil, Paraguay, Uruguay y Venezuela, celebrará los próximos jueves y viernes en Brasilia una nueva cumbre semestral.
En la cumbre se espera la presencia de los mandatarios de Chile, Perú, Ecuador, Bolivia, Colombia, Surinam y Guyana, que tienen estatus de Estados asociados al bloque, lo que significa que en realidad el ámbito de la reunión será la Unión Suramericana de Naciones (Unasur) al completo.
En el marco del encuentro, del que no se espera ningún tipo de anuncio concreto, Brasil le traspasará la presidencia rotativa a Paraguay, que la asumirá por primera vez desde que fue suspendido en 2012 a raíz de la destitución del entonces presidente Fernando Lugo, vista por el bloque como una "ruptura" del orden democrático.
También está previsto que se siga tratando la adhesión de Bolivia, ya aprobada por los parlamentos de Venezuela, Uruguay y Argentina, así como el acuerdo comercial que negocia el Mercosur con la Unión Europea (UE) , al que se opone el mandatario boliviano, Evo Morales. "Si Mercosur quiere forjar un acuerdo de libre comercio con la Unión Europea, Bolivia va a tener que retirarse", declaró Morales el mes pasado, anticipando un nuevo obstáculo al dilatado proceso de adhesión de su país al bloque.
Las negociaciones con la UE comenzaron en 1999, pero permanecen estancadas por diferencias en las áreas industrial y agrícola, aunque también por la reticencia de Argentina a establecer un acuerdo que impondría una mayor apertura comercial. Sin embargo, ahora Brasil está decidido a avanzar con la UE y la presidenta Dilma Rousseff ha instado a flexibilizar la norma según la cual todo acuerdo comercial debe negociarse en forma conjunta, para facilitar el proceso con el bloque europeo y una ampliación de los limitados horizontes comerciales del Mercosur.
Ésta es una vieja reclamación de Uruguay y Paraguay que tradicionalmente encontró el rechazo de Argentina y Brasil, los otros dos socios del bloque al que Venezuela se sumó en 2011, aunque aún no participa en negociaciones comerciales. Precisamente Venezuela será otro de los focos de atención de la cumbre debido a la crisis política que atraviesa el país, que ha llevado a algunos miembros del Mercosur, como Brasil, a elevar el tono frente al Gobierno de Nicolás Maduro.
Rousseff, que tiene relaciones de "amistad" con Maduro, llegó a calificar de "inaceptables" los incidentes ocurridos durante una visita a Venezuela de senadores brasileños que pretendían visitar a líderes opositores presos y se toparon con protestas de militantes "chavistas". No obstante, el Mercosur expresó su satisfacción por la decisión de las autoridades electorales venezolanas de convocar los comicios parlamentarios para el próximo 6 de diciembre, un anuncio que exigían tanto la oposición a Maduro como la comunidad internacional.
Otro asunto que pudiera deslizarse en la cumbre es el conflicto de Venezuela con Guyana por la región conocida como Esequibo, que Maduro pretende denunciar ante la Unión de Naciones Suramericanas (Unasur). Las relaciones entre Maduro y el presidente de Guyana, David Granger, están congeladas desde mayo, cuando el líder bolivariano emitió un decreto estableciendo como venezolanas todas las aguas marítimas frente a la costa del Esequibo, donde la petrolera Exxon Mobil confirmó el hallazgo de importantes reservas de petróleo.
En la costa del Pacífico, una demanda marítima también mantiene enfrentados a Chile y Bolivia, cuyos presidentes, Michelle Bachelet y Evo Morales, respectivamente, son esperados en Brasilia. Bolivia mantiene su reclamo de una salida soberana al mar y desde 2013 pleitea ante la Corte Internacional de Justicia en busca de un fallo que " obligue " a Chile a negociar una solución.
Exento de conflictos regionales, Brasil oficiará de anfitrión en horas bajas, con una economía debilitada, una aguda crisis política y un gigantesco escándalo de corrupción en la estatal Petrobras, por el que se investiga a medio centenar de políticos. La economía brasileña, que durante años fue el motor de América Latina, sólo creció un 0,1% en 2014 y, según las proyecciones oficiales, se contraerá un 1,2% en 2015, el peor resultado desde 1990.
La realidad brasileña contrasta con la de Uruguay y Paraguay, cuyas economías lideraron el crecimiento del bloque en 2014 y se prevé que lo volverán a hacer este año. Argentina, por su parte, acude con las elecciones presidenciales a la vuelta de la esquina, por lo que la cumbre podría ser la última de la presidenta Cristina Fernández, a quien la Constitución le impide una nueva reelección. El nuevo mandatario de Argentina asumirá el 10 de diciembre y, a menos que Paraguay convoque la próxima cumbre antes de esa fecha, la cita de Brasilia marcará la despedida de Fernández del Mercosur. (ABC Color - 13/07/2015)

Paraguai está pronto para assumir a presidência rotativa do Mercosul
Assunção - Quando assumir a presidência pró témpore do Mercosul, o Paraguai focará seu trabalho em conseguir o livre comércio e trânsito das pessoas, além de buscar avanços nas negociações com a União Europeia (UE), afirmou o chanceler Eladio Loizaga.
O Paraguai assumirá a presidência do Mercado Comum do Sul (Mercosul) em Brasília durante a reunião do Conselho e Cúpula de chefes de Estado, na quinta-feira e sexta-feira desta semana.
Loizaga, de acordo com o jornal La Nación, assinalou a importância de convergência entre os integrantes do bloco e chamou a eliminar todas as trava existentes nesses países.
Este é um velho anseio dos empresários paraguaios, que há tempo suportam todo tipo de impedimentos na hora de suas exportações em trânsito por territórios dessas nações.
O jornal recorda como as negociações entre o Mercosul e a UE foram freadas devido a uma falta de acordo entre os membros do bloco regional, ao não existir plena concordância sobre a listagem de produtos que devem constar no pacote a ser apresentado ao grupo europeu.
O Paraguai retomará a presidência do Mercosul após três anos, pois foi suspensa sua condição de membro em julho de 2012, durante a Cúpula realizada em Mendoza, Argentina, depois do golpe parlamentar contra o presidente Fernando Lugo.
Foi admitida novamente como membro pleno no dia 15 de agosto de 2013, ao assumir como chefe de Estado Horacio Cartes. (Prensa Latina - 13/07/2015)

Cúpula vai discutir acordo entre Mercosul e União Europeia, diz embaixador
Ana Cristina Campos - Repórter da Agência Brasil
Edição: Armando Cardoso
O subsecretário-geral da América do Sul, Central e do Caribe do Ministério das Relações Exteriores, Antonio Simões, disse hoje (13) que o acordo de livre comércio entre Mercosul e União Europeia estará na pauta das discussões da cúpula de presidentes do bloco sul-americano, que ocorre em Brasília quinta-feira (16) e sexta-feira (17).
No momento, os dois lados montam uma lista de quais produtos poderão ter tarifa zerada. A apresentação de suas ofertas comerciais deverá ocorrer no último trimestre deste ano.
"O mais importante é que já temos uma data para troca de ofertas para o último trimestre. Vamos ainda acertar pequenos detalhes", afirmou Simões.
O embaixador descartou a negociação de acordos comerciais fora do âmbito do Mercosul, mas afirmou que o assunto poderá ser abordado pelos presidentes durante a cúpula do bloco, que reúne Brasil, Argentina, Uruguai, Paraguai e Venezuela.
Em junho, a presidenta Dilma Rousseff disse que o Brasil e o Mercosul estão prontos para fechar um acordo comercial com a Europa. A presidenta esteve em Bruxelas para a 2ª Cúpula entre a Comunidade dos Estados Latino-Americanos e Caribenhos (Celac) e a União Europeia. (Agência Brasil - 13/07/2015)

Uruguay pedirá al Mercosur que se cumpla libre circulación de bienes
"Nosotros vamos básicamente con el planteamiento de que en el Mercosur se cumpla fielmente y al pie de la letra el artículo primero de su tratado constitutivo, que es la libre circulación de bienes, servicios y factores productivos", dijo el canciller uruguayo Rodolfo Nin Novoa.
EFE
Uruguay acudirá a la cumbre semestral del Mercosur de Brasilia con la "aspiración máxima" de que se haga cumplir la "libre circulación de bienes, servicios y factores productivos" que figura en el tratado constitutivo del bloque, dijo hoy el canciller del país suramericano, Rodolfo Nin Novoa.
"Nosotros vamos básicamente con el planteamiento de que en el Mercosur se cumpla fielmente y al pie de la letra el artículo primero de su tratado constitutivo, que es la libre circulación de bienes, servicios y factores productivos", declaró Nin a la prensa tras participar en un acto en la Cancillería.
"Esa es nuestra aspiración máxima, la implementación de un plan de acción (...) para eliminar las barreras arancelarias que nos están impidiendo un libre tránsito de nuestros bienes comerciales y de servicios", agregó el ministro uruguayo.
Los próximos jueves y viernes la ciudad de Brasilia acoge la reunión semestral del Mercosur en la que Paraguay tomará la presidencia temporal.
En la cita se espera a los presidentes de Argentina, Brasil, Paraguay, Uruguay y Venezuela, los cinco miembros plenos del bloque, pero también a los de Chile, Perú, Ecuador, Bolivia, Colombia, Surinam y Guyana, que tienen estatus de Estados asociados al Mercosur.
Para Nin, lo importante de la cumbre será que se logre establecer un plan de acción para los seis meses de presidencia paraguaya, en el que se establezcan fechas concretas para el levantamiento de las barreras arancelarias, que no permiten el cumplimiento del intercambio de bienes y servicios sin interferencias administrativas.
Además de este asunto, el canciller señaló que Uruguay pondrá sobre la mesa "cuestiones vinculadas a los regímenes especiales, insumos agropecuarios, bienes de capital y admisión temporaria".
"En esa definición de los regímenes especiales están también las zonas francas, que desarrollan actividades industriales que no están sujetas a una tributación nacional en los países a los que pertenecen y que trabajan con exención impositiva. Eso nos perjudica indirectamente y a veces directamente", explicó Nin.
En tercer lugar, el jerarca indicó que Uruguay expresará en la cumbre la voluntad de avanzar en llegar a un acuerdo con la Unión Europea (UE) y "poner a trabajar los equipos técnicos y políticos para presentar ofertas de bienes para intercambiar".
"En este asunto estamos esperando novedades de la UE para ver si ellos están también en la misma línea que nosotros. Así que posiblemente después de la reunión del Mercosur me reúna con la UE para comentarles nuestros avances", manifestó.
El canciller tuvo también palabras acerca del TISA, una iniciativa abierta a todos los miembros de la Organización Mundial del Comercio (OMC) interesados en liberalizar más el comercio de servicios y en la que Uruguay solicitó participar en 2014 mientras en el país se debate su conveniencia.
"El 15 de septiembre es la fecha límite para presentar ofertas. Haremos algún borrador, lo discutiremos en consejo de ministros, se lo presentaremos a las fuerzas políticas y veremos si al final aceptamos o no las condiciones de un acuerdo de esta naturaleza", explicó Nin.
"La aceptación depende de que todos estemos convencidos de que esto le sirve al Uruguay o no le sirve", concluyó. (El Pais Uruguay - 13/07/2015)

Paraguay impulsará acuerdo entre Mercosur y Europa
Paraguay asumirá esta semana la presidencia temporal de Mercosur, del que fue excluido en 2012 tras la destitución del entonces presidente Fernando Lugo, con la meta de impulsar el aspecto comercial y abonar el terreno para entrar en la fase definitiva de las largas negociaciones para un acuerdo con la UE en 2016.
La presidencia de Paraguay, que se oficializará el 16 y 17 de julio en la Cumbre de Mercosur que se celebrará en Brasilia, llega al país un mes y medio después de que representantes del bloque y de la Unión europea (UE) se reunieran en Bruselas de cara a agilizar unas negociaciones sometidas a continuos atascos y tropiezos desde que se iniciaron hace casi dos décadas.
En esa cita los integrantes de Mercosur acordaron reunirse en Asunción, con Paraguay ejerciendo la presidencia temporal, para hacer una evaluación técnica de las ofertas que hay sobre la mesa, declaró a Efe Rigoberto Gauto, viceministro de Relaciones Económicas e Integración de Paraguay.
De ese análisis saldrían una serie de recomendaciones y una reunión a finales de año, cuando Paraguay acabe su mandato, en la que se podría materializar el intercambio formal de ofertas entre Mercosur y la UE.
"La cuestión crítica ahora es alcanzar el acuerdo para el intercambio de ofertas, después se verá (...) Ese es el inicio de las negociaciones, es lo más difícil de alcanzar, después, una vez que hay un intercambio de ofertas ya viene una suerte de negociación para ir ajustando los detalles, pero eso es lo más complicado", dijo Gauto.
Añadió que durante ese escenario se mantendrá la llamada Decisión 32/2000, adoptada hace quince años y según la cual todo acuerdo comercial del bloque debe ser negociado en forma conjunta.
Según Gauto, en la cumbre brasileña no se va a plantear una revisión de esa política, pero hay otras informaciones que indican lo contrario.
"Eso ya se habló en su momento y no hay ninguna delegación que lo haya planteado de momento (la derogación). No está presente, no está en el temario", indicó.
Gauto observó que una posible modificación de esa decisión debería ir acompañada de la del artículo uno del Tratado fundacional de Asunción para ser efectiva.
"El mismo Tratado de Asunción en su artículo primero ya nos constriñe a adoptar un arancel externo común, a negociar conjuntamente. No se concibe, pues, que atendiendo al arancel externo común cada uno de los miembros de Mercosur vaya a negociar por su cuenta. De hecho, la Decisión 32/2000 puede derogarse, pero la base, la obligación de negociar juntos, está allí", indicó.
Gauto explicó que Paraguay pretende durante su presidencia "devolver a Mercosur a sus orígenes en el sentido de propender a los fines principalmente económicos y comerciales, lo que no significa abandonar las cuestiones de carácter político o social, sino dar prioridad en este plazo a las cuestiones comerciales".
En ese marco, adelantó que su país presentará propuestas concretas que culminen en un plan de acción que permita ir eliminando los obstáculos no arancelarios.
"En la parte de los obstáculos no arancelarios tenemos una cantidad ingente de barreras que nos dificultan el comercio entre nosotros mismos", indicó.
Agregó que otro de los apartados en los que Paraguay tiene previsto trabajar es en el reforzamiento institucional del Mercosur y en una mejora de su sistema de solución de controversias.
"El Mercosur no tiene la suficiente fuerza institucional para hacer cumplir las normas y en ese ámbito estamos pensando que un mejor esquema o un perfeccionamiento del sistema de solución de controversias puede ser de utilidad y deberíamos comenzar a debatirlo", dijo Gauto.
El viceministro reconoció que Mercosur no está cerca de su plena integración, aunque dijo que llegará a su tiempo.
"Toda integración es paulatina y nunca es perfecta, siempre se puede avanzar y perfeccionar en cualquier sistema de integración", dijo.
Indicó que esa integración es un reto para Paraguay, y que el país sudamericano ahondará en esa meta desde su compromiso con los ideales de Mercosur.
"Es un proceso en el cual estamos embarcados y personalmente creo que es una suerte de destino manifiesto de nuestro país lograr una integración económica con los países de nuestro alrededor teniendo en cuenta que este es nuestro espacio económico y nuestro mercado", dijo.
Paraguay, en cuya capital se firmó en 1991 el tratado del que nació el Mercosur, fue apartado del bloque regional después de que su Parlamento destituyera en 2012 en un juicio político a Fernando Lugo, primer presidente de izquierda del país.
Tras la victoria del actual presidente, Horacio Cartes, con el conservador Partido Colorado en las elecciones generales de 2013, el Mercosur levantó la suspensión de Paraguay. (El Pais Uruguay - 13/07/2015)

Paraguay recibe presidencia pro témpore del Mercosur
Política - Edición Impresa
El Paraguay recibirá el 17 de julio próximo la presidencia pro témpore del Mercosur en Brasilia, durante la reunión del Consejo del Mercado Común y cumbre de mandatarios, a llevarse a cabo entre el jueves y viernes en el vecino país.
El país retomará la titularidad del bloque regional después de tres años teniendo en cuenta que había sido suspendido del bloque regional en julio del 2012, durante una cumbre realizada en Mendoza, Argentina, tras el juicio político llevado a cabo al ahora senador, Fernando Lugo, quien fue destituido del poder. Paraguay fue admitido nuevamente como socio pleno el 15 de agosto del 2013, con la asunción al poder del presidente Horacio Cartes.
De acuerdo a lo manifestado por el canciller paraguayo, Eladio Loizaga, el Paraguay enfocará su trabajo en lograr el libre comercio, el libre tránsito de las personas y avanzar en la negociaciones entre el Mercosur y la Unión Europea (UE), que debió firmarse ya a fines del año pasado.
Mencionó que es muy importante que haya coincidencia con los países integrantes del bloque y abogó porque se consiga eliminar todas las trabas que se registran en los países, principalmente por parte de Brasil y la Argentina. Este es un viejo anhelo de los empresarios paraguayos, quienes desde hace tiempo soportan todo tipo de impedimentos a la hora de sus exportaciones en tránsito por territorios de las mencionadas naciones.
Las negociaciones entre el Mercosur y la UE se habían frenado, debido a una falta de acuerdo entre los mismos países de la zona regional. No existe plena coincidencia en relación al listado de productos que deben ser introducidos dentro del paquete a ser presentado al grupo europeo.
Para el Paraguay también es muy importante una ampliación de la zona franca que opera en Ciudad del Este y extender el sistema de normas de origen. Estos pedidos serán presentados durante la próxima cumbre. Estos puntos ya están siendo analizados por los grupos técnicos y no habría muchos inconvenientes para su aprobación, atendiendo a que los países miembros también tienen sus reclamos y las decisiones deben ser tomadas en consenso. (La Nación Paraguay - 13/07/2015)

El Mercosur se cita en Brasilia con la quimera de la integración regional
Brasilia, 13 jul (EFE).- La Cumbre semestral que los cinco países del Mercosur celebrarán esta semana en Brasilia reunirá a una buena porción de la sopa de letras de la integración latinoamericana, que muchos aún consideran una quimera pese a sus numerosos organismos.
En la cumbre que se realizará los próximos jueves y viernes se espera a los presidentes de Argentina, Brasil, Paraguay, Uruguay y Venezuela, los cinco miembros plenos del bloque, pero también a los de Chile, Perú, Ecuador, Bolivia, Colombia, Surinam y Guyana, países que tienen estatus de Estados asociados al Mercosur.
Esos mismos doce países forman la Unión de Naciones Suramericanas (Unasur), suponen poco más de la tercera parte de los miembros de la Comunidad de Estados Latinoamericanos y Caribeños (Celac) y en su gran mayoría también pertenecen a la Asociación Latinoamericana de Integración (Aladi).
Estos tres organismos han sido invitados a participar también en la Cumbre de Brasilia, así como representantes de otros mecanismos regionales, como la Comisión Económica para América Latina y el Caribe (CEPAL) o el Sistema Económico Latinoamericano y del Caribe (SELA).
Suramérica cuenta además con organismos financieros, como el Banco de Desarrollo de América Latina (CAF) y el Fondo Financiero para el Desarrollo de la Cuenca del Plata (Fonplata), y promete que este año finalmente comenzará a operar el Banco del Sur, que aún no funciona pese a que su convenio constitutivo data de abril de 2012.
Pese a esa multiplicidad de organismos, a los que se suman otras decenas, la integración de América Latina aún está en pañales y, de acuerdo a la CEPAL, el intercambio comercial entre los países de la región representa sólo el 19 % de sus exportaciones totales.
Esa tasa revela cuánto camino tienen por delante los procesos de integración regional, sobre todo si se contrasta con los datos de la Unión Europea (UE), cuyos socios exportan un 59 % de sus productos a los países del mismo bloque.
En el caso del Mercosur, que nació hace 24 años con la meta de llegar a ser un mercado común, el llamado comercio "intrazona" sólo representa el 15 % del intercambio global de sus cinco socios, que individualmente tienen como mayores aliados comerciales a Estados Unidos y China.
El bloque suramericano también tiene probadas dificultades para llegar a acuerdos con otros mecanismos de integración o países y desde su fundación sólo ha establecido tratados con Israel, India, Suráfrica, Egipto, Marruecos y el Consejo de Cooperación del Golfo, entre otras naciones y grupos que incluyen también a Palestina.
Para muchos analistas, el mejor ejemplo de esas limitaciones está en las dilatadas negociaciones con la UE, que se arrastran sin éxito desde hace casi dos décadas, un período en el que el bloque europeo logró acuerdos con casi todo el resto de América Latina.
Brasil, la mayor economía regional, se enfrenta ahora al fantasma de la recesión, apuesta por darle un nuevo empuje a esas tratativas y con ese fin pidió flexibilizar la norma que le impide a los socios del Mercosur negociar acuerdos comerciales en forma individual.
De hecho, ha habido una nueva aproximación y, en el marco de la última cumbre de la UE y la Celac, celebrada en junio pasado en Bruselas, delegados del Mercosur y el bloque comunitario acordaron intercambiar sus ofertas antes de fin de año.
Sin embargo, eso supondría el primer paso de un proceso todavía incierto, al punto de que ambos bloques ya llegaron a anunciar que presentarían sus respectivas ofertas en 2013, pero eso finalmente no llegó a ocurrir y las discusiones continúan pendientes hasta hoy.
La negociación con la UE será uno de los asuntos que el Mercosur tendrá en su agenda en la cumbre de esta semana, en la que también estará representada la Alianza del Pacífico, otro mecanismo regional que forman Chile, Perú, Colombia y México.
Brasil, Uruguay y Paraguay también desean una aproximación con ese bloque nacido en 2011 para ampliar sus horizontes comerciales, aunque para ello deberán vencer ciertos escollos "ideológicos" que aún persisten en Argentina y en Venezuela. Eduardo Davis (Ultima Hora - 13/07/2015)

Paraguay recibe presidencia pro témpore del Mercosur
Política
La asamblea de mandatarios será el próximo 17 de julio.
El Paraguay recibirá el 17 de julio próximo la presidencia pro témpore del Mercosur en Brasilia, durante la reunión del Consejo del Mercado Común y cumbre de mandatarios, a llevarse a cabo entre el jueves y viernes en el vecino país.
El país retomará la titularidad del bloque regional después de tres años teniendo en cuenta que había sido suspendido del bloque regional en julio del 2012, durante una cumbre realizada en Mendoza, Argentina, tras el juicio político llevado a cabo al ahora senador, Fernando Lugo, quien fue destituido del poder. Paraguay fue admitido nuevamente como socio pleno el 15 de agosto del 2013, con la asunción al poder del presidente Horacio Cartes.
De acuerdo a lo manifestado por el canciller paraguayo, Eladio Loizaga, el Paraguay enfocará su trabajo en lograr el libre comercio, el libre tránsito de las personas y avanzar en la negociaciones entre el Mercosur y la Unión Europea (UE), que debió firmarse ya a fines del año pasado.
Mencionó que es muy importante que haya coincidencia con los países integrantes del bloque y abogó porque se consiga eliminar todas las trabas que se registran en los países, principalmente por parte de Brasil y la Argentina. Este es un viejo anhelo de los empresarios paraguayos, quienes desde hace tiempo soportan todo tipo de impedimentos a la hora de sus exportaciones en tránsito por territorios de las mencionadas naciones.
Las negociaciones entre el Mercosur y la UE se habían frenado, debido a una falta de acuerdo entre los mismos países de la zona regional. No existe plena coincidencia en relación al listado de productos que deben ser introducidos dentro del paquete a ser presentado al grupo europeo.
Para el Paraguay también es muy importante una ampliación de la zona franca que opera en Ciudad del Este y extender el sistema de normas de origen. Estos pedidos serán presentados durante la próxima cumbre. Estos puntos ya están siendo analizados por los grupos técnicos y no habría muchos inconvenientes para su aprobación, atendiendo a que los países miembros también tienen sus reclamos y las decisiones deben ser tomadas en consenso. (La Nación Paraguay - 13/07/2015)

Paraguay asumirá en Mercosur
El presidente de la República, Horacio Cartes, viajará el próximo jueves a Brasilia, para recibir de manos de Dilma Rousseff la presidencia pro témpore del Mercosur. Paraguay asumió el compromiso de impulsar puntos fundamentales, como los acuerdos comerciales con el fin de las restricciones arancelarias y el postergado acuerdo con la UE.
Paraguay asumirá por primera vez la presidencia pro témpore del Mercosur, desde la ilegal suspensión de sus derechos de socio fundador dictada unilateralmente por Brasil, Argentina y Uruguay durante la crisis política de junio del 2012, que desalojó constitucionalmente a Fernando Lugo de la Presidencia de la República.
El canciller nacional Eladio Loizaga reiteró en varias oportunidades la intención paraguaya de devolver al bloque su perfil netamente comercial y de integración regional.
Para ello, el Presidente de la República se reunió por más de dos horas durante la semana pasada con los ministros de Relaciones Exteriores, Eladio Loizaga; de Hacienda, Santiago Peña; de Industria, Gustavo Leite; y el titular del Banco Central del Paraguay, Carlos Fernández.
La idea fue crear un perfil de trabajo que ayude a restablecer los orígenes del bloque regional, con el impulso del comercio intra-Mercosur. Para ello, señaló el Canciller, se buscará trabajar, durante los seis meses que dura la presidencia pro témpore, en el levantamiento de todas las restricciones arancelarias a fin de fortalecer la integración.
Con Uruguay
Una de las estrategias que Paraguay utilizará para lograr el fin de las restricciones arancelarias es establecer un acuerdo con Uruguay a fin de que este país, que asumirá la presidencia pro témpore con posterioridad al Paraguay, prosiga con las iniciativas tendientes a lograr la reducción de las restricciones.
Otro objetivo, siempre según Loizaga, es incrementar lo que denominó comercio de desarrollo. "El comercio de desarrollo de los países del Mercosur para la generación de empleos es muy importante y las barreras que se imponen no solo perjudican a los países que quieren ingresar, sino que estamos haciendo un estudio que también tiene sus consecuencias en los países a los cuales aplican", manifestó.
Nuevo protocolo
Otro de los puntos que está previsto para esta, la cumbre número 28 del bloque, es la firma de un nuevo protocolo de adhesión de Bolivia al Mercosur. Ello, atendiendo que los demás países integrantes habían aprobado un protocolo de adhesión de este país durante la ilegal suspensión paraguaya. Para subsanar la situación, Paraguay planteó -y los demás países aceptaron- firmar un nuevo protocolo, que será remitido al Gobierno nacional para que este, a su vez, lo envíe al Congreso, que debe ratificarlo. (ABC Color - 12/07/2015)

Alianza del Pacífico, otra vía para el crecimiento regional
En 8 días, el bloque eliminará sus barreras arancelarias
Alianza del Pacífico
La Alianza del Pacífico quiere perfilarse como un ejemplo exitoso de integración en América Latina, una región donde otros intentos han quedado estancados comercialmente o atrapados por debates ideológicos.
La proyección internacional de este bloque comercial conformado por Perú, Colombia, México y Chile tiene como eje la afinidad en torno al libre comercio para sumar fuerzas y sinergias, lo cual ha generado el interés de 42 países.
"La Alianza del Pacífico es un gran motor que dinamiza nuestras economías, es un espacio de oportunidades para los cuatro países para mejorar la calidad de vida", dijo el 3 de julio el presidente de Perú, Ollanta Humala, durante la clausura de la décima cumbre de la Alianza del Pacífico.
"No es un acuerdo de libre comercio avanzado, es un espíritu de integración que no solo mira temas económicos comerciales sino otros temas, como educación y los niveles de pobreza", agregó Humala aludiendo a pares de otros países de la región, como el boliviano Evo Morales, que critican a la alianza por su apuesta a los acuerdos de libre comercio.
Sumando los productos internos brutos (PIB) totales, la alianza conforma la octava economía del mundo. Los cuatro países reúnen 216 millones de habitantes con un PIB de $us 2,1 billones, el 37% del total de América Latina.
El presidente de Colombia, Juan Manuel Santos, esbozó claramente el perfil que le gustaría tener a los países de la Alianza.
PACTOS. "Una de las grandes ventajas que tenemos los cuatro países es que compartimos visiones, principios, valores, en materia económica y social. Los cuatro somos de tercera vía: el mercado hasta donde sea posible, el Estado hasta donde sea necesario", dijo.
"Somos demócratas, creemos en la libertad, en la propiedad privada, en la inversión extranjera, y en ese sentido, si encontramos más y más comunes denominadores, vamos a poder fortalecernos en un mundo más competitivo y más difícil de sobresalir", agregó.
La presidenta de Chile, Michelle Bachelet, destacó el rápido avance de la Alianza del Pacífico, "uno de los instrumentos más poderosos y dinámicos de la región y del mundo", y resaltó la importancia de proyectar al bloque comercial fuera de sus fronteras, mencionando a los países del sudeste asiático y a los del Mercosur.
Esa proyección se reforzará a partir del 20 de julio, cuando entre en vigor el Acuerdo Marco de la alianza, suscrito en 2012 en Chile, que elimina el 92% de los aranceles, mientras que el restante 8% desaparecerá de forma gradual.
De esa manera, entre los miembros no existirán barreras arancelarias. Tampoco será necesaria una visa para el tránsito de sus ciudadanos. Todos ellos tienen tratados de libre comercio con otras 85 naciones.
La pyme tendrá rol clave en el comercio del bloque
La décima cumbre de la Alianza del Pacífico concluyó el 3 de julio en Perú con la incorporación de diez nuevos países observadores y un plan para incluir a las pymes en el fortalecimiento de su comercio y sus planes de lucha contra la pobreza.
En la declaración de Paracas, suscrita por los presidentes de Chile (Michelle Bachelet), Perú (Ollanta Humala), México (Enrique Peña Nieto) y por la canciller de Colombia (María Ángela Holguín), los cuatro países acordaron la creación de un fondo de capitalización para pequeñas y medianas empresas (pymes).
"El Fondo de Capital Emprendedor de los países de la alianza iniciaría operaciones en 2017", señala el texto suscrito por los cuatro países, cuyo PIB conjunto representa la octava economía del mundo.
En esta ocasión, la alianza aceptó la incorporación de otros diez países como "estados observadores, con lo cual suman al menos 40 los que están en esa categoría".
Entre ellos figuran Indonesia, Tailandia, Grecia, Australia y Polonia, señaló la canciller colombiana. Por ahora no se habló de la posible inclusión como miembros plenos a los aspirantes Panamá y Costa Rica.
Los cuatro países de este bloque enfocado en estrechar los vínculos comerciales con la zona Asia-Pacífico reúnen 216 millones de habitantes con un PIB de $us 2,1 billones, el 37% del total de América Latina. (La Razon - 12/07/2015)

