DRI Clipping Semanal nº 41 - 13 a 17/10/14

Acordos


Veja mais

Aécio propone política externa sin sustento en las ideologias
Un eventual gobierno de Aécio Neves “desideologizará” los vínculos de Brasil con el Mercosur y los países emergentes, y revisará las relaciones bilaterales con China y EEUU, anticipó el embajador Rubens Barbosa, referente diplomático del candidato opositor brasileño.
Barbosa adelantó que “las principales líneas del programa de Neves son la despolitización de la política exterior” y la revisión de “las prioridades estratégicas frente a EEUU y China”.
El PSDB de Neves, que definirá la presidencia en una segunda vuelta con la actual mandataria, Dilma Rousseff, planea dejar de lado la posición que desde 2003 ha liderado el PT en términos de política externa, como el concepto de “paciencia estratégica” con el Mercosur o el concepto de diplomacia “Sur-Sur”.
Para el diplomático, la proyección de Brasil alcanzada en los dos mandatos de Luiz Inácio Lula da Silva “cayó y el país es menos escuchado” desde 2010, cuando asumió Rousseff. “La idea es conversar con todos los socios del Mercosur para recuperarlo como idea de liberalización comercial para poder firmar acuerdos con otros países o bloques. Brasil no puede estar aislado y se reserva el derecho de considerar todas las hipótesis”, expresó Barbosa. Efe (Ultima Hora – 17/10/2014

Sri Lanka, U.S. sign trade agreement
COLOMBO- Aiming to expand trade ties between the two countries, Sri Lanka and the United States have inked a joint trade and investment agreement, a statement from the Commerce and Industry Ministry said here on Thursday.
The agreement was signed during the Eleventh Joint Council Meeting under the U.S.-Sri Lanka Trade and Investment Framework Agreement (TIFA) in Colombo.
Sri Lanka's Industry and Commerce Minister Rishad Bathiudeen signed the agreement on behalf of Sri Lanka while the U.S. Trade Representative for South and Central Asia Michael Delaney signed for the United States.
The goal of the Trade and Investment Framework Agreement Council meeting is to expand trade and investment between the United States and Sri Lanka.
Expressing his views on the occasion, Minister Bathiudeen said that a rapid growth has been witnessed in ties between the United States and Sri Lanka.
Bilateral trade in goods has grown nearly 60 percent year-over- year from June 2010 to June 2014, but the United States believes that more can be done to boost trade. U.S. exports to Sri Lanka increased by 86 percent during this period while Sri Lanka exports to United States increased by 56 percent.
The apparel sector occupies a significant position among the exports made by Sri Lanka to the United States. In fact, exports to the United States and Europe make up the largest component of Sri Lanka's trade outflow.
The United States believes that TIFA can play an important role in addressing and removing any impediments to expanded trade and investment.
The United States has insisted that it will work to improve trade relations with Sri Lanka despite spearheading a resolution at the United Nations Human Rights Council in March 2014 that resulted in a UN investigation being launched into the country's human rights record and allegations of war crimes during the last phase of its three-decade conflict that ended in 2009. (People Daily China – 16/10/2014)

Neves propondrá una política externa sin sustento en ideologías, según Barbosa
Sao Paulo (EFE).- Un eventual Gobierno de Aécio Neves "desideologizará" los vínculos de Brasil con el Mercosur y los países emergentes, y revisará las relaciones bilaterales con China y Estados Unidos, anticipó el embajador Rubens Barbosa, referente diplomático del candidato opositor brasileño.
Barbosa adelantó en una entrevista con Efe que "las principales líneas del programa de Neves son la despolitización de la política exterior" y la revisión de "las prioridades estratégicas frente a Estados Unidos y China".
El Partido de la Social Democracia Brasileña (PSDB) del candidato opositor Neves, que definirá la Presidencia de Brasil en una segunda vuelta el 26 de octubre con la actual mandataria y candidata a la reelección, Dilma Rousseff, planea dejar de lado la posición que desde 2003 ha liderado el Partido de los Trabajadores (PT) en términos de política externa, como el concepto de "paciencia estratégica" con el Mercosur o el concepto de diplomacia "Sur-Sur".
Barbosa, quien fue embajador en Washington y Londres y preside el Consejo de Comercio Exterior de la Federación de Industrias del Estado de Sao Paulo (FIESP), subrayó que existe cierto "aislamiento" de Brasil de las cadenas productivas internacionales.
Para el diplomático, la proyección de Brasil alcanzada en los dos mandatos de Luiz Inácio Lula da Silva "cayó y el país es menos escuchado" desde 2010, cuando asumió Rousseff.
Según Barbosa, existe una "ausencia de resultados positivos" durante la gestión de Rousseff, que puede atribuirse a una "interferencia partidaria ideológica del PT" en la política exterior del gigante sudamericano.
La búsqueda de nuevos mercados que propone Neves en su Programa de Gobierno incluye, según Barbosa, la "desideologización" del Mercosur.
"La idea es conversar con todos los socios del Mercosur para recuperarlo como idea de liberalización comercial para poder firmar acuerdos con otros países o bloques. Brasil no puede estar aislado y se reserva el derecho de considerar todas las hipótesis", expresó Barbosa.
Citó el caso del acuerdo entre la Unión Europea y el Mercosur que se encuentra en proceso de negociación e indicó que la idea de Neves es "ampliar la relación con nuestros vecinos pero siempre con el interés de Brasil, al contrario de los 12 años últimos donde hubo intereses ideológicos".
Y enfatizó: "Habrá un cambio de la actitud pasiva de la defensa de nuestros intereses. Eso cambiará. Bolivia expropió dos refinerías de Petrobras y el Gobierno no defendió los intereses de Brasil".
Estados Unidos, que fue superado en el Gobierno de Lula por China como principal socio comercial, debe volver a ser prioridad en un eventual mandato de Neves, después de la crisis abierta por el espionaje de Washington a la mandataria Rousseff y compañías, como la estatal petrolera Petrobras.
"Vamos a encontrar la forma de superar las dificultades políticas y diplomáticas. Brasil tendrá una actitud más activa con la promoción comercial de las exportaciones y buscar la cooperación tecnológica en todas las áreas", explicó Barbosa.
En ese sentido, habló de poner "en pie de igualdad" las relaciones con Estados Unidos, Japón y la Unión Europa con las del mundo emergente, "como siempre fue la política externa brasileña", con énfasis en el déficit comercial de la balanza con las potencias.
En ese marco entra el grupo BRICS (Brasil, Rusia, India, China y Sudáfrica): "El Gobierno de Dilma no sabe lo que quiere en relación a Estados Unidos, China y los Brics. Con China deberemos diversificar las exportaciones, encontrar nichos de mercado y con los BRICS ampliar las relaciones".
En la agenda exterior de Neves, según Barbosa, figura la posición a favor del fin del embargo económico de Estados Unidos hacia Cuba.
En relación al Gobierno de Raúl Castro, el diplomático manifestó que pretende continuar con la cooperación de las empresas brasileñas que invierten en la isla, pero esa relación debe realizarse "con transparencia". (Ultima Hora – 16/10/2014)

Aécio assusta a Unasul
Evo Morales explicita o 'nervosismo' com que os governos de esquerda veem eventual vitória da 'direita'
O presidente re-reeleito da Bolívia, Evo Morales, explicita uma sensação sobre a perspectiva de vitória de Aécio Neves que esta Folha colheu também, informalmente, na Unasul (União de Nações Sul-Americanas, o clubão sul-americano):
"Claro que é uma preocupação que a direita possa voltar", disse Evo a "El País".
Na Unasul, a expressão que se usa é "um certo nervosismo", de resto fácil de explicar: parte dos governantes mais atuantes da Unasul são companheiros de viagem de Luiz Inácio Lula da Silva e, agora, de Dilma Rousseff.
Sabem, portanto, perfeitamente, o jogo que os dois jogam.
Aécio já anunciou jogo diferente, como, por exemplo, a aproximação com a Aliança do Pacífico (Chile, Peru, México e Colômbia), hipótese que Evo rejeita liminarmente.
Argumenta que se trata de "um instrumento dos Estados Unidos" e que serve "para privatizar a água, a luz, o telefone".
Para a Venezuela, a Unasul é um instrumento tão importante que está se formando uma comissão de economistas dos países do bloco, Brasil inclusive, para trabalhar junto ao governo de Caracas em um pacote que tente resolver a aguda crise econômica.
É evidente que economistas do grupo Aécio levariam ideias incompatíveis com o bolivarianismo, o que tende a reduzir ou até a eliminar o papel positivo que a Unasul teve agora na crise venezuelana.
Ernesto Samper, o ex-presidente colombiano que assumiu há dois meses o cargo de secretário-geral da Unasul, lembra que a mediação do conglomerado conseguiu brecar os protestos violentos da oposição.
A mediação está suspensa, mas não se dissolveu o grupo de chanceleres que a impulsionou, formado por Brasil, Colômbia e Equador.
Samper defende a tese de que é fundamental ampliar o que chama de pré-negociação entre governo e setores moderados da oposição, para que voltem a se sentar à mesa em "diálogo discreto e concreto".
Ampliar não só o temário mas os atores, para incluir organizações sindicais e empresariais, sem cuja cooperação a Venezuela não conseguirá sair da aguda crise.
Aí, volta-se ao nervosismo com a eventual vitória de Aécio: pela lógica, seu governo tende a apoiar os setores da oposição encabeçados por Leopoldo López, dirigente do Partido "Vontade Popular", atualmente preso. Maduro rejeita a participação do que considera radicais da oposição, empenhados em derrubá-lo pela força.
É evidente que criar-se-ia um impasse na mediação, o que afetaria o papel e a importância da Unasul.
Seria um erro do eventual novo governo: com todos os déficits democráticos claramente expostos na Venezuela chavista, o governo Maduro é legítimo. E é do interesse brasileiro que saia da crise, até para poder pagar as dívidas mantidas com empresas brasileiras.
Ainda mais agora que, ao aceitar a comissão de economistas da Unasul, o governo Maduro dá um sinal claro de que reconhece o tamanho da crise e admite implicitamente que alegar como causa dela uma "guerra econômica" movida pela oposição não convence ninguém. (Folha de SP – 16/10/2014)

Chile convinced of the Mercosur/Pacific Alliance 'convergence' led by Brazil
Chile is confident that in coming months there will be 'significant' advances in a convergence of the Pacific Alliance and Mercosur, said Andres Rebolledo, Chile's Deputy Trade minister during a visit to Brazil.
“Convergence in diversity”, argued Rebolledo who is participating in bilateral trade and economic affairs meeting between Chile and Brazil
Rousseff running for re-election has admitted that Mercosur want closer links and even a 'possible convergence' with the Pacific Alliance
“Convergence in diversity”, argued Rebolledo who is participating in bilateral trade and economic affairs meeting between Chile and Brazil, the first such meeting since 2011.
The Chilean official said that whatever the result of Brazil's presidential runoff on 26 October, “there will be no turning back on Brazil's interest of the Pacific Alliance and Mercosur having closer links”.
He added that no matter the current political situation, Brazil has a leading role in Latin American integration and is a global player in a new multi-polar world which is being constructed. “There's no doubt that Brazil has a more than proven commitment to Latin America's integration”.
President Dilma Rousseff who is running for re-election has publicly expressed that Brazil, which together with Argentina, Paraguay, Uruguay and Venezuela make up Mercosur want closer links and even a 'possible convergence' with the Alliance, and its full members, Chile, Peru, Colombia and Mexico.
Her contender in the runoff, Aecio Neves is even more affirmative on the issue: in the event he becomes Brazil's next president a top priority of his foreign and trade policy will be to promote a greater opening of markets with more emphasis in economic than political issues, one of the main criticisms of the current focus of Mercosur.
“No matter who wins, the convergence between Mercosur and the Alliance is a fact, and Brazil given the size of its economy will be one of the pillars of that future association” insisted Rebolledo.
The Chilean official also recalled that next 24 November Santiago will be hosting a seminar with the foreign ministers from Mercosur and the Pacific Alliance, together with business representatives and multilateral organizations (such as Eclac and Unasur) to address precisely such a convergence, benefits and drawbacks.
Rebolledo also revealed that to make the meeting even 'more Latin American', a delegation from Central America's Guatemala has been invited to the event, so that “this convergence transcends the two regional blocks”.
Finally regarding Chile/Brazil bilateral relations, Rebolledo recalled that Brazil is his country's main trade partner in Latin America and fifth in the overall list, and has become “the main market for Chilean investments, which already total over 25 billion dollars; Brazil is essential for any serious integration project”. (MercoPress – 15/10/2014)

Se espera que hoy Focem levante traba
Para hoy está marcada una nueva reunión de la Comisión de Representantes Permanentes del Mercosur (CRPM) en Montevideo, Uruguay. Paraguay está representado por el embajador Hugo Saguier Caballero. La CRPM se encarga de aprobar los proyectos de los Fondos Estructurales del Mercosur (Focem) y actualmente la delegación de Brasil se está oponiendo a los proyectos paraguayos de la Costanera Norte de Asunción (Costanera II) y de las obras complementarias del segundo puente con Brasil, en Presidente Franco.
La negativa brasileña se debe a que busca que primero Paraguay acepte una serie de propuestas que hizo el país vecino dentro del Grupo Mercado Común (GMC), donde se tratan estrictamente las cuestiones comerciales y arancelarias.
El Gobierno paraguayo ya se pronunció y dijo que no se deberían mezclar ambos ámbitos dado que el Focem está hecho para ayudar a los países menos favorecidos y así reducir las asimetrías.
Por otro lado, recientemente el Ministerio de Obras Públicas y Comunicaciones (MOPC) anunció que desea licitar USD 758 millones (com dinero del Focem) en obras en los últimos tres meses del año y espera que Brasil levante la traba. (Ultima Hora – 15/10/2014)

Chile quer acordo entre blocos regionais
Por César Felício | De Brasília
O Chile articula a realização de uma cúpula de chanceleres de todos os países-membros da Aliança para o Pacífico e do Mercosul ainda neste ano. Será a primeira reunião com agenda estritamente econômica entre os nove países dos dois blocos, além da Bolívia, que é associada ao Mercosul, e do Equador e da Guatemala, que serão especialmente convidados, segundo apurou o Valor PRO, serviço de informação em tempo real do Valor.
De acordo com o vice-ministro de Comércio do Chile, Andrés Rebolledo, no dia 24 de novembro em Santiago os chanceleres participarão de um seminário ampliado, com a presença de empresários e organismos multilaterais como BID e Cepal. Uma cúpula específica dos chanceleres, sem presença do setor privado, acontecerá depois em Cartagena, na Colômbia, mas a data deverá ser marcada pela presidente argentina, Cristina Kirchner, que está na presidência pro-tempore do Mercosul.
"O primeiro objetivo de uma associação entre a Aliança para o Pacífico e o Mercosul será a livre movimentação das pessoas, com a eliminação de visto e aumento de bolsas de estudo e trabalho. O segundo passo será o estabelecimento de procedimentos comuns para a importação e exportação", disse Rebolledo, que não incluiu entre as prioridades acordos para a facilitação de investimentos entre os dois blocos.
Embora o tema seja crucial para o Chile - o estoque de investimentos do país no Brasil chega a US$ 25,2 bilhões e na Argentina a US$ 17 bilhões -, as negociações sobre o assunto estão em estágio bem menos avançado que a pauta comercial ou de imigração. "Temos um acordo com o Mercosul para o comércio de bens, mas ainda não temos sobre serviços", afirma Rebolledo.
O Chile mantém 23 acordos comerciais com 61 países, que representam 94% de seu comércio exterior. Fez um tratado com o Mercosul em 1996. Durante o governo de Sebastián Piñera (2010-2014), o país mudou sua estratégia de política externa, dando ênfase a associações de natureza estritamente comercial, como é a Aliança para o Pacífico, bloco integrado ainda por México, Peru e Colômbia.
Na eleição presidencial do ano passado, a então candidata Michelle Bachelet, que ganhou a disputa, colocou em seu programa de governo o objetivo de integrar a Aliança para o Pacífico com outros blocos comerciais, como o Mercosul. A proposta da chilena era trabalhar para que os dois grupos deixassem de representar um contraponto entre os países com maior abertura comercial, que fazem parte da aliança, e os de menor abertura, dentro do bloco integrado pelo Brasil. Uma proposta nessa direção era aguardada pelos presidentes dos países integrantes do Mercosul na última cúpula do bloco, em Caracas, em julho, mas Bachelet cancelou sua participação na última hora.
A iniciativa de Bachelet recebeu o respaldo, de forma velada, do governo brasileiro ainda durante a campanha presidencial chilena. O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva chegou a gravar uma mensagem de apoio para o programa eleitoral de Bachelet na televisão.
Às vésperas da cúpula de Caracas, o Brasil havia preparado uma proposta de antecipar de 2019 para este ano a eliminação de tarifas entre o Mercosul e Chile, Colômbia e Peru, de forma a criar o que a presidente Dilma Rousseff chamou de "zona de livre comércio sul-americana". Praticamente não há mais produtos tarifados no intercâmbio com o Chile e o Peru, mas a integração com a Colômbia ainda é baixa: somente 58% da pauta com o Brasil está desgravada.
Integrantes do governo brasileiro, sob reserva, comentavam há três meses que o Brasil queria fomentar a associação apenas com a vertente sul-americana da Aliança, excluindo o México. O complicador para uma aproximação com este país seria o seu mercado comum com os Estados Unidos e o Canadá, o que poderia abrir caminho para uma reedição da Alca, a Área de Livre Comércio das Américas, inviabilizada pela resistência de Brasil, Argentina e Venezuela na década passada.
Segundo Rebolledo, Bachelet teve que cancelar a viagem por questões políticas internas, mas a associação entre os dois blocos era um dos temas da agenda que levou o dirigente a viajar a Brasília ontem, para uma reunião com o secretário-executivo do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio, Ricardo Schaefer.
"Para nós é prioridade usar a experiência da Aliança para o Pacífico, uma associação circunscrita à economia e ao comércio, para avançar nos acordos com outros blocos que já estão estabelecidos, como é o caso do Mercosul", disse Rebolledo.
Mesmo o comércio bilateral do Chile com países do Mercosul ficou em segundo plano no governo do antecessor de Bachelet. Depois de atingirem um pico de US$ 5,9 bilhões em 2011, as exportações brasileiras para o Chile recuaram para US$ 5,2 bilhões em 2012 e para US$ 5,1 bilhões no ano passado. As importações do Brasil fizeram o mesmo movimento: caíram de US$ 4,5 bilhões para US$ 4,4 bilhões entre 2011 e 2013. A mesma tendência de desaceleração aconteceu também em relação à Argentina. A corrente de comércio entre os dois países caiu 16,3% entre 2011 e 2013. (Valor Online – 15/10/2014)

China leader signs trade deals with Russia in visit to sanction-squeezed Moscow
By Michael Birnbaum
MOSCOW — With the West pushing hard to isolate Russia, President Vladimir Putin on Tuesday turned to the East to find an escape hatch as his nation signed dozens of trade deals with neighboring China.
The agreements, which spanned from energy to finance to defense, were the latest in an economic partnership that has accelerated this year throughout the crisis in Ukraine, as the West has moved to freeze Russia out of its financial markets. Putin met Chinese Premier Li Keqiang in Moscow on Tuesday, to cap a three-day visit in which the nations pledged to keep building their fast-growing ties.
The two nations share an authoritarian approach to dissent, a mutual suspicion of the United States and a 2,600-mile-long border across which trade is rapidly increasing. The new deals this week came shortly after China praised Putin’s handling of the conflict in Ukraine and China’s leaders confronted protesters in Hong Kong.
“We do have great plans,” Putin told Li on Tuesday. “We are natural partners, natural allies. We are neighbors.”
Russia, which has bountiful oil, natural gas and coal supplies, and China, a voracious energy consumer, are a geopolitical match made in heaven, especially as Russia’s Western partners have pulled back this year following increased Western sanctions for its role in the Ukraine conflict. But they have long had trouble actually making deals with each other, in part because their hard-nosed negotiating styles have clashed, analysts say.
But this year the squeeze of sanctions has bolstered interest in a partnership with its neighbor to the south. China, eager to drive a tough bargain, has been willing to step in to fill the gap. And Russia has thrown open the doors to Chinese investment in its oil fields, rolled out the red carpet to top Chinese leaders and pushed hard to spur stalled discussions on cooperation in a host of sectors.
“Russia has the biggest territory in the world, while China has the largest population,” Li said Tuesday, according to a transcript posted on the Kremlin’s Web site. “That alone makes our two economies complementary.”
Among the 38 deals, which were signed Monday with Russian Prime Minister Dmitry Medvedev, Chinese banks offered more than $4 billion in credit lines to Russian businesses, a significant lifeline as sanctions have dried up Western financing. The governments also finalized the $400 billion natural gas deal inked in May, signed agreements to cooperate in outer space and laid the groundwork for China to help build a stretch of high-speed railway that European manufacturers had once planned to work on.
The two nations also agreed to rely more on their national currencies for conducting trade, a move intended to strike a blow to the dollar. It would be particularly advantageous for Russia, whose ruble has slipped 19 percent against the dollar this year.
“I have never attended a ceremony where so many documents were signed,” Medvedev said Monday.
The European Union remains by far Russia’s most important trading partner, at $410 billion in 2013. But Chinese investment in Russia increased 15 percent last year alone. Just six years ago, trade between the two countries totaled $40 billion. Now it is $90 billion, and Medvedev said he wanted to pump it up to $200 billion a year.
Not all the trade deals being struck between the two countries may be bargains for Russia. The details of the May gas deal have been kept private, but Russian media accounts suggest that China got a favorable deal because Putin particularly needed to show the world that Russia could survive with greatly diminished European trade.
Advertisement
Russian negotiators had expressed hope they could strike another landmark energy deal, this time to build a natural gas pipeline to western China . Instead, the two sides punted and said they would keep discussing it this autumn.
“Chinese are tough negotiators, and they are not going to help Russia at the expense of their own benefit,” said Alexander Lukin, the director of an Asian studies center at Moscow State Institute of International Relations who also trains Russian diplomats. “We don’t idealize it, but China is a friendly country and Europe has shown itself to be hostile.”
With the United States and Europe united on steps against Russia and showing few signs of rolling back sanctions anytime soon, other areas of Asia have also become more critical for Russian investments. South Korea has not issued any economic bans against Russia. Japan has done so, but not as extensively as Western powers.
“Hong Kong is especially important for Russia now, because that’s the only major financial center that is out of Western political control,” said Vasily Kashin, a China expert at the Moscow-based Center for Analysis of Strategies and Technologies.
The reshaped partnerships are likely to stick, he said.
“Unlike any sanctions that might be imposed or lifted by politicians, this is kind of irreversible,” Kashin said. “During this crisis, Russians will build new ties with new partners, and even after these current political conditions are gone, relations probably will not go all the way back.” (The Washington Post – 14/10/2014)

Brasil e Chile discutem negociação de acordo de cooperação e facilitação de investimentos
Brasília – Brasil e Chile vão criar um grupo de trabalho para avaliar o status atual dos investimentos diretos bilaterais e iniciar a negociação de um Acordo de Cooperação e Facilitação de investimentos. O tema foi discutido hoje, no Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), durante a VIII Reunião da Comissão de Monitoramento de Comércio Brasil-Chile. O secretário-executivo do MDIC, Ricardo Schaefer, destacou o crescimento da corrente de comércio entre Brasil e Chile, que passou de US$ 3,9 bilhões, em 2004, para US$ 8,8 bilhões, em 2013. “Temos uma relação comercial equilibrada, com complexidade na pauta de produtos. Os investimentos também vêm aumentando bastante”, disse Schaefer.
O diretor-geral de Relações Econômicas Internacionais do Chile, Andrés Rebolledo, enfatizou a importância do mercado brasileiro. “Hoje o Brasil é o principal destino dos investimentos chilenos no exterior representando aproximadamente 25% do total. O Brasil também é o principal parceiro comercial do Chile na América do Sul”, informou.
Os representantes dos dois países discutiram ainda formas de facilitar o comércio e irão trocar informações sobre os projetos relacionados às janelas únicas. O Brasil lançou, em abril deste ano, o projeto do Portal Único de Comércio Exterior, e ficou acertado contato entre as equipes técnicas dos dois países para o intercâmbio de experiências. O projeto brasileiro pretende reduzir a burocracia e o prazo das operações de exportação de 13 para oito dias e o prazo das de importação de 17 para dez dias.
Outro tema tratado na reunião foi o certificado de origem digital. Brasil e Chile deverão atualizar os seus sistemas de emissão e recepção de certificados de origem, o que possibilitará a troca digital dos documentos sem a necessidade das vias em papel, com previsão para o início de 2015. (MDIC – 14/10/2014)

