DRI Clipping Semanal nº 45 - 10 a 14/11/14

Acordos


Veja mais

Unasur propone no limitar la integración
Unasur quiere una integración amplia sin limitaciones para los países miembros, aseguró ayer Ernesto Samper, secretario general del bloque regional. Fue luego de la reunión con el presidente Horacio Cartes. También invitó al Jefe de Estado para participar el próximo 4 y 5 de diciembre de la Cumbre de Presidentes en Ecuador.
El secretario general de la Unión de Naciones Suramericanas (Unasur), Ernesto Samper (colombiano), se reunió ayer con el presidente Cartes, en Palacio de Gobierno, para invitarlo a la Cumbre de Presidentes prevista para el 4 y 5 de diciembre próximo en Quito, Ecuador. En la ocasión se inaugurará la sede de la institución.
Al término del encuentro, Samper indicó que el jefe de Estado comparte la visión de Unasur de buscar una integración de regionalismo abierto que permita que los países miembros del bloque puedan tener otros acuerdos con distintos países del mundo. “Todos los países de Sudamérica tienen el derecho de celebrar alianzas estratégicas con quienes consideren que puede ser útil a sus intereses. Todo esto sobre la base de que se mantenga la integración política en lo regional. De tal manera que el proceso de convergencia que estamos nosotros promoviendo, es un acercamiento entre los distintos procesos de integración que se están viviendo en la región, como el Alba, el Mercosur, la Alianza para el Pacífico. El objetivo es que los países se encuentren en lugares comunes, que nos permitan hacia adelante construir un espacio económico mayor. Pero sobre todo evitar las duplicidades que estamos en este momento mostrando de países que están en diferentes escenarios de integración y que concurren a diferentes llamados que en el fondo todos tienen el mismo propósito”, indicó.
Comentó que Cartes comparte plenamente esta visión y propone que estos organismos sean los que creen los marcos generales para el desarrollo del capital y de las empresas.
Samper destacó también que la región no tiene conflictos y pidió analizar y buscar una salida a la lucha contra el narcotráfico.
En Cancillería
Samper, también hizo una visita protocolar a la Cancillería nacional, donde fue recibido por el ministro de Relaciones Exteriores, Eladio Loizaga. Al terminó, el expresidente colombiano declaró a periodistas que el organismo pasará a “de la visión a la acción”. Agregó que la Unasur se encuentra en el momento de llevar a la práctica los puntos de su agenda, basada en una mayor integración y en lograr la inclusión social en la región. (ABC Color – 14/11/2014)

Industriales brasileños presionan a Dilma y estudian impacto de acuerdo con EE.UU.
Economía y política
La CNI, la US Chamber y el Consejo Empresarial Brasil-EE.UU. firmaron un acuerdo para trabajar en este sentido. Debería flexibilizarse el Mercosur. Tarea difícil
Como un mecanismo de presión al gobierno recién reelecto de Dilma Rousseff, y a días de que la mandataria anuncie su nuevo gabinete, los industriales brasileños se aventuraron y pusieron en agenda las debilidades del Mercosur y la necesidad de que Brasil pueda avanzar en acuerdos comerciales bilaterales, como por ejemplo, con Estados Unidos.
Concretamente, la Confederación Nacional de la Industria (CNI) comenzó a trabajar con el Consejo Empresarial Brasil-Estados Unidos (Cebeu) y la US Chamber para estudiar el interés y el impacto de un eventual acuerdo comercial entre ambos países, según publicó ayer el diario Valor.
De acuerdo con el artículo, las tres entidades tendrán un año para consultar a las industrias de los dos países y analizar qué sectores serían estratégicos para ese acuerdo. Luego elaborarán un estudio que será entregado a los gobiernos. "Nuestra propuesta es iniciar una consulta con los empresarios brasileños sobre el interés en la relación con Estados Unidos y cómo podríamos estrecharla", dijo al diario brasileño el director de desarrollo industrial de la CNI, Carlos Abijaodi.
Consultadas por El Cronista fuentes del gobierno brasileño, relativizaron esta posibilidad por varios motivos. Por un lado, las relaciones diplomáticas entre Brasil y Estados Unidos no se recompusieron tras la ruptura generada a partir de denuncias de espionaje norteamericano al gobierno de Rousseff. Además, para avanzar en un Tratado de Libre Comercio con el mercado norteamericano debería flexibilizarse el Mercosur, ya que la normativa actual impide a los países miembros firmar acuerdos comerciales por separado. "Estos son acuerdos privados que no tienen nada que ver con lo público. Los industriales están presionando al gobierno brasileño para que tome alguna medida. Me resulta sospechoso que lo hagan justo a días de que Dilma anuncie su nuevo gabinete", consideró el analista Gustavo Segré.
Dilma viajará esta semana a Brisbane, Australia, para participar de la cumbre del G-20, donde también estará presente Obama. Se especula con que puedan limar asperezas tras las denuncias mencionadas. El gobierno brasileño también preparaba una reunión bilateral con la Cristina Fernández, que finalmente no podrá realizarse debido a la ausencia de la mandataria argentina.
Sobre las dificultades para avanzar en un TLC con EE.UU. producto del Mercosur, Abijaodi dijo que se necesita reorganizar el bloque económico. Sin embargo, no dio detalles de los cambios que la CNI quisiera ver implementados. "La forma de hacerlo depende de una reevaluación de la estructura del Mercosur", señaló. El director de la CNI informó que la entidad presentó al Gobierno la necesidad de reorganizar el Mercosur, pero negó que Brasilia haya dado alguna señal en ese sentido. "Vemos al bloque como algo importante, pero creemos que tiene que haber una manera para caminar dentro de las necesidades de la industria. Brasil precisa acuerdos no sólo con Estados Unidos, sino con la Unión Europea y otros bloques", afirmó.
A su vez, el presidente de la sección brasileña de Cebeu, Frederico Curado, dijo que la entidad tiene tres prioridades: la búsqueda de algún tipo de acuerdo de libre comercio; un acuerdo para evitar la doble tributación, y la eliminación de las visas para el tránsito de personas entre los dos países. (Cronista – 12/11/2014)

Colombia suspende la visa Mercosur a venezolanos
El Gobierno colombiano suspendió temporalmente a los ciudadanos venezolanos la visa Mercosur, que permite el ingreso y permanencia durante dos años en el país a los ciudadanos de Estados miembros de este bloque económico, confirmó la Cancillería.
Uno de los criterios que fundamenta esta visa es la reciprocidad, y al no encontrar que se esté otorgando en el mismo sentido visa a colombianos por parte del Gobierno venezolano dentro del acuerdo de Mercosur, Cancillería ejecutó la decisión.
"La República Bolivariana de Venezuela, si bien adhirió al Mercosur en el año 2006, no ha adherido específicamente al Convenio de Residencia Temporal de Mercosur", destaca el Ministerio de Exteriores colombiano.
La suspensión temporal, según Exteriores, "obedece a un ejercicio de revisión que se viene adelantando en cuanto al cumplimiento de los compromisos internacionales y de los acuerdos suscritos por el país", que se realiza con todos los países y acuerdos.
La visa del Mercosur, de una vigencia de dos años, otorga actualmente permiso para la residencia en Colombia a ciudadanos de Argentina, Brasil, Bolivia, Perú, Chile Ecuador, Uruguay y Paraguay, tras la suspensión temporal a Venezuela.
Cancillería destacó que están "a la espera por parte de la República Bolivariana de Venezuela de su adhesión al Acuerdo", y que mientras ese momento llega, los ciudadanos venezolanos que desean instalarse en el país "seguirán contando con todas las posibilidades que contiene nuestro marco normativo en materia migratoria".
En este sentido, el Gobierno colombiano recordó que en los últimos cinco años, "tan sólo en Bogotá 15.629 ciudadanos venezolanos han accedido a una visa en Colombia". (Cronista – 12/11/2014)

Em cúpula na Ásia, China defende maior cooperação com os EUA
Nós devemos ampliar as áreas nas quais podemos e devemos cooperar", disse Xi a Obama em encontro de economias do Pacífico
PEQUIM - O presidente chinês, Xi Jinping, disse ao presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, nesta quarta-feira,12, que os dois países precisam ampliar as áreas de cooperação e aumentar a colaboração em questões internacionais.
"Nós devemos ampliar as áreas nas quais podemos e devemos cooperar", disse Xi no início de conversas formais em Pequim. "A China está disposta a trabalhar com os Estados Unidos para conduzirmos no futuro."
Hong Kong. No encontro, ambos divergiram nesta quarta-feira sobre os protestos por democracia no território autônomo chinês.
Em Pequim, Obama disse que os EUA defendem uma eleição livre e justa no território, enquanto Xi afirmou que a questão é um problema interno chinês.
Os dois fizeram os comentários durante uma entrevista coletiva após reunião no Grande Salão do Povo. / REUTERS (O Estado de SP – 12/11/2014)

China e EUA avançam em acordo de livre comércio para bens eletrônicos
O acerto abre o caminho para o reatamento e a rápida conclusão do primeiro grande plano de redução de tarifas na OMC em 17 anos e promete maior impulso das exportações tecnológicas.
- A China e os Estados Unidos avançaram nas negociações sobre eliminar os direitos sobre os produtos de tecnologia da informação, um negócio que pode pavimentar o caminho para o primeiro acordo de redução tarifária importante na Organização Mundial do Comércio (OMC) em 17 anos.
O avanço permitiria a "rápida conclusão" sobre as negociações para ampliar o Acordo de Tecnologia da Informação (ITA, na sigla em inglês) na OMC, em Genebra, no final deste ano, informou o representante comercial dos Estados Unidos, Michael Froman, a repórteres ontem.
O acordo reduzirá as tarifas globais sobre produtos como equipamentos médicos, aparelhos de GPS, consoles de vídeo-games e semicondutores da próxima geração. "Esta é uma notícia animadora para a relação entre os EUA e a China", disse Froman em Pequim, onde ocorreram as reuniões da cúpula da Cooperação Econômica Ásia-Pacífico (Apec).
"Isso mostra como os EUA e a China trabalham juntos para avançar na nossa agenda econômica bilateral, mas também para apoiar o sistema de comércio multilateral", acrescentou.
O ITA, que entrou em vigor em 1997, envolve agora mais de US$ 4 trilhões em comércio anual, de acordo com o governo dos EUA. Participantes do ITA comprometeram-se em eliminar as tarifas sobre itens como computadores e software de computador, equipamentos de telecomunicações e outros produtos de tecnologia avançada.
Limites
Os Estados Unidos serão "muito claros" com a China se o país for além dos limites das normas internacionais sobre a segurança cibernética e outras questões, disse também ontem uma autoridade sênior do governo dos EUA, antes de uma cúpula entre os líderes dos dois países.
Os comentários de Ben Rhodes, conselheiro-adjunto de segurança nacional, foram feitos num momento em que o governo chinês está cada vez mais assertivo e tem feito pressão pela criação de novas instituições regionais que a China tem o objetivo de liderar, incluindo um fórum de segurança multilateral e um banco asiático de investimento em infraestrutura.
Ciberespionagem, disputas marítimas e uma vasta gama de outras questões devem surgir, disse Rhodes, quando o presidente dos EUA, Barack Obama, se reunir com o presidente chinês, Xi Jinping, para um jantar na noite de ontem e para conversas formais hoje.
Obama está em Pequim para a cúpula da Cooperação Econômica Ásia-Pacífico (Apec) e também para uma visita oficial à China.
"Saudamos o desejo da China, que está claramente exposto aqui na cúpula, de desempenhar um papel na comunidade internacional que é compatível com a sua capacidade econômica e política, e sua posição como a nação mais populosa do mundo", disse Rhodes, um dos principais assessores de Obama na Casa Branca. "Ao mesmo tempo, nós vamos ser muito claros quando acreditarmos que as ações da China estiveram realmente saindo dos limites do que acreditamos ser as normas internacionais necessárias que regem as relações entre as nações e as maneiras pelas quais nós resolvemos disputas", acrescentou.
Laços com a Ásia
Obama chegou à China em busca de mostrar um compromisso renovado dos EUA com a girada estratégica em direção à Ásia, amplamente vista como um esforço para combater a crescente influência da China.
O ceticismo permanece entre alguns aliados asiáticos, no entanto, quanto ao fato de os Estados Unidos poderem se envolver totalmente com a região no momento em que está preocupado com as crises globais como a luta contra o Estado Islâmico, a propagação do vírus Ebola e ainda o conflito na Ucrânia. Para o presidente chinês, Xi Jinping, um novo acordo de liberalização do comércio na Ásia-Pacífico vai ajudar a aumentar a integração entre as nações da região.
Os 21 membros do grupo Apec concordaram em tomar medidas para criar a Área de Livre Comércio da Ásia-Pacífico (FTAAP, na sigla em inglês), de acordo com comunicado conjunto divulgado após uma cúpula de dois dias com chefes de Estado em Pequim. /Reuters (DCI – 12/11/2014)

Apesar de diferenças, reunião entre Obama e Xi resulta em novos acordos
Por Matt Spetalnick e Michael Martina
PEQUIM (Reuters) - Os Estados Unidos e a China anunciaram um plano conjunto sem precedentes nesta quarta-feira para cortar emissões de gases estufa até 2030, um dos vários acordos alcançados pelos presidentes Barack Obama e Xi Jinping em intensas conversas bilaterais.
EUA e China possuem fortes laços econômicos e comerciais, mas têm divergido sobre quase tudo, da reivindicação chinesa por territórios no leste e sudeste da Ásia a ciberespionagem, comércio e direitos humanos.
Obama, que se encontrou com Xi no Grande Salão do Povo de Pequim pela primeira vez para conversas formais em mais de um ano, após um jantar na noite anterior, disse ver com bons olhos uma China que é pacífica, próspera e estável.
Na terça-feira, os dois líderes falaram por cinco horas durante e após o jantar, duas horas a mais do que o programado, segundo autoridades.
Obama acrescentou que a China e os EUA têm diferenças importantes, mas disse estar encorajado pela disposição de Xi de participar de um diálogo construtivo.
“Há importantes diferenças que nós dois praticamos, assim como de visão para nossos respectivos países e nossa conduta de política externa”, disse Obama.“Mas eu fiquei muito animado por sua disposição, sr. presidente, de participar de um diálogo construtivo”, acrescentou.
“Nossos dois países têm enormes apostas no sucesso um do outro”, acrescentou Obama. “Os Estados Unidos dão boas-vindas a uma China que é pacifica, próspera e estável.”
Xi disse a Obama que a China e os EUA devem expandir os negócios em áreas onde podem e devem cooperar.
Apesar de autoridades dos EUA terem projetado baixas expectativas para qualquer grande sucesso nessa viagem, os dois lados conseguiram destravar uma série de conquistas modestas, mas significativas, em temas como vistos de viagem, comércio, clima e laços militares.
O acordo para cortar emissões de gases-estufa joga o peso dos dois países por trás de um novo pacto global que será negociado em Paris no ano que vem.
Mesmo assim, apesar da boa vontade mostrada pelos dois líderes durante suas interações públicas, especialmente em uma cúpula de líderes da região Ásia-Pacífico nos dois dias anteriores, ainda há profundas diferenças.
Obama disse a Xi que os EUA defendem eleições livres e justas, e que reflitam a vontade do povo, no território chinês de Hong Kong, levando a uma resposta de Xi em frente a repórteres, quando o líder chinês disse que o que acontece em Hong Kong é problema interno da China.
(Reportagem adicional de David Stanway) (Reuters – 12/11/2014)

Acordo entre China e EUA permitirá cortar tarifas para produtos de TI
O presidente Barack Obama anunciou ontem em Pequim que os Estados Unidos e a China chegaram a um "entendimento" nas negociações para eliminar tarifas em produtos de tecnologias da informação e comunicação, com impacto estimado em US$ 1 trilhão em vendas globais.
O acerto, obtido nas negociações da cúpula de Cooperação Econômica Ásia-Pacífico (Apec), abre caminho para a ampliação, já em dezembro, do Acordo de Tecnologia de Informação (ITA, na sigla em inglês). Se concretizada, essa expansão do ITA seria a maior conquista da Organização Mundial do Comércio (OMC) em seus 17 anos.
Diplomatas encarregados das negociações na sede da OMC, em Genebra, têm que agora definir o cronograma para a eliminação das tarifas, um ponto que impediu o acordo há um ano. "Ainda há trabalho para ser feito, mas o fim dessas importantes negociações está entrando em foco", disse em Pequim Michael Froman, o representante de Comércio dos EUA.
Concluído em 1996, o ITA obrigou seus participantes a eliminar tarifas sobre 180 produtos de informática, como semicondutores, computadores e equipamentos de telecomunicações. "A última vez em que a OMC chegou a um acordo para eliminar tarifas sobre produtos de tecnologia da informação foi em 1996, quando a maior parte da tecnologia GPS, de softwares de equipamentos médicos e de dispositivos de alta tecnologia que utilizamos em nossas vidas hoje nem existiam", disse Froman. Sem a resistência da China, o ITA poderá ser ampliado com a inclusão desses e outros produtos, como consoles de videogames e semicondutores de nova geração.
Froman destacou ainda que o acordo pode ser um sinal de que as relações comerciais entre as duas maiores economias do mundo estão entrando em um novo patamar. "Isso mostra que EUA e China podem trabalhar juntos para levar adiante nossa agenda econômica bilateral e também apoiar o sistema de comércio multilateral."
O Brasil não faz parte do ITA. Mas deve se beneficiar dos resultados, podendo exportar sem tarifas produtos de tecnologias da informação e comunicação que sejam cobertos pelo acordo. O país é nesse caso um "free rider", ou seja, um beneficiário de liberalização comercial sem fazer qualquer esforço. (Com agências internacionais) (Valor Online – 12/11/2014)

Estudo identificará impactos de livre comércio com os EUA
Por Lucas Marchesini e Eduardo Campos | De Brasília
Para estimular o governo a avançar nas relações comerciais com os Estados Unidos, a Confederação Nacional da Indústria (CNI), o Conselho Empresarial Brasil-Estados Unidos (Cebeu) e a US Chamber criaram um grupo de trabalho para estudar o interesse e o impacto de um eventual acordo de livre comércio Brasil-EUA.
As três entidades terão um ano para consultar as indústrias dos dois países e analisar quais setores seriam estratégicos para esse acordo. Depois disso, um estudo será elaborado e entregue aos dois governos. "A nossa proposta é dar início a uma consulta ao empresário brasileiro a respeito do interesse na relação com EUA e como poderíamos estreitar isso", disse o diretor de Desenvolvimento Industrial da CNI, Carlos Abijaodi.
A principal dificuldade seria a relação com os acordos comerciais existentes hoje. No caso do Brasil, o entrave principal seria o Mercosul. Abijaodi disse que é necessária uma reorganização do bloco. Ele, contudo, não deu detalhes das mudanças que a CNI gostaria de ver implementadas. "A forma de fazer isso está muito presa a reavaliar a estrutura do Mercosul", disse.
A vice-presidente para as Américas da US Chamber, Jodi Bond, disse que "em tempos de incerteza econômica, os países tendem a olhar para dentro e os EUA estão fazendo isso com suas indústrias. Nós queremos encorajar os governos a olharem para fora". (Valor Online – 12/11/2014)

Esperan definición de pedidos comerciales
En la reunión del Grupo Mercado Común (GMC) en Buenos Aires, este 26 y 27 de noviembre, se podría tener una definición sobre los pedidos comerciales y económicos del Paraguay en el Mercosur, informó ayer Rigoberto Gauto, viceministro de Relaciones Económicas de la Cancillería nacional.
El Gobierno paraguayo tiene en carpeta cinco solicitudes económico-comerciales en el bloque regional, como el establecimiento de zonas francas. Estos pedidos ya se habían presentado en la última cumbre del bloque en Venezuela, el 29 de junio pasado. Sin embargo, en la reunión de Presidentes los pedidos fueron postergados para un “mejor análisis”.
Gauto realizó la semana pasada visitas a Buenos Aires (Argentina) y Montevideo (Uruguay) para reunirse con sus colegas con el objeto de avanzar en las solicitudes económicas y comerciales del Paraguay en el Mercosur.
Entre los pedidos de nuestro país se mencionan, además de las zonas francas, la extensión del régimen de origen del Mercosur; sobre los regímenes especiales de importación y los regímenes nacionales de admisión temporaria.
La XLVII Reunión Ordinaria del Consejo del Mercado Común (CMC) y la Cumbre de Jefes de Estados del bloque se llevará a cabo el 17 y 18 de diciembre en la ciudad de Paraná, Entre Ríos. (ABC Color – 11/11/2014)

Partido de Macri pide revisar Mercosur y mirar al Pacífico
La Propuesta Republicana (Pro), el partido de oposición que lidera el alcalde de Buenos Aires, Mauricio Macri, quien figura entre los favoritos en las encuestas electorales argentinas, apuesta por una revisión del Mercosur, según el presidente del Banco Ciudad, Rogelio Frigerio.
“Mercosur no ha servido para lo que originalmente se creó, ha dado sobradas muestras de no haber resuelto los problemas para los que se creó”, señaló Frigerio, colaborador de Macri, en un encuentro con corresponsales extranjeros, informó ayer la agencia española EFE, desde la capital argentina.
A su juicio, además de impulsar una revisión del papel de Mercosur –integrado por Argentina, Brasil, Uruguay, Paraguay y Venezuela–, el país debería “empezar a mirar más al Pacífico” y redefinir su estrategia con el vecino Brasil en un marco de relanzamiento de la política internacional.
Frigerio cargó contra la política económica del gobierno de Cristina Fernández de Kirchner, con una inflación que cifró en un 40 por ciento, corrupción, “derroche” de fondos públicos y una presión impositiva “asfixiante”. En este contexto, una solución al conflicto de la deuda generado por la demanda interpuesta por fondos especulativos en Estados Unidos “abriría la posibilidad de una transición más tranquila” en el último año de gestión de Fernández, que afronta la recta final de su segundo y último mandato.
Las encuestas sitúan a Macri junto al oficialista gobernador de Buenos Aires, Daniel Scioli, y el peronista disidente Sergio Massa entre los favoritos en las preferencias de los argentinos para las elecciones presidenciales que se llevarán a cabo en octubre del 2015. (ABC Color – 11/11/2014)

Brasil busca acuerdos extrarregionales
Francisco Cannabrava, ministro consejero de la embajada en la Argentina, enfatizó que el Mercosur necesita coordinar nuevos pactos comerciales; qué indican las proyecciones para el sector agroalimentario de nuestro vecino
Por Florencia Carbone
Aunque esperó hasta el final de su presentación para enviar el mensaje más delicado y, fiel a su estilo, todo se desarrolló en términos muy diplomáticos, Francisco Cannabrava, ministro consejero de la embajada de Brasil en la Argentina, fue contundente: "El Mercosur necesita coordinar de manera más activa la búsqueda de nuevos acuerdos comerciales fuera de la región".
El auditorio repleto de la Bolsa de Cereales escuchaba con atención a quien minutos antes había detallado los principales resultados del MAPA, sigla con la que Brasil identifica a las "Proyecciones del agronegocio" que realiza anualmente desde hace seis años. La ponencia tuvo lugar durante la I Conferencia Internacional sobre Proyecciones Agroindustriales, organizada por el Instituto para las Negociaciones Agrícolas Internacionales (INAI), donde se presentó el Escenario de Referencia Agroindustrial Mundial y Argentino al 2023 (Erama).
Aunque teóricamente se trataba de las versiones argentina y brasileña de dos estudios similares -proyecciones a 10/11 años sobre el sector agroindustrial-, apenas empezó la exposición de Cannabrava, surgieron las diferencias: mientras en la Argentina el Erama es fruto del esfuerzo del sector privado, el MAPA es el resultado de una alianza público-privada.
"El MAPA tiene como objetivo discutir las proyecciones de largo plazo acerca de la dinámica de la producción, consumo y comercio internacional de los principales productos agrícolas producidos y consumidos en Brasil. Es la sexta producción del Ministerio de Agricultura de proyecciones a 11 años", explicó el diplomático, y agregó: "Es el resultado del trabajo con alrededor de 20 instituciones y asociaciones nacionales e internacionales, como la Fundación Getulio Vargas y el Instituto del Comercio y Negociaciones Internacionales, la FAO y la OCDE, entre otros".
El diplomático brasileño explicó que desde que empezaron a trabajar con modelos estadísticos se fueron incorporados nuevos productos, y que la última edición (2012-2013/2022-2023) incluyó el análisis de 26 productos y las perspectivas a partir de los cambios registrados en la coyuntura nacional e internacional.
Luego detalló algunos resultados:
Para 2023 se proyecta una cosecha cercana a 222,3 millones de toneladas (20,7% más que en 2012), y un aumento de 8,2% del área de cultivo de granos.
Trigo. Es el que demanda mayores niveles de importación para Brasil. En 2013 representó el 20% del total de las compras agrícolas. Aunque las proyecciones indican un aumento de la producción de 10,3%, el país se mantendría como uno de los principales importadores mundiales de trigo. "El crecimiento de los excedentes exportables de trigo argentino y de los otros países del Mercosur es clave para el abastecimiento del mercado brasileño", dijo.
Maíz. La producción crecerá 20% hasta 2023, y las exportaciones, 27,3%.
Soja. La producción proyectada para 2023 es de 99,2 millones de toneladas (21,8% más que en 2013), "un porcentaje más bajo que el registrado en los últimos 10 años". S estima que las exportaciones de pellet crecerán 12,2% y las de aceite, 9,4%. "El desafío brasileño es el de agregar mayor valor. Apenas 42,2% de la producción sufre algún tipo de procesamiento industrial y la tendencia es que este porcentaje se reduzca en los próximos años, a diferencia de lo que ocurre en la Argentina, que en 2013 procesó alrededor de 70% del total de su cosecha sojera. La agregación de valor podría ser objeto de una cooperación bilateral. Entre los dos países se produce más de la mitad de la soja del mundo", acotó.
Carne. Las mayores tasas de crecimiento en el sector serán las avícolas (46,4%), luego bovinas (22,5%) y porcinas (20,6%). En cuanto a las tasas de exportaciones aumentarán 29,4% las porcinas; 28,9% las bovinas y 13,7% las avícolas. "En paralelo al proceso de expansión de la producción, los frigoríficos brasileños se vienen involucrando en un proceso de expansión extra regional a partir de la adquisición de unidades. Se trata de una estrategia que busca expandir la presencia en la cadena de valor posibilitando al mismo tiempo el acceso a nuevos mercados externos", contó Cannabrava.
Tras comentar que tanto las proyecciones de Brasil como las del resto de los países deben ser interpretados dentro de una visión regional, envió su mensaje al bloque.
"Quisiera enfatizar que el Mercosur necesita coordinar de manera más activa la búsqueda de nuevos acuerdos comerciales fuera de la región. Tenemos la situación de las negociaciones Mercosur-UE, donde hicimos avances importantes y estamos cerca de proceder a un intercambio de ofertas. Es muy claro el fuerte interés que tienen los sectores productivos de Brasil en esta negociación en particular, pero también por otras. Y estas son negociaciones que nos tocan llevar en bloque. Tenemos la oportunidad de obtener beneficios. Toda negociación incluye la necesidad de hacer concesiones pero en Brasil -yo estaba involucrado en estas negociaciones antes de venir acá- observamos que el interés no es sólo del sector agrícola por incrementar sus exportaciones, hay interés de la industria en expandir sus mercados por medio de nuevas negociaciones porque ven una oportunidad de acceso a insumos y tecnología. Es extremadamente importante lograr una buena coordinación entre Brasil y la Argentina para buscar nuevos mercados. Tenemos los datos, ahora tenemos que desarrollar políticas y enfrentar nuestros desafíos", concluyó.
El papel del Mercosur
"El Mercosur tiene un importante rol a desempeñar en el mercado de productos agrícolas. Juntos, los países del bloque son actores clave en el comercio agrícola internacional, presentando elevadas posibilidades de crecimiento de la producción y las exportaciones", dijo Cannabrava.
El diplomático brasileño, agregó: "En 2013, los países del Mercosur representaron 31% de las exportaciones mundiales de carne bovina, 51% de las de granos de soja y 67% de aceite de soja. Las proyecciones resaltan el potencial agrícola de la región que deben ser instrumentalizadas para la definición de una agenda positiva conjunta"..(La Nación – 11/11/2014)

Bolivia miembro pleno del Mercosur
Uno de los temas que captará la atención de la comunidad jurídica en nuestro Estado es la próxima incorporación de Bolivia como miembro pleno al Mercado Común del Sur (Mercosur) el próximo 15 de diciembre. Así, el hecho implicará un gran movimiento dentro de nuestro sistema jurídico (1).
En 2006 Bolivia manifestó su interés de iniciar trabajos para su incorporación como miembro del Mercosur. Foto: ippdh.mercosur.int
Ricardo Camilo Céspedes
Ante la necesidad de hacer un análisis de sus contenidos, los docentes especialistas en Derecho Internacional del Instituto de Estudios Internacionales (Idei-Bolivia) acordaron en su última Reunión Nacional del pasado 24 de octubre iniciar distintos debates referidos al mismo, motivo por el que aquí se hace una pequeña relación de los hechos para luego tratar de lanzar cuestionamientos para iniciar un debate.
Asimismo, es necesario mencionar que el 21 de diciembre de 2006 Bolivia ya ha manifestado su interés de iniciar los trabajos que permitan su incorporación como Estado parte del Mercosur, interés que fue aceptado con buenos ojos por el ente regional en su XXXII Cumbre de Presidentes en 2007, mediante decisión cmc N° 01/07.
En aquella ocasión se creó un grupo de trabajo ad hoc para la incorporación de nuestro país; entonces, a partir de este punto nuestro país comenzó a intervenir en el Mercosur como un Estado en proceso de adhesión (2).
Por otro lado, el 7 de diciembre de 2012 se suscribió en Brasil el Protocolo de Adhesión de Bolivia, en el que intervienen como partes la República Argentina, la República Federativa de Brasil, la República Oriental de Uruguay, la República Bolivariana de Venezuela y el Estado Plurinacional de Bolivia.
En este documento se acuerda que nuestro Estado se adhiere al:
-Tratado de Asunción.
-Protocolo de Ouro Preto.
-Protocolo de Olivos (para la solución de controversias en el Mercosur).
-Protocolo modificatorio del Protocolo de Olivos.
-Protocolo de Asunción sobre el Compromiso con la Promoción y Protección de los Derechos Humanos (ddhh) del Mercosur.
-Protocolo Constitutivo del Parlamento del Mercosur.
Pasos siguientes
Estos seis protocolos constituyen la normativa neural de esta institución de integración, mismos que nuestro Estado se compromete a ir adoptándolos como norma supranacional (3) de forma gradual, a más tardar en cuatro años que son contados a partir de la entrada en vigencia de dicho instrumento.
También es necesario aclarar que cada país miembro del Mercosur debe aprobar de forma interna esta adhesión, es decir, a través de sus órganos legislativos (4), para manifestarse formalmente sobre el tema en diciembre de 2014.
Una vez que tengamos la plena vigencia del protocolo de adhesión, tendremos que adecuar toda la normativa boliviana a los más o menos 7.000 cánones (5) que existen en el Mercosur, esto nos permitirá, obviamente, poder participar plenamente y con todos los derechos en el bloque.
Más allá de lo que acabamos de describir, esto tiene una gran connotación jurídica para el Estado Plurinacional, por tal motivo nos animamos a lanzar ciertos tópicos para que puedan ser debatidos y, de esta forma, proyectar como profesionales y desde instituciones como Idei-Bolivia nuestro punto de vista hacia la sociedad nacional e internacional.
Los puntos de debate pueden ser:
-Limitaciones a la supranacionalidad en el Estado de Bolivia.
-Sistemática jurídica desde el punto de vista de sus elementos estático y dinámico.
-Trascendencia para nuestro Derecho Constitucional.
-Trascendencia para el Derecho Internacional Público, Privado y de Integración.
-Adecuación y/o modificación de la normativa Nacional en general.
Cochabamba 29-10-2014 (La Razón – 11/11/2014)

China mostra sua liderança mundial na cúpula Ásia-Pacífico
A China aproveitou na segunda-feira o primeiro dia da cúpula da APEC, o fórum de Cooperação Econômica Ásia-Pacífico, para fazer uma demonstração de poder e reafirmar seu papel de liderança mundial. Abriu a jornada fechando um acordo de livre comércio com a Coreia do Sul e a continuou com a primeira reunião entre seu presidente, Xi Jinping, e o primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe, num primeiro passo para a normalização das relações entre os dois países, congeladas há dois anos. E encerrou o dia suavizando as tensões com o Vietnã e com os Estados Unidos, cujo presidente, Barack Obama, adotou um tom muito conciliador ontem.
Pequim se dispôs a exibir sua pujança na cúpula. Desde a construção de um lago e de todo um gigantesco complexo hoteleiro para receber durante poucas horas os líderes de 21 economias que concentram mais de metade do comércio mundial, até uma cerimônia de boas-vindas aos líderes própria das superproduções de Hollywood, com tapetes vermelhos luminosos e fogos de artifício, no Cubo de Água, na sede dos Jogos Olímpicos, vistos pelo governo chinês como uma de suas maiores vitórias diplomáticas.
Foi uma chave de ouro para um dia em que a China coroou vários dos esforços diplomáticos que tinha iniciado. O mais espetacular foi o aperto de mãos e a reunião com Abe, a primeira em três anos entre líderes da China e do Japão. A coreografia do encontro foi calculada cuidadosamente para deixar claro que os dois países ainda estão muito longe de resolver suas diferenças: ao contrário do que pede o protocolo chinês, foi o primeiro-ministro japonês quem esperou Xi no Grande Palácio do Povo, e não o contrário, e o presidente chinês não respondeu inicialmente à saudação de seu convidado. O aperto de mãos foi silencioso e sem sorrisos. Pouco importa. O simples fato de a reunião ter se realizado já representa um avanço e indica a vontade dos dois países de reparar seus laços congelados durante dois anos, desde a disputa entre eles pela soberania das ilhas conhecidas como Diaoyu em mandarim ou Senkaku em japonês, além de questões históricas.
Abe declarou à imprensa que a reunião “representa um primeiro passo para melhorar as relações bilaterais e voltar para a base de uma relação mutuamente benéfica fundamentada em interesses estratégicos comuns”. Xi, por sua parte, instou Abe a “manter-se no caminho do desenvolvimento pacífico, seguir uma política prudente de defesa e segurança, empreender esforços para aumentar a confiança mútua com os países vizinhos e exercer um papel construtivo para salvaguardar a paz e estabilidade regionais”.
Ao mesmo tempo em que remendava a relação com o Japão, a China fechava um acordo de livre comércio com a Coreia do Sul, país com o qual mantém sintonia excelente desde a chegada de Park Geun-hye ao poder. O acordo, que vinha sendo negociado havia dois anos e agora ainda precisa ser aprovado pelos Legislativos dos dois países, conserva as barreiras para o arroz e os automóveis mas, entre outras coisas, elimina as tarifas chinesas sobre os têxteis e os produtos eletrônicos coreanos. Os dois países mantêm um intercâmbio comercial de cerca de 228 bilhões de dólares (570 bilhões de reais), favorável à Coreia do Sul em mais de 60 bilhões de dólares (150 bilhões de reais).
O comércio tem um papel principal nesta cúpula da APEC. A China está fazendo pressão pela criação de uma Zona de Livre Comércio para a Ásia-Pacífico que abranja toda a região, origem de mais de metade do PIB mundial. Mas os Estados Unidos defendem a Aliança do Pacífico (TPP), composta por 12 países da APEC e que exclui a China.
Obama se reuniu ontem na embaixada dos EUA em Pequim com os países participantes dessa aliança. Ali assegurou que vê “um impulso” para a TPP. Embora as negociações se encontrem paradas devido à resistência do Japão em abrir seu setor agrícola, entre outros pontos, Obama assegurou que “foram feitos bons avanços nas últimas semanas”.
Entretanto, apesar de promover uma visão da integração comercial regional que difere da chinesa, Obama se mostrou conciliador com Pequim. Enfraquecido em seu país depois da derrota acabrunhante representada pelas eleições legislativas, ele optou por um tom suave para reparar as relações tensas devido à assertividade maior da China na região, disputas em áreas como a cibersegurança e os direitos humanos e uma desconfiança mútua muito grande.
Num discurso que proferiu para a cúpula empresarial da APEC, Obama procurou estender pontes em direção à China. Apesar de ter instado o país a renunciar ao “roubo cibernético com fins comerciais” e a permitir a livre concorrência de empresas estrangeiras, ele também anunciou uma nova política mais flexível de vistos para chineses, um gesto que vai gerar uma dose grande de boa vontade da parte de Pequim. O presidente norte-americano também se mostrou muito moderado em uma declaração sobre Hong Kong, para onde disse que o importante é “evitar a violência”.
Levando adiante os esforços para mostrar seu lado melhor durante a cúpula, Xi também se reuniu ontem com o presidente Truong Tan Sang, do Vietnã, outro país com o qual Pequim vem tendo desentendimentos fortes este ano devido às suas disputas territoriais no mar do Sul da China. De acordo com a Xinhua, a agência de notícias estatal chinesa, os dois países concordaram em resolver suas diferenças por meio do diálogo. “As relações bilaterais avançaram continuamente desde que nossos dois países estabeleceram laços diplomáticos, apesar de alguns altos e baixos”, declarou Xi. Truong, por sua parte, disse que o Vietnã “está disposto a abordar as questões marítimas em consultas amistosas, para que esses assuntos não afetem nossas relações com a China”. (El Pais – 11/11/2014)

