DRI Clipping Semanal nº 29 - 21 a 25/07/14

Acordos


Veja mais

Guiño al Pacífico
Brasil informó que planteará al Mercosur adelantar para diciembre de 2014 la aplicación de arancel cero en parte del comercio con Perú, Chile y Colombia, tres de los cuatro miembros de la Alianza del Pacífico, previsto para 2019, informó ayer la AFP, desde Brasilia.
“Ya está en vigor un acuerdo que va a llevar a tarifa cero una área de comercio con América del Sur hasta 2019. Eso ya existe. Se trata ahora de discutir en el Mercosur y sugerir a los países la anticipación del cronograma de desgravación, de 2019 para 2014”, dijo el embajador Antonio José Ferreira Simoes, subsecretario general de América del Sur, Central y Caribe de la Cancillería de Brasil (Itamaraty).
Agregó que la propuesta será uno de los aspectos que Brasil planteará este 29 de julio en la cumbre del Mercosur en Caracas.(ABC Color – 25/07/2014)

Cristina llevará al Mercosur el reclamo contra los buitres
Será el lunes próximo, cuando la Presidenta llegue a Caracas a una cumbre de la región.
Natasha Niebieskikwiat
La presidente Cristina Kirchner llevará nuevamente al exterior su mensaje contra el juicio al país de los fondos buitre. Será el martes 29, en Caracas, adonde viajará para participar de la cumbre de jefes de Estado del Mercosur y países asociados. El bloque no se reúne desde hace un año, al verse sumergido en sus propios conflictos.
En Venezuela, Argentina recibirá la presidencia pro tempore del Mercosur por los próximos seis meses. Cristina tiene previsto viajar a la capital venezolana el lunes y permanecer allí hasta que termine la cumbre el mismo martes. Serán horas cruciales para la Argentina. El jueves 31 se vence el plazo para pagar todos los vencimientos de deuda a ese día. De lo contrario se entraría en default. La Presidenta Cristina Kirchner dijo en un discurso en General Rodríguez que la Argentina pagó y que no firmará bajo presión. “No me van a hacer firmar cualquier cosa amenazándome con que el mundo se viene abajo”.
El ministro Axel Kicillof no viajará a Caracas para focalizarse en el juicio. El miércoles y ayer se reunió con la Presidente para definir pasos a seguir. La presencia de los ministros en las cumbres del Mercosur son históricas porque ellos mismos tienen un encuentro a solas con los titulares de los Bancos Centrales, en paralelo a la reunión de cancilleres y el posterior cónclave presidencial. Por él viajará el secretario de comercio Augusto Costa, según se informó ayer.
El Mercosur, la Unasur y la Celac, han manifestado su “total rechazo a la actitud” de los fondos buitre. El bloque mercosureano y la Celac, declararon que su accionar “obstaculiza el logro de acuerdos definitivos entre deudores y acreedores y pone en riesgo la estabilidad financiera de los países”.
Aún así, los apoyos no pasan de actos declarativos.
Clarín supo de varios gobiernos vecinos que Cristina no ha pedido ninguna otra acción en particular, y que tampoco lo ha hecho para la cumbre de Caracas. Algunos gobiernos han manifestado a este diario su preocupación por un eventual default argentino y han sugerido que el Gobierno se mantiene sumamente cerrado en este aspecto en el que al mismo tiempo todos apoyan.
La última cumbre del Mercosur tuvo lugar en julio de 2013. A la del 29 se llega tras cuatro suspensiones, por “inconvenientes en las agendas presidenciales”, según se ha dicho oficialmente, pese a la lista de problemas.
Por un lado, el Mercosur debe realizar su intercambio de propuestas con la Unión Europea en las negociaciones por un acuerdo de libre comercio. Las mismas están atrasadas, ahora, según Brasil porque el documento europeo sigue sin estar listo. El avance para un acuerdo entre la Unión Europea y el Mercosur depende de un intercambio de propuestas que debía haberse producido en diciembre, pero que está atrasado. Las conversaciones hasta llevan 15 años.
Por otro lado, el bloque tiene cantidad de cuestiones sin resolver. Bolivia, que al momento es país asociado, comenzó un proceso de incorporación plena. Luego están los varios conflictos bilaterales entre Uruguay y Argentina y los altibajos comerciales entre Brasilia y Buenos Aires. (Clarin – 25/07/2014)

Brasil quiere que el Mercosur avance con Alianza Pacífico
Brasil informó que planteará al bloque Mercosur adelantar para diciembre de 2014 la aplicación de arancel cero en parte del comercio con Perú, Chile y Colombia, tres de los cuatro miembros de la Alianza del Pacífico, previsto para 2019.
"Ya está en vigor un acuerdo que va a llevar a tarifa cero una área de comercio con América del Sur hasta el 2019. Eso ya existe. Se trata ahora de discutir en el Mercosur y sugerir a los países la anticipación del cronograma de desgravación, de 2019 para 2014", dijo a la prensa el embajador Antonio José Ferreira Simoes, subsecretario general de América del Sur, Central y Caribe de la cancillería de Brasil.
El embajador dijo que la propuesta será uno de los aspectos que Brasil planteará el 29 de julio en la cumbre del bloque Mercosur en Caracas, y recordó que esto se produce en el contexto de que el bloque Alianza del Pacífico -que también integra México- ha pedido una reunión con Mercosur, que ocurrirá antes de fin de año.
El diplomático no precisó de qué productos y de qué áreas se trata, aunque dijo que en algunos casos faltan 20 o 40 puntos porcentuales para llegar a cero. Precisó que en el caso de Brasil están muy cerca de conseguir el nivel cero.
Explicó además que el acuerdo es entre el Mercosur y cada uno de los tres países en particular, que ya han expresado su deseo de trabajar en la liberalización del comercio.
No obstante, según el representante del Ministerio de Relaciones Exteriores de Brasil, un eventual acuerdo de libre comercio con la Alianza del Pacífico dependerá de la voluntad de sus socios del Mercosur, Argentina, Paraguay, Venezuela y Uruguay.
Con la EU
Respecto del tantas veces postergado acuerdo comercial Mercosur-UE, el embajador comentó que el tema también está en agenda. Recordó que las negociaciones se mantienen y que "nunca antes estuvieron tan cerca de conseguirlo".
El avance para un acuerdo entre la Unión Europea y el Mercosur (con Venezuela también fuera de la negociación) depende de un intercambio de propuestas que debía haberse producido en diciembre del año pasado, pero que está atrasado.
También está atrasada la cumbre semestral del Mercosur, que se celebrará medio año después de la fecha programada y contará con la participación de todos los presidentes del bloque, así como la de los gobernantes de Bolivia, Nicaragua, El Salvador y Chile, según informó el anfitrión, el jefe de Estado de Venezuela, Nicolás Maduro.
Según Maduro, han confirmado su asistencia los presidentes de Argentina, Cristina Fernández; Brasil, Dilma Rousseff; Paraguay, Horacio Cartes, Uruguay, José Mujica; y Bolivia, Evo Morales, cuyo país está asociado al bloque y en proceso de incorporación como miembro pleno. (El Pais – 25/07/2014)

Empresarios reflotan Urupabol para enfrentar trabas del bloque
A través de la Declaración Urupabol, suscripta anoche en la Expo 2014, reconstituyeron este bloque de países para avanzar, desde el sector privado, en la búsqueda de una herramienta de influencia de lucha contra las medidas pro- teccionistas y los obstáculos al comercio en el Mercosur.
La conformación del Urupabol empresarial es un hecho histórico y representa una gran oportunidad para que Paraguay, Uruguay y Bolivia trabajen en forma conjunta y que reclamen sus derechos con firmeza dentro del Mercosur, aseguró anoche Eduardo Felippo, titular de la Unión Industrial Paraguaya (UIP), durante la firma del acta de fundación de esta alianza empresarial, en el Pabellón Industrial.
Felippo se mostró sumamente motivado con este documento y aseguró que se trata de un acto que marca una nueva historia para las industrias paraguayas, bolivianas y uruguayas, ya que, gracias a la Urupabol empresarial, la unión e intercambio de trabajo entre estos países formará un nuevo polo de crecimiento. Además, afirmó que la conformación de este grupo es una conjunción de fuerzas que permitirá a estos tres países reclamar con firmeza todas las reivindicaciones que consideran no son respetadas actualmente en el Mercosur.
Tanto los representantes uruguayos como bolivianos coincidieron en señalar que esta nueva alianza es una oportunidad para crecer contribuyendo entre todos. En ese aspecto, dijeron que cada país tiene un sector o un rubro en el que sobresale y que eso tiene que ser aprovechado por el otro. En ese sentido, hablaron de la energía eléctrica, el gas natural y los puertos, como un conglomerado de rubros en el que las empresas involucradas de los países miembros de la Urupabol pueden trabajar, lo que redituará en crecimiento económico que beneficiará a cada uno de los países involucrados.
Entre los empresarios que firmaron el documento figuran Ricardo Scaglia, de la Cámara de Comercio Uruguayo/Paraguaya; Eduardo Felippo, de la UIP; Wilfredo Rojo Parada, de la Cámara de Exportadores de Santa Cruz, Bolivia. También suscribieron el documento Guillermo Pou Munt, de la Cámara Nacional de Exportadores de Bolivia; Javier Peña Capobianco, de la Cámara de Comercio y Servicios del Uruguay; Juan Carlos Muñoz, del Centro de Armadores Fluviales y Marítimos; Teresa Aishemberg, de la Unión de Exportadores del Uruguay, entre otros gremios. (ABC Color – 25/07/2014)

Brazil wants to speed Mercosur/Pacific Alliance free trade understanding
Brazil will propose next Tuesday, in Caracas, during the Mercosur summit that the group and the Pacific Alliance reach an agreement on free trade by the end of the year, according to official sources from Itamaraty.
Ferreira Simoes said the issue would be discussed at the coming Mercosur summit in Caracas
Brazil will support the agreement to eliminate tariffs between Mercosur and the Alliance, but advancing it to the end of 2014 instead of 2019, which was the original date in the bilateral negotiations, said Antonio Jose Ferreira Simoes, head of the South America Desk at the Brazilian foreign ministry.
The Brazilian official said the issue would be discussed at the coming Mercosur summit in Caracas, and anticipated that Chile, Peru, Colombia and Mexico which make up the Pacific Alliance “have already expressed their willingness to work for the liberalization of trade and reduction of tariffs”.
However the Brazilian official admitted that in the event of such an agreement it will also depend on how far the other Mercosur members, Argentina, Paraguay, Uruguay and Venezuela are willing to advance.
Ferreira Simoes did not detail how many sectors would be involved in the discussions for a free trade understanding but only mentioned the reduction of tariffs for manufacturing and certain agriculture produce.
The Mercosur summit which is held twice annually, has been considerably delayed because of problems with its different members, but at the gathering in Caracas, all presidents from the block will be attending as well as the leaders from Bolivia, Nicaragua, el Salvador and Chile, according to the Venezuelan foreign ministry that is hosting the event.
President Nicolás Maduro indicated that Cristina Fernandez (Argentina), Dilma Rousseff (Brazil), Horacio Cartes (Paraguay), Jose Mujica (Uruguay) and Evo Morales from Bolivia, in the process of incorporation to the group, will be present.
Chile will be represented by president Michelle Bachelet, El Salvador by Sánchez Cerén and Nicaragua by Daniel Ortega. (MercoPress – 25/07/2014)

Cristina viaja a Venezuela para cumbre del Mercosur
Economía y política
La presidenta Cristina Fernandez de Kirchner confirmó su presencia el martes en Caracas, Venezuela, para participar de la cumbre del Mercosur. Así lo aseguró ayer el mandatario de Venezuela, Nicolás Maduro, quien también dijo que estarán presentes sus pares de Bolivia, Nicaragua, El Salvador y Chile.
Al igual que nueve días atrás, cuando la mandataria viajó a Brasil, Amado Boudou se volvería a hacerse cargo de la presidencia. En esa ocasión, la oposición aprovechó para pedirle que de un paso al costado por el procesamiento judicial que pesa sobre él.
Durante la reunión, Venezuela traspasará la presidencia pro témpore del bloque regional a la Argentina. Además, supondrá la vuelta de un jefe de Estado de Paraguay a una cumbre del organismo, tras la suspensión de ese país como miembro por la destitución de Fernando Lugo en 2012.
Maduro aseguro que en la cumbre se firmará el primer documento para la creación de la gran zona económica de desarrollo compartido entre el Mercosur, la alternativa Bolivariana para los pueblos de Nuestra América (ALBA) y Petrocaribe. (Cronista – 25/07/2014)

Mercosur is 'not working' because of protectionism and lack of arbitration
Mercosur is “not working” and is “stalled” admitted Uruguayan president Jose Mujica and blamed the situation on different visions of the block's functioning, according to an interview with Folha de Sao Paulo.
Mujica said the block is stalled and blamed different 'visions' of how Mercosur should work
“Sometimes we are faced with some kind of protectionism from some country members and besides the arbitration, decision and institutional mechanisms are not working”, underlined Mujica who referred to the latest data on regional inter-trade.
Uruguay exports to Argentina in the first half of the year have dropped 15.6% compared to the same period a year ago. In the case of Brazil, Uruguay's main trade partner, sales slipped 0.5% and with Paraguay, 15.9%. The only positive point has been Venezuela with exports jumping 31.5%, but with payment difficulties.
The worst case is with Argentina where the government of President Cristina Fernandez, three years ago began implementing a strong manufacturing protectionist policy, which included a disguised clamp on imports. The Argentine government applied different instruments such as the non automatic import licenses and later the anticipated sworn statement, with the purpose of delaying import paperwork.
Basically these measures forced Argentine importers to present their requests which then would be considered during a sixty day period, with no certainty of approval. Once the sixty-day period was over with no resolution, the importer had to start the request all over again.
This had a direct negative impact on Uruguayan exports of textiles, auto-parts, plastic, printing and processed food goods. Industry organizations in Uruguay demanded a more firm attitude with Argentina like appealing to Mercosur arbitration tribunals or negotiating more flexibility from the Cristina Fernandez administration.
However none of these initiatives prospered since the Mujica government has always given priority to dialogue, despite the sometimes non encouraging results.
This situation which is extensive to the whole block was described by Argentina consultants “International Business Development”, arguing that “Mercosur has shown in recent years certain fatigue in the creation of new businesses and promoting trade”.
In effect, 85% of Mercosur trade is with third countries, “which marks the scarce relevance of the inter-zone trade, despite this was one of the main purposes of the founding of the block”.
Nevertheless the Argentine consultants admit “a priori that the mere size difference makes the bilateral relation with Uruguay and with Paraguay, clearly favorable for Argentina”. (MercoPress – 25/07/2014)

Mercosul puxará aumento da oferta global de commodities
Por Mariana Caetano | De São Paulo
O crescimento da população e da renda, aliada ao refinamento das previsões de consumo de proteínas animais por países emergentes, levaram a americana Bain & Company a revisar suas estimativas para a demanda global de alimentos em 2050, em um cenário marcado pela crescente importância da América do Sul na produção agrícola.
As novas projeções feitas pela consultoria indicam que o Mercosul (Brasil, Argentina, Paraguai e Uruguai) e a Bolívia, juntos, terão de aumentar em 406 milhões de toneladas a oferta das cinco principais culturas - trigo, milho, soja, arroz e açúcar -, volume superior às 320 milhões de toneladas apontadas quatro anos atrás. Atualmente, a região responde por 13% da produção mundial, ou 370,97 milhões de toneladas. Mas, daqui a 35 anos, a fatia deverá avançar para 18% a 19% da oferta global, cuja estimativa passou de 3,93 bilhões para 4,34 bilhões de toneladas - 55,5% mais que as 2,79 bilhões de toneladas atuais.
A China está ficando maior, assim como a Índia, e não há como atendê-los sem a América Latina, disse ao Valor Dalton Maine, líder da área global da Bain para a agricultura. "A região tem terras disponíveis e planas, tremendas vantagens climáticas e segurança jurídica para a comercialização de terras, o que não existe em muitos países da África e da Ásia", afirmou.
As culturas que serão mais demandadas serão soja e milho, duas das importantes matérias-primas para a ração animal - e também amplamente cultivadas na América do Sul. Conforme Maine, o destaque ficará por conta da soja, que tende a crescer mais rapidamente que as demais culturas. A consultoria calcula que a safra da oleaginosa dobrará, de 300 milhões para 600 milhões de toneladas em 2050. Já a colheita mundial de milho deverá saltar dos atuais 980 milhões para 1,5 bilhão de toneladas nesse intervalo - e mais de 60% do consumo do grão virá dos países em desenvolvimento.
A Bain também faz uma análise sobre o desempenho da produção de soja do Brasil (carro-chefe das exportações do país) na próxima década. Ainda que as perspectivas para a safra 2014/15 - que começa a ser plantada em setembro - sejam difíceis em termos de margens de lucro, a expectativa da consultoria é de um crescimento anual de 3% a 4% na colheita local da oleaginosa, que deve atingir entre 113 milhões e 120 milhões de toneladas em 2023 - em 2013/14, foram 87,50 milhões de toneladas. Do volume previsto, entre 64 milhões e 71 milhões de toneladas serão exportadas, frente a uma demanda de importação chinesa que estará beirando algo entre 103 milhões e 118 milhões de toneladas.
A evolução da produção brasileira de soja nesse intervalo deve se concentrar em algumas áreas do Centro-Oeste e Nordeste do país. De acordo com a Bain, o Mapito (região de confluência entre os Estados de Maranhão, Piauí e Tocantins) tende a registrar incrementos anuais de 12% a 15% na produção até 2023, enquanto no leste de Goiás, esses avanços devem ficar entre 10% e 13%. O leste e o centro de Mato Grosso, Estado líder na produção nacional da oleaginosa, também ganharão importância na próxima década, com crescimentos anuais previstos de 9% a 10% e 4% a 5%, respectivamente.
Contudo, lembra Fernando Martins, sócio do escritório de São Paulo da Bain, a barreira logística ainda é um ponto crítico a ser vencido no Brasil. "Acessar melhor os mercados externos é a nossa maior prioridade", disse. Atualmente, o país tem custos de produção menores para a soja, mas perde para os americanos quando se acrescenta à conta o quanto se gasta para escoar a safra. Nesse caso, conclui a consultoria, o custo médio da soja é de US$ 364 por tonelada no Brasil, 4,6% acima dos US$ 348 dos EUA.
De todo o modo, como as fontes de novas terras para o plantio ao redor do mundo são limitadas, continuar com foco no aumento de produtividade é fundamental para satisfazer a maior demanda global, reiterou o líder global da Bain. "Desde 1995, os avanços de rendimento ultrapassaram os impactos da área colhida em mais de duas vezes e têm sido o maior motor do avanço da produção", disse Maine.
Já no que diz respeito aos fertilizantes, a Bain espera um aumento na utilização mundial: o consumo de nitrogênio, fósforo e potássio (três elementos básicos da adubação, conhecidos pela sigla NPK) deve alcançar 268 milhões de toneladas em 2050, 55% acima das 173 milhões de 2010. Entretanto, a fatia do nitrogênio diminuirá de 61% para 53% nesse período, enquanto a do fósforo subirá de 23% para 25%, e a do potássio, de 16% para 22%.
A evolução da oferta agrícola passa também por mudanças no tipo de investimento na produção, especialmente nos países desenvolvidos. Nos últimos anos, conforme Maine, os agricultores dos EUA deixaram em segundo plano a aquisição de bens de capital (máquinas) em favor da compra de sementes, agroquímicos e equipamentos de irrigação. A crença é que a próxima "grande onda" seja a da agricultura de precisão. "Há uma indicação perfeita para cada metro quadrado da fazenda, uma espécie de 'microrrecomendação' para melhorar a aplicação dos insumos e ter mais eficiência", explicou.
Não há receita única, contudo, para que os países agrícolas alcancem o sucesso, ressaltou o líder da Bain. "Cada país terá de lidar com sua logística, topografia, disponibilidade de água e suas prioridades de governo, e cada um traçará seu caminho para chegar lá", observou. (Valor Online – 25/07/2014)

Mujica viajará a Venezuela el próximo lunes para Cumbre del Mercosur
El presidente uruguayo concurrirá a Venezuela junto a una pequeña delegación para participar del encuentro que se celebrará el martes 29 en Caracas.
El presidente José Mujica viajará el próximo lunes a Venezuela para participar de la Cumbre del Mercosur, confirmaron a la agencia de noticias Télam fuentes de la presidencia uruguaya.
El mandatario concurrirá a la reunión de mandatarios del martes 29 en Caracas junto a una pequeña delegación.
Ayer, el presidente de Venezuela, Nicolás Maduro, confirmó la asistencia de todos los jefes de Estado de los miembros del bloque comercial, así como la de los gobernantes de Bolivia, Nicaragua, El Salvador y Chile.
Maduro indicó que los presidentes Cristina Fernández, Dilma Rousseff, Horacio Cartes y Mujica acudirán a la reunión semestral del bloque, que se celebrará con medio año de retraso con respecto a la fecha programada.
También estará presente el jefe de Estado boliviano, Evo Morales, cuyo país está asociado al bloque y en proceso de incorporación como miembro pleno.
Maduro también mencionó los nombres de la chilena, Michelle Bachelet; el salvadoreño, Salvador Sánchez Cerén, quien, según dijo, está "muy interesado" en la relación con el bloque, y el nicaragüense, Daniel Ortega, para hacer una exposición sobre el canal interoceánico en el que trabaja su país.
"Va a ser una reunión muy integradora", indicó Maduro, al recordar que el fallecido Hugo Chávez siempre insistía en que era "necesario que los líderes del continente se encuentren, debatan la agenda común y, permanentemente, puedan construir criterios comunes sobre los grandes temas económicos, comerciales, sociales". (El Pais – 24/07/2014)

Mercosur revisa hoy las normativas
Las seis normativas de las 180 (decisiones, resoluciones y directivas comerciales) aprobadas durante la suspensión en el Mercosur y sin el consentimiento paraguayo se analizan hoy en Caracas, Venezuela, a pocos días de la XLVI Cumbre de Mandatarios, prevista la próxima semana.
Las seis normativas fueron aprobadas en el Mercosur, mientras nuestro país se encontraba suspendido en sus derechos de miembro pleno y fundador, como castigo por la destitución del presidente Fernando Lugo, vía juicio político, en junio de 2012. El Gobierno pretende revertir en lo que resta de este año. El que presidirá la delegación de Paraguay en la reunión técnica es el coordinador nacional en el Mercosur, el embajador Rigoberto Gauto Vielman, viceministro de Relaciones Económicas e Integración de la Cancillería nacional.
También participarán en el encuentro, técnicos del Grupo Mercado Común (GMC), sección nacional, integrado por Relaciones Exteriores, Industria y Comercio, Hacienda y el Banco Central del Paraguay. El coordinador nacional en el Mercosur explicó en su momento a nuestro diario que en la reunión de trabajo se revisarán las seis normativas y, si es necesario, se deberán ajustar. (ABC Color – 24/07/2014)

Brasil proporá tarifa zero entre países do Mercosul, Colômbia, Chile e Peru
Luciano Nascimento – Repórter da Agência Brasil
Edição: Nádia Franco
O Brasil vai propor, terça-feira (29), em Caracas, na reunião dos presidentes dos cinco países-membros do Mercado Comum do Sul (Mercosul), a redução a zero das tarifas de importação de produtos entre o bloco e a Colômbia, o Peru e o Chile. Apesar de não pertencerem ao bloco, os três países mantêm acordos de redução de tarifas com os membros do Mercosul.
De acordo com o vice-secretário-geral da América do Sul, Central e do Caribe do Ministério das Relações Exteriores, Antônio Simões, o bloco já tem acordos de redução de tarifas de importação, a chamada desgravação tarifária. A intenção do governo é antecipar a vigência da tarifa zero.
“São acordos que têm, de um lado, o Mercosul e, do outro, a Colômbia, o Peru e o Chile e existem acordos entre eles. A proposta é que, nos acordos que já existem, que foram assinados e estão em vigor – entre Mercosul e Peru, entre Mercosul e Chile e entre Mercosul e Colômbia – antecipar o final do acordo, antecipar a vigência da tarifa zero. Hoje, conforme o que foi assinado, a tarifa zero viria no final de 2019. Nós propomos antecipar para o final deste ano,” explicou o embaixador.
Caso os países do Mercosul concordem com a proposta, o passo seguinte será realizar uma reunião do bloco com cada um dos três países. Essa proposta, que já foi discutida anteriormente, voltará à pauta nesta reunião, disse Simões. "O Brasil levantou esses pontos e os três países já manifestaram o desejo de trabalhar na liberalização do comércio. É claro que vamos ver como fica isso para os demais países do Mercosul e depois para os demais países com os quais queremos trabalhar.”
Colômbia Peru e Chile integram a Aliança do Pacífico, bloco comercial que inclui ainda o México e a Costa Rica. A proposta é realizar uma reunião com a Aliança do Pacífico antes de dezembro. O Mercosul tem também acordos de liberalização comercial com a Bolívia e o Equador.
Segundo o embaixador, o interesse do Brasil em antecipar a redução das tarifas explica-se pelo aumento no comércio com os três países e por envolver produtos manufaturados. “De 2002 a 2013, por exemplo, o comércio com a Colômbia aumentou 300%, com o Peru, 389%, e com o Chile, 200%", informou Simões. “É um comércio importante porque envolve produtos manufaturados. Que são de alto valor agregado, que rendem empregos com carteira assinada.”
A 46ª Cúpula do Mercosul também marca o retorno do Paraguai ao bloco regional, do qual o país tinha sido suspenso em 2012. Na época, os outros membros do Mercosul (Argentina, Brasil e Uruguai) questionaram a rapidez com que o Congresso paraguaio destituiu o então presidente Fernando Lugo, que teve apenas duas horas para se defender das acusações de mau desempenho no cargo. Em seu lugar, assumiu o vice-presidente, Federico Franco, mas, durante dele, o Paraguai ficou sem voz e sem voto no Mercosul.
Além dos presidentes do Brasil, Dilma Rousseff; da Argentina, Cristina Kirchner; do Paraguai, Horacio Cartes; do Uruguai, José Mujica; e da Venezuela, Nicolás Maduro, estará presente o presidente boliviano, Evo Morales. A Bolívia é associada ao bloco e está em processo de incorporação como membro pleno. (Agência Brasil – 24/07/2014)

Brasil quer acordo com Aliança do Pacífico
ECONOMIA
Governo brasileiro vai levar ao Mercosul proposta queantecipapara este ano o livre-comércio do bloco com Chile, Colômbia e Peru
Lisandra Paraguassu
Brasil vai apresentar formalmente ao Mercosul, em reunião marcada para a próxima semana, em Caracas, a proposta de antecipar para o fim deste ano o cronograma do acordo de livre-comércio com os três países sul-americanos da chamada Aliança do Pacífico: Chile, Peru e Colômbia.O Brasil quer zerar as tarifas entre o Mercosul e os vizinhos andinos nos próximos cinco meses, em vez de esperar até 2019, como prevê o acordo inicial.
A ideia já vinha sendo discutida no último ano, mas, como nesse período não houve reuniões presidenciais, faltava o aval político para acelerar a proposta.
O Brasil pretende obter isso agora, na Venezuela.
Diplomatas ouvidos pelo Estado avaliam que a proposta stá bem encaminhada, faltando apenas ajustes técnicos.
Mais do que uma diferença comercial importante, a antecipação do acordo é um recado político com várias facetas. Uma delas: o Brasil, e o Mercosul, não planejam ficar esperando por uma decisão da União Europeia sobre a troca de ofertas e a negociação de livre comércio que, mais uma vez, está parada, sem data para começar. Antecipar a abertura de mercados para a Aliança do Pacífico seria uma forma de pressionar europeus, que dizem não estar prontos para abrir as conversas agora.
O segundo recado é interno. Uma das maiores críticas à política comercial da presidente Dilma Rousseff é o fato de o Brasil, atrelado ao Mercosul, não conseguir ir além de alguns raros acordos comerciais pouco significativos, como os firmados com Egito, Israel e Palestina.
A negociação com a União Europeia seria a resposta.
Sem avanços em um horizonte próximo com os europeus, a antecipação da tarifa zero com Chile, Peru e Colômbia seria uma alternativa. Mas ainda é preciso saber se o outro lado concordará com a aceleração.
Conversas informais já foram feitas e o governo brasileiro vê com esperança o fato de, na última reunião da Aliança do Pacífico, ter sido aprovado um encontro ministerial entre os dois blocos.
Além disso, Chile, Peru e Colômbia têm mercados mais abertos do que o Mercosul. Os três países já possuem, por exemplo, acordos comerciais com os EUA e com a União Europeia e são grandes importadores de manufaturados. Apesar dos temores iniciais de que a Aliança seria uma ameaça, o governo brasileiro avalia que o grupo trará mais oportunidades para o Mercosul.
Para o Brasil, a mudança é mais fácil, admite o governo.
O País tem tarifas zeradas ou significativamente reduzidas com os três países. Com o Chile, hoje a redução tarifária já atinge quase 100% dos produtos, à exceção do trigo - em 88% dos produtos, as tarifas estão em zero.Como Peru, o país oferece redução em 99% dos produtos e recebe, a partir deste ano, redução em 83% do comércio bilateral.A situação é mais difícil com a Colômbia, que ainda protege 42% de seus produtos, embora tenha redução em 92% dos produtos exportados ao Brasil.
Nos outros países do Mercosul, a situação difere um pouco, mas tanto Uruguai quanto Paraguai têm mercados mais abertos. Mesmo a Argentina, mais resistente a abrir seu mercado, não teria apresentado grandes resistências. Ajuda, neste caso, o fato de que a produção da Aliança do Pacífico e do Mercosul ser mais complementar do que concorrente. A exceção é o México, que, pelo menos neste início das negociações, ficaria de fora.
Isso porque a proposta brasileira é simplesmente acelerar o cronograma de livre comércio aceitado na Associação Latino Americana de Comércio (Aladi), que inclui nove países sulamericanos, México, Cuba e Panamá. O México, apesar de fazer parte da Aladi, ainda está muito longe de uma desgravação tarifária (diminuição progressiva das tarifas) consistente.
-
Comércio
88% dos produtos comercializados entre Brasil e Chile já estão hoje com a tarifa zerada (O Estado de SP – 24/07/2014)

