DRI Clipping Semanal nº 19 - 18 a 22/05/15

Acordos


Veja mais

Es “urgente y necesario” flexibilizar el Mercosur
El presidente de Uruguay, Tabaré Vázquez, dijo ayer que es “urgente y necesario” replantear el Mercosur para dar mayor flexibilidad comercial a sus socios, en coincidencia con la mandataria brasileña, Dilma Rousseff, en una reunión mantenida en Brasilia.
BRASILIA (AFP). “No somos ilusos ni impacientes. Pero no seríamos sinceros si dijéramos que el Mercosur, tal como está, nos satisface”, dijo Vázquez en una declaración a la prensa durante su visita de Estado en Brasilia.
“Coincidimos en que el Mercosur representa un importante patrimonio común. Como dice el presidente Tabaré Vázquez: el Mercosur siempre tiene que adaptarse a las nuevas circunstancias”, dijo por su lado Rousseff.
Tres socios del Mercosur, Brasil, Uruguay y Paraguay –que junto con Argentina y la recién llegada Venezuela integran el bloque–, están de acuerdo en buscar una fórmula que permita acabar con una de las principales limitaciones del bloque: la imposibilidad de buscar acuerdos comerciales sin la anuencia de los demás socios.
Vázquez consideró necesario otorgar a sus miembros “ciertas flexibilidades para que, aquellos que lo desean, puedan avanzar en conjunto con otros socios comerciales”.
Se trata de un cambio fundamental para el Mercosur, por el que abogaban Uruguay y Paraguay y que durante años chocó con la reticencia de Brasilia y las dificultades económicas por las que pasa Argentina.
Tradicionalmente opuesto a que los países del Mercosur negociaran acuerdos comerciales fuera del bloque, Brasil ha tenido que modificar su postura, forzado por una economía que no despega y presiones del sector productivo de ese país.
Acuerdo con la EU
Vázquez y Rousseff, preocupados por el deterioro del comercio regional, intentan avanzar en un acuerdo de libre comercio entre el Mercosur y la Unión Europea (UE).
“La negociación conjunta Mercosur-Unión Europea es un objetivo prioritario, largamente planteado, pero que hoy está nuevamente detenido”, reclamó el presidente uruguayo en su discurso.
El pacto, estancado desde hace más de 10 años, es visto por los dos gobiernos como una primera alternativa de apertura comercial para el Mercosur.
Rousseff subrayó que es prioritario alcanzar un acuerdo con la UE este año, y que no es necesario que todos los miembros del Mercosur presenten sus propuestas al mismo tiempo. (ABC Color – 22/05/2015)

Dilma y Tabaré defienden pacto Mercosur-EU
Internacionales
La presidenta brasileña, Dilma Rousseff, y su par uruguayo, Tabaré Vázquez, de visita oficial en Brasil, coincidieron ayer en que la "prioridad" para este año del Mercosur deben ser las negociaciones para un acuerdo de libre comercio con la Unión Europea y poner fecha para presentar las respectivas ofertas comerciales para este mismo año.
Como era previsible, Tabaré fue enfático a la hora de reclamar "flexibilizar" las normas del bloque que impiden a sus socios pactar en forma individual o a velocidades distintas. "El Mercosur debe adaptarse siempre a las nuevas realidades", dijo. Más cautelosa, Dilma dijo que el Mercosur es un "proyecto ambicioso. Pero precisamos mejorar y avanzar más". (Cronista – 22/-5/2015)

Impulsarán un Mercosur más flexible
El presidente de Uruguay, Tabaré Vázquez, y su par brasileña, Dilma Rousseff, coincidieron ayer en que es necesario replantear el Mercosur para dar mayor flexibilidad comercial a sus socios, iniciativa que puede introducir un cambio histórico en el bloque fundado en 1991.
“No somos ilusos ni impacientes. Pero no seríamos sinceros si dijéramos que el Mercosur, tal como está, nos satisface”, dijo Vázquez en una declaración a la prensa durante su visita de Estado en Brasilia.
“Coincidimos en que el Mercosur representa un importante patrimonio común. Como dice el presidente Tabaré Vázquez: ‘El Mercosur siempre tiene que adaptarse a las nuevas circunstancias’”, dijo por su lado Rousseff.
Tres socios del Mercosur, Brasil, Uruguay y Paraguay –que junto con Argentina y la recién llegada Venezuela integran el bloque–, están de acuerdo con buscar una fórmula que permita acabar con una de las principales limitaciones del bloque: la imposibilidad de buscar acuerdos comerciales sin la anuencia de los demás socios.
Vázquez consideró necesario otorgar a sus miembros “ciertas flexibilidades para que, aquellos que lo desean, puedan avanzar en conjunto con otros socios comerciales”.
Se trata de un cambio fundamental para el Mercosur, por el que abogaban Uruguay y Paraguay, y que durante años chocó con la reticencia de Brasilia y las dificultades económicas por las que pasa Argentina.
Tradicionalmente opuesto a que los países del Mercosur negociaran acuerdos comerciales fuera del grupo, Brasil ha tenido que modificar su tesitura forzado por una economía que no despega y presiones de sectores empresariales.
En abril, el FMI pronosticó que Brasil tendrá una contracción del PIB del 1% este año. Afp (Ultima Hora – 22/05/2015)

Mercosur “flexible” y prioridad en acordar con Europa, confirmaron Vazquez y Rousseff en Brasilia
La presidenta de Brasil, Dilma Rousseff, y su homólogo uruguayo, Tabaré Vázquez, coincidieron en que el Mercosur debe “adaptarse a las nuevas realidades” y “flexibilizar” las normas que impiden a sus socios establecer acuerdos comerciales.
“El Mercosur debe adaptarse siempre a las nuevas circunstancias”, declaró junto a Vázquez la presidenta brasileña
Asimismo, calificaron de “prioridad” las negociaciones para un acuerdo de libre comercio con la Unión Europea (UE) y anunciaron que el Mercosur le planteará al bloque comunitario que se defina una fecha para intercambiar sus respectivas ofertas este mismo año.
Vázquez realizó este jueves una visita a Dilma Rousseff en Brasilia para abordar temas de la agenda bilateral, peor por sobretodo intentar avanzar con un replanteo del Mercosur y un acuerdo con la Unión Europea.
“El Mercosur debe adaptarse siempre a las nuevas circunstancias”, declaró junto a Vázquez la presidenta brasileña, cuyo país ejerce en este semestre la presidencia rotativa del bloque.
Rousseff consideró que el bloque formado por Argentina, Brasil, Uruguay, Paraguay y Venezuela “es un ambicioso proyecto” que ha dado “resultados muy expresivos”, entre los que citó la multiplicación por diez del comercio interno en dos décadas.
“Pero no podemos acomodarnos y precisamos mejorar y avanzar más”, agregó la mandataria brasileña.
Vázquez, por su parte, reiteró el viejo reclamo de Uruguay en el sentido de que el Mercosur debe revisar las normas que impiden a sus miembros avanzar en acuerdos comerciales con otros bloques o países en forma individual.
“Nuestros países no viven en soledad. Forman parte de un bloque regional que tiene un enorme potencial, pero que hoy no está a la altura de su razón de ser”, declaró. “No somos ilusos ni impacientes, pero tampoco seríamos sinceros si dijéramos que hoy, como está, (el Mercosur) nos satisface”, apuntó.
Vázquez aseguró que no manifiesta “reproches” y que tampoco pretende “extenderle una partida de defunción al Mercosur”, pero insistió en que el bloque debe estar “al servicio de sus Estados parte y, fundamentalmente, de los pueblos”.
Según el presidente uruguayo, “sin renunciar a objetivos de largo plazo”, es “necesario y urgente alinear al bloque con las realidades políticas y económicas del momento”, “restablecer su credibilidad ” y “generar la necesaria flexibilidad” para que sus miembros expandan sus fronteras comerciales a través de nuevos acuerdos.
En ese sentido, manifestó su pleno apoyo a la tesis que maneja Brasil, que apunta a permitir que las negociaciones con otros bloques o países se desarrollen a distintos ritmos, de acuerdo al interés de cada miembro del Mercosur.
“Vistas las necesidades puntuales, coincidimos y estimamos necesario que se acuerde la posibilidad de ritmos y velocidades diferentes en las negociaciones”, señaló el presidente uruguayo, quien realiza en Brasilia la que es la primera visita bilateral de su segundo mandato, que comenzó el pasado primero de marzo. (MercoPress – 22/05/2015)

Com Dilma, debate sobre parceria do Mercosul com a EU
ECONOMIA
Lagarde se reúne com a presidente e com o ministro da Fazenda, Joaquim Levy
O encontro entre as duas durou mais de uma hora e meia no Palácio do Planalto. E ao término da reunião com a presidente Dilma Rousseff, a diretora-geral do Fundo Monetário Internacional (FMI), Christine Lagarde, revelou que, entre outros assuntos, a conversa girou sobre os "benefícios econômicos" de uma relação mais estreita entre o Mercosul e a União Europeia.
Segundo a francesa, elas conversaram sobre a situação da economia internacional e ainda discutiram providências para o enfrentamento das mudanças climáticas.
- A presidente e eu tivemos uma boa troca de pontos de vista sobre a economia global e questões de desdobramento regional, a possibilidade de uma relação comercial mais estreita entre o Mercosul e a União Europeia, bem como os benefícios econômicos que isso traria. Discutimos cabalmente também as questõesrelativas àmudançado clima, queexigemumtratamento urgente em escala global - afirmou.
Antes do encontro com Dilma, Lagarde reuniu-se com o ministro da Fazenda, Joaquim Levy. Pouco foi revelado sobre o teor da conversa.
- Nós tivemos umencontro muito curto. Falamos sobre as perspectivaspara economia global epara aeconomia brasileira - disse Lagardeaosairdo ministério.
VÁZQUEZ: 'REANIMAR O BLOCO'
O Mercosul foi, de fato, um tema dominante ontem no Palácio do Planalto. Logo pela manhã, a presidente Dilma Rousseff recebeu o equivalente uruguaio, Tabaré Vásquez, que defendeu como "prioridade" um acordo entre o bloco sul-americano e a União Europeia. Para ele, o Mercosul precisa ser "reanimado"
- Precisamos reanimá-lo, fortalecê-lo. Alinhá-lo com as condições políticas e econômicas do momento.
E negociação conjunta de Mercosul e União Europeia é um dos objetivos - disse Vázquez.
Dilma acrescentou dizendo querer um entendimento ainda este ano.
- Vamos continuar o aperfeiçoamento do Mercosul, superando as dificuldades conjunturais e diversificando nossas parcerias comerciais. Fazer o acordo entre o Mercosual e a União Europeia este ano é prioridade da agenda externa do bloco. Vamos propor à União Europeia que definamos para o mais breve prazo possível a data de apresentação simultânea das nossas ofertas comerciais - afirmou a presidente.
CRÍTICAS À INJEÇÃO DE RECURSOS
No Rio, a preocupação era outra. O presidente do Banco Central, Alexandre Tombini, alertou para os riscos queos programas trilionários decompras detítulos por autoridades monetárias de Estados Unidos e Europa impõem à saúde financeira dos BCs e à estabilidade financeira global. Tombini reconheceu o papel que esses "instrumentos não convencionais"
Continuação: Com Dilma, debate sobre parceria do Mercosul com a EU exerceram para atenuar os efeitos da crise, mas ressaltou que não se pode "perder de vista os riscos" das medidas.
- De fato os bancos centrais tomaram medidas sem precedentes para uma crise semprecedentes. Por outro lado, não podemos perder de vista os riscos decorrentes dessas medidas disse ele na abertura do Seminário Anual de Metas para a Inflação.
O chefe do BC citou explicitamente os programas conhecidos como QE (quantitative easing), a compra de títulos de dívida soberana por órgãos como o Banco Central Europeu (BCE) e o Federal Reserve (Fed, banco central dos EUA) para impulsionar a economia (O Globo – 22/05/2015)

Maior parte da indústria enfrenta barreiras para vender ao México, aponta CNI
BRASIL
Por Sergio Lamucci | De São Paulo
A maior parte do empresariado brasileiro reclama de dificuldades em suas exportações para o México, país que a presidente Dilma Rousseff visitará na semana que vem, devendo assinar um acordo de cooperação e facilitação de investimentos (ACFI).
Pesquisa da Confederação Nacional da Indústria (CNI ) com 43 associações de 18 setores mostra que 84% dos que responderam dizem sofrer obstáculos em suas vendas para o país.
Dos ouvidos pela CNI, 48% se queixam de barreiras tarifárias, enquanto 35% relatam perda de mercado para concorrentes com os quais o México tem acordos.
Há também 19% que dizem sofrer com barreiras sanitárias ou fitossanitárias. Nesse cenário, a balança comercial tem se deteriorado nos últimos anos, apresentando déficit desde 2009. No ano passado, o buraco foi de US$ 1,7 bilhão.
Diretor de desenvolvimento industrial da CNI, Carlos Abijaodi destaca que o empresariado brasileiro vê o México como um dos principais mercados a que o Brasil deve dar prioridade em suas negociações comerciais - 61% disseram que as conversas com o México devem ser prioritárias, logo atrás dos 63% para a União Europeia e para os Estados Unidos (os entrevistados deveriam mencionar cinco países ou blocos).
O México é atraente para a indústria especialmente por ser umgrande comprador de bens manufaturados - 86% das exportações brasileiras para lá têm esse perfil. Um obstáculo importante é que as empresas brasileiras perdem mercado no México para outros países, diz Abijaodi. Para a CNI, a viagem de Dilma é uma oportunidade para o Brasil assinar novos acordos e ampliar os já existentes, como o acordo decomplementação econômica (ACE) 53.
O ACE 53 é um tratado de preferências tarifárias fixas envolvendo cerca de 800 produtos, dos quais 45% têm tarifa zero. Para a indústria, seria importante aumentar o número de produtos e ampliar os beneficiados por tarifas menores. A expectativa é que Dilma trate desse assunto com o presidente Enrique Peña Nieto, sem finalizar, contudo, novo acordo sobre o ACE 53. os dois países têm ainda o ACE 55, para o setor automotivo, renovado em março.
Entre as associações entrevistadas pela CNI,73% dizem que o seu setor é beneficiado por um acerto com o México, mas 88% o consideram insatisfatório. "Há necessidade de novos acordos para o Brasil se abrir a novos mercados e descobrir novas oportunidades", diz Abijaodi. "Apesar de não termos competitividade como a da China, temos certeza que conseguimos vender vários produtos, mas precisamos das facilidades que outros países têm com o México."
Abijaodi considera importante o acordo de investimentos que Dilma deve assinar com o México, um tipo de acordo nos mesmos moldes que o Brasil firmou neste ano com Angola e Moçambique.O ACFI procura estimular o investimento mútuo por meio do diálogo entre os dois governos, apoiando companhias que pretendem se internacionalizar.
A expectativa é que a presidente assine cerca de cinco convênios com Peña Nieto, em áreas como a financeira, a de turismo, a de intercâmbio acadêmico e no segmento agroindustrial. Dilma fica no México de segunda a quarta-feira. (Valor Econômico – 22/05/2015)

Dilma diz que proposta de Mercosul a UE pode vir em 'velocidades diferentes'
BRASIL
Relações externas Discurso sugere que bloco poderá fazer oferta sem a adesão argentina
Por Daniel Rittner e Bruno Peres | De Brasília A presidente Dilma Rousseff admitiu, pela primeira vez, a possibilidade de que os sócios do Mercosul promovam uma abertura em "velocidades diferentes" no acordo de livre comércio em negociação há mais de dez anos com a União Europeia (UE). Isso sinaliza uma mudançade posturaem relação àordem anterior de apresentar aos europeus oferta única de liberalização comercial e sugere que há disposição do bloco sul-americano em flexibilizar suas regras.
"As velocidades diferentes estão previstas internamente em todos os acordos. Elas vão ocorrer dentro da União Europeia e dentro do Mercosul. Cada realidade é uma [realidade]", disse Dilma, antes do almoço em homenagem ao presidentedo Uruguai, Tabaré Vázquez, que esteve em Brasília para visita de Estado - a mais importante no simbolismo diplomático.
Em seguida, referindo-se aos demais vizinhos, ela completou: "A gente espera que todos possam apresentar suas propostas, mas não há nenhum problema se alguém não apresentar imediatamente".
Para a presidente, diante da crise e da redução do comércio global, é uma "prioridade" concretizar a troca de ofertas entre Mercosul e UE no prazo "mais breve possível". Também ressaltou que as propostas deverão ser colocadasàmesa simultaneamenteequeespera avanços nas negociações de um acordo em 2015.
Na avaliação reservada de assessores presidenciais, trata-se de um sinal importante, duas semanas depois da primeira reunião da Câmara de Comércio Exterior (Camex) do novo governo. Na ocasião, ficou combinado que é preciso acelerar os acordos comerciais, mas ninguém teve coragem de propor concretamente negociações bilaterais com a UE. Pelo menos dois ministros - Armando Monteiro (Desenvolvimento) e Kátia Abreu (Agricultura) - sempre defenderam pessoalmente uma posição mais flexível nas discussões com os europeus.
A paralisia no acordo de livre comércio entre os dois blocos foi objeto, inclusive, da conversa pessoal que Dilma e Tabaré tiveram. Depois, em declaração à imprensa, o uruguaio afirmou que "não seríamos sinceros se disséssemos queo Mercosul, como está, nos satisfaz". Ele considerou necessário outorgar aos sócios do bloco "certas flexibilidades para que, aqueles que desejam, possam avançar em conjunto com outros parceiros comerciais".
Brasil, Uruguai e Paraguai conseguiram acertar uma proposta mais ousada de liberalização aos europeus.
A Argentina tinha dificuldades em somar-se à oferta amarrada pelos três. No caso da negociação com a UE, a Venezuela não participa. Os argentinos custavam não só a aproximar-se do patamar de 85% a 90% exigido pelos europeus para a cobertura de produtos que terão suas tarifas gradualmente eliminadas.
Buenos Aires concentrava grande quantidade de setores e produtos em "cestas" com prazos mais lentos de reduções tarifárias.
Em meados do ano passado, apesar das dificuldades, os quatro países finalmente decidiram fazer mesmo uma oferta única à UE. O grau de abertura da proposta é guardado a sete chaves, como em qualquer processo de negociação comercial, já que antecipar o conteúdo é tido como erro mortal pelos diplomatas.
O princípio das "velocidades diferentes" já havia sido apresentado a Dilma por seus auxiliares, mas sem prosperar. Isso significava que os quatro sócios podem negociar conjuntamente, mas cada um com o seu próprio ritmo de eliminação das tarifas. O que não deixa de ser um contrassenso, já que a base do Mercosul é a tarifa externa comum (TEC).
Enquanto isso, a UE ainda não obteve consenso entre seus 28 países para a oferta que fará ao Mercosul.
França, Irlanda e Polônia têm resistências maiores em ceder na área agrícola. Além disso, desde o ano passado, Bruxelas colocou prioridade nas negociações para o tratado de livre comércio que negocia com os Estados Unidos, reservando menos espaço ao bloco sul-americano. Um dos principais entusiastas do acordo, o ex-presidente da Comissão Europeia José Manuel Durão Barroso, deixou o cargo. (Valor Econômico – 22/05/2015)

Brazil and Uruguay on an “urgent and necessary” redesign of Mercosur
Uruguayan president Tabare Vazquez said it was “urgent and necessary” to redesign Mercosur so as to give its members greater 'trade flexibility'. Vazquez made the statements following Thursday meeting with his peer Dilma Rousseff in Brasilia and underlined “it would be naive to admit that Mercosur as it stands currently, is satisfactory”.
Vazquez said it was necessary to grant member countries “certain degree of flexibility, so that those who wish can advance with other trade partners”
Three Mercosur partners, Brazil, Uruguay and Paraguay, (which together with Argentina and recently incorporated Venezuela make up the trade block), have agreed that it is necessary to look for a way to end one of the main hurdles for the grouping: it's impossible to reach trade agreements without the blessing of the other members.
Vázquez said it was necessary to grant member countries “certain degree of flexibility, so that those who wish can advance with other trade partners”. He insisted, “Mercosur must adapt to the new circumstances”.
The stance which was openly supported by Brazil's Rousseff means a pivotal change for Mercosur and one which for years junior members Paraguay and Uruguay were requesting despite the reticence of Brazil and the ongoing Argentine economic policies to privilege its industry and domestic market.
Traditionally opposed to the idea that Mercosur members should be allowed to negotiate trade agreements with third parties, Brazil has been forced to modify its stance under the effects of a declining economy and pressure from the main business groups and lobbies of the country.
Last month, IMF anticipated that the Brazilian economy would undergo a 1% contraction this year, a forecast that has been confirmed by private and lately government estimates.
Vázquez who is increasingly concerned with the loss of intra-Mercosur trade, and Rousseff whose government has been rattled by a huge corruption scandal in the country's largest corporation, and until recently an icon of Brazilian power, are much interested in reaching a trade and cooperation agreement with the European Union, a project started in 1999 and which still lingers after several re-starts.
“The joint negotiation Mercosur/European Union is a priority objective, long planned but which currently is again stalled”, claimed Vazquez in his exchange with the media at Planalto Palace, seat of Brazil's executive.
Uruguay, Brazil (and Paraguay) agree that such an accord represents for Mercosur a viable and urgently needed opening to the world's main leading trade groups. (MercoPress – 22/05/2015)

Dilma e diretora do FMI discutem aproximação entre Mercosul e União Europeia
A presidenta Dilma Rousseff e a diretora do Fundo Monetário Internacional (FMI), Chistine Lagarde, estiveram reunidas na tarde de hoje (21), no Palácio do Planalto. Elas conversaram, entre outros assuntos, sobre "os benefícios econômicos" de uma relação mais estreita entre o Mercosul e a União Europeia.
Em breve declaração à imprensa após a reunião, a diretora do FMI disse que teve com Dilma uma "boa troca de pontos de vista" sobre o atual momento da economia global. "[Discutimos] questões de desdobramento regional, bem como o potencial, a possibilidade de uma relação comercial mais estreita entre esta região, digo Mercosul, e a União Europeia, e os benefícios econômicos que disso adviriam", disse.
O encontro, no Palácio do Planalto, ocorreu logo após Chistine Lagarde se encontrar com o ministro da Fazenda, Joaquim Levy. Além de Levy, participaram da audiência com Dilma, no Palácio do Planalto, os ministros da Casa Civil, Aloizio Mercadante, e das Relações Exteriores, Mauro Vieira.
O meio ambiente também foi tema das conversas durante a reunião. "Discutimos cabalmente também as questões relativas à mudança do clima, à agenda de mudança do clima e questões afins que exigem um tratamento urgente em escala global", afirmou Chistine Lagarde em inglês, conforme tradução oficial do Palácio do Planalto. (Agência Brasil – 21/05/2015)

Brazil, Uruguay say trade accord with EU 'a priority' this year
Brazilian President Dilma Rousseff and Uruguayan President Tabaré Vazquez said on Thursday that they consider negotiating a trade deal between the Mercosur trade bloc and the European Union a priority in 2015.
Rousseff called on the EU to set a date for the simultaneous presentation of EU and Mercosur trade proposals.
Rousseff and Vazquez made their comments during a state visit by the Uruguayan president to Brazil's capital Brasília. (Reuters EUA– 21/05/2015)

Em Brasília, Dilma e Vázquez expressam 'preocupação' com crise na Venezuela
Nivaldo Souza e Rafael Moraes Moura
Para presidentes de Brasil e Uruguai, chavistas e opositores devem buscar solução pacífica e democrática para crise; Dilma destaca papel da Unasul na resolução de conflitos políticos regionais
BRASÍLIA - A presidente Dilma Rousseff enfatizou nesta quinta-feira, 21, o papel da União de Nações Sul-Americanas (Unasul) na resolução de conflitos políticos na região. Ela destacou que a Unasul pode estimular o “diálogo e respeito às instituições”.
A defesa da Unasul como órgão de mediação diplomático ocorreu em pronunciamento de boas vindas feito por Dilma ao presidente do Uruguai, Tabaré Vázquez, que foi recebido em cerimônia no Palácio do Planalto nesta quinta.
A presidente disse que ela e Vázquez têm a mesma “preocupação com a Venezuela”, que vive tensão interna entre a oposição e o governo de Nicolás Maduro. Dilma ressaltou que o “legítimo governo” da Venezuela e os opositores ao chavismo devem buscar um entendimento pacífico e democrático para a crise política do país. “O entendimento entre os venezuelanos interessa ao conjunto dos latino-americanos”, disse Dilma.
Diálogo. Brasil e Uruguai têm mantido diálogo frequente sobre a crise na Venezuela. Em fevereiro, o ex-presidente uruguaio José Mujica aproveitou um almoço com Dilma para discutir a crise política na Venezuela. Na ocasião, o assunto foi trazido à discussão pelo próprio Mujica e tanto ele quanto Dilma demonstraram preocupação com os últimos acontecimentos na região.
Recentemente o Itamaraty já divulgou uma nota em que cobrava diálogo entre a oposição e o governo de Caracas, demonstrando incômodo com decisão do governo Maduro de prender o prefeito da capital venezuelana, Antonio Ledezma. “São motivos de crescente atenção as medidas tomadas nos últimos dias, que afetam diretamente partidos políticos e representantes democraticamente eleitos, assim como iniciativas tendentes a abreviar o mandato presidencial”, disse a nota da diplomacia brasileira.
A esposa de Ledezma, Mitzy de Ledezma, esteve no Brasil no início deste mês para pedir ajuda ao governo brasileiro para libertar seu marido, que agora cumpre prisão domiciliar por problemas de saúde. Dilma se recusou a recebê-la no Palácio do Planalto, mas enviou uma carta afirmando que o Brasil busca “incansavelmente” ajudar na resolução da crise no país vizinho “dentro do mais absoluto respeito ao Estado democrático”.
Agora, ao lado do novo presidente do Uruguai, Dilma disse que os governos do dois países defendem a manutenção da ordem institucional da Venezuela. “Coincidimos (Brasil e Uruguai) na preocupação com a situação da Venezuela e na avaliação de que seu legítimo governo e as diferentes forças políticas venezuelanas devem solucionar pacífica e democraticamente, no marco institucional do país, os conflitos, as adversidades e os desafios existentes”, afirmou. (O Estado de SP – 21/05/2015)

Acordo com União Europeia é prioridade para o Mercosul neste ano, afirma Dilma
Ao lado do presidente uruguaio, Tabaré Vázquez, Dilma afirmou que vai propor calendário para que negociações comerciais se desenrolem neste ano
BRASÍLIA - A presidente Dilma Rousseff afirmou, nesta quinta-feira, 21, que o Mercosul deve propor à União Europeia um calendário de negociações para concluir neste ano o acordo de comércio bilateral entre os blocos econômicos. A declaração foi feita ao lado do presidente Uruguai, Tabaré Vázquez, em cerimônia no Palácio do Planalto.
"Vamos continuar aperfeiçoando o Mercosul e diversificando parcerias comerciais", disse Dilma. "Fazer o acordo entre o Mercosul e a União Europeia este ano é prioridade da agenda externa do bloco. Vamos propor à União Europeia que definamos para o mais breve prazo possível a data de apresentação simultânea das nossas propostas comerciais", afirmou.
A presidente ressaltou que o Mercosul segue como mecanismo comercial importante para a América do Sul por ser "um ambicioso processo de integração" regional e classificou o bloco de "patrimônio comum" que precisa de adaptar às circunstâncias. "Não podemos nos acomodar, precisamos melhorar, avançar, cada vez mais. Um passo importante consiste na elaboração de programas que contribuam para a diminuição de assimetrias entre os sócios", disse.
Energia uruguaia. Ao lado do presidente uruguaio, Dilma Rousseff voltou a afirmar que o Brasil pretende estabelecer um "intercâmbio permanente de eletricidade" com o vizinho. Os países já realizaram uma série de empreendimentos no setor. A parceria já havia sido detalhada em fevereiro pelo presidente da Eletrobras, José da Costa Carvalho Neto, que disse que importar energia do Uruguai será algo vantajoso para o Brasil, o que se refletirá na tarifa praticada no País.
O parque eólico de Artilleros, no Uruguai, é o primeiro empreendimento da Eletrobras a gerar energia no exterior. O investimento do projeto é de US$ 103 milhões, dos quais US$ 23,5 milhões foram bancados pela Eletrobras - o restante foi pago pela estatal uruguaia UTE e pela Corporación Andina de Fomento.
Segundo a Eletrobras, a energia produzida pelo parque se destinará ao sistema elétrico do Uruguai, mas a capacidade instalada naquele país vai permitir que a geração de excedentes de energia seja intercambiada com o sistema elétrico brasileiro.
Brics. Dilma classificou ainda como "fundamental" a criação do Novo Banco de Desenvolvimento, conhecido como "Banco dos Brics", o grupo de países formado por Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul. "O banco dos Brics é algo fundamental porque garante o acesso a recursos importantes e o acordo de contingenciamento de reservas é uma proteção a variações cambiais e a todas as variações internacionais", afirmou.
Fundo. Dilma destacou que o Brasil está trabalhando pela renovação do Fundo para a Convergência Estrutural e Fortalecimento Institucional do Mercosul (Focem), que foi criado em dezembro de 2004. O fundo tem como objetivo aprofundar o processo de integração regional no Cone Sul, por meio da redução de assimetrias e do incentivo à competitividade na região. O Brasil é o país do Mercosul que fez a maior aporte no fundo. (Nivaldo Souza, Rafael Moraes Moura, Mário Braga e Carla Araújo) (O Estado de SP – 21/05/2015)

Rousseff y Vázquez piden flexibilidad a Mercosur
Por EFE
BRASILIA. La presidenta de Brasil, Dilma Rousseff, y su homólogo uruguayo, Tabaré Vázquez, afirmaron que el Mercosur debe “adaptarse a las nuevas realidades” y “flexibilizar” las normas que impiden a sus socios establecer acuerdos comerciales.
Asimismo, calificaron de “prioridad” las negociaciones para un acuerdo de libre comercio con la Unión Europea (UE) y anunciaron que el Mercosur le planteará al bloque comunitario que se defina una fecha para intercambiar sus respectivas ofertas este mismo año.
“El Mercosur debe adaptarse siempre a las nuevas circunstancias”, declaró junto a Vázquez la presidenta brasileña, cuyo país ejerce en este semestre la presidencia rotativa del bloque.
Rousseff consideró que el bloque formado por Argentina, Brasil, Uruguay, Paraguay y Venezuela “es un ambicioso proyecto” que ha dado “resultados muy expresivos”, entre los que citó la multiplicación por diez del comercio interno en dos décadas.
“Pero no podemos acomodarnos y precisamos mejorar y avanzar más”, agregó la mandataria brasileña.
Vázquez, por su parte, reiteró el viejo reclamo de Uruguay en el sentido de que el Mercosur debe revisar las normas que impiden a sus miembros avanzar en acuerdos comerciales con otros bloques o países en forma individual.
“Nuestros países no viven en soledad. Forman parte de un bloque regional que tiene un enorme potencial, pero que hoy no está a la altura de su razón de ser”, declaró.
“No somos ilusos ni impacientes, pero tampoco seríamos sinceros si dijéramos que hoy, como está, (el Mercosur) nos satisface”, apuntó.
Vázquez aseguró que no manifiesta “reproches” y que tampoco pretende “extenderle una partida de defunción al Mercosur”, pero insistió en que el bloque debe estar “al servicio de sus Estados parte y, fundamentalmente, de los pueblos”.
Según el presidente uruguayo, “sin renunciar a objetivos de largo plazo”, es “necesario y urgente alinear al bloque con las realidades políticas y económicas del momento”, “restablecer su credibilidad ” y “generar la necesaria flexibilidad” para que sus miembros expandan sus fronteras comerciales a través de nuevos acuerdos.
En ese sentido, manifestó su pleno apoyo a la tesis que maneja Brasil, que apunta a permitir que las negociaciones con otros bloques o países se desarrollen a distintos ritmos, de acuerdo al interés de cada miembro del Mercosur.
“Vistas las necesidades puntuales, coincidimos y estimamos necesario que se acuerde la posibilidad de ritmos y velocidades diferentes en las negociaciones”, señaló el presidente uruguayo, quien realiza en Brasilia la que es la primera visita bilateral de su segundo mandato, que comenzó el pasado 1 de marzo. (ABC Color – 21/05/2015)

Rousseff y Vázquez analizan fórmula para abrir Mercosur
La presidenta brasileña, Dilma Rousseff, recibirá hoy en Brasilia a su homólogo uruguayo, Tabaré Vázquez, con quien analizará una vasta agenda bilateral y el futuro del Mercosur, que según ambos gobiernos debe dar más libertad comercial a sus socios, informó ayer EFE.
Según una nota difundida ayer por la Cancillería brasileña, “los presidentes discutirán el avance de los principales proyectos de integración bilateral y temas regionales y multilaterales, con énfasis en el Mercosur”.
El comunicado no profundiza en el asunto, pero fuentes oficiales dijeron a EFE que uno de los temas en relación con el bloque será la coincidencia que existe ahora entre Brasil y Uruguay en el sentido de que se debe revisar la llamada Decisión 32/2000 del Mercosur.
Esa norma adoptada hace quince años establece que los socios del bloque que integran Argentina, Brasil, Uruguay, Paraguay y Venezuela (este último desde 2013) deben negociar todo acuerdo comercial en conjunto, lo cual para sectores empresariales constituye una camisa de fuerza.
Uruguay y Paraguay, considerados los “socios menores” del bloque, han exigido flexibilizar esa norma durante años, pero hasta ahora se habían encontrado con los oídos sordos de Argentina y Brasil. Argentina, “el escollo”
Fuentes diplomáticas consultadas por EFE consideraron que el mayor obstáculo para esa flexibilización lo constituye Argentina, que en los últimos años ha buscado proteger a su alicaída industria con reiteradas medidas de corte proteccionista, protestadas incluso por sus propios socios del Mercosur. (ABC Color – 21/05/2015)

Tabaré se reunió con Dilma y pidió flexibilizar el Mercosur
Encuentro en Brasilia.El presidente uruguayo reclamó que los países miembros puedan negociar con otros Estados en forma individual. Ambos coincidieron en que la prioridad es cerrar un acuerdo con la Unión Europea.
Eleonora Gosman
Corresponsal de Clarín en San Pablo
En su primera visita oficial a Brasil, el presidente uruguayo Tabaré Vázquez, sostuvo que la prioridad para el Mercosur es ahora cerrar un acuerdo con la Unión Europea. Fue en un pronunciamiento conjunto con Dilma Rousseff luego de una primera reunión bilateral que se extendió por algo más de una hora.
"El Mercosur debe adaptarse siempre a las nuevas circunstancias", declaró junto a Vázquez la presidenta brasileña, cuyo país ejerce en este semestre la presidencia rotativa del bloque.
Rousseff consideró que el bloque formado por Argentina, Brasil, Uruguay, Paraguay y Venezuela "es un ambicioso proyecto" que ha dado "resultados muy expresivos", entre los que citó la multiplicación por diez del comercio interno en dos décadas. "Pero precisamos mejorar y avanzar más", agregó la mandataria brasileña.
Durante la reunión en Brasilia, Vázquez, por su parte, reiteró el viejo reclamo de Uruguay en el sentido de que el Mercosur debe revisar las normas que impiden a sus miembros avanzar en acuerdos comerciales con otros bloques o países en forma individual.
"Nuestros países no viven en soledad. Forman parte de un bloque regional que tiene un enorme potencial, pero que hoy no está a la altura de su razón de ser", declaró.
De acuerdo con Rousseff, en ese encuentro trataron la situación política de Venezuela y los dos jefes de Estado sudamericanos coincidieron que “su legítimo gobierno y sus fuerzas deben buscar una solución pacífica y democrática, en el marco constitucional del país, a los conflictos y desafíos que existen”.
Esta gira de Vázquez es la primera después de asumir la presidencia uruguaya en marzo último, donde estuvo presente la presidenta Rousseff, aunque no así Cristina Kirchner. Tabaré ya había gobernado la Banda Oriental entre 2005 y 2010, período en el que estuvo Lula da Silva en el Palacio del Planalto. La visita tiene como objetivo inmediato ampliar los proyectos comerciales y de inversión conjuntos. El intercambio bilateral entre ambas naciones llegó el año pasado a 4.800 millones de dólares. (Clarin – 21/05/2015)

Regime de origem Mercosul: governos aprovam novo protocolo
Com o objetivo de unificar todas as normas e facilitar a aplicação do Regime de Origem Mercosul, tanto para as autoridades competentes como para os operadores comerciais, os governos dos Estados Partes do Mercosul (Argentina, Brasil, Paraguai e Uruguai) incorporaram ao Acordo de Complementação Econômica nº 18 a Decisão nº 1/09 do Conselho do Mercado Comum, relativa ao "Regime de Origem Mercosul".
De acordo com as disposições do Septuagésimo Sétimo Protocolo Adicional ao ACE nº 18, foram definidas as normas de origem do Mercosul, as disposições e as decisões administrativas a serem aplicadas pelos Estados Partes para qualificação e determinação do produto originário; emissão dos certificados de origem; verificação e controle; e sanções por adulteração ou falsificação dos certificados de origem ou pelo não cumprimento dos processos de verificação e controle.
O referido protocolo foi homologado, no Brasil, por meio do Decreto nº 8.454, publicado no Diário Oficial da União desta quinta-feira, 21/05. (Aduaneiras – 21/05/2015)

"Es necesario alinear al Mercosur con la realidad política y económica"
El presidente uruguayo, Tabaré Vázquez, mantuvo hoy un encuentro con su par brasileña, Dilma Rousseff, y tras la reunión ambos mandatarios hablaron en conferencia de prensa.
El presidente Tabaré Vázquez, junto con su canciller Rodolfo Nin Novoa, y los ministros de Economía, Danilo Astori, e Industria, Carolina Cosse se reunió hoy en el Palacio de Planalto con su colega de Brasil, Dilma Rousseff.
La presidenta brasileña le dio la bienvenida refiriéndose al mismo como “un querido dirigente político” que ha hecho “mucho por su país”.
Destacó, por ejemplo, las obras realizadas en materia de integración energética y la importancia del Parque Eólico uruguayo de Artilleros.
"Estas iniciativas forman parte de nuestro propósito de establecer un proceso de intercambio permanente de electricidad entre nuestros dos países", señaló Rousseff.
Y agregó que "son fruto de un acuerdo inédito entre Uruguay y Brasil, actualmente en negociación, que servirá de ejemplo y modelo a seguir para futuras socios".
La presidenta dijo que ambos países seguirán "trabajando en el Mercosur, superando las dificultades coyunturales y diversificando nuestras sociedades comerciales"
La mandataria también dijo que "el acuerdo con la Unión Europea es uno de los pasos estratégicos en el área del comercio internacional de la región".
Rousseff aseguró que Brasil y Uruguay continuarán siendo “socios inseparables, empeñados en la consolidación de un espacio de paz, cooperación, democracia y crecimiento con justicia social en nuestro continente y en el mundo". (El Pais - Uruguay – 21/05/2015)

Tabaré busca aprovechar el frenazo brasileño para lograr mayor apertura del Mercosur
Internacionales
Vázquez espera ganar el respaldo del gobierno de Dilma a su reclamo de poder pactar por fuera del bloque comercial, posición a la que se resiste la Argentina
El presidente de Uruguay, Tabaré Vázquez, se reunirá hoy en Brasilia con su par Dilma Rousseff a fin de lograr lo que anheló pero no pudo durante su anterior mandato: conseguir apoyo para dotar de mayor flexibilidad al estancado Mercosur a fin de poder firmar acuerdos bilaterales con países ajenos al bloque comercial, sin tener que contar con el aval de todos los socios.
A diferencia de lo que ocurrió en 2006, cuando todos los países miembro le saltaron a la yugular por coquetear abiertamente con un tratado de libre comercio (TLC) con Estados Unidos, esta vez Tabaré apuesta a sacar provecho de las circunstancias económicas de la región, y puntualmente el frenazo de la economía brasileña, para ganarse nada más ni nada menos que al gigante sudamericano como su gran aliado en la cruzada aperturista del Mercosur.
Según una nota difundida ayer por la cancillería brasileña, en vísperas de la visita de Vázquez, "los presidentes discutirán el avance de los principales proyectos de integración bilateral y temas regionales y multilaterales, con énfasis en el Mercosur".
Aunque el comunicado no profundiza en el asunto, fuentes oficiales dijeron a la agencia Efe que uno de los temas en relación al bloque será la coincidencia que existe ahora entre Brasil y Uruguay en el sentido de que se debe revisar la llamada Decisión 32/2000 del Mercosur. Esa norma adoptada hace 15 años establece que los socios del bloque (Argentina, Brasil, Uruguay, Paraguay y Venezuela; este último desde 2011) deben negociar todo acuerdo comercial en conjunto, lo cual para sectores empresariales constituye una camisa de fuerza.
Desde hace años Uruguay y Paraguay, los llamados ‘socios menores‘ del bloque, vienen pidiendo flexibilizar esa norma, pero hasta ahora Argentina y Brasil hicieron oídos sordos. Sin embargo, en los últimos meses el gobierno de Rousseff dio señales claras de estar dispuesto a revisar la norma, en coincidencia con el deterioro de su comercio exterior, que en 2014 cerró en rojo por primera vez en catorce años.
"El Mercosur es un casamiento indisoluble pero eso no significa que no se pueda discutir la relación", declaró a principio de mayo el ministro brasileño de Comercio Exterior, Armando Monteiro. "No hay nada en el mundo que impida hacer ajustes y darle a los países, como Brasil, un mayor grado de libertad para ir en dirección de nuevos acuerdos", señaló.
Esa declaración fue muy bien recibida en Uruguay y en especial en relación al TLC que Mercosur negocia desde hace más de una década con la Unión Europea. Uruguay y (ahora) Brasil coinciden en que se podría desbloquear si cada país negocia por separado o a "velocidades diferentes". Pero ambos gobiernos reconocen en off que el mayor obstáculo para esa flexibilización es el proteccionismo de Argentina. (Cronista – 21/05/2015)

Vázquez: hay que "alinear al Mercosur con las realidades políticas y económicas del momento"
El mandatario se reunió con la presidenta brasileña Dilma Rousseff; pidió flexibilización del bloque
AFP
El presidente Tabaré Vázquez se reunió este jueves con su par brasileña Dilma Rousseff. Se trató del primer encuentro bilateral desde la asunción del nuevo gobierno.
En su discurso, el mandatario señaló la necesidad de flexibilizar el Mercosur para que se adapte a la realidad actual. "Creemos que es necesario alinear al Mercosur con las realidades políticas y económicas del momento", expresó. Si bien consideró que el bloque tiene un "enorme potencial", "no está a la altura" de sus objetivos y por tanto es necesario "sincerarlo" para sacarlo adelante.
"Esperamos que se acuerden las posibilidades de ritmos y velocidades de negociación", indicó Vázquez y señaló necesario que haya una "reconfiguración de compromisos" y que se generen "flexibilidades".
Por su parte, la mandataria brasileña dijo que un tratado con la Unión Europea es "una prioridad".
Uno de los objetivos principales de los gobiernos de Uruguay y de Brasil es alcanzar un Tratado de Libre Comercio entre países del Mercosor y la Unión Europea, algo a lo que Argentina se niega. La decisión 32 del Mercosur establece que no está permitido que los países miembros logren acuerdos de forma independiente. (El Observador – 21/05/2015)

