DRI Clipping Semanal nº 07 - 23 a 27/02/15

Acordos


Veja mais

El Mercosur en añicos
El presidente Mujica dijo en una reciente entrevista que "la región necesita un liderazgo que se llama Brasil" para lograr la integración regional y agregó: "Argentina tendría que acompañar y no acompaña un carajo". En su opinión, "Es como si la Argentina se hubiera retrotraído a una visión de 1960".
El presidente ya había expresado esas ideas a fines del 2013. Entonces, entrevistado por el diario brasileño Zero Hora, opinó que el gobierno de la presidente Cristina Fernández de Kirchner tiene "un proyecto al estilo de 1960" que le "quita el sentido al Mercosur". Luego agregó "Puedo entender si esta es la política general de todo el Mercosur, pero cerrarse hacia los mismos países del Mercosur a mí me parece que quita el sentido del Mercosur".
Para nuestro presidente los países de la región más integracionistas son "Los países chicos por necesidad porque vamos corriendo de atrás. En cuanto tiene el viento de cola, Argentina se olvida de la integración cuando le van bien las cosas agarra para otro lado. También Brasil. Te voy a hacer una confesión. Me dijo una vez la presidente de Brasil: ´Ay Pepe, con Argentina hay que tener paciencia estratégica´. Brasil les ha bancado de todo a los argentinos, pero no quiere perderlos como aliados".
El diagnóstico del presidente uruguayo expone los dos problemas fundamentales que enfrenta el Mercosur. El primero es la política de aislamiento del mundo exterior en que se ha embarcado una de las principales partes del Tratado de Asunción y que choca con lo pactado en ese acuerdo multilateral. El segundo, es la ausencia de mecanismos jurídicos eficaces para que los demás países parte del Tratado puedan conseguir que se cumpla lo acordado.
Como resultado de esta situación nuestro país se encuentra en el peor de los mundos: es perjudicado porque no se cumple con lo pactado en Asunción, pero no puede buscar otros caminos de integración porque debe ajustarse al marco jurídico del Mercosur.
Es discutible que la mejor estrategia para los países chicos, como el Uruguay, sea encerrarse en un acuerdo como el Mercosur. Existen otras estrategias para construir mercados más amplios. Por ejemplo asociarse a otros procesos de integración regional más exitosos y dinámicos o, como demuestra la experiencia de Chile y de otros países latinoamericanos, integrarse en los mercados globales mediante la negociación sistemática de una red de acuerdos bilaterales de libre comercio.
La reacción de la otra orilla no se hizo esperar.
El recientemente desplazado jefe de gabinete de ministros de la Argentina, Jorge Capitanich, dedicó tres minutos de su conferencia de prensa diaria a responder lo dicho por el presidente Mujica.
Según Capitanich, desde 1986, "con el acuerdo Alfonsín-Sarney en adelante, desde el Tratado de Asunción y precisamente con la articulación del acuerdo desde el punto de vista del arancel externo común hasta las estrategias de integración, somos definitivamente un país fundante de estas estrategias. Lo mismo que el desarrollo que ha tenido la política exterior de Argentina con la asunción del presidente Néstor Kirchner el 25 de mayo de 2003, ratificada por la presidente Cristina Fernández de Kirchner". Desde su punto de vista, la acción de la Argentina habría fortalecido el Mercosur. En consecuencia, dijo, la República Argentina debe "tener el reconocimiento de sus pares y merece tener el reconocimiento precisamente de la República Oriental del Uruguay porque, en definitiva, gran parte de su comercio exterior tiene mucho que ver con la capacidad y el desarrollo que se ejerce desde la República Argentina".
Para completar, también aludió en su declaración a la Unasur, el Celac, el Consejo de Seguridad de las Naciones Unidas y los fondos buitre.
La declaración del vocero del gobierno argentino recuerda la técnica de evasión del calamar ante una amenaza. Como hace ese molusco cefalópodo, ante el claro y fundado reproche de Mujica, el vocero emitió una espesa nube de retórica nacional y popular para enturbiar la discusión y así ocultar la cuestión esencial. Y esta cuestión esencial es que, como ha dicho nuestro presidente, la política de la Argentina "hace añicos al Mercosur". Y ello tiene un considerable impacto dañoso para nuestro país.
Quizás ha llegado el momento de determinar cuáles son los límites y los costos de la famosa "paciencia estratégica", de que tanto se habla. Lo que está claro es que ella no puede pasar por el "más y mejor Mercosur". (El Pais Uruguay – 27/02/2015)

Morales acuerda con Mujica facilitar a Bolivia una salida al Atlántico
Montevideo - Uruguay y Bolivia firmaron hoy un memorándum de entendimiento que permitirá identificar las "facilidades y condiciones" para que el país andino cuente con una salida al océano Atlántico tras la eventual construcción de un puerto de aguas profundas en la costa este uruguaya.
Se trata de uno de los acuerdos firmados hoy durante una conferencia de prensa en Montevideo entre los mandatarios de ambos países, José Mujica y Evo Morales, tras mantener una audiencia privada en el despacho presidencial.
"Estamos muy contentos, felices y valoramos la solidaridad del pueblo uruguayo con Bolivia para que podamos contar con una salida al océano Atlántico por el Uruguay. Este es el primer paso para trabajar conjuntamente en lo que será el principal punto de salida de Bolivia hacia el océano Atlántico", expresó Morales.
En concreto, este memorándum de entendimiento tratará de identificar las "facilidades y condiciones" de participación de Bolivia en el futuro puerto de Aguas Profundas, uno de los principales proyectos de infraestructura que se planteó el Gobierno de Mujica, quien dejará la Presidencia este domingo.
Paraguay y Bolivia son los dos únicos países de Suramérica sin costa.
"Tenemos que darnos cuenta que no se puede hablar de integración si paralelamente no se construye infraestructura a favor de la integración. Esto es muy favorable para Bolivia, para Paraguay, para Mato Grosso del Sur (Brasil) y para buena parte de los pueblos argentinos", expresó Mujica, quien recalcó que no se trataría de un puerto del Uruguay, sino de toda la región.
Para este proyecto, Uruguay apuesta a conseguir apoyo financiero del Banco Nacional de Desarrollo Económico y Social (BNDES) de Brasil, algo que el gobernante trató personalmente con la presidenta brasileña, Dilma Rousseff en un encuentro en Brasilia el pasado 7 de noviembre.
Esta iniciativa "contribuye a la articulación del Océano Pacífico al Atlántico", dijo el presidente de Bolivia, país que actualmente mantiene un litigio con Chile para exigir una restitución del acceso soberano al Pacífico que perdió en una guerra librada en 1879.
"Todos los países de Suramérica, América Latina y el Caribe necesitamos interacción para comercio de solidaridad, de complementariedad, una interacción para abrir nuestros pueblos", añadió Morales.
Mujica, quien el próximo domingo entregará la Presidencia a Tabaré Vázquez, reconoció que para la consecución del puerto de aguas profundas, el próximo Gobierno "va a tener que hacer mucha diplomacia. Ir y venir".
"Va a tener que seguir trabajando. Las grandes obras todas cuestan y siempre tienen dificultades y oponentes", destacó el mandatario.
Mujica ha reiterado en diferentes ocasiones su deseo de que Argentina, Brasil, Paraguay, Uruguay y Venezuela, que integran el Mercado Común del Sur (Mercosur), participen en su gestión.
"Hermano Mujica, estamos convencidos de que las hidrovías, las carreteras, las ferrovías, aeropuertos, inclusive los accesos a los puertos, sea en el Atlántico o el Pacífico, es una interacción de nuestros pueblos", recalcó Morales.
Es por ello que el pueblo boliviano "ofrece también sus rutas, sus vías, los puertos fluviales del continente", agregó.
"Incluso cuando tengamos nuestros puertos soberanos al Pacífico, estos serán también para la región", añadió Morales, en referencia al litigio con Chile.
Éste último país rechaza la demanda que Bolivia presentó en 2013 ante la Corte Internacional de Justicia al considerar que todos los asuntos fronterizos con Bolivia fueron resueltos en un tratado suscrito por ambos países en 1904, veinticinco años después del conflicto. (Ultima Hora – 26/02/2015)

Diplomacia da picuinha
A presidente Dilma Rousseff parece mesmo ter tomado como ofensa pessoal a soberana decisão do Judiciário da Indonésia de executar brasileiros condenados por tráfico de drogas. Sem conseguir entender seu papel como chefe de Estado nem o efeito de suas atitudes destrambelhadas para a imagem do Brasil no exterior, Dilma preferiu o caminho da picuinha para lidar com o governo indonésio. Somente isso explica o constrangimento público a que a presidente submeteu o novo embaixador da Indonésia, ao despachá-lo do Palácio do Planalto sem receber suas credenciais. Gestos como esse mostram que a diplomacia brasileira não atingiu o atual estado lamentável por acidente ou em razão de contingências econômicas, mas por ação deliberada de Dilma.
Na sexta-feira passada, a presidente da República deveria receber as credenciais do embaixador Toto Riyanto, entre outros embaixadores. Essa cerimônia oficializa o início do trabalho do representante diplomático no País. Não é, portanto, um ato qualquer, pois, enquanto o embaixador não entrega as credenciais, ele exerce suas funções em caráter provisório e não pode firmar acordos. Por essa razão, a entrega das credenciais é solene, manifestando a aceitação de boas relações entre os países.
Riyanto seria o primeiro embaixador a entregar as credenciais a Dilma naquele dia. Ele já estava na cerimônia quando foi informado de que a presidente não o receberia. Foi retirado pela entrada lateral do palácio, enquanto os demais embaixadores cumpriram a formalidade normalmente.
Riyanto poderia ter sido avisado com antecedência sobre a decisão de Dilma de não receber as credenciais. Essa providência não teria diminuído a descortesia da presidente, mas ao menos tiraria do episódio a sensação de molecagem, que não se coaduna com as tradições da diplomacia brasileira. A resposta da Indonésia foi à altura da ofensa: chamou de volta seu embaixador, entregou ao embaixador brasileiro em Jacarta uma nota de protesto e qualificou a atitude de Dilma como “hostil” e “inaceitável”.
Dilma está levando longe demais seu engajamento no caso dos dois brasileiros condenados à morte na Indonésia. Nunca é demais lembrar que ambos foram sentenciados porque eram traficantes de drogas. Um deles, Marcos Archer, foi executado no mês passado. Ele havia entrado no país, em 2003, com nada menos que 13 quilos de cocaína. Não é algo trivial - e as leis indonésias são claríssimas a respeito. Mesmo assim, logo depois que Archer foi fuzilado, Dilma, que pedira clemência, chamou o embaixador brasileiro em Jacarta para consultas - uma reação muito dura no mundo da diplomacia - e disse que a relação com a Indonésia estava “gravemente” afetada.
A presidente perdeu a noção de que seu papel nesse caso era o de apenas pedir clemência e respeitar a decisão soberana dos indonésios. O exagero se repete agora, com o caso de outro brasileiro que está no corredor da morte na Indonésia pelo mesmo crime, Rodrigo Gularte. Dilma mobilizou o Itamaraty para interferir no processo e adotou a patética decisão de não receber as credenciais do novo embaixador.
A presidente tentou se explicar: “Nós achamos importante que haja uma evolução na situação para que a gente tenha clareza em que condições estão as relações da Indonésia com o Brasil”. Traduzindo: se a Indonésia resolver cumprir suas leis e executar o outro brasileiro, há grande chance de que as relações entre os dois países caminhem para a ruptura.
Tudo indica que Dilma resolveu usar a Indonésia - um país distante, com participação pífia na balança comercial do Brasil - para exibir o que supõe ser a firmeza na defesa dos interesses brasileiros no exterior. Enquanto isso, e em meio ao brutal sucateamento do Itamaraty, assuntos mais urgentes que o destino de um traficante de drogas - como a violação sistemática de direitos humanos e a ruptura da normalidade democrática na Venezuela, que deveriam resultar em punição no âmbito do Mercosul, do qual o Brasil é o atual presidente - recebem de Dilma apenas seu mais profundo silêncio. (O Estado de SP – 26/02/2015)

Evo Morales e José Mujica assinam vários acordos de cooperação
Montevidéu - Os presidentes Evo Morales, da Bolívia, e José Mujica, do Uruguai, assinaram hoje aqui cinco acordos de cooperação e afirmaram que a integração regional é uma maneira de defender os interesses dos povos.
Morales, que cumpre uma visita oficial ao Uruguai, reuniu-se com Mujica na sede do governo, onde ambos subscreveram convênios sobre vias de transporte, tratamento de água potável e pesquisa aplicada à mineração.
E também sobre medidas contra a discriminação racial e a defesa dos direitos humanos, além de assinar um comunicado conjunto de 43 pontos de temas de interesse bilateral e com projeção regional.
Em uma posterior coletiva de imprensa, Mujica disse que se a legitimidade fosse medida em percentual de votos, Morales seria "o presidente mais legítimo de nossa América".
Acrescentou que defendeu permanentemente às pessoas mais marginalizadas da América, além de recriar os laços entre países "para construir a nação federal à qual historicamente pertencemos".
Também disse que Morales tenta dar personalidade à região no campo internacional "para que o espaço comum nos acolha e ofereça possibilidade de incidir em um mundo que está se reconstruindo ao redor de gigantescas unidades".
Mujica recordou, por outro lado, que Bolívia é o único país que tem reservas econômicas acima de 50% de seu produto interno bruto, e descreveu esse fato como "uma análise conclusiva do que representa Morales".
Por sua vez, o presidente da Bolívia descreveu Mujica como "irmão, amigo e pai" a nível político, pessoal e como lutador social.
Morales disse valorizar a oferta uruguaia de saída para o oceano Atlântico através do futuro porto de águas profundas no departamento de Rocha, sobre o qual ambos presidentes subscreveram um memorando de entendimento.
A sua vez, Morales afirmou que a Bolívia põe suas rotas e vias a disposição do Uruguai para que tenha uma nova saída para o Pacífico.
"Estamos convencidos de que as hidrovias, estradas, aeroportos e acesso aos portos são uma integração de nossos povos e complementariedade do comércio", sublinhou.
Morales, que hoje recebeu a Medalha de Ouro da Associação Latino-Americana de Integração, oferecerá uma conferência na Universidade da República e outra na sede da central sindical PIT-CNT. (Prensa Latina – 26/02/2015)

El Protocolo de Ushuaia también debe ser aplicable a la gestión de Maduro
El portal de CNNExpansión divulgó en la semana lo que considera como "las cinco razones de la debacle económica de Venezuela": la inestabilidad política, donde considera que "el gobierno venezolano, dirigido por Nicolás Maduro, quien sucedió a Hugo Chávez después de su muerte, se ha vuelto cada vez más autoritario".
La crisis alimentaria, alegando que "hay escasez de alimentos en los supermercados de todo el país debido a que el Gobierno no puede pagar para importar".
Petróleo, donde el país pasó "de millonario a mendigo" tras el desplome de los precios mundiales del crudo, principal fuente de ingresos de Venezuela.
Dinero muerto; donde dice que "la moneda de Venezuela está perdiendo valor más rápido que cualquier otra en el mundo"
Y el impago. El país debe u$s 11.000 millones en pago de la deuda este año. Algunos expertos prevén que Venezuela caiga en impago en octubre, cuando el país deba pagar u$s 5.000 millones.
Las relaciones de la figura de Nicolás Maduro con la política y la economía paraguaya, que datan de aquel intento del entonces canciller venezolano de levantar al Ejército paraguayo en contra del Congreso para evitar la destitución de Fernando Lugo, nunca fueron amistosas, más allá del "borrón y cuenta nueva" aplicado por Cartes, en su momento.
En lo económico, el precedente de la suspensión de Paraguay del Mercosur alegando el Protocolo de Ushuaia, permitió el ingreso de Venezuela como miembro pleno del bloque común sin el consentimiento de Paraguay, violando el artículo 37 del capítulo III del Protocolo de Ouro Preto, que dice que las decisiones deben ser tomadas con unanimidad de pareceres de las partes.
Sin embargo e invocando aquel Protocolo de Ushuaia sobre Compromiso Democrático en el Mercosur, cuyo artículo primero reza: "La plena vigencia de las instituciones democráticas es condición esencial para el desarrollo de los procesos de integración entre los Estados Partes del presente Protocolo", allí también se detallan las consecuencias de una eventual ruptura de las condiciones democráticas en uno de los países miembros.
El estado de caos en que se encuentra la política en Venezuela, que arrastró a la nación caribeña a una de las peores crisis económicas de su historia degenerando en la racionalización de alimentos, el control y la fijación de los precios de bienes de consumo por parte del Estado, las detenciones de figuras políticas de oposición bajo argumentos irrisorios de "conspiración de golpe de estado", la desaparición del libre mercado, la fijación de la cotización del dólar y las regulaciones cambiarias abusivas, etc., están lejos de sugerir o indicar cualquier estado similar o parecido al de una democracia.
Pero, lejos de la aplicación del Protocolo de Ushuaia por parte de los demás miembros del Mercosur, ni Brasil, ni Argentina, ni Paraguay (abusado en casi todos los términos del Tratado de Asunción de 1991), han siquiera gesticulado intenciones de pedir informes al gobierno de Nicolás Maduro. (Cronista – 26/02/2015)

Evo Morales llama a Chile en la Aladi a cumplir con su compromiso de libre trânsito
El Presidente dijo que espera lograr una solución favorable en el marco del diálogo y convocó a los países que conforman este organismo a promover un encuentro con organizaciones sociales para el diseño de una agenda de integración latinoamericana.
El presidente Evo Morales convocó hoy a Chile a cumplir con su compromiso de garantizar el libre tránsito para las exportaciones e importaciones bolivianas y lo hizo en la sede de la Asociación Latinoamericana de Integración (Aladi) donde Bolivia interpuso una denuncia por incumplimiento de este compromiso, fijado en el Tratado de 1904.
“Queremos agradecer a este comité de representantes por atender a Bolivia en su legítimo reclamo contra las medidas unilaterales aplicadas a nuestros transportistas en su tránsito hacia puertos del Pacífico, valoro mucho este espacio, agradecemos las recomendaciones para solucionar este grave problema y llamamos a Chile a cumplir con su compromiso de otorgar un amplio y libre tránsito a Bolivia”, demandó.
Morales asistió a la sede de la Aladi para recibir la máxima condecoración que otorga ese organismo multilateral y tras el acto se dirigió a la Casa de Gobierno de Uruguay para sostener un encuentro privado con el presidente José Mujica.
Bolivia denunció a Chile ante la Aladi por poner trabas al libre tránsito establecido en el Tratado de 1904 con perjuicio a las exportaciones y a las importaciones bolivianas desde y hacia los puertos chilenos. En diciembre de 2014 ese organismo dispuso cuatro meses para que ambos países encuentren una solución en el marco del diálogo.
A mediados de este mes se realizó un primer encuentro bilateral en la sede de la Asociación Latinoamericana de Integración, donde la delegación boliviana observó la asistencia de emisarios chilenos no autorizados para la toma de decisiones.
“En Bolivia practicamos la cultura del diálogo y esperamos que en el marco de las reuniones que estamos teniendo en este comité logremos soluciones concretas a nuestro reclamo”, declaró esta mañana Morales, luego de reflexionar sobre la necesidad de trabajar en un proceso de integración que vaya más allá de las necesidades comerciales.
En ese marco, propuso a los países que conforman la Aladi convocar a una reunión en Montevideo con presencia de los movimientos sociales de Latinoamérica, “para que sean los pueblos los que dialoguen y diseñen la agenda de integración de América Latina para los próximos años”. (La Razon – 26/02/2015)

Pobre Mercosul
Celso Ming
Na Argentina, os produtos brasileiros seguem sujeitos a travas e a licenças prévias de importação, não importando seu preço, enquanto os da China vêm tendo porteira aberta.
No dia 4 de fevereiro, a presidente da Argentina, Cristina Kirchner, fechou com a China um pacote de acordos que envolvem negócios de mais de US$ 20 bilhões, a maioria na área de investimentos.
A China se comprometeu a construir hidrelétricas, projetos de infraestrutura, telecomunicações e tecnologia aeroespacial. Além de financiamentos de longo prazo, está previsto fornecimento de equipamento produzido na China com isenção alfandegária e emprego de mão de obra chinesa.
São acordos que contrariam frontalmente os tratados do Mercosul na medida em que dão prioridade aos produtos chineses sobre os provenientes dos sócios do Mercosul.
Há uma semana, o diário El Clarim, de Buenos Aires, citou uma anônima autoridade do governo que justificou mais esse atropelamento dos tratados e a crescente prioridade dada a produtos chineses com a alegação de que a Argentina não está obrigada a pagar bem mais caro por produtos brasileiros.
O problema, obviamente, não está no preço, que a China põe onde quer, desde que obtenha as contrapartidas de seu interesse. O problema está em que os produtos brasileiros seguem sujeitos a travas e a licenças prévias de importação, não importando seu preço, enquanto os da China vêm tendo porteira aberta.
A justificativa é a de que a crise cambial não deixa outra saída à Argentina. Enquanto isso, o governo Dilma vem tolerando passivamente os desaforos comerciais, sob o argumento de que não pode abandonar os hermanos numa hora difícil. A principal vítima é o Mercosul, que se apresenta como uma união aduaneira, o segundo estágio de integração entre Estados nacionais. (O primeiro é a definição de uma área de livre-comércio, em que mercadorias e serviços podem circular livremente, sem restrições e impostos alfandegários.)
Além de intercâmbio comercial livre entre membros do grupo, uma união aduaneira exige unificação das políticas de comércio e tratamento comum a produtos provenientes de países de fora do bloco. Daí a existência de uma TEC, a Tarifa Externa Comum, que unifica as alíquotas do Imposto de Importação.
O Mercosul não conseguiu completar nem o primeiro estágio, o de área de livre-comércio. Por imposição da Argentina, o comércio bilateral está repleto de restrições, embargos e licenças prévias. Mesmo antes de atravessar a atual penúria de dólares, a Argentina já vinha perfurando sistematicamente a TEC.
A Argentina também não aguenta a concorrência externa. Por isso vem sabotando as negociações de um acordo comercial com a União Europeia. Porque entende que a união aduaneira está em vigor e, com ela, o tratamento comum do comércio exterior, o Brasil vem tolerando o desmanche do Mercosul pela Argentina. Não está nem um pouco claro o tratamento que o governo Dilma pretende dar agora a este cada vez mais desmoralizado bloco.
O gráfico mostra como evoluem as importações da Argentina tanto do Brasil quanto da China. A fonte é a própria Argentina. Mostra o crescimento da importância do produto chinês e a forte redução de importância do produto.
Já no final de seu mandato, o presidente do Uruguai, o despojado José Mujica, já não faz questão de se prender à linguagem diplomática. Diz, na lata, o que pensa. Na segunda-feira, jornais da Argentina publicaram despachos creditados à France Press e à Telam com mais um desabafo de Mujica: “Argentina no acompaña un carajo la integración regional”. E completou: “Mesmo quando as coisas vão bem, bandeia para o outro lado”.
Paciência e omissão
Mujica também se queixa do Brasil, pela paciência excessiva com a Argentina. “La presidenta Dilma una vez me dijo: ‘Ay Pepe, com Argentina hay que tener paciencia estratégica’.” Quando o Brasil precisa liderar, omite-se. (O Estado de SP – 25/02/2015)