Monteiro: casamento com Mercosul é indissolúvel, mas devemos discutir relação
O ministro de Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Armando Monteiro, disse que o "casamento" comercial do Brasil com o Mercosul é indissolúvel, mas que a relação será discutida e aperfeiçoada. O ministro disse que depois de 16 anos o Brasil está próximo de fechar a troca de ofertas com a União Europeia. Monteiro disse que também é foco do ministério ampliar o acesso a novos mercados. (Estadão Conteúdo) (Diário do Comércio e Indústria - 12/07/2015)

Unión Europea, optimista por avance de conversaciones
La asunción por parte de Paraguay de la presidencia pro témpore del Mercosur motivó que el director de las Américas del Servicio Exterior de la Unión Europea -la "cancillería" del bloque- Cristian Leffler, señalara que esa entidad cifra sus esperanzas en una gestión dinámica de nuestro país en la titularidad del bloque.
Loeffler indicó que la Unión Europea confía en que Paraguay pueda liderar de manera adecuada y dinámica el grupo Mercosur. Fue durante una videoconferencia con periodistas de países del bloque. El alto funcionario destacó que la UE mantiene una activa relación con el gobierno de Horacio Cartes y congratuló además la plena reinserción paraguaya a los bloques regionales.
En Bruselas
En junio de este año, en la sede de la Unión Europea, en Bruselas (Bélgica), se realizó el compromiso de intercambio de ofertas de acceso a mercados entre ambos bloques continentales, en el marco del acuerdo de asociación que negocian para el último trimestre de este año. Garantizaron asimismo el compromiso de llegar a un acuerdo, para lo cual Paraguay puede impulsar las negociaciones desde la presidencia pro témpore del mercosur.
Estas conversaciones datan de antes del 2004, año en que quedaron paralizadas. Fueron retomadas en el 2013, pero no hubo avances significativos por los problemas intra-Mercosur. (ABC Color - 12/07/2015)

Uruguai e Venezuela atingem importante acordo comercial
Montevideo, 11 jul (Prensa Latina) Uruguai e Venezuela lembraram nesta semana um importante convênio comercial e de cooperação tecnológica, que será assinado na próxima Cúpula do Mercado Comum do Sul (Mercosul) em Brasília no dia 17.
O acordo, negociado ao mais alto nível de ambos os países, teve grande impacto em setores comerciais, econômicos e políticos.
Para o vice-presidente Raúl Sendic, o mútuo cancelamento de dívidas e compra por parte da Venezuela de alimentos uruguaios estiveram marcadas pelo espírito que propôs o falecido presidente Hugo Chávez no ano 2005.
Na ocasião, recordou, o governante propôs a troca das principais fortalezas de ambos países, como a produção de energia venezuelana e a de alimentos uruguaios.
Depois de agradecer a Venezuela, Sendic também expressou sua lealdade "a essa construção de integração latino-americana na qual estamos juntos".
Por sua vez, o embaixador de Venezuela em Uruguai, Julio Chirino, sustentou que ambas nações estão cada dia como sonharam os próceres José Artigas e Simón Bolívar: "mais unidas que nunca".
O acordo, de quatro pontos, contempla o cancelamento de uma dívida que o Uruguai tem com a Venezuela pela compra de petróleo, cerca de 400 milhões de dólares. Lembrou-se que será cancelada a preços atuais (262 milhões de dólares).
Ao mesmo tempo, cancela-se uma dívida que Venezuela mantinha com duas empresas exportadoras uruguaias (a indústria láctea Conaprole e a de carne de ave Tres Arroyos) por 38 milhões de dólares.
Portanto, ambas as dívidas ficam honradas, cumpridas, sustentou o presidente Tabaré Vázquez, ao fazer o anúncio.
Também disse que outras dívidas venezuelanas com empresas privadas uruguaias por 15 milhões de dólares seriam esquecidas nesta mesma semana.
O segundo ponto inclui a compra por parte de Venezuela de 265 mil toneladas de alimentos uruguaios (120 mil toneladas de arroz, 80 mil de soja, 44 mil de leite em pó, 12 mil de queijo e nove mil de frango) por 300 milhões de dólares.
O terceiro ponto abarca a cooperação tecnológica, dado que o Uruguai pode cooperar em matéria de genética e trazabilidad e, o quarto, abre um "novo capítulo de negociação entre ambos países sobre o intercâmbio comercial".
Depois de agradecer ao presidente venezuelano, Nicolás Maduro, e seu governo, Vázquez anunciou que, com estes avanços, se abre um terceiro capítulo importante na negociação petroleira.
O acordo, que se conseguiu depois de reuniões aqui de autoridades governamentais de ambos países, é, segundo agregou Vázquez, "o prólogo do que virá depois". (Prensa Latina - 11/07/2015)

Una nueva oportunidad para el Mercosur
Por: José Martiniano Duarte
Como es de público conocimiento, en las elecciones generales de este año también se elegirán diputados para el Parlamento del Mercosur. Muchos ciudadanos no saben -porque los partidos políticos no han hecho campaña en ese sentido-, cuáles son los fundamentos de este organismo regional.
Asimismo, escuchamos permanentemente opiniones sobre el fracaso del proceso de integración y, en alguna medida, tienen razón. El Mercosur, visto desde la perspectiva exclusivamente económica y normativa para consolidar el mercado común, tal como se lo concibió hasta ahora, se ha agotado y parece haber consumido todas las combinaciones posibles.
Las dificultades que la Comunidad Económica Europea está teniendo para sostener a la zona euro nos están hablando de los problemas que plantea un tipo de integración de estas características. Y es que la economía, si bien no es una ciencia exacta, es muy dependiente de los números a la hora de medir esfuerzos, costos y beneficios.
Una nueva idea respecto a la integración plantea el desafío de generar un sistema integrador sustentable para la región. En esto tiene también que ver la economía, pero no en el sentido que se le ha dado hasta ahora. No son las frías variables, exclusivamente económicas, las que mandarán en la construcción de este nuevo escenario de integración.
De lo que se trata es de cambiar la perspectiva voluntarista actual, por una más pragmática y realista y que pretende generar las condiciones para que la integración ocurra. Una concepción del problema fundamentalmente política, más que económica.
En el camino de construir ese "sistema integrador sustentable" habrá que considerar variables que permitan conectar poblaciones y territorios, mejorar las condiciones para la industria, el comercio y las producciones regionales, sin descuidar la calidad de vida de la gente. Esto nos habla de una cantidad enorme de variables que, hasta aquí, no se habían tenido en cuenta y que van desde la seguridad hasta el planeamiento urbano, pasando por cooperación científico tecnológica y servicios de todo tipo.
Una nueva visión que impone un planeamiento exhaustivo sobre proyectos de infraestructura regional -transporte, comunicaciones y energía- y la coordinación de las obras que demanden los programas que surjan, para un armónico y sostenible desarrollo. Acciones que obligan, necesariamente, a cooperar y a mirar hacia el futuro.
Esto no lo puede hacer cada país por separado. Aquí sí hace falta que todos nos pongamos de acuerdo, porque se trata de aquellas cosas que compartimos de hecho, que no es solamente el medio ambiente, sino que incluye mucho más. Como la salud, la educación, las vías navegables, las fronteras regionales, la producción, la explotación de los recursos no renovables y la seguridad. El delito internacional no reconoce fronteras y nosotros, con nuestros socios del Mercosur, tenemos mucho territorio que administrar.
El Parlasur es el ámbito ideal para debatir estas cuestiones. Disentir, acordar y Legislar para la integración. Un foro donde contrastar las alternativas de los proyectos que se presenten, con los legisladores llevando la opinión de sus representados, no ya de cada país, sino de cada región en particular, que muchas veces abarca un territorio que no reconoce las rígidas fronteras estatales. Confrontar y consensuar, para sancionar normas que después serán ratificadas por los congresos de los respectivos países, y reguladas y puesta en marcha por los órganos decisorios del Mercosur.
En nuestro continente sudamericano todavía está todo por hacerse. El Parlasur es un buen punto de partida si se encara con imaginación. Ha llegado la hora de encontrar una solución realista que permita alcanzar resultados que entusiasmen y permitan reencauzar el proceso de integración. Quienes sean elegidos como legisladores del Parlasur deberán abocarse con exclusividad a su tarea, que es fundacional y que exige, hoy más que nunca, imaginación y creatividad. (Infobae Argentina - 11/07/2015)

Paraguay trabajará por el desbloqueo en el Mercosur
Política - Edición Impresa
Loizaga dijo que potenciarán el libre comercio y tránsito de personas entre los países miembros.
El Paraguay asumirá la presidencia pro témpore del Mercosur la próxima semana y como principal objetivo durante su mandato será priorizar el intercambio comercial entre los países miembros, según informó ayer el canciller Eladio Loizaga.
"El objetivo que el gobierno del presidente Cartes tiene en esta presidencia pro témpore es devolver a los orígenes del Mercosur, del libre intercambio de bienes y tránsito de personas, que es muy importante para la generación del empleo. Buscaremos que se consolide el comercio intraMercosur, que es el objetivo que se fijó en 1990. ", señaló el ministro de Relaciones Exteriores.
El canciller Loizaga mantuvo una reunión en Mburuvicha Róga con el presidente Horacio Cartes, junto con Gustavo Leite, ministro de Industria y Comercio; Santiago Peña, ministro de Hacienda; y Carlos Fernández Valdovinos, presidente del Banco Central del Paraguay. Los altos funcionarios del Estado informaron al presidente de la República sobre los temas principales a desarrollar en la agenda de la próxima cumbre que se realizará en Brasilia el 16 y 17 de julio próximo, cuando Paraguay asumirá la presidencia pro témpore del Mercosur.
Indicó que durante la reunión de trabajo con el mandatario se trataron además sobre la extensión de la vigencia de las medidas excepcionales que propone Paraguay y los otros miembros, que será acordado durante la próxima cumbre. Así también, informaron sobre el estado de las negociaciones entre el Mercosur y la Unión Europea.
Por otra parte, el canciller Loizaga señaló que la visita del Papa Francisco al Paraguay es un momento histórico, teniendo en cuenta la cercanía espiritual hacia el pueblo paraguayo. "El papa Francisco no viene de visita a países de periferia de América Latina, como algunos lo han señalado. Paraguay no es la periferia de América Latina y de eso estamos convencidos, y si eligió nuestro país es porque nos tiene muy cercano a sus afectos. Nuestro país hoy tiene una presencia internacional y no podemos aceptar ese tipo calificación de esa naturaleza", sostuvo Loizaga. (La Nación Paraguay - 10/07/2015)

Na Bélgica, Dilma diz que Mercosul está pronto para acordo com a União Europeia
Luana Lourenço - Repórter da Agência Brasil*
Edição: Marcos Chagas
A presidenta Dilma Rousseff chegou hoje (10) à Bélgica e após uma reunião com o primeiro-ministro do país, Charles Michel, disse que o Brasil e o Mercosul estão prontos para fechar um acordo comercial com a Europa.
A presidenta está em Bruxelas para a 2ª Cúpula entre a Comunidade dos Estados Latino-Americanos e Caribenhos (Celac) e a União Europeia (UE). A reunião poderá ser o cenário para que Mercosul e a UE avancem na negociação para um acordo de livre comércio, com a apresentação de suas ofertas comerciais. No momento, os dois lados montam uma lista de quais produtos poderão ter as tarifas zeradas. A apresentação tem que ser simultânea e já chegou a ser negociada em 2013 e 2104, mas não prosperou.
"Eu disse ao primeiro-ministro que o Brasil e Mercosul estão em condições de apresentar as ofertas comerciais para a União Europeia. Acreditamos que isso pode acontecer nos próximos dias ou meses e esperamos que, da mesma forma, essa questão evolua de forma satisfatória do ponto de vista da UE", explicou Dilma em declaração à imprensa após a reunião com o chefe de Governo belga.
Em maio, durante a visita ao Brasil o presidente do Uruguai, Tabaré Vázquez, ambos ressaltaram que o fechamento do acordo tarifário entre os dois blocos é a prioridade do grupo sul-americano para este ano.
Na declaração de hoje, Dilma também destacou a relação comercial entre o Brasil e a Bélgica. Ela defendeu a ampliação da cooperação, comércio e investimentos entre os dois países. "Discutimos sobre algumas áreas que são importantes para ambos os países. O Brasil acaba de lançar um grande plano de concessão e investimento em logística e as empresas belgas estão no Brasil em algumas áreas. Então, para nós e importante que essa relação se expanda", avaliou.
A presidenta agradeceu a parceria da Bélgica no Programa Ciência sem Fronteiras e propôs a expansão da cooperação com a criação de vagas de estágio para estudantes brasileiros em empresas belgas. "Os estudantes que buscam universidades de alto nível para fazer seus estágios e bolsas encontraram aqui na Bélgica um local e um acolhimento especial. Agradeci por eles e, ao mesmo tempo, nos propomos a expandir essa relação."
Após o encontro com o primeiro-ministro, Dilma seguiu para a abertura da cúpula, que reúne chefes de Estado da Celac e da União Europeia. Em dois dias de reunião, os dois blocos vão tratar de temas comerciais e de questões como direitos humanos, migração e mudanças climáticas. *Com informações da TV NBR (Agência Brasil - 10/07/2015)

Acordo Comercial Expandido Brasil-México - I Reunião Negociadora
Realizou-se, em Brasília, nos dias 7 e 8 de julho, a I Reunião Negociadora do Acordo Comercial Expandido Brasil-México, conforme acordado em comunicado presidencial conjunto, por ocasião da visita da Presidenta Dilma Rousseff ao México no dia 25 de maio. Representantes de ambos os países acordaram os parâmetros para a negociação de um Acordo Comercial Expandido.
O Acordo de Complementação Econômica N° 53 (Brasil-México) concede hoje preferência tarifária a 12% das linhas tarifárias. As duas maiores economias da América Latina coincidiram que existem inúmeras oportunidades para ampliar o comércio, o que será explorado nas negociações ora iniciadas. Em 2014, o intercâmbio comercial de Brasil e México foi de US$ 9 bilhões, dos quais US$ 4,1 bilhões somente no setor automotivo.
A II Reunião Negociadora do Acordo Comercial Expandido ocorrerá no México em outubro próximo. (MDIC - 09/07/2015)

Produtos e Mercados


Veja mais

Bolívia cresce e está em fase melhor que a dos vizinhos
CAPA
Fabio Murakawa
Discurso revolucionário, política econômica ortodoxa e uso de recursos orientado ao combate ã pobreza.
Com essa receita, a Bolívia manterá neste ano um crescimento de 5%, bem acima do de países da região, apesar do impacto da queda dos preços do petróleo sobre seu principal produto de exportação, o gás. E com a pobreza ainda sendo reduzida.
Diferentemente de vizinhos também governados pela esquerda, a Bolívia de Evo Morales conciliou, em meio ao boom de commodities da última década, uma agressiva política de inclusão social com o manejo responsável dos gastos públicos. Com isso, dizem analistas, pode suportar mais dois ou três anos de preços baixos do petróleo com crescimento do PIB próximo de 4,5%, enquanto os vizinhos sofrem com uma freada brusca.
Durante os primeiros anos do governo Evo, entre 2006 e 2013, a Bolívia acumulou superávits fiscais nominais e reservas internacionais, hoje de US$ 15 bilhões, equivalentes à metade do PIB de US$ 30 bilhões.
O câmbio fixo, com o dólar a 6,96 bolivianos desde 2011, ajudou no controle da inflação e contribuiu para criar uma economia de importações que gerou cerca de 2 milhões de empregos. As exportações subiram de US$ 3 bilhões em 2006, no início do governo Evo, para US$ 13 bilhões no ano passado. Página A10 (Valor Econômico - 17/07/2015)

Bolívia fez política antíciclica e agora consegue manter expansão
INTERNACIONAL
América do Sui Após oito anos de superávits nominais, país tem dinheiro para investir
Fabio Murakawa
De São Paulo
Discurso revolucionário, mas política econômica ortodoxa a anticíclica. Com essa receita, a Bolívia tem dinheiro em caixa suficiente para aguentar pelo menos mais dois anos de preços baixos do gás, seu principal produto de exportação, sem prejuízo para o crescimento. O país crescerá neste ano acima da média da última década e mais que os demais países da região - e com redução da pobreza.
O PIB (Produto Interno Bruto) boliviano crescerá em 2015 pelo menos 5%, segundo analistas locais, o próprio governo euma estimativa recente divulgada pela CAF-Banco de Desenvolvimento da América Latina.
O país se destaca entre os vizinhos sul-americanos, que já sofrem fortes turbulências causadas pela queda dos preços das commodities.
Pelo segundo ano consecutivo, a Bolívia crescerá mais do que todos os países da Américado Sul e o México.
Em 2013, foi batida apenas pelo Paraguai, cujo PIB aumentou 14,2%, após ter afundado 1% no ano anterior. A comparação com o desempenho econômico previsto para este ano para países petroleiros e também "bolivarianos", como o Equador (1,9%) e a Venezuela (-7%), é ainda mais gritante.
À diferença dos vizinhos também governados pela esquerda, a Bolívia de Evo Morales conciliou, em meio ao boom de commodities da última década, uma agressiva política de inclusão social com o manejo responsável da economia e dos gastos públicos.
Comisso, dizem analistas, La Paz pode suportar mais dois ou três anos de preços baixos do petróleo com crescimento do PIB próximo de 4,5%, enquanto os vizinhos sofrem com uma freada mais brusca.
Durante os primeiros anos do governo Evo, entre 2006 e 2013, a Bolívia acumulou superávits fiscais nominais (que já consideram os pagamentos dos juros da dívida). Além disso, o país, que tem um PIB de US$ 30 bilhões, possui hoje cerca de US$ 15 bilhões em reservas internacionais, US$ 17 bilhões em depósitos privados e US$ 20 bilhões em fundos de pensão.
"Se você olha para a América Latina, todos os países melhoraram a sua situação de poupança nos últimos anos, todo mundo acumulou reservas pelo boom das matérias primas", diz o economista boliviano Gonzalo Chávez. "Mas houvetambém umgasto além das possibilidades do Brasil, do Equador, do Peru e da Venezuela. Aqui não teve esse gasto exagerado. Por isso, a Bolívia tem uma poupança e uma situação macroeconômica mais razoável do que o resto da região."
Todo esse rigor com as contas públicas não impediu o país de obter avanços sociais importantes.
O câmbio fixo, com o dólar a 6,96 bolivianos desde 2011, além de ajudar no controle da inflação, contribuiu para criar uma economia de importações que gerou cerca de 2 milhões de empregos, formais ou informais, sobretudo no comércio, diz Chávez. Ou seja, cerca de 20 % da população, de 10 milhões de habitantes, começou a viver das importações, enquanto os dólares do gás inundavam o país.
As exportações bolivianas subiram de US$ 3 bilhões ao ano em 2006, no início do governo Evo, para cerca de US$ 13 bilhões no ano passado. As importações, por sua vez, também aumentaram significativamente, dos mesmos US$ 3 bilhões para US$ 11 bilhões.
Segundo o FMI (Fundo Monetário Internacional), a fatia da população boliviana vivendo com menos de US$ 2,5 por dia caiu de 35%, em 2005, para 14% em 2013. Já aqueles com renda de menos de US$ 1,25 se reduziram de 18% para 7% da população, nesse período.
De acordo com o FMI, a pobreza continuará caindo até 2016. Ao final do ano que vem, terão se reduzido em cerca de 2 pontos percentuais aqueles que ganham menos de US$ 2,5 diários e 0,5 ponto os que têm metade dessa renda.
Mas, para isso, o governo terá que aumentar gastos.
Já no ano passado, quando houve eleições presidenciais e o petróleo iniciou sua trajetória de queda, os seguidos superávits fiscais se reverteram em um déficit de 3,4% do PIB. Para este ano, a previsão do FMI de novo déficit, de 3,7%.
A fórmula acordada com Brasil e Argentina para remunerar as exportações do gás boliviano também contribui para amenizar o impacto do choque petroleiro, diz o ex-ministro de Hidrocarbonetos Álvaro Rios. Os preços são reajustados a cada quatro meses, e hoje o Brasil já pega cerca de 30% a menos pelo gás bolivianodo que há um ano. Mas o maior impacto nas receitas só deve ser sentido neste segundo semestre. Ainda segundo ele, a Bolívia pode suportar mais dois ou três anos de preços baixos para o gás.
O país, além disso, ainda mantém fragilidades históricas.
Apesar dos avanços sociais e da boa condução macroeconômica, o governo Evo não alterou a estrutura da economia boliviana. Gás, minérios e soja respondem por 80% das exportações do país, o que o deixa vulnerável a longos choques de commodities.
"Um declínio mais profundo ou prolongado nos preços de matérias-primas pode requerer ajustes mais fortes nas políticas fiscal, monetária e cambial", disse o FMI em relatório de abril "O investimento público pode ter que sofrer cortes, e a redução da desigualdade no país pode ser difícil de se manter." (Valor Econômico - 17/07/2015)

Grécia precisa de alívio da dívida e apoio para crescer
OPINIÃO
A ajuda europeia à Grécia tem declaradamente dois objetivos: elevar a competitividade da economia e reduzir o seu alto endividamento para um nível considerado sustentável. Mas essa abordagem toca apenas marginalmente no fator mais relevante da complexa equação grega: como voltar a crescer?
Parte das reformas impostas pelos credores à Grécia é urgentemente necessária. A Grécia gasta o equivalente a 17,5% do seu PIB com aposentadorias e pensões, mais do que qualquer outro país da União Europeia (UE), apesar de uma reforma da Previdência já realizadaem 2010. Vários setores da economia são protegidos, o que inibe a concorrência e reduz a competitividade.
Sucessivos governos gregos prometeram, mas não entregaram, reformas estruturais, difíceis de aprovar num país politicamente fragmentado. Agora, a imposição das reformas pelos credores, amplamente considerada uma humilhação do país, pode ser a oportunidade para aprovar medidas queem outro momento sofreriam feroz oposição de fortes grupos de interesse. Espanha e Itália usaram a pressão externa para aprovar suas recentes reformas.
Reduzir o nível de endividamento também é um imperativo.
A Grécia devia, ao final de 2014, o equivalente a 172% do seu PIB, o percentual mais alto entre os países da UE.
Isso deve ter piorado, pois o país voltou à recessão, o que significa que o PIB está caindo.
Pode-se melhorar a relação dívida/PIB de dois modos: reduzir a dívida ou aumentar o PIB. Até agora, os programas de ajuda para a Grécia focaram demasiadamente no primeiro e negligenciaram o segundo.
E a redução da dívida seria conseguida quase exclusivamente por meio de esforço fiscal, que gera excedente (o chamado superávit primário) para a quitação gradual de débitos do país.
Os credores exigem da Grécia superávit primário de 1% neste ano, 2% (2016), 3% (2017) e 3,5% (2018).
Para comparação, o Brasil deve ter superávit primário de1% neste ano. E saldos de 3,5% só foram obtidos no boom da economia brasileira, pré-crise de 2008.
Mas a Grécia vem em depressão econômica. O PIB recuou cerca de 23% entre 2007 e 2014, a maior queda entre países no pós-guerra. A economia ensaiou uma estabilização em 2014, mas a crise política, a eleição do premiêesquerdista Alexis Tsipras e os meses de impasse com os credores jogaram-na para baixo de novo. E isso só terá se agravado após três semanas de fechamento dos bancos.
Mais medidas recessivas, aprovadas nesta semana, como alta de impostos e redução nas aposentadorias, vão agravar a crise e não devem elevar substancialmente a arrecadação. Podem até ter o efeito oposto.
Outro modo de reduzir a dívida é por meio deumperdão.
O FMI vem defendendoinicialmente em privado e recentemente em público-um perdão parcial da dívida grega. Nesta semana, sugeriu um alívio agressivo da dívida com credores oficiais europeus, incluindo uma carência de até 30 anos.
Isso colocou o Fundo em choque com o governo da Alemanha, que até agora não admitiu renegociar a dívida grega. A premiê Angela Merkel já recusou explicitamente uma redução no valor de face da dívida.
A meta inicial dos credores era que a relação dívida/PIB atingisse o pico de 177% nos próximos anos e começasse a cair, até ficar abaixo de 100% em 2030. Nesta semana, porém, o FMI alertou que, com a deterioração recente da economia grega, o pico vai superar 200% do PIB. Mesmo na projeção anterior, a redução da dívida para abaixo de 100% só seria atingida num quadro muito otimista de expansão anual da economia em tomo de 4%.
Os programas de resgate da Grécia, porém, não contemplaram até agora medidas que favoreçam esse crescimento no curto prazo.
As reformas estruturais são importantes, mas demoram para surtir efeito.Asreformas e o processo de desvalorização interna realizados pela Espanha baratearam a produção e geraram um boom de exportações.
Mas isso dificilmente será replicado na Grécia, que é uma economia de serviços e que exporta só 11%do PIB, o menor percentual da região.
Um plano realista de ajuda à Grécia terá de se equilibrar num tripé formado por esforço fiscal, perdão parcial da dívida e medidas de crescimento da economia.
Foi assim que a Alemanha se reergueu no início dos anos 50.
Mas muitos políticos na Europa infelizmente criaram uma fábula moral, da cigarra grega e da formiga norte-europeia, para um problema que é essencialmente econômico e político. E isso dificulta agora fazer concessões à Grécia. (Valor Econômico - 17/07/2015)

Atraso em acordos com Alstom e Electrolux turva futuro da GE
Por Ted Mann
Num momento em que a General Electric Co. está prestes a alardear uma melhora no desempenho de suas operações no setor industrial, dois negócios cruciais para a estratégia do diretor-presidente do conglomerado americano, Jeff Immelt, correm perigo, ameaçados por obstáculos regulatórios.
Amanhã, quando a GE divulgar seus resultados do segundo trimestre, qualquer fato novo relacionado a essas transações - a compra dos negócios de energia da francesa Alstom SA, por US$ 17 bilhões, e a venda de sua divisão de eletrodomésticos para a rival Electrolux , por US$ 3,3 bilhões - poderia roubar os holofotes, tirando a atenção dos investidores da melhora nas margens de lucro, do aumento nas vendas e do sucesso da campanha de corte de custos que os analistas preveem que a empresa vai divulgar.
Hoje, um dia antes do anúncio de resultados do segundo trimestre, vence o prazo para que a GE proponha concessões aos reguladores de proteção à concorrência da Europa, num esforço para salvar o acordo com a Alstom. O negócio faz parte da estratégia de Immelt para colocar o foco do conglomerado de volta na indústria, afastando-o dos serviços financeiros.
Os reguladores europeus vêm obstruindo o negócio com a Alstom há mais de um ano e apresentaram objeções formais para a aquisição no mês passado, citando o receio de que a GE e a rival Siemens AG dominariam o mercado de turbinas pesadas a gás no continente.
Para salvar o acordo, a GE provavelmente terá de desistir de uma parte do negócio resultante da fusão grande o suficiente para satisfazer os reguladores da União Europeia, sem abrir mão da lucrativa divisão de serviços, que ajudou a justificar o preço oferecido por uma empresa abatida como a Alstom.
A empresa também enfrenta problemas nos Estados Unidos, onde o Departamento de Justiça abriu um processo, em 1o de julho, para bloquear a venda da divisão de eletrodomésticos da GE para a sueca Electrolux. O governo afirma que o negócio iria reduzir a concorrência no mercado de eletrodomésticos grandes, como fogões e fornos, prejudicando consumidores como construtoras e administradoras de imóveis. (Nos EUA, imóveis novos costumam ser entregues aos compradores já com geladeira e fogão.)
Em ambos os casos, a GE diz que está confiante de que pode prevalecer.
Nick Heymann, analista da William Blair & Co., diz que agora prevê que os acordos com a Alstom e a Electrolux sejam concluídos mais tarde neste ano e que vai observar de perto a evolução do negócio com a Alstom, para avaliar o nível das concessões que a GE será obrigada a fazer. Ele acredita que ainda há muito para acontecer antes de um potencial acordo.
Apesar dos tropeços, a GE afirma que tem avançado em importantes esforços internos para aumentar a eficiência de seus negócios, que produzem equipamentos pesados como motores de avião, locomotivas, turbinas de energia e aparelhos de ressonância magnética.
Recentemente, a empresa tem salientado aos investidores as áreas nas quais espera superar seus rivais industriais neste trimestre, incluindo a taxa de crescimento orgânico das vendas e geração de caixa.
A empresa também está adotando medidas para melhorar as margens brutas de suas divisões de fabricação - não apenas para reduzir custos nas operações administrativas, mas também aumentar a eficiência em sua cadeia de fornecimento e elevar o número de produtos que saem de suas fábricas.
Um grande teste no fronte industrial virá da unidade de petróleo e gás da GE, que fabrica equipamentos para a exploração, perfuração e produção.
A receita da unidade pode cair quase 16% no segundo trimestre, previu Steven Winoker, analista da Bernstein Research, em um relatório recente. O principal teste para a equipe de gestores da GE será se eles conseguirão manter a previsão anunciada de que os lucros não devem cair mais do que cerca de 10% este ano - com a ajuda de um programa rígido de corte de custos e a padronização de equipamentos na unidade de petróleo, que é a terceira maior da GE em termos de vendas.
Os obstáculos regulatórios surgem num momento em que outra iniciativa importante - a venda de mais de US$ 500 bilhões em ativos da divisão de serviços financeiros - ocorre a uma velocidade maior que o previsto inicialmente pelos executivos da empresa.
Desde que anunciou, em abril, que planejava vender a maior parte de suas operações bancárias, a GE já fechou acordos avaliados em US$ 58 bilhões, vendendo operações como as unidades de crédito para investidores de private equity nos EUA e Europa, uma divisão de financiamento de frotas de veículos e um portfólio de ações e títulos do setor imobiliário avaliado em US$ 35 bilhões.
"Temos muita coisa no mercado e estamos prontos para um ótimo terceiro trimestre em termos de fechar mais acordos", disse o diretor-presidente da GE Capital, Keith Sherin, em uma entrevista ao The Wall Street Journal no mês passado. A empresa planeja anunciar um total de US$ 100 bilhões em negócios este ano.
A rapidez com que a GE está vendendo seus ativos no setor financeiro é um bom sinal para os investidores, especialmente porque o caixa que a GE está acumulando com essas vendas ficará com a controladora e, em algum momento, ele deve ser disponibilizado para recompras de ações, diz Heymann, da William Blair. (The Wall Street Journal - 16/07/2015)