Líderes da Ásia-Pacífico apostam na integração econômica regional
Da Agência Lusa
Líderes da Ásia e do Pacífico, entre os quais os presidentes dos Estados Unidos, da China e da Rússia, decidiram hoje (11) "aprofundar a integração econômica" da região e iniciar conversações para transformá-la em uma zona de comércio livre.
"Todos concordamos que a integração econômica é o motor para um duradouro e forte crescimento da Ásia-Pacífico", disse o presidente chinês, Xi Jinping, ao final da 22ª cúpula anual da Cooperação Econômica Ásia-Pacífico (Apec).
A cúpula reuniu durante dois dias, em Pequim, líderes de 21 países do Anel do Pacifico, área que se estende da Austrália ao Vietnã, e que inclui as três maiores economias do planeta (Estados Unidos, China e Japão).
"Entramos numa nova fase histórica", disse o presidente chinês sobre o futuro da Apec, um fórum de diálogo e cooperação criado em 1989 cujos membros representam 57% do Produto Interno Bruto mundial. (Agência Brasil – 11/11/2014)

CNI e câmara americana estudam acordo Brasil-EUA
PATRÍCIA CAMPOS MELLO
A Confederação Nacional da Indústria (CNI) assina nesta terça (11) um acordo com a US Chamber of Commerce, maior associação empresarial dos EUA, para fazer um estudo de impacto sobre um eventual acordo comercial entre Brasil e EUA.
A CNI espera que, em um ano, a proposta de acordo esteja sobre a mesa dos presidentes Dilma Rousseff e Barack Obama.
"Nossa indústria está debilitada, mas quando retomarmos o crescimento, onde vamos desaguar a produção?", diz Carlos Abijaodi, diretor de desenvolvimento industrial da CNI. "Não basta ter só mercados pequenos da América Latina, já sentimos o baque da Argentina na balança; precisamos procurar parceiros."
As negociações vão começar por propostas para eliminar barreiras não tarifárias (como as sanitárias, que afetam carne bovina), uniformização de padrões, estudos para eliminar a bitributação, acordo de previdência e facilitação de trânsito de pessoas.
Os dois últimos iam ser assinados na visita de Estado que Dilma faria a Washington no ano passado, mas foram para a geladeira depois do cancelamento, por causa das revelações de que o governo americano espionou líderes mundiais, inclusive ela.
SETORES
Abijaodi admite que alguns setores, como o de máquinas, resistem à redução de tarifas de importação e precisariam de prazo maior.
"Mas setores que tradicionalmente queriam proteção, como o de eletroeletrônicos, querem o acordo, pois precisam importar não só muitos componentes, mas também serviços como software", diz.
O setor químico e o setor farmacêutico também teriam interesse no acordo.
O governo brasileiro tem afirmado que sua prioridade é fechar um acordo entre o Mercosul e a União Europeia, mas as negociações empacaram porque a Argentina se recusa a reduzir tarifas no mesmo ritmo que os outros países do bloco, e a UE tem problemas para formalizar sua oferta na área agrícola. (Folha de SP – 11/11/2014)

Apec: países estudarão acordo de livre comércio
Os Estados Unidos, Rússia, China e economias da Ásia e do Pacífico concordaram em estudar a possível adoção de um acordo de livre comércio. Em declaração conjunta divulgada nesta terça-feira, os líderes afirmam que decidiram estudar a proposta liderada pelo governo chinês em um período de dois anos.
O anúncio representa uma vitória de Pequim em seus esforços para ter um papel de maior peso no comércio global. "Esse é um passo histórico em direção a uma área de livre comércio na Ásia-Pacífico", afirmou o presidente chinês Xi Jinping em coletiva de imprensa.
A China está empurrando o acordo apesar dos Estados Unidos tentarem uma proposta similar com doze países da região, excluindo a potência asiática. Na disputa pela influência na Ásia, a China já realizou uma série de iniciativas como o acordo de livre comércio com a Coreia do Sul, anunciado na segunda-feira, a criação de um fundo de US$ 40 bilhões para melhorar os laços comerciais entre economias asiáticas e a realização de um banco de desenvolvimento regional com outros 20 países.
Pequim afirma que suas intenções são benignas, mas sua crescente importância comercial nos países da região pode acabar erodindo a influência norte-americana na Ásia. Em resposta, Washington pressiona para realizar seu acordo com os demais países asiáticos e impor uma derrota à Pequim. Publicamente, contudo, os Estados Unidos se posicionam a favor da ascensão de uma economia chinesa pacífica.
Segundo Wu Xinbo, diretor do Centro de Estudos Americanos da Universidade de Fudan, as negociações dos Estados Unidos "estão sendo utilizadas para empurrar a China de lado e enfraquecer o seu status de centro econômico". Ao promover sua própria iniciativa, Wu acredita que Pequim dará ao país "maior direito de falar na Ásia-Pacífico e de ter um novo status". Fonte: Associated Press. (O Estado de SP – 11/11/2014)

Pequim recebe o apoio da APEC para a sua zona de livre comércio
O presidente chinês, principal defensor da proposta, qualifica o anúncio como “histórico”
Os 21 líderes reunidos na cúpula do Fórum da Cooperação da Ásia e Pacífico (APEC, na sigla em inglês) deram nesta terça-feira um precavido primeiro passo rumo a um Acordo de Livre Comércio da Ásia e Pacífico (FTAAP). O apoio à definição de um mapa para esse processo representa um triunfo para o Governo da China, que é o principal defensor da proposta e pressionou fortemente em favor dela ao longo da cúpula. “Decidimos começar o processo de estabelecimento de um FTAAP e adotamos um mapa para conseguir isso”, disse a jornalistas o presidente da China, Xi Jinping, que qualificou o anúncio como “histórico”, por ser “o lançamento oficial do processo”. O pacto demonstra “a confiança e o comprometimento dos membros da APEC em promover a integração econômica regional”, salientou.
Uma possível zona de livre comércio abrangendo todos os membros da APEC incluiria mais da metade do PIB e 44% do comércio do planeta. Mas os Estados Unidos já deixaram claro que sua prioridade é outro projeto de integração comercial, de tamanho mais reduzido, a Parceria Trans-Pacífico (TPP), formada por 12 países da APEC, entre eles México, Chile, Peru, Canadá, Japão e Austrália – mas não a China. As negociações rumo a esse acordo comercial avançam com lentidão, entre outros motivos pela reticência do Japão em liberalizar seu setor agrícola, embora o presidente dos EUA, Barack Obama, tenha dito que nota “um impulso” rumo a um acordo.
Tentando emendar as relações com a China, tensas nos últimos meses, Obama se mostra muito conciliador na etapa pequinesa da sua viagem pela Ásia, e na terça-feira demonstrou um moderado apoio à iniciativa da FTAAP, exposta inicialmente em 2006, mas abandonada até que a China retomasse a ideia. “Quero elogiar a China por centrar-se neste ano naquilo que a APEC pode fazer para contribuir com o sucesso da Zona de Livre Comércio da Ásia e Pacífico”, disse Obama. “As muitas iniciativas regionais contribuirão para seu futuro sucesso. Vemos nossa implicação na TPP como uma contribuição para esse esforço.”
A declaração de Obama é mais uma das cuidadosas manobras que as duas grandes potências efetuaram nos últimos dias para suavizar a tensão dos últimos meses. Embora persistam diferenças em áreas como a espionagem eletrônica e os direitos humanos, os dois países preferem adotar uma atitude pragmática e enfatizar as áreas onde pode haver colaboração, como o Afeganistão e a luta contra o ebola. Os primeiros resultados já surgiram: na segunda-feira foi anunciado um acordo para flexibilizar mutuamente a concessão de vistos, e nesta terça os dois países divulgaram um acordo que elimina tarifas de produtos de alta tecnologia. Os dois países, os mais poluentes do planeta, também revelaram um entendimento para ampliar a cooperação contra a mudança climática, numa reunião entre o vice-premiê chinês, Zhang Gaoli, e o secretário de Estado dos EUA, John Kerry.
Obama e Xi manterão uma reunião bilateral formal na quarta-feira, no Grande Salão do Povo, em Pequim. Na noite de terça (manhã no Brasil), eles conversaram de maneira menos protocolar no complexo governamental de Zhongnanhai, num longo jantar que se estendeu por duas horas além do previsto. Em declarações no começo da noite, Obama afirmou a Xi que deseja levar a relação bilateral “a um novo nível”.
Houve outros contatos diplomáticos ao longo do dia. Paralelamente à cúpula, Xi conversou com o seu colega filipino, Benigno Aquino, sobre as disputas territoriais que seus países mantêm, enquanto Obama aproveitava para manter até três breves conversas com o presidente russo, Vladimir Putin, sobre as crises da Ucrânia, da Síria e do Iraque, segundo a Casa Branca. Precisamente por causa da crise ucraniana, os dois líderes, que nunca mantiveram uma relação particularmente calorosa, se distanciaram ainda mais. Putin conversou também com o primeiro-ministro australiano sobre a ação que resultou na queda do voo MH17 da Malaysia Airlines, sobre o leste da Ucrânia.
Mas a China dominou a cúpula recém-encerrada. Uma China que quis deixar clara sua pujança em cada detalhe, da criação de um complexo hoteleiro e um lago especialmente para a reunião plenária ao luxo da cerimônia de boas-vindas para os líderes. O primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, que na segunda-feira se reuniu com Xi pela primeira vez em seu mandato, salientou no dia seguinte que a China e o Japão “se necessitam mutuamente”. E o presidente chinês, que começou a reunião regional propondo a realização de um “sonho da Ásia e Pacífico” e anunciando 40 bilhões de dólares para uma nova Rota da Seda, encerrou a cúpula na terça-feira com um acordo que, segundo ele, dará “um novo impulso” à APEC. (El Pais – 11/11/2014)

China e EUA avançam em acordo de livre comércio em tecnologia
REUTERS
A China e os Estados Unidos avançaram nas negociações sobre eliminar os direitos sobre os produtos de tecnologia da informação, um negócio que pode pavimentar o caminho para o primeiro acordo de redução tarifária importante na Organização Mundial do Comércio (OMC) em 17 anos.
O avanço permitiria a "rápida conclusão" sobre as negociações para ampliar o Acordo de Tecnologia da Informação (ITA, na sigla em inglês) na OMC, em Genebra, no final deste ano, informou o representante comercial dos Estados Unidos, Michael Froman, a repórteres nesta terça-feira.
O acordo reduzirá as tarifas globais sobre produtos como equipamentos médicos, aparelhos de GPS, consoles de vídeo-games e semicondutores da próxima geração.
"Esta é uma notícia animadora para a relação entre os EUA e a China", disse Froman em Pequim, onde ocorreram as reuniões da cúpula da Cooperação Econômica Ásia-Pacífico (Apec).
"Isso mostra como os EUA e a China trabalham juntos para avançar na nossa agenda econômica bilateral, mas também para apoiar o sistema de comércio multilateral", acrescentou.
O ITA, que entrou em vigor em 1997, envolve agora mais de 4 trilhões de dólares em comércio anual, de acordo com o governo dos EUA. Participantes do ITA comprometeram-se em eliminar as tarifas sobre itens como computadores e software de computador, equipamentos de telecomunicações e outros produtos de tecnologia avançada. (O Estado de SP – 11/11/2014)

Coreia do Sul firma TLC com a China
Por Bloomberg
A China e a Coreia do Sul concluíram as negociações para um tratado de livre comércio (TLC) entre a maior e a quarta maior economia da Ásia, respectivamente.
A China eliminará imediatamente tarifas sobre US$ 8,7 bilhões em importações anuais quando o acordo entrar em vigor. Ao final de dez anos, US$ 45,8 bilhões em exportações sul-coreanas estarão desgravadas, segundo o Ministério do Comércio da Coreia do Sul. Seul, por sua vez, manterá as tarifas de importação para 60% dos produtos de pesca e agricultura originários da China.
O pacto se soma a acordos já concluídos da Coreia com os EUA e a União Europeia. O comércio bilateral com a China deverá subir a US$ 300 bilhões em 2015, em comparação aos US$ 229 bilhões registrados no ano passado.
A China eliminará as tarifas sobre 91% das exportações sul-coreanas, segundo o Ministério do Comércio. Entre os ramos beneficiados, estão os derivados do aço, produtos petroquímicos, itens de moda, equipamentos médicos e eletrodomésticos. (Valor Online – 11/11/2014)

EUA e China chegam a acordo de tarifa zero que pode render US$ 1 tri
PEQUIM - Estados Unidos e China chegaram a um acordo para derrubar tarifas sobre uma ampla gama de produtos de tecnologia, segundo um oficial sênior de comércio americano informou nesta terça-feira, em um acordo que pode valer cerca de US$ 1 trilhão em comércio bilateral.
Os dois países chegaram a um acordo para expandir o Acordo de Tecnologia da Informação, um pacto global de comércio tecnológico, que inclui semicondutores de última geração, aparelhos médicos, aparelhos de GPS, cons oles de videogames e outros produtos mais recentes, disse Michael Froman , representante comercial dos Estados Unidos, nesta terça-feira em Pequim.
O acordo pode ser ratificado em dezembro.
Estados Unidos, União Europeia e Japão vêm pressionando por uma atualização desse acordo, negociado inicialmente em 1997, para conter tarifas do setor de tecnologia. A China, porém, não foi a fundo no acordo, segundo negociadores, porque desejava proteger sua indústria de semicondutores para desenvolvê-la.
Negociadores americanos e chineses realizaram uma maratona de sessões comerciais às margens do Fórum de Cooperação Econômica Ásia-Pacífico (Apec), que está sendo realizado em Pequim, para chegar a um acordo.
Os Estados Unidos contavam com o fato de a China ser anfitriã da Apec para levar adiante negociações com resultados concretos. (Dow Jones Newswires) (Valor Online – 11/11/2014)

Dilma e secretário da Unasul discutem soluções econômicas regionais
Por Bruno Peres
BRASÍLIA - O secretário-geral da União de Nações Sul-Americanas (Unasul), Ernesto Samper, afirmou nesta segunda-feira, após reunião no Palácio do Planalto com a presidente Dilma Rousseff, a necessidade de impulsionar a competitividade região. Segundo ele, projetos de infraestrutura foram alguns dos temas tratados durante o encontro.
“Nós não temos que sair a buscar em outras partes do mundo nossas possibilidades de desenvolvimento. O futuro da América do Sul está dentro da América do Sul”, disse Ernesto Samper em entrevista no Palácio do Planalto.
O secretário da Unasul também afirmou a importância do país para a integração política regional e relatou ter tratado de ações voltadas para a área social na região. “É muito importante o papel do Brasil como o país que é o grande articulador do equilíbrio regional”, disse. (Valor Online – 10/11/2014)

EUA anunciam acordo com China para ampliar validade de vistos
Governo americano quer melhorar comércio e laços empresariais com Pequim, anunciou a Casa Branca; acordo entra em vigor dia 12
PEQUIM - China e Estados Unidos concordaram em ampliar significativamente os termos para vistos de viagem, disse nesta segunda-feira, 10, o presidente americano, Barack Obama, em Pequim. A medida, segundo ele, melhoraria o comércio e os laços empresariais entre as duas maiores economias do mundo.
Sob o acordo, que entrará em vigor dia 12, os países estenderão os termos de diversos vistos de entrada para viagens de turismo ou negócios de um para para 10 anos, disse a Casa Branca em um comunicado que complementou as declarações do presidente. Vistos de estudante serão ampliados de um para cinco anos.
"Como resultado desse arranjo, os EUA esperam dar boas-vindas à crescente participação de viajantes chineses aptos, injetar bilhões (de dólares) na economia dos EUA e criar demanda suficiente para dar apoio a centenas de milhares de empregos adicionais nos EUA", informou a Casa Branca.
Obama fez o anúncio a líderes empresariais durante o Fórum de Cooperação Econômica Ásia-Pacífico, após chegar a Pequim para o primeiro dia de uma viagem pela Ásia.
A extensão de alguns vistos para cidadãos chineses para 10 anos se equipara ao que é atualmente permitido para cidadãos de países com relações mais próximas com os EUA, como nações da Europa e o Brasil.
Um representante dos EUA disse que o acordo para vistos permitiria que o país acesse o crescente mercado de turistas chineses viajando pelo mundo. Os EUA agora atraem apenas 2% do turismo chinês. "Vemos isso como uma verdadeira vitória", disse o representante, estimando que os EUA poderiam ganhar 440 mil empregos até 2021 e receber uma infusão anual de US$ 85 bilhões na economia como resultado da nova política.
Também será mais fácil para investidores e empresários chineses se envolverem em projetos nos EUA. Um outro representante do governo americano disse que o benefício político "lidaria com algumas das principais fontes de desconfiança e concorrência no cerne da relação EUA-China."
Viajantes chineses há tempos reclamavam sobre as amplas filas de esperas para conseguir o visto americano, embora os EUA tenham dito que houve progresso significativo. /REUTERS (O Estado de SP – 10/11/2014)

Lebanon to sign Mercosur trade pact next month
BEIRUT: An economic trade agreement between Lebanon and Mercosur, also known as the common market of South America, is set to be signed next month in Argentina, Ambassador Ricardo Larriera told reporters Monday.
He said the agreement would give Lebanon access to wide markets that enjoy strong client bases.
“We are glad to have this opportunity for economic trade with Lebanon,” Larriera said after his meeting with Foreign Minister Gebran Bassil.
The ambassador announced that the agreement would be officially signed in Argentina on Dec. 17 by Bassil and representatives from Mercosur.
Formed in 1991, Mercosur is a South American trade bloc comprising Argentina, Brazil, Paraguay, Uruguay and Venezuela. Its associate countries are Chile, Bolivia, Colombia, Ecuador and Peru. It says its purpose is to promote free trade and the fluid movement of goods, people, and currency. (DailyStarLebanon – 10/11/2014)

Xi e Abe tentam quebrar o gelo em uma reunião bilateral em Pequim
O encontro, paralelo à cúpula da APEC, “representa um primeiro passo para melhorar as relações bilaterais”, afirma o primeiro-ministro japonês
China aproveita a debilidade de Obama para se impor no Pacífico
Macarena Vidal Liy Pequim
O presidente da China, Xi Jinping, e o primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, se reuniram hoje pela primeira vez. Um aperto de mãos em silêncio, com um gesto austero, abriu o encontro no Grande Palácio do Povo de Pequim. A frieza dos dois deixou claro que ainda há muito caminho a percorrer para a normalização de laços, embora o encontro em si, o primeiro de líderes dos dois países em três anos, significa um primeiro passo.
Ao contrário do protocolo chinês, no qual Xi deve esperar o líder visitante na escadaria do Grande Palácio do Povo, nesta ocasião foi Abe que aguardava seu anfitrião na sede do Legislativo chinês. O presidente chinês, em um primeiro instante, não respondeu ao cumprimento de seu convidado.
Durante a reunião, Xi pediu que Abe “se mantenha no caminho do desenvolvimento pacífico, siga uma política prudente em termos de Defesa e Segurança, empreenda esforços para aumentar a confiança mútua com os países vizinhos e desempenhe um papel construtivo para salvaguardar a paz e a estabilidade regionais”.
De seu lado, Abe declarou à imprensa que a reunião “representa um primeiro passo para melhorar as relações bilaterais e voltar a uma relação mutuamente benéfica baseada em interesses estratégicos comuns.”
A reunião terminou depois que os dois países assinaram, na última sexta-feira, um acordo de quatro pontos, com o objetivo de começar a normalizar suas relações, congeladas nos últimos dois anos pela disputa sobre a soberania das ilhas Diaoyu (em mandarim) ou Senkaku (em japonês), no mar da China Oriental.
Naquele acordo, os dois países decidiram “retomar gradualmente o diálogo político, diplomático e de segurança mediante vários canais multilaterais e bilaterais, além de fazer esforços para criar confiança política mútua”. Também reconheceram a existência de “posições diferentes” na disputa sobre as ilhas e se comprometeram a estabelecer um mecanismo de gestão de crise para evitar que seus atritos possam degenerar em situações mais graves.
As relações políticas entre os dois países ficaram praticamente paralisadas em setembro de 2012 por causa da aquisição, por parte do Governo japonês, de três pequenas ilhas do arquipélago que até então estavam em mãos privadas. Na época, Pequim acusou Tóquio de violar um pacto de cavalheiros de não alterar a situação da cadeia de ilhas. Por seu lado, o Governo japonês respondeu que atuava assim para evitar que as pequenas ilhas passassem a ser propriedade do extremista Shintaro Ishihara.
A China declarou há um ano uma zona de identificação de defesa aérea em um espaço que inclui as Diaoyu/Senkaku, enquanto que patrulhas marinhas e aéreas das duas nações protagonizaram numerosos episódios de tensão em torno ao arquipélago, entre temores de que um destes incidentes possa degenerar em algo mais grave e deixar a situação sem controle.
Para realizar o encontro de hoje, a China exigia que o Japão reconhecesse a existência de uma disputa formal de soberania. Também reclamava que não se repetisse a visita que Abe realizou no ano passado ao santuário de Yasukuni, onde se honra os caídos no conflito, entre eles vários criminosos de guerra, e que a China vê como um símbolo do militarismo japonês.
O Japão insistiu que o acordo, cuidadosamente redigido, não representa nenhuma mudança em sua posição e não reconheceu uma disputa territorial formal. O documento não faz nenhuma alusão a Yasukuni.
Na conversa de hoje, antes do começo da cúpula de líderes do Fórum de Cooperação Econômica Ásia-Pacífico (APEC), Xi indicou a Abe em uma aparente alusão a isso que “a História tem um peso no sentimento nacional dos 1,3 bilhão de chineses, assim como na paz, estabilidade e desenvolvimento da região”.
Por outro lado, indica o comunicado do Ministério de Exteriores chinês, “o atual Governo japonês continuará com as opiniões mantidas por sucessivos Governos em torno à questão histórica”.(El Pais – 10/11/2014)

China aproveita a debilidade de Obama para se impor no Pacífico
Pequim é anfitriã da cúpula dos 21 países membros do Fórum de Cooperação Econômica Ásia-Pacífico
Macarena Vidal Liy Pequim
A China organiza desde segunda-feira uma cúpula de líderes da APEC, o fórum de Cooperação Econômica Ásia-Pacífico, que reúne 21 economias e representa mais da metade do PIB mundial. Como segunda economia do mundo, Pequim quer deixar claro no encontro em que participarão, entre outros, o presidente norte-americano Barack Obama, o russo Vladimir Putin e o primeiro-ministro japonês Shinzo Abe, que merece o centro da foto.
O Governo de Pequim aproveitou seu papel de anfitrião para elaborar uma agenda segundo seus interesses, na qual consiga avançar suas prioridades internas e tentar marcar o caminho para seus principais rivais, EUA e Japão. Durante os dois dias de conversas, os líderes abordarão a integração econômica, um acordo de cooperação internacional contra a corrupção e o desenvolvimento de infraestruturas e a conectividade da região. “Temos a responsabilidade de criar e tornar realidade o sonho da Ásia-Pacífico para as pessoas da região”, afirmou o presidente chinês, Xi Jinping, neste domingo.
Obcecada com que a reunião seja um sucesso, a China não só tomou medidas extraordinárias de segurança – mais de 28.000 efetivos vigiam a cúpula – e contra a poluição, mas também se esforçou para suavizar suas disputas diplomáticas para garantir que o encontro, do qual participam também México, Chile e Peru, se desenvolva em um clima de cooperação.
Uma possibilidade até pouco tempo impensável, um encontro bilateral entre Xi e Abe, ficou mais real depois que ambos governos assinaram, na sexta-feira, um acordo no qual reconhecem “posições diferentes” em sua disputa territorial sobre as ilhas Diaoyu/Senkaku. Os respectivos Ministros do Exterior, Wang Yi e Fumio Kishida, se reuniram neste fim de semana pela primeira vez em dois anos.
Sintonia entre Moscou e Pequim
O encontro da APEC servirá também para confirmar a sintonia entre China e Rússia. Seus respectivos presidentes, Xi Jinping e Vladimir Putin, se reuniram no domingo pela décima vez em 18 meses, prova da aproximação pela convergência de seus interesses econômicos e estratégicos.
Os dois governantes assistiram à assinatura de 17 acordos, entre eles um protocolo de entendimento para o desenvolvimento de um segundo gasoduto, a “roda ocidental”, que forneça gás russo à segunda economia mundial. O primeiro gasoduto, pela “rota oriental”, está em construção.
Xi e Putin assinaram em maio passado um acordo de peso, que prevê o fornecimento de 38 bilhões de metros cúbicos anuais de gás natural pela Rússia ao valor de cerca de 1,03 trilhões em 30 anos para seu vizinho asiático. O acordo abastece a China com um novo fornecimento de gás para que possa se desfazer gradualmente de sua dependência do carvão. E a Rússia, para adquirir um novo cliente que remedie a incerteza sobre o efeito que a crise na Ucrânia pode ter em suas vendas para o Ocidente.
Entre os acordos há também um entre a principal petroleira estatal chinesa, a CNPC, e a russa Gazprom pela qual o gigante energético chinês poderá adquirir uma participação de 10% no fornecimento de gás de Vankov, na Sibéria. Outros acordos incluem a cooperação em setores como o trem de alta velocidade, finanças e alta tecnologia.
Xi também manterá um encontro bilateral com Obama, na quarta-feira, depois de concluída a cúpula. Os dois vão tentar retomar uma relação que sofreu sérias tensões neste ano. Mas chegam em condições muito diferentes: o presidente chinês acaba de fechar um plenário comunista que reforçou seu poder e tem mais oito anos de mandato pela frente. Obama, com apenas mais dois anos, acaba de passar por seu maior revés nas eleições legislativas. Apesar de que o presidente norte-americano insiste em que Ásia-Pacífico ainda é sua prioridade na política exterior, a realidade se impõe em forma do conflito na Ucrânia ou o avanço do grupo Estado Islâmico (EI).
Segundo explica o catedrático Wang Yiwen, da Universidade Renmim de Pequim, um dos maiores problemas na relação entre os dois países é a “desconfiança” mútua. A China sente receios com a chamada, pelo próprio Obama, “política de pivô” (pivot policy) dos EUA para a região e Washington “teme que o interesse chinês em uma nova relação entre grandes potências seja somente um tranquilizante para minar a liderança norte-americana e ultrapassar os EUA sem ruído”.
Michael Green, do Centro de Estudos Estratégicos Internacionais (CSIS) em Washington, considera que, na relação entre as duas grandes potências, “um nível mais elevado de tensão tornou normal”. Apesar de concordar quanto à Coreia do Norte, ao Afeganistão e a questões econômicas gerais, há diferenças enormes em relação a direitos humanos, Hong Kong ou cibersegurança.
No encontro de líderes, os dois países representarão posições muito diferentes no que diz respeito à integração comercial. A China, disposta a encontrar mercados para seu crescente poder investidor – no fim da semana anunciou investimentos de mais de 100 bilhões de reais para seu projeto de uma nova “Rota da Seda” – pressiona para a criação de uma Zona de Livre Comércio para a Ásia Pacífico (FTAAP) que inclua toda a região, lar de 40% da população mundial e de quase a metade do comércio global. Os EUA apostaram todas as fichas na Associação TransPacífica (TPP), que só inclui 12 países da APEC e exclui a China.
A China procurará também aproveitar os dois dias do encontro para promover seu recém-lançado Banco Asiático de Investimentos em Infraestrutura, ao qual cerca de 20 países já se integraram, incluindo a Índia, mas sobre o qual algumas das principais economias da região, como Austrália, Coreia do Sul ou o próprio Japão se mantêm reticentes.
Depois do encerramento do encontro, Xi se reunirá também com Enrique Peña Nieto, que prolongará sua estadia na China para uma visita de Estado antes de continuar a viagem para a Austrália para participar no G20. Peña Nieto, que faz duras críticas a seu país pelo caso dos 43 estudantes assassinados em Iguala, terá de se explicar a Pequim devido ao cancelamento, apenas três dias depois de anunciada, da concessão a uma empresa pública chinesa do contrato, de cerca de 12,5 bilhões de reais, para a construção da linha de trem rápida entre Cidade do México e Querétaro. (El Pais – 10/11/2014)

Ser iberoamericano, una singularidad con anacronismos y contradicciones
Por José Claudio Escribano
CIUDAD DE MÉXICO.- Quince años después de la constitución del Foro Iberoamérica, un libro con artículos de homenaje a su principal inspirador, el gran escritor mexicano Carlos Fuentes, ha puesto de relieve que las diferencias entre nuestros países se han replegado en medio de la afirmación creciente de todo lo que vincula a nuestros pueblos. La cultura anuda sentimientos y razones como cordel sustancial de los lazos comunes.
Fuentes soñó que el Atlántico no era una frontera con Europa; era el puente para el sincretismo entre los elementos indo-afro-iberoamericanos y las culturas que el ex presidente brasileño Fernando Henrique Cardoso señala en su artículo como tributarias del cristianismo, el islamismo y el judaísmo. Por uno de los dos puentes -el del Atlántico y el del Pacífico- todos estamos en esta región, que se extiende de Alaska a Tierra del Fuego, con una condición compartida: la de inmigrantes.
Como lo decía Fuentes y lo retoma Ricardo Lagos, otro ex presidente americano, para explicar a quiénes abarca este fenómeno: "De los que llegaron por Bering hace 30.000 o 60.000 años al último trabajador que cruzó anoche la frontera de Tijuana y San Diego". Y por cierto, a los que descendimos por el Atlántico de los barcos.
Lagos dice que Fuentes reconocía a México en Buenos Aires, en Bogotá, en Santiago de Chile. Cardoso, por su parte, recuerda que después de haber estudiado años en París llegó a Buenos Aires y allí, sí, se reconoció por fin a sí mismo como brasileño en un ámbito con esencias que resultaban familiares. Como iberoamericanos, constituimos una singularidad que se expresa desde el arte y las letras hasta las más mínimas manifestaciones de la vida cotidiana y que no se anuncia, sin embargo, con tanta claridad en la política, observa otro ex presidente, Julio María Sanguinetti, de Uruguay.
Cargamos con sentimientos y sensibilidades políticas que marcan por momentos un abismo entre ese Brasil en que la presidenta Dilma Rousseff pronuncia un discurso de conciliación horas después de su nuevo triunfo electoral o el presidente uruguayo, José Mujica , ex guerrillero que pasó en prisión más de diez años, dice que no peleó para tener ancianos en la cárcel, y por otro lado, los países que han resuelto vivir más atados al pasado. Octavio Paz hubiera escuchado con atención al presidente uruguayo a punto de concluir su mandato. Para el autor de El ogro filantrópico, la historia es el lugar de encuentro entre los hombres; no sólo para la violencia, sino también como purgatorio de pacificación y reconciliación de unos con los otros.
Fue dicho con todas las letras en la reunión anual del Foro que se realizó aquí: el Mercosur está fracasando, y está fracasando por la peor de las razones: la política ha sido puesta por encima de las leyes. Nadie comprende ni acepta que un alto funcionario argentino se haya preguntado, no importa si por cuestiones internas, ¿qué es eso de la seguridad jurídica? El Uruguay tiene inserto el concepto de integración regional en su Constitución desde hace 40 años, y que el Mercosur se desvanezca en medio de los aires populistas que han llevado a la creación del Alba decepciona a los uruguayos.
Desanima el anacronismo redivivo en algunas partes de América; desilusiona la pérdida de relevancia argentina en el mundo, su ensimismamiento y enojo con demasiadas causas de Occidente. El ex presidente Sanguinetti se dirigió a nosotros cuando dijo que resulta asombroso que haya todavía que preocuparse por la libertad de prensa en el país de Sarmiento o que haya que lamentar los sentimientos nacionalistas que caricaturizan la visión de Patria. Pero se dirigió a todos cuando hizo presente, al repasar los logros de China, de la India, de Japón, que "modernizar", aunque con frecuencia se olvide, sigue siendo todavía una manera de "occidentalizar el mundo".
Quince años atrás se entraba en una etapa de movimientos antiglobalización que alcanzaron dimensión única en la humillación que se infirió al presidente Bush en la cumbre de 2005 en Mar del Plata, y anotaron en la memoria de lo permanente, que es la memoria de los asuntos de Estado, no sólo los republicanos, sino también los demócratas. El discurso dominante en México fue que la antiglobalización se quedó sin discurso, porque los países que más han crecido en estos años han sido los que están en proceso de desarrollo, no las viejas potencias centrales.
En América latina, salvo excepciones, se aprendió a manejar la macroeconomía, se logró estabilidad bancaria, creció el producto bruto interno, millones y millones de personas salieron de la pobreza y se convirtieron en clase media y se perdieron, por contrapartida, algunas importantes oportunidades.
En adelante, se hizo notar, será necesario avanzar más en productividad y mucho más aún en educación, en reformas del Estado, en integraciones económicas confiables y con reglas estables. La seguridad ha pasado a ser un tema crucial de nuestras sociedades. Mientras en la Argentina se va a sancionar un nuevo ordenamiento penal que no se sabe hacia dónde llevará, Felipe González, ex presidente socialista del gobierno de España, saludó que el presidente del flamante Tribunal Constitucional de su país haya declarado que la legislación penal española esté pensada "para el que roba gallinas".
La América latina tiene las energías de una sociedad joven, con 27 años la edad promedio de sus habitantes, frente a los 43 años que frisan los japoneses, pero en muchas partes ese potencial se vuelca de tal modo al delito que en zonas rurales de México hay una explosión de comités ciudadanos de autodefensa. Operan en 150 municipios, en 20 estados y sólo el diez por ciento de ellos están avalados por organizaciones criminales o por autoridades políticas. El horror de la ciudadanía en armas frente a la ausencia del Estado.
Mejor dicho, frente a un concurso de causas, como suele ocurrir con los grandes problemas de la humanidad. El ex senador nacional Rodolfo Terragno se preguntó si la raíz de este mal que mantiene en vilo a la Argentina fuera la economía, ¿cómo se explicaría que en Portugal haya 35 asesinatos por cada 100.000 habitantes contra 48 en Alemania? Si lo fuera por la inequidad, ¿cómo es posible que ese promedio sea de 41 asesinatos contra "sólo" 42 que se producen en Suecia. Si se fundara en la ausencia de desarrollo, ¿por qué la Argentina y Haití -nada menos que Haití- comparten la misma trágica tasa de 60, o por qué en Uganda, donde amputan la mano de quien roba, son 66 los asesinados al año por cada 100.000 habitantes?
Como en todos los asuntos públicos, se trata en definitiva de que hagamos lo que Sergio Ramírez, el ex vicepresidente sandinista hoy colocado en la vereda de enfrente de Daniel Ortega, encomia de la obra del humanista mexicano en cuyo homenaje nos unimos todos en el Foro: "Interrogar, cuestionar, abrir la ventana, asomarse, agarrar las verdades establecidas por el rabo y hacerlas chillar"..(La Nacion – 10/11/2014)

