Balança Comercial de Produtos do Setor Elétrico e Eletrônico
Janeiro a Junho/2020

Junho de 2020

Exportações

As exportações de produtos eletroeletrônicos somaram US$ 326,6 milhões no mês de junho de 2020, 3,1% abaixo das realizadas em maio de 2020 (US$ 337,1 milhões).

O fraco resultado apontando em junho demonstra que as exportações continuaram sem esboçar reação.

Evolução das Exportações - US$

Ao comparar com o mês de junho do ano passado (US$ 498,4 milhões), as exportações recuaram 34,5%, apontando o pior mês de junho dos últimos 21 anos.

Destaca-se que o montante exportado fica apenas ligeiramente acima do total de vendas externas registradas em junho de 1999, período em que as exportações haviam somado US$ 285,8 milhões). (ver gráfico abaixo)

Evolução das Exportações - US$

A queda observada em junho deste ano resultou da retração da atividade econômica no mundo, inclusive no Brasil, decorrente da pandemia da Covid-19.

Nota-se que, desde o início deste ano, as vendas externas mensais de produtos do setor apontaram resultados inferiores aos verificados em iguais períodos do ano passado. Com a chegada do Coronavírus no Brasil, em meados de março de 2020, as quedas nas exportações se agravaram, apontando taxas de retração mais expressivas a partir de abril.

As exportações de produtos de todas as áreas do setor, com exceção de Telecomunicações, caíram no mês de junho de 2020 em comparação a junho do ano passado.

As maiores taxas de retração foram da área de Informática (-50,1%), Automação Industrial (-45,0%) e Equipamentos Industriais (-45,0%), influenciadas pelas reduções nas vendas externas de máquinas de processamento de dados (-84%), instrumentos de medida (-49%) e aparelhos para filtrar líquidos (-90%), respectivamente.

As exportações de Componentes Elétricos e Eletrônicos recuaram 37,7%, com destaque para o recuo de 54% nas vendas externas de componentes para equipamentos industriais, que passaram de US$ 78 milhões em junho de 2019, para US$ 36 milhões em junho deste ano.

Caíram também as exportações de Material Elétrico de Instalação (-29,8%) e de itens de Geração, Transmissão e Distribuição de Energia elétrica – GTD (-28,1%). Esses resultados sofreram influência das retrações nas vendas externas de disjuntores (-36%) e transformadores (-49%), respectivamente.

No caso de Utilidades Domésticas, a queda foi de 16,9%, com destaque para os auto-rádios (-83%), refrigeradores (-61%), freezers (-78%), entre outros.

Por outro lado, as exportações de bens de Telecomunicações cresceram 50,2%, com elevações nas vendas externas de diversos produtos, tais como: comutação privada (+69%), estações rádio-base (+106%), equipamentos de comunicação sem fio (+3168%). Neste último caso, as exportações aumentaram de US$ 165 mil em junho de 2019 para US$ 5,4 milhões em junho de 2020.

Evolução das Exportações - US$


Importações

No mês de junho de 2020, as importações de produtos do setor somaram US$ 1,99 bilhão, 2,8% abaixo das registradas no mês imediatamente anterior.

Essa foi a terceira queda consecutiva, sendo que, no mês de abril, a redução já havia sido expressiva, atingindo 22,7% em relação a março.

Exportações do Setor Eletroeletrônico - US$

Notou-se também que esse foi o menor montante importado no mês de junho dos últimos 11 anos, visto que, em junho de 2009, as importações haviam somado US$ 1,92 bilhão, período em que acontecia uma crise mundial. (verificar gráfico abaixo)

Evolução das Importações - US$

O fraco desempenho das importações observado em junho de 2020 reflete a retração da atividade econômica decorrente da pandemia de Coronavírus que está ocorrendo no mundo desde o início deste ano, chegando ao Brasil no mês de março.

Ao comparar as importações de produtos do setor em relação a junho do ano passado, verifica-se redução de 19,9%.

A maior taxa de retração foi da área de GTD, que atingiu 63,3%. Este resultado sofreu influência da queda de 98% nas importações de grupos eletrogêneos, que recuaram de US$ 72 milhões em junho de 2019, para US$ 1,6 milhão em junho de 2020.

