Sondagem Conjuntural do Setor Eletroeletrônico - Junho/2016

Sondagem

A sondagem de conjuntura da Indústria Elétrica e Eletrônica do mês de junho de 2016 apontou indicadores mais favoráveis em relação às pesquisas anteriores.

Nesta pesquisa, melhorou o comportamento das vendas/encomendas, diminuiu o número de empresas que realizou negócios abaixo das expectativas, reduziram as indicações de demissões e foram verificados ajustes de estoques de componentes e matérias-primas.

Também foi observada melhora nas expectativas, com perspectivas favoráveis para o mês de julho, para o 3º trimestre e para o 2º semestre deste ano, comparados aos iguais períodos do ano passado. Neste último caso, 42% das entrevistadas esperam crescimento e 33% queda.

Ressalta-se que esta foi a primeira vez, desde a pesquisa de fevereiro deste ano, que as expectativas de crescimento para o mês seguinte superaram as perspectivas de queda, ao comparar com igual período de 2015.

Também melhoraram as expectativas de vendas/encomendas para o ano de 2016. Nas pesquisas de abril e maio notou-se maior número de empresas esperando queda do que incremento, situação que se inverteu nesta última sondagem, com 43% das empresas projetando crescimento, e 35%, retração.

Conforme as empresas pesquisadas, as incertezas decorrentes da crise política e econômica que o Brasil atravessa continuam sendo os principais entraves para a recuperação da atividade do setor.

Na sondagem de junho de 2016, aumentou de 27% para 39% o percentual de empresas que verificou crescimento nas vendas/encomendas em relação a igual mês do ano passado; ao mesmo tempo em que reduziu o percentual de empresas que observou queda, passando de 57% para 45%, nas últimas duas pesquisas.

Destaca-se que, desde abril de 2015, as indicações de queda foram superiores as de crescimento. Porém, nesta última sondagem, a diferença entre elas foi a menor de todo este período.

Ao comparar com o mês imediatamente anterior, por dois meses consecutivos, observou-se maior número de empresas que tiveram incremento nas vendas/encomendas em relação às indicações de queda.

Outro indicador favorável foi a redução no número de empresas que tiveram negócios abaixo do esperado, que vem ocorrendo nas últimas três pesquisas, passando de 66%, para 62% e 51%, respectivamente. Porém, é importante ressaltar que este percentual ainda é muito alto, com mais da metade das entrevistadas apontando resultados aquém do esperado.

Nota-se também que vem diminuindo a tendência de desemprego, com queda no percentual de empresas que estão reduzindo funcionários (de 34%, para 27% e para 20% nas últimas três pesquisas) e aumento nas indicações de estabilidade (de 62% para 68% e para 74% no período citado).

Quanto aos estoques, observaram-se ajustes no caso de componentes e matérias-primas, com queda de 7 pontos percentuais nas indicações de estoques acima do normal (25%). Enquanto que nos estoques de produtos acabados o ajuste foi mais discreto.

As exportações têm sido citadas como uma alternativa para algumas empresas para compensar parte da queda do mercado interno. Na sondagem de junho de 2016, 38% das entrevistadas relataram crescimento nas exportações, entretanto, estes resultados vêm oscilando muito nas últimas pesquisas.

Assim sendo, a melhora de alguns indicadores do setor verificados nesta sondagem comparados com os resultados da pesquisa de maio, indica que é esperado crescimento na produção de bens elétricos e eletrônicos em junho de 2016, tanto em relação ao mês imediatamente anterior, como em comparação com o igual mês do ano passado.

Ressalta-se que os últimos dados da produção da indústria eletroeletrônica, apresentados pelo IBGE, mostraram um estreitamento da distância entre os índices apontados no ano de 2016 (linha roxa) e os registrados em 2015 (linha verde). Seguindo esta tendência, mesmo uma pequena queda em junho de 2016 em relação ao mês imediatamente anterior implicará em crescimento na comparação com junho de 2015.