Cúpula do Mercosul discutirá conflito na Faixa de Gaza
Luciano Nascimento – Repórter da Agência Brasil
Edição: Nádia Franco
A ofensiva das forças de Israel na Faixa de Gaza será um dos temas em discussão pelos líderes dos cinco países que compõem o Mercado Comum do Sul (Mercosul), na 46ª Cúpula do bloco, terça-feira (29), em Caracas. Segundo o vice-secretário-geral da América do Sul, Central e do Caribe do Ministério das Relações Exteriores, Antonio Simões, no Fórum de Concertação Política, voltarão a ser discutidos todos os temas internacionais que estão aí.
Simões evitou comentar as declarações do governo de Israel, que criticou a postura do governo brasileiro, que convocou seu embaixador naquele país consultas e emitiu duas notas, em uma semana, considerando inaceitável a escalada da violência entre Israel e Palestina.
“Ontem [23] emitimos uma nota e hoje [24] o chanceler [Luiz Alberto] Figueiredo deu uma declaração. Preferiria não comentar, e este não é o tema deste briefing,” disse o embaixador, ao transmitir aos jornalistas informações sobre a Cúpula do Mercosul.
A nota divulgada ontem pelo Itamaraty destaca que o governo brasileiro “condena energicamente o uso desproporcional da força” por Israel na Faixa de Gaza.
Em comunicado à imprensa, o Ministério das Relações Exteriores de Israel, por meio do porta-voz, Yigal Palmor, manifestou “desapontamento” com a convocação do embaixador brasileiro para consultas. “Esta decisão não reflete o nível das relações entre os países e ignora o direito de Israel de se defender. Tais medidas não contribuem para promover a calma e a estabilidade na região. Em vez disso, eles estimulam o terrorismo, e, naturalmente, afetam a capacidade do Brasil de exercer influência”, diz o texto.
No mesmo dia, A alta comissária da Organização das Nações Unidas (ONU) para os Direitos Humanos, Navi Pillay, ressaltou que as violações do direito humanitário internacional no conflito na Faixa de Gaza podem constituir crimes de guerra. A representante da ONU citou como exemplo a destruição de casas e o grande número de civis mortos no conflito, incluindo crianças.
Na nota de quarta-feira, o Ministério de Relações Exteriores também reitera o chamado a um “imediato cessar-fogo” entre as partes. O Itamaraty explica que, diante da gravidade da situação, votou favoravelmente à resolução do Conselho de Direitos Humanos da ONU, que condena a atual ofensiva militar de Israel na Faixa de Gaza e cria uma comissão internacional para investigar todas as violações e julgar os responsáveis.
Nesta quinta-feira (24), o ministro das Relações Exteriores, Luiz Alberto Figueiredo, defendeu novamente a posição do governo brasileiro, que considera desproporcional o uso da força por Israel no conflito. (Agência Brasil – 24/07/2014)

BRICS e fórum China-Celac desenham novos cenários
Brasília - A cúpula dos BRICS, o encontro com líderes sul-americanos e reunião China-CELAC, desenharam um novo cenário para o sistema financeiro internacional e suscitaram novas oportunidades para o desenvolvimento dos países do Sul.
Nestas reuniões dos principais países emergentes (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul) e os latino-americanos, realizadas entre 14 e 17 de julho passado no Brasil, foram desenhadas estratégias e dados passos que favorecem a implementação de projetos de cooperação, comércio e investimento na América Latina e no Caribe.
O grupo BRICS acordou criar um Banco de Desenvolvimento e um Acordo de Reservas de Contingência, que contribuirão com o financiamento de programas de infraestrutura sustentável em países em desenvolvimento e assegurar a estabilidade financeira do bloco emergente.
A instituição bancária contará com um capital inicial de 50 bilhões de dólares, que será abonado em parcelas iguais pelos cinco membros do grupo, uma cifra que - segundo a presidenta brasileira, Dilma Rousseff - crescerá até atingir os 100 bilhões.
Sua sede estará em Xangai, considerada como o principal shopping e setor financeiro da China, e os principais cargos administrativos serão assumidos de maneira temporária e rotativa pelos membros dos BRICS.
O Acordo de Reservas de Contingência terá por sua vez um capital de 100 bilhões de dólares e será tributado da seguinte forma: a China entregará 41 bilhões, enquanto Brasil, Rússia e Índia abonarão cada um 18 bilhões e a África do Sul cinco bilhões de dólares.
Esta instituição servirá para apoiar as economias do grupo e contribuirá também para manter a estabilidade financeira global ao complementar os mecanismos existentes.
Ambas as instituições, além de beneficiar os países emergentes e outros em desenvolvimento, forjarão mudanças no sistema financeiro mundial, desenhado em 1944 no complexo de Bretton Woods, Estados Unidos.
A pretensão deste grupo é contar com instituições que façam um contrapeso às tradicionais dos Estados Unidos e da União Europeia, como o Banco Mundial e o Fundo Monetário Internacional.
Para a presidenta brasileira, Dilma Rousseff, trata-se de um sonho proposto em 2012, na IV cúpula do bloco em Nova Déli, Índia, transformado em realidade, para compensar a insuficiência de créditos das principais instituiçãos financeiras globais.
Com respeito ao Banco Mundial, os líderes deste grupo apontaram que este precisa avançar para uma administração mais democrática e aplicação de inovações que assegurem o financiamento do desenvolvimento e do conhecimento compartilhado, sem condicionamentos.
Criado em 2001, o BRICS aparece hoje com um grande peso no cenário político-econômico mundial, devido à contínua ascensão de seu PIB, no meio da crise da Europa e dos Estados Unidos.
Trata-se de países que, apesar da diversidade geográfica, étnica, cultural e linguística, estão decididos a construir uma aliança sólida e produtiva, com consequências altamente positivas para o sistema financeiro global.
O encontro dos líderes das economias emergentes com presidentes sul-americanos permitiu aproximar posições e estabelecer as bases para uma cooperação que propiciará a democratização das relações internacionais, estabilidade e prosperidade do mundo.
Foi uma cúpula histórica, porque marca o novo tempo do Século XXI, assegurou o presidente venezuelano, Nicolás Maduro, ao reafirmar que o encontro em Brasília pode ser o germen de "uma grande aliança entre as cinco potências emergentes" e uma América do Sul que, como bloco, "vem construindo seu próprio caminho".
RELAÇÕES CHINA-CELAC
A reunião é parte do aumento das relações entre o país asiático e a Comunidade dos Estados Latino-americanos e Caribenhos (CELAC) que propiciará estabelecer um diálogo sistemático mútuo e defender os interesses do Sul.
As partes convieram em criar o fórum de Cooperação China-CELAC, um mecanismo que garantirá a discussão de diversos temas com o propósito de aproximar posições e contribuir com a ampliação dos acordos, a estabilidade e o crescimento inclusivo e a formação de um mundo multipolar.
Este fórum realizará sua primeira reunião a nível de chanceleres na capital da China, em data no ano que vem que ainda será marcada, e poderia gerar uma associação integral que favoreça o desenvolvimento comum independentemente das diversidades.
O presidente da China, Xi Jinping, e os latino-americanos participantes concordaram avançar em três propostas: criar um Fundo específico para financiar projetos de infraestrutura, que contará no início com 10 bilhões de dólares e chegará depois até os 20 bilhões.
Houve o interesse de que esta iniciativa comece a ser estruturada imediatamente para que esteja pronta no início do ano que vem, afirmou.
A segunda proposta está relacionada com a implementação de uma linha de crédito preferencial com a CELAC, que poderia chegar até 10 bilhões e a terceira seria instaurar um fundo de cooperação chinês-latino-americano-caribenho para investimentos no valor de cinco bilhões de dólares.
A China ofereceu também seis mil bolsas de estudos para jovens latino-americanos, além das cinco mil já outorgadas ao Brasil, que contribuirão com a formação de profissionais em carreiras técnicas.
Segundo o documento final aprovado, fez-se um chamado a formular o Plano de Cooperação 2015-2019, que assegure o fortalecimento do diálogo político, o comércio, o investimento e o desenvolvimento social e sustentável.
A declaração revela a vontade de se redobrar os esforços para cumprir os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio e insta que se defina a Agenda de Desenvolvimento pós 2015, baseada no respeito aos princípios consagrados no texto final do Rio+20.
A China, a América Latina e o Caribe reiteraram seu apego irrestrito aos objetivos e princípios da Carta das Nações Unidas, do Direito Internacional, e defenderam a solução pacífica das controvérsias, a cooperação para o desenvolvimento, a proibição do uso e da ameaça do emprego da força.
Neste sentido, houve respaldo unânime à Argentina em sua luta contra os fundos abutre e exigiu-se respeito nos acordos estabelecidos entre devedores e credores nos processos de reestruturação das dívidas soberanas.
O encontro do presidente chinês com o quarteto da CELAC contou com a presença dos presidentes Luis Guillermo Solís, da Costa Rica; Raúl Castro, de Cuba; Rafael Correa, do Equador, e o primeiro-ministro de Antiga e Barbuda, Gaston Browne. Participaram também os governantes da Venezuela, do Chile, do Uruguai, da Colômbia, da Guiana, do Suriname e vários chanceleres.
O encontro marcou um novo caminho para aprofundar o diálogo político e desenvolver o comércio, o investimento e o desenvolvimento social e sustentável na América Latina. (Prensa Latina – 24/07/2014)

Presidentes de Cuba e China se reúnem e assinam acordos
HAVANA - Os presidentes de Cuba, Raúl Castro, e da China, Xi Jinping, se reuniram na terça-feira 22 em Havana e presidiram o ato oficial de assinatura de 29 acordos de cooperação para fortalecer as relações entre os dois países.
Os dois chefes de Estado destacaram a vontade de continuar desenvolvendo de forma "plena e integral" as relações com ênfase na agenda econômica bilateral e trataram de temas internacionais.
Castro e Xi também presenciaram a assinatura de novos acordos de cooperação entre os dois governos que abrangem a concessão de duas linhas de crédito por parte da China a Cuba, uma livre de juros e outra destinada à construção de um terminal multiuso em Santiago de Cuba.
O presidente cubano concedeu ao líder chinês a ordem "José Martí", máxima condecoração de Havana, "pela amizade e solidariedade demonstradas" ao povo cubano e por "sua sábia condução" na construção do socialismo na China com "uma clara visão das condições e características específicas desse grande país".
Xi realiza uma visita oficial de dois dias a Cuba, a última escala de seu giro pela América Latina, onde visitou também Brasil, Argentina e Venezuela. A China é o segundo maior parceiro comercial de Cuba, com trocas que chegaram a US$ 1,88 bilhão em 2013, segundo dados oficiais. /EFE (O Estado de SP – 23/07/2014)

Mercosur analiza normas no aprobadas por Paraguay
Las seis normativas de las 180 (decisiones, resoluciones y directivas comerciales) aprobadas durante la suspensión en el Mercosur y sin el consentimiento paraguayo serán puestas por el Gobierno “sobre la mesa” mañana en Caracas, Venezuela, a pocos días de la XLVI Cumbre de Mandatarios, prevista la próxima semana.
Las 6 decisiones en la mira:
- Modificación del Arancel Externo Común a bienes de capital
- Fondo Mercosur de garantias para micro, pequenas y medianas empresas
- Proceso de adhesión de Bolivia al Mercosur
- Acuerdo marco de asociación entre el Mercosur y la Republica de Surinam
- Acuerdo marco de asociación entre el Mercosur y la Republica Cooperativa de Guyana
- Régimen de participación de los Estados Asociados al Mercosur
Fuente: www.mercosur.int
Las seis normativas de un total de 180 decisiones, resoluciones y directivas aprobadas en el Mercosur, mientras nuestro país se encontraba suspendido en sus derechos de miembro pleno y fundador, como castigo por la destitución del presidente Fernando Lugo, vía juicio político, en junio de 2012, el Gobierno paraguayo pretende revertir en lo que resta de este año.
El que presidirá la delegación de Paraguay en la reunión técnica a llevarse a cabo mañana en Caracas, es el coordinador nacional en el Mercosur, el embajador Rigoberto Gauto Vielman, viceministro de Relaciones Económicas e Integración de la Cancillería nacional.
También participarán en el encuentro, técnicos del Grupo Mercado Común (GMC), sección nacional, integrada por Relaciones Exteriores, Industria y Comercio, Hacienda y el Banco Central del Paraguay.
Revisan postura
Con miras a la cita en la capital de Venezuela, el ministro de Relaciones Exteriores, Eladio Loizaga, mantuvo ayer a la mañana en la Cancillería una reunión con el viceministro Gauto Vielman, para afinar la posición paraguaya, informaron fuentes diplomáticas.
El coordinador nacional en el Mercosur explicó en su momento a nuestro diario que en la reunión de trabajo se revisarán las seis normativas y, si es necesario, se deberán ajustar. Recordó que son 180 las normas aprobadas en el Mercosur y que en estos momentos están en “proceso de saneamiento”.
En mayo pasado en Caracas, en la reunión del Grupo Mercado Común (GMC) del Mercosur, se resolvió la conformación de un equipo de trabajo que “irá analizando específicamente cada una” de las normativas aprobadas durante la suspensión en el bloque, informó en Asunción, tras culminar la reunión, el vicecanciller Federico González Franco.
Ese encuentro en Caracas fue preparatorio de la reunión del GMC, del Consejo del Mercado Común y, posteriormente, la Cumbre de Presidentes que se realizará el 29 de este mes.
Cumbre de Mandatarios
Las cuatro veces postergada XLVI Cumbre de Jefes de Estados del Mercosur (Brasil, Argentina, Paraguay, Uruguay y Venezuela) se hará, finalmente, en Caracas. Con la presidencia pro témpore venezolana, el bloque regional no se reúne desde el 12 de julio del año pasado, en Montevideo, Uruguay. (ABC Color – 23/07/2014)

¿Se aprovechará esta ventana de oportunidad?
La Alianza del Pacífico acordó celebrar una reunión ministerial con el Mercosur para establecer una agenda programática que potencie los temas de convergencia, como el rol de América latina en el comercio global
Por Felix Peña
La novena Cumbre de la Alianza del Pacífico, realizada el 20 de junio último en Punta Mita, México, acordó: "Celebrar una reunión ministerial de carácter informativo sobre la Alianza del Pacífico con Estados miembros del Mercosur. Con el mismo espíritu informativo, acordaron la realización de un seminario de académicos, empresarios, emprendedores y altos funcionarios de la Alianza del Pacífico, Mercosur y otros países de la región, incluyendo Centroamérica y el Caribe".
La cuidadosa redacción del párrafo quizás refleja la necesidad de conciliar visiones distintas sobre la conveniencia de impulsar tal encuentro.
Es posible que algunos países de la Alianza sigan viendo ambos procesos como contrapuestos y, eventualmente, incompatibles. Ha habido al respecto mucho debate académico y, sobre todo, mediático. Difícil de imaginarlo como un debate sólo casual.
Consultado Heraldo Muñoz, el canciller de Chile, sobre el alcance de la propuesta aprobada por la Cumbre, afirmó que "Chile hizo una propuesta en el seno de la Alianza del Pacífico para realizar una reunión ministerial con el Mercosur. Esa propuesta se aprobó. Ahora, nuestro propósito no es una fusión o unión de ambos grupos. Tal hipotético propósito no sería realista, pues entre ambos esquemas hay diferencias marcadas en aranceles y regulación. Pero sí podemos explorar áreas de acuerdo en temas de interés común. Podemos discutir asuntos de natural convergencia en el corto, mediano y largo plazo", destacó, según publicó La Tercera, el 20 de junio.
Convergencia en la diversidade
Lo concreto es que se está abriendo una ventana de oportunidad para intentar la "convergencia en la diversidad" que planteó Muñoz desde el inicio de su gestión como canciller del gobierno de Michelle Bachelet. En su visión, ése será un eje principal en la política latinoamericana de Chile.
Un planteamiento en esa dirección ya lo había efectuado Ricardo Lagos, el ex presidente de Chile, en una conferencia pronunciada en marzo pasado en la Universidad de San Pablo. Señalaba el gran error de concebir una América latina del Pacífico como contrapuesta a otra del Atlántico. Afirmaba que "si la fuerza del comercio mundial está pasando entre el Atlántico y el Pacífico y nosotros estamos entre ambos océanos, entonces tenemos algo que decir en este cambio de época que se está produciendo en el planeta".
Para este mes de julio, en Cartagena de Indias (Colombia), está prevista la reunión informativa de los cancilleres de los países de ambos esquemas de integración regional. Lo inteligente sería aprovechar la ventana de oportunidad que se está así abriendo para iniciar un proceso, primero de diálogo político y técnico, y luego de decisiones efectivas, orientado a definir una metodología de trabajo conjunto entre países del Mercosur y de la Alianza del Pacífico.
Implica reconocer que más allá de las diferencias que puedan existir -originadas en múltiples factores que no son sólo económicos, ni políticos o ideológicos- el contexto internacional torna recomendables respuestas concertadas de la región en su conjunto.
Al menos en tres planos es posible imaginar acciones de convergencia que puedan generar ganancias mutuas a países de ambos esquemas. Uno es el de los encadenamientos productivos de alcance regional, concebidos en sus distintas modalidades como instrumentos que faciliten la articulación transnacional en distintos sectores de la producción. Otro es el de la conectividad física y la facilitación de comercio en los principales ejes de articulación económica regional. Y el tercero es el de algunas de las principales cuestiones de la agenda global y, en particular, las referidas al sistema del comercio mundial y al cambio climático.
Una agenda posible de convergencia que permita potenciar, con enfoques de geometría variable y de distintas velocidades, los múltiples canales institucionales de vinculación económica existentes entre los países de la región -algunos bilaterales y otros de alcance subregional, sudamericano y latinoamericano- puede nutrirse de valiosos informes recientes (tal como el de la CEPAL, titulado "Integración regional. Hacia una estrategia de cadenas de valor inclusivas"), del denso acervo normativo e instrumental que brinda la Aladi (muchas veces subutilizado), y del aporte que pueden efectuar por su rica experiencia en el desarrollo productivo y de la infraestructura de la región, instituciones como la CAF. (La Nacion – 22/07/2014)

Mercosur was not created to become a fortress of 'hyper-protectionism'
Former Uruguayan president Julio Maria Sanguinetti and founder of the Montevideo Circle Foundation said Mercosur was not created to become a fortress of hyper protectionism but rather to promote competition and integration with flexibility. Sanguinetti participated in a round of conferences of the Montevideo Circle Foundation in Paraguay.
Sanguinetti said that Mercosur can't be locked by tariffs for Brazilian manufacturing or Argentina's ports' hegemonic policies
“Mercosur was not created to change the limits of the world at national or regional level and lock itself in; it was founded in 1991 as a platform to launch us to the world, to try and grow, to increase exports, particularly Paraguay and Uruguay which are small countries with small economies, and they need to be open to develop” said Sanguinetti.
He emphasized that “Mercosur needs to grow outwards, we have all going for us to achieve this: we can't change of neighborhood because that belongs to geography, but that is not reason enough to dismiss a common political horizon or for that matter to build a fortress of hyper protectionism”.
The former Uruguayan leader said that Mercosur must continue to build with patience in search of integration but with more flexibility.
“We need to look for agreements with third countries, look for competition, growth and development on strong foundations; we can't lock ourselves in tariffs that must be adapted to Brazilian manufacturing or to Argentina's ports' policy which means keeping to the same hegemonic influence of colonial times”, underlined Sanguinetti.
The Montevideo Circle was born in 1996 sponsored by then president Sanguinetti and with the participation of intellectuals, academia, politicians, economists from Latin America and Europe with the purpose of discussing proposals to promote democracy, open markets and state reform, as the tools to ensure development and social inclusion. (MercoPress – 22/07/2014)

Mercosur has 'yet to crystallize' but 'I remain positive' says Cardoso
Former Brazilian president Fernando Henrique Cardoso said that Mercosur has 'yet to crystallize as a customs union' and pointed to the common external tariff which is the founding stone but is “full of objections” as the main hurdle. Nevertheless “I remain positive about the strength of Mercosu
The former Brazilian president claims points to the common external tariff as the main obstacle
“I think the common external tariff is a very serious problem. I have always understood Mercosur as a common space, in which production spreads to the entire region and does not concentrate in one place. I believe in this and I'm convinced this will make Mercosur strong”, said Cardoso, during a conference in Paraguay.
He emphasized “it is essential that the production process is distributed to the different areas of Mercosur”.
Cardoso said that despite the current situation of Mercosur, the regional block is important because it has helped increase regional trade: “Mercosur has many advantages but it is still incomplete”.
Regarding the asymmetries controversy in the block, particularly regarding Paraguay, the country with the smallest economy of all members, Cardoso indicated that Paraguay has been successful in attracting Brazilian industry taking advantage of the fact it has plenty of abundant and cheap energy plus a pro-business climate.
Cardoso finally considered that relations between Paraguay and Brazil and the rest of Mercosur are back to normal following the 2012 decision to suspend the landlocked country from the group for having removed from office through Congressional impeachment, of then president Fernando Lugo.
”It was a controversial decision (from Mercosur) to marginalize Paraguay, but I believe that has been overcome and now relations are as they should always be”.
Cardoso was Brazil's president from 1995 to 2002; he is a member of the Madrid Club and the Inter-American Dialogue, from Washington as well as of Clinton's Global Initiative and the United Nations Foundation. A sociologist by training during the military dictatorship in Brazil (1964/1995) he was exiled and taught in Chilean and later US universities. (MercoPress – 22/07/2014)

Brasil precisa 'agir' logo, diz Durão Barroso
Antonio Pita, Idiana Tomazeli,Vinicius Neder
Presidente da Comissão Europeia alerta que demora para um acordo bilateral pode pôr em risco interesse europeu pelo mercado brasileiro
RIO - O presidente da Comissão Europeia, o português José Manuel Durão Barroso, afirmou ontem que o Brasil precisa agir "logo" para consolidar um acordo comercial com o bloco europeu.
Em tom de provocação, a autoridade máxima do órgão executivo da União Europeia (UE) destacou que "houve casos" nos quais não foi possível fechar acordos com vários países ao mesmo tempo e que a demora pode pôr em risco o interesse das economias europeias no mercado brasileiro, em função do acordo em gestação com os Estados Unidos.
Ainda assim, Durão Barroso avaliou que o País tem papel "essencial" nas parcerias com a Europa. Para ele, "parece absurdo" que o Brasil ainda não tenha concluído negociações bilaterais com a UE, quando o bloco já tem parcerias com economias menores, como Coreia do Sul, Cingapura, Colômbia, Peru e Equador. O assunto foi tratado em reuniões com a presidente Dilma Rousseff.
"Me parece um bocadinho absurdo que a UE tenha acordo de livre-comércio com o mundo inteiro menos com o Brasil. O Brasil é o ponto mais importante do Mercosul", afirmou Durão Barroso, em palestra na Fundação Getúlio Vargas, no Rio.
Mais tarde, em outro evento no Rio, o presidente da Comissão Europeia comparou as negociações entre Mercosul e UE com as conversas entre o bloco europeu e a Comunidade Andina, formada por Peru, Colômbia, Equador e Bolívia. "Só tivemos uma resposta positiva do lado da Colômbia e do Peru. A Bolívia e o Equador ficaram de fora, disseram que não estavam preparados. Agora, na semana passada, o Equador chegou a um acordo conosco", disse Durão Barroso.
União aduaneira. Apesar da provocação, o presidente da Comissão Europeia pareceu ignorar, em suas declarações, que o Mercosul, bloco formado por Brasil, Argentina, Paraguai, Uruguai e, mais recentemente, Venezuela, é uma união aduaneira, assim como a UE. Por suas regras, um país não pode fechar acordos bilaterais sem a participação dos demais. Há flexibilidade apenas para cada país adotar um cronograma de implementação da redução de tarifas.
Mauro Laviola, vice-presidente da Associação de Comércio Exterior do Brasil, esclareceu ao Estado que a Comunidade Andina é uma área de livre-comércio, e não uma união aduaneira. Portanto, no casos dos países andinos, há mais flexibilidade para a negociação de acordos comerciais.
A prioridade para uma articulação integrada com os países latino-americanos é defendida pelo Brasil, mas as negociações estão paradas há 14 anos por divergências internas do Mercosul. Os europeus preferem acordos bilaterais, mas, ontem, Durão Barroso foi diplomático: "Gostaríamos de ter um acordo com o Mercosul no seu conjunto. Agora, compete aos países do Mercosul dizerem se sim, estão prontos para avançarem em conjunto". Para o presidente da AEB, José Augusto Castro, o fato de o Mercosul ser uma união aduaneira e de todas as decisões precisarem de unanimidade é um entrave. "A economia do Brasil é muito diferente", disse Castro, completando que seria melhor se a Venezuela não estivesse no bloco. (O Estado de SP – 22/07/2014)

Barroso critica demora para fechar acordo
Por Guilherme Serodio | Do Rio
O presidente da Comissão Europeia, José Manuel Durão Barroso, criticou a demora nas negociações para o acordo de livre comércio entre a União Europeia e o Mercosul e classificou como "um absurdo" que o bloco europeu ainda não tenha estabelecido um acordo comercial com o Brasil.
Em palestra ontem, no Rio, Durão Barroso alertou que enquanto a negociação com o Mercosul está "parada", as conversas para um acordo entre Europa e Estados Unidos avançam e poderão, no futuro, reduzir o espaço das ofertas europeias ao bloco sul-americano. (Valor Online – 22/07/2014)

Aécio Neves apoia acordo comercial entre Mercosul e União Europeia
O candidato à presidência afirma que atraso nas negociações do acordo “está impedindo o Brasil de já receber benefícios importantes"
Agência Brasil
Após reunião com o presidente da Comissão Europeia, José Manuel Durão Barroso, no Rio de Janeiro, o candidato à Presidência da República, Aécio Neves (PSDB), defendeu um acordo comercial entre o Mercosul e a União Europeia.
Segundo o candidato, o atraso nas negociações do acordo “está impedindo o Brasil de já receber benefícios importantes dessa parceria”. “Infelizmente, temos hoje uma política externa que prioriza o alinhamento ideológico em detrimento de parcerias comerciais que poderiam gerar mais renda, mais emprego, a inclusão das empresas brasileiras nas cadeias globais de produção, por exemplo”, disse Aécio Neves. E acrescentou: “No momento em que tivermos um governo que não busque apenas aliança entre vizinhos, mas alianças que possam ajudar a desenvolver a nossa economia, o entendimento com a União Europeia vai avançar. Espero que isso possa ocorrer a partir de 2015”, conforme informações publicadas no site do candidato.
De acordo com Aécio Neves, a discussão sobre o acordo deverá ocorrer somente no próximo ano e o ministro Durão Barroso é “um homem do equilíbrio e tem sido, ao longo desses últimos dez anos, o ponto de convergência da União Europeia. Ele reitera a sua convicção na força do euro, mas busca no limite dos seus esforços pessoais, de alguma forma, apressar, antecipar os entendimentos com a nossa região que ele considera extremamente salutar, tanto pra nós, quanto pra União Europeia. Infelizmente, repito, essa agenda ficou para 2015”, disse.
Após a reunião no Rio de Janeiro, Aécio Neves viajou para Minas Gerias, onde visitou o Santuário de Nossa Senhora da Piedade, em Caeté, acompanhado do governador Alberto Pinto Coelho, e do candidato ao governo de Minas, Pimenta da Veiga. À noite, em Belo Horizonte, o tucano reúne-se com os candidatos a cargos eletivos no estado.
O candidato Mauro Iasi, do PCB, teve compromissos de campanha no Espírito Santo, onde concedeu entrevista à imprensa e participou do Encontro Nacional de Movimentos pela Universidade Popular, na Universidade Federal do Espírito Santo. A Agência Brasil procurou a assessoria do candidato, mas não obteve mais informações sobre os compromissos. (Brasil Econômico – 22/07/2014)