Missão da Apex-Brasil leva 40 empresas a países da África Subsaariana em busca de negócios
Brasília - A Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil) realiza, de 20 a 31 de julho, a Missão Empresarial à África Subsaariana, com a participação de aproximadamente 40 empresas brasileiras dos setores de máquinas e equipamentos; casa e construção; alimentos e bebidas.
A programação inclui rodadas de negócios e visitas técnicas em Angola, África do Sul e Moçambique. Em cada país, os empresários vão participar de um seminário com palestras sobre o ambiente de negócios naquele mercado. Parte das empresas também vai participar da Feira Internacional de Luanda (FILDA), de 21 a 26 de julho.
Os três países são importantes mercados-alvo para as exportações das empresas brasileiras no continente africano, tendo sido responsáveis por 16% da corrente de comércio entre Brasil e África.
Angola é um mercado mais maduro e onde a presença brasileira está mais consolidada, com empresas de diversos setores, como serviços e economia criativa, máquinas e equipamentos e alimentos e bebidas. O Brasil já tem espaço consolidado na exportação de alimentos e bebidas, a exemplo de açúcar, carnes e café. Há ainda oportunidades para máquinas e equipamentos, para os setores automotivo e de aviação e para a indústria de alimentos e bebidas.
Em termos de valores, a África do Sul também tem um peso importante nas exportações brasileiras para o continente. No país há grandes oportunidades para produtos de maior valor agregado e nos setores de energia e máquinas e equipamentos, principalmente para o setor automotivo.
Já Moçambique é uma economia pequena, mas com expectativa de crescimento para os próximos anos, especialmente no setor agrícola. O país recebe cooperação da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) e faz parte do Programa Mais Alimentos Internacional, do Ministério do Desenvolvimento Agrário, que oferece uma linha de crédito para o financiamento de exportações brasileiras de máquinas e equipamentos destinados à agricultura familiar e apoio a projetos de desenvolvimento rural nos países parceiros.
Intercâmbio comercial
Em 2014, o Brasil exportou U$ 1.225 bilhão para a África do Sul e importou U$ 732 milhões, com um saldo comercial positivo no valor de U$ 493 milhões. Os principais produtos exportados para o país foram carnes de aves, açúcar, tratores e outros veículos automotores, peças automotivas, geradores e transformadores elétricos.
Já as exportações para Angola totalizaram U$ 1.261 bilhões em 2014, e as importações U$ 1.109 bilhão, resultando em um saldo comercial positivo para o Brasil no valor de U$ 152 milhões. Os principais produtos exportados para o país foram açúcar, carnes bovina, de aves e suínos, farinha de milho, calçados e móveis.
Moçambique comprou U$ 63.861 milhões do Brasil Em 2014, e vendeu U$ 10.207 milhões, com um saldo comercial positivo no valor de US 53.654 milhões. Os principais produtos exportados para o país foram carnes de aves, geradores e transformadores elétricos, trens e materiais para vias férreas, tratores, calçados, móveis, máquinas e equipamentos para mineração, construção e agricultura entre outros. (Apex-Brasil - 15/07/2015)

Só três países defendiam a Grécia, diz ministro italiano
ECONOMIA
Não bastasse a instabilidade interna, a pressão externa ainda não deu trégua. O primeiro-ministro da Grécia, Alexis Tsipras, também precisa enfrentar a má vontade de grande parte dos 19 dirigentes da zona do euro. Em sua maioria, os chefes de Estado e de governo não queriamumnovo acordo com Atenas, embora tenham votado a favor por unanimidade na segunda-feira.
Segundo o ministro de Finanças da Itália, Pier Cario Padoan, apenas os governos da França, da Itália e de Chipre lutaram de forma aberta pela permanência da Grécia nazona do euro."No final, apenas nós, a França e um pouco o Chipre éramos pelo compromisso", afirmou em entrevista ao jornal 'Sole 24 Ore'. "Nós evitamos o pior, mas desde já o caminho é muito complexo, e não temos garantias de que tudo correrá bem."
Ontem, o presidente da França, o socialista François Hollande, disse ter tido de convencer a chanceler da Alemanha, Angela Merkel, a confiar em Tsipras/Andrei Netto (O Estado de SP - 15/07/2015)

PIB da China avança 7% no segundo trimestre e supera previsão
Crescimento esperado era de 6,8%, mas aceleração foi maior devido às medidas de estímulo à economia implantadas pelo governo, principalmente após as oscilações no mercado financeiro
Ritmo de crescimento da economia chinesa é o menor em seis anos
O Produto Interno Bruto (PIB) da China superou expectativas no segundo trimestre e cresceu 7,0% na comparação com o mesmo período do ano anterior, anunciou o Escritório Nacional de Estatísticas do país nesta terça-feira, 14. O avanço, maior do que os 6,8% esperados, se deve a uma série de medidas de estímulo à atividade econômica implantadas pelo governo, principalmente após as fortes oscilações do mercado financeiro no país. Entretanto, o ritmo de crescimento da economia chinesa ainda é o menor em seis anos.
A economia nacional está operando dentro da faixa adequada e os principais indicadores indicam ritmo constante, mostrando impulso moderado, mas estável de desenvolvimento", aponta o relatório da instituição.
O governo está tentando levar a China a crescer num ritmo mais baixo, porém mais sustentável. A taxa de juros foi cortada quatro vezes e o compulsório dos bancos duas vezes desde novembro no país, enquanto o governo lançou projetos de estímulo econômico para impulsionar o crescimento.
As vendas no varejo cresceram 10,6% em junho, na comparação com igual período do ano anterior. Nesse caso, a previsão dos analistas era de alta de 10,2%. O investimento em ativos fixos desacelerou para uma alta de 11,4% entre janeiro e junho, de 13,5% no primeiro trimestre do ano. A produção industrial com maior valor agregado avançou 6,3% no primeiro semestre, na comparação anual, abaixo do crescimento de 6,4% registrado nos primeiros três meses do ano.
Os indicadores econômicos irregulares, para os padrões da China, e a volatilidade nos mercados de ações geraram a expectativa entre economistas e investidores de que o governo continuará a apoiar a demanda pela redução na taxa de juros e reduzirá o compulsório dos bancos.
O fato de o crescimento ficar exatamente na meta oficial para o ano pode também reforçar as dúvidas sobre a confiabilidade dos dados da China, diante de discrepâncias entre os números de crescimento regional e nacional e, em alguns momentos, da falta de transparência. (Com informações da Dow Jones Newswires). (O Estado de SP - 14/07/2015)

Dólar cai após dados fracos da economia dos Estados Unidos
Karla Spotorno - Agência Estado
Investidores acreditam que o BC americano pode postergar a alta dos juros sem dados consistentes sobre uma melhora no desempenho da economia; Bolsa cai
SÃO PAULO - O dólar caía ante o real no pregão desta terça-feira, 14, acompanhando o viés de baixa da moeda em relação ao euro e ao iene. Às 12h50, o dólar à vista estava cotado a R$ 3,1190 no balcão, recuo de 0,45%.
A cotação da moeda americana reage a dados sobre o comércio nos Estados Unidos, mais fracos que o esperado, o que pode levar o Federal Reserve, banco central do país, a postergar o início da alta de juros para o fim deste ano.
Os EUA também divulgaram que os estoques das empresas subiram 0,3% em maio ante abril, em linha com a previsão. Esse resultado não desacelerou nem acentuou a desvalorização do dólar ante o real, mas contribui para sustentar a queda.
Incerteza sobre a situação grega continua forte
Bolsa. O principal índice da Bovespa devolve parte dos ganhos acumulados nos últimos sete dias. O recuo é observado nas ações de grandes bancos, Petrobrás e Vale. Os papéis da mineradora recuam diante da valorização de 6% de ontem e da queda no preço do minério de ferro.
O Ibovespa à vista recuava 0,23% aos 52.996 pontos.
Na Europa, todas as principais bolsas estavam em queda mais cedo. Mas na última hora, Londres, Paris e Madri passaram a exibir sinais positivos. Na União Europeia, a incerteza sobre a situação grega continua forte, visto que a apreciação do acordo firmado pelo governo Tsipras com os credores ocorrerá amanhã.
No cenário doméstico, o IBGE divulgou que as vendas no varejo caíram 0,9% em maio ante abril, pior que o esperado pelos analistas (projeção mediana era de -0,30%). As vendas do varejo ampliado, que inclui as atividades de material de construção e de veículos, caíram 1,8% em maio ante abril, na série com ajuste sazonal. (O Estado de SP - 14/07/2015)

Nokia confirma que pode voltar ao mercado de celulares
Por Anna Ercanbrack
HELSINQUE (Reuters) - A fabricante finlandesa de redes de telecomunicação Nokia confirmou na noite de segunda-feira que pode começar a projetar e licenciar novos telefones celulares da marca em 2016.
A Nokia disse que estava à procura de um parceiro para assumir a produção, vendas, marketing e suporte ao cliente dos produtos.
A empresa disse ainda que o novo aparelho de telefonia móvel não chegará ao mercado antes do quarto trimestre de 2016, quando o acordo de parceria da Nokia com a Microsoft premite à empresa usar sua marca novamente.
A Nokia vendeu seu negócio de telefonia para a Microsoft em 2014, depois de anos de quedas nas vendas. (Reuters - 14/07/2015)

Grécia abre mão de soberania e aceita acordo
FINANÇAS
País se curva às exigências dos credores para receber ajuda de EUR 86 bilhões e não quebrar
André Boudon
Eno final, a Grécia capitulou. Líderes da zona do euro fizeram o país ceder grande parte de sua soberania à supervisão externa em troca de um resgate de EUR 86 bilhões que deverá mantê-lo no bloco de moeda única.
Os termos impostos pelos credores internacionais liderados pela Alemanha, em negociações que duraram a noite toda em uma cúpula de emergência, obrigaram o primeiro-ministro Alexis Tsipras a abandonar as promessas de acabar com a austeridade e podem rachar seu governo e provocar protestos na Grécia.
"Claramente a Europa da austeridade venceu", disse o ministro das Reformas grego, George Katrougalos.
"Ou vamos aceitar essas medidas draconianas ou é a morte súbita de nossa economia através da continuação do fechamento dos bancos.Então é um acordo que é praticamente imposto sobre nós", disse ele à rádio BBC.
Se a cúpula tivesse falhado, a Grécia estaria diante de um abismo econômico, com os bancos fechados à beira do colapso e a perspectiva de ter que imprimir uma moeda paralela e, com o tempo, deixar a união monetária europeia.
"O acordo foi trabalhoso, mas foi concluído. Não há saída da Grécia (da zona do euro)", disse o presidente da Comissão Europeia, Jean Claude Juncker, em entrevista à imprensa após 17 horas de discussões.
Ele descartou sugestões de que Tsipras havia sido humilhado mesmo que o comunicado final da cúpula tenha insistido repetidamente que a Grécia tenha que daqui em diante sujeitar grande parte de sua política pública à concordância prévia dos monitores do resgate.
"Neste compromisso, não há vencedores nem perdedores", minimizou Juncker. "Não acho que o povo grego foi humilhado, ou que outros europeus tenham se tornado menos respeitáveis. É um acordo típico europeu".
O próprio Tsipras, eleito há cinco meses para acabar com cinco anos de austeridade sufocante, afirmou que ele e sua equipe "disputaram uma batalha dura" e tiveram que tomar decisões difíceis. Ele disse que garantiu uma promessa melhorada de reestruturação da dívida e que "evitou o plano de estrangulamento financeiro".
O acordo só valerá caso a Grécia cumpra um apertado cronograma para aprovar uma série de reformas que na prática levam o país a abdicar de sua soberania.
O país terá que aprovar até amanhã reformas iniciais no sistema de aposentadorias, dentro de um plano mais amplo para garantir a sustentabilidade de longo prazo do sistema. Também terá que elevaro Imposto sobre o Valor Agregado (VAT) e ampliação da base de cobrança para elevar as receitas do Estado.
Outro ponto é a aplicação integral das principais disposições do Pacto Fiscal Europeu, que regulamenta o déficit público e o nível de endividamento dos países que usam o euro. O objetivo é assegurar a meta de superávit primário, por meio de cortes quase automáticos nas despesas caso haja desvio da meta.
Até o próximo dia 22, o país precisa aprovar a adoção do Código de Processo Civil, profunda reformulação de normas e disposições para o sistema de justiça civil para acelerar significativamente os processos judiciais e reduzir os seus custos.
Também precisará iniciar uma ambiciosa reforma nas aposentadorias e especificar políticas para compensar totalmente o impacto fiscal da decisão da Justiça grega sobre a reforma das aposentadorias de 2012. Além disso, terá de aplicar a cláusula de déficit zero ou uma medida alternativa aceita por ambas as partes até outubro de 2015.
Será necessário também adotar reformas mais ambiciosas de mercado, com a implementação de todas as recomendações básicas da OCDE, incluindo abertura do comércio aos domingos, ampliação dos horários de abertura, alteração na lei de propriedade de farmácias, reformas no mercado de leite e de padarias e desregulamentação de várias categorias profissionais.
No mercado de trabalho, A Grécia terá que executar uma rigorosa revisão e modernização das negociações coletivas, incluindo demissões.
Um dos pontos mais críticos das obrigações assumidas pelo governo grego se refere às privatizações e à modernização da máquina administrativa do Estado. A Grécia concordou em desenvolver um amplo plano de privatizações com melhor governança. Ativos do Estado grego serão transferidos para umfundo independente que irá rentabilizá-los por meio de privatizações e outros meios.
A rentabilização dos ativos será tuna das fontes para o pagamento do novo empréstimo junto ao Mecanismo Europeu de Estabilidade (MEE) e para a geração, durante o período de vigência do novo empréstimo, de um total de EUR 50 bilhões, dos quais EUR25 bilhões serão usados para o pagamento da recapitalização dos bancos. Metade do dinheiro restante será usada para reduzir a dívida pública e os demais 50% servirão para investimentos. O fundo será estabelecido na Grécia e será administrado por autoridades gregas sob a supervisão de instituições europeias.
A chanceler alemã, Angela Merkel, afirmou que pode recomendar "com total confiança" que o Parlamento alemão autorize a abertura de negociações de empréstimo com Atenas uma vez que o Parlamento grego tenha aprovado o programa todo e aprovado as primeiras leis.
---
Os termos impostos pelos credores internacionais obrigaram o primeiro - ministro Alexis Tsipras a abandonar as promessas de acabar com a austeridade (Brasil Econômico - 14/07/2015)

China tem superávit comercial de US$ 46,5 bilhões em junho
Resultado foi menor que o saldo positivo de US$ 54,49 bilhões registrado em maio
PEQUIM - A China teve superávit comercial de US$ 46,5 bilhões em junho, menor que o saldo positivo de US$ 54,49 bilhões registrado em maio, segundo números divulgados pela Administração Geral de Alfândega do país. O resultado de junho veio abaixo da expectativa de 14 economistas consultados pelo Wall Street Journal, que previam superávit de US$ 55,3 bilhões.
As exportações chinesas medidas em dólares subiram 2,8% em junho ante igual mês do ano passado, revertendo a queda de 2,5% vista em maio e superando de longe a previsão do mercado, que era de aumento de 0,5%.
As importações do gigante asiático, por sua vez, tiveram queda anual de 6,1% em junho, após sofrer um tombo de 17,6% em maio. Os economistas previam uma queda bem maior nas importações chinesas, de 16%. Fonte: Dow Jones Newswires. (DCI - 13/07/2015)

O que está acontecendo na China?
OPINIÃO
Uma festa com final infeliz de um modelo de crescimento insustentável?
Por Elias Jabbour
As análises de curto prazo têm um problema muito sério, justamente quando partem para o jogo de adivinhação do "longo prazo". O mesmo ocorre com o exagero que acompanha análises de estratégias de desenvolvimento quando deparadas com acidentes, contradições de curto prazo. Os que estão presos a análises de estratégias de longo prazo, como a chinesa, podem ser pegos de surpresa diante de algum percalço conjuntural. Por outro lado, os afeitos da análise do imediato, muitas vezes sob encomenda, são atraídos pelos números frios e o calor do momento e das expectativas. Em ambos os casos, a atração exercida pelos finais trágicos dos romances de origem anglo-saxônica contamina análise.
Indo agora direto ao ponto: o que está acontecendo com a China? Uma festa com final infeliz de um modelo de crescimento "insustentável"? O erro da fixação de um "Estado autoritário" em manter os dois preços básicos da economia (taxa de câmbio e taxa de juros) sob seu estrito controle? O fim da "farofa" interna da abundante liquidez "descontrolada" desde 2005?
A China levou às últimas consequências a possibilidade de alargamento de sua base monetária e, consigo, as carteiras de crédito em todos os níveis.
Foi a resposta dada pelo país em meio ao fechamento relativo de mercados externos devido à crise financeira global. Segundo o André Nassif ("Uma crise chinesa?" publicada no Estado de S. Paulo, 8/7/2015), entre 2004 e 2010, a base monetária e o crédito tiveram aumento de 25% e 20%, respectivamente, isto em um ambiente de inflação doméstica de 2% e de taxas de juros e de crédito fixas em 5,5% e 7,7% desde 2008. Evidente que se trata de um ambiente bastante propício não somente ao investimento produtivo, mas também ao exercício de algum nível de especulação financeira. Afinal o próprio mercado de capitais na China passou por um intenso de processo de aprofundamento e aumento de seu alcance e sofisticação nos últimos dez anos, em um processo marcado pela intensa participação acionária por parte de pequenos empreendedores e, naturalmente, das suas próprias empresas estatais.
Todos atores, como em qualquer lugar do mundo, com uma forte tendência de aversão ao risco. No caso chinês o risco de uma economia em lenta desaceleração.
É evidente que o prazo de validade do crescimento puxado pelo investimento na China está se encerrando e que o consumo deverá aumentar sua participação na composição do PIB. E esta transição promete ser tão dolorosa quanto a observada, a partir de 1978, de uma "economia de comando" a outra, de"mercado sob escopodo plano".As dores do parto são inevitáveis. Um exemplo interessante como pode ser notado no papel de "gasolina na fogueira" exercida pela alta inflacionária interna às manifestações que sacudiram Pequim entre maio e junho de 1989. E a China, e o rumo traçado em 1949/1978, mantiveram-se inalterados desde então.
Assim como os acontecimentos centrados em seu mercado de capitais nas últimas semanas manterão os rumos do país pouco alterados. Pois, a própria causa primária destes acontecimentos demonstra bem sobre quem realmente dá as cartas no jogo na China. Estaria sendo por demais otimista? Creio que não.
O que é peculiar no presente episódio? Primeiro, o incentivo do governo aos chamados "empréstimos marginais" como forma - primitiva - de mobilização de poupança de pequenos e médios poupadores, que parece ser parte inicial da transição do crescimento pautado pelo investimento para o crescimento puxado pelo consumo. Este tipo de endividamento levou as próprias empresas estatais à procura desta forma de financiamento. Quase que de forma automática uma bolha especulativa formou-se no país com o Estado passando, fortemente, a desinflá-la, proibindo a oferta deste tipo de empréstimo. O "efeito manada" é quase uma lei da natureza com preços de ações despencando e, respectivo, contágio pelo restante do conjunto da economia.
Neste contexto, perguntamos: Iniciamos uma nova crise financeira? Há perspectiva de volta à normalidade no médio e longo prazo? A primeira resposta é não. A segunda é sim. A proibição por parte do Estado de operações financeiras de cerca de 1300 companhias listadasna bolsa e obrigação às estatais de não mover suas posições no mercado de ações colocarão este mercado em posição de normalidade ainda nas próximas semanas. Neste aspecto, o papel decisório do Estado sobre suas empresas é de fundamental importância em comparação com o não poder exercido pelo Estado americano, e europeu, sobre as firmas bancárias sediadas em seus territórios.
O aspecto relevante está justamente no fato de o poder estatal chinês não ser refém degrandes interesses corporativos de toda e qualquer espécie. Eis uma diferença fundamental a ser destacada.
Existe muita matéria a ser escrita ainda a respeito desta "bolha" chinesa, e não tenho pretensão de esgotá-lo aqui. Meu recado aos pretensos demiurgos da "tragédia chinesa" é: tentem ser, ao menos, mais criativos. Diversifiquem os argumentos repetidos há quase três décadas. A capacidade da governança chinesa em gerir crises é extensamente comprovada.
Até porque, a eles, crise e superação são parte do mesmo ideograma de um imenso alfabeto. E mais importante: o "santo remédio" da liberalização ainda não faz parte do horizonte deles.
Elias Marco Khalil Jabbour é professor adjunto da Faculdade de Ciências Econômicas da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (FCE/UERJ) e autor do livro "China Hoje: Projeto Nacional, Desenvolvimento e Socialismo de Mercado" (Anita Garibaldi/EDUEPB).
Acapacidade da governança chinesa em gerir crises é extensamente comprovada. Até porque, para eles, crise e superação são parte do mesmo ideograma. E o mais importante: o santo remédio da liberalização ainda não faz parte do horizonte deles (Valor Econômico - 13/07/2015)

França e Alemanha divergem sobre solução para Grécia
Alemães propõem que gregos deixem zona do euro por cinco anos; franceses tentam manter país na moeda única
Reunião entre líderes europeus sobre proposta da Grécia para obter nova ajuda se prolongou até esta madrugada
RAQUEL LANDIM, DE SÃO PAULO
A Alemanha aumentou a pressão sobre a Grécia neste domingo (12) e propôs a saída do país da zona do euro por cinco anos em troca da reestruturação de sua dívida.
A possibilidade chegou a ser incluída no esboço de um compromisso produzido pelos ministros de Finanças da Europa, embora esteja entre colchetes, o que significa que nem todos os países concordam com esse trecho.
"No caso de um acordo não ser atingido, devem ser oferecidas à Grécia negociações rápidas para um tempo fora da zona do euro, com possível reestruturação de dívida", diz o documento de apenas quatro páginas publicado na internet por um jornal grego.
Os ministros de Finanças da Europa passaram o fim de semana em negociações, mas deixaram a decisão para os líderes europeus, que entraram a madrugada desta segunda (13) reunidos. Até a conclusão desta edição, eles ainda negociavam em Bruxelas.
O impasse prosseguia porque, enquanto os alemães pediam mais austeridade aos gregos, a França tentava encontrar uma maneira de manter o país na zona do euro.
Antes do início da reunião, a chanceler alemã Angela Merkel disse que "não haveria um acordo a qualquer custo". Já o presidente francês François Hollande afirmou que estava em jogo "nossa concepção de Europa".
No esboço feito pelos ministros, que seria utilizado como base pelos líderes, havia um caminho frágil para um entendimento. O primeiro passo seria o governo grego aprovar reformas importantes até quarta-feira.
Essas reformas seriam precondições para negociações de um terceiro pacote de ajuda à Grécia, o que impediria o país de dar o calote e deixar a moeda única.
Com a deterioração da economia grega, os ministros europeus estimam que a Grécia precisa de mais € 86 bilhões (cerca de R$ 341 bi), sendo € 10 bilhões imediatamente.
No dia 20 de julho, os gregos têm que pagar € 4,2 bilhões de juros para o Banco Central Europeu e não se sabe de onde virá o dinheiro.
Só a reestruturação do sistema bancário custaria entre € 10 bilhões e € 25 bilhões. Há duas semanas, os bancos gregos estão fechados com os saques limitados.
RENDIÇÃO
Para analistas, as reformas exigidas pelos credores significam a "rendição" dos gregos. Eles pedem que a Grécia aprove em três dias um sistema de arrecadação de impostos por valor agregado, uma reforma das pensões, além de criar de instituições capazes de garantir a reforma fiscal.
No médio prazo, o país teria que implementar um amplo programa de privatizações. Os alemães chegaram a propor que a Grécia transfira para um fundo € 50 bilhões em ativos, que serviriam como garantia da dívida.
Não estava previsto qualquer perdão para a dívida grega, apenas um período maior de carência e melhores condições de pagamento. Um corte real nos débitos só ocorreria com o país fora do euro.
Em plebiscito recente, os gregos disseram "não" a novas medidas de austeridades. Na quinta-feira, o primeiro-ministro Alex Tsipras mudou de rumo e enviou uma proposta de acordo aos credores. A situação política no país, no entanto, é instável. (Folha de SP - 13/07/2015)

Exportações aos árabes têm melhor mês no ano
As exportações do Brasil aos países árabes somaram pouco mais de US$ 1,1 bilhão em junho, um aumento de quase 7% em comparação com o mesmo período do ano passado. Foi o maior valor mensal registrado até agora em 2015, de acordo com dados do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC). Entre os produtos cujos embarques tiveram crescimento no mês estão frango, carne bovina congelada e os itens do complexo soja (grãos, farelo e óleo). Segundo informações do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), entre os principais mercados dos alimentos brasileiros, a Arábia Saudita importou em junho o equivalente a US$ 208 milhões em produtos do agronegócio, um crescimento de 41,5% sobre o mesmo mês de 2014.
O avanço das vendas externas observado em junho, porém, ainda não foi suficiente para reverter a queda dos embarques no acumulado do ano. No primeiro semestre, as exportações aos países árabes renderam US$ 5,8 bilhões, um recuo de 4,8% em relação ao mesmo período de 2014. As informações foram divulgadas pela Agência Anba. (Agência Anba - 13/07/2015)

OMC


Veja mais

Associação de Comércio Exterior projeta superávit comercial de US$ 8 bilhões para 2015
Participação do Brasil cairá de 26º para 25º lugar no ranking de exportadores mundiais
por Eliane Oliveira
BRASÍLIA - A melhora nos números da balança comercial brasileira levou a Associação de Comércio Exterior do Brasil (AEB) a prever um superávit de US$ 8,064 bilhões, ante um déficit de US$ 3,959 bilhões em 2014. Na avaliação da AEB, em 2015, as exportações somarão US$ 191,331 bilhões e as importações, US$ 183,267 bilhões.
O saldo esperado, no entanto, reflete o enfraquecimento da economia doméstica. As importações estão caindo menos que as exportações. A expectativa da AEB é que as compras no exterior diminuam 20%, enquanto as vendas externas terão um decréscimo de 15%.
De acordo com a entidade, o crescimento de 2,5% previsto pela Organização Mundial do Comércio (OMC) para o comércio mundial em 2015 e a queda de 15% prevista nas exportações brasileiras reduzirão para apenas 1% nossa participação nas exportações mundiais e queda da atual 25ª para 26ª posição no ranking de países exportadores.
Ainda segundo a entidade, o superávit projetado para a balança de 2015 é quase idêntico ao valor de US$ 8,140 bilhões previsto em 17 de dezembro de 2014. Apesar da semelhança, os dados atuais mostram forte desaceleração dos fatores da corrente de comércio estimada em 17,5%.
"O superávit de US$8,064 bilhões projetado para 2015 é considerado "superávit negativo", pois decorre de queda da importação maior que da exportação, e não gerado pela elevação das exportações", diz a AEB.
Pelo boletim da AEB divulgado nesta quinta-feira, os três principais produtos da pauta de exportação, soja em grão, minério de ferro e petróleo, que representam 24,5% das vendas totais de 2015, mostrarão queda em suas cotações, que serão parcialmente compensadas pela elevação das quantidades exportadas.
Por outro lado, a entidade destaca que o índice de participação dos produtos manufaturados na pauta de exportação será elevado de 35,6% em 2014 para 38,1% em 2015. Com a desvalorização cambial do real, as vendas de manufaturados serão parcialmente beneficiadas, em especial aquelas destinadas aos Estados Unidos.
"Isto se deve ao fato de os países da América do Sul, tradicionais e principais importadores de manufaturados do Brasil, estar reduzindo suas importações devido à queda das cotações de suas commodities de exportação, além de impactos advindos de acordos comerciais firmados e da maior agressividade comercial de nossos concorrentes", explica a AEB. (O Globo - 16/07/2015)