Caso isso ocorra, será a primeira vez desde junho de 2014 em que a produção apresentará resultados superiores a iguais períodos do ano anterior, em que pese a fraca base de comparação.

Produção Física

Também, na sondagem de junho 2016, foi identificado que a maior parte das empresas (90%) não mostrou dificuldades para adquirir componentes e matérias-primas. Das entrevistadas, 40% perceberam pressões nos preços acima do normal.

Ainda nessa sondagem, 48% das empresas sentiram pressões em outros custos, como de energia, água, impostos, entre outros.

Quanto a financiamentos, 42% das empresas pesquisadas que utilizam recursos para capital de giro tiveram dificuldades na obtenção. Destaca-se que 55% das entrevistadas não recorrem a estes instrumentos.

Conforme as empresas consultadas, a utilização média da capacidade produtiva foi de 69%, considerando 100% a capacidade total da empresa. Este resultado foi 3 pontos percentuais acima do constatado na pesquisa de maio de 2016 (66%).

Também foi identificado nesta sondagem, que apenas 3% das empresas do setor consultadas aderiram ao PPE - Programa de Proteção ao Emprego.

Entre os principais motivos que influenciaram a não adesão ao PPE: 39% das empresas citaram que este programa não é necessário; 30% não acharam as condições oferecidas favoráveis; 20% preferiram manter as regras atuais e 11% indicaram outros motivos, como: falta de condições para cumprir todas as regras do programa; quadro de funcionários totalmente reduzido; não analisaram os benefícios do PPE; decisão por outras medidas, como reorganização da estrutura de RH, incluindo desligamento de colaboradores; entre outros.

PPE - Programa de Proteção ao Emprego

Expectativas

Para o mês de julho de 2016, as expectativas são favoráveis. Ao comparar com o mesmo período de 2015, 39% das consultadas esperam crescimento das vendas/encomendas e 33% aguardam queda.

Ressalta-se que esta foi a primeira vez, desde a pesquisa de fevereiro deste ano, que as expectativas de crescimento para o mês seguinte superaram as perspectivas de queda, ao comparar com igual período de 2015.

Foram observadas, também, perspectivas favoráveis para o 3º trimestre e para o 2º semestre deste ano, comparados aos iguais períodos do ano passado. Neste último caso, 42% das entrevistadas esperam crescimento e 33% queda.

Destaca-se que também melhoraram as expectativas de vendas/encomendas para o ano de 2016. Nas pesquisas de abril e maio notou-se maior número de empresas esperando queda do que incremento, situação que se inverteu nesta última sondagem, com 43% das empresas projetando crescimento, e 35%, retração.

É importante lembrar, que no ano passado, a atividade do setor já estava retraída, portanto, 2015 pode ser considerado uma base fraca de comparação.

Conforme as empresas pesquisadas, as incertezas decorrentes da crise política e econômica que o Brasil atravessa continuam sendo os principais entraves para a recuperação da atividade do setor.

Os resultados detalhados desta Sondagem e a série histórica do levantamento estão disponíveis no site da Abinee em Economia e Estatísticas - Base de Dados Econômicos.

Aspectos Setoriais

Mesmo com indicadores mais favoráveis apresentados na sondagem de junho de 2016, a atividade da indústria eletroeletrônica ainda permanece retraída, com melhores perspectivas para o 2º semestre deste ano.

- Automação Industrial e Equipamentos Industriais

Conforme as empresas fabricantes de bens de Automação Industrial e Equipamentos Industriais, os novos negócios ainda continuaram tímidos e os investimentos no setor produtivo continuaram escassos, mas com expectativa de retomada nos próximos meses.

Segundo a CNI, o ICEI - Índice de Confiança do Empresário Industrial - apontou crescimentos significativos nos últimos meses, passando de 36,8 pontos em abril de 2016, para 41,3 pontos em maio de 2016, para 45,7 pontos em junho de 2016 e, para 47,3 pontos em julho de 2016, acumulando incremento de 10,5 pontos neste período. Estes resultados também foram superiores aos registrados em iguais períodos do ano passado.