Chile Apuesta en la Convergencia Entre la Alianza del Pacífico y el Mercosur
Un socio comercial es y seguirá siendo Brasil independiente del candidato que triunfe en las elecciones del 26 de octubre
Chile apuesta a que durante los próximos meses se darán pasos "importantes" hacia una "convergencia" entre la Alianza del Pacífico y el Mercosur, afirmó hoy a Efe Andrés Rebolledo, director general de relaciones económicas internacionales (DIRECON).
"Se trata de la convergencia en la diversidad", explicó Rebolledo en Brasilia, donde hoy cumple una visita de trabajo en el marco de un encuentro bilateral sobre comercio y asuntos económicos, que no se realizaba desde 2011.
Según el funcionario, la segunda vuelta de las elecciones que se celebrará en Brasil el próximo día 26 no alterará el interés ya manifestado por este país en una aproximación entre el Mercosur y la Alianza del Pacífico.
"Más allá de la actual coyuntura política, Brasil juega un papel clave en la integración latinoamericana", es "un actor global en el nuevo espacio multipolar que se construye" y mantiene una "probada vocación por la integración latinoamericana", indicó Rebolledo.
Brasil elegirá el próximo 26 entre renovar el mandato de la actual presidenta y aspirante a la reelección, Dilma Rousseff, o el "cambio" que propone el opositor socialdemócrata Aécio Neves, quien ofrece al electorado planes económicos y comerciales de corte más liberal.
Aún así, el Gobierno de Rousseff ya ha manifestado su interés por aproximar al bloque que Brasil integra con Argentina, Uruguay, Paraguay y Venezuela a la Alianza del Pacífico, formada por Colombia, Chile, México y Perú.
Neves, por su parte, plantea el posible acercamiento a la Alianza del Pacífico como una "prioridad" en el marco de su proyecto de promover una mayor apertura de mercados apoyada en intereses más económicos que políticos.
De acuerdo con Rebolledo, al margen del resultado de las elecciones en Brasil, "el planteamiento de la convergencia entre el Mercosur y la Alianza del Pacífico sigue siendo válido" y Brasil será uno de los pilares en los que se apoyará esa futura "sociedad".
Rebolledo informó también de que el próximo 24 de noviembre se realizará en Chile un seminario que reunirá a cancilleres de los países de los dos bloques, junto con empresarios y representantes de organismos regionales, como la Comisión Económica para América Latina y el Caribe (CEPAL) o la Unión de Naciones Suramericanas (Unasur).
Explicó que, además, para "darle más proyección hacia el resto de América Latina", ha sido invitada una delegación guatemalteca, pues la intención es que esa "convergencia" entre ambos bloques trascienda hacia el resto de la región.
Respecto a las relaciones bilaterales entre Brasil y Chile, Rebolledo sostuvo que independientemente de las elecciones del próximo día 26, existe una dinámica económica y comercial que no será alterada y tiende a reforzarse.
El viceministro señaló que Brasil es el primer socio comercial de Chile en América Latina y el quinto en el mundo, además de constituir hoy el "principal mercado para la inversión" chilena, que ya suma US$25.000 millones en la economía brasileña.
"Brasil es un país esencial" para el proceso de integración en América Latina y para el propio Chile, declaró Rebolledo, director general de Relaciones Económicas Internacionales, con rango de viceministro de Comercio Exterior. (Estrategia Online – 14/10/2014)

Chile apuesta en la convergencia entre la Alianza del Pacífico y el Mercosur
Chile apuesta a que durante los próximos meses se darán pasos "importantes" hacia una "convergencia" entre la Alianza del Pacífico y el Mercosur, afirmó hoy a Efe el viceministro chileno de Comercio Exterior, Andrés Rebolledo.
"Se trata de la convergencia en la diversidad", explicó Rebolledo en Brasilia, donde hoy cumple una visita de trabajo en el marco de un encuentro bilateral sobre comercio y asuntos económicos, que no se realizaba desde 2011.
Según el funcionario chileno, la segunda vuelta de las elecciones que se celebrará en Brasil el próximo día 26 no alterará el interés ya manifestado por este país en una aproximación entre el Mercosur y la Alianza del Pacífico.
"Más allá de la actual coyuntura política, Brasil juega un papel clave en la integración latinoamericana", es "un actor global en el nuevo espacio multipolar que se construye" y mantiene una "probada vocación por la integración latinoamericana", indicó Rebolledo.
Brasil elegirá el próximo 26 entre renovar el mandato de la actual presidenta y aspirante a la reelección, Dilma Rousseff, o el "cambio" que propone el opositor socialdemócrata Aécio Neves, quien ofrece al electorado planes económicos y comerciales de corte más liberal.
Aun así, el Gobierno de Rousseff ya ha manifestado su interés por aproximar al bloque que Brasil integra con Argentina, Uruguay, Paraguay y Venezuela a la Alianza del Pacífico, formada por Colombia, Chile, México y Perú.
Neves, por su parte, plantea el posible acercamiento a la Alianza del Pacífico como una "prioridad" en el marco de su proyecto de promover una mayor apertura de mercados apoyada en intereses más económicos que políticos.
De acuerdo con Rebolledo, al margen del resultado de las elecciones en Brasil, "el planteamiento de la convergencia entre el Mercosur y la Alianza del Pacífico sigue siendo válido" y Brasil será uno de los pilares en los que se apoyará esa futura "sociedad".
Rebolledo ratificó que, el próximo 24 de noviembre, se celebrará en Chile un seminario que reunirá a cancilleres de los países de los dos bloques, junto con empresarios y representantes de organismos regionales, como la Comisión Económica para América Latina y el Caribe (CEPAL) o la Unión de Naciones Suramericanas (Unasur).
Explicó que, además, para "darle más proyección hacia el resto de América Latina", ha sido invitada una delegación guatemalteca, pues la intención es que esa "convergencia" entre ambos bloques trascienda hacia el resto de la región. EFE (Inversion&Finanzas Chile – 14/10/2014)

Aécio Neves fustiga a Dilma por trato hacia el Paraguay
Crítica. Neves citó al Paraguay al cuestionar la política exterior de Dilma Rousseff.
El relacionamiento entre el Brasil y Paraguay, así como el trato dispensado a nuestro país por la presidenta Dilma Rousseff durante su primer mandato, salió a relucir en la campaña presidencial del vecino país, que el próximo 26 de octubre definirá el nombre de la persona que ocupará el Palacio de Planalto por los siguientes cuatro años.
El candidato del Partido de la Social Democracia Brasileña (PSDB), Aécio Neves, puso de relieve en su plan de gobierno cómo el liderazgo del Brasil en el mundo fue “erosionado”, a raíz de la suspensión de Paraguay del Mercosur, a mediados de 2012.
En el documento, que consta de 273 páginas y puede encontrarse en la página web www.aecioneves.com.br, el ex gobernador del estado de Minas Gerais destacó que bajo la gestión de Dilma Rousseff “la política externa brasileña padeció de falta de rumbo y de decisiones que no siempre se basaron en el interés nacional de largo plazo”.
“La fase más notoria de la política externa en los últimos años ha sido su capacidad de deconstruir la coherencia y la excelencia que siempre marcaron la actuación externa de Brasil en el exterior, ejecutada primordialmente por Itamaraty, tradicional institución del Estado y del servicio público brasileño, respetada por sus pares en el mundo”, señaló.
CONSECUENCIAS. Según Aécio Neves, “aquella deconstrucción se dio sobre todo por la prevalencia de la ideología en muchas acciones de política externa en América del Sur, en que el liderazgo brasileño fue omitido o salió erosionado, con importantes consecuencias para el largo plazo y para la propia imagen de Brasil en el mundo”.
A renglón seguido, el candidato del PSDB destaca que, ejemplo de esa deconstrucción, fue “la suspensión de Paraguay del Mercosur”, y la forma como “se procesó el ingreso de Venezuela en el bloque”.
La crítica de Aécio Neves figura en el apartado de su plan de gobierno dedicado a la política exterior. Entre sus principales asesores en esta materia, se destaca el ex embajador Rubens Barbosa, un diplomático brasileño de dilatada trayectoria que estuvo presente en el Paraguay en varias oportunidades.
Cabe recordar que en oportunidad de suspender al Paraguay del Mercosur, Dilma Rousseff enfrentó ácidas críticas de la prensa brasileña, no solamente por la forma en que se había aplicado la sanción a nuestro país, sino también por el hecho de que esa acción sirviera para propiciar un cuestionado ingreso de Venezuela al Mercosur. (Ultima Hora 14/10/2014)

Mujica dijo que los países de la región se pegan un tiro en el pie con el protecionismo
El mandatario llamó a no perder de vista a China en cualquier tratado comercial y que el próximo gobierno deben acordar con la Alianza del Pacífico y el TPP
El presidente de Uruguay, José Mujica, llamó a negociar con todos y culpó a la clase política por la falta de respuestas. Ante representantes de más de 600 empresas de los 13 países miembros de la Asociación Latinoamericana de Integración (Aladi), el mandatario dijo que los países de la región se pegan un "tiro en el pie" al practicar el proteccionismo.
Mujica dijo que los empresarios sí logran la integración tan pregonada, pero es la clase política la que traba los avances en cuestiones de relaciones comerciales. "Fracasamos en el campo político. No estamos a la altura de la época que vivimos", señaló en el foro que se llevó a cabo en el LATU y tras describir lo interrelacionado que es el mundo en la actualidad. "Hacemos muchas reuniones de carácter internacional y no sale nada. O lo que sale, a veces no lo respetamos. Falta visión autocrítica en nuestras naciones", añadió.
El próximo gobierno uruguayo tendrá el desafío de contribuir a la mejora de un Mercosur que no termina de arrancar, y contará con la posibilidad de acercarse más a la Alianza del Pacífico, que integran Colombia, Chile, México y Perú, y de sumarse a la Trans-Pacific Partnership, un bloque que reúne a EE.UU., Canadá, México, Chile, Australia, Nueva Zelanda, Japón, entre otros.
"Tenemos que juntarnos más, pero también salir a negociar con todos", insistió Mujica. El mandatario se preguntó por qué "nos cuesta tanto" acercar posiciones y avanzar en el desarrollo de un mercado común. "Nos queremos integrar en Latinoamérica pero practicamos el proteccionismo entre nosotros. Nos estamos pegando un tiro en el pie", aseguró. "Lo digo abiertamente, porque somos un pequeño país. Estamos condenados a luchar por una apertura. Pero aun los países más grandes ya no pueden vivir aislados o solos", prosiguió el presidente de la República.
Mujica, quien recordó que existen más de 300 acuerdos de libre comercio en el mundo, llamó la atención como esos tratados están dejando afuera a China. "Nadie puede ignorar a China. ¿Acaso algún país puede renunciar a vender a China? Ese es un fenómeno que tenemos atravesado en la economía del mundo, particularmente los latinoamericanos. Más claro. La pregunta es ¿entramos en un acuerdo con otras partes del mundo y al tiempo endurecemos las condiciones de intercambio con China?¿Cuál será la respuesta? Yo no la tengo", dijo el presidente. (Cronista – 13/10/2014)

Embaixadores árabes e chanceler brasileiro se reúnem
Encontro foi realizado na residência oficial do embaixador do Egito, em Brasília, para discutir formas de aprofundar as relações comerciais entre o Brasil e os países árabes.
Marcos Carrieri
São Paulo – Os embaixadores e encarregados de negócios de 18 países árabes e da Liga Árabe em Brasília se reuniram na quinta-feira (09) com o ministro brasileiro das Relações Exteriores, Luiz Alberto Figueiredo Machado, para discutir a ampliação das relações comerciais e diplomáticas entre o Brasil e os países do Norte da África e do Oriente Médio.
Também participaram do encontro o subsecretário-geral político do Itamaraty para o Oriente Médio, embaixador Paulo Cordeiro, o secretário-geral do Itamaraty, Eduardo dos Santos, e o diretor-geral da Câmara de Comércio Árabe Brasileira, Michel Alaby. O encontro foi promovido em almoço realizado na residência oficial do embaixador do Egito em Brasília, Hossameldin Mohamed Ibrahim Zaki.
Na primeira reunião com o chanceler brasileiro desde que Figueiredo assumiu o posto, em agosto de 2013, os diplomatas trataram da criação do estado palestino, da reconstrução de Gaza após conflitos com Israel, da aprovação, pelo Congresso Nacional, de acordos de livre comércio com os países árabes e do fim da dupla tributação internacional entre estes países e o Brasil.
De acordo com o decano do Conselho dos Embaixadores Árabes no Brasil e representante da Palestina no País, Ibrahim Alzeben, o encontro foi “muito positivo”. “Houve uma interação muito importante entre todas as partes. O ministro falou da importância da imigração árabe na cultura brasileira, do dinamismo das empresas árabes brasileiras, da presença da Câmara Árabe como elemento importante nessa relação. Ele prometeu visitar os países árabes em um futuro próximo”, afirmou Alzeben.
Livre comércio
Alaby afirmou no encontro que há acordos de livre comércio entre o Mercosul e alguns países árabes que já foram assinados, mas ainda dependem de aprovação na Câmara dos Deputados e no Senado para entrar em vigor. É o que acontece com Egito, Palestina e Jordânia. No encontro, Alaby afirmou ao ministro Figueiredo que o Brasil e os países árabes podem ampliar suas trocas comerciais por meio de outros acordos, como o que elimina a dupla tributação internacional (ocasião em que um rendimento é tributado no país de origem da renda e também no país de residência da empresa ou pessoa que gera a renda).
“Nós e o ministro falamos da necessidade de se obter um upgrade comercial e passar necessariamente por acordos comerciais, evitar a bitributação, ter mais presença do Brasil em feiras nos países árabes e mais presença de empresas árabes aqui no Brasil para ampliar a troca de experiências. Isso é importante para o Itamaraty, que é uma instituição que não depende de governos. Muda-se o governo, mas a filosofia das Relações Internacionais permanece independente”, afirmou Alaby.
As trocas comerciais do Brasil com os países árabes cresceram a partir de 2003, quando o presidente Luiz Inácio Lula da Silva visitou Síria, Líbano, Egito, Líbia e Emirados Árabes Unidos. Em 2013, o Brasil exportou US$ 14,03 bilhões à região e importou US$ 11,39 bilhões. A troca comercial entre Brasil e países árabes é composta, principalmente, por commodities. O Brasil exporta alimentos e os árabes, petróleo e seus derivados e fertilizantes. Em 2003, as exportações para a região eram de US$ 2,7 bilhões. Em 2012, chegaram a US$ 14,8 bilhões e caíram para US$ 14,03 bilhões no ano seguinte.
Na reunião, o ministro Figueiredo foi convidado a participar do encontro de chanceleres da Cúpula América do Sul Países Árabes (ASPA), previsto para ser realizado em 28 de outubro em Manama, no Bahrein. O Itamaraty ainda não definiu se enviará um representante ao encontro.
Segundo Alzeben, Figueiredo confirmou na reunião de quinta-feira que Eduardo dos Santos, irá participar neste domingo (12) de uma cúpula no Cairo para discutir os projetos de reconstrução da Faixa de Gaza, que foi bombardeada em julho e agosto em confrontos entre o grupo Hamas e Israel. (Anba – 10/10/2014)

Produtos e Mercados


Veja mais

GE tem lucro maior no 3ºtrimestre apoiada em aviação e óleo e gás
SÃO PAULO - O conglomerado norte-americano General Electric divulgou nesta sexta-feira lucro líquido maior no terceiro trimestre, apoiado por vendas de motores para aviões e equipamentos para o setor de petróleo e gás.
A companhia afirmou que o lucro líquido do terceiro trimestre subiu para 3,54 bilhões de dólares, ante 3,19 bilhões no mesmo período do ano passado. Por Lewis Krauskopf (Reuters – 17/10/2014)

Mercados se ajustam a um cenário menos otimista
Após uma calmaria de meses, os mercados financeiros iniciaram mais uma etapa de ajuste de preços dos ativos, cuja profundidade e duração são, por natureza, incertas. Em uma visão otimista, a correção de rumos é uma resposta a evidentes exageros na avaliação de riscos, como alternativa ao retorno pequeno ou inexistente dos ativos considerados seguros, como os títulos do Tesouro americano. Na hipótese pessimista, a reavaliação indica um mal-estar geral com a situação da economia mundial, que estaria perdendo fôlego e caminha para um período prolongado de crescimento baixo. Nesse caso, as bolsas americanas deixarão de ter o comportamento exuberante que tiveram nos últimos meses e os rendimentos dos títulos do Tesouro de longo prazo encolherão. A agitação dos mercados envolve apostas sobre o calendário da normalização monetária americana, indicando eventual postergação da época para a elevação dos juros.
Alertas combinados do Fundo Monetário Internacional, Organização Mundial do Comércio, OCDE e recentes dados sobre o desempenho da zona do euro, da China e dos países emergentes cristalizaram um contraste agudo com o clima desanuviado dos mercados financeiros. Uma mudança de rumos teria de ocorrer para modificar a situação insustentável de alta simultânea dos ativos de riscos e dos seguros. O chamado para a ação viria, esperava-se, com a proximidade do início da alta dos juros pelo Fed.
Curiosamente, os mercados reagiram à sua maneira impulsiva ao fenômeno contrário, o da possibilidade de que a economia americana possa não resistir ao peso combinado de estagnação na zona do euro, declínio da expansão em muitos países emergentes e ameaça de crescimento bem menor na China. Ontem, quando os rendimentos dos títulos do Tesouro dos EUA de 10 anos fecharam em 2,13% (3% no início do ano) os "fed funds" sinalizaram aposta majoritária, em torno de 60%, para um aumento dos juros só em dezembro de 2015 - e algo como 40%, em 2016.
Sinais emitidos pela economia americana deixaram no ar alguma ambiguidade. As vendas no varejo foram fracas em setembro, mas muito fortes em agosto. A produção industrial subiu acima das expectativas, 1%, no mesmo mês. O que deveria resolver as dúvidas, o número de pedidos de ajuda por desemprego caíram e apresentaram a menor média desde abril de 2000. O livro bege do Fed, sobre o pulso das atividades econômicas, não apresentou nada que pudesse tirar o banco central do roteiro tentativamente traçado.
E, no entanto, a outra ponta das preocupações do Fed, a da inflação, torna-se mais insegura. Há um profundo desconforto de parte dos investidores e analistas com os sinais de uma onda deflacionária, que se reforçaram recentemente. Não apenas a zona do euro confirmou sua vizinhança da taxa zero, com o índice de setembro, de 0,3%, repetindo o do mês anterior. Os títulos do Tesouro protegidos da inflação indicam que ela caiu abaixo de 1,5%, nível próximo do qual, em vezes anteriores, foram acionadas rodadas de "quantitative easing". Mesmo na China, a inflação anual caiu para 1,8% em setembro, a menor desde janeiro de 2000.
Pressões deflacionárias nos EUA eram esperadas a partir do fortalecimento do dólar, mas agora estão recebendo reforço global com a queda rápida dos preços do petróleo e continuidade do arrefecimento das cotações das demais commodities. A demanda não encolheu apenas com a desaceleração controlada da China, a grande formadora de preços, e da Europa, como também de outros países emergentes, como Brasil e Rússia. Exceto os EUA, o crescimento não está se acelerando em vastas regiões da economia global, mostrando excesso de capacidade produtiva e possíveis novas quedas de preços à frente.
Como as economias emergentes, que ajudaram a abreviar a recessão mundial logo após crise de 2008, não têm mais força de impulso agora, há dúvidas relevantes se os EUA podem cumprir quase que isoladamente esse papel. A Alemanha, que tinha semelhante missão na zona do euro, pode ter sucumbido à mediocridade do crescimento circundante e, como exportadora, à pasmaceira global. O cenário mais provável ainda é de crescimento global importante, empurrado pelos EUA. Mas isto acontecerá em ambiente de estagnação e riscos de deflação em partes importantes do globo. A volatilidade dos mercados pode ter voltado com tudo.(Valor Online – 17/10/2014)

Queda de preço de petróleo deve afetar comércio com Venezuela
Por Marta Watanabe e Rodrigo Pedroso | De São Paulo
A queda de preços do petróleo no mercado internacional deve fazer diferença na balança comercial com a Venezuela, país com o qual o Brasil tem o maior superávit dentre os países da América Latina. De janeiro a setembro, a exportação brasileira somou US$ 3,25 bilhões aos venezuelanos, com superávit favorável ao Brasil em US$ 2,36 bilhões. No mesmo período, a balança comercial total do país teve resultado em sentido inverso, com déficit de US$ 690 milhões. No ano passado, o comércio com os venezuelanos rendeu ao Brasil superávit de US$ 3,67 bilhões. A balança total ficou com saldo positivo de US$ 2,56 bilhões.
Segundo analistas, a queda de preços deve gerar divisas menores para a Venezuela, que tem no petróleo 96% do valor exportado. Os preços menores da commodity reduzirão a capacidade venezuelana de importar, num momento em que o controle cambial já restringe os desembarques locais. "Isso deve reduzir a exportação brasileira para o país e também o superávit com a Venezuela, mesmo levando em conta que os alimentos são a maior parte dos embarques para lá", diz José Augusto de Castro, presidente da Associação de Comércio Exterior do Brasil (AEB).
Atualmente, a nafta, derivado do petróleo, corresponde a cerca de 60% da importação brasileira com origem na Venezuela. Nas exportações brasileiras para o país predominam as carnes. Levando em conta carne congelada, bovinos vivos e carne de aves, a exportação para os venezuelanos somou US$ 1,41 bilhão de janeiro a setembro, o que equivale a quase 45% do que o Brasil exportou para o país. Apesar da concentração em alimentos, a pauta é diversificada e inclui aços laminados, pneus, tratores, medicamentos e produtos de higiene pessoal.
"Se os preços reduzidos de petróleo se mantiverem, o exportador brasileiro vai sentir muito", diz Welber Barral, ex-secretário de Comércio Exterior e sócio da Barral M Jorge Consultores. Além da queda de demanda, a situação deve aumentar o risco da Venezuela, o que traz também dificuldades adicionais, como a contratação de seguro para exportação.
Por conta do risco político já existente, cerca de 50% dos embarques brasileiros à Venezuela são feitos via Convênio de Pagamentos e Créditos Recíprocos (CCR), um sistema de compensação de pagamentos do comércio em que as operações entre os países da América Latina são garantidas pelos bancos centrais locais. O índice de uso do CCR com a Venezuela é bem maior que os 5,4% de utilização nas exportações brasileiras para todos os países do convênio.
Barral diz que o uso do CCR no caso da Venezuela pode aumentar, mas o convênio não será solução para todos. "O uso desse instrumento encarece a operação e muitos exportadores já têm margem pequena, que não comportaria o acréscimo." Ele lembra que a dificuldade para exportar aos venezuelanos por conta do risco intensificou-se há cerca de dois anos. A queda de preço do petróleo, porém, deve acentuar a dificuldade.
Caso os principais países não reduzam o nível de produção de petróleo e os preços continuem caindo no mercado internacional, ao exportador brasileiro, que não possa abrir mão de parte da rentabilidade, diz Barral, resta esperar que os venezuelanos consigam chegar a melhor equilíbrio nas contas públicas. Essa, porém, ressalta, é uma perspectiva a médio prazo.
Ao mesmo tempo, é difícil que o Brasil consiga aumentar a importação de petróleo e derivados dos venezuelanos. Ele explica que o tipo de petróleo produzido na Venezuela é muito próximo ao existente no Brasil, o que restringe a demanda brasileira. E mesmo que houvesse maior demanda, diz o ex-secretário, há também um problema na oferta, já que a Venezuela embarca grandes volume a outros parceiros internacionais.
A Venezuela será a economia latino-americana mais afetada negativamente pela queda de preço, de acordo com estimativas da consultoria britânica Capital Economics. A menor receita com o óleo cru aumenta as chances de não pagamento, por parte do governo venezuelano, de dívidas contraídas.
Na análise assinada pelo especialista em mercados emergentes da Capital Economics, David Rees, o petróleo mais barato deve se manter no médio prazo. As receitas com exportações líquidas de petróleo representaram 37% do Produto Interno Bruto (PIB) da Venezuela em 2013. Com o recuo nessa receita, o governo venezuelano terá que pagar juros maiores nos títulos da dívida pública, colocando maior pressão na já combalida reserva em dólares do país.
A queda de preços também deve afetar a economia da Colômbia. O país, segundo o relatório, terá menos espaço para comprar produtos do exterior. No ano passado, as exportações líquidas de petróleo representaram 6% do PIB do país. A consultoria britânica ressalta que a economia colombiana registrava déficit em conta corrente antes do recuo do preço da commodity. Portanto, para equilibrar as contas externas, a política econômica do governo de Juan Manuel Santos terá que contrair a importação em um cenário de desaceleração do crescimento da atividade.
O contexto colombiano, porém, deve ter impacto bem menor para a exportação brasileira. O comércio com a Colômbia é menos representativo do que o mantido com os venezuelanos. De janeiro a setembro, o Brasil exportou US$ 1,78 bilhão para os colombianos, com superávit de US$ 381,05 milhões.
Fabio Silveira, economista da GO Associados, calcula que, para os países exportadores, os preços reduzidos poderão fazer recuar entre 10% e 15% a receita com a venda de petróleo. Em relação às importações brasileiras do óleo, porém, destaca ele, a expectativa é que, no médio e longo prazo, haja redução, em razão da esperada elevação da produção doméstica. (Valor Online – 17/10/2014)