UE vê proteção de 80% do Brasil contra importado
BRASIL
Relações externas: Argumento está na extensa contestação apresentada pelos europeus contra o país na OMC
Assis Moreira
De Genebra
Diante dos juízes da Organização Mundial do Comércio (OMC ),a União Européia (UE) qualificou de "surpreendentemente, mesmo quase inacreditável" que o Brasil tenha desenhado sua política industrial com baseem medidas que, na visão de Bruxelas, violam regras do comércio internacional. Na volumosa contestação submetida à OMC, totalizando quase 3 mil páginas (incluindo os anexos), a EU exemplificou que o Brasil erigiu barreiras comerciais através de taxação indireta que, em alguns casos, diz resultar numa efetiva proteção na fronteira de 80% ou mais contra o produto importado.
Em meio à expectativa sobre o maior contencioso comercial que o Brasil enfrentará, a UE diz que vários programas brasileiros para o desenvolvimento da política industrial estão em uso já há um bom tempo, mas que o mundo de hoje é diferente do mundo de 20 anos atrás. O Brasil é agora a 7ª maior economia do mundo. E avisa queos países europeus, e o sistema da OMC como um todo, não podem ficar indiferentes ao que considera práticas protecionistas implementadas no Brasil.
Para os europeus, o contencioso contra o Brasil é relativamente 'simples' e tem um senso de "déjà vu" (já visto) na OMC: uso de taxação discriminatória contra o produto importado e de conteúdo local, além de redução tributária para companhias que alcançam certo volume de exportações, para impulsionar a política industrial Antecipando-se a argumentos brasileiros, a UE diz que não está questionando a possibilidade para o Brasil de adotar política industrial para atrair investimentos e desenvolvimento econômico.
Bruxelas insiste que a disputa não tem a ver com a possibilidade para umpaís da OMC apoiar pesquisa, inovação e desenvolvimento tecnológico em seu território: "O desenho e estrutura das medidas brasileiras mostram que essas considerações são, no mínimo, secundárias".
Os europeus notam que, como vários membros da OMC, implementaram programas de incentivos para inovação e melhora tecnológica de produtos industriais, envolvendo vantagem fiscal para as companhias. Empresas que investem em pesquisa e desenvolvimento podem frequentemente se beneficiar de reduções de taxas diretas que têm de pagar, por exemplo sobre o faturamento. "Mas no Brasil testemunhamos uma situação radicalmente diferente", alega.
A UE acusa o país de ter introduzido abatimento fiscal para impostos indiretos, cobrados nas transações envolvendo mercadorias. Diz que isso tem impacto imediato sobre a posição dos produtos no mercado, por se traduzir diretamente nos preços. Para a UE, o Brasil procura assim assegurar que bens produzidos por companhias que se beneficiam de alguns de seus programas possam ter vantagem competitiva.
Bruxelas diz estar alvejando no Brasil vantagens específicas que atropelariam regras elementares da OMC. Tenta mostrar como funcionam nesse cenário tributos como IPI, PIS/Cofins, Cide e outros. Mais especificamente, a UE questiona primeiro o sistema de vantagem dado ao setor automotivo pelo Inovar-Auto. Também reclama de privilégios dados a sócios do Mercosul e ao México e contesta a lei de informática, programas de incentivos para semicondutores e TV digital. E ataca programas para companhias predominantemente exportadoras no Brasil, como o Recape. O Brasil fará sua primeira defesa até 1º de setembro. (Valor Econômico - 17/07/2015)

Europa faz na OMC a mais ampla contestação ao Brasil
Assis Moreira
A União Européia (UE) apareceu como um verdadeiro rolo compressor contra o Brasil diante dos juízes da Organização Mundial do Comércio (OMC ),com cerca de 3 mil páginas de contestação da política industrial brasileira. O Valor apurou que a primeira petição europeia tem 396 páginas de argumentação jurídica sobre o que considera violações das regras da OMC pelo governo brasileiro. E há mais 200 documentos anexos, totalizando 2.500 páginas, que Bruxelas diz serem provas das violações, incluindo leis, portarias e outras medidas adotadas pelo governo brasileiro.
A UE pede para os juízes condenarem o Brasil por discriminação contra produto estrangeiro, uso de subsídios vinculados à exportação e a conteúdo local, por exemplo. Alveja do Inovar-Auto à lei de informática, lei da inclusão digital, Regime Especial de Aquisição de Bens de Capital para Empresas Exportadoras (Recap) e programas que beneficiam os setores automotivo, eletrônico, e de máquinas de usoprofissional ou industrial. O Brasil tem até l 2 de setembro para apresentar sua primeira defesa no contencioso mais abrangente que o país enfrenta na OMC. A Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica (Abinee) contratou o escritório Verano e a Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), o escritório Pinheiro Neto para dar suporte ao Itamaraty. A preferência por escritório nacional é por seu conhecimento dos programas que estão sendo contestados. A preparação final da defesa é da Coordenação Geral de Contenciosos, do Itamaraty, criada por Roberto Azevêdo, o atual diretor-geral da OMC, quando ele era o responsável pela defesa ou ataque nas disputas envolvendo o país.
A pressão sobre o Brasil aumentou com a decisão do Japãodeabrir sua própria disputa contra apolítica industrial brasileira. Até o fim de agosto, os dois países precisam fazer consultas bilaterais e, na sequência, como certamente não haverá entendimento, os japoneses poderão acionar o pedido de painel (comitê de investigação). Fontes dizem que até agora nem europeus nem japoneses ilustraram com cifras quanto teriam perdido por causa dos programas brasileiros.
Trata de questão sistêmica, ou seja, reclamam na OMC agora para evitar que o exemplo brasileiro seja copiado por outros emergentes, como Índia ou Rússia.
Restará ao Brasil tentar reduzir o tamanho do estrago diante dos juízes, já que vários programas no Ministério da Fazenda, no primeiro mandato da presidente Dilma Rousseff, deixaram brechas para contestação. (Valor Econômico - 16/07/2015)

Argentina promete facilitar importação
MERCADO
Brasileiros ainda têm dúvidas sobre medida
A Argentina se comprometeu em retirar, em 31 de dezembro, uma das principais restrições à importação que estão em vigor: a declaração juramentada antecipada de importação (DJAI).
Criado em 2012, o documento funciona como uma espécie de barreira à entrada de importados no país.
Para entregar uma mercadoria na Argentina, o exportador tem que solicitar essa declaração ao governo e não há prazo para se obter uma resposta, o que pode levar meses.
Em documento entregue no último dia 2 de julho à OMC (Organização Mundial do Comércio), a Argentina informa que precisa de um tempo de adaptação para eliminar as DJAIs e propõe a data de 31 de dezembro, já sob novo governo no país.A presidente Cristina Kirchner deixa o cargo em 10 de dezembro.
Em 2014, o dispositivo foi considerado ilegal segundo as normas que regulam o comércio internacional.
Empresários e associações que reúnem exportadores brasileiros comemoraram o fim do instrumento, mas com certo ceticismo.
"Resta acreditar que desta vez o compromisso será cumprido [pela Argentina], e tentar recompor um comércio que tinha atingido volumes expressivos e que havia integrado importantes cadeias de produção", afirma o presidente da Câmara Brasil-Argentina, Alberto Alzueta.
O país era o principal mercado de produtos industriais do Brasil até 2013, mas perdeu o posto devido às barreiras de importação e ao menor consumo interno, resultado da estagnação da economia. MARIANA CARNEIRO DE BUENOS AIRES (Folha de SP - 15/07/2015)

La OMC abre el procedimiento de acreditación de las ONG para la Conferencia Ministerial de Nairobi
La OMC ha abierto el proceso de acreditación de las organizaciones no gubernamentales que deseen asistir a la Décima Conferencia Ministerial, que se celebrará en Nairobi (Kenya) del 15 al 18 de diciembre de 2015. (OMC - 15/07/2015)

Argentina informa OMC que retirará barreira a importação em dezembro
Raúl Ferrari/Xinhua
MARIANA CARNEIRO
DE BUENOS AIRES
A Argentina se comprometeu em retirar, em 31 de dezembro deste ano, uma das principais restrições à importação que estão em vigor: a declaração juramentada antecipada de importação (DJAI).
Criado em 2012, o documento funciona como uma espécie de barreira à entrada de importados no país. Para entregar uma mercadoria na Argentina, o exportador tem que solicitar essa declaração ao governo e não há prazo para se obter uma resposta, o que pode levar meses.
Em documento entregue no último dia 2 de julho à OMC (Organização Mundial do Comércio), a Argentina informa que precisa de um tempo de adaptação para eliminar as DJAIs e propõe a data de 31 de dezembro, já sob novo governo no país. A presidente Cristina Kirchner deixa o cargo em 10 de dezembro.
Com a informação prestada à OMC, a Argentina indica que pretende acatar decisão que declarou em 2014 o dispositivo ilegal, segundo as normas que regulam o comércio internacional. Japão, União Europeia e EUA haviam questionado a Argentina no organismo internacional.
CETICISMO
Empresários e associações que reúnem exportadores brasileiros comemoraram o fim do instrumento, mas com certo ceticismo.
"A relação comercial Brasil-Argentina foi muito prejudicada pelas DJAIs", afirma o presidente da Câmara Brasil-Argentina, Alberto Alzueta. "Resta acreditar que desta vez o compromisso será cumprido [pela Argentina], e tentar recompor um comércio que tinha atingido volumes expressivos e que havia integrado importantes cadeias de produção".
A Argentina era o principal mercado de produtos industriais do Brasil até 2013, mas perdeu o posto devido às barreiras de importação e ao menor consumo interno, resultado da estagnação da economia.
Com baixas reservas em dólares, o país limitou as compras no exterior para conter a demanda de moeda estrangeira no país. A medida também serviu para proteger a indústria local da concorrência de importados - a reindustrialização é uma das principais bandeiras políticas da presidente Cristina Kirchner.
Mas o dispositivo contribuiu para gerar uma perda de confiança dos empresários em relação à Argentina, o que abalou o fluxo de investimentos brasileiros para o país vizinho.
No ano passado, enquanto o investimento produtivo brasileiro no exterior aumentou 32%, os recursos destinados à Argentina recuaram em quase dois terços.
"A Argentina também perdeu muito com esta postura. O não cumprimento de acordos afeta a relação de credibilidade e a confiança é a base para investir", disse Alzueta.
Segundo Fernanda Gonçalves, gerente de relações internacionais da Abinee (entidade que reúne fabricantes de eletrônicos), os exportadores brasileiros terão que reconquistar clientes que perderam para China durante a vigência das DJAIs.
"A exigência servia para todos os países, mas sabemos que a China conseguia dar um jeitinho e exportar. Em alguns produtos, os volumes chineses vendidos na Argentina aumentaram em vez de diminuir", disse ela. "Agora vamos ver se os argentinos não criam novas barreiras para substituir as DJAIs". (Folha de SP - 14/07/2015)

Desafios de uma OMC Sustentável
REDAÇÃO
Ligia Maura Costa, Advogada e Professora Titular do Departamento de Fundamentos Sociais e Jurídicos da FGV-EAESP.
Os elogios à Organização Mundial do Comércio (OMC), que acabou de completar vinte anos, podem ser precipitados se seus países membros não atrelarem o desenvolvimento sustentável aos objetivos de livre comércio. A OMC foi um marco para o comércio internacional. Vários "tabus" foram incorporados, como os produtos agrícolas, o setor de serviços e os aspectos relacionados à propriedade intelectual. Mas, comércio internacional e desenvolvimento sustentável formam um amálgama inexorável. Prosperidade para um, requer progresso para o outro. Livre comércio não atrelado ao desenvolvimento sustentável pode levar a uma grande deterioração, em escala global. Todos concordam que muitos dos desafios que enfrentará a OMC nos próximos anos estão ligados ao desenvolvimento sustentável. Por exemplo: comércio e mudanças climáticas, comércio e pleno emprego, uso sustentável de recursos naturais etc. Mas, o maior desafio da OMC hoje é convencer um público, cada vez mais cético, de que a liberalização do comércio mundial pode contribuir para atingir o ideal do desenvolvimento sustentável. Será que os países membros da OMC serão realmente capazes de responder a esse desafio?
O conceito de desenvolvimento sustentável é bastante amplo e muito flexível, o que gera controvérsias. Contudo, todos concordam que o desenvolvimento sustentável busca responder às necessidades atuais da humanidade, sem comprometer as necessidades das gerações futuras, através do estabelecimento de condições sustentáveis de estabilidade ecológica, social e econômica. Esses princípios estão presentes no preâmbulo do Acordo da OMC, que reconhece que as políticas de comércio de seus países membros devem apoiar a elevação dos padrões de vida, garantir o pleno emprego e o crescimento econômico e buscar a utilização ótima dos recursos mundiais.
Há grandes divergências a respeito da natureza e do impacto do conceito de sustentabilidade nas regras de livre comércio. Alguns argumentam que a liberalização comercial desempenha papel importante para os países e para suas políticas de governança sustentável. Outros se opõem frontalmente e sustentam que as regras da OMC só contribuíram para um declínio generalizado dos indicadores de sustentabilidade em nível global. A verdade pode estar com todos ou com ninguém. São os paradoxos e contradições do desenvolvimento sustentável na OMC.
Como evitar que medidas supostamente voltadas ao desenvolvimento sustentável não se transformem em protecionismo? Como incentivar medidas legítimas de sustentabilidade para fins de livre comércio? Nesse jogo, alguns temem que a OMC exija maiores avanços dos princípios de desenvolvimento sustentável, ainda que muitos países membros possam não ser capazes de implementá-los plenamente. Outros argumentam que o preâmbulo sustentável da OMC nada mais faz do que comprometer a realização de objetivos de desenvolvimento sustentável muito mais elevados, que estão previstos em outros instrumentos jurídicos internacionais. A capacidade da OMC de conciliar o livre comércio com o desenvolvimento sustentável é uma preocupação central para a legitimidade da instituição e ela é, portanto, vital para que possa haver progresso.
O livre comércio não é um fim em si mesmo para a OMC. O pressuposto fundamental é que a liberalização comercial conduz à prosperidade e que, em troca, cria melhores condições para o desenvolvimento sustentável. Apesar da noção de desenvolvimento sustentável fazer parte do mandato da OMC, os últimos vinte anos não foram animadores. O Comitê de Comércio e Desenvolvimento não obteve nenhum resultado notável. Ele manteve um registro de inutilidades que remonta à época do antigo Acordo Geral sobre Tarifas e Comércio (GATT). A OMC não tem competência institucional para responder aos anseios de proteção necessários à noção de desenvolvimento sustentável. Isso porque seus Acordos tratam apenas de modo oblíquo dessa noção. Não há pena sem lei, nem obrigação sem regra de conduta específica.
Uma análise das questões relacionadas ao desenvolvimento sustentável no sistema solução de controvérsias da OMC demonstra, por exemplo, que a maior parte das disputas que clamaram a proteção da OMC em prol do desenvolvimento sustentável eram, na verdade, formas disfarçadas de obstaculizar o livre comércio: protecionismo mascarado em sustentabilidade.
É fundamental que os países membros da OMC reconheçam as limitações da organização para a promoção do desenvolvimento sustentável. Para abrandar o efeito negativo de medidas comerciais disfarçadas em sustentabilidade, seria importante uma agenda positiva comum com regras específicas que permitam à OMC atingir um equilíbrio crucial: apoiar os países membros a avançar com os objetivos legítimos do desenvolvimento sustentável e, concomitantemente, evitar que medidas "ditas" sustentáveis não sejam uma forma disfarçada de protecionismo. A Conferência Ministerial que acontece em Nairóbi, em dezembro, é uma oportunidade de ouro para os países membros da OMC enfrentarem esse desafio e criarem condições efetivas para que o livre comércio prospere de modo sustentável. (O Estado de SP - 14/07/2015)

En la Conferencia de las Naciones Unidas sobre la Financiación para el Desarrollo, Roberto Azevêdo insta a "subsanar las deficiencias" de la financiación para el comercio
En el discurso que pronunció hoy (13 de julio) en la sesión inaugural de la Tercera Conferencia Internacional sobre la Financiación para el Desarrollo, en Addis Abeba, el Director General de la OMC, Roberto Azevêdo destacó las importantes deficiencias que existen en el suministro de financiación para el comercio, en particular en África y en Asia, y la fuerte incidencia que esto puede tener en el crecimiento y el desarrollo. Instó a los asociados para el desarrollo a seguir colaborando para subsanar esas deficiencias. Texto na íntegra em www.wto.org (OMC - 13/07/2015)

Outros


Veja mais

Dilma envia ao congresso projeto para fomentar exportações
A presidente Dilma Rousseff encaminhou ao Congresso Nacional texto de projeto de lei que "dispõe sobre a prestação de auxílio financeiro pela União aos Estados, ao Distrito Federal e aos municípios, relativo ao exercício de 2014, com o objetivo de fomentar as exportações do País". O auxílio financeiro consiste em compensação às unidades federativas pelas perdas da Lei Kandir, que desonerou o ICMS das exportações. (Estadão Conteúdo)(Diário do Comércio e Indústria - 17/07/2015)

Mal na foto
A conjunção astral não está boa para o Brasil. Petrolão é difícil de dizer em qualquer outra língua e computadores não costumam ter o sinal do til nos teclados, mas a palavra já soa familiar aos ouvidos e olhos gringos pelas repetidas vezes em que foi manchete de página nos jornais ao redor do mundo. Os EUA acabaram de lançar sanções contra a Venezuela sem se preocuparem em avisar ao aliado gigante no continente, cuidado merecido na época do reatamento das relações com Cuba. As dívidas do Brasil com a ONU chegam a inacreditáveis US$ 263,248 milhões - tá bom, os EUA também devem -, só que este ano começou a campanha para eleger o novo secretário-geral e, justamente agora, seria a vez de um representante da América Latina presidir a mais importante organização internacional do mundo.
Seria lindo uma brasileira tomando posse na imponente Assembleia-Geral da ONU, especialmente porque, todo mundo concorda, esta é a vez de uma mulher ocupar esse espaço nobre. Delírio, claro: com o prestígio do Brasil no mundo em frangalhos, sem pagar as contas e, por isso, impossibilitado de votar em algumas instituições internacionais, o país nem sonha em construir uma candidatura ou iniciar uma campanha.
"Uma mudança estrondosa para quem em 2010 assombrava o mundo", comenta o "El País", sobre a crise econômica, política e ética, análise repetida por muitos jornais ao compararem o Brasil de hoje com aquele em que se apostava como candidato à nova potência.
Nos anos Lula, a expansão internacional do Brasil levou o país a assumir compromissos para aumentar a presença nos organismos multilaterais. E, como sabemos, nada é de graça: as contribuições para a ONU aumentaram de US$ 36 milhões em 2010 para US$ 77 milhões em 2014, um reflexo do crescente peso da potência emergente no cenário internacional.
Onde está o erro? Não pagamos nem um tostão desde o início de 2014, acumulando uma dívida de US$ 263 milhões se forem considerados os financiamentos das missões de paz, os tribunais internacionais e o Secretariado da ONU. Apoiamos, claro, a missão de paz em Darfur para evitar o genocídio no Sudão, mas demos calote dos US$ 18 milhões que nos comprometemos a pingar. Também deixamos cair o Haiti, onde as tropas brasileiras entraram com a intenção explícita de credenciar o país como candidato a membro permanente do Conselho de Segurança. Estamos devendo US$ 5 milhões. Com a missão de paz no Líbano, na qual temos o comando naval, estamos no vermelho em US$ 5 milhões. Dívidas não fazem ninguém ser expulso ou ter a palavra cortada na Assembeia-Geral da ONU, mas trazem constrangimento moral e reduzem o peso das propostas encaminhadas pelo país. Na Unesco, perde-se o direito a voto, assim como no Tribunal Penal Internacional, o que não fica nada bem para um país comprometido com a cultura e a punição a crimes contra a Humanidade.
"O descompasso entre o discurso e a ação faz o país perder prestígio duramente conquistado", diz um funcionário da ONU, em Nova York.
Pagar é uma decisão política, claro, mas vem sendo tratada como uma questão de fluxo de caixa pelo Ministério do Planejamento, o encarregado de liberar o dinheiro. "O Orçamento 2015 não foi aprovado, o Ministério das Relações Exteriores está com restrições orçamentárias, mas o Brasil vai pagar", diz o Itamaraty.
Já fomos mais ambiciosos ou, dependendo do ponto de vista, megalômanos. "Os EUA, agora, estão nos ignorando", diz um embaixador. Nada surpreendente, portanto, o Brasil não ter sido avisado das sanções impostas à Venezuela: as relações brasileiras com o governo Obama não estão num bom momento, a interlocução e a confiança entre os dois países estão capengas. Sob uma saraivada de críticas, o Itamaraty lançou ontem nota em que o ministro Mauro Vieira faz um relato da atuação do grupo da Unasul para intermediar as relações entre governo e oposição na Venezuela. Ficou acertado que as prévias eleitorais nos partidos serão em maio e, em três semanas, as eleições serão marcadas, provavelmente para novembro.
"Não fomos julgar nada, fomos apoiar a retomada do diálogo", disse o ministro brasileiro numa entrevista à agência Efe, sobre a viagem do grupo a Caracas.
A Venezuela, como o Brasil, não é para principiantes. As provocações aos EUA foram uma constante no governo Chávez, mas bem mais engraçadas do que o mantra de "golpe em marcha" de Maduro. Da tribuna da ONU, Chávez disse que sentia cheiro de enxofre deixado pelo diabólico Bush. Distribuiu petróleo de graça para as casas no Harlem, para irritação do presidente americano. Maduro pediu à Unasul para intermediar as relações com os EUA, mas, antes de o diálogo começar, expulsou diplomatas americanos e acusou Obama de fomentar o golpe. Inviabilizou qualquer conversa e agora recebeu o troco. Mas é tão ridículo acreditar que os EUA vão dar um golpe na Venezuela quanto a ideia de Obama de que o governo Maduro ameaça a segurança dos EUA. (O Globo - 17/07/2015)

Entenda o acordo entre Grécia e Europa
MERCADO
1 Do que a Grécia precisa
Sem dinheiro para pagar suas dívidas, o país pediu à União Europeia um terceiro pacote de ajuda, que poderia chegar a até EUR 86 bilhões
2 O que ela precisa dar em troca?
Reforma tributária, com aumento de imposto sobre consumo e fim de isenções
Reforma previdenciária, com elevação da idade mínima de aposentadoria
Garantia da independência da agência de estatísticas oficial do país
Cortar gastos automaticamente caso a meta de superávit não seja obtida
Os pontos foram aprovados pelo Parlamento grego na última quarta-feira
3 A ajuda resolve o problema da Grécia?
Há muitas dúvidas sobre a sua eficácia.
Anteontem, o FMI divulgou estudo em que afirma que a situação do país vai piorar se alguma forma de perdão da dívida não for adotada pelos outros países
O ministro das Finanças alemão sugeriu que os gregos deixem a zona do euro.
4 Como a crise grega chegou a esse estágio?
Como outros europeus, a Grécia foi afetada pela crise de 2008. Sua situação, no entanto, piorou em 2009 quando se descobriu que maquiava as contas para esconder sua dívida. Sem crédito e sem dinheiro, o país foi obrigado a recorrer à UE e ao FMI, que impuseram medidas de austeridade fiscal (Folha de SP - 17/07/2015)

Ministro alemão fala em gregos fora do euro
DO "FINANCIAL TIMES"
Poucos dias de pois do acordo que, aparentemente, garantiu à Grécia a permanência na zona do euro, o ministro das Finanças alemão, Wolfgang Schäuble, voltou a sugerir que seria melhor para os gregos deixarem temporariamente a moeda única.
Em discurso nesta quinta (16), ele afirmou que a saída voluntária da Grécia "seria melhor solução" para o país que o socorro de € 86 bilhões negociado durante todo o final de semana passado.
Apesar das declarações, o ministro alemão disse que submeterá o pacote ao Parlamento nesta sexta (17).
A atitude de Schäuble foi semelhante à do primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras, que na quarta levou o pacote ao Parlamento de seu país e, ao mesmo tempo, afirmou que não acreditava nele.
A Alemanha já havia acenado à Grécia no sábado com a possibilidade de uma saída temporária da zona do euro, antes que os líderes europeus chegassem a um acordo sobre o socorro.
Não há certeza sobre o quanto a primeira-ministra da Alemanha, Angela Merkel, apoia a posição atual de seu ministro das Finanças, para quem uma ruptura da zona do euro seria a melhor saída tanto para os gregos quanto para a moeda única.
Merkel tem dado publicamente mais importância que Schäuble aos custos geopolíticos de uma saída da Grécia, mas também declarou, no final de semana passada, que não permitiria um "acordo a qualquer preço".
Schäuble afirmou em entrevista a emissoras de rádio que vem crescendo a pressão -inclusive por parte do FMI- para que os credores concedam o perdão de parte da dívida grega a fim de que o pacote de socorro funcione.
Um corte na dívida, porém, "é incompatível com a união monetária", disse o ministro. A Alemanha já deu acenos de que, se a Grécia estiver fora do euro, poderá aprovar o perdão de parte da dívida.
Politicamente, a posição do chefe das Finanças alemão é um problema para Merkel, pois acirra as críticas de que a Alemanha tem atuado como um carrasco dos outros países europeus. (Folha de SP - 17/07/2015)

Manufaturado deve ter melhora na balança comercial este ano
Agência Estado - São Paulo, 17 - O déficit na balança dos produtos manufaturados poderá ter uma redução neste ano. Se as projeções foram confirmadas, será o primeiro recuo desde 2009. Em 2014, o saldo ficou negativo em US$ 109,4 bilhões, o maior da história. Na projeção do presidente da Associação de Comércio Exterior do Brasil (AEB), José Augusto de Castro, a tendência é que o déficit da balança de manufaturados volte a ficar abaixo de US$ 100 bilhões este ano.
Na revisão da balança comercial divulgada na quinta-feira, 17, a AEB estima que a exportação de manufaturados vai somar US$ 72,9 bilhões em 2015, uma queda de 9,1% na comparação com 2014. "Se a melhora ocorrer, será pontual. Não é uma mudança consistente", diz Castro.
Para o resultado geral da balança comercial, o cenário revisado pela AEB projeta um superávit de US$ 8,064 bilhões, muito próximo da estimativa feita em dezembro (US$ 8,140 bilhões). Embora os valores sejam parecidos, a entidade passou a trabalhar com uma forte redução na corrente de comércio (soma das importações e exportações) deste ano.
A corrente de comércio deverá somar US$ 374,598 bilhões, uma queda de 17,5% na comparação com 2014. O recuo deverá ser mais intenso nas importações (-20%) do que nas exportações (-15%).
"A projeção para o superávit permaneceu praticamente a mesma, mas as condições se deterioram muito. A atividade econômica é gerada pela corrente de comércio. Então, essa queda é preocupante", afirma Castro.
A redução no déficit dos manufaturados virá pela queda acentuada das importações e não pela melhora das exportações. Os dados da Fundação Centro de Estudos do Comércio Exterior (Funcex) mostram que, no primeiro semestre, a importação em valor dos manufaturados recuou 16%, para US$ 78,6 bilhões, na comparação com o mesmo período do ano passado, enquanto a exportação diminuiu 7,9% entre janeiro e junho.
A queda mais acentuada nas importações dos manufaturados pode ser explicada por três motivos. Primeiro, a desvalorização do real desestimula as compras internacionais. Segundo, o preço mais baixo do petróleo deve favorecer o resultado comercial - nas compras brasileiras do ano passado, por exemplo, 5% do total foi de óleo combustível. E, terceiro, a queda na atividade interna. As projeções para o PIB estão sendo reduzidas semanalmente, o que explica a baixa demanda por produtos vindos de fora.
"A confiança do empresário da indústria está baixa. Ele não está importando bens para serem utilizados na produção porque sabe que não vai conseguir vender o produto final", diz Daiane Santos, economista da Funcex. (O Estado de SP - 17/07/2015)

Proex Equalização volta, mas com novas regras
BRASIL
Daniel Rittner
De Brasília
O Proex Equalização, um dos principais programas de financiamento às vendas externas, voltará a aprovar novas operações - o que não ocorre desde novembro do ano passado - nos próximos dias. A decisão foi tomada pelo Comitê de Financiamento de Garantia das Exportações (Cofig), formado por representantes de cinco ministérios, em reunião realizada em alarde na quarta-feira.
No entanto, em um movimento que causa apreensão nas empresas normalmente beneficiadas, o governo resolveu apertar as normas para a liberação de recursos.
Hoje, de forma quase automática, o Tesouro cobre 2,5 pontos percentuais dadiferença entre a taxa de juros obtida nos financiamento concedidos pelos bancos no Brasil e as taxas mais favoráveis obtidas por concorrentes de outros países em instituições estrangeiras.
É a cobertura dessa diferença que constitui o Proex Equalização Por exemplo: em um financiamento com juros de 6,5% ao ano, o programa banca a diferença, caso os exportadores comprovem que concorrentes no exterior conseguem taxa de 4% ao ano.
Na prática, essa cobertura serve para garantir a competitividade de bens e serviços brasileiros no mercado internacional. Para fabricantes de equipamentos e de aeronaves, assim como empreiteiras que conquistam contratos de obras de infraestrutura em regiões como América Latina e África, trata-se de mecanismo determinante para atrair clientes.
O Tesouro queria reduzir a diferença para algo entre 1,5 e 2,0 pontos percentuais. Depois de embates com o Ministério do Desenvolvimento, prevaleceu um meio termo. Uma nova tabela de equalização será aplicada pelo Banco do Brasil, responsável por repassar os recursos do Proex para as instituições financiadoras, nas novas operações. Em geral, o limite ficará abaixo de 2 pontos percentuais, mas a tabela não foi divulgada.
Alinhado com os exportadores, o ministro Armando Monteiro conseguiu evitar o pior cenário: operações específicas poderão continuar se beneficiando de 2,5 pontos de equalização. Para isso, contudo, terão que ser apreciadas individualmente pelo Cofig. Até agora, segundo fontes do setor privado, a aprovação dessa cobertura era praticamente automática.
O temor dos exportadores é que isso abra margem para o Tesouro fazer umcontrole mais firme na boca do caixa, ou seja, escolher de forma mais seletiva quem pode, e quando, se beneficiar das maiores coberturas.
Em outra queda de braço com a equipe econômica, o Desenvolvimento já havia obtido uma vitória relativa: evitar o corte dos recursos orçamentários previstos para o Proex Equalização. O programa terá R$ 1,5 bilhão em 2015, cerca de 30% a mais do que em 2014.
Um estudo da LCA Consultores indica que o Proex Equalização é capaz de alavancar vendas externas equivalente a15 vezes o valor gastocom os recursos usados pelo programa. Por isso, teria bom custo-benefício - (Valor Econômico - 17/07/2015)

