DRI Clipping Semanal nº 49 - 08 a 12/12/14

Acordos


Veja mais

Afinan hoy agenda en Mercosur
El Consejo de Mercado Común (CMC), sección nacional, se reúne esta mañana en la Cancillería para afinar los temas de nuestro país en la XLVII Cumbre del Mercosur, que se realizará el 16 y 17 de diciembre en la ciudad de Paraná, Argentina. Participarán de la reunión, que será presidida por el canciller Eladio Loizaga, el ministro de Hacienda, Germán Rojas; de Industria y Comercio, Gustavo Leite, y el presidente del Banco Central, Carlos Fernández.
Loizaga informó ayer que “se tienen que tomar definiciones” de los temas pendientes en el bloque regional. Consultado qué se puede adelantar sobre los pedidos comerciales del Paraguay a ser estudiados, dijo que “no se puede adelantar”, pero se “espera que sean favorables”. Las cinco solicitudes económico-comerciales son el establecimiento de zonas francas, las normas de origen, exportación temporaria, excepciones, entre otros.
Condecoración
El Gobierno distingue hoy con la Orden Nacional del Mérito, en grado de José Falcón, al embajador de Colombia, Édgar Cely Núñez, por término de misión. El acto se realizará a las 11:00, en la Cancillería. (ABC Color – 12/12/2014)

Rússia e Índia se aproximam
Rússia e Índia assinaram ontem acordos nas áreas de defesa, petróleo e energia nuclear, durante encontro entre o presidente russo, Vladimir Putin, e o premiê indiano, Narendra Modi, em Nova Déli (foto). Os acertos ocorrem no momento em que Moscou sofre as consequências da queda dos preços do petróleo em meio a um ambiente econômico já deteriorado por sanções impostas pelo Ocidente por conta da crise ucraniana. Entre os pontos negociados estão a construção de 12 reatores nucleares na Índia pela estatal Rosatom e o fornecimento de petróleo russo por dez anos ao país. Também foi acertada a montagem de 400 helicópteros russos por ano na Índia. (Valor Online – 12/12/2014)

Empresarios brasileños empiezan a dudar del Mercosur
En un país con las ambiciones exportadoras de Brasil los datos de los últimos años son preocupantes: desde 2011 el comercio de este país con el resto del bloque, Venezuela, Argentina, Uruguay y Paraguay, no dejó de caer.
Mercosur y Alianza del Pacífico analizan mayor integración
Sao Paulo.- Las dificultades que vive el Mercosur, con una caída superior al 15% en el comercio este año entre Argentina y Brasil, así como la crisis en Venezuela, provocan serias dudas acerca de su viabilidad entre sectores brasileños.
En un país con las ambiciones exportadoras de Brasil, que asume la presidencia del bloque el día 17, los datos de los últimos años son preocupantes: desde 2011 el comercio de este país con el resto del bloque (Venezuela, Argentina, Uruguay y Paraguay) no dejó de caer.
Y si en 2011 la balanza comercial alcanzó los 47,000 millones de dólares, se espera que en 2014 apenas logre los 38,000.
Lo más preocupante es sin duda la caída de más de una sexta parte del comercio con Argentina, a lo que hay que añadir la serie de impagos a aerolíneas y suministradores de insumos brasileños en Venezuela.
“Inicialmente, el Mercosur (Mercado Común del Sur) fue una buena idea, porque hay complementariedad entre las economías”, explicó a Notimex Adriano Pires, profesor de Economía en la Universidad Federal de Río de Janeiro y reputado economista liberal.
Sin embargo, “¿cómo se puede pensar que hoy se pueden concluir acuerdos comerciales con países como Venezuela o Argentina? Es una fantasía porque no se cumple nada de lo firmado”, expuso.
“La figura del Mercosur desapareció. El gran debilitamiento fue consecuencia de la politización y de los graves problemas económicos y políticos en Argentina o Venezuela”, añadió Pires, quien también dirige el Centro Brasileño de Infraestructura (CBIE).
Con un aporte superior al 75% del Producto Interior Bruto (PIB) del Mercosur, Brasil es el gran gigante del bloque comercial y aduanero.
La industria brasileña, acaso la que más sufre la desaceleración económica de la séptima economía mundial, es la que más preocupación percibe en el estancamiento del comercio con el bloque.
En particular porque a causa de los acuerdos en el marco del Mercosur, los productores no pueden abrir nuevos canales de comercio a otros países o bloques con tarifas reducidas.
“Vemos al bloque como importante, pero creemos que tiene que haber una manera de caminar dentro de las necesidades de la industria”, dijo en noviembre pasado el director de desarrollo industrial de la poderosa Confederación Nacional de Industria (CNI), Carlos Abijaodi.
Agregó que “Brasil necesita acuerdos no sólo con Estados Unidos, sino también con la Unión Europea y otros bloques”.
De esta forma se refería a la presión para que la presidenta reelecta Dilma Rousseff, cuya política comercial exterior es criticada por su inactividad, negocie con el Mercosur una flexibilización de los acuerdos.
Estos acuerdos impiden a Brasil concluir cualquier tratado de libre comercio con una tercera parte sin el visto bueno de sus socios del bloque sudamericano.
El nuevo ministro de Desarrollo, Industria y Comercio Exterior, Armando Monteiro, dijo en su primera comparecencia que la prioridad es “eliminar obstáculos” para lograr acuerdos comerciales con Europa y otros bloques, como la Alianza del Pacífico.
“Necesita ajustes”, dijo en referencia al Mercosur, al reflejar el malestar de Brasil por los datos comerciales en tendencia a la baja, que probablemente provocarán que el país sudamericano cierre el año –por primera vez desde el año 2000- con déficit comercial. (El Economista – Mexico - 10/12/2014)

EU, Brazilian companies push for a bilateral trade deal
With fresh new executives in Brussels and Brasilia, there is a window opportunity for relaunching negotiations between the European Union and Brazil to reach a bilateral trade and investment agreement, business leaders said in a survey.
In a poll conducted by the EUBrasil Association, international companies indicated that a free trade agreement should be the priority for the new Juncker Commission.
CEOs of 27 leading companies involved in trade between the two partners said that the elimination of tariffs is still important, but no longer a priority, as regulations are the main barriers to the development of business and trade between the two blocs.
“The negotiations between EU and US to conclude the TTIP are about to accelerate. This process aims at the creation of a new system of rules for investments and trade of goods and services that will surely be imposed to the rest of the world,” said Professor Alfredo Valladão, from the Paris Institut d’Etudes Politiques and president of EUBrasil Advisory Board.
“It is time for Brazil and its manufacturing sector to get involved in this debate, in order to avoid being marginalised by the extremely fast emergence of a new global economic paradigm and its regulations. This would be a damaging situation for the interests of both Brazil and EU,” he said.
Among the main burdens highlighted by companies, top of the list is the complicated process for approval of environmental licenses. Business leaders also mention some well-known problems, including the lack of transparency on auction procedures, lack of regulatory predictability, local content requirements, including for government procurement, and the barriers to trade in services in several sectors, such as telecommunications, insurance and maritime transportation.
“The European Commission should work in partnership with Brazil’s government to build a permanent dialogue to improve regulations in order to strengthen the financial and economic bi-lateral ties,” said Luigi Gambardella, president of EUBrasil.
Mercosur’s slow moving
The business push comes at a time when Brazil is about to take the leadership of the South Amercian trading bloc, Mercosur, in 2015.
Fifteen years after talks between the EU and Mercosur were first launched in 1999, both sides have missed self-imposed deadlines to swap offers for opening markets in a pact that would encompass 750 million people and $130 billion in annual trade.
After a five year break, talks were resumed in 2004, with the goal of exchanging proposals by the end of 2013, which was missed too.
Once the EU and Mercosur exchange their proposals for a free trade agreement, negotiations will 'move fast' and the deal should be closed sometime in 2015, according to EU ambassador in Montevideo, Juan Fernandez Trigo, El Pais reported.
Argentina's unwillingness to come to the negotiating table and the country’s protectionist move to defend domestic industry and rein in imports has become a great obstacle for the negotiations.
"We're in the midst of that traffic, which is receiving each other's proposal and from that moment onwards I believe negotiations will move fast," said Trigo.
“We expect that the Mercosur proposal on tariffs reduction will be on terms agreed back in 2010 and means that 90% of the universe of goods to the exchanged will be free of tariffs."
At the end of July, four of Mercosur five full members, Argentina, Brazil, Paraguay and Uruguay, agreed on an only joint proposal to be presented to EU countries.
In an op-ed in EurActiv, EUBrasil’s Gambardella said that regardless of Mercosur, EU-Brazil negotiations should move forward.
“There are two possible parallel paths to unlock the current situation. The first is to go ahead with a set of bilateral EU-Brazil agreements on “anything but trade”: rules, standards, SPS, investment, taxation, regulations, business facilitation, the whole arsenal of technical barriers to trade and non-tariff barriers to trade,” he wrote.
This can be done without endangering Mercosur , which would be kept as a negotiating umbrella, and would strengthen the Brazilian hand in promoting the second path: the sequencing of the bi-regional talks, he added.
Timeline:
•June 2015: EU-CELAC (Community of Latin American and Caribbean States) summit in Brussels

< p>•2015: EU-Brazil Summit in Brasilia (EurActiv – 10/12/2014)

Chile defiende en Roma convergencia de Mercosur y Alianza del Pacífico
El embajador chileno en Italia, Fernando Ayala, mencionó que los ámbitos de integración pueden ser "las infraestructuras que favorezcan el comercio interregional, el intercambio energético, y en este sentido el rol de Estado en obras de energía que permitan una interconexión".
Chile defendió hoy en Roma avanzar en la convergencia entre el Mercosur y la Alianza del Pacífico y que, pese a las dificultades en materia de aranceles, se debe avanzar en otras formas de integración.
Así lo dijo el embajador chileno en Italia, Fernando Ayala, quien mencionó que los ámbitos de integración pueden ser "las infraestructuras que favorezcan el comercio interregional, el intercambio energético, y en este sentido el rol de Estado en obras de energía que permitan una interconexión".
Ayala habló en la capital italiana en un seminario organizado por el observatorio latinoamericano Mediatrendsamerica.com, en el que dijo que otras áreas de integración posible pasan por "la internacionalización de las pymes, en la aportación de valor a los productos que se realicen, así como la unificación de formularios".
El embajador chileno recordó que la presidenta Michelle Bachelet dijo el mes pasado que "el rostro de América Latina integrado tendrá mucha más fuerza y presencia en el concierto internacional a que siguiéramos negociando cada uno individualmente".
El embajador Ayala recordó que la iniciativa celebrada en Santiago buscó cerrar la brecha existente, partiendo del hecho que Mercosur es una unión aduanera, mientras que Alianza del Pacífico es una unión comercial.
"La convergencia de estos dos grandes bloque pueden ayudar en el desarrollo económico y con mayor fuerza en el sistema internacional" dijo el embajador.
Ayala recordó también que su país es "una de las regiones del planeta" que tiene factores comunes como el idioma, "pero no basta, y no es tan homogéneo como se pensaba".
"Y tenemos también la zona del Caribe y la gente se olvida que tenemos los idiomas nativos y países como Guyana en donde se habla inglés y Surinam en donde se habla por la calle holandés", recordó el embajador.
El ministro de Relaciones Exteriores de Chile, Heraldo Muñoz, sostuvo el pasado 24 de noviembre sobre la aproximación entre Mercosur y la Alianza del Pacífico que "profundizar la integración no es una opción, es una necesidad y para que ello ocurra es necesario tender puentes entre las distintas iniciativas de integración regional existentes".
El jefe de la diplomacia chilena agregó que si bien "el Mercosur y la Alianza del Pacífico responden a modelos económicos y formas distintas de inserción en la economía, constituyen dos componentes esenciales, cuya convergencia gradual y pragmática otorgaría importantes beneficios a los países integrantes de cada uno de estos bloques".
La Alianza del Pacífico, creada en 2011, está integrada por México, Colombia, Perú y Chile, todos con salida al océano Pacífico.
El Mercosur es una unión aduanera fundada en 1991 y formada en la actualidad por Brasil, Argentina, Uruguay, Paraguay y Venezuela y con Bolivia en proceso de adhesión. (Estrategia Online – 10/12/2014)

PE espera que el Mercosur apruebe pedidos comerciales
El Gobierno paraguayo tiene “moderado optimismo” en que el Mercosur apruebe los cinco pedidos económicos y comerciales reclamados por Paraguay, en la próxima Cumbre de Presidentes del bloque, que se realizará en Paraná, Argentina, la próxima semana.
La expectativa del Gobierno de nuestro país fue ratificada ayer en fuentes diplomáticas y citaron las expresiones del canciller nacional, Eladio Loizaga, quien informó a periodistas la semana pasada que en la XLVII Cumbre de Presidentes del Mercosur, prevista del 15 al 17 de diciembre en la ciudad argentina de Paraná, en un “90% hay consenso” y se aprobarían los pedidos comerciales en el bloque regional.
Efectivamente, el Gobierno paraguayo tiene en carpeta cinco solicitudes económico-comerciales en el bloque regional, como el establecimiento de zonas francas. Estos pedidos ya se habían presentado en la última cumbre del Mercosur en Venezuela, el 29 de julio pasado. Sin embargo, en la reunión de presidentes los pedidos fueron postergados para un “mejor análisis”.
Loizaga adelantó además que a pedido de Brasil, cuyo equipo económico está en transición, los temas que los cinco países presentaron se tratarán en la próxima presidencia del bloque regional, tales como normas de origen, exportación temporaria, excepciones, entre otros (infografía). Estimó que sobre los puntos existen consensos en gran parte, situación que se pudo percibir en la última reunión del Grupo Mercado Común (GMC) en Buenos Aires, el fin de noviembre pasado, considerando que todos los países negocian sus intereses.
El Gobierno también pide la “modificación de la Decisión Nº 58/10”, que se refiere al “mantenimiento por el Paraguay de una Lista Nacional de Excepciones al Arancel Externo Común de hasta 649 códigos”. En este sentido se pide la extensión de plazo porque su vencimiento será en 2019.
El GMC, el ámbito de negociación del Mercosur, retoma sus reuniones el 15 de diciembre, y luego, el 16, dará lugar al encuentro del Consejo de Mercado Común (CMC) que reúne a los cancilleres, ministros de Economía, Industria y bancos centrales. Finalmente, se llevará a cabo la Cumbre de Jefes de Estado del bloque regional el 17. (ABC Color – 10/12/2014)

España quiere acuerdo entre Mercosur y Unión Europea
VERACRUZ (Enviada especial). El Gobierno español manifestó al presidente Cartes su preocupación por la demora en la firma de un acuerdo comercial entre Mercosur y la Unión Europea (UE). Advierte sobre fuertes conversaciones con Estados Unidos y Japón.
Cartes aprovechó la Cumbre Iberoamericana, que se realizó en Veracruz, México, para mantener reuniones bilaterales. El lunes, en horas de la noche (madrugada de Paraguay), se reunió con el jefe de Gobierno de España Mariano Rajoy, posteriormente con el presidente de México Enrique Peña Nieto, y ayer de mañana con el rey Felipe de España.
Las conversaciones entre autoridades paraguayas y españolas giraron en torno a las negociaciones para la firma de un acuerdo de libre comercio entre la UE y el Mercosur, que significará para los países integrantes del bloque regional el ingreso a Europa de productos procedentes de países sudamericanos, con disminución de barreras arancelarias.
El presidente Rajoy advirtió que, en estos momentos, Estados Unidos y Japón están llevando adelante fuertes negociaciones para lograr un acuerdo comercial con el bloque europeo. De ocurrir esto, Paraguay, Argentina, Brasil y Uruguay podrían perder la magnífica oportunidad de vender más y con beneficios al gran mercado europeo. Venezuela, que hoy es socio pleno del Mercosur, está fuera de las negociaciones, pues estas se iniciaron cuando dicho país no formaba parte aún del bloque. Las negociaciones entre la UE y el Mercosur sobre la firma de un acuerdo de libre comercio ya llevan 14 años. Se inició en el 2000, pero se tuvieron pocos avances. (ABC Color – 10/12/2014)

El Mercosur fue “un aprendizaje” para la inserción internacional
El ministro de Exteriores de Brasil, Luiz Alberto Figueiredo, consideró ayer que el Mercosur fue “un aprendizaje” para la inserción del país y sus empresas a nivel internacional, en su intervención en el marco de la Cumbre Iberoamericana de la ciudad mexicana de Veracruz.
Figueiredo se refirió a la cuestión en la sesión plenaria de la segunda jornada de la cita multilateral, dedicada a la innovación.
Este asunto, junto con la cultura y la educación, fueron los temas centrales del encuentro presidencial de Veracruz.
En su discurso el ministro brasileño indicó que “la innovación es un elemento clave del desarrollo sostenible”.
Recordó que “hace pocas décadas el precio de un producto guardaba relación estrecha con el valor del material empleado en la producción, con la mayor apertura de mercados y con el incremento de la competitividad internacional”.
“La globalización aceleró los procesos productivos de los bienes y los servicios, pidiendo generación y aplicación más rápida del conocimiento”, relató.
Así, “elementos intangibles como la propiedad intelectual, el diseño y la investigación científica, capacitación profesional y capacidad de aprendizaje pasaron a determinar el valor de producción y la competitividad de los países”, señaló. En opinión del ministro, “transitamos plenamente hacia una economía global en que el conocimiento es fundamental en la agregación de valor”.
En ese contexto, la creación del Mercosur (Mercado Común del Sur) fue una “etapa de aprendizaje importante para la inserción internacional” de las empresas brasileñas y “garantizar una mayor presencia económica global” de su país, reflexionó Figueiredo.
Dicho bloque fue fundado por Brasil, Argentina, Paraguay y Uruguay en 1991 y recientemente se incorporó Venezuela. Efe (Ultima Hora – 10/12/2014)

El Mercosur debe abrirse y ser más disciplinado, dice experta
La coordinadora de estudios de comercio exterior del Instituto Brasileño de Economía de la Fundación Getulio Vargas, Lía Valls, opinó que el Mercosur es una “camisa de fuerza” para negociar con otros bloques regionales. Dijo que también debe “disciplinarse” y volver a su origen como Unión Aduanera.
“Mercosur es visto como una camisa de fuerza sobre todo en el área de las negociaciones. Entonces debe flexibilizarse, mejorar y que vuelva a la disciplina Mercosur, con una tarifa externa común”, manifestó la analista Lía Valls, quien visitó Asunción para asistir como expositora a un foro de inversiones organizado por la Unión Europea.
La experta de la Fundación Getulio Vargas consideró que este tipo de temas exigirá discusión de los países del bloque, como por ejemplo, bajar los aranceles. “Hay que bajar los aranceles para mejorar la competitividad de la industria”, subrayó. Consultada si el ingreso de Venezuela fue el punto de inflexión de la crisis terminal del Mercosur, respondió que los “problemas no son de ahora” y apuntó a la crisis económica de la Argentina en 1999. Manifestó, además, que el bloque regional dejó “un poco de lado” el proyecto de la Unión Aduanera y agregó que el Mercosur comercial está en una situación difícil de encaminar. “La situación es compleja, hay mucha fragilidad. No hay disciplina clara en el área del comercio. La idea de una Unión Aduanera está en una situación difícil”, aseveró. La Fundación Getulio Vargas, con sede en Río de Janeiro, fue fundada en 1944 con el objetivo de preparar personal calificado para el sector público y privado. (ABC Color – 09/12/2014)

Mercosur lacks discipline and has become a 'straitjacket' for trade negotiations
Mercosur must discipline and return to its origin as a customs union since it has become a 'straitjacket' for negotiations with other regional blocks, according to Lia Valls, foreign trade coordinator at the Brazilian Economics Institute belonging to the prestigious thinktank Getulio Vargas foundation.
“Mercosur has become a straitjacket, particularly when it comes to negotiations with other blocks; it must return to the original discipline, be more flexible with a common external tariff” underlined the Brazilian expert, during a trade conference in Paraguay sponsored by the European Union.
Ms Valls said all these issues must be addressed by the country members of Mercosur, for example in the area of tariffs “since it is crucial to lower tariffs to improve the competitiveness of our industries”.
When asked whether the incorporation of Venezuela (Mercosur fifth full member), Ms Valls said that “the block's problems are not from now” and pointed to the Argentine economic crisis of 1999, when the conversion system (one dollar equivalent to one Peso) collapsed.
“Mercosur is not on the right track, it's won't be easy to put it back on rails, and this is partly because the block left aside the original project of a customs union”.
The Brazilian expert said that the Mercosur group was facing a complex situation, 'of great fragility' and 'there is no clear discipline regarding trade, the idea of a customs union is in a difficult situation'.
Another panelist at the EU sponsored conference, Uruguay's Ernesto Talvi, was equally drastic about Mercosur.
“In its current situation Mercosur is of no use to its members because it is isolated from the world. Brazil must lead a radical policy change so that the region hooks on the new integration geography with the 'mega-treaties'”.
Talvi said that eleven countries of the region have bilateral trade agreements with the US: those from the Pacific Alliance, Central America and the Dominican republic. Another seven have agreements with Canada and looking at Central America and the Pacific you can see a region clearly hooked on to the rich and prosperous north.
”But what about Mercosur? (Argentina, Brazil, Paraguay, Uruguay and Venezuela), we are completely isolated of this trade integration network, so relevant when the US is currently discussing mega agreements with the Pacific and Asian countries, and a another mega transatlantic accord with Europe“, pointed out Talvi.
He added that Mercosur, once and for all must join this new global integration geography of mega-treaties and Brazil must assume the leadership.
Talvi says that there are chances of improving the situation and this is clearly evident in the attitude of Brazil's private sector.
”Only a few years ago the powerful Federation of Sao Paulo industries, which also includes Minas Gerais staunchly defended a protectionist status quo, but today they realize they are being left aside, isolated of relevant agreements, on the margins of global production chains and have changed completely their attitude: now they are demanding greater integration and an open markets' policy“, indicated the Uruguayan economist.
Talvi said that the Brazilian private sector could create the necessary dynamics favorable to a greater integration, even when traditionally they have been contrary to such processes.
”But if this happens then small countries like Uruguay and Paraguay that need wide open markets could have better prospects; as small countries we are currently behind this huge wall that has been built by Brazil and Argentina“.
Finally Talvi underlined that in times of trade mega-accords, if Mercosur does not react it will be left aside, isolated with ever more difficult access to markets and ever more distant from these international production and trade networks.
”The Pacific Alliance (Chile, Peru, Colombia and Mexico) is a last generation, I would say state of the art trade agreement and has in a few years managed to create a block in size equivalent to the Brazilian economy but with a great difference: they are open and connected to the rest of the world”. (MercoPress – 09/12/2014)