Ainda no que se refere à área de GTD, também foi significativa a redução de 61% nos módulos fotovoltaicos, que passaram de US$ 64 milhões para US$ 25 milhões, no período citado.

Em seguida foram observadas quedas nas importações de Material Elétrico de Instalação e Utilidades Domésticas, que atingiram 33,9% nos dois casos.

Em Material Elétrico de Instalação, destacou-se a queda de 34% nas compras externas de lâmpadas (incluindo Led).

Na área de Utilidades Domésticas foram observadas retrações em diversos itens, tais como: aparelhos de som e vídeo (-58%), televisores (-56%), fornos (-60%), refrigeradores (-77%), entre outros.

As importações de Equipamentos Industriais reduziram-se 26,0%, influenciadas pela queda de 92% nas compras externas de dispositivos para tratamento de matérias por meio de operações que impliquem mudança de temperatura.

As compras externas de Componentes Elétricos e Eletrônicos somaram US$ 1,1 bilhão, 20,8% abaixo das apontadas em junho do ano passado (US$ 1,4 bilhão). Foram observadas quedas nas importações de diversos itens dessa área, com destaque para a redução de 24% nos componentes para telecomunicações, que atingiram US$ 297 milhões.

As importações de bens de Informática apontaram retração mais modesta (-0,6%). Destaca-se que a elevação de 29% nas compras externas de máquinas de processamento de dados compensou parte da queda de diversos outros produtos desta área, tais como: impressoras (-58%), caixas registradoras (-88%), scanners (-48%), mouses (-48%), teclados (-47%), entre outros.

Por outro lado, cresceram as importações de bens de Telecomunicações (+11,3%) e de itens de Automação industrial (+7,2%).

No primeiro caso, foi observada elevação de 40% nas importações de telefones celulares, que somaram US$ 22 milhões no mês de junho de 2020. Nota-se que quase a totalidade dessas compras veio da China.

Em Automação Industrial destacou-se o aumento de 48% nas importações de aparelhos eletromédicos, que somaram US$ 75 milhões.

Evolução das Importações - US$


Janeiro a Junho de 2020

Exportações

No acumulado do 1º semestre de 2020, as exportações de produtos elétricos e eletronicos atingiram US$ 2,12 bilhões, 23,3% abaixo das apontadas no 1º semestre de 2019 (US$ 2,76 bilhões).

Importações do Setor Eletrônico - US$

É importante destacar que as exportações de produtos do setor eletroeletrônico já haviam iniciado esse ano com fraco desempenho, com queda de 9,5% no 1º trimestre de 2020 em relação ao igual período do ano passado.

Em meados de março de 2020, com a chegada do Coronavírus no Brasil, a perfomance das vendas externas piorou, recuando 35,0% no 2º trimestre deste ano em comparação com o igual período do ano passado.

Ao observar a queda nas exportações no acumulado dos primeiros seis meses do ano, nota-se recuo em quase todas as áreas do setor, com exceção de GTD (+35,5%).

As maiores taxas de retração foram das áreas de Informática (-52,7%), de Automação industrial (-52,0%) e de Material Elétrico de Instalação (-45,8%).

Esses resultados sofreram influência da diminuição nas vendas externas de máquinas de processamen-to de dados (-78%), instrumentos de medida (-56%) e disjuntores (-47%), respectivamente.

As exportações de Componentes Elétricos e Eletrônicos somaram US$ 948,5 milhões, 23,8% abaixo das observadas no 1º semestre de 2019 (US$ 1,24 bilhão). Nota-se que esse desempenho sofreu influência da redução de 37% nas vendas externas de eletrônica embarcada, que passaram de US$ 285 milhões para US$ 179 milhões.

Por outro lado, ainda referente à essa área, destacaram-se os componentes para equipamentos industriais que foram os principais produtos mais exportados do setor, que somaram US$ 286 milhões. Ressalta-se que esse resultado foi 16% inferior ao verificado no 1º semestre do ano passado (US$ 339 milhões).

Também foram verificadas quedas nas exportações de Equipamentos Industriais (-20,5%), bens de Telecomunicações (-15,1%) e Utilidades Domésticas (-14,1%).

No primeiro caso destacaram-se as vendas externas de motores e geradores, que apesar da queda de 21%, foram o segundo produto mais exportado do setor, somando US$ 196 milhões.

