Table of Contents Table of Contents
Previous Page  23 / 56 Next Page
Information
Show Menu
Previous Page 23 / 56 Next Page
Page Background

maio 2017 |

Revista Abinee

nº 90 | 23

a Associação Brasileira de Internet das

Coisas (Abinc) e a Aliança para a Inovação

da Internet das Coisas (AIOTI), associação

independente da indústria ligada à União

Europeia que reconhece o valor da IoT

para endereçar desafios mundiais e atua

no desenvolvimento da indústria.

Entre as ações a serem implementadas

neste último estão cooperação na norma-

lização global para IoT, promoção conjunta

de convergência e interoperabilidade e

alinhamento de estratégias para capacitar

as pessoas por meio de confiança, segu-

rança e privacidade.

Desafios para implantação

Um dos desafios para a implantação do

5G no Brasil será a regulamentação das

faixas de frequências, avalia o coordena-

dor da Comissão de Internet das Coisas da

Abinee

.

Exemplo disso é a faixa de 3.5 GHz

(3.4 - 3.6 GHz) que enfrenta dificuldades

para o seu uso devido a interferências de

sistemas satelitais que operam na banda

C (faixa adjacente ao 3.5GHz). “Esse pro-

blema é antigo e, até o momento, não se

resolveu, o que impede o licenciamento

da faixa e uso para serviços móveis”, sa-

lienta Soares. Segundo ele, essa é uma

faixa de espectro chave para aplicações

de alta confiabilidade das redes 5G.

Outra questão a ser equacionada é o

desenvolvimento de políticas de incen-

tivos para migração das redes 2G para

3G/4G, uma vez que no mundo 5G, essas

redes também são necessárias e impor-

tantes para os ecossistemas de Internet

das Coisas, principalmente quando se

fala de confiabilidade e capacidade de

transmissão de dados. “Também será

fundamental fomentar novos mercados

de serviços e produtos 5G, que deverão

surgir a partir de soluções inovadoras,

dentro do conceito de IoT”.

Suporte para a onda IoT

O desenvolvimento desses serviços

e aplicações é o principal motor de de-

manda para o uso das novas redes. “Es-

tamos falando de estradas mais seguras,

veículos autônomos, automação indus-

trial, maior interação com consumidores

de diversas indústrias, e muito mais”, diz

Soares.

Segundo ele, o 5G será o grande su-

porte para a tão esperada nova onda

de IoT, que promete alcançar no mundo

bilhões de dispositivos conectados num

futuro próximo e movimentar trilhões de

dólares na economia mundial. Em 2016,

estima-se que a Internet das Coisas mo-

vimentou US$ 4,6 bilhões no Brasil, com

inúmeras oportunidades de negócios

para os mais variados setores. “A indústria

e as operadoras devem estar preparadas

para absorver, implementar e disponibili-

zar soluções o mais rápido possível”.

Francisco Soares