Saber antes, decidir depois
EU & FIM DE SEMANA
A MESA COM O VALOR - CELSO LAFER
Sem conhecimento científico não há base para boas políticas públicas nem diplomacia eficiente, afirma o ex-chanceler. Por Sérgio Leo, para o Valor, de São Paulo
Ex-ministro de Desenvolvimento, Indústria e Comércio e duas vezes ministro de Relações Exteriores, Celso Lafer é um homem de ciência:membro da Academia Brasileira de Letras, também está nos quadros da Academia Brasileira de Ciências. E é como dirigente de uma das principais instituições de apoio à pesquisa científica do Brasil que chega pontualmente para este "À Mesa com o Valor". Estamos no restaurante Compagnia Marinara, a poucas quadras da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), que Lafer preside há quase sete anos.
Somos levados a um grande salão, em um piso inferior, usado para festas e comemorações. Em um canto banhado por luz natural, o maítre, que conhece o ex-ministro, havia preparado uma mesa solitária para o almoço.
O primeiro tema da conversa é o modo como se deu a transiçãodo diplomata, ex-representante do Brasil na Organização Mundial de Comércio, para a atividade, hoje, em uma instituição científica.
Lafer relembra, com o entusiasmo deumhistoriador, as origens da entidade, concebida durante a democratização que se seguiu ao Estado Novo de Vargas, criada sob inspiração do Plano de Metas de Juscelino Kubitschek e moldada por intelectuais como Caio Prado Júnior. Ali ele chegou pelas mãos de umcientista com passagens marcantes pela poesia: o também compositor Paulo Vanzolini. O autor de "Ronda" e "Volta Por Cima", além de referência na zoologia nacional, foi um dos responsáveis, no governo Carvalho Pinto, pelo projeto de lei que transformou a Fapesp em grande financiadora de pesquisas, com base nos modelos das fundações americanas Ford e Guggenheim. E foi quem começou a encomendar pareceres ao então professor de teoria e filosofia do direito, principalmente para trabalhos relativos a Norberto Bobbio (o ex-ministro é um estudioso da obra do filósofo e cientista político italiano). No governo Geraldo Alckmin, em 2007, Lafer passou a presidir o conselho que dirige a fundação.
O garçom traz o menu. A sugestão do dia é feijoada defrutos do mar acompanhada defeijão branco. "Isso é muito bonito, mas um pouco... demais", descarta o ex-ministro. Peço informações sobre a costela de tambaqui, e Lafer, ao saber que a repórter fotográfica Sílvia Costanti decidiu pedir o mesmo que ele, pergunta o que ela prefere. Decide-se, afinal, por uma salada caprese e o haddock. E dispensa a oferta de vinho.
"É interessante, minha primeira experiência diplomática multilateral foi na área científica" , diz, após uma pequena digressão sobre os "tempos de pesquisa" da Fapesp, ao contar como, em 1989, liderou a missão do Brasil para a chamada Revisão do Fim da Década, quando presidiu a discussão,em Viena, sobre ciência etecnologia. Nesse papel, viajou pelo mundo e impressionou-se com o status dos cientistas na vida política dos EUA, onde o Congresso é assessorado por um Escritório de Avaliação das Tecnologias, encanegado de estudar o impacto das mudanças no conhecimento humano para a vida dos americanos.
Também em sua experiência com discussões sobre o desarmamento, em Genebra, constatou como a negociação sobre controle de armas exige minúcias do conhecimento científico desconhecidas para quem imagina a diplomacia como uma sucessão de jantares e encontros protocolares.
A chegada dos pratos interrompe o relato do ex-diplomata, que, assim como o repórter, aceita a sugestão do garçom para se prevenir corri um protetor de papel, útil para o caso de molhos ameaçarem gravatas e camisas. Ajustado o acessório, Lafer retoma a conversa.
Já ministro, cresceu seu interesse sobre a função do conhecimento nas decisões diplomáticas ao participar da organização da conferência sobre ambiente e desenvolvimento que ficou conhecida como Rio 92, orientada pelo chamado relatório Bruntland, das Nações Unidas - um marco no debate sobre ambiente e desenvolvimento, alimentado por estudos como os do brasileiro José Goldemberg, sobre o problema da sustentabilidade ambiental e dos desafios para o abastecimento energético. "Se há uma área em que o conhecimento científico é indispensável para embasar a ação diplomática, é essa do ambiente."
Lafer fala dos programas da Fapesp, como o Biota, que faz o levantamento da fauna, flora e micro-organismos e estuda sua exploração sustentável e ajuda o governo a formular uma política para as áreas de floresta remanescentes no Estado. "É nosso melhor exemplo de combinação entre pesquisa básica e aplicada".
A pesquisa sobre bioenergia, iniciada com o etanol, hoje subsidia projetos de biomassa para geração energética. E o programa dedicado ao ambiente pesquisa temas como os efeitos das mudanças climáticas nas correntes marítimas e no regime de chuvas sobre o clima do Estado.
O coordenador do Biota, Carlos Alfredo Joly, foi uma das cabeças na criação recente, pelas Nações Unidas, da Plataforma Intergovemamental sobre Serviços de Ecossistemas e da Biodiversidade (Ipbes, na sigla em inglês), órgão independente que pretende orientar os países sobre o combate à degradação dos ecossistemas mundiais e à perda acelerada da fauna e flora do planeta, como fez o Painel Internacional sobre Mudanças Climáticas (IPCC, na sigla em inglês) contra o aquecimento global, com estudos, levantamentos e análises.
Para Lafer, foi a falta de apoio de um órgão como a Ipbes que fez fracassar o esforço da diplomacia comandada por ele no governo Fernando Henrique para que, na conferência Rio+10, em Johannesburgo, se discutisse uma proposta global sobre energia renovável.
Uma reunião de cientistas convocada pela Fapesp, já sob sua gestão, gerou contribuições locais para a conferência Rio + 20, há três anos. A ciência paulista, vangloria-se Lafer, já ajudou a recompor parte da Mata Atlântica degradada no Estado e encaminhou propostas para basear políticas públicas em áreas tão distintas como o combate à dengue e o debate sobre violência urbana.
O conhecimento científico é fundamental para a tomada de decisões em matéria de políticas públicas", afirma Lafer, lembrando a existência de conselheiros científicos em instâncias importantes do Estado em países como EUA, Inglaterra e Israel. No Brasil, "os governos se valem desse conhecimento muito menos do que deveríam".
Lafer tem grande expectativa sobre a atuação do Brasil na conferência das Nações Unidas sobre ambiente que se realizará em Paris, em dezembro. "Nenhum dos grandes temas de ambiente pode ser resolvido sem o concurso do Brasil." Ele defende maior ênfase no tema da eficiência energética. "Apostar todas as fichassem combustível fóssil não é coisa sustentável no longo prazo do ponto vista do interesse nacional", alerta o ex-ministro. "O [petróleo do) pré-sal é caríssimo.
Depende, para ter viabilidade econômica, de um preço alto de petróleo, que tende a baixar."
A conversa passa para questões dos direitos humanos.
Lafer menciona Hannah Arendt, sua ex-professora e referência constante. Fala sobre Israel, defende a solução de dois Estados e critica os assentamentos israelenses, mas condena as campanhas de boicote ao país, por acreditar que prejudicam as forças democráticas naquele país.
Se há uma área em que o conhecimento científico é indispensável para embasar a ação diplomática, é essa do ambiente rael, argumenta, vive sob ameaça dos vizinhos, num verdadeiro cerco.
Na sobremesa, enquanto saboreia uma panacota de café, Lafer faz da conversa uma densa aula de relações internacionais. Diz que o conflito Israel-Palestina perdeu intensidade no Oriente Médio em relação a outros, como a disputa entre xiitas e sunitas; comenta como a agenda internacional é guiada por interesses políticos e econômicos que conflitam com a inspiração "kantiana"de um mundo onde qualquer ameaça aos direitos humanos deveria gerar reações contrárias em toda comunidade internacional.
O professor mantém o tom suave na voz, mas acelera o ritmo, ao discorrer sobre como o atentado às torres gêmeas de Nova York, em 2001, marcouumnovo período, de maior fragmentação do poder global, com novos atores não estatais, em que "a multipolaridade não cria necessariamente o multilateralismo". Ficou mais difícil coordenar interesses e encontrar soluções que possam ser compartilhadas, explica.
Na América do Sul, mais distante dos centros de poder, os problemas políticos não são tão graves quanto em outras partes do mundo, mas, reconhece, a fragmentação toma a diplomacia mais desafiadora que na época do último governo de que participou, de Fernando Henrique Cardoso. Para Lafer, FHC tinha maior preocupação com questões de direitos humanos que os governos petistas. Comenta que um país como o Brasil tem de escolher, para atuar mais fortemente, as arenas internacionais em que seus ativos podem fazer diferença.
A segurança internacional não é uma dessas arenas; o ambiente seria. "A critica que fiz mais de uma vez ao governo Lula e a seu chanceler, Celso Amorim, é que eles se superestimaram e não fizeram uma avaliação correta", lembra Lafer. "A crítica quenos fazem é que nos subestimamos, e acho errado."
O comentário, feito já na segunda rodada de café, traz à mesa o dia em que Lafer, seguindo regras da segurança de um aeroporto nos EUA, após o atentado de 11 de setembro, aceitou tirar os sapatos, ao passar pelos controles de imigração. A fotografia desse momento é apontada até hoje pelo PT e grupos de esquerda como símbolo de uma suposta subserviência do governo FHC aos EUA.
"Era um país assustado, a poucos meses do atentado (o episódio se deuem janeiro de 2002), achei que não era o caso de uma carteirada", desdenha Lafer, lembrando que os chanceleres da Rússia, Igor Ivanov, e do Chile, Soledad Alvear, fizeram o mesmo. Após o incidente, o Brasil fez* uma queixa formal ao Departamento de Estado dos EUA.
Lafer lamenta que o incidente tenha ficado marcado em sua biografia. "É evidente que o usam para me desqualificar e tentar comprometer o que fiz no ministério seguindo as linhas do presidente Fernando Henrique Cardoso". Fernando Henrique atuou intensamente nos bastidores para facilitar a transição presidencial e aplainar os caminhos do sucessor, Luiz Inácio Lula da Silva, no relacionamento com o governo conservador de George W. Bush, mas a transmissão de cargo no Itamaraty foi marcada por um discurso duro de Amorim, contra a atuação de Lafer, o que o ex-ministro de FHC lembra com sinal de decepção.
Em matéria de episódios, Lafer prefere ser lembrado pela reunião da Organização Mundial do Comércio, em Doha, que reconheceu o direito à produção de medicamentos genéricos e lançou uma nova rodada de negociações comerciais, infelizmente bloqueada, anos depois. "O episódio dos sapatos é um capítulo da asfixia dos rótulos", define, citando o poeta paulista Paulo Bonfim.
Lafer acredita que, além de marcar a diferença de orientação, o tom belicoso namudançadapolítica externa, de FHC para Lula, teve a intenção de buscar identificar o governo FHC como uma "herança maldita", e compensar o fato de que,em economia, o governo petista começou seguindo os mesmos princípios defendidos pelo PSDB. Morreu ali uma possibilidade, acalentada por uma parte dos integrantes dos dois partidos que lideram até hoje a disputa pela presidência no Brasil: "A ideia de Fernando Henrique era deixar espaço para entendimentos entre PT e PSDB em questões comuns, e o PT rejeitou isso desde o primeiro momento. A transmissão de cargo no Itamaraty, de muito pouca cortesia, foi reveladora". (Valor Econômico - 17/07/2015)

Brasil e outros emergentes na berlinda
Num momento de transição na economia global, os mercados emergentes enfrentam uma situação difícil.
O crescimento perde força na maior parte dessas economias, num cenário marcado por preços de commodities mais baixos e a perspectiva de alta dos juros nos EUA ainda neste ano. Nas últimas semanas, o impasse em tomo das negociações de um novo acordo para a Grécia e o tombo do mercado acionário na China também mostraram alguns dos riscos existentes no quadro internacional, embora os dois eventos não tenham provocado grandes turbulências nos mercados mundiais.
Nesse ambiente complicado, o Brasil continua a chamar a atenção por indicadores negativos. Os números fiscais seguem ruins, o país amarga uma recessão, a inflação está na casa de 9% em 12 meses e o déficit externo continua elevado, embora haja um ajuste mais rápido da conta corrente, devido ao mergulho da economia.
No ranking mais recente de vulnerabilidade do Morgan Stanley, o Brasil aparece como o emergente em situarão mais difícil, seguido por África do Sul e Turquia.
O banco leva em conta parâmetros de exposição externa e à economia da China, fundamentos decrescimento doméstico e de inflação e o espaço para resposta de políticas por parte do governo.
Segundo o Morgan Stanley, o "duplo déficit"-fiscal e em conta corrente - explica a exposição externa do país, compensada em parte pelo indicador sólido da relação entre dívida e reservas internacionais O que deixa o país em situação mais vulnerável é a "extrema fraqueza doméstica", afirma o banco, destacando o impacto sobre o país do aperto triplo -fiscal, monetário e de crédito. Além disso, o Brasil tem uma forte ligação com a China, por exportar muito para o país asiático.
Os emergentes puxaram a economia global depois da crise que se agravou em setembro de 2008, com o colapso do Lehman Brothers. Impulsionado especialmente pela China, esse grupo de países cresceu 7,4% em 2010 e 6,2% em 2011. De lá para cá, eles perderam muito fôlego. A projeção mais recente do Fundo Monetário Internacional (FMI) aponta uma expansão de 4,2% para os emergentes em 2015, abaixo dos 4,6% de 2014, um número já modesto para os padrões dessas economias.
A China passa por um processo de desaceleração expressiva.
Nas contas do FMI, crescerá 6,8% em 2015, 6,3% em 2016 e 6% em 2017. O crescimento mais moderado é bem vindo, na visão do Fundo e de muitos outros analistas, por ser uma correção dos excessos acumulados nos últimos anos. Há um ajuste significativo no mercado imobiliário e o país busca um modelo mais baseado no consumo do que no investimento.
Éummix mais saudável, mascom efeito negativo sobre grandes exportadores de commodities, como vários países latino-americanos.
Além do Brasil, a Rússia também passa por uma recessão, sofrendo os efeitos do recuo dos preçosdo petróleo e das sanções econômicas impostas pelos EUA e pela União Européia, devido às tensões com a Ucrânia. Do grupo original do Brics, apenas a índia tem perspectivas mais róseas, devendo crescer 7,5% neste ano. expectativa para o investimento mais favorável, devido às reformas promovidas pelo primeiro-ministro Narendra Modi, e o petróleo barato beneficia o país.
Como se vê, o panorama para os emergentes não é dos mais animadores. Nos últimos anos, as projeções de crescimento para essas economias têm sido seguidamente revisadas para baixo. Para completar, tudo indica que, nos próximos meses, esses países terão de lidar com um outro complicador - a alta dos juros nos EUA. A presidente do Federal Reserve (Fed, o banco central americano), Janet Yellen, já indicou que o aumento das taxas deve ocorrer ainda neste ano, embora a decisão esteja condicionada à evolução dos indicadores, especialmente do mercado de trabalho.
Por mais telegrafado que seja, o começo do aperto monetário nos EUA poderá trazer volatilidade aos mercados, impactando os fluxos de capitais para os emergentes. No mínimo, vai encarecer o custodeempréstimos.
Uma fonte de risco, aliás, é o nível de endividamento em dólar de muitas companhias desses países. Uma valorização mais forte do dólar pode causar problemas para empresas de nações como China e Brasil, como aponta o Banco de Compensações Internacionais (BIS, na sigla em inglês, o banco central dos bancos centrais).
O imbróglio da Grécia e o estouro da bolha nas bolsas chinesas também servem como alerta para emergentes como o Brasil, ainda quevários analistas as tenham relativizado. Na semana passada, o economista-chefe do FMI, Olivier Blanchard, disse que os dois eventos devem ter impacto limitado, não alterando o cenário de expansão moderada para a economia global.
Mas essa avaliação não é unânime. Adam Slater, da consultoria Oxford Economics, diz que os dois episódios "representam riscos sérios de piora para o crescimento global". Embora não seja o seu cenário principal, ele estima que, no caso de uma eventual saída da Grécia da zona do euro, pode haver estresse financeiro em outros países da zona do euro, levando o PIB da união monetária até mesmo a encolher em 2016.
Ao escrever sobre a queda do mercado acionário da China, Slater nota que o tombo das bolsas ocorreu num momento em que as preocupaçõesem relação ao crescimento do país já são elevados, agravando um quadro em geral pessimista para os emergentes.
Nesse quadro, os indicadores brasileiros causam incômodo, especialmente os números fiscais. Passados mais de seis meses deste ano, os resultados das contas públicas seguem muito negativos, apesar da bem vinda mudança na orientação da política fiscal promovida pelo ministro da Fazenda, Joaquim Levy.
O déficit nominal (que inclui gastos com juros) atingiu 7,9% do PIB nos 12 meses até maio, uma piora significativaem relação aos já elevados 6,2% do PIB atingidos em dezembro. A combinação de inflação próxima a 9% e uma economia em queda livre, com déficit em conta corrente superior a 4% do PIB, também é perigosa.
O Brasil atravessa um momento delicado da economia global com indicadores bastante preocupantes.
Em caso de um aumento da turbulência internacional, pode enfrentar problemas complicados.
Sérgio Lamucci é correspondente em Washington.
A titular da coluna, Claudia Safatle, está em férias.
Indicadores brasileiros seguem preocupantes (Valor Econômico - 17/07/2015)

Exportações brasileiras devem ter queda de 15% este ano, prevê AEB
Alana Gandra
As exportações brasileiras deverão fechar o ano com queda de 15%, em relação ao ano passado, alcançando US$ 191,331 bilhões, enquanto as importações deverão cair 20%, somando US$ 183,267 bilhões. Os dados constam da revisão da balança comercial, divulgada hoje (16) no Rio de Janeiro, pela Associação de Comércio Exterior do Brasil (AEB). O superávit projetado de US$ 8,064 bilhões foi classificado pelo presidente da AEB, José Augusto de Castro, como um "superávit negativo", uma vez que utiliza dados negativos de exportação e importação e não será gerado pelo crescimento das vendas externas. Em 2014, a balança fechou com déficit de US$ 3,959 bilhões.
A previsão anterior da AEB para 2015 foi divulgada em dezembro de 2014 e indicava exportações de US$ 215,360 bilhões, importações de US$ 207,220 bilhões e superávit de US$ 8,140 bilhões.
"O que gera atividade econômica é a corrente de comércio, que é o somatório de exportação e importação. O superávit é apenas o efeito desses dois números", destacou Castro. Os dados da AEB sinalizam para uma piora sensível da balança nacional este ano. De acordo com a AEB, o Brasil chegou a ter, em 2011, 1,41% de participação no mercado internacional e deve cair este ano para 1%, "e até um pouquinho abaixo", disse Castro.
Outro ponto negativo é que as exportações brasileiras continuam lideradas por commodities (produtos agrícolas e minerais comercializados no mercado externo) e não por produtos de maior valor agregado. "Este ano, os dez principais produtos exportados são commodities. Apenas o décimo primeiro produto [aviões] é manufaturado. Com as commodities, nós somos dependentes de fatores externos, sobre os quais não temos nenhum controle", argumentou o presidente da AEB.
Segundo José Augusto de Castro, a melhoria da taxa de câmbio ajuda os manufaturados. "Só que essa melhoria vai ocorrer apenas com as exportações para os Estados Unidos", disse. A previsão é de que as exportações totais do Brasil para o mercado americano tenham queda no acumulado deste ano de 6,3%, e as exportações de manufaturados para os Estados Unidos tenham aumento de 5,94%. "O câmbio está ajudando a ter um crescimento das exportações de manufaturados porque, sobre as commodities, o câmbio não tem nenhuma influência".
Castro avaliou que o cenário interno de enfraquecimento da economia também não ajuda, porque as empresas não investem em tecnologia e inovação e, por isso, não têm como reduzir custos. "É um cenário ruim que não estimula a gente a ter uma perspectiva melhor em 2016". Com o atual cenário, a AEB acredita que o próximo ano tende a ser igual a 2015, com pequenas variações nos números. Edição: Denise Griesinger (Agência Brasil - 16/07/2015)

Quadros internacional e local complexos
OPINIÃO
Álvaro Bandeira
A visão de que o cenário internacional e local se prolonga como complexo para o segundo semestre de 2015 ainda predomina e inibe qualquer recuperação mais consistente dos mercados de risco.
No âmbito externo, tivemos certo alívio com o acordo fechado pela Grécia e seus credores, mas a quebra de confiança junto à União Européia ainda prevalece.
Mais que isso, o duro acordo fechado que foi questionado no recente referendo grego traz discórdias dentro do próprio partido de Tsipras, o Syriza. Além disso exigirá forte reforma da economia e alguma recessão nos próximos trimestres. Há também a supervisão exercida pela União Européia, principalmente no fundo de privatização que será criado no montante de EUR 50 bilhões, dos quais cerca de EUR 32 bilhões seriam utilizados para pagamento de dívidas. Em troca, foi ofertado ao país recursos no montante de cerca de EUR 80 bilhões, desde que mudanças em impostos, previdência e déficit zero (até outubro) sejam realizadas.
Igualmente assusta boa parte dos investidores a bolha de ativos formadas na China, a partir da leniência do governo com as altas recentes do mercado acionário que exigiram medidas operacionais restritivas visando limitar a venda de títulos. Existe o temor que isso acabe afetando ainda mais o crescimento e, por via de consequência, os preços das commodities, situação que prejudicaria ainda mais os emergentes, especialmente o Brasil que tem a China como maior parceiro de nossas exportações. Por enquanto, as projeções de crescimento da China em 2015 ainda estão ao redor de 7,0%, ou pouco inferior a isso.
No segmento local, como temos afirmado a cena política segue dominando o cenário econômico, e ambos só têm se agravado nas últimas semanas. A presidente Dilma, em entrevista concedida, acabou chamando para dentro do Palácio do Planalto os questionamentos sobre seu impeachment, tendo como agravantes a extensão das averiguações da operação Lava Jato, financiamento de campanha e pedidos de explicações pelo TCU das contas do governo em 2014. Observamos ainda que a base de apoio da presidente segue esfacelada, com as votações perdidas no Congresso e necessidade de veto pela presidente, o que fragiliza ainda mais a atuação do governo.
Tudo isso permite o entendimento que as aprovações de medidas sugeridas pelo Executivo terão difícil trâmite no Congresso, certamente prejudicando as projeções de investimento privado (local e internacional), com destaque para infraestrutura e afetando ainda a credibilidade. De outra feita, nessa semana que corre, ainda teremos a visita ao Brasil da agência de classificação de risco Moody'spara coleta de dados, o que pode significar redução da nota brasileira de crédito, ainda sem perda do grau de investimento (ficaria no último degrau) por essa agência.
Como se vê, apesar de certa trégua no curto prazo, o horizonte ainda se apresenta como turbulento no ambiente local e internacional. Só para fechar essa questão, ainda temos a expectativa de que o FED (BC americano) possa elevar juros até o fim deste ano, o que agregaria maior turbulência as economias e aos mercados.
Ainda temos a expectativa de que o FED (BC americano) possa elevar juros até o fim deste ano, o que agregaria maior turbulência aos mercados - Álvaro Bandeira é economista (Brasil Econômico - 16/07/2015)

Ameaça do FMI de se retirar do resgate desafia a Alemanha
ECONOMIA
Análise: Paul Taylor
A ameaça do Fundo Monetário Internacional (FMI) de sair fora do resgate da Grécia a menos que os parceiros europeus concedam para Atenas um alívio em sua enorme dívida colocaumforte desafio para aAlemanha, o maior credor, que insiste no envolvimento do FMI em qualquer pacote de ajuda.
O FMI tomou-se impopular com ambos os lados da saga da dívida grega por seu papel como contador de verdades inconvenientes, sem muita diplomacia.
Sua última intervenção, dizendo, em essência, que a Grécia nunca será capaz de pagar sua gigantesca dívida, deve acirrar o debate na reunião de amanhã do parlamento alemão, que decidirá se autoriza as negociações para a concessão do terceiro resgate para a Grécia desde 2010, que pode ter um custo extra de EUR 85 bilhões.
Ele acirrauma divergência nãoadmitida entre achanceler Angela Merkel, que quer manter unida a zona do euro e o ministro das Finanças da Alemanha, Wolfgang Schaeuble, que acha que a Grécia precisa deixar a área da moeda comum, pelo menos temporariamente.
Merkel pode contar com uma grande maioria em favor da abertura de negociações de empréstimo com Atenas por causa do seu quase monopólio no Parlamento, embora possa enfrentar uma revolta embaraçosa entre os próprios conservadores.
Mas a análise da sustentabilidade da dívida pelo FMI pode forçá-la, dentro de meses, a escolher entre duas opções muito desagradáveis: conceder um alívio para a dívida ou ver o FMI ir embora.
A conclusão do relatório de que a Grécia precisa de alívio da dívida "em uma escalaqueprecisa iralémdo que tem sido considerado até agora" torna mais difícil argumentar que a Alemanha receberá de volta boa parte dos EUR 57 bilhões que têm na Grécia.
O estudo mostra a dívida grega subindo para 200% do PIB em dois anos e ficando em níveis "insustentáveis" por décadas.
Para evitar baixas contábeis, teria de ser dado para a Grécia um período de carência de 30 anos antes de pagar os empréstimos ou grandes transferências de recursos.
A Comissão Europeia publicou a sua previsão, menos dramatica, e disse que a relação da dívida grega e do PIB seria de 165% em 2020 e 150% em 2022, se Atenas fizesse reformas. E disse que a Grécia precisa de "uma reestruturação muito substancial, como uma longa extensão de prazos de vencimento dos empréstimos". Reuters (O Estado de SP - 16/07/2015)

Fatores internos ditam perda de confiança no País, diz FMI
ECONOMIA
Altamiro Silva Júnior
A piora da confiança de empresários e investidores no Brasil, um dos fatores que devem fazer a economia se contrairmais do queo previsto este ano, está relacionada principalmente a questões internas, disse o diretor do Departamento do Hemisfério Ocidental do Fundo Monetário Internacional (FMI), Alejandro Wemer, em análise divulgada ontem.
Ao citar a América Latina como um todo, Wemer afirmou que a esperada recuperação da atividade econômica em 2016 "não se materializará se a confiança das empresas e dos consumidores continuar baixa como se encontra hoje".
Ainda sobre o Brasil,o relatório menciona queo PIB contraiu-se nos três primeiros meses do ano e que "dados preliminares do segundo trimestre indicam uma nova deterioração, incluindo o mercado de trabalho".
Wemer diz também que a inflação no Brasil vem se mantendo "incomodamente alta".
A avaliação é de que a piora do desempenho do PIB brasileiro é reflexo de "uma contração significativa do investimento privado e um declínio moderado do consumo privado, por causa da perda de confiança atribuível principalmente a fatores internos", ressalta Wemer.
Na América Latina, só a Venezuela deve ter desempenho pior que o Brasil, com contração prevista de 7% em 2015. Para o Brasil, o FMI espera queda de 1,5% este ano, depois de rebaixar novamente a perspectiva de crescimento do PIB em relatório divulgado na semana passada. Para 2016, Wemer destaca que a aposta é de uma recuperação "modesta", com a economia crescendo apenas 0,7%.
Fraqueza. Entre outros países da região, a Argentina deve crescer 0,1% este ano, o Peru tem expansão prevista de 3,2% e o México, de 2,4%.
Influenciado pelo fraco desempenho da América do Sul, a América Latina deve ter em 2015 o quinto ano consecutivo de desaceleração da atividade econômica.
A região como um todo deve se expandir 0,5% este ano.
"A forte atividade econômica no Norte deve ser parcialmente neutralizada pelo crescimento fraco na América do Sul", diz Wemer. O recuo "persistente" dos preços das commodities fragilizou a conjuntura externa para a maioria dos países da América do Sul. "Ao mesmo tempo, fatores internos vieram se somar às dificuldades externas, contribuindo para o declínio da confiança das empresas e dos consumidores e, assim, para a redução da demanda privada."
Prazo
Para Alejandro Wemer, preços mais baixos das commodities e a forte alavancagem financeira das empresas sinalizam que o investimento privado no País deve continuar fraco por um longo tempo. (O Estado de SP - 16/07/2015)

FMI rebaixa previsão de expansão da América Latina
INTERNACIONAL
Sérgio Lamucci
De Washington
O Fundo Monetário Internacional (FMI) cortou mais uma vez a estimativa de crescimento para a América Latina neste ano, de 0,9% para 0,5%. Será o quinto ano seguido de desaceleração. Para 2016, a projeção caiu de 2% para 1,7%.
Na América do Sul, "o recuo persistente dos preços das commodities fragilizou ainda mais a conjuntura externa para a maioria dos países", segundo o diretor do FMI para o Hemisfério Ocidental, Alejandro Werner.
Já o desempenho mais fraco do que o previsto nos EUA no primeiro trimestre diminuiu as previsões do México, da América Central e do Caribe.
"Fatores internos vieram se somaràs dificuldades externas, contribuindo para o declínio da confiança das empresas e dos consumidores e. assim. Para a redução da demanda privada", disse Werner. Ele ressaltou ainda que a queda "das commodities e a forte alavancagem financeira das empresas implicam que o investimento privado provavelmente continuará fraco por um longo tempo".
O quadro é especialmente negativo para a Venezuela.
Segundo Werner, "o impacto do declínio dos preços das commodities foi amplificado por anos de políticas macroeconômicas insustentáveis e pesada intervenção microeconômica". As projeções indicam contração do PIB de7% e inflação acima de 100% neste ano. Para o Brasil, o FMI prevê retração de 1,5%.
Peru e Chile devem crescer em 2015 num ritmo menor do que o FMI esperava em abril. Parao Peru, a expectativa é que o PIB se acelere de 2,4% de 2014 para 3,2% neste ano. Para o Chile, a previsão é de que o PIB passe de 1,9% em 2014 para 2.5% em 2015. (Valor Econômico - 16/07/2015)