Dados mostram que pulso econômico dos EUA está forte
O número de norte-americanos que entraram com novos pedidos de auxílio-desemprego caiu para mínima de 14 anos na semana passada. Isso é um sinal positivo para o mercado de trabalho que pode conter as dúvidas sobre se a economia está melhorando.
Os pedidos iniciais de auxílio-desemprego caíram em 23 mil, para 264 mil segundo números ajustados sazonalmente, menor nível desde 2000, informou ontem o Departamento do Trabalho.
Isso sugere que o mercado de trabalho está ganhando força e pode impulsionar a visão de que o Federal Reserve, banco central norte-americano, irá elevar a taxa de juros no próximo ano.
Economistas consultados pela Reuters esperavam avanço para 290 mil pedidos.
Produção industrial
Outra notícia positiva divulgada ontem sobre a economia norte-americana é que a produção industrial dos Estados Unidos teve o maior ganho em quase dois anos em setembro, com aceleração da atividade das fábricas e diante do grande salto relacionado ao clima da produção de companhias de serviços públicos, em um sinal bem vindo sobre o ritmo da recuperação econômica.
A produção nas minas, fábricas e companhias de serviços públicos do país cresceu 1,0% após cair 0,2% em agosto, informou o Federal Reserve, banco central dos EUA. Foi o maior crescimento desde novembro de 2012 e superou o ganho de 0,4% esperado por Wall Street. Com a atividade acelerando, o montante de capacidade de produção em uso subiu para 79,3%, o maior nível desde junho de 2008.
Juros
O Fed tem que preparar os investidores para uma elevação nas taxas de juros antes do que muitos acreditam no momento, disse o presidente do Fed da Filadélfia, Charles Plosser, em discurso ontem que não reconheceu especificamente a turbulência que recentemente tomou conta dos mercados financeiros. Ele disse que os juros podem começar a subir "mais cedo do que se esperava anteriormente" e defendeu que o banco central ajuste prontamente sua orientação formal de política monetária para reconhecer o "progresso significativo" tanto na inflação quanto no emprego nos EUA.
Plosser está entre a minoria do Fed que quer encerrar a política monetária ultraexpansionista antes da metade de 2015, que é quando a maioria de seus colegas vê uma elevação de juros. Temores sobre uma contração econômica mundial e vendas generalizadas voláteis em ações nos últimos dias têm, no entanto, levado investidores a apostar em aperto mais tarde, próximo do fim de 2015. /Reuters (DCI – 17/10/2014)

Mais incertezas passam a rondar o mundo desenvolvido
Por Roberta Costa | De São Paulo
O olhar mais cauteloso do mercado sobre as perspectivas econômicas para o ano que vem está sendo muito influenciado pelos dados correntes, o que é natural. Mas também pela avaliação de que o mundo desenvolvido parece estar entrando em uma fase de mais (e não menos) incertezas, justamente num momento em que se esperava mais (e não menos) convicção na recuperação americana.
A desinflação observada nos países centrais denota duas influências principais: demanda enfraquecida e preços de commodities em baixa, especialmente aquelas vinculadas à energia, em particular o petróleo. Variações de preços cadentes em meio a uma atividade econômica ainda anêmica - especialmente na Europa e no Japão - significam que as medidas pouco ou nada convencionais tomadas por vários bancos centrais terão de ser removidas com muito mais cautela do que se supunha há bem pouco tempo.
Para os emergentes, em geral, a expetativa já digerida do fim do "QE" americano neste mês e as apostas sobre o "timing" da elevação da taxa de juros pelo Fed compõem o cenário para os preços dos ativos. Sabe-se que, mesmo amplamente anunciados, os movimentos do Federal Reserve são críticos para esses países - que, em uma análise generalista, são mais vulneráveis a migrações de capital em moeda forte ou realocações de portfólio.
Considerando a classificação mais ampla de mercados emergentes e países em desenvolvimento do Fundo Monetário Internacional (FMI), o crescimento esperado para 2015 é de 5,0%, o que parece muito bom diante do avanço de 3,8% do PIB global. E nada mal no confronto com as economias avançadas, que mostrariam alta de apenas 2,3% em 2015.
Mas, em se tratando de emergentes, tudo depende do lado para o qual se olha.
Na América Latina e Caribe, o PIB deve crescer apenas 2,2% no ano que vem, com performance pífia do Brasil (1,4%). A Europa emergente cresce um pouco mais, 2,9% e a Ásia emergente, por sua vez, avança 6,6% - mostrando maior resiliência de que outras partes do globo. Aliás, esse é um dos dois únicos grupos de países que não sofreu redução nas projeções de crescimento pelo FMI desde o relatório de abril.
A despeito disso, os países estão tendo de combater, de novo, os riscos associados a uma perda renovada de dinamismo do mundo desenvolvido. A Coreia do Sul é um exemplo disso dentro da Ásia emergente. O banco central do país cortou em 25 pontos-base o juro de referência, para 2%, na segunda redução consecutiva, o que levou a taxa para o nível pré-crise.
Para o BC coreano, "a economia global vai sustentar sua recuperação modesta daqui para frente centrada em torno dos EUA". (Valor Online – 16/10/2014)

Pessimismo mundial sacode mercados
DANIELLE BRANT
TONI SCIARRETTA
Uma onda de pessimismo com o ritmo de recuperação da economia mundial sacudiu nesta quarta (15) os mercados internacionais, ocasionando quedas generalizadas na maioria das aplicações financeiras -ações, moedas, commodities e títulos de dívida pública e privada- e agravando no Brasil o sobe e desce de Bolsa e câmbio, já sensíveis às pesquisas de intenção de voto.
O pessimismo, que nesta terça já derrubara o preço do petróleo, foi detonado após o resultado fraco nos EUA das vendas no varejo e das encomendas das empresas americanas a seus fornecedores em setembro. Ambos os indicadores recuaram em relação ao mês anterior, sugerindo um Natal fraco e menos facilidade à frente nos EUA.
O país inicia o mês de novembro, pela primeira vez desde a crise de 2009, sem a perspectiva de que o Fed (banco central dos EUA) injete recursos na economia.
O fim dos programas de incentivo, em tese, faria subir a taxa de juros americanos.
Mas, ontem, com a fuga para os títulos da dívida pública americana -de menor risco-, os preços desses papéis subiram, derrubando fortemente as taxas de juros (o mercado falava em "minicrash", já que muita gente apostava na alta das taxas).
Os títulos de dez anos chegaram a juros de 1,865% -abaixo de 2% pela primeira vez desde maio de 2013, indicando que o Fed só deve subir as taxas a partir de 2016.
A Bolsa de Nova York terminou o dia com baixa de 1,06% no índice Dow Jones (30 ações mais negociadas) e de 0,81% no Standard & Poor's 500. Na Nasdaq (ações de tecnologia), houve queda de 0,28%.
Na Europa, as ações tiveram as maiores perdas desde dezembro de 2011: 2,83% (Londres), 2,87% (Frankfurt) e 3,63% (Paris). O índice FTSEurofirst 300, que reúne as principais empresas do continente, desabou 3,22%. Desde setembro o índice já recuou 11%. Segundo a Reuters, as empresas europeias perderam US$ 255 bilhões em valor de mercado.
"O mundo acordou e percebeu que a economia mundial não tem musculatura para crescer de forma sustentável. Na China se fala de crescimento indo para 6%; a Europa se parece cada dia mais com o Japão dos anos 1990; os EUA não são mais o motor sozinho", disse Newton Rosa, economista da SulAmerica Investimentos.
Para Marcelo Ribeiro, estrategista da Pentágono, ficou nítido o fim do ciclo da valorização das commodities, o que deve prejudicar o Brasil e demais emergentes.
Nesta quinta (16), os mercados devem seguir de olho nos indicadores americanos, enquanto o Brasil reage aos resultados das pesquisas de Datafolha e Ibope.
Nos EUA, sai o número de pedidos de seguro-desemprego da semana passada, espécie de prévia da taxa de desemprego. Também serão divulgados os dados da produção industrial, estoques e uso da capacidade instalada das empresas americanas. (Folha de SP – 16/10/2014)

O baixo desempenho da Venezuela
Por Carmen Reinhart e Kenneth Rogoff
Se não fosse uma afronta tão grande à liberdade de expressão, acharíamos até graça no recente ataque de nervos do presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, contra um comentário1 dos economistas Ricardo Hausmann e Miguel Ángel Santos. A Venezuela há muito ataca o Fundo Monetário Internacional (FMI) por ousar sugerir que suas políticas macroeconômicas podem não estar funcionando bem. Agora, o presidente ataca acadêmicos.
Maduro, é claro, governa uma economia que é uma importante exportadora de petróleo e é tão mal administrada que o Produto Interno Bruto (PIB) per capita real2 (ajustado pela inflação) de hoje é 2% mais baixo do que era em 1970, apesar de o preço do petróleo ter decuplicado. Hausmann e Santos tiveram a temeridade de perguntar se, tendo deixado de honrar todos os tipos imagináveis de dívida doméstica, a Venezuela deveria convidar os investidores estrangeiros para a festa e também ficar inadimplente nas dívidas com eles. É uma pergunta tão absurda assim?
Não está claro se Maduro, que pediu às autoridades venezuelanas para tomar "ações" não especificadas contra Hausmann e Santos (ambos cidadãos venezuelanos), ficou mais ofendido pela sugestão de que seu governo deveria deixar de honrar a dívida externa ou pela lista que os autores fizeram de todos as outras formas em que já ficou em inadimplência. A relação inclui a conta não paga pelo governo de US$ 3,5 bilhões com importações farmacêuticas, pagamentos atrasados por alimentos de mais de US$ 2 bilhões e quase US$ 4 bilhões devidos a empresas aéreas. A produção de petróleo caiu mais de 50% desde 1997, o que em parte se explica pelos diversos calotes da estatal petrolífera com fornecedores e parceiros em empreendimentos conjuntos.
A Venezuela é tão mal administrada que o Produto Interno Bruto (PIB) per capita real (ajustado pela inflação) de hoje é 2% mais baixo do que era em 1970, apesar de o preço do petróleo ter decuplicado. Sua produção caiu mais de 50% desde 1997.
Tanto a abrangência quanto a magnitude da inadimplência doméstica são enormes, com "cortes" (ou seja, expropriação) de fato para os credores. Durante 2013-2014, os rendimentos das dívidas do governo doméstico ficaram em torno a 17%, enquanto a inflação oscilou da faixa entre 55% e 75%. Taxas de juros reais negativas 'ex post' na vizinhança de 30% a 60% estão na faixa mais alta de perdas na história. A conta dessa "tributação" não se limita aos detentores de bônus: aposentados, depositantes e qualquer um que tenha algo a receber do governo - ou que tenha bolívares - é afetado.
De fato, dado que o governo já está inadimplente de formas tão diversas com seus residentes domésticos, a probabilidade histórica de uma inadimplência externa é próxima a um. Deixando de lado considerações morais e patrimoniais importantes, essa probabilidade evidencia por que Hausmann e Santos fizeram uma pergunta tão óbvia.
Em nosso livro "Oito Séculos de Delírios Financeiros - Desta Vez É Diferente"3, documentamos como a inadimplência doméstica está associada a recessões mais profundas e duradouras, com inflação muito maior, do que a inadimplência "meramente" externa. Embora observemos que historicamente houve muitos casos de inadimplência externa sem que exista inadimplência doméstica, o inverso não é verdadeiro: quase todos os casos domésticos são de "inadimplências gêmeas", que também envolvem credores externos. O caso venezuelano será diferente?
Hausmann e Santos estão certos ao dizer que a enorme extensão da inadimplência doméstica indica alto risco de uma externa. Também provavelmente estão certos ao dizer que, para a maioria dos venezuelanos, uma inadimplência externa seria algo positivo. Deixar de honrar as dívidas com credores externos, como vimos no passado, é uma estratégia arriscada, que precisa ser comparada a outras opções. Mas não finjamos que tal passo seria inédito na história da Venezuela. Desde que a Venezuela se tornou independente, deixou de honrar suas dívidas externas em 1826, 1848, 1860, 1865, 1892, 1898, 1983, 1990, 1995 e 2004.
"É por isso que", como destacam Hausmann e Santos, "os bônus venezuelanos pagam 11 pontos percentuais a mais do que os dos EUA, 12 vezes a mais que os do México, quatro vezes a mais que os da Nigéria e o dobro que a Bolívia paga". Atacá-los por ousar impugnar o status de crédito da Venezuela em 2014 parece um pouco fora de realidade com o passado e com a realidade atual.
A realidade relevante atual é de dificuldades de longo prazo e de piora no padrão de vida para o cidadão médio venezuelano. Nos últimos 45 anos, o PIB per capita real da Venezuela caiu, o dos EUA4 aproximadamente dobrou e o do Chile quase triplicou. Observadores neutros projetam que 2014 vai ser ainda pior para a Venezuela - o que não é de surpreender, tendo em vista o caos que são os fundamentos da política econômica do país.
A ameaça absurda de Maduro contra Ricardo Hausmann e Miguel Ángel Santos cheira a busca por um bode expiatório. Eles não fizeram um discurso político, simplesmente resumiram fatos profundamente desagradáveis e perturbadores. Dada a profundidade e abrangência do aprofundamento da crise enfrentada pela Venezuela, os esforços e atenção de Maduro deveriam estar voltados para resolver os problemas do país, em vez de a ataques contra acadêmicos que declaram verdades incômodas. (Tradução de Sabino Ahumada). (Valor Econômico – 16/10/2014)

China critica protecionismo brasileiro
JAMIL CHADE
Vice-ministro do Comércio chinês diz que seu país quer fazer do Brasil uma plataforma de exportação, mas impostos são muito elevados
GENEBRA - A China critica as "elevadas tarifas" brasileiras e pede que o governo reduza as barreiras para o comércio bilateral. Em entrevista ao 'Estado', o vice-ministro de Comércio da China, Shouwen Wang, revela que Pequim quer transformar o Brasil numa plataforma de exportações para seus carros. Mas a medida esbarra nas tarifas de importação do País e nos impostos domésticos.
"Nosso plano é levar empresas do setor automotivo para abrir fábricas no Brasil e, partindo do território brasileiro, exportar esses veículos para o mundo", explicou. "Mas as tarifas que o Brasil aplica são muito elevadas e precisam cair."
A China é hoje o maior parceiro comercial do Brasil. Uma das montadoras chinesas, a Chery, está investindo R$ 1,2 bilhão para fabricar seus carros em Jacareí. Outras também já anunciaram planos. Mas empresas como JAC Motors e Changan sofreram com as mudanças no regime de Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI).
Shouwen lembrou que a Embraer abriu uma fábrica de aviões no território chinês, num sinal de que a China ainda espera uma contrapartida brasileira. Para ele, a ideia de um país ter a própria indústria automobilística não pode ser um dogma. "A Austrália abandonou a ideia de ter a própria indústria automobilística. Nem por isso deixou de criar empregos."
Acusações mútuas. A crítica vem em um momento de debate da relação entre os dois países. A China se queixa do fato de ser alvo de várias barreiras antidumping por parte do Brasil. Já exportadores brasileiros apontam que a desaceleração no mercado chinês está resultando em queda nas vendas, principalmente de commodities.
Em termos políticos, porém, Brasil e China insistem em demonstrar que estão alinhados na busca por um sistema comercial justo. Na prática, os pontos de divergência entre as duas economias são importantes.
Shouwen afirma que Pequim está disposta até mesmo a promover a ideia de um acordo de livre-comércio com o Mercosul, eliminando tarifas entre as duas regiões do mundo. "Um acordo de livre-comércio seria muito bom para a China e para o Brasil", declarou. "Mas, claro, precisa que haja vontade recíproca", disse, lamentando a falta de interesse de Brasília.
Avesso aos acordos de livre-comércio por décadas, a China hoje se sente confortável em fazer a proposta para abrir mercados pelo mundo. Shouwen aponta que o país já tem 14 acordos assinados com 20 economias diferentes. "Estamos negociando outros nove acordos", declarou.
Comércio externo. Um dos maiores exportadores do mundo, a China continua a apostar no mercado externo como forma de financiar seu desenvolvimento. Mas os números revelam que as vendas para o Brasil sofreram com a recessão no País. Até agosto, as exportações chinesas para o Brasil somaram US$ 24,6 bilhões, uma alta de apenas 1,22% em comparação a 2013. A expansão está muito abaixo do crescimento de 28% em 2011, de 60% em 2010 ou de 72% em 2004.
Mas as exportações brasileiras para a China também estão estagnadas este ano, com um crescimento de menos de 1% até agosto e um total de US$ 31 bilhões exportados.
O vice-ministro esteve esta semana em Genebra para reuniões na ONU. Segundo ele, o potencial para ampliar o comércio entre Brasil e China é "muito grande". Mas apenas vai se concretizar "se o Brasil reduzir suas tarifas". (O Estado de SP – 15/10/2014)

Medo da recessão
O euro precisa com urgência de uma estratégia econômica orientada para o investimento
Alemanha confirma a desaceleração de sua economia
Embora a Alemanha se empenhe em negar, a política econômica de austeridade total está levando a zona do euro à beira de uma nova fase de estancamento econômico (e talvez recessão) muito mais perigosa do que as anteriores. E o que é pior: com essa estratégia de ajustes e contrações fiscais corre-se o risco de detonar uma nova crise de dívida. A Alemanha, reconhecido motor da economia europeia, acaba de revisar para baixo sua taxa de crescimento para este ano, de 1,8% para 1,2%, e para 2015, de 2% para 1,3%. A incerteza sobre a recuperação, agravada pelo recuo alemão, semeou o pânico em todas as bolsas mundiais, com quedas entre 2% e 4%. Os mercados entendem que o euro não encontrou a estratégia correta para crescer e que tampouco encontrará o caminho em médio prazo.
Mas esse diagnóstico, que parece tão evidente aos analistas dos cinco continentes, resvala sem comover a ortodoxia alemã (poupança, austeridade, proibição de endividamento). Enquanto o ministro alemão anunciava suas previsões, afirmava surpreendentemente que “não há motivo para mudar nossa política econômica e fiscal”. Supõe-se que “nossa política econômica” queira dizer “a política econômica do euro”; é o que se depreende da insistência da chanceler Angela Merkel nas boas ações da austeridade, apesar da tensão já manifesta na coalizão de Governo.
O certo é que existem razões, sim, e muito poderosas, para projetar outra política econômica. A primeira é que a estabilidade da zona do euro corre um grave risco com todas as suas economias nacionais aplicando políticas pró-cíclicas. Basta observar quais áreas econômicas responderam melhor à crise (o dólar e a libra) para entender que a ortodoxia econômica europeia é inadequada.
E também é perniciosa em termos políticos. De fato, pode causar a deterioração da unidade europeia se, como já ocorre, a França se nega a aceitar a imposição de um ajuste drástico e apresenta um orçamento razoavelmente expansivo. Faz sentido Berlim encurralar o Governo francês com exigências que Paris rejeita e que, no melhor dos casos, provocariam uma crise interna de notáveis consequências para a União Europeia? Se a Alemanha se obstinar em sua intransigência vai encontrar não só uma nova fase de estancamento (na Espanha começa a ser visível a desaceleração, com a queda das exportações em agosto), mas um novo episódio de convulsões nas dívidas nacionais causado pelo medo de outra recessão.
O euro pede gritando outra estratégia. Precisa de todas as baterias monetárias que o BCE possa oferecer (incluindo a compra de dívida), mais uma política econômica coordenada entre os Governos, orientada a estimular a demanda e o emprego. E a mudança deve ser organizada com presteza, não no ritmo de cúpulas e grupos lentos por causa de obstrução política. A não ser que a zona do euro se conforme em ficar vegetando como a doente da economia mundial até 2020. (El Pais – 15/10/2014)

Ras Al Khaimah promove sua zona franca no Brasil
Representantes do empreendimento vão apresentar oportunidades de investimentos para empresas brasileiras em seminário na Câmara Árabe.
Alexandre Rocha
alexandre.rocha@anba.com.br
São Paulo – Uma delegação da Zona Franca de Ras Al Khaimah (RAK FTZ), nos Emirados Árabes Unidos, estará no Brasil na última semana de outubro para apresentar oportunidades de investimentos para empresas brasileiras. O grupo terá programação no Rio de Janeiro, no dia 27, e em São Paulo, nos dias 28 e 29.
Exemplo de escritório oferecido pela zona franca
“Eles querem atrair empresas brasileiras para a zona franca”, disse o diretor-geral da Câmara de Comércio Árabe Brasileira, Michel Alaby. No dia 29, a delegação vai promover um seminário para empresários na sede da entidade, em São Paulo.
A zona franca é um polo industrial e de serviços onde as empresas exportadoras recebem incentivos fiscais, como ocorre na Zona Franca de Jebel Ali (Jafza), em Dubai, também nos Emirados. “A palestra vai servir para explicar as vantagens de se estabelecer lá e comparar os custos com os da Jafza”, afirmou Alaby.
Os executivos da RAK FTZ pretendem, por exemplo, mostrar que a zona franca pode representar uma oportunidade para empresas brasileiras que queiram aumentar suas vendas para a Ásia, funcionando como plataforma de exportação.
O empreendimento tem interesse em atrair companhias dos ramos de alimentos e bebidas, cosméticos e perfumaria, máquinas e metais, veículos e autopeças, material de construção, engenharia química e polímeros, e serviços como marketing, tecnologias da informação e consultorias.
A indústria de material de construção é especialmente forte no emirado de Ras Al Khaimah, que conta com fábricas de aço, vidros, cimentos e especialmente de cerâmica. Atividades que usam energia de forma intensiva se beneficiam da grande disponibilidade e baixo custo do gás natural.
A RAK FTZ oferece 100% de isenção fiscal e autoriza a abertura de empresas com capital totalmente estrangeiro. Geralmente nos países do Golfo, fora de empreendimentos como este, a empresa estrangeira tem que ter um sócio local para se estabelecer. Segundo o site da instituição, a zona franca reúne atualmente cerca de 7,5 mil companhias de mais de 100 nacionalidades diferentes.
Além do seminário na Câmara Árabe, a agenda da delegação prevê encontros na Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), na prefeitura e no Consulado Geral dos Emirados. No Rio há também previsão de reuniões na Federação das Indústrias do Estado (Firjan) e na prefeitura. Depois do Brasil, o grupo segue para a Argentina.
Comércio bilateral
Os Emirados estão este ano no topo da lista dos mercados do Brasil no mundo árabe. As exportações para lá somaram mais de US$ 2 bilhões de janeiro a setembro, um aumento de 14% sobre o mesmo período de 2013, de acordo com dados do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC).
As principais mercadorias embarcadas foram açúcar, carne de frango, óxido de alumínio, minério de ferro, tubos de ferro ou aço, caminhões e ouro em forma semimanufaturada.
Na outra mão, os Emirados estão em sétimo lugar entre os fornecedores do Brasil no mundo árabe. As importações de lá somaram US$ 337 milhões de janeiro a setembro, uma redução de 8% em relação ao mesmo período do ano passado. Os principais itens comercializados foram petróleo e derivados, ureia, alumínio, polietileno e vidro.
Serviço:
Seminário da Zona Franca de Ras Al Khaimah

Dia 29 de outubro, das 09 horas às 11h30

Local: Espaço Câmara Árabe, Av. Paulista, 326, 11º andar, Bela Vista, São Paulo, SP

Estacionamento conveniado e gratuito na Rua Teixeira da Silva, 204

As inscrições são gratuitas, mas as vagas são limitadas

Mais informações e credenciamento pelo telefone (11) 3283-4066 ou pelo e-mail members@ccab.org.br (Anba – 15/10/2014)

Alemanha reduz projeção para crescimento
Expectativa é de que economia alemã avance 1,2% neste ano e 1,3% em 2015. Pesquisa mensal do instituto sobre a confiança econômica recuou pelo 10º mês seguido e é o menor nível em 2 anos
O Ministério da Economia da Alemanha reduziu ontem suas projeções para o crescimento econômico do país neste ano a 1,2% e a 1,3% para o próximo ano, citando as crises no exterior e o crescimento global moderado.
Em abril, o ministério havia projetado respectivamente expansão de 1,8% e 2,0% para a maior economia da Europa. O ministério estimou ainda que as exportações irão crescer 3,4% neste ano e 4,1% no próximo, enquanto as importações devem aumentar 4,0% e 5,5%, respectivamente. Isso significa que o comércio exterior irá subtrair 0,1 ponto percentual do crescimento neste ano e 0,3 ponto em 2015.
"A economia alemã está nadando em águas internacionais agitadas. Crises geopolíticas também elevaram a incerteza no País e o crescimento moderado está pesando sobre a economia alemã", disse o ministro da Economia, Sigmar Gabriel, acrescentando que a força doméstica continua intacta.
Entretanto, mesmo as projeções para a demanda doméstica foram reduzidas para aumento de 1,4% neste ano e para 1,7% no próximo, ante estimativas em abril de alta de 1,9% e 2,1%, respectivamente. O investimento bruto de capital crescerá 3,2% em 2014 e 3,3% em 2015, completou o ministério da Economia.
Confiança do investidor
O índice do instituto ZEW sobre a confiança de investidores e analistas da Alemanha caiu abaixo de zero pela primeira vez em quase dois anos em outubro, sugerindo que a maior economia da Europa está patinando com as crises no exterior e fraqueza na zona do euro. A pesquisa mensal do instituto sobre a confiança econômica, publicada ontem, caiu pelo 10º mês seguido, para -3,6. Isso sinaliza que os investidores em geral estão esperando que a economia alemã continue enfraquecendo no médio prazo. O resultado foi o mais fraco desde novembro de 2012 e bem abaixo da expectativa em pesquisa da Reuters de leitura positiva de 1,0. A economia alemã encolheu 0,2% no segundo trimestre e alguns economistas alertam que ela pode estar a caminho de uma recessão técnica.
Europa
A produção industrial da zona do euro também caiu mais do que o esperado em agosto, principalmente devido à queda na produção de bens de capital que são usados para investimento, disse a agência de estatísticas da União Europeia, Eurostat, ontem. Segundo a agência, a produção nos 18 países que usam o euro caiu 1,8% em agosto sobre julho e 1,9% sobre um ano antes. Economistas consultados pela Reuters esperavam queda mensal de 1,6% e de 0,9% na base anual.
O principal fator foi a queda de 4,8% na produção de bens de capital, que destaca a fraqueza do investimento na região. Na base anual, a produção de bens de investimento recuou 3,7%. /Reuters (DCI – 15/10/2014)