Japão e Mongólia assinam acordo de livre comércio
Tóquio - O Japão e a Mongólia assinaram hoje um acordo de livre comércio que anunciaram ao uníssono o premiê japonês, Shinzo Abe, e o presidente mongol, Tskhiagiin Elbegdorj, em suas respectivas sedes governamentais.
O convênio permitirá a exportação sem custos alfandegários de todos os produtos mongóis para o arquipélago japonês, enquanto 96 por cento das mercadorias japonesas com destino a Ulan Bator gozarão do mesmo privilégio.
Também se inclui um capítulo considerado controverso, mediante o qual é dado direito às demandas das empresas se seus diretores considerarem excessiva a intromissão do Estado nos investimentos.
Antecipa-se que essa disposição coadjuvará uma maior remessa de capitais japoneses para a Mongólia.
A balança comercial favorece de maneira abrumadora o Japão, ainda que se prevê uma mudança ostensiva, levando em conta a possibilidade exportadora de minerais da nação continental.
No ano passado, o intercâmbio de mercadorias entre os dois países chegou a 307 milhões de dólares.
Situada entre a Rússia e a China, a Mongólia tem registrado espetaculares crescimentos econômicos nos últimos anos, baseada em sua indústria extratora, a qual focam com olhos ávidos as companhias petroleiras e mineiras. (Prensa Latina – 22/07/2014)

É bom o Brasil fechar acordo comercial 'logo', diz Comissão Europeia
PEDRO SOARES
DO RIO
O presidente da Comissão Europeia, José Manuel Durão Barroso, disse que é "bom para o Brasil" trabalhar para "fechar logo" um acordo de livre comércio com a União Europeia.
Segundo o político, "parece um absurdo" o Brasil e seus parceiros do bloco não concluírem negociações, abertas há mais de uma década, enquanto a UE fez nesse período vários acordo bilaterais, inclusive com países da região, como Peru e Colômbia e mais recentemente o Equador – que inicialmente resistia à oferta europeia.
"Me parece um bocadinho absurdo que a UE tenha acordo de livre comércio com o mundo inteiro menos com o Brasil. O Brasil é o ponto mais importante (para o acordo) do Mercosul", disse, em evento da FGV.
Barroso reconheceu que há resistências tanto do Brasil, líder do bloco regional, como da Europa.
"Não sei se será fácil fechar o acordo, mas acontecerá."
Após o fracasso da rodada Doha de liberalização global de comércio, a UE buscou acordos bilaterais e o coroamento dessa política é a atual negociação com os EUA.
Para Barroso, esse acordo também não será fácil diante do porte das duas economias e interesses diversos.
Ao dizer que seria bom o Brasil concluir "logo" o acordo UE-Mercosul, Barroso disse que "pouco restará" ao bloco, pois outros mercados podem já ter ocupado o espaço brasileiro e de seus sócios. Um exemplo é o caso da carne – os EUA também são grandes produtores.
DILMA
Barroso disse que conversou muito com a presidente Dilma na sexta-feira sobre o formato e propostas para o acordo. (Folha de SP – 21/07/2014)

Acordo EUA-UE limitaria negociação de carne do Mercosul com Europa
DA REUTERS
Um acordo comercial entre a União Europeia e os Estados Unidos poderia limitar as opções de negociação de um pacto de comércio entre europeus e integrantes do Mercosul, inclusive na área de carne, disse o presidente da Comissão Europeia nesta segunda-feira (21) em evento no Rio de Janeiro.
Os europeus estão entre os principais compradores de carne bovina e de frango do Brasil, maior exportador global desses dois produtos, que teria muito a perder neste setor no caso de um acordo EUA-UE, indicou José Manuel Durão Barroso durante debate na Fundação Getúlio Vargas sobre comércio internacional e as negociações entre países e blocos econômicos.
A exemplo do Brasil, os EUA são grandes produtores de carnes e produtos agrícolas.
"Se a UE fechar um acordo com os EUA, abrindo aquilo que pode abrir em termos de carne, por exemplo, as hipóteses para UE vão ser limitadas. Se já deu aquilo que pensava dar aos EUA e a outros, quando for para negociar com o Brasil não vai haver muito o que fazer. Meu conselho aos meus amigos brasileiros é fazer o acordo", afirmou ele.
Além de Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai (integrantes do Mercosul) são importantes exportadores de carne bovina.
Durão Barroso admitiu, sem entrar em detalhes, que há resistência para o acordo entre UE e Mercosul.
No caso do acordo com os EUA, as negociações deslancharam no ano passado visando um pacto de livre comércio e investimento amplo com a intenção de ajudar a revitalizar o crescimento após a crise de crédito da zona do euro, por meio da remoção de impostos e taxas sobre as empresas.
Na avaliação de Durão Barroso, as negociações entre UE e EUA parecem mais bem encaminhadas, apesar da falta de consenso em muitas questões e de uma hostilidade pública em relação à ideia de um comércio transatlântico sem restrições, com muitos temendo que isso prejudique as indústrias europeias.
Apesar de tudo, Durão Barroso defendeu que as negociações avancem com o Mercosul.
"Não vejo como um acordo da UE com os EUA possa prejudicar a economia brasileira. O que pode prejudicar a economia brasileira é não ter um acordo do Brasil com a União Europeia", disse ele.
"Continuamos a pensar num acordo com o Mercosul", acrescentou, destacando que, com o fracasso das negociações multilaterais da Rodada Doha, a UE partiu para acordos bilaterais com diversos países e blocos.
As conversações em torno do acordo entre UE e Mercosul têm sido conduzidas desde 1999 e foram retomadas em 2010, após um congelamento de seis anos. As negociações patinaram no passado por conta de divergências sobre os subsídios europeus à agricultura e sobre a abertura das indústrias do Mercosul para a competição vinda da Europa.
A União Europeia e o Mercosul deveriam ter apresentado propostas até o final do ano passado para apontar os limites de acesso livre de impostos que estão dispostos a oferecer em mercados que vão desde carne bovina a carros, para criar um pacto que envolveria 750 milhões de pessoas e um comércio anual de U$ 130 bilhões. (Folha de SP – 21/07/2014)

Mujica reconoció que el Mercosur está estancado
En medio de una relación política compleja con Argentina, el presidente José Mujica reconoció el estancamiento del Mercosur. Los datos de exportaciones de Uruguay hacia el bloque demuestran el poco dinamismo del intercambio comercial.
El presidente José Mujica señaló en una entrevista que le realizó el diario brasileño Folha de San Pablo que el Mercosur "no anda bien" y "está estancado". Durante el reportaje el mandatario -publicado este fin de semana- indicó que esto ocurre porque existen diferentes visiones sobre el funcionamiento del bloque.
Además, expresó que "a veces hay una especie de proteccionismo en algunos países" del Mercosur donde por otra parte "los organismos de arbitraje, de decisión, de institucionalidad real no funcionan".
Al observar los datos de exportaciones que elaboran tanto el Instituto Uruguay XXI como la Unión de Exportadores (UEU) se nota el poco dinamismo del intercambio comercial con los restantes países del bloque regional.
Los números marcan un descenso de las exportaciones hacia Argentina de 15,6% en el primer semestre de 2014, en comparación con el mismo período del año pasado. En el caso de Brasil, aún siendo uno de los principales destinos de los productos uruguayos, se verificó un descenso de 0,5%. Por su parte, las ventas externas hacia Paraguay mostraron un retroceso de 15,9%.
El único resultado positivo que se observó fue en el de las colocaciones en Venezuela, donde hubo un crecimiento de 31,5%.
La relación con Argentina es la que muestra los peores signos de deterioro. El gobierno de Cristina Fernández comenzó aproximadamente hace tres años a desarrollar una política de protección industrial trabando el ingreso de mercadería importada.
En el comienzo de esa política, las trabas comerciales fueron a través de las licencias no automáticas de importación, requisito que debían gestionar los compradores para el ingreso de algunas mercaderías. Esa medida fue luego derogada, pero la administración de Fernández llevó adelante otra traba burocrática: la Declaración Jurada Anticipada de Importación (DJAI).
Ese trámite es obligatorio para todas las importaciones argentinas. Para cada compra, el importador debe presentar la documentación correspondiente y las oficinas de contralor tiene un plazo de hasta 60 días para autorizar o denegar la compra. Vencido el plazo, el importador tiene que volver a presentar la documentación para una nueva revisión.
Esa medida afectó principalmente a los exportadores uruguayos de vestimenta, autopartes, productos de plástico, impresos y alimentos envasados.
Ante esos perjuicios, los industriales solicitaron al gobierno la aplicación de medidas que paliaran los efectos de la pérdida de mercados.
Pero la poca certeza del gobierno en recuperar ese mercado quedó evidenciada en comentarios de jerarcas a exportadores donde se les expresó claramente que se olvidaran de Argentina como destino de sus productos.
Desde sectores industriales también se le pidió al gobierno adoptar una postura más dura contra Argentina, como la de recurrir a tribunales de soluciones de controversias adentro del Mercosur, para intentar que la administración de Fernández flexibilizara su postura proteccionista.
Ese pedido fue acompañado por la oposición que exigió más dureza en el trato bilateral, pero el gobierno de Mujica siempre reivindicó el diálogo con la administración argentina.
Mirada desde Argentina
Un informe de la consultora argentina Desarrollo de negocios internacionales arrojó datos sobre el comercio interno y externo del bloque regional y los resultados a los que arribó no fueron auspiciosos. Una de las conclusiones de la consultora fue que "el Mercosur ha mostrado en los últimos años cierta fatiga en la generación de negocios". Para fundamentarlo expresó que los mercados de extrazona absorben alrededor del 85% de las ventas totales del Mercosur. "Esto marca la escasa relevancia del comercio intrazona, que era uno de los propósitos del bloque", sostuvo. Además, la consultora expresó que "hay que decir a priori que, lógicamente por la diferencia de dimensión, hay aspectos de la relación bilateral de nuestro país con Uruguay y con Paraguay que favorecen a Argentina". (El Pais – 21/07/2014)

UE e Mercosul chegam a impasse sobre acordo
SÃO PAULO - O esperado acordo comercial entre os dois blocos está em compasso de espera, enquanto um lado acusa o outro de ser o responsável pelo atraso. Do lado do Mercosul, fontes do governo afirmam que a proposta está pronta, mas não há sinais de que os europeus queiram marcar data para troca de ofertas. A ministros brasileiros, representantes da União Europeia admitem que não estão dispostos a sofrer o desgaste de fazer as consultas entre os 28 países do bloco sem saber que concessões o Mercosul pretende fazer. (DCI – 21/07/2014)

Durão Barroso faz críticas ao Brasil e ao Mercosul durante palestra no Rio de Janeiro
Da Redação, com agências
Cimeiras UE-Brasil pouco avançaram
Rio de Janeiro - "A mim, parece absurdo que a União Europeia tenha acordos de livre comércio com praticamente o mundo inteiro e não com o Brasil. O Brasil é o ponto mais importante do Mercosul", disse, segunda-feira (21), na Fundação Getúlio Vargas, no Rio, o presidente da Comissão Europeia, Durão Barroso, que visita o Brasil, em vésperas de cessar funções.
"Lançamos negociações com países como Colômbia e Peru, que hoje já estão em vigor, e, na sexta-feira (18), assinamos com o Equador, que inicialmente não queria. Agora com o Mercosul tem estado parado", disse.
Durão Barroso negou, no entanto, a possibilidade - conforme Brasília chegou a pretender -, de um acordo independente do Mercosul, entre o Brasil e a União Europeia.
"Estou falando em Brasil porque estou aqui, mas temos uma proposta para o Mercosul", disse.
Segundo Durão Barroso, dado o impasse nas negociações da Rodada Doha, Bruxelas partiu para negociações bilaterais e já fechou acordos com Coreia do Sul, países africanos, caribenhos e andinos, além de estar em negociação para um grande acordo com os Estados Unidos. Com o Mercosul, no entanto, ele disse que as negociações, que decorrem há 20 anos, estão paradas.
Na avaliação do presidente da Comissão Europeia, a demora para fechar um acordo com o Mercosul poderá prejudicar a economia brasileira.
"Se a UE fechar um acordo com os EUA, abrindo comércio para a carne bovina, por exemplo, que é um item importante para a economia brasileira, quando for negociar com o Brasil, não haverá muito o que reste", disse Barroso, que esteve reunido a semana passada, em Brasília, com a presidente Dilma Rousseff.
Na opinião do ex-primeiro-ministro português, o Brasil tem mais afinidades com o bloco europeu do que com a China. Segundo ele, o Brasil é um parceiro que compartilha de valores do bloco europeu, o que não ocorre com a China, por exemplo. Durão Barroso considerou Pequim um aliado importante, inclusive na defesa do euro, mas disse que há pouca intimidade política com os valores de Bruxelas.
Durão Barroso enfatizou ainda que o projeto do euro, a moeda da Zona Euro, é político. "O euro nunca esteve ameaçado. Continua sendo forte e estável. Alguns industriais se queixam de ser demasiadamente forte. Ninguém se queixa de o euro ser fraco", afirmou Durão Barroso. (Portugal Digital – 21/07/2014)

UE e Mercosul trocam acusações por falta de acordo
Lisandra Paraguassu
A negociação na União Europeia é mais simples, já que a Comissão Europeia tem mandato para falar em nome dos 28 países, diferente do Mercosul
União Europeia (UE) e Mercosul chegaram a um impasse. O tão esperado acordo comercial entre os dois blocos está em compasso de espera, enquanto um lado acusa o outro de ser o responsável pelo atraso.
Do lado sul-americano, fontes do governo afirmam que a proposta está pronta para ser apresentada, mas não há sinais de que os europeus queiram marcar uma data para a troca de ofertas. A ministros brasileiros, representantes da União Europeia admitem que não estão dispostos a sofrer o desgaste de fazer as consultas necessárias entre os 28 países do bloco sem saber que concessões o Mercosul pretende fazer.
Um alto funcionário do Itamaraty ouviu de negociadores europeus que faltaria apenas a consulta, mas que não queriam enfrentar a briga dessa consulta sem uma oferta concreta na mesa. Ao contrário do Mercosul, a negociação na União Europeia é mais simples, já que a Comissão Europeia tem mandato para falar em nome dos 28 países, ao contrário do bloco sul-americano, onde cada ponto precisa ser acordado a cada detalhe.
Abrir a oferta sem uma contrapartida europeia não está nos planos do governo brasileiro nem dos demais países da região. Seria entregar ao outro lado um trunfo imenso na negociação. "Nós também precisamos de um sinal deles de que realmente estão interessados. Não pode ser apenas uma direção", disse ao Estado um diplomata brasileiro.
O jogo de empurra tem sido a tônica das negociações até agora. Em dezembro de 2013, os europeus pediram para adiar a reunião de janeiro, quando deveria ter sido feita a troca de ofertas. Isso foi usado pelo Mercosul para afirmar que o processo estava parado por causa dos europeus, mas a verdade é que os parceiros sul-americanos só conseguiram chegar a uma oferta aceitável em junho deste ano. Agora, chegou-se a uma proposta de eliminação de tarifas de 87% das linhas de produtos em 12 anos, incluindo a Argentina, o que está dentro da margem esperada para uma negociação aceitável.
Reunião. A disposição do Mercosul foi o tema central do encontro, ontem, entre o presidente da Comissão Europeia, José Manuel Durão Barroso, e a presidente Dilma Rousseff. Foi deixado claro que o bloco estava pronto e estava nas mãos dos europeus marcar a troca de ofertas. A resposta de Barroso foi de que então isso seria feito. No entanto, de saída do cargo, o presidente da UE tem pouca força, nesse momento, para levar adiante sua promessa.
Ontem, ao receber Barroso, o ministro das Relações Exteriores, Luiz Alberto Figueiredo, afirmou que o Mercosul faria o possível para retomar as negociações. "Esperamos que a troca de ofertas saia antes do final do ano", disse. O europeu confirmou que ainda não há data, mas que se tentaria algo ainda em 2014. "Ficou expresso de ambos os lados o desejo de ser o mais rapidamente possível. Realisticamente, agora na Europa entra-se em férias no mês de agosto, não poderá ser antes do próximo outono", disse ao sair da Universidade de Brasília, onde recebeu o título de Doutor Honoris Causa.
Não são apenas as férias europeias que estão no caminho da negociação. Durão Barroso deixa o cargo em 1.º de novembro, quando será substituído por Jean-Claude Juncker, ex-primeiro-ministro de Luxemburgo, de centro-direita. Também os comissários da UE serão trocados, o que acrescenta dois elementos desconhecidos na negociação.
Também a eleição brasileira é um fator. Só no final de outubro se saberá quem será o novo presidente do País e, mesmo que Dilma seja reeleita, a própria equipe econômica poderá mudar. Entre idas e vindas, Mercosul e União Europeia conversam há 20 anos sobre um acordo de livre-comércio. (O Estado de SP – 19/07/2014)

Mujica: Mercosur está "estancado"
El presidente manifestó que los intereses comerciales nacionales son muy fuertes y no dan lugar a la búsqueda de integración y se refirió a Brasil como un país imperialista
AFP/NORBERTO DUARTE
El presidente José Mujica, dijo en una entrevista publicada hoy por el diario Folha de Sao Paulo que el Mercosur está "estancado" y "sus organismos de arbitraje no funcionan".
Mujica, quien participó esta semana en Brasilia en un encuentro entre los líderes de la Unión de Naciones Suramericanas (Unasur) y el grupo BRICS, afirmó al diario brasileño que "los intereses empresariales todavía son muy fuertemente nacionales y no pugnan por encontrar una integración"en esa asociación de países.
En la entrevista, el presidente también se refirió a la "actitud imperialista de Brasil" y señaló que aunque es un país grande, el gigante latinoamericano es consciente de que "necesita de un todo para acompañarlo en el intento de hacer algo en la negociación mundial".
Según sostuvo, "ya no es tiempo de colonizar" y la burguesía paulista, la más fuerte económicamente, debería "juntar aliados e intentar ir construyendo un sistema de empresas transnacionales latinoamericano". Si embargo, explicó, lo que hacen es "fagocitar", es decir, atraer a las empresas para luego absorberlas. Para Mujica esto es un error, que les crea enemigos.
"No anda bien el Mercosur porque hay visiones encontradas, distintas" explicó y agregó "la institucionalidad real del Mercosur no funciona, funcionan las cancillerías presidenciales".
Unasur
Cuando el periodista de Folha de San Pablo, Fernando Rodrigues, lo increpó sobre su voluntad de comandar la Unión de Naciones Sudamericanas (Unasur) una vez que deje la presidencia, Mujica respondió con una pregunta. "¿Tú sabes lo que es envejecer? Es no querer salir de casa. Pero es posible que yo trate de ayudar algo. Un tiempo, si me respetan que estoy casi en los 80 años".
El mandatario contó que instó al expresidente brasileño Luis Inácio Lula Da Silva para que asuma el cargo, por ser "un militante por la integración", pero pero que Lula rechazó la iniciativa. (El Observador – 19/07/2014)

Paraguai e Uruguai por aliança estratégica para melhorar comércio
Assunção, Paraguai e Uruguai pronunciaram-se por uma aliança estratégica dos dois países para melhoria das condições do comércio recíproco e sua diversificação, segundo divulgado hoje.
Uma declaração conjunta subscrita pelos presidentes Horacio Cartes e José Mujica, ao final da visita oficial a Assunção deste último, destacou que esse entendimento permitirá um maior acesso de produtos não tradicionais e propiciará o estabelecimento de correntes produtivas.
Os dois Presidentes destacaram o alto nível atingido nas relações bilaterais e ratificaram a vontade de seus governos de aprofundá-las em todos os âmbitos, sobre a base de interesses comuns, a complementaridade e a reciprocidade.
Ponto importante durante a visita foi a assinatura pelos presidentes dos Memorandos de Entendimento para criar um Grupo de Alto Nível a fim de estabelecer um Plano de Ação para o Desenvolvimento Sustentável e a Integração Conjunta.
Esse Grupo estará focado principalmente nas áreas de livre circulação de pessoas, complementação e integração produtiva, infra-estrutura, educação, cultura e turismo e intercâmbio de informação para posicionamento em organismos regionais.
As autoridades competentes dos dois Estados implementarão medidas efetivas para otimizar a operatividade do trânsito de mercadorias paraguaias pelo porto de Montevidéu e destacaram a importância da otimização dos Depósitos Francos paraguaios.
Representantes do setor privado do Paraguai visitarão essas instalações para verificar o estado da infra-estrutura e iniciar o estudo de implementação de zonas de amarre e piers, o local da futura localização do Puerto de Aguas Profundas de Rocha.
Como resultado das deliberações também se reiterou a importância outorgada à Hidrovia Paraguai-Paraná como fator de suma transcendência para a integração física e econômica dos países da Bacia do Prata.
Paraguai e Uruguai confirmaram o respeito ao princípio da livre navegação dos rios e coincidiram em promover a cooperação e integração energética.
O pronunciamento dos Presidentes, que resume a breve visita de Mujica a Paraguai incluiu a reiteração da importância em promover e impulsionar ações e políticas orientadas ao exercício do princípio de soberania permanente sobre os recursos naturais e estratégicos.
Eles pretendem estabelecer em breve as condições técnicas e comerciais para a concretização da venda de energia paraguaia a Uruguai, propuseram os Presidentes e destacaram a importância de manter e aprofundar a consolidação da unidade regional e processos de integração.
Neste último assunto a referência foi direta a favor das instâncias de Mercosul, Unasur e Celac. (Prensa Latina – 19/07/2014)

Barroso calls on EU and Mercosur to conclude the free trade agreement
The president of the European Commission (EC), Jose Manuel Durao Barroso, called on Friday for concluding negotiations and finalizing a free trade agreement between the European Union and Mercosur, which includes Brazil, Argentina, Paraguay, Uruguay and Venezuela.
In an address at Brazil's University of Brasilia, where he was presented with an honorary doctorate, Barroso said it was time that more than decade-long talks with Mercosur nations concluded in a deal.
Such an agreement would represent an increase of billions US dollars in the gross domestic product (GDP) of Mercosur nations, and a nearly 40% increase in their exports to Europe.
The two sides were scheduled to meet at the beginning of this year to exchange proposals as part of the agreement, but the gathering was repeatedly postponed.
“The Mercosur and the EU have been 'engaged' for more than 15 years. Isn't it time to take the next step and make it official?”, said Barroso, using language usually reserved for two people who have put off getting married.
“Brazil has a leadership role here. We know that it wants to make progress, but we also know that it does not decide alone and that the pace of other Mercosur members are different,” he acknowledged.
“It's important not to waste time however, because we could end up being last,” added Barroso, in reference to other trade agreements being negotiated by the EU, particularly with the US.
Both sides, EU and Mercosur, allege they have been ready to meet for some time, but their counterpart has put off presenting its proposals on various occasions. Apparently Argentina is rather reluctant in opening its domestic market to EU manufactured goods while several European countries fear the agriculture muscle of Mercosur.
The Portuguese-born Barroso, who met privately earlier in the day with Brazil's President Dilma Rousseff at the presidential residence, is set to step down from his EC post in August to make way for the Luxembourger Jean-Claude Juncker, who was elected to replace him this week.
It is well known that Barroso would like to step down from his post having signed the EU/Mercosur trade agreement, which would represent a great achievement for his years on the job.
Barroso is scheduled to visit Rio de Janeiro through Monday to meet with Brazilian political and business leaders. (MercoPress – 19/07/2014)

Acordo Mercosul-União Europeia pode sair ainda neste ano, diz Barroso
BRASÍLIA - Em visita ao Brasil, o presidente da Comissão Europeia, José Manuel Durão Barroso, demonstrou otimismo sobre a troca de ofertas entre o Mercosul e a União Europeia (UE) para a criação de uma área de livre comércio entre os blocos. Ele espera que esse movimento aconteça ainda neste ano.
Segundo Barroso, essa foi uma "conclusão implícita" da reunião que teve nesta sexta-feira com a presidente Dilma Rousseff, no Palácio da Alvorada. Dentro do governo, no entanto, a expectativa é de que isso não ocorra em 2014.
"Eu acredito que é possível [a troca de ofertas neste ano] e é para isso que vou trabalhar. Foi aliás essa a conclusão implícita das nossas conversas hoje com a presidente Dilma. Ou seja, vamos agora de ambos os lados verificar se estão criadas as condições para uma troca simultânea de ofertas", disse o português após receber o título de Doutor Honoris Causa da Universidade de Brasília.
Sem previsão de data
Ele reconheceu que ainda não há uma data definida para isso, mas se mostrou incomodado com a demora das negociações.
"O Mercosul e a União Europeia andam a namorar já há 15 anos. Não será altura de dar um passo em frente e dizer que 'sim'?", afirmou para a plateia de convidados, arrancando risadas.
Segundo Barroso, estudos indicam que um acordo entre os dois blocos trará um crescimento ao produto interno bruto (PIB) dos países do Mercosul da ordem de US$ 5 bilhões, além de um aumento de 40% das exportações para a UE.
Em entrevista à imprensa, ele afirmou que "de ambos os lados há algumas sensibilidades", mas afirmou ser possível "um movimento de redução das tarifas a nível global".
"Eu sei que, aqui no Brasil, interessa especialmente a área agrícola e é uma das áreas onde a Europa também tem que fazer aberturas. Ao mesmo tempo que, no Brasil, é importante avançar na questão das tarifas para produtos industriais e para serviços", exemplificou.
Crise na zona do euro
Em seu discurso, ele afirmou que a crise econômica que atingiu o bloco obrigou os países-membros a fazer "reformas profundas".
"A Europa tem 8% da população mundial, quase 25% do PIB global, mas mais de 50% de toda a despesa social a nível mundial. Esses números revelam bem porque a adaptação às novas realidades era inevitável", ponderou.
Diante da crise, disse, foi preciso atuar como "bombeiros e arquitetos ao mesmo tempo".
"Bombeiros para apagar o fogo. Arquitetos para lançar um novo edifício com paredes muito mais sólidas. Foi isso que fizemos ao longo dos últimos anos", afirmou.
Segundo Barroso, a expectativa de crescimento do bloco em 2014 é de 1,6% e de 2% no próximo ano. Ele ainda apontou o desemprego, principalmente entre os jovens, como "o principal desafio que temos que enfrentar neste momento". (Folhapress) (Valor Online – 18/07/2014)

Presidente de Comisión Europea insta a Europa y Mercosur a formalizar acuerdo comercial
Brasilia, El presidente de la Comisión Europea, José Manuel Durao Barroso, llamó a Europa y al Mercosur a formalizar el acuerdo de libre comercio que está en negociación desde hace más de una década.
"Estoy convencido de que es el momento de dar el SI", afirmó Barroso en un discurso en la Universidad de Brasilia.
"El Mercosur y la Unión Europea tienen 15 años de novios, ¿no será el momento de dar un paso al frente y tornar la relación más oficial?", cuestionó el presidente de la Comisión.
"Brasil tiene aquí un papel de liderazgo, sabemos que quiere avanzar, pero también sabemos que no decide solo y que los ritmos de otros miembros del Mercosur son diferentes", acotó.
El avance para un acuerdo entre la Unión Europea y el Mercosur (integrado por Argentina, Brasil, Paraguay, Uruguay y Venezuela, aunque este último está fuera de la negociación) depende de un intercambio de propuestas que debía haberse producido en diciembre, pero que está atrasado.
En este sentido, Brasil ha indicado que el documento del Mercosur está prácticamente listo, pero no así el europeo.
"Un acuerdo de asociación constituye una verdadera inversión en el futuro", aseguró el ejecutivo europeo, que recibió el título de Doctor Honoris Causa por la universidad de la capital brasileña.
Barroso citó igualmente "estudios que muestran que un acuerdo con la UE traería a los países del Mercosur un crecimiento del PIB del orden de cerca de 5.000 millones de dólares y las exportaciones hacia Europa podrían aumentar un 40%".
El político portugués, que dejará su cargo como presidente de la Comisión Europea después de diez años en noviembre, se reunió en la mañana con la presidenta de Brasil, Dilma Rousseff, en el su palacio residencial de La Alvorada, de donde salió sin hacer declaraciones a la prensa. (Andina – 18/07/2014)

