Balança Comercial de Produtos do Setor Elétrico e Eletrônico
Janeiro a Outubro/2021

Outubro de 2021

Exportações

As exportações de produtos elétricos e eletrônicos somaram US$ 498,1 milhões em outubro de 2021, 37,0% acima das registradas no mesmo mês de 2020 (US$ 363,7 milhões).

Essa taxa contou com uma base fraca de comparação, uma vez em que, em outubro de 2020, as exportações ainda estavam sendo afetadas pela retração da atividade econômica no Brasil e no mundo decorrente da pandemia da Covid-19.

Evolução das Exportações - US$

Vale destacar que, desde março deste ano, as exportações vêm retomando os patamares anteriores à pandemia, com resultados próximos aos atingidos em 2019. (gráfico acima)

No mês outubro de 2021, as vendas externas ficaram 2% acima das registradas em outubro de 2019 (US$ 486,7 milhões).

Ao comparar outubro de 2021 com o igual mês do ano passado, notaram-se incrementos nas exportações de todas as oito áreas do setor.

Entre elas, destacou-se Telecomunicações (+63,5%), com expansão de 285% nas exportações de estações rádio base e aumento de 254% nas vendas externas de cabos para telecomunicações.

A área de Equipamentos Industriais também apresentou crescimento significativo (+52,8%), influenciada, principalmente, pela elevação de 127% nas vendas externas de motores e geradores que passaram de US$ 29,0 milhões para US$ 65,7 milhões em outubro desse ano.

As vendas externas de Material Elétrico de Instalação cresceram 39,9%. Esse resultado contou com o aumento de US$ 65 mil para US$ 755 mil nas exportações de fusíveis e com a ampliação de 48% em disjuntores (US$ 3 milhões).

As exportações de Componentes Elétricos e Eletrônicos somaram US$ 231,2 milhões, resultado 38,4% superior em relação a outubro de 2020.

Destacaram-se as vendas externas de componentes para equipamentos industriais (+42%), motocompressor hermético (+77%) e componentes para material elétrico de instalação (+73%).

O aumento de US$ 43,1 milhões para US$ 56,5 milhões nas exportações de eletrônica embarcada também contribuiu para o crescimento da área de Componentes Elétricos e Eletrônicos.

A ampliação de 32,5% nas exportações de Automação Industrial foi influenciada, principalmente, pelo aumento de 143% nas vendas externas de sistemas eletrônicos prediais.

Verificou-se crescimento de 25% na área de Utilidades Domésticas. Nesse caso, destacaram-se os incrementos nas vendas externas de ferramentas elétricas manuais (+95%), aparelhos de som e vídeo (+92%) e pilhas elétricas secas (+86%).

As vendas externas de bens de Informática aumentaram 15,2%, principalmente em decorrência da expansão de 203% nas vendas de caixas registradoras e do acréscimo de 71% em outros cartões inteligentes.

As exportações de GTD – Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica – cresceram 6,2%. Esse resultado ocorreu devido à expansão de 150% nas vendas externas de grupos eletrogêneos, que aumentaram de US$ 5,9 milhões em outubro de 2020 para US$ 14,9 milhões em outubro deste ano.

Ao comparar com setembro de 2021, as exportações caíram 5,5%, sendo que o maior percentual de queda ocorreu em GTD (-51,4%).

Exportações do Setor Eletroeletrônico - US$


Importações

As importações de produtos do setor somaram US$ 3,6 bilhões no mês de outubro de 2021, 24,4% acima das registradas no mesmo mês do ano anterior (US$ 2,9 bilhões).

Assim como aconteceu nas exportações, o incremento das importações também contou com uma base fraca de comparação, visto que, em outubro de 2020, as importações ainda estavam sendo impactadas negativamente pela pandemia de Covid-19.

Contudo, verifica-se no gráfico abaixo que em todos os meses de 2021 as importações superaram os resultados obtidos no igual mês de 2019, período anterior à pandemia.