Alemanha confirma a desaceleração de sua economia
O país reduz previsão de crescimento para 1,2% e justifica expectativa por fatores externos
Agências Berlim
O Governo alemão reduziu suas previsões econômicas para 2014 e 2015 por causa das tensões geopolíticas globais e por uma recuperação mais lenta do que o esperado. Segundo anunciou o ministro de Economia da Alemanha, Sigmar Gabriel, a nova projeção de crescimento para 2014 é de 1,2% – 0,6 ponto percentual a menos do esperado até agora. A cifra prevista para 2015 é de um avanço do PIB de 1,3%, em vez dos 2% estimados anteriormente. Ambas as previsões condizem com o que prediziam os especialistas das empresas de análises.
“A economia alemã está atualmente atravessando águas turbulentas por culpa do setor externo”, resumiu Gabriel. “A crise geopolítica (principalmente na Ucrânia) aumentou a incerteza na Alemanha, e o lento crescimento mundial está pesando sobre a economia”, disse. Apesar disso, a demanda interna “está mantendo sua força por causa da solidez do mercado de trabalho”, afirmou o ministro, diante dos temores de que o país volte a entrar em recessão neste terceiro trimestre.
Segundo Gabriel, os salários e os empregos continuam crescendo, impulsionando o consumo e os gastos das famílias. “Assim que a economia internacional se recuperar, a competitividade das empresas alemãs dará frutos e a economia voltará ao caminho de um crescimento sólido”, acrescentou o ministro.
O Governo de coalizão de Angela Merkel, no entanto, se recusa a mudar a política econômica da maior potência europeia. “Não há motivos para abandonar ou mudar nossas políticas econômica e fiscal”, apesar dos sucessivos apelos para que a Alemanha e outros países do coração do euro aumentem os gastos públicos.
A revisão das previsões da Alemanha, esperada desde a semana passada, coincide com a divulgação de novos dados negativos sobre o atual estado da economia da zona do euro. Mais concretamente o da produção industrial, que caiu mais do que o esperado em agosto, com um retrocesso de 1,9% ao ano. O índice caiu 0,8% na União Europeia como um todo.
As quedas mais acentuadas foram observadas em Malta (-7%), na Grécia (-6%), na Lituânia (-4,9%) e na Croácia (-4,7%), enquanto as altas mais notáveis ocorreram na Irlanda (+18,3%), em Luxemburgo (+5,6%), na Eslovênia (+4,6%) e em Portugal (+3,9%). El Pais – 14/10/2014)

Exportação ainda é um desafio para as empresas brasileiras de TI
Roberto Carlos Mayer
Os números são preocupantes: 83% das empresas brasileiras de TI não realizam qualquer tipo de exportação e dentre as que vendem para o mercado externo, apenas 2% alcançaram 30% ou mais da receita com esse tipo de negociação.
Os dados revelados pelo Censo 2013 do Setor de Tecnologia da Informação, desenvolvido no Brasil pela Assespro Nacional, em cooperação com a ALETI (Federação das Entidades de TI da América Latina, Caribe, Portugal e Espanha) confirmam uma verdade que incomoda: o Brasil é o país que menos exporta em toda América Latina e Península Ibérica.
Os números são preocupantes: 83% das empresas brasileiras de TI não realizam qualquer tipo de exportação e dentre as que vendem para o mercado externo, apenas 2% alcançaram 30% ou mais da receita com esse tipo de negociação. Até mesmo países pouco representativos da América Latina conseguem resultados mais expressivos do que os obtidos pelas companhias brasileiras.
Vender para o mercado interno possui vantagens, mas em um setor tão competitivo como o de tecnologia de informação é necessário que mais empresas brasileiras possam exportar suas soluções para que o país possa estar presente no cenário global. Além de ampliar o leque de receitas, a prática acelera o desenvolvimento tecnológico, e a capacidade de atendimento das empresas. Ainda, o país se beneficiaria com a chegada de investimentos e profissionais estrangeiros dos mais qualificados.
Algumas barreiras ainda precisam ser quebradas para que o Brasil possa exportar soluções de tecnologia de informação. A primeira é a questão cultural: por parte dos compradores, as grandes empresas muitas vezes preferem soluções de classe mundial, importadas. O software nacional fica em segundo plano, no total do mercado interno, e não possui o estímulo necessário para receber investimento e concorrer com empresas de fora.
Como consequência, o nível de pesquisa e inovação praticado e muito baixo, e tudo o que é produzido acaba ficando no país, concorrendo com produtos estrangeiros (que recebem esse tipo de apoio em seus países de origem). A ineficiência ou inexistência de políticas públicas do governo para a exportação também contribui para esse fato.
Surge então o terceiro obstáculo para as exportações das empresas brasileiras de TI: a inovação brasileira é do tipo mercadológica, isto é, se vende o que é inovação para o cliente, mas não para o produtor da tecnologia. O Brasil precisa ousar, e partir para a inovação agressiva em maior escala, desenvolvendo soluções realmente inovadoras. É preciso criar algo que se transforme em um desejo de consumo, pois é isso que gera receita e garante vendas para outros mercados.
Em um mundo onde a inovação tecnológica é cada vez mais competitiva, as empresas brasileiras precisam passar essas barreiras e entrar em outros países. Só assim elas garantirão a sua sobrevivência no futuro e conseguirão as receitas necessárias para não ficarem para trás nessa intensa guerra global que envolve a área de TI.
* Roberto Carlos Mayer é vice-presidente de Relações Públicas da Federação das Associações de Empresas Brasileiras de Tecnologia da Informação (Assespro Nacional). (Portugal Digital – 14/10/2014)

França, Itália e Espanha têm deflação em setembro
SÃO PAULO - Alguns países da Europa registraram deflação em setembro. Na França, o Índice de Preços ao Consumidor (CPI, na sigla em inglês) caiu 0,4% no mês, na comparação com agosto, de acordo com o instituto nacional de estatísticas do país, o Insee. Analistas ouvidos pelo “Wall Street Journal” esperavam recuo menor, de 0,2%.
Na comparação anual, o CPI avançou apenas 0,3% em agosto na França. Nesse caso, os economistas previam alta de 0,4%.
Os dados são mais uma fonte de preocupação por causa da inflação muito fraca na zona do euro. O governo francês já advertiu sobre os riscos da baixa inflação para as finanças públicas. A baixa inflação é uma das causas pelas quais o país não conseguiu cumprir suas metas de redução do déficit público, segundo o ministro das Finanças, Michel Sapin.
Itália
O CPI também baixou 0,4% em setembro na comparação com agosto, informou o órgão nacional de estatísticas do país, o Istat. Analistas ouvidos pelo “Wall Street Journal” projetavam deflação de 0,3%.
Na comparação anual, o CPI teve queda de 0,2% em setembro. Nesse caso, os analistas esperavam recuo de 0,1%.
Espanha
Na Espanha, a deflação anual foi de 0,2% em setembro, após deflação de 0,5% em agosto. É o terceiro recuo consecutivo do CPI do país. O núcleo da inflação, excluindo-se os setores de energia e alimentos frescos, caiu 0,1% no ano em setembro, após ficar estável durante quatro meses, segundo o instituto nacional de estatísticas do país, o INE.
Formuladores da política europeia demonstram preocupação com os últimos meses de queda nos preços na Espanha, em Portugal, na Grécia e na Itália, quadro que poderia se disseminar e prejudicar a já frágil recuperação econômica na Europa.
Reino Unido
No Reino Unido, por outro lado, o Índice de Preços ao Consumidor ficou estável em setembro, na comparação com agosto, informou o Escritório Nacional de Estatísticas (ONS, na sigla em inglês). Analistas ouvidos pelo “Wall Street Journal” previam alta de 0,2%. O maior responsável por conter o índice cheio foi o recuo de 6% nos preços dos combustíveis, o que reduziu ainda os preços de transporte. Os alimentos também recuaram.
Na comparação anual, o CPI avançou 1,2% em setembro, desacelerando do 1,5% no ano em agosto. Nesse caso, a expectativa para setembro era de alta de 1,4%. (Dow Jones Newswires) (Valor Online – 14/10/2014)

Expectativa de analistas sobre economia alemã se deteriora em outubro
SÃO PAULO - O índice de expectativas sobre a economia da Alemanha calculado pelo instituto ZEW caiu 10,5 pontos em outubro. Essa foi a décima baixa consecutiva do indicador, que ficou abaixo de zero pela primeira vez desde novembro de 2012.
O indicador reflete as expectativas de cerca de 350 analistas a respeito das condições econômicas da Alemanha nos seis meses à frente. Quando está positivo, sinaliza otimismo, e quando está negativo, pessimismo. Com a queda de outubro, o índice está em -3,6 pontos.
"Os especialistas de mercado esperam que a situação econômica alemã vá piorar mais no médio prazo. As tensões geopolíticas e o fraco desenvolvimento econômico em algumas partes da zona do euro, que estão ficando aquém das previsões anteriores, são fonte de incerteza persistente", disse, em nota, o presidente do ZEW, Clemens Fuest. Esses fatores afetam as expectativas de crescimento da Alemanha. Números decepcionantes sobre encomendas à indústria, produção industrial e comércio exterior já devem ter contribuído para o crescente pessimismo entre os analistas."A avaliação sobre a situação presente da Alemanha também piorou significativamente. Esse índice perdeu 22,2 pontos e agora está no patamar de 3,2 pontos.
O indicador de expectativas para a zona do euro também decaiu em outubro, perdendo 10,1 pontos, para um patamar de 4,1 pontos. O índice da situação atual da zona do euro caiu 13 pontos, para -56,8 pontos. (Valor Online – 14/10/2014)

Crise argentina pode elevar uso de convênio da Aladi
Por Marta Watanabe e Thais Folego | De São Paulo
O agravamento da crise argentina e a dificuldade que alguns exportadores começam a enfrentar para receber pagamentos do país vizinho podem fazer com que o Convênio de Pagamentos e Créditos Recíprocos (CCR), sistema de compensação de pagamentos do comércio entre países da América Latina, passe a ser mais usado com a Argentina.
De janeiro a agosto, somente 2,2% das exportações brasileiras aos argentinos foram feitas via CCR. O índice é menor que a média de 5,4% de utilização nas exportações brasileiras para países da Aladi, bloco no qual funciona o convênio. Nas exportações brasileiras para a Venezuela o CCR representa 50%, segundo dados fornecidos pelo Banco Central (BC).
Glória Rodrigues, sócia da consultoria de comércio exterior Emplaex, explica que o CCR foi muito utilizado na década de 80. Naquela época, de 80% a 90% das exportações brasileiras para os países da Aladi passavam pelo convênio, em razão do risco cambial envolvido, já que grande parte dos países do bloco enfrentava alto endividamento e liquidez comprometida. Hoje a situação é outra e, por isso, exceto no caso da Venezuela, a fatia de negócios que passam pelo CCR é pequeno, diz um técnico do BC que não quis ser identificado.
O CCR, diz Glória, cobre o risco-país, porque o aval é dado pelo banco central local. A operação via CCR não costuma ser utilizada em situações mais tranquilas, porque traz um custo adicional ao exportador. Isso acontece porque os bancos centrais de cada país delegam a operacionalização de crédito e seguro à exportação para determinadas agências bancárias de seu país. E como as autorizações de movimentação de câmbio dentro das operações de CCR são limitadas, a agência bancária autorizada cobra taxas mais salgadas do importador, que precisa dar a seu fornecedor o aval do BC local.
"Geralmente o custo é repassado ao exportador, que prefere arcar com esse valor adicional do que correr o risco de enfrentar inadimplência", afirma Glória. O exportador, portanto, abre mão do aval do BC local e opta por uma operação de câmbio e crédito mais barata quando a avaliação é de que não há risco país. Glória explica que as trocas comerciais entre parceiros brasileiros e argentinos, assim como o comércio com a Venezuela, são muitas vezes operações intracompanhias.
"Isso é muito comum no setor automotivo entre esses países, por exemplo", diz a consultora. Esse é, segundo ela, o caso típico em que não há nenhum risco comercial. No caso da Venezuela, porém, mesmo as operações de comércio são feitas via CCR em razão do risco político. Nesse caso, o custo adicional da operação via CCR tira a margem do exportador.
O problema, diz o técnico do BC, é que a questão do lado argentino é menos do atraso de pagamento e mais do bloqueio às importações e da demanda. Heitor Klein, presidente da Abicalçados, que reúne a indústria calçadista, faz análise semelhante. Ele diz que hoje o exportador tem dificuldades de vender para a Argentina por conta do controle ainda existente via atraso na liberação das licenças de importação e também por conta da queda do nível de consumo no país vizinho. Os relatos de atraso de pagamento, diz Klein, ainda são pontuais. "Tivemos um ou dois casos há cerca de um mês, mas já foram solucionados."
O CCR se transformou, na prática, em um instrumento de governo para viabilizar o financiamento de projetos de infraestrutura na região nos últimos anos. Glória explica que operações de bancos de fomento usam o CCR quando se trata de projetos de infraestrutura nos países que fazem parte do convênio. "Nesse caso a aplicação de recursos públicos e os prazos longos justificam o uso do CCR. Um país que não apresenta risco político hoje pode se ter sua situação transformada em alguns anos."
"Hoje o mecanismo é visto como um instrumento de governo de promoção da exportação, um veículo para viabilizar o financiamento de projetos de infraestrutura", diz Luiz Filipe de Castro Neves, chefe de departamento da área de comércio exterior do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).
O convênio foi firmado no âmbito da Associação Latino-Americana de Integração (Aladi). São signatários os bancos centrais dos países-membros da associação: Argentina, Bolívia, Brasil, Chile, Colômbia, Equador, México, Paraguai, Peru, Uruguai, Venezuela e República Dominicana. A compensação, em dólares americanos, é efetivada a cada quatro meses e a liquidação dos pagamentos é feita entre os BCs - somente se transfere ou se recebe o resultado líquido entre importações e exportações.
"É um meio de pagamento seguro. Desde que ele existe nunca houve default de nenhum país, por isso ele é considerado um mitigador de risco", diz Lúcia Helena Monteiro Souza, consultora-sênior da Barral M. Jorge Consultores Associados. Se um país não pagar uma operação, ele não estará inadimplente apenas com o país exportador, mas sim com todo o grupo, diz Carlos Frederico Braz de Souza, também chefe de departamento da área de comércio exterior do BNDES.
O perfil do convênio começou a mudar no começo dos anos 2000, quando os bancos centrais dos países, inclusive do Brasil, começaram a restringir as operações via convênio, para reduzir os riscos a que estavam expostos. Lúcia Helena conta que o BC brasileiro, por exemplo, deixou de fazer o reembolso automático das operações - que é a aceitação irrevogável dos débitos imputados dentro do convênio.
"Até 2001, o BC pagava ao exportador ou ao banco financiador um título de crédito na data do vencimento e aguardava a compensação do banco central do país importador, que é feita quadrimestralmente no CCR", exemplifica Lúcia Helena, ex-assessora especial da secretaria-executiva da Câmara de Comércio Exterior do Ministério do Desenvolvimento. Esse reembolso automático fazia do BC o credor da operação.
A especialista explica que o BC avaliou, no entanto, que não tinha papel de financiador nem de garantidor de exportações, quando decidiu parar de dar o reembolso. "Agora ele só paga quando o convênio faz a compensação a cada quatro meses."
Com isso, os bancos privados deixaram de usar o convênio. "Hoje no Brasil as operações dentro do convênio só acontecem para financiamentos do BNDES e do Proex", diz Lúcia Helena. O Proex é um dos principais instrumentos públicos de apoio às exportações brasileiras de bens e serviços.
O CCR, porém, continuou sendo um mitigador de risco, uma vez que nunca registrou inadimplência desde sua criação. Esse fator é importante para a estruturação de financiamentos para países da América Latina, uma vez que um de seus maiores desafios é a obtenção de garantias adequadas a um custo competitivo.
"Ele continua sendo valorizado pelos países da região por seu bom histórico [pagador]", diz Neves, do BNDES. Ele explica que todos os financiamentos de maior valor concedidos pelo banco de desenvolvimento e que envolvam risco soberano - ou seja, a contraparte é o governo de outro país - são direcionados para o CCR. "É uma orientação do governo por ser um bom mitigador de risco. Usamos para financiar nossas exportações", diz.
Desde que os bancos centrais começaram a colocar restrições, o volume de operações no convênio começou a cair, observa Lúcia Helena. Considerando todos os países integrantes, em 2013, passaram pelo convênio US$ 5,6 bilhões, recuo de 8,2% contra 2012. O valor equivale a 3,6% das importações intrarregionais. O volume de transações também caiu para 17 mil, queda de 24% na relação anual. O Brasil é o maior país credor do sistema, com saldo positivo de US$ 2,4 bilhões em 2013. O maior devedor é a Venezuela, com saldo negativo de US$ 4,4 bilhões. Com queda de operações desde 2009, o convênio perdeu 20% de seu volume nos últimos cinco anos. (Valor Online – 14/10/2014)

Cresce temor com desaceleração nos emergentes
Por James Kynge e Chris Giles | Financial Times, de Londres e Washington
O crescimento nos mercados emergentes está no seu nível mais fraco desde o início da crise financeira, devido a uma combinação de dinamismo em queda na China, desempenho fraco no Leste Europeu e desaceleração na América Latina.
Evidências de que as economias emergentes estão entrando em uma nova era de crescimento menor vão elevar o receio com o panorama econômico global, num momento e que países ocidentais continuam patinando, o preço do petróleo cai para o nível mais baixo em quatro anos e a Alemanha, locomotiva da zona do euro, sofre uma queda no crescimento.
Dados de 19 grandes emergentes coletados pela empresa de pesquisa Capital Economics mostram que a produção industrial em agosto e gasto do consumidor no segundo trimestre caíram ao nível mais baixo desde 2009. As exportações também cresceram menos em agosto. Essas tendências estão contribuindo uma percepção de que um crescimento menos está se instalando no grupo das economias mais dinâmicas do mundo.
"Este é o novo normal", disse Neil Shearing, economista-chefe para mercados emergentes da Capital Economics. "Será assim no resto desta década. Este será o melhor que vamos conseguir."
Falando na semana passada, na reunião anual do Fundo Monetário Internacional, o economista-chefe do FMI, Olivier Blanchard, disse que houve "uma clara e significativa mudança no panorama" para os mercados emergentes no médio prazo.
Christine Lagarde, a diretora-gerente do FMI, disse que há "claramente uma desaceleração significativa em países como Brasil e Rússia", alertando que o fim do afrouxamento quantitativo nos EUA mandaria ondas de choque às economias emergentes. "Continuaremos a alertar muito as economias emergentes... para que se preparem para um pouco mais de volatilidade do que observamos nos últimos meses."
George Magnus, consultor sênior do UBS, lembrou que o FMI revisou para baixo as suas previsões para os mercados emergentes seis vezes desde o fim de 2011.
As estatísticas oficiais de Produto Interno Bruto do terceiro trimestre ainda não foram divulgadas, mas as projeções são sombrias. O PIB da China nesse trimestre (previsto para sair na próxima semana) deve desacelerar para 6,8%, abaixo dos 7,5% do segundo trimestre, segundo Jasper McMahon, da Now-Casting Economics. O Brasil deve ter crescimento de 0,3% este ano, abaixo dos 2,5% de 2013, ainda segundo a Now-Casting. A Capital Economics prevê que o conjunto dos emergentes deve ter crescido 4,3% em julho, abaixo dos 4,5% de junho, e dados preliminares de agosto indicam uma nova desaceleração. "Parece que agosto será o mês mais fraco em termos de PIB nos mercados emergentes desde outubro de 2009", disse Shearing.
A deterioração mais rápida está ocorrendo no Leste Europeu, onde a fraqueza da economia da Alemanha atingiu as empresas que formam a cadeia de suprimento alemã. Na América Latina, a produção industrial teve contração em agosto, em parte por causa da demanda decrescente da China por commodities e em parte por causa da menor demanda interna, em meio a uma alta da inflação. A Ásia emergente é a região mais resistente, tendo registrado crescimento de 5% na produção industrial em agosto, em relação a uma alta de apenas 2% no restante das economias emergentes, segundo a Capital Economics.
Michael Power, estrategista da Investec Asset Management, cita o gradual fim do afrouxamento quantitativo nos EUA e a demanda menor por commodities na China como as "duas luas" que estão influenciando a maré do crescimento nos emergentes. Mas ele vê essa desaceleração como cíclica e diz que a demografia, o desenvolvimento da infraestrutura e a ascensão da classe média urbana devem ajudar a superar o atual enfraquecimento. "Temos de tomar cuidado para não jogar os bebês emergentes fora junto com a água do banho do afrouxamento quantitativo", disse. (Valor Online – 13/10/2014)

América Latina é um dos destaques negativos
Por Sergio Lamucci | De Washington
A América Latina exibe um desempenho econômico decepcionante, em especial em alguns países da América do Sul, o que tem ofuscado a recuperação incipiente do México, segundo o FMI. Além de contar com um cenário externo menos favorável, com uma piora dos preços de commodities, o investimento desaponta em vários países da região, que terão o desafio de aumentar a produtividade.
Nas contas do FMI, a região deve crescer apenas 1,3% neste ano, bem abaixo dos 2% projetados em julho pela instituição. As maiores reduções do crescimento ocorreram nas projeções para Argentina, Brasil, Chile, Peru e Venezuela, destacou na sexta-feira o diretor para o Departamento do Hemisfério Ocidental do FMI, Alejandro Werner.
Até mesmo Peru e Chile, que têm políticas macroeconômicas consideradas sólidas, com contas fiscais em ordem, experimentaram desaceleração no investimento. A situação desses dois, porém, é bem diversa da argentina ou da venezuelana, países com grandes desequilíbrios macroeconômicos, que devem ver o PIB encolher 1,7% e 3% neste ano, segundo o FMI. Para o Chile, a expectativa é de crescimento de 2% e para o Peru, de 3,6%.
O crescimento não tão exuberante da China e as perspectivas menos positivas para as commodities afetam os países da América do Sul, disse o FMI. Já economias da América Central e o México tendem a se beneficiar da expansão mais forte dos EUA.
Para o Brasil, o Fundo estima crescimento de 0,3% neste ano. Ao longo da semana, o FMI ressaltou a necessidade de o país superar gargalos de infraestrutura, aumentar o investimento e recuperar a confiança de consumidores e empresários. Na sexta, o vice-diretor do Departamento do Hemisfério Ocidental do FMI, Krishna Srinivasan, afirmou que o Brasil precisa melhorar a credibilidade do arranjo fiscal e monetário e fazer reformas para aumentar o potencial de crescimento.
Para o FMI, o Brasil também deve reduzir o crédito dos bancos públicos a juros subsidados, o que ajudaria a conter pressões inflacionárias e melhoraria as contas fiscais. Na visão do FMI, o Brasil é um dos países em que não há espaço para corte de juros, porque a expectativa é que a inflação fique elevada, num cenário de ociosidade limitada, pressões reprimidas dos preços administrados e inércia relacionada à indexação.
O ministro da Fazenda, Guido Mantega, reclamou das análises do FMI. As recentes avaliações da instituição sobre o Brasil têm sido contraditórias, afirmou Mantega, no texto da declaração do Brasil e outros dez países para o Comitê Monetário e Financeiro do FMI. "Talvez o FMI precise considerar mais cuidadosamente as suas avaliações das economias nacionais antes de publicá-las."
Segundo o texto, alguns dos documentos do FMI atribuem a desaceleração do crescimento a fatores internos, minimizando os efeitos do desempenho medíocre da economia global. "Essas avaliações contrastam com outros recentes trabalhos publicados pela instituição, como um (...) que concluiu que fatores externos foram responsáveis por 60% da desaceleração do crescimento no Brasil." (Valor Online – 13/10/2014)

Argentina doesn't need international credit, “we have foreign currency to face debt maturities”
Argentine Economy Minister Axel Kicillof has assured that the government of president Cristina Fernandez is not seeking international financing despite current economic problems, since it has foreign trade surpluses and all the foreign exchange needed to face debt maturities.
“Argentina is not precluded from international credit, but it has decided not to take it,“ stated the minister who attended the IMF and World Bank annual assemblies in Washington.
“The government is not against external financing, the problem are its sources, the conditions tied to these loans,” Kicillof admitted in an interview with Buenos Aires government financed Página/12 newspaper.
The minister said that Argentina has achieved foreign trade surpluses and that it “has the foreign exchange needed to face debt maturities.”
“Historically, Argentina’s development was subjected to recurrent trade balance crisis,” the official said. “Development processes intensively use foreign currency.”
Kicillof explained that “the mediocre growth of global economy, trade and of the economies of emerging countries” has affected Argentina since it is not “free from the evolution of growth rates in Brazil, Europe and China”, which are the country's main trade partners together with the US.
However despite Kicillof's optimism, the IMF reiterated that Argentina will continue in recession this year and in 2014, with growing inflation, unemployment and lack of foreign currency.
Last week on arriving in Washington one of the first comments from Kicillof was that the IMF World Economic Outlook report on Argentina “was overly pessimistic” and insisted on a prediction of 0.5% growth by the end of 2014, compared to a retraction of 1.7% this year and another 1.5% in 2015, from the IMF.
“The government's projection in 2014 for 0.5% growth are closer to reality than the negative figure of 1.7%”, said the minister. Kicillof did recognize that “right now we face a deceleration in growth, principally due to a contraction in activity from our principal commercial partners.”
”However, taking into account the growth rates in GDP for the first two quarters of the year (0.3 and 0%) a projection of minus 1.7% could only be validated with two quarters of contraction greater than 3%,“ he pointed out.
Kicillof highlighted that president Cristina Fernandez administration has been applying ”expansive fiscal policies since the start of the year, that alongside salary increases lead us to think that the IMF projection for the rest of the year is overly pessimistic.“
But Alejandro Werner head of the IMF for Latin America disputed Kicillof and fully ratified the recession forecast, 'which is fully supported by stats', and regretted the lack of dialogue with Argentina.
The IMF sees ”growing uncertainty, high inflation, and serious limitations to imports and to the access to hard currency to support foreign trade, which will further complicate things in the future“, added Werner.
”We could be wrong in one or two decimals, but that is contemplated in the error margin“, said Werner who insisted that the IMF deeply regrets the lack of dialogue with Argentina, as ”we have with other countries”.
Meanwhile media reports from Argentina seem to support IMF's predictions and counter Kicillof's statements. In effect Argentine importers are waiting for the government to supply at least 5.2bn dollars to pay for overseas sales to keep local industries running.
Likewise maritime agencies have confirmed to the Buenos Aires media that several vessels loaded with natural gas are waiting to unload but have been limited mainly by two reasons: each shipment is equivalent to millions of dollars, and the money does not appear; secondly the drop in domestic demand for gas.
Apparently a mild winter but also the hike in home gas rates has seemed demand plunge.
Finally and taking into account the questioned reliability of Argentine stats, the Labor minister Carlos Tomada acknowledged the unemployment rate rose slightly this year, in comparison with the same period of 2013.
During an interview with a local newspaper, Tomada stated that “up to this day, unemployment rate is found between 6.5 and 7.5%. Did the unemployment level go up? Yes it did. 0.3 percent in one year,” he said. (MercoPress – 13/10/2014)