Embaixador da Alemanha defende aceleração das negociações para o acordo UE-Mercosul
Por Sérgio Ruck Bueno | De Porto Alegre
O Mercosul e a União Europeia (UE) devem fechar "logo" o acordo de livre comércio entre os dois blocos, disse ontem o embaixador da Alemanha no Brasil, Wilfried Grolig. As negociações se arrastam desde a década de 90 e a expectativa era que a troca de propostas das listas de produtos que serão liberados ocorresse no início deste ano, mas sequer a oferta do Mercosul, prevista para ser entregue em maio, foi fechada.
No mês passado, depois de encontro com a chanceler alemã Angela Merkel, a presidente Dilma Rousseff disse que faria o "possível" para que as negociações dessem "um passo à frente". No entanto, setores do governo e da indústria brasileira acham difícil que um acordo saia antes de 2015.
Do lado do Mercosul, ainda há pendências em relação à Argentina, que quer alongar o prazo de eliminação das tarifas de importação, prevista para cobrir cerca de 90% do comércio entre os blocos. Do lado da UE, há o lobby dos produtores agrícolas. O processo também pode sofrer atraso por causa da troca do comando da Comissão Europeia no segundo semestre.
O embaixador reconheceu que a negociação é "muito complexa" de ambos os lados, mas afirmou que a falta de um acordo cria o risco de "não se conseguir explorar totalmente o potencial" de integração entre as duas regiões. "A Alemanha está convencida que a flexibilidade e a liberdade do intercâmbio comercial são importantes para o sucesso da economia", disse Grolig.
Apesar da demora, o embaixador se mostrou otimista e disse que foram feitos "progressos visíveis" em torno do assunto nos últimos meses. "Precisamos do acordo", afirmou. Ele lembrou que a Alemanha é o quarto maior parceiro comercial do Brasil no mundo, com fluxo de quase € 22 bilhões no ano passado.
Durante a palestra na Câmara de Comércio Brasil-Alemanha de Porto Alegre, Grolig disse que o desenvolvimento econômico, político e social brasileiro nos últimos 15 anos é uma "história de sucesso", embora as perspectivas atuais "não tenham o mesmo brilho de 2010/2011". Afirmou esperar "que o Brasil encontre a coragem para voltar a se abrir mais fortemente e consiga se envolver na divisão internacional do trabalho de forma vantajosa para todos os lados".(Valor Online – 18/07/2014)

Produtos e Mercados


Veja mais

Economia do Reino Unido cresce e recupera produção perdida na crise
DA REUTERS
Com o resultado do segundo trimestre, a economia do Reino Unido conseguiu avançar e ficar maior do que o registrado antes da crise financeira internacional há seis anos.
O Produto Interno Bruto (PIB) do país expandiu 0,8% no período entre abril e junho sobre o trimestre anterior, no mesmo ritmo dos três primeiros meses do ano e em linha com as estimativas de economistas.
Na comparação com o segundo trimestre do ano passado, o crescimento foi de 3,1%, ritmo mais rápido desde o final de 2007, informou a Agência para Estatísticas Nacionais nesta sexta-feira (25).
Isso significa que a produção econômica total foi 0,2% maior do que no primeiro trimestre de 2008, seu pico anterior.
A economia do Reino Unido ficou praticamente estagnada após a recessão de 2008/09. Mas voltou à vida no ano passado, e o país deve ser o que mais cresce no grupo das nações mais ricas do mundo neste ano, segundo o Fundo Monetário Internacional (FMI).
O Fundo estima que o Brasil tenha crescimento de 1,3% neste ano.
SERVIÇOS
A Agência inglesa informou que o dominante setor de serviços novamente liderou, com expansão de 1,0% no segundo trimestre sobre os três meses anteriores, crescimento trimestral mais rápido deste o terceiro trimestre de 2012.
Mas em uma lembrança do desafio de colocar a economia em um caminho sustentável no longo prazo, a indústria avançou apenas 0,2% entre abril e junho, sua taxa de crescimento mais fraca em mais de um ano. (Folha de SP – 25/07/2014)

Abe visita AL em busca de negócios para Japão
Por Nikkei, de Tóquio
O premiê do Japão, Shinzo Abe, inicia hoje uma viagem por cinco países da América Latina (México, Trinidad e Tobago, Colômbia, Chile e Brasil) com o objetivo de usar a diplomacia para ajudar a ampliar os negócios domésticos na região e ao mesmo tempo conter a influência crescente da China.
Sadayuki Sakakibara, presidente da associação de classe empresarial Keidanren, estará entre os cerca de 70 líderes empresariais e outros que acompanharão Abe. Eles são de áreas que incluem a produção de automóveis, recursos, alimentos, construção e finanças.
"Com a viagem à América Latina, terei visitado 47 países em um ano e meio desde que assumi", disse Abe em um fórum realizado ontem pelo Keidanren.
Esses esforços de marketing exaustivos, segundo observou o primeiro-ministro, já aumentaram os contratos de infraestrutura para as companhias japonesas. Ele também demonstrou interesse em organizar missões econômicas parecidas em viagens futuras.
O governo vê a América Latina como um ambiente mais fácil para as empresas japonesas crescerem e obter contratos, uma vez que, ao contrário da Ásia, não há ressentimentos históricos com o Japão.
O México, a primeira parada, tem reservas abundantes de recursos como petróleo e gás de xisto. Há planos para o investimento de pelo menos 60 trilhões de ienes (US$ 585 bilhões) no desenvolvimento de recursos e outros projetos de infraestrutura nos próximos cinco anos. No Brasil, serão investidos 20 trilhões de ienes no desenvolvimento de campos de petróleo no sul do oceano Atlântico.
Nos encontros com os líderes desses países, Abe vai propor ação conjunta em projetos de grande escala. Ele antecipa que o desenvolvimento de parcerias com cada um dos países não só facilitará a obtenção de contratos por companhias japonesas, como também permitirá ao Japão ganhar mais recursos no futuro. No Chile, que fornece 48% do cobre importado pelo Japão, Abe participará da inauguração da mina de cobre de Caserones, que foi desenvolvida por uma empresa japonesa.
Sua passagem por Colômbia e Trinidad e Tobago marcará a primeira visita de um premiê japonês a estes países. A Colômbia é rica em petróleo e carvão, enquanto Trinidad e Tobago tem gás natural e petróleo em abundância. (Valor Online – 25/07/2014)

E se houver mesmo um default argentino, o que acontecerá depois?
Por Benedict Mander | Financial Times
Apesar de faltarem apenas alguns dias para o fim do prazo (a próxima quarta-feira) para a Argentina pagar os juros sobre seus títulos - caso contrário, entrará em default - ainda é possível que uma das duas partes faça uma concessão de última hora que viabilizaria um acordo. Se houver um acerto, é mais provável que surja no derradeiro minuto.
Do jeito que estão as coisas, a Argentina recusa-se a pagar os credores que não aceitaram a renegociação de sua dívida (os "holdouts"), aparentemente devido aos riscos legais implícitos na cláusula de "direitos sobre futuras propostas" (Rufo, em inglês) constante dos contratos de títulos e válida para os credores que aceitaram as renegociações de dívidas em 2005 e 2010. Essa cláusula impede que outros obtenham termos mais favoráveis do que eles - até que a cláusula expire, no fim deste ano.
Mas o juiz Thomas Griesa complicou o cenário, na terça-feira, ao recusar-se a conceder um novo "efeito suspensivo" à sua ordem para que seja efetuado o pagamento integral aos credores intransigentes na mesma hora em que a Argentina honrar os títulos renegociados. É extremamente improvável que os credores intransigentes peçam a Griesa que conceda outro efeito suspensivo, a menos que Buenos Aires decida-se a negociar seriamente - algo que, na quarta-feira à noite, a presidente Cristina Kirchner não deu absolutamente nenhum sinal de fazer.
Um calote não é do interesse de nenhuma das partes. Para a Argentina, há pouca dúvida de que o impacto sobre a economia seria adverso, agravando a recessão, a inflação e a escassez de dólares - talvez até mesmo provocando uma segunda desvalorização neste ano. Se as consequências econômicas forem bastante ruins, Cristina então poderia dizer adeus a qualquer chance de que seu herdeiro (se ela decidir escolher alguém) venha a vencer as eleições presidenciais do próximo ano. Além disso, há o caos legal que se seguiria.
Mas, para os credores intransigentes, permitir que ocorra um calote (ao recusarem-se a pedir que Griesa conceder uma novo efeito suspensivo) significaria jogar fora o seu grande trunfo nas negociações: precisamente, a ameaça de um default.
Alguns argumentam que a Argentina, então, poderia se safar com uma recusa categórica em dar-lhes um centavo sequer, e poderia contornar problemas legais nos EUA pagando seus outros credores em seu próprio território.
Outros analistas acham que isso pode não ser tão simples, e que um calote não é tão ruim para os credores intransigentes. Eles podem dar-se ao luxo de esperar até o ano que vem, quando assumir um novo governo que desejará solucionar esse problema e seguir em frente. (Valor Online – 25/07/2014)

Pedidos de bens duráveis nos EUA mudam de direção e avançam em junho
SÃO PAULO - As novas encomendas de bens duráveis nos Estados Unidos subiram 0,7% em junho, invertendo a direção tomada um mês antes, de queda de 1%. Excluindo transportes, os novos pedidos aumentaram 0,8%. Sem defesa, houve elevação de 0,7%.
O Departamento do Comércio americano apontou que maquinário liderou o avanço, com elevação de 2,4%.
Os estoques de bens duráveis aumentaram 0,4% em junho, no nível mais alto na série histórica. Os embarques de bens duráveis registraram incremento de 0,1% em junho, ante baixa de 0,1% em maio. (Valor Online – 25/07/2014)

Argentina retém dólares e preocupa importador
Por Marli Olmos | De Buenos Aires
Quem passeia pela Avenida de Mayo percebe na beleza arquitetônica a pujança de um passado distante. Inaugurada em 1894, a via que une a Casa Rosada com o Congresso, as maiores instituições públicas do país, foi entregue numa época em que Buenos Aires recebia, junto com os imigrantes, as melhores técnicas de construção europeias. O emblemático edifício que pertence à União Industrial Argentina (UIA) conserva o estilo herdado da escola de Belas Artes da França. Mas o período de prosperidade ficou para trás.
A elegância do homem que dirige a UIA orna com o imponente saguão que dá acesso a sua sala, cercada por colunas de influência romana. Nesse cenário, não é difícil remeter-se à época em que se comparava a Avenida de Mayo a um bulevar de Paris. Mas o pensamento de Héctor Méndez, presidente da entidade que representa a indústria argentina, concentra-se numa realidade econômica sem exuberâncias. Faltam poucos dias para o governo argentino evitar novo calote e isso deixa em dificuldades maiores um setor que já enfrenta os efeitos nocivos de uma recessão.
Para Mendez, mesmo com poder de negociação reduzido, um acordo do governo com os credores que não participam da dívida reestruturada representaria "um custo menor" para o país porque o recolocaria no caminho que tentava abrir para voltar ao mercado internacional. "Com a indenização da Repsol e acordo com o Clube de Paris parecia que estávamos em boa direção", afirma Méndez, um dirigente muito requisitado em reuniões empresariais.
Uma das maiores preocupações das empresas é que as restrições às importações fiquem ainda mais rigorosas. Se a Argentina não voltar ao mercado internacional o controle da saída de divisas tende a ser mais rígido. Com nível baixo de reservas de moeda estrangeira, a liberação de dólares pelo Banco Central para importadores tende a ficar cada vez mais difícil.
Nos últimos dias, segundo importadores, o volume diário liberado caiu 25% na comparação com o de algumas semanas atrás, já bem abaixo do valor solicitado pelas empresas. "As próprias empresas já entraram em 'default' porque não conseguem pagar os fornecedores. Em muitos casos vendemos no mercado argentino produtos pelos quais ainda não pagamos. Essa exposição é um grande risco porque não sabemos qual será o valor do dólar quando pudermos quitar nossas dívidas. Se o peso desvalorizar vamos arcar com grandes prejuízos", afirma o executivo da área de comércio exterior de uma empresa, que prefere não se identificar.
O efeito das restrições às importações afeta diretamente as empresas brasileiras. A participação dos produtos brasileiros soma 17% do que o setor industrial do país vizinho gasta com importação, segundo dados da consultoria Abeceb.
Mas existem muitas outras preocupações no meio empresarial em relação às consequências de um possível calote. E até nas grandes companhias se nota o peso da ansiedade em relação aos dias que restam para o governo negociar.
"Um dos maiores problemas será o aumento do custo do capital", afirma Amancio Oneto, principal executivo da Molinos Rio de la Plata, uma das gigantes do setor de alimentos e agronegócio, dona de marcas como a linha de azeites "El Cocinero" e os vinhos Nieto Senetiner.
"Outro problema é que num quadro de 'default', o consumo vai cair", diz Oneto. Depois de dois anos consecutivos de crescimento, de 4%, em média, por ano, todos os analistas concordam que o país registrará quedas de consumo de pelo menos 1% este ano.
"O que não falta na Argentina é a oportunidade de negócios", diz Mendez, da UIA. "Mas os investimentos estão todos parados", destaca. O risco de desemprego também assusta os empresários, diz, que tentam evitar o custo de dispensar mão de obra qualificada. Responsável por 20% do PIB, a indústria dá emprego a 2,8 milhões de argentinos.
A indústria automobilística, a primeira a ser atingida, tentou até aqui compensar a ociosidade com programas de licenças aos funcionários. "Mas é lógico que num cenário de crise a população se concentra na compra dos itens de primeira necessidade", diz.
Contexto
Quem trabalhou na Argentina na época do calote de 2001 não quer voltar a viver o pesadelo. É justamente por causa da dívida daquela época que o país está novamente em apuros. Um grupo minoritário de credores, que não aceitou trocar os títulos nas reestruturações de 2005 e 2010, ganhou na Justiça americana o direito de receber a sua parte integralmente.
Liderado pelo fundo NML Capital, do bilionário Paul Singer, o grupo tem direito a US$ 1,5 bilhão. Mas o pagamento dessa dívida abre precedente para que todo o restante - 94% dos credores -, que aceitou a reestruturação, receba também a parte integral, o que daria, nos cálculos do governo, US$ 120 bilhões. Isso é quatro vezes mais do que o país tem em reservas de moeda estrangeira. (Valor Online – 24/07/2014)

Nokia eleva meta após lucro acima do esperado no segundo trimestre
Markku Ruottinen
DA REUTERS, EM HELSINQUE
A fabricante finlandesa de equipamentos de telecomunicações Nokia anunciou nesta quinta-feira (24) uma margem de lucro trimestral mais forte que o esperado em suas unidade de redes, a principal da companhia, e disse que suas expectativas para o ano inteiro melhoraram.
A Nokia vendeu seu outrora dominante negócio de telefones para a Microsoft em abril. Após o acordo, quase 90% das vendas da Nokia vêm da sua unidade de redes.
O trimestre de abril a junho foi o primeiro com o presidente-executivo Rajeev Suri no comando. Ele foi promovido em abril da sua função anterior de chefe da unidade de redes.
A empresa registrou lucro operacional para o negócio de redes de € 281 milhões de euros (cerca de R$ 840 milhões) no segundo trimestre, queda de 14% sobre um ano antes, mas bem acima dos 197 milhões previstos, em média, por analistas em uma pesquisa da Reuters.
"Esta foi uma divulgação de resultados muito forte em todos os aspectos", disse o analista Mikael Rautanen, da Inderes.
"A rentabilidade de redes superou todas as expectativas e, como a cereja do bolo, eles aumentaram a meta para o ano da rentabilidade da unidade de redes".
A margem operacional da unidade foi de 11%, em comparação com as previsões de 7,7% na pesquisa da Reuters com analistas.
"Nossas expectativas para o ano de 2014 melhoraram e agora esperamos que a rentabilidade do ano para redes fique na nossa meta de longo prazo de 5% a 10%, ou ligeiramente acima dela", disse o presidente-executivo, Rajeev Suri, em comunicado.
O lucro do grupo Nokia no trimestre foi de € 0,06 por ação, à frente da expectativa de € 0,04 por ação.
A posição líquida de caixa da Nokia no final de junho alcançou € 6,5 bilhões, contra € 2,1 bilhões no final de março, antes da venda da unidade de celulares ter sido fechada, disse a Nokia.
A companhia já afirmou que planeja retornar € 3,1 bilhões de euros para os acionistas, mas não revelou o que pretende fazer com o restante do dinheiro. (Folha de SP – 24/07/2014)

Japão registra em junho dois anos seguidos de déficits comerciais
TÓQUIO - A sequência de déficits comerciais do Japão atingiu a marca de dois anos em junho, repetindo o crescimento lento das exportações enquanto as importações permaneceram persistentemente elevadas, reforçando a visão de que os déficits na balança vieram para ficar no país que foi outrora uma potência exportadora.
O déficit da balança comercial chegou a 822,2 bilhões de ienes em junho, segundo dados do Ministério de Finanças divulgados nesta quinta-feira. A previsão de um grupo de economistas consultados pelos jornais "The Wall Street Journal" e "Nikkei" era de déficit de 684,7 bilhões de ienes.
O tamanho do déficit mensal foi ligeiramente menor do que nos meses anteriores, quando girava em torno de 1 trilhão de ienes. Mas alguns formuladores de política monetária do Japão já esperam a volta ao patamar mais elevado di ante da fraqueza na economia global, o declínio da competitividade dos fabricantes japoneses e a maior dependência dos c ombustíveis fósseis importados após o acidente nuclear em Fukushima, em março 2011.
Em junho, as exportações caíram 2% em relação ao mesmo mês do ano passado, enquanto as importações aumentaram 8,4%. O período de déficits comerciais de 24 meses é o maior já registrado sob o formato atual de estatísticas, que remonta a 1979.
Exportações fracas levantaram entre os economistas locais os temores de entraves ao crescimento econômico e a dificuldade do primeiro-ministro, Shinzo Abe, de acabar com 15 anos de deflação com sua política de afrouxamento monetário e aposta nas vendas internas.
A administração Abe e o Banco do Japão tinham a esperança de que o iene mais fraco ajudaria a estimular o crescimento das exportações, mas os ganhos até agora têm sido menores do que o esperado, esfriando as esperanças de que as vendas no exterior ajudariam a fortalecer a economia. (Dow Jones Newswires) (Valor Online – 24/07/2014)

Desaceleração global ameaça retomada americana
Por Bernard Condon | Associated Press
No momento mesmo em que a economia dos EUA se fortalece, outros países ameaçam retardá-la.
Empresas americanas estão criando vagas no ritmo mais forte desde o fim da década de 90, e a economia do país finalmente parece pronta para crescer a um ritmo saudável. Mas a fragilidade do crescimento de França, Itália, Rússia, Brasil e China sugere que o velho chavão "quando os EUA espirram, o resto do mundo pega pneumonia" pode ter de ser mudado.
Talvez o resto do mundo é que vai espirrar desta vez, e os EUA é que vão pegar pneumonia.
Essa é a opinião de David Levy, de 59 anos, diretor do boletim Levy Forecast, especializado em análise econômica, inaugurado por sua família em 1949 e com um histórico invejável. Quase dez anos atrás, o economista advertiu que o mercado americano de imóveis residenciais era uma bolha pronta para estourar, e que os prejuízos decorrentes empurrariam o país para uma recessão tão grave que o Federal Reserve (Fed, o BC dos EUA) não teria opção senão reduzir as taxas de juros de curto prazo para o nível mais baixo de todos os tempos, a fim de estimular a economia. Foi exatamente o que aconteceu.
Agora, Levy diz que tudo indica que os EUA entrarão, em 2015, numa recessão desencadeada pelo desaquecimento das economias de outros países, pela primeira vez na história contemporânea.
"Para o resto do mundo, a recessão... será pior do que a última", diz Levy, cujo avô previu o colapso da bolsa de 1929 e cujo pai foi elogiado por décadas por antever viradas do ciclo econômico, muitas vezes contra a opinião corrente.
Sinais alarmantes já se fazem sentir. Ao contrário dos bancos americanos, os bancos europeus ainda estão às voltas com um excesso de empréstimos não quitados herdados da crise financeira. O endividamento das famílias e das empresas do continente está alto demais. E o nível de confiança está caindo, o que ficou evidente na venda em massa de ações, neste mês, puxada pelo temor com a situação do maior banco português.
Na China e em outros emergentes, o velho problema de depender dos endividados americanos para comprar seus produtos a cada ano, em vez de vendê-los, em quantidade suficiente, à sua própria população, se traduz num número excessivo de fábricas subutilizadas. "O mundo espera pegar carona na força do consumidor americano", diz o economista Eswar Prasad, da Universidade Cornell, "mas o consumidor americano não está em condições de assumir esse fardo".
Os mercados emergentes se restabeleceram mais rapidamente da crise financeira do que os países ricos, mas Levy acha que a grande causa desse fenômeno é a mesma que piorou as coisas. As empresas no exterior injetaram dinheiro em fábricas, máquinas e prédios para fabricar coisas com base no pressuposto de que as exportações, depois de se recuperarem dos níveis recordes de baixa da recessão, continuariam a crescer ao ritmo anterior. Mas não cresceram, e isso é um grande problema, diante dos valores excessivos investidos também pelas empresas para aumentar a produção antes da crise.
Levy diz que os EUA estão mais vulneráveis a problemas externos do que as pessoas imaginam. As exportações responderam por 14% da produção da economia americana no ano passado, ante 9% de 2002. Parece uma boa variação, mas ao mesmo tempo torna o país mais dependente do crescimento mundial, que, por sua vez, depende mais dos mercados emergentes. Esses mercados geraram 50% da produção mundial no ano passado, em relação aos 38% de 2002.
Levy acha que a origem dos males econômicos do mundo é muito mais complexa e profunda do que pensam os investidores focados no colapso do mercado imobiliário. O problema não se resume ao fato de os americanos terem assumido contratos de crédito imobiliário que não tinham condições de pagar. Estaria, isso sim, no excesso de empréstimos de muitos tipos tomados em muitos países, tanto por empresas como por pessoas físicas. Esse excesso de endividamento começou há tanto tempo - Levy o atribui à década de 1980 nos EUA - que as pessoas perderam a noção de quanto é prudente assumir em termos de dívidas.
Muitos economistas, por exemplo, se impressionam com o fato de que a dívida assumida pelas famílias americanas caiu dos 130% da renda líquida anual, de antes da crise, para 104%, o que sugere que as pessoas não estão se endividando demais. Mas qual é o nível de endividamento saudável? Levy não tem certeza, mas suspeita que é muito menos. Ele observa que, em 1985, correspondia a 74% da renda da população.
Se tudo isso implica uma recessão nos EUA já é outra questão.
Steven Ricchiuto, economista-chefe da Mizuho Securities, também acha que as pessoas não estão percebendo os sinais de uma nova desaceleração mundial, mas considera que a economia americana, de qualquer maneira, continuará a crescer. Daniel Alpert, autor de um livro soturno chamado "Age of Oversupply" (A Era da Superoferta, em tradução livre) sobre o excedente de produtos de exportação de países estrangeiros que tanto preocupa Levy, também considera que os EUA não vão entrar em recessão. E Prasad, da Universidade Cornell, que vê muitos dos mesmos problemas apontados por Levy, suspeita que as economias emergentes podem já ter "alcançado o fundo do poço", o que sugere que os investidores que estão comprando suas ações agora podem não ser tão tolos, afinal. (Valor Online – 24/07/2014)

Receita da Whirlpool fica menor
Por Gustavo Brigatto | De São Paulo
Com a queda nas vendas do 2º trimestre por conta da Copa, a Whirlpool, fabricante americana de eletrodomésticos dona das marcas Brastemp e Consul, teve queda no lucro líquido e na receita no Brasil. Na última linha, o resultado atribuído a sócios controladores foi 31,4% inferior ao do mesmo período do ano passado, somando R$ 118,3 milhões. A receita líquida caiu 5,7% no período, para R$ 2,07 bilhão. Os custos, que têm pressionado os fabricantes de eletrodomésticos nos últimos três anos, tiveram um recuo de 1%, para R$ 1,68 bilhão. As despesas caíram em igual proporção, para R$ 223,3 milhões. Mesmo com a ajuda do resultado financeiro positivo de R$ 6,9 milhões - ante perda de R$ 26,1 milhões um ano antes -, os ganhos foram enfraquecidos pela queda das vendas.
No fim de maio, a Whirlpool anunciou férias coletivas a um terço de seus 15 mil funcionários no Brasil por conta das vendas fracas e da baixa produtividade esperada para junho. Também disse que reajustaria preços em 10% para compensar custos maiores. No balanço global, a fabricante divulgou recuo de 9,8% no lucro líquido, para US$ 179 milhões. A receita líquida caiu 1,4%, para US$ 4,68 bilhões. Na América Latina, a receita encolheu 8,3%, para US$ 1,1 bilhão. A projeção de lucro por ação para o ano foi reduzida de um patamar de US$ 11,05 a US$ 11,55 para US$ 10,30 a US$ 10,80. (Colaboraram Tatiane Bortolozi e Renato Rostás) (Valor Online – 24/07/2014)

FMI - reduz crescimento do Chile para - 3,2% - em – 2014
SANTIAGO - O Fundo Monetário Internacional (FMI) reduziu para 3,2% sua projeção de crescimento para o Chile durante este ano, de uma previsão anterior de 3,6%. Segundo o último informe. O país enfrenta uma realidade macroeconômica "desafiante". "[O Chile], depois de vários anos de um forte desempenho econômico, teve seu crescimento desacelerado de maneira marcante, devido, em parte, a um panorama mais débil do preço do cobre", disse o relatório. "Segundo as projeções, o crescimento alcançará um ponto de inflexão em 2014 e retomará sua tendência gradualmente." De acordo com esta análise, o país recuperará seu nível potencial de crescimento em 2016, "graças ao relaxamento da política monetária, da depreciação do peso e da recuperação da economia mundial". (DCI – 23/07/2014)

Dona da Brastemp lucra 31,4% menos no Brasil no 2º trimestre
Por Tatiane Bortolozi
SÃO PAULO - A Whirlpool, fabricante americana de eletrodomésticos, registrou lucro 31,4% menor em suas operações brasileiras no segundo trimestre, de R$ 118,3 milhões. A queda refere-se à comparação com igual período de 2013.
A receita líquida da dona da marca Brastemp caiu 5,7% nos três meses até junho, para R$ 2,07 bilhão. Os custos recuaram em apenas 1%, para R$ 1,68 bilhão, e as despesas caíram em igual proporção, para R$ 223,3 milhões.
Mesmo com a ajuda do resultado financeiro positivo em R$ 6,9 milhões, ante as perdas de R$ 26,1 milhões registradas um ano antes, os ganhos acabaram enfraquecidos pela queda das vendas.
Em relatório publicado pela manhã, a empresa havia informado que a receita na América Latina caiu 8 ,3% no trimestre, frente ao mesmo período do ano passado. O faturamento do grupo americano foi a US$ 1,1 bilhão na região, pressionado pela menor demanda por seus eletrodomésticos, custos maiores de matéria-prima e câmbio desfavorável. (Valor Online – 23/07/2014)

Weg tem lucro maior, mas vê deterioração "generalizada" na indústria
SÃO PAULO - A fabricante de equipamentos elétricos e tintas industriais Weg SA fechou o segundo trimestre com lucro líquido de 228 milhões de reais, crescimento de 11,2 por cento sobre o resultado apurado um ano antes.
A empresa manteve projeção de investimentos de 592 milhões de reais neste ano, com destaque para implantação de novas unidades industriais na China e no México.
"Em outros mercados com menor dinamismo, os investimentos estão sendo reavaliados para que o ritmo de execução seja mais adequado à demanda efetiva", afirmou a Weg no balanço sem citar em quais países está reavaliando investimentos.
Porém, a empresa cita que a recuperação gradual de condições econômicas e de atividade industrial de economias maduras não chegou ao Brasil, "que continuou observando contração da produção industrial".
"Esta deterioração tem sido generalizada, com evolução negativa em praticamente todas as categorias econômicas, mesmo aquelas que haviam conseguido manter desempenho positivo ao longo do ano anterior, como os bens de capital", afirmou a Weg.
Segundo a empresa, o ciclo de crescimento de competitividade do setor brasileiro de máquinas a partir de um novo patamar de câmbio em 2013 "está praticamente encerrado".
"Nos produtos de ciclo longo, comumente aplicados em projetos de grande porte na indústria de processo e de infraestrutura, o mercado tem mostrado baixa atividade e concentrado em poucos segmentos específicos".
O ponto positivo visto pela companhia no mercado brasileiro são os impactos da crise hídrica vivida pelas grandes hidrelétricas do país, que segue gerando demanda por energia eólica, pequenas centrais hidrelétricas e ampliando urgência em investimentos.
A companhia encerrou a primeira metade de 2014 com lucro líquido de 432,87 milhões de reais, uma expansão de 14,7 por cento sobre o mesmo período do ano passado.
A Weg apurou geração de caixa medida pelo lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) de 311,5 milhões de reais, praticamente estável sobre o resultado obtido um ano antes. No período, a margem passou de 18,4 para 17,1 por cento.
A companhia teve receita líquida de 1,82 bilhão de reais no segundo trimestre, crescimento de 7,2 por cento sobre o faturamento de um ano antes e de 2,1 por cento na comparação com os três primeiros meses deste ano.
A expansão na comparação anual se deu puxada por forte aumento na receita em reais com exportações, que subiu 11,5 por cento, a 921,2 milhões de reais. Já no mercado interno, a receita subiu 3,1 por cento, para 900,3 milhões de reais. (Por Alberto Alerigi Jr.) (Reuters – 23/07/2014)