Em Telecomunicações, o aumento de 391% nas exportações de equipamentos de comunicação sem fio não foi suficiente para compensar a redução de 41% nas estações rádio-base.

No caso de Utilidades Domésticas, foi observada retração de 35% nas vendas externas de auto-radios.

Por outro lado, as exportações de itens de GTD cresceram 35,5%, atingindo US$ 286,8 milhões.

O principal destaque foi o acréscimo de 231% nas vendas externas de grupos eletrogêneos, que somaram US$ 132 milhões, quarto produto mais exportado do setor.

Nota-se que dos dez principais produtos exportados do setor, os dois únicos a apontar elevação nas vendas externas são da área de GTD. Além dos grupos eletrogêneos citados acima, aumentaram também as exportações de transformadores (+6%), atingindo US$ 59 milhões.

Importações do Setor Eletrônico - US$

Ao analisar por regiões, nota-se que a queda das exportações de bens do setor foi generalizada. Com exceção da Ásia (+14,5%), caíram as vendas para todas as demais regiões do mundo.

Mesmo no caso da Ásia, esse incremento deu-se em decorrência dos demais países dessa região, exceto a China (+26,3%), uma vez que as vendas para o mercado chinês recuaram 6,7%.

Destaca-se que esses países da Ásia (exceto a China) representaram apenas 6% das exportações de bens do setor.

Os principais destinos das exportações de bens do setor foram os países da Aladi que somaram US$ 871,4 milhões, 22,0% abaixo das realizadas no 1º semestre do ano passado.

Mesmo com essa queda, os países da Aladi participaram com 41% do total exportado, sendo 13% para a Argentina e 28% para os demais países exceto a Argentina.

As vendas para o mercado norte americano também representaram 28% do total, atingindo US$ 585,8 milhões. Esse resultado foi 28,8% abaixo ao apontado no igual período do ano passado.

A maior taxa de retração foi das exportações para a União Europeia (-38,7%). A participação desses países no total de exportações de produtos do setor diminuiu de 15% no 1º semestre de 2019, para 12% no 1º semestre de 2020.

As exportações para os demais países do mundo atingiram US$ 216,6 milhões, representando 10% do total.

Importações do Setor Eletrônico - US$


Importações

As importações de produtos elétricos e eletrônicos somaram US$ 13,9 bilhões no 1º semestre de 2020, 11,8% abaixo das apontadas em igual período de 2019 (US$ 15,8 bilhões).

Importações do Setor Eletroeletrônico - US$

Essa queda foi influenciada pela retração de 24,6% no 2º trimestre deste ano em relação ao mesmo período do ano passado devido aos impactos negativos da pandemia de Covid-19 que chegou ao Brasil em meados do mês de março deste ano.

Ressalta-se que, no 1º trimestre de 2020, as importações de bens do setor haviam crescido 1,7% em comparação ao 1º trimestre de 2019. Apesar deste resultado ter sido positivo, vale lembrar que, desde fevereiro, muitas empresas do setor já relatavam dificuldades no recebimento de materiais, componentes e insumos da China devido ao Coronavírus.

Importações do Setor Eletroeletrônico - US$

Ao analisar as importações acumuladas nos primeiros seis meses do ano, nota-se queda em todas as áreas do setor, com exceção de GTD (+22,4%).

As compras externas de Componentes Elétricos Eletrônicos totalizaram US$ 7,3 bilhões, 18,9% abaixo das verificadas em igual período do ano passado. Essas importações representaram 53% do total do setor.

Ainda referente aos Componentes, destacaram-se os três itens mais importados do setor: componentes para telecomunicações (-20%), semicondutores (-23%) e componentes para informática (-14%). Apenas esses três itens juntos atingiram US$ 4,6 bilhões.

Também foram significativas as quedas nas importações de Utilidades Domésticas (-19,2%) e de Material Elétrico de Instalação (-18,4%), influenciadas pelas reduções nas compras externas de panelas eletrotérmicas (-40%) e de lâmpadas (-27%), respectivamente.

Caíram também as importações de itens de Automação Industrial (-7,0%), Equipamentos Industriais (-3,7%) e bens de Telecomunicações (-3,2%). Nestes casos destacaram-se as quedas nas compras externas de: instrumentos de medida (-9%), dispositivos para tratamento de matérias por meio de operações que impliquem mudança de temperatura (-68%) e equipamentos de comunicação sem fio (-34%), respectivamente.