Ex-deputado Doutor Rosinha assume cargo de alto representante do Mercosul
Da Agência Brasil
Edição: Marcos Chagas
O ex-deputado federal pelo PT do Paraná (1999-2015) e ex-presidente do Parlamento do Mercosul (2008-2009) Doutor Rosinha, de 64 anos, assume na tarde desta quarta-feira (25) o cargo de alto representante-geral do Mercosul. A cerimônia será no Edifício do Mercosul, em Montevidéu.
Rosinha foi indicado pelo governo brasileiro e teve seu nome aprovado por unanimidade, por todos os demais países-membros do bloco – Argentina, Uruguai, Paraguai e Venezuela.
Entre as atribuições do cargo estão representar o Mercosul em reuniões com blocos e organismos internacionais, coordenar missões de observação eleitoral, apresentar propostas vinculadas ao processo de integração e liderar os trabalhos do plano de ação do Estatuto da Cidadania do Mercosul.
Criada em 2010, a função de alto representante-geral do Mercosul foi exercida até junho de 2012 pelo embaixador Samuel Pinheiro Guimarães, ex-secretário-geral do Ministério das Relações Exteriores. Na sequência, Ivan Ramalho, economista e atual secretário executivo do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio, assumiu o cargo.
Rosinha pretende dar continuidade ao trabalho desenvolvido pelo antecessor. “Sempre que se assume um cargo, assume-se um desafio. O Ivan Ramalho estava desenvolvendo um programa de trabalho buscando a integração de cadeias produtivas. Continuarei com esse programa, que constitui um grande avanço na construção do Mercosul”, disse em nota.
O ex-deputado informou que prosseguirá na busca da consolidação de uma identidade para o Mercosul. “Sempre busquei a criação dessa identidade e para isso dou dois exemplos: a defesa que faço pela eleição direta para o Parlamento do Mercosul, que dará uma identidade política para o bloco, e a lei que obriga o hasteamento da bandeira do Mercosul nos órgãos públicos brasileiros, infelizmente ainda desconhecida ou desrespeitada.”
Segundo ele, também é prioridade identificar os problemas de fronteira e superá-los: “A integração começa pela construção da cidadania nas fronteiras”. (Agência Brasil – 25/02/2015)

Crise na Venezuela acende alerta vermelho no governo brasileiro
Lisandra Paraguassu
Na avaliação de Brasília, governo Maduro está chegando perto de romper protocolo do Mercosul que determina 'vigência das instituições democráticas'
BRASÍLIA - O cerco à oposição instaurado pelo presidente venezuelano, Nicolás Maduro, acendeu o alerta vermelho no governo brasileiro. A prisão na quinta-feira, 19, do prefeito metropolitano de Caracas, Antonio Ledezma, e a invasão dos escritórios do Copei, um dos principais partidos da oposição, na segunda-feira fizeram surgir no Brasil o temor de que a Venezuela esteja passando dos limites impostos pelos marcos democráticos do Mercosul e da União de Nações Sul-Americanas (Unasul). Na terça-feira, 24, em nota, o Itamaraty subiu o tom ao citar, mesmo que não nominalmente, os dois casos.
"São motivos de crescente atenção medidas tomadas nos últimos dias, que afetam diretamente partidos políticos e representantes democraticamente eleitos, assim como iniciativas tendentes a abreviar o mandato presidencial", diz o texto, que tenta equilibrar a crítica ao tratar também do suposto plano de um golpe de Estado contra Maduro. A nota cita, ainda, os "contatos diretos" que vem sendo feitos pelo governo brasileiro com a Venezuela.
Prisão do prefeito de Caracas desencadeou uma série de manifestações na cidade
Na avaliação do governo brasileiro, a Venezuela está chegando perto de romper as regras do protocolo de Ushuaia do Mercosul, cujo primeiro artigo determina que a "plena vigência das instituições democráticas é condição essencial para o desenvolvimento dos processos de integração entre os Estados Partes do presente Protocolo". O Paraguai foi suspenso do bloco por um ano por menos do que a prisão de opositores e a invasão de partidos políticos sem provas concretas de que uma tentativa de golpe estivesse em curso.
Além de testar os limites da democracia, a Venezuela ainda deixa os vizinhos em uma situação difícil . O presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos, já criticou abertamente as ações de Maduro. O país faz parte da comissão de chanceleres que intermediou o diálogo entre governo e oposição, em 2014. Um dos cuidados da diplomacia brasileira é de não fazer críticas públicas para não prejudicar sua possibilidade de diálogo com o governo venezuelano. Mas recados foram dados de que o Brasil não terá como defender ações claramente antidemocráticas.
Em nota, o Itamaraty cobrou a retomada do diálogo. "O Governo brasileiro considera imperiosa a pronta retomada do diálogo político auspiciado pela Unasul por meio da Comissão de Chanceleres, que tem contado com o decidido apoio da Santa Sé, diz o texto. "O Governo brasileiro insta os atores políticos venezuelanos, assim como as forças sociais que os apoiam, a absterem-se de quaisquer atos que possam criar dificuldades a esse almejado diálogo.
O secretário-geral da Unasul, Ernesto Samper, pediu uma reunião da comissão de chanceleres e um encontro deve ocorrer durante a posse de Tabaré Vázquez, em Montevidéu, no fim desta semana. O governo colombiano, que não compareceria, tenta se organizar para participar do encontro. A ideia é fazer uma reunião preparativa para uma visita a Caracas, onde se tentaria reabrir o diálogo entre as forças políticas venezuelanas. Até agora, no entanto, Maduro não convidou a comissão para ir a Caracas. (O Estado de SP – 25/02/2015)

Aqui nas nossas barbas
Eliane Cantanhêde
Não foi por falta de aviso que a presidente Dilma Rousseff caiu em mais essa esparrela: se ver, neste momento, perigosamente atrelada ao curioso e decrépito regime da Venezuela, onde Nicolás Maduro está literalmente caindo de maduro. O Itamaraty bem que avisou.
Ainda no primeiro mandato, aquele que já foi tarde, o então chanceler Antônio Patriota procurou a presidente para alertar que a coisa ia de mal a pior e sugerir que o Brasil mantivesse uma distância cautelosa, para não se contaminar nem inviabilizar o diálogo com a oposição (que pode vir a ocupar o poder um dia...).
Cheio de dedos, possivelmente morrendo de medo da presidente (ou "presidenta"...), Patriota relatou que os informes recebidos de Caracas pelas vias oficiais, diplomáticas, davam conta de uma deterioração acentuada do regime: recessão, inflação galopante, grave desabastecimento e até declínio das tão badaladas missões sociais, as "misiones".
Não se sabe como ele disse, mas o objetivo foi dizer que Maduro estava perdendo o controle da situação, a oposição se fortalecia e, portanto, seria conveniente aos interesses brasileiros e à imagem internacional do Brasil enviar sinais de descolamento do regime.
Dilma, que ouvira calada do início ao fim, cruzou os braços, mirou Patriota olho no olho e, conforme relatos, perguntou com jeitão de poucos amigos: "Acabou, chanceler?" E praticamente pôs Patriota porta afora.
Arminio Fraga diz que, na era PT, a economia é carregada de ideologia. Pois isso cabe como uma luva também para a política externa, que deixa de lado o pragmatismo conveniente aos interesses nacionais para agir na base de dois pesos, duas medidas.
Quando a Câmara, o Senado, a Justiça e a opinião pública aprovaram o impeachment do presidente Fernando Lugo dentro dos preceitos legais e constitucionais do país, o Brasil foi rápido no gatilho: condenou publicamente e liderou ligeirinho o movimento para suspender o Paraguai da Unasul e do Mercosul.
E agora, quando o governo Maduro manda prender o prefeito de Caracas, Antonio Ledezma, e não se vexa de invadir as sedes dos partidos de oposição? Uma nota daqui, outra dali, sempre escritas no Planalto e sem uma condenação explícita nem ao governo nem à ação típica e escancaradamente antidemocrática.
Fica aquela dúvida: aprovar o impeachment de um "cumpanheiro" de esquerda dentro da lei fere as suscetibilidades do governo brasileiro e as regras democráticas da Unasul e do Mercosul. Mas prender arbitrariamente o prefeito da capital e invadir as sedes dos partidos adversários são ações legítimas, aceitáveis?
O governo Maduro diz que se previne contra um golpe, mas não mostrou até agora uma mísera prova de conspiração de Washington, Prefeitura de Caracas, oposição e Forças Armadas - que, aliás, tanto ajudaram Hugo Chávez - para derrubar Maduro.
Ao contrário, é evidente que Maduro é quem trabalha contra Maduro. Seu governo é um desastre histórico para a Venezuela, para os venezuelanos, para o legado de Chávez e, claro, para sua própria biografia.
A prisão de Ledezma e a invasão dos partidos nada mais é do que um velho truque de governos aflitos e acuados: criar inimigos externos e miragens para tentar sobreviver à sua própria incompetência, à própria tragédia imposta a seus países e cidadãos.
E o Brasil com isso? O Brasil, como maior economia, maior território, maior população e principal líder político da região, deveria parar com isso de sobrepor as simpatias ideológicas aos interesses dos cidadãos.
Democracia é um conceito elástico, mas nem o mais ingênuo dos ingênuos pode considerar democrático o que ocorre na Venezuela, aqui nas nossas barbas. O Itamaraty sabe disso, mas quem manda é a presidente e sua assessoria, que fingem não saber. É aí que mora o perigo. (O Estado de SP – 25/02/2015)

Itamaraty sobe tom e diz que ações na Venezuela afetam partidos e políticos
ISABEL FLECK
Em nota divulgada na noite desta terça-feira (24), o Itamaraty subiu um pouco o tom ao comentar as recentes ações do governo do venezuelano Nicolás Maduro, afirmando que "são motivos de crescente atenção medidas tomadas nos últimos dias, que afetam diretamente partidos políticos e representantes democraticamente eleitos".
Na última semana, o prefeito metropolitano de Caracas, o oposicionista Antonio Ledezma, foi detido em seu escritório sob a acusação de conspirar para derrubar o governo. Na segunda (23), foi a vez de o partido conservador Copei ter sua sede invadida e tomada por um grupo de pessoas com apoio da polícia.
Nesta terça (24), um adolescente morreu durante protesto antigoverno.
Na última sexta-feira (20), o Itamaraty havia afirmado que acompanhava "com grande preocupação a evolução da situação na Venezuela", sem detalhar as recentes medidas do governo Maduro. A presidente Dilma Rousseff havia declarado, também na sexta, que a prisão de Ledezma era uma "questão interna" do país vizinho.
Na nota desta terça, o Itamaraty segue não mencionando especificamente a prisão do prefeito, mas diz que as últimas ações afetam partidos e políticos democraticamente eleitos.
Segundo a Folha apurou, o novo comunicado reflete a leitura do governo brasileiro de que a situação política no país piorou desde a prisão de Ledezma.
A chancelaria brasileira, contudo, leva em conta a posição do governo Maduro na nota, colocando também como motivos de "crescente atenção" as "iniciativas tendentes a abreviar o mandato presidencial".
Uma das provas apresentadas por Caracas da suposta tentativa de golpe pela oposição é uma carta aberta, veiculada este mês, que pede um "acordo nacional de transição". O texto tem a assinatura de Ledezma, de Leopoldo López, outro líder oposicionista preso há um ano, e de María Corina Machado, política de oposição acusada em dezembro de conspirar para o assassinato de Maduro.
"O Governo brasileiro continua a acompanhar com grande preocupação os acontecimentos na Venezuela, em especial por meio da Comissão de Chanceleres da Unasul, integrada pelos chanceleres do Brasil, Colômbia e Equador, e por contatos diretos com o governo venezuelano", diz o comunicado.
URUGUAI
Há a possibilidade de que os chanceleres da Unasul já se reúnam em Montevidéu, no fim de semana, onde estarão por ocasião da posse do novo presidente uruguaio, Tabaré Vázquez, para discutir a situação na Venezuela.
No texto, o Itamaraty diz que o governo considera "imperiosa" a rápida retomada do diálogo político, por meio da Unasul e com o apoio da Santa Sé. "Nesse sentido, reitera sua disposição de contribuir de forma ativa com o governo venezuelano e com todos os setores envolvidos na Venezuela para a retomada desse diálogo", afirma a chancelaria.
O governo, pela nota, insta os atores políticos venezuelanos e os grupos que os apóiam a absterem-se "de quaisquer atos que possam criar dificuldades a esse almejado diálogo". (Folha de SP – 24/02/2015)

Brasil cobra retomada do diálogo na Venezuela
Lisandra Paraguassu
Em nota, Itamaraty afirma que continua "acompanhando com grande preocupação" a situação no país e demonstra incômodo com ações do governo Maduro
BRASÍLIA – O governo brasileiro divulgou uma segunda nota sobre a situação da Venezuela, na tarde desta terça-feira, 24, cobrando a volta do diálogo entre governo e oposição no país. No texto, mais longo do que as costumeiras notas diplomáticas, o Itamaraty afirma que continua “acompanhando com grande preocupação” a situação na Venezuela e demonstra incômodo com as ações do governo de Nicolás Maduro, que mandou prender o prefeito metropolitano de Caracas, Antonio Ledezma, e invadir as sedes do Copei, um dos tradicionais partido de oposição, em 12 cidades.
“São motivos de crescente atenção medidas tomadas nos últimos dias, que afetam diretamente partidos políticos e representantes democraticamente eleitos, assim como iniciativas tendentes a abreviar o mandato presidencial”, diz o texto.
Uma reunião do grupo de chanceleres da União de Nações Sul-americanas (Unasul) que fez a intermediação entre governo e oposição na Venezuela, no ano passado, pode acontecer em Montevidéu, no fim desta semana, durante a posse de Tabaré Vázquez. A intenção é preparar para um outro encontro, em Caracas, de intermediação com a oposição. No entanto, a Venezuela ainda não pediu a ação do grupo. No nota, o governo brasileiro cobra uma resposta e diz que considera “imperiosa” a retomada do diálogo.
“Governo brasileiro insta os atores políticos venezuelanos, assim como as forças sociais que os apoiam, a absterem-se de quaisquer atos que possam criar dificuldades a esse almejado diálogo. A finalidade última é ajudar a Venezuela, no marco da sua Constituição, a desenvolver as condições para que o país possa retomar o seu desenvolvimento econômico e social em um clima de paz e concórdia”. (O Estado de SP – 24/02/2015)

Argentina considera “injustas” críticas de Mujica por Mercosur
Jefe de Gabinete Capitanich exige para su país el “reconocimiento” uruguayo en la región.
José Mujica con su colega argentina, Cristina Kirchner: “Pepe” se desbocó de nuevo. “Te voy a hacer una confesión: me dijo una vez la presidenta de Brasil (Dilma Rousseff): '¡Ay, 'Pepe', con Argentina hay que tener paciencia estratégica!”, relató.
Buenos Aires, Argentina. AFP.
El jefe de Gabinete de Argentina, Jorge Capitanich, consideró este lunes “injustos” los dichos del presidente de Uruguay, José Mujica, quien aseguró que Buenos Aires “no acompaña un carajo” la integración regional del Mercosur.
“Argentina debe y merece tener el reconocimiento de sus pares, y debe tenerlo del Uruguay, porque gran parte de su comercio exterior tiene mucho que ver con la capacidad y el desarrollo que se ejerce desde la Argentina”, replicó Capitanich en rueda de prensa en la Casa de Gobierno.
El funcionario fue consultado sobre las declaraciones que formuló Mujica en una entrevista al diario Perfil publicada el domingo.
“La Argentina tendría que acompañar (la integración), y no acompaña un carajo, más bien lo contrario, es como si la Argentina se hubiera retrotraído a una visión de 1960”, sostuvo Mujica en relación al bloque integrado por Argentina, Brasil, Uruguay, Paraguay y Venezuela.
Relaciones tumultuosas
El jefe de ministros recordó que “Argentina, desde el acuerdo con (el ex presidente brasileño José) Sarney de 1986, es un país fundante de estas estrategias” de integración.
Al respecto agregó que por eso “el rol ha sido superlativo en la construcción de la patria grande latinoamericana” y estimó que “sería injusto si no se reconociese el rol de la Argentina con (el ex presidente) Néstor (Kirchner) y Cristina Kirchner”.
Las relaciones económicas en el seno del Mercosur, en particular entre Uruguay y Argentina, pasan por momentos de desacuerdos y dificultades.
Lo que dijo “Pepe” Mujica
El presidente de Uruguay, José Mujica, afirmó el domingo que Argentina debería sumarse a una integración regional liderada por Brasil, en una entrevista con el diario Perfil. “La Argentina tendría que acompañar (la integración), y no acompaña un carajo, más bien lo contrario, es como si la Argentina se hubiera retrotraído a una visión de 1960”, dijo el mandatario consultado sobre los bloques del Mercosur (junto con Paraguay y Venezuela) y Unasur (Sudamérica). Mujica dijo que “la integración precisa un liderazgo, y ese liderazgo se llama Brasil”. “¿Sabés quiénes somos los más integracionistas? Los países chicos; por necesidad, porque vamos corriendo de atrás”, señaló el mandatario que el 1 de marzo entregará el poder al sucesor Tabaré Vázquez, de su mismo partido, el Frente Amplio, que nuclea a fuerzas de izquierda y centroizquierda. (La Nacion – 24/02/2015)

EE.UU apuesta por consolidar alianza estratégica con el Perú
Destaca embajador Luis Miguel Castilla
ANDINA/Melina Mejía
Washington, feb. 24. El presidente de Estados Unidos, Barack Obama, apuesta por consolidar la alianza estratégica con el Perú, destacó hoy el embajador peruano en Washington, Luis Miguel Castilla, quien en la víspera entregó sus cartas credenciales a la Casa Blanca.
Durante dicha ceremonia, dijo Castilla, sostuvo un breve encuentro con el mandatario estadounidense, quien le ratificó "el gran punto" en el cual se encuentran las relaciones bilaterales entre Estados Unidos y el Perú.
"Él (Barack Obama) comentó de sus encuentros con el presidente Ollanta Humala en el pasado y su apuesta por consolidar la alianza estratégica que tiene con nuestro país", remarcó el embajador en entrevista con RPP.
Asimismo, dijo que en la conversación se delinearon tres áreas de trabajo para continuar lo iniciado y consolidar los tratados y convenios firmados durante la visita que realizó hace más de un año el mandatario peruano.
Según mencionó, el primer punto tiene que ver con la seguridad, defensa y lucha contra el narcotráfico, el programa Global Entry que facilita el ingreso de viajeros frecuentes por vía aérea, y el trabajo con el Congreso norteamericano para elevar los niveles de cooperación financiera.
"Una segunda área es consolidar los beneficios del TLC. El comercio se ha duplicado, pero hay una serie de barreras sanitarias que impiden el acceso al mercado. Será un tema que se trabajará conjuntamente con el ministerio de Agricultura, de Comercio Exterior y la Cancillería", agregó.
La tercera línea de trabajo, indicó, está orientada a tener lazos más estrechos en el tema educativo, así como en el intercambio estudiantil.
Castilla refirió también que en las conversaciones durante el poco tiempo que lleva en Estados Unidos ha recogido el interés de lo que pasa en el Perú, y remarcó que el país es visto como un socio confiable con una agenda positiva y constructiva.
Asimismo, el embajador peruano destacó que la decisión de Washington de retomar relaciones con Cuba marca "un antes y un después" en la historia, no solo con La Habana, sino también con América Latina.
Consultado sobre la reunión que tuvo con Roberta Jacobson, la secretaria de Estado adjunta para América Latina, precisó que no fue un encuentro bilateral, sino con los principales países del hemisferio para discutir temas de coyuntura. (Andina – 24/02/2014)

Unasul realizará no Uruguai conferência internacional sobre igualdade
Montevidéu - Ao redor de 50 delegados dos países-membros da União de Nações Sul-americanas (Unasul) debaterão aqui sobre as conquistas e desafios da região rumo à igualdade, confirmou o ministério de relações exteriores.
Para aprofundar o trabalho intersetorial dos órgãos da Unasul, cuja presidência temporária é exercida pelo Uruguai, foi convocada uma conferência internacional para sexta-feira, 27.
Antes disso, serão feitas reuniões específicas dos conselhos de Unasul sobre saúde, desenvolvimento social, cultura, educação, ciência, tecnologia e inovação.
Na conferência internacional, María Inés Rico, encarregada da divisão de Desenvolvimento Social da Comissão Econômica para América Latina e Caribe (Cepal), apresentará o relatório publicado recentemente "Panorama Social da América Latina 2014".
Essa conferência será realizada na sede permanente da Associação Latino-americana de Integração (Aladi).
Também exporão os ministros de Desenvolvimento Social, Daniel Olesker; de Saúde, Susana Muñiz, e de Educação, Ricardo Ehrlich sobre os a situação no Uruguai e na região.
Uruguai exercerá a presidência temporária da Unasul - integrada pela Argentina, Bolívia, Brasil, Chile, Colômbia, Equador, Guiana, Paraguai, Peru, Suriname, Uruguai e Venezuela - até abril de 2016. (Prensa Latina – 24/02/2015)