Ajuste externo, uma boa notícia, mas nem tanto
OPINIÃO
Arecessão está ajudando o ajuste das contas externas do país. As importações caem mais que as exportações, há menos lucros sendo remetidos e a conta de serviços contratados do exterior diminuiu. Na soma, o déficit em conta corrente recuou 20% no acumulado dos primeiros cinco mesesdo anoem relação a igual período do ano passado. Para o ano, após encerrar 2014em 4,4% do Produto Interno Bruto (PIB), projeções do mercado apontam para um resultado em torno de 3,5% do PIB, já considerando a nova metodologia do balanço de pagamentos.
Nos primeiros seis meses do ano passado, a balança comercial registrou um déficit de US$ 2,5 bilhões, valor que foi positivo em US$ 2,2 bilhões em igual período de 2015, uma "virada" de quase US$ 5 bilhões para as contas externas. Em decorrência da economia fraca, as subsidiárias de multinacionais reduziram a remessa de lucros (de janeiro a maio, último dado disponível) de US$ 12,3 bilhões para US$ 6,9 bilhões entre 2014 e 2015, enquanto a conta de serviços melhorou em US$ 1,8 bilhão, com ajuda de menos viagens internacionais e menos gastos com transporte e de pagamento de royalties.
Embora seja puxado pela recessão, e por isso embuta um forte componente de volume, esse ajuste também traduz uma mudança de preços relativos, influenciada pela desvalorização do real. Como observou o economista Mário Mesquita, ex-diretor do Banco Central e hoje sócio do banco Brasil Plural, em artigo publicadono Valorno dia 10 de julho ("Recessão e ajuste externo"), entre março e maio houve depreciação média de 18% em relação a igual período do ano passado, considerando a taxa de câmbio efetiva real calculada pelo BC.
A redução do déficit em conta corrente é uma boa notícia para o país, embora esteja sendo feita às custas de notícias ruins. A recessão favorece o ajuste externo, mas não o assegura. Uma trajetória duradoura e benigna nas contas do Brasil com o exterior depende da manutenção de um câmbio equilibrado e de ganhos de produtividade que tornem a economia mais competitiva. O ajuste precisa vir não da queda das importações, mas da reconquista do mercado externo pelas exportações brasileiras. Ele não deve vir da redução do lucro, mas da ampliação da atuação de multinacionais brasileiras no exterior. Ele também não deve vir da redução das viagens dos turistas brasileiros, mas da atração de turistas ao Brasil. Ele precisa vir de um Brasil mais barato, e não de uma economia destroçada.
As crises grega e chinesa, essa última em especial, colocaram um sinal de alerta nessa recente melhora da conta corrente do Brasil. O Brasil já sentiu fortemente no primeiro semestre deste ano a desaceleração da economia chinesa. A queda no preço da soja e a redução no volume importado e no preço do minério ferro reduziram o superávit comercial do país com o parceiro asiático em 69%, fazendo com que recuasse de US$5,5 bilhões para US$1,7 bilhão, entre janeiro e junho de 2014 e 2015.
Ainda há muitas dúvidas entre os analistas sobre qual será o impacto da crise na bolsa chinesa sobre a economia real daquele país. Além da saída de cerca de 1,3 mil empresas da bolsa, as últimas semanas acenderam a preocupação global sobre qual o real grau de controledo governo chinês sobre a economia do país.
Sabe-se, contudo, que quanto mais forte a crise for, mais afetará o Brasil, tanto pela redução das importações, quanto pelo impacto no preço das commodities.
O risco-China soma-se ao futuro aumento da taxa de juros nos Estados Unidos para delimitar o tempo que o país tem para fortalecer as defesa da economia antes da potencial volatilidade que virá com o movimento do Federal Reserve.
Espera-se que o radar esteja mesmo ligado em Brasília.
Conforme apurou o repórter Assis Moreira, as autoridades brasileiras querem garantir que a expectativa de inflação esteja realmente ancorada na meta quando o Fed aumentar os juros, e que nesse momento o ajuste fiscal esteja implementado e haja conforto com o programa de swaps. Na prática, é esse conjunto que fará com que o ajuste interno hoje ainda uma intenção - esteja caminhando em uma velocidade clara como a que se vislumbra hoje no setor externo. Afinal, é ele que dará sustentação às contas externas do paísefará com quea boa notícia tenha outra causa que não a recessão. (Valor Econômico - 15/07/2015)

Ambições imperiais dominam Europa
OPINIÃO
A Grécia foi aceita para sustentar sua frágil democracia após o governo militar.
Por John Kay
Alguns anos atrás, ouvi um discurso após o jantar de um estadista europeu. Era uma pessoa que desempenhou um papel dominante não apenas na vida política de seu país como também nos conselhos da União Europeia. O orador daquela noite enalteceu, para concordância geral, os valores europeus - sua cultura, sua solidariedade - e a qualidade de suas instituições.
Enfatizou, em seguida, a necessidade de o bloco propagar mais amplamente esses valores e instituições.
Oembaraço que senti então foi compartilhado por alguns dos que estavam sentados ao meu lado à mesa.
Meu problema foi que eu poderia ter posto palavras semelhantes na boca de alguns dos personagens mais desagradáveis da história universal. A União Europeia que o orador descreveu era um projeto imperialista.
Os que proclamavam o Império Britânico costumavam cantar: "Wider still, and wider, may thy bounds be set. God who made thee mighty, make thee mightier yet."("Que teus limites se tornem/ ainda mais vastos e mais amplos/Que Deus, que te fez poderosa/, ainda mais poderosa te faça", em tradução livre). Talvez os britânicos até cantem ainda o "Terra de Esperança e Glória", mas não levam as palavras a sério. A expansão da UE, no entanto, abraçou visão semelhante.
Para os que erigiram a Europa contemporânea, a amplitude do bloco tem a mesma importância que sua coesão. A Grécia foi aceita precipitadamente na esperança de sustentar sua frágil democracia após o fim do governo militar; Espanha e Portugal se seguiram logo depois. Todo país pós-comunista com instituições razoavelmente honestas e democráticas obteve seu ingresso, ao lado de alguns desprovidos desses requisitos. O ambicioso projeto de criar uma união monetária entre a França e a Alemanha foi ampliado, por meio do rebaixamento dos critérios de adesão, a fim de incluir o maior número possível de membros na UE. A principal qualificação para a filiação a um clube europeu é o desejo de nele ingressar.
Naturalmente, há grandes diferenças entre a Europa do século XXI e os impérios dos séculos XIX e XX: notadamente, os imperialistas tradicionais não buscaram o consentimento dos que colonizaram, e eliminaram a maioria das formas de expressão democrática. Mas atualmente os gregos podem não perceber essas diferenças como especialmente grandes.
Assim, a pergunta é se, a exemplo de tantos projetos imperialistas ao longo da história, o projeto europeu estendeu seus limites territoriais para além dos limites que pode sustentar de forma plausível. Essa pergunta ganha destaque diante dos dois problemas existenciais enfrentados atualmente pela UE: o confronto geopolítico com a Rússia e as relações conturbadas entre as economias periféricas e a zona do euro.
Os limites territoriais da Europa Ocidental foram estendidos para o leste mais do que em qualquer outro período da história, com exceção do precedente, de triste memória, da ocupação nazista da maior parte do continente, em 1941-42. A crise da Ucrânia põe à prova até que ponto as promessas implícitas de apoio político, econômico e, em última instância, militar dentro desses limites serão cumpridas quando necessário.
Os países bálticos têm motivos razoáveis para encarar com nervosismo a solidez do comprometimento de seus novos aliados.
Poucos podem duvidar hoje de que foi um erro permitir que a Grécia ingressasse na zona do euro, para começar. Eisso não só por uma questão de economia - os dados fraudados, os gastos perdulários e as dívidas impagáveis. O principal problema da Grécia é que as instituições políticas do país não estão suficientemente maduras para permitir que se realize um governo ou uma gestão econômica competentes, ou para permitir que o país assuma compromissos de maneira responsável com as instituições da Europa Ocidental. E a Grécia não é o único país-membro da UE para o qual essa crítica é cabível.
Os impérios da história geralmente entraram em colapso em consequência do excesso e expansão, que levou ao surgimento de populações inquietas nas periferias, e, posteriormente, a dúvidas quanto à sensatez do projeto em seu próprio país de origem. Esses sintomas são reconhecíveis na Europa de hoje. A UE conquistou seus sucessos ao forçar sempre a integração para limites um pouco mais distantes e de forma umpouco mais rápida do que a facilidade com que suas instituições podiam suportá-la ou a prontidão com que suas populações podiam aceitá-la. Talvez essa estratégia tenha agora sido levada longe demais. (Tradução de Rachel Warszawski) John Kay escreve sobre economia e negócios no FT desde 1995. Atualmente é professor visitante na London School of Economics. (Valor Econômico - 15/07/2015)

Plano da UE para Grécia é inviável sem perdão de dívida, diz FMI
Para o FMI, as expectativas dos países europeus para a economia grega não são realistas
Em um surpreendente comunicado emitido na noite de terça-feira, o Fundo Monetário Internacional (FMI) fez duras críticas à União Europeia pela recusa do bloco em considerar o perdão de parte das dívidas da Grécia nas negociações para o terceiro pacote de ajuda financeira ao país em cinco anos.
O órgão, que também faz parte da lista de credores gregos, tendo emprestado 10% do mais de R$ 1 trilhão devido por Atenas, afirmou que apenas uma anistia considerável poderá evitar o colapso econômico do país.
Segundo uma porta-voz, o FMI, que vinha resistindo a participar da nova leva de empréstimos sem o que chamou de um plano claro para a recuperação econômica grega, fez a recomendação diretamente aos ministros da área econômica dos países que adotam o euro como moeda. E também ofereceu possíveis cenários de perdão de dívidas.
Especialistas do fundo recomendaram um período de 30 anos para o pagamento das dívidas - entre elas, a dos novos empréstimos -, além de uma extensão considerável da incidência de juros. Sem isso, segundo o órgão, apenas uma redução considerável na massa de débitos poderá fazer do endividamento um processo sustentável.
Foi a primeira vez que divergências mais substanciais entre o FMI e a União Europeia vieram a público.
O novo pacote de ajuda grega, além de não conter qualquer tipo de perdão de dívidas, impõe duras condições a Atenas que incluem o compromisso de levantar um fundo com ativos gregos no equivalente a R$ 170 bilhões, além de medidas de austeridade que não apenas o governo grego tinha prometido não adotar, mas que também foram recusadas por 61% dos gregos em um plebiscito realizado há duas semanas.
As divergências internas dão contornos mais dramáticos aos compromissos dessa quarta-feira, quando vence o prazo dado à Grécia para aprovar no Parlamento quatro projetos de lei exigidos em troca de mais crédito.
Para o editor de economia da BBC, Robert Peston, as críticas do FMI podem ter "implodido" um novo acordo.
"Fica difícil imaginar os deputados gregos votando por algo que um dos credores gregos condena." (BBC - 15/07/2015)

CNI: integração dos sistemas de certificação de origem no Mercosul facilitará comércio no bloco
Brasília - A Confederação Nacional da Indústria (CNI) avalia positivamente a publicação do Decreto 8.483, que estabelece regras para integração dos sistemas de certificação de origem digital dos países do Mercosul. De acordo com a instituição, a iniciativa reduzirá custos e diminuirá a burocracia nas operações de exportação e importação das empresas dos países do bloco econômico.
O certificado de origem atesta que as mercadorias atendem a critérios de produção previamente estabelecidos. Entre os benefícios da certificação, está a concessão de preferência tarifária resultante de um acordo comercial. Na próxima semana, técnicos dos governos brasileiro e argentino se reúnem para definir cronograma de implantação do novo sistema.
A expectativa da CNI é que, até o fim do ano, os certificados de origem possam tramitar eletronicamente entre países do Mercosul. A partir daí, os exportadores poderão eliminar o papel no processo de certificação de origem e contarão com um sistema que integrará exportadores, importadores, aduanas, transportadores e outros envolvidos no comércio entre países. Com o novo sistema, também será possível utilizar a assinatura digital nos certificados.
A CNI oferece serviços de certificação de origem digital e, nos últimos 10 anos, investiu mais de R$ 4 milhões no desenvolvimento tecnológico do sistema eletrônico, já em operação no Brasil. Empresas interessadas no serviço podem acessar www.cod.cni.org.br. (CNI - 14/07/2015)

Zona do euro enfrenta dificuldades para empréstimo de emergência à Grécia
Por Jan Strupczewski
BRUXELAS (Reuters) - Autoridades financeiras da zona do euro enfrentavam dificuldades nesta terça-feira para achar uma maneira de garantir que a Grécia pague seus débitos ao Banco Central Europeu (ECB) na próxima semana, com ao menos seis opções na mesa, mas nenhuma livre de problemas.
A Grécia precisa de 3,5 bilhões de euros até a próxima segunda-feira para resgatar títulos vencendo com o BCE. Antes de efetuar o pagamento, no entanto, Atenas precisa liquidar uma parcela atrasada de mais de 2 bilhões de euros ao Fundo Monetário Internacional.
No geral, a Grécia precisa de 7 bilhões de euros em julho e outros 5 bilhões em meados de agosto, estimam seus credores oficiais.
"Isso está cheio de armadilhas", disse o presidente do Eurogrupo Jeroen Dijsselbloem nas conversas iniciais da reunião dos 28 ministros das Finanças da União Europeia.
"Estamos procurando todos os instrumentos e fundos que podemos usar e parece que todos eles tem algum tipo de desvantagem ou impossibilidade ou objeções legais, então ainda estamos trabalhando nisso," disse ele.
Especialistas levantaram 6 possibilidades para tal empréstimo-ponte, disse o ministro das Finanças da Finlândia, Alexander Stubb, até a Grécia negociar um terceiro resgate completo de 86 bilhões de euros em aproximadamente cinco semanas. (Reuters - 14/07/2015)

Brasil cai, na contramão dos emergentes
MERCADO
Minério de ferro e concentrados, soja mesmo triturada, óleos brutos de petróleo e açúcar de cana em bruto lideram a pauta de exportações do Brasil.
No "Atlas de Complexidade Econômica" recém-publicado pela Universidade Harvard, com base em dados de dois anos atrás, eles ocupam, respectivamente, o 1.119°, o 1.078°, o 1.232° e o 1.144° lugares em uma lista de 1.239 produtos listados por ordem decrescente de sofisticação.
Eles são "muito pouco complexos" porque muitos países são capazes de produzi-los e a dificuldade para isso vem caindo.
Isso explica, segundo os pesquisadores de Harvard, o declínio do Brasil no ranking quemede a sofisticação da estrutura produtiva dos países nas últimas décadas.
A queda ocorreu na contramão de outros emergentes.
México, Coreia, China, Panamá, Tailândia, Vietnã e outros progrediram no ranking de complexidade, alguns substancialmente.
O Vietnã saltou da 107ª para a 68ª posição entre 1995 e 2013. Nesse período, aparelhos para transmissão (de rádio, TV etc.) e máquinas automáticas de processamento de dados substituíram café e arroz como alguns de seus produtos de exportação.
O México, que passou do 28° para o 23° lugar no mesmo período --impulsionado por acordos de comércio exterior como o Nafta, adicionou partes e acessórios de veículos motores, que têm grau de sofisticação maior do que carros, ao topo de sua pauta exportadora. (EF) (Folha de SP - 14/07/2015)

Resultados da visita Dilma aos EUA
ESPAÇO ABERTO
RUBENS BARBOSA
O principal resultado da visita da presidente Dilma Rousseff a Washington foi a restauração da normalidade governamental na relação entre o Brasil e os Estados Unidos. O comunicado conjunto divulgado ao final dos encontros reflete o descongelamento das ações reprimidas nos últimos três anos, quando o relacionamento oficial foi praticamente paralisado em razão da crise deflagrada pelo monitoramento eletrônico da presidente e de companhias brasileiras. Mais de 30 setores foram mencionados, o que demonstra a diversificação de interesses e o grau de cooperação que existe entre entidades técnicas e os povos dos dois países.
Do ponto de vista do governo Dilma, a viagem pode ser considerada um êxito relativo. Houve avanços concretos com a assinatura de acordos de previdência social, comércio (promessa de importação e exportação de carne, convergência regulatória e facilitação de comércio), concessão limitada de vistos para empresários e meio ambiente, a única decisão com alguma repercussão internacional, apesar de tímida.
Muitas intenções de estreitamento das relações bilaterais pela retomada dos diálogos, cooperação e de grupos de trabalho (energia, meio ambiente, saúde, trabalho, ciência e tecnologia,inovação), paralisados pela crise de 2013 foram registradas.
Defesa transformou-se em prioridade para Washington em virtude da ratificação pelo Congresso, depois de cinco anos, do acordo de cooperação e do de troca de informações militares (GSOMIA).
A visita, contudo, não representou uma mudança na política externa brasileira, até porque, na retórica governamental, nunca as relações entre os dois países estiveram tão boas. As declarações oficiais sobre modificação na estratégia externa pelo interesse em negociar acordo comercial com os EUA podem ser atribuídas mais para consumo interno do que como uma efetiva decisão do governo Dilma. Essa proposta, além de unilateral (os EUA não têm interesse em acordo comercialcom o Brasil), não leva em conta a perda da competitividade que afeta todo o setor produtivo e exportador nacional, nem a posição política do PT contrária a qualquer acordo de livre-comércio com os EUA. Osobjetivos de marketing político interno que começaram no aceno de um acordo comercial do Mercosul com a União Europeia e com o México continuaram nos EUA.
Recusando uma visita de Estado em 2016, a presidente Dilma preferiu um encontro de trabalho agora, com contato direto com empresários em Nova York e em São Francisco, talvez para produzir fatos positivos e compensar as más notícias domésticas em todas as áreas. Com isso buscaria tentar equilibrar o quadro político interno e reverter a incerteza e a insegurança dos investidores externos, missão difícil sem a definição do marco regulatório para as concessões anunciadas.
Nos governos do PT, Brasil e EUA foram pautados por declarações oficiais de interesse recíproco, mas de gradual afastamento na prática.Em março de 2011, navisita deBarackObama aoBrasil, em meio a declarações positivas de parcerias e trabalho conjunto, foi traçado um roteiro para a ampliação do relacionamento bilateral muito semelhante ao que foi desenhado agora, com os parcos resultados conhecidos.
Cabe aguardar para ver se a retórica diplomática desta vez - "relação madura e diversificada" - vai ser confirmada por resultados de curto e médio prazos.
Pode-se indagar por que o presidente Obama, num dos momentos de maior sucesso em seu governo pelas sucessivas vitórias que tem conseguido interna e externamente, resolveu dar um tratamento diferenciado à presidente Dilma, num dos momentos mais delicados de seu governo pela confluência das crises econômica, política e ética. A resposta parece simples: o governo americano sabeo que quer do Brasil em médio e longo prazos. E para tanto visou a ampliação das bases do relacionamento futuro, independentemente do governo da vez. Como transparece no comunicado conjunto, o governo brasileiro foi reativo na maioria das 30 áreas mencionadas e, em muitos casos, aceitou a agenda de Washington, por, na verdade, não saber o que quer dos EUA.
As declarações de que o relacionamento bilateral daqui para a frente não sofrerá com preconceitos ideológicos foram matizadas ainda durante a visita presidencial pela não inclusão de referência à retomada dos entendimentos relacionados como Acordo de Salvaguardas Tecnológicas (AST). Esse acordo poderá tornar viável o programa espacial e a utilização comercial da base de Alcântara. Mencionado no comunicado Dilma-Obama de março de 2011, o acordo teve o apoio formal dos presidentes degrandes empresas (CEO Forum) e do grupo de empresas de defesa, reunidos com a contraparte norte-americana antes da visita oficial. O AST é, sem dúvida, o principal acordo de interesse do governo e setor privado brasileiros na área da defesa e da ciência e tecnologia, mas não foi considerado prioritário para ser incluído nas conversas presidenciais. A única explicação possível é a restrição ideológica do PT, responsável pelo cancelamento do mesmo acordo, negociado em 2000, e que determinou o atraso do programa espacial nos governos comandados pelo partido. Aproveitando o clima positivo gerado pela viagem e pela visita à Nasa, mas sobretudo pela prioridade que os dois governos deram à cooperação na área de defesa, espera-se que a presidente possar e ver sua posição e determinar a retomada dos contatos como Departamento de Estado para a renegociação dos termos do acordo.
No momento em que,segundo o ministro Mauro Vieira, a única ideologia do Itamaraty é a defesa do interesse nacional, deixar de lado restrições partidárias para pôr o Brasil em primeiro lugar seria dar conteúdo concreto a essa afirmação.
---
Aguardemos para ver se será confirmada por resultados a 'relação madura e diversificada'
---
PRESIDENTE DO CONSELHO DE COMÉRCIO EXTERIOR DA FIESP (O Estado de SP - 14/07/2015)

'O risco de uma saída dos gregos não pode ser descartado'
ECONOMIA
Agnès Bénassy-Quéré, professora da universidade Panthéon-Sorbonne
PARIS
Diretora do Centro de Estudos Prospectivos e de Informações Internacionais, de Paris, Agncs Bénassy-Quéré afirma que o risco de uma "Grexit" a saída da Grécia da zona do euro, ou mesmo da União Européia, não pode ser descartado. Para a professora da Universidade Panthéon-Sorbonne e professora associada à Paris School of Economics, o acordo firmado entre a UE e a Grécia é muito duro, mas não muito diferente do que estava na mesa de negociações.
O risco de uma "Grexit" pode ser afastado depois do acordo de ontem?
É muito difícil dizer. Espero realmente que sim, mas a verdade é que não sabemos. É do interesse de todo mundo que tenha sido afastado. Mas o risco não pode ser descartado porque ainda há muito a fazer nos próximos dias e semanas. Os parlamentos nacionais vão votar em favor desse programa de ajuda à Grécia? Na Alemanha, a votação acontecerá? Em Atenas, o governo de Alexis Tsipras vai resistir ou terá de partir para uma coalizão mais ampla? Ainda não temos essas primeiras respostas.
Logo não se pode afirmar que a crise da Grécia esteja de fato superada, é isso?
Exato. Também não posso responder a essa questão.
O que é certo é que a situação era extremamente crítica nos últimos dias. O programa proposto pela parte grega não era considerado crível pela União Européia, o que era muito grave. O que podemos dizer é que o fundo de EUR 50 bilhões em privatizações é uma forma de assegurar o empréstimo de EUR 80 bilhões que deverá ser realizado. É uma forma de garantia colateral muito comum nos mercados financeiros, uma espécie de umseguro que se faz. Isso é uma garantia de que tudo pode avançar. Mas também nesse aspecto há muitas questões: chegar aos EUR 50 bilhões será muito difícil.
Quais serão as empresas a serem privatizadas?Quem vai decidir politicamente?
Privatizar ou internacionalizar o sistema financeiro é tuna das possibilidades evocadas para chegar aos EUR 50 bilhões. Na realidade privatizar os bancos gregos seria a melhor coisa que podería acontecer ao sistema financeiro do país. Mas essa medida será mesmo aceitável pela parte grega?Vimosqueeles recusaram no plebiscito um plano de austeridade que nem sequer continha essa proposta. Agora passou a ser aceitável. Difícil analisar.
O acordo firmado ontem foi criticado por seu rigor extremo. O que a senhora pensa a respeito do grau de exigência?
O plano é muito duro, mas se parece muito ao que foi proposto pela própria Grécia, e que por sua vez se basea no proposto originalmente pelo Eurogrupo antes do plebiscito. O que diferencia o acordo assinado são as medidas urgentes que precisam ser adotadas agora pelo governo grego, uma questão de retomada da credibilidade perdida. Antes de chegar aos EUR 80 bilhões, será necessário que o parlamento grego vote reformas, que os parlamentos nacionais votem a aprovação do pacote e que o Mecanismo Europeu de Estabilidade (ESM) defina as modalidades do empréstimo.
O programa foi dividido em várias etapas, uma delas de urgência no valor de EUR7 bilhões. Isso permitirá oferecer uma ajuda de emergência, que aliás não precisa de unanimidade do ponto de vista da União Européia.
A BCE também poderá eventualmente aumentar o teto da ajuda de urgência ao sistema financeiro. IAM. (O Estado de SP - 14/07/2015)

O acordo
ECONOMIA
Após mais de 17 horas de negociações em Bruxelas, líderes da zona do euro chegaram a um acordo para oferecer um novo pacote de resgate à Grécia, o terceiro em cinco anos
A contrapartida
Para obter novo empréstimo epermanecer nazona do euro, a Grécia deve implementar duras medidas de austeridade impostas pelas autoridades europeias, que incluem aumento de impostos, reforma do sistema de previdência e ampliação do programa de privatizações.
O Parlamento grego ainda precisa aprovar as exigências para que o acordo seja fechado (O Estado de SP - 14/07/2015)

Rendição incondicional
Celso Ming
Não há expressão melhor para qualificar o que a cúpula da área do euro decidiu, na madrugada de ontem, em Bruxelas, sobre a saída da crise da Grécia do que a que está no título acima.
A Grécia teve de entregar tudo, inclusive sua soberania fiscal, para receber dinheiro novo cujo objetivo imediato é reabrir os bancos. Não haverá corte da dívida, apenas prorrogação de prazos. Ao contrário, a dívida aumentará porque a ela será incorporado o socorro de 86 bilhões de euros, a ser recebido em parcelas, se as cláusulas forem cumpridas.
Nada menos que 50 bilhões de euros em ativos estatais da Grécia terão de ser leiloados sob a supervisão do grupo do euro.
As condições do pacote são mais duras do que as rejeitadas pelo plebiscito realizado apenas oito dias antes e ainda mais duras do que as aprovadas, em princípio, pelo Parlamento da Grécia, na última quarta-feira, que, por sua vez, tinham sido mais austeras do que as que foram objeto do plebiscito. Essa consulta popular foi um evento absurdo, convocado e executado às pressas. Seus termos falavam de um plano de superação da dívida já extinto, cujos resultados (rejeição do acordo) foram ignorados tanto pelos líderes do Eurogrupo quanto pelo primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras.
A Grécia foi colocada de joelhos, à mercê da cúpula do euro. A outra opção à submissão seria a saída da área do euro, hipótese que provocaria um desastre maior na economia e na vida do povo grego.
A bola está agora com o Parlamento, queterá deaprovar ou rejeitar os termos da capitulação. Se aprovar, terá de pronunciar-se novamente contra a decisão do plebiscito. Se rejeitar, atirará a Grécia para o precipício.
Nessas condições, a quebra da maioria dos seus bancos ficaria inevitável.
As sete páginas do documento, negociado neste fim desemana durante 17 horas, levam as assinaturas dos chefes de Estado e de governo dos 19 membros do Eurogrupo - e não apenas as de Angela Merkel, que comanda a cavalaria prussiana.
Contêm longa lista de imposições que a revista alemã Der Spiegd chamou ironicamente de "catálogo de atrocidades". Exigem reforma do sistema tributário com aumento de impostos, reforma do sistema judiciário, reforma do regime previdenciário, que reduzirá aposentadorias e imporá idade mínima de 67 anos, e encolhimento do setor público.
O tempo dirá até que ponto o ambíguo Tsipras e seu partido com propostas nacionalistas radicais, o Syriza, se desmoralizaram, não apenas entre seus pares da área do euro, mas também na Grécia. Para aprovar o pacote que antes considerava abominável, o primeiro- ministro depende agora da oposição e dos que votaram contra ele no plebiscito. E sabe-se lá se essa dependência não lhe vai custar a sobrevivência política.
Do ponto de vista prático, ficou claro que, em casos de crise fiscal, não há saída que não envolva austeridade e muito sacrifício. Eessa não é uma liçãoque serve apenas para "folgados" que habitam as terras do outro lado do Atlântico. Serve especialmente para nós, brasileiros, que adoramos o consumo fácil baseado no avanço do endividamento "a perder de vista".
CONFIRA
Facilidades no consignado
O governo aumentou ontem de 30% para 35% o limite do desconto diretamente do salário ou da aposentadoria no crédito consignado. A ideia parece boa.
É permitir que um dinheiro mais barato seja usado para pagar dívidas muito mais caras feitas com o cartão de crédito.
Contradição
Mas é decisão que contraria a política monetária. Ou o Banco Central está certo quando reduz o volume de dinheiro e de crédito e, nesse caso, não cabe expansão do crédito; ou o Banco Central está errado e não cabe a política monetária restritiva.
Ineficiência
Épor decisões contraditórias desse tipo que a política monetária é tão ineficiente no Brasil. Ou seja, é para compensar ineficiências assim que os juros têm de subir essa enormidade para combater a inflação. É por isso, também, que decisões desse tipo lembram a política dos puxadinhos que a presidente Dilma e seu ministro Guido Mantega praticaram ao longo do seu primeiro mandato. (O Estado de SP - 14/07/2015)