Exportações do Setor Eletroeletrônico - US$

Especificamente, no mês de outubro deste ano, o desempenho das importações foi 13% superior ao registrado em outubro de 2019 (US$ 3,2 bilhões).

Ao comparar as importações ocorridas em outubro de 2021 com o mesmo mês do ano passado, verificou-se crescimento em quase todas as áreas do setor; com exceção de Telecomunicações, que recuou 6,0% influenciado principalmente pela retração 65% em roteadores digitais e pela queda de 53% nas compras externas de rádios digitais com frequência inferior a 15 GHz.

Entre as áreas que apresentaram crescimento, a maior taxa ocorreu em GTD – Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica –, que atingiu 255,8%.

Esse desempenho contou com o aumento significativo nas importações de grupos eletrogêneos, que passaram de US$ 10 milhões em outubro de 2020 para US$ 212 milhões em outubro deste ano.

Nota-se que as importações desses itens oscilam muito de um mês para o outro. No decorrer deste ano, essas importações chegaram a variar de US$ 3,5 milhões em fevereiro até US$ 212 milhões em outubro de 2021.

Ainda referente aos grupos eletrogêneos, ao avaliar as importações deste último mês, observou-se que os principais países de origem desses produtos foram a Espanha, os Estados Unidos e a Suécia.

Os módulos fotovoltaicos (+207%) foram os produtos mais importados da área de GTD, totalizando US$ 250 milhões, contribuindo também com as importações de bens dessa área. Nesse caso, a maior parte dessas compras veio da China.

Em seguida, verificou-se elevação de 26,6% nas compras externas de Equipamentos Industriais, influenciada principalmente pelo aumento das importações de conversores estáticos para acionamentos de motores (+71%), motores e geradores (+48%) e acumuladores (+38%).

As importações de Componentes Elétricos e Eletrônicos somaram US$ 1,8 bilhão, 16,5% acima das ocorridas em outubro de 2020 (US$ 1,6 bilhão), com destaque para o acréscimo de 59% em componentes para informática e para o incremento de 25% em eletrônica embarcada.

As importações de semicondutores totalizaram US$ 450 milhões em outubro de 2021, 7% acima das verificadas em outubro de 2020 (US$ 421 milhões).

Na área de Utilidades Domésticas verificou-se elevação de 7,4% nas compras externas, que contaram com crescimentos em pilhas elétricas secas (+91%), ferramentas elétricas manuais (+73%) e auto-rádios (+59%).

Cresceram também as importações de Informática (+2,9%) e de Automação Industrial (+2,3%).

No primeiro caso, foi observada elevação de 40% nas compras externas de dispositivos de armazenamento de dados à base de semicondutores.

Em Automação Industrial, a expansão ocorreu principalmente devido ao crescimento de 12% em instrumentos de medida que aumentaram de US$ 116 milhões para US$ 130 milhões.

As importações de Material Elétrico de Instalação ficaram estáveis (+0,2%). Nesse caso, verificou-se queda de 20% nas compras externas de lâmpadas e crescimento de 25% em disjuntores.

Ao comparar com o mês imediatamente anterior, as importações de bens do setor recuaram 1,1% com queda em seis das oito áreas.

Evolução das Importações - US$


Janeiro a Outubro de 2021

Exportações

No acumulado de janeiro-outubro de 2021, as exportações de produtos elétricos e eletrônicos somaram US$ 4,7 bilhões, 28,2% acima das ocorridas no mesmo período do ano passado (US$ 3,7 bilhões).

Apesar da melhora, o resultado acumulado nos primeiros dez meses deste ano ainda está 2% abaixo do verificado no acumulado de janeiro-outubro de 2019 (US$ 4,8 bilhões), período anterior à pandemia.

Importações do Setor Eletrônico - US$

Retomando a comparação com o resultado acumulado em janeiro-outubro do ano anterior, verificaram-se taxas positivas em todas as áreas do setor, sendo que a maior delas ocorreu em Utilidades Domésticas (+53,3%).