Cumbre Iberoamericana, con sensibles ausências
Con las ausencias de los mandatarios de Argentina, Brasil, Cuba y Venezuela, la XXIV Cumbre Iberoamericana de Veracruz (este de México) culminó este lunes su primera jornada con llamados a relanzar la decaída influencia del foro y sin menciones a la crisis mexicana por los desaparecidos.
Veracruz, México | AFP | por Carola SOLÉ
La que se presentó como la "cumbre de la renovación" arrancó con una discusión sobre educación y cultura, que incluyó una propuesta para un ambicioso programa de movilidad estudiantil, y seguirá el martes con una mesa de trabajo sobre innovación.
La cita, que reúne a los mandatarios de América Latina y a los de Portugal, España y Andorra, ha venido perdiendo interés desde su nacimiento en 1991 frente a nuevos organismos regionales como la Unión de Naciones Suramericanas (Unasur) o la Comunidad de Estados Latinoamericanos y Caribeños (Celac).
Después de que en la reunión de Panamá de 2013 apenas acudiera la mitad de los 22 mandatarios, estos decidieron que después de la cumbre mexicana -la primera de Felipe de Borbón como rey de España- el encuentro se pase a celebrar cada dos años.
A Veracruz, a unos 400 km de la Ciudad de México, han llegado jefes de Estado y de gobierno de 16 países, pero a la vez han brillado importantes ausencias.
A la inauguración faltaron la argentina Cristina Fernández, la brasileña Dilma Rousseff, el venezolano Nicolás Maduro, el boliviano Evo Morales, el nicaragüense Daniel Ortega y el cubano Raúl Castro, que no ha asistido a ninguna cumbre iberoamericana desde que asumió la presidencia de su país en 2008.
A última hora, el presidente salvadoreño, Salvador Sánchez Cerén, anuló también su asistencia a la sesión del lunes debido a una "leve descompensación" de la que se recupera en Veracruz, según su oficina.
Cumbre que no busca rivalizar
La Cumbre Iberoamericana debe renovarse porque América Latina ahora quiere una relación con la península ibérica "más horizontal, más simétrica, más solidaria y más igual", expresó Rebeca Grynspan, la nueva secretaria general iberoamericana, en la inauguración.
"Lo principal es sumar y no restar, es complementar y no competir (...) No es este un proyecto que quiera sustituir la integración latinoamericana", enfatizó la secretaria.
Si bien en las dos últimas décadas se ha cuadruplicado el Producto Interno Bruto (PIB) de la región y se ha sacado a unos 60 millones de personas de la pobreza, Grynspan resaltó también que América Latina sigue siendo la región más desigual del mundo.
Un plan de movilidad universitaria iberoamericano que, según avanzó el presidente mexicano, podría beneficiar a 200.000 jóvenes hacia 2020 será uno de los principales proyectos de la cita, que también estudiará el reconocimiento de títulos universitarios.
"No existe ninguna universidad latinoamericana entre las 100 mejores del mundo. Iberoamérica es un generador marginal de conocimiento mundial", lamentó el presidente ecuatoriano Rafael Correa en el primer segmento de discusión sobre educación y cultura.
En América Latina "uno de cada cuatro niños y jóvenes no tiene aún la posibilidad de acceder a educación escolar", alertó a su vez el mandatario peruano Ollanta Humala.
Pese a la indignación sin precedentes que vive México, y que se contagió a países de todo el mundo, la presumible masacre de 43 estudiantes a manos de policías corruptos y narcotraficantes no tuvo espacio en el primer día de la cumbre.
El domingo, el presidente mexicano, Enrique Peña Nieto, expresó su pésame a la familia del primero de los 43 jóvenes cuyos restos mortales fueron identificados, pero este lunes él y sus pares eludieron el brutal crimen que ha sumido al mandatario en la peor crisis de sus primeros dos años de gobierno.
Antes del foro, Ollanta Humala se solidarizó con las familias de los estudiantes y expresó su apoyo a Peña Nieto al ser preguntado por periodistas.
Pese al gran despliegue de seguridad en Veracruz, una veintena de manifestantes logró colarse dentro del perímetro restringido de la cumbre pidiendo que se busque a los otros 42 estudiantes y gritando consignas contra Peña Nieto.
Sin pasar por alto que el crecimiento de América Latina se está desacelerando y se prevé que en 2014 crezca sólo un 1,1%, según la Comisión Económica para América Latina y el Caribe (CEPAL), la cumbre también abordará otras problemáticas regionales.
Además de la declaración final, también saldrán de la cita una decena de comunicados especiales, entre ello uno de apoyo a la pronta resolución del proceso de paz en Colombia y otro sobre los niños migrantes, informó la cancillería colombiana.
En la cena de honor, el presidente colombiano, Juan Manuel Santos, ofreció un brindis como próximo país anfitrión del foro y expresó esperanzado: "Confío en que los recibiremos en un país en paz". (La Nacion – 09/12/2014)

Mercosur: ¿del Atlántico al Pacífico?
Debate.Juan Pablo Lohlé
HORACIO CARDO
En estos días la Argentina le pasa la posta de la presidencia del Mercosur a Brasil. El Mercosur ya ha tenido elecciones en Brasil y Uruguay; en Argentina serán a partir de octubre del 2015, es decir que para ese momento ya habrán tres nuevos presidentes en el bloque. Los oficialismos están de parabienes; han ganado tanto Dilma como Tabaré Vázquez. Las campañas electorales, en general, no toman la política exterior como un factor determinante, por ello su influencia en las elecciones es relativa, salvo que las relaciones entre países sean conflictivas y se conviertan en eje de la contienda electoral.
Han surgido en la región voces críticas al Mercosur, tanto en Brasil como en Uruguay. Los partidos opositores se manifestaron a favor de una mayor apertura comercial, una mayor flexibilidad para negociar y respecto a no quedar fuera de los grandes acuerdos que se vislumbran en un futuro próximo. En el Partido de los Trabajadores, liderado por Lula, se ve claramente la posición de seguir avanzando junto con el Mercosur, más allá de los avatares de los países que lo componen. En cambio, hay determinados sectores empresarios de Brasil que cuestionan que no se consigue avanzar en las negociaciones con la Comunidad Europea por diferencias con algunos de sus socios, principalmente con Argentina y Venezuela. Ven un bloque acotado por asimetrías estructurales y buscan ampliarse con los Brics, Asia-Pacifico, y en acuerdos privados con Estados Unidos.
Al Mercosur se lo percibe sin más objetivos trascendentales que cumplir con las agendas intergubernamentales. En sus orígenes existió un ideario y una ilusión que se fue transformando en la rutina burocrática que se desenvuelve en el día a día. Los estados-parte ayudaron a que esto ocurra, atento al mal funcionamiento de algunas de sus instituciones, como el sistema de solución de controversias, los conflictos comerciales, los proyectos inconclusos o nonatos, políticas económicas disímiles, laudos arbitrales que no fueron cumplidos y múltiples excepciones presentadas por las partes.
Hace pocas semanas tuvieron lugar dos reuniones entre el Mercosur y los países de la Alianza del Pacífico, donde se informó y dialogó sobre la posibilidad de buscar la convergencia entre ambos bloques. Se dejaron establecidas las diferencias en cuanto al desarrollo industrial de los países como Argentina y Brasil, que pretenden tener industrias competitivas, frente a la primarización de sus exportaciones a Asia-Pacífico. Es este el caso con China, a quién Argentina le compra bienes provenientes de Brasil, lo cual sucede también a la inversa; los brasileros le compran productos a China que antes le compraban a Argentina. Las reuniones dejaron como saldo avanzar en movilidad de personas, cooperación sanitaria, turismo, infraestructura y exportación de manufacturas. México actuó como vocero, acompañado por Chile, Colombia y Perú. El Mercosur, presidido por Argentina, tuvo su primera reunión luego de Mar del Plata, con un ALCA “reducido”; lo que se pensaba había dejado de existir esta nuevamente presente.
Las preguntas de fondo que debemos hacernos son: ¿Cuál es el balance después de veinte años de entrada en vigor del Tratado de Asunción? ¿Es hora de hacer una reflexión sobre la orientación estratégica del Mercosur, de acuerdo a los cambios que se han producido en el mundo? ¿Existe una mirada común en el Mercosur respecto hacia adónde avanza el mundo y cómo actuamos en ese sentido? Respecto al arancel externo común, ¿cuál es el alcance del compromiso asumido al respecto? Ante eventuales negociaciones con terceros países, ¿cómo afecta el tipo de cambio entre ellos? ¿Qué consecuencias tiene la inflación si para algunos socios llega del 40% al 70% y para otros implica sólo el 6%? ¿Cómo son afectadas las inversiones? ¿La integración productiva supone una visión macroeconómica común o cada estado desarrolla su propio modelo económico? Se argumentó el privilegio de lo político sobre lo jurídico para la incorporación de Venezuela; ¿los tratados internacionales son de las naciones o de los gobiernos? ¿Cómo percibe Venezuela, Paraguay y Uruguay las relaciones entre Argentina y Brasil? El parlamento del Mercosur, ¿qué aporte hará a la mejora del Mercosur en sí? ¿Cuál será el fundamento para ser votado representante?
Cuando Argentina y Brasil, en los años ochenta, iniciaron el proceso de integración, existía el entusiasmo y la mística de una construcción en común pensada por políticos, intelectuales, empresarios, científicos y la sociedad civil. Éste espíritu perdura, pero no se manifiesta en su real dimensión. Los avances que se han producido, como la cuadruplicación de los intercambios, y la continuidad y fluidez de las relaciones mas allá de los conflictos, son poco apreciados. Llegó la hora de hacer un balance y corregir lo que haga falta, continuar con los cambios positivos y, por sobretodo, poner el coraje y la creatividad necesarios de los iniciadores de nuestro particular proceso de integración, donde los socios mayores asuman la responsabilidad institucional frente a sus socios menores, los resultados tengan beneficio recíprocos y las nuevas generaciones tengan a sus vecinos como hermanos para la construcción de un futuro común. Juan Pablo Lohlé, EX EMBAJADOR EN BRASIL (Clarín – 08/12/2014)

Desafios do Brasil em Veracruz
Por José Llorente
Provavelmente ninguém fez tanto pela integração ibero-americana como o recém-falecido Roberto Gómez Bolaños, com seus inesquecíveis personagens Chaves e Chapolin Colorado. Em espanhol ou português, ele conseguiu nos mostrar um pouco da realidade da nossa região em cada uma de suas histórias. E talvez esse seja o ambiente que muitos esperam encontrar no México, sua terra natal, durante a XXIV Cúpula Ibero-americana, hoje e amanhã na cidade de Veracruz.
Mesmo com a Educação e a Inovação como eixos centrais do encontro, o panorama econômico da região para o próximo ano sem dúvida marcará grande parte das discussões. E a participação confirmada de pelo menos 20 presidentes parece endossar ainda mais a importância do debate. No ano passado, no Panamá, um número ainda menor esteve presente.
Porém, esta não será uma discussão fácil em uma Ibero-América que caminha a duas velocidades: de um lado estão os países da Aliança do Pacífico. Chile, Colômbia, México e Peru chegam ao encontro com perspectiva de crescimento que vai desde 2%, no Chile, até os quase 4,8% na Colômbia, de acordo com o FMI, e com a firme intenção de seguir investindo em processos de liberalização econômica. E apoiados por uma economia mexicana revitalizada que prevê um crescimento acima do 3%.
Diante de um cenário tão desigual, o Brasil tem o desafio de dar um passo a frente e assumir o papel de protagonista. O crescimento da região necessita de um "Brasil saudável", em especial diante de um cenário internacional de redução na demanda de matérias-primas.
Do outro lado, o bloco do Mercosul, mais propenso ao protecionismo, chega a Veracruz com um cenário mais pessimista: com exceção do Paraguai e Uruguai (com crescimentos em torno ao 4% e 2,8%, respectivamente), Brasil, Argentina e Venezuela aguardam por um ano difícil. Argentina e Venezuela com números negativos de crescimento, enquanto o Brasil terá que se esforçar muito para superar o 1%.
Entre esses dois blocos, países como a Bolívia, Panamá ou República Dominicana esperam, de acordo com o FMI, crescimentos espetaculares acima de 5%.
Diante de um cenário tão desigual, somado à ausência confirmada de Cristina Kirchner, o Brasil tem o desafio de dar um passo a frente e assumir o papel de protagonista no México. Quer pela simples necessidade de fortalecer os laços comerciais com os seus "vizinhos prósperos", ou porque o crescimento de toda a região necessita de um "Brasil saudável", especialmente diante de um cenário internacional de redução na demanda de matérias-primas.
Mas não é só isso. As melhores perspectivas do México - impulsionado pela recuperação dos Estados Unidos - ameaçam roubar os investimentos que poderiam vir para o Brasil. E o Brasil não se pode dar ao luxo de perder um trem que já avança a uma velocidade maior que a sua.
A presença da Espanha pode ser útil tanto por ser o segundo maior investidor estrangeiro no Brasil, como pela necessidade de viabilizar o acordo entre o Mercosul e a União Europeia. E Veracruz pode abrir novos caminhos.
Como dizem os especialistas, a Espanha saiu do poço mas ainda está no purgatório. Ainda que os sinais de recuperação convidem ao otimismo, o fantasma de 23% de desemprego reflete o fato que, algumas vezes, a economia melhora sem melhorar a vida das pessoas.
Assim, também a Espanha espera que o Brasil seja esse sócio que tanto precisa, para continuar sendo um dos principais destinos da suas empresas, mas também para ter mais e maiores investimentos brasileiros.
Depois de um período de desconfiança, os primeiros sinais do segundo mandato de Dilma Rousseff têm sido bem recebidos pelos empresários no Brasil. Agora essa mensagem deve chegar aos vizinhos da Ibero-América e do mundo. E a cúpula ibero-americana será essa oportunidade.
Mas, junto a estas complexidades econômicas, existe também o desafio político de liderança regional. Com o México atravessando dificuldades institucionais e a própria Espanha em um processo de transição política e econômica, a região requer que a diplomacia brasileira assuma, como já fez no passado, a liderança que lhe corresponde. O Brasil deve ser o grande articulador da região diante dos diferentes blocos e foros internacionais. Isto também é parte do fortalecimento institucional que se espera deste governo nos espaços internacionais. Hoje, mais do que nunca, a diplomacia tem a oportunidade de se consolidar como questão de Estado, acima de qualquer outra questão, social, econômica ou política.
Apesar das complexidades políticas que o país enfrenta hoje, a Cúpula Ibero-americana é a oportunidade que o Brasil tem para colocar em prática o seu compromisso assumido com a inovação e educação. O país é, junto com a Espanha e Portugal, o único da região a investir mais de 1% de seu PIB em pesquisa e desenvolvimento tecnológico. É verdade que deveria (e deve) ser mais, porém é inegável que este é um país de grandes empresários e com uma inesgotável capacidade para inovar. E, em momentos em que as grandes empresas do país se encontram no centro de uma crise provocada por obscuras gestões é importante não esquecer o seu papel como referência para toda Ibero-América.
Manter a constância em ciclos de crescimento depende da capacidade para inovar. Para transformar riqueza em mais riqueza. E se existe uma parte do continente que deseja manter o seu ciclo de prosperidade, existe outra que deseja muito retomá-lo. E no meio está o Brasil, o gigante do qual todos esperam alguma coisa.
Sem dúvida, a Cúpula de Veracruz pode ser o momento esperado para que o país retome o caminho do crescimento e a liderança a partir da educação, da inovação e da integração ibero-americana. Como bem dizia o personagem Chaves "acho que é bem difícil amar inimigos, mas amar os idiotas é quase impossível". (Valor Econômico – 08/12/2014)

Switzerland expects to sign FTA with India soon
From April 2000 to June 2014, Switzerland invested approximately USD 2.85 billion in India, thus becoming the tenth largest investor
Switzerland expects to sign FTA with India soon From April 2000 to June 2014, Switzerland invested approximately USD 2.85 billion in India, thus becoming the tenth largest investor
Bullish about its companies making huge investments in India, Switzerland expects the long-delayed Free Trade Agreement between the two countries to be signed soon. "A lot of progress has been made since formation of new government under leadership of Prime Minister Narendra Modi in India and we are hopeful of signing the agreement soon," Switzerland's Ambassador to India Linus von Castelmur said. "Both the countries have been negotiating on FTA since 2007. The process was delayed due to elections in India earlier this year," Castelmur told PTI in an interview here. Castelmur, who was here to give Swiss Ambassador's Award for 'inspirational and socially responsible leadership' to Wipro Chairman Azim Premji, said the trade between the two countries are on growth path. "From April 2000 to June 2014, Switzerland invested approximately USD 2.85 billion in India, thus becoming the tenth largest investor. "As a large part of foreign direct investment in India, is routed through other countries, the actual direct investment in India is much higher," he said, while pegging the overall Swiss investment inflows into India at above USD 7 billion till June 2014. While the focus with regard to Switzerland mostly remains on suspected black money stashed by Indians in Swiss banks, the trade between two countries remains significant and a large number of companies from the Alpine nation have been present here for years. More than 200 Swiss companies have presence in India through their own subsidiaries and joint ventures. Some of them include Nestle , ABB , Holcim, Clariant and Novartis . Besides, at least 120 Indian firms are present in Switzerland. Many Indian companies carry out business development, client servicing and trading activities from Switzerland and focus on Swiss strength in R&D is steadily gaining interest. India also remains an important market for Swiss Tourism. As per Switzerland government data, Swiss enterprises have created over one lakh jobs in India and the business relations between the two countries go back to 1851. Indian companies invested USD 1.2 billion between 2012 and 2014 in Switzerland, placing it among the top five European investment destinations and top-ten places globally. The Swiss-India bilateral trade nearly tripled from USD 1.6 billion in 2004 to USD 4.5 billion in 2011. However, Swiss exports to India has declined in recent years due to adverse currency rate movements and slowdown in the Indian economy. While Swiss export to India has declined in the first three quarters of 2014, the Indian exports to the Alpine nation continued to soar in 2012 and 2013, as also in the first three quarters of 2014. The major products that Switzerland exports to India include pharmaceuticals, machinery, transport equipments, chemical products and watches. On the other hand, India mainly exports textiles, pearls, jewellery, metal product and agricultural products to Switzerland. (Money Control – 08/12/2014)

No aprendemos la lección
Por Roberto Sosa
Lo que viene ocurriendo en algunos países socios del Mercosur en materia económica debería servirnos de lección para evitar incurrir en los mismos errores y desnudar algunas mentiras sobre los supuestos grandes beneficios de determinados modelos o regímenes. Sin entrar a juzgar cada una de las políticas que siguen en diferentes ámbitos, basta con mencionar algunos pocos indicadores para tener una idea clara de lo que está sucediendo. En este campo la semana pasada fue sumamente provechosa en cuanto a datos.
Los reportes internacionales detallaban, por ejemplo, que la Venezuela de Nicolás Maduro hace tres meses no está reportando las variaciones de precios de bienes y servicios. Lo último que se supo fue que entre enero y agosto el mencionado país llevaba acumulada una inflación del 63,4%. El índice Bic-Mac, como se denomina a una especie de indicador fiable de la variación de precios, revela que el combo más común de la famosa multinacional norteamericana de comidas rápidas tenía un costo de 125 bolívares en setiembre del 2013, sin embargo, en noviembre de este año el costo del mismo combo había trepado a 245 bolívares. Sencillo, el precio ha variado 96% con lo cual se puede concluir que la inflación de ese país fácilmente ronda ese porcentaje.
Se trata de una economía excesivamente dependiente de las importaciones, hasta de productos básicos (basta con recordar la crisis del papel higiénico por el desabastecimiento). Su principal fuente de ingresos es el petróleo cuya cotización internacional en los últimos seis meses pasó de 107 a 67 dólares el barril, lo que representa una reducción del 37%. Así las cosas, el festival de gastos públicos que ha ocasionado un tremendo déficit empieza a convertirse en un gran dolor de cabeza. Venezuela entró en la hiperinflación, el déficit fiscal y la espiral de problemas.
La Argentina de Cristina Fernández está siguiendo un camino similar. Los analistas privados y entidades no gubernamentales que realizan mediciones de precios hablan de una inflación del 40% para este año. El Indec (la oficina gubernamental que mide la variación de precios y realiza encuestas) ha perdido toda credibilidad respecto a sus cifras y los voceros del Gobierno, como el ministro de Economía Axel Kicillof, se desgañitan en asegurar que la inflación no sobrepasará “solo” el 24%. Con repetir y repetir, y hablar de que no hay recesión y que las cosas están bien, las autoridades intentan convencer a los argentinos y el mundo que su política es exitosa. A esto se suma el aumento galopante de los subsidios que desangran al Estado, que hacen que la maquinita de imprimir billetes trabaje sin descanso. Todo en un país donde la presión fiscal llega a casi el 35%, por encima de muchos altamente desarrollados. La demostración de que la mayor presión fiscal no es garantía de mayor crecimiento ni de mayor desarrollo para un país.
En este campo, la reelección de Dilma Rousseff en Brasil por una apretada diferencia ha encendido las luces de alarma. La designación de su futuro ministro de economía es una señal de la necesidad urgente de reorientar el rumbo. Con un déficit fiscal creciente y una inflación fuera del rango meta, fruto de los subsidios y otros gastos excesivos, el gobierno que asume un nuevo mandato el 1 de enero próximo adelantó medidas de ajustes en materia fiscal y monetaria.
El gastado argumento de los defensores de los regímenes como el de Venezuela y Argentina es el éxito de los programas sociales y la mayor redistribución de la riqueza. La verdad es que no hay peor castigo que la inflación, porque golpea fuertemente a los más pobres. Es el más injusto de los impuestos. Todo lo bueno que pudieron haber conseguido en un principio, no servirá de nada de desatarse una crisis económica.
Al parecer, algunas autoridades de nuestro país no han querido aprender la lección. Desde el Poder Ejecutivo, que en su momento tuvo la brillante oportunidad de poner freno y aplicar la poda al festival salarial de las entidades públicas, y no lo hizo, hasta el Poder Legislativo que de nuevo ha aprobado un presupuesto deficitario y populista. Un presupuesto que en el corto plazo pondrá en apuros al Estado, en el mediano forzará un aumento o creación de impuestos, y que finalmente terminará presionando sobre la inflación. Lastimosamente no hemos aprendido la lección. (ABC Color – 07/12/2014)