Argentina considera “injustas” críticas de Mujica por Mercosur
Por AFP
BUENOS AIRES. El jefe de Gabinete de Argentina, Jorge Capitanich, consideró este lunes “injustos” los dichos del presidente de Uruguay, José Mujica, quien aseguró que Buenos Aires “no acompaña un carajo” la integración regional del Mercosur.
“Argentina debe y merece tener el reconocimiento de sus pares, y debe tenerlo del Uruguay, porque gran parte de su comercio exterior tiene mucho que ver con la capacidad y el desarrollo que se ejerce desde la Argentina”, replicó Capitanich en rueda de prensa en la Casa de Gobierno.
El funcionario fue consultado sobre las declaraciones que formuló Mujica en una entrevista al diario Perfil publicada el domingo.
“La Argentina tendría que acompañar (la integración), y no acompaña un carajo, más bien lo contrario, es como si la Argentina se hubiera retrotraído a una visión de 1960”, sostuvo Mujica en relación al bloque integrado por Argentina, Brasil, Uruguay, Paraguay y Venezuela).
El jefe de ministros recordó que “Argentina, desde el acuerdo con (el expresidente brasileño José) Sarney de 1986, es un país fundante de estas estrategias” de integración.
Al respecto agregó que por eso “el rol ha sido superlativo en la construcción de la patria grande latinoamericana” y estimó que “sería injusto si no se reconociese el rol de la Argentina con (el expresidente) Néstor (Kirchner) y Cristina Kirchner” .
Las relaciones económicas en el seno del Mercosur, en particular entre Uruguay y Argentina, pasan por momentos de desacuerdos y dificultades. (ABC Color – 23/02/2015)

Capitanich consideró "injusto" que no se valore el rol de Argentina en el Mercosur
El jefe de gabinete argentino respondió los dichos del presidente José Mujica sobre que Argentina "no acompaña un carajo"
"Argentina debe tener el reconocimiento de sus pares y merece tener el reconocimiento precisamente de la República Oriental del Uruguay porque gran parte de su comercio exterior tiene que ver con la capacidad y el desarrollo que ejerce desde la República Argentina", dijo el jefe de gabinete argentino, Jorge Capitanich, en respuesta a los dichos del presidente José Mujica sobre el rol que argentina cumple en el Mercosur.
"La integración precisa un liderazgo, y ese liderazgo se llama Brasil, pero la Argentina tendría que acompañar, y no acompaña un carajo, más bien lo contrario, es como si la Argentina se hubiera retrotraído a una visión de 1960", fueron las palabras del presidente durante una entrevista con el diario argentino Perfil.
Este lunes, durante su tradicional conferencia de prensa en la Casa Rosada, Capitanich dijo que el gobierno argentino es muy respetuoso "de las expresiones de los mandatarios de otros países del mundo", sobre todo con aquellos países que participan de la asociación estratégica en Mercosur.
"El rol que ha tenido Argentina ha sido superlativo en la construcción de la patria grande y en la integración y en la creación de fortalezas estratégicas a nivel internacional. Entonces somos muy respetuosos de todas las opiniones, pero sería injusto si no se reconociese el rol que ha tenido Argentina precisamente con Nestor Kirchner y Cristina Fernández", agregó el jerarca.
Las declaraciones de Capitanich sobre los comentarios de Mujica pueden verse en el video desde el minuto 13.30 hasta el 16:45. (El Observador – 23/02/2015)

Argentina no acompaña ‘un carajo’ la integración regional
Desacuerdos. Mujica hace declaraciones polémicas a un diário
La Razón (Edición Impresa) / AFP / Buenos Aires
El presidente de Uruguay, José Mujica, afirmó este domingo que Argentina debería sumarse a una integración regional liderada por Brasil, en una entrevista con el diario Perfil. “No acompaña un carajo”, dijo.
“La Argentina tendría que acompañar (la integración), y no acompaña un carajo, más bien lo contrario, es como si la Argentina se hubiera retrotraído a una visión de 1960”, dijo el Mandatario consultado sobre los bloques del Mercosur (junto con Paraguay y Venezuela) y Unasur (Sudamérica).Mujica agregó que “la integración precisa un liderazgo, y ese liderazgo se llama Brasil”.
“¿Sabés quiénes somos los más integracionistas? Los países chicos; por necesidad, porque vamos corriendo de atrás”, señaló el gobernante, que el 1 de marzo entregará el poder al sucesor Tabaré Vázquez, de su mismo partido, el Frente Amplio, de fuerzas de izquierda y centroizquierda.
“En cuanto tiene el viento de cola, Argentina se olvida de la integración, cuando le van bien las cosas agarra para otro lado. También Brasil”.
“Te voy a hacer una confesión: me dijo una vez la presidenta de Brasil (Dilma Rousseff): ‘¡Ay, Pepe, con Argentina hay que tener paciencia estratégica...!”, relató.
Las relaciones económicas en el seno del Mercosur, en particular entre Uruguay y Argentina, pasan por momentos de desacuerdos y dificultades.
“Brasil les ha bancado de todo a los argentinos, de todo... Pero no quiere perderlos como aliados”, comentó Mujica en la entrevista.
Impasse verbal con Argentina
Descuido
En abril de 2013, mientras el micrófono estaba abierto, a Mujica se le escuchó decir que “esta vieja es peor que el tuerto”.Kirchner Aludía así a su par Cristina Fernández y al fallecido esposo de ésta, Néstor Kirchner, en una conversación con un alcalde. (La Razon – 23/02/2015)

Mujica: “Argentina debe acompañar la integración, y no acompaña un carajo”
Expresiones. El presidente uruguayo dijo que “lo que haga o no haga la Argentina va a incidir en el rumbo que tome Brasil”.
AFP
MONTEVIDEO-URUGUAY
El presidente de Uruguay, José Mujica, afirmó ayer que Argentina debería sumarse a una integración regional liderada por Brasil, en una entrevista con el diario Perfil.
“La Argentina tendría que acompañar (la integración), y no acompaña un carajo, más bien lo contrario, es como si la Argentina se hubiera retrotraído a una visión de 1960”, dijo el mandatario consultado sobre los bloques del Mercosur (junto con Paraguay y Venezuela) y Unasur (Sudamérica).
Mujica indicó que “la integración precisa un liderazgo, y ese liderazgo se llama Brasil”.
“¿Sabés quiénes somos los más integracionistas? Los países chicos; por necesidad, porque vamos corriendo de atrás”, señaló el mandatario que el 1 de marzo entregará el poder al sucesor Tabaré Vázquez, de su mismo partido, el Frente Amplio, que nuclea a fuerzas de izquierda y centroizquierda.
paciencia estratégica. El jefe de Estado uruguayo dijo que “en cuanto tiene el viento de cola, Argentina se olvida de la integración, cuando le van bien las cosas agarra para otro lado: También Brasil. Te voy a hacer una confesión: me dijo una vez la presidenta de Brasil (Dilma Rousseff): ‘¡Ay, Pepe, con Argentina hay que tener paciencia estratégica!’”, relató.
Las relaciones económicas en el seno del Mercosur, en particular entre Uruguay y Argentina, pasan por momentos de desacuerdos y dificultades.
“Brasil les ha bancado de todo a los argentinos, de todo. Pero no quiere perderlos como aliados. La Argentina termina siendo determinante en todo. Lo que haga o no haga la Argentina va a incidir en el rumbo que tome Brasil”, afirmó Mujica, que goza de alto índice de popularidad en su país y es un ex guerrillero de izquierda Tupamaros.
otras frases célebres. No es la primera vez que al jefe de Estado, o a algún funcionario, de la Banda Oriental se les escapa un exabrupto contra nuestro país. El último que se recuerda fue cuando el propio Mujica lanzó la frase, sin darse cuenta de que los micrófonos estaban prendidos: “Esta vieja es peor que el tuerto”, con referencia a Cristina y Néstor Kirchner.
En la entrevista, Mujica reiteró sobre los países chicos, quienes son los únicos interesados en la integración regional. “En cuanto tiene el viento de cola, Argentina se olvida de la integración, cuando le van bien las cosas, agarra para otro lado”, señaló.
“Vamos a tener guerra hasta que la naturaleza nos obligue a ser civilizados”, había dicho Mujica. “Y sí, por ahí vamos. El capitalismo, como todo, es contradictorio. Por un lado, está la injusticia, la desigualdad, las guerras; pero ese egoísmo que lleva adentro es un motor formidable, que ha desarrollado ciencia, tecnología, todo eso, ¿verdad? El capitalismo nos ha dado muchos azotes, pero nos regaló 40 años más de vida promedio en el último siglo... ¿qué te parece? Ahora parece haber dado todo de sí; lo lógico es que el socialismo democrático lo reemplace, pero los tiempos de la historia son largos. El capitalismo se desarrolló durante tres siglos sin democracia política”. (Ultima Hora – 23/02/2015)

Cooperação chinesa beneficia a Argentina, Brasil, Equador e Venezuela
Buenos Aires - Argentina, Brasil, Equador e Venezuela são os países mais beneficiados hoje na América do Sul com os investimentos e os convênios de cooperação com a China, realça hoje um estudo da Universidade Nacional do Cujo (UNC).
Beijing dirigiu na última década uma grande parte de seus fundos para ajuda e cooperação para América latina, sobretudo para projetos relativos a recursos naturais, com relevância do setor de infraestrutura, afirma a análise da UNC com sede em Mendoza.
De 2001 e 2011, a maior parte da cooperação econômica chinesa, fora do marco de Ásia e África, destinou-se a 14 países latino-americanos, entre os que se destacam Argentina, Brasil, Equador e Venezuela, como os mais beneficiados da sub-região.
Explica que ao se posicionar como segunda economia do mundo a China adquiriu "capacidade para se comprometer em programas substanciais de ajuda ao desenvolvimento e para executar projetos de investimento em qualquer dos países emergentes".
Por essa razão, conseguiu expandir-se a 93 mercados na primeira década deste século, acrescenta.
A disponibilidade de recursos financeiros derivou no grande impulso das políticas chinesas de ajuda exterior, com ênfase na África e Ásia, e de cooperação exterior, na América Latina.
Essa política sustenta-se -indica o relatório- em estabelecer marcos de negociação comuns, uma cooperação baixo acordo e a não imposição de condições unilaterais; bem como equidade, com o propósito de compartilhar custos e benefícios.
Esse tipo de cooperação ficou gratificada no caso de Argentina na recente viagem da presidenta Cristina Fernández a China, que concluiu com a assinatura de 22 acordos sobre uma aliança estratégica essencialmente de infraestrutura e energia, inéditos na relação bilateral.
No caso de Brasil, os dois países avançaram em maio passado no Projeto Transul, que procura articular uma aliança estratégica com a ideia de estender a outros países de América do Sul e do Grupo BRICS.
O estudo considera que o interesse da China em sua política de cooperação externa estaria posto nas vantagens significativas que espera obter em consumo de energia, de água e, sobretudo, de controle e até reversão da poluição.
Igualmente, no interesse de garantir provisão de insumos metálicos e de alimentos processados mediante contratos de longo prazo, estabilizadores das economias envolvidas. (Prensa Latina – 23/02/2015)

Argentina não acompanha 'porra nenhuma' a integração regional, diz Mujica
DA EFE
O presidente do Uruguai, José Mujica, questionou o papel da Argentina no processo de integração regional em entrevista divulgada neste domingo (22) pelo jornal argentino "Perfil".
"A integração precisa uma liderança, e essa liderança se chama Brasil, mas a Argentina teria que acompanhar, e não acompanha porra nenhuma. Pelo contrário, é como se a Argentina tivesse retrocedido para uma visão de 1960", criticou duramente o presidente uruguaio.
A poucos dias de deixar o governo do país, Mujica analisou a situação atual do processo de integração regional por meio de organismos como o Mercosul e a Unasul e considerou que existe "um grande desafio pela frente".
O presidente do Uruguai também afirmou que os países mais integracionistas da região latino-americana são os "menores", por "necessidade".
Mujica questionou o papel que a Argentina desempenha neste processo, ao afirmar que o país "se esquece da integração" porque "quando as coisas vão bem, se agarra com o outro lado".
O chefe de Estado se referiu a Brasil, Argentina e México como "países determinantes da América Latina", mas ressaltou que seus dirigentes "falam e assumem um discurso integracionista, mas do ponto de vista prático, estão metidos até as orelhas nas contradições do Estado nacional".
"A Argentina acaba sendo determinante em tudo. O que a Argentina fizer ou não fizer vai incidir no rumo que o Brasil toma", considerou Mujica.
"Se não encontramos mecanismos que vão nos integrando, que possam nos dar uma presença internacional de peso, vamos continuar como folhas soltas ao vento", acrescentou.
Após cinco anos de governo, Mujica deixará o poder em 1º de março. Em seu lugar assumirá Tabaré Vázquez, que já presidiu o Uruguai entre 2005 e 2010 e venceu o segundo turno das eleições realizadas em 30 de novembro do ano passado. (Folha de SP – 22/02/2015)

Brazil-US Relations: Common Ideas, Little Dialogue
It is unfortunate that Brazilian-American relations have become strained in recent years. This sense of frustration is further enhanced by the fact that the two largest countries in the Americas have very similar agendas when it comes to tackling inequality and income disparity. President Obama's proposals towards "middle-class economics" and the recently released Economic Report of the President for 2015 highlight just how close the two countries are in their thinking about these issues and on how to make economic policies work more equitably for everyone. And yet, rather than coming together, the distance between the two countries has widened.
President Dilma Rousseff's newly reelected government has vowed to rebalance Brazil's economy - plagued by fiscal disarray and mounting inflation - in a way that preserves the legacy of the PT (Brazil's Workers' Party) achieved over last twelve years: the impressive social inclusion that has raised millions from the lowest ranks of the income distribution to the middle class. Aided by the macroeconomic stabilization of the 1990s and the unprecedented favorable external conditions that dominated the economic landscape between 2004 and 2010, the PT governments have set in motion their own version of "middle-class economics." Remarkable social mobility took hold, and many were able to raise their overall quality of life as a result of targeted cash transfer programs such as "Bolsa-Família," as well as specific programs aimed at allowing working mothers to remain in the marketplace and programs to help small and medium entrepreneurs tap into credit markets, among many other initiatives.
The unequivocal social inclusion seen over the last decade is now threatened by rising inflation and a stalling economy. Lack of growth is starting to take a toll on labor markets, raising the specter of unemployment and wage stagnation. A recent opinion poll conducted by Instituto Datafolha, a major Brazilian pollster, has revealed that a majority of the population now expects that prices will keep on rising, that jobs will become more difficult to find, and that wages will fall as a result of inflation and lackluster economic activity. To restore growth and the prospects for continuing social inclusion, the government has outlined an ambitious adjustment program and has announced plans to reduce bureaucracy, paving the way for greater private sector investment in major areas, such as infrastructure.
However, despite the substantial shift on how the economy should be managed so as not to jeopardize the process of social inclusion - a sharp reversal from the distortionary interventionism of the last four years - there has been little to no recognition of the importance of trade and constructive reengagement with major trading partners such as the US. Concrete steps in this direction, steps that could restore growth in a more timely manner, further bringing in much-needed innovation to Brazil's productive sectors and training for its workers, have been largely ignored. While the Brazilian manufacturing sector flounders in isolationism, lack of competitiveness, and too little involvement in global supply chains, an opportunity to bridge two models of "middle-class economics" is being missed. Naturally, the US has turned to Asia and Europe, regions with which its relations are more mature, for new trade agreements that could do much to reduce the income disparity that has plagued the American economy over the last several years.
It is time for Brazil to set ideology aside and recognize the common ground that unites the two countries. It is time to use the shared theme of middle-class economics" to bring both countries to the negotiating table. Constructive engagement is, after all, a powerful instrument against the specter of growing income inequality. (The World Post – 20/02/2015)

Marcos Troyjo
Um aumento significativo do comércio entre Brasil e Alemanha depende de algo mais que o jogo diplomático
Quando Angela Merkel visitar o Brasil em agosto, o país passará a integrar as "Consultas Intergovernamentais de Alto Nível" que a Alemanha mantém com grandes potências, entre elas EUA e China.
Em meio ao deserto no qual se transformou a política externa dos anos Dilma, a elevação do patamar com Berlim não é desprezível. O Brasil será o primeiro latino-americano a integrar esse grupo.
Seu impacto sobre comércio e investimentos, no entanto, é pouco relevante. Um aumento significativo do intercâmbio econômico depende de algo mais do que a dança diplomática Berlim-Brasília.
Ele só ocorrerá com melhoria do horizonte econômico brasileiro, a facilitação do ambiente de negócios em setores como a indústria automobilística ou mesmo mais clareza no regime de concessões. Todos esses fatores dependem mais unicamente do Brasil do que da dinâmica das relações bilaterais.
A grande joia da coroa no relacionamento com a Alemanha reside na assimilação da tecnologia germânica e na excelência dos princípios e da prática alemã de governança corporativa.
Nesse aspecto, a Alemanha tem muito a contribuir para a melhoria do grau de "institucionalização" da economia brasileira. Bom ressaltar que isso também é função da perspectiva de obtenção de lucro por parte das empresas alemãs, e não apenas do arranjo burocrático entre Chancelarias.
Há muitas amarras impostas pelas regras da União Europeia e do Mercosul para que, individualmente, Alemanha e Brasil possam explorar o potencial do relacionamento bilateral. Isso torna imprescindível o acordo entre os dois agrupamentos, a não ser que Alemanha ou Brasil decidissem romper com a lógica negociadora a partir do bloco em que se inserem.
Isso é impensável para a Alemanha, país que mais tem a perder com um eventual malogro da UE. Tampouco deve se esperar maior independência negociadora por parte do Brasil em relação ao Mercosul, o que o limita em negociações que permitiriam ao país maior participação nas cadeias globais de valor.
Acumulamos no ano passado umdeficit de US$ 7 bilhões em nosso comércio com a Alemanha. Assim, o Brasil quer aumentar suas exportações de maior valor agregado. Mais fácil falar do que fazer. Para isso seria necessária vigorosa intensificação dos esforços de promoção comercial --o que é difícil imaginar perante as atuais restrições orçamentárias que se impõem ao Itamaraty.
A torcida, então, é pela conclusão, neste ano, do acordo UE-Mercosul cuja, s negociações foram lançadas no longínquo ano de 1999. Isso vai depender de quão rapidamente a Europa possa ceder espaço em sua política agrícola comum (PAC) e em que medida Bruxelas considerará satisfatória a proposta de maior abertura dos setores industriais do Mercosul.
As economias do Cone Sul estão subperformando, com possível recessão para seus dois maiores integrantes --Brasil e Argentina. Ea Europa é hoje a região do mundo que menos cresce. Nesse contexto, a conclusão do longo processo negociador seria uma ótima notícia. (Folha de SP – 20/02/2015)

Europarlamentarios piden un cambio de mentalidad para llega a un acuerdo con el Mercosur
Montevideo - El presidente de la Delegación del Parlamento Europeo para las Relaciones con los países del Mercosur, Francisco Assis, reclamó hoy “velocidad máxima” para consensuar un acuerdo comercial entre el bloque suramericano y la Unión Europea (UE), para lo que vio necesario “cambiar un poco la mentalidad”.
Tras visitar Paraguay, un grupo de europarlamentarios dedicados a las relaciones con el Mercado Común del Sur (Mercosur), encabezado por su presidente, llegó anoche a Montevideo para cumplir en Uruguay un apretado programa de reuniones institucionales durante dos días.
La visita se produce en un momento en el que, tras más de 15 años de negociaciones, todavía no se ha consensuado un acuerdo comercial entre los dos bloques.
“Ha habido algunas resistencias de algunos países del Mercosur y de la UE pero hay que cambiar la mentalidad y hay que percibir que nosotros tenemos todo a ganar con una mayor apertura comercial, una apertura naturalmente con reglas”, dijo a Efe Francisco Assis, perteneciente a la Alianza Progresista de Socialistas y Demócratas.
Las negociaciones Mercosur-UE comenzaron en 1999, aunque se vieron interrumpidas en distintos momentos, y volvieron a reactivarse en 2010.
“A ambos dos lados este momento no es el de mirar al pasado, sino de actuar teniendo en vista la resolución del problema, porque de eso depende en gran parte nuestro futuro común y eso es lo que estamos haciendo aquí en Uruguay”, agregó el presidente de la delegación.
El Mercosur ya tiene lista su oferta de bienes, servicios, inversiones y compras gubernamentales, pero los europeos alegan que aún no ha finalizado el proceso de consultas internas para entregar su propuesta.
“Lo más importante es que cambiemos un poco la mentalidad, venzamos el miedo y que vamos conjuntamente a resolver ese problema, porque es muy importante”, confesó Assis.
Tras incidir en la necesidad de dar “pasos significativos y definitivos al frente”, Assis recordó que la UE está negociando con otros países del mundo como EEUU, Canadá, Japón, procurando “regular el proceso de globalización justamente por la vía de los acuerdos comerciales”.
Es por ello que “si hay una región en el mundo con la cual compartimos referencias, valores y modelos es precisamente América del Sur y muy en particular con los países de Mercosur. Por eso no hay una razón pertinente para que no se avance más y más rápidamente”, insistió.
En este sentido, el europarlamentario portugués indicó que se está desarrollando “una especie” de diplomacia parlamentaria con el intento de reforzar la idea y la voluntad de avanzar “más rápidamente” con el acuerdo comercial.
“Porque es importante para las dos partes (...) no solamente desde el punto de vista estrictamente económico y comercial sino también del punto de vista político”, apostilló.
La agenda en Montevideo comenzó en la mañana de hoy con la visita al Instituto Pasteur, para analizar un proyecto financiado por la UE vinculado a la innovación y la investigación científica.
Posteriormente, la delegación europea se reunió con el vicepresidente electo de Uruguay, Raúl Sendic.
“Hemos abordado temas de las relaciones de Uruguay y Mercosur con la UE y de las perspectivas internas del país, que es felizmente muy estable, donde se vive un ambiente de concordia democrática, lo que es absolutamente fundamental para el desarrollo de los pueblos”, destacó el parlamentario europeo.
En su opinión, el país sudamericano es un ejemplo para todo el mundo y “muy particularmente para Europa”, donde a su juicio la política “se está polarizando muy excesivamente” y Uruguay es un país “donde hay capacidad de dialogar”.
Esta es la primera visita del Parlamento Europeo al Mercosur desde que asumió la nueva Cámara en mayo de 2014.
Tras almorzar con los embajadores de los estados europeos en Uruguay, en la Delegación de la UE en Montevideo, el grupo de trabajo de Mercosur mantendrá una audiencia con el ministro de Relaciones Exteriores en funciones, Luis Porto, con el vicepresidente de la República y futuro ministro de Economía, Danilo Astori, y con el presidente de la Cámara de Representantes, Alejandro Sánchez.
El programa acabará mañana con reuniones con los partidos de la oposición uruguaya y con representantes del sector privado. (EFE – 19/02/2015)

