Balança Comercial por Blocos Econômicos - Janeiro a Julho/2019

Julho de 2019

Exportações

No mês de julho de 2019, as exportações de produtos elétricos e eletrônicos somaram US$ 512,5 milhões, 26,7% acima das registradas em julho de 2018 (US$ 404,4 milhões).

Ressalta-se que essa taxa de crescimento expressiva contou com uma fraca base de comparação. No mês de julho do ano passado as exportações somaram US$ 404,4 milhões, segundo pior resultado de 2018, maior apenas do apontado no mês de maio (US$ 382,0 milhões), que havia sido influenciado pela greve dos caminhoneiros ocorrida naquele período.

Evolução das Exportações - US$

Com exceção de Utilidades Domésticas e de bens de Informática, cresceram as vendas externas de itens das demais áreas, atingindo incrementos significativos, tais como: Telecomunicações (+102,5%) e Automação Industrial (+76,1%).

Exportações do Setor Eletroeletrônico - US$

No primeiro caso destacaram-se as exportações de centrais automáticas de comutação privada, que passaram de US$ 167 mil em julho de 2018, para US$ 7,8 milhões em julho de 2019. Nota-se que quase a totalidade dessas vendas foi para os Estados Unidos.

Ainda referente à área de Telecomunicações, foram observadas elevadas taxas de crescimentos nas exportações de outros itens, tais como: aparelhos de radiodifusão (+437%), equipamentos de radiocomunicação (+210%), entre outros.

As exportações de bens de Automação Industrial contaram com as vendas de aparelhos especialmente concebidos para telecomunicações, que alcançaram US$ 10,6 milhões, sendo que praticamente todo esse montante foi vendido para os Estados Unidos. Observa-se que esses itens não foram exportados em julho do ano passado.

Também foram significativos os incrementos das exportações de Componentes Elétricos e Eletrônicos (+29,3%) e de itens de GTD – Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica – (+28,3%).

As exportações de Componentes somaram US$ 232,2 milhões, destacando-se, principalmente, as vendas externas de componentes para equipamentos industriais, que registraram US$ 80 milhões, 94% acima do resultado apontado em julho do ano passado (US$ 41 milhões).

Em GTD, foram observadas fortes elevações nas exportações de transformadores (+560%), torres (+378%) e medidores de eletricidade (+878%). Nesse último caso, apesar da alta taxa de crescimento, o montante exportado no mês de julho de 2019 foi de US$ 850 mil, resultado menos significativo do que as exportações de transformadores e de torres, que atingiram US$ 19 milhões e US$ 6 milhões, respectivamente.

Cresceram também as vendas externas de Material Elétrico de Instalação (+10,3%) e de Equipamentos Industriais (+7,2%), que contaram com as elevações nas exportações de disjuntores (+12%) e de motores e geradores (+10%), respectivamente.

Por outro lado, caíram as vendas externas de Utilidades Domésticas (-10,9%) e de bens de Informática (-2,8%).

A retração de 93% nas exportações de máquinas de lavar roupa influenciou na queda da área de Utilidades Domésticas. Ressalta-se que as vendas externas desses itens recuaram de US$ 7 milhões em julho de 2018, para US$ 506 mil em julho de 2019. Porém, vale ressaltar que as exportações ocorridas em julho do ano passado foram pontuais, realizadas praticamente para apenas um destino, o Paraguai (US$ 6,6 milhões). O montante exportado em julho de 2018 foi muito superior à média dos demais meses daquele ano, que estava em US$ 782 mil.

No caso de bens de Informática, verificou-se redução de 86% nas vendas externas de caixas registradoras.

Em relação ao mês imediatamente anterior, as exportações de produtos do setor cresceram 6,2%.


Importações

As importações de produtos do setor somaram US$ 2,75 bilhões no mês de julho de 2019, 3,3% superiores às ocorridas em julho de 2018 (US$ 2,66 bilhões).

Evolução das Importações - US$

As maiores taxas de incremento foram das áreas de Automação Industrial (+17,8%), Informática (+14,5%) e GTD (+12,0%).

Em Automação, observou-se aumento nas importações de aparelhos de soldar metais, que passaram de US$ 818 mil em julho de 2018, para US$ 19 milhões em julho de 2019. Deste total, US$ 17,6 milhões vieram da Coréia do Sul.

A elevação das importações de bens de informática contou com o acréscimo de 31% nas compras externas de máquinas de processamento de dados, que somaram US$ 60 milhões.

E no caso de GTD, destacou-se o crescimento de 294% nas importações de módulos fotovoltaicos, que aumentaram de US$ 22 milhões para US$ 86 milhões. Ressalta-se que praticamente a totalidade dessas importações veio da China.

Também cresceram as importações de Equipamentos Industriais (+6,8%) e Utilidades Domésticas (+3,4%). Esses resultados contaram com os incrementos nas compras externas de conversores estáticos para acionamento de motores (+53%) e de panelas eletrotérmicas (+70%), respectivamente.

As importações de Componentes Elétricos e Eletrônicos (+0,2%) e de bens de Telecomunicações (-0,1%) ficaram praticamente estáveis.

E as compras externas de Material Elétrico de Instalação caíram 16,7%, influenciadas pela queda de 28% nas importações de lâmpadas.

