Background Image
Table of Contents Table of Contents
Previous Page  21 / 40 Next Page
Information
Show Menu
Previous Page 21 / 40 Next Page
Page Background

outubro 2015 |

Revista Abinee

nº 83 | 21

especial novas tecnologias

Revolução no setor elétrico

As novas tecnologias já estão colocan-

do em curso uma verdadeira revolução no

setor elétrico, sendo preponderantes para

um novo estágio na busca por eficiência

energética e racionalização de recursos. O

diretor da área de GTD da

Abinee

, Newton

Duarte, ressalta que o segmento passa por

uma grande transformação tecnológica.

Ele explica que projetos estruturantes, a

exemplo das grandes usinas hidrelétricas,

distantes dos centros de carga, deverão

futuramente tornar-se escassos no setor

elétrico. “A expansão do setor de geração

tende a fazer intenso uso de renováveis,

como eólicas, solar e de biomassa, além

do emprego de cogerações a gás natural

nos grandes centros metropolitanos. A ge-

ração distribuída provocará a necessidade

de sistemas de supervisão e controle mais

complexos, além de dotar o consumidor

num papel também produtor de energia

elétrica”, diz.

Para Duarte, estes chamados

prosumers

farão com que as distribuidoras passem a

gerenciar complexos sistemas de distribui-

ção e medição.

Ele lembra que a disponibilização da

tecnologia do

smart grid

já está ocorren-

do no cenário do setor elétrico brasileiro

com a implantação do sistema Reger, do

ONS - Operador Nacional do Sistema -,

considerado um dos maiores sistemas

SCADA [Sistemas de Su-

pervisão e Aquisição de

Dados] já implantados,

onde todo o setor elé-

trico é supervisionado e

comandado por quatro

sistemas regionais, e com

capacidade para lidar

com um dos mais comple-

xos e extensos sistemas

de geração e transmis-

são em todo o mundo. “A

expansão dos sistemas

de geração distribuídos,

notadamente a geração

solar, deverá promover grande aprimora-

mento dos sistemas de controle e medi-

ção, o assim chamado

net metering

, que

possibilitarão que os consumidores pos-

sam gerar parte da energia consumida

ou até mesmo compartilhar com as ne-

cessidades do mercado da distribuidora

provedora do fio, bem como de comer-

cializadores no mercado livre”, conclui

Newton Duarte.

Newton Duarte