EUA, prioridade brasileira
Por Sergio Leo
A lenta recuperação da economia dos Estados Unidos, aliada a fatores conjunturais, como a quebra da safra de soja com a seca americana, já exerce efeitos positivos sobre o comércio do Brasil com aquele país. Uma boa lembrança da importância a ser conferida às relações bilaterais com os EUA, seja quem for vencedor no segundo turno da eleição presidencial no Brasil.
A política externa é tema enjeitado nos debates eleitorais, mas tanto Aécio Neves quanto Dilma Rousseff têm, entre suas prioridades, a reaproximação com Washington - que afastou-se de Brasília após o esforço de patrocinar um acordo sobre o programa nuclear com o Irã, ainda no governo Lula, e teve a primeira tentativa de reatamento suspensa com as revelações sobre espionagem americana que alcançou até chamadas telefônicas da presidente Dilma.
De janeiro a setembro, as exportações brasileiras aos Estados Unidos cresceram cerca de 9%, impulsionadas principalmente pela venda de aviões e equipamentos aeronáuticos, produtos básicos como café, soja e minério de ferro, e semimanufaturados como laminados planos e produtos de ferro e aço. As importações totais originadas nos EUA tiveram queda de 1,3%.
Aécio e Dilma querem se reaproximar de Washington
Com esse resultado, o comércio com os EUA colaborou, neste ano, até setembro, com quase US$ 1,6 bilhão a mais em exportações e pouco mais de US$ 360 milhões a menos em gastos com importações, quase US$ 2 bilhões de contribuição para o saldo comercial brasileiro no período. Continua alto o déficit do comércio com os americanos, mas caiu de US$ 8,5 bilhões entre janeiro e setembro de 2013 para cerca de US$ 6,6 bilhões neste ano.
O comércio com os EUA mais que compensou a deterioração das contas comerciais do Brasil com a China, seu principal parceiro comercial. Os brasileiros importaram US$ 208 milhões a mais da China e viram suas vendas aos chineses cair em quase US$ 1,3 bilhão.
Neste mês, ainda, o anúncio do acordo, longa e pacientemente negociado entre Brasil e Estados Unidos, para reduzir o efeito negativo dos subsídios ilegais dos EUA concedidos aos produtores locais de algodão é uma prova de que as notícias sobre congelamento das relações bilaterais foram um tanto precipitadas. Houve uma sucessão de encontros e visitas de autoridades como a subsecretária-adjunta do Departamento de Estado para a região, Roberta Jacobson e o vice-presidente dos EUA, Joe Biden, durante a Copa.
As visitas e negociações exitosas não significam, porém, que haja normalidade no relacionamento. Ele avança em áreas como aviação e trocas de informações sobre facilitação de comércio, mas está em compasso lentíssimo em assuntos de interesse do setor privado dos dois países, como a oficialização do Global Entry, acordo que elimina burocracia no trânsito de visitantes frequentes aos EUA.
Na questão do Global Entry, as negociações chegaram quase à assinatura do acordo, a ser feito durante a visita de Estado de Dilma a Washington. Falta definir o critério de checagem das credenciais dos eventuais beneficiados. É o tipo de acordo que aguarda a confirmação da visita de Estado, que Aécio certamente desejaria e Dilma indicou a Biden o desejo de fazer logo, caso seja reeleita.
Quase 75% das exportações do Brasil aos EUA são produtos industrializados - ainda que alguns com baixo valor agregado, como pasta de madeira e suco de laranja. A recuperação americana chegou até ao abalado setor imobiliário, que absorveu US$ 561 milhões em revestimentos de granito brasileiro neste ano.
A balança comercial com os Estados Unidos segue com forte influência dos produtos aeronáuticos (entre janeiro e setembro cresceram mais de 100% as vendas de aviões, para US$ 1,2 bilhão; e em 78% as partes de turbinas de avião, que somaram US$ 1,16 bilhão). Há, também uma influência conjuntural, a das vendas de soja, que subiram 208%, para US$ 538 milhões, aproveitando a falta do produto com a seca local. Aumentaram muito também as vendas de máquinas de terraplenagem ou perfuração (105%), que chegaram a US$ 406 milhões.
As perspectivas de fortalecimento do mercado americano justificam iniciativas de promoção de exportações nesse mercado. Empresários do setor de móveis e madeira têm um plano, apoiado pela Agência de Promoção de Exportações (Apex), de lançar em 2015 mobiliário de design inovador, durante a Semana de Design em Nova York. Produtores de alimentos processados e até de vinho têm discutido com a Apex estratégias para ganhar consumidores nos EUA.
E um acordo de livre comércio? Os EUA não se interessam por um acordo que se limite ao comércio de mercadorias. Seu modelo envolve regras, talhadas no figurino americano, para proteção à propriedade intelectual e investimentos, entre outras exigências que limitam o grau de liberdade dos governos na política econômica e industrial. É a aceitação ou não dessas regras que as campanhas presidenciais deveriam discutir, se levassem a sério o tema das negociações de comércio com os EUA.
E, é claro, há a questão dos sócios brasileiros no Mercosul. Não são eles hoje quem bloqueiam um acordo de livre comércio com a União Europeia. Problemas internos entre os europeus os impedem de apresentar suas propostas. Mas com os EUA poderia haver obstáculos ao Sul.
O tema permite uma correção devida aos leitores: ao contrário do que dizia a coluna da semana passada (e autoridades haviam dito ao colunista), não houve objeção de ministérios brasileiros à ideia de iniciar negociações de comércio com o Canadá. Foram a Argentina, por motivos econômicos e de competitividade, e a Venezuela, por razões políticas, que desencorajaram o Brasil em relação às conversas com os canadenses. (Valor Online – 13/10/2014)

Exportações chinesas sobem 15,3% ao ano em setembro, acima do esperado
PEQUIM - As exportações da China avançaram 15,3% em setembro em relação ao mesmo mês do ano passado, superando as expectativas de analistas, de acordo com dados da Administração Geral de Aduanas divulgados nesta segunda-feira.
A alta nas exportações em setembro ficou acima da mediana das previsões de 15 economistas consultados pelo The Wall Street Journal, de alta de 12,5%. Também superou o avanço de 9,4% registrado em agosto ante o mesmo mês de 2013.
As exportações chinesas vêm crescendo desde abril, sobretudo pela recuperação no ritmo das economias avançadas, ainda que bastante modesta.
Alguns analistas também atribuem parte do bom resultado ao lançamento bem sucedido do iPhone 6, que ajudou a impulsionar tanto as importações quanto as exportações do país.
As exportações de aço, que cresceram 73% em setembro em base anual, é outro fator apontado como decisivo no desempenho.
Ainda segundo os dados do governo, as importações em setembro cresceram 7% sobre o mesmo mês do ano passado. Em agosto, as importações haviam caído 2,4% também na base anual. Os economistas consultados tinham previsto, na mediana, uma queda de 2,4% em setembro.
Com o resultado das importações muito mais forte que o esperado, o superávit comercial chinês de setembro ficou bem mais modesto do que a previsão, registrando US$ 31 bilhões, ante US$ 49,8 bilhões em agosto e previsão dos economistas na mediana de US$ 42 bilhões. (Dow Jones Newswires) (Valor Online – 13/10/2014)

Dados comerciais da China aliviam temores de desaceleração
Por Judy Hua e Kevin Yao
PEQUIM (Reuters) - O forte desempenho comercial da China em setembro pode reduzir as chances de uma agressiva ação de política monetária como um corte da taxa de juros, mas as perspectivas de um prolongado declínio do setor imobiliário sugerem que mais medidas ainda são necessárias para sustentar a economia.
Com as economias da zona do euro e do Japão patinando, uma recuperação nas exportações e importações da China é notícia bem-vinda para a economia mundial e para investidores cada vez mais preocupados com o crescimento global.
Mas economistas disseram que é cedo demais para dizer se o setor comercial da China virou a página, destacando que as importações inesperadamente boas do país no mês passado podem ser resultado de fatores extraordinários, como as fábricas aproveitarem a queda dos preços globais de commodities para reabastecer os estoques de minério de ferro, cobre e petróleo.
"Os dados de hoje não são tão boa notícia quanto aparentam", disse o economista-chefe para China do Royal Bank of Scotland, Louis Kuijs.
"Eles sugerem que o crescimento das exportações da China estão se sustentando. Entretanto, a importante ressalva que vem dos detalhes dos dados de importação sugere que o crescimento da demanda na própria economia da China continua fraca."
As exportações subiram 15,3 por cento em setembro contra o ano anterior, superando a expectativa em pesquisa da Reuters de aumento de 11,8 por cento e acelerando ante a alta de 9,4 por cento de agosto.
As importações avançaram 7 por cento em termos de valor, contra estimativa de queda de 2,7 por cento, o que teria sido o terceiro declínio seguido. As importações de minério de ferro se recuperaram para atingir o segundo nível mais alto do ano e as importações mensais de petróleo bruto avançaram para segundo maior nível já registrado.
Como resultado, a China registrou superávit comercial de 31 bilhões de dólares em setembro, contra 49,8 bilhões de dólares em agosto.
A maioria dos analistas espera que as exportações da China continuem relativamente robustas nos próximos meses conforme a economia dos Estados Unidos se fortalece. (Reuters – 13/10/2014)

OMC


Veja mais

Diretor da OMC 'joga a toalha' em principal aposta comercial brasileira
CLÓVIS ROSSI
COLUNISTA DA FOLHA
Está ruindo a principal, quase única, aposta comercial do Brasil, a Rodada Doha de Desenvolvimento, lançada em 2001 para terminar em cinco anos, mas que continua paralisada até agora.
O brasileiro Roberto Azevêdo, diretor-geral da OMC (Organização Mundial do Comércio), que gere a rodada, praticamente jogou a toalha ontem, ao dizer que a instituição não pode continuar trabalhando como até agora, sob pena de paralisia.
A regra de ouro na OMC é consenso. Ou todos estão de acordo ou não há acordo.
Azevêdo foi absolutamente claro: não estava se referindo a um potencial risco de paralisia no futuro, mas de uma situação já instalada.
O desabafo do DG, como é tratado o diretor-geral, deve-se à impossibilidade de levantar o veto da Índia ao pacote aprovado em Bali, no fim do ano passado, cujo objetivo era apenas o de reduzir a burocracia no comércio.
A Índia só aceitaria o pacote se pudesse manter indefinidamente subsídios a seus produtores agrícolas, clara violação às regras da OMC.
Se a instituição não consegue implementar um acordo já acertado e que só mexe com burocracia, não com as políticas comerciais de seus membros, fica impraticável avançar nos temas da Rodada Doha, que, estes, sim, interferem com políticas internas (subsídios agrícolas de europeus e americanos a seus produtores, por exemplo).
"O que está em jogo não é apenas a nossa capacidade de chegar a acordos mas também a de implementar o que foi acordado. Que ninguém se engane: esse impasse terá consequências para a OMC e o sistema multilateral de comércio", desabafou o embaixador da União Europeia na OMC, Angelos Pangratis.
Para o Brasil, já é fácil antecipar uma consequência: se a OMC não superar sua paralisia, o país terá que rever toda a sua política de acordos comerciais. Até agora, ela está centrada na hipótese -remotíssima agora- de obter avanços (em agricultura, por exemplo) na OMC.
O previsível, agora que até Azevêdo, inveterado otimista, joga a toalha, é que os membros da OMC dediquem-se a acordos regionais, como o que está sendo negociado entre União Europeia e EUA.
Ou então aos chamados acordos plurilaterais, no âmbito da própria OMC, que não implicam a aceitação de todos os integrantes, mas apenas dos que se sentirem confortáveis com seus termos.
Em ambos os casos, a tendência é que as regras de jogo sigam os parâmetros dos países desenvolvidos, que nem sempre o Brasil e outros emergentes estão em condições de aceitar. (Folha de SP – 17/10/2014)

OMC vive situação perigosa, adverte Azevêdo
JAMIL CHADE, CORRESPONDENTE / GENEBRA
Para diretor-geral da entidade, organização precisa deixar 'paralisia' de lado, pensar o futuro e encarar os problemas em uma discussão aberta
A Organização Mundial do Comércio (OMC) vive o momento mais delicado de sua história e chegou a hora de governos dizerem se ainda querem manter a instituição. O alerta dramático é do brasileiro Roberto Azevêdo, diretor-geral da OMC, que ontem admitiu que o impasse não consegue ser superado nas negociações e a crise já contamina toda a entidade como uma "paralisia".
Em dezembro de 2013, a OMC conseguiu fechar um acordo comercial, o primeiro em 20 anos da história da entidade. Mas, no momento de sua implementação, uma disputa entre Índia e Estados Unidos impediu que o acordo fosse firmado. Em julho, o processo fracassou e Azevêdo deu aos negociadores até esta semana para chegar a um compromisso.
Mais uma vez, o processo não andou e agora o brasileiro admite claramente pela primeira vez que o futuro da entidade que está em jogo. Segundo ele, nem mesmo se conseguiu chegar a um consenso na elaboração de um cronograma até o fim do ano. "Não encontramos solução para o impasse que vivemos", declarou o brasileiro, que assumiu a entidade em 2013.
"Essa pode ser a situação mais séria que essa organização já enfrentou", advertiu. Eu já havia alertado antes sobre a situação potencialmente perigosa e pedi que governos tomassem medidas para evitá-la", disse o brasileiro. "Hoje, não estou fazendo um alerta sobre uma potencial situação perigosa. O que estou dizendo é que estamos vivendo ela agora mesmo", insistiu. "Precisamos pensar sobre nossos próximos passos."
O que mais o preocupa é que, diante da crise, a "falta de confiança" entre os governos está "paralisando o trabalho" em todas as áreas. "Sinto que continuar nessa paralisia apenas degrada a instituição."
Repensar. Para ele, está claro que "o trabalho sobre a substância dificilmente avançará". Para os indianos, só deve haver um acordo para facilitar os fluxos comerciais se Nova Délhi receber garantias de que seus agricultores serão protegidos. Washington recusa a exigência.
Na avaliação de Azevedo, chegou a hora de os governos pensarem o querem para o futuro da entidade. "Precisamos começar a discutir o futuro. Chegou o momento de encarar os problemas e ter uma discussão aberta", apelou. Segundo ele, governos já falam em buscar acordos comerciais fora da OMC. "Podemos ver governos se desengajando da OMC e buscando outros caminhos."
O temor é de que governos como o dos EUA, da Europa ou da China embarquem em acordos bilaterais e abandonem o sistema multilateral.
Ontem, o governo americano deixou claro que teme pelo pior. "A boa-fé entre as delegações desapareceu", indicou o embaixador dos EUA Michael Punke. "Ela foi substituída por questões sobre se qualquer acordo multilateral é mesmo possível." (O Estado de SP – 17/10/2014)

Azevêdo dice que el estancamiento de Bali está paralizando la labor de la OMC; los Presidentes informan de la falta de progresos en las consultas
El 16 de octubre, el Director General Roberto Azevêdo, en su calidad de Presidente del Comité de Negociaciones Comerciales, informó a ese órgano de que pese a las intensas consultas no se había encontrado “una solución para desbloquear la situación” más de dos meses después de que venciera el plazo para el Acuerdo sobre Facilitación del Comercio. Señaló que “podría tratarse de la situación más grave que jamás haya afrontado esta Organización” y dijo que, si bien los Miembros deben seguir trabajando para superar el estancamiento actual, “debemos también reflexionar sobre cuáles serán las próximas etapas”. Tedto na íntegra no website www.wto.org (OMC – 16/10/2014)

Cadeias globais para cá, cadeias globais para lá
Por Cristina Reis e Fernanda Cardoso
Diante do baixo dinamismo da produção industrial desde 2011, a maior inserção brasileira nas cadeias globais de valor (CGV) tem sido apontada como solução para a elevação da produtividade e da escala de produção nacional. A noção de CGV envolve uma contínua e complexa fragmentação da origem do valor adicionado contido em um bem ou serviço - na maioria dos casos articulados por firmas multinacionais.
Cadeias globais para lá, cadeias globais para cá, o termo pop está presente nos discursos dos presidenciáveis, empresários, associações industriais e acadêmicos. Especialmente nos últimos dez anos, o fortalecimento da China na economia mundial e o insucesso das tentativas dos Estados Unidos de fazer valer suas preferências na Organização Mundial do Comércio sobre os "novos temas" de comércio internacional - propriedade intelectual, investimento, questões trabalhistas, ambientalistas etc. -, têm associado cada vez mais as CGV à proliferação de acordos preferenciais.
O Brasil tem mantido uma postura cautelosa quanto a esse movimento, pois não é um convidado tão cobiçado - já que a articulação central é entre Ásia e a Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) - porque tem soberania para não aceitar termos desiguais e porque não está claro qual seria a melhor maneira de o Brasil participar dessa complexa e intrincada rede.
Trajetória virtuosa depende de políticas e estratégias para a sofisticação do perfil exportador
Recentemente surgiram os primeiros resultados de novas iniciativas de bases de dados de comércio em termos de valor adicionado, como as da OMC/OCDE e da Unctad. Da base de dados Trade in Value Added da OMC/OCDE surgiu a informação que tem sido bastante utilizada para ilustrar a relativa baixa participação brasileira nas cadeias globais: em 2009, somente 9% do valor adicionado das exportações brasileiras teve origem importada. Investigando-se mais a fundo essa estatística, verifica-se que, daqueles 9%, quase 20% provêm dos EUA. Aliás, naquele ano os EUA constituíram-se a principal origem do valor adicionado importado da maioria dos países do mundo, incluindo quatro dos Briics: Brasil, Índia, Indonésia e África do Sul.
Analisando-se setorialmente, infere-se que os EUA mantiveram peso significativo em praticamente todos os setores industriais dos Briics. Interessante notar ainda a expressiva participação da Alemanha e do Japão nos setores de máquinas e equipamentos, equipamentos elétricos e óticos, e equipamentos de transporte em todos os Briics. Por sua vez, o valor adicionado chinês se achava nas exportações de manufaturas de baixa tecnologia de todos os Briics - mas também em máquinas e equipamentos, equipamentos elétricos e óticos, e equipamentos de transporte na Índia, Indonésia e África do Sul - sinalizando o aumento da penetração chinesa nas exportações de países em desenvolvimento.
Do ponto de vista financeiro, os Briics estão entre os maiores receptores de investimento estrangeiro direto no mundo, contudo, à exceção da China, não são fortes investidores. Além disso, há pouquíssimas corporações transnacionais nascidas nos Briics, de acordo com a Unctad. As evidências apontam, portanto, que a inserção dos Briics nas CGV tem sido demanda para as atividades de maior valor adicionado das multinacionais e fonte de recursos a baixo custo. Como mostram os dados da OMC/ OCDE, as contribuições dos Briics para as exportações dos outros países é relativamente homogênea, estando concentrada nos setores primários, químicos e metais em geral, e também em alguns serviços, como atacado, varejo, restaurante e hotéis.
CGV para lá, ainda que a inserção nas cadeias globais de países em desenvolvimento contribua para o crescimento econômico, não tem sido necessariamente "virtuosa" no sentido de desenvolver as atividades que geram maior valor adicionado, com fortes impactos no progresso tecnológico e possibilitando a superação da dualidade estrutural em termos de salários e produtividade.
CGV para cá, a inserção dos países em desenvolvimento precisa escapar do modelo subordinado baseado em especializações pouco intensivas em tecnologia e conhecimento, como as atividades de transformação e montagem (em contraposição às da ponta da cadeia, como P&D e design de um lado, e marketing de outro). Os casos de melhor aproveitamento da inserção externa são aqueles em que houve planejamento profundo, reunindo os setores público e privado da economia, com a preocupação especial de extraírem-se progressos para o conhecimento científico e o desenvolvimento tecnológico da indústria nacional - o que a China tem feito, de certo modo.
CGV para lá, CGV para cá, o desenho de uma trajetória virtuosa de internacionalização para o desenvolvimento econômico brasileiro, portanto, depende de políticas e instituições estratégicas para a sofisticação do perfil exportador, em conjunção com um regime macroeconômico favorável, o que passa por pelos menos três questões fundamentais.
A primeira é sofisticar a atuação das empresas multinacionais estabelecidas em nosso território, incentivando o desenvolvimento de atividades de alto conhecimento e valor adicionados, também para exportação. A segunda questão é não se render às armadilhas dos acordos preferenciais com países da OCDE e com a China que fortaleceriam uma especialização brasileira em atividades de baixo valor adicionado, privilegiando uma abordagem a favor da especialização intra-industrial regional e atenta para a negociação dos "novos temas". Por fim, avançar na superação dos problemas que deterioram a competitividade e produtividade, que vão desde o custo Brasil e os obstáculos ao empreendedorismo e inovação do setor privado à modernização do mesmo.
Cristina Fróes de Borja Reis e Fernanda Graziella Cardoso são professoras dos bacharelados de Ciências Econômicas e de Relações Internacionais da UFABC. (Valor Online – 16/10/2014)

EUA e UE tentam pôr em xeque as regras de decisão da OMC
Perto de completar duas décadas, a Organização Mundial do Comércio não conseguiu ampliar as fronteiras da liberalização do comércio global. A Rodada Doha fracassou há seis anos e, se esse foi seu maior revés, não foi o único. A possibilidade de entendimentos para ressuscitar a agenda da liberalização, por meio do Acordo de Facilitação de Comércio - uma gigantesca faxina nos procedimentos aduaneiros -, foi enterrada pela negativa da Índia, acompanhada por Cuba e Venezuela. O sistema de decisão da OMC foi mais uma vez colocado em xeque e Estados Unidos e União Europeia estariam agora procurando abrir brechas no esquema que julgam ter paralisado a instituição: a necessidade de consenso entre os 160 membros da organização ("Financial Times", 13 de outubro). É uma iniciativa muito polêmica e de difícil realização, mas, até agora, a única que surgiu em resposta aos apelos do diretor-geral, Roberto Azevêdo, para que os rumos da instituição fossem reavaliados.
Árbitro das disputas comerciais internacionais, a OMC vive um vazio na agenda da liberalização, e está sendo cercada pela proliferação de acordos bilaterais ou regionais de comércio - são 253 em vigor, pelos cálculos da instituição. Esses acordos não são antagônicos a um outro, geral, buscado pela OMC. Na ausência dele, porém, são a tendência predominante que pode se revelar única, caso a OMC não saia do imobilismo. Azevêdo tem sido enfático na necessidade da ampliação multilateral das possibilidades de comércio. "As regras atuais foram acordadas há 20 anos - precisam ainda entrar no século XXI", disse.
Nas quase duas décadas da OMC, as cadeias de produção globais se aprofundaram velozmente. De 30% a 60% das exportações totais do G-20, as nações mais prósperas, são insumos usados nas cadeias globais de produção de seus países ou de outros. Em tese, o estreitamento dos vínculos de produção favorece um acordo geral de liberalização do comércio. Na ausência de um, podem funcionar como substitutos imperfeitos, compatíveis com os interesses econômicos das empresas multinacionais, que comandam o processo das cadeias e, com isso, 80% do comércio global.
No vácuo da OMC, os interesses dos países desenvolvidos e de alguns emergentes, por meio de suas empresas, têm se articulado rapidamente, buscando consolidar as redes regionais implantadas, desenhando mapas de produção cada vez maiores. Hoje há dois mega-acordos a caminho, embora não se saiba se serão concluídos: a Parceria Trans-Pacífica, amarrada entre EUA, Japão e 12 países do Pacífico, e a Parceria Transatlântica para Comércio e Investimentos, entre as maiores potências do comércio global, EUA e UE.
O perigo desses acordos ocuparem o espaço de uma OMC tornada irrelevante é que deixarão em desvantagem os demais países. Esses grandes arranjos regionais definiriam seus próprios padrões tecnológicos e regulatórios das trocas comerciais, reproduzindo em escala ampliada o que já vem ocorrendo: as barreiras não tarifárias têm hoje um peso maior do que as tarifárias no comércio entre países. Sem regras gerais, como é missão da OMC construir, o "ambiente comercial seria imprevisível e injusto", com a "prevalência do direito dos mais fortes", segundo Azevêdo.
Foi em parte por esses motivos que o Brasil jogou todas suas cartas na negociação multilateral, deixando de lado o que outros países fizeram, de buscar ao mesmo tempo vantagens bilaterais ou regionais. Mas o problema da OMC é pior do que o brasileiro, que não é pequeno. Se as engrenagens do comércio internacional se tornarem independentes da OMC e criarem um mundo comercial a parte, até mesmo as funções regulatória e de arbitragem em disputas da organização, com o tempo, terão também sua importância erodida. Os novos acordos avançariam em grandes áreas não reguladas por normas que já não respondem à modernização das duas últimas décadas.
O que EUA e UE estão querendo é quebrar a regra do consenso, em troca da possibilidade de acordos "plurilaterais", com a adesão do máximo de países que concordarem com seus termos sobre propostas específicas. Há sérios obstáculos à ideia, alguns formais: pelas regras, é preciso consenso mesmo para determinar que ele não será mais necessário. O multilateralismo praticado até agora pela OMC chegou a um impasse. Como rompê-lo aprofundando os benefícios para o comércio global é um quebra-cabeças infernal, que precisa ser montado. (Valor Online – 14/10/2014)