Produtos e Mercados


Veja mais

Segunda rodada de negociações Cuba-EUA ocorre hoje em Washington
Da Agência Lusa
Os Estados Unidos e Cuba voltam hoje (27) à mesa de negociações para discutir o restabelecimento das relações diplomáticas entre os dois países, anunciado em dezembro do ano passado. Depois de um primeiro encontro em Havana, em janeiro, a segunda rodada ocorre no Departamento de Estado norte-americano, em Washington.
Como ocorreu na capital cubana, a delegação norte-americana será chefiada pela secretária de Estado adjunta para os Assuntos do Hemisfério Ocidental, Roberta Jacobson, e a equipa cubana, por Josefina Vidal, diretora-geral para os EUA no Ministério dos Negócios Estrangeiros de Cuba.
“Essas conversações dão continuidade ao diálogo iniciado em 22 de janeiro em Havana, Cuba, e são um passo fundamental para a implementação da nova direção das relações EUA-Cuba”, diz nota divulgada pelo Departamento de Estado norte-americano. Informação anterior dizia que a rodada iria incidir “sobre matérias relacionadas à reabertura de embaixadas, incluindo as funções dos diplomatas” nos dois países.
O diálogo entre Havana e Washington recomeçou depois de os líderes norte-americano e cubano, Barack Obama, e cubano, Raul Castro, terem anunciado em dezembro de 2014 aproximação histórica entre os dois países, que não têm relações diplomáticas oficiais há mais de meio século.
O anúncio foi feito após 18 meses de negociações secretas entre Washington e Havana, sob a intermediação do Vaticano e do Canadá.
O embargo econômico, comercial e financeiro a Cuba foi imposto pelos Estados Unidos em 1962, depois do fracasso da invasão da ilha para tentar derrubar o regime de Fidel Castro em 1961, que ficou conhecido como o episódio da Baía dos Porcos. (Agência Brasil – 27/02/2015)

EUA e Cuba realizarão segunda rodada de conversações para normalizar relações
Por David Adams
WASHINGTON (Reuters) - Autoridades cubanas e norte-americanos se reunirão em Washington nesta sexta-feira para uma segunda rodada de negociações destinadas a restabelecer as relações diplomáticas, em meio a atritos sobre a presença de Cuba em uma lista de patrocinadores do terrorismo elaborada pelos Estados Unidos.
As conversações de um dia, lideradas por ex-diplomatas, decorrem da decisão anunciada em 17 de dezembro pelos dois inimigos da época da Guerra Fria de buscar a normalização das relações, incluindo a abertura das respectivas embaixadas nos dois países e troca de prisioneiros. Os EUA romperam relações diplomáticas com Cuba há 54 anos.
Cuba, governada por um regime comunista, está pressionando os Estados Unidos para removê-la da sua lista de terrorismo antes da restauração oficial das relações diplomáticas. O governo do país diz que as sanções contra bancos que fazem negócios com países enquadrados na lista impedem Cuba de conduzir assuntos diplomáticos nos Estados Unidos.
A administração Obama está em fase de conclusão da revisão do lugar de Cuba na lista de patrocinadores de terrorismo, que deve ser encaminhada ao Congresso para que se possa remover o país, disse a jornalistas um alto funcionário do Departamento de Estado, na quarta-feira.
Mas, segundo sugeriu o funcionário, o restabelecimento das relações diplomáticas não dependerá da lista sobre o terrorismo, embora a insistência de Cuba sobre a ligação entre as duas coisas possa atrasar a abertura de embaixadas.
Apesar de reconhecer o problema bancário, as autoridades dos EUA dizem que as conversações devem ater-se a questões específicas da regularização das funções das embaixadas.
Washington quer que os diplomatas norte-americanos tenham liberdade para se movimentar como quiserem por toda a ilha e se encontrar com quem desejarem, incluindo dissidentes políticos.
"Ambas as partes têm de ir para a mesa com o espírito de chegar a um acordo sobre essas coisas, e não colocar no caminho obstáculos que não estejam ligados diretamente à forma como nós atuamos como diplomatas nos países uns dos outros”, afirmou o funcionário do Departamento de Estado.
As negociações desta sexta-feira dão continuidade a uma primeira rodada em Havana, no mês passado, e funcionários norte-americanos advertiram que o tom poderá ser mais prático.
Os Estados Unidos esperam chegar a um acordo sobre a reabertura das embaixadas antes da cúpula de líderes regionais em 10 e 11 de abril, no Panamá, onde o presidente dos EUA, Barack Obama e o presidente cubano, Raúl Castro, poderão encontrar-se pela primeira vez desde o anúncio conjunto de retomada de relações, feito em dezembro.
Os dois países realizam atualmente negócios via seções de Interesses em Havana e Washington. Cuba diz que enfrenta problemas bancários com os EUA desde que o banco norte-americano que representa o país abandonou a função no ano passado e o governo cubano não conseguiu encontrar um substituto.
O país foi enquadrado na lista de patrocinadores do terrorismo em 1982, por ter ajudado grupos insurgentes marxistas durante a Guerra Fria, mas atualmente está colaborando com o processo de paz entre a guerrilha colombiana Farc e o governo da Colômbia.
(Reportagem adicional de Daniel Trotta em Havana e Warren Strobel em Washington) (Reuters – 27/02/2015)

Parlamento alemão aprova por ampla maioria a extensão do resgate grego
A votação mais importante para estender o programa de resgate à Grécia terminou com maioria folgada em favor dos gregos. Com 542 votos favoráveis, 32 contrários e 13 abstenções, os parlamentares alemães aprovaram a extensão de quatro meses do programa. A Alemanha é a principal credora dos gregos. Para que a extensão seja confirmada, os parlamentos nacionais dos países da zona do Euro precisam aprovar a decisão.
A votação na Alemanha era considerada a mais difícil para os gregos. A proposta foi defendida pelo ministro das Finanças alemão, Wolfgang Schäuble, que garantiu aos deputados que conceder um prazo maior para o pagamento de dívidas não significa que o país está sendo chantageado. Uma decisão difícil, admitiu o ministro, mas que saiu vitoriosa na votação de hoje. (O Globo – 27/02/2015)

Divulgam estatísticas sobre desenvolvo sócio-econômico chinês em 2014
Beijing - China registrou 772.530.000 trabalhadores em 2014, com 393,1 milhões deles nos centros urbanos, segundo estatísticas oficiais divulgadas hoje pelo Birô Nacional de Estatísticas (BNE).
Este órgão oficial divulgou que 13.220.000 novos empregos foram criados ano passado nas cidades, onde a taxa de desemprego foi de 4,9%.
A quantidade de trabalhadores migrantes cresceu 1,9% no ano passado, chegando a 273.950.000, o que representa 20% da população chinesa, segundo as fontes oficiais.
Outros dados fornecidos pelo BNE refletiram que a população aumentou 7,1 milhões em comparação com 2013 (o total é de 1.376.800.000 habitantes) e que os residentes em áreas urbanas são 749.160.000, o que representa 54,77% dos chineses. Em relação ao Produto Interno Bruto, o Birô confirmou que cresceu 7,4%, enquanto o índice do preço ao consumidor (que marca a inflação) avançou dois porcento, abaixo dos 3,5% estabelecido como limite pelo Governo.
O vice-presidente do BNE, Xie Hongguang, disse à imprensa que o relatório destaca o crescimento econômico estável, a otimização da estrutura econômica sustentada e a elevação tanto da qualidade do desenvolvimento como do progresso da vida na China.
Outros dados econômicos indicaram que as reservas de moedas estrangeiras totalizaram 3,84 trilhões de dólares, 21,7 bilhões a mais que em 2013, e o yuan se fortaleceu 0,8% durante o ano perante a moeda estadunidense.
O aumento da produção de cereais pelo décimo-primeiro ano consecutivo, com uma colheita de 607,1 milhões de toneladas; um volume de comércio exterior 2,3% superior e um aumento de 1,7% nos investimentos estrangeiros diretos também aparecem no documento divulgado nesta capital. (Prensa Latina – 27/02/2015)

Segunda rodada de diálogo CUBA-EUA, posturas antecipadas
Washington - Delegações de Cuba e Estados Unidos realizarão amanhã nesta capital a segunda rodada de conversas com o objetivo de restabelecer seus vínculos diplomáticos, encontro para o qual adiantaram posturas e um enfoque construtivo.
Assim como a primeira rodada de conversas realizada 22 de janeiro em Havana, esta será presidida pela diretora geral da chancelaria cubana para os Estados Unidos, Josefina Vidal, e a secretária assistente de Estado para os Assuntos do Hemisfério Ocidental, Roberta Jacobson.
Vidal chegou ontem a Washington D.C junto a um grupo de funcionários públicos da ilha, para cumprir uma agenda intensa de trabalho.
Ontem, as partes também reafirmaram a vontade de avançar para o estabelecimento das relações interrompidas por mais de meio século e a abertura de embaixadas em ambos países, após os anúncios dos presidentes Raúl Castro e Barack Obama em 17 de dezembro de 2014.
De acordo com o vice-diretor geral para os Estados Unidos do Ministério de Relações Exteriores cubano, Gustavo Machín, a delegação da maior das Antilhas participará do encontro com um espírito construtivo.
Confiamos que durante este novo contato bilateral sejam alcançadas soluções aos assuntos propostos em janeiro no Palácio de Convenções de Havana, declarou à imprensa na capital cubana, entre eles a exclusão de Cuba da lista de estados promotores do terrorismo que Washington elabora anualmente de maneira unilateral.
"Seria uma contradição que restabeleçamos relações diplomáticas com os Estados Unidos se Cuba continuar na lista de países que promovem o terrorismo", advertiu.
Machín também mencionou os problemas que a Seção de Interesses da ilha caribenha enfrenta em Washington pela falta de acesso a um banco.
O diplomata antecipou que durante as conversas enfatizarão aos anfitriões a importância de retomar as relações diplomáticas sobre bases sólidas, apoiadas no respeito mútuo, a não ingerência nos assuntos internos e a igualdade soberana de todas as nações, princípios plasmados na Carta da ONU.
Por sua vez, um servidor público do Departamento de Estado, cujo nome e cargo não foram informados, afirmou a jornalistas em uma conferência telefônica a vontade de reestabelecer o quanto antes as relações bilaterais.
Com respeito ao tema da exclusão de Cuba da lista de promotores do terrorismo, explicou que Washington o vê como um assunto separado da restauração das relações.
"Obviamente, avançamos na revisão do tema com a rapidez possível e esperamos resolvê-lo muito em breve, mas não acreditamos que as duas questões estejam relacionadas", explicou.
A fonte estimou que não deve ser um processo de meses, como alguns meios publicam, ainda que descartou adiantar prazos.
Segundo o servidor público, a segunda rodada de conversas também permitirá continuar abordando a situação dos diplomatas uma vez abertas as embaixadas, em alusão às restrições de movimento vigentes em ambas capitais.
Vidal manifestou há poucos dias a disposição da ilha de abordar essas limitações, a partir de uma mudança de postura dos representantes estadunidenses em Havana, quem têm sido denunciados por estimular, organizar, abastecer e financiar setores que atuam contra os interesses do Governo e povo cubanos.
Ao responder uma pergunta sobre a falta de acesso a um banco na Seção de Interesses cubana em Washington, o porta-voz estadunidense admitiu as dificuldades derivadas de operar exclusivamente em dinheiro e reafirmou a vontade do Departamento de Estado de ajudar na solução de um problema próximo de cumprir um ano.
No caso da possibilidade de uma terceira rodada de conversas, o diplomata preferiu não especular.
"Sempre sou otimista e penso que avançaremos bastante nesta rodada (...). Nossos presidentes e ministros querem que cheguemos a um acordo para restaurar as relações diplomáticas, e continuaremos trabalhando até conseguir", afirmou.
Pelo exposto, Cuba e Estados Unidos parecem encaram as conversas de amanhã em sintonia com o princípio da igualdade soberana estabelecido na Carta da ONU, ainda que em situações bem diferentes.
A ilha leva mais de meio século submetida por seu vizinho a um bloqueio econômico, comercial e financeiro repudiado pela comunidade internacional, e além disso está incluída desde 1982 em uma lista unilateral de patrocinadores do terrorismo, o que implica restrições adicionais. (Prensa Latina – 26/02/2015)

Europa e Japão exportam mais com guerra cambial
INTERNACIONAL
Por Assis Moreira | De Genebra
Países da zona do euro e o Japão ganham terreno nas exportações neste começo de ano, impulsionados pela desvalorização das suas moedas e levando certos analistas a apontar guerra de divisas.
Da Europa até a Austrália, o movimento de bancos centrais ajuda a baixar a cotação da moeda e dar fôlego a exportações em meio a demanda global anêmica.
Mas para o banco Barclays, de Londres, no Brasil a desvalorização do real tende mais a diminuir as importações do que resultar em forte alta das exportações.
"Estamos numa guerra de moedas", avalia Michel Every, do banco holandês Rabobank, mencionando ações feitas por bancos centrais, como intervenção ativa no câmbio, redução de taxa de juros, vinculação da moeda a outra com nível artificialmente baixo.
Para o analista holandês, nova demanda pode vir sobretudo do estrangeiro,como foio casono passado. E política monetária ultraflexível ("quantitative easing") é sobretudo usada para derrubar o valor de uma moeda a fim de ganhar competitividade nas exportações e pesar nas importações, ou seja, "é a guerra de moedas".
Em um ano, a taxa de câmbio efetiva real, que ajuda a ilustrar desenvolvimentos recentes no comércio internacional, mostra que o dólar dos Estados Unidos se valorizou 12%,enquanto o eurodeclinou5%eo iene, 6%.
O CPB, Escritório de Análise Econômica da Holanda, calcula que o comércio mundial cresceu 3,3% em volume em 2014, com avanço das vendas de países desenvolvidos e ligeiro recuo no ritmo de expansão dos negócios de emergentes.
As exportações da zona do euro cresceram 1,8% em 2014, ante 0,3% em 2013. No Japão, após a contração de 1,4% em 2013, as exportações cresceram 1,7% no ano passado. Já o ritmo de crescimento das vendas externas da America Latina em volume declinou de 5,2% para 1,9% no período.
Em termos de preços no comércio mundial, houve queda de2% em 2014, ante 1% no ano anterior. Só o preço de petróleo caiu 25% no último trimestre do ano passado. A cotação de outras commodities primárias declinou 5,4%, enquanto manufaturas tiveram alta insignificante, de 0,2%.
Na zona do euro, o superávit comercial continua a aumentar.
O crescimento das exportações acelerou na Alemanha, França, Itália e Espanha.
"A experiência passada sugere que a recente desvalorização do euro deverá ajudar a mais crescimento das exportações nos próximos meses", conforme nota da consultoria Capital Economics.
A avaliação é de que exportadores europeus vão se beneficiar do forte crescimento em mercados-chaves, como Estados Unidos e Reino Unido, enquanto a demanda doméstica continuará fraca.
Até agora, a constatação é de que a alta do dólar tem tido efeito modesto nas exportações dos EUA. O déficit comercial aumentou, por causa de mais importações, mas está num nível abaixo daquele de antes da crise global.
No Japão, o déficit comercial foi o menor em quase três anos. É resultado do custo menor de energia, com de aumento no volume das exportações.
Na China, maior nação comerciante do planeta, tanto exportações como importações caíram em janeiro, comparadas ao mesmo período de 2014. Para a Capital Economics, a tendência é de crescimento modesto das importações, acompanhando a expansão moderada dos investimentos. E as exportações devem continuar a crescer num ritmo sustentável.
No caso do Brasil, o banco Barclays projeta queo real continuará a se desvalorizar, para R$ 3,00 por dólar neste ano. Ao mesmo tempo, avalia que a trajetória não é favorável para os preços internacionais de exportações brasileiras comparados aos preços das importações.
O Barclays calcula que os termos detroca declinaram 9,4% desde maio de 2014 para o Brasil. A expectativa é de que neste ano ocorram menos importações, no rastro de perspectivas econômicas medíocres e moeda desvalorizada, do que aumento forte de exportações. Para o banco, o declínio nos preços de commodities, somado a baixo nível de produtividade da indústria, justifica sua percepção.
A Organização Mundial do Comércio (OMC ) previa crescimento de 4% no comércio mundial para este ano. Mas a projeção foi feita antes da baixa do preço do petróleo. A entidade vai publicar nova estimativa em abril. Já o Fundo Monetário Internacional (FMI) prevê alta de 3,8% nas exportações e importações em 2015. (Valor Econômico – 26/02/2015)

Exportação de eletrônicos tem o pior mês em 11 anos
As exportações brasileiras de produtos eletroeletrônicos despencaram 22,3% em janeiro, na comparação com o mesmo período do ano passado, e atingiram o menor valor mensal em 11 anos.
No total, foram vendidos ao exterior US$ 383,9 milhões (cerca de R$ 1,1 bilhão). Em janeiro de 2014, havia sido US$ 494,2 milhões.
"É um reflexo dos meses anteriores. Apesar de o dólar ter atingido agora um novo patamar, o favorecimento desse nível só acontecerá no médio prazo", diz o presidente da Abinee (associação do setor), Humberto Barbato.
"As mercadorias embarcadas em janeiro são de negócios realizados em agosto e setembro. Além disso, o mundo ainda não está com um bom nível de atividade para se vender de forma expressiva lá fora."
Para Barbato, as fabricantes brasileiras de eletroeletrônicos só teriam mais competitividade com um dólar acima de R$ 3.
O executivo afirma que ainda é preciso estudar quais as dificuldades que os empresários estão enfrentando para comercializar com outros países, mas ressalta que a manutenção do Reintegra –programa que concede benefícios fiscais aos exportadores– é essencial para o setor.
Em janeiro, as importações também recuaram (-13,2%). "É um problema de mercado interno. Grande parte das importações é de componentes utilizados pelas fabricantes", acrescenta Barbato. (Folha de SP – 26/02/2015)

Comissão Europeia dá mais dois anos para que a França controle seu déficit
Paris terá até 2017 para reduzir o rombo fiscal de 4,3% para 3% do PIB
Claudi Pérez Bruxelas
Dureza com a Grécia e leniência com a França e a Itália: essa é a União Europeia hoje em dia. O Poder Executivo do bloco acaba de conceder mais dois anos à França para que reduza seu déficit público aos míticos 3% do PIB. A Comissão Europeia dá assim uma ligeira advertência a Paris e Roma, mas deixa claro que as regras não são iguais para todos: a Itália está estagnada há uma década e meia; a França enfrenta em médio prazo um horizonte de crescimento tão anêmico que a adoção de novos cortes orçamentários poderia colocar em risco a recuperação – frágil e desigual – de toda a zona do euro.
Num movimento político de primeira magnitude, a Comissão Juncker, que poderia ter iniciado um processo para punir a França e a Itália por sua falta de reformas e seus problemas de déficit e dívida pública, respectivamente, confirma que a era da austeridade dá lugar agora a uma política fiscal neutra e muito cuidadosa com os grandes, num cenário econômico europeu que não melhorou nem mesmo com a promessa do Banco Central Europeu da comprar enormes volumes de títulos de dívida públicos e privados. Soma-se a isso o ambiente político desses dois países, e de outros, sobre os quais paira o perigo do populismo, com a Frente Nacional de Le Pen na França e o antipolítico Movimento 5 Estrelas na Itália.
Segundo as previsões da Comissão Europeia, o déficit público francês, ao invés de cair, subiu para 4,3% do PIB em 2014 (frente a 4,1% em 2013). Exceto no início da crise, o desajuste das contas públicas francesas não foi muito volumoso (entre 5% e 4% do PIB), mas Paris fez valer seu peso político e sempre relutou em adotar medidas fiscais extremas. Isso, junto com o ligeiro crescimento dos últimos anos, explica o fato de o déficit praticamente não ter caído nos últimos três anos, contrariando as exigências da Comissão.
“A França é o caso mais complicado que discutimos hoje. Está claro que ela precisa acelerar seus esforços tanto no plano das reformas estruturais como no plano fiscal”, disse o vice-presidente da Comissão Europeia para o euro, Valdis Dombrovskis. Em troca desse tratamento mais suave, Bruxelas exige de Paris mais reformas fiscais e um compromisso com um ajuste estrutural das contas públicas. A Comissão tampouco fará exigências adicionais à Bélgica e à Itália, apesar dos evidentes problemas de ambos para reduzir a dívida pública.
No caso da Espanha, por enquanto, não há novidade: com um déficit próximo de 5,5% do PIB em 2014 após um forte ajuste (a defasagem chegou a 9% do PIB em 2011), o que contribuiu para provocar uma segunda recessão e destruir mais um milhão de empregos, a Comissão continua exigindo de Madri que cumpra a meta de 3% de déficit em 2016. “Houve melhora na Espanha, mas ainda há riscos”, disse em entrevista coletiva o comissário (ministro) europeu de Assuntos Econômicos e Financeiros, Pierre Moscovici, acrescentando que o país permanecerá sob supervisão comunitária. (El Pais – 25/02/2015)

PMI da indústria da China vai à máxima em 4 meses mas encomendas de exportação recuam
PEQUIM - A atividade do setor industrial da China atingiu máxima de quatro meses em fevereiro mas as encomendas para exportação encolheram na taxa mais rápida em 20 meses, mostrou a pesquisa Índice de Gerentes de Compras (PMI na sigla em inglês), pintando um cenário sombrio que justificaria mais suporte de política.
O PMI preliminar da indústria do HSBC/Markit subiu para 50,1 em fevereiro, ligeiramente acima da marca de 50 que separa crescimento de contração.
Economistas consultados pela Reuters esperavam leitura de 49,5, contra dado final de 49,7 em janeiro.
Mas mesmo que a indústria tenha crescido marginalmente, a pesquisa sugere que o setor ainda enfrenta riscos consideráveis da demanda externa fraca e das crescentes pressões deflacionárias.
Embora a demanda doméstica tenha subido levemente, o subíndice de novas encomendas para exportação caiu 3 pontos ante janeiro, para 47,1, taxa mais forte de contração desde junho de 2013.
"A atividade econômica doméstica deve permanecer fraca e a demanda externa parece incerta", disse Qu Hongbin, economista-chefe do HSBC na China. "Acreditamos que mais afrouxamento de política ainda é justificado no atual estágio para sustentar o crescimento."(Reportagem de Koh Gui Qing) (Reuters – 25/02/2015)

