Table of Contents Table of Contents
Previous Page  9 / 40 Next Page
Information
Show Menu
Previous Page 9 / 40 Next Page
Page Background

Revista Abinee

março/2009

9

culos da crise mundial

o fio que une as duas agendas mencionadas. Por

isso, a aceleração dos investimentos previstos

no PAC e no plano estratégico da Petrobras,

a reativação do programa Luz para Todos, a

ampliação do uso dos recursos do FGTS para

o financiamento imobiliário, construção civil e

saneamento, preservando o Fundo de Investi-

mento do FGTS (FI-FGTS) para a infraestrutura,

são medidas mais do que necessárias para aten-

der à superação desse momento de turbulência

e ao mesmo tempo criar um caminho seguro

para os próximos anos.

Além disso, é momento para se pensar de

maneira séria e definitiva nas reformas estru-

turais que o País precisa sofrer. Melhorar o

ambiente institucional por meio de uma regu-

lação adequada, menor carga tributária sobre

produção, investimento e exportações e maior

estímulo à formalização do trabalho respon-

dem às dúvidas do presente e dão solidez para

a prosperidade.

A curto prazo é preciso que a autoridade

monetária insista em novas reduções da taxa de

juro e que questione o elevado

spread

bancário,

bem como é de igual importância que o governo

faça uso de seu poder de compra para auxiliar

os setores mais atingidos pela crise. Programas

que visem à renovação da frota de veículos e

outros bens de consumo, à aquisição de medi-

camentos para distribuição pela rede SUS e que

permitam a criação de estímulos para algumas

cadeias produtivas, principalmente aquelas que

comportemmaior número de micro e pequenas

empresas, são decisivos nesse momento.

Por sua vez, a ousadia deve acompanhar as

ações de médio e longo prazo. Portanto, utilizar

o BNDES para financiar a aquisição de máquinas

e equipamentos por clientes de empresas bra-

sileiras em outros países é um avanço. Recur-

sos do Fundo Soberano poderiam servir a esse

propósito. Além disso, encarar a inovação como

fator diferenciador da estratégia do desenvol-

vimento poderia propiciar maior integração

entre empresas e universidades. Ao governo

caberia universalizar a inclusão digital - porta

de entrada dessa estratégia - e ampliar o uso

efetivo dos fundos específicos do setor (FUST,

FUNTEL, FISTEL). Neste caso, ciência e tecnolo-

gia conspiram por um futuro de sucesso.

Humberto Barbato, presidente da Abinee