De a poco, la Presidenta retomará su agenda internacional de viajes
Por Martín Dinatale
El reposo de Cristina Kirchner obligó a la Presidenta a cancelar la agenda internacional que tenía prevista para este mes, aunque en la Casa Rosada aseguran que en diciembre volverá al ruedo de los viajes para ocupar a pleno su agenda de política exterior.
La jefa del Estado tuvo que desistir de ir a la cumbre de presidentes del G-20 que se hará entre el 15 y el 16 de este mes en Australia. Allí tenía previsto desplegar duras críticas contra los fondos buitre y exigir un debate por nuevas reglas internacionales vinculadas con el pago de deudas soberanas. En lugar de Cristina Kirchner irán a Australia el ministro de Economía, Axel Kicillof, y el canciller, Héctor Timerman.
Fuentes del Gobierno admitieron a LA NACION que la ausencia de Cristina Kirchner en la cumbre del G-20 le "restará peso" a la Argentina para imponer su reclamo y sumar votos en la cruzada contra los holdouts.
En esa cumbre de presidentes la Argentina contaba con el apoyo de Brasil, Rusia, China, la India y Francia para promover un debate sobre los fondos buitre. En contra de esa postura se encuentran Estados Unidos, Alemania, el Reino Unido y el país anfitrión. Como informó en su momento LA NACION, el gobierno australiano emitió un documento en el que dejó en claro que el debate por nuevas reestructuraciones de deudas soberanas debe darse en el FMI y no en el G-20. Es muy probable que se imponga esta postura del país anfitrión, más aún si cuenta con apoyo de países centrales.
Por otra parte, en la Cancillería dijeron que luego de la cumbre de Australia se había esbozado una visita de Cristina Kirchner a China. Pero hasta ahora ni en Pekín ni en la Casa Rosada habían confirmado la fecha de ese viaje. Sólo se evaluó esa visita por la cercanía con Australia y en función de una reciprocidad con el presidente Xi Jinping, que visitó Buenos Aires en julio pasado, cuando firmó varios acuerdos económicos con Cristina Kirchner.
En cambio, desde el Gobierno ratificaron que en diciembre la Presidenta tendrá una agenda movida en el plano internacional. Siempre que la salud se lo permita, Cristina Kirchner viajará a México el 6 del mes próximo para participar de la Feria del Libro de Guadalajara.
El embajador mexicano en Buenos Aires, Fernando Castro Trenti, confirmó a LA NACION que está prevista en ese viaje una reunión bilateral entre Cristina Kirchner y su par mexicano, Enrique Peña Nieto. En la agenda común de ambos países hay varios temas que urgen a las relaciones bilaterales: la firma de un eventual acuerdo de inversión de la petrolera Pemex con YPF por el yacimiento de Vaca Muerta, un acuerdo para eliminar el actual sistema de doble imposición impositiva y el relanzamiento de los acuerdos comerciales, incluido el de la industria automotriz.
A su vez, está previsto que la Presidenta se traslade luego de esa reunión en Guadalajara a la localidad mexicana de Veracruz, donde se realizará la cumbre de presidentes iberoamericanos. Para ese encuentro ya confirmaron su presencia una veintena de jefes de Estado. En la Cancillería no descartan que la Presidenta tenga algunas reuniones bilaterales allí. Por lo pronto, esta pendiente un encuentro con la presidenta de Brasil, Dilma Rousseff, que se iba a realizar en la cumbre del G-20, una encuentro que se tuvo que postergar con la chilena Michelle Bachelet y una reunión con el presidente de Bolivia, Evo Morales.
A su regreso de México, a la Presidenta le espera la cumbre de jefes de Estado del Mercosur. Pero para ello no deberá viajar demasiado, ya que el encuentro se hará en Entre Ríos, los días 17 y 18 de diciembre. (La Nacion – 10/11/2014)

Atividades diplomáticas são destaque nas reuniões da Apec
Beijing - A abertura hoje aqui da XXII Cúpula do Foro de Cooperação Econômica Ásia-Pacífico (Apec), com a participação de líderes de seus 21 Estados membros, coincide com atividades diplomáticas por parte dos anfitriões e importantes encontros bilaterais.
O presidente Xi Jinping teve diversas reuniões separadas com os visitantes, mas a que mais chamou a atenção foi com o premier japonês Shinzo Abe.
Esta foi a primeira vez que a China e o Japão têm um encontro do mais alto nível nos últimos dois anos de crises nas relações bilaterais, devido a disputas territoriais no mar oriental.
Ainda que tivesse sido enfatizado que não haveria um encontro entre o presidente Xi e o premiê Shinzo Abe, ocorreu hoje a pedido da parte japonesa, de acordo com comunicados oficiais.
A compra em setembro de 2012 por parte do Japão das ilhas Daiouyu (Senkaku para os japoneses) que a China reinvidica como parte de seu território, provocou sérias irritações nos vínculos bilaterais.
Segundo foi informado, Xi disse que o governo chinês sempre deu grande importância às relações com o Japão e tem favorecido esses vínculos, mas exigiu a Tóquio que faça bem mais para ganhar a confiança de seus vizinhos.
Outra reunião importante do presidente foi com seu par vietnamita, Truong Tan Sang, durante a qual ambos expressaram a disposição de resolver suas divergências através do diálogo e de consulta, e aproveitar este momento para melhorar suas relações bilaterais.
Durante o encontro, Xi disse que as relações chino-vietnamitas continuarão seu desenvolvimento e consolidação, enquanto os dois países se centrarem nos interesses gerais e a longo prazo, no respeito mútuo e nas relações amistosas.
Por sua vez, o presidente do Vietnã garantiu que seu país está pronto para abordar as diferenças marítimas entre ambos através de consultas amistosas para que estes temas não afetem os laços com a China.
Também hoje, Xi se reuniu com a presidenta sul-coreana Park Geun-hye e ambos assistiram à assinatura da reunião final para o estabelecimento de um Tratado de Livre Comércio, um projeto lançado em 2012.
Estes dois países tiveram em 2013 um intercâmbio comercial de 274 bilhões de dólares, que as duas partes esperam que supere os 300 bilhões no próximo ano.
Outra atividade destacada foi a presença ontem à noite dos presidentes da China e da Rússia, Vladimir Putin, na assinatura de acordos bilaterais sobre cooperação energética, incluída uma segunda rota do gaseoduto entre os dois países, considerados de grande benefício mútuo.
Entre os documentos subscritos figura um entre a Corporação Nacional de Petróleo da China, a maior produtora de gás e petróleo desta nação asiática, e o gigante russo Gazprom, de acordo com informações oficiais.
Hoje chegou a Beijing o presidente mexicano Enrique Peña Nieto, horas depois da China ter contestado a decisão de seu Governo de anular um acordo bilateral para a construção de um trem rápido entre a Cidade do México e Querétaro, no norte do país.
O presidente Xi oferece esta noite um banquete de boas-vindas aos participantes que terá como sede o Cubo de Água, uma das extraordinárias construções levantadas em Beijing para os Jogos Olímpicos de 2008.
Esta tarde concluiu a Cúpula iniciada ontem entre líderes da Apec e cerca de 1.500 diretores empresariais da Apec e outros 17 países e regiões da Ásia. A Cúpula terminará amanhã. (Prensa Latina – 10/11/2014)

Cristina Kirchner recebe alta, mas terá que cancelar viagem à cúpula do G20
Carolina Gonçalves* - Repórter da Agência BrasilEdição: Davi Oliveira
A presidenta da Argentina, Cristina Kirchner, recebeu alta na tarde de hoje (9). A dirigente estava internada em um hospital de Buenos Aires há uma semana, onde tentava se recuperar de um quadro de sigmoidite, uma infecção intestinal.
No comunicado, os médicos da Unidade Médica Presidencial informaram "o bom desempenho” do tratamento, mas acrescentaram que a presidenta terá que continuar "com antibióticos, dieta especial, repouso e controle evolutivo na residência presidencial de Olivos".
Os médicos Marcelo Ballesteros e Daniel Fernández, que autorizaram a alta, ainda recomendaram a suspensão de viagens pelo período de dez dias, o que levará ao cancelamento da viagem à Austrália, onde ocorrerá a reunião da cúpula do G20 na próxima semana na cidade de Brisbane.
Cristina Kirchner já teve que adiar o encontro com a presidenta chilena, Michelle Bachelet, que estava previsto para o último dia 4. Essa é a terceira vez em oito meses que a líder argentina, de 61 anos, é obrigada a suspender as atividades profissionais por problemas de saúde.* Com informações da Lusa e Télam (Agência Brasil – 10/11/2014)

Rivalidade marca início de fórum entre Ásia e Pacífico
MARCELO NINIO
DE PEQUIM
Líderes de 21 economias se reúnem a partir desta segunda (10), em Pequim, na cúpula da Apec (fórum de Cooperação Econômica Ásia-Pacífico), sob o pano de fundo da crescente rivalidade entre seus dois principais membros, China e Estados Unidos.
A integração comercial é uma das principais arenas da disputa. A China espera usar a reunião em sua capital para avançar a criação da Área de Livre Comércio da Ásia-Pacífico (Alcap), mas a oposição dos EUA deve frear a iniciativa.
O governo americano, por sua vez, quer acelerar a conclusão da Parceria Transpacífico (TPP, na sigla inglês), que é negociada por 12 países, mas não a China.
Na área da geopolítica, a tensão foi reduzida pelo acordo anunciado na sexta (7) entre China e Japão, que marcou a retomada das relações diplomáticas entre os países após meses de suspensão.
Num comunicado de quatro pontos, os dois governos se comprometem a tomar medidas para evitar uma escalada na disputa em torno de um arquipélago desabitado no mar do Leste da China, motivo de tensão regional.
Embora vago o suficiente para permitir que os dois países o interpretassem a seu modo, o documento aumentou a expectativa sobre um possível encontro durante a cúpula da Apec entre o líder da China, Xi Jinping, e o premiê japonês, Shinzo Abe.
"Esperamos que o lado japonês honre seu compromisso com a criação de uma atmosfera favorável para o encontro dos líderes", disse o chanceler chinês, Wang Yi.
Enquanto Wang falava com jornalistas, no sábado, ministros do Comércio das economias que negociam a TPP estavam reunidos na embaixada dos EUA em Pequim.
Líderes dos países também devem se reunir para tratar do tema, mas o embaixador americano na China, Michael Froman, reconheceu que, na melhor das hipóteses, levará meses para o acordo ser concluído. Entre os principais entraves está a relutância do Japão em reduzir tarifas de importação agrícolas.
Sem grandes anúncios previstos na área do comércio, espera-se que outros assuntos –como a luta contra o terrorismo e as mudanças climáticas– ganhem maior consenso entre as duas maiores economias do mundo quando Xi se reunir nesta semana com o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama. O líder chinês se encontrou no domingo (9) com o presidente russo, Vladimir Putin.
O encontro ocorre num momento bem distinto das trajetórias dos dois líderes: Obama está enfraquecido para cumprir os dois anos que lhe restam na Presidência após a derrota de seu partido nas eleições legislativas.
Por outro lado, Xi, que ainda tem oito anos no cargo, é considerado o líder chinês que mais acumulou poderes desde Deng Xiaoping. (Folha de SP – 10/11/2014)

Uruguay y Brasil firman en enero integración eléctrica
El presidente José Mujica hizo un viaje relámpago a Brasilia y acordó con su colega Dilma Rousseff que en enero se firmará un acuerdo binacional que dará el marco para el intercambio de energía eléctrica.
Juan Pablo Correa
Mujica llegó atrasado a Brasilia porque la niebla matutina en Montevideo demoró la partida del avión militar que lo trasladó. Lo acompañó al Palacio de Planalto una delegación nutrida encabezada por el vicecanciller Luis Porto, el prosecretario de la Presidencia, Diego Cánepa, el ministro de Industria, Roberto Kreimerman, el presidente de la Corporación para el Desarrollo, Pedro Buonomo, y el subsecretario de Economía, Jorge Polgar. La delegación estuvo acompañada por el embajador uruguayo en Brasil, Carlos Amorín. Por el lado brasileño, junto a Rousseff estuvieron el asesor en política exterior Marco Aurelio García y el canciller Luiz Figueiredo.
Uruguay y Brasil tienen casi pronta una ambiciosa interconexión eléctrica en extra alta tensión (entre San Carlos y Presidente Médici) que permitirá el intercambio de energía en ambos sentidos. Solamente falta que Brasil realice algunos ajustes técnicos en Candiota, en Río Grande do Sul. En enero se firmará "un marco común para facilitar el intercambio", dijo a El País el vicecanciller Porto. El acuerdo será "flexible y dinámico" para permitir que Brasil envíe energía a Uruguay cuando este lo requiera y viceversa, explicó el presidente de UTE, Gonzalo Casaravilla.
"No hay ningún motivo para que Uruguay no tenga una integración eléctrica fluida como la que tiene con Argentina desde hace 32 años", comentó.
En la reunión, además, se definió que en enero se firmarán más acuerdos para hacer aun más fluido el intercambio de bienes y servicios. Brasil es el segundo destino de las exportaciones uruguayas, detrás de China. Las compras de Brasil entre enero y octubre inclusive totalizaron 1.398 millones de dólares, que equivalen a 17,5% del total de las ventas al exterior de Uruguay. El trigo, artículos para envasado, la malta, los productos lácteos, los automóviles y el arroz figuran entre los principales rubros uruguayos demandados por Brasil.
"Fue una muy buena reunión donde pasamos revista a los muchos logros que ha tenido una relación que la presidenta dice que es paradigmática y que ha avanzado en comercio, la concesión de residencias permanentes a los habitantes de los dos países y la ciencia y tecnología", señaló Porto.
Los dos mandatarios repasaron las tratativas para llegar a un acuerdo comercial con la Unión Europea y ratificaron que el Mercosur entiende que ya hizo sus deberes y que le corresponde ahora al bloque europeo realizar una oferta.(El Pais Uruguay – 08/11/2014)

Modelos de éxito y fracaso en América latina
Los positivos resultados obtenidos en los últimos años por los países de la Alianza del Pacífico contrastan con el marcado retroceso del eje bolivariano
América latina expone una diversidad de modelos de gobierno y de políticas públicas. Los resultados son distintos en cuanto a éxitos y fracasos. Se observan situaciones bien diferentes en el crecimiento económico y los indicadores sociales, pero particularmente en el signo y el ritmo de sus respectivos cambios. Esta realidad fue muy bien descripta y analizada por el ex presidente chileno Sebastián Piñera en una conferencia dictada días atrás en nuestra ciudad con el título "Presente y futuro de América latina y Chile", por invitación de la Fundación Libertad y Progreso.
Piñera distinguió básicamente tres modelos: el aplicado por los países de la Alianza del Pacífico, el vigente en el llamado eje bolivariano o ALBA y el aplicado con diversos tonos por los países del Mercosur.
El primero abarca México, Colombia, Perú y Chile, con posibilidades de incorporar a Panamá y Costa Rica. El acuerdo de la Alianza del Pacífico fue suscripto en 2012, aunque la homogeneidad de las políticas de esos países data de algunos años antes. Sus rasgos fundamentales son el respeto por las instituciones, la apertura al mundo, la economía de mercado y el equilibrio fiscal.
El modelo del ALBA o del socialismo del siglo XXI, aplicado en Venezuela, Nicaragua y con rasgos atenuados en Ecuador y Bolivia, se caracteriza por el intervencionismo, el cierre de la economía, el elevado gasto público, el control de cambios y de precios, con estatismo y una baja calidad institucional.
El modelo predominante en el Mercosur se encuentra entre los dos anteriores. Son economías de mercado, pero intervenidas y con proteccionismo, con elevado gasto público y diversa calidad institucional. La Argentina pertenecería a este último grupo, aunque con una clara aproximación al eje bolivariano.
Los cuatro países de la Alianza del Pacífico no se han planteado la conformación de un mercado común o una unión aduanera sólo entre ellos. Si bien caminan hacia la supresión de sus fronteras comunes y el libre tránsito de personas, se han abierto al resto del mundo a través de acuerdos de libre comercio con un gran número de países, incluidos Estados Unidos y los de Europa.
El 92 por ciento de las importaciones chilenas ingresan con arancel cero y las restantes lo hacen con un derecho uniforme y muy bajo. Ese ha sido el instrumento clave de la competitividad y del desarrollo de industrias y servicios de calidad y costo internacional. Esto, a su vez, ha permitido aumentar el empleo y el salario real, contradiciendo la presunción de que se requiere proteccionismo para mejorar la ocupación y las condiciones laborales.
Las comparaciones expuestas por el ex presidente del país vecino fueron suficientemente expresivas. El crecimiento económico para el conjunto de los países de la Alianza del Pacífico supera actualmente al del resto de la región.
Entre 2008 y 2013, el producto bruto interno (PBI) de Chile creció 23,7%; el de Perú, 30%, y el de Colombia, 21%. En ese mismo período, Brasil lo hizo en 18,7%; la Argentina, 16,9%, y Venezuela, sólo 6,6%.
Con 23.165 dólares de ingreso por habitante, Chile se ubica, en 2014, en el primer lugar en América latina. La inflación proyectada para este año asciende al 68% en Venezuela, al 40% en la Argentina y al 6% en Brasil, en tanto que no supera el 4% en ninguno de los países de la Alianza del Pacífico.
El desempeño económico tiene su correlato en el progreso de las variables sociales y en la calidad institucional de los países. Esto se advierte en las mejoras en la esperanza de vida al nacer, en la reducción de la mortalidad infantil, en la disminución de la pobreza y el desempleo, y en el progreso en las mediciones PISA en el campo educativo.
El valor de la exposición de Sebastián Piñera es que tiene el respaldo testimonial de la propia experiencia. Debieran hacerse votos para que los países de la Alianza del Pacífico no desvíen su curso y también para que las restantes naciones latinoamericanas tomen debida nota de esa exitosa experiencia.
Vale esto especialmente para las autoridades y los dirigentes de nuestro país, luego de que en los últimos años profundizara su peligroso camino de aislamiento internacional, al tiempo que optó por un marcado intervencionismo con rasgos cada vez más autoritarios que la acercan al modelo chavista, cuyas graves consecuencias pueden vaticinarse con una simple mirada imparcial sobre los problemas socioeconómicos que hoy vive la población de Venezuela. (La Nacion – 08/11/2014)

China lidera busca de acordos em cúpula de países dó Pacífico
Por João José Oliveira com agências internacionais
SÃO PAULO - Os ministros de países da Ásia e do Pacífico fizeram avanços pequenos até agora em termos de acordos comerciais neste fim de semana, durante encontro da cúpula de Cooperação Econômica da Ásia e do Pacífico (Apec), que será ocorre em Pequim.
As negociações vão tomar os próximos dois dias, mas a sinalização até agora é de que os acordos que devem avançar são restritos a setores cobrindo produtos de alta tecnologia e comércio regional.
Os ministros dos 21 países do Fórum da Apec que mantêm reuniões desde a sexta-feira e seguem com agendas até segunda-feira conversam sobre acertos que podem levar ainda à criação de uma área de livre comércio da Ásia-Pacífico, uma das prioridades da China, país anfitrião do encontro, ou à expansão do acordo de tecnologia da informação, que eliminaria tarifas sobre produtos de alta tecnologia.
Nas últimas negociações, a China tem sido relutante em seguir em frente, apesar da pressão dos Estados Unidos e de outros membros da Apec, de acordo com os negociadores.
Durante o encontro, a China anunciou que vai participar com um aporte de US$ 40 bilhões na constituição do fundo de infraestrutura para estimular a conexão dentro da Ásia.
Segundo o presidente chinês, Xi Jinping, a China já vem promovendo ações para estimular fontes de crédito e ampliação de laços comerciais.
Em outro acordo, os bancos centrais da China e do Canadá acertaram um acordo para troca de moedas no valor de US$ 32,7 bilhões, equivalente a 200 bilhões de yuans ou 30 bilhões de dólares canadenses. (Valor Online – 08/11/2014)

Dilma recebe presidente do Uruguai e debate integração
Por Bruno Peres
BRASÍLIA - O presidente do Uruguai, José Mujica, debateu nesta sexta-feira em reunião no Palácio do Planalto com a presidente Dilma Rousseff a importância de impulsionar a atividade portuária do Rio da Prata. Mujica avaliou que a situação de fraco desempenho da economia brasileira não preocupa.
“Mais do que o financiamento, temos que falar sobre como favorecer o desenvolvimento do Brasil, do Paraguai e da Bolívia, que são companheiros de luta”, disse Mujica em entrevista a jornalistas ao ser questionado sobre eventual auxílio do BNDES para impulsionar a atividade. “Penso que o Brasil é a espinha dorsal, mas também tem de se dar conta da responsabilidade que tem [para impulsionar o desenvolvimento da região]”.
A presidente Dilma Rousseff avaliou positivamente o encontro e enfatizou o “balanço muito positivo” , sobretudo em relação à questão energética. “Essa integração está baseada não só na interconexão de transmissão, mas também em projetos conjuntos feitos”, afirmou Dilma.
“Esse processo de integração é justamente sermos capazes de olhar os interesses da região onde certamente tem um mercado que considero muito significativo, que temos de ajudar a construir e expandir”, disse Dilma.
Sobre as propostas de compra de seu Fusca azul 1987, Mujica desconversou. Segundo a imprensa local, o presidente uruguaio recebeu uma oferta de US$ 1 milhão pelo carro, que tem valor estimado em 70 mil pesos (cerca de R$ 7,3 mil), por um xeque árabe. Ele também foi sondado pelo embaixador mexicano Felipe Enríquez, que ofereceu dez caminhonetes de tração dupla em troca do carro. “Não se preocupem com o Fusca. O que não tem preço? O que não tem preço é a vida”, disse Mujica no Planalto. (Valor Online – 07/11/2014)

“O Brasil não tem culpa de ser tão grande, nem o Uruguai tão pequeno”
Dilma e Mujica se encontram para discutir integração energética
Presidenta falou em projetos conjuntos entre as empresas brasileira e uruguaia
'Hora de livrar-se da camisa de força do Mercosul', por J. C. HIDALGO
Prestes a deixar a presidência do Uruguai, José Mujica fez nesta sexta-feira sua última visita como chefe de Estado à presidenta Dilma Rousseff. Na pauta do encontro, segundo a presidenta recém-reeleita, esteve a integração energética entre Brasil e Uruguai. "Essa integração está baseada não só na interconexão de transmissão, mas também em projetos conjuntos feitos com a Eletrobras e a empresa uruguaia. Isso significa que, quando sobrar energia lá, eles vendem para nós, e, quando sobrar energia aqui, nós vendemos para eles. Aquele que tiver o menor preço, tem prioridade", explicou Rousseff.
Segundo a petista, "esta região do mundo, onde nós nos localizamos, é hoje um mercado muito significativo que nós temos de ajudar a expandir. A presidenta disse que a integração dos países vizinhos "passa pelo equacionamento do problema secular da desigualdade que levou muitos latino-americanos, nos últimos anos, a condição de consumidores e que significou também a criação de um grande mercado para nós”. Destacando a necessidade de países tão diferentes se entenderem, Rousseff citou o colega uruguaio: "Ele dizia, sempre ao começar a reunião: 'Nem o Brasil tem culpa de ser tão grande, nem o Uruguai de ser tão pequeno'.”
Em entrevista após o encontro, Mujica destacou as tratativas pela construção de um porto no Rio da Prata que proporcione o desenvolvimento dos países da região, beneficiando Brasil, Paraguai, Bolívia, Uruguai e Argentina. “Passamos alguns séculos sem olharmos entre nós mesmos e precisamos avançar para mudar esse cenário. O processo de desenvolvimento chegou tarde para a América Latina e é por isso que temos que juntar nossas forças. Só assim nos tornaremos fortes”, disse. (El Pais – 07/11/2014)

Produtos e Mercados


Veja mais

Economia da zona do euro cresce mais rápido que o esperado no 3º tri
BRUXELAS (Reuters) - O crescimento econômico da zona do euro foi mais forte que o esperado no terceiro trimestre deste ano, mostraram dados preliminares publicados nesta sexta-feira, com a França superando projeções de mercado e a Alemanha afastando-se de recessão.
Segundo a agência de estatísticas da União Europeia, a Eurostat, o Produto Interno Bruto (PIB) dos 18 países que compartilham o euro cresceu 0,2 por cento na comparação trimestral no período de julho a setembro, após expansão de 0,1 por cento nos três meses anteriores.
Na comparação anual, a zona do euro cresceu 0,8 por cento no terceiro trimestre, o mesmo ritmo visto no segundo trimestre, ante expectativas de mercado de expansão de 0,7 por cento.
"A economia da zona do euro ainda está crescendo, embora com ritmo lento, apesar de todos os alertas de hecatombe do FMI e de outros", disse o chefe de pesquisa de mercados financeiros e macroeconomia da ABN AMRO, Nick Kounis.
"Uma recuperação lenta em vez de recessão no terceiro (trimestre) parece estar nas cartas. Tendo dito isso, não há possibilidade de que as autoridades possam estar satisfeitas com este cenário", disse ele.
Dados da Eurostat mostraram que a maior economia da Europa, a Alemanha, cresceu 0,1 por cento no terceiro trimestre, em linha com as expectativas e evitando por pouco uma recessão graças ao forte aumento nos gastos dos consumidores e pequeno impulso de comércio exterior.
O Escritório de Estatísticas informou que o principal impulso positivo à economia alemã veio do consumo das famílias, "que aumentaram fortemente seus gastos", enquanto o comércio exterior mostrou "ligeiro efeito positivo sobre o PIB".
Em outros dados publicados nesta sexta-feira, a agência nacional francesa de estatísticas INSEE informou que a economia do país cresceu 0,3 por cento no terceiro trimestre, levemente acima da projeção de 0,2 por cento em pesquisa da Reuters e se recuperando ante contração de 0,1 por cento no segundo trimestre. (Por Jan Strupczewski) (Reuters – 14/11/2014)

Economia da Alemanha evita recessão e cresce 0,1% no 3º trimestre
BERLIM (Reuters) - A economia alemã cresceu apenas 0,1 por cento no terceiro trimestre deste ano, evitando por pouco uma recessão graças ao forte aumento nos gastos dos consumidores e um pequeno impulso de comércio exterior.
Alguns economistas temiam que a maior economia da Europa afundasse em recessão no período de julho a setembro, após queda no segundo trimestre, mas a Alemanha conseguiu igualar a previsão de crescimento de 0,1 por cento de pesquisa da Reuters.
"A Alemanha evitou uma recessão", afirmou o economista Joerg Kraemer, do Commerzbank, acrescentando, porém, que as encomendas à indústria e o índice de clima de negócios do Ifo sugerem que o crescimento no quarto trimestre pode ser fraco.
O Escritório de Estatísticas informou que o principal impulso positivo veio do consumo das famílias, "que aumentaram fortemente seus gastos", enquanto o comércio exterior mostrou "ligeiro efeito positivo sobre o PIB".
Os investimentos diminuíram no geral, informou o órgão, com o investimento em equipamentos caindo drasticamente, o investimento em construção ligeiramente para baixo e uma clara redução nos estoques.
O governo da chanceler Angela Merkel está sob pressão dos parceiros europeus e da indústria alemã para aumentar o investimento público, a fim de estimular a economia europeia e alemã de maneira mais ampla e reforçar a deteriorada infraestrutura da Alemanha.
O escritório revisou a contração no segundo trimestre para 0,1 por cento, ante redução de 0,2 por cento.
Dados não ajustados mostraram que a economia cresceu 1,2 por cento no terceiro trimestre sobre um ano antes, superando a previsão de consenso em pesquisa da Reuters, de expansão de 1,0 por cento. (Reuters – 14/11/2014)

Sob controle, economia da China ainda desacelera
A China caminha aos poucos para atingir um crescimento de 7% ou menos. O desempenho da economia chinesa é um dos principais motivos para o arrefecimento geral dos preços das commodities, ao lado da estagnação na zona do euro e da perda de dinamismo geral dos mercados emergentes, em especial dos Brics, com exceção da Índia. Mantendo a velocidade de expansão de 7,3% do terceiro trimestre, a China estará mais de 3 pontos percentuais abaixo da média de antes da crise financeira de 2008 e exibirá sua menor taxa de expansão desde o início dos anos 1990.
Os dados divulgados ontem indicam arrefecimento das atividades, embora bem próximo do previsto. Os investimentos em ativos fixos cresceram 15,9% nos doze meses encerrados em outubro, o menor avanço desde dezembro de 2001. A produção industrial aumentou 7,7% no mês passado, a segunda menor variação desde 2009. Algum alívio veio do mercado imobiliário, onde as vendas recuaram em outubro 1,2% em relação ao mesmo mês de 2013 - em setembro, haviam caído 10,3%. Nos dez meses de 2014, os investimentos imobiliários subiram 12,4%, os preços caíram 7,9% e as vendas, 9,9%.
Há rumores de que os planejadores chineses reduzirão a meta de crescimento para 2015 - estimada em 7,1% pelo Fundo Monetário Internacional - e o presidente Xi Jinping mencionou recentemente a cifra de 7% como sendo ainda bastante alta. Mas os problemas não estão tanto na desaceleração da economia chinesa, mas na capacidade de o governo controlá-la e de evitar surpresas desagradáveis. Embora o crescimento ainda seja comparativamente invejável, os desafios criados pelos efeitos da enorme injeção de crédito para enfrentar a crise de 2008 e os desequilíbrios acumulados de um longo período de rápida expansão são consideráveis.
O governo enfrenta dificuldades para redirecionar a segunda maior economia do mundo. "Os problemas fundamentais que fizeram soar o sinal de alarme - entre os quais bolhas imobiliárias, dívida dos governos provinciais, crescimento acelerado da atividade bancária paralela e elevação dos coeficientes de alavancagem corporativos - continuam não resolvidos", aponta o ex-membro do Comitê de Política Monetária do Banco do Povo da China, Yu Yongding (Valor, 22-8).
Para colocar o consumo como motor da economia, a taxa de investimento precisa mesmo cair e um sinal de desacerto será dado se o contrário acontecer. Como ela chegou até recentemente a 50% do PIB, isso significa que a China está investindo bem mais para crescer bem menos que antes. Quando estavam no estágio de desenvolvimento que a China tem hoje, Japão, Coreia, por exemplo, investiam 35% do PIB, enquanto que o consumo atingia 52% do PIB, segundo o economista David Dollar, ou seja a China tem um excesso de 18 pontos percentuais (revista F&D, do FMI, julho de 2014). O consumo chinês é de 34% do PIB. O resultado é uma taxa de retorno cada vez menor do capital - o lucro das 500 maiores empresas foi de 2% em 2013 -, enquanto que seus custos financeiros estão em alta. Ao lado disso, imóveis em excesso sem compradores, aeroportos sem uso e fábricas ociosas.
Os juros precisam subir, porque eles foram negativos por longo período, garantindo dinheiro barato para os investimentos estatais e punindo a rentabilidade da grande poupança da população. Fazer isso agora, porém, é muito complicado, pois colocaria em risco o sistema bancário paralelo que empilhou muitos recursos em projetos inviáveis. O BC chinês têm regulado a conta-gotas a liquidez, para evitar que o aumento das taxas leve a uma quebradeira significativa e fugir de um novo programa de estímulos de grande envergadura.
Com o excesso de capacidade, a inflação está caindo na China. O índice de preços ao consumidor em outubro recuou para 1,6%, enquanto que o de preços ao produtor caiu 2,2%, o 32º declínio consecutivo. O indicador positivo para a mudança de modelo são os salários, que estão crescendo a dois dígitos.
Corrigir os desequilíbrios e pôr o consumo no centro da economia exige hoje esforços contraditórios, como segurar as taxas de juros e continuar a beneficiar o investimento e empréstimos que já levaram o endividamento do país a 240% do PIB, ou elevá-las, com risco de falências e crescimento bem abaixo da meta. Ainda que o governo tenha muitos instrumentos de controle, não tem todos eles e pode cometer erros em uma delicada transição. Para a recuperação mundial, é vital que isso não aconteça. (Valor Online – 14/11/2014)