Rousseff y Vázquez piden flexibilidad a Mercosur y defienden acuerdo con EU
La presidenta de Brasil, Dilma Rousseff, y su homólogo uruguayo, Tabaré Vázquez, afirmaron hoy que el Mercosur debe "adaptarse a las nuevas realidades" y "flexibilizar" las normas que impiden a sus socios establecer acuerdos comerciales en forma individual o a velocidades distintas.
La presidenta de Brasil, Dilma Rousseff, y su homólogo uruguayo, Tabaré Vázquez, afirmaron hoy que el Mercosur debe "adaptarse a las nuevas realidades" y "flexibilizar" las normas que impiden a sus socios establecer acuerdos comerciales en forma individual o a velocidades distintas.
Asimismo, calificaron de "prioridad" las negociaciones para un acuerdo de libre comercio con la Unión Europea (UE) y anunciaron que el Mercosur le planteará al bloque comunitario que se defina una fecha para intercambiar sus respectivas ofertas este mismo año.
"El Mercosur debe adaptarse siempre a las nuevas circunstancias", declaró junto a Vázquez la presidenta brasileña, cuyo país ejerce en este semestre la presidencia rotativa del bloque.
Rousseff consideró que el bloque formado por Argentina, Brasil, Uruguay, Paraguay y Venezuela "es un ambicioso proyecto" que ha dado "resultados muy expresivos", entre los que citó la multiplicación por diez del comercio interno en dos décadas.
"Pero no podemos acomodarnos y precisamos mejorar y avanzar más", agregó la mandataria brasileña.
Vázquez, por su parte, reiteró el viejo reclamo de Uruguay en el sentido de que el Mercosur debe revisar las normas que impiden a sus miembros avanzar en acuerdos comerciales con otros bloques o países en forma individual.
"Nuestros países no viven en soledad. Forman parte de un bloque regional que tiene un enorme potencial, pero que hoy no está a la altura de su razón de ser", declaró.
"No somos ilusos ni impacientes, pero tampoco seríamos sinceros si dijéramos que hoy, como está, (el Mercosur) nos satisface", apuntó.
Vázquez aseguró que no manifiesta "reproches" y que tampoco pretende "extenderle una partida de defunción al Mercosur", pero insistió en que el bloque debe estar "al servicio de sus Estados parte y, fundamentalmente, de los pueblos".
Según el presidente uruguayo, "sin renunciar a objetivos de largo plazo", es "necesario y urgente alinear al bloque con las realidades políticas y económicas del momento", "restablecer su credibilidad" y "generar la necesaria flexibilidad" para que sus miembros expandan sus fronteras comerciales a través de nuevos acuerdos.
En ese sentido, manifestó su pleno apoyo a la tesis que maneja Brasil, que apunta a permitir que las negociaciones con otros bloques o países se desarrollen a distintos ritmos, de acuerdo al interés de cada miembro del Mercosur.
"Vistas las necesidades puntuales, coincidimos y estimamos necesario que se acuerde la posibilidad de ritmos y velocidades diferentes en las negociaciones", señaló el presidente uruguayo, quien realiza en Brasilia la que es la primera visita bilateral de su segundo mandato, que comenzó el pasado 1 de marzo. (La Razon – 21/05/2015)

Rousseff recibe a Vázquez con el atasco comercial del Mercosur en la agenda
Brasilia, 21 may (EFE).- La presidenta brasileña, Dilma Rousseff, recibió hoy a su homólogo uruguayo, Tabaré Vázquez, quien realiza en Brasilia la primera visita bilateral de su segundo mandato, centrada en asuntos bilaterales y el atasco comercial que sufre el Mercosur.
Vázquez fue recibido con toda la pompa que reserva el protocolo para las visitas de Estado, que incluyó una revista a tropas de los Dragones de la Independencia, la guardia de honor de la presidencia brasileña, y un desfile militar que presenció junto a Rousseff desde un balcón del Palacio de Planalto.
Tras la ceremonia, ambos mandatarios se dirigieron al despacho de Rousseff, donde tendrán una reunión privada, a la que se unirán luego ministros de ambos Gobiernos.
La agenda de este primer contacto oficial entre Rousseff y Vázquez incluye asuntos bilaterales pero también una revisión del estado del Mercosur y de las normas que le impiden a los socios del bloque negociar acuerdos comerciales en forma individual.
Uruguay y Paraguay, considerados los "socios menores" del bloque, exigen flexibilizar esas normas desde hace años y han encontrado eco ahora en Brasil, que también ha sugerido revisar esas limitaciones, a pesar de la oposición de Argentina.
Venezuela, quinto miembro pleno del bloque desde 2011, aún no concluye su plena adaptación a las normas comerciales y no participa en las negociaciones conjuntas.
Rousseff y Vázquez también discutirán iniciativas para mejorar la integración física en las zonas fronterizas y nuevas fórmulas para potenciar el comercio entre ambos países, que el año pasado alcanzó la marca histórica de 4.900 millones de dólares.
Tras esa reunión, ambos mandatarios harán una declaración ante la prensa y compartirán un almuerzo en el Palacio de Itamaraty, sede de la cancillería brasileña, que supondrá la última actividad oficial de la visita del presidente uruguayo.
Vázquez, el primer socialista que llegó al poder en Uruguay, gobernó entre 2005 y 2010 y fue reelegido para un nuevo mandato que inició el pasado 1 de marzo, cuando sustituyó a su correligionario José Mujica.
En su primer período presidencial, Vázquez también escogió Brasil para su primera visita bilateral y fue recibido el 1 de abril de 2005 con una ceremonia similar por el entonces presidente Luiz Inácio Lula da Silva, antecesor y mentor político de Rousseff. (Ultima Hora – 21/05/2015)

Dilma y Tabaré buscan abrir el Mercosur
La presidenta brasileña, Dilma Rousseff, recibirá hoy a su homólogo uruguayo, Tabaré Vázquez, con quien analizará una vasta agenda bilateral y el futuro del Mercosur, que según ambos gobiernos debe dar más libertad comercial a sus socios.
Según una nota difundida por la Cancillería brasileña, en vísperas de la visita de Vázquez, “los presidentes discutirán el avance de los principales proyectos de integración bilateral y temas regionales y multilaterales, con énfasis en el Mercosur”.
El comunicado no profundiza en el asunto, pero fuentes oficiales dijeron que uno de los temas con relación al bloque será la coincidencia que existe ahora entre Brasil y Uruguay, en el sentido de que se debe revisar la llamada Decisión 32/2000 del Mercosur.
Esa norma adoptada hace quince años establece que los socios del bloque que integran Argentina, Brasil, Uruguay, Paraguay y Venezuela (este último desde 2011) deben negociar todo acuerdo comercial en conjunto, lo cual para sectores empresariales constituye una camisa de fuerza.
Uruguay y Paraguay, considerados los “socios menores” del bloque, han exigido flexibilizar esa norma durante años, pero hasta ahora se habían encontrado con los oídos sordos de Argentina y Brasil.
Sin embargo, en los últimos meses, el Gobierno de Rousseff ha dado claras muestras de que esa norma perjudica su propia posibilidad de alcanzar una mayor apertura para su comercio exterior, que en 2014 cerró en rojo por primera vez en catorce años.
“No hay nada en el mundo que cristalice a tal punto que impida hacer ajustes y darles a países, como Brasil, un mayor grado de libertad para ir en dirección de nuevos acuerdos”, declaró hace quince días el ministro brasileño de Desarrollo, Industria y Comercio Exterior de Brasil, Armando Monteiro. EFE (Ultima Hora – 21/05/2015)

Rousseff y Vázquez abordarán 'mayor flexibilidad' para un alicaído Mercosur
La presidenta brasileña, Dilma Rousseff, recibirá este jueves a su homólogo uruguayo, Tabaré Vázquez, con quien analizará una vasta agenda bilateral y el futuro del Mercosur, que según ambos Gobiernos debe dar más libertad comercial a sus socios.
“Los presidentes discutirán el avance de los principales proyectos de integración bilateral y temas regionales y multilaterales, con énfasis en el Mercosur”
Según el ministro Monteiro, “el Mercosur es un casamiento indisoluble, pero eso no significa que no se pueda discutir la relación”.
“Brasil es motor principal en estas negociaciones y vemos con satisfacción esta posición, en sintonía con Uruguay y Paraguay”, declaró el canciller Nin Novoa.
Según una nota difundida por la cancillería brasileña, en vísperas de la visita de Vázquez, “los presidentes discutirán el avance de los principales proyectos de integración bilateral y temas regionales y multilaterales, con énfasis en el Mercosur”.
El comunicado no profundiza en el asunto, pero fuentes oficiales dijeron que uno de los temas en relación al bloque será la coincidencia que existe ahora entre Brasil y Uruguay en el sentido de que se debe revisar la llamada Decisión 32/2000 del Mercosur.
Esa norma adoptada hace quince años establece que los socios del bloque que integran Argentina, Brasil, Uruguay, Paraguay y Venezuela (este último desde 2011) deben negociar todo acuerdo comercial en conjunto, lo cual para sectores empresariales constituye una camisa de fuerza.
Uruguay y Paraguay, considerados los “socios menores” del bloque, han exigido flexibilizar esa norma durante años, pero hasta ahora se habían encontrado con los oídos sordos de Argentina y Brasil.
Sin embargo, en los últimos meses el Gobierno de Rousseff ha dado claras muestras de que esa norma perjudica su propia posibilidad de alcanzar una mayor apertura para su comercio exterior, que en 2014 cerró en rojo por primera vez en catorce años.
“No hay nada el mundo que cristalice a tal punto que impida hacer ajustes y darle a países, como Brasil, un mayor grado de libertad para ir en dirección de nuevos acuerdos”, declaró recientemente el ministro brasileño de Desarrollo, Industria y Comercio Exterior de Brasil, Armando Monteiro.
Según el ministro, “el Mercosur es un casamiento indisoluble, pero eso no significa que no se pueda discutir la relación”.
La declaración fue muy bien recibida en Uruguay y en especial en relación al acuerdo comercial que el Mercosur negocia desde hace más de una década con la Unión Europea (UE), que para muchos sectores se pudiera desbloquear si cada socio del bloque negociara por separado o a “velocidades diferentes”, como ha sugerido Monteiro.
“Brasil es un motor principal en estas negociaciones y vemos con satisfacción esta posición, en sintonía con lo que han pedido los Gobiernos de Uruguay y Paraguay”, declaró el canciller uruguayo, Rodolfo Nin Novoa.
Empero fuentes diplomáticas coincidieron en que el mayor obstáculo para esa flexibilización lo constituye Argentina, que en los últimos años ha buscado proteger a su alicaída industria con reiteradas medidas de corte proteccionista, protestadas incluso por sus propios socios del Mercosur.
No obstante, la nueva posición brasileña y el hecho de que este año habrá elecciones en Argentina alientan a sectores empresariales del Mercosur, como la Confederación Nacional de la Industria (CNI) de Brasil, que entre 2002 y 2010 fue presidida por el ahora ministro Monteiro y desde hace años pide más flexibilidad en el bloque.
Más allá de la situación del Mercosur, Rousseff y Vázquez harán un amplio repaso de la agenda bilateral, en la cual destacan las iniciativas de ambos Gobiernos en las zonas fronterizas para una mayor integración física y en áreas estratégicas, como la energía. También se estudiarán alternativas para potenciar el comercio entre ambos países, que el año pasado alcanzó la marca histórica de 4.900 millones de dólares. (MercoPress – 21/05/2015)

Sem alívio alfandegário
Mercado Aberto
Maria Cristina Frias
Das exportações brasileiras para o México, 10,5% se beneficiam de pacto bilateral tarifário, segundo a Confederação Nacional da Indústria.
"Isso mostra que o acordo está muito aquém dos interesses dos empresários e do potencial", diz Carlos Abijaodi, diretor da entidade.
Hoje, o Brasil envia ao país cerca de 5.600 mercadorias --800 delas são beneficiadas por um acordo que não inclui itens automotivos.
Uma comitiva formada pela entidade, com 56 empresários e representantes de associações, irá ao México na próxima semana, durante missão oficial da presidente Dilma Rousseff, para tentar estreitar a relação comercial. (Folha de SP – 21/05/2015)

Mercosul tem de ser relançado, diz economista
ECONOMIA
Com a China se movimentando para ampliar sua influência na América Latina e anunciando acordos bilionários de financiamento a investimentos no Brasil e países vizinhos, o Mercosul deveria ser relançado.
A avaliação é do economista Dante Sica, diretor da consultoria Abeceb.com e ex-secretário de Indústria, Comércio e Mineração do Ministério da Produção da Argentina, para quem a união aduaneira pouco avançou nos últimos 15 anos e não se adaptou às mudanças na economia global, provocadas pela emergência da China e as consequências da crise de 2008.
"O Mercosul começa a perder sentido do ponto de vista econômico. E no meio disso surgiu a China. A resposta que a região deu ao surgimento do fenômeno produtivo e comercial mais importante dos últimos anos foi uma resposta separada. Cada um negociou a seu modo", afirmou Sica.
O relançamento, disse, deve levar em conta a emergência da China e poderia implicar mudanças nas regras que obrigam os países do Mercosul a fazer todas as negociações em bloco. "Talvez devêssemos pensar pelo menos em estabelecer uma zona de livre comércio e dar liberdade ao Mercosul para que haja uma negociação com outros blocos,o que pode acontecer com velocidades distintas para cada um dos membros."
Sica elogiou declarações do ministro do Desenvolvimento, Armando Monteiro Neto, a favor de flexibilizações na norma 32/2000, que proíbe negociações individuais pelos membros do Mercosul e lembrou que as negociações multilaterais, no âmbito da Organização Mundial do Comércio (OMC ), perderam fôlego após a crise de 2008. (O Estado de SP – 21/05/2015)

Aliança Brasil-Uruguai será modelo para América do Sul, diz Rousseff
Brasília - As ações implementadas por Brasil e Uruguai para atingir um intercâmbio permanente, em especial na área da energia elétrica, servirão de exemplo para futuras alianças na América do Sul, afirmou hoje a presidenta Dilma Rousseff.
Suas declarações registraram-se após dialogar com o presidente uruguaio, Tabaré Vázquez, que realizou nesta quinta-feira uma breve visita a esta nação, onde ambas partes se comprometeram avançar com o processo de integração, principalmente nos setores de energia, infraestruturas e indústria.
Rousseff e Vázquez cumprimentaram os esforços do Grupo de Alto Nível, criado em 2012 entre os dois países, para tornar efetiva a livre circulação de bens, serviços e pessoas e impulsionar propostas conjuntas nas zonas fronteiriças.
A presidenta brasileira destacou neste sentido a instalação, com financiamento do Fundo para Convergência Estrutural do Mercado Comum do Sul, de uma linha de transmissão entre São Carlos (Brasil) e Candiota (Uruguai), que - destacou - permitiu a fusão física dos sistemas elétricos de ambos territórios.
Mencionou igualmente o parque eólico de Artilleros, construído no Uruguai com colaboração da empresa Eletrobras, do Brasil, e que facilitará um processo permanente de intercâmbio de eletricidade entre os dois países.
A visita do governante do Uruguai propiciou também um novo impulso à integração das cadeias produtivas nos setores naval, automotriz e de equipamentos para produção de energia, ressaltou.
Depois de destacar o avanço das relações, Rousseff disse que seu governo convocará em setembro próximo a licitação para a construção da segunda ponte sobre o rio Yaguarón, situado na fronteira entre ambas nações, e afirmou que será um novo canal para o transporte de pessoas e mercadorias.
Anunciou que será restaurado também a primeira Ponte Internacional Barão de Mauá para reforçar a colaboração e comércio na zona fronteiriça.
Em sua primeira visita a esta nação desde que assumiu o cargo em março último, Vázquez agradeceu por sua vez a hospitalidade da presidenta do Brasil e informou que houve consenso das partes em aumentar as conexões aéreas e ampliar os investimentos mútuos.
Além destes temas, os dignatários concordaram na necessidade de que o Mercosul se adapte aos novos cenários e flexibilize suas normas para permitir a assinatura de acordos bilaterais com países externos ao bloco comercial, sem ter que contar com o aval de todos os sócios.
Antes de retornar a Montevidéu, o presidente uruguaio participou de um almoço oferecido por Dilma Rousseff no Palácio do Itamaraty (sede da chancelaria). (Prensa Latina – 21/05/2015)

Tratado UE-Mercosur: Timerman negó acuerdos por separado
El canciller argentino reiteró la necesidad de firmar un acuerdo de libre comercio en conjunto y no que negocie cada país. Reclamos de Brasil y Uruguay.
El canciller Héctor Timerman ratificó que la Argentina y los países del Mercosur esperan que la Unión Europea presente su propuesta para avanzar en negociaciones interbloques y rechazó que puedan darse acuerdos por separado, aunque Brasil exigió que la política comercial del bloque sea "más pragmática".
Aunque la intención entre las naciones que integran el Mercosur es negociar con el bloque el comercio con la Unión Europea, los gobiernos de Brasil y Uruguay reclamaron que haya mayor dinámica en la integración comercial.
Timerman recordó que el Mercosur terminó recientemente de elaborar su propuesta de negociación para un tratado comercial con el "Viejo Continente" y negó que la Argentina haya demorado su presentación ante sus socios regionales.
El ministro de Relaciones Exteriores argentino añadió que ahora el bloque sudamericano espera que la Unión Europea finalice su propuesta, para proceder al intercambio de las mismas, analizarlas e iniciar con las negociaciones de cara a un entendimiento económico, político y de cooperación.
"Ningún miembro del Mercosur presentó una propuesta de negociar a distintas velocidades", dijo el funcionario al realizar una visita oficial a Portugal, donde mantuvo reuniones con el viceprimer ministro y ex canciller Paulo Portas, y con el vicecanciller Luis Campos Ferreira.
Sin embargo, el ministro brasileño de Desarrollo, Industria y Comercio Exterior, Armando Monteiro, afirmó que "la política comercial precisa ser más pragmática" y añadió que "Brasil necesita integrarse a las corrientes de comercio" mundiales, "sobre todo en regiones que son más dinámicas hoy que el Mercosur".
Por su parte, el presidente de Uruguay, Tabaré Vázquez, se reunirá este jueves en Brasilia con su par Dilma Rousseff, en un contexto de fuertes dificultades comerciales en el Mercosur, que busca avanzar hacia un modelo de mayor flexibilidad y autonomía para sus socios.
El canciller de Paraguay, Eladio Loizaga, había admitido a principios de mes la posibilidad de establecer un sistema de "dos velocidades" en la negociación de un acuerdo comercial entre la UE y Mercosur ante las dificultades para avanzar.
"Algunos pueden estar listos para comenzar y el resto sumarse en el tiempo", sugirió Loizaga, en una señal de desapego al bloque, una postura que comparten Brasil y Uruguay, más abiertos a un tratado de libre comercio.
Esa posición plantea la posibilidad de que algunos países sudamericanos puedan trabajar con la UE paralelamente al Mercosur, una propuesta que no es compartida por el Gobierno argentino dado que de concretarse podría resultar en el debilitamiento como bloque regional.
Los días 10 y 11 de junio próximo habrá una reunión clave en Bruselas, cuando se desarrolle la cumbre entre la UE, la Celac y los países del Mercosur.
El Gobierno de Cristina Kirchner había sido acusado dos veces desde 2012 por el comisario de Comercio europeo, Karel De Gucht, de ser culpable de la demora para la llegada de un acuerdo entre los bloques.
La acusación del funcionario europeo contra la Argentina respondía al supuesto "proteccionismo económico" aplicado por la administración kirchnerista y por la demora de dar a conocer a sus socios sudamericanos la propuesta para establecer un tratado de libre comercio interbloques.
Las negociaciones entre ambos bloques habían comenzado en abril de 2000 y el primer intercambio de ofertas se concretó en 2001, en Montevideo; en 2004 hubo un segundo intercambio, pero luego el proceso entró en un "impasse" que culminó en 2013, cuando se reabrió el diálogo.
Fuente: Noticias Argentinas (MDZ Online – 21/05/2015)

Uruguay and Brazil summit to consider a more flexible Mercosur
Uruguayan president Tabare Vazquez will be meeting his peer, Dilma Rousseff in Brasilia this Thursday to address a dense bilateral agenda, and more specifically the workings and future of Mercosur, in search for a more flexible group, open to agreements with third parties.
“The presidents will discuss advances in the main bilateral integration projects and regional and multilateral issues, with emphasis on Mercosur”, said Brazil.
“Mercosur is an indissoluble marriage, but this does not mean that the relation can't be put on the table and discussed”, underlined Monteiro.
Uruguay's foreign minister Nin Novoa is satisfied with Brazil's new stance, ”a fine tuning which has been requested by Uruguay and Paraguay governments.
According to a release late Wednesday from the Brazilian foreign ministry “the presidents will discuss advances in the main bilateral integration projects and regional and multilateral issues, with emphasis on Mercosur”. Even when the release does not mention it, the coincidence of Brazil and Uruguay in reviewing Mercosur Decision 32/2000 will be the core of discussions.
The Decision 32/2000 which was adopted fifteen years ago establishes that Mercosur full members, Argentina, Brazil, Paraguay, Uruguay and Venezuela (which joined in 2011) must negotiate any trade agreement jointly, which for many business organizations represents a straightjacket.
Uruguay and Paraguay, considered Mercosur junior members, have been demanding for years a greater flexibility of Decision 32, but until now had only faced deaf ears from Argentina and Brazil. But things are changing and in recent months the second government of President Rousseff has sent strong messages indicating that Decision 32 hampers the expansion of Brazil's foreign trade, much needed now since for the first time in fourteen years the country in 2014 experienced a trade balance deficit.
“There's nothing in the world that crystallizes to a point that impedes adjustments, and giving countries such as Brazil a greater margin of freedom to reach new agreements with other countries or blocks”, said Development, Industry and Foreign Trade minister Armando Monteiro during a recent forum.
“Mercosur is an indissoluble marriage, but this does not mean that the relation can't be put on the table and discussed”, underlined Monteiro. A statement that had a very positive echo from Uruguay, particularly references to the ongoing (stalled) talks for a trade and cooperation agreement with the European Union, which was started in 1999.
The idea supported by many different industries that each Mercosur member advances at its own pace, that is 'different speeds', could help untie the current situation, as Monteiro also suggested during his latest comments.
“Brazil is the main engine of these negotiations and we see with satisfaction this stance, a fine tuning which has been repeatedly requested by the governments from Uruguay and Paraguay”, said Uruguay's foreign minister Rodolfo Nin Novoa.
However diplomatic sources from Brazil and Uruguay coincided that the main obstacle for the 'flexibility clause' remains Argentina that in recent years has been committed to ensure its manufacturing and domestic market with different measures questioned (and protested) by Mercosur partners.
Nevertheless the new Brazilian strategy and the fact Argentina is holding presidential elections at the end of the year, has injected hope to business organizations such as the powerful Brazilian National Industry Confederation, CNI, which from 2002 to 2010 was under the leadership of minister Monteiro and for years had been calling for greater flexibility from Mercosur.
Besides Mercosur, Vazquez and Rousseff will be addressing the bilateral agenda which includes initiatives from both governments in frontier areas for a greater physical integration and in areas considered strategic such as energy and infrastructure. Another issue is further promoting bilateral trade which last year reached a record 4.9bn dollars confirming Brazil as Uruguay's main trade partner.(MercoPress – 21/05/2015)

Acordos entre China e Brasil têm efeito prático em apenas 4 setores
DIMMI AMORA
FLÁVIA FOREQUE
DE BRASÍLIA
Os acordos assinados entre o Brasil e a China nesta semana têm efeitos práticos nas áreas de aviação, petróleo, mineração e agronegócio.
Para os demais setores em que houve entendimento entre os países, os acordos ainda precisam percorrer um longo caminho para terem efeitos reais, principalmente o que abre linha de crédito de US$ 53 bilhões para obras de infraestrutura no Brasil.
Em 14 dos 35 acordos, o Brasil conseguiu assegurar recursos chineses para a compra de aviões da Embraer e navios da Vale. E também um compromisso mais firme dos asiáticos de abrir seus mercados para a carne brasileira.
Ainda foram abertas linhas de financiamento para a Petrobras e a Vale fazerem investimentos nos próximos anos que somam US$ 11 bilhões. Com esses acordos, a China garante suprimentos de matéria-prima – alimentos, minério e petróleo – que ela não consegue produzir.
Há um outro grupo de acordos que está mais para o campo das boas intenções. Os chineses estariam dispostos a emprestar US$ 53 bilhões para obras no país. Mas o que foi de fato assinado é um acordo sem valores em que os dois governos se comprometem a criar um comitê para avaliar prioridades em conjunto.
Nesse tipo de acordo, quem empresta exige condições que nem sempre são favoráveis, o que pode levar quem recebe a não pegar o dinheiro.
FERROVIA
Outro acordo pouco crível é o que trata dos primeiros passos para a construção de uma ferrovia ligando o Pacífico ao Atlântico passando por Brasil e Peru.
O que foi assinado é um acordo para que os países estudem, até maio de 2016, a viabilidade do projeto. Depois disso é que se poderá ter a real ideia de quanto custaria e se isso é viável.
Os dois acordos apontam para uma estratégia chinesa de levar seu antigo modelo de desenvolvimento, o investimento pesado em infraestrutura, para outros países.
DE TUDO UM POUCO
Convênios entre Brasil e China vão de incentivo ao badminton à cooperação em astronomia
Esporte
A China quer ajudar a desenvolver a prática de badminton e tênis de mesa no país do futebol. O convênio assinado com o Brasil prevê intercâmbio de atletas
Astronomia
Acordo de colaboração Científica entre o Observatório Nacional (ON) e o Observatório Astronômico de Xangai (SHAO)
Defesa
Ministério da Defesa fez acordo para troca de experiências nas áreas de telecomunicações entre outras
Energia nuclear
A Eletronuclear e as empresas chinesas do setor prometem colaborar entre si para desenvolvimento de tecnologias
Educação
Treinamento de bolsistas do Ciência Sem Fronteiras em tecnologia da informação
Bovespa
Acordo com a Bovespa para desenvolvimento do mercado de capitais
Telefonia
Quatro acordos entre empresas brasileiras e chinesas para a compra de equipamentos e transferência de tecnologia no setor foram assinados.
Energia
Acordo entre a Apex e a empresa BYD para desenvolvimento de painéis solares fotovoltaicos
Sipam
A Odebrecht e empresas chinesas firmaram acordo para um projeto de atualização do Sipam (Sistema de Proteção da Amazônia)
Clima
Declaração conjunta sobre mudanças climáticas dos dois países, sem compromissos práticos e metas (Folha de SP – 21/05/2015)

Rousseff y Vázquez analizarán la falta de libertades comerciales en Mercosur
Por EFE
BRASILIA. La presidenta brasileña, Dilma Rousseff, recibirá mañana a su homólogo uruguayo, Tabaré Vázquez, con quien analizará una vasta agenda bilateral y el futuro del Mercosur, que según ambos Gobiernos debe dar más libertad comercial a sus socios.
Según una nota difundida hoy por la cancillería brasileña, en vísperas de la visita de Vázquez, “los presidentes discutirán el avance de los principales proyectos de integración bilateral y temas regionales y multilaterales, con énfasis en el Mercosur”.
El comunicado no profundiza en el asunto, pero fuentes oficiales dijeron a Efe que uno de los temas en relación al bloque será la coincidencia que existe ahora entre Brasil y Uruguay en el sentido de que se debe revisar la llamada Decisión 32/2000 del Mercosur.
Esa norma adoptada hace quince años establece que los socios del bloque que integran Argentina, Brasil, Uruguay, Paraguay y Venezuela (este último desde 2011) deben negociar todo acuerdo comercial en conjunto, lo cual para sectores empresariales constituye una camisa de fuerza.
Uruguay y Paraguay, considerados los “socios menores” del bloque, han exigido flexibilizar esa norma durante años, pero hasta ahora se habían encontrado con los oídos sordos de Argentina y Brasil.
Sin embargo, en los últimos meses el Gobierno de Rousseff ha dado claras muestras de que esa norma perjudica su propia posibilidad de alcanzar una mayor apertura para su comercio exterior, que en 2014 cerró en rojo por primera vez en catorce años.
“No hay nada el mundo que cristalice a tal punto que impida hacer ajustes y darle a países, como Brasil, un mayor grado de libertad para ir en dirección de nuevos acuerdos”, declaró hace quince días el ministro brasileño de Desarrollo, Industria y Comercio Exterior de Brasil, Armando Monteiro.
Según el ministro, “el Mercosur es un casamiento indisoluble, pero eso no significa que no se pueda discutir la relación”.
Esa declaración fue muy bien recibida en Uruguay y en especial en relación al acuerdo comercial que el Mercosur negocia desde hace más de una década con la Unión Europea (UE), que para muchos sectores se pudiera desbloquear si cada socio del bloque negociara por separado o a “velocidades diferentes”, como ha sugerido Monteiro.
“Brasil es un motor principal en estas negociaciones y vemos con satisfacción esta posición, en sintonía con lo que han pedido los Gobiernos de Uruguay y Paraguay”, declaró el canciller uruguayo, Rodolfo Nin Novoa.
Fuentes diplomáticas consultadas por Efe consideraron que el mayor obstáculo para esa flexibilización lo constituye Argentina, que en los últimos años ha buscado proteger a su alicaída industria con reiteradas medidas de corte proteccionista, protestadas incluso por sus propios socios del Mercosur.
No obstante, la nueva posición brasileña y el hecho de que este año habrá elecciones en Argentina alientan a sectores empresariales del Mercosur, como la Confederación Nacional de la Industria (CNI) de Brasil, que entre 2002 y 2010 fue presidida por el ahora ministro Monteiro y desde hace años pide más flexibilidad en el bloque.
Más allá de la situación del Mercosur, Rousseff y Vázquez harán un amplio repaso de la agenda bilateral, en la cual destacan las iniciativas de ambos Gobiernos en las zonas fronterizas para una mayor integración física y en áreas estratégicas, como la energía.
También se estudiarán alternativas para potenciar el comercio entre ambos países, que el año pasado alcanzó la marca histórica de 4.900 millones de dólares. (ABC Color – 20/05/2015)

Acordo entre UE e Mercosul vai beneficiar comércio entre Brasil e Suécia, diz ministro sueco
O governo da Suécia acredita "fortemente" que o acordo de livre comércio entre União Europeia e Mercosul, em negociação há mais de 15 anos, deve beneficiar não só as economias de ambos os blocos como também as relações comercias entre o Brasil e os parceiros suecos.
A avaliação é do ministro da Indústria, Comércio e Inovação da Suécia, Mikael Damberg, que participou nesta quarta-feira (20/5) de um seminário sobre cooperação industrial na sede da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), como parte de uma missão no Brasil. Ele deve ainda cumprir agenda em Brasília nesta quinta-feira (21/5), em esforço de estreitar a relação de comércio bilateral. conforme noticiado pela Agência Indusnet Fiesp. (Agência Indusnet Fiesp – 20/05/2015)

Mercosur: reiteran temas comerciales
El Paraguay volverá a plantear en el Mercosur los pedidos de regímenes económicos especiales y demás normas comerciales de los socios para su estudio bajo la presidencia pro témpore de Brasil, anunció ayer la Cancillería nacional.
Las solicitudes serán reiteradas la próxima semana en una reunión del Grupo de Mercado Común en Brasilia, que es preparativa de la próxima Cumbre de Presidentes que se llevaría a cabo este 17 de julio.
El viceministro de Relaciones Económicas e Integración, Rigoberto Gauto, refirió que se insistirán en las propuestas comerciales, pero “depende del ambiente que haya y la predisposición de los países”.
Expresó que se espera cerrar el tema en la Consejo de Mercado Común (CMC), el día previo de la Cumbre de los Jefes de Estados del bloque regional.
¿Qué se pide?
Entre los pedidos se destacan la extensión hasta 2030 del régimen de origen y sobre los regímenes especiales de importación y el establecimiento de las zonas francas. En este caso, el país propone que el territorio especial esté ubicado en lugares con poco desarrollo.
Respecto a los Regímenes Especiales de Importación y Regímenes Nacionales de Admisión Temporaria y “Draw-Back”, se pide una prórroga del plazo al que están autorizados los estados para utilizar los regímenes de “Draw Back” y admisión temporaria para el comercio intrazona. Este régimen tiene vencimiento el 31 de diciembre del 2016.
El “Draw-Back” es un régimen aduanero que permite obtener la restitución total o parcial de los derechos arancelarios.
Preparan presidência
Teniendo en cuenta que Paraguay ejercerá en el segundo semestre la presidencia rotativa del Mercosur, ayer se realizó en la Cancillería la primera reunión de coordinación con los responsables nacionales. El objetivo es fijar un plan de trabajo. (ABC Color – 20/05/2015)

El Mercosur agoniza, pero el Parlasur avergüenza
Patricio Giusto
Uruguay anunció recientemente un aparente “consenso” entre los países del Mercosur para posibilitar acuerdos comerciales por fuera del bloque regional, aunque reconoció “dificultades en algunos integrantes”.
La referencia fue para Argentina y Venezuela, países con intereses comerciales que desde hace tiempo se contraponen a los de Uruguay y Brasil.
El país oriental insiste en desmarcarse de las ataduras reglamentarias del Mercosur para lograr acuerdos de libre comercio con la Unión Europea y los Estados Unidos.
Con mayor prudencia diplomática, Brasil viene abogando en ese mismo sentido.
Y Paraguay ha vuelto a mostrarse alineado con la postura uruguaya.
Por diversos factores coyunturales, Argentina y Venezuela han decidido apostar por Rusia y China.
No caben dudas que el Mercosur agoniza. A años luz de ser un bloque político al estilo de la Unión Europeo, como soñaron sus impulsores, tan sólo llegó a ser una unión aduanera con enormes imperfecciones y disfuncionalidades.
Hoy el Mercosur va camino directamente a la parálisis, eclipsado en lo político por otros bloques políticos regionales, como la Unasur.
En este contexto, muy poco alentador para el futuro del Mercosur, nuestro país realizará una insólita elección de miembros para el inexistente Parlasur.
El parlamento regional es una institución en vías de formación. Se trata aún de una entelequia que recién comenzaría a funcionar en 2020, tras varias postergaciones.
A pesar de esa circunstancia, la Argentina elegirá este año a los 43 miembros que le corresponden, con mandatos por cuatro años.
El proyecto fue aprobado en diciembre, promovido por el kirchnerismo y sus aliados. La mayoría del arco opositor votó en contra, mientras que el Frente Renovador se abstuvo.
La normativa otorga a los electos inmunidad de arresto y otros privilegios.
El cómodo refugio montevideano del ficticio Parlasur es una oportunidad inmejorable para funcionarios acorralados judicialmente.
El atractivo de cobrar sin trabajar, con fueros garantizados durante casi una década, resulta irresistible para muchos políticos que por estas horas pujan por entrar en las listas … ¿Uno de ellos será la Presidenta?
De esta manera, con el estado desfalleciente del Mercosur como telón de fondo, la elección de miembros del Parlasur se presenta como una de las escenas más patéticas y vergonzosas de la historia argentina, inscripta en la ya endémica locura de los políticos por los cargos, los privilegios y los fueros. (Clarin – 20/05/2015)

En algún momento habrá que optar: EEUU o Brasil
Ofrecen alternativas diplomáticas y comerciales que son incompatibles
Gonzalo Ferreira
El gobierno de Tabaré Vázquez sabe manejar los suspensos y los equilibrios. Pero en algún momento se deberá decidir. En este caso la disyuntiva será Brasil o Estados Unidos. Esa decisión no implicará necesariamente cerrar las puertas totalmente a uno de los gigantes, pero sí jugarse por las propuestas comerciales con terceros países que ellos ofrecen o prometen.
A diferencia de lo que sucedió durante la primera administración, en la que Brasil no tuvo un peso destacado en la agenda diplomática, Vázquez empieza este gobierno dándole mucha importancia al vínculo con Dilma Rousseff. El presidente intenta aprovechar la buena relación que le legó José Mujica (al menos hasta la publicación del libro Una oveja negra al poder) con la presidenta norteña y con el exmandatario Luiz Inácio “Lula” Da Silva.
Vázquez viajará mañana a Brasilia y allí se juega una parada importante en los aires reformistas del Mercosur que pretende impulsar.
El objetivo es que Rousseff apoye cambios en el bloque que den flexibilidad a los socios para negociar acuerdos con terceros países. Ergo, presionar a Argentina para que permita avanzar en Tratados de Libre Comercio (TLC), ya sean bilaterales o multilaterales con países extraregión.
China sí o no
En el período enero-abril Brasil fue el principal destino de exportación de los productos uruguayos. Las ventas a ese país ocuparon 15,6% del total de las colocaciones, mientras que EEUU se situó en el cuarto lugar abarcando 6,7% de las exportaciones totales.
Si se toman en cuenta las importaciones, Brasil es el segundo país de donde más se importa (15,1%), mientras que EEUU es el cuarto (8,8%), según datos de Uruguay XXI.
Si bien el vínculo comercial bilateral es importante, lo que está en juego es más que eso. Y el factor distorsionante es China.
Lo que ofrece EEUU
La oferta principal para Uruguay, de parte de Estados Unidos, es el Transpacific Partnership (TPP), un grupo al que los norteamericanos se quieren sumar para poner un pie en Asia, en lo que muchos consideran una alianza contra China.
A Uruguay ya lo sondearon para entrar al TPP una vez que se complete la fase de negociación actual. El Congreso de EEUU está enfrascado en estos días en un debate para aprobar el “fast track”, una vía rápida para aprobar todo lo que se negocia en el TPP. Las diferencias más fuertes están a la interna del Partido Demócrata.
A finales de julio del año pasado, en medio de la campaña electoral, la entonces embajadora de EEUU, Julissa Reynosso, se reunió con todos los candidatos para que tuvieran clara la intención de su país de sumar a Uruguay en la siguiente fase de negociación.
Primero intentarán cerrar el acuerdo entre Australia, Brunei, Canadá, Chile, Japón, Malasia, México, Nueva Zelanda, Perú, Singapur, Estados Unidos y Vietnam, que son los que negocian desde hace años.
Luego se podrán incorporar Uruguay y Colombia de la región, por ejemplo.
El peso de ese bloque, si se llega a concretar, es inmenso. El comercio de esas economías representa el 29,8% del PIB mundial, el 15% de las exportaciones y el 17% de las importaciones globales.
Vázquez, cuando fue consultado en un foro con el resto de los presidenciables sobre el TPP contestó: “Son tratados que están comenzando a funcionar y cuyos ingredientes profundos no están definidos y no conocemos. Los tenemos que seguir de cerca y si llega el momento y es oportuno para Uruguay, consideraremos la oportunidad de incluirnos en estos tratados”.
El ministro de Economía, Danilo Astori, disertó el 28 de abril de este año en una charla en la Cámara de Comercio Uruguay - Estados Unidos dijo que el país “no puede desaprovechar” las “oportunidades” que ofrecen los tratados como la Alianza del Pacífico, el TPP o el TLC con la Unión Europea.
El expresidente José Mujica, nunca se mostró totalmene encontra de un acuerdo como el TPP, pero sí fue crítico de la actitud de EEUU de forzar este tratado como algo en contra de China.
Lo que ofrece Brasil
La noticia de ayer en Brasil fue la visita del primer ministro chino, Li Keqiang a Dilma Rousseff. Brasil es cada vez más un aliado de China. Además de compartir el grupo de los BRIC.
Por tanto, lo que está claro es que no sería compatible para Uruguay sumarse a un acuerdo en contra de China como el que promueve EEUU y además seguir aliado a Brasil.
El camino que puede ofrecer Rousseff es ayudar a Uruguay –además de por la vía bilateral– a negociar mano a mano (dado que el Mercosur por las trancas de Argentina no lo ha podido hacer) un tratado de libre comercio con Europa.
En el gobierno uruguayo están confiados en que estas señales de apertura de Brasil puedan dar sus frutos. Por eso, con un discurso latinoamericanista es la apuesta más fuerte que realizan.
Por las dudas de que suceda lo de siempre y los aires reformistas del Mercosur terminen en un fracaso, no cierran la puerta de EEUU, para encontrar vínculos comerciales a través del Pacífico con Norteamérica, Asia y otros socios regionales. (El Observador – 20/05/2015)

RREE se organiza para presidir Mercosur
Como parte de las reuniones preparatorias para la presidencia temporal del Mercosur, que tocará asumir al Paraguay a mitad de julio próximo, la Cancillería Nacional trabajó ayer un calendario tentativo de actividades y un protocolo de actuación que regirá su labor al frente del bloque hasta diciembre.
El encuentro de trabajo fue con los coordinadores de los subgrupos técnicos de trabajo que forman parte del Mercosur, que se ocupan de áreas como salud, agricultura, etc.
“Recibieron indicaciones sobre la forma en que se va a proceder, conforme a un calendario indicativo de las actividades principales durante nuestra presidencia, y un manual de procedimientos”, explicó Rigoberto Gauto, viceministro de Relaciones Económicas e Integración del Ministerio de Relaciones Exteriores. El encuentro tuvo lugar en la sede de la Cancillería.
“A partir de que recibamos la presidencia temporal, vamos a ser responsables de la organización de las reuniones y las acciones que el Mercosur tiene que tomar”, explicó el viceministro. Aclaró que el Gobierno no quiere que esta sea “una simple presidencia de paso”, sino que marque un hito en la historia de la integración regional y, sobre todo, que su gestión sea beneficiosa para el desarrollo de Paraguay.
“Uno de los desafíos de cada presidencia es generar propuestas que puedan cristalizarse durante su mandato”, agregó.
Para la Cancillería, expresó, es crucial que las reuniones técnicas se desarrollen adecuadamente, porque eso asegura el éxito. Gauto anunció que la próxima semana el Grupo Mercado Común volverá a reunirse en Brasilia para intentar de nuevo cerrar las negociaciones respecto a varios regímenes vigentes.(Ultima Hora – 20/05/2015)