Mercosur y AP concentran el comercio
La Alianza del Pacífico (Colombia, México, Perú y Chile) y el Mercosur (Argentina, Brasil, Paraguay, Uruguay y Venezuela) realizaron esta semana en la capital chilena el encuentro llamado “Diálogo sobre la Integración Regional” organizado por el Ministerio de Relaciones Exteriores del país anfitrión.
El Mercado Común del Sur (Mercosur) y la Alianza del Pacífico (AP) representan en conjunto al menos el 80% del comercio exterior de la región, de acuerdo con un informe difundido por la CEPAL, en el marco de un seminario que ambas instancias celebran en Santiago de Chile para explorar vías de integración.
Según el documento de la Comisión Económica para América Latina y el Caribe (CEPAL), poco más del 90% del Producto Interno Bruto y de los flujos de inversión extranjera directa en la región corresponden también a ambas organizaciones.
Presencia
La Alianza del Pacífico (Colombia, México, Perú y Chile) y el Mercosur (Argentina, Brasil, Paraguay, Uruguay y Venezuela) realizaron esta semana en la capital chilena el encuentro llamado “Diálogo sobre la Integración Regional” organizado por el Ministerio de Relaciones Exteriores del país anfitrión.
“Un proceso de integración de características regionales parece, pues, más adecuado a los signos de los tiempos y a las exigencias del cambio estructural en pro de la igualdad en América Latina”, destacó en el informe Alicia Bárcena, secretaria ejecutiva de la CEPAL. “La gradual convergencia entre la Alianza del Pacífico y el Mercosur podría constituir un catalizador decisivo de ese proceso”, añadió.
Asimismo, el organismo de Naciones Unidas propuso a los países generar un trabajo en conjunto que incentive la unificación en ejes como la facilitación del comercio regional y con el resto del mundo, la movilidad de personas, la política industrial y la aproximación conjunta con la región Asia-Pacífico, entre otros puntos. El estudio enfatiza, asimismo, el desarrollo de un trabajo de vinculación con organizaciones empresariales para mejorar el diálogo de valor regional o subregional. (La Razón – 07/12/2014)

Líder chinês quer acelerar estratégia de Áreas de Livre Comércio
Pequim - O presidente Xi Jinping destacou a relevância da estratégia de Áreas de Livre Comércio (ALC) para a nova rodada de aberturas na China e afirmou que o comércio global experimenta as maiores mudanças desde a Rodada Uruguai em 1994.
De acordo com as versões publicadas hoje na imprensa local, os pronunciamentos do líder chinês ocorreram durante uma sessão de portas fechadas na última sexta-feira no Escritório Político do Partido Comunista da China (PCCh).
A respeito, Xi disse que a China precisa de mais abertura para dar soluções aos problemas do desenvolvimento econômico e social e disse que deve ser acelerado a estratégia das ALC para que desempenhem um papel maior no comércio e os investimentos.
Impulsionar as ALC constitui uma via importante para que a China participe ativamente nas áreas econômicas do mundo, agregou o secretário geral do PCCh.
Não podemos, expressou, ser sozinho espectadores ou seguidores, devemos participar e liderar, fazer que a voz da China injete mais elementos às regras internacionais.
Xi recordou que em anos recentes este gigante asiático tem impulsionado a abertura e assinatura de numerosos acordos de livre comércio com mais de uma vintena de países e regiões.
Deixou claro que não se trata só de aumentar a quantidade das ALC, mas também de dar mais atenção a sua qualidade, com ênfase nos riscos e sua valoração.
As reformas impulsionadas pelas regras do mercado criarão um ambiente empresarial sobre a base da lei e a reestruturação econômica deve ser movida com rapidez, opinou, depois de sublinhar a relevância de regras de mercado equitativas, abertas, transparentes e de uma alta concorrência no setor de serviços. (Prensa Latina – 07/12/2014)

Ingreso de Bolivia al Mercosur continúa siendo tema pendiente
El ingreso de Bolivia en el Mercado Común del Sur (Mercosur) es uno de los temas pendientes que aún no tiene un avance en el bloque regional.
El proceso de adhesión fue aprobado durante la suspensión paraguaya en el Mercosur (2012-2013). Por ello, el caso plantea un problema jurídico, es decir, se debe elaborar un nuevo Protocolo de Adhesión de Bolivia con la aprobación de Paraguay, a fin de que se normalice su incorporación al Mercosur como socio pleno, de acuerdo con un reporte del periódico ABC de Paraguay difundido este viernes.
El viceministro de Relaciones Económicas de la Cancillería de Paraguay, Rigoberto Gauto, indicó que aún no se puede consensuar el procedimiento que permitiría la adhesión de Bolivia. Luego de resolver el problema técnico, el Gobierno debe remitir al Congreso el Protocolo de Adhesión del ingreso de Bolivia para su estudio.
Gauto, quien es coordinador nacional del Grupo Mercado Común (GMC), encabezó este jueves la reunión de trabajo de la sección nacional de dicho grupo, con el fin de abordar temas relativos a la próxima XLVII Cumbre del Mercosur, en Paraná (Argentina), el 16 y 17 de diciembre.
Asistieron los viceministros de Industria y de Comercio, Óscar Stark y Pablo Cuevas, respectivamente, además del viceministro de Economía, Daniel Correa. En la ocasión abordaron la agenda de la próxima Cumbre, como los proyectos comerciales, así como los aspectos logísticos, entre otros.
Los miembros plenos del Mercosur (Venezuela, Brasil, Paraguay, Uruguay, Argentina) firmaron con Bolivia el 7 de diciembre del 2012 el Protocolo de Adhesión, pero para efectivizar este ingreso es necesario la ratificación de los parlamentos de cada país que integran este bloque regional. Los congresos de Uruguay, Venezuela y Argentina ya ratificaron el Protocolo de Adhesión.
El Mercosur fue creado en 1991 con la participación como miembros plenos de Argentina, Brasil, Paraguay y Uruguay, y en julio de 2012 se incorporó Venezuela, en una reunión cumbre que se realizó en Brasilia que contó con la asistencia del expresidente Hugo Chávez. (La Patria – 06/12/2014)

Unasul inicia nova etapa para ganhar relevância na região
A organização latino-americana inaugura sede permanente na capital equatoriana
A Unasul se muda para a Metade do Mundo
Soraya Constante Quito
A União de Nações Sul-Americanas (Unasul) quer que a nova sede da organização, inaugurada na sexta-feira em Quito (Equador), seja o marco para dar impulso à instituição, que perdeu peso político nos últimos anos. O anfitrião, o presidente equatoriano Rafael Correa, apelou ao simbolismo da nova sede, ao lado do monumento da Metade do Mundo. “Estamos no centro do mundo, onde se adorava o deus Inti, onde se celebrava a colheita e a boa vida. Aqui construiremos a nova pátria, a grande pátria”, afirmou Correa em seu discurso de boas-vindas. Mas a Unasul, que foi criada em 2008 e reúne 12 países, vai precisar mais do que um novo edifício —que possui 25.000 metros quadrados e custou 44 milhões de dólares (cerca de 114 milhões de reais)— para fazer parte da agenda política global.
A integração é uma dívida pendente do órgão e do próprio Correa que, parafraseando o ex-presidente equatoriano Eloy Alfaro, disse que “a demora é onde mora o perigo” e convocou os outros mandatários a recuperar o tempo perdido. O líder equatoriano fez referência à dificuldade de avançar porque tudo o que é decidido pela Unasul deve ser aprovado por unanimidade e isso faz com que todos os países tenham capacidade de veto. “Assim não podemos avançar, temos que rever a institucionalidade para sermos mais eficientes na construção da grande pátria”, disse Correa.
É preciso rever a institucionalidade para sermos eficientes”, afirma Correa
As palavras do presidente equatoriano ficaram apenas nas boas intenções. Durante a reunião realizada a portas fechadas, os presidentes presentes não fecharam acordos concretos.
Nos últimos dias, o secretário-geral da Unasul, o ex-presidente colombiano Ernesto Samper, havia reforçado que um dos primeiros desafios da organização nesta nova fase será conseguir um consenso para implementar um passaporte único na região, que facilite a circulação das 400 milhões de pessoas que vivem na América do Sul, e assim fortalecer a cidadania sul-americana. Outros projetos nos quais parece haver consenso incluem a criação de um centro para discutir disputas e conseguir acordos de cooperação no âmbito da educação, para que seja possível a formação de cidadãos e profissionais.
Samper defendeu a unidade e pediu que Santos alcance um acordo de paz na Colômbia
Na declaração final da reunião extraordinária realizada um dia antes na cidade costeira de Guayaquil, Samper, além de agradecer Correa pela construção da sede, destacou a necessidade de trabalhar para conseguir espaços de integração regional e extra-regional.
As expectativas geradas com a fundação da Unasul em 2008, graças principalmente ao impulso dado pelo então presidente Luiz Inácio Lula da Silva, foram perdendo força com o tempo. Uma das conquistas da instituição foi seu papel de mediadora para que a oposição venezuelana e o Governo de Nicolás Maduro iniciassem um diálogo depois dos protestos em fevereiro deste ano, embora os resultados não tenham sido satisfatórios. Durante sua intervenção, Samper defendeu a unidade da região, comentou o diálogo de paz na Colômbia e pediu ao presidente Santos que alcance essa paz em nomes de todos os latino-americanos.
A cerimônia de inauguração da nova sede teve a presença dos presidentes do Paraguai, Horacio Cartes; Argentina, Cristina Fernández; Bolívia, Evo Morales; Suriname, Dési Bouterse; Venezuela, Nicolás Maduro; Brasil, Dilma Rousseff; Colômbia, Juan Manuel Santos; e do primeiro-ministro da Guiana, Sam Hinds. Também foram homenageados os ex-presidentes falecidos Néstor Kirchner e Hugo Chávez.
A imprensa ficou à margem da inauguração, em uma tenda montada do lado de fora da sede, sem poder se aproximar dos convidados devido à equipe de segurança que incluiu a guarda presidencial, agentes de polícia e militares que cercaram o edifício vanguardista. Dentro da sede, de acordo com informações do Ministério de Relações Exteriores do Equador, está exposta a Carta da Jamaica, escrita por Simón Bolívar em 1815, que foi encontrada recentemente em um arquivo equatoriano e não tinha ainda sido apresentada ao público. (El Pais – 06/12/2014)

XXIV Cúpula Ibero-americana em suas últimas resoluções
México - Os coordenadores nacionais da América Latina, Espanha, Portugal e Andorra iniciam hoje o reta final dos trabalhos da XXIV Cúpula Ibero-americana que acontece na cidade mexicana de Veracruz na segunda-feira e terças-feira próximas.
A abertura das negociações que propõe os documentos que aprovarão os presidentes esteve antecedida ontem por um encontro de jovens ibero-americanos e uma reunião do Programa Ibero-americano para o fortalecimento da Cooperação Sul-Sul. Por sua vez, os ministros de Relações Exteriores realizam contatos para especificar as posições de seus respectivos governos em torno dos textos que deve aprovar o conclave dos mandatários na jornada final da terça-feira.
O fórum presidencial, reunido baixo o lema Ibero américa no Século XXI: Educação, Inovação e Cultura, arrancará na segunda-feira com um discurso de boas-vindas do Presidente do México, Enrique Peña Nieto.
A partir das deliberações de Veracruz, o agrupamento porá fim à celebração a cada ano deste tipo de fórum e passará a uma frequência bienal, depois terminará o esquema de sessões com uma longa corrente de discursos presidenciais, para abrir um formato consistente na apresentação de análise sobre os temas em discussão.
Não obstante, continuarão os tradicionais retiros, nos quais os Chefes de Estado discutem as questões de caráter político.
Esta nova reunião ibero-americana será a primeira com a participação do atual Rei de Espanha, Felipe VI, e da nova secretária geral iberoamericana (Segib), a costa-riquense Rebeca Grynspan.
O programa oficial de inclui a entrega do Prêmio México de Ciência e Tecnologia, a apresentação da publicação Perspectivas Econômicas de América Latina 2015, uma mostra de cinema ibero-americano, um concerto da orquestra sinfônica de Jalapa e duas exposições .
Os países membros do mecanismo são Andorra, Argentina, Bolívia, Brasil, Chile, Colômbia, Costa Rica, Cuba, Equador, El Salvador, Espanha, Guatemala, Honduras, México, Nicarágua, Panamá, Peru, Paraguai, Portugal, República Dominicana, Uruguai e Venezuela. (Prensa Latina – 06/12/2014)

Bolivia en el Mercosur, todavía sin el consenso
El ingreso de Bolivia en el Mercosur es uno de los temas pendientes que aún no tiene un avance en el bloque regional. El proceso de adhesión del vecino país fue aprobado durante la suspensión paraguaya en el Mercosur (2012-2013). Por ello, el caso plantea un problema jurídico, Es decir, se debe elaborar un nuevo Protocolo de Adhesión de Bolivia con la aprobación de Paraguay, a fin de que se normalice su incorporación al Mercosur como socio pleno. Actualmente es asociado.
Sobre el tema el viceministro de Relaciones Económicas de la Cancillería, Rigoberto Gauto, indicó ayer que aún no se puede consensuar el procedimiento que permitiría la adhesión de Bolivia. Luego de resolver el problema técnico, el Gobierno debe remitir al Congreso el Protocolo de Adhesión del ingreso de Bolivia para su estudio.
Gauto, quien es coordinador nacional del Grupo Mercado Común (GMC), encabezó ayer la reunión de trabajo de la sección nacional de dicho grupo, con el fin de abordar temas relativos a la próxima XLVII Cumbre del Mercosur, en Paraná (Argentina), el 16 y 17 de diciembre. Asistieron los viceministros de Industria y de Comercio, Óscar Stark y Pablo Cuevas, respectivamente, además del viceministro de Economía, Daniel Correa. En la ocasión abordaron la agenda de la próxima Cumbre, como los proyectos comerciales, así como los aspectos logísticos, entre otros. (ABC Color – 05/12/2014)

Bolivia en el Mercosur, todavía sin consenso en Paraguay
El ingreso de Bolivia en el Mercosur es uno de los temas pendientes que aún no tiene un avance en el bloque regional. El proceso de adhesión del vecino país fue aprobado durante la suspensión paraguaya en el Mercosur (2012-2013). Por ello, el caso plantea un problema jurídico, es decir, se debe elaborar un nuevo Protocolo de Adhesión de Bolivia con la aprobación de Paraguay, a fin de que se normalice su incorporación al Mercosur como socio pleno, de acuerdo con un reporte del periódico ABC de Paraguay difundido este viernes.
El viceministro de Relaciones Económicas de la Cancillería de Paraguay, Rigoberto Gauto, indicó que aún no se puede consensuar el procedimiento que permitiría la adhesión de Bolivia. Luego de resolver el problema técnico, el Gobierno debe remitir al Congreso el Protocolo de Adhesión del ingreso de Bolivia para su estudio.
Gauto, quien es coordinador nacional del Grupo Mercado Común (GMC), encabezó este jueves la reunión de trabajo de la sección nacional de dicho grupo, con el fin de abordar temas relativos a la próxima XLVII Cumbre del Mercosur, en Paraná (Argentina), el 16 y 17 de diciembre.
Asistieron los viceministros de Industria y de Comercio, Óscar Stark y Pablo Cuevas, respectivamente, además del viceministro de Economía, Daniel Correa. En la ocasión abordaron la agenda de la próxima Cumbre, como los proyectos comerciales, así como los aspectos logísticos, entre otros.
Los miembros plenos del MERCOSUR (Venezuela, Brasil, Paraguay, Uruguay, Argentina) firmaron con Bolivia el 7 de diciembre del 2012 el Protocolo de Adhesión, pero para efectivizar este ingreso es necesario la ratificación de los parlamentos de cada país que integran este bloque regional. Los congresos de Uruguay, Venezuela y Argentina ya ratificaron el Protocolo de Adhesión.
El MERCOSUR fue creado en 1991 con la participación como miembros plenos de Argentina, Brasil, Paraguay y Uruguay, y en julio de 2012 se incorporó Venezuela, en una reunión cumbre que se realizó en Brasilia que contó con la asistencia del expresidente Hugo Chávez. (El Día – Bolívia – 05/12/2014)

Dilma terá encontro com Cristina Kirchner durante Unasul
Por César Felício | De Quito
A presidente Dilma Rousseff terá reunião bilateral hoje com a presidente da Argentina, Cristina Kirchner, durante cerimônia oficial da inauguração da sede definitiva da União de Nações Sul-Americanas (Unasul), que acontecerá no Parque Metade do Mundo, em Quito, capital do Equador. O edifício será batizado com o nome do ex-presidente da Argentina Nestor Kirchner, morto em 2010.
O encontro de Dilma com Cristina é uma prévia da reunião do Mercosul que acontecerá na Argentina ainda nesta mês, na cidade de Paraná. Dilma fará um discurso com duração prevista de cinco minutos durante sessão plenária da Unasul.
Ontem, ao chegar ao hotel na capital equatoriana, a presidente Dilma diz ter ficado 'muito satisfeita' com resultado de votação de mudança de meta fiscal da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) no Congresso. A presidente chegou ao hotel de óculos escuros e se queixando de ter ficado com olheiras por causa da longa viagem de cinco horas entre Brasília e Quito.
Essa é a primeira visita de Dilma ao Equador durante seu mandato, mas a presidente brasileira procurou encurtar a sua presença na reunião da Unasul, não indo ao encontro dos presidentes na cidade de Guayaquil na tarde de ontem, que marcou a transferência da presidência temporária do Suriname ao Uruguai. A presidente Dilma deve retornar ao Brasil no início da tarde de hoje. (Valor Online – 05/1/2014)

Produtos e Mercados


Veja mais

Produção industrial da zona do euro frustra previsão em outubro
BRUXELAS - A produção industrial da zona do euro registrou crescimento de 0,1% em outubro na comparação com o mês anterior, informou nesta sexta-feira o instituto oficial de estatísticas da União Europeia, o Destatis. Analistas ouvidos pelo "Wall Street Journal" previam uma alta maior, de 0,2%.
Na comparação anual, o crescimento na produção industrial foi de 0,7%. Nesse caso, a expectativa era de um avanço de 0,8%.
A produção industrial de setembro foi revista, para uma alta de 0,5% ante o mês anterior e de 0,2% no ano.
A alta na produção ocorreu pelo segundo mês seguido em outubro, ainda que em um patamar modesto.
A Eurostat informou ainda hoje que o número de pessoas trabalhando na zona do euro aumentou em 0,2% no terceiro trimestre do ano, menos que o avanço de 0,3% registrado no segundo trimestre. (Dow Jones Newswires) (Valor Online – 12/12/2014)

Cristina Fernández: incertidumbre al final del caminho
Por EFE
BUENOS AIRES. Cristina Fernández deja atrás su año más difícil como presidenta argentina y afronta un final de ciclo marcado por la incertidumbre, en un clima de recesión y en el ojo del huracán por presuntas irregularidades en una de sus empresas.
Aunque en lo personal el "annus horribilis" de Fernández fue 2010, cuando falleció su esposo y antecesor en el cargo, Néstor Kichner, su gestión al frente del país nunca se había complicado tanto desde que asumió el poder, en 2007. En el año que termina, los argentinos han vuelto a sentir de cerca la sombra de la suspensión de pagos después de una década por un litigio abierto por fondos especulativos que encontraron apoyo en un tribunal de Nueva York.
El juez Thomas Griesa mantiene en jaque al Gobierno de Fernández, que en los últimos meses pasó de ningunear al magistrado y a los demandantes a buscar fórmulas para evitar el "default" (quiebra), hacer frente a sus deudas y sentarse a negociar a partir de enero. Paralelamente, ha visto cómo se deterioraba la economía y se alejaba del crecimiento de tasas chinas que mantuvo en sus primeros años de mandato para terminar el ejercicio con crecimiento cero e incluso con una contracción del 2%.
Un clima de recesión agravado por una inflación próxima al 40 por ciento, según proyecciones privadas, que toca directamente al bolsillo de los argentinos y provoca un aumento del malestar social. La devaluación del peso, que estrenó el año con una brusca caída del 23 por ciento frente al dólar, y la bajada del precio internacional de la soja -principal fuente de ingresos por exportaciones de Argentina- terminaron de complicar el escenario económico.
Por si no hubiera sido suficiente con la caída en picado de la economía, Cristina Fernández ha tenido que enfrentarse a los sucesivos escándalos por los casos de corrupción de altos funcionarios de su Gobierno que han estallado a su alrededor, empezando por su vicepresidente, Amado Boudou, y terminando por ella misma. Boudou, un hombre que eligió la presidenta sin atender a las críticas de la vieja guardia, está acusado de corrupción y falsificación de documentos, y ha sido relegado pero no ha renunciado a su cargo.
La ofensiva de la Justicia ha alcanzado a otros altos funcionarios, a empresarios cercanos al kirchnerismo, al propio ministro de Justicia, Julio Alak, e incluso a la presidenta, blanco de la polémica por presuntas irregularidades en una de sus empresas, gestora de un lujoso hotel en la Patagonia argentina. Hasta su salud le ha pasado factura este año y Fernández ha tenido más de un susto. Después de la cirugía por un hematoma craneal que sufrió en octubre del pasado año, volvió al hospital por una infección en el colon que la ha mantenido tres semanas fuera de la escena política.
Los médicos ya le han advertido de que debe bajar el ritmo porque el estrés es un peligro latente, pero Cristina Fernández, de 61 años, no parece hacerles caso, al menos hasta el momento. Descartada la posibilidad de una reforma de la Constitución para optar a un tercer mandato y en plena batalla para las presidenciales de octubre de 2015, que a juzgar por los sondeos serán muy reñidas, la presidenta ha decidido no pronunciarse sobre los precandidatos que pelean por la nominación en el oficialismo, en un intento por mantenerse como primera figura política hasta el último momento.
Mientras, aumentan las especulaciones sobre su futuro y los rumores que la sitúan a la cabeza de la lista de legisladores oficialistas o al Parlamento de Mercosur, una alternativa que, además de permitirle seguir en la política activa, la blindaría frente al avance de la Justicia. Mientras deshoja la margarita sobre su futuro, Cristina Fernández debe comandar con extremo cuidado el Gobierno para llegar a octubre sin grandes sobresaltos y con la "casa" en orden, una misión harto difícil. (ABC Color – 12/12/2014)