Ainda conforme a CNI, o índice de expectativa do empresário, um dos componentes do ICEI, passou de 47,0 pontos em maio de 2016, para 51,1 pontos em junho de 2016 e, para 52,3 pontos julho de 2016, que indica perspectiva positiva para os próximos seis meses. Desde outubro de 2014 este índice encontrava-se abaixo de 50 pontos.

- Material Elétrico de Instalação

Este comportamento também foi verificado nos fabricantes de Material Elétrico de Instalação, que estão sofrendo os impactos da retração do mercado de varejo e da queda de atividade da Construção Civil.

Porém, conforme a CNI, a queda da atividade da Construção Civil está cada vez menos intensa. Verificou-se também que a intenção de investimento aumentou após três meses de estabilidade, alcançando 26,9 pontos em junho de 2016, 3,7 pontos acima do registrado em maio de 2016 (23,2 pontos).

- Telecomunicações e Informática

Também para o mercado de telefones celulares e de bens de informática (desktops, notebooks e tablets) são esperados resultados mais positivos a partir do 2º semestre deste ano.

No segmento de bens de consumo, as expectativas também estão favoráveis. No mês de junho, o INEC - Índice Nacional de Expectativa do Consumidor -, da CNI, apesar de ter recuado 4% em relação a maio de 2016, continuou acima de janeiro deste ano, e foi 5% superior ao apontado em junho do ano passado.

Ressalta que a queda de 4% foi resultante de um movimento de acomodação após a alta expressiva de 7,9% em maio de 2016 contra o mês imediatamente anterior.

- GTD - Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica

Em GTD, os negócios das empresas fabricantes de bens de Geração permaneceram contando com as encomendas decorrentes dos leilões que vêm ocorrendo nos últimos anos. No último dia 29 de abril, ocorreu o Leilão A-5 que prevê entrega de energia elétrica a partir de 2021.

Também estavam previstos dois leilões de reserva para este ano. O primeiro seria realizado no dia 29 de julho, porém foi cancelado. O ministro de Minas e Energia justificou o cancelamento deste leilão como uma forma do Governo Federal organizar o setor elétrico.

O segundo está mantido e ocorrerá no próximo dia 28 de outubro. Este leilão poderá contratar energia de fonte solar fotovoltaica e fonte eólica.

Os fabricantes de equipamentos para Transmissão estão apreensivos com os atrasos em cronogramas de implantação de vários projetos, principalmente, nos casos em que a concessionária é a Abengoa, empresa que entrou em recuperação judicial. Neste caso, há três situações distintas: projetos não iniciados; projetos iniciados, mas sem aquisição de equipamentos e pior, projetos em andamento, com equipamentos fornecidos e não pagos.

Ainda em Transmissão, está marcado um leilão para o próximo dia 02 de setembro. As instalações de transmissão deverão entrar em operação comercial no prazo de 48 a 60 meses a partir da assinatura dos respectivos contratos de concessão, prevista para 25 de novembro de 2016. Serão implantados aproximadamente 6.600 km de linhas de transmissão e 6.750 MVA em capacidade de subestações.

E, no caso da Distribuição, os negócios nestes primeiros meses do ano foram melhores dos ocorridos em igual período de 2015. Vale lembrar que o ano passado foi um período em que a atividade deste segmento estava muito desaquecida. Para os próximos meses a expectativa é favorável devido aos reajustes das tarifas de energia elétrica.

Anexos

 

Informações Adicionais

Luiz Cezar Elias Rochel

Gerente de Economia

11 2175-0030

Informações Imprensa

Jean Carlo Martins

Assessor de Comunicação

11 2175-0099

 
 
Abinee - Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica

Escritório Central: Avenida Paulista, 1313 - 7º andar - 01311-923 - São Paulo - SP
Fone: 11 2175-0000 - Fax: 11 2175-0090