“Mercosul é uma das poucas fontes de superávit comercial para São Paulo”, diz diretor do Itamaraty
São Paulo – Em sua origem, todo movimento de integração são processos políticos. No caso da União Europeia, a motivação foi evitar uma nova guerra e criar um espírito de cooperação. Já a criação do Mercosul começou a partir de uma aproximação entre Brasil e Argentina após ditaduras militares em ambos países.
Foi traçando um paralelo histórico que o diretor do Departamento de Mercosul do Itamaraty, Reinaldo Salgado, iniciou sua palestra na sede da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), nesta terça-feira (19) para membros do Conselho Superior de Comércio Exterior (Coscex) da Fiesp sobre as perspectivas para o Mercosul.
Para o diretor, o bloco tem um histórico de motivação política, mas desde o início foi um processo ambicioso, no qual queriam levar os países ao livre comércio em três anos e depois instituir a união aduaneira em tempo recorde. “O comércio do Mercosul foi um grande êxito e ainda é, mas poderia e deveria ser melhor, sim, porque temos barreiras comerciais que não deveriam existir”, disse.
Ainda hoje o Mercosul é, no entanto, um escoamento preferencial de produtos industrializados. “Mais de 80% das exportações são de bens manufaturados e pelo menos metade disso em bens muito avançados, como carros”, explicou Salgado.
De acordo o representante do Itamaraty, todo processo de integração tem uma característica básica que é a tendência de concentrar a atividade econômica em polos mais dinâmicos da economia. “Por esse motivo os números de comércio são tão favoráveis a São Paulo, que é o maior polo dinâmico da economia do Mercosul”, completou. Os números, ainda hoje, dão razão aos que defendem o bloco de comércio, avaliou. “Por pior que esteja, o Mercosul é uma das poucas fontes de superávit comercial para o estado de São Paulo”.
Dados referentes ao comércio paulista em 2014, um ano reconhecidamente ruim, foram apresentados pelo palestrante. “O déficit de São Paulo no comércio exterior em 2014 foi de US$33 bilhões. No caso do Mercosul, tivemos exportações de US$9,5 bilhões e importações de US$4 bilhões. Então, São Paulo teve, no ano passado, um superávit com o Mercosul de US$5,5 bilhões”, frisou.
Argentina
As maiores críticas que o Mercosul recebe dizem respeito às restrições argentinas, afirma Salgado, e tendem a se atenuar na medida em que há a previsão de um novo governo no país vizinho do Brasil. O palestrante avaliou que as restrições argentinas mudaram muito de motivação. “Até 2011, eram medidas, sobretudo, setoriais, que tinham como objetivo a proteção de determinados ramos da indústria”.
A partir de 2011, houve o aumento da restrição externa argentina, que passou a ser generalizada e com o objetivo central de obter superávit comercial. “O Brasil, por ser o principal parceiro da Argentina, certamente sairia prejudicado”, afirmou.
O palestrante explicou que o problema não são as regras, mas certas questões locais impactaram diretamente algumas políticas do Mercosul. “Vale lembrar que essa restrição externa deles é real, já que este ano a Argentina tem vencimentos de dívidas de bilhões de dólares, não tem acesso a mercados internacionais de crédito, e dificilmente terá acesso a investimentos”.
Medidas de crise como essa, que afetam o interesse nacional, tendem a pesar sobre os demais. “Se fôssemos pensar Mercosul como prioridade absoluta, a desvalorização da moeda brasileira em 1999 deveria ter sido conversada, mas não foi, e isso gerou desconfortos entre os países”, relembrou Salgado. (Fiesp – 20/05/2015)

Sem estratégia no Mercosul
ECONOMIA
Corpo a corpo
Dante Sica
Para ex-ministro argentino, negociação em separado com chineses gera desconfiança entre sócios no bloco Ex-ministro de Indústria da Argentina e diretor da consultoria Abeceb.com, o economista Dante Sica defende que os parceiros no Mercosul tenham estratégia única para obter melhores condições nas negociações com a China.
Como a Argentina, o Brasil fechou acordos com a China. Há um preço a ser pago por esses empréstimos?
Sempre há. Nos anos 90, os empréstimos vinham do FMI, que tinha condicionalidades. Agora, as condições são da China. A questão é que o Mercosul não tem uma estratégia conjuntapara negociarcom aChina, cadaumnegocia de forma separada.O custo é que pode deslocar fornecedores regionais, argentinos e brasileiros, de alguns dos projetos que venham a ser financiados. Além disso, gera certos temores e desconfiança entre os sócios do Mercosul, já que cada um não sabe o que o outro está negociando. Na Argentina, um aspecto que gera discussão é o fato de que, se a China financia mais de 80% de um projeto, pode-se dispensar o processo de licitação, o que afeta a indústria do país.
Acredita que o Mercosul pode se fortalecer?
O Mercosul está parado em matéria econômica Está quieto, enquanto os outros avançam. Os EUA negociam com a União Européia e avançam junto aos asiáticos. Mas me parece que há uma vontade de se reavaliar o Mercosul,com o novo governouruguaio e a novo mandato Dilma Teremos uma reunião de presidentes em julho, umbommomentopara colocarem debate a necessidade de rever as regras do jogo, mesmo que avanços maiores dependam de um novo governo na Argentina. É preciso estudar a viabilidade de negociar um acordo de livre comércio com a China, por exemplo. (Lucianne Carneiro) (O Globo – 20/05/2015)

Timerman negó que un acuerdo con la UE se materialice “a distintas velocidades”
Por Francisco Martirena Auber
Mientras se aproximan tiempos de negociaciones con la Unión Europea (UE), el Gobierno salió en forma tajante a negar que algún país del Mercosur haya presentado una propuesta para avanzar en forma diferenciada con el eurobloque.
Desde Portugal, donde mantuvo encuentros con funcionarios del gobierno luso, el canciller Héctor Timerman afirmó que “ningún miembro del Mercosur presentó propuestas de negociar a distintas velocidades”.
Asimismo, el jefe diplomático confirmó que el Mercosur “ha terminado la elaboración de su propuesta de negociación y se encuentra a la espera de que la Unión Europea finalice la suya” para proceder con el intercambio.
A comienzos de mayo, el ministro paraguayo de Exteriores, Eladio Loizaga, admitió la posibilidad de establecer un sistema de “dos velocidades” en la negociación de un acuerdo comercial entre la UE y el Mercosur ante las dificultades para avanzar. Loizaga habló sobre esas negociaciones, iniciadas en 1999 pero paralizadas durante años y sólo recuperadas en 2012, de acuerdo con lo que señaló.
En este escenario, donde también hubo posiciones diferenciadas sobre la flexibilización del Mercosur para materializar acuerdos bilaterales, los días 10 y 11 de junio tendrá lugar en Bruselas la cumbre entre la UE y la Celac. Promete ser claramente un ámbito donde al menos Brasil, Uruguay y Paraguay quieren aprovechar para mantener un encuentro con los funcionarios europeos.
A ello se suma que Paraguay asumirá la presidencia pro témpore del Mercosur en el segundo semestre del año, y su canciller declaró que impulsará la política de las “dos velocidades”. En la cumbre del Mercosur, a finales de junio en Brasil, este país le cederá la presidencia del bloque a Paraguay.
“Algunos pueden estar listos para comenzar y el resto sumarse en el tiempo”, dijo Loizaga, quien también atribuyó parte de la responsabilidad por el parate en las negociaciones a los veintiocho países socios de la UE.
Timerman realizó las declaraciones en momentos en que destacó el trabajo que realiza la Cámara Luso Argentina de Comercio e Industria, que está integrada por 35 empresas líderes de Portugal, y que espera comenzar este año con la realización de misiones empresarias recíprocas.
La visita de Timerman a Portugal confirma la revitalización de la relación bilateral y se complementa con las realizadas en el año 2014 por el vicecanciller Campos Ferreira y el viceprimer ministro Portas a Buenos Aires, añadió la Cancillería.
Lo que sí resulta claro y ha sido consensuado es que en junio el Mercosur informará su propuesta a la UE. El ministro brasileño de Desarrollo, Armando Monteiro, apuntó que en junio próximo está programado un encuentro con autoridades de la UE en el cual el Mercosur dejará claro que ya tiene su oferta lista y pedirá que lo mismo ocurra con los europeos. “Tendremos esa iniciativa de instar a la Unión Europea a también hacer su oferta de modo que no quede ni de lejos que el Mercosur no tiene una posición armonizada, convergente y firme que tenemos de hacer un acuerdo Mercosur-UE”, afirmó.
La decisión de Brasil y Argentina es determinante en la posición del Mercosur, bloque que integran además Paraguay, Uruguay y Venezuela, y al cual se sumará Bolivia el próximo mes. (Bae Negocios – 20/05/2015)

Vázquez buscará un gesto de Dilma Rousseff para avanzar en la apertura del Mercosur
Uruguay pretende que Brasil impulse el TLC con la Unión Europea que los “K” resisten
Gonzalo Charquero
El presidente Tabaré Vázquez tendrá mañana en Brasilia la primera reunión bilateral en el exterior del actual período, donde espera recibir un nuevo gesto del gobierno de ese país para pararse como aliados ante Argentina en reclamo de la apertura del Mercosur.
Mientras el equipo económico liderado por Danilo Astori quiere cumplir durante este período su antiguo anhelo de firmar acuerdos bilaterales con países ajenos al bloque sin previo consentimiento de los socios, Brasil está urgido de nuevos mercados por la desaceleración de su economía y eso lo impulsa a flexibilizar las reglas del tratado regional.
Vázquez será recibido el jueves sobre las 11 horas por su par brasileña, Dilma Roussef, en el Palacio de Planalto, sede del gobierno norteño. Luego almorzará en la sede de la cancillería brasileña, donde al finalizar se prevé un discurso conjunto de los mandatarios, según la agenda divulgada por el Ministerio de Relaciones Exteriores de Brasil.
La necesidad de la economía brasileña le cayó como anillo al dedo al entrante gobierno uruguayo que tiene como su principal postulado en materia de política exterior ejercer el “regionalismo abierto”. En la región, Vázquez define como prioridad pegarse a Brasil en detrimento de Argentina y las políticas proteccionistas del kirchnerismo. El gobierno uruguayo también tiene como aliado a la federación de industriales de la ciudad de San Pablo, centro de la economía sudamericana.
En ese sentido uno de los primeros propósitos de Brasil y Uruguay en conjunto es lograr un Tratado de Libre Comercio entre los países del Mercosur y la Unión Europea, algo que Argentina resiste.
Además Vázquez ratificó ayer ante Cooperativas Agrarias Federadas, la tercera gramial más poderosa del agro, que avanzará en la búsqueda de tratados de libre comercio con otros países.
Si bien Vázquez optó por distanciarse en varios frentes del expresidente, José Mujica (2010-2015), la prédica en favor de Brasil como principal socio regional es uno de los puntos más notorios de continuidad entre el actual mandatario y su antecesor. De hecho, apuesta a aumentar el intercambio y los vínculos políticos en comparación con su primer gobierno.
Aunque al inicio de su administración, Vázquez, Astori y el canciller, Rodolfo Nin Novoa, enviaron señales de proximidad tanto a Brasil como a Estados Unidos, en el futuro las relaciones con esos países le pueden generar un dolor de cabeza ya que en el contexto internacional tienen intereses encontrados.
Mientras Brasil es socio estratégico de Rusia y China, Estados Unidos seduce a Uruguay para incorporarlo al Tratado Transpacífico, un acuerdo comercial promovido por la Casa Blanca entre ese gobierno y otros como de la zona Pacífico como Canadá, México, Japón, Australia, Nueva Zelanda y Chile, para opacar a las economías emergentes.
Brasil en crisis
Brasil tuvo en 2014 una balanza comercial en rojo y por primera vez en 14 años exportó menos de lo que compró al mundo. El saldo negativo fue de US$ 3.930 millones. Además la inflación a abril de 2015 se ubicó en 8,13% y el desempleo en 6,2%.
Su economía en recesión y tres trimestres consecutivos de caída de su Producto Interno Bruto fueron una de las causas que llevaron hace tres semanas al gobierno brasileño a jugar nuevas cartas en materia de política exterior como promover el cambio de las reglas del Mercosur.
La decisión 32 del Mercosur impide a los socios concretar acuerdos en solitario. Hasta ahora los únicos que habían planteado reparos a la norma fueron Uruguay y Paraguay. Ahora, el papel de Brasil como potencia de la región puede ser fundamental para lograr la apertura.
El ministro brasileño de Comercio Exterior, Armando Monteiro, pidió a comienzos de mayo revisar las normas del Mercosur y que haya “libertad” entre los socios para concretar acuerdos comerciales con otros bloques.
“El Mercosur es un casamiento indisoluble pero eso no significa que no se pueda discutir la relación”, dijo Monteiro a diputados brasileños que integran la comisión de Asuntos Internacionales del Parlamento.“No hay nada en el mundo que cristalice a tal punto que impida hacer ajustes y darle a los países, como Brasil, un mayor grado de libertad para ir en dirección de nuevos acuerdos”, dijo.
El gesto fue reconocido por el canciller uruguayo, quien dijo que Uruguay buscará avanzar en ese sentido en la reunión del jueves.
El ministro Astori, en tanto, propuso reconocer las diferencias de ritmo de las economías regionales como llave para habilitar acuerdos fuera del Mercosur. “Vamos a poner todas nuestras energías en una negociación que reclame flexibilidad; reconociendo los problemas que pueden tener nuestros socios y dándoles tiempo para corregirlos, pero al mismo tiempo pidiendo como compensación la flexibilidad que Uruguay necesita afuera de la región. Y aprovechar esta impresionante cantidad de oportunidades”, dijo el 28 de abril durante una conferencia brindada ante empresarios de la Cámara de Comercio Uruguay Estados Unidos.
Pese a apuntalarlo como socio, el gobierno uruguayo sigue con preocupación el estancamiento de Brasil. La industria automotriz, el arroz, la carne ovina y los lácteos son los productos locales que sufren el atraso cambiario con el segundo socio comercial de Uruguay. En los últimos 12 meses, la moneda brasileña se depreció 63% frente al dólar, mientras que el peso uruguayo lo hizo 12%. La brecha se amplió en lo que va de 2015, cuando el real se desvalorizó 20% y la moneda uruguaya 3,7%.
Más gestos
El exministro de Relaciones Exteriores de Brasil, Celso Amorim, que fue canciller durante los ocho años de gobierno del expresidente Luiz Inácio Lula Da Silva y la primera administración de Vázquez, consideró que la postura del presidente uruguayo sobre la necesidad de flexibilizar el Mercosur puede tener eco en el país del norte. “Es posible que los industriales brasileños estén más interesados que antes en esa flexibilización”, dijo el 16 de mayo al diario argentino Clarín. (El Observador – 20/05/2015)

Miguel Rossetto: Mais Mercosul, mais Brasil no mundo
O Mercosul entra no debate nacional de maneira surpreendente. Algumas vozes têm defendido mudanças drásticas no rumo da posição brasileira em relação ao bloco. Essas vozes defendem que, em lugar do Mercosul, o Brasil deve estabelecer acordos bilaterais de livre comércio, principalmente com as grandes potências mundiais.
Propõe, na prática, o abandono da correta estratégia de dar ênfase à integração seguida pelo Brasil nos últimos 13 anos. Essas visões foram fortemente debatidas durante a última eleição presidencial, no ano passado. No programa vitorioso, a concepção de inserção do Brasil no mundo está escrita de maneira clara, como é possível ler a seguir:
"Junto à reconstrução das políticas econômicas e sociais, os governos Lula e Dilma tiveram de realizar uma profunda mudança na presença do Brasil no mundo. O segundo governo Dilma dará continuidade a esse processo, em sintonia com as transformações pelas quais vêm passando a cena internacional.
"A prioridade à América do Sul, à América Latina e ao Caribe se traduzirá no empenho em fortalecer o Mercosul, a Unasul e a Celac (Comunidade dos Países da América Latina e Caribe), sem discriminação de ordem ideológica."
A realidade concreta comprova o acerto dessa política externa. O Mercosul foi, em 2013, o maior receptor dos investimentos estrangeiros diretos na América Latina e Caribe, recebendo 46,7% dos aportes de capital a toda a região.
No comércio entre os países do bloco, quase 85% dos produtos exportados pelo Brasil aos sócios do Mercosul são manufaturados. Em comparação, a média geral da exportação de produtos industrializados do Brasil representa só 48,5%. Ou seja, o Mercosul é um modelo de integração produtiva que favorece a ampliação do nível de emprego, do bem-estar e da renda nacional.
Além disso, a perspectiva do Mercosul transcende a dimensão econômico-comercial. Por um lado, está orientado pela concretização de direitos e da identidade cultural comunitária. Por outro, fortalece tanto a inserção do Brasil no mundo como o seu poder de negociação com as grandes potências.
Os mecanismos e organismos de integração regional –Mercosul, Unasul e Celac– reforçam o papel ativo da região na promoção da estabilidade, da democracia e da conformação de um mundo multipolar.
Fica claro que quando nações de um mesmo continente comprometem o seu destino com estratégias econômicas comuns e integradas, o ambiente de cooperação e de paz nessa região se fortalece.
O país não diminui a importância do relacionamento com os Estados Unidos, com quem mantém –e seguirá mantendo– intensa interação econômica, científica e tecnológica. O mesmo vale pra União Europeia e para o Japão.
O pertencimento do Brasil aos Brics é hoje – e será cada vez mais– um importante vetor para a concretização dos interesses nacionais e os do Mercosul no mundo. O bloco congrega as principais potências emergentes e terá crescente influência no cenário internacional.
Um processo profundo e complexo de integração entre países assimétricos, como estamos realizando no Mercosul, requer trabalho e perseverança. A União Europeia, por exemplo, demandou mais de meio século para se consolidar, e somente foi concretizada pela persistência histórica e estratégica compartilhada entre as duas principais economias daquele continente.
O nosso governo, liderado pela presidenta Dilma e representado com competência pelo Itamaraty nas negociações internacionais, vai manter como estratégia uma política externa que assegura a projeção do Brasil no mundo e é base constitutiva do nosso projeto de nação.
MIGUEL ROSSETTO, 55, é ministro da Secretaria-Geral da Presidência da República. Foi vice-governador do Estado do Rio Grade do Sul (1999-2003) e ministro do Desenvolvimento Agrário (governos Lula e Dilma) (Folha de SP – 20/05/2015)

Brasil e China assinam 35 acordos em visita do premiê ao País
Lisandra Paraguassú, André Borges
Petrobrás fechou dois acordos envolvendo US$ 7 bi; total de parcerias firmadas entre os dois países soma mais de US$ 53 bi
O primeiro-ministro chinês, Li Keqiang, chegou ao Brasil com promessas de recursos que fizeram brilhar os olhos das autoridades, mesmo que a maioria ainda seja apenas de boas intenções. Foram anunciados 35 acordos. Entre os principais acordos, foi assinado um memorando que prevê a criação de um fundo bilateral para investimento em infraestrutura que pode chegar a US$ 50 bilhões, um crédito para a Petrobrás de US$ 7 bilhões e outro para a Vale de US$ 4 bilhões.
No papel, os chineses demonstraram interesse em investir em projetos de infraestrutura, em andamento ou ainda apenas em fase de planejamento, que chegam a US$ 53,3 bilhões. E, na conversa privada com Dilma Rousseff - ou seja, sem entrar na lista oficial de acordos -, Keqiang ainda propôs outra linha de crédito, dessa vez em torno de US$ 20 bilhões, apenas para siderurgia, cimento, vidro, material de construção, equipamentos e manufaturados.
No governo brasileiro, ninguém esconde o interesse nos recursos que os chineses são capazes de trazer, mesmo que até agora não haja nenhuma garantia de que todos esses dólares chegarão. “O anúncio é significativo do interesse chinês numa cooperação financeira que é particularmente necessária para o crescimento do Brasil”, avaliou o subsecretário-geral de Política II do Itamaraty, embaixador José Alfredo Graça Lima, responsável pelo relacionamento com a região asiática.
Em seu discurso, a presidente Dilma comemorou a assinatura do acordo para investimentos chineses em infraestrutura, e revelou “enorme satisfação” com a proposta de Keqiang de outro fundo para “capacidade produtiva”. “Eu recebi com muita satisfação a proposta que me fez hoje o primeiro-ministro, de criação de um fundo bilateral de cooperação produtiva, da ordem de US$ 20 bilhões.”
As ofertas de recursos mostram o apetite chinês por obras de infraestrutura. De acordo com o primeiro-ministro, seu país tem recursos e tecnologia para exportar - com reservas financeiras recordes, a China procura investimentos no mundo todo e, depois de dominar a África, voltou suas atenções para a América Latina.
Lista de interesse. Os chineses apresentaram ao Ministério do Planejamento uma lista de 52 obras de interesse deles. A lista não entrou no acordo porque o governo brasileiro não quis se comprometer em confiar os projetos aos chineses, apesar da garantia de financiamento. “Seria pouco recomendável que incluíssemos obras que estão para ser licitadas ou uma listagem de obras em andamento em um acordo”, afirmou Marcio Percival, vice-presidente de finanças da Caixa.
Essas obras poderão ou não ser financiadas pelos recursos de outra proposta chinesa, a de um fundo a ser administrado pelo banco ICBC e pela Caixa, que pode chegar a US$ 50 bilhões, mas ainda não tem valor definido. “Temos 60 dias para definir os setores, os projetos e quais mecanismos de gestão desse fundo. Temos potencial de fazer alguma coisa muito grande”, disse Percival.
Confiança. Já o fundo de investimento em capacidade produtiva ainda é apenas uma ideia, levantada pelo primeiro-ministro chinês no encontro privado com Dilma, mas sem nada definido.
Em seu discurso, Dilma ressaltou a “confiança” dos chineses na Petrobrás. Em dificuldades financeiras, a estatal obteve dos chineses mais US$ 7 bilhões em dois financiamentos, do ICBC e do Eximbank chinês, além dos US$ 3,5 bilhões anunciados há cerca de um mês.
O mais concreto anunciado no encontro desta terça-feira, 19, foi o destravamento de duas promessas feitas pelos chineses há um ano: a liberação da exportação de carne de oito frigoríficos brasileiros, barrados desde o caso extemporâneo do Mal da Vaca Louca no Paraná, em 2012, e a primeira compra efetiva de 22 aeronaves da Embraer. (O Estado de SP – 19/05/2015)

La Cumbre del Mercosur luego de la visita del Papa
La Cumbre del Mercosur se llevará a cabo luego de la visita del papa Francisco a Paraguay, confirmó ayer el embajador brasileño, José Eduardo Felicio, tras visitar al canciller Eladio Loizaga. El diplomático dijo que la fecha tentativa de la Cumbre de Presidentes está en consultas, pero que está marcada para julio, con posterioridad a la visita al Paraguay del Papa, prevista del 10 al 12 de ese mes.
La reunión del Consejo de Mercado Común y la Cumbre de Mandatarios se haría el 16 y 17 de julio en Brasilia, capital del vecino país, presidente pro témpore del bloque regional.
Esperan trato con EU
Felicio fue consultado sobre la dilatada negociación comercial Mercosur-Unión Europea (UE). Dijo que “hay que ver la predisposición que hay de parte” del bloque europeo para presentar la lista de ofertas en forma conjunta. Recordó que el Mercosur ya tiene una lista para ser presentada.
Apuntó que en Bruselas (Bélgica), en el marco de una reunión con la Comunidad de Estados Latinoamericanos y Caribeños (Celac), podría ser ocasión para avanzar. Informó que en dicho foro el presidente Horacio Cartes y su colega Dilma Rousseff hablarán del tema. (ABC Color – 19/05/2015)

Acuerdos internacionales y comerciales entre Latinoamérica y la Argentina
Marcelo Elizondo, Especialista en negocios internacionales
Según la OMC hay en el mundo más de 300 acuerdos comerciales celebrados entre países que se conceden condiciones preferenciales (facilitadas) para los negocios. Esta realidad (que ha hecho que el mundo exporte ya casi el 40% de lo que produce) es nueva: de los alrededor de 300 acuerdos vigentes, más de 200 han sido negociados desde 1990 hasta hoy. Todos los países de la OMC –con excepción de Mongolia – participan en al menos uno de estos acuerdos.
Hay diversos tipos de acuerdos comerciales internacionales. Dice Robert Lawrence que hay acuerdos poco profundos (shallow), pues sólo eliminan aranceles; mientras que otros – más modernos y ambiciosos– son más profundos (deeper), dado que incluyen compromisos regulatorios en distintas áreas (inversiones, propiedad intelectual, solución de controversias, etc.). El Mercosur está incluido entre los primeros.
¿Por qué es relevante este proceso? Porque según la OMC cerca ya de la mitad de los flujos comerciales globales se lleva a cabo entre países que tienen entre sí acuerdos comerciales. Nuestra región sudamericana no escapa a esta tendencia. En América del Sur los países han suscrito un total de 65 acuerdos comerciales, de los cuales 54 se han negociado con otros países en vías de desarrollo y 11 con países desarrollados (15 de los acuerdos comerciales existentes han sido negociados con países asiáticos).
Según la CAF en nuestra región hay países que cuentan con economías más abiertas al comercio y las inversiones (Colombia, Chile y Perú); hay otros que privilegian el mercado interno y la protección de la industria local por encima del acceso a los mercados externos (Bolivia, Ecuador y Venezuela); y en una posición intermedia se encuentran los países de Mercosur, pues aplican políticas básicamente interesadas en la preservación de la Unión Aduanera.
En América del Sur los acuerdos han avanzado. Mientras que a mediados de la década de los años 90 poco más del 20% comercio regional estaba libre de aranceles, al inicio de la presente década (2010) este porcentaje se acercó al 60%. Dice la CAF que el porcentaje del comercio regional que se beneficia de las preferencias arancelarias negociadas es de más del 77% del total.
Sin embargo, por un lado hay numerosos acuerdos entre países de la región; pero, por otro lado, no son tan abundantes los de los países de la región con terceros mercados. Mientras intra-región hay acuerdos entre casi todos; sólo Colombia, Chile y Perú concentran la casi totalidad de acuerdos de libre comercio celebrados por países de América del Sur con terceros países. Estas prácticas han generado relevantes progresos en ellos, como por ejemplo que Chile y Perú tienen una tasa de desempleo que no supera el 6,5% –casi un punto menor a la nuestra–; y que Perú y Colombia tienen la mayor tasa de participación laboral en la región, alrededor del 68%, casi diez puntos por encima de la de Argentina.
El principal acuerdo internacional argentino es el Mercosur. Pero el volumen de intercambio interno en el Mercosur cayó del 16% al 13% del total vendido por sus integrantes en cuatro años. Para Argentina (que exportará este año U$S 20.000 millones menos que al inicio de la década, mientras los flujos comerciales mundiales crecen 3%), el análisis estratégico sobre cómo insertarse en la economía mundial exige planificar nuevos procesos negociatorios internacionales. La pérdida de participación argentina en el comercio mundial (que ronda los u$s 19 billones) lleva a observar el proceso de crecientes negociaciones (se han firmado unos 100 acuerdos en el mundo en el último decenio) del que Argentina casi no participa, como un camino a transitar para recuperar presencia comercial internacional. Escasos acuerdos internacionales son una causa de débil comercio.
De otro modo, el cepo, los cupos a las importaciones, las prácticas proteccionistas por las que hemos sido condenados en la OMC, la caída de la inversión extranjera o la pérdida de participación en las exportaciones de las economías regionales podrían no ser sólo una excepción transitoria. (Cronista – 19/05/2015)

Governo aposta em 30 acordos com Pequim
DE BRASÍLIA
O governo Dilma vai anunciar nesta terça-feira (19) a assinatura de mais de 30 acordos bilaterais com a China, principalmente nas áreas de infraestrutura e logística, como parte do plano de concessões que será anunciado pela presidente em junho.
Dilma recebe nesta terça o primeiro-ministro da China, Li Keqiang, para discussões sobre parcerias de investimento e ampliação do comércio entre os dois países.
Segundo auxiliares de Dilma, o Planalto aposta nos negócios com a China para evitar uma "paralisia" do governo com o corte do Orçamento.
Nesta segunda-feira (18), Dilma fez uma reunião com a presença de ministros e do embaixador chinês Li Jinzhang para acertar os últimos detalhes dos acordos.
Entre os projetos, está a obra da ferrovia que ligará Brasil e Peru e contará com investidores chineses para bancar o projeto.
O embaixador Sergio Amaral, presidente emérito do Conselho Empresarial Brasil-China, afirmou que os chineses estão interessados, especialmente, em projetos que estão prontos para serem executados, que já estejam em andamento ou próximos de serem concluídos.
Esses investimentos serão feitos por meio de compra de participação nos negócios ou via financiamento de bancos chineses, principalmente.
"Queremos saber quais os projetos que estão prontos. Não é um encontro só para trocar cartões", disse Amaral. "É preciso ter projetos concretos, que não sejam apenas uma ideia."
Ele citou como projetos que podem despertar o interesse as obras do metrô de São Paulo e as ferrovias Transnordestina, Norte-Sul. Empresas chinesas também avaliam a construção de fábricas para produção de material e equipamentos na área de construção civil. (MARINA DIAS E EDUARDO CUCOLO) (Folha de SP – 19/05/2015)

Crece polémica en el Mercosur por acuerdos bilaterales
Por Francisco Martirena Auber
Dilma y Tabaré impulsan los TLC por país fuera del Mercosur
De cara a la inminente discusión en la Cumbre del Mercosur, que será en Brasil el mes próximo, el Gobierno dejó en claro que no se opone a la firma de acuerdos bilaterales con países o bloques, como prohíbe la vigente resolución 32.
El secretario de Relaciones Económicas Internacionales de la Cancillería, Carlos Bianco, afirmó a BAE Negocios que “la Argentina no se opone” a la posibilidad de avanzar en acuerdos bilaterales, pero aclaró que “este punto no ha sido analizado hasta el momento en ningún ámbito”.
En esta dirección, apuntó que “solamente existen declaraciones públicas de funcionarios de otros países del Mercosur” planteando la modificación normativa, pero “no está programado por el momento que se analice” en la Cumbre regional, aunque no lo descartó.
Como se observó en este proceso desde al menos el año pasado, la flexibilización en las normas Mercosur fue instalada por Brasil, Uruguay y Paraguay. Incluso, sus funcionarios afirman haberlo discutido en el seno del Mercosur, pero evidentemente no a nivel técnico.
En un próximo escenario de megabloques comerciales y políticos, los Estados Unidos, la Unión Europea, China, Rusia, el Sudeste Asiático e India, principalmente, son los objetivos del Mercosur, poniendo en debate la cláusula 32 del tratado de formación, que impide acuerdos individuales por países. Francisco Cannabrava, ministro consejero de la Embajada de Brasil en la Argentina, fue contundente. “El Mercosur necesita coordinar de manera más activa la búsqueda de nuevos acuerdos comerciales fuera de la región”, aseguró.
En rigor, todos los países del Mercosur, en mayor o menor medida buscan acuerdos por fuera de las negociaciones en bloque. Así que un retoque a la cláusula 32 no espantaría a nadie. El Gobierno ha dado fuertes señales en esa dirección, fijando convenios y proyectos con China y Rusia, casi en paralelo, incluyendo el swap de monedas con el gigante asiático. Cannabrava replanteó la discusión en la Conferencia Internacional sobre Proyecciones Agroindustriales, organizada por el Instituto para las Negociaciones Agrícolas Internacionales (INAI).
La semana pasada el ministro de Desarrollo, Industria y Comercio Exterior de Brasil, Armando Monteiro, dio a conocer que su país buscaría dotar al bloque de cierta flexibilidad, como han pedido reiteradamente Uruguay y Paraguay, las dos economías más pequeñas del quinteto.
Si bien “el Mercosur es una construcción muy importante para Brasil, y tiene que ser valorado y preservado (…) todos los países tienen un grado de libertad para celebrar acuerdos bilaterales y es eso lo que Brasil también va a buscar para insertarse en las principales corrientes del comercio del mundo. Nada impide que Brasil firme acuerdos bilaterales”, resumió Monteiro. (Bae Negocios – 19/05/2015)

El Parlamento del Mercosur reclama aporte de sócios
MONTEVIDEO (EFE). La Mesa Directiva del Parlamento del Mercosur (Parlasur) acordó ayer en Montevideo enviar al Consejo del Mercado Común una petición para que los países miembros del bloque pongan al día sus aportes económicos, ya que los “retrasos comprometen los trabajos”, dijo el presidente del organismo regional, Saúl Ortega.
“Hay retrasos de los Estados parte en los aportes y eso compromete el funcionamiento del Parlamento. Hemos decidido enviar una comunicación al Consejo del Mercado Común para que éste a su vez exhorte a los Estados a cumplir con los requisitos que son de ley”, informó Ortega a la radio Mercosur.
Asimismo, la Mesa elaboró un calendario de reuniones para este año, con nuevos encuentros en junio y julio, y una primera sesión parlamentaria, inicialmente pensada para agosto. “Estuvimos revisando lo que es el funcionamiento del Parlamento este año y por supuesto que está sujeto también a la situación presupuestaria, pero hemos creído que es importante hacer un cronograma del trabajo”, remarcó Ortega.
A su juicio, el próximo encuentro de la Mesa Directiva en junio ya tendría “mayor claridad sobre los aportes presupuestarios”. El 17 de julio, la comitiva quiere reunirse con los presidentes de los países que integran el Mercosur en el marco de la próxima cumbre. (ABC Color – 19/05/2015)

Brasil e EUA tentam fechar acordo de facilitação de entrada
BRASIL
De Brasília
Autoridades brasileiras e americanas têm interesse em incluir, na visita que a presidente Dilma Rousseff fará aos Estados Unidos em junho, um compromisso em torno da adesão do Brasil ao Global Entry. Esse programa permite a entrada de turistas frequentes - principalmente empresários e altos executivos – em território americano sem passar por longas e demoradas filas de imigração, mediante cadastro prévio.
Por outro lado, avanços na dispensa de vistos estão praticamente descartados, o que mantém distante a perspectiva de viajar para os Estados Unidos sem buscar um carimbo nos consulados americanos antes do embarque. Exigências feitas pelo Homeland Security, o departamento que cuida de assuntos migratórios, são consideradas inaceitáveis pela diplomacia brasileira.
Um ponto,em particular, gera forte incômodo:aobrigatoriedade deumconvênio, entre os dois países, por meio do qual a Casa Branca pode ter acesso a informações sobre brasileiros que sejam alvos de processos judiciais mesmo sem condenação – ou suspeitos de terrorismo. Para garantir a isenção de vistos, desde 2014, o Chile teve que aceitar esse tipo de requerimento. "É um modelo de acordo particularmente intensivo", comenta um alto funcionário do governo, que levanta dúvidas sobre a constitucionalidade de abrir informações de natureza privada para outros países.
Por isso, houve certo mal-estar, que não será dito publicamente, com declarações da embaixadora dos Estados Unidos em Brasília, Liliana Ayalde, de que a eliminação de vistos só dependeria do Brasil. Washington quer ter acesso a dados não só de cidadãos brasileiros com passagem pela polícia, ou que já foram condenados judicialmente, mas também de quem apenas é investigado por algum motivo. Além disso, não há sequer tipificação de terrorismo nas leis brasileiras, o que inviabiliza qualquer tipo de compartilhamento de informações concretas sobre o assunto.
Quanto ao Global Entry, um acordo estava perto de ser selado para a visita de Dilma à Casa Branca, em 2013. A viagem foi cancelada, em meio ao escândalo da espionagem eletrônica denunciada pelo ex-agente Edward Snowden, e houve congelamento das negociações.
As conversas foram retomadas discretamente, no ano passado, com uma novidade que ajuda na adesão brasileira: não há mais exigência de reciprocidade, como antes, algo bem visto pela Polícia Federal, que não tem um programa semelhante para a entrada de estrangeiros no país.
No início, falava-se na entrada de até 5 mil viajantes frequentes em um projeto-piloto do Global Entry com o Brasil. Depois, esse universo foi reduzido para cerca de 1,5 mil brasileiros. Agora, o Homeland Security teria aberto mão das cotas e o número está em aberto. Para permitir um acordo a tempo da visita de Dilma, daqui a aproximadamente 40 dias, os negociadores veem a necessidade de mais algumas reuniões, que ainda não foram marcadas. Sem uma aceleração das discussões, o mais provável é apenas uma declaração de Dilma e do presidente Barack Obama de que os dois países se comprometem a alcançar um acordo "proximamente", sem data definida de implementação.
O programa não tem relação com a necessidade de vistos. Requer uma inscrição, no valor de US$ 100, e entrevista em um consulado americano. Quem é aprovado obtém o beneficio por cinco anos, mas continua precisando de visto, caso não haja acordo de dispensa entre os países. A vantagem é a rapidez nos procedimentos de entrada e saída. Em vez de esperar umagentedeimigração e explicar os motivos década visita, os participantespodem "driblar" as filas e submeter seus passaportes à leitura eletrônica em quiosques instalados em 42 aeroportos.
A experiência demonstra que o tempo médio de liberação diminui para menos de um minuto. Os terminais que mais recebem voos do Brasil, como Miami e Nova York, estão incluídos na lista. Ao todo, estão inscritos no Global Entry 1,8 milhão de viajantes frequentes aos Estados Unidos, de países como Alemanha, Coreia do Sul e México. Por agilizar os trâmites, a adesão brasileira é fortemente apoiada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI )e pela Amcham. (DR) (Valor Econômico – 18/05/2015)

Mercosur pide a países miembros pongan al día su aporte económico
EFE
La Mesa Directiva del Parlamento del Mercosur acordó este lunes en Montevideo enviar al Consejo del Mercado Común una petición para que los países miembros del bloque pongan al día sus aportes económicos, ya que los "retrasos comprometen los trabajos", dijo el presidente del Parlasur, Saúl Ortega.
"Hay retrasos de los Estados-parte en los aportes y eso compromete el funcionamiento del Parlamento. Hemos decidido enviar una comunicación al Consejo del Mercado Común para que éste a su vez exhorte a los Estados a cumplir con los requisitos que son de ley", informó Ortega a la radio Mercosur.
Asimismo, la Mesa elaboró un calendario de reuniones para este año, con nuevos encuentros en junio y julio y una primera sesión parlamentaria, inicialmente pensada para agosto.
"Estuvimos revisando lo que es el funcionamiento del Parlamento este año y por supuesto que está sujeto también a la situación presupuestaria, pero hemos creído que es importante hacer un cronograma del trabajo", remarcó Ortega.
A su juicio, el próximo encuentro de la Mesa Directiva en junio ya tendría "mayor claridad sobre los aportes presupuestarios".
El 17 de julio, la comitiva quiere reunirse con los presidentes de los países que integran el Mercosur en el marco de la próxima cumbre que tendrá lugar en la capital de Brasil, en una cita "tentativa".
Por su parte, el vicepresidente del Parlasur por Uruguay, Daniel Caggiani, destacó la participación en la reunión de hoy de una delegación de Bolivia, que desde 2012 se encuentra en proceso de adhesión al bloque regional.
"Es una sesión histórica porque participó por primera vez la delegación de Bolivia, que si bien no es un Estado pleno (del Mercosur), falta solo la ratificación del Estado brasileño y de Paraguay", resaltó.
El inicialmente llamado Mercado Común de Sur fue creado en 1991 por el Tratado de Asunción firmado por Argentina, Brasil, Paraguay y Uruguay, culminando en 2013 con el ingreso formal de Venezuela, que actualmente ejerce la presidencia pro témpore del grupo.
Además de Ortega y Caggiani, los parlamentarios y vicepresidentes del Parlasur por sus respectivos países, Arlindo Chinaglia (Brasil), Guillermo Carmona (Argentina), Alfonso González Núñez, (Paraguay) y Blanca Eekhout (Venezuela) estuvieron presentes en la reunión de la Mesa este lunes. (El Carabobeño – Nicarágua – 18/05/2015)

El Mercosur permitirá la firma de acuerdos bilaterales extrabloque
Por Francisco Martirena Auber
Al tiempo que dejará la presidencia pro témpore del bloque en manos de Paraguay, Brasil será el anfitrión de una especial y decisiva cumbre del Mercosur, a fines del mes de junio, con dos temas que se roban todas las miradas: el ingreso de Bolivia, que deberá ser ratificado por los parlamentos de los países miembro, y la flexibilización de las normas para que cada nación avance en acuerdos bilaterales extrabloque.
Mientras el primer punto es claramente impulsado por la Argentina y se trata de un dato a favor en la posición nacional, el segundo ítem surgió como consecuencia del deseo del resto de los socios: Brasil, Paraguay y Uruguay. La explicación pasa por sus reiteradas quejas a la política comercial argentina, la evidente y drástica reducción del intercambio, y la necesidad de tornar menos rígidas las normas del Mercosur, cuando China y Rusia, por caso, ya se han acercado a la región.
A punto tal es la coyuntura, que Tabaré Vázquez romperá la tradición y sin venir a la Argentina, viajará a Brasilia el 21 de mayo para reunirse con Dilma Rousseff. En la agenda de temas, precisamente, figurará la definición de cómo sería una flexibilización del Mercosur, para poder firmar acuerdos bilaterales con terceros países. Estados Unidos y la Unión Europea conforman ese horizonte, además de China y Rusia y la vía podría ser la modificación de la resolución 32. Este encuentro será uno de los escalones previos para fijar la agenda final de la cumbre del Mercosur.
Con la presencia de Bolivia, y en un mapa geopolítico, de los seis futuros miembros del Mercosur, habría tres de ellos como el país entrante, la Argentina y Venezuela, más alejados de la política de los Estados Unidos y la UE, y los otros tres, Brasil, Paraguay y Uruguay que ya quieren sentarse con el presidente Obama para cerrar negocios. De hecho, este año será el reencuentro del jefe de la Casa Blanca con Dilma, en Washington.
Además, como adelantó este diario el viernes, Brasil ahora busca en la Alianza del Pacifico resolver su baja en las exportaciones, mientras mantiene las trabas a las peras y manzanas argentinas. Dilma prepara una enorme comitiva de funcionarios y empresarios para viajar el 26 y 27 de mayo a México, donde habrá una entrevista con su par, Enrique Peña Nieto.
Bolivia, en el Mercosur
Con la resolución consensuada para la cumbre del Mercosur en junio y la posterior ratificación parlamentaria, Bolivia será miembro pleno del Mercado Común del Sur con derecho a voz y voto, lo que abre la posibilidad de tener ventajas comerciales que hoy como país asociado.
El viceministro de Comercio Exterior e Integración de Bolivia, Clarems Endara Vera, precisó que en esa cumbre “se hará la suscripción de los protocolos de adhesión para que los países miembros del Mercosur los internalicen en sus congresos”.
“Hemos tenido ya una reunión en Brasilia todas las delegaciones, para que un nuevo instrumento político pueda ser aprobado en la cumbre de junio del Mercosur y a partir de ello, nosotros vamos a empezar a participar con derecho a voz y voto dentro del Mercosur”, indicó la autoridad diplomática.
Apuran negociaciones con la EU
El canciller del Paraguay, Eladio Loizaga, consideró ayer “altamente probable” que se aproveche la Cumbre de la Celac-UE, el próximo 10 y 11 de junio en Bruselas, para llevar adelante una reunión entre los ministros de Relaciones Exteriores del Mercosur y autoridades de la UE, para avanzar en el proceso de negociación que comenzó en 1999.
“El Brasil, que ejerce actualmente la presidencia pro témpore del Mercosur, hace semanas viene conversando con autoridades de la UE sobre este objetivo”, agregó Loizaga. Asimismo, aseguró que el Paraguay asumirá la presidencia temporal del bloque sudamericano el próximo semestre, “y tendrá un rol muy importante en el impulso de estas negociaciones”.
De todas formas, y nuevamente debajo de las expresiones de deseo, la UE continúa sin entregar un mínimo borrador de su propuesta negociadora, algo que el Mercosur tiene desde el año pasado. Además, el bloque europeo hasta ahora no ha dado ninguna señal de corregir su poderoso sistema de subsidios agrícolas, que frena cualquier tipo de acercamiento comercial entre las naciones.(Diario Bae Argentina – 18/05/2015)