Ainda referente à área de Utilidades Domésticas, ocorreram aumentos nas vendas externas de diversos produtos, tais como: freezers (+216%), pilhas elétricas secas (+139%), aparelhos de som e vídeo (+114%), fogões (+70%), ferramentas elétricas manuais (+56%), entre outros.

As exportações da área de Material Elétrico de Instalação cresceram 46,6%. Nesse caso, o desempenho foi influenciado, principalmente, pela expansão de 61% nas vendas externas de disjuntores.

No caso de Componentes Elétricos e Eletrônicos (+35,5%), a elevação de US$ 1,6 bilhão em janeiro-outubro de 2020 para US$ 2,2 bilhões em janeiro-outubro de 2021 contou com crescimentos nas vendas externas de componentes para equipamentos industriais (+30%), eletrônica embarcada (+62%), motocompressor hermético (+33%), componentes para material elétrico de instalação (+65%), componentes passivos (+19%) e componentes para automação industrial (+16%).

Vale citar que todos estes itens estão entre os produtos mais exportados do setor, sendo que os componentes para equipamentos industriais ocuparam a primeira posição (US$ 601 milhões).

As exportações de Equipamentos Industriais cresceram 29,7%. Nesse caso, o resultado foi influenciado pelo aumento de 257% nas vendas externas de outros aparelhos para filtrar ou depurar gases e pela expansão de 33% em motores e geradores.

O aumento de 23,5% nas exportações de bens de Informática ocorreu principalmente em função do crescimento de 177% nas vendas externas de distribuidores automáticos de papel-moeda, que passaram de US$ 7,9 milhões para US$ 21,8 milhões.

Destaca-se que a expansão de 50% em máquinas para processamento de dados, que somaram US$ 36,3 milhões, também contribuiu para o crescimento desta área.

Em Automação Industrial, o crescimento de 21,4% nas exportações contou com o acréscimo de 34% em instrumentos de medida (US$ 174 milhões), sétimo produto mais exportado do setor.

Cresceram ainda as exportações de Telecomunicações (+11,8%) e de GTD (+4,5%).

No primeiro caso, verificou-se que o resultado sofreu forte influência dos aumentos nas vendas externas de estações rádio-base (+66%) e de cabos para telecomunicação (+57%).

Já na área de GTD observou-se aumento de 35% nas vendas externas de transformadores, que totalizaram US$ 133 milhões.


Importações

As importações de produtos elétricos e eletrônicos atingiram US$ 32,9 bilhões no acumulado de janeiro-outubro de 2021, resultado 28,3% acima do verificado em igual período de 2020 (US$ 25,6 bilhões).

Destaca-se que as importações acumuladas nos primeiros dez meses deste ano também foram superiores ao resultado apontado no período anterior à pandemia, com incremento de 21% em relação ao igual período de 2019 (US$ 27,1 bilhões).

Importações do Setor Eletrônico - US$

Ao retomar a comparação de janeiro-outubro de 2021 com o igual período do ano anterior, verifica- se que a maior taxa de crescimento ocorreu em Utilidades Domésticas (+57,3%) com elevações significativas em diversos produtos.

Dentre os produtos que apresentaram crescimento na área de Utilidades Domésticas, destacaram-se: panelas eletrotérmicas (+91%), refrigeradores (+88%), ferramentas elétricas manuais (+82%), aspiradores de pó (+81%), auto-rádios (+74%), fornos (+71%), entre outros.

A segunda maior taxa de crescimento ocorreu na área de GTD, que registrou expansão de 57,2% nas importações.

Nesse caso, destacou-se o crescimento de 102% nas compras externas de módulos fotovoltaicos que aumentaram de US$ 839 milhões para US$ 1,7 bilhão em janeiro-outubro de 2021, ocupando a posição de quinto produto mais importado do setor.

As importações de Componentes Elétricos e Eletrônicos somaram US$ 17,7 bilhões, 27,9% acima das ocorridas em janeiro-outubro de 2020 (US$ 13,8 bilhões). Este montante representou 54% do total importado do setor no mês de outubro deste ano.