A secreta dependência da Alemanha
Por Adair Turner
Com os recentes dados que mostram que as exportações da Alemanha caíram 5,8% de julho a agosto e que sua produção industrial encolheu 4%, ficou claro que a insustentável expansão do país, alimentada a crédito, está chegando ao fim. Mas os frugais alemães não encaram a coisa dessa maneira. Afinal, o endividamento das famílias e das empresas alemãs caiu por 15 anos como parcela do PIB e a dívida pública também está atualmente em trajetória de queda. "Que expansão alimentada a crédito?", poderiam perguntar.
A resposta está na realidade da nossa economia mundial interconectada, que por décadas dependeu de um crescimento do crédito insustentável e que agora enfrenta um grave estoque de dívidas. Antes do advento da crise financeira de 2008, a relação crédito privado sobre PIB cresceu rapidamente em muitas economias avançadas - entre as quais as dos Estados Unidos, Reino Unido e Espanha. Esses países também computavam déficits em conta corrente, responsáveis pela demanda que permitiu à China e à Alemanha usufruírem de uma expansão puxada pelas exportações.
O crescimento impulsionado pelo crédito possibilitou a alguns países saldarem a dívida pública. A relação dívida pública sobre PIB de Irlanda e Espanha, para citar dois exemplos, caiu significativamente. Mas o total da relação dívida/PIB das economias avançadas, incluindo dívida pública e dívida privada, cresceu de 208% em 2001 para 236% em 2008. E a dívida mundial total subiu de 162% do PIB mundial para 175%.
Segundo relatório do FMI, contar só com uma política monetária ultrafácil é perigoso. Estimula a assumir riscos financeiros exagerados, aumenta a desigualdade e pode funcionar apenas ao regenerar o rápido crescimento do crédito privado que nos jogou, de saída, nesta confusão.
O crescimento do crédito estimulou os aumentos dos preços dos ativos e um novo crescimento do crédito, num círculo autoalimentado que persistiu até o estouro da bolha e o colapso da confiança. Defrontadas com a queda dos preços dos ativos, as famílias e empresas tentaram então promover a desalavancagem. A relação dívida das famílias sobre PIB nos EUA de fato caiu - 15% desde 2009. Mas o endividamento não acabou; ele simplesmente migrou do setor privado para o setor público.
A desalavancagem privada deprimiu a economia, já que as famílias cortaram o consumo e as empresas cortaram investimentos. A arrecadação fiscal caiu e os gastos sociais subiram. Diante desse quadro, os déficits fiscais dispararam. Em decorrência disso, para cada redução percentual da dívida privada, a relação dívida pública sobre PIB subia em um montante maior.
Esse quadro foi uma reedição da experiência do Japão nos últimos 25 anos. Após o colapso do surto de crescimento do crédito do país da década de 1980, os grandes déficits fiscais foram essenciais para evitar uma grave depressão. Mas a consequência inevitável foi que, enquanto as empresas japonesas se desalavancavam lentamente, a dívida pública subiu para 245% do PIB.
A alavancagem migrou não apenas dos setores privados para o público como também entre países. De 2002 a 2008, a relação dívida total/PIB da China estava relativamente estável e abaixo de 150%. Agora alcança por volta de 250%. Essa foi a resposta de política pública à desalavancagem deliberadamente escolhida pelas economias avançadas.
Temendo que a recessão pós-crise vigente nas economias avançadas produzisse um declínio socialmente perigoso do nível de emprego da China, o governo instruiu seus bancos a abrir as comportas do crédito, desencadeando um surto de crescimento das obras de infraestrutura e da construção de unidades habitacionais. Os produtores de commodities e de bens de capital - como a Alemanha - se beneficiaram da demanda impulsionada pelo crédito.
A dívida das famílias e das empresas cresceu em outros mercados emergentes também. O total da dívida dos mercados emergentes cresceu de 114% para 151% do PIB, e a alavancagem mundial total está 37% maior do que era em 2008, como coloca o recente 16º Relatório de Genebra sobre a Economia Mundial, "Desalavancagem? Que Desalavancagem?".
As regras da zona do euro requerem consolidação fiscal, mas o resultado é a lentidão do crescimento, que torna a desalavancagem ainda mais difícil. No mesmo sentido, o Japão elevou seu imposto sobre o consumo em abril para reduzir o déficit fiscal, mas o aumento empurrou a economia para a recessão.
A China agora enfrenta o dilema que surge nos últimos estágios de qualquer surto de crescimento do crédito. Diante da queda dos preços dos imóveis e do crescimento do crédito, será que o país deveria aceitar um pouso turbulento ou deveria manter em curso o surto de crescimento, que, sem dúvida, acarretaria problemas maiores mais tarde?
Por sua vez, a desaceleração do crescimento dos principais mercados deprime a Alemanha, até recentemente o único motor de alta potência da economia da zona do euro. Desacelerações simultâneas em Japão, China e zona do euro ameaçam desacelerar as recuperações dos EUA e do Reino Unido. Com a debilidade do crescimento mundial e a queda das expectativas de inflação, a continuidade do crescimento do endividamento parece insustentável. Mas a alavancagem mundial total continua a subir.
Isso levanta duas perguntas às quais a economia ortodoxa e a política de governo convencional deram uma resposta inadequada. 1) como podemos assegurar o crescimento das economias sem o crescimento acelerado do crédito privado, que leva à crise e ao acúmulo de endividamento? 2) e o ponto crucial de hoje, como podemos sair da armadilha do endividamento na qual o crescimento do crédito do passado nos enredou?
Como adverte o mais recente Relatório sobre Estabilidade Financeira Mundial do FMI, contar só com uma política monetária ultrafácil é perigoso. Estimula a assumir riscos financeiros exagerados, aumenta a desigualdade e pode funcionar apenas ao regenerar o rápido crescimento do crédito privado que nos jogou, de saída, nesta confusão.
Contar com taxas de câmbio competitivas, por outro lado, é coletivamente impossível. O Banco do Japão considera um iene fraco decisivo para sua estratégia de afrouxamento quantitativo. O Banco Central Europeu espera que as taxas de juros negativas pressionem o euro para baixo. E na China os economistas discutem os méritos de um yuan depreciado para neutralizar o impacto do desaquecimento do mercado imobiliário.
Mas o planeta inteiro não pode se desvalorizar em relação a outros planetas. Se todos os países, com exceção dos EUA, se desvalorizarem, a economia americana se defrontará com o impacto deflacionário de sua tentativa de desalavancagem.
Precisamos estimular o crescimento e elevar a inflação sem gerar maior alavancagem privada ou pública. A única maneira de fazer isso é contabilizar déficits fiscais maiores, financiados com dinheiro do banco central. Caso contrário, o mundo vai se atolar na deflação e no baixo crescimento ou precisará aceitar novos aumentos da alavancagem. O fim da expansão alimentada a crédito da Alemanha agora deixou essa escolha clara. (Tradução de Rachel Warszawski)
Adair Turner é professor- visitante-sênior do Instituto para o Novo Pensamento Econômico e do Centro de Estudos Financeiros de Frankfurt. Copyright: Project Syndicate, 2014. (Valor Online – 13/11/2014)

Samsung aposta em smartphones de telas curvas para superar rivais
Por Se Young Lee
SEUL (Reuters) - A Samsung Electronics Co Ltd quer restaurar sua liderança no mercado global de celulares inteligentes apostando em aparelhos sofisticados, com telas curvas e cheios de recursos difíceis de serem replicados por rivais.
A empresa quer que produtos, como o Galaxy Note Edge que tem tela curva rígida, se destaquem entre uma série de rivais de telas planas, mas para que tenha rentabilidade precisará produzi-los a baixo custo e convencer desenvolvedores a projetar aplicativos compatíveis com o novo formato.
A Samsung está caminhando para registrar seu pior lucro anual em três anos, cercada por rivais chinesas como Xiaomi Technology e Lenovo, que produzem aparelhos com tela sensível ao toque e dotados de todas as funções, mas mais baratos. Apenas a Apple tem conseguido manter um caráter totalmente premium a sua marca.
A tendência da indústria de produzir aparelhos com telas cada vez maiores torna difícil o desenvolvimento de designs únicos, disse Kim Nam-su, projetista sênior da Samsung e arquiteto do Note Edge. "Uma mudança de plataforma pode trazes uma variedade de novas considerações... Eu creio que uma tela curva é uma grande solução para superar estes desafios", disse ele.
O Note Edge não é o primeiro aparelho a usar um formato que não seja totalmente plano. Mas a borda curvada do aparelho é projetada para ser mais que um artifício e oferece atalhos para aplicativos e recursos de personalização.
À venda na Coreia do Sul desde outubro por quase 1.000 dólares, e também no Japão, o Note Edge em breve vai ser lançado nos Estados Unidos.
"Toda a vez que a indústria de telefonia móvel viu avanços foi quando a experiência de uso ou interação foi alterada", disse o analista Neil Shah, da Counterpoint. "Talvez agora a Samsung com um aparelho curvado, ou telas flexíveis, possa desenvolver uma nova forma de interação com dispositivos portáteis, promovendo um ecossistema ao redor dela", afirmou. (Por Se Young Lee) (Reuters – 14/11/2014)

Produção industrial da zona do euro sobe 0,6% em setembro
SÃO PAULO - A produção industrial da zona do euro avançou 0,6% em setembro na comparação com agosto, informou nesta quarta-feira (12) a agência oficial de estatísticas da União Europeia, a Eurostat. Analistas ouvidos pelo "Wall Street Journal" esperavam uma alta maior, de 0,7%.
Na comparação anual, a produção da indústria também teve um crescimento de 0,6% em setembro. Nesse caso, a expectativa era de um avanço menor, de 0,1%.
A produção industrial de agosto foi revisada para um recuo de 1,4% ante o mês anterior e de 0,5% na comparação com agosto de 2013, segundo a agência Eurostat.
Os dados de hoje mostram que a reação de setembro foi apenas parcial, após a queda de agosto, indicando que o crescimento econômico na zona do euro permaneceu em patamar modesto no terceiro trimestre.
Caso seja confirmado um terceiro trimestre de estagnação ou de crescimento muito fraco, isso poderia levar o Banco Central Europeu (BCE) a adotar mais medidas de estímulo. (Dow Jones Newswires) (Valor Online – 12/11/2014)

Obama pede China próspera e pacífica
O presidente dos EUA, Barack Obama, fez ontem um apelo à China para que respeitem a liberdade de imprensa e os direitos humanos, além de promover a abertura de seu mercado e a adoção de um câmbio livre. "O governo dos EUA é favorável ao surgimento de uma China próspera, pacífica e estável", disse ele na abertura da Apec, em Pequim. Obama falou da repressão aos protestos em Hong Kong, em que manifestantes se opõem à imposição chinesa de indicar os candidatos ao governo da ilha. "Não esperamos que a China siga um modelo americano em todas as instâncias, mas vamos continuar a nos preocupar sobre os direitos humanos", afirmou. Na foto, Obama com o presidente chinês, Xi Jinping e a primeira-dama Peng Liyuan. (Valor Online – 11/11/2014)

Dilma visita o Catar
Presidente brasileira terá reunião com o emir do país, Tamin Bin Hamad Al-Thani. É sua primeira viagem a uma nação árabe e também a primeira ao exterior após a reeleição.
Marcos Carrieri
São Paulo – A presidente Dilma Rousseff irá se reunir na quarta-feira (12) com o emir do Catar, Tamin Bin Hamad Al-Thani, em Doha. Esta será a primeira visita da presidente brasileira a um país árabe desde que tomou posse, em janeiro de 2011. Será também a primeira viagem de Dilma ao exterior após ser reeleita, em 26 de outubro, para um novo mandato de quatro anos.
De acordo com informações da Presidência da República, a comitiva presidencial teria que parar em um país do Oriente Médio nesta semana antes que ela desembarcasse em Brisbane, na Austrália, para participar da reunião de cúpula do G-20, que reúne os representantes das maiores economias desenvolvidas e em desenvolvimento. A presidente iria passar a noite em Dubai, nos Emirados Árabes Unidos, ou em Doha. Ela recebeu o convite do Catar para que sua comitiva ficasse no país.
A decolagem do avião presidencial estava prevista as 16h30 desta segunda-feira (10). A aeronave deverá fazer uma parada para reabastecimento em Las Palmas, ilha espanhola na costa africana, antes de chegar a Doha na terça-feira (11). Segundo o Itamaraty, o ministro das Relações Exteriores, Luiz Alberto Figueiredo, irá acompanhar a presidente na viagem.
De acordo com a Presidência, os assuntos já definidos da pauta são o Ano Cultural Brasil-Catar 2014 e temas relacionados à educação. Durante este ano ocorreram eventos para mostrar aos brasileiros a cultura do Catar, como a exposição "Pérolas", com joias e obras de arte, realizada na Fundação Álvares Penteado (Faap), em São Paulo, e a Semana Cultural do Catar, que ocorreu em setembro, no Parque Villa-Lobos, também na capital paulista. As duas atrações foram organizadas pela Autoridade de Museus do Catar.
Após o encontro com o emir do Catar, Dilma deverá se reunir com a presidente da Qatar Foundation, Mozah Bint Nasser, na sede da organização criada para apoiar projetos nas áreas de Educação, Ciências e Pesquisa. Em setembro do ano passado, Mozah visitou aldeias indígenas no Pará e duas escolas em comunidades carentes do Rio de Janeiro.
Comércio
Em 2013, o Brasil exportou o equivalente a US$ 334,15 milhões ao Catar, sobretudo em produtos minerais e carnes, com aumento de 5,5% sobre 2012. As importações somaram US$ 581 milhões, principalmente de fertilizantes, mas com queda de 22,3% em relação ao ano anterior.
Em 2014, até outubro, as exportações ao Catar renderam US$ 309,69 milhões, um aumento de 36,5% sobre o mesmo período do ano passado e os produtos mais comercializados foram as carnes. As importações, por sua vez, caíram 6,9% na mesma comparação e somaram US$ 491,9 milhões. O emir do Catar tomou posse do cargo em junho de 2013, após a renúncia de seu pai, Hamad Bin Khalifa Al-Thani. (Anba – 10/11/2014)

Ao lado de Rússia, Brasil é país "menos confiável", diz The Economist
SÃO PAULO - Com o título "a dupla menos confiável dos seis sob suspeita", a edição impressa desta semana da revista britânica "The Economist" destaca que Brasil e Rússia parecem "particularmente frágeis" dentre um grupo de emergentes em situação desfavorável, ao qual a revista acrescenta Índia, Turquia, Indonésia e África do Sul.
A revista observa que, um ano atrás, o economista James Lord, do Morgan Stanley, listava o Brasil como um dos "cinco frágeis", ao lado de Índia, Indonésia, África do Sul e Turquia dentre os mercados emergentes. A preocupação quanto ao grupo dizia respeito a uma combinação de alta inflação e elevados déficits em conta corrente.
Enquanto os demais países em situação "frágil" conseguiram melhorar de situação, ainda que moderadamente, desde então, "Brasil e Rússia, em contraste, estão em situação realmente ruim", observa a revista, acrescentando que as duas economias, combinadas, têm o peso da quarta maior do mundo, a da Alemanha. "The Economist" chama atenção para a depreciação do real e do rublo, com a moeda brasileira tendo alcançado "novas mínimas em novembro, após a divulgação de dados que revelaram déficit orçamentário recorde em setembro".
"Parte de suas dores vem do exterior", observa a revista britânica, citando a desaceleração do ritmo de crescimento de importantes parceiros comerciais do Brasil, como China, União Europeia e Argentina. "Não apenas os volumes das exportações estão em queda. As coisas que o Brasil vende – como minério de ferro, petróleo, açúcar e soja – estão caindo, com a diminuição da demanda global", acrescenta a reportagem.
"The Economist" menciona também problemas domésticos, observando que o governo de Dilma Rousseff, "recentemente reeleito", causou "estragos" às finanças públicas durante o primeiro mandato. "Em 2014, os gastos cresceram ao dobro do ritmo das receitas, apesar dos ganhos extraordinários proporcionados pelo campo de petróleo de Libra e do espectro de telefonia 4G".
Em outro texto, divulgado na mesma edição, também disponível no seu site, a revista avalia que "muitos duvidam da determinação da Sra. Rousseff" quanto a uma correção de rumo. "Muitos economistas concordam que um ajuste fiscal e monetário grande o suficiente para assegurar um crescimento sustentável no período inevitavelmente elevaria o desemprego, hoje ainda próximo ao piso histórico, em torno de 5%", diz a revista. (Valor Online – 10/11/2014)

A ameaça que vem da Rússia
Fábio Alves
Hoje o que é considerado apenas uma turbulência do rublo pode se transformar em crise do rublo, com impacto ao redor do globo
A turbulência observada no câmbio poderá levar a Rússia a ser uma ameaça aos mercados emergentes em breve?
Analistas ainda não classificam o que está ocorrendo na economia russa como uma crise com o potencial de contaminação à classe de ativos, mas a situação entrou no radar dos investidores dedicados a mercados emergentes.
Ainda sob o impacto das sanções econômicas impostas pelo conflito com a Ucrânia, a Rússia parece ser a primeira vítima aparente da queda forte nos preços do petróleo nos últimos meses, após o banco central russo anunciar uma maior flutuação do rublo, ampliando o corredor de oscilação da moeda.
"Somente não estamos numa situação de crise porque a Rússia ainda tem um nível grande de reservas cambiais", disse a esta coluna Ilan Solot, estrategista de câmbio para mercados emergentes da corretora Brown Brothers Harriman em Londres.
Conforme o último dado disponível, o BC russo dispunha de US$ 409 bilhões em reservas, mas ao gastar artilharia para conter a recente depreciação do rublo, essas reservas devem estar bem abaixo de US$ 400 bilhões.
Com a queda no preço do barril de petróleo desde junho, a economia russa vem sofrendo bastante, uma vez que cerca de 50% das receitas do governo vêm das exportações desse produto. Some-se a isso, o impacto das sanções econômicas.
Não foi à toa que o BC russo cortou sua projeção de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) para 0,3% neste ano e para zero em 2015. Já a inflação deve superar 8% em 2014, como reflexo da depreciação cambial.
Nos últimos meses, as autoridades monetárias russas vêm agindo intensamente para conter a desvalorização do rublo, porém sem sucesso.
Somente em outubro, o BC russo gastou US$ 30 bilhões. Mas na semana passada, a moeda russa perdeu quase 10% frente ao dólar, levando a depreciação acumulada no ano para 30%. Hoje, o BC russo jogou a toalha e eliminou o corredor de negociações da moeda e as intervenções regulares, mas depois alertou o mercado que poderá intervir a qualquer momento se achar necessário.
"Por enquanto, não vejo um risco grande de contaminação, mas a situação russa afeta sim o sentimento dos investidores em relação aos mercados emergentes", explicou Solot, do BBH.
Em nota a clientes, o estrategista-chefe de câmbio do banco ING, Chris Turner, disse que a desvalorização do rublo já está em linha com a depreciação registrada em crises anteriores de emergentes.
"Uma cotação do dólar a 55/65 rublos, embora bizarra, é possível se a confiança for perdida completamente", alertou Turner.
Nesta segunda-feira, o rublo se recuperou depois que o banco central reduziu a liquidez da moeda russa, ao limitar a oferta de rublos na economia, e também após o presidente Vladimir Putin ter afirmado que a desvalorização recente foi "especulativa". Ao final da sessão de negócios na Rússia, o dólar havia recuado 3,5% para 45,08 rublos.
"A realidade, contudo, é que o BC russo sempre quis abandonar a gestão do câmbio e adotar um regime puro de meta de inflação em 2015, porém a autoridade monetária teria preferido fazer essa transição sob condições mais benignas", explicou Turner, do ING.
Segundo ele, o sentimento em relação ao rublo é excepcionalmente negativo.
"A menos que as autoridades russas consigam reverter esse sentimento muito negativo, o risco é que a história olhe para o rublo em 2014 apenas como uma crise tradicional de mercados emergentes", argumentou o estrategista do ING.
Também em nota a clientes, a economista-chefe do banco francês Société Générale, Michala Marcussen, ressaltou que os preços do petróleo – em queda de US$ 30 por barril desde o pico do ano, em junho – vão causar um estresse muito grande na economia russa.
"Se os preços do gás também caírem, o impacto negativo sobre a Rússia aumentaria", disse Marcussen no relatório. "Num cenário de risco onde a Rússia sofre uma crise de conta corrente, o contágio global poderia ser significativamente negativo", acrescentou a economista.
Ela utilizou um modelo macroeconômico para concluir que, para cada queda de US$ 10 por barril no preço do petróleo, o PIB mundial cresceria 0,2 ponto porcentual, mas a Rússia estaria entre os perdedores e não ganhadores da trajetória recente no preço do petróleo.
A agência de rating Moody's, por exemplo, projeta uma contração de 1% do PIB russo em 2015, como resultado das sanções econômicas e também da queda no preço do petróleo.
Segundo a Moody's, desde o início deste ano, as condições de crédito registram um aperto, em parte devido à elevação da taxa de juro básica, que atingiu 9,5% em 31 de outubro.
Essas condições de crédito devem se manter apertadas, pois a inflação em alta, alimentada pela desvalorização do rublo, impedirá o afrouxamento da política monetária, afirmou a Moody's.
A questão agora é que, se a confiança na economia russa se deteriorar, deflagrando saída de capital, hoje o que é considerado apenas uma turbulência do rublo pode se transformar em crise do rublo, com impacto ao redor do globo. (O Estado de SP – 10/11/2014)

Positivo reverte prejuízo e lucra R$ 13,5 milhões no trimestre
Por Cibelle Bouças
SÃO PAULO - A Positivo Informática, maior fabricante brasileira de computadores, encerrou o terceiro trimestre com lucro líquido de R$ 13,5 milhões, revertendo o prejuízo de R$ 18,9 milhões registrado no mesmo intervalo do ano passado. O resultado da companhia foi favorecido pela produção própria de smartphones. No segmento de computadores, a Positivo continuou apresentando queda nas vendas.
A companhia observou em relatório que já era esperada uma queda nas vendas de computadores no mercado brasileiro, devido à decisão de parte dos consumidores de adquirir TVs para assistir aos jogos da Copa, deixando o investimento em computadores para outro momento. Ainda segundo a companhia, houve recuperação nas vendas a partir de julho.
As vendas no terceiro trimestre somaram 665,6 mil PCs e tablets, queda de 3% em volume. As vendas de smartphones e celulares apresentaram uma leve queda de 3,2% no período, para 53,8 mil unidades.
A receita líquida total da Positivo no período foi de R$ 534,3 milhões, queda de 3,2%, na comparaçã o anual. A companhia registrou no período uma redução de 8,6% nos custos com matérias-primas, para R$ R$ 382,9 milhões, e redução de 14,5% nas despesas com depreciação, para R$ R$ 3 milhões.
O lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês) foi de R$ 23,2 milhões no trimestre, 53,5% acima do verificado um ano antes. A margem Ebitda avançou 1,6 ponto percentual, para 4,3%. (Valor Online – 10/11/2014)

Samsung Electronics construirá fábrica de smartphones de US$3 bi no Vietnã
HANÓI - A sul-coreana Samsung Electronics entrou com pedido por uma licença para investir 3 bilhões de dólares na construção de uma segunda fábrica de smartphones no norte do Vietnã, disse uma autoridade do governo nesta segunda-feira.
A Samsung Electronics Vietnã planeja construir a fábrica na província de Thái Nguyên, onde abriu uma fábrica de smartphones de 2 bilhões de dólares em março, disse uma autoridade sênior do Departamento de Planejamento e Investimento da província.
"Estamos trabalhando no projeto", disse a autoridade, confirmando uma notícia do Dau Tu, jornal controlado pelo Ministério de Planejamento e Investimento do Vietnã. "Ainda há algumas coisas para arrumar".
A autoridade não está autorizada a falar com a mídia e pediu para não ser identificada.
Uma porta-voz da Samsung disse à Reuters que a companhia está em discussões com o governo vietnamita para investir até 3 bilhões de dólares em seu negócio de dispositivos móveis. O cronograma para os investimentos e quanto será gasto de fato ainda precisam ser decididos, disse ela.
A Samsung tem aumentado a produção no Vietnã para reduzir os custos e competir melhor com os smartphones de baixo custo de rivais chinesas em particular.
A mais recente investida da Samsung Electronics traz o total de investimentos prometidos pela companhia no Vietnã neste ano para cerca de 11 bilhões de dólares, segundo o jornal Dau Tu. (Por Ho Binh Minh) (Reuters – 10/11/2014|)

Após anos em deflação, Japão agora mostra a saída à Europa
Por Jacob M. Schlesinger | The Wall Street Journal, de Tóquio
Na década de 90, o Japão virou um exemplo clássico de como tropeços políticos podem jogar uma economia moderna na deflação. Agora, o país está ensinando como sair disso.
À medida que esse mal debilitante ameaça infectar a Europa, e os Estados Unidos se esforçam para se vacinarem contra ele, o Japão dá uma lição de como um banco central comprometido pode, rapidamente, quebrar o círculo vicioso da queda de preços, salários, gastos e investimentos. Mas a situação do Japão também ilustra como fatores que estão além do controle do banco central, como cautela empresarial e medidas contraditórias de política econômica, podem anular esses progressos.
A situação política também pode complicar: economistas podem até achar que inflação é melhor que deflação, mas isso não é tão óbvio para o cidadão comum. E outras autoridades monetárias podem compartilhar a meta de acabar com a deflação, mas hesitar diante dos riscos necessários para alcançá-la.
É "inevitável que, no processo de transição, méritos e deméritos virão à tona", reconheceu na semana passada Haruhiko Kuroda, presidente do Banco do Japão (BOJ, o BC japonês) e o principal combatente da deflação no país, em discurso para acalmar o coro crescente dos críticos. Mas ele alertou para o perigo de parar no meio do caminho: "Um tratamento médico pela metade só vai piorar os sintomas."
No fim dos anos 90, o Japão se tornou a primeira grande economia desde a Grande Depressão a cair numa deflação prolongada. Embora as autoridades monetárias globais sempre a considerassem uma aflição peculiar do Japão, causada por ferimentos autoinfligidos, mais países, em especial na Europa, vêm recentemente escorregando para a deflação. A Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) informou que 13 dos seus 34 países-membros tiveram queda de preços nos últimos 12 meses.
Por outro lado, o Japão parece já ter passado da queda para o aumento dos preços, depois de um volumoso pacote de estímulo lançado por Kuroda em abril de 2013. O principal índice de inflação do país - embora ainda esteja abaixo da meta do BOJ, de 2% ao ano - está acima de 1% há quase um ano, o período mais longo passado nessa faixa em mais de 15 anos. E o principal órgão de previsões econômicas do país calcula que permanecerá assim até o início de 2017.
"Kuroda nos lembrou que os princípios básicos da economia ainda funcionam [...] e um banco central decidido pode gerar inflação, se só se preocupar com isso", diz Anil Kashyap, economista da Universidade de Chicago e especialista em deflação japonesa.
O progresso, porém, segue frágil, o que levou Kuroda a deflagrar, em 31 de outubro, uma segunda rodada de medidas de estímulo, prometendo injetar mais trilhões de ienes na economia. Estes são alguns desafios que ele enfrenta:
Cautela empresarial
Até o momento, os principais beneficiários da deflação japonesa têm sido as multinacionais, que aproveitam o iene mais fraco para aumentar os lucros ao repatriar receitas em moedas de outros países. Na atual temporada de divulgação de resultados, as empresas exibiram até agora um aumento de 23% no lucro líquido em relação ao ano anterior, segundo a SMBC Nikko Securities, mesmo depois de um salto de 129% no ano passado.
Mas, num legado da ansiedade da era da deflação, as empresas sediadas no Japão estão só guardando todo esse caixa - um montante que somava US$ 2 trilhões em meados do ano e que subiu 10% em dois anos, segundo o BOJ. A visão de Kuroda de um "círculo virtuoso" inflacionário autossustentável exige que esses lucros fluam mais livremente pela economia, por meio de aumento de investimentos e salários. Embora os salários estejam subindo ao ritmo mais rápido desde 1997, ficaram para trás da inflação recém-fomentada, deixando os trabalhadores em situação pior do que antes.
Esse não é um problema exclusivo do Japão. A cautela empresarial e o outro lado da moeda, a estagnação salarial, vêm freando o crescimento em várias economias avançadas desde a crise financeira. O Japão está testando soluções, inclusive negociações intermediadas pelo governo entre grandes empresas e grandes sindicatos.
Políticas contraditórias
A busca antideflação seria mais fácil se o governo se concentrasse apenas nessa meta. Mas não é o que acontece.
A prioridade do Ministério das Finanças é reduzir a enorme dívida soberana do país. Para isso, decretou um aumento no imposto sobre as vendas no primeiro trimestre e quer realizar outro em 2015 - apesar de o primeiro ter acabado prejudicando as medidas antideflação ao deprimir o crescimento.
O programa econômico mais geral do premiê Shinzo Abe inclui reformas estruturais destinadas a impulsionar o crescimento de longo prazo. Houve um sucesso: mais de 800 mil mulheres entraram na força de trabalho nos últimos dois anos. Isso atenua as limitações de uma população em queda, mas também comprime os salários, pelo menos no curto prazo.
Estados Unidos e Europa também têm tentado conciliar os estímulos do banco central com a redução do déficit. A Europa tenta, ainda, repelir a deflação enquanto pondera reformas estruturais.
Reações políticas adversas
Abe obteve uma vitória esmagadora em dezembro de 2012 com a promessa de acabar com a deflação. Agora, o público japonês está repensando o assunto ao ver que os ganhos foram canalizados principalmente para grandes empresas e seus acionistas, enquanto os custos caíram mais pesadamente sobre as pequenas empresas e as famílias de renda média.
Kuroda é questionado com frequência no parlamento. Seu conselho de política monetária, que receia causar distorções no mercado ao comprar uma parcela cada vez maior de títulos da dívida pública, aprovou o afrouxamento monetário mais recente por cinco votos a favor e quatro contra.
Kuroda está em boa companhia. O presidente do Banco Central Europeu, Mario Draghi, tem de lutar contra céticos no seu próprio conselho, que hesitam em comprar dívida soberana. E as eleições nos EUA colocaram uma nova maioria no Congresso, que deve questionar a política de afrouxamento de Janet Yellen, a presidente do Fed, o banco central americano.
O presidente do BOJ já ensinou aos que dirigem outros bancos centrais como vencer as primeiras batalhas contra a deflação. Agora, ele se esforça para escrever a cartilha sobre como vencer a guerra no longo prazo. (Valor Online – 10/11/2014)

Comércio com Argentina só melhora em 2016, acredita especialista
RENATA AGOSTINI
Uma melhora nas vendas do Brasil para Argentina deve ocorrer apenas a partir de 2016, na avaliação de Dante Sica, secretário de Indústria e Comércio da Argentina durante o governo de Eduardo Duhalde, em 2002 e 2003, e sócio da consultoria Abeceb.
"Creio que a Argentina conseguirá recuperar a importância que tem para o mercado brasileiro, mas só quando normalizar sua situação macroeconômica, de 2016 em diante."
Ele acredita que os dois países precisam elevar o nível dos debate para que possam resolver as distorções no comércio bilateral. "Há harmonia do ponto de vista político, mas as conversas têm de ser mais próximas.
Nos últimos anos, houve pouco trabalho das equipes técnicas."
A reeleição de Dilma Rousseff, que durante sua campanha afirmou que o Mercosul seguirá como prioridade na política industrial do Brasil, não é vista por ele como claramente favorável ao comércio com a Argentina.
Isso porque, para Sica, a presidente precisará "recompor" as relações com outros blocos para atender à demanda dos empresários brasileiros e assegurar o papel de liderança do Brasil na região.
Sica não acredita, contudo, que o Brasil esteja passando por um processo de "argentinização", como insinuam opositores do governo.
"É certo que o Brasil tem um problema em sua balança de pagamentos e de deficit fiscal tal como a Argentina. Mas tem um mercado de capitais robusto, um forte nível de reserva e muita capacidade de fazer política econômica", disse.
EM QUEDA
De janeiro a outubro deste ano, as exportações brasileiras para a Argentina caíram 27%. Com isso, o país vizinho perdeu o posto de principal comprador de produtos manufaturados brasileiros para os Estados Unidos.
Para Sica, a queda nas vendas é explicada pela recessão na Argentina, mas também pela desaceleração do Brasil, uma vez que há integração grande entre as economias.
A estimativa da Abeceb é que ocorra queda de 2% no PIB (Produto Interno Bruto) argentino este ano, frente a um crescimento de quase 3% no ano passado. No Brasil, o mercado estima que a economia avançará apenas 0,27% em 2014.
A forte restrição de dólares pelo governo, o aumento das taxas de juros e o agudo deficit fiscal abalaram a confiança tanto dos consumidores quanto dos investidores, jogando a Argentina num processo recessivo, diz Sica. Segundo ele, tal cenário não deve mudar no curto prazo.
Para Sica, é possível que este ano haja um pequeno superavit comercial favorável à Argentina no comércio com o Brasil. Mas ele pondera que os números "são enganosos" já que sofrem o impacto das medidas restritivas à importação impostas pelo governo de Cristina Kirchner para segurar a saída de dólares. (Folha de SP – 08/11/2014)

OMC


Veja mais

OMC diz que acordo comercial global pode ser fechado em duas semanas
REUTERS
A Organização Mundial do Comércio (OMC) disse nesta sexta-feira que existe uma "probabilidade alta" de que um acordo para simplificar as regras aduaneiras globais seja implementando dentro de duas semanas, depois de um acordo fechado entre Índia e Estados Unidos para resolver um impasse.
"Eu diria que nós temos uma probabilidade alta de que o pacote de Bale seja implementando muito em breve", disse o diretor-geral da OMC, o brasileiro Roberto Azevêdo, referindo-se ao Acordo de Facilitação do Comércio negociado na ilha indonésia.
"Tenho esperança de que podemos fazer isso em um período de tempo bastante curto, dentro das próximas duas semanas", acrescentou Azevêdo, falando antes de uma cúpula do G20, grupo das principais economias do mundo, em Brisbane, na Austrália.
Na quinta-feira, Índia e Estados Unidos resolveram uma disputa que vinha travando o acordo na OMC e ameaçava impedir as reformas, que devem acrescentar cerca de 1 trilhão de dólares ao comércio global. (Reportagem de Lincoln Feast e Matt Siegel) (O Estado de SP – 14/11/2014)