Huawei planeja avançar com 4G
Por Gustavo Brigatto | De São Paulo
Li Ke, presidente da Huawei para a América Latina (à esq.), e Jason Zhao, que comanda a companhia no Brasil.
Responsável pelas redes de telefonia 4G de quase todas as operadoras no Brasil, a fabricante chinesa Huawei quer usar essa proximidade com as companhias para avançar no disputado mercado de smartphones no país. "Nossos telefones são otimizados para funcionar nas redes 4G porque conhecemos muito bem essas redes. E no 4G a experiência de navegação é o que mais importa" disse ao Valor, o chinês Jason Zhao, presidente da companhia no Brasil, em sua primeira entrevista desde que assumiu o cargo, há cinco meses.
Ele substituiu seu conterrâneo Veni Shone, que comandou a operação nos últimos dois anos. Esta é a segunda passagem de Zhao pelo Brasil. Entre 2008 e 2012 ele foi o responsável pelo escritório da companhia em São Paulo.
A fabricante realizou ontem na cidade um evento com jornalistas e parceiros de operadoras e redes varejistas para apresentar o primeiro aparelho lançado dentro da nova estratégia, o Ascend P7. Com 4G e tela de 5 polegadas, o aparelho será vendido por R$ 1,5 mil.
A tecnologia 4G começou a funcionar no Brasil no ano passado e somou 4,1 milhões de linhas em serviço em agosto, segundo a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel). Para Zhao, esse número vai crescer muito no ano que vem e nos próximos por conta da demanda do consumidor e também da necessidade das operadoras de aumentarem suas receitas com serviços de dados.
A estratégia de crescimento no Brasil está em linha com as pretensões globais da fabricante de diversificar suas operações para além das operadoras e de se tornar uma marca relevante no mercado de smartphones. Até o começo do ano, a fabricante era a número três do mercado global, mas perdeu posições com o avanço das também chinesas Xiaomi e Lenovo (que acabou de concluir a aquisição da Motorola).
A Huawei vinha se dedicado a vender grandes volumes de aparelhos baratos. Agora, ela quer ser reconhecida por produtos de preço mais elevado, tanto no mundo, quanto no Brasil. "Vamos ter diferentes opções de modelos dentro da categoria de aparelhos 4G, com modelos mais caros e mais acessíveis", disse Li Ke, presidente da Huawei para a América Latina. De acordo com Zhao, a expectativa é lançar entre quatro e cinco novos celulares no país no ano que vem. Alguns deles, de acordo com o executivo, terão produção local.
Com o investimento em smartphones, a fabricante pretende acelerar seu crescimento em um ano que, a princípio, entregará resultados bastante semelhantes aos de 2014. A projeção da companhia é ter US$ 1,5 bilhão em vendas no ano que vem, 10% a mais que o esperado para este ano. "Se os celulares forem bem, os números podem ser maiores", disse Zhao.
Para conseguir isso, a empresa pretende fazer um grande investimento em marketing ao longo do próximo ano, envolvendo mídias tradicionais e também internet. Em outubro a fabricante fechou um contrato de patrocínio com o time de futebol Santos. Zhao não quis revelar valores.
A expectativa é que os smartphones representem 75% dos 69 milhões de telefones celulares vendidos no Brasil neste ano. (Valor Online – 12/12/2014)

Samsung compra brasileira Simpress
Por Gustavo Brigatto | De São Paulo
A coreana Samsung comprou a brasileira Simpress, de serviços de impressão e gestão de documentos. Com a aquisição, a companhia pretende fortalecer seus negócios com empresas. Entre os principais produtos da companhia estão as impressoras.
Globalmente, a divisão voltada para o mercado corporativo tem como objetivo atingir um terço do resultado da Samsung até 2020, ou cerca de US$ 120 bilhões da estimativa de US$ 400 bilhões de receita do grupo.
"Adquirimos a Simpress para fortalecer ainda mais os negócios da Samsung no segmento corporativo (Business to Business - B2B) no Brasil. Esperamos trabalhar com a Simpress e oferecer novos produtos e soluções inovadoras para nossos clientes em todo o país", informou a Samsung em comunicado.
O valor da operação não foi revelado. A média praticada no mundo de tecnologia para a compra de empresas de serviços é de cinco vezes o Ebitda (lucro antes dos juros, impostos, depreciação e amortização). O negócio aguarda aprovação dos órgãos de defesa da concorrência.
Em 2013, a Simpress teve receita de R$ 294,43 milhões, uma alta de 10% em relação a 2012. Mas apurou prejuízo de R$ 17,17 milhões, ante lucro de R$ 24,35 milhões no exercício anterior.
Segundo o Valor apurou, a Simpress, que tinha o fundo Gávea entre seus acionistas, vinha procurando um investidor há cerca de dois anos. A chilena Sonda IT chegou a avaliar a companhia, mas desistiu da negociação por conta do valor proposto.
A Samsung têm investido em outros segmentos para diminuir sua dependência da unidade de dispositivos móveis. A venda de telefones celulares e tablets representou 60% da receita global de US$ 217 bilhões em 2013. (Valor Online – 11/12/2014)

Governos e gigantes da tecnologia se enfrentam na Europa
Por Tom Fairless, de Bruxelas
De Berlim a Madri, de Londres a Paris, as empresas americanas de tecnologia estão em uma batalha acirrada com os Estados soberanos europeus.
É uma briga que coloca governos contra novos titãs da tecnologia, indústrias estabelecidas contra novatas desafiantes, e a irreprimida cultura empresarial americana contra a estrutura mais regulada da Europa.
A briga também traz uma das maiores ameaças às gigantes americanas da tecnologia desde que elas surgiram nas garagens e campus universitários nos últimos 40 anos.
Antes de tudo, é uma batalha sobre economia.
Os legisladores da Europa, acostumados a controlar setores essenciais de suas economias, estão com dificuldades para lidar com a rapidez das novatas do outro lado do oceano. O crescimento na Europa é lento e a receita dos governos pequena. Além disso, eles estão vendo lucros antes acumulados por setores europeus, do varejo e da mídia até táxis, sendo redirecionados — geralmente com impostos baixos — para o Vale do Silício.
As firmas americanas estão cada vez maiores. O valor de mercado de cinco empresas de tecnologia dos Estados Unidos — Apple Inc., Amazon.com Inc., Facebook Inc., Google Inc. e Microsoft Corp. — é de US$ 1,8 trilhão, ante US$ 1,3 trilhão de todas as 30 empresas de primeira linha que compõem o índice DAX na Alemanha, a maior economia da Europa.
"Os europeus têm tudo a perder" com o crescimento das firmas americanas de tecnologia, diz Paul Stoneman, professor emérito da faculdade de administração Warwick e um ex-oficial antitruste do governo britânico.
É também um conflito de valores: a regulação branda típica do Vale do Silício se chocando com a maior ênfase europeia na preservação da privacidade individual.
E, talvez mais fundamentalmente, é uma luta pelo controle da internet, essa conexão comum ao mundo e máquina econômica essencial que os europeus acreditam estar sob influência dos EUA. Isso explodiu depois das revelações de Edward Snowden sobre a ampla vigilância do governo americano sobre os americanos e europeus — às vezes através de empresas de dados e redes de telecomunicações dos EUA.
Desde então, os europeus têm revidado e escaramuças ocorrem quase diariamente. Na segunda-feira, um tribunal holandês proibiu o serviço de táxis Uber Technologies Inc. de operar na Holanda; o ministro das Finanças britânico, George Osborne, anunciou na semana passada um novo "imposto Google" voltado diretamente para empresas de tecnologia dos EUA; uma semana antes, autoridades da França e Alemanha solicitaram uma consulta pública sobre o comportamento das grandes empresas americanas de tecnologia; e o Parlamento Europeu aprovou uma resolução que pode resultar na divisão do Google para supostamente proteger a concorrência. O Uber afirma que continuará a oferecer seus serviços na Holanda. O Google não quis comentar.
As empresas americanas foram surpreendidas pela decisão do Tribunal de Justiça da União Europeia, em maio, de que o cidadão europeu tem o "direito de ser esquecido" e de ter referências potencialmente prejudiciais à sua reputação removidas dos resultados de buscas na internet. Os reguladores europeus foram além em novembro, recomendando que os motores de busca aplicassem essa regra para todos os seus sites, não só na Europa.
Os obstáculos se tornaram um grande risco para firmas de tecnologia dos EUA à medida que elas buscam um rápido crescimento no exterior. Em Wall Street, analistas apontam cada vez mais a regulação como uma das poucas ameaças atuais aos líderes da internet, como o Google.
O setor de internet também enfrentou problemas em outras regiões antes, notavelmente na China, que bloqueia muitos serviços do Google e do Facebook e torna difícil para outras empresas de tecnologia competir com os concorrentes locais. Mas as queixas europeias se concentram em questões e processos que são uma parte importante das próprias fundações sobre as quais essas firmas foram construídas.
Além das buscas on-line, a Europa se concentrou na privacidade de dados. A reação da União Europeia às revelações de Snowden pode limitar a quantidade de informações que as empresas de tecnologia dos EUA poderão coletar sobre os consumidores da região e limitar também o uso dessas informações.
Esses dados são o combustível que move as máquinas de publicidade e comércio eletrônico que Google, Facebook e Amazon vêm há anos aperfeiçoando e monetizando. Exigências crescentes para que essas empresas armazenem essas informações em centros de dados locais na Europa podem encarecer o custo dessas operações.
O conflito levanta questões importantes sobre a possibilidade de a internet se fragmentar à medida que governos procuram manter os dados fora das mãos de Washington. A menos que a espionagem americana seja controlada, "o movimento em direção a uma internet dividida será difícil de conter", afirma um relatório publicado na segunda-feira pelo Conselho da Europa.
As apostas são grandes na batalha entre a UE e as firmas de tecnologia dos EUA: metade de todo o crescimento de produtividade no bloco vem de investimento em informação e tecnologia da informação, segundo relatório da Comissão Europeia, braço executivo da UE, publicado em março.
"Reconhecemos que a inovação melhora nossas vidas, mas queremos um campo nivelado", diz o espanhol Ramos Tremosa i Balcells, legislador centrista do Parlamento Europeu que apoiou a resolução pedindo pela divisão do Google. "Nós estamos apenas refletindo as preocupações dos consumidores e das empresas europeias."
Os temores frequentemente se cristalizam ao redor do Google, que já foi envolvido numa série de conflitos na França, Alemanha e Espanha sobre suas políticas fiscais, de privacidade e de direitos autorais, assim como num longo inquérito antitruste da UE.
Mas outras empresas americanas de tecnologia também foram atingidas. As grandes empresas dos EUA são descritas como sufocadoras da concorrência local, além de adotarem estratégias agressivas para reduzir impostos. Amazon e Apple estão envolvidas em investigações da UE sobre suas práticas fiscais. O Uber tem resistido a múltiplas tentativas de extinguir seu serviço em face de acusações que a empresa violou leis da França e outros países ao usar motoristas sem carteira profissional. A Amazon e a Apple negaram que recebem tratamento fiscal diferenciado de governos. (The Wall Street Journal – 11/12/2014)

Alemanha está fadada à grandeza
Por Martin Wolf
Em 2014, comemoramos o 100º aniversário do início da Primeira Guerra Mundial e o 25º da queda do Muro de Berlim. O primeiro acontecimento levou à catástrofe ainda maior representada pela Segunda Guerra Mundial, seguida pela divisão da Europa entre o Ocidente e o bloco comunista. O segundo marcou o fim dessa divisão e o surgimento de uma Europa, íntegra e livre. Atualmente, vemos uma grande ironia da história: a Alemanha conquistou, por meios pacíficos, a posição que tentava obter com a força das armas. Queira-se ou não, a República Federal é a potência central da Europa.
Alguns nascem grandes, alguns conquistam a grandeza e alguns estão fadados à grandeza. A Alemanha atualmente vive esta última alternativa em sua plenitude. Como então ela está se saindo no exercício dessa superioridade? Bastante bem, mas não suficientemente bem.
A primazia da Alemanha não é apenas questão de seu tamanho e posição geográfica. Também não é apenas fruto de sua perícia manufatureira. O notável é que, dos grandes países da Europa, a Alemanha conta com a democracia mais estável e mais adulta. É isenta do populismo xenófobo que compromete os outros países. Em Angela Merkel, o país possui uma liderança excepcionalmente madura e responsável.
A Alemanha é uma força hegemônica relutante. Mas ela é poderosa e essencial demais para evitar seu novo destino. Sobre ela repousa o futuro de uma Europa política e economicamente frágil. O tempo do pensamento estreito e da pouca vontade política passou.
Apesar desses triunfos, as coisas vão mal. A economia da zona do euro está atolada na estagnação e na inflação ultrabaixa. Mas muitos formuladores de políticas públicas alemães resistem aos esforços de mudar esse quadro para melhor. Em vista disso, para um número excessivamente grande de pessoas, o decantado projeto da Europa representa não a esperança de uma vida melhor, e sim seu oposto.
Por outro lado, mais ao oriente, uma Rússia revanchista desestabilizou uma infeliz Ucrânia e ameaça desestabilizar também algumas outras porções de seu antigo império. Mais uma vez, tal como no caso da economia, isso põe à prova as reações da Alemanha do pós-guerra. O país quer evitar uma postura mais assertiva, mas não pode mais fazer isso.
A dificuldade encontrada pela Alemanha em desempenhar seus novos papéis é compreensível.
A Alemanha não pediu o euro. Pelo contrário, a moeda foi o preço tolamente cobrado aos alemães pelos outros pela unificação. Os formuladores alemães de políticas públicas compreenderam as implicações políticas e econômicas de uma união monetária. Quase todos dos demais aspirantes a membros não compreenderam. Além disso, a Alemanha tem uma dificuldade ainda maior: as doutrinas econômicas que sustentaram seu sucesso no pós-guerra não podem ser transferidas tal como são para a economia da zona do euro, maior e mais diversificada. Ela tem de negociar acordos baseados em concessões mútuas com países tidos por muitos alemães como fracassados.
As doutrinas econômicas fundamentais para o pensamento convencional alemão são as de uma pequena economia aberta. Aproximadamente o mesmo vale para sua geopolítica. A responsabilidade por garantir a ordem mundial repousava sobre os outros: os Estados Unidos, acima de tudo, e, na Europa, a França e o Reino Unido.
Em ambos os casos essas perspectivas "de país pequeno" eram uma resposta natural, imposta, na verdade, aos desastres que se seguiram aos esforços anteriores da Alemanha de "conquistar a grandeza". Mas esse tipo de reação não é mais adequado. Deixou um vácuo que somente a Alemanha pode preencher.
No caso da zona do euro, o ponto de partida tem de ser encarar a economia da zona do euro como um todo. O que vemos no bloco? O índice restrito de inflação ano a ano é de apenas 0,7%. No segundo trimestre de 2014, a demanda interna nominal estava 1,7% acima de seu pico pré-crise e a demanda real estava em 5% abaixo desse pico. O desemprego atinge 11,5% da força de trabalho. O que isso mostra? Em poucas palavras: o Banco Central Europeu não está cumprindo suas atribuições.
Em discurso recente, o presidente do Bundesbank, Jens Weidmann, respondeu a essa realidade argumentando que "é fantasioso acreditar que os instrumentos de política monetária são capazes de elevar, de maneira sustentável, o potencial de crescimento de uma economia". Ele tem razão. Mas a política monetária tem de buscar garantir que esse potencial seja utilizado. Evidentemente, isso é muito difícil numa área de moeda única com enormes diferenças de competitividade interna. Mas isso simplesmente chama a atenção para outro ponto: a luta pela competitividade dentro da zona do euro por meio de reduções salariais não é um caminho para uma prosperidade amplamente compartilhada. É, em vez disso, uma situação em que só se ganha quando o outro perde.
Para que a Alemanha seja uma força hegemônica bem-sucedida, precisa ampliar sua percepção. Um ponto de vista amplamente adotado na Alemanha é o de que, sem o flagelo da crise, não há reforma. Isso encerra alguma verdade. Mas há outra: países em apuros podem eleger governos que recusem a política racional. Isso pode ser um desastre maior para o futuro da Europa. "Zelar pelos mais fracos" continua sendo um lema sensato ao se lidar com crises.
O que isso significa neste momento? Significa que, assim como a Alemanha estava certa em apoiar Mario Draghi em seus esforços para eliminar o risco de uma dissolução da zona do euro em 2012, da mesma forma ela precisa apoiar o presidente do BCE em seus esforços para promover a demanda e evitar a deflação hoje. Significa também que, como país credor, ela precisa aceitar responsabilidade pelo que financia e pelas maneiras pelas quais financia.
A reestruturação da dívida precisa ser discutida agora, a começar pela Grécia. A Irlanda, da mesma forma, deve ser libertada do custoso ônus de socorrer financeiramente os tontos dos credores externos de seus bancos. Em especial, significa que a Alemanha precisa compartilhar a responsabilidade pelo ajuste macroeconômico do pós-crise. A pergunta para uma força hegemônica inteligente passa a ser: de que forma o meu comportamento determina a estabilidade e o sucesso do sistema do qual eu também me beneficio e pelo qual sou, em grande medida, responsável?
Essa pergunta desponta tanto na geopolítica quanto na economia. Cabe à Alemanha, mesmo que com aliados, conceber uma reação à Rússia de Vladimir Putin que associe o atrativo da vantagem mútua à severidade da dissuasão. Isso exigirá que a Alemanha assuma uma posição assertiva na defesa dos valores ocidentais.
A Alemanha é uma força hegemônica relutante. Isso é muito fácil de entender. Mas ela é poderosa e essencial demais para evitar seu novo destino. Sobre ela repousa o futuro de uma Europa política e economicamente frágil. O tempo do pensamento estreito e da pouca vontade política já passou. A Alemanha é agora um grande país, com grandes responsabilidades. Será julgada pelo grau com que se mostrar à altura delas. (Tradução de Rachel Warszawski) (Valor Online – 10/12/2014)

Novas restrições ao crédito na China e incertezas na Grécia abalam mercados
Shen Hong
As ações e os títulos de dívida de empresas da China, assim como a moeda local, o yuan, sofreram sua maior queda em muitos anos ontem, depois que o governo chinês tomou novas medidas para controlar os riscos do endividamento crescente no sistema financeiro do país.
A queda, aliada a preocupações dos investidores com as incertezas polícas na Grécia, contribuiu para derrubar também as bolsas europeias.
O Índice Xangai Composto, da bolsa de valores chinesa, caiu 5,4% ontem, o maior recuo em um dia desde 2009, depois que os reguladores proibiram o uso de títulos corporativos com nota de crédito baixa como garantia para tomar empréstimos.
O mercado de títulos de dívida foi o primeiro a cair, o que fez os rendimentos dos papéis subirem antes que a turbulência se espalhasse para o câmbio e o yuan registrasse sua maior desvalorização em relação ao dólar num período de dois dias.
Os movimentos repentinos servem de alerta para os investidores globais sobre os riscos da China num momento em que o país abriu há menos de um mês os investimentos em ações para estrangeiros ao conectar as bolsas de Xangai e Hong Kong.
Para piorar o cenário, autoridades econômicas reunidas nesta semana para uma convenção em Pequim devem reduzir a meta de crescimento da China em 2015, após anos de expansão acelerada movida a endividamento.
O baque na bolsa de valores foi especialmente forte, embora não totalmente inesperado. Uma alta recente tornou o índice Xangai o de melhor desempenho no ano, impulsionado em grande parte por investidores individuais usando dinheiro emprestado para alavancar apostas. Isso contribuiu para as fortes oscilações nos últimos dias e para os alertas sobre a estabilidade do mercado.
"Estava fazendo uma apresentação em meu escritório nos últimos dez minutos do pregão quando meu chefe pediu para parar e para todos olharem os preços das ações. Então vi a incrível queda do índice Xangai e das minhas ações, que haviam ido do azul para o vermelho em poucas horas", diz o investidor Wu Yunfeng, que mora em Xangai.
A venda generalizada foi deflagrada pela câmara de compensação de títulos da China. No fim da segunda-feira, o órgão informou que havia elevado o limite para que títulos de dívida emitidos por empresas se qualifiquem como garantia de operações de recompra, ou "repo", como são chamados os empréstimos de curto prazo com vencimentos que vão do overnight até 182 dias. Investidores de renda fixa, como seguradoras, fundos mútuos e corretoras, usam a recompra como principal forma de financiamento no curto prazo.
"A nova regra é para evitar o aumento do risco como resultado da alta alavancagem do mercado", diz Xu Hanfei, analista da Guotai Jun'an. Ele acrescenta que o valor da dívida corrente com os acordos de recompra nas duas bolsas já ultrapassa 700 bilhões de yuans (US$ 113,5 bilhões).
A câmara de compensação afirmou que a nova regra também se aplica a títulos emitidos por veículos de financiamento de governos locais, que acumularam um grande volume de dívidas nos últimos anos para financiar projetos de infraestrutura em todo o país. Agora, eles estão com dificuldades para pagar a dívida devido à redução da receita fiscal provocada pelo crescimento mais lento e o desaquecimento do mercado imobiliário.
A medida para acabar com o uso de formas arriscadas de dívida é fundamental para as reformas estruturais que estão sendo promovidas pelo governo chinês. Essas reformas visam sustentar o crescimento econômico no longo prazo ao torná-lo menos dependente do investimento estatal e das exportações e mais dependente do consumo. Essa mudança de política, contudo, pode limitar a expansão no curto prazo se ela acabar com o crédito para indústrias de aço e cimento, às voltas com um excesso de capacidade generalizado.
A queda dos mercados chineses aconteceu no mesmo dia em que a Conferência de Trabalho Econômico Central da China, que ocorre anualmente para fixar as prioridades econômicas do país, reuniu-se em Pequim para discussões que incluem a meta de crescimento do governo em 2015.
A maioria dos economistas estima que a China não atingirá a meta de 7,5% deste ano e que a conferência definirá uma meta menor para 2015. Uma meta menor indicaria que é menos provável que o governo tome medidas para estimular o crescimento — como corte de juros ou aumento dos gastos —, o que frequentemente inicia movimentos de alta nos mercados.
Os líderes chineses têm se empenhado para tornar a bolsa de valores do país mais atrativa depois de anos de um desempenho ruim. Eles tomaram medidas para acabar com informações privilegiadas, limitaram o número de ofertas de novas ações e permitiram que investidores de Hong Kong operem na bolsa de Xangai e vice-versa.
Ainda assim, a velocidade dessa alta recente é algo que as autoridades provavelmente não gostariam de ver, ainda mais com a alavancagem atual do mercado. Mesmo depois do recuo de ontem, a bolsa de Xangai ainda acumula alta de 35% no ano, enquanto o yuan apresenta queda de 2,2% diante da valorização recente do dólar. O rendimento dos títulos soberanos de dez anos da China subiu 0,25 ponto percentual neste mês, chegando a 3,799% ao ano ontem.
A queda nos mercados chineses ajudou a derrubar as bolsas da Europa, onde investidores também estão preocupados com as incertezas políticas na Grécia, a queda no preço do petróleo e as políticas do Banco Central Europeu. O índice Stoxx Europe 600 recuou 2,3%, sendo que já havia caído 0,7% no dia anterior. Índices recuaram também na Alemanha, França e Reino Unido.
A maior queda, porém, ocorreu na bolsa da Grécia, que despencou 13%, após uma porta-voz do governo anunciar, na segunda-feira, que o Parlamento vai fazer uma votação para escolher um novo presidente para o país em 17 de dezembro, dois meses antes do previsto. Se não conseguir eleger um novo presidente para substituir Karolos Papoulias, o Parlamento será dissolvido e terá início o processo para a realização de eleições gerais, provavelmente em fevereiro.
Isso abriria a possibilidade de um governo liderado pelo partido radical de esquerda Syriza chegar ao poder. O Syriza ameaça extinguir o programa de austeridade e as reformas que acompanharam o resgate do país durante sua crise de dívida, em 2009.
Os mercados dos Estados Unidos, onde prevalece a confiança na melhora recente da economia, praticamente ignoraram as turbulências na China e Europa ontem. A Média Industrial Dow Jones fechou com queda de 0,29%, em 17.801,20 pontos. O Ibovespa também registrou apenas um pequeno recuo de 0,16%, para 50.193 pontos.
(Colaboraram William Kazer, Anjani Trivedi, Dinny McMahon, Josie Cox, Tommy Stubbington e Akexandra Scaggs.) (The Wall Street Journal – 10/12/2014)