Austria promete 200.000 euros para fortalecer la participación de los países en desarrollo en la Ronda de Doha
El Gobierno de Austria anuncia una contribución de 200.000 euros (242.600 francos suizos) al Fondo Fiduciario Global del Programa de Doha para el Desarrollo (FFGPDD) para 2014 con el fin de financiar una amplia gama de actividades de asistencia técnica relacionada con el comercio destinadas a ayudar a los países en desarrollo y a los países menos adelantados a participar efectivamente en las negociaciones de la Ronda de Doha. El objetivo de los programas y actividades de asistencia técnica relacionada con el comercio es crear una capacidad comercial sostenible en los países beneficiarios. (OMC – 13/10/2014)

La OMC y el Banco Mundial aúnan esfuerzos a fin de prestar ayuda para la facilitación del comercio
La Organización Mundial del Comercio y el Grupo del Banco Mundial han acordado aumentar su cooperación con el objetivo de asistir a los países en desarrollo y a los países menos adelantados a utilizar mejor los programas de facilitación del comercio, lo que, a su vez, puede ayudar a esos países a cumplir objetivos de alivio de la pobreza y de desarrollo nacional. Texto na íntegra no website www.wto.org (OMC – 10/10/2014)

Outros


Veja mais

Brasil internaliza regras internacionais sobre contratos comerciais
Brasília – O Brasil internalizou hoje, por meio do Decreto n° 8.327/2014, a Convenção das Nações Unidas sobre Contratos de Compra e Venda Internacional de Mercadorias. O tratado internacional promove a uniformização de direitos e deveres das partes em contratos de compra e venda internacional celebrados entre empresas sediadas em países diferentes.
Com a internalização do acordo, haverá maior segurança jurídica e previsibilidade nas transações internacionais, resultando, ainda, em potencial redução de litígios e custos legais para empresas que atuam no comércio exterior. Em caso de divergências entre os contratantes, a convenção favorece o entendimento ao prover clareza sobre as regras aplicáveis. Atualmente, 83 países, responsáveis por mais de 90% do comércio internacional, são parte da convenção.
Atos internacionais
No último dia 7, o governo federal também internalizou outros atos internacionais importantes para o comércio exterior e que favorecem os exportadores brasileiros, por meio dos Decretos n° 8322, n° 8323 e n° 8324. O primeiro decreto prorroga os regimes de drawback em relação ao acordo comercial com o Chile (ACE-35). O segundo, os regimes de drawback no âmbito do acordo comercial com a Bolívia (ACE-36). O terceiro estabelece as preferências concedidas no comércio entre o Brasil e a Venezuela, assegurando 100% de preferência para o universo tarifário das exportações brasileiras, à exceção de 777 códigos, que convergirão para a preferência integral até 2018. (MDIC – 17/10/2014)

Uma aposta errada nos EUA
Os mercados financeiros internacionais viveram um novo dia de pânico na quarta-feira. O epicentro desse terremoto mais recente ocorreu no segmento de juros americanos, um dos mais líquidos e calmos entre todos os outros que compõem a arquitetura financeira moderna.
A flutuação dos preços -e, portanto, dos juros- dos títulos de dez anos emitidos pelo governo americano foi realmente selvagem. Em poucos momentos de negociações o valor desses papéis caiu incríveis 5,4%, queda que poucos operadores experientes poderiam imaginar.
Como a maioria dos negócios é realizada nos mercados futuros, via sofisticados programas de computador, essa variação de preços inesperada e brutal provocou o que se chama, na língua do Tio Sam, de "sell off". Traduzido para nossa língua, esse termo que dizer: "Salve-se quem puder porque os prejuízos serão grandes".
Os gênios da raça -a grande maioria- que tinham quase certeza de que o próximo grande movimento nesse mercado seria de alta dos juros -e queda dos preços dos papéis- iniciaram uma corrida maluca para limitar seus prejuízos. Como sempre acontece nesses momentos, o pânico se instala e os preços chegam a níveis irracionais também.
O incrível é que a mídia no dia de hoje não fala dessa situação e associa a queda dos juros nos EUA a uma visão catastrófica na economia. Isso não é verdade, pois o crescimento americano está se estabilizando e deve chegar a mais de 2,5% neste ano e no próximo.
Com o Fed deixando o aumento de juros para mais tarde, ficam reforçadas as defesas contra a onda deflacionista que vem da Europa. Outra âncora para manter os juros quietos é a inflação abaixo da meta do Fed, tendência reforçada recentemente com a queda significativa dos preços do petróleo.
O gatilho para o "sell off" dos últimos dias foi a declaração sempre curta, mas firme, de Stanley Fischer, vice-presidente do Fed e hoje o principal nome técnico da instituição. Ele disse aos jornais que em uma situação de economia mais fraca fora dos Estados Unidos -como ocorre agora- o Fed seria mais lento na normalização da política monetária americana.
Um sinal claro para os mercados de que a aposta na alta dos juros americanos estava fundamentalmente errada e que os mercados de títulos de juros deveriam corrigir seus preços. Da publicação de suas palavras na mídia especializada até o início da correria desenfreada dos especuladores foi um pulo.
Em um mundo totalmente ligado pelas mesas de operações das instituições financeiras, a onda de nervosismo e irracionalidade iniciada em Wall Street espalhou-se pela Europa e por mercados emergentes como o Brasil.
Em cada país a mídia e os operadores de mercado encontraram em questões locais -como as eleições do próximo dia 26 aqui no Brasil- motivações secundárias para justificar a queda das Bolsas de Valores e a volatilidade nos mercados de juros e câmbio.
Pouco a pouco, ao longo do dia, a verdadeira causa dos movimentos do mercado -"sell off" dos juros norte-americanos- foi sendo esquecida, e os jornais brasileiros, e de outras regiões do mundo, no dia seguinte falavam apenas na falta de confiança na economia americana e nos riscos de o mundo todo cair em uma nova e sincronizada recessão.
Quando a paz voltar ao mercado e as análises fundamentadas substituírem os comentários menores dos analistas e da mídia, o que deve ficar dessa confusão será muito positivo.
Com o cenário de mudança na política monetária americana empurrado para fins de 2015, os juros baixos vão fortalecer o crescimento futuro e, com isso, criar uma força compensatória para outro ataque de pessimismo em relação à economia da União Europeia.
Ajudará também a China nessa transição de política econômica baseada nas exportações e investimentos em infraestrutura para o consumo interno. E também o Brasil, se o próximo governo devolver aos principais agentes econômicos a confiança e o respeito pela condução da economia. (Folha de SP – 17/10/2014)

Turbinar as Américas
Se o Brasil estiver procurando um bom lugar para dar um cavalo de pau em sua política externa, vai uma dica: comece pelas Américas.
A Europa é mais do que uma realidade forjada no passado e na geografia. Em meio a recorrentes solavancos, é um projeto de integração em movimento.
Apesar de histórico recheado de ressentimentos, potências asiáticas –como China e Japão– estão cada vez mais interdependentes. Com seu novo banco de desenvolvimento, a Ásia emerge como palco privilegiado do capitalismo contemporâneo.
A África, esquecida tempos atrás, ostenta a economia continental que mais cresce. É também a região mais impactada pela recepção de investimentos chineses oriundos da nova projeção global de Pequim.
Já no âmbito do continente americano, o que mais impressiona é a ausência de qualquer iniciativa de monta. Deixamos de negociar, há mais de dez anos, uma área de livre comércio da Patagônia ao Alasca.
No campo da segurança internacional, o Tiar, Tratado Interamericano de Assistência Recíproca, figura apenas como item de museu da imaginária cooperação hemisférica durante a Guerra Fria.
Outra vítima do fraco diálogo continental é a OEA. À semelhança de ONU e OMC, a Organização dos Estados Americanos encontra-se numa encruzilhada. Enfrenta duplo desafio: ineficiência e má vontade de Estados-membros.
O método de trabalho em que tudo tem de ser aprovado por consenso atravanca a eficácia de sua governança. Apesar de seus muitos defeitos, a OEA confirma lógica válida também para outras instituições multilaterais. O mundo é ruim com elas; pior sem elas.
A OEA ajudou na resolução de conflitos e construção institucional na América Central nos anos 90. Seu desempenho como órgão de supervisão eleitoral em todo continente é impecável. Sua Comissão Interamericana de Direitos Humanos é referência para entidades congêneres no mundo todo. Nos últimos anos, porém, a OEA parametrizou-se por uma indesejada dualidade.
Por um lado, o crescente desengajamento dos EUA em assuntos hemisféricos. Tal desinteresse acompanha-se do pivô para a Ásia-Pacífico de suas prioridades.
Por outro, o esvaziamento da OEA liderada pela Venezuela bolivariana e seus aliados de ocasião. Isso se deu em paralelo à criação de plataformas, como a Unasul e a Celac, cuja caraterística é a profusão retórica puerilmente anti-Washington.
Essa inoperância da OEA é exemplificadora de um mal maior que afeta as relações interamericanas. Mais especificamente, fere o potencial cooperativo de seus dois mais importantes atores, também as duas maiores democracias do Ocidente: Brasil e Estados Unidos.
Hoje, a maior economia latino-americana –Brasil– exporta US$ 25 bilhões ao ano para os EUA. A China vende anualmente aos norte-americanos US$ 450 bilhões.
A OEA elege novo secretário-geral em 2015. Uma atuação de liderança do Brasil na organização poderia relançar o diálogo no continente.
Turbinar a cooperação nas Américas é do interesse de todo o continente, e sobretudo do Brasil. (Folha de SP – 17/10/2014)

Dois rumos para o Itamaraty em jogo nas eleições presidenciais
Rubens Barbosa e Marco Aurélio Garcia dão pistas sobre como eleição mudará política externa brasileira
A direção da política externa brasileira a partir de janeiro passa por dois homens ligados à área nos últimos governos de tucanos e petistas.
O diplomata Rubens Barbosa, responsável pelo projeto de Aécio Neves (PSDB) para o Itamaraty, foi embaixador brasileiro em Londres (1994-1999) e Washington (1999-2004) durante o governo de Fernando Henrique Cardoso. Ex-secretário de Assuntos Internacionais do Ministério da Fazenda, tornou-se um crítico dos rumos da política externa brasileira nos governos de Luiz Inácio Lula da Silva e de Dilma Rousseff. Ele sugere defesa mais vigorosa dos interesses das empresas brasileiras, abertura comercial “com ou sem aprovação do Mercosul” e a reaproximação do País de nações desenvolvidas, com objetivo de facilitar a cooperação e o acesso a novas tecnologias.
Ao longo dos 12 anos de governo petista, Marco Aurélio Garcia, assessor da Presidência para Assuntos Internacionais, rebateu com dureza as críticas à atuação recente do Itamaraty, principalmente quando acusado pela oposição de privilegiar países alinhados ideologicamente ao governo. Em geral, saudou a maior independência em relação aos EUA e o alinhamento do Brasil com posições firmadas pelo Brics, que reúne também Rússia, Índia, China e África do Sul.
Resumidamente, a agulha da bússola diplomática tucana aponta para o Norte e o Ocidente, enquanto a petista tende a se dirigir a aliados no Sul e no Oriente.
'É errado discriminar parceiros', diz Rubens Barbosa
Responsável por política externa diz que projeto tucano para o Itamaraty inclui ênfase em interesses comerciais
Um giro na política externa brasileira está desenhado para a hipótese de vitória de Aécio Neves (PSDB) no dia 26. O plano tucano prevê a abertura do País a negociações comerciais, com ou sem Mercosul, “sem discriminar parceiros”, a defesa de acordos plurilaterais na Organização Mundial do Comércio (OMC), a superação do impasse nas relações com os EUA e uma revisão na relação com os vizinhos bolivarianos quando interesses de empresas brasileiras estiverem em jogo.
O mentor do plano tucano para política externa, o ex-embaixador Rubens Barbosa, acentua que nenhuma mudança será tomada de afogadilho, nem significará ruptura. O Itamaraty resgatará sua função de “principal assessor do presidente”. A tarefa exigirá um esforço interno do comando do ministério para aumentar seu orçamento. Neste ano, foi de 0,16%. O enxugamento de postos no exterior e o maior empenho no setor de cooperação internacional estão na pauta.
O Brasil assume a presidência temporária do Mercosul em 1.º de janeiro e a mensagem será clara: o Brasil quer o bloco mais eficiente e ativo em termos de liberalização comercial. O governo brasileiro poderá pedir a revogação da resolução 32 do Conselho do Mercado Comum. Trata-se do compromisso dos Estados de negociar de forma conjunta acordos comerciais com outros países e/ou blocos. “Quem quiser vir com o Brasil, virá. Quem não quiser, não virá”, afirmou Barbosa, ao lembrar que a Venezuela descumpriu essa mesma norma ao se recusar a integrar a atual negociação entre o Mercosul e a União Europeia. “O programa dá prioridade ao acordo com os europeus.”
O objetivo da iniciativa é o fim do atual isolamento do Mercosul. Desde 2003, foram negociados apenas acordos de preferência tarifária, mais modestos que os de livre comércio. Se houver resistência de seus sócios, uma atitude extrema poderá ser considerada: a renúncia, pelo Brasil, do compromisso com o Mercosul enquanto união aduaneira. Como o País consequentemente perderia sua reserva de mercado nos vizinhos, essa alternativa é a última considerada. O aumento da competitividade dos produtos e setores nacionais será uma questão-chave. Mas Barbosa afirma que não se pode esperar para fechar acordos.
O embaixador não acredita em atrito com Venezuela, Bolívia e Equador, desde que não haja “prejuízo ao interesse nacional”. O Brasil, sublinhou, continuará a apoiar a estabilização econômica da Argentina e da Venezuela. Será mais incisivo, porém, na cobrança dos compromissos dos vizinhos com empresas brasileiras e em suas atribuições de vigilância de fronteiras. Da mesma forma, deverá retomar com maior empenho o plano de integração de infraestrutura que facilitará trocas entre os países da região e a conexão entre as costas do Atlântico e do Pacífico na América do Sul. O programa de governo prevê expandir acordos de livre comércio do Mercosul com o restante da América do Sul e com o México.
Haverá uma tentativa de tirar o que Barbosa considera uma carga de ideologia de organismos regionais criados nos últimos 12 anos – em especial a União de Nações Sul-Americanas (Unasul) e a Comunidade de Estados Latinoamericanos e Caribenhos (Celac).
No âmbito da Organização Mundial do Comércio (OMC), o eventual governo Aécio deverá propor a revisão da proibição a acordos plurilaterais. O pleito brasileiro por uma cadeira no Conselho de Segurança das Nações Unidas será mantido. “Mas essa decisão não depende do Brasil. Depende do próprio Conselho de Segurança e, dentro dele, dos EUA.”
O programa de Aécio não usa a expressão “Sul-Sul”, para designar a sua prioridade para as relações com países pobres e em desenvolvimento. Uma prioridade é superar o atual impasse nas relações com os EUA, provocado pela espionagem americana ao Palácio do Planalto, se houver um gesto favorável de Washington. Esperar um pedido de desculpas dos EUA, avalia o ex-embaixador em Washington, pode ser contraproducente. A exigência, feita pela Alemanha, também alvo de espionagem, não foi acatada. (O Estado de SP – 17/10/2014)

'Viagens aos EUA será realizada', diz Marco Aurélio Garcia
Assessor da presidente preve reaproximação de Washington, mas reitera crítica a bombardeios 'que só levam à barbárie'
O assessor especial da Presidência Marco Aurélio Garcia acredita que, caso reeleita, a presidente Dilma Rousseff fará aos EUA a visita de Estado que cancelou depois das denúncias de que a Agência de Segurança Nacional (NSA, na sigla em inglês) espionara o Brasil. Ele lembrou ontem que a viagem foi suspensa, não cancelada, e contou que a presidente já lhe disse que pretende ir aos Estados Unidos.
“A visita acho que se fará”, afirmou Garcia, após evento do ciclo Os Rumos da Política Externa após as Eleições de 2014, promovido pelo Centro Brasileiro de Relações Internacionais (Cebri). “Evidentemente, naquele momento (a viagem estava marcada para outubro de 2013), era absolutamente inadequada. E o próprio presidente (Barack) Obama reconheceu isso na conversa telefônica que os dois tiveram, eu ouvi a conversa, estive junto.”
A viagem não significa que haverá redução de críticas do governo brasileiro à política americana em um segundo mandato de Dilma. Em sua palestra para estudantes e pesquisadores de relações internacionais no câmpus da Praia Vermelha da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Garcia lembrou que “uma agência de espionagem americana” bisbilhotou no Brasil empresas privadas, ministérios, empresas públicas e a presidente.
Ele rebateu a crítica de que o Itamaraty ganhou componentes antiamericanos no governo petista. “(A política externa brasileira) não tem viés antiamericano coisa nenhuma. Menos ainda temos a ideia de que os Estados Unidos são uma potência declinante. Não o são e não o serão por muitas décadas. Se alguém está apostando no Declínio do Império Americano, vá ver o filme canadense (que tem esse título), mas mais do que isso, não”, ironizou Garcia.
O assessor especial afirmou que os EUA sempre tiveram políticas apenas reativas para a América Latina.
“Queremos um outro tipo de relação”, afirmou. Lembrou que os americanos foram advertidos, em 2012, na Colômbia, por outros presidentes da região que aquela seria a última Cúpula das Américas sem Cuba. “E agora o problema está criado.”
Para ele, as relações com os EUA poderão melhorar se houver inteligência de ambas as partes. Ele defendeu que “conjuntamente e respeitosamente” Brasil e EUA estabeleçam as condições para reaproximação entre os dois países. Um exemplo que citou foi o programa Ciência Sem Fronteiras, que tem participação grande dos Estados Unidos.
Segundo o assessor especial, não houve condescendência do Brasil com o Estado Islâmico quando a presidente Dilma Rousseff defendeu, nas Nações Unidas, a via diplomática. “Não apoiamos intervenções armadas sem autorização do Conselho de Segurança”, disse. “Por que fazemos isso? Por que temos indulgência com a barbárie? Não. Porque descobrimos que essas ações armadas eram bravatas, em vez de combater a barbárie, a estimulavam.”
Como exemplo do fracasso da política de intervenção unilateral dos Estados Unidos e de potências ocidentais, ele lembrou as invasões no Iraque e no Afeganistão, a intervenção na Líbia e o auxílio a rebeldes na guerra civil síria.
Garcia rebateu os que acusam a política externa do PT de ter excessivo viés ideológico, considerando as críticas “torpes” e os “argumentos bestificadores”. Ele disse que o Brasil se relaciona bem com os países bolivarianos, mas negou ser bolivariano. “Não tenho nada contra os bolivarianos, mas não é a minha praia”, declarou. Ele ressaltou que o País considera importante o relacionamento com os vizinhos e defendeu a integração da região.
Sem citá-lo nominalmente, criticou a política externa pregada pelo presidenciável tucano Aécio Neves. “Tudo isso, evidentemente, vai exigir do governo brasileiro, uma capacidade de negociação e de diálogo muito grande”, declarou. “Esta capacidade não se fará, se dissermos que estamos cercados por países produtores de cocaína”, acrescentou. (O Estado de SP – 17/10/2014)

Marco Aurélio Garcia diz que Aécio explora 'sentimento anticomunista'
ADRIANO BARCELOS
O assessor especial da Presidência da República para assuntos Internacionais, Marco Aurélio Garcia, atacou as propostas do candidato à Presidência Aécio Neves (PSDB) para a política internacional brasileira na tarde desta quinta-feira (16).
Garcia criticou principalmente o que entende como apelo de Aécio ao discurso anticomunista ao questionar nos debates e na propaganda eleitoral investimentos brasileiros no porto de Mariel, em Cuba.
"É um caso claro de exportação de serviço, é importante e fizemos com outros países, com o Chile e com a Venezuela, Bolívia, Colômbia. O candidato Aécio está tentando aproveitar, não sei se é anticomunista feroz, um sentimento anticomunista que existe em parcelas da população e transformar isso num problema. Não tem essa coisa de deixar de fazer um porto em Rio Grande (RS) para fazer um em Cuba, não tem isso", afirmou Garcia, para completar:
"Se ele quiser trazer isso, está apostando na desinformação".
O assessor da presidente Dilma Rousseff participou de encontro organizado pelo Centro Brasileiro de Relações Internacionais em um auditório da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Encontrou uma plateia favorável e respondeu as principais críticas da oposição à condução do Itamaraty no governo Dilma. Negou que haja antipatia do Brasil com os Estados Unidos e que o país esteja alinhado em demasia com "os bolivarianos", referindo-se especialmente à Bolívia de Evo Morales e à Venezuela de Nicolás Maduro.
INSINUAÇÃO
Durante a apresentação, Garcia explicou o atual momento da União de Nações Sul-Americanas (Unasul) e fez insinuações que associam Aécio ao uso de entorpecentes. O tucano tem defendido mais segurança nas fronteiras para evitar o ingresso de cocaína no país.
"Se vocês lerem os documentos constitutivos da Unasul, verão que concretamente o que se dá ênfase ali é na questão da integração logística, da integração elétrica. Tudo isso vai exigir do governo brasileiro, mudança na capacidade de diálogo. Essa capacidade não se fará se nós dissermos que estamos cercados por países produtores de cocaína. (aplausos) Não entendo tanto essa obsessão com a cocaína, mas deixa pra lá (risos)."
No final, para a imprensa, Garcia criticou a proposta de Aécio de aproximação com o bloco de países da Aliança do Pacífico, em detrimento do Mercosul.
"Estamos há três meses defendendo um diálogo entre a Aliança do Pacífico e o Mercosul. Quem está defendendo a Aliança do Pacífico não tem a mínima ideia do que é a Aliança do Pacífico.
Aécio não tem ideia de muitas coisas, mas essa aí em particular. Temos, em termos comerciais, tarifas com vários países da Aliança do Pacífico mais baixas que eles têm internamente", afirmou.
MAR DE LAMA
Em seguida, o assessor atacou mais diretamente a postura do candidato do PSDB e afirmou que o avô de Aécio, Tancredo Neves, que foi ministro da Justiça no último mandato do ex-presidente Getúlio Vargas (1951-1954), "daria voltas no túmulo" ao ver o tucano mencionando um "mar de lama" no atual governo.
"O Aécio está reeditando a velha agenda da direita brasileira. Neste particular ele não está inovando nada, ele é um candidato velho. A cereja no bolo foi a frase dele sobre o mar de lama. O avô dele, que participou daquele governo que era chamado de mar de lama, de Getúlio, deve estar dando voltas no túmulo. Essa é a linguagem que levou Getúlio ao suicídio, levou ao golpe militar, mas não vai nos levar a uma derrota. Se nos levar, tudo bem, faz parte da democracia, mas acredito que o povo brasileiro evoluiu muito". (Folha de SP – 16/10/2014)

