Pesquisa Industrial Mensal - Produção Física Brasil - IBGE
Agosto/2021

Produção da indústria elétrica e eletrônica recua pelo terceiro mês consecutivo, porém acumula incremento de 12% nos primeiros oito meses deste ano

Indústria elétrica e eletrônica

Agosto

No mês de agosto de 2021, a produção da indústria elétrica e eletrônica, conforme dados do IBGE agregados pela Abinee, recuou 3,0% em relação ao mês imediatamente anterior, com ajuste sazonal, apontando a terceira queda consecutiva.

Ao comparar com agosto do ano passado, a produção do setor caiu 6,7%.

Produção Física

Vale lembrar que a partir de julho do ano passado a base de comparação torna-se mais forte, uma vez que a produção do setor estava se recuperando dos piores efeitos da pandemia na atividade econômica, já apresentando resultados superiores aos verificados em iguais meses de 2019, período anterior à pandemia. (gráfico acima)

A queda da produção do setor em agosto de 2021 em relação a agosto do ano passado decorreu do recuo de 9,9% da área eletrônica e da retração de 3,7% da área elétrica.

Produção Física

Na área eletrônica, foram observados desempenhos muito diferentes entre os principais produtos.

Por um lado, verificaram-se quedas na produção de aparelhos de áudio e vídeo (-29,1%), de equipamentos de comunicação (-23,0%) e de componentes eletrônicos (-16,0%).

Por outro lado, destacaram-se a forte elevação de 46,3% na produção de bens de informática e o aumento de 5,3% nos instrumentos de medida.

Os diferentes comportamentos entre os diversos produtos do setor também ocorreram na área elétrica, com quedas na produção de lâmpadas e outros equipamentos de Iluminação (-17,7%), nos equipamentos para distribuição e controle de energia elétrica (-11,7%) e nos eletrodomésticos (-6,9%).

Enquanto que a produção de outros equipamentos elétricos registrou expansão de 65,7%. Neste segmento estão classificados os aparelhos elétricos de alarme para proteção contra roubo ou incêndio e eletrodos, escovas e outros artigos de carvão ou grafita para usos elétricos.

Cresceram também, ainda na área elétrica, a produção de pilhas e baterias (+4,5%) e geradores, transformadores e motores elétricos (+1,3%).

Acumulado Janeiro-Agosto

No acumulado de janeiro a agosto de 2021, a produção industrial do setor eletroeletrônico cresceu 12,2% em relação ao igual período do ano passado.

Vale ressaltar que a produção acumulada nos primeiros oito meses de 2021 também ficou acima da verificada em janeiro-agosto de 2019 (+1,6%), período anterior à pandemia.

Var % da Produção Física

Na comparação com o acumulado deste período no ano passado, a já citada elevação de 12,2% foi resultado do crescimento de 15,6% da área elétrica e da ampliação de 8,6% da área eletrônica.

Na área elétrica, todos os segmentos do setor apontaram taxas positivas em relação ao acumulado dos primeiros oito meses de 2020, com destaque para a produção de pilhas e baterias (+28,3%) e eletrodomésticos (+26,1%).

Em seguida foram observadas elevações na produção de geradores, transformadores e motores (+10,4%), equipamentos para distribuição e controle de energia elétrica (+1,5%) e lâmpadas e outros equipamentos de iluminação (+0,2%).

No caso dos equipamentos elétricos não especificados anteriormente, nos quais, como já citado, estão classificados os aparelhos elétricos de alarme para proteção contra roubo ou incêndio e eletrodos, escovas e outros artigos de carvão ou grafita para usos elétricos, a elevação foi de 27,3%.

No caso da área eletrônica, destacou-se o acréscimo de 50,5% na produção de bens de informática (+50,2%), seguidos de instrumentos de medida (+25,8%).

O incremento na produção de componentes eletrônicos foi mais modesto, atingindo 0,8%.

Ainda no que se refere a área eletrónica foram observadas quedas na produção de aparelhos para áudio e vídeo (-8,1%) e de equipamentos de comunicação (-2,4%).

Média Móvel Anual

Observa-se no gráfico abaixo que a média móvel anual da produção total da indústria eletroeletrônica vinha mostrando melhora nos últimos meses de 2019, porém, piorou a partir de fevereiro de 2020.

Var % da Produção Física

A retração desse indicador agravou-se a partir do mês de março em decorrência dos impactos negativos da pandemia da Covid-19, permanecendo em queda até junho.

Contudo, a partir de julho de 2020, já foi possível observar melhora neste índice, sugerindo retomada da atividade.

Os resultados favoráveis apontados nos últimos meses de 2020 amenizaram a queda da produção da indústria eletroeletrônica, que encerrou o ano com uma retração mais amena do que se esperava em meados do ano passado.

Apesar da leve queda observada em janeiro deste ano, esse índice voltou a ficar positivo a partir de fevereiro de 2021.

Porém, nos últimos três meses, a média móvel anual da produção do setor começou a dar sinais de estabilidade, tornando-se negativa nos meses de julho e agosto deste ano.

A falta de matérias-primas e componentes, principalmente semicondutores, no mercado e a consequente alta de preços desses itens, vem trazendo dificuldades para as empresas do setor, como atrasos na produção e entrega e até mesmo paralisação parcial da produção, fatores que prejudicam a atividade do setor.

Indústria Geral

No mês de agosto de 2021, a produção da indústria geral recuou 0,7% em relação ao mês imediatamente anterior, com ajuste sazonal.

Esta queda foi mais modesta do que a retração de 3,0% verificada na indústria eletroeletrônica.

Em comparação com agosto do ano passado, a produção da indústria geral caiu 0,6%, resultado também melhor do que o apontado pelo setor eletroeletrônico, que recuou 6,7%.

Porém, no acumulado dos primeiros oito meses de 2021, o crescimento de 9,3% da produção da indústria geral foi inferior à elevação de 12,2% da indústria eletroeletrônica.

A elevação de 9,3% da indústria geral no acumulado de janeiro a agosto deste ano contou com o acréscimo de 10,4% da indústria de transformação. No caso da indústria extrativa, o aumento foi mais modesto, atingindo 1,0%.

Ao avaliar por categorias econômicas, destacou-se a elevação significativa de 41,3% na produção de bens de capital no acumulado de janeiro-agosto de 2021 em relação ao mesmo período do ano passado, com destaque para os bens de capital para o setor agrícola e para construção.

No caso de bens de consumo, o acréscimo foi de 6,6% no período citado, com elevação de 19,9% nos bens duráveis e aumento de 3,7% nos semiduráveis e não duráveis.

Var % da Produção Física

Anexos

Anexos

As séries históricas desses indicadores estão disponíveis no site da Abinee em Economia e Estatísticas - Base de Dados Econômicos.

 
 
 

Informações Adicionais

Cristina Keller

Analista de Economia

11 2175-0031

Informações Imprensa

Jean Carlo Martins

Assessor de Comunicação

11 2175-0099

 
 
Abinee - Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica

Escritório Central: Avenida Paulista, 1313 - 7º andar - 01311-923 - São Paulo - SP
Fone: 11 2175-0000 - Fax: 11 2175-0090