AL cresce menos do que a OCDE
A economia da América Latina terá em 2014 o mais fraco desempenho econômico em cinco anos, segundo dados divulgados ontem pela Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (Cepal), a Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE) e o Banco de Desenvolvimento da América Latina (CAF).
Com isso, pela primeira vez em uma década a economia da região terá um crescimento médio menor do que a média dos países da OCDE, um grupo de economias desenvolvidas, estimado em 1,8%.
De acordo com o relatório Perspectivas Econômicas da América Latina 2015, a taxa de crescimento do PIB (Produto Interno Bruto) da região neste ano ficará entre 1% e 1,5%. O número se compara aos 2,5% registrados no ano passado e à alta de 2,9% de 2012. A expectativa para 2015 é de uma retomada para algo entre 2% e 2,5%.
O desempenho "reflete fatores externos, como a queda das commodities causada principalmente pela desaceleração da economia da China, e os maiores custos de financiamento, além das perspectivas de menores entradas de capitais". "Apesar de os níveis de crescimento variarem de um país para o outro, em parte por causa de diferentes estratégias de manejo econômico, essas projeções sinalizam o fim de um período de dez anos" de crescimento maior da América Latina do que a média da OCDE. (Valor Online – 10/12/2014)

Grécia reacende incerteza na zona do euro
Por Nicholas Paphitis | Associated Press, de Atenas
As ações gregas tiveram ontem sua pior queda em quase três décadas em razão dos temores de que o país pode estar caminhando para uma crise política que colocaria em risco seu vital programa de socorro financeiro.
O índice referencial da bolsa de Atenas caiu 12,8%, o maior recuo em um único dia desde 1987, depois que o governo conservador antecipou a data de uma eleição presidencial que, se não for conclusiva, levará a eleições gerais.
Os investidores temem que o principal partido oposicionista de esquerda, o Syriza, que lidera as pesquisas de intenção de voto, possa vencer as eleições gerais. O Syriza já disse que se ganhar exigirá um corte substancial no que a Grécia deve dentro do programa de socorro financeiro.
A economista Megan Greene disse que os credores do país no plano de auxílio - a União Europeia e o Fundo Monetário Internacional (FMI) - não aceitarão isso e o líder do Syriza, Alexis Tsipras, provavelmente acabará concordando com eles. "O lado ruim disso é que acredito que metade do partido vai se rebelar como resultado", disse Greene, economista-chefe da Manulife Asset Management. Isso levaria a um maior caos político e possivelmente outra eleição, deixando a economia sem direção justo no momento em que ela tenta se recuperar.
Os bônus do governo grego também foram afetados ontem, com o rendimento do título de dez anos subindo 0,84 ponto porcentual para 7,98%, um sinal de cautela dos investidores.
O analista Theodore Krintas disse que os investidores internacionais, que respondem por até 70% das transações diárias no mercado grego, optaram por "vender e cair fora". "E eu acho que isso explica a magnitude das perdas que tivemos hoje [ontem] na bolsa de Atenas", acrescentou Krintas, diretor-gerente da Attica Wealth Management.
Embora o Syriza tenha amenizado a retórica do passado, ele não deixou claro se vai recorrer a um calote unilateral no pagamento dos empréstimos emergenciais. Isso poderia aliviar o fardo do endividamento da Grécia, mas também poderia ter outras consequências. Poderia, por exemplo assustar os investidores estrangeiros, que não emprestariam dinheiro ao país por anos, afetando sua capacidade de se reerguer financeiramente. Há quem acredite até que isso poderia levar o país a sair da União Europeia.
O presidente da Grécia é um governante sem autoridade, com poderes políticos mínimos. Mas a eleição para o cargo exige uma grande maioria que incluiria o apoio de alguns legisladores de uma oposição que no geral é hostil, e isso parece estar além do alcance da coalizão que apoia o governo. Se três votos sucessivos, de 17 a 29 de dezembro, se mostraram infrutíferos, eleições gerais deverão ser convocadas no começo de fevereiro - quase um ano e meio antes do programado.
Em um pronunciamento feito pela televisão, ontem, o premiê Antonis Samaras nomeou Stavros Dimas, uma figura importante em seu partido conservador e ex-comissário da União Europeia para o meio ambiente, como candidato presidencial do governo.
Todos os partidos de oposição disseram que não o apoiarão, assim como qualquer candidato que o governo indicar, para forçar a realização de eleições nacionais.
Tsipras, do Syriza, disse que o voto presidencial final, em 29 de dezembro, significará o fim das "catastróficas" medidas de austeridade da coalizão governamental. "Finalmente teremos neste ano um motivo para desejar feliz Ano Novo", disse ele.
A maior parte do programa de empréstimos de € 240 bilhões (US$ 294 bilhões) contraídos pela Grécia - aqueles junto à União Europeia - termina neste ano. Mas a última parcela ainda não foi paga porque a Grécia e a União Europeia discordam se Atenas deveria ou não impor uma maior austeridade.
Na segunda-feira, ministros das Finanças da Europa deram à Grécia uma extensão de dois meses no pagamento das obrigações do plano de socorro financeiro, para que as negociações possam ser concluídas. Pouco depois disso, o governo grego disse que iria antecipar a data da eleição presidencial em cerca de dois meses para fortalecer sua posição na negociação e evitar prolongar as incertezas.
O analista Holger Schmieding do Berenberg Bank disse que desde a crise financeira a zona do euro está muito melhor equipada para lidar com um "acidente" grego. Ela tem um fundo de socorro financeiro e o Banco Central Europeu (BCE) se comprometeu a comprar bônus de países com problemas, se isso for necessário. Isso poderia evitar que problemas na Grécia pudessem afetar a confiança em outros países.
Schmieding disse que ninguém sabe o que o Syriza faria no poder. "Eles de fato implementariam suas propostas desvairadas e entrariam para a história como o partido que matou a incipiente recuperação e expulsou a Grécia do euro? Essa incerteza teria um peso muito grande sobre os mercados." (Valor Online – 10/12/2014)

Empresas veem critérios políticos em regulação no Brasil e na UE, diz pesquisa
Por Assis Moreira | De Genebra
Luigi Gambardella, presidente da EUBrasil: cooperação pode melhorar negócios.
Pesquisa junto a empresas com operações econômicas e financeiras relevantes no Brasil e União Europeia (UE) mostra queixas de que as regulações em Brasília e Bruxelas passaram a incorporar critérios políticos ou ideológicos, dificultando a expansão dos negócios.
Por iniciativa da entidade EUBrasil, o resultado da pesquisa respondida por 27 empresas, incluindo Royal Philips, Porto de Antuérpia, Terna e Vale (outras não quiserem ter os nomes revelados), será apresentado hoje em Bruxelas e enviado ao presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, como contribuição para uma agenda bilateral renovada.
As empresas acham que aumentou a influência política sobre as regulações em setores mais sensíveis no Brasil, como em energia e telecomunicações, assim como na UE em biocombustíveis e matérias primas, conferindo-se menor peso a critérios técnicos e científicos.
Também por isso, as companhias defendem a aceleração de um acordo de comércio. Acham que o ritmo "muito lento" da discussão entre a UE e o Mercosul indica que o formato de negociação birregional pode não ter êxito. As companhias pedem então um acordo bilateral entre Brasil e UE, que consideram como "menos pesado" e mais capaz de fornecer resultados "num futuro previsível".
Argumentam que a eliminação de tarifas, apesar de importante, não é mais prioridade. Consideram que a principal barreira para a expansão dos negócios são mesmo as regulações, que podem afetar negativamente o comércio e as decisões sobre investimentos.
Para Luigi Gambardella, presidente da EUBrasil, entidade que visa a estreitar as relações bilaterais, uma forte cooperação entre o Brasil e a UE na área de regulação pode ajudar a melhorar os negócios.
A UE perdeu espaço como fonte de importações brasileiras, de 27% em 2003 para 21,1% do total em 2013. Ao mesmo tempo, o Brasil viu sua relevância diminuir como fornecedor para a Europa, caindo uma posição no ranking das importações europeias, de 9º em 2011 para 10º em 2013. Companhias europeias são responsáveis por 45% do Investimento Estrangeiro Direito (IED) no Brasil. Por sua vez, 53% dos investimentos brasileiros no exterior foram destinados a países europeus.
Pelos dados compilados por Sandra Rios, diretora do Centro de Estudos de Integração e Desenvolvimento (Cindes), em relação ao Brasil as empresas destacam como principais dificuldades um complicado processo para aprovação de licenças ambientais, falta de transparência nos procedimentos para leilões, ausência de previsibilidade das regulações, restrições das regras de conteúdo local - incluindo para compras governamentais - e barreiras para o comércio de serviço em vários setores, entre eles telecomunicações, seguros e transporte marítimo.
Sobre a UE os executivos consultados apontam incerteza sobre legislações "baseadas em posições políticas" em alguns setores e limites a investimentos em aviação e defesa, por exemplo. Apontam os altos preços da energia e o ambiente negativo para investimentos em biocombustíveis na Europa, entre as principais dificuldades.
Alfredo Valladão, professor no Instituto d'Etudes Politiques de Paris e presidente do Conselho Consultivo da EUBrasil, nota que as negociações euro-americanas para concluir o TTIP estão a ponto de se acelerarem, para criar novo sistema de regras para investimentos e o comércio de bens e serviços que vai se impor ao resto do mundo.
"É hora para que o Brasil e seu setor produtivo sejam associados a esse debate, afim de evitar serem marginalizados pela emergência, extremamente rápida, de um novo paradigma econômico global e suas regulações. Uma situação que seria prejudicial aos interesses das duas partes, brasileira e europeia", diz Valladão. (Valor Online – 09/12/2014)

Desigualdades aumentaram em países desenvolvidos, revelou a OCDE
Paris - As diferenças entre os setores acomodados da população e os menos favorecidos cresceram durante os últimos 30 anos, revelou hoje em sua sede na França a Organização de Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE).
Um estudo dessa entidade assinalou que em seus 34 países membros o rendimento do 10 por cento dos mais ricos é 9,5 vezes superior com respeito a igual proporção dos mais pobres.
Durante os anos 80 do século passado essa diferença era de sete a um, indicou o relatório do economista Federico Cingano, quem trabalha na direção de emprego da OCDE.
No aprofundamento desta brecha influiu o fato de que os lares mais modestos, cujos salários cresceram com dificuldade nesse período, resultaram os mais afetados pela crise financeira global iniciada em 2008, de acordo com o especialista francês Thomas Piketty.
A agravação das desigualdades também se pode apreciar na evolução do chamado coeficiente de Gini, um indicador onde se medem as iniquidades numa escala crescente de zero a um.
Faz três décadas o coeficiente no seio da OCDE era de 0,29 e no final de 2012 estabeleceu-se em 0,32, isto é um alça de três pontos.
Além das consequências negativas desde o ponto de vista pessoal e social, este fenômeno também tem uma influência no crescimento da economia, de acordo com o documento.
Segundo os cálculos, mais três pontos do indicador de Gini significam uma perda global do 8,5 por cento do Produto Interno Bruto.
A OCDE, com sede em Paris, acolhe a 25 países de Europa, incluída Turquia, quatro de Ásia e Oceania, um do Oriente Médio e quatro do continente Americano, Estados Unidos, Canadá, Chile e México. (Prensa Latina – 09/12/2014)

Rússia deve entrar em recessão com queda do preço do petróleo, prevê Banco Mundial
ANDRÉ ÍTALO ROCHA
Segundo a instituição financeira, a economia da Rússia deverá encolher 0,7% em 2015, em vez de se manter estável, como indicava a projeção anterior
O Banco Mundial reduziu sua projeção de crescimento da economia russa nos próximos dois anos. Segundo a instituição financeira relatou nesta terça-feira, a economia da Rússia deverá encolher 0,7% em 2015, em vez de se manter estável, como indicava a projeção anterior. Para 2016, espera-se uma expansão de 0,3%, ante um avanço de 0,4% previsto na última estimativa.
As revisões para baixo são consequência das recentes quedas nos preços do petróleo no mercado internacional. No cenário considerado mais provável pelo banco, os contratos futuros da commodity devem ser cotados, em média, a US$ 78 por barril em 2015 e a US$ 80 por barril em 2016. O petróleo Brent, principal item de exportação da Rússia, tem sido negociado no patamar de US$ 66 por barril, bem abaixo do nível de US$ 100 por barril considerado ideal pelo governo para formular seu orçamento público.
"Pelo terceiro ano consecutivo, o investimento deve cair na Rússia em 2015, por causa de uma continuidade da incerteza, do acesso restrito aos mercados financeiros internacionais por empresas russas e bancos (em função das sanções do Ocidente) e uma diminuição da demanda", disse Birgit Hansl, economista-chefe do Banco Mundial para a Rússia.
A instituição financeira acredita que o consumo, o principal motor da economia russa nos últimos anos, deverá cair pelo primeira vez desde 2009, após uma tímida expansão em 2014. O cenário só deve melhorar em 2016, ano em que os investimentos devem recuperar o nível deste ano. (O Estado de SP – 09/12/2014)

Déficit comercial da França diminui em outubro
PARIS - O déficit na balança comercial da França recuou levemente em outubro, por causa de números fortes de exportação de aeronaves e armas, informou o escritório aduaneiro do país nesta terça-feira. O déficit comercial da segunda maior economia da zona do euro caiu para 4,61 bilhões de euros (US$ 5,67 bilhões) em outubro, de 4,72 bilhões de euros em setembro.
A pequena alta nas exportações, de 36,75 bilhões de euros em setembro para 36,93 bilhões de euros em outubro, superou o aumento menor nas importações. As exportações foram apoiadas pela venda de aeronaves da Airbus, que representaram 2,49 bilhões de euros, enquanto em setembro elas geraram 1,95 bilhão de euros. (Dow Jones Newswires ) (Valor Online – 09/12/2014)

China enfrenta mais pressão após queda inesperada das importações
Forte queda das importações alerta para saúde econômica da segunda maior economia do mundo. Líderes se reúnem e conselheiros recomendam meta de expansão de 7% em 2015
- As importações da China encolheram de forma inesperada em novembro e o crescimento das exportações desacelerou, alimentando preocupações de que a segunda maior economia do mundo pode estar enfrentando uma desaceleração mais forte e ampliando a pressão para que as autoridades aumentem as medidas de estímulo.
As exportações subiram 4,7% sobre um ano antes, enquanto as importações caíram 6,7%, maior queda desde março, de acordo com dados divulgados ontem pela Administração Geral de Alfândegas. Os números deixaram o país com superávit comercial recorde de US$ 54,5 bilhões, o que segundo analistas pode aumentar a pressão sobre o iuan mesmo que os exportadores estejam enfrentando dificuldades.
Economistas consultados pela Reuters esperavam alta de 8,2% nas exportações, avanço de 3,9% nas importações e superávit comercial de US$ 43,5 bilhões, todos mostrando desaceleração sobre outubro.
O diferencial
As exportações têm sido o único ponto de destaque da economia chinesa nos últimos meses, talvez ajudando a compensar a fraca demanda doméstica, mas tem havido dúvidas sobre a precisão dos números oficiais diante de sinais de ressurgência de fluxos cambiais especulativos através de operações de comércio infladas.
Dariusz Kowalczyk, do Crédit Agricole CIB, afirmou que esse cenário pode ter sido contido em novembro, o que contribuiu para uma leitura mais fraca. Mas acrescentou que a contração das importações foi "chocante".
"Isso significa que vai aumentar a pressão sobre o governo para fazer mais e estimular o crescimento. Esperamos um corte na taxa de compulsório em dezembro, adoção de recompras reversas esta semana, e outro corte de juros no primeiro trimestre", disse Kowalczyk.
Após dizer por meses que a China não precisava de nenhum grande estímulo econômico, o banco central do país surpreendeu ao cortar os juros em 21 de novembro.
Reunião
Os líderes da China vão se reunir hoje para um encontro anual com o objetivo de delinear planos econômicos e de reformas para o próximo ano, e alguns conselheiros influentes junto ao governo estão recomendando que o corte da meta de crescimento em 2015 para 7%. A China parece estar a caminho de não atingir sua meta de crescimento este ano pela primeira vez desde 1999, e a expansão no ano deve ser a mais fraca em 24 anos.
O governo cortou sua meta de crescimento anual pela última vez em 2012, para 7,5% ante o objetivo de 8% que manteve por oito anos.
Fontes disseram que institutos administrados pelo governo, que são influentes no processo de tomada de decisão, mas não têm poder em si, estão planejando recomendar que Pequim reduza sua meta oficial para o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) em 2015 para 7%.
Maior meta mundial
"O presidente Xi (Jinping) já fez indicações sobre a meta de crescimento quando disse que expansão de 7% é a mais alta do mundo", disse um economista sênior da Academia Chinesa de Ciências Sociais, que não quis ser identificado.
"Acredito que deveria ser 7% caso não haja mais surpresas. Mas não pode ser menor que 7%, do contrário pode haver problemas de emprego e de default de dívida", completou.
A Conferência de Trabalho Econômico Central, que segundo a rádio estatal se reunirá a partir de hoje, pode reiterar uma política monetária prudente, porém fontes acreditam que o tom fundamental pode ser acomodativo para combater uma forte desaceleração do crescimento.
Estímulos
Economistas esperam que as autoridades embarquem na maior campanha de estímulos econômicos desde a crise financeira global, prevendo uma combinação de mais cortes de juros e reduções de taxas de compulsório de bancos para encorajar os empréstimos apesar da crescente inadimplência. Após meses dizendo que grandes medidas de estímulos não eram necessárias, o banco central chinês surpreendeu os mercados em 21 de novembro ao cortar a taxa de juros pela primeira vez em mais de dois anos. Diversos institutos também sugeriram que o governo reduza sua meta para inflação ao consumidor para cerca de 3%, ante os 3,5% previstos neste ano, dada a queda dos preços de commodities.
Commodities
Os preços mais baixos das commodities vão estimular a economia global e China continua a ser uma bênção para as matérias-primas, apesar de recentes dados fracos do país, afirmou ontem o fundador da trading suíça Trafigura, Claude Dauphin.
"Também é importante lembrar que os preços atuais das commodities vão agir como uma bênção para a economia mundial, juntamente com custos mais baixos de frete e de financiamento", disse Dauphin, presidente da Trafigura, em um comunicado. / Reuters (DCI – 09/12/2014)

Colômbia prevê PIB menor
A queda no preço das commodities deve afetar fortemente as economias da região em 2015. Ontem, o ministro da Fazenda da Colômbia, Mauricio Cárdenas (foto), afirmou que revisará para baixo sua previsão de crescimento econômico no próximo ano por causa da queda dos preços internacionais do petróleo. Bogotá estabeleceu como meta para 2015 uma expansão do Produto Interno Bruto de 4,8%, em comparação a 4,7% fixados para 2014. "Certamente vamos baixar um pouco os 4,8% [da meta]
que temos neste momento, porque, obviamente, o cenário de preços do petróleo é menor", disse Cárdenas, à margem do fórum econômico em Santiago. O petróleo, que representa cerca de 6% do PIB da Colômbia, está no menor patamar desde julho de 2009. Em situação mais complicada está a Venezuela, onde o petróleo responde por 96% das exportações. O FMI prevê uma contração de 3% do PIB venezuelano para este ano e de 1% para o ano que vem. Para analistas, dificilmente o governo evitará um impopular ajuste fiscal em 2015. Chile e Peru, dependentes dos metais, já vêm sofrendo desaceleração econômica. (Valor Online – 08/12/2014)

Sharp diz estar considerando venda de unidade de energia solar nos EUA
TÓQUIO - A japonesa Sharp disse nesta segunda-feira que está considerando a venda de sua unidade de desenvolvimento de energia solar baseada nos Estados Unidos, a Recurrent Energy, para a Canadian Solar, mas que ainda precisa tomar uma decisão final sobre qualquer acordo.
No domingo, o jornal de negócios Nikkei noticiou que a Sharp havia acordado a venda da Recurrent para a empresa canadense por cerca de 30 bilhões de ienes (247 milhões de dólares) e que o acordo poderia ser concluído no início do próximo ano.
Em uma declaração sobre a Recurrent, a Sharp disse que estava considerando várias possibilidades, incluindo a venda da empresa, mas que não havia decisões finais até o momento.
A Sharp pagou 305 milhões de dólares em dinheiro em 2010 para adquirir a Recurrent Energy. Vender a empresa agora ajudaria a Sharp levantar recursos em um momento em que luta para levar sua estrutura de capital a um patamar saudável.
Este ano, a Sharp fechou sua unidade britânica de energia solar e também saiu de uma parceria com a empresa italiana de energia Enel SpA para fazer painéis solares e gerar energia solar. (Por Osamu Tsukimori) (Reuters – 08/12/2014)

China enfrenta mais pressão após queda nas importações
KEVIN YAO – REUTERS
Resultado inesperado em novembro preocupa e autoridades são pressionadas por estímulos
As exportações subiram 4,7% sobre um ano antes, enquanto as importações caíram 6,7%, maior queda desde março
As importações da China encolheram de forma inesperada em novembro e o crescimento das exportações desacelerou, alimentando preocupações de que a segunda maior economia do mundo pode estar enfrentando uma desaceleração mais forte e ampliando a pressão para que as autoridades aumentem as medidas de estímulo.
As exportações subiram 4,7 por cento sobre um ano antes, enquanto as importações caíram 6,7 por cento, maior queda desde março, de acordo com dados divulgados nesta segunda-feira pela Administração Geral de Alfândegas.
Os números deixaram o país com superávit comercial recorde de 54,5 bilhões de dólares, o que segundo analistas pode aumentar a pressão sobre o iuan mesmo que os exportadores estejam enfrentando dificuldades.
Economistas consultados pela Reuters esperavam alta de 8,2 por cento nas exportações, avanço de 3,9 por cento nas importações e superávit comercial de 43,5 bilhões de dólares, todos mostrando desaceleração sobre outubro.
As exportações têm sido o único ponto de destaque da economia chinesa nos últimos meses, talvez ajudando a compensar a fraca demanda doméstica, mas tem havido dúvidas sobre a precisão dos números oficiais diante de sinais de resurgência de fluxos cambiais especulativos através de operações de comércio infladas.
Dariusz Kowalczyk, do Crédit Agricole CIB, afirmou que esse cenário pode ter sido contido em novembro, o que contribuiu para uma leitura mais fraca. Mas acrescentou que a contração das importações foi "chocante".
"Isso significa que vai aumentar a pressão sobre o governo para fazer mais e estimular o crescimento. Esperamos um corte na taxa de compulsório em dezembro, adoção de recompras reversas esta semana, e outro corte de juros no primeiro trimestre", disse ele.
Após dizer por meses que a China não precisava de nenhum grande estímulo econômico, o banco central do país surpreendeu ao cortar os juros em 21 de novembro. (O Estado de SP – 08/12/2014)