WEG: Lucro sobe 11,2% para R$ 227,9 milhões no 2º trimestre
Por Márcio Anaya
SÃO PAULO - A WEG, fabricante de motores elétricos e tintas industriais, registrou lucro líquido de R$ 227,985 milhões no segundo trimestre deste ano, volume 11,2% maior no comparativo com igual período de 2013. O resultado é o atribuído aos sócios controladores da empresa, base para a distribuição de proventos aos acionistas. A receita líquida totalizou R$ 1,821 bilhão, com alta de 7,1% no trimestre, e o ganho bruto no período fechou em R$ 577,325 milhões, alta de 3,5%.
O resultado antes do financeiro e tributos ficou positivo em R$ 251,239 milhões de abril a junho, com queda de 3% frente ao apurado em igual intervalo do ano passado. O resultado financeiro líquido mostrou lucro de R$ 32,349 milhões, ante perda de R$ 2,483 milhões no segundo trimestre de 2013.
A companhia contabilizou lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês) de R$ 311,500 milhões, volume praticamente estável frente ao segundo trimestre do ano passado, quando o resultado foi de R$ 312,547 milhões. A variação negativa é de 0,3%. A margem Ebitda recuou no segundo trimestre deste ano no comparativo anual, passando de 18,4% para 17,1%.
A empresa comentou em relatório que o segundo trimestre mostrou continuação da gradual recuperação do crescimento no mercado externo e melhor desempenho nos produtos de ciclo longo relacionados com a infraestrutura de energia, principalmente no mercado local.
"Por outro lado, notamos clara perda de dinamismo no mercado interno de produtos de ciclo curto, de características seriadas. Estes foram os produtos que mais se beneficiaram das condições competitivas proporcionadas pelo câmbio mais valorizado a partir de 2013, com os nossos clientes domésticos destes produtos recuperando participação de mercado sobre competidores importados."
A WEG diz ainda que ter observado uma clara preferência no mercado brasileiro por diminuir a exposição aos estoques durante o período de realização da Copa do Mundo, tanto por motivos de sazonalidade como pelo efeito dos diversos feriados. (Valor Online – 23/07/2014)

Whirlpool vê lucro e receita menores no segundo trimestre
Por Renato Rostás
SÃO PAULO - Fabricante americana de eletrodomésticos Whirlpool apurou lucro líquido de US$ 179 milhões de euros no segundo trimestre, levando em conta a parcela que é atribuível a controladores. A cifra representou queda de 9,6% na comparação com igual período do ano passado.
Além da queda nas vendas, a empresa, dona de marcas como Brastemp e Consul, encarou um alta nas despesas e nas provisões para o pagamento de impostos sobre o resultado. Em balanços anteriores, o alívio fiscal do programa brasileiro de incentivo às exportações havia ajudado a diminuir a tributação sobre o lucro.
Nos três meses até junho, a companhia viu a receita líquida cair 1,4% e ficar em US$ 4,68 bilhões. Não fosse o efeito cambial negativo sobre o resultado, as vendas teriam subido 1%, disse a companhia americana. O único desempenho positivo no período foi das atividades do grupo na América do Norte.
Mas se os custos foram controlados e recuaram 1% no trimestre, para US$ 3,89 bilhões, as despesas gerais e administrativas avançaram 1% e somaram US$ 457 milhões. Além disso, a Whirlpool enfrentou gastos com reestruturação maiores em 10%, de US$ 34 milhões. O pagamento de impostos sobre o lucro saltou 28%, para US$ 50 milhões.
Com o resultado, a fabricante de eletrodomésticos decidiu cortar suas projeções para o ano. Segundo o relatório da administração, a aquisição ainda pendente de fatia majoritária na chinesa Hefei Rongshida Sanyo Electric fez com que estoques fossem ajustados, causando a revisão nas contas.
A expectativa para o lucro por ação, que ia de US$ 11,05 a US$ 11,55, passou para de US$ 10,30 a US$ 10,80.
América Latina
A receita da Whirlpool na América Latina caiu 8,3% no segundo trimestre, frente ao mesmo período do ano passado. O faturamento do grupo americano foi a US$ 1,1 bilhão na região, pressionado pela menor demanda por seus eletrodomésticos, custos maiores de matéria-prima e câmbio desfavorável.
O lucro operacional nos países latino-americanos se situou em US$ 87 milhões nos três meses. O resultado piorou em 35,5% também na comparação anual.
Para o restante de 2014, a dona da Brastemp não acredita em melhora substancial. A previsão do grupo é de estabilidade a queda de 3% nas vendas de produtos para a América Latina. A empresa informou, contudo, que já conseguiu reajustar seus preços e vender itens de maior valor agregado para tentar compensar o mau momento. (Valor Online – 23/07/2014)

Para FMI, Alemanha poderia ajudar mais na recuperação da Europa
Por Sergio Lamucci | De Washington
A Alemanha tem espaço fiscal para aumentar o investimento público e deve promover reformas na regulação do setor de serviços, o que impulsionaria a competição e a produtividade, diz o Fundo Monetário Internacional (FMI).
Em relatório divulgado ontem, o FMI também alerta para o tamanho excessivo do superávit em conta corrente e mostra reservas quanto ao plano do país de criar um salário mínimo nacional, a entrar em vigor no ano que vem.
O Fundo diz que a recuperação da economia da Alemanha está em curso, liderada pela demanda doméstica, e estima que o país deverá crescer 1,9% neste ano e 1,7% no que vem, um pouco acima dos 1,7% e 1,6% projetados em abril.
O Bundesbank (banco central alemão), porém, aponta uma perda de dinamismo no segundo trimestre, vendo estagnação do Produto Interno Bruto (PIB) em relação ao trimestre anterior. A atividade no setor de construção ficou abaixo do verificado nos três primeiros meses do ano, marcados por um inverno moderado, e a indústria também teve desacelerou.
Tensões geopolíticas - como a disputa entre Ucrânia e Rússia - também contribuíram para o ritmo mais fraco da economia do país, segundo relatório do Bundesbank divulgado ontem. Já o setor de serviços "mostrou sinais adicionais de expansão".
Os economistas do FMI fazem uma avaliação bastante positiva da economia alemã, no relatório preparado para as consultas do artigo IV, o capítulo do seu estatuto que prevê um raio X anual da situação dos países-membros. Segundo o documento, os fundamentos alemães são sólidos - os balanços estão em geral saudáveis, o desemprego está no nível histórico de baixa e a posição fiscal é firme.
Apesar disso, a instituição alerta para o fato de que as perspectivas de crescimento de médio prazo estão contidas e que o supéravit em conta corrente permanece alto. "A economia ainda enfrenta um ambiente internacional fraco, uma incerteza prolongada, incluindo sobre os custos futuros de energia, e a rápida aproximação de mudanças demográficas adversas."
O FMI recomenda o aumento do investimento público. "Isso elevaria o PIB alemão de modo duradouro, e teria consideráveis impactos sobre o crescimento do resto da zona do euro", afirma o relatório, destacando o setor de infraestrutura de transportes. A instituição sugere ainda reformas no setor de serviços e maior clareza no arranjo regulatório do setor de energia.
Ao falar do projeto de criação de um salário mínimo nacional, o FMI considera que as decisões devem levar em conta os efeitos sobre o emprego em algumas regiões, especialmente no leste do país, onde a desocupação já é mais alta. Há um projeto para implementar um piso salarial nacional de € 8,50 por hora, a partir do ano que vem. "O novo salário mínimo nacional ajudaria a reduzir a crescente desigualdade de rendimentos, mas há riscos de exacerbar o desemprego em algumas regiões."
O relatório enfatiza ainda que a posição externa da Alemanha "é substancialmente mais forte do que sugerida pelos fundamentos de médio prazo e para o cenário desejado para as políticas globais". Em 2013, o superávit em conta corrente do país ficou em 7,5% do PIB, e deve ficar em 7% do PIB neste ano. Segundo o FMI, a expectativa é que esse superávit se reduza gradualmente, mas políticas adicionais para estimular um reequilíbrio mais rápido da zona do euro são necessárias.
"Com ampla ociosidade na economia, nenhum espaço fiscal e armadilhas de liquidez em várias de seus principais parceiros comerciais, a Alemanha, como a maior economia da Europa, poderia ter um papel mais forte em ajudar no reequilíbrio regional." (Valor Online – 22/07/2014)

Chile enfrenta ambiente macroeconômico desafiador, avalia FMI
Por Gabriel Bueno
SÃO PAULO - O Chile enfrenta "um ambiente macroeconômico desafiador", após anos de um desempenho econômico forte, avalia o Fundo Monetário Internacional (FMI) em relatório sobre o panorama atual do país.
O organismo afirma que a economia chilena está crescendo um pouco abaixo de seu potencial e que a depreciação do peso chileno gerou mais inflação, mas as expectativas de médio prazo seguem ancoradas em torno da meta do banco central do país.
O FMI diz que o crescimento chileno deve ficar em 3,2% em 2014, mas a economia deve recuperar impulso até 2016, apoiado pelo afrouxamento monetário, pela depreciação do peso e pela recuperação econômica global. Para 2015, a projeção do FMI é de crescimento de 4,1%.
Entre os riscos citados para o país, estão mais declínios nos preços do cobre e também a volatilidade financeira global. O Fundo observa, porém, que o Chile está bem posicionado para lidar com os desafios futuros.
Para a taxa de desemprego, a expectativa é de um nível de 6,4% em 2016, mesmo patamar de 2015. (Valor Online – 22/07/2014)

Espanha completa um ano de recuperação com economia atrelada a exportações
Sustentabilidade da recuperação é questionada já que ela se apoia em salários mais baixos e medidas do governo que ajudam as vendas de carros e as contratações e não a inovação de produtos
Enquanto a Espanha espera um segundo ano de recuperação, o trabalho de conserto do presidente do governo Mariano Rajoy na quarta maior economia da zona do euro poderia estar apenas pela metade.
Embora uma estimativa do Banco da Espanha possa mostrar nos próximos dias que o país completou 12 meses de crescimento no último trimestre, esse relatório e os dados sobre emprego também revelarão quanto trabalho o primeiro-ministro ainda tem pela frente. A economia continua dependendo de exportações alimentadas pelo ajuste do país durante a crise da dívida, com apoio limitado da demanda doméstica.
Com uma eleição programada para o próximo ano, Rajoy pode se confortar com rendimentos de títulos perto de baixas recorde, uma recuperação que tem mostrado certa durabilidade e pesquisas que estão revelando que o crescimento da manufatura é o mais alto em sete anos. No entanto, boa parte da recuperação industrial que está impulsionando a economia depende de salários em declínio e de medidas do governo que ajudam as vendas de carros e as contratações, e não da inovação de produtos.
"Ainda não se sabe se a recuperação é sustentável", disse María Yolanda Fernández Jurado, professora da Universidade Pontifícia Comillas de Madri, em entrevista por telefone. "Buscar competitividade através de custos menores de mão de obra acabará sendo contraproducente, a menos que haja um esforço para estimular produtos de maior qualidade e com tecnologia melhor".
Expansão econômica
No segundo trimestre, a economia da Espanha provavelmente se expandiu 0,4%, um crescimento mais acelerado que a média da zona do euro durante dois trimestres consecutivos pela primeira vez desde 2007, segundo duas pesquisas da Bloomberg News publicadas na semana passada. A publicação dos dados oficiais do PIB está agendada para 30 de julho, embora o Banco da Espanha costume publicar sua própria estimativa antes e tenha prognosticado consistentemente a cifra correta.
O governo diz que o final de uma recessão de seis anos está dando impulso à criação de empregos, o que se reflete no crescente número de contribuintes para o sistema estatal de pensões. Contudo, espera-se que os dados sobre desemprego, que serão publicados em 24 de julho, mostrem que cerca de um quarto da força de trabalho continua sem emprego, perto do nível mais alto na história da democracia espanhola. Junto com as medidas de austeridade, isto tem afetado o gasto, pois o salário anual médio declinou 0,3 por cento desde 2010.
No mês passado, a fragilidade da recuperação levou o governo a aprovar um plano para injetar 11 bilhões de euros (US$ 15 bilhões) na economia mediante fundos privados, europeus e governamentais, bem como empréstimos a companhias. As medidas incluem 175 milhões de euros para prolongar um programa de estímulo à venda de carros pela sexta vez, elevando a soma total a 715 milhões de euros.
As vendas ao exterior têm crescido rapidamente desde 2010, desempenho que o governo de Rajoy atribui a uma melhoria na competitividade da Espanha, depois que uma reforma das leis trabalhistas, realizada em 2012, tornou mais fácil para as empresas reduzir salários e demitir funcionários. Fluxos recordes de turistas também reforçaram a economia.
'Na UTI'
A frágil demanda doméstica é um obstáculo para as empresas que apostaram na inovação em vez de tentar concorrer com preços. Em Alicante, a Forest Chemical Group, fabricante de cola industrial que emprega 30 pessoas, diz que recorre a outros países europeus ou ao norte da África para vender sua cola concentrada de adesão rápida.
Em um país onde a construção e os serviços contribuem com 73% do valor agregado gerado a cada ano, o esforço em pesquisa e desenvolvimento é um dos mais baixos da região, totalizando 1,3% do PIB, frente à média de 2,1% da União Europeia. Enquanto o governo se concentrou em reduzir a quarta maior brecha orçamentária da UE e as empresas enfocaram a redução dos custos, o gasto em inovação caiu 8% desde 2010.
"A Espanha está recuperando a competitividade perdida; levará tempo para o gasto se recuperar", disse Rafael Pampillón, professor de Economia da IE Business School. "Há uma melhoria – a renda está crescendo, a compra de casas está aumentando –, mas não se pode esperar que um paciente recém-saído da UTI coma uma paella". (Brasil Econômico – 21/07/2014)

Agravamento da tensão com Moscou pode afetar empresas europeias
Por Todd Buell, Sarah Sloat e Daniel Michaels | The Wall Street Journal
As empresas europeias vêm passando quase intactas pelos vários meses que já dura o conflito na Ucrânia, mas a derrubada do avião de passageiros no país ameaça mudar essa situação.
As mortes de 298 civis no incidente de quinta-feira e a intensificação das acusações dos EUA e da Ucrânia de que a Rússia apoiou os separatistas que supostamente derrubaram o avião da Malaysia Airlines com um míssil estão tornando mais difícil para as empresas manter a neutralidade, dizem analistas. O aumento das tensões também poderia prejudicar o crescimento econômico na Europa.
Muitos executivos do continente vinham menosprezando as tensões crescentes entre o Ocidente e a Rússia, considerando-as um tipo de drama político que as empresas devem evitar para se concentrarem nos seus interesses de longo prazo. Empresas especialmente da Alemanha, França, Itália e Holanda tentaram proteger seus negócios multibilionários com a Rússia. A Europa tem laços comerciais bem mais fracos com a Ucrânia.
Para a gigante do petróleo Royal Dutch Shell, por exemplo, grande investidora no setor petrolífero da Rússia, o problema é especialmente delicado. Quatro funcionários da empresa, com sede na Holanda, viajavam no Boeing 777 que foi abatido. A empresa expressou pesar e não comentou sobre política.
Analistas dizem que será cada vez mais difícil para as companhias manter o silêncio, ainda que a Shell, outras grandes petrolíferas e muitas companhias alemãs tenham declarado publicamente que vão permanecer na Rússia.
"Isso vai elevar a pressão sobre exportadores da Alemanha para não fazer negócios com a Rússia", diz Christian Schulz, economista do banco alemão Berenberg, em Londres. "Claramente, o risco agora é termos mais sanções severas."
Os ministros das Relações Exteriores da União Europeia devem se reunir amanhã, em Bruxelas, para discutir a situação na Ucrânia. Até ontem não havia planos de nenhuma nova sanção, disse uma pessoa a par dos arranjos para a reunião.
Os líderes europeus já estavam frustrados, antes mesmo do incidente com o avião da Malaysia Airlines, com o que consideram uma intransigência da Rússia quanto à Ucrânia. Na quarta-feira, concordaram em ampliar as sanções para que abranjam potencialmente qualquer um que apoie autoridades russas ligadas ao conflito na Ucrânia. E instruíram funcionários da UE a elaborar, até o fim do mês, uma lista das pessoas e entidades que seriam alvo de sanções.
Relações mais frias da Europa com a Rússia podem afetar substancialmente algumas empresas. As montadoras europeias, por exemplo, construíram grandes fábricas no país e o promoveram como um mercado promissor.
"Estamos observando atentamente o desenrolar da situação", diz um porta-voz da francesa PSA Peugeot Citroën, que vendeu 23 mil veículos na Rússia no primeiro semestre. Ele acrescentou que não há, no momento, nenhum plano especial para a possibilidade de ampliação das sanções.
A também francesa Renault tem ainda mais a perder: sua aliança com a japonesa Nissan Motor é dona de participação majoritária numa das maiores montadoras russas. A Renault vendeu 96 mil carros no país no primeiro semestre, cerca de 7,8% do mercado total. "Estamos monitorando a situação", disse uma porta-voz da Renault.
As empresas alemãs fizeram um lobby particularmente agressivo para que a UE evitasse sanções econômicas mais duras à Rússia. Em meados de março, quando a tensão em torno do plano da região da Crimeia de se separar da Ucrânia estava se agravando, executivos do grupo lobista alemão Ostausschuss - que representa empresas alemãs com investimentos no Leste Europeu - tiveram reuniões com altas autoridades da Rússia, Ucrânia e Alemanha, numa tentativa de chegar a um acordo.
Logo depois, enquanto a premiê alemã, Angela Merkel, falava duro sobre punir a Rússia pela anexação da Crimeia, o presidente da gigante industrial alemã Siemens visitou o presidente da Rússia, Vladimir Putin, em Moscou. Um porta-voz da Siemens não estava disponível para comentar o assunto ontem.
Essas iniciativas envolvendo figuras de alto escalão contrastam com um recuo menos visível desde o início do conflito. "Novos investimentos na Rússia foram postos em banho-maria. Projetos que estavam prontos para serem implementados foram adiados", diz Volker Treier, responsável pela área de comércio exterior da DIHK, a Associação das Câmaras de Comércio e Indústria Alemãs.
A DIHK estima que o conflito reduza em € 4 bilhões as exportações alemãs para a Rússia este ano e em € 1 bilhão para a Ucrânia. Isso representaria um corte de meio ponto percentual nas exportações totais do país. "Considerando a projeção de que as exportações da Alemanha vão crescer 4% neste ano, é um golpe significativo", diz Treier.
Uma redução do comércio com a Rússia ocorreria num mau momento para a UE. A economia do bloco ainda se recupera da crise do euro e as agitações no Oriente Médio têm inquietado investidores.
O principal indicador doméstico do Centro para Pesquisa Econômica Europeia (ZEW) vem caindo há sete meses seguidos. Conflitos geopolíticos estão pesando sobre a economia da Alemanha, diz Michael Schroeder, economista da ZEW. "A economia alemã teme o potencial impacto das crises da Ucrânia e do Iraque", afirmou em junho o instituto alemão Ifo.
Ulrich Grillo, presidente da federação industrial BDI, exortou o país a fortalecer os laços econômicos com os EUA, apesar da irritação com as alegações de espionagem americana na Alemanha. "Precisamos de uma ligação mais próxima com a América, tendo em vista os acontecimentos na Ucrânia e na Rússia", escreveu ontem no jornal alemão "Tagesspiegel". (Valor Online – 21/07/2014)

OMC


Veja mais

Azevêdo afirma que existe "un grado muy satisfactorio de compromiso" sobre el programa de trabajo de la Ronda de Doha
El 25 de julio, el Director General Roberto Azevêdo, en su informe al Consejo General en calidad de Presidente del Comité de Negociaciones Comerciales, dijo que había existido "un grado muy satisfactorio de compromiso" en las recientes consultas celebradas por él y los Presidentes de los grupos de negociación en las esferas fundamentales de la agricultura, los productos industriales y los servicios. Manifestó que "la decisión de cómo avanzar ahora les corresponde a ustedes". (Texto na íntegra no website www.wto.org ) (OMC – 25/07/2014)

Azevêdo dice que el comercio debe ocupar un lugar central en la Agenda para el Desarrollo después de 2015
El 24 de julio, el Director General Roberto Azevêdo dijo al Consejo General que ha estado apoyando activamente que el comercio ocupe un lugar central en la Agenda para el Desarrollo después de 2015, que está siendo examinada en la Naciones Unidas. Explicó que entre los objetivos propuestos figuraba un aumento significativo de las exportaciones de los países en desarrollo y, más concretamente, lograr que para 2020 se haya duplicado la parte de las exportaciones mundiales correspondiente a los países menos adelantados. Añadió que en el marco del Foro Público de la OMC que tendrá lugar en octubre se dedicará un día entero al análisis del comercio en África. (Texto na íntegra no website www.wto.org ) (OMC – 25/07/2014)

Sob críticas, Índia resiste a referendar acordo na OMC
Por Assis Moreira | De Genebra
A Índia está sendo acusada de não honrar compromisso com os parceiros na Organização Mundial do Comércio (OMC), acertados em Bali (Indonésia), em dezembro de 2013, quando o acordo de facilitação de comércio foi aprovado em troca de concessão aos indianos.
O governo indiano mantém agora a ameaça de bloquear esse acordo, que, segundo estimativas, poder dar impulso de US$ 1 trilhão na economia mundial.
Em Bali, a Índia arrancou dos outros países uma "cláusula de paz", isto é, o compromisso de que não seria denunciada na OMC no caso de ultrapassar os limites para dar subsídios destinados a formar estoques de alimentos por razão de segurança alimentar.
Ficou acertado que os países teriam até 2017 para negociar uma solução permanente para essa questão. Pelas regras atuais, o limite para subsídios nesse caso é de 10% do valor da produção agrícola. Mas há flexibilidades para programas já existentes de estoques para segurança alimentar.
Mas também na OMC o passado às vezes é incerto. Agora, o acordo de facilitação de comércio, o único acordo alcançado na OMC nos últimos 20 anos, enfrenta seu primeiro prazo no dia 31. Até lá os países devem dizer se aprovam ou não o protocolo desse acordo, para ser incorporado aos outros entendimentos da OMC e, a partir de então, ser ratificado pelos países.
A Índia, porém, já tendo embolsado a sua "cláusula de paz", protegendo seus subsídios de US$ 12 bilhões por ano, quer adiar a aprovação do protocolo de facilitação de comércio para 31 de dezembro. Quer condicionar a sua aprovação até lá a uma solução permanente para os subsídios para alimentos, ao invés de esperar quatro anos.
Na prática, o novo governo, do premiê Narendra Modi, se sente descompromissado com o que foi acertado em Bali pelo governo anterior e não honra o que ficou acertado com os parceiros.
Isso vem causando irritação entre várias delegações na OMC. Os subsídios indianos tornaram o país o maior exportador mundial de arroz. Em Bali, o Paquistão se opôs fortemente a concessões aos indianos, alegando que seus exportadores estavam perdendo fatias de mercado. A Índia tornou-se ainda um grande exportador de trigo, que é comprado pelo programa de segurança alimentar.
Em meio à expectativa enorme nos meios comerciais, o governo indiano adiou uma reunião ministerial de ontem para hoje cedo, para tomar uma decisão final. A imprensa indiana publicou ontem que a posição é realmente de bloquear o acordo de facilitação de comércio enquanto não houver solução permanente para a questão de segurança alimentar. No entanto, a notícia de que a ministra indiana do Comércio teria telefonado ao diretor-geral da OMC para oficializar essa posição foi desmentida por fontes em Genebra.
Se a Índia mantiver o bloqueio hoje no Conselho Geral da OMC, como é a expectativa geral, o risco é que os outros membros também considerarem que não são obrigados a respeitar a "cláusula de paz" prometida aos indianos. Isso gera mais confusão na cena comercial global. O impacto sobre a agenda para retomada da Rodada Doha também pode ser significativo.
A Índia está isolada, tendo apoio apenas da Alba, a aliança bolivariana, liderada pela Venezuela. (Valor Online – 24/07/2014)

El Director General Azevêdo lanza un nuevo Mecanismo de la OMC para prestar apoyo a los PMA y los países en desarrollo
Organizaciones internacionales prometen apoyar la aplicación del Acuerdo sobre Facilitación del Comercio
El 22 de julio se dio a conocer en la Organización Mundial del Comercio una nueva iniciativa que ayudará a los países en desarrollo y países menos adelantados a cosechar los beneficios del nuevo Acuerdo de la OMC sobre Facilitación del Comercio, acordado en la Conferencia Ministerial de Bali en diciembre de 2013. Texto na íntegra no website www.wto.org (OMC – 22/07/2014)

Ministros de Comércio do G20 declaram apoio à implementação do Acordo de Bali
Sydney - Reunidos em Sydney, na Austrália, os ministros de Comércio dos países que fazem parte do Grupo dos 20 (G20) se comprometeram a colocar em prática normas de facilitação de comércio como forma de impulsionar o crescimento econômico mundial.
Representando o ministro brasileiro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Mauro Borges, o secretário-executivo do MDIC Ricardo Schaefer, defendeu na reunião que os acordos do pacote de Bali sejam rapidamente implementados, em função da importância das ações de facilitação para o comércio internacional.
"A própria construção da agenda do pós-Bali e a finalização da Rodada de Doha, que tanto interessa aos países em desenvolvimento e de menor desenvolvimento relativo, depende da implementação do pacote de Bali" disse Schaefer durante a reunião plenária dos ministros, realizada neste sábado.
Depois do acordo divulgado em dezembro de 2013, após uma reunião dos 160 membros da Organização Mundial do Comércio (OMC), os países concordaram em preparar uma agenda de trabalho, mas o governo brasileiro entende que as negociações não avançaram como previsto.
"Realizamos a reunião de Bali para preparar um programa de trabalho até ao final deste ano, com vista a concluir a Rodada de Doha. A taxa de progresso não é encorajadora. Nós acreditamos que é muito importante que o G20 envie uma clara e forte mensagem pedindo compromisso com a agenda pós-Bali até o fim deste ano e também com a retomada da Rodada Doha de Desenvolvimento o mais rápido possível", declarou Schaefer em uma de suas intervenções durante a reunião em Sydney. "O G20 dificilmente poderá contribuir coletivamente para fortalecer o sistema multilateral de comércio, se as diferenças individuais entre os membros do G20 continuarem a impedir o avanço das negociações em Genebra" acrescentou.
O Diretor-Geral da Organização Mundial do Comércio (OMC), Roberto Azevedo, que participou da reunião em Sydney, também defendeu a rápida aplicação do acordo. Na declaração final com o resumo das posições dos participantes, divulgada pelo o ministro australiano Andrew Robb, que presidiu a reunião do G20, foi declarado apoio à plena implementação do pacote de Bali, incluindo o acordo sobre facilitação de comércio, conforme os prazos definidos, e a criação de uma agenda de trabalho. "Nós concordamos que isso é fundamental para garantir um futuro sólido para o sistema de comércio multilateral. E reafirmamos a importância da capacitação para ajudar os países em desenvolvimento a implementarem os seus compromissos", declarou Robb.
A importância de avançar na criação de uma agenda de trabalho também foi explicitada na declaração final do encontro. "Comprometemo-nos a aproveitar o impulso de Bali para concluir a Roda de Desenvolvimento de Doha. Congratulamo-nos com os esforços do Diretor Geral da OMC, que comprometeu-se a trabalhar com outros membros da OMC, para alcançar um programa de trabalho de pós-Bali equilibrada e oportuna em dezembro de 2014", diz o documento.
Outras medidas
Além de defender a aplicação do acordo de Bali, em suas intervenções durante a reunião de sábado o secretário-executivo do MDIC também apresentou outras medidas de facilitação de comércio que estão sendo implementadas pelo governo brasileiro. Ele falou sobre a Janela Única de Comércio Exterior que teve sua primeira fase lançada em abril deste ano e, quando totalmente implementada, poderá reduzir o tempo de exportação e importação em 40% e economizar cerca de US$ 20 bilhões por ano. "Esta iniciativa não só estabelece um único fluxo de informações compartilhadas por todos os operadores de comércio exterior, mas também inclui todos os impostos, alfândegas e controles administrativos para importação e exportação" disse o secretário.
Outras experiências brasileiras citadas na fala do secretário foram o Programa de Investimento em Logística (PIL) para melhoria de infraestrutura, o Plano Nacional da Cultura Exportadora, e o Sistema Integrado de Comércio Exterior de Serviços (Siscoserv), que consolida dados valiosos que podem ser usado na gestão e definição de políticas públicas de apoio às exportações e importações brasileiras de serviços.
Participaram da reunião dos ministros de Comércio do G20 representantes da Austrália, Alemanha, Brasil, Argentina,Canadá, China, França, Índia, Indonésia, Itália, Japão, República da Coreia, México, Rússia, Arábia Saudita, África do Sul, Turquia, Reino Unido, Estados Unidos e da União Europeia, além do diretor-geral da OMC e de convidados de Mianmar, da Nova Zelândia, de Cingapura, da Espanha, da Organização para a Cooperação Econômica e Desenvolvimento (OCDE), e do Banco Mundial. (MDIC – 21/07/2014)