Europa aprova lista de reformas da Grécia
ANDREI NETTO, CORRESPONDENTE
Reunião telefônica de uma hora estendeuo programa de resgate por quatro meses
PARIS - Uma conferência telefônica de uma hora de duração resultou ontem na aprovação da lista de reformas proposta pelo governo da Grécia em troca da extensão, por quatro meses, do programa de resgate de 172 bilhões assinado em 2012. A decisão foi tomada depois de um fim de semana de suspense, no qual Atenas elaborou um documento de seis páginas em que se compromete a manter parte das medidas de austeridade acordadas com a Comissão Europeia, o Banco Central Europeu (BCE) e o Fundo Monetário Internacional (FMI).
A decisão de aprovar o plano grego foi tomada pelo fórum de ministros de Finanças da zona do euro (Eurogrupo) horas depois de a carta-compromisso do primeiro-ministro da Grécia, Alexis Tsipras, chegar a Bruxelas. De acordo com a Comissão Europeia e o FMI, as medidas apresentadas pela Grécia "são suficientemente amplas para ser validadas como um começo para uma conclusão bem-sucedida da revisão" do acordo de empréstimo.
Com atraso de 12 horas, o governo da Grécia apresentou a lista de reformas econômicas e da máquina pública que pretende empreender em lugar de parte das medidas de austeridade impostas por Bruxelas. As medidas foram divididas em três partes - política orçamentária e fiscal, estabilidade financeira e políticas de crescimento. O programa previsto inclui a modernização da administração fiscal, a informatização das declarações e reforço da independência do órgão de arrecadação, importantes para a luta contra a evasão, a fraude e a corrupção.
Promessas. Além de medidas de rigor financeiro, Tsipras, um radical de esquerda, ressaltou que pretende cumprir promessas de campanha para enfrentar a "crise humanitária" pela qual o país atravessa. Estão entre as iniciativas propostas o acesso à saúde pública e gratuita, o fornecimento de energia elétrica a 300 mil famílias carentes, a criação de um programa de fornecimento de cestas básicas e o aumento de pensões com valores baixos demais.
Sobre medidas planejadas para conter o avanço da pobreza, entretanto, o documento traz propostas genéricas, sem datas ou valores, expressando apenas intenções, como aumentar o salário mínimo e criar um programa de renda mínima.
"Creio que eles estão muito sérios sobre as reformas", elogiou o ministro de Finanças da Holanda, Jeroen Dijsselbloem, coordenador do Eurogrupo. Realista, o executivo afirmou, no entanto, que ainda será necessário detalhar as medidas e, o mais importante, implementá-las. "Não será fácil. É apenas uma primeira etapa."
De sua parte, Christine Lagarde, diretora-gerente do FMI, também saudou a estratégia proposta por Tsipras, mas com ressalvas. "Em certos setores, como a luta contra a evasão fiscal e a corrupção, estou encorajada pelo que parece ser uma resolução mais forte das novas autoridades de Atenas", destacou, criticando, por outro lado, a pouca disposição de reformar o sistema previdenciário e o imposto sobre o consumo. "Também não notamos engajamento inequívoco para continuar as políticas já engajadas de abertura de certos setores fechados à concorrência, as reformas administrativas e de privatizações e as reformas do mercado de trabalho."
Com a aprovação pelo Eurogrupo, Parlamentos de países como a Alemanha terão de aprovar o acordo, uma medida protocolar. A partir de então, a Grécia poderá receber a última parcela do segundo programa de socorro, no valor de 7,2 bilhões, prevista inicialmente para 28 de fevereiro. Os recursos serão desembolsados pelo FMI, com 3,6 bilhões, pelo Fundo Europeu de Estabilidade Financeira (Feef) da Comissão Europeia, no valor de 1,8 bilhão, e pelo BCE, que também entrará com € 1,8 bilhão. Os valores evitam o risco imediato de default de pagamentos da Grécia. (O Estado de SP – 25/02/2015)

Estados Unidos e Cuba voltam a negociar reaproximação diplomática
Washington
Da Agência Brasil*
Edição: José Romildo
Representantes dos Estados Unidos (EUA) e de Cuba retomam sexta-feira (27) as negociações para o restabelecimento das relações diplomáticas entre os dois países, anunciado em dezembro do ano passado. Depois do primeiro encontro em Havana, em 21 e 22 de janeiro, a segunda rodada de negociações está agendada para a sede do Departamento de Estado, em Washington.
Tal como aconteceu na capital cubana, a delegação norte-americana será chefiada pela secretária adjunta para os Assuntos do Hemisfério Ocidental, Roberta Jacobson, e a cubana, pela diretora-geral para os EUA do Ministério dos Negócios Estrangeiros, Josefina Vidal. As conversações vão incidir “sobre matérias relacionadas com a reabertura de embaixadas, incluindo as funções dos diplomatas” nos dois países, informou o Departamento de Estado norte-americano, em comunicado.
“É de interesse dos dois países restabelecer relações diplomáticas e reabrir embaixadas. A embaixada norte-americana em Havana permitirá que sejam promovidos de forma mais eficaz os interesses e valores dos Estados Unidos, e aumentar o envolvimento [do povo norte-americano] com o povo cubano”, indicou a diplomacia norte-americana, na mesma nota informativa. Segundo o Departamento de Estado, em razão da complexidade do processo, o restabelecimento das relações diplomáticas requer mútuo acordo dos governos.
Durante o último mês, grupos de congressistas norte-americanos viajaram até a ilha liderada por Raúl Castro para conhecer a atual situação do país e para conversar com as autoridades e representantes civis cubanos.
A administração do presidente democrata Barack Obama já suavizou algumas das restrições relacionadas às viagens dos norte-americanos para a ilha e, em meados deste mês, anunciou que autorizava importações de alguns bens e serviços do setor privado de Cuba, mas com importantes exceções, como é o caso dos produtos animais e vegetais, álcool e tabaco, minerais ou produtos químicos e têxteis.
No Congresso norte-americano, que já realizou várias audiências sobre o assunto, foram apresentados dois projetos de lei para regular o clima de abertura entre os dois países: um dos textos aborda a autorização de viagem de cidadãos norte-americanos para Cuba, enquanto o outro é mais abrangente e visa ao fim do embargo comercial, imposto há mais de meio século. Nenhum dos textos foi ainda submetido à discussão dos legisladores do Congresso.
O governo de Raúl Castro espera que Washington levante o embargo econômico, comercial e financeiro contra Cuba. Para os Estados Unidos, um dos temas mais delicados é o dos direitos humanos, assim como o das liberdades em Cuba. Apesar de Havana ter libertado mais de meia centena de presos políticos, alguns ativistas cubanos têm denunciado que o governo castrista continua a fazer detenções arbitrárias e a violar os direitos humanos.
As conversações entre Havana e Washington surgem depois de Obama e Castro terem anunciado, simultaneamente, em 17 de dezembro do ano passado, uma aproximação histórica entre os dois países. O anúncio surgiu após 18 meses de negociações secretas entre Washington e Havana. O embargo econômico, comercial e financeiro a Cuba foi imposto pelos Estados Unidos em 1962, depois da fracassada tentativa de invasão da ilha em 1961, que ficou conhecida como o episódio da Baía dos Porcos. *Com informações da Agência Lusa (Agência Brasil – 24/02/2015)

Reguladores da UE decidem examinar compra da Alstom pela GE
Tom Fairless e Ted Mann , de Bruxelas
Margrethe Vestager, comissária de defesa da concorrência da União Europeia, diz que a UE receia que a compra da Alstom pela General Electric leve a um aumento de preços de grandes turbinas a gás. Associated Press
A União Europeia apresentou um obstáculo à compra da unidade de energia da francesa Alstom SA ALO.FR +0.26% pela americana General Electric Co. GE +1.09% , afirmando que vai investigar em detalhe se o negócio de US$ 17 bilhões pode acabar levando a um aumento nos preços de grandes turbinas a gás.
Esse tipo de investigação minuciosa por parte dos reguladores de Bruxelas não é incomum e não costuma afetar significativamente as propostas de fusões. Mas a decisão adiciona novas incertezas ao maior negócio da história da GE, 14 anos depois de os reguladores da UE terem impedido que o conglomerado americano comprasse a Honeywell International Inc. HON +0.28% por US$ 43 bilhões.
A oferta da GE superou a apresentada conjuntamente pela alemã Siemens. (The Wall Street Journal – 24/02/2015)

UE quer acordo climático mais rígido antes do fim do ano
Líderes da União Europeia querem introduzir na lei internacional uma meta de corte de emissões globais de poluentes de 60% até 2050, de acordo com o rascunho de um documento que coloca bloco em rota de colisão com poluidores.
A União Europeia está determinada a instilar urgência no debate sobre a mudança climática antes da conferência internacional de Paris no final do ano, que irá tentar substituir o Protocolo de Kyoto sobre a contenção dos gases do efeito estufa. Amanhã, a Comissão Europeia irá publicar uma série de diretrizes para lidar com a mudança climática. Os países-membros pretendem fazer suas próprias promessas a respeito do corte. (Reuters – 24/02/2015)

Deutsche Bank assina acordo multibilionário de TI com HP
FRANKFURT - O Deutsche Bank assinou um acordo multibilionário para terceirizar sua infraestrutura de tecnologia de informação de banco de atacado para a norte-americana Hewlett-Packard (HP), disseram as companhias em um comunicado conjunto nesta terça-feira.
Com o acordo de 10 anos, a HP fornecerá serviços dedicados de data center incluindo armazenagem, plataforma e hospedagem, afirmaram.
O Deutsche Bank reterá atividades como arquitetura de TI, desenvolvimento de aplicações e segurança da informação.
As companhias não informam o valor preciso do contrato. (Por Maria Sheahan) (Reuters – 24/02/2015)

Suzlon Energy conclui projetos de energia eólica de 350 MW no Brasil
SÃO PAULO - A Suzlon Energy, que atua no segmento de energia eólica, informou nesta terça-feira que concluiu o comissionamento de projetos de energia eólica de mais de 350 MW no Brasil no período de 16 meses encerrado em novembro do ano passado.
Em seu site, a companhia informa ter estabelecido operações no país em 2006. (Reuters – 24/02/2015)

Demanda doméstica impulsiona expansão da Alemanha no 4º tri
BERLIM - Uma demanda doméstica mais forte impulsionou o crescimento da Alemanha no quarto trimestre com a ajuda do comércio exterior e do investimento bruto de capital, de acordo com dados divulgados nesta terça-feira pela Agência Federal de Estatísticas do país.
Dados ajustados sazonalmente confirmaram estimativa preliminar de que o Produto Interno Bruto (PIB) alemão cresceu 0,7 por cento na comparação trimestral entre outubro e dezembro.
A demanda doméstica contribuiu com 0,5 ponto percentual ao PIB no quarto trimestre, enquanto o comércio exterior acrescentou 0,2 ponto. O investimento bruto de capital contribuiu com 0,2 ponto percentual. (Reportagem de Michelle Martin) (Reuters – 24/02/2015)

Saída da Grécia da zona do euro não está sendo discutida, diz Dijsselbloem
BRUXELAS - Os países da zona do euro não estão discutindo uma hipotética saída da Grécia do bloco e apenas a Grã-Bretanha, que não é membro, falou sobre isso, afirmou nesta terça-feira o presidente do Eurogrupo, Jeroen Dijsselbloem.
"Vocês têm dito que uma série de Estados membro se preparam (para uma saída grega)", disse Dijsselbloem a um membro do Parlamento europeu durante debate. "Eu só ouvi sobre um país onde o gabinete teve uma reunião para falar sobre a saída grega e esse foi o governo britânico."
"Os britânicos ainda não são membros do Eurogrupo. Então não, isso não foi discutido, e isso mostra que temos um compromisso político muito forte de manter a zona do euro intacta... e de trabalhar juntos com muita força...", disse ele. (Reportagem de Adrian Croft, Jan Strupczewski) (Reuters – 24/02/2015)

Unasul nega omissão em crise na Venezuela
Secretário-geral afirma que pano de fundo da crise venezuelana é a situação econômica e defende a legitimidade do presidente Nicolás Maduro. Missão de chanceler deve ir a Caracas.
O secretário-geral da União das Nações Sul-Americanas (Unasul), Ernesto Samper, disse que a atual crise política pode comprometer a democracia na Venezuela. Em entrevista publicada neste domingo (23/02) pelo diário colombiano El Tiempo, ele afirmou que o pano de fundo da crise é a situação econômica e defendeu a legitimidade do presidente Nicolás Maduro, eleito em 2013.
Na opinião de Samper, a crise na Venezuela se deve a “ingerências internacionais, falta de diálogo político interno e a uma situação social e econômica resultante de fatores que eram imprevisíveis há alguns anos”.
Entre tais fatores estaria a queda do preço do petróleo – produto-chave na economia da Venezuela. A Unasul designou uma comitiva de chanceleres de Brasil, Equador e Colômbia para visitar Caracas nos próximos dias.
Samper disse que a Unasul não está em silêncio sobre as detenções de líderes da oposição e do prefeito de Caracas, Antonio Ledezma – ocorrida na última sexta-feira (20/1). Ele explicou que, da sua parte, está procedendo com “prudência e diplomacia”, porque o papel do organismo multilateral “não é causar incêndios, mas apagá-los".
O secretário-geral considera precipitado dizer que os opositores venezuelanos detidos não estão tendo seus direitos respeitados. A imprensa venezuelana publicou que, segundo um militar, o prefeito estaria envolvido em um plano para derrubar Maduro.
Reações
Chanceleres de Peru e Chile já se pronunciaram encorajando a solução da crise através do diálogo e incentivando a participação da Unasul. Em entrevista ao Canal N, o peruano Gonzalo Gutiérrez disse que Equador, Colômbia e Brasil estariam em conversações para promover a reabertura do diálogo interno na Venezuela.
Ele acenou com a realização de um encontro extraordinário de ministros do Exterior dos países da Unasul, que deve ocorrer após a visita da comitiva de chanceleres. Para Gutiérrez, no entanto, no caso da Venezuela, não haverá uma solução imposta por agentes externos.
O advogado de Ledezma disse ao jornal La Verdad, no entanto, que o tenente coronel José Arocha teria incriminado o prefeito sob tortura. “Ledezma poderá passar 28 anos preso por cometer delitos que não tem sustentação”, disse o jurista Omar Estácio.
No Brasil, os partidos de oposição repudiaram a detenção de Ledezma. PPS, PSDB e DEM coordenam ações no Congresso brasileiro para que a Venezuela seja sancionada no âmbito do Mercosul por violar o compromisso democrático assumido pelo bloco regional.
Os representantes dos partidos argumentam que a Venezuela teria violado o Protocolo de Ushuaia, que estabelece que o sistema democrático, e o consequente respeito às instituições, é uma condição imprescindível para que um país pertença ao bloco.
Temores
Maduro denuncia reiteradamente tentativas de golpe desde que assumiu a presidência, há quase dois anos. A última teria ocorrido neste mês e levou à prisão de sete militares, entre eles oficiais da Força Aérea. Os militares estariam entre os autores materiais do plano que o governante alega ser idealizado por dirigentes da oposição e financiado pelos Estados Unidos.
Devido à instabilidade política na Venezuela, o governo espanhol teme que Maduro exproprie empresas espanholas em represália a críticas ao país sul-americano. Segundo o diário El Mundo, as declarações recentes de Maduro sobre a existência de um eixo em Espanha, Colômbia e Estados Unidos, que conspiraria contra o seu governo, deixou o Executivo espanhol preocupado.
A tensão entre os governos aumentou há alguns dias com as alegações de que representantes do Executivo venezuelano teriam ameaçado empresários espanhóis com represálias para tentar frear as críticas contra Maduro na imprensa espanhola.
O ministro espanhol de Assuntos Exteriores, José Manuel García-Margallo, confirmou a informação e disse para a Venezuela respeitar os direitos da liberdade de opinião e imprensa.
Vampiro
Antonio Ledezma permanece preso na prisão militar de Ramo Verde. Ele foi detido por agentes da inteligência em seu escritório na quinta-feira e acusado no dia seguinte de “conspirar” contra o governo Maduro – que, por sua vez, alega que os Estados Unidos estão por trás de um plano de golpe de Estado.
O governo diz que Ledezma – apelidado de “vampiro” pelos apoiadores de Maduro – tem laços com setores políticos violentos e teria se unido a alas dissidentes do Exército para conspirar para a queda do presidente através de um ataque aéreo. O advogado de Ledezma considera as acusações “infundadas”.
A mídia estatal lançou uma campanha para desacreditá-lo. Em um vídeo mostrado pelos canais públicos recentemente, o estudante Lorent Saleh – preso na Venezuela desde setembro passado também sob acusação de conspirar contra o governo – enaltece Ledezma, o chamando de “o político que mais tem apoiado a resistência”.
A emissora estatal VTV também diz que Ledezma apoiou o golpe contra o presidente Hugo Chávez em 2002, além de acusá-lo de corrupção.
Protesto da oposição em janeiro de 2015
Crise econômica
A Venezuela passa por uma recessão que provoca a carência até de itens básicos, como papel higiênico e farinha. A inflação de 70% também afeta a popularidade do presidente, que caiu a 22% – a menor desde o início do seu governo, em 2013.
A crise afeta principalmente os venezuelanos mais pobres, que sempre foram a base de sustentação do chavismo. A prisão de Ledezma causou protestos isolados em Caracas e violência na cidade de San Cristobal. No entanto, ainda não gerou grandes distúrbios ou maior instabilidade no país, cujo cenário político é marcado por profunda polarização.
O prefeito de Caracas é o principal adversário de Maduro atualmente preso, depois do líder oposicionista Leopoldo López, que foi detido pela participação nos protestos contra o governo no ano passado, que tiveram 43 mortes. (DW – 23/02/2015)

Venezuela que o Itamaraty não vê
Até um "chavista" aponta a prisão de opositores como manobra diversionista para desviar a atenção da crise
O Itamaraty já não precisa ter medo de criticar o governo de Nicolás Maduro pelo assédio truculento à oposição, do qual o mais recente exemplo foi a prisão do prefeito metropolitano de Caracas, Antonio Ledezma: até um "chavista" puro e duro, o cientista político Nicmer Evans, diz que falar de golpe é uma tática para desviar a atenção do público da "enorme desvalorização da moeda que temos que suportar", conforme o jornal "The New York Times".
Evans não vê "prova clara" de alguma conspiração no caso Ledezma. Trata-se de um socialista e um crítico, pela esquerda, do "madurismo", e não de um conspirador da oligarquia.
O Itamaraty também poderia tomar nota das declarações do presidente colombiano Juan Manuel Santos, que pediu respeito aos direitos dos opositores e solicitou a libertação de Leopoldo López, o líder oposicionista que antecedeu Ledezma como vítima da truculência (está preso há um ano).
Como a Colômbia é um dos três países que formam com o Brasil e o Equador a missão da Unasul para a crise venezuelana, se o Itamaraty insistir em seu silêncio, corre o risco de desmoralização.
Até o moderado José Miguel Insulza, socialista chileno que é secretário-geral da Organização dos Estados Americanos, diz que a prisão do prefeito de Caracas provocou "forte alarme pela forma como foi levada a cabo e pelo caráter de mandatário eleito, no exercício de seu cargo".
Como mostrou nesta segunda-feira (23) na Folha o excelente Samy Adghirni, não é o único prefeito que o governo acossa: são 42,8% os prefeitos oposicionistas às voltas com a Justiça, que de cega não tem nada. Um grupo de advogados divulgou estudo, no ano passado, para demonstrar que, em 45 mil decisões emitidas de 2004 a 2013 pelas câmaras constitucional, administrativa e eleitoral da Suprema Corte, não houve uma única contrária ao governo. É óbvio que se trata de uma demonstração definitiva de que o Judiciário não é um poder independente, mas um mero apêndice do Executivo.
O Itamaraty sabe perfeitamente que a situação econômica da Venezuela é de ruína, com inflação recorde no hemisfério Sul, com desabastecimento agudo e com recessão.
O que talvez não saiba é que até as conquistas sociais inegáveis dos primeiros anos do chavismo estão sendo corroídas pela crise. Estudo de três universidades divulgado no fim de semana revela que só 8,4% das pessoas que vivem em pobreza extrema são beneficiárias de alguma "missão" social ("misiones" é como o chavismo chama seus programas assistencialistas).
Escrevem, em "El Nacional", Maolis Castro e Laura Helena Castillo: "Os programas assistenciais, que nasceram em 2003 para atender aos setores de menos recursos, se converteram em uma solução para comprar a preços subsidiados desde um frango até uma casa. Mas sua oferta está longe de ser maciça: nos últimos cinco anos, o número de atendidos baixou de 2,5 milhões a 2 milhões".
Se há golpe na Venezuela, é do governo, contra a democracia e a economia. (Folha de SP – 23/02/2015)

