Balança Comercial de Produtos do Setor Elétrico e Eletrônico
Janeiro a Fevereiro/2020

Fevereiro de 2020

Exportações

As exportações de produtos elétricos e eletrônicos somaram US$ 393,6 milhões no mês de fevereiro de 2020, 7,3% abaixo das registradas em fevereiro de 2019 (US$ 424,8 milhões).

Evolução das Exportações - US$

A maior taxa de retração foi verificada na área de Informática (-64,0%), influenciada pela queda de 83% nas vendas externas de máquinas de processamento de dados (US$ 1,5 milhão).

Destacou-se também a redução de 8,1% nas vendas externas de Componentes Elétricos e Eletrônicos, que atingiram US$ 177,6 milhões.

Vale ressaltar que as exportações desses bens representaram 45% do total do setor eletroeletrônico.

Verificou-se também recuo de 43,2% nas exportações de Automação Industrial, que atingiram US$ 28 milhões.

Esse resultado sofreu impacto da retração de 46% nas vendas externas de instrumentos de medida, que passaram de US$ 26 milhões em fevereiro de 2019 para US$ 14 milhões em fevereiro de 2020.

Foram observadas também reduções nas exportações de Telecomunicações (-23,3%) e de Material Elétrico de Instalação (-19,8%).

Por outro lado, as exportações de bens de Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica – GTD – cresceram 70,6%, subindo de US$ 29 milhões para US$ 49,5 milhões no período citado. Esse incremento foi influenciado pelo forte crescimento nas vendas externas de grupos eletrogêneos de energia eólica (US$ 19 milhões).

Também foi verificado crescimento na área de Equipamentos Industriais (11,1%). Já a área de Utilidades Domésticas permaneceu estável.

Exportações do Setor Eletroeletrônico - US$


Importações

As importações de produtos do setor somaram US$ 2,19 bilhões no mês de fevereiro de 2020, 7,1% abaixo das registradas no mesmo mês do ano anterior (US$ 2,36 bilhões).

Exportações do Setor Eletroeletrônico - US$

As importações de Componentes Elétricos e Eletrônicos totalizaram US$ 1,17 bilhão, 11,1% inferior ao verificado em fevereiro de 2019.

Foram observadas quedas nas importações de diversos componentes, com destaque para semicondutores (-15%) e componentes para telecomunicações (-12%).

A queda nas importações desses componentes pode ter sido influenciada pela epidemia de coronavírus que está ocorrendo na China, visto que esse País é a principal origem das importações de componentes do Brasil, totalizando US$ 7,5 bilhões em 2019, o que representou 42% do total importado.

As compras externas de Material Elétrico de Instalação recuaram 5,7%. Essa queda sofreu influência da retração de 21% nas importações de lâmpadas, que atingiram US$ 22 milhões.

Houve redução nas importações de Informática (-19%) influenciada por máquinas para processamento de dados (-33%) e em Automação Industrial (-7,4%) com destaque para aparelhos eletromédicos (-15%).

As áreas de Telecomunicações e Utilidades Domésticas também apresentaram queda nas importações, registrando -21,8% e -15,3%, respectivamente.

Por outro lado, as importações de itens de GTD cresceram 83,2%. Esse incremento contou com a forte expansão de 134% nas compras externas de módulos fotovoltaicos, que aumentaram de US$ 42 milhões em fevereiro de 2019 para US$ 98 milhões em fevereiro de 2020.

No caso de Equipamentos Industriais ocorreu elevação de 6,5%, em função, principalmente do aumento de 71% nas compras externas de conversores estáticos para acionamentos de motores.

Evolução das Importações - US$


Janeiro a Fevereiro de 2020

Exportações

No acumulado de janeiro-fevereiro de 2020, as exportações de produtos elétricos e eletrônicos somaram US$ 743,5 milhões, 8,4% abaixo das ocorridas no mesmo período do ano passado (US$ 811,8 milhões).

As exportações de Componentes Elétricos e Eletrônicos atingiram US$ 348,2 milhões, 6,9% inferiores às realizadas no igual período de 2019 (US$ 373,8 milhões).