Acordo entre Índia e EUA vai destravar impasse na OMC
De Brisbane (Austrália)
A Índia e os Estados Unidos anunciaram ontem um acordo que deverá quebrar o impasse na Organização Mundial do Comércio (OMC) envolvendo a implementação de compromissos assumidos em Bali (Indonésia) em dezembro.
Como o Valor antecipou na semana passada, Washington e Nova Déli retomaram as discussões e o resultado foi um compromisso importante para o presidente Barack Obama e para o primeiro-ministro Narendra Modi às vésperas de suas chegadas para a cúpula do G-20.
Pelo acordo, de um lado a Índia aceita enfim dar o apoio para a implementação do acordo de facilitação de comércio, o primeiro entendimento que a OMC conseguiu aprovar em 20 anos. As estimativas são de que a redução de barreiras nas alfândegas e de outras burocracias para reduzir custos pode resultar em ganhos de até US$ 1 trilhão.
Por sua vez, a Índia obteve dos EUA a garantia de que seu programa bilionário de subsídios para segurança alimentar não será contestado no Órgão de Solução de Controvérsias até que uma solução permanente para essa questão tenha sido aceita e adotada na OMC. Ou seja, a Índia obtém uma "cláusula de paz" para continuar dando subsídios para formação de estoques de alimentos que já superaram o limite legal autorizado.
O governo indiano vende o acordo com os americanos como mais liberdade para subsidiar seus agricultores. Na verdade, a Índia obteve o que já tinha conseguido em Bali, em dezembro. O que ganhou adicionalmente agora foi essencialmente o fim de qualquer ambiguidade, se é que existia, sobre a aplicação da "cláusula de paz", evitando uma disputa na OMC.
Para Obama também trata-se de uma vitória, pois medidas de facilitação de comércio são consideradas essenciais por exportadores americanos sobretudo em emergentes ainda com potencial de crescimento.
Washington e Nova Déli vão agora submeter o acordo aos outros membros da OMC. Exportadores agrícolas vão estar especialmente atentos a detalhes do compromisso, para não dar carta branca para a Índia. A questão é sobre disciplinas para que Nova Déli possa ter liberdade de subsidiar sem gerar mais distorções no comércio mundial e sem agravar a insegurança alimentar de outros países.
O diretor-geral da OMC, Roberto Azevêdo, que se encontra na Austrália para a cúpula do G-20, saudou o acordo entre Washington e Nova Déli, dizendo que era indispensável, mas ainda precisava ser aprovado por todos os outros membros da entidade.
Aparentemente, o governo indiano percebeu o sentimento de crise na OMC. Ao bloquear sozinho um acordo que já tinha sido negociado, o país abriu uma crise sem precedentes no sistema multilateral, causando enormes incertezas entre seus parceiros.
Além disso, desta vez não houve divisão Norte-Sul, pois tanto países ricos como em desenvolvimento cobravam logo o fim do impasse. A rigor, a Índia não tinha apoio de ninguém.
A postura da Índia mostra também que sua posição era sobretudo motivada por política interna e não por razões econômicas, avalia outro negociador que acompanhou as discussões.
O comunicado dos líderes do G-20 em todo caso deve reiterar a implementação do acordo de facilitação de comércio. (Valor Online – 14/11/2014)

Acordo entre Estados Unidos e Índia rompe impasse na OMC
Por Assis Moreira | De Brisbane (Austrália)
Índia e Estados Unidos anunciaram ontem um acordo para superar o impasse na Organização Mundial do Comércio (OMC) envolvendo a implementação de compromissos assumidos na Indonésia, em dezembro. Nova Déli aceitou, enfim, dar apoio ao acordo de facilitação do comércio, o primeiro entendimento que a OMC conseguiu aprovar em 20 anos. As estimativas são de que a redução de barreiras alfandegárias e outras burocracias no comércio internacional poderá proporcionar ganhos de até US$ 1 trilhão.
Em troca, obteve de Washington a garantia de que seu programa bilionário de subsídios para segurança alimentar não será contestado no Órgão de Solução de Controvérsias até que uma política permanente sobre essa questão tenha sido adotada na OMC. Na prática, a Índia conseguiu uma "cláusula de paz" para continuar subsidiando a formação de estoques de alimentos que já superaram o limite legal autorizado.
Agora, o acordo terá de ser submetido aos demais países da OMC. Exportadores agrícolas estarão especialmente atentos para não dar uma "carta-branca" à Índia. (Valor Online – 14/11/2014)

Azevêdo aplaude el acuerdo alcanzado por la India y los Estados Unidos en relación con cuestiones clave de Bali
Director-General Roberto Azevêdo today welcomed the news that the US and India have agreed on the way forward for implementing key elements of the package of agreemeEl Director General Roberto Azevêdo ha expresado hoy su satisfacción por la noticia de que los Estados Unidos y la India han convenido en el camino a seguir para poner en aplicación elementos clave del conjunto de acuerdos a que se llegó el pasado mes de diciembre en la Conferencia Ministerial de la OMC celebrada en Bali.nts reached last December at the WTO Ministerial Conference in Bali. (OMC – 13/11/2014)

Acordo entre Estados Unidos e Índia dá sobrevida a Rodada de Doha
CLÓVIS ROSSI
O presidente Barack Obama e o primeiro-ministro da Índia, Narendra Modi, fecharam nesta quinta-feira (13) acordo que permite desbloquear o Acordo de Facilitação do Comércio, fechado no ano passado em Bali.
Com isso, ganha sobrevida a Rodada Doha, o mais ambicioso projeto de liberalização comercial já lançado, mas que patina desde que se iniciou em 2001.
Para o Brasil, é boa notícia porque o país apostou todas as suas fichas de política comercial exatamente na Rodada Doha.
BALI
Bali fora o primeiro acordo significativo fechado desde a criação da Organização Mundial de Comércio, em 1994. Não trata de políticas comerciais propriamente ditas, mas simplesmente de desburocratizar importações e exportações. Geraria US$ 1 trilhão a mais em movimentações comerciais.
Deveria portanto ser mais fácil de implementar do que mexer, por exemplo, com os subsídios agrícolas, o que emperra a negociação da Rodada Doha.
Mas o acordo de Bali parou em restrições de um só país, a Índia, que, em troca de aceitá-lo, queria manter indefinidamente seus programas de estoques alimentares.
Como as regras da OMC exigem decisões consensuais, tudo parou, a ponto de o diretor-geral da OMC, o brasileiro Roberto Azevêdo, ter chegado a jogar a toalha.
Azevêdo chegou a dizer, em reuniões internas, que o impasse levara a organização que dirige não para a beira do abismo mas para dentro dele.
Como o acordo de Bali favorecia tanto os países em desenvolvimento como os desenvolvidos, houve pressão geral sobre a Índia para rever sua posição.
PRESSÃO
A pressão determinante foi feita diretamente por Barack Obama, em encontro com Modi, à margem da cúpula da Apec (sigla em inglês para Cooperação Econômica Ásia Pacífico).
A Casa Branca comemorou, em nota oficial, afirmando que o acordo "permitirá desbloquear o progresso em direção a uma completa e imediata implementação do acordo de facilitação de comércio".
O desbloqueio, em todo o caso, não será tão iminente: antes, o entendimento Índia/EUA terá que ser levado ao Conselho Geral, o organismo máximo da OMC.
"Só vamos celebrar quando efetivamente o Conselho Geral confirmar o acordo", disse à Folha Roberto Azevêdo. (Folha de SP – 13/11/2014)

EUA e China levarão à OMC acordo de tecnologia
MARK LANDLER
DO "NEW YORK TIMES", EM PEQUIM
O governo dos EUA anunciou nesta terça (11) avanços na negociação com a China para eliminar tarifas sobre produtos de tecnologia da informação, de videogames e softwares a equipamentos médicos e semicondutores.
O consenso, obtido na visita do presidente Barack Obama à China, abre a porta para expandir um tratado da Organização Mundial do Comércio (OMC) sobre o tema, se outros países forem persuadidos a aceitar os termos.
O governo americano prevê que isso ocorra mais rapidamente agora que as objeções chinesas se dissiparam.
"Vamos levar o que obtivemos aqui em Pequim para trabalhar com nossos parceiros na OMC", disse Michael Froman, responsável pelo comércio exterior no governo Obama, referindo-se à expansão do Acordo sobre Tecnologia da Informação.
Esse avanço provavelmente será o resultado econômico mais tangível da visita de Obama à China para o fórum para Cooperação Econômica Ásia-Pacífico, Apec (leia mais a respeito na pág. A11).
Nesta terça, o americano jantaria com seu anfitrião, o presidente Xi Jinping, diante de uma pauta que incluía a retomada da força-tarefa sino-americana para segurança cibernética, interrompida após os EUA acusaram militares chineses por hacking.
VIZINHOS
As negociações com a China sobre a expansão do tratado de 1997 sobre tecnologia da informação foram suspensas em 2013 por divergências quanto ao escopo dos produtos que o acordo cobriria.
Mas após conversações intensivas antes da visita de Obama, disse Froman, americanos e chineses chegaram a um consenso na segunda-feira (10) para eliminar mais de 200 categorias de tarifas.
Embora os EUA ainda exportem muitos bens de alta tecnologia, a China é o exportador mundial dominante de eletrônicos em geral, e tem muito a ganhar com uma eliminação de tarifas.
Taiwan, Coreia do Sul e Japão se veem cada vez mais como fornecedores da imensa indústria eletrônica chinesa, o que aprofunda sua dependência quanto às decisões tomadas em Pequim.
"Com tantos produtos criados desde que o acordo sobre tecnologia de informação foi assinado, duas décadas atrás, expandir sua cobertura é imperativo", disse Myron Brilliant, diretor de assuntos internacionais da Câmara de Comércio dos EUA.
"Com o comércio de bens de tecnologia superando os US$ 4 trilhões anuais, a importância comercial dessas negociações é evidente." (O Estado de SP – 12/11/2014)

Dito e feito
MARCELO DE, PAIVA ABREU
A União Europeia acabou apresentando queixa contra o Brasil na Organização Mundial do Comércio (OMC) sobre isenções de impostos internos condicionadas a conteúdo local e que, portanto, discriminam as importações.
As autoridades brasileiras parecem ter acreditado que a passagem do tempo atenuaria a sua inépcia. Já há dois anos, quando o assunto surgiu pela primeira vez, houve alertas claros de que o programa Inovar-Auto feria frontalmente as regras da OMC. Eu mesmo, em artigo intitulado Sob pele de inovação, o lobo da proteção, publicado neste espaço em 15/10/2012, escrevi: a legislação tributária, "transformada na espinha dorsal do programa Inovar-Auto, aumenta o Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) sobre veículos, produzidos no País ou importados, em 30%. Caso as empresas automotivas instaladas no País alcancem determinadas metas de gastos em pesquisa e desenvolvimento, nacionalização de etapas fabris e melhoria de eficiência dos veículos, poderão abater o IPI adicional. Ou seja, os veículos produzidos no País serão protegidos da concorrência das importações pelo efeito cumulativo da tarifa de importação de 35% e do diferencial de até 30% no IPI cobrado.
O programa foi descrito como um 'esforço de inteligência para (...) passar pelo crivo liberal (sic) da OMC'. Se 'inteligência' for substituída por 'malandragem', talvez a frase faça algum sentido. A discriminação tributária com impostos internos é violação flagrante das regras multilaterais. Não fosse assim, não faria sentido algum negociar reduções recíprocas de tarifas de importação, pois a qualquer momento um dos parceiros poderia introduzir imposto interno que se aplicasse só às importações e seria equivalente a aumentar o imposto de importação". "(...) Ouvem-se argumentos de que o governo teria esperanças de que a eventual defesa do mostrengo possa se basear em exceções aceitas pela OMC para políticas de estímulo à inovação. Mas o que a OMC aceita são subsídios a atividades de inovação que nada têm que ver com metas de conteúdo local. Se o BNDES apoiasse projetos de inovação justificados por análises de custo-benefício sob a ótica social, seria possível caracterizar uma política coerente de estímulo à inovação centrada na correção de falhas de mercado.
A verdade é que a indústria automotiva brasileira, que operava até recentemente sob frondosa tarifa de 35%, extraiu do governo proteção adicional da mesma magnitude, relacionada ao tratamento discriminatório das importações na cobrança do IPI. O custo será pago pelo consumidor, a despeito dos desmentidos ineptos dos ministros Mantega e Pimentel. É muito oneroso resgatar periodicamente a indústria automotiva, sempre na rabeira da inovação tecnológica global."
Com alguma qualificação, os mesmos argumentos se aplicam a outros programas de governo.
É vergonhoso que isso possa ter escapado ao governo, no Itamaraty e alhures, quando a política foi implementada. E que o lobby automotivo não tenha encontrado caminho menos primitivo para defender seus interesses.
As reações do governo à decisão europeia têm sido patéticas. Ou confessa a malandragem: "Quando houver decisão na OMC, o programa já terá expirado". Isto é, vamos delinquir enquanto a polícia não chega. Ou o Itamaraty, em fase panglossiana aguda, comemorou como vitória o fato de a União Europeia ter retirado de sua queixa a parte referente à Zona Franca de Manaus. Ou, ao estilo Rousseff, substituiu razão por ênfase e insiste na legalidade das ações brasileiras, sem argumento que sustente tal crença.
No caso da política comercial atual não se trata de ter ou não ter complexo de vira-lata, trata-se de ser ou não ser vira-lata. Há déficit de seriedade e competência em Brasília. O Barão deve estar mais do que triste. Envergonhado. (O Estado de SP – 12/11/2014)

G-20 mantém, mas tira foco de pacto antiprotecionismo
Por Assis Moreira | De Genebra
Um pacto antiprotecionismo estará na agenda dos líderes do G-20, na semana que vem, na Austrália, mas desta vez a presidente Dilma Rousseff não vai precisar se opor, já que a Austrália agiu para neutralizar conflito sobre o tema.
O Valor apurou que o Japão, México e outros países tentaram emplacar a prorrogação até 2018 do compromisso pelo qual as economias do G-20, que respondem por mais de 80% do comércio global, se comprometem a não adotar novas barreiras ao comércio e aos investimentos e a retirar restrições impostas recentemente.
Mas a Austrália, na organização da cúpula dos líderes deste ano, percebeu o potencial de divergências e insistiu que a proposta só ia tomar tempo, e tirar o enfoque de outros temas mais importantes no cenário atual. Além disso, o atual pacto vigora até o ano que vem.
Na Rússia, no ano passado, o Brasil e a Argentina ficaram isolados na resistência à renovação do compromisso Os dois países apontavam desequilíbrio, já que o compromisso mencionava não elevar tarifas, mas ignorava o aumento de subsídios na agricultura. Na reunião final dos líderes, as presidentes Dilma Rousseff e Cristina Kirchner terminaram por aceitar o acordo, que exigia consenso.
Para a semana que vem, ficou acertado que os líderes vão reafirmar o pacto antiprotecionismo, incluindo a retirada de medidas recentemente adotadas. Mas, do jeito como o texto está redigido e sem prorrogação, é menor o risco de a presidente Dilma chegar a Brisbane com um segundo mandato e com a mesma postura adotada na Rússia.
O G-20 vai também reiterar a importância da implementação do acordo de facilitação do comércio, e apoiar o reforço e a coerência do sistema comercial de maneira a maximizar o crescimento.
O compromisso antiprotecionismo é considerado importante do ponto de vista político, mas continua sendo atropelado na realidade, como mostra relatório que a Organização Mundial do Comércio (OMC) preparou para o G-20.
O volume de medidas restritivas ao comércio introduzidas pelos países do G-20 desde 2008 continua a aumentar. De 1.244 medidas restritivas aplicadas desde o começo da crise, somente 282 foram removidas. O número atual, de 962 medidas, é 12% maior do que em novembro do ano passado.
Mais de 18 novas medidas restritivas foram adotadas por mês, desde maio. Mas também ocorreram ações liberalizadoras.
O Brasil foi responsável por 25% de todas as investigações antidumping para frear importações com preços supostamente desleais, abertas pelas grandes economias entre maio e setembro, confirmando Brasília como o campeão no uso desse mecanismo de defesa comercial.
De 66 investigações abertas pelos países do G-20 no período, o Brasil foi responsável por 22. Com isso, o Brasil abriu 37,5% mais investigações do que nos seis meses anteriores. O Canadá veio em segundo lugar, com 12, e os EUA, em terceiro, com 10. A Índia, que tinha aberto 15 investigações no semestre anterior, desta vez abriu apenas quatro.
O Brasil tem aplicado medidas de defesa comercial principalmente contra as importações procedentes de China, União Europeia e Coreia do Sul desde 2008. O país foi o principal responsável por mais da metade de novas investigações globais contra importações de produtos de plástico e borracha nos últimos 18 meses. (Valor Online – 10/11/2014)

La agonía de la OMC
Rubens Barbosa
Las grandes y rápidas transformaciones en el escenario internacional en el campo político y económico dejaron, de cierta manera, su marca en las instituciones multilaterales. La Organización Mundial del Comercio (OMC) no fue la excepción en la crisis general del multilateralismo.
La complejidad de las negociaciones internacionales, la diversidad de intereses entre los 160 países miembros y las dificultades generadas por el proceso decisorio, han imposibilitado el avance real y la conclusión de la Ronda de Doha. La OMC ganó mandato para intentar en un año retomar las negociaciones de la Ronda de Doha, pero fracasó.
Si a eso se le agrega el desinterés de los EE.UU. y de la Unión Europea en discutir fórmulas multilaterales para otorgar la apertura de mercados y la liberalización comercial, queda explicado el final melancólico de las negociaciones de los ministros de comercio exterior en Bali.
A pesar de las evaluaciones iniciales positivas, los acuerdos alcanzados (facilitación del comercio, medidas en el área agrícola para garantizar la seguridad alimentaria e incentivos a países más pobres) no fueran suficientes para salvar la agenda para el Desarrollo creada en Doha, en 2002, ni para resucitar la credibilidad de la OMC como foro de negociaciones globales.
El limitado resultado de Bali prolongó la agonía de la OMC, que difícilmente conseguirá obtener la reducción del proteccionismo.
El acuerdo de facilitación del comercio, que tiene por objetivo simplificar los procedimientos aduaneros y la burocracia en las fronteras para las importaciones y exportaciones – que podría beneficiar más a los países desarrollados –, sería positivo para el sector privado del Mercosur, dado que, por ser obligatorio, forzará al gobierno a tomar medidas concretas de desburocratización.
Sin embargo, el reciente veto de India inviabilizó el acuerdo y trajo una crisis para la organización, amenazada de volverse irrelevante para el comercio internacional.
La organización tendrá que pasar por un profundo proceso de reforma institucional si quiere contar con el apoyo efectivo de los países desarrollados. El proceso decisorio consensual, como se hace evidente ahora, no se ajusta más al gran número de países miembros; los principios del tratamiento especial y diferenciado y la imposibilidad de acuerdos aislados (single undertaking) están siendo cuestionados.
Los acuerdos parciales multilaterales, que no involucren a todos los países miembros como hoy, tendrán que ser aceptados, incluso en lo que se refiere a las reglas OMC plus. Ese es el precio que los países en desarrollo tendrán que pagar.
Las nuevas formas de comercio internacional, basado en la integración de las cadenas productivas globales y de mayor valor agregado – agenda de la mayoría de los acuerdos bilaterales y de los mega acuerdos regionales de comercio – están siendo discutidas y negociadas fuera de la OMC.
Las reglas que regulan esos acuerdos – inversión, competencia, propiedad intelectual, servicios, de origen, compras gubernamentales – están siendo discutidas por grupos de países en Asia, por medio del Acuerdo Estratégico Trans-Pacífico y entre los EE.UU. y la Unión Europea. En el caso del acuerdo Trans-Atlántico, se están examinando también las reglas relacionadas con la estandarización de bienes y servicios.
Cuando esos acuerdos se concluyan, los productos agrícolas de Brasil y del Mercosur, que tienen en Europa su mayor mercado, pasarán a competir con los productos de los EE.UU., mayor potencia agrícola global, y con certeza reducirán sus exportaciones.
El fin de las negociaciones multilaterales de comercio en el ámbito de la OMC tendrá profundas consecuencias para los países del Mercosur. Para insertarse en las nuevas formas de comercio global en el contexto de las cadenas productivas, los países miembros del grupo deberán ajustarse, en el futuro, a las reglas que sean definidas sin su participación y que reflejen los intereses de los países desarrollados.
Lo que sucede en el mundo afecta directamente los intereses del sector productivo del Mercosur. Gobierno y sector privado deberán coordinarse para cambiar la actual estrategia de negociación comercial externa, influenciada por consideraciones políticas y partidarias.
Con la Unión Europea, cuyas negociaciones han durado más de doce años, según se anuncia, habría habido acuerdo entre los gobiernos de los cuatro países y estaría pronta una propuesta para que se inicien los acuerdos entre Bruselas y los países miembros del Mercosur. Espero que esta sea la situación real, aunque tengo dudas.
Finalmente, por lo menos en este caso, estamos viendo más pragmatismo y menos consideraciones ideológicas por parte del Mercosur.
* Rubens Barbosa, presidente del Consejo de Comercio Exterior de Fiesp de Brasil. (El Pais Uruguay – 09/11/2014)

Azevêdo se felicita del gran avance logrado en relación con el Acuerdo sobre Tecnología de la Información de la OMC
El Director General Roberto Azevêdo encomió hoy a los negociadores de China y los Estados Unidos por haber llegado a un entendimiento que allana el camino para la rápida conclusión de un Acuerdo sobre Tecnología de la Información ampliado. "Me complace enormemente el anuncio de este avance, que es un paso adelante significativo en las negociaciones sobre la ampliación del ATI", dijo. Texto na integra no website www.wto.org (OMC – 11/11/2014)

OMC enfrente a 'crise mais grave' de sua história, diz Roberto Azevedo
A OMC (Organização Mundial do Comércio), paralisada pelo bloqueio da índia ao acordo concluído em Bali em dezembro de 2013, enfrenta a "crise mais grave de sua história", disse neste sábado (8), o diretor-geral da organização, Roberto Azevedo.
"Na prática, as negociações multilaterais no seio da organização estão paralisadas por essa impasse", disse durante o Fórum de Cooperação Econômica Ásia Pacífico (APEC), em Pequim.
Os 160 países membros da OMC, incluindo a Índia, entraram em acordo em dezembro do ano passado na Indonésia sobre um texto que pretendia reformar e simplificar as regras de comércio mundial, particularmente os procedimentos aduaneiros.
Esse "acordo sobre a facilitação de trocas" estava sendo negociado durante quase dez anos. No entanto, a Índia se negou a assinar o protocolo do acordo em 31 de julho, procedimento indispensável para começar o período de ratificação do texto pelos Estados-membros.
A Índia exigia garantias sobre a ajuda financeira que outorga a seus produtores agrícolas, o que os países ocidentais contestam porque consideram como subsídios encobertos.
"As importantes negociações sobre o conjunto de medidas previstas pelo acordo de Bali estão suspensas" e "a paciência dos Estados membros se acaba rapidamente", acrescentou o brasileiro, que dirige a OMC desde setembro de 2013.
SEM AVANÇOS
Washington e Nova Delhi mantiveram discussões bilaterais sobre o assunto, de acordo com Azevedo, que disse ter sido informado pelo representante de comércio dos EUA, Michael Froman.
"No entanto, não parecem ter feito avanços durante essas negociações", disse.
O diretor-geral da OMC viajará em novembro a Austrália para reunião do G20, de que faz parte a Índia, e assegurou que vai enfatizar a "gravidade da situação".
Criada em janeiro de 1995, a organização tem duas missões principais: definir novas regras de comércio internacional e resolver conflitos comerciais entre os países membros. (Folha de SP – 08/11/2014)

Según un informe de la OMC las medidas restrictivas del comercio siguen aumentando en las economías del G-20
Las medidas restrictivas del comercio introducidas por las economías del G-20 desde 2008 siguen aumentando, según el último informe de la OMC sobre la evolución reciente del comercio publicado el 6 de noviembre de 2014. Dado que sigue habiendo incertidumbre en la economía mundial, el informe hace hincapié en la necesidad de que los países actúen con moderación a la hora de imponer nuevas medidas y eliminen más de las medidas existentes. Texto na íntegra no website www.wto.org (OMC – 06/11/2014)

Azevêdo acude a los debates del APEC y el G-20
Hoy (6 de noviembre de 2014) el Director General Roberto Azevêdo viaja a Beijing, donde informará a los ministros del APEC de la situación actual en Ginebra y escuchará sus opiniones sobre posibles maneras de avanzar. Después viajará a Australia para reunirse con los líderes del G-20. Durante todo ese tiempo, el Director General se mantendrá en estrecho contacto con los Miembros de la OMC en Ginebra con miras a superar el actual punto muerto y a lograr progresos en todos los resultados de Bali. Texto na íntegra no website www.wto.org (OMC – 06/11/2014)

En 2014 se plantea un número sin precedentes de nuevas preocupaciones comerciales en el comité de normas
En la reunión del Comité de Obstáculos al Comercio de los días 4-6 de noviembre de 2014, los Miembros de la OMC plantearon un número sin precedentes de nuevas preocupaciones comerciales, más que en cualquier otra reunión desde 2009, relacionadas principalmente con cuestiones tales como la protección de la salud y del medio ambiente. En 2014 se han planteado más preocupaciones comerciales nuevas que en ningún otro año desde el establecimiento de la OMC en 1995, las tres cuartas partes de ellas por países en desarrollo. (OMC – 06/11/2014)

Outros


Veja mais

Crise entre Ucrânia e Rússia assume debate central antes de cúpula do G20
Por Matt Siegel
BRISBANE Austrália (Reuters) - A cúpula do G20 na Austrália que começará no sábado está se moldando para ser um confronto entre líderes ocidentais e o presidente russo, Vladimir Putin, após relatos de novas incursões de tropas da Rússia no leste da Ucrânia.
A Ucrânia acusa a Rússia de enviar soldados e armas para ajudar rebeldes separatistas no leste do país, depois de Kiev ter lançado uma nova ofensiva em um conflito que já matou mais de 4.000 pessoas.
O primeiro-ministro britânico, David Cameron, considerou as ações da Rússia como inaceitáveis nesta sexta-feira, alertando que poderiam resultar em maiores sanções dos Estados Unidos e da União Europeia.
"Ainda espero que os russos vejam o bom senso e reconheçam que devem permitir que a Ucrânia se desenvolva como um país livre e independente, livre para fazer suas escolhas", disse Cameron a repórteres em Canberra, capital australiana.
"Se a Rússia adotar uma abordagem positiva em relação à liberdade da Ucrânia, veremos essas sanções sendo removidas, e se a Rússia continuar a piorar os problemas, então podemos ver essas sanções aumentadas. É simples assim."
A Rússia nega enviar tropas e tanques para a Ucrânia.
Mas o aumento na violência, violações de cessar-fogo e relatos de entrada de comboios armados sem identificação vindos da direção da fronteira russa aumentaram os temores de que a trégua concordada em 5 de setembro possa ruir.
A cúpula dos líderes do G20 em Brisbane está focada em aumentar o crescimento econômico mundial, blindar o sistema bancário global e fechar buracos fiscais para multinacionais gigantes.
No entanto, com grande parte da agenda econômica já acertada e um acordo de mudanças climáticas assinado na semana passada em Pequim entre os EUA e a China, as preocupações de segurança assumiram o debate central do encontro.
A Ucrânia não foi o foco durante as duas cúpulas na Ásia na semana passada, disse o vice-conselheiro de segurança nacional dos EUA, Ben Rhodes, embora o presidente Barack Obama tenha levantado o tema brevemente com Putin quando ambos se encontraram no fórum da Cooperação Econômica Ásia-Pacífico (Apec), realizado na China.
Obama chega a Brisbane no sábado e discutirá sua frustração sobre a Ucrânia com um grupo que inclui a chanceler alemã, Angela Merkel, o presidente francês, François Hollande, e também Cameron.
Houve alguns pedidos na Austrália para barrar a participação de Putin na cúpula por conta das ações da Moscou na Ucrânia e pela derrubada do avião da Malaysia Airlines por rebeldes pró-Rússia, mas o consenso geral foi contra essa medida.
Relatos da imprensa dão conta que um comboio de navios de guerra russos chegou no começo desta semana a águas internacionais ao norte de Brisbane, onde será o evento.
O primeiro-ministro australiano, Tony Abbott, disse ser incomum, mas não sem precedentes, que um navio russo se aventure tão ao sul.
"Não esqueçamos que a Rússia tem sido mais assertiva militarmente nos últimos tempos", disse ele na quinta-feira, "Estamos vendo, lamentavelmente, uma grande assertividade russa agora na Ucrânia."
Merkel, falando a repórteres em Auckland, na Nova Zelândia, rejeitou quaisquer ameaças representadas pelos navios de guerra, mas juntou-se coro de líderes ocidentais contra Putin antes de sua chegada a Brisbane prevista para sexta-feira à noite.
"O que me preocupa mais é que a integridade territorial da Ucrânia está sendo violada e que o acordo de Minsk não está sendo seguido", disse ela, referindo-se ao acordo de trégua.
(Reportagem adicional de Lincoln Feast e Jane Wardell, em Brisbane, e Gernot Heller, em Auckland) (Reuters – 14/11/2014)

Brasil cumpre só 66% de metas do G20, diz estudo
CLÓVIS ROSSI
O Brasil não é bom aluno no G20, o clube das 20 maiores economias: levantamento dos compromissos que eles implementaram mostra o país atrás de 11 parceiros, empatado com 4 e à frente de 4.
O levantamento foi feito pelo Grupo de Pesquisa do G20 da Universidade canadense de Toronto, divulgado nesta quinta (13) em Brisbane, cidade que abriga a sétima cúpula do G20.
Analisou 281 compromissos assumidos na cúpula anterior, entendendo como compromisso uma declaração de intenção pública ou promessa de adotar determinada ação, de macroeconomia a comércio, de trabalho a clima.
O Brasil cumpriu 66% dos compromissos, quando a média geral é de 71%. Se fossem escolares, os países do G20 não seriam reprovados, mas "os pais gostariam que tivessem desempenho melhor", diz John Kirton, diretor do grupo de estudos canadense.
Para ele, o ideal é que o G20 criasse um organismo independente para acompanhar as promessas.
De certa forma, a cúpula deste ano fará isso: cada país apresentou planos de investimento que serão acompanhados pelo FMI e pela OCDE. O secretário australiano do Tesouro, Joe Hockey, festejou as quase mil iniciativas propostas (sete são do Brasil). Mas, ressalvou, "o desafio será implementá-las". (Folha de SP – 14/11/2014)

Infraestrutura será tema central da reunião de cúpula do G-20
FERNANDO NAKAGAWA
Encontro criará instância específica para aproximar investidores e governos; avaliação é de que faltam projetos, não dinheiro
BRISBANE - As 20 maiores economias do mundo (19 países mais a União Europeia) costuram um acordo para tentar acelerar a execução de projetos de infraestrutura. A reunião do G-20 que se realiza no fim de semana, em Brisbane, litoral da Austrália, anunciará a criação da nova instância chamada de Iniciativa Global de Infraestrutura (GII, na sigla em inglês) para fazer a ponte entre investidores, financiadores e governos. Parte dos participantes do G-20 diz que um problema crescente não é a falta de financiamento, e sim a ausência de novos e bons projetos.
No esforço para atingir a meta de acelerar o crescimento da economia global em 2 pontos porcentuais nos próximos cinco anos, o G-20 quer reforçar o papel da infraestrutura nas economias desenvolvidas e em desenvolvimento.
Nesse esforço, segundo apurou o Broadcast, serviço em tempo real da Agência Estado, será anunciada a criação da nova instância que pretende melhorar a qualidade de projetos de infraestrutura em termos técnicos e financeiros.
O plano do G-20 é que o novo GII seja como uma central de informações sobre empreendimentos em todo o mundo. Grosso modo, a instância deseja ter papel no setor de infraestrutura comparável à de organismos como o Fundo Monetário Internacional (FMI) e a Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) na esfera macroeconômica. (O Estado de SP – 14/11/2014)

Brasil precisa mostrar plano de reformas, diz OCDE
Por Assis Moreira | De Brisbane (Austrália)
O secretário-geral da Organização para Desenvolvimento e Cooperação Econômica (OCDE), José Ángel Gurría, costuma repetir que boa política econômica tem recompensa e a percepção de má política tem um custo. Na véspera da cúpula do G-20, ele falou ao Valor PRO, serviço em tempo real do Valor, sobre a percepção do mercado em relação ao Brasil e da expectativa em Brisbane sobre a participação da presidente Dilma Rousseff com um novo mandato de quatro anos.
Valor: Qual a expectativa no G-20 em relação à presidente Dilma Rousseff?
Ángel Gurría: Falar de seus planos de novo mandato. E também agregar suas próprias medidas para o plano de crescimento de 2% acumulados até 2018 [definido no G-20]. Mas isso é um adicional na margem. A questão fundamental do Brasil é o programa de reformas nos próximos anos. É o lógico que ela fale disso aqui e nos próximos meses.
Valor: Qual percepção o mercado e autoridades internacionais têm no momento sobre o Brasil?
Gurría: Todos estão surpresos com essa queda no crescimento econômico. O Brasil é um país que tem que crescer 5% ou 6%. Não consideramos o Brasil sem um crescimento muito mais forte que o México. O México fazia 2% ou 3% e o Brasil, 4% ou 5%. Para o Brasil, é uma necessidade quase estrutural, orgânica de crescimento grande e agora está fraco. Mas já há uma solução política com as eleições. Agora, terá o novo governo, mas também o programa. O mercado vai estar muito objetivo. O Brasil é um país com o qual o mercado está sempre disposto a dar benefício da dúvida, mas é preciso ganhar esse benefício. Não é que o mercado tem mais tolerância do que com outros grandes [desenvolvidos]. Não, tem menos. Mas o Brasil é muito grande, muito importante. E todo mundo vê o país com muito interesse, mas tambem com muita severidade. Muitas vezes pode ser injusto, mas é assim.
Valor: Por que isso? Entra aí a questão das boas e más políticas?
Gurría: Você conhece o Brasil muito melhor que eu. A OCDE acompanha a situação do Brasil. E a questão é reformas, reformas, reformas. Sempre falamos da regra Avis [a companhia de aluguel de carros]. Você chega no balcão para alugar um carro e vê o empregado com uma plaquinha no bolso dizendo que "somos número dois, e [por isso] nos esforçamos mais". O Brasil e México são número dois. O mercado tem muito mais paciência com Estados Unidos, Inglaterra, Alemanha, mesmo com a França, ainda que não façam nada ou façam [políticas] ruins. Esses países têm um acervo de riqueza individual e familiar extraordinário. Com países como o México, Brasil, asiáticos, o mercado não tem muita paciência e nem muita tolerância. O mercado é muito intolerante com nossos erros. E temos que entender essa circunstância. Podemos não estar de acordo, mas temos de entender que essa é uma realidade inevitável. Temos que nos esforçar mais.
Valor: Quer dizer, não há direito de errar?
Gurría: Todo mundo tem direito de errar, mas temos menos margem de erro. E temos que tentar fazer mais reformas mais profundas e de forma integrada. Não apenas reformas pontuais e isoladas.
Valor: O que seria o mais importante a fazer no Brasil agora?
Gurría: Acredito que toda a questão de ambiente de negócios. Isso tem a ver com regulação, políticas de modernização, inovação, "level playing field" [condições equitativas], com o papel de empresas estatais. E também questões de governança, como na América Latina, como corrupção, transparência.
Valor: O risco de não fazer reformas é perder o grau de investimento das empresas de ratings?
Gurría: O problemas com as agências de classificação de risco é muito evidente. Como foram parcialmente responsáveis pela crise por terem uma inflação de ratings, agora estão muito mais cautelosas do que aconselha a objetividade. Estão exagerando na cautela. E isso acaba sendo desfavorável [aos emergentes], porque esses países têm que estar correndo mais rápido somente para estar no mesmo lugar e não recuar. Temos alguns problemas estruturais no Brasil que, como no caso do México, quando afloram concentram toda a atenção e todas as outras questões perdem-se de vista. É preciso promover, implementar, executar reformas, mas também é preciso comunicar bem. Mas se for para escolher entre boa comunicação e boas reformas, a segunda é melhor porque as outras falam por si. (Valor Online – 14/11/2014)