As compras de semicondutores cresceram 26% no acumulado de janeiro a outubro de 2021 em relação ao igual período do ano passado, aumentando de US$ 3,6 bilhões para US$ 4,6 bilhões.

Esse resultado também foi superior ao apontado em janeiro-outubro de 2019, quando as importações de semicondutores haviam atingido US$ 4,0 bilhões.

Destaca-se que os semicondutores permanecem na primeira posição entre os produtos mais importados do setor.

O aumento das importações de eletrônica embarcada (+53%), componentes para telecomunicações (+13%), componentes para informática (+42%), componentes para equipamentos industriais (+32%) componentes passivos (+29%) e componentes para material elétrico de instalação (+43%) também foram importantes para o crescimento das importações da área de Componentes Elétricos e Eletrônicos.

Verificou-se também aumento nas áreas de Equipamentos Industriais (+31,0%), de Material Elétrico de Instalação (+23,0%) e de Automação Industrial (+20,8%).

No primeiro caso, o resultado foi influenciado principalmente pela ampliação de 44% nas compras externas de conversores estáticos para acionamentos de motores e pelo aumento de 33% nas importações de motores e geradores.

No que se refere ao segmento de Material Elétrico de Instalação, destacou-se o aumento de 39% nas compras externas de disjuntores e também a ampliação de 36% nas importações de outros aparelhos de iluminação de metais comuns.

Em Automação Industrial, o desempenho foi influenciado pelo incremento de 49% nas compras externas de outros quadros e painéis para comando elétrico e pelo aumento de 31% em sistemas eletrônicos prediais.

Ainda no que se refere à área de Automação Industrial, destacaram-se as importações de instrumentos de medida (sexto produto mais importado do setor), que somaram US$ 1,3 bilhão, o que representou aumento de 21% em relação a janeiro-outubro de 2020.

Também foram importantes os crescimentos nas importações das áreas de Telecomunicações (+10,7%) e de Informática (+10,5%).

Em Telecomunicações, destacou-se a elevação de 81% nas compras externas de modem, que atingiu US$ 155,2 milhões.

O aumento das importações de estações rádio-base (+43%), de equipamentos de comunicação sem fio (+35%), e de aparelhos de radiodifusão (+14%) também contribuíram com os resultados da área de Telecomunicações.

No caso dos bens de Informática foram observados incrementos nas importações de mouses (80%), teclados (+51%) e de dispositivos de armazenamento de dados à base de semicondutores (+31%).


Saldo Comercial

No acumulado de janeiro-outubro de 2021, o déficit da balança comercial dos produtos elétricos e eletrônicos somou US$ 28,19 bilhões, 28,3% superior ao registrado no mesmo período do ano passado (US$ 21,96 bilhões).

Esse resultado foi consequência da elevação de 28,2% nas exportações que somaram US$ 4,7 bilhões, e do incremento de 28,3% nas importações que totalizaram US$ 32,9 bilhões.

Importações do Setor Eletrônico - US$


OBSERVAÇÃO: Os dados referentes aos meses de janeiro e fevereiro foram alterados conforme revisão metodológica realizada em abril de 2021 pela Secretaria de Comércio Exterior (SECEX), da Secretaria Especial de Comércio Exterior e Assuntos Internacionais (SECINT), do Ministério da Economia.

Os dados detalhados da Balança Comercial de Produtos do Setor Elétrico e Eletrônico para associadas encontram-se no site da Abinee em Acesso Reservado e as séries históricas estão disponíveis em Economia e Estatísticas - Base de Dados Econômicos.

 
 
 
 

Informações Adicionais

Cristina Keller

Analista de Economia

11 2175-0031

Informações Imprensa

Jean Carlo Martins

Assessor de Comunicação

11 2175-0099

 
 
Abinee - Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica

Escritório Central: Avenida Paulista, 1313 - 7º andar - 01311-923 - São Paulo - SP
Fone: 11 2175-0000 - Fax: 11 2175-0090