Exportações brasileiras somam 3,494 bilhões na segunda semana de julho
Brasília - Na segunda semana de julho, com cinco dias úteis, as exportações brasileiras chegaram a US$ 3,494 bilhões e as importações totalizaram US$ 3,668 bilhões. O que resultou em um saldo negativo de US$ 174 milhões. No acumulado do ano (130 dias úteis) as empresas brasileiras venderam ao exterior US$ 100,379 bilhões e compraram US$ 97,696 bilhões, com um superávit comercial de US$ 2,683 bilhões.
Segunda semana
Na segunda semana de julho, a média das vendas externas foi de US$ 698,8 milhões, o que representa uma queda de 18% em relação à média de US$ 852 da primeira semana. A causa da redução foram os embarques das três categorias de produtos: semimanufaturados (-39,3%, em razão de açúcar em bruto, celulose, semimanufaturados de ferro ou aço, catodos de cobre, óleo de soja em bruto, borracha sintética e artificial); manufaturados (-19%, em consequência, principalmente, de aviões, óleos combustíveis, autopeças, polímeros plásticos, veículos de carga, automóveis de passageiros e torneiras e válvulas) e básicos (-12,6%, por conta de soja em grão, carne de frango, farelo de soja, carne bovina, carne suína e minério de cobre).
Já as importações, na segunda semana do mês (média de US$ 733,6 milhões), tiveram crescimento de 14,6% sobre igual período comparativo (média da primeira semana: US$ 640 milhões), explicada, principalmente, pelos gastos com combustíveis e lubrificantes, automóveis e partes, químicos orgânicos e inorgânicos, farmacêuticos e produtos siderúrgicos.
Mês
Nas duas primeiras semanas de julho, com oito dias úteis, o Brasil exportou US$ 6,050 bilhões e importou US$ 5,588 bilhões, resultando em um superávit de US$ 462 milhões. Nas exportações, se comparadas as médias diárias até a segunda semana (US$ 756,3 milhões) com a de julho do ano passado (US$ 1,001 bilhão), houve queda de 24,5%. A causa foi a redução nas vendas de semimanufaturados (-37,1%, por conta de ferro fundido, açúcar em bruto, ouro em forma semimanufaturada, óleo de soja em bruto e couros e peles); de básicos (-22,4%, milho em grãos, petróleo em bruto, minério de ferro, carnes salgadas, miudezas de animais comestíveis e carne bovina congelada); e de manufaturados (-22,2%, em virtude de plataforma para extração de petróleo, óxidos e hidróxidos de alumínio, açúcar refinado, máquinas e aparelhos de terraplanagem, motores e geradores elétricos, motores para veículos e óleos combustíveis).
Na comparação com junho deste ano, pela média diária, houve queda de 19,1%, em virtude da diminuição dos embarques das três categorias de produtos: semimanufaturados (-27,6%), manufaturados (-23,0%) e básicos (-13,5%).
Nas importações, a média diária até a segunda semana deste mês chegou a US$ 698,5 milhões, o que representa 25,1% de queda na comparação com julho de 2014 (US$ 933,1 milhões). Diminuíram os gastos, principalmente, com combustíveis e lubrificantes (-66,2%), aparelhos eletroeletrônicos (-33,4%), veículos automóveis e partes (-31,7%), borracha e obras (-30,5%), plásticos e obras (-28,5%), equipamentos mecânicos (-26,0%) e instrumentos de ótica e precisão (-22,4%).
Já em relação a junho deste ano, houve queda de 2,9%, pelos decréscimos em combustíveis e lubrificantes (-35,2%), produtos farmacêuticos (-19,6%), veículos automóveis e partes (-18,5%), equipamentos mecânicos (-13,9%) e plásticos e obras (-13,8%). (MDIC - 13/07/2015)

MDIC lança mapa virtual com informações sobre 32 mercados prioritários para as exportações
Brasília - Está disponível para consulta dos empresários brasileiros uma ferramenta virtual de inteligência comercial, que identifica e define mercados prioritários para as exportações brasileiras, assim como oportunidades setoriais (em subgrupos de produtos) para diversificação da pauta exportadora - o Mapa Estratégico de Mercados e Oportunidades Comerciais. O produto é parte do Plano Nacional de Exportações, lançado no dia 24 de junho pelo ministro da Indústria, Desenvolvimento e Comércio Exterior (MDIC), Armando Monteiro, e que traça políticas internas e prioridades para alavancar as exportações do país até 2018.
O Mapa foi construído a partir das diretrizes da Secretaria de Comércio Exterior (Secex) do MDIC, e utilizou metodologia desenvolvida pela equipe de Estratégia de Mercado da Agência Brasileira de Promoção da Exportação e Investimento (Apex-Brasil), que também considerou as prioridades apontadas por entidades representativas do setor privado. A ferramenta virtual georreferenciada se destina a subsidiar dois importantes eixos do Plano: "Diversificação de Destinos das Exportações Brasileiras" e "Diversificação da Pauta de Exportação Brasileira".
Os 32 mercados prioritários do Plano Nacional de Exportações foram definidos a partir de estudos de inteligência comercial e estão expressos no Mapa Estratégico, que apresenta países e blocos com grandes oportunidades para produtos e serviços brasileiros. A seleção final levou em consideração variáveis macroeconômicas como mercado consumidor, desempenho econômico recente, projeções para os próximos anos e volumes de importação.
"A inteligência comercial é uma ferramenta fundamental para que as empresas brasileiras aumentem a presença nos 32 mercados selecionados no Plano. É importante destacar que este mapa estratégico se constitui em instrumento de grande importância para que as empresas que já exportam, ou que pretendem acessar a mercados externos; em especial as de pequeno e médio porte, que disporão de dados para planejar e executar sua atividade exportadora", avalia o ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Armando Monteiro.
O Mapa Estratégico está disponibilizado de forma interativa no site da Apex-Brasil pelo link http://geo.apexbrasil.com.br/Oportunidades_Comerciais.html.
Na ferramenta online, em formato de mapa-múndi e de acesso livre a qualquer internauta, é possível identificar quais países do mundo oferecem melhores possibilidades de comércio, conforme o produto ou serviço. Os países são divididos em quatro categorias: de manutenção do espaço já conquistado; de consolidação no mercado em que estão inseridos; de recuperação de espaço perdido para concorrentes em anos recentes; e de abertura em mercados ainda não acessados por setores competitivos das exportações brasileiras.
"A nossa intenção é que todo empresário que queira exportar consiga ter acesso à informação de que precisa da forma mais prática possível. Ele precisa enxergar o mapeamento online como um primeiro passo rumo à comercialização de seus produtos no exterior", afirma o presidente da Apex-Brasil, David Barioni. (Comex do Brasil - 13/07/2015)

Balança tem superávit de US$ 462 milhões na primeira semana de julho
Valor é resultado de US$ 6,050 bilhões em exportações e US$ 5,588 bilhões em importações
por Eliane Oliveira
BRASÍLIA - Após registrar um superávit de US$ 636 milhões na primeira semana de julho, a balança comercial brasileira apresentou um déficit de US$ 174 milhões na segunda semana. Os dados foram divulgados nesta segunda-feira pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC).
No mês, há um saldo positivo de US$ 462 milhões, como resultado de US$ 6,050 bilhões em exportações e US$ 5,588 bilhões em importações. No ano, há um superávit acumulado de US$ 2,683 bilhões.
Em relação a julho de 2014, a média diária exportada nas duas primeiras semanas, de US$ 756,3 milhões, caiu 24,5%. Já a média diária importada, de US$ 698,5 milhões, teve um decréscimo maior, de 25,1%.
As maiores reduções verificadas nas vendas externas ocorreram com ferro fundido, açúcar em bruto, milho, petróleo em bruto, açúcar refinado e óleos combustíveis. Nas importações, as quedas mais relevantes se deram combustíveis e lubrificantes, aparelhos eletroeletrônicos, automóveis e equipamentos mecânicos. (O Globo - 13/07/2015)

Líderes da zona do euro alcançam acordo unânime sobre Grécia, diz Tusk, da EU
"Está tudo pronto para avançar com o programa do ESM para a Grécia com reformas sérias e suporte financiamento", disse presidente do Conselho Europeu no Twitter
BRUXELAS - Líderes da zona do euro alcançaram um acordo unânime após negociações durante toda a noite em Bruxelas para avançar com um empréstimo de resgate para a Grécia, disse nesta segunda-feira o presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk.
"A cúpula da zona do euro alcançou um acordo de forma unânime. Está tudo pronto para avançar com o programa do ESM para a Grécia com reformas sérias e suporte financiamento", tuitou Tusk. (DCI - 13/07/2015)

Grécia aceita acordo com duras condições para obter crédito da EU
Tsipras admite criação de fundo de privatizações que incluirá até os bancos públicos
Claudi Pérez / Lucía Abellán Bruxelas
"Estamos prontos para iniciar as negociações para o resgate. Não haverá Grexit [saída da Grécia da União Europeia]". O presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, e o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, anunciaram às nove da manhã, depois das 17 horas de reunião de cúpula, um acordo unânime com a Grécia para um terceiro resgate. O pacto abre a porta para que o Banco Central Europeu mantenha a liquidez de emergência no sistema bancário grego. O chefe do Eurogrupo, Jeroen Dijsselbloem, explicou que a Grécia aprovará leis nas próximas 48 horas, endurecerá suas propostas para aposentadorias, mercado de trabalho e outros assuntos, e finalmente aceita um fundo de privatizações, que permitirá recapitalizar os bancos e pagar a dívida.
A Europa deve esclarecer ainda qual será exatamente a participação europeia no financiamento-ponte, diante das graves dificuldades do setor financeiro grego, com o corralito [controle rigoroso sobre os fundos] e a falta de fundos para pagar um vencimento de dívida ao BCE no dia 20 de julho, por meio de um aporte de cerca de 3,5 bilhões de euros. Mas Dijsselbloem adiantou que esse fundo será usado, com os ativos vendáveis da Grécia, para obter dinheiro de imediato. Isso se o Parlamento grego aprovar nos próximos dias as medidas mais urgentes.
O texto aprovado na manhã desta segunda-feira pelos líderes da zona do euro é implacável com a Grécia: começa constatando "a necessidade crucial de reconstruir a confiança com as autoridades gregas" como requisito para qualquer resgate e impõe duríssimas condições para que seja obtido. Entre elas, uma consulta prévia com as instituições europeias para qualquer lei que Atenas queira aprovar "em áreas relevantes" e a necessidade inclusive de reverter legislações já aprovadas desde o início do ano, à exceção das vinculadas "à crise humanitária" que o país vive. A Europa não empresta fiado, o que ficou claro nas sete páginas do compromisso assinado nesta segunda-feira, com múltiplas garantias para acertar o ansiado resgate.
Uma das chaves do acordo - e das mais difíceis para a Grécia digerir - é o fundo de privatizações, que chegará a 50 bilhões de euros e foi motivo do atraso do acordo. Incluirá todo tipo de ativos, incluídos possivelmente os bancos. "Nada teria sido pior do que humilhar a Grécia esta noite", disse o presidente francês, François Hollande. Mas Berlim chegou a ameaçar com a saída da Grécia do euro se não houvesse acordo. E Atenas se viu forçado a aceitar esse fundo de privatizações, que nasce carregado de polêmica: praticamente não há precedentes na Europa e supõe uma espécie de aval que se exige da Grécia em troca do terceiro resgate. A titularidade do fundo será grega, mas será supervisionado pelas instituições europeias.
Em troca dessas concessões formidáveis, a chanceler Merkel afirmou que, uma vez que a Grécia demonstre que cumpre o que foi acordado, haverá reestruturação da dívida: basicamente, uma ampliação dos prazos de devolução. "Em nenhum caso haverá perdão da dívida", disse Merkel à imprensa europeia, e tampouco reestruturação da dívida até que o resgate passe por seu primeiro exame.
A chanceler disse que a Grécia "demonstrou sua disposição para realizar cortes e reformas". "O importante agora é pôr em marcha rapidamente o que foi acordado. É preciso recuperar a confiança, e para isso a Grécia tem que assumir o acordo". A Alemanha ressaltou que o FMI continuará no comando do terceiro resgate grego, e que Atenas se comprometeu a ativar mudanças no sistema de aposentadoria e no resto das medidas prioritárias. O Eurogrupo dará o sinal para iniciar a negociação do resgate, e então vários parlamentos nacionais votarão, incluindo o Bundestag.
Adeus ao Grexit
"A Grécia tem agora a oportunidade de mudar de rumo. O acordo evita as consequências políticas que um fracasso das negociações provocaria", afirmou à imprensa o presidente do Conselho Europeu - que representa os Estados-membros -, Donald Tusk. "A Comissão Europeia não deixou de insistir que não haverá Grexit; estamos satisfeitos", acrescentou o presidente da Comissão, Jean-Claude Juncker, um dos poucos que defenderam claramente, durante o processo, da necessidade de fazer um pacto com a Grécia. "Eu disse que a situação seria mais difícil depois do referendo e isso se provou correto. Mas o que se alcançou é um compromisso; não há ganhadores nem perdedores. Não creio que os gregos estejam se sentindo humilhados nem que os outros membros tenham perdido a fé. É o típico compromisso europeu", argumentou Juncker.
O escritor norte-americano Don DeLillo define a política como "um assunto de homens reunidos em salas". Mas nesta madrugada a política europeia girou em torno de uma mulher, a chanceler Angela Merkel, que deu a última palavra numa das noites europeias mais longas e dramáticas dos últimos tempos. Dezessete horas de reunião depois, Berlim selou um acordo que cobra um preço altíssimo de Atenas para que continue no euro. O primeiro-ministro Alexis Tsipras deve aprovar várias leis nas próximas 48 horas. São exigidas dele medidas mais duras no mercado de trabalho, nas aposentadorias e em todos os assuntos que há poucos dias eram linhas vermelhas intransponíveis. E os outros membros, sobretudo, instam a Grécia a criar um fundo sob supervisão europeia com os ativos privatizáveis para, uma vez que sejam vendidos, reduzir a dívida, numa proposta inédita que gerou uma espécie de sentimento de humilhação em Atenas.
Além disso, Tsipras não se livrará da presença do FMI, que participará também do terceiro resgate grego. Para suavizar todos esses reveses, a Grécia obteve duas medidas paliativas: a menção escrita, pela primeira vez nesse processo, à reestruturação da dívida e a inclusão de um pacote de 35 bilhões de euros para fomentar o crescimento e o emprego por conta da Comissão Europeia durante os próximos três ou cinco anos. Quanto ao alívio da dívida ficou claro que não haverá anistia, apenas prolongamento de prazos de pagamento e períodos de carência.
Em troca, a Grécia evita a saída do euro e recebe luz verde para negociar os pormenores de um resgate por três anos e cerca de 50 bilhões de euros. E evita assim a bancarrota de seus bancos capengas, que ameaçavam levar para o buraco o país inteiro e que, ainda por cima, se transformaram em um calcanhar de Aquiles que obrigou Tsipras a capitular e aceitar muito mais penitências do que o que imaginava há duas semanas. O Governo grego rompeu as negociações há pouco mais de duas semanas. Convocou e ganhou um controverso referendo contra a proposta europeia. Viu-se obrigado a decretar um corralito e controles de capital diante da rápida fuga de depósitos de seus bancos. E finalmente, apenas 15 dias depois dessa decisão, capitulou e se viu obrigado a aceitar condições muito piores.
Berlim cobrou a afronta que o referendo representou, com negociações intermináveis e algumas declarações em tom mais alto. Impôs exigências muito mais duras do que as esperadas e chegou a incluir a possibilidade de uma saída temporária da Grécia do euro, que acabou retirando quando Tsipras se dispôs a negociar com os parceiros. Em troca, além desses 50 bilhões em créditos baratos, garantiu a promessa do BCE de manter os bancos com vida, e um documento no qual a Europa oferece a ansiada reestruturação da dívida, uma vez que é impossível para a Grécia pagá-la. O FMI continuará a bordo. E a Grécia conseguiu metas fiscais mais folgadas do que o resgate anterior, mas ainda assim se verá obrigada a aprovar cortes adicionais, já que a economia parou abruptamente com o corralito: pode chegar a cair 4% este ano. As necessidades financeiras foram aumentando nos últimos dias e crescem para quase 90 bilhões de euros.
E a saga grega não terminou. Nos próximos dias, o Parlamento terá de legislar por meio de decreto-lei as medidas prioritárias. Se isso ocorrer, na quarta-feira o Eurogrupo dará uma ordem para o mecanismo de resgate (Mede) a fim de que se concluam as negociações das condições do Memorando de Entendimento do terceiro resgate. Esse processo, que costuma durar em torno de dois meses, se resumirá a apenas duas semanas, diante da situação de emergência financeira da Grécia. E mesmo assim não está claro como Atenas poderá fazer frente a um pagamento de 3,5 bilhões ao BCE em 20 de julho: os parceiros têm de desenhar - provavelmente hoje, em um novo Eurogrupo, o enésimo desta semana- o financiamento de emergência para evitar o calote ao Eurobanco. (El Pais - 13/07/2015)

Zona do euro fecha acordo com Grécia após negociações durante toda a noite
Por Paul Taylor e Renee Maltezou
BRUXELAS (Reuters) - Líderes da zona do euro fizeram a Grécia ceder grande parte de sua soberania à supervisão externa nesta segunda-feira em troca de concordar com negociações sobre resgate de 86 bilhões de euros para manter o país no bloco de moeda única.
Os termos impostos pelos credores internacionais liderados pela Alemanha, em negociações que duraram a noite toda em uma cúpula de emergência, obrigaram o primeiro-ministro Alexis Tsipras a abandonar as promessas de acabar com a austeridade e pode rachar seu governo e provocar protestos na Grécia.
"Claramente a Europa da austeridade venceu", disse o ministro das Reformas grego, George Katrougalos.
"Ou vamos aceitar essas medidas draconianas ou é a morte súbita de nossa economia através da continuação do fechamento dos bancos. Então é um acordo que é praticamente imposto sobre nós", disse ele à rádio BBC.
Em um sinal da dificuldade que Tsipras pode ter para convencer seu próprio partido Syriza a aceitar o acordo, o ministro do Trabalho, Panos Skourletis, afirmou que os termos são inviáveis e que levarão a novas eleições neste ano.
Seis medidas, incluindo cortes de gastos, aumentos de impostos e reformas de aposentadorias têm que ser aprovadas até quarta-feira à noite e o pacote inteiro precisa ser endossado pelo Parlamento antes que as negociações possam começar, decidiram os líderes.
Se a cúpula tivesse falhado, a Grécia estaria diante de um abismo econômico com seus bancos fechados à beira do colapso e a perspectiva de ter que imprimir uma moeda paralela e, com o tempo, deixar a união monetária europeia.
"O acordo foi trabalhoso, mas foi concluído. Não há saída da Grécia (da zona do euro)", disse o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, após 17 horas de discussões.
Ele descartou sugestões de que Tsipras havia sido humilhado mesmo que o comunicado final da cúpula tenha insistido repetidamente que a Grécia tenha que daqui em diante sujeitar grande parte de sua política pública à concordância prévia dos monitores do resgate.
O próprio Tsipras, eleito há cinco meses para acabar com cinco anos de austeridade sufocante, afirmou que ele e sua equipe "disputaram uma batalha dura" e tiveram que tomar decisões difíceis. Ele disse que garantiu uma promessa melhorada de reestruturação da dívida e que "evitou o plano de estrangulamento financeiro".
A Grécia conseguiu um acordo condicional para receber possíveis 86 bilhões de euros ao longo de três anos, junto com uma garantia de que os ministros das Finanças da zona do euro iniciarão dentro de horas discussões sobre maneiras de cobrir um déficit de financiamento até que o resgate --sujeito a aprovações parlamentares-- esteja finalmente pronto.
A chanceler alemã, Angela Merkel, afirmou que pode recomendar "com total confiança" que o Parlamento alemão autorize a abertura de negociações de empréstimo com Atenas uma vez que o Parlamento grego tenha aprovado o programa todo e aprovado as primeiras leis.
O secretário-geral dos conservadores de Merkel disse que o Parlamento deve votar sobre a Grécia na sexta-feira.
ALEMANHA
Tsipras aceitou compromisso relativo a demandas lideradas pela Alemanha para o sequestro de ativos estatais gregos avaliados em 50 bilhões de euros --incluindo bancos recapitalizados-- em um trust fund além do alcance do governo, a ser vendido principalmente para reduzir a dívida. Em um gesto para a Grécia, cerca de 12,5 bilhões de euros dos rendimentos irão para investimentos na Grécia, disse Merkel.
O líder grego teve que desistir de sua oposição a uma atribuição completa para o Fundo Monetário Internacional (FMI) no próximo resgate, no qual Merkel insistiu para conseguir o apoio parlamentar em Berlim.
(Reportagem de Alastair Macdonald, Andreas Rinke, Tom Koerkemeier, Philip Blenkinsop, Julia Fioretti, Alexander Saeedy, Robert-Jan Bartunek e Julien Ponthis, em Bruxelas; George Georgiopoulos e Lefteris Karagiannopoulos, em Atenas) (Reuters - 13/07/2015)

Crise na Grécia: os possíveis cenários para os próximos dias
Os bancos na Grécia estão fechados há duas semanas, praticamente sem dinheiro vivo e a poucos dias de um colapso total.
O primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras, prometeu amplas reformas em troca de um empréstimo de 53,5 bilhões de euros (R$ 188 bilhões ), mas tanto a União Europeia quanto o Fundo Monetário Internacional (FMI) exigem a aprovação das propostas na forma de lei até quarta-feira antes de concretizar o acordo.
Por isso, o chamado "Grexit" (expressão cunhada para a saída do país) continua próximo: se o pacote fracassar, a Grécia sairia da Zona do Euro.
Ou seja, grosso modo, a Grécia permanece ou abandona o euro, permanente ou temporariamente.
Grécia fica
¦O país cumpre o prazo de três dias e o seu governo e o Parlamento aprovam o vasto pacote de reformas que atingirá mercado de trabalho, impostos, aposentadorias e privatizações
¦É acertada a liberação de verbas que permitiria os bancos abrirem as portas outra vez
¦Os Parlamentos da Alemanha e da Finlândia aprovam a retomada de discussões para terceiro pacote de ajuda
¦É fechado acordo de resgate para manter a Grécia na Zona do Euro
Grécia sai temporariamente
¦Uma das ideias apresentadas a líderes europeus é a de uma suspensão da Grécia da zona do euro, permitindo a reestruturação das dívidas gregas
¦O ministério das Finanças alemão teria proposto um período de cinco anos
¦No entanto, os critérios para a entrada na UE são tão rigorosos que o "castigo" provavelmente acabaria sendo permanente.
Grécia sai
¦Legislativo grego rejeita o pacote de emergência no dia 15 de julho, os bancos quebram e o governo adota uma nova moeda; ou
¦O Executivo em Atenas aprova a reforma, mas o Parlamento alemão proíbe a retomada de negociações para um novo pacote de ajuda; ou
¦O terceiro pacote de ajuda é aprovado, mas rejeitado por parlamentos de oito países da zona do euro
Os gregos tiveram o seu limite de saques em caixas eletrônicos reduzido para 60 euros por dia

< p>Hipótese 1: Grécia fica
Embora líderes europeus já tenham assinado um acordo "em princípio" para manter a Grécia na zona do euro, não será fácil introduzir novas medidas de austeridade.
Primeiro, o governo e o Parlamento gregos precisariam aprovar duras medidas de reforma, dias depois de os legisladores terem ratificado a proposta apresentada para líderes europeus pelo primeiro-ministro Alexis Tsipras.
Este é um dos maiores obstáculos diante do líder grego. O plano inicial já tinha sido refutado por 17 deputados da coalizão governista, e outros 15 o fizeram com reservas. Isso quer dizer que Tsipras vai depender de partidos de oposição para conseguir aprovar qualquer nova reforma.
Alguns dos expoentes do governo formado pelo partido Syriza, incluindo a líder do Parlamento, Zoe Constantopoulou, e o ministro da Energia, Panagiotis Lafazanis, já se mostraram pouco confortáveis com a ideia.
Mesmo que Alexis Tsipras consiga levar o plano adiante, o pacote depende dos parlamentos da Alemanha e da Finlândia, que precisam aprovar a retomada das negociações por um novo pacote de ajuda.
E para que essas conversas tenham sucesso, oito parlamentos europeus precisariam aprovar o pacote de ajuda.
Seja qual for o acordo, seriam necessários empréstimos de curto prazo para cobrir o rombo imediato na economia da Grécia e o pagamento de dívidas.
O Banco Central Europeu também precisaria ajudar na reabertura dos bancos gregos e na restauração da liquidez do país.
Hipótese 2: Grécia fica temporariamente
Inicialmente, esta ideia, do ministério das Finanças alemão, sequer era considerada parte da conversa. Mas ela reapareceu em um dos rascunhos que estão sendo discutidos pelos líderes europeus.
Sabe-se pouco sobre os detalhes, mas aparentemente seriam propostas à Grécia "rápidas negociações durante um período de suspensão da zona do euro, com a possibilidade de reestruturação das dívidas". A "Grexit" temporária duraria no mínimo cinco anos.
A proposta alemã deixa claro que uma "reestruturação suficiente das dívidas" não seria possível dentro da zona do euro.
Como parte da proposta de "suspensão", estariam ofertas de auxílio técnico e humanitário. No entanto, não se fala de perdão de dívidas, que o FMI considera ser necessário.
O presidente da França, François Hollande, disse que uma "Grexit temporária não existe" e acredita-se que ele esteja certo. Para a Grécia, a ideia de sair agora para voltar à zona do euro mais tarde seria praticamente impossível.
Já a chanceler alemã, Angela Merkel, disse que todos os 19 países da zona do euro teriam que aprovar uma saída da Grécia, embora o país tenha reafirmado suas intenções de manter a moeda única da Europa ao longo das negociações.
Hipótese 3: Grécia sai da Zona do Euro
Há tantas cascas de banana diante dos negociadores e a confiança no governo grego é tão pequena que uma saída da Grécia da zona do euro nos próximos dias aparece ainda como uma possibilidade muito real.
Mesmo que os ministros de Tsipras e o Parlamento grego aprovem o que está sendo exigido, ainda dependeriam de parlamentares finlandeses e alemães para que as negociações por um novo pacote de ajuda comecem.
O sistema financeiro grego está paralisado, e sem ajuda financeira temporária é difícil ver de que forma o país poderia se manter na zona do euro.
A crise na Grécia aumentou a antipatia dos gregos à primeira-ministra alemã, Angela Merkel
Os bancos estão de portas fechadas desde 29 de junho, quando o Banco Central Europeu (ECB, na sigla em inglês) congelou as linhas de crédito. Desde então, o ECB não aumentou o seu auxílio emergencial (Assistência Emergencial de Liquidez).
Enquanto as discussões sobre um acordo temporário continuam, o prazo de 20 de julho para o pagamento de dívidas está cada vez mais próximo. A Grécia precisa pagar uma parcela de 3,5 bilhões de euros ao ECB.
Se a Grécia sair da Zona do Euro, qual será a sua moeda?
Uma opção possível para os bancos seria reabrir com uma moeda paralela antes de ressuscitar a antigo dracma, a moeda grega anterior ao euro.
Outra possibilidade seria utilizar uma espécie de quarentena da zona do euro, em que a moeda única estivesse em circulação, mas o país não fizesse mais parte.
Kosovo e Montenegro, por exemplo, adotaram o euro sem terem sido aprovados para a zona do euro. Esta opção também poderia ser usada, caso a Grécia fosse temporariamente suspensa da zona do euro.
A Grécia também poderia manter duas moedas correntes, com o euro sendo usado em transações, e o governo pagando salários e aposentadorias em uma espécie de "euro grego" ou mesmo notas promissórias ou vales.
Como a saída da Grécia aconteceria?
Não existem precedentes de países saindo do euro, e ninguém sabe ao certo como isso se daria. Mas a decisão recente do ECB de congelar a liquidez dos bancos gregos parece um primeiro passo, já que a livre circulação de crédito é uma das bases da moeda única.
O problema é o dano já causado ao sistema bancário. Dezenas de bilhões de euros já foram sacados de contas particulares e corporativas, além disso, muitos gregos ficaram impossibilitados de sacar montantes mais altos por causa de controle de capitais impostos no país.
O risco é de um calote confuso que poderia prejudicar a economia grega ainda mais.
"Um default forçado acontece quando os cofres estão vazios, você para de pagar os funcionários e diz: 'Estamos usando todos os nossos recursos para pagar as contas de hospitais'", afirma o especialista Iain Begg, da universidade britânica London School of Economics.
A Grécia sofreria uma desvalorização imediata, e a inflação dispararia. O país poderia acabar sendo visto como pária nos mercados internacionais, a exemplo do que aconteceu com a Argentina em 2002.
Uma das principais fontes de renda da Grécia, o turismo, seria duramente afetado - outra tijolada na frágil economia grega.
Alguns economistas acreditam que a volta do dracma poderia até beneficiar a economia, mas é difícil ver ela ajudaria o país em curto prazo.
Por que a Grécia está tão quebrada?
¦Desde 2010, o governo de Atenas depende de dois pacotes de ajuda da União Europeia e do FMI que totalizaram empréstimos de 240 bilhões de euros
¦A última injeção de capital internacional na Grécia aconteceu em agosto de 2014
¦Quando o acordo com a zona do euro venceu, em 30 de junho, o governo de Tsipras também deixou de pagar ao FMI uma parcela da dívida no valor de 1,5 bilhão de euros e precisa pagar cerca de 2,2 bilhões de euros por mês em salários e seguridade social
¦Tecnicamente, o FMI diz que a Grécia está "atrasada" nos seus pagamentos, mas o Fundo Europeu de Estabilidade Financeira (EFSF, na sigla em inglês) diz que se trata de um calote
¦As dívidas da Grécia já montam mais de 300 bilhões de euros, cerca de 180% do seu PIB
¦Os bancos gregos estão fechados, e a população pode sacar apenas 60 euros por dia
O premiê Alexis Tsipras precisa do apoio do Parlamento para aprovar medidas de reforma na Grécia
Como a saída da Grécia afetaria o resto da Zona do Euro?
A UE trabalhou muito para prevenir que os problemas bancários de um membro afete os outros 27.
No entanto, a crise da dívida grega é tida como a maior ameaça que a zona do euro já enfrentou e teme-se que, ao criar um precedente, ela poderia causar danos irreparáveis ao projeto da moeda única europeia.
Uma "Grexit" poderia sacudir mercados em todo o mundo e chamar a atenção de especuladores para outras economias frágeis da região.
A saída também deixaria um rombo de 118 bilhões de euros nos cofres do ECB, que emprestou aos bancos gregos e investiu 20 bilhões de euros em títulos do governo.
O ECB poderia simplesmente imprimir mais dinheiro para se recapitalizar, mas isso seria contrário às intenções da Alemanha.
Além disso, há muito mais em jogo. Diversos governos enfrentam movimentos antieuro e aguardam ansiosos o desfecho da crise grega. (BBC - 13/07/2015)