Outros


Veja mais

O poderoso feng shui do senhor Xi
Tendo por epicentro a Cúpula dos Brics e a visita ao Brasil, o presidente chinês, Xi Jinping, realizou rosário de encontros com líderes latino-americanos nos últimos dias. Às diferentes vibrações negativas dos interlocutores latinos respondeu com um poderoso feng shui de promessas. Buscou harmonizar cada interlocutor com o cenário em que a China é superpotência econômica.
A um Brasil inibido pela mirrada infraestrutura e esquálidos 17% do PIB para investimentos acenou com verba para logística e transporte. A uma Argentina acossada pelos fundos abutres –e que ruma involuntariamente ao calote no próximo dia 30– sinalizou com eventuais empréstimos que lhe aliviariam a secura em praças tradicionais de liquidez no Ocidente.
Na Venezuela, elevou a autoestima de Maduro num momento em que asseclas da velha guarda do chavismo abandonam o herdeiro bolivariano. Em Cuba, acalentou os irmãos Castro em meio à assinatura de acordos perfunctórios.
Já no âmbito plurilateral, ao lado dos demais sócios dos Brics em Brasília, ouviu da Unasul e do fórum China-Celac convocação a uma nova ordem de inspiração multipolar.
A tudo reagiu com ares de concordância. Quando falou –palavras vagas–, defendeu uma "aliança estratégica" entre Pequim e os países da região.
Em seu périplo latino-americano, o senhor Xi sempre carregou duas coisas no bolso. Uma foto de Deng Xiaoping e um cartão multiúso com a palavra "estratégia". Quanto à primeira, o atual líder sabe que está presidindo fase da história recente da China tão desafiadora quanto a que Deng comandou desde a morte de Mao Tsé-tung.
Se Deng, a partir de 1978, lançou as bases para o fim do enclausuramento e a integração competitiva de seu país à economia global, Xi busca hoje tornar-se o grande timoneiro da "China 2.0".
Esta é menos a plataforma industrial-exportadora de produtos baratos e mais a gigante da valor agregado, capaz de competir em qualquer área em design ou tecnologia.
Os colegas latino-americanos não hesitaram em ecoar o caráter "estratégico" que Xi atribui às relações China-América Latina. No entanto, dado o escopo do planejamento chinês, o termo "estratégico" não tem o mesmo significado em Pequim ou nas capitais latino-americanas.
Estratégico para a China é assegurar-se de que a região pode expandir seu papel como provedora das commodities agrícolas e minerais de que os chineses tanto precisam. Para isso, a China fará chover dinheiro para que a débil infraestrutura desses países seja reforçada.
Já a América Latina vê a China como estratégica sob ângulo diferente. O colosso asiático é não apenas destino fácil para seus bens primários mas também potencial pivô de uma suposta nova ordem internacional com menor protagonismo dos EUA.
Ao som de palavras doces, Pequim dimensiona pragmaticamente seus interesses na América Latina. Nesse feng shui, cumprimos uma tripla função: produção de matérias-primas, destino de bens industriais e fonte de discursos sobre remédios às injustiças do mundo. (Folha de SP – 25/07/2014)

A Argentina e o direito internacional
Por Rabih Nasser, Salem Nasser e Nathalie Sato
Em 2001 a Argentina declarou uma moratória no pagamento de sua dívida externa. A suspensão dos pagamentos se estendia a títulos emitidos nos Estados Unidos de 1994 a 2001. Como resultado de negociações com os portadores desses títulos, o país conseguiu substituir, em 2005 e em 2010, a quase totalidade dos papéis. O fato de que alguns poucos investidores, entre os quais aqueles que compraram tardiamente os títulos - bem depois da moratória -, tenham optado pela cobrança judicial perante os tribunais de Nova Iorque dá lugar hoje a um risco de crise e novo calote.
Os títulos originários continham uma disposição, conhecida por pari passu, que impõe ao país devedor a obrigação de não subordinar esses papéis ou lhes dar condições menos privilegiadas que outros de mesma natureza.
Quando a Argentina renegociou a dívida, deixou muito claro, passando inclusive legislação nesse sentido, que os detentores de títulos que não se incorporassem ao processo de substituição dos papéis enfrentavam o risco de não-pagamento. E desde então, de fato, o país tem cumprido fielmente o cronograma de pagamentos dos títulos substituídos e não tem pago os que restaram.
A situação atual suscita o debate sobre a conveniência de um acordo internacional para as renegociações de títulos de dívida soberana. Regras válidas internacionalmente poderia ajudar a lidar com as incertezas que afetam tanto Estados quanto investidores.
O que decidiram os tribunais de Nova York, e o que foi finalmente confirmado pela Suprema Corte Americana, é que a interpretação correta da cláusula pari passu impõe a conclusão de que as decisões e a legislação argentinas, bem como o pagamento apenas dos títulos decorrentes da renegociação, são violações da igualdade de tratamento devida originalmente.
Essa decisão está fundada na interpretação que fazem da lei de Nova York que, segundo os termos dos títulos emitidos, é a lei aplicável às controvérsias que viessem a surgir. E a decisão é tomada pelos tribunais do mesmo Estado americano porque também isto está previsto em cláusula de foro competente.
Normalmente, por conta do princípio da soberania dos Estados, um país não pode ser submetido à jurisdição dos tribunais de um outro, a não ser que o faça voluntariamente. Trata-se da imunidade de jurisdição à qual o Estado pode, portanto, renunciar. E esta renúncia houve, aos olhos dos tribunais, pela aceitação dos termos dos títulos.
Mas, para além da imunidade de jurisdição, há aquela imunidade dita de execução, ou seja, a impossibilidade de se executar as obrigações de um Estado diante da jurisdição de um outro, ainda que ele tenha renunciado à imunidade de jurisdição e tenha sido com base nessa renúncia condenado.
É esta limitação que dá um sentido especialmente problemático ao caso argentino.
Tanto a imunidade de jurisdição quando a de execução são regras do direito internacional público razoavelmente uniformes na sua compreensão. No entanto, cada Estado tem a sua própria formulação dessas normas. É por conta desse possível desencontro entre a interpretação dos tribunais nacionais e a formulação no direito internacional que surge a discussão sobre a possibilidade de a Argentina levar essa controvérsia à Corte Internacional de Justiça.
O Judiciário americano fundou sua decisão numa lei interna federal sobre a imunidade e interpretou seus termos como restrições a que as autoridades nacionais pudessem de algum modo penhorar ou apreender bens argentinos presentes no território americano.
Diante dessa restrição, decidiu o tribunal de Nova York, apoiado mais tarde pela Suprema Corte, que as medidas aptas, e permitidas, a dar força ao seu julgamento eram basicamente duas: por um lado, sem tomar posse dos recursos argentinos porventura existentes em bancos, impedir que a Argentina opere os pagamentos aos detentores dos títulos renegociados a não ser que o faça na mesma proporção em relação aos títulos dos que se recusaram a negociar; por outro lado, permitir que se demande de bancos e outros informações sobre bens argentinos existentes em qualquer lugar do mundo.
Há aqui evidentemente uma questão problemática que diz respeito à interpretação que fazem os tribunais americanos da imunidade de execução e seus limites. Combinado isso com o efeito extraterritorial, que esta decisão se permite explicitamente, e que decisões de tribunais americanos tendem a ter por força da centralidade desse país nas relações econômicas internacionais, situações críticas podem surgir e se multiplicar.
Por isso, a situação vivida pela Argentina suscita um debate sobre a conveniência de um acordo internacional para as renegociações de títulos de dívida soberana. A existência de regras válidas internacionalmente poderia ajudar a lidar com as incertezas que afetam tanto Estados quanto investidores nessas situações e que tendem a se agravar a partir da experiência argentina.
Rabih Nasser é professor da FGV Direito SP e sócio de Nasser Advogados
Salem Nasser é professor da FGV Direito SP e consultor de Nasser Advogados
Nathalie Sato é advogada de Nasser Advogados (Valor Online – 25/07/2014)

Embaixada do Brasil em Tel Aviv deve ficar vazia por bom tempo
NATUZA NERY
A declaração de Israel contra o Brasil foi recebida como um golpe no Itamaraty. Adjetivos como "tacanho" e "aloprado" foram usados à exaustão nos bastidores para descrever o comando diplomático de Tel Aviv.
Informada logo cedo das declarações dadas pela chancelaria israelense, a presidente Dilma Rousseff reagiu surpresa à crítica de irrelevância política, mas orientou sua equipe a "ignorar" a ofensa. Para ela, "bater boca" seria um erro.
Nos bastidores, porém, a avaliação de que a embaixada brasileira em Israel ficará vazia por um bom tempo era praticamente unânime.
O governo Dilma não imaginava resposta tão virulenta, mas esperava algum barulho ao decidir repreender Israel pela escalada de violência em Gaza.
Petistas ligados à campanha de reeleição demonstraram preocupação com a repercussão do caso dentro da comunidade judaica, bastante influente em São Paulo, Estado onde Dilma vem sofrendo forte rejeição.
Mas, pela primeira vez em muitos meses, Itamaraty e Planalto estavam minimamente afinados. Em todos os escalões do Ministério das Relações Exteriores houve apoio ao tom da nota avalizada por Dilma, escrita de próprio punho pelo chanceler Luiz Alberto Figueiredo, condenando a ofensiva de Israel sobre civis palestinos em Gaza.
A avaliação interna é que Israel não se vale apenas de um direito de defesa e não descansará até retomar Gaza.
Está, segundo diplomatas, dando sinais claros de que não pretende retroceder, apesar do risco crescente de isolamento ante a comunidade internacional.
Alguns, porém, reconheceram que a ausência de menção ao movimento palestino Hamas no comunicado brasileiro levava à interpretação de que o Brasil havia assumido um lado do conflito, o da Palestina.
Para auxiliares presidenciais, a reação do Planalto não foi contra Israel, e sim contra a ofensiva considerada desproporcional.
BRIOS
Reservadamente, muitos afirmam que o episódio feriu os brios do governo brasileiro e que demorará algum tempo para normalizar as relações. Oficialmente, a ordem é dizer que não há fissuras.
Elas, porém, serão medidas após a chegada do embaixador brasileiro à capital, o que deve ocorrer em breve.
Para o Planalto, prolongar uma discussão pública pode ser prejudicial para a política interna.
Dilma não quer ver o caso sendo usado por adversários na corrida sucessória.
Isso porque a diplomacia é uma das áreas de pior desempenho da atual administração quando comparado com os oito anos do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. (Folha de SP – 25/07/2014)

"Anão diplomático"
BRASÍLIA - Depois de três anos e meio de uma política externa dorminhoca, o Brasil deu um pulo da cama, tomou-se de brios e partiu para cima de Israel.
Em sintonia fina com o Planalto e num mesmo dia, o Itamaraty votou a favor de uma resolução dura contra Israel no Conselho de Direitos Humanos da ONU, soltou uma nota com zero firula, convocou o embaixador brasileiro em Tel Aviv e chamou o embaixador israelense em Brasília para dar um recado mal humorado.
A nota oficial, condena "energicamente o uso desproporcional da força" e foi recebida como uma declaração de guerra diplomática por Israel, que reagiu também de forma surpreendente e ácida, ora criticando a "irrelevância" da diplomacia brasileira, ora chamando o Brasil de "anão diplomático". Planalto e Itamaraty bufaram.
As relações entre Brasil e Israel têm sido pautadas pelo pragmatismo, por exemplo, na área comercial, mas nunca foram de amor. Portanto, o Brasil se fingiu de desentendido na guerra civil síria, assistiu de camarote o desastre político no Egito e, pior, lavou as mãos quando os vorazes russos passaram a devorar nacos da Ucrânia. Mas o país se sentiu à vontade para condenar Israel. E com motivos inquestionáveis.
Mortes são dolorosas em quaisquer circunstâncias, mas mortes de militares em guerras e em situação de tensão são compreensíveis, como são agora as pouco mais de 30 mortes de soldados israelenses. Mas como não ver, não ouvir e não gritar diante de centenas de mortes de civis palestinos (e de onde quer que seja), ainda mais se grande parte delas são de mulheres e crianças? E como não ver, não ouvir e não gritar que caíram mais de 700 de um lado e menos de 5% disso no outro? Crime de guerra?
A posição brasileira, clara e dura, marca uma inflexão da política externa de Dilma, a meses do fim do governo, e confirma que Israel perdeu a guerra da opinião pública internacional e está cada vez mais isolado. (Folha de SP – 25/07/2014)

Diplomatas veem declaração como "inaceitável"
Por Fabio Murakawa | De São Paulo
A reação israelense à crítica brasileira da ofensiva militar na faixa de Gaza, classificando por meio de um porta-voz o Brasil como um "anão diplomático", é "inapropriada", "excessiva", "inaceitável" e "à parte do repertório diplomático", disseram diplomatas brasileiros ouvidos pelo Valor.
De modo geral, entretanto, eles questionam a atitude de Brasília de chamar o embaixador brasileiro em Tel Aviv para consultas, uma forte manifestação de desagrado no âmbito da diplomacia. E veem uma linguagem "seletiva" na nota divulgada na noite de quarta-feira pelo Itamaraty - que condena "energicamente o uso desproporcional da força por Israel" na ofensiva, sem citar as ações do Hamas, que governa a faixa de Gaza.
"O Brasil não é um país irrelevante, e o tom descomedido da resposta demonstra isso no fundo e prova indiretamente o que nega, isto é, que a ação brasileira incomodou, doeu", disse Rubens Ricupero, que foi embaixador do Brasil nos EUA. "Se o Brasil não tivesse nenhuma relevância internacional, por que então responder de forma tão agressiva?"
Ex-secretário-geral do Itamaraty, o embaixador Marcos Azambuja afirma que foi "correto" o voto do Brasil no Conselho de Direitos Humanos (CDH) das Nações Unidas, que aprovou anteontem a criação de uma comissão para investigar se houve crimes de guerra e violações do direito internacional durante a ofensiva israelense.
"A chamada do embaixador para consultas também está dentro do repertório diplomático. É uma maneira de expressar desagrado, sem romper relações.", afirmou. "O problema é: quando o embaixador pode voltar? Quando as coisas estiverem bem? Essa é uma decisão fácil de tomar e difícil de consertar."
Para ele, a medida dificulta a interlocução do Brasil no conflito, a proteção dos brasileiros que estão em Gaza e a possibilidade de exercer uma "pressão humanitária" sobre Israel. "Pode-se manter o embaixador no país e dizer coisas duras, como foi o voto na CDH."
Segundo Azambuja, ainda que o Brasil não seja um "anão diplomático", o país não tem "musculatura" para atuar no Oriente Médio individualmente. "O melhor que o Brasil faz é atuar por meio de fóruns internacionais."
Luiz Felipe Lampreia e Celso Lafer, ambos ministros das Relações Exteriores durante a Presidência de Fernando Henrique Cardoso, enxergam por parte do atual governo brasileiro uma postura pró-palestinos.
Lampreia diz que "é óbvio que Israel tem uma reação excessiva" em Gaza e lembra que há uma condenação internacional à postura do país. Para ele, "reagir dizendo que o Brasil é um anão é uma escalada verbal inteiramente sem sentido". "Chamar o embaixador para consulta não é uma declaração de guerra", afirmou.
O ex-chanceler pondera, no entanto, que "o atual governo tem uma postura muito pouco simpática a Israel". E que uma série de episódios recentes, como o reconhecimento por Brasília do Estado palestino nas fronteiras anteriores a 1967, estão "atravessados na garganta de Israel", o que pode ter contribuído para a intempestiva reação israelense.
Lafer, por sua vez, afirma que o Brasil tem tradição na defesa da paz. "Mas, para exercer esse papel [no Oriente Médio], tem que ser um terceiro entre as partes, e não um terceiro a favor de uma parte." (Valor Online – 25/07/2014)

Chanceler: 'Se há um anão diplomático, o Brasil não é um deles'
Tânia Monteiro e Iuri Dantas / BRASÍLIA; Denise Chrispim Marin
Chefe da diplomacia brasileira rebate Israel; Planalto articula com sócios do Mercosul declaração condenando ataques em Gaza
(Atualizada às 22h) A réplica de Israel à dura nota do governo brasileiro, que classificou quarta-feira de "inaceitável" a escalada desproporcional da ofensiva militar sobre Gaza, mexeu com os brios do Itamaraty e do Planalto e resultou numa tréplica do ministro das Relações Exteriores, Luiz Alberto Figueiredo. Mas na avaliação de diplomatas e assessores presidenciais a ordem é encerrar a escalada verbal entre os dois países e evitar bate-boca.
Com o cuidado de não aprofundar o incidente diplomático, Figueiredo revidou a declaração do porta-voz da chancelaria de Israel, Yigal Palmor, de que o Brasil é um "anão diplomático" e "parceiro diplomático irrelevante". Ao Estado, o chanceler argumentou que Brasil e Israel, na condição de nações amigas, podem "discordar entre si, sem problemas". Figueiredo emendou, em clara lição de diplomacia a Tel-Aviv, que o Itamaraty "não usa termos que desqualifiquem governos de países amigos".
"O Brasil vive há mais de 140 anos em paz com seus vizinhos e é um dos raros países com relações diplomáticas com todos os membros das Nações Unidas", afirmou Figueiredo. "O Brasil sempre defendeu a paz e a segurança e teve sua voz ouvida internacionalmente. Construímos uma rede de amizades e de entendimento com os nossos vizinhos e também nosso lugar nas reuniões da ONU. Se existe algum 'anão diplomático', não se trata do Brasil", completou.
"Somos um dos 11 países do mundo que têm relações diplomáticas com todos os membros da ONU e temos um histórico de cooperação pela paz", declarou Figueiredo
A resposta do ministro brasileiro teve como pano de fundo a avaliação do Palácio do Planalto de que o governo israelense "passou do ponto" e foi "fora do tom". Uma fonte resumiu: "Não podemos aceitar isso calados", avaliação que resultou nas declarações de Figueiredo.
Até a noite de quinta-feira, 24, o governo de Israel não havia entrado em contato com Brasília para abrandar o impacto da declaração de Palmor. Diante disso, o governo brasileiro iniciou consultas com os demais sócios do Mercosul para a emissão de uma declaração de condenação do uso desproporcional da força por Israel contra a Faixa de Gaza. O texto deverá ser aprovado durante a reunião de cúpula do bloco, segunda e terça-feira, em Caracas.
Nos bastidores, o governo nega que esteja sendo duro com Israel e está apenas reagindo a uma ação despropositada do país contra os palestinos. Em linha com essa avaliação, o assessor internacional da presidente Dilma Rousseff, Marco Aurélio Garcia, disse na noite de quarta em entrevista ao SBT que "o que estamos assistindo no Oriente Médio, pelo amor de Deus, é um genocídio, é um massacre". A solução para a violência israelense na Faixa de Gaza seria "usar pressão política e diplomática" e não enviar tropas das Nações Unidas à região, respondeu Garcia quando indagado se era o caso de intervenção.
Segundo fontes ouvidas pelo Estado, não há interesse do governo brasileiro de seguir com a divergência por meio da imprensa. O Itamaraty sempre optou pela discrição para conseguir interlocução com os mais diferentes atores. Foi esse o tom da resposta de Figueiredo a Israel: o Brasil faz parte do pequeno grupo de 11 países que se relacionam com todos os membros da ONU.
A posição brasileira em relação à invasão da Faixa de Gaza por Israel teve início no dia 17, em uma nota com tom ameno, institucional, fiel ao estilo diplomático nacional. Ali, o governo Dilma pedia que se retomasse o diálogo. No mesmo dia, Dilma afirmou publicamente que era "lamentável" o acirramento do conflito. / COLABOROU VERA ROSA (O Estado de SP – 24/07/2014)

O Brasil será a principal escala do premiê japonês na América Latina
Macarena Vidal Liy Pequim
Mal se encerrou o giro midiático do presidente chinês, Xi Jinping, pela América Latina, e já um pouco distante o empreendido pelo russo, Vladimir Putin, agora é a vez do Japão. O primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, parte nesta sexta-feira para um giro de 11 dias pela América Latina e o Caribe que o levará ao México, Trinidad e Tobago, Colômbia, Chile e Brasil. O objetivo, segundo informa Tóquio, é desenvolver os laços diplomáticos e comerciais com uma região importante provedora de recursos naturais e com um mercado de consumidores de crescente poder aquisitivo. Mas também busca ampliar a influência e angariar apoio, especialmente para sua candidatura a um assento permanente no Conselho de Segurança da ONU no ano que vem.
A visita é a primeira de um chefe de Governo japonês à região em dez anos, desde a realizada por Junichiro Koizumi em 2004. Segundo afirmou o porta-voz do Executivo, Yoshihide Suga, a região adquire "uma importância cada vez maior para a economia japonesa pelo seu crescimento econômico e recursos naturais". Os países da zona "também são importantes parceiros que compartemvalores básicos, como a liberdade, a democracia e o Estado de Direito, e juntos podemos contribuir para a paz e a prosperidade mundial", acrescentou.
O Japão já conta com uma importante presença de suas empresas na região desde as décadas de 80 e 90, se bem que esse investimento se estagnou à medida que a economia japonesa se desacelerava. Mas à medida que o país, terceira economia do mundo, recupera o dinamismo, volta a prestar maior atenção à região, segundo explica Evan Ellis, pesquisador associado do Center for Strategic and International Studies (CSIS), dos Estados Unidos.
"Embora os bancos japoneses, incluindo o JBIC, não tenham na atualidade os recursos de seus homólogos chineses, as empresas japonesas têm a vantagem de uma maior experiência na região e, se poderia dizer, despertam um maior nível de confiança entre os latino-americanos do que a contraparte chinesa", diz Ellis.
A etapa mais significativa da viagem para Tóquio será a última, o Brasil. O Japão é o quinto mercado para as exportações brasileiras e o Brasil, o sétimo para as japonesas. Está prevista uma reunião de Abe com a presidenta Dilma Rousseff em 1 de agosto. O diário japonês Yomiuri Shimbun publicou que o chefe do Executivo japonês divulgará planos de seu país para a melhoria da infraestrutura brasileira, como estradas e portos, com o objetivo de facilitar o aumento das exportações de grãos.
A agência japonesa Kyodo garantiu também que ambos os países poderiam chegar a acordos no setor petrolífero. Segundo um esboço divulgado por essa agência, o Japão oferecerá sua tecnologia para a construção de superplataformas flutuantes destinadas à exploração de poços petrolíferos. Essas plataformas, de uns 300 metros de comprimento por 100 de largura, teriam um custo de construção de 50 bilhões de ienes (1,8 bilhão de reais).
Ainda no Brasil, Abe fará um pronunciamento em São Paulo no qual exporá a política japonesa para a América Latina. O momento do discurso será significativo, já que ocorrerá apenas uma semana depois do encerramento da viagem de Xi Jinping, na qual os laços da China com a América Latina foram substancialmente reforçados. Não somente no aspecto econômico, mas também no político, por meio de acontecimentos como a cúpula dos BRICS em Fortaleza ou reuniões com países membros da CELAC (Comunidade dos Estados Latino-Americanos e Caribenhos). Abe não vai querer ficar por baixo.
Nesse sentido, fontes governamentais do Japão indicaram à agência de notícias japonesa Kyodo que parte do objetivo do giro é conseguir o apoio da região às aspirações de Tóquio a um assento permanenteno Conselho de Segurança da ONU. A etapa-chave para isso será Trinidad e Tobago, onde Abe participará da primeira cúpula entre seu país e a CARICOM (Comunidade do Caribe). Cinco dos 14 membros dessa organização regional não reconhecem a República Popular da China, mas sim Taiwan, e Abe quer jogar essa cartada.
A viagem de Abe começará no México, um país com o qual o Japão mantém um acordo de livre-comércio desde 2005 e um intercâmbio comercial bilateral em torno de 22 bilhões de dólares anuais (48,8 bilhões de reais). O país asiático investiu 12 bilhões de dólares na nação da América do Norte, dos quais a metade chegou nos últimos três anos, e contempla com interesse possíveis oportunidades nas telecomunicações e energia, depois da recém-aprovada reforma do setor.
Na Colômbia, o primeiro-ministro japonês tratará das perspectivas para dar impulso ao acordo de livre-comércio que começaram a negociar em dezembro de 2012 e que provavelmente permitiria aumentar suas exportações a um dos principais mercados da região. Divergências em áreas como a redução de tarifas para produtos como os automóveis ou o aço constituíram até agora obstáculos difíceis de superar.
No Chile, país com o qual já mantém um acordo de livre-comércio, Abe abordará, entre outras coisas, o estado das conversações sobre o futuro Acordo da Associação Transpacífico (TPP), a ambiciosa área de livre-comércio de ambos os lados do Pacífico, na qual participarão 12 países.
Os meios de comunicação oficiais chineses dedicaram grande atenção ao giro de Abe, que se encerrará em 4 de agosto. Entre outros, o diário Information Times - segundo o qual o que o Japão busca é um assento permanente no Conselho de Segurança– afirma que o primeiro-ministro não terá êxito. "Em 2005 o Japão já lançou uma campanha maciça para conseguir isso, mas teve a forte oposição dos países vizinhos. As possibilidades de ganhar um assento num futuro próximo são agora ainda menores, dada a situação atual", de tensões regionais, diz.
Na opinião de Ellis, independentemente dos motivos que Abe tiver para viajar pela região, "muitos na China veem o giro como parte de uma manobra mundial do Japão contra a China, algo conectado em sua mente, entre outras coisas, com as tentativas de Tóquio de envolver os EUA no lado japonês no conflito sobre as ilhas Diaoyu/Senkaku" que os dois países disputam. (El Pais – 24/07/2014)

Israel rebate críticas do Brasil e chama País de 'anão diplomático'
Ministério das Relações Exteriores brasileiro condenou ações em Gaza e convocou embaixador em Tel-Aviv para consultas
JERUSALÉM - O Ministério das Relações Exteriores israelense respondeu as críticas do Brasil à postura de Israel no conflito com os palestinos na Faixa de Gaza e chamou o País de "anão diplomático".
"Essa é uma demonstração lamentável de por que o Brasil, um gigante econômico e cultural, continua sendo um anão diplomático", disse o porta-voz Yigal Palmor nesta quinta-feira, 24, de acordo com o jornal The Jerusalem Post.
Na quarta-feira, o Ministério das Relações Exteriores do Brasil divulgou uma nota afirmando que o País considera "inaceitável" o conflito e chamou para consultas o embaixador brasileiro em Tel-Aviv, Henrique Sardinha. "Condenamos energicamente o uso desproporcional da força por Israel na Faixa de Gaza, do qual resultou elevado número de vítimas civis, incluindo mulheres e crianças", dizia a nota da chancelaria brasileira.
"O relativismo moral por trás dessa atitude faz do Brasil um parceiro diplomático irrelevante, que cria problema ao invés de contribuir para solucioná-los", ressaltou Palmor, segundo o The Jerusalem Post.
A Confederação Israelita do Brasil também criticou a atuação da chancelaria do País. Em nota, a confederação disse que o comunicado do Ministério das Relações Exteriores do Brasil evidenciava "a abordagem unilateral do conflito na Faixa de Gaza, ao criticar Israel e ignorar as ações do grupo terrorista Hamas".
"Assim como o Itamaraty, esperamos um cessar-fogo imediato. No entanto, a lamentável nota divulgada pela chancelaria exime o grupo terrorista Hamas de responsabilidade no cenário atual. Não há uma palavra sequer sobre os milhares de foguetes lançados contra solo israelense ou as seguidas negativas do Hamas em aceitar um cessar-fogo", afirma a nota da confederação.
O Brasil foi um dos 29 países que votou na quarta pela investigação das ações de Israel em Gaza. Segundo a chancelaria, o País optou por votar favoravelmente sobre a condenação do Conselho de Direitos Humanos da ONU à ofensiva israelense em virtude da "gravidade da situação". (O Estado de SP – 24/07/2014)