Ao comparar com o mês imediatamente anterior, as importações de bens do setor cresceram 10,4%.

Importações - US$


Janeiro a Julho de 2019

Exportações

No acumulado de janeiro-julho de 2019, as exportações de produtos elétricos e eletrônicos somaram US$ 3,25 bilhões, 1,7% acima das ocorridas no mesmo período do ano passado (US$ 3,20 bilhões).

Telecomunicações foi a área que apontou a maior taxa de incremento, atingindo 48,5%. Esse resultado contou com a forte elevação das exportações de comutação privada, que passou de US$ 2 milhões para US$ 32 milhões no período citado.

Produdtos mais Exportados / Exportações - US$

Também foi significativa a elevação de 25,4% nas vendas externas de bens de Automação Industrial, com destaque para o aumento de 43% nas exportações de aparelhos eletromédicos.

Cresceram também as exportações de Material Elétrico de Instalação (+15,0%) e de Equipamentos Industriais (+7,1%), que contaram com aumento em disjuntores (+32%) e em conversores estáticos para acionamento de motores (+13%), respectivamente.

As vendas externas de Componentes Elétricos e Eletrônicos atingiram US$ 1,5 bilhão, 45% do total exportado de produtos do setor. Esse resultado ficou muito próximo (+0,2%) ao registrado no igual período de 2018.

Ainda referente aos Componentes, destacaram-se os principais produtos exportados do setor, que apontaram comportamentos inversos: de um lado o incremento de 48% nas vendas externas de componentes para equipamentos industriais; e de outro a redução de 24% de eletrônica embarcada.

Os itens de GTD (-26,1%) foram os que apresentaram a maior taxa de retração, influenciados pela redução de 68% nas vendas externas de grupos eletrogêneos, que passaram de US$ 136 milhões para US$ 44 milhões no período citado.

As vendas externas de bens de Informática (-10,9%) e de Utilidades Domésticas (-8,7%) também recuaram, destacando as quedas nas exportações de caixas registradoras (-58%) e de ferramentas elétricas manuais (-35%), respectivamente.


Importações

As importações de produtos elétricos e eletrônicos somaram US$ 18,5 bilhões no acumulado dos primeiros sete meses do ano, resultado 1,2% inferior ao atingido no igual período de 2018 (US$ 18,8 bilhões).

As importações de Componentes Elétricos e Eletrônicos representaram 57% do total importado do setor. No período acumulado de janeiro-julho deste ano, recuaram 5,1% em relação ao mesmo período de 2018, apontando US$ 10,6 bilhões.

Essa queda foi influenciada, principalmente, pelas reduções nas compras externas de semicondutores (-6%), de componentes para informática (-8%) e de eletrônica embarcada (-22%).

Os produtos mais importados do setor foram os componentes para telecomunicações, que somaram US$ 2,89 bilhões, permanecendo estável em relação ao igual período de 2018.

As maiores taxas de retração foram de Utilidades Domésticas (-10,6%) e de Material Elétrico de Instalação (-9,2%), que sofreram influencia das quedas nas importações de auto rádios (-57%) e lâmpadas (-20%), respectivamente.

Além dessas áreas, recuaram as importações de itens de Automação Industrial (-6,2%) e de bens de Informática (-3,1%).

Por outro lado, as importações de itens de GTD aumentaram 47,6%, atingindo US$ 1 bilhão no acumulado de janeiro-julho de 2019.

O principal destaque foi a elevação de 567% nas importações de grupos eletrogêneos, que passaram de US$ 50 milhões para US$ 335 milhões.

Nota-se que, com a redução de 68% nas exportações desses produtos concomitantemente à ampliação de 567% nas suas importações, o superávit comercial de grupos eletrogêneos que estava em US$ 86 milhões em janeiro-julho do ano passado, transformou-se em déficit de US$ 290 milhões em igual período deste ano.

Ainda referente à área de GTD, destacaram-se as importações de módulos fotovoltaicos (+13%), que somaram US$ 396 milhões, 10º produto mais importado do setor.

Também foram observados incrementos nas importações de Equipamentos Industriais (+14,2%) e de bens de Telecomunicações (+4,0%).

Importações do Setor Eletroeletrônico - US$


Saldo Comercial

No acumulado dos primeiros sete meses do ano, o déficit da balança comercial dos produtos elétricos e eletrônicos somou US$ 15,28 bilhões, 2% abaixo do apontado no mesmo período do ano passado (US$ 15,56 bilhões).

Esse resultado foi consequência do incremento de 1,7% nas exportações e da queda de 1,2% nas importações.

Balança Comercial do Setor Eletroeletrônico - US$


Os dados detalhados da Balança Comercial de Produtos do Setor Elétrico e Eletrônico para associadas encontram-se no site da Abinee em Acesso Reservado e as séries históricas estão disponíveis em Economia e Estatísticas - Base de Dados Econômicos.

 
 
 
 

Informações Adicionais

Luiz Cezar Elias Rochel

Gerente de Economia

11 2175-0030

Informações Imprensa

Jean Carlo Martins

Assessor de Comunicação

11 2175-0099

 
 
Abinee - Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica

Escritório Central: Avenida Paulista, 1313 - 7º andar - 01311-923 - São Paulo - SP
Fone: 11 2175-0000 - Fax: 11 2175-0090