Mercosur: 30 years on
Argentina’s President Cristina Fernández waits for the arrivals of her fellow presidents for a photo, at a Mercosur summit in Mendoza, back in 2012.
By Andrés Federman
For The Herald
Bloc has failed to reach its objectives and change is afoot
The Mercosur trade bloc seems to be facing some hard facts of life and preparing to undergo trade policy changes which will alter the dreams that gave it birth. Sad but, possibly, quite necessary.
Back in the 1980s, the new democracies in the region were being born, offering the promise that — finally — Latin America would have a chance not only to live in freedom, but also to modernize and develop. The world offered new and innovative models of interstate relations but also new tools for modernization and economic growth and development. The European Economic Community, later the European Union, were the living examples. And at the time, there was no shortage of preachers of the new creed wanting to visit this part of the world to share their experience. And there were generous allocations by a number of European Governments and private foundations, who were willing to finance the promotion of the new world.
The Mercosur is the child of those endeavours. Its birth certificate is dated 1985 and it was originally called the the Argentina-Brazil Integration and Economics Cooperation Programme.
There were ambitious plans. The programme also proposed the Gaucho as a currency for regional trade. And there was more. In December 2004, the leaders of the Mercosur created a Parliament. Or at least plans for one, one that would be called Parlasur.
Three elements contributed to the enthusiasm that surrounded the Mercosur.
One was the fact that Latin American unity has been part of the South American dream since the mid-19th century. For many (some would call them “wishful”) thinkers the lack of regional unity was to be blame for weaknesses and problems. So the Mercosur appeared to be a way of galvanizing such unity.
Second, it should be noted that South America, although a relatively peaceful region (definitely more than Europe at least) was not free from tensions that sometimes led to armed conflict. In the case of the Argentine Armed Forces, for many years of the last century there were permanently reviewed “conflict hypotheses” about potential wars with Chile or Brazil, In fact in 1978, Argentina and Chile were on the verge of an open war.
And then there was the dream of economic growth through a common market.
The European mirror returned a most attractive image.
There were some successes. The rhetoric of Latin American unity provided a political base for active political exchanges and the creation of more organizations in which the four original members of the Mercosur (Paraguay, Uruguay, Brazil and Argentina) joined with other Latin American States. UNASUR is a good case in point. It has turned into an organization which can show off some successes in conflict resolution between its members.
But the Mercosur seems to have failed in its original objective of becoming a regional common market.
Some argue that the reason is the asymmetry between the two big partners and the two small ones. Both Paraguay and Uruguay complain frequently about the unfair treatment meted on them by Brazil ad Argentina. In addition, Mercosur seems to have failed to find mechanisms through which business sectors can negotiate past their differences.
Instead Brazilian, as well as the Argentine, business associations focus all their efforts on lobbying and influencing their own governments. And they expect the politicians to take hard-line positions to the negotiating table with the other side. Successes though seem to have been quite less frequent than failures. And this is showing.
There are now strong rumours that Paraguay, Brazil and Uruguay are going to start exploring trade alternatives outside the block. Not too long ago, this was anathema. But effective needs have shortened the patience of both businesspeople and politicians. Unsurprisingly, neither Venezuela nor Argentina are said to be very happy about this. So watch this space for future developments. (Buenos Aires Herald – 18/05/2015)

“El Mercosur debe repensarse”, dijo el secretario general de la Aladi
“Puede haber una versión crítica de un organismo que debe repensarse, yo soy un ferviente defensor de que los organismos se articulen y hagan cosas juntos porque la percepción en la sociedad es que hay muchos organismos y poca integración”, manifestó Álvarez.
El secretario general de la Aladi dijo que se tiene que favorecer “que haya una reflexión crítica sobre el estado de la integración”.
Álvarez defendió que los organismos regionales, como el Mercado Común del Sur (Mercosur), tienen que ser revisados por los países para llevar a cabo “una discusión a fondo, no solo entre las cancillerías, sino también entre los presidentes de cada estado”.
El presidente de Aladi indicó que no le corresponde a él decir si el Mercosur debe permitir que cada país miembro pueda negociar de manera independiente tratados de libre comercio con otros estados, lo que constituye “una demanda de Uruguay desde hace muchos años”.
Pero Álvarez sí señaló que “es muy difícil avanzar con el disgusto o crítica constante de dos o tres países”.
No obstante, dijo que “nadie discute la visión estratégica” del Mercosur y que si se quiere “tener presencia internacional” en “muchos” contextos, la región “es más conocida como Mercosur que como cada país de forma individual”.
El dirigente hizo estas declaraciones después de inaugurar en la sede de la Aladi en Montevideo un simposio sobre las industrias culturales en América Latina, donde abogó por una mayor integración del sector en la que participen los distintos organismos regionales, como Mercosur, Celac, Unasur o Alba. (La Nación Paraguay – 18/05/2015)

Se prepara reunión para reanudar negociación entre Mercosur y EU
El canciller nacional, Eladio Loizaga, considera “altamente probable” que se aproveche la Cumbre de la Celac-UE, el próximo 10 y 11, en Bruselas, para llevar adelante una reunión entre los ministros de Exteriores del Mercosur y autoridades de la Unión Europea, para buscar la manera de avanzar en el proceso de negociación que comenzó en 1999.
“El Brasil, que ejerce actualmente la presidencia pro témpore del Mercosur, hace semanas viene conversando con autoridades de la UE sobre este objetivo”, agrega.
Recordó además que el Paraguay asumirá la presidencia temporal del bloque sudamericano el próximo semestre, “y tendrá un rol muy importante en el impulso de estas negociaciones”, adelanta.
En las relaciones externas al Mercosur, el Paraguay siempre ha sido “un gran promotor” del acercamiento a aquellas regiones y países más importantes, como la UE, los Estados Unidos y la Alianza del Pacífico, destaca a su vez el embajador Rigoberto Gauto, viceministro de Relaciones Económicas e Integración de la Cancillería Nacional.
“El país buscará dentro de sus posibilidades hacer que eso sea un objetivo nuevamente. Sin duda, esto va a depender mucho de las decisiones políticas que se adopten en los países más grandes”, reconoce.
No obstante, celebra que naciones como el Uruguay “tengan el mismo enfoque”.
Con relación a las negociaciones con la Unión Europea, relanzadas hace dos años, el Mercosur ha dicho que ya tiene lista su oferta de bienes, servicios, inversiones y compras gubernamentales, pero que no la intercambia porque los europeos alegan que aún no finalizaron el proceso de consultas internas para entregar su propuesta.
El canciller Loizaga había dicho que cuando se dé el momento, ambas partes tienen que bajar al mismo tiempo sus respectivas listas.
“Lo deseable es que vayamos en grupo, como bloque, porque eso nos da fuerza a nosotros. En la visión de nuestro país, en la medida de lo posible tenemos que seguir como bloque”, opina el ministro de Relaciones Exteriores. Lo último que se había informado es que solo se espera una respuesta de Bruselas para intercambiar las ofertas de negociación.
Además de reimpulsar y concretar este proceso, el canciller sostiene que el Mercosur tiene que abrirse a otras negociaciones con países y otros bloques económicos, “que van a dar un gran impulso al comercio, lo que a su vez servirá de instrumento de desarrollo”.
Con respecto a la 2° Cumbre Celac-UE, que será el mes próximo, se reunirán los dirigentes europeos y los latinoamericanos y caribeños para fortalecer las relaciones entre ambas regiones. El presidente Horacio Cartes tiene previsto participar de la reunión. (Ultima Hora – 17/05/2015)

Chacho Álvarez: "el Mercosur debe repensarse"
El secretario general de la Asociación Latinoamericana de Integración (Aladi), Carlos Álvarez, dijo ayer que "el Mercosur debe repensarse", en relación a las palabras del ministro de Economía, Danilo Astori, quien meses atrás afirmó que el organismo regional está pasando el peor momento de su historia.
EFE
"Puede haber una versión crítica de un organismo que debe repensarse, yo soy un ferviente defensor de que los organismos se articulen y hagan cosas juntos porque la percepción en la sociedad es que hay muchos organismos y poca integración", manifestó Álvarez. El secretario general de la Aladi dijo que se tiene que favorecer "que haya una reflexión crítica sobre el estado de la integración".
Álvarez defendió que los organismos regionales, como el Mercosur, tienen que ser revisados por los países para llevar a cabo "una discusión a fondo, no solo entre las cancillerías, sino también entre los presidentes de cada estado".
El funcionario de Aladi indicó que no le corresponde a él decir si el Mercosur debe permitir que cada país miembro pueda negociar de manera independiente tratados de libre comercio con otros estados, lo que constituye "una demanda de Uruguay desde hace muchos años". (El Pais – 16/05/2015)

Desde la Aladi instan a “repensar” el Mercosur
El secretario general de la Aladi, Carlos Álvarez, dijo ayer que “el Mercosur debe repensarse”, en relación a las palabras del ministro de Economía de Uruguay, Danilo Astori, quien tiempo atrás afirmó que el organismo está pasando el peor momento de su historia.
MONTEVIDEO (EFE). “Puede haber una versión crítica de un organismo que debe repensarse. Yo soy un ferviente defensor de que los organismos se articulen y hagan cosas juntos, porque la percepción que hay en la sociedad es que hay muchos organismos y poca integración”, manifestó Álvarez.
El secretario general de la Asociación Latinoamericana de Integración (Aladi) dijo que se tiene que favorecer “que haya una reflexión crítica sobre el estado de la integración”.
Álvarez defendió que los organismos regionales, como el Mercado Común del Sur (Mercosur), tienen que ser revisados por los países para llevar a cabo “una discusión a fondo, no solo entre las cancillerías, sino también entre los presidentes de cada estado”.
Flexibilidad
El presidente de Aladi indicó que no le corresponde a él decir si el Mercosur debe permitir que cada país miembro pueda negociar de manera independiente tratados de libre comercio con otros estados, lo que constituye “una demanda de Uruguay desde hace muchos años”, según dijo, pero sí indicó que “es muy difícil avanzar con el disgusto o crítica constante de dos o tres países”.
No obstante, Álvarez dijo que “nadie discute la visión estratégica” del Mercosur y que, si se quiere “tener presencia internacional”, en “muchos” contextos la región “es más conocida como Mercosur que como cada país de forma individual”.
El dirigente hizo estas declaraciones después de inaugurar en la sede de la Aladi en Montevideo un simposio sobre las industrias culturales en América Latina, donde abogó por una mayor integración del sector en la que participen los distintos organismos regionales, como Mercosur, Celac, Unasur o Alba. (ABC Color – 16/05/2015)

MDIC participa de reunião bilateral em Montevidéu
Brasília - O Secretário-Executivo do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), Ivan Ramalho, participou hoje, em Montevidéu, no Uruguai, de uma reunião bilateral com o subsecretário de Relações Exteriores do Uruguai, José Luis Cancela, na sede do Ministério de Relações Exteriores, Palácio Santos.
A reunião técnica foi uma preparatória para a visita que o presidente Uruguaio, Tabaré Vázquez, fará ao Brasil na próxima quinta-feira, dia 21 de maio, na qual se encontrará com a presidenta Dilma Rousseff.
As delegações do Brasil e do Uruguai repassaram os principais assuntos econômicos – comerciais, de integração produtiva, infraestrutura, livre circulação de pessoas e cooperação - que compõem a agenda bilateral.
Houve, ainda, dois encontros específicos: uma reunião do Comitê Automotivo Uruguai – Brasil e uma instância de trabalho relacionada às obras projetadas sobre o rio Yaguarón.
Uruguai e Brasil vêm trabalhando, nos últimos anos, em um modelo de integração para a região, com a criação do Grupo de Alto Nível (GAN), que busca tornar efetiva a livre circulação de bens, serviços e pessoas, assim como avançar na integração produtiva e no desenvolvimento da infraestrutura binacional. (MDIC – 15/05/2015)

Produtos e Mercados


Veja mais

Promessas não cumpridas da China somam US$ 24 bi
MERCADO
Projetos de investimento no Brasil anunciados desde 2010 não saíram do papel
Antecedentes causam ceticismo sobre os planos revelados nesta semana durante visita do premiê da China
Em Barreiras (BA), um megaprojeto de processamento de soja parou na terraplenagem. No porto do Açu (RJ), a siderúrgica Wisco desistiu de ter uma unidade no Brasil quando Eike Batista começou a desmoronar. Em Mato Grosso e no Pará, o acordo para o financiamento de uma ferrovia está parado há três anos.
Em comum, trata-se de projetos bilionários com capital chinês anunciados com estardalhaço nos últimos cinco anos, mas que nunca saíram do papel.
Somadas, essas promessas não cumpridas ou redimensionadas para baixo somam ao menos US$ 24 bilhões, segundo levantamento da Folha.
Esse montante seria maior caso entrasse na conta a fabricante de eletrônicos taiwanesa Foxconn. Em visita a Pequim em 2011, o governo Dilma anunciou que a empresa investiria US$ 12 bilhões, mas ficou bem distante disso.
Esses antecedentes têm provocado ceticismo sobre os anúncios feitos durante a visita do primeiro-ministro Li Keqiang ao Brasil, nesta semana, como a construção de uma ferrovia transoceânica e um fundo de investimento de até US$ 53 bilhões.
Levantamento da Folha publicado nesta quinta-feira (21) mostra que apenas 14 dos 35 acordos recém-assinados têm recursos assegurados e compromissos mais firmes.
MONTADORAS
O esvaziamento dos planos ocorreu em vários setores.
No ramo automotivo, alguns fabricantes de automóveis ainda não implantaram projetos industriais no Brasil -- casos da Lifan, da Hafei e da Zotye.
Outros investimentos acabaram dependentes de dinheiro brasileiro. Em Camaçari (BA), onde a JAC Motors planeja uma fábrica de R$ 1 bilhão, a obra está parada à espera de um financiamento estadual de R$ 122 milhões. Os chineses arcarão com 66%, e o restante virá do sócio local, o Grupo SHC.
No caso da fábrica da Foton Caminhões, queestá sendo erguida em Guaíba (RS), todo o capital de R$ 400 milhões é brasileiro; a China entrará com a tecnologia.
No caso da soja, um dos principais produtos de exportação brasileira para a China, investimentos de pelo menos US$ 8,7 bilhões, que incluiriam compra de terras e infraestrutura para escoamento, não se materializaram.
Em telecomunicações, a visita da presidente Dilma Rousseff à ZTE, em Xian (China), em 2011, não foi suficiente, até agora, para a empresa implantar uma fábrica de US$ 200 milhões em Hortolândia (SP).
Por outro lado, a Huawei cumpriu a promessa na mesma época de abrir um centro de pesquisa e desenvolvimento em Campinas (SP), orçado em US$ 300 milhões.
Os empresários chineses costumam se desanimar com os custos e a burocracia. Eles estão decepcionados também com o crescimento pífio – boa parte dos anúncios ocorreu ente 2010 (quando o país cresceu 7,6%) e 2011.
INFRAESTRUTURA
O Brasil tampouco conseguiu atrair os chineses para grandes obras de infraestrutura. As empresas do país são pouco receptivas ao modelo de concessão e a participar de licitações. O Planalto não teve êxito, por exemplo, em envolver Pequim no projeto do trem-bala entre Campinas e Rio, várias vezes adiado. FABIANO MAISONNAVE DE SÃO PAULO (Folha de SP – 22/05/2015)

Realidade brasileira ajuda a explicar por que projeto não sai
MERCADO
Um país como a China, com 1,3 bilhão de habitantes, não pode se dar ao luxo de pensar pequeno.
Quem já viajou a uma grande cidade chinesa se dá conta não só de que a estrutura dos aeroportos é gigantesca mas que os táxis chegam de dez em dez. Se embarcassem passageiros um a um, a espera seria de horas. O que ocorre é que as filas são sempre longas, mas andam depressa.
Os projetos chineses não ficam atrás. Têm sempre grande porte, multiplicam-se rápido ou já são programados às dezenas ou às centenas.
Como as multinacionais não estão frequentemente preparadas para atender a demandas megadimensionadas, a China cria rapidamente sua capacidade de fazer e produzir o que precisa. Mais adiante, passa a exportá-la.
Quando os governantes chineses vão ao exterior, operam como se estivessem no próprio país. Há duas semanas, o líder Xi Jinping, em visita ao Paquistão, falou em investimentos em infraestrutura de US$ 46 bilhões. Li Keqiang, no Brasil, cogitou exceder US$ 50 bilhões. Boa notícia, mas muitos se perguntam por que os projetos nunca se materializam na dimensão projetada.
Creio que há quatro razões.
A primeira é que o governo e as empresas chinesas tendem a associar a realidade de países de menor porte ao que ocorre no seu plano doméstico. Acreditam que, se há necessidades, elas devem ser satisfeitas rapidamente.
Quando convidados a investir em infraestrutura, não entendem que o convite se limita à participação em licitações equeos processos são longos e podem não se materializar.
A segunda é que o encontro com a realidade brasileira, sobretudo a tributária, surpreende. A tributação na China é simples, a autoridade arrecadatória fica na esfera submunicipal: o bairro. É fácil lidar com ela.
A terceira é que muitos empresários identificam boas oportunidades no exterior para sair à cata de financiamento governamental em casa. O financiamento muitas vezes não se viabiliza ou, quando os recursos se tornam disponíveis, há outros usos que parecem mais interessantes ou rentáveis.
A quarta é que os investidores chineses falamem novas iniciativas sem pré-análise de risco. Essa vem ao longo do tempo ou das negociações com umparceiro local. E, quando se percebe que o risco parece ser maior que o projetado, a intenção de investir é abortada sem que os investidores expliquem a razão.
À parte esses quatro fatores, háumoutro que não pode ser minimizado. Nossos empresários não têm estratégia clara de penetração no mercado chinês e preferem evitar os parceiros asiáticos.
Sem pensar na força que a Ásia e a China deverão ter nas próximas décadas deste século, correremos o risco de nos apequenar no cenário externo. E deixar para agir mais adiante poderá se revelar um prejuízo irrecuperável com o passar do tempo.
MARCOS CARAMURU, diplomata, sócio e gestor da Kemu Consultoria, com sede em Xangai MARCOS CARAMURU ESPECIAL PARA A FOLHA (Folha de SP – 22/05/2015)

Governos precisam reformar economias da Europa, diz Draghi, do BCE
Os governos da Europa precisam impulsionar os esforços para reformar suas economias, afirmou nesta sexta-feira o presidente do Banco Central Europeu (BCE), Mario Draghi. Segundo ele, a flexibilidade econômica deve ser "parte do DNA comum" da zona do euro.
"Reformas estruturais que revertam a tendência para baixo no crescimento potencial são agora vitais para a zona do euro, por isso eu acredito, como um guardião da moeda, que nós temos o interesse legítimo em falar sobre elas", disse Draghi durante discurso na conferência anual do BCE em Sintra, Portugal.
O Produto Interno Bruto (PIB) da zona do euro avançou 1,6%, em números anualizados, no primeiro trimestre, ou 0,4% na base trimestral. O BCE espera que a zona do euro cresça 1,5% neste ano e quase 2% em 2016 e 2017.
Draghi disse que as políticas do BCE ajudaram a economia da zona do euro a começar a melhorar, depois de um período difícil. "A perspectiva econômica para a zona do euro é melhor hoje do que tem sido nos últimos sete anos", defendeu. "O crescimento está melhorando, e as expectativas de inflação se recuperaram de seu ponto mais baixo."
O presidente do BCE disse que a política monetária pode levar a economia de volta para o seu potencial. "Reformas estruturais podem elevar esse potencial. E é a combinação dessas políticas de oferta e demanda que irá garantir estabilidade e prosperidade duradouras", afirmou. Fonte: Dow Jones Newswires. (O Estado de SP – 22/05/2015)

EUA e Cuba prolongam negociações para restabelecer relações diplomáticas
Reunião, porém, deveria terminar nesta quinta-feira; foi o primeiro encontro de alto nível desde o diálogo entre os presidentes Barack Obama e Raúl Castro durante a Cúpula das Américas
WASHINGTON - Estados Unidos e Cuba voltarão a se reunir nesta sexta-feira, 22, em Washington, para dar sequência à quarta rodada de negociações sobre o restabelecimento das relações diplomáticas entre os dois países, reunião que, a princípio, deveria terminar nesta quinta-feira.
"Concluída a sessão de trabalho da 3ª rodada #Cuba - #EUA. Amanhã continuará o diálogo bilateral", indicou o Ministério de Relações Exteriores de Cuba através de sua conta oficial no Twitter.
A porta-voz adjunta do Departamento de Estado, Marie Harf, confirmou que as negociações terão sequência amanhã, mas não informou o horário no qual as delegações se encontrarão.
A chancelaria cubana afirmou que houve "avanços" na reunião de hoje, que durou mais de oito horas. Foi o primeiro encontro de alto nível desde o diálogo entre os presidentes Barack Obama e Raúl Castro durante a Cúpula das Américas, em abril.
A decisão de estender as conversas pode significar um avanço claro nas negociações ou uma dificuldade maior do que a esperada para resolver os "assuntos pendentes" que, segundo o governo americano, persistiam na agenda até hoje.
Ambas as partes se mostraram otimistas sobre a nova rodada de diálogo e indicaram que estão cada vez mais perto do objetivo de reabrir embaixadas nas respectivas capitais.
No entanto, ainda há divergências. Os EUA exigem para seus diplomatas o mesmo tipo de liberdades concedido por Rússia, China e Vietnã. Já Cuba quer garantias de que eles não aproveitarão a situação para estabelecer contatos com os dissidentes.
Em ambos os casos, a decisão de Obama de retirar Cuba da lista de países patrocinadores do terrorismo elaborada pelo governo americano, medida que entrará em vigor no fim deste mês, teve um impacto positivo nas negociações.
As delegações foram lideradas na reunião de hoje pela secretária-adjunta para Assuntos do Hemisfério Ocidental do Departamento de Estado dos EUA, Roberta Jacobson, e da diretora-geral para os EUA do Ministério das Relações Exteriores de Cuba, Josefina Vidal. / EFE (O Estado de SP – 21/05/2015)

Eletroeletrônicos: déficit da balança comercial do setor recua
O déficit da balança comercial de produtos eletroeletrônicos atingiu US$ 2,52 bilhões em abril de 2015, 18% inferior ao ocorrido em igual período de 2014 (US$ 3,09 bilhões). No acumulado de janeiro a abril, o saldo negativo da balança ficou em US$ 10,78 bilhões, 12% abaixo do registrado no mesmo intervalo de 2014 (US$ 12,25 bilhões).
Observa-se que, desde maio do ano passado, o déficit da balança de produtos do setor está se situando abaixo do apontado em igual período do ano anterior. O comportamento ocorre em função da queda das importações verificada nos últimos meses, principalmente, pelo esfriamento do mercado interno.
No mês de abril de 2015, as exportações de produtos eletroeletrônicos somaram US$ 493,3 milhões, 10,0% abaixo das realizadas em abril do ano passado (US$ 548,1 milhões). Com exceção do mês de março de 2015, desde junho do ano passado, as exportações mensais de bens do setor apresentam resultados inferiores aos ocorridos em iguais períodos do ano anterior.
Já as importações de produtos eletroeletrônicos somaram US$ 3,0 bilhões, completando o décimo terceiro mês consecutivo que os resultados ficam abaixo dos ocorridos no mesmo mês do ano anterior, refletindo a queda do ritmo da atividade do setor, verificada nos últimos meses. (Abinee – 21/05/2015)

Argentina, Brasil y Venezuela deterioran el crecimiento de la región
Ripe
Las economías más grandes del Mercosur se contraerán este año 0,1%, 1% y 5,6%, respectivamente, mientras que los integrantes de la Alianza del Pacífico se expandirán. Chile crecerá 2,9%, Colombia 3,3%, México 2,8% y Perú 3,3%
América Latina sigue ahogada en un entorno económico endeble. Los panelistas de Latin Focus recortaron, por onceavo mes consecutivo, sus perspectivas para la región en su reporte de mayo, al pasar de una proyección de crecimiento del producto bruto interno (PBI) de 0,6% previo a 0,5%; esta cifra representaría el peor desempeño desde la crisis económica y financiera del 2009 y, a su vez, marcaría un quinto año al hilo con este ritmo descendente.
Se espera que el territorio en su conjunto se haya desplomado 0,2% en los tres primeros meses del año, pese a que la mayoría de las economías de la región continúan en un ambiente sano, aunque más lento; la posible contracción en Argentina, Brasil y Venezuela, los miembros más grandes del bloque Mercosur, deterioraría el dinamismo económico de la región.
Este recorte en los pronósticos derivó de revisiones a la baja en las previsiones de crecimiento en 7 de las 11 economías encuestadas. Las previsiones para Chile y Uruguay se mantuvieron sin cambios, mientras que Argentina y Paraguay fueron las únicas economías que elevaron sus pronósticos. Para el 2016, se prevé una expansión de 2,2%, frente a 2,3% anterior.
Si se considera la posible variación del 2015, en relación al año previo, las economías que registrarían una tendencia de aceleración serían Perú (2,4 a 3,3%), Chile (1,9 a 2,9%), México (2,1 a 2,8%) y Paraguay (4 a 4,4%).
Los vientos desfavorables que respiró Latinoamérica en el 2014 podrían inhalarse nuevamente en este año, como la desaceleración económica en China, la caída de los precios de las materias primas y la incertidumbre por la política monetaria estadounidense.
En este último punto, los mercados están a la espera de que la Fed realice su primer aumento de la tasa de interés, tras el fin del programa de compra de bonos en octubre del 2014, que podría causar un episodio de turbulencia en el sector financiero mundial y, en consecuencia, desestabilizar los precios de los activos y las divisas de América Latina.
Otros factores desfavorables en el primer trimestre del año son los signos débiles en China y Japón, desaceleración en Estados Unidos, la poca probabilidad de que las principales monedas de Latinoamérica continúen fortaleciéndose frente al dólar, las diferencias en los ajustes de política entre las economías de la región y el aumento de las preocupaciones sobre la falta de liquidez.
Según los economistas de LatinFocus, los países del Océano Pacífico tendrán un mejor ritmo que su contraparte del Atlántico durante este año, debido posiciones fiscales más sólidas, una gran acumulación de reservas internacionales y una mejora de las proporciones de deuda en moneda extranjera.
Los miembros más grandes del Mercosur, Argentina, Brasil y Venezuela, se contraerán este año 0,1, 1 y 5,6%, respectivamente, y los integrantes de la Alianza del Pacífico se expandirán (Chile con 2,9%, Colombia 3,3%, México 2,8% y Perú 3,3%).
Turbulencias en Brasil
La mayor economía de América Latina se ha deteriorado drásticamente en los últimos años y para éste, los datos más recientes sugieren que sigue estancada. La producción industrial disminuyó de nuevo en marzo y el índice PMI manufacturero cayó a un mínimo de cuatro años en abril.
En la parte política, el gobierno se centra en tratar de enderezar la economía a través de un ajuste fiscal y estimular la confianza empresarial. El 13 de mayo, la Cámara de Diputados de Brasil aprobó un proyecto de ley que reduce el acceso a las pensiones, después de haber aprobado la semana pasada uno que aprieta las prestaciones por desempleo; aún debe pasar por el Senado.
No obstante, la administración de Dilma Rousseff enfrenta la feroz oposición de los sindicatos, así como de los miembros de su propio gremio (Partido de los Trabajadores).
Los analistas de FocusEconomics prevén que la economía de Brasil empeore este año, cuyas medidas de austeridad van a debilitar el consumo privado en el corto plazo y donde la confianza empresarial se mantiene en mínimos históricos; se espera una contracción del 1% en el 2015, inferior en 0,1 puntos porcentuales respecto del mes pasado. Para el 2016, ven la recuperación de la economía con un ascenso de 1,1%.
EE.UU. pesa sobre México
Los datos más recientes de Estados Unidos sugieren que el crecimiento económico de México se desaceleró en el primer trimestre del año, aunque los indicadores manufactureros indicaron una cierta mejora.
En el frente político, antes de las elecciones del 7 de junio, las encuestas de opinión ponen al Partido Revolucionario Institucional (PRI) como el principal candidato, con 32% de los votos, seguido por el Partido Acción Nacional (PAN) con 26%.
Las perspectivas económicas para México son positivas, pero persisten riesgos a la baja. Se espera cosechar beneficios por una recuperación de la economía estadounidense y por las inversiones relacionadas con las reformas estructurales implementadas en la administración de Enrique Peña Nieto.
Sin embargo, la caída de los precios del petróleo impulsó al gobierno a recortar el gasto para este año y el próximo, lo que va a perjudicar al crecimiento. Los panelistas redujeran su previsión de crecimiento del PBI en el 2015 en 0,1 puntos porcentuales, para llegar a 2,8%; se espera que la economía se expanda 3,4% en el 2016.
Argentina se estabiliza
La actividad económica de Argentina se ha estabilizado en los últimos meses. En marzo, la producción industrial y las exportaciones registraron descensos menos pronunciados, mientras que la confianza del consumidor en abril tocó un máximo en tres años.
El 22 de abril, el gobierno colocó bonos de deuda, en moneda estadounidense, por u$s 1.400 millones.
El reciente repunte económico fue impulsado por la esperanza de que la política económica del país cambiara sustancialmente después de las elecciones presidenciales de octubre. Las elecciones primarias celebradas en Buenos Aires el 26 de abril dieron un impulso a la oposición. El Partido Propuesta Republicano (PRO), que es apoyado por el líder opositor Mario Macri, obtuvo casi la mitad de los votos, mientras que el Frente para la Victoria (FPV) recibió sólo 18,7%.
Ante las expectativas de que un nuevo gobierno va a poner en práctica políticas económicas más ortodoxas, los economistas esperan que el PBI se contraiga 0,1% este año, frente a una disminución de 0,2% del mes pasado. Para 2016, el panel considera que la recuperación de la economía con una expansión de 2%.
Crece la crisis Venezolana
A pesar de la falta de datos oficiales, la evidencia actual insinúa que la crisis económica de Venezuela se está profundizando. El bolívar negociado en el mercado paralelo alcanzó un nuevo mínimo histórico el 13 de mayo, mientras en el cuarto mes las reservas internacionales tocaron fondo en casi 12 años.
Además, la actividad industrial podría haberse atrofiado por la escasez de electricidad en las últimas semanas.
Las elecciones parlamentarias se celebrarán en el cuarto trimestre del año, donde la popularidad del gobierno ha caído rápidamente en los últimos meses y en las primeras encuestas se muestra una gran oportunidad de cambio político.
Los altos niveles de inflación que exprimen los ingresos reales y los bajos precios del petróleo que aumentan la presión sobre las finanzas públicas, orillaron a los analistas de LatinFocus a observar una contracción de 5,6% del PBI para el 2015, contra un desplome de 5,5% del mes pasado. Para 2016, se considera que la economía caiga 1,2%.
Menos inflación
Los datos preliminares manifiestan que las presiones inflacionarias en Latinoamérica están desapareciendo poco a poco, debido, principalmente, a la menor actividad económica global y a una estabilización en las principales monedas de la región. La estimación territorial de la inflación pasó de 12,4% en marzo a 12,3% en abril, aunque persiste de dos dígitos en Argentina y la de Venezuela está por las nubes.
Los panelistas de LatinFocus estimaron una inflación media regional para este año de 16,9%, contra 16,7% precedente; este resultado refleja el aumento en las previsiones para seis de las 11 economías encuestadas, mientras se redujeron las proyecciones para cuatro países. La situación en Venezuela todavía es preocupante, ya que se espera que los precios al consumidor varíen 109,4% a finales del 2015. (Cronista – 21/05/2015)

Após Brasil, agora China corteja Colômbia, aliada dos Estados Unidos
Na segunda parada na região, premiê chinês Li Keqiang mira agricultura e infraestrutura
Elizabeth Reyes L. Bogotá
A Colômbia é a segunda parada do primeiro-ministro chinês, Li Keqiang, em seu giro pela América Latina. Chega depois de passar pelo Brasil, onde reforçou sua aliança econômica firmando 35 acordos de investimento. Embora a China seja o segundo parceiro comercial da Colômbia – está atrás só dos Estados Unidos, um aliado estratégico de Bogotá – e um importante investidor, esta é a primeira vez que um líder chinês de nível tão elevado visita o país.
A previsão é que o encontro com o presidente Juan Manuel Santos se concentre em temas como agricultura, infraestrutura, educação, cultura e finanças e, com certeza, a etapa posterior ao conflito – se é que será firmada a paz com as FARC, como tudo parece indicar – vai pairar sobre os acordos que Keqiang assinará com Santos.
Em janeiro, durante uma visita a Pequim da ministra de Relações Exteriores, María Ángela Holguín, ela disse que a Colômbia tinha grande interesse nos aportes que as empresas chinesas pudessem fazer no setor agrícola, onde se concentra parte importante dos acordos que até agora foram firmados nos diálogos de paz com a guerrilha. “Sem dúvida, a tecnologia aplicada ao campo, assim como a melhoria da infraestrutura, são condições necessárias em nosso desenvolvimento agrícola e agroindustrial e, nesses setores, vemos grandes oportunidades para trabalhar juntos”, disse na época.
O presidente Santos também tem dado indícios. Há três anos ele insistiu diante de um grupo de empresários chineses que a Colômbia era um bom destino para o investimento em projetos de infraestrutura, entre eles um ambicioso plano para uma ferrovia para ligar o Atlântico e o Pacífico com potencial para rivalizar com o Canal do Panamá que foi mencionado em 2011, mas não saiu do papel. No entanto, o que agora preocupa os analistas na Colômbia é que a balança comercial com a China continua sendo deficitária, apesar de que entre 2013 e 2014 as exportações do país para o gigante asiático, em grande parte produtos de mineração e energia, aumentaram 12%.
Segundo cifras do Departamento Administrativo Nacional de Estatística, DANE, enquanto as importações provenientes da China somaram 11,15 bilhões de dólares (33 bilhões de reais) em 2014, as exportações colombianas só chegaram a 5,75 bilhões de dólares. Acrescente-se a isso que nos três primeiros meses do ano houve uma queda de 74,2% nas exportações para esse país, em especial pelos baixos preços do petróleo.
Daí que a tarefa pendente seja diversificar, algo que não é simples. “A oferta das exportações da Colômbia não é complementar com a demanda de produtos por parte da China, ao que se somam problemas de infraestrutura e logística que os tornam pouco competitivos”, explica David Barriga, presidente da Asia B Consulting. Ele esclarece que isso tem a ver com outro tipo de bens diferentes do petróleo, produto do qual depende a relação comercial entre os dois países. E aí há outra agravante. “A queda dos preços vai representar para nós uma diminuição de nossas exportações para a China.”
Por isso, o setor agrícola poderia ter grande potencial. “Argentina, Chile e Peru, sim, estão aproveitando, mas na Colômbia é preciso resolver primeiro problemas técnicos como as permissões sanitárias, o que por ora impede que tenhamos aberto esse mercado”, acrescenta Barriga.
As doações
Há 10 dias os dois países subscreveram um acordo de cooperação econômica e técnica pelo qual a China se comprometeu a doar mais de 8 milhões de dólares. Segundo informou a Chancelaria colombiana, esse dinheiro será utilizado para executar projetos que fortaleçam processos de várias instituições estatais, sem esclarecer quais seriam. No entanto, destacou que nos últimos anos o apoio da China ao país se concentrou na doação de computadores, veículos, aviões e bens para a dotação de um programa para crianças e adolescentes que vivem em regiões com altos índices de recrutamento por parte dos grupos armados. (El Pais – 21/05/2015)

O Brasil nos planos da China
A maior economia da América Latina, o Brasil, tem um papel importante nos planos deconsolidação da China, segunda maior economia do mundo, como principal parceira comercial e grande fonte de financiamento dos países sul-americanos. Nos acordos celebrados entre o governo brasileiro e o chinês, durante a visita do primeiro-ministro Li Keqiang, o Brasil aparece principalmente como receptor de investimentos, de empréstimos e de tecnologia. É uma posição compatível com a ocupada no comércio bilateral. Nas trocas entre os dois países, o lado brasileiro aparece quase exclusivamente como fornecedor de commodities – matérias-primas e bens intermediários – e como comprador de manufaturados.
Dos US$ 40,62 bilhões exportados pelo Brasil em 2014, 84%, ou US$ 34,29 bilhões, corresponderam a produtos básicos. Os semimanufaturados, igualmente classificáveis como commodities, proporcionaram R$ 4,67 bilhões, ou 11,49%. A receita dos manufaturados ficou em US$ 1,62 bilhão, menos de um décimo da receita obtida com essa categoria nas exportações para os Estados Unidos.
A autorização do governo chinês para a venda de jatos da Embraer à Tianjin Airlines, anunciada por Li, de nenhum modo altera o padrão do comércio entre os dois países. Mais de uma vez os governantes petistas classificaram como “estratégica” a relação entre Brasil e China. Mas o real sentido estratégico dessa relação tem correspondido, até agora, à natureza semicolonial das trocas bilaterais.
A posição do Brasil é a mesma dos outros países da América do Sul no comércio com a China. Os graus de industrialização desses países podem variar, mas todos são basicamente fornecedores das matérias-primas necessárias ao desenvolvimento chinês. O roteiro de Li na região inclui também o Chile, o Peru e a Colômbia.
No caso da América do Sul, os planos são mais complexos – e provavelmente mais custosos – do que aqueles implantados na África. Envolvem a participação em projetos de exploração de recursos minerais, como petróleo, em obras de infraestrutura e na implantação de indústrias. Na Argentina, primeira etapa da atual investida na região, os chineses conquistaram neste ano, em troca de investimentos e financiamentos, vantagens comerciais e até a possibilidade de empregar trabalhadores de seu país.
A visita do primeiro-ministro resultou em 35 acordos, em promessas de negócios no valor de US$ 53 bilhões e na possibilidade, indicada por ele mesmo, de constituição de um fundo bilateral de US$ 20 bilhões para atividades produtivas. A construção de uma ferrovia entre o Brasil e o Peru, para ligar o Atlântico ao Pacífico, destacou-se na lista dos possíveis investimentos em infraestrutura como o mais ambicioso. Mas para esse, como para outros empreendimentos, ainda será preciso cuidar do projeto e de uma porção de detalhes práticos. As conversas trataram da participação chinesa, como investidores ou financiadores, em projetos de portos, aeroportos, ferrovias, rodovias, habitação e energia.
A autorização para a compra de jatos da Embraer, a liberação das importações de carne bovina e de aves, acertos entre a Vale e grupos chineses e mais créditos para a Petrobrás são alguns resultados concretos da visita do primeiro-ministro Li Keqiang. A Petrobrás já havia conseguido um empréstimo de US$ 3,5 bilhões de um banco estatal chinês. O total poderá chegar a US$ 5 bilhões.
Como de costume, a diplomacia preparou uma enorme papelada para oficializar os acordos econômicos, financeiros e culturais, as declarações de intenção e as proclamações políticas dos governos envolvidos. Autoridades brasileiras e chinesas comprometeram-se mais uma vez a cooperar nos foros internacionais e a defender o multilateralismo. Além disso, segundo o 11.º item do Plano de Ação Conjunta 2015-2021, as duas partes continuarão a promover os contatos entre o Partido Comunista da China e os partidos brasileiros “com vistas a intercambiar experiências em governança nacional”. Nada mais promissor que essa cooperação. (O Estado de SP – 21/05/2015)