PIB chinês impacta moedas da AL, diz estudo do FMI
Por Sergio Lamucci | De Washington
A reação das moedas de países como Brasil, Chile e Colômbia a surpresas em relação ao crescimento da China é "grande e significativa", segundo estudo de dois economistas do Fundo Monetário Internacional (FMI).
"Uma desaceleração mais forte na China é hoje um dos principais riscos que deveriam preocupar os latino-americanos e também para o qual eles deveriam se preparar", ressaltam Bertrand Gruss e Fabiano Rodrigues Bastos, em post publicado no blog do FMI. Muitas economias da região exportam grandes volumes de commodities para o país asiático.
Os autores lembram que os destinos econômicos da China e da América Latina estão cada vez mais ligados. "A fatia das exportações destinadas à China é hoje dez vezes maior do que no ano 2000." No estudo, os dois analisam a reação dos mercados financeiros à divulgação de dados econômicos sobre o país asiático. "Os resultados indicam que, em resposta a surpresas sobre o crescimento da China, os mercados ajustam significativamente sua opinião sobre as economias latino-americanas."
"Para descobrir como os agentes econômicos reavaliam as perspectivas de diferentes países em resposta a surpresas no crescimento da China, nós examinamos o comportamento da taxa de câmbio imediatamente após a divulgação de alguns principais indicadores econômicos chineses", dizem Gruss e Bastos. Se a China é importante para o futuro da economia de um determinado país, a moeda dessa nação tende a reagir quando um indicador econômico difere das estimativas dos analistas.
O trabalho analisa então qual é a resposta das taxas de câmbio de diversos países a surpresas na evolução da taxa de crescimento do valor agregado industrial da China. "De fato, constatamos que a reação das taxas de câmbio dos exportadores de commodities da América Latina, tais como Brasil, Chile e Colômbia, é grande e significativa", dizem Gruss e Bastos. A resposta da moeda do Peru é baixa e insignificante, o que, para os autores, pode refletir as intervenções mais frequentes no câmbio.
"Os exportadores de commodities de outras regiões, como a Noruega, registram também uma resposta cambial significativa", afirma o estudo, observando ainda que a reação da taxa de câmbio é forte no caso de outras economias emergentes como México, Polônia e Turquia. "Não se trata de uma surpresa, embora essas economias não sejam altamente dependentes de commodities. Notícias positivas na China tendem a elevar a confiança global e o apetite por riscos, sendo que as moedas destes países são muitas vezes utilizadas por investidores para ajustar exposições a mercados emergentes", avaliam eles.
O estudo mostra ainda que os preços de commodities relevantes para a América Latina também têm reação "grande e significativa" quando a atividade econômica na China se desvia das expectativas do mercado. É o caso de produtos como cobre, níquel, petróleo, chumbo, estanho, alumínio e minério de ferro.
Por fim, o trabalho diz que "a evolução do investimento no setor de commodities também é consistente com a relevância desse canal de transmissão". Segundo eles, "o investimento das principais empresas de mineração do mundo perdeu ritmo em 2013", num cenário marcado por revisão das estimativas de crescimento de longo prazo na China e da queda dos preços dos metais. "As empresas do setor estão dirigindo sua atenção para desafios estruturais, como o aumento da eficiência operacional e a melhora dos critérios de seleção dos projetos de investimento."
Para Gruss e Bastos, os países da América Latina precisam se preparar para eventuais choques no crescimento da China. "A transição gradual para uma trajetória de crescimento mais lenta e mais balanceada na China é positiva. Mas os choques na economia chinesa afetam a América Latina e, por isso, a região tem que estar preparada para eventuais desvios inesperados com respeito a essa transição suave", afirmam eles, no post intitulado "De olho no dragão: a América Latina e sua exposição à China".
Outro fator é que, mesmo se essa desaceleração do país asiático ocorrer sem solavancos, o reequilíbrio na direção de mais consumo e menos investimento intensivo em commodities pode reduzir a demanda por algumas matérias-primas, como os metais. Para eles, há o risco de que isso ocorra "em escala superior ao que já se espera atualmente e já se encontra embutido nos preços".
Nesse cenário, os países da região devem se preparar, adotando "políticas fiscais prudentes, inflação baixa e taxas de câmbio flexíveis para aumentar a capacidade de resposta frente a possíveis choques", dizem Gruss e Bastos. Para eles, também é importante que as economias latino-americanas promovam uma agenda ambiciosa e crível de reformas estruturais, com foco na melhoria da educação, da infraestrutura física e do ambiente de negócios", para estimular a produtividade e o desenvolvimento das cadeias de valor.
"Tudo isso contribuiria não só para elevar o crescimento potencial, mas também para reduzir a probabilidade de que surpresas negativas sobre o crescimento da China se transformem em uma crise de confiança na América Latina, tornando o ajuste iminente ainda mais difícil", concluem Gruss e Bastos. (Valor Online – 14/11/2014)

Brasil e EUA buscam reatamento no G-20
Por De Brisbane (Austrália)
Com o presidente americano, Barack Obama, a presidente Dilma Rousseff quer marcar o descongelamento da relação bilateral e uma reaproximação inclusive comercial. Com a chefe do governo alemão, Angela Merkel, quer discutir condições de garantia de emprego, que considera o item principal da cúpula do G-20. Com o presidente russo, Vladimir Putin, pretende discutir o interesse brasileiro em aumentar mais o comércio bilateral, em meio a sanções sofridas por Moscou.
Ao desembarcar ontem em Brisbane, a presidente Dilma não tinha, porém, nenhuma confirmação de encontros com os líderes dos EUA, da Alemanha, da Rússia, como tampouco com os da China, da Turquia e com o secretário-geral das Nações Unidas. A expectativa do Palácio do Planalto era que tudo fosse confirmado ao longo do dia.
Com Obama, a explicação é de que a Casa Branca deixa a confirmação para a última hora. Mas Obama e Dilma falaram por telefone, depois que ela ganhou a eleição, e ficou combinada a conversa em Brisbane. Além de comércio, um tema que Dilma deverá tomar a iniciativa de abordar é a segurança cibernética.
A avaliação na delegação brasileira é de que Obama se aproximou da posição por Dilma, com o anúncio do presidente americano de defesa da neutralidade da Internet e da necessidade de regulação para proteger uma web aberta - algo que já provocou uma chuva de críticas contra ele.
Com Vladimir Putin, a conversa poderá também ser interessante não só sobre comércio e de destrave para mais frigoríficos brasileiros, mas até pela agitação que ele está causando na Austrália. A imprensa local aborda principalmente a presença de quatro navios de guerra russos que estariam vindo na direção de Brisbane. O jornal "The Courier Mail" publicou foto de Putin na primeira página vestido de marinheiro com o título "Pare os barcos". As relações russo-australianas são tensas também por causa do conflito na Ucrânia.
Antes de chegar à Austrália, a presidente fez uma escala em Cingapura. Aproveitando o abastecimento do avião, ela foi visitar o porto de Cingapura e ficou "muito impressionada" com o nível de eficiência que viu.
Ao mesmo tempo em Brisbane, porém, o Brasil era acusado de não endossar totalmente o Plano de Ação de Eficiência Energética do grupo das 20 principais economias do mundo, apesar de ações voluntárias bastante vagas. O jornal britânico "The Guardian" coloca o Brasil ao lado de China, Rússia e outros que não querem "considerar" promessas de reduzir a energia usada por smartphones e PCs ou desenvolver regras mais duras para emissões de carros.
De fato, boa parte dos países andou torpedeando propostas da Austrália nesse tema ao longo do ano, por achar que a preocupação dos australianos era mais emplacar seus próprios interesses em gás, por exemplo, do qual estão se tornando grandes produtores.
Em todo caso, um relatório da Universidade de Toronto diz que os países do G-20 fazem grandes promessas que depois não cumprem. Na média, só cumprem 71% do total. O Brasil só respeitaria 66% dos compromissos que assume no grupo. O consolo é que é mais do que Argentina e China, ambos com 56%.
Amanhã, a presidente brasileira vai se reunir com o ministro da Fazenda, Guido Mantega, e o presidente do Banco Central, Alexandre Tombini, também hospedados no hotel quatro estrelas na cidade australiana, que é relativamente modesto e sem comparação com o luxuoso hotel onda Dilma foi hospedada pelo xeque do Qatar em Doha. (Valor Online – 14/11/2014)

Clima econômico melhora no Brasil e piora na América Latina, divulga FGV
Queda latinoamericana foi bem menos intensa que a do Índice de Clima Econômico (Ice) mundial, que recuou 14% em outubro
Agência Brasil
Rio - O clima econômico na América Latina caiu 4,8% em outubro, com queda de 84 para 80 pontos no indicador Ifo-FGV de Clima Econômico, apesar da pequena alta de 55 para 57 pontos registrada no Brasil. O índice é divulgado trimestralmente pela Fundação Getulio Vargas em parceria com o instituto alemão Ifo.
A retração do indicador na região se deu na avaliação da situação atual, que caiu de 72 para 64 pontos, enquanto o indicador que mede as expectativas se manteve em 96 pontos. A queda latinoamericana, no entanto, foi bem menos intensa que a do Índice de Clima Econômico (Ice) mundial, que recuou 14% em outubro, puxado por pioras nas maiores economias. União Europeia e China tiveram queda de 13%, e Estados Unidos, de 8,3%. Segundo a FGV, o resultado sinaliza piora no cenário econômico mundial para os próximos seis meses.
Na América Latina, pesaram na variação negativa os resultados do México (-5%), do Chile (-15,7%) e da Colômbia (-10,7%). Além do Brasil, Bolívia, Equador, Paraguai e Peru tiveram desempenho melhor do que o divulgado em julho. O Ice mais baixo é o da Venezuela, com 20 pontos, seguido pelo da Argentina (47), pelo do Brasil (57) e pelo do Chile (75). A Bolívia tem o maior, com 124 pontos. Na pesquisa, qualquer indicador inferior a 100 é considerado desfavorável.
No Brasil, o indicador que mede a situação atual caiu de 42 para 30 pontos, enquanto o que mede as expectativas subiu de 68 para 84 pontos. Na enquete realizada pelos institutos, foram apontados como principais problemas da economia brasileira a falta de confiança na política do governo, falta de competitividade internacional, inflação, déficit público e falta de mão de obra qualificada.
Entre algumas das maiores economias do mundo, Japão, França, China, Rússia e África do Sul registram Ifo desfavorável, além do Brasil. Entre eles, a Rússia é a que mais se aproxima do Brasil, com 58 de Ice. Estados Unidos, União Europeia, Alemanha e Reino Unido estão na zona favorável, mas em queda, enquanto Índia registra Ice de 145, o maior da pesquisa.
A previsão dos especialistas consultados para o Produto Interno Bruto (PIB) da América Latina para os próximos três a cinco anos caiu em relação a outubro de 2013, de 3,2% para 2,9%. Por outro lado, a projeção para o PIB mundial subiu, de 2,6% para 2,7%. Na União Europeia houve um aumento considerado marginal, de 1,6% para 1,7%, enquanto, na China, a projeção passou de de 6,8% para 6,4%. Nos Estados Unidos, o crescimento previsto aumentou de 2,2% para 2,6%. (Brasil Econômico – 13/11/2014)

Dilma reúne Brics antes do G20 e em mau momento da economia
CLÓVIS ROSSI
A presidente Dilma Rousseff, como presidente de turno dos Brics (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul), convocou uma cúpula do grupo para este sábado, 15, no pior momento possível.
As más notícias na área econômica não são uma característica apenas do Brasil.
Na Rússia, o crescimento no terceiro trimestre foi o mais baixo desde a contração de 2009: 0,3% na comparação com um ano antes, depois de registrar 0,8% no segundo trimestre.
É o que indica uma pesquisa com economistas feita pela Bloomberg (o dado oficial sai nesta sexta-feira, 14).
Desaceleração provocada pela queda no preço do petróleo, o grande motor da economia russa, e pelas sanções impostas por países ocidentais devido às ações russas na Ucrânia.
Já na China, a produção industrial cresceu 7,7% sobre o ano anterior, no ritmo mais lento desde 2009.
Também os investimentos em ativos fixos subiram no menor ritmo desde 2001.
O encontro dos Brics antecederá a inauguração da cúpula do G20 em Brisbane, na Austrália.
CRISE NA UCRÂNIA
É razoável supor que a Rússia pedirá a solidariedade de seus pares no caso da crise ucraniana.
Mas o mais provável é que o grupo prefira a neutralidade, seguindo a linha adotada na cúpula de Fortaleza em julho.
Nela, o comunicado final limita-se a expressar "profunda preocupação com a situação na Ucrânia" e a fazer um chamado por "um diálogo abrangente, pelo declínio das tensões no conflito e pela moderação de todos os atores envolvidos".
Para Dilma, a crise ucraniana cria um problema porque ela terá também um encontro com Barack Obama, que lidera a imposição de sanções à Rússia.
A delegação norte-americana espera que o diálogo entre os dois sirva para confirmar que Dilma remarcará a visita de Estado a Washington, adiada devido à crise provocada pela descoberta da espionagem sobre a mandatária brasileira.
Se assim ocorrer, estará superada a crise.
Está confirmado também encontro da presidente brasileira com a chanceler alemã, Angela Merkel. (Folha de SP – 13/11/2014)

Crise ucraniana ameaça roubar a cena na reunião do G20
CLÓVIS ROSSI
"Parem os barcos", grita a manchete do tabloide australiano "The Courier Mail", acompanhada de uma foto montada do presidente russo Vladimir Putin em ridículo traje de marinheiro.
Claro que há na notícia um certo exagero típico de tabloides, mas é também uma indicação de que a crise entre Rússia e Ucrânia pode acabar roubando a cena da cúpula do G20 neste fim de semana na Austrália.
Acontece que, como parte de uma demonstração de força do presidente russo, um comboio de navios de guerra russos navega em direção à costa australiana, justamente na véspera da chegada de Putin para a cúpula.
O primeiro-ministro australiano, Tony Abbott, cuida de minimizar o episódio, dizendo que se trata apenas do direito à livre navegação (os navios russos estão ainda em águas internacionais).
Mas, pelas dúvidas, a Marinha da Austrália despachou dois de seus navios para "caçar a frota naval russa", sempre na manchete do tablóide.
Abbott pode, agora, minimizar o episódio, mas ele havia sido o primeiro a fazer alarde de um confronto com Putin.
Disse que teria com ele um "shirt front", expressão australiana do jogo de rugby que significa, aproximadamente, "bater de frente".
O premiê de fato bateu de frente, não fisicamente, com o presidente russo, na recente cúpula da Ásia Pacífico: cobrou de Putin desculpas pelo acidente do voo MH17 da Malaysia Airlines, supostamente derrubado por um míssil disparado pelos rebeldes ucranianos que a Rússia apoia.
Cobrou igualmente o pagamento de uma indenização às famílias das 298 vítimas, 38 das quais eram australianas.
O episódio dos barcos russos incomoda os delegados à cúpula do G20, porque, na reunião anterior (São Petersburgo, 2013), a crise na Síria roubou a cena de uma cúpula que é focada em temas econômicos.
Que a Ucrânia seja a Síria de 2014 só prejudicaria a agenda do G20, centrada no crescimento econômico. (Folha de SP – 13/11/2014)

O mundo fala, o Brasil se cala
Reuniões de cúpula como a do G20, neste próximo fim de semana, servem sobretudo para falar de negócios entre os governantes.
Pena que o Brasil de Dilma Rousseff tenha pouco ou nada a dizer a respeito nos encontros previstos com pesos-pesados como Vladimir Putin, Barack Obama e Xi Jinping.
Pouco porque todos vêm de suculentas conversas em outra cúpula, a da Apec, sigla em inglês para Cooperação Econômica Ásia-Pacífico.
Com Putin, Dilma poderia falar da crise na Ucrânia, mas o Brasil não tem posição a respeito. Não é contra nem a favor da intervenção russa no país vizinho.
Com Xi, pode falar do banco dos Brics, um nada perto do que o líder chinês tratou com seus colegas da Apec e até com seu rival Obama.
Tratou, por exemplo, do relançamento da FTAAP (Área de Livre-Comércio Ásia-Pacífico), conglomerado de 21 países que representam 50% do PIB global e 44% do comércio planetário.
O Brasil, claro, está fora. Não é banhado pelo Pacífico. Mas também não tem acordos com os países banhados pelo Atlântico, exceto o cambaleante Mercosul.
Se a política externa brasileira tem um viés ideológico, no que prefiro não crer, então talvez Dilma possa aprender algo com Xi Jinping.
A China, como se sabe, é o único outro polo ideológico a contrapor-se ao capitalismo liberal americano com seu capitalismo de Estado.
Não obstante, assinou com Obama um acordo para liberalização do comércio de bens de tecnologia, que abrange algo em torno de US$ 1 trilhão em comércio, cerca de 45% do PIB brasileiro.
Será agora levado à Organização Mundial do Comércio, enquanto a Confederação Nacional da Indústria batalha, inutilmente, para que o Brasil entre no acordo, também em discussão na OMC, sobre liberalização do comércio de serviços.
É verdade que está prevista, paralelamente à cúpula do G20, uma reunião dos Brics, mas é puro cumprimento de tabela, como diriam os cronistas esportivos.
Se a China pode se entender com os EUA até em matéria de ambiente –justamente eles, os dois maiores poluidores–, para que vai dar bola para os Brics, que, sem ela, perderiam todo o sentido?
A Índia, também dos Brics, não está parada: vai negociar, à margem do G20, um acordo de livre-comércio com a anfitriã Austrália, que, aliás, também discute mecanismo idêntico com a China.
Até na área de segurança a Índia fala grosso, ao contrário do omisso Brasil: está relançando a chamada "Otan Asiática", aliança militar entre ela, Japão e Austrália.
Para ser justo, é preciso dizer que o Brasil também tenta estabelecer um mecanismo de defesa conjunta no âmbito sul-americano. Mas o avanço é lento, talvez porque a América do Sul tenha o mérito de não ter os problemas de segurança da Ásia e do Oriente Médio, por exemplo.
Numa triste compensação, tem sérios problemas com a criminalidade, que, se não for combatida em conjunto, não será derrotada.
Tudo somado, não há como deixar de citar o bordão do genial José Simão: quem fica parado é poste, cara Dilma. (Folha de SP – 13/11/2014)

Ministro do Desenvolvimento entrega carta de demissão à Dilma
Por Lucas Marchesini
BRASÍLIA - O ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Mauro Borges, afirmou há pouco que entregou nesta terça-feira sua carta de demissão para a presidente Dilma Rousseff.
Ele participou do seminário internacional "Indústria para quê? – Temas, perspectivas, instituições e políticas", organizado pela Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI) e falou brevemente com a imprensa após sua participação.
"A visão geral de todos os ministros é que este é o momento adequado" para colocar o cargo à disposição. Borges negou, também, que tenha havido uma precipitação no movimento de entrega dos cargos.
Agora, afirmou Borges, ele fica "à disposição do Brasil". "Meu leito natural é dar aula na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) onde sou professor, mas é claro que estou à disposição do Brasil", explicou ele, após ser questionado sobre o seu destino após deixar o MDIC.
Em sua participação, Borges defendeu a política industrial do governo Dilma Rousseff. Entre outros pontos, ele disse que "é óbvio" que a demanda das famílias não vai arrefecer, mas que "passará a ser um efeito multiplicador do investimento que vai ser feito na economia brasileira nos próximos dez anos".
O ministro avaliou que "isso que vem sendo dito na imprensa — de que esse padrão de crescimento [pelo consumo] está esgotado. Ou é desconhecimento ou é artefato ideológico", "mais um que estamos enfrentando", acrescentou.
Além disso, o ministro destacou o desempenho do programa Inova Empresa do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) que, segundo ele, já aplicou R$ 28 bilhões de seu orçamento de R$ 32 bilhões em um ano e meio de existência do programa. (Folha de SP – 13/11/2014)

Brasil precisa reformar política comercial para ganhar mercados e ampliar exportações, diz CNI
O momento econômico exige uma nova política comercial, em todos os seus aspectos, internos, de relacionamento externo e de integração regional, principalmente diante da queda das exportações e da pequena participação do Brasil no comércio global. Essa foi a conclusão do primeiro painel do 2º Seminário sobre Comércio Internacional da Confederação Nacional da Indústria (CNI) e do Instituto Brasileiro de Estudo de Concorrência (IBRAC), em Brasília, nesta quarta-feira (12), com participação do governo, empresários e especialistas, conforme noticiado pela CNI. (Confederação Nacional da Indústria – 12/11/2014)

CNI e governo apresentam oito prioridades para desenvolver a indústria
A Confederação Nacional da Indústria (CNI) e o governo federal anunciaram nesta quarta-feira (12) a formação de grupos de trabalho para discutir oito temas prioritários para desenvolver a indústria e aumentar a competitividade do país. Até 15 de dezembro, serão apresentadas propostas relacionadas a infraestrutura (rodovias/ferrovias e licitações), energia, portos, mobilidade urbana, comércio exterior, desburocratização, inovação e compras governamentais, conforme noticiado pela CNI. (Confederação Nacional da Indústria – 12/11/2014)

FMI: Ajustar contas públicas é essencial para Brasil, Índia e Turquia
Por Sergio Lamucci
WASHINGTON - Brasil, Índia e Turquia fazem parte do grupo de economias emergentes em que é fundamental "manter o curso" do ajuste das contas públicas, diz nota do Fundo Monetário Internacional (FMI) para o encontro do G-20, em Brisbane, na Austrália. "Um aperto da política monetária pode também ser necessário se as expectativas inflacionárias piorarem", afirma o documento, elaborado pela equipe de economistas do Fundo.
Segundo o FMI, a consolidação fiscal é necessária nesses países dados os grandes déficits públicos e a inflação em alta em alguns casos, e aos empréstimos externos elevados, que aumentaram a exposição a financiamento estrangeiro em outros.
No Brasil, o déficit nominal (que inclui gastos com juros) ficou em 4,9% do PIB nos 12 meses até setembro, ao passo que o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) acumula alta de 6,59% nos 12 meses até outubro, acima do teto da banda de tolerância da meta, de 6,5%.
A nota de supervisão do FMI para o encontro do G-20 ressalta que, no Brasil, Índia e África do Sul, o investimento em infraestrutura é necessário para enfrentar gargalos de oferta e apoiar o desenvolvimento econômico. É importante, porém, que a eficiência do processo de investimento seja levada em conta, para aumentar o dividendo do crescimento, dizem os economistas do Fundo, em nota divulgada nesta quarta-feira.
O FMI também recomenda reformas estruturais para o Brasil, China, Índia e a África, com mudanças nos mercados de produtos, de trabalho e na educação. Também seria necessário relaxar limites sobre o comércio e o investimento e melhorar as condições de negócios, algo que ajudaria Brasil, Indonésia e Rússia.
A nota do Fundo observa ainda que a fraca demanda doméstica nos mercados emergentes e os gargalos de oferta têm sido mais persistentes do que se previa. Isso ocorre especialmente na "América Latina, puxada pelo Brasil, onde o investimento continua fraco e o PIB se contraiu no primeiro e no segundo trimestres".
Ao tratar do cenário para a economia global, o FMI diz que uma recuperação desigual e frágil continua em curso. Como o crescimento está abaixo do esperado e aumentaram os riscos de uma piora, há uma necessidade de evitar o estabelecimento de um "novo medíocre", termo usado no começo de outubro pela diretora-gerente do FMI, Christine Lagarde, para caracterizar um período longo de baixa expansão da economia. "De modo geral, o crescimento fraco ressalta a importância dos compromissos do G-20 para elevar a expansão global", diz a nota do Fundo.
O FMI observa que, desde a divulgação das projeções para a economia global que apareceram no Panorama Econômico Mundial (WEO, na sigla em inglês) de outubro, houve uma correção do mercado financeiro, uma queda dos preços do petróleo e alguns sinais de fraqueza na atividade econômica.
"O recente aumento da volatilidade no mercados é um lembrete de riscos potenciais e de correções adicionais", adverte o Fundo. O documento afirma também que, embora ainda seja muito cedo para identificar os fatores de oferta e demanda em jogo, o forte recuo das cotações do petróleo, se for sustentado, vai impulsionar o crescimento.
Os riscos de piora da economia global continuam significativos, como apontados pelo WEO. Tensões geopolíticas e potenciais correções nos mercados financeiros, incluindo decorrentes da normalização da política monetária nos EUA, são os principais riscos de curto prazo. Outros problemas são a ameaça de inflação muito baixa, ou mesmo de deflação, na zona do euro, assim como o de um crescimento potencial mais baixo tanto em países desenvolvidos como emergentes. (Valor Online – 12/11/2014)

A Casa Branca de Dilma
O governo americano soltou nota sobre a reeleição de Dilma menos de 24h depois do pleito.
No dia seguinte, houve telefonema do presidente Barack Obama e, uma semana depois, de Joe Biden, o responsável pelo Brasil em Washington.
Ambos disseram à presidente querer remarcar logo a data da visita de Estado suspensa. O momento da proposta, respondeu a presidente Dilma ao telefone, é "extremamente oportuno".
Quando ocorrer, a visita ajudará a tirar a relação bilateral do buraco onde se encontra desde o escândalo da espionagem.
O trabalho diplomático será árduo porque os dois países ficaram sem o principal mecanismo capaz de servir como âncora e alavanca da relação nos próximos anos: o contrato bilionário para os jatos da Boeing que, na concepção original, facilitaria o engajamento muito além da mera cooperação militar.
Além disso, vigora hoje um ceticismo profundo no establishment americano a respeito do Brasil.
Não se trata apenas do mal-estar causado pela chamada "nova matriz econômica".
Na percepção norte-americana, em temas candentes como Estado Islâmico, Síria, Líbia, Irã, Rússia e comércio internacional, a atitude brasileira é imprevisível ou obstrucionista.
Por que, então, a insistência na visita de Estado?
Um fator, claro, é dinheiro. O comércio entre os dois países mais que dobrou em 12 anos e os fluxos de investimento são bárbaros, mas há espaço para muito mais.
Além disso, ninguém em Wall Street teme um calote brasileiro.
Outro fator é político. Obama aproxima-se do fim do mandato com uma economia fortalecida, mas com uma base política esfacelada.
Assim, está obcecado pelo legado que deixará nos livros de História. Em pelo menos duas instâncias -energia e mudança do clima-, poucos países emergentes têm mais a oferecer que o Brasil.
Claro, há entraves enormes para a cooperação. A promessa original do etanol, por exemplo, afundou diante do pré-sal.
A promessa do engajamento em tecnologia esbarra até hoje em camadas de burocracia. O custo de tentar, porém, é baixo.
Um fator adicional é a América do Sul. Ali, Brasil e Estados Unidos têm posições diferentes, mas não são adversários.
Pelo contrário, Washington aprendeu que não vale a pena se chocar de frente com Brasília nesses temas, sendo melhor tirar vantagem da capacidade brasileira de ter relações positivas com toda a vizinhança (apesar das divisões que racham a região e das tensões existentes entre o próprio Brasil e seus vizinhos).
Na perspectiva americana, isso importa porque Dilma poderá ter papel positivo nos dois testes regionais de 2015 -o fim do ciclo kirchnerista na Argentina e as eleições parlamentares do chavismo na Venezuela, áreas onde a influência americana é ínfima ou negativa.
A ida de Dilma à Casa Branca repetirá o padrão bilateral dos últimos anos -discórdia temperada por boa dose de acomodação. Podia ser bem pior. (Folha de SP – 12/11/2013)

Marcelo Coutinho: É preciso rever a política externa
O Brasil tem dois ministérios para lidar diretamente com os assuntos relacionados ao comércio exterior. O Ministério das Relações Exteriores e o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio poderiam obedecer à máxima que diz que "duas cabeças pensam melhor que uma".
Essa policefalia, no entanto, não evitou que o país acumulasse deficit comercial já no patamar de quase US$ 2 bilhões.
Na realidade, a nossa política internacional é uma serpente com muitas cabeças reunida na Camex (Câmara de Comércio Exterior). A Camex tem como finalidade dar coerência às nossas estratégias comerciais envolvendo diferentes setores. É a responsável pelos desequilíbrios no balanço entre o que compramos e o que vendemos ao mundo.
Tais desequilíbrios são resultado do processo precoce de desindustrialização nacional, que, por sua vez, também é bastante agravado por uma política externa comercial equivocada. Esse círculo vicioso no qual o país se meteu desde que optou por um alinhamento com a potência industrial chinesa a partir de 2008 é a causa maior do baixo crescimento do Brasil.
Com o fim das eleições, o governo continuará o mesmo, mas não necessariamente será mantida a política que nos enfraqueceu no cenário global. A julgar pelos problemas de crescimento da nossa economia, são possíveis ainda as mudanças no sentido de flexibilizar o Mercosul para nos permitir fazer negociações comerciais em separado e rever a aproximação intempestiva com Pequim que marcou a criação dos Brics.
No âmbito do G-20, o Brasil caminhou muito até agora ao lado dos grandes emergentes asiáticos. A tradução disso em termos de crescimento para nós não é boa. Não vivemos as crises das nações desenvolvidas, mas também não experimentamos a expansão do capitalismo dos emergentes. Ficamos da média para baixo, até mesmo na América Latina.
As análises de câmbio foram ineficazes, pois o dólar subiu R$ 1 nos últimos quatro anos, justamente o período de maior queda das exportações. Até mesmo o idealizador dos Brics, Jim O'Neill, reconhece que o Brasil ficou chinês demais e que vender commodities é insuficiente.
Com o declínio da indústria, temos menos a oferecer ao mundo. Atuamos muito para eleger um brasileiro na OMC (Organização Mundial do Comércio) e o próprio presidente da organização, Roberto Azevêdo, faz hoje um pedido desesperado para salvar a instituição e a política externa que o colocou lá.
O problema maior é que o deficit comercial, a desindustrialização e o baixo crescimento já começam a atingir o emprego dos brasileiros. Ninguém sabe até quando a nossa economia aguenta manter os atuais níveis sensíveis em que se encontra.
Talvez mais alguns meses se nada for feito ou se não houver nenhuma outra guinada fantástica de globalização financeira no mundo e valorização das commodities que nos jogue para cima.
Não convém brincar com a sorte de milhões de brasileiros. Chegou o momento de diminuir a carga ideológica da política externa para darmos alguns passos em direção aos Estados Unidos, acabando de vez com os estranhamentos que pautaram nossas relações internacionais nos últimos anos.
Ao contrário das teses apocalípticas em torno do fim da era ocidental para esta década, os Estados Unidos estão crescendo, voltaram a ser nossos maiores compradores e podemos encontrar com eles combinações e parcerias mais favoráveis à nossa indústria exportadora.
Sem perder o foco, devemos buscar o reequilíbrio no nosso comércio e salvar o futuro dos nossos empregos. Governo novo, ideias novas. (Folha de SP – 12/11/2014)

G-20 quer elevar demanda, mas faltam medidas de curto prazo
Por Assis Moreira | De Brisbane, Austrália
Os líderes das maiores economias desenvolvidas e emergentes, que formam o G-20, dirão que estão "prontos para usar todos os instrumentos para apoiar a recuperação econômica", conforme o "draft" (rascunho) do comunicado do encontro, obtido pelo Valor PRO, serviço de informação em tempo real do Valor.
Na cúpula do fim de semana, na Austrália, os líderes querem gerar mais confiança nos mercados, procurando "assegurar que nossas políticas macroeconômicas apoiam o crescimento, fortalecem e reequilibram a demanda global".
O "Plano de Ação de Brisbane" será lançado no domingo com a promessa de gerar mais de 2 pontos adicionais de crescimento, significando US$ 2 trilhões a mais na economia mundial e milhões de empregos até 2018. É uma estratégia toda voltada para crescer o produto potencial, com foco mais de oferta de médio e longo prazo.
Quando essa estratégia começou a ser preparada, no início do ano, a expectativa era que a economia global estava se recuperando. Ocorreu o contrário, com crescimento menor do que previsto.
A avaliação que o G-20 fará é que a recuperação global continua "lenta, irregular" e abaixo do ritmo requerido para gerar os empregos necessários. O grupo reconhece que a demanda fraca e restrições na oferta entravam o crescimento. E tudo isso ocorre em meio a riscos que envolvem "os mercados financeiros e tensões geopolíticas".
Isso recolocou para o encontro dos líderes do G-20 a questão do que fazer no curto prazo para gerar mais demanda. Só que, embora o primeiro-ministro da Austrália, Tony Abbott, diga que a cúpula dos líderes terá "resultados concretos e não palavras sublimes", na mesa de negociações há sobretudo boas intenções.
Até agora, a resposta está mais na retórica. Todos admitem que é preciso fazer algo, mas o consenso para aí. Os negociadores retomam as discussões do documento hoje, em Brisbane, em meio à pressão por resultados vinda de países como Estados Unidos e Brasil. A Alemanha, porém, o principal alvo pelo seu superávit de 6% nas contas correntes, resiste a se comprometer com mais investimentos rapidamente, apesar de sua economia também ter desacelerado e a Europa continuar ameaçada de nova crise.
A taxa de juros é praticamente zero em boa parte dos países desenvolvidos. Mas, conforme mostra o "draft", os líderes sinalizarão que "nossas políticas monetárias vão apoiar a recuperação e devem enfrentar pressões deflacionárias onde for necessário".
Eles prometem também implementar "estratégias fiscais de forma flexível, levando em conta as condições econômicas de curto prazo e ao mesmo tempo colocando a dívida como proporção do PIB numa trajetória sustentável".
Os líderes insistirão que apoiar a demanda no curto prazo é complemento, e não substituto, a reformas estruturais tidas como necessárias para elevar o crescimento potencial e a produtividade.
A cúpula vai endossar a "Iniciativa Global sobre Infraestrutura", com a criação de um "hub" na Austrália para intermediar melhor a relação entre investidores e governos para projetos que são considerados de alta prioridade.
No plano internacional, o Banco Mundial oferece uma nova "Global Infrastructure Facility". E bancos regionais de desenvolvimento se comprometem a otimizar seus recursos para criar capacidade adicional de financiamento a projetos.
Conforme o "draft", as maiores economias do mundo destacarão a importância do setor privado em melhorar o crescimento e criar emprego, mantendo promessas de reformas estruturais.
Além disso, os líderes prometerão reforçar as instituições globais, além de ações para melhorar a concorrência e o mercado de trabalho. Defenderão ainda a implementação do acordo de facilitação de comércio na Organização Mundial do Comércio (OMC).
Sobre resiliência da economia global, o comunicado destacará avanços em aspectos centrais da agenda de regulação financeira para proteger os contribuintes de ter de pagar por falências de bancos. E confirmará o plano de modernização internacional do sistema tributário, com o Beps (para fazer as multinacionais pagarem o imposto devido, por exemplo).
Os países ainda não terminaram a discussão sobre a mensagem envolvendo os impactos sobre os emergentes da retirada de programas bilionários de liquidez, como o do Federal Reserve (o banco central dos EUA). (Valor Online – 12/11/2014)