Renovar as relações Brasil-EUA
PETER, HAKIM, ESPECIAL PARA O ESTADO
Países precisam resolver disputas antigas e criar vínculos mais estreitos e produtivos
O s governos do Brasil e dos Estados Unidos parecem cada vez mais propensos a reduzir as tensões que ainda subsistem na sua atribulada relação e criar vínculos mais estreitos e mais produtivos. E vêm discutindo abertamente sobre uma possível data para uma visita de Estado da presidente Dilma Rousseff a Washington. A visita havia sido planejada para outubro de 2013, mas foi cancelada após a revelação de Edward Snowden de que os EUA espionavam o Brasil.
Ao que parece, a presidente brasileira e a maior parte dos seus assessores estão convencidos de que um relacionamento mais construtivo é vital para a retomada econômica e o sucesso do país no longo prazo. E estão dispostos a relegar o caso Snowden para a história. O interesse dos Estados Unidos em restaurar e aprimorar as relações bilaterais ficou claramente destacado com a presença do vice-presidente americano, Joe Biden, na cerimônia de posse de Dilma em 1.º de janeiro - a segunda visita de Biden ao Brasil em seis meses.
Mas os dois governos têm se mostrado tímidos nas propostas oferecidas. Medidas mais audaciosas são necessárias. Ambos os países deveriam aprender com os avanços observados nos laços entre Estados Unidos e Índia nos últimos 12 anos, quando uma relação antes distante e às vezes antagonista transformou-se numa parceria importante. Apesar de desacordos ainda permearem a diplomacia entre os dois países, a Índia é hoje elemento crucial para a estratégia americana na Ásia.
Em 1998 Washington, tempestuosamente, impôs sanções severas contra a Índia pelo fato de o país ter testado uma bomba atômica. Hoje os Estados Unidos aceitam plenamente a Índia como potência nuclear e são os maiores provedores de equipamento militar para o país, fornecendo tecnologia de vanguarda para seu programa nuclear para fins civis. Certamente, esta drástica mudança se refletiu principalmente nas áreas prioritárias de defesa e segurança compartilhadas pelas duas nações, o que tem pouca relevância para as relações entre Estados Unidos e Brasil. O importante não é a essência dos acordos entre americanos e indianos. As negociações e a implementação de seus acordos é que interessam.
Em primeiro lugar, os negociadores americanos e indianos concentraram-se em questões cruciais envolvendo as relações bilaterais e não em problemas periféricos. Não solucionaram todas, mas conseguiram forjar compromissos em muitos aspectos e avançar em outros. Em segundo lugar, com plena consciência dos seus interesses comuns, os dois países se empenharam seriamente não em posições específicas, mas no sentido de as negociações serem bem sucedidas. Ambos fizeram concessões difíceis politicamente. Em terceiro lugar, não permitiram que assuntos não relacionados, mesmo tendo um grande peso político, interferissem na aplicação dos acordos, incluindo, por exemplo, a prisão amplamente divulgada em Nova York de um diplomata indiano e desacordos entre os dois países em conversações no âmbito da Organização Mundial do Comércio (OMC).
No caso de EUA e Brasil, interesses econômicos bilaterais são a única base realista para uma cooperação no longo prazo. As autoridades brasileiras sabem que mercados, capital de investimento e transferência de tecnologia dos EUA são necessários para a recuperação e uma expansão sustentada do Brasil. O comércio entre os dois países cresceu substancialmente nos últimos anos, mesmo que a China seja hoje a principal parceira comercial do Brasil.
Mas o Brasil ainda representa somente 2% do comércio total dos Estados Unidos, em comparação com os 15% do México. Na verdade o Brasil não está na porta de entrada dos Estados Unidos, mas tampouco a China, que vende tanto para consumidores americanos quanto o México. Com políticas apropriadas e acordos bilaterais, o Brasil deverá dobrar ou triplicar suas exportações para os EUA, na maior parte produtos manufaturados e não commodities, que constituem a base das vendas do Brasil para a China.
O Brasil deve também ver um aumento considerável dos investimentos vindos dos Estados Unidos, e atrair muito mais tecnologia e ciência desse país.
Por diversas vezes os Estados Unidos manifestaram seu interesse em vínculos econômicos mais robustos com o Brasil. Praticamente em todas as visitas de presidentes americanos ao País nas últimas duas décadas a ênfase foi no comércio. Barack Obama trouxe todo seu gabinete econômico com ele e cerca de 50 CEOs de grandes empresas. Os investidores dos Estados Unidos sabem dos enormes recursos e do mercado interno do Brasil e reconhecem a importância da sua estabilidade política e do clima pacífico que reina entre os vizinhos sul-americanos. O governo americano também está consciente da importância de uma melhor relação política com o Brasil. Os EUA necessitam do apoio brasileiro para aplicar um programa consequente na América Latina.
O Brasil, por exemplo, ofereceria uma contribuição vital para as relações entre Estados Unidos e Cuba auxiliando Havana a atravessar um período difícil de transição.
Mudanças de caráter político necessárias para impulsionar o comércio entre os dois países não serão fáceis. O Brasil é um país que há muito tempo privilegia políticas de administração e regulamentação da economia pelo governo, amplamente nacionalistas, e hoje se defronta com uma economia quase em recessão. Mas a boa notícia é que as necessárias mudanças também resolveriam muitos problemas internos cruciais do Brasil e atenderiam também as empresas estrangeiras.
Muitas destas mudanças já fazem parte da agenda da equipe econômica do governo de Dilma Rousseff. Mudanças que abrangem reformas para abertura dos mercados, redução de tarifas, corte de subsídios e de vantagens na área de aquisições para empresas nacionais; aprimoramento das instalações portuárias e da infraestrutura de transporte em geral; e para tornar o ambiente de negócios mais fácil para se trabalhar, com reformas dos sistemas regulatórios e fiscais que consomem tempo e de leis trabalhistas arcaicas. Para tudo isso ser implementado serão necessários habilidade política e empenho, mais do que experiência econômica.
Washington terá também de fazer mudanças e concessões. Os subsídios e tarifas agrícolas nos Estados Unidos devem ser reduzidos, alguns substancialmente. A transferência de tecnologia, talvez para o setor nuclear do Brasil, tem de ser simplificada e estimulada. EUA e Brasil precisam resolver juntos disputas antigas sobre propriedade intelectual. E os Estados Unidos devem também ser mais receptivos à participação ativa do Brasil em diversos assuntos globais.
Uma visita de Estado da presidente Dilma a Washington pode contribuir sob muitos aspectos para criar um novo entendimento entre os dois países. Mas tal visita não deve ser decidida prematuramente. Ambos os governos precisam se colocar de acordo com um programa que inclua questões importantes que dividem os dois países e devem começar a identificar o que necessita ser feito para solucioná-las. Tudo isso antes de os dois presidentes se sentarem para conversar.
Até onde for por possível, Brasil e Estados Unidos devem decidir que resultados pretendem obter, antes da visita, e elaborar um programa e uma agenda para alcançá-los. Foi basicamente o que Índia e Estados Unidos fizeram. / TRADUÇÃO DE TEREZINHA MARTINO
(O Estado de SP – 22/02/2015)

Negócio na China ainda assusta e gera dificuldades para empresas brasileiras
MARCELO NINIO
DE PEQUIM
Dois colegas de faculdade gaúchos fizeram o que muitos almejam, mas poucos encaram: abriram um negócio na China. Fazem parte do diminuto grupo de desbravadores do mercado chinês, no qual a presença de empresas brasileiras é acanhada.
A distância e as diferenças culturais não assustaram Ricardo Geri, 23, e Ricardo Dorneles Mello, 26. Eles partiram para a China pouco após se formarem em relações e comércio internacionais, pela ESPM de Porto Alegre.
Chegaram em agosto de 2013 com uma bolsa para estudar mandarim e o propósito de fazer negócios na segunda economia do mundo.
"A primeira dificuldade foi a falta de informação. A embaixada brasileira e a Apex [a agência brasileira de exportação] não sabiam muito e estavam pouco interessados em ajudar. O jeito foi apelar para o Google", conta Geri.
A ideia, surgida na faculdade, era criar uma "incubadora de negócios", para facilitar o comércio Brasil-China.
No mês passado, depois de seis etapas nos mais variados órgãos do governo e de levantarem o capital mínimo exigido, de 100 mil yuans (R$ 45,3 mil), receberam o alvará de negócios na China.
O processo durou quatro meses e inverteu as expectativas. "Achava que seria mais difícil abrir empresa na China do que fechar negócios com o Brasil, mas foi o contrário", diz Mello.
"No ano passado só tomamos pau do Brasil", completa Geri. "Não temos preço nem volume para atender o mercado chinês. Uma importadora de alimentos pediu, só em amostras, cinco contêineres de carne de porco."
Os dois Ricardos, porém, dizem que o primeiro ano na China fortaleceu a convicção de que estão no lugar certo. Além de importação e exportação, inicialmente de pedras, estão de olho no crescente setor de serviços e já pensam em criar uma empresa de webdesign.
MICROCOMUNIDADE
O empreendedorismo dos amigos gaúchos é raro entre as iniciativas brasileiras na China. Apesar de ser o principal parceiro comercial do Brasil, as empresas brasileiras no país não passam de 80.
"É completamente desproporcional ao tamanho de nossa economia e à importância relativa do país", diz o economista Claudio Frischtak, consultor do Conselho Empresarial Brasil-China.
Se para as grandes empresas faltam incentivos para investir na China, para as pequenas e médias trata-se de uma tarefa quase heroica.
Vencer as barreiras de idioma e cultura, entender o ambiente de negócios, navegar pelo intrincado sistema regulatório, tudo isso exige tempo e uma sucessão diária de batalhas para sobreviver num mercado ultracompetitivo.
Poucos brasileiros se dedicaram mais à China do que a empresária gaúcha Tânia Caleffi, que está voltando ao Brasil depois de cinco anos no país.
Nesse período, criou o Brazilian Gate, showroom de produtos brasileiros em Xangai, vendeu produtos nacionais aos chineses e é sócia de uma rede de churrascarias, entre outras iniciativas.
Ela volta a Porto Alegre com enorme conhecimento sobre a China, mas sem lucro. Embora veja oportunidades de negócios no país, diz que hoje não repetiria o que fez.
"Para uma pequena empresa, é quase suicídio", diz a empresária. Ela conta que o ambiente de negócios para estrangeiros piorou muito nesses cinco anos em que viveu em Xangai. "Antes tudo era mais simples. Agora há mais problemas. Perdi muita mercadoria na alfândega."
Apesar das dificuldades, está aumentando, ainda que lentamente, o número de brasileiros que se aventuram no mercado chinês, diz o advogado Rodrigo do Val Ferreira, na China desde 2005.
Ele abriu uma consultoria com mais dois brasileiros no ano passado, após nove anos à frente do escritório Felsberg Advogados em Xangai, onde foi responsável pela abertura de mais de dez empresas brasileiras no país. Seu conselho aos interessados na China é, antes de tudo, buscar ajuda especializada.
"Há muitos mitos, como o de que só é possível investir na China com um sócio chinês", diz Ferreira, sócio-fundador da consultoria ALA Holding Group. "O ideal é que o empresário seja bem assessorado, porque isso corta tempo e custos."
César Yu, chefe do escritório da Apex (Agência Brasileira de Promoção de Exportação e Investimentos) na China, lembra que a agência tem um programa de internacionalização de empresas. Investir na China, porém, assusta os brasileiros.
"As empresas precisam vir mais e entender que o investimento na China é de longo prazo", diz. "Há muito desconhecimento." (Folha de SP – 22/02/2015)

OMC


Veja mais

Nueva “herramienta, clave” para el Paraguay
Por Julio Alberto Fleitas A.
El nuevo paquete de medidas de la Organización Mundial del Comercio (OMC), acordado en el 2013, será una herramienta clave que mejorará la inserción en el comercio regional y global de países como el Paraguay, aseguró ayer en entrevista con nuestro diario, el director general de la organización, el brasileño Roberto Azevedo.
Roberto Azevedo, director general de la OMC, visitó ayer nuestro país para presentar al Gobierno y al sector privado el último acuerdo alcanzado en el seno de la organización.
–¿Qué fuerza de ejecución o cumplimiento puede tener este paquete de acuerdos de las OMC?
–El primer paso es ponerlo en vigencia, si bien las negociaciones están cerradas, se requiere de la ratificación de dos tercios de los miembros de la organización.
–¿Y ya se alcanzaron esos dos tercios?
–No, recién empezamos a recibir (las ratificaciones), porque la mayor parte de los miembros tiene que pasar el acuerdo por sus respectivos parlamentos, y muchas veces son trámites que demoran, no es una cosa rápida, pero ya recibimos de algunos que no necesitan ir al Congreso, como por ejemplo los Estados Unidos, Singapur, Hong Kong. Yo creo que el proceso se acelerará entre mediados de este año hasta diciembre, cuando la mayor parte ya habrán pasado por sus parlamentos. Yo recibí indicaciones de que el Congreso nacional paraguayo lo va a ratificar pronto y lo ideal es que pudiera entrar en vigencia antes de la próxima reunión de la Conferencia Ministerial de la OMC en Nairobi (África), en diciembre de este año.
–¿Qué pasará una vez que entra en vigencia el acuerdo?
–Una vez que entre en vigencia el acuerdo, al contrario de otras tentativas que tuvimos en la OMC, este tendrá valor o fuerza de ley como todos los demás acuerdos de la organización, pasando a integrar el conjunto de textos legales de la Organización Mundial del Comercio. Así que tiene valor integral, pasa a estar sujeto al mecanismo de solución de diferencias y a todos los mecanismos de “Enforcement” (medidas coercitivas) previstos, y a disposición de cualquier país miembro.
–¿Cómo un acuerdo como este puede resolver o evitar los conflictos que solemos tener en Mercosur, donde Argentina y Brasil no cumplen los acuerdos del bloque?
–Las relaciones entre países vecinos, o en bloques comerciales, son las más difíciles, porque la conexión es mucho más densa que con socios lejanos o que siguen los trámites normales del comercio. Por ejemplo, Canadá, Estados Unidos y México se siguen “peleando” en la OMC. Los países del Mercosur han tenido disputas en la organización, a nivel de mecanismos de solución de diferencias, así que eso es normal. Muchas veces inclusive hay vacíos en la reglamentación regional, relativas a medidas antidumping, compensatorias, de salvaguardias, de valoración aduanera, normas técnicas, etc., pero sí en las reglas multilaterales. Entonces, hay una cantidad de situaciones en que los países prefieren accionar los mecanismos de solución de diferencias en la OMC que en un bloque regional.
–¿Este acuerdo viene a ser entonces una herramienta más para que, ocurrido un conflicto, el miembro afectado pueda recurrir a la organización?
–Sí, por supuesto. Sí es un tema que está reglamentado en este acuerdo, sí un país puede ir directamente a este mecanismo.
–¿Pero será eficaz para que Argentina, por ejemplo, deje de tomar medidas internas unilaterales que serían violatorias al Tratado de Asunción y a las normas de la OMC?
–La única manera de saber que una medida adoptada por cualquier país es o no violatoria a las disciplinas de la OMC es si eso llega a las instancias de solución de diferencias, donde un grupo de expertos o un órgano de apelación va a determinar si las mismas son o no consistentes con las disciplinas multilaterales. Eso lleva su tiempo, pero nuestras estadísticas revelan que más del 90% de los fallos de la organización son cumplidos.
–En cuanto a las mercaderías en tránsito, ¿de qué manera este acuerdo puede ayudar a que Paraguay, como país mediterráneo, no sea molestado por sus vecinos?
–Depende de la medida específica, de cuáles son las obligaciones que fueron asumidas en el acuerdo y ver si lo que está sucediendo es una violación de los compromisos asumidos. De eso es difícil hablar en abstracto, hay que ver el caso concreto. (ABC Color – 26/02/2015)

Argentina promete facilitar comércio
INTERNACIONAL
Por Assis Moreira | De Genebra
A Argentina anunciou ontem na Organização Mundial do Comércio (OMC ) que vai retirar as medidas que restringem importações e que foram condenadas pelos juízes da entidade.
A delegação argentina afirmou que irá procurar um entendimento com os Estados Unidos, a União Europeia e o Japão, que denunciaram na OMC as barreiras impostas pelo país.O governo pretende ter um "razoável período de tempo" para eliminar as barreiras condenadas.
Normalmente, pelas regras da OMC, um país costuma ter, em média, até 15 meses para cumprir a decisão dos juízes.
No caso argentino pode acontecer de os Estados Unidos e os outros parceiros exigirem queas barreiras sejam desmanteladas num prazo mais curto.
A OMC condenou a Argentina em 2014 por violar regras dos acordos comerciais ao restringir importações.
O caso envolve o uso, pelo governo argentino, de licenças de importação não automáticas, além da necessidade de pré-registro e de autorização prévia para todas as operações de importação, de uma forma queviola as regras da OMC e aumenta custos para as empresas, segundo os países reclamantes.
Em princípio, os membros daOMCpodem requerer dos importadores que solicitem uma licença de importação, como condição prévia para trazer a mercadoria do exterior. Quando a exigência de licença é automática, eles têm garantida a transação. A Argentina, porém, passou a usar cada vez mais a licença não automática, que permite comércio administrado, atrasos etc.
Como grande parceiro da Argentina, o Brasil, evidentemente, tem todo interesse que os argentinos também eliminem as barreiras no menor tempo possível. (Valor Econômico – 24/02/2015)

Azevêdo urges members to move to “solution-finding mode” in developing work programme to conclude Round
Director-General Roberto Azevêdo, at the General Council meeting on 20 February, urged members to be “much more focused and more interactive” in developing a work programme to conclude the Doha Round. He said: “We have to talk to each other much more, in an open and constructive way, and we have to be ready to explore scenarios.” He added that the chairs of the negotiating groups will continue to advance the work in the coming weeks. Texto na íntegra no website www.wto.org (OMC – 20/02/2015)

Outros


Veja mais

Brasil deve R$ 1 bilhão a órgãos internacionais
Na lista de credores estão Banco Mundial, Unesco e Unicef; pagamento depende da aprovação do Orçamento
por Julianna Granjeia e Eliane Oliveira
SÃO PAULO E BRASÍLIA - O Brasil tem uma dívida de R$ 1,1 bilhão com organismos internacionais como o Banco Mundial, a Unesco e o Unicef, entre outros. A situação tem causado constrangimento no meio diplomático brasileiro porque fez com que o país perdesse direito a voto em fóruns importantes como o Tribunal Penal Internacional (TPI) e a Agência Internacional de Energia Atômica (Aiea).
O valor foi calculado a partir de faturas encaminhadas ao Ministério do Planejamento e ainda pode subir, seguindo a flutuação do câmbio. Segundo a pasta, “os repasses nunca foram interrompidos e há previsão de pagamento dos compromissos internacionais, conforme as demandas e informações prestadas pelos ministérios responsáveis pelo enlace com organismos internacionais”.
Mas o órgão informou que o cronograma de pagamento só será definido a partir da aprovação do Orçamento de 2015 pelo Congresso. O governo deve liberar R$ 864 milhões neste ano “para gestão e participação em organismos internacionais”.
O Itamaraty, o Planejamento e as agências internacionais não informaram o valor da dívida com cada um dos órgãos. Procurados, organismos internacionais também evitaram comentar a dívida do governo brasileiro.
O professor de Direito Internacional da Universidade de Brasília (UNB) George Galindo explica que, a partir do momento em que se assina um acordo com um órgão internacional com sede no país, a contribuição é obrigatória e estipulada em tratados.
Além dos órgãos maiores com contribuições compulsórias, há outros menores que recebem doações voluntárias, que estariam sofrendo com o esvaziamento de recursos. É o caso do Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiado (Acnur), que, em 2010, recebeu US$ 3,5 milhões e, em 2013, viu sua doação cair para US$ 1 milhão.
— É uma grande contradição. O Brasil tem um excelente corpo diplomático, reconhecido internacionalmente. Briga por uma cadeira no Conselho de Segurança da ONU, mas não cumpre os tratados. Falta desejo maior da Presidência em fazer parte dessas instituições multilaterais e de fazer parte das grandes decisões conjuntas — afirmou Galindo.
COBRADO PELA ARGENTINA
Para Guilherme Casarões, professor de relações internacionais das Faculdades Integradas Rio Branco, dever aos organismos internacionais afeta a credibilidade do país. Ele destacou que, na última reunião da União Sul-Americanas de Nações (Unasul), o Brasil foi cobrado pela Argentina a pagar o que deve à instituição.
—A falta de recursos e pagamentos atrasados, que vão da Unasul à ONU, de Nairóbi a Tóquio, colocam em risco a credibilidade do país, especialmente no nosso entorno — destacou.
O presidente do Grupo de Estudos de Investimentos Estrangeiros no Brasil e no Exterior, Rubens Barbosa, ex-embaixador do Brasil em Washington, afirma que houve retrocesso na política externa brasileira:
— A única vez que aconteceu uma crise como esta foi quando houve controle de câmbio, na crise da dívida externa, mas acho que não chegou a esse volume (de passivo) e tanto tempo em atraso. Isso prejudica o trabalho das agências, prejudica a imagem do Brasil, que perde direito a voto. O país se retraiu e perdeu o espaço que havia conquistados nos tempos de Fernando Henrique e Lula.
Para Barbosa, o Brasil está na defensiva e não tem iniciativa externa:
— O Itamaraty está mais ou menos paralisado por causa dessas dificuldades todas. Há um problema de gestão de recursos. É preciso recuperar a iniciativa externa porque, hoje, o Brasil fica sempre na defensiva em relação aos Estados Unidos, à China e à Argentina. (O Globo – 27/02/2015)

Entrevista. Angel Melquizo, chefe do Escritório de América Latina e Caribe da OCDE
Fim dos altos preços das matérias-primas deu início à desaceleração na América Latina e no Brasil, diz a OCDE
'Expansão foi favorecida por condições externas'
ANDREI NETTO
PARIS - A Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE) e o Instituto da América Latina apresentaram nesta quinta-feira, 26, em Paris, o relatório "Perspectivas Econômicas da América Latina", o mais importante estudo da instituição sobre a saúde financeira da região. Segundo os experts, a região cresceu em 2014 no pior ritmo dos últimos cinco anos, entre 1% e 1,5%. Deve se recuperar parcialmente em 2015, chegando a 2% a 2,5%, mas ainda em patamar muito inferior às suas possibilidades.
A organização aponta contrastes fortes, com o México crescendo acima de 2,5%, enquanto o Brasil oscila no máximo 1%. Para os especialistas, é o fim de uma era de crescimento baseado em condições externas muito favoráveis.
A seguir, os principais trechos da entrevista.
O ano de 2014 foi um ano de desaceleração muito forte no Brasil e na América Latina. Do que a economia do Brasil e da América Latina necessitam?
O ano de 2014 marcou uma tendência da região de desaceleração econômica que já dura cinco ou seis anos. Foi o primeiro anos em que o Brasil cresceu abaixo da média dos países da OCDE, dos países de renda alta, por exemplo. Sobre as medidas de que a economia brasileira necessita, está claro que se trata de investir mais em crescimento potencial, em crescimento de longo prazo. Após uma década de muito bom desempenho, em torno de 5% ao ano no conjunto da região, o que vemos é que boa parte do crescimento era devido a condições externas muito favoráveis. Os ingressos por matérias-primas foram extraordinários e o financiamento, sobretudo proveniente de economias desenvolvidas, muito flexível. Esses dois fatores externos acabaram, e por isso vemos uma desaceleração tão abrupta e uma volta aos fundamentos da região.
Maus fundamentos?
Débeis fundamentos. Piores que os que se pensava na metade da década passada. Mas os fundamentos do Brasil não são para ficar estagnado, e sim para crescer 3%, 3,5% de maneira estável. E até mesmo esse crescimento nos parece baixo para uma economia que quer deixar de ser de renda média para uma de renda elevada. O que esse contexto de desaceleração está mostrando é que se deve investir em melhor educação para o trabalho. Hoje na América Latina 4 em cada 10 empresas não encontram o trabalhador que precisam. No caso do Brasil, 3 em cada 4 empresas brasileiras têm atividades e ideias, mas não têm o trabalhador que precisam. Unir essa oferta e demanda seria um dos ingredientes que poderiam recuperar a economia em curto e médio prazos.
Este é um dos problemas estruturais da economia brasileira. Quais são o outros?
Como todas as economias emergentes, há muitos outros. Claramente a infraestrutura é um deles. O Brasil sabe disso e está tentando melhorar, sobretudo em transporte e energia. A vantagem do Brasil, que também pode ser um desafio, é que o tamanho da arrecadação fiscal é relativamente elevado. O Brasil arrecada em torno de 35% do PIB, que é parecido com a média da OCDE. Por outro lado, tem pouca margem para elevar a carga. Claramente se trata de reajustar os gastos públicos, fazendo menos gastos com hoje e mais com o futuro. Reorganizar o gasto público em busca de mais eficiência.
Alguns experts falaram em "reprimarização" da economia, não apenas do Brasil mas de outros países da América Latina também. Por quê?
Quando há um parceiro comercial tão pujante como a China, que demanda produtos como soja, petróleo e minerais a preço muito alto, a tentação de direcionar os esforços da economia para produzir esses produtos é muito grande. Essa é uma das teorias para explicar o que se passou nos últimos anos na América Latina: a de que os países tenham se voltado para matérias-primas que eram mais demandadas pela China. Nós, da OCDE, somos um pouco cautelosos: não acreditamos em risco de "reprimarização", e cremos que há empresas de outros setores, de alto valor agregado, que têm muita necessidade e muitas ideias. Isso é uma oportunidade.
Você acredita que estamos em um momento de esgotamento do modelo econômico do Brasil e da América Latina, como pensam alguns experts que falaram aqui?
Creio que temos de evitar a euforia nos bons tempos e a depressão nos maus. Crescer a 3%, e não 5%, implica ter muitos menos recursos para algumas políticas que foram chave para reduzir a pobreza. Implica ter muito menos recursos para inovar, para investir. Temos pouca margem de erro. Acreditamos que os modelos e as estruturas econômicas da América Latina têm de ser reformadas e diversificar-se em atividades de mais alto valor agregado. O grande problema da América Latina se chama baixa produtividade, que continua a perder terreno em relação a economias desenvolvidas, quando o normal seria que os emergentes se saíssem melhor, porque podemos evitar o que outros fizeram mal e reproduzir o que fizeram bem.
Você crê que este momento de aperto da política fiscal no Brasil é correto, que é o momento de reequilibrar as contas públicas?
Estamos numa realidade em que o financiamento dos países emergentes está complicado. Há opções, e elas têm a ver com a reorganização dos gastos públicos, e fazer com que eles sejam mais produtivos. No caso do Brasil, obviamente, o que precisa ser pensado é que margem de manobra existe para o ajuste neste momento. (O Estado de SP – 27/02/2015)