O recuo nas importações de bens de Informática (-0,5%) foi mais modesto, resultado de comportamentos distintos de alguns itens. Por um lado, foram observados incrementos nas importações de máquinas de processamento de dados (+6%) e de monitores de vídeo (+18%), e de outro lado, caíram as compras externas de unidades de memórias (-18%), impressoras (-13%), entre outros.

Importações do Setor Eletroeletrônico - US$

A elevação de 22,4% nas importações de bens de GTD contou com o expressivo aumento de 80% nas compras externas de módulos fotovoltaicos, que atingiram US$ 559 milhões, ocupando 4ª posição entre os produtos mais importados do setor.

Ainda no que se refere à área de GTD, destacou-se o incremento de 12% nas importações de grupos eletrogêneos (US$ 368 milhões), que também ficou entre os principais produtos importados do setor eletroeletrônico.

Ao avaliar as origens das importações, observa-se que caíram as compras de quase todas as regiões do mundo, com exceção da Argentina (+109,3%) e da União Europeia (+4,8%).

No primeiro caso, destacaram-se as importações de US$ 45 milhões de dispositivos para liquefação do ar ou de outros gases.

Porém, apesar da expressiva taxa de crescimento, o montante total de produtos eletroeletrônicos importados do mercado argentino somou apenas US$ 68,8 milhões, resultado pouco significativo em relação às demais origens.

No caso da União Europeia, as importações somaram US$ 2,1 bilhões, aumentando sua participação de 12% em janeiro-junho de 2019, para 15% em janeiro-junho de 2020.

Os países asiáticos (exceto Oriente Médio) continuaram sendo as principais origens das importações, atingindo US$ 10 bilhões. Mesmo com a queda de 11,9%, a participação desses países permaneceu em 72%.

No caso da China, a queda (-4,5%) foi mais amena, elevando sua participação de 43% para 46% no total das importações.

A retração nas compras dos demais países da Ásia, exceto a China foi mais expressiva atingindo 22,9%.

Os Estados Unidos foram a origem de 7% das importações de bens do setor, atingindo US$ 1,03 bilhão. Esse resultado foi 25,1% abaixo do verificado no 1º semestre de 2019.

As importações dos demais países do mundo recuaram 35,8%, representando 2% do total.

Importações do Setor Eletroeletrônico - US$


Saldo Comercial

No 1º semestre de 2020, o déficit da balança comercial dos produtos elétricos e eletrônicos somou US$ 11,81 bilhões, 9% abaixo do registrado em igual período de 2019 (US$ 13,04 bilhões).

Essa queda foi influenciada pela retração de 11,8% nas importações.

As exportações também caíram (-23,3%), não contribuindo, portanto, com a redução do saldo negativo da balança de produtos do setor.

A maior parte do déficit ocorreu em função dos negócios com os países da Ásia (US$ 9,8 bilhões), sendo que, somente com a China, o saldo negativo atingiu US$ 6,4 bilhões e, com os demais países asiáticos, US$ 3,4 bilhões.

Os países da Aladi foram os únicos a apresentar superávit na balança comercial de produtos do setor, totalizando US$ 285,7 milhões, com saldo positivo tanto em relação a Argentina (US$ 201,9 milhões), quanto aos demais países deste bloco (US$ 83,8 milhões). Porém, estes resultados são insuficientes para compensar os expressivos déficits registrados com as demais regiões.

Importações do Setor Eletroeletrônico - US$


Os dados detalhados da Balança Comercial de Produtos do Setor Elétrico e Eletrônico para associadas encontram-se no site da Abinee em Acesso Reservado e as séries históricas estão disponíveis em Economia e Estatísticas - Base de Dados Econômicos.

 
 
 
 

Informações Adicionais

Luiz Cezar Elias Rochel

Gerente de Economia

11 2175-0030

Informações Imprensa

Jean Carlo Martins

Assessor de Comunicação

11 2175-0099

 
 
Abinee - Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica

Escritório Central: Avenida Paulista, 1313 - 7º andar - 01311-923 - São Paulo - SP
Fone: 11 2175-0000 - Fax: 11 2175-0090