Retorno a uma diplomacia normal?
Paulo Roberto de Almeida
Os companheiros no poder praticaram o que eles mesmos designaram como sendo uma "diplomacia ativa, altiva e soberana". Sua primeira tarefa, em 2003, foi denegrir a anterior, considerada - como, de resto, as demais políticas - manchada pela submissão ao império, pela adesão voluntária às regras perversas do "Consenso de Washington" e por vários outros pecados, no contexto da "herança maldita" que teriam recebido do governo precedente. Eles passaram a orientar a nova política externa por outros critérios: alianças estratégicas com supostas potências anti-hegemônicas, sonhos de "mudar as relações de força no mundo", construir uma "nova geografia do comércio internacional" e manter relações preferenciais com os países do Sul, numa pouco disfarçada oposição ideológica ao império e às grandes potências hegemônicas.
Qual foi o resultado dessa agenda ativíssima? Certamente a ampliação da presença brasileira no mundo, nem sempre com os resultados esperados, mas sempre em benefício de alguns parceiros privilegiados pelos companheiros: alguns regimes deploráveis na região e outros aliados pouco democráticos alhures. Nenhuma das principais prioridades - reforço do Mercosul, obtenção de uma cadeira permanente no Conselho de Segurança da ONU, conclusão bem-sucedida da Rodada Doha - foi alcançada, mas é claro que nem todas dependiam do Brasil. A que dependia, o Mercosul, retrocedeu de bloco comercial a mero agrupamento político em pouco tempo, e sua ampliação se fez à custa de seus fundamentos. Enfim, poder-se-ia continuar por vários outros fracassos companheiros, mas agora a hora é de olhar para a frente e ver o que poderia ser feito para corrigir alguns dos equívocos dos últimos três governos na frente externa.
Em primeiro lugar, caberia restabelecer a dignidade e a credibilidade da política externa e da diplomacia profissional, afetadas por uma formidável confusão com a - na verdade, submissão à - diplomacia partidária, um ajuntamento anacrônico de velhos mitos esquerdistas e de ações e iniciativas que se desenvolveram à margem de, até contra, antigas (mas válidas) tradições do Itamaraty: não intervenção nos assuntos internos dos outros Estados, observância dos tratados, condução técnica dos temas da agenda e, sobretudo, avaliação isenta dos interesses nacionais em oposição a qualquer tratamento ideológico das relações exteriores. Em segundo lugar, corrigir a miopia sulista, por uma política externa multidirecional e centrada em objetivos concretos, não em ilusões anti-hegemônicas, que, aliás, não são correspondidas por esses supostos aliados estratégicos. Em terceiro lugar, honrar alguns princípios constitucionais brasileiros que parecem ter sido esquecidos nos últimos tempos, como a adesão integral aos valores da democracia e dos direitos humanos e a rejeição absoluta do terrorismo como arma política (e aqui estamos falando da própria região, não de fundamentalismos médio-orientais).
Mesmo quando se admite ter sido a diplomacia ativa importante para colocar o Brasil no mapa do mundo - e os 27 doutorados honoris causa concedidos ao chefe da pirotecnia diplomática estão aí para provar isso mesmo -, deve-se reconhecer que a política econômica externa dos companheiros contribuiu ativamente para retrair o Brasil no índice das liberdades econômicas, fazê-lo retroceder nos rankings de competitividade internacional e aumentar suas fragilidades comerciais, com uma queda na pauta exportadora manufaturada e uma dependência quase colonial do novo primeiro parceiro externo. Uma diplomacia econômica focada em resultados concretos reduziria o absurdo protecionismo comercial, trabalharia para reinserir o Brasil nas grandes redes globais de integração produtiva - abandonando o atual retorno ao stalinismo industrial da era militar - e redefiniria completamente nossa política comercial externa, a começar pelo Mercosul e demais esquemas de integração regional. O tratado do Mercosul, não custa lembrar, começa por proclamar objetivos de liberalização comercial e de abertura econômica, não foi exatamente concebido para criar novas utopias sociais.
Em relação a certos sonhos de grandeza, é muito provável que a sociedade brasileira não veja na obtenção de uma cadeira permanente no Conselho de Segurança uma alta prioridade nacional, a despeito de esse tema provocar orgasmos em alguns diplomatas. As grandes "alianças estratégicas" com certos parceiros escolhidos a dedo também precisariam ser revistas, em função estritamente do interesse nacional, não de um desejo pouco secreto de enfrentar a "arrogância imperial", disfarçada como uma tentativa de "democratizar as relações internacionais". Algumas iniciativas de escassa racionalidade econômica - o Banco do Sul, cujo parto vem sendo feito a fórceps, e o Banco dos Brics, um grande negócio para os chineses - teriam igualmente de ser medidas sob o diapasão de sua utilidade efetiva.
No plano do relacionamento bilateral há muito que mudar, dada a natural propensão dos companheiros a certas preferências políticas que servem mais às idiossincrasias ideológicas dos que estavam no poder do que a uma agenda equilibrada moldada pelo profissionalismo do Itamaraty. Um exame cuidadoso do perfil geográfico da diplomacia brasileira poderá ajudar nessa tarefa.
Por fim, caberia restabelecer de verdade a soberania nacional, deixando, por exemplo, de servir a governos estrangeiros de duvidosa reputação democrática com empréstimos secretos e outros mimos financeiros retirados do orçamento público. O Senado deve recuperar suas prerrogativas institucionais, voltando a examinar com todo o cuidado operações que envolvam recursos nacionais - como um inacreditável Fundo Soberano que jamais deveria ter existido -, como, aliás, determinado na Constituição.
*Paulo Roberto de Almeida é diplomata e professor universitário (http://www.pralmeida.org; http://diplomatizzando.blogspot.com) (O Estado de SP – 15/10/2014)

Reintegra, incentivo do governo às exportações
OPINIÃO
EDUARDO RIBAS PESSERL
Especialista tributário do Giovani Duarte Oliveira Advogados Associados (SC)
O governo federal vem adotando medidas para o desenvolvimento das exportações das empresas brasileiras.
Um exemplo recente foi a regulamentação do Regime Especial de Reintegração de Valores Tributários para as Empresas Exportadoras (Reintegra), programa de créditos sobre exportações, cujo objetivo principal é o ressarcimento dos tributos incidentes na cadeia produtiva e que complementam os créditos nas aquisições de matérias-primas, materiais de embalagem e demais aquisições previstas em lei.
Criado em 2013, alterado em 2014 e regulamentado neste mesmo ano,o Reintegra temuma finalidade extremamente importante. Ao permitir que as empresas tenham recomposição dos créditos tributários da cadeia produtiva com base no faturamento oriundo das exportações o governo federal amplia os benefícios auferidos pelos exportadores. Dessa forma, o contribuinte possui créditos tributários que extrapolam o conceito da cadeia produtiva, ou seja, sem a necessidade de cálculo com baseem suas compras de matérias primas, insumos e demais custos de produção descritos na legislação tributária vigente atualmente.
Além de ser uma forma mais fácil de serem calculados, os créditos possuem correlação diretacom o faturamento auferido no período, eliminando assim qualquer controvérsia sobre a legalidade da base de cálculo dos créditos escriturais.
Segundo a legislação, pela aplicação do percentual que varia entre 0,1% e 3% do total exportado diretamente ou vendido a comerciais exportadoras, empresas apropriam-se de créditos adicionais de PIS ou Cofins, passíveis de compensação de débitos próprios do contribuinte ou de restituição em espécie mediante entrega de formulário eletrônico específico.
Os produtos enquadrados no programa estão listados em decreto publicado em setembro. São abrangidas diversas categorias. Dessa forma, todos os exportadores devem avaliar a possibilidade do enquadramento dos seus produtos no programa.
O incentivo só é válido para produtos industrializados no Brasil e que contenham percentual de nacionalização de 40% a 65%, a depender de sua classificação na Tabela de Incidência do Imposto sobre Produtos Industrializados (TIPI). As empresas comerciais exportadoras não estão abrangidas pelo incentivo, já as operações de industrialização por encomenda e pessoa jurídica encomendante estão enquadradas no programa.
E de extrema importância destacar que os créditos apurados não serão oferecidos à tributação das próprias contribuições, tampouco do Imposto de Renda das Pessoas Jurídicas (IRPJ) e da Contribuição social sobre o Lucro Líquido (CSLL). Sem dúvida nenhum, essas disposições também podem ser consideradas como sendo incentivo adicional, já que os créditos serão aproveitados integralmente e sem nenhuma tributação.
Para todas as empresas exportadoras cabe uma avaliação profunda e detalhada das disposições da Medida Provisória 651/14 e do Decreto 8.304/14, que tratam desse programa. Em uma economia onde temos as cotações das moedas estrangeiras fortemente acompanhadas pelo governo federal e com alta competitividade internacional, a recomposição de margens com benefícios tributários é muito importante.
Atualmente, perder oportunidades com efeito direto no caixa pode ser a diferença entre o sucesso e o fracasso de tuna operação.
---
O incentivo só é válido para produtos industrializados no Brasil e que contenham um percentual de nacionalização de 40% a 65% (Brasil Econômico – 15/10/2014)

Divergências políticas ameaçam recuperação da economia europeia
Marcus Walker, de Berlim e Anton Troianovski
Um impasse entre o Banco Central Europeu, a Alemanha e outros governos da zona do euro está impedindo a Europa de reanimar sua debilitada recuperação econômica.
As tensões, que vêm fermentando há meses, pioraram este mês em meio à deterioração dos dados econômicos da zona do euro, ameaçando impedir uma resposta política coerente à medida que a economia europeia caminha em direção a uma terceira recessão em seis anos.
Um número crescente de formuladores de política e assessores diz que, agora, é crucial um esforço coordenado que inclua novas ações agressivas do BCE, maiores gastos da Alemanha e de instituições da União Europeia e reformas econômicas mais ousadas na França e Itália.
“Precisamos de um grande acordo em que os governos nacionais compreendam que a política monetária só pode ser bem-sucedida quando acompanhada de reformas estruturais e uma política fiscal responsável”, e isso inclui políticas menos austeras na Alemanha, diz Marcel Fratzscher, diretor do Instituto Alemão de Pesquisa Econômica, um centro de estudos apartidário de Berlim.
Dado os graves problemas da zona do euro, mesmo um esforço coordenado desse porte pode não ser suficiente para retornar o bloco a uma rota mais rápida de crescimento, alertam autoridades e economistas da região. Sem um acordo, porém, os riscos de uma recessão no curto prazo e de um declínio no longo estão crescendo, argumentam muitos.
Um recuo de 1,8% na produção fabril da zona do euro em agosto, divulgado ontem, é a mais recente indicação de que o bloco de 18 países que usam o euro como moeda pode ter sofrido uma contração no terceiro trimestre, após um declínio no segundo trimestre.
Também ontem, a Alemanha reduziu suas previsões oficiais de crescimento, enquanto que na França e no Reino Unido — que não utiliza o euro, mas está exposto à economia da UE — as leituras de inflação mostram níveis inesperadamente fracos.
O BCE, sob pressão para comprar ativos financeiros em larga escala para reanimar a atividade empresarial e estimular inflação, não está confiante de que tal medida funcionaria de maneira isolada e teme uma represália política na Alemanha.
Autoridades do BCE prefeririam lançar medidas mais amplas e potencialmente arriscadas enquanto os governos realizam ações complementares para reanimar suas economias, dizem pessoas a par da estratégia do banco central. Mas os líderes de cada país estão brigando sobre que ações seriam essas.
O governo da chanceler alemã Angela Merkel rejeitou ontem os apelos para que aumente os gastos e adie sua meta de obter um orçamento equilibrado no próximo ano, em meio a crescentes evidências de uma desaceleração na maior economia da Europa. Autoridades de Berlim também disseram que não veem a necessidade de o BCE experimentar medidas novas e incertas.
Enquanto isso, França e Itália estão se movendo muito mais lentamente em suas reformas — que relaxariam regras trabalhistas e reduziriam a burocracia para as empresas — do que o esperado pela Alemanha e pelo BCE. Mas os dois países estão fazendo lobby por uma ajuda maior do banco central e de Berlim para conter a queda da demanda.
“Meu medo, que é compartilhado por muitos, é que, se não adaptarmos [as políticas econômicas], vamos acabar num longo período de [...] crescimento e inflação muito baixos”, disse a repórteres o ministro da Fazenda da França, Michel Sapin, na segunda-feira.
“Corremos o risco de entrar em um período à la Japão que causaria uma série de danos para nossas economias e [...] orçamentos”, disse Sapin, aludindo aos longos anos de deflação e crescimento baixo no Japão.
O ministro da Fazenda alemão, Wolfgang Schäuble, refutou os apelos para que o país eleve o endividamento público e o investimento, apelos esses feitos durante a reunião do Fundo Monetário Internacional, na semana passada, em Washington. “A pior coisa que poderíamos fazer seria repetir os erros do passado” de confiar na dívida pública para acelerar o crescimento, disse ele ontem.
O governo alemão informou que espera uma expansão de apenas 1,2% este ano e de 1,3% no próximo, abaixo de previsões anteriores de cerca de 2%. O crescimento mais lento não é “particularmente positivo, mas não é razão para qualquer conversa sobre crise”, disse Schäuble.
Fratzscher se diz “relativamente pessimista” sobre a possibilidade de que a Alemanha mude de rumo ou que a França e a Itália façam reformas mais agressivas em partes de suas economias. A vontade política de mudança “só aparece quando as costas estão contra a parede”, diz ele.
O acomodamento dos mercados europeus de dívida nos últimos dois anos retirou o senso de urgência do debate sobre a reestruturação da união monetária, depois que as turbulências ocorridas entre 2010 e 2012 ameaçaram desintegrar a zona do euro.
Crescimento quase zero, uma taxa de desemprego de dois dígitos e uma inflação anual que atingiu uma nova baixa de 0,3% em setembro mostram que a zona do euro sofre com a escassez de demanda, além dos muitos problemas regulatórios, tributários e bancários que enfrenta do lado da oferta.
Com a inflação muito abaixo da meta do BCE de pouco menos de 2% ao ano, os mercados acreditam que o banco terá que comprar títulos de dívida em larga escala. Algumas autoridades do BCE temem que um relaxamento quantitativo seria menos eficaz na zona do euro que nos EUA ou no Reino Unido por causa do sistema financeiro fragmentado do bloco, sua dependência de empréstimos bancários, em vez de mercados de capitais, e o fato de que os rendimentos dos títulos soberanos da zona do euro, em sua maioria, já estão baixos. Mas o BCE pode acabar não tendo escolha.
O presidente do BCE, Mario Draghi, e outras autoridades do banco central acreditam que tais medidas teriam uma chance maior se governos financeiramente fortes investirem mais, dizem pessoas a par do assunto. Mas suas sugestões não foram bem-vindas na Alemanha. Um orçamento equilibrado foi uma das promessas de reeleição de Merkel em 2013 e adiar essa meta seria altamente impopular no país. Diante do baixo nível de desemprego, mesmo um crescimento anêmico põe pouca pressão política sobre a chanceler.
As políticas que impedem um esforço político coerente na zona do euro “parecem formidavelmente difíceis”, diz Simon Tilford, vice-diretor do Centro para a Reforma Europeia. “Se eles não agirem, estamos diante de uma nova recessão na zona do euro, e além dela, uma longa estagnação, aumento dos níveis de endividamento e agravamento das pressões de deflação.” Colaborou Gabriele Steinhauser.) (The Wall Street Journal – 15/10/2014)

Mundo está mais rico e mais desigual
A parcela de 1% da população mais privilegiada do planeta concentra quase metade da riqueza mundial, revela o “Global Wealth Report”, do banco Credit Suisse
A parcela de 1% da população mais privilegiada detém praticamente metade da riqueza global, revelou estudo do banco Credit Suisse, divulgado na terça-feira. A desigualdade no mundo está aumentando e isso pode representar um gatilho para a recessão, adverte o levantamento “Global Wealth Report 2014”, realizado pelo Credit Suisse Research, o grupo de pesquisa do banco sediado na Suíça.
A riqueza global das famílias do mundo aumentou 8,3% em um ano, alcançando um novo recorde: US$ 263 trilhões em 2013, mais do que o dobro da riqueza registrada no ano de 2000, que era de US$ 117 trilhões. O aumento da riqueza mundial foi de US$ 20 trilhões com relação a 2013: é o maior já ocorrido desde 2007. Desde 2008 esse volume vem crescendo. Hoje, a riqueza global está 20% acima do pico alcançado antes da crise econômica de 2008. Isso significa que mesmo com a economia global letárgica, os patrimônios cresceram. Alguns países registram, no entanto, retrocessos na riqueza global das famílias: Indonésia menos (US$260 bilhões), Argentina e Rússia (menos US$ 135 bilhões cada um) e Turquia (menos US$ 100 bilhões).
Com relação ao Brasil, o “Gigante adormecido”, como destaca o relatório, a renda familiar aumentou três vezes entre 2000 e 2014. “Assim como em outros países latino-americanos, o Brasil possui mais gente na faixa entre US$ 10 mil e US$ 100 mil comparado com o resto do mundo. Há um número menor nos dois extremos. Isso pode dar uma impressão enganosa de que a desigualdade está abaixo da média. Mas a desigualdade está relativamente alta”, ressalta o estudo, citando o coeficiente de Gini de 82%. O Brasil tem, de acordo com o estudo, 225 mil milionários e 296 mil adultos no topo dos 1% mais ricos.
No topo da pirâmide global de riqueza há 35 milhões de indivíduos (0,7% da população adulta global) com mais de US$ 1 milhão. Eles detém conjuntamente US$ 115,9 trilhões, ou seja, 44% da riqueza global. A segunda camada da pirâmide, dos que tem entre US$ 100 mil e US$ 1 milhão, somam 373 milhões de adultos (7,9% da população mundial), com US$ 108,6 trilhões. Somadas as duas camadas do topo da pirâmide (ou seja, os que detém um patrimônio superior a US$ 100 mil), são 400 milhões de pessoas, bem mais do que em 2000, quando havia 217 milhões de ricos.
A classe média global é composta por pouco mais de 1 bilhão de pessoas que tem entre US$ 10 mil a US$ 100 mil: representam 21,5% da população adulta global, com uma riqueza de US$ 31 trilhões. O estudo destaca um contraste com relação à classe média dos dois gigantes emergentes asiáticos. A Índia, com seus 1,2 bilhão de habitantes, tem apenas 3% da classe média global. Esta percentagem, ressaltou o levantamento, mudou muito pouco na última década, período em que o país cresceu bastante, após a abertura de sua economia nos anos 90. Em contraste, a percentagem da classe média chinesa dobrou desde o ano 2000. Hoje, a classe média da China é mais de dez vezes maior do que a indiana e representa um terço do total desta categoria no mundo.
Na base da pirâmide, com menos de US$ 10 mil, estão 3,3 bilhões de indivíduos,que somam uma riqueza de US$ 7,6 trilhões. Esta base representa mais de 70% da população mundial de adultos. Mais de 90% da população adulta da Índia e da África estão incluídas no chão da pirâmide. Em alguns países africanos, esta porção mais empobrecida chega perto de 100% de suas populações.
Uma pessoa precisa de apenas US$ 3.650 — incluído neste cálculo o valor patrimonial de moradia — para integrar a metade dos mais ricos do mundo. Porém, é necessário mais de US$ 77 mil para pertencer aos 10% mais ricos, e US$ 798 mil, para ingressar no topo dos 1%. “Analisando em conjunto, a metade mais pobre da população mundial detém menos de 1% da riqueza total. Os 10% mais ricos concentram 87% da riqueza global, e o 1% do topo mais rico possui 48,2% dos ativos mundiais”, destaca o “Global Wealth Report 2014”.
A América do Norte é a região onde se concentra a maior riqueza das famílias (34,7%). Nos Estados Unidos estão 41% de pessoas do mundo com fortunas superiores a US$ 1 milhão. A Europa ocupa o segundo lugar (32,4%) no ranking da riqueza das famílias, seguida da região Ásia-Pacífico (sem incluir a China), com 18,9%.
Os indicadores da desigualdade diminuíram ligeiramente na Europa e nos EUA, mas desde 2000 vem vem se agravando na América Latina e na África, segundo o estudo do grupo de pesquisa do Credit Suisse. No início do ano, a ONG Oxfam, que faz campanha contra a pobreza global, havia divulgado pesquisa mostrando que as 85 pessoas mais ricas do planeta tinham uma percentagem de riqueza combinada equivalente aos 3,5 bilhões das pessoas mais pobres no mundo.
“Esses resultados evidenciam que a desigualdade é extrema, está crescendo e mostram que a recuperação econômica que se seguiu à crise global de 2008 tem favorecido os mais ricos”, disse ao jornal britânico “The Guardian”, Emma Seery, chefe da Seção de Desigualdade da Oxfam. “Em países pobres, desigualdade crescente significa a diferença entre as crianças terem chances de frequentar escolas e pessoas doentes terem acesso a remédios que salvam as suas vidas”, afirmou Seery. Com AFP (Brasil Econômico – 15/10/2014)

Retorno a uma diplomacia normal?
Paulo Roberto de Almeida
Os companheiros no poder praticaram o que eles mesmos designaram como sendo uma "diplomacia ativa, altiva e soberana". Sua primeira tarefa, em 2003, foi denegrir a anterior, considerada - como, de resto, as demais políticas - manchada pela submissão ao império, pela adesão voluntária às regras perversas do "Consenso de Washington" e por vários outros pecados, no contexto da "herança maldita" que teriam recebido do governo precedente. Eles passaram a orientar a nova política externa por outros critérios: alianças estratégicas com supostas potências anti-hegemônicas, sonhos de "mudar as relações de força no mundo", construir uma "nova geografia do comércio internacional" e manter relações preferenciais com os países do Sul, numa pouco disfarçada oposição ideológica ao império e às grandes potências hegemônicas.
Qual foi o resultado dessa agenda ativíssima? Certamente a ampliação da presença brasileira no mundo, nem sempre com os resultados esperados, mas sempre em benefício de alguns parceiros privilegiados pelos companheiros: alguns regimes deploráveis na região e outros aliados pouco democráticos alhures. Nenhuma das principais prioridades - reforço do Mercosul, obtenção de uma cadeira permanente no Conselho de Segurança da ONU, conclusão bem-sucedida da Rodada Doha - foi alcançada, mas é claro que nem todas dependiam do Brasil. A que dependia, o Mercosul, retrocedeu de bloco comercial a mero agrupamento político em pouco tempo, e sua ampliação se fez à custa de seus fundamentos. Enfim, poder-se-ia continuar por vários outros fracassos companheiros, mas agora a hora é de olhar para a frente e ver o que poderia ser feito para corrigir alguns dos equívocos dos últimos três governos na frente externa.
Em primeiro lugar, caberia restabelecer a dignidade e a credibilidade da política externa e da diplomacia profissional, afetadas por uma formidável confusão com a - na verdade, submissão à - diplomacia partidária, um ajuntamento anacrônico de velhos mitos esquerdistas e de ações e iniciativas que se desenvolveram à margem de, até contra, antigas (mas válidas) tradições do Itamaraty: não intervenção nos assuntos internos dos outros Estados, observância dos tratados, condução técnica dos temas da agenda e, sobretudo, avaliação isenta dos interesses nacionais em oposição a qualquer tratamento ideológico das relações exteriores. Em segundo lugar, corrigir a miopia sulista, por uma política externa multidirecional e centrada em objetivos concretos, não em ilusões anti-hegemônicas, que, aliás, não são correspondidas por esses supostos aliados estratégicos. Em terceiro lugar, honrar alguns princípios constitucionais brasileiros que parecem ter sido esquecidos nos últimos tempos, como a adesão integral aos valores da democracia e dos direitos humanos e a rejeição absoluta do terrorismo como arma política (e aqui estamos falando da própria região, não de fundamentalismos médio-orientais).
Mesmo quando se admite ter sido a diplomacia ativa importante para colocar o Brasil no mapa do mundo - e os 27 doutorados honoris causa concedidos ao chefe da pirotecnia diplomática estão aí para provar isso mesmo -, deve-se reconhecer que a política econômica externa dos companheiros contribuiu ativamente para retrair o Brasil no índice das liberdades econômicas, fazê-lo retroceder nos rankings de competitividade internacional e aumentar suas fragilidades comerciais, com uma queda na pauta exportadora manufaturada e uma dependência quase colonial do novo primeiro parceiro externo. Uma diplomacia econômica focada em resultados concretos reduziria o absurdo protecionismo comercial, trabalharia para reinserir o Brasil nas grandes redes globais de integração produtiva - abandonando o atual retorno ao stalinismo industrial da era militar - e redefiniria completamente nossa política comercial externa, a começar pelo Mercosul e demais esquemas de integração regional. O tratado do Mercosul, não custa lembrar, começa por proclamar objetivos de liberalização comercial e de abertura econômica, não foi exatamente concebido para criar novas utopias sociais.
Em relação a certos sonhos de grandeza, é muito provável que a sociedade brasileira não veja na obtenção de uma cadeira permanente no Conselho de Segurança uma alta prioridade nacional, a despeito de esse tema provocar orgasmos em alguns diplomatas. As grandes "alianças estratégicas" com certos parceiros escolhidos a dedo também precisariam ser revistas, em função estritamente do interesse nacional, não de um desejo pouco secreto de enfrentar a "arrogância imperial", disfarçada como uma tentativa de "democratizar as relações internacionais". Algumas iniciativas de escassa racionalidade econômica - o Banco do Sul, cujo parto vem sendo feito a fórceps, e o Banco dos Brics, um grande negócio para os chineses - teriam igualmente de ser medidas sob o diapasão de sua utilidade efetiva.
No plano do relacionamento bilateral há muito que mudar, dada a natural propensão dos companheiros a certas preferências políticas que servem mais às idiossincrasias ideológicas dos que estavam no poder do que a uma agenda equilibrada moldada pelo profissionalismo do Itamaraty. Um exame cuidadoso do perfil geográfico da diplomacia brasileira poderá ajudar nessa tarefa.
Por fim, caberia restabelecer de verdade a soberania nacional, deixando, por exemplo, de servir a governos estrangeiros de duvidosa reputação democrática com empréstimos secretos e outros mimos financeiros retirados do orçamento público. O Senado deve recuperar suas prerrogativas institucionais, voltando a examinar com todo o cuidado operações que envolvam recursos nacionais - como um inacreditável Fundo Soberano que jamais deveria ter existido -, como, aliás, determinado na Constituição.
*Paulo Roberto de Almeida é diplomata e professor universitário (http://www.pralmeida.org; http://diplomatizzando.blogspot.com) (O Estado de SP – 15/10/2014)