Superávit comercial da China fica acima do estimado em novembro
PEQUIM - As exportações da China cresceram 4,7% em novembro ante o ano anterior, informou a Administração Geral das Alfândegas nesta segunda-feira. O número veio abaixo do aumento de 11,6% em outubro e menor que a mediana das previsões de crescimento de 8% de 16 economistas consultados pela Dow Jones.
As importações caíram 6,7% ante o ano anterior, depois de um aumento de 4,6% em outubro, enquanto a mediana das previsões dos economistas era de um aumento de 3,9%.
O superávit comercial da China aumentou para um recorde de US$ 54,47 bilhões em novembro, de US$ 45,4 bilhões em outubro. A previsão média dos economistas era de um superávit de US$ 45,1 bilhões. (Dow Jones Newswires) (Valor Online – 08/12/2014)

Economia do Japão contrai 1,9% no 3º trimestre, 2ª queda consecutiva
TÓQUIO - A economia do Japão contraiu pelo segundo trimestre consecutivo no período de julho a setembro, mostram dados revisados divulgados nesta segunda-feira, o que serve como um lembrete amargo para o primeiro-ministro, Shinzo Abe, de que a economia do país permanece fraca dois anos depois que ele assumiu o cargo.
Em relação ao trimestre anterior, o PIB encolheu 0,5% no trimestre julho-setembro, de -0,4% registrados anteriormente, em termos reais.
Em termos anualizados, o PIB encolheu 1,9% no terceiro trimestre em relação ao período de três meses anterior. O governo, no mês passado, estimou que a economia encolheria 1,6% no terceiro trimestre, após uma queda de 6,7% no segundo trimestre, o que indica que a economia entrou em recessão.
O dado vem apenas seis dias antes das eleições gerais, as quais servirão como um referendo para o programa econômico de Abe, conhecido como Abenomics.
Em recessão ou não, a economia do Japão está em afetada. O consumo privado, o pilar mais importante da economia, mostrou poucos sinais de vida após o golpe duplo de um aumento de impostos sobre as vendas em abril e inflação causada pela queda de 30% do iene em relação ao dólar. (Dow Jones Newswires) (Valor Online – 08/12/2014)

Retomada exige "decisões difícieis" na AL, diz painel
Por Sergio Lamucci | De Santiago
A retomada de um crescimento mais forte na América Latina exige decisões difíceis por parte dos governos da região, que enfrentam uma desagradável combinação de commodities em queda e alta iminente dos juros nos EUA. Maior integração comercial, prioridade ao investimento, em vez do consumo, e a promoção de reformas estruturais são alguns dos caminhos que os países latino-americanos terão de seguir, segundo especialistas que discutiram em Santiago, por dois dias, os desafios e as perspectivas para a região.
Sem medidas como essas, haverá problemas para continuar a expressiva redução da pobreza e a desigualdade ocorrida nos últimos dez anos e atender as demandas da classe média por melhores serviços públicos. A conferência ocorreu na sexta-feira e no sábado, promovida pelo Fundo Monetário Internacional (FMI) e o Ministério da Fazenda do Chile. O Valor foi parceiro de mídia do evento.
Preços de commodities em baixa e juros globais em alta não trazem boas lembranças para a América Latina. Professora da Universidade de Harvard, Carmen Reinhart lembrou que as três piores décadas para a região foram as de 1820, 1930 e 1980, marcadas justamente por essa combinação.
A perda de fôlego da América Latina é evidente - e expressiva. Entre 2004 e 2011, o crescimento médio foi de 4,4%. O FMI projeta expansão de 1,3% para este ano e para o ano que vem, de 2,2%.
Segundo o diretor do Departamento para o Hemisfério Ocidental do Fundo Monetário Internacional (FMI), Alejandro Werner, a desaceleração se deve a fatores externos, como o recuo das commodities num quadro de expansão menor da China, e também a questões domésticas. Depois de uma década de crescimento mais forte, várias economias da região esbarram em restrições de capacidade, algo evidenciado pela baixa taxa de desemprego, déficits em conta corrente mais elevados e inflação mais alta, segundo ele.
Nesse cenário, a diretora-gerente do FMI, Christine Lagarde, destacou a importância de a região buscar novas de integração para aumentar o crescimento potencial. Ela sugeriu que os latino-americanos revejam a atual abordagem no front comercial, baseada hoje em vários associações diferentes, como o Mercosul, a Aliança Bolivariana para os povos da nossa América (Alba) e o Sistema de Integração Centro-Americano (Sica). Para Lagarde, essa situação cria um emaranhado de "regimes e preferências cujos benefícios agregados não são claros". O melhor seria buscar novos modos de integrar a região às cadeias globais de valor.
A secretária-executiva da Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (Cepal), Alicia Bárcena, também vê na integração regional um caminho promissor, lembrando que as economias latino-americanas comercializam pouco entre si. Apenas 19% das exportações totais dos países da América Latina vão para a região. Na Europa, 60% das vendas externas vão para países do próprio continente, número que chega a 40% na Ásia e Pacífico, diz ela.
Bárcena também disse que a região precisa dar prioridade ao investimento, para aumentar a capacidade produtiva das economias. Esse deve ser o motor do crescimento, e não mais o consumo ou as exportações, de acordo com ela.
Lagarde bateu na tecla da importância das reformas estruturais. Segundo ela, os países da região devem promover reformas em áreas como educação, redes de proteção social, inclusão financeira e infraestrutura, que "aumentariam a produtividade e permitiriam que a região se diversificasse além dos setores primários que têm baixo valor agregado".
Mas esse é um caminho muitas vezes pedregoso. A presidente do Chile, Michelle Bachelet, por exemplo, tomou posse em março e apostou o seu capital político num programa de reformas. A tributária já foi aprovada pelo Congresso, tendo como um dos objetivos financiar os gastos com a reforma da educação.
Em poucos meses, a popularidade de Bachelet despencou. A resistência de parte da população às mudanças e o crescimento mais fraco são as principais explicações dos analistas para o fenômeno. Presente à conferência, Bachelet defendeu a sua agenda, ressaltando a sua importância para garantir um crescimento mais sustentável, com inclusão social, e a perspectiva de atender as demandas de uma classe média mais exigente.
Um ponto menos preocupante para a América Latina é que a alta dos juros nos EUA deve ser gradual e moderada, na opinião de Reinhart e da maior parte dos analistas. No entanto, é provável que haja alguma volatilidade nos mercados globais. Reinhart observou que isso ocorrerá num ambiente com alguma piora de alguns fundamentos, como no caso dos déficits em conta corrente, em geral maiores do que em 2008. É um tipo de vulnerabilidade que pode causar problemas, embora o nível mais elevado de reservas em países como o Brasil ajude a amortecer eventuais pressões. (Valor Online – 08/12/2014)

Economia da zona do euro deve desacelerar, aponta OCDE
LONDRES - O crescimento econômico da zona do euro deve desacelerar, segundo o índice de indicadores antecedentes da Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE). Com isso, a região da moeda comum corre o risco de voltar ao quadro de recessão.
A entidade sediada em Paris informou que seu indicador de atividade econômica futura, elaborado a partir de informações disponíveis para outubro, também apontou para desaceleração no Reino Unido e na Rússia. O crescimento na maior parte das outras grandes economias do mundo permanecerá nas taxas atuais, nos próximos meses.
Os indicadores antecedentes geram mais preocupação de que a atividade econômica na zona do euro possa novamente retornar à recessão. A área da moeda comum superou um período de 18 meses de recessão no segundo trimestre de 2013, mas não consegue uma recuperação significativa. A economia da zona do euro cresceu 0,2% no terceiro trimestre, após avançar 0,1% no segundo.
A OCDE afirmou que houve perda do fôlego no crescimento na zona do euro, particularmente na Alemanha e na Itália. Na França, enquanto isso, o quadro é de estabilidade. O indicador antecedente composto para os 34 membros da OCDE manteve-se em 100,4 pontos em outubro pelo segundo mês. No Reino Unido há sinais de desaceleração, bem como na Rússia. Já na Índia houve uma melhora na leit ura, indicando mais crescimento nos próximos meses, enquanto em China e Brasil o dado aponta para estabilização do crescimento. (Dow Jones Newswires) (Valor Online – 08/12/2014)

OMC


Veja mais

As pedras no caminho de Paris
Por Eduardo F. Matias
No meio do caminho até Paris tinha duas pedras. Como contorná-las, possibilitando um acordo global efetivo de combate às mudanças climáticas, promete ser o grande desafio da humanidade neste ano que se aproxima.
Os países agora reunidos em Lima para a 20ª Conferência das Partes (CoP-20) da Convenção do Clima da ONU se comprometeram a assinar, em dezembro de 2015, na CoP-21 que ocorrerá na capital francesa, um tratado que se aplicará a todos eles a partir de 2020.
Uma das discussões importantes nessa reunião de Lima é a do texto negociador que servirá de base para esse novo acordo.
O consenso legitima os acordos da ONU, e a preocupação com a competitividade nacional é razoável e justa. Porém, juntos, servem de pretexto para que soberanismos irracionais se imponham sobre uma agenda que a sociedade global precisa adotar.
A primeira pedra no caminho dessa negociação deriva de seu próprio modelo, baseado no consenso. Conciliar os diferentes interesses de mais de 190 países não é missão simples, o que frequentemente leva a dois resultados, ambos igualmente ruins: ou não se chega a um acordo, ou se alcança um acordo frágil.
Essa fragilidade resulta de dois traços comumente encontrados nesses documentos. O primeiro é a linguagem diluída. Se a missão é chegar a um "produto" na forma de tratado, a forma mais fácil de cumpri-la é negociar um documento vago que permita aos governos dizer que tomaram uma atitude enquanto, na prática, não se sujeitam a maiores consequências.
O segundo é que esse tipo de acordo universal quase nunca estabelece sanções. A exigência do consenso torna pouco provável que punições severas sejam aceitas por países que terão dificuldades em cumprir o acordado, o que leva seja ao enfraquecimento do mecanismo de sanção que estiver sendo discutido, a fim de manter esses países no acordo, seja à criação de brechas que poderão ser aproveitadas pelos países em questão. E, quando esse obstáculo é superado e se chega a um mecanismo eficaz, os potenciais descumpridores quase certamente desistirão de aderir ao acordo, que deixa de ser universal.
Essa lógica é particularmente aplicável aos regimes ambientais internacionais por dois motivos.
Primeiramente, estes têm a finalidade de resolver problemas de caráter mais multilateral do que bilateral. Em um regime de comércio - como o da Organização Mundial do Comércio (OMC) - a violação por parte de um país membro pode, na maioria das vezes, ser efetivamente punida por outro membro, por meio de retaliações diretas. No caso dos regimes ambientais, o descumprimento tende a afetar não a uma nação em particular, mas a todas, e o incentivo para um país punir individualmente o não cumprimento por parte de outro é menor, o que torna mais necessária a adoção de meios centralizados de sanção.
O segundo motivo é que regimes ambientais diferem de outros mais complexos - por exemplo, aquele da União Europeia, que abrange políticas comuns em diversas áreas, como concorrência, agricultura e pesca. Uma vez que esses regimes complexos regulam grande variedade de assuntos, o não cumprimento acaba se distribuindo entre diferentes países, em diferentes áreas. Nesse caso, é do interesse de todos aceitar mecanismos de sanção mais eficazes, pois mesmo que cada um deles ache isso indesejável naquela área particular em que poderá não respeitar as regras estabelecidas, a possibilidade de vir a ser punido naquela área é compensada pela perspectiva de que sanções sejam aplicadas aos demais países caso estes violem suas obrigações em outras áreas.
Já os regimes ambientais tendem a focar em um único assunto - biodiversidade, proteção florestal etc. -, o que faz com que o descumprimento normalmente se concentre em alguns países. Para estes, aceitar sanções seria o equivalente à autopunição e, à medida que o consenso é exigido para adotá-las, eles se aproveitam disso para barrá-las.
Todos esses fatores complicam o trabalho dos diplomatas que atuam nesses amplos processos multilaterais na área ambiental, chegando-se a um acordo onde este é possível, o que leva a documentos que adotam apenas o mínimo denominador comum - conclusão especialmente verdadeira no caso das negociações climáticas.
E aqui nos deparamos com a segunda pedra no caminho para Paris, relacionada às próprias caraterísticas do problema que se quer combater. Em temas como a regulação das emissões de gases de efeito estufa - que requerem uma complicada coordenação de políticas custosas e que, portanto, afetam a competitividade nacional - os compromissos que um país está disposto a assumir dependem daqueles que seus concorrentes econômicos assumirem, o que gera uma barganha justificável, porém mesquinha, que impede os países de alcançarem o seu potencial máximo de redução de emissões.
Alinhar esses compromissos - as chamadas Contribuições Nacionalmente Determinadas, que deverão ser entregues no primeiro trimestre de 2015 - é a árdua tarefa dos negociadores durante o ano que vem. Essa definição "de baixo para cima" (bottom-up) do que os países estão de fato dispostos e são capazes de fazer permitirá prever objetivos globais baseados nesses dados de realidade. Logo, é essencial que o processo vá além da fixação de metas - como aquela de limitar o aumento da temperatura global a 2° C - e insista em estabelecer as medidas de controle de emissões que os governos irão adotar. Menos promessas e mais políticas.
Os dois fatores que podem dificultar que se chegue a um acordo em dezembro do ano que vem não são, por si sós, negativos. O consenso legitima os acordos da ONU, cujo caráter democrático deveria contribuir, em princípio, para sua efetividade. E a preocupação com a competitividade nacional face à de outros Estados é perfeitamente razoável e justa. Porém, combinados, servem de instrumento e pretexto para que soberanismos irracionais se imponham sobre uma agenda que a sociedade global precisa adotar com urgência. 2015 é o ano de superar esses obstáculos. Caso contrário, como no poema, nunca esqueceremos que no meio do caminho tinha duas pedras. Tinha duas pedras no meio do caminho. (Valor Econômico – 11/12/2014)

CNI quer mecanismo de ataque a protecionismo
Por Assis Moreira | De Genebra
Enquanto a Organização Mundial do Comércio (OMC) aponta o Brasil como o campeão de iniciação de investigações contra importações com preços supostamente desleais (51 em um ano), a Confederação Nacional da Industria (CNI) propõe ao governo criação de mecanismos de ataque contra barreiras no exterior.
A entidade sugere que o governo adote modelos usados pelos EUA, União Europeia, Japão e Coreia do Sul para combater entraves às exportações, em um cenário em que a OMC reconhece que as restrições comercial estão crescendo e elevando o atrito entre parceiros.
Segundo a CNI, esses quatro países mantêm ações claras de acesso a mercados externos em suas políticas comerciais com participação ativa do setor privado. Para a entidade, enquanto no Brasil o empresário não sabe o que fazer, ou a quem recorrer, quando enfrenta barreiras não tarifárias, os EUA criaram o Interagency Trade Enforcement Center, órgão para buscar novas barreiras, que trabalha em parceria com diversos ministérios e também com a CIA, agência de inteligência americana.
A UE tem o Regulamento sobre Obstáculos ao Comércio, instrumento que permite às empresas e associações empresariais apresentar denúncia de violação das regras do comércio internacional com prejuízos aos negócios. A partir daí, a Comissão Europeia investiga e decide quais ações tomar.
Com esse mecanismo, diz a CNI, a UE levantou uma série de barreiras e alega que o Brasil mantém restrições no setor de telecomunicações e impõe carga tributária maior a produtos importados do que produtos nacionais.
A entidade afirma que o Brasil não tem sistema semelhante para apresentar quando produtos brasileiros enfrentam barreiras. Atualmente, a Agência de Proteção Ambiental dos EUA estuda exigir a segregação física do etanol importado, o que pode inviabilizar o etanolduto no Brasil, por exemplo. E a UE continua a discriminar a carne brasileira bovina e de frango.
Carlos Abijaodi. diretor da CNI, diz que o "monitoramento eficiente e diário também é um produto de barganha política. Mas o setor privado sozinho não tem como avançar, precisamos do governo para avançar em parceria". As propostas da CNI incluem adoção de novas regras sobre antidumping e falsa declaração de origem para proteger o mercado interno das importações desleais e ilegais.
A indústria pede também avanço na remoção de barreiras e sugere três instrumentos: adidos de indústria e comércio nos principais postos diplomáticos; sistema on-line para catalogar e monitorar barreiras nos principais parceiros comerciais; e criação de mecanismo jurídico que permita ao setor privado pedir ao governo a investigação formal de uma barreira.
Se implementado, o Brasil será a primeira economia emergente a ter um sistema completo de ataque comercial, com transparência, previsibilidade e segurança jurídica, segundo a CNI. (Valor Online – 10/12/2014)

Roberto Azevêdo: Hagamos que 2015 sea un año memorable para la OMC
El 10 de diciembre el Director General Roberto Azevêdo dijo en el Consejo General que "2015 va a ser un gran año para la OMC" con la celebración del 20° aniversario de la Organización y la 10ª Conferencia Ministerial. Añadió que "tenemos plazos reales que cumplir", como la preparación del programa de trabajo sobre las restantes cuestiones de la Ronda de Doha para julio de 2015. Informó de que los grupos de negociación estaban convocando la primera ronda de reuniones para lograr este objetivo. Texto na íntegra no website www.wto.org (OMC – 10/12/2014)

Hong Kong, China es el primer Miembro en ratificar el Acuerdo de la OMC sobre Facilitación del Comercio
Hong Kong, China es el primer Miembro que ha ratificado formalmente el nuevo Acuerdo de la OMC sobre Facilitación del Comercio. El 10 de diciembre las autoridades de Hong Kong informaron al Consejo General de la OMC del depósito del instrumento de aceptación del Protocolo del Acuerdo sobre Facilitación del Comercio de su territorio en la Secretaría de la OMC, el 8 de diciembre. Texto na íntegra no website www.wto.org (OMC – 10/12/2014)

Painel sobre política industrial será aprovado dia 17 na OMC
Por Assis Moreira | De Genebra
A Organização Mundial do Comércio (OMC) vai aprovar no dia 17 a abertura de painel (comitê de experts) pedido pela União Europeia (UE) contra o Brasil, no qual é contestada parte central da política industrial do governo de Dilma Rousseff.
A denuncia europeia foi apresentada na OMC apenas cinco dias depois da reeleição da presidente. Na primeira reunião do Órgão de Solução de Controvérsias, o Brasil bloqueou a abertura do caso. Na próxima vez, porém, ele deve ser aberto automaticamente, conforme as regras da entidade.
Os europeus contestam o Inovar-Auto e qualquer outro programa com exigências de conteúdo local, normalmente proibidas pelas regras da OMC. No argumento europeu, não se pode aceitar o bloqueio de importações em mercados que crescem e perder fatias de exportação, ainda mais diante da recessão na Europa.
Para vários governos europeus, o combate à exigência de conteúdo local, praticada pelo Brasil, é uma questão de princípio. O pais é a sétima maior economia do mundo e tem influência sobre outros emergentes. Se seus programas não forem questionados diante dos juízes da OMC, outras nações podem tomar o mesmo caminho, na avaliação de fontes de Bruxelas.
Ao longo dos últimos meses, Bruxelas acusou o Brasil de ter adotado uma série de medidas fiscais discriminatórias contra produtos estrangeiros e de fornecer "ajuda proibida" aos exportadores nacionais.
A UE, ao fazer a denúncia à OMC, alegou que o governo brasileiro expandiu e prolongou várias das desonerações consideradas discriminatórias recentemente.
A UE diz que o Brasil aplica altas taxas internas em vários setores, como automotivo, tecnologia da informação e máquinas usadas por indústrias e profissionais. Mas que produtos brasileiros, ao contrário de importadores, podem se beneficiar de reduções de impostos ou isenções seletivas. Assim, o produto manufaturado na Europa é vendido no Brasil com maior taxa. Exemplifica com a taxação sobre carro importado, que pode chegar a 30% do valor do veículo. Combinado com as alíquotas aduaneiras e outros encargos, a taxação total pode representar 80% do valor do carro. (Valor Online – 09/12/2014)

Brasil é o que mais investiga preços desleais em importações, diz OMC
O Brasil é considerado o país campeão de abertura de investigações contra importações com preços supostamente desleais, com 51 casos entre novembro de 2014 e setembro deste ano, de acordo com relatório divulgado nesta segunda-feira (8) pela OMC (Organização Mundial do Comércio) sobre o ambiente comercial internacional.
Em segundo lugar está os Estados Unidos, com 22 aberturas de investigações no mesmo período.
Durante a divulgação do documento, em uma reunião entre países-membros, o diretor-geral da OMC, Roberto Azevêdo, falou sobre o aumento de restrições ao comércio, introduzidas desde 2008, e alertou sobre seu "claro risco" em um cenário de economia desacelerada.
"As atuais perspectivas para a produção mundial e para o comércio estão longe de serem favoráveis", declarou.
Com o cenário econômico atual, a projeção para o comércio mundial baixou para 3,1% em 2014 e 4% no ano que vem - resultado inferior à média dos últimos 20 anos antes da crise mundial.
Desde 2008, de 2.146 medidas restritivas ao comércio, apenas 508 foram removidas, ou seja, 24%.
Uma das questões tratadas também foi o aumento das restrições comerciais e os atritos entre países, em uma referência direta à União Europeia e Rússia.
Além disso, Azevêdo falou sobre as recentes tendências de política comercial, que considera "inquietantes", e os acordos regionais de comércio e regras do sistema multilateral. Até outubro deste ano, foram registrados 253 acordos regionais, mas há 63 ainda não informados. (Folha de SP – 09/12/2014)

País lidera abertura de investigações sobre importações
Por Assis Moreira | De Genebra
Relatório da Organização Mundial do Comércio (OMC) sobre o ambiente comercial internacional confirma o Brasil como o campeão de abertura de investigações contra importações com preços supostamente desleais, com 51 casos entre novembro de 2013 e setembro deste ano. Os Estados Unidos ficaram em segundo, com 22 aberturas de investigações.
Ao discutir o relatório ontem com países-membros, o diretor-geral da OMC, Roberto Azevêdo, acionou o alarme contra o aumento de restrições ao comércio introduzidas desde 2008, insistindo que isso traz um "claro risco" num cenário economico já deprimido.
"As atuais perspectivas para a produção mundial e para o comércio estão longe de ser favoráveis", declarou Azevêdo. Com a economia mundial desacelerada, a projeção para o comércio mundial baixou para 3,1% este ano e 4% no ano que vem, inferiores à média dos últimos 20 anos antes da crise global. Enquanto alguns analistas indagam se a menor expansão do comércio mundial é agora permanente, as recentes tendências de política comercial são inquietantes, admite Azevêdo.
Desde 2008, de 2.146 medidas restritivas ao comércio, apenas 508 foram removidas, ou 24%. O diretor da OMC aponta evidencias mais recentes de que restrições comerciais estão aumentando os atritos entre países membros, numa referencia indireta a União Europeia e Rússia, por exemplo.
Outra questão monitorada pela OMC é a relação entre acordos regionais de comércio e regras do sistema multilateral. Até metade de outubro, foram notificados 253 acordos regionais. Mas há 63 outros ainda não informados. (Valor Online – 09/12/2014)