Esse comportamento foi influenciado principalmente pelas quedas registradas em semicondutores (-42%), componentes para material elétrico de Instalação (-14%) e eletrônica embarcada (-6%).

A maior taxa de retração foi da área de Informática (-53,3%), influenciada pela redução nas exportações de caixas registradoras (-98%), máquinas para processamento de dados (-77%), impressoras (-60%), entre outros.

Material Elétrico de Instalação registrou o segundo maior percentual de retração (-50,4%), especialmente pela queda nas vendas externas de disjuntores (-65%).

Também foram observadas reduções nas exportações de Automação Industrial (-42,0%) e de Telecomunicações (-4,1%).

Por outro lado, as vendas externas de bens de GTD aumentaram 36,6%, influenciadas pela expansão de 410% nas exportações de painéis e quadros para GTD e de 276% nas exportações de grupos eletrogêneos.

Cresceram também as exportações de Utilidades Domésticas (7,0%), com destaque para a elevação nas vendas externas de auto-rádios (+87%).

Equipamentos Industriais apresentou incremento de 6,5%, passando de 137,5 milhões no acumulado de 2019 para 146,5 milhões no acumulado de 2020.

Importações do Setor Eletrônico - US$


Importações

As importações de produtos elétricos e eletrônicos atingiram US$ 5,10 bilhões no acumulado dos dois primeiros meses do ano, resultado 1,7% inferior ao atingido no igual período de 2019 (US$ 5,18 bilhões).

As importações de Componentes Elétricos e Eletrônicos caíram 8,4%, atingindo US$ 2,7 bilhões, o que representou 53% do total importado do setor.

Essa queda foi influenciada, principalmente, pelas reduções nas compras externas de semicondutores (-14%), de componentes para telecomunicações (-13%) e de eletrônica embarcada (-15%).

As importações de bens de Informática caíram 7,9%, influenciadas pela queda de 23% em máquinas para processar dados.

Telecomunicações apontou queda de 4,1%, atingindo US$ 386,4 milhões. Tanto a área de Utilidades Domésticas como a área de Automação Industrial apresentaram a mesma taxa de retração (-4,7%).

Entretanto, as importações de GTD apontaram elevação significativa de 82,4%, passando de US$ 202,4 milhões no acumulado de 2019, para US$ 369,1 milhões no acumulado de 2020.

Esse resultado contou com incrementos expressivos nas importações de diversos itens, tais como: módulos fotovoltaicos (+160%), painéis e quadros para GTD (+133%), grupos eletrogêneos (+54%), entre outros.

No caso de Equipamentos Industriais, as importações aumentaram 14,0%, e contaram principalmente com a expansão de 91% nas compras externas de conversores estáticos para acionamento de motores.

Aumentaram também as importações de Material Elétrico de Instalação (+2,8%), que passaram de US$ 125,2 milhões para US$ 128,7 milhões.

Importações do Setor Eletrônico - US$


Saldo Comercial

No acumulado dos dois primeiros meses do ano, o déficit da balança comercial dos produtos elétricos e eletrônicos somou US$ 4,35 bilhões, 0,5% abaixo do registrado no mesmo período do ano passado (US$ 4,37 bilhões).

Essa queda foi influenciada pela retração de 1,7% nas importações.

As exportações também caíram (-8,4%), não contribuindo, portanto, com a redução do saldo negativo da balança de produtos do setor.

Importações do Setor Eletroeletrônico - US$


Os dados detalhados da Balança Comercial de Produtos do Setor Elétrico e Eletrônico para associadas encontram-se no site da Abinee em Acesso Reservado e as séries históricas estão disponíveis em Economia e Estatísticas - Base de Dados Econômicos.

 
 
 
 

Informações Adicionais

Luiz Cezar Elias Rochel

Gerente de Economia

11 2175-0030

Informações Imprensa

Jean Carlo Martins

Assessor de Comunicação

11 2175-0099

 
 
Abinee - Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica

Escritório Central: Avenida Paulista, 1313 - 7º andar - 01311-923 - São Paulo - SP
Fone: 11 2175-0000 - Fax: 11 2175-0090