Balança comercial pode ter primeiro déficit desde 2000
Está cada vez mais difícil que a balança comercial feche o ano com superávit. O fraco desempenho dos últimos meses já levou a várias revisões de expectativas. No início do ano, a previsão do governo era que o saldo comercial atingiria US$ 8 bilhões, com recuperação em relação aos US$ 2,5 bilhões do ano passado, que havia sido uma verdadeira decepção em relação aos US$ 19,4 bilhões de 2012. Desde então, porém, o Banco Central (BC) reduziu duas vezes a previsão, primeiro para US$ 5 bilhões e, recentemente, para US$ 3 bilhões.
Fora do governo, as previsões são mais pessimistas e não são raros os especialistas que acham possível um déficit comercial, o que não acontece desde o ano 2000. Os últimos anos deram seguidos sinais de piora nos termos de troca, com uma pauta de exportações e um leque de parceiros comerciais cada vez mais limitados. O resultado comercial de setembro, o pior para o mês desde 1998, foi o mais recente deles. O saldo do ano vinha negativo até agosto, quando virou positivo em US$ 249 milhões. Mas a recuperação não se sustentou. Mesmo com um câmbio mais favorável às vendas externas, a balança comercial teve déficit de US$ 939 bilhões em setembro, com queda de 10,2% das exportações e aumento de 4% das importações em comparação com igual mês de 2013, levando para o vermelho o saldo do ano, que ficou negativo em US$ 690 milhões.
Os problemas que frustraram os resultados de setembro devem persistir nos próximos meses, dificultando a recuperação. Um deles é a retração do mercado argentino, que causou a queda de 8% nas exportações de manufaturados, puxada por automóveis de passageiros, óleos combustíveis, veículos de carga, autopeças e motores.
A Argentina é um dos principais parceiros comerciais do Brasil. Foi o terceiro maior mercado das exportações brasileiras de janeiro a setembro, depois da China e dos Estados Unidos, absorvendo cerca de 6% do total vendido ao exterior. O próprio governo brasileiro estima que a situação no país vizinho é responsável por 77% da queda das exportações de manufaturados, que está em 7,1% no acumulado do ano por média de dia útil. Não se espera uma recuperação da Argentina a curto ou médio prazo.
Outro problema com tendência de médio prazo é a queda dos preços das commodities, responsável pelo recuo de 15,1% nas exportações de produtos básicos em setembro em relação ao mesmo mês de 2013. Treze das 23 commodities mais exportadas pelo Brasil registraram preços mais baixos na mesma base de comparação. O minério de ferro caiu 30%; o milho, 17,7%; óleos combustíveis, 12,3%; celulose, 9,7%; açúcar refinado, 8,2%; algodão, 6,2%; e a soja, 5,6%.
Com a economia chinesa crescendo menos e outros países importantes em desaceleração e safras agrícolas expressivas nos Estados Unidos e Brasil, a expectativa é que as commodities, que representam cerca de 65% da pauta brasileira de exportações, continuarão com os preços deprimidos por algum tempo.
O cenário é um pouco mais favorável para o petróleo. A importação brasileira de petróleo e derivados saltou 46,4% em setembro e foi uma das principais responsáveis pelo déficit do mês. A expectativa do governo é que o movimento se inverta neste último trimestre do ano, com as exportações superando as importações.
A notícia chega, porém, em um momento em que a cotação internacional do petróleo está em franca baixa. Desde junho, a commodity já caiu 25%. A sinalização do Oriente Médio de que a produção continuará elevada derrubou as cotações para os níveis mais baixos em quatro anos e a perspectiva é que a tendência se manterá no próximo ano.
Chega tarde a decisão do governo de colocar em vigor, com uma alíquota de 3%, o Reintegra, programa que devolve ao exportador uma fatia das receitas com vendas externas. A alíquota atual era de 0,3% e iria passar a 3% em 2015. A elevação foi antecipada para incentivar exportadores. A medida deve capitalizar as empresas, mas pouco impacto terá na balança comercial deste ano.
A Associação de Comércio Exterior do Brasil (AEB) já estima que o fluxo de comércio exterior do país deve encolher 5,5% neste ano, a maior queda desde 2008, quando houve uma contração de 24% causada pela crise internacional. De janeiro a setembro, a corrente de comércio havia caído 2% em comparação com igual período de 2013, para US$ 347,96 bilhões. Acrescentando-se, porém, as duas primeiras semanas de outubro ao período de comparação, a queda sobe para 2,9%. (Valor Online – 15/10/2014)

Pequenos exportadores estão mais otimistas
O estudo da empresa de gestão de logística Sage mostrou que 66% dos pequenos e médios empresários do País têm expectativa de elevar receita de vendas externas nos próximos 12 meses
Paula Salati
SÃO PAULO - As pequenas e médias empresas (PMEs) brasileiras estão mais otimistas com relação às vendas externas nos próximos meses. E os Estados Unidos devem ser o principal alvo de expansão de mercado.
Foi o que constatou um estudo da empresa de software de gestão Sage , o Index Business. De acordo com estudo, 66% dos pequenos e médios empresários do País esperam crescimento da receita vinda das exportações nos próximos 12 meses. Além disso, a expectativa deles é de aumento de 4,3% no volume de negócios com outros países.
O índice brasileiro veio superior ao resultado médio global. Cerca de 54% dos executivos de 18 países disseram ter expectativa de elevar as vendas externas.
O estudo mostrou também que os Estados Unidos são o principal mercado para o qual as empresas nacionais devem expandir volume de exportação. E, logo depois, vem o mercado argentino.
Além disso, para 17% das empresas o nível de exportações aumentou no último ano e as vendas ao exterior estão representando, em média, 18% de seu faturamento.
No Brasil, o levantamento foi feito com 890 empresários, entre os dias 9 de julho e 29 de agosto deste ano.
Mercado interno
O CEO da Sage, Jorge Santos Carneiro, diz que a boa expectativa das PMEs parte de uma falta de confiança no mercado interno e espera de melhora nas economias globais.
O presidente do Conselho Brasileiro das Empresas Comerciais Importadoras e Exportadoras (Ceciex), Roberto Ticoulat, afirma ter a mesma percepção. De acordo com ele, a menor atividade econômica tem feito com que as empresas passem a se voltar ao mercado externo. "Os EUA estão crescendo acima do que os economistas estavam projetando. E é dado consolidado que eles são o país que irá puxar o crescimento econômico mundial mais adiante. Então, com os EUA crescendo 4% ao ano, isso abre portas para as nossas exportações, principalmente, de manufaturados", diz o presidente da Ceciex.
O CEO da Sage esclarece que os pequenos e médios empresários do País estão otimistas mesmo com projeção de queda nas vendas externas em 2014 e redução nas exportações para a Argentina.
Ele explica que o desempenho das grandes empresas acaba tendo um peso maior nos dados oficiais. "São as exportações das grandes empresas que estão caindo", diz ele, ressaltando que as PMEs têm pouca participação no total das vendas externas do País.
Carneiro acrescenta que parte dos empreendedores já está iniciando negócios com vista no mercado internacional. "De todas as empresas brasileiras que nós entrevistamos cerca de 36% já fazem negócios com outros países", diz.
Ticoulat acrescenta que, outros fatores como maior incentivo ao exportador e perspectiva de câmbio favorável às vendas externas, também ajudam na boa expectativa dos empresários do País.
Ele cita o anúncio feito pelo governo, no final de setembro deste ano, antecipando o benefício do Reintegra para outubro. O incentivo garante retorno de 3% das vendas externas de manufaturados, por meio de créditos tributários.
Para o presidente do Ceciex, os empresários estão mais otimistas com os incentivos aos exportadores que o governo tem sinalizado, mesmo que tardiamente, na análise dele.
Ticoulat cita também o pacote que o governo deve anunciar, antes do segundo turno eleitoral, que pretende unificar e simplificar tributos como o Programa de Integração Social (PIS) e a Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins).
Para ele, os dois candidatos à reeleição presidencial, Dilma Rousseff (PT) e Aécio Neves (PSDB), mostraram disposição em simplificar tributos, o que tem criado expectativas positivas aos empresários.
"Qualquer que seja o governo, o Brasil vai se abrir mais ao comércio exterior", reafirma o presidente da Ceciex.
Mudanças
No Index Business, foi constatado também que para 35% dos empresários brasileiros alterar as leis é prioridade para fomentar o comércio exterior. Além disso, 32% deles afirmam que deveriam receber mais apoio financeiro para exportar. Cerca de 14% afirmam receber incentivo do governo para promover suas vendas externas. (DCI – 14/10/2014)

O Brasil nos próximos quatro anos
Rubens Barbosa
No dia 26 a sociedade brasileira vai decidir o que deseja para o Brasil nos próximos quatro anos. Muito será discutido e escrito sobre o impacto que o resultado da eleição vai ter sobre a economia e sobre a melhoria da qualidade dos serviços na educação e na saúde. Alguns vão pensar na sustentabilidade e poucos se vão preocupar com o papel que o Brasil deveria desempenhar na cena regional e global.
O presidente da República é o comandante-chefe das Forças Armadas e o responsável pela voz do Brasil no cenário internacional. Ao tratar da reação de militares a pedido de desculpas pelas violências ocorridas durante o regime autoritário, escutamos a chefe de governo dizer que "quem não quiser pedir desculpas que não peça". Uma surpreendente reação de quem se espera comando firme. Quase ao mesmo tempo, perplexos, ouvimos em entrevista recente nas Nações Unidas, pela sua voz mais alta, que lamenta profundamente os bombardeios para conter um dos grupos terroristas mais violentos do mundo, deixando implícita, como alternativa, a negociação, como se isso fosse possível.
Nos últimos anos uma série de equívocos arranharam a credibilidade do Brasil e puseram em evidência, de forma negativa, a diplomacia como a expressão da projeção externa do País no mundo.
Os exemplos multiplicaram-se: a omissão do Brasil no conflito entre a Rússia e a Ucrânia e em relação à guerra civil na Síria; o desprezo pelas violações dos direitos humanos na região e em outros países, aos quais abrimos as portas do BNDES com empréstimos generosos que, em alguns casos, são depois perdoados com custo para o Tesouro Nacional; atuamos com baixo perfil, ao invés de apresentarmos uma liderança clara nas discussões sobre sustentabilidade e mudança de clima. Em nosso entorno geográfico, assistimos ao prejuízo para o Brasil pelo imobilismo do Mercosul, que marginalizou nosso país da negociação de acordos comerciais e do acesso às cadeias produtivas. A perda de iniciativa no processo de integração regional colocou o Brasil como caudatário de uma agenda que não é a nossa. A ausência de um pensamento estratégico na integração física na América do Sul impediu a abertura de corredores de exportação de produtos nacionais pelos portos do Pacífico para a China, nosso principal parceiro comercial. E viu-se o abandono das empresas exportadoras brasileiras pela ausência de uma defesa mais firme de nossos interesses nos mercados da Argentina e da Venezuela em nome de afinidades ideológicas.
Tratar temas internacionais complexos com a mesma ligeireza e o mesmo populismo com que são conduzidas as questões internas é receita fácil para criar problemas. A influência partidária, acima dos interesses nacionais, explica equívocos inexplicáveis, antiamericanismos ingênuos e minguados resultados.
O Itamaraty, marginalizado, perdeu o papel central de principal formulador e executor da política externa. Há 77 novos postos, a maioria no Caribe e na África, um crescimento de 50%. A rede no exterior, hoje com 227 postos, está superdimensionada e na sua totalidade, subutilizada; toda a rede de postos deve estar operando a mais ou menos 60% de sua capacidade de funcionamento. A drástica redução de recursos financeiros, que em 2014 representam 0,16% do Orçamento-Geral da União, impede uma administração eficiente, com grave dano à ampliada representação externa do País; o aumento dos quadros diplomáticos criou problema de fluxo de promoções, gerando insatisfação. Diplomatas em todos os níveis estão desestimulados e exasperados pela falta de perspectiva para suas carreiras e para seu trabalho no Brasil e no exterior. Os mais jovens protestaram em carta ao ministro das Relações Exteriores contra anomalias no Itamaraty. Agora se noticia, sem desmentido oficial, que o governo estuda modificar a legislação para permitir a nomeação de pessoas de fora da carreira, sem qualificação, para cargos em comissão do Ministério das Relações Exteriores, seguindo o exemplo da Venezuela. Para completar o processo de esvaziamento da Chancelaria, por decreto presidencial, considerado inconstitucional, vai ser criado conselho, em representação da sociedade civil, com poderes para interferir na formulação e na execução da política externa.
Nunca antes na História deste país o Itamaraty foi tão desprestigiado. Um dos símbolos do Estado brasileiro, a Casa de Rio Branco vive uma das crises mais graves de sua história e deixa de servir, em muitos casos, aos interesses permanentes do País. As virtudes profissionais que marcaram a tradição do Itamaraty foram abandonadas pela política externa, sem rumo e partidarizada. A candidatura brasileira ao Conselho de Segurança da ONU soa hoje como um sonho cada vez mais distante.
É difícil entender a lógica do sucateamento do Itamaraty e o desprezo do atual governo pela política externa, pois isso enfraquece o Brasil. Pela política externa é que a voz do Brasil é ouvida e por meio dela qualquer governo se manifesta na defesa dos nossos interesses concretos, tanto na área política quanto na comercial. Nos próximos quatro anos, a importância da área externa vai aumentar e não se pode mais ignorar o que acontece com a atitude da presidente em relação ao Itamaraty e o impacto disso na postura do Brasil na cena internacional.
Será que o que desejamos para o Brasil no próximo governo é a continuação dessa situação de desprestígio e de baixos resultados de sua diplomacia? Vamos continuar a apoiar um califado bolivariano?
As propostas de governo de Aécio Neves - moderadas e focadas na defesa do interesse nacional - recolocarão a política externa no seu leito normal, com continuidade e renovação constante, livre da influência partidária. (O Estado de SP – 14/10/2014)

Outubro apresenta superávit de US$ 140 milhões
Brasília – Com oito dias úteis (1º a 12), a balança comercial das duas primeiras semanas de outubro fechou com saldo comercial positivo de US$ 140 milhões (média diária de US$ 17,5 milhões). O valor é resultado da diferença entre exportações de US$ 6,752 bilhões (média diária de US$ 844 milhões) e importações de US$ 6,612 bilhões (média diária de US$ 826,5 milhões). No período, a corrente de comércio foi de US$ 13,364 bilhões (média diária de US$ 1,670 bilhão).
Na comparação pela média diária, as exportações mensais diminuíram 14,9% em relação à média de outubro de 2013 (US$ 992,2 milhões). Houve queda nas exportações de produtos manufaturados (-26,1%) por conta de automóveis de passageiros, aviões, motores para veículos e partes, máquinas para terraplanagem, autopeças, e motores para veículos. Entre os básicos (-14,2%), o recuo foi devido, principalmente, a minério de ferro, farelo de soja, milho em grão e soja em grão. Por outro lado, cresceram as vendas de semimanufaturados (19%), com aumentos de ferro fundido, açúcar em bruto, ferro-ligas, celulose, e couros e peles.
Em relação a setembro último (média diária de US$ 891,7 milhões), as exportações decresceram 5,3%, devido à redução nas vendas de produtos básicos (-15,3%), enquanto cresceram as exportações de semimanufaturados (18,5%) e manufaturados (0,1%).
Nas importações, a média de outubro ficou 17,5% abaixo da média de outubro do ano passado (US$ 1,002 bilhões) e 11,5% inferior à de setembro deste ano (US$ 934,4 milhões). No comparativo com outubro de 2013, diminuíram as compras, principalmente, de combustíveis e lubrificantes (-43,2%), veículos automóveis e partes (-32,1%), equipamentos mecânicos (-17%), e siderúrgicos (-13,1%). Em relação a setembro passado, houve queda nas aquisições, principalmente, de combustíveis e lubrificantes (-44,4%), adubos e fertilizantes (-12,6%), veículos automóveis e partes (-10,1%), e siderúrgicos (-7,8%).
Ano
De janeiro à segunda semana de outubro deste ano (196 dias úteis), as vendas ao exterior somaram US$ 180,387 bilhões (média de US$ 920,3 milhões). Na comparação com a média diária do período equivalente de 2013 (US$ 951,7 milhões), as exportações retrocederam em 3,3%. As importações foram de US$ 180,941 bilhões, com média diária de US$ 923,2 milhões. O valor está 2,6% abaixo da média registrada no período correspondente de 2013 (US$ 947,6 milhões).
No acumulado do ano, o saldo da balança comercial está deficitário em US$ 554 milhões, com resultado médio diário negativo de US$ 2,8 milhões. No período equivalente de 2013, o saldo era positivo em US$ 812 bilhões, com desempenho diário de US$ 4,1 milhões. A corrente de comércio soma, em 2014, US$ 361,328 bilhões, com desempenho diário de US$ 1,843 bilhão. O valor é 2,9% menor que a média aferida no período correspondente do ano passado (US$ 1,899 bilhão). (MDIC – 13/10/2014)

Balança registra superávit nas duas primeiras semanas de outubro
Por Lorenna Rodrigues | Valor
BRASÍLIA - A balança comercial brasileira registrou nas duas primeiras semanas de outubro superávit de US$ 140 milhões. De acordo com dados divulgados pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (Mdic), as exportações até ontem somaram US$ 6,752 bilhões, enquanto as importações totalizaram US$ 6,612 bilhões no mês.
Na primeira semana, o saldo registrado foi positivo em US$ 236 milhões, enquanto a segunda semana foi de déficit de US$ 96 milhões.
No ano, o saldo comercial brasileiro acumula déficit de US$ 554 milhões, resultado de exportações que somam US$ 180,387 bilhões e importações de US$ 180,941 bilhões.
Na análise pela média diária, as exportações até a segunda semana de outubro caíram 14,9%, na comparação com o registrado em outubro do ano passado. Segundo o ministério, isso é resultado da queda nas vendas de manufaturados (-26,1%), principalmente automóveis, aviões motores para veículos e partes. As exportações de produtos básicos caíram 14,2%, enquanto as vendas de semifaturados subiram 19%. Ante a setembro, houve queda nas exportações em 5,3%.
Já nas importações, a média diária até a segunda semana de outubro foi 17,5% inferior da registrada no mesmo mês do ano passado. Caíram as compras de combustíveis e lubrificantes (43,2%), veículos automotores e partes (32,1%) e equipamentos mecânicos (17%). Em relação a setembro, houve retração de 11,5% nas importações. (Valor Online – 13/10/2014)

Fluxo comercial do Brasil deve cair 5,5% este ano, projeta AEB
Soma de exportações e importações será a pior desde 2008, em plena crise
BRASÍLIA - A Associação de Comércio Exterior do Brasil (AEB) prevê uma queda da corrente de comércio - soma das exportações e importações - em 2014 em torno de 5,5%, que, se confirmada, será a maior redução desde 2008, quando o fluxo comercial, já afetado pela crise financeira global, caiu em torno de 24%. Embora pouco abordada na divulgação da balança comercial brasileira, a corrente de comércio é considerada fundamental para medir a saúde da economia de um país.
— É a corrente de comércio que gera desenvolvimento econômico. Superávit e déficit são consequência. Não é apenas exportar pouco que é ruim. Importar pouco também é péssimo, pois reflete a baixa atividade econômica — diz o presidente da AEB, José Augusto de Castro.
Nos nove primeiros meses deste ano, a corrente de comércio do Brasil somou US$ 347,960 bilhões, uma queda de 2% ante o mesmo período de 2013. Também se verifica redução do fluxo em 12 meses: de outubro de 2013 a setembro de 2014, foram US$ 472,857 bilhões, valor 1,3% inferior ao do período anterior.
Dados do Sistema Integrado de Comércio Exterior (Siscomex) mostram que, de janeiro a setembro de 2014, à exceção dos Estados Unidos, cujos negócios com o Brasil cresceram 2,7%, a corrente de comércio caiu para os principais mercados. Como China (5,7%), Argentina (21,6%) e União Europeia (5,4%).
Segundo técnicos do governo, o quadro difícil da economia global explica a queda na corrente de comércio brasileira. A recuperação dos EUA é um dado positivo, mas o marasmo econômico na Europa e a crise na Argentina preocupam. (O Globo – 13/10/2014)

Capital estrangeiro reduz apetite por novos investimentos produtivos no país
Por Tainara Machado | De São Paulo
Apesar dos números ainda robustos de investimento estrangeiro direto em 2014, os anúncios de novos projetos de empresas estrangeiras no Brasil diminuíram significativamente a partir de 2011, com queda mais acentuada entre janeiro e junho deste ano. Essa desaceleração pode resultar em redução do ingresso de recursos produtivos no país nos próximos anos, segundo levantamento da Sociedade Brasileira de Estudos de Empresas Transnacionais e da Globalização Econômica (Sobeet) obtido com exclusividade pelo Valor.
Em 2011, foram anunciados US$ 163,6 bilhões em novos projetos, que começariam naquele ano e terminariam de ser executados nos períodos seguintes. O número caiu para US$ 65,3 bilhões em 2012 e US$ 62,6 bilhões em 2013. Neste ano, de acordo com dados disponíveis até junho, os anúncios somaram US$ 26,2 bilhões, pouco mais de US$ 50 bilhões se o desempenho na segunda metade do ano repetisse os primeiros seis meses de 2014. O levantamento tem como base dados da Rede Nacional de Informações sobre o Investimento (Renai), do Ministério do Desenvolvimento.
A pesquisa ainda mostra que o tempo de maturação desses projetos está sendo encurtado, nota Luis Afonso Lima, presidente da Sobeet. O tempo médio de duração dos empreendimentos, que era de 2,1 anos entre 2010 e 2012, passou para 1 ano e 6 meses, na média entre 2013 e o primeiro semestre deste ano. "Os projetos que tinham início em 2010 e 2011 eram maiores e no geral se referiam mais à implantação de novas fábricas, tendência que se inverteu", observa Lima. Entre 2010 e 2012, 44% dos anúncios de investimento seriam destinados para implantação de novos negócios no país, como a montadora de automóveis franco-japonesa Nissan, a cadeia de hotéis espanhola NH Hoteles e a rede de cinemas mexicana Cinepolis.
Entre 2013 e 2014, esses aportes passaram a representar 34% do total. Por outro lado, ganharam importância os investimentos em modernização e expansão, que subiram de 32,5% do total para 38,6% entre os dois períodos. "A busca pela ampliação da competitividade parece estar guiando esse processo, principalmente em um cenário em que o mercado interno desacelera e as empresas passam a voltar a pensar na importância da exportação", diz.
Com menor necessidade de capital para fazer frente a este novo cenário de negócios, Lima não descarta que o ingresso de Investimento Estrangeiro Direto, medido pelo Banco Central, perca fôlego nos próximos anos. Até agosto, o país foi destino de US$ 42 bilhões em investimentos produtivos, 7,8% a mais do que em igual período de 2012. Com menos investimentos anunciados para este ano e prazo menor de duração desses projetos, esse volume pode cair ao longo dos próximos anos, o que é um risco para um país que tem déficit em transações correntes superior a US$ 80 bilhões, avalia Lima.
Pesquisa da Câmara de Comércio França-Brasil de São Paulo (CCFB-SP), divulgada na semana passada, também indicou perda de apetite dos empresários franceses por investimentos no Brasil. No ano passado, 470 empresários franceses entraram em contato com a entidade para levantar informações sobre o funcionamento do mercado doméstico. Neste ano até junho, foram 161 pedidos de dados, equivalente a 34% do total de solicitações recebidas em 2013. O setor de serviços continua a ser o mais demandado, com 34% dos pedidos de informação, segundo a Câmara de Comércio.
O Índice Tendências de Intenção de Investimento (ITII), calculado pela Tendências Consultoria com base em anúncios de projetos e aportes pelo setor privado, mostra característica semelhante. "Os setores que mais anunciaram investimento no período recente estão relacionados à orientação do crescimento brasileiro, mais voltados para o consumo, como comércio varejista e setor automobilístico", afirma Rodrigo Baggi, economista da consultoria responsável pelo índice. Em 2014, porém, não houve nenhum setor que aparecesse como destaque positivo, já que os anúncios estão perdendo fôlego.
A Tendências considera todos os investimentos divulgados, sejam de empresas de capital brasileiro ou estrangeiro. No primeiro semestre, foram 423 anúncios, alta de 61% em relação ao primeiro semestre de 2013. A base de comparação, porém, é baixa, já que a quantidade de projetos divulgados em 2013 foi 42,5% menor do que nos primeiros seis meses de 2012. Por outro lado, o valor dos investimentos anunciados neste ano caiu 25,8%, para R$ 146 bilhões, segundo dados deflacionados pelo IGP-M, sempre de acordo com estatísticas disponíveis até junho. O valor também está bem abaixo do anunciado no primeiro semestre de 2010 (R$ 287 bilhões).
"O valor médio dos projetos está diminuindo, o que tem relação direta com a duração do investimento, que também parece estar se reduzindo. As empresas parecem mais focadas no crescimento orgânico", diz Baggi. A aposta em grandes empreendimentos, neste momento, está bem mais moderada, avalia. O economista afirma que o cenário internacional, com redução do ritmo de crescimento na China e na União Europeia, ajuda a explicar estes números, mas não é o único fator a emperrar o investimento.
Para Baggi, o índice é um bom sinalizador da confiança dos empresários, que está em baixa por problemas domésticos, como percepção de que há uma postura mais intervencionista do governo. É também um antecedente relevante da direção esperada para a Formação Bruta de Capital Fixo (medida das contas nacionais do que se investe em máquinas e equipamentos e na construção civil). Por enquanto, a expectativa da Tendências é de retração de 6,3% neste ano para essa variável. (Valor Online – 13/10/2014)

 
Abinee - Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica

Escritório Central: Avenida Paulista, 1313 - 7º andar - 01311-923 - São Paulo - SP
Fone: 11 2175-0000 - Fax: 11 2175-0090