Cálculo do valor justo de moedas é desafio para Parceria Transpacífico
Leis contra a manipulação cambial podem facilitar ou impedir que os Estados Unidos assinem o tratado comercial do Pacífico que está sendo negociado pelo presidente Barack Obama. Mas identificar infrações cambiais está longe de ser algo preciso.
Parlamentares, empresas e sindicatos americanos estão tentando usar leis comerciais ainda em discussão para contra-atacar países que, segundo eles, subsidiam suas indústrias por meio da desvalorização de suas moedas. No processo, eles se veem enredados num debate sobre avaliações de taxas de câmbio que durante dez anos vem desafiando instituições importantes como o Fundo Monetário Internacional e a Organização Mundial de Comércio. As complicações dos cálculos cambiais devem persistir bem além do acordo, dificultando o uso da arbitragem e da diplomacia para resolver disputas entre países.
Alguns parlamentares dos EUA estão canalizando queixas antigas de seus eleitores ao exigir que regras cambiais que possam ser fiscalizadas sejam incluídas na Parceria Transpacífico (ou TPP, da sigla em inglês), um acordo de livre comércio entre 12 países que, juntos, respondem por 40% da economia global. Parlamentares que representam Estados americanos altamente industriais — como Michigan e Nova York — receiam que países-membros da TPP e futuros parceiros potenciais, como Coreia do Sul e China, possam anular qualquer ganho obtido com o tratado ao desvalorizar suas moedas.
Uma moeda mais fraca reduz os custos de produção e impulsiona as exportações às custas dos concorrentes internacionais. Alguns economistas e empresas, por exemplo, afirmam que a política de câmbio administrado da China custou milhões de empregos aos EUA nos últimos dez anos, uma vez que Pequim supostamente subsidiava suas exportações ao manter o yuan até 40% abaixo do valor indicado pelos fundamentos do mercado.
“A manipulação cambial é a mãe de todas as barreiras comerciais”, diz Stephen Biegum, vice-presidente da Ford Motor Co. F -0.13% para assuntos internacionais de governo. Assim como outras montadoras americanas, a Ford apoia as propostas dos legisladores de punir países que desvalorizem suas moedas visando obter vantagens competitivas. A empresa está particularmente preocupada com o Japão, um dos maiores mercados automobilísticos do mundo e um dos países negociando o tratado da TPP.
“Podemos competir com qualquer montadora do mundo, mas não podemos competir com o Banco do Japão”, diz Biegun, referindo-se às ações do banco central japonês para desvalorizar o iene em governos anteriores.
Mesmo se as propostas dos parlamentares americanos virarem leis, definir o valor justo de uma moeda é uma tarefa muito complicada que vai provavelmente frustrar esforços para impor sanções a parceiros comerciais.
Christopher Padilla, ex-subsecretário de comércio internacional do Departamento de Comércio dos EUA, diz que calcular o valor apropriado de uma moeda é quase impossível e criaria desafios operacionais insuperáveis. “Pergunte a dez economistas o valor de mercado ‘objetivo’ de uma moeda estrangeira e você terá dez respostas diferentes — todas bem argumentadas e baseadas em análises econométricas, mas todas diferentes”, escreveu ele recentemente, que hoje é vice-presidente de assuntos governamentais e regulatórios na IBM. IBM -0.04%
O FMI foi concebido para contornar debates políticos e servir como um assessor mundial independente para políticas cambiais. Fundada na esteira da Segunda Guerra Mundial, a organização tinha como meta evitar outro conflito global, em parte promovendo regimes cambiais estáveis. Suas regras proíbem que os 188 países-membros manipulem suas taxas de câmbio para obter vantagens competitivas. Mas o fundo nunca declarou oficialmente que algum país tenha violado a regra. Segundo o departamento jurídico do FMI, a proibição “é uma provisão relativamente complexa e nem todos os seus termos são facilmente entendidos ou facilmente aplicados”.
Mas as principais propostas dos legisladores americanos se baseiam nas determinações do FMI. O projeto de lei defendido pelo senador Charles Schumer — que representa o Estado de Nova York e é do mesmo partido que Obama, o Democrata — permitiria que os EUA tratassem moedas subvalorizadas como um subsídio e, em represália, taxassem as importações do país em questão. Se parceiros comerciais contestarem os EUA, como é provável, a disputa seria arbitrada pela Organização Mundial de Comércio, a qual, por sua vez, baseia-se nas avaliações do FMI para questões cambiais.
Só que o FMI está longe de ter um cálculo preciso dessas taxas. Nos últimos anos, ele vem tentando desenvolver métodos para calcular o valor das moedas que sejam aceitos pelos países-membros e economistas como uma indicação do quanto as taxas de câmbio estariam subvalorizadas ou supervalorizadas. A solução foi publicar uma série de avaliações das principais moedas com base em várias metodologias. E o resultado foi uma ampla gama de valores que, em alguns casos, são contraditórios.
Em um relatório sobre as principais economias divulgado no ano passado, por exemplo, o fundo estimou que o iene japonês ficou entre 15% supervalorizado e 15% subvalorizado em 2013. Num momento em que montadoras e legisladores americanos procuram conter os supostos danos causados pelas políticas japonesas, os dados do FMI que apontam uma supervalorização do iene dariam ao governo japonês um forte contra-argumento. É uma amostra de como o FMI pode ter duas opiniões distintas sobre o valor do iene e outras moedas.
As conclusões dúbias do FMI sobre valores de moedas vão além do Japão. Ele estimou que o won sul-coreano estava subvalorizado entre 5% e 20%. O dólar de Hong Kong ficou entre 10% subvalorizado e 10% supervalorizado. O dólar americano foi considerado entre 5% subvalorizado e 10% supervalorizado. O próximo relatório do FMI, aguardado para as próximas semanas, deve mostrar mudanças significativas nos dados de 2014.
O FMI também está em desacordo com os EUA sobre a moeda da China. Enquanto o fundo afirma que o yuan está perto do equilíbrio depois de quase dez anos de apreciação, as autoridades do Tesouro dos EUA dizem que ele ainda está substancialmente desvalorizado.
Gary Hufbauer, professor sênior do Instituto Peterson para Economia Internacional e ex-membro do governo dos EUA na área de comércio exterior, disse que a aprovação de regras cambiais no Congresso poderia dar motivo para que a China e outros países iniciassem uma disputa contra os EUA na OMC. Não está claro como a OMC iria julgar, e a China poderia apresentar argumentos convincentes, diz ele. (The Wall Street Journal – 21/05/2015)

Brasil e China assinam plano de ação conjunta
A visita ao Brasil do primeiro ministro chinês, Li Keqiang, que se encerrou hoje, trouxe resultados muito positivos para a relação entre os dois países: foram assinados um total de 35 acordos nas áreas de infraestrutura, manufaturas, comércio, planejamento estratégico, transporte, agricultura, energia, mineração, ciência e tecnologia, entre outros.
Segundo a presidenta Dilma, durante cerimônia oficial no Palácio do Planalto nesta terça-feira, os acordos, que fazem parte do Plano de Ação Conjunta 2015-2021, "inauguram uma etapa superior no relacionamento entre Brasil e China".
O ministro Armando Monteiro avaliou a visita como muito positiva para o país: "O conjunto de atos assinados dá um sinal importante para a economia brasileira. Além dos investimentos anunciados em infraestrutura, da abertura de mercado para carne brasileira, da venda de aviões da Embraer, o primeiro-ministro chinês sinalizou claramente para um ponto fundamental para o Brasil: a complementação produtiva. Hoje, abre-se um horizonte em que a China pode passar a produzir bens manufaturados no Brasil, tanto para venda no nosso vigoroso mercado interno como para exportação regional, por exemplo".
Segunda maior economia do mundo e principal parceiro comercial brasileiro, a China mantém importante fluxo de investimento com o Brasil. As trocas comerciais entre os dois países chegaram a quase US$ 80 bilhões ano passado, com superávit brasileiro de US$ 3,3 bilhões. Os destaques da pauta brasileira são os setores aeronáutico, bancário, de máquinas, autopartes e agronegócio.
Um dos principais anúncios realizados ontem durante a cerimônia no Palácio do Planalto foi sobre o investimento de cerca de R$ 150 milhões para instalação da primeira fábrica de painéis solares fotovoltaicos no Brasil pelo Grupo BYD em Campinas (SP). A empresa espera produzir 400 MW de painéis solares por ano.
A BYD planeja instalar também no Brasil um centro de pesquisa e desenvolvimento com foco em estudos e tecnologias para veículos elétricos, baterias, smart grid, energia solar e iluminação. O centro e a nova fábrica de paineis também serão instalados em Campinas. Até 2017, o Grupo BYD pretende investir R$ 1 bilhão no Brasil. Na ocasião, a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil) e a BYD assinaram um memorando de entendimento para oficializar o investimento.
Entre outros temas de destaque, a visita do primeiro-ministro chinês tratou da construção da Ferrovia Transcontinental, que vai ligar o oceano Atlântico ao Pacífico, venda e financiamento de navios para o transporte de minério de ferro, a compra da primeira leva de 22 aviões da Embraer pela chinesa Tianjin Airlines, e a liberação imediata de nove frigoríficos aptos a exportarem carnes para a China. (MDIC – 20/05/2015)

Negócios com China reduzem influência dos EUA na América Latina
João Fellet - @joaofellet
Da BBC Brasil em Washington
Os acordos fechados durante a visita do premiê chinês, Li Keqiang, à América Latina nesta semana elevam a um novo patamar a presença da China na região e reduzem o poder dos Estados Unidos para influenciar políticas em países latino-americanos, segundo analistas ouvidos pela BBC Brasil.
Li iniciou na segunda-feira um giro de oito dias pelo Brasil, Colômbia, Peru e Chile. Nesta terça, após reunião com a presidente Dilma Rousseff em Brasília, os dois líderes fecharam 37 acordos em várias áreas, entre as quais infraestrutura, energia e mineração. Segundo o governo brasileiro, os acertos envolvem gastos de mais de US$ 53 bilhões (R$ 160 bilhões).
O principal investimento anunciado é uma ferrovia que ligará a região Centro-Oeste ao Pacífico, atravessando o Peru. A obra facilitaria a venda de produtos brasileiros para a China, hoje feita a partir de portos no Atlântico, mas deve enfrentar a resistência de ambientalistas e grupos indígenas por cruzar um longo trecho da Floresta Amazônica.
Outro acordo firmado entre a Caixa Econômica e o Banco Industrial e Comercial da China criará um fundo de US$ 50 bilhões (R$ 152 bilhões) para financiar projetos de infraestrutura no Brasil, cerca de cinco vezes o valor da hidrelétrica de Belo Monte, no Pará.
Espera-se que Li anuncie novos investimentos até o fim de sua viagem, no dia 26. Em janeiro, o presidente chinês, Xi Jinping, autoridade máxima do país, disse que Pequim investiria US$ 250 bilhões (R$ 759 bilhões) na América Latina na próxima década.
Além de ampliar a influência de Pequim na região, analistas avaliam que as ações também buscam amortecer os efeitos da desaceleração da economia chinesa, que força suas empresas a buscar lucros no exterior.
Ofensiva de imagem
Para Oliver Stuenkel, professor de relações internacionais da Fundação Getúlio Vargas (FGV) em São Paulo, a China tenta com a visita "desfazer o argumento de que vem para explorar o continente e criar uma relação de dependência" com países latino-americanos.
Uma das principais críticas à China na América Latina é a assimetria em suas trocas comerciais com a região. Os chineses compram principalmente matérias-primas de países latino-americanas, mas lhes vendem produtos industrializados, com maior valor agregado.
Ao diversificar seus laços com países latino-americanos para além do comércio e investir em áreas como infraestrutura, diz Stuenkel, a China reforça o discurso de que não busca apenas o benefício próprio na relação, mas integrar a América Latina à economia global.
"São ações que vão tornar a China um ator político e econômico na região por muitas décadas, e depois disso será impossível cortá-la da equação".
Para Stephan Mothe, analista da Euromonitor International baseado no Rio de Janeiro, a crescente participação chinesa na América Latina reduz a influência dos Estados Unidos na região. Ele diz que, ao passar a contar com financiamentos de bancos estatais chineses, os países latino-americanos se tornam menos dependentes de organizações mundiais que operam na órbita de Washington, como o Banco Mundial e o Fundo Monetário Internacional (FMI).
"Os Estados Unidos passam a ter menos alavancagem para pressionar esses países a adotar as políticas que eles queiram", afirma Mothe, que morou na China por quatro anos.
Margaret Myers, diretora do programa de China e América Latina do Inter-American Dialogue, em Washington, diz que os chineses oferecem à América Latina e outras regiões um modelo alternativo aos financiamentos dos Estados Unidos e de órgãos mundiais tradicionais.
Nos últimos anos, muitos países emergentes têm recorrido a empréstimos chineses em vez de se engajar em lentas e complexas negociações com bancos multilaterais e países desenvolvidos, que costumam fazer uma série de exigências para liberar seus recursos.
Já críticos ao modelo chinês dizem que os empréstimos de Pequim são mais sujeitos a desvios e ignoram boas práticas ambientais e trabalhistas.
A oferta global de crédito chinês deverá aumentar ainda mais nos próximos anos, quando começarem a operar o Novo Banco de Desenvolvimento (NBD), que a China gerenciará com seus parceiros nos Brics (Brasil, Índia, Rússia e África do Sul), e o Banco Asiático de Infraestrutura e Investimento (BAII), capitaneado por Pequim.
Flexibilidade ideológica
Analistas destacam outro aspecto da visita do premiê chinês. Em seu giro, ele deixará de lado aliados mais próximos de Pequim, como Venezuela, Argentina, Cuba e Nicarágua, e viajará a países com governos considerados mais moderados e identificados com os Estados Unidos.
Para Stuenkel, da FGV, a decisão busca mostrar que a China "consegue trabalhar com todos os lados" no continente.
Jaseon Marczak, vice-diretor do Adrienne Arsht Latin America Center do Atlantic Council, em Washington, lembra que três dos quatro países visitados por Li (Chile, Colômbia e Peru) integram a Aliança do Pacífico, bloco econômico lançado em 2012 e focado no comércio com a Ásia.
Os três países também integram as discussões para a criação da Parceria Trans-Pacífica (PTT), inciativa econômica liderada pelos Estados Unidos e que exclui a China. Para Marczak, ao visitar Colômbia, Chile e Peru, o premiê chinês fortalece a posição de Pequim nesses países e no Pacífico latino-americano, contrapondo-se a eventuais riscos da PTT aos interesses chineses.
Mothe, da Euromonitor International, diz que os movimentos de Pequim na América Latina também são uma resposta às ações americanas na vizinhança chinesa. "É como se eles dissessem: se vocês não respeitarem o nosso quintal, não respeitaremos o seu".
Já Stuenkel, da FGV, avalia que a China por ora não tem interesse em desafiar os Estados Unidos e fará de tudo para evitar confrontos com Washington, já que teria muito a perder com um conflito.
E como os Estados Unidos têm reagido às ações mais recentes de Pequim na América Latina?
Para Myers, do Inter-American Dialogue, a expansão do modelo chinês de financiamentos e o possível enfraquecimento das organizações multilaterais arquitetadas por Washington preocupam autoridades americanas.
Por ora, no entanto, ela considera que a reação do governo americano às ações chinesas na América Latina tem sido discreta.
Um dos poucos pontos de atrito é a construção do Canal da Nicarágua, maior obra de engenharia do mundo, financiada por um empresário chinês. A obra está em fase inicial e pretende ligar o Atlântico ao Pacífico, tornando-se uma alternativa ao Canal do Panamá. Autoridades americanas afirmaram que falta transparência à obra e cobraram o governo nicaraguense a sanar preocupações com questões ambientais e fundiárias.
Mas de maneira geral, diz Myers, "o que ouvimos do Departamento de Estado (americano) é que o que é bom para a América Latina é bom para todo o hemisfério".
Para Marczak, do Atlantic Council, as ações chinesas na América Latina não ameaçam os interesses dos Estados Unidos diretamente. "É importante que a América Latina diversifique sua economia e se desenvolva, e os investimentos chineses podem ajudá-la a chegar lá".
O problema, diz ele, "é como esses investimentos serão feitos, o quão transparentes serão e se serão bons para as pessoas que deles precisam".
"Nos últimos anos a América Latina teve importantes avanços em transparência e democracia em resposta a demandas populares, e seria preocupante se os acordos com os chineses fizessem a região retroceder nesses campos." (BBC – 20/05/2015)

Volume de resíduos eletrônicos aumenta
EMPRESAS
Por Assis Moreira | De Genebra
A geração de resíduos de aparelhos elétricos e eletrônicos na America Latina pode aumentar quase 20% até 2017, segundo estimativa publicada em estudo da União Internacional de Telecomunicações (IUT) em colaboração com varias organizações internacionais e regionais.
Para as entidades, isso exige uma forte aliança entre indústria, governos e consumidores na região por uma reciclagem adequada, para evitar mais riscos de contaminação ambiental e de afetar a saúde.
O documento detalha a situação do lixo elétrico e eletrônico na região, em particular o relacionado a equipamentos de tecnologia e comunicação, como computadores, impressoras, celulares, telefones fixos e tablets. O tempo de uso desses aparelhos é cada vez mais curto, em razão dainovação constante e preço menor, e o lixo não cessa de aumentar.
Em 2014, foram gerados 42 milhões de toneladas de resíduos elétricos e eletrônicos globalmente. Na América Latina, a estimativa é que esse lixo chegou a 3,8 milhões de toneladas, sendo52%no Brasil. A iniciativa Step (Solving the E-waste Problem), das Nações Unidas, estima que os volumes podem crescer para 4,5 milhões de toneladas na América Latina em 2017.
Em termos relativos, o Chile lidera a lista dessa geração de detritos, com 9,9 kg por habitante. O Brasil vem em quinto com 7,1 kg por pessoa. No Brasil, a geração do lixo eletrônico é responsabilidade de todos - indústria, comércio, municípios e consumidores.
Conforme o estudo, o marco legal e regulatório sobre esses detritos é inexistente em boa parte da região e, onde existe, como no Brasil, Colômbia, Peru e Equador, não inclui medidas explícitas para proteção da saúde. Em geral, a atividade de reciclagem é dominada pelo trabalho informal. Os equipamentos têm uma mescla de componentes com reconhecida toxicidade como chumbo, mercúrio, cádmio, cromo etc.
O estudo faz uma série de recomendações aos governos da América Latina, para trabalharem em políticas de prevenção contra a contaminação, por exemplo. Sugere o desenvolvimento de sistemas especializados de recuperação e tratamento "dentro e fora de suas fronteiras". Insiste na importância de alianças eficazes com ênfase na reutilização e reciclagem.
Globalmente, o lixo elétrico e eletrônico tem crescido 4% ao ano. (Valor Econômico – 20/05/2015)

Novos acertos, antigas pendências
ESPAÇO ABERTO
Rafael Motta
As expectativas estão em alta com a reaproximação entre os presidentes Dilma Rousseff e Barack Obama, coroada pelo encontro realizado em abril, na 7.ª Cúpula das Américas. O panorama que deve ser costurado a partir da visita de trabalho de Dilma a Washington, marcada para 30 de junho, aponta para o avanço de vários acordos entre os dois países e sinaliza ampliação do diálogo e da cooperação em diversos tópicos, como nas parcerias comerciais e na flexibilização de vistos para facilitar o trânsito de cidadãos entre as duas nações.
A conjuntura é favorável para uma reaproximação e não há mais espaço para o desperdício na relação entre as duas maiores economias das Américas. Os EUA mostram-se empenhados em reconstruir as pontes com o Brasil após os danos provocados pela espionagem da NSA. O engajamento dos dois governos para dinamizar o processo é evidente no momento em que se opta por um encontro de trabalho, de caráter mais informal, em vez de uma visita de Estado, a mais elevada no protocolo americano e que só teria espaço na agenda de Obama em 2016.
Sabemos quanto a relação Brasil-EUA é intensa, diversificada e apresenta uma agenda com assuntos estrategicamente importantes para os dois países e as relações internacionais em geral, caso do setor energético. O segmento petrolífero vive momentos difíceis no mercado internacional com a queda do preço do barril, que nos últimos meses foi negociado na faixa de US$ 50, um dos valores mais baixos em cerca de seis anos. Além de lidar com o peso da exportação da commodity sobre a economia, o Brasil sofre as consequências desse cenário com o alto custo de extração de reservas brasileiras e a crise que circunda a Petrobrás.
O rearranjo político que se desenha com o novo mandato presidencial indica mudanças positivas e promissoras, mas o bate-papo entre o Palácio do Planalto e a Casa Branca não representará grande contribuição caso não afirmemos nossa predisposição para trabalhar num tratado comercial robusto com os EUA. É preciso atentar que o momento político-econômico difere bastante do que se viveu nos últimos anos e apresenta uma janela de oportunidades a partir do diálogo entre as duas nações.
A perda de valor do real ante o dólar faz a exportação voltar ao foco central das empresas, mas a retomada de vendas brasileiras ao exterior tem longo caminho a percorrer. Estudo realizado pela Associação de Comércio Exterior do Brasil mostra que será necessário esforço para voltar aos índices de 2000. Nesse ano os EUA representavam 24% das nossas remessas e os manufaturados alcançavam 72% do que o Brasil exportava para os americanos. Recuperar essas taxas equivaleria a aumentar as exportações totais para os EUA em US$ 25 bilhões e as de bens manufaturados em US$ 23 bilhões.
Apesar da crise, o interesse dos investidores pelo Brasil persiste em diversas áreas, como infraestrutura, logística, tecnologia e serviços. Isso precisa ser considerado. O governo brasileiro tem de deixar claro, no entanto, o que fará dentro de casa, a começar pela gestão econômica. Já sabemos o principal: estimular a presença de empresas nacionais em território norte-americano, bem como atrair investimentos estrangeiros, o que pode contribuir positivamente para a elevação da arrecadação, melhoria do balanço de pagamentos e fortalecimento da cadeia de produção do mercado local. Nesse cenário, é importante ainda instalar ferramentas que evitem a bitributação e, por consequência, incentivem os negócios.
O Brasil tem como desafio criar as bases para a ampliação dos investimentos, que seguem estagnados, em grande parte, por causa da falta de confiança do empresariado. Não basta estarmos atentos às oportunidades, elas precisam ser criadas por meio de intenções governamentais capazes de elevar a confiança do investidor. Aumentar os fluxos econômicos com o mercado americano precisa ser o principal interesse do atual governo no que tange ao comércio exterior. A economia global mostra-se cada vez mais competitiva e enfrentar os problemas que dificultam a negociação entre os países é fundamental.
Temos de avançar na assinatura de programas para eliminar a exigência de vistos para os EUA, pois eles são ferramentas altamente estratégicas e com benefícios diretos para o capital brasileiro. Nesse cenário de urgência foi criado a Visa Free Coalition, coalizão entre líderes empresariais do Brasil e dos EUA em prol do Global Entry e do Visa Waiver. Liderado pela Brazil-U.S. Business Council, organização empresarial administrada pela U.S. Chamber of Commerce, da qual a Câmara de Comércio Americana do Rio de Janeiro (AmCham Rio) faz parte, e pela Confederação Nacional da Indústria, o grupo oferece ainda mais peso e celeridade à implementação das medidas.
Temos espaço de sobra para explorar o mercado norte-americano. Segundo o Ranking das Multinacionais Brasileiras de 2014, elaborado pela Fundação Dom Cabral, o crescimento do índice médio de internacionalização de empresas nacionais ficou em 22,9% em 2013. A América do Norte é um dos principais destinos desses empresários, representando 66,7% das operações fora do País. A criação de um portal único entre Brasil e EUA que permita a troca de informações e documentos digitalizados, ainda que não tenha o charme dos acordos bilaterais, pode trazer benefícios incalculáveis para os exportadores das duas nações.
É fundamental que nos situemos sobre a importância da reaproximação diplomática e econômica com os EUA. O Brasil conta com 210 milhões de habitantes e o segundo PIB das Américas, volume representativo de negócios, além do protagonismo sul-americano. A viagem presidencial é um sinal que abre novas frentes, mas os gestos seguintes são igualmente importantes. É necessária uma sinalização política para uma pauta econômica mais ambiciosa de longo prazo. *Rafael Motta é presidente da Amcham Rio (O Estado de SP – 20/05/2015)

Laços emergentes
ECONOMIA
PARCERIA BILIONÁRIA
Brasil terá US$ 53 bi da China. Analistas veem impulso ao crescimento, mas com ressalvas
Eliane Oliveira, Catarina Alencastro e Danilo Fariello
Segunda maior economia do mundo e principal parceiro comercial do Brasil, a China está disposta a financiar novos projetos de infraestrutura e logística brasileiros, estimados em US$ 53,3 bilhões, em um momento de economia estagnada, ajuste fiscal e necessidade de atrair investimentos externos. Foi o que prometeu o primeiro-ministro chinês, Li Keqiang, que, junto com a presidente Dilma Rousseff, participou da assinatura de 35 acordos bilaterais entre empresas e bancos chineses e gigantes brasileiros como Petrobras, Vale, Embraer, além de companhias de setores tão variados como bancário, telecomunicações, aviação e energia nuclear. Para especialistas em comércio exterior, a parceria firmada ontem, se por um lado ajuda a des travar investimentos num momento de paralisia na economia brasileira. Mas, por outro, pode vir acompanhada de exigências comuns em negociações conduzidas por Pequim, como o uso deequipamentos e tecnologia da China.
Alista deacordos incluio financiamento, pela China, de estudos para a construção de uma ferrovia que ligará os oceanos Atlântico e Pacífico, facilitando o transporte de matérias-primas da América Latina para a China. Ela começa no Tocantins, passa por Mato Grosso e Acre, atravessa os Andes e chega aos portos do Peru, a um custo estimado pelos especialistas de US$ 10 bilhões. Ainda não há datas previstas para licitação.
'ENTUSIASMO TENDE A SER EXCESSIVO'
A Caixa Econômica Federal e o Banco Industrial e de Comércio da China (ICBC) criaram um fundo com recursos de US$50 bilhões - dinheiro da China – para financiar projetos de infraestrutura. Além disso, no encontro bilateral que teve com Dilma, Li sugeriu a criação de outro fundo, com valor entre US$ 10 bilhões e US$ 30 bilhões, para capacitação industrial.
A participação do Brasil nesse instrumento não está ainda definida.
- Vai ser muito importante (os fundos), porque há um potencial de alavancar investimentos muito grande.
Eles têm interesse em investimentos na área de estaleiros, em refinarias. Estão interessados também na licitação que nós vamos fazer do remanescente da faixa de 4G (tecnologia de telefonia móvel) disse Dilma, após a cerimônia de assinatura dos atos, no Palácio do Planalto.
Para João Augusto Castro Neves, analista da consultoria Eurasia para a América Latina, esses acordos fazem sentido para ambos os países. Mas ele defende cautela:
- O entusiasmo diante desses entendimentos tende a ser um pouco excessivo. Há coisas mais concretas, mais fáceis de negociar como a venda de aviões ou carne. Outras ficaram pendentes, são memorandos de entendimento, como o fundo de investimentos. O Brasil sequer sabe ainda quanto estaria disposto a colocar lá. São coisasquedependemdenegociações políticas.
Por tudo isso, a implantação desses acordos é mais lenta que o previsto.
Dos 35 acordos, seis foram com a Vale, incluindo a venda e financiamento de navios para o transporte de minério de ferro e uma cooperação financeira com o ICBC no valor de US$ 4 bilhões. Os dois países também acertaram a primeira leva de 22 aviões da Embraer, comprados pela chinesa Tianjin Airlines, subsidiária do Grupo HNA. O contrato, estimado em US$ 1,1 bilhão, abrange 20 E195 e dois E190E2. O acordo, que prevê a venda de 40 aviões para a Tianjin, havia sido anunciado durante a visita do presidente da China, Xi Jinping, ao Brasil, em julho do ano passado. Os 18 jatos restantes serão aprovados por Pequim em uma fase posterior.
Outra boa notícia, desta vez para os pecuaristas brasileiros, foi a assinatura de um acordo que prevê a imediata liberação das exportações de carnes para a China. Há nove frigoríficos - oito de carne bovina e umd e aves - prontos para retomar os embarques, suspensos em dezembro de 2012, com o surgimento de um caso atípico de doença da vaca louca no Paraná A chinesa Cherry fará um polo automotivo em Jacareí (SP). Já a chinesa Huawei assinou com a Telefônica um acordo para o projeto Tech City, para ampliar a cobertura e o sinal no Centro do Rio e no Porto Maravilha. Na área financeira, o Bank of Communications (BoCom)e a instituição brasileira BBM assinaram um acordo de compra e venda de ações. A negociação prevê a transferência de 80% do capital social do BBM para o BoCom. Sua conclusão depende da aprovação das autoridades regulatórias de Brasil e China.
Para Li, os negócios fechados entre os dois países têm potencial de ajudar a recuperação da economia mundial.
- China e Brasil são, respectivamente, o maior país em desenvolvimento a leste e a oeste do planeta. Nesse contexto de fraca recuperação, a cooperação entre Brasil e China vai promover o desenvolvimento dos países - disse ele.
QUEIXAS POR ATRASOS EM TELES PIRES
Ao mesmo tempo em que os atos eram assinados no Planalto, era inaugurada na região do Xingu, no Pará, a pedra fundamental da linha de transmissão que levará a energia da hidrelétrica de Belo Monte até Minas Gerais, uma parceria entre Eletronorte, Fumas e a chinesa State Grid.
E, apesar dos resultados positivos da vinda ao Brasil do premier chinês - que estará hoje no Rio e em seguida visita Peru, Colômbia e Chile -, o governo brasileiro não se conforma com o atraso na construção de uma linha de transmissão na hidrelétrica de Teles Pires, sob responsabilidade da Matrinchã Transmissora, controlada pela State Grid.A obra está atrasada desde o início do ano e impede a entrada em operação da usina.
Procurada pelo GLOBO, a Matrinchã Transmissora informou que o cronograma foi "impactado por fatores alheios" à sua responsabilidade, como ademora de avaliação na sítios arqueológicos descobertos durante a construção, entre outros.
Segundo o ministro de Minas e Energia, Eduardo Braga, a State Grid manifestou interesse em participar do segundo circuito de transmissão de energia de Belo Monte. Houve ainda interesse em formar um consórcio para participar do leilão da usina de Tapajós e para atuar em projetos de energia nuclear e renovável.
-
ALGUNS ACORDOS
MINÉRIO DE FERRO: São seis contratos com a Vale, que incluem afretamento; financiamento de14 navios; cooperação financeira com o ICBC de US$ 4 bilhões; compra de quatro navios; acordo com a China Mechants Shipping para transporte marítimo de minério.
EMBRAER: Venda de 20 E195 e dois E190-E2 para a Tianjin Airlines, subsidiária do Grupo HNA. No total, serão 60 aviões.
CARNES: Liberada a exportação. Nove frigoríficos já estão prontos para retomar os embarques.
TELEFONIA: O projeto Tech City, de Huawei e Telefônica, visa a ampliar a cobertura no Centro do Rio e no Porto Maravilha. (O Globo – 20/05/2015)

Brasil e China assinam acordos com previsão de investimentos bilionários
ECONOMIA
Negociação. Entre os principais acordos acertados na visita do primeiro-ministro Li Keqiang ao País estão o memorando de criação de um fundo de até US$ 50 bi para infraestrutura, créditos para a Petrobrás e a Vale e o destravamento da venda de aviões da Embraer
Lisandra Paraguassu
O primeiro-ministro chinês, Li Keqiang, iniciou ontem sua visita ao Brasil com promessas de investimentos bilionários, embora a maioria ainda não passe de simples intenção. Em Brasília, foram assinados 35 acordos. Entre os principais está um memorando que prevê a criação de um fundo bilateral para investimento em infraestrutura que pode chegar a US$50 bilhões, umcrédito para a Petrobrás de US$ 7 bilhões e outro para a Vale de US$ 4 bilhões.
No papel, os chineses demonstraram interesse em investir em projetos de infraestrutura, em andamento ou ainda apenas em fase de planejamento, que chegam a US$ 53,3 bilhões. E, na conversa privada com Dilma Rousseff - ou seja, sem entrar na lista oficial de acordos -, Keqiang ainda propôs outra linha de crédito, dessa vez em torno de US$ 20 bilhões, apenas para siderurgia, cimento, vidro, material de construção, equipamentos e manufaturados.
O mais concreto anunciado no encontro de ontem foi o destravamento de duas promessas feitas pelos chineses há um ano: a liberação da exportação de carne de oito frigoríficos brasileiros, barrados desde o caso extemporâneo do Mal da Vaca Louca no Paraná, em 2012, e a primeira compra efetiva de 22 aviões da Embraer.
No governo brasileiro, ninguém esconde o interesse nos recursos que os chineses são capazes de trazer, mesmo que até agora não haja nenhuma garantia de que todos esses dólares chegarão. "O anúncio é significativo do interesse chinês numa cooperação financeira que é particularmente necessária para o crescimento do Brasil", avaliou o subsecretário-geral de Política II do Itamaraty, embaixador José Alfredo Graça Lima, responsável pelo relacionamento com a região asiática.
Em seu discurso, a presidente Dilma comemorou a assinatura do acordo para investimentos chineses em infraestrutura, e revelou "enorme satisfação" com a proposta de Keqiang de outro fundo para "capacidade produtiva". "Eu recebi com muita satisfação a proposta que me fez hoje o primeiro-ministro, de criação de um fundo bilateral de cooperação produtiva, da ordem de US? 20 bilhões."
As ofertas de recursos mostram o apetite chinês por obras de infraestrutura. De acordo com o primeiro-ministro, seu país tem recursos e tecnologia para exportar - com reservas financeiras recordes, a China procura investimentos no mundo todoe, depois de dominar a África, voltou suas atenções para a América Latina.
Lista de interesse. Os chineses apresentaram ao Ministério do Planejamento uma lista de 52 obras de interesse deles. A lista não entrou no acordo porque o governo brasileiro não quis se comprometer em confiar os projetos aos chineses, apesar da garantia de financiamento. "Seria pouco recomendável que incluíssemos obras que estão para ser licitadas ou uma listagem de obras em andamento em um acordo", afirmou Mareio Percival, vice-presidente de finanças da Caixa.
Essas obras poderão ou não ser financiadas pelos recursos de outra proposta chinesa, a de umfundo a ser administrado pelo banco ICBC e pela Caixa, que pode chegar a US$ 50 bilhões, mas ainda não tem valor definido. "Temos 60 dias para definir os setores, os projetos e quais mecanismos de gestão desse fundo.
Temos potencial de fazer alguma coisa muito grande", disse Percival.
Confiança. Já o fundo de investimento em capacidade produtiva ainda é apenas uma ideia, levantada pelo primeiro-ministro chinês no encontro privado com Dilma, mas sem nada definido.
Em seu discurso, Dilma ressaltou a "confiança" dos chineses na Petrobrás. Em dificuldades financeiras, a estatal obteve dos chineses mais US$ 7 bilhões em dois financiamentos, do ICBC e do Eximbank chinês, além dos US$3,5 bilhões anunciados há cerca de um mês. / COLABOROU ANDRÉ BORSES (O Estado de SP – 20/05/2015)

América Latina deve inovar e melhorar sua infraestrutura
MUNDO
Banco Mundial diz que região precisa de 'seus motores próprios' para voltar a crescer A América Latina precisará de seus "próprios motores" para retomar o crescimento. Isso significa que a região deve apostar na inovação. melhorar a sua infraestrutura e seu capital humano, disse o Banco Mundial, no estudo "A América Latina e a ascensão do Sul", divulgado ontem.
O relatório traça um cenário sobre as consequências do fortalecimento das economias da América Latina na última década. Augusto de la Torre, economista-chefe da instituição para a região afirmou que o desafio "está em implementar a diversificação da economia com nossos próprios motores, sem a existência de um contexto externo favorável" que apoie o esforço.
Ao apresentaro estudo, de la Torre disse quea década em que a América Latina desfrutou dos "ventos favoráveis" (da conjuntura externa), a região conseguiu alcançar avanços concretos em matéria de superação das desigualdades e consolidação do equilíbrio macroeconômico. "Historicamente, a América Latina foi marcada pela instabilidade macroeconômica e pelas desigualdades. Sempre tivemos um problema de baixo crescimento, mas esse problema era menor frente à intensidade dos outros desafios", comentou.
Com a consolidação do equilíbrio macroeconômico e enormes avanços na redução da pobreza, resta à região superar "a tríada formada pelos problemas de infraestrutura física, formação de capital humano, e desenvolvimento da capacidade de inovação empresarial", assinalou ele. As soluções para este problema triplo "precisam ser combinadas para dar à região o tipo de capacidade econômica que permita continuar sustentando o progresso social". Sem uma solução para este desafio, " não vejo como sairemos deste ciclo", disse de la Torre, para quem "a necessidade de crescimento com igualdade social será o tema predominante na região" nos próximos anos.
O estudo América Latina e a ascensão do Sul" analisa a reestruturação da economia global nas últimas duas décadas e seu impacto "para o desenvolvimento e as prioridades das políticas públicas" na América Latina.
Segundo de la Torre, "sempre se considerou que havia países centrais no Norte, e a periferia, no Sul.
Este estudo mostra que o Sul já não é mais a periferia, e isso tem tido impacto na América Latina". Esse cenário foi marcado pela globalização do crescimento da economia da China e o surgimento degigantes como Brasil e índia, que modificaram o equilíbrio do comércio mundial.
Nos últimos 15 anos, a região se beneficiou de um ciclo de alta nos preços das commodities devido à forte demanda da China. Mas esta fase começou a se desvanecer no final da última década. De acordo com o Fundo Monetário Internacional (FMI), a América Latina encerrará 2015 com um crescimento " ínfimo" de 0,9%.
Oestudo do Banco Mundial 'A América Latina e a ascensão do Sul' mostra que o desafio é implementar a diversificação da economia sem precisar de fatores externos favoráveis para crescer. (Brasil Econômico – 20/05/2015)

Bem mais que um negócio da China...
BRASIL
Deco Bancillon e Patrycia Monteiro Rizzotto
Quantidade de acordos e negócios de grande vulto com os chineses dá novo ânimo ao governo, em meio à crise econômica
---
Trinta e cinco acordos de cooperação bilateral, ofertas de negócios em áreas tão distintas quanto infraestrutura, agricultura, energia renovável e um pesado plano de investimentos de US$ 53 bilhões.
Para analistas ouvidos pelo Brasil Econômico, não há dúvidas de que a visita ao Brasil do primeiro ministro chinês, Li Keqiang, será uma boa ajuda para a retomada do crescimento econômico e poderá contribuir para fortalecer uma agenda positiva do governo para além do ajuste fiscal.
Até a Petrobras será beneficiada pela aproximação entre os dois países. Um mês depois de negociar um empréstimo de US$ 3,5 bilhões com o Banco de Desenvolvimento da China (CDB), a estatal brasileira, que enfrenta grave crise e tem tido dificuldades para viabilizar seu ousado plano de investimentos, assinou ontem mais dois acordos de financiamento de projetos que somam US$ 7 bilhões.
As ofertas chinesas também incluem parcerias para desenvolvimento de pesquisas tecnológicas e de inovação com empresas de agricultura e telecomunicações, a construção da primeira fábrica de painéis solares fotovoltaicos no país e até acompra de 80% do capital social do banco brasileiro BBM, por R$ 525 milhões - negócio que marca a primeira aquisição do grupo Bankof Communications fora da China.
Mas, sem dúvidas, o projeto mais ousado a que os chineses se lançaram é a construção de uma estrada de ferro que ligará o Brasil ao Peru. Estimativas extraoficiais dão conta que a ferrovia Transoceânica custará de US$ 5 bilhões a US$ 12 bilhões. A estrada ligará os oceanos Atlântico e Pacífico, possibilitando o escoamento da safra agrícola brasileira de forma mais rápida aos portos chineses - num momento em que os preços das commodities despencam nos mercados internacionais e que a China vê seu crescimento desacelerar ao pior patamar em duas décadas.
Integrante da comitiva do primeiro-ministro chinês, Li Keqiang, o presidente da Câmara de Comércio e Indústria Brasil-China (CCIBC), Charles Tang, disse queos vultuosos investimentos no Brasil são aprova de que o gigante asiático confia na recuperação brasileira, apesar do momento delicado que vive o país, que este ano poderá ver o Produto Interno Bruto (PIB) encolher 2%, ao mesmo tempo em que a inflação poderá atingir a máxima em uma década, superando os 9% ao ano. "Num momento de pessimismo generalizado entre os brasileiros, a China fez o movimento contrário e está decidindo colocardinheiro no país.Issomostra queaChina confia mais no Brasil do que os próprios brasileiros", ironizou. Tang disse lamentar que os brasileiros não estejam unidos para tirar o país da crise. "Os fundamentos do Brasil são sólidos. A equipe econômica do novo governo é reconhecida mundialmente e muito capacitada para criar alternativas para que o país volte a crescer. Então, o recado que a China está dando é que confia nessa retomada, e nós recomendamos que os brasileiros façam o mesmo. Depois, podem continuarcom suas desavenças, mas, primeiro, vocês devem se unir para tirar o país da crise", sacramentou.
Oaceno chinês, dizemassessores presidenciais, também fortalece a presidenta Dilma Rousseff. Isolada na relação com o Congresso, enfraquecida politicamente e diante deuma crise econômica semprecedentes, a petista tem encontrado dificuldades para imprimir uma agenda de realizações. Em cinco meses de mandato, suas aparições públicas se resumem a inaugurações de obras do Minha Casa, Minha Vida e do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), programas que tiveram verbas cortadas e que serão reduzidos em2015, por causa da necessidade do governo em fazer o ajuste fiscal nas contas públicas.
De mãos atadas, a presidenta espera que a equipe econômica conclua o contingenciamento de gastos, previsto para ocorrer amanhã, para que, só então, possa dar o passo seguinte numa agenda de realizações, a começar por uma nova etapa do programa de concessões de obras públicas, que deve ocorrer no início de junho. Ontem, ao ser questionada sobre o tamanho do esforço fiscal do setor público em 2015, a presidenta declarou que o contingenciamento será o "necessário" para que a metade economia de 1,2% do PIB seja cumprida. "Nem excessivo, porque não tem por que, nem flexível demais, no sentido de frágil demais, que não seja aquele necessário para garantir que as contas públicas entrem nos eixos", afirmou a presidenta.
Integrantes da equipe econômica dizem que o corte orçamentário ficará em cerca de R$ 70 bilhões. Outros R$ 10 bilhões seriam obtidos por meio de aumentos de impostos, como o PIS, a Cofins, a CSLL e o IOF, a serem lançados por decretopresidencial, ainda esta semana. Com isso, o governo conseguiria atingir os R$ 80 bilhões inicialmente planejados, de modo a conseguir entregar a meta fiscal de R$66,3 bilhões.
"Apenas quando vencermos essa etapa do ajuste fiscal é que o governo poderá, de fato, começar a caminhar com as próprias pernas", disse um assessor presidencial, mencionando que, em um ano de dificuldades financeiras, o Executivo tem tentado ampliar as parcerias com o setor privado para levantar o dinheiro necessário para tirar do papel as obras necessárias para destravar a infraestrutura do país. Não por acaso, entre os vários acordos assinados ontem pelos representantes do Brasil e da China, talvez o que possa representar já no curto prazo um alívio para o governo é a criação de um fundo de US$ 50 bilhões para investimentos em infraestrutura, que será mantido pela Caixa Econômica Federal e pelo Banco Industrial e Comercial daChina (ICBC). Diretor do Centro de Estudos sobre Brasil, Rússia, índia e China (BRICLab) e professor da Columbia University, em Nova York, Marcos Troyjo acredita que iniciativascomo essa abrem espaço para o fortalecimento do banco dos Brics: "O principal legado dessa visita da comitiva chinesa é que as relações econômicas com o Brasil devem subir de patamar, o que favorecerá o estreitamento dos laços do bloco no futuro".
---
Petrobras, que já havia obtido um empréstimo da China de US$ 3,5 bilhões em abril, assinou mais dois acordos, conseguindo novos recursos de bancos chineses, num total de US$ 7 bilhões
---
O projeto mais ousado dos chineses é a construção de uma estrada de ferro que ligará o Brasil ao Peru. Estimativas extraoficiais dão conta que a ferrovia custará de US$ 5 bi a US$ 12 bi (Brasil Econômico – 20/05/2015)