Após acordo, Grécia fica no euro e recebe socorro de € 86 bilhões
Andrei Netto, correspondente
País receberá liquidez emergencial, plano de socorro de longo prazo e reescalonamento das dívidas, mas terá de adotar reformas drásticas; parlamento grego precisa aprovar medidas até quarta-feira
PARIS - Líderes políticos dos 19 países da zona do euro chegaram na manhã desta segunda-feira, 13, a um acordo unânime para por fim a seis meses de crise na Grécia. Em troca de um programa de reformas e de austeridade de amplitude inédita, Atenas receberá um terceiro programa de socorro de cerca de € 86 bilhões, além do reescalonamento de sua dívida externa. O governo radical de esquerda de Alexis Tsipras também receberá liquidez imediata a ser desbloqueda pela Comissão Europeia, pelo Banco Central Europeu (BCE) e pelo Fundo Monetário Internacional (FMI), permitindo retirar o país da situação de default de pagamentos e reabrir o sistema financeiro.
O acerto foi anunciado no final da madrugada, no horário de Brasília, manhã na Europa, quando Donald Tusk, presidente do Conselho Europeu - o colégio de chefes de Estado e de governo da União Europeia - veio a público, via Twitter: "O Euro Summit chegou a um acordo por unanimidade", afirmou. "Tudo pronto para um programa do Mecanismo de Estabilidade Financeira (ESM) para a Grécia com sérias reformas e suporte financeiro."
Minutos depois, em entrevista, Tusk ironizou a expressão "Grexit", usada para designar o fantasma da saída da Grécia da zona do euro, improvisando um jargão novo, em inglês, com as palavras "Greek" e "agreement". "Hoje, depois de 17 horas de negociações, nós chegamos ao nosso objetivo. Vocês podem chamar de 'a Greekment'", brincou. "Haverá condições estritas a cumprir. Esta decisão dá à Grécia uma chance de se recolocar no bom caminho com o apoio de seus parceiros europeus."
Atenas terá de transferir para um fundo de gestão que será instalado em território grego um total de € 50 bilhões em ativos de empresas públicas, que serão privatizadas. Deste valor, € 25 bilhões serão utilizados para recapitalizar o sistema financeiro do país, que teria falido caso não tivesse fechado as portas nos últimos oito dias. Ainda não estava claro na manhã de hoje, mas os bancos gregos poderiam ser "internacionalizados" - ou seja, seus ativos poderiam ser transferidos aos organismos internacionais.
"O Grexit é coisa do passado", festejou Tsipras, depois da maratona de negociações, iniciada há quase seis meses, e que colocou o país à beira do precipício. O primeiro-ministro não hesitou em comemorar os termos do entendimento, os mesmos que a imprensa europeia denunciou como "draconianos" e "humilhantes", e que a revista alemã Der Spiegel classificou de "catálogo de atrocidades". "Eu prometo reformar a Grécia. A batalha foi dura e ainda o será. A população deve apoiar nossos esforços. É um acordo de recessão, mas o pacote para o crescimento e o novo empréstimo nos ajudarão", afirmou Tsipras, sem deixar o discurso ideológico e de combate de lado: "A Grécia deve continuar a lutar contra a oligarquia que a mergulhou nessa situação".
François Hollande, presidente da França e um dos grandes responsáveis pela permanência da Grécia na zona do euro, foi outro a comemorar a decisão. Assessores do Ministério das Finanças francês chegaram a reescrever a proposta grega, auxiliando lado a lado o governo Tsipras a convencer os parceiros. "Em determinado ponto, nós tememos que a zona do euro perdesse um de seus membros", reconheceu. "O que eu quis foi do interesse da Grécia, do interesse da França e do interesse da Europa.
Já a chanceler da Alemanha, Angela Merkel, que chegou a levar a Bruxelas uma proposta para excluir a Grécia da zona do euro por cinco anos - a cláusula de "Time out" -, afirmou que assinaria o entendimento com "toda a convicção", mas manteve o tom de cobrança, reticente, que marca a posição alemã sobre o assunto. "Será um caminho longo e difícil", afirmou, descartando, entretanto, que haja uma alternativa. "Nós não precisamos de um plano B, porque o plano A foi aprovado."
O entendimento, que inclui o FMI - a despeito dos esforços feitos por Tsipras para alijar o fundo - ainda precisará ser aprovado por alguns parlamentos nacionais, como os de Alemanha e França, mas a iniciativa deve ter caráter simbólico. Por outro lado, o governo de Tsipras terá de começar a aprovar medidas em seu Parlamento desde a quarta-feira, com o objetivo de trazer a vida financeira do país à normalidade o mais rápido possível.
A participação do FMI, no entanto, está condicionada ao pagamento do que a Grécia deve ao Fundo, informou nesta segunda-feira a Comissão Europeia, o braço executivo da União Europeia. No último dia 30 de junho, o governo grego deveria ter pagado € 1,55 bilhão ao Fundo, mas acabou dando o calote. (O Estado de SP - 13/07/2015)

Agentes da instabilidade
Valdo Cruz
BRASÍLIA - As turbulências na China são uma péssima notícia para o Brasil, mas podem ter até seu lado positivo num momento em que os agentes políticos por aqui passaram a brincar à beira do precipício.
Péssima porque, se a crise na China se agravar, pega o Brasil num momento de extrema fragilidade econômica.
Aí, o que já está bem ruim pode ficar muito, mas muito pior.
Boa porque, diante da catástrofe, quem sabe a turma em Brasília acorda para a realidade, artigo que anda bem em falta neste ano não só no Congresso mas também em seus arredores. Até no Palácio do Planalto.
Enquanto no mundo real inflação e desemprego se aproximam dos dois dígitos, governistas e oposição jogam para a plateia e criam bombas fiscais no Congresso.
Alguns com o discurso corporativista, que atende a uma minoria ruidosa nas galerias do Legislativo e prejudica a maioria do país. Outros em busca de sangrar a presidente.
Em posição irresponsável, que não bate com seu passado, a oposição diz que o governo tem votos para derrotá-la. Não o faz porque está fraco e suas medidas também não combinam com sua história.
De fato, a mistura de fraqueza e incoerência está levando a uma situação perigosa. Parlamentares que ganharam cargos estão votando contra o governo, sem coragem de retaliar por temer, hoje, ser abandonado até por seus infiéis aliados.
Angustiada, a equipe econômica rema contra a maré.
Lista nada menosque14 ações para tirar o paísdo buraco, mas a sensação do momento, de crise política aguda, é que o governo Dilma está paralisado.
Enquanto isto, a presidente parte para a briga com a oposição. O PT aplaude de pé, mas os sensatos do governo não aprovam. Repetem confiar que nada atingirá a chefe no campo moral, mas não têm a mesma certeza sobre sua campanha.
Enfim, Brasília virou um campo de agentes da instabilidade.
Tomara que caiam na real antes do pior. ( Folha de SP - 13/07/2015)

Com um pé dentro e outro fora
The Economist
Seria viável a adoção de uma moeda paralela no interior da zona do euro?
Segundo estimativas feitas em 2012 pelo Fundo Monetário Internacional (FMI), qualquer moeda que a Grécia adotasse para substituir o euro perderia, em muito pouco tempo, 50% de seu valor. Os gregos veriam seu Produto Interno Bruto (PIB) encolher 8% e, com a disparada do custo das importações, a inflação chegaria a 35%. A confiança ficaria abalada e estaria instaurada a confusão - que seria ainda mais exacerbada pelos meses necessários a que uma nova moeda fosse posta em circulação. Isso tudo provavelmente se aplica ao momento atual, como se aplicava à situação de dois anos atrás.
Para o restante da zona do euro, as consequências sem dúvida seriam menos graves, mas não seriam desprezíveis. Os empréstimos oficiais concedidos à Grécia pelos demais países da eurozona, que somam quase € 185 bilhões (US$ 204 bilhões), teriam de ser contabilizados como prejuízo. Segundo o banco Barclays, o Banco da Grécia deve ao Banco Central Europeu (BCE) mais de € 125 bilhões, tomados para financiar saídas de capital (dívida com o "TARGET 2", sistema de pagamentos interbancários utilizado pelos países da União Europeia ) e emitir dinheiro extra. Por fim, há os € 27 bilhões de títulos soberanos gregos nas mãos do BCE. O total chega perto de € 340 bilhões, ou seja, mais de 3% do PIB da zona do euro.
Para Alexis Tsipras, primeiro-ministro grego, acordo sobre a dívida é possível
Uma saída integral e definitiva parece tão ruim - tanto para a Grécia, quanto para os países da eurozona - que algumas alternativas vêm sendo examinadas. Em entrevista recente, Wolfgang Schäuble, ministro de Finanças da Alemanha, sugeriu que uma saída "temporária" da zona do euro talvez fosse a melhor opção para a Grécia. (A ideia chegou de fato a ser incluída pelos alemães, embora não tenha sido aprovada por todos os ministros de Finanças do Eurogrupo, no documento submetido à reunião de cúpula de que participaram os 18 chefes de Estado da zona do euro, além das lideranças do FMI, BCE e UE, realizada no domingo à noite.) Talvez não seja esta a alternativa que Schäuble tem em mente, mas a coisa poderia ser feita redenominando os ativos e dívidas internos da Grécia, incluindo os de seus bancos, em "dracmas novos", e, ao mesmo tempo, mantendo suas obrigações externas em euros. Se o dracma novo fosse temporário, ou se fosse negociado como tal, esse arranjo talvez desse conta de manter a Grécia na área do euro.
Mantendo-se no Eurosistema (por meio do qual o BCE e os bancos centrais nacionais administram a zona do euro), o Banco da Grécia conservaria uma credibilidade que de outra forma se evaporaria. Isso daria mais poder de fogo à autoridade monetária grega para lutar contra a inflação galopante que certamente sobreviria à redenominação. A economia talvez não enfrentasse uma recessão tão violenta como do contrário fatalmente enfrentaria, e o dracma talvez conseguisse resistir com mais vigor à desvalorização. A perspectiva de um eventual retorno à zona do euro - é possível que os gregos venham a sentir falta daquilo que rejeitaram - seria um incentivo adicional para que o governo controlasse suas contas e introduzisse reformas a fim de viabilizar um crescimento mais acelerado da economia.
Dessa maneira, também não haveria por que se preocupar com a eventualidade de que a Grécia tivesse de abandonar a UE, perdendo acesso ao mercado comum e a fundos de desenvolvimento regional. Não há mecanismos jurídicos que prevejam a saída de um país da zona do euro, mas não da UE, e alguns juristas consideram inviável esse sair-mas-continuar-dentro. Na prática talvez existam maneiras de contornar essa postura inflexível - e algumas delas vêm sendo examinadas em Bruxelas. Mas, se a Grécia deixasse apenas temporariamente a zona do euro, elas seriam desnecessárias; e haveria um problema a menos com que se preocupar.
Haveria vantagens também para os países credores. Pelo menos no curto prazo, eles seriam poupados das recriminações de que certamente serão alvo caso a Grécia seja forçada a sair da união monetária. Além do mais, uma saída temporária, ou apenas teoricamente temporária, significaria que um remendo provisório poderia ser aplicado às potenciais perdas. A dívida grega continuaria sendo impagável. Mas, de qualquer forma, o principal só teria de começar a ser pago no início da década de 2020. Além disso, se banco central grego continuasse fazendo parte do Eurosistema, suas dívidas com o BCE não precisariam ser contabilizadas como prejuízo.
A UE sabe que a saída da Grécia da zona do euro exigiria o envio de ajuda humanitária para cobrir custos com artigos essenciais, incluindo medicamentos vitais. Cálculos preliminares indicam que os gregos precisariam de € 1,5 bilhão para arcar com suas necessidades de curtíssimo prazo. Se uma solução intermediária tornar a Grécia mais estável, o valor da conta pode ser menor - ou uma mesma quantia pode significar ajuda maior. Além desse auxílio, a área do euro provavelmente terá de oferecer recursos para que a Grécia equilibre seu balanço de pagamentos. Mais uma vez, o montante necessário talvez seja relativamente limitado; a Grécia teve superávit em conta corrente em 2013 e 2014, o que representou enorme melhoria em relação ao déficit de 10% do PIB registrado em 2010, quando o país recebeu seu primeiro pacote de ajuda.
A complexidade e a falta de credibilidade inerentes a essa tentativa de aliviar o impacto da saída da Grécia da zona do euro podem fazê-la parecer irrealizável. Talvez dê a impressão de ser - e nada garante que não venha de fato a ser - uma maneira de adiar, e não de evitar, o pior. Mas na história da crise da dívida grega o que não faltam são tentativas de empurrar o pior com a barriga. E essa postergação adicional tampouco seria algo de tão vergonhoso assim. (O Estado de SP - 13/07/2015)

Proteção tarifária desestimula produção local, mostra estudo
BRASIL
A estrutura tarifária brasileira não estimula a produção doméstica de bens finais. No Brasil, a carga com imposto de importação sobre bens intermediários é muito próxima à dos setores de bens acabados que estão na mesma cadeia produtiva. Apenas 12,4% do valor datransformação industrial se beneficia de forma clara da escalada tarifária, na qual as tarifas de importação aumentam de acordo com o grau de beneficiamento e transformação.
O problema é que quando são altamente protegidos - ou seja, possuem tarifa pesada de importação -, os intermediários custam mais para as indústrias que os utilizam como insumos, o que compromete a competitividade e desestimula a produção interna.
Essa é a conclusão de estudo elaborado pelo grupo de indústria e competitividade do Instituto de Economia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), a pedido da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp )e do Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial (Iedi). O estudo levantou a proteção tarifária efetiva e a nominal, que levou em consideração oito setores divididos em 30 subcadeias nas quais foram identificados os produtos de acordo com a etapa de transformação.
Atarifa efetiva reflete o grau de proteção para umdeterminado setor.Umsetor pode ter sua proteção "corroída", caso as tarifas sobre os insumos por ele usados sejam elevadas. Para o cálculo da proteção efetiva deduz-se a tarifa de importação incidente sobre os insumos da tarifa aplicada sobre ao bem final.
Para se fazer a dedução, o estudo considerou a importância ponderada dos insumos nos produtos finais analisados.
Com coordenação da professora Marta Reis Castilho, da UFRJ, o estudo mostra que a escalada tarifária é bem marcada em apenas três setores: ônibus e caminhões, automóveis e vestuário. Automóveis, caminhões e ônibus encontram-se numdos extremos de elevada proteção efetiva, porque possuem nominais com forte diferença entre os insumos e os bens finais. A proteção maior também reflete peso desses segmentos na estrutura industrial doméstica.
Vestuário e artigos têxteis também apresentam níveis de proteção bem acima da média da economia, também por conta da alta tarifa nominal principalmente nas etapas finais de produção, que tentam proteger o setor da concorrência asiática. Dentre os setores no extremo oposto, com menor proteção, estão os de baixo grau de transformação, como extração mineral, vegetal, originados da agricultura e da pesca, para os quais o país possui vantagens comparativas em relação a outros países.
Retirados os setores com proteção elevada e os de baixa proteção, porém, resta a maioria dos setores com tarifa efetiva em tomo da média da economia (26,3%). Dentre esses setores estão tanto bens intermediários quanto finais, e em muitos não se verifica a escalada tarifária nas alíquotas nominais.
Nos setores químico e siderúrgico, por exemplo, a tarifa sobre os intermediários é mais altado queno bem final. No químico, as resinas e elastômeros têm proteção efetiva de 34,9% enquanto tintas e vernizes são taxados em 29,7%. Nosdois casos, a proteção efetiva está acima da média da economia A proteção elevada nesses intermediários prejudica setores usuários, como plásticos e borrachas, que tem bens finais tarifados a 26,4%.
Paulo Francini, diretor de pesquisas e estudos econômicos da Fiesp, diz que o estudo mostra as atuais distorções da atual estrutura tarifária. Para ele, essas distorções devem ser analisadas caso a acaso discutidas de forma profunda e detalhada.
"O fato de bens intermediários terem tarifa muito próxima às dos bens finais em muitos setores significa que devemos elevar a tarifa dos bens finais? Acho que isso seria uma insânia", diz Francini O contrário também - ou seja, a redução da tarifa dos intermediários - não deve ser aplicada de forma indiscriminada.
A ideia é gerar um debate para que se possa chegar a uma estrutura com escalada tarifária, que dê mais competitividade à produção industrial.
No estudo, o grupo da UFRJ pondera que as estimativas de proteção efetiva realizadas no estudo foram feitas em nível de agregação alto, que impede incorporar especificidades dos setores, tanto em termos de composição como de medidas específicas, como ex-tarifários ou medidas antidumping.
O estudo destaca ainda que setores produtores de bens de capital, que não têm sido estimulados por uma proteção nominal ou efetiva, demandam análises mais detalhadas. O mesmo se aplica para segmentos que são fornecedores de bens intermediários para várias indústrias, como o setor siderúrgico e segmentos do setor químico, como resinas e elastômeros e tintas e vernizes.
Rogério Dias de Souza, do Iedi, lembra que a ideia é prosseguir a análise da estrutura tarifária brasileira e fazer uma comparação com a proteção dada por outros países. "A estrutura atual é resultado de uma colcha de retalhos, em que nada foi planejado de forma organizada. Épreciso seguir o exemplo de outros países e formar uma política de longo prazo."
Para Francini, o processo de privatização e a tentativa de tomar o país mais atrativo aos investidores resultou em elevação do grau de proteção para alguns setores. "Um ambiente de extrema dificuldade de competitividade levou alguns segmentos a buscar maior proteção. Mas não há capacidade para atender a todos e a combinação desses fatores causou a distorção atual".
Para o diretor da Fiesp a desvalorização do real oferece "excelente oportunidade" para discutir a proteção tarifária. "Não existe taxa de câmbio e nem processo industrial capaz de resolver a falha na deficiência da estrutura tarifária. "
Francini acredita que é possível estabelecer uma política tarifária mais racional, com programas claros e prazos para alteração de alíquotas. "A discussão não é fácil.
Nosso objetivo não é a proteção ou a desproteção, mas a busca de racionalidade e maior competitividade.
Qualquer mudança enfrenta resistências. Há setores que não vão ficar tão felizes ou satisfeitos." (Valor Econômico - 13/07/2015)

Real desvalorizado abre espaço para produtos brasileiros, diz ministro
O ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Armando Monteiro, disse hoje (12) que a desvalorização do real frente ao dólar abriu espaço para as exportações brasileiras. "Nós já estamos detectando, firmemente, não apenas no resultado da balança comercial, mas nós estamos medindo isso pela forma que a exportação voltou ao planejamento das empresas. Toda a empresa hoje voltou a colocar a exportação no seu radar", disse, em entrevista, na abertura do Congresso Brasileiro do Aço.
As preocupações com a situação da China e da Grécia fizeram com que a moeda norte-americana chegasse a ser cotada a R$ 3,234 na última quarta-feira (8). A maior cotação desde 27 de março (R$ 3,241).
Para o ministro, o novo patamar do câmbio brasileiro tende a ser benéfico para a indústria nacional. "O Brasil conviveu, e nesse contexto a indústria pagou um preço caro, com um longo período de apreciação da nossa moeda. E felizmente agora, ao que parece, agora nós teremos uma taxa de câmbio mais amigável ao setor exportador", enfatizou.
O novo cenário vai permitir, disse, não só um aumento das vendas para o exterior, mas melhorar a competitividade dos produtos nacionais também no mercado interno. "Significa que isso oferece para a própria indústria algum espaço no mercado doméstico que vinha sendo ocupado pelo produto importado. Isso é muito importante, sobretudo, nesse momento de contração do mercado doméstico", acrescentou.
Em relação às exportações, ele afirmou que o governo está trabalhando para reposicionar o país, aproximando o Brasil de mercados fortes. "O Brasil tem que se integrar de maneira mais efetiva aos fluxos de comércio em regiões que têm maior dinamismo. E nesse sentido, o foco da política comercial brasileira se voltou para alguns mercados importantes, como o americano", ressaltou.
Nos Estados Unidos, foram assinados, segundo Armando Monteiro, acordos de convergência de normas técnicas. Frisou que o objetivo é remover as barreiras não tarifárias aos produtos brasileiros. "Nós estamos fazendo um acordo de harmonização e convergência de normas. Com isso, setores da indústria já puderam ter ganhos a curto prazo. Eu destacaria o setor cerâmico, de máquinas e equipamentos, de refrigeração e material elétrico", enumerou.
O México é outro parceiro com o qual o Brasil quer, segundo o ministro, expandir os laços comerciais. "Nós estamos ampliando o acordo de complementação econômica com o México. É um acordo que vigorava desde 2002, mas restrito, com 800 produtos. Esse acordo vai agora ser ampliado, alcançando mais de 3 mil produtos". (Agência Brasil - 12/07/2015)

Portaria conjunta Secex e RFB cria Grupo de Trabalho para aperfeiçoamento do regime aduaneiro de Drawback
Foi publicada nesta quinta-feira, no Diário Oficial da União, a portaria conjunta número 1 de julho de 2015 da Secretaria de Comércio Exterior (Secex) e da Receita Federal do Brasil (RFB) que cria o Grupo Técnico Permanente para o Aperfeiçoamento do Regime Aduaneiro Especial de Drawback.
A instalação do grupo tem como objetivo simplificar, modernizar e intensificar a utilização do Regime de Drawback, um dos mais relevantes mecanismos de agregação de valor e apoio às exportações brasileiras. Dentre as atribuições do GT estão a proposição de normas destinadas ao aperfeiçoamento da regulamentação do drawback, a cooperação e compartilhamento de informações entre os órgãos e a criação de medidas para simplificar o acesso e facilitar o seu cumprimento pelas empresas beneficiárias.
Segundo o Secretário de Comércio Exterior, Daniel Godinho, a criação do GT cumpre com mais uma etapa do Plano Nacional de Exportações e mostra o empenho do governo em implementar as ações propostas para fomento do comércio exterior. "Com o GT, damos um passo importante na evolução do sistema de Drawback. É uma clara sinalização para o mercado da disposição do governo em pôr em prática as ações destacadas para 2015 no Plano", avalia.
Para o Secretário da Receita Federal, Jorge Rachid, o GT tem como foco aprofundar a discussão sobre medidas que possam reduzir a burocracia nos processos de comércio exterior. O resultado das discussões visa permitir uma maior simplificação para as empresas e com isso a melhoria no ambiente de negócios do País.
A medida está prevista no pilar de aperfeiçoamento de mecanismos e regimes tributários de apoio às exportações do Plano Nacional de Exportações, lançado pelo governo federal com o objetivo de impulsionar as vendas externas brasileiras.
O Plano
Com vigência até 2018, o Plano Nacional de Exportações é um passo importante para conferir novo status ao comércio exterior, com ações estruturais que vão além de uma visão de curto prazo e que são as bases para dinamizar e tornar mais competitiva nossa economia.
O Plano está estruturado em cinco pilares: Acesso a mercados; Promoção comercial; Facilitação de comércio; Financiamento e garantias às exportações e Aperfeiçoamento de mecanismos e regimes tributários para o apoio às exportações.
O objetivo é aumentar as exportações brasileiras a partir da ampliação do número de empresas no comércio exterior, inclusive com uma maior participação das micro, pequenas e médias empresas, e da diversificação da pauta, com foco nos produtos de maior densidade tecnológica. O Plano contempla também medidas para ampliação das exportaçõesdo agronegócio e para a recuperação das exportações de produtos manufaturados. (MDIC - 09/07/2015)

Uma crise chinesa? Talvez não, por enquanto
A ameaça de crash da bolsa de valores da China não é surpresa para analistas familiarizados com o modelo de desenvolvimento chinês. A principal incógnita é saber se tal ameaça poderia desencadear uma crise de maiores proporções como a crise da Ásia, de 1997, ou mesmo a crise financeira de 2008. Ainda que seja impossível ter uma resposta precisa para essa questão, podemos, mesmo assim, tentar desvendar o cenário mais provável, pelo menos no curto prazo. Embora a China seja membro da Organização Mundial do Comércio (OMC) desde 2001 - uma das condições exigidas pela entidade para ser "sócio" pleno no comércio multilateral é reger-se por regras típicas de uma economia de mercado -, os mercados de bens, trabalho, crédito e câmbio no país funcionam sob estrito controle do governo.
Para entender o que está ocorrendo com a China nessas últimas semanas, vamo-nos ater apenas ao mercado de crédito. Ao longo da última década, a política de expansão da liquidez e do crédito por parte do Banco Popular da China (o banco central do país) foi um dos principais mecanismos para sustentar o vigoroso crescimento econômico. Os dados disponíveis mostram que no período 2004-2010, a base monetária e o crédito doméstico tiveram aumento médio anual da ordem de 25% e 20%, respectivamente (contra uma inflação anual média de apenas 2%). Em qualquer economia de mercado, seria de se esperar uma queda dramática das taxas nominais de juros, mas tanto as taxas de curto como as de longo prazo permaneceram fixas (em torno de 5,5% e 7,7% a.a.) em todo o período, o que mostra um controle severo deste preço macroeconômico fundamental (a exemplo da taxa de câmbio) por parte da autoridade monetária chinesa.
O problema é que a forte injeção de liquidez e os juros artificialmente baixos, além de terem servido para alimentar a demanda agregada (especialmente o investimento, que, junto com as exportações, havia sido um dos motores do dinamismo econômico chinês desde as reformas iniciais do final da década de 1970), atuaram também como combustível para a formação de enormes bolhas especulativas no mercado de ações. Agora o mercado se defronta com a notícia de que uma das modalidades de crédito farto era o chamado "empréstimo de margem", pelo qual os poupadores familiares chineses podiam tomar financiamento bancário para aplicar no mercado de ações. Mesmo levando-se em conta uma participação reduzida no mercado de consumo (o consumo agregado representa somente 35% do PIB chinês, contra 70% no Brasil) e uma enorme propensão média a poupar, em qualquer país capitalista de renda média seria pouco provável que a bolha especulativa tivesse inflado apenas em virtude do movimento de compra de ações por parte dos pequenos poupadores. No entanto, segundo a Bloomberg, os investidores individuais movimentam cerca de 80% das transações no mercado acionário chinês. Ainda assim, custa a crer que pequenos poupadores fossem capazes, sozinhos, de provocar um crash financeiro de grandes proporções.
Com efeito, o que ninguém sabia é que a maioria das empresas chinesas também se endividava na modalidade "empréstimos de margem" com o intuito de realizar compras especulativas na bolsa de valores, usando o seu próprio portfólio de ações como garantias dos financiamentos bancários. O destino de qualquer sanha especulativa seria o mesmo de qualquer país capitalista convencional: uma vez que é impossível manter indefinidamente a tendência de alta dos preços das ações, mais cedo ou mais tarde a bolha estourará, seja movida por alguma fraqueza dos fundamentos macroeconômicos, seja por alguma medida de política econômica, ou ainda por mera inflexão psicológica por parte da maioria dos investidores. No caso da China, o estopim terá sido uma medida do governo suspendendo os "empréstimos de margem", uma entre diversas outras decisões recentes visando à correção dos preços relativos no país. Mas até agora a emenda está ficando maior que o soneto.
Ao interpretar (corretamente) que a intenção do governo chinês seria eliminar, de forma organizada, a bolha especulativa, os acionistas começaram a se desfazer freneticamente de seu portfólio acionário. Parte da bolha certamente desinflou: ainda que em 7 de julho o índice da Bolsa de Shenzen acumulasse uma valorização de 36% no ano, no mês anterior tal alta era da ordem de 120% Em países capitalistas convencionais, ameaças de pânico na bolsa de valores são contidas com suspensão do pregão por horas ou dias, como ocorreu nas crise financeira de 2008. Medidas semelhantes estão ocorrendo na China, mas com o toque do autoritário governo chinês. Além de suspender as operações de mais de 1300 companhias listadas na bolsa, o governo chinês obrigou todas as empresas estatais do país a manter suas posições compradas, no intuito de evitar um colapso ainda maior do preço das ações.
Como já assinalado no início deste artigo, é muito difícil precisar os desdobramentos de tais medidas sobre o mercado acionário no curto prazo. Evidentemente, um cenário de crash não pode ser totalmente descartado, uma vez que a confiança - requisito fundamental para o funcionamento adequado do mercado de capitais - foi seriamente abalada. Mas por ser a economia chinesa fortemente regulada e o governo contar com diversas ferramentas para deter um colapso de maiores proporções, é possível que o mercado retorne à situação de normalidade, ainda que os desdobramentos de médio prazo sobre o setor real sejam mais previsíveis. Neste caso, antes que a economia chinesa consiga transitar para o novo modelo em que o crescimento econômico seja movido pelo aumento do consumo (em vez de pelo incremento dos investimentos e das exportações, como no modelo exitoso anterior), o mais provável é que a China siga em processo de desaceleração. Para o Brasil, isso é uma péssima notícia, já que, em vista da retração em curso de nossa economia, causada pela queda da demanda das famílias (consumo), governo e empresas (investimento), nossas exportações têm sido a principal componente da demanda que poderia amortecer os efeitos da recessão em curso. Com a retração da demanda chinesa, o Brasil precisa se preparar um cenário provável de queda ainda maior dos preços das commodities e de nossas exportações. Ou seja, é provável que em 2015 e 2016 tenhamos uma "tempestade perfeita". * André Nassif é professor de Economia da Universidade Federal Fluminense e da Fundação Getúlio Vargas-RJ (O Estado de SP - 08/07/2015)

 
Abinee - Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica

Escritório Central: Avenida Paulista, 1313 - 7º andar - 01311-923 - São Paulo - SP
Fone: 11 2175-0000 - Fax: 11 2175-0090