Preparando-se para disputa com a Europa
Por Sergio Leo
O governo abre amanhã, em Washington, as propostas de escritórios de advocacia interessados em defender o Brasil em disputas comerciais travadas na Organização Mundial do Comércio (OMC). O vencedor terá pela frente um prazo apertado para apresentar a defesa do país no contencioso aberto pela União Europeia contra vários programas da política industrial brasileira, entre eles o Inovar-Auto, que protege as fábricas instaladas no país da concorrência importada. Há dúvidas, em Brasília, sobre o empenho dos empresários em entrar nessa briga.
É um contrato de US$ 1,74 milhão, considerado baixo para a tarefa de representar o país em todos os contenciosos abertos na OMC. Segundo o Brics Policy Center, da PUC-Rio, a associação brasileira dos produtores de algodão gastou US$ 3 milhões só nos primeiros três anos da disputa contra os EUA, aberta em 2002 e encerrada neste ano, em torno de subsídios ilegais ao algodão americano. Para firmar o contrato, os escritórios devem ter representações com especialistas em OMC, simultaneamente, em Washington, Bruxelas e uma cidade brasileira, e podem subcontratar outros escritórios caso não tenham advogados próprios em um desses locais.
A contratação de assessoria jurídica pelo governo é considerada necessária, mas, claramente, não é suficiente dado o volume de trabalho e dedicação exigido em casos como o da União Europeia, que contesta também incentivos oficiais aos setores de telecomunicações e informática, entre outros. Até a semana passada, o governo recebia sinais ambíguos sobre o empenho do setor privado em participar do esforço e defesa das políticas brasileiras de incentivo à indústria.
Sinais do empenho do setor privado foram ambíguos
Os empresários do setor automotivo, que haviam prometido empenhar-se para evitar que a União Europeia abrisse o caso contra o Brasil na OMC, não foram bem-sucedidos nessa tarefa. Embora se saiba que processos assim podem durar anos e são de difícil solução, como se viu no caso do algodão, pesou na decisão dos europeus o interesse em evitar que o Inovar-Auto se prolongasse além de seu prazo-limite de 2017, ou se estendesse a outros setores, como o químico, ou ainda inspirasse programas similares em outros países emergentes.
O presidente da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), Luis Moan, garante que não faltará apoio das empresas. "Estamos com o governo brasileiro, assumimos o compromisso com o próprio chanceler [o ministro de Relações Exteriores, Luiz Alberto Figueiredo]", garantiu Moan, por telefone. "Pedimos a cinco escritórios de peso que nos encaminhem relatórios de referência até 15 de dezembro".
Após o recebimento das propostas e escolha dos escritórios que trabalharão com o governo, os dirigentes privados pretendem reunir-se com o Itamaraty para decidir a melhor estratégia a usar contra os questionamentos europeus. Moan se diz convencido de que será possível provar que os programas brasileiros cumprem as normas da OMC, e os benefícios concedidos à produção local estão abrigados entre as regras que permitem apoio especial a políticas ambientais, de inovação, eficiência, tecnologia, pesquisa e desenvolvimento.
Há dúvidas, em Genebra, sede da OMC, se os programas têm essa qualidade vista pelo governo brasileiro e pelo executivo do setor automobilístico. É um caso delicado, que envolve discriminação entre produtos fabricados no país e importados, estes últimos obrigados a pagar sobretaxas para entrar no mercado brasileiro.
Em sinal de sensibilidade política, a União Europeia evitou questionar os benefícios da Zona Franca de Manaus - o contrário, segundo indicaram emissários do Palácio do Planalto, seria visto como declaração de guerra. Mas os europeus questionam os benefícios ao setor de informática e eletrônicos criados para compensar os produtores nacionais instalados fora da Zona Franca. Um eventual ganho de causa aos europeus nesse ponto pressionaria o governo brasileiro a retirar incentivos e favorecer as indústrias instaladas em Manaus, causando descontentamento generalizado em importantes regiões do país.
O caso na OMC tem outras implicações políticas, em um momento de aperto nas contas públicas. Será usado pelos que, especialmente no governo, defendem o fim de políticas setoriais, dirigidas a grupos específicos com proteção tarifária e vantagens tributárias e financeiras. Pode servir de alerta, também, para a fragilidade de uma série de programas com exigências de conteúdo local lançados nos últimos meses, quando confrontados com os compromissos internacionais do país.
O fato é que todos os países, particularmente os desenvolvidos, driblam as regras internacionais para atender a poderosos interesses locais. Alguns o fazem sustentados por seu poder bruto no jogo de forças mundial; outros recorrem a artifícios inteligentes que exploram as brechas nas regras globais multilaterais.
O Brasil, um país respeitável, mas nem de longe uma potência militar ou econômica, é um ator que se beneficia da existência de regras multilaterais capazes de criar constrangimentos aos poderosos (como se viu no caso do algodão com os EUA). A defesa da política industrial não será fácil, e desobedecer a uma eventual sentença desfavorável traria mais custos ao país que benefícios. Convém que a tarefa dos advogados encarregados de defender o país na OMC seja levada a sério, apoiada adequadamente e encarada como um dos principais desafios da política externa nessa nova gestão de uma presidente que não tem demonstrado muito carinho com as delicadezas da diplomacia. (Valor Econômico -08/12/2014)

Governo deve ratificar, com urgência, acordo multilateral para facilitação de comércio, recomenda CNI
A OMC liberou o documento para aprovação dos parlamentos dos 159 países membros. Na avaliação da indústria, o Pacote de Bali é fundamental para reduzir a burocracia do comércio exterior
A Confederação Nacional da Indústria (CNI) considera urgente a ratificação do Acordo sobre Facilitação de Comércio pelo potencial que tem de expandir o comércio internacional, reduzir o custo das exportações brasileiras e elevar o Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro. Depois de uma negociação árdua com a Índia, o Pacote de Bali, aprovado em dezembro de 2013 na Indonésia, está pronto para ser aprovado pelos Parlamentos dos 159 países-membros da Organização Mundial do Comércio.
Estudo da CNI mostra que, se o governo brasileiro implementar o Portal Único (um dos artigos do Acordo) o PIB real do Brasil terá um incremento de 2,03%, a corrente de comércio passaria de US$ 561 bilhões para US$ 611 bilhões. Além disso, o saldo comercial terá um acréscimo de US$ 9 bilhões. Essas mudanças serão percebidas cinco anos após o Portal Único ser concluído.
O Portal Único prevê a queda do prazo das exportações de 13 para oito dias. Com isso, o custo do exportador cairá 38,5%. "A redução da burocracia tem um efeito positivo no comércio exterior. O Brasil já iniciou as reformas, mas deve garantir que o cronograma seja respeitado, que haja orçamento e pessoal para tirar o acordo do papel. A ratificação é um primeiro passo", diz o diretor de Desenvolvimento Industrial da CNI, Carlos Abijaodi.
Além do Portal, há a expectativa do lançamento, ainda em 2014, de outro artigo do Acordo de Bali: o primeiro módulo do programa de Operador Econômico Autorizado (OEA), uma ferramenta essencial para acelerar o despacho de mercadorias na aduana. O OEA permitirá o despacho acelerado de mercadorias de empresas previamente cadastradas pela Receita, com impacto no prazo de permanência dos bens nos portos brasileiros.
O Acordo de Facilitação de Comércio tem regras sobre o tempo de despacho e trânsito de mercadorias, encargos e taxas incidentes no comércio exterior e transparência na publicação de normas, que foram elaboradas pela comunidade internacional na década de 1920 e reformadas, pela última vez, na década de 1950. A atualização dessas regras reduz a burocracia no comércio exterior brasileiro, seja na aduana do Brasil, seja nas aduanas dos parceiros comerciais do país.
O Pacote de Bali é o primeiro acordo multilateral concluído desde a criação da OMC, em 1995. A CNI considera que também é preciso avançar rapidamente na agenda da Rodada Doha. Por Adriana Nicácio (CN – 08/12/2014)

Azevêdo dice que el aumento de las restricciones al comercio "causa preocupación"
El Director General Roberto Azevêdo, al presentar el 8 de diciembre su informe anual sobre la evolución del entorno comercial internacional al Órgano de Examen de las Políticas Comerciales, dijo que "el número de restricciones al comercio introducidas por los Miembros de la OMC desde 2008 sigue aumentando". Añadió que "en un clima de incertidumbre económica, la continua acumulación de medidas de restricción del comercio es un riesgo evidente" Texto na íntegra no website www.wto.org (OMC – 08/12/2014)

Azevêdo: El avance decisivo de la OMC en las cuestiones de Bali beneficiará a África
En su discurso ante la Conferencia de Ministros de Comercio de la Unión Africana, celebrada el 4 de diciembre en Addis Abeba (Etiopía), el Director General Roberto Azevêdo dijo que los países africanos saldrían beneficiados de las decisiones adoptadas recientemente por la OMC sobre los acuerdos de Bali, incluido el Acuerdo sobre Facilitación del Comercio, que apoyaría "sus esfuerzos de integración regional de manera muy práctica". Exhortó a los Miembros africanos a que "participen todavía más" en la OMC. "Nos acercamos a un momento determinante en nuestra labor y será crucial que sus opiniones se tengan plenamente en cuenta", dijo. Texto na íntegra no website www.wto.org (OMC – 03/12/2014)

Outros


Veja mais

Maior impacto do sistema drawback isenção web é a redução de custos e tarifas da operação, diz coordenador do Siscomex
O Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC) anunciou que lançará na segunda quinzena de dezembro o Sistema Drawback Isenção Web, ambiente virtual para operar no regime que tem como objetivo a reposição de estoque nacional com insumos importados ou adquiridos no mercado interno usados na industrialização de bens finais já exportados. O regime visa beneficiar a indústria exportadora brasileira, assim como o fornecedor local.
O maior ganho para os operadores de comércio exterior, segundo os representantes do governo, será a redução dos custos e tarifas bancárias típicas de processos conduzidos em papel e via banco, conforme noticiado pela Agência Indusnet Fiesp. (Agência Indusnet – 11/12/2014)

Uma escalada de riscos nos mercados globais
Por diversos caminhos, cresce a percepção de risco dos investidores. A onda de incertezas criada com a perspectiva de normalização da política monetária nos EUA cresceu com a contínua queda dos preços do petróleo - boa para o crescimento global, ruim para países importantes como a Rússia e péssima para a pré-falimentar Venezuela -, indícios de desaceleração maior na China e, agora, sinais de sérios problemas na Grécia - estopim da crise da dívida soberana no euro.
Após anos de terrível austeridade na zona do euro, hoje estagnada, a insatisfação política pode ressurgir no primeiro plano. A ameaça de uma vitória eleitoral da extrema-esquerda na Grécia pode ser apenas preâmbulo de mudanças políticas em economias mais importantes, como a Espanha, onde o Podemos, força independente dos partidos tradicionais, desmoralizados com a crise, como o Popular e o Socialista, sobe sem parar em popularidade, preparando-se para eleições em 2015. Risco político corre também a "Abenomics" do primeiro ministro japonês Shinzo Abe, ao convocar uma eleição antecipada para renovar o apoio, no início esmagador, a seu problemático e ousado programa econômico, que sofreu alguns reveses nos últimos meses.
O primeiro ministro Antonis Samaras colocou novamente a Grécia no centro das atenções dos investidores, ao convocar eleição antecipada no Congresso para a escolha da decorativa figura de presidente. A situação é delicada, pois o governo negocia a última parcela do pacote de salvamento de € 245 bilhões, hoje maior, em valores correntes, do que o próprio PIB grego. Do outro lado da mesa estão Banco Central Europeu, Comissão Europeia e Fundo Monetário Internacional, com mais exigências de cortes de gastos e reformas. E, no Parlamento, reforçado pela vitória nas eleições para o Parlamento Europeu, o Syriza, que promete renegociar os termos dos pacotes financeiros, colocar um ponto final nos programas de austeridade de Samaras e, por exemplo, conceder 50% de aumento ao salário mínimo e energia de graça para os gregos mais pobres, entre várias outras bandeiras populares.
Samaras quer o máximo de apoio político que possa obter para fechar negociações com a "troika" e suas medidas de aperto. Precisará de apoio de 180 parlamentares, tem 155, e só com grande esforço poderá reunir o número necessário. Se não conseguir - tem três etapas para isso, em 17, 23 e 29 de dezembro - eleições gerais poderão colocar a legenda esquerdista no comando do país.
Se isso ocorrer, a questão da ruptura da zona do euro ressurgirá na ordem do dia. O anúncio da eleição antecipada jogou os títulos soberanos da Grécia a 8% e fez a bolsa de Atenas cair 12,8%, no maior tombo desde 1987. Os títulos alemães de 10 anos voltaram a captar a fuga dos riscos, com os rendimentos caindo abaixo de 0,7%.
As chances da esquerda grega são alimentadas pelos mesmos fatores que se espalham pelo bloco monetário - estagnação, alto desemprego e o perigoso deslizar para a deflação. Ao detonar a crise do euro em 2009, a Grécia foi o país que mais sofreu para se reerguer, dada a magnitude de seus problemas. O PIB caiu por cinco anos seguidos, encolheu 28,5% e voltou a crescer este ano 0,6%, na estimativa do FMI. Com 27,3% da força de trabalho desempregada e deflação no ano (-0,8%), o país, apesar de todo o esforço, terá dívida de 174% do PIB, ainda a maior da Europa.
A melhoria econômica da Grécia, ainda que instável, será colocada em xeque com a vitória do Syriza, expressão de rejeição popular aos pacotes draconianos que vem sendo executados. A "troika" deve levar isso em conta e pode tornar mais flexíveis suas exigências, como foi feito com a dilatação do prazo para redução da meta fiscal de Itália e França. Diante de difíceis decisões de rumos de seu programa de relaxamento monetário, sobre os quais não há consenso, a última coisa que o BCE necessita é de uma recidiva da crise grega, que pode ser o estopim de outras reviravoltas políticas. Grande parte dos governos trocaram de comando sob o peso do ajuste, e não se pode dizer que agora os partidos no poder na Itália, França e Espanha, gozem de boa popularidade.
O ano termina com sobressaltos nos mercados, prometendo emoções mais fortes em 2015 quando o Fed finalmente deixar para trás a era dos juros perto de zero. (Valor Online – 11/12/2014)

Nova certificação da Receita favorece atração de investimentos para o Brasil, avalia CNI
Lançamento do programa Operador Econômico Autorizado facilita despacho aduaneiro ao dar passaporte de baixo risco para cargas das empresas certificadas. Até 2019, 50% das operações serão beneficiadas
O Operador Econômico Autorizado (OEA) representa um avanço significativo para a competitividade do Brasil, avalia a Confederação Nacional da Indústria. A CNI entende que a implementação do OEA diminuirá o tempo de despacho aduaneiro em portos brasileiros, facilitará a projeção de produtos brasileiros no mercado internacional e dará agilidade e previsibilidade às empresas certificadas. Com isso, vai favorecer a atração de investimentos para o país. O programa foi lançado nesta quarta-feira (10), em Recife, pela Receita Federal.
Atualmente, mais de 60 países já possuem programas de OEA, entre eles Estados Unidos e os países da União Europeia. Dessa forma, a grande vantagem para os exportadores brasileiros surgirá quando o Brasil firmar acordos de reconhecimento mútuo com seus principais parceiros. Assim, as aduanas de outros países passarão a reconhecer o programa do Brasil e darão às mercadorias brasileiras o mesmo tratamento preferencial que dispensam aos produtos nacionais.
"São ações como essa que vão permitir que os nossos produtos voltem a ter competitividade. O nível de segurança e confiabilidade entre setor privado e aduanas e entre aduanas de países diferentes reforçarão a imagem do Brasil no comércio internacional", explica a gerente executiva de Negociações Internacionais da CNI, Soraya Rosar. O OEA é uma das ferramentas de facilitação de comércio previstas pela Organização Mundial de Aduanas (OMA) e uma das metas do Pacote de Bali, assinado em dezembro de 2013 durante 9ª Conferência Ministerial da Organização Mundial do Comércio (OMC). Por Adriana Nicácio (CNI – 10/12/2014)

Exportações crescem em 13 Unidades da Federação
Brasília – As exportações, no acumulado do ano até novembro, aumentaram em 13 Unidades da Federação na comparação com o mesmo período do ano passado. Roraima teve o maior crescimento percentual com alta de 148,39%. Ainda assim, as vendas da Região Norte decresceram 4,84%, com remessas de mercadorias no valor de US$ 16,158 bilhões, o que representa 7,78% do total de bens comercializado pelo Brasil com o mundo no período (US$ 207,610 bilhões). Rondônia (4,62%), Tocantins (23,39%) e Amapá (3,17%) também registraram alta nas exportações, enquanto que os demais estados tiveram quedas: Pará (-6,76%), Amazonas (-10,21%) e Acre (-37,09%).
Na Região Sudeste, Rio de Janeiro (10,63%) e Espírito Santo (19,88%) tiveram crescimento de vendas ao mercado externo. Já em São Paulo, houve queda nos embarques de 8,74% e, em Minas Gerais, a retração foi de 12,14%. No total, as vendas regionais caíram 3,88%. O Sudeste exportou US$ 106,456 bilhões e foi responsável por 51,28% do total vendido pelo país no período.
A Região Sul vendeu ao exterior US$ 40,960 bilhões, o que representou 19,73% do total. Houve queda de 16,28% nas exportações. As vendas catarinenses cresceram 4,11%, mas retrocederam os embarques gaúchos (-27,51%) e paranaenses (-10,06%).
No Centro-Oeste, as exportações tiveram recuo de 3,68%. A região vendeu US$ 25,684 bilhões, o que equivale a 12,37% dos embarques nacionais. Somente o Distrito Federal registrou aumento nas exportações, de 26,83%, enquanto os demais estados tiveram redução: Mato Grosso (-6,14%), Goiás (-1,31%) e Mato Grosso do Sul (-0,94%).
As exportações nordestinas, no acumulado do ano, apresentam queda de 0,68%. As vendas somam US$ 14,611 bilhões, valor correspondente a 7,04% das brasileiras. No Maranhão (18,64%), Ceará (13,84%), Pernambuco (13,60%), Piauí (60,60%) e Rio Grande do Norte (0,82%) houve aumento nas exportações. Já na Bahia (-7,87%), Alagoas (-19,23%), Paraíba (-4,70) e Sergipe (-4,76) houve queda. (MDIC – 10/12/2014)

O Brasil retardatário
Enquanto o governo faz malabarismos para fechar suas contas de 2014, a diretora-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Christine Lagarde, manifesta otimismo em relação ao País. Ela se disse "encorajada" com a equipe econômica do segundo mandato da presidente Dilma Rousseff. E foi além: o Brasil, segundo ela, pode ser um gigante, do ponto de vista econômico, se o governo adotar políticas fiscais sólidas, atacar os gargalos e realizar as reformas estruturais necessárias. O comentário sobre a nova equipe deve ser sincero, mas dificilmente a principal executiva de uma entidade multilateral diria algo diferente sobre o governo de um país associado. Quanto à outra declaração, é quase uma redundância. A mesma observação tem sido feita sobre outras economias latino-americanas, embora quase todas estejam em situação melhor que a do Brasil. Christine Lagarde falou sobre as perspectivas brasileiras em entrevista coletiva em Santiago, onde participou de uma conferência regional promovida pelo governo chileno e pelo FMI, na semana passada. A reunião evidenciou mais uma vez o descompasso entre a evolução da economia brasileira, nos últimos dez anos, e a da maior parte da região.
Nas últimas duas décadas, disse a diretora do Fundo, a maioria dos países latino-americanos conseguiu avançar com inflação baixa, disciplina fiscal e estabilidade financeira. Além disso, a crise iniciada em 2008 produziu menos danos na região do que em outras partes do mundo. Mas o próprio Fundo, em suas estatísticas e projeções, mostra diferenças importantes entre os países da América Latina e do Caribe. Suas últimas estimativas, divulgadas em outubro, apontaram para o Brasil crescimento de 0,3% em 2014 e de 1,4% em 2015, bem abaixo da média regional, de 1,3% para este ano e de 2,2% para o próximo. As médias seriam muito mais altas sem o péssimo desempenho de Brasil, Argentina e Venezuela.
As novas projeções da Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (Cepal), publicadas pouco antes da reunião de Santiago, também mostram o Brasil como retardatário na corrida do crescimento. A expansão estimada para o País ficou em 0,2% em 2014 e em 1,3% em 2015. Só quatro economias aparecem com desempenho pior que a do Brasil em cada um dos dois anos: Argentina, Venezuela, Barbados e São Vicente e Granadinas. Com alguma diferença nos números, essa classificação é igual à da tabela do FMI. A secretária da Cepal, Alicia Bárcena, também esteve em Santiago e comentou a situação regional.
Lagarde e a equipe do Fundo insistiram no receituário formulado há algum tempo, com ênfase na consolidação das contas públicas, maior cuidado com o déficit na conta corrente do balanço de pagamentos, eliminação de gargalos de infraestrutura e, para efeito em prazo mais longo, maior empenho na educação e na formação de capital humano. O roteiro indicado pelos economistas da Cepal é parecido com esse em vários pontos e mais enfático no caso da integração comercial entre os países da região. Seria uma forma de garantir maior demanda numa fase de baixo crescimento do comércio internacional e de menor dinamismo na China.
Lagarde acentuou a importância de integrar a região nas cadeias internacionais de valor e de buscar novas formas de cooperação regional, hoje semelhante a uma tigela de espaguete (a expressão é dela), com siglas como Mercosul, Alba e Unasul. Todos esses conselhos são bons, mas alguns países já encontraram o rumo da integração nos mercados internacionais. É o caso de algumas das economias mais dinâmicas da região - Chile, Peru, Colômbia e México. O caminho seguido por esses países tem atraído alguns outros. Mas um desses, o Paraguai, continua preso no atoleiro do Mercosul.
As duas maiores economias sul-americanas, Brasil e Argentina, perderam o rumo da associação com os parceiros e mercados mais avançados e mais dinâmicos, em nome do terceiro-mundismo de governos populistas, provincianos, protecionistas e diplomaticamente ingênuos e irrelevantes. Essas qualidades estão refletidas claramente no desempenho dos dois países. (O Estado de SP – 10/12/2014)