EUA e Cuba estão próximos de anunciar abertura de embaixadas
Claudia Trevisan
Estados Unidos e Cuba estão prestes a remover os principais obstáculos para o restabelecimento de relações diplomáticas e poderão anunciar em breve a abertura de suas embaixadas recíprocas. O governo de Havana conseguiu um banco disposto a trabalhar com sua representação em Washington e, no dia 29, acaba o prazo no qual o Congresso americano pode se opor à exclusão da ilha da lista de países que patrocinam o terrorismo.
Essas duas medidas são apresentadas pelo governo de Raúl Castro como pré-condições para a conclusão das negociações diplomáticas. Na quinta-feira, os dois lados voltam a se reunir em Washington para a que pode ser a última rodada de conversas antes do anúncio de abertura de embaixadas. Se chegarem a um acordo final, EUA e Cuba colocarão fim a mais de cinco décadas de rompimento das relações bilaterais, eliminando o último vestígio da Guerra Fria no continente.
Apesar de as principais exigências de Cuba estarem prestes a serem atendidas, os dois lados ainda mantêm divergências sobre o grau de liberdade que os diplomatas americanos terão na ilha. Mas uma alta autoridade da gestão Barack Obama disse estar confiante de que as diferenças serão resolvidas no encontro de quinta-feira.
Em Havana, o subdiretor para Estados Unidos do Ministério das Relações Exteriores, Gustavo Machín, disse que a retomada dos serviços bancários e a retirada de Cuba da lista de países que apoiam o terrorismo criam um “contexto bilateral e regional apropriado” para o avanço na instalação de embaixadas.
Caso os dois países cheguem a um acordo sobre o funcionamento de suas representações diplomáticas, Obama notificará o Congresso sobre a mudança no status da presença dos EUA na ilha. O país possui hoje uma Seção de Interesses, que funciona no âmbito da Embaixada da Suíça. A comunicação deve ser feita com pelo menos 15 dias de antecedência da alteração e os parlamentares não têm poder de se opor à medida. “Nós estamos mais perto do que no passado” da abertura de embaixadas, disse a autoridade americana.
O restabelecimento dos laços diplomáticos não coloca fim ao embargo econômico dos EUA à ilha, que depende de aprovação do Congresso. Mas é o primeiro passo para a normalização do relacionamento bilateral, que ocorrerá ao longo de anos e envolverá discussão de temas espinhosos, como o pedido de indenização dos americanos pela expropriação de empresas e propriedades depois da Revolução de 1959. “Relações totalmente normais não incluem um embargo econômico. Isso é parte do processo de normalização de longo prazo”, afirmou a autoridade americana, lembrando que Obama já pediu ao Congresso que levante o embargo.
No encontro de quinta-feira, Cuba pretende discutir a questão do financiamento dos EUA a programas de formação de jornalistas independentes em Havana, que considera uma interferência indevida em assuntos internos da ilha. A fonte do governo Obama disse que os EUA têm projetos semelhantes em vários países e indicou não haver disposição de abandoná-lo em Cuba. (O Estado de SP – 19/05/2015)

Brasil e China discutem tarifas especiais e outras facilidades de comércio
O Brasil quer facilitar o comércio agropecuário com a China por meio de uma lista pré-autorizada, ou prelisting, na linguagem do comércio internacional, para empresas brasileiras, disse a ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Kátia Abreu, após audiência com o ministro da da Agricultura da China, Han Changfu. Trata-se de uma meta futura. Por enquanto, o Brasil busca conquistar a confiança do país oriental. Brasil e China estudam também tarifas especiais para serem aplicadas a determinados produtos.
"Entendemos que é um grande caminho a percorrer, um caminho importante para os dois países", disse Kátia Abreu. Segundo ela, a tarifa especial é permitida pela Organização Mundial do Comércio (OMC) por se tratar de dois países em desenvolvimento. Um dos produtos brasileiros que podem ser beneficiados é o leite. "Lácteos em geral. Só exportamos 1% de tudo que é produzido", diz a ministra, acrescentando que o país aumenta a produção de laticínios 5% ao ano, enquanto o consumo aumenta em 3%.
A lista pré-autorizada estaria relacionada ao comércio de carne. "Queremos prelisting, a confiança da China", disse a minsitra. "Temos mais de 90 empresas na fila, queremos prelisting para a aprovação automática [delas]. Depois de conhecer as nossas plantas, depois de conhecer o nosso sistema de defesa, qual o motivo para não adotar o prelisting?".
A estratégia será conquistar a confiança da China. O Brasil vai apresentar a Plataforma de Gestão Agropecuária (PGA), onde consta uma relação dos rebanhos brasileiros bovino, suíno e de aves e onde deverão ser incluídas as plantas e os peixes no segundo semestre. Kátia Abreu explica que alguns passos já foram dados. O Brasil deverá ter 26 frigoríficos habilitados a exportar para a China até junho deste ano, o que pode representar cerca de US$ 520 milhões anuais em vendas para o país oriental. Nove frigoríficos - oito de bovinos e um de aves - tiveram a habilitação oficializada hoje. O governo chinês se comprometeu em liberar os demais 17 em junho, durante visita oficial da ministra ao país oriental.
Outro assunto tratado na audiência foi o desenvolvimento de transgênicos. Segundo a ministra, a China pretende desenvolver produtos transgênicos em conjunto com o Brasil, o que ainda deve ser discutido. A intenção é firmar uma parceria com a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa). "A única forma de dissipar temores em relação a esses produtos é pesquisando", disse.
A audiência fez parte de um agenda de compromissos da visita do governo chinês. Nesta terça-feira, Brasil e China assinaram 35 acordos, que representam investimentos de US$ 53 bilhões e abrangem áreas de planejamento estratégico, infraestrutura, transporte, agricultura, energia, mineração, ciência e tecnologia, comércio, entre outras. O país recebe o primeiro-ministro da China, Li Keqiang.
A China ocupa o topo da lista de destinos das exportações brasileiras, de acordo com dados da balança comercial brasileira até abril deste ano. O principal produto exportado é a soja. Ainda entre os dez produtos que encabeçam as vendas estão açúcar de cana, couros e peles e carne de frango. A China está também no topo das importações brasileiras, vendendo ao país, principalmente equipamentos eletrônicos, de tecnologia e têxteis. A China, em 2015 teve uma participação de cerca de 20% das exportações e 17% das importações brasileiras.
Em relação a 2014, no entanto, a China comprou menos do Brasil, houve uma queda de cerca de 32% nas exportações brasileiras para o país. As importações de produtos chineses também apresentaram queda no período, de 4%. (Agência Brasil – 19/05/2015)

Chineses anunciam primeira fábrica de painéis fotovoltaicos
O presidente da Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil), David Barioni, e a vice-presidente do Grupo BYD, Stella Li, anunciam nesta terça-feira (19), investimentos de R$ 150 milhões para instalação da primeira fábrica de painéis solares fotovoltaicos no Brasil. A meta da empresa é produzir 400 MW de painéis solares por ano. Na ocasião, a Agência e a BYD assinarão um memorando de entendimento para oficializar o investimento. A cerimônia acontece no Palácio do Planalto, no âmbito da visita do primeiro-ministro chinês, Li Keqiang, conforme noticiado pela Apex-Brasil. (Aduaneiras – 19/05/2015)

Brasil, dispuesto a producir bienes industriales chinos
El plan inversor de China es aún más importante para Brasil que el abultado intercambio comercial y no se remitiría a proyectos de infraestructura sino a producir bienes industriales chinos en el país sudamericano, dijo ayer el ministro brasileño de Desarrollo, Industria y Comercio Exterior, Armando Monteiro.
BRASILIA (AFP). Monteiro afirmó en una entrevista con la AFP, previo a la llegada del primer ministro chino Li Kenqiang con 50.000 millones de dólares para obras en el país sudamericano, que el gigante asiático tiene todo para convertirse en el mayor inversionista en Brasil.
La frondosa agenda que abordará Li con la presidenta Dilma Rousseff hoy dejará, además, la concreción de una postergada venta de 22 aviones Embraer y la casi segura reapertura del mercado para la carne bovina brasileña.
Socios estratégicos, Brasil y China intercambian bienes por más de 80.000 millones de dólares anuales, y los fondos excedentes de Pekín encuentran en las necesidades estructurales de su aliado sudamericano un variado menú de obras de gran escala que pocos países igualan.
Este es un resumen de la entrevista realizada este lunes con Monteiro, un fuerte defensor de la idea de que Brasil tenga más libertad para negociar con el mundo de la que le permite su filiación con la unión aduanera Mercosur:
–¿Qué espera de la visita del primer ministro chino?
–La agenda comercial es muy importante, pero en este momento la agenda de inversión es hasta cierto punto más importante que la comercial.
–¿Cómo imagina esta segunda fase de la relación Brasil-China?
–Brasil precisa promover un fuerte movimiento para atraer la producción de bienes industriales. Que China vea a Brasil como una plataforma importante de producción, no solo para el mercado regional sino también para algunos mercados que puedan ser atendidos mejor a través de Brasil.
Siendo realistas, ampliar las exportaciones hacia China es algo que deseamos, buscamos, pero no sé si podremos tener resultados muy significativos en el corto plazo. Sería más interesante una estrategia en que China produjera en Brasil una serie de bienes que hoy importamos y que China exporta, como los electrónicos.
Puede ser el inversionista más importante
–¿Y en cuántos años podrían verse los resultados?
–Hay que pensar en un horizonte razonablemente corto, de una década. La cuestión es simple: China es el principal socio comercial de Brasil, pero es el décimosegundo inversor. Por muchas razones se puede transformar en el inversor más importante.
–¿Está allanada la reapertura del mercado chino para la carne brasileña?
–Tenemos expectativas de que la cuestión de la carne avance no solo en el sentido de bajar las restricciones en el terreno de las normas sanitarias, porque no hay razón para colocar ninguna traba en ese comercio, sino también en el sentido de habilitar a las empresas brasileñas a que puedan exportar directamente a China.
–¿Es viable pensar en un tratado de libre comercio?
–Se puede buscar como objetivo de mediano o largo plazo en esa dirección. Pero hay condiciones para avanzar mucho en las agendas bilaterales.
–En el orden regional, ¿Brasil está buscando más libertad para hacer negocios con el mundo de las que le permite el Mercosur (que integra con Argentina, Uruguay, Paraguay y Venezuela)?
–La política comercial precisa ser más pragmática (...) Brasil precisa integrarse a las corrientes de comercio, sobre todo en regiones que son más dinámicas hoy que el Mercosur. Prevaleció en los últimos años una idea de que valoramos mucho solo el comercio regional y pasó a ser el foco casi exclusivo de la política comercial.
–¿Y cómo se articularía dentro del bloque?
–Puede hacerse un movimiento que permita que los países tengan velocidades distintas. (ABC Color – 19/05/2015)

Reconstruir una relación estratégica
La devaluación del real y las necesidades políticas de la administración Rousseff modifican el inestable equilibrio que ambos países pretendieron mantener en el último tiempo; cuando los intereses son divergentes
Por Florencia Carbone
Brasil bien podría ser el protagonista de El extraño caso del doctor Jekyll y el señor Hyde, la novela de Robert Louis Stevenson. Como en el famoso relato en el que el bien y el mal conviven -y se alternan- en un mismo ser, nuestro principal vecino ha pasado de los tiempos gloriosos en los que lideraba siglas de moda (el BRIC, junto con Rusia, India y China), era "grado de inversión", cada semana se anunciaba el descubrimiento de una nueva reserva de petróleo y hasta se especulaba con un asiento permanente en el Consejo de Seguridad de Naciones Unidos, a estos más turbulentos en los que sus apariciones en la prensa internacional son para hablar de la devaluación del Real, la desaceleración de su economía, el bajo apoyo que cosecha Dilma Rousseff a meses de haber reasumido su segundo mandato o las marchas ciudadanas contra los casos de corrupción.
¿Cuál es la relación que la Argentina puede/debe tener con este nuevo Brasil? Lo primero que hace Gustavo Segré, CEO de CenterGroup, es dejar en claro que ese panorama negro lejos de ser una realidad definitiva, es apenas una tormenta pasajera, cuya duración dependerá de ciertos factores.
"Brasil tendrá un 2015 de ajuste y transición. Si el Congreso aprueba el ajuste propuesto por Dilma, la economía caerá este año entre 1,2% y 1,7%, pero en 2016 retomará el crecimiento, aunque sea moderado. Si el Congreso no aprueba el paquete (ya pasó por Diputados y ahora espera la aprobación del Senado), Brasil recién empezará a crecer en 2018 y 2015 será un año de parálisis total", explica.
Desde su oficina en San Pablo agrega que si el ajuste se aprueba, el dólar debería cotizar de 3 reales para abajo, mientras que si ello no ocurre, el real estará por encima de 3.
¿Cómo afecta eso a la competitividad de las exportaciones argentinas? "Una tasa de cambio próxima a 3 reales es algo administrable para las exportaciones argentinas. En octubre de 2002, el dólar cotizaba en Brasil a 3,96 por Real y el mundo no se terminó por eso ni las exportaciones argentinas cayeron tan estrepitosamente como podría haber sido. El problema de las exportaciones argentinas a Brasil no está en la demanda brasileña -que seguirá existiendo- sino en la competitividad del producto argentino que se maneja con una economía que paga insumos y sueldos con el dólar bluecomo referencia pero cobra sus exportaciones con el dólar oficial", opina Segré.
Inevitable
Dante Sica explica que no sólo era previsible sino inevitable el proceso de equilibrio que Brasil tendría que aplicar en sus cuentas fiscales y que ello implicaba un acomodamiento del tipo de cambio. "Lo que más sorprende es la confluencia de factores que generaron un entorno altamente negativo porque sumado al tema del ajuste económico apareció la crisis política en la que quedó inmerso el gobierno de Dilma a sólo tres meses de reasumir, y el tema de corrupción que salpica no sólo al mundo político sino que genera complicaciones en la economía del país."
El director de Abeceb.com analiza el impacto de la nueva realidad brasileña sobre la Argentina. "Si lo mirás por el lado real -el impacto sobre el volumen de comercio-, el más afectado hoy y en el corto plazo es el exportador argentino. Por un lado, nuestros productos se hacen más caros y se abaratan los brasileños: hay sustitución de importaciones. Por otro lado, se achica la demanda de Brasil que está con una caída del producto de 1%, y eso hace que vendamos menos cantidades. Se verá de modo especial en el tema automotriz. Pero, ¿por qué si tenemos pérdida de mercado, de ventas y a su vez baja de rentabilidad de nuestros productos no hay una protesta más fuerte de los empresarios locales? Simple, porque la Argentina tiene comercio administrado y entonces se frena una eventual presión de bienes más baratos sobre el mercado local", se pregunta y responde Sica.
El consultor parece más preocupado por lo que se hace -o se deja de hacer- puertas adentro. "El tema que queda sin resolver, y que me parece quedará para la próxima administración, es la fuerte pérdida de competitividad del país, porque Brasil devalúa y tiene estos saltos producto de la volatilidad política, pero gran parte del mundo está devaluando por lo que es el ciclo internacional. Frente a un dólar que se aprecia, casi todas las monedas se deprecian. Argentina sigue usando el tipo de cambio como ancla inflacionaria con lo cual la brecha competitiva es muy fuerte. Sólo para dar una idea: en algunas empresas autopartistas del rubro metalúrgico en la Argentina, el valor de la hora/hombre es US$ 22; en Brasil US$ 11", acota.
Por último, se muestra convencido de que "la necesidad de reconstruir el vínculo con Brasil es independiente de las condiciones macroeconómicas. El próximo gobierno -o este si continúa- necesariamente tiene que reconstruir los lazos, volver a una diplomacia más abierta, tratar los temas de comercio y de regulaciones en forma más clara, cumplir los acuerdos y establecer una nueva agenda en especial en temas de integración y de negociaciones internacionales más amplia".
Entusiasmo exportador
Welber Barral, ex secretario de Comercio Exterior durante la presidencia de Lula Da Silva, admitió que gracias al efecto cambiario hay "más entusiasmo" entre los exportadores de su país. "El que el año pasado exportó 40%, para este proyecta vender 60% porque sus productos resultan más competitivos en el mercado internacional. Por otro lado bajó muchísimo la importación", dijo el titular de la consultora Barral & Asociados.
Cuando se le pregunta por las advertencias de la directora del FMI, Christine Lagarde, respecto de que la región necesitará aplicar "reformas estructurales" luego de haber gozado de un viento de cola generado en buena medida por el elevado precio de las materias primas y de la demanda china, Barral admite que la nueva situación global plantea un reto económico.
"Brasil -como otros países de la región- se benefició muchísimo de los precios de las commodities en la última década, pero eso ya terminó. De hecho para este año se espera un superávit muy pequeño. Hoy se discute la estrategia para incluir al país en las cadenas globales y sobre todo para aprovechar este momento de más competitividad del cambio para insertar empresas brasileñas en el mundo. Una de las propuestas de la Confederación Nacional de Industrias es una aproximación con Estados Unidos y Europa, ya que ellos están en recuperación", cuenta.
Reflejo de esas discusiones son los dichos del ministro de Desarrollo, Industria y Comercio Exterior, Armando Monteiro, que hace algunos días propuso directamente alterar las normas del Mercosur para dar "más libertad" a los países del bloque para negociar acuerdos comerciales. "El Mercosur es un casamiento indisoluble, pero eso no significa que no se puede discutir la relación", espetó. Y luego concluyó la idea: "No hay nada en el mundo que cristalice a tal punto que impida hacer ajustes y darle a los países como Brasil, un mayor grado de libertad para ir en dirección de nuevos acuerdos".
Así como el funcionario dijo que su país "tiene interés en dar una señal clara, sobre todo a la Argentina, de que tiene más urgencia" para firmar un acuerdo con la Unión Europea (UE), la semana última se difundió la ambiciosa agenda que Rousseff mantendrá con el primer ministro chino, Li Keqiang, que comenzó ayer una visita oficial a Brasil, Colombia, Perú y Chile, y que concluirá el 26 del actual.
La inversión china en Brasil -el mayor socio comercial del país asiático en América latina- alcanzó los US$ 18.940 millones a fines de 2014. Si bien la relación está "primarizada" como con el resto del barrio, en esta oportunidad se buscará ampliar el intercambio a otras áreas como la de la industria aérea (el fabricante brasileño Embraer ya tiene una planta en China).
La visita de Li promoverá la asociación estratégica integral China-Brasil y según se anunció se firmarán acuerdos cooperativos en materia de política, economía y comercio, finanzas, tecnología y agricultura, además de una batería de documentos que apuntan a reforzar las inversiones en el área de infraestructura, como un estudio conjunto de factibilidad de construcción de un ferrocarril para unir el Pacífico con el Atlántico.
Ignacio de Mendiguren, diputado del Frente Renovador y ex ministro de la Producción, cree que "no hemos tenido suerte en la relación con Brasil porque en un momento donde políticamente queríamos, las políticas macroeconómicas eran absolutamente divergentes". Recordó cuando hace dos años, como presidente de la UIA convocó a una cumbre en Cardales donde estuvieron las presidentas, los cancilleres y los empresarios más relevantes de los dos países, junto con "los pensadores estratégicos de la región" -como Marco Aurelio García, Aldo Ferrer y Enrique Iglesias.
Fruto de ese encuentro surgió un libro que "muestra el potencial de la Argentina y Brasil juntos: 250 millones de habitantes, manejamos el 25 % de la proteína vegetal del mundo; tenemos el 55 % de las reservas de litio del mundo. Juntos somos la cuarta economía mundial. Como dijeron las presidentas, la no integración no es una opción. No hay otro camino posible que la integración, y si no lo hacemos rápido, China se convertirá no en una palanca para el desarrollo regional sino en el portón más grande para la primarización de nuestras economías", advirtió.
"El mundo podrá cambiar, pero la Argentina y Brasil están inexorablemente unidos porque siempre estaremos uno al lado del otro. Vendrá la moda de los BRIC, otras veces será el turno de los no alineados. Las modas pasan, pero lo que nunca pasará es que la suerte de la Argentina y Brasil está inexorable e íntimamente relacionada", concluyó.
Una vez más el tiempo -y de modo especial la voluntad política- se encargará de escribir el próximo capítulo de la historia bilateral.(La Nación Argentina – 19/05/2015)

Primer ministro chino llega a Brasil con paquete multimillonario de inversiones
La promesa de inversión es de US$ 50.000 millones en obras de infraestructura.
Dilma Rousseff, presidenta de Brasil, espera ansiosa la reunión hoy con el primer ministro chino, en Brasilia. Espera el oxígeno chino de unos US$ 50.000 millones, para paliar la crisis económica que afecta al gigante sudamericano.
Brasilia, Brasil | AFP.
El primer ministro chino, Li Keqiang, aterriza en Brasilia para una visita que conlleva la promesa de invertir US$ 50.000 millones en nuevos proyectos, una potencial bocanada de oxígeno para la estancada economía local.
Li se reunirá con la presidenta de Brasil, Dilma Rousseff, el martes 19, día en que partirá a Río de Janeiro por la noche para repasar algunas iniciativas del país asiático en la ciudad sede de los Juegos Olímpicos 2016. Al día siguiente viajará a Colombia, en una gira que también incluirá Chile y Perú.
La segunda generación de inversiones chinas en Brasil, tras la inicial en materias primas, se concentrará en la industria pesada y en obras de infraestructura, explicó recientemente el subsecretario general de política, José Graça Lima, de la cancillería brasileña. Además de concretar la compra de un primer segmento de 22 aviones Embraer, parte de una operación ya acordada de 60 aeronaves, y la reapertura del mercado del país asiático a la carne bovina brasileña, la lista de negocios a abordar incluye autopartes, transporte, energía, puertos, hidroeléctricas y ferrovías.
En carpeta estará también el desarrollo de un corredor “ferro-oceánico” que permita sacar exportaciones brasileñas a China por el Pacífico, un proyecto monumental que atravesará parte de la Amazonia y se extenderá hasta Perú.
Brasil vive un enfriamiento económico que va por su quinto año y una inyección de dinero fresco podría ayudar a sectores con problemas de fondos, como fue el acuerdo por 3.500 millones de dólares que firmó en abril la estatal Petrobras, golpeada por un escandaloso fraude, con el Banco de Desarrollo de China.
“China está tomando el muy necesitado rol de inversor en América Latina y el Caribe, y Brasil necesita inversiones desesperadamente”, dijo a la AFP Charles Tang, presidente de la cámara de comercio Brasil-China la semana pasada. “El patio trasero de EEUU se está convirtiendo en el de China. Y no solo en Brasil, sino en toda América Latina”, añadió.
La relación comercial entre China y Brasil saltó de US$ 3.200 millones en 2001 a 83.300 millones en 2013 y convirtió a China en el primer inversor en Brasil cuando superó a EEUU en 2009. (La Nación Paraguay – 19/05/2015)

China abre os cofres para fortalecer presença na América Latina
Paulo Trevisani, Rogerio Jelmayer, de Brasília
O primeiro-ministro Li Keqiang quer mostrar a seus parceiros comerciais da América Latina que a desaceleração na China não vai afetar o envolvimento do país na região. REUTERS
O primeiro-ministro chinês, Li Keqiang, começa esta semana no Brasil a sua série de visitas a países da América do Sul, prometendo mais apoio financeiro para a região e destacando os esforços de Pequim para ajudar os países em desenvolvimento abatidos pela queda na demanda chinesa por matérias-primas.
Na terça-feira, Li deve discutir com a presidente Dilma Rousseff planos para construir uma ferrovia interoceânica gigantesca, aquisições de empresas e a liberação de bilhões de dólares para reformas na envelhecida infraestrutura brasileira, em preparação para os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, no próximo ano.
Na mesma semana, Li será recebido com pompa na Colômbia, Peru e Chile, parte da campanha do primeiro-ministro chinês de mostrar a seus parceiros comerciais que a desaceleração na China não vai afetar o envolvimento do país na região. Acordos para que a China passe a comprar produtos acabados, em vez de apenas commodities, estão na agenda, reforçados pelos bancos chineses, que assumiram riscos que poucos investidores globais aceitariam para se transformar na principal fonte de financiamento da América Latina.
“A China está colocando dinheiro em empresas e ativos que estão subvalorizados”, diz Sérgio Amaral, presidente emérito do Conselho Empresarial Brasil-China e ex-ministro do Comércio. “Não é apenas uma oportunidade política, mas uma boa oportunidade de negócio.”
A desaceleração da China, um motor importante do crescimento mundial, gerou um excesso global de oferta de commodities que deixou em maus lençóis exportadores de soja, petróleo, minério de ferro e cobre. Diante de um crescimento anualizado de apenas 7% no primeiro trimestre, a menor alta trimestral desde 2009, Li vem falando sobre construir uma demanda global para os produtores de trens do país e buscar oportunidades para seus endinheirados fabricantes no exterior.
“Há muito mais por vir” em termos de financiamentos e investimentos para a região, diz Margaret Myers, especialista em China e América Latina do Diálogo Interamericano, um centro de estudos de Washington. “Estamos vendo grandes números [...] Mais engajamentos de todos os tipos.”
No Brasil, onde a China substituiu os Estados Unidos como maior parceiro comercial do país, Li vai assinar acordos de pesquisa conjunta sobre a viabilidade de construir uma ferrovia através dos Andes para ligar o cinturão agrícola do Brasil à costa peruana no Pacífico. Esse antigo e ambicioso projeto, que até agora não saiu do papel, tem a meta de reduzir os custos de transporte das exportações brasileiras para a China. Na Nicarágua, uma empresa chinesa planeja construir um canal interoceânico de 277 quilômetros de extensão que vai comportar grandes navios, num momento em que o Panamá também expande seu canal.
A delegação chinesa também deve divulgar planos de investir US$ 53 bilhões em projetos de infraestrutura no Brasil, uma muito necessária injeção de capital para um governo tentando equilibrar suas contas com o ajuste fiscal.
Às voltas com uma economia que deve se contrair cerca de 1% neste ano, segundo as previsões mais recentes, o governo está cortando os financiamentos do BNDES, uma fonte tradicional de recursos para projetos de infraestrutura.
“Estamos de braços absolutamente abertos para o investimento chinês”, diz Roberto Dumas, especialista em economia chinesa do Insper.
Dilma disse que vai em breve anunciar um pacote de projetos de infraestrutura para serem licitados.
“O Brasil passa por um momento em que todo o conhecimento e a expertise da China na área de investimento em infraestrutura nós podemos aproveitar, tanto na área de rodovias, ferrovias, portos e aeroportos”, disse ela numa entrevista recente a um veículo da mídia chinesa.
No ano passado, os financiamentos da China para a América Latina alcançaram US$ 22 bilhões, ultrapassando os empréstimos combinados de instituições tradicionais como o Banco Mundial e o Banco Interamericano de Desenvolvimento, segundo estimativas do Diálogo Interamericano.
Muitos desses financiamentos, que carecem da disciplina financeira característica dos empréstimos ocidentais, foram anunciados durante a visita do presidente Xi Jinping ao Brasil e outros países da América Latina, em julho de 2014.
Em abril, o Banco de Desenvolvimento Chinês abriu uma linha de crédito de US$ 3,5 bilhões para a Petrobras SA, cujo escândalo de corrupção vem prejudicando fornecedores e vários setores da economia brasileira.
Entre os maiores recipientes do dinheiro chinês também estão países considerados de alto risco. A Venezuela, por exemplo, recebeu US$ 56,3 bilhões em 2007, ou cerca de 47% dos financiamentos totais concedidos pela China na região, segundo o Diálogo Interamericano. O governo da Argentina, que enfrenta uma escassez severa de dólares e uma prolongada batalha jurídica com credores americanos, recorreu recentemente ao crédito chinês para reforçar suas minguadas reservas cambiais.
Depois de uma incursão inicial em indústrias extrativas, as estatais chinesas também estão investindo nos setores bancário, manufatureiro e agrícola da América Latina. Mas críticos dizem que muitos dos acordos anunciados nunca se materializaram e, às vezes, empréstimos acabaram alimentando a corrupção. Um projeto de US$ 7,5 bilhões da estatal ferroviária China Railway Group na Venezuela ainda não foi concluído e está, em grande parte, ocioso. Alguns dos investimentos da China na Venezuela se perderam em meio a escândalos de corrupção e alegações de má gestão do governo.
As empresas chinesas também tropeçaram na burocracia e agitações trabalhistas. Um projeto de mineração no Peru comprado nos anos 90 pela Shougang Hierro Peru Saa vem sofrendo com greves quase todo ano. No Brasil, onde os carros chineses são cada vez mais populares, a montadora Chery entrou em conflito com o sindicato dos metalúrgicos em sua fábrica em Jacareí, SP, logo após ter iniciado a produção, em fevereiro.
O governo da China afirma estar disposto a diversificar o comércio com a América do Sul ao importar mais produtos de valor agregado dos setores de manufatura e aviação.
Na Colômbia, Li vai tentar dar impulso à cooperação na área industrial e de desenvolvimento de infraestrutura. Ele também vai assinar acordos de swap cambial no Chile, país rico em minerais, e está buscando maneiras de ampliar os tratados de livre comércio que a China tem com o Chile e o Peru. (Colaboraram James T. Areddy e Kejal Vyas.) (The Wall Street Journal – 18/05/2015)

Pequenos choques abalam economia dos EUA
Por Jon Hilsenrath
O Fed divulgou que a produção industrial dos EUA contraiu em abril pelo quinto mês consecutivo, caindo a uma taxa dessazonalizada de 0,3% em relação a março. Bloomberg News
Um conjunto de dados econômicos mais fracos renovou as expectativas de uma desacelaração no crescimento econômico dos Estados Unidos, o que também mostra uma vulnerabilidade pouco comum da já anêmica economia americana aos choques mais passageiros.
Essa desaceleração — com um possível crescimento nulo no primeiro semestre — deve dar ao Federal Reserve, o banco central do país, uma pausa no seu plano de elevar os juros de curto prazo, que hoje estão próximos de zero.
As autoridades do Fed veem muitos sinais de força nas bases da economia, como um aumento nas contratações das empresas e na renda das famílias. Vários outros indicadores, entretanto, contam uma história menos animadora. Na sexta-feira, o Fed divulgou que a produção industrial do país se contraiu em abril pelo quinto mês consecutivo, caindo a uma taxa dessazonalizada de 0,3% em relação a março. Um índice da Universidade de Michigan que mede a confiança do consumidor também recuou.
Os analistas de Wall Street agora estão reduzindo suas estimativas para o crescimento do segundo trimestre e muitos esperam que o do primeiro trimestre seja revisado para uma taxa negativa. Economistas do J.P. Morgan JPM +0.70% projetam um crescimento anualizado de apenas 0,5% no primeiro semestre.
Esse cenário ressalta uma das características definidoras da atual recuperação econômica dos EUA: uma economia em lento crescimento que pode facilmente sair dos trilhos até mesmo durante as turbulências mais efêmeras.
“As economias [...] são mais estáveis quando crescem a uma velocidade moderada do que quando crescem lentamente”, disse Lawrence Summers, professor de economia da Universidade Harvard e ex-assessor econômico do governo Obama, em entrevista ao The Wall Street Journal. Basta um choque moderado para jogar na recessão uma economia crescendo vagarosamente, disse.
Apesar do desempenho pífio da economia, poucos economistas acreditam que os EUA estejam próximos de uma recessão. Um grupo de 62 economistas consultados pelo WSJ no início de maio estimou em 12% a probabilidade de o país viver uma recessão neste ano, em linha com suas previsões nos últimos 12 meses.
Recessões são geralmente acompanhadas por grandes ondas de demissões, algo que não está acontecendo. Na semana passada, o Departamento de Trabalho dos EUA divulgou que o número de pedidos de seguro-desemprego, um indicador das demissões, ficou perto de um mínimo de 15 anos. Com as contratações em alta, a renda das famílias também está subindo. A renda depois de impostos dos lares americanos, ajustada pela inflação, avançou robustos 3,8% no primeiro trimestre ante o mesmo período de 2014.
“Devemos começar a ver algo se movendo na direção do crescimento de 3% que estamos mais ou menos esperando para os últimos três trimestres do ano”, disse ao WSJ David Altig, diretor de pesquisa da regional do Fed em Atlanta. “Os dados atuais ainda não confirmaram essa visão.”
Altig disse que vai se sentir mais confiante quando o consumo der sinais de melhora. Ele e outros dirigentes do Fed estão intrigados com o fato de o consumo estar crescendo apenas modestamente apesar do aumento da renda. Com as exportações sofrendo os efeitos da alta do dólar, o consumo se torna especialmente importante para o crescimento.
O Fed afirmou que não vai aumentar os juros até que veja um progresso maior no mercado de trabalho e esteja mais confiante de que a inflação — que desde 2012 está abaixo da meta de 2% ao ano — esteja subindo.
Os dados fracos dos últimos meses dão mais tempo ao Fed porque põem em dúvida se suas metas quanto ao emprego e à inflação serão atingidas. Uma alta dos juros em junho parece, agora, bastante improvável.
Quando a economia está nesse passo lento, as menores turbulências podem causar abalos. A expansão econômica atual dos EUA, a uma taxa média anual de 2,2%, está bem mais morosa que a média de 3,6% registrada em três recuperações anteriores, o que deixa pouca margem para erros.
Os EUA foram atingidos por vários pequenos choques nos últimos meses, alguns mais graves que outros. Greves e o fechamento de portos na Costa Oeste e nevascas no Nordeste, que prejudicaram o comércio exterior e o doméstico, já causaram os seus danos. Uma forte alta do dólar — que prejudica as exportações e encoraja as importações — e a queda nos preço do petróleo — que ajuda o consumo, mas reprime a exploração de petróleo e os investimentos no setor — ainda estão reverberando na economia. Para complicar as coisas, o dólar e o preço do petróleo reverteram parcialmente suas trajetórias nas últimas semanas.
Se o crescimento anualizado do primeiro trimestre, de 0,2%, for revisado para uma taxa negativa, como muitos analistas agora esperam, terá sido a terceira contração da economia americana neste ciclo atual de expansão. As expansões anteriores, em meados dos 80 e meados dos 2000, nunca registraram uma contração trimestral.
Nesse cenário, a vulnerabilidade a choques econômicos maiores pode ser preocupante, principalmente porque os reguladores têm menos munição para estimular a economia. Como as taxas de juros já estão perto de zero, em parte por causa do crescimento lento, o Fed não tem espaço para cortá-las caso uma crise maior realmente ocorrer. Essa é uma das razões por que algumas autoridades do Fed preferem ter paciência antes de elevar os juros. (The Wall Street Journal – 18/05/2015)

Negócios da China e além
O pacote chinês é suculento, mas o Brasil está se mexendo também em países como os EUA Li Keqiang, o premiê chinês, está trazendo um pacotão de cerca deUS$53 bilhões (R$ 159 bilhões) ao Brasil, na visita que começa nesta terça-feira, 18.
Provoca, naturalmente, intenso ruído midiático, inclusive no exterior.
Mas, sem ruído, o Brasil está se aproximando também de um parceiro bem mais antigo e mais tradicional, um tal de Estados Unidos da América.
Por sinal, no ano passado, esse velho conhecido tornou-se o principal destino para as exportações brasileiras de manufaturados, desbancando a Argentina.
Como se sabe --e como se queixa reiteradamente o governo brasileiro--, a China importa do Brasil apenas produtos básicos, naturalmente de menor valor agregado.
Por isso mesmo, sem menosprezar o pacote chinês, o ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio, Armando Monteiro, trabalha no que no Mdic se chama de "agenda pragmática" com os norte-americanos.
Pragmática porque não lida com redução de tarifas, o que exigiria acordos de livre comércio, algo que está fora do horizonte.
Lida com dois temas centrais, convergência regulatória e facilitação de comércio.
Nada emocionante, portanto. Não envolve mudanças de política comercial nem no Brasil nem nos Estados Unidos. Mas, ainda assim, "é redução de custos na veia", como diz Daniel Godinho, o secretário de Comércio Exterior.
Quer dizer o seguinte: ao fazer os regulamentos convergirem, eliminam-se etapas que significam custos com, por exemplo, testes de laboratório e o envio de amostras.
Facilitação decomércio, por sua vez, éo jargão para a redução da burocracia nas alfândegas, item em que o Mdic se orgulha de estar avançando com o Portal Único.
De novo, é mexer com a burocracia, o que pode ser complicado, mas é bem mais simples do que alterar tarifas de importação.
O Mdic espera que, na iminente visita de Dilma Rousseff aos Estados Unidos, essas iniciativas de redução decustos recebam um impulso político significativo.
Há um segundo evento de que a presidente deve participar e no qual também estará na agenda a questão comercial, esta sim de maneira mais substancial.
Trata-se da cúpula União Europeia/Comunidade de Estados Latino-Americanos e do Caribe, marcada para Bruxelas, nos dias 10 e 11 de junho.
Ogovernobrasileiro espera aproveitar o encontro para cobrar da Europa uma data para a troca de ofertas com vistas à liberalização do comércio com o Mercosul.
Trata-se de uma negociação lançada em 1999, mas bloqueada há 11 anos.
O Mercosul conseguiu, com não poucas dificuldades, fechar uma proposta conjunta, depois de alguma resistência da Argentina.
A UE, no entanto, está demorando para se manifestar, em parte porque outra negociação mais suculenta, com os EUA, desvia o foco.
Enquanto não se avança nessa área, o Brasil negocia também acordos permitidos pelas regras do Mercosul porque não mexem com tarifas. Acordos, por exemplo, na área de serviços.
Tudo somado, tem-se que a China é um grande parceiro, mas há vida em outros planetas também. (Folha de SP – 18/05/2015)

O novo normal da China e o papel do Brasil
Sergio Leo
Os projetos de investimento que já têm assegurado o interesse de participação chinesa somam pelo menos US$ 53,3 bilhões, como revelado nesta coluna. Já os contratos de financiamento, investimento e joint ventures entre brasileiros e chineses a serem assinados formalmente durante a visita do premier chinês Li Keqiang, quecomeça hoje, estão por volta deUS$26 bilhões, segundo informou a esta coluna o embaixador chinês no Brasil, Li Jinzhang, influente ex-vice-ministro de Relações Exteriores da China.
"Nossos dois países enfrentam o idêntico desafio de fazer ajustes em suas economias, por isso a cooperação sino-brasileira precisa adaptar-se", disse o embaixador, lembrando o que os chineses vêm chamando de "o novo normal" do país, com taxas mais baixas de crescimento, menos ênfase na exportação de bens e esforços para desenvolver o mercado consumidor interno. "A situação de demasiada dependência do comércio de commodities não podia continuar, e precisa ser transformada", comentou, ao falar da "nova etapa" da relação bilateral, em que investimentos mútuos devem ganhar dimensão inédita.
Li Jinzhang não confirmou o noticiado acordo para formaçãodeumfundo deinvestimentos deUS$50 bilhões, entre o ICBC chinês e a Caixa Econômica Federal.
Mas adiantou que haverá vários acordos de apoio financeiro a serem firmados por bancos chineses, que enviaram seus presidentes na comitiva de Li Keqiang (pronuncia-se "Ketchiang"). O reforço da cooperação financeira bilateral, para financiar projetos nos dois países e atuar nas instituições multilaterais, é uma das prioridades dos dois governos para os próximos 40 anos, defende o embaixador.
"A parte chinesa está disposta a reforçar nossa coordenação e ajudar o Brasil a participar nos projetos de infraestrutura e comunicação da Ásia", garantiu Li Jinzhang, ao mencionar a adesão do Brasil ao Banco deInfraestruturadaÁsia, criado pelos chineses a contragosto dos Estados Unidos.
Segundo informações do governo brasileiro,umpool de bancos deve anunciar financiamento bilionário à Petrobras - que, em abril, já contratou financiamento de US$ 3,5 bilhões do China Development Bank, o BNDES deles. Estavam sendo negociados acordos semelhantes com a Vale e Embraer.
Visto com desconfiança ou desinteresse por investidores ocidentais e assediado com sugestões de reformas por governos de países desenvolvidos, o Brasil governado por Dilma Rousseff abraçacom interesse o abastado gigante chinês, que,como define o presidente emérito do Conselho Empresarial China-Brasil, Sérgio Amaral, tem, na visita de Li Keqiang, mais um ato de sua nova "geopolítica da infraestrutura".
A China, segundo Amaral, parece ver na América do Sul oportunidade de replicar o que faz na Ásia, onde os chineses expandem influência promovendo e financiando a chamada "nova rota da seda", que conectará a China à Europa, passando pela Ásia Central, e ao Oceano Índico, passando pela Tailândia com um trem de alta velocidade.
Li Keqiang deve assistir, ainda, a assinatura de dois protocolos que, afinal, liberarão a entrada de carne in natura brasileira na China e definirãouma lista de frigoríficos com "fast track" para habilitação pelas autoridades sanitárias. Também se prevê a oficialização da compra de 22 aviões da Embraer, modelo E-190, na versão mais moderna. Mas o ponto alto davisita, para o embaixador chinês, éo acordo de "desenvolvimento e capacidade produtiva", aproveitando a experiência chinesa em áreas como mineração, logística, portos, energia e infraestrutura em geral.
"A China dispõe de tecnologia avançada, ricas experiências e financiamento, na área de infraestrutura, sobretudo em ferrovias", exemplifica o embaixador.
É evidente o interesse chinês em avançar com a ferrovia transoceânica,queligaráo litoral Atlântico brasileiro aos portos do Peru, no Pacífico. Na lista de "colheita antecipada" possível para os negócios bilaterais, os chineses preveem investir ou financiar, por meio da China Railway Construction Corporation e da China Railway Engineering Corporation até US$ 5,75 bilhões no trecho ferroviário que une Lucas do Rio Verde, no centro de Mato Grosso, a Campinorte e Uruaçú, na ferrovia Norte-Sul.
Os interesses chineses em infraestrutura no Brasil incluem até o possível investimento de até US$ 1,2 bilhão, pela China State Construction Engineering, no projeto de criação de uma "cidade logística" em Pindamonhagaba, São Paulo. O China Engineering Group mantém conversas com a empresa paulista Isoterma Construções Técnicas para um ambicioso plano de abastecimento de água em São Paulo, que demandaria investimentos de US$ 2,7 bilhões, também incluído na lista de interesses dos chineses.
O embaixador Li Jinzhang não entra em detalhes sobre os projetos, mas reafirma o interesse da China em projetos, no Brasil, para energia hidrelétrica, solar e até nuclear.
No setor de energia, os principais atores serão a Corporação Três Gargantas (CTCG) e a Power Construction Corporation of China (PCCC).
Sérgio Amaral vê, no interesse da China, uma oportunidade para o Brasil substituir as construtoras envolvidas em projetos hoje ameaçados pelo envolvimento de grandes empreiteiras brasileiras nos escândalos de corrupção. Os chineses podem dar o fôlego necessário a firmas brasileirasdemenor porte, para que assumam obras em perigo, sugere.
Os termos, condições e dinheiro de fato envolvidos nos promissores acenos dos chineses começam a ficar mais claros a partir de amanhã, quando Li Keqiang, desembaraçado líder chinês com grande poder nas decisões econômicas do país, exibir o que trouxe na bagagem em sua visita ao Brasil. Uma visita que, aliás, é apenas a primeira parada deuma viagem cheia de simbolismo por uma coleção de capitais sul-americanas.
---
Entre as prioridades está a cooperação financeira (Valor Econômico – 18/05/2015)