Líderes do G-20 tentam restaurar confiança global
Por Assis Moreira | De Brisbane (Austrália)
Os líderes das maiores economias desenvolvidas e emergentes, que formam o G-20, vão dizer que estão "prontos para usar todos os instrumentos para apoiar a recuperação econômica", conforme rascunho do comunicado obtido pelo Valor PRO, serviço de informações em tempo real do Valor.
Na cúpula do fim de semana, na Austrália, os líderes tentarão gerar mais confiança nos mercados, procurando "assegurar que nossas políticas macroeconômicas apoiam o crescimento, fortalecem e reequilibram a demanda global". O "Plano de Ação de Brisbane" será lançado no domingo com a promessa de gerar 2% adicionais de crescimento, significando US$ 2 trilhões a mais na economia mundial e milhões de empregos até 2018. Mas é uma estratégia voltada para aumentar o produto potencial, com foco na oferta de médio e longo prazos.
Quando essa estratégia começou a ser preparada, no início do ano, a expectativa era que a economia global iria se recuperar. Ocorreu o contrário, com crescimento menor que o previsto. A avaliação que o G-20 fará é que a recuperação global continua "lenta, irregular" e abaixo do ritmo requerido para gerar os empregos necessários.
Esse cenário recoloca para o G-20 a questão sobre o que fazer no curto prazo para gerar mais demanda. Embora o primeiro-ministro da Austrália, Tony Abbott, diga que a cúpula terá "resultados concretos e não palavras sublimes", o que há são sobretudo boas intenções.
Durante o encontro, a presidente Dilma Rousseff e os demais líderes do G-20 deverão enfatizar que melhorar o ambiente doméstico para investimentos é essencial para atrair novos capitais privados para projetos bilionários de infraestrutura.
Investidores institucionais estão buscando aplicações de maior rentabilidade, porque os títulos públicos rendem muito pouco atualmente - e os projetos de infraestrutura em países emergentes são uma alternativa. Por isso, o Brasil apoiou a iniciativa da Austrália de criar um "hub" para aproximar investidores e governos. Dilma planeja destacar no G-20 que o país quer atrair mais esses investidores. O país incluiu projetos estimados em US$ 49 bilhões na estratégia global de crescimento do G-20. E não colocou outra lista de projetos de US$ 50 bilhões porque não houve tempo hábil. (Valor Online – 12/11/2014)

Uma nova política comercial
Rubens Barbosa
Os dados da balança comercial de outubro mostram o setor externo rumando ladeira abaixo. A retomada do dinamismo e do crescimento das exportações brasileiras só deverá ocorrer se o governo que se instala em janeiro de 2015, apesar das resistências ideológicas do PT, redirecionar a atual política de comércio exterior. O novo governo não tem alternativa senão procurar inserir o Brasil nos fluxos de intercâmbio global com mais pragmatismo e menos protecionismo.
Nos últimos 12 anos o Brasil deu prioridade às negociações internacionais no âmbito da Organização Mundial do Comércio (OMC), apresentadas como solução global para questões de acessos a mercados, notadamente os mercados agrícolas da União Europeia, dos Estados Unidos e outros países desenvolvidos. No entanto, nos dias atuais, com o fracasso da Rodada Doha, multiplicaram-se as negociações de mega-acordos comerciais, em que o tema de regras em agricultura é tratado com baixa prioridade.
O sistema multilateral de comércio, que durante décadas constituiu a principal fonte da regulação internacional, há anos encontra-se em crise e enfraquecido. Os acordos preferenciais de comércio, além da redução de tarifas, estão criando um novo marco regulatório e buscam responder às novas realidades do comércio internacional contemporâneo.
Como contribuição para a discussão dessa importante questão o Conselho de Comércio Exterior da Fiesp divulgou estudo sobre o Brasil e esses acordos preferenciais que hoje se multiplicam nas negociações internacionais.
Cada vez mais isolado das novas tendências do comércio internacional e com dificuldades para criar um mercado regional para seus produtos, ao contrário do que ocorre na Ásia e na Europa, o Brasil deveria rever sua estratégia de negociação comercial, sem preconceitos ideológicos, com vista à abertura de novos mercados, não só entre os países em desenvolvimento, mas também nos países desenvolvidos.
A atual lógica de fragmentação do comércio internacional está voltada para a integração das empresas por meio das cadeias globais de valor - hoje 56% do intercâmbio global e 72% dos serviços são feitos dentro das mesmas companhias e facilitados por acordos comerciais com regras negociadas bilateralmente.
O Brasil tem encontrado dificuldade para inserir seus setores industriais e de serviços nos grandes centros difusores de tecnologia. Segundo a OMC, a participação do País nas redes internacionais de produção é de apenas 40%. Deixando de participar das negociações de acordos preferenciais de comércio e das cadeias produtivas de alto valor agregado, o Brasil está perdendo espaço no comércio global.
A proliferação de novos acordos resultou numa extensa rede regulatória que afeta a dinâmica do comércio global, incorporando alguns países e excluindo outros. Muitas das regras presentes nesses acordos procuram corrigir distorções dentro dos próprios países, como questões referentes a serviços, propriedade intelectual, padrões e regulamentos técnicos, coordenação de padrões privados, padrões de sustentabilidade e de clima, padrões sociais e de direitos humanos, concorrência, investimentos e regras de origem.
A prioridade, nos últimos 12 anos, apenas para as negociações multilaterais no âmbito da OMC, do Mercosul e na América do Sul não mais serve aos interesses do Brasil.
À luz dessa nova realidade do comércio internacional, é imperativo que o Brasil repense sua política industrial. Uma nova estratégia de negociação global, regional e bilateral é fundamental para que o País melhore sua competitividade e possa ter acesso à inovação e à tecnologia. Torna-se urgente o exame das regras incorporadas nesses acordos para verificar sua compatibilidade com o regime jurídico brasileiro. Essas novas regras têm de ser discutidas pelo governo com o setor privado e com a sociedade em geral.
Essas seriam as bases para o Brasil entrar em tais negociações desde que se levem em conta as debilidades das empresas nacionais e enquanto não desaparecerem as causas da perda de competitividade do setor produtivo. Com essa cautela seria possível promover a integração competitiva dos produtos brasileiros nas correntes de comércio dentro de uma nova política de comércio externo do País.
O Brasil deveria assumir a liderança no desenvolvimento de cadeias globais de valor e complementaridade produtiva na América do Sul. Essa nova modalidade de processos produtivos, especialmente em alguns setores manufatureiros, poderia ampliar os espaços para empresas brasileiras aproveitando a capacidade de produção de partes do produto final nos países vizinhos. Estudos do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) poderiam servir de base para iniciativa brasileira nesse sentido. Por outro lado, se todos os compromissos de liberalização incluídos nos acordos de comércio entre os países sul-americanos forem cumpridos, estará criada em 2019 uma área de livre-comércio entre todos os países da região, o que poderá facilitar a integração das empresas brasileiras nas cadeias produtivas.
Finalmente, não se pode ignorar a experiência adquirida pelas empresas nacionais já com grande presença no exterior. Essas empresas constituem casos testados de êxito ou de fracasso e acumulam uma agenda de necessidades concretas quanto ao quadro normativo que se provou conveniente para os negócios brasileiros.
A Câmara de Comércio Exterior (Camex), caso fosse vinculada diretamente ao presidente da República, uma reivindicação do setor privado, teria seu poder decisório fortalecido e poderia assim dar maior força ao comércio externo, sempre marginalizado nas decisões de política macroeconômica.
Se nada ocorrer na nova gestão petista, o Brasil continuará atrelado ao atraso e cada vez mais isolado no âmbito do comércio internacional. (O Estado de SP – 11/10/2014)

Balança acumula déficit de US$ 2, 6 bilhões no ano
Por Lucas Marchesini | De Brasília
A balança comercial teve déficit de US$ 747 milhões na primeira semana de novembro, segundo dados divulgados pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. Foram US$ 4,219 bilhões em exportações e US$ 4,966 bilhões em importações. No acumulado do ano, o resultado é deficitário em US$ 2,618 bilhões.
A média diária das exportações brasileiras caiu 19,1% na primeira semana de novembro quando comparada com todo o mês de 2013, passando de US$ 1,043 bilhão para US$ 843,8 milhões. Esse resultado se deve à queda na venda de produtos básicos, semimanufaturados e manufaturados.
As vendas de produtos básicos recuaram 19,5% na média diária na primeira semana deste mês na comparação com todo o mês de novembro de 2013, ao passar de US$ 456,5 milhões, na média de outubro de 2013, para US$ 367,7 milhões. Os principais recuos ocorreram em soja em grão, minério de ferro, minério de cobre, milho em grão, farelo de soja e fumo em folhas.
As vendas de bens manufaturados, por sua vez, tiveram baixa de 23,2% na mesma comparação. A média diária das vendas desses produtos ao exterior passaram de US$ 439 milhões em novembro de 2013 para US$ 337,3 milhões na primeira semana deste mês. Esse resultado foi influenciado pela queda em veículos de carga, automóveis de passageiros, tratores, máquinas para terraplenagem, óleos combustíveis, suco de laranja não congelado e aviões.
Já os semimanufaturados tiveram alta de 6,5% ao passar de US$ 124,2 milhões em novembro de 2013 para US$ 116,1 milhões na média diária do acumulado deste mês. Essa alta foi encabeçada por semimanufaturados de ferro/aço, ferro fundido, óleo de soja em bruto e açúcar em bruto.
As importações subiram 3,9% na primeira semana de novembro (US$ 993,2 milhões) quando comparada com a média do mesmo mês em 2013 (US$ 956,2 milhões). (Valor Online - 11/11/2014)

Indústria planeja exportar mais com dólar mais forte
Por Marta Watanabe e Rodrigo Pedroso | De São Paulo
Livaldo Aguiar dos Santos, presidente da Romi: estratégia de reforço da estrutura de vendas em diferentes destinos.
A desvalorização do real frente ao dólar já contribui para a melhora das receitas de vendas ao exterior dos exportadores. A expectativa de dólar mais forte também amplia planos de exportação das empresas para 2015.
A WEG, fabricante de motores e equipamentos elétricos, diz que o real mais depreciado frente ao dólar colocou no radar de exportação da empresa o Leste Europeu, região com preços relativamente mais baixos e que pode se tornar mais viável com a desvalorização cambial. A fabricante de compressores Metalplan quer aproveitar a competitividade do novo patamar cambial para manter os atuais mercados e intensificar esforços em novas regiões, como o mercado russo. A ideia é, com câmbio mais favorável, fazer a receita de exportação avançar de 10% para 20% do faturamento total da empresa. "Estamos vendo que agora podemos dobrar o peso da exportação no faturamento total sem muitas dificuldades. Já tivemos essa proporção, de 20%, nos nossos melhores anos, em 2003 e 2004. Acho que conseguiremos isso, se o câmbio estiver entre R$ 2,50 e R$ 2,70", diz Edgard Dutra, diretor da Metalplan.
Na Romi, fabricante de bens de capital, já no segundo semestre os embarques começaram a se recuperar. De janeiro a junho a receita de exportação da Romi cresceu, em moeda nacional, 11% em relação a igual período do ano passado. No segundo semestre os embarques deslancharam e, de janeiro a setembro, a receita de exportação aumentou 20%, contra iguais meses do ano passado. A conta leva em consideração somente a receita de exportação da produção brasileira.
A calçadista Priority, dona das marcas West Coast e Cravo & Canela, diz que o dólar mais caro irá permitir à empresa voltar a trabalhar com mais intensidade em parte dos produtos vendidos ao exterior que havia perdido competitividade. Entre eles, botas masculinas para o mercado europeu e chinelos e sandálias masculinas para o Oriente Médio. A empresa quer aumentar em 20% a receita de exportação para o ano que vem.
"Certamente teremos reflexo positivo da desvalorização. Alguns mercados nos quais não estávamos pensando em aumentar a presença foram reavaliados, como alguns países europeus", diz Heitor Klein, presidente da Abicalçados, que reúne a indústria calçadista.
Livaldo Aguiar dos Santos, presidente da Romi, diz que o crescimento da receita de exportação em reais este ano não se deve somente à desvalorização da moeda nacional frente ao dólar, mas principalmente ao aumento no volume de vendas. A alta de embarques, diz Santos, é resultado de uma estratégia intensificada nos últimos trimestres de reforçar a estrutura de vendas em diferentes destinos, mantendo profissionais brasileiros em trabalho conjunto com representantes locais.
A expectativa é que a receita de exportação da Romi feche este ano com crescimento de 20% em reais, segundo Santos. O aumento até agora, diz, foi puxado principalmente por encomendas de países latino-americanos e da Europa. Argentina e Estados Unidos, lembra, tiveram desempenho aquém da expectativa e a avaliação é de que ao menos os americanos ajudem a elevar as vendas em 2015. A estimativa, diz, é de que o câmbio tenha evolução mais favorável a partir de agora. "A percepção dos empresários é de que o governo entendeu que o câmbio é importante não só para a indústria, mas também para o agronegócio e as commodities metálicas".
O governo, acredita o presidente da Romi, seguirá controlando o câmbio. "Mas sem colocar a mão de ferro", avalia. Ele cita cálculos de economistas que sinalizam para um câmbio ainda sobrevalorizado em cerca de 20%. "Essa conta não é minha, mas indica que há ainda bastante espaço para se trabalhar". Para ele, o controle do câmbio, antes centrado na preocupação com a inflação, deve ser deslocado para medidas de ajuste fiscal.
A Metalplan, empresa que fabrica maquinário industrial, já havia previsto em seus planos de final de ano a alta do dólar. A percepção da empresa, diz Dutra, é que as encomendas da indústria estavam "congeladas" nos últimos dois meses em função da indefinição no cenário político do país. Agora, as vendas devem ajudar a fazer um final de ano menos pior do que foi observado de janeiro até o mês passado, quando o faturamento caiu 20%, acompanhando a forte retração da indústria de máquinas e equipamentos neste ano, que está com média de 25%.
Em um ano adverso, a exportação conseguiu se manter como boa fonte de recursos. Em 2014, o tamanho da receita com a venda ao exterior em relação ao faturamento total deve subir dois pontos percentuais em relação a 2013, para 10%. Com o novo câmbio, conta Dutra, a perspectiva é de um 2015 muito mais promissor para o comércio exterior da empresa.
Por se tratar de produtos de maior complexidade e com menos concorrentes do que outros industrializados menos complexos de se produzir, como têxteis, por exemplo, as máquinas e os equipamentos da empresa possuem clientela mais cativa. Um aumento de margem de 10% a 20% - calculado com a desvalorização do real desde o início do segundo semestre - amplia, diz o diretor, a possibilidade de futuros clientes e de maior volume de venda aos antigos compradores.
"Temos lançado produtos importantes no último ano e com o câmbio mais favorável algumas empresas que não compravam por causa do preço estão repensando a decisão. Estamos tentando fechar acordo com a Rússia, por exemplo", afirma Dutra.
Gustavo Iensen, diretor internacional da WEG, conta que, atualmente, cerca de 60% das exportações da companhia têm como destino a América do Norte e a Europa. Alguns países do Leste Europeu, porém, segundo ele, devem entrar mais fortemente no radar dos embarques da empresa. Apesar da volatilidade da cotação do câmbio, a expectativa de maior desvalorização do real permite experimentar mercados novos, diz.
O Leste Europeu é um dos alvos, porque, segundo Iensen, há muita produção local, numa região em que os preços são relativamente mais baixos e para o qual o câmbio pode tornar o industrializado brasileiro mais competitivo. Além disso, a empresa, ao mesmo tempo em que reduz custos, pode também trabalhar com as produções que mantém fora do país, em unidades na China e na Índia.
Iensen lembra, porém, que a apreciação do dólar é um fenômeno geral no mundo, o que também dá vantagem aos concorrentes internacionais. Portanto, a desvalorização cambial não deve resultar em imediata redução dos preços de exportação. "A manutenção de mercados no exterior requer competitividade, oferta de serviços e coerência. Não é possível mudar o preço conforme o câmbio."
De qualquer forma, diz o executivo, o real mais depreciado ajuda na consolidação dos números da empresa em reais, já que gera maior receita em moeda nacional. O desempenho da WEG no mercado internacional, avalia Iensen, deve ficar aquém do previsto inicialmente para este ano. Até o terceiro trimestre a receita de exportação, em moeda nacional, cresceu em torno de 12% em relação a igual período de 2013. Em dólares, porém, ressalta, o crescimento não passou dos dois dígitos. Para este ano, a empresa projetava inicialmente o dólar médio a R$ 2,30. O valor foi revisto para média de R$ 2,35. Para 2015, diz ele, a empresa ainda não fechou estimativa. (Valor Online – 11/11/2014)

G-20 mantém, mas tira foco de pacto antiprotecionismo
Por Assis Moreira | De Genebra
Um pacto antiprotecionismo estará na agenda dos líderes do G-20, na semana que vem, na Austrália, mas desta vez a presidente Dilma Rousseff não vai precisar se opor, já que a Austrália agiu para neutralizar conflito sobre o tema.
O Valor apurou que o Japão, México e outros países tentaram emplacar a prorrogação até 2018 do compromisso pelo qual as economias do G-20, que respondem por mais de 80% do comércio global, se comprometem a não adotar novas barreiras ao comércio e aos investimentos e a retirar restrições impostas recentemente.
Mas a Austrália, na organização da cúpula dos líderes deste ano, percebeu o potencial de divergências e insistiu que a proposta só ia tomar tempo, e tirar o enfoque de outros temas mais importantes no cenário atual. Além disso, o atual pacto vigora até o ano que vem.
Na Rússia, no ano passado, o Brasil e a Argentina ficaram isolados na resistência à renovação do compromisso Os dois países apontavam desequilíbrio, já que o compromisso mencionava não elevar tarifas, mas ignorava o aumento de subsídios na agricultura. Na reunião final dos líderes, as presidentes Dilma Rousseff e Cristina Kirchner terminaram por aceitar o acordo, que exigia consenso.
Para a semana que vem, ficou acertado que os líderes vão reafirmar o pacto antiprotecionismo, incluindo a retirada de medidas recentemente adotadas. Mas, do jeito como o texto está redigido e sem prorrogação, é menor o risco de a presidente Dilma chegar a Brisbane com um segundo mandato e com a mesma postura adotada na Rússia.
O G-20 vai também reiterar a importância da implementação do acordo de facilitação do comércio, e apoiar o reforço e a coerência do sistema comercial de maneira a maximizar o crescimento.
O compromisso antiprotecionismo é considerado importante do ponto de vista político, mas continua sendo atropelado na realidade, como mostra relatório que a Organização Mundial do Comércio (OMC) preparou para o G-20.
O volume de medidas restritivas ao comércio introduzidas pelos países do G-20 desde 2008 continua a aumentar. De 1.244 medidas restritivas aplicadas desde o começo da crise, somente 282 foram removidas. O número atual, de 962 medidas, é 12% maior do que em novembro do ano passado.
Mais de 18 novas medidas restritivas foram adotadas por mês, desde maio. Mas também ocorreram ações liberalizadoras.
O Brasil foi responsável por 25% de todas as investigações antidumping para frear importações com preços supostamente desleais, abertas pelas grandes economias entre maio e setembro, confirmando Brasília como o campeão no uso desse mecanismo de defesa comercial.
De 66 investigações abertas pelos países do G-20 no período, o Brasil foi responsável por 22. Com isso, o Brasil abriu 37,5% mais investigações do que nos seis meses anteriores. O Canadá veio em segundo lugar, com 12, e os EUA, em terceiro, com 10. A Índia, que tinha aberto 15 investigações no semestre anterior, desta vez abriu apenas quatro.
O Brasil tem aplicado medidas de defesa comercial principalmente contra as importações procedentes de China, União Europeia e Coreia do Sul desde 2008. O país foi o principal responsável por mais da metade de novas investigações globais contra importações de produtos de plástico e borracha nos últimos 18 meses. (Valor Online – 10/11/2014)

Época de elevados saldos na balança ficou para trás
LUIZ GUILHERME GERBELLI
Projeção do relatório Focus do Banco Central aponta superávit comercial de US$ 2 bilhões, mas déficit não está descartado
O comércio exterior brasileiro está diante de uma nova realidade. Os superávits comerciais elevados e frequentes até 2012 não devem se repetir, pelo menos no curto prazo. A previsão para este ano é de que a exportação supere por pouco a importação - um déficit também não está descartado. No relatório Focus, do Banco Central, que colhe a opinião dos economistas, a projeção é de um superávit de US$ 2 bilhões em 2014.
Nos últimos anos, a economia brasileira registrou elevados superávits comerciais devido a uma conjuntura de fatores positivos. O crescimento econômico mundial impulsionou os preços das commodities e a indústria brasileira ainda tinha algum espaço para competir no mundo, sobretudo na América Latina, o que permitia a venda de produtos manufaturados. Em 2006, as exportações brasileiras superaram as importações em US$ 46 bilhões.
O cenário atual é o oposto dessa época de ouro. A dificuldade se arrasta desde 2013, quando o Brasil registrou superávit de apenas US$ 2,5 bilhões, o menor em 13 anos. Atualmente, tanto as exportações de básicos como de manufaturados estão em queda. Os números da balança comercial compilados pela Fundação Centro de Estudos do Comércio Exterior (Funcex) mostram que a venda de produtos básicos ao exterior somou US$ 93,9 bilhões entre janeiro e outubro, 1,2% a menos do que no mesmo período do ano passado. No caso dos manufaturados, a exportação soma US$ 67,3 bilhões no mesmo período, uma queda de 10,7% ante 2013.
Efeito China. O cenário se torna ainda mais adverso por não haver sinal claro de retomada consistente na economia mundial. Para 2015, a previsão do Boletim Focus é de R$ 7,24 bilhões de superávit. "Os ganhos de preços que o País teve até 2012 não são factíveis daqui para frente", diz Daiane Santos, economista da Funcex.
Em relação aos produtos básicos, o que tem levado à queda nos preços é o menor crescimento dos países asiáticos, sobretudo da China. Com o crescimento mais lento, a demanda mundial por commodities diminui, e os preços dos produtos caem - o Brasil tem quase metade da pauta de exportação dependente de produtos básicos. "O que temos observado é que as exportações de alguns produtos que vinham se destacando na pauta brasileira estão sofrendo forte impacto por causa da queda de preços, como é o caso da soja, suco de laranja, minério de ferro. O petróleo também está com queda de preço", diz Fábio Faria, vice-presidente executivo da Associação de Comércio Exterior do Brasil (AEB).
Nos produtos manufaturados, a exportação está menor por dois grandes motivos. Primeiro, a indústria brasileira ficou pouco competitiva desde a última crise internacional e perdeu espaço em diversas economias, especialmente na América Latina. Segundo, a atual crise da Argentina - principal compradora de produtos industriais do Brasil - também tem inibido a venda de produtos ao país vizinho. De janeiro a outubro, a média diária da exportação de produtos brasileiros para a Argentina diminuiu 26,8%.
"A queda das manufaturas em produtos industriais é crescente. Sem melhorar o desempenho da manufatura, é difícil o Brasil voltar a produzir os grandes superávits", diz Lia Valls Pereira, pesquisadora do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas (Ibre/FGV). A indústria brasileira tem se queixado do câmbio valorizado - embora o real tenha se desvalorizado nos últimos meses -, da infraestrutura ruim e do chamado custo Brasil.
Os dados de outubro, divulgados na semana passada, reforçaram o momento ruim da balança comercial. As exportações recuaram 19,7% em relação ao mesmo mês do ano passado. O resultado só não tem sido pior porque o País tem importado menos, por causa da menor atividade econômica. No mês passado, as compras das empresas brasileiras diminuíram 15,4%. No ano, a balança comercial acumula déficit de US$ 1,871 bilhão. (O Estado de SP – 10/11/2014)

Exportações são de US$ 4,219 bilhões no início de novembro
Brasília – Nos cinco dias úteis da primeira semana de novembro (1ª a 9), o Brasil exportou US$ 4,219 bilhões, com média diária de US$ 843,8 milhões. O valor é 19,1% menor que o verificado em novembro de 2013 (US$ 1,043 bilhão). Houve queda nas vendas das três categorias de produtos. Nos manufaturados (-23,2%), diminuíram as exportações de veículos de carga, automóveis de passageiros, tratores, máquinas para terraplanagem, óleos combustíveis, suco de laranja não congelado e aviões. Nos básicos (-19,5%) houve queda nas exportações de soja em grão, minério de ferro, minério de cobre, milho em grão, farelo de soja e fumo em folhas.
Na categoria dos semimanufaturados (-6,5%) houve redução de embarques principalmente de semimanufaturados de ferro e aço, ferro fundido, óleo de soja em bruto e açúcar em bruto. Já no comparativo com a média de outubro de 2014 (US$ 797 milhões) houve crescimento de 5,9% em função dos aumentos nas vendas de manufaturados (13,3%) e básicos (3,9%).
As importações, na primeira semana de novembro, totalizaram US$ 4,966 bilhões, com média diária de US$ 993,2 milhões. Em relação a novembro de 2013 (US$ 956,2 milhões), houve crescimento de 3,9%, pela média diária, com aumento das compras externas de combustíveis e lubrificantes (32,2%), farmacêuticos (31,5%), adubos e fertilizantes (23,1%), aparelhos eletroeletrônicos (8,5%), plásticos e obras (6,5%) e siderúrgicos (4,5%). Na comparação com outubro deste ano (média diária de US$ 848,1 milhões), as importações aumentaram 17,1% em função, principalmente, do crescimento nas aquisições de combustíveis e lubrificantes (58,5%), farmacêuticos (37,6%), adubos e fertilizantes (29,7%), siderúrgicos (24,4%), aparelhos eletroeletrônicos (18,5%) e plásticos e obras (10,3%).
A corrente de comércio (soma de exportações e importações) na primeira semana de novembro atingiu US$ 9,185 bilhões (média diária de US$ 1,837 bilhão). Considerando esse parâmetro, houve queda de 8,1% em relação a novembro de 2013 (média de US$ 1,999 bilhão) e acréscimo de 11,7% no comparativo com outubro último (média de US$ 1,645 bilhão). O saldo comercial semanal ficou deficitário em US$ 747 milhões (média diária negativa de US$ 149,4 milhões).
Ano
De janeiro até a primeira semana de novembro (216 dias úteis) as exportações brasileiras foram de US$ 196,184 bilhões (média diária de US$ 908,3 milhões). Na comparação com o mesmo período de 2013 (média diária de US$ 944,4 milhões), houve queda de 3,8%. As importações chegaram a US$ 198,802 bilhões (média de US$ 920,4 milhões). Em relação ao mesmo período do ano anterior, as compras externas retrocederam 3,5% (US$ US$ 954,1 milhões).
No acumulado do ano, o saldo comercial está negativo em US$ US$ 2,618 bilhões (média diária negativa de US$ 12,1 milhões). No mesmo período de 2013, o déficit foi de US$ 2,066 bilhões (média diária negativa de US$ 9,7 milhões). A corrente de comércio totaliza US$ 394,986 bilhões (média diária de US$ 1,828 bilhão), com queda de 3,7% em relação ao mesmo período de 2013 (US$ 1,898 bilhão). (MDIC – 10/11/2014)

Balança comercial inicia novembro com déficit de US$ 747 mi
Victor Martins - Agência Estado
Com esse desempenho, o saldo negativo acumulado no ano se aprofundou ainda mais e chegou a US$ 2,6 bilhões
A balança comercial somou um déficit de US$ 747 milhões entre 1 e 9 de novembro. Segundo os dados divulgados pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), as exportações somaram US$ 4,2 bilhões e as importações, US$ 4,966 bilhões. Com esse desempenho, o déficit acumulado no ano se aprofundou ainda mais e chegou a US$ 2,618 bilhões.
As exportações começaram o mês em queda. Na média de 1 a 9 de novembro em relação a novembro de 2013, houve queda de 19,1% - ao passar de US$ 1,043 bilhão para US$ 843,8 milhões. Os três segmentos de produtos que puxaram essa retração foram: manufaturados (-23,2%), básicos (-19,5%) e semimanufaturados (-6,5%).
Segundo o MDIC, os manufaturados recuaram de US$ 439,0 milhões para US$ 337,3 milhões influenciados por vendas menores de veículos de carga, automóveis de passageiros, tratores, máquinas para terraplenagem, óleos combustíveis, suco de laranja não congelado e aviões.
Nos básicos, as vendas passaram de US$ 456,5 milhões para US$ 367,7 milhões devido a soja em grão, minério de ferro, minério de cobre, milho em grão, farelo de soja e fumo em folhas. Entre os semimanufaturados, que caíram de US$ 124,2 milhões para US$ 116,1 milhões, o recuo foi puxado por quedas de ferro/aço, ferro fundido, óleo de soja em bruto e açúcar em bruto.
Importações. Enquanto as exportações esfriaram no período, as importações aumentaram. A média diária deste período, que ficou em US$ 993,2 milhões, é 3,9% maior que a média de novembro de 2013 (US$ 956,2 milhões).
Segundo o ministério, essa alta foi influenciada por compras de combustíveis e lubrificantes, que cresceram 32,2%, além de aumento de farmacêuticos (+31,5%), adubos e fertilizantes (23,1%), aparelhos eletroeletrônicos (8,5%), plásticos e obras (6,5%) e siderúrgicos (4,5%).
O MDIC informou ainda que frente a outubro de 2014, o crescimento foi de 17,1%. Entre os itens que influenciaram o desempenho se destacam os combustíveis e lubrificantes, com alta de 58,5%, farmacêuticos (+37,6%), adubos e fertilizantes (29,7%), siderúrgicos (24,4%), aparelhos eletroeletrônicos (18,5%) e plásticos e obras (10,3%). (O Estado de SP – 10/11/2014)

Mdic: Balança tem déficit de US$ 747 milhões na 1ª semana de novembro
Por Lucas Marchesini
BRASÍLIA - A balança comercial brasileira teve déficit de US$ 747 milhões na primeira semana de novembro, informou nesta segunda-feira o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (Mdic). Foram US$ 4,219 bilhões em exportações e US$ 4,966 bilhões em importações. No acumulado do ano, o resultado é deficitário em US$ 2,618 bilhões.
A média diária das exportações caiu 19,1% na primeira semana de novembro quando comparada com todo o mês de 2013, passando de US$ 1,043 bilhão para US$ 843,8 milhões. Esse resultado se deve à queda na venda de produtos básicos, semimanufaturados e manufaturados.
As vendas de produtos básicos recuaram 19,5% na média diária na primeira semana de novembro quando comparada com todo o décimo-primeiro mês de 2013, ao passar de US$ 456,5 milhões na média de outubro de 2013 para US$ 367,7 milhões. Os principais retrocessos ocorreram em soja em grão, minério de ferro, minério de cobre, milho em grão, farelo de soja e fumo em folhas.
As vendas de bens manufaturados, por sua vez, tiveram baixa de 23,2% na mesma comparação. A média diária das vendas desses produtos ao exterior passaram de US$ 439 milhões em novembro de 2013 para US$ 337,3 milhões na primeira semana deste mês. Esse resultado foi influenciado pela queda em veículos de carga, automóveis de passageiros, tratores, máquinas para terraplanagem, óleos combustíveis, suco de laranja não congelado e aviões.
Já os semimanufaturados tiveram queda de 6,5% ao passar de US$ 124,2 milhões em novembro de 2013 para US$ 116,1 milhões na média diária do acumulado deste mês. Essa alta foi encabeçada por semimanufaturados de ferro/aço, ferro fundido, óleo de soja em bruto e açúcar em bruto.
As importações subiram 3,9% na primeira semana de novembro (US$ 993,2 milhões) quando comparada com a média do mesmo mês em 2013 (US$ 956,2 milhões). Nesse comparativo, cresceram principalmente os gastos com combustíveis e lubrificantes (+32,2%), farmacêuticos (+31,5%), adubos e fertilizantes (+23,1%), aparelhos eletroeletrônicos (+8,5%), plásticos e obras (+6,5%) e siderúrgicos (+4,5%). (Valor Online – 10/11/2014)