Brasil é parceiro diplomático "irrelevante", diz Israel
Por Ana Cristina Dib, com colaboração de Fábio Murakawa
SÃO PAULO - O Ministério de Relações Exteriores de Israel lamentou, em comunicado divulgado nesta quinta-feiram a decisão do governo brasileiro de retirar o embaixador Henrique da Silveira Sardinha Pinto de Tel Aviv. Segundo o "Jerusalem Post", o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores israelense, Yagal Palmor, disse que "essa é uma demonstração lamentável de por que o Brasil, um gigante econômico e cultural, continua sendo um anão diplomático".
"O relativismo moral por trás deste movimento faz do Brasil um parceiro diplomático irrelevante, aquele que cria problemas em vez de contribuir para soluções", afirmou Yagal.
De acordo com um comunicado oficial do Ministério, a decisão não reflete a relação entre os países e ignora o direito de Israel se defender.
"Esse tipo de ação não contribui para a calma e estabilidade na região, mas promove o terrorismo e, naturalmente, afeta a capacidade do Brasil de exercer influência global. Israel espera apoio dos seus parceiros na luta co ntra Hamas, que é reconhecido por muitos países como uma organização terrorista".
Ontem, o Ministério de Relações Exteriores do Brasil disse considerar "inaceitável" a escalada de violência entre Israel e Palestina. Para demonstrar seu descontentamento com as hostilidades que já duram 16 dias, o governo chamou de volta ao Brasil, para consultas, o embaixador em Tel Aviv, Henrique da Silveira Sardinha Pinto.
A embaixada de Israel em Brasília confirmou a declaração do porta-voz do Ministério de Relações Exteriores israelense em Jerusalém hoje. (Valor Online – 24/07/2014)

FMI reduz previsão de crescimento da economia brasileira para 1,3%
O Fundo Monetário Internacional (FMI) reduziu mais uma vez a projeção para o crescimento da economia brasileira, este ano. A previsão para a expansão do Produto Interno Bruto (PIB) agora é 1,3%, ante 1,8% estimado em abril deste ano. Para 2015, a previsão de crescimento é 2%.
A projeção do FMI é menor do que a do governo brasileiro. Na terça-feira (22), o governo informou, no Relatório de Avaliação de Receitas e Despesas, que revisou a estimativa de crescimento do PIB, este ano, de 2,5% para 1,8%.
Para o FMI, no Brasil, as condições financeiras mais restritas e a contínua fraqueza da confiança dos empresários e dos consumidores atrasam os investimentos e amortecem o crescimento do consumo.
O fundo também reviu a previsão de crescimento da economia global de 3,6% para 3,4%. No próximo ano, a economia mundial deve apresentar expansão maior: 4%. Os países emergentes devem crescer 4,6% em 2014 e 5,2% em 2015. A previsão para a China é que o aumento chegue a 7,4%, em 2014, com moderação para 7,1%, no próximo ano.
A economia dos Estados Unidos deve registrar expansão de 1,7%, este ano, um pouco abaixo da previsão para todos os países avançados (1,8%). Em 2015, a previsão para a elevação do PIB americano é 3% e para todas as economias avançadas é 2,4%. (Agência Brasil – 24/07/2014)

FMI espera crescimento menor dos emergentes
Por Sergio Lamucci
WASHINGTON - Os principais países emergentes tiveram as suas previsões de crescimento para 2014 reduzidas pelo Fundo Monetário Internacional (FMI), com exceção da Índia. A revisão mais significativa foi da Rússia e a menor, da China. Brasil, México e África do Sul aparecem no pelotão intermediário. No conjunto desses países, o FMI projeta agora expansão de 4,6% neste ano, abaixo dos 4,8% esperados em abril.
Para 2015, houve outra diminuição forte no número para a Rússia, uma considerável no Brasil e uma pequena na China. O Fundo não mudou as estimativas para o avanço do PIB no ano que vem de Índia, México e África do Sul. No conjunto, os emergentes devem acelerar em 2015, crescendo 5,2%, apenas um pouco menos que 5,3% esperado em abril. Em breve relatório para atualizar as projeções do Panorama da Economia Mundial (WEO, na sigla em inglês) feitas há pouco mais de três meses, o FMI alerta para os riscos que os emergentes enfrentam com a perspectiva de normalização monetária nos EUA.
O FMI prevê que a China cresça 7,4% neste ano, um pouco abaixo dos 7,6% estimados há pouco mais de três meses. "O investimento no mercado imobilário desacelerou na China, e nós esperamos que isso continue. O governo agiu por meio de uma série de medidas de estímulo com alvo definido, dirigido para áreas prioritárias como o investimento em ferrovias e em habitação social", disse o economista-chefe do FMI, Olivier Blanchard. O relatório do FMI nota que houve ainda alívio tributário para pequenas e médias empresas.
Nos meses recentes, afirmou Blanchard, houve fluxos de crédito maiores e aumento dos gastos com infraestrutura, assim como melhora das exportações. Desse modo, a previsão do crescimento para a China foi pouco alterada, de acordo com ele. Para 2015, o Fundo espera uma desaceleração da expansão para 7,1%, um pouco abaixo dos 7,3% projetados em abril.
A instituição diz que, para o ano que vem, embora o panorama permaneça em grande medida uma função da meta do governo (o de 2014 é de 7,5%), deve haver uma moderação do crescimento, à medida que o país faça a transição para uma trajetória mais sustentável. "O principal desafio da China continua a ser atingir uma expansão mais equilibrada , com menos investimento e mais consumo", resumiu Blanchard, repetindo a recomendação que tradicionalmente se faz à China – e que é um objetivo do próprio governo chinês.
A redução das projeções para a Rússia reflete principalmente uma deterioração da confiança empresarial, o que foi agravada por tensões geopolíticas, disse Blanchard. Segundo ele, isso resultou em grandes saídas de capitais e nu m quase congelamento de decisões de investimento. O Fundo cortou a estimativa para a expansão da Rússia em 2014 de 1,3% para 0,2% e de 2,3% para 1%. Em conflito com a Ucrânia, a Rússia tem sido alvo de sanções econômicas por parte dos EUA e da Europa.
Para a Índia, o FMI manteve as estimativas de avanço do PIB em 5,4% para 2014 e 6,4% para 2015. O relatório divulgado nesta quinta-feira diz que a atividade deve se recuperar gradualmente depois da recuperação da confiança empresarial pós-eleições, compensando o efeito de uma monção desfavorável sobre o crescimento da agricultura.
Na África do Sul, a expansão da economia tende a continuar a fraca, como resultado de restrições de eletricidade e conflitos trabalhistas. O Fundo cortou a estimativa de crescimento do país em 2014 de 2,3% para 1,7%, mantendo em 2,7% a de 2015. Para o México, o FMI diminuiu a projeção para este ano de 3% para 2,4%, citando a demanda interna mais fraca e o impacto do mau desempenho dos EUA no primeiro trimestre. Para o ano que vem, o Fundo deixou inalterada a previsão de um avanço de 3,5%.
"Olhando para frente, as economias emergentes e em desenvolvimento enfrentam dois desafios", disse Blanchard. O primeiro é implementar reformas que reequilibrem as suas economias e fortaleçam o ritmo de expansão do PIB. "Alguns desses países, notadamente o México, mas também outro, estão de fato embarcando em reformas ambiciosas, que devem ajudar a levar o investimento e o crescimento", afirmou ele.
O segundo é se adaptar a um ambiente global que já começou a mudar. De um lado, a recuperação das economias avançadas implica aumento da demanda pelas exportações dos emergentes, lembrou Blanchard. No entanto, a normalização da política monetária nos EUA vai implicar que parte dos fluxos de capitais que foram para países emergentes em busca de maiores retornos voltará para casa.
"Isso por sua vez implica condições financeiras mais apertadas e um ambiente financeiro mais difícil ", observou o economista, destacando que os investidores estrangeiros estarão menos complacentes e que fraquezas macroeconômicas serão mais custosas. Ele advertiu que acidentes financeiros, como os que ocorreram em maio de 2013, podem se repetir, numa referência à volatilidade que tomou conta dos mercados internacionais depois que o Federal Reserve (Fed, o banco central americano) acenou pela primeira vez com a retirada dos estímulos monetários.
Segundo o relatório, poderão sofrer mais os emergentes com fraquezas domésticas e vulnerabilidades externas, sem citar nenhum país especificamente. (Valor Online – 24/07/2014)

Camex reduz imposto de importação de dez produtos por desabastecimento
Foi publicada hoje no Diário Oficial da União, Resolução Camex nº 56, que aprovou a incorporação ao ordenamento jurídico brasileiro das Diretrizes nºs 09/14, 10/14, 11/14, 12/14, 13/14, 14/14, 15/14, 17/14, 18/14, e 22/14 da Comissão de Comércio do Mercosul. As diretrizes estabelecem reduções temporárias do Imposto de Importação por desabastecimento no mercado brasileiro, ao amparo da Resolução Grupo Mercado Comum nº 08/08.
Os produtos que terão reduções de alíquota são os seguintes:
- Dimetilamina (classificado no código 2921.11.21 da Nomenclatura Comum do Mercosul - NCM). O produto é insumo para fabricação de defensivos agrícolas. A Alíquota do Imposto de Importação passa de 12% para 2%, para uma cota de 12.226 toneladas, pelo prazo de 12 meses.
- Monoisopropilamina (NCM 2921.19.23). O produto também é insumo para defensivos agrícolas. A alíquota passa de 14% para 2%, para uma cota de 26.282 toneladas, pelo prazo de 12 meses.
- Diclorofenil (NCM 2929.10.30). O produto é utilizado na síntese de ingrediente ativo para formulação de herbicida. A alíquota passa de 14% para 2%, para uma cota de 6.500 toneladas, pelo prazo de 12 meses.
- Copolímero de cloreto e acetato de vinila (NCM 3904.30.00). O produto é aplicado na fabricação de calçados, bolsas e acessórios, produtos automotivos, laminados, embalagens farmacêuticas, adesivos, vernizes e dentre outros. A alíquota passa de 14% para 2%, para uma cota de 2.500 toneladas, pelo prazo de 12 meses.
- Policarbonato (NCM 3907.40.90 - Ex 001 Policarbonato na forma de pó ou flocos). Os policarbonatos são um tipo particular de poliésteres, moldáveis quando aquecidos, sendo utilizados em vários produtos finais, tais como chapas, faróis automotivos, garrafões de água e medidores de água/energia. A alíquota do Imposto de Importação passa de 14% para 2%, para uma cota de 35.040 toneladas, pelo prazo de 12 meses.
- Folhas e tiras de alumínio com clad (NCM 7607.11.90 Ex 001 - Folhas e tiras, de alumínio, de espessura não superior a 0,2 mm, com clad) e Chapas e tiras de alumínio com clad ( NCM 7606.12.90 Ex 001 - Chapas e tiras de alumínio, de espessura superior a 0,2 mm, com clad). Os produtos são utilizados na fabricação de radiadores, condensadores e compressores de ar condicionado automotivo. A alíquota passa de 12% para 2%, a partir de 31 de julho de 2014, pelo prazo de 6 meses, com uma quota de 563 toneladas para cada produto.
- Placa metálica, de liga a base de cobre-estanho (NCM 8538.90.90). Esse tipo de placa metálica é insumo para a fabricação de módulo elétrico de comando automotivo. A alíquota passa de 16% para 2%, para uma cota de 72 toneladas, pelo prazo de seis meses.
- Soroalbumina humana (NCM 3002.10.37). O produto é utilizado na fabricação de medicamentos hemoderivados, utilizados no tratamento de hemofílicos. A alíquota passa de 4% para 0%, para um quota de 600.000 frascos com 10g, pelo prazo de 12 meses.
- Caprolactama (NCM 2933.71.00). A caprolactama é insumo para a fabricação de fibras artificiais. A redução tarifária, de 12% para 2%, para uma quota de 32.000 toneladas, vigorará até 28 de abril de 2015. (MDIC – 24/07/2014)

Brasil sobe uma posição em ranking do IDH
Lígia Formenti e Leonencio Nossa
Relatório divulgado pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), mostra o País em 79º lugar entre 187 nações
BRASÍLIA - O Brasil subiu uma colocação no Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) 2013. O relatório, divulgado nesta quinta-feira, 24, pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), mostra o País em 79º lugar entre 187 nações. Com essa classificação, o Brasil continua sendo considerado como país de alto desenvolvimento humano.
Especialistas da ONU dizem que o avanço discreto do Brasil no ranking se deve à crise financeira internacional que começou em 2008, à desigualdade de renda e ao crescimento acelerado de países que só agora começaram a criar políticas de combate à extrema pobreza, como Ruanda. Além do Brasil, apenas 37 países alcançaram uma colocação melhor que no ano passado. No geral, o ranking do PNUD retrata um período de pouca mudança: 114 nações mantiveram posições conquistadas em 2012 e outras 35 tiveram desempenho pior.
O pequeno crescimento obtido pelo País, no entanto, se perde quando se faz uma análise de um período maior. O relatório mostra que no período entre 2008 e 2013 - período da crise financeira internacional -, o País caiu quatro posições. Dentre os países do BRICS, Brasil é o único que apresenta a queda. No mesmo período, a África do Sul subiu duas posições; Índia avançou uma, a Rússia manteve a colocação. Do grupo, a China foi a que mais cresceu, de acordo com o relatório: 10 posições.
"Não mergulhamos para saber o que fez o Brasil ter um desempenho pior dentro dos países do BRICs", reconheceu a coordenadora do Atlas do Desenvolvimento Humano Brasileiro, Andrea Bolzon. Coincidência ou não, a partir de 2008 o Brasil só teve um crescimento melhor do que o apresentado pela Rússia no grupo dos BRICs. O relatório destaca apenas que a Rússia apresenta uma educação menos desigual. Para Andrea, o que mais torna mais lento o avanço do Brasil no índice é a desigualdade na renda.
Três quesitos. Desenvolvido há 24 anos pelo PNUD, o índice tem uma escala de 0 a 1. Quanto mais próxima de um, melhor a situação do país. O Brasil alcançou índice 0,744. Noruega, a primeira colocada, 0,944. O pior indicador foi do Níger: 0,337. As notas são dadas a partir da avaliação de três quesitos: saúde, educação e rendimento.
Para o coordenador do sistema das Nações Unidas no Brasil, Jorge Chediek, o fato de o Brasil ocupar apenas a 79° posição no ranking, atrás dos vizinhos Chile (41°), Argentina (49°), Uruguai (50°) e Venezuela (67°) é resultado de problemas históricos. "O passivo é enorme. Não podemos esquecer que o Brasil apresentou melhoras consistentes nos últimos 30 anos", justificou. "Em 1980, a média de tempo de escola do brasileiro era a de 2,6 anos e a expectativa de vida, de 62,7 anos", completou.
Educação. O que garantiu ao Brasil avançar um pouco a colocação no ranking , avaliou Chediek, foi a educação e, sobretudo, a mudança na metodologia usada para fazer o cálculo dos indicadores. A partir de agora, a expectativa de anos estudados - uma espécie de expectativa de vida escolar - tem peso semelhante a outro indicador, a de anos estudados. A alteração é uma antiga reivindicação de países, sobretudo o Brasil, que reclamavam que o indicador estampava condições ofertadas para alunos no passado e não condições atuais.
O relatório deste ano mostra que uma criança no Brasil tem expectativa de estudar 15,2 anos, a melhor entre os países do BRICs. Rússia, a segunda colocada nesse quesito entre o grupo, traz uma expectativa de anos escolar de 14 anos. O Brasil perde, no entanto, na comparação com vizinhos Argentina e Uruguai. A esperança é a de que as crianças argentinas que iniciam agora os estudos terminem o ciclo dentro de 16,4 anos e as uruguaias, 15,5 anos. O melhor desempenho entre os países analisados é o da Austrália. Crianças australianas têm expectativa de estudar 19,9 anos.
Expectativa de vida. O Brasil se destaca entre países do BRICs, também, na expectativa de vida ao nascer: 73,9 anos. A segunda maior do grupo. Em primeiro lugar vem a China, com 75,3. No entanto, a marca é inferior à apresentada pela Bósnia (76,4 anos), Argentina (76,3 anos) e Uruguai (77,2 anos.) "Os números brasileiros não são melhores por causa dos altos índices de homicídios e acidentes de trânsito", disse Chediek.
Quando se analisa os números totais, Brasil é o segundo colocado entre os BRICs. Em primeiro lugar vem a Rússia, que ocupa o 57º. Depois do Brasil no ranking geral vem a China, na 91º colocação. África do Sul ocupa o 118º lugar e a Índia, o 135°. (O Estado de SP – 24/07/2014)

A Challenge From the BRICS
By THE EDITORIAL BOARD JULY
On July 15, the leaders of Brazil, Russia, India, China and South Africa — the BRICS group of nations — announced the creation of the New Development Bank aimed at challenging the American-led global economic order. The United States and Europe should take note that these nations are determined not to be constrained by Western institutions that fail to accommodate their ambitions.
The frustrations of this five-nation bloc are understandable, if somewhat divergent. Brazil and India blame the West's 2008 financial crisis for sapping economic growth. South Africa and India need capital for infrastructure development, preferably without conditions imposed by the International Monetary Fund or World Bank. China, whose economy is expected to surpass that of the United States as the world's biggest sometime soon, doesn't see why its currency shouldn't replace the American dollar in a good portion of global transactions. Russia, ousted from the Group of 8 and facing Western economic sanctions following its annexation of Crimea and support for rebels in Ukraine, is working to build closer relationships with China and the rest of its fellow BRICS.
The BRICS contain 40 percent of the world's population and account for 20 percent of global economic output, yet only Europeans and Americans have led the I.M.F. or the World Bank. The United States Congress has contributed to frustration by refusing to pass legislation to shift voting power more fairly among I.M.F. member states — even though this would cost the United States nothing.
China represents 70 percent of the collective gross national product of the BRICS. A China Development Bank already exists, and China is creating its own Asian Development Bank. The New Development Bank will be based in Shanghai. India will assume the presidency of the bank for the first six years, followed by rotating terms for Brazil and Russia, but how this will counterbalance China's economic clout is far from clear.
The bank will begin with an initial capital of $50 billion, rising to $100 billion, with a separate $100 billion Contingent Reserve Arrangement. The BRICS plan to bring in other developing countries in Africa and Asia, and they are talking about creating a regional-security alternative to NATO.
The BRICS nations have quite different political systems. Russia and China, for instance, are authoritarian regimes; India and Brazil are democracies. Some of them may be more willing than others to observe international norms on, say, human rights, and some may be more inclined to condition investments on environmental protection. It will be interesting to see how these differences play out in the bank's governance and operations. (The New York Times – 23/07/2014)

Importação de bens de capital recua 10,3%
Por Rodrigo Pedroso | De São Paulo
Os dados do primeiro semestre do comércio exterior reforçam os sinais de queda da confiança e do investimento na economia brasileira. Levantamento da Fundação Centro de Estudos do Comércio Exterior (Funcex), que será divulgado hoje, mostra que o Brasil importou, em volume, 10,3% menos bens de capital em relação ao primeiro semestre de 2013. Ao mesmo tempo, uma parcela menor da produção foi absorvida pela atividade doméstica.
No acumulado do ano até maio, a produção de bens de capital medida pelo IBGE teve queda de 5,8%, enquanto os dados de exportação de bens de capital fornecidos pela Funcex até junho apontam para aumento de 4,2% do volume embarcado ao exterior.
A conta da exportação, entretanto, exclui o efeito das plataformas de petróleo embarcadas de maneira contábil no primeiro semestre de 2013. Com elas na base de comparação, as vendas totais de bens de capital recuaram 23,3%, deprimindo a exportação de manufaturados, que caiu 10,1%.
Daiane Santos, economista da Funcex, chama a atenção para o recuo de 15,2% nas importações de máquinas e equipamentos de uso industrial e a queda de 6,2% no volume desembarcado de máquinas e equipamentos de uso geral no primeiro semestre. As duas subcategorias representam 37% do total importado de bens de capital. "Esses dados de redução da importação vão ao encontro da conjuntura da indústria neste ano, que está com a atividade fraca e com confiança em queda", afirma Daiane.
A Funcex também registrou recuo nas importações de bens duráveis (8,6%), não duráveis (4,5%) e de combustíveis (5,8%). Com isso, o volume total dos desembarques caiu 1,8%. O primeiro setor, de duráveis, foi afetado pela fragilidade da economia argentina, que comprou menos automóveis brasileiros na primeira metade do ano. Para produzir esses carros exportados à Argentina, a indústria automobilística utiliza partes e peças prontas fabricadas no país vizinho. Já o recuo em bens não duráveis foi causado pelo esfriamento do consumo interno do país.
Os dados industriais apontam para uma retração da produção de bens de capital neste ano como um todo, de acordo com Daiane. "A primeira metade do ano mostra que esse quadro de desaceleração da economia puxada por uma indústria com maus resultados está se concretizando", diz.
Se a atividade industrial está com números desanimadores neste ano, a exportação de bens primários e de combustíveis puxou o resultado do comércio exterior. O volume de embarques ao exterior de produtos básicos cresceu 11,2%, enquanto o de combustíveis aumentou 21%. A recuperação da segunda categoria de uso se deve, de acordo com Rodrigo Branco, economista e pesquisador da UFRJ, ao aumento da produção de petróleo pela Petrobras e à base fraca de comparação na primeira metade do ano passado, quando a estatal paralisou a produção em poços maduros para a manutenção de algumas plataformas.
O resultado dos produtos básicos já era esperado. A safra recorde de soja, o aumento da produção de petróleo e de minério de ferro contribuíram para o incremento do quantum exportado. Em contraste com as classes de produtos exportadas, o primeiro semestre aponta para intensificação do processo de primarização pelo qual passa o comércio exterior brasileiro, na visão de Branco. "Quando se olha o desempenho dos manufaturados, o quadro é outro", afirma.
O economista se refere à queda de 3,1% no volume exportado de semimanufaturados e ao recuo de 10,1% em manufaturados, levando em conta as plataformas de petróleo na base de comparação do ano passado. Sem o efeito delas, o recuo na manufatura foi de 5,6%, apesar do incremento do volume de exportações observado em bens de capital.
Para Welber Barral, ex-secretário de Comércio Exterior e sócio da Barral M Jorge Consultores Associados, há forte pressão interna de aumento de custos na economia brasileira, que está afetando a demanda interna - com reflexos consequência na produção e importação de bens de capital - e a manutenção e conquista de novos mercados no exterior. A desvalorização de 11% do real frente ao dólar de agosto do ano passado a junho deste ano não serviu para o recuo dos preços aos clientes no exterior, segundo os especialistas, impedindo uma melhora da competitividade e ampliação da presença em mercados já consolidados.
No índice calculado pela Funcex, na primeira metade do ano, os preços dos manufaturados exportados caíram apenas 0,9% em relação aos preços no mesmo período do ano passado. "O preço é um sinal importante. A indústria só consegue diminuir preço, se os custos de produção também baixarem. A desvalorização serviu mais para segurar aumento de custos internos do que na conquista de novos mercados", afirma Barral. (Valor Onlie – 23/07/2014)

Cota de importação por terra só será reduzida em julho de 2015
Wellton Máximo – Repórter da Agência Brasil
Edição: Juliana Andrade
A cota de importação pelas fronteiras terrestres só será reduzida em julho de 2015, esclareceu hoje (22) o Ministério da Fazenda. Em nota oficial, a pasta informou que o novo limite, de US$ 150, só passará a valer quando as lojas francas, do tipo Duty Free (livre de taxas alfandegárias), estiverem instaladas nas cidades de fronteira.
Atualmente, cada brasileiro pode entrar no país com até US$ 300 em mercadorias sem pagar 50% de Imposto de Importação. De acordo com o texto, o limite de US$ 150 já é aplicado em outros países do Mercosul como Argentina, Uruguai e Paraguai.
Mais cedo, o secretário da Receita Federal, Carlos Alberto Barreto, tinha informado a suspensão da portaria que reduziu a cota. Segundo ele, uma nova portaria deverá ser publicada amanhã (23) no Diário Oficial da União esclarecendo o período de vigência da medida.
Segundo o secretário, houve um pequeno "cochilo" no prazo para entrada em vigor da portaria. Barreto explicou que o prazo precisa ser ampliado para que as lojas francas nas cidades fronteiriças tenham mais tempo para se adaptarem às mudanças. Na nota, o Ministério da Fazenda informou que, como as lojas francas ainda não estão instaladas e demandarão um prazo para investimento e abertura, a redução da cota de importação teve de ser adiada.
Mais tarde, a Receita Federal informou que o importador que pagou Imposto de Importação por causa da redução da cota de isenção poderá pedir a restituição do valor. O ressarcimento poderá ser pedido em qualquer unidade de atendimento do órgão. (Agência Brasil – 22/07/2014)

Diretrizes de política e comércio externos
Rubens Barbosa
O candidato Aécio Neves divulgou as diretrizes gerais de seu programa de governo (www.psdb.org.br). As diretrizes de política externa e de comércio exterior estão integradas às demais diretrizes visando à criação de um ambiente interno e externo fundado na estabilidade das regras e no estímulo aos investimentos.
A nova política externa terá por objetivo restabelecer seu caráter de política de Estado, visando ao interesse nacional, de forma coerente com os valores fundamentais da democracia e dos direitos humanos. As diretrizes que nortearão a ação do Itamaraty terão como principais aspectos:
A política externa será conduzida com base nos princípios da moderação e da independência, com vista à prevalência dos interesses brasileiros e dos objetivos de longo prazo de desenvolvimento nacional.
Reavaliação das prioridades estratégicas à luz das transformações no cenário internacional e regional no século 21. Devem merecer atenção especial a Ásia, em função de seu peso crescente, os EUA e outros países desenvolvidos, pelo acesso à inovação e à tecnologia.
Deverá ser ampliada e diversificada a relação com os países em desenvolvimento.
Definição de nova estratégia de negociações comerciais bilaterais, regionais e globais, para pôr fim ao isolamento do Brasil. Será dada prioridade à abertura de novos mercados e à integração do Brasil às cadeias produtivas globais.
Reexame das políticas seguidas no tocante à integração regional para, com a liderança do Brasil, restabelecer a primazia da liberação comercial e o aprofundamento dos acordos vigentes.
Em relação ao Mercosul, paralisado e sem estratégia, recuperar seus objetivos de liberalização comercial e abertura de mercado e flexibilizar suas regras a fim de poder avançar nas negociações com terceiros países.
Nas organizações internacionais, o Brasil deverá ampliar e dinamizar sua ação diplomática nos temas globais, como mudança de clima, sustentabilidade, energia, democracia, direitos humanos, comércio exterior; assim como novos temas, como terrorismo, guerra cibernética, controle da internet; e nas questões de paz e segurança, inclusive nas discussões sobre a ampliação do Conselho de Segurança da ONU.
Ampliação da coordenação da política externa com a da defesa nacional em todas as suas dimensões.
Revalorização do Itamaraty na formulação da política externa, subsidiando as decisões presidenciais. Ao mesmo tempo, serão garantidos o aperfeiçoamento de seus quadros e a modernização de sua gestão.
O grande desafio que a nova política de comércio exterior enfrentará será o de promover a crescente integração do Brasil no comércio internacional. Por meio de uma estratégia de integração competitiva das empresas brasileiras às cadeias mundiais de valor, poderá ser reduzido o hiato tecnológico da nossa indústria e ser aberto caminho para uma estratégia de modernização compatível com a dinâmica do sistema econômico internacional. Para responder a esse desafio as diretrizes que orientarão as políticas internas e externas de comércio exterior são as seguintes:
A nova política de comércio exterior deverá estar articulada com a política macroeconômica e com a política industrial, voltadas para a recuperação da produtividade, da competitividade e da inovação.
Conclusão das negociações comerciais em curso com a União Europeia e lançamento das bases para um acordo preferencial com os EUA.
Reavaliação das prioridades estratégicas com a China por sua importância para a economia brasileira e global.
Recuperação da competitividade e estímulo a maior e melhor inserção do País no comércio internacional, por meio de medidas voltadas para a redução do "custo Brasil" e dos serviços, com vista à ampliação das exportações, à retomada das negociações de acordos comerciais e ao apoio ao investimento externo de empresas brasileiras.
Redução da carga tributária sobre exportações e dos custos acessórios no cumprimento das exigências tributárias e simplificação dos regimes tributários nacionais.
Simplificação da legislação de comércio exterior e desburocratização das aduanas e dos portos, por meio da elaboração de uma abrangente agenda de facilitação de comércio com o exterior, com o engajamento dos diferentes órgãos governamentais relacionados à área.
Desenho de uma reforma tarifária que confira maior racionalidade à estrutura de proteção. O cronograma de racionalização tarifária será anunciado com antecedência e implantado de forma gradual e a longo prazo.
Reforço de instituições de regulação técnica e certificação de produtos, como Inpi e Inmetro, para a redução dos prazos para obtenção de patentes e a isonomia entre produtos importados e os produzidos localmente.
A defesa comercial e a promoção comercial deverão ser aperfeiçoadas e integradas de forma coordenada na nova política comercial.
Exame da compatibilização com a legislação nacional das regras, normas e regulamentos técnicos que passaram a fazer parte dos novos acordos de preferências comerciais, para permitir a participação dos produtos nacionais em cadeias globais de valor.
Essas diretrizes respondem aos principais desafios internos e externos que o futuro governo deverá enfrentar no médio e no longo prazos e criam condições para a restauração da projeção externa do Brasil, perdida nos últimos quatro anos, e para sua reinserção competitiva nas negociações comerciais globais, regionais e bilaterais para a inclusão das empresas brasileiras nas cadeias globais de alto valor agregado.
Em resumo, são mudanças nas ênfases, nas prioridades e nos rumos da política externa e da política comercial em relação ao que ocorreu nos últimos 12 anos. Rubens Barbosa (O Estado de SP – 22/07/2014)