Governador de Nova York levará missão comercial a Cuba
Delegações dos dois países se reúnem amanhã em Washington para buscar mais avanços
por O Globo / Com agências internacionais
NOVA YORK - O democrata Andrew Cuomo, de Nova York, será o primeiro governador americano a visitar Cuba depois que o presidente Barack Obama decidiu reduzir as restrições de viagem para o país, como parte de um pacote de medidas de reaproximação diplomática entre Washington e Havana. Segundo nota divulgada pelo governador e Jose Ramon Cabanas, chefe da Seção de Interesses Cubana nos EUA, Cuomo viajará à ilha no dia 20 de abril. O objetivo da viagem é estimular outros estados americanos a investirem no novo mercado disponível.
Representantes dos dois países vão se reunir amanhã no Departamento de Estado, em Washington, para discutir acordos rumo ao restabelecimento formal de relações diplomáticas no âmbito da Convenção de Viena. A equipe americana será comandada por Roberta Jacobson, secretária-adjunta de Estado para o Hemisfério Ocidental. Da parte de Cuba, a líder da delegação é Josefina Vidal, chefe do departamento dos Estados Unidos da Chancelaria de Cuba, que já serviu ao país em Washington. As delegações voltam a se reunir depois do primeiro encontro histórico em Havana, no dia 22 de janeiro.
Os dois países querem adiantar o processo de reabertura das embaixadas para, depois, iniciar o processo de normalização das relações bilaterais. Um fator de discussão é a presença de Cuba na lista de países que promovem o terrorismo do Departamento de Estado americano e a necessidade ou não de eliminar o país da lista antes de reabrir as embaixadas.
Um funcionário da Chancelaria cubana adiantou à imprensa que “seria controverso” restabelecer relações diplomáticas e o país continuar na lista. Em Washington, uma fonte do Departamento de Estado garantiu que um acordo bilateral que restabeleça as relações diplomáticas e a reabertura de embaixadas seria agilizado se as duas coisas forem discutidas separadamente. Cuba foi incluída na lista em 1982, e há 30 anos os dois países mantêm escritórios de interesse em Washington e Havana, com proteção diplomática da Suíça. (O Globo – 26/02/2015)

Para Monteiro, Reintegra será mantido apesar de cortes
BRASIL
Por Edna Simão e Lucas Marchesini | De Brasília
Mesmo num cenário de corte gastos, o ministro do Desenvolvimento, Armando Monteiro Neto, afirmou que "não há nenhuma dúvida" sobre a manutenção do Regime Especial de Reintegração de Valores Tributários para as Empresas Exportadoras (Reintegra), mas não descartou a possibilidade de ajustes na alíquota, fixada em 3%, neste ano. O ministro disse que o programa é essencial para o Plano Nacional de Exportação, que deverá ser lançado até 15 de março.
"Não tenho duvida sobre manutenção do Reintegra. Se houver ajuste, ainda será discutido", disse. Monteiro Neto explicou que, evidentemente, o governo deverá definir, dentro do quadro de restrição, o que será possível fazer. Ele participou de reunião do conselho deliberativo da Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil) que deu posse ao novo presidente da entidade, David Barioni Neto.
O Reintegra devolve de 0,1% a 5% do faturamento de exportações de bens manufaturados, como compensação por impostos indiretos cobrados na cadeia de produção. O programa foi lançado em agosto de 2011 junto com o Plano Brasil Maior e começou a funcionar em janeiro do ano de 2012. Devido à demanda dos empresários, o programa foi prorrogado em 2013 e suspenso até meados de 2014.
Com a conversão em lei da Medida Provisória 651 em novembro, o Reintegra se tornou uma política permanente. Monteiro defendeu a manutenção da alíquota de 3% para este ano.
"Compreendemos que há um quadro de forte restrição na área fiscal. Medidas de ajustes estão sendo tomadas em várias direções e nós sabemos que isso tem custo do ponto de vista das escolhas que precisam ser feitas. Nosso entendimento é que esse mecanismo tem que ter permanência, porque ele é na essencial é uma compensação ao setor exportador", disse o ministro.
Na avaliação de Monteiro, o que deve ser feito daqui para frente é dar efetividade ao Reintegra, que hoje passa por ajustes. Isso é necessário para que a compensação seja feita num prazo adequado aos exportadores. (Valor Econômico – 25/02/2015)

A política externa entre a continuidade e a mudança
Sergio Amaral
Qual será a política externa do novo governo Dilma? Passados dois meses da posse, ainda não se sabe.
O segundo mandato de um mesmo governo tenderia a reforçar a continuidade, em vez da mudança. Desta vez, no entanto, a correção de rumos, em setores relevantes, deverá impor-se, por boas razões de ordem externa e interna.
O intercâmbio com os Estados Unidos continuará a melhorar, especialmente à luz da projetada visita da presidente Dilma Rousseff aos Estados Unidos. A indagação que subsiste, contudo, é se os avanços serão suficientes para remover a desconfiança recíproca, que tem impedido um relacionamento mais amplo entre os dois países.
As relações com a China são boas e assim deverão continuar, porque estão ancoradas em expressivo intercâmbio econômico. Mas deverão enfrentar um desafio novo, pelo deslocamento de empresas brasileiras por investimentos chineses nos países andinos e pelas preferências dadas pelo governo argentino a investimentos e exportações chinesas para a Argentina, em detrimento do Mercosul.
O multilateralismo continuará a ser um eixo central da diplomacia brasileira, como sempre foi, mas terá de ser qualificado pela nova configuração multipolar do poder. O xadrez das grandes decisões não será jogado em Nova York ou em Genebra, mas em Washington, Pequim, Bruxelas (ou Berlim) e Moscou. O Brics perdeu a relevância econômica que inspirou a sua criação, sem ter alcançado o peso político necessário para influir sobre a reforma da governança mundial. As relações entre os sócios são relevantes, mas não necessariamente a instituição.
Ao lado dessas linhas de continuidade, entre outras, a nova realidade internacional impõe mudanças, especialmente no Mercosul, na América do Sul, na política comercial, sem falar na modernização das relações com a África.
O Mercosul é, paradoxalmente, o principal fracasso da política externa na última década. Não se trata apenas da redução de sua participação relativa no conjunto do comércio exterior brasileiro. Não vem apenas das crescentes restrições da Argentina às exportações brasileiras. Não decorre apenas do risco de inadimplência da Venezuela em sua gigantesca dívida com o governo e as empresas brasileiras. Não está só nos empecilhos para a negociação de acordos de comércio com países fora da zona.
Vem, sobretudo, da tolerância do Brasil às reiteradas violações das regras do comércio. Da falta de observância dos requisitos para a adesão da Venezuela ao Mercosul. Da indiferença ante práticas antidemocráticas no cerceamento da liberdade de expressão e na perseguição a adversários políticos. Está, em suma, no distanciamento progressivo dos princípios que inspiraram o Tratado de Assunção, que eram a integração entre democracias e economias de mercado.
A banalização do arbítrio levou à desvalorização das regras. Não existem regras onde elas não forem cumpridas. Agora, quando importantes sócios do bloco enfrentam sérios desafios econômicos e políticos, que credibilidade terá o Mercosul para servir de amparo à solução de possíveis crises em nossa vizinhança?
A agonia do Mercosul aprofundou-se ano a ano sem que o Brasil tivesse sido capaz de formular e colocar sobre a mesa uma visão integradora e apontar um rumo claro.
O imobilismo, quando não o retrocesso, do Mercosul, comprometeu a integração sul-americana, uma bandeira tradicional da diplomacia brasileira. Hoje esse objetivo virou uma retórica vazia, sem aderência à realidade. O Brasil hesitou em assumir na região a liderança que seus vizinhos e parceiros esperavam dele. Em vez da integração, caminhamos para a divisão da região por uma nova linha de Tordesilhas, que separa o Mercosul da Aliança do Pacífico. De um lado, a crise fiscal, a inflação, a recessão e o déficit externo; de outro, mais do que a simples integração comercial, a convergência de políticas econômicas e a abertura em relação às economias do Pacífico, que deverão constituir o polo dinâmico da economia mundial do século 21. A diplomacia brasileira terá de superar o fantasma da presença do México na Aliança do Pacífico e promover uma efetiva negociação entre os dois grupos, de modo a sustar a crescente fragmentação no continente sul-americano.
No plano interno, as medidas anunciadas pela equipe econômica apontam para uma nova direção da economia, para a busca da produtividade e da competitividade de modo a restaurar o crescimento. A política externa, especialmente a comercial, não poderá dissociar-se do rumo do País. Ao contrário, terá um papel relevante a desempenhar na ampliação dos acordos bilaterais e regionais, assim como na liberalização do comércio e dos investimentos externos.
Por fim, o fracasso na negociação do acordo com a União Europeia poderá representar uma grande oportunidade perdida. Poucas regiões têm com o Brasil afinidades e convergências tão significativas quanto a Europa. A assinatura de um acordo Mercosul-União Europeia ou, mais realisticamente, num primeiro momento, Brasil-União Europeia seria o instrumento apropriado para consolidar e expandir a parceria com a Europa, esta, sim, estratégica. Depois de mais de dez anos de negociação, corremos o risco de morrer na praia. Mais do que isso, a relação pode azedar em face da reclamação da União Europeia na Organização Mundial do Comércio (OMC) questionando os principais mecanismos da política industrial brasileira, exatamente no momento em que a evolução da economia tenderá a remover ou atenuar naturalmente as medidas questionadas É hora de as recriminações recíprocas cederem lugar à grande política, de modo que a busca do entendimento prevaleça, em ambos os casos. *Sergio Amaral é diplomata e foi ministro da Indústria e do Comércio Exterior (O Estado de SP – 25/02/2015)

Reintegra faz parte de plano de exportação para março, diz ministro
Edna Simão e Lucas Marchesini
BRASÍLIA - Mesmo num cenário de ajuste fiscal, o ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (Mdic), Armando Monteiro Neto, afirmou nesta terça-feira que “não há nenhuma dúvida sobre a manutenção do Reintegra”. Segundo o ministro, o programa “é elemento essencial” do Plano Nacional de Exportação que deverá ser lançado até 15 de março.
“Quero afirmar e deixar claro: Tenho certeza de que o Reintegra será mantido e, evidentemente, o governo deverá definir dentro do quadro de restrição o que será possível fazer”, comentou o ministro após participar de reunião do conselho deliberativo da Apex-Brasil que deu posse ao novo presidente da entidade, o executivo David Barioni Neto.
“Evidentemente, temos a compreensão de que há um quadro de restrição na área fiscal, forte restrição. Medidas de ajustes estão sendo tomadas em várias direções e nós sabemos que isso tem custo do ponto de vista das escolhas que precisam ser feitas. Nosso entendimento é que esse mecanismo tem que permanecer porque é essencial, é uma compensação ao setor exportador”, destacou. “O Reintegra nada mais é uma forma de compensar os resíduos tributários que ficam ao longo da cadeia de exportação, que quanto mais longa mais carrega custo de natureza tributária”, comentou ainda.
O ministro afirmou que neste ano, o programa deve manter a alíquota de 3%. Questionado sobre se esse valor pode ser reduzido em 2015 por causa do ajuste fiscal, Monteiro Neto se mostrou otimista. Na avaliação dele, o que deve ser feito daqui por diante é dar efetividade à operacionalização do programa, que hoje passa por ajustes. Isso é necessário para que a compensação seja feita num prazo adequado aos exportadores. (Valor Econômico – 25/02/2015)

Armando Monteiro garante manutenção de regime especial para exportadores
Wellton Máximo – Repórter da Agência Brasil
Edição: Armando Cardoso
O Reintegra, regime especial de tributação para exportadores, será mantido nos próximos anos, disse hoje (24) o ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Armando Monteiro Neto. No entanto, ele não informou se a alíquota de 3% permanecerá.
“Evidentemente, temos a compreensão de que, neste momento, há quadro de forte restrição fiscal. As medidas de ajuste estão sendo tomadas em várias direções. Nosso entendimento é que o mecanismo tem de ter permanência, porque o Reintegra é uma compensação oferecida ao setor exportador. É uma forma de compensar resíduos tributários ao longo da cadeia de exportação”, declarou o ministro.
Criado em 2011, o Reintegra devolve aos exportadores de 0,1% a 5% do faturamento para ressarcir os tributos cobrados ao longo da cadeia produtiva. O percentual é definido anualmente pelo governo.
O ministro enfatizou que o Reintegra será um dos pontos centrais do Plano Nacional de Exportação, a ser lançado em março. Além da manutenção do regime tributário diferenciado, Monteiro Neto destacou que o plano terá medidas como a concessão de financiamentos especiais para as empresas exportadoras.
O ministro também comentou a renovação do acordo automotivo com o México, que acaba em 19 de março. A segunda rodada de reuniões será sexta-feira (27), na capital mexicana, entre o secretário executivo do Ministério do Desenvolvimento, Ivan Ramalho, e o vice-ministro do Comércio Exterior do México.
Segundo ele, o governo brasileiro gostaria de ajustes nas cotas, mas não especificou quantias. Pelo acordo em vigor, o México pode exportar até US$ 1,64 bilhão por ano em veículos ao Brasil com isenção de tarifas. Acima desse valor, incide Imposto de Importação de 35%. (Agência Brasil – 24/02/2015)

David Barioni neto assume a presidência da Apex-Brasil
O executivo David Barioni Neto assumiu a presidência da Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil). A cerimônia de posse aconteceu na sede da Agência, em Brasília, durante a reunião do Conselho Deliberativo, que contou com a presença do Ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), Armando Monteiro, empossado como Presidente do Conselho. (Apex-Brasil – 24/02/2015)

Novo presidente da Apex-Brasil nega fechamento de escritórios no exterior
A Agência Brasileira de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil) não pretende fechar escritórios no exterior, informou hoje (24) o novo presidente do órgão, David Barioni Neto. Ele ressaltou que a Apex tem planos de abrir mais uma unidade, em Xangai (China).
"Não temos planos de fechar escritórios. Se uma unidade for considerada ineficiente, ela será fechada, mas isso não está sendo questionado no momento. Muito pelo contrário, queremos expandir nossa atuação no exterior", afirmou Barioni, após tomar posse. "Estaremos onde houver oportunidades de ampliar as exportações brasileiras."
Atualmente, a Apex-Brasil tem escritórios em nove cidades fora do país: Miami e São Francisco, nos Estados Unidos, Bruxelas, Luanda, Havana, Bogotá, Moscou, Dubai e Pequim.
Barioni classificou de infundadas as informações de que a agência poderia ter o orçamento cortado. "Nosso orçamento vem do Sistema S [que engloba serviços de aprendizagem como Senai e Senac e serviços sociais como Sesi e Sesc]. É um dinheiro com origem e destinação definidas, que não pode ser cortado", esclareceu. Para este ano, a Apex-Brasil tem orçamento previsto de R$ 534 milhões.
Barioni tomou posse em reunião do Conselho Deliberativo Administrativo da Apex-Brasil, que teve a presença do ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Armando Monteiro Neto. Para o ministro, a experiência de Barioni no setor privado ajudará a tornar mais eficiente a divulgação dos produtos e serviços brasileiros no exterior. "Buscamos um nome vindo do setor privado, que pode abrir portas para os empresários", ressaltou Monteiro Neto.
Com atuação em governança corporativa, importação e exportação e liderança e gestão de empresas, Barioni foi vice-presidente da companhia aérea Gol. De 2007 a 2009, foi presidente da TAM Linhas Aéreas.
Para impulsionar as exportações e ajudar a reverter o déficit de US$ 3 bilhões na balança comercial em 2014, o novo presidente da Apex-Brasil pretende agir em dois eixos. Um deles é a capacitação de empresários para o comércio exterior. "No Brasil, apenas 20 mil empresas exportam. Existe muito potencial para ser explorado", afirmou. O outro eixo consiste na aposta de mercados em recuperação, como os Estados Unidos, e em economias menos afetadas pela crise internacional no Oriente Médio, na África e na Ásia. (Agência Brasil – 24/02/2015)

Barioni assume Apex com a visão 'pragmática' do setor privado
BRASIL
David Barioni Neto, novo presidente da Apex: "Corte de gastos pelo governo é um círculo virtuoso para todo o setor"
Por Lucas Marchesini | De Brasília
O novo presidente da Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex), David Barioni Neto, pretende utilizar a sua experiência no setor produtivo para agilizar processos dentro da autarquia, dando ao órgão "o mesmo timing que o setor privado". Ele toma posse hoje, em substituição a Mauricio Borges.
"Venho da iniciativa privada e essa é minha primeira experiência no setor público. Posso contribuir muito com essa visão pragmática do setor privado, que não tem muito tempo para grandes estudos acadêmicos, porque todos estão focados em tocar o negócio, em investir, empregar, aumentar a rentabilidade", disse Barioni ao Valor PRO, serviço de informações em tempo real do Valor.
Barioni é do ramo da aviação civil. Foi presidente da TAM e vice-presidente da Gol. É da sua experiência como comandante de aeronaves e executivo dessas companhias que tirou o seu diagnóstico e a visão para o mandato de quatro anos à frente da Apex. "O que nós temos cada vez mais que fazer é fincar pé e trazer as necessidades do setor privado, mostrando necessidade de rapidez do setor privado, de decisões mais ágeis, procurar simplificar."
Foi também com uma comparação entre o setor privado e público que Barioni respondeu quando questionado sobre a possibilidade de fechar as representações da agência no exterior. "É uma obrigação, como qualquer empresa, verificar cada filial que temos, se está dando resultado ou não", disse. Ele fez a ressalva, porém, de que ainda está estudando o assunto e que não há "nada definido".
Barioni disse acreditar que o seu trabalho à frente da agência não será atrapalhado pelo ajuste fiscal levadoadiante pelo governo. "A otimização do Brasil é sempre muito bem-vinda, porquequando Brasil mostra otimização de gastos, o empresário se sente na obrigação de fazer o mesmo e ser cada vez mais eficiente.
Corte de gastos pelo governo éumcírculo virtuoso para todo o setor", disse.
agilidade prometida por Barioni também se aplicará na identificação de oportunidades de negócios para as empresas brasileiras. Um exemplo é o câmbio, que fechou ontem em R$ 2,87 por unidade da moeda americana e chegou a quebrar um recorde com mais de dez anos ao bater em R$ 2,90 no pregão intradia.
"[O atual cenário do câmbio] é uma situação que pretendemos tirar vantagem com certeza. Por isso, não temos tempo aperder. Precisamos trabalhar muito rápido porque existe uma janela de oportunidade para o Brasil", analisou. "Vamos focar naqueles mercados onde nossos recursos gerem mais retorno para o país."
O novo presidente da Apex ponderou que ainda não sabe se o órgão tem pessoal suficiente para ajudar a aumentar a base de empresas exportadoras do país e aomesmo tempo ampliar o saldo comercialcom base nos relacionamentos já existentes.
"Os dois são importantes, mas não sei dizer ainda se temos mão de obra para duas frentes. Se não tivermos, obviamente teremos que priorizar uma das áreas. Mas elas não são excludentes. São somatórias", analisou. A certeza é que nos dois casos o objetivodaApexseráo defazer crescer as vendasbrasileiras de bens com maior valor agregado.
"Cerca de 50% das nossas exportações são commodities, somos fortes [nesse ramo] desdeo império.
Então, nós temos que cada vez mais promover esse Brasil de valor agregado, de qualidade, porque é aí quevamosfazer a diferença", analisou Barioni. Para tanto, alguns mercados serão prioritários. Como exemplo, ele citou "a América do Sul, com certeza, mas também os EUA, que agora saem da crise, a Ásia, notadamente a Índia e a Europa".
Problemas temporários nas relações entre o Brasil e determinados parceiros estratégicos, como ocorre atualmente com a Argentina, não assustam o novo presidente daApex. "Quando certos parceiros nossos passarem por uma situação, fortaleceremos outros e assim por diante.O importante é que aApex olhe globalmente e, sentindo que dado mercado tem pressão momentânea, a gente possa incentivar outros mercados." (Valor Econômico – 24/02/2015)