Época de elevados saldos na balança ficou para trás
LUIZ GUILHERME GERBELLI
Projeção do relatório Focus do Banco Central aponta superávit comercial de US$ 2 bilhões, mas déficit não está descartado
O comércio exterior brasileiro está diante de uma nova realidade. Os superávits comerciais elevados e frequentes até 2012 não devem se repetir, pelo menos no curto prazo. A previsão para este ano é de que a exportação supere por pouco a importação - um déficit também não está descartado. No relatório Focus, do Banco Central, que colhe a opinião dos economistas, a projeção é de um superávit de US$ 2 bilhões em 2014.
Nos últimos anos, a economia brasileira registrou elevados superávits comerciais devido a uma conjuntura de fatores positivos. O crescimento econômico mundial impulsionou os preços das commodities e a indústria brasileira ainda tinha algum espaço para competir no mundo, sobretudo na América Latina, o que permitia a venda de produtos manufaturados. Em 2006, as exportações brasileiras superaram as importações em US$ 46 bilhões.
O cenário atual é o oposto dessa época de ouro. A dificuldade se arrasta desde 2013, quando o Brasil registrou superávit de apenas US$ 2,5 bilhões, o menor em 13 anos. Atualmente, tanto as exportações de básicos como de manufaturados estão em queda. Os números da balança comercial compilados pela Fundação Centro de Estudos do Comércio Exterior (Funcex) mostram que a venda de produtos básicos ao exterior somou US$ 93,9 bilhões entre janeiro e outubro, 1,2% a menos do que no mesmo período do ano passado. No caso dos manufaturados, a exportação soma US$ 67,3 bilhões no mesmo período, uma queda de 10,7% ante 2013.
Efeito China. O cenário se torna ainda mais adverso por não haver sinal claro de retomada consistente na economia mundial. Para 2015, a previsão do Boletim Focus é de R$ 7,24 bilhões de superávit. "Os ganhos de preços que o País teve até 2012 não são factíveis daqui para frente", diz Daiane Santos, economista da Funcex.
Em relação aos produtos básicos, o que tem levado à queda nos preços é o menor crescimento dos países asiáticos, sobretudo da China. Com o crescimento mais lento, a demanda mundial por commodities diminui, e os preços dos produtos caem - o Brasil tem quase metade da pauta de exportação dependente de produtos básicos. "O que temos observado é que as exportações de alguns produtos que vinham se destacando na pauta brasileira estão sofrendo forte impacto por causa da queda de preços, como é o caso da soja, suco de laranja, minério de ferro. O petróleo também está com queda de preço", diz Fábio Faria, vice-presidente executivo da Associação de Comércio Exterior do Brasil (AEB).
Nos produtos manufaturados, a exportação está menor por dois grandes motivos. Primeiro, a indústria brasileira ficou pouco competitiva desde a última crise internacional e perdeu espaço em diversas economias, especialmente na América Latina. Segundo, a atual crise da Argentina - principal compradora de produtos industriais do Brasil - também tem inibido a venda de produtos ao país vizinho. De janeiro a outubro, a média diária da exportação de produtos brasileiros para a Argentina diminuiu 26,8%.
"A queda das manufaturas em produtos industriais é crescente. Sem melhorar o desempenho da manufatura, é difícil o Brasil voltar a produzir os grandes superávits", diz Lia Valls Pereira, pesquisadora do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas (Ibre/FGV). A indústria brasileira tem se queixado do câmbio valorizado - embora o real tenha se desvalorizado nos últimos meses -, da infraestrutura ruim e do chamado custo Brasil.
Os dados de outubro, divulgados na semana passada, reforçaram o momento ruim da balança comercial. As exportações recuaram 19,7% em relação ao mesmo mês do ano passado. O resultado só não tem sido pior porque o País tem importado menos, por causa da menor atividade econômica. No mês passado, as compras das empresas brasileiras diminuíram 15,4%. No ano, a balança comercial acumula déficit de US$ 1,871 bilhão. (O Estado de SP – 10/11/2014)

'Dilma precisa adotar proatividade de Lula', afirma pesquisadora
WILSON TOSTA
RIO - A pesquisadora Maria Regina Soares de Lima, do Instituto de Estudos Sociais e Políticos da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Iesp-Uerj), avalia que a presidente Dilma Rousseff, em seu novo mandato, precisará retomar a diplomacia presidencial ativa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Para ela, Dilma manteve os princípios adotados pelo antecessor na política externa, mas pecou ao não adotar a mesma proatividade.
Maria Regina acredita que o Brasil deve assumir seu protagonismo na América do Sul de forma "solidária", e não por meio de instituições supranacionais, como ocorre na Europa.
A questão do Porto de Mariel, em Cuba, foi um tema recorrente na campanha eleitoral. Como a sra. analisa esse debate?
O porto virou um símbolo. Isso, na verdade, é como se fosse uma exportação de serviços. O BNDES não pode emprestar para países estrangeiros. Mas pode financiar um investimento brasileiro no exterior. Financia em reais e o governo (estrangeiro) vai pagar em dólares. Financia o serviço lá, o cliente compra produtos brasileiros, tem de importar e paga em dólar o investimento que foi feito em reais. Então, não é um gasto. Não é como se o Brasil deixasse de investir em um porto seu, é totalmente distinto. Isso é parte do processo de internacionalização das empresas brasileiras.
Como comparar a política externa sob Lula e Dilma?
Dilma conservou os princípios e a orientação, mas não foi tão ativa quanto Lula, que ampliou muito o alcance da ação brasileira do ponto de vista da atividade, do número de embaixadas, do aumento até do quadro de diplomatas. Ela não inovou e não foi tão ativa. Primeiro, as condições de ação internacional do Brasil se tornaram mais complexas, do ponto de vista da crise do multilateralismo, com a crise da OMC (Organização Mundial do Comércio). A própria condição na região se tornou mais complexa. A morte do (presidente venezuelano Hugo) Chávez acabou tendo um efeito... Chávez tinha um certo pragmatismo. Com (o atual presidente, Nicolás) Maduro, ficou mais instável. A Argentina em crise... Talvez tenha um lado da presidente Dilma que vê a política externa de forma muito instrumental, de dar resultados. E política externa não dá resultado imediato. Tem de fazer um investimento de longo prazo.
A diplomacia presidencial mais ativa deveria ser uma opção no segundo mandado de Dilma?
Sim, porque não vamos ter instituições regionais com supranacionalidade, como é o caso da Europa. Esquece, impossível. O diferencial de poder do Brasil é tão grande que é impossível. Então, o que é possível? É ter uma política solidária. Vai ter de ter um investimento. Outra coisa que complica é a própria dimensão do orçamento do Itamaraty. De 2013 para 2014, diminuiu pela metade, passou de R$ 2 bilhões para R$ 1 bilhão. O próprio Itamaraty terá de fazer uma reforma na gestão de seus quadros.
O que a presidente pode fazer pelo Mercosul?
Vai ter de inovar, criar cadeias produtivas dentro da região. Não é só comércio. A região e o Mercosul - e os Estados Unidos também são importantes - são mercados dos mais dinâmicos para as exportações de manufaturados brasileiros. A região vende commodities e compra do Brasil manufaturados.
Como vai ser a política do novo governo em relação a países como Venezuela e Bolívia?
O status quo, quando não se faz nada, se deteriora. Então, ela não fez nada contra. Ela fez pouco do ponto de vista de presença. E tem uma questão que vai aparecer em 2015, que é a renegociação do acordo de gás com a Bolívia. Um problema seriíssimo que a gente enfrenta e vai ter de pensar é a migração para o Brasil. Como é o México com os Estados Unidos? A gente vai construir um muro? É do nosso interesse que eles se desenvolvam. Enquanto a gente continuar com essa ideia de "ah, se dá para eles, está tirando da gente", aí não vai. (O Estado de SP – 10/11/2014)

Servidor reclama, mas Itamaraty vai manter políticas
LISANDRA PARAGUASSU
Diplomatas e funcionários de níveis variados do Ministério das Relações Exteriores criticam falta de prestígio e de verba
BRASÍLIA - Os corredores e salas cheios de obras de arte do Palácio do Itamaraty, em Brasília, andam à meia-luz. Reflexo do regime de contenção de despesas a que a diplomacia brasileira está submetida e também do ânimo dos servidores do ministério. De embaixadores a oficiais de chancelaria, ninguém consegue negar que as Relações Exteriores estão em crise, e nada indica que as luzes voltarão a brilhar com mais intensidade no início do segundo mandato da presidente Dilma Rousseff.
A falta de recursos é apenas um dos reflexos da ausência de espaço e de importância que os diplomatas têm no atual governo. O orçamento do ministério, hoje em torno de R$ 1 bilhão, representa 30% do que foi destinado há quatro anos - cerca de R$ 3,3 bilhões. O corte não tem reflexo apenas na meia-luz dos corredores, mas na própria atuação da pasta. As missões de promoção comercial do Itamaraty caíram de 180 no ano passado para 50 em 2014.
Missões empresariais não são tocadas por diplomatas há mais de dois anos - passaram para o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio (MDIC). Viagens foram reduzidas ao máximo dentro das possibilidades de um ministério cuja atividade principal está no exterior. Para evitar ficar de fora de encontros importantes, diplomatas passaram a aceitar passagens de órgãos internacionais, o que normalmente não era feito para evitar comprometimento. Um diplomata, que pediu anonimato, questiona o que fazer quando não se pode viajar, já que os encontros internacionais são uma das atribuições do ministério.
Um dos maiores cortes ocorreu na Agência Brasileira de Cooperação (ABC), sempre tratada como um dos braços mais fortes do "soft power" brasileiro. Os R$ 50 milhões de 2010 passaram para R$ 20 milhões neste ano. Acordos que se encerram não são renovados e novos termos não são iniciados. Diplomatas ouvidos pelo Estado reclamam que a situação da ABC é um dos maiores exemplos de que o espaço obtido em governos passados está sob risco.
Nos 16 anos dos governos de Fernando Henrique Cardoso (PSDB) e Luiz Inácio Lula da Silva (PT), a atuação do Itamaraty era mais intensa e, consequentemente, o órgão se sentia mais prestigiado. Se o orçamento não era o adequado, pelos menos sobravam afagos, o que é supria a "carência" dos egos diplomáticos, como brincou um integrante de alto escalão do ministério. Com Dilma, os servidores do Itamaraty sentem falta de recursos, afagos e atenção.
Expansão. Há quem defenda que, apesar de ruim, é um período de ajuste depois de uma efervescência exagerada dos anos Lula, em que em apenas quatro anos foram admitidos 400 novos diplomatas e abertos mais de 100 novos postos no exterior. A expansão criou uma geração de servidores com pouca possibilidade de avanço rápido na carreira e embaixadas e consulados com dificuldade de manter pessoal.
O desânimo chegou a tal ponto que um grupo de diplomatas defende abrir mão do que até hoje era considerado um ganho: a escolha de um servidor de carreira para chefiar o Itamaraty. Há quem prefira um político, que tivesse a força de um partido, trânsito no Congresso e poder de negociação com a presidente. Comum entre os servidores da outra carreira de nível superior do ministério - os oficiais de chancelaria, que por terem menos peso político e salários menores são os mais atingidos pela falta de recursos -, essa visão chegou aos diplomatas.
A rebelião levou a cenas pouco comuns no Itamaraty, de servidores se dispondo a falar, ainda que reservadamente, contra a gestão do atual chanceler, Luiz Alberto Figueiredo. A defesa do ministro de alguns cortes que estão sendo feitos, que ele classificou de "boa gestão" e "economia de recursos públicos", como publicado pelo Estado, revoltou diplomatas e outros servidores de todos os andares do Itamaraty.
Soluções. Figueiredo não reconhece que haja uma crise no ministério. Lembra, sempre, que está tentando encontrar soluções, como para o caso dos jovens diplomatas que têm poucas perspectivas de promoção, e que recentemente pediu a todos os servidores propostas para melhorar a situação na Casa.
Segundo conta um servidor, esse fato foi bem visto internamente e muitos colegas dele se reuniram para elaborar propostas. Porém, a resposta de Figueiredo não os agradou.
O ministro agradeceu, disse que eram muitas ideias e que seriam analisadas, mas ainda não se sabe o que será feito delas. Para um oficial da chancelaria, há coisas simples que podem ser melhoradas para aperfeiçoar o relacionamento dentro do ministério, como uma corregedoria independente e fim da reserva de mercado de cargos de chefia para diplomatas.
Apesar da crise interna e do desejo de vários de seus colegas de que o ministro não permaneça no cargo, por enquanto não há sinais de mudança. Pelo menos no próximo ano, Figueiredo deve continuar no posto. (O Estado de SP – 10/11/2014)

Criador dos Brics diz que governo brasileiro se tornou "chinês demais"
Economista britânico Jim O'Neill diz que economia brasileira sofre com excesso de intervencionismo no governo Dilma e diz que errou em algumas previsões sobre o país
MARIANNA ARAGÃO
Conhecido –e muitas vezes criticado– por suas previsões consideradas excessivamente positivas, o economista britânico Jim O'Neill, criador do acrônimo Bric, parece ter perdido seu entusiasmo com pelo menos um país: o Brasil.
Em 2012, quando as incertezas sobre a recuperação da economia global eram ainda maiores que as de hoje, o então economista-chefe do banco americano Goldman Sachs escreveu que se mantinha "extremamente otimista em relação ao Brasil" e que o país representava uma "grande esperança".
Dois anos e meio depois, O'Neill afirma que muita coisa deu errado desde então. E que um dos principais responsáveis pelo baixo crescimento registrado no país é o que define como política intervencionista do governo da presidente Dilma Rousseff.
"O governo brasileiro se tornou chinês demais", afirmou, em entrevista à Folha em Londres, onde vive. O papel desempenhado pelo BNDES na concessão de empréstimo ao setor privado nos últimos anos, a juros subsidiados, e a atuação do Banco Central que, segundo ele, precisa ser mais independente, são exemplos dessa política, diz o economista.
O'Neill, 57, porém, faz sua mea-culpa. Ele diz que errou ao acreditar que a redução da inflação na década passada iria inaugurar uma "nova era" para o país, em que não somente o consumo aumentaria, mas também os investimentos e a tomada de riscos por parte dos empresários. "Isso não aconteceu."
Apesar disso, o economista britânico continua confiante no resto de suas previsões.
Além da China, que mesmo crescendo em ritmo mais lento, "produz uma Índia a cada dois anos", segundo ele, outros emergentes como Nigéria e Indonésia, parte do novo acrônimo "Mint", deverão puxar a expansão mundial nas próximas décadas.
Os "Mint" foram tema de um programa de TV na emissora britânica BBC apresentado neste ano por O'Neill, que se aposentou do banco americano em 2013. Leia a seguir os principais trechos da entrevista.
Folha - Há uma grande discussão sobre o futuro dos mercados emergentes diante de uma menor expansão global e do fim da política estímulos do Fed (banco central americano), que trouxe muita liquidez aos mercados nos últimos anos. Qual a visão do sr. sobre isso?
Jim O'Neill - A natureza dessa questão presume uma estrutura antiga do mundo. Há duas décadas, se a economia mundial estivesse desacelerando e o Fed estivesse apertando sua política monetária, seria uma péssima notícia para os países emergentes. Mas hoje a segunda maior economia do mundo é um país emergente, a China. A China crescendo a 7,5%, o que se considera "mais devagar", equivale em dólares aos Estados Unidos crescendo a 4%.
A China é maior que Alemanha, França e Itália juntas. A China cria um Reino Unido a cada três anos, e uma Índia a cada dois. Por isso, se o mundo vai diminuir seu crescimento de forma persistente depende, em grande parte, do que a China vai fazer. Deveríamos estar nos preocupando com o que vai acontecer se o banco central chinês apertar a política monetária, e não o Fed. A forma com que a maioria das pessoas ainda pensa sobre essas questões é equivocada. O mundo mudou.
Qual sua perspectiva para o futuro da economia global?
Acho que a economia americana mostra sinais contínuos embora erráticos de aceleração. No momento acredito que isso deve levar o Fed a aumentar as taxas de juros em 2015, provavelmente no meio do ano, e isso deve trazer consequências adversas para alguns mercados.
Há uma incerteza genuína particularmente em relação à volta dos investimentos. O gasto com investimento tem sido muito fraco ao redor do mundo. Isso inclui, para os padrões chineses, a China, mas também Alemanha e EUA. Isso sugere que os negócios ainda não querem tomar muito risco no longo prazo e isso é um pouco preocupante. Achei que esse ano isso começaria a mudar. Mas até agora, não.
Em 2012 o sr. escreveu que estava extremamente positivo com o Brasil e que o país tinha um futuro promissor. Dois anos depois, o país deve crescer menos de 1% esse ano, a inflação voltou, os juros subiram. O que aconteceu?
Há uma pequena possibilidade de que nada deu errado e Brasil ainda viva uma grande volatilidade. Se você olhar para o período entre 2001 e 2003, o país tinha um crescimento tão fraco quanto o que está tendo nesta década. As pessoas se esquecem disso. Entre 2005 e 2009 o país teve um forte crescimento, em parte porque sua economia foi seriamente afetada pelo alto preço das commodities. Então, se por alguma razão o preço das commodities começarem a subir muito nos próximos anos, não seria tão surpreendente se o Brasil crescesse muito mais sem que nada efetivamente mudasse.
Porém, apesar do que eu acabei de dizer, eu acho sim que as coisas deram errado. E eu estive errado. Acho que errei porque imaginava que a inflação baixa iria desencadear uma nova era para as classes de renda baixa e média no Brasil, não apenas de maior consumo, mas também de mais investimentos, mais riscos, mais criatividade. E isso não aconteceu. O consumo foi criado por meio de empréstimos, e não apoiado por um crescimento sustentável da renda. Também não foram feitos investimentos suficientes.
Por que isso ocorreu, na sua opinião?
Um problema real é que o governo brasileiro se tornou muito chinês, ao tentar direcionar demais a economia. O famoso efeito crowding-out (queda do investimento privado diante de uma política fiscal expansionista do Estado) ocorre no Brasil. Uma consequência disso se vê na situação fiscal do país. Se o governo continuar tentando controlar tudo, gastar mais e mais, e não usar o dinheiro de forma eficiente, o déficit nas contas [como o registrado em setembro, o primeiro em nove anos] será o novo normal para o Brasil.
O intervencionismo é o principal problema?
Acho que Dilma não vem tendo sucesso na economia. Ela pode ter sido muito azarada com o "timing" na economia mundial.
Mas o intervencionismo é uma questão principal.
O papel do BNDES na concessão de empréstimos é algo muito chinês, e é também um grande problema. Junte-se a isso o fato de que ela não fez nada para tornar o Brasil mais competitivo globalmente, fora do negócio de commodities. O que o Brasil tem para oferecer ao mundo, além de matéria-primas? Qual seu diferencial? Não há apoio a um ambiente de tomada de risco, à inovação de alto impacto. Só commodities não é suficiente.
Que reformas estruturais são mais urgentes?
Um ponto crucial é que vocês têm quase 200 milhões de pessoas. Então, se o país fomentar reformas, permitindo mais dinamismo ao setor privado, apoiando uma maior tomada de risco e estimulando novos negócios, o Brasil ainda pode ser um lugar fantástico. Mas não vejo muitas evidências de que isso vá realmente acontecer.
E na política macroeconômica, que tipos de ajustes são necessários?
Acho que a presidente precisa tornar o Banco Central mais independente. Um dos problemas é que as decisões não são realmente feitas pelo BC nos últimos anos. A subida de juros que ocorreu dias após a eleição foi um desenvolvimento muito interessante nesse sentido.
O que a subida dos juros logo após a eleição demonstra, na sua visão?
Foi uma surpresa levemente positiva porque os mercados gostam de ver o que os políticos fazem, não apenas o que eles falam. [A subida de juros] pode demonstrar que Dilma será mais sensível às demandas do mercado, mas ainda é cedo para dizer.
A inflação acima da meta ameaça a credibilidade do país?
Sim. No que diz respeito ao sistema de meta de inflação, a credibilidade do sistema está definitivamente sob ameaça, e por isso que a alta dos juros é tão importante. Além disso, por causa dessa montanha russa, muitos investidores simplesmente não estão mais interessados no Brasil. De certa forma, isso pode ser bom, pois pode incentivar o governo a fazer as reformas.
Qual sua avaliação sobre a criação do banco dos Brics?
Foi uma surpresa positiva. Os países do grupo têm conversado sobre isso há dois anos, e muita gente começou a pensar: "eles não conseguem concordar em nada, é tão ruim quanto o FMI ou o G-20". O fato de que eles finalmente concordaram em algo substancial é um desenvolvimento positivo. O fato de que a sede da instituição será na China foi também interessante, mostrando a importância do "C" no Bric. Vejo também como um sinal de que os chineses veem o Bric como uma forma de "experimento" para um projeto de assumir maior responsabilidade global.
Qual deve ser o papel do banco dos Brics?
Os Brics já deveriam ter maior peso no FMI e no Banco Mundial, mas não conseguem por causa do Congresso americano. Por outro lado, não concordo que a criação do banco seja uma resposta a sub-representação nessas instituições, porque elas continuam pesadamente envolvidas em programas de empréstimos para esses países. Hoje, diria que o banco tem um papel puramente simbólico.
Os Brics possuem muitas diferenças entre si, e muitos consideram que, por isso, não deveriam ser considerados um grupo coeso. Como o sr. responde a isso?
É claro que eles possuem grandes diferenças, mas qual grupo político não possui? Tome o G-7, por exemplo. São todos países democráticos, é verdade, mas o que mais há em comum entre os EUA e a Itália? Os Brics têm muitas diferenças entre eles, mas têm também muito em comum em aspectos importantes, como população e tamanho da economia. E nessa análise, excluo a África do Sul, que é um país pequeno com população pequena. Eu particularmente questiono a sensibilidade de incluir a África do Sul no grupo. Acho que foi um erro estratégico.
A China passa por desaceleração e enfrenta um grande desafio demográfico. Você continua otimista em relação ao país?
Sim. Qualquer um que estudou China nos últimos 20 anos sabe que desafios demográficos começariam a surgir no começo desde década. Portanto, não há surpresa inclusive pra mim. Além disso, o governo chinês está tentando enfrentar a questão, se livrando da política de filho único, por exemplo. Sobre a desaceleração da economia, eu presumi muitos anos atrás que a China iria desacelerar nesta década. Até agora, a desaceleração foi menor do que previa tanto [sua previsão é de expansão média de 7,5% entre 2010 e 2020).
Qual sua análise sobre a Índia, sob o governo do primeiro ministro Narendra Modi?
Estou muito animado com a Índia sob o governo Modi. Um dos maiores problemas do país é a complexidade de sua democracia. Com a força da vitória de Modi, há uma chance para reduzir a complexidade da democracia da Índia pela primeira vez em 30 anos. É uma mudança grande e positiva, com impactos na economia. Acho que na segunda metade desta década é possível até que a Índia possa crescer mais que a China, em termos percentuais.
Você criou recentemente um novo acrônimo para um grupo de países, os Mint (México, Indonésia, Nigéria e Turquia). Que características os une e o que os diferencia dos Brics?
De novo, a principal característica que os une é a população. E, em contraste com China e Rússia, os quatro países do MINT têm população jovem, portanto não há um fardo demográfico. A população economicamente ativa nesses países vai crescer muito nos próximos 20 anos, o que é uma diferença importante em relação aos Brics. Além disso, são países com relações comerciais muito diversas. Já a Nigéria é uma exceção, com população muito grande, mas também desafios relacionados à elevada corrupção e à democracia.
Você afirmou recentemente que não concorda que a desigualdade tenha aumentado nas últimas décadas, argumento defendido pelo economista francês Thomas Piketty. Por quê?
Não sou crítico de Piketty, mas da popularidade dessa visão [sobre aumento da desigualdade]. Acho que existe uma enorme hipocrisia das pessoas do ocidente. O fato é que, em indicadores de pobreza mundialmente aceitos, vimos uma grande queda da desigualdade mundial na ultima década. Em boa parte por causa dos países emergentes. A meta da ONU de reduzir a pobreza à metade em 2015 foi atingida em 2010.
Minha segunda crítica é que é idioticamente simples pegar a diferença entre o cidadão mais bem pago e o menos pago e dizer isso que isso significa que a desigualdade está crescendo.
Por fim, há um subcontexto na discussão que envolve um protesto quanto às pessoas enriquecerem. Não queremos que nossas pessoas fiquem mais ricas? Venho de uma realidade dura em Manchester [cidade no norte da Inglaterra]. E lá as pessoas não reclamam por eu ser rico. Ao contrário, elas gostariam de ter enriquecido também, de uma vida melhor. Acredito na importância da desigualdade de oportunidade, não no debate simplista de desigualdade de renda.
RAIO-X - JIM O´NEILL
Origem: Manchester, Inglaterra
Idade: 57 anos
Formação: PhD em economia pela Universidade de Surrey (Inglaterra)
Carreira: Swiss Bank, Bank of America e Goldman Sachs (1995-2013), onde foi economista-chefe e presidente do banco de investimentos
Livro: "O Mapa do Crescimento" (2012)
Ocupação atual: professor honorário do departamento de economia da Universidade de Manchester; pesquisador visitante no think tank de economia internacional Bruegel; membro do conselho econômico do CFI, braço de investimento privado do Banco Mundial. (Folha de SP – 09/11/2014)

Itamaraty passa por crise de planejamento, diz pesquisador
FÁBIO ZANINI
DE EDITOR DE "MUNDO"
A diplomacia brasileira sofreu, no primeiro mandato de Dilma Rousseff, com o desinteresse da presidente pelo tema e a falta de planejamento do Itamaraty. Mas, dada a conjuntura internacional difícil do período, os resultados da política externa não são desprezíveis.
A opinião é do brasileiro Hussein Kalout, professor de relações internacionais e pesquisador da Universidade de Harvard e do Center for Strategic and International Studies, ambos nos EUA. Leia sua entrevista à Folha:
Folha - É visão predominante entre analistas de política externa que Dilma deu pouca importância à área em seu primeiro mandato. Há alguma indicação de que isso mudará?
Hussein Kalout - O Brasil acumulou ao longo das últimas duas décadas importante capital político nas relações internacionais, especialmente no governo Lula. No governo Dilma, faltou intensidade ao principal vetor que impulsiona as grandes ações de política externa, que é a diplomacia presidencial.
Não se pode negar que houve uma desaceleração do ativismo diplomático. Mas os resultados não podem ser descritos como ruins se avaliarmos as linhas macroestruturais da política externa.
A América do Sul passou por circunstancias difíceis e o Brasil foi capaz de zelar pela estabilidade regional.
Os Brics deram um passo importante para a criação de uma nova ordem geoeconômica. O Brasil venceu o pleito para ocupar a direção da OMC. Também liderou os debates sobre mudança climática e governança global de proteção de dados.
A relação com os EUA estava de vento em popa até o escândalo de espionagem.
O que precisa ser feito para recuperar o prestígio do Itamaraty?
O ministério passa por uma crise sintomática de planejamento e gestão. É necessário implementar uma ampla reforma administrativa, e isso significa contemplar mudanças no método de gestão.
Para a execução de boa parte das ações estratégicas como as cúpulas do Rio+20, Brics, Unasul ou até de missões oficiais do alto escalão ao exterior, os recursos praticamente não sofrem contingenciamento. Porém, o corte orçamentário constrangeu o desempenho de missões técnicas e afetou direitos dos quadros da carreira do serviço exterior como auxílios pecuniários importantes para o exercício da profissão.
É possível prever uma distensão na relação com os EUA?
O Brasil foi altivo e correto no diálogo com a administração Obama ao externalizar, sem rodeios, o seu descontentamento com o caso da NSA. Setores estratégicos vitais do Estado brasileiro foram alvo de espionagem: defesa, energia e telecomunicações. A iniciativa da retomada do diálogo, em boa medida, depende do governo americano. Para restaurar o nível de confiança, o Brasil quer gestos concretos e não promessas vagas de apreço.
Recalibrar o diálogo requer três ações concretas de Washington: alçar as relações entre Brasil-EUA ao nível de parceria estratégica; estabelecer um engajamento sistemático em alto nível, em vez de diálogo esporádico; e apoiar expressamente a aspiração do Brasil ao Conselho de Segurança da ONU.
A Rodada Doha está praticamente morta. Dilma tende a priorizar outras formas de abertura de mercados?
Não são fatores excludentes. O multilateralismo é a melhor raia de navegação e de defesa dos interesses brasileiros. Se a Rodada Doha está quase morta não é por causa do Brasil. Quanto às outras formas de abertura de mercados, o engajamento do setor industrial é fundamental. O Brasil está aquém de suas capacidades e tem potencial para ser ator mais importante no comércio global.
O que esperar da atitude brasileira em relação a vizinhos como a Venezuela?
A Venezuela é um país complexo e dividido. A contribuição do Brasil somente seria positiva se, primeiramente, conseguir manter o diálogo com governo e oposição. Hostilizar a Venezuela ou adotar postura condenatória não soluciona o problema.
Muito se fala que o Brasil tem uma diplomacia "ideologizada". Há alguma perspectiva de que isso mude?
A diplomacia brasileira sempre foi permeada, ainda que em menor grau, por um coeficiente de ideologização.
Basta fazer uma regressão histórica e ver a diplomacia na Era Vargas, dos governos militares ou FHC e agora com o PT. Seria uma ingenuidade acreditar que a "ideologização" é invenção recente.
Basta ver a atuação de homens como Oswaldo Aranha, San Tiago Dantas, Juracy Magalhães e Celso Lafer. Atores políticos que operam temas diplomáticos são escolhidos, essencialmente, em virtude de sua lealdade política e seu alinhamento ideológico.
Qual tende a ser o principal elemento de continuidade da diplomacia de Dilma e qual o de maior ruptura?
Nos últimos quatro anos, a conjuntura global não foi propícia para ativismos. As linhas macroestruturais do Brasil são a cooperação Sul-Sul, reforma das instituições multilaterais e a configuração de uma nova geometria global financeiro-comercial. O desafio de Dilma será consolidar uma política externa fundada em uma visão estratégica de longo prazo. Mas sem diplomacia presidencial, as iniciativas perdem fôlego. (Folha de SP – 08/11/2014)

"Os grandes países emergentes dominarão o mundo"
"Em 2050, a China será a primeira economia global e a Índia, a terceira", diz a analista
Alicia González
África, China, Índia, Filipinas e Peru serão os motores do crescimento em um futuro não muito distante; a população da Nigéria alcançará o nível dos Estados Unidos e países como a Ucrânia registrarão fortes avanços graças ao investimento na educação. São as principais conclusões do relatório O Mundo em 2050 elaborado pela economista global do HSBC, Karen Ward (Southampton, 1980), no qual ela analisa o potencial de crescimento desses países. Na parte mais decepcionante da tabela, aparecem o Brasil e a Europa. Tudo sob uma premissa que se demonstrou, no mínimo, pouco realista: a de que os governos tomarão as decisões que sejam mais convenientes para suas economias.
Pergunta. O que fará com que o mundo seja diferente em 2050?
Resposta. A maior mudança será o crescimento e a influência dos países emergentes. Agora, as economias desenvolvidas ainda dominam o crescimento global, o sistema financeiro, o comércio, a política mundial... E tudo isso terá, sem dúvida, mudado em 2050. Porque a produtividade potencial dos emergentes é tão superior à dos desenvolvidos, que é uma questão de tamanho e da atuação da lei da gravidade. A China, naquele momento, será a maior economia do mundo, e a Índia ocupará o terceiro lugar. Entre as 30 primeiras economias mundiais estarão 19 das que agora são consideradas emergentes.
"Em 2050, a China será a primeira economia global e a Índia, a terceira"
P. O que deveria nos preocupar?
R. Um dos temas que se destaca no cenário de 2050 são as limitações dos recursos, se haverá suficiente energia, comida ou suficiente água. Temos uma equipe dedicada a analisar as consequências da mudança climática e, sem dúvida, a maior preocupação dela é a escassez de água. Esse elemento joga também um fator geopolítico importante. Mas devo confessar que sou otimista depois do que aconteceu no campo da energia nos últimos 10 anos com o crescimento dos Estados Unidos como uma potência na área e como o gás e o petróleo de xisto mudou o panorama energético. Com a água, acontecerá algo parecido ao que aconteceu com a energia. A pressão da demanda fará com que subam os preços e quando alcançarem um nível significativo gerarão o incentivo necessário para investigar e apostar na tecnologia, mas também para melhorar a eficiência. É a mão invisível que move o mercado, como diria Adam Smith.
P. De que países falaremos em 2050?
R. Eu sou muito otimista com China e Índia e não sou tanto com o Brasil, simplesmente porque está em um nível de desenvolvimento muito maior na média de sua população e para dar o próximo salto deve fazer um trabalho muito duro, começando pela educação, onde há poucos avanços. Nessa linha também colocaria a Rússia, neste caso por razões políticas; o Egito, que era uma economia estrela para mim e cujo Governo não se moveu na direção que esperávamos. Também incluiria a Europa para quem não prevíamos grandes avanços no crescimento, mas que ainda não conseguiu deixar a crise para trás e também está tendo um comportamento muito pior que o previsto e isso será notado.
P. Na parte positiva?
R. Falamos da China e da Índia, mas a África também está registrando uma das maiores taxas de crescimento do mundo há algum tempo, também porque partia de níveis extraordinariamente baixos. As pressões deflacionárias surgidas com a crise colocaram tanta pressão sobre os custos que permitiu aflorar algumas das economias que estavam mais abaixo com mais rapidez do que poderíamos ter antecipado. É o caso da costa leste africana, de Bangladesh, Filipinas e Peru.
P. Quais são as chaves desse crescimento?
"Com a água, assim como com a energia, o mercado atuará segundo o preço"
R. Em um mundo global é preciso ser atrativo para atrair grandes empresas. Isso implica ter trabalhadores bem formados, com flexibilidade para trabalhar as horas que a empresa precise, flexibilidade também na retribuição – que é um dos problemas que tem a Espanha, com os salários muito ligados à inflação, e um sistema de retribuição muito rígido – e permitir que as empresas possam administrar esses custos em função da evolução do ciclo. Também influi como os governos tratam essas empresas, não apenas em relação ao sistema fiscal, mas à regulamentação, os direitos de propriedade, as infraestruturas... Na Europa, está sendo discutido se haverá ou não uma maior injeção monetária por parte do Banco Central Europeu (BCE) quando, na realidade, nada do que o BCE faça vai resolver essas questões. Essa é a única maneira de garantir que a Europa avance nos próximos 10 anos e que não acabará como o Japão.
P. O relatório reafirma que a democracia não é um requisito importante para o desenvolvimento das economias.
R. Para o desenvolvimento de um sistema social, não há dúvida sobre os benefícios da democracia. Mas o desafio para qualquer sistema, democrático ou autoritário, é ser capaz de tomar decisões a longo prazo, adotar medidas que talvez não tenham efeito ou recompensa antes de 10 ou 15 anos. Esse é um dos maiores desafios que a Europa tem neste momento. Uma das melhores frases nesta crise foi a de Jean Claude Juncker [o atual presidente da Comissão Europeia]: "Todos sabemos o que devemos fazer, o que não sabemos é como fazer e nos reeleger". O desafio para os políticos é que algumas das decisões que devem tomar podem não dar resultado por um longo período de tempo.
P. A crise tornou tudo isso ainda mais difícil?
R. Acho que muitos dos problemas que enfrentamos afloraram pela crise, não são causados por ela. Todos sabíamos que nossas populações estavam envelhecendo, que nossos estados de bem-estar eram muito generosos, mas quando as rentabilidades das dívidas eram muito baixas e tudo parecia funcionar bem, os governos preferiam continuar assim. Trata-se de como damos segurança às pessoas que reclamam hoje e conseguimos, ao mesmo tempo, que a população olhe para a frente e seja consciente das consequências que têm essas decisões. Esse é nosso verdadeiro problema.
P. Estamos preparados para isso?
R. É pura matemática. Há um determinado número de pessoas que trabalham e pagam impostos, mantendo outro grupo que depende do sistema. As decisões que são tomadas devem perseguir a equidade entre as gerações, não podem estar dominadas pela parte mais envelhecida da população. A política talvez esteja em crise, em parte, como consequência desse debate geracional. Os partidos que estão surgindo e ganhando influência fazem isso, porque falam em nome dos jovens e daqueles que se sentem excluídos. (El Pais – 07/11/2014)

 
Abinee - Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica

Escritório Central: Avenida Paulista, 1313 - 7º andar - 01311-923 - São Paulo - SP
Fone: 11 2175-0000 - Fax: 11 2175-0090