Mensagem de Dilma para Washington
PETER HAKIM
Presidentes de Brasil e EUA devem aproveitar reunião para mudar patamar de relação bilateral
Brasil e Estados Unidos têm um grande interesse na visita que a presidente Dilma Rousseff realizará a Washington no próximo mês. Para o Brasil, essa é uma oportunidade para reforçar a confiança, interna e externamente, de que o governo está no caminho certo, enfrentando com retidão seus múltiplos problemas de governança e econômicos. Além disso, o encontro com o presidente Obama provavelmente será um fato positivo para a presidente do Brasil - o primeiro em meses -, talvez restaurando em alguma medida a sua aprovação pública quase exaurida.
Os Estados Unidos não têm a mesma urgência do Brasil. Mas ao reativar seu envolvimento com o Brasil, juntamente com a normalização das relações diplomáticas com Cuba, o governo de Obama coloca as relações interamericanas num caminho mais construtivo do que se observava havia seis anos.
Uma melhora das relações com os Estados Unidos não solucionará os problemas do Brasil, mas esse será um componente importante para aumentar os esforços com o fim de restaurar a economia do país e restabelecer sua posição internacional.
Mudança de rota. A viagem de Dilma já é vista como um sinal de que seu governo adotou um enfoque mais pragmático na condução da economia e da política externa. Para se beneficiar plenamente da visita, a presidente tem de chegar a Washington com uma agenda muito clara em mente. Sua mensagem mais importante é a de que apoia vigorosamente o ministro da Fazenda, Joaquim Levy, e o seu programa econômico, elogiado por políticos e empresários tanto nos Estados Unidos como no Brasil.
A pergunta ainda sem resposta é se os políticos irascíveis do País permitirão que o programa seja implementado. A batalha será árdua para se obter a aprovação do Congresso para as impopulares medidas de austeridade, necessárias para reduzir os déficits e a inflação.
Dilma não pode garantir o sucesso do programa econômico, mas sem o seu sólido apoio ele provavelmente será bem diluído por determinados oponentes. Um compromisso inequívoco da presidente, confirmando o que tem afirmado no Brasil, tranquilizaria os investidores privados e o governo dos Estados Unidos, como também o setor corporativo brasileiro.
Em segundo lugar, a presidente deve demonstrar seu interesse em continuar a ambiciosa expansão das relações econômicas entre os dois países, embora dentro de limites plausíveis.
Não existe nenhuma possibilidade, por exemplo, de Estados Unidos e Brasil negociarem um novo acordo comercial de porte relevante num futuro próximo. Os dois países não firmam um acordo econômico substancial há mais de uma geração. Além disso, os Estados Unidos já vêm negociando dois grandes pactos comerciais com outros países, ao passo que o Brasil continua aferrado à união alfandegária do Mercosul que caminha aos tropeços e, depois de 20 anos de negociações, não conseguiu negociar nem mesmo um modesto acordo com a União Europeia.
Apesar disso, o comércio entre Brasil e Estados Unidos cresceu consideravelmente nos últimos anos, quase dobrando desde 2000. Mas ainda é modesto e há um amplo espaço para uma expansão mais rápida nos próximos anos.
O comércio com o México equivale a US$ 500 bilhões por ano, representando 15% de todo o comércio dos Estados Unidos. O intercâmbio comercial com o Brasil, pelo contrário, é de apenas US$ 80 bilhões ao ano. É claro que o México compartilha uma extensa fronteira com os Estados Unidos e tem um acordo comercial com seu vizinho do norte que data de 20 anos, mas o comércio da China com os Estados Unidos também supera os US$ 500 bilhões sem um acordo comercial ou uma fronteira comum com o país americano. O Brasil pode se sair melhor.
Projeções. Não seria exagerado da parte de Dilma e do presidente Obama anunciar a meta de dobrar o montante do intercâmbio comercial entre os dois países nos próximos oito a dez anos - e também propor algumas metas de investimento. Não existe segredo quanto ao que é necessário para cumprir essas metas.
As extensas barreiras erguidas pelo Brasil, incluindo as tarifas, os numerosos subsídios para produtores domésticos e restrições de conteúdo locais terão de ser abrandadas. Grande parte da estrutura portuária do país deve ser melhorada e é notório que a burocracia e as complicações administrativas têm de ser resolvidas.
O Brasil deveria também ser claro sobre o que deseja dos Estados Unidos no que diz respeito, por exemplo, à redução das barreiras às importações agrícolas que há muito tempo são um obstáculo a qualquer acordo comercial entre os dois países e a uma cooperação tecnológica mais ampla. Uma inspiração talvez sejam os termos dos acordos negociados recentemente com a Índia.
Certamente será exigido mais do Brasil uma vez que sua economia é mais fechada e protegida e suas necessidades, mais urgentes. Mas o Brasil também deve ganhar mais com isso. As medidas que adotar para incrementar o comércio e os investimentos dos Estados Unidos devem fortalecer seu comércio em todo o mundo.
Laços políticos. Além da economia e do comércio, Dilma deveria buscar um acordo com Obama pelo qual os dois governos se comprometeriam a manter um contato mais rotineiro e eficaz no tocante a assuntos regionais e globais importantes.
O governo brasileiro, por exemplo, seguramente deveria ter sido consultado antes de os Estados Unidos decretarem sanções contra um grupo de autoridades venezuelanas - o que acabou se tornando um enorme erro porque os Estados Unidos publicamente qualificaram a Venezuela como ameaça à segurança do país.
Claro que o Brasil não teria dissuadido os Estados Unidos de impor as sanções contra os chavistas. Mas o governo americano estaria mais bem preparado para a furiosa reação de Caracas após o anúncio da medida.
Diante do antigo e estreito relacionamento mantido com a ilha, o Brasil poderia ser muito útil para fazer avançar os esforços de reconciliação entre Estados Unidos e Cuba. Além disso, os Estados Unidos e o Brasil há algum tempo se preocupam com o desempenho medíocre da Organização dos Estados Americanos (OEA).
Em vez de ignorar a instituição, no entanto, eles deveriam se consultar e trocar ideias para reformular a OEA e torná-la um organismo mais eficaz.
Dilma também deveria considerar propor que os dois países regularmente, em reuniões de alto nível, troquem ideias sobre assuntos regionais e globais. Afinal, não obstante a desaceleração econômica e problemas de governança, o Brasil provavelmente continua um protagonista internacional influente.
Cenário global. A cooperação com os Estados Unidos no plano internacional deverá ser mais complicada, já que os países discordam a respeito de assuntos globais cruciais e às vezes se chocam abertamente.
Os Estados Unidos raramente viram no Brasil um parceiro ou aliado importante nos assuntos mundiais. Mas têm de a admitir a posição global desse País, particularmente porque isso proporcionará às duas nações um mecanismo para evitar surpresas e impedir novos choques potenciais.
Essas sugestões não exaurem a agenda da reunião de Dilma com o presidente Obama em Washington. Existem muitas outras ideias que poderiam ser avançadas. Mas o foco deve ser mantido principalmente nos objetivos de mais curto prazo que atendam aos interesses das duas nações e possam ser efetivamente realizados.
Os dois presidentes necessitam reforçar as linhas de comunicação entre os seus países, estabelecer uma nova direção, mais positiva e cooperativa para seu relacionamento, criar vínculos econômicos mais robustos e começar a desenvolver alguns temas de maior amplitude que, no decorrer do tempo, irão se traduzir numa colaboração mais vigorosa. / TRADUÇÃO DE TEREZINHA MARTINO * É presidente emérito do Diálogo Interamericano (O Estado de SP – 17/05/2015)

Pequenos notáveis
Bolívia, Paraguai, Panamá, Nicarágua e República Dominicana crescem acima da média
Óscar Granados
A América Latina está fadada a reduzir seu crescimento. Pelo menos em 2015. As grandes economias exportadoras de matérias primas – cujos preços desabaram no último ano – mergulharam a região numa onda de prognósticos cada vez mais negativos. Os organismos internacionais anteveem que a expansão do PIB na região não passará de 1%. Neste cenário, cinco economias pequenas destoam: Panamá, Bolívia, Paraguai, Nicarágua e República Dominicana. Tudo indica que esses países fecharão o ano com um crescimento superior a 4%.
A receita do sucesso desses países é heterogênea. Alguns apostam na estabilidade e na proteção da sua política macroeconômica, enquanto outros centram suas atenções na abertura do seu mercado, nos investimentos em infraestrutura, no crescimento do turismo e na diversificação das exportações. Ángel Melguizo, diretor da OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico) para a América Latina e o Caribe, comenta que Panamá, Nicarágua e República Dominicana, por serem importadores de matérias-primas, se beneficiaram da queda nos preços desses produtos. O especialista menciona também que essas nações aproveitaram a chegada de grandes fluxos de capital externo e o aumento das exportações para os EUA.
Projeção de crescimento do PIB feita pelo FMI para 2015.
O contrário acontece com a Bolívia, uma economia totalmente dependente dos hidrocarbonetos, em particular do gás natural. As vendas desse produto para o exterior representam 53% do total das exportações nacionais. A nação andina – que promoveu 21 nacionalizações de empresas desde 2006 – soube administrar os frutos do boom das matérias-primas, diz César Arias, analista da agência de qualificação de crédito Fitch. O Fundo Monetário Internacional (FMI) prevê que o país sul-americano crescerá 4,3% neste ano, quase um ponto percentual a menos que em 2014. “A queda não é tão pronunciada, porque os recursos derivados do gás financiaram na última década um aumento nos investimentos públicos, e uma elevação nos salários impulsionou o consumo interno”, salienta Arias.
O Paraguai, sexto maior exportador mundial de soja, se tornou um dos países mais dinâmicos da região. Apesar de 40% do seu PIB depender do setor agrícola, o FMI prevê que essa nação de sete milhões de habitantes – dos quais 24% vivem abaixo da linha de pobreza – crescerá 4% em 2015, ou 0,4 ponto percentual a menos que em 2014. Juan Carlos Martínez Lázaro, professor da escola de gestão IE Business School, afirma que, apesar da desaceleração da economia paraguaia, o Governo soube aproveitar as exportações de carne e abrir novos mercados, uma vez que chegou a uma posição privilegiada, a de oitavo maior produtor e exportador mundial de carne bovina.
O crescimento em conjunto dessas cinco economias, que representam apenas 3,2% do PIB da região, contribuirá um pouco para que a região feche o ano com dados positivos, segundo Melguizo, da OCDE. O maior empurrão virá de México, Colômbia, Chile e Peru, que deverão crescer em torno de 3%, tendo conseguido até agora resistir à queda na cotação das commodities, apesar de serem países produtores, diz Álex Ruiz, economista do Caixabank.
Do outro lado da moeda estão o Brasil (com a previsão de um recuo de 1% no PIB deste ano, o que representaria a pior recessão em mais de duas décadas), a Argentina (retração de 0,3%) e a Venezuela (queda expressiva de 7%). O cenário da região, segundo o FMI, é “desafiador”. O organismo internacional prevê que o PIB total da região voltará a cair pelo quinto ano consecutivo.
Arias, da agência Fitch, argumenta que os países com maior diversificação econômica nos últimos anos, como o Panamá, são justamente os que apresentarão as maiores taxas de crescimento na região. O Panamá, aliás, encabeça a lista de previsões em todos os organismos internacionais. Uma das estimativas mais elevadas é a do FMI, que estima uma expansão de 6,1% até o fim do ano. Para obter e manter essa ascensão, o Panamá precisará capitalizar o desenvolvimento da sua infraestrutura, ancorado na ampliação do canal do Panamá, diz José Gonzáles, diretor da consultoria financeira ECG Asset Management. “Precisará aproveitar sua posição estratégica. Circulam pelo canal 5% do comércio mundial, e além disso o país se tornou um grande centro financeiro e poderá chegar a ser a Hong Kong da América Latina”, salienta.
A República Dominicana é outra amostra dessa diversidade. O país – que cresceu em média 5,5% entre 1991 e 2013 – aposta no turismo e nas telecomunicações, assim como nas exportações de alimentos processados, equipamentos médicos e calçados, principalmente para os EUA, segundo o Banco Mundial. Esse organismo internacional, entretanto, avalia que o desenvolvimento do país tem sido desigual, pois 40% dos 11 milhões de cidadãos dominicanos vivem na pobreza.
No caso da Nicarágua, os analistas concordam que o incipiente sucesso econômico do país, com seis milhões de habitantes, se baseia na expansão das exportações (café, ouro, açúcar e produtos têxteis) e na entrada de investimentos estrangeiros. “A Nicarágua buscou manter um equilíbrio em seus indicadores. Em 2008, por exemplo, tinha uma inflação de 25%, e agora está em 6,5%”, enfatiza Gonzáles.
A Bolívia, que na última década se destacou por manter um superávit fiscal médio de 1,2% do PIB, deverá mitigar sua dependência em relação ao gás natural – cujo preço está ligado à cotação do petróleo – por meio de um programa mais agressivo de investimentos públicos, diz Arias. O Paraguai, que até 2012 nem cobrava imposto de renda dos seus cidadãos, tem a tarefa de ampliar sua base tributária para investir mais em infraestrutura e educação, ressalta o BBVA. “O maior risco é uma desaceleração mais profunda de seus principais sócios comerciais, entre eles o Brasil e Argentina”, acrescenta.
Os avanços econômicos desses cinco países, segundo Arias, serviram para lançar as bases de um crescimento maior nos próximos anos. O grande desafio dessas economias, enfatiza Gonzáles, é reduzir a desigualdade. “Se uma economia crescer a um ritmo intenso e ao mesmo tempo oferecer melhor qualidade de vida a seus cidadãos, então a lição de casa está feita”, conclui. (El Pais – 16/05/2015)

OMC


Veja mais

Sem mais delongas
Apesar do intenso debate que a grande crise de 2008 ainda provoca pelo mundo, no âmbito dos acordos comerciais a maioria dos governos não sugere hesitação.
Os casos do Trans-Pacific Partnership (TPP) e do Transatlantic Trade and Investment Partnership (TTIP), ambos com os EUA à frente, o primeiro entre 12 países, o segundo com a União Europeia, atestam essa movimentação à margem do multilateralismo.
Com dimensões monumentais, é natural que tais acordos tenham evolução incerta, apesar do empenho redobrado dos governos dos países envolvidos para que as negociações cheguem a bom termo. O que os une é a convicção de que o caminho mais seguro para suas economias voltarem a crescer está no comércio entre as nações.
Em artigo no jornal espanhol "El País", Roberto Azevêdo, diretor-geral da OMC (Organização Mundial do Comércio), observa que durante 50 anos as relações comerciais avançaram a uma taxa equivalente ao dobro da evolução do PIB global. Nos últimos quatro anos, o processo foi revertido, de forma que o comércio deixou de ser motor do crescimento econômico mundial.
É preciso agir para não ficarmos para trás. Uma reviravolta na estratégia de comércio exterior deveria começar pela revisão dos laços que nos atam ao Mercosul.
É o que já fizeram, na prática, nossos principais parceiros, Argentina e Venezuela. Premidos por graves crises, viraram as costas para o bloco e foram cuidar de seus interesses, fechando acordos, sobretudo, com a China, mas muito mais amplos que os firmados pelo governo brasileiro, nesta semana, com o premiê chinês, Li Keqiang.
Não faz sentido marcar passo com a negociação que se arrasta por quase uma década com a União Europeia à espera sabe-se lá do que – e, do mesmo modo, ignorar o potencial dos Estados Unidos, mercado mais promissor para nossos produtos manufaturados.
Como tantos países que abriram de modo responsável seus mercados ao dinamismo do comércio mundial, não podemos nos dar ao luxo de ignorar os seus frutos, sob a forma de maior crescimento e de mais empregos com melhor remuneração.
Em nosso caso, na verdade, tal aspiração pode galgar mais um degrau, induzindo a adoção de normas de condutas, públicas e privadas, promotoras da eficiência da produção, da qualidade da regulação econômica e da fruição do processo inovador e da produtividade.
Estreitar as relações com o exterior será uma espécie de cartão de visitas para a modernidade da economia, o que implica que se faça acompanhar de políticas internas para não perder uma parte ou a totalidade do que a reinserção externa poderá aportar.
Um exemplo é a revisão da estrutura tarifária. Nossas tarifas de importação são elevadas para os padrões de qualquer economia nos tempos atuais. Além disso, desde a última revisão, há quase 25 anos, as distorções foram se acumulando, sobretudo ao acentuar o grau de proteção de bens intermediários em relação aos produtos finais.
É preciso dar prazo para os setores econômicos se adequarem a outro padrão tarifário, complementado por ações que removam as distorções tributárias, de financiamento e de logística.
Melhor ainda seria centralizar toda a política de comércio exterior em uma agência, tal como há nos principais países exportadores. O silêncio das lideranças políticas e empresariais sobre tal agenda é sintoma da falta de clareza para formular o caminho do crescimento. (Folha de SP – 22/05/2015)

Azevêdo insta a Malasia a seguir mostrando liderazgo para hacer avanzar el programa de la OMC
El 19 de mayo, en una sesión informativa celebrada en Kuala Lumpur, el Director General Roberto Azevêdo dijo que le complacía mucho la intención de Malasia de depositar próximamente su instrumento de aceptación del Acuerdo sobre Facilitación del Comercio, según le había comunicado el Ministro de Comercio, Mustapa Mohamed. Hizo votos por que Malasia ayudara a otros Miembros a ratificar el Acuerdo lo antes posible. Instó a Malasia, como país que ocupaba la presidencia de la ASEAN, a seguir allanando el camino para otras iniciativas de la OMC este año, como el Programa de Doha para el Desarrollo y la ampliación del Acuerdo sobre Tecnología de la Información. (OMC – 19/05/2015)

Multilateralismo e a presidência na OMC
Celso Lafer
O multilateralismo é um tabuleiro diplomático de grande relevância na política internacional na era contemporânea, marcada pela globalização. Constitui um espaço para lidar com um mundo cada vez mais interdependente, em que apenas as relações bilaterais não conseguem dar conta de todos os desafios que se impõem às nações.
São muitos os fóruns multilaterais: a Organização das Nações Unidas (ONU) e suas agências especializadas são os mais conhecidos, mas há os de âmbito regional, como a OEA e a Unasul. O trabalho dessas instituições, realizado por diplomatas e funcionários, é complexo, diz respeito a temas difíceis em que interesses múltiplos estão em jogo. Isso requer qualidades pessoais, individuais e coletivas para ser bem-sucedido.
Em geral o público conhece apenas o que fazem os embaixadores que representam seus países no tabuleiro multilateral e as grandes figuras do secretariado, que são a expressão da personalidade jurídica própria da organização e de seus objetivos, como o diretor-geral da OMC e o secretário-geral da ONU. Mas há uma função de grande significado para o êxito das atividades das organizações multilaterais que tem sido pouco estudada. É a da presidência de seus órgãos, no âmbito da qual se estrutura o seu trabalho.
Da presidência exigem-se competência para identificar interesses compartilháveis por diferentes países, capacidade de administrar a desigualdade de poder entre Estados e sensibilidade para mediar diversidades culturais e os conflitos de valores. Isso pressupõe não apenas habilidades, mas a postura, inerente ao feitio de uma organização internacional, de um terceiro empenhado na cooperação na lida com o grande desafio de construir uma ordem voltada para aquietar a anarquia no atual sistema internacional.
Entre as organizações multilaterais, merece destaque a Organização Mundial do Comércio (OMC), a primeira de alcance global no plano econômico criada após os acordos de Bretton Woods. A OMC, na esteira do Gatt, da qual é um ampliado desdobramento, adotou como norma a prática de resolver seus assuntos pelo consenso de todos os seus membros. Nesse sentido, diferencia-se do processo decisório do FMI e do Banco Mundial.
Foi da OMC que emergiu um dos poucos estudos acadêmicos de qualidade sobre a função da presidência dos seus órgãos. Refiro-me a The Role of the WTO Chairman, de Roberto Kanitz, lançado em 2011 e que agora sai em segunda edição, de capa mole, pela editora britânica Cameron May. Kanitz é um estudioso brasileiro de questões de comércio internacional e o seu livro combina teoria e prática ao incluir relevantes depoimentos de nove diplomatas sobre o exercício de presidências na OMC.
Tanto o exame da pauta do dia quanto as negociações comerciais na OMC são feitas em reuniões formais e informais conduzidas pelos presidentes. Suas habilidades, eficácia, limitações e autoridade representam aspecto determinante da governança de organizações internacionais e, consequentemente, do impacto destas na governança de um sistema internacional. É dessa questão fundamental – dentro do contexto específico das normas e dos procedimentos da OMC – que trata o livro.
Kanitz define o presidente como a pessoa “que organiza a comunidade da OMC para discutir e negociar temas sobre comércio internacional”, ao presidir órgãos que compõem a estrutura da entidade como uma organização intergovernamental internacional. Os presidentes, observa ele, são “atores essenciais no jogo de xadrez das negociações multilaterais”. São também atores cruciais no dia a dia da gestão dos acordos da OMC.
Os presidentes precisam ater-se às sensibilidades da cultura diplomática da OMC, que se assume como uma “organização conduzida por seus membros” na lida com a hard law do Direito Internacional Econômico. É necessário, para um presidente, levar em conta que a OMC tem a vocação de uma filiação universal. Por isso a maioria dos seus membros é constituída por países em desenvolvimento. Daí o motivo por que a gestão da desigualdade dos poderes e a capacidade de lidar com conflitos de valores e de perspectivas, para construir um consenso, constituem sempre um tema desafiador, muito mais do que ocorria previamente no Gatt.
É por essa razão que um presidente no exercício da função deve ter a capacidade de transcender os interesses nacionais específicos do Estado que representa, buscando uma imparcialidade que beneficie a organização e todos os seus membros. Nessa função deve trabalhar em favor dos interesses mais amplos e sistêmicos daquilo que a OMC representa para todos os seus integrantes como um bem público internacional.
As normas da OMC que guiam o modus operandi dos presidentes, como imparcialidade, objetividade, inclusão, transparência, devem adequar-se para assegurar que eles operem como mediadores honestos, detentores de uma perspectiva de conjunto, e não a do membro que representam. Nesse sentido, desempenham a função de um terceiro, na linha dos conhecidos métodos de solução pacífica de controvérsias: bons ofícios, mediação e conciliação.
Com efeito, diria, à luz da minha experiência na OMC, que um presidente deve, ex officio, operar como um tertius inter partes para ser bem-sucedido. O terceiro na política pode ter muitos papéis: um aliado não ostensivo, um espectador neutro, alguém que se beneficia da situação, que a use para fins de divide et impera. E pode também ser um terceiro em favor do entendimento mútuo – um tertius juxta partes – para reconciliar posições e encontrar uma base comum entre as diferentes partes envolvidas. É o que se exige da presidência na OMC para a consolidação, nesta época difícil e de fragmentação, do sistema multilateral de comércio.
Celso Lafer é professor emérito do Instituto de Relações Internacionais da USP, foi embaixador do Brasil junto à OMC (1995-1998) e presidente do seu Órgão de Solução de Controvérsias e doseu Conselho Geral (O Estado de SP – 17/05/2014)

Outros


Veja mais

Reviravolta para salvar mandato traz uma série de riscos para Dilma
Por John Lyons e Paulo Trevisani , de Brasília
Abatida pela desaceleração da economia e escândalos de corrupção, a presidente vem provando um estilo mais suave de liderança política. Evaristo Sa/Agence France-Presse/Getty Images
Dilma Rousseff sobreviveu à tortura e a um câncer para se tornar a primeira mulher a assumir a presidência do Brasil. Hoje ela enfrenta um outro desafio: salvar seu cargo e estancar a deterioração da economia do país.
Seu segundo mandato acabou de começar, mas ele já está sendo abalado por protestos, ameaças de impeachment em meio a acusações de um suposto esquema de desvio de R$ 6,2 bilhões em recursos na Petrobras SA O real desabou, a inflação está subindo e a economia está entrando no que pode ser a pior recessão em 25 anos.
Se a mandatária de 67 anos vai recuperar o equilíbrio passou a ser uma questão crítica para um país que luta para evitar que seus problemas se espalhem e se convertam em uma crise ampla. A taxa de aprovação da presidente caiu para 13% em abril, comparada a 65% dois anos antes, segundo pesquisas.
“Há um processo de colapso econômico, social e moral em andamento”, disse o senador Ronado Caiado, ferrenho opositor de Dilma, enquanto posava para fotos durante um protesto em São Paulo contra a presidente, em 15 de março. Centenas de milhares de manifestantes foram para as ruas de novo em 12 de abril.
Para salvar seu mandato, Dilma está tentando uma façanha política complicada: reverter tudo, de políticas econômicas acusadas pelos críticos de agravar as mazelas do país a suavizar um estilo de liderança que ficou conhecido por ser inflexível, em meio à forte queda do apoio que tinha no Congresso.
Em seu primeiro mandato, a presidente era tão minuciosa que se envolvia até nas decisões de quem sentava onde em reuniões oficiais, dizem pessoas próximas ao governo. Agora, ela está delegando o planejamento econômico e as negociações de acordos com os parlamentares ao novo ministro da Fazenda e a seu vice-presidente Michel Temer.
Até a aparência de Dilma mudou. Ela perdeu cerca de 15 quilos, o que alimentou rumores de que um linfoma para o qual ela foi tratada em 2009 havia voltado. A presidente diz que emagreceu graças a uma nova dieta e exercícios.
Toda essa virada política está carregada de riscos. Ela tem a meta de estabilizar o governo e abafar os pedidos de impeachment. Mas, mesmo que elas sejam bem-sucedidas, as mudanças podem deixar a presidente politicamente isolada: membros do próprio PT estão se voltando contra ela por abandonar algumas políticas econômicas de esquerda. E os conservadores que aprovam as mudanças provavelmente nunca apoiarão uma ex-marxista.
“Não acredito que ela realmente possa mudar. A ciência avançou ao ponto de se poder transplantar um coração, uma córnea e um fígado. Mas ainda não é possível transportar uma alma, disse Aloysio Nunes, senador do PSDB.
Os escândalos e a crise econômica podem prejudicar as chances de o PT permanecer na presidência, que detém desde 2003, mesmo que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva se candidate de novo.
O panorama econômico para o Brasil é sombrio. A demanda chinesa por commodities desacelerou, causando grandes rombos nos recursos destinados aos serviços sociais, no crédito e programas de obras lançados no período das vacas gordas. O Brasil agora está sob a ameaça de perder sua classificação de grau de investimento, que poderia disparar uma caótica espiral de venda do real no mercado de câmbio. O governo deve divulgar hoje até R$ 80 bilhões em cortes generalizados no orçamento federal.
As implicações são mais amplas que o Brasil. A economia de US$ 2 trilhões do país é fundamental para seus parceiros comerciais na América Latina, o que significa que um agravamento na recessão poderia ricochetear em toda a região.
Para alguns, as mudanças de Dilma são o lado positivo de um cenário que, de outra forma, seria tenebroso.
“O que importa é que ela sabe que precisa mudar,” diz Wellington Moreira Franco, líder do governo no Congresso do principal partido aliado de Dilma, o PMDB. “Temos que despir da economia qualquer influência ideológica. Temos que entender que o Brasil é uma economia capitalista, sofisticada.”
De fato, mesmo entre alguns aliados, a culpa pelos problemas do Brasil tem girado em torno de Dilma. Depois da vitória apertada na eleição de outubro, sua popularidade despencou em meio a notícias econômicas ruins e alegações de corrupção generalizada.
No epicentro, o escândalo da Petrobras, que anunciou no mês passado perdas de R$ 51 bilhões relacionadas aos desvios de recursos e a projetos mal geridos, como refinarias inacabadas. A polícia alega que executivos e empresários desviavam cerca de 3% dos valores dos contratos, canalizando parte desses recursos para o PT e seus aliados, tornando o esquema o maior caso de corrupção da história do país. A Petrobras consistentemente afirma ter sido vítima do esquema e que está colaborando com as autoridades.
Dilma diz que não tinha conhecimento do suposto esquema de corrupção e que seu governo deve receber o crédito de tê-lo revelado. Mas em testemunho à Polícia Federal e ao Congresso, Paulo Roberto Costa, ex-alto executivo da Petrobras, diz que a campanha de Dilma em 2010 foi beneficiada pelos fundos desviados. A presidente nega envolvimento e se comprometeu em investigar as alegações.
“Perdemos a narrativa”, disse o ministro da Comunicação Social da Presidência da República, Edinho Silva. Segundo ele, o impeachment é improvável, já que Dilma não cometeu nenhum crime que justificaria sua saída. Ele acredita que Dilma vai recuperar a popularidade à medida que ficar claro que ela não fazia parte do esquema e que os envolvidos forem condenados, diz.
Uma vez que a Petrobras esteja livre do esquema de corrupção e que a economia se estabilize, Dilma terá a chance de reformular sua presidência em torno de questões positivas como educação, diz Edinho Silva.
Mas há um longo caminho pela frente. Em março, um assessor de Dilma comparou sua situação com a da série “Game of Thrones”, onde um clã sitiado luta em várias frentes e sofre pesadas baixas.
Por necessidade, Dilma tenta hoje agir mais como uma política do que uma tecnocrata, agendando mais jantares e aparições públicas. Mas enfrentar batalhas políticas pode não ser algo natural para a presidente, que está mais para um rato de biblioteca do que alguém conhecido pela sua extroversão. Ela lê autores como Honoré de Balzac e Marcel Proust e cita personagens de Charles Dickens em entrevistas.
Na residência presidencial, ela ocupa uma pequena suíte, para onde se recolhe à noite para ler e ver filmes ou séries como “Downton Abbey”, de acordo com pessoas a par da sua rotina. Divorciada, mãe de uma filha já adulta, ela mora no Palácio da Alvorada com sua mãe já idosa, e ainda cuida da cachorrinha Fafá que ela achou abandonada numa de suas caminhadas matinais na Península dos Ministros antes de ser presidente.
Ao longo da sua primeira campanha, ela construiu outra reputação: de disciplinadora. Durante uma parada em São Paulo, ela ordenou que dois funcionários da sua campanha que não paravam de falar sentassem cada um em um canto da suíte do hotel, para que ela pudesse se concentrar para ler, dizem pessoas próximas à campanha.
Uma vez eleita, governou como uma gerente exigente. Esperava que os assessores aparecessem rapidamente quando queria a presença deles. Um assessor sênior lembra que, quando chamado, corria pelos corredores para ir à sala da presidente, às vezes chegando lá sem ar.
Passar informações a ela se tornou uma tarefa arriscada. Ela memoriza fluxos de estatísticas sobre o Brasil e assessores que ela considera estarem mal preparados podem sofrer ásperas reprimendas. Funcionários de alto escalão já saíram de sua sala trêmulos, e, pelo menos uma vez, um deles saiu à beira das lágrimas diz uma pessoa que viu a cena.
Mas o estilo direto de Dilma não funcionou em meio à crise política. A maioria do governo no Congresso começou a entrar em colapso este ano com queixas inclusive de integrantes do PT de que ela não tinha conseguido negociar com os principais parlamentares as legislações necessárias para ajustar a economia. Em vez disso, ela enviou emissários para apresentar suas metas, um gesto que muitos parlamentares consideraram arrogante.
Alguns dos retrocessos no Congresso podem ser um reflexo das dificuldades da primeira líder mulher num cenário político brasileiro dominado por homens, diz o Ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo. “Ela é forte e as pessoas ficam espantadas. É uma reação de macho.”
Mesmo se seu governo fracassar, a história provavelmente vai apontar para problemas econômicos e corrupção, não para o seu gênero, dizem analistas políticos. Dilma, porém, está acostumada a superar obstáculos, dizem pessoas que a conhecem.
“Ela é uma lutadora e é apropriada para essa situação”, diz o filósofo Roberto Mangabeira Unger, que há 30 anos conhece Dilma e em fevereiro assumiu como ministro da Secretaria de Assuntos Estratégicos para ajudá-la a “buscar novas ideias”.
Nos bastidores, Dilma permaneceu otimista e calma diante das pressões, ajudando a tranquilizar seu gabinete, de acordo com o governador de Minas Gerais pelo PT, Fernando Pimentel. “Ela é muito serena sob pressão e está focando a equipe para resolver um problema de cada vez” para dar uma virada na situação, diz Pimentel, que conhece Dilma desde os tempos em que ambos participaram da militância esquerdista.
Dilma indicou um oponente filosófico para comandar o Ministério da Fazenda no seu segundo mandato, o conservador Joaquim Levy, que estudou na Universidade de Chicago, cujas primeiras medidas para controlar os gastos já são vistas por alguns como bem-sucedidas em preservar o grau de investimento do Brasil.
Mas alguns partidários do PT consideram a austeridade de Levy uma traição e têm aderido aos protestos contra o governo.
“Eu me sinto enganado pela Dilma”, diz Valdivino Gomes, líder do Movimento dos Sem Terra (MST). Ele falou brevemente após seu grupo entrar em confronto com a polícia em um protesto em abril contra a austeridade adotada pelo governo próximo ao Palácio do Planalto.
Enquanto isso, Dilma está pressionando por mudanças políticas. Em junho ela deve visitar os Estados Unidos, em parte para restabelecer as relações entre os dois países que ficaram abaladas depois das alegações de que ela tinha sido espionada pelo governo americano, que a levaram a cancelar a visita que faria aos EUA em 2013 e exigir um pedido de desculpas. Agora, em vez de cobrar desculpas, ela está minimizando o incidente.
“(Obama) falou para mim que, agora, quando ele quiser saber qualquer coisa, ele vai me ligar”, disse ela em uma coletiva de imprensa com jornalistas brasileiros após encontrar o presidente dos EUA na Cúpula das Americas, em abril. (The Wall Street Journal – 22/05/2015)

MDIC muda regra para investigação de origem de produtos importados
Brasília – Foi publicada nessa terça-feira (19) a portaria Secex nº38/2015, que reduz de 180 para 150 dias o prazo para investigações de falsas declarações de origem. Desde 2011, a Secretaria de Comércio Exterior do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC) trabalha efetivamente para coibir práticas comerciais que tentam burlar as medidas de defesa comercial brasileiras. Neste período, a secretaria identificou mais de 50 casos de tentativa desse tipo de fraude, que vinham de países como Índia, Malásia, Taiwan, Coreia do Sul e Japão.
Para divulgar o novo texto da portaria, a Secex promoveu seminário, com a participação de representantes dos setores público e privado. O secretário de Comércio Exterior do MDIC, Daniel Godinho, abriu as discussões e destacou as mudanças da regra que trazem mais simplificação, com redução de custo e de tempo nas investigações.
Como funciona
Segundo informações da Secex, após verificar que a indústria nacional está sofrendo dano, no mercado brasileiro, por conta da atuação desleal de empresas estrangeiras o Brasil aplica a tarifa antidumping para coibir a concorrência desleal. Muitas vezes, em seguida observa-se aumento da importação desse mesmo produto de outras origens. É aí que entra a investigação de origem não preferencial, para verificar se a indicação de origens – que não são impactadas com a cobrança do antidumping – são de fato verdadeiras.
De acordo com dados da secretaria, os produtos são os mais variados – cadeados, calçados, escovas de cabelo, imãs de ferrite, lápis de madeira, malha de viscose, dentre outros. O diretor do Departamento de Negociações Internacionais (Deint) da Secex, Márcio Luiz de Freitas Naves de Lima, explica que a nova portaria aperfeiçoa a legislação. “Nós percebemos um aumento de falsas declarações de origem e entendemos que precisamos agir com mais rapidez e mais eficácia”, disse.
Lima explica ainda que, além da redução de prazo, a nova portaria aprimora o mecanismo de investigação, simplifica os processos e harmoniza a atuação com os procedimentos de defesa comercial. “A partir de agora, a Secex conseguirá estender a investigação a outros produtores, desde que tenha a mesma origem declarada”, diz Lima, explicando que a essa prática permitirá a verificação de vários produtores, o que aumenta a eficiência e reduz tempo e custo para os setores público e privado. (MDIC – 21/05/2015)

China financiará versão reduzida de ferrovia até o Oceano Pacífico
ECONOMIA
Traçado original da Transoceânica previa ligação com Porto do Açu
Danilo Fariello, Lucianne Carneiro e Gustavo Schmitt
O acordo entre Brasil, China e Peru para a realização de estudos iniciais sobre a construção da ferrovia Transoceânica, ligando Atlântico e Pacífico, prevê umtraçado desde Campinorte (GO), por onde já passa a ferrovia Norte-Sul, até o litoral peruano, segundo o memorando assinado esta semana. Não está dentro do escopo dos estudos financiados pelos chineses, portanto, a ligação até o Rio, como consta no traçado previsto na lei 11.772/ 2008 para a ferrovia Transoceânica.
Segundo fontesdo governo,o Brasil tentou incluirno acordo o estudo de toda a extensão de 4,4 mil quilômetros da Transoceânica (também chamada de Bioceânica ou Transcontinental), com o trecho entre Goiás e o Porto do Açu, no Rio, passando por parte pouco explorada do quadrilátero ferrífero da região Sudeste. A ideia era criar infraestrutura com apoio dos chineses, o que não foi aceito.
FERROVIA DO RIO A VITÓRIA
Enquanto a ligação até o Pacífico não estiver concluída, para os chineses, é mais negócio exportar pelos portos da região Norte do Brasil, como Barcarena e Vila do Conde, no Pará, de onde podem chegar ao Canal do Panamá e, dali, até a Ásia. Por isso, a ligação da Transoceânica com a Ferrovia Norte-Sul, quefuturamente chegará a Barcarena, ésuficiente para atingir as metas dos chineses.
- Sem o estudo da ligação até o Açu, o Rio e o Brasil perdem por não terem esse corredor de exportação de minérios de alto teor - disse uma fonte do governo.
Uma alternativa para ligação com o Atlântico sem a extensão total da Transoceânica até o Rioseria aconstrução da conexão da Ferrovia de Integração OesteLeste (Fiol), que corta a Bahia, até a NorteSul. A ligação entre Barreiras (BA) e Porto Nacional (TO) está nos planos para ser concedida e podería reforçar a viabilidade econômica da Fiol e do Porto de Ilhéus.
O trecho brasileiro da Transoceânica que será objeto dos estudos financiados pelos chineses, portanto, ficará ao redor de três mil quilômetros. No traçado da Transoceânica, o governo federal já tem o trecho de Campinorte até Lucas do Rio Verde - conhecida como Ferrovia de Integração do Centro-Oeste (Fico) - aprovado pelo Tribunal de Contas da União e pronto para ser concedido há mais de dois anos. No entanto, resiste em levar o trecho a leilão e alega falta de demanda, mesmo após o presidente chinês, Xi Jinping, ter manifestado interesse no projeto no ano passado.
Indagado sobre a ligação da Transoceânica com o Atlântico, o Palácio do Planalto não se manifestou. A Empresa de Planejamento e Logística (EPL) informou que a ligação entre Atlântico e Pacífico se dará por meio da Transoceânica e do trecho no território peruano. A EPL reconheceu que "em relação ao trecho compreendido entre Campinorte e o Estado do Rio de Janeiro, os estudos estão sob responsabilidade do governo brasileiro"
Ontem, o premier chinês, Li Keqiang, disse que quer estabelecer fábricas no Brasil e instalar uma unidade para fabricação emanutenção detrensno Rio.Os chineses já forneceram trens para o Metrôdo Rioe para a Supervia.
- A China gostaria de oferecer ao Brasil seus metrôs, embarcações, veículos, aços, ferros e materiais de construção etc. E vamos olhar com atenção para o Brasil para a produção desses produtos. Gostaríamos de instalar aqui no Brasil fábricas e linhas de produção, para gerar mais empregos locais - afirmou o premier em evento no Rio.
O secretário estadual de Transportes, Carlos Roberto Osorio, disse queos chineses estão em tratativas para ajudar a viabilizar o projeto de uma ferrovia que ligaria o Rio ao Espírito Santo, que seria operada em modelo de concessão. (O Globo – 21/05/2015)

China and Brazil are becoming BFFs. Should we be worried?
By Dom Phillips
RIO DE JANEIRO — The big question after the announcement of a potential $53 billion investment agreement between Brazil and China on Tuesday is whether it should be a cause for concern, especially as the deal includes discussions about defense, plans for a ‘bi-oceanic’ railway to connect Brazil’s Atlantic coast to Peru’s Pacific rim, and talk of a “new global order.”
The answer: Not too much, at least not yet, because the 36 agreements — in mining, oil, infrastructure, technology and agriculture — that the countries signed as Chinese Prime Minister Li Keqiang began a South America tour in Brasilia on Tuesday were really about business, not geopolitics.
“It’s the story that’s been playing out for several years of a more intense relationship between Latin America and China,” said João Augusto de Castro Neves, Latin America director in the Washington office of the Eurasia Group, a political risk consulting outfit. "There are converging interests on both sides to follow through on all these promises,” he said, but he added:, “It’s always good to take the numbers they announce… with a grain of salt.”
With Li in Rio de Janeiro on Wednesday, Brazilians began digesting the grandiose numbers and promises. “We constructed, by means of principles of equality and mutual trust, the basis for a global strategic partnership between China and Brazil,” President Dilma Rousseff said in a speech. Trade between both countries was worth almost $80 billion in 2014 alone, she said.
“China and Brazil are, respectively, the biggest developing countries in the East and West hemispheres,” Li said in his speech. “The intensification of the cooperation between China and Brazil… will help the recuperation of the world economy.”
Yes, Brazil, China and Peru did agree to studies on a possible railway across the continent just months after it emerged that a Chinese billionaire is planning a canal across Nicaragua. The Chinese will deliver a feasibility study by next May. But how likely is it?
“From a logistical point of view, it makes sense. Brazil needs to create shortcuts to the Pacific,” de Castro Neves said. But he cautioned: “I would be surprised to see this project come to fruition anytime soon.”
Advertisement
On defense, the two countries agreed to “strengthen dialogue” and increase cooperation in information technology, telecommunications and “remote sensing."
“This partnership is particularly important in 2015, when the United Nations celebrates 70 years,” said Rousseff, raising the issue of Security Council reform. (Brazil has been angling unsuccessfully for a permanent seat for years.) While the United States might want to know more about the defense cooperation plans when Rousseff visits in June, it is unclear just how much political influence China is likely to be able to exert over independent-minded Brazil, above and beyond business projects.
What was clear is that Brazil will continue to export raw materials to China and that China will keep selling manufactured goods and equipment to Brazil. Rousseff said the initiatives and new opportunities totaled $53 billion and that the Chinese would put up to $30 billion into a bilateral investment fund to which Brazil would also contribute. Li said $27 billion in deals were signed.
This is crucial to Brazil, which rode a long commodities boom driven by exports to China that has since slowed with declining Chinese growth. Now China wants to export its excess capacity — steel, more machinery, know-how, workers.
“We have good-quality equipment. We would like to cooperate with the Brazilian part to reduce the cost of constructing infrastructure in Brazil and create jobs for the local population,” Li said.
Brazil has strict ‘local content’ regulations on the proportion of goods and services that need to be produced domestically and tight labor laws. But its economy is struggling and needs to build more infrastructure to get back to growth. Inflation is about 8 percent. The Folha de S.Paulo newspaper said the government is betting that Chinese money could reactivate investment in Brazil, affected by the $23 billion to $26 billion in cuts the country seeks to make to meet its financial targets.
Rousseff’s popularity is so low that she even canceled the traditional May Day speech in fear of another of the saucepan-bashing protests that rattled around middle-class metropolitan areas the last time she appeared on mainstream television.
So billions more in Chinese investments for major infrastructure projects are very welcome. Even if Brazil must loosen some protectionist rules to get them. More oil platform construction is already shifting to Chinese yards.
“Given that there’s an increasing need for this money, I think there could be some room on the receiving end for some flexibility,” de Castro Neves said.
Both leaders celebrated the laying of the founding stone for a 1,300-mile transmission line to be jointly built from the enormous Belo Monte power plant in the Amazon jungle to the power-hungry southeast. Eight beef producers were immediately freed up to export to China, which had frozen imports from Brazil in 2012. Sales of the first 22 of 60 airplanes being sold by Brazil’s Embraer, a deal made when Chinese President Xi Jinping visited last year, were confirmed.
But perhaps the most important deal was symbolic: as much as $7 billion in credit for Brazil’s embattled state-run oil company, Petrobras, struggling from the fallout of a sleaze scandal. The company, $132 billion in debt, urgently needs more cash.
If the Chinese can help drag Petrobras out of the mud, Brazil will be really grateful.
Related coverage:
Polluted waters could force Rio de Janeiro to move 2016 Olympic races
Brazilian facing Indonesian firing squad is schizophrenic, say family and government
The Amazon rail line — pig iron factories and rural radicals
Dom Phillips is The Post's correspondent in Rio de Janeiro. He has previously written for The Times, Guardian and Sunday Times. (The Washington Post – 20/05/2015)