"Não devemos cometer na região o erro da Europa, de ajustar e ajustar"
A secretária-executiva da CEPAL, analisa a situação econômica da América Latina
Alejandro Rebossio Santiago do Chile
Como secretária-executiva da Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL), Alicia Bárcena (Cidade do México, 1952) defende há seis anos a diversificação produtiva e a igualdade. Sua pregação se reforçou diante do fim da bonança que os altos preços das matérias-primas trouxe para a região.
Pergunta. É o momento para ajuste ou há outra via para crescer com inclusão social?
Resposta. Não podemos falar da região como um todo. Há países que têm mais espaço do que outros para fazer políticas contracíclicas. A maioria cresce acima de 2,8%. A média é de 1,1% porque há três economias que a baixam: Argentina, Brasil e Venezuela.
P. Compartilha a visão de "Mercosul mau e Aliança do Pacífico bom"?
R. Mais que Mercosul ou Aliança do Pacífico, falamos de que contexto externo é determinante para cada país. Se os EUA levam a melhor, o México e a América Central vão melhor. A América do Sul não vai tão bem porque é mais dependente da China e da Europa.
P. Na reunião da semana passada do Fundo Monetário Internacional (FMI) realizada no Chile, a senhora foi dura com o Brasil...
R. O Brasil cresce pouco, tem inflação alta e pouco espaço para políticas. É dos que têm de ajustar sem sacrificar conquistas sociais.
P. Que outros países estão como o Brasil?
R. Direi quais não estão como o Brasil: Bolívia, Equador, Colômbia. Há países nos quais a redução de receitas não tributáveis, pela queda dos preços das matérias-primas, foi sendo compensada com receitas tributáveis. Fizeram reformas tributárias progressivas. Entre eles, o México. Um país com pouco espaço é a Venezuela, e já está fazendo um ajuste nos salários do setor público.
P. E a Argentina?
R. É uma economia diversificada, potência regional em industrialização. Isso é uma vantagem. Mas enfrenta condições macroeconômicas difíceis por causa dos fundos abutres e o acesso ao financiamento externo, questões que esperamos sejam resolvidas para que retome o crescimento. Tem pouco espaço.
P. Chile?
R. Desacelera, mas tem os fundos de estabilização (poupança dos tempos de bonança). Está adotando duas medidas interessantes: mantém a taxa de juros baixa, o que incentiva o investimento, e o Orçamento de 2015 contempla importante investimento público. Estamos sugerindo que toda a região estimule o investimento privado e público.
P. México e Peru?
R. O Peru desacelera, mas mantém um crescimento de 2,5%. O México, com suas 11 reformas estruturais, está na expectativa de que o setor energético e o de telecomunicações se dinamizem. O que tem de ser resolvido é o Estado de direito. Se o faz, tem potencial para seguir em frente.
P. Isso é mais complicado que as 11 reformas estruturais...
R. É muito complicado. É uma questão que pode influenciar fortemente.
P. Como a América Latina fará para crescer?
R. Muito dependerá das reformas em matéria fiscal e dos investimentos. Nossas economias dependiam muito das exportações e do consumo, variáveis que se desaceleraram. Podemos investir em tecnologia, infraestrutura, setores produtivos. A política industrial está de volta e é a oportunidade de diversificar um pouco nossas economias. Se a demanda externa está com problemas, podemos nos concentrar um pouco mais em nosso mercado interno. Há 61 milhões de latino-americanos que tiramos da pobreza, e que estão consumindo. Não devemos cometer o erro da Europa, de ajustar e ajustar.
P. De onde sairá o dinheiro para tudo isso e para manter as conquistas sociais num momento em que as receitas caem?
R. Nós temos tentado diferenciar o gasto social para saber do que estamos falando. Um dos gastos sociais mais eficazes são as transferências não contributivas e condicionadas, como o brasileiro Bolsa Família, porque custam 0,4% do PIB e beneficiam 127 milhões de latino-americanos. O aumento da idade de aposentadoria é importante porque a sociedade está envelhecendo.
P. Então, onde se ajusta?
R. Cada país sabe, mas recomendamos não fazer ajustes no investimento público em infraestrutura, educação e diversificação da produção. (El Pais – 09/12/2014)

América Latina busca um novo modelo de crescimento econômico
A necessidade de outro padrão de crescimento monopoliza a atenção dos líderes da região
"Vamos passar anos com baixo crescimento na América Latina"
Jan Martínez Ahrens / Miguel González Veracruz, México
A América Latina está em busca de um novo modelo. Terminada a época da bonança e dos crescimentos regionais da ordem de 5%, o continente voltou seu olhar para o futuro e foi tomado pela dúvida. E agora? Essa é a pergunta que, como uma flecha, cruza os corredores e as reuniões da Cúpula Ibero-Americana, que está sendo realizada na cidade de Veracruz, no México. Nenhuma resposta conseguiu unanimidade, apesar de no horizonte das discussões surgir uma fórmula dupla: reformas estruturais profundas e uma forte promoção da qualidade da educação. É a receita de Veracruz.
"Temos que entrar em uma segunda geração de políticas públicas para retomar o crescimento. Estamos diante de um fim de ciclo no cenário internacional e a única maneira de enfrentá-lo é com uma revolução da produtividade e uma explosão da inovação", afirmou a secretária-geral ibero-americana, Rebeca Grynspan.
Diante da brusca desaceleração e do fim iminente do financiamento barato via dólar, os líderes latino-americanos acompanham com atenção a evolução da Espanha e do México, dois países que adotaram reformas profundas e, em alguns casos, devastadoras. Mas apesar de elogiados pelos organismos internacionais, em especial pelo Fundo Monetário Internacional (FMI), nenhum deles pode ainda exibir o troféu de vitória. No caso mexicano, a agenda econômica concluiu a fase legislativa, mas sem obter a reação esperada: o crescimento do PIB continua abaixo da média dos últimos 20 anos, e até 2015 não deve superar a barreira psicológica dos 3%. E a Espanha ainda apresenta o triste recorde de 23,64% de desemprego, mesmo com Rajoy ostentando com orgulho o maior crescimento da zona do euro (1,7% em 2015, segundo o FMI, ou 2% ou mais, segundo o Governo).
Não se trata de um quadro tranquilizador. Mas aos olhos dos países que assistiram ao fim do boom das matérias-primas e ao renascimento do espectro das tensões sociais, a busca por políticas fortes se tornou urgente. O risco de desprendimento das novas correntes internacionais de prosperidade é cada dia mais alto. "Não soubemos aproveitar a riqueza acumulada nestes anos, não se investiu onde era preciso: em educação, em infraestrutura e em inovação. E existe o perigo de perdermos outra vez a oportunidade. Precisamos nos abrir para o mundo", afirmou o presidente da Costa Rica, o historiador Luis Guillermo Solís. Para ele, o caminho a ser seguido é claro: "Precisamos apostar nas transferências de tecnologia, acabar com a monogamia mercantil e nos atrelar à economia global".
Essa necessidade de abertura econômica coincide com um fortalecimento das opiniões públicas, cada vez mais exigentes e informadas. Na visão dos especialistas, a transparência se tornou uma necessidade. Não apenas para conter a corrupção, que suga 7% do PIB latino-americano, como também para fazer decolar seu potencial econômico. Para Grynspan, trata-se de um objetivo que só pode ser atingido com um programa de políticas urgente que tenha em sua base uma aposta forte em educação, de melhora de qualidade.
"As mudanças estão ocorrendo em uma velocidade sem precedentes. Estamos assistindo a uma revolução com as tecnologias digitais. Não são os recursos naturais que vão decidir o futuro ibero-americano, mas sim o capital humano", afirmou a presidenta do Banco Santander, Ana Patricia Botín, também presente em Veracruz. A entidade vai investir 945 milhões de dólares em quatro anos em um programa de apoio a projetos universitários na região. O avanço da educação, no entanto, bate de frente com uma barreira muito bem firmada na América Latina: a desigualdade. Apenas 9% dos alunos procedentes dos 20% da população mais pobre têm acesso à universidade, em comparação aos 50% vindos dos 20% mais abastados. "É uma enorme diferença que mostra que a desigualdade se transmite por várias gerações", disse o secretário-geral da OCDE, José Angel Gurría.
Estamos diante de um fim de ciclo no cenário internacional e a única maneira de enfrentá-lo é com uma revolução da produtividade e uma explosão da inovação
Rebeca Grynspan, secretária-geral ibero-americana
Mas a receita de Veracruz para acabar com essa praga não agrada a todos. Uma imensa lacuna está se abrindo no continente. As ausências na Cúpula Ibero-Americana (até a segunda-feira, não visitariam o encontro o Brasil, a Argentina, a Venezuela, a Bolívia e a Nicarágua) marcam o perímetro desse buraco. O Brasil, com uma configuração econômica muito personalizada, tem estado absorto em seu próprio labirinto. A Argentina anda cambaleando, devorada pela recessão. E a crise da Venezuela se acelera na mesma proporção em que suas propostas de resolução afastam irremediavelmente o país do eixo mais liberal, do qual uma das representações mais significativas é a Aliança do Pacífico, formada por México, Colômbia, Chile e Peru (36% do PIB latino-americano). Esse bloco, que eliminou tarifas sobre 92% dos produtos, está demonstrando uma inusitada vitalidade, a ponto de já planejar sua expansão comercial aos países asiáticos. Diferentes grupos caminham em direções opostas.
Esse distanciamento dos eixos latino-americanos anuncia uma época de atritos. Ninguém duvida da impossibilidade de homogeneidade na condução econômica de uma região com 605 milhões de habitantes (10% do PIB mundial), mas os mandatários sabem do poder curativo das sinergias. "O crescimento da economia e os intercâmbios comerciais entre os países ibero-americanos são condições indispensáveis para conquistar maiores cotas de bem-estar e uma melhor distribuição de riqueza, e para lutar contra a maldição do desemprego", afirmou o Rei da Espanha, em Veracruz. Ou, nas palavras da secretária-geral ibero-americana: "Se você quer ir rapidamente, vá sozinho; mas se quer ir longe, vá acompanhado". (El Pais – 09/12/2014)

Dezembro começa com superávit de US$ 398 milhões
Brasília – As exportações, na primeira semana de dezembro, com cinco dias úteis (1° a 7), foram de US$ 4,468 bilhões, com média diária de US$ 893,6 milhões. Este resultado é 10% menor que o verificado em dezembro de 2013 (US$ 992,7 milhões). Neste comparativo, diminuíram as vendas de produtos manufaturados (-20,8%), por conta de motores e geradores, automóveis, veículos de carga, aviões, calçados, chassis com motor, e bombas e compressores. Também caíram os embarques de produtos semimanufaturados (-9,3%), com recuos em ouro em forma semimanufaturada, ferro fundido, semimanufaturados de ferro e aço, e açúcar. As vendas de produtos básicos (0,2%) cresceram por conta, principalmente, de soja em grão, algodão em bruto, café em grão, milho em grão, minério de cobre, fumo em folhas, petróleo e carne bovina e de frango.
Em relação à média de novembro deste ano (US$ 782,3 bilhão), as exportações aumentaram 14,2% com alta nas vendas de produtos básicos (22,6%), manufaturados (11,9%) e semimanufaturados (1,7%).
As importações, na primeira semana de dezembro, foram de US$ 4,070 bilhões e registraram média diária de US$ 814 milhões. Com esse desempenho, houve redução de 6,1% na comparação com dezembro do ano passado (US$ 866,5 milhões). Diminuíram as aquisições de combustíveis e lubrificantes (-47,2%), equipamentos mecânicos (-20,7%), cereais e produtos de moagem (-4,4%), borracha e obras (-3,2%) e veículos automóveis e partes (-2%).
Na comparação com a média de novembro deste ano (US$ 899,8 milhões), houve queda de 9,5%, com retração de compras de combustíveis e lubrificantes (-49,1%), adubos e fertilizantes (-24,5%), equipamentos mecânicos (-7%), siderúrgicos (-4,1%) e veículos automóveis e partes (-4%).
O saldo comercial semanal foi superavitário em US$ 398 milhões (média diária de US$ 79,6 milhões). A corrente de comércio, na primeira semana do mês, alcançou US$ 8,538 bilhões (média de US$ 1,707 bilhão). Pelo desempenho diário, houve queda de 8,2% no comparativo com dezembro passado (US$ 1,859 bilhão) e aumento de 1,5% na relação com novembro último (US$ 1,682 bilhão).
Ano
De janeiro à primeira semana de dezembro deste ano (236 dias úteis), as vendas ao exterior somaram US$ 212,078 bilhões (média diária de US$ 898,6 milhões). Na comparação com a média diária do período equivalente de 2013 (US$ 951 milhões), as exportações retrocedem em 5,5%. As importações foram de US$ 215,903 bilhões, com média diária de US$ 914,8 milhões. O valor está 4% abaixo da média registrada no período correspondente de 2013 (US$ 953,2 milhões).
No acumulado do ano, o saldo da balança comercial está deficitário em US$ 3,825 bilhões, com resultado médio diário negativo de US$ 16,2 milhões. No período equivalente de 2013, havia déficit de US$ 540 milhões, com média diária negativa de US$ 2,3 milhões. A corrente de comércio soma, em 2014, US$ 427,981 bilhões, com desempenho diário de US$ 1,813 bilhão. Este valor é 4,8% menor que a média aferida no período correspondente do ano passado (US$ 1,904 bilhão). (MDIC – 08/12/2014)

Balança comercial começa mês com superávit
Na primeira semana de dezembro, diferença entre exportações e importações é de US$ 398 milhões. No ano, contudo, déficit é de quase US$ 4 bilhões.
Da Redação
São Paulo – A balança comercial brasileira começou dezembro com superávit de US$ 398 milhões, segundo os dados dos dias 1º a 07 divulgados nesta segunda-feira (08) pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC). Nos cinco dias úteis do período, o Brasil exportou US$ 4,468 bilhões, ou US$ 893,6 milhões ao dia. Pelo cálculo da média diária, a redução entre dezembro de 2013 e a primeira semana deste ano foi de 10%.
Entre os produtos exportados, caíram as remessas de manufaturados e semimanufaturados, mas cresceram os embarques de produtos básicos em relação à dezembro de 2013. Segundo os dados do MDIC, a redução nas vendas de manufaturados foi de 20,8% em razão, sobretudo, do desempenho das exportações de motores e geradores, automóveis, veículos de carga, aviões, calçados, chassis com motor e bombas e compressores.
Entre os semimanufaturados, a redução foi de 9,3%, em razão de retração nos embarques de ouro em forma semimanufaturada, ferro fundido, semimanufaturados de ferro e aço e açúcar. Entre os básicos, a expansão foi de 0,2% em consequência das vendas maiores de soja em grão, algodão em bruto, café em grão, milho em grão, minério de cobre, fumo em folhas, petróleo, carnes bovina e de frango.
As importações também caíram no período: somaram US$ 4,070 bilhões, ou US$ 814 milhões de média diária, valor que representa queda de 6,1% em comparação com dezembro de 2013. Entre as principais retrações estão a queda de 47,2% na importação de combustíveis e lubrificantes, equipamentos mecânicos (redução de 20,7%), cereais e produtos de moagem (-4,4%), borrachas e obras (-3,2%) e veículos automóveis e partes (-2%)
No ano, as exportações somam US$ 212,078 bilhões, com média diária de US$ 898,6 milhões, valor que representa diminuição de 5,5% em comparação com 2013 até dezembro. As importações também estão menores entre janeiro e a primeira semana de dezembro. Até o momento, o Brasil recebeu US$ 215,903 bilhões em produtos de outros países, 4% a menos do que no mesmo período de 2013, pela média diária. O déficit da balança comercial é de US$ 3,825 bilhões. No mesmo período de 2013, o déficit era de US$ 540 milhões. (Anba – 08/12/2014)

A fratura ibero-americana ameaça o sucesso da Cúpula de Veracruz
A ausência de Brasil, Argentina, Venezuela e Bolívia aprofunda a divisão
Jan Martínez Ahrens Veracruz, México
Os 22 países ibero-americanos formam uma família unida por laços históricos, linguísticos, culturais e sentimentais, mas não necessariamente harmônicos. México e Espanha se esforçaram para reagrupar todos os parentes em Veracruz, acima das rivalidades e querelas, em virtude do relançamento dessa comunidade, nascida em Guadalajara (México) em 1991. A viagem recente do ministro das Relações Exteriores espanhol, José Manuel García-Margallo, a Cuba (a primeira de um ministro de Mariano Rajoy), demonstrou a vontade de reconstruir pontes, afastando profundas diferenças políticas. E também a disposição da nova secretária geral ibero-americana, Rebeca Grynspan, de concentrar-se em áreas como educação ou inovação, afastadas do confronto ideológico.
Mas a profunda divisão da América Latina, diante da decisão de enfrentar o esgotamento do crescimento econômico baseado no alto preço das matérias-primas, ameaça deixar de fora da refundada família parte significativa dela. As ausências das presidentas do Brasil e da Argentina, Dilma Rousseff e Cristina Kirchner, assim como, salvo surpresa de última hora, do venezuelano Nicolás Maduro, do boliviano Evo Morales ou do nicaraguense Daniel Ortega, mostram que em Veracruz –para além do sucesso numérico– não estão todos que são. Apenas a presença do cubano Raúl Castro no último dia da cúpula, cada vez mais improvável, romperia a imagem de que parte da esquerda ibero-americana, a mais alérgica às fórmulas da liberalização e do livre comércio, lhe dá as costas.
Os motivos não são os mesmos em todos os casos. O Brasil nunca teve muito interesse em uma organização na qual o México, a outra grande potência regional, é protagonista, e prefere se concentrar no Unasul, no qual exerce liderança indiscutível. Só o empenho pessoal do rei Juan Carlos conseguiu fazer com que Rousseff assistisse à Cúpula de Cádiz em 2012. Maduro, que retirou seu embaixador de Madri depois que Rajoy recebeu a esposa do líder opositor preso Leopoldo López, tenta manter sua ascendência sobre os sócios da ALBA (Aliança Bolivariana), ainda que cada vez mais minguada depois da morte de Chávez e com as dificuldades crescentes para manter a alimentação intravenosa a Governos afins em forma de petróleo subvencionado. Só a presença de representantes da esquerda menos dogmática, como o uruguaio José Mujica, que se despede nesta cúpula, da chilena Michelle Bachelet, do salvadorenho Salvador Sánchez Cerén ou do equatoriano Rafael Correa impede que a paisagem de Veracruz seja monocromática.
As cúpulas de chefes de Estado e de Governo, que chegam a sua 24ª edição e passarão a ser bienais, cederam seu protagonismo aos fóruns da sociedade civil, como o encontro empresarial, no qual participaram mais de 200 companhias, ou o Fórum da Comunicação, no qual os responsáveis máximos pelos principais grupos do mundo em espanhol, como Univisión, Televisa ou PRISA, debateram os novos desafios da economia digital. Mas também não parece fácil que os governantes de Cuba ou da Venezuela estejam dispostos a debater a liberdade de imprensa.
O presidente do Governo espanhol, Mariano Rajoy, aproveitou a abertura da cúpula para alardear a recuperação econômica da Espanha, e para defender sua receita: reformas estruturais, ainda que dolorosas, para ganhar competitividade. É uma música que soa bem aos ouvidos de seu anfitrião, o mexicano Enrique Peña Nieto, envolvido em um programa de reformas estruturais. Mas nem um nem outro podem apresentar ainda resultados para a maioria da população. A América Latina caminha por vias divergentes e a família ibero-americana, reunida em Veracruz, se ressente. (El Pais – 08/12/2014)

Cepal: AL enfrenta encruzilhada e precisa investir e se integrar mais
Por Sergio Lamucci*
SANTIAGO - Os países da América Latina estão numa encruzilhada, necessitando focar no investimento público e privado e na maior integração regional, disse neste sábado a secretária-executiva da Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (Cepal), Alicia Bárcena. Em conferência sobre a região realizada em Santiago, Bárcena afirmou que as economias da região não aproveitaram o suficiente a bonança da última década, marcada por preços de commodities elevados e um ambiente externo favorável.
Atualmente, as cotações das commodities estão em queda e haverá aumento dos juros nos EUA, ao passo que a Europa continua estagnada e a China vai crescer menos, dada a transição para um modelo puxado mais pelo consumo do que pelo investimento. É um cenário mais complexo, que deve dificultar a continuidade da forte desigualdade de renda e da pobreza ocorrida na última década.
Para ela, a América Latina tem que fazer o contrário, e dar prioridade ao investimento, tanto público como privado. Esse deve ser o motor do crescimento, e não mais o consumo ou as exportações, segundo Bárcena. Ela avalia que a dívida pública na região é relativamente baixa, o que significa que muitos países têm espaço para financiar o investimento.
Outra prioridade, para Bárcena, deve ser a integração regional. Segundo ela, as economias latino-americanas comercializam pouco entre si. Apenas 19% das exportações totais dos países da América Latina vão para a região. Na Europa, esse número chega a 60% e nos países da Ásia e do Pacífico, a 40%. É o caso de haver mais aproximação entre a Aliança do Pacífico e os do Mercosul, afirmou Bárcena, para quem é importante uma visão para integrar cadeias de valor e analisar em que setores isso é possível, por exemplo.
Bárcena também destacou que o espaço para reagir ao cenário global mais adverso é diferente em cada país. No Brasil, a margem de manobra parece pequena, dada a inflação alta e a perpsectiva de que o país passe por um ajuste, com juros elevados. No Chile, a situação é mais flexível, o que levou o banco central a cortar os juros por quatro meses seguidos, antes de mantê-los em 3% ao ano em novembro.
A secretária-executiva da Cepal participou de uma conferência sobre as perspectivas e os desafios da América Latina em Santiago, promovida pelo Fundo Monetário Internacional (FMI) e o Ministério da Fazenda do Chile. O Valor é parceiro de mídia do evento. (Valor Online – 06/12/2014)

Receita aprova norma sobre Operador Econômico Autorizado
A Receita Federal do Brasil publicou no Diário Oficial da União desta sexta-feira, 05/12, a Instrução Normativa nº 1.521 que institui o Programa Brasileiro de Operador Econômico Autorizado, que é de caráter voluntário e a não adesão por parte dos intervenientes não implica impedimento ou limitação na atuação do interveniente em operações regulares de comércio exterior.
O Operador Econômico Autorizado é o interveniente em operação de comércio exterior envolvido na movimentação internacional de mercadorias a qualquer título que, mediante o cumprimento voluntário dos critérios de segurança aplicados à cadeia logística ou das obrigações tributárias e aduaneiras, conforme a modalidade de certificação, demonstre atendimento aos níveis de conformidade e confiabilidade exigidos pelo Programa Brasileiro de OEA e seja certificado nos termos da legislação.
O Programa adotará um cronograma progressivo de certificação, por grupo de intervenientes e por modalidade. (Aduaneiras – 05/12/2014)

 
Abinee - Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica

Escritório Central: Avenida Paulista, 1313 - 7º andar - 01311-923 - São Paulo - SP
Fone: 11 2175-0000 - Fax: 11 2175-0090