Reduzir custos é o principal desafio do comércio exterior, diz presidente da AEB
Para José Augusto de Castro, são necessárias reformas estruturais de longo prazo para diminuir os custos e aumentar a competitividade. Alto custo para a exportação tem impacto ainda maior para PMEs
Marta Valim
A redução dos custos, tema do Encontro Nacional de Comércio Exterior deste ano, é vista pelo presidente da Associação de Comércio Exterior do Brasil (AEB), José Augusto de Castro, como um dos principais desafios ao comércio exterior no país.Para o executivo, está na hora de debater menos o nível da taxa cambial, sobre a qual os empresários não têm ingerência, e focar na competitividade, produzindo mais com desembolso menor.
"Temos que discutir menos o câmbio e mais a redução de custos. Só é possível diminuir as importações, sem protecionismo, com essa redução", afirma Castro. "O câmbio é provisório e teve uma grande oscilação nos últimos anos. O empresário não tem controle sobre o câmbio, além disso, o importador sabe qual é a vantagem dele. Já a redução dos custos para as empresas exportadoras é definitiva e a longo prazo", argumenta.
Reduzir os custos envolvidos nas importações e exportações, contudo, não é tarefa fácil e envolve medidas de longo prazo. Entre as quais, o presidente da AEB aponta as reformas tributária e trabalhista, maiores investimentos em infraestrutura e menos entraves burocráticos. "Precisamos ter uma visão de futuro. Se não discutirmos essas questões agora, quando haverá um reflexo [no comércio exterior]?", questiona Castro.
A economista da FGV Lia Valls afirma que o ambiente de negócios tem sido a principal discussão em relação ao comércio exterior. "Um dos destaques do acordo de Bali [assinado em dezembro na 9ª conferência ministerial da Organização Mundial de Comércio] foi a facilitação do comércio". Uma indicação da relevância desse tema, segundo ela, é a publicação do estudo Doing Business, pelo Banco Mundial anualmente, sobre os custos e entraves de se fazer negócios em um país.
Os indicadores do comércio exterior, presentes na pesquisa, são o número de documentos e o tempo em dias para exportar/importar e o custo de exportação/importação por contêiner. Na pesquisa de 2014, o Brasil ocupa a 116ª posição entre 189 países.
Para Valls, contudo, o governo brasileiro tem tomado medidas para minimizar esses procedimentos, como a criação do Simplex (câmbio simplificado para a exportação) e dos corredores de exportação. Outra medida, citada pelo presidente da AEB, é o Portal Único do Comércio Exterior, que permitirá que as empresas apresentem as informações uma única vez aos órgãos federais, o que irá reduzir a burocracia e os custos de exportadores e importadores.
"Mas, se tudo caminhar bem, as medidas terminarão de ser implementadas em 2017", pondera Castro, lembrando que existem 17 órgãos de comércio exterior no país. Ele também sugere a criação de um programa semelhante ao Exporta Fácil, dos Correios, pela via marítima, já que 96% das exportações brasileiras são feitas por essa via. (Brasil Econômico – 22/07/2014)

Balança comercial tem déficit de US$ 552 milhões na 3ª semana de julho
Por Lucas Marchesini
BRASÍLIA - A balança comercial brasileira teve um déficit de US$ 552 milhões na terceira semana de julho, informou hoje o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (Mdic). Foram US$ 5,138 bilhões em exportações e US$ 5,690 bilhões em importações. O resultado acumulado no mês é de superávit US$ 497 milhões. No ano, o resultado é deficitário em US$ 1,994 bilhão.
A média diária das exportações subiu 12,4% nas três primeiras semanas de julho quando comparada com todo o mês de 2013, passando de US$ 904,7 milhões para US$ 1,017 bilhão. Esse resultado se deve a uma alta nas vendas de produtos básicos, semimanufaturados e manufaturados. As vendas de produtos básicos tiveram um crescimento de 20,4% na média diária nas três primeiras semanas de julho quando comparada com todo o sétimo mês de 2013, ao passar de US$ 434,1 milhões na média de julho de 2013 para US$ 522,5 milhões no acumulado deste mês. Os principais crescimentos foram petróleo em bruto, café em grão, bovinos vivos, carne bovina, suína e de frango, e soja em grão.
Já as vendas de semimanufaturados tiveram alta de 6,8% ao passar de US$ 104,4 milhões em julho de 2013 para US$ 111,5 milhões nas três primeiras semanas deste mês. Essa alta foi encabeçada por semimanufaturados de ferro/aço, ferro fundido, ferro-ligas, óleo de soja em bruto, e couros e peles.
As exportações de bens manufaturados, por sua vez, tiveram alta de 4,5% na mesma comparação. A média diária das vendas desses produtos ao exterior passaram de US$ 344,8 milhões em julho de 2013 para US$ 360,4 milhões nas três primeiras semanas deste mês. Esse resultado foi influenciado pelas vendas de plataforma de produção de petróleo e gás, tubos de ferro fundido, polímeros plásticos, motores e geradores, açúcar refinado, e suco de laranja não congelado.
As importações diminuíram 0,6% nas três primeiras semanas de julho (US$ 981,7 milhões) quando comparada com a média de julho de 2013 (US$ 987,2 milhões). Nesse comparativo, recuaram os gastos, principalmente, com veículos automóveis e partes (-15,9%), aparelhos eletroeletrônicos (-14,8%), equipamentos mecânicos (-11,4%), borracha e obras (-11,4%) e siderúrgicos (-10,2%). (Valor Online – 22/07/2014)

Exportações estão em crescimento de 12,4% em julho
Brasília – As exportações brasileiras na terceira semana de julho foram de US$ 5,138 bilhões, com média diária de US$ 1,027 bilhão. O resultado é 1,7% superior à média de US$ 1,011 bilhão, verificada até a segunda semana do mês. Houve aumento nas exportações de produtos manufaturados (55,7%), com destaques para plataforma para produção de petróleo e gás, tubos de ferro fundido, autopeças, motores para veículos e máquinas para terraplanagem. Por outro lado, retrocederam as vendas de produtos básicos (-22,7%), com declínio em petróleo em bruto, soja em grão, minério de ferro, carne bovina e fumo em folhas. Também caíram as exportações de produtos semimanufaturados (-15,8%), em razão de celulose, açúcar em bruto, couros e peles, e semimanufaturados de ferro e aço.
No mesmo período, as importações somaram US$ 5,690 bilhões, com média diária de US$ 1,138 bilhão. Houve crescimento de 27,2%, sobre a média registrada até a segunda semana de julho (US$ 894,9 milhões). Houve acréscimo nos gastos com combustíveis e lubrificantes, equipamentos mecânicos, veículos automóveis e partes, químicos orgânicos e inorgânicos, e adubos e fertilizantes.
A balança comercial brasileira registrou déficit de US$ 552 milhões, com média diária negativa de US$ 110,4 milhões, nos cinco dias úteis (14 a 20) da semana. A corrente de comércio (soma das exportações e importações) totalizou US$ 10,828 bilhões, com média diária de US$ 2,165 bilhões.
Mês
No acumulado das três primeiras semanas de julho (14 dias úteis), as exportações foram de US$ 14,241 bilhões (média diária de US$ 1,017 bilhão), 12,4% a mais que a média de US$ 904,7 milhões registrada em julho do ano passado. Nos básicos (20,4%), o crescimento se explica, principalmente, pela maior venda de petróleo em bruto, café em grão, bovinos vivos, carne bovina, suína e de frango, e soja em grão. Nos semimanufaturados (6,8%), os destaques ficaram por conta de semimanufaturados de ferro e aço, ferro fundido, ferro-ligas, óleo de soja em bruto, e couros e peles. Entre os manufaturados (4,5%), houve acréscimo com exportações de plataforma de produção de petróleo e gás, tubos de ferro fundido, polímeros plásticos, motores e geradores, açúcar refinado, e suco de laranja não congelado.
A média diária das exportações nas três primeiras semanas de julho ficou 0,6% em relação ao valor aferido em junho deste ano (US$ 1,023 bilhão), com diminuição nas vendas de produtos semimanufaturados (-4,6%) e básicos (-3,8%), enquanto que cresceram as vendas de manufaturados (6,9%).
As importações, no acumulado mensal, foram de US$ 13,744 bilhões (média diária de US$ 981,7 milhões), 0,6% abaixo da média de julho de 2013 (US$ 987,2 milhões). Decresceram os gastos com veículos automóveis e partes (-15,9%), aparelhos eletroeletrônicos (-14,8%), equipamentos mecânicos (-11,4%), borracha e obras (-11,4%) e siderúrgicos (-10,2%).
No comparativo com a média diária das importações de junho passado (US$ 905,1), houve crescimento de 8,5%, com aumentos em cereais produtos de moagem (57%), adubos e fertilizantes (49,9%), combustíveis e lubrificantes (38,8%), e plásticos e obras (4,9%).
A corrente de comércio do mês alcançou US$ 27,985 bilhões (média diária de US$ 1,998 bilhão), com incremento de 5,7% em relação a julho de 2013 (US$ 1,891 bilhão) e de 3,7% em comparação a junho de 2014 (US$ 1,928 bilhão). O saldo comercial mensal está superavitário em US$ 497 milhões (média diária de US$ 35,5 milhões).
Ano
No acumulado de janeiro à terceira semana de julho deste ano (136 dias úteis), as vendas ao exterior somaram US$ 124,772 bilhões (média diária de US$ 917,4 milhões). Na comparação com a média diária do correspondente de período de 2013 (US$ 933,5 milhões), as exportações recuam 1,7%.
As importações, no acumulado do ano, foram de US$ 126,766 bilhões, com média diária de US$ 932,1 milhões. O valor está 2,4% abaixo da média registrada no período equivalente de 2013 (US$ 954,8 milhões).
O saldo da balança comercial no ano está deficitário em US$ 1,994 bilhão, com média diária negativa de US$ 14,7 milhões. No período correspondente do ano passado, havia déficit de US$ 2,938 bilhões, com resultado diário médio negativo em US$ 21,3 milhões.
No acumulado do ano, a corrente de comércio somou US$ 251,538 bilhões, com média diária de US$ 1,849 bilhão. O valor é 2,1% menor que a média aferida neste período do ano passado (US$ 1,888 bilhão).(MDIC – 21/07/2014)

'Banco do Brics mostra que emergentes querem ir além do discurso'
Fernando Nakagawa
Da City Londrina
O jornal britânico Financial Times dedica editorial na edição desta segunda-feira, 21, em que elogia a iniciativa dos grandes países emergentes em criar novos organismos como o banco de desenvolvimento e o fundo de reservas mútuo.
"Os países do BRICS querem fazer algo além do discurso", diz o texto. Apesar disso, o jornal questiona se a intenção do Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul é criar uma insituição concorrente ou complementar às já estabelecidas – como o Banco Mundial e o Fundo Monetário Internacional (FMI).
"Durante a reunião na semana passada em Fortaleza, no Brasil, um item incomum de substância surgiu dos discursos retóricos sobre a solidariedade entre as potências emergentes do mundo.
Os países do BRICS anunciaram seu próprio banco de desenvolvimento", destaca o editorial. "Também anunciaram o acordo de US$ 100 bilhões de financiamento de emergência concebido para ajudar países emergentes a lidar com choques externos", completa o texto, ao classificar o plano de "contrapartida interessante".
Apesar do tom elogioso, o FT questiona se a intenção do BRICS é "complementar ou competir" com instituições já estabelecidas, como o FMI e Banco Mundial.
Para o jornal britânico, apesar da retórica, as novas instituições devem aparecer como um complemento ao conjunto de instituições multilaterais já existentes.
"A história e a realidade política, no entanto, sugerem que eles vão perder a coragem e isso vai acabar como um complemento e não substituto".
O FT nota ainda que a criação das novas instituições deverá exigir o alinhamento das principais políticas econômicas dos grandes emergentes. "Os países do BRICS têm abordagens muito diferentes entre si para a política fiscal, desregulamentação financeira e gestão macroeconômica. Criar novas instituições exigirá do BRICS uma abordagem consistente e semelhante. Isso não foi feito até agora", diz o texto do FT.
"Os anúncios da última semana mostram pelo menos que os países do BRICS querem fazer algo além do discurso. Mas eles ainda não revelaram como vão agir", completa o texto. (O Estado de SP – 21/07/2014)

A ilusão do comércio
Por Adair Turner
Desde 2008, o comércio mundial cresceu um pouco mais lentamente do que o PIB mundial. A Rodada Doha de negociações da Organização Mundial do Comércio terminou em fracasso. Negociações comerciais transatlânticas e transpacíficas estão progredindo lentamente, freadas pela resistência de interesses especiais. Mas, apesar de muitos especialistas temerem que o protecionismo esteja minando a globalização, ameaçando o crescimento econômico mundial, o crescimento mais lento do comércio mundial pode ser inevitável, e sua liberalização cada vez menos importante.
Sem dúvida, durante 65 anos o rápido crescimento do comércio desempenhou um papel vital no desenvolvimento econômico, tendo as tarifas médias cobradas pelas economias industriais avançadas caído de mais de 30% para menos de 5%. A criação do mercado único europeu facilitou o aumento do comércio intraeuropeu. Japão, Coreia do Sul e Taiwan conseguiram eliminar velozmente o atraso econômico com base em crescimento puxado por exportações. A China vem seguindo o mesmo caminho ao longo dos últimos 30 anos. No período 1990-2008, o comércio cresceu cerca de duas vezes mais rapidamente do que a produção mundial.
Mas não há nenhuma razão pela qual o comércio deva crescer mais rápido do que o PIB indefinidamente. Na verdade, mesmo sem nenhuma barreira comercial, o comércio pode crescer muito mais lentamente do que o PIB em alguns períodos. Vários fatores mostram que talvez estejamos entrando em um período assim.
Ao longo dos últimos 60 anos, apenas um punhado de economias conseguiu alcançar plenamente os padrões de vida das economias avançadas, e todos dependeram do crescimento puxado pelas exportações para impulsionar a produtividade.
Para início de conversa, há uma mudança de padrão de consumo nas economias avançadas. As pessoas mais ricas gastam uma parte crescente de sua renda em serviços não comercializáveis (por exemplo, uma refeição num restaurante) ou de difícil comercialização (como serviços de saúde). Setores não comercializáveis tendem a representar uma parte crescente do emprego e da atividade econômica.
O comércio é, em parte, impulsionado por diferenças nos custos de mão de obra. O dramático crescimento da indústria de transformação na China reflete os, até agora, baixos salários. Mas, à medida que os salários reais na China e em outras economias emergentes vêm crescendo, os incentivos ao comércio irão diminuir. Quanto mais convergirem as rendas em todo o mundo, menos comércio poderá haver.
Além disso, como argumentam os economistas Erik Brynjolfsson e Andrew McAfee, do MIT, em seu livro "The Second Machine Age" (a segunda era das máquinas), rápidos avanços em informática poderão viabilizar uma automação cada vez mais extensa. Algumas atividades da indústria de transformação poderão retornar aos países desenvolvidos à medida que vantagens de proximidade aos clientes e redução de custos de transporte superarem diferenças cada vez menos importantes nos custos de mão de obra.
O comércio mundial, como percentagem do PIB pode, portanto, diminuir, mas sem consequências adversas para o crescimento econômico mundial. O aumento da produtividade não exige um crescimento incessante da intensidade do comércio.
Uma boa intensidade de comércio depende de muitos fatores - como os custos relativos de mão de obra, custos de transporte, níveis de produtividade e efeitos de economia de escala. Tendências desses fatores poderão tornar uma redução da intensidade do comércio não apenas inevitável, mas desejável.
Mesmo se isso for verdade, o comércio internacional continuará desempenhando um papel vital e é essencial impedir uma reversão da liberalização do comércio já obtida.
Uma vez que as tarifas industriais já caíram, a maioria dos benefícios potenciais da liberalização do comércio já foram colhidos. As estimativas dos benefícios de maior liberalização do comércio são muitas vezes surpreendentemente baixas - não mais do que alguns pontos percentuais do PIB mundial.
A principal razão para o lento progresso nas negociações comerciais não está no aumento do protecionismo; a razão para isso está no fato de que uma liberalização maior implica complexas dosagens de opções mutuamente excludentes não compensadas por grandes vantagens potenciais. O fracasso da Rodada de Doha foi acusado de ser um revés para os países em desenvolvimento. E alguma liberalização - por exemplo, de importações de algodão por economias avançadas -, sem dúvida beneficiariam algumas economias de baixa renda. Mas uma liberalização total do comércio produziria um impacto complexo sobre as economias menos desenvolvidas, algumas das quais se beneficiariam somente se lhes fossem compensadas as perdas do acesso preferencial aos mercados de economias avançadas de que atualmente desfrutam.
Progresso adicional na liberalização do comércio será lenta. Mas progresso lento é um obstáculo muito menos importante, para as perspectivas de crescimento, do que o excesso de endividamento nas economias desenvolvidas ou as deficiências de infraestrutura e educacionais em muitas economias em desenvolvimento.
Mas, embora os potenciais benefícios mundiais da liberalização do comércio tenham diminuído, a redução da intensidade do comércio ainda poderá impedir o desenvolvimento econômico de alguns países. Ao longo dos últimos 60 anos, apenas um punhado de economias conseguiram alcançar plenamente os padrões de vida das economias avançadas, e todos dependeram do crescimento puxado pelas exportações para impulsionar a produtividade e a criação de empregos na indústria de transformação. Basear-se exclusivamente nesse modelo será mais difícil, no futuro. A China é tão grande que precisa desenvolver vetores nacionais de crescimento num estágio anterior de desenvolvimento do que fizeram o Japão, Taiwan ou Coreia do Sul; em consequência, suas exportações, inevitavelmente, diminuirão (em relação ao PIB).
Por outro lado, para alguns países de baixa renda, o crescimento do setor de manufatura e a automação, no setor de serviços, do tipo descrito por Brynjolfsson e McAfee, seja no seio de economias avançadas ou no interior de aglomerados industriais estabelecidas na China, tornará mais difícil acessar o caminho que possa conduzir a um status de rendas média e alta. Isso cria grandes obstáculos à política de desenvolvimento que uma liberalização maior do comércio poderá aliviar apenas marginalmente. (Tradução de Sergio Blum) (Valor Online – 21/07/2014)

"Timing" perfeito
Não poderia ter sido melhor o momento escolhido para a cúpula dos Brics. Depois da derrota ignominiosa na Copa, era preciso reagir de modo convincente. Foi o que se fez em Fortaleza, num plano político que, embora mais importante, não nos dispensa da dolorosa necessidade de ter vergonha.
Reagir não é fugir à vergonha. Nem desprezar o dano irreparável à autoestima de um povo que, certo ou errado, sempre teve no futebol a razão de seu orgulho, a marca definidora da identidade.
O principal não foi a derrota. Outros perderam e foram recebidos como heróis. O problema é como perder. Quando Francisco 1° caiu prisioneiro de seu inimigo Carlos 5°, escreveu à rainha: "Senhora, tudo está perdido, salvo a honra". Nem os jogadores, nem o treinador e os dirigentes poderiam dizer o mesmo.
É erro minimizar a gravidade do desastre. Algumas tentativas desse tipo me lembram a rendição da França em 1941. Ao saber do colapso, o francófilo Raul Fernandes pediu para ver o embaixador francês e lhe apresentou condolências. Constrangido porque já aderira ao regime colaboracionista, o diplomata desconversou: não era para tanto, a França conhecera em sua história horas piores. O futuro chanceler se formalizou: "Senhor Embaixador, não vim aqui receber lições de história; passe bem!"
França, Alemanha, Rússia, China, todas tiveram catástrofes históricas, com ou sem honra. Comparadas a invasões, ocupações, derrotas com milhões de mortos, nossas calamidades foram benignas: a Copa de 1950, o 7 a 1. Nem por isso nos eximem de buscar as razões para corrigi-las.
Na memória coletiva jamais se apagará a vergonha da "débacle" e de Vichy, mas a França recuperou a honra e a vontade de viver com De Gaulle e a Resistência. Por isso, pior que a derrota sem honra seria dar de ombros, virar a página, fingir que nada aconteceu para não enfrentar o difícil desafio de reformar o futebol e o desporte.
Ceder a essa tentação seria confirmar o juízo de Elizabeth Bishop: o maior defeito brasileiro, segundo ela, era (e é?) o excesso de autocomplacência, a acomodação à nossa moleza, a covardia de nos reformarmos e de combater a corrupção que, da CBF ao Congresso, suga o melhor sangue de nosso povo.
Longe do Brasil, vejo que essa é a tendência. Cansadas de sofrer, as pessoas querem pensar em outra coisa; os candidatos têm medo de mexer em vespeiro. Se isso se confirmar, como fez o mundo com a crise financeira, teremos desperdiçado uma crise sem dela tirar o estímulo para construir sistema melhor.
Países como Alemanha e Japão esmagados na guerra, os EUA ou a Espanha depois da guerra civil, cresceram na catástrofe porque souberam retirar do desastre as lições para reformarem as instituições.
Errar e perder faz parte do humano destino. Os verdadeiros perdedores, os vencidos da vida e da história são os incapazes de reformar as instituições. O problema central do Brasil é a má qualidade das instituições, do futebol ao Congresso, da Justiça ao Executivo. Se a vergonha da Copa servir de ímpeto para reformar as instituições, a derrota não terá sido em vão. (Folha de SP – 21/07/2014)

Los riesgos de la fragmentación global
Estos riesgos y desafíos son el resultado de la crisis del orden subsecuente a la Guerra Fría.
Horst Grebe
El avión de Malaysia Airlines derribado con un misil cuando pasaba por el espacio aéreo de Ucrania a una altura de 10.000 metros constituye uno de los acontecimientos internacionales de mayor gravedad de los últimos tiempos, y viene a sumarse a la masacre israelí en Gaza (ordenada por Netanyahu con el beneplácito de Estados Unidos), a la interminable guerra de Siria y a varios otros conflictos violentos que cobran día a día centenas de víctimas y causan enormes sufrimientos humanos, sin que exista institución internacional alguna que pueda contribuir a encontrar salidas que les pongan un final justo.
La complejidad de las nuevas relaciones geopolíticas en el mundo trae aparejado el debilitamiento de instancias como el Consejo de Seguridad de las Naciones Unidas o de los mecanismos de la Unión Europea, que no están en condiciones de ir más allá de protestas retóricas y sanciones económicas de escaso impacto.
El sistema de las relaciones internacionales se encuentra en un momento de extrema fragmentación y enfrenta dificultades enormes para establecer un mínimo de condiciones acatadas por toda la comunidad internacional para evitar la proliferación de conflictos bélicos de diversa intensidad, soslayar las amenazas de una recesión económica global, atender las crisis humanitarias y mantener al menos un control de daños sobre las cada vez mayores agresiones de la especie humana al medio ambiente.
Estos riesgos y desafíos globales son el resultado de la crisis del orden económico y político subsecuente a la Guerra Fría. En los 25 años pasados han ocurrido cambios profundos en la correlación mundial de fuerzas estratégicas, económicas, tecnológicas y sociales. Es cierto que el orden político y militar establecido en el mundo después de la Segunda Guerra Mundial estaba fundado en el equilibrio nuclear entre las dos superpotencias, aunque la fortaleza económica de ambas difería enormemente, como se demostró en los años siguientes al colapso de la Unión Soviética y su zona de influencia en Europa oriental.
La Guerra Fría fragmentaba al mundo en dos zonas enfrentadas en términos ideológicos y militares, pero era sin duda un orden. Lo que se ha instalado en el mundo después de la Guerra Fría no se puede denominar como un orden propiamente dicho. Desde 1990 se ha intensificado ciertamente la interdependencia económica entre las diferentes zonas del mundo, y la globalización de la información ha adquirido dimensiones enormes, junto con la emergencia de países con un formidable potencial comercial y financiero, tales como China, Corea y en menor escala India. Todo esto se ha traducido en un debilitamiento hegemónico de EEUU, el comienzo del traslado de los ejes mundiales del comercio y el transporte del Atlántico al Pacífico, un reacomodo de los países latinoamericanos en el sistema internacional y un riesgo creciente de ingobernabilidad a nivel global.
A pesar de todos los anuncios oficiales en contrario, lo cierto es que América Latina está sometida a fuertes tensiones centrífugas, derivadas, entre otras cosas, de los tratados de libre comercio con EEUU y su correlato de acuerdos comerciales de la Alianza del Pacífico, así como de la estrategia de inserción global de Brasil mediante alianzas como la de los BRICS, todo lo cual en los hechos erosiona los mecanismos regionales como la Comunidad Andina y el Mercosur, al tiempo que debilita seriamente la capacidad negociadora de la región en los distintos foros internacionales.
El panorama podría adquirir, sin embargo, otro cariz si acaso los gobiernos latinoamericanos lograsen superar sus diferencias ideológicas para concertar sus posiciones en términos pragmáticos en defensa de sus intereses comunes. (La Razon – 20/07/2014)

Ministros do Comércio do G20 preocupados com a economia mundial
Sidney, Austrália Os ministros do Comércio do G20 comprometeram-se hoje a incrementar o produto interno bruto global em um bilhão de dólares por ano e impulsionar o mercado para melhorar a economia mundial.
Reunidos nesta cidade em um palco marcado pela catástrofe do avião civil de Malaysian Airlines na Ucrânia, os representantes também têm como meta a criação de 21 milhões de empregos, dos quais, 18 milhões estariam nos países em desenvolvimento.
Com estas decisões,os representantes do Grupo das 20 nações desenvolvidas e emergentes, darão livre curso ao Pacote de Bali, aprovado pela Organização Mundial do Comércio em dezembro do passado ano, e que pretende facilitar o intercâmbio comercial com simples normas alfandegárias e fluxos trans-fronteiriços.
A intenção é fazer crescer à economia mundial nos próximos cinco anos a 2% acima das previsões, assinalou o ministro australiano de Comércio, Andrew Robb.
Robb enfatizou em sua intervenção que nenhum país ficará para trás e exemplificou como vários integrantes do G20 têm contribuído com fundos significativos para avançar neste ponto com preocupação especial à Índia, por questões de segurança alimentar, assim como, vários países africanos.
O secretário de Comércio da Espanha, Jaime García Legaz, indicou que mesmo que existam duas linhas tradicionais dos países mais desenvolvidos frente à dos emergentes, o diálogo de Sidney sobre a eliminação das barreiras foi construtivo e franco.
Para o secretário mexicano da Economia, Idelfonso Guajardo, a ênfase no comércio na agenda do G20 contribuirá à estratégia de crescimento de 2% do PIB global sobre o crescimento estrutural.
Durante a reunião, os ministros do Comércio desse bloco analisaram as iniciativas da cada membro para impulsionar o crescimento, a contribuição do setor privado, os investimentos em infra-estruturas e o crescimento das cadeias de valor mundial, entre outros assuntos.
A reunião ministerial antecede à cúpula de líderes do G20, prevista para novembro deste ano na cidade australiana de Brisbane.
São membros do Grupo a União Européia, Estados Unidos, Canadá, Japão, Alemanha, Reino Unido, Itália, França, Coreia do Sul, Argentina, Austrália, Brasil, China, Índia, México, Indonésia, Arábia Saudita, África do Sul, Turquia e Rússia. (Prensa Latina – 19/07/2014)

 
Abinee - Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica

Escritório Central: Avenida Paulista, 1313 - 7º andar - 01311-923 - São Paulo - SP
Fone: 11 2175-0000 - Fax: 11 2175-0090