Análise de Conjuntura

Análise econômica produzida pelo diretor de economia da Abinee, com base em informações da Sondagem Conjuntural realizada mensalmente pelo Departamento de Economia junto às empresas associadas e, também, nos aspectos econômicos do país.

Janeiro de 2019


Veja mais

O desafio da criação de empregos

A taxa de desemprego, medida pela PNAD Contínua Trimestral, fechou o ano de 2018 em 11,6% da força de trabalho, uma queda de um ponto percentual em relação aos 12,6% do ano anterior (vide Figura 1). Estima-se que a taxa “natural” de desemprego no Brasil, pela nova série da pesquisa do IBGE (a partir de 2012 apenas), esteja ao redor de 7%. Esta é a taxa que se supõe compatível com o “pleno emprego” dos fatores de produção. Assim, a discrepância entre os 11,6% e os 7% é uma medida do grau de ociosidade hoje existente no mercado de trabalho.

1Uma medida complementar a essa é a diferença entre o nível efetivo de utilização de capacidade instalada na indústria e o nível considerado “normal”. Hoje, a diferença é de cerca de 10 pontos percentuais: os efetivos 75% contra o normal de 85%.

Essa modesta redução do desemprego foi devida ao aumento da ocupação sem carteira assinada, já que os trabalhadores com carteira permaneceram praticamente estáveis no ano passado (Figura 2). As incertezas em relação à expansão da economia nos próximos anos ajudam a explicar a relutância empresarial em aumentar a oferta de emprego formal.

Nos últimos cinco anos (2014-18), a população total brasileira cresceu ao ritmo de 0,8% ao ano, ao passo que a população em idade ativa (PIA) cresceu 1,3% ao ano e a população economicamente ativa (PEA) cresceu 1,37% ao ano. O Brasil viveu o período final do chamado “bônus demográfico”, uma situação favorável ao crescimento econômico, em que a PIA (número de pessoas entre 15 e 64 anos) cresce mais do que o crescimento da população total. A partir de 2019, segundo o IBGE, isso não deve ocorrer mais. Entramos num período em que os três conceitos de população (total, ativa e força de trabalho) devem ter taxas de crescimento próximas.

Assumindo como correta a projeção do IBGE, de que a partir deste ano a PEA e a PIA cresçam 0,8% ao ano (igual à população total), o país terá que gerar cerca de 800 mil empregos a cada ano tão somente para manter a taxa de desemprego constante nos níveis atuais. Ou seja, a economia conviveria indefinidamente com uma massa de desempregados ao redor dos atuais 12 milhões de pessoas. Para reduzir a taxa de desemprego, a economia teria que crescer o suficiente para absorver gradualmente a mão de obra ociosa até atingir a referida taxa de desemprego de equilíbrio de 7%.

A experiência de 2012 a 2014 mostra que isso é possível. Naqueles três anos, criaram-se 4,5 milhões de empregos no país, cerca de 1,5 milhão por ano, mesmo com a economia tendo um desempenho medíocre (crescimento médio de apenas 1,8% ao ano). É verdade que, nos anos anteriores, o crescimento havia sido bem mais elevado. Em contrapartida, mais de 3 milhões de empregos foram destruídos em apenas dois anos de crise (2015-16).

Para reduzir a taxa de 12% para 7% em 4 anos, seria necessário criar 1,4 milhão de empregos adicionais a cada ano, além dos 800 mil referidos antes. Isso dá um total de 2,2 milhões de empregos novos por ano no período 1919-22. Não é razoável supor que o simples crescimento da economia, por otimista que seja, possa gerar este resultado. Algumas propostas em estudo podem ajudar nesta tarefa. A primeira é a “carteira verde-amarela”, com reduzidos encargos trabalhistas. A segunda, mais complicada, é a substituição dos encargos sobre a folha de pagamento por um novo imposto, que ainda não se sabe qual seria. A terceira é o aprofundamento da reforma trabalhista já em vigor, no sentido de reduzir a segmentação do mercado de trabalho. É provável que esse tema adquira prioridade, tão logo a reforma da previdência seja concluída.

Celso Luiz Martone - diretor da área de Economia da Abinee

Análise de Conjuntura 2018


Informações Adicionais

Luiz Cezar Elias Rochel

Gerente de Economia

11 2175-0030

 
Abinee - Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica

Escritório Central: Avenida Paulista, 1313 - 7º andar - 01311-923 - São Paulo - SP
Fone: 11 2175-0000 - Fax: 11 2175-0090