Política externa e interesse nacional
Rubens Barbosa
A baixa prioridade atribuída pelo governo à política externa e a quase paralisia da ação diplomática brasileira nos últimos anos tem afetado o interesse nacional em várias frentes. O exemplo mais recente e talvez mais grave ocorre no relacionamento com a Argentina. Os resultados dessa atitude passiva estão se mostrando duramente contrários não só aos interesses econômicos e comerciais brasileiros, mas agora também na área estratégica e de defesa em razão da crescente cooperação entre a Argentina e a China.
Em visita recente a Pequim a presidente Cristina Kirchner assinou 15 acordos, com forte impacto sobre os interesses brasileiros pela agressiva ofensiva chinesa em investimentos em infraestrutura com facilitação de importação de maquinários e insumos - muitos produzidos pelo Brasil -, além de linhas de crédito para importação, acordo de swap de yuan para reforçar as reservas argentinas. Dentre os acordos assinados, um tratado na área de defesa e cooperação espacial prevê a construção pela China de uma base espacial na província de Neuquén.
A base, que foi estabelecida no marco do programa chinês de exploração da Lua, representará uma inversão direta de cerca de US$ 300 milhões e estará em funcionamento em 2016. Segundo admitiram as autoridades argentinas, a base tem por objetivo "realizar tarefas de monitoramento, controle e coleta de dados no marco do programa chinês de missões para a exploração da Lua e do espaço". Apesar de não contar com a aprovação do Congresso - que não recebeu diversos acordos secretos anexados ao tratado -, o governo argentino decidiu avançar na construção da base espacial. A etapa de fabricação das antenas começou este mês. A Comissão Nacional de Atividade Espacial argentina e a Agência Nacional Chinesa de Lançamento, Seguimento e Controle Geral de Satélites trabalharão conjuntamente quando a estação espacial for instalada. Fontes militares argentinas qualificadas manifestaram preocupação pelo eventual uso militar da estação chinesa em território argentino e não descartam a possibilidade de as antenas realizarem tarefas de seguimento de mísseis. A estação de Neuquén disporá de uma rede de telemetria, seguimento e controle de uso civil e militar. A tecnologia sensível, de uso dual, poderá ser utilizada para o seguimento da atividade aeroespacial e de mísseis.
Nos governos do PT, desde 2002, o Brasil passou a considerar Buenos Aires como parceira fundamental para a estratégia de integração sul-americana a partir do Mercosul e como sócia comercial privilegiada em função do mercado para nossos produtos manufaturados. À medida que a situação econômica de los hermanos se deteriorava pela desvairada política kirchnerista, medidas protecionistas ilegais e contrárias à letra e ao espírito do Mercosul e da Organização Mundial do Comércio (OMC) passaram a restringir a entrada dos produtos brasileiros. A reação do governo petista aos reclamos dos exportadores brasileiros - ao contrário da OMC, que acaba de condenar a Argentina e de exigir que as barreiras sejam desmontadas - foi aceitar passivamente tudo o que estava sendo feito contra os nossos produtos e pedir "paciência estratégica" para ajudar a recuperação econômica de nossos vizinhos.
Do ponto de vista comercial, o Brasil fechou o mês de janeiro com mais de 1.200 Declarações de Importações Antecipadas (medida burocrática para restringir as importações), pendentes de aprovação, com o governo argentino. O bloqueio, na prática, está atingindo todas as exportações brasileiras: automóveis, autopeças, eletrônicos e têxteis, alimentos e bebidas, carne suína, cerâmica, setor químico, metalurgia e celulose. Em 2014 as exportações brasileiras para a Argentina caíram 27%. Em janeiro de 2015, 30%. Desde 2010 o Mercosul foi o principal fornecedor externo de bens de capital para a Argentina, sendo o Brasil responsável por mais de 90% dessas exportações. Em 2014, com a queda de 34% das exportações de bens de capital para a Argentina em comparação de 2013, o bloco cedeu o lugar à China, cujas exportações de equipamentos no mesmo período cresceram 13%. A redução do mercado para os produtos brasileiros foi ocasionada também pela crescente perda da competitividade da indústria nacional.
O ministro Mauro Vieira esteve há duas semanas em Buenos Aires e se reuniu com os ministros da área econômica. Pouco transpirou das conversas bilaterais. O ministro do exterior argentino disse que foram tratados diversos assuntos, como Mercosul e o futuro da Unasul. Vieira indicou que os encontros foram produtivos para ele se informar, ficando acertada reunião entre os vice-ministros ainda em fevereiro. Espera-se que o Brasil adote uma atitude mais firme na defesa dos interesses dos exportadores brasileiros e do destravamento do Mercosul - o Brasil ocupa a presidência do grupo - para avançar numa nova agenda de acordos comerciais, em especial com a União Europeia.
Como até o momento não houve nenhuma palavra do governo brasileiro, a opinião pública nacional aguarda uma manifestação oficial sobre a instalação da base espacial em Neuquén, entre outras razões, porque pode competir com o programa espacial brasileiro e trazer atritos entre a China e os EUA para a nossa vizinhança. O programa espacial brasileiro e a construção da base de Alcântara continuam paralisados, quando poderiam ter avançado significativamente apenas com uma fração dos desvios financeiros da Petrobrás nos últimos 12 anos de governo do PT.
Nem sempre é fácil definir o interesse nacional. No caso da Argentina, nesses exemplos concretos fica claro como políticas e percepções equivocadas por influência ideológica podem prejudicá-lo.
Com a palavra o Itamaraty, o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior e a Defesa.
*Rubens Barbosa é presidente do Conselho de Comércio Exterior da Fiesp (O Estado de SP – 24/02/2015)

Brasil tem menor produtividade entre 12 países
Índice que mede o quanto se produz por hora trabalhada cresceu no País em dez anos, mas é o menor do que as outras 11 nações pesquisadas.
Agência Brasil
Brasília - A produtividade – índice que mede quanto se produz por hora trabalhada – cresceu no Brasil 6% ao ano entre 2002 e 2012, o menor na comparação com outros 11 países pesquisados, informou a Confederação Nacional da Indústria (CNI). Os países com produtividade superior à brasileira são: Coreia do Sul, Taiwan, Cingapura, Estados Unidos, Japão, Espanha, Alemanha, França, Austrália, Canadá e Itália.
O gerente de pesquisa e competitividade da CNI, Renato da Fonseca, atribui, em parte, o resultado da pesquisa à baixa qualificação da mão de obra brasileira. “Infelizmente temos mão de obra despreparada para aprender novas tecnologias”, disse economista. Para ele, outra causa da baixa produtividade do país é a taxa de investimento inexpressiva. “Desde 2010, a economia brasileira praticamente não cresce.” (Agência Brasil – 23/02/2014)

Fevereiro registra exportações de US$ 9,008 bilhões
Brasília - As exportações brasileiras, na terceira semana de fevereiro (16 a 22), com cinco dias úteis, foram de US$ 1,859 bilhão (média diária de US$ 619,7 milhões). O resultado está 13,3% inferior à média de US$ 714,9 milhões, verificada até a segunda semana do mês. Neste comparativo, houve retração nas exportações de produtos semimanufaturados (-15,6%), em razão de açúcar em bruto, ouro em forma semimanufaturada, couros e peles, e ferro-ligas. Caíram também as vendas de produtos básicos (-13,6%), por conta de petróleo em bruto, café em grão, algodão em bruto, farelo de soja, carne suína e milho em grãos. Para os manufaturados (-10,6%), a queda se explica, principalmente, pelos recuos nos embarques de óleos combustíveis, aviões, polímeros plásticos, máquinas para terraplanagem, veículos de carga, e motores e geradores.
As importações, no período, contabilizaram US$ 2,435 bilhões, com desempenho médio diário de US$ 811,7 milhões. Houve retração de 2,8% sobre a média observada até a segunda semana (US$ 835,2 milhões), que se explica, principalmente, pela diminuição nos gastos com combustíveis e lubrificantes, químicos orgânicos e inorgânicos, adubos e fertilizantes, instrumentos de ótica e precisão e farmacêuticos.
Na terceira semana de fevereiro, o saldo comercial ficou deficitário em US$ 576 milhões, com desempenho médio diário negativo de US$ 192 milhões, e a corrente de comércio somou US$ 4,294 bilhões, com resultado médio por dia útil de US$ 1,431 bilhão.
Mês
Nos 13 dias úteis de fevereiro, as exportações foram de US$ 9,008 bilhões, com média diária de US$ 692,9 milhões. Pela média, houve redução de 13% em relação a fevereiro de 2014 (US$ 796,7 milhões). Houve queda nas três categorias de produtos. Nos básicos (-19,4%), por conta, principalmente, de soja em grão, minério de ferro, carne bovina e suína, e minério de cobre. Entre os manufaturados (-8,1%), por conta de polímeros plásticos, máquinas para terraplanagem, motores e geradores, óxidos e hidróxidos de alumínio, motores para veículos, açúcar refinado e autopeças. Nos semimanufaturados (-1,3%), por conta de açúcar em bruto, semimanufaturados de ferro/aço, ferro-ligas, couros e peles, e ferro fundido.
Na comparação com o resultado diário do mês de janeiro passado (US$ 652,6 milhões), as exportações aumentaram 6,2%, com crescimento nas vendas de produtos manufaturados (18,3%) e básicos (3,8%), enquanto decresceram as de semimanufaturados (-9,6%).
As aquisições no exterior, em fevereiro, estão em US$ 10,787 bilhões, com média diária de US$ 829,8 milhões. O resultado está 8,1% abaixo da média de fevereiro do ano passado (US$ 903,1 milhões), com baixa, principalmente, nos gastos com farmacêuticos (-24,8%), borracha e obras (-18,4%), veículos automóveis e partes (-16,9%), instrumentos de ótica e precisão (-16,6%), combustíveis e lubrificantes (-16,1%), químicos orgânicos e inorgânicos (-13,8%), e equipamentos mecânicos (-13,3%).
Sobre o resultado verificado em janeiro passado (US$ 803,7 milhões), houve incremento de 3,2% nas importações, ocasionada, principalmente, por aumento nas compras de combustíveis e lubrificantes (39,6%), adubos e fertilizantes (21,7%), veículos automóveis e partes (12,9%), aparelhos eletroeletrônicos (7,5%) e plásticos e obras (7,1%).
A balança registra déficit no mês de US$ 1,779 milhão (média diária negativa de US$ 136,8 milhões). A corrente de comércio, no acumulado mensal, está em US$ 19,795 bilhões, com desempenho médio diário de US$ 1,522 bilhão.
Ano
De janeiro à terceira semana de fevereiro deste ano (34 dias úteis), as vendas ao exterior somaram US$ 22,712 bilhões (média diária de US$ 668 milhões). Na comparação com a média diária do período correspondente de 2014 (US$ 727,2 milhões), as exportações decrescem 8,1%. As importações foram de US$ 27,665 bilhões, com média diária de US$ 813,7 milhões. O valor está 10,6% abaixo da média registrada no período equivalente de 2014 (US$ 909,8 milhões).
No acumulado do ano, há déficit na balança comercial de US$ 4,953 bilhões, com o resultado médio diário negativo de US$ 145,7 milhões. Nos dias correspondentes de 2014, houve déficit de US$ 6,755 bilhões, com média negativa de US$ 182,6 milhões. A corrente de comércio totaliza, em 2015, US$ 50,377 bilhões, com média diária de US$ 1,481 bilhão. O valor é 9,5% menor que a média aferida no período equivalente do ano passado (US$ 1,636 bilhão). (MDIC – 23/02/2014)

Exportações somam US$ 9 bilhões no mês
Receita com vendas externas do Brasil caiu na última semana e no acumulado de fevereiro. Saldo da balança comercial ficou negativo na semana, no mês e no ano.
Da Redação
São Paulo – As exportações brasileiras caíram 13,3% na última semana e 13% no acumulado das três primeiras semanas do mês sobre iguais períodos do ano passado, segundo dados divulgados pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC) nesta segunda-feira (23). A comparação é pela média de faturamento diário com os embarques. Na última semana, o Brasil teve receita média de US$ 619,7 milhões ao dia com o comércio exterior. Nos cinco dias úteis somados, foi US$ 1,8 bilhão.
Couros: entre os produtos com venda menor
Houve retração de 15,6% nas vendas de semimanufaturados, em função principalmente de açúcar em bruto, ouro em forma semimanufaturada, couro e peles, e ferro-ligas. Também caíram as vendas dos produtos básicos, em 13,6%, por causa de petróleo em bruto, café em grão, algodão em bruto, farelo de soja, carne suína e milho em grãos. Os manufaturados caíram 10,6%, com influência de combustíveis, aviões, polímeros plásticos, máquinas para terraplanagem, veículos de carga, motores e geradores.
No acumulado do mês de fevereiro até a terceira semana, as exportações somaram US$ 9 bilhões e a média diária foi de US$ 692,9 milhões. Também houve queda nas três categorias de produtos, básicos, em 19,4%, manufaturados, em 8,1%, e semimanufaturados, em 1,3%. A influência da queda nos básicos, onde houve o maior recuo, veio de soja em grão, minério de ferro, carne bovina e suína, e minério de cobre.
As importações da terceira semana de fevereiro ficaram em US$ 2,4 bilhões. O saldo comercial do período ficou negativo para o Brasil em US$ 576 milhões. No acumulado das primeiras três semanas do mês os gastos com importados chegaram a US$ 10,7 bilhões, com déficit de US$ 1,7 bilhão. No acumulado do ano, o Brasil teve exportações de US$ 22,7 bilhões e importações de US$ 27,6 bilhões, com saldo negativo de US$ 4,9 bilhões na balança comercial. (Anba – 23/02/2014)

Secex realiza seminário sobre operações comerciais
Brasília – O Departamento de Operações de Comércio Exterior (Decex) da Secretaria de Comércio Exterior (Secex) do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC) realizará uma nova edição do Seminário de Operações de Comércio Exterior, no próximo dia 10/03/2015, no auditório da Secex, em Brasília. O evento é gratuito e aberto aos interessados. Para fazer a inscrição e conhecer os detalhes do evento, acesse o link.
Além da programação de palestras, os técnicos do Decex realizarão atendimentos individualizados sobre casos concretos previamente apresentados pelos participantes (despacho executivo). Para solicitar o atendimento, basta fornecer as informações indicadas e encaminhá-las junto com a solicitação de inscrição.
Mais informações para a imprensa:

Assessoria de Comunicação Social do MDIC

(61) 2027-7190 e 2027-7198

ascom@mdic.gov.br (MDIC – 23/02/2015)

Fechar embaixadas seria retrocesso impraticável, diz Celso Amorim
PATRÍCIA CAMPOS MELLO
Fechar embaixadas e consulados do Brasil no exterior seria um "retrocesso impraticável", apesar do aperto orçamentário que tem deixado alguns postos sem dinheiro até para pagar a conta de luz.
Essa é a opinião do ex-chanceler Celso Amorim, que, com o ex-presidente Lula, ampliou expressivamente o número de diplomatas no Itamaraty e os postos no exterior.
Para ele, é "esquisito" que o Brasil tenha deixado de participar ativamente na política internacional. Amorim lança em março o livro "Teerã, Ramalá e Doha: Memórias da Política Externa Ativa e Altiva ", em que conta bastidores de negociações. Abaixo, trechos da entrevista que o ex-ministro deu à Folha.
Folha - O Brasil, junto com a Turquia, negociou um acordo de troca de combustível nuclear com o Irã, em 2010. Mas o acordo não foi aceito por países como Estados Unidos e França, que acabaram impondo sanções contra o Irã. O fato de o Brasil ter costurado esse acordo mudou a estatura do país no cenário internacional?
Celso Amorim - Na época, vários analistas diziam que, independentemente de o acordo ser ou não seguido, o Brasil demonstrou que a sua capacidade de ação internacional de mediação. O próprio fato de hoje estarem discutindo um acordo provisório indica isso. Nós mostramos que era possível. Pode ser que eles hoje cheguem a outro acordo, não sei se vai ser melhor. O estoque de urânio do Irã hoje é muito maior do que era. Na época, daria para fazer uma bomba. Hoje em dia, dá para fazer umas quatro ou cinco. O acordo não foi para frente porque nós não controlamos a política interna de certos países....
O então presidente Lula se sentiu traído pelo líder americano Barack Obama, porque os EUA incentivaram a mediação do Brasil e, na hora agá, tiraram o corpo fora?
Essas palavras são muito pessoais, eu falo só em meu nome. Não estava fora dos nossos cálculos que isso pudesse acontecer, mas nós achávamos que, diante de um acordo exatamente nos termos que haviam sido solicitados, não ocorresse. Não fizemos isso em momento algum para sermos bonzinhos com o Irã. Temos interesses em ter relação com o Irã, assim como todo mundo tem. Com o atual acordo provisório, França e Alemanha já voltaram a vender para o Irã. E nós ficamos um pouco para trás. São quase 80 milhões de habitantes, grande produtor de petróleo, evidente que temos interesse. E se o Brasil quiser ter um papel no oriente Médio, como eu acho que deve ter, não dá para ignorar o Irã.
Você fala no livro que o próprio Obama teria dito que a demora em adotar sanções contra os iranianos poderia levar a um ataque de Israel contra o Irã...
Sim, fiquei estarrecido e comentei com o presidente Lula: é o protetor com medo do protegido. É o reconhecimento da incapacidade de persuadir um aliado ultra-próximo, que depende de você para muita coisa.
Em uma entrevista em 2010, o senhor me disse que uma autocrítica que faria era a falta de estratégia do Brasil para lidar com a China. O que o senhor teria feito diferente?
Não é que tenhamos negligenciado, o presidente foi à China várias vezes, agora mesmo fui sondado para presidir o Conselho Empresarial Brasil China. Mas no último ano e meio, dei relativamente pouca atenção à China. A China é tão grande, é como os EUA. A gente deve ter uns 10 consulados nos EUA e deveríamos ter no mínimo o mesmo número na China. Mas todo mundo criticava que eu tinha criado muito consulado, muita embaixada.
Inclusive nos EUA há vários consulados sem dinheiro para pagar a conta de luz, de aquecimento...
Isso eu não vou comentar.....
Mas voltando à China, talvez pudéssemos ter feito mais. Assinamos um acordo de cooperação em defesa com a China recentemente. Nessa área, nós temos que cooperar igualmente com todos os Brics,
Com a Rússia também?
Eu não vejo porque não. Não é para ter um acordo de defesa com a Rússia, mas material, transferência de tecnologia. Ciência e tecnologia não vêm com ideologia carimbada.
Muita gente condena o fato de o Brasil ter apostado tudo na rodada multilateral da OMC e não ter outros acordos comerciais de peso....
Nós e a torcida do Flamengo apostamos na OMC. E a coisa que mais interessava ao Brasil eram os subsídios agrícolas, e isso só seria resolvido na rodada multilateral. Outros países queriam acordos que nos obrigariam a fazer muito mais concessões do que eram exigidas em Doha. Com a política industrial atual, que ainda quer fortalecer a indústria brasileira, é muito difícil. Não sou contra um acordo com a UE, mas continuo achando que o acordo multilateral é essencial para o Brasil. É preciso ver se a UE fará concessões e se as exigências que eles nos farão não serão de tal ordem que liquidem qualquer possibilidade de política industrial ou tecnológica. Tem que ser bem negociado, porque os negociadores do outro lado contam com o apoio da mídia deles e da nossa.
No livro, o senhor elogia o ex-presidente americano George W Bush e critica Obama. Para o Brasil, qual dos dois foi melhor?
A atitude mais pacifista do Obama é muito positiva, apesar das idas e vindas, como no caso do Irã. Mas o Bush era mais direto, tinha diálogo franco, e no Obama eu nunca percebi a mesma confiança. Ele era paternalista. Nós oferecemos situações que ajudariam o Obama, não só em relação ao Irã, mas em relação à Venezuela e ao Equador, e ele não deu atenção. O Bush e os republicanos têm uma visão mais realista, eles compreendem melhor a importância do Brasil. No partido Democrata há uma tendência de tratar tudo como se fosse "hemisfério ocidental". Nesse sentido o Bush foi mais positivo.
Você diz que o presidente Lula tinha muito clara a importância da política externa. Como era o relacionamento entre vocês dois?
Eu sentia que eu tinha a confiança do presidente Lula, que podia ir adiante, e se por acaso fizesse algo que não correspondia, ele diria ô Celso, o que que é isso, e a gente ia discutir e por tudo em pratos limpos. Ele se interessava por política externa.
E com a presidente Dilma como era o relacionamento?
Pessoal? Muito bom, respeitoso, gosto muito da presidenta.
Mas era um estilo bastante diferente?
Ela é que é a presidenta, a pessoa é que precisa se adaptar a ela, e não vice-versa.
O senhor escreveu recentemente um artigo para Folha sobre a falta de recursos para o Itamaraty. Existe uma discussão agora sobre a necessidade de fechar alguns postos no exterior, já que não há orçamento....
Eu não acredito que isso ocorra. Isso seria um retrocesso impraticável para um país como o Brasil. Há países que estão em declínio, foram grandes potências e hoje não mais. Eles podem até pensar dessa maneira. O Brasil não pode pensar dessa maneira. É um recurso tão pequeno (do Itamaraty) que isso não vai ter peso no conjunto das coisas. Os postos no exterior são essenciais, têm um efeito multiplicador. Cresceu muito o volume de negócios que o Brasil passou a fazer nos países árabes, na África. A escolha do Brasil para ser sede das Olimpíadas, a eleição do Roberto Azevêdo na OMC, José Graziano na FAO. Nenhum país tem a FAO e a OMC ao mesmo tempo se não tem também uma boa diplomacia. Um pouco de dinheiro isso envolve. Mas dentro do Orçamento da União é mínimo.
Em 2014, houve uma reunião internacional sobre a guerra civil na Síria, realizada em Montreux, na Suíça. O Brasil foi convidado, mas a presidente Dilma resolveu não enviar o chanceler, na época o Luiz Alberto Figueiredo. Naquela ocasião, encontrei com um diplomata estrangeiro que achava estranho o Brasil ter lutado tanto para ter um lugar à mesa, e agora não participar.
Eu também acho muito esquisito. Quando nos convidaram para ir a Anápolis (nos EUA, conferência sobre Oriente Médio em 2007), o Brasil estava lá. Fui numa conferência até sobre Afeganistão, o Brasil era o único país latino-americano convidado. São certas coisas que você tem que fazer. Eu e o presidente Lula, nós temos uma visão de que o Brasil deve ter uma participação intensa. Mas estou otimista, tenho muita confiança no Mauro Vieira (chanceler), trabalhamos juntos várias ocasiões, foi meu chefe de gabinete, esteve em Buenos Aires. (Folha de SP – 22/02/2015)

 
Abinee - Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica

Escritório Central: Avenida Paulista, 1313 - 7º andar - 01311-923 - São Paulo - SP
Fone: 11 2175-0000 - Fax: 11 2175-0090