Governo desiste de tributar receita financeira de exportador e importador
A pressão do setor exportador e das empresas que tomam crédito no exterior surtiu efeito sobre a Receita Federal. O órgão desistiu de tributar as receitas provenientes de operações de "hedge" (proteção) cambial e de captações externas, medida que havia sido anunciada para tentar recuperar a arrecadação e cumprir a meta fiscal de 2015.
Nesta quarta-feira (20), foi publicado no "Diário Oficial da União" o decreto nº 8.451, que altera o de nº 8.426, de 1º de abril, que havia reinstituído a cobrança de PIS/Cofins (em 0,65% e em 4%, respectivamente) sobre as receitas financeiras obtidas pelas empresas sujeitas ao regime de apuração não cumulativa daquelas contribuições.
Pelo novo decreto, ficam mantidas em zero as alíquotas das duas contribuições para as operações de exportações de bens e de serviços e sobre obrigações contraídas inclusive em empréstimos e financiamentos.
A previsão do governo era que a medida de abril geraria uma arrecadação extra de R$ 2,7 bilhões entre agosto e dezembro e de R$ 6,5 bilhões por ano a partir de 2016.
A cobrança se daria, por exemplo, sobre ganhos com aplicações bancárias e operações de "hedge" –em que a empresa busca proteção contra a variação do câmbio.
Para reverter a taxação, as empresas consideraram que estava equivocada a cobrança sobre operações de "hedge", pois, devido às fortes oscilações cambiais (que o mercado chama de volatilidade), elas teriam de pagar as contribuições de um período e não teriam direito a compensação caso registrassem perdas em outros períodos.
O mesmo decreto, assinando pela presidente Dilma Rousseff e pelo ministro da Fazenda, Joaquim Levy, também permite que as empresas alterem o regime de caixa para o de competência (e vice-versa), para efeito de recolhimento de tributos, se a variação da taxa de câmbio mensal for superior a 10%.
O decreto considera que ocorre "elevada oscilação da taxa de câmbio" quando, num mês, a cotação de venda do dólar sofrer variação (positiva ou negativa) superior a 10%. Pela cotação atual (na faixa de R$ 3), isso ocorreria quando a moeda dos EUA caísse para cerca de R$ 2,70 ou subisse para cerca de R$ 3,30. (Folha de SP – 20/05/2015)

MDIC lança estatísticas do Sistema Integrado de Comércio Exterior de Serviços e Intangíveis
Brasília – A Secretaria de Comércio e Serviços do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), divulgou nesta segunda-feira, 18 de maio, as primeiras estatísticas do Sistema Integrado de Comércio Exterior de Serviços e Intangíveis — Siscoserv.
O sistema foi criado com o objetivo de contribuir para o aprimoramento das ações de estímulo, formulação, acompanhamento e aferição das políticas públicas relacionadas a serviços e intangíveis, assim como para a orientação de estratégias empresariais ligadas ao setor.
O setor de serviços possui relevância ímpar para a economia brasileira representando aproximadamente 70% do Produto Interno Bruto (PIB) e respondendo por 78% dos empregos formais criados no país em 2013. Em 2013 (OMC, 2015) a corrente de comércio de serviços no mundo atingiu o patamar de US$ 9,02 trilhões.
Estimativas da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) indicam que o comércio de serviços diretos e indiretos representam entre 50% e 60% do valor total do comércio exterior entre os países desenvolvidos.
A participação dos serviços deve continuar a crescer no comércio internacional, sendo premente que o Brasil atue de modo a ampliar a competitividade das empresas que atuam no comércio exterior de serviços.
Segundo o Secretário de Comércio e Serviços, Marcelo Maia, “com esta divulgação, a Secretaria pretende em primeiro lugar dar transparência aos dados registrados no Siscoserv em 2014 para contribuir com a compreensão do comércio exterior do Brasil. Além disso, queremos estimular a construção de políticas públicas eficazes para a alavancagem das exportações brasileiras e para o auxílio à internacionalização de nossas empresas”.
O Secretário afirmou, ainda, que acredita que o Sistema desempenhará importante papel no monitoramento dos efeitos das políticas públicas implementadas pelo governo o que também contribui para o seu contínuo aprimoramento.
A divulgação das estatísticas do Siscoserv faz parte do compromisso da Secretaria de Comércio e Serviços em trabalhar articulada com o setor privado e com os demais órgãos da Administração pública para contribuir com a alavancagem do comércio exterior de serviços. Os dados que estão sendo divulgados beneficiam o setor privado e instituições de pesquisa com fonte inestimável de inteligência comercial por caracterizar o potencial comercial de mercados antes desconhecidos.
O sistema foi instituído pela Portaria Conjunta RFB/SCS nº 1.908, de 19 de julho de 2012. (MDIC – 20/05/2015)

'O diabo mora nos detalhes', diz economista sobre acordos com a China
MÁRCIA DE CHIARA
Lia Valls, pesquisadora do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas, é cética em relação à realização de investimentos na casa de US$ 50 bilhões anunciados pelos chineses no Brasil. Ela não acha que se trata de um episódio "pirotécnico", mas ressalta que uma coisa é a intenção e outra coisa é detalhar como serão feitos os projetos. "O diabo mora nos detalhes. Precisa ver como é que será feito, se isso vai se concretizar mesmo." A seguir, os principais trechos da entrevista.
Como a sra. avalia o anúncio de investimentos chineses no País: tem pirotecnia ou é fato?
Muitas coisas são memorandos de entendimentos, protocolos, acordos de cooperação. Isso significa que você vai detalhar o que é isso. Acho que algumas coisas estejam mais fechadas, mas todos esses US$ 50 e tantos bilhões na realidade ainda vão ter uma outra etapa que é detalhar como será feito esse acordo. Não acho que exista pirotecnia. Acho que há a intenção de fazer. Agora uma coisa é intenção e outra coisa é quando você senta para detalhar como será feito, como será construído. O diabo mora nos detalhes. Tem de olhar para ver se isso vai se concretizar mesmo. Vem para Argentina, para o Brasil, não sei se eles vão fazer todo esse investimento. Não é tão óbvio que vão bancar isso tudo, não. Depende muito das condições. Os chineses são negociadores por excelência. Não é uma coisa que vai cair do dia para noite e acabou, eles vão negociar.
Isso é um risco de não se concretizar?
Não, acho que a China tem interesse em financiar. Algumas coisas eles já fecharam. A China não está fazendo isso só com o Brasil. Fez com a Argentina, depois vão para outros países. Faz parte de uma estratégia mais global deles. De um lado você tem esses países aqui que, com a própria desaceleração da China e a queda no preço das commodities, alguns, em maior ou menor grau, por problemas domésticos estão passando por uma fase de ajuste complexo, que é o caso do Brasil. São países que têm poupança doméstica muito baixa. Argentina e Brasil precisam de investimento. Há interesse da nossa parte por esse investimento. Pelo lado dos chineses, há o interesse nos recursos minerais. A China também está num processo de internacionalização das empresas, por isso quer se expandir para a região. São regiões que têm potencial de crescimento e que estão passando por uma fase ruim. É uma intenção.
Corremos algum risco nessa investida chinesa?
A gente não é a África, que tem uma institucionalidade mais fraca. O Brasil tem uma institucionalidade mais forte. Acho que os diplomatas e as empresas no nosso caso sabem negociar para termos benefício para ambas as partes. Na época em que os chineses estavam comprando terras, o governo brasileiro limitou a compra de terras por estrangeiros, percebendo que isso não era uma boa. São culturas diferentes. Temos de aprender como fazer negócios juntos. Não há motivos para acharmos que possa ser ruim. Agora eu não sei se todos os US$ 53 bilhões serão concretizados. Não tenho muita certeza. No passado os chineses já falaram que iam investir não sei quanto e acabou não acontecendo.
Na Argentina, a indústria de vagões está preocupada com a competitividade dos produtos chineses. A sra. acha que isso pode ser um problema para a nossa indústria?
Se você deixar as empresas de construção chinesas virem construir aqui, as nossas empresas de engenharia não vão ficar muito felizes. Como faz essa repartição? Como é isso? Agora eu acho que o Brasil precisa de investimento e nessa área de infraestrutura é mais difícil vir investimento americano e europeu.
O interesse dos chineses na infraestrutura pode provocar conflito com as empresas de capital americano e europeu?
Não, porque essas empresas em geral não têm mostrado muito interesse. Como as regras de concessão na infraestrutura muitas vezes não estão muito claras aqui, o investidores europeus e americanos são mais reticentes. Já o chinês está mais acostumado a investir em outros países e aparentemente está mais disposto a correr riscos. (O Estado de SP – 20/05/2015)

Cúpula empresarial Brasil-China debate oportunidades de investimentos
Representantes dos governos e de empresas brasileiras e chinesas reuniram-se hoje (19), no Palácio do Itamaraty, para debater oportunidades de investimentos entre ambos os países. O evento integra a agenda do primeiro-ministro da República Popular da China, Li Keqiang, no Brasil.
O diretor de Rodovias, Ferrovias e Hidrovias do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão (MP), Felipe Borin, mediou mesa sobre cooperação em infraestrutura. Na oportunidade, Borin destacou que o governo brasileiro vem investindo fortemente em infraestrutura, primeiro com o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) e depois com o Programa de Investimentos em Logística (PIL).
O governo prepara um plano para impulsionar investimentos privados no setor por meio de concessões a ser lançado em breve. Segundo Borin, "investimentos em infraestrutura são estratégicos ao desenvolvimento do Brasil e para impulsionar a retomada de crescimento econômico", disse.
Na mesma direção, o secretário de Fomento para Ações de Transportes, do Ministério dos Transportes, Daniel Sigelmann, apontou o investimento conjunto do Brasil e da China no projeto da ferrovia transcontinental entre Brasil e Peru, que vai ampliar e melhorar o comércio entre ambos os países.
Participaram da mesa o coordenador do Comitê de Exportação de Serviços da Associação Brasileira de Infraestrutura e Indústrias de Base (Abdib), André Clark Juliano, o diretor-geral da China State Grid International Development, Zhu Guangchao, e o gerente-representante da China Export & Credit Insurance Corporation (Sinosure), Su Jie. (Ministério do Planejamento – 19/05/2015)

“Dinheiro chinês é chance única de integrar fisicamente América Latina”
Para especialista, Brics mantém dinamismo político, apesar de desaceleração econômica
Heloísa Mendonça São Paulo
Nem tudo que o premiê chinês, Li Keqiang, prometeu no Brasil e nos outros países da região que visita essa semana sairá do papel. Mas isso não é necessariamente um problema para o especialista em países emergentes Oliver Stuenkel. "Mesmo se só a metade acontecer, isso é muito grande", diz ele. "Só a presença dessas promessas de investimento é uma chance única de integrar o continente sul-americano. A América do Sul é muito mal integrada em termos de infraestrutura."
Autor do livro "BRICS e o Futuro da Ordem Global", Stuenkel diz, em entrevista ao EL PAÍS, que o bloco — Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul — vive atualmente um dos momentos de maior dinamismo político, apesar da desaceleração das economias da maioria dos países dos BRICS. Ele acredita que mesmo com um patamar de crescimento mais baixo, a China se manterá como o maior parceiro comercial do Brasil e continuará sendo o protagonista do grupo que, em breve, verá concretizada uma de suas maiores conquistas: o lançamento do banco dos BRICS.
Pergunta. O Brasil está preparado para esse novo modelo chinês de desaceleração?
Resposta. Certamente não está preparado. O patamar chinês realmente é menor do que aquele que a gente teve nas últimas três décadas e hoje estamos vivendo o que os chineses chamam de "novo normal", que é um crescimento menor, mas mais sustentável. A China está passando por vários processos típicos de países em desenvolvimento que atingem um patamar per capita que é menos dependente de exportação e mais dependente de consumo interno. E o grande erro do Brasil foi não ter se preparado para anos mais difíceis, sobretudo durante o Governo Lula. Obviamente, o ponto crucial do crescimento dos últimos anos foi essa demanda chinesa e, mesmo sabendo que isso iria acabar em algum momento, o Brasil não fez nada.
P. Mas como vai ficar o comércio entre os dois países?
R. Apesar do crescimento mais baixo, a China vai se manter como o grande parceiro comercial do país. O comércio com a China vai crescer em números absolutos e relativos se compararmos o total do comércio brasileiro com o resto do mundo, porém não vai mudar qualitativamente. Em termos absolutos ainda está ótimo, mas qualitativamente não está. Seguimos sendo um fornecedor de commodities, com todo o risco que isso implica. A questão é que o Brasil não tem alta produtividade de valor agregado.
P. E como o senhor avalia os investimentos chineses no Brasil?
R. A presença chinesa é importante para todos os projetos. Agora, sabemos que muitos desses projetos e esse investimento, que se fala em 53 bilhões de dólares, não vai acontecer desse jeito. Quando estudamos grandes propostas e olhamos o que aconteceu depois, vemos que muitas ações acabam não acontecendo, nem tem o mesmo tamanho. Mas mesmo se só a metade acontecer, isso é muito grande. Só a presença dessas promessas de investimento é uma chance única de integrar o continente sul-americano de um jeito que vai transformar a relação que nós temos com os nossos vizinhos. A América do Sul é muito mal integrada em termos de infraestrutura, é fisicamente pouco integrado.
P. Qual a importância do encontro de Dilma Rousseff com a o primeiro-ministro chinês Li Keqiang ?
R. É um encontro focado em questões econômicas. Ele está aqui, ele é a segunda pessoa mais influente da China, mas está aqui claramente como um emissário do presidente. Não é ele é quem vai tomar muitas decisões, é uma visita mais simbólica de aproximação. Ele quer mostrar que o peso econômico maior da China é bom para o continente. Do ponto de vista chinês, a América do Sul é apenas uma peça do esquema mundial para assegurar fornecimento de matéria prima e também de mercado que consumem produtos chineses de valor agregado.
P. Quais as perspectivas do futuro dos BRICS?
R. Acho que o grupo está passando por um momento de maior dinamismo, não no aspecto econômico dos países, mas vamos ver em breve o lançamento do Banco de Desenvolvimento do grupo. Isso será a primeira manifestação institucional. É um passo importante, pois desenvolver esse banco com outros países não é trivial, isso conecta esses países e gera uma ligação institucional de longa duração. Esse banco ligará os ministérios de fazenda, os bancos centrais, vamos ter um aumento de atividades intra BRICS. O que mostra que o grupo não depende mais de questões de crescimento econômico, é um grupo com viés cada vez mais político. Uma de suas grandes manifestações aconteceu, no ano passado, quando o grupo resolveu se recusar a se alinhar com os EUA e Europa sobre a questão da Crimeia. Os BRICS salvaram a Rússia de um isolamento político total. Realmente eu discordo desta leitura de que o grupo está encarando problemas por causa de um crescimento econômico mais baixo. Está tendo uma ampliação inédita de atividades do grupo. O custo é zero e os benefícios que esses países têm são grandes.
P. E como o Brasil está aproveitando essa ampliação?
R. Para o Brasil é realmente muito bom. É por meio dos BRICS que a presidenta do Brasil consegue se encontrar a sós com o presidente da China duas vezes ao ano. Uma vez no G20 e outro na cúpula. Apesar dos diplomatas não admitirem, o Brasil não teria essa possibilidade se não fosse pelo grupo BRICS. É um acesso, um canal direto importante. E esses encontros não acontecem apenas no nível presidencial. Temos encontros ministeriais em muitas áreas como saúde e educação. Quando você fala da cooperação do Brasil com os países do grupo há 10 anos, era impensável que chegasse ao nível de hoje. No caso da Rússia, as exportações brasileiras aumentaram muito. Tem uma visibilidade grande e passa essa visibilidade ao Brasil.
P. O que podemos esperar de novidade no próximo encontro dos BRICS em julho na Rússia?
R. Provavelmente será divulgada a data de lançamento do banco do grupo e quem serão os representantes na instituição. No Brasil, o representante deve ser provavelmente o Paulo Nogueira Batista Jr, do FMI. Vamos ter mais detalhes de como funcionará o fundo de reserva, e a grande questão será se o banco financiará projetos de outros países além dos membros dos BRICS. Acho que também será anunciada uma série de medidas para desburocratizar o comércio entre os países.
P. Além do Banco do BRICS o Brasil será membro do novo banco asiático de desenvolvimento...
R. Isso tudo faz parte de uma ordem paralela, não para substituir ou confrontar a ordem vigente, mas para reduzir o controle que os países possuem sobre a ordem atual. Os BRICS continuarão apoiando as instituições vigentes, mas esses bancos criarão um fundamento para que os países não sejam apenas dependentes do FMI e o Banco Mundial. Para o Brasil, isso significa que estamos caminhando para uma ordem multipolar, mas tudo depende da trajetória da China nos próximos anos. (El Pais – 19/05/2015)

Mdic lidera reunião bilateral entre Brasil e Noruega
O Secretário-Executivo do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), Ivan Ramalho, conduziu hoje uma reunião bilateral entre delegações do Brasil e da Noruega. O encontro, realizado na sede do MDIC, contou com a participação da vice-ministra do Comércio, Indústria e Pesca da Noruega, Dilek Ayhan, de integrantes dos diversos ministérios dos dois países, além de representantes da iniciativa privada.
Um dos primeiros temas a ser tratado no encontro foi o aprofundamento das relações entre o Mercosul e a European Free Trade Association (EFTA), área de livre comércio formada pela Suíça, Noruega, Islândia e Liechtenstein. O primeiro encontro entre representantes dos blocos para Diálogo Exploratório ocorrerá nos dias 8 e 9 de junho de 2015, em Genebra, na Suíça.
Para o secretário Ivan Ramalho, o encontro bilateral é muito importante pois aproxima as duas economias, que possuem um fluxo de comércio intenso, mas com muito potencial de expansão. Sobre a reunião entre Mercosul e EFTA, Ramalho tem expectativa favorável de um desfecho positivo. "O mercado brasileiro espera ansioso por novos acordos do Mercosul. É o momento perfeito para aproximarmos as economias dos blocos". O secretário afirmou ainda que "há, hoje, muitas oportunidades de investimento para empresas norueguesas no Brasil".
A vice-ministra norueguesa, Dilek Ayhan, mostrou bastante otimismo com as relações econômicas com o Brasil. "As empresas norueguesas instaladas no país mostraram enorme otimismo com o futuro da economia do país, e reafirmaram os investimentos previstos para os próximos anos. Deixamos de lado a pauta comercial do bacalhau, café e açúcar para uma relação muito mais estreita e em setores estratégicos, como óleo e gás", afirmou Dilek.
Ao longo da reunião, os representantes brasileiros e noruegueses debateram diversos temas para a cooperação entre os dois países, e concordaram em aprofundar as discussões em questões que envolvem cooperação econômica bilateral, em especial nos setores de óleo e gás, indústria naval, pesca e aquicultura, além de novas áreas e oportunidades para colaboração.
A reunião também tratou da cooperação bilateral em pesquisa. A delegação norueguesa destacou o progresso nas cooperações tecnológicas na área de óleo e gás realizadas pelo Conselho de Pesquisa Norueguesa e a FINEP e CNPq. M(inistério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior – 19/05/2015)

Registro de DI com direito Antidumping e Drawback Suspensão
A Notícia Siscomex-Importação 0056, de 14/05/2015, esclarece os procedimentos para as operações de importação amparadas pelo regime de drawback suspensão, cuja mercadoria a ser importada tenha antidumping.
Segundo orienta a Coordenação-Geral de Administração Aduaneira, o importador deverá preencher a Declaração de Importação (DI) informando a alíquota e a quantidade para o cálculo do valor do antidumping. Não deverá ser informado o pagamento do direito antidumping na ficha "pagamento" (valor está suspenso no sistema).
Em seguida, será necessário efetuar o pagamento do antidumping por meio de Darf, utilizando o sistema SICALC, e informar a ação no campo "Informações Complementares". Depois de realizar o registro da DI, o importador deverá protocolar um processo na unidade local da Receita Federal, com o recibo de pagamento do Darf pago pelo direito antidumping, para solicitar a apropriação do pagamento da respectiva DI.
(Aduaneiras – 19/05/2015)

Balança Comercial registra superávit de US$ 676 milhões na segunda semana de maio
Brasília - O saldo da balança comercial da segunda semana de maio de 2015, com cinco dias úteis, registrou superávit de US$ 676 milhões, resultado de exportações de US$ 4,292 bilhões e de importações de US$ 3,616 bilhões. Os dados foram divulgados hoje pela Secretaria de Comércio Exterior (Secex) do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC).
No período, as exportações apresentaram média diária de US$ 858,4 milhões, resultado 2,6% abaixo da média de US$ 881,6 registrada na primeira semana do mês, por conta da queda na exportação de produtos básicos (-5,8%) – especialmente petróleo em bruto, minério de ferro, carne de frango, bovina e suína –, de manufaturados (-4,7%) – principalmente de laminados planos, bombas e compressores, autopeças, motores para veículos, polímeros plásticos, máquinas para terraplanagem e aviões). Por outro lado, houve aumento nas vendas de semimanufaturados (5,7%), com destaque para açúcar em bruto, celulose, ouro em forma semimanufaturada e ferro fundido.
Já as importações registraram média diária de US$ 723,2 milhões na segunda semana de maio de 2015, um resultado 5,4% acima da média registrada na primeira semana do mês (US$ 686,4 milhões). O resultado é consequência da alta nas compras de equipamentos mecânicos, aparelhos eletroeletrônicos, químicos orgânicos e inorgânicos, plásticos e obras, adubos e fertilizantes e instrumentos de médico e precisão.
Mês
No acumulado do mês de maio (10 dias úteis), as exportações somam US$ 8,7 bilhões e as importações, US$ 7,048 bilhões, com saldo positivo de US$ 1,652 bilhão. A média diária das exportações até a segunda semana de maio foi de US$ 870 milhões, 14,8% acima da média diária registrada em abril deste ano, especialmente em virtude do aumento nas vendas das três categorias de produtos: semimanufaturados (26,8%), básicos (19,6%) e manufaturados (5,9%). No comparativo com maio de 2014 (US$ 988,2 milhões), o resultado é uma queda de 12%, em razão da redução nos produtos básicos (-16,7%), principalmente minério de ferro, farelo de soja, carne bovina, de frango e suína, e café em grão, e manufaturados (-8,4%), puxado por aviões, motores e geradores, automóveis de passageiros, óxidos e hidróxidos de alumínio, óleos combustíveis, máquinas para terraplanagem. Por outro lado, cresceram os embarques de semimanufaturados (4,3%), resultado da alta das vendas de ferro fundido, semimanufaturados de ferro e aço, ouro em forma semimanufaturada, açúcar em bruto, ferro-ligas.
As importações registraram média diária na segunda semana de maio de 2015 de US$ 704,8 milhões, 3,9% abaixo da média registrada em abril deste ano (US$ 733,3 milhões), como consequência nas chedas de produtos siderúrgicos (-25,7%), veículos automóveis e partes (-19,6%), equipamentos mecânicos (-17,9%), instrumentos de ótica/precisão (-16,0%), plásticos e obras (-10,0%) e aparelhos eletroeletrônicos (-7,8%). No comparativo com maio de 2014 (US$ 954,3 milhões), as importações caíram 26,1% por conta da queda de gastos com adubos e fertilizantes (-42,0%), combustíveis e lubrificantes (-41,2%), veículos automóveis e partes (-36,1%), siderúrgicos (-32,1%) e instrumentos de ótica/precisão (-27,8%).
Ano
Até a segunda semana de maio, as exportações totalizaram US$ 66,631 bilhões e as importações, US$ 70,045 bilhões, gerando um saldo negativo de US$ 3,414 bilhões. As exportações acumularam média diária de US$ 732,2 milhões, uma queda de 15,7% em relação à média diária de US$ 868,6 milhões registrada no mesmo período do ano passado. As importações apresentaram média diária de US$ 769,7 milhões, desempenho 17,2% abaixo do registrado no mesmo período de 2014, quando a média diária das importações foi de US$ 929,7 milhões. No ano, a corrente de comércio soma US$ 136,676 bilhões, com desempenho médio diário de US$ 1,501 bilhão. O valor é 16,5% menor que o verificado em 2014 (US$ 1,797 bilhão). MDIC – 18/05/2015)

Brasil acumula déficits no intercâmbio comercial com os grandes blocos econômicos do mundo
Da Redação
Brasília – As exportações brasileiras para os principais blocos econômico-comerciais do mundo fecharam o primeiro quadrimestre do ano com fortes quedas, com retrações bastante elevadas nas vendas para os países do Mercosul, da União Europeia, África, BRICS e do Oriente Médio.
Principal destino das exportações brasileiras de produtos manufaturados, o Mercosul vem reduzindo, a cada ano, as importações de bens fabricados no Brasil. Ano passado, a queda foi de 15,17% e este ano as exportações para a Argentina, Paraguai, Uruguai e Venezuela já caíram 15,12%, totalizando US$ 6,577 bilhões. Na outra ponta do intercâmbio, as importações tiveram um recuo ainda maior, de 20,19% e a receita obtida pelos sócios do bloco nas trocas comerciais com o Brasil somaram US$ 4,703 bilhões. De janeiro a abril, o saldo em favor do Brasil soma US$ 1,874 bilhão. Em todo o ano de 2014, o superávit brasileiro chegou a US$ 6,607 bilhões.
A retração no volume de trocas com o Mercosul foi ditada pelo recuo, praticamente no mesmo patamar (-15,58%) verificado nas exportações para a Argentina, principal parceiro do Brasil no bloco e terceiro maior parceiro comercial do Brasil em todo o mundo, atrás apenas da China e dos Estados Unidos. No primeiro quadrimestre do ano, o Brasil exportou para a Argentina bens no valor de US$ 4,084 bilhões e importou itens no montante de US$ 3,645 bilhões.
Em relação aos BRICS (bloco que além do Brasil é integrado pela Rússia, China, Índia e África do Sul), as exportações brasileiras totalizaram US$ 11,875 bilhões, enquanto as importações atingiram a cifra de US$ 14, 982 bilhões, gerando um déficit de US$ 3,106 bilhões. Em todo o ano de 2014, a balança comercial com os países do bloco resultou em um saldo negativo de US$ 2,731 bilhões.
O déficit no intercâmbio com os sócios dos BRICS deve-se fundamentalmente ao crescente desequilíbrio nas trocas comerciais com a China, o principal parceiro comercial do Brasil em todo o mundo. De janeiro a abril, o país acumula um saldo negativo de US$ 2,527 bilhões com os chineses. Em todo o ano de 2014, o superávit chinês totalizou US$ 3,273 bilhões. Este ano, as exportações brasileiras para a China encolheram 31,59%, enquanto as vendas chinesas tiveram uma retração de apenas 4,03% comparativamente com o primeiro quadrimestre de 2014.
Até o ano de 2012, a balança comercial com a União Europeia sempre foi favorável ao Brasil e em 2007, por exemplo, o saldo brasileiro no comércio com os países do bloco atingiu a cifra recorde de US$ 13,824 bilhões. Mas o superávit sempre elevado transformou-se em déficit a partir de 2013 (-US$ 2,979 bilhões), chegando a US$ 4,669 bilhões no ano passado. Este ano, as exportações para os vinte e oito estados-membros da União Europeia somam US$ 10,945 bilhões (queda de 14,23% em comparação com o primeiro quadrimestre de 2014), enquanto as venda europeias atingiram o total de US$ 12,851 bilhões (-17,55%). E mesmo com as exportações em queda, o bloco europeu tem um superávit de US$ 2,006 bilhões no comércio com o Brasil nos quatro primeiros meses deste ano.
As importações de grandes volumes de petróleo a Nigéria fazem com que o Brasil tenha uma balança comercial bastante desequilibrada com a África. Em 2014, as exportações para o grupo de países africanos somaram US$ 9,701 bilhões enquanto as importações totalizaram US$ 17,060 bilhões, resultando em um superávit africano no montante de US$ 7,360 bilhões.
Este ano, as exportações brasileiras para o continente africano atingiram, de janeiro a abril, a cifra de US$ 2,379 bilhões (queda de 21,05% em relação a igual período de 2014) e as importações, em desaceleração ainda mais acentuada de 36,19% ficaram em torno de US$ 2,978 bilhões. De janeiro a abril, o déficit com a África está acumulado em US$ 600 milhões. Em igual período de 2014, o saldo negativo chegava a US$ 1,656 bilhão.
Após um pequeno saldo de US$ 48 milhões registrado em 2014, este ano o Brasil tem uma balança deficitária com os países da Aliança do Pacífico (Chile, Colômbia, México e Peru). De janeiro a abril, as exportações para o bloco atingiram o montante de US$ 3,433 bilhões (queda de 15,10% em relação ao primeiro quadrimestre de 2014), ao passo em que as importações foram da ordem de US$ 3,609 bilhões, resultando num saldo negativo de US$ 176 milhões.
Além do Mercosul, o Brasil tem saldos positivos nas trocas comerciais com apenas o Oriente Médio. Em relação aos países árabes, o superávit tem clara tendência de queda após atingir o ápice em 2011, quando a balança foi superavitária para o Brasil na cifra recorde de US$ 6,134 bilhões. Ano passado, o saldo recuou para US$ 2,420 bilhões e este ano, de janeiro a abril, soma US$ 1,711 bilhão. O superávit é resultado de exportações de US$ 3,083 bilhões e importações no montante de US$ 1,372 bilhão. (Comex do Brasil – 18/05/2015)

Visão Global
É impossível parar a máquina
Oposição do Partido Democrata a um novo tratado de abertura comercial é irracional
*Fareed Zakaria
THE WASHINGTON POST
A s duas forças mais poderosas que transformaram o mundo nas últimas décadas foram a expansão da globalização e a revolução da informação. Esses dois grandes motores continuaram em ação, integrando a Ásia ao sistema global e abrindo caminho para a era digital que hoje invade todos os aspectos da nossa vida.
A oposição do Partido Democrata à concessão de poderes para o presidente dos EUA, Barack Obama, negociar acordos comerciais não enxerga a realidade fundamental desta era - você não pode desligar a máquina.
Não pode impedir a China de crescer. Não pode evitar que a África intensifique sua integração ao sistema global. Essas forças, hoje profundamente enraizadas, continuarão a todo vapor. O possível acordo com a Ásia, a Parceria Trans-Pacífico (TPP, na sigla em inglês), pode, no entanto, influir no sentido de essas tendências serem compatíveis com o ideal e os interesses americanos. É por isso que a oposição no Congresso - especialmente a democrata - está tão equivocada.
Étarde demais para os que acreditam que, após o TPP, os EUA terão de competir com países onde os salários são baixos. Como observou Zachary Karabell, já estamos vivendo no mundo do livre comércio. A tarifa média no mundo desenvolvido hoje é de cerca de 3%. Nas três últimas décadas, os países em desenvolvimento reduziram substancialmente as suas também. A Organização Mundial do Comércio observou que a média na China é inferior a10% hoje, contra 40% em 1985.
Éverdade que o comércio desacelerou seu ritmo vertiginoso de outrora, masfaz sentido. Durante os anos 90, regiões inteiras, como a Europa Oriental, e países como a China se integraram à economia global – o que teve enorme impacto na expansão. Hoje, países como Uganda e Gana vêm se inserindo no sistema, mas os efeitos são obviamente menores.
A revolução tecnológica acelerou a globalização à medida que produtos digitalizados podem ser enviados de um lado a outro através das fronteiras a um custo mínimo. Quase tudo hoje é digital num certo sentido, uma vez que até o setor de táxis hoje vem sendo reformulado por empresas como a Uber, que utiliza grandes volumes de dados e software inteligente.
Comoimpedir a globalização de produtos e serviços digitais? Você conseguiria aprovar uma lei proibindo um laboratório em Nova York de enviar exames a um médico em Chennai para ele ler e interpretar?
É possível impedir que um contador em Manila prepare sua declaração de imposto de renda e envie por e-mail? Não importa o que você acha dessas forças, pode haver resistência a elas em alguns lugares e por algum tempo, mas olhe à sua volta – elas continuam avançando.
Os Estados Unidos têm uma das economias mais abertas do mundo. Qualquer acordo comercial como o TPP abrirá outras economias - como Japão ou Vietnã - muito mais que no caso dos EUA. E o caráter da abertura e as novas regras refletirão os ideais e interesses americanos.
Num ensaio na Foreign Affairs em 1993 sobre o Acordo de Livre Comércio da América do Norte (Nafta), Paul Krugman explicou que o tratado não teria muito impacto sobre a vasta economia americana.
O importante realmente era a política externa. Os efeitos econômicos do Nafta foram intensamente debatidos, mas as consequências na área da política externa são óbvias - e claramente positivas.
Hoje, nos esquecemos, mas há somente três décadas o México era um dos países mais antiamericanos do mundo. A política adotada pelo país era uma mistura de ressentimento, inveja e cólera dirigidos ao rico vizinho.
O partido no governo tinha uma postura revolucionária de esquerda, obstinadamente oposta a Washington e sua política externa.
Hoje, o México é um país transformado, um inequívoco aliado dos EUA. Seu presidente, do mesmo partido revolucionário no governo, é resolutamente pró-americano. O país éumcomponente essencial de uma economia americana estreitamente interconectada que se tomou o bloco regional mais vibrante do mundo. Muitos fatores levaram a essa transformação, mas o Nafta foi o principal deles.
Se algo similar ocorrer com o TPP na Ásia, os efeitos serão ainda maiores. O mundo em que vivemos é um mundo em que novas potências emergem e velhas regras deterioram. A luta é redigir novas regras para o comércio, a segurança cibernética, a propriedade intelectual e muito mais.
Esperemos não voltar 20 anos no tempo, quando as novas regras foram ditadas pela China, e pensar que deveríamos ter sido mais ativos e assertivos quando tivemos a oportunidade. / TRADUÇÃO DE TEREZINHA MARTINO (O Estado de SP – 18/05/2015)

Receita quer adesão de cadeia do comércio exterior ao OEA para fazer acordos com outros países
Brasília – A Receita Federal quer estimular a adesão da iniciativa privada ao OEA (Operador Econômico Autorizado). Existente em 64 países e em vigor no Brasil desde o início do ano na modalidade segurança (as outras duas estão previstas para dezembro de 2015 e de 2016), o OEA tem como objetivo adequar os procedimentos brasileiros aos de outros mercados para facilitar as transações.
Cinco empresas que participaram do projeto piloto já estão certificadas (Embraer, DHL, 3M, Viracopos e CNH Industrial) e outras já estão em processo. A intenção da Receita é que haja entrada maciça de empresas que compõem a cadeia do setor (importadores, exportadores, despachantes, depositários, etc.) para que o Brasil possa firmar ARMs (Acordos de Reconhecimento Mútuo) com outros países que também operem com OEA.
“A adesão é importante para ter um alto significado econômico, a fim de fazer o ARM”, afirma Adalton José de Castro, auditor fiscal da Receita Federal. Ele esteve no comitê aberto de Comércio Exterior da Amcham – São Paulo, quinta-feira (14). A expectativa, diz o especialista, é de que Brasil e Estados Unidos fechem o acordo até o próximo ano. Uma vez acordados, os signatários adotam procedimentos semelhantes que asseguram segurança e agilizam as operações.
“Os potenciais parceiros avaliam a robustez do programa como um todo. A adesão mostra se os procedimentos funcionam na prática e se as companhias atuam nessas padrões internacionais. Não adianta fazer acordo de reconhecimento se o programa não está sendo feito na prática”, explica Elaine Cristina da Costa, analista tributária do Centro de Certificação e Monitoramento do OEA da Receita.
Modalidades e prazos
A adesão é voluntária, mas os especialistas avaliam que a tendência é de que vire uma “obrigação” do mercado. A modalidade OEA Segurança, que enfatiza a segurança física das cargas e tem foco nos exportadores, já está em vigor. A modalidade Conformidade, que abrange o cumprimento de normas e procedimentos aduaneiros e é voltada para importadores, deve ser laçada no próximo mês de dezembro. Com sua vigência, o programa de facilitação aduaneira Linha Azul será descontinuado. Quem for certificado com essas duas modalidades, conquista o OEA Pleno.
Uma terceira modalidade, chamada OEA Integrado, válido para importadores e exportadores, deve entrar em operação em dezembro de 2016. Esse certificado reúne anuências de todos os demais órgãos envolvidos no comércio exterior, como Anvisa, Ministério da Agricultura e Inmetro, entre outros, e promete celeridade.
“Com esse certificado, o portal único vai ‘ler’ que a empresa é confiável para todos os órgãos anuentes e vai conseguir enviar os processos como se fosse por meio do (vale-pedágio) ‘sem parar’, sem tanta burocracia”, compara Elaine.
O investimento para se adequar ao OEA é “mínimo” para quem já tem programas de segurança na cadeia, diz Adalton. “A relação custo/benefício é bem interessante. Para quem tem ISSO 28000, o investimento é praticamente zero”, comenta.
Canal aberto com a Receita
A DHL mundial já possuía certificação nos países em que o OEA já opera, mas ainda não no Brasil. O programa levou a operação brasileira, que já possuía a cultura de segurança, a aprimorar seus processos. “Na prática, uma das principais melhoras foi no nosso próprio procedimento, a segurança da cadeia, da informação, em tudo. A cultura interna tomou outro direcionamento”, reporta Homero Vecchi, diretor de Produtos de Valor Agregado da DHL e presidente do CELE (Comitê Estratégico de Logística e Exportação) da Amcham.
O canal de comunicação direto com a Receita que as empresas “ganham”, após a certificação, é o principal responsável por essa evolução. “Quando tem algo que não flui bem no processo, você entra em contato e eles verificam onde ocorre o problema e até dão sugestões de mudança. Alguns entraves vão caindo por conta do canal”, conta. A assessoria da Receita ajuda inclusive em triangulação de operações que envolvem terceiros não certificados. “A gente quer apoio para entender se pode mexer ou não nos procedimentos”, exemplifica.
O canal permite, ainda, o diálogo com a Receita com a finalidade de alteração de regras para o setor, ressaltam os convidados.
Como se inscrever
No rodapé do site da Receita Federal há um ícone com o logotipo da AEO (Authorised Economic Operator), sigla em inglês para Operador Econômico Autorizado. No site (clique aqui), estão as informações gerais do programa e as orientações para requerer a certificação.
O processo é dividido em seis etapas que pedem a descrição de procedimentos da empresa e documentos comprobatórios. Elaine destaca das duas primeiras: a de número um, com 52 perguntas, vai definir se a companhia preenche os requisitos de admissão. A segunda pede uma autoavaliação da empresa, que pode ser respondida por uma equipe interna de auditoria ou por consultoria.
Para fazer o requerimento, é necessário abrir um DDA (dossiê digital de atendimento) em uma unidade física da Receita Federal. Segundo Elaine, a previsão é de que, nos próximos meses, o próprio site do E-CAC (clique aqui E-CAC) forneça o dossiê. Após a aquisição do DDA, a empresa tem 30 dias para enviar o requerimento com as respostas e a documentação das seis etapas.
“Recomendo fazer a autoavaliação antes de abrir o DDA, porque ganha-se tempo para fazer alguma mudança de procedimento necessária, antes de começar a contar o prazo de 30 dias para entregar o pedido”, cita a analista.
A análise da Receita inclui visita técnica para averiguar se os procedimentos de fato são como os relatados nos questionários.
No vídeo e na apresentação que seguem abaixo, é possível saber detalhes das etapas do requerimento, o que elas avaliam e dicas de como solicitar a certificação do OEA.
“A documentação sozinha não significa nada, os processos têm que ocorrer na prática. E a prática sem documentação não é cultura, vai morrer quando o funcionário morrer; ela tem q virar padrão e as pessoas precisam ser treinadas”, declara Elaine. Fonte: Amcham (Comex do Brasil – 15/05/2015)

Decom Digital desenvolvido pela Secex passa a ser obrigatório a partir do segundo semestre
Brasília – A indústria brasileira conta, desde março deste ano, com o Sistema Decom Digital (SDD), que acelera o trâmite e reduz custos de processos administrativos de defesa comercial. Para as petições apresentadas a partir de 31 de julho, o SDD será o canal exclusivo e obrigatório para as investigações antidumping, que correspondem a mais de 90% da demanda por instrumentos de defesa comercial. O Decom Digital foi desenvolvido pela Secretaria de Comércio Exterior (Secex) do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC).
O Sistema Decom Digital abarca todas as etapas dos processos de investigações de direito antidumping, como a apresentação das petições iniciais e de elementos probatórios, bem como possibilita a formação dos autos do processo. Com o objetivo de assegurar mais agilidade à tramitação, os atos processuais serão assinados digitalmente, por meio de certificação digital, e estarão disponíveis online às partes interessadas habilitadas.
A implantação do Decom Digital visa substituir os documentos impressos por documentos eletrônicos, garantindo, assim, mais transparência, celeridade e segurança aos trâmites da Secex. (MDIC – 15/05/2015)

 
Abinee - Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica

Escritório Central: Avenida Paulista, 1313 - 7º andar - 01311-923 - São Paulo - SP
Fone: 11 2175-0